Você está na página 1de 4

e Informação Polis Instituto de Estudos,

de Documentação e m Politicas Sociais


e Assessoria
Formação

Flusser, Vilém
Sumário
lilosófica. / Vilém Flusser
F668 Bodenlos: uma aulobiogralia
Gustavo Bernardo --
Sao Paulo: Annablume, 2007
Revisão Técnica:

328 : 14 x 21 cm.
p.

ISBN 978-85-7419-688-6

Flusser. 2. Flusser. Vilém (1920-


I. Biografia de Vilém
Social. I. Título. II. Série.
1991). 3. Filosofia. 4. Comunicação
IV. Baitello Júnior. Norval.
III. Bernardo. Gustavo.
CDU 929
CDD 920

BODENLOS -
UMA AUTOBIOGRAFIA FILOSÓFICA

Projeto e Produçã
Coletivo Gráfico Annablume

Prepiruçdv e Paginuaçio Prefácio


Luiz Rosalvo Costa
A Gente de Flusser (por Gustavo Bernardo)
Cupa
Carlos Clémen
Monólogo 17
edição: março de 2007 1. Atestado de falta de fundamento 19
2. Praga entre as guerras 23
Vilém Flusser
3. A invasão nazista 33
Anmablume Editora
Conselho Editoriul
4. A Inglaterra sitiada 40
Eugénio Trivinho 5. A guerra em São Paulo 47
Gabriele Cornelli
Gustavo Bernardo Krause
6. O jogo do suicidio e do Oriente 55
Pedro Paulo Funari 7.A naturezabrasileira 69
Pedro Roberto Jacobi 8. A lingua brasileira 85

Rua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 554. Pinheiros


Diálogo 113
05415-020 São Paulo . SP. Brasil
Tel. e Fax. (011) 3539-0226 9. Discurso e diálogo 115
Televendas 3539-0225
www.annablume.con.br 10. Alex Bloch 121
1
Atestado de falta de fundamento

Otermo "absurdo" significa originalmente "sem fun-


damento", no sentido de "sem raízes". Como ésem funda-
mento uma
planta posta em vaso.Flores na mesa do jantar
são exemplos de vida absurda. Se quisermos intuir tais tlo-
res, podemos sentir a sua tendência de brotar raízes e
fazè
las penetrar não
inmporta que solo. A tendencia das flores
sem raizéo clima da falta de fundamento. 0presente livro
atestará tal clima.
Otermo "absurdo" signitica na maioria das vezes "sem
fundamento" no sentido de "sem signiticado". Como é sem
fundamento o sisterma planetário, se
perguntarmos para que
gira em torno do Sol no abismo do vazio. Mercúrio e
Vênus são exemplos de um funcionamento absurdo.
A
tentação é torte de comparar tal sistema aos
aparelhos
administrativos enm função dos quais passamos grande parte
das nossas vidas. A movimentação scm
signiticado,
tendo
Bodenlos-Uma Aurobiografia Filosófica
VI F1.ssiR

o nada por horizonte, e o clima da falta de fundamento. O


atestará tal clima. Todos conhecemos tal clima de experiència própria,
presente livro
mas indiretamente. Por exemplo, através do surrealismo, da
O termo "absurdo signitica também "sem
sem
fundamento" no sentido de "sem base razoável". Como é
filosofia cxistencial e do teatro do absurdo. Há épocas nas
sem fundamento a sentença que afirma que "duas vezes quais o manifestações da cultura. Por
clima predomina nas

dois são quatro às sete horas em São Paulo". E exemplo de exemplo, no final da Antigüidade, no final da Idade Médi,
e atualmente. São épocas de ruptura. Mas há isto: tais
um pensarabsurdo. lProvoca a scnsação de estarmos os dois
boiando sobre abismo no qual os conceitos de "verdadeiro"
manifestações culturais da falta de fundamento a um
tempo revelam c encobrem a verdade. Quando a falta de
e "falso não se aplicanm. A sentença não tem fundamento, fundamento se torna tema público, deixa de ser ela mesma.
porquc seria absurdo dizer-se que é verdadeira ou que é
E ela a experiência da solidão, e derrete, quando discutida
falsa. E ambas as coisas e é nenhuma delas. A sensação de
estar-se boiando é o clima da falta de fundanmento. O
publicamente.
A experiència da falta de fundamento não pode ser
presente livro atestará tal clima. precipitada em literatura, filosofiae arte sem ser falsificada.
Os exemplos tirados da botânica, astronomiae lógica Pode ser apenas circunscrita em tais formas, para ser
pretendem introduzir o leitor no clinma do presente livro. parcialmente captada. Mas é possivel atestá-la, de mancira
Clima que todos conhecem de experiência própria, embora direta, autobiograficamente: na esperança de que tal
possam tentar suprimi-lo. E o clima da religiosidade. Nele atestado sirva de espelho para outros. A
própria vida pode
surgiram todas as religióes, porque são métodos de tornar-se laboratório para outros. E este (e náo, assim
proporcionar fundamento. Mas é também clima no qual espero, vaidade ou vontade de auto-atirmação) o motivoo
todas as religiöes periclitam. Porque nele os fundamentos do presente livro.
proporcionados pelas religióes são corroídos pelo ácido do Todos conhecemoso clima da falta de fundamento
absurdo. Todos os nossos problemas são, em últimaanálise, de experiência própria, e, se o é
negarmos, que
religiosos. Se nos encontramos sem fundamento, buscamos conseguimos reprimi-lo (vitória duvidosa). Mas háos que
solução religiosa sem poder encontrá-la. E se sentimos se encontram na falta de
fundamento, por assinm dizer,
fundamento debaixo dos pés (graças a uma objetivanmente, seja porque toranm arrancados da realidade
um substituto
religiäo ou a
qualquer de religião, ou simplesmente graças por torças externas, seja porque abandonaram
à força encobridora
do cotidiano), perdemos o verdadeiro espontaneamente uma situação aparentemente real, mas
clima da por eles diagnosticada como fantasmagoria. Os que caíram,
religiosidade (mas, posivelmente, tal formulação
é, ela própria, resultado da portanto, na falta de fundamento ou a escolheranm. São os
falta de fundamento).
Bodenlos-Uma Aurobiografia Filosófica

servir de laboratorio para os outros


tais que podem
Existem mais intensamente, existir
se interpretado
tor

fora". O presente livro será atestado de


como "viver por Praga entre as guerras
uma tal existência intensa.

A cidade imperial, com seu castelo gótico e seu


subúrbio barroco no lado pequeno da Moldávia, e seus
telhados góticos e seus subúrbios industriais no lado
grande, tem personalidade marcada como poucas cidades.
Induz ela a repensar a diferença entre "civilização" e
"cultura". Cultura é produto da agricultura. E ela um
colher" (colere) das coisas arrancadas da natureza.
Civilização é produto da vida urbana. E ela a tentativa de
informar significativamente a vida do "cidadão" (civis). E
formação, não colheita. Poucas cidades têm tal poder
formativo. A maioria é centro dos seus arredores

camponeses. Foco de cultura. Poucas cidades deram o salto


delas.
para se tornarem berços de civilização, e Praga é uma
Tal salto pode ser explicado sociologicamente, mas tal

explicação pode ser dispensada. O caráter civilizatório


resplandece imediatamente na forma de beleza: beleza