Você está na página 1de 26

O que é a Cosmecêutica?

15/10/2004

 
Sinônimos e palavras relacionadas: quase fármacos, cosméticos terapêuticos,
medicamentos cosméticos, tratamento ativo da pele

INFORMAÇÕES DOS AUTORES

Autor: Santiago A. Centurion, MD, Médico do Serviço, Departamento de


Dermatologia, UMDNJ – Escola de Medicina de New Jersey

Co-autores: Robert A. Schwartz, MD, MPH, Professor Chefe de Departamento,


Dermatologia, Professor de Patologia, Pediatria, Medicina e Medicina Preventiva e
Saúde da Comunidade, UMDNJ – Escola de Medicina de New Jersey; Cristina S.
Solis, RN, BSN, Equipe Consultiva, Departamento de Dermatologia, UMDNJ-
Escola de Medicina de New Jersey

Santiago A. Centurion, MD, é membro das seguintes sociedades médicas: Alpha


Omega Alpha, American Academy of Dermatology, American Medical Association,
e Sigma Xi

Editores: Zoe Diana Draelos, MD, PA, Professora Associada Clínica, Departamento
de Dermatologia, Universidade Wake Forest; Professora Associada Clínica,
Departamento de Dermatologia, Escola de Medicina Bowman Gray; David F.
Butler, MD, Professor, Escola de Medicina da Universidade A&M Texas; Diretor,
Divisão de Dermatologia, Clínica Scott and White; Christen M. Moward, MD,
Professora Assistente, Departamento de Dermatologia, Centro Médico Geisinger,
Escola de Medicina Estadual da Pensilvânia; Catherine Quirk, MD, Professora
Assistente Clínica, Departamento de Dermatologia, Universidade Brown; e
William D. James, MD, Diretor de Programas, Vice-Presidente, Professor Albert M.
Kligman, Departamento de Dermatologia, Escola de Medicina da Universidade da
Pensilvânia.

INTRODUÇÃO

A cosmecêutica representa um casamento entre a cosmética e a farmacêutica.


Como os cosméticos, os cosmecêuticos são aplicados topicamente, mas contêm
ingredientes que influenciam a função biológica da pele. A cosmecêutica melhora
o aspecto, mas assim o faz levando os nutrientes necessários para a pele
saudável. A cosmecêutica é o segmento de crescimento mais rápido da indústria
dos cuidados pessoais naturais. Os consumidores estão sempre interessados em
manter uma aparência jovem e, à medida que a idade mediana da população
global aumenta, este mercado está cada vez mais em expansão.

A cosmecêutica não está sujeita a revisão pela Food and Drug Administration
(FDA), e o termo cosmecêutico não é reconhecido pelo Decreto Federal Food,
Drug and Cosmetic. Embora os cosméticos e cosmecêuticos sejam testados
quanto à segurança, não são obrigatórios testes para determinar se os
ingredientes benéficos realmente são mais que uma alegação do fabricante. Em
geral, vitaminas, ervas, óleos variados e extratos botânicos podem ser usados na
cosmecêutica, mas o fabricante não pode alegar que estes produtos penetram
além das camadas superficiais da pele ou que tenham efeitos semelhantes aos de
medicamentos ou terapêuticos. Para rótulos cosméticos, não é necessária divisão
entre ingredientes ativos e outros ingredientes; são todos relacionados em
conjunto.

HIDRATANTES

A barreira de permeabilidade cutânea está localizada nos interstícios do estrato


córneo e é mediada pelas camadas duplas lamelares enriquecidas com colesterol,
ácidos graxos livres e ceramidas. Tem sido sugerido que as formulações
contendo lípides idênticos aos da pele facilitem uma cascata de eventos
fisiológicos nos queratinócitos, normalizando a pele danificada. Quando aplicada
à pele por um período prolongado, a água pode causar a excreção de citocinas.
Estas moléculas proinflamatórias induzem edema, vasodilatação e franca
inflamação; portanto, a água apenas pode alterar a estrutura e a função da pele
sob algumas condições. Em prova do que digo, os hidratantes que tornam o
estrato córneo mais suave e mais flexível por aumentarem sua hidratação
poderiam ser considerados cosmecêuticos.

RETINÓIDES

Os retinóides possivelmente são os cosmecêuticos mais prevalentes no mercado.


Os retinóides são derivados da vitamina A presentes em todos os organismos
vivos, seja como vitamina A pré-formada ou como carotenóides. A vitamina A
(retinol) é o protótipo de todos os outros retinóides e é necessária para o
crescimento apropriado, o desenvolvimento dos ossos e a integridade das
superfícies mucosas e epiteliais. Na deficiência de vitamina A, os olhos e a pele
são afetados severamente. A conjuntiva e a córnea desenvolvem metaplasia e
queratinização, levando à cegueira noturna. A pele desenvolve hiperqueratose
folicular ou frinodermia. As pápulas foliculares hiperceratóticas geralmente se
aglomeram em torno das proeminências ósseas, como os cúbitos e os joelhos,
mas, na deficiência severa, as pápulas podem ser encontradas na superfície
inteira da pele.

As civilizações antigas reconheciam os benefícios da vitamina A em tratar e curar


a cegueira noturna com dietas ricas em fígado. Na década de 30, as
manifestações clínicas da deficiência da vitamina A foram reconhecidas e foi
iniciada a idéia de usar a vitamina A no tratamento de doenças da pele. O
advento dos análogos sintéticos da vitamina A, na década de 70, trouxe novo
interesse à atividade biológica, especialmente na pele. Desde então, a vitamina A
e seus derivados têm sido úteis no tratamento de muitos distúrbios da pele,
inclusive na ictiose, na acne e na psoríase. Uma grande quantidade de pesquisas
se concentra em seu uso como composto “antienvelhecimento” bem como em
seu uso para outros distúrbios cutâneos; portanto, hoje a vitamina A é
reconhecida como compreendendo uma grande quantidade de efeitos biológicos
muito além daqueles na córnea.

A vitamina A e seus derivados têm 2 funções principais: atuam como


antioxidantes e ativam genes e proteínas específicos. Como antioxidantes,
protegem as células do dano oxidativo por 3 diferentes mecanismos: (1)
removendo os radicais peroxila, (2) extinguindo o oxigênio singlet (???) e (3)
sensibilizadores de estado triplo. A vitamina A também exerce um efeito
semelhante ao de um hormônio na pele, ativando genes específicos através de
receptores nucleares. Os receptores se ligam a seqüências-alvo chamadas
elementos de resposta hormonal no DNA e ativam a transcrição genética. Os
receptores do ácido retinóico (RARs) se ligam ao ácido retinóico totalmente trans,
e os receptores retinóicos X (RRXs) se ligam ao ácido retinóico 9-cis. A vitamina
A E seus derivados inibem a peroxidação de lípides; aumentam os níveis de alfa-
tocoferol (vitamina E); e ativam fatores de crescimento, oncogenes, queratinas e
transglutaminases.

Histologicamente, a vitamina A e seus derivados induzem o espessamento


epidérmico, aumentam as mitoses, diferenciam os queratinócitos e reduzem o
número dos sebócitos. A derme mostra aumento das quantidades de
glicosaminoglicanos (GAGs) e de fibrilas de ancoramento. As alterações
estruturais subjacentes aos benefícios cosméticos incluem correção da atrofia
epidérmica, deposição de colágeno novo, geração de vasos novos e aumento da
mitogênese. Este aumento da mitogênese promove o desprendimento dos
queratinócitos carregados de melanina, resultando em clareamento e
subseqüente despigmentação. A capacidade da tretinoína tópica de melhorar o
aspecto da pele envelhecida e fotodanificada por redução das rugas, diminuindo
a frouxidão, clareando as manchas hiperpigmentadas e ocasionando uma
superfície mais suave foram bem estudados e documentados. Restam a ser
elucidadas as qualidades dos retinóides como medicamentos.

HIDROXIÁCIDOS

Os hidroxiácidos provavelmente são o segundo cosmecêutico mais disponível e,


em baixas concentrações, são encontrados na formulação de cosméticos
comercializados em massa. Os hidroxiácidos são ácidos carboxílicos orgânicos
classificados em hidroxiácidos alfa (HAAs) e hidroxiácidos beta (HABs), de acordo
com sua estrutura molecular.

Os HAAs variam de simples compostos alifáticos a moléculas complexas. Muitos


são derivados de fontes naturais e costumam ser denominados ácidos das frutas.
Os HAAs diferentes incluem os seguintes: ácido glicólico, ácido lático, ácido
cítrico, ácido mandélico, ácido málico e ácido tartárico.

Os HAAs demonstraram diminuir os sinais de envelhecimento. A pele parece mais


suave e mais uniforme. A provável causa destas alterações é a propriedade dos
HAAs de aumentar o desprendimento epidérmico. Alguns alegam que os HAAs
aumentam a síntese de GAGs, melhoram a qualidade das fibras elásticas e
aumentam a densidade do colágeno. As evidências científicas para apoiar tais
alegações ainda estão incompletas e são controversas.

Os HABs são compostos aromáticos. O ácido salicílico é o HAB de referência; tem


propriedades dermolíticas e ajuda em vários distúrbios xeróticos e ictióticos.
Outros HABs incluem o ácido 2-hidroxi-5-octanil benzóico, também conhecido
como beta-lipo-hidroxiácido (B-LHA) e ácido trópico.

Apesar de sua popularidade, os mecanismos exatos da ação dos hidroxiácidos


continuam desconhecidos e são amplamente controversos; entretanto, pelo
menos um aspecto de suas atividades biológicas pode ser atribuído à força ácida
inerente dos compostos. Estudos mostram que os HAAs aumentam a
sensibilidade à radiação UV e que a aplicação de filtro solar pode ser
aconselhável quando estes produtos são usados.

ANTIOXIDANTES

A pele é freqüentemente exposta a uma constante agressão por agentes


endógenos e exógenos. Agentes como a radiação UV, medicamentos, poluentes
do ar e calor e/ou frio estão continuamente desafiando o caráter protetor da
pele. Além destas agressões externas, a pele também tem de enfrentar
mitógenos endógenos, os mais importantes dos quais são as espécies de
oxigênio reativas (EOR) e outros radicais livres. Estas espécies são
continuamente produzidas durante o metabolismo celular fisiológico. Para
contrapor-se aos efeitos prejudiciais das EOR, a pele é equipada com um sistema
antioxidante para manter o equilíbrio entre os pró-oxidantes, ou agentes de
dano, e os antioxidantes, ou agentes protetores; estes antioxidantes intervêm
em diferentes níveis no processo protetor.

Vitamina C

A vitamina C (ácido ascórbico) é essencial para a vida. Desde sua descoberta na


década de 30, muito também tem sido realizado para elucidar seus mecanismos
de ação. Os papéis da vitamina C são numerosos. Ela é necessária para a
hidroxilação do procolágeno, da prolina e da lisina. A deficiência resulta em
púrpura, folículos ceratóticos e sangramento gengival. A vitamina C é um
antioxidantes hidrossolúvel que se liga aos radicais livres e regenera a vitamina
E. É importante regulador da expressão do colágeno, estimulando sua síntese.
Estudos têm mostrado que os níveis de vitamina C na pele sofrem severa
depleção depois de irradiação UV e que, histologicamente, a vitamina C melhora
a normaliza as alterações causadas pelo fotocomprometimento. Até aqui,
contudo, têm sido poucos os estudos da vitamina C e faltam informações sobre
seu efeito in vivo.

A vitamina C tem sido usada efetivamente para estimular o reparo do colágeno,


assim diminuindo alguns dos efeitos do fotoenvelhecimento sobre a pele. No
entanto, a vitamina C é facilmente degradada pelo calor e a luz, o que,
juntamente com sua alta acidez, apresenta certos desafios para o uso numa
formulação para pele com muitas finalidades. Uma fração de colágeno sintético
recentemente introduzida oferece maior estabilidade e compatibilidade,
juntamente com melhora da eficácia.

Vitamina E

A vitamina E (alfa-tocoferol) é o principal antioxidante lipofílico no plasma,


membranas e tecidos. O termo vitamina E se refere coletivamente a 8 moléculas
de ocorrência natural (4 tocoferóis e 4 tocotrienóis), todos os quais exibem
atividade na vitamina E. Considera-se, em geral, que seu principal papel seja a
parada da propagação da cadeia na peroxidação de lípides pela remoção dos
radicais peroxila lipídicos, assim protegendo a membrana celular da destruição. A
vitamina E, aplicada de maneira tópica antes da irradiação com UV, tem
demonstrado reduzir o eritema, o edema, as células queimadas pelo sol, a
imunossupressão causada pela luz solar e a formação aduta de DNA.
Pantenol

O pantenol, análogo álcool da vitamina B-5, é um umectante hidrossolúvel


encontrado em vários cremes dermatológicos comercializados, em batons, loções
e preparações capilares. É estável na presença de oxigênio e luz, mas instável na
presença de ácidos, bases e altas temperaturas. O pantenol é convertido, na pele
em ácido pantotênico, que é importante componente da coenzima A, essencial
para o metabolismo celular normal.

Ácido lipóico

O ácido lipóico é um protetor de radicais livres peculiar. É lipo e hidrossolúvel.


Uma vez que o ácido lipóico atravesse a membrana celular, degrada-se em ácido
diidrofólico, que também é um antioxidante. O ácido lipóico também recicla
outros antioxidantes fundamentais, como a vitamina C, a vitamina E e a
glutationa.

Ubiquinona

A ubiquinona, também conhecida como coenzima Q!, é um derivado de quinona


lipossolúvel presente nas mitocôndrias e usada para gerar trifosfato de adenosina
(ATP), aumentando a energia. Demonstra-se que diminui a peroxidação das
lipoproteínas de baixa densidade melhor que a vitamina E.

Niacinamida

A niacinamida (nicotinamida) é uma amida básica membro do complexo de


vitaminas B. É usada na profilaxia e tratamento da pelagra. A niacinamida não
produz o transbordamento periférico que acompanha o tratamento com ácido
nicotínico. É uma das mais recentes vitaminas no mercado. Estudos in vitro têm
demonstrado atividade antitumoral nos queratinócitos e supressão da
fotocarcinogênese de UV-B. A principal razão para sua onda de popularidade é
sua estabilidade. A niacinamida é estável na presença de oxigênio, ácido e altas
temperaturas, e sua formulação é barata. A maior parte de seus efeitos
conhecidos decorrem de aumento do turnover epidérmico e da esfoliação.

Dimetilaminoetanol

As preparações tópicas contendo dimetilaminoetanol (DMAE) têm sido


apregoadas por sua capacidade de melhorar a firmeza da pele e de elevar a pele
com bolsas. O DMAE tem sido usado como suplemento da dieta e se associa a
melhora da função mental e aumento do desempenho físico devido, em parte, à
sua capacidade de aumentar o neurotransmissor responsável pela estimulação
dos músculos. O DMAE é capaz de diminuir a ligação cruzada de proteínas que
ocorre durante o envelhecimento, provavelmente atuando como removedor de
radicais livres. Também aumenta a atividades destas enzimas de maneira dose-
dependente apenas nas frações particuladas da glicose-6-fosfato desidrogenase e
6-fosfogluconato desidrogenase.

Armadilha para spins

As armadilhas para spins de radicais livres são espécies que reagem com os
radicais livres reativos para produzir radicais livres não-reativos razoavelmente
estáveis, assim impedindo os radicais livres de danificar componentes celulares.

* DMPO (5,5-Dimetil-1-pirrolina-N-óxido)
* DEPMPO (5-Dietoxifosforil-5-metil-1-pirrolina-N-óxido)
* TEMPONE-H (1-Hidroxi-2,2,6,6-tetrametil-4-oxopiperidina)

Melatonina

Sabe-se que a melatonina, um hormônio secretado pela glândula pineal, tem


ações antimutagênicas e oncostáticas. Esta ação benéfica da melatonina tem sido
explicada em termos de sua capacidade de remover radicais livres e de aumentar
as atividades das enzimas antioxidantes. Demonstrou-se que suprime o eritema
induzido por radiação UV.

Catalase

A catalase, uma enzima presente em quase todas as células do corpo humano,


catalisa a decomposição do peróxido de hidrogênio em água e oxigênio. Altas
quantidades desta enzima na pele podem conferir capacidade antioxidativa.

Glutationa

A glutationa é um tripeptídeo de ácido glutâmico, cisteína e glicina. É encontrada


em todo tecido animal ativo. É fundamental, como antioxidante, e quantidades
de glutationa significativamente reduzidas são encontradas depois de exposição à
UV.

Superóxido dismutase

A superóxido dismutase (SOD) é uma enzima que destrói o superóxido (alta


EOR). A SOD é uma grande molécula e tem dificuldade de penetrar
profundamente na pele. Na teoria, uma vez na parte baixa da epiderme e na
derme, a SOD deve diminuir o eritema e o dano por UV e atua como antioxidante
excelente.

Peroxidase

Kulkarni e colegas desenvolveram um extrato de erva-doce hidrossolúvel com


atividade de peroxidase mensurável. Estudo in vitro têm mostrado consumo
muito melhor de oxigênio do que o tocoferol e também demonstram atividade
antibacteriana.

Polifenóis

Compostos polifenólicos (como as catequinas, flavonóis, tioflavinas,


tearrugibinas), também conhecidos como epicatequinas, são de natureza
antioxidante. Estes compostos, testados contra os queratinócitos humanos
acentuados pela irradiação UV-B, mostraram altas propriedades antioxidativas.
Muitos laboratórios têm mostrado que o tratamento tópico ou o consumo oral de
polifenóis inibe a tumorigênese na pele induzida por substâncias químicas ou
radiação UV em diferentes modelos de animais. Possui atividade antiinflamatória.
Um dos principais e mais quimiopreventivos constituintes responsáveis pelos
efeitos bioquímicos ou farmacológicos é o epigalocatequina-3-galato (EGCG)
encontrado no chá verde. Genisteína, a isoflavona encontrada na soja, e
picnogenol, um extrato da casca do pinho marítimo francês (Pinus pinaster),
demonstraram prolongar significativamente a latência e diminuir a multiplicidade
tumoral com potente capacidade de remover radicais livres.

Cisteína

Vários estudos recentes demonstraram que os derivados da cisteína podem


proteger contra os efeitos negativos da exposição a UV. Em particular, a N-
acetilcisteína (NAC) demonstra ter efeito protetor contra imunossupressão
induzida por UV-B, em modular a expressão de alguns oncogenes e genes
supressores tumorais e em aumentar as quantidades de glutationa intracelular.
Sabe-se que a glutationa é crítica na proteção das células corporais contra o
estresse oxidativo; No entanto, o tomar a glutationa não eleva os níveis de
glutationa no sangue de maneira tão eficaz quanto tomar seu precursor NAC. As
pesquisas atuais têm NAC como ponto central nas medidas de combate ao
processo de envelhecimento.

Alantoína

A alantoína promove proliferação celular, auxiliando no processo de cicatrização.


Há muito se sabe que a alantoína aumenta a eficácia e a aceitação dos cremes
cosméticos por sua ação como protetor da pele. A alantoína tem sido incorporada
a xampus, batons, cremes de barbear, produtos de bronzeamento, espumas para
banho, géis capilares, talcos infantis e variadas preparações de aerossóis.
Também tem sido usada em artigos farmacêuticos tópicos. Mais recentemente, a
alantoína tem sido usada em variadas preparações dentárias, como cremes
dentais e soluções bucais. A alantoína tem sido chamada proliferante celular, um
estimulante da epitelização e debridador químico. Diz que limpa o tecido
necrótico, agilizando o crescimento de novo tecido saudável.

Furfuriladenina

A furfuriladenina é um fator de crescimento natural das plantas que retarda o


processo de envelhecimento em plantas. Folhas cortadas mergulhadas numa
solução que contenha furfuriladenina continuam verdes, enquanto folhas não
tratadas se tornam castanhas. É comercializada como evolução natural de um
tratamento antienvelhecimento com efeitos in vitro sobre células da pele humana
semelhantes aos que ocorrem naturalmente no processo de envelhecimento as
células.

Ácido úrico

No passado, o ácido úrico geralmente era visto meramente como um produto


final do metabolismo das purinas. Mais recentemente, o ácido úrico se tornou
cada vez mais reconhecido como importante antioxidante biológico. Estudos
científicos demonstraram que o ácido úrico é um potente antioxidante fisiológico,
desempenhando grande papel nos mecanismos de defesa extracelulares e
intracelulares. Embora não esteja completamente determinado o mecanismo
bioquímico preciso, o ácido úrico parece ter uma ação poupadora no ascorbato
plasmático, provavelmente por fazer complexos com metais de transição, como o
ferro e o cobre.
Carnosina

A carnosina (beta-analil-L-histidina) é um dipeptídeo fisiológico que pode


rejuvenescer fibroblastos humanos senis em cultura. Demonstrou conter
propriedades de antioxidante e de remoção de radicais livres e de íons metálicos.

AGENTES DESPIGMENTANTES

A hiperpigmentação é decorrente de um aumento na quantidade de melanina na


epiderme, na derme ou em ambas. Esta alteração pigmentar pode ser dividida
em 2 processos fisiopatológicos: melanocitose (aumento do número de
melanócitos) e melanose (aumento da quantidade de melanina). Os agentes
despigmentantes funcionam melhor quando a melanose ou a melanocitose se
restringe à epiderme. Outros métodos de despigmentação atualmente usados
são as abrasões químicas.

Os agentes despigmentantes podem ser divididos em vários grupos:

Os compostos fenólicos incluem os seguintes:

· Hidroquinona
· Monobenziléter de hidroquinona
· 4-metoxifenol
· 4-isopropilcatecol
· 4-hidroxianesol
· N-acetil-4-S-cistaminilfenol

Os compostos não-fenólicos incluem os seguintes:

· Corticosteróides
· Tretinoína
· Ácido azelaico
· N-acetilcisteína (NAC)
· L-ascorbil-2-fosfato
· Ácido cójico

As fórmulas combinadas incluem as seguintes:

· Fórmula de Kligman
· Fórmula de Pathak
· Fórmula de Westerhof

Hidroquinona

A hidroquinona (HQ) é usada como agente redutor, antioxidante, inibidor da


polimerização e intermediário químico. É usada em agentes de venda livre como
ingrediente nos produtos para clareamento da pele e é um ingrediente natural
em muitos produtos derivados de plantas, incluindo hortaliças, frutas, grãos,
café, chá, cerveja e vinho. As propriedades de clareamento de pigmentos da pele
da HQ parecem dever-se à inibição da tirosinase dos melanócitos.
Os efeitos adversos que se associam ao uso de HQ em produtos de venda livre
regulamentados pela FDA limitam-se a um pequeno número de casos de
ocronose exógena, embora tenham sido relatadas incidências mais altas deste
distúrbio com o uso inadequado de produtos de venda livre não regulamentados
e que contêm concentrações mais altas de HQ; O efeito mais grave para a saúde
humana relacionado à HQ é a pigmentação do olho e, num pequeno número de
casos, dano permanente da córnea.

N-acetil-4-S-cisteaminilfenol

Um tioéter fenólico, o N-acetil-4-S-cisteaminilfenol, é um novo tipo de agente de


despigmentação. Alega-se que é mais estável é menos irritante para a pele que a
HQ e é específico para células de síntese de melanina. Tem sido estudado um
composto monofenólico, o terbutil-4-hidroxianisol (mequinol), no tratamento de
lentígines solares e lesões hiperpigmentadas relacionadas. O produto combinado
tópico contendo 4-hidroxianisol a 2%/solução de tretinoína a 0,01% (Solage) é
bem tolerado e superior a qualquer dos componentes ativos.

Vitamina C

Acredita-se que a vitamina C (ácido L-ascórbico) e seus derivados atuem como


redutores sobre os intermediários da melanina. Bloqueiam a reação na cadeia
oxidativa de tirosina/diidroxifenilalanina (DOPA) para melanina em variados
pontos.

Ácido cójico

O ácido cójico (5-hidroxi-2-[hidroximetil]-4-pirona), um produto metabólico


fúngico, tem sido cada vez mais usado como despigmentante da pele em
produtos para cuidados dermatológicos comercializados no Japão desde 1988.
Vários estudos têm mostrado que o ácido cójico inibe a atividade da tirosinase;
este achado tem sido atribuído à sua capacidade de quelar o cobre necessário à
tirosinase.

Arbutina

A arbutina, ou hidroquinona-beta-D-glicopiranosida, consiste em HQ ligada à


glicose; a arbutina é um derivado da beta-D-glicopiranosida de ocorrência natural
proveniente da HQ. A arbutina pode inibir a melanogênese afetando a atividade
da tirosinase, e não por morte dos melanócitos e diminuição da síntese da
melanina. A arbutina executa sua atividade simulando o aminoácido tirosina, o
substrato habitual da tirosinase.

Ácido azaleico

O ácido azaleico (AZA) é um ácido dicarboxílico originalmente isolado do


Plasmodium ovale. Relata-se que tem efeitos despigmentantes, enquanto não
mostra atividade significativa sobre a pele normal. Acredita-se que o AZA iniba
seletivamente a tirosinase nos melanócitos hiperativos.

Composto da amora-papel

O composto 5-(3-2,4-[diidroxifenil]propil)-3,4-bi(3-meil-2-butenil)-1,2-
benzenodiol, da casca de raiz de amora-papel, tem demonstrado inibir a
tirosinase do cogumelo, remover radicais livres e despigmentar a
hiperpigmentação induzida por UV em cobaias. Estudos no homem não mostram
irritação ou sensibilização.

Tretinoína

A tretinoína tem sido usada com sucesso no tratamento de pigmentação


epidérmica. A tretinoína tópica a 0,1% produz melhora clínica de melasma e
lentígines. O mecanismo proposto para a tretinoína no clareamento da pele é a
inibição da melanogênese, embora isto ainda seja pouco entendido. Quando
combinada com HQ, a tretinoína tem efeito sinérgico.

Agentes de peeling químico

O peeling químico se tornou uma técnica estabelecida no tratamento de


hiperpigmentação cutânea. Os agentes de peeling químico incluem o ácido
glicólico, o resorcinol e o ácido salicílico.

Compostos químicos

A fórmula de Kligman consiste em hidroquinona (HQ) a 5%, tretinoína a 0,1% e


dexametasona a 0,1% em pomada hidrófila.

A fórmula de Pathak consiste em HQ a 2% e tretinoína a 0,05-0,1%.

A fórmula de Westerhof consiste em N-acetilcisteína (NAC) a 4,7%, HQ a 2% e


acetonido de triancinolona.

OUTROS COSMECÊUTICOS

Substâncias Botânicas

Devido à conscientização sobre dano ambiental causado pela industrialização,


desenvolveu-se uma tendência de usar produtos com ingredientes naturais.
Nenhum outro ingrediente pode servir a esta finalidade tão bem quanto as
substâncias botânicas. Estas agora fazem parte de todos os produtos no
mercado, dos cosméticos aos refrigerantes. Abacate, banana, limão e outras
substâncias botânicas semelhantes estão relacionados em milhares de rótulos.
Eles exercem seus efeitos expressos através de mecanismos de antioxidantes,
HAAs, HABs e outras propriedades ainda não esclarecidas.

Alguns exemplos de substâncias botânicas incluem camomila, que inibe a


liberação de histamina e tem propriedades antiinflamatórias, e ginseng, que
estimula a biossíntese de proteínas, RNA e lípides. O extrato de ginkgo biloba
demonstrou induzir localmente SOD e catalisar a atividade enzimática na
epiderme depois da aplicação tópica, bem como aumentar sistemicamente a
atividade de ambas as enzimas no fígado, coração e rins. A curcumina,
encontrada no curry, tem atividade antiinflamatória por inibir a formação de
leucotrienos, inibindo a agregação plaquetária e estabilizando as membranas
lisossômicas dos neutrófilos. A glicirrizina encontrada nas raízes de alcaçuz inibe
as atividades proinflamatórias das prostaglandinas e dos leucotrienos. A
capsaicina inibe a substância P, um peptídeo transmissor do processo
inflamatório. A aloe vera tem demonstrado acelerar a cicatrização das feridas e
proteger e suavizar a pele.

Glicosaminoglicanos

O ácido hialurônico (AH), ou hialurano, é o protótipo de todos os outros GAGs.


Estudos têm demonstrado que estão presentes quantidades diminuídas na pele
envelhecida e que AH aplicado topicamente acelera o reparo de feridas. Outros
estudos observaram regeneração epidérmica depois da aplicação de AH com
baixo peso molecular.

Anticelulite

A lipólise é mediada, em parte, por receptores beta-adrenérgicos, os quais


induzem a degradação de gorduras, e pelos receptores adrenérgicos alfa2, que
inibem a degradação de gorduras. Agentes que se ligam a estes receptores
podem hipoteticamente possuir um efeito terapêutico sobre a celulite. Os
estimuladores beta-adrenérgicos incluem a teobromina, a teofilina, a aminofilina,
a cafeína, o cloridrato de isopropilarterenol e adrenalina. Os inibidores de alfa2-
adrenérgicos incluem a ioimbina, o piperoxano, a fentolamina e a
diidroergotamina.

Enzimas

Papaína

A papaína, uma enzima encontrada no mamão, digere quimicamente as ligações


intercelulares. A papaína tem sido estudada no tratamento de cicatrizes
hipertróficas e poe ser usada para esfoliar a pele ceratótica.

Enzimas de reparo do ácido desoxirribonucléico (DNA)

Os dímeros da pirimidina do ciclobutano induzidos por radiação UV-B no DNA das


células epidérmicas são prejudiciais para a saúde humana por causarem
mutações e efeitos imunossupressivos que contribuem para a fotocarcinogênese.
As loções contendo enzimas de reparo do DNA derivadas de bactérias e os
lipossomos contendo fotoliase demonstraram reduzir a incidência de lesões
cancerosas e pré-cancerosas. Quando a enzima bacteriana de reparo do DNA, T5
endonuclease V, é transmitida ao intracelular, aumenta a taxa de reparo de dano
do DNA induzido pela luz solar nas células humanas.

Yarosh e cols. mostraram que a aplicação tópica de uma enzima de reparo do


DNA à pele danificada pelo sol baixava a taxa de desenvolvimento de queratoses
actínicas e de epiteliomas basocelulares durante 1 ano de tratamento. A
aplicação tópica de lipossomos contendo fotoliase à pele irradiada por UV-B e a
subseqüente exposição à luz fotorreativante diminuiu o número de dímeros
induzidos por radiação UV-B em 40 a 45%. O reparo de dímeros induzidos pela
fotoliase impediu completamente os efeitos imunossupressores induzidos pela
radiação UV-B, bem como a formação de eritema e células queimadas pelo sol.
Estes estudos demonstram que a aplicação tópica das enzimas bacterianas de
reparo do DNA podem ser eficazes na reversão dos dímeros, levando à
imunoproteção e a uma diminuição da fotocarcinogênese.

Fatores de Crescimento

Fator de crescimento epidérmico

O fator de crescimento epidérmico (EGF) é encontrado no plasma, no suor, na


urina, na saliva e no sêmen. Quando o EGF se liga ao receptor do fator de
crescimento epidérmico (EGFR), estimula o crescimento e a diferenciação
epidérmicos. Tem sido usado no tratamento de queimaduras e na exérese de
feridas, onde acelera a reepitelização.

Fator de transformação do crescimento

O fator de transformação do crescimento (TGF) estimula o crescimento normal


da pele e o crescimento e reparo das células. O TGF exerce efeitos regulatórios
positivos sobre o acúmulo das proteínas da matriz extracelular do corpo. O TGF
também é um mediador de fibrose (formação de tecido de reparo) e de
angiogênese (desenvolvimento de novas células do sangue) e promove o
fechamento de feridas.

Hormônios

Os cremes hormonais alegam ser o meio mais eficaz de fazer parar ou de tornar
mais lento o processo do envelhecimento por reversão da perda do tono e de
elasticidade da pele. As evidências confirmatórias desta alegação ainda não
foram publicadas.

Estrogênios

Alguns estudos têm mostrado efeitos antienvelhecimento dos estrogênios. Uma


investigação verificou que, depois de 6 meses de aplicação de compostos de
estradiol a 0,01% e de estriol a 0,3%, a elasticidade, a firmeza, a profundidade
das rugas e os tamanhos dos poros da pele melhoraram acentuadamente. Na
análise imuno-histoquímica, aumentos significativos da marcação de colágeno
tipo III foram combinados a aumentos do número de fibras de colágeno ao final
do período de tratamento. Da mesma forma, não foram observados efeitos
adversos sistêmicos. No entanto, são necessários estudos melhores antes que
estes agentes sejam usados de rotina por seus efeitos antienvelhecimento.

Progesterona

Os cremes de progesterona estão sendo comercializados como formulações que


revertem as alterações químicas que ocorrem no colágeno com o envelhecimento
e que normalizam o sistema imune. Alguns fabricantes também alegam que o
creme de progesterona cicatriza patologias cutâneas, como acne, psoríase,
rosácea, seborréia e queratoses. Outros fabricantes alegam que os cremes de
progesterona são um suplemento tópico para mulheres que apresentam sintomas
relacionados à síndrome pré-menstrual (SPM), menopausa ou osteoporose.
Nenhuma destas reivindicações é sustentada por estudos bem desenhados.

Testosterona
A aplicação tópica está ser tornando rapidamente o método preferido de
administração de testosterona. Teoricamente, quando aplicada por via tópica, a
testosterona se desvia do estômago e do fígado e não causa elevação indesejável
de estrogênio. Os fabricantes alegam que os cremes de testosterona têm muitos
benefícios, como aumento da memória, efeitos antidepressivos, aumento da
resistência ao estresse e possibilidade de tratar distúrbios associados ao
hipogonadismo (como aumento do armazenamento de gordura, diminuição da
massa muscular). Estudos recentes têm mostrado que o gel de testosterona
aplicado à pele uma vez ao dia restaurou os níveis sangüíneos do hormônio em
homens com hipogonadismo.

Hormônio do crescimento

O hormônio do crescimento (GH) e seu mediador, o fator 1 de crescimento


insulina-símile (IGF-1) são responsáveis por muitos efeitos sobre o crescimento,
o desenvolvimento, a imunidade e o metabolismo. Produzido e secretado pela
hipófise anterior no cérebro, o GH é liberado em pulsos em resposta a sinais do
hipotálamo. O GH exerce efeitos anabólicos em todo o corpo, favorecendo o
crescimento de tecidos, ossos e músculos. Estudos têm mostrado que a
população envelhecendo tem níveis reduzidos de GH no corpo, com resultante
diminuição da massa corporal magra, dos depósitos de gordura, da imunidade e
da energia como um todo.

Exotoxina botulínica A

A exotoxina botulínica A é uma neurotoxina produzida pela bactéria Clostridium


botulinum. Esta toxina está sendo usada agora por especialistas orientados
cosmeticamente para o tratamento de uma grande variedade de rugas
associadas ao movimento na face e no pescoço. Como procedimento não-
cirúrgico simples e eficaz, a injeção da toxina botulínica A parece ser um método
eficaz de eliminar linhas dos pés de galinha e linhas de expressão que estão na
parte superior da face e produzindo franzimento temporário das sobrancelhas.
Esta forma de desnervação química temporária complementa o arsenal cosmético
dos profissionais. Ademais, o uso de toxina botulínica para bloquear a inervação
simpática de glândulas sudoríparas écrinas está comprovando ser valioso no
tratamento de hiperidrose das axilas, palmas e plantas.

Peptídeos

Pentapeptídeos do microcolágeno

Os fibroblastos em tecido envelhecido produzem menos colágeno do que os da


pele mais jovem, mas sua capacidade de produzir colágeno ainda está presente.
Relata-se que a produção de colágeno pelos fibroblastos é estimulada por um
fragmento pentapeptídico da molécula de colágeno.

No terminal carboxila da molécula de colágeno, há um fragmento que foi


identificado como participante na regulação de sua própria síntese. O
pentapeptídeo Lys-Thr-Thr-Lys-Ser é um estimulador potente da síntese de
colágeno e de fibronectina, que são ambos importantes componentes da matriz
intersticial.
Peptídeos de cobre

A lisil oxidase (LO) dependente do cobre desempenha um papel crítico na


biogênese das matrizes de tecido conjuntivo por ligações cruzadas das proteínas
da matriz extracelular, colágeno e elastina. Os níveis de LO aumentam em
muitas doenças fibróticas, enquanto a expressão a enzima diminui em certas
doenças envolvendo comprometimento do metabolismo do cobre.

Na década passada, o gene codificador de LO foi clonado, facilitando


investigações da regulação da expressão da enzima em resposta a diversos
estímulos e em numerosos estados patológicos. O fator de transformação do
crescimento beta, o fator de crescimento derivado das plaquetas, a angiotensina
II, o ácido retinóico, o fator de crescimento dos fibroblastos, alteração das
condições do soro e estresse por força transversal estão entre os efetores ou
condições que regulam a expressão de LO. Como se reduz a produção de
colágeno e de elastina se reduz no envelhecimento da pele e na pele exposta à
luz ultravioleta, os peptídeos de cobre podem ser capazes de ajudar a produzir
novo colágeno e, assim, reparar a pele envelhecida.

Antimicrobianos

O uso de antimicrobianos em cosméticos e artigos de toucador relacionados tem


sido exuberante nos anos recentes. São cada vez mais encontrados em óleos,
cremes e loções para bebês para ajudar a prevenir e controlar impetigo e
miliária; em desodorantes, para inibir a decomposição microbiana da
perspiração; e em várias preparações para o couro cabeludo, para inibir
microrganismos associados à dermatite seborréica.

Triclosan

Esta é a última coqueluche no arsenal das substâncias químicas antibacterianas,


incluindo detergentes, líquidos para lavagem de louças, sabões, desodorantes,
cosméticos, loções, cremes e até creme dental. O triclosan (2,4,4’-tricloro-2’-
hidroxifeniléter) é um antimicrobiano de amplo espectro, usado de rotina em
vários produtos de higiene pessoal. Também é incorporado a polímeros através
de fusão com o intuito de fornecer ação antibacteriana persistente na superfície
do polímero.

Clorexidina

A clorexidina é eficaz contra ampla variedade de bactérias vegetativas gram-


negativas e gram-positivas, leveduras, fungos dermatófitos e vírus lipofílicos. É
inativo contra esporos bacterianos, exceto em temperaturas elevadas.

Iodopolividona

Este composto é solúvel em água, formando uma solução castanho-dourada.


Como o iodo, a solução do complexo de iodo é bactericida e fungicida. No
entanto, diferentemente das soluções de iodo, não mancha. A ação anti-séptica
das soluções de iodopolividona se deve ao iodo disponível presente no complexo.

PCMX (para-cloro-meta-xilenol)
O PCMX é eficaz contra bactérias gram-positivas e gram-negativas e fungos e
leveduras. O PCMX tem sido testado e mostrado ser seguro para o uso no
tratamento de feridas a longo prazo, sendo mais eficaz numa faixa mais ampla
de microrganismos do que os outros anti-sépticos.

Peróxido de hidrogênio

Em solução, o peróxido de hidrogênio proporciona limpeza mecânica e um certo


debridamento das feridas por sua ação efervescente; entretanto, pode causar
ulceração de tecido recém-formado e pode criar granulomas. É tóxico para os
fibroblastos e, portanto, jamais deve ser usado como solução para o período
depois de intervenção para tratamento intensivo para feridas.

Preparações anticaspa

A maioria das preparações para o tratamento de caspa depende amplamente de


antimicrobianos para seu efeito terapêutico. Uma loção anticaspa importante é
combinação de cloreto de benzetônio e N-tricloroetila mercapto-4-ciclo-hexeno-
1,2-dicarboximida. O cloridrato de bifenamina tem excelente propriedade
antifúngica bacteriostática e ação anestésica local.

Piritiona de zinco

O 2-piridina-tiol-1-óxido de zinco é um dos antimicrobianos mais amplamente


usados, enquanto o brometo de lauril isoquinolínio e politionato de
bilauriltrimetilamônio são outros agentes populares. Além de suas propriedades
anti-seborréicas, o 2,2’-tiobi-4-clorofenol e a diiodo-hidroxiquina também exibem
qualidades anti-sépticas.

Desodorantes

Substâncias antimicrobianas, como o hexaclorofeno, o fenolsulfonato de alumínio


e o peróxido de zinco, bem como variados quaternários, como o brometo de
cetiltrimetilamônio, o cloreto de alquildimetilbenzilamônio e o cloreto de
diisobutilfenoxietildimetilbenzilamônio, têm sido usadas em formulações
antiperspirantes e desodorantes.

A tirotricina e a neomicina também têm sido usadas em formulações de


desodorantes. Estudos têm mostrado que a neomicina exclusivamente ou em
combinação com cloridróxido de alumínio produz eficaz supressão de odor,
juntamente com significativo aumento de organismos gram-negativos. Sua
eficácia como desodorante é essencialmente atribuída à sua supressão
excepcional dos gram-positivos.

A triclorocarbanilida é bacteriostático de amplo espectro e alta eficácia também


usado em desodorantes. Tem efeito bactericida seguro e estável duradouro.
Também tem efeitos sobre a inibição e morte de bactérias gram-positivas, gram-
negativas, fungos, sacaromicetos e vírus.

Outras preparações antimicrobianas

Diversas substâncias químicas são usadas no tratamento para variadas infecções


fúngicas, inclusive ácidos graxos e seus derivados (como o zinco, o cálcio, os
undecilenatos de alcanolamina), os fenólicos (4-hatotimóis), as quinolinas
halogenadas (iodocloridroxiquina), sais quaternários de amônio (cloreto de
hexadecametilneobi-isoquinolínio) e enxofre e derivados de enxofre (etileno
biditiocarbamato de zinco). Derivados do fenol e do polifenol que são usados em
formulações cosméticas incluem o hexilresorcinol, o p-cloro-m-xilenol, o o-
fenilfenol e o clorotimol. Compostos de amônio quaternário usados em
formulações cosméticas incluem cloreto de benzalcônio, cloreto de benzetônio,
cloreto de cetilpiridínio e brometo de cetiltrimetilamônio.

Anestésicos e antipruriginosos tópicos

Os agentes anestésicos locais específicos costumam ser encontrados em vários


medicamentos tópicos e em produtos de toucador, como loções para as mãos e o
couro cabeludo, preparações para os pés e produtos após-barba para aliviar o
desconforto e reduzir o prurido. Os anestésicos também são encontrados em
formulações elaboradas para serem úteis na dermatite das fraldas, queimaduras
solares e acne vulgar.

Etilaminobenzoato

O etilaminobenzoato (benzocaína) talvez tenha sido um dos anestésicos locais


mais amplamente usados; entretanto, a incidência cada vez maior de
sensibilização tem apressado a introdução de anestésicos não-caínicos.

Álcool benzílico

Em cremes, loções e pomadas, o álcool benzílico num nível a 2% proporciona


efeitos anestésicos locais eficazes e qualidades conservantes.

Cloridrato de diperodona

O cloridrato e o monoidrato de diperodona são compostos da piperidina da classe


dos aminobenzenos com substituições em N. Aproximadamente no nível de 1%,
proporcionam efeitos anestésicos locais e ações antipruriginosas.

Cloridrato de pramoxina

O cloridrato de pramoxina, sabidamente mais potente que a cocaína, é usado em


preparações tópicas em concentrações de cerca de 1%; entretanto, o sal
monoidratado costuma ser preferido em algumas aplicações porque não é
sensível a álcalis, é mais solúvel com variados solventes e pode evitar certas
alterações de cor ou escurecimento em produtos que contenham componentes
sensíveis ao cloridrato. Agentes anestésicos locais específicos, como a
benzocaína, a pramoxina e a diperodona, exercem seus efeitos em mucosas e
membranas cutâneas com abrasão, com solução de continuidade ou irritadas.
Não são eficazes em pele sem solução de continuidade.

Mentol

O mentol e compostos de resfriamento relacionados são amplamente usados em


produtos que variam de medicamentos para resfriados a cremes dentais,
confeitos, cosméticos e pesticidas. O mentol afeta as terminações nervosas,
proporcionando uma ação antipruriginosa de resfriamento.

Capsaicina

Pensa-se que a aplicação tópica da capsaicina cause depleção da substância P


das terminações nervosas sensitivas locais. Em experimentos em pele humana, a
reação inflamatória foi induzida por injeção de substância P (SP) ou histamina
por via intradérmica, irradiação de UV, urticária de contato não-imunológica,
reação à tuberculina, alergenos de contato e cloreto de benzalcônio com o usem
pré-tratamento com capsaicina. A resposta exacerbada à SP e à histamina foi
suprimida pelo pré-tratamento com capsaicina, enquanto a pápula aumentou. O
interessante é que o pré-tratamento com capsaicina aumentou as respostas a
todos os outros agentes inflamatórios.

Esclerosantes de veias varicosas

Os agentes esclerosantes podem ser subdivididos em diferentes grupos,


dependendo de seu mecanismo de ação.

Soluções de limpeza

Estes tipos de esclerosantes provocam dano do endotélio por ataque aos lípides
da membrana, assim causando lesão celular e inflamação. Os esclerosantes que
pertencem a este grupo incluem polidodecanol (Aethoxysclerol), o sulfato de
tetradecila de sódio (Sotradecol), morruato de sódio e oleato de etanolamina
(Ethamolin). O Aethoxisclerolç é um anestésico local e, portanto, indolor e
provavelmente o mais eficaz.

Soluções osmóticas

Estas soluções funcionam por desidratação da célula endotelial por osmose até
sua destruição. Substâncias que pertençam a este grupo incluem a salina
hipertônica e Sclerodex (NaCl a 10%, glicose a 25%, fenetilálcool a 1%).

Agentes de remoção de pêlos

Agentes depilatórios

Os agentes depilatórios químicos comuns, disponíveis nas formas de géis,


cremes, loções, aerossóis ou roll-on, são os sais do ácido tioglicólico (tioglicolato
de sódio ou tioglicolato de cálcio) que foram patenteados na década de 30 para
tirar os pêlos do couro do gado. Os depilatórios com tioglicolato funcionam
hidrolisando e rompendo as pontes dissulfeto da queratina dos pêlos, fazendo
que o pêlo se quebre ao meio e permitindo que ele se separe da pele.

Creme de cloridrato de eflornitina a 13,9%

O cloridrato de eflornitina em creme a 13,9% (Vaniqa) está aprovado pela US


FDA para a redução de pêlos faciais indesejáveis nas mulheres. Funciona inibindo
a enzima ornitina descarboxilase (ODC), enzima da pele humana que estimula o
crescimento de pêlos. Quando esta enzima é bloqueada, a atividade metabólica
no folículo piloso diminui, e os pêlos crescem mais lentamente. Os investigadores
verificaram que a atividade aumenta na pele de roedores em 4 horas após a
remoção dos pêlos. No homem, a ODC foi encontrada onde se desenvolvem os
folículos, sendo abundante nas células em proliferação dos folículos do anágeno e
diminuição na fase do catágeno o que persiste até a fase folicular seguinte. O
aumento da atividade da ODC mostra prolongamento da fase do anágeno, e a
diminuição da atividade mostra redução desta fase.

Cetoconazol

O cetoconazol é antiandrógeno potente. Funciona por bloqueio da produção de


hormônios pelos ovários e as supra-renais. A ingesta de cetoconazol pode variar
de 200 a 400 mg/d.

Espironolactona, flutamida e acetato de ciproterona

A espironolactona interfere com a produção de testosterona e aumenta o


metabolismo de qualquer testosterona que seja produzida. Ademais, com o uso
da espironolactona por longo tempo, a atividade da 5-alfa redutase é
gradualmente reduzia. A flutamida e o acetato de ciproterona também têm
atividades antiandrogênicas.

Tratamentos para perda de cabelos

Espironolactona

A espironolactona é um antagonista da aldosterona. Funciona ligando-se


competitivamente aos receptores, assim impedindo a ligação dos andrógenos
naturais aos receptores. A espironolactona é potente inibidor competitivo da
diidrotestosterona (DHT) em seus sítios receptores. Portanto, a espironolactona
efetivamente impede a DHT de se fixar aos sítios dos receptores nos folículos
pilosos. A espironolactona pode ter potencial como aplicação tópica para tratar
perda de cabelos. O tratamento de um modelo em animal revelou que a
espironolactona foi capaz de penetrar na pele e ter um efeito no local dos bulbos
dos folículos pilosos.

Acetato de ciproterona

O acetato de ciproterona permite e promove os folículos pilosos afetados por


alopecia androgênica se tornem menos distróficos, permite que o índice de
cabelos do anágeno para os folículos pilosos do telógeno aumente e possibilita
um pequeno aumento no diâmetro das hastes capilares.

Flutamida

A flutamida tem efeitos antiandrogênicos poderosos que bloqueiam o receptor


androgênico. Também tem sido usada para tratar alopecia androgênica feminina.
Resultados de um estudo mostraram que a flutamida era significativamente
superior à espironolactona no tratamento de patologias dependentes de
andrógenos nas mulheres.

Ácido azelaico

O ácido azelaico é um ácido dicarboxílico saturado encontrado naturalmente no


trigo, no centeio e na cevada. O ácido azelaico é comercializado num creme em
concentração de 20% sob o nome comercial de Azelan. O ácido azelaico afeta o
processo de corneificação das células epidérmicas e parece normalizar a
queratinização das células na pele e nos cabelos. O ácido azelaico também
parece atuar como antiandrógeno por bloqueio da atividade da 5-alfa redutase.

Cetoconazol

O xampu de cetoconazol é antifúngico. Tem alguns efeitos antiandrogênicos, mas


não se sabe se a quantidade no xampu é absorvida. Se for útil contra a perda de
cabelos, poderá funcionar de outro modo, que não como antiandrógeno. O
tratamento combinado de xampu de minoxidil com xampu de cetoconazol te
mostrado efeitos sinérgicos que não se vêm com o minoxidil apenas.

Pinacidil, P-1075, cromacalim e nicorandil

A abertura dos canais de potássio intracelulares é um mecanismo comum de


ação para um conjunto de anti-hipertensivos que inclui o agente indutor de
crescimento dos cabelos, minoxidil. Trabalhos recentes sugerem que os abridores
dos canais de potássio (ACPs) também influenciam o crescimento dos cabelos.
Estudos correlativos demonstram que uma série de ACPs, inclusive o pinacidil, o
P-1075 (análogo ativo do pinacidil), o cromacalim e o nicorandil, mentem o
crescimento dos pêlos em culturas de folículos.

Tretinoína

Demonstra-se que a tretinoína promove e regula a proliferação e a diferenciação


celulares no epitélio e pode promover proliferação vascular. Estes fatores são
importantes para a promoção do crescimento de pêlos. Também modera as
glândulas sebáceas e ajuda a controlar os níveis de DHT na pele do couro
cabeludo, impedindo a perda de cabelos relacionada aos andrógenos por
diminuição da DHT encontrada no sebo.

FK 506 – tacrolimus

O FK 506, antibiótico macrolídeo produzido pelo Streptomyces tsukubaensis, é


conhecido como potente imunossupressor específico de linfócitos T e é eficaz
contra a rejeição de enxertos depois do transplante de órgãos. O efeito
estimulante do crescimento de cabelos do FK 506 é devido, pelo menos em
parte, ao seu efeito promotor no ciclo capilar. Demonstrou-se que o FK 506
tópico induz o crescimento ativo dos cabelos (anágeno) a partir da fase em
repouso (telógeno). O FK 506 também inibe o desenvolvimento prematuro do
catágeno, induzido pela dexametasona. O FK 506 também proporciona relativa
proteção da alopecia e da distrofia folicular induzida pela ciclofosfamida, talvez
favorecendo a via distrófica do anágeno da resposta do folículo à lesão química.

Cisteína e arginina

As proteínas ricas em enxofre são as proteínas ricas em cisteína sintetizadas


durante a diferenciação das células da matriz dos cabelos e formam fibras
capilares em associação com os filamentos intermediários de queratina. A trico-
hialina (TH) é uma grande proteína estrutural das células da bainha interna e da
camada da medula do folículo piloso e, em menor escala, de outros epitélios
especializados feito da conversão de arginina em citrulina.

Palmito serrilhado (Serenoa repens)

O palmito serrilhado parece funcionar localmente no ponto real de ligação de


hormônios a receptores nas células. Aparentemente faz cessar ou pelo menos
reduz a ligação dos andrógenos aos receptores. Também inibe localmente a 5-
alfa-redutase e a 3-cetosteróide redutase, as enzimas envolvidas na conversão
da testosterona a uma DHT mais potente. O chá verde está associado a altos
níveis de globulina de ligação aos hormônios sexuais (SHBG) A SHBG é uma
molécula que se liga com alta afinidade à testosterona. A testosterona ligada à
SHBG não é bioativa e não pode ligar-se a receptores androgênicos ou ser
convertida em DHT. O chá verde também pode ter um efeito sobre a enzima 5-
alfa-redutase do tipo I.

Conduta em cicatrizes

Diferenciar cicatrizes hipertróficas de quelóides pode ser um desafio. Os pontos-


chaves que devem ser tidos em mente são, primeiro, que as cicatrizes podem
variar entre as que se tornam hipertróficas nos primeiros meses e depois se
resolvem completamente sem tratamento, e as cicatrizes hipertróficas mais
severas, que se tornam desfigurantes e permanentes e que os quelóides não
costumam recorrer por 6 meses até 2 anos depois da cirurgia.

Camada de gel de silicone

As camadas de gel de silicone tê sido amplamente usadas como opção de


conduta clínica para cicatrizes hipertróficas e quelóides desde o início da década
de 80. O mecanismo de ação da camada de gel de silicone é desconhecido.
Diferenças de temperatura que não ultrapassem 1°C, como é encontrado sob
camada de gel de silicone, podem ter efeito significativo sobre a cinética da
colagenase e podem alterar a cicatrização. O silicone, em si, jamais foi
encontrado em quantidades significativas em cicatrizes tratadas com camadas,
de modo que é improvável um efeito químico direto. Outros acreditam que a
eletricidade estática gerada pelas camadas de gel de silicone induza uma
polarização de tecido cicatricial que resulte em involução. A oclusão de cicatrizes
pelas camadas de gel de silicone pode alterar os níveis de citocinas, o que, por
sua vez, teria um efeito sobre a remodelação da cicatriz.

Fita adesiva de papel microporosa hipoalergênica

A aplicação de fita adesiva de papel microporosa hipoalergênica depois de


cirurgia tem demonstrado sucesso. O mecanismo do benefício é desconhecido,
mas pode, em parte, ser mecânico (terapia por pressão) e/ou oclusivo.

Compostos variados na conduta para cicatrizes

· Vitamina E
· Creme de extrato de cebola
· Gel de alantoína-sulfomucopolissacarídeo
· Gel de glicosaminoglicano
· Extratos de Bulbine frutescens
· Extratos de Centella asiática
· Ácido retinóico tópico
· Colchicina
· Anti-histamínicos sistêmicos

CONCLUSÃO

O uso da cosmecêutica elevou-se drasticamente nos últimos anos. Isto aumenta


significativamente o arsenal do clínico para melhorar o tratamento de patologias
da pele. No entanto, por vezes, as alegações de eficácia não possuem evidências
convincentes e, deste modo, a indústria é desafiada a fornecer evidências
convincentes da eficácia destes compostos.

BIBLIOGRAFIA

· Alam M, Dover JS: On beauty: evolution, psychosocial considerations, and


surgical enhancement. Arch Dermatol 2001 Jun; 137(6): 795-807[Medline].
· Albright R, Johnson N, Sanderson TW, et al: Pesticide residues in the top soil of
five West Alabama counties. Bull Environ Contam Toxicol 1974 Sep; 12(3): 378-
84[Medline].
· Arora RB, Kapoor V, Basu N: Anti-inflammatory studies on Curcuma longa
(turmeric). Indian J Med Res 1971 Aug; 59(8): 1289-95[Medline].
· Ashcroft GS, Dodsworth J, van Boxtel E, et al: Estrogen accelerates cutaneous
wound healing associated with an increase in TGF-beta1 levels. Nat Med 1997
Nov; 3(11): 1209-15[Medline].
· Ashcroft GS, Greenwell-Wild T, Horan MA, Wahl SM, et al: Topical estrogen
accelerates cutaneous wound healing in aged humans associated with an altered
inflammatory response. Am J Pathol 1999 Oct; 155(4): 1137-46[Medline].
· Bangha E, Elsner P, Kistler GS: Suppression of UV-induced erythema by topical
treatment with melatonin (N-acetyl-5-methoxytryptamine). Influence of the
application time point. Dermatology 1997; 195(3): 248-52[Medline].
· Bazzano GS, Terezakis N, Galen W: Topical tretinoin for hair growth promotion.
J Am Acad Dermatol 1986 Oct; 15(4 Pt 2): 880-3, 890-3[Medline].
· Bedi MK, Shenefelt PD: Herbal therapy in dermatology. Arch Dermatol 2002
Feb; 138(2): 232-42[Medline].
· Bernstein JE, Parish LC, Rapaport M: Effects of topically applied capsaicin on
moderate and severe psoriasis vulgaris. J Am Acad Dermatol 1986 Sep; 15(3):
504-7[Medline].
· Buhl AE, Conrad SJ, Waldon DJ: Potassium channel conductance as a control
mechanism in hair follicles. J Invest Dermatol 1993 Jul; 101(1 Suppl): 148S-
152S[Medline].
· Burke BM, Cunliffe WJ: Oral spironolactone therapy for female patients with
acne, hirsutism or androgenic alopecia. Br J Dermatol 1985 Jan; 112(1): 124-
5[Medline].
· Casado FJ, Nusimovich AD: LMW hyaluronic acid to induce epidermal
regeneration. Drug Cosm Ind 1991; 148: 30-34.
· Chakraborty AK, Funasaka Y, Komoto M, Ichihashi M: Effect of arbutin on
melanogenic proteins in human melanocytes. Pigment Cell Res 1998 Aug; 11(4):
206-12[Medline].
· Chan AC: Partners in defense, vitamin E and vitamin C. Can J Physiol Pharmacol
1993 Sep; 71(9): 725-31[Medline].
· Cusan L, Dupont A, Belanger A: Treatment of hirsutism with the pure
antiandrogen flutamide. J Am Acad Dermatol 1990 Sep; 23(3 Pt 1): 462-
9[Medline].
· Draelos ZD: New developments in cosmetics and skin care products. Adv
Dermatol 1997; 12: 3-17; discussion 18[Medline].
· Draelos ZD: Hydroxy acids for the treatment of aging skin. J Geriatr Dermatol
1997; 5: 236-240.
· Edwards CR, Teelucksingh S: Glycyrrhetinic acid and potentiation of
hydrocortisone activity in skin. Lancet 1990 Aug 4; 336(8710): 322-3[Medline].
· Ekoe JM, Burckhardt P, Ruedi B: Treatment of hirsutism, acne and alopecia with
cyproterone acetate. Dermatologica 1980; 160(6): 398-404[Medline].
· Ellis CN, Berberian B, Sulica VI: A double-blind evaluation of topical capsaicin in
pruritic psoriasis. J Am Acad Dermatol 1993 Sep; 29(3): 438-42[Medline].
· Fulton JE Jr: The stimulation of postdermabrasion wound healing with stabilized
aloe vera gel-polyethylene oxide dressing. J Dermatol Surg Oncol 1990 May;
16(5): 460-7[Medline].
· Gendler EC: Topical treatment of the aging face. Dermatol Clin 1997 Oct;
15(4): 561-7[Medline].
· Gensler HL: Prevention of photoimmunosuppression and photocarcinogenesis by
topical nicotinamide. Nutr Cancer 1997; 29(2): 157-62[Medline].
· Ghersetich I, Lotti T, Campanile G, et al: Hyaluronic acid in cutaneous intrinsic
aging. Int J Dermatol 1994 Feb; 33(2): 119-22[Medline].
· Goodman DS: Vitamin A and retinoids in health and disease. N Engl J Med 1984
Apr 19; 310(16): 1023-31[Medline].
· Greenway FL, Bray GA: Regional fat loss from the thigh in obese women after
adrenergic modulation. Clin Ther 1987; 9(6): 663-9[Medline].
· Griffiths CE: Drug treatment of photoaged skin. Drugs Aging 1999 Apr; 14(4):
289-301[Medline].
· Hamaoka H, Minakuchi K, Miyoshi H: Effect of K+ channel openers on K+
channel in cultured human dermal papilla cells. J Med Invest 1997 Aug; 44(1-2):
73-7[Medline].
· Hipkiss AR, Brownson C, Carrier MJ: Carnosine, the anti-ageing, anti-oxidant
dipeptide, may react with protein carbonyl groups. Mech Ageing Dev 2001 Sep
15; 122(13): 1431-45[Medline].
· Humbert P: Topical vitamin C in the treatment of photoaged skin. Eur J
Dermatol 2001 Mar-Apr; 11(2): 172-3[Medline].
· Idson B: Vitamins of the skin. Cosmet Toilet 1993; 108: 79-92.
· Jiang H, Yamamoto S, Kato R: Induction of anagen in telogen mouse skin by
topical application of FK506, a potent immunosuppressant. J Invest Dermatol
1995 Apr; 104(4): 523-5[Medline].
· Kagan VE, Serbinova EA, Safadi A, et al: NADPH-dependent inhibition of lipid
peroxidation in rat liver microsomes. Biochem Biophys Res Commun 1992 Jul 15;
186(1): 74-80[Medline].
· Kagan VE, Serbinova EA, Forte T, et al: Recycling of vitamin E in human low
density lipoproteins. J Lipid Res 1992 Mar; 33(3): 385-97[Medline].
· Kalyon BD, Olgun U: Antibacterial efficacy of triclosan-incorporated polymers.
Am J Infect Control 2001 Apr; 29(2): 124-5[Medline].
· Kang S, Fisher GJ, Voorhees JJ: Photoaging and topical tretinoin: therapy,
pathogenesis, and prevention. Arch Dermatol 1997 Oct; 133(10): 1280-
4[Medline].
· Katayama K, Armendariz-Borunda J, Raghow R: A pentapeptide from type I
procollagen promotes extracellular matrix production. J Biol Chem 1993 May 15;
268(14): 9941-4[Medline].
· Katiyar SK, Elmets CA: Green tea polyphenolic antioxidants and skin
photoprotection (Review). Int J Oncol 2001 Jun; 18(6): 1307-13[Medline].
· Khandpur S, Suman M, Reddy BS: Comparative efficacy of various treatment
regimens for androgenetic alopecia in men. J Dermatol 2002 Aug; 29(8): 489-
98[Medline].
· Kligman AM: Why Cosmeceuticals? Cosmet Toilet 1993; 108:39.
· Kligman AM, Fulton JE Jr, Plewig G: Topical vitamin A acid in acne vulgaris. Arch
Dermatol 1969 Apr; 99(4): 469-76[Medline].
· Kligman AM: Hydration injury to human skin. In: Van der Valk PG, Maibach HI,
eds. The Irritant Contact Dermatitis Syndrome. Boca Raton: CRC Press Inc;
1996:187-190.
· Kligman LH, Kligman AM: Petrolatum and other hydrophobic emollients reduce
UV-A-induced damage. J Dermatol Treatment 1992; 3: 3.
· Kligman LH: Effects of all-trans-retinoic acid on the dermis of hairless mice. J
Am Acad Dermatol 1986 Oct; 15(4 Pt 2): 779-85, 884-7[Medline].
· Kulkarni AP, Chaudhuri J, Mitra A, Richards IS: Dioxygenase and peroxidase
activities of soybean lipoxygenase: synergistic interaction between linoleic acid
and hydrogen peroxide. Res Commun Chem Pathol Pharmacol 1989 Nov; 66(2):
287-96[Medline].
· Kumar CA, Das UN: Effect of melatonin on two stage skin carcinogenesis in
Swiss mice. Med Sci Monit 2000 May-Jun; 6(3): 471-5[Medline].
· Lahti A, Maibach HI: Species specificity of nonimmunologic contact urticaria:
guinea pig, rat, and mouse. J Am Acad Dermatol 1985 Jul; 13(1): 66-9[Medline].

· Lee OS, Kang HH, Han SH: Oriental herbs in cosmetics: Plant extracts are
reviewed for their potential as cosmetic ingredients. Cosmet Toilet 1997; 112:
57-64.
· Leung AY, Foster S: Encyclopedia of Common Ingredients Used in Food, Drugs
and Cosmetics. 2nd ed. NY: Wiley John & Sons; 1996.
· Leyden JJ, Grove GL, Grove MJ, et al: Treatment of photodamaged facial skin
with topical tretinoin. J Am Acad Dermatol 1989 Sep; 21(3 Pt 2): 638-
44[Medline].
· Liao S, Hiipakka RA: Selective inhibition of steroid 5 alpha-reductase isozymes
by tea epicatechin-3-gallate and epigallocatechin-3-gallate. Biochem Biophys Res
Commun 1995 Sep 25; 214(3): 833-8[Medline].
· Lin SY, Chang HP: Induction of superoxide dismutase and catalase activity in
different rat tissues and protection from UVB irradiation after topical application
of Ginkgo biloba extracts. Methods Find Exp Clin Pharmacol 1997 Jul-Aug; 19(6):
367-71[Medline].
· Liu M, Wikonkal NM, Brash DE: Induction of cyclin-dependent kinase inhibitors
and G(1) prolongation by the chemopreventive agent N-acetylcysteine.
Carcinogenesis 1999 Sep; 20(9): 1869-72[Medline].
· Liu M, Wikonkal NM, Brash DE: UV induces p21WAF1/CIP1 protein in
keratinocytes without p53. J Invest Dermatol 1999 Aug; 113(2): 283-4[Medline].

· Loden M, Barany E: Skin-identical lipids versus petrolatum in the treatment of


tape- stripped and detergent-perturbed human skin. Acta Derm Venereol 2000
Nov-Dec; 80(6): 412-5[Medline].
· Lyle WG: Silicone gel sheeting. Plast Reconstr Surg 2001 Jan; 107(1): 272-
5[Medline].
· Maguire JJ, Kagan V, Ackrell BA, et al: Succinate-ubiquinone reductase linked
recycling of alpha-tocopherol in reconstituted systems and mitochondria:
requirement for reduced ubiquinone. Arch Biochem Biophys 1992 Jan; 292(1):
47-53[Medline].
· Maibach HI, Johnson HL: Contact urticaria syndrome. Contact urticaria to
diethyltoluamide (immediate-type hypersensitivity). Arch Dermatol 1975 Jun;
111(6): 726-30[Medline].
· Marks R, Pearse AD, Walker AP: The effects of a shampoo containing zinc
pyrithione on the control of dandruff. Br J Dermatol 1985 Apr; 112(4): 415-
22[Medline].
· Matsuda H, Higashino M, Nakai Y, et al: Studies of cuticle drugs from natural
sources. IV. Inhibitory effects of some Arctostaphylos plants on melanin
biosynthesis. Biol Pharm Bull 1996 Jan; 19(1): 153-6[Medline].
· Maurer M, Handjiski B, Paus R: Hair growth modulation by topical immunophilin
ligands: induction of anagen, inhibition of massive catagen development, and
relative protection from chemotherapy-induced alopecia. Am J Pathol 1997 Apr;
150(4): 1433-41[Medline].
· Merfort I, Heilmann J, Hagedorn-Leweke U: In vivo skin penetration studies of
camomile flavones. Pharmazie 1994 Jul; 49(7): 509-11[Medline].
· Messager S, Goddard PA, Dettmar PW: Determination of the antibacterial
efficacy of several antiseptics tested on skin by an 'ex-vivo' test. J Med Microbiol
2001 Mar; 50(3): 284-92[Medline].
· Moriwaki Y, Yamamoto T, Higashino K: Enzymes involved in purine
metabolism--a review of histochemical localization and functional implications.
Histol Histopathol 1999 Oct; 14(4): 1321-40[Medline].
· Motulsky HJ, Insel PA: Adrenergic receptors in man: direct identification,
physiologic regulation, and clinical alterations. N Engl J Med 1982 Jul 1; 307(1):
18-29[Medline].
· Mustoe TA, Cooter RD, Gold MH, et al: International clinical recommendations
on scar management. Plast Reconstr Surg 2002 Aug; 110(2): 560-71[Medline].
· Nagata C, Kabuto M, Shimizu H: Association of coffee, green tea, and caffeine
intakes with serum concentrations of estradiol and sex hormone-binding globulin
in premenopausal Japanese women. Nutr Cancer 1998; 30(1): 21-4[Medline].
· Nakagawa M, Kawai K, Kawai K: Contact allergy to kojic acid in skin care
products. Contact Dermatitis 1995 Jan; 32(1): 9-13[Medline].
· Olsen EA, Katz HI, Levine N, et al: Tretinoin emollient cream: a new therapy for
photodamaged skin. J Am Acad Dermatol 1992 Feb; 26(2 Pt 1): 215-
24[Medline].
· Palumbo A, d'Ischia M, Misuraca G, Prota G: Mechanism of inhibition of
melanogenesis by hydroquinone. Biochim Biophys Acta 1991 Jan 23; 1073(1):
85-90[Medline].
· Pelle E, Muizzuddin N, Mammone T, et al: Protection against endogenous and
UVB-induced oxidative damage in stratum corneum lipids by an antioxidant-
containing cosmetic formulation. Photodermatol Photoimmunol Photomed 1999
Jun-Aug; 15(3-4): 115-9[Medline].
· Port RB, Paige ML, Berstein JR: The 'altered states' foreign body. Am J Dis Child
1986 Oct; 140(10): 972-3[Medline].
· Prager N, Bickett K, French N: A randomized, double-blind, placebo-controlled
trial to determine the effectiveness of botanically derived inhibitors of 5-alpha-
reductase in the treatment of androgenetic alopecia. J Altern Complement Med
2002 Apr; 8(2): 143-52[Medline].
· Rattan SI, Clark BF: Kinetin delays the onset of ageing characteristics in human
fibroblasts. Biochem Biophys Res Commun 1994 Jun 15; 201(2): 665-
72[Medline].
· Saulis AS, Mogford JH, Mustoe TA: Effect of Mederma on hypertrophic scarring
in the rabbit ear model. Plast Reconstr Surg 2002 Jul; 110(1): 177-83;
discussion 184-6[Medline].
· Schmidt JB, Binder M, Demschik G, et al: Treatment of skin aging with topical
estrogens. Int J Dermatol 1996 Sep; 35(9): 669-74[Medline].
· Shuster S: The aetiology of dandruff and the mode of action of therapeutic
agents. Br J Dermatol 1984 Aug; 111(2): 235-42[Medline].
· Silverman AK, Ellis CN, Voorhees JJ: Hypervitaminosis A syndrome: a paradigm
of retinoid side effects. J Am Acad Dermatol 1987 May; 16(5 Pt 1): 1027-
39[Medline].
· Smith WP: Hydroxy acids and skin aging. Cosmet Toilet 1994; 109: 41-48.
· Srivastava R: Inhibition of neutrophil response by curcumin. Agents Actions
1989 Nov; 28(3-4): 298-303[Medline].
· Steenvoorden DP, Beijersbergen van Henegouwen GM: Cysteine derivatives
protect against UV-induced reactive intermediates in human keratinocytes: the
role of glutathione synthesis. Photochem Photobiol 1997 Nov; 66(5): 665-
71[Medline].
· Steenvoorden DP, van Henegouwen GM: The use of endogenous antioxidants to
improve photoprotection. J Photochem Photobiol B 1997 Nov; 41(1-2): 1-
10[Medline].
· Stege H, Roza L, Vink AA, et al: Enzyme plus light therapy to repair DNA
damage in ultraviolet-B- irradiated human skin. Proc Natl Acad Sci U S A 2000
Feb 15; 97(4): 1790-5[Medline].
· Syed TA, Ahmad SA, Holt AH: Management of psoriasis with Aloe vera extract
in a hydrophilic cream: a placebo-controlled, double-blind study. Trop Med Int
Health 1996 Aug; 1(4): 505-9[Medline].
· Tarcsa E, Marekov LN, Andreoli J: The fate of trichohyalin. Sequential post-
translational modifications by peptidyl-arginine deiminase and transglutaminases.
J Biol Chem 1997 Oct 31; 272(44): 27893-901[Medline].
· Teelucksingh S, Mackie AD, Burt D: Potentiation of hydrocortisone activity in
skin by glycyrrhetinic acid. Lancet 1990 May 5; 335(8697): 1060-3[Medline].
· Thiele JJ, Schroeter C, Hsieh SN, et al: The antioxidant network of the stratum
corneum. Curr Probl Dermatol 2001; 29: 26-42[Medline].
· Urbach W: Cosmeceuticals-The future of cosmetics? Cosmet Toilet 1995; 110:
33.
· Van Scott EJ, Yu RJ: Alpha hydroxy acids: procedures for use in clinical practice.
Cutis 1989 Mar; 43(3): 222-8[Medline].
· Van Scott EJ, Yu RJ: Control of keratinization with alpha-hydroxy acids and
related compounds. I. Topical treatment of ichthyotic disorders. Arch Dermatol
1974 Oct; 110(4): 586-90[Medline].
· Van Scott EJ, Yu RJ: Hyperkeratinization, corneocyte cohesion, and alpha
hydroxy acids. J Am Acad Dermatol 1984 Nov; 11(5 Pt 1): 867-79[Medline].
· Varani J, Fisher GJ, Kang S, Voorhees JJ: Molecular mechanisms of intrinsic skin
aging and retinoid-induced repair and reversal. J Investig Dermatol Symp Proc
1998 Aug; 3(1): 57-60[Medline].
· Vermeer BJ, Gilchrest BA: Cosmeceuticals. A proposal for rational definition,
evaluation, and regulation. Arch Dermatol 1996 Mar; 132(3): 337-40[Medline].
· Wallengren J, Moller H: The effect of capsaicin on some experimental
inflammations in human skin. Acta Derm Venereol 1986; 66(5): 375-
80[Medline].
· Weber SU, Thiele JJ, Cross CE, Packer L: Vitamin C, uric acid, and glutathione
gradients in murine stratum corneum and their susceptibility to ozone exposure.
J Invest Dermatol 1999 Dec; 113(6): 1128-32[Medline].
· Wei H, Bowen R, Cai Q, et al: Antioxidant and antipromotional effects of the
soybean isoflavone genistein. Proc Soc Exp Biol Med 1995 Jan; 208(1): 124-
30[Medline].
· Weiss JS, Ellis CN, Headington JT, Voorhees JJ: Topical tretinoin in the
treatment of aging skin. J Am Acad Dermatol 1988 Jul; 19(1 Pt 2): 169-
75[Medline].
· Weiss JS, Ellis CN, Headington JT, et al: Topical tretinoin improves photoaged
skin. A double-blind vehicle- controlled study. JAMA 1988 Jan 22-29; 259(4):
527-32[Medline].
· Weissmann A, Bowden J, Frank BL: Antiandrogenic effects of topically applied
spironolactone on the hamster flank organ. Arch Dermatol 1985 Jan; 121(1): 57-
62[Medline].
· Yamamoto S, Jiang H, Kato R: Stimulation of hair growth by topical application
of FK506, a potent immunosuppressive agent. J Invest Dermatol 1994 Feb;
102(2): 160-4[Medline].
· Yamamoto S, Kato R: Hair growth-stimulating effects of cyclosporin A and
FK506, potent immunosuppressants. J Dermatol Sci 1994 Jul; 7 Suppl: S47-
54[Medline].
· Yarosh D, Klein J, O'Connor A, et al: Effect of topically applied T4 endonuclease
V in liposomes on skin cancer in xeroderma pigmentosum: a randomised study.
Xeroderma Pigmentosum Study Group. Lancet 2001 Mar 24; 357(9260): 926-
9[Medline].
· Zhang L, Lerner S, Rustrum WV, Hofmann GA: Electroporation-mediated topical
delivery of vitamin C for cosmetic applications. Bioelectrochem Bioenerg 1999
May; 48(2): 453-61[Medline].

Libbs

IMPORTANTE
  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e
receitar remédios. 

 As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem


apenas caráter educativo.

Publicado por: Dra. Shirley de Campos