Você está na página 1de 121

orgs. fernando josé de almeida maria elizabeth b.

de almeida maria da graça moreira da silva


De Wuhan a Perdizes:
Trajetos Educativos
De Wuhan a Perdizes:
Trajetos Educativos
orgs.
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO fernando josé de almeida
Reitora: Maria Amalia Pie Abib Andery
maria elizabeth b. de almeida
maria da graça moreira da silva

EDITORA DA PUC-SP
Direção: José Luiz Goldfarb

CONSELHO EDITORIAL
Maria Amalia Pie Abib Andery (Presidente)
Ana Mercês Bahia Bock
Claudia Maria Costin
José Luiz Goldfarb
José Rodolpho Perazzolo
Marcelo Perine
Maria Carmelita Yazbek
Maria Lucia Santaella Braga
Matthias Grenzer
Oswaldo Henrique Duek Marques São Paulo 2020
De Wuhan a Perdizes. Trajetos educativos [recurso eletrônico] / Fernando
José de Almeida, Maria Elizabeth B. de Almeida, Maria da Graça Moreira da
Silva (orgs). - São Paulo : EDUC, 2020.
recurso online : e-book
Bibliografia.
ISBN 978-65-87387-15-4

1. Ensino a distância. 2.COVID 19 - Influência na educação. 3. Currículo


- Mudança. 4. Professores -Formação - Influências. 5. Pandemia de COVID
19. I. Almeida, Fernando José de. II. Almeida, Maria Elizabeth Bianconcini de.
4. Silva, Maria da Graça Moreira da
CDD 371.35
370.71
375.006
616.92
Bibliotecária: Carmen Prates Valls - CRB 8a. - 556

EDUC – EDITORA DA PUC-SP


DIREÇÃO
José Luiz Goldfarb
PRODUÇÃO EDITORIAL
Sonia Montone
PRODUÇÃO GRÁFICA
Waldir Alves Rua Monte Alegre, 984 – Sala S16
Gabriel Moraes CEP 05014-901 – São Paulo – SP
ADMINISTRAÇÃO E VENDAS Tel./Fax: (11) 3670-8085 e 3670-8558
Ronaldo Decicino E-mail: educ@pucsp.br – Site: www.pucsp.br/educ
índice
abertura: por um currículo errante_______________________________________________10 2020, pandemia e a pesquisa no brasil: o papel das universidades dentro do projeto de país_126
alípio casali francielle nogueira gatti e gabriel militello couto

educação a distância: monitores e professor, equipe responsável pela disciplina________ 14 o velho e o novo na educação em tempos de pandemia_____________________________138
cíntia acioli da silva ramos, luciana gavazzi barragan e marcos tarciso masetto liliane noga e maria da graça moreira da silva

coronavírus: a entropia do século XXI_____________________________________________22 o inesperado: de escola a centro de acolhimento –


ana valéria barbosa da silva pandemia e suas urgências para além do ideal____________________________________ 152
cíntia acioli da silva ramos, juliana gonçalves albuquerque e lucila lerro rupp
novos contextos e caminhos para o currículo escolar na educação com covid-19_______ 34
george ricardo stein a crise educacional gerada pelo covid 19 e as tecnologias:
ontem, hoje e caminhos para o futuro____________________________________________164
diversidade no currículo ou currículo na diversidade: qual o lugar?___________________ 46 maria elizabeth bianconcini de almeida
marina graziela feldmann, marisa garbellini sensato e leandro wendel martins
a desterritorialização e a reterritorialização da educação: corpos e espaços onde habitam _180
os caminhos da monitoria nas práticas educativas remotas__________________________54 maria da graça moreira da silva
fabiana aparecida de oliveira, leandro wendel martins, marisa garbellini sensato e vivian vaz batista alves
desigualdade social e justiça curricular na educação básica em tempos de pandemia__ 190
formação de educadores em tempos pandêmicos: dilemas e perspectivas_____________ 64 branca jurema ponce, thais almeida costa, ana paula fliegner dos santos e alice rosa de sena ferrari
neide de aquino noffs e claudia xavier da costa souza
trajetos educativos e trocas intergeracionais: experiências e saberes._______________ 204
percursos da educação formal e não formal em tempos de pandemia ________________ 78 nadia dumara ruiz silveira, cíntia acioli da silva ramos
beatriz dos santos souza, claudia xavier da costa souza, marcela gomes pupatto e patricia pereira campos
tempos incertos______________________________________________________________216
a sonoridade de uma rede chamada educação em tempos de covid-19________________ 94 antonio chizzotti
francielle nogueira gatti, priscila costa santos e vivian vaz batista alves
reconhecimentos____________________________________________________________ 224
ameaça da pandemia ao currículo: decifra-me ou devoro-te!_______________________ 108
fernando josé de almeida autores_____________________________________________________________________ 226
Fechadas as portas das casas - e nós dentro -, da defeito e sim virtude. Em cuja imprevisibilidade pedagógicos, ou, ao revés, a Educação é a referência
tratamos logo de abrir janelas e escapar. Trancados se encontre a sua melhor potência. principal, e a ela essas tecnologias devem servir. E
os caminhos (cursos e percursos) de circulação A incerteza representa, em modo hiperbólico, a servir não como meras ferramentas, e sim como
e convivência do cotidiano docente e estudantil, própria condição humana. E se a educação é uma elementos orgânicos da cultura escolar. Ou seja: no
reinventamos recursos de relacionamento. O que prática vital - muito além dos seus valores instru- circuito educacional, as tecnologias devem funcio-
parecia condenar-nos à imobilidade, libertou-nos mentais e funcionais - ela não poderia ser diferente. nar como educadorias, antes que como mercado-
para novas aventuras da comunicação e do conhe- O Currículo é um (in)certo percurso de formação. rias, se vale o neologismo e o jogo de conceitos.
cimento. Refizemos inteiramente o Currículo, em Não por acaso, as principais palavras que se refe- O enfrentamento desta questão não é direto: exige
um outro modo, remoto. rem à ação educativa são palavras de movimento: mediação das políticas públicas. Trata-se de pautar
Em parte, foi instintivo. Temos outros repertórios educação (e-ducere [lat.]: conduzir); pedagogia aí uma disputa política, de modo a se elucidar,

por um
para dar respostas inteligentes às incertezas do (agogéin [gr.]: “conduzir ao longo de um certo afinal, quem são os protagonistas dos processos
que suspeita a vã filosofia racionalista positivista percurso”); currículo (currere [lat]: percorrer). curriculares mediados por tecnologias.
10 ocidental (obcecada por disciplinas e controles) Até aqui, falamos do que se passa entre nós, na Nossa coletânea, elaborada em emergência análoga 11
que todavia atravessa os modelos de pensamento universidade: que pudemos seguir o fluxo das à da crise que nos revirou, traz contribuições a

currículo
científico e pedagógico. Foram cerca de 600.000 incertezas; que retomamos o curso da docência e todas essas questões de fundo. Ela é fruto da mobi-
anos de andarilhagem nômade do Homo Sapiens. da pesquisa em outros ambientes, mediante novos lização de mestrandos, doutorandos e docentes-
Apenas 10 a 12.000 anos de casa, quatro pare- modos de comunicação e de estudo; que demons- -pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em
des, estabilidade. A errância e a incerteza estão tramos flexibilidades, adaptações. Mas isso nem era Educação: Currículo. São textos que se distribuem,

errante
muito mais entranhadas em nosso DNA cultural tão difícil para quem já dispunha de bons recursos aproximadamente, em quatro vertentes:
do que as previsibilidades iluministas e positivis- materiais e repertório cultural. Cruel tem sido o • descrição analítica das novas práticas emer-
tas nos fizeram crer. A errância e a incerteza não atravessamento dessa crise no outro polo, no chão gentes que puseram em funcionamento os
deveriam nos assustar, pois. Por que nos intimidar da escola pública: ali, via de regra, as penúrias e dispositivos tecnológicos necessários à boa
com elas? As respostas de muitos educadores e desigualdades centenariamente invisibilizadas se continuidade do Currículo;
pesquisadores à crise de isolamento social (que escancararam e se agravaram. Por isso, é impera- • análise dos alcances e limites no uso das TIC
deveria ser nomeado de isolamento físico e não da tivo reconhecer: nossas boas soluções se deveram nesse contexto;
sociabilidade a nós inerente) revelam, entretanto, decisivamente a nossos bons acessos a boas • avanços conceituais e prático-pedagógicos em
que estamos vivos, abertos a mudanças, e que tecnologias da comunicação - TIC. novas frentes sociais, políticas e culturais do
guardamos boas memórias da errância nômade de Não me dispenso da pergunta sobre tais tecno- Currículo;
alípio casali nossos ancestrais. A travessia da crise, ainda em logias: a quê servem, a quem servem? A crise é • proposição de novos conceitos e práticas de
curso, indica que precisamos reconfigurar nosso oportunidade de se revelarem verdades sobre essas desenhos curriculares, antevendo-se pro-
arcabouço mental habitual e pensar mais sistema- tecnologias e de se registrar um alerta: ou elas são blemas sociais mundiais, que tenderão a se
ticamente na positividade das incertezas no Cur- propriamente mercadorias, dispositivos do Merca- agravar no pós-pandemia.
rículo. Precisamos retomar o Currículo como um do, que enquanto tais tenderão a impor sua lógica Que esta coletânea contribua para mobilizar novas
percurso aberto, cuja errância não seja considera- de funcionamento na condução dos processos e potentes imprevisibilidades curriculares.
[...] é um exercício de inteligência, enquanto ainda o fazemos. Eu diria,
uma forma de saber, embora possa em caso como este, que refletimos-

educação a distância:
ser diferente em aspectos cruciais -na-ação.
de nosso modelo-padrão de co-
nhecimento profissional. Ele não é Estas considerações nos ajudaram a viver os

monitores e professor, inerentemente misterioso, é rigoroso


em seus próprios termos, e podemos
dilemas da profissão docente em tempos de
pandemia, em educação não presencial, no

equipe responsável
aprender muito sobre ele – dentro de cenário pantanoso em que ancoramos em 2020,
que limites devemos tratá-lo como movimentando nossas competências, exercitando

pela disciplina
uma questão aberta -através do estu- nossa inteligência e permitindo a reflexão sobre a

n
do cuidadoso das performances mais prática. Neste caminhar, descrevemos a vivência
competentes (SCHÖN, 2000, p. 22). de uma equipe formada por um professor e duas
14 monitoras corresponsáveis pelo encaminhamento 15
1. DESAFIOS DA MUDANÇA Entre as performances mais competentes à distância de duas disciplinas que compõem
destacamos a ousadia, nas ações inteligentes o Programa de Pós-Graduação em Educação:
este tempo singular de distanciamento social, professoras e professores em postar-se à frente em busca de soluções para Currículo da PUC-SP.
são postos em desafios não antes imaginados. Com o inesperado “seques- questões não antes pensadas, que impulsionam Em março, quando o programa das duas discipli-
tro” de nosso cotidiano, o encontro entre professor e alunos em salas de ao exercício da investigação, análise e intervenção nas seriam realizados presencialmente, previa-se
aula da universidade e o horário de aula presencial medidos pelo tempo (GAETA; MASETTO, 2013). Interessante, nesse um encontro com os alunos para construção do
cronos hoje não mais nos pertencem. Podemos dizer que este é o tem- aspecto que, diante do inesperado, com forças planejamento dos estudos do primeiro semestre.
po de (re)significar a práxis e de emergir o Talento Artístico de cada um contrárias à nossa “zona de conforto”, somos Na terceira semana do mês, no entanto, fomos
(SCHÖN, 2000). despertados a conhecer na ação mudanças surpreendidos com o agravamento da pandemia
Encontramos em Schön (2000) a metáfora de “zonas de práticas pantano- comportamentais, atitudinais e cognitivas. Essas e a determinação do isolamento social imediato.
sas e indeterminadas”, uma parte irregular da prática profissional, local em mudanças não acontecem ao acaso, mas na refle- Vimo-nos obrigados a rapidamente adaptarmos
que o conhecimento e a racionalidade técnica não bastam para a solução xão sobre a ação, um olhar para o que estamos nosso planejamento a essa nova situação, agora
dos problemas, pois é necessário colocar em ação competências e habilida- fazendo e, se necessário, dar-lhe nova forma. para um curso totalmente a distância.
des em terrenos desconhecidos. Trata-se do talento artístico que: Assim nos diz Schön (2000, p.32): Alguns desafios precisam de resolução imediata:
• Disponibilização de recursos tecnológicos ne-
cíntia acioli da silva ramos Em um presente-na-ação, um período cessários - Professores e alunos se adaptando
luciana gavazzi barragan de tempo variável com o contexto para um novo modo de aprender a distância,
marcos tarciso masetto durante o qual ainda se pode interfe- utilizando recursos (digitais e físicos) e conhe-
rir na situação em desenvolvimento, cimentos sobre as tecnologias digitais.
nosso pensar serve para dar nova • Treinamentos para a utilização das platafor-
forma ao que estamos fazendo, mas Moodle e Teams - Disponibilizadas pela
Estas considerações nos ajudaram preparação, com um plano de aprendizagem a ser Nesse ponto, retomamos a importância da refle- • Monitoras, que já haviam participado de outros
realizado totalmente a distância; B) era a primeira xão-na-ação (SCHÖN, 2000), para identificar as cursos nas modalidades presenciais e a distância:
a viver os dilemas da profissão vez que nos defrontávamos com essa situação; aprendizagens ocorridas nas práticas a distância a) com uma postura específica, colaborando no
docente em tempos de pandemia, em C) não nos dispúnhamos a realizar um “curso de
ensino a distância”, simplesmente transpondo o
e, se necessário, interferências nas estratégias
no curso, compreender os sucessos e os ajustes
replanejamento das atividades, na comunica-
ção e explicitação dessas atividades e de seu
educação não presencial, no cenário presencial para ser realizado em nossas casas. necessários às aulas online e, como resultado, cronograma aos participantes dos grupos. No

pantanoso em que ancoramos em 2020, Diante da situação acima apresentada, nosso


objetivo, neste texto, firma-se justamente em
reorganizamos os tempos de aula e as estratégias,
pois compreendemos, ao longo dos encontros,
diálogo com os alunos durante as atividades
preparatórias para as aulas online, na coorde-
movimentando nossas competências, destacarmos como nós conseguimos formar que as três horas de atividades ao vivo exigem nação das webinars, bons ajustes e adaptações
uma parceria profissional, responsável por duas um nível de concentração físico e mental diferen- de tempos e recursos para os estudos individu-
exercitando nossa inteligência e disciplinas a distância. ciados e, por consequência, em determinados ais ou em duplas;

16
permitindo a reflexão sobre a prática. 2. PÓS-GRADUAÇÃO EM ESPAÇOS DE AULA
momentos, perdíamos a concentração.
Destacamos a fundamental participação de todos
b) colocando-se, na perspectiva discente, ao
lado dos alunos para ouvi-los: perceber e 17
A DISTÂNCIA os alunos, pois, para além dos nossos encontros ajudar nas dificuldades, compreender as neces-
Universidade, permitiram o replanejamento das por webinar, conversamos e compartilhamos sidades, incentivar na realização pontual das
disciplinas para a continuidade dos cursos. O primeiro passo foi construir uma equipe saberes por whatsapp. Por esse último recurso atividades, trazer os problemas dos alunos e
• Convites feitos a alunos para uma atividade responsável pelos dois cursos, com os seguintes foram discutidas estratégias para atividades em dos grupos ao professor (sugestões de encami-
de monitoria, visando apoiar os professores objetivos: 1º) transformar o plano de um curso grupos, que em ambientes digitais necessitam de nhamentos) e colaborar na avaliação do curso;
em suas atividades a distância - Prontamente presencial para um curso de educação a distância outro olhar, uma nova ação. c) ajudar o professor a identificar e compreen-
respondidos, iniciaram as interações entre (EaD), assumindo os objetivos estabelecidos A concepção e a prática imediata da “equipe res- der os problemas e as dificuldades dos alunos;
professores e monitores. conjuntamente com os estudantes, nas primeiras ponsável” pelos dois cursos se mostraram como a d) favorecer a interação aluno- professor,
Da parceria entre professor e monitoras, desenvol- aulas, acrescidos agora de outros, dada a nova si- grande diretriz do que veio a seguir: professor- aluno;
vemos interações, divisão de responsabilidades, tuação; 2º) desenvolver uma interação de adultos • Definição dos papéis da equipe: papéis diferen- e) organizar os registros e documentos nas
trabalho em grupo, planejamento e muita dispo- entre os personagens dos cursos (professor, mo- tes e complementares de professor e monitores. plataformas;
sição para que tudo desse certo. Enfrentamos o nitores e alunos); 3º) estudar, conhecer, analisar e • Professor responsável pelo curso e seu de- f) disponibilidade total para contatos e ativida-
novo desafio de pensar nas metodologias que po- utilizar as plataformas Moodle e Teams - além de senvolvimento, mas aberto para compartilhar des entre os três membros da equipe.
deriam ser utilizadas, como seriam as avaliações outras metodologias participativas a distância que sua responsabilidade com os monitores: no A descrição pormenorizada dessas atitudes teve
e, sobretudo, como poderíamos trabalhar juntos, permitissem alcançar os objetivos pretendidos; planejamento e adaptações do curso em todo por objetivo conceituar e qualificar o aspecto pe-
alunos, professores e monitores, para que os obje- 4º) planejar e desenvolver com os participantes seu percurso, na discussão do uso dos recursos dagógico e de parceria na docência, desenvolvido
tivos de aprendizagem pudessem ser alcançados do curso um processo de avaliação que incluísse à distância, no ouvir o aluno e analisar suas por um monitor que, muitas vezes é compreendi-
com os usos das plataformas virtuais. o desempenho dos alunos, através de feedbacks dificuldades, inclusive, com a novidade de ser do apenas como “um secretário” do professor. E,
contínuos; o desempenho do professor e monito- um curso à distância, na dosagem de material olhando pelo retrovisor, vemos com surpresa que,
De imediato, tínhamos três provocações: A) res e a adequação do programa que estava sendo e do tempo para a realização das atividades a partir de uma situação de necessidade, do im-
a rápida organização do curso, sem nenhuma implementado. individuais e em grupos. proviso de um trabalho pedagógico na realização
de dois cursos totalmente a distância, sem apoio isolamento do professor em sua atividade do- experienciar a profissionalidade docente, pois há
a educação não serão como antes, a nova norma-
do aspecto presencial, conseguimos conduzir a cente. Em segundo lugar, compreendemos juntos necessidade de que o professor, com seus saberes,
lidade está a ser construída”. Diante o momento
bom termo os dois cursos com relação aos seus o domínio e a prática dos recursos tecnológicos competências e atitudes, possa vivenciá-los em
histórico que estamos, podemos sim voltar a uma
objetivos, conforme depoimentos dos próprios necessários, com a preocupação de se desenvolver sua prática de trabalho, no exercício de sua profis-
ideia de “normalidade antes da pandemia”, se
alunos e nossos, nas avaliações parciais realiza- uma educação totalmente a distância. E por resul- são. Firma-se o compromisso com a profissão na
não nos inquietarmos em busca por respostas
das após dois meses percorridos dos cursos. tado, em terceiro lugar, trabalhamos com objetivos ação, em seus processos e movimentos, no saber
diferentes para os desafios postos.
É importante destacar que a participação dos educacionais, metodologias adequadas e processo tácito e atitudes inteligentes (SCHÖN, 2000). E
Justo assim está o comprometimento e o sentido
alunos como protagonistas foi essencial para que de avaliação integrados ao movimento de aprendi- assim nos contempla Imbernón (2011, p. 30): da profissionalidade docente pois “Pressupõe-se,
o programa se desenvolvesse e a aprendizagem, zagem, com um relacionamento entre adultos, na portanto, que o perfil do professor do ensino
de fato, ocorresse. Dessa forma, torna-se funda- interação entre professor, monitores e alunos. A profissão docente comporta um superior deva ser o de um profissional com ca-
mental que todos entendam suas corresponsabili- Justo nesse cenário de educação de adultos que conhecimento pedagógico específico, pacidade de docência, investigação e gestão, em
dades nesse processo. se torna importante a compreensão de que o um compromisso ético e moral e a condições de analisar, compreender e interpretar
18 Em nossos papéis, nesses momentos de práticas, aluno é uma pessoa que possui conhecimentos e necessidade de dividir a responsa- o contexto no qual desenvolve sua atividade, de 19
entendemos que há necessidade de integrar e posicionamentos prévios, movidos por sua histó- bilidade com outros agentes sociais, modo a poder partilhar com seus alunos a possibi-
ampliar os ambientes e formas de comunicação ria de vida pessoal e profissional. Por esse olhar, já que exerce influência sobre outros lidade de intervenção nessa realidade.” (GAETA;
entre professor, monitores e o grupo de alunos, em buscando uma relação de parceria, inter-ação e seres humanos e, portanto, não MASETTO, 2013, p. 106).
um conjunto de recursos que possibilitem o recebi- corresponsabilidade para encaminhamento do pode nem deve ser uma profissão A parceria e orientação fundamental do professor
mento dos materiais de estudo e diálogo contínuo. programa de curso (plano de ensino) com eficácia meramente técnica de “especialistas no planejamento, na organização e realização dos
Entre técnicas e processos, todos estavam cientes e eficiência. “Importante é construir um percurso infalíveis” que transmitem unicamen- encontros, permitiram questionamentos e a busca
das temáticas e os caminhos para boas práticas integrado e colaborativo, coerente, de formação.” te conhecimento acadêmico. por soluções viáveis à nossa realidade; sempre em
em aulas online. Assim se fez prático a teoria: (NÓVOA, 2017, p. 116).
“Quando as aulas são ministradas a partir de Avaliando pelo lado de nossa formação, como Nóvoa (2017) defende a formação do professor
programas organizados pelos docentes do curso, estudantes, em Pós-Graduação em doutorado em de maneira profissional, já em seus caminhos for- Em nossos papéis, nesses momentos
juntamente com especialistas de outras áreas de
conhecimento, em função da formação específica
Educação: currículo, é inegável que este momento
de atividade em monitoria está proporcionando ex-
mativos na universidade. Aponta a necessidade da
prática reflexiva, do olhar crítico para as atividades
de práticas, entendemos que há
de determinados profissionais, o resultado é periências enriquecedoras que nos fortalecerá em realizadas, avaliando os processos e os aspectos necessidade de integrar e ampliar os
outro.” (MASETTO, 2010, p. 57). competências para a nossa profissão docente, pois
estamos a investigar, analisar e compreender o sta-
das atividades de ensino e de aprendizagem. Insti-
gante, pois, no lugar de monitores, que hoje nos ambientes e formas de comunicação
3. MONITORIA E PROFISSIONALIDADE tus atual e pensar em intervenções possíveis para o encontramos, Nóvoa traduz nossa experiência. entre professor, monitores e o grupo
DOCENTE hoje. Nesse percurso, compreendemos que saímos
docentes profissionais competentes, a partir de um 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS de alunos, em um conjunto de recursos
A partir dessa nossa experiência aprendemos, em
primeiro lugar, a constituir e trabalhar como uma
momento de formação “no chão da escola”.
Nós, juntamente com o professor responsável Existe uma fala que nos rodeia, neste momento
que possibilitem o recebimento dos
equipe responsável por dois cursos, superando o pela disciplina, desenvolvemos uma situação para de distanciamento social e pandemia: “O mundo e materiais de estudo e diálogo contínuo.
decisões firmadas no compromisso mútuo, em REFERÊNCIAS
comunidade de aprendizagem. Movidos por in-
quietações, por respostas para as boas práticas em GAETA, Cecília; MASETTO, Marcos Tarciso. O Pro-
educação a distância, é fato que este momento se fessor iniciante no ensino superior: Aprender,
traduz em experiência ímpar para a nossa vida, pois Atuar e Inovar. São Paulo: Editora Senac, 2013.
compreendemos que essa fase tem nos desafiado
a expor nossos saberes e desbravado outros mais. IMBERNÓN, Francisco. Formação docente: for-
O trabalho em equipe, nas inter-ações entre mo- mar-se para a mudança e a incerteza. trad. Silvana
nitoria e professor está a contribuir para a nossa Cobucci Leite. 9.ed. São Paulo: Cortez, 2011. –
formação docente e profissional, no que condiz à (Coleção questões da nossa época; v. 14).
postura competente para a solução de problemas
reais, de nosso dia a dia. E assim, monitoras, MASETTO, Marcos Tarciso. O professor na hora
20 coordenador de curso e estudantes estão em um da verdade: a prática docente no ensino superior. 21
imenso e interessante caminho de práticas. São Paulo: Avercamp, 2010.

AGRADECIMENTOS NÓVOA, António. Firmar a posição como profes-


sor, afirmar a profissão docente. Cadernos de
A autora Luciana Gavazzi Barragan agradece à Pesquisa, 47.166: pp. 1106-1133. 2017. Dis-
CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de ponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pi-
Pessoal de Nível Superior pelo apoio no desenvol- d=S0100-15742017000401106&script=sci_art-
vimento desta pesquisa. text> Acesso em 07 mar 2020.
A autora Cíntia Acioli da Silva Ramos agradece ao
CNPQ - Conselho Nacional de Desenvolvimento SCHÖN, Donald A. Educando o profissional
Científico e Tecnológico pelo apoio no desenvolvi- reflexivo: um novo design para o ensino e a
mento desta pesquisa. aprendizagem. trad. Roberto Cataldo Costa. Porto
Alegre: Artmed, 2000.

PALAVRAS-CHAVE

Educação a distância; Interação monitoria – do-


cência; Profissionalidade docente.
de modo interdependente. Wuhan parecia muito E o que ocorre depois? Além da perda e da dissi-
distante das Perdizes. Em curto espaço de tempo, pação de energia, ocorre a formação de um novo
as distâncias geográficas se mostraram ínfimas em estado: uma nova ordem com outra estrutura e
nossa sociedade globalizada que ainda não pôde outro nível de complexidade. Um exemplo bem
dimensionar as consequências desse novo caos. simples que ilustra esse processo pode ser extraí-

coronavírus: Nesse contexto, procura-se relacionar o indivíduo


como agente que, ao mesmo tempo que se reco-
do de uma pedra de gelo que derrete e transmuta
do estado sólido para o líquido.

a entropia do
nhece, ao ter que aprender a construir e recons- Prigogine (1996), prêmio Nobel de química,
truir suas relações de vida, também, aprende a em seus estudos sobre estruturas dissipativas,

século XXI
se relacionar com a nova realidade mediado por sistemas auto-organizadores e as suas respectivas

a
novas tecnologias, que, a partir de agora, deixam capacidades de manterem seus processos de vida
de ser acessórias para serem protagonistas de em condições de não equilíbrio, contribuiu para
22 relações de vivência em comunidade. quebrar o paradigma da visão clássica da ciência 23
1. INTRODUÇÃO que defendia que a dissipação de energia era des-
2. O QUE É ENTROPIA? perdício. O cientista trouxe um novo conhecimento
qui se propõe uma reflexão sobre a pandemia iniciada em 2019, dissemi- mostrando que essa mesma dissipação de energia,
nada por todo o mundo em velocidade e intensidade surpreendentes, com Relacionado aos estudos da física, mais espe- na realidade, é uma “desordem” que se torna fonte
base nos estudos sobre processos entrópicos e seus desdobramentos. cificamente da termodinâmica, os processos de uma nova ordem após uma ruptura e de um
Reflete-se sobre essa “desorganização” mundial e quais podem ser as novas entrópicos podem ser ilustrados, de modo muito período de instabilidade. Ainda em apropriação
reorganizações que afetam toda a sociedade em suas vivências e condições simplificado, como “desordens” de um sistema. dos estudos de Prigogine (1996), o autor descreve
políticas, econômicas, sociais e de desenvolvimento. São processos espontâneos, a princípio aleatórios, essa ruptura como consequência de o sistema ter
Esses novos arranjos impelem à humanidade um novo aprender. Os sujeitos, mas nem tanto. chegado a um limite crítico. Com a auto-organiza-
enquanto seres sociais, poderão construir novos papéis no contexto da É possível relacionar, de modo abstrato, que todo ção do sistema, ele se estabiliza e chega a um novo
nossa atual sociedade do conhecimento. Nesse cenário, a educação, como sistema tem sua “energia”, e esses sistemas, ou patamar diferente do anterior com maior complexi-
finalidade do apreender construindo o novo, e as tecnologias, como formas ainda ecossistemas, têm determinada ordem em dade. Todo esse movimento não se mostra linear.
de interação com a nova realidade, assumem protagonismo imanente. seus estados. Ocorre que a estabilidade é provisó- Prigogine (1996) denominou esse processo de
Abordar entropia remete à Teoria do Caos, segundo a qual tudo se relaciona ria, e as energias mudam. “ordem por meio da perturbação”.
A termodinâmica aponta que, quando o sistema Esse processo (ordem-desordem-nova ordem)
ana valéria barbosa da silva está em “ordem”, há uma baixa entropia. Ao é possível de modo análogo aplicar a inúmeras
contrário, quando se elevam os níveis de energia, realidades no mundo humano. Além dos proces-
provocando desordem no sistema, há elevação sos físico-químicos, é possível enxergar proces-
da entropia. Processos físico/químicos, como sos entrópicos nas sociedades, na vida familiar,
fusão, ebulição ou até deformação, exemplificam nas organizações, na política, nos sistemas
processos entrópicos. econômicos; e em tantos outros ecossistemas.
Morin (2020b) acrescenta que meiro estimula a imaginação e a cria-
tividade em busca de soluções novas.
questão: a humanidade do século XXI tão conec-
tada, tão informada e informatizada ainda está
viram esvaziados, e o mais aterrador: milhões de
pessoas em rota direta para a pobreza extrema. É
essa crise é planetária e nos O segundo se concentra no retorno
a uma estabilidade passada, seja a
sujeita a tamanho incidente? Esse caos pode ser
categorizado como incidente ou como falta de vi-
mais do que uma crise sanitária, pois se consolida
como uma crise humanitária.
mostrou que o indivíduo e a adesão a uma salvação providencial,
ou a denúncia ou imolação de um
são de uma sociedade absorta em seus desvarios
consumistas à velocidade da luz? Há muito debate
Certezas diversas foram colocadas à prova, tanto
nos aspectos sociais, econômicos, relacionais
comunidade são indissociáveis. culpado. O culpado pode ter cometi- sobre o papel do homem e suas responsabilidades quanto políticos. Com a educação não é diferente.

“Somos pequenos demais”.


do erros que levaram à crise, ou pode sobre o que está ocorrendo e respectivas conse-
ser um culpado imaginário, bode quências que recaem sobre o próprio homem. 3.1 A PANDEMIA E OS PROCESSOS DE
expiatório que precisa ser eliminado. Morin (2020b) aponta que a pandemia desen- ENSINO E APRENDIZAGEM
As sociedades, como organismos vivos, estão em Manifesta-se, efetivamente, um fervi- cadeou inúmeras crises: sanitária, econômica, de
constante transformação. lhar de ideias em busca de uma nova doutrinas universais, de fundamentos políticos e Em meio a tudo o que chegou com a pandemia,
24 Voltando no tempo em determinados aconteci- via ou de uma sociedade melhor. econômicos e também crises relacionais familiares. chegou também a necessidade de decidir e agir. 25
mentos históricos, são ilustrados esses processos Morin (2020b) acrescenta que essa crise é plane- Especificamente na educação, do dia para a noite,
como verdadeiras revoluções no modo de vida A humanidade vive em um sistema que frequen- tária e nos mostrou que o indivíduo e a comunida- instituições de ensino do ensino infantil aos
humano e em como nos organizamos. As guerras, temente oscila entre equilíbrio e desequilíbrio, de são indissociáveis. “Somos pequenos demais”. cursos de pós-graduação públicos e privados se
o renascimento, as revoluções industriais, as gran- ordem e desordem, estabilidade e instabilidade, E o que acontece agora? Colocando-nos como viram diante do dilema sobre como agir para dar
des descobertas e tantos outros acontecimentos gerando caos diversos. Esses processos possibili- membros de um ecossistema extremamente enre- prosseguimento às formações em andamento.
que obrigaram a sociedade a se reinventar. tam mudanças, crescimento e progresso. Mostra- dado e complexo, e retomando o que os processos Na Figura 1, é demonstrado o fechamento de es-
Harari (2018) exemplifica, em sua narrativa, o quan- -se preponderante que haja “alguma desordem”, entrópicos nos ensinam, ouso afirmar que estamos colas em 192 países como medida de contenção
to de inovação e transformação ocorreu especifica- mesmo sendo perturbadora, para que haja em meio à total desordem. O sistema rompeu. da propagação do coronavírus, afetando 1,6 bilhão
mente nos eventos das guerras mundiais. O autor acelerações nos processos evolutivos, aprendiza- Especificamente no Brasil, lideranças não atenta- de alunos em abril de 2020. Isso significa uma em Figura 1
Impacto do Coronavírus
ainda explica: “[...] em tempos de crise as pessoas gens e para que, assim, desenvolvam-se soluções ram à “nuvem de gafanhotos” ou à “tempestade cada dez escolas (PINTO, 2020). nas escolas mundiais
Fonte: Pinto (2020).
fazem coisas arriscadas” (HARARI, 2018, p. 159). inovadoras em uma nova ordem. de areia” que se avistavam em outras terras.
Com as pandemias não é diferente. Se analisar- Vale trazer aqui a fala de Morin (2020b) que Ação deliberada numa perspectiva neoliberal para
mos qual era a ordem vigente, o desenrolar dos esclarece que crescimento apenas não é sinal de minimizar problemas nacionais ou total falta de
acontecimentos e quais foram as consequências progresso. Compreende-se que é preciso evoluir. competência? Pensar na resposta me angustia.
posteriores à peste bubônica ou à gripe espanho- Os processos entrópicos ilustram boa parte da Muito do que se tinha como certo perdeu a soli-
la, por exemplo, será possível identificar mudan- complexidade que se é ser humano. dez. Companhias aéreas pararam de voar, bolsas
ças de grandes dimensões. Morin (2020a, p. 6) de valores aumentaram suas oscilações, estádios
coloca em suas reflexões: 3. E A COVID-19? de futebol foram transformados em hospitais,
hotéis foram cedidos para hospedar profissionais
A crise em uma sociedade suscita Abordou-se, aqui, que esses processos que geram da saúde, encontros e celebrações somente
dois processos contraditórios. O pri- desordem poderiam ser aleatórios. E aí vem a online, grandes centros que nunca paravam se
A educação, a exemplo de outros segmentos da De um primeiro momento de atordoamento, pas- ensino começaram a construir e produzir enorme co gratuito a quem precisasse.
vida humana, mostra-se extremamente complexa. sou-se à busca por alternativas. Nesse momento, conhecimento, compartilhando suas experiên- Muita pesquisa está sendo realizada, publicações
Como ciência humana, é repleta de possibilidades o termo mais utilizado, nas diversas esferas, foi cias e aprendizados. Educadores que talvez mal acontecendo. Projetos nasceram, como o Brinca-
e ambiguidades. E por que complexa? Segundo reinventar. soubessem utilizar um correio eletrônico ou um das. Tudo isso refletirá na nova organização que
Morin (2007, p. 5) “é complexo o que não pode se A exemplo de organizações nos mais diversos smartphone, quando se deram conta, estavam devemos vivenciar adiante.
resumir numa palavra-chave, o que não pode ser segmentos, as instituições de ensino foram interagindo com seus alunos por meio de alguma De forma alguma isso significa que o caminho
reduzido a uma lei nem a uma ideia simples”. obrigadas a internalizar o home office. Mas e o plataforma digital. está sendo fácil e que a curva de aprendizagem
Morin (2007, p. 13) vai além: “[...] a complexida- “home learning”? Na comunidade da PUC SP – Pontifícia Univer- foi reta e ascendente. Ao contrário. Essa curva, se
de se apresenta com os traços inquietantes do O debate sobre educação a distância e sobre o pa- sidade Católica de São Paulo, da qual faço parte ilustrada, assemelhar-se-ia mais a uma monta-
emaranhado, do inextricável, da desordem, da pel das tecnologias nos processos de aprendizagem com muito orgulho, a vocação humanista e co- nha-russa com inúmeros loopings. Lidar com
ambiguidade, da incerteza [...]”. que se desenrolam há anos foi superado à velocida- munitária fez-se presente mais uma vez. Rapida- as frustrações se mostrou inerente ao processo.
Bauman (2003) esclarece que ser complexo não de da luz. Como bem destacado por Harari (2020, mente se formaram grupos de instrução nos quais Aprendizado e reaprendizado.
26 significa necessariamente a complicação impedi- n. p.), “os riscos de não fazer nada são maiores”. quem sabia mais auxiliava quem estava dando os Outros institutos também estão se ocupando em 27
tiva de ações, mas sim conhecer de modo amplia- Professores familiarizados às estruturas seculares passos iniciais na lida com as plataformas Moodle estudar e compreender a situação. Na Figura 2
do os fatores e fenômenos que compõem esse que moldam a educação tinham, como único cami- (Modular Object Oriented Dynamic Learning (PENÍNSULA, 2020), resume-se pesquisa realiza-
processo. Acrescenta, ainda, que o “pensamento nho possível para prosseguir, o uso das ferramentas Enviroment) e Teams.
complexo” reporta à incerteza, à inconstância, à tecnológicas. Não era uma escolha. Outra entropia. Também foram arregimentados alunos que se dis-
instabilidade e também à contradição; trazendo a Formações sobre metodologias com o uso de tec- ponibilizaram a atuar como monitores no auxílio
“volatilidade”. nologias, que há muito se debatem, tiveram que de professores para a construção dos encontros
Ignorar a complexidade do ambiente educacional, ocorrer em alta velocidade. Educadores, gestores síncronos e assíncronos e demandas afins.
com todas as suas ambivalências, traz consequên- e alunos tiveram que aprender o processo em sua A Universidade também enxergou que precisava
cias desastrosas. plena atuação. Uma das citações mais procla- auxiliar àqueles que não dispunham das ferra-
madas é: “trocar o pneu com o carro andando” e mentas para prosseguir nesse novo cenário e
O debate sobre educação a distância similares. Ninguém estava realmente preparado.
Nesse contexto, novamente os docentes de-
forneceu mais de 200 computadores com pacotes
de dados, para que todos estivessem conectados.
e sobre o papel das tecnologias nos monstraram em larga escala como é possível se Também concedeu, aos estudantes bolsistas por

processos de aprendizagem que se reinventar e aprender.


A exemplo do que começou a ocorrer em escala
três meses, uma bolsa alimentar, com a distribui-
ção mensal de 900 cestas básicas.
desenrolam há anos foi superado à mundial, onde pessoas construíram verdadeiras Lives diversas aconteceram buscando jogar luz
redes de solidariedade para minimizar as drásticas sobre o que a princípio parecia somente caos. O
velocidade da luz. Como bem destacado consequências da pandemia e do necessário isola- diálogo em inúmeras frentes na comunidade se
por Harari (2020, n. p.), “os riscos de mento social, na educação não foi diferente.
Professores, alunos, empresas de tecnologia,
fez presente sempre com uma grande preocu-
pação em como todos estavam. Acrescenta-se Figura 2

não fazer nada são maiores”.


O que dizem os profes-
sores no Brasil
universidades, pequenas e grandes instituições de nesse aspecto a oferta de atendimento psicológi- Fonte: Península (2020)
da que buscou dar voz aos professores brasileiros Soma-se a isso que, mesmo com acesso a internet,
sobre o que estavam vivenciando neste momento. em muitos casos, a conexão é de baixíssima quali- Figura 3
A voz dos professores
Fonte: Península (2020)
Dentro dos desafios a serem superados por meio dade. A desigualdade regional e por classes sociais
da alternativa do ensino remoto, logo saltou aos também se mostra gritante na mesma pesquisa.
olhos de todos que a solução não se mostrou A pandemia, assim, joga ainda mais holofotes
possível em todas as localidades, já que o acesso sobre as questões de desigualdades sociais que
à internet ainda não é uma realidade para a totali- reverberam na educação.
dade da população mundial. Outro tema que também está “gritando” em todo
Segundo a pesquisa Cetic.Br (2018), entre outros esse contexto é o que se relaciona à formação de
dados, o acesso à internet e o uso de equipamen- docentes que claramente passa distante de uma
tos é parcial, conforme os quadros a seguir. preparação adequada para apropriação e aplicação
de tecnologias em aulas mais dinâmicas, presen-
28 ACESSO DOMICILIAR À INTERNET ciais ou remotas, na busca de aprendizados signifi- 29
Em 2018, o acesso à Internet estava cativos. Na Figura 3, essa mensagem é reforçada.
presente em cerca de 46,5 milhões de Outras discussões também permeiam esse contex-
domicílios brasileiros, número que to sobre a diferença entre ensino e educação a dis-
equivale a 67% deles, seis pontos per- tância e ensino e educação remotos. O que vimos
centuais a mais do que em 2017 (61%). é o ensino remoto, ou seja, uma transposição da
O crescimento ocorreu principalmente sala de aula presencial para plataformas digitais.
em segmentos mais vulneráveis, como Kubacki (2020) soma uma importante voz nesse
entre os domicílios com renda familiar debate sobre possíveis saídas: Lipovetsky. Impor- cia de homens e mulheres nesta terra Seja essa educação presencial, remota ou a
de até um salário mínimo e entre os do- tante pensador em nossos tempos atuais, crítico que trará soluções coletivas para a distância, é indiscutível a sua importância para a
micílios das classes DE. ferrenho do consumismo excessivo, hipermoder- sociedade em escala planetária. Pre- formação essencial do ser humano. Seja antes,
nidades e similares, Lipovetsky coloca a educação cisamos munir as pessoas. Isso pode durante ou pós- pandemia. Para isso se faz ainda
USUÁRIOS DE INTERNET como caminho necessário não somente para o passar pela fé, mas é difícil ordenar a mais urgente repensar estruturas educacionais,
A proporção de usuários de Internet contexto da atual pandemia, mas para o futuro fé. A educação, a pesquisa científica, metodologias e principalmente formação docente.
no Brasil, embora estável em relação melhor da humanidade. Tem-se em Kubacki por outro lado, dependem de decisões
a 2017 (67%), continuou seguindo a (2020, n.p.) a fala de Lipovetsky: políticas, e penso que o político deve 4. CONCLUINDO
tendência de crescimento observada investir nesta parte. [...] Sem edu-
nos últimos anos, chegando a 70% em Precisamos investir na educação. A cação, como criar empregos, futuro, Temos uma infinita capacidade auto-organizadora
2018. Isso representa uma estimativa razão não resolve todos os problemas, como fazer retroagir as “fake news”? de nos reinventar e nos adaptar. A despeito do
de 126,9 milhões de indivíduos com mas penso que o melhor investimen- É aumentando o nível da população tempo de existência da humanidade e das inú-
dez anos ou mais conectados à rede. to que podemos fazer é nessa área, que vamos parar com esse aumento. A meras crises já vivenciadas, a pandemia causada
Fonte: Cetic.br (2018). porque é a mobilização da inteligên- educação é um campo gigantesco. pelo Coronavírus se mostrou sem precedentes e
desvelou a interdependência de todo o planeta. [...] uma crise, para além da de- AGRADECIMENTOS INSTITUTO PENÍNSULA. Pesquisa Sentimentos
Ainda não é possível saber quando o cenário sestabilização e da incerteza que e percepções dos professores nos diferentes
atual terá outros contornos. Não há remédios acarreta, se manifesta pela insufici- A autora agradece à CAPES - Coordenação de estágios do Coronavírus. Reflexões e reco-
definitivos ou vacina. As medidas políticas e ência das regulações de um sistema Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior mendações. 2020. Disponível em: https://institu-
econômicas oscilam a cada dia. Fala-se muito em que, para manter sua estabilidade, pelo apoio no desenvolvimento desta pesquisa. topeninsula.org.br/reflexoes-e-recomendacoes/.
“voltar ao normal” ou ainda de se ter um “novo- inibe ou repele os desvios (feedback Acesso em: 26 jun. 2020.
-normal”, mas ninguém tem muita clareza que negativo). Deixando de ser repelidos, REFERÊNCIAS
contornos isso terá. os desvios (feedback positivo) trans- KUBACKI, Marie-Lucile. Entramos na era da inse-
Muitas lições se depreenderão desse momento formam-se em tendências ativas BAUMAN, Zygmunt. A sociedade líquida. Folha gurança ou na era do medo. Entrevista com Gilles
da humanidade. A questão que se levanta é: que, se desenvolvidas, ameaçam de São Paulo, v. 19, p. 4-9, 2003. Lipovetsky. La Vie. Tradução André Langer, 2020.
“A lição está sendo ensinada, mas será que foi cada vez mais desregular e bloquear Disponível em: https://www.sul-sur.com/2020/05/
aprendida?”. o sistema em crise. Nos sistemas BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido des- entramos-na-era-da-inseguranca-ou-na.html.
30 Algumas conclusões emergem como a de que vivos, sobretudo os sociais, o de- mancha no ar. São Paulo: Companhia das Letras, Acesso em: 28 jun. 2020. 31
tudo e todos se conectam de alguma forma. senvolvimento vitorioso dos desvios 2007. MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento
Mesmo grandes distâncias, como a da quase des- convertidos em tendências conduz complexo. Porto Alegre: Sulina, 2007.
conhecida Wuhan, não são capazes de nos isolar às transformações, regressivas ou CETIC, B. R. Centro Regional de Estudos para
seja de algo bom ou ruim. progressivas, ou mesmo a uma o Desenvolvimento da Sociedade da Informa- _______. Webinar Veredas para o futuro:
Morin (2020a, p. 4) utiliza o termo “biodegradá- revolução. ção. TIC Domicílios 2018. Disponível em: O mundo pós Covid-19, 2020a. Disponível em:
veis” ao ilustrar como as teorias científicas são pe- https://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/2/ https://www.youtube.com/watch?v=qlCoQPsIFIc.
recíveis. Podemos dizer o mesmo sobre certezas. A educação, em especial, mostrou-se ainda mais 12225320191028-tic_dom_2018_livro_eletroni- Acesso em: 5 jun. 2020.
Tiram-nos da zona de conforto... se é que existia. como fonte de grande preocupação, inovação e co.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.
O mundo como nós conhecemos eclodiu, rompeu. protagonismo. Tudo ao mesmo tempo em um _______. Un festival d’incertitudes. Tradu-
Toda essa crise em suas diversas facetas, que gigantesco processo entrópico. HARARI, Yuval Noah. 21 lições para o século ção de Edgar Carvalho e Fagner França. França:
era inimaginável, mesmo na maior obra de ficção, O presente ensaio buscou dialogar sobre questões 21. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. Gallimard, 2020b. Disponível em: http://www.ihu.
tornou-se real e “viralizou” em toda a essência do que nos envolvem como a complexidade de ser unisinos.br/78-noticias/599773-um-festival-de-
termo. A famosa frase de Karl Marx (1818-1883): humano, e que, no contexto atual, saltaram para HARARI, Yuval Noah. Yuval Noah Harari: The -incerteza-artigo-de-edgar-morin. Acesso em: 11
“Tudo que é sólido desmancha no ar” (BERMAN, o debate. Longe de esgotar o assunto, mostra-se World After Coronavirus. Financial Times, 2020. jun. 2020.
2007), mostra-se novamente com um grande importante destacar, dentre todas as facetas do Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/78-no-
convite à reflexão. As ordens globais e suas certe- tema, alguns pilares que versam na educação ticias/597469-o-mundo-depois-do-coronavirus-
zas estão, pela propagação de um “ser” vinda do como presencialidade ou não, tecnologias, forma- -artigo-de-yuval-noah-harari Acesso em: 20 jun.
ar, esvaindo-se também nele. ção docente e novas metodologias. 2020.
Porém toda crise também é, ou tem potencial A sensação após meses de declaração de pan-
para ser, oportunidade. Morin (2020a, p. 6), demia é que sobrevivemos. Ou melhor: estamos
esclarece: sobrevivendo.
PINTO, Ana Estela de Sousa. Índices mostram
como mundo virou de cabeça para baixo por
causa do coronavírus. Folha de São Paulo, São
Paulo, 7 jun 2020. Disponível em: https://www1.
folha.uol.com.br/mundo/2020/06/indices-mos-
tram-como-mundo-virou-de-cabeca-para-baixo-
-por-causa-do-coronavirus.shtml .
Acesso em: 20 jun. 2020.

PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas: tempo,


caos e as leis da natureza. Tradução Roberto
Leal Ferreira. São Paulo: Editora da Universidade
32 Estadual Paulista - Unesp, 1996. 33

PALAVRAS-CHAVE

Entropia; Complexidade; Nova ordem.


novos contextos
indicam alterações significativas no cotidiano 2. O DESAFIO DO RETORNO ÀS AULAS
escolar e, portanto, no currículo para o segundo PRESENCIAIS NO BRASIL

e caminhos para
semestre de 2020. Vale frisar que não se está
falando de uma Educação pós-COVID-19, a reaber- Desde o mês de março as aulas presenciais
tura das escolas se dará em um período quando foram suspensas devido à pandemia (estado de

o currículo escolar ainda estaremos convivendo com a pandemia,


assim falamos de um currículo escolar para a
emergência) na Educação Básica e, conforme a re-
alidade de cada Estado, houve diferentes soluções

na educação com
Educação com COVID-19. para as atividades de ensino remoto e haverá dife-
Este texto traz reflexões sobre os novos contex- rentes prazos para o retorno às aulas presenciais.

covid-19
tos, conforme Figueiredo (2016), que a pandemia A interrupção das atividades educacionais regu-

o
nos impôs e seus potenciais impactos no currículo lares presenciais por mais de três meses, mesmo
experienciado (GOODLAD, 1977). Esses impactos considerando que 75,9% dos estudantes tiveram
34 são analisados sob a necessidade e a oportuni- acesso a atividades remotas de algum modo 35
1. INTRODUÇÃO dade de se endereçar três caminhos de trans- (DATAFOLHA, 2020), já indica alguns impactos
formação já demandados antes da pandemia: o importantes (CASTRO, 2020 e REIMERS, 2020):
O advento da pandemia da COVID-19 demandou um isolamento social e estabelecimento de um currículo da cultura digital a) o comprometimento do calendário escolar de
a suspensão das aulas presenciais que impactaram 194 países e cerca de (ALMEIDA, 2019), a prática da essência da inter- 2020, devido à dificuldade de reposição integral
1,6 bilhão de crianças no mundo inteiro, de acordo com o monitoramento disciplinaridade (FAZENDA, 2008) e a pedagogia das aulas suspensas no período de emergência;
global da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura diferenciada (PERRENOUD, 2000). b) perdas de aprendizagem dos estudantes devi-
- UNESCO (dados de 03 de abril de 2020). A própria UNESCO iniciou um Essas reflexões foram construídas em junho de do a longos períodos sem atividades educacionais
trabalho de levantamento e recomendações para a reabertura das esco- 2020, em um tempo de incerteza e otimismo: regulares; c) danos emocionais e sociais para es-
las (UNESCO, 2020). No Brasil não foi diferente. O Conselho Nacional da apesar da criticidade dos impactos que a pande- tudantes e famílias expostos a situações de stress
Educação (CNE), em um esforço de garantir os direitos e os objetivos de mia traz para a saúde, para a aprendizagem de familiar devido à crise econômica, problemas de
aprendizagem previstos em cada etapa educacional, emitiu um parecer sobre crianças e jovens e para a sociedade de um modo saúde, além de potencial violência familiar; e d)
Reorganização do Calendário Escolar, conforme Castro e Deschamps (2020). geral, intenciona-se que seja possível enfrentar aumento do abandono e da evasão escolar.
A análise das experiências internacionais de reabertura já em andamento esses desafios de estruturar um novo currículo de A reabertura das escolas com a consequente
(UNESCO, 2020 e CAMPOS, 2020) aliadas às recomendações do MEC já maneira colaborativa, criativa, efetiva e urgente, reorganização dos calendários deve considerar
para minimizar os impactos negativos na aprendi- não somente a realidade de cada rede de ensino,
george ricardo stein zagem de crianças e jovens e na saúde e bem-es- mas principalmente a realidade de cada escola
tar de todos. e de seus respectivos colaboradores, gestores,
professores, alunos e famílias, olhando para o
bem-estar de todos e a aprendizagem dos alunos.
Essa situação, conforme Castro (2020), apresenta
quatro principais desafios a serem enfrentados:
1. Como garantir padrões básicos de qualidade na volta às aulas presenciais está repleta de de- educação básica, endereçando esses desafios lares brasileiras. Sua existência, no entanto, não
para evitar o crescimento da desigualdade safios adicionais que estão relacionados à saúde citados. Apesar de o plano de retorno endereçar pressupõe que haja currículos iguais nas diversas
educacional no Brasil? da população. A UNESCO, com base na experi- principalmente os desafios referentes a operações redes, mas sim que haja as mesmas aprendiza-
2. Como garantir o atendimento das competências ência de países que já iniciaram a reabertura de seguras e bem-estar e proteção, ele cita três fren-gens essenciais ao longo de cada etapa da vida
e dos objetivos de aprendizagens previstos na escolas, emitiu, em abril de 2020, um documento tes estruturantes: acolhimento socioemocional, escolar dos alunos, conforme MEC (2020).
Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e nos de recomendações para a reabertura das escolas recuperação e aprofundamento da aprendizagem A Covid-19 não mudou esse fato, porém cabe res-
currículos escolares ao longo deste ano letivo? reconhecendo a importância da abertura das e prevenção do abandono e evasão escolar, tendo gatar e dar uma perspectiva ampliada ao conceito
3. Como garantir padrões de qualidade essenciais escolas para a redução dos impactos negativos da como principal foco não deixar nenhum aluno para de currículo. Frequente e erroneamente conside-
a todos os estudantes submetidos a regimes suspensão das aulas ao mesmo tempo que orien- trás e recuperar a aprendizagem de todos, priori- rado como uma “grade” de disciplinas, o currículo
especiais de ensino que compreendam ativida- tando sobre seis dimensões fundamentais para zando as habilidades essenciais – tanto cognitivas é, conforme Goodson (1995) e Sacristán (2000),
des não presenciais mediadas ou não por tecno- a reabertura das escolas: 1) Operações seguras, quanto socioemocionais. uma construção permanente de práticas que pos-
logias digitais de informação e comunicação? 2) Aprendizagem, 3) Inclusão dos mais margi- O intuito desse trecho não é detalhar a totalidade sui um significado marcadamente cultural, social,
36 4. Como mobilizar professores e dirigentes dentro nalizados, 4) Bem-estar e proteção, 5) Políticas das orientações de retorno, outrossim pontuar al- histórico e interativo, caracterizando-se como uma 37
das escolas para o ordenamento de atividades Públicas e 6) Financiamento. Considerando que gumas das especificações, que além de endereçar prática social e pedagógica complexa. Goodlad
pedagógicas remotas? esse texto objetiva refletir a respeito dos impac- os desafios citados, indicam os novos contextos (1977) caracteriza quatro instâncias de currículo.
tos mais diretos no currículo escolar, optou-se por curriculares a serem detalhados na próxima parte. A primeira e mais conhecida é o currículo formal,
Entretanto, vale notar que esses desafios es- focar as dimensões relativas a operações seguras, Conforme citado nos parágrafos anteriores, a aná- que é aquele conjunto de conhecimentos, habili-
tão concentrados em aspectos relacionados à aprendizagem, inclusão dos mais marginalizados lise abordou quatro das seis dimensões propostas dades, atitudes e valores de maneira prescrita, a
aprendizagem, referentes a um currículo prescrito, e bem-estar e proteção para as análises a seguir. pela UNESCO. Vale notar que a dimensão “Inclu- serem praticado na escola. Além desta, existem
com base na BNCC, para a reabertura escolar. A Adicionalmente, portanto, cabe incluir desafios são dos mais marginalizados” foi considerada jun- outras instâncias de currículo: o currículo opera-
reabertura das escolas será mais desafiadora do gerais da escola relacionados a: to com a dimensão “Aprendizagem”, consideran- cional, que é aquele que de fato ocorre na sala de
que isso, pois a realidade escolar a ser enfrentada do-se que a aprendizagem deve ser para todos. O aula; o currículo percebido, que é aquele que o
1. Como garantir operações seguras para a comu- Quadro 1, na próxima página, relaciona os desafios professor diz estar fazendo; e o currículo expe-

(...) foco não deixar nenhum nidade escolar de maneira geral?


2. Como prover bem-estar e proteção para aque-
com as orientações e as respectivas fontes. rienciado, que é aquele percebido como real pelos
estudantes. Portanto o currículo é a experiência
aluno para trás e recuperar les que tiveram/terão o equilíbrio socioemocio-
nal ou psicológico abalado?
2.1. NOVOS CONTEXTOS CURRICULARES percebida pelos estudantes e, assim sendo, a re-
abertura das escolas trará uma realidade escolar,
a aprendizagem de todos, 3. Como resgatar aqueles que largaram a escola
no período de emergência?
A Educação Brasileira, desde 2018, possui um
documento normativo que define o conjunto de
e, portanto, uma experiência e um currículo, bem
diferentes daqueles anteriores a março de 2020.
priorizando as habilidades aprendizagens essenciais que todos os alunos de- Uma das maneiras de caracterizar essa diferença

essenciais – tanto cognitivas


Esses desafios fazem parte da realidade de redes vem desenvolver ao longo das etapas e modalida- é através do contexto de aprendizagem escolar.
de ensino no Brasil inteiro, e o Estado de São des da Educação Básica: a Base Nacional Comum Figueiredo (2016) traz que a Educação anterior

quanto socioemocionais.
Paulo foi um dos estados brasileiros que já divul- Curricular (BNCC). A BNCC foi definida para ao século XVII era contextualizada na realidade
gou orientações para a reabertura das escolas de nortear a formulação de currículos das redes esco- social dos aprendizes e dos mestres, aprendia-se
na prática e pela prática. Gradativamente, com mento, a Educação foi se distanciando da prática e (...) um conjunto coerente de fatos, de aprendizagem do aluno e, portanto, no currícu-
o intuito de se ter uma escala maior e buscar foi se “descontextualizando”. O autor caracteriza o circunstâncias e pessoas que acom- lo experienciado. O Quadro 2, a seguir, apresenta
eficiência no processo de transmissão de conheci- contexto de aprendizagem como: panham e concretizam uma situação algumas potenciais mudanças na experiência dos
de aprendizagem – o que aconte- alunos previstas na reabertura das escolas. Vale
ce, para e por que acontece, onde destacar que tais mudanças, propostas abaixo,
QUADRO 1 – DESAFIOS, ORIENTAÇÕES PARA RETORNO E FONTES
acontece, como acontece, quando são oriundas não somente da análise das refe-
DESAFIOS REFERENTES A: ORIENTAÇÕES FONTES acontece e a quem acontece: “O que rências bibliográficas citadas, mas também de
acontece” representa as atividades interações com profissionais de escolas públicas e
a) Aprendizagem + Inclusão dos 1. Desenvolver calendários acadêmicos alternativos com base em diferentes cenários de saúde i) Recomendações para a Rea-
mais marginalizados pública, levando em consideração as modalidades a serem usadas no ensino à distância. bertura de Escolas – UNESCO que ocorrem durante o processo de privadas que estão se debruçando sobre os desa-
2. Realizar uma avaliação dos níveis de aprendizado dos alunos no período de retorno, visando a aprendizagem, incluindo os proces- fios do momento atual. Além do papel pessoal de
implementar programas de reforço escolar para mitigar os prejuízos educacionais e impedir a
exacerbação da desigualdade de aprendizagem após o fechamento das escolas.
sos de avaliação; “Para e por que autor e pesquisador, as análises que originaram o
3. Recomendável implementar modelos de educação acelerada e especial em paralelo para acontece” corresponde aos objetivos quadro abaixo se baseiam em experiências como
38 integrar crianças que estavam anteriormente fora da escola, acima da idade e/ou com alguma da aprendizagem e aos motivos que pai de uma filha de dez anos, assessor de escolas 39
deficiência.
sustentam esses objetivos; “Onde e amigo de profissionais e pesquisadores-atores
b) Operações Seguras 4. Fortalecer os mecanismos de comunicação e coordenação que promovem o diálogo local e o ii) Recomendações para a Rea- acontece” refere-se ao espaço, físico atuantes na Educação Básica.
envolvimento com as comunidades, pais e crianças em questões educacionais. bertura de Escolas – UNESCO e virtual, simbólico, cultural e polí-
5. Aumentar a oferta de serviços de saúde mental e de apoio psicossocial que abordem a
estigmatização/discriminação e ajudem as crianças e suas famílias a lidar com as incertezas tico onde a aprendizagem decorre, 2.2. CAMINHOS DE TRANSFORMAÇÃO
contínuas da pandemia. iii) Plano de Retorno da Educa- incluindo os componentes materiais; PARA NOVOS CONTEXTOS CURRICULARES
6. Não permitir a permanência de pessoas sintomáticas para COVID-19 na instituição de ensino. ção (SP) “Como e quando acontece” descreve
7. Recomendável aferir a temperatura das pessoas a cada entrada.
8. Preservar o distanciamento mínimo entre pessoas de 1,5 m. as estratégias de aprendizagem; Fica evidente, ao analisar o Quadro 2, a seguir,
9. Ocupar, em números de alunos, até 35% e 70% da capacidade física da unidade escolar (Etapa “A quem acontece” inclui alunos, que a experiência escolar para os alunos não terá
1 e 2 da retomada, respectivamente).
professores e os outros atores envol- mais um espaço físico, um tempo delimitado e
10. Recomendável praticar o revezamento dos estudantes que irão para a escola.
11. Recomendável manter a atividade de ensino remoto para os alunos que não estão na escola. vidos no processo de aprendizagem uma comunidade de professores, gestores e co-
12. Reorganizar horários de entrada e saída para evitar aglomeração. (FIGUEIREDO, 2016, p. 813). laboradores alocados especificamente e reunidos
13. Intervalos/recreios devem ser feitos em horários alternados com revezamento de turmas.
14. Uso obrigatório de máscaras.
geograficamente de modo a propiciar um contex-
15. Promover cultura de atenção aos procedimentos de limpeza pessoal. A reabertura das escolas em um momento em to de aprendizagem semelhante ao que se tinha
16. Garantir que funcionários e estudantes conheçam os riscos e procedimentos adotados. que ainda se convive com a pandemia nos obriga anteriormente para os alunos. Adicionalmente, a
17. Feiras, palestras, seminários, competições e campeonatos esportivos, comemorações, assem-
bleias, etc. estão proibidos. a tomar uma série de providências, conforme as realidade da pandemia e seus potenciais impac-
orientações citadas anteriormente, que mudam tos relevantes no equilíbrio psicológico e na saú-
c) Bem-estar e proteção 18. Profissionais e alunos que fazem parte do grupo de risco devem ficar em casa e realizar as iv) Plano de Retorno da Educa- significativamente o contexto. Ter-se-ão altera- de emocional de alunos, professores e gestores
atividades remotamente, na primeira etapa do plano de retorno às atividades presenciais. ção (SP) ções significativas no “o que acontece”, “para são aspectos a serem cuidados de maneira prio-
e por que acontece”, “onde acontece”, “como e ritária, considerando que, sem condições minima-
Fonte: Elaborado pelo autor, a partir das fontes citadas na última coluna (2020) quando acontece” e “a quem acontece” que pro- mente adequadas de segurança e estabilidade
vocarão uma mudança significativa na experiência emocional, a aprendizagem será prejudicada. Ou
QUADRO 2 – MUDANÇAS DE EXPERIÊNCIAS FUNDAMENTAIS PREVISTAS NA REABERTURA DE ESCOLAS de aprendizagem dos alunos passem, quase que Espera-se que o caminho
obrigatoriamente, por alguma intermediação digi-
ASPECTOS DO CONTEXTO POTENCIAIS MUDANÇAS DE EXPERIÊNCIA DOS ALUNOS
tal. Nesse sentido, é crucial considerar o caminho desse novo contexto curricular
esteja presente em cada prática, em
“O que acontece” 1. Rotina de acolhimento e readaptação;
2. Mudança dos espaços e tempos na escola;
do currículo na cultura digital, conforme Almeida
3. Deverá ficar distante dos amigos; (2019). Entretanto, esse caminho, por si só, não
4.
5.
Terá novos conteúdos relacionados a COVID-19;
Fará uma(s) avaliação(ões) na volta às aulas presenciais;
basta. A necessidade e a prioridade para se ter cada interação, em cada situação de
6.
7.
Terá atividades escolares alguns dias na escola e outros em casa;
Terá colegas de classe tendo atividades diferenciadas das suas;
um acolhimento e um cuidado com o bem-estar
(conforme as potenciais mudanças de número 1, aprendizagem, com atitude acolhedora,
“Para e por que acontece”
8. Terá colegas de classe recebendo apoio e cuidado diferenciado;
9. Acolher todos na escola e perceber como estão;
3, 8, 9, 11, 18 e 20, no Quadro 2) demandam um interdisciplinar e pedagogicamente
caminho que trilhe uma atitude essencialmente
10. Conscientização dos riscos;
11. Capacitação para os cuidados sanitários e procedimentos escolares; interdisciplinar, conforme Fazenda (1994). Por diferenciada, seja na escola ou em casa,
40
12. Identificar como e o que cada um aprendeu durante o período longe da escola;
13. Dar chance de todos aprenderem o que deve ser aprendido;
fim, o caminho da pedagogia diferenciada se
faz necessário pela necessidade de se oferecer
em meio digital ou físico. 41
“Onde acontece” 14. 14) Novos espaços na escola;
15. 15) Na escola e em casa;
atividades e cuidados diferenciados para que se atividade remota que envolvia a Tecnologia Digital
16. 16) Em ambientes virtuais (via computador, celular, etc.); possibilite que todos os alunos aprendam, apesar de Informação e Comunicação (TDIC). A TDIC teve
“Como e quando acontece” 17. Por meio de alguma alternativa de ensino remoto: provavelmente fazendo algum uso de Tecnologias Digitais de informação e das diferenças de aprendizagem e dos diversos um papel fundamental em permitir esse acesso,
Comunicação (TDIC) ou por meio alternativo (material impresso, TV, Rádio, etc.); níveis de equilíbrio emocional observados quando porém a mesma pesquisa indica que 47% dos
18. Com suporte de profissionais para cuidado e acolhimento na escola;
19. As atividades na escola complementando as atividades feitas fora dela;
da reabertura das escolas (conforme as potenciais estudantes não receberam orientação da escola
20. Com suporte de responsáveis/membros familiares; mudanças de número 7, 8, 12 e 13 no Quadro 2). e, para 18%, as informações foram pouco ou nada
“A quem acontece” 21. Professores, alunos, familiares/responsáveis, gestores, comunidade escolar. Apresenta-se, a seguir, um detalhamento maior eficientes. Além disso, somente 50% dos respon-
Fonte: Elaborado pelo autor (2020) de cada um desses três caminhos. sáveis acreditam que o aluno aprendeu durante
esse período. Além da disponibilidade de dispo-
seja, qualquer esforço de aprendizagem, que não perda de aprendizagem que já se tinha adquiri- O CAMINHO DO CURRÍCULO DA CULTURA sitivos e acessos é necessário ter um currículo da
integre a experiência e os desafios que estamos do. Apesar dos grandes desafios que esse novo DIGITAL (ALMEIDA, 2019) cultura digital.
vivendo fora da escola por conta da pandemia às contexto curricular apresenta, é possível encon- O currículo da cultura digital incorpora conheci-
expectativas de aprendizagem específicas, tem trar referências relevantes de estudos e práticas A nova realidade de uma escola estendida que in- mentos, instrumentos e códigos dos estudantes,
potencial de não ser significativo e efetivo. Por para trilhar esse caminho de transformação de clui a escola e a casa do aluno, considerando que dos professores e da comunidade; dialoga com o
fim, além de estados emocionais diversos por contexto curricular. o aluno irá alguns dias para a escola e terá alguns conhecimento sistematizado, selecionado e orga-
conta das experiências que tiveram durante o pe- A proposta de um caminho de transformação dias de atividades em casa, pressupõe algum tipo nizado para apoiar o trabalho educativo e a vida
ríodo de quarentena, que podem incluir violência sugere a integração de três caminhos. De maneira de atividade remota. Em pesquisa de abrangência cotidiana em processo de profundas mudanças
doméstica, perda de parentes para a COVID-19 e mais específica: as mudanças de experiências nacional, com 1518 estudantes, realizada entre pela inserção social das TDIC, de modo a oportu-
dificuldades econômicas familiares, já se sabe da diretamente relacionadas ao “Onde acontece” e 18 e 29 de maio de 2020, com alunos do Ensino nizar aos sujeitos do ato educativo a reconstrução
diversidade de níveis de aprendizagem durante consequentemente ao “Como e Quando Aconte- Fundamental e Médio (DATAFOLHA, 2020) apu- do conhecimento (ALMEIDA, 2019, p. 30).
o período de emergência, podendo incluir até ce” (vide Quadro 2) fazem com que as situações rou-se que 75,9% dos estudantes tiveram alguma À medida que estudantes, professores e a
comunidade conseguem construir um repertório O CAMINHO DA PEDAGOGIA DIFERENCIADA 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS e realizações construíram um currículo adequado
de conhecimento e práticas de uso das TDIC, é (PERRENOUD, 2000) não somente para essa fase de reabertura de
possível dialogar e organizar o conhecimento por Apesar do ineditismo e da complexidade desses escolas, mas para uma educação de qualidade e
meio da inserção das TDIC e ter acesso e orienta- As diferenças entre níveis e oportunidades de novos contextos curriculares, existem caminhos igualitária para todos nos períodos que virão.
ção efetiva, potencializando o uso de tecnologia aprendizagem que se observam em uma classe possíveis a serem explorados, integrados e evo-
de maneira integrada nos diversos ambientes regular, em situações escolares regulares, já são luídos. É essencial explicitar que esses caminhos AGRADECIMENTOS
e situações desse novo contexto. Se a escola relevantes se considerarmos que a educação de não devem ser considerados como isolados, inde-
for capaz de ir ao encontro da realidade digital qualidade com equidade é um direito de todos. pendentes. O termo caminho pode levar a ideia O autor agradece à CAPES - Coordenação de
dos estudantes e construir conjuntamente esse Nesse período de pandemia, com a certeza de de vias, como trilhas, ruas, avenidas, que possam Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
repertório, ter-se-á uma potencialidade de não perdas de aprendizagem e pressões sociais diver- ser percorridas em momentos diferentes, sequen- pelo apoio no desenvolvimento desta pesquisa.
somente integração maior nesse novo contexto, sas nos alunos, essas diferenças se tornam ainda cialmente. Porém essa imagem não poderia estar
mas de sua criação. mais relevantes e cruciais para serem endereça- mais equivocada. REFERÊNCIAS
42 das. Perrenoud (2000, p.9) já trazia esse conceito É fundamental perceber que, ao se considerar a 43
O CAMINHO DA INTERDISCIPLINARIDADE de maneira contundente. instância do currículo experienciado (GOODLAD, CAMPOS, Carolina; DEFACIO, Flavia; LIRA, Débora;
(FAZENDA, 1994) 1977), quem consolida o currículo é o estudante, SONNEMBER, Victoria. Educação e Coronavírus
A preocupação de ajustar o ensino às através da sua experiência. Mas como “o caminho Reabertura das Escolas. São Paulo: Instituto
Esse novo contexto curricular apresenta um “pano características individuais não surge se faz ao caminhar”, segundo Machado (apud Unibanco, 2020.
de fundo” especialmente relevante que abarca somente do respeito às pessoas e do COSTA, 2014, p. 294), é necessário que desse
todas as disciplinas escolares. A realidade da bom senso pedagógico. Ela faz parte novo contexto curricular participem, ao mesmo CASTRO, Maria Helena; DESCHAMPS, Eduardo.
pandemia, com todos os possíveis impactos sobre de uma exigência de igualdade: a tempo, gestores, professores, a comunidade es- Reorganização do Calendário Escolar e da
a vida, a estabilidade emocional e a condições indiferença às diferenças transforma colar e estudantes, proporcionando e experimen- possibilidade de cômputo de atividades
de aprendizagem de crianças e jovens, deman- as desigualdades iniciais, diante tando esse tríplice caminho de um novo contexto não presenciais para fins de cumprimento
da uma atitude não trivial em relação à rigidez da cultura, em desigualdades de curricular que integre cultura digital, interdiscipli- da carga horária mínima anual, em razão da
disciplinar de currículos centrados no conteúdo: aprendizagem e, posteriormente, de naridade e pedagogia diferenciada. Espera-se que Pandemia da COVID-19. Parecer CNE/CP N.:
não se trata de uma questão de somente priorizar êxito escolar. o caminho desse novo contexto curricular esteja 5/2020. Distrito Federal, 2020.
o acolhimento e o cuidado das crianças, jovens e presente em cada prática, em cada interação,
professores, mas sim de integrar essas atitudes O novo contexto curricular que se apresenta, em cada situação de aprendizagem, com atitude COSTA e SANTOS, Anabela Almeida et al. O cami-
aos objetivos de aprendizagem do currículo. trilhando os caminhos do Currículo da Cultura acolhedora, interdisciplinar e pedagogicamente nho se faz ao caminhar: atuações em Psicologia
A interdisciplinaridade se dá pela interação e Digital e da Interdisciplinaridade, não conseguirá diferenciada, seja na escola ou em casa, em meio Escolar. Psicologia Escolar e Educacional, v.
integração entre as disciplinas, bem como pela atenuar as desigualdades e não deixará nenhum digital ou físico. 18, n. 2, p. 293-301, 2014.
troca e diálogo entre os sujeitos envolvidos nas aluno para trás se continuar sendo “indiferente às Que possamos construir esse caminho ao
ações. Essa integração consegue não prejudicar a diferenças”. caminhar nesse período e, ao olhar para trás e
identidade das disciplinas e ainda potencializar o reler este texto, alguns meses depois, possamos
efeito sobre os sujeitos (FAZENDA, 1994). perceber que nossas experiências, aprendizados
DATAFOLHA. Pesquisa Educação não pre- MEC. Base Nacional Comum Curricular. Dispo- PALAVRAS-CHAVE
sencial. Junho 2020. Disponível em https://drive. nível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/.
google.com/file/d/1nnW9c3JlJRi-Px0jve3KWDjl8f- Acesso em: 24 jun. 2020. Currículo Escolar; Reabertura Escolar; Cultura
j7UYxJ/view. Acesso em: 26 jun. 2020. Digital.
PERRENOUD, Philippe . Pedagogia diferencia-
FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdiscipli- da. Porto Alegre: Artmed, 2000.
naridade: história, teoria e pesquisa. Campinas,
SP: Papirus, 1994. REIMERS, Fernando; SCHLEICHER, Andreas. A
framework to guide an education response
FIGUEIREDO, Antonio Dias A pedagogia dos con- to the COVID-19 Pandemic of 2020. OECD,
textos de aprendizagem. Revista e-Curriculum, 2020. Disponível em https://globaled.gse.harvard.
v. 14, n. 3, p. 809-836, 2016. edu/files/geii/files/framework_guide_v2.pdf.
44 Acesso em: 26 jun. 2020. 45
GIROUX, Henry. Os professores como intelec-
tuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendi- SACRISTÁN GIMENO, José . O Currículo: uma
zagem. 1997. reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre:
Artmed, 2000.
GOODLAD, John Inkster. What goes on in our scho-
ols? Educational Researcher 6(1):3-6, 1977. SEVERINO, Antonio J. O conhecimento pedagógico
e a interdisciplinaridade: o saber como intencio-
GOODSON, Ivor. Currículo: teoria e história, nalização da prática. In: FAZENDA, Ivani Catarina
Petrópolis: Vozes, 1995. Arantes (Org.). Didática e Interdisciplinarida-
de. Campinas, SP: Papirus, 1998.
GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Plano
de Retorno da Educação. São Paulo, 2020. UNESCO. Education: From disruption to reco-
Disponível em saopaulo.sp.gov.br/wp-content/ very. 2020. Disponível em https://en.unesco.org/
uploads/2020/06/Apresentacao_plano-retorno- covid19/educationresponse.
-educacao.pdf. Acesso em: 26 jun. 2020.
__________; UNICEF; World Bank; WFP. Re-
MACHADO, Antonio. Proverbios y cantares. comendação para Reabertura de Escolas.
Madrid, Spain: El País, 2003. Disponível em: <https://www.unicef.org/sites/
default/files/2020-05/PORTUGUESE-Framework-
-for-reopening-schools-2020.pdf>. Acesso em: 23
jun. 2020.
manifestação de ódio ao conhecimento. Esse 2. CURRÍCULO NA DIVERSIDADE OU
contexto faz com que as vozes autoritárias, que DIVERSIDADE NO CURRÍCULO

diversidade no
historicamente estavam adormecidas, renasçam
definindo projetos como o da escola sem partido, A pandemia Covid-19 trouxe imensos desafios
do homeschooling, da retirada dos estudos da para todos na maioria dos setores e atividades hu-

currículo ou currículo história, filosofia e sociologia, impactando as


políticas e práticas curriculares.
manas. A educação nesse contexto tem um papel
importante por se mostrar um processo potente

na diversidade:
Diante desse quadro de perplexidades e incer- para conscientização e diálogo com a sociedade,
tezas, nos referenciamos no filósofo e sociólogo na busca de alternativas para o enfrentamento e

qual o lugar?
alemão Habermas, que nos ensina que, na atu- superação desse momento único em que fomos

o
alidade, na busca pela justiça social, os homens lançados, à medida que na condição humana
serão cada vez mais impelidos a se confronta- de educadores os nossos princípios e ações se
46 rem com questões de cerne moral e ético, que consubstanciam em garantir o direito à vida em 47
1. INTRODUÇÃO superam em certo ponto as questões políticas toda sua plenitude.
tradicionais. E ainda nos vemos na necessidade A disciplina “Formação de Professores e Escola
presente artigo se propõe a fazer a análise e discussão sobre o significado da de moralizar a espécie humana. na Contemporaneidade: Currículo na Diversida-
disciplina denominada “Formação de Professores e Escola na Contempora- Acreditamos que, dentro desse movimento, de” objetivou, ao longo do semestre, estudar a
neidade: Currículo na Diversidade”, a partir da experiência de apropriação do a possibilidade de humanização do próprio ho- formação de educadores articulada ao estudo da
ensino remoto pela docente, discentes e monitores, vivenciada na universi- mem em toda a sua integralidade nos mostra arquitetura do currículo em suas diversas expres-
dade frente ao abalo político-econômico e social ocasionado pela pandemia. a educação como materialização de transforma- sões, tendo dois eixos estruturantes: o primeiro -
Tempos difíceis, perplexos e tristes que estamos vivendo atualmente em to- ção. Nesse sentido, conforme posto por a problematização do fazer docente na concepção
das as dimensões da sociedade nos aspectos políticos, econômicos, sociais, Feldmann (2009), o currículo se expressa num e gestão do currículo a partir das transformações
educacionais e culturais, o que tem acarretado uma série de problemas cenário que vai além do entendimento de um do mundo do trabalho, e o segundo- a escola
tais como: violação dos direitos humanos, degradação do meio-ambiente, espaço físico, de um ambiente, de um dispositivo concebida enquanto espaço educativo de inclu-
cerceamento da liberdade de expressão e comunicação, censura ao debate tecnológico, mas se constitui também e são/exclusão social mediado pela diversidade e a
de gênero, perdas de direitos dos trabalhadores, descrença no ato político, principalmente pelo processo de comunicação interculturalidade presentes.
desvalorização e perseguição aos professores, ataques à ciência, à arte e entre os sujeitos curriculares, pelas referências Assim, o isolamento social, vivido num momento
das culturas - especificamente na cultura atípico da história em toda a escala mundial, nos
marina graziela feldmann midiática, em que estão mergulhados, pelo lançou na condição humana de nos adaptarmos
marisa garbellini sensato imaginário vivido que com seus símbolos e rapidamente diante de tantas incertezas, medos,
leandro wendel martins discursos criam e são criados pelas mesmos - sofrimentos, na perspectiva da sobrevivência e no
as ideias, concepções , os valores democráticos prosseguimento de nossa ação educativa.
e atitudes na busca integradora do sentido ético Muitas questões estiveram e estão presentes:
da conduta humana. qual o lugar do currículo? Seria o lugar do não lu-
gar, e a mediação pedagógica seria possível pelas de caráter técnico. Os problemas encontrados convergentes para o cenário de aulas remotas, conhecemos uns aos outros pela voz, pela imagem,
plataformas digitais que se fizeram presentes no pelos estudantes para acessar o AVA Moodle e a como o contexto de “polidocência” apresentado algo que não conseguimos em apenas dois ou três
movimento curricular? E a reinvenção do processo plataforma Teams foram solucionados por meio por Mill e Veloso (2018), no sentido de promoção encontros presenciais anteriores. Na fala dos mes-
de ensinar e aprender? E os sentimentos dos da atuação dos monitores com atendimento de interação entre o professor autor e os tutores trandos e doutorandos era recorrente que sentiam
sujeitos curriculares envolvidos? individualizado por whatsapp ou telefone. em um caminho (currículo real) percorrido pelos a falta do tato, do estar com o outro, do intervalo,
A nossa experiência sobre os estudos e pesqui- Os sentimentos diante das interrupções de rotina mestrandos e doutorandos. Para além, houve do café, das comemorações animadas de aniversá-
sas em relação à questão currículo e diversidade causaram desconforto e ansiedade postas em inú- construção de aportes de solução de problemas rios, das rampas e do ir e vir de tantos estudantes,
cultural constata a aplicação de vários aportes te- meras mensagens e questionamentos lançados em tempos individuais e coletivos, postos na professores e sonhos que passeiam pelo campus.
óricos, de olhares diferenciados e experiências de pelos monitores e, sobretudo, pelos estudantes oferta de textos, nas construções de grupos Dessa forma, mostrou-se necessário investigar o
vida, que se articulam em torno de questões inter- da disciplina, pois o modus operandi sofreu total de estudo e nas publicações realizadas pelos quanto os mestrandos e doutorandos estavam
rogativas. Neles coexistem diversos movimentos ruptura com a necessidade de isolamento social. estudantes, percursos que, além do benefício de aprendendo e se sentindo diante dessa nova
socioculturais e tendências teóricas, dando forma No entanto, se houve a sensação plena de savoir- plano curricular autoral, provocaram experiências situação. Assim, durante o processo e ao final das
48 às relações interpessoais e institucionais entre os -faire na velocidade em que a sociedade acelerou de multiletramentos (Rojo e Moura 2012). aulas, os alunos foram convidados a manifesta- 49
sujeitos do currículo - sujeitos históricos e sociais. as formas de ser e construir, como posto por Decerto, sentimentos como saudade, necessidade rem seus pontos de vista a respeito de sua vida,
Questões que nos inquietam e ao mesmo tempo Hobsbawm (1994), foi um estar desconectado: o de convívio e superação de incertezas habitaram seus desejos, suas dificuldades, dos conteúdos
nos impulsionam a decifrar o ato curricular, a nar- que a pandemia escancarou de maneira efetiva. no grupo, mas se fez presente a necessidade de formativos, metodologias e sugestões para as
rativa curricular como possibilidade de liberdade e Neste contexto, o primeiro desafio foi de necessi- formas hibridizadas como produto de escolha aulas seguintes. Buscávamos a imersão nesse
emancipação humana. dade técnica, caminho necessário para o educar diante dos desenvolvimentos provocados em novo lugar, de um novo desconhecido até então,
Com essas preocupações, iniciamos no desenvol- na era digital tratado por Pérez Gómez (2015), meio ao caos vivenciado, à medida que o ato mediada pelo momento sensível em que se vivia.
vimento de nossa disciplina: no Ambiente Virtual que foi superado com os acolhimentos coletivos curricular envolve os sujeitos, as suas histórias,
de Aprendizagem (AVA) Moodle, foi inserido o pautados no humanismo, marca presente na sentimentos, desejos e o replanejar contínuo da Muitas questões estiveram e estão
cronograma do curso, os textos para as leituras Linha de Pesquisa Formação de Educadores, bem vida, rever caminhos que se expressam no pensar
semanais (inclusive as leituras complementares), como do Programa em Educação: Currículo. crítico, filosófico, computacional. presentes: qual o lugar do currículo?
envio das atividades, as videoaulas, compartilha-
mento de arquivos em Word e pdf, além, é claro de
O segundo desafio apresentou a necessidade de
entendimento do que era vivido como modalidade
Nesse contexto, fazer a ligação entre os estudos
acerca da temática de Currículo na Diversidade
Seria o lugar do não lugar, e a mediação
interação possibilitada pelo fórum. Na plataforma de ensino, na desconstrução da naturalização da com a situação de crise agravada pela pandemia pedagógica seria possível pelas
Teams, foi viabilizado que as aulas on-line síncro-
nas se realizassem com o consentimento de serem
aula presencial para online e da necessidade de
separar Educação a Distância (EaD) de aula remo-
do coronavírus mostrou-se profundamente pre-
sente, na ausência da presença, e assim buscou-se plataformas digitais que se fizeram
gravadas; perguntas e respostas foram possíveis ta, ou seja, da clareza que se tratava da cons- a criação de novos significados e ampliação dos presentes no movimento curricular? E
para interação por meio do chat entre professor trução da forma de como poderíamos continuar conhecimentos de concepções e práticas curricula-
e discentes, bem como entre os pares discentes percorrendo os caminhos de estudo planejados na res em um ambiente de ensino não regular. a reinvenção do processo de ensinar e
envolvendo também a participação dos monitores.
No início das atividades remotas, as necessidades
modalidade presencial.
Porém, alguns elementos da EaD, assim como
Aos poucos, fomos acostumados em sermos
filmados, gravados, expor nossas casas antes
aprender? E os sentimentos dos sujeitos
que emergiram foram de orientações individuais tratamos a relação de games e gamificação, foram privadas, e agora públicas. Com o passar dos dias, curriculares envolvidos?
O exercício da escuta, do acolhimento, do sentido participação a todos. Reconhecemos manifestados - a diversidade se mostra como cognitivas, de projetos e de sentimen-
de pertencimento, de solidariedade, de se traçar o papel de mediação exercido pela uma realidade dialética, multiforme e contraditó- tos que criem comunidade.
outros caminhos se fizeram presentes. professora, nos inquietando e, por ria. No currículo prescrito, os diferentes grupos e
Na metade do curso, fomos instigados pela isso mesmo, nos ajudando em nos- culturas podem estar contemplados na perspecti- O autor, um dos teóricos estudados na disciplina,
Coordenação do Programa a solicitar uma análise sas reflexões e relações com nossa va do direito à igualdade/ diversidade, porém, no
ainda afirma que: “a educação permanente não
de como os mestrandos e doutorandos avalia- pesquisa. O grupo de alunos, por currículo vivido, o lugar da diversidade pode se
poderá desenvolver-se contando com a relação de
vam a disciplina, a professora e como estavam sua vez, demonstrou seu compro- tornar o da desigualdade. um professor presencial” (SACRISTÁN, 2002, p.
se sentindo. Abaixo transcrevemos o relato feito misso e responsabilidade em relação Se mostra necessário saber o verdadeiro sentido/
206). A escola é, por si mesma, um evento social
coletivamente: às leituras, contribuindo fortemente significado de acordo com os aportes teóricos que faz parte da cultura social. É essencial consi-
durante as aulas, inclusive apresen- referenciados e, nesse movimento dialético entre
derar essa dimensão valorativa da cultura, não só
“O curso nos proporcionou reflexões tado suas reflexões a partir de sua relações sociais, práticas curriculares e tempoporque supõe poder ter consciência da dinâmica
profundas; os textos foram reflexivos realidade, de seu contexto. Também da pandemia, foram evidenciadas aproximações que a dirige, mas também devido às implicações
50 e diversificados, proporcionando se percebeu a habilidade, de to- sucessivas entre o mundo (lugar) da disciplina e o
morais que tem do ponto de vista do sujeito. 51
maior consistência na elaboração dos os alunos, de ouvir e interagir mundo (lugar) da pandemia. Os lugares se trans-Dentro das unidades temáticas desenvolvidas,
de nossas pesquisas. A professora respeitosamente entre si. Reconhece- mutavam: Currículo na Diversidade ou Diversidade
foi problematizado que a escola representa uma
nos proporcionou a diversidade de mos a diversidade de pontos de vista no Currículo. Nesse movimento, se evidencia queinstância integrante do todo social, sendo afetada
abordagens sobre a formação dos entre os alunos, fato que ampliou e o currículo se configura num processo social, rela-
pela estrutura econômica e social, pelas decisões
professores. O recurso metodológico enriqueceu as discussões dos temas cional e contextual. É um organismo vivo, pulsan-
políticas e pelas relações de poder vigentes na
utilizado no curso claramente tece e textos propostos”. te, tensional e não um manual de prescrições. sociedade. Significados sociais e políticos que
um fio condutor de análise episte- Sacristán (2002, p.225) nos ensina que : influenciam fortemente as ideias, atitudes, modos
mológica, que instigou os alunos a O estudo realizado à luz dos autores propostos de agir e comportamentos na relação pedagógica,
olhar para a problemática que en- com as aulas introdutórias e sínteses elaboradas A diversidade é para a educação uma bem como nas práticas curriculares.
volve o tema e pensar, refletir à luz pela professora, conjuntamente com a discussão narrativa, no sentido de formar em As finalidades e os princípios que ancoravam a
de cada contexto. De forma ascen- coletiva realizada nas aulas síncronas, contribuiu torno dela um enfoque da educa- disciplina em tela, sob o enfoque da formação e
dente, elevou o patamar de análise para a análise crítica em relação à Formação e ção, uma maneira de analisá-la, de da diversidade curricular e cultural na sociedade
dos alunos. Também percebemos a Trabalho definida como categoria central da disci- entender seus objetivos, de abordar atual, marcada pelas políticas neoliberais, mundia-
qualidade dos textos, não só na am- plina. Categoria essa articulada com o estudo da os conteúdos do currículo, os méto- lização, desigualdade social e agora mergulhada
pliação da visão e aprofundamento diversidade/ pluralidade, cultura/ multiculturalida- dos pedagógicos, a organização das no triste caos pandêmico, nos mostrou a possibi-
que proporcionam, mas, também, de, igualdade/equidade, diferença/ desigualdade, instituições e a estrutura dos sistemas lidade de construção do processo educativo como
nas relações que permitem fazer com inclusão/ exclusão, indicando-se que o uso dessas educacionais. Uma narrativa que deve espaço vivo, dinâmico, de constante formação dos
a atual realidade. No que diz respei- categorias não cabe em qualquer discurso fora do sintetizar, por um lado, os imperativos sujeitos curriculares. Um currículo aberto que se
to à professora, ficou clara, para o referencial epistemológico que as aloja. éticos da individuação e, por outro, transmutou, se expandiu, redefinindo lugares, es-
grupo de alunos, a sua capacidade No território do currículo – lugar onde os a necessidade de unirmos indivíduos cutas, relações, intersubjetividades, se mostrando
de gerir, dando oportunidade de interesses, relações de poder e os projetos são em uma rede de interdependências um só lugar: o lugar “nós” com o lugar “mundo”.
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS atitude de ousadia para construírem abordagens AGRADECIMENTOS ROJO, Roxane Helena; MOURA, Eduardo (orgs.).
diferenciadas e experimentá-las em permanente Multiletramentos na escola. São Paulo: Pará-
A circunstância do isolamento social nos impeliu avaliação, legitimada pelas finalidades educativas A autora Marisa Garbellini Sensato agradece à bola Editorial, 2012.
como educadores na busca da apropriação cria- de cunho emancipatório. Nessa perspectiva, CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de
tiva e reflexiva das tecnologias, onde a pesquisa podemos vislumbrar alternativas de lutas nas Pessoal de Nível Superior pelo apoio no desenvol- SACRISTAN, J. G. Educar e Conviver na Cultura
e os resultados de investigação pudessem incidir quais o novo possa significar tudo para todos, na vimento desta pesquisa. Global - As exigências da cidadania. Porto Alegre:
na ressignificação de concepções e práticas vivência de uma educação autenticamente crítica, O autor Leandro Wendel Martins agradece ao Artmed Editora, 2002.
curriculares em diversos contextos e culturas de democrática e emancipatória. CNPQ - Conselho Nacional de Desenvolvimento
aprendizagem, na perspectiva da humanização Ao finalizar, temos a esperança que esse mo- Científico e Tecnológico pelo apoio no desenvolvi- PALAVRAS-CHAVE
do próprio homem. vimento em busca da superação da pandemia, mento desta pesquisa.
Reconhecer a complexidade existente entre possa incidir na construção de políticas cultu- Ensino remoto; Diversidade; Formação de educa-
formação de educadores, diversidade curricu- rais, interculturais, curriculares que signifiquem REFERÊNCIAS dores
52 lar, cultura digital e humanismo, nos exigiu e a educação não como uma mercadoria a ser 53
continua exigindo reflexões epistemológicas e vendida e comprada na divinização da lógica do FELDMANN, Marina Graziela. Formação de Pro-
éticas constantes, na perspectiva de os sujeitos mercado, mas como um bem público, um direito, fessores e Escola na Contemporaneidade.
curriculares lançarem-se em atos criativos, com a um espaço republicano de construção de cida- São Paulo: Editora Senac, 2009.
dãos livres, pensantes e que tenha, para aqueles
No território do currículo – lugar que acreditam que a educação se constitui numa HABERMAS, J. O Futuro da Natureza Humana:

onde os interesses, relações de poder ação humanizadora, o foco constante na luta


histórica contra a desigualdade social presente
Rumo a um Eugenismo Liberal? São Paulo:
Martins Fontes, 2004.
e os projetos são manifestados - a em nossa sociedade.
Esperamos que essa experiência relatada na HOBSBAWM, Erick. A era dos extremos: breve
diversidade se mostra como uma esfera cultural midiática, em tempos de perple- histórico do século XX. São Paulo: Companhia das
realidade dialética, multiforme e xidades e incertezas, possa se mostrar como
possibilidade de os sujeitos curriculares se
Letras, 1994.

contraditória. No currículo prescrito, os apropriarem de forma criativa e reflexiva das MILL, Daniel; VELOSO, Braian. Polídocência na

diferentes grupos e culturas podem estar tecnologias, onde a pesquisa e os resultados


de investigação incidam na ressignificação de
educação a distância. In: MILL, Daniel (org.).
Dicionário crítico de educação e tecnologias e de
contemplados na perspectiva do direito concepções e práticas curriculares em diversos educação a distância. São Carlos / SP: Papirus,
contextos e culturas de aprendizagem, contra- 2018.
à igualdade/ diversidade, porém, no pondo-se assim às práticas excludentes que são
currículo vivido, o lugar da diversidade por si só desumanizantes. PÉREZ GÓMEZ, Ángel. Educação na era Digital:
a escola educativa. GUEDES, Marisa (tradução).
pode se tornar o da desigualdade. Porto Alegre: Editora Penso, 2015.
necessário colocar em evidência a relevância das que tecnologia é meio e não fim - não substitui
características que o ensino remoto requer, quais o professor, a vivência social e, sobretudo, o am-
sejam: disciplina, autonomia, acesso a dispositivos
biente de desenvolvimento individual e coletivo
de Tecnologia Digital de Informação e Comunica- proporcionado pelo ambiente universitário, mas
ção (TDIC) e à internet, espaço apropriado para é recurso para viabilizar o acesso, disponibilizar

os caminhos da estudos, dentre outras.


Para além, a convocação de frentes do magistério
boas ferramentas e dinamizar as possibilidades
de desenvolvimento de práticas educativas, não

monitoria nas práticas


e, sobretudo, da pesquisa ligada ao contexto de se restringe apenas ao ensino remoto, contém
tecnologias educacionais ocorreu de maneira potencial para a modalidade presencial e híbrida

educativas remotas
efetiva, com experiências colaborativas, como as e contribui sobremaneira em contextos desafia-

e
de monitores que apoiaram disciplinas ofertadas dores e atípicos como o atual. A tecnologia deve
pelos professores do Programa de Pós-Graduação servir para a solução de problemas e projeção de
54 em Educação: Currículo da PUC-SP, que seguem utopias que atendam aos interesses das pessoas, 55
1. INTRODUÇÃO como desafios e caminhos de aprendizagens. sobretudo, às necessidades de construção de
caminhos ligados ao bem-comum.
m 11 de março de 2020, a OMS declarou que a disseminação comunitária 2. DESAFIOS DO ENSINO EMERGENCIAL As primeiras atividades remotas se desenvolve-
da Covid-19 em todos os continentes foi caracterizada como pandemia. REMOTO NA DISCIPLINA “FORMAÇÃO ram por meio da utilização das TDIC mais aces-
Como medida de contenção, a OMS recomendou as seguintes ações básicas: DE PROFESSORES: CURRÍCULO NA síveis como e-mail e whatsapp, a fim de incluir
isolamento e tratamento dos casos identificados, testes massivos e distan- DIVERSIDADE” todos os docentes e discentes sem criar barreiras
ciamento social. de acesso, intencionando cumprir a função basilar
Pelo Ato da Reitoria Nº 59/2020, da PUC-SP, as atividades presenciais foram Nesse texto será relatada a experiência de moni- de manter a comunicação e assegurar a continui-
suspensas em 16 de março (seguindo as determinações das autoridades) e, toria no desenvolvimento do ensino remoto nas dade das ações educativas.
depois de sete dias, passaram a ser realizadas remotamente. disciplinas das linhas de pesquisa do Programa de Atentando para que currículo é um campo de inves-
A necessidade de mudança do ensino presencial para a educação remota Pós-Graduação Educação: Currículo, mestrado e tigação político e disputado, as prescrições e mate-
emergencial demandou muito cuidado e atenção, por não se tratar apenas doutorado. As atividades foram iniciadas de forma rialização curriculares precisam ser delineadas com
de uma transposição, e por envolver questões específicas de todos os seg- emergencial, postas pela necessidade de isolamen- o propósito de atender ao que, supostamente, viria
mentos, de maneira especial no que se refere aos docentes e discentes. Foi to social e continuidade dos caminhos de estudo, a ser perdido durante a suspensão das atividades
mas antecipando que o período de quarentena regulares nas instituições de ensino superior, desde
fabiana aparecida de oliveira poderia ser prolongado, pela compreensão da meados de março de 2020, sobretudo no que
leandro wendel martins dimensão e gravidade do problema em nível global. tange às práticas educativas que possam atender
marisa garbellini sensato A educação remota não é a solução para os pro- às peculiaridades da realidade vivida.
blemas acarretados à educação pela pandemia, No segundo momento, as atividades remotas
vivian vaz batista alves é a política de redução de danos e tem que ser foram direcionadas às plataformas digitais para
considerada e realizada. Faz-se mister considerar realização de atividades síncronas e assíncronas.
As atividades síncronas foram direcionadas para a A existência da linha de pesquisa “Novas Tecno- ram-se em um cenário heterogêneo que apontou Do ponto de vista dos monitores, a aproximação
plataforma Microsoft Teams e as atividades assín- logias em Educação” possibilitou a formação de necessidades formativas voltadas às dimensões aos docentes ocorreu de maneira respeitosa e
cronas para o Ambiente Virtual de Aprendizagem um grupo de monitoria com a missão de apoiar técnica, tecnológica e pedagógica. Tais necessi- cordial, sempre colocando em consideração a
(AVA) Moodle. os procedimentos e práticas necessárias para o dades foram reveladoras de potencialidade de experiência, obra e contribuições à educação e
No intuito de capacitar tecnicamente os profes- acesso de alunos e professores às plataformas, transformação das limitações impostas pela crise aos estudos e pesquisas de pós-graduação, dei-
sores, que eventualmente não tivessem domínio à organização das atividades e suporte para a em oportunidade para promover avanços acadê- xando claro o caráter colaborativo da atuação dos
das plataformas, a instituição ofereceu formações resolução de problemas. micos para a articulação entre o ensino presencial, monitores e o papel de apoio ao professor e aos
na modalidade remota. Tais momentos formativos O grupo se constituiu a partir de um convite que online, híbrido, co autoral e remixado em multile- alunos no que se refere às dúvidas e dificuldades
foram amplamente divulgados e ofertados em foi enviado a todos os estudantes dessa linha tramentos (Rojo e Moura, 2012). referentes às tecnologias utilizadas.
inúmeras oportunidades de datas e horários. de pesquisa e pela adesão voluntária daqueles Como afirmam Almeida e Valente (2005, p.8), o O posicionamento da docente favoreceu a inte-
Frente ao anúncio da necessidade das atividades que tinham disponibilidade de tempo e conhe- emprego das tecnologias da informação e comuni- gração com os discentes da turma e possibilitou
remotas emergenciais, o Programa de Pós-gradu- cimentos técnicos para se dedicar a essa tarefa. cação “impõe mudanças nos métodos de trabalho as ações dos monitores, no sentido de apoiar os
56 ação em Educação: Currículo, que congrega uma A maneira pela qual o grupo se constituiu foi dos professores, gerando modificações no funcio- alunos no movimento de aproximação e acesso 57
equipe de docentes, pesquisadores e alunos na reveladora em fundamentos para a formação de namento das instituições e no sistema educativo.” às plataformas. Foi evidenciado que alguns dos
reflexão sobre o uso de tecnologias na educa- educadores: democracia, participação, empode- É neste sentido que o cenário da educação na discentes não possuíam vivências práticas com as
ção, foram iniciados diálogos e reflexões com os ramento, resolução de problemas, acolhimento, pandemia aponta para que professores e estudan- tecnologias integradas ao currículo e as dificulda-
professores que fazem parte do corpo docente do trabalho colaborativo e outros conceitos inerentes tes construam conhecimentos sobre as tecno- des foram sanadas por meio do contato individual,
programa, com o propósito de idealizar encami- à vivência acadêmica. logias e compreendam como fazer a integração solucionando dúvidas via ligações por celular e
nhamentos que pudessem minorar a problemáti- Houve muitas ansiedades no grupo, muitas dúvidas com o currículo e com as práticas “na perspectiva whatsapp, o que revelou que apenas informar os
ca emergente. sobre uso das tecnologias, como se aproximar integradora de inferências e transformações alunos não é suficiente: foi necessário conhecer e
dos professores, como agir diante de problemas, mútuas entre o currículo e tecnologias concebe-se compreender as dificuldades para resolvê-las de
tais como: dificuldades de acesso dos estudantes, o web currículo” (ALMEIDA, 2014, p.21). maneira adequada a cada um.
A maneira pela qual o grupo de responder aos anseios individuais e coletivos, É possível afirmar que o início das atividades Isso nos remeteu às premissas de Valente, Moran
alunos monitores se constituiu foi matricular todos em turmas no Moodle e no Teams,
orientar para comportamentos nos ambientes
remotas, mesmo que tenha sido intimidante
e amedrontador, promoveu mudanças de con-
e Arantes (2011) sobre o “estar junto virtual”, que
consiste no processo de educação online com foco
reveladora em fundamentos para virtuais, seguridade de efetivamente colaborar cepções e hábitos estabilizados pela tradição na interação professores e alunos e entre alunos e

aformação de educadores: democracia, com o professor. O papel do grupo de monitores é


cuidar da facilitação do acesso a oportunidades de
educacional. A capacidade de dialogar sobre as
questões referentes às necessidades que emer-
alunos, com uso de tecnologias de modo a auxiliar
a vivência e resolução de problemas emergen-
participação, empoderamento, aprendizagem e trabalhar pela redução das desi- giram ao longo do processo de aproximação das tes do cotidiano. No “estar junto virtual” como
gualdades entre pessoas com diferentes níveis de tecnologias para acesso e realização das ativida- modelo de interação todos passam pelo papel de
resolução deproblemas, acolhimento, fluência digital (inclusão digital), fundamentado nos des remotas foi decisiva para a busca de solução aprendiz. (SCHERES; FERNANDES, 2014)
trabalho colaborativo e outros conceitos pressupostos da cultura e da cidadania digitais.
As atividades remotas de maneira sistemática
de dúvidas e problemas técnicos e pedagógicos,
assim como dificuldades subjetivas passíveis de
A partir da inclusão de todos os alunos nas
plataformas digitais, a docente agiu de maneira
inerentes à vivência acadêmica. com apoio nas plataformas digitais desenrola- serem abordadas e contempladas. acolhedora e integradora com a turma. Devemos
considerar a ampla experiência que a docente sustentação de pontos de vista, elucidou dúvidas, A maioria dos usuários possuía recursos tecno- Segundo Paulo Freire, não é só o aluno que apren-
possui e os fundamentos em que é pautada a esclareceu conceitos e ideias de autores impor- lógicos necessários para utilizar adequadamente de com o professor, mas o professor também
disciplina, que está voltada para as reflexões tantes, promoveu a articulação com a realidade e as plataformas digitais e ambientes virtuais aprende com o aluno.
acerca da formação de professores em seu caráter orientou as atividades e ações necessárias. de aprendizagem. Os que não dispunham de
humanizador e emancipador. instrumentos para as atividades remotas foram (...) o que não posso obviamente
O desenvolvimento das aulas síncronas oferece 2.1. ADAPTAÇÕES E REINVENÇÃO DE atendidos pelo programa emergencial da PUC-SP, permitir é que minha afetividade
desafios no que se refere a tecnologias, quanto UM ENSINO DE QUALIDADE POR MEIO que distribuiu mais de 200 computadores com interfira no cumprimento ético de
aos dispositivos e sistemas utilizados e à capa- DE PROPOSTAS REMOTAS DIVERSAS NA pacotes de dados para que todos estivessem meu dever de professor no exercício
cidade da internet, aspectos que apresentam DISCIPLINA TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO: conectados. As atividades remotas demonstram- de minha autoridade. Não posso
variações que podem causar dificuldades para FUNDAMENTOS, CONCEITOS E PRÁTICAS -se adequadas nesse período de adaptação com a condicionar a avaliação do trabalho
o acesso e execução de atividades. Os encami- CONTEMPORÂNEAS nova rotina das aulas. escolar de um aluno ao maior ou
nhamentos e proposição de soluções fizeram-se O uso de multiferramentas explorando com menor bem querer que tenha por ele
58 necessários ao longo de todo o semestre e foi Com um semestre totalmente atípico e até mesmo sinergia as funcionalidades do Teams, do Moo- (FREIRE, 2006, p.160). 59
possível alcançar êxito na solução de problemas. histórico, pois há de se falar dos últimos aconteci- dle e Whatsapp, trouxe ao grupo de docentes e
Desta forma, a docente teve êxito no desenvol- mentos ao longo dos anos, as atividades presenciais discentes a clareza de que não estavam só, e de A definição do monitor no Material de Apoio é:
vimento de aulas dialogadas, apresentação de das universidades no mundo foram afetadas. As que todos estão aprendendo e, ao mesmo tempo, “atua, de forma complementar e sob orientação
trabalhos e propostas de reflexões nos momentos comunidades escolares foram convocadas para ensinando. Com a regulação da situação e organi- do professor, no monitoramento e engajamento
síncronos. No entanto, a utilização do Moodle foi atuar em um contexto de excepcionalidade e adotar zação dos ambientes de aprendizagem virtual em dos alunos no ambiente virtual de aprendizagem.
menos expressiva e não foi possível explicitar as alternativas para minimizar o prejuízo com a educa- andamento, houve estabilização e conforto por par- É um facilitador nos fóruns de discussão e orienta
funcionalidades para os alunos, ainda que todas ção. O redesenhar e repensar diante de uma nova te das pessoas que ainda não se sentiam seguras e os alunos quanto aos aspectos procedimentais
as aulas tenham sido colocadas no Moodle, jun- realidade inesperada trouxe sacrifícios e, conse- ambientadas. O senso de grupo dos participantes das disciplinas, como: estrutura das aulas, prazo e
tamente com a abertura de fóruns para postagem quentemente, muita mudança na forma de pensar. no sentido de auxiliar aqueles que precisaram formato de entrega das atividades, explicação da
de atividades e todos os comunicados referentes Os professores da linha de pesquisa “Novas de algum suporte para uso das ferramentas foi metodologia de ensino, explanação dos instru-
à disciplina. Entendemos que o foco principal ficou Tecnologias em Educação”, do Programa de fundante para o desenrolar das aulas remotas. mentos avaliativos e orientação quanto ao acesso
nas aulas síncronas e as atividades assíncronas Pós-graduação em Educação: Currículo da PUC - SP, Com o decorrer das trocas de experiências e aos recursos didáticos. Além disso, o monitor tam-
foram realizadas por meio de estudo individual, organizaram o grupo dos monitores via whatsapp, múltiplas visões de cada monitor, a professora bém é o responsável pela publicação de avisos”.
leitura de textos, realização de trabalhos em como forma de tecer apoios mútuos entre os pares. iniciou a construção do Material de Apoio para A criação das boas práticas, sob a orientação da
grupo e organização de apresentações. Então foram indicadas as primeiras ações a serem Monitoria, que contém as principais atividades professora, gerou algumas comunicações essen-
No que diz respeito ao andamento pedagógico, tomadas: no primeiro momento, houve uma grande exercidas pelo monitor, como aplicá-las nos referi- ciais, como banners desenvolvidos por monitores,
o grupo avançou nas propostas e o desenvolvi- demanda de atividades e a ansiedade de cadastrar dos ambientes, caminhos de boas práticas, passo informando sobre como acessar as aulas online,
mento da disciplina oportunizou aprendizagens todos os alunos e docentes. É preciso destacar a a passo de algumas tarefas mais complexas e o netiqueta, instalar o Teams, como trocar senha,
significativas e construção de conhecimentos por velocidade de implementação dos ambientes virtu- acolhimento - ponto destacado como primordial entre outras.
meio de estudo individual e de interações com o ais de aprendizagem, Teams e Moodle, e a adapta- desde o início do programa das aulas remotas, ou Na dinâmica das aulas, muitas atividades foram
grupo e com a professora, que estimulou diálogos, ção e prontidão para migrar para o ensino remoto. seja, como tornar o ambiente humanizado. realizadas em grupo, trazendo experiências de inte-
ração com os alunos, buscando com eles caminhos te, via whatsapp e em alguns casos por telefone. necessários para que todos pudessem caminhar, No que diz respeito ao andamento
da vida e do conhecimento. Para além, no início de Os vídeos e gifs informativos compartilhados, ex- bem como nos encaminhamentos didáticos
cada aula houve momento de escuta e acolhimento plicando as funcionalidades das ferramentas que avaliados de maneira formativa e imediata que pedagógico, o grupo avançou nas
dos sentimentos dos integrantes da turma, como
forma de humanizar os encontros remotos.
se tornaram desafios, eram apoio aos anseios do
novo: como interagir nas aulas? A duração da aula
redesenharam formas e tempos para contemplar
a necessária efetividade.
propostas e o desenvolvimento da
seria a mesma da presencial? Quais as formas de No entanto, esses movimentos foram envoltos disciplina oportunizou aprendizagens
2.2. RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE
MONITORIA NA TURMA: CÁTEDRA PAULO
registro das atividades realizadas?
Essas foram algumas questões que surgiram entre
por sentimentos pautados em valores humanos:
respeito, equidade, afetividade, acolhimento, e significativas e construção de
FREIRE os alunos, que se somaram ao contexto de outras tantos outros sentidos imbricados com ações para conhecimentos por meio de estudo
situações ao longo caminho. No entanto, a valoriza- continuar caminhando, sobretudo o pensar em
Esse texto trata de uma experiência vivida com ção do apoio da monitoria ocorreu em momentos como regular aprendizagens. Regular difere de individual e de interações com o grupo
60
monitoria em uma turma de pós-graduação de reconhecimento por parte dos participantes. Na
stricto sensu, no campo educacional no Programa fala da professora: “as monitoras desempenharam
medir, porque busca por caminhos em que todos
podem percorrer, mesmo com diferenças em
e com a professora, que estimulou 61
Educação: Currículo, na linha de pesquisa Políticas um papel fundamental, eu diria ‘anjos virtuais’, ou tempo e forma. diálogos, sustentação de pontos de vista,
Públicas e Reformas Educacionais Curriculares. seja, de acolher e ensinar nesse novo contexto de
As atividades desenvolvidas pela monitoria ade- aprendizagem, no ambiente online”, e em depoi-
Posto isso, a ideia de artefatos, feitos com arte,
oriunda dos estudos de Cupani (2004), trata a elucidou dúvidas, esclareceu conceitos e
riram a um novo formato: aulas remotas. Essas mentos ofertados pelos alunos da turma. tecnologia como problema filosófico, no sentido ideias de autores importantes, promoveu
aulas remotas passaram a ser ministradas em No decorrer das semanas, os desafios foram de servir como objeto para a solução de problema
um curto período de tempo, devido à urgência de amenizados e a apropriação do uso de tecnologias em caminho possível de mudança ou criação, a articulação com a realidade e orientou
manter o calendário escolar, provocando a neces- digitais de informação e comunicação (TIDC),
sidade de adequações ao longo do caminho. ficaram visíveis: os participantes não solicitaram
e com isso podem ocorrer novas maneiras de
pensar e construir. Neste caminho, de apropriação
as atividades e ações necessárias.
O perfil da disciplina, ministrada por professora mais suporte para ingressar na aula, comparti- para solucionar e melhorar, Assmann (2006) con- Este fazer com arte permitiu descoisificar e des-
com vasta experiência na área de currículo, é de lhar arquivos, compartilhar tela e abrir e fechar o tribui com o pensamento transdisciplinar posto no produtificar as TDIC em novos artefatos do fazer,
resolução de problemas complexos, resistência áudio, entre outros comandos que se subentende empenho de solução de um problema. posto como específico, particular, característico
e perseverança diante do cenário de políticas aprendidos no caminho. É importante destacar que o VI Seminário Web em didática e prática desta comunidade escolar.
públicas educacionais. Currículo, ocorrido em 2019 na PUC - SP, realçou
Inicialmente, a insegurança era relacionada à pla- 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS o sentido da tecnologia que atende ao contexto AGRADECIMENTOS
taforma de aprendizagem virtual, não conhecida de humanismo, o que se soma às ideias de Cupani
por muitos, o que causava desconforto e dúvidas. O desafio de seguir com os estudos diante do (2004) e Assmann (2006) no entendimento As autoras Fabiana Aparecida de Oliveira, Marisa
Os estudantes solicitaram o uso do Skype ou han- momento de ruptura provocado pela pandemia se do caminho percorrido de Wuhan a Perdizes, Garbellini Sensato e Vivian Vaz Batista Alves
gout, por terem familiaridade com tais aplicativos, relaciona com a construção de novos artefatos ou, sobretudo, no sentido de práticas que partem das agradecem à CAPES - Coordenação de Aperfeiço-
mas a regra da universidade era usar ambiente ao menos, com a remodelagem de possibilidades comunidades escolares sem a preocupação disci- amento de Pessoal de Nível Superior pelo apoio
institucionalizado. de suas utilizações. Neste sentido, a união das plinar, mas com a intenção de promover o estudo no desenvolvimento desta pesquisa.
Os atendimentos de suporte foram, principalmen- mídias (multimídia) foi acionada nos acolhimentos dos membros da comunidade. O autor Leandro Wendel Martins agradece ao
CNPQ - Conselho Nacional de Desenvolvimento tecnologias digitais em cursos de formação
Científico e Tecnológico pelo apoio no desenvolvi- inicial de professores de matemática na
mento desta pesquisa. modalidade de educação a distância. Revista
Educação e Linguagens, Campo Mourão, PR, v. 3,
REFERÊNCIAS n. 5, jul./dez., 2014. Disponível em: <https://goo.gl/
KzB1bJ>. Acesso em: 25/06/2020.
ALMEIDA, Maria Elizabeth, VALENTE, José Arman-
do. Tecnologias e currículo: trajetórias conver- VALENTE, José Armando; MORAN, José Manuel;
gentes ou divergentes.São Paulo: Paulus, 2011. ARANTES, Valéria Amorum (Org.). Educação a
distância: pontos e contrapontos. São Paulo:
ALMEIDA, Maria Elizabeth, ALVES, Dom Robson Summus, 2011.
Medeiros, LEMOS,Silvana Donadio Vilela. Web _______________________ Formação de
62 Currículo: Aprendizagem, pesquisa e conhe- educadores para o uso da informática na 63
cimento com o uso de tecnologias digitais. São escola.Campinas, SP: Unicamp/Nied, 2003.
Paulo: Letra Capital, 2014.
PALAVRAS-CHAVE
ASSMANN, Hugo. Chaves para um Pensamento
Transdisciplinar: Auto-Organização — Autopoiése Ensino remoto; Monitoria; Formação colaborativa.
— Complexidade. In: Estudos Teológicos. v.36,
n.3, p.195-205. Piracicaba: UNIMEP, 2006.

CUPANI, Alberto. A tecnologia como problema


filosófico: três enfoques. v. 2, n. 4, p. 493-518. In:
Scientiæ Zudia, São Paulo, 2004.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia:


Saberes necessários à prática educativa. 2ª ed..
SP: Paz e Terra, 2006.

MULTIMÍDIA. In: Michaeles: moderno dicionário.


Editora Melhoramentos. São Paulo, 2007.

SCHERER, Suely; FERNANDES, Frederico Fonse-


ca. Estar junto virtual ampliado e o uso de
Neste trabalho, consideramos a humanização outros termos, o seminário aconteceu no momen-
como um componente na interlocução qualifi- to da pandemia do novo coronavírus, denominado

formação de
cada no contexto da aprendizagem. Além disso, SARS-CoV-2, causador da doença Covid-19, que,
optou-se por nomear o texto como “dilemas” e dentre tantos desafios, tem forçado educadores e
“perspectivas”, uma vez que os dilemas represen- educandos a se reinventarem. Vale destacar que

educadores em tam “raciocínio de premissas alternativas, con-


traditórias e mutuamente excludentes, mas que
a importância de um relato de experiência está na
relevância e significância dos problemas que nele

tempos pandêmicos:
fundamentam uma mesma conclusão. Situação- se expõem, assim como o nível de generalização
-problema, [...] gerando indecisão, escolha difícil” na aplicação de procedimentos ou de resultados

dilemas e perspectivas
(AULETE, 2011, p. 498). Neste caso, a circunstân- da intervenção, ou seja, o relato de experiência

s
cia educacional de difícil resolução considerou a está a serviço de contribuir para a práxis metodo-
humanização como meio fundamental da ação. Os lógica da área à qual pertence.
64 paradigmas de aprendizagem apontados fizeram 65
1. INTRODUÇÃO que fosse possível realizar escolhas entre os 2. SER DOCENTE EM TEMPOS DE PANDEMIA
caminhos, algumas vezes contraditórios e difíceis,
er educador em tempos de epidemia é muito complexo. Contudo, não em que professora e alunos tiveram que, demo- O Dicionário Aulete (2011, p. 572) define “epide-
estamos vivendo apenas uma epidemia, mas uma pandemia, o que é ainda craticamente, por meio do diálogo, decidir para mia” como “doença, em geral[,] infecciosa transi-
mais desafiador. Este texto tem como foco a formação de profissionais melhor andamento das aulas e, sobretudo, das tória, que ataca rapidamente, ao mesmo tempo e
da educação em tempos pandêmicos e os dilemas e perspectivas vividos aprendizagens. no mesmo lugar, grande número de indivíduos”; e
neste período no cotidiano escolar. Os questionamentos que orientam este Há também perspectivas, ancoradas nos termos “pandemia” como “epidemia que atinge toda uma
estudo são: Como os professores podem enfrentar as adversidades em definidos pelo Novíssimo Aulete Dicionário Con- região” (AULETE, 2011, p. 1019). Pensar na forma-
tempos de pandemia? Quais paradigmas pedagógicos sustentam a forma- temporâneo da Língua Portuguesa (AULETE, 2011, ção educacional neste momento apresentou-se
ção de professores? O aporte teórico que fundamenta o texto é composto, p. 1058) como “aquilo que o olhar alcança a partir como um marco histórico, no qual
principalmente, por Cosme (2018) e Trindade e Cosme (2010), respectiva- de determinado lugar [...], ponto de vista [...],
mente presentes nos livros “Autonomia e flexibilidade curricular: propostas forma ou maneira sob a qual algo se apresenta ou (...) o gênero humano está enfren-
e estratégias de ação” e “Escola, educação e aprendizagem: desafios e é visto”. No caso aqui descrito, as perspectivas tando revoluções sem precedentes,
respostas pedagógicas”. são apresentadas no modo como se concebeu ou todas as nossas antigas narrativas
se analisou a ação educacional em um contexto estão ruindo e nenhuma narrativa
neide de aquino noffs específico em tempos de pandemia e o ponto de nova surgiu até agora para substituí-
claudia xavier da costa souza vista das autoras deste texto. -las. Como podemos nos preparar e a
O estudo relata experiências vivenciadas pela nossos filhos para um mundo repleto
professora, mestrandos e doutorando durante as de transformações sem precedentes
atividades de intervenção decorridas em um semi- e de incertezas tão radicais? (HARARI,
nário realizado no primeiro semestre de 2020. Em 2018, p. 319).
Refletir a formação neste momento é afirmar p. 29). O professor e o seu conhecimento ocupam C) PARADIGMA DA COMUNICAÇÃO: redor, em uma relação de interação como num
que ela ocorre sempre em um tempo e em um um lugar privilegiado, pois este paradigma assume ENSINAR É CONTRIBUIR PARA AS movimento integrado, teríamos o espaço educa-
espaço histórico específico, a partir de políticas uma visão prescritiva pela sistematização padro- APRENDIZAGENS DOS ALUNOS NO SEIO DE tivo e a flexibilidade desse espaço, do tempo, das
públicas com finalidades não apenas políticas, nizada e se concentra nos conteúdos a aprender. UMA COMUNIDADE DE APRENDIZAGEM pessoas, do grupo, do currículo, dos objetos do
mas também sociais, culturais e educativas, que É o espaço onde o dar uma boa aula, na visão do saber, da apropriação do conhecimento aprendido,
não acontecem por acaso, nem ao acaso. Por professor, não corresponde à visão do aluno de Este paradigma pedagógico caracteriza-se “por das contribuições pessoais, das interações entre
isso, a formação deve propiciar experiências em apreender, entendendo que, se este reproduzir valorizar a qualidade dos mais variados tipos de o indivíduo, os outros indivíduos e os objetos, da
ambientes que potencializem vivências em função informações e resolver os exercícios e tarefas, interações que acontecem em uma sala de aula apropriação do patrimônio cultural e da atribuição
das quais as aprendizagens sejam possíveis. Para estará aprendendo. De acordo com Trindade e como fator potenciador das aprendizagens dos de significado ao saber.
que isso ocorresse, neste momento, tivemos que Cosme (2010), a distância entre o dizer e o fazer alunos” (TRINDADE; COSME, 2010, p. 59). Assim, A pandemia, ao ser anunciada de forma abrupta,
assumir uma postura educativa que possibilitou pedagógico está claramente estabelecida aqui. a aula apresenta-se como um dispositivo pedagó- causou-nos um grande desmontar de referenciais
a mudança de aula denominada “convencional” gico que constrói oportunidades de aprendizagem, de ensino. Tivemos que reconfigurar os espaços
66 para aula remota. B) PARADIGMA DA APRENDIZAGEM: visto que há diálogos favorecendo o processo de de ensinar e de aprender a partir de processos 67
Nosso estudo centrou-se na revisão de princípios ENSINAR É DESENVOLVER COMPETÊNCIAS comunicação por meio do qual o professor é o abertos de comunicação onde os papéis de
que embasam a metodologia ativa a partir dos RELACIONAIS E COGNITIVAS interlocutor qualificado. Essa interlocução produz professores, alunos, conhecimento e ambiente
paradigmas pedagógicos educacionais propulsores novos caminhos para o ensinar e para o aprender, se assumissem como espaços educativos. A sala
de eixos mobilizadores para o seu desenvolvimen- Segundo este critério, o ato de aprender encon- favorecendo a formação acadêmica, pessoal e de aula obsoleta não era novidade, mas, apesar
to. Identificamos dilemas, nos autores contempo- tra-se mais relacionado com o desenvolvimento social a partir da reflexão conjunta ao compartilhar de sabermos que o modelo não dialogava com
râneos Trindade e Cosme (2010), ao propor crité- de competências cognitivas e relacionais do que experiências e reconstruir o conhecimento. Afina- o novo século, insistíamos nele e seguíamos
rios baseados na finalidade da escola alicerçada com a apropriação de conteúdos construídos do com esta proposta, Barbosa1 (2018) concorda desprezando, de maneira geral, tudo aquilo que
em três paradigmas pedagógicos: a) da instrução; por outros (TRINDADE; COSME, 2010). Nesta que este paradigma colabora para a mediação de trazia desconforto e mudança. A inovação, não
b) da aprendizagem; e c) da comunicação. concepção, o professor ocupa o lugar passivo no um instrumento semiótico ativo e interativo que a novidade, precisou de um vírus para que, de
processo de ensino-aprendizagem, e se evidencia desenvolve a capacidade de uso da linguagem em longe, buscássemos instrumentos tecnológicos e
A) PARADIGMA DA INSTRUÇÃO: EDUCAR o papel do sujeito que aprende como aquele que estruturas discursivas com vistas a atingir deter- fundamentos psicossociais para estarmos perto e
COMO SINÔNIMO DE ENSINAR exerce o papel principal nas ações educativas; evi- minados objetivos nas situações de comunicação colaborativamente conectados.
dencia-se a construção do conhecimento. Apren- em que se inserem. Entendemos que o centro das atividades educati-
Este modelo de educação traz o professor como demos quando somos estimulados a aprender Ensinar é permitir que as autorias de pensamento vas deve considerar os paradigmas da instrução e
detentor do saber e o aluno como depositário “porque, nesta abordagem, é o desenvolvimento surjam no sujeito que aprende, valorizando a da aprendizagem, porém assumimos o da comu-
de informações, ocupando um lugar passivo. O cognitivo dos sujeitos e das dinâmicas endógenas qualidade das interações que se estabelecem no nicação como referência de nossa ação. Durante
paradigma da instrução “justifica a escola como que lhe estão subjacentes que poderão garantir interior dos mais diferentes espaços. a pandemia, a formação de professores, que se
espaço onde a instrução corresponde a um modo a ocorrência de aprendizagens” (TRINDADE; Poderíamos representar este paradigma, sim- apoiava no presencial, teve que buscar alternativas
de formação pelo qual se valoriza a instância COSME, 2010, p. 44). bolicamente, da seguinte forma: o saber e o para a participação e o envolvimento dos alunos Agradecemos a Paulo Ro-
1

berto Barbosa pela dispo-


sição de leitura atenta do
do ‘dar lições’ (de ciência, de conhecimento); a aprendente seriam figuras centrais do processo; com os professores de forma flexível, autônoma, texto, pelas contribuições
e pelo compartilhamento
instância do informar” (TRINDADE; COSME, 2010, o professor seria o interlocutor qualificado; e, ao onde pudessem reinventar o seu papel profissio- de reflexões.
nal. Devido ao isolamento social, a alternativa que momento e nos trouxe a possibilidade de, através ETAPA 3: PROCESSAMENTO ....As atividades remotas
se apresentou como possível e eficaz foi a ativida- do repertório dado, chegarmos à aula aquecidos e
de remota, por meio de dispositivos tecnológicos com os nossos conhecimentos prévios ativados. O fechamento ocorria na forma do processamen- desenvolvidas no primeiro semestre
que realçassem a importância do ser profissional
da educação como “consciente e presente nas
B - Aquecimento específico: atividade realizada no
início da aula, a partir de relatos das tarefas realiza-
to das etapas anteriores, por meio do relato do
aluno, o qual chamávamos de “considerações
de 2020, em nossa disciplina
ações pedagógicas, que passa a desempenhar um das sobre os principais fatos profissionais e pesso- finais”. Ao relatarem ao grupo o que aprendiam embasaram-se em referenciais advindos
papel mais ativo, delineando caminhos e proces-
sos na busca da construção autônoma de conheci-
ais que os alunos se disponibilizavam a compartilhar
com seus colegas; troca de emoções, informações
na aula denominada Encontros de Aprendizagem,
reafirmávamos nossos conhecimentos, emoções da cultura digital, do psicodrama e da
mento” (NOFFS; SANTOS, 2019, p. 1847). dos contextos em que viviam e dilemas enfrentados e progressos, isto é, era o momento da análise psicopedagogia, visando a reinventar
Neste sentido, as atividades remotas desenvolvidas no desenvolvimento de seus papéis profissionais, da situação vivenciada do começo ao fim; era o
no primeiro semestre de 2020 embasaram-se em tendo a pandemia como pano de fundo. instante da troca entre os componentes do grupo. os espaços de aprendizagem para esse
68
referenciais advindos da cultura digital, do psico-
drama e da psicopedagogia, visando a reinventar os ETAPA 2: DESENVOLVIMENTO DA AULA
Nesse momento, compartilhar com o grupo suas
experiências era essencial para o envolvimento e
momento tão complexo” 69
espaços de aprendizagem para esse momento tão PROPRIAMENTE DITA o compromisso com as ações a serem desencade- compreensão do contexto e do desafio constante
complexo. Dessa forma, compartilhamos o proces- adas. Após os comentários finais, davam-se por de manter a vontade de aprender com a alegria
so de ensino desenvolvido, explicitando as etapas Apresentação, por parte da professora, do tema encerradas as etapas. ao identificarem, em si ou no grupo, a aquisição
de ensinagens e aprendizagens vivenciadas. a ser desenvolvido, porém ampliando o conhe- Nessas etapas, havia a preocupação com a de um novo conceito. Exemplificando: transformar
Entendemos como “etapas” os diferentes mo- cimento na dimensão filosófica, política e social, formação pessoal das pessoas, envolvendo o edu- o conceito de aluno pelo de aprendente, o de
mentos pelos quais a aula/encontro transcorria. visando à sua qualificação. cador consigo mesmo e com os grupos com que professor por ensinante, o de chão da escola por
Os alunos se pronunciavam a cada nova ideia, convivia, em especial no ambiente da plataforma contexto escolar.
ETAPA 1: AQUECIMENTO possibilitando não só a recepção do conhecimen- Teams (proposta pela instituição como oficial). Outro fator que contribuía para a apropriação do
to, como a compreensão, interpretação e crítica, A formação pessoal implica aprendizagem como conhecimento era a confiança de todos os alunos
A - Aquecimento inespecífico: atividade proposta permitindo a sua apropriação. A área conceitual processo no qual criamos um vínculo entre no papel de ensinante assumido pela professora.
anteriormente à ação docente, no coletivo dos era transposta para a prática a partir de relatos quem ensina e quem aprende, a partir de quatro A confiança no seu conhecimento, a empatia e a
alunos, a partir de tarefas individuais propostas vividos por todos, posto que se tratavam de elementos, de acordo com a psicopedagoga Alícia identificação com o papel profissional facilitavam
para serem realizadas em casa por meio de profissionais da educação refletindo, vivendo e Fernandez: “o organismo individual herdado; o o processo de aprendizagem. Questionamen-
questões problematizadoras relacionadas à leitura redescobrindo novas formas de reinventar seu corpo construído especularmente; sua inteligência tos, dúvidas e transposições didáticas ocorriam
prévia indicada pela professora, bem como seu saber-fazer durante a pandemia, devido à sua autoconstruída interacionalmente; e a arquitetura naturalmente.
registro das curiosidades, dúvidas, articulação entre chegada inesperada e à transição tão esperada. do desejo, desejo que é sempre desejo do desejo Entendemos como transposição didática (CHE-
o lido e o vivido em seu cotidiano profissional. O Do remoto ao híbrido – pois entendíamos que, do outro” (FERNANDEZ, 1990, p. 47-48). Esses VALLARD, 1991) a passagem do saber científico –
aquecimento tinha como intenção mobilizar para a após descobrirmos a possibilidade das atividades elementos são, simultaneamente, trabalhados elaborado pelos cientistas – para o saber ensinar,
etapa seguinte, além de facilitar a interação e focar remotas, o modelo híbrido se apresentaria como por meio de elaborações de como os profissionais elaborado pelas didáticas a práticas de ensino;
o tema central da aula. A sala de aula invertida, uma a oportunidade inovadora de aprendizagem na estavam lidando com o isolamento em sua casa, para o saber ensinado (o conhecimento aprendido
das metodologias ativas, se fez presente nesse formação profissional. por meio da tela do computador, do seu corpo, da pelo aluno). Esse percurso, por meio do qual o
professor recontextualiza o conteúdo, o relacio- para que o processo de aprendizagem ocorresse. refletindo sobre a flexibilidade curricular ao revertempos de pandemia essa mudança mostrou-se
nava à vivência do aluno em nível de sua própria A formação do profissional da educação como os percursos de formação, visando à autonomia ainda mais latente.
compreensão. Os movimentos da transposição pessoa ocorria em um clima de respeito, lideran- na tomada de decisões, ao desenvolvimento de O paradigma da comunicação, já mencionado
eram permeados pelos relatos da experiência ça democrática e participação de todos, já que sua autoestima como docente e encontrar alterna- anteriormente, foi o caminho escolhido pelo
profissional e pessoal da professora e dos alunos, a aceitação da diversidade, na qual diferentes tivas para as situações-problema identificadas em grupo, ancorando aqui os percursos de apren-
envolvendo situações no desempenho de suas desempenhos profissionais ocorriam, possibilitava seu cotidiano. dizagem. Esse paradigma propõe, a partir das
profissões na área de educação e situações vivi- externarem suas opiniões sem medo de errar. O paradigma da comunicação ocorre pela intera- interações estabelecidas, a criação de um clima
das em ambiente escolar – da creche ao ensino Assim, entendia-se que o erro fazia parte de ção e pela formação de vínculos, de modo que de aceitação das diferenças – “as intenções que
superior – acrescidas de relatos no atendimento seu aprendizado. A liderança de conhecimento as pessoas se fortaleçam nas relações intrapes- os alunos estabelecem com o patrimônio cultural
psicopedagógico de pessoas (crianças, adolescen- rodiziava entre os participantes desse grupo, onde soais e interpessoais, construindo um coletivo que os planos de estudos consagram, em função
tes e adultos). o saber e o não saber, a facilidade e a dificuldade de profissionais com a certeza de que as perdas deste, um com outros e o meio social e cultural”
De acordo com Noffs e Santana (2016, p. 69), “A eram vividas por cada pessoa sem constrangi- advindas do isolamento social não se configuram (TRINDADE; COSME, 2010, p. 71). As Tecnologias
70 transposição didática inclui questões relativas mento, dado que formávamos um grupo, um time, como isolamento emocional. O medo da tecno- Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) 71
ao o que ensinar, por que ensinar determinado e não mais um aglomerado de alunos. logia foi desmontado lentamente, e remontamos foram subsidiando os diálogos fundamentados
conteúdo e não outro, como superar fragmenta- Outro ponto importante nesse processo de um novo fazer por meio WhatsApp, e-mail, Teams pela teoria e nos permitiram uma outra forma de
ções do programa, enfim, como ajudar o aluno a formação foi o de propiciar feedbacks natural- e Moodle. A transformação advinda do uso da atuação profissional.
aprender”. Reiteramos como fundamental para mente, sempre a partir de indicativos ou de sinais tecnologia propiciou um novo momento, no qual o Por meio do Moodle, foi possível inserir, na
a transposição a interação, a comunicação entre observados no desempenho de alguém no grupo; fazer envolveu pessoas humanizadas, com valores plataforma, o cronograma do curso, os textos
professores e alunos, possibilitando a todos a a partir da fala espontânea, por meio da qual cada sociais, éticos e educativos. para as leituras semanais (inclusive as leituras
reflexão sobre a prática, delineando novas alterna- um tinha a oportunidade de conhecer a si mesmo complementares), o envio das atividades, as
tivas de atuação profissional. na relação com o outro. O contexto de colabora- 3. RELATÓRIO DE PERCURSO NA VISÃO DOS videoaulas, o compartilhamento de arquivos em
De um lado, a atuação pressupõe um esforço de ção, de aceitação do outro independentemente da PROTAGONISTAS: DOCENTE E DISCENTES Word e pdf, além, é claro, da interação pelo fórum.
todos no exercício simbólico de troca de papéis, cor e do gênero era refletido para que melhorás- Já no Teams, foi viabilizado que as videoaulas
por meio da qual podemos exercer o de pais, ami- semos o processo de ensino e o de aprendizagem. Estar longe e perto: paradoxal, a princípio, mas se realizassem, fossem gravadas, e perguntas e
gos, familiares e gestores para compreensão da Nesse semestre, convivemos com incertezas, necessário e importante neste momento. Pode- respostas foram possíveis para interação por meio
pessoa que, de fato, os exerce. “Por outro lado, a certezas, esperado, inesperado, previsível e mos aprender por atividades remotas? Sim, e a do chat entre professor/aluno.
descrição do vivido busca um olhar, identificando imprevisível, porém o diálogo constante, o direito PUC-SP mostrou que isso é possível. De forma Tentativa e erro, design learning. De forma com-
a situação em sua essência, distanciando-se neste à fala e a oportunidade de escuta permitiram-nos participativa, foi instaurada uma teia colaborativa partilhada e colaborativa, fomos nos adaptando às
momento, da aparência, que pode estar dificul- compreender os conflitos vividos, fomentando o entre gestores, docentes, discentes e funcioná- novas exigências e oportunidades de aprendiza-
tando a compreensão real do fato observado” reinventar-se para utilizar os recursos técnicos ou rios; uma rede de apoio tecida para dar sustenta- gens. Não bastava uma plataforma; tivemos que
(NOFFS, 2003, p. 126). para além deles. ção ao trabalho, “pois, à medida que o ritmo das ampliar o uso de outra. A universidade não podia
Em tempo de atividade remota, as dificuldades Reiteramos a importância da tecnologia, do tra- mudanças aumenta, é provável que não apenas parar, por isso foi necessário encarar os desafios
eram comentadas, e a solidariedade e a ajuda balho de formação em grupo, de estabelecer vín- a economia, mas o próprio sentido de ser ´ser do presente em direção ao futuro. Relutâncias
apresentavam-se como forma de apoio ao outro culos afetivos/cognitivos entre os protagonistas, humano´ mude” (HARARI, 2018, p. 323), e, em em um processo de adaptação – de um lado, o
institucional; de outro, o uso de um aplicativo faci- das aulas presenciais. A escolha da humanização da instrução e da aprendizagem, mas priorizou o das e agora públicas. Com o passar dos dias, co-
litador de conexão e conectividade. Experiências como um componente na interlocução qualificada paradigma da comunicação, visto que valorizou a nhecemos uns aos outros pela voz e pela imagem,
assíncronas e síncronas que se encontravam na no contexto da aprendizagem facilitou muito este qualidade dos mais diversos tipos de interações algo que não conseguíramos gravar e aprofundar
busca pela formação integral e integradora. percurso, amenizando o distanciamento físico. que aconteceram com a intenção de potencializar em apenas dois ou três encontros presenciais
Vale ressaltar que as aulas remotas ocorreram nos Nesse seminário, outro ponto a ser destacado as aprendizagens dos alunos. anteriores. Eles relataram também que sentem
horários previstos com o prosseguimento das ati- foi a organização que houve nas primeiras aulas Desse modo, ao final das aulas, os alunos eram falta do tato, do estar com o outro, do intervalo, do
vidades do conteúdo programático, de forma sín- presenciais. Nelas, foi entregue o conteúdo convidados a manifestarem seus pontos de vistas café, das rampas e do ir e vir de tantos estudantes
crona. As questões demandadas pelos alunos nas programático, a bibliografia juntamente com os a respeito dos conteúdos, metodologias aplicadas e sonhos que passeiam pelo campus, que, para
aulas foram explanadas com a abertura e provo- capítulos na pasta e a indicação da compra de pelo professor e sugestões para as aulas seguin- nós, são tão importantes. Tudo isso completa a
cação para a participação de todos. Os estudantes alguns livros. Essa organização favoreceu que tes (referência avaliação formativa processual). Os experiência da universidade, da responsabilidade
relataram que a bibliografia proposta atendeu aos as aulas remotas acontecessem sem prejuízos, discentes, nas aulas, refletiam sobre a articulação de estar em uma pós-graduação e de pensar para
objetivos das aulas, colaborando para novos sabe- pois os alunos já dispunham de todo material de entre a teoria e a prática sem esquecerem de as onde vamos com tantas trocas educativas media-
72 res e reflexões sobre a prática de cada integrante forma organizada. Também é salutar mencionar a vincular ao momento sensível que viviam. das pela tecnologia. Tais fatos aqui mencionados 73
da turma. Contaram ainda que a distância social importância da monitoria feita pelos mestrandos E por falar em presença, ser presente mesmo dis- podem ser constatados por meio do Moodle, na
foi sentida, por alguns, como lacuna, e, por isso, para a aproximação das ferramentas, abertura tante é o desafio a ser superado com o distancia- aba Fórum, pois lá estão registrados.
ansiavam pelo cheiro dos corredores na universida- de salas, organização do ambiente on-line e, até mento social devido à pandemia do novo corona- Um ponto relevante para as aulas foi a relação
de e pela oportunidade de estar em um ambiente mesmo, para o processo de transição para as vírus, e a tecnologia apareceu, fortemente, como de afetividade, que não se confunde, necessa-
dinâmico e acadêmico – melhora que virá ao aulas remotas. Recursos possíveis para garantir a um recurso que permitiu que a universidade não riamente, com o amor. Assim como no ensino
término do período de pandemia e na retomada transposição didática, o sentido aplicado e favo- parasse. Porém, é indispensável sinalizar que os presencial, nas atividades remotas, as relações
recendo a construção do conhecimento para além estudantes sentem falta do seu espaço físico, e vínculos criados entre professores e alunos
O paradigma da comunicação do acesso à informação. de poder conversar olho a olho com os profes- fazem a diferença quando permeadas por relações
Além disso, pensando na relevância da avalia- sores e colegas – como eles próprios relataram afetivas. Percebemos que esse fator se poten-
ocorre pela interação e pela ção e por ser uma ação que faz parte da prática durante orientações e conversas pelo WhatsApp, cializou pelo fato de os encontros acontecerem
formação de vínculos, de modo pedagógica, durante o processo de ensino e
aprendizagem, na aula on-line foi necessário
e-mail e videoconferência que foram feitas com a
professora. Eles disseram que se sentem felizes
on-line, mediados pelas tecnologias, pela internet,
e pelo fato de terem uma característica comuni-
que as pessoas se fortaleçam nas investigar o quanto o aluno internalizou e apren- e encorajados, pois, logo no primeiro encontro, cacional, com interações síncronas e assíncronas,

relações intrapessoais e interpessoais, deu. Consoante a essa propositura, a educadora


reconheceu, em suas aulas, que a avaliação não é
foram convidados a falar de si mesmos. Nós,
seres humanos já normalmente inseridos em
mediadas pelo educador, fazendo-se necessário,
ainda mais, o desenvolvimento das competências
construindo um coletivo de profissionais um ato isolado, mas constitui parte do processo realidades diferentes, que, de repente, fomos socioafetivas. Assim, a perspectiva que vislum-
de ensino e aprendizagem, devendo ser integrado reinseridos em outras realidades tão desafiadoras brávamos na formação era a de que a motivação,
com a certeza de que as perdas advindas às demais atividades de ensino, pois, enquanto se quanto as primeiras. apoio, encorajamento, fortalecimento e superação
do isolamento social não se configuram ensina, se avalia e, enquanto se avalia, também
se ensina (COSME, 2018). Para tanto, a docente
Ademais, os alunos expressaram que, aos poucos,
foram se acostumando a serem filmados e grava-
tornaram-se palavras de ordem em nossas aulas,
pois consideramos que a relação existente entre
como isolamento emocional não desconsiderou, em suas aulas, os paradigmas dos, a exporem suas casas e famílias, antes priva- afeto e cognição era essencial para o processo de
construção do conhecimento, visto que acredi- der coisas novas e preservar seu equilíbrio mental O processo reflexivo foi convergente com o edu- a possibilidade de, através do repertório dado,
távamos que esses vínculos contribuiriam para em situações que não lhe são familiares”. Por isso, cador atuante no currículo educacional construído chegarmos à aula aquecidos e com os nossos
maior participação dos alunos, sendo um poten- à educação, cabe oferecer alternativas capazes democraticamente em diferentes proporções e conhecimentos prévios ativados, assim, a decisão
cializador para aprendizagens mais significativas. de mediar a ação educativa; ao professor, cabe dimensões. Partindo dessa premissa, os profis- estaria no outro e continuaríamos a agir de acordo
As competências socioafetivas são aquelas que encorajar o aluno e acompanhar o processo; e ao sionais da educação foram reconhecidos como com suas expectativas e diretrizes.
criam laços de afetividade e proporcionam um aluno, cabe ser mais autônomo e emancipado. gestores curriculares que adotavam formatos Um vírus, invisível ao olho humano, trouxe, com
bom relacionamento entre aluno, professor e de mediação pedagógica e didática por meio de rapidez, a resiliência necessária para que pudésse-
turma, promovendo um ambiente agradável e 4. PERCURSO DO APRENDENTE metodologias, como também dispositivos de mos nos reinventar, sem pretextos para continuar
favorável para trocas e discussões, com vistas à avaliação que os mobilizavam a refletir sobre sua no caminho conhecido e sabido por cada um de
construção de conhecimentos. Por tudo isso, acre- As metodologias buscaram reconfigurar a ação prática e proporcionavam, ao aluno, a reflexão nós. Aprendemos a nos cuidar melhor, a ouvir o
ditamos que o fortalecimento de vínculos afetivos docente e discente para que pudéssemos, de fato, sobre a sua aprendizagem e a do grupo. outro, a ter amorosidade com cada um do grupo,
na educação – no caso em questão, remota – pensar a formação de professores também ativos Acreditamos na relação dialógica da aprendiza- a trazer o conhecimento e dele nos apropriar, a
74 aumenta a confiança dos alunos e o compromisso em suas práticas e, por conseguinte, em suas me- gem e na transformação do sujeito a partir de trazer a estética das palavras, dos textos, dos bor- 75
com os estudos, potencializando a participação todologias, trazendo a voz do aluno como elemen- sua interação com o meio, com os outros e com o dados, da mão estendida, da firmeza edificante do
na aula e melhorando a qualidade do processo to importante da atividade. O foco do processo de objeto do conhecimento. empoderamento de nós mesmos.
de aprendizagem. Constituímo-nos ensinantes e ensino e de aprendizagem estava nos aprendizes e A intencionalidade da ação docente revela o A pandemia provocou mudanças significativas às
aprendentes e, no desejo do outro, encontramos na sua interação com a comunidade, pois apren- cuidado e o preparo em articular esses saberes. pessoas e às instituições. Ser docente em tempos
o nosso desejo e nos constituímos como corpo dia-se, assim, de forma colaborativa. Personalizar O docente, aqui, constituiu-se como mobilizador de pandemia apresentou-se como uma oportuni-
construído e articulado. os percursos de aprendizagem dos alunos e do conhecimento, provocando a curiosidade e dade de reinventarmos esse papel de formação
Outrossim, consideramos que, nas atividades possibilitar o contato com profissionais experientes promovendo situações significativas de aprendiza- tão importante para a transformação da socieda-
remotas, a professora precisava criar meios de colaborou para o aprendizado e aprimoramento gem. Para isso, ele precisou descentralizar-se e re- de, e, por isso, convidamos a todos(as) a fazerem
comunicação e interação tendo como suporte as dos caminhos individuais e coletivos de forma conhecer-se como o autor de sua prática. Depen- parte deste grupo.
tecnologias. Por isso, a todos, durante as aulas, foi diversificada, não deixando as aulas monótonas. demos de uma formação reflexiva e democrática,
preciso “reinventar a si mesma[o] várias e várias Perrenoud (2000) aponta a importância da que o valorize e o instrumentalize para identificar
vezes” (HARARI, 2018, p. 323, grifo nosso). Dessa intencionalidade pedagógica como papel na as potencialidades e dificuldades de seus alunos
forma, a afetividade fez-se tão importante quanto reconstrução didática de qualidade para que se e mapear os investimentos necessários para
a cognição, visto que ambas podem melhorar o atinja o aluno em sua individualidade, estabele- personalizar suas estratégias visando ao desen-
processo de ensino e aprendizagem. cendo caminhos e formulando novos instrumen- volvimento de cada um deles e de todos, como
Por fim, cabe-nos reforçar que, para que o pro- tos. O caminho do curso manteve-nos próximos coletivo. Houve desafios intensos nesse processo,
cesso obtivesse êxito, criamos condições a fim de afetivamente, apesar de distantes fisicamente pois quem nunca exerceu a autonomia, seja como
que a professora, junto a seus alunos, estivesse pelas circunstâncias impostas. A reflexão foi uma docente ou como discente, resistiria à mudança e
próxima, mesmo que ainda distante. Conforme premissa importante e presente; trouxe intencio- lutaria pela permanência da heteronomia. A sala
Harari (2018, p. 323), “o mais importante de tudo nalidade ao nosso projeto, juntamente com o for- de aula invertida, uma das metodologias ativas,
será a habilidade para lidar com mudanças, apren- talecimento da ação na formação de educadores. se fez presente nesse momento e nos trouxe
REFERÊNCIAS NOFFS, Neide de Aquino; SANTOS, Sidnei. O de-
senvolvimento das metodologias ativas na
AULETE, Francisco Júlio de Caldas. Novíssimo Educação Básica e os paradigmas pedagógi-
Aulete dicionário contemporâneo da língua cos educacionais. São Paulo: Revista E curricu-
portuguesa. [75.756 verbetes e 18.645 locuções lum, vol. 17, nº 3, p. 1837-1854, out/dez, 2019.
de acordo com a nova ortografia]. Organizado por
Paulo Geiger. Rio de Janeiro: Lexikon, 2011. NOFFS, Neide de Aquino; SANTANA, Terezinha.
Formação continuada de professores:
BARBOSA, Paulo Roberto. Um estudo sobre os Práticas de ensino e transposição didática. 1ª ed.
gêneros textuais no apostilado de Língua Curitiba: Ed. Appris, 2016.
Portuguesa da rede pública paulista. 2018. PERRENOUD, Philippe. Dez Novas Competên-
167 f. Dissertação (Mestrado em Língua Portu- cias para Ensinar. Porto Alegre: Artmed Editora,
76 guesa) – Programa de Estudos Pós-Graduados 2000. 77
em Língua Portuguesa, Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo, São Paulo, 2018. TRINDADE, Rui; COSME, Ariana. Escola, edu-
cação e aprendizagem: desafios e respostas
CHEVALLARD, Yves. La transposicion Didác- pedagógicas. Rio de Janeiro: Walk Editora, 2010.
tica: Du savoir Savant au Savoir, Ensigne, 2ª ed.
Grenoble: La Pensee Sauvage, 1991. PALAVRAS-CHAVE

COSME, Ariana. Autonomia e Flexibilidade Formação; Educadores; Aprendizagem.


Curricular: Propostas e estratégias de ação.
Portugal: Porto Editora, 2018.

FERNANDEZ, Alicia. A Inteligência aprisionada:


abordagem psicopedagógica clínica da criança e
sua família. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1990.

HARARI, Yuval Noah. 21 lições para o século 21.


1ª ed. São Paulo: Cia das Letras, 2018.

NOFFS, Neide de Aquino. Psicopedagogo na


rede de ensino: a trajetória institucional de seus
atores-autores. São Paulo: Ed. Elevação, 2003.
Essas reflexões serão norteadoras deste capítulo, nhecido e propor novos rumos para uma situação
partindo da compreensão da capacidade do ser ainda não experimentada. Aprendemos isso na

percursos da
humano em ser resiliente. O esforço coletivo para prática em nossa vivência na PUC-SP. Com apoio
a superação dos desafios foi essencial para que de toda a comunidade acadêmica, foi possível
eles não se tornassem barreiras. encarar o atual desafio do distanciamento social,

educação formal e As quatro autoras, ingressantes no Programa de


Pós-Graduação em Educação: Currículo (CED),
modernizar-nos e não interromper as aulas de
diversos estudantes da graduação, pós-graduação

não formal em
na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e educação continuada.
(PUC-SP), questionaram-se como poderiam con- É neste ponto que há convergência de nossas his-

tempos de pandemia
tribuir em meio a este cenário e quais os possíveis
tórias. Nosso lugar de fala é a nossa experiência

a
percursos a seguir nas instituições educativas em como alunas no Programa de Pós-Graduação em
que estão inseridas. As TDICs, o ensino remoto Educação: Currículo que, durante esse período,
78 e a monitoria em disciplinas do CED permitiram teve como lema “Ninguém de fora”. De fato, o 79
1. INTRODUÇÃO integrar, de maneira transdisciplinar, suas experi-
suporte proporcionado aos estudantes e profes-
ências em educação formal e não formal. sores foi crucial para que o ensino ultrapassasse
educação, até então, era objeto de crítica e reflexão sobre a real preparação Assim, neste capítulo, serão relatadas vivências as barreiras físicas e chegasse a todos, ocorren-
para os desafios do século XXI, e, de alguma forma, as instituições edu- construídas no Ensino Superior, na Educação Bá- do por meio de uma proposta colaborativa de
cativas viram-se forçadas a adaptar-se às necessidades de um contexto sica e nas práticas educativas não formais em trêsintegração. Também de nossas experiências como
inesperado, novo e imprevisível. A mudança se fez urgente. instituições: PUC-SP, Colégio Rio Branco e Serviçoeducadoras na educação básica e na educação
A pandemia mundial causada por um vírus, no caso o novo coronavírus, Social do Comércio (SESCSP). formal, durante a pandemia.
exigiu reinvenção e superação. Isolar-se para preservar, afastar-se para Na mesma semana em que foram comunicadas
estabelecer novas conexões, cuidar de si e do outro, viver e aprender no 2. PERCURSOS NO ENSINO SUPERIOR as orientações sobre as atividades remotas1, os
isolamento foram os trajetos possíveis para a sobrevivência humana. professores da linha de pesquisa Novas Tecno-
Como adaptar-se para enfrentar uma circunstância tão diversa? Como dar Desde os seus primórdios, o conceito de currículo logias em Educação organizaram uma equipe de
continuidade à aprendizagem? Qual o papel das tecnologias digitais da apresenta a ideia de “regulação” e “ordem” do estudantes voluntários para atuar como monitores
informação e comunicação (TDICs) neste momento? Como operacionalizar que ocorre no ambiente escolar (SACRISTÁN, nas disciplinas do CED. Essa equipe, da qual as
as novas estratégias para que, mesmo isolados, estejamos conectados? 2013). Entretanto, quando tal organização se des- autoras deste capítulo fazem parte, teve como
vanece e uma ruptura brusca acontece, paralisan- função principal oferecer auxílio técnico aos do-
beatriz dos santos souza do aulas e impedindo que os processos de ensino centes e colegas no que dizia respeito ao uso das 1. Disponível em: https://j.
pucsp.br/noticia/covid-
claudia xavier da costa souza e de aprendizagem aconteçam entre as quatro plataformas digitais para a ministração das aulas -19-instrucoes-gerais-so-
bre-o-periodo-de-suspen-

marcela gomes pupatto paredes de escolas, universidades e instituições e transferências de arquivos. Mais de 20 alunos sao-das-atividades-pre-
senciais-1732020-16h.
não formais, percebe-se que a maior potência do monitores mobilizaram-se e, juntos, participaram Acesso em: 03 jul. 2020.
patricia pereira campos currículo talvez esteja na sua abertura ao impre- de um grupo em um aplicativo de mensagens ins-
Apresenta instruções
gerais sobre o período de
suspensão das atividades
presenciais e orienta sobre
visível, na sua capacidade de encarar o desco- tantâneas, por meio do qual se comunicaram com o ensino remoto.
frequência, trocando experiências e aprendizados Entretanto, muitos que se disponibilizaram esta- Há quem diga que o uso de TDICs na educação 3. PERCURSOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA – UM
enquanto exerciam a monitoria. vam em sua primeira atuação nessa modalidade. desfavorece as relações humanas. Agamben CAMINHO CONSTRUÍDO
Essa iniciativa caracteriza-se como uma “comu- Por meio de acesso a treinamentos oferecidos (2020) declara que faz parte da barbárie tec-
nidade de práticas”, conceito criado, em 1991, pela PUC-SP, foi possível ter uma aproximação nológica o apagamento dos sentidos e a perda Mantido pela Fundação de Rota-
por Etienne Wenger e Jean Lave. Tal comunidade maior com os softwares escolhidos para as aulas, do olhar, uma vez que os universitários então rianos de São Paulo, o Colégio Rio
se constitui quando os envolvidos compartilham ao mesmo tempo que se aprendeu mais sobre aprisionados nas telas de seus computadores. Branco tem uma proposta pedagó-
um mesmo problema e passam, então, a adquirir eles enquanto eram utilizados. A concepção Apesar da necessidade da corporeidade e da gica que entende a educação como
mais conhecimento para aprimorá-lo, enquanto de “aprender fazendo” foi colocada em prática, presença física no processo educativo, pode-se uma construção constante. O aluno
interagem regularmente (WENGER-TRAYNER, E.; permitindo que essa experiência agregasse novos afirmar que a experiência do CED permitiu a cria- é motivado a assumir atitude de
WENGER-TRAYNER, B., 2015). Os mesmos autores saberes aos participantes da monitoria. ção de vínculos. É importante ressaltar que, antes compromisso com o seu desenvolvi-
indicam que a existência de uma comunidade de do distanciamento social, foram realizadas duas mento pessoal, participando de seu
práticas se dá na presença de ações como, por Ora, se a vida não é mais que um semanas de aulas presenciais. Com o decorrer processo de aprendizagem e inte-
80 exemplo, solucionar problemas, solicitar informa- tecido de experiências de toda sorte, dos acontecimentos e a demanda da monitoria, ragindo, de forma responsável, na 81
ções, buscar experiências, aumentar a confiança, se não podemos viver sem estar os alunos- monitores e, mais especificamente, coletividade.
discutir desenvolvimentos, mapear o conhecimen- constantemente sofrendo e fazendo nós, enquanto ingressantes do curso, passaram a O colégio atua para que crianças e
to, identificar lacunas, entre outras. No caso dos experiências, é que a vida é toda conversar com colegas, mesmo sem conhecê-los jovens possam assumir seus direitos
alunos-monitores, esses aspectos foram identifica- ela uma longa aprendizagem. Vida, com mais profundidade, e se aproximaram dos e deveres como cidadãos integrados,
dos nos diversos momentos de interação inter- experiência, aprendizagem – não se professores, principalmente daqueles aos quais capazes de enfrentar um mundo em
pessoais: quando alguém possuía dificuldades de podem separar. Simultaneamente, ofereceram suporte. Com intencionalidade, os constante transformação (COLÉGIO
acessar alguma das plataformas e perguntava para vivemos, experimentamos e aprende- indivíduos envolvidos construíram pontes para a RIO BRANCO, 2020, s/p).
o restante dos colegas qual era o procedimento mos (TEIXEIRA, 2010, p. 37). afetividade que irão perdurar mesmo depois do
adequado; na realização, pelos próprios monitores, término desse período. A partir de 23 de março, em consonância com as
de tutoriais para compartilhamento entre o grupo Nesse processo de viver, experimentar e aprender, A proposta de organizar a monitoria se mostrou determinações dos órgãos oficiais, reforçando o
ou entre o restante dos alunos do CED; no acom- compreendem-se as potencialidades das TDICs em como uma estratégia criativa e eficaz de supe- cuidado com a comunidade e apoiando a rede de
panhamento realizado pelos professores organiza- transpor barreiras etárias e disciplinares no CED. O ração, com auxílio da mediação tecnológica. ações de prevenção ao Coronavírus (Covid-19), o
dores da monitoria; na partilha de novidades, como conhecimento foi adquirido não apenas pelos moni- Contudo, não podemos enxergar as TDICs como Colégio Rio Branco suspendeu as aulas presen-
a inserção de algum novo recurso nos programas tores, mas também pelos professores e alunos que um fim em si mesmas, visto que o autor de ciais e transferiu as relações de aprendizagem
usados; ou nas conversas informais sobre as nossas não estavam acostumados a utilizar a mediação mudanças históricas é o ser humano, ao qual as para o ensino remoto que permitia dois movi-
experiências com os professores e alunos. tecnológica e tiveram a oportunidade de aprender tecnologias servem. Com disposição, sabedoria mentos: não abrir mão da responsabilidade pela
A comunidade de monitores também proporcio- com a própria ação ou com a ajuda da monitoria. Foi e protagonismo, monitores, alunos e professores aprendizagem dos alunos e colaborar para a
nou grande aprendizado sobre o uso de determi- um grande percurso de descobrimento, formação do CED produziram uma experiência marcante de saúde física da comunidade local e global.
nadas TDICs. Inicialmente, a ideia era ter no grupo e desenvolvimento de novas habilidades, que transposição do físico para o virtual, mostrando O Colégio é uma escola referência Google,
alunos que já tivessem alguma noção de ensino a integrou todas as disciplinas, com os seus principais que é possível estar isolados, porém, não sozi- reconhecida por utilizar as plataformas Google for
distância para auxiliarem no atual ensino remoto. agentes sendo ativos na sua aprendizagem. nhos em seu percurso formativo. Education com alunos, educadores e colaborado-
res de forma integrada às atividades, com apoio palavras-chave para ação e comunicação foram: Os encontros de formação docente foram e são
da Nuvem Mestra, partnerpremier do Google confiança, parceria, colaboração, tranquilidade e a “Para a melhor conexão, desative o seu permeados com perguntas reflexivas em busca
for Education na América Latina. A utilização do imensa capacidade de adaptação. vídeo e o seu áudio. É importante que so- da construção coletiva de respostas que estejam
Google Classroom ocorreria partir do 6º ano do Os professores de forma heroica fizeram as mente a tela do apresentador e do intérpre- em consonância com os princípios da instituição:
Ensino Fundamental e a utilização de Chrome- adaptações necessárias e desempenharam o seu te estejam visíveis. Como garantir uma comunicação eficaz?; Como
books com CMC (Chrome Management Console) trabalho com uma energia ímpar, combustível que � Prefira fazer a reunião com um fone de lidar com os imprevistos e com as situações quan-
já estava na rotina escolar. Atualmente, a escola permitiu flutuarem em voo cruzeiro. Críticas e ouvido e ative seu microfone quando do fogem ao “controle”?; Como é possível avaliar
conta com 55 professores certificados no nível 1- sugestões foram a bússola para que mantivessem quiser falar. a aprendizagem dos alunos?
Educator, 17 no nível 2- Educator, e três no nível os profissionais do Colégio em voo pleno. Não � As perguntas deverão ser feitas pelo As TDIC deixam de funcionar como um recurso
3 – Trainer2. abriram mão dos seus princípios, mas buscaram chat.” para entregar conteúdo e aulas expositivas, para
O processo de transição ocorreu com mais tran- articular o espaço escolar que entrava no cotidia- funcionar como um elemento mediador da aprendi-
quilidade nos segmentos do Ensino Fundamental no familiar de maneira a respeitar e cuidar dessas Figura 1
Protocolos. zagem. Assim, as experiências digitais passam a ser
82 2 e Ensino Médio em função dessa experiência. relações; novos sentidos e perspectivas nasciam; Fonte: Roteiro para
Reuniões de Professores construídas como possibilidades de buscar a perso- 83
e Equipe Técnica
O desafio foi maior com a Educação Infantil e o mesmo distantes, precisavam mais do que nunca Colégio Rio Branco nalização da aprendizagem (BACICH et al., 2015).
(2020)
Ensino Fundamental 1, primeiramente, em função estarem perto e atentos um ao outro. Nesse voo, enfrentaram turbulências, principal-
da faixa etária que necessita de uma interação “Até breve”, “Atenciosamente” e “Cordialmente” mente com as crianças menores: drives, meetings,
constante e próxima entre os pares e o professor. deram lugar ao “Cuidem-se!” “Fiquem bem!”. sites, atividades assíncronas e síncronas, pequenos
Nesses segmentos, o uso da tecnologia ocorria A rotina das aulas regulares, a interação entre grupos; sempre se reinventando para atingi-los da
como estratégias metodológicas, em momentos alunos e professores, a realização de atividades e Figura 2
Roteiros de Aulas
melhor forma e conciliar, dentro do possível, a roti-
pré-determinados e cuidadosamente planejados. acompanhamento da mentoria escolar trouxeram Fonte: Colégio Rio
Branco (2020)
na, o home office dos pais, o afastamento dos avós,
Dessa forma, foi necessária uma “virada de chave” segurança às famílias em relação à consistência a timidez de algumas
para que o ensino remoto fosse o caminho exclu- do trabalho realizado. crianças e a desenvoltu-
2. “(...) certificados no
nível 1, 17 no nível 2 e
sivo de aprendizagem. Protocolos (Figura 1) e roteiros (Figura 2) foram ra de outras.
dois no nível 3 – Trai-
ner”: As certificações O Colégio Rio Branco teve o que chamaram de orientando “o fazer” que experimentaram na E quando tudo isso
do Google for Education
são desenvolvidas para “semana zero”, durante a qual as famílias ficaram prática, fruto de uma construção coletiva em que passar? E se não for
capacitar professores,
equipe pedagógica à vontade para decidir se levariam seus filhos à se fez necessário organizar e dar parâmetros, mas possível voltar presen-
e administrativa a
utilizar as ferramentas escola, os profissionais do grupo de risco foram acima de tudo inovar. O cenário dinâmico exigiu cialmente? Provocações
colaborativas do GSuite,
que estão associadas às afastados e cursos livres e avaliações foram a implementação de diversas ações nos âmbitos que fizeram a comuni-
contas do Gmail.
Em síntese, elas
recebem nomes dife-
suspensos. A equipe levantou voo para o ensino pedagógico, emocional e financeiro. dade crescer, intensifi-
renciados e lidam com
as funcionalidades das
totalmente remoto. O modelo não presencial car suas fortalezas, suas
ferramentas.
Para mais informações: foi marcado por vários desafios, mas também potências e sua capaci-
https://integraeduc.
com.br/ Acesso em: 05 por muitas aprendizagens. Semana a semana, dade de superação.
jul. 2020. Apresenta a
descrição de cada nível famílias, alunos e colaboradores recebiam o Por meio da interação
da certificação Google
for Education. posicionamento para os próximos passos. As e de pequenos vídeos
Quando tal organização se desvanece aprendizagens dos professores, nomeado como fóruns, chats ou por debates online, utilizando-se tão necessários para que, de maneira consciente,
Diário de Aprendizagens3; atenção à presença dos reuniões por Hangouts. Puderam também trazer se tenha um mundo mais digno para todos que
e uma ruptura brusca acontece, intérpretes para a participação da comunidade a produção por meio de tarefas de acordo com as vivem nele.
paralisando aulas e impedindo que os surda; atividades de engajamento social, entre
tantas outras ações feitas para que pudessem
especificidades e os objetivos de cada componen-
te curricular. Como exemplos podem ser citadas
Os profissionais do Colégio aprenderam que
trabalhar com indicadores ajuda a trilhar o
processos de ensino e de aprendizagem fortalecer os vínculos e trazer as atividades, agora a produção de textos individuais ou em grupos, caminho com mais segurança e respeito ao outro.

aconteçam entre as quatro paredes de com nova roupagem, para amenizar a sauda-
de. Não estão a frente e sim ao lado, e ao lado
a elaboração de apresentações, de vídeos, de
podcasts, a realização de exercícios, entre outros.
Avaliaram este período por meio de pesquisas
online com seus professores e alunos e, a partir
escolas, universidades e instituições seguem e seguirão. Procuraram equilibrar as vertentes do ensino re- dos dados que cruzaram entre as respostas dos
Com o prolongamento do período de isolamento e moto: conteúdo, interação e produção, não abrindo alunos e dos professores, puderam ter a compara-
não formais, percebe-se que a maior de distanciamento social que resultou na conti- mão da conexão e da conectividade. Para tanto, a bilidade dos dados e, assim, replanejar o caminho

84
potência do currículo talvez esteja na nuidade do trabalho remoto, ousaram com as ava-
liações digitais, pois acreditaram que não podiam
escolha baseou-se no princípio da interação entre
aluno, professor e conteúdo, rompendo com o pa-
e preparar-se para a volta parcial e híbrida, sempre
fazendo o que é necessário para que todos da 85
sua abertura ao imprevisível, na sua interromper o processo de aprendizagem reali- radigma da instrução e assumindo o paradigma da comunidade estejam em segurança.

capacidade de encarar o desconhecido e zado até então. Não, para o Colégio Rio Branco,
o ano não estava nem está perdido. A avaliação
comunicação como vetor do processo pedagógico.
Segundo Lilian Bacich (et al., 2015), as TDICs
Do quadro geral dos educadores que ali traba-
lham, 62,2% dos professores manifestaram que
propor novos rumos para uma situação a distância pode trazer muitos questionamentos favorecem a personalização, na coleta de dados o ensino remoto supriu as necessidades de sua
quanto à validade dos resultados obtidos, mas a e na identificação de quem são esses alunos, prática, 84,4% avaliaram sua interação com os
ainda não experimentada. experiência em si foi surpreendente para todos. quais são suas dificuldades e facilidades e como alunos como boa e muito boa. Entre as preocu-
Sim, os alunos conseguiram fazer a transposi- as experiências de aprendizagem podem melhor pações trazidas em relação à prática no período
4. Prosumers - O termo
enviados por mensagem, foram chegando perto, ção dos conteúdos essenciais que aprenderam atender ao objetivo de desenvolver habilidades de isolamento, apontaram o volume de trabalho, “prossumidor” não é
qualquer novidade. Ele foi
afinal, a saudade, a tristeza dos dados epidêmi- remotamente, e as dificuldades foram mapeadas e competências. Portanto, elas vão muito além a preocupação com a presença dos alunos e sua cunhado pelo escritor e
futurista Alvin Toffler em
cos em ascensão, as dores e “perdas chegando”, para ações de recuperação com possibilidades de de oferecer uma aula gravada a alunos que não aprendizagem, o medo de não dar certo e estado seu livro A Terceira Onda,
em 1980. Prosumer, no
aproximaram-se de cada casa, de cada um dos serem retomadas. puderam estar presentes na escola. Ainda ressalta emocional de todos os envolvidos. Enquanto original em inglês, é uma
combinação das palavras
profissionais, alunos e famílias do Colégio. A O ensino remoto pode priorizar o conteúdo por que entender os alunos como prosumers4 que aprendizagens, destacaram a importância de ouvir producer e consumer
(produtor e consumidor,
respectivamente). A defi-
saúde emocional da equipe, das crianças, dos meio de videoaulas indicadas ou produzidas pelos consomem, e também produzem no ambiente o aluno, da apropriação aos recursos tecnológicos, nição de prossumidor é o
consumidor que produz.
jovens, dos gestores e das famílias sempre foram professores, textos de referência, simuladores, digital, é fundamental ao elaborar o desenho do a capacidade de adaptação e de se importar mais Para Toffler, no entanto, o
sentido era mais restrito
essenciais nesse convívio, para isso, ações foram aplicativos, plataformas digitais externas ou as papel das TDIC nesse momento. com o outro. “Aprendi que meus colegas têm do que o atual. Ele definia
os prossumidores como
3. Diário de Aprendi-
implementadas: sala de convivência virtual para disponíveis nos livros didáticos. Os professores Se elas forem usadas para reforçar o ensino cen- conhecimentos aos quais preciso me curvar e os consumidores que
produziam muitos de seus
zagens. Disponível em:
https://padlet.com/
os mais velhos; encontros de mentoria com as puderam, nesse contexto, solicitar preparo prévio trado na figura do professor como um repositório pedir ajuda. Aprendi que não sei tudo”, disse uma próprios bens e serviços.
Definição encontrada na
carolina_sperandio/
rv1v1ebnhnbs. Acesso orientadoras educacionais; alunos tutores volun- para a próxima aula e utilizar roteiros de estudo do saber ao invés de focar na construção de um professora em seu depoimento na avaliação. plataforma Negócios SC,
termo usado pela autora
em: 04 jul. 2020. Material
utilizado como repositório tários compartilhando seus saberes; café virtual que auxiliaram na realização da atividade solici- currículo crítico e democrático, perde-se a opor- Como questiona Gary Herbert, citado em palestra Lilian Bacich, conforme
citação. https://negociossc.
das aprendizagens dos com.br/blog/prossumidor-
professores do Colégio com professores; debates, encontros com música tada. Esse ensino também pôde focar na inte- tunidade de desenvolver o pensamento crítico por Leandro Karnal (2020), “Se não você, então -o-significado-do-consu-
Rio Branco durante a midor-moderno-para-o-
Pandemia Covid-19. e arte; Padlet (painel digital) com registros de ração por meio de documentos compartilhados, e a participação ativa e transformadora, que são quem? Se não agora, então quando?”. Assim pros- -marketing/.
seguem, certos de que impedir o conflito e desistir cendo vínculos, identidades e pertencimento. como #sescaovivo, #EmCasaComSesc, EAD SESC profissionais da educação neste momento, os
dos desafios é o impedimento para o crescimento. Quanto ao currículo, as ações desenvolvidas na Digital, entre outros. educadores também fizeram a transposição didá-
educação não formal devem: Nesse percurso, trataremos das ações online tica de seus conhecimentos prévios para um novo
4. PERCURSOS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL desenvolvidas especificamente pelo Programa ambiente e precisaram adquirir novos conheci-
– EXPERIÊNCIAS NO ETA DO SESCSP [...] respeitar, valorizar e confirmar de Tecnologias e Artes (ETA) das unidades SESC mentos para gravar e editar vídeos. Foram muitos
a cultura e os saberes dos sujeitos, Avenida Paulista e SESC Pinheiros, nas quais atu- aprendizados e impressionantes os retornos.
Serviço Social do Comércio (SESC), é fazendo com que valores sociais e am como educadoras, respectivamente, Patrícia Ao ser colocado nas redes sociais do SESC Pinhei-
uma entidade privada que tem como culturais perpassem todos os proces- Campos e Marcela Pupatto, autoras deste artigo. ros, o vídeo “Como fazer sua máscara de tecido
objetivo proporcionar o bem-estar e a sos educativos, evitando, portanto, O Programa de Tecnologias e Artes (ETA) é um es- caseira?”6 recebeu mais de 8.000 visualizações,
qualidade de vida aos trabalhadores a padronização das práticas e a paço de atividades de desenvolvimento artístico, 45 comentários e diversos retornos positivos para
deste setor e sua família. Sua base tendência escolarizante que tanto cir- que compreende a tecnologia de forma ampla e ação. Foi possível perceber que, independen-
conceitual é a Carta da Paz Social e cundam esses espaços de educação envolve as mais diversas ferramentas de intera- temente da tecnologia usada e dos conteúdos
86 sua ação é fruto de um sólido pro- (PEREIRA, 2017, p. 60). ção com o campo cultural e as artes. Durante a preexistentes online, há uma necessidade de 87
jeto cultural e educativo que trouxe, pandemia, muitas ações foram realizadas. O foco vínculo. Muitos dos comentários e retornos se
desde a criação pelo empresariado do Em 13 de março de 2020, discutia-se o possível aqui será nos cursos oferecidos de modo remoto, deram por amigos e ex-alunos da educadora,
comércio e serviços, em 1946, a marca início de uma quarentena no país. No final de conteúdos e tutoriais produzidos para redes so- mostrando como o vínculo afetivo, de confiança
da inovação e da transformação semana subsequente, 14 e 15 de março, o SESCSP ciais com o #EmCasaComSesc, a fabricação digital e intercâmbios subjetivos são necessários para a
social. [...] No Estado de São Paulo, ainda tinha funcionado, mas já com diversas res- de protetores faciais e a confecção de máscaras aprendizagem. Fez-se presente o conceito da psi-
o Sesc conta com uma rede de 43 trições. No dia 16 de março, o SESCSP anunciou o de tecido para doações. copedagogia de que “só aprendemos com quem
unidades operacionais – centros des- fechamento de suas unidades ao público e, desde Um dos pilares do ETA é a “filosofia do faça- delegamos confiança”, trazido pela professora
tinados à cultura, ao esporte, à saúde então, segue com o protocolo de isolamento social -você-mesmo(a) – no sentido da valorização Neide Noffs, em aula, durante este período.
e à alimentação, ao desenvolvimento de acordo com o Governo do Estado de São Paulo. da autonomia de cada pessoa para descobrir e Outro pilar importante do ETA é a fabricação digi-
infanto-juvenil, à terceira idade, ao Com suas ações suspensas, funcionários e público experimentar novos e velhos saberes e poder tal. Nesse sentido, a ação nessa área é relatada na
turismo social e a demais áreas de aguardaram como se daria o novo modelo, respec- expressar-se criativamente da maneira que lhe Revista E Online (2020):
5. O Programa Mesa Brasil
SESC é uma Rede Nacional atuação. (PORTAL SESCSP, 2020). tivamente, de trabalho e de ações nesse contexto. parecer mais interessante” (REVISTA E, 2020).
de Bancos de Alimentos
que atua contra a fome e Em reuniões internas, organizadas em ferra- Ao receber o convite para a realização da ação O Sesc São Paulo – cujas unidades
o desperdício, que atende
prioritariamente pessoas Neste sentido, o Serviço Social do Comércio de mentas digitais como Zoom, Google Meet, entre #EmCasaComSesc, os educadores se questiona- seguem fechadas ao público em
em situação de vulnerabi-
lidade social e nutricional São Paulo (SESCSP) pode ser compreendido outras, os funcionários passaram a discutir novas ram qual conteúdo produzir, visto que já existem função das medidas de isolamento
assistidas por entidades
sociais cadastradas. Além
disso, também atua em
como um espaço de educação não formal. Se- maneiras de realizar atividades culturais e educati- vídeos tutoriais de diferentes tipos e qualidades. social no Estado – avaliou as neces-
caráter emergencial com
um trabalho de logística
gundo Assali (2019), educação não formal se ca- vas de modo online e a distância. Para manter seu Decidiram por conteúdos úteis ao momento, como sidades envolvidas na produção de 6. SESC Pinheiros. Como
humanitária, mobilizando
parceiros, arrecadando e racteriza por espaços educativos que possuem a compromisso social e educativo neste momento, vídeos sobre produção de podcasts (mídia de alguns tipos de máscaras e respi- fazer sua máscara caseira?
São Paulo. 25 de abril de
distribuindo doações para
pessoas atingidas por intencionalidade de criar ambientes e situações de o SESCSP lançou mão de diferentes ações como transmissão e informações em áudio) e tutoriais radores a partir dos equipamentos 2020. Instagram: @sescs-
pinheiros. Disponível em:
calamidades em todo o https://www.instagram.
país. http://www.sesc.com. interação coletivos, visando a capacitar indivíduos Mesa Brasil5 e mobilizou suas redes sociais com ensinando modos simples de fazer máscaras disponíveis no Espaço de Tecnologias com/p/B_Z9Hz1g2Gy/.
br/portal/site/mesabrasil- Acesso em: 22 de jun.
sesc/entenda. a serem cidadãos do mundo, no mundo, fortale- programações para seus diferentes públicos de tecidos, entre outras ações. Como muitos e Artes (ETA) das unidades. O diálo- 2020.
go com profissionais, dentro e fora de ensino da confecção de máscaras, que conta sequência pressupõe uma capacidade de apren- é bastante diferente de seus equivalentes não
da instituição, levou à opção pela com a participação de 20 funcionários voluntários, dizado autônomo do aluno, e o contato via envio virtuais. A experiência ao vivo, de uma sala de
fabricação de protetores faciais pro- foram oferecidos outros cursos internos minis- de referências mantém o curso vivo percorrendo o aula, por exemplo, não pode ser “traduzida” fiel-
duzidos por meio de impressoras 3D trados pelos educadores do ETA: “Bordado para cotidiano do aluno e não o deixando “esquecer-se”. mente para uma experiência de ensino remoto. É
e máquina de corte a laser disponí- Iniciantes”, “Crochê Sem Molde e Sem Receita” e Levar em consideração o vínculo emocional do necessário fazer um ajuste de expectativas, em
veis nos ETAs de diversas unidades, “Introdução à programação com Python”. aluno com o curso, pensar sua motivação, a pro- primeiro lugar, para saber tanto o que é possível
concentradas, por razões logísticas, Ao avaliar tais ações, os educadores envolvidos gressão de seu aprendizado, a clareza na resolução como o que não é possível de se atingir com uma
no quarto andar do Sesc Avenida trouxeram reflexões que merecem ser comparti- de suas dúvidas, o acolhimento de suas inseguran- experiência virtual e, a partir disso, desenhar o
Paulista. lhadas. ças, a dificuldade que ele enfrenta para acessar o que se almeja com a ação. Tendo esse baliza-
No Curso “Introdução à programação com conteúdo e o material, são elementos-chave para mento das expectativas e um primeiro plano do
Essa ação vem sendo realizada, de forma coleti- Python”, percebeu-se a falta da construção de um avaliar a qualidade e o andamento do curso. Como que se pretende atingir com o ambiente virtual,
va, com funcionários da administração central do vínculo com as turmas nesse formato a distância, o encontro não é o mesmo que no presencial, o é preciso escolher um serviço/plataforma de en-
88 SESCSP, do próprio SESC Avenida Paulista e de pois os alunos apresentaram problemas de aces- esforço para a criação de vínculo é maior. contros que contemple tais objetivos, bem como 89
outras unidades. Prevê-se a produção de cerca so, de equipamento, de baixa conexão à internet Outra reflexão interessante, trazida por outra edu- explicar, aos futuros usuários, o funcionamento
de 500 unidades por semana que serão doadas e muitas vezes não puderam ser vistos. Ressalta- cadora, diz respeito à possível articulação observa- de tal ferramenta, visto que em raríssimos casos
aos colaboradores do Programa Mesa Brasil e ram-se, ainda, as diferenças didáticas entre a aula da entre os conhecimentos adquiridos em sua for- são autoexplicativos e quase sempre pedem uma
a instituições parceiras. Todos os protocolos de virtual e presencial, uma vez que, nesta última, por mação acadêmica em Planejamento, Implantação e mediação externa para funcionar de acordo com
segurança e proteção das pessoas envolvidas têm ser possível andar pela sala e ver os participantes Gestão EaD e no curso de extensão em Tutoria EaD os fins almejados. Por fim, é essencial dar viabi-
sido observados. executando suas tarefas, torna-se mais fácil identi- e os cursos ministrados, tais como no “Curso de lidade para que a ação dos professores e demais
Outra iniciativa do ETA neste momento foi a ação ficar rapidamente se algum deles precisa de ajuda. Bordado para Iniciantes”: as interações de forma re- profissionais do setor de educação aconteçam,
“Tecido Solidário – saúde, educação e geração No caso do ensino remoto, compreende-se a ne- mota (conversas sobre bordados, ensino de pontos no contexto digital.
de renda”, que atuou na confecção de máscaras cessidade de o educador estimular os educandos básicos e exercícios para fazer durante a semana); Ficam claras, pela primeira vez em muito tempo,
artesanais de tecido para uso de funcionários do a se manifestarem durante a aula, com perguntas os vídeos tutoriais (resumos das aulas); apostila a necessidade e a importância da classe educado-
SESC e doação a instituições parceiras. No SESC ou mesmo chamando-os individualmente. (conteúdo do curso); e e-mails (outras referências). ra, e evidenciado o quanto ela está desvalorizada
Pinheiros, funcionários se voluntariaram para a Uma das educadoras ministrante dos cursos de Entretanto, evidenciou-se que a falta de contato
confecção de máscaras com materiais já dispo- crochê e de costura do projeto Tecido Solidário, que próximo apresenta outros desafios em relação ao É necessário fazer um ajuste de
níveis na unidade. Como experiência educativa, desenvolveram o modelo “tutorial direcionado
foram separados os materiais necessários, enca- + plantão de dúvidas + envio de referências”,
presencial. Percebeu-se ainda que, em uma semana
em que o envio de materiais de apoio foi menos expectativas, em primeiro lugar, para
minhados os kits de costura para cada uma das relatou que verificaram melhor aproveitamento do frequente, houve uma dispersão da turma. saber tanto o que é possível como o que
funcionárias-costureiras envolvidas no projeto e curso nessa sequência de execução. Avaliou como Outra contribuição importante, trazida pelo técni-
ensinado o modelo, por meio de tutoriais dispo- positivo o tutorial produzido pelo educador com o co responsável do ETA do SESC Avenida Paulista, não é possível de se atingir com uma
níveis na internet e da mediação das educadoras conteúdo da aula; o encontro virtual do plantão de
por aplicativo de mensagens, em grupos específi- dúvidas entre as educadoras e os alunos e o envio
é sobre os processos de criação de ambientes
virtuais. Destacou-se a importância de se ter
experiência virtual e, a partir disso,
cos. No SESC Avenida Paulista, além desse projeto de referências com material complementar. Essa claro que a experiência dos encontros virtuais desenhar o que se almeja com a ação.
em todos os sentidos. Além disso, também é “isolados socialmente” para distantes fisicamente, BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, PORTAL SESCSP. Tecido Solidário. São Paulo,
preciso pensar nos recursos individuais necessá- mas socialmente conectados. Fernando de Mello (Orgs.). Ensino Híbrido: 2020. Disponível em: https://www.sescsp.org.br/
rios para se fazer parte desse novo mundo mais As TDIC, em si, não substituem o encontro Personalização e Tecnologia na Educação. Porto programacao/223118_TECIDO+SOLIDARIO#/con-
virtualizado, já que acesso à internet e equipa- presencial e as relações como um todo, contudo, Alegre: Penso, 2015. tent=Apresenta%C3%A7%C3%A3o. Acesso em:
mentos que a acessam, no contexto brasileiro, são foi possível compreender que esses caminhos vi- 03 jul. 2020.
questões ainda muito excludentes. venciados no caso do CED, do Colégio Rio Branco COLÉGIO RIO BRANCO. Disponível em: http://crb.
Nesse sentido, o SESCSP continua na busca da e do SESCSP foram processos necessários para g12.br/Site/default.aspx. Acesso em: 04 jul. 2020. QUATRO PAREDES E UM CURRÍCULO. Currículo
melhor forma de alcançar o próximo passo do Pro- não perder de vista que a construção de conheci- PUC-SP. 2020. Vídeo (1h38m). Disponível em:
grama de Tecnologias e Artes, que será a realização mentos é um empreendimento coletivo, de trocas NOFFS, Neide de Aquino; SANTOS, Sidnei da https://www.youtube.com/watch?v=teuJ9CMEooc.
dos cursos com encontros remotos ministrados efetivas, no qual o encontro é a ferramenta mais Silva. O desenvolvimento das metodologias ativas Acesso em: 13 jun. 2020.
pelos educadores e por oficineiros contratados. É poderosa de criação e desenvolvimento social. na Educação Básica e os paradigmas pedagógicos
necessário levar em conta o público que se quer educacionais. Revista e-Curriculum, São Paulo, REVISTA E ONLINE. Conteúdos para quem tem
90 atender, quais suas necessidades técnicas básicas AGRADECIMENTOS vol. 17, n. 3, p. 1837-1854, out./dez., 2019. saudade do Espaço de Tecnologias e Artes. 91
para alcançar os objetivos e como estabelecer São Paulo, 05 de maio de 2020. Disponível em:
pontes firmes com os públicos aprendentes. A autora Beatriz dos Santos Souza agradece ao PEREIRA, Ana Lúcia Nunes. O estágio curricular https://www.sescsp.org.br/online/artigo/14195_
CNPQ - Conselho Nacional de Desenvolvimento supervisionado em espaços não escolares CONTEUDOS+PARA+QUEM+TEM+SAUDADE+-
5. CONCLUSÃO Científico e Tecnológico pelo apoio no desenvolvi- no curso de pedagogia da Universidade do DO+ESPACO+DE+TECNOLOGIAS+E+ARTES.
mento desta pesquisa. Estado da Bahia (UNEB): as contribuições no Acesso em: 03 jul. 2020.
As práticas realizadas nesses percursos objeti- percurso formativo. 2017. 1717f. Tese (Doutorado
varam manter o vínculo dos alunos/público com REFERÊNCIAS em Educação: Currículo) – Pontifícia Universidade REVISTA E ONLINE. SESC realiza fabricação
as instituições, respeitando a saúde de todos. As Católica de São Paulo, São Paulo, 2017 digital de protetores faciais para doação. São
iniciativas foram estruturantes para o equilíbrio AGAMBEN, Giorgio. Requiem per gli studenti. Paulo, 14 de maio de 2020. Disponível em: https://
emocional dos envolvidos, e o desenvolvimento 2020. Disponível em: https://www.iisf.it/index.php/ PORTAL SESC. Mesa Brasil SESC: Entenda. www.sescsp.org.br/online/artigo/14204_SESC+RE-
de ações estimulou a continuidade de uma rotina attivita/pubblicazioni-e-archivi/diario-della-crisi/ Brasil. Disponível em: http://www.sesc.com.br/ ALIZA+FABRICACAO+DIGITAL+DE+PROTETORES+-
de aprendizagem e a compreensão deste momen- giorgio-agamben-requiem-per-gli-studenti.html. portal/site/mesabrasilsesc/entenda. Acesso em: FACIAIS+PARA+DOACAO. Acesso em: 03 jul. 2020.
to, além de contribuir com os esforços do poder Acesso em: 4 jul. 2020. 18 jul. 2020.
público e da sociedade no combate à Covid-19. REVISTA E ONLINE. Tecer Novos Horizontes.
As TDIC como instrumentos, ferramentas media- ASSALI, Ana Beatriz. Educação no espaço PORTAL SESCSP. Quem somos. São Paulo. São Paulo, 30 de junho de 2020. Disponível em:
doras necessárias para a efetivação do ensino, escolar e não escolar, agentes de construção Disponível em: https://www.sescsp.org.br/pt/ https://www.sescsp.org.br/online/artigo/14489_
foram, na pandemia, o elo entre as áreas de do saber e a interdisciplinaridade: perspec- sobre-o-sesc/quem-somos/apresentacao/. Acesso TECER+NOVOS+HORIZONTES. Acesso em: 04 jul.
conhecimento, rompendo fronteiras, derruban- tivas de articulação na educação. 96 fls. 2019. em: 04 jul. 2020. 2020.
do muros, descortinando saberes que, outrora, Dissertação (Mestrado em Educação: Currículo) –
pertenciam a um grupo restrito. Enquanto recurso, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São
popularizou-se e substituiu a semântica do termo Paulo, 2019.
SACRISTÁN, José Gimeno. “O que significa o
currículo?”. In: SACRISTÁN, José Gimeno (Org.).
Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto
Alegre: Penso, 2013.

TEIXEIRA, Anísio. “A pedagogia de Dewey (Esboço


da teoria de educação de John Dewey)”. In:
WESTBROOK, Robert B.; TEIXEIRA, Anísio. John
Dewey. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Editora
Massangana, 2010.

WENGER-TRAYNER, Etienne; WENGER-TRAYNER,


92 Beverly. Introduction to communities of practice 93
- A brief overview of the concept and its uses.
2015. Disponível em: https://wenger-trayner.com/
introduction-to-communities-of-practice/. Acesso
em: 03 jul. 2020.

PALAVRAS-CHAVE

Aprendizagem remota; Educação formal e não


formal; Experiências educativas.
tornou incômodo. Impossível não ser notada com a música toca enquanto a Covid-19 se propaga, a
todos os sentidos. Por onde quer que o olhar hu- música toca enquanto as instabilidades políticas

a sonoridade de
mano se esgueire neste momento é possível ver avançam, a música toca enquanto crianças e
a triste e brutal realidade imposta pelo vírus. Em adolescentes não retornam às escolas, a música
11 de março de 2020, a Organização Mundial da apenas toca.

uma rede chamada Saúde (OMS) declara mundialmente o alerta da


Covid-19. Como iniciais medidas foram adotadas
Em terras brasileiras, a sonoridade da pandemia
alterou significativamente a melodia dos inúmeros

educação em tempos
as recomendações: o isolamento social, o distan- arranjos soados globalmente. Seguimos a melodia
ciamento social e testes massivos. mundial no demérito à ciência, no rompimento

de covid-19
Os primeiros sinais de uma inesperada nova reali- do isolamento social e no uso de medicamentos

e
dade datam do final de 2019. O que se presencia- com questionável efetividade em face do desco-
va  era uma combinação perigosa: à rápida propa- nhecido. Mudamos o arranjo quando acrescen-
94 gação do vírus somou-se a resistência e negação tamos as melodias nas muitas idas e vindas na 95
1. INTRODUÇÃO à ciência em todo o mundo. Essa fórmula perigosa esfera governamental, nas constantes mudanças
orientou ou desorientou governos mundo afora, ministeriais, na inconsistência no posicionamento
nquanto os homens exercem seus podres poderes descrentes do potencial destrutivo do vírus, go- quanto ao combate ao vírus, na falta de unicidade
Morrer e matar de fome, de raiva e de sede vernantes demoraram a tomar medidas eficazes, no discurso dos poderes quanto ao isolamento
São tantas vezes gestos naturais muitas vezes sob a crença de não se tratar de algo social. Mudamos o arranjo, ao assistirmos à insta-
Eu quero aproximar o meu cantar vagabundo grave e muitas vezes amparados no argumento lação do caos político em uma gigantesca batalha
Daqueles que velam pela alegria do mundo de que o desaquecimento da economia poderia contra o vírus, dada a nossa proporção continental
Indo mais fundo, Tins e bens e tais. ser mais grave do que as mortes causadas pela e a imensa desigualdade social.
Caetano Veloso  exponencial propagação dessa nova realidade.  Neste manuscrito, a sonoridade é exposta como
  Assim, enquanto os homens efetivaram seus uma expansão que abarca a música, que pode
Uma partícula, uma molécula, um átomo de quantas partes invisíveis é feito podres poderes, presenciávamos a penumbra de tanto servir de veículo de manipulação e reforço
o que se pode ver? Os recentes acontecimentos se impuseram à sociedade tempos de fome, raiva, sede e incertezas. de valores e crenças, quanto expressão de emo-
na forma de uma tragédia parcelada. Uma partícula minúscula, impossível Do silêncio sufocante, indefeso, ansioso por ções de afeto, de cuidado e empatia. Uma expan-
de se ver por aí, repentinamente se tornou algo irremediável e o ínfimo se um instante de certeza se fez a música. Música são que abrange as novas formas de comunicação
tocada nas sacadas, nos coros dos prédios, nas sendo permeadas pelas Redes Sociais da Internet
francielle nogueira gatti lives, no desejo de usufruir dos espaços coletivos, que, tal como a música, também podem servir de
priscila costa santos do desejo do abraço e das longas conversas. expressão das nossas opiniões, fundamentadas
vivian vaz batista alves Em quarentena, a Itália expunha cruelmente o no achismo ou nas pesquisas acadêmicas, na
impacto da pandemia, das errôneas decisões expressão dos nossos valores e no fomento de
governamentais e da fragilidade da vida, ali, a espaços de estar junto. Essa forma de expressão
música se fez sentido no acalento. Aqui, no Brasil, evidencia a expansão do vírus que, tal qual a
música e as Redes Sociais da Internet, reflete a A expressão textual, aqui exposta, foi inspirada em redes, em 1996. Em sua constituição, Gilberto Gil sobre os fatos, sobre a ciência, trazendo a dúvida
sonoridade da pandemia. uma seleção de músicas de diversos ritmos, har- promove um samba cantarolando por uma rede e o receio por meio das Fake News, expondo que
Na sonoridade da pandemia, a Rede chamada monias e melodias que podem ser acessadas pelo capaz de contactar, debater e juntar grupos de a oposição poderia vir também através do mesmo
Educação começa a ser ouvida, ao som de um pe- QRcode ou pelo link (encurtador.com.br/ahtIN). Connecticut, Milão e Japão. Uma rede em que o recurso. Ou seja, a mesma Rede Social que é
dido claro e nítido de socorro. Esse coral, de várias receio de “um vírus pra atacar programas no Japão” capaz de lotar a Avenida Paulista e a Esplanada
vozes e sons, vem conceder um papel importan- demonstrava de forma ainda simplória as suas dos Ministérios, também é capaz de promover a
te no contexto da interpretação musical e seu imensas perspectivas. Um pouco mais de vinte separação de países e a ascensão de desprepara-
repertório apresentado neste manuscrito. Assim, anos após o lançamento dessa música às redes, os- dos governantes. 
selecionamos como foco de debate as decisões tentam as suas múltiplas e ainda incertas facetas. A Nas Redes Sociais, a mensagem, expressada pela
governamentais voltadas para o Exame Nacional rede de Gilberto Gil não previu o poder das diversas sua pluralidade comunicacional, mostrou a sua
do Ensino Médio (ENEM), partindo das reações expressões comunicacionais (LIBERALLI, MAGA- real importância. São as mensagens que, como
observadas nas Redes Sociais da Internet, acerca LHÃES; 2016); da mobilidade baseada no on-line dispõe Bauman (2019, p.70), abriam a cortina
96 dos diferentes posicionamentos assumidos pelo ou off-line (CASTELLS, 2017) ou ainda, no onlife, da informação revelando “um novo panorama 97
Governo Federal junto ao Ministério da Educação uma forma tão imbricada de relações com a rede, planetário de poder popular e direitos humanos
ao longo do debate sobre o adiamento do exame.  Figura 1
Seleção de Músicas
com a informação e com as diversas tecnologias, universais”. Em complemento, Castells (2017, p.
A música será o fio condutor das nossas discus- Fonte: Elaborado pelos autores (2020) que não sabemos onde começa o off-line termina e 100) advoga que “a mensagem constrói o meio.
sões, trazendo um pouco de leveza e indignação, começa ou on-line (FLORIDI, 2011).  [...], a mensagem tornou-se viral porque se refletiu
qualidades necessárias para esse novo cenário. 2. O QUÊ TOCAM AS REDES? Conscientes da polissemia que perpassa a nas experiências pessoais”. Foram nas mensa-
Nessa direção, organizamos as reflexões em três compreensão de rede, faz-se necessário escla- gens ora alarmantes, noutras depreciativas, que
seções: a primeira, O quê tocam as Redes?, cuja “Eu quero entrar na rede recer que não estamos tratando aqui das redes Wuhan ganhou o destaque nas mídias tradicionais
temática aborda  a compreensão de Rede em Promover um debate técnicas (CASTELLS, 2005; LEVY, 1999) ou das e novas mídias (CASTELLS, 2017; BAUMAN, 2019;
diferentes plataformas e formas colaborativas; a Juntar via Internet redes ator-rede (LATOUR, 2005). Neste manus- HOSSOÉ, 2014; RAMOS, OLIVEIRA, 2014). Wuhan
segunda, Quão visível pode se tornar o invisível?, Um grupo de tietes de Connecticut crito, trazemos a rede caracterizada pelos sites de mostrou a agilidade ao construir um hospital
que versa sobre a esfera política nas mensagens De Connecticut acessar redes sociais ou, como socialmente conhecidas, em pouquíssimos dias, saltando aos olhos dos
propagadas nas Redes Sociais da Internet sobre O chefe da Macmilícia de Milão Redes Sociais. As Redes Sociais, especialmente o espectadores, até então distantes, proeminência
o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e a Um hacker mafioso acaba de soltar Facebook, Instagram, Twitter, assumiram prota- das mensagens mais pela rapidez da engenharia
terceira, Imagens que falam, músicas que pin- Um vírus pra atacar programas no gonismo na atualidade (re)modelando as formas do que pelo iminente risco potencial à saúde
tam e redes que constroem, que perpassam as Japão de expressão política (CASTELLS, 2017; BAU- mundial. Wuhan evidenciou o novo coronavírus
questões do [isola]mento social e as decisões Eu quero entrar na rede pra contactar” MAN, 2019; HOSSOÉ, 2014; RAMOS, OLIVEIRA, (2019-nCoV), mas foi na Itália que viralizou. Foi a
governamentais no que refere ao exame. Dis- Gilberto Gil 2014), demonstrando que as grandes multidões Itália que mostrou ao mundo que as canções nas
tante de alterar o ritmo, a harmonia e a melodia poderiam apoiar-se na virtualidade como meio janelas poderiam coexistir com a morte de mais
da sonoridade da pandemia, reconhecemos a Lançado em 1997, Quanta trouxe em seu conjunto de serem escutadas e de se organizarem a fim de de seiscentas pessoas por dia. Foi a Itália que
dualidade das Redes Sociais da Internet ao refletir de composições a música “Pela Internet” que, de contraporem-se a governos. As Redes Sociais (re) soou o alarme do ocidente para a nova realidade
os anseios humanos. forma pioneira, foi propagada primeiramente nas modelaram a forma de refletir sobre a verdade, restrita a quatro paredes. 
Figura 2
Vídeo em rede social
mostra moradores de
As palavras “as pessoas superam o medo quando A Educação, como integrante da esfera política A pandemia expôs as duras faces reais das muitas
Siena, Itália cantando
das janelas de suas
se juntam” e “as redes conectavam-se não apenas e dependente das decisões governamentais, desigualdades e das diversas “educações” que
casas
Fonte: Pesquisa em a indivíduos, mas a redes de cada um deles”, não ficou imune à esfera de incertezas imposta coabitam no Brasil. Enquanto grandes instituições
meio eletrônico no
Twitter (2020) proferidas por Castells (2017, p. 132), ao discorrer pela pandemia. Se em sua face mais propositiva de ensino rapidamente se apegaram ao ensino
sobre as Redes Sociais como partícipe de grandio- a educação figura como um direito assegurado remoto como alternativa, as instituições públicas
sos movimentos sociais, tiveram agora uma nova e que por intermédio de ação concreta é capaz seguiram caminhos diferentes e, sob orientações
conotação. Na ascensão deste novo cenário social, de instrumentar os indivíduos, os empoderando, difusas, a atividade seguiu sob apenas uma
as Redes Sociais mostraram toda a sua contradi- podendo torná-los conscientes de seus direitos e indicação: cumprir a carga horária prevista. Por
tória exuberância na disseminação de mensagens autônomos em suas decisões. Pode. Em condi- meio da Medida Provisória nº 934, de 1º de abril
de esperança, acalento, resiliência às opiniões ções ideais. Nas condições reais, esses elementos de 2020, foi retirada a obrigatoriedade dos 200
fundamentadas no achismo ou nas pesquisas - educação, direitos, poder, consciência, autono- dias letivos previstos por lei, mas não se dispen-
acadêmicas. O estar junto contactando, debatendo mia - transitam no universo das ideias e se tornam sou o cumprimento da quantidade de horas-aulas.
98 e juntando grupos cantarolado por Gilberto Gil, tão invisíveis quanto o vírus. Coube aos envolvidos tratar de buscar formas, 99
tomou forma na superação do medo do desco- As poucas ações educacionais de enfrentamento cada qual à sua maneira, para garantir que as
nhecido; do medo de uma não cura, do medo das à pandemia versaram sobre a suspensão das ativi- aulas seguissem.
inúmeras incertezas que estão a caminho.  O estar dades presenciais, instaurando as aulas remotas A despeito da crise na educação e da desorgani-
junto contactando, debatendo e juntando grupos como alternativa. O mês de março trouxe, para o zação política, o elemento aqui discutido não foi
cantarolado por Gilberto Gil que as redes expõem Brasil, além do outono, a face desnuda de um País a redução da carga horária ou precário acesso ao
que não conectam apenas os indivíduos, mas as re- marcado por suas intensas desigualdades. Afinal, ensino remoto, mas sim um recorte da crise den-
des de cada um dele, seja na participação veroz das como expõe a pesquisa TIC Domicílios de 20181, tro da crise, foram as Redes Sociais da Internet
sonoras lives ou na disseminação das Fake News. realizada pelo Centro Regional de Estudos para expurgando  mensagens de luta pelo acesso ao
o Sociedade da Informação (Cetic.br), o acesso à Ensino Superior; pela redução das desigualdades
3. QUÃO VISÍVEL PODE SE TORNAR O Internet estava presente na casa de 46,5 milhões por meio da Educação; pela possibilidade de aces-
INVISÍVEL? de brasileiros. Uma Internet majoritariamente so de todos. Eis que em meio a uma pandemia
excludente, em que a velocidade e estabilidade de havia um “Enem”.
“Venha cá, menino um download revelam uma desigualdade pouco O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) sur-
Não faça isso não protagonizada. A desigualdade de quem é produ- giu em 1998 com o objetivo de ser uma métrica 1. A TIC Educação é uma
pesquisa de abrangência
Sei que é muito triste tor e consumidor de mídias, como advoga Buzato avaliativa dos egressos da educação básica. Sua nacional que busca
mapear o uso das TDIC na
Não ter casa, não ter pão (2014, s/p), “quando se toma como referência primeira aplicação contou com 157.221 inscritos educação. Tem como base
as escolas cadastradas no
Figura 3
Em Salerno e por
Não te leva nada apenas a velocidade de download, tem-se em (BRASIL, 1998). Passados 22 anos desde sua censo educacional do INEP
e coleta dados de escolas
vários lugares em toda a
Itália cantar nas janelas Destruir o seu irmão mente um usuário ‘consumidor’, algo que, obvia- criação, o exame adquiriu espaço e importância, públicas desde 2010 e
privadas desde 2011.
durante o período de
isolamento tornou-se Você representa mente, não corresponde ao perfil do consumidor ganhando destaque, ampliando o alcance e pas- Participam da pesquisa
diretores, coordenadores,
um hábito professores e alunos
Fonte: Pesquisa em O futuro da nação” atual de banda larga, que faz tantos downloads sou a ser a porta de entrada para universidades do 5o e 9o do Ensino
meio eletrônico no Fundamental e do 2o ano
Twitter (2020) Elza Soares quando uploads de produções multimídia”.  públicas e privadas, complementando ou substi- do Ensino Médio.
Figura 4 Figura 6
Página da campanha
#AdiaEnem no Twitter
foi sendo atribuída à medida que a prova foi se Perfis diversos aderiram
à campanha pedindo pelo
Fonte: Pesquisa em
meio eletrônico no
tornando via de acesso a diversas políticas de adiamento do Enem
Fonte: Pesquisa em meio
Twitter (2020)
democratização de ingresso ao ensino superior eletrônico no Instagram,
2020 e Twitter (2020)
no Brasil.
No contexto da pandemia, a discussão sobre a
viabilidade da aplicação da prova começou a ser
debatida nas Redes Sociais da Internet. Dada a
contaminação descontrolada e sem previsão certa
para acabar, colocar alunos em salas de aula pelo
Brasil poderia não ser a melhor alternativa possí-
vel. Ciente do cenário, mas de forma ainda tímida,
em meados de abril, secretários de Educação e
100 movimentos estudantis se pronunciaram solici- 101
tando o adiamento do exame. Em uma tentativa
frustrada, parlamentares da Comissão Mista
de Educação também trataram do tema, mas
sem sucesso quanto a mobilizar o Ministério da
Educação (MEC) a fazer a necessária alteração de
data. Nas Redes Sociais da Internet, as páginas de Hoje você é quem manda 4. IMAGENS QUE FALAM, MÚSICAS QUE
adiamento ganharam cara e corpo: foram criados Falou, tá falado PINTAM, REDES QUE CONSTROEM
no Twitter o perfil @adiaenem2020 e no Insta- Não tem discussão
gram o perfil @adia_enem, ambas impulsionadas a minha gente hoje anda Tudo mais é um ponto cego
pela #adiaenem. falando de lado Além da limitação
Em maio, mesmo com o crescente número de e olhando pro chão, viu Inútil argumentação
pessoas contaminadas pelo vírus e com a expo- você quem inventou esse estado (...) Propague a insegurança
tuindo os vestibulares. O crescente protagonismo nencial pressão em adiar o exame, o Presidente Apesar de você, amanhã há de ser E o medo vai crescer
do ENEM pode ser observado em seus números. do INEP, Alexandre Lopes, afirmou ser prematuro outro dia O medo vira ódio
Segundo dados do Instituto Nacional de Pesqui- o adiamento (FOLHA DE SÃO PAULO, 2020), Chico Buarque O ódio busca um alvo
sas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), em 2014 inflamando ainda mais as discussões sobre a Receita pro fracasso
foram 8,7 milhões de inscrições e, em 2020, 6,2 temática. Artistas, políticos e algumas entidades Salve-se quem puder
Figura 5 milhões. Se, em um primeiro momento, o exame se uniram ao coral do #adiaenem fortalecendo as Dead Fish
Página da campa-
nha #AdiaEnem no era uma forma de aferir habilidades desenvolvi- vozes por uma alternativa. 
Instagram
Fonte: Pesquisa em das ao longo de toda a educação básica, hoje o O debate ganhou as redes.
meio eletrônico no
Instagram (2020) protagonismo se dá pela importância social que
4.1. [ISOLA]MENTO? SOCIAL? DE CLASSE? de vida média chegava a 79 anos, em Cidade
Tiradentes era de apenas 54 anos.
Drão O que é o distanciamento social para quem divide
Não pense na separação um único cômodo com seis pessoas, ou ainda
Não despedace o coração quem não tem um cômodo para dividir? Se para
Gilberto Gil parte da sociedade o distanciamento se traduziu
na solidão em nome da segurança física, para
Os sinônimos de isolamento, em sua maioria, a maior parte da população ele se traduziu em
remetem a termos que normalmente assustam: segregação em seus piores sentidos que a mar-
solidão, separação, afastamento, segregação, ginalização ou que o isolamento pode trazer, algo
para citar apenas alguns. Após o reconhecimento como isolar-se da segurança e arranjar-se com o
da existência da pandemia por parte da OMS, que se tem: quase nada ou muito pouco.
102 muitas orientações surgiram como parte do en- Tão logo o contágio começou, foi possível observar 103
frentamento e diminuição do contágio. Noticiadas o crescimento desigual da contaminação, bairros
a todo minuto em todos os meios de comunica- mais pobres contabilizaram um aumento rápido de Figura 8
ENEM 2020
ção: lavar as mãos, cobrir nariz e boca ao espirrar, contaminados e em seguida de perdas de vidas. orientações da escola quando recomendam aos Fonte: Pesquisa em meio
eletrônico no Instagram,

Figura 7
adotar o distanciamento social eram parte das Em suas várias facetas, os prejuízos oriundos do responsáveis que a criança, o adolescente reserve @lezio.junio (2020)

Quarentena Eterna
Fonte: Pesquisa em meio
Além da limitada e inútil argumentação presente orientações. Inicialmente, manter-se cerca de um isolamento social somados à desigualdade abissal um espaço de estudo. Equipados com livros, mas
eletrônico no Instagram,
@ivankabral (2020) nas discussões sobre o isolamento social e da a dois metros de distância das pessoas, evitar constante e presente em todo o País recaíram também com iPhones, MacBook, tripés, micro-
natural propagação da insegurança e do medo abraços, apertos de mão - gestos tão comuns e massivamente sobre os mais pobres. A realidade fones e cadeiras caríssimas, além, é claro, de
do “novo” novo que crescentemente se instau- corriqueiros nas relações humanas passaram a não foi diferente com relação à educação. bandeirinhas do Brasil espalhadas pelo cômodo.
ra, as Redes Sociais da Internet externaram as incorrer em risco de vida.  A descrição acima corresponde aos ambientes es-
progressivas receitas pro fracasso: um isola- A orientação foi geral, pública, e deveria ser incor- 4.2. QUAL BRASIL NÃO PODE PARAR? colhidos pelo Ministério da Educação para encenar
mento de classe ou social e um injusto Exame. porada no privado, no cerne de todas as famílias. a propaganda governamental com a chamada para
O crescente ódio buscou um alvo, porém, com O que dizer e o que fazer em relação aos mais “Tava” fácil demais pra vocês as inscrições para o ENEM 2020, sob o lema “O
sucesso, o Enem foi adiado. Para compor essa próximos e aos mais frágeis ficou a cargo de cada A gente nem tinha apostila Brasil não pode parar”, e com ampla estreia nas
seção, trazemos, além das músicas, a participação um, mas o cada um brasileiro é bastante desigual Seus “amigo” levava lancheira novas e velhas mídias (RAMOS; OLIVEIRA, 2014).
da arte visual como composição das inúmeras e ficou escancarado durante a pandemia. Dados Os meus carregavam “oitão” A propaganda rapidamente chamou atenção, não
facetas de expressão presentes nas Redes Sociais do relatório “A distância que nos une”, publicado na mochila do aluno presente” com mensagens sobre a importância social do 2. Diversos vídeos foram
da Internet. Foram selecionados no Instagram e pela Oxfam em 2017, apontavam que, na cidade Projota  exame, ou mesmo pelo respeito ao prazo, mas incluídos no Youtube
criticando a propaganda
Twitter postagens e charges amplamente divul- de São Paulo, considerando situação fora do   sim por enxurradas de mensagens indignadas, governamental com a
chamada para inscrições.
gadas e que retratam as incertezas trazidas pela contexto da pandemia, havia uma diferença de até Quatro adolescentes. Quatro ambientes limpos. quando não ofendidas, com o total descaso pela Disponível em: https://
www.youtube.com/
results?search_query=pa-
pandemia.  25 anos entre a expectativa de vida entre bairros: Meticulosamente decorados e adequados para situação na qual o País estava adentrando. Paró- rodia+propaganda+e-
nem+2020 Acesso em 02
enquanto em Alto de Pinheiros a expectativa o estudo, como se atendessem diretamente às dias2 da propaganda expuseram a situação real da de jul. 2020.
maioria dos estudantes secundaristas: acesso à Com os números de infectados pela Covid-19 atin- ecoadas em outro espaço, servindo de amparo tes que anseiam por uma condição justa e segura
Internet precário, aulas suspensas, péssimas con- gindo patamares de recorde; crescentes índices para aqueles que ainda acreditam que os dias de de acesso ao Ensino Superior no contexto de uma
dições para estudo em casa, um cenário totalmen- de desemprego; aulas suspensas; escandalosas autoritarismo terão fim. pandemia. Reconhecer as facetas antagônicas que
te diferente daquele idealizado pela propaganda e perturbantes decisões governamentais; e, sem esse recurso assume em seus diferentes espaços
governamental. nos olvidarmos, os aspectos fascistas se espa- 5. DUALIDADES E ANTAGONISMOS: pode colaborar para entendê-la como extensão e
lhando socialmente, se fez um tímido começo. CONSIDERAÇÕES E ESCOLHAS criação humana. Esse reconhecimento pode educar
4.3. #ADIAENEM: NÃO TERMINA ASSIM Em meio à pandemia, não tivemos uma Avenida o olhar para entender seu grande potencial: infor-
Paulista lotada, tampouco escolas ocupadas, mas Permita que eu fale, não as minhas mar, unir, disseminar, formar e transformar. Assumir
E não termina assim, é só o começo sim uma enxurrada de mensagens amparadas cicatrizes sua não neutralidade e vê-la como aparato que,
Não temos medo de enfrentar o que pela hashtag “#adiaenem”. Uma mensagem capaz Elas são coadjuvantes, não, melhor, construído pelo homem, refletirá sua realidade,
há por vir de unir atrizes, políticos, movimentos sociais, pro- figurantes, que nem devia ‘tá aqui suas características, talvez torne as relações com a
Sem nos calar fessores, pais e diversos cidadãos preocupados Permita que eu fale, não as minhas Internet e suas Redes Sociais mais humanas.
104 Os dias de autoritarismo terão fim com o futuro de uma nação que aos poucos se cicatrizes Enxergar o caráter humano das Redes Sociais da 105
Terão fim, terão fim esfarela. Novamente, as Redes Sociais da Internet Tanta dor rouba nossa voz, sabe o Internet e seu potencial difusor, numa sociedade
Dead Fish mostram que as expressões políticas podem ser que resta de nóiz? tão desigual como a que está presente no Brasil,
Alvos passeando por aí pode ser um elemento de esperança. Não a
Permita que eu fale, não as minhas esperança que simplesmente espera, mas como
cicatrizes em Freire (1981), a esperança que move a ação
Se isso é sobre vivência, me resumir presente com o propósito de alterar o futuro e em
a sobrevivência busca do ser mais. 3. O Movimento Black Lives Matter
iniciado em 2013 e fundado pelas
É roubar o pouco de bom que vivi O movimento pelo o adiamento do Enem teve americanas Patrisse Khan-Cullors, Alicia
Garza e Opal Ometi, ganhou o mundo
Por fim, permita que eu fale, não as alcance nacional e foi impulsionado pelas Redes após o assassinato por sufocamento
do americano George Floyd, que imobi-
minhas cicatrizes Sociais da Internet, conseguindo alertar e engajar lizado por um policial foi sufocado até
a morte em plena rua. Disponível em:
Achar que essas mazelas me defi- a sociedade por uma necessidade dos secunda- https://blacklivesmatter.com/. Acesso
em 04 de jul. 2020.
nem, é o pior dos crimes ristas. Este mesmo momento pandêmico trouxe 4. O Breque dos Apps aconteceu no
dia 1º de julho e foi organizado por
É dar o troféu pro nosso algoz e fazer ainda outras manifestações que ganharam o mun- trabalhadores que prestam serviços
a aplicativos de entrega, as reinvin-
nóiz sumir do, mostrando que, apesar do passado recente dicações por melhores condições de
trabalho e remuneração abriu o debate
Emicida trazer a desinformação como potencial destrutivo, sobre a precarização do trabalho, o
movimento partiu dos entregadores,
há esperança. O Movimento Black lives matter3, mas tinha na outra ponta a participação
dos consumidores finais e em uma ação
Figura 9
Perfis do Instagram co-
Antes de reconhecer nas Redes Sociais da Internet impulsionado pela hashtag #BlackLivesMatter, coordenada: entregadores pararam,
consumidores não fizeram pedidos no
memoram o adiamento
do ENEM 2020 a panaceia das mazelas humanas ou a derrocada tomou o mundo e o Breque dos Apps4, propagado dia 01º de julho e avaliaram negativa-
mente os apps. O movimento começa
Fonte: Pesquisa em meio
eletrônico no Instagram da sociedade, talvez seja necessário reconhecer a pela hashtag #BrequeDosApps, unindo trabalha- a se espalhar pelas capitais da América
Latina. Disponível em: https://www1.
(2020) folha.uol.com.br/mercado/2020/06/
sua contradição: a mesma ferramenta que amplia dores prestadores de serviço e consumidores no entregadores-organizam-paralisacao-
-e-movimento-chega-a-capitais-latinas.
os discursos de ódio é a que deu voz aos estudan- mesmo lado do protesto, demonstraram que as shtml. Acesso em 04 de jul. 2020.
Redes Sociais da Internet podem ser o que o indi- FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de LOPES, Alexandre. Em razão da pandemia de
víduo quer que elas sejam. Aí está sua fraqueza, Janeiro: Paz e Terra, 1981. COVID-19 o Enem deveria ser adiado? Não. Folha
mas também sua potência. de São Paulo, 16 jun., Opinião, no. , 2020.
FLORIDI, Luciano. The onlife manifesto: Being Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/
REFERÊNCIAS human in a hyperconnected era. Springer Nature, opiniao/2020/05/em-razao-da-pandemia-de-co-
2015. vid-19-o-enem-deveria-ser-adiado-ja-nao.shtml.
BAUMAN, Zygmunt. Cegueira moral. Editora Acesso em: 24/06/2020.
Schwarcz-Companhia das Letras, 2014. FOLHA DE SÃO PAULO. O Enem é, sim, instru-
mento para corrigir injustiças sociais. Folha Medida Provisória n° 934, de 01º de abril de
BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacio- de São Paulo, 21mai. PerifaConection, 2020. 2020. Normas excepcionais sobre a duração do
nal de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ ano letivo. Disponível em:
Teixeira – INEP. Portaria MEC nº 438, de 28 colunas/perifaconnection/2020/05/o-enem-e- https://www.congressonacional.leg.br/materias/
106 de maio de 1998. Institui o Exame Nacional do -sim-instrumento-para-corrigir-injusticas-sociais. medidas-provisorias/-/mpv/141349. Acesso em: 107
Ensino Médio - ENEM. Disponível em: http://www. shtml. Acesso em: 23 de junho de 2020. 22 de junho de 2020.
crmariocovas.sp.gov.br/pdf/diretrizes_p0178-
0181_c.pdf. Acesso em: 23 de junho de 2020. HOSSOÉ, Hayleno Santos. Políticas públicas na OXFAM BRASIL. A Distância que nos une – um
sociedade em rede: novos espaços de interme- retrato das desigualdades brasileiras. Set. 2017.
CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São diação na arena midiática. Revista de Políticas Disponível em: https://www.oxfam.org.br/um-re-
Paulo: Paz e terra, 2005. Públicas, v. 18, n. 1, p. 269-279, 2014. trato-das-desigualdades-brasileiras/a-distancia-
-que-nos-une/ .Acesso em 27 de jun. 2020.
CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e es- LATOUR, Bruno et al. Reassembling the social. An
perança: movimentos sociais na era da internet. introduction to actor-network-theory. Journal of RAMOS, Alexandre; OLIVEIRA, Régia. Indivíduos,
Editora Schwarcz-Companhia das Letras, 2017. Economic Sociology, v. 14, n. 2, p. 73-87, 2013. sociedade, tecnologia: as manifestações nas ruas
das cidades brasileiras e as redes sociais. Revista
CETIC. TIC Educação. CETIC. São Paulo, 2018. LÉVY, Pierre. Cibercultura. Editora 34, 2010. Tecnologia e Sociedade, v. 10, n. 20, p. 176-187,
Disponível em: https://www.cetic.br/media/anali- 2014.
ses/Apresentacao-lancamento-das-publicacoes- LIBERALI, Fernanda Coelho; MAGALHÃES, MCC.
-das-pesquisas-tic-educacao-e-tic-kids-online- Articulação entre argumentação e multimodalidade PALAVRAS-CHAVE
-brasil-2017.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020. em contextos escolares. Argumentação em contex-
to escolar: relatos de pesquisa, p. 63-78, 2016. ENEM; Redes Sociais da Internet; Desigualdades
ENEM 2020 – Inscrições. Ministério da Educação. Sociais
2020. Vídeo (1min.). Disponível em: https://www.
youtube.com/watch?v=apufjiGlIY0 Acesso em: 10
de junho de 2020.
ameaça da
que as indústrias devem produzir mais, que a havidos na Espanha, Itália e França, todos retarda-
terra vai gerar mais soja, a renda global vai ser ram as medidas cabíveis em nome da economia.

pandemia ao
maior (mesmo que com maior concentração), Durante a peste bubônica, havida sobretudo na In-
assim como cada um de nós deve adquirir coisas glaterra, em 1665, Daniel Defoe (2014) nos conta
sempre novas, em maior quantidade e mais no livro “Um diário do ano da peste” que só em

currículo: rapidamente! Esta equação de uma ‘espécie’


de progresso mostra-se doentia, devastadora e
Londres 17.440 morreram na cidade, entre seus
79.000 habitantes.

decifra-me ou
com consequências criminosas. No fundo, é uma A tática governamental de esconder as pandemias

o
falácia que o projeto de globalização da economia é antiga. Isso se iniciou assim na Inglaterra, conta

devoro-te!
tenha algum laivo de evolução de benefícios para ele no seu texto publicado em 1722:
a humanidade como um todo. Globalizam-se as
perdas e localizam-se as riquezas em paraísos Assim estas coisas não se espalha-
108 fiscais e na fluidez do capital estacionam os vam como acontece agora (em 1720). 109
presidente da República disse outro dia que os brasileiros mergu- benefícios prometidos à civilização. Parece, porém que o governo tinha
lham no esgoto e não acontece nada. O que vemos nesse homem Durante a pandemia trazida pelo coronavírus, esta recebido um relatório comprovando o
é o exercício da necropolítica, uma decisão de morte. É uma men- lógica não se arrefeceu, até nos momentos em fato e já promovera várias reuniões
talidade doente que está dominando o mundo. E temos agora este que não é enunciada explicitamente. Quando o para estudar maneiras de impedir a
vírus, um organismo do planeta, respondendo a esse pensamento noticiário, alegremente, anuncia que o índice de vinda da peste, mas tudo era feito
doentio dos humanos com um ataque à forma de vida insustentável mortalidade estacionou, imediatamente anexa muito discretamente. Por isso, os
que adotamos por livre escolha, essa fantástica liberdade que todos o pensamento de que as normas de abertura do rumores não demoraram a desapa-
adoram reivindicar, mas ninguém se pergunta qual o seu preço. fluxo do comércio ou da indústria ou do lazer ou recer e o povo foi esquecendo a coisa
Ailton Krenak, 2020 dos shopping podem ser afrouxadas. O que isso como algo que nos dizia muito pouco
quer dizer sub-repticiamente? Quer dizer que a respeito e que esperávamos não ser
A defesa de uma vida insustentável parte sempre do princípio de que o economia equivale àquele número de pessoas verdade. (DEFOE, 2014, p. 18)
mundo não pode parar. O mito do progresso contínuo está assimilado mortas. Mas o absurdo velado desta lógica é que
por todos nós, como um aforismo inquestionável. É a lógica da economia há um número de mortos que vale o risco de abrir Nesse passado longínquo, mas análogo aos nos-
em que vivemos, nos repetindo diariamente que o PIB tem que crescer, a economia. Mas quanto vale uma vida? Não há sos tempos, geraram-se análises, buscas de solu-
economia que valha uma vida sequer. Enquanto as ções e interpretações que passaram por castigo
fernando josé de almeida vidas forem aquilatadas em seu valor pelo número de Deus, isolamento apenas das famílias pobres e
(ou grupo social que morre), há algo criminoso nos regiões muito carentes, pelo tratamento por meio
cálculos dessa política econômica. Tal indicador de novenas e jejuns, orações e curandeiros, má-
evidencia que a busca maior de muitos governos gicos, cartomantes prometendo milagres. Defoe
é a de salvar a economia. Brasil, Estados Unidos, (2014) continua: “... meu irmão me disse o que
Inglaterra, seguidos pelos titubeios sintomáticos parece que ouvira no exterior: a melhor precaução
contra a peste é fugir dela”. (idem, p. 26). dos valores neoliberais dentro dos quais o des- maior desta incompetência instalada em nossos Agora pouco ligou um colega do
Assim, lá pelo século XVIII, faziam os ricos, iam moronamento do Estado é proposto por políticos governos neoliberais, em alguns países como a Rio de Janeiro: ‘minha mãe acabou
para suas casas de campo ou para outros reinos. de vários naipes, por industriais, por banqueiros e Inglaterra, na fala de Saad (2020): de falecer’. É a nossa vida. Daqui a
Já naquela época, no entanto, procuraram-se pelo senso comum vigente. Dizem esses: sendo o pouco é natural, né, a minha mãe
outras vias de enfrentamento: Estado a origem de toda a ineficiência e corrup- Haviam previamente desmantelado de 93 anos vai embora. É a vida. É
ção, origem de todo o apadrinhamento e negocia- as capacidades do Estado, soberba- a vida, porra. Não façam teatro em
(...)o lorde prefeito de Londres, um tas nepotistas deve-se transformá-lo num Estado mente desindustrializado, fragmen- cima disso.
homem muito sóbrio e religioso, mínimo, enxuto e apoiador do ‘privatismo’. Como tando as cadeias de suprimentos em
nomeou médicos e cirurgiões para o consequência destes princípios, seus governantes nome da “globalização”, introduzin- A naturalização da morte de determinados grupos
atendimento dos pobres e determi- serão basicamente técnicos, donos de empresas, do “concorrência” em seus sistemas sociais é aceita e defendida explicitamente. Ora,
nou que o Colégio de Médicos –[ uma financistas globalizantes, vendedores de equi- de saúde, agiram tardiamente e sem dos temas postos aos governos, são sua responsa-
espécie de OMS da época ]- publi- pamentos, aparentemente hábeis para governar determinação, falharam em realizar bilidade, inclusive, o de traçar políticas públicas de
110 casse orientações sobre remédios o pouco do Estado restante, com a promessa de exames, impuseram os isolamentos enfrentamento à agressão do vírus, e não de fazer 111
baratos para os pobres em todos os reforçar o aporte de capitais estrangeiros. relutantemente e possuíam estoques apenas considerações vagas sobre o fim da vida.
estágios da doença.(Ibidem, p.53). Tais princípios, que nos levaram a eleger gover- de emergência, leitos de UTI e res- Não param aí as formas de refletir e de se
nantes apaixonados pela devastação do Estado piradores insuficientes: uma litania posicionar sobre a pandemia. O isolamento social
Ou seja, fazia quase quatro séculos que os gover- em função da maximização de uma economia especificamente neoliberal de negli- trouxe-nos talvez a percepção mais aguda do
nos, mesmo em tempos fortemente “religiosos”, globalizada e sem nenhum projeto de nação, gência do dever que matará dezenas modo de consumo e distribuição de condições
confiavam mais na ciência e nos especialistas vêm se mostrando incapazes de promover justiça de milhares, o que não deve nunca de vida trazidas nestas últimas décadas (1980-
para o tratamento adequado antes de confiar nos e superação das desigualdades; dispostos à ser esquecido, e jamais perdoado. 2020). A globalização prometeu-nos outras
charlatões, mágicos, cartomantes e animadores devastação das florestas em prol do garimpo magias e benefícios. No entanto não aconteceu
de programas de TV, se os houvesse. desordenado e do plantio de soja; incapazes Aqui se trata de apontar a dimensão concreta da este aperfeiçoamento da organização do mundo
Os estudos sobre outras pestes, como a de 1330 de promover o aumento da coesão social, da desvalorização da vida dos idosos, dos grupos entre as sociedades como foi prometido: máxima
na Itália, mostram que seguiram a mesma toada solidariedade, qualidade de vida, das liberdades economicamente desprotegidos, dos ribeirinhos, comunicação, prosperidade, pleno emprego, via-
de desconversa e escondimento do governo e reais. Tais formas de organização governamental das populações indígenas, dos quilombolas que se gens, maior participação na cultura, qualidade na
de pouco caso por parte da grande maioria do do Estado promovem, sim, o empreendedorismo tornaram expostos e, como se fossem grupos de educação, enfim, promessas de vida social plena.
povo, até chegar o auge das pandemias, com os individualista, mística das startup, as previdên- humanos de segunda categoria, por isso podem No entanto, como no mito de Sísifo, a pedra nunca
consequentes sobressaltos e desespero real. cias privadas, a pesquisa aplicada à produtividade ser entregues à morte. chega ao topo do monte.
No caso atual no mundo, alguns dos governos imediata e rentista, assim como uma escola-mí- Confirmam-se, ainda em 22 de maio, as esco-
na Ásia, como a China, Singapura, Hong Kong ou nima pragmática, meritocrática e excludente. E, lhas políticas em dimensão nacional, quando HÁ ESPERANÇAS A PARTIR DAS PESTES?
Coreia do Sul, produziram outro tipo de contenção se possível, esse mesmo grupo propõe mais uma tínhamos 10.650 mortos com a afirmação do
da difusão pandêmica. atribuição à já sobrecarregada família, por meio Presidente atual do Brasil: “Não podemos parar Nos primeiros meses de isolamento das grandes
No Brasil, sobretudo, a Covid-19 chega num mo- da defesa da homeschooling. a economia” ou ainda no mesmo dia, 22 de maio, cidades brasileiras, São Paulo aparece como líder
mento da implantação gradual, mas avassaladora O modo de enfrentar a pandemia é a evidência em entrevista à imprensa: de cuidados com a saúde da população ao estabe-
lecer um conjunto de procedimentos e protocolos. rada de renda, pela redução cada vez mais drástica perante a trama dos deuses. Mas pela capacidade primeira reação do povo europeu medieval era de
No entanto, também a cidade vai aparecer como do trabalho humano, pelo corte dos direitos sociais dramática (e não trágica) do ser humano pode- que se aproximava o fim do mundo.
líder em número de mortes. Números apresen- dos velhos e a destruição da vida na terra, nos mos construir história - não aceitando o destino. Até 1351 o total das mortes, segundo o Papa
tados diariamente pelo governo do Estado, com mares, nas espécies animais, nas matas e no ar? Tal é o arquétipo de enfrentamento da vida que Clemente VI, atingiu a cifra de 23.840.000 –
prestação de contas diárias e públicas, abertura O vírus e o isolamento por ele exigido nos fazem supõe mudança, liberdade, reflexão, decisão cole- número, provavelmente, bem próximo da reali-
de hospitais de campanha, estudos e convênios pensar que as coisas já não estavam tão boas tiva e utopia. Tal esperança será fruto de intensa dade (SCHEIDEL, 2020). A população da Europa
para produção de vacinas, aquisições de respi- para a humanidade, assim como o prometido. ação educativa e política de ampla envergadura e caiu entre 1300 e 1400 de 94 milhões para algo
radores, procedimento corretos, embora pouco de grande sabedoria. Olhar para trás e perscrutar em torno de 68 milhões. A Inglaterra e o País de
controlados, foram providências anunciadas. Mas Esse vírus está discriminando a a história é uma boa sabedoria. Gales sofreram ainda mais, perdendo quase a
teme-se que com finalidades de oposição ao humanidade. Basta olhar em volta. Como foi, na Baixa Idade Média europeia, a história metade de sua população.
governo federal – antecipando-se a uma possível O melão-de-são-caetano, continua a da saída da pandemia iniciada em 1320, chamada Mas o que aconteceu como consequência das
luta pelas eleições presidenciais de 2022. crescer aqui do lado de casa. A nature- a Peste Negra, que está muito bem representada pestes quando sua fase aguda se amainou?
112 Enquanto isso, em Brasília, o Ministério da Saúde za segue. O vírus não mata pássaros, na obra de Sheidel (2020), intitulada “Violência e 113
escorregava diariamente em erros como a banali- ursos, nenhum outro ser, apenas a história da desigualdade – da idade da pedra ao Nos anos da pandemia e nos que se
zação da morte, a omissão intencional da realidade humanos. Quem está em pânico são século XXI”. Nesse texto histórico, trazem-se as seguiram a atividade humana de-
das mortes aos milhares e a recomendação de uso os povos humanos, e seu mundo artifi- situações dramáticas de explosão da pandemia até clinou. A longo prazo, a doença e os
de medicamentos ineficazes ou mesmo prejudiciais, cial, seu modo de funcionamento que suas consequências nos dois séculos seguintes. O transtornos impostos por ela deixa-
fazendo com que quatro meses após a primeira entrou em crise. (KRENAK, 2020, p. 5) que aconteceu na saída dos descalabros da peste ram sua marca numa vasta gama de
morte já fôssemos o segundo país em mortalidade na Itália? À luz de uma revisão histórica, as nossas atitudes e instituições: a autoridade
no mundo! As alterações de critérios de contagem Como o ser humano é o único visado nesta pan- hipóteses agora merecem uma reprogramação. O da Igreja enfraqueceu o hedonismo e
dos mortos e contaminados também favoreceram a demia, temos que ver nela um aviso da neces- que aconteceu há 700 anos nos permite perceber o ascetismo floresceram lado a lado
desinformação e a falta de orientação de todos. sidade de mudança do modo de nossa vida em que a ideia do ‘novo normal’ pode ser uma quime- e a caridade aumentou, impulsiona-
Neste contexto, aparecem as falsas esperanças convívio com as demais. Verifiquemos os sinais ra desastrosa. Parece uma perda de oportunidade da pelo medo e pela morte dos que
de saída rápida e indolor, quase um prenúncio do da natureza e das diferentes formas de vida; a deixar-se de fazer o questionamento sobre o que não tinham herdeiros; até os estilos
carnaval: ‘o novo normal’. A imprensa, as comu- Terra continuará a existir, independentemente de está sendo chamado de normal. Com um pouco de artísticos foram afetados, enquanto
nicações no WhatsApp, as charges dos jornais, haver ou não vida nela. A vida e seu futuro são os distanciamento histórico (e de isolamento social), os praticantes da medicina foram
as publicidades de cervejas já prenunciavam a indicadores da importância de nosso senso crítico podemos questionar os crimes feitos em nome da forçados a reconsiderar princípios
alegria do reencontro nos balcões dos bares, nesse momento. chamada normalidade. consagrados desde longa data.
calçadas e praias, enfim, na alegria do consumo Os seres humanos são seres históricos. Existem, Na Baixa Idade Média, no ano de 1330, a peste (SCHEIDEL, idem, p. 323).
fácil e frenético. mas poderiam não existir. Não estamos atados irrompida no deserto de Gobi alastrou-se pela
Haverá um novo normal? É desejável que voltemos a alguma força do destino, mas, sim, aos limites Europa e outras partes do mundo, carregada pelas Interessa-nos, sobretudo, analisar as mudanças
à normalidade de um mundo completamente des- e às possibilidades da história. Por isso vivemos caravanas comerciais, - tal função alastradora, nos econômicas e culturais que daí resultaram, na
truído – já antes da pandemia, pela exterminação dramas e não tragédias. As tragédias são mar- dias de hoje foi cumprida pelos voos comerciais visão de John Locke – político e filósofo da época
de povos, grupos sociais, concentração despudo- cadas pela inevitabilidade de nossos destinos intercontinentais, com muito mais eficácia. A - e de Walter Sheidel, historiador atual. A compa-
A Terra continuará a existir, o pobre as penas que lhe atribuíam por conta da
sua suposta ociosidade e as perversões que daí
implantadas em cada paróquia, onde
serão obrigados a ir as crianças de
durante a pandemia, imagina-se que basta afrou-
xar as regras do isolamento e sair à rua para que
independentemente de haver decorriam e da má vontade dos pobres que gos-
tavam da vida de vícios. Dizia Locke: “O aumento
todos aqueles que demandarem o
seguro (bolsa família), crianças de
o trabalho pule sobre nós. No entanto, a simples
procura não gera empregos. É a política econômi-
ou não vida nela. A vida e seu do número de pobres deve-se ao relaxamento da
disciplina, da corrupção dos costumes, da virtude
3 a 14 anos tanto os que moram
com seus pais como aqueles que
ca que os gera. Taxas de câmbio, investimentos,
políticas públicas de criação de infraestrutura,
futuro são os indicadores da e do espírito de trabalho que andam juntos com o os ‘inspetores dos pobres’ não lhes pesquisas e patentes, inovações de valores agre-

importância de nosso senso


vício e a ociosidade” (2013,p.26). atribuem outro emprego para ganhar gados, entre outras.
E continua: a vida. (Idem, p. 41) Assim Locke, um dos pais do liberalismo, encami-

crítico nesse momento.


nha a questão da pobreza que aumentava sempre
Se pudéssemos colocar no trabalho Retomar a economia como uma abstração (ao mais na Inglaterra, devido ao desmoronamento
todos os indivíduos válidos da Ingla- se falar de uma economia abstrata pensa-se em da vida da nobreza de origens medievais, pressio-
114 ração entre escritores de épocas tão diferentes terra, conseguiríamos logo suprimir máquinas agrícolas colhendo soja e produzindo nada pelo nascimento da economia de produção 115
pode ser entendida historiograficamente como o fardo essencial que pesa sobre os carregamentos para a China) é o maior desejo dos capitalista que, somadas, geravam massas e
‘anacronismo’, mas, no nosso caso, o anacronismo que trabalham para alimentar os ministros da economia. Mas ela como essência massas de pobres desempregados. A pandemia
pode ser entendido como uma analogia com as pobres. Pois por cálculos bem razo- do termo é muito mais que fluxos instantâneos ajudou a destruir os modelos feudais que ainda
várias interpretações contemporâneas. áveis mais da metade daqueles que de capitais e de produções abstratas. A economia grassavam no território e expandiam seus efeitos
Locke, que era também membro do Ministério do recebem seguros das paróquias são merece ser vista mais amplamente e enquanto e abriam as portas para o capitalismo europeu em
Comércio e das Colônias, apresenta em 1697 à capazes de ganhar a própria vida. não se veem na economia as ‘formas de habitação suas fases iniciais.
câmara do comércio da Inglaterra um relato inti- (Idem, p. 26) em nossa casa comum’, a Terra será tida como Que efeitos advieram da pandemia em toda a
tulado “O que fazer com os pobres?” O problema uma distorção ou uma miniaturização de seu Europa sobre o mundo do trabalho, da cultura e
era como levar os pobres a trabalhar, com que mé- Trabalho, dizia ele, havia. O problema era uma papel na vida dos homens. A economia, concre- da organização social?
todos e com que meios? O texto de Locke tinha confortável preguiça incentivada pelas ‘bolsas- tamente, é responsável também, pelo trato do Os impactos da Peste Negra (início em 1330 com
como subtítulo “A lei para o pobre e as escolas do -famílias’ da época. Mas para enfrentá-las, como cuidado com as águas contaminadas dos rios, efeitos mais destacados até 14941) são trazidos
trabalho”. A questão que Locke vai colocar, dentro despesas do estado e dos que trabalham (sic), não com a destruição das florestas, com as famílias aqui para que se possa pensar na função da
do espírito da época, 60 anos depois da Peste Ne- bastavam as leis e o fornecimento de trabalho – expulsas das terras pelas monoculturas, com os educação no período que sucede a abertura para
gra, era que a pobreza crescia, a fome aumentava que, segundo ele, existia para todos! As escolas de incêndios, com o fim das diversidades de espécies o convívio social mais intenso.
e a pressão social ficava insuportável para as clas- formação do trabalhador deviam ser estimuladas. e todas as suas consequências. O primeiro princípio é de que nada será como
ses proprietárias rurais e comerciais. Os trabalhos antes. Levando em consideração a ambiguidade
voltam a rarear e a pobreza cresce. Para a solução O remédio mais eficaz que nós pode- VINDO PARA HOJE de todo os movimentos da história: a saída do 1 ...”temos conhecimento
desse quadro, pelo diagnóstico feito por Locke, mos conceber, e que por isso propo- momento em que vivemos pode ser para melho- de quinze epidemias
na Holanda entre
seria necessário que se alterassem a concepção mos humildemente aqui, e que em É uma espécie de síndrome pela qual também rar o convívio humano ou para desgastá-lo ainda 1360 – 1494 e quatorze
na Espanha” (p.330),
podendo a população da
de trabalho, da propriedade e das próprias socie- virtude da nova lei podemos propor passa a sociedade brasileira achar que há trabalho mais, produzindo um cinismo que aponta para “o Europa ter sido reduzida
à metade neste período
dade. No entanto, continuavam pesando sobre que as escolas de trabalho sejam para todos, para isso basta se preparar. Agora, nada muda mesmo?” (Schiedel.2020).
Scheidel (2020) mostra as características das A hipótese de que a pandemia traria elementos de seu rumo avassalador em todo o mundo. Pouca Agora, durante a pandemia, imagina
saídas dos efeitos diretos de várias pestes. As redução da desigualdade, pelos motivos elenca- coisa veremos de solidariedade entre grupos so-
pestes foram inúmeras e confluentes com efeitos dos acima, não se mostrou tão esperançosa como ciais distintos, redução de consumo e desperdício, -se que basta afrouxar as regras do
climáticos e crises da produção. As desgraças
andavam de mãos dadas. O trabalho de Scheidel
parecia. As alterações na direção da igualdade
tiveram sobressaltos para melhoria da vida e
controle das devastações ambientais. Por exemplo:
no mês de junho de 2020, segundo o INPE medido
isolamento e sair à rua para que o
analisa as pestes na Europa e no Levante num distribuição efetiva de renda, mas tais esperanças por seu Programa de Queimadas, tivemos um trabalho pule sobre nós. No entanto, a
fluxo histórico de 450 anos, com estatísticas
esclarecedoras sobre as lutas internas nessas
não se consolidaram como conquistas políticas
duradouras. Primeiro, as melhorias foram contro-
aumento de 19,6% em comparação com o mesmo
mês de 2019, sendo que o número de queimadas simples procura não gera empregos. É
sociedades no que diz à flutuação dos salários ladas pela própria legislação que os reis editavam, foi o maior já observado desde 2007. a política econômica que os gera. Taxas
de profissionais qualificados e de mão de obra pressionados pelos empregadores, para refrear o Nossa questão agora é refletir sobre o papel da
não qualificada. Tal trabalho evidencia as perdas aumento do preço da mão de obra. Traz-se aqui escola, a construção de currículos que, embora de câmbio, investimentos, políticas
116
e ganhos dos grupos trabalhadores em busca de
melhoria de vida. Resumem-se assim os efeitos
um Decreto dos Trabalhadores da Inglaterra, em
1349, ainda sob o impacto da Peste.
não suficientes para resolver os problemas, são
suas condições necessárias. Sua função é de fazer
públicas de criação de infraestrutura, 117
da Peste Negra (SCHEIDEL, 2020, p.331): seguir adiante as análises, os diagnósticos, o pesquisas e patentes, inovações de
O que sabemos dos efeitos da peste
(...)Ninguém deve pagar nem prome-
ter ordenados, provisões de alimen-
desenvolvimento de consciência crítica e da busca
da equação do problema da vida. valores agregados, entre outras.
na desigualdade? A lógica subjacente tos, pagamentos ou salários superio- No entanto, talvez a situação mundial, sete séculos
é clara. Era fatal que a redução dos res aos definidos acima, sob pena de depois da Peste Bubônica, possa vir a ser mais O PONTO DE INFLEXÃO
preços da terra e dos alimentos e a pagar o dobro do que houver pago complicada ainda para achar uma saída honrosa
elevação do preço da mão de obra fa- a qualquer um que se sinta prejudi- para a humanidade. Temos agora alguns agravantes Em que momento, durante o isolamento exigido
vorecessem mais os pobres do que os cado por isso...e, se alguém receber como as enormes e poderosas redes de comunica- pela pandemia, começamos a pensar que o que
ricos e, portanto, tendessem a atenuar a mais que seja levado à prisão. ção WhatsApp reforçadas pela divulgação Youtube, vivíamos não era normal? E como esse nível de
a desigualdade de riquezas e de ren- (Idem, p.325). impulsionando redes de conteúdos informativos fal- questionamento foi evoluindo entre várias e
da. Durante muito tempo, os historia- sos sobre a doença; movimentos de cunho religioso graduais observações críticas:
dores confiaram em dados substitutos Embora sejam breves os recortes trazidos da desacreditando a ciência, assim como redes de • Por que às vezes é insuportável conviver
que sugerem mudanças dentro desta história, podemos antever que a saída do contexto explicações comerciais do fenômeno e até mesmo comigo mesmo e às vezes é bom – posso
linha. A demanda de trigo caiu, mas o da peste, ou pandemia, não promete mundos teorias que mostram a peste como uma conspiração sentir a delícia de ser o que sou? Foi preciso o
preço da carne, do queijo e da cevada fraternos, nem conversões revolucionárias com contra o mundo capitalista. Tais redes interferem isolamento para me mostrar isso?
(usada na produção da cerveja) se relação à divisão de rendas e de riquezas. O risco é na confiabilidade dos sistemas públicos de saúde, • Será normal que os pobres não tenham como
mantiveram apontando para a melho- de haver um período de busca de solução conjunta nacionais e mesmo aos internacionais como a OMS, se abrigar dignamente como os ricos diante das
ra da dieta que deu aos trabalhadores das desigualdades que, certamente, sairão eviden- e rebatem ainda no descrédito para com vacinas ameaças da doença?
a acesso a alimentos que costumavam ciadas pela mortandade produzida entre as classes e prevenções sociais. Não é à toa que os EUA e o • Será normal que a poluição do céu, da água,
ser reservadas às pessoas em melhor mais pobres, mas que serão rapidamente esqueci- Brasil, dirigidos por governos que apostam na desin- das ruas, seja obrigatória e necessária? Até
situação econômica. das e a concentração de rendas crescerá e seguirá formação, lideram o número diário de mortes. quando?
• O que fez diminuir a sujeira das ruas e da tomar café sem prestar a atenção ao sabor e isso. E grande parte das pessoas se identifica com (para isso o Papa faz) o convite a pro-
atmosfera? O que fez os bichos voltarem a aromas? essa visão, ao sair imediatamente às ruas, aos curar outras maneiras de entender a
ocupar as ruas de algumas cidades? Foi porque Tais podem ser as questões postas à dita norma- shoppings a fim de comprar, comer ou beber ou ir economia e o progresso, atribuindo
eu não saí de casa, porque comprei menos ou lidade em que vivíamos atolados. Onde e por que aos cabelereiros ou às academias de ginástica. Não valor à cada criatura, abrindo-se
porque os carros não circulam tanto? a curva da busca da normalidade começa a mudar se vê em nenhuma proposta de abertura da eco- para o sentido humano da ecologia
• O que significa o automóvel como transporte de direção, quando experienciamos o isolamento nomia pós-pandemia a ideia criativa de traçar uma assim como a necessidade de deba-
individual, os custos de sua manutenção, a de verdade? A partir de quando e de que situação política justa de distribuição de rendas, por meio tes sinceros e honestos, a partir da
gasolina, os impostos, a violência no trânsito, a humana percebemos que a normalidade era não de impostos progressivos sobre fortunas, de au- grave responsabilidade da política
sua obsolescência planejada? apenas anormal, mas criminosa? mento de salários ou de condições de atendimento internacional e local, a atenção à
• O que significa a civilização da velocidade? Por Nesse ponto começa a se evidenciar o que não era estrutural à saúde, ou da criação de leitos ociosos cultura do descarte e à proposta dum
que tudo tem que ser rápido? Tal pressa deixa normal embora tivesse a adjetivação de norma- para emergências, ou de melhoria das escolas ou, novo estilo de vida. (Idem, p.15)
suas marcas na baixa qualidade da alimenta- lidade. Onde ele, o ‘senso do normal’, também de pesquisas ligadas aos interesses sociais de
118 ção, no descompromisso dos afetos, na super- muda quando presenciamos ou somos informados longo prazo. Não se pensa em uma economia que
Mesmo correndo o risco de fazer uma espécie de 119
ficialidade da leitura, no pouco acesso à própria de que tantos e tantos não se isolam, como os se harmonize com a natureza. Nesse sentido, o
curto circuito entre a história, o momento político
memória, na facilitação exagerada da aprendi- ‘inocentes do Leblon’? E que, sem dúvida, a partir PIB é uma medida inadequada para a economia e
e a educação, ouso afirmar que o currículo escolar
zagem? Será de fato a urgência necessária, em disso, a catástrofe aumenta criminosamente? O para que se entenda aquilo que ela oferece para a
e as bases nacionais curriculares de qualquer país
nome de quê? O que se ganha ao terminar logo que existe de catástrofe além da morte e da vida? vida da sociedade e o seu futuro. O PIB não conta
são um espaço privilegiado de conhecer, de equa-
uma refeição? aquilo que a economia trouxe à vida da sociedade.
cionar, diagnosticar, simular e adiantar hipóteses
• Não me lembrava de conversar com minha OS CRITÉRIOS DE GRAVES Nesse artigo, nos interessam os estudos dosde inovações nos tempos de crise.
família e rir com ela, faz tempo. Por que não ANORMALIDADES rebatimentos destas análises na vida da educação
As catástrofes anunciadas e modelo de mundo
tinha tempo para ela? Preparar um lanche em pública e na educação como projeto de nação.
são de múltiplas dimensões e suas tensões vêm
comum ou lavar a louça como gentileza são Nesse momento de nossa história, os anos 2020 Para interpretar a economia não bastam os econo-
se acumulando há centenas de anos.
valores? Ou é melhor ir ao fastfood e voltar e 2021, no Brasil e no mundo, a economia é a mistas nem os investidores. Economia é a análise
Daqui em diante, focalizaremos apenas uma das
logo para se trancar cada um diante de sua TV? variável mais preocupante, segundo muitos dos e proposta de organização de nossa casa comum.
suas dimensões para entrar no tema da educação
O que pode ser um ‘novo’ melhor? políticos e dos analistas da vida social e cultural. Assim afirma, em 2015, o Papa Francisco na Encí-
escolar e em suas concepções curriculares. A
• O tempo tem um novo e lento ritmo de passa- Na nossa visão, aqui está o ponto de inflexão da clica “Laudato sí” sobre o progresso incontrolado
redefinição de uma sociedade se dá pelo projeto
gem, por isso aproveito mais minhas leituras, análise da nossa conjuntura. Para o momento, determinado apenas pela economia: de nação que torna orgânicos seus valores, suas
minhas atividades corporais e imateriais, ou a visão de economia que a torna um conceito crenças, sua língua, sua cultura, seu território,
aproveito da conversa mais delongada com um abstrato – em termos de números do PIB ou das Há uma relação íntima entre os seus pactos políticos, sua organização para o
parente ou amigo? Isso muda algo em mim ou taxas de câmbios ou dos juros - é o pior viés para pobres e a fragilidade do planeta, convívio e seu projeto de futuro. O tema que aqui
é perda de tempo? o enfrentamento de seus desafios. Economia sem sendo tudo estreitamente ligado no se abre como articulador de todas essas variáveis
• Será que agora começo a ter uma vida normal, prosperidade para todos não é economia humana. mundo, havendo necessidade da crí- é a ética. E sobre ela, a ética, que depositaremos
ou o normal é comprar, pagar, correr, ficar horas A economia é apresentada por seus ministros tica ao novo paradigma e das formas os sentidos, as práticas, os desenhos e as opções
no ônibus ou metrô, no trânsito, fazer reuniões, como uma forma de reiniciar o consumo, apenas de poder que derivam da tecnologia, curriculares. É ela nosso foco.
PARA UM DESENHO E RECONSTRUÇÃO DO são de domínio e de poder sobre a biosfera inteira restritiva e não preveem o que acontecerá com a (...)depois de vários séculos de euforia
CURRÍCULO do planeta. Portanto, para Jonas, as tecnologias sociedade e com os jovens para além das promes- pós-baconiana e prometeica de onde
agregam novos desafios ontológicos às questões sas de um ingresso no mercado de trabalho ou do se originou também o marxismo,
A construção e as vivências de um currículo esco- éticas. Dentro deste contexto afirma Jonas: sustento diário. Importantes missões, mas não su- como segurar as rédeas deste pro-
lar nascem da proposição de alguns fundamentos ficientes para o cumprimento da função educativa gresso galopante? Conter tal progres-
que nos permitem organizar a essência de seus Nenhuma ética anterior vira-se obri- da escola e de seu caráter público. so deveria ser visto como nada mais
demais componentes. Propomos aqui a ‘ética da gada a considerar a condição global Jonas (2006) parte do princípio de que a separa- que uma precaução inteligente acom-
responsabilidade’ como o grande fundamento da vida humana e o futuro distante ção entre o Estado contemporâneo e a natureza panhada de uma simples decência em
para pensarmos o ‘depois do futuro’ com novos inclusive a existência da espécie. foi suprimida, o que tem como consequência a relação aos nossos descentes.... Uma
critérios de normalidade. Parece-nos que seu va- O fato de que hoje eles estejam em apropriação pelo Estado da totalidade da vida e postura positiva implicará desempe-
lor tem dimensão ontológica para ser estruturante jogo, exige, numa palavra, uma nova de todas espécies presentes na natureza. Realiza nhar-se antes de tudo, de funções de
do currículo e dele outros componentes se irra- concepção de direitos e deveres, para assim o Estado o seu poder sobre tudo - os preservação e proteção no seio da
120 diarem como: formação de professores, avaliação, a qual nenhuma ética nem metafí- oceanos, as nuvens, o subsolo, as matas, os qual poderão exercer-se as funções de 121
definição de conteúdos, formação de habilidades sica antiga pode sequer oferecer os rios –fazendo desaparecer também a diferença recuperação e de melhoramento, em-
intelectivas e volitivas, pensamento crítico etc. princípios quanto mais uma doutrina entre o artificial e o natural. Os rios são artificia- bora submetendo-as sempre ao signo
acabada. (Idem, p.41) lizados pelo engarrafamento de suas águas, as da modéstia”. (JONAS, 2006, p. 349).
FUNDAMENTOS DA INOVAÇÃO A PARTIR matas tornam-se nossas cadeiras e os subsolos
DOS TEMPOS-DE-CRISE De alguma forma a escola e seu currículo têm a o tungstênio de nossas canetas.... Como o Estado Há nesse sentido inúmeras iniciativas de cará-
mesma missão da ética da responsabilidade. Os frequentemente está tomado por interesses ter mundial e local, em doses e modalidades
A ética da responsabilidade é o nosso ponto de jovens e as gerações que passam pela escola são particulares, a sua dominação sobre a natureza é diferentes; lá em 1980, o Clube de Roma, como
partida para a construção curricular. Hans Jonas formadas para cuidar do futuro da espécie, e não um enorme risco para a humanidade. atualmente o New Green Deal, mas é importante
(2006), autor que desenvolve o tema de uma ética apenas para se preparar como trabalhadores, in- As tecnologias foram se constituindo como con- que aqui se destaquem os Objetivos do Desenvol-
para a civilização tecnológica, deita os fundamentos telectuais ou manuais, para a sociedade presente, dições ideais das antecipações de suas possibi- vimento Sustentável da UNESCO (ODS – 20-30)
de uma construção curricular verdadeiramente ino- como propõe Locke na obra “O que fazer com os lidades extremas para este poder do Estado, da como um belo padrão de proposta para as orien-
vadora pelo compromisso da humanidade com o fu- pobres?”. política e da economia sobre a natureza, sobre a tações dos currículos escolares. Note-se o Currícu-
turo. Trata ele do futuro como fato social e político. A saída de Locke para os problemas sociais da vida e de tudo que a ela se liga. As manipulações lo da Cidade, produzido na Secretaria Municipal
Nosso conceito de ética, diz ele, tem se circunscrito Inglaterra, nos últimos anos do século XVIII, era a genéticas, a robotização das funções do traba- de São Paulo, em 2017, que tem nos ODS 20-30
ao que deve ser decidido sobre o bem ou o mal de criar escolas para “que as crianças fossem mais lho (que prometiam mais lazer ao trabalhador sua coluna mestra da estrutura pedagógica.
no interior de um contexto de curto prazo e para contidas e melhor cuidadas; (para isso na escola...) e se tornaram extintoras do próprio trabalho), A ética da responsabilidade pervade inúmeras
atores individuais. A perspectiva de Jonas é que o serão habituadas a trabalhar desde a mais tenra a indústria tecnológica da guerra avançada, o questões que se colocam ao mundo pós-pan-
domínio da ética ganhe a luz no fazer coletivo e para idade, o que é importante para torná-los sóbrios e prolongamento da vida ou a corrida para outros demia. Apresentaremos apenas três delas neste
o futuro. Além disso, o domínio do homem sobre a trabalhadores para o resto de seus dias” (LOCKE, planetas etc. significam o que para a educação breve trabalho.
tecnologia, dentro da perspectiva do capitalismo, 2013, p. 41). Nessa visão, os objetivos de curto das gerações futuras? O que isso significaria para Dentro das perspectivas históricas e éticas apre-
com sua intervenção globalizada, produz a dimen- prazo para a escola guardam uma dimensão ética a educação, continua Jonas: sentadas até aqui pode-se extrapolar tais análises
para os domínios da educação escolar. É absoluta- deveria estar articulada a esses dois domínios alinhando o tema com a alimentação humana, que investem nessas novas modalidades
mente imperioso que as escolas modifiquem seus propostos pela BNCC, atualmente muito distantes se abrirá no pós-pandemia e que toca diretamen- de carne, bem como os gigantes
currículos, na direção de temas e problemas que da realidade do Brasil, de seu território, de sua te no tema da ética do compromisso, dos debates digitais do Vale do Silício. Seja qual
atingem não apenas uma formação em compe- economia, de sua cultura e da cultura e economia e aprendizagens curriculares. for o rumo dessa importante onda
tências imediatas para o mercado de trabalho, sul-americana na qual deveriam estar inseridos. nos padrões alimentares contempo-
mas os conhecimentos ligados ao novo ambiente A tarefa curricular amplia-se ainda pelas ques- A guerra cultural em torno da ali- râneos, ela deve trazer consequên-
social que se estabelecerá entre cidades, comu- tões que articulam o país - para o bem e para o mentação e especialmente do con- cias fundamentais para o Brasil. Não
nidades, países e a própria natureza da vida na mal - com a economia mundial globalizada. Foram sumo de carne ganhou, nos últimos há dúvida de que se formou no país
Terra. Os temas ligados à sustentação de vida no propostas, para subsidiar o traçado da BNCC, que cinco anos, um componente que a mais poderosa agricultura tropical
planeta são imperiosos e podem estar imbrica- se criassem Bases Transnacionais para os Países explica a virulência das posições da do planeta, da qual depende parte
dos a duas variáveis pelas quais a própria BNCC do Mercosul como forma de abrir frentes de com- direita norte-americana e que muda fundamental de nossas exportações
deverá vir a ter um novo e verdadeiro sentido para promisso com culturas sul-americanas, tão ricas os termos do debate sobre o assunto. e de nossa riqueza. Mas são fortes
122 a educação brasileira. A inserção das habilidades e complementares das nossas. Afirma Almeida Trata-se das diferentes modalidades os sinais de que o mundo será cada 123
e conteúdos nas temáticas da pós-pandemia (2018) num texto resultante de palestra dirigida de carnes cuja produção não depen- vez menos tolerante com os impactos
em 2017 ao Conselho Nacional de Educação de da criação de animais. Os termos negativos da agricultura e da pecuá-
Propomos aqui a ‘ética da (Conselho Nacional de Educação): em inglês são expressivos: animal-
-freemeat (carne produzida sem o
ria. (ABRAMOVAY, 2020, n.p.)

responsabilidade’ como o grande Nesse contexto, mais do que nunca, recurso a abate de animais), cruelty- Na verdade, apontam-se nesse artigo, como

fundamento para pensarmos o ‘depois as nações contemporâneas têm o


desafio de desenhar políticas curri-
-free (sem crueldade) e slaughter-free
(sem abatedouros) são expressões
decorrência dos eixos em torno do qual se de-
senvolveriam as atividades curriculares, campos
do futuro’ com novos critérios de culares e currículos que manifestem cada vez mais usadas. (ABRAMOVAY, novos como o tema da alimentação humana, da
claramente suas diretrizes humanas, 2020, n.p.) ecologia do decrescimento, ou da economia do
normalidade. Parece-nos que seu valor políticas, econômicas e de susten- crescimento verde, como um New Green Deal no
tem dimensão ontológica para ser tabilidade social permitindo sua
implementação. A relação da escola
O autor segue enfatizando que não será a agri-
cultura monotemática e meramente baseada no
mundo. Temas e problemas curriculares que exi-
giriam claramente que a escola e o seu currículo
estruturante do currículo e dele outros (leia-se do currículo) com o território plantio, colheita e transporte, mas planejada pela se organizassem em torno de projetos interdisci-

componentes se irradiarem como: em que se insere é a mais perfeita


tradução do compromisso que se
tecnologia genética com fundamentos nos valores plinares. Tais abordagens não apenas chamariam
agregados da produção: o concurso de todas as áreas do conhecimento
formação de professores, avaliação, forja entre políticas públicas do co- como exigiria de cada uma delas a sistematização
nhecimento, da cultura e o projeto de Já se contam aos milhares as star- de suas competências específicas.
definição de conteúdos, formação de nação. (ALMEIDA, 2018, p.84) tups que se voltam ao setor. São as As questões alimentares ganham espaço central
habilidades intelectivas e volitivas, Ricardo Abramovay (2020) traz um alargamento
chamadas empresas de food-tech
(comida+tecnologia). Os próprios
nas atividades, debates e pesquisas curriculares
como uma forma a mais de cumprir a necessidade
pensamento crítico etc. à questão da qualidade da vida e meio ambiente, gigantes agroalimentares globais de ter na alimentação um espaço de humaniza-
ção. O sentido, a qualidade, a procedência, o rit- para uma verdadeira revolução no olhar sobre a LOCKE, John. Que faire des pauvres? Paris: PUF,
mo, o prazer, os rituais da alimentação envolvem função social da educação pública escolar e do 2013.
todas dimensões éticas da responsabilidade. currículo. Vamos pensar nisso? Só assim podere-
Quando se alude, nesse nosso artigo, ao currículo, mos não ser devorados pelo enigma da Esfinge SAAD FILHO, Alfredo. Coronavírus, crise e fim
está-se referindo à escolha cuidadosa das dinâ- da pandemia. do neoliberalismo. Disponível em: https://ater-
micas escolares, grupais, pedagógicas, culturais, raeredonda.com.br/coronavirus-crise-e-o-fim-do-
científicas, linguísticas para gerar a aprendizagem REFERÊNCIAS -neoliberalismo/. Acesso em 26 jun. de 2020.
significativa. Habilidades de comparação, a análise
de dados, a criação de leituras cartográficas ABRAMOVAY, Ricardo. A carne na guerra cultural SHEIDEL, Walter. Violência e a história da
territoriais, a adequação à cultura local, a percep- contemporânea. Disponível em: https://tab.uol. desigualdade: da idade da pedra ao século XXI.
ção estética, a formação do senso crítico, a visão com.br/colunas/ricardo-abramovay/2020/06/19/a- Tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.
científica dos procedimentos, domínio de lingua- -carne-na-guerra-cultural-contemporanea.htm.
124 gens específicas das diferentes áreas do conhe- Acesso em 05 de jul. de 2020. PALAVRAS-CHAVE 125
cimento, a análises de conteúdos – entre outras
– se aliam a conteúdos adequados e poderosos ALMEIDA, Fernando José de. Base curricular Ética da responsabilidade; Economia da casa co-
para o melhor desenvolvimento das habilidades transnacional para os países do Mercosul: mum; Objetivos do desenvolvimento sustentável.
previstas, propostas ou criadas pelos grupos. Os urgência e oportunidade histórica. In: Siqueira,
valores pessoais e culturais locais costumam ser a Ivan Claudio (org.). Subsídios à elaboração da
essência inicial da aprendizagem. BNCC: estudos sobre temas estratégicos da par-
Parece que o momento nos impulsiona a fazer ceria CNE e UNESCO. São Paulo: Moderna, 2018.
um exercício mental de verdadeira revolução a
partir das motivações e provocações éticas ao DEFOE, Daniel. Um Diário do ano da Peste.
próprio currículo. Todas as promessas de que 4.ed. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2014.
haveria uma revolução da aprendizagem e do
ensino a partir da tecnologia são só em parte FRANCISCO, Papa. Laudato sí. Encíclica Papal.
verdadeiras. Há um lado das tecnologias que Roma: Gráfica do Vaticano, 2015.
pode ter impactos negativos no futuro humano,
como se viu no artigo. Os riscos que daí decorrem JONAS, Hans. O princípio responsabilidade:
podem ser objetos de estudos no campo das ensaios de uma ética para a civilização tecnoló-
escolas e de seus currículos. Daí se conclui que é gica. Tradução Marijane Lisboa. Rio de Janeiro:
sensato e inovador que a escola, a educação e o Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.
currículo possam se perguntar: “O que podemos
fazer pelas Tecnologias e pela Economia, como KRENAK, Ailton. O amanhã não está à venda.
cuidadora de nossa casa comum?” Um desafio São Paulo: Cia das Letras, 2020.
2020, pandemia
nesse contexto. Se, por um lado, há um imenso mo democratizou o discurso chegando a católicos,
crescimento de publicações1 negando ou desa- evangélicos, ricos e pobres, ocupou a Internet e o

e a pesquisa no
creditando o perigo imposto pelo vírus, e por imaginário social, criando a versão ideológica mais
conseguinte negando assim o legado científico adequada à necessidade do momento.
produzido até hoje, por outro, corroborando para Mesmo não sendo o negacionismo algo novo na

brasil: o papel das a desvalorização do conhecimento científico, há a


questão estrutural das universidades, os escassos
história, nem nas relações humanas, o encontro
com a velocidade e alcance da Internet está sendo

universidades dentro
e reduzidos investimentos em ensino e pesquisa, um amplificador potencialmente perigoso.
aplicada e pura. Partindo do conceito de educação enquanto práti-

do projeto de país
O Brasil padece da crise dentro da crise, seja na ca social, pretende-se discutir aqui a função social
política, na educação, na saúde, qualquer que da universidade tensionada pelas necessidades
seja o recorte escolhido é possível enunciar o exclusivas do mercado e sua responsabilidade so-
126 colapso já previamente existente e a piora com a cial frente à pandemia e ao discurso negacionista. 127

o
1. INTRODUÇÃO chegada do vírus. Não é diferente com as Univer-   
sidades. Mudanças governamentais e oscilações 2. O PAPEL DA UNIVERSIDADE
“...e, no entanto, ela se move” [1663] econômicas ocasionaram cortes expressivos de
É redonda! [2020] verbas, a ascensão do discurso neoliberal, agora Desde que a humanidade teve suas primeiras uni-
na administração do país, provoca com frequência versidades, lá na baixa Idade Média, a educação
ano de 2020 certamente ficará gravado na história da humanidade. A pan- a descrença e deprecia pesquisas realizadas, se posta a atender as grandes questões humanas
demia que o mundo atravessa a duras penas e grandes perdas traz à tona, além de proferir constantes calúnias sobre o e, se por um lado, a função social da universidade
nesse início de século,  as mais diferentes discussões sobre a vida, seja no ensino e a qualidade. Fato é que as Universidades vem com o prestígio de ser uma grande produtora
âmbito biológico, seja nas relações entre seres humanos e a relação destes brasileiras, públicas e confessionais têm sofrido de conhecimento, não pode ser menos verdadeiro
com o meio. Fato é que 2020 fez a humanidade parar, literalmente numa duros e constantes golpes. que é também um campo de batalha, uma vez
pausa forçada que levou a reflexões e debates profundos. O mesmo discurso que busca desmoralizar a ciên- que conhecimento é poder.
Dentre tantas repercussões acerca da pandemia, algo que tange à discus- cia e a pesquisa, defende o indefensável, propagan- A universidade é uma instituição social que preza
são acadêmica é postar-se a pensar sobre o papel das universidades no do o negacionismo histórico, social, econômico e a disseminação e expansão do conhecimento e
enfrentamento do vírus e os problemas que se evidenciaram e se agravaram cultural e cresce às custas da propagação massiva foi se constituindo na história pela tríade: ensino,
de fake news. Da difusão de teorias conspiratórias e pesquisa e extensão. É importante marcar que ela
francielle nogueira gatti da desinformação e quase que como uma empresa é uma instituição cultural, com ênfase no social,
gabriel militello couto de logística que entrega via terra, céu e mar, o ne- segundo Chauí (2001, p.35), isso significa que
gacionismo encontrou sua forma perfeita de entre- ela realiza e exprime de modo determinado a
ga rápida. Por meio das redes sociais chegou aos sociedade de que faz parte. Não é uma realidade
mais diversos lares e, se a ciência não encontrou separada e sim uma expressão historicamente 1. Publicações em redes
sociais, não se trata aqui
uma forma democrática de difusão, o negacionis- determinada de uma sociedade específica. de publicações científicas
Da difusão de teorias conspiratórias A política no interior da universidade reflete, como papel rebaixado, a universidade também se torna tecnológico (VIEIRA PINTO, 2005), disfarçada
citado, duas dimensões a econômico-social e espaço de resistência contra-hegemônica, para de globalização, visão denunciada também por
e da desinformação e quase que como científica. Hoje, essa política social é organizada, sua função de desenvolvimento tecnológico, de Milton Santos (ENCONTRO, 2006), que impede o
uma empresa de logística que entrega em grande parte, pelo sistema econômico-polí-
tico neoliberal, que é marcado pela oposição às
pesquisa e de conscientização. Ela desenvolve as-
sim uma cultura alternativa e com poder libertária.
desenvolvimento dos “subdesenvolvidos”. Nesse
contexto não há interesse dos chamados países
via terra, céu e mar, o negacionismo ideias de estado de bem estar social e de um Por esse motivo, ela se torna um risco aos olhos desenvolvidos que isso mude, pelo contrário, há

encontrou sua forma perfeita de entrega estado forte capaz de tutorar, regular e participar
do mercado. A diminuição das funções sociais
da ideologia dominante que procura rebaixá-la
sempre que pode, minando sua importância,
o interesse que essa disparidade se mantenha ou
aprofunde ainda mais, estabelecendo uma relação
rápida. Por meio das redes sociais do Estado é sua característica maior. O chamado questionando sua produção científica, desqua- de dependência.
Estado mínimo, deixando tudo às leis do mercado lificando suas posições culturais. As ciências Disso a escolha conceitual por chamar os dois con-
chegou aos mais diversos lares e, se e da livre iniciativa. humanas são os alvos mais comuns, pois é nelas juntos de países dominadores e países dominados.

128
a ciência não encontrou uma forma O resultado é um sistema econômico-político que
aprofunda as desigualdades, que favorece um
que comumente a resistência ocorre, e a partir daí
sobram sofismas sobre sua inutilidade. 
Nos países dominadores devido a abundância
construída por meio do saque de recursos, capital 129
democrática de difusão, o negacionismo nível sem precedentes de acúmulo do capital, que Vale dizer que Chauí coloca (2001, p.21) que o e talentos e da dominação tecnológica dos países

democratizou o discurso chegando a diminui direitos e amplia privilégios. O chamado


desenvolvimento progressivo e o Produto Interno
neoliberalismo traz a distinção entre terceiro mun-
do e primeiro mundo para o interior de cada país.
que chamamos de dominados o conflito social
pode ser mais ameno e as práticas mais desuma-
católicos, evangélicos, ricos e pobres, Bruto (PIB) aparecem como suas divindades. Onde alguns vivem como primeiro mundo, outros nas de exploração podem ser feitas offshore. E à
Apoiado, segundo Chauí (2001, p.18-20), no como terceiro mundo de acordo com seus privilé- classe dominante cabe, localmente, a manutenção
ocupou a Internet e o imaginário desemprego estrutural, no monetarismo e no gios e posses. É necessário apontar discordância de poder, através da manutenção de sua hegemo-
social, criando a versão ideológica mais capital financeiro (especulativo), na terceirização,
na transnacionalização, na ciência e tecnologia
para ressaltar que o ensaio aqui apresentado é
amparado em conceito proposto e que são a tese
nia pelo apoio dado ao modelo.
Nessa dinâmica perversa, recai sobre os domina-
adequada à necessidade do momento. como forças produtivas e pragmáticas em favor principal de Florestan Fernandes em Capitalismo dos, relações produtivas e sociais tensionadas por
de projetos de diminuição e enxugamento das Dependente (FERNANDES, 1975) e permeiam a uma realidade oposta que denotará a ausência da
Uma vez inserida na sociedade e sendo parte funções sociais dos estados nacionais. argumentação em Revolução Burguesa no Brasil abundância saqueada por multinacionais estran-
dela e não de uma realidade separada como Uma vez que a posição da universidade como (FERNANDES, 1976), de que o capitalismo se geiras, aplicação de planos políticos incoerentes
alguns parecem defender, a universidade espelha instituição social, sua vocação política e cientí- difere profundamente em países “desenvolvidos”, ao contexto de país subdesenvolvido propagan-
automaticamente valores e posições políticas da fica estará sempre tensionada pelas forças do especialmente nos imperialistas, do capitalismo deados por potências mal intencionadas (ex.
forma vigente de organização social. Sendo assim, establishment que esperam dela sua manutenção. nos países “subdesenvolvidos”. consenso de Washington), dívidas externas e o
posições políticas hegemônicas manifestam-se Para a ideologia dominante, a universidade seria Hoje, usa-se o termo “em desenvolvimento”, que subdesenvolvimento ou dependência tecnológica,
como forças de tensão tanto na organização, na lugar de sua reafirmação (vocação política) e de guarda em si a mentira de que exista o interesse aliado com o esvaziamento de talentos técnicos
gestão, na política como no currículo universitário. especialização de mão de obra (vocação tecnoló- dos países desenvolvidos no desenvolvimento e intelectuais cooptados pelos países dominado-
Assim, ainda segundo Chauí (2001, p.129), o gica-pragmática e não mais científica). dos demais. Ora, é o próprio desenvolvimento dos res colocam as classes dominantes dos países
papel da universidade é no mínimo dual: ela teria No entanto, sendo um local de produção e disse- demais países e suas políticas externas de neoco- subdesenvolvidos em uma situação muito menos
uma vocação política e uma vocação científica. minação de conhecimento e vendo seu próprio lonização pela economia, política, e empréstimo confortável que as de países desenvolvidos. 
A aspiração da classe dominante em ter os mes- pesquisa, em verbas para educação, até mesmo No entanto, não se veem doações das enormes seja ciências humanas, biológicas ou exatas, pois
mos lucros que são obtidos em países dominan- o próprio ministério da educação já é visto como fortunas por eles acumuladas para resgatar essas todas as áreas têm contribuições em um momen-
tes jamais pode ser alcançada, ainda que essa supérfluo. famílias, para contribuir com o combate à doença, to como o provocado pela pandemia. A negação
classe coloque em prática quantidades enormes E no meio de tudo isso, surge uma pandemia. para assegurar as vidas da população carente, o do papel social das pesquisas é uma bandeira do
de exploração.  que seria a solução lógica daqueles que de fato se atual governo e aparece representado através dos
A ampliação de direitos da classe trabalhadora 2.1. CAOS SOCIAL, CADÊ AS PESQUISAS? preocupam com os trabalhadores e tem recursos constantes ataques, falas de importantes figuras e
e seu acesso a bens culturais coloca essa explo- para influenciar a situação positivamente. lideranças dentro do próprio governo com a clara
ração em xeque e tende a reações extremas das A grande inconveniência da pandemia de Covid-19 Nas raras vezes que ocorrem doações são demagó- intenção de desqualificar as universidades; os
classes dominantes, quase sempre ligadas ao só é superada por sua capacidade de deixar trans- gicas como o banco propagandeando a doação de massivos e sucessivos cortes de verba no último
aprofundamento das desigualdades.  parente as relações sociais em curso, expondo a 2 bilhões para o combate da pandemia ou outras ano e meio, apenas contribuem para o retrocesso
O medo constante da perda de privilégios e do alí- triste e desigual realidade social brasileira.  quantias irrisórias no contexto de seus ganhos. científico e tecnológico do país.  
vio da exploração coloca a classe dominante dos Vemos a burguesia nacional trancafiada em suas Agências financiadoras, Capes e CNPQ, sofreram
130 países subdesenvolvidos em um eterno retorno casas propagandeando a volta ao trabalho duran- enorme esvaziamento, perderam espaço político 2.2. O NEGACIONISMO 131
ao flerte com o fascismo e com o totalitarismo, te a quarentena com o objetivo de garantir seus e, com isso, perde a pesquisa e o desenvolvi-  
que trazem com eles políticas de repressão, de lucros às custas das vidas de seus empregados.  mento nacional. Sousa Santos (2011) evidencia a O dia 22 de junho de 1633 é emblemático para
negação de direitos e de opressão. Ou pior, vemos capitalistas financistas, completa- ligação entre universidade e projeto de país, indi- a história da humanidade, especialmente para a
Esse fenômeno que acontece como num ciclo mente improdutivos, que nem empregos geram, cando que o caminho que segue a universidade, ciência. A data é emblemática porque marca o
vicioso ocorre novamente no momento. Nova- querem ver seus investimentos voltarem a lucrar seu projeto e suas reformas é o mesmo que segue julgamento de Galileu Galilei pela Santa Inquisi-
mente recorre-se ao fascismo como forma de com a recuperação da economia, totalmente o Estado. Logo, fica evidente o projeto do atual ção. Foi nesse dia que, mesmo tendo certeza do
colocar as massas em seu lugar após um breve indiferentes com o custo real das vidas que o final governo para a educação, em todos os níveis: o movimento feito pelo planeta Terra, Galileu rene-
período de vitórias e de acesso aos bens culturais precoce da quarentena sempre acarreta. desmonte, a precarização. gou sua descoberta para salvar sua vida. Talvez aí
da burguesia, que começava a criar uma pequena O governo federal atual, alinhado com a ganância No contexto da pandemia é necessário mencio- tenha começado o grande fenômeno que hoje é
mobilidade social. da classe dominante que o criou para desfazer nar que nenhuma ação do governo foi suficiente conhecido por fake news. Fato é que o negacionis-
Uma presidente precisou ser trocada por meio os avanços sociais das últimas décadas, toma a para atender populações em situação de carência mo tem várias facetas e não é algo novo.
de mais um golpe de estado para garantir que o mesma posição, tornando o Brasil um símbolo absoluta, para quem dizer que se deve lavar a Declarada pela Organização Mundial da Saúde em
projeto de manutenção de privilégios da burguesia perverso de como não se comportar em uma pan- mão constantemente, ficar em casa e cadas- 11 de março, a pandemia que o mundo atravessa
2. Disponível em: https://
e classe média (que se entende como dominante demia. O que fará com que ela se estenda mais trar-se para receber um auxílio pela internet soa já causou bastante discussão em terras brasileiras. www1.folha.uol.com.
br/poder/2020/03/
em um conflito identitário) prevalecesse. aqui e nos Estados Unidos de Trump, do que nos como um insulto, porque não têm nem sabão, Por aqui já foi chamada de “gripezinha”2 pelo pre- em-pronunciamento-bol-
sonaro-critica-fechamen-
Para o aparato ideológico do atual governo esse demais países que fizeram um combate coerente. nem condições de moradia, muito menos acesso sidente do país (uma gripe que já matou cerca de to-de-escolas-ataca-go-
vernadores-e-culpa-midia.
projeto hoje aponta suas armas novamente para Tudo acompanhado pelo sofisma repetido pelos à internet de qualidade. 80.000 pessoas até o momento da escrita desse shtml Acesso em: 30 de
jun. 2020.
educação, propostas retrógradas são criadas para ricos e pelo governo, na figura centralizada do pre- Nessa conjuntura de emergência, mas pensando texto), já foi defendido protocolo de tratamento, 3. Disponível em: https://
o ensino básico, para o ensino médio, para uma sidente que a recessão econômica da quarentena principalmente no longo prazo, o papel da univer- através do Sistema Único de Saúde (SUS), com www.saude.gov.br/images/
pdf/2020/May/20/
orientacoes-manuseio-
base nacional curricular unilateral, elaborada para levará à morte aqueles que não podem trabalhar sidade deveria ser reafirmado, o desenvolvimento uso de medicação sem eficácia comprovada, -medicamentoso-covid19.
pdf Acesso em: 30 de
um país inexistente; surgem cortes em bolsas de para sustentar suas famílias.  de pesquisas apoiados na superação da crise, duvidosa e posteriormente contra indicada3, jun. 2020.
recentemente foi vetada, pelo presidente, a trazer benefícios sociais no enfrentamento da suas infinitas possibilidades? Já há tempos que E nosso problema se expande mostrando que não
obrigatoriedade de usar máscaras em ambientes pandemia e no alívio das mazelas por ela causa- pesquisas apontam e discutem isso sem que o é a sobrevivência da Terra que está em jogo (ela
fechados (interior de salas de aula, igrejas, dentro das e apoiar, por meio das ciências humanas, a so- problema seja resolvido. Será agora o momento? continuará) mas está em jogo a existência da vida
de presídios). Esses eventos demonstram a forte ciedade na análise e no entendimento do fenôme- À universidade cabe e caberá marcar seu território humana sobre ela.
presença de um discurso que nega a ciência e no e suas repercussões. Tudo para combater os de importância e sua identidade. O mundo clama É assustador pensar que existem indivíduos
suas evidências empíricas. sofismas absurdos como “a pandemia é democrá- por uma solução para o vírus, solução essa que que realmente acreditam que a Terra seja plana,
O negacionismo, muitas vezes amparado em tica” num país em que a classe social determina tem povoado dias e noites de pesquisadores mas a narrativa propalada pelo negacionismo
experiências pessoais ou em falas alteradas e mais o risco de morte do que a idade4. mundo afora em busca do entendimento da coleciona absurdos, como também é absurdo
convictas baseadas no “eu acho” ganharam as doença, de sua contaminação e de uma vacina. pensar que descobertas incríveis aconteçam
redes e se espalharam pelos lares brasileiros 3. SONHANDO FUTUROS, ENFRENTANDO O No entanto, não é só a vacina que a sociedade com frequência no meio acadêmico e que não
através de vídeos no YouTube, WhatsApp, Face- NEGACIONISMO necessita. Escolas de educação básica precisaram sejam comunicadas à sociedade de forma que
book, entre outras redes sociais, e, embora não entender como usar aplicativos; universidades todo e qualquer cidadão entenda sua importân-
132 seja novidade, agregaram grande fator de risco ao É bastante clichê e até parece peça publicitária tiveram que, a toque de caixa, transformar rotinas cia, dimensão e alcance. É preciso que a ciência 133
somar-se à pandemia. dizer que o futuro se faz no presente. Embora presenciais em formas de ensino a distância, ser- busque formas de ocupar todos os espaços, não
Diante de um cenário baseado no “eu acho” e lugar-comum, não se pode negar que o que mais viços antes puramente presenciais precisaram se basta falar de pesquisador para pesquisador;
no “aconteceu comigo, pode acreditar” o caráter se tem feito ao longo dos meses de 2020 é adaptar e as consultas médicas sem sair de casa é fundamental que a ciência chegue a toda a
empírico e científico assume papel fundamental, postar-se a imaginar o futuro. Inúmeras lives se devem ser democratizadas. sociedade que precisa dela. Caso contrário, para
entrar na discussão para frear a disseminação debruçaram a discutir o novo normal pós-pande- Todo esse novo normal só foi possível pela que pesquisar?
de discursos que negam meses, anos, décadas e mia. Às vezes, em tons sarcásticos, especula-se construção histórica e científica acumulada ao Sonhar o futuro precisa estar intimamente com
séculos de construção de conceitos é papel tam- uma sociedade que aprenderá definitivamente a longo dos anos. A partir de um mínimo balanço conhecer, analisar e compreender o passado,
bém da universidade, não apenas cabe à ciência lavar as mãos e não espirrar e tossir nas pessoas da história vê-se que é inegável a existência da
a busca por uma vacina, como também cabe a ela
a procura por meios de validar e especialmente
e, em tons sérios, discute-se o que ficará de lição
de tempos tão incertos. Se surgirão mãos absolu-
ciência e das mais diversas áreas envolvidas
nessas novas rotinas. Não é preciso repetir e é
de comunicar seus achados. Propor debate amplo
e embasado sobre as relações sociais e sua digi-
tamente viciadas em álcool gel ou se haverá uma
revolução nos modos e formatos da educação, só
As pesquisas não são importantes apenas pelo
que puderam respaldar, são necessárias também possível avançar, para melhor.
talização é fundamental e não à toa é expressivo
o número de pesquisas e publicações acerca da
o tempo dirá. Fato é que vai ter mudança. Para
melhor, mas para pior também. Para onde tende-
para debater e amparar as reflexões advindas
desse momento tão sensível e transformar as
Aqui, universidade, ciência e
forma como as relações humanas se alteram e são
alteradas quando intermediadas pelo meio digital.
rão as mudanças?
No que tange à Educação a pandemia deixará um
ideias na concretude das mudanças necessárias. A
pandemia trouxe consigo a urgência de ponderar
sociedade se misturam, não
existem uma sem a outra, nem
4. Relatório da Fiocruz
evidencia maior número
de mortes de acordo
É um novo palco de relações sociais. legado a refletir. Para citar algumas hipóteses: o sobre o modo de vida da sociedade, o que implica

tampouco conseguem avançar


com classe social e
não necessariamente Cabe aqui a oposição vigorosa da universidade quão importante é o aceite dos aparatos tecno- o esforço de todas as áreas do saber, não apenas
ligadas à idade. Disponível
em: http://www.ensp. contra a postura anticientífica do governo federal lógicos e sua integração com a atividade escolar, do desenvolvimento de novas tecnologias, estu-

em separado.
fiocruz.br/portal-ensp/
informe/site/materia/deta- e de um setor determinado da sociedade. Aplicar seja ela de qualquer nível; haverá o acesso mais dar o humano em sua humanidade é fundamental
lhe/48894. Acesso em: 30
de jun. 2020. os conhecimentos à sua disposição que possam amplo, democrático e de qualidade à internet com para pertencer ao planeta Terra, aquele, redondo!
Só de Sacanagem que escutar. científica e política, mas amparada largamente em melhor. Aqui, universidade, ciência e sociedade
Meu coração está aos pulos! Até habeas corpus preventivo, coisa da qual nunca sua vocação social, o que permite que ela dialogue se misturam, não existem uma sem a outra, nem
Quantas vezes minha esperança será posta à prova? tinha visto falar e sobre a qual minha pobre lógica com seu meio, prestando-lhe serviços. tampouco conseguem avançar em separado.
Por quantas provas terá ela que passar? ainda insiste: esse é o tipo de benefício que só ao Acreditando na capacidade ilimitada dos sonhos e Voltar o olhar para a humanidade e suas necessi-
Tudo isso que está aí no ar, malas, cuecas que voam culpado interessará.
partindo dos antônimos do negar, este ensaio pos- dades desvincula da subserviência ao mercado e
entupidas de dinheiro, do meu dinheiro, que reservo Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do
ta-se a vislumbrar um futuro para as universidades coloca a ciência e a ética nesse lugar de promoto-
duramente para educar os meninos mais pobres que eu, meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear:
que afirme, confirme, comprove, persista, ostente, ras de uma realidade mais justa e igualitária que
para cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus mais honesta ainda vou ficar.
pais, esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade e Só de sacanagem!
exiba e continue. Não é possível desistir ou dimi- contribuam para a vida humana com sentido.
eu não posso mais. Dirão: “Deixa de ser boba, desde Cabral que aqui todo nuir toda a história da humanidade, seus acertos,
Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança o mundo rouba” e eu vou dizer: Não importa, será esse suas descobertas, tampouco é admissível parar REFERÊNCIAS
vai ser posta à prova? Quantas vezes minha esperança o meu carnaval, vou confiar mais e outra vez. Eu, meu o conhecimento humano sistematizado. Elisa Lu-
vai esperar no cais? irmão, meu filho e meus amigos, vamos pagar limpo a cinda (2010) aborda de forma brilhante no poema CHAUÍ, Marilena. Escritos sobre a universida-
134 É certo que tempos difíceis existem para aperfeiçoar o quem a gente deve e receber limpo do nosso freguês. “Só de Sacanagem”, na página anterior, escrito de. São Paulo: Editora UNESP, 2001. 135
aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus Com o tempo a gente consegue ser livre, ético e o em 2004, a ideia acerca de conhecer e aceitar o
brasileiros venha quebrar no nosso nariz. escambau. passado para compor um futuro diferente. ENCONTRO COM MILTON SANTOS. O mundo
Meu coração está no escuro, a luz é simples, regada ao Dirão: “É inútil, todo o mundo aqui é corrupto, desde A autora deixa claro, ainda, sua crítica à corrup- global visto de lado de cá. Direção: Sílvio
conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e o primeiro homem que veio de Portugal”. ção e aqui se desfruta de seu tom poético para Tendler; Produção: CALIBAN; Rio de Janeiro:
dos justos que os precederam: “Não roubarás”, “Devolva Eu direi: Não admito, minha esperança é imortal. assumir o sonho de um projeto de país que se CALIBAN, 2006. 89 min. cor.
o lápis do coleguinha”, Eu repito, ouviram? IMORTAL!
construa em conjunto com a Universidade, que
“Esse apontador não é seu, minha filhinha”. Sei que não dá para mudar o começo, mas se a gente
a deseje, que acredite nela e a apoie em seu FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa
Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido quiser, vai dá para mudar o final!
potencial. Mas não o faça com a ingenuidade no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 2.ed. 1976.
do desejo de ausência do conflito e sim, com a
necessidade de um projeto que contemple a Uni- ___________. Capitalismo Dependente. Rio de
“Parece-me, contudo, que o caminho nados para o “fazer” produtivo, entre versidade democrática e emancipatória, essencial Janeiro: Zahar Editores. 2.ed. 1975.
do futuro seja aquele que o passado a exigência de uma formação geral na construção histórica de uma sociedade justa e
nunca soube percorrer, mas que nos humana e a preparação de cada um igualitária, apenas possível em um país soberano, MANACORDA, Mario Alighiero. História da Edu-
mostrou em negativo, descortinando para competências distintas(...)” com coesão social e com cidadãos conscientes. cação. São Paulo: Cortez. 10.ed. 2002.
suas contradições. E estas foram (MANACORDA, 2002, p.360) Assim, “só de sacanagem”, mesmo diante de tan-
e são (é preciso repeti-lo?) entre a tos percalços, é vital que a universidade siga sua SÓ DE SACANAGEM. Elisa Lucinda. 2010. Vídeo
essencial importância humana da O autor é enfático: “é preciso repeti-lo?” Não. Não é vocação primeira de ensino, pesquisa e extensão (2m16s). Disponível em: https://www.youtube.com/
formação do homem e o seu acanto- preciso repeti-lo, por isso é essencial sabe-lo, isso permeada pelo desejo da construção de um futuro watch?v=iTFPPgYj5uQ Acesso em: 04 jul. 2020.
namento de fato como coisa de crian- dará forma ao sonho real e útil, na construção de melhor, apoiada na construção histórica da ciência
ça; entre a instrução dos dominantes uma universidade que, consciente de sua história e também na compreensão reflexiva do passado.
para o “dizer” intelectual e dos domi- de erros e acertos, siga constituída em sua vocação Não é preciso repetir e é possível avançar, para
SOUSA SANTOS, Boaventura. A universidade
do século XXI: para uma reforma democrática e
emancipatória da Universidade. São Paulo: Cortez.
3.ed. 2011.
SOUSA SANTOS, Boaventura. A universidade
pós-pandêmica. Outras Palavras, 02 jul., 2020.
Disponível em: https://outraspalavras.net/alemda-
mercadoria/boaventura-a-universidade-pos-pande-
mica/ Acesso em 02 jul. 2020.

VIEIRA PINTO, Álvaro. O conceito de tecnologia.


Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.
136 137
PALAVRAS-CHAVE

Universidade; Pesquisa; Negacionismo


No Brasil não foi diferente, o vírus trouxe à luz a caso específico caracterizando-se como educação
interdependência de vários segmentos: saúde, remota emergencial.
educação, comércio, indústria, serviços, e até a No enfrentamento da suspensão das atividades
política; tendo tudo sido afetado profundamente. presenciais, algumas instituições de ensino optaram
Na educação, os desafios têm sido sentidos em por interromper suas atividades por completo,

o velho e o novo na
todo o seu sistema, afetando instituições públicas outras decretaram férias para retomar as aulas mais
e privadas, alunos e suas famílias, professores, para frente, buscando se preparar e reorganizar

educação em tempos
gestores e comitês estratégicos criados para a para o novo desafio, e outras seguiram em frente
crise, que estão se desdobrando para atender adaptando de imediato suas estruturas tecnológicas
às orientações de governadores e prefeitos em e processos à nova realidade ou ao “novo normal”.

de pandemia

d
estado de emergência, ao mesmo tempo que Grande parte dos 384.474 docentes em exercício
tentando equilibrar despesas (ainda que um (INEP, 2019) nas Instituições de Ensino Superior
138 pouco reduzidas pelo isolamento), investimentos (IES) brasileiras que aderiram ao ensino remoto e à 139
1. INTRODUÇÃO de emergência em tecnologias, a manutenção continuidade das aulas durante a quarentena pas-
(ou não) do quadro de funcionários e professores sou por momentos de tensão sob todos aspectos
e forma inimaginável, o que ouvimos nas aulas de história sobre as gran- entre outras; e as receitas, afetadas pelos mais em sua vida pessoal e profissional. A Associação
des endemias, epidemias e pandemias ocorridas no planeta Terra, como a diversos motivos: suspensão das aulas, evasão de Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior
hanseníase (desde 1350 AC), peste negra ou bubônica (1346-1353), febre alunos, mensalidades atrasadas ou inadimplência (ABMES) levantou dados sobre as atividades leti-
amarela (desde 1850), dengue (desde 1779), tuberculose (desde 1850- e muitos outros que estão por ser revelados. vas durante o afastamento social e informou que:
1950), varíola (1896-1980), gripe aviária ou influenza tipo A, B, C H5N1, A pandemia não trouxe apenas a Covid-19, mas
H2N2, H3N2 (desde 1900), gripe espanhola (1918-1920), tifo (1918-1922), também o medo, as doenças provenientes do Cerca de 75% das instituições repre-
sarampo (até 1963 e desde 2018), ebola (desde 1976), malária (desde isolamento, como a ansiedade, depressão, des- sentadas pela ABMES retomaram as
1980), AIDS ou HIV (desde 1981), H1N1 (desde 2009), entre outras, chegou motivação, inseguranças, incertezas que atingem atividades letivas de forma remota
ao século XXI, e estamos lutando contra uma das mais infecciosas e mortais docentes, discentes e suas famílias, causando em diferentes momentos após a
pandemias já ocorridas, a Covid-19. Seu impacto é mundial e uma das preocupação e dor pela perda; trouxe de forma decretação da pandemia. “A realida-
soluções mais utilizadas segundo as orientações da OMS é o isolamento, o positiva o benefício de forçar a educação como de das instituições é muito distinta,
afastamento social, que ocorre globalmente. um todo a se ressignificar e afirmar sua missão. com questões de inclusão digital
Em tempos da pandemia vivida em 2020, esta ainda não atendidas, destacou Max
liliane noga temática se acentuou pois, em questão de dias Damas, que assessora a presidência
maria da graça moreira da silva - após o início do isolamento social -, houve da ABMES” (INEP, 2020, p. 1).
a necessidade de suspender as atividades e
transpor o ensino presencial, representado por São professores de diversos níveis da educação,
90% dos cursos de graduação nas universidades de iniciantes a mais de 35, 40 anos de magistério,
(INEP, 2019), para plataformas virtuais, nesse que lidam com alunos das diversas gerações e de
muitos contrastes entre eles, a separação tempo- Quais sentimentos, preocupações, desafios e 2. DOCÊNCIA E TECNOLOGIAS? Muitos permanecem socialmente ativos, saudá-
ral resulta na enorme diferença de concepção de conquistas ocorreram num momento tão transfor- veis, têm planos de vida e continuam trabalhando
mundo, quando mediados pela tecnologia fica vi- mador para todos? Como atuarão estes professores 2.1. GERONTOLOGIA bem como interagindo produtivamente com sua
sível nos mais jovens a grande habilidade em fazer após a pandemia, no “pós-novo normal”? Essas comunidade, seja por meio laboral ou não.
o uso das ferramentas, enquanto nos mais velhos questões instigaram as reflexões em tela e, embora Terceira idade, melhor idade, idosos, velhos... usu- Como se relacionam com as TDIC?
é perceptível o maior cuidado (LIMA, 2012). não seja possível tratar de tantos temas no espaço almente são nomenclaturas associadas à condição As TDIC e, em especial a internet, não contam
No uso de tecnologias, dessa forma, as diferentes reduzido de um artigo, este é um início de discus- temporal ou idade cronológica ou mesmo com o com a inclusão de todos.
gerações vivenciam o “novo cotidiano” de diferen- são que poderá ilustrar muitos caminhos futuros. tempo de vida, com as condições físicas, sociais e Parte da população, em especial a idosa, não
tes formas. Neste artigo refletiremos sobre a vivência dos do- laborais de uma pessoa. A velhice, entretanto, não é usuária da rede mundial. Não é usuária por
Este ensaio propõe uma reflexão sobre a prática centes, como os do Programa de Pós-Graduação se refere a uma idade específica (como aqueles aci- motivos diversos, dentre os quais figuram desde
pedagógica de docentes em sua atividade essencial em Educação: Currículo da PUC-SP que, durante ma de 60 ou 70 anos...), mas a uma etapa de vida. questões de cunho financeiro a questões de falta
e de profunda paixão: ministrar aulas, que exigiu de o primeiro semestre de 2020, passaram suas Camarano, Kanso, Leitão e Mello (2004, p. 25) nos de interesse, desconhecimento, medo, dificulda-
140 muitos um rompimento com o silêncio tecnológico atividades presenciais para atividades remotas, chamam a atenção que “a heterogeneidade desse des relacionadas à complexidade na operação de 141
e a superação de barreiras. Versa sobre a relação via internet. segmento extrapola a da composição etária. Dadas computadores, ou na falta de oportunidades para
dos professores mais velhos com as tecnologias, O tema educação e tecnologias já é objeto de as diferentes trajetórias de vida experimentadas aprender e usar esses recursos que se atualizam
que por um lado possibilitaram o acesso à internet estudo no Programa, haja visto o número de teses pelos idosos, eles têm inserções distintas na vida diariamente, que adotam perspectivas não-linea-
e a diferentes ferramentas para viabilização da e dissertações produzidas pelos pesquisadores social e econômica do país.” Assim, não há como res e padrões que não fizeram parte do dia a dia
presença virtual em Lives e aulas remotas, mas do Programa de Pós-Graduação em Educação: generalizar a condição dos idosos. de muitos. Slone (2003) ressalta que a dificulda-
que por outro aprofundaram as ausências. Aponta Currículo da PUC-SP, que, segundo Almeida e É um grupo social muito diverso, no qual existem de no uso das TDIC pelos idosos é devida à escas-
o uso das TDIC, aqui sintetizada como as “telas”, Silva (2016) totalizavam 206 no ano de 2014. O “pessoas com total autonomia, com capacidade sez de domínio sobre o modelo dinâmico da rede
integradas à prática docente como um elemento de Programa conta com aproximadamente 150 alu- de contribuir para o desenvolvimento econômico e internet, da navegação hipermidiática, diferente
mudanças de uma postura mais passiva e contem- nos, de idades e profissões variadas, e inúmeros social e que desempenham papéis importantes na do que grande parte dos professores vivenciaram
plativa de uso de tecnologias, para uma postura professores doutores envolvidos em atividades de família quanto por pessoas que não são capazes em sua história como alunos ou mesmo em sua
mais autoral e participativa nas redes. pesquisa, autoria de produções científicas, na do- de lidar com as atividades básicas do cotidiano e trajetória profissional.
Professores acima de 60 anos, considerados “gru- cência e na participação em grupos de referência, sem nenhum rendimento próprio” (CAMARANO; Nos dias atuais, segunda década do século XXI, é
po de risco”, são impactados sobremaneira seja seja no debate ou elaboração de políticas públicas PASINATO, 2004, p. 3). E é sobre o subgrupo de usual que pessoas mais velhas usem tecnologias,
na (des)continuidade dos hábitos de vida, seja ou mesmo em projetos nacionais e internacionais pessoas com autonomia e grande contribuição seja para receber e enviar correio eletrônico, redes
nas limitações das interações sociais e familiares, que versam sobre educação. social que nos debruçamos nesse diálogo entre sociais de mensageria eletrônica, navegação e
ou nos temores frente a algo que não se conhece, Assim, todos os professores contam com uma idoso e tecnologias. busca na web, uso de serviços de bancos, preen-
trazendo situações de privação ou estresse. vida ativa, social e intelectualmente produtiva. Para Debert (1999), já na última década do século chimento de imposto de renda, agendamentos
Quais desafios tiveram que ser superados para Nesse cenário, como se deu o uso das TDIC pelos XX, o conceito de improdutividade de idosos, e outras ações oferecidas na modalidade digital.
que pudessem, em questão de dias, sair do modo professores, em especial os acima de 60 anos como diminuição ou suspensão de atividades Entretanto, os seniores se caracterizam mais
presencial para vivenciar a docência mediada por no “novo normal”, nas atividades anteriormente laborais, perda de papéis e isolamento social, não como “usuários” contemplativos e navegadores.
tecnologias digitais de informação e comunicação? realizadas presencialmente? fazia mais parte das sociedades contemporâneas. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Esta-
tística (IBGE) sobre o acesso à internet, formu- Esses estudantes, segundo o autor, contarão com saúde, lazer ou no domínio das tecnologias digi- Quais desafios tiveram que ser
lados a partir da Pesquisa Nacional por Amostra uma população de professores acima de 60 anos, tais da informação e da comunicação, contribuem
de Domicílios (PNAD), indicam uma tendência segundo podemos identificar nas duas faixas para a “representação da pessoa idosa como uma superados para que pudessem,
mundial de uso crescente das tecnologias digitais
entre os jovens, o que não vem sendo medido no
abrangendo idades de 50 a 59 anos apresentadas
na Figura 1, que terá atingido esta designação de
categoria social ora dependente, ora tecnologica-
mente excluída” (DIAS, 2005, p. 249).
em questão de dias, sair do modo
universo do idoso (grupo em crescimento). Como idoso ao completarem 60 anos, ressaltando que presencial para vivenciar a docência
aponta o Gráfico 1, a seguir, quase 15%, dentre
homens e mulheres, da população brasileira
estes estão na faixa da geração X.
A interação entre o envelhecimento e as tec-
Segundo o autor, diferentes gerações
trabalham juntas, mas possuem di- mediada por tecnologias digitais de
encontra-se na faixa acima de 60 anos, o que nologias é uma preocupação real de diversos ferentes percepções sobre o mundo. informação e comunicação? Quais
justificaria o olhar mais detalhado sobre a relação educadores e pesquisadores das várias áreas do A modernidade aumentou o abismo
deste grupo com as tecnologias. conhecimento. Por um lado, a participação do gru- de compreensão do mundo entre os sentimentos, preocupações, desafios e
142
O sociólogo australiano Mark McCrindle usou o
termo Geração Alpha para designar as crianças
po social de idosos na população mundial tende
a apresentar uma curva ascendente, o mesmo
jovens e os mais velhos. O uso de
tecnologias determina a capacidade
conquistas ocorreram num momento tão 143
Gráfico 1 - Distribuição
da população por sexo e
grupo de idade 2017
nascidas de 2010 a 2024 (MCCRINDLE, 2010), ocorre no Brasil. Por outro lado, a evolução tecno- dos mais jovens enquanto a prudên- transformador para todos?
Fonte: IBGE (2018, p. 1) que serão os pós-graduandos a partir de 2030. lógica, científica, econômica e social contempo- cia e a experiência são atributos dos
rânea passou a marcar o saber válido, deixando mais velhos. programa da rede aberta que foi perdido.
de ser considerados os saberes e a tradição dos Prensky também pontua que esses, os “Nativos
mais velhos como vigorava até o século passado. Tal o interesse pelo estudo do uso de tecnologias Digitais”, lidam com muitas informações e rapi-
Assim, a ciência e a tecnologia passaram a cons- pelos grupos idosos que já se nominou um campo damente processam múltiplas tarefas ao mesmo
tituir “elemento central das referências cognitivas de estudos para tal como “Gerontecnologia”. tempo, preferem gráficos e imagens a textos,
estabelecidas e parte importante dos sistemas de extrema habilidade com interfaces, preferem aces-
poderes instalados” (COSTA e Cols, 2005, p. 9). 2.2. GERONTECNOLOGIA so aleatório (como hipertexto), estão permanen-
Encontra-se aí a relevância dos grupos sociais temente conectados à sua rede de contatos nas
mais velhos estarem letrados e inseridos no Segundo Marc Prensky (2001), os chamados mais diversas formas disponíveis e têm sucesso
contexto da cultura digital, na participação ativa e “Imigrantes Digitais”, aqueles que aprenderam a com todo o tipo de gratificação e recompensa
cidadã e ao modus vivendi da contemporaneida- usar as tecnologias e não viveram e traduziram instantâneas, frequentes e recorrentes.
de. A não participação leva-os à exclusão digital a tecnologia como peça fundamental em suas Já os Imigrantes Digitais, revela ele, possuem
e, por veze, ao afastamento ou à limitação de vidas. Nos dias de hoje, as crianças e jovens não menos habilidade e prática, ao ensinar, o fazem
sua ação na sociedade. O acesso dos idosos às vivem sem seus smartphones, tablets ou relógios vagarosamente, passo-a-passo, em geral uma
tecnologias é um direito! digitais interconectados e com dezenas de aplica- coisa de cada vez e, acima de tudo, seriamente.
Este artigo considera o envelhecimento como uma tivos conhecidos como aplicativos (Apps) e jogos Cita adicionalmente o autor que:
construção social, para a qual contribui um con- (games) online, enquanto muitos de seus profes-
junto de políticas voltadas especificamente para sores ainda lutam com estes mesmos dispositivos Os Imigrantes Digitais não acreditam
este grupo. Essas políticas, sejam de emprego, para fazer mais que uma ligação ou assistir a um que os seus alunos podem aprender
com êxito enquanto assistem à TV ou e não simplesmente repetir o que outras gerações Muitas horas de telas se passaram. letramento digital, especialmente por aqueles que
escutam música, porque eles (os Imi- fizeram”. (LIMA; CLAPIS, 2020, p. 39). As aulas, antes presenciais no campus da uni- tinham aversão (ou até fobia) por tecnologias.
grantes) não podem. É claro que não Qual o passaporte, então, para “o encontro” versidade, passaram a ser vivenciadas por meios Além do letramento, ou multiletramentos - pois
- eles não praticaram esta habilidade dessas gerações? digitais. A presença se tornou virtual, a sala de falamos de múltiplas linguagens -, foi demandada
constantemente nos últimos anos, No início da pandemia foi necessário que o velho aula, uma série de rostos brilhantes e a sociabi- a adaptação dos currículos e muito mais.
[...] acham que a aprendizagem não e o novo se encontrassem. Os professores, por lidade presencial deu lugar a vozes, mensagens As instituições de ensino, de forma geral, passaram
pode (ou não deveria) ser divertida. vezes com mais de mais de 30 anos de docência, eletrônicas e quadrados nas telas de smartphones a utilizar recursos de gravação de vídeo e distribui-
(PRENSKY, 2001, p. 3). foram desafiados a atuar em novas telas, teli- e computadores. Nada seria inusitado se todos, ção em portais como o YouTube e Vimeo para aulas
nhas. Telas em branco que precisavam de novas professores e alunos, já estivessem inseridos assíncronas de seus professores para a geração
Nesse cenário, usualmente ... paletas de cores. na cultura digital. No entanto, o corpo docen- de vídeos de instruções e/ou aulas que seriam
te - composto por professores doutores com inseridos nestas ferramentas de gestão da apren-
(...) as pessoas sentadas em suas 2.3 A CRIAÇÃO DE NOVAS PALETAS E CORES longa e densa trajetória acadêmica e de exercício dizagem (ou até simplesmente pastas alocadas em
144 salas cresceram em uma “velocida- NAS TELAS profissional, nem sempre esteve em dia com os uma nuvem própria ou locada pela IES). Necessi- 145
de rápida” dos videogames e MTV. aparatos tecnológicos e mídias digitais. taram também lançar mão de ferramentas para
Eles estão acostumados à rapidez do A utilização de tecnologias e metodologias de Durante a quarentena, os professores experimen- conferências entre professores e alunos no modo
hipertexto, baixar músicas, telefones ensino e de aprendizagem mediatizadas por mí- taram - alguns pela primeira vez - as aulas remo- síncrono (online) na internet (videoconferências,
em seus bolsos, uma biblioteca em dias e tecnologias são temas em debate no meio tas. Acessaram ferramentas e ministraram as aulas webconferências, webinars ou webcast) e nomes
seus laptops, mensagens e mensa- acadêmico desde a década de 1990 e mesmo em tempo real (lives) superando grandes desafios de ferramentas como o Adobe Connect, Google 1. Sistema de Gerencia-
mento de Aprendizagem,
do inglês Learning Mana-
gens instantâneas. Eles estiveram antes disso, seja para enaltecer suas possibilida- e, ao mesmo tempo, realizando grande descober- Hangout, Microsoft Teams, Skype, Webex, Zoom, gement Systems (LMS),
Plataforma de Experiência
conectados a maior parte ou durante des, para reforçar as críticas ao tecnocentrismo tas, como apontam Farah e seus colaboradores: entre outros, se tornaram parte do vocabulário. de Aprendizagem, do
inglês Learning Experience
toda a vida. Eles têm pouca paciên- (BUCKINGAN, 2010) ou na posição de aversão ou Além disso, ferramentas de comunicação via texto Platform (LXP), Ambientes
Virtuais de Aprendizagem
cia com palestras, lógica passo-a- tecnofobia. No contexto da vida em afastamento Os idosos, que num momento de e áudio para agilizar a comunicação, através de (AVAs) ou Virtual Learning
Environment (VLE) são es-
-passo, e instruções que “ditam o social, as “telas”, as janelas dos computadores, suas vidas, esbarraram em estrutu- E-mails, SMS via celular, redes sociais, Facebook e paços virtuais construídos
a partir de uma metodolo-
que se fazer” (PRENSKY, 2001, p. 3). smartphones, tablets se apresentam como uma ras, mitos, que apontavam a eles a seu Messenger, Telegram Messenger ou Facebook gia pedagógica que usam
a tecnologia da educação
opção para de exercício da docência, com o em- incapacidade de aprender uma tec- Whatsapp, foram escolhidos para que professores a distância para tornar o
processo de aprendizagem
mais acessível, dinâmico e
Independentemente da identificação de gerações, prego de novas linguagens para comunicação, a nologia nova, demonstraram o con- e alunos, em questão de dias revolucionassem atrativo. Há três diferentes
tipos que uma IES pode
há diferenças entre os processos cognitivos carac- criação de novos códigos e culturas, constituindo trário, pois desafiadoras, surgiram seus modus operandi e aprendessem a usar muitos escolher: Software de
código aberto e gratuito,
terísticos de cada geração, padrão comportamen- o chamado “novo normal”. opinando, criticando e, sobretudo, aplicativos dos quais alguns só conheciam de nome. como o Moodle - ambiente
escolhido pela PUC SP,
tal e forma convivência simbiótica entre gerações O isolamento social a que a sociedades foram rompendo com a ideia de que velho A PUC-SP adotou o sistema de web conferência Software de código aberto,
porém pago, como o
distintas. Assim, também são distintas as formas impostas provocou uma reflexão sobre o processo não aprende. (FARAH, 2009, p.136) Microsoft Teams para as aulas em tempo real e o BlackBoard e Canvas,
e Software de código
de ensinar e aprender. Podemos dizer que acaba- de ensinar a aprender. Migrar o sistema presencial ambiente virtual de aprendizagem1 Moodle para fechado e pago, como o
Brainhoney, no entanto,
mos impondo o que Lima e Clapis (2020), citando para o remoto forçou uma grande adaptação que Aceitaram o desafio. registro de atividades assíncronas, envio e recebi- todos tem em comum
a necessidade de ser
configurados para receber
Piaget, declararam: “principal objetivo da educa- levou a gestores, docentes e discentes e as famí- Houve uma enormidade de provocações que mento de tarefas dos alunos, realização de fóruns cada disciplina que deve
ser customizada por seus
ção é criar pessoas capazes de fazer coisas novas lias a mudarem seu cotidiano. Todos mudaram. tiveram que ser superados, como a inclusão e o e outras atividades. professores e monitores.
Como se “alfabetizar” em todas essas linguagens? O velho ... o conforto. Todos estavam lá. Calorosos ender que os círculos com as iniciais são a síntese apreciar as “paredes” de suas casas, a conhecer
e receptivos. Os mesmos rostos, a mesma música, das pessoas em duas dimensões na nova sala de os filhos e animais de estimação, a compartilhar
2.4 O VELHO E O NOVO as telas se compondo. A aula online em tempo aula. Contribuíram com a gestão operacional das inseguranças, incertezas, afetos e a construir
real se assemelha, ao menos um pouco, com as aulas, seja agendando ou distribuindo os links, or- vínculos, antes não cogitados.
Desde as primeiras horas, os docentes contaram aulas presenciais. ganizando os textos e atividades, e compartilhan- Aos docentes mais velhos, portanto, o uso mais
com o novo - a parceria de um grupo de alunos Houve a apropriação de uma nova cultura do suas vivências em outras aulas e estratégias imersivo das tecnologias e sua integração à
monitores EaD que foram organizados e orien- característica da atividade educacional remota, que construíram na prática profissional, alinhando prática profissional se mostrou também como
tados sobre o uso das ferramentas e estratégias como acessar as ferramentas, ativar o “mute” o novo vocabulário às novas práticas cotidianas, um elemento mediador, atenuando as diferenças
didáticas - além de contarem com suas experiên- da câmera e microfone enquanto outros estão além de serem, eles próprios, agentes de media- geracionais, oportunizando novas edificações na
cias pessoais e profissionais como educadores e falando, seja para economizar “banda de in- ção entre seus pares e os docentes. própria docência de forma compartilhada com os
usuários ativos de TDIC no cotidiano. Os monito- ternet”, seja por cordialidade virtual. Gravar as O novo. Criam-se novos nós nas redes, modificam- alunos. Segundo Filatro e Cavalcanti, (2019, pp.
res, em grande parte alunos integrantes da Linha aulas e recuperar links dos vídeos viraram rotina, -se as relações, novas sociabilidades fruto das rela- 18-19) “estudantes e profissionais deixam o papel
146 de Pesquisa Novas Tecnologias na Educação e bem como “levantar a mão” ou digitar no Chat ções em construção de forma dinâmica e acelerada. passivo e de meros receptores de informação, que 147
desenvolvendo pesquisas nesse campo, se volun- quando tiver alguma contribuição ou comentário. Os docentes compartilham com os monitores lhes foi atribuído por tantos séculos na educação
tariaram a contribuir com seus docentes não ape- Aprendeu-se, também, a usar fundos de tela que estratégias pedagógicas, formas de avaliação tradicional, para assumir um papel ativo e de
nas na operação das ferramentas, mas em todo o sobreponham a visualização das paredes de casa para a aprendizagem, sensibilidade e empatia protagonistas da própria aprendizagem” e este é o
processo de transição das atividades presenciais ou da movimentação de pessoas atrás. Muitas para diagnosticar os humores e propor leituras, novo desafio da docência.
para as virtuais. Na prática, cada docente contou novas palavras. debates e dinâmicas que extrapolam conteúdos e
com um ou mais monitores no apoio às atividades. O novo... aprendendo novas linguagens. que articulam saberes. ...atores e autores mais ativos
O novo! Os ambientes possibilitaram convidar colegas O velho no novo.
A primeira vez chegou com apreensão. O velho e o professores a participar das aulas, a integrar fami- A adaptação do currículo ao remoto exigiu dos e autônomos, a construir
novo se misturaram com um certo quê de desele- liares nas falas e a participar das inúmeras lives
gância. Um misto de entusiasmo e mistério. oferecidas sobre temas profissionais, musicais
docentes uma transposição de metodologias,
técnicas e práticas pedagógicas do ambiente físico
conhecimentos, a compartilhar, a
Na primeira semana a maior parte dos docentes ou sobre qualquer outro assunto... e a ousar mais para o ambiente remoto emergencial. O sistema se inteirar das inovações e rápidas
já estava online e havia superado as providências nas atividades interdisciplinares, articulando as
operacionais iniciais de cunho tecnológico como diversas linguagens e ambientes. Até mesmo os
de avaliação do professor também se tornou
um item de discussão, no entanto não impactou mudanças nas ferramentas, não mais
atualização de senhas, acesso às plataformas, memes foram sendo incorporados nas repre- os que já trabalham com formas mais atuais e podendo ser considerados “imigrantes
configuração de câmeras de vídeo e microfones, sentações e práticas sociais, seja para amainar por meio de metodologias mais inovativas. No
bem como nos ajustes do serviço de acesso à os momentos de tensão ou para as críticas e entanto, pode se tornar um pouco mais complexo digitais” afastados ou parcialmente
internet em suas residências. Os demais profes-
sores não tardaram duas semanas ou um pouco
reflexões sobre a realidade.
O velho, muitas barreiras.
dependendo da característica da disciplina.
Participar desse momento histórico, apesar das
letrados nas linguagens que fluem na
mais a estar, no dia e horário das aulas presen- Os alunos-monitores contribuíram com os docen- tensões e desagrados, veio a conferir uma aproxi- cultura contemporânea, mas ampliar o
ciais, online - “ao vivo” nas telas juntamente com tes na superação de barreiras como ajustar a câ-
as turmas de alunos de suas disciplinas. mera de vídeo, ativar o mute/unmute, a compre-
mação dos docentes com os alunos de diferentes
gerações, a dialogar com novas linguagens, a espaço e voz na cultura digital.
Nesse sentido, Oliveira (1999, p. 277 apud desafios na transição do ensino presencial tradi- volvimento de novas estratégias de ensino que
FERRIGNO, 2003, p.147) aponta que “a co-edu- cional para o remoto emergencial em tempos de contemplassem os novos tempos e espaços das BUCKINGHAM, David. Cultura digital, educação
cação de gerações supõe da parte dos que estão pandemia promovendo o contato com ambiente aulas. Uma terceira etapa se seguiu às anteriores, midiática e o lugar da escolarização. Educação &
envolvidos, uma predisposição para aceitar as online - as telas, sem roubar-lhe a função. No en- a de adaptação do currículo ao virtual, o que exi- Realidade, v. 35, n. 3, p. 37-58, 2010.
peculiaridades que a diversidade de tempos impri- tanto, há que se ter a consciência de que o espaço giu dos docentes uma transposição de metodolo-
me na formação de cada qual.” deste artigo não é suficiente para ter contato com gias, técnicas e práticas pedagógicas do ambiente CAMARANO, Ana Amélia; KANSO, Solange; LEI-
O velho. Mais mudanças. todos os desafios. Mudanças são muitas vezes físico para o ambiente remoto emergencial. A TAO e MELLO, Juliana. Como vive o idoso brasilei-
Para os docentes, a árdua tarefa de conhecer difíceis, e surgem em contextos dolorosos e de quarta etapa, a que está em curso por ocasião ro? In: CAMARANO, Ana Amélia, (org.) Os novos
novas aplicações em questão de dias, de descons- complexas decisões a serem tomadas, como é da escrita deste artigo, é o design de estratégias idosos brasileiros: muito além dos 60? Rio
truir e reconstruir suas disciplinas para minis- o caso, e implicam em desafios institucionais, para situações educacionais híbridas, quando do de Janeiro: IPEA, 2004.
trá-las com estas tecnologias, entrar com seu pessoais e coletivos gigantescos. retorno às atividades presenciais. Assim, o eixo
conteúdo no sistema LMS, acolher seus alunos Seria realmente uma ruptura muito grande a das preocupações deixou de ser as tecnologias, __________; PASINATO, Maria Tereza. Introdu-
148 e lidar com suas preocupações sem que suas suspensão total das atividades do programa de sendo substituído, gradualmente, pela recontextu- ção. In: CAMARANO, Ana Amélia, (org.) Os novos 149
próprias os atingissem, cuidar de suas famílias pós-graduação, como ocorreu em parte na edu- alização das aulas e a ressignificação das práticas. idosos brasileiros: muito além dos 60? Rio de
lutando para que seu dia a dia mais pesado e seus cação fundamental, no entanto não menos fácil Houve crescimento pessoal, acadêmico com Janeiro: IPEA, 2004.
temores ficassem retidos até a pele, se desafian- para as gerações que se apresentam como atores desencadeamento de novos processos e fluxos
do e se superando em emoções e tecnologia, no deste quadro global. de informações e educativos com experimentação COSTA, António Firmino da, CONCEIÇÃO, Cristina
momento de ver e participar com seus alunos, O fator surpresa fez com que houvesse a neces- coletiva e definição de melhores práticas que com P.; PEREIRA, Inês; ABRANTES, Pedro; GOMES, Ma-
promovendo a protagonização deles na constru- sidade de decisões rápidas por parte de todos, certeza jamais serão esquecidas. ria do Carmo. Cultura Científica e Movimento
ção do conteúdo e ferramentas tão novas quanto de trabalho colaborativo, voluntarioso em tempo, Social. Contributo para a Análise do Programa
a experiência de viver em quarentena. de todos para que pudesse ser viabilizado para AGRADECIMENTOS Ciência Viva. Portugal, Oeiras: Celta Editora, 2005.
E assim, de usuários mais contemplativos de a manutenção dos serviços, de manter o aluno
tecnologias, os docentes passam a ser - gradati- em curso e não permitir que sua vida acadêmi- A autora Liliane Noga agradece à CAPES - Coor- DEBERT, Guita Grin. Velhice e o curso da vida pós-
vamente - atores e autores mais ativos e autôno- ca fosse abalada ou interrompida. As práticas denação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível -moderno. Revista USP, São Paulo, n.42 - junho/
mos, a construir conhecimentos, a compartilhar, a desenvolvidas podem ser ainda repensadas para Superior pelo apoio no desenvolvimento desta agosto, p. 70-83, 1999.
se inteirar das inovações e rápidas mudanças nas o futuro para, em busca de manter a qualidade e pesquisa.
ferramentas, não mais podendo ser considerados as melhores formas de aprendizagem, avaliação DIAS, Isabel. O uso de tecnologias digitais entre
“imigrantes digitais” afastados ou parcialmente e produção de conteúdo, atingirmos os níveis que REFERÊNCIAS os seniores: motivações e interesses. Sociologia,
letrados nas linguagens que fluem na cultura mantêm a escola em altos níveis de avaliação. Problemas e Práticas, n.º 68, p. 51-77, 2012.
contemporânea, mas ampliar o espaço e voz na Num primeiro momento, o foco da preocupação ALMEIDA, Fernando José; SILVA, Maria da Graça
cultura digital. dos docentes esteve na conexão e providências Moreira a. 206 histórias: A produção científica FARAH, Rosa Maria e Colaboradores. Novas Tec-
CONSIDERAÇÕES na operação das ferramentas e plataformas sobre tecnologias na educação em 40 anos do nologias No Envelhecimento. São Paulo: PUC-SP:
tecnológicas e, assim que superadas, outra etapa Programa de Pós-Graduação em Educação: Currí- Revista Kairós Gerontologia, 5(1), p.128-172,
A intenção deste artigo foi apontar alguns dos teve início: a da reflexão, planejamento e desen- culo. Ecurriculum, v. 14, n. 3, p. 11, 2016. 2009.
FERRIGNO, José Carlos. Co-educação entre LIMA, Ranieri. Perfil das gerações no Brasil: PALAVRAS-CHAVE
gerações. Petrópolis: Ed. Vozes, 2003. as gerações x, y e z e seus perfis políticos. 1a.. ed.
São Paulo: Baraúna, v. 1, 2012. Envelhecimento; Tecnologias digitais de informa-
FILATRO, Andrea; CAVALCANTI, Carolina Costa. ção e comunicação (TDIC); Docência.
Metodologias inovativas na educação pre- MCCRINDLE, Mark. Why we named them Gen
sencial, à distância e corporativa. 1a. ed. São Alpha. Disponível em: Acesso em: 2 jul. de 2020.
Paulo: Saraiva, 2019.
PASQUALOTTI, Adriano. Comunicação, Tecno-
IBGE. PNAD Contínua. Número de idosos cresce logia e Envelhecimento: significação na era
18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017. da informação. Tese (Informática na Educação).
Brasília: Agência IBGE de Notícias. 2018. Orientador: Pro. Dr. Dante Augusto Couto Barone.
Disponível em: Acesso em: 5 jul. 2020. Universidade Federal do Grande do Sul. Porto
150 Alegre, 2008. Disponível em: Acesso em: 29 jun. 151
__________. SIS 2016: 67,7% dos idosos ocu- 2020.
pados começaram a trabalhar com até 14 anos.
Brasília: IBGE, 2020. Disponível em: Acesso em: PINTO, Ana Lucia Fiebrantz. Memória: um desafio
5 jul. 2020. à autonomia do idoso. Fam. Saúde Desenv.,
Curitiba, v.1, n.1/2, p.39-48, jan./dez. 1999. Dispo-
INEP. Censo da Educação Superior 2018 Notas nível em: . Acesso em: 5 jul. 2020.
Estatísticas: MEC DEED - Ministério da Educa-
ção - Diretoria de Estatísticas Educacionais. 1a.. PRENSKY, Marc. Digital Natives, Digital Immi-
ed. Brasília: Inep/MEC, v. 1, 2019. Disponível em: grants. On the horizon. MCB University Press,
Acesso em: 28 jun. 2020. Vol. 9 No. 5, October 2001.

__________. Inep realiza reunião com SLONE, D.J. Internet search approaches: the
entidades representativas da educação influence of age, search goals, and experience.
superior. 2020. Disponível em: Acesso em: 28 Library Inform. Sci. Res., v.25, n.4, p.403-18,
jun. 2020. 2003.

LIMA, Maurícia Cristina de; CLAPIS, Maria José. STREIT, Elke. Era digital e crise na educação:
Estudantes aprendem fazendo com significado. In: Educação e Pedagogia: Educação, Tecnologias e
DEBALD, Blasius. Metodologias Ativas no En- Transdisciplinaridades. 1a. ed. Curitiba: Appris,
sino Superior: o protagonismo do aluno. 1a. ed. 2015.
39 p. cap. 5, p. 39-47. Porto Alegre: Penso, 2020.
o inesperado: de
atualmente por mais de 100 mil pessoas. A de São Paulo, destinou a instalação de centros
organização dos centros foi feita pela União dos provisórios de acolhimento e isolamento social de
Moradores de Paraisópolis, com recursos levan- moradores da comunidade local com sintomas da

escola a centro de tados junto a empresas e sociedade civil e apoio


técnico de hospitais particulares.
Covid-19, durante o período de suspensão das ati-
vidades pedagógicas determinada pelo Decreto n°

acolhimento – pandemia
“Nas favelas, o atendimento seria o último a 64.862, de 13 de março de 2020. O responsável
chegar. Por conta disso, surgiu a ideia de trans- pela divulgação da notícia foi o secretário estadual

e suas urgências para


formar as escolas Etelvina e Maria Zilda em casas de Educação, Rossieli Soares. Segundo Rossieli,
de acolhimento”. O relato é de Emerson Barata, em nota publicada no site do governo estadual,
pessoa chave na idealização do projeto. Morador a situação foi enfrentada a partir da união entre

além do ideal

n
de Paraisópolis, desde seu nascimento, Barata a iniciativa privada e o governo, que possibilitou
é membro da União dos Moradores e da coor- a transformação das escolas em “extensão das
152 denação nacional do G10 Favelas. “Nossa maior casas para as pessoas infectadas”. 153
1. PARAISÓPOLIS EM AÇÃO: O CONTEXTO ESCOLAR DA ACOLHIDA preocupação era salvar pessoas. Então foi dada O vice-diretor da escola Etelvina, Roberto Carlos
essa ideia de falar com quem era necessário, para de Souza, participou intensamente da transfor-
a quarta-feira do dia 29 de abril, quando o Brasil contabilizava mais de cinco levantar recursos e reformar [adaptar] as escolas”. mação da unidade escolar, para a qual firma seu
mil mortes provocadas pela Covid-19, as escolas estaduais Etelvina de Góes Nesse processo, dois parceiros foram fundamen- compromisso profissional docente: “As casas são
Marcucci e Maria Zilda Gamba Natel, localizadas em Paraisópolis, cidade de tais: o Hospital Israelita Albert Einstein e a Orga- pequenas, insalubres, pessoas idosas moram com
São Paulo, reabriram seus portões como centro de acolhimento à comunida- nização da Sociedade Civil de Interesse Público várias outras. Era necessário que houvesse um
de. Naquele dia, em vez de alunos e professores, as duas escolas passaram (Oscip) Parceiros da Educação - duas instituições local adequado para fazer o isolamento”.
a receber pacientes infectados pela doença que assombrava – e ainda que desenvolvem projetos na comunidade. Para a definição do conceito do espaço, Souza
assombra – o mundo. Segundo Barata, cerca de 6 milhões de reais foram juntou-se aos representantes da Oscip Parceiros
Instaurada na zona sul da capital paulista, no início dos anos 1960, Paraisó- levantados para as obras. Salas de aula, quadras da Educação, responsável pelo levantamento
polis é hoje a segunda maior favela de São Paulo e local de maior densidade poliesportivas e estacionamento foram reformula- de recursos para os centros, e a profissionais de
populacional do Brasil - são cerca de mil habitantes por hectare (IBGE, dos para atender à nova realidade. No lugar da mo- grandes hospitais privados da capital paulista,
2016). A ideia de transformar as escolas em centros provisórios de acolhi- bília característica das instituições, as escolas rece- especialmente o Albert Einstein. Em pouco tempo,
mento surgiu justamente da dificuldade de isolamento na região, habitada beram leitos e biombos para separar os pacientes. a equipe planejou como seriam os centros de
Juntas, as escolas estaduais Etelvina e Maria Zilda acolhimento e elaborou o protocolo de isolamento
cíntia acioli da silva ramos passaram a oferecer 500 leitos para isolamento da das pessoas nos prédios escolares. Os espaços,
juliana gonçalves albuquerque comunidade acometida pelo coronavírus. como pontua o coordenador da Etelvina, José
lucila lerro rupp Mediante autorização de uso, a título gratuito, em Adriano Pinheiro, deixaram de ser prédios escola-
favor da União dos Moradores e do Comércio de res e se tornaram ambientes de acolhimento. Um
Paraisópolis, o Decreto nº 64.954, de 29 de abril prédio que acolhe e protege a comunidade, nas
de 2020, publicado no Diário Oficial do Estado palavras do coordenador.
Na ambientação e acolhida aos pacientes, os mu- sentimento de acolhida, respeito e abertura é de fazendo”, diz uma estudante do ensino médio num movimento positivo se mantiver-
ros das escolas foram grafitados por artistas, que singular valor. Professores, gestores e alunos de- da escola Etelvina, explicando que as casas de -se articulada organicamente com a
levaram múltiplas cores e mensagens otimistas monstram seus compromissos com o espaço, em Paraisópolis têm poucos cômodos onde moram comunidade e a cultura da qual faz
ao ambiente. A frase “Quando tudo isso passar, a diálogos contínuos, na busca por soluções de con- muitas pessoas. “Me diz: como eles irão ficar na parte. (CASALI, 2004, p.3).
gente volta a se abraçar” estampa o muro do esta- flitos e na compreensão da realidade que os cerca. quarentena?”, questiona a jovem, moradora da
cionamento da Etelvina. O protocolo de admissão, O presente texto é baseado nesses diálogos e nas comunidade. Interessante observar que a arquitetura escolar,
rotina e alta nos centros de acolhimento é rigoroso: narrativas trazidas pela comunidade educativa, O termo comunidade não está para o acaso, poispensada para os processos de aprendizagem,
os residentes, como são chamados pela organi- pois são esses os reais e fundamentais sujeitos compreende-se nos compromissos coletivos, organiza-se rapidamente em atenção às emergên-
zação do projeto, são encaminhados pelo serviço da mudança. Não temos a intenção de prever o ante a realidade em que está posto; trata-se da
cias, transformando-se em espaço de abrigo aos
social das três Unidades Básicas de Saúde (UBS), que virá, mas de ampliar a dialogicidade da práxis união, em intenções comuns. Selecionada como que necessitam, em momentos de calamidades
ou da Assistência Médica Ambulatorial (AMA) de educativa, atualizadas ao novo panorama trazido centro de acolhimento, a escola (re)significa a
públicas. Apresentam-se, portanto, questões
Paraisópolis. Uma vez no centro, são atendidos pela crise sanitária. comunidade escolar formada por professores, importantes sobre a função social da escola e
154 por cuidadores (um no andar feminino, outro no gestores, alunos e familiares e avança para sua
suas fronteiras. Sobre suas finalidades, faz-se 155
masculino) e um enfermeiro. Todos recebem seis 2. A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA EM adjacência, no convite à participação de todos,
importante a voz de seus protagonistas: alunos,
refeições diárias, têm horário predeterminado para TEMPOS DE PANDEMIA como parte essencial do território que a constitui.
professores e gestores.
o banho e às 23 horas, quando as luzes se apagam, É notável a ampliação do sentido de ser da escola,
Como acima descrito, temos o olhar de uma estu-
recomenda-se que os residentes durmam. A escola contemporânea, e sua multidimensiona- como garantia de direitos e valores de toda uma
dante, em sentimento de gratidão e orgulho por
Para Barata, os centros de acolhimento levaram à lidade, é espaço educativo social, de narrativas, sociedade. Como afirma Guerra (2013, p. 252): “A
sua escola ser um local de acolhida. Sua percep-
favela a possibilidade da quarentena: “Essa parce- diversidades, saberes, cidadania, território. “A es- escola está situada em um determinado contextoção nasce da pergunta “Me diz: como eles [as pes-
ria é extremamente importante. Pessoas que não cola, que dispõe de muito tempo e de condições socioeconômico que é preciso conhecer”. soas da comunidade] irão ficar na quarentena?”.
teriam para onde ir, podem se cuidar e proteger privilegiadas, únicas na história humana, constitui Notável a ampliação do sentido de ser da escola,
Poderíamos ter outras possibilidades de respostas,
suas famílias nas escolas. Com essa iniciativa, es- um substrato inesgotável de cidadania. Cabe a ela como garantia de direitos e valores de toda uma
principalmente no olhar crítico às condições de
tão podendo fazer sua quarentena, porque dentro explorá-lo” (PERRENOUD, 2005, p.55). sociedade. Sua missão, na concepção de Casali,acesso à saúde, saneamento básico e moradia.
da favela não existe quarentena”, aponta. O fatídico coronavírus, por meio de decreto, da qual corroboramos, é: Para compreendermos a situação, entre os
Neste texto, três estudantes do curso de Pós- encerrou, por prazo indeterminado, as atividades matriculados nas escolas estaduais Etelvina e
-Graduação em Educação: Currículo, da Pontifícia presenciais e interrompeu a rotina escolar. A rea- [...]desenvolver as pessoas, crianças, Maria Zilda estão os filhos de trabalhadores que
Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), bertura das escolas ocorreu de forma inesperada, jovens ou adultos, contribuindo para não tiveram a oportunidade de terminar seus
buscam refletir e questionar a função social da para proteger a vida do entorno, tendo em vista que eles se alterem (“educar” é uma estudos na educação básica e projetam em seus
escola e sua importância para a superação das suas desigualdades e limitações. palavra latina que significa “mudar descendentes o porvir de uma vida com menos
dificuldades, frente o papel do Estado. Entre as Em muitos alunos, o fato inesperado despertou os de estado”: de dentro para fora e obstáculos e mais oportunidades. “A escola é um
três pesquisadoras, duas doutorandas realizam sentimentos de orgulho e de respeito pela escola. de um estado para outro). Por isso lugar fundamental, onde aprendemos coisas que
seus estudos na escola Etelvina, acompanhando a “Eu acho gratificante ver a minha escola agora também ela tem o dever primeiro de levamos para a vida. Tenho certeza que a maioria
realidade complexa vivenciada neste momento. sendo um centro de acolhimento às pessoas com ela própria se desenvolver, isto é, dos pais dos alunos nunca nem pisou na escola.
Ao longo de nossos estudos dentro da unidade, o Covid-19. É muito lindo isso o que a escola está alterar-se. Ela só poderá fazer isso Meus pais estudaram até a 3ª série, e pararam
para ajudar os pais, que não estavam em uma boa
situação”, afirma uma aluna de ensino médio da
da quando meus filhos voltarem? A
escola deixou de ser apenas o lugar
Aqui está, no anúncio de Arroyo (2013), o cha-
mado para as experiências, na sensível dinâmica Nas favelas, o atendimento
Etelvina, moradora de Paraisópolis.
Na situação posta, a escola assume funções dife-
onde meu filho estuda. Ainda não sei
se muitos pais vão querer transferir
de interpretar e participar da sociedade e suas
relações com a política. Afinal, as decisões são,
seria o último a chegar. Por
rentes e a perspectiva de sua atuação também se
diferencia, dependendo do olhar das pessoas que
seus filhos. Só teremos certeza no
retorno da escola.
também, políticas, pois seus agentes decidem os
caminhos para enfrentar, ou não, o momento.
conta disso, surgiu a ideia de
integram o ambiente: Sobre as decisões políticas, encontramos ques- transformar as escolas Etelvina
e Maria Zilda em casas de
Por prioridade, escola é local de aprendizado, do tões sensíveis, no caso específico apresentado
As Escolas são lugares de constante encontro entre alunos e professores, da mediação neste artigo: ao mesmo tempo em que o Estado

acolhimento.
luta política e cultural: professores, de saberes para a formação da identidade, da coloca suas escolas como centros de apoio aos
pais e direção lutam uns com os sistematização do currículo, desenvolvimento de infectados, não apresenta estratégias econômicas
outros por recursos, compromissos habilidades, atitudes e valores; de conscientização efetivas para a proteção de seus trabalhadores.
156 ideológicos e significado da escola. cidadã, do olhar crítico sobre a realidade. Trata-se, Esses continuam, desde o início do afastamento seus familiares quanto a si mesmos é 157
[...]. As reformas participativas não portanto, de lugar de experiências e reflexões social, no ir e vir de suas funções laborais, prin- algo realmente reconfortante.
podem ser entendidas sem compre- sobre a vida. cipalmente os informais que dependem de sua
ender que a participação é interme- renda não fixa para levar o sustento básico para Nas palavras diretas e bem posicionadas, a
diada pela política e pela cultura, Destacamos que se toda experiência suas famílias. E assim se apresenta a fala de mais aluna coloca à mesa as angústias, as fragilidades
mas a construção da cultura e da social produz conhecimento uma uma jovem estudante da escola Etelvina: impostas pelas desigualdades e as marcas desse
política, implícita na maioria dos es- das funções do tempo de escola momento. Ao mesmo tempo que está espantada,
tudos sobre participação, tende mais será educar a sensibilidade dos Formidável e espantoso ao mesmo sente-se reconfortada ao saber que as famílias
a ocultar o do que a esclarecer essas (das) educadores (as) e dos(das) tempo. Estar servindo como centro terão um local de abrigo e proteção, pois esse é
lutas. (RODRÍGUES, 2013, p. 140) educandos(as) ao longo do percurso de acolhimento é algo muito marcan- um momento de solidariedade.
de formação para captar e conhecer te, porque as pessoas que residem No avançar da questão, interessa-nos considerar
Como ponderado na fala do coordenador pedagó- a rica pluralidade de experiências aqui geralmente vivem em pequenos a inseparável relação entre as experiências sociais
gico da escola Etelvina, José Adriano Pinheiro: sociais que tornam dinâmica e tensa cômodos com famílias inteiras, onde e escolares dos alunos, pois somos sujeitos
a sociedade. Mostrar as relações quem não tem como praticar a qua- partícipes de nosso tempo e as decisões curricu-
A escola se tornou não só esco- sociais, políticas, culturais em que rentena vai e volta do serviço diaria- lares não podem ficar à margem. Nesse encontro,
la. Deixou de ser escola, precisou essa riqueza de experiências vai mente para não morrer de fome. Mas a escola voltar seu olhar para fora de seus muros
mudar o nome nesse período. Você conformando nossa história. Em que assim coloca a si a seus entes que- e coloca sobre as carteiras os problemas que mo-
será direcionado a um ambiente de se enreda a história dos(as) educa- ridos em risco. Desigualdade, que é vimentam a vida. No caso específico aqui exposto,
acolhimento. Um prédio que acolhe, dores(as) e dos(das) educandos(as) e não poder fazer o mínimo, que é se não há necessidade de transpor suas paredes,
protege a comunidade. Os pais, as experiências individuais e coleti- manter em casa e isolados. Então de pois do lado de cá está a própria vivência, narrada
por outro lado, estão preocupados. vas que marcam suas experiências. saber que essas pessoas têm possi- diretamente por sua comunidade: alunos e seus
Será que a escola estará higieniza- (ARROYO, 2013, p. 124). bilidade de se isolar e proteger tanto familiares, os professores e seus gestores, a
comunidade e seus representantes. E assim nos é uma riqueza porque produz uma em serviços domésticos, em pequenos comércios tura, acaba por ser um representante
contempla Arroyo (2013, p. 117): rica diversidade de conhecimentos e na construção civil. A região passou por um legítimo das relações de poder que
e de formas de pensar o real e de progresso significativo nas últimas décadas e as são veiculadas no entorno social.
Reconhecer que todo conhecimento pensar-nos como humanos. casas de alvenaria tomaram o lugar dos antigos (FELDMANN, 2009, p. 190).
é uma produção social, produzido barracos. A escolarização acompanhou os avanços
em experiências sociais e que toda Enquanto isso, por fundamental importância, sociais da região, e atualmente há escolas geridas Nítido que a função da escola vem se redimen-
experiência social produz conheci- temos os gestores, professores e alunos na conti- pelo estado e o município e, também, um Centro sionando para garantir direitos fundamentais,
mento pode nos levar a estratégias nuidade dos afazeres pedagógicos, em educação Educacional Unificado (CEU). necessários à dignificação da vida, notadamente
de reconhecimento. Superar visões apresentada como remota. Interessante a situa- Justo nesse lugar - em que a expectativa de vida é para propor caminhos para que os objetivos
distanciadas, segregadoras de ção, pois hoje a estrutura física da escola serve dez anos mais curta que a dos vizinhos residentes educacionais sejam alcançados. Nesse pensar, as
experiências, de conhecimento e de como centro de acolhida; e a educação formaliza- do Morumbi, segundo dados da Rede Nossa São falas trazidas pelos alunos, professores, gestores
coletivos humanos e profissionais. da continua a acontecer em outro território, agora Paulo, Mapa da Desigualdade 2019 - está a morada e representantes comunitários são fundamentais
158 Reconhecer que há uma pluralidade e virtualizado em classes digitais. Mas lá estão, nas da ação comunitária, na comunhão de todos, para ao sentido de ser das unidades de ensino. 159
diversidade e não uma hierarquia de práticas que somente o inesperado pode ofertar. E o bem que transforma a arquitetura da escola em Segundo Guerra (2013), a eficácia de um projeto
experiências humanas e de coletivos, depois, o que virá? acolhida de seus doentes; local que, em sua essên- educativo precisa estar ancorado em seu contexto
que essa diversidade de experiências cia, foi erguido para o projeto de formação cidadã. e necessita compreender:
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Nas falas de alunos e professores, percebe-se que
Em muitos alunos, o fato inesperado a função social da escola se encontra no contexto Nível socioeconômico: qual é o nível

despertou os sentimentos de orgulho Não sabemos ao certo como o coronavírus chegou


ao País, mas aportou em nossas terras com o seu
de seu território e que seus limites estão para
além dos conteúdos pedagógicos. Trata-se de
do bairro e da família que levam
seus filhos à escola.
e de respeito pela escola. “Eu acho mapa de vítimas. Para além do grupo de risco, incorporar em seu currículo a realidade de seus Peculiaridades culturais: qual é a
incluídos os idosos, asmáticos e pessoas com do- alunos e entorno. Como afirma Feldmann: tessitura cultural na qual essas famí-
gratificante ver a minha escola agora enças preexistentes, faltou alertar às comunidades lias estão imersas.
sendo um centro de acolhimento às de baixa renda, de precário acesso à saúde, que
elas também compõem os vulneráveis ao vírus.
A escola é uma instituição social
que tem por finalidade garantir a
Expectativas acadêmicas: que aspira-
ções as famílias têm sobre o desen-
pessoas com Covid-19. É muito lindo É de Paraisópolis uma das fotos que expõe o educação de uma sociedade, asse- volvimento educacional dos filhos e

isso o que a escola está fazendo”, diz símbolo da desigualdade brasileira: a imagem de
um prédio luxuoso, com uma piscina por varanda,
gurando os direitos e saberes por
ele proferidos se perpetuem através
sobre seu futuro profissional.
Configurações familiares: qual é a
uma estudante do ensino médio da erguendo-se sobre as residências precárias que das gerações. Nesse sentido, está configuração familiar na qual os alu-
caracterizam a favela. A visão aérea expõe a nu- diretamente comprometida com as nos e as alunas da escola se encon-
escola Etelvina, explicando que as casas dez de nossa sociedade, que tropeça em garantir questões culturais, sociais, históri- tram. (GUERRA, 2013, p. 252).
de Paraisópolis têm poucos cômodos a dignidade de seu povo.
A comunidade de Paraisópolis é formada por
cas, econômicas e políticas de uma
sociedade e, como lugar de encontro Nunca é demais afirmar que educar é tarefa
onde moram muitas pessoas. trabalhadores de baixa renda, que se empregam de pessoas de uma determinada cul- coletiva, que requer de seus agentes muito mais
do que acúmulo de saberes. Trata-se de apren- pois é no encontro que ele toma consciência do REFERÊNCIAS
der a aprender, da prática contínua, da partilha ser de si mesmo” (FAZENDA, 2006, p. 33). MINISTÉRIO DA SAÚDE. Brasil registra 78.162
e, como essência, do ato de emancipação dos Esperamos que, no retorno às aulas presenciais, ARROYO, Miguel Guel. Currículo, território em casos de coronavírus e 5.466 mortes da
sujeitos. Manfredo Araújo de Oliveira, em sua obra as relações entre escola-família-comunidade se disputa. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. doença. Brasília, 29 abr. 2020. Disponível em:
de “Ética, direito e democracia”, corrobora com as fortaleçam ainda mais, principalmente na valo- https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/
indagações aqui propostas: rização da escola como espaço de construção CASALI, Alípio Márcio Dias. A construção de um 46813-brasil-registra-78-162-casos-de-corona-
da identidade cidadã, democrática, participativa projeto pedagógico escolar Maputo/São Paulo; virus-e-5-466-mortes-da-doenca. Acesso em: 28
Educação se propõe ajudar as e dialógica. Importante também absorver o UP-Mined/PUC-SP, 2004. jun. 2020
pessoas de um mundo que convida currículo os impactos, bem como as questões
ao enclausuramento em si mesmo redimensionadas pela pandemia, ampliando o FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdiscipli- OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. Ética, direito e
a se libertar da prisão do egoísmo questionamento do conhecimento e da integração naridade: qual o sentido? São Paulo: Paulus, democracia. São Paulo: Paulus, 2016.
alienante e a abrir-se para relações das disciplinas em forma de projetos pedagógicos. 2006.
160 de comunhão capazes de efetivar o Aqui se trata de extrair as experiências e reflexões PERRENOUD, Philippe. Escola e cidadania: o 161
ser humano enquanto ser humano, trazidas pela pandemia, sobre as questões que a FELDMANN, Marina Graziela. Formação de papel da escola na formação para a democracia.
o que significa dizer construir a vida atual e frágil sociedade conduz, como também um professores e cotidiano escolar. In: FELDMANN, Tradução de Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed,
a partir de marcos referencias de diagnóstico sobre o país em que vivemos. Marina Graziela (Org.). Formação de profes- 2005.
solidariedade.[...]Daí porque um Ao Estado, principal agente de mudança, que se sores e escola na contemporaneidade. São
problema central da educação pre- movimente na admissão de que a desigualdade Paulo: Editora SENAC, 2009. REDE NOSSA SÃO PAULO. Mapa da desigual-
cisamente num mundo onde vigem tem seus impactos, por vezes, mortais, e que o Executivo, São Paulo, v. 130, n. 82, p. 1, 29 dade 2019. São Paulo: 2019.Disponível em:
lógicas da exclusão e a insensibi- escudo da dignidade mora nas oportunidades abr. 2020. Disponível em: http://diariooficial. https://www.nossasaopaulo.org.br/wp-content/
lidade daí decorrente é aprofundar reais e no apoio aos mais vulneráveis. imprensaoficial.com.br/nav_v5/index.asp?- uploads/2019/11/Mapa_Desigualdade_2019_ta-
a consciência dos direitos na vida c=4&e=20200429&p=1. Acessado em 05 de belas.pdf. Acessado em: 08 de julho de 2020.
humana, para que a educação possa AGRADECIMENTOS julho de 2020.
cumprir seu papel de explicitar as RODRIGUES, Juan Bautista Martinéz. O currículo
bases capazes de reorientar os rumos A autora Juliana Gonçalves Albuquerque agradece GUERRA, Miguel Ángel Santos. O projeto de esco- como espaço de participação: a democracia esco-
da práxis humana na direção de à CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de la: uma tarefa comunitária, um projeto de viagem lar é possível? In SACRISTÁN, José Gimeno (org.).
metas vitalizadoras do tecido social. Pessoal de Nível Superior pelo apoio no desenvol- compartilhado. In: SACRISTÁN, José Gimeno Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto
(OLIVEIRA, 2017, p. 162). vimento desta pesquisa. (Org.). Saberes e incertezas sobre o currí- Alegre: Ed. Penso, 2013, p. 137-152.
As autoras Cíntia Acioli da Silva Ramos e Lucila culo. Trad. Alexandre Salvaterra. rev. téc. Miguel
Fundamental considerar que a escola é formada Lerro Rupp agradecem ao CNPQ - Conselho Nacio- González Arroyo. Porto Alegre: Penso, 2013. p.
por pessoas, suas relações e saberes. Tudo está nal de Desenvolvimento Científico e Tecnológico 248 – 261.
relacionado à vida, à realidade, à história, aos co- pelo apoio no desenvolvimento desta pesquisa.
nhecimentos e experiências. Nas palavras de Ivani INSTITUTO BRASILEIRO de GEOGRAFIA e ESTA-
Fazenda: “(...) o homem se realiza no encontro; TÍSTICA. Grade Estatística. Rio de Janeiro, 2016.
SÃO PAULO. Secretaria Estadual da Educação.
Covid-19:Duas escolas estaduais em Paraisópolis
funcionarão como centros de isolamento. São
Paulo, 17 abr. 2020. Disponível em: https://www.
saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/covid-19-duas-esco-
las-estaduais-em-paraisopolis-funcionarao-como-
-centros-de-isolamento/. Acesso em: 29 jun. 2020.

_______. Decreto n. 64.964/20. Autoriza a Fa-


zenda do Estado a outorgar o uso dos imóveis que
especifica à União dos Moradores e do Comércio
de Paraisópolis, e dá providências correlatas.
162 Diário Oficial do Estado de São Paulo: seção 163
1: Poder 2020.

PALAVRAS-CHAVE

Função social da escola; Ação Comunitária; Políti-


cas Públicas.
a crise educacional
a Perdizes: os caminhos da educação”, este do século com a gripe espanhola causada pelo
nosso livro compõe-se como uma coletânea cujos vírus H1N1, que não surgiu na Espanha. Contudo,

gerada pelo covid 19 e


capítulos tratam especificamente da experiência a situação da pandemia causada pela Covid-19 é
do Programa de Pós-Graduação em Educação: inusitada em virtude da alta densidade popula-
Currículo a partir do momento em que a pande- cional nas grandes metrópoles, maior integração

as tecnologias: ontem, mia se instala no Brasil e a Pontifícia Universidade


Católica de São Paulo opta por dar continuidade
e mobilidade de pessoas entre regiões e países,
que transportam consigo o vírus e impulsionam

hoje e caminhos para


ao período letivo com o desenvolvimento da a contaminação coletiva. Tudo isso é associado
educação remota. com a disseminação instantânea de informações

o futuro
O presente capítulo trata de estórias escritas verdadeiras e falsas propiciada pelo intenso uso
a partir do momento em que aflora uma crise social das tecnologias digitais de informação e
devido à necessidade de tornar online as ativida- comunicação1 (TDIC), exposição de ideias racistas
164 des planejadas para se desenvolverem presencial- e circulação de teorias de conspiração de origem 165
1. INTRODUÇÃO mente. A crise irrompe e toma conta de nossos paranoica, que ampliam a crise sanitária, eco-

a
pensamentos com sentimentos díspares, ora de nômica e social cujas consequências ainda não
Essas estórias falam desse território onde nos vamos refa- esperança em um novo porvir, ora de desalento e conseguimos aferir.
zendo e vamos molhando de esperança o rosto da chuva, aflição diante dos acontecimentos deste ano de Esse conjunto de elementos acarreta mudanças
água abensonhada. (Mia Couto, 2012) 2020, que deixará marcas profundas em todos profundas em distintas esferas da vida e, no caso
que vivem no território brasileiro neste tempo do Brasil, é associado a uma crise política e de
obra intitulada Sopa de Wuhan (AGAMBEN, 2020), coletânea que congre- sentido como uma eternidade. gestão pública, que agrava a situação e provoca
gou capítulos de pensadores – jornalistas, ensaístas e filósofos contempo- Em que pesem as críticas de outros pensado- mudanças abruptas, emergenciais e erráticas,
râneos a respeito da pandemia do Covid-19, originários de diversos países res sobre a obra que nos inspirou inicialmente com implicações na reconfiguração/desconfigu-
da Europa (Alemanha, Eslovênia, Espanha França, Itália), Estados Unidos da (AGAMBEN, 2020), as estórias de outros terri- ração das estruturas políticas, econômicas, da
América, Uruguai, Bolívia, Chile e Coréia do Sul a respeito do mundo durante tórios mostram a gravidade da situação global saúde, dos aparelhos da cultura e da educação.
a pós a pandemia sobre a Covid-19, inspirou as ideias iniciais da produção provocada pela pandemia decorrente do vírus, Isto conclama a mobilização de esforços para
deste livro. Diferente da obra que traz em seu título a fantasia sobre o enso- com impactos desmesurados no relacionamento desenvolver pesquisas científicas que permitam
pado de morcego que poderia ser a causa da pandemia a obra “De Wuhan social, na organização dos sistemas de saúde, na tanto identificar tratamentos eficazes para com-
educação, na produção da ciência e em distintos bater a doença como compreender seus efeitos
maria elizabeth bianconcini de almeida aspectos da vida, que vão se explicitando à me- em distintas esferas da vida e criar meios para
dida que a pandemia se expande e mais pessoas enfrentá-los.
são afetadas por ela. A produção e disseminação de conhecimento é
Compreendemos que ao longo do desenvolvimen- essencial para subsidiar a tomada de decisões 1. Adota-se ao longo do texto a
denominação tecnologias digitais de
informação e comunicação (TDIC) ou
to da humanidade o mundo já enfrentou outras de gestores de políticas públicas multisetoriais, tecnologias digitais (TD) para se referir
aos dispositivos tecnológicos e mídias
situações de pandemia, como ocorreu no início a definição de prioridades e estratégias que que veiculam.
permitam mitigar os impactos da doença na e incertezas, que propiciam parar para pensar, 2. TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: TEMPO da sociedade”, “[...] reformulado em função de
sociedade, no setor produtivo, na convivência olhar, perscrutar e refletir “[...] parar para sentir, REVIVIDO tempos, lugares e contextos culturais em que
familiar, na economia e na educação. Torna-se sentir mais devagar” (LAROSSA, 2002, p. 24) e se desenvolve, pelas ações dos atores que nele
assim relevante analisar a crise provocada pela conjecturar sobre o futuro. Assim, este capítulo A escrita do passado resulta de um esforço de estão envolvidos” (CED/PUC-SP, 2007, p. 1).
pandemia na educação, o que tem sido feito para é dedicado ao registro das estórias que deram reconstrução e questionamento por meio de nar- Nesse sentido, o currículo prescrito é reconstru-
enfrentar o problema do isolamento social com sustentação para as alternativas adotadas, dos rativas elaboradas com o olhar do presente, afinal ído na prática social pedagógica, segundo uma
a suspensão das atividades presenciais, provo- questionamentos levantados, desafios e novas a marca do presente é inexorável na narrativa do perspectiva interdisciplinar e integradora, que se
cando mudanças em múltiplas dimensões dos perspectivas para levar avante a educação remota passado (SARLO, 2007), sendo que esta narrativa constitui como categoria de natureza conceitual
processos educativos. no Programa CED em busca de dar continuidade é profícua para melhor entender o presente. e da ação (FAZENDA, 1994) perpassada pelas
Nessa situação, a linha de pesquisa de Novas ao trabalho, principalmente com a realização de Nesse sentido, é importante resgatar como tecnologias, sobretudo, as digitais de comunica-
Tecnologias em Educação (NTE), do Programa atividades mediadas pelas tecnologias digitais. iniciam as políticas e as práticas de tecnologias ção e informação, caracterizadas como linguagem
de Pós-graduação em Educação: Currículo (CED), Algumas questões são tratadas ao longo deste na educação brasileira a partir do final da década e instrumentos da cultura mediadores do ensino
166 da PUC-SP, banhada de esperança lançou-se por capítulo, como: Quais desafios se explicitam no de 70 e início da década de 80 do século XX, por e da aprendizagem em processos de educação 167
inteiro na proposição e no desenvolvimento de desenvolvimento da educação remota? Qual o meio de ações governamentais que visam impul- presencial, a distância ou híbrida.
estratégias que permitissem ao Programa atender legado dessa experiência de isolamento social sionar o desenvolvimento tecnológico no país, Muitas pesquisas foram desenvolvidas na linha
à decisão institucional de dar continuidade ao para a educação do futuro? É possível que essa fomentar avanços da microeletrônica e preparar NTE ao longo de mais de 20 anos, assim como
semestre letivo de modo remoto com a mediação experiência contribua para a transformação profissionais para atender o setor produtivo. Na foram realizados programas de formação continu-
de recursos tecnológicos. da educação e do currículo, na perspectiva do segunda metade dos anos 1980, também com fo- ada de educadores em parceria com o Ministério
Para tanto, a linha NTE, que, desde sua criação em hibridismo, da contextualização, da dialogia e da mento advindo de políticas públicas, começa a to- da Educação e com redes públicas de ensino,
1997, produz estórias e se refaz ininterruptamente flexibilidade curricular? O que esperar da educa- mar corpo a produção científica sobre tecnologias gerando referências significativas sobre currí-
pelos estudos sobre tecnologias e educação, edu- ção pós pandemia? e educação gerada principalmente em núcleos de culo e tecnologias, educação a distância online,
cação a distância, currículo, tecnologia e cultura, Considerando que as TDIC estão imbricadas no pesquisa criados em cinco universidades públicas formação de educadores para e com a integração
web currículo e temáticas afins, bem como pela bojo destas questões é importante demarcar o e as tecnologias começam a adentrar os espaços de tecnologias na prática pedagógica, políticas
participação na gestão de políticas públicas da panorama em que se estabelecem as relações educacionais mediante projetos piloto em escolas públicas de tecnologias na educação, entre
educação ou em grupos de assessores, canalizou entre educação e tecnologias no Brasil a partir e com a criação de centros de informática ligados outros temas. Tecnologias e educação também
esforços para garantir a participação de todos os das primeiras iniciativas até quando é impactado às secretarias estuais de educação (ALMEIDA, é mote de dossiês temáticos publicados pela
professores e alunos do Programa com o compro- pela pandemia de modo a permitir compreender 2012; ANDRADE; ALBUQUERQUE LIMA, 1993). revista e-Curriculum, albergada no Programa CED,
misso de “não deixar ninguém de fora”. os desafios com que se deparam instituições, Na década de 1990 começam a surgir no Pro- testemunhando a profícua produção brasileira e
Este texto representa um momento privilegiado professores, estudantes e outros profissionais da grama de Pós-graduação em Educação: Currí- internacional (ALMEIDA; PERRIER; GONÇALVES;
de refletir sobre a experiência vivenciada ao longo área. Tratar de presente e de futuro impõe olhar culo (CED) da PUC-SP pesquisas sobre o tema MUÑOZ, 2020).
de quatro meses de árduo trabalho, registrar tudo o passado que engravida o presente, e permite tecnologias e educação, em consonância com a Em diversos estudos evidenciamos que, passados
aquilo que me toca como docente da linha de interpretar os caminhos percorridos e perspecti- concepção de currículo abraçada neste Progra- mais de 40 anos de políticas públicas de tecnolo-
pesquisa NTE com um olhar singular, regado pelas var o porvir. ma como prática cultural emancipatória afetada gias na educação brasileira, a universalização do
minhas descobertas, aprendizagens, emoções pelas “[...] mudanças socioculturais e políticas uso das tecnologias nos espaços escolares não
alcança os objetivos preconizados, a mudança e consideradas inovadoras, uma vez que a inovação buscadas nas redes e com os instrumentos de convergência ( JENKINS, 2008) entre o espaço
a inovação esperadas não se consubstanciam na se concretiza na prática quando algo novo é criado culturais, entre os quais as tecnologias digitais, virtual e o presencial, a educação formal, não
amplitude dos sistemas de ensino. Os cursos de no próprio ato educativo, que tem abertura para linguagens midiáticas, recursos e relações que se formal e informal, constituindo um espaço híbrido,
formação de professores, via de regra, não apre- ir além do uso de instrumentos e procedimentos. estabelecem no ato pedagógico. Isto mostra que intersticial e de hipermobilidade (SANTAELLA,
sentam em seus projetos pedagógicos elementos A crise causada pela pandemia pode oportunizar as tecnologias são utilizadas conforme a con- 2007), que abala o confinamento da instituição
indicadores de temas sobre tecnologias e educa- a criação de inovações na prática desde que se cepção de currículo e este molda e gera reconfi- educacional, pressiona a solidez de seus muros
ção, como se aprende e se ensina com a media- disponham, tanto nas instituições educacionais gurações nas tecnologias, o que supera a mera e paredes (SIBILIA, 2012). Trata-se da criação de
ção de tecnologias em atividades presenciais, a como nas residências de professores e alunos, de utilização de materiais didáticos digitais, ainda uma nova cultura gerada nas interações estabele-
distância ou híbridas (VALENTE; ALMEIDA, 2020; infraestrutura tecnológica e conexão adequadas, que faça uso deles. cidas por meio das redes da internet em inter-
ALMEIDA, 2019), elementos estes necessários aspectos difíceis de se concretizar em famílias A par disso, a emergência da cultura digital, sobre- -relação com múltiplas culturas, cujo desenvolvi-
diante dos desafios enfrentados pelos professores que lutam para obter o alimento do dia a dia e não tudo na última década, com o intenso uso social mento desafia as instituições educativas tanto a
para desenvolver a educação remota no período têm sequer acesso ao saneamento básico. de tecnologias digitais (computadores, telefones, integrar suas práticas com a cultura digital como
168 de isolamento social. Ademais, a integração do currículo com as tec- tablets, televisão e outros) conectadas à internet a recriar essa cultura no bojo de suas identidades 169
Cabe destacar que, embora a universalização nologias não refere apenas a uma justaposição e e abrange as mudanças dos novos modos de se (IANNONE; ALMEIDA; VALENTE, 2015).
do uso de tecnologias não tenha sido atingida, sim a um casamento em que ocorrem transforma- relacionar, pensar, localizar gerar e compartilhar Contudo, a expansão da cultura digital reforça o
houve avanços significativos na sua apropriação ções mútuas nos sujeitos envolvidos (ALMEIDA; informações oriundas de distintas fontes. Assim, fosso digital (CASTELLS, 1999; SELWIN, 2006)
no ensino, na aprendizagem e na gestão nos ALMEIDA, 1999). No casamento do currículo ela engloba os dispositivos, sistemas de comu- de segmento considerável da população alijado
contextos em que professores se dedicaram à com as tecnologias o currículo é entendido como nicação e significação, bem como os algoritmos
apropriação pedagógica de suas funcionalidades
e gestores lideraram o processo de integração
um artefato reconstruído no ato educativo com
a mediação das tecnologias digitais, em especial
arquitetados pelo processamento de dados e
geração de informações orientadoras de decisões, As construções elaboradas neste
das tecnologias ao projeto pedagógico, conforme suas funcionalidades de interação multidirecional, que induzem os modos de agir e navegar entre as capítulo indicam que o currículo do
registram estudos de Vale (2018), Rojo e Barbosa produção de conhecimentos e compartilhamento informações disponíveis e influenciam as subjeti-
(2015), Cerqueira (2014), Almeida e Prado (2011), por meio de múltiplas linguagens e letramentos vidades, constituindo uma marca do modo de vida futuro deve ser flexível e aberto à
entre outros.
A despeito da existência de experiências e
que viabilizam a constituição de web currículos
(ALMEIDA, 2019). O casamento se consubstancia
contemporâneo e algo que o distingue de outras
épocas (BORTOLAZZO, 2020). Essa nova cultura
articulação com as múltiplas culturas,
projetos exitosos, se não houver investimento quando as funcionalidades das tecnologias que adentra as salas de aula e interfere nas práticas à incorporação de questões que
constante na atualização dos recursos disponíveis
e na formação continuada de educadores com
potenciam a autoria, a colaboração, o fazer e o
refazer contínuo (depuração) dos sujeitos do cur-
educativas mais pelas transformações que gera na
realização de atividades, nas estruturas mentais, emergem da realidade, trabalhando
ênfase na prática, na reflexão sobre a prática e na rículo se inter-relaciona com a visão de currículo na representação e atribuição de significados ao com problematizações, projetos,
análise das potencialidades e limites dos recursos como reconstrução na prática social pedagógica conhecimento e no desenvolvimento do currículo,
disponíveis conforme os objetivos pedagógicos. envolvendo as experiências de vida dos sujeitos, do que especificamente pelo uso de dispositivos aprendizagem pela investigação e outras
Tais aspectos evidenciam que a integração de tec-
nologias nos processos educativos é uma opção
as inter-relações entre os conhecimentos advin-
dos dessas experiências com aqueles sistematiza-
tecnológicos em sala de aula (ALMEIDA, 2019).
A flexibilidade, abertura e zonas de escape das
metodologias ativas em experiências
política que extrapola a inserção de tecnologias dos nos materiais didáticos, com as informações redes da internet impele a criação de um espaço curriculares constituídas nas redes.
da democratização do acesso a bens culturais, a existência de calamidade pública, o governo ela não se encaixa nos processos tradicionais de s/d), que regem os estudos de suas linhas de
informações e serviços veiculados via internet, do Estado de São Paulo decretou a suspensão Educação a Distância (EAD) tampouco representa pesquisa.
acentuando as desigualdades sociais e educa- de atividades não essenciais, entre as quais se mera transposição das aulas presenciais para o Nesse momento aflitivo, a linha de pesquisa NTE
cionais, que se intensificam e se tornam mais situam as atividades educacionais. Criou-se assim meio virtual. Para tanto a coordenação atribui à congregou esforços e assumiu o compromisso
explícitas quando há necessidade de desenvolver um estado de exceção com restrições severas linha de pesquisa de Novas Tecnologias em Edu- de trabalhar junto com professores e alunos do
a educação com a mediação de tecnologias. à mobilidade das pessoas, descontinuidade das cação (NTE) a proposição de um plano de ação Programa, muitos desses alunos são gestores e
No âmbito desse conjunto de desafios colocados atividades cotidianas da vida, do trabalho, do imediata, oportunizando colocar em prática no professores em instituições que também lhes con-
às instituições educacionais, nomeadamente aos estudo, da cultura e sobreposição do tempo de coletivo do Programa o conhecimento construído vocavam a participar desse processo na educação
educadores e pesquisadores, nos deparamos dedicação a cada atividade. nessa linha ao longo de décadas para viabilizar a básica ou superior.
em março do ano de 2020 com a disseminação Imediatamente a reitoria da PUC-SP acatou as realização de atividades inteiramente online. Retomamos os resultados de pesquisas e as
da Covid-19, a princípio na cidade de São Paulo determinações e recomendações das autoridades Muitos questionamentos surgiram sobre a via- experiências dos professores da linha NTE na
e rapidamente espalhado para outras regiões do do Estado de São Paulo e decidiu suspender as bilidade de tal proposta, uma vez que as demais concepção, gestão, oferta e avaliação de cursos a
170 país, que levou a medidas de isolamento social e aulas e eventos acadêmicos a partir do dia 16 de linhas de pesquisa do Programa costumeiramen- distância para os sistemas públicos de educação 171
fechamento das instituições educacionais, entre março de 2020 e adotar formalmente a conti- te não desenvolvem atividades com a mediação e nos valemos da opção de preparar monitores
outras medidas. nuidade do período letivo por meio de atividades de tecnologias digitais. Destaca-se o falso dilema para apoiar o trabalho remoto dos professores nas
remotas com a mediação de tecnologias digitais. entre utilizar ambientes virtuais de aprendizagem atividades das disciplinas. Na sequência fizemos
3. A EDUCAÇÃO REMOTA NA PUC-SP: O Em data posterior, também as atividades adminis- para distribuir informações e orientações de uma chamada direcionada aos mestrandos e
PRESENTE EM PERDIZES trativas presenciais foram suspensas e passaram tarefas a serem realizadas pelos estudantes ou doutorandos do Programa para participação
a ser executadas de modo remoto. Destaca-se manter a coerência com as abordagens de uma como monitores voluntários das disciplinas em
O presente é um tempo de experiência e reflexão a relevância de a Fundação São Paulo, mante- educação dialógica, reflexiva e contextualizada desenvolvimento, obtendo uma grande, eficaz e
do que se encontra em processo de constituição nedora da PUC-SP, ter criado um programa de na realidade por meio desses mesmos ambien- entusiasmada adesão.
com interferências do próprio desenvolvimento empréstimo de equipamentos (laptops) e pacote tes, com estratégias didáticas que permitem aos Foram constituídas duplas entre professor e
da experiência mediante novas demandas sociais de dados para os alunos que não tinham acesso estudantes participar de processos colaborativos, monitor de modo a criar vínculos entre eles e essa
e de saúde requeridas pela pandemia e se apoia a eles, oportunizando a participação de todos nas reflexivos e de construção de conhecimentos. A dupla atua em seu território criado no ambiente
na memória e na subjetividade (SARLO, 2001) atividades remotas. segunda opção foi favorecida pela missão ineren- virtual e nas salas de web conferência, ao tempo
sinalizando um tempo de mudança de cultura, Diante do impacto inicial decorrente dessa medida te da PUC-SP de educação humanizadora, respei- que criam estórias que falam das relações estabe-
que desafia a instituição PUC-SP, seus gestores, em uma universidade pautada tradicionalmente to à liberdade de manifestação do pensamento, lecidas nesses territórios, dos avanços, dificulda-
professores, funcionários e estudantes a um por atividades presenciais, o Programa de Pós- de investigação e de cátedra, árdua defensora da des e desafios. Assim, foi possível desenvolver a
exercício ininterrupto de se refazer por meio da -Graduação em Educação: Currículo (CED) optou democracia. Somam-se a isto os compromissos educação remota participativa com uma orienta-
participação e intervenção crítica. por fazer jus à sua história, cuidando de desenvol- de longa data assumidos pelo Programa CED de ção didática precisa por meio de ambientes virtu-
Alinhado com a Emergência em Saúde Pública ver todos os esforços para “não deixar ninguém produzir conhecimentos sobre o currículo com ais em consonância com a concepção de currículo
de Importância Nacional (ESPIN) declarada pelo de fora”, apoiar professores e alunos para que to- vistas a melhoria da educação, o enfrentamento abraçada pelo Programa propiciando aos profes-
Ministro de Estado da Saúde em decorrência dos pudessem participar dessa nova modalidade de todas as formas de exclusão e a superação da sores desenvolver atividades conforme seu estilo
de infecção humana causada pela Covid-19 e de educação a ser construída em conjunto, já que fragmentação do conhecimento (CED, PUC-SP, de trabalho tendo como apoio o monitor, dialogar
com os estudantes, propor produções individuais das disciplinas ligadas à linha de pesquisa. áreas de saber e outros espaços de conhecimento tudo as atividades assim realizadas propiciam a
ou colaborativas em grupos de estudantes e Exemplo disso é a atividade integrada entre as acessíveis e democráticos quando se tem acesso compreensão de que o uso de tecnologias digitais
adotar os princípios da avaliação formadora. três disciplinas da linha NTE sobre o tema inte- aos recursos tecnológicos conectados. Colocar-se como instrumento de mediação da relação profes-
Nas disciplinas da linha de pesquisa NTE tive- gração entre conhecimento, ciência, tecnologia e no lugar do museu (questão 3) permitiu um exer- sor-aluno oportuniza a integração entre diferentes
mos a oportunidade de trabalhar com contextos cultura, explorado a partir de visita e análise de cício de reflexão e de articulação com a quarente- contextos com potencial de aprendizagem, em
autênticos de formação e atuação com a mediação museus virtuais ligados a organizações de diferen- na vigente diante do desconhecimento do tempo especial permite integrar o contexto de formação
de tecnologias digitais, identificar problemáticas tes países. Antes da aula online cada aluno teve a que irá durar o isolamento e das transformações com o da prática profissional, entender as diferen-
presentes nesses contextos e estudá-las à luz de oportunidade de fazer a sua curadoria na escolha que se processam na vida de cada pessoa e no tes necessidades expressas pelos estudantes e
teorias que permitam compreendê-las, propor so- do museu virtual a visitar, navegar pelas possibili- seio das famílias. A atividade permitiu identifi- criar atividades variadas que vão ao encontro de
luções para enfrentar tais problemas e ressignificar dades oferecidas (exposições, acervo permanen- car a presença de indicadores de web currículo suas expectativas em dos objetivos de aprendiza-
as teorias. O fato de trabalharmos em ambientes te, curadorias, roteiros organizados, um período descritos por Almeida (2019), experienciados na gem, favorecendo estabelecer vínculos, comparti-
virtuais viabilizou a realização de seminários online histórico etc.) e elaborar um texto analítico em prática, tais como: engajamento, interação social, lhar experiências e valorizar a vida.
172 com convidados de outras instituições, visitas a torno das seguintes questões: (1) Quais conceitos autoria, reflexão, articulação teoria-prática, inter- A pandemia impõe o exercício da reciprocidade e 173
outros espaços virtuais de educação formal e não de conhecimento, ciência e tecnologia estão sub- disciplinaridade, multiletramentos, compartilha- da empatia com o outro, boicota o controle sobre
formal com práticas relacionadas com os temas dos jacentes ao museu visitado? (2) Selecione uma mento, participação, contexto de aprendizagem. o tempo e a própria vida, aponta a fragilidade do
estudos em desenvolvimento e trabalhos conjuntos obra com a qual se identifique no museu visitado A experiência pessoal dos alunos com a pandemia futuro e requisita pensar em um novo currículo.
e registre o que você perguntaria para a obra de aflorava com frequência nas aulas virtuais e se
O caminho assumido pela PUC-SP arte. (3) Refletir sobre “Que museu sou eu?” tornava parte do currículo experienciado, uma vez 4. UM OUTRO CURRÍCULO PARA O FUTURO:

provocará mudanças substanciais Durante a aula, que teve a participação qualificada


de membros da iniciativa PUC Museus, os alunos
que havia necessidade de acolher a palavra de
cada um, ouvir seus conflitos, inseguranças, fragi-
CAMINHOS ENTRE PERDIZES E O MUNDO

nos seus processos acadêmicos, apresentaram o museu visitado, as respostas às lidades e dificuldades enfrentados e ser solidário Vislumbrar caminhos de futuro da educação e
três questões e compartilharam coletivamente com suas necessidades e subjetividades. Uma vez tecnologias solicita retomar a marca da cultura
administrativos e de gestão, que suas experiências, emoções e aprendizagens, explicitado um problema concreto de um estu- digital na educação, especialmente em tempos
extrapolarão o momento emergencial oportunizando conhecer pelo olhar do colega as
características específicas dos espaços, acervos,
dante ele se tornava coletivo na busca conjunta de
alternativas para enfrentá-lo, no compartilhamen-
de pandemia, nas situações em que as relações
didáticas se efetivam por meio de dispositivos
da pandemia, influenciarão o currículo focos temáticos e curiosidades de vários museus. to de experiências semelhantes e na generosida- tecnológicos, softwares e interfaces digitais, aces-

em sua constituição e concepção e Comentários dos alunos sobre essa atividade


evidenciam a realização de uma experiência
de do olhar para com o colega.
A realização das atividades letivas de modo remo-
sados de distintos espaços e em qualquer tempo.
Entretanto, essa marca não atinge igualmente
nossas práticas pedagógicas ao longo de de aprendizagem prazerosa, que despertou a to segundo uma concepção de educação interati- todos os educadores e estudantes devido às
imaginação, sensações e sentimentos, concre- va, reflexiva e autoral desperta a percepção sobre desigualdades sociais e à não universalização do
nossa vida profissional, impulsionarão a tizando uma prática interdisciplinar integradora a educação como um ato comunicativo, de diálogo acesso, uso e apropriação crítica das tecnologias
cooperação internacional e projetarão a entre educação, arte, ciência, tecnologia, história,
geografia e cultura, que rompeu com as paredes
“vivo” entre todos os envolvidos e fortalece o
desenvolvimento de competências cognitivas,
digitais conectadas relacionada com os significa-
dos pessoais e sociais atribuídos a esses recursos
universidade para o mundo! do currículo disciplinar por meio da conexão entre tecnológicas, socioemocionais e éticas. Além de na leitura, interpretação e escrita do mundo
(FREIRE, 1987). Compreender criticamente as recontextualizando o vivido para outras situações metodologias ativas em experiências curriculares dica ressignificar espaços, tempos, conceitos e
influências sociais, culturais e educacionais das de educação remota ou de ensino híbrido, que constituídas nas redes. Ao mesmo tempo que atividades. Trata-se da gradativa constituição de
tecnologias digitais propicia identificar, questionar inter-relaciona espaço presencial e virtual, diferen- propicia aprofundar o conhecimento sobre a redes, articuladas com outras redes de educação,
e resistir às relações de poder veiculadas por elas tes metodologias e contextos educacionais, em realidade, esse novo currículo potencializa a flexi- cultura e prática profissional, que ampliam os
(BORTOLAZZO, 2020), bem como incorporá-las especial, quando se trabalha com metodologias bilidade espaço-temporal, engloba o diálogo entre horizontes da pesquisa e viabilizam a formação
em atividades consciente de suas potencialidades ativas (VALENTE; ALMEIDA; GERALDINI, 2017). conhecimentos e práticas de diferentes espaços integrada com contextos autênticos do exercício
e riscos, aspectos que devem ser levados em O potencial das tecnologias digitais em rede para interculturais e alarga a interlocução interinstitu- profissional, compondo uma nova identidade
conta na (re)construção de currículos. a realização de atividades remotas explicitado cional. Nessa ótica, integrar tecnologias e currículo institucional.
A pandemia expôs as mazelas de um período de ao longo do capítulo permite argumentar a favor vai além de aulas expositivas por meio de recur- Este capítulo registra estórias de uma instituição,
caos mundial, que se avizinhava há décadas e o da educação e da criação de web currículos por sos de web conferência, videoaulas, oferta de em especial de um programa de pós-graduação,
ampliou em todos os territórios atingidos pela meio da interação multidirecional, construção de material didático digital e transmissão simultânea que foi provocado a romper com suas fronteiras
Covid-19, anunciando a formação de uma nova conhecimentos, colaboração, compartilhamen- de conteúdos disciplinares descontextualizados. territoriais em busca de novos fazeres e porvires e
174 ordem global (ZIBECHI, 2020). Este anúncio to, aprender com o outro situado em distintos Desenvolver processos educativos mediados nesse movimento novos conhecimentos e práticas 175
associado com a experiência desenvolvida nos territórios, concepções que alicerçam a visão de pelas tecnologias digitais que sejam interativos, foram produzidos, novas esperanças surgiram.
últimos quatro meses no Programa de Pós-Gradu- currículo reconstruído na prática social pedagógica reflexivos, construtivos e contextualizados na O caminho assumido pela PUC-SP provocará mu-
ação em Educação: Currículo, da PUC-SP, permite presencial, a distância ou híbrida. realidade significa impulsionar a leitura crítica e danças substanciais nos seus processos acadêmi-
identificar que a pandemia e a crise já existentes O ensino híbrido vai além da complementarida- a escrita multisemiótica do mundo considerando cos, administrativos e de gestão, que extrapolarão
se retroalimentam e qualquer expectativa de de entre o presencial e o virtual ao instituir um crenças, valores, conceitos e subjetividades dos o momento emergencial da pandemia, influencia-
futuro requer criar condições para construir um espaço intersticial produtor de identidades e de participantes do ato educativo e as caracterís- rão o currículo em sua constituição e concepção
novo projeto educativo. culturas Bhabha (2002) fundado pelo diálogo, ticas da área para qual o estudante está sendo e nossas práticas pedagógicas ao longo de nossa
O estágio atual da pandemia leva a inferir que compondo uma força transgressora do discurso formado. Isto requer empenho e dedicação dos vida profissional, impulsionarão a cooperação
nos próximos meses, e possivelmente em todo e da prática educacional centrado na transmissão professores, participação dos alunos, e, sobretu- internacional e projetarão a universidade para o
o segundo semestre letivo de 2020, a maioria de informações. O híbrido impulsiona a conexão do, investimento institucional em infraestrutura mundo!
das atividades letivas permanecerão remotas, entre conhecimento científico e conhecimento tecnológica, adequada conexão à internet, equi-
com poucas ou nenhuma atividade presencial. advindo da experiência, currículo prescrito e cur- pes de apoio técnico e pedagógico e preparação Afinal, em meio da vida sempre se
Também há anúncios de que novas ondas de rículo praticado, articulação entre teoria e prática, dos professores. faz as seguintes contas: temos mais
infestação da Covid-19 ou de outros vírus, até ressignificação da prática e reconstrução da teoria Cada instituição definirá o seu caminho de acordo ontens ou mais amanhãs? (Mia
mais letais do que este, obrigando a retomada do (ALMEIDA, 2004). com suas condições concretas, missão abraçada Couto, 2016)
isolamento social em diferentes momentos ao As construções elaboradas neste capítulo indicam e concepções de homem, mundo e educação,
longo dos próximos anos. que o currículo do futuro deve ser flexível e levando em conta o potencial de desenvolver
Diante disso, é fulcral a apropriação do legado aberto à articulação com as múltiplas culturas, atividades híbridas em colaboração com outras
dessa experiência para planejar o futuro consi- à incorporação de questões que emergem da instituições educacionais e organizações diversas
derando o cenário de incertezas e as condições realidade, trabalhando com problematizações, compondo uma nova “estrutura topológica e
institucionais concretas para a ação docente, projetos, aprendizagem pela investigação e outras métrica” (ECHEVERRÍA, 2015, p. 45), que reivin-
REFERÊNCIAS ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini; PERRIER, BORTOLAZZO, Sandro Fachin. Das conexões entre COUTO, Mia. Terra Sonâmbula. São Paulo:
Gerlane Romão Fonseca; GONÇALVES, Lina Maria; cultura digital e educação: Pensando a condição Companhia das Letras, 2016.
AGAMBEN, Giorgio; ZIZEK, Slajov; NANCY, Jean MUÑOZ, Cleide Maria dos Santos. Currículo e digital na Sociedade contemporânea. ETD - Edu-
Luc; BERARDI, Franco; PETIT Santiago López; Tecnologia: revisão sistemática de literatura no cação Temática Digital, Campinas, SP, v. 22, n. 2, ECHEVERRÍA, Javier. A escola contínua e o tra-
BUTLER Judith et al. Sopa de Wuhan: pensa- âmbito da revista científica e-Curriculum. Revista p. 369-388, abr./jun. 2020. Disponível em: https:// balho no espaço-tempo eletrônico. In: JARAUTA,
miento contemporáneo en tiempos de pandemias. e-Curriculum, São Paulo, v.18, n.2, p. 614-635 periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/ Acesso 10 jul. 2020. Beatriz; IMBERNÓN, Franciso. (orgs.). Pensando
ASPO (Aislamiento Social Preventivo y Obliga- abr./jun. 2020. Disponível em: http://revistas.pu- no futuro da educação: uma nova escola para o
torio); 2020. Disponível em: https//bit.ly/sopa- csp.br/index.php/curriculum. Acesso 29 jun. 2020. CASTELLS, Manuel. A Era da Informação: século XXII. Tradução Juliana dos Santos Padilha;
dewuhan. Acesso 29 jun. 2020. economia, sociedade e cultura. V. 1 - O Poder da revisão técnica: Maria da Graça Souza Horn. Porto
ALMEIDA, Fernando José de; ALMEIDA, Maria Identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999. Alegre: Penso, 2015. p. 38-50.
ALMEIDA, Fernando. Educação e Informática: Elizabeth Bianconcini de. Fundamentos para uma
os computadores na escola, São Paulo: Cortez, 5. prática pedagógica: convite ao casamento. In: CED/PUC-SP. Programa de Pós-Graduação em FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdiscipli-
176 ed. 2012. ALMEIDA, Fernando José de; ALMEIDA, Maria Educação: Currículo/Pontifícia Universidade naridade: história, teoria e pesquisa. Campinas, 177
Elizabeth Bianconcini de. Aprender Construindo: A Católica de São Paulo. Subsídios para a refor- SP: Papirus, 1994.
ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini. Integra- informática se transformando com os professores. mulação curricular do Programa de Pós-Gra- FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17. ed.
ção currículo e Tecnologias de Informação Brasília: Ministério da Educação, 1999. Disponível duação em Educação: Currículo. Pontifícia Uni- Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
e Comunicação: Web currículo e formação de em: http://www.dominiopublico.gov.br/ . Acesso 10 versidade Católica de São Paulo, 2007. [mimeo].
professores. (Tese de livre-docência) Orientador: jul. 2020. IANNONE, Leila R.; ALMEIDA, Maria Elizabeth B.;
Fernando José de Almeida. Faculdade de Educa- CED/PUC-SP. Programa de Pós-Graduação em VALENTE, José Armando. Pesquisa TIC Educa-
ção, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, ALMEIDA, Maria Elizabeth B.; PRADO, Maria Educação: Currículo, Pontifícia Universidade Ca- ção: da inclusão para a cultura digital. In: Comitê
São Paulo, SP, Brasil, 2019. Elisabette Brisola Brito. O computador portátil tólica de São Paulo. Disponível em: https://www. Gestor da Internet no Brasil - CGI.br. Pesquisa
na escola. Mudanças e desafios nos processos pucsp.br/pos-graduacao/mestrado-e-doutorado/ Sobre o Uso das Tecnologias da Informação
ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini. Inclu- de ensino e aprendizagem. São Paulo: Avercamp, educacao-curriculo. Acesso 04 jul. 2020. e Comunicação nas Escolas Brasileiras -TIC
são digital do professor: formação e prática 2011. Educação 2015. São Paulo: CGI.br, 2016. p. 55-67.
pedagógica. São Paulo: Articulação Universidade CERQUEIRA, Valdenice Minatel M. Resiliência e Disponível: http://cetic.br/media/docs/publicacoes/.
Escola, 2004. ANDRADE, Pedro Ferreira; ALBUQUERQUE LIMA, tecnologias digitais móveis no contexto da Acesso 5 jul. 2020.
Maria Cândida Moraes. Projeto EDUCOM. Brasí- educação básica: “senta que lá vem a história”.
lia: MEC/OEA, 1993. 2014. Tese (Doutorado em Educação: Currícu- JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São
lo). Orientador:Maria Elizabeth Bianconcini de Paulo: Aleph, 2008.
BHABHA, Homi K. El Lugar de la Cultura. Bue- Almeida. Pontifícia Universidade Católica de São
nos Aires: Manantial, 2002. Paulo, 2014. LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o
saber da experiência. Revista Brasileira de Edu-
COUTO, Mia. Estórias Abensonhadas. 1. ed. – cação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.
São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
ROJO, Roxane Helena Rodrigues; BARBOSA, VALE, Thiago Souza. A construção da educação
Jaqueline Silva. Hipermodernidade, multile- geográfica na cultura digital. 2018. Tese (Dou-
tramentos e gêneros discursivos. São Paulo: torado em Educação: Currículo). Orientador: José
Parábola Editorial, 2015. Armando valente. Pontifícia Universidade Católica
de São Paulo, São Paulo, 2018.
SANTAELLA, Lucia. Linguagens líquidas na era
da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007. ZIBECHI, Raúl. A las puertas de um nuevo orden
mundial. In: AGAMBEN, Giorgio; ZIZEK, Slajov;
SARLO, Beatriz. Tiempo Presente: notas sobre NANCY, Jean Luc; BERARDI, Franco; PETIT Santia-
el cambio de uma cultura. Buenos Aires: Siglo go López; BUTLER Judith et al. Sopa de Wuhan:
Veinteuno, 2001. pensamiento contemporáneo en tiempos de
pandemias. ASPO, 2020. Disponível em: https://
178 SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da bit.ly/sopadewuhan Acesso 7 jul.2020. 179
memória e guinada subjetiva. Trad. Rosa Freire
d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras; Belo PALAVRAS-CHAVE
Horizonte: UFMG, 2007.
Cultura digital; Web Currículo; Ensino híbrido.
SELWYN, Neil. Digital division or digital decision?
A study of non-users and low users of computers.
Poetics, v. 34, n. 4-5, p. 273-292, 2006.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em


tempos de dispersão. Tradução Vera Ribeiro. Rio
de Janeiro: Contraponto, 2012.

VALENTE, José Armando; ALMEIDA, Maria


Elizabeth B. Políticas de tecnologia na educação
no Brasil: visão histórica e lições aprendidas.
[Brazilian technology policies in education: History
and lessons learned]. Arquivos Analíticos de
Políticas Educativas [Education Policy Analysis
Archives], v. 28, n. 94, 22 jun. 2020. Disponível
em: http://epaa.asu.edu/ojs . Acesso 30 jun. 2020.
primeiras décadas do século XIX, chegou a figurar Este artigo versa sobre o novo “não normal” da
como capital do país em diversas ocasiões. educação, da aprendizagem que construímos

a desterritorialização
Não um simples vírus, mas uma pandemia desde o mês de março de 2020, passando por
biológica, social, comunicacional e política. A diversas etapas de enfrentamento da situação im-
trajetória de Wuhan a Perdizes foi inusitada, posta pelo confinamento obrigatório no contexto

e a reterritorialização abalou estruturas e ocupou o dia-a-dia, sobre-


pondo-se aos espaços, fossem antes majestosos,
educacional e as perspectivas de um novíssimo
“não normal” que se aproxima ao planejar os

da educação: corpos e
históricos, simples, confortáveis ou simplesmente novos lugares da educação, da escola, dos profes-
lugares. Os espaços de fazer e ser, os “espaços sores e alunos e das famílias.

espaços onde habitam


praticados” (CERTEAU,1994). Uma vez que não é possível retornar a um “lugar”
De repente, da polifonia alegre dos corredores que não mais existe, a universidade, certamente,
fez-se o silêncio, as janelas abertas para o pátio se não poderá retornar a ser igual ao que era se tudo
180 fecharam, os professores se emudeceram, os odo- mudou ao redor. Assim, refletir sobre os espaços 181
1. A ORIGEM res das cantinas não mais atiçam a fome... O lugar “praticados” nos novos contextos se faz necessá-

m
da escola, “a ordem, segundo a qual se distribuem rio e urgente.
O futuro nos chega às vezes, à nossa revelia, elementos nas relações de coexistência” (CERTE-
com formações “anárquicas e confusas, AU, 1994, p. 201) já não mais está saudável para a 2. OS ESPAÇOS, LUGARES E NÃO LUGARES
de mundos novos e diferentes. (CERTEAU, 1994) existência e muito menos para a coexistência.
O lugar foi transmutado para novos e inusitados Neste pequeno ensaio, teceremos o diálogo sobre
arço de 2020. espaços: a casa, o quarto, a tela. Uma peque- os temas espaço/lugar/não lugar, relacionados à
O futuro chega às portas das escolas e universidades brasileiras trazendo a níssima e brilhante tela quadrada, do aparelho sala de aula, na perspectiva do francês Certeau
pandemia de COVID-19, da qual tínhamos notícias de longe, de uma pulsante celular, do tablet, aqueles aparatos que há muito (2007). A escolha desse interlocutor não é casual,
cidade milenar chamada Wuhan, no coração do território chinês onde vivem se mostravam como a extensão do Homem (como uma vez que viveu e produziu intensamente
aproximadamente 10 milhões de pessoas e transitam milhares de cidadãos já prenunciava McLuhan, 2011). Da carteira, o tendo se rendido à arte e a potência do fazer
seja para fazer negócios, trabalhar ou até mesmo estudar nas universidades aluno passou a ocupar a cama, a poltrona, uma cotidiano como lugar de criação, enxergando aí,
tecnológicas da região. Mas essa megalópole teve papel ainda mais im- cadeira qualquer nem se sabe onde... Suas vozes nas tramas do dia a dia, com ouvidos atentos ao
portante do que ser o berço de um vírus de origem ainda obscurecida: nas estridentes, animadas ou sonolentas, se tornaram Outro, para a alteridade tendo erigido uma teoria
fenômenos acústicos quase metalinos, vindos de das práticas cotidianas. Essas práticas, para o
maria da graça moreira da silva um microfone saído de outras freguesias e suas autor, não se configuram como pano de fundo da
presenças sintetizadas ao rosto, a uma self . construção e da atividade social, mas as “manei-
Mas o microfone será a extensão da voz dos ras de fazer” se encontram no cerne.
alunos e a câmera de vídeo sua presença? Qual o É a solução de continuidade das práticas cotidia-
lugar ou lugares a escola, que se reconstrói entre nas e dos espaços que nos instiga essa reflexão.
telas na emergência, pode ocupar? Partiremos do que, para o autor são diferenciados
como lugar e espaço: Certeau qualifica como lugar, refugiados, para o autor, se configuram em “não- pela matriz científica e tecnológica, repercutiram em transgressões e mudanças, em
uma configuração instantânea de posições. Impli- -lugares”. Os não- lugares são incapazes de dar seja pela matriz de comportamentos, especial na década de 1970 no Brasil, em plena
ca uma indicação de estabilidade, ficar estáticos, forma a qualquer tipo de identidade, história ou atitudes, valores, bem se compreende ditadura militar. São memoráveis os eventos que
na espera, são convenções. O espaço não se re- relações pois são populados em geral por pessoas a importância da dimensão sociocul- ocorreram dentro e fora de suas paredes, como
duz a uma condição física, mas pode ser entendi- em trânsito, são efêmeros. tural. É uma dimensão cuja aborda- no mês de julho de 1977 em que foi realizada na
do “como um espaço vivido e pensado, que pode gem não se obtém senão inquirindo a PUC-SP a 29ª Reunião Anual da Sociedade Brasi-
adquirir diversas reconfigurações e ressignifica- 2.1 OS LUGARES - PERDIZES acção, os sentimentos e o sentido de leira para o Progresso da Ciência - SBPC , proibida
ções de acordo com as diferentes apropriações.” participação dos actores. de ser realizada nas instalações de universidades
(CERTEAU, 2007, p. 201 ). É histórico, uma vez A arquitetura dos edifícios destinados a escolas públicas. Outro fato, no mesmo ano, em 22 de
que “conjuga identidade e relação e os indivíduos e universidades é um tema instigante pois é fácil No Brasil, e em São Paulo em particular, a setembro, a PUC-SP sofreu a invasão de forças
vão, ao longo de sua vida e história, construindo e entender que, a cada época, a arquitetura dos es- construção de espaços para ensinar não apenas policiais comandadas pelo próprio coronel Erasmo
reconstruindo”(idem). O espaço, assim entendido paços para ensinar e aprender refletem o valor e marcam, mas definem a própria cidade, que teve
182 pelo autor, é o “lugar praticado”.
Segundo essa acepção, a arquitetura da escola
o papel que a sociedade e a comunidade local em
particular atribuem à educação e sua relevância
como marco fundamental o Pátio do Colégio, cria-
do pelo Padre Manoel de Nóbrega e que marcou
Da carteira, o aluno 183

e universidade são lugares transformados em


espaço pelas pessoas - professores, alunos, gesto-
no projeto de nação. A construção desses lugares,
certamente consideram aqueles que os habitam.
a fundação do estado. É verdade que, à época, o
intuito do espaço era o ensino da fé católica aos
passou a ocupar a cama, a
res, serventes, merendeiras - que ali circulam e Não é à toa que construções escolares por muito nativos para catequizá-los (impondo a cultura poltrona, uma cadeira
qualquer nem se sabe onde...
suas ações que dão vida àquele lugar. Os sujeitos tempo se destacavam na paisagem urbana portuguesa a nova colônia) ou para educá-los
históricos que ali vivem são os “praticantes” . (BURKE; GROSVENOR, 2008 ), no final dos para o trabalho para a coroa.

Suas vozes estridentes,


A relevância do estudo do espaço da escola, em séculos XVIII e inícios do século XIX na Europa As instalações da Pontifícia Universidade Católica
especial do espaço da sala de aula é aqui refletido essas construções eram majestosas, monumentos de São Paulo, lócus de reflexão para este artigo,
no inusitado contexto do ano de 2020, em que os
espaços perderam sua territorialidade, voltaram a
à cultura e educação. Bressan (2013), ao analisar
a história das instituições escolares, destaca as
se encaixam numa descrição como essa: marca a
paisagem urbana da cidade de São Paulo. O pré- animadas ou sonolentas,
ser lugares ou “não lugares”.
Augé (2012) defende a hipótese de que a super-
palavras de Magalhães (1999, p. 71) que reforça a
edificação das instituições de ensino para além de
dio sede e mais conhecido da PUC-SP Perdizes, na
Rua Monte Alegre, segundo o portal da instituição se tornaram fenômenos
modernidade é responsável pela produção de não
lugares, ou lugares de passagem, as “superfícies
sua construção física: , tem a construção datada de 1920. Sua primeira
ocupação foi um convento de freiras carmelitas, e
acústicos quase metalinos,
não simbólicas do planeta” (p. 77). “Não-lugares”
seriam os espaços públicos de circulação rápida
As instituições educativas têm uma
estrutura física, uma estrutura admi-
assim também possui uma capela. As atividades
e cursos, outrora situados em diversas unidades,
vindos de um microfone
como as supervias, os hotéis e supermercados, nistrativa, mas também uma estrutu-
ra social, ou melhor, sociocultural. Se
passaram a funcionar na sede no ano de 1950. saído de outras freguesias e
suas presenças sintetizadas ao
em que as pessoas se veem relacionadas por uma Ao lado do edifício principal localiza-se o Teatro
conexão contratual, seja um bilhete, um cartão de as funções básicas de uma instituição TUCA, cuja fachada também é tombada pelo

rosto, a uma self.


crédito ou qualquer objeto protocolar - símbolos educativa se objetivam na produção patrimônio histórico por ter sido palco de inú-
da supermodernidade. Os próprios campos de e na transmissão de cultura, seja meros acontecimentos históricos e sociais que
Dias com o pretexto de exterminar o que chamou 2.2 O LUGAR DA EDUCAÇÃO propriedade de nenhuma disciplina vaiam políticos. São os espaços de conexão, de
de “antro” ou espaço de subversão. curricular, mas que pode oferecer-se, não-solidão, de aproximação ou contemplação.
Os edifícios da PUC-SP são impregnados de Não é o sujeito epistemológico que não sem resistência, como projeto A internet, por meio das inúmeras plataformas de
histórias, espaços que significam não apenas suas efetua a síntese; é o corpo, quando de inusitadas colaborações nesse redes sociais, os tablets, smartphones, redes com
paredes, mas que vivem e cunham o perfil dos sai de sua dispersão, se ordena, se espaço e tempo da educação que inteligência artificial, bots (robôs) e a Plataformi-
professores, alunos e da cultura da própria institui- dirige por todos os meios para um compreendemos como currículo. zação, Dataficação e Performatividade Algorítmica
ção e na construção de seu processo identitário. São termo único de seu movimento, e (PDPA) são as novidades da sociedade contem-
espaços bem-vividos, que não ficam indiferentes quando, pelo fenômeno da sinergia, A mente não é uma entidade des-situada, ela é o porânea segundo André Lemos (2019), e estão
aos que por ali passam. As instalações físicas da uma intenção única se concebe nele. próprio corpo. O mesmo ocorre nas telas, nossos no coração da atual cultura digital, bem como a
instituição não retratam o mote fundamental dos (MERLEAU-PONTY, 1994, p. 312). avatares somos nós. algocracia. O isolamento físico, assim, não implica
alunos no momento de seleção por qual universida- Mas se o corpo não está mais presente, existe no isolamento social, pois esse se desenvolve por
de cursar, mas o que flui em suas dependências, a Quando aprendemos, não é apenas o cérebro que educação? Sim. Há educação! meio - ou midiatizado - das mídias - das telas.
184 educação humanista, os debates com professores e está em ação, é todo o corpo. Aprendemos com o O lócus privilegiado da educação não é mais o Os espaços da educação não se dão nas telas 185
colegas, a cultura de uma educação transformadora. corpo todo, apesar de anos e anos de tentativas espaço físico, mas o virtual, o “espaço-rede” que propriamente ditas, mas naquilo que se constrói,
Casa onde habitaram inúmeros e reconhecidos de, como aponta Foucault (2013) “disciplinar” não se rende a uma localização específica. o que flui nos espaços-rede, da dinâmica da par-
mestres, como Florestan Fernandes, Paulo Freire e ou de tornar “os corpos dóceis”, obedientes para Retomando à Pandemia de Covid-19, os corpos ticipação de humanos e não humanos (LEMOS,
muitos outros que, expulsos de suas instituições, serem ensinados, controlados. Estar na escola foram enclausurados, ou pelo menos parte deles, 2020) ou pelo que Santaella (2008) denomina
encontraram na PUC-SP um espaço de acolhida, ou na universidade é estar de corpo inteiro, o aqueles que podem estar ou permanecer em qua- por espaços intersticiais ou híbridos.
respeito e que recebe a todos com a mesma legiti- corpo não é um elemento acessório e não há de rentena. No Brasil, a Lei 13979 de 6 de fevereiro Qual o lugar da educação na pandemia?
midade, reconhecendo seus saberes e trajetórias de se entender a razão sem o corpo, e ele mesmo de 2020 define a quarentena como a “restrição
vida. O espaçostempos onde os seres humanos se não pode ser visto em movimento apenas nas de atividades ou separação de pessoas suspeitas 2.3 - SOMOS TODOS TEAMS?
encontram e se relacionam (CERTEAU, 2007) aulas de educação física. “Não se trata de incluir de contaminação das pessoas que não estejam
Esse espaçotempo, como cunha Certeau (2007), o corpo na educação. O corpo já está incluído na doentes, ou de bagagens, contêineres, animais, Março de 2020 - Estamos em aula!
no ano de 2020 ficou emudecido, nada mais educação” como nos lembra Terezinha Nóbrega meios de transporte ou mercadorias suspeitos Na hora marcada vão chegando, um a um, as ve-
rola na rampa, a prainha perdeu suas estrelas, as (2005, n.p.): de contaminação, de maneira a evitar a possível zes timidamente. Uns já começam a tagarelar, ou-
ruas do bairro de Perdizes ficaram sem a graça contaminação ou a propagação de coronavírus”. tros aguardam como se esperassem o sinal tocar
dos estudantes que ruidosamente gargalhavam A agenda do corpo na educação e no Como corpos e espaços são suspeitos, todos para ingressar na sala de aula. Onde está a Ana?
enquanto “matavam” as aulas. Não se via mais os currículo deverá necessariamente al- devem ficar encerrados. O Pedro está perdido? Vire a Câmera!! Pensou
exóticos desfilando, as novas modas, a circulação terar espaços e temporalidades, con- Fechados em casa ou em quaisquer outros espa- que fosse no Skype... pode chamar a Estela no
de ideias, os sonhos de um grandíssimo amanhã siderando o ato educativo um aconte- ços, as janelas - físicas e virtuais, se transformaram WhatsApp da turma? ... Simone, “vc ta no mute”...
trôpegos pela cerveja, os tremores das provas, as cimento que se processa nos corpos na forma privilegiada de contato com o mundo. Na Que lindo... é seu filho? Seu peixe, seu gato? Você
inseguras danças das conquistas. Os espaços de existencializados e é atravessado Itália, por exemplo, os habitantes se dirigem às ja- está bem? Vai passar... Por quanto tempo? É so
histórias já não construíam memórias. pelos desejos e pelas necessidades nelas, terraços e alpendres de onde cantam, fazem uma gripezinha mesmo? Será que....
Onde estão? do corpo e que, seguramente, não é as indefectíveis “lives”, aplaudem enfermeiros ou As emoções estão afloradas, uns soluçam, outros
se mostram felizes por poder almoçar com os filhos passou a ser o lugar da aula. O excepcional passou O claustro a que alunos e professores foram normal - que não mais existe, foi desterritoriali-
ou por não precisar enfrentar a dupla ônibus-metro a ser a constante, a nova rotina, o “novo normal”. submetidos foi transgredido e, aos poucos, se zado e reteritorializado, reconstruído em novas
por horas a fio a cada dia. Mas ninguém está igual. Os humores foram se aquietando... se adaptando, transformando e transformando. paragens, recontextualizado e ressignificado, um
Sim, a mesma aparência, mas algo mudou no olhar, sem, no entanto, se conformar. Novos cortes de Os novos espaços da PUC-SP não têm abraços, novo “lugar praticado”.
no tom de voz, uma “tremidinha”, que poderia cabelo, diferentes paredes. não têm odores, não têm rampas. Trazem as mar-
passar despercebida se não estivéssemos vis-à-vis. Os professores e colegas entram nas casas ocu- cas dos territórios edificados, do vivido e cons- REFERÊNCIAS
Mas todos emocionados de conseguirem, enfim, pando um lugar que não existia. O que era conteú- truído. Sua cultura é encontrada nesses novos
encontrar algo que lhes pareça familiar em meio do vira tema, as vivências como professores ficam espaços, na educação que transforma, que liberta. AUGÉ, Marc de. Não lugares: introdução a uma
a tantas incertezas, desinformações, fake news, mais interessantes, as trocas mais adensadas. Mas o espaço histórico segue ali, sintetizado nas antropologia da supermodernidade. São Paulo:
temores, maratonas de alarmantes notícias. Os acoplamentos cibernéticos ... o microfone, o construções e descobertas. É o imperativo de uma Papirus, 2012.
O professor está ali, como num....panóptico. Mas headset, a câmera - as mais recentes extensões cultura bem edificada. Tomamos o conceito de
todos os presentes estão nos mesmos lugares, humanas, se aperfeiçoam com o tempo e passam Deleuze “não há território sem um vetor de saída BURKE, Catherine; GROSVENOR, Ian. School.
186 vendo tudo e todos. Não há destaques, não há a ser naturalizadas. Os sujeitos hiperconectados do território, e não há saída do território, ou seja, London: Reaktion Books, 2008. Disponível em: 187
pecados... todos estão nus. têm suas experiências compartilhadas em tempo desterritorialização, sem, ao mesmo tempo, um Acesso em: 15 jul. 2020.
Começamos a aula. real. Já se acha graça da vida-mesma. Filhos irrom- esforço para se reterritorializar em outra parte
Durante as primeiras semanas esse movimento pendo nas telas, cachorros latindo... campainha (DELEUZE apud HAESBAERT, 2009). BRESSAN, Renan Gonçalves. Urbanização e esco-
se repetia. Esse “não lugar” chamado Teams, mas tocando, a escola em casa e a casa na escola. Assim o Teams, uma simples ferramenta que pos- larização nos estudos sobre instituições escolares.
que poderia ter outro como Zoom, Meet, Jitsi ou Momentos refrescantes de encontros e trocas. sibilita webconferências foi transformado em um Rev. bras. hist. educ., Campinas-SP, v. 13, n. 3
qualquer um. Provisório, veloz, sem identidade, Sim, a universidade está re-territorializada. novo palco, um espaçotempo praticado e vivido. (33), p. 29-56, set./dez. 2013.
Os novos espaços deixam gradualmente de
Os novos espaços deixam gradualmente ser “não lugares” ou simplesmente “lugares”. 3. O RETORNO CARVALHO, Janete Magalhães (Org.). Diferentes
Os seres híbridos e fluidos se re-humanizam e perspectivas da profissão docente na atuali-
de ser “não lugares” ou simplesmente passam a construir espaços de interações, de Não se sabe quando ou como, mas o cotidiano dade. Vitória: EDUFES, 2002.
“lugares”. Os seres híbridos e fluidos memórias, de construções de novas identidades -
não individuais, mas de turmas que se identificam
presencial será ao todo ou em parte retornado.
Ao retornar ao presencial, os códigos, símbolos CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. Cam-
se re-humanizam e passam a construir pela amorosidade mediatizada pelas tecnologias. e saberes construídos nesses espaços e tempos pinas, SP: Papirus, 1994

espaços de interações, de memórias, Novas cartografias são desenhadas. Aqueles


quadradinhos iluminados tornam-se partes de
“não normais” estarão presentes, e esperamos
que estejam sempre presentes à memória a __________. A invenção do cotidiano. Petró-
de construções de novas identidades um todo, como na bricolagem de uma colcha que importância do toque, dos sabores, dos corpos polis: Vozes, 2007.
passa a aquecer - sem distinção, os que habitam e em movimento, das reuniões, do café já frio nas
– não individuais, mas de turmas ficam imbricados intimamente àquele fragmento garrafas aguardando o papo pós-aula. FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento
que se identificam pela amorosidade de ciberespaço. São tecelões e tecidos que não
se encontram flanando à deriva, mas constituindo
Há de ser retornar o trajeto, a espera, a prepara-
ção, a expectativa.
da prisão: Petrópolis: Vozes, 2013.

mediatizada pelas tecnologias. novos e contínuos espaços. Mas, não há como retornar a um espaço - ou a um
HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritoria- PALAVRAS-CHAVE
lização: do “fim dos territórios” à multiterritoriali-
dade. 4.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009 Cultura digital; Corpo; Espaçotempo

LEMOS, André. Os Desafios Atuais da Cibercul-


tura. Jornal Correio do Povo, Salvador, 15 de
junho de 2019.

_________. Isolamento Digital e o Novo Coronaví-


rus. In: Jornal Correio do Povo, Salvador, 24 de
março de 2020.

188 MACLUHAN, Marshall. Os meios de comuni- 189


cação como extensão do homem. São Paulo:
Cultrix. 2011.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da per-


cepção. São Paulo: Martins Fontes. 1994.

NÓBREGA, Terezinha Petrucia da. Qual o lugar


do corpo na educação. Educação & Sociedade,
Campinas, vol. 26, n. 91, p. 599-615, Mai/Ago
2005. Disponível em
Acesso em 15 jul. de 2020.

PUC SÃO PAULO. Portal. Disponível em: Acesso


em 15 de julho de 2010.

SANTOS, Ademir Valdir dos; VECHIA, Ariclê. As


escolas que construímos: a história de instituições
escolares na Revista Brasileira de História
Da Educação. Revista Brasileira de História da
Educação, 19. DOI:
desde longo tempo de relações colonialistas definidores das políticas de Estado; processos
(Santos, 2018). de terceirização; ciência e tecnologia tomadas

desigualdade social e
Vive-se uma conjuntura política, econômica e como forças produtivas e agentes de acumulação
social de caráter neoliberal (CHAUÍ, 2006 e 2020) de capital; provocação do desaparecimento da
com nítidas reverberações para o campo educa- ideia de direitos sociais a serem convertidos em

justiça curricular na cional, principalmente para a educação pública de


qualidade social. A realidade pré-pandêmica, es-
serviços privados regulados pelo mercado; trans-
nacionalização da economia; Estados do Terceiro

educação básica em
pecialmente desde 2016 no Brasil, já se apresen- Mundo disputando investimentos estrangeiros;
tava como preocupante, com claras tendências ao e finalmente, a redução dos direitos sociais e da

tempos de pandemia
desmonte do direito à educação. Neste momento, liberdade sindical (CHAUÍ, 2006). Há a prevalên-

e
de meados do ano de 2020, a preocupação inten- cia do desenvolvimento econômico voltado ao
sifica-se com a pandemia, que atinge a totalidade acúmulo sem limites do capital nas mãos de pou-
190 da população, mas que tem sido mais cruel com cos que nada produzem de essencial para a vida, 191
1. INTRODUÇÃO os desprovidos de condições de vida dignas. o que tem levado à “banalização do humano” e à
O cenário de uma grande concentração de riquezas radicalização das necessidades sociais.
ste artigo objetiva analisar as diretrizes do Conselho Nacional de Educação e de crescentes desigualdades tem se somado O período é de crise: altos índices de desemprego,
(CNE), Parecer nº 05 de 28 de abril de 2020, em sua orientação às escolas aos ataques à democracia e aos direitos sociais. subemprego, trabalho desprotegido e vínculos
da educação básica quanto à reorganização do calendário escolar e cômputo O pensamento neoliberal tem sido apresentado, fragilizados do trabalhador com o mercado de tra-
das atividades não presenciais como horas-aula. pela grande mídia, como solução para as crises tra- balho que mudaram a vida social dos brasileiros.
Tem como pressuposto que as investigações sobre currículo escolar deman- vestido da promessa de estabilidade econômica e Devido ao modelo político atualmente adotado, a
dam a compreensão das condições de sua prática, o contexto historicamente impondo-se com um projeto no qual o Estado tem manutenção de direitos socialmente conquistados
configurado em que ela se dá. O mundo, e mais especificamente desde mar- como meta principal a estabilidade monetária, que e legitimados pela Constituição de 1988 está cada
ço a população brasileira, encontra-se imerso em um cenário de pandemia só se daria a partir de cortes de encargos sociais, dia mais difícil. Essa realidade tem se ampliado
da Covid-19. A educação escolar tem ocorrido nesse contexto que necessita de programas de privatização em todos os setores, com um Estado que se retira cada vez mais do
ser compreendido com urgência. incluindo a saúde e a educação e deixando a regu- campo social com cortes, privatizações e a siste-
No Brasil, o cenário comprometido por questões sanitárias graves se soma lação econômica por conta do mercado financeiro. mática regressão dos investimentos na efetivação
a intensas desigualdades sociais, estas anteriores à pandemia e profundas Nessa perspectiva, a proposta neoliberal posta em dos direitos sociais.
prática provoca o encolhimento da esfera pública A escola está imersa e imbricada neste contexto.
branca jurema ponce e a ampliação da esfera privada. É considerada Não é possível tratá-la de maneira isolada, mas
thais almeida costa a forma mais atual do modo de produção capi- sim como parte desse todo, sobre o qual os seus
ana paula fliegner dos santos talista. Com alguma atenção crítica à realidade, sujeitos trazem narrativas e práticas sociais. A
observa-se que este modelo se configura a partir análise do currículo escolar, especialmente o
alice rosa de sena ferrari das características que se seguem: desemprego da Educação Básica que se compõe das séries
estrutural; monetarismo e capital financeiro como escolares obrigatórias previstas na legislação,
pode se apresentar como uma possibilidade de currículo centralizado e prescrito, e a centralização respondido a elas. (PONCE; ARAÚJO, 2019). 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, que “dispõe
compreensão dos interesses que atuam e estão do financiamento da educação. O conjunto dessas Os rumos da educação pública já eram preocu- sobre as medidas para enfrentamento da emer-
em permanente jogo na sociedade e na própria condições tem sido o combustível para o funcio- pantes antes da Pandemia. A crise instaurada pela gência de saúde pública de importância inter-
instituição escolar. namento da engrenagem neoliberal instalada na Covid-19 acentua a demanda por um olhar vigi- nacional decorrente do coronavírus responsável
As escolas públicas, onde encontram-se a maioria educação brasileira, que vem assumindo - não lante. As consequências deixadas pelo descuido pelo surto de 2019”. As escolas que atendem a
dos estudantes brasileiros, têm sofrido ataques sem resistências - cada dia mais um caráter podem ser ainda mais avassaladoras e permitir um Educação Básica foram dispensadas da obrigato-
constantes de 2016 até este 2020. empresarial privatista. distanciamento ainda maior do inalienável direito àriedade de observar o mínimo de 200 dias letivos
Essa reforma da educação pretende colocar a educação conquistado a tão duras penas. Sob a luz de efetivo trabalho escolar, desde que a carga
Em atendimento aos interesses escola na condição de fornecedora de serviços. A da justiça curricular (PONCE, 2018 e 2019), urge horária mínima de 800 horas fosse cumprida.
econômicos do sistema financeiro ideia da educação como um direito fica desbotada a discussão sobre um currículo que vise dignificar Em consonância, em 28 de abril, o Conselho
internacional foram feitos cortes nesse contexto e ganha contornos secundários, na todos os sujeitos da escola. Suas dimensões - a do Nacional de Educação (CNE) aprovou o Parecer
drásticos nos investimentos públi- melhor das hipóteses. A padronização da educa- conhecimento, a do cuidado e a da convivência de- CNE/CP n. 05/2020, que dispõe sobre a “Reorga-
192 cos no Brasil a partir do Golpe de ção (Base Nacional Comum Curricular2); a ênfase mocrática e solidária - podem auxiliar na reflexão nização do Calendário Escolar”, legitimando a pos- 193
Estado ocorrido em 2016. A Emenda no ensino de habilidades básicas dos alunos; o e/ou superação dos desafios vividos. sibilidade de cômputo de atividades não presen-
Constitucional 241 votada em 2016 ensino voltado para resultados pré-determinados; ciais para fins de cumprimento da carga horária
na Câmara Federal e em 2017 no a “transferência” das chamadas inovações do 2. AS DIRETRIZES DO CONSELHO NACIONAL mínima anual, em razão da Pandemia da Covid-19.
Senado como Emenda Constitucional mundo empresarial para o mundo educacional; DE EDUCAÇÃO (CNE) APRESENTADAS NO Esse Parecer, ao institucionalizar a possibilidade
55, congelou por 20 anos os gastos as políticas de responsabilização verticalizada PARECER Nº 05 DE 28 DE ABRIL DE 2020 E de considerar as atividades remotas como horas
públicos, o que incidiu diretamente baseadas em testes e avaliações que se preten- SUA TRAMITAÇÃO aula, tem sido alvo de inúmeras críticas, entre
na educação escolar que vinha se dem “evidências empíricas”; e um maior controle elas as da Nota Técnica (2020) elaborada pelo
democratizando, inviabilizando, por da escola caracterizam o “novo” formato da No mês de março de 2020, as aulas foram sus- coletivo composto pela Campanha Nacional pelo
exemplo, o Plano Nacional de Educa- educação pretendida, que a apresenta desprovida pensas em todo território nacional e, de imediato, Direito à Educação; as do Centro de Defesa da
ção (PNE) proposto para o período de do seu caráter político de formadora de cidadania os sistemas de ensino tiveram que se organizar Criança e do Adolescente do Ceará (CEDECA); as
2014-2024, cujas metas estavam vin- (FREITAS, 2018). emergencialmente para ofertar conteúdos aos do Grupo de Pesquisa Direito à Educação; as das
culadas aos recursos financeiros com No contexto atual, sob um governo nacional alunos de modo remoto a partir das orientações Políticas Educacionais e Escola da Universidade
datas a serem cumpridas. (PONCE, conservador com traços totalitários e marcas definidas pela Medida Provisória n.934/2020 Federal o ABC (DIEPEE/ UFABC); as da Rede
2019, p.1048). neoliberais, assiste-se, conforme destacam Ponce do Conselho Nacional de Educação (CNE), que Escola Pública e Universidade (REPU); e as do
e Araújo (2019), ao desprezo pelo Plano Nacional orienta as escolas da educação básica quanto à documento denominado “POSICIONAMENTO
Somados a esses cortes de recursos para a Educa- de Educação (2014-2024), evidenciam-se polí- reorganização do calendário escolar e cômputo sobre o Parecer do CNE que trata da Reorganiza-
ção Brasileira têm-se os ataques a programas ticas de responsabilização e desvalorização dos das atividades não presenciais como horas aula. ção dos Calendários Escolares e a realização de
democráticos que estavam em andamento1, as professores, observam-se propostas que levam a Nela foram estabelecidas normas excepcionais atividades pedagógicas não presenciais durante o
1. Um dos tristes exemplos
é o do Programa Mais Edu- avaliações externas à escola com uma longa traje- um distanciamento entre as reais necessidades da para o ano letivo, nos segmentos da Educação período de Pandemia da COVID-19”, assinado por
cação (cf. Soares, 2020)
tória de definições de competências em atendi- escola para contribuir com a construção de uma Básica e do Ensino Superior, para o enfrentamen- um grande número de entidades listadas a seguir:
2. Cf. CURY; REIS; ZANAR-
DI, 2018. mento ao momento atual do sistema financeiro, o vida digna e a forma como a realidade escolar tem to da situação de emergência de que trata a Lei nº ANPEd - Associação Nacional de Pós-Graduação
e Pesquisa em Educação ANPAE -Associação prática, o contexto historicamente configurado em Na medida em que foram formalizadas políticas 05/20201 e seus desdobramentos podem acentu-
Nacional de Política e Administração da Educação que ela se dá ou se dará. Neste sentido, cabe a públicas emergenciais aligeiradas, aprovadas sem ar as desigualdades educacionais, negligenciando
ANFOPE - Associação Nacional pela Formação questão: em que medida as diretrizes do Conse- debates coletivos e democráticos, acentuou-se a as condições de vida da população para cumprir
dos Profissionais da Educação ABdC - Associação lho Nacional de Educação (CNE) e sua tramitação tendência em legitimar práticas discriminatórias. com atividades educacionais remotas, principal-
Brasileira de Currículo ABRAPEC - Associação consideraram de modo amplo e profundo o A falta de um debate público e participativo para mente aquelas que se utilizam de ambientes vir-
Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências contexto em que se aplica? homologação das definições do Conselho Nacio- tuais de aprendizagem para ofertar conteúdos aos
ANPUH - Associação Nacional de História CE- As Diretrizes foram apresentadas no Parecer nº nal de Educação reforça formas de marginalização alunos? Não se têm dúvidas acerca da necessidade
DES - Centro de Estudos Educação e Sociedade 05 de 28 de abril de 2020 e homologadas pelo ao atingir “mais gravemente as pessoas pobres, de manter os alunos em contato com a escola. Há
FORUMDIR - Fórum Nacional de Diretores de Ministério da Educação3 sem o trecho que sugeria não brancas, moradoras de regiões periféricas, outras formas de propor e/ou de ampliar a partici-
Faculdades, Centros de Educação ou Equivalentes que avaliações regionais e nacionais, como o do campo, com deficiências e mulheres, sobre pação de todos? Quais devem ser os objetivos do
das Universidades Públicas Brasileiras FINEDUCA Enem, levassem em conta a realidade de cada quem comumente recaem muitos dos afazeres currículo escolar nessas aulas remotas durante a
- Associação Nacional de Pesquisa em Financia- sistema de ensino, “assegurando as mesmas domésticos” (NOTA TÉCNICA 2020, p.15). Como pandemia? É legítimo pautar as mesmas aulas que
194 mento da Educação FORPIBID-RP - Fórum de oportunidades a todos”. Este trecho foi enviado resultado, pode-se estar assistindo a uma tragédia seriam presencialmente “dadas” de modo virtual? 195
Coordenadores Institucionais do Pibid e Residên- de volta ao CNE para reexame. anunciada, um Brasil a testemunhar mais pessoas A pandemia tem sido pautada, colocada em dis-
cia Pedagógica FORPARFOR - Fórum Nacional dos A crise desencadeada pela Pandemia da Covid-19 sendo afastadas da compreensão da sua própria cussão com os alunos, com os professores, com os
3. GABINETE DO
MINISTRO DESPACHO DE
Coordenadores Institucionais do Parfor Fóruns de trouxe uma série de inesperados desafios às institui- realidade e do conhecimento escolar. gestores? Com que teor e com que objetivos? As
29 DE MAIO DE 2020 Nos
termos do art. 2º da Lei nº EJA - Fóruns de Educação de Jovens e Adultos do ções escolares e aos seus sujeitos, podendo, por Além desses aspectos, outras preocupações respostas para as questões não podem prescindir
9.131, de 24 de novembro
de 1995, o Ministro de Brasil Movimento Nacional em Defesa do Ensino exemplo, gerar mais incertezas do que já se tem são destacadas como: a falta de ações efetivas de considerar a garantia da igualdade das condi-
Estado da Educação
homologa parcialmente Médio SBENBio - Associação Brasileira de Ensino quanto à garantia do direito à educação no Brasil. voltadas às especificidades de modalidades de ções de acesso, evitando práticas discriminatórias.
o Parecer CNE/CP nº
5/2020, do Conselho Ple- de Biologia SBEnQ - Sociedade Brasileira de Segundo a Nota Técnica (2020)4, a partir das medi- ensino como a da Educação de Jovens e Adultos,
Os rumos da educação pública já eram
no, do Conselho Nacional
de Educação - CNE, o qual Ensino de Química REPU - Rede Escola Pública e das que legitimam a adoção de atividades pedagó- a da Educação do Campo, a da Educação Quilom-
aprovou orientações com
Universidade REDE ESTRADO - Rede Latino-Ame- gicas não presenciais, com vistas a serem contabili- bola, a da Educação Indígena e, notadamente,
preocupantes antes da Pandemia. A
vistas à reorganização
do calendário escolar
e à possibilidade de
cômputo de atividades
ricana de Estudos sobre Trabalho Docente Apoio: zadas como dias letivos e carga horária obrigatória, a da Educação Especial, assim como a proposta
ASSINEP - Associação dos Servidores do INEP observam-se situações potencialmente atentatórias de adoção de atividades não presenciais para a
crise instaurada pela Covid-19 acentua
não presenciais, para fins
de cumprimento da carga
horária mínima anual,
Campanha Nacional pelo Direito à Educação CON- ao direito à Educação Básica obrigatória: exclusão Educação Infantil, o que desrespeita frontalmente
a demanda por um olhar vigilante. As
em razão da pandemia
do novo coronavírus
- Covid-19, e deixa de TAG - Confederação Nacional dos Trabalhadores de estudantes e de professores e professoras das as concepções pedagógicas vigentes para essa
homologar o item 2.16 do
referido Parecer, o qual
submete para reexame
do Conselho Nacional de
na Agricultura CUT - Central Única dos Trabalha-
dores FEE-PB - Fórum Estadual de Educação da
“atividades não presenciais” por falta de acesso a
Tecnologias Digitais da Informação e da Comunica-
etapa de ensino (NOTA TÉCNICA, 2020).
Observa-se a configuração de um cenário propício consequências deixadas pelo descuido
podem ser ainda mais avassaladoras
Educação, considerando
as razões constantes na
Nota Técnica nº 32/2020/
Paraíba FEE-PE - Fórum Estadual de Educação de ção (TDIC); a não consideração e apoio devidos a ao aprofundamento das desigualdades educa-
Pernambuco FEE PA - Fórum Estadual de Educa- famílias que tiveram sua responsabilidade ampliada cionais com sérios impactos para a justiça social.
e permitir um distanciamento ainda
ASSESSORIA-GAB/
GM/GM, conforme
consta do Processo nº
23001.000334/2020-21. ção do Pará FDE - Fórum Distrital de Educação. na educação escolar de seus filhos e que não têm os No cenário antes-durante-pós pandemia, abordar
4. Cf. https://media.
campanha.org.br/acervo/
Iniciou-se este texto com um pressuposto: o de
que as investigações sobre o currículo escolar
pré-requisitos para a realização dessa ação, seja por
não disporem de tempo, seja porque não dispõem
questões relativas a essas preocupações é desa-
fiador e necessário.
maior do inalienável direito à educação
conquistado a tão duras penas.
documentos/COVID-19_
NTDados_2020_05_Dia-
gramado_vf.pdf demandam a compreensão das condições de sua de condições pessoais (NOTA TÉCNICA, 2020). Em que medida as diretrizes do parecer CNE/CP n.
Também será preciso aprofundar as razões da passa, fica mais vulnerável. A crise plataformas e pacotes educacionais digitais. está nas mãos de um governo fascista-neoli-
necessidade de manter os alunos em contato com da pandemia foi a desculpa perfeita O artigo 205 da Constituição Federal preconiza beral5. Mas nem pela impossibilidade de que
a escola, que são muitas e importantes para a vida para entregar às grandes platafor- que a educação seja compreendida como direito isso seja levado adiante por esse desgoverno se
deles e das famílias! mas — neste caso, às da educação de todos e dever do Estado e da família, visando justifica a aceitação pacífica de ações que levem
Observa-se tendência, principalmente nas Secreta- — esse outro local sagrado que é a garantia do pleno desenvolvimento da pessoa, ao aprofundamento das desigualdades e ao
rias Estaduais de Educação, de adoção e disponibi- a sala de aula: um espaço onde os o seu preparo para o exercício da cidadania e a desrespeito das diversidades humanas.
lização de plataformas on-line e compartilhamento professores possuem liberdade, a sua qualificação para o trabalho. A certificação Dos documentos estudados (citados neste texto)
de conteúdos via redes sociais através de videoau- liberdade da cátedra, para garantir deve ser entendida apenas como consequência da para a produção deste artigo, destaque-se um
las e aplicativos. Dados apresentados pelo Centro uma diversidade de estilos e uma obtenção dos objetivos da educação escolar. Esta trecho de um deles considerado fundamental.
de Inovação para a Educação Brasileira (CIEB, pluralidade de visões. apenas faz constar alunos e escolas brasileiras em Que fique para a reflexão dos leitores e para a
2020) indicam que 65% das Secretarias Estaduais classificadores nacionais e internacionais. E daí? continuidade do debate. Trata-se do documento
vêm utilizando ambientes virtuais de aprendiza- A discussão sobre essa opção pelo “virtual” tem Diante do risco da vida, precisa-se de mais vida: denominado “POSICIONAMENTO sobre o Parecer
196 gem e ferramentas do Google para tentar alcançar sido pautada em reuniões dos educadores com a a escolar, aquela que produz autoestima, saber, do CNE que trata da Reorganização dos Calen- 197
os estudantes das escolas públicas que, em sua profundidade necessária? Eles têm sido ouvidos? poder ser! O calendário escolar é uma convenção, dários Escolares e a realização de atividades
maioria, vivem em condições de pobreza, muitas Há outras opções ou há apenas essa oferecida? a vida humana e a vida digna: NÃO! pedagógicas não presenciais durante o período de
vezes sem direito à moradia, saúde e alimentação Quais são os prós e contras dessa “escolha”? A Vive-se um momento excepcional de pandemia Pandemia da Covid-19” assinado por 18 entidades
dignas. Condições agudizadas pela doença. formação de educadores para este “novo normal” que coloca em risco a vida de todos os brasileiros, representativas de profissionais e pesquisadores
A situação causada pela pandemia da Covid-19 está sendo levada adiante? Afirma-se a formação mas que não pode colocar em risco os princípios da educação, que tem o apoio de oito Associações
consagrou o virtual, segundo Antonio Lafuente e não o treinamento de educadores sob a batuta constitucionais, conquistados com muita luta, ge- representativas de trabalhadores e pesquisadores
(2020, on-line), que nos alerta: dos tecnólogos! Estes são fundamentais, mas radores da vida digna, sob pena de se ter um Bra- da educação. Diz o trecho destacado do docu-
respondem apenas parcialmente pelas neces- sil que abre mão de seus avanços democráticos e mento em sua página 3, itens e e f:
O perigo é que aquilo que começou sidades da educação em tempos de pandemia. de suas conquistas no conhecimento universal e
entre hesitações, como se fosse o A opção por atividades remotas virtuais precisa no de si mesmo. Somente com esse esforço serão e. (defende-se) A reorganização dos
menor de nossos males, torne-se um ser compreendida profundamente e avaliada encontradas saídas dignas próprias para as nossas calendários escolares assegurando-se
hábito do qual não desejemos mais com critérios da própria tecnologia e a partir de mazelas. O que está em jogo é a nossa indepen- a reposição das aulas e atividades de
nos separar ou prescindir. Comprar projetos de educação escolar. Currículo online dência como pessoas e como país. modo presencial, logo que a pande-
online é o equivalente a contar aos para quê? Para quem? A favor de quê/ de quem? Possibilitar a autoria de soluções para a educação mia esteja superada e as condições
fornecedores o que acontece dentro Por que considerar as atividades remotas como aos sujeitos da escola, amplamente considera- sanitárias o permita, como o melhor 5. A denominação
fascista-neoliberal poderá
de nossa casa. É como se dissésse- válidas para cumprimento do calendário escolar? dos, por meio de escuta qualificada é urgente! modo de garantir o acesso à educa- parecer contraditória já
que envolve dois modelos
mos a eles o que comemos, o que Discutir tecnologia sem a discussão sobre um Promover condições para debates - locais e ção, em igualdade de condições a distintos de Estado, um
estado forte e outro
assistimos e, de modo geral, o que projeto de escola pode ser uma grande armadilha nacionais - sobre os problemas enfrentados na todos, ainda que para tal seja neces- mínimo, entretanto a
denominação contempla
compartilhamos com os outros neste (Freitas, 2020). Pode ser uma via de privatização escolaridade por meio de políticas educacionais sário que as atividades do ano letivo a ideia e será mantida. O
estado brasileiro busca ser
mínimo para os mais des-
espaço seguro e privado que chama- da escola pública, das políticas e das propostas articuladas aos estados e municípios deveria ser de 2020 sejam estendidas até 2021 providos e forte para os
poderosos, que recorrem
mos de lar — e que, a cada dia que pedagógicas, através de ofertas “milagrosas” de o papel do Estado Nacional, que infelizmente f. (defende-se) o reconhecimento de constantemente a ele.
um ciclo letivo 2021 sem a realização as divergências, para que se conso- comprometidos com a população em número torna-se tão tênue? Diante do sucateamento
de quaisquer avaliações censitárias lidem valores humanitários e se crie suficiente para a realização desse trabalho.das escolas públicas, com péssimas condições
em 2020 ou no primeiro semestre de uma cultura de debate e respeito A saída da crise imposta pela Covid-19, assim
sanitárias e estruturas físicas precárias, com
2021. ao outro; e a do cuidado com todos como das demais crises educacionais vividas, cer-
poucas possibilidades de responder aos protoco-
os sujeitos do currículo para que se tamente não se dará sem a escuta e a validação
los impostos para não proliferação e reincidência
3. A BUSCA DA JUSTIÇA CURRICULAR EM viabilize o acesso ao pleno direito à do conhecimento produzido a partir da perspecti-
da Covid-19, não seria esta uma das preocupa-
TEMPOS DE PANDEMIA educação de qualidade social, o que va dos que sofreram e sofrem injustiças geradas
ções importantes dos sujeitos escolares e suas
envolve a afirmação de direitos, que pela lógica capitalista (Santos, 2018). famílias?
A justiça curricular (PONCE, 2018) é a busca e a inclui desde as boas políticas pú- À escola cabe o cultivo de uma cultura de partici-
O vírus, que de maneira abrupta amedronta, por
construção de um currículo pautado em direitos blicas de formação e contratação de pação e de formação. A justiça curricular enquanto tem cura desconhecida pela ciência.
que visa colocar-se, junto com outras iniciativas, professores que os dignifiquem até os A vacina para os males da educação pública
a serviço da luta contra injustiças sociais. Busca cuidados das redes de proteção aos não prevê apenas o acesso à escola e brasileira já é conhecida, proclamada e reivindi-
198 atuar na direção da superação de desigualdades mais vulneráveis, passando por boas às salas de aulas. O educando pode cada por muitos educadores progressistas. A luta 199
e respeito a diversidades. Baseia-se em expe- condições nos espaços e boa utili- ser excluído dos seus direitos e ser incessante pauta-se pelo apoio aos dispositivos
riências históricas democráticas significativas zação dos tempos escolares. Nesta injustiçado em relação ao conheci- constitucionais que garantem os investimentos
de educação/currículo e pauta-se na construção concepção, caberá à escola o cultivo mento emancipatório, a um futuro para a educação pública de qualidade social para
coletiva do currículo. Visa por meio do currículo de uma cultura de participação e trabalho dignamente remunerado, a todos, tendo como prioridade o alcance das metas
escolar dignificar todos os sujeitos da escola no formação. (PONCE; ARAÚJO, 2019). alimentação adequada, etc., mes- do Plano Nacional de Educação (2014-2024).
presente e no futuro. mo ocupando bancos escolares. A Inspirando-se na proposta da justiça curricular,
A análise realizada por este texto pautou-se pelos justiça curricular prevê a permanên-
Tal como o espaço, que é tridimen- princípios da justiça curricular. cia exitosa do educando na escola e Para que a discriminação não se
sional e que não prescinde, em seu Para que a discriminação não se torne ainda mais na vida e toma por currículo todo o
conceito, da consideração da tríade intensa ao considerar as aulas remotas como horas processo de ensino-aprendizagem- torne ainda mais intensa ao considerar
altura, largura e profundidade; a
justiça curricular tem três dimensões
letivas na educação básica, argumenta-se a favor
da criação de um novo ciclo de ensino/aprendiza-
-convivência-cuidado na construção
do conhecimento significativo para a
as aulas remotas como horas letivas na
e só será conceituada, compreendida gem, englobando os anos letivos de 2020/2021, vida, que vai sendo subjetivamente educação básica, argumenta-se a
e praticada a partir da considera-
ção das três. São elas: a dimensão
com autonomia dos municípios e escolas para to-
mada de decisões. Será preciso ouvir os professo-
apropriado pelo educando ao longo
do processo e vai permitindo a ele favor da criação de um novo ciclo de
do conhecimento compreendido res, gestores, alunos e comunidade, considerando compreender o mundo e a si mesmo ensino/aprendizagem, englobando
como uma estratégia de produção as especificidades de cada região do país para que de modo crítico e reflexivo. (PONCE;
da existência digna, que norteará a soluções locais possam ser priorizadas na reorga- NERI, 2017, p. 1223). os anos letivos de 2020/2021, com
seleção dos conteúdos do currículo;
a da convivência escolar democrática
nização do calendário letivo. Não se trata de uma
escuta ingênua, mas de uma escuta cientificamen- Pelo que clamam os sujeitos da escola em um
autonomia dos municípios e escolas para
e solidária que admite os conflitos e te considerada e analisada. Temos especialistas momento em que o limiar entre a vida e a morte tomada de decisões.
na contramão do produtivismo pedagógico, que REFERÊNCIAS CHAUÍ, Marilena. Sob o signo do neoliberalismo. FREITAS, Luiz Carlos. A reforma empresarial da
busca “classificar” alunos, escolas, professores, In: Cultura e Democracia: o discurso competen- educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo:
que produz discriminações, argumenta-se a favor ANPED. Associação Nacional de Pós-Graduação te e outras falas. São Paulo: Cortez, 2006. Expressão Popular, 2018.
da convivência democrática e solidária, que tem e Pesquisa em Educação. Posicionamento sobre
como objetivo consolidar no currículo uma cultura o parecer do CNE que trata da reorganização dos CHAUÍ, Marilena. Neoliberalismo: a nova forma do LAFUENTE, Antonio. Elogio à sensorialidade da
de debate, de respeito ao outro, de construção calendários escolares. Abril, 2020. Disponível em: totalitarismo. Disponível em: https://aterraeredon- cultura. Outras Palavras. https://outraspalavras.
coletiva, levando em conta os saberes dos http://www.anped.org.br/news/posicionamento- da.com.br/neoliberalismo-a-nova-forma-do-totali- net/tecnologiaemdisputa/elogio-a-sensorialidade-
sujeitos do currículo e os da ciência pedagógica, -sobre-o-parecer-do-cne-que-trata-da-reorgani- tarismo/ Acesso em 13 mar. 2020. -da-cultura/ Acesso em 09 jul. 2020.
trazendo à ponderação as experiências históricas zacao-dos-calendarios-escolares. Acesso em: 13
que se mostraram democráticas e efetivas. Em jul. 2020. CIEB. Pesquisa Analisa Estratégias de Ensino LIVE Diálogos da quarentena. Educação e Pan-
um momento de crise humanitária e de exposi- Remoto de Secretarias de Educação durante demia: a EAD e os riscos do modelo empresarial.
ção escancarada das feridas sociais brasileiras, BRASIL. Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de a crise da Covid-19, 03 abr. 2020. Disponível Live apresentada por Nara Zamian. Abril, 2020.
200 urge a reflexão sobre a necessidade de formação 2020. Dispõe sobre as medidas para enfren- em: https://cieb.net.br/pesquisa-analisa-estrate- Publicado pelo canal Mariana Conti. Disponível 201
de um sujeito ético e autônomo, que seja capaz tamento da emergência de saúde pública de gias-de-ensino-remoto-de-secretarias-de-educa- em: https://www.youtube.com/watch?v=XW_
de tomar decisões a partir dos princípios do res- importância internacional decorrente do corona- cao-durante-a-crise-da-covid-19/. Acesso em: 30 856dR8RI&t=2262s. Acesso em: 30 jun. 2020.
peito, da solidariedade, da igualdade de direitos e vírus responsável pelo surto de 2019. Disponível mai. 2020.
da justiça social. Esse é o “produto” desejável do em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-13. NOTA Técnica. Recomendações para a dis-
currículo escolar. 979-de-6-de-fevereiro-de-2020-242078735. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer ponibilização e a coleta de dados sobre as
Acesso em: 20 mai. 2020. CNE/CP n. 5/2020. Disponível em: http://portal. ações das redes de ensino relacionadas às
AGRADECIMENTOS mec.gov.br/index.phpoption=com_docman&- atividades educacionais durante a pandemia
BRASIL. Medida Provisória n.934, de 1º de view=download&alias=145011-pcp005-20&ca- da Covid-19. Disponível em: https://media.cam-
As autoras Alice Rosa de Sena Ferrari, Ana abril de 2020. Estabelece normas excepcionais tegory_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192. panha.org.br/acervo/documentos/COVID-19_NT-
Paula Fliegner dos Santos e Thais Almeida Costa sobre o ano letivo da educação básica e do ensino Acesso em: 20 mai. 2020. Dados_2020_05_Diagramado_vf.pdf. Acesso em:
agradecem à CAPES - Coordenação de Aperfeiço- superior decorrentes das medidas para enfrenta- 30 jun. 2020.
amento de Pessoal de Nível Superior pelo apoio mento da situação de emergência de saúde públi- CURY, Carlos Roberto Jamil; REIS, Magali; ZA-
no desenvolvimento desta pesquisa. ca de que trata a Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro NARDI, Teodoro Adriano Costa. Base Nacional PONCE, Branca Jurema. O currículo e seus desa-
de 2020. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/ Comum Curricular: dilemas e perspectivas. fios na escola pública brasileira: em busca da Jus-
web/dou/-/medida-provisoria-n-934-de-1-de-abril- São Paulo: Cortez, 2018.ESTÊVÃO, Carlos Alberto tiça Curricular. Currículo sem Fronteiras, v. 18,
-de-2020-250710591. Acesso em: 20 mai. 2020. Vilar. Justiça social e educação: das denúncias aos n. 3, p. 785-800, set./dez. 2018. Disponível em:
anúncios. In: ENS, R. T. B. L. (orgs.). Educação e http://www.curriculosemfronteiras.org/vol18is-
BRASIL. Painel Coronavírus Brasil. Disponível justiça social. Ijuí: Editora Unijuí, p. 25-46, 2015. s3articles/ponce.pdf. Acesso em: 30 jun. 2020.
em: https://covid.saude.gov.br/. Acesso em: 30 jun.
2020. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 1987.
PONCE, Branca Jurema; ARAÚJO, Wesley Batista.
A justiça curricular em tempos de implementação
da BNCC e desprezo pelo PNE (2014 - 2024).
Revista E-Curriculum, v. 17, p. 1045-1074, 2019.
Disponível em: https://revistas.pucsp.br/curricu-
lum/article/view/44998. Acesso em: 30 jun. 2020.

PONCE, Branca. Jurema; NERI, Juliana Fonseca


de Oliveira. A Justiça Curricular, a violência sexual
intrafamiliar (VSI) e o direito aprendizagem.
Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 15, n. 4, p.
1208-1233, 2017. Disponível em: https://revistas.
202 pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/35125. 203
Acesso em: 29 mai. 2020.

SANTOS, Boaventura de Souza. Na oficina do


sociólogo artesão. São Paulo: Cortez, 2018.
SOARES, José Nildo. O Programa Mais Educa-
ção: uma política progressista de educação
integral em tempo integral. Tese de Doutora-
do. São Paulo: PUCSP, 2020.

PALAVRAS-CHAVE

Desigualdade; Justiça Curricular; Direito à educação.


Diante do contexto no qual se firma este artigo, duais e coletivas, nos encontros e desencontros
em especial no olhar direcionado ao exercício de que as barreiras da distância física impuseram.

trajetos educativos
novas práticas educacionais e descobertas neste O termo usual do momento, distanciamento social
período de quarentena, imposto pela pandemia da merece nossa atenção, pois fomos impulsionados
COVID 19, o lócus deste trabalho situa-se na edu- a novas formas de aproximação, mediadas pelo

e trocas cação de adultos, em um curso de Pós-Graduação


do Programa de Educação: Currículo, da Pontifícia
digital. Nessa perspectiva, encontros aconteceram
e comunidades foram constituídas. O que era

intergeracionais:
Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). distância tornou-se aproximação. Nessa situação,
O relato apresentado tem como foco central assumimos compromissos coletivos antes não

experiências e saberes
encontros e experiências intergeracionais, em pensados, mas hoje vividos em práticas instigantes.

v
comunidade educativa, disponível no espaço As ideias de Pérez Gómez (2015) são muito
virtual, mediados por sujeitos que buscam (re) bem-vindas ao nos dedicarmos a compreender o
204 significar suas práticas de aprendizagem. Os su- momento que vivenciamos e, nos traz um anúncio 205
1. CONTEXTUALIZANDO REFLEXÕES jeitos envolvidos, protagonistas da ação mediada, do que se colocou como expectativa para os
incluem a professora da disciplina em Seminários tempos em curso. Assim, expõe o autor:
ivemos um tempo de grandes e intensos desafios. Tempo este em que as de Projetos Integrados: “Educação, Longevidade
possibilidades de vivências intergeracionais estão presentes no atual perfil e Convivência Intergeracional: políticas e ações Este novo cenário social também
dos encontros e relacionamentos de modo geral e entre alunos, educadores socioeducativas”, a monitora (agente de apoio às exige mudanças substanciais na
e pesquisadores do mundo acadêmico. práticas e interações nos ambientes digitais) e os formação de futuros cidadãos e, por-
Nesse âmbito, diferentes competências se somam, integram-se, ressignifi- estudantes (mestrandos e doutorandos). tanto, apresenta desafios inevitáveis
cam-se em articulações que conectam saberes e experiências facilitadoras para os sistemas educacionais, as
de múltiplas descobertas, num processo conjunto de construção de novos 1.1 SABERES E ENCONTROS escolas, o currículo, os processos de
conhecimentos e perspectivas de intervenções. ensino e aprendizagem e, claro, para
Ao ocupar este espaço de exercício da criatividade, aberto pela crise, educa- Em março de 2020 após imposição do distan- os professores. As transformações na
dores pesquisadores desenvolvem seu potencial inovador redimensionando ciamento social, necessário ao enfrentamento à prática educacional devem ser tão
modos alternativos de compreender e viver o ensino, a pesquisa e as possibili- COVID-19, instituições educacionais de todo o País significativas que é conveniente falar
dades de mudança e transformação pautadas em princípios e valores humanos. suspenderam suas atividades presenciais. Escolas sobre uma mudança na maneira de
da Educação Básica e Instituições de Ensino enxergar, sobre reinventar a escola.
nadia dumara ruiz silveira Superior públicas e privadas assumiram o desafio (PÉREZ GÓMEZ, 2015, p. 28).
cíntia acioli da silva ramos de reorganizar seus caminhos de aprendizagem, e
assim um novo contexto se delineou com perspec- Mas, como reinventar a escola e transformar sua
tivas de mudanças irreversíveis à prática educati- proposta clássica e secular, insistente nos modelos
va. A compreensão desta fase complexa e histórica institucionais? Talvez parte da resposta se firma
pode ser relatada por nossas experiências indivi- nas instabilidades trazidas do externo, do caos que
nos impulsiona a sair de nossas zonas confortáveis
das certezas. Deve-se persistir na busca de novas
Enfatizamos, nesse sentido, a concepção de
que a aprendizagem ocorre ao longo da própria
nos afeta, coloca-se a necessidade de refletirmos
sobre a realidade do processo de envelhecimento Assim devemos nos interrogar
e significativas formas de “Ser” e “Estar” das
instituições formais de ensino, pois “Se as escolas
existência humana movida por curiosidades,
necessidades pessoais, profissionais ou favorecida
humano e a intergeracionalidade.
Dadas as imposições de isolamento social, resul-
sobre que momento é este
insistem nas práticas convencionais obsoletas,
que definem a maioria das instituições de ensino
nos encontros entre sujeitos e na partilha de seus
saberes. Seu significado dependerá do interesse,
tantes da pandemia, as relações entre pessoas
de diferentes faixas etárias passaram por pro-
em que nos encontramos:
atuais, distantes e ignorantes do fluxo de vida que da pertinência, motivação, e por conseguinte, na cessos de reconfiguração das suas concepções de inércia, no aguardo de
soluções de outrem, ou de
transborda à sua volta, correm o risco de se torna- capacidade de transpor o conhecimento em atitu- e formas de expressão. Considerando as dife-
rem irrelevantes”. (PÉREZ GÓMEZ, 2015, p. 29). de, modificando o meio e o próprio sujeito. Afinal, renças socioculturais dos grupos de convivência,

protagonismo no exercício de
Cabe nos questionarmos sobre os motivos que “A verdadeira aprendizagem ocorre em grande ocorreram alterações significativas nas formas de
tornam a escola irrelevante, sendo esse um parte através da ação”. (ZIMRING, 2010, p. 21). relacionamento humano. Pode-se perceber que,

206
território de luta, conquistas e que, para muitos, é a
porta mais acessível ao conhecimento e dignidade.
Assim devemos nos interrogar sobre que momento
é este em que nos encontramos: de inércia, no
em particular no grupo familiar e nas instituições
educacionais, as repercussões foram visivelmen- nos inquietarmos e buscarmos 207
Podemos nos remeter aos saberes curriculares
que realçam sua aproximação da realidade, das
aguardo de soluções de outrem, ou de protagonis-
mo no exercício de nos inquietarmos e buscarmos
te expressivas.
Em relação à família, a permanência de crianças respostas ao novo cotidiano?
vivências e necessidades de seus alunos e profes- respostas ao novo cotidiano? O tempo e o aprender, e jovens em tempo integral com os pais e, em
sores. Este parece ser um momento promissor para como expostos por Bauman (2009), são incon- certos casos com avós, alteraram substancialmen- cas e ações socioeducativas”, cuja ementa apre-
intensificarmos discussões sobre a prática educa- clusivos, mas nossa atitude precisa ser assertiva te a rotina. Conforme apontado anteriormente, senta total afinidade e aderência com a realidade
tiva em seus múltiplos desdobramentos pois, caso e perseverante na busca dos caminhos que nos as escolas passaram a realizar suas atividades atual, na qual, dentre outras ênfases, incluem-se
contrário, o inesperado causado pela pandemia terá conduzam às mudanças que se fazem necessárias. remotamente, em todos os níveis de ensino, o educação, longevidade e relações intergeracionais:
consequências indesejáveis, entre elas o fracasso. Este texto resulta da motivação, que fortalece o que demandou uma reconfiguração total das
Como apresentado por Bauman (2009, p.154): interesse por expressar o encontro com o possível, atividades docentes, discentes e de gestão. A compreensão da relação entre
nas relações que traçam trajetos de um curso de No que se refere às experiências realizadas na Educação e Longevidade torna-se im-
Mais precisamente, no ambiente Pós-Graduação em Educação. Trata-se de atos educação escolar, situa-se a formação acadêmica prescindível diante das visíveis mu-
líquido-moderno a educação e a intergeracionais, entre uma professora e uma aluna, na Pós-Graduação stricto sensu em Educação: danças que caracterizam o fenômeno
aprendizagem, para terem alguma monitora de curso, corporificados em atitudes que Currículo da PUC-SP, foco deste estudo, no qual do envelhecimento populacional no
utilidade, devem ser contínuas e fizeram da distância uma presença construtiva. todas as atividades foram adequadas à realização Brasil e no mundo contemporâneo.
realmente por toda a vida. Nenhum por meio remoto. No caso das disciplinas, as Este contexto exige o reconhecimento
outro tipo de educação ou aprendiza- 2 EXPERIÊNCIAS ACADÊMICAS E programações previstas e compartilhadas com os das transformações de natureza de-
gem é concebível; a “formação” dos INTERGERACIONALIDADE alunos nas aulas iniciais presenciais do primeiro mográfica e da convivência humana,
eus ou personalidades é impensável semestre letivo de 2020, foram redimensionadas. assim como a reflexão crítica sobre
de qualquer outra maneira que não Dentre os dilemas e desafios do mundo em que Coloca-se, nesse âmbito, a proposta da disciplina o significado cultural das diferen-
seja uma reformação permanente e vivemos, marcado particularmente pela pandemia Seminários de Projetos Integrados: “Educação, tes fases da vida. Deve-se ressaltar
eternamente inconclusa. do COVID-19, geradora de grave crise social que Longevidade e Convivência Intergeracional: políti- também que espaços socioculturais
como a família e as instituições edu- cretizou na disciplina em pauta, conforme relato rentes linguagens como músicas, vídeos e poemas. A vida só é possível reinventada.
cativas são afetados pelo redimensio- inserido no subitem três. A linguagem poética pode ser exemplificada pelos Anda o sol pelas campinas e passeia a mão dourada pelas águas,
namento da diversidade etária e dos As aulas ocorreram com uso de recursos digitais, poemas de Cora Coralina e Cecília Meireles. pelas folhas. . .
processos interativos. Justifica-se, como Microsoft Teams, ambiente que possibilitou O poema “Não Sei” de Cora Coralina, inserido na Ah! Tudo bolhas que vêm de fundas piscinas de ilusionismo... -
assim, a necessidade da construção encontros ao vivo, por webnars. As atividades aula remota inicial, despertou reflexões sobre o mais nada.
de conhecimentos interdisciplinares foram realizadas contando com instruções e sentido da vida e atitudes que colocam em relevo Mas a vida, a vida, a vida, a vida só é possível reinventada.
sobre políticas públicas, parâmetros orientações remetidas aos alunos, matriculados a importância de valores e atitudes como acolhi- Vem a lua, vem, retira as algemas dos meus braços.
curriculares e práticas socioeduca- na disciplina. Os procedimentos adotados per- mento, respeito e afetividade, atributos imprescin- Projeto-me por espaços cheios da tua Figura.
cionais tendo como desafio central mitiram aos discentes o acesso à programação díveis ao desempenho do educador. Tudo mentira! Mentira da lua, na noite escura.
a incorporação da intergeracionali- prevista, o que resultou na participação ativa e Não te encontro, não te alcança...
dade para superação de estigmas comprometida de todos. Não sei se a vida é curta ou longa Só - no tempo equilibrada, desprendo-me do balanço que além do
e preconceitos etários, na busca do Os encontros virtuais pautaram-se em roteiros para nós, mas sei que nada do que tempo me leva.
208 fortalecimento de experiências com- previstos para cada semana letiva contemplando vivemos tem sentido, se não tocarmos Só - na trevas fico: recebida e dada. 209
partilhadas entre crianças, jovens, todas as atividades desenvolvidas, as quais se o coração das pessoas. Porque a vida, a vida, a vida, a vida só é possível reinventada.
adultos e idosos na escola e demais encontram registradas nas Plataformas Moodle Muitas vezes basta ser: colo que aco-
ambientes sociais. (PUC, 2020). e Microsoft Teams. Os alunos recebiam esses lhe, braço que envolve, palavra que Na perspectiva da reinvenção, enfatizamos parte
roteiros por e-mail e mensagens via WhatsApp. conforta, silêncio que respeita, alegria do conteúdo trabalhado com objetivo de “Analisar
Os planos de aula, da referida disciplina, rea- A metodologia utilizada nas aulas contemplou, que contagia, lágrima que corre, olhar o contexto sociopolítico e educacional tendo como
lizados em encontros semanais de três horas, dentre os procedimentos didático pedagógicos, a que acaricia, desejo que sacia, amor parâmetro a realidade atual da estrutura etária,
conforme previsto no Calendário Escolar para o 1º utilização de recursos que permitiram a realização que promove. do processo de envelhecimento populacional e da
semestre de 2020, contemplaram a otimização de reflexões pertinentes à gravidade da situação E isso não é coisa de outro mundo, é o longevidade, na perspectiva de uma convivência
do uso de recursos tecnológicos, em consonância ocasionada pela pandemia, a qual exigiu focaliza- que dá sentido à vida. construtiva e propositiva entre gerações, em res-
com as orientações norteadoras encaminhadas ções de compreensão e interpretações diferencia- É o que faz com que ela não seja nem peito aos valores e direitos humanos, estímulos à
pela Universidade e pelo Programa de Pós-Gra- das, dada sua especificidade. curta, nem longa demais, mas que concretização da cultura da paz” (Componente da
duação em Educação: Currículo, que empenhou Essa prática possibilitou a intensificação da consci- seja intensa, verdadeira, pura enquan- Ementa da Disciplina).
todos os esforços por meio de sua coordenação, ência crítica, considerando o sentido socioemocional to durar. (CORALINA, 2003, p. 19-21) As análises e discussões realizadas permitiram des-
contando com a parceria dos professores da Linha afetivo da formação acadêmica, com perspectivas tacar a relação entre vida longa e intergeracionalida-
de Pesquisa em Novas Tecnologias em Educação propositivas frente ao inusitado produzido pela atual Em fase mais avançada do cronograma da discipli- de que no contexto da contemporaneidade caracte-
e envolvimento irrestrito de todos os docentes e rotina vivida em todos os espaços sociais, incluindo na, momento em que a dialética de viver a rotina riza o momento atual, como tempo de descobertas.
da responsável administrativa. a universidade e o ambiente escolar, onde a maioria do inesperado poderia ser interpretada, tendo A longevidade e o envelhecimento populacional
Em tempo hábil, foi constituída uma equipe de dos alunos exercem suas funções docentes e/ou como referência conteúdos e reflexões realizadas compõem uma realidade demográfica emergente
apoio e monitoria, com a participação de alunos de gestão. Dentre os recursos didático pedagógicos coletivamente, o grupo de alunos pode incorporar que necessita ser devidamente reconhecida e com-
do Programa, que acompanharam com eficiência utilizados, sempre condizentes com o conteúdo a possibilidade da “Reinvenção” no poema de preendida na sua concepção e implicações, dentre
a realização dos trabalhos docentes, o que se con- programático desenvolvido, foram incluídas dife- Cecília Meireles. (MEIRELES,1972, p. 94). elas a convivência entre diferentes gerações.
A longevidade e rico potencial de trocas afetivas e
de conhecimento entre as gerações
mesmo a ser positivas, pois o con-
flito - interno, interpessoal ou social
- Currículo, no uso de recursos digitais e continui-
dade das disciplinas de forma remota.
o envelhecimento desde que se efetivem determinadas
condições facilitadoras. Entre tais
- pode constituir-se em motor da
ação humana, tendo, portanto, um
O encontro entre monitora e docente se firma na
partilha de saberes, em contribuições ímpares
populacional compõem condições, uma das mais básicas e
importantes é a presença de inte-
papel considerável no processo das
transformações do mundo. Mas, se
de seus conhecimentos, voltado para objetivos
comuns. E assim se conduz, como posto por
uma realidade demográfica resses comuns, que valem, eviden- o conflito não for encaminhado com Ferrigno (2011, p. 80):

emergente que necessita ser


temente, para a boa qualidade das inteligência e sensibilidade, sobre-
relações interpessoais de modo ge- tudo em favor dos socialmente mais Identidade de valores cria laços de

devidamente reconhecida
ral. O contrário, ou seja, o conflito de fragilizados [...], as consequências amizade entre pessoas jovens e pes-
interesses, dificulta a aproximação. podem ser devastadoras. Um em- soas mais velhas que, por sua vez,

210 e compreendida na sua Em sua obra Conflito e cooperação entre gerações


preendimento assim não depende
obviamente apenas de esforço indi-
possibilitam uma relação coeducati-
va. Para isso é preciso que haja um 211
concepção e implicações, Ferrigno (2013, p.155), reflete sobre a realidade
das relações entre diferentes segmentos etários,
vidual. Muito mais que isso, exige
uma ação coletiva rumo à reformu-
clima solidário, de confiança mútua
em que a cooperação ocupe o lugar
dentre elas a convivência entre tendo como referência os idosos, focalizando a
necessidade da compreensão sobre o processo de
lação das condições de vida de toda
uma comunidade. Um dos caminhos
da competição.

diferentes gerações. envelhecimento, diante da situação de não aproxi-


mação e enfatizando a importância da percepção
dessa construção passa por ouvir o
que as diferentes idades têm a nos
Essa concepção representa o vivido por nós,
em encontros coeducativos, em um momento
da alteridade como estratégia de diálogo, a qual dizer a respeito de ideias de como histórico no qual se enfatiza o “distanciamento
Deve-se reconhecer que o distanciamento entre admite a existência do conflito. Nessa perspectiva lidar positivamente com os conflitos social”. Como dito anteriormente, essa expressão
gerações é uma realidade, em relação à convivên- o autor coloca: de geração, para que, ao lado delas, carece de interpretações, pois outras formas de
cia intergeracional, dado o sentido de mercantili- conscientes e solidários, também aproximações sociais foram possíveis pelo sentido
zação dessa convivência próprio das sociedades Ao buscar caminhos para o apazi- ingressemos nessa mobilização. da presencialidade.
capitalistas e a predominância de preconceitos guamento das desavenças, pensa- A monitora e a professora responsável pela
que envolvem aqueles que se encontram na faixa mos não só em diálogo, que pressu- 3. TRABALHO CONJUNTO NO AMBIENTE disciplina não se conheciam e as aproximações
etária da velhice. Ao analisar as dificuldades de põe ouvir e ser ouvido, mas também ACADÊMICO EM COMUNICAÇÃO REMOTA colaborativas ocorreram por meio de contatos
integração e possibilidades de superação, Ferrigno em alteridade, situação em que o telefônicos e aplicativo de mensagens e vídeo, em
(2011, p. 80) concebe a possibilidade da aproxi- outro é percebido e considerado. E, Dias após a reitoria da PUC-SP comunicar a sus- especial o WhatsApp. Percebe-se que os contatos
mação de diferentes gerações: ainda, em amizade, fenômeno que pensão das atividades presenciais, em março de mediados por comunicação remota representaram
implica gostar desse outro, ajudá-lo 2020, a linha de pesquisa em Novas Tecnologias momentos enriquecedores de partilha, e assim se
[...] embora atualmente prevaleça a ser feliz e regozijar-se com seu em Educação convidou seus estudantes pesquisa- fez presença, em tempo de distanciamento.
uma distância intelectual e afetiva, sucesso. Falamos de conflitos e de dores para compor uma equipe de monitores, em As primeiras conversas realizadas foram funda-
experiências demonstram que há um suas consequências. Essas chegam apoio aos professores do Programa em Educação mentais. Um processo dialógico moroso, pois
precisávamos nos conhecer, saber um pouco mais de construção de sentidos, assim, como posto por poníveis na sua cultura e no tempo A perspectiva é de que este momento histórico
sobre a pessoa do outro lado da linha, no que diz Domingo (2013, p. 469-470): em que vivem) para construir referên- possa contribuir, efetivamente, para uma educação
respeito aos seus anseios, expectativas, dificulda- cias que orientem o sentido da ação que protagonize o respeito às limitações e aos sa-
des, conhecimentos e possibilidades de colabora- A aprendizagem articulada supõe o humana e o sentido da existência. beres diversificados que constituem a singularidade
ção. Essas vivências envolveram “[...] o esforço do reconhecimento de um motor interno Por isso, é crucial produzirmos uma de cada um de nós. As experiências vivenciadas
espírito humano para compreender a realidade. que se torna independente se é man- reflexão em torno da relação entre permitem ousar a formulação de um novo conceito,
Essa compreensão se dá mediante uma atribuição tido sensível, reconhecendo-se em a Educação e o Conhecimento como que denominamos como “Aconchego Digital”. Acon-
de sentido, de significação que, por sua vez, ocorre seu corpo, sendo reconhecido em seu construção. (CORTELLA, 1999, p.99). chego como sinônimo de aproximação, amparo,
por meio da explicação de nexos entre os objetos e corpo, que se relaciona criativamente partilha e proteção, envolvendo a diversidade etária
as situações”. (SEVERINO, 2012, p.19-20). com o meio ambiente e os próprios re- O reconhecimento de práticas bem sucedidas foi e intermediada pela cultura digital, representada
As trocas intergeracionais ocorreram em condi- cursos inatos e aprendidos e que, por possível nas ações planejadas em conjunto, nos nas modalidades de informação e comunicação
ções humanizadoras preciosas, alicerçadas em meio da relação com os outros (adul- momentos de conversa, esclarecimentos, ajuda possíveis por meio do uso de recursos tecnológicos.
212 princípios como a alteridade, a valorização das tos e crianças mais jovens ou mais sobre a funcionalidade de recursos tecnológicos e Portanto, o “Aconchego Digital” significa o estar 213
potencialidades, limites e confiança. A prática velhas) vai construindo o sentido das contato contínuo com os estudantes, antes e de- presente, mesmo nas distâncias físicas impostas.
da alteridade possibilitou o reconhecimento e coisas e o sentido reflexivo sobre a pois dos encontros por webnars. Para a professora, Trata-se do encontro, no respeito, no comprome-
respeito às subjetividades, enquanto a valorização relação com os outros e com o mundo. em suas primeiras vivências no uso de tecnologias timento e na reciprocidade que impulsionam as
das potencialidades e limites permitiu conhecer as para educação remota, a autonomia ganhou seu es- relações humanas e as (re) descobertas de Ser e
qualidades profissionais do outro e seus poten- Como pesquisadoras, fortalecia-se continuamente paço na confiança em iniciar suas aulas online, em Estar, com uso das tecnologias, o que se faz sig-
ciais. A confiança reverteu em comprometimento a compreensão de que as respostas às nossas pensar nas melhores estratégias de aprendizagem nificativo em meio a trajetos educativos interge-
resiliente no enfrentamento dos desafios. inquietações se consolidavam nos encontros vir- em diferentes ambientes, nos contínuos contatos racionais quando realizados de forma construtiva,
As condições acima foram essenciais para a cons- tuais, cada qual com seus saberes e contribuições, com seus estudantes. O resultado, portanto, surge partilhada e afetiva.
trução das afinidades, flexibilidade, abertura para no trato responsável dos problemas e aproxi- da persistência no ir e vir, comum à práxis que
diferentes aprendizagens e a construção do novo. mações para descoberta de novos caminhos. A possibilita reflexões e ações coparticipativas. AGRADECIMENTOS
O diálogo contínuo oportunizou o fortalecimento riqueza das oportunidades de contato permitiu
das responsabilidades frente às exigências das que as trocas se revertessem em articulações CONCLUSÃO: INTERGERACIONALIDADE E A autora Cíntia Acioli da Silva Ramos agradece ao
atribuições, para concretização das aulas remotas. geradoras de práticas bem sucedidas e assim, ACONCHEGO DIGITAL CNPQ - Conselho Nacional de Desenvolvimento
Sobre a experiência de troca intergeracional, o redescobríamos nossa parceria e intensificamos Científico e Tecnológico pelo apoio no desenvolvi-
pilar como posto por Ferrigno (2013), se firmou de os momentos de construção colaborativa. As conquistas do episódio “Pandemia” serão mento desta pesquisa.
forma inteligente e sensível, no ouvir e ser ouvido eternizadas e ressurgirão sempre como avanços
no mútuo respeito. [...] o Conhecimento e, nele, a Verda- nas mais inusitadas situações, referendadas por REFERÊNCIAS
A cada etapa nos descobríamos como sujeitos em de, são construções históricas, sociais um viver muito mais integrado e participativo.
processo de aprendizagem, tomadas de incerte- e culturais. São resultantes do esforço Neste contexto, os anticorpos adquiridos ficarão BAUMAN, Zygmund. Vida líquida. Tradução de
zas que nos impulsionavam na busca de conhe- de um grupo determinado de homens incorporados e em prontidão para novos e frutífe- Carlos Alberto Medeiros. 2.ed. Rio de Janeiro:
cimentos, que se faziam necessários nos trajetos e mulheres (com os elementos dis- ros desafios. Zahar, 2009.
CORALINA, Cora. Melhores poemas. 2.ed. São ZIMRING, Fred. Carl Rogers. Tradução e organi-
Paulo: Global, 2003 zação: Marco Antônio Lorieri - Recife: Fundação
Joaquim Nabuco. Editora: Massangana, 2010.
CORTELLA, Mario Sergio. A escola e o conheci-
mento: fundamentos epistemológicos e políticos. PALAVRAS-CHAVE
2ª ed. São Paulo: Cortez, 1999.
Vivências acadêmicas; Intergeracionalidade; Sabe-
DOMINGO, José Contreras. Outras escolas, outra res Compartilhados.
educação, outra forma de pensar o
currículo. In Sacristán, José Gimeno (org). Sabe-
res e incertezas sobre o currículo. Porto
Alegre: Penso, 2013, p. 459-475.
214 215
FERRIGNO, José Carlos. Programas intergeracio-
nais no Brasil. Revista A terceira idade SESC.
São Paulo, v. 22, n. 50, p. 74-91, mar. 2011

___________. Conflito e cooperação entre


gerações. São Paulo: Edições Sesc SP, 2013.

MEIRELES, Cecília. Flor de poemas. J. Aguilar. Rio


de Janeiro: Nova Fronteira. 1972.

PÉREZ GÓMEZ, Ángel I. Educação na era digital:


a escola educativa. Tradução de Marisa Guedes. rev.
téc. Bartira Costa Neves. Porto Alegre: Penso, 2015.

PUC SP. Disponível em: https://www.pucsp.br/


sites/default/files/download/posgraduacao/pro-
gramas/educacaocurriculo/ementas-1-2020.pdf.
Acesso em: 24 jul. 2020.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Educação, Sujeitos


e História. 3ª ed. São Paulo: Olho D´Água, 2012.
humana contemporânea. reanimação. Fenômeno já prenunciado pelas situa-
Os lugares soam,pois, simbólicos de um aconteci- ções vividas no drama do atendimento hospitalar,na
mento dramático que surpreendeu a humanidade Itália, na Inglaterra e reproduzido, depois, na França,
no começo de 2020, tornou-se um quase apo- o que impôs a urgência de procedimentos de
calipse mundial, que invadiu, para nossa grande prevenção do Estado brasileiro.Evidenciou-se então
inquietação, o recesso recluso do lar, trazendo que o Governo central brasileiro temia mais uma
riscos invisíveis sobre a continuidade da própria derrocada econômica do que desejava a diminuição
vida e das vidas de sua família. da mortalidade advinda da pandemia iminente,
A pandemia, surgida em Wuhan, em dezembro de embora insistentemente negada ou minimizada.

tempos incertos
2019,tendo também ela onze milhões de habitan-

o
tes, foi epicentro de uma crise sanitária,que veio A PANDEMIA E A VIDA
aser reconhecida pela OMS como uma epidemia
216 pública mundial, em 11 de março de 2020. Ela A pandemia repôs a questão da vida. Os confina- 217
DE WUHAN A PERDIZES repercutiu no mundo como uma crise sanitária mentos impostos para, aproximadamente, quatro
universal, impondo a urgência da suspensão de bilhões de seres humanos, em todos os conti-
título De Wuhan a Perdizes sintetiza a trajetória de uma profecia anun- atividades comerciais, recreativas, culturais e de nentes, a fim de frear a propagação do Covid-19,
ciada: a megalópole industrial Wuhan,situada na região de Hubei, é pro- qualquer forma de aglomeração e o consequen- obrigaram os cidadãos a serem constritos em
tótipo das grandes megalópoles do Oriente no século XXI, contraposta a te confinamento necessário das pessoas para cordões sanitários das zonas infectadas e enclau-
Perdizes,pequeno bairro com 100 mil habitantes na cidade de São Paulo, impedir sua exposição ao contágio e ao sacrifício surados em seus lares. Essa exigência teve um
metrópole com 11 milhões de habitantes.O bairro é um lugar símbolo da vida de muitas vidas. grande impacto nas interações sociais e entravou,
doméstica dos cidadãos e o local onde a fluência da vida acontece, convul- A estratégia inicial, de quase todos os governos, consideravelmente, o fluxo das trocas comerciais,
sionada agora por uma pandemia universal. A distância de 17.991 quilôme- para impedir o progresso da epidemia e para desestabilizou a produção econômica, provocou
tros que nos separam de Wuhan foi rapidamente superada pelo vírus, que garantir o atendimento hospitalar dos infectados, uma recessão de amplitude inédita e, sobretudo,
nos uniu quase à mesma velocidade dos aviões transcontinentais. foi fortalecer o sistema estatal de saúde, impondo aprofundou e explicitou, brutalmente, as desi-
As breves referências geográficas acima exprimem a rapidez e amplitude procedimentos higiênicos, para garantir a imuni- gualdades sociais. Tais desigualdades estavam
da difusão e contaminação quase imediata de um risco trágico, sempre dade pessoal; tudo marcado pela restrição aos naturalizadas pela visão do senso comum e foram
iminente, convertido, abruptamente, em um episódio epifânico da história gestos sociais comuns, como abraço, aperto de tratadas como se fossem normais. Distribuição
mãos, medidas essas seguidas de outras paliati- injusta das riquezas sociais e econômicas, discri-
antonio chizzotti vas de contatos pessoais. minação social de grupos, falta de redes de sanea-
O aumento exponencial da contaminação revelou mento, descontrole das queimadas de grandes
a insuficiência dessas medidas. Os hospitais logo florestas não podem ser vistos como normais.
manifestaram a saturação iminente da capacidade Todos foram constrangidos a mudar seu modo de
de atendimento, seja por falta de pessoal médico e vida, e mais, a vida humana mudou: antes, emba-
enfermeiro, seja por carência de equipamentos de lada pelo sucesso crescente da onda de consumo,
da produção de riqueza, da porfia competitiva A RETÓRICA DA PANDEMIA ções revelam que os efeitos dessa forma de tratar de preservar só para si ou para o seu grupo o
pelos mercados, da glorificação das tecnologias a pandemia conduzem mais ainda a uma recessão bem-estar de viver? Tensões que nos aguardam.
todo-poderosas, além de promessas de uma vida A retórica oficial da Presidência da República teve econômica,com risco de ser a maior que o país Por outro lado,a situação pandêmica poderá nos
privada exuberante com a expansão dos bens e a veleidade de apresentar-se, paradoxalmente, terá em sua história. Os efeitos de tais políticas de obrigar a reconhecer que a única saída para evitar
serviços.O aparente sucesso fantástico do capi- como especialista em medicina, como se fosse uma tratamento da vida no nosso território já causam a ruína da sociedade será mudar o modo de viver,
talismo se estancou frente à iminência de uma agência científica de cura ou divulgadora de labora- estragos e estranhezas até nos mercados e nas avaliar o quejá vivemos e o que deveremos viver
hecatombe mundial e transfigurou os horizontes tórios farmacêuticos. Difundiu fantasias saneadoras, grandes mídias internacionais. para garantir o acesso solidário e universal aos
estáveis de sentir e viver para o reconhecimento tratou com displicência a gravidade da pandemia, Na vida cotidiana, a pandemia mostrou riscos bens indispensáveis para a vida. Talvez isso exija
da fragilidade, tão tímida, da vida. como uma “gripezinha”, incentivando o desprezo aterradores, criou interpretações inéditas e um novo pacto de arranjo de um projeto de país,
A pandemia modificou as atividades cotidianas, pelas medidas higiênicas pessoais e contrapon- levantou hipotéticas interrogações que povoaram com um longo processo de construção de consen-
os hábitos, os modos de viver e sentir, o convívio do-se, ostensivamente, contra o distanciamento o imaginário social, e contribuíram para combalir so. Aqui entram a educação, a escola e o currículo.
e as interações sociais, interrompeu trabalhos e social. Além disso, removeu ministros discordan- as certezas estabelecidas, arruinar os meios Em suma, trata-se de garantir não só uma valori-
218 projetos de tal modo que a vida não será mais, tes de suas extravagâncias sanitárias, sonegou econômicos de sobrevivência individual e coleti- zação abstrata e legal da vida em sociedade, mas 219
no futuro, o que foi antes do surto epidêmico. informações sobre o estado nacional da pandemia, va,para testar a solidariedade pessoal, nacional considerar cada existência humana muito além do
Pelo menos para as nossas gerações. Para as ostentou procedimentos contrários ao distancia- e internacional.Tais expedientes governamentais valor meramente estatístico, monetário ou comer-
próximas resta a incógnita: levarão as lições que mento social e difundiu discursos contraditórios às sobretudo tiveram a função de pôr em questão a cial nas quais a vida de cada um acontece.
hoje buscamos aprender? Ou continuaremos os providências de governadores estaduais e prefeitos. reconfiguração do valor da vida humana no imagi-
mesmos logo que surgirem as Olimpíadas ou um Um panfletarismo repetitivo e irresponsável estava nário,considerada até então como uma realidade A PANDEMIA E OS MEIOS DE
novo carnaval? estabelecido, em contraposição às propostas das abstrata, apreciada, valorizada juridicamente COMUNICAÇÃO
As divergências no tratamento político da epi- comunidades científicas nacionais. As divergências como um bem supremo, mas, doravante,exposta
demia criaram um clima de celeuma indigesto, estenderam-se às medidas preconizadas pelas a todo tipo de riscos e depreciada, em função O aprofundamento do dissenso foi sustentado
entravaram a cooperação internacional e nacional agências internacionais, incluída Organização das condições econômicas e sociais, que são as pelos meios de comunicação de massa: a rádio,
no enfrentamento da pandemia, alimentando Mundial da Saúde(OMS), que alertaram todos os determinantes do merecimento, ou não, do direito a imprensa, a televisão e, sobretudo, a internet.
incertezas, dúvidas e polêmicas e, no limite, estados nacionais para tomar providências tempes- de continuar a viver. Neste cenário social, a informação fundamen-
provocando confrontos ideológicos e políti- tivas para garantir a vida dos cidadãos e debelar um Os vaticínios sobre as consequências futuras são tada tornou-se essencial para debelar os riscos
cos insanos para o controle da propagação do morticínio avassalante da população. ameaçadores: a explosão do desemprego, sobre- de uma destruição universal. A retórica da crise
coronavírus. As controvérsias científicas sobre o Essa retórica paradoxal dos agentes públicos con- tudo entre os já precarizados pelas sucessivas assumiu,pois, uma importância decisiva. Os
tratamento adequado tornaram-se, com impulso flagrou as emoções, gerou uma incerteza que afe- leis de descompromisso com o trabalhador, criará cientistas e pesquisadores revelaram a gravi-
dado pelos argumentos contraditórios dos órgãos tou os sentimentos de perplexidade, de temores um agravamento da situação social e a ampliação dade e a amplitude da pandemia, os riscos e
do governo brasileiro, um grave problema político. difusos e dúvidas assombradas. As combinações opressora da miséria. O que se espera senão o suas consequências, prenunciando a sua inédita
Eles suscitaram temores e indignação por terem de discursos oscilantes e de instabilidade política, aumento dos conflitos pelo direito de sobreviver? extensão. Para a retórica política, no entanto, as
influenciado o comportamento de muitas pessoas aliadas a uma catástrofe sanitária,tornam-se, Como o clima pós pandemia poderá favorecer a atitudes e os procedimentos do Presidente da
vulneráveis e por isso serem responsáveis pela ameaçadoramente, explosivas para uma econo- violência como forma egoísta de bem-estar priva- República contrastaram contra todas as recomen-
ameaça ou pela perda de muitas vidas. mia já cambaleante. Os diagnósticos e as proje- do e incentivar a agressividade como estratégia dações de prudência e, ostensivamente apoiado
por subordinados passivos, afrontou as exigências corações e mentes para reconstruir a sensibilidade ção corrente, mas sempre preterida nos debates puladores das bolsas de investimentos? Tudo pode
de confinamento e criou um pânico social. Tudo da vida pessoal e a majestade da vida social. e prognósticos da educação básica, apesar da ser pior. Ou tudo poderá ser reequacionado para
orquestrado pelos seus aguerridos milicianos Um universo denso de significados é o currículo concordância generalizada de sua atualidade e das um outro olhar sobre o sentido da vida individual,
defensores acampados em lugares públicos em escolar - o processo formativo que a educação controvérsias sobre a sua viabilidade: a formação coletiva e terrestre, ao se criar, com a contribuição
apoio ao seu despautério presidencial. Desconsi- propicia, objetivando formar personalidades dos educandos para ingressarem na cultura dos da educação, um novo modo de ser humano.
derou-se que os responsáveis públicos pela vida responsáveis e cidadãos participantes de todas novos meios de comunicação. A pandemia revelou De uma coisa podemos estar certos: a escola, as
dos cidadãos sejam do executivo, do legislativo as dimensões da vida. A força e as expectativas, a relevância desses novos meios e a obsolescên- tecnologias e o currículo farão parte desta nova
ou do judiciário, têm a obrigação indeclinável numerosas e legítimas, que o currículo condensa, cia de práticas consuetudinárias no ensino básico, determinação de organização do mundo, de
de informar a sociedade, sem subterfúgios ou defrontam-se com os limites concretos que o frente às tecnologias atuais. Wuhan a Perdizes.
ocultamentos, dos riscos, das obrigações e dos ensino pode propiciar. O confinamento surpreendente expôs as fissuras
sacrifícios que são indispensáveis para superar a A pandemia vem revelar também questões entre a educação regular básica e esses novos
gravidade do tempo presente e de um futuro ain- inusitadas: primeiro, ingressa, com toda força do meios de comunicação. Os profissionais da
220 da incerto. Abdicar dessa obrigação é um opróbrio amedrontamento, no domínio privado de vida educação, sem formação sólida nesses novos 221
ético e político insano. e sequestra a fluência das conversas generosas campos do saber e os alunos, despossuídos dos
e a partilha das amizades e dos afetos, que conhecimentos fundamentais nessas tecnologias
PERSPECTIVAS DA PANDEMIA E O acontecem na vida escolar. O isolamento forçado da comunicação, compostos com os sistemas
CURRÍCULO ESCOLAR e inesperado interrompeu uma das decisivas de ensino, precariamente munidos de equipa-
finalidades da educação escolar: a formação da mentos, expuseram a urgência de reconhecer a
A pandemia certamente deixará cicatrizes personalidade ativa do educando no convívio, tempestiva necessidade de introduzir a educação
duradouras e obrigará cada um a reconhecer os para além do recesso familiar, com colegas de escolar na atual onda digital. Essa é uma grande
riscos imanentes à própria vida. A experiência que diferentes culturas, modos de vida e condições lição que a pandemia revelou para o currículo
todos vivem enseja a necessidade de construir sociais. A esse prejuízo vem sopesar a interrup- escolar: a maré digital já está provocando o
uma vida solidária, que coopere para a sobrevida ção da nutrição diária da merenda e da cantina: chamado a um novo currículo. Ignorar essa lição,
dos outros, reconhecendo que ninguém pode serviços complementares da educação pública e patenteada no decurso da epidemia Covid-19,
ser uma ilha no universo. Este ânimo positivo de gratuita, sumamente indispensáveis para famílias será perder o curso da história.
muitos move a pesquisa biomédica, acadêmica, em precárias condições. Enfim, a descontinuida- Como educadores, podemos vislumbrar uma
industrial e dos profissionais de todas as áreas de pedagógica decorrente do isolamento social nova e inesperada função da escola no contexto
para reconstruir um novo modo de solidariedade expôs os alunos à frustração de seus esforços, no apocalíptico. A saída da pandemia poderá ser mais
universal. Tal projeto que articula tantas áreas da semestre, e pesou, gravemente, muito mais, sobre ou menos honrosa para a humanidade. Será mais
vida e do conhecimento e das ciências, e das artes os alunos de famílias mais pobres, sem os meios ou menos harmônica nossa relação com a nature-
e da cultura terá uma dimensão educacional que de compensar os prejuízos da interrupção do za. Serão maiores ou menores as violências da eco-
merece ser reelaborada. currículo e de toda a vida escolar. nomia neoliberal para com os povos mais pobres.
Os efeitos intimidadores da pandemia estende- Os impactos da pandemia na educação, sobretu- Podem ser mais vergonhosas as concentrações de
ram-se a todos os domínios da vida e comoveram do na educação básica, suscitam uma interroga- riqueza dos ladrões de respiradores ou dos mani-
mortes, agora quando fechamos o livro, é de cerca Rupp. Cabe agradecimentotambém à comissão
de 90 mil. Esse verdadeiro genocídioplanejado, de análise dos textos pela presteza, qualidade
estimulado, no mínimo tolerado por governantes é e disposição aos trabalhos demandados com
a nossa maior vergonha diante de todo o mundo e tantas urgências.
por isso objeto de nossos protestos. Agradecimento especial também à Maria Apareci-
Nosso livro é, em primeiro lugar, um sinal de pêsa- da da Silva Abi Rached - a Cida, nossa Assistente

reconhecimentos
mes profundos a todas as famílias e pessoas que de Coordenação, sempre disposta a nos atender.
perderam amigos, parentes e companheiros de vida. Filipe Rios, sempre nos respondendo com presteza
Essas perdas atingiram também a comunidade da e humor, foi nosso editor gráfico responsável pela
PUC-SP, à qual estendemos nossos sentimentos. capa e pelo editoração do miolo.
Nosso livro é um modo muito próprio da acade- A todas e todos esses companheiros, ao longo
mia, de fazer o que ela tem de mais relevante em desse curto mas intenso trajeto, ficam aqui nossos
224 sua tarefa: trazer o pensamento vivo, os diag- agradecimentos. 225
AOS QUE PUDERAM CONVERTER AMEAÇAS nósticos das questões postas pela pandemia, as Ao finalizar este livro, os dois sentimentos se
EM SOLUÇÕES E POSSIBILIDADES perspectivas de enfrentamento dos desafios, o altercam: a tristeza pela perda de tantos brasilei-
traçado de esboços de soluções. Mas, sobretudo, ros mortos desnecessariamente e o sentimento
Um trajeto, embora curto, pode ser muito significa- ele mostra o que a Educação pode fazer em sua de esperança de que as coisas sempre podem
tivo. O próprio título do livro - De Wuhan a Perdizes: tarefa mais humanizadora. mudar: novos trajetos educativos estarão à nossa
trajetos educativos - já traz a ideia de trajeto como Nesse trajeto, tivemos irrestrito apoio da coorde- frente, e seguiremos juntos.
momento do percurso e a reflexão sobre o contexto. nação, de todos os professores e muito particular-
Nesse trajeto de 90 dias de escrita do livro, com mente dos alunos do Programa de Pós-Graduação
todas as peripécias de uma edição numa gran- em Educação: Currículo, que buscaram o melhor e
de universidade e numa ebulição social nunca o mais idealista de si mesmos e de suas capacida-
vista por nós, tivemos algumas experiências que des de trabalhar em grupo.
tocaram o paroxismo. De um lado, um programa Em nome dos alunos, agradecemos às agências
de pós-graduação vivendo seus desafios diários e de fomento CAPES e CNPQ e à Fundasp, pelo
quadrienais de prestação de contas de seu traba- apoio em forma de bolsas pesquisa. Em nome
lho e oferecimento de condições de pesquisas e dos professores, agradecemos ao CNPQ pelas
docência de qualidade social. De outro, a socieda- bolsas produtividade.
de toda, em sua verdadeira dimensão global, so- A EDUC foi companheira de primeira hora, com
os organizadores.
frendo as mais amplas desgraças. O Brasil, neste seu Diretor José Luiz Goldfarb, Sonia Montone e
cenário, se apresentando como um campeão de Waldir Alves. fernando josé de almeida
descasos, omissões e desgoverno como nunca, Cumpriram o papel de atores cheios de vida as maria elizabeth b. de almeida
por parte de seu governo central. O número de co-editoras Ana Valéria, Francielle Gatti e Lucila maria da graça moreira da silva
Ana Valéria Barbosa da Silva Doutoranda em duação em Educação: Currículo da PUCSP. Membro
Educação-Currículo - PUC/SP. Mestre pela PUC/SP do Comitê Editorial da Revista e-Curriculum. Membro

autores e
em Administração de Empresas. Pós graduada em do Comitê Assessor da Coleção Educ@ / Fundação
Administração Contábil e Financeira pela Fundação Carlos Chagas. Consultora/Parecerista ad hoc do
Armando Alvares Penteado- FAAP e Graduada em CNPq. Parecerista de diversas revistas científicas.
Administração de Empresas pelo Centro Universitá- Líder de Pesquisa no Grupo de Estudos e Pesquisa

colaboradores
rio Lusíada. Professora de ensino superior e ensino em Justiça Curricular (GEPEJUC) cadastrado no CNPq.
técnico em Gestão Estratégica Organizacional e Atua na linha de pesquisa Políticas Públicas e Refor-
Processo Decisório. Atuação como Coordenadora de mas Educacionais e Curriculares e na Rede Freireana
P&D. Atuação em AVA. Larga experiência na área de de Pesquisadores. Membro do Departamento de
Administração atuando no mercado financeiro. Fundamentos de Educação. Bolsista de Produtivida-
de em Pesquisa - pesquisadora 2.
226 Antonio Chizzotti Professor doutor associado 227
Alice Rosa de Sena Ferrari Graduada em e Gestão da Educação.Docente, Pesquisador e Coor- do Programa de Pos Graduação em Educação: Cur- Cíntia Acioli da Silva Ramos Mestra e douto-
Direito, Pedagogia e Artes. Mestrado em Educação denador do Programa de Pós-Graduação em Educa- rículo da Faculdade de Educação da Pontifícia Uni- randa em Educação: Currículo (PUC-SP). Lato senso
pela Universidade do Oeste Paulista de Presidente ção: Currículo, da PUC - São Paulo, onde coordena a versidade Católica de São Paulo (PUC-SP), doutor em - Planejamento, implementação e Gestão da EaD
Prudente, Doutoranda em Educação pela PUC São Linha de Pesquisa Currículo, Conhecimento, Cultura. Educação pela PUC-SP, pos-doutorado no Institut PIGEAD (UFF/UAB), Educação e Tecnologias: Gestão
Paulo, membro do Grupo de Educação e Pesquisa Consultor sobre Ética nas Organizações. National de Recherche Scientifique, Paris, França da Educação a Distância (UFSCar), Tecnologias apli-
em Justiça Curricular (GEPEJUC) do CNPQ, coorien- (1990-1991). cadas à Educação (PUC-SP), MBA em Marketing (FIT).
tadora de Iniciação Científica PIBIC e editora de Ana Paula Fliegner dos Santos Doutoranda e Graduação - Licenciada em Computação (UNASP),
seção da Revista e-Curriculum - PUC São Paulo. Mestre em Educação: Currículo - PUCSP. Especialista Beatriz dos Santos Souza Mestranda Educação Pedagogia em curso (UNIVESP). Professora convida-
Professora de Arte da Prefeitura Municipal de Ouro em Educação Especial Inclusiva pela Sociedade Edu- (Currículo) - PUC-SP. Egressa do curso de Pedagogia da - Faculdade Paulista de Arte (FPA).
Verde e ministra palestras e cursos sobre temáticas cacional de Santa Catarina, UNISOCIESC. Graduada do Centro Universitário Adventista de São Paulo.
educacionais. em Serviço Social - UFPR Litoral. Docente no ensino Participa do Grupo de Pesquisa em Formação de Claudia Xavier da Costa Souza Mestranda PUC-
superior, pesquisadora e autora de materiais, livros Professores e Paradigmas Curriculares (FORPEC), -SP, Diretora do Colégio Rio Branco. Experiência  nas
Alipio Marcio Dias Casali Graduação em Filoso- e vídeos para a Graduação e Pós-Graduação em Ser- na PUC-SP, e do Grupo de Estudos e Pesquisas em áreas de docência, gestão escolar e formação de
fia e em Letras pela Faculdade de Filosofia Nossa viço Social. Editora de seção e editora de layout no Avaliação Educacional (GEPAVE), na Faculdade de professores, graduada em Pedagogia (PUC-SP), com
Senhora Medianeira; Especialização em Educação e periódico científico: Revista e-Curriculum. Compõe o Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP). especialização em Gestão de Pessoas pela Fundação
Desenvolvimento no Terceiro Mundo pela Universi- banco de avaliadores do INEP/MEC. Dom Cabral, em Gestão de Conflitos pela FIA-USP e
dade de Genebra; Mestrado em Filosofia da Educa- Branca Jurema Ponce Graduada em Filosofia em Gestão e Construção do Projeto Político Peda-
ção e Doutorado em Educação (História e Filosofia pela PUC SP e em Pedagogia pelas Faculdades gógico pela PUCPR, e pós-graduação em Psicologia
da Educação) pela PUC - São Paulo ; Pós-doutorado Integradas Campos Salles. Mestra e Doutora em Moral pela Universidade de Franca e em Psicopeda-
em Educação pela Universidade de Paris. Professor Educação pela PUCSP, onde é Professora Titular. gogia Institucional pela UNISA.
Titular do Departamento de Fundamentos, Políticas Membro da Coordenação do Programa de Pós-Gra-
Fabiana Aparecida de Oliveira Mestranda em Francielle Nogueira Gatti Possui graduação em Gerlane Romão Fonseca Perrier Doutora em Liliane Noga Engenheira Mecânica pela Fundação
Educação Currículo -PUC- SP, graduada em Adminis- Pedagogia pela Universidade Estadual de Cam- Educação-PUC-SP; Mestra em Educação em Ciências Armando Álvares Penteado e Master em Tecnologia
tração pela Universidade Ibirapuera e em Pedagogia pinas (2010) e mestrado em Educação (Currículo) e Matemáticas (UFPA); Especialista em Educação a Educacional pela mesma escola. Professora adjunta
pelo Centro Universitário Estácio Radial de São pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Distância: Tecnologias Educacionais (IFPR); Especia- da Fundação Armando Álvares Penteado. Mestranda
Paulo. Especialista em Mídias na Educação pela (2019). Tem experiência na área de Educação, com lista em Gestão e Docência em Educação a Distância de Educação: Currículo com foco na Docência de
Universidade Federal de Ouro Preto (MG). Espe- ênfase em Educação (UFSC); Especialista em Engenharia de Produção Engenharia Presencial e EaD complementadas pelos
cialista pela Universidade Anhembi Morumbi em (UFPE); Bacharel em Direito (UNIVERSO); Licenciada cursos da USP e da UFSCAR, também em andamento
Metodologia de Ensino na Educação Superior. Tutora Gabriel Militello Couto Doutorando e Mestre em Plena em Matemática (UFPA); Tecnóloga em Proces- e focado na mesma docência para EaD.
na Coordenação de Estágio e nos cursos de Extensão Educação: Currículo (PUC-SP) , bacharel em Sistema samento de Dados (UNAMA). Professora do Colégio
e graduação Senac EaD. de Informação pela Fundação Armando Álvares Dom Agostinho Ikas da Universidade Federal Rural Lina Maria Gonçalves Doutora em Educação:PUC
Penteado FAAP. Professor do Centro Universitário de Pernambuco (CODAI/UFRPE). SP. Mestre em TIDD - PUC SP. Graduada em Pedago-
Fernando José de Almeida Filósofo e pedago- UNIBTA. Docente dos cursos técnicos do Programa gia -Instituto Católico de Minas Gerais. Professora
228 go, é professor da PUC-SP desde 1976, iniciou sua Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Juliana Gonçalves Albuquerque Mestranda na Universidade Estadual de Minas Gerais. Pesqui- 229
carreira no Ciclo Básico e foi docente de Didática na (Pronatec) no Instituto Brasileiro de Tecnologia em Educação:Currículo - PUC/SP Pós Graduada sadora na linha de pesquisa Educação, currículo,
Faculdade de Educação. Foi Vice-Reitor Acadêmico Avançada - IBTA nos cursos de Programação de em Educação em Direitos Humanos pela UNIFESP; conhecimento e formação de educadores, na socie-
da PUC-SP - 1994-1997, em seguida professor do Jogos Digitais, Técnico em Informática, Redes de Pesquisadora convidada do GEPI - Grupo de Estudos dade digital. Professora Colaboradora no Mestrado
Programa de Pós-graduação - Educação: Currículo. Computadores e Informática para Internet. e Pesquisa em Interdisciplinaridade e INTERESP Profissional em Gestão de Políticas Públicas (GES-
Foi Secretário de Educação da Cidade de São Paulo e - Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Interdiscipli- POL), na linha de Pesquisa em Educação, Ciência,
Vice-Presidente da TV CULTURA.Mestrado e doutora- George Ricardo Stein Doutorando e Mestre em naridade e Espiritualidade na Educação - PUC São Tecnologia e Desenvolvimento Territorial.
do pela PUC-SP em Tecnologias na Educação, é pós- Educação - PUC-SP. Pesquisas em Diferenciação Pe- Paulo; e, Possui graduação em Direito pela Universi-
-doutor em Lyon, na França, convênio CNPQ/CNRS. dagógica e Educação Interdisciplinar. Engenheiro de dade São Francisco. Experiência na área de Direito, Luciana Gavazzi Barragan Doutoranda em
Produção pela Escola Politécnica - USP, pós-gradua- com ênfase em Direito Difusos e Coletivos, cultura de Educação, Mestre em Controladoria e Contabilidade
Flávio dos Santos Sapucaia Doutor e Mestre do em Marketing pela UC-Berkeley, e especialista em paz e mediação de conflitos. Estratégica pela FECAP; graduada em Administra-
em Educação: Currículo - PUC/SP. Especialização em Planejamento Integrado (CPIM - APICS). Professor ção de Empresas e Ciências Contábeis. Atuou como
Neuropsicopedagogia Institucional e Clínica - UNIP/ em cursos de MBA, Extensão e Graduação. Atua na Leandro Wendel Martins Estudante de Douto- gerente de contabilidade em empresa de consultoria
SP Especialização em Tecnologias Interativas Aplica- Educação Básica como Professor e Consultor em rado em Educação: Currículo (PUC-SP). Mestre em contábil. Consultora especialista em gestão de
das a Educação - PUC/SP. Licenciado em Matemática Diferenciação e Inovação para Aprendizagem, além Educação, Arte e História da Cultura pela Uni- riscos, controles internos e implantação de proces-
- Universidade de São Paulo. Professor Titular da de Facilitador em Inovação Social. versidade Presbiteriana Mackenzie, Especialista sos; membro independente de Comitê de Auditoria;
Universidade Paulista - UNIP nos cursos de Mate- em Gestão Escolar pela USP ESALQ , Especialista professora de curso de graduação na área contábil e
mática e Engenharia. Supervisor da Universidade em Tecnologias Educacionais pela Universidade coordenadora de cursos de pós-graduação.
Corporativa do Metrô - Unimetro. Pesquisador nas Federal de São Carlos e Pedagogo pela Universida-
áreas de Neurociência Aplicada a Educação e ao de do Grande ABC. Pesquisador em Gestão Escolar,
Ambiente Corporativo. Currículo, Tecnologias Educacionais e Educação a
Distância (EaD).
Lucila Lerro Rupp Graduada em Jornalismo pela Marcos Tarciso Masetto Licenciado em Filosofia Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Marisa Garbellini Sensato Graduada em
Faculdade Cásper Líbero, especialização em Jorna- e em Teologia, Mestre e Doutor em Psicologia Educa- Professora associada da Pontifícia Universidade Pedagogia e Licenciatura Plena em Letras. Especia-
lismo Social pela PUC-SP. Mestre e doutoranda em cional - PUCSP. Livre Docente em Didática (USP), Católica de São Paulo (PUC-SP), Livre docente em lista em Linguística: Gêneros Textuais Emergentes
Educação: Currículo - PUC SP. Pesquisa relações entre Especializado na Formação Pedagógica de Profes- Educação e Tecnologia (PUC-SP, 2019), Doutora da Internet e em Gênero e Diversidade na Escola.
a produção audiovisual e o currículo escolar. Tem sores do Ensino Superior. Professor Titular  da PUC e Mestre em Educação (Currículo) (PUC-SP, 2000, Mestrado Profissional em Educação - Formação de
experiência em reportagem e criação de roteiros de SP, onde mantem cursos de formação de professores 1996), graduação em Matemática pela Universidade Formadores. Experiência na área de Educação como
documentários, vídeos educacionais e de divulgação para o ensino superior em nível de Pós Graduação, Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1973). docente e gestora. Tutora presencial - Universidade
científica. Atuou no núcleo de educação da TV Cultu- orientação e supervisão de pesquisas nos Cursos de Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Aberta do Brasil - IFTM, coordenadora de polo de
ra, foi roteirista de objetos audiovisuais da editora Mestrado e Doutorado do Programa  de Pós Gradu- Educação: Currículo, da PUC-SP (2009-2013), atual apoio presencial da Universidade Aberta do Brasil.
FTD voltados ao Programa Nacional do Livro Didáti- ação Educação:Currículo da PUCSP, no qual também  vice coordenadora desse Programa. Pesquisadora Atuando como formadora de professores e assesso-
co, repórter do SP Pesquisa, série de programas da é  Pesquisador Responsável pelo Grupo de Pesquisa produtividade PQ 1C do CNPq. ra pedagógica independente.
TV Cultura, e do curso de pedagogia da Univesp-TV. FORPEC. Professor Livre Docente  e Associado Apo-
230 sentado da Faculdade de Educação da USP. Maria Helena Soares de Souza Licenciada em Mônica Gardelli Franco Graduada em Pedagogia 231
Lucila Mara Sbrana Sciotti Doutora e Mestre em Matemática pela Faculdade de Filosofia, Letras e -USP , mestrado e doutorado em Educação - PUC
Educação: Currículo (PUC-SP), com Especialização Maria da Graça Moreira da Silva Doutorado em Ciências Humanas da USP e Doutora em Educação SP. Atua na execução da política de produção e
em Gestão Educacional pela PUCCAMP e Comuni- Educação -Currículo pela PUC São Paulo. Docente Currículo pela Pontifícia Universidade Católica de distribuição de conteúdos via Portais educacionais e
cação Empresarial pela Escola Superior de Propa- do Departamento de Educação e do Programa de São Paulo . Tem experiência na área de Matemática, TVs Educativas,  TV Escola e TV INES. Pesquisadora
ganda e Marketing (ESPM). Trabalha no Senac São Pós-graduação em Educação: Currículo da PUC São com ênfase em Geometria, Jogos Pedagógicos em da PUCSP e Consultora para programas e políticas
Paulo desde 1993, tendo atuado como diretora da Paulo na linha de pesquisa Novas Tecnologias na Matemática, Álgebra e Estatística. Autora de coleções educacionais. Experiência na execução de projetos.
Faculdade Senac de Moda. É atualmente Superin- Educação. Consultora na implantação de projetos de livros didáticos da Matemática para o Ensino Fun-
tendente de Operações da instituição. É autora do educacionais em secretarias de educação, institui- damental e Ensino Médio e de livros paradidáticos de Nadia Dumara Ruiz Silveira Graduação em Pe-
livro Horizontes para a Liderança: para onde nos ções de ensino, ONGs e iniciativa privada. Expe- Matemática Financeira, Estatística e Laboratório. dagogia. Mestrado e Doutorado em Ciências Sociais
levam nossos modelos, crenças e ações. riência na gestão de projetos em larga escala em (PUC-SP e USP). Professora titular do Departamento
políticas públicas e formação de gestores escolares Marina Graziela Feldmann Pedagoga, Mestre e de Fundamentos, Políticas e Gestão da Educação
Marcela Gomes Pupatto Arte educadora brasileira e professores, gestão escolar e tecnologias.  Doutora pela PUC - São Paulo. Docente e pesquisa- da PUC-SP. Docente e pesquisadora no Programa
e atriz mestranda em Educação - PUC/SP, formada em dora no Programa de Pós-Graduação em Educação: Pós-Graduação em Educação: Currículo (PUC-SP).
Educação Artística - UNESP/SP, atriz pela Escola Livre Currículo, tendo atuado como Coordenadora no Diretora Geral do Centro de Educação (1997-2001) e
de Teatro de Santo André, humorista pela SP Escola período de 2015-2017 e 2017-2019. Presidente da Diretora Adjunta da Faculdade de Educação (2009-
de Teatro, intercambista no Programa de Mímica da Câmara de Educação Básica do Conselho Municipal 2017) da PUC-SP. Coordenadora do Curso de Pedago-
UNIARTS (Estocolmo/SE-2017) e pós graduada em Ges- de Educação de São Paulo (2016-2020).Líder do gia do Plano Nacional de Formação de Professores
tão Cultural: Cultura, Desenvolvimento e Mercado - SE- Grupo de Pesquisa CNPq: Formação de Professores e da Educação Básica-PARFOR-PUCSP (2011-2017 ).
NAC/SP. Como educadora, tem desenvolvido projetos Cotidiano Escolar. Atua nos temas: currículo, políti-
em Artes e Tecnologias no SESC SP, além de trabalhar cas de formação docente, formação de professores,
com mediação cultural em instituições culturais. diversidade curricular, escola brasileira e gestão.
Neide de Aquino Noffs Siderly Dahle de Almeida Doutora em Educação Vivian Vaz Batista Alves Doutoranda da PUC
Doutora em Educação pela USP, mestre em Edu- - PUC SP, Mestre em Educação - PUCPR. Especialista -São Paulo em Educação. Mestre em Educação pela
cação e Currículo pela PUCSP;  especialista em em Gestão da Informação pela Fundação de Estudos Universidade Cidade de São Paulo. Coordenadora
Psicopedagogia formada na Argentina; Psicodrama- Sociais do Paraná e em Educação a Distância de polo EAD da Universidade Cidade de São Paulo.
tista formada pela Rolling Playing; Profª Titular do pela Faculdade Educacional da Lapa. Graduada Experiência na área de Educação, com ênfase em
Departamento de Formação de Professores Gestão e em biblioteconomia pela Universidade Federal do Educação a Distancia . Especialização em Psico-
Tecnologias da PUCSP; Coordenadora do Núcleo de Paraná, em Pedagogia pela Universidade Castelo pedagogia Clinica e Educacional pela Uninove.
Apoio Pedagógico na Educação Inclusiva (Napei); Branco e em Filosofia pela UNINTER. Pesquisadora Especialização em Tecnologia do Ensino a Distancia
Professora permanente do Programa de Pós Gradua- da FAMPECT. Coordenadora e docente do Programa pela Unicid . Graduação em Letras Português Inglês
ção Stricto Sensu em Educação e Currículo; Diretora de Mestrado e Doutorado Profissional em Educação pela Unicid.MBA Internacional de Gestão Executiva
da Faculdade de Educação de 2010 a 2018. e Novas Tecnologias - Uninter. com enfâse em Gestão de Pessoas Devryl IBMEC.

232 Patricia Pereira Campos Mestranda em Educa- Tatiana Sansone Soster Doutora em Educação 233
ção: Currículo na PUC SP. Educadora, artista visual pela PUC-SP com estágio na Graduate School of Edu-
e artista urbana. Graduada em Educação Artística cation da Stanford University. Mestre em Adminis-
- Artes Plástica pela Universidade Estadual Paulista tração de Empresas com ênfase em Administração,
Júlio de Mesquita Filho. Pós-graduação Lato Sensu Análise e Tecnologia da Informação pela FGV-EAESP.
em Planejamento, Implementação e Gestão da Especialista em Gestão Empresarial (MBA) pela
Educação a Distância. Curso de extensão em Tutoria FGV-EBAPE. Bacharel em Informática-PUCRS. Organi-
em EaD pela Universidade Federal Fluminense. zadora do livro Inovação Acadêmica e Aprendizagem
Trabalha no SESC como Educador de Tecnologias e Ativa do Consórcio STHEM Brasil. Experiência profis-
Artes. Participou de diversas exposições coletivas e sional nas áreas de educação, tecnologia a gestão.
pinturas murais. 
Thais Almeida Costa Doutoranda em Educação/
Priscila Costa Santos Doutoranda em Educação Currículo pela PUC SP, mestre em Educação pela PUC
- PUC SP. Mestre em Psicologia do Desenvolvimen- de Minas Gerais, Especialista em Educação Infantil
to Humano e Saúde do Instituto de Psicologia da pela UNI BH e possui graduação em Psicologia pela
Universidade de Brasília. Especialista em Educação Universidade Federal da Bahia. Gestora da Escola
pelo SENAC. Graduada em Pedagogia pela Univer- Experimental em Salvador, Formadora do ICEP
sidade de Brasília. Desenvolve trabalhos nas áreas (Instituto Chapada de Educação e Pesquisa), Editora
de Educação a Distância, Formação de Professores, da Revista e-Curriculum (PUC-SP) e consultora. Atua
Integração das Tecnologias Digitais de Informação nos temas: educação, aprendizagem, formação de
e Comunicação aos contextos de aprendizagem, professores, currículo, convivência ética na escola.
Políticas Públicas e Avaliação Educacional.
234
créditos Comitê Editorial
Fernando José de Almeida (org.)
Programa de Pós-Graduação em Educação:
Currículo
235
Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida (org.) Coordenação: Alípio Márcio Dias Casali
Maria da Graça Moreira da Silva (org.) Vice-coordenação: Maria Elizabeth Bianconcini
Ana Valéria Barbosa da Silva de Almeida
Francielle Nogueira Gatti
Lucila Lerro Rupp Corpo Docente
Alípio Márcio Dias Casali
Artes Gráficas Ana Maria Aparecida Avella Saul
Filipe Rios Antonio Chizzotti
Branca Jurema Ponce
Comitê de Pareceristas Fernando José de Almeida
Flávio dos Santos Sapucaia Maria da Graça Moreira da Silva
Gerlaine Romão Fonseca Perrier Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida
Lina Maria Gonçalves Marcos Tarciso Masetto
Lucila Mara Sbrana Sciotti Marina Graziela Feldmann
Maria Helena Soares de Souza Mere Abramowicz
Mônica Gardelli Franco Nadia Dumara Ruiz Silveira
Siderly Dahle de Almeida Neide de Aquino Noffs
Tatiana Sansone Soster
Maria Aparecida da Silva Abi Rached (Assistente
de Coordenação)
236 237
9 786587 387154

Você também pode gostar