Você está na página 1de 39

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

FACULDADE DE CIÊNCIAS

DEPARTAMENTO DE FÍSICA

CURSO DE METEOROLOGIA

EXAME DE ESTADO

" Identificação de factores da distribuição desigual da


temperatura entre as Cidades de Xai-Xai e Maputo
(2001 - 2010) ”

Autor:
José António Vilanculos

Maputo, Agosto de 2018


" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Agradecimentos
Em primeiro lugar agradecer a Deus pela vida, pela oportunidade de poder alcançar um dos grandes
objectivos da minha, aos meus pais António Jonasse Vilanculos e Roda Lourino Parruque pelo
empenho, dedicação e apoio em todas as dificuldades desde o início do meu percurso estudantil.

Aos docentes do Departamento de Física, pela paciência na transmissão dos conhecimentos que
desperta o nosso inconsciente, em espacial o meu agradecimento vai para o dr. Marcelino Macome,
pelo apoio e pela atenção a me dispensada. Ao INAM vai o meu muito obrigado pelo fornecimento
dos dados utilizados para o alcance dos resultados deste trabalho.

Aos meus irmãos, Nelton, Rosa, Matilde, Francelina e Safira vai aquele grande abraço pelo apoio
incondicional prestado nos momentos que sempre precisei. Aos meus amigos Jonas, Abel, Lindres
vai o meu eterno agradecimento pela disponibilidade que sempre apresentaram para colocar a
conversa em dia mesmo diante de tantas dificuldades da vida.

Aos meus colegas, meus companheiros de batalha, Jerónimo, Elodia, José, Salomão, Jorge, Horácio,
que juntos compartilhamos as ideias no início do nosso curso de licenciatura em meteorologia, aos
colegas que com eles terminei as cadeiras, Mabasso, Hulda, Chavane, Herminia, Penina, Jordão,
Eronia e outros que não pude mencionar vai um grande abraço.

Por ultimo o meu especial agradecimento vai para uma mulher muito especial, que com ele
compartilhei todas dificuldade encarradas durante os anos do meu curso, e nela recebi o apoio e
consolo que sempre procurava, me refiro a mulher que com ela divido a minha vida e pretendo dividir
no tempo de vida que me resta essa é a Inocência Amélia Simango, a minha esposa. A todos vai o
meu muito obrigado.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado i
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Declaração de honra

Eu, José António Vilanculos, Declaro pela minha honra que toda a realização do presente trabalho
é resultado do meu empenho, dedicação e da minha inteira responsabilidade. As obras utilizadas para
a realização do mesmo, foram devidamente citadas.

Maputo, Outubro de 2017

___________________________________________

(José António Vilanculos)

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado ii
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Lista de acrónimos
INE – Instituto Nacional de Estatística

Km2 – Quilómetro quadrado

% - Percentagem

º C – Graus Celsus

-- Sem leitura

INAM – Instituto Nacional de Meteorologia

TMMMAP – Temperatura média mensal para cidade de Maputo

HRMMMAP – Humidade relativa média mensal para cidade de Maputo

TMMXAI – Temperatura média mensal para cidade de Xai-Xai

HRMMXAI – Humidade relativa média mensal para cidade de Xai-Xai

INSOLMMMAP – Insolação média mensal para cidade de Maputo

INSOLMMXAI – Insolação média mensal para cidade de Xai-Xai

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado iii
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Lista de ilustrações
Lista de figuras

Figura.2.1: Estrutura vertical média da atmosfera, de acordo com o critério térmico. (Almeida,
Hermes Alves de 2013). .................................................................................................................. 9

Figura.2.2: Termómetro de Máxima e Mínima. ............................................................................ 12

Figura 3.1: Localização da área de estudo (Cidade de Maputo e Xai-Xai) ..................................... 14

Figura 4.1: Variação mensal da temperatura do ar e humidade relativa para a cidade de Maputo no
período de (2001 – 2010) .............................................................................................................. 17

Figura.4.2: Variação mensal da temperatura do ar e humidade relativa para a cidade de Xai-Xai no


período (2001 – 2010) ................................................................................................................... 18

Figura.4.3: Variação da humidade relactiva média mensal das cidades de Maputo e Xai-Xai no
período de (2001-2010) ................................................................................................................. 19

Figura.4.4: Variação da insolação média mensal das cidades de Maputo e Xai-Xai no período de
(2001-2010) .................................................................................................................................. 20

Figura.4.5: Relação entre a variação da temperatura do ar e da insolação média na cidade de Maputo


(2001-2010) .................................................................................................................................. 21

Figura.4.6: Relação da variação da temperatura do ar e da insolação média mensal na cidade de Xai-


Xai (2001-2010)............................................................................................................................ 22

Figura.4.7: Variação da temperatura média mensal nas cidades de Maputo e Xai-Xai (2001 – 2010)
..................................................................................................................................................... 23

Figura.4.8 Variação da temperatura média anual nas cidades de Maputo e Xai – Xai (2001 – 2010)
..................................................................................................................................................... 24

lista de tabelas

Tabela 3.2: Parâmetro para análise da correlação linear. Fonte: (Crespo,2004) .............................. 15

Tabela 3.3 Localização das estações meteorológicas de Maputo observatório e Xai-Xai do Instituto
Nacional de Meteorologia. Fonte: INAM (2007). .......................................................................... 16

Lista de anexos

Anexo.1 Temperatura média mensal para cidade de Maputo 2001-2010 em (ºC) ........................... 29

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado iv
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Anexo.2 Temperatura média mensal para cidade de Xai-Xai para 2001-2010 em (ºC) ................... 29

Anexo.3 Humidade relativa média mensal para cidade de Maputo 2001-2010 em (%) .................. 29

Anexo.4 Humidade relativa mensal para cidade de Xai-Xai 2001 – 2010 em (%) .......................... 30

Anexo.5. Insolação total média mensal para cidade de Maputo 2001 – 2010 em (horas)................ 30

Anexo.6 Insolação total média mensal para cidade de Xai-Xai 2001 – 2010 em (horas) ................ 30

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado v
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Resumo
A temperatura do ar é variável no tempo e no espaço pode ser regulado por vários factores que são
controladores da temperatura: radiação, advecção de massas de ar, aquecimento diferencial da
superfície terrestre e da água, correntes marítimas altitude e posição geográfica (Varejão-Silva,2005).
Teoricamente, os valores máximos da temperatura estariam na latitude zero, decrescendo
progressivamente na razão inversa da latitude. Contudo, dois factores introduzem a modificação nessa
regra: distribuição de terras e água. O presente trabalho tem como objectivo principal identificar os
factores que influênciam na distribuição desigual da temperatura nas cidades de Maputo e Xai-Xai,
no período que vai de 2001 à 2010. Para o alcançar os resultados deste estudo foram usados dados
mensais de temperatura, insolação e humidade relativa fornecidos pelo Instituto Nacional de
Meteorologia, com ajuda do pacote estatístico Excel do Microsoft Office, calculou-se as médias
mensais e anuais. Com os dados mensais e anuais com ajuda do mesmo pacote construiu-se gráficos,
que numa fase preliminar comprovaram a distribuição desigual da temperatura entre as duas cidades
em estudo, apesar da sua localização estar numa latitude quase próxima uma da outra. Com a ajuda
da equação do coeficiente de correlação de Pearson (r), determinou-se a correlação entre os
parâmetros de temperatura, insolação e humidade relativa das duas cidades. Nas análises feitas
constatou-se que a cidade de Maputo no período em estudo sempre apresentou temperaturas elevadas
em realação a cidade de Xai-Xai. A fraca dependência entre a temperatura, humidade e insolação das
duas cidades é representada pelo coeficiente de correlação de Pearson. Com esses resultados pode-se
afirmar que a variação da temperatura esta ligada a vários factores, desde geográficos, antropogénicos
entre outros.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado vi
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Índice
Agradecimentos ............................................................................................................................... i

Declaração de honra ........................................................................................................................ ii

Lista de acrónimos ......................................................................................................................... iii

Lista de ilustrações......................................................................................................................... iv

Resumo .......................................................................................................................................... vi

1. Introdução .............................................................................................................................. 1

1.1. Motivação ............................................................................................................................ 2

1.2. Justificação........................................................................................................................... 3

1.3. Objectivos ............................................................................................................................ 4

1.3.1. Objectivo Geral................................................................................................................. 4

1.3.2. Objectivos específicos....................................................................................................... 4

2. Revisão bibliográfica.............................................................................................................. 5

2.1. Temperatura do ar ................................................................................................................ 5

2.1.1. Variação da temperatura do ar........................................................................................... 5

2.1.1.1. Variação diária .............................................................................................................. 6

2.1.1.2. Variação anual............................................................................................................... 6

2.1.1.3. Variação sazonal da temperatura ................................................................................... 7

2.1.1.4. Variação espacial da temperatura................................................................................... 7

2.1.1.5. Variação da temperatura na região sul de Moçambique ................................................. 7

2.1.2. Factores que influenciam na distribuição da temperatura................................................... 7

2.1.2.1. Latitude ......................................................................................................................... 8

2.1.2.2. Continentalidade ........................................................................................................... 8

2.1.2.3. Correntes marítimas ...................................................................................................... 8

2.1.2.4. Altitude ......................................................................................................................... 8

2.1.3. Interferência das cidades na variação da temperatura......................................................... 9

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado vii
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

2.1.4. Factores antropogénicos da distribuição da temperatura .................................................. 10

2.1.5. Medição da temperatura .................................................................................................. 11

3. Material e métodos............................................................................................................... 12

3.1. Caracterização da área de estudo ........................................................................................ 12

a) Cidade de Maputo .................................................................................................................. 12

b) Cidade de Xai-Xai ................................................................................................................. 13

3.2. Métodos ............................................................................................................................. 14

3.2.1. Média aritmética ............................................................................................................. 14

3.2.2. Coeficiente de correlação de Pearson .............................................................................. 14

3.2.3. Dados meteorológicos ..................................................................................................... 15

4. Resultados e discussão ......................................................................................................... 16

4.1. Relação da insolação e humidade relativa com a temperatura do ar, nas cidades em estudo
através do coeficiente de correlação de Pearson ............................................................................ 16

4.1.1. Relação entre a variação mensal da temperatura do ar e humidade relativa nas cidades de
Maputo e Xai-Xai ......................................................................................................................... 16

4.1.2. Relação entre a variação mensal da temperatura do ar com insolação nas cidades de
Maputo e Xai-Xai ......................................................................................................................... 20

4.2. Comparação da variação da temperatura média mensal e anual do ar nas cidades de Maputo e
Xai-Xai ......................................................................................................................................... 22

4.2.1. Comparação da variação mensal da temperatura do ar nas cidades de Maputo e Xai-Xai


(2001-2010) .................................................................................................................................. 23

4.2.2. Comparação da variação anual da temperatura do ar nas cidades de Maputo e Xai-Xai


(2001-2010) .................................................................................................................................. 24

5. Conclusões e Recomendações .............................................................................................. 25

5.1. Conclusões ......................................................................................................................... 25

5.2. Recomendações .................................................................................................................. 26

Referências bibliográficas........................................................................................................... 27

Anexos.......................................................................................................................................... 29
Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de
Estado viii
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

1. Introdução

A temperatura é um dos mais importantes elementos meteorológicos, pois traduz os estados


energéticos e dinâmicos da atmosfera e consequentemente revela a circulação atmosférica, sendo
capaz de facilitar ou bloquear os fenómenos atmosféricos (DANTAS et al, 2000). Além da variação
diária, a temperatura varia também ao longo do ano, conforme a disposição da terra e da radiação
solar. Os valores máximos e mínimos da temperatura estão associados em grande medida à,
disponibilidade da radiação solar, à parâmetros geográficos como topografia, altitude e latitude do
local, além da cobertura e tipo de solo (OMETTO, 1981).

As regiões urbanas tem experimentado um razoável aumento da temperatura do ar ao longo dos anos.
Comparando uma zona rural e urbana, conclui-se que a cidade modifica o clima através das alterações
da superfície (Lombardo, 1996). O clima assume um papel fundamental na composição do espaço
urbano, constituindo-se em um dos factores mais relevantes para a qualidade ambiental do espaço
construído (Bezerra, 2009).

A cidade de Maputo localiza-se na região sul de Moçambique a oeste da baia de Maputo. Está situada
a uma altitude de 47metros. Os limites se encontram entre as latitudes 25º 49’ 09’’S (extremo norte)
e 26º 05’ 23’’S (extremo sul) e as longitudes 33º 00’ 00’’E (extremo leste) e 32’ 26’ 15’’E (extremo
oeste), ocupando uma superfície de 346,77Km2 (Brusci, 2000). A cidade de Maputo possui uma
população estimada em 1.094.315 habitantes (INE, Censo 2007).

O clima da cidade de Maputo é o tropical seco, o período com as temperaturas elevadas do ano
compreende os meses de Novembro a Abril e com temperaturas baixas, de Maio a Outubro. O período
de Maior precipitação ocorre nos meses mais quentes, entre Novembro e Março.
A humidade relativa média é de 66,6%, o mês com Maior humidade relativa é Março com 71,0%, e
o mês como menor humidade é Junho com 63,5%, ainda pode-se observar uma variação da humidade
relativa ao longo do ano.
A cidade de Xai-Xai que representa a capital da província de Gaza, localiza-se a sul da província, na
latitude 20º03’S e longitude 33º38’E, a uma altitude média de 4metros e ocupa uma superfície de
1.908 Km2. Segundo a classificação climática de Koppen Xai-Xai é uma região caracterizada por
um clima tropical húmido, que é influenciado pelos anti-ciclones do Indico e do Atlântico pela célula
continental de alta pressão (época fresca) e pela depressão continental de origem térmica (época
quente). Ainda pela sua localização geográfica a cidade de Xai-Xai encontra-se na zona de influências
frontais e depressionárias que transporta massas de ar polares marítimas, que podem originar
Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de
Estado 1
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

aguaceiros na época fresca e aguaceiros e trovoadas na época quente, com uma temperatura media
anual de 23.3ºC. A cidade possui uma população estimada em 188.720 Habitantes (INE, Censo 2007).
A Maior parte da população depende da agricultura de sequeiro, pecuária e pesca em pequena escala.
A variação da temperatura do ar, ao longo do ano, em um determinado local, ocorre devido ao
movimento de translação da terra, processo esse que se repete, de uma forma cíclica ou periódica, de
um ano para outro. Essa marcha anual da temperatura do ar responde claramente a intensidade da
radiação solar que chega à superfície do solo, com valores consideravelmente superiores nos meses
de verão e inferiores nos meses de inverno (Varejão Silva, 2006). A variação da temperatura do ar
entre os locais depende também de outros factores tais como: altitude, latitude, longitude e a distância
entre os oceanos em relação aos continentes (Perreira et al.,2002).

A cidade é um grande modificador do clima. As actividades antrópicas, o grande número de veículos,


indústrias, prédios, o asfalto das ruas e a diminuição das áreas verdes criam mudanças muito
profundas na atmosfera local. A camada mais próxima do solo tende a ser mais aquecida nas cidades
do que nas áreas rurais, devido a diferentes propriedades térmicas dos materiais empregados nas áreas
urbanas. Neste ponto a elevação da temperatura é também mais rápida, em função da pequena inercia
térmica proporcionada pelo calor latente das áreas com Maior humidade (Silingovschi Júnior, 2006).

A cidade possui formas complexas de prédios e ruas, que alteram a quantidade de calor absorvido no
local, assim como a direcção e velocidade dos ventos

As cidades de Maputo e Xai-Xai, são zonas urbanas, a localização geográfica de cada uma das duas
cidades em relação ao mar é um dos factores relevantes na variação da temperatura. A altitude e a
localização geográfica das duas cidades pressupõe que a cidade de Xai-Xai, deveria registar altas
temperaturas quando comparado com a cidade de Maputo.

A temperatura do ar é influenciada por diversos factores. No momento em que a superfície recebe a


radiação solar, ocorre uma interação em que parte da radiação é absorvida. Nas cidades, diversos
fatores influenciam a absorção da radiação, como o tipo de superfície, localização, entre outros.
1.1.Motivação

A temperatura é um dos elementos climáticos de grande importância no nosso dia, pois tem efeitos
significativos, na vida das plantas e animais. Portanto conhecer os factores responsáveis pela sua
variação espacial é de vital importância pois ajuda na escolha de locais para a prática de algumas na
qual as variações na temperatura do ar devem ser devidamente controladas.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 2
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

1.2.Justificação

A temperatura do ar é, dentre os elementos climáticos, aquele que promove maiores efeitos directos
e significativos sobre muitos processos fisiológicos que ocorrem em plantas e animais. Portanto, seu
conhecimento se torna fundamental em estudos de planificação agrícola e em análises de adaptação
de culturas a determinadas regiões com características distintas.

A escolha do tema surge na necessidade de esclarecer a diferença existente na distribuição da


temperatura entre as cidades de Maputo e Xai-Xai. Com crescente aumento dos problemas
ambientais, associados aos fenómenos naturais e antropogénicas, contribuindo deste modo com o
aumento da variação da temperatura do ar nos diferentes pontos de Moçambique, afectando todas
actividades que estão intimamente ligado a distribuição da temperatura. Para o sucesso da execução
dessas actividades está ligado ao conhecimento sobre o comportamento da temperatura de um certo
local, para melhor planificar as actividades em causa e prevenir perdas possíveis.

Assim, conhecendo-se a inter-dependência da temperatura do ar e os factores que influênciam na sua


variação, pode contribuir para melhor intervenção meteorológica na planificação das actividades
agrícolas e sectores que mostram maior vulnerabilidade em Moçambique.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 3
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

1.3.Objectivos
O presente trabalho compreende um objetivo geral e três específicos
1.3.1. Objectivo Geral

Contribuir para uma melhor compreensão na explicação das diferenças existente nas temperaturas
nas duas cidades, e na interpretação do tempo característico entre as cidades de Maputo e Xai-Xai
com influência da temperatura.

1.3.2. Objectivos específicos


a) Determinar os valores mensais da insolação, humidade relativa e da temperatura do ar;
b) Comparar a variação média mensal e anual da temperatura do ar nas cidades de Maputo e Xai-
Xai;
c) Relacionar a insolação, humidade relativa e temperatura do ar, das duas cidades em estudo
através do coeficiente de correlação de Pearson;

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 4
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

2. Revisão bibliográfica
2.1.Temperatura do ar

A temperatura pode ser definida em termos do movimento das partículas de modo que, quanto mais
rápido o deslocamento mais alta será a temperatura (Ayoade, 1996). A temperatura é a medida da
energia de movimento das moléculas.

A temperatura do ar é variável no tempo e no espaço. Pode ser regulado por vários factores, tais como
a radiação, massa de ar, aquecimento diferencial da superfície terrestre e da água, correntes oceânicas,
altitude e posição geográfica (Varejão-Silva, 2006). Ela não somente dita como pode vestir, mas a
obtenção e aplicação cuidadosa dos dados da temperatura é de extrema importância. Isto porque sem
informações fiáveis desse parâmetro, o trabalho dos previsores de tempo, os agricultores, os
trabalhadores da construção civil entre outros sectores que este parâmetro é de grande valor, seria
muito mais difícil.

2.1.1. Variação da temperatura do ar

A maior variação da temperatura diária da temperatura ocorre na superfície da terra onde diariamente
a temperatura varia de um lugar para o outro. De facto, a diferença entre as temperaturas máxima e
mínima diária chamada amplitude térmica, é maior perto do solo e se torna progressivamente menor
a medida que se sobe. Essa variação também é maior nos dias claros do que nos dias nublados
(Belassianos, 1998). As Maiores amplitudes térmicas diárias ocorrem nos desertos, onde o ar é
bastante seco, normalmente sem nuvens e onde tem pouco vapor de água para reirradiar a energia de
volta para a superfície. De dia o céu claro permite que a energia solar aqueça rapidamente a superfície,
que por sua vez aquece o ar em contacto até temperaturas por vezes superiores à 35ºC. À noite, o solo
resfria rapidamente irradiando a energia infravermelha para o espaço, e a temperatura nestas regiões
caem ocasionalmente abaixo de 5ºC, implicando uma amplitude térmica diária de 30ºC (Belassianos,
1998).

Em regiões húmidas, a amplitude térmica diurna é geralmente pequena, aqui as nuvens diminuem a
temperatura máxima ao impedirem parte da radiação solar de chegar a superfície. A noite, o ar húmido
mantém a temperatura máxima alta, absorvendo a radiação emitida pela superfície e reirradiando
parte dela para a mesma.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 5
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

As cidades próximas das grandes massas de água, tem menor amplitude térmica diurna do que as
cidades mais continentais. Isto é causado em parte pelo vapor de água adicional no ar e pelo facto da
água se aquecer e se resfriar bem devagar que a terra.

2.1.1.1.Variação diária

A variação diária da temperatura do ar próximo à superfície é controlada principalmente pela entrada


de energia proveniente do Sol e pela saída de energia emitida pela Terra no infravermelho
(Belassianos, 1998). A temperatura do ar a superfície apresenta um ciclo diário passando por um
máximo (temperatura máxima do dia) e por um mínimo (temperatura mínima do dia). Em situações
normais, o valor máximo ocorre cerca de duas horas depois do sol se pôr, o mínimo acontece pouco
antes do nascer do sol (Varejão-Silva, 2006).

Ao longo da noite, a ausência da radiação solar juntamente com a libertação da energia calorifica da
terra para o espaço, a temperatura vai baixando gradualmente. No entanto, quando há presença de
nuvens e uma quantidade de humidade relativa elevada, durante os períodos da noite, existe uma
manutenção das temperaturas, não se perdendo toda energia acumulada durante o período do diurno.

A comparação das curvas que exprimem a variação diária da temperatura do ar revela que, nas regiões
tropicais, a amplitude térmica diária é, em geral, muito maior que a observada em latitudes não
tropicais (Varejão-Silva, 2006).

2.1.1.2.Variação anual

Para verificar a variação anual das temperaturas máximas e mínimas, deve-se obter inicialmente as
médias mensais. As curvas que representam a variação do mês a mês dessas temperaturas revelam a
sua correlação com energia recebida do sol. Nota-se que o valor anual mais baixo das médias das
temperaturas (máximas e mínimas) ocorre um ou dois meses após o mínimo de energia solar ter
acontecido, facto semelhante se verifica para as médias mais elevadas (Varejão-Silva, 2006).

O ciclo anual de temperatura é largamente controlado pelo ciclo anual da radiação solar (Mc Kinnon
et al., 2013), e reflecte claramente a variação da radiação solar incidente ao longo do ano. Por isso,
na faixa entre os trópicos de Câncer e Capricórnio, as temperaturas médias variam pouco durante o
ano, enquanto em latitudes médias e altas, observam-se grandes contrastes de temperatura entre
inverno e verão.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 6
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Os raios solares não incidem da mesma forma na superfície terrestre, devido a inclinação do eixo da
terra em relação a sua orbita.

Entre os trópicos de câncer e capricórnio, a inclinação dos raios solares é menor do que nas regiões
polares. Por isso entre os trópicos a energia dos raios solares é distribuída por uma superfície menor
do que nas regiões polares.

2.1.1.3.Variação sazonal da temperatura

As variações sazonais da temperatura resultam principalmente das variações sazonais no volume da


insolação recebida em qualquer lugar sobre o globo. As temperaturas são mais elevadas no verão
quando os volumes da insolação são Maiores, e mais baixos no inverno, quando as recepções da
insolação são baixas. As variações sazonais da temperatura do ar são maiores nas áreas extratropicais
particularmente no interior dos continentes, enquanto são mais baixas em torno da faixa equatorial
principalmente nas superfícies hídricas (Ayoade, 1996). Portanto, pode-se dizer que as variações
sazonais da temperatura aumentam com a latitude e com o grau de continentalidade.

2.1.1.4.Variação espacial da temperatura

A temperatura do ar varia de lugar e com o decorrer do tempo em uma determinada localidade. A


distribuição da temperatura numa determinada área é normalmente mostrada por meio de linhas
isotérmicas, enquanto a variação na escala temporal é mostrada em gráficos (Ayoade, 1996). Vários
factores influenciam a distribuição da temperatura sobre a superfície da terra ou parte dela. Eles
incluem a quantidade da insolação recebida, a natureza da superfície, a distância a partir dos corpos
hídricos, o relevo, a natureza dos ventos predominantes e das correntes oceânicas.

2.1.1.5.Variação da temperatura na região sul de Moçambique

A zona sul de Moçambique caracteriza-se por ter temperaturas médias mensais geralmente superiores
a 26ºC. Os valores da temperatura média mensal do mês mais quente variam de 22ºC a 29ºC (Lobo,
1999). No litoral as temperaturas aumentam geralmente para o norte (Alberto et al, 2007).

2.1.2. Factores que influenciam na distribuição da temperatura

Os factores que influem no balanço local da radiação solar e consequentemente na temperatura do ar


local incluem a latitude, hora do dia do ano, que determinam a altura do sol a intensidade e a duração
da radiação solar incidente; a cobertura das nuvens pois ela afeta o fluxo tanto da radiação solar assim

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 7
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

como da radiação terrestre e a natureza da superfície. Em consequência destes factores a temperatura


do ar usualmente é maior nos trópicos e menor nas latitudes médias, maior em Janeiro que em Julho
(hemisfério Sul).

2.1.2.1.Latitude

É um dos grandes factores na determinação da temperatura e da radiação solar que alcança a superfície
da terra. Daí a latitude é considerado um importante controlador da temperatura, quando mais se
afasta do equador menor é a temperatura. A terra é iluminada pelos raios solares com diferentes
inclinações, quando longe do equador a incidência dos raios é menor.

2.1.2.2.Continentalidade

A continentalidade resulta da distância relativa de um determinado ponto na terra em relação aos


grandes corpos hídricos representados pelos mares e oceanos, podendo ser acentuada por barreiras
orográficas que isolem mais as terras interiores das correntes aéreas de origem marinha (Fritzsons et
al., 2008). As grandes superfícies de água, e notoriamente o oceano, têm a capacidade de se aquecer
e se resfriar mais lentamente que a superfície do solo, pois o calor específico da água é
aproximadamente o dobro do calor específico do solo, e por que este tem uma menor capacidade de
transportar calor. Desta forma, à medida que se caminha do litoral para o interior do continente, as
amplitudes térmicas anuais aumentam, sendo os verões mais quentes, e os invernos mais frios (de
Carvalho et al., 2000).

A proximidade ou afastamento do mar (continentalidade) exerce uma grande influência nos padrões
de distribuição da temperatura. As regiões costeiras têm temperaturas mais amenas devido ao efeito
termo-regulador da água.
2.1.2.3.Correntes marítimas

Ao longo da margem de continentes, as correntes oceânicas geralmente influenciam as temperaturas


do ar (Ahrens, 2009). Os ventos predominantes e as correntes marítimas também interferem na
temperatura do ar, pois transportam ou transmitem, por advecção, ar mais aquecido ou mais frio de
uma área para outra, dependendo das características dos gradientes de pressão envolvidos (Fritzsons
et al., 2008).

2.1.2.4.Altitude

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 8
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

A relação da altitude com a temperatura é especialmente importante para as regiões tropicais e


subtropicais onde uma diferença altitudinal de algumas centenas de metros provoca mudanças
sensíveis no ambiente e adaptação dos seres vivos (Fritzsons et al., 2008). Por que a temperatura do
ar normalmente decresce com a altitude, os locais com maior elevação são mais frios do que os que
estão próximo ao nível médio do mar (Ahrens, 2009).

A este decrescimento denomina-se gradiente vertical da temperatura. O facto da temperatura em


lugares com maior altitude ser maior que a calculada através da taxa de variação vertical resulta da
absorção e reirradiação da radiação solar pelo solo. Além de influenciar sobre a temperatura média a
altitude também influi sobre a amplitude do ciclo diurno
(http://fisica.ufpr.br/grimm/aposmeteo/cap3/cap3-5.html). Como a densidade do ar também diminui
com a altitude, o ar absorve porção menor da radiação solar incidente, consequentemente, com o
aumento da altitude a intensidade da radiação cresce resultando, num rápido intenso aquecimento
durante o dia. À noite também o resfriamento é rápido. A figura 3 mostra a variação da temperatura
com a altitude.

Figura.2.1: Estrutura vertical média da atmosfera, de acordo com o critério térmico. (Almeida,
Hermes Alves de 2013).

2.1.3. Interferência das cidades na variação da temperatura


Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de
Estado 9
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

As actividades antrópicas, o grande número de veículos, indústrias, prédio, asfalto das ruas e a
diminuição das áreas verdes criam mudanças profundas na atmosfera local. A camada de ar próxima
ao solo tende a ser mais aquecida nas cidades do que nas zonas rurais, devido às diferentes
propriedades térmicas dos materiais em uso nas zonas urbanas (Silngovschi Junior, 2006). Neste
ponto a elevação da temperatura é também mais rápida em função da pequena inercia térmica
proporcionada pelo calor latente das áreas com maior humidade. Onde existe falta de cobertura há
um alto índice de impermeabilização do solo, as aguas das chuvas não se infiltram no solo e o teor de
humidade é menor.

O regime das chuvas na zona urbana é aumentado em consequência das partículas lançadas na
atmosfera pelos carros e industrias que geram o aumento de núcleos higroscópicos, um componente
essencial e facilitador na formação da nebulosidade. A nebulosidade gerada nas cidades é do tipo
convectivo, devido a interferência do ambiente urbano no gradiente térmico vertical da atmosfera
local.

A cidade possui formas complexas com seus prédios e ruas, alteram a quantidade de calor absorvido
no local, assim como a direcção e a velocidade dos ventos por alteração das áreas de pressões
atmosféricas (Silngovschi Junior, 2006).

2.1.4. Factores antropogénicos da distribuição da temperatura

A modificação local do clima é particularmente importante nas cidades, pois ocorre variações nos
fluxos naturais da energia através das construções e as actividades humanas neste espaço. Em
princípio ruas, edifícios e instalações indústrias modificam a topografia local além de aumentar a
rugosidade aerodinâmica da superfície. Por outro lado, o solo natural é modificado, sendo trocado
por material de construção, tal como asfalto, de propriedades físicas, condutividade térmica e
capacidade calorifica maiores que os solos das áreas circundantes. Esta modificação acarreta maior
armazenamento do calor durante o dia que será libertado lentamente, à noite.

As variáveis urbanísticas de uso e ocupação do solo determinam os microclimas dos espaços urbanos
a eles que estão associados. Estas intervenções, que modificam substancialmente o clima das cidades
são resultados das condições particulares do meio urbano, seja pela rugosidade, ocupação do solo,
verticalização das edificações, orientações, permeabilidade e propriedades dos materiais constituintes
e redução das áreas verdes entre outros factores, causando alterações nos atributos climáticos locais
(OKE et. al, 1996). Estas alterações vão se fazer sentir nas temperaturas e humidade relativa.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 10
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

A formação de ilhas de calor ocorre devido as massas de edificações, aos materiais das construções e
vias publicas que absorvem grandes quantidades de radiação solar, a redução da velocidade de vento
pelos prédios, a poluição que reduz a perda da radiação de onda longa, pelas superfícies para o céu
causando um aquecimento atmosférico.

2.1.5. Medição da temperatura

A temperatura é um dos mais importantes elementos meteorológicos, pois traduz os estados


energéticos e dinâmicos da atmosfera. Portanto é de vital importância as medições da temperatura do
ar, em qualquer instante, principalmente naqueles horários recomendados pela Organização
Meteorológica Mundial, incluindo neste caso as temperaturas mínima e máxima do ar, ocorridos no
período de 24horas, e na impossibilidade destas últimas medidas deve-se recorrer as estimativas.

A altura padronizada para coleta dos dados da temperatura do ar são em alturas entre 1.25 e 2 metros
devido a serem estas alturas onde existe menor interferência obstáculos próximos ao solo (GEIGER,
1990). Mesmo em distâncias pequenas os valores da temperatura podem sofrer grandes variações que
estão relacionadas as condições existentes próximo aos locais de monitoramento.

Portanto o carácter sensitivo não pode, para fins científicos ser utilizado como um termómetro pois é
um instrumento diferencial, pois só consegue distinguir entre mais frio e mais quente em relação a
sua própria temperatura (Anacleto,2007). Além disso tem um carácter relativo que depende da pessoa,
da condição fisiológica em que se encontrava anteriormente e da natureza do objecto que é tocada.

Surge, portanto, a necessidade de se estabelecer um instrumento normalizado de medição da


temperatura que seja independente do operador o termómetro. A medição da temperatura antecede
o conhecimento científico da temperatura.

O termómetro de máxima, que contém usualmente mercúrio, tem afinamento do tubo, logo acima do
bulbo. Quando a temperatura sobe, o mercúrio se expande, quando a temperatura diminui o filete do
fluido não retorna através do afinamento, sendo ali interrompido. Fica assim registada a temperatura
máxima. Para recompor o termómetro é necessário sacudi-lo para que o líquido volte para o bulbo.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 11
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

No termómetro de mínimo há um pequeno índice de metal junto ao topo da coluna do fluido


(normalmente o álcool). Quando a temperatura do ar diminui, a coluna do líquido diminui, e o índice
é puxado em direção ao bulbo, quando a temperatura sobe novamente, o fluido sobe e o índice
permanece no nível da mínima temperatura atingida. Para recompor o instrumento é necessário
inclinar o termómetro com o bulbo para cima. Como o índice é livre para mover-se, ele cairá junto
ao bulbo se o termómetro não for montado horizontalmente.

Figura.2.2: Termómetro de Máxima e Mínima.


Fonte: http://fisicanozuleika.blogspot.com/2012/03/termometro-de-maxima-e-minima.html
3. Material e métodos
3.1.Caracterização da área de estudo
O presente estudo foi realizado numa área situada na região sul de Moçambique, no caso concreto
na cidade de Maputo e Xai-Xai. Moçambique apresenta clima tropical quente, com duas estações
principais, a estação quente e húmida de Outubro a Março, e a estacão seca e fria, de Abril a Setembro.
O hemisfério sul de Moçambique é a região mais seca enquanto outras regiões apresentam
precipitação de pelo menos 800 mm por ano (ARTHUR, et al., 2011).

A região sul de Moçambique localiza-se entre as latitudes 21º 05' S e 26º 52' S e longitudes 31º 20' E
e 35º 20' E (INAM, 2007). Estende-se por 5º de latitude e é atravessada pelo trópico de Capricórnio,
nas proximidades do paralelo 23º S, facto que é de vital importância visto que trata-se de uma região
do globo de grande importância para estudos climático.

a) Cidade de Maputo

A cidade de Maputo está localizada no sul de Moçambique, a oeste da Baía de Maputo. Os limites do
se encontram entre as latitudes 25º49'09”S (extremo norte) e 26º05'23”S (extremo sul) e as longitudes
33°00'00”E (extremo leste considerada a ilha de Inhaca) e 32°26'15”E (extremo oeste), a uma altitude
de 47metros. A cidade de Maputo possui área de 346,77km² e faz fronteira com o distrito de
Marracuene, a norte; o município da Matola, a noroeste e oeste; o distrito de Boane, a oeste, e o

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 12
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

distrito de Matutuíne, a o sul, todos pertencentes à província de Maputo. A cidade de Maputo está
situada a 120 km da fronteira com a África do Sul e 80 km da fronteira com a Suazilândia. Devido a
sua localização em relação a costa, desempenha um grande papel na distribuição da temperatura, visto
que a temperatura junto a costa varia menos em relação as regiões localizado no interior do continente.
O Clima de Maputo é o tropical seco. Os ventos predominantes são do este com uma velocidade de
8,3 km/h para o período em estudo para esta cidade.
Devido a sua maior densidade populacional, grandes infraestruturas construídas e a Maior
concentração de indústrias, pode-se considerar como sendo um dos principais factores na distribuição
da temperatura, visto que quando comprado com a cidade de Xai-Xai. A cidade de Maputo apresenta
temperaturas maiores, o que contraria o efeito da sua localização geográfica em relação a cidade de
Xai-Xai.
b) Cidade de Xai-Xai
A cidade de Xai-Xai que representa a capital da província de Gaza, localiza-se a sul da província,
latitude 20º03’S e longitude 33º38’E, a uma altitude média de 9metros. Segundo a classificação
climática de Koppen, pode-se classificar Xai-Xai como região caracterizada por um clima do tipo
sub-humido megatérmico, com uma temperatura media anual de 23.3ºC. A maior parte da população
depende da agricultura de sequeiro, por isso o conhecimento da variabilidade da temperatura e dos
factores que nela influenciam podem ajudar a avaliar o nível de evapotranspiração para poder
controlar a quantidade de água disponível para as culturas. Para o período em estudo o vento
predominante para a cidade de Xai-Xai é vento sul com uma velocidade média de 9.7 km/h segundo
os dados fornecidos pelo INAM.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 13
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Figura 3.1: Localização da área de estudo (Cidade de Maputo e Xai-Xai)

Fonte: Adaptado pelo autor

3.2.Métodos
3.2.1. Média aritmética

Na realização do presente trabalho, foram convertidos dados dos parâmetros em estudo em médias
mensais e anuais, com recurso a equação da média aritmética (1), obtendo-se deste modo os dados
médios mensais e anuais.

1
= (1)

Sendo:

o valor médio; n o número elementos da amostra; é o valor do elemento da amostra; e i é o


índice.

3.2.2. Coeficiente de correlação de Pearson

Para analisar o índice de correlação existente entre os dados entre os dados da temperatura, humidade
relativa, insolação solar e insolação solar, foi usado o coeficiente de correlação linear de Pearson.
Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de
Estado 14
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Definida como uma medida de associação linear entre duas variáveis (Figueiredo Filho e Silva Júnior,
2009), representado pela equação (2).

1 − ̅ −
= ∑( )( ) (2)
−1

Sendo:

r = Coeficiente de correlação
n = Tamanho da amostra
Xi e Yi = São as observações simultâneas das variáveis
X e Y = Médias aritméticas de cada uma das variáveis
Sx e Sy = Desvio padrão das amostras

O coeficiente existente entre as variáveis analisadas é denominada por (r) e indica o nível de
correlação que existe, sendo definido por (Crespo, 2004) como:

Tabela 3.2: Parâmetro para análise da correlação linear. Fonte: (Crespo,2004)

Coeficiente de correlação Correlação


r=1 Perfeita positiva
0,8 <r< 1 Forte Positiva
0,5 <r< 0,8 Moderada Positiva
0,1 <r< 0,5 Fraca Positiva
0 <r< 0,1 Ínfima Positiva
0 Nula
-0,1 <r < 0 Ínfima Negativa
-0,5 <r ≤-0,1 Fraca Negativa
-0,8 <r ≤ -0,5 Moderada Negativa
-1 <r < ≤ -0,8 Forte Negativa
r = -1 Perfeita Negativa
3.2.3. Dados meteorológicos

Para realização do estudo são necessários dados confiáveis e homogéneos. No presente estudo foram
utilizados dados mensais da temperatura (ºC), insolação solar (horas), radiação solar (cal/cm2)
humidade relativa (%) e velocidade do vento (Km/h) registados nas estações meteorológicas de

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 15
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Maputo observatório, Xai-Xai localizadas na região sul de Moçambique na província de Maputo e


Gaza respetivamente.

A tabela apresenta as duas estações na qual foram obtidos os dados e os detalhes de Latitude (º),
Longitude (º) e a Altitude (m), assim como a respetiva província.

Tabela 3.3 Localização das estações meteorológicas de Maputo observatório e Xai-Xai do


Instituto Nacional de Meteorologia. Fonte: INAM (2007).

Nº Estação Latitude (º) Longitude (º) Altitude (m) Província


01 Maputo Observatório -25 58' 32º 36' 60,0 Maputo
02 Xai-Xai -20º 03' 33º 38' 4,0 Gaza
4. Resultados e discussão

Neste capítulo faz-se a apresentação dos resultados obtidos e sua discussão. Em primeiro lugar
apresenta-se os resultados da relação entre os dados mensais da temperatura média com a humidade,
insolação solar e radiação solar para a cidade que estão disponíveis. Em segunda faz-se a comparação
entre os dados mensais e anuais da temperatura do ar entre as cidades de Maputo e Xai-Xai.

4.1.Relação da insolação e humidade relativa com a temperatura do ar, nas cidades em


estudo através do coeficiente de correlação de Pearson
4.1.1. Relação entre a variação mensal da temperatura do ar e humidade relativa nas
cidades de Maputo e Xai-Xai

As figuras 4.1 e 4.2 apresentam a variação mensal da temperatura do ar da e humidade relativa para
as cidades de Maputo e Xai-Xai respectivamente, no período que vai de Janeiro de 2001 até Dezembro
de 2010.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 16
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Variação média mensal da temperatura e humidade relativa para


cidade de Maputo no periodo de 201-2010
30.0 82

Temperatura em (º C)

Humidade relactiva em (%)


81
25.0 80
79
20.0 78
77
15.0
76
10.0 75
74
5.0 73
72
0.0 71

Tempo

TMMMAP HRMMMAP

Figura 4.1: Variação mensal da temperatura do ar e humidade relativa para a cidade de Maputo no
período de (2001 – 2010)

Com base na figura 4.1, pode-se afirmar que existe uma tendência de proporcionalidade entre a
temperatura e a humidade relativa, visto que os meses do verão que geralmente coincidem com a
estação quente e húmida, apresentam Maiores temperaturas do ar e consequentemente Maior
humidade relativa, sendo assim os meses do inverno por se tratar de uma estação seca e fria
apresentam baixas temperaturas e menor humidade relativa.

A cidade de Maputo apresenta as temperaturas altas no período que vai de Agosto à Fevereiro,
começam a decrescer a partir de Março à Julho onde volta a subir novamente, observando-se quase o
mesmo comportamento em relação a humidade relativa.

A cidade de Maputo durante o período em estudo apresentou uma temperatura máxima de 27.3ºC no
mês de Fevereiro e mínima de 19.5ºC no mês de Julho. No que diz respeito a humidade relativa a
máxima para o mesmo período foi registada no mês de Janeiro e foi de 80.7%, que coincide com
época chuvoso facto que pode justificar a presença de Maior percentagem da humidade relactiva e a
mínima foi no mês de Agosto e foi de 74.5%, que coincide com fim da estação fria e seca, um mês
caracterizado por ventos fortes.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 17
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Variação da temperatura e humidade relactiva média mensal na


cidade de Xai-Xai

Humidade relactiva em (%)


30.0 84
Temperatura em (ᵒC)
82
25.0
80
20.0 78
76
15.0
74
10.0 72
70
5.0
68
0.0 66

Tempo

TMMXAI HRMMXAI

Figura.4.2: Variação mensal da temperatura do ar e humidade relativa para a cidade de Xai-Xai no


período (2001 – 2010)

Com base na figura 4.2, nota-se que a cidade de Xai-Xai durante o período em estudo apresentou um
comportamento atípico da humidade qual diverge com o registado na cidade de Maputo, visto que
para esta cidade as mínimas da humidade estão associadas as máximas da temperatura e as máximas
da humidade relativa as mínimas da temperatura.

A temperatura da cidade de Xai-Xai, converge com a da cidade de Maputo, apresentando valores com
uma ligeira diferença em relação aos números, mas apresentando mesmo comportamento do gráfico.
Dentro do período em estudo a temperatura e humidade relativa máxima foram de 27.6ºC e
80.28571%, nos meses de Dezembro e Junho respectivamente, as mínimas de temperatura e
humidade foram de 19.3ºC e 71.5%,nos meses de Julho e Setembro respectivamente.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 18
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Variação da humidade relactiva mensal das cidades de


humidade relactiva em (%)
84.0
Maputo e Xai-Xai
82.0
80.0
78.0
76.0
74.0
72.0
70.0
68.0
66.0

Tempo
HRMMMAP HRMMXAI

Figura.4.3: Variação da humidade relactiva média mensal das cidades de Maputo e Xai-Xai no
período de (2001-2010)

Com base na figura 4.3, nota-se que a variação da humidade da cidade de Xai-Xai, diverge com da
cidade de Maputo, sendo que onde a cidade de Maputo apresenta valores baixos de humidade relactiva
a cidade de Xai-Xai aparece com valores, como se tratasse de cidades localizadas em hemisférios
diferentes. Esse comportamento é justificado pelo coeficiente de correlação linear de 0.236751, que
representa uma correlação fraca com base na tabela 3.2 do capítulo 3.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 19
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Variação da insolação média mensal das cidades de


Maputo e Xai-Xai
300.0
Insolação em (horas)

250.0
200.0
150.0
100.0
50.0
0.0

Tempo

ISOLMMMAP INSOLMMXAI

Figura.4.4: Variação da insolação média mensal das cidades de Maputo e Xai-Xai no período de
(2001-2010)

Com base na figura 4.4, a insolação das cidades de Maputo e Xai-Xai, apresentam uma variação quase
similar, com a cidade de Maputo apresentando valores altos em relação a cidade de Xai-Xai, excepto
os meses de Fevereiro e outro onde tem-se a cidade de Xai-Xai com valores altos em relação a cidade
de Maputo. Essa variação entre as duas cidades apresentam um coeficiente de correlação de 0.451576,
o que representa uma fraca correlação fraca e positiva, com base na 3.2, do capitulo3.

4.1.2. Relação entre a variação mensal da temperatura do ar com insolação nas cidades de
Maputo e Xai-Xai

As figuras 4.5 e 4.6 apresentam a relação entre a variação média mensal da temperatura do ar e
insolação nas cidades de Maputo e Xai-Xai respectivamente, no período que vai de Janeiro de 2001
até Dezembro de 2010.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 20
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Variação da temperatura e insolação média mensal


na cidade de Maputo em (2001- 2010)
30.0 300.0

Temperatura em (ºC)

Inslação em (horas)
25.0 250.0
20.0 200.0
15.0 150.0
10.0 100.0
5.0 50.0
0.0 0.0

Tempo

TMMMAP INSOLMMMAP

Figura.4.5: Relação entre a variação da temperatura do ar e da insolação média na cidade de


Maputo (2001-2010)

A figura 4.5 representa a relação existente entre a temperatura e a insolação média mensal na cidade
de Maputo, durante o período em estudo apresentou um comportamento atípico em relação a
temperatura e a insolação, isto é, os altos valores da insolação na maioria dos casos estão associados
aos meses do inverno. Tratando-se de uma estação fria e seca a presença de maior insolação durante
esse período pode estar associado a ausência de nebulosidade e fraca formação de nuvens devido as
baixas temperaturas. Com consequência tem-se os meses do verão registarem altas temperaturas com
maior probabilidade de formação de nuvens, devido a essa obstrução vai apresentar menor insolação.

Mas para o período em estudo acontece o inverso facto este que pode estar associado a vários factores,
assim como naturais e antropogénicos e a localização da cidade em relação a costa, contribuindo
bastante na distribuição da temperatura assim como nos valores da insolação na cidade de Maputo.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 21
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Variação da temperatura e insolação média mensal na cidade


de Xai-Xai (2001-2010)
30.0 300.0
Temperatura em (ºC)

Insolação em (horas)
25.0 250.0

20.0 200.0

15.0 150.0

10.0 100.0

5.0 50.0

0.0 0.0

Tempo

TMMXAI INSOLMMXAI

Figura.4.6: Relação da variação da temperatura do ar e da insolação média mensal na cidade de


Xai-Xai (2001-2010)

A figura 4.6 mostra a relação existente na variação média mensal da temperatura do ar e a insolação.
Teoricamente a insolação é maior para os meses do verão (Dezembro, Janeiro e Fevereiro) e menor
para os meses do inverno (Junho, Julho e Agosto), o gráfico converge com a teoria ao mostrar que a
insolação máxima foi registada nos meses de Janeiro e Fevereiro, depois sofre uma oscilação durante
os meses do inverno, essa oscilação que não chega a superar os valores registados entre Janeiro e
Fevereiro, excepto o mês de Dezembro.

Durante o período em estudo constatou-se que as temperaturas elevadas foram registadas no período
que compreende o verão, sendo a máxima á ocorreer no mês de Dezembro que foi de 27,6ºC, durante
esse período verifica-se o aumento da insolação que vai até o mês de Fevereiro, convergindo com a
teoria, vai decrescendo a partir Março.

4.2.Comparação da variação da temperatura média mensal e anual do ar nas cidades de


Maputo e Xai-Xai

As figuras 4.7 e 4.8 mostram a comparação da variação da temperatura média mensal e anual
repectivamente nas cidades de Maputo e Xai-Xai no período que vai desde Janeiro de 2001 a
Dezembro de 2010.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 22
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

4.2.1. Comparação da variação mensal da temperatura do ar nas cidades de Maputo e Xai-


Xai (2001-2010)

Variação da temperatrura média mensal nas cidades de Maputo


e Xai-Xai entre 2001-2010 em (ºC)
35.0
30.0
Temperatura em (ºC)

25.0
20.0
15.0
10.0
5.0
0.0

Tempo

TMMXAI TMMMAP

Figura.4.7: Variação da temperatura média mensal nas cidades de Maputo e Xai-Xai (2001 – 2010)
A figura 4.7 monstra a variação mensal da temperatura do ar nas cidades de Maputo e Xai-Xai no
período de 2001 – 2010, o comportamento dos dois gráficos mostra claramente que a cidade de
Maputo apesar da sua localização geográfica em termos da latitude em relação a cidade de Xai – Xai
apresenta altas temperaturas com uma ligeira diferença. Este comportamento, contrária a teoria que
diz, as regiões de maior latitude registam menores temperaturas uma vez que a cidade de Maputo
apresenta maior latitude quando comparado com a cidade de Xai – Xai, o que prova que a cidade de
Xai-Xai em relação a cidade de Maputo devia apresentar altas temperaturas, este facto nos leva a
conclusão que além dos factores descrito os quais regulam o comportamento da temperatura, esta
pode ainda depender de outros que resultam das transformações feita pelo homem.

Ainda avaliando o comportamento dos dois gráficos para o mesmo período em estudo pode-se ver
que as duas cidades apresentaram as temperaturas máximas no mês de Dezembro, que chegaram
atingir 29,1º C e 29, 0 º C para as cidades de Maputo e Xai-Xai, respectivamente. Além das
temperaturas máximas podemos ter as mínimas de 22,2º C e 21,8 º C, nos meses de Julho e Junho
para as cidades de Maputo e Xai-Xai repectivamente.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 23
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

4.2.2. Comparação da variação anual da temperatura do ar nas cidades de Maputo e Xai-


Xai (2001-2010)

Variação da temperatura média anual nas cidades de Maputo e


Xai-Xai (2001-2010) em (ºC)
30.0

25.0
Temperatura em (º C)

20.0

15.0

10.0

5.0

0.0
2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
Tempo

TMAMAP TMAXAI

Figura.4.8 Variação da temperatura média anual nas cidades de Maputo e Xai – Xai (2001 – 2010)
A figura 4.8 mostra a variação anual da temperatura nas cidades de Maputo e Xai-Xai no período de
2001 – 2010, o comportamento dos gráficos da variação anual da temperatura para as duas cidades
apresentaram uma diferença no que diz respeito a sua configuração em relação a variação mensal da
temperatura para as duas cidades.

A cidade de Maputo continua a apresentar altas temperaturas na maior parte dos anos excepto os anos
de 2001, 2004, 2006 e 2010 onde a cidade de Xai-Xai aparece com temperaturas elevadas atingindo
o seu máximo em 2010, que foi de 27,5º C em relação à 23,3ºC para cidade de Maputo no mesmo
ano. Esse valor de 27,5ºC foi a máxima registada durante o período em estudo quando comparada
com o 24,9ºC a máxima registada no ano de 2003 para a cidade de Maputo.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 24
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

5. Conclusões e Recomendações
5.1.Conclusões

No período em estudo a temperatura das duas cidades apresentou um coeficiente de correlação de


0.638239, representando uma correlação moderada positiva, o que demonstra que a variação em
relação as duas cidades apresenta uma pequena diferença. Ainda em relação a insolação das duas
cidades apresentam um coeficiente de correlação de 0.451576, o que representa uma fraca correlação
positiva, em relação a humidade relactiva das duas cidades encontramos um coeficiente
0.236751representando uma fraca positiva.

Com base nos resultados do coeficiente de correlação conclui-se que a variação da temperatura do ar
nas cidades de Maputo e Xai-Xai, não pode ser explicada pela variação da humidade relativa nem da
insolação, visto que o grau da sua relação é muito reduzida. Com estes resultados pode-se concluir
que para a nossa atualidade pode-se avaliar a variação da temperatura aos factores antropogénicos,
aliados as grandes construções principalmente na cidade de Maputo. O surgimento de grandes
industrias, modificação da superfície resultante da construção de estradas e a destruição das áreas
verdes para dar espaço as grandes infraestruturas que contribuem para o fluxo anormal da velocidade
do vento afectando a variação normal da temperatura do ar, bem como a distribuição da humidade
relativa e da insolação na superfície da terra.

Constata-se que a variação na distribuição da temperatura do ar não pode ser relacionada somente a
distribuição da insolação, humidade relativa e aos factores tais como a latitude, altitude,
continentalidade nas duas cidades, mas também as características das próprias cidades aliadas aos
factores antropogénicos resultados da acção do homem principalmente nos centros urbanos das
cidades de Maputo e Xai-Xai.

Comparando a variação mensal e anual da temperatura do ar das cidades de Maputo e Xai-Xai, chega-
se a conclusão que a cidade de Maputo apresenta altas temperaturas, pode-se associar este facto, a
densidade populacional, o nível de ocupação das terras das duas cidades e o desenvolvimento
industrial.

A cidade de Maputo apresenta maior densidade populacional, desenvolvimento industrial,


concentração de grandes edificações e um nível de poluição muito elevado quando comprado com a
cidade de Xai-Xai. Os estudos realizados mostraram que cidades com maior concentração das
construções apresentaram maiores valores da temperatura do ar em relação as com menor

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 25
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

concentração. Estas características todas deixa-a susceptivel, a um aumento acelerado da temperatura


do ar em relação a cidade de Xai-Xai, apesar de ambas serem costeiras.

5.2.Recomendações

Com os resultados obtidos neste estudo pode-se recomendar que, a avaliação da variação da
temperatura do ar não pode ser baseada apenas na influência dos factores climáticos nem geográficos,
mas muito mais nos factores antropogénicos que podem variar de local para cada local. Ao se fazer
estudo da identificação dos factores que influenciam na distribuição da temperatura do ar, deve se ter
em conta as características próprias do local em estudo o grau de ocupação da sua superfície.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 26
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Referências bibliográficas
 Alberto, Q., Manjate, T., Maúre, G. e Mosquito, D. (2007). Avaliação das vulnerabilidades
dos parâmetros climáticos de projecção de cenários climáticos. UEM.
 ALMEIDA, H. A. de. (2013). Oscilações decadal e sazonal das temperaturas do ar no
semiárido nordestino. Revista Brasileira de Geografia Física, v.6, n.5 p.1100-1114.
 Andrade, P. (2013). Impacto integrado de empreendimentos minero metalúrgicos em
Congonhas. Dissertação de Mestrado em Engenharia Mineral. Escola de Minas da Universidade
Federal de Ouro Preto. Brasil. 114 pp.
 ARTUR, F., SOLIANO, O., MARIEZCORRENA, V. (2011)., Estudo de Energias
Renováveis em Moçambique. Relatório de Consultoria.
 Ayoade, J.O. (1996). Introdução à climatologia para os trópicos. 4ª Edição. Brasil.
 Belassiano, M. (1998). Temperatura do ar. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de
Janeiro.
 BEZERRA, P.T.C. (2009). A Influencia da urbanização no clima das cidades de
Petrolina/PE e Juazeiro/BA. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Campina Grande,
Centro de Tecnologia e Recursos Naturais, Campina Grande. 98p.
 BRUSCI, Sandro, 2000. Campo e cidades da África Antiga. Maputo, Faculdade de
Arquitetura e Planeamento Físico, UEM.
 Carvalho, L., Dantas, A., Neto, P. (2000). Temperatura do ar e Graus-dia. Universidade
Federal de Lavras, Brasil.
 DANTAS, R. T.; NÓBREGA, R. S.; CORREIA, A. M; RAO, T. V. R. (2000). Estimativas
das temperaturas máximas e mínimas do ar em Campina Grande, Rio de Janeiro, 11. p. 534-
537.
 FIGUEIREDO FILHO, D. B. SILVA JUNIOR, J. A. da. (2009). Desvendando os mistérios
de correlação de Pearson. Revista Política Hoje. Recife-PE. n. 1, p. 115 - 146.
 Fritzsons, E., Mantovani, L., Aguiar, A. (2008). Relação entre altitude e temperatura: uma
contribuição ao zoneamento climático no estado do Paraná. Estudos ambientais. 10: 49-64.
 GEIGER, R. (1990). Manual de microclimatologia - o clima da camada de ar junto ao solo,
ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 639 p.
 http://fisica.ufpr.br/grimm/aposmeteo/cap3/cap3-5.html
 http://fisicanozuleika.blogspot.com/2012/03/termometro-de-maxima-e-minima.html;
 INE, Censo 2007
 Instituto Nacional de Meteorologia de Moçambique, (2007);
Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de
Estado 27
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

 Lobo, J. (1999). Contribuição para o estudo da variabilidade climática em Moçambique


Influência do ENSO. Tese de Licenciatura em Meteorologia. Maputo. UEM.
 LOMBARDO, M. A. (1996). O clima e a cidade. Boletim Climatológico. Universidade
Estadual Paulista. Ano 1, n.2, nov.
 OKE, T.R.; et.al. (1991). Simulation of surface urban heat islands under “Ideal”
Conditions at night Part 2: Diagnosis of causation. Boundary-layer Meteorological, v.56, p.339-
358,
 OMETTO, J. C. (1981). Bioclimatologia vegetal, São Paulo, Ceres, 440p.
 Perreira, A.R.; Angelocci, L.R. ; Setelhas, P.C. (2002). Agrometeorologia: fundamentos e
aplicações praticas. Guaíba: Agropecuária. 478p.
 Silingovschi Júnior, Emydio. (2006). Análise da temperatura em função das
características da cobertura do solo e condições de entorno em Londrina, Parana. 2006.
Dissertação de Conclusão de Curso (Mestrado em Engenharia de Edificações e Saneamento).
Universidade Estadual de Londrina, Londrina.
 Silva. R.G.da. (2006). Predição da configuração de sombras das árvores em pastagens
para bovinos. Engenharia Agricola. V.20, N.1. 268p
 Varejão-Silva, Mário Adelmo. (2006). Meteorologia e Climatologia. Versão digital-2.
Recife, Pernambuco Brasil.

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 28
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Anexos

Anexo.1 Temperatura média mensal para cidade de Maputo 2001-2010 em (ºC)


Ano/Mês Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro TMAMAP
2001 23.3 25.3 25.6 24.5 22.0 20.3 19.3 20.7 21.4 22.9 24.6 25.4 22.9
2002 26.3 29.9 26.1 24.5 22.5 19.6 19.2 22.9 21.5 22.7 27.6 28.7 24.3
2003 26.6 27.0 26.5 24.8 27.1 19.2 19.2 20.1 34.9 23.3 24.6 26.1 24.9
2004 26.6 26.3 25.6 24.6 21.7 19.6 18.4 21.4 21.1 23.3 25.4 26.8 23.4
2005 27.4 27.0 29.8 24.1 22.5 21.4 20.0 22.6 23.2 23.7 24.7 25.1 24.3
2006 26.5 27.2 25.1 23.5 21.3 19.6 20.4 20.3 21.2 23.4 24.2 26.5 23.2
2007 26.8 27.1 26.6 28.7 22.1 20.0 19.6 21.1 22.4 22.3 24.5 24.7 23.8
2008 25.7 26.2 25.4 28.2 22.1 19.8 20.5 21.8 22.2 22.8 24.6 25.5 23.7
2009 26.1 30.6 25.1 23.7 22.2 20.7 19.1 19.5 21.8 22.3 22.5 25.8 23.3
2010 25.9 26.7 25.7 24.0 23.1 19.8 19.4 19.8 22.1 22.8 24.5 25.6 23.3
TMMMAP 26.1 27.3 26.1 25.0 22.6 20.0 19.5 21.0 23.2 22.9 24.7 26.0

Anexo.2 Temperatura média mensal para cidade de Xai-Xai para 2001-2010 em (ºC)
Ano/Mês Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro TMAXAI
2001 26.6 26.5 23.1 24.5 27.9 19.0 19.1 21.1 21.7 23.6 25.5 25.8 23.7
2002 26.5 25.6 25.3 23.0 26.9 19.3 18.6 21.6 19.6 23.6 23.5 23.0
2003 27.0 27.3 26.1 24.8 22.1 18.9 19.2 20.5 22.9 18.8 25.1 27.0 23.3
2004 26.9 26.5 30.8 25.1 16.7 20.0 19.5 18.9 21.0 25.4 31.5 23.8
2005 27.5 26.5 25.4 24.8 19.9 21.1 17.4 22.4 23.7 19.7 23.7 25.7 23.1
2006 27.1 27.7 25.3 23.5 20.4 19.6 19.4 19.8 21.1 24.7 25.2 27.1 23.4
2007 26.6 27.0 26.3 24.3 21.0 20.0 19.1 21.1 23.7 23.9 24.5 25.6 23.6
2008 26.0 26.2 25.3 22.7 21.1 19.9 19.3 20.9 22.5 18.2 24.5 25.9 22.7
2009 28.0 26.5 24.3 22.6 20.2 18.2 19.5 22.5 18.3 23.9 28.6 22.9
2010 26.4 26.8 26.1 28.8 27.9 25.1 23.7 25.1 28.4 30.6 29.8 30.8 27.5
TMMXAI 26.8 26.6 25.8 24.4 22.63333 20.3 21.1 21.1 22.7 22.4 25.1 27.6

Anexo.3 Humidade relativa média mensal para cidade de Maputo 2001-2010 em (%)
Mês/Ano Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Média
2001 80 84 81 79 79 80 75 78 77 83 86 83 80.41667
2002 81 78 75 78 80 76 75 79 75 76 74 79 77.16667
2003 76 -- 80 78 79 -- 84 69 78 76 75 74 76.9
2004 81 82 83 82 81 78 78 80 79 81 81 77 80.25
2005 78 78 80 79 77 74 79 72 77 78 79 76 77.25
2006 82 80 78 83 68 74 77 72 82 83 83 82 78.66667
2007 78 78 74 81 69 76 70 66 79 80 76 83 76
2008 81 77 80 77 81 82 71 71 68 76 77 83 77
2009 86 80 79 75 79 72 77 83 82 88 89 85 78.075
2010 84 81 83 90 78 76 81 75 75 79 75 84 80
Média 80.7 79.77778 79.3 80.2 77.1 76.44444 76.7 74.5 77.2 80 79.5 80.6

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 29
" Identificação de factores da distribuição desigual da temperatura entre as Cidades
de Xai-Xai e Maputo (2001 - 2010) ”
2017

Anexo.4 Humidade relativa mensal para cidade de Xai-Xai 2001 – 2010 em (%)
Ano/Mês Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro HRMAXAI
2001 -- -- -- -- -- -- -- 83 -- 75 85 85 82
2002 76 82 84 95 81 92 82 84 69 73 74 77 80.75
2003 71 79 82 -- 75 75 79 77 71 70 74 70 74.81818
2004 72 -- -- 68 77 -- 84 81 76 -- -- 74 76
2005 74 79 80 74 74 78 85 71 67 67 74 77 75
2006 -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- --
2007 77 78 78 80 74 82 77 68 72 74 72 76 76
2008 78 73 78 78 83 80 81 76 68 79 75 81 78
2009 77 81 90 80 -- 75 81 78 76 73 77 70 78
2010 79 78 84 83 78 80 82 76 73 75 78 78 79
HRMMXAI 75.5 78.57143 82.28571 79.71429 77.42857 80.28571 81.375 77.11111 71.5 73.25 76.125 76.44444444

Anexo.5. Insolação total média mensal para cidade de Maputo 2001 – 2010 em (horas)
Mês/Ano Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro
2001 272.0 187,7 250,9 207,8 269,7 263,5 241,8 232,6 222,5 187,6 192,7 234,2
2002 265,7 234,5 290,2 253,5 291,2 236,4 268.0 224,9 234,6 211,6 252,1 239,2
2003 275,7 253,2 275,2 296,5 236,7 194,3 268,8 296,8 230,2 203.0 197,9 244,3
2004 242,5 214,8 208,9 240,7 274,3 253,6 234,9 251,8 249,4 238.0 262.0 290,7
2005 235,9 281,4 239,4 206,8 266,3 245,5 252,7 236,4 266.0 206.0 225,3 190,6
2006 206,6 246,2 224,7 235,4 -- -- -- -- 259,2 -- -- --
2007 -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- --
2008 -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- --
2009 -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- --
2010 -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- --
Média 249.7 236.3 248.2 240.1 267.64 238.66 253.24 243.1 243.65 209.24 226 239.8

Anexo.6 Insolação total média mensal para cidade de Xai-Xai 2001 – 2010 em (horas)
Ano/Mês Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro
2001 -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- 164.0 223.0
2002 316.9 257.3 265.3 248.3 244.8 185.2 202.7 242.1 201.8 211.6 218.8 260.8
2003 293.7 262.4 233.1 253.4 234.7 176.7 240.3 250.7 205.1 194.5 240.1 237.1
2004 246.9 230.0 161.9 191.0 181.5 -- -- -- -- -- 283.5 --
2005 303.3 258.5 241.6 265.5 239.8 211.6 217.8 221.7 253.5 233.2 218.4 195.1
2006 217.1 249.1 161.3 234.8 -- -- 269.4 219.1 270.0 255.8 198.4 278.5
2007 316.4 275.5 -- -- 279.0 241.8 -- 267.0 242.2 228.4 208.2 190.2
2008 261.1 293.9 254.6 233.0 -- -- -- 242.3 213.2 -- 216.8 204.7
2009 244.2 255.2 246.7 248.4 -- 209.0 199.7 237.1 196.2 228.6 213.5 224.9
2010 -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- -- --
INSOLMMXAI 275.0 260.2 223.5 239.2 236.0 204.9 226.0 240.0 226.0 225.4 218.0 226.8

Vilanculos, José António – Meteorologia – Departamento de Física/UEM – Exame de


Estado 30

Você também pode gostar