Você está na página 1de 16

Planilha1

Acoplamento por interferência Jonatas Prandini 25/01/17

Dados iniciais

Dados:

D= 335 mm (Diâmetro do eixo)


D’= 475 mm (Diâmetro do flange)
L= 300 mm (Largura do flange)
E= 210000 Mpa (Módulo de Young)
∆D= 0.4 mm (Interferência)
μ= 0.15 (atrito)

Temos,
P= 63.013 MPA
Ps= 2028043 Kg
Ft= 304206.5108 Kg

Nota: Se a árvore for oca e seu diâmetro interno não exceder 25% do
diâmetro externo, o erro em usar as equações precedentes é de cerca de
7%, ou menor.

Página 1
Planilha1

Página 2
CÁLCULO ISO
Acoplamento por interferência Elabora do por: Jonatas Prandini
Projeto: Eixo de Montante Data 26/01/17
Obra: PCH Rincão Revisado em: 26/01/17

Dados iniciais

Dados:

DF= 33.5 cm (Diâmetro externo do eixo)


DA= 47.5 cm (Diâmetro externo do flange)
D0= 0 cm (Diâmetro interno do eixo – caso for trepanado)
L= 30 cm (Largura útil do flange)
ρ= 0.33 (Coeficiente de poison)
σeR= 3200 Kg/cm² (Escoamento do material do eixo - SAE 1045)
σeW= 3200 Kg/cm² (Escoamento do material do flange - SAE 1045)
E= 2100000 Kg/cm² (Módulo de Young)
∆D= 0.04 cm (Interferência)
μ= 0.15 (atrito ou coeficiente de aderência)
T’ = 25 °C (Temperatura ambiente considerada)
α= 1.2E-05 (Coeficiente de dilatação do material do cubo/flange)
R= 0.8 μm (Rugosidade das superfícies de montagem um)
Fax= 10000 Kgf (Força axial)

Tm= 30100 Kgm (Torque)

Resultados preliminares
P= 630.1 Kg/cm² Pressão superficial
Fs = 1989511 Kg Força resultante
Ft = 298427 Kg Força líquida residual com atrito considerado
Sg = 1.66 Segurança contra o deslizamento
Tf = 1507.8 Kg/cm² Tensão tangencial média de tração no flange
Sgm= 2.12 Segurança em relação ao escoamento do flange

Nota: Se a árvore for oca e seu diâmetro interno não exceder 25% do
diâmetro externo, o erro em usar as equações precedentes preliminares é de cerca de
7%, ou menor.

Sequência de Cálculo

1) Força F atuante nas superfícies do assento 13.1889764


635

Página 3
CÁLCULO ISO
63.5
88.9
520.7

F= Força tangencial em N ou Kgf


Mt= Torque em Nm ou Kgm;
Fax= Força axial em N ou Kgf;

Substituindo os valores teremos:

F= 179980 Kgf

O valor de F deverá ser corrigido para F’ em função das características do carregamento


(alternado, reverso, pulsante).

2) Pressão p mínima necessária no acoplamento

onde

pmin= Pressão mínima em N/mm² ou Kgf/mm²;;


ƞ= Coeficiente de aderência (vide tabela em anexo)
L = Comprimento útil da montagem em mm;

Substituindo os valores teremos:

pmin= 380 Kgf/cm²

3) Coeficiente de alongamento – São usadas as fórmulas de Bach para tubos de parede grossa

Substituindo os valores teremos:

Qr= 0.705 QW= 0.00


m r= 3.030 mw= 3.030

αr= 0.0000016 cm²/Kg αw= 0.0000006 cm²/Kg

Página 4
CÁLCULO ISO
mr= Inverso do coeficiente de Poison do material do cubo
mw= Inverso do coeficiente de Poison do material do eixo
Er= Módulo de elasticidade do material do cubo em N/mm²
Ew= Módulo de elasticidade do material do eixo em N/mm²

4) Interferência necessária para produzir Fa >= F’

Substituindo os valores teremos:

Imin= 0.0282 cm

Δu é o valor do alisamento superficial, estimado em (0,6 x R), sendo R a rugosidade das superfícies
de montagem

5) Pressões máximas admissíveis nas duas peças (cubo/eixo) em função do limite de escoamento
do material de cada uma das peças

onde

σeR= Limite de escoamento do material do eixo em N/mm²

Substituindo os valores teremos:

padmR= 1074.0861 Kg/cm² Tensão máxima admissível no eixo


padmw= 1600.0000 Kg/cm² Tensão máxima admissível no cubo

Nota: padmwé aplicada na circunferência interna do furo do eixo. Quando o exo é


maciço, corresponderá ao cubo a menor pressão admissível.

6) Interferência máxima admissível (Imax). Esta será calculada com o menor valor
encontrado no item anterior.

Substituindo os valores teremos:

Página 5
CÁLCULO ISO

Imax= 0.0796 cm

7) Enquadramento das interferências calculadas dentro do padrão ISO, considerando os


valores das interferências máxima e mínima calculadas.

Quando a interferência do acoplamento:

Apresentar valor “pequeno”, esta não corresponderá com nenhum ajuste padronizado.
Neste caso, será indicada a tolerância de usinagem do eixo após ter sido executada a
usinagem do cubo.

Substituindo os valores teremos:

Δl= 0.0514 cm

8) Cálculo da temperatura de aquecimento do cubo para assentos forçados


transversalmente

onde:

Δl = Folga de montagem
Α = Coeficiente de dilatação linear do material
T’ = Temperatura ambiente
DF= Diâmetro do assento

Substituindo os valores teremos:

Δ t= 350.71 °C (Temperatura para a interferência máxima)

Substituindo os valores para a interferência adotada:

Δ t= 252.28 °C Temperatura para a interferência adotada

Considerações finais

Em geral os acoplamentos por interferência são mais vantajosos do que os de chaveta e


são de grande utilidade para a recuperação de peças fraturadas.

Apresenta o inconveniente de gerar tensões elevadas nas regiões extremas dos

Página 6
CÁLCULO ISO
acoplamentos transversais fragilizando o eixo no caso de flexão alternada. Este efeito
pode ser parcialmente corrigido ao reduzir a pressão de assento nestas regiões,
conforme sugestão apresentada na figura abaixo:

Quando o ambiente de trabalho dos acoplamentos permite variações de temperatura


razoáveis e as peças são de materiais de coeficiente de dilatação diferentes, deve-se ter
em mente este fator para evitar variações elevadas na pressão do assento.

Os acoplamentos por interferência perdem aderência quando desmontados/montados


com freqüência.

O aquecimento e resfriamento das peças para montagens transversais deve ser


efetuado com as mesmas limpas para evitar escamas prejudiciais.

A aderência nos acoplamentos transversais pode ser aumentada até valores ~ 0,65
utilizando-se pó de carborundum entre as superfícies de montagem.

Um cálculo aproximado de interferência para diâmetros maiores que 500 mm se obtém


com as fórmulas abaixo:

Para L > 2D I = D x 1,3 x 10-3

Para L < 2D I = D x 2,0 x 10-3

Anexos

As normas ISO sugerem os seguintes ajustes para montagem por interferência:

Página 7
CÁLCULO ISO

Coeficientes de aderência em repouso

Módulos de Elasticidade e Coeficientes de Dilatação Térmica

Página 8
CÁLCULO ISO

Para L > 2D I = D x 1,3 x 10-3

Para L < 2D I = D x 2,0 x 10-3

45
75
37.5
45
22.5

Página 9
CÁLCULO ISO
406.5
431

8850
0.12946189
8638.34472
56581.1579

Página 10
Anexos

Página 11
Anexos

Página 12
Anexos

Página 13
Anexos

Página 14
Anexos

Página 15
Anexos

Página 16

Você também pode gostar