Você está na página 1de 8

14/03/2019 Exercício 1

Fichas nº 10 - Escoamentos com superfície livre - Ficha resolvida

Exercício 1
Considere um canal trapezoidal, revestido de betão liso ( K = 75 m1/3s-1 ), com taludes a 2/3 ( V/H) e 5,0 m
de largura de rasto.
a) Calcule as alturas do escoamento uniforme para um caudal de 25 m3/s e declives de fundo de 0,01 e
0,0002.
b) Determine as seguintes grandezas:
* altura crítica
* velocidade crítica
* energia específica crítica
* declive crítico
c) Classifique os escoamentos uniformes obtidos.
d) Calcule a altura do escoamento uniforme supondo que o rasto do canal é de terra irregular com
vegetação rasteira e que o caudal e o declive do canal são, respectivamente, 25 m3/s e 0,0002.
e) Determine a altura conjugada da altura de regime uniforme no canal para o declive de 0,01.

Resolução
Betão Þ K = 75 m1/3s-1
g = 9,81 ms-2

a) * Q = 25 m3s-1 i = 0,01

ITERAÇÃO hu hun+1
1 1,00 0,74942
2 0,74942 0,76090
3 0,76090 0,76039
4 0,76039 0,76041
5 0,76041 0,76041
Conclusão:
hu = 0,76041 » 0,760 m

* Q = 25 m3s-1 i = 0,0002

ITERAÇÃO hu hun+1
1 1,00 2,42351
2 2,42351 2,19947
3 2,19947 2,23370
4 2,23370 2,22842
5 2,22842 2,22922
6 2,22922 2,22910
http://www.estgv.ipv.pt/paginaspessoais/fmartins/Ensino/Disciplinas/Hid2-capa_ficheiros/Ficha10.htm 1/8
14/03/2019 Exercício 1

7 2,22910 2,22913
8 2,22913 2,22912
9 2,22912 2,22912
Conclusão:
hu = 2,22912 » 2,229 m

b) * Altura Crítica
ITERAÇÃO hc hcn+1
1 0,00 1,36592
2 1,36592 1,18285
3 1,18285 1,20551
4 1,20551 1,20267
5 1,20267 1,20302
6 1,20302 1,20298
7 1,20298 1,20298
Conclusão:
hc = 1,20298 » 1,203 m
* Velocidade crítica
= 3,05412 » 3,054 ms-1
* Energia específica crítica
= 1,67840 » 1,678 m
* Declive crítico
= 1,976 *10-3 m/m

ic=0,001976

c) Classificação dos escoamentos uniformes:

Se: hu > hc Þ Regime lento


hu < hc Þ Regime rápido

* Declive do fundo igual a 0,01

hu = 0,760 m
hc = 1,203 m
Como hu < hc Þ Escoamento uniforme em regime rápido

d) Calculo da altura de escoamento uniforme sendo o rasto do canal de terra irregular com vegetação
rasteira .

Q = 25 m3s-1 i = 0,0002
Terra irregular com vegetação rasteira Þ K = 35 m1/3s-1 (Quintela pag. 254)
Paredes laterais em betão liso Þ K = 35 m1/3s-1

ITERAÇÃO hu Kn+1 hun+1


1 1,00 43,78890 3,34684
2 3,34684 54,23926 2,51103
3 2,51103 51,44548 2,74116
4 2,74116 52,28819 2,67234

http://www.estgv.ipv.pt/paginaspessoais/fmartins/Ensino/Disciplinas/Hid2-capa_ficheiros/Ficha10.htm 2/8
14/03/2019 Exercício 1

5 2,67234 52,04269 2,69224


6 2,69224 52,11495 2,68653
7 2,68653 52,09374 2,68827
8 2,68827 52,09997 2,68776
9 2,68776 52,09814 2,68791
10 2,68791 52,09804 2,68786
11 2,68786 52,09852 2,68787
12 2,68787 52,09857 2,68787
Conclusão:
K = 52,0985 » 52,10
hu = 2,68787 » 2,688 m

e) Altura conjugada para o canal com i = 0,01

Para i = 0,01 temos um escoamento uniforme em regime rápido Û h1 = 0,760 m


(h1 foi calculado na alínea anterior)

Resolvendo a equação anterior iterativamente temos;

h2 = 1,55013 » 1,55 m

Conclusão: A altura conjugada da altura de regime uniforme no canal para o declive de 0,01é de 1,55 m.

Exercício 2
O canal representado na figura transporta o caudal de 11,5 m3s-1 e contém a transição BC, na qual o canal
estreita de 4,00 m para 2,00 m, ao longo de 10,0 m. Para esse caudal as alturas uniformes nos trechos AB e
CD, com o mesmo declive, são respectivamente 0,55 m e 1,00 m.
Determine:
a) As alturas de água em B e C, para uma descida do fundo, entre essas secções de 0,50m.
b) As alturas de água em B e C, para uma descida do fundo, entre aquelas secções, de 0,50 m .Trace
qualitativamente o perfil a superfície livre para os casos das alíneas a) e b).
Na resolução do problema despreze as perdas de carga na transição.

http://www.estgv.ipv.pt/paginaspessoais/fmartins/Ensino/Disciplinas/Hid2-capa_ficheiros/Ficha10.htm 3/8
14/03/2019 Exercício 1

Resolução
a) Considerando o canal com secção rectangular e uma subida do fundo do canal de Dy= 0,50 m, teremos a
seguinte expressão para o calculo da altura crítica:

Para; b = 4,00 m Þ h = 0,9445 m hu < hc Þ Escoamento em regime rápido


c
b = 2,00 m Þ hc = 1,4993 m hu < hc Þ Escoamento em regime rápido
huAB = 0,55 m
huCD = 1,00 m
* Vamos considerando, por hipótese que temos em B um escoamento uniforme em regime rápido.

- Cálculo da energia na secção B (Sendo q = Q/b)

- Cálculo da energia na secção C


EC = EB- Dy = 1,94 - 0,50 = 1,44 m

- Cálculo das altura críticas nas secções B e C


ECrit B = 3/2 hCrit B = 3/2 * 0,9445 = 1,41675 » 1,42 m
ECrit C = 3/2 hCrit C = 3/2 * 1,5 = 2,25 m

Conclusão: EC < ECrit C


Nestas condições, o escoamento não pode chegar à secção B em regime rápido, ou seja as condições a
montante de B têm de se modificar, por forma a que o escoamento atinja C com a energia específica
mínima, ECrit (energia crítica) ou em regime crítico.

Então na secção B a energia específica será;


E B = ECrit C + Dy = 2,25 + 0,50 = 2,75 m

Sendo, então na secção B o escoamento em regime lento com hu tal que:

http://www.estgv.ipv.pt/paginaspessoais/fmartins/Ensino/Disciplinas/Hid2-capa_ficheiros/Ficha10.htm 4/8
14/03/2019 Exercício 1

hu B = 2,69182 » 2,692m
Conclusão: A altura de água em B é 2,692 m
A altura de água em C é 1,50 m

Traçado qualitativo do perfil da superfície livre:

b) Considerando o canal com secção rectangular e uma descida do fundo do canal de Dy= 0,50 m.
A altura de água na secção B será hu = 0,55 m, uma vez que o escoamento uniforme é em regime rápido ( hu
< hcrit no troço AB ).
A energia na secção B é EB = 1,94 m ( determinada na alínea anterior )

Cálculo da energia na secção C:


EC = EB+ Dy = 1,94 -+ 0,50 = 2,44 m
Como EC > ECrit C , confirma a hipótese adoptada, assim teremos;

hu C = 1,13734 » 1,137 m

Traçado qualitativo do perfil da superfície livre:

http://www.estgv.ipv.pt/paginaspessoais/fmartins/Ensino/Disciplinas/Hid2-capa_ficheiros/Ficha10.htm 5/8
14/03/2019 Exercício 1

Exercício 3
O canal AC, de betão liso (K = 75 m1/3s-1 ), tem secção rectangular, de 3,0 m de largura, e transporta o
caudal de 10 m3/s.
Na secção B o canal tem instalada uma comporta com um coeficiente de contracção de 0,60.
O troço de jusante é suficientemente comprido para que nele se estabeleça praticamente o regime
uniforme.
Determine:
a) a altura de água em C
b) a maior abertura da comporta compatível com a existência de um ressalto livre a jusante.

a) Altura de água em C
Q = 10 m3s-1 K = 75 m1/3s-1 CC = 0,60 b = 3,00 m
* Determinação da altura crítica do escoamento, hC

hC= 1,0424 » 1,042 m

* Determinação da inclinação crítica, iC

http://www.estgv.ipv.pt/paginaspessoais/fmartins/Ensino/Disciplinas/Hid2-capa_ficheiros/Ficha10.htm 6/8
14/03/2019 Exercício 1

AC = 3,26 m2
PC = 5,084 m
Rh = 0,61487

iC = 3,48*10-3 » 0,0035
i < iC Þ Escoamento uniforme em regime lento
Conclusão:
Como o escoamento uniforme se dá em regime lento a altura de água em C é igual à altura
crítica ou seja 1,042m

b) A maior abertura da comporta compatível com a existência de um ressalto livre a jusante.

Ressalto livre a jusante Þ altura da secção contraída seja menor que a altura conjugada em regime lento.
h S C < h2
* Calculo da altura do escoamento uniforme em regime lento

ITERAÇÃO hu hun+1
1 1,00 3,002135
2 3,002135 3,798580
3 3,798580 4,054318
4 4,054318 4,131486
5 4,131486 4,154351
6 4,154351 4,161090
7 4,161090 4,163073
8 4,163073 4,163656
9 4,163656 4,163828
10 4,163828 4,163878
11 4,163878 4,163893
12 4,163893 4,163894
Conclusão:
hu = h2= 4,16389» 4,164 m

Altura conjugada de h2:

h1 = 0,12679 » 0,127 m
h S C = CC * abertura ( a )
h S C < 0,127 Û 0,60 * a < 0,127 Û
a < 0, 21 m

Conclusão:
A maior abertura da comporta compatível com a existência de um ressalto livre a jusante é de
0,21 m.

http://www.estgv.ipv.pt/paginaspessoais/fmartins/Ensino/Disciplinas/Hid2-capa_ficheiros/Ficha10.htm 7/8
14/03/2019 Exercício 1

Traçado qualitativo do perfil da superfície livre:

http://www.estgv.ipv.pt/paginaspessoais/fmartins/Ensino/Disciplinas/Hid2-capa_ficheiros/Ficha10.htm 8/8