Você está na página 1de 26

Atlas Copco

Módulo de gateway Mk5 da Elektronikon

Guia do utilizador
Guia do utilizador
1. Informações gerais

Módulo de gateway Mk5 da Elektronikon

Número do documento : 9845 0187 00_PT


Relativo a : Unidades com módulo de gateway Mk5 da Elektronikon
Operações preliminares : –
Instruções de segurança : Geral
Pessoas necessárias : 1
Ferramentas especiais : –
Consumíveis : –

2. Síntese do documento
O presente documento abrange os seguintes temas:
1. Informações gerais....................................................................................................................................................... 1
2. Síntese do documento ................................................................................................................................................. 1
3. Aviso de direitos de autor............................................................................................................................................. 3
4. Informação do documento e histórico .......................................................................................................................... 3
5. Precauções de segurança ........................................................................................................................................... 4
5.1. Ícones de segurança ............................................................................................................................................... 4
5.2. Precauções de segurança durante a instalação ...................................................................................................... 4
5.3. Precauções de segurança durante a operação ....................................................................................................... 5
5.4. Precauções de segurança durante a manutenção e reparação .............................................................................. 6
6. Introdução .................................................................................................................................................................... 7
7. Configuração física ...................................................................................................................................................... 7
7.1. Modbus e/ou Profibus na rede ................................................................................................................................. 7
7.2. Módulo de gateway.................................................................................................................................................. 7
8. Instalação e configuração do software ......................................................................................................................... 8
8.1. Estrutura das pastas de menus do visor.................................................................................................................. 8
8.1.1. Pasta Mainscreen (Ecrã principal) [ ] ................................................................................................................ 8
8.1.2. Pasta General Settings (Definições Gerais) [ GE ] .............................................................................................. 8
8.1.3. Pasta Compressors (Compressores) [CP] ........................................................................................................ 13
9. Descrição do Visor do Gateway ................................................................................................................................. 14
9.1. Ícones .................................................................................................................................................................... 14
9.2. LEDs ...................................................................................................................................................................... 14
9.3. Teclado .................................................................................................................................................................. 14
9.4. Palavras-passe / Códigos de acesso..................................................................................................................... 15
10. Implementação do Protocolo Modbus ........................................................................................................................ 16
10.1. Especificação do Modbus suportado ..................................................................................................................... 16
10.2. Funções Modbus suportadas................................................................................................................................. 16

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 1 de 22


1

10.3. Código de função - campo de dados ..................................................................................................................... 16


10.4. Códigos de excepção ............................................................................................................................................ 17
10.5. Exemplos ............................................................................................................................................................... 17
10.5.1. Endereços de dados ilegal ............................................................................................................................ 17
10.5.2. Pressão de saída e estado da pressão de saída .......................................................................................... 17
10.5.3. Mudar a banda de pressão activa ................................................................................................................. 18
10.5.4. Iniciar a máquina ........................................................................................................................................... 18
11. Implementação do Protocolo Profibus ....................................................................................................................... 19
11.1. Conceito master-slave ........................................................................................................................................... 19
11.2. Estrutura da memória intermédia........................................................................................................................... 19
11.2.1. Cabeçalho ..................................................................................................................................................... 19
11.2.2. Registo de dados .......................................................................................................................................... 21
11.3. Códigos de excepção ............................................................................................................................................ 21
11.4. Exemplos ............................................................................................................................................................... 22
11.4.1. Endereços de dados ilegal ............................................................................................................................ 22
11.4.2. Pressão de saída e estado da pressão de saída .......................................................................................... 22
11.4.3. Mudar a banda de pressão activa ................................................................................................................. 22
11.4.4. Iniciar a máquina ........................................................................................................................................... 22

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 2 de 22


1

3. Aviso de direitos de autor


É proibido utilizar ou copiar, na íntegra ou em parte, os presentes conteúdos sem autorização prévia.
Isto aplica-se em particular às marcas registadas, denominações de modelos, números de peças ou desenhos.

4. Informação do documento e histórico

Edição Data Descrição Autor

00 29/11/2010 Primeira edição CTE-KD

01 22/03/2011 Actualização do texto por Tine Lefebvre CTE-KD

02 10/05/2011 Alteração da designação dos dispositivos ES para CRC ES CTE-KD

03 23/08/2011 Palavra-passe / Códigos de acesso do cliente CTE-KD

04 23/08/2011 Actualização de acordo com as observações de Guido Willems CTE-KD

05 01/09/2011 Exemplos adicionados para Modbus e Profibus CTE-KD

06 12/09/2011 Actualização de acordo com as observações da SGS CTE-KD

07 11/04/2012 - Alteração no número de máquinas CTE-KD


- Parâmetros da máquina

08 24/05/2012 - Parâmetros da máquina CTE-KD


- Códigos de excepção adicionais

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 3 de 22


1

5. Precauções de segurança

5.1. Ícones de segurança

Perigo de vida

Aviso

Nota importante

5.2. Precauções de segurança durante a instalação

O fabricante não assume qualquer responsabilidade por eventuais danos ou ferimentos que resultem da
negligência dessas precauções ou a não observância dos cuidados normais necessários para a instalação,
operação, manutenção e reparação, mesmo que não expressamente indicada.

Precauções gerais
1. O operador deve adoptar práticas de trabalho seguras e respeitar todos os requisitos e regulamentos em matéria de
segurança no trabalho.
2. Se alguma das disposições que se seguem não cumprir a legislação aplicável, aplicar-se-á a mais restritiva das duas.
3. Os trabalhos de instalação, operação, manutenção e reparação devem ser levados a cabo por pessoal especializado,
com conhecimentos no sector.
4. Antes de levar a cabo qualquer manutenção, trabalho de reparação, ajuste ou outras verificações não rotineiras, pare
o dispositivo. Além disso, o seccionador tem de estar aberto e bloqueado.

Precauções durante a instalação


1. Coloque o dispositivo onde o ar ambiente for o mais fresco e limpo possível.
2. Durante a instalação ou qualquer outra intervenção numa das máquinas ligadas, o funcionamento da máquina tem de
ser interrompido, a máquina tem de ser desligada da corrente e o seccionador tem de estar aberto e bloqueado antes
de qualquer manutenção ou reparação. Como salvaguarda adicional, as pessoas que efectuam comutações dos
circuitos em máquinas controladas remotamente devem assegurar-se de que ninguém está a verificar ou a trabalhar
na máquina. Para o efeito, deve ser afixado ao equipamento de arranque um aviso adequado.
3. As ligações eléctricas têm de corresponder aos códigos locais. O dispositivo tem de ser ligado à terra e protegido
contra curto-circuitos através de fusíveis em todas as fases. Tem de estar instalado um seccionador com chave, perto
do dispositivo.
4. Para máquinas controladas por meio de um sistema de controlo central, tem de ser afixado um sinal com a mensagem
"Esta máquina pode arrancar sem aviso" no painel de instrumentos.
5. Em sistemas de compressores múltiplos, têm de ser instaladas válvulas manuais para isolar cada compressor. Não
deve confiar nas válvulas anti-retorno (válvulas de controlo) para o isolamento de sistemas de pressão.
6. Nunca remova nem brinque com os dispositivos de segurança.

Consulte também as seguintes precauções de segurança: Precauções de segurança durante a


operação e Precauções de segurança durante a manutenção ou reparação.
Estas precauções aplicam-se a dispositivos eléctricos.
Para precauções aplicáveis ao equipamento ligado, consulte o livro de instruções relevante.
Algumas precauções têm carácter geral e cobrem vários tipos de máquinas e equipamentos; por
esta razão, algumas indicações podem não se aplicar ao seu dispositivo.

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 4 de 22


1

5.3. Precauções de segurança durante a operação


Precauções gerais
1. O operador deve adoptar práticas de trabalho seguras e respeitar todos os requisitos e regulamentos locais em
matéria de segurança no trabalho.
2. Se alguma das declarações que se seguem não cumprir a legislação local, aplicar-se-á a mais restritiva das duas.
3. Os trabalhos de instalação, operação, manutenção e reparação devem ser levados a cabo por pessoal autorizado,
qualificado e especializado.
4. Antes de levar a cabo qualquer manutenção, trabalho de reparação, ajuste ou outras verificações não rotineiras, pare
o dispositivo. Além disso, o seccionador tem de estar aberto e bloqueado.

Precauções durante a operação


1. As pessoas que efectuam comutações dos circuitos em máquinas controladas remotamente devem assegurar-se de
que ninguém está a verificar ou a trabalhar na máquina. Para o efeito, deve ser afixado ao equipamento de arranque
remoto um aviso adequado.
2. Nunca opere o dispositivo na presença de fumos, vapores ou partículas inflamáveis ou tóxicos.
3. Nunca opere a máquina abaixo ou acima dos seus limites nominais.
4. Mantenha todas as portas e painéis da estrutura fechados durante a operação. As portas podem apenas ser abertas
por breves períodos, por exemplo, para efectuar inspecções de rotina. Se aplicável, use protectores para os ouvidos
quando abrir uma porta.
5. Pessoas que permaneçam em ambientes ou salas onde o nível de pressão sonora é igual ou superior a 90 dB(A)
devem usar protecção para os ouvidos.
6. Verifique periodicamente se:
• Todas as protecções estão montadas e correctamente fixadas
• Todas as mangueiras e/ou tubos no interior estão em boas condições, seguros e não fazem fricção noutros
componentes
• Não existem fugas
• Todos os fixadores estão apertados
• Todos os fios eléctricos estão seguros e em boas condições
• As válvulas de segurança e outros dispositivos de descarga de pressão não estão obstruídos por sujidade ou tinta
• A válvula de saída de ar e o crivo, ou seja, tubos, acoplamentos, colectores, válvulas, mangueiras, etc., estão em
bom estado de reparação, isentos de desgaste e correctamente montados
7. Nunca remova ou brinque com os dispositivos de segurança.

Consulte também as seguintes precauções de segurança: Precauções de segurança durante a


instalação e Precauções de segurança durante a manutenção ou reparação.
Estas precauções aplicam-se a dispositivos eléctricos.
Para precauções aplicáveis ao equipamento ligado, consulte o livro de instruções relevante.
Algumas precauções têm carácter geral e cobrem vários tipos de máquinas e equipamentos; por
esta razão, algumas indicações podem não se aplicar ao seu dispositivo.

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 5 de 22


1

5.4. Precauções de segurança durante a manutenção e reparação


Precauções gerais
1. O operador deve adoptar práticas de trabalho seguras e respeitar todos os requisitos e regulamentos locais em
matéria de segurança no trabalho.
2. Se alguma das declarações que se seguem não cumprir a legislação local, aplicar-se-á a mais restritiva das duas.
3. Os trabalhos de instalação, operação, manutenção e reparação devem ser levados a cabo por pessoal autorizado,
qualificado e especializado.
4. Antes de levar a cabo qualquer manutenção, trabalho de reparação, ajuste ou outras verificações não rotineiras, pare
o dispositivo. Além disso, o seccionador tem de estar aberto e bloqueado.

Precauções durante a manutenção e reparação


1. Use apenas as ferramentas correctas para os trabalhos de manutenção e reparação.
2. Utilize só peças sobresselentes genuínas.
3. Deve ser afixado ao equipamento de arranque um sinal com o texto "Trabalho em progresso; não ligar", incluindo no
equipamento de activação remota.
4. As pessoas que efectuam comutações dos circuitos em máquinas controladas remotamente devem assegurar-se de
que ninguém está a verificar ou a trabalhar na máquina. Para o efeito, deve ser afixado ao equipamento de arranque
remoto um aviso adequado.
5. Nunca utilize solventes inflamáveis ou tetracloreto de carbono para limpar peças. Tome precauções de segurança
contra vapores tóxicos e de líquidos de limpeza.
6. Respeite escrupulosamente as indicações de higiene durante a manutenção e reparação. Mantenha o pó afastado
cobrindo as peças e aberturas expostas com um pano limpo, papel e fita adesiva.
7. Nunca utilize uma fonte de luz com chama aberta para inspeccionar o interior do dispositivo.
8. Todos os dispositivos de regulação e de segurança devem ser alvo de uma manutenção cuidadosa para assegurar o
seu funcionamento correcto. Não podem ser desactivados.
9. Antes de aprovar a utilização do dispositivo após uma manutenção ou reparação, verifique se as pressões de
operação, temperaturas e definições do tempo estão correctas. Verifique se todos os dispositivos de controlo e de
encerramento estão montados e se funcionam correctamente.
10. Nunca use solventes cáusticos, pois podem danificar os materiais ou o crivo.

Consulte também as seguintes precauções de segurança: Precauções de segurança durante a


instalação e Precauções de segurança durante a operação.
Estas precauções aplicam-se a dispositivos eléctricos.
Para precauções aplicáveis ao equipamento ligado, consulte o livro de instruções relevante.
Algumas precauções têm carácter geral e cobrem vários tipos de máquinas e equipamentos; por
esta razão, algumas indicações podem não se aplicar ao seu dispositivo.

As unidades e/ou as peças utilizadas devem ser eliminadas de forma segura e ecológica, de
acordo com a legislação e as recomendações locais.

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 6 de 22


1

6. Introdução
O presente documento descreve como implementar uma ligação Modbus e/ou Profibus na rede de controladores de
compressores Elektronikon MkIV e/ou Elektronikon Mk5.

7. Configuração física

7.1. Modbus e/ou Profibus na rede


No sistema Elektronikon, todos os compressores numa instalação podem ser ligados por uma rede de dados e/ou de
controlo. Isto é feito de acordo com as instruções de cablagem para redes de compressores (9820 3585 00). Estas
instruções explicam quais os conectores e cabos que devem ser usados para interligar os diversos
compressores/controladores na rede. Trata-se essencialmente de uma rede baseada em CAN
Para configurar uma ligação Modbus e/ou Profibus a um ou vários compressores nesta rede, é necessário inserir um
módulo especial nesta rede.
Este comportar-se-á como um proxy Modbus/Profibus que permite o acesso a todos os compressores na rede, sendo que
cada compressor dispõe do seu próprio endereço Modbus (conceito Proxy).
O módulo comportar-se-á ainda como uma ponto para aceder aos dados guardados no dicionário de objectos do nó CAN.
Para funcionar correctamente, é necessário atribuir um ID de nó slave a este módulo de ponte. Do ponto de vista do
master, esta ponte constitui uma forma de aceder a informações da rede CANBUS.
NOTA: o fabricante do Profibus do módulo tem de criar a chamada “Ficha de dados electrónica” ou ficheiro GSD, que declara as
dimensões e o tipo de dados trocados. Este ficheiro contém informação pública necessária para os utilizadores do Profibus, para fazer
interface com o módulo de ponte.

7.2. Módulo de gateway


Para a ligação Modbus e/ou Profibus é necessário usar o chamado módulo de gateway. Este é um módulo de comunicação
série de uso geral. Descarregando o software correcto, irá desempenhar a função de proxy e/ou ponte.
Serão utilizadas as seguintes ligações:
• 6x36 : para ligar uma fonte de alimentação 24Vac
• 6x20 : para ligar à rede de compressores (CAN)
• 6x25 : para ligar a um PC para transferir a aplicação para o módulo
• 6x22 : para ligar a linha Modbus RS485
• 6x37: para ligar a linha Profibus
O outro conector 6x38 não é utilizado nesta aplicação.

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 7 de 22


1

8. Instalação e configuração do software


Antes de o módulo poder ser utilizado para uma ligação Modbus e/ou Profibus, é necessário descarregar a aplicação de
software e as definições correctas. Isto pode ser feito pelo pessoal de assistência da AC utilizando o AC Speci5.
Uma vez instalado o software, a configuração pode ser igualmente efectuada pelo pessoal da Atlas Copco utilizando o AC
Modi5.

8.1. Estrutura das pastas de menus do visor


Uma vez descarregado o módulo, as definições predefinidas podem ser encontradas no módulo. Agora é importante
configurar correctamente o módulo de acordo com os seus desejos pessoais.
A estrutura dos menus do visor está organizada da seguinte forma:

Cada pasta tem uma ou mais subpastas que pode aceder através da tecla Enter no teclado. Para sair de uma pasta, utilize
a tecla Cancelar. Pode percorrer as diferentes pastas premindo o botão Esquerda e Direita.
Depois de alcançada uma definição numa determinada pasta, é apresentado o valor da definição actual. Prima Cancelar
para sair do menu actual. Premindo Enter permite ao utilizador alterar as definições (o valor começa a piscar) clicando no
botão Para cima ou Para baixo. Neste ponto, o utilizador poderá anular as definições actuais clicando em Cancelar. Neste
caso, o valor da definição actual será apresentado novamente. Contudo, clicando em Enter , o valor das definições será
guardado e o módulo apresenta um comportamento correspondente.

8.1.1. Pasta Mainscreen (Ecrã principal) [ ]


A pasta do ecrã principal não contém subpastas ou é utilizada apenas para apresentar informações gerais. O módulo
regressa sempre a esta pasta, caso não seja premida qualquer tecla durante um determinado período.

8.1.2. Pasta General Settings (Definições Gerais) [ GE ]


A pasta General Settings (Definições Gerais) consiste em 4 subpastas que serão explicadas nos parágrafos seguintes.

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 8 de 22


1

Pasta Communication (Comunicação) [Co]


A pasta Communication oferece basicamente a possibilidade de editar os parâmetros utilizados para comunicar
correctamente com o canal CAN (com os módulos Elektronikon ligados à rede CAN), o canal Modbus RS485 e o canal
Profibus.
Oferece ainda a possibilidade de configurar/alterar as definições da EtherNet.

Modbus Engine (Motor Modbus)


O motor Modbus pode ser activado/desactivado aqui.
NOTA: No caso de o motor Modbus estar activo, as definições Modbus Baudrate (Taxa de Baud Modbus), Modbus Parity (Paridade
Modbus) e Modbus Stopbits (Bits de paragem Modbus) não estão acessíveis.

Modbus Baudrate (Taxa de Baud Modbus)


A tabela abaixo mostra as possíveis taxas de Baud do Modbus, indicadas da seguinte maneira:

Valor no visor Taxa de Baud

0 9600 bps
1 19200 bps
2 38400 bps
3 57600 bps
4 115200 bps
5 230400 bps
6 460800 bps

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 9 de 22


1

Modbus Parity (Paridade do Modbus)


A tabela abaixo mostra as possíveis paridades do Modbus, indicadas da seguinte maneira:

Valor no visor Paridade

0 Nenhuma
1 Par
2 Ímpar

Modbus Stopbits (Bits de paragem Modbus)


Seleccione o número de stopbits utilizados (1 ou 2).

Profibus Engine (Motor Profibus)


O motor Profibus pode ser activado/desactivado aqui.
NOTA: No caso de o motor Profibus estar activo, as definições de Profibus SlaveAddress (Endereço Slave do Profibus) e Profibus
DataRecords (Registos de dados do Profibus) não estão acessíveis.

Profibus SlaveAddress (Endereço Slave do Profibus)


O endereço Slave do Profibus pode ser ajustado aqui.

Valor no visor

1 .. 255

Profibus DataRecords (Registos de dados do Profibus)


Existem 4 definições possíveis, indicadas da seguinte forma:

Valor no visor #

1 1 registo de dados
2 2 registos de dados
4 4 registos de dados
8 8 registos de dados

EtherNet Engine (Motor EtherNet)


O motor EtherNet pode ser activado/desactivado aqui.

EtherNet IP Address (Endereço IP EtherNet)


O endereço IP da EtherNet pode ser configurado/alterado aqui.

EtherNet Network Mask (Máscara de rede EtherNet)


A máscara de rede EtherNet pode ser configurada/alterada aqui.

EtherNet Gateway
O EtherNet Gateway pode ser configurado/alterado aqui.

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 10 de 22


1

CAN Engine (Motor CAN)


O motor CAN pode ser activado/desactivado aqui.
NOTA: No caso de o motor CAN estar activo, as definições CAN Channel (canal CAN) não estão acessíveis.

CAN Channel (Canal CAN)


A tabela abaixo mostra os possíveis canais CAN, indicados da seguinte maneira:

Valor no visor Canal

1 Primário
2 Secundário

Pasta CAN [ CA ]
A pasta CAN contém as definições utilizadas pelo motor CAN interno e contém as seguintes subpastas:

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 11 de 22


1

Qualquer dos itens pode ser ajustado para um dos seguintes valores:

Valor no visor Prioridade

0 Desactivada
1 Normal
1 Alta
2 Pedir

Password Settings (Definições da palavra-passe) [ PW ]


As diferentes pastas de palavra-passe oferecem a possibilidade de activar/desactivar e alterar a palavra-passe do cliente.

Program Information (Informações sobre o Programa) [ PI ]


A pasta Informações sobre o Programa mostra informações que estão associadas à aplicação actual.

Program Number (Número do programa)


A pasta Programa Number (Número do programa) mostra o número do programa que está associado à aplicação actual.

Program Revision (Revisão do programa)


A pasta Programa Revision (Revisão do programa) mostra o número de revisão do programa que está associado à
aplicação actual.

Operating System (Sistema operative)


A pasta Operating System (Sistema operativo) mostra o número de sistema operativo que está associado à aplicação
actual.

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 12 de 22


1

Boot Software (Software de arranque)


A pasta Boot Software (software de arranque) mostra o número do software de arranque que está associado à aplicação
actual.

8.1.3. Pasta Compressors (Compressores) [CP]


A pasta Compressors (Compressores) contém 31 subpastas ([CP01] a [CP31]), cada uma contém por sua vez 2 subpastas,
descrevendo os parâmetros do compressor.

Pasta Modbus Node (Nó Modbus) [ MA01 ]


Este parâmetro define o controlador na comunicação Modbus.

Pasta CAN Status (estado da CAN) [ MA02 ]


Este parâmetro define se o controlador é lido pela CAN.
NOTA:Caso o estado da CAN esteja definido como inactivo, não será possível consultar dados e, por conseguinte, os respectivos registos
serão 0 na comunicação Modbus e/ou Profibus.

Pasta Information (Informação) [ Info ]


Nesta pasta, é possível visualizar o tempo do ciclo da CAN Normal e CAN High, assim como a velocidade das respostas
Modbus.

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 13 de 22


1

9. Descrição do Visor do Gateway

9.1. Ícones

Ícone Descrição

Intermitente: Menu relacionado com compressor: máquina com erro CAN

Activado: motor CAN parado


A trabalhar: motor CAN a trabalhar

Desactivado: motor Modbus desactivado


Activado: Motor Modbus a trabalhar

Desactivado: motor Profibus parado


Activado: motor Profibus a trabalhar

Desactivado: máquina não está definida/activada


Activado: máquina está definida/activada e pode solicitar dados
Intermitente: máquina está definida/activada e pode solicitar definições

Desactivado: comunicação CAN com esta máquina está desactivada


Activado: comunicação CAN com esta máquina está activada

9.2. LEDs

LED Descrição

Activado: módulo gateway é ligado à corrente

NOTA: Não são utilizados outros LEDs durante o funcionamento da aplicação.

9.3. Teclado

Tecla Descrição

Para cima
Editar parâmetros das definições
Para baixo
Esquerda
Percorrer os diversos menus
Direita
Start (Iniciar) Menu relacionado com compressor: activar a comunicação com esta máquina
Stop (Parar) Menu relacionado com compressor: desactivar a comunicação com esta máquina

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 14 de 22


1

9.4. Palavras-passe / Códigos de acesso


Consulte a tabela abaixo para saber o tipo de palavra-passe que tem de ser inserida num dado menu.
É possível identificar as palavras-passe e/ou códigos de acesso de clientes pela sua aparência no ecrã.

Tecla(s) Tecla(s) não


Descrição
intermitente(s) intermitente(s)

1 dígito 3 barras Insira a palavra-passe do cliente


3 barras 1 dígito Insira o código de acesso aplicável
1 dígito 3 dígitos Insira a nova palavra-passe do cliente
3 dígitos 1 dígito Confirme a nova palavra-passe do cliente

Os códigos de acesso devem ser pedidos à Atlas Copco.

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 15 de 22


1

10. Implementação do Protocolo Modbus

10.1. Especificação do Modbus suportado


O módulo de gateway suporta a seguinte variante Modbus:
• Modo de transmissão : RTU
• Sistema de codificação : binário
• Modo : RS485
• Número de bits de arranque: 1
• Número de bits de dados: 8
• Taxa de Baud: 9600, 19200, 38400, 57600, 115200, 230400, 460800
• Controlo de paridade: par, ímpar, nenhum
• Número de bits de paragem: 1, 2
• Verificação de erros: CRC16

A sincronização de frames no modo RTU é feita através da simulação de uma mensagem síncrona. O dispositivo slave
monitoriza o tempo decorrido entre a recepção dos caracteres. Se decorrer o tempo de três caracteres sem receber um
novo carácter, o dispositivo assume que a mensagem está completa e o próximo byte será o endereço.

O formato do frame da mensagem é o seguinte:

T1 T2 T3 Endereço Corpo da mensagem CRC T1 T2 T3

10.2. Funções Modbus suportadas


O Modbus do Elektronikon Mk5 suporta o seguinte tipo de mensagens, dependendo do tipo de dados envolvido (ver
detalhes abaixo).
• Função 01 : ler registo de bobina
• Função 03 : ler registo de retenção
• Função 06 : predefinir registo individual

NOTA: em controladores Elektronikon Mk5, não é possível alterar os parâmetros.

10.3. Código de função - campo de dados


Numa resposta normal, o slave reproduz o código de função do pedido original.
Numa resposta de excepção, é adicionado 0x80 ao código de função original.
Ao mesmo tempo, é adicionado um código de excepção ao campo de dados.

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 16 de 22


1

10.4. Códigos de excepção

Código Nome Descrição

01 Função ilegal O código de função recebido na consulta não é uma


acção permitida para o slave
02 Endereços de dados ilegal O endereço de dados recebido na consulta não é um
endereço permitido para o slave
03 Valor de dados ilegal Um valor de dados contido no campo de dados de
consulta não é um valor permitido para o slave
06 Reprogramação recusado Comando recusado porque o comando anterior ainda
não foi executado
07 Comando recusado Comando recusado porque o comando anterior ainda
não foi executado
08 Dados não disponíveis Verifique o cabo de comunicação entre o Elektronikon
e o módulo de gateway
09 Comando ilegal Está a ser enviado um comando desconhecido
0A Soma de verificação CRC A soma de verificação CRC16 recebida está incorrecta
inválida
0B Escrita recusada Mudança de parâmetro recusada

10.5. Exemplos
Os exemplos abaixo usam os seguintes parâmetros:
• Módulo anexado: Mk5 – LU – GA30P_08
• ID de nó: 5

10.5.1. Endereços de dados ilegal


Se for pedido ao dispositivo slave um parâmetro que ele não possa processar, o dispositivo slave responde com o código
de erro Endereço de dados ilegal.
Neste caso, por exemplo, é pedida a velocidade do motor necessária.
• Pedido: 16#05 16#03 16#03 16#20 16#00 16#01 16#84 16#00
• Resposta: 16#05 16#83 16#02 16#81 16#30

10.5.2. Pressão de saída e estado da pressão de saída


Consulte o documento Mapeamento de endereços, criado pelo Speci5, para obter o Registo correcto da pressão de saída e
seu significado.
Neste, por exemplo, o estado da pressão de saída pode ser encontrado no primeiro Registo de Entrada Analógica e o Valor
da Pressão de Saída pode ser encontrado no segundo Registo de Entrada Analógica.
• Pedido: 16#05 16#03 16#00 16#00 16#00 16#02 16#C5 16#8F
• Resposta: 16#05 16#03 16#04 16#00 16#80 16#19 16#64 16#B4 16#60

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 17 de 22


1

10.5.3. Mudar a banda de pressão activa


Consulte o documento Mapeamento de endereços, criado pelo Speci5, para obter o Registo correcto do Valor para ajustar
a Selecção de Banda de Pressão.
Neste caso, por exemplo, o Registo correcto é 16#03 16#5C. Para mudar da Banda de pressão 1 para a Banda de pressão
2, terá de ser usado o valor 16#00 16#02.
NOTA: Certifique-se de que a Banda de Pressão 1 é usada antes do envio do próprio pedido.

• Pedido: 16#05 16#06 16#03 16#5C 16#00 16#02 16#C9 16#D9


• Resposta: 16#05 16#06 16#03 16#5C 16#00 16#02 16#C9 16#D9

10.5.4. Iniciar a máquina


Consulte o documento Mapeamento de endereços, criado pelo Speci5, para obter o Registo e Valor correctos para iniciar a
máquina.
Neste caso, por exemplo, o registo correcto é 16#07 16#D0 e o valor correcto é 16#00 16#01.
NOTA: Certifique-se de que a máquina está em Controlo LAN antes do envio do próprio pedido.

• Pedido: 16#05 16#06 16#07 16#D0 16#00 16#01 16#49 16#03


• Resposta: 16#05 16#06 16#07 16#D0 16#00 16#01 16#49 16#03

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 18 de 22


1

11. Implementação do Protocolo Profibus

11.1. Conceito master-slave


O perfil baseia-se no princípio de master e slave. Isto significa que toda a comunicação é iniciada pelo master e que é
gerada uma resposta pelo slave.
Todas as memórias intermédias devem ser totalmente consistentes em termos comprimento

11.2. Estrutura da memória intermédia


O perfil pode ser usado para memórias intermédias com comprimentos diferentes: 8, 16, 32 e 64 bytes. Esta memória
intermédia está dividida em 2 partes
• cabeçalho: 1 byte
• secção de dados: n * registo de dados (7bytes)

O comprimento da memória intermédia é, assim, definida da seguinte forma:

Número de registos de dados Comprimento total da memória Comprimento total da memória


(n) intermédia intermédia usada

1 8 8
2 16 15
4 32 29
8 64 57

NOTA: Nem todas as funções permitem transferir mais do que um registo de dados. Basicamente, as operações de leitura podem ser
asseguradas para vários registos de dados num ciclo, enquanto que as operações de escrita só são válidas para um registo de dados
individual de cada vez.

11.2.1. Cabeçalho
O cabeçalho é um valor de 1 byte codificado por bits. A interpretação é diferente para a comunicação Master > Slave e
Slave > Master.

Master > Slave


O cabeçalho está dividido em três partes:

Sinc Funcţii Nr. parametri

• Sync
Os bits de sincronização são utilizados para sincronizar as consultas master e as respostas slave. O slave irá
sempre reflectir a mesma sequência de bits na sua resposta. Deste modo, é possível distinguir uma resposta
‘antiga' de uma nova.

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 19 de 22


1

• Funções:

Valor Função

0 Sem tarefa
1 Solicitar valor de parâmetro (leitura)
3 Alterar valor de parâmetro (escrita)
NOTA: apenas um parâmetro pode ser escrito num ciclo,
# parâmetros têm de ser 1
NOTA: em controladores Elektronikon Mk5, não é
possível alterar os parâmetros.
2,4,5,6,7 Reservado

• # parâmetros:
O número de parâmetros tem de ser inferior ou igual ao número de registos de dados.

Valor

1 000
2 001
3 010
4 011
5 100
6 101
7 110
8 111

Slave > Master


O cabeçalho está dividido em três partes:

Sinc Funcţii Cod eroare

• Sync
Os bits de sincronização serão definidos de forma idêntica aos bits do master > slave.

• Funções:

Valor Função

0 Sem tarefa, ou ainda sem dados


2 Transmitir valor(es) de parâmetro
7 Tarefa não é possível
1,3,4,5,6 Reservado

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 20 de 22


1

• Código de erro

Valor Explicação

0 Nenhum erro
1 Número de registos de dados incorrecto
2 Função incorrecta
3 Número de registos de dados para escrita incorrecto

11.2.2. Registo de dados


Cada registo de dados tem um comprimento de 7 bytes e contém a seguinte informação:
• Endereço do nó : 1 byte, endereço CAN do slave ao qual ligar.
• ID do parâmetro : 2 bytes, ID do parâmetro para leitura/escrita
• Dados: 4 bytes

Endereço do nó
Este é o endereço CAN do Elektronikon MkIV ou Mk5.
NOTA: No caso de um erro, será definido o bit 7.

11.3. Códigos de excepção


Quando é definido o bit mais elevado de um endereço de nó, existe um erro na solicitação. O tipo de erro pode ser
encontrado no byte mais baixo da resposta do slave.

Código de
Descrição
erro

01 Endereço do nó não encontrado


02 Parâmetro do Profibus não encontrado
05 Dados do compressor inválidos
06 Comando não executado
07 Comando recusado
08 Escrita recusada

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 21 de 22


1

11.4. Exemplos
Os seguintes exemplos usam os seguintes parâmetros:
• Módulo anexado: Mk5 - LU - GA30P_08
• ID de nó: 5
• Profibus Slave Address (Endereço slave Profibus): 1
• Profibus DataRecords (Registos de dados do Profibus): 1

11.4.1. Endereços de dados ilegal


Caso seja pedido ao dispositivo slave um parâmetro que ele não possa processar, o dispositivo slave responde com o
código de erro Endereços de dados ilegal.
Neste caso, por exemplo, é pedida a velocidade do motor.
B1 B2 B3 B4 B5 B6 B7 B8
• Pedido: 16#08 16#05 16#03 16#20 16#00 16#00 16#00 16#00
• Resposta: 16#10 16#85 16#03 16#20 16#00 16#00 16#00 16#02

11.4.2. Pressão de saída e estado da pressão de saída


Consulte o documento Mapeamento de endereços, criado pelo Speci5, para obter o Registo correcto da pressão de saída e
seu significado.
Neste, por exemplo, o estado da pressão de saída pode ser encontrado no primeiro Registo de entrada analógica e o valor
da Pressão de saída pode ser encontrado no segundo Registo de entrada analógica.
B1 B2 B3 B4 B5 B6 B7 B8
• Pedido: 16#48 16#05 16#00 16#00 16#00 16#00 16#00 16#00
• Resposta: 16#50 16#05 16#00 16#00 16#19 16#64 16#00 16#80

11.4.3. Mudar a banda de pressão activa


Consulte o documento Mapeamento de endereços, criado por Speci5, para obter o Registo correcto do Valor para ajustar a
Selecção de banda de pressão.
Neste caso, por exemplo, o Registo correcto é 16#03 16#5C. Para mudar da Banda de pressão 1 para a Banda de pressão
2, terá de ser usado o valor 16#00 16#02.
NOTA: Certifique-se de que a Banda de pressão 1 é usada antes do envio do próprio pedido.

B1 B2 B3 B4 B5 B6 B7 B8
• Pedido: 16#D8 16#05 16#03 16#5C 16#00 16#00 16#00 16#02
• Resposta: 16#D0 16#06 16#03 16#5C 16#00 16#00 16#00 16#02

11.4.4. Iniciar a máquina


Consulte o documento Mapeamento de endereços, criado pelo Speci5, para obter o Registo e Valor correctos para iniciar a
máquima.
Neste caso, por exemplo, o registo correcto é 16#07 16#D0 e o valor correcto é 16#00 16#01.
NOTA: Certifique-se de que a máquina está em Controlo LAN antes do envio do próprio pedido.

B1 B2 B3 B4 B5 B6 B7 B8
• Pedido: 16#98 16#05 16#07 16#D0 16#00 16#00 16#00 16#01
• Resposta: 16#90 16#05 16#07 16#D0 16#00 16#00 16#00 16#01

31/05/2012 PM 9845 0187 00_PT Página 22 de 22


PM B37/ 2012-05 - Printed in Belgium

www.atlascopco.com

Você também pode gostar