Você está na página 1de 17

14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

SINONIMOS E ANTONIMOS ( https://www.tecconcursos.com.br/s/Q1K1vp )

Português

Questão 1: FGV - Of Just (TJ RS)/TJ RS/Classe O/2020


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Algumas vezes, para reduzir-se a extensão do texto, ocorre a substituição de uma forma negativa por uma positiva equivalente.

A frase abaixo em que isso foi feito de forma semanticamente adequada é:

a) Os projetos não avançaram nas Comissões / recuaram;


b) Vejo que os candidatos não foram chamados / desistiram;
c) Os turistas não foram bem recebidos / foram expulsos;
d) Os estudantes não continuaram no curso / fracassaram;
e) O presidente não aceitou o convite / declinou do.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1139440

Questão 2: IASP - Almo (CM Mesquita)/CM Mesquita/2020


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Assinale a alternativa que representa corretamente um sinônimo de “gritar”:

a) Belo
b) Bradar
c) Letal
d) Artificial
e) Abraçar
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1180803

Questão 3: QUADRIX - Of Log Al (METRO SP)/METRO SP/II (Promoção)/2020


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Amizade entre coiote e texugo entusiasma cientistas

Como num livro de história infantil, um coiote e um texugo trotam lado a lado, como se fossem melhores amigos.

O vídeo de uma câmera remota foi filmado recentemente em uma rodovia movimentada nas Montanhas de Santa Cruz, na Califórnia. Acabou viralizando no Twitter e
mostrou a adoração das pessoas por relações incomuns entre animais.

Os cientistas já sabem há bastante tempo que coiotes e texugos se ajudam na caça de pequenos mamíferos no oeste norte-americano; a parceria foi mencionada até na
mitologia de nativos americanos. Mas até agora, acreditava-se que o fenômeno era puramente “comercial”. O que é mais impressionante sobre o vídeo, diz a ecologista
comportamentalista independente Jennifer Campbell-Smith, é que não se trata “de animais robóticos e frios que se aproveitam um do outro — na verdade, parecem
relaxados e amistosos.”

Vejamos, o coiote abana a cauda e se agacha de uma forma festiva, indicando que está convidando o texugo para segui-lo no túnel. A linguagem corporal do texugo está
relaxada; o animal até levanta sua cauda para andar mais rapidamente e acompanhar o coiote. O texugo estava exibindo um comportamento feliz — para um texugo”,
ela diz rindo. Esses animais são conhecidos por serem notoriamente mal-humorados.

E não para por aí, a afabilidade entre os animais mostra que eles certamente se conhecem como “indivíduos”. “Eu não gostaria de utilizar o termo amigos cientificamente,
mas esses dois são animais selvagens que obviamente entendem sua parceria.”

O vídeo, filmado pelo grupo sem fins lucrativos Peninsula Open Space Trust , é uma importante descoberta para os cientistas: mostra o primeiro exemplo
da cooperação entre coiote e texugo já gravada na área da Baía de San Francisco e possivelmente o primeiro vídeo a exibir duas espécies no mesmo bueiro — um túnel
que serve para a água passar sob uma estrada e para os animais atravessarem por baixo das rodovias. Mas ela acrescenta que há outra lição importante nesse caso:
ajudar as pessoas a se identificarem com os animais selvagens ao seu redor.

Esse vídeo ajuda “as pessoas a perceberem que da mesma forma que nós podemos fazer amizade com um cão, os animais também podem”, ela diz. “Não é algo
exclusivamente humano; todos os animais podem se ajudar.”

(https://www.nationalgeographicbrasil.com/animais/2020/02/amizade-entre-coiote-e-texugo-entusiasma-cientistas)

Assinale a alternativa que mostra possíveis sinônimos das palavras “viralizando” e “afabilidade”, presentes no segundo e no quinto parágrafo do texto.

a) “Fracassando” e “intolerância”.
b) “Bombando” e “gentileza”.
c) “Aprovando” e “difusão”.
d) “Virando” e “delicadeza”.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1197583

Questão 4: IBADE - AMDC (Vila Velha)/Pref Vila Velha/2020


Assunto: Sinônimos e Antônimos
As relações entre palavras de grafias diferentes podem conter significados iguais - sinônimos. Dentro desse contexto, temos sinônimos em:

a) dividir e repartir.
b) cobrar e receber.
c) político e politizado.
d) eficiência e eficácia.
e) capaz e capataz.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 1/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1207740

Questão 5: IBADE - TDAF (IDAF AC)/IDAF AC/2020


Assunto: Sinônimos e Antônimos
FEMINICÍDIO

O feminicídio é o homicídio praticado contra a mulher em decorrência do fato de ela ser mulher (misoginia e menosprezo pela condição feminina ou discriminação de
gênero, fatores que também podem envolver violência sexual) ou em decorrência de violência doméstica. A lei 13.104/15, mais conhecida como Lei do Feminicídio,
alterou o Código Penal brasileiro, incluindo como qualificador do crime de homicídio o feminicídio.

Tipos de feminicídio

A Lei do Feminicídio não enquadra, indiscriminadamente, qualquer assassinato de mulheres como um ato de feminicídio. O desconhecimento do conteúdo da lei levou
diversos setores, principalmente os mais conservadores, a questionarem a necessidade de sua implementação. Devemos ter em mente que a lei somente aplica-se nos
casos descritos a seguir:

• Violência doméstica ou familiar: quando o crime resulta da violência doméstica ou é praticado junto a ela, ou seja, quando o homicida é um familiar da vítima ou
já manteve algum tipo de laço afetivo com ela. Esse tipo de feminicídio é o mais comum no Brasil, ao contrário de outros países da América Latina, em que a
violência contra a mulher é praticada, comumente, por desconhecidos, geralmente com a presença de violência sexual.

• Menosprezo ou discriminação contra a condição da mulher: quando o crime resulta da discriminação de gênero, manifestada pela misoginia e pela objetificação
da mulher.

Objetivo e a importância da Lei do Feminicídio

Em razão dos altíssimos índices de crimes cometidos contra as mulheres que fazem o Brasil assumir o quinto lugar no ranking mundial da violência contra a mulher, há a
necessidade urgente de leis que tratem com rigidez tal tipo de crime. Dados do Mapa da Violência revelam que, somente em 2017, ocorreram mais de 60 mil estupros no
Brasil. Além disso, a nossa cultura ainda se conforma com a discriminação da mulher por meio da prática, expressa ou velada, da misoginia e do patriarcalismo. Isso
causa a objetificação da mulher, o que resulta, em casos mais graves, no feminicídio.

A imensa quantidade de crimes cometidos contra as mulheres e os altos índices de feminicídio apresentam justificativas suficientes para a implantação da lei 13.104/15.
Além disso, são necessárias políticas públicas que promovam a igualdade de gênero por meio da educação, da valorização da mulher e da fiscalização das leis vigentes.

Fonte: https://brasilescola.uol.com.br/sociologia/feminicidio.htm, acesso em fevereiro de 2020).


Assinale a alternativa que apresenta sinônimo para a palavra destacada no trecho a seguir: “Menosprezo ou discriminação contra a condição da mulher: quando o crime
resulta da discriminação de gênero, manifestada pela misoginia e pela objetificação da mulher.”

a) brio.
b) altivez.
c) soberba.
d) desrespeito
e) desdém.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1211087

Questão 6: IBFC - Tec (EBSERH)/EBSERH/Contabilidade/2020


Assunto: Sinônimos e Antônimos
O câncer de mama é o segundo mais comum no mundo. E os dados sobre essa doença são contrastantes: enquanto ela é uma das principais causas de morte de
mulheres, também é o tipo de câncer com a maior taxa de cura. O que separa um resultado de outro é, naturalmente, o diagnóstico precoce.

Hoje, o autoexame das mamas e a mamografia são prevenções efetivas, que buscam pequenos nódulos indicativos do início do problema. Agora, porém, médicos querem
tornar o diagnóstico mais simples, prático e preciso: segundo um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de Nottingham, na Inglaterra, um exame de sangue
poderia detectar um câncer de mama 5 anos antes de aparecerem os sinais detectados pelos exames atuais.

A lógica do estudo foi não focar nas concentrações de células cancerígenas, que são justamente o que causam o nódulo, mas sim nos antígenos produzidos por elas.

Antígeno, vale lembrar, é toda substância que desencadeia uma resposta imune do organismo, ativando nosso sistema de defesa.

A hipótese dos pesquisadores era a de que as células cancerígenas, desde quando são muito poucas, já produzem proteínas que agem como antígenos. Detectar no
sangue os anticorpos desencadeados por esses antígenos seria uma forma mais prática de detectar o câncer de mama em estágio inicial.

Para testar essa hipótese, a equipe coletou amostras de sangue de 90 pacientes recém-diagnosticados com câncer de mama e 90 amostras de pacientes sem o problema,
para servir como grupo de controle.

Fonte: https://super.abril.com.br/saude/cancer-de-mama-pode-serdetectado-
por-exame-de-sangue-ate-5-anos-antes-de-sinais-aparecerem/
Leia o trecho "Hoje, o autoexame das mamas e a mamografia são prevenções efetivas, que buscam pequenos nódulos indicativos do início do problema" e assinale a
alternativa que apresenta correta e respectivamente os sinônimos dos trechos destacados.

a) ineficazes / subjuntivos.
b) inadequadas / indicadores.
c) eficientes / sintomáticos.
d) objetivas / eliminadores.
e) competentes / exterminadores.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1278051

Questão 7: FUNDATEC - FObr (Pref Imbé)/Pref Imbé/2020


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Instrução: A questão refere-se ao texto abaixo.

A autocrítica é difícil, mas gratificante!

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 2/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

A negação é um mecanismo de defesa inconsciente, que usamos para negar a existência de algum sentimento, desejo, fantasia ou pensamento que são incômodos. Por
exemplo, o discurso de que “não quero sobrecarregar os outros com os meus problemas” é uma forma de não demonstrar que temos falhas ou fragilidades. Todos nós,
em certas fases da vida, já recorremos negação, por não aceitar que a realidade possa ser dolorosa, de tal modo que a escondemos pela racionalização e justificação.
Aliás, pessoas, grupos e instituições que se negam a fazer a autocrítica, visto que é um processo de análise em que cada qual precisa elaborar sobre os seus atos,
considerando os seus erros e a correção dos mesmos. Porém, embalados pelo frenesi do fim de ano, ensaiamos a autocrítica e ao mesmo tempo negamos em fazê-la,
porque ela exige esforço mental, emocional e moral de realizar críticas a si mesmo. É um movimento psíquico que consiste no encontro consigo próprio na busca de
melhores escolhas, para aprimorar o desenvolvimento humano e espiritual.

Por outro lado, surge a negação, por meio de pensamentos negativos, que sussurram em nossos ouvidos: “morremos para vida”, “não é possível mudar”, “somos vítimas
do destino”, “não temos poder sobre o mal”, “esse mundo não vale a pena”, “nada dá certo no que eu faço”, etc. Assim, impõe-se a velha máxima do derrotismo: “nada
está tão ruim que não possa piorar”. É nesse roteiro que a autossabotagem nega a capacidade dos indivíduos de serem eles mesmos, como afirmou Augusto Cury: “o
pessimismo é um cancer da alma”. Por vezes, as pessoas se utilizam da crítica destrutiva, uma vez que desde a infância e adolescência foram pressionadas,
exaustivamente, pelos pais para atingir metas na vida, sendo assim acreditam que os seus erros são imperdoáveis. Há pesquisas que apontam que profissionais e
organizações estão em estado de negação, por pensar que seus planos ou projetos nunca são bons o suficiente, criando dificuldade para lidar com o inesperado.

No entanto, para sair do esquema de negação, é preciso entender que a autocrítica é uma aliada na busca do crescimento e do equilíbrio, de modo que aprendemos a
identificar com franqueza as falhas e acertos, no sentido de formular novas perspectivas e habilidades que serão úteis para toda vida. Por conseguinte, a autocrítica e a
autovalorização andam juntas, elas nos ajudam a nos autoconhecer, o que para Jung é uma imagem arquetípica do potencial mais pleno do ser humano, ou seja, da
nossa totalidade. Contudo, existem indivíduos e instituições preocupadas em ver nos outros apenas os defeitos que lhes são inerentes. Além disso, há os perfecionistas,
que exigem muito de si próprios e que só enxergam imperfeições no seu íntimo.

Portanto, o negativismo constitui um sentimento corriqueiro que se aproveita das nossas emoções adversas, tais como o ódio e o rancor. O exagero pessimista na forma
de conceber tudo o que rodeia o indivíduo é ruim, pois quem se critica o tempo todo não percebe o lado positivo de suas ações e se torna o seu maior inimigo. É como
disse Jean-Paul Sartre: “a negação é a recusa da existência”. Enfim, é fácil “julgar o livro pela capa”, é fácil fazer a crítica, é fácil reclamar, entretanto, o processo de
autocrítica tem ligação com o autoconhecimento. Então, quando refletimos com honestidade, conseguimos avaliar os nossos pontos fracos e fortes, o que nos permitirá
mudar os rumos da nossa jornada material e espiritual neste mundo. É difícil, mas gratificante!

(Disponível em: https://www.contioutra.com/a-dor-de-se-sentir-invisivel/ – texto adaptado especialmente para esta prova.)


Para preservar o sentido original da mensagem, a palavra “frenesi” deve ser substituída por seu sinônimo:

a) Arrebatamento.
b) Rigor.
c) Período.
d) Vagar.
e) Despautério.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1285491

Questão 8: FAFIPA - GM (Pref Arapongas)/Pref Arapongas/2020


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Infância

Meu pai montava a cavalo, ia para o campo.


Minha mãe ficava sentada cosendo.
Meu irmão pequeno dormia.
Eu sozinho menino entre mangueiras
lia a história de Robinson Crusoé,
comprida história que não acaba mais.

No meio-dia branco de luz uma voz que aprendeu


a ninar nos longes da senzala – e nunca se esqueceu
chamava para o café.
Café preto que nem a preta velha
café gostoso
café bom.

Minha mãe ficava sentada cosendo


olhando para mim:
- Psiu... Não acorde o menino.
Para o berço onde pousou um mosquito.
E dava um suspiro... que fundo!

Lá longe meu pai campeava


no mato sem fim da fazenda.

E eu não sabia que minha história


era mais bonita que a de Robinson Crusoé.

Carlos Drummond de Andrade. Antologia poética. Rio de Janeiro:Record,2000 p. 67


“Minha mãe ficava sentada cosendo”. Assinale a alternativa que possui o mesmo sentido da palavra em destaque:

a) Minha mãe ficava sentada escrevendo.


b) Minha mãe ficava sentada costurando.
c) Minha mãe ficava sentada cozinhando.
d) Minha mãe ficava sentada cantando.
e) Minha mãe ficava sentada rezando.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1335495

Questão 9: IDIB - Ag Leg (CM Gravatá)/CM Gravatá/2020


Assunto: Sinônimos e Antônimos
TEXTO I

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 3/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
A era da indiferença

Quão valiosos para as outras pessoas? Não digo qualquer pessoa, mas para aquelas que dizem se importar conosco. Quão importantes de fato somos para elas? Tenho
me pegado pensando constantemente nisso e por mais que você tenha visão esperançosa em relação ao homem, parece-me que realmente vivemos na era da
indiferença.

A vida contemporânea exige muito de nós. Isso é algo sabido por todos. No entanto, isso não justifica o modo como agimos uns com os outros. As relações são
meramente questões de conveniência, são uma troca de fardos no mercado da personalidade, de tal maneira que apenas me aproximo de determinada pessoa e
mantenho uma relação com ela se houver algo dela que possa usar. Ou seja, as relações humanas seguem lógicas comerciais e, assim, todos nos tornamos mercadorias.

Obviamente, não estou querendo dizer que devemos nos submeter a relações degradantes, que apenas usurpam nossas forças ou que não devemos esperar
reciprocidade ao se envolver com alguém. Mas, ao implementarmos uma lógica comercial às relações humanas, deixamos de considerar totalmente as nuances e
complexidades que formam o ser humano.

Isto é, ninguém está bem o tempo inteiro, tampouco, possui uma constante na vida. Todos nós temos nossos dias ruins, passamos por problemas e atravessamos os
nossos períodos de crise, de modo que, ao doutrinar as relações humanas à cartilha comercial, os pontos baixos da vida de um indivíduo são desconsiderados, o que
implica automaticamente a descartabilidade daqueles que sucumbem às suas fraquezas.

Sendo assim, somos tão somente importantes e amados na medida em que temos um sorriso no rosto, uma história engraçada para contar e somos úteis de algum
modo. Em outras palavras, somos queridos apenas nos nossos bons momentos, quando estamos no auge e tudo parece dar certo. Entretanto, como disse, a vida não é
uma constante, de maneira que inevitavelmente passaremos por momentos ruins, em que tudo dá errado e nós perdemos a esperança.

Nesses instantes, percebemos a fragilidade dos laços humanos, a nossa indiferença, a nossa incapacidade de se colocar no lugar do outro e buscar entender o ¹
do sofrimento, da angústia, da insônia, do medo e da lágrima oculta no olhar, porque quando uma relação é construída com laços fortes, lutamos contra o egoísmo para
poder sentir a dor que aflige e esmaga o peito de quem sofre.

Quando uma relação é mais do que uma ação na bolsa de valores do amor líquido, temos empatia e esta não é ver uma pessoa triste e fazer coisas para que ela fingir
estar feliz. É ver uma pessoa triste e ser capaz de ajudá-la a chorar.

Acho que os nossos tempos estão carentes de pessoas corajosas o bastante para abraçar alguém e dizer que a ama enquanto as lágrimas se precipitam e anunciam uma
torrente de dor em forma de choro intercalada com soluços. Por outro lado, o mundo está repleto de pessoas que abraçam e riem junto com você, mas tão somente
enquanto você também estiver com um sorriso no rosto. Pessoas que descartam as outras com imensa facilidade quando outras ações, digo, pessoas, acenam com
possibilidades melhores e sorrisos mais audaciosos.

Tudo isso é uma pena, ², no fim das contas, todos nós precisamos de alguém que nos ajude a chorar, já que só lágrimas de compaixão podem limpar a alma da
indiferença. E como as lágrimas não caem, porque estamos ocupados demais com nossas trivialidades mesquinhas, o mundo continua sujo, ecoando pelos esgotos a
nossa era da indiferença.

Fonte: https://www.pensarcontemporaneo.com – Acesso em: 25/07/2019


Há antônimos da palavra “empatia” em todas as alternativas, exceto em

a) apatia.
b) insensibilidade.
c) repulsa.
d) identidade.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1378659

Questão 10: FUNDATEC - ALeg (CM Ituporanga)/CM Ituporanga/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Conexões perigosas

Afinal, aquele tempo que você passa em redes sociais como Facebook, Twitter ou WhatsApp é benéfico ou não? A princípio, a empresa de Mark Zuckerberg (hoje com
cerca de 2,2 bilhões de usuários ativos no mundo) e outros empreendimentos do gênero são lugares virtuais onde é quase impensável não estar. Eles permitem, por
exemplo, encontrar, manter contato e trocar ideias com familiares e amigos espalhados pelo planeta, comunicar-se com pessoas afinadas com nosso modo de pensar e
construir grupos de defesa de interesses que podem melhorar a comunidade e o planeta.

Existem benefícios psicológicos também, indicam estudos. As redes estimulam o sentimento de pertencer a algo maior, o desejo de se integrar socialmente,
a autoexpressão ou até mesmo a curiosidade perante o mundo. Esse contato pode melhorar nossa sensação de bem-estar e apoio social online, pelo menos no curto
prazo.

Mas um volume crescente de informações acadêmicas mostra que o cenário é bem mais complexo. Em 2013, por exemplo, um estudo da Universidade de Michigan
(EUA) revelou que quanto mais tempo jovens adultos passavam no Facebook, pior se sentiam. Até mesmo aqueles que, embora despendendo um tempo significativo na
rede de Zuckerberg, mantinham níveis moderados ou altos de contato social direto relataram uma piora em seu bem-estar.

Em 2017, os professores Holly Shakya, da Universidade da Califórnia em San Diego, e Nicholas Christakis, da Universidade Yale (EUA), publicaram na revista “ American
Journal of Epidemiology ” um artigo sobre um estudo com 5.208 usuários de Facebook. Durante dois anos, os pesquisadores mediram a satisfação com a vida e a saúde
física e mental dos participantes. Todos os resultados pioravam com o uso mais intensivo do Facebook, e o tipo de atividade desenvolvida nele – por exemplo, curtir uma
foto ou postar um texto – não fazia qualquer diferença nesse sentido. “A exposição a imagens cuidadosamente editadas das vidas de outras pessoas leva a
uma autocomparação negativa, e a grande quantidade de interações na mídia social pode prejudicar experiências da vida real mais significativas”, afirmam os cientistas.

Alguns estudiosos do tema salientam ainda que o Facebook pode exacerbar a inveja. Um bom número de pessoas pode até se sentir desafiado e inspirado a ampliar suas
realizações ao ver fotos de amigos e conhecidos em situações que denotam bem-estar e abastança, mas o mesmo material pode deflagrar em outros indivíduos
sentimentos de insatisfação contra eles mesmos e os que aparecem nas imagens.

Pressionado a alertar seus usuários sobre os perigos de passarem longos períodos conectados, o Facebook fez, no fim de 2017, uma postagem: “Passar o tempo nas
redes sociais faz mal?”. O texto lista prós e contras, e os autores concluem que o que faz mal não é o uso da rede social em si, mas a maneira como isso ocorre.

A postagem foi alvo de duras críticas. Sean Parker, ex-presidente e cofundador do Facebook, disse que as redes sociais afetam as interações sociais e a produtividade de
“modo estranho”. Segundo ele, redes como o Facebook funcionam em torno da questão de gastar o máximo de tempo online e receber, em troca, a maior quantidade de
atenção possível. Ex-vice-presidente da empresa, Chamath Palihapitiya recomendou que os usuários tirem “férias forçadas” das redes sociais. “Criamos ferramentas que
estão rasgando em pedaços o tecido social com o qual a sociedade funciona”, declarou.

Um bom começo para o uso consciente e comedido das redes sociais inclui, por exemplo, parar de usar os aplicativos duas horas antes de dormir e tirar os avisos de
“visto” e “recebido” das mensagens do WhatsApp. Mas o mais importante é, em vez de pôr o foco em uma infindável lista de mensagens, readquirir a consciência em
relação a tudo isso e fazer-se perguntas como: “O que esse mundo online está fazendo com a minha existência e os meus relacionamentos? No que isso ajuda meus

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 4/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
objetivos de vida?” Como observam Holly Shakya e Nicholas Christakis no seu estudo, “interações sociais on-line não substituem a coisa real” e relações saudáveis e
pessoais são vitais para a sociedade e o nosso bem-estar individual.

Fonte: https://www.revistaplaneta.com.br/conexoes-perigosas/ (Texto adaptado para esta prova).

Considerando o contexto de ocorrência, a palavra ‘exacerbar’ em destaque no texto significa:

a) Diminuir.
b) Manter um padrão.
c) Causar impacto.
d) Tornar mais intenso.
e) Aumentar proporcionalmente.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/806635

Questão 11: SELECON - GCM (Niterói)/Pref Niterói/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Texto I

A violência que bate à porta (fragmento)

Segundo dados do Relatório Mundial 2019, divulgados recentemente pela ONG Human Rights Watch, 64 mil homicídios aconteceram no Brasil em 2017. são dois mil a
mais que em 2016. Este crescimento não foi freado em 2018, pelo contrário. Os dados já apresentados por Ongs e Instituições mostram que o número de assassinatos
segue crescendo a passos largos. O crime, cada vez mais, sai da marginalidade e assola toda a sociedade, sem distinguir classes sociais. Estados pararam nos últimos
meses (Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Ceará, e por aí vai) na mão de criminosos e a população se vê à mercê desta realidade que bate à porta.

O retrato atual é esse e os noticiários teimam em nos lembrar que o filho morto hoje pode ser o nosso amanhã. Esta sensação de insegurança aumenta a busca por
segurança privada. A Pesquisa Nacional sobre Segurança Eletrônica, realizada pela Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese),
afirma que houve um crescimento nas residências que investiram em sistemas de segurança nos últimos 12 meses.

Mas quem deve cuidar da segurança do cidadão? E quem não tem dinheiro para investir em sistemas? É protegido por quem?

Os sistemas privados de segurança servem para inibir a ação de criminosos, mas isto não pode ser a única solução. O Estado precisa ser cobrado e deve agir. Para deter
o crime organizado, é necessário muito mais esforço público do que portões e muros altos.

Marco Antônio Barbosa Hoje em Dia, 01/03/2019 (Extraído e adaptado de: hojeemdia.com.br/opinião)
Em “O "retrato atual é esse e os noticiários teimam em nos lembrar que o filho morto hoje pode ser o nosso amanhã", a palavra destacada é sinônimo de:

a) prescindir
b) renunciar
c) rejeitar
d) insistir
e) negar
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/851960

Questão 12: FUNDATEC - Tec Inf (CM Gramado)/CM Gramado/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
O segredo para viver cem anos está em suas mãos, não em seus genes

Todos nós conhecemos famílias nonagenárias, que parecem indestrutíveis. Mas o que está por trás de sua longevidade? Até agora se pensava que "a diferença entre os
que vivem muito e os que vivem pouco dependia entre 15% e 30% da genética", explica Miguel Pita, professor da Universidade Autónoma de Madrid. No entanto, um
novo estudo publicado na revista Genetics joga por terra esta ideia.

A pesquisa, intitulada “As estimativas da hereditariedade da longevidade humana estão substancialmente infladas por causa da combinação seletiva”, foi conduzida por
um grupo de pesquisadores radicado na Califórnia (EUA) que comparou 54 milhões de árvores genealógicas do Ancestry, um banco de dados que conecta pessoas de
todo o mundo com seus ancestrais. De acordo com os resultados, os genes influenciam, mas muito menos do que se pensava anteriormente. Apenas 7%.

As conclusões são relativamente surpreendentes, embora a ciência já soubesse que o DNA pesava menos que o estilo de vida. "A ideia geral que tínhamos até agora era
que, nas sete ou oito primeiras décadas de vida, o estilo de vida é mais importante que a genética", diz Pita. "Digamos que o estilo de vida se sobrepõe ao efeito da
genética. Se você consegue manter uma dieta saudável, com pouco álcool, pouco fumo e muito exercício, viverá muito mais do que se não fizer isso, independentemente
da genética que tenha."

É a partir da sétima e oitava décadas que a genética intervém, acrescenta este especialista: "Todas aquelas pessoas que são nonagenárias e centenárias, além de terem
tido um estilo de vida adequado, tendem a possuir uma determinada genética". O professor Pita dá dois exemplos: "A genética é importante porque, se você tem uma
propensão muito grande ao câncer, obviamente a duração de sua vida será afetada". No entanto, ele faz uma comparação com o talento para a música. "Todos podemos
nos esforçar e tocar violão mais ou menos bem, mas, para sermos um gênio, precisamos de uma certa genética", diz ele.

A novidade deste estudo está na maneira como os dados foram analisados, e é isso que é enfatizado no complicado título. "O que diz é que a diferença entre viver muito
ou viver um pouco por causa da influência da genética não é muita. Que é maior a influência ambiental." Este trabalho demonstra que os estudos anteriores que
apontavam que os genes tinham 30% da culpa por alguém viver pouco ou muito não foram muito bem feitos: “Baseavam-se em uma combinação seletiva, de modo que,
quando parecia que duas pessoas tinham a mesma genética, o que elas tinham, na verdade, era o mesmo ambiente”.

"O que se vê é que pessoas com características semelhantes, a mesma origem social e até traços físicos semelhantes tendem a combinar entre si, de modo que não são
seus genes o que as faz viver mais tempo; é que estão se agrupando entre si”, afirma o especialista.

Isso não significa que, com melhorias na genética, não iremos viver mais. "A genética é muito importante", diz Miguel Pita. "Se identificamos quais são os genes que
causam aumento da mortalidade e administramos os medicamentos para combatê-los, a longevidade aumentará muito. Embora pareça que a genética não influencia
muito, pode, sim, aumentar muito a expectativa de vida." Parece contraditório, mas não é. "A genética pode fazer com que todos nós vivamos mais. Sempre haverá um
ambiente no qual ela influencia mais do que em outro, mas o controle dos genes aumentará a longevidade", conclui o especialista.

Fonte: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/12/19/ciencia/1545227085_353401.html
(Texto adaptado para esta prova)

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 5/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Assinale a alternativa que apresenta um sinônimo para a palavra ‘propensão’.

a) Tendência.
b) Divergência.
c) Dificuldade.
d) Possibilidade.
e) Rejeição.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/856835

Questão 13: VUNESP - PAEPE (UNICAMP)/UNICAMP/Profissional para Assuntos Administrativos/Administração/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Hostil mundo novo
Você já passou por isso. Nas últimas semanas, tenho sido torturado por computadores que ligam e desligam sozinhos, mouses travados, “reiniciações” lentas e outras
deliciosas avarias. Ligo para o técnico e ele me instrui a ligar e desligar este ou aquele botão da torre, “usar o aplicativo” ou ficar de quatro, meter-me debaixo da mesa e
desplugar tudo da parede, esperar cinco minutos e plugar de novo. Naturalmente, não dá certo.

Nem pode dar. Em jovem, sobrevivi aos zeros em matemática, física, estatística e outras ciências do diabo, e me concentrei apenas no que me interessava: português,
história e línguas. Desde então, passei a vida profissional a bordo de um único veículo – a palavra. Com ela, tenho me virado em jornais, revistas, editoras de livros,
rádios, TVs, auditórios, salas de aula e outros cenários onde a palavra seja chamada a dirimir dúvidas ou dinamitar certezas.

De repente, várias eras geológicas depois, em idade de não querer aprender mais nada, a tecnologia exige que eu me torne engenheiro eletrônico.

Cada vez mais funções dispensam o papel, a ida pessoal ao banco ou a conversa “presencial”. Para reinstalar a internet no computador, tenho de ligar um cabo enfiado
na televisão. Desbloquear um cartão de crédito exige saber extrair uma raiz quadrada. A vida agora é online e cabe no bolso, mas, diante daquele inferno de teclas,
plugues e botões sem sentido, pode-se perder tudo se digitar algo errado.

A tecnologia tornou o mundo hostil para os que não conseguem acompanhá-la. É verdade que ela não pode parar por causa de meia dúzia de macróbios incapazes de se
atualizar. Acontece que, nós, os macróbios, não somos meia dúzia. Somos milhões e, graças à ciência e a nós mesmos, estamos ameaçados de viver até os cem anos.
Pois, se for para chegar lá, que seja para continuar usando algo mais nobre do que apenas os polegares.

(Ruy Castro. Folha de S. Paulo. Disponível em:


https://www1.folha.uol.com.br/colunas/ruycastro/ 2018/10/
hostil-mundo-novo.shtml. Publicado em 28.10.2018)

O termo destacado na frase “... onde a palavra seja chamada a dirimir dúvidas ou dinamitar certezas.” pode ser corretamente substituído, sem alteração do sentido do
texto, por

a) identificar.
b) esclarecer.
c) polemizar.
d) despistar.
e) desorientar.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/863009

Questão 14: FUNDEP - Ag (Lagoa Santa)/Pref Lagoa Santa/Administrativo/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Leia o texto a seguir para responder a questão.

A ilusão das redes sociais

É indiscutível o importante papel que as redes sociais desempenham hoje nos rumos de nossa vida política e privada. São indiscutíveis também os avanços que
introduziram nas comunicações, favorecendo o reencontro e a aproximação entre as pessoas e, se forem redes profissionais, facilitando a visibilidade e a circulação de
pessoas e produtos no mercado de trabalho.

A velocidade com que elas veiculam notícias, a extensão territorial alcançada e a imensa quantidade de pessoas que atingem simultaneamente não eram presumíveis
cerca de uma década atrás, nem mesmo pelos seus criadores. Temos sido testemunhas, e também alvo, do seu poder de convocação e mobilização, assim como da sua
eficiência em estabelecer interesses comuns rapidamente, a ponto de atuarem como disparadoras das várias manifestações e movimentos populares em todo o mundo
atual.

Portanto, não podemos sequer supor que elas tragam somente meras mudanças de costumes, porque seu peso, associado ao desenvolvimento da informática, é
semelhante à introdução da imprensa, da máquina a vapor ou da industrialização na dinâmica do nosso mundo. As redes sociais provocam mudanças de fundo no modo
como as nossas relações ocorrem, intervindo significativamente no nosso comportamento social e político. Isso merece a nossa atenção, pois acredito que uma
característica das redes sociais é, por mais contraditório que pareça, a implantação do isolamento como padrão para as relações humanas.

Ao participar das redes sociais acreditamos ter muitos amigos à nossa volta, sermos populares, estarmos ligados a todos os acontecimentos e participando efetivamente
de tudo. Isso é uma verdade, mas também uma ilusão, porque essas conexões são superficiais e instáveis. Os contatos se formam e se desfazem com imensa rapidez; os
vínculos estabelecidos são voláteis e atrelados a interesses momentâneos.

Além disso, as relações cultivadas nas redes sociais se baseiam na virtualidade, portanto, no distanciamento físico entre as pessoas. Isso nos permite, com facilidade,
entrar em contato com as pessoas e afastá-las quando bem quisermos. Tal virtualidade garante comunicação sem intimidade.

[...]

Quando Hannah Arendt, pensadora contemporânea da política, analisou os totalitarismos do século passado, apontou para o projeto desses sistemas de tornarem os
homens supérfluos. Para tanto, entre outros expedientes, mantinham as pessoas isoladas umas das outras.

Separavam-nas de seus familiares, de suas comunidades, inclusive das pessoas com quem coabitavam nos galpões dos campos de concentração, instaurando entre elas a
suspeita e o medo de delações. Isolavam classes sociais promovendo contendas e animosidades entre elas. Isolavam as pessoas do seu próprio eu, exaurindo-as com
trabalho e mantendo-as doentes e famintas.

O isolamento torna os indivíduos manipuláveis e controláveis, como coisas. Os sistemas totalitários sabem muito bem que, isolados, os homens perdem a capacidade de
se expor e de agir.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 6/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Na nossa atualidade o isolamento tem um perfil diferente, porque é mais voltado para a intensificação do individualismo, cujos interesses afastam-se a cada vez mais das
questões sociais. As recentes manifestações populares embora devam sua ocorrência às redes sociais, mantêm o caráter do individualismo e do isolamento, pois os
participantes não criam vínculos entre si. Expressam suas opiniões, caminham juntos, mas é só isso.

Arendt tem por pressuposto de suas análises a condição humana da pluralidade, ou seja, o fato de vivermos entre homens e jamais chegarmos a ser nem um ser humano
nem mesmo os indivíduos que somos longe da companhia dos outros. Os outros, tanto quanto o ambiente em que vivemos, nos constituem, daí que, se o distanciamento
interpessoal for se estabelecendo como nova condição de existência, nossa própria humanidade poderá sofrer o impacto de uma mutação. [...]

Disponível em: <http://www.cartaeducacao.com.br/artigo/a-ilusao-das-redes-sociais/>. Acesso em: 10 jan. 2019.

“Os contatos se formam e se desfazem com imensa rapidez; os vínculos estabelecidos são voláteis e atrelados a interesses momentâneos.”

O termo destacado no trecho anterior tem sentido semelhante ao da seguinte palavra em destaque, considerando o texto.

a) “Dúbia é a vida, inconstante o que a governa.” (Ricardo Reis)


b) “Um dever amaríssimo!” (Machado de Assis)
c) “Desde aquele outro lado do Sol até esse tremendo agora.” (Matilde Campilho)
d) “Vou te dizer que sou um transatlântico inabalável” (Laura Liuzzi)
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/881566

Questão 15: OBJETIVA CONCURSOS - Ana Amb (Itaberaí)/Pref Itaberaí/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Devagar é que se vai longe

Lonesome George (George Solitário), o último representante da espécie de tartaruga terrestre Chelonoidis abingdonii, morreu em 2012 no Arquipélago de Galápagos, mas
sua morte pode ter deixado um inestimável legado embutido em seus genes. Um artigo recém-publicado na revista inglesa Nature informa que no DNA de George
podem estar guardados os segredos da longevidade e da resistência a tumores. Não se sabe exatamente com que idade morreu George Solitário – assim chamado
porque era o derradeiro exemplar de sua espécie e nunca se conseguiu fazê-lo copular com outras –, mas é certo que tinha mais de 100 anos.

Os cientistas acreditam que um dia será possível replicar em humanos seus invejáveis traços genéticos. “A observação dos animais sempre nos ajudou a iluminar as
dúvidas mais intrínsecas da vida. Entendemos com eles de onde viemos e saberemos, em breve, como chegar aonde queremos”, disse à Revista Veja a coordenadora do
estudo, a geneticista italiana Adalgisa Caccone, da Universidade Yale, nos EUA. Os pesquisadores coletaram amostras do réptil e de espécies que vivem em ilhas no
Oceano Índico, sequenciaram seus genes e os compararam aos de outras criaturas. Descobriram variantes do DNA que garantem boa saúde. Exemplo: uma mutação do
gene IGF1R, recorrente nas tartarugas, também é presente em humanos que morrem em idade avançada. Alterações químicas que simulem essa configuração poderiam,
em tese, estender a vida humana. Também se descobriram elementos associados à resistência ao câncer.

A espécie de George Solitário, que chegava a 1,4 metro de comprimento, foi uma das que inspiraram o naturalista Charles Darwin (1809-1882) em sua teoria da evolução
em A Origem das Espécies (1859) – e agora está perto de nos ajudar a entender, e estender, a vida humana.

https://veja.abril.com.br/ciencia/... - adaptado.

Segundo seu sentido no texto, a palavra “derradeiro” (primeiro parágrafo) encontra um sinônimo em:

a) Inofensivo.
b) Remanescente.
c) Vivo.
d) Grande.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/907648

Questão 16: VUNESP - AuxTL (CM M Alto)/CM Monte Alto/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Os benefícios da imigração para um país
Muitos daqueles que se opõem à imigração ignoram uma verdade inconveniente: os imigrantes costumam ser os melhores cidadãos.

Historicamente, imigrantes mexicanos e seus filhos resgataram cidades menores com população em declínio nos Estados Unidos, informou Alfredo Corchado ao The New
York Times. Cerca de metade das 6 mil pessoas de Kennett Square, perto da Filadélfia, por exemplo, são de ascendência hispânica, e é provável que a cidade teria se
extinguido sem elas.

Kennett Square alega ser a capital mundial dos cogumelos, o centro de uma indústria de US$ 2,7 bilhões no sudeste da Pensilvânia que emprega 10 milhões de
trabalhadores.

Mas, nos últimos dez anos, o número de imigrantes mexicanos nos EUA diminuiu em mais de um milhão. Alguns foram deportados, e outros foram embora
espontaneamente por receio das autoridades.

“Os mexicanos estão indo embora, e isso é má notícia para todos”, disse Chris Alonzo, presidente da Pietro Industries, uma das maiores empresas de cogumelos. “Toda
essa negatividade e estímulo ao medo geraram um sentimento anti-imigração que está prejudicando nossa cidadezinha. Temos escassez de mão de obra, o que ameaça
a vibração da nossa comunidade”.

Os recém-chegados também ajudaram a dar novo ânimo à vida cultural da região.

“Os mexicanos tiveram um impacto positivo na comunidade ao trazer mais cor e sabor para uma vida sem graça”, explicou Loretta Perna, coordenadora de programas da
Escola Kennett High.

(Tom Brady, The New York Times. Publicado em O Estado de S.Paulo. 23.09.2018. Adaptado)
Considere as frases:

I. Muitos daqueles que se opõem à imigração ignoram uma verdade inconveniente...


II. ... é provável que a cidade teria se extinguido sem elas.

As expressões em destaque nas frases encontram sinônimos adequados ao contexto em:

a) I - inoportuna; II - desaparecido.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 7/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) I - inconsistente; II - se arruinado.
c) I - indesejável; II - esmorecido.
d) I - imprecisa; II - se consumado.
e) I - infundada; II - se exaurido.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/911166

Questão 17: VUNESP - Sec Esc (Peruíbe)/Pref Peruíbe/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Problemas de comportamento na escola podem ser indícios de TOD
Crianças são naturalmente agitadas. Cabe à família estabelecer limites e regras, e à escola reforçá-las e fazer com que sejam respeitadas. Mas, quando pais e educadores
não conseguem controlar excessos no comportamento de algumas crianças, é preciso auxílio profissional; o problema pode ser o Transtorno Opositivo Desafiador (TOD),
que tem se tornado cada vez mais comum no ambiente escolar.

De acordo com o neuropediatra Clay Brites, um dos fundadores do Instituto NeuroSaber, o TOD é o excesso de um traço de comportamento inadequado e resulta da
união de fatores genéticos com fatores ambientais desajustados. “É uma condição que leva a comportamentos altamente restritivos por gerar na criança e no adolescente
acessos de raiva exagerados, sentimentos de vingança e dificuldade em seguir regras e conselhos de outras pessoas, especialmente pais e autoridades”, explica. Ele
ressalta que o transtorno costuma aparecer nos primeiros sete anos de vida e a incidência é maior em meninos.

O tratamento para o TOD é feito por uma rede multidisciplinar composta por pais, escola e profissionais. A terapia é fundamental tanto para a criança com TOD, quanto
para a família, que precisa aprender o manejo comportamental ideal para seus filhos e também necessita de equilíbrio para lidar com a situação. Embora não seja um
problema simples, pois o tratamento é longo e requer persistência da família e da escola, os números são animadores: características do TOD desaparecem em 65% das
crianças e adolescentes que recebem o tratamento adequado. Porém, quando o problema não tem a devida atenção, pode evoluir para outros quadros, como baixo
rendimento escolar e problemas de aprendizagem.

(Lilian Martins. Gazeta do Povo. 02.03.2018.


www.gazetadopovo.com.br. Adaptado)

Considere os sentidos expressos pelas palavras destacadas nos trechos que seguem:

• ... dificuldade em seguir regras e conselhos de outras pessoas, especialmente pais e autoridades... (2º parágrafo)
• ... o transtorno costuma aparecer nos primeiros sete anos de vida e a incidência é maior em meninos. (2º parágrafo)
• ... quando o problema não tem a devida atenção... (3º parágrafo)

No contexto, as palavras destacadas estão empregadas com sentidos equivalentes, respectivamente, a

a) em particular ... cura ... recomendada


b) sobretudo ... ocorrência ... merecida
c) evidentemente ... gravidade ... rara
d) óbvio ... mortalidade ... essencial
e) esporadicamente ... persistência ... necessária
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/913277

Questão 18: OBJETIVA CONCURSOS - ACS (Pref Tramandaí)/Pref Tramandaí/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Patinetes elétricos geram mais lesões que bicicletas

Imagine um veículo pequeno, prático, ecológico, barato e fácil de estacionar. Prazer, patinete elétrico. A febre desses meios de transporte compartilhados começou no
final de 2017, nos Estados Unidos, mas já se espalhou pela China, cidades da Europa e há pouco chegou a São Paulo. Se você mora por lá e frequenta a Zona Oeste,
certamente já viu alguém usando um. Hoje, três startups
brasileiras oferecem o serviço na capital paulista.

Mas você, que está considerando aderir a essa nova moda, já parou para pensar na segurança deles? Bem, os americanos já: acaba de sair os resultados do primeiro
estudo a respeito de lesões geradas por patinetes elétricos. Segundo o levantamento, os patinetes estão ligados a vários problemas, como fraturas, deslocamento de
articulações e até lesões cranianas.

O estudo analisou ferimentos em dois prontos-socorros da Califórnia, o UCLA Medical Center, em Santa Mônica, e o Ronald Reagan UCLA Medical Center, em Los Angeles,
de 1º de setembro de 2017 a 31 de agosto de 2018. Santa Mônica foi a primeira cidade do mundo a disponibilizar patinetes elétricos para aluguel, e é um dos únicos
lugares com um ano de dados plausíveis para análise.

Segundo os resultados, em apenas um ano, cerca de 250 pessoas receberam atendimentos nos prontos-socorros por lesões relacionadas ao uso desses veículos. Esse é
um número maior que os problemas causados pelo uso de bicicletas (cerca de 200) observados nos dois locais durante o mesmo período.

Além disso, segundo os pesquisadores, apenas 4% dos “pilotos” feridos estavam usando capacete quando o acidente ocorreu. 8% dos feridos, aliás, sequer eram pilotos,
mas sim pedestres que acabaram se envolvendo em um acidente provocado por patinetes elétricos.

A pesquisa também colocou outros pontos interessantes: as lesões mais comuns foram na cabeça (40% dos pacientes), fraturas de ossos (32%) e cortes ou contusões
sem fratura (28%). A maioria dos pacientes (94%) tiveram lesões relativamente pequenas e foram mandados para casa logo depois de serem atendidos no pronto-
socorro. Mas 15 deles (6%) tiveram lesões graves o suficiente para precisarem ficar no hospital por pelo menos uma noite.

Joann Elmore, professora de medicina da Universidade da Califórnia e autora do estudo, disse acreditar que os usuários de patinetes elétricos estão “subestimando os
perigos” do veículo. Mas ela não é contra o uso, pelo contrário: “os patinetes são uma maneira divertida e barata de se locomover, mas as pessoas precisam ser
cuidadosas, seguir as leis de trânsito e usar capacetes para evitar os tipos de ferimentos que vimos nos nossos departamentos de emergência”.

Ou seja, não precisa desistir do patinete. Mas os cuidados com o uso dele precisam ser os mesmos de qualquer outro veículo.

https://super.abril.com.br/... - adaptado.

Segundo seu sentido no texto, a palavra “plausíveis” (terceiro parágrafo) encontra um sinônimo em:

a) Imprescindíveis.
b) Dispensáveis.
c) Novos.
d) Aceitáveis.
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 8/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/916267

Questão 19: VUNESP - Sold (PM SP)/PM SP/2ª Classe/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Mais ócio, por favor
Quando o sociólogo italiano Domenico De Masi lançou o conceito de “ócio criativo”, em seu livro homônimo de 2000, foi alçado à condição de pensador revolucionário e à
lista dos mais vendidos.

O sucesso se deveu à explicação do espírito daquele tempo, ao apontar que tão essencial ao crescimento profissional quanto o estudo e o trabalho eram os momentos de
desconexão com a labuta que abririam as portas para a criatividade e para “pensar fora da caixinha”. A intenção era alcançar uma fusão entre estudo, trabalho e lazer
para aprimorar o conhecimento, vivenciar diferentes experiências e instigar a criatividade.

Com o lançamento de “Uma Simples Revolução”, um best-seller, o sociólogo prega uma nova guinada no pensamento empresarial.

Ao analisar as taxas de desemprego e de desocupação, para De Masi, a única saída é reduzir a carga de trabalho individual e abrir novas vagas. “Se as regras do jogo
não mudarem, o desemprego – aberto ou oculto – está destinado a crescer em dimensão patológica”, escreve.

O Brasil é um dos países que vivem essa realidade, com um desemprego de mais de 13 milhões de pessoas, segundo dados mais recentes do IBGE Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística. Mais de 5 milhões de pessoas procuram trabalho no país há um ano ou mais, o que representa quase 40% desse total.

A lógica do mercado não ajuda a melhorar esses números. As empresas tentam reduzir suas folhas de pagamento, mesmo que isso signifique mais horas extras.

Só que, de acordo com o sociólogo, quanto mais horas um indivíduo trabalha, mais ele contribui para a taxa de desocupação. “Na Alemanha, onde todos trabalham, em
média, 1 400 horas, o desemprego está em 3,8% e o emprego está em 79%. Já na Itália, onde um italiano trabalha em média 1 800 horas, o desemprego está em 11%
e o emprego está em 58%”, detalha.

“Para eliminar o desemprego, o único remédio válido é reduzir as horas de trabalho, mantendo o salário e aumentando o número de vagas”, diz, em entrevista ao UOL.

(Lúcia Valentim Rodrigues, “Mais ócio, por favor”. https://noticias.uol.com.br. Adaptado)


Considere as passagens:

Quando o sociólogo italiano Domenico De Masi lançou o conceito de “ócio criativo” [...], foi alçado à condição de pensador revolucionário... (1º parágrafo)
A intenção era alcançar uma fusão entre estudo, trabalho e lazer para aprimorar o conhecimento, vivenciar diferentes experiências e instigar a criatividade. (2º
parágrafo)
“Se as regras do jogo não mudarem, o desemprego – aberto ou oculto – está destinado a crescer em dimensão patológica”, escreve. (4º parágrafo)

No contexto em que estão empregados, os termos significam, correta e respectivamente:

a) elevado; estimular; doentia.


b) conduzido; coibir; mórbida.
c) rebaixado; promover; promissora.
d) promovido; restringir; limitada.
e) assemelhado; induzir; esperançosa.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/988086

Questão 20: CS UFG - Ass (IF GOIANO)/IF GOIANO/Alunos/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Os Três Porquinhos e o Lobo, “Nossos Velhos Conhecidos”

Era uma vez Três Porquinhos e um Lobo Bruto. Os Três Porquinhos eram pessoas de muito boa família, e ambos tinham herdado dos pais, donos de uma churrascaria,
um talento deste tamanho. Pedro, o mais velho, pintava que era uma maravilha – um verdadeiro Beethoven. Joaquim, o do meio, era um espanto das contas de somar e
multiplicar, até indo à feira fazer compras sozinho. E Ananás, o menor, esse botava os outros dois no bolso – e isso não é maneira de dizer. Ananás era um mágico
admirável. Mas o negócio é que – não é assim mesmo, sempre? – Pedro não queria pintar, gostava era de cozinhar, e todo dia estragava pelo menos um quilo de
macarrão e duas dúzias de ovos tentando fazer uma bacalhoada. Joaquim vivia perseguindo meretrizes e travestis, porque achava matemática chato, era doido por
imoralidade aplicada. E Ananás detestava as mágicas que fazia tão bem – queria era descobrir a epistemologia da realidade cotidiana. Daí que um Lobo Bruto, que ia
passando um dia, comeu os três e nem percebeu o talento que degustava, nem as incoerências que transitam pela alma cultivada. MORAL: É INÚTIL ATIRAR PÉROLAS
AOS LOBOS.

Fernandes, Millôr. 100 Fábulas fabulosas. Rio de Janeiro: Record, 2003.


A moral da história, explicitada ao final do texto, atribui ao adjetivo “bruto” que acompanha a palavra “lobo” o sentido de algo ou alguém que

a) permaneceu ao longo da vida sem transformações; acha-se intocado, inalterado.


b) possui grande dimensão ou intensidade; grande, vasto; forte; desmedido.
c) incapaz de refinamento; incivil, rude; inculto, pouco instruído, incapaz de reflexão.
d) é violento, desumano, desprovido de moderação, selvagem, colérico, irascível.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/999010

Questão 21: FURB - Estag (AMMVI)/AMMVI/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
A questão a seguir se refere ao texto abaixo:

Santa Catarina é um dos cinco estados brasileiros que índices considerados inaceitáveis de desmatamento, de acordo com a Fundação SOS Mata Atlântica e o
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). A última edição do Atlas da Mata Atlântica, levantamento que monitora o bioma desde 1985, mostra que 905 hectares
de mata localizados em território catarinense entre o biênio 2017/2018.

Os dados, divulgados no dia 23 deste mês, indicam um aumento de 52% no desflorestamento, comparado ao biênio anterior — 2016/2017, quando ocorreu redução de
595 hectares.[...]

Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/noticias/dia-


https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 9/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
da-mata-atlantica-desmatamento-cresce-52-em-santa-catarina Acesso em: 27/maio/2019. [adaptado]
É um sinônimo possível para o adjetivo “inaceitáveis”, utilizado no texto:

a) bons
b) admissíveis
c) convenientes
d) toleráveis
e) intoleráveis
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1007324

Questão 22: VUNESP - Sold (PM SP)/PM SP/2ª Classe/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Leia o texto, para responder a questão.

Todos os seres humanos necessitam de segurança.

Todos os seres humanos têm o direito de serem protegidos do medo, de todas as espécies de medo.

O medo tem raízes profundas na alma dos seres. Radica-se no inconsciente e é objeto constante da pesquisa científica, com destaque para a Psicanálise.

Temos medo do abandono, de passar necessidade e privações, medo das agressões, da doença, da morte.

Uma sociedade que se funde no “espírito de solidariedade” procurará construir modelos de convivência que afastem o medo do horizonte permanente de expectativas.
Numa sociedade fraterna, o homem não será “lobo” do outro homem.

Nossa Constituição determina que a Segurança Pública é dever do Estado, direito e responsabilidade de todos. Será exercida para a preservação da ordem pública e da
incolumidade das pessoas e do patrimônio, mas, antes de tudo, com absoluta prioridade, sem qualquer bem ou valor que se possa assemelhar a este, a Segurança
Pública deve preservar a incolumidade das pessoas.

O provimento da Segurança Pública inscreve-se dentro de um quadro de respeito à Cidadania. A Cidadania exige que se viva dentro de um ambiente de Segurança
Pública. Não pode haver pleno usufruto da Cidadania, se trabalhamos e dormimos sob o signo do medo, do temor, da ameaça de dano ou lesão a nossa individualidade
ou à incolumidade de nossa família.

A busca da Segurança Pública e a busca da Cidadania Plena deverão constituir um projeto solidário do Poder Público e da Sociedade.

(Disponível em: http://www.dhnet.org.br. Acesso em 13.09.2019. Adaptado)

A relação de sentido que existe entre as palavras “segurança” e insegurança” está presente também entre os termos

a) solidário e dependente.
b) convivência e coabitação.
c) constante e descontinuado.
d) prioridade e adiamento.
e) permanente e durável.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1091540

Questão 23: FAUEL - Aux (Mandaguari)/Pref Mandaguari/Conservação e Limpeza/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Leia atentamente o breve poema a seguir, escrito por Millôr Fernandes, para responder a questão.

“Tudo que eu digo, acreditem,


Teria mais solidez
Se, em vez de carioquinha,
Eu fosse um velho chinês”
Assinale a alternativa que NÃO apresenta um sinônimo do termo “solidez”, de acordo com o sentido com que ele aparece no poema.

a) Consistência.
b) Firmeza.
c) Incerteza.
d) Segurança.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1106813

Questão 24: Legalle - GM (Pref Gravataí)/Pref Gravataí/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Para responder a questão abaixo, leia o seguinte fragmento retirado do conto Pai contra mãe, de Machado de Assis.

A escravidão levou consigo ofícios e aparelhos, como terá sucedido a outras instituições sociais. Não cito alguns aparelhos senão por se ligarem a certo ofício. Um deles
era o ferro ao pescoço, outro o ferro ao pé; havia também a máscara de folha-de-flandres. A máscara fazia perder o vício da embriaguez aos escravos, por lhes tapar a
boca. Tinha só três buracos, dois para ver, um para respirar, e era fechada atrás da cabeça por um cadeado. Com o vício de beber, O perdiam a tentação de furtar,
porque geralmente era dos vinténs do senhor que eles tiravam com que matar a sede, e aí ficavam dois pecados extintos, e a sobriedade e a honestidade certas. Era
grotesca tal máscara, mas a ordem social e humana nem sempre se alcança sem o grotesco, e alguma vez o cruel. Os funileiros as tinham penduradas, à venda, na porta
das lojas. Mas não cuidemos de máscaras.

O ferro ao pescoço era aplicado aos escravos fujões. Imaginai uma coleira grossa, com a haste grossa também à direita ou à esquerda, até ao alto da cabeça e fechada
atrás com chave. Pesava, naturalmente, mas era menos castigo que sinal. Escravo que fugia assim, onde quer que andasse, mostrava um reincidente, e com pouco era
pegado.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 10/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Há meio século, os escravos fugiam com frequência. Eram muitos, e nem todos gostavam da escravidão. Sucedia ocasionalmente apanharem pancada, e nem todos
gostavam de apanhar pancada.

Autor: Machado de Assis (adaptado).

Assinale a alternativa que apresenta um antônimo CORRETO para a palavra grossa:

a) Graúda.
b) Distinta.
c) Pequena.
d) Afilada.
e) Vultuosa.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1110293

Questão 25: IBFC - Aux (Cruzeiro Sul)/Pref Cruzeiro do Sul/Administrativo/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Leia o texto abaixo para responder a questão.

MEMES, É PRA ISSO QUE EU PAGO INTERNET!


Por Jaider Morais

É indiscutível que a internet revolucionou nossas vidas com os serviços, redes sociais e informações em tempo real e sem barreiras geográficas. O tempo, em que ficamos
conectados, aumenta a cada dia e sempre nos deparamos com coisas engraçadas, que de repente todo mundo está compartilhando e muitas vezes nem sabemos de
onde veio ou qual a referência. Estamos falando dos memes, uma indústria acelerada que não brinca em serviço.

Pra quem gosta desse tipo de conteúdo (quase todo mundo), é motivo de orgulho morar no país que é considerado um grande e bem sucedido polo industrial desses
maravilhosos conteúdos. Quem nunca leu por aí que o Brasil é uma fábrica de memes ou o país deles, ou ainda que brasileiro faz piada com tudo? Pois é, gente. Vamos
ver um pouco de como isso surgiu e relembrar alguns clássicos.

Em poucas palavras, memes podem ser fotos/desenhos, em muitas vezes com frases em letras garrafais; gifs ou vídeos curtos; sons ou músicas e textos que quase
sempre usam de uma boa dose de humor e se espalham rapidamente pela internet. A palavra meme vem de um termo grego e significa “imitação”. Foi usado pela
primeira vez, em 1976, pelo escritor britânico Richard Dawkins em seu bestseller “O Gene Egoísta”. O conceito é bem amplo, mas em resumo ele descreveu meme como
uma informação que se multiplica de cérebro em cérebro ou em locais onde a informação é armazenada (como livros). [...]

A gente adora fazer piada de tudo, né? Seja do entrevistador que cometeu uma gafe ao vivo; da celebridade que fez uma cara estranha; do jogador de futebol que caiu;
do gatinho engraçado, dentre muitas outras. Em minha opinião, o surgimento dos memes para o brasileiro é a ilustração daquela frase: “ essa arma”é poderosa e não
pode cair em mãos erradas”.

Não que eu seja velho, mas eu me lembro dos memes que fizeram sucesso em vídeos e animações postadas nos primórdios das redes sociais ou que eram
compartilhados por e-mail ou no infravermelho do celular. “Bebê dançarino”, “Vaca louca” e “A baratinha” são exemplos dos primeiros memes que eclodiram no meio
tecnológico.

(Fonte: Design com Café)

Observe: [...] “eu me lembro dos memes que fizeram sucesso em vídeos e animações postadas nos primórdios das redes sociais”. Assinale a alternativa que apresenta o
significado incorreto da palavra em destaque.

a) no princípio.
b) no limiar.
c) no começo.
d) no liminar.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1112622

Questão 26: Instituto Imagine - TCont (CM Parisi)/CM Parisi/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Considerando a seguinte frase: “Quanto mais bonita for a mulher, tanto mais tem de ser , pois somente com a sinceridade pode corrigir os prejuízos que a sua
beleza pode culpar”, assinale a alternativa cujo termo melhor completa a lacuna e concorda sinonimamente com o termo sublinhado:

a) Recatada
b) Séria
c) Desonesta
d) Franquia
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1116785

Questão 27: VUNESP - Ass Adm (ESEF)/ESEF/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Leia a tira, para responder à questão.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 11/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

(Bill Watterson. Disponível em:<luisasandes.wordpress.com>. Acesso em 18.10.2019)


Nas expressões “tentativa deliberada” e “direito inalienável”, os termos destacados têm sinônimos adequados ao contexto, respectivamente, em:

a) decidida e intransigente.
b) consensual e inerente.
c) consentida e imperativo.
d) desesperada e imprescindível.
e) refletida e intransferível.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1120815

Questão 28: CRESCER - AAd (Pref Jijoca J)/Pref Jijoca de J/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Os últimos acontecimentos no Brasil, que nos causam um crescente desconforto, inconformismo, descrença e vontade de escapar de tanta escuridão, precisam ser
revistos com olhar afinado para que possamos procurar padrões, respostas, caminhos. A crise de identidade nos puxa para dentro de nós mesmos e desconstrói a
autoimagem de cordialidade e hospitalidade que tem sido a base de nossa identidade nacional, ao lado da miscigenação e do sincretismo antropofágico que elegem
valores como o jeito moleque, o drible, a ginga e a malemolência, como prerrogativas para a felicidade.

Áudios vazados descortinam a conspiração de importantes figuras públicas apenas interessadas em manter o status quo para salvaguardar suas vantagens corporativas e
assegurar impunidades constitucionais – a repetição da história de pouco mais de 500 anos do nosso país. As estruturas do poder refletem nossa colonização, nossas
elites conservadoras, nossa mentalidade autoritária, repressora, violenta. A democracia, ainda jovem no Brasil, enfrenta a resistência de uma cultura forjada(a) no sangue
e na subjugação do outro. Nada muito diferente do que acontece em outras democracias pelo mundo, já que a história das nações é repleta de disputas fratricidas(b) pelo
poder. A novidade é que hoje uma parte considerável das pessoas tem acesso aos acontecimentos em tempo real e canais onde podem expressar sua voz. Esse contexto
é propício para avançarmos para um novo patamar da democracia, mas o novo se confronta com o velho e as resistências de todo tipo afloram, raivosas.

A desigualdade/violência contra as mulheres também é um tema em alta em vários lugares do mundo.

A luta pela igualdade entre os gêneros (incluindo aqui LGBTTs) em suas várias frentes, mobiliza, engaja e empodera mulheres e minorias, aumentando a consciência de
todos nós. Esse movimento mais uma vez toca em algo ancestral, talvez o aspecto cultural mais arraigado(c) que se possa encontrar – o papel do homem. Na coletiva de
imprensa dos delegados/secretário de segurança/Ministro da Justiça, que investigam um caso escandaloso de estupro, ninguém consegue explicar por que suspeitos
identificados não estão presos. A gravação e divulgação do vídeo, a presença deles no momento em que estava sendo exposta a intimidade de uma adolescente de 16
anos, nada disso leva à detenção, nem mesmo preventiva. Não existem elementos jurídicos suficientes, eles dizem. A cristalização do papel do homem está na legislação,
está nos estatutos das instituições, na formação dos profissionais, no senso comum que baliza nossas relações cotidianas. Mesmo as estruturas econômicas de
competição e disputa de poder são heranças da mentalidade guerreira, masculina em essência.

É possível argumentar que tudo o que construímos até aqui, como humanidade, é resultado dessa visão de mundo e que não teríamos conseguido de outra forma. Mas
mesmo esse argumento está estruturado na cultura hegemônica. Não se trata de uma competição para definir qual o melhor modelo, ou de um julgamento do que é
do bem e o que é do mal. A mentalidade da guerra não pode servir como parâmetro para o novo que se anuncia.

O mergulho é profundo, catártico.(d) Ao mesmo tempo que, como brasileiros, somos compelidos a repensar os parâmetros históricos que construímos para nossa
convivência social, temos que rever nossos impulsos atávicos que afloram estimulados pela reação defensiva que nos quer seguros em nossa zona de conforto,
por mais nefasta que ela seja. Uma dissonância cognitiva que nos obriga a agir, seja para conservar, seja para mudar. Por isso tantas manifestações emocionais,
rompimentos, agressões e ranger de dentes. Dói e a dor é um motor potente.

Mais do que qualquer outro país, nossa miscigenação e nosso sincretismo antropofágico podem nos ajudar a caminhar para esse futuro mais democrático e mais
feminino. A ginga, a malemolência, a capacidade de se adaptar e construir relações cordiais e hospitaleiras, sonho identitário que baliza nossa busca pela felicidade, tem
uma relação muito forte com o feminino. Nossa pátria mãe gentil, nós os filhos da floresta, devotos de Iemanjá e de Nossa Senhora Aparecida, abraçaremos por fim os
valores que nos são tão caros – a amizade, o cuidado, o brincadeira, a transcendência. Desta vez, temos que fazer uma escolha consciente pela ternura, mas ela
prevalecerá porque já existe dentro de nós.

MAURICIO ZANOLINI – FONTE: https://bloguniversidadelivrepampedia.com/


2016/05/31/a-crise-de-identidade-do-brasil-nos-reinventara/
A alternativa em que há correspondência sinonímica entre o termo transcrito e a expressão indicada à direita é:

a) “forjada” – misturada.
b) “fratricidas” – mata o irmão.
c) “Arraigado” – direcionado.
d) “catártico” – contraído.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1125869

Questão 29: FGV - Berç (Angra)/Pref Angra/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Texto II

“O tempo tudo tira e tudo dá; tudo se transforma, nada se destrói.”


A relação entre tira e dá não se repete de forma idêntica em

a) faz / desfaz.
b) olha / vê.
c) leva / traz.
d) cria / destrói.
e) inicia / termina.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1126866

Questão 30: FGV - Berç (Angra)/Pref Angra/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 12/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
“O espaço mescla-se com o tempo, assim como o corpo se mistura com a alma”.
Os vocábulos sublinhados exemplificam sinônimos. Assinale a opção que mostra sinônimos adequados.

a) “fugazes correm os anos” / fugitivos correm os anos.


b) “Isso faz o tempo passar” / Isso faz o tempo correr.
c) “O tempo corrói silenciosamente” / O tempo corrói tranquilamente.
d) “A eternidade é um pensamento terrível” / A eternidade é um pensamento incômodo.
e) “O tempo tudo ensina com o amadurecimento” / O tempo tudo ensina com a velhice.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1126886

Questão 31: CETAP - ACS (Prf Ananindeua)/Pref Ananindeua/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
BRIGA DE RUA.

Estava voltando da minha caminhada habitual, de manhã. Foi então que vi um carro imbicado na entrada da garagem de um edifício, com todas as portas abertas, e,
antes que eu achasse estranho, comecei a ouvir gritos. Ao lado do carro, uma moça segurava um menino no colo, um garoto de uns quatro anos, que chorava muito.
Chorava de medo e susto: sua mãe berrava com seu pai. Um pai igualmente descontrolado que a impedia de entrar no prédio com a criança. O que havia acontecido?
Não sei, não os conheço, não imagino o que - motivou esse barraco, só sei que fiquei em choque diante da cena: uma mulher no auge da sua fúria, histérica, ordenando
que aquele homem desaparecesse, que sumisse, e ele chorando e ao mesmo tempo segurando-a pelo braço, até que ela se desvencilhou e deu um tapão na cara dele, e
outro, e a criança apavorada, e eu parada a poucos metros de distância, sem saber se acudia, se fugia, sem um celular para chamar alguém - vá que ele esteja armado?
Aquilo poderia terminarem tragédia.

Com a ingenuidade que me é característica, cheguei a pedir, parem com isso, conversem depois, olhem as crianças, e foi então que me dei conta de que elas estavam
mesmo no plural, havia outra criança presa a uma cadeirinha dentro do carro, uma menina de não mais que dois anos, que chorava era aquele homem desfigurado,
impedindo a passagem dela também. A essa altura outros transeuntes pararam, circundamos o casal, mas todos 'sem ação, imobilizados pelo ditado "em briga de marido
e mulher não se mete a colher", mas não se mete mesmo? Uma senhora tentou tirar o menino do colo da mãe para que ele não recebesse um safanão sem querer, mas
o menino, lógico, não quis sair de onde estava, a despeito de todos os riscos que nem sabia que estava correndo, e o que mais me impressionava nem o menino que
chorava diante de uma cena que jamais irá esquecer, mas a mulher, a mulher que não chorava, e sim berrava "NÃO TOCA EM MIMI", berrava "SAI DA MINHA
FRENTE!", berrava e batia naquele homem que era duas vezes o seu tamanho, berrava de uma maneira surtada, assustadora, com uma voz que nem parecia vir dela,
mas da fera que a habitava, berrava com uma raiva e um tormento que não podia ser maior. Ela havia chegado ao seu limite. Dali em diante, ela iria matá-lo, se matá-lo
fosse possível.

Foi então que entendi como acontecem esses crimes passionais que ocorrem longe dos nossos olhos, entre quatro paredes: por algum motivo, um homem ou uma
mulher. ou ambos tomam-se irracionais. Não se escutam, não conversam, não preservam os filhos, não percebem o entorno, viram dois selvagens, até que um deles
escape ou morra.

Ela escapou. Um rapaz interveio, segurou o homem, e ela entrou no prédio com as duas crianças. Perdida a batalha, ele ficou socando o chão, fora de si. Tudo isso numa
das avenidas mais movimentadas da cidade, às 11 horas da manhã. Voltei para casa arrasada. Tenho o estômago fraco para a estupidez e para a brutalidade,
descontroles emocionais me parecem terrivelmente ameaçadores. Nunca saberei quem era a real vítima da história, quem estava com a razão, e não estranharia se hoje
os encontrasse de mãos dadas, com as pazes feitas, que isso é mais comum do que se pensa. Mas a violência do ato existiu, e foi testemunhada por duas crianças.

Na verdade, por três crianças. O mundo adulto, ali, me fechava as portas.

(MEDEIROS, Martha. O Meu Melhor. 2012, p. 173/174/175)


Assinale a alternativa com o par de antônimos:

a) habitual/ usual.
b) auge/ ápice.
c) surtada / lúcida.
d) via/ caminho.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1134042

Questão 32: MetroCapital - GM (Pref Amparo)/Pref Amparo/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
“Nos anos 1990, jovens armados começaram a zarpar de portos somalis como Eyl para capturar tripulações estrangeiras e pedir pequenos resgates. Eram bandidos
profissionais e impiedosos que viram uma chance de ganhar muito dinheiro e se aproveitarem dela. Em 2008, eles acumularam 120 milhões de dólares em um país onde
a maioria das pessoas ganha seiscentos dólares por ano. Com esses caras, meus pensamentos sobre sardinhas e peixe-espada ficaram para trás. Para mim, não havia
diferença entre eles e um bando de escroques da máfia ou ladrões armados que roubam um posto de gasolina. Tudo bem, eles são pobres, mas roubo é roubo. Quando
os piratas surgiram, no começo da década de 1990, eles saiam de seus portos em pequenas embarcações de madeira deterioradas com somente um motor de popa,
alcançando apenas as imediações do litoral e cobrindo alguns milhares de milhas quadradas do oceano. Seus barcos não estavam equipados para ir mais longe. Mas os
navios fizeram o que sempre fazem quando confrontados com uma ameaça pirata ao longo de rotas de navegação conhecidas: alteraram suas rotas. Os navios grandes
começaram a navegar mais e mais longe do litoral, e os bandidos descobriram que sua sorte acabara. Foi aí que os somalis viraram o jogo. Em vez de sequestrarem
traineiras e cargueiros, eles roubavam as embarcações e as usavam como navios-mãe. Essas traineiras podem viajar a centenas a centenas de milhas de distância do
litoral em tempo ruim, e os somalis simplesmente amarravam suas pequenas lanchas à popa e saiam em busca de presas maiores. Quando encontravam um navio,
equipe de três ou quatro piratas embarcavam nas lanchas e iam à caça. Em 2005, não havia onde se esconder nas imediações do litoral da África Oriental. Por onde se
navegasse, os piratas estavam lá.

(PHILLIPS, Richard. Dever de Capitão. São Paulo: Intrínseca, 2010, p. 71).


No que se refere aos antônimos, assinale a alternativa em que a relação de palavras está empregada INCORRETAMENTE:

a) delicado / grosseiro.
b) junto / separado.
c) rir / chorar.
d) soberba / gordura.
e) profundo / raso.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1140902

Questão 33: AVANÇASP - Aux (CM Taboão da S)/CM Taboão da Serra/Administrativo/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 13/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
TEXTO

O título de guerra mundial dá a impressão de que todas as grandes nações tomaram parte no conflito, mas no Natal de 1914 – cerca de cinco meses após o começo dos
combates – os habitantes de ao menos dez nações europeias podiam agradecer por não participarem dos embates. Os três países escandinavos não estavam lutando. A
Holanda permanecia neutra, enquanto a Bélgica, sua vizinha, encontrava-se subjugada. É fácil esquecer que uma nação apenas pode ser neutra se seus vizinhos assim o
consentirem – a Bélgica desejava ser imparcial em 1914, mas os alemães tinham outros planos e rapidamente a absorveram, usando-a como sua principal passagem
militar para a França. A Espanha permaneceu neutra, enquanto Portugal fez de tudo para manter-se metade isento e metade aliado da Grã-Bretanha até 1916, quando
finalmente recebeu uma declaração de guerra da Alemanha. A Itália manteve a neutralidade por algum tempo e, no mármore branco dos memoriais de guerra de
milhares de praças em vilarejos do país, está inscrita uma cronologia que parece estranha à primeira vista: lamenta-se a morte de soldados italianos na Grande Guerra de
1915-1918. A Bulgária, a Romênia e a Grécia se juntaram ao conflito ainda mais tarde. Das poucas grandes nações fora da Europa, duas das maiores – os Estados Unidos
e a China – só se juntariam à contenda em 1917, e a participação da China foi pequena. A América Latina também tinha muitos países neutros até quase o fim do
conflito. Mas as colônias, os domínios e os “commonwealths” britânicos espalhados pelo mundo aderiram às lutas desde o início, tendo alguns deles sofrido baixas
altamente significativas, considerando-se suas pequenas populações. Numa guerra em que bloqueios eram tão poderosos quanto armas, mesmo as nações neutras
acabaram sentindo algum efeito. O turismo, mais importante para os suíços do que para qualquer outro povo europeu, foi afetado.

(BLAINEY, Geoffrey. Uma Breve História do Século XX, 2 ed. São Paulo: Fundamento, 2011, p. 62).

A palavra “neutralidade”, utilizada pelo autor no texto, possui como antônima:

a) beligerância.
b) isenção.
c) justiça.
d) indiferença.
e) imparcialidade.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1142601

Questão 34: MetroCapital - Ag CI (Laranjal Pta)/Pref Laranjal Paul/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Na Arábia, a família Saud era, havia muito tempo, a protetora do wahabismo, um credo islâmico puritano. Quem revigorou a fortuna da família no século 20 foi o rei Ibn
Saud, que na prática fundou a nova Arábia Saudita. Ele era um dos homens mais altos do reino, além de um guerreiro habilidoso. Andava de maneira lenta e digna e
suas palavras prendiam a atenção. De acordo com uma interpretação liberal do Alcorão, mantinha quatro esposas, quatro concubinas favoritas e quatro “escravas
prediletas”. Havia um tipo de escravidão que persistia, com a concordância de Ibn, e um escravo chegou a tornar-se ministro da Fazenda durante seu reinado. A
disciplina e o fervor religioso, de acordo com os preceitos do wahabismo, também tinham a benção do rei. A Arábia Saudita, com sua grande extensão de areia em várias
tonalidades, não teve valor econômico durante muito tempo. Após a descoberta do petróleo em 1938, a riqueza da nação aumentou, primeiro lentamente e depois com
rapidez. O fato de o país possuir as maiores reservas mundiais do recurso fez crescerem as tentações humanas contra as quais o ramo wahhabi do
Islã diligentemente alertava. Mesmo envelhecido, o rei tentou deter o fluxo de licenciosidade que vinha do Ocidente. Até 1951, o futebol esteve banido e os estrangeiros
que moravam no país eram proibidos de comprar bebidas alcoólicas. De todas as nações árabes, a Arábia Saudita era a única aliada tradicionalmente de Washington. Os
dois países trabalhavam harmoniosamente, um fornecendo o petróleo, e o outro, proteção militar. Os Estados Unidos produziam cada vez menos o petróleo que
consumiam e dependiam cada vez mais da Arábia Saudita. Lá, os norte-americanos residentes tinham de seguir, pelo menos aparentemente, os preceitos puritanos do
Islã. Na década de 1980, praticamente não havia judeus entre os norte-americanos que viviam no país; os banhos de piscina mistos eram proibidos nos hotéis; e os
membros das forças armadas norte americanas concordaram em não celebrar missas de Natal nas bases.

(BLAINEY, Geoffrey. Uma Breve História do Século XX. 2 ed. São Paulo: Fundamento, p. 298).
A palavra “preceitos”, utilizada pelo autor, tem como sinônimo, EXCETO:

a) regra.
b) mandamento.

c) cláusula.
d) norma.
e) favor.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1145137

Questão 35: AVANÇASP - Comp (Pref Pereiras)/Pref Pereiras/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
TEXTO

Na noite de 24 de abril de 1915, os líderes intelectuais e religiosos da comunidade armênia de Constantinopla foram arrancados da cama, jogados na prisão, torturados e
finalmente executados sob a acusação de sedição. Simultaneamente, todos os armênios que serviam no exército turco foram levados para longe e mortos. Em seguida, já
eliminados os líderes e os combatentes, começou a fase final. Em um centro armênio após outro, em todo o Império Otomano, em uma certa data, o pregoeiro público
andou pelas ruas anunciando que todo armênio do sexo masculino, de mais de 15 anos de idade, deveria apresentar-se imediatamente ao palácio do governo. Os
homens comparecerem usando suas roupas de trabalho, deixando abertas suas lojas e oficinas, os arados nos campos, o gado nas encostas das montanhas. Ao
chegarem, foram lançados na prisão, nela mantidos durante um ou dois dias e, em seguida, levados em grupos sob escolta para fora da cidade, uns amarrados aos
outros, através de uma estrada que corria na direção sul ou sudeste. Mas eles não tiveram muito tempo para pensar em suas tribulações, uma vez que receberam ordem
de parada e foram massacrados no primeiro lugar ermo da estrada. Após um intervalo de alguns dias, mulheres e crianças armênias, bem como os homens que
restavam, receberam ordem de se preparar para deportação. Dependia do capricho do momento se um turco abatia a golpe de espada uma mulher ou a levava para as
colinas. Quando eram levadas, seus bebês eram deixados no chão ou jogados contra as pedras. (...).

(CHARNY, Israel. Anatomia do Genocídio. SRio de Janeiro: Rosa dos Ventos, 1998, p. 51).

No que se refere ao tema dos sinônimos, pode-se dizer que a palavra “pregoeiro” significa:

a) aquele que vende alguma coisa.


b) aquele que espera por alguma coisa.
c) aquele que transforma alguma coisa.
d) aquele que constrói alguma coisa.
e) aquele que divulga alguma coisa.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1147038

Questão 36: AVANÇASP - OSP (Pref Pereiras)/Pref Pereiras/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 14/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
TEXTO

Benito Mussolini convenceu os italianos de que podia fazer algo para resolver os problemas da pátria. E por algum tempo de fato conseguiu. Seu pai era ferreiro e
também um revolucionário. Assim, deu ao filho o nome de uma figura revolucionária, Benito Juarez, o libertador do México. Sua mãe, Rosa, era a professora do povoado,
uma católica devota que não queria revolução alguma. O jovem Benito, puxando um pouco ao pai e um pouco à mãe, queria ser professor e revolucionário. No início do
século XX, após ser recusado como professor em diversas cidades, foi viver na Suíça. Talentoso com as palavras, tanto as escritas quanto as pronunciadas do alto das
tribunas, Mussolini voltou à Itália para ser editor de jornais radicais em Forli, sua cidade natal, cuja publicação se chamava “Luta de Classes”, e em Trento, perto da
fronteira com a Áustria. Suas opiniões lhe renderam algum tempo na prisão. Por fim, foi convidado a assumir a editoria do “Avanti”, jornal oficial dos socialistas. Quando a
Primeira Guerra Mundial eclodiu, ele desafiou a posição dos socialistas – que queriam a neutralidade – e defendeu que a Itália tomasse parte na guerra contra os povos
de língua alemã, os quais considerava inimigos naturais, uma vez que ocupavam parte do nordeste da Itália. Após a entrada do país na guerra, serviu como soldado nas
geladas montanhas do norte, perto da fronteira austríaca. Em 1917, foi ferido pela explosão de uma granada. Seu período como soldado foi útil para a política – muitos
veteranos de guerra acreditavam que, quando Mussolini falava em público, falava em nome deles. Combativo e ambicioso, o líder fundou o Partido Fascista, em Milão, em
março de 1919, quatro meses depois do fim da guerra (...).

(BLAINEY, Geoffrey. Uma breve história do século XX. São Paulo: Fundamento, 2011, p. 112).

Assinale a alternativa que apresenta um sinônimo para o verbo “eclodir”, utilizado pelo autor:

a) findar.
b) despontar.
c) juntar.
d) amenizar.
e) agravar.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1147239

Questão 37: MetroCapital - ACE (Pref N Odessa)/Pref Nova Odessa/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
A Coreia é parecida com a Itália, comprida e estreita, cercada pelo mar em três de seus quatro lados. Ao norte estão as montanhas, cobertas de neve no inverno,
enquanto a leste se estende uma cordilheira escarpada, de onde brotam rios curtos e caudalosos. No oeste, de frente para o Mar Amarelo e a costa da China, existem
enseadas frequentemente envoltas em neblina, cuja variação no nível das águas faz os barcos amarrados nos ancoradouros encalharem na lama durante a maré baixa.
Os coreanos haviam recebido dos vitoriosos aliados a promessa de independência durante a Segunda Guerra Mundial. Não foi fácil cumprir o prometido. Forças russas
invadiram a Coreia do Norte nos últimos dias da guerra e a mantiveram sob seu domínio após a rendição japonesa. A assembleia das Nações Unidas determinou a
realização de eleições livres em todo o território coreano, a fim de escolher um governo único, mas os norte-coreanos – com a benção soviética – se recusaram a
obedecer. Assim, outra cortina de ferro surgiu: uma democracia ao sul e um estado comunista fortemente armado ao norte. A Coreia do Norte planejava aproveitar-se de
uma grande fatia das ricas terras do sul. Ao amanhecer do dia 25 de junho de 1950, seus soldados e um grande contingente de tanques soviéticos invadiram a Coreia do
Sul, tomando rapidamente a capital Seul, perto da cortina de ferro. Os invasores ocuparam uma grande parte do país antes que o exército norte-americano, então no
Japão, pudesse levar socorro. Seria aquele o prelúdio de outras invasões comunistas em territórios vulneráveis que se estendiam da Grécia até Hong Kong? A invasão da
Coreia provocou uma intensa angústia nas nações ocidentais. Após três anos, um armistício foi assinado. Coube uma região aos coreanos do norte e outra aos coreanos
do sul. Uma nova cortina de ferro separou a península e, até o fim do século, essa cortina continuava em seu lugar.

(BLAINEY Geoffrey. Uma Breve História do Século XX. 2 ed. São Paulo: Fundamento, 2011, p. 178).
A palavra “escarpadas”, utilizada pelo autor na linha 5, tem como sinônimo:

a) íngremes.
b) rasas.
c) molhadas.
d) leves.
e) bonitas.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1147786

Questão 38: Instituto Consulplan - ASup (Pref Suzano)/Pref Suzano/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Todos nós temos grandes expectativas sobre nossa passagem pelo mundo. E não me parece que devemos deixar de tê-las. A sabedoria consiste em compreender que é
preciso medir a grandeza com nossa própria fita métrica. Se nos tornamos refens de algo que hoje é determinante na nossa época, por exemplo, que é o reconhecimento
da importância de alguém pela quantidade de aparições na mídia, estamos perdidos. Render-se a uma determinação ditada pelo mercado é tão destrutivo como passar a
vida tentando agradar a um pai opressor e para sempre insatisfeito, como vejo tanta gente. Em ambos os casos, estaremos sempre aquem, sempre em falta. E, mesmo
quem vive sob os holofotes, vive em pânico porque não sabe por quanto tempo conseguirá manter as luzes sobre si.

Mas de que luzes precisamos para viver? E a quem queremos agradar? Quem e o que importam de verdade? Essa reconciliação é o que nos leva, de fato, à vida adulta,
no que ela tem de melhor. Acredito que crescemos quando* conseguimos nos apropriar da medida com que avaliamos nossa existência, nosso estar no mundo. Ninguém
tem de ser isso ou aquilo, ninguém “tem de” nada. Quem disse que tem? É preciso duvidar sempre das determinações externas a nós – tanto quanto das internas. “Por
que mesmo eu quero isso?” é sempre uma boa pergunta.

Tenho uma amiga que só se transformou em uma chefe capaz de ajudar a transformar para melhor a vida de quem trabalhava com ela quando se reconciliou com suas
próprias expectativas, quando descobriu em si uma grandeza que era de outra ordem. Só se tornou uma mãe capaz de libertar os filhos para que estes vivessem seus
próprios tropeços e acertos quando se apaziguou consigo mesma. Ela, de quebra, descobriu que era talentosa numa área, a cozinha, na qual até então não via nenhum
valor. Ao descobrir-se cozinheira, não pensou em empreender uma nova maratona, desta vez na tentativa de virar uma chef e fazer um programa de TV. Já estava sábia
o suficiente para exultar de alegria ao acabar com a boa forma de suas amigas mais queridas.

Como minha amiga e como todo mundo, eu também acalentei grandes esperanças sobre minha própria existência. Depois do fracasso da minha carreira de astronauta,
desejei ser escritora. Acho que ser escritora é o que quis desde que peguei o primeiro livro na mão e consegui decifrálo. É claro que eu não queria apenas escrever um
livro de entretenimento. Eu escreveria, obviamente, a maior obra-prima da humanidade. Meu primeiro livro já nasceria um clássico. Eu reinventaria a linguagem e ditaria
novos parâmetros para a literatura. Depois de mim, Proust e Joyce estariam reduzidos ao rodapé do cânone.

Não é divertido? Acreditem, eu rio muito. E até me enterneço. No meu quarto amarelo, lá em Ijuí, eu fiz o seguinte plano. Emily Brontë escreveu ‘O Morro dos Ventos
Uivantes’ aos 19 anos. Logo, eu deveria escrever minha obra-prima aos 17, no máximo 18. Pois não é que os 18 anos passaram e eu estava mais ocupada com fraldas e
com beijos na boca? Bem, eu já não seria tão precoce assim, mas me conformei. Afinal, minha obra seria tão acachapante, tão revolucionária, que mesmo aos 20 e
poucos eu seria considerada um prodígio. E os 20 passaram, assim como os 30, e lá vou eu aumentando cada vez mais os “e tantos” dos 40.

Não desisti de um dia escrever um romance, não. Acho mesmo que ele está mais perto, agora que eu me absolvi de escrever a grande obra da literatura mundial. Mas foi
só depois de me apropriar da medida da minha vida que me descobri estonteantemente feliz como contadora de histórias reais. Quando finalmente escrever um romance
de ficção, ele só será possível porque vivi mais de duas décadas embriagada de histórias absurdamente reais e gente de carne, osso e nervos. E só será possível porque
deverá estar à altura apenas de mim mesma. Só precisarei ser fiel à minha própria voz.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 15/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Porque é esta, afinal, a grande aventura da vida. Desvelar a nossa singularidade, o extraordinário de cada um de nós – descobrir a voz que é só nossa. Mesmo que essa
descoberta não se torne jamais uma capa de revista. O importante é que seja um segredo nosso, um bem precioso e sem valor monetário, que guardamos entre uma
dobra e outra da alma para viver com furiosa verdade esse milagre que é a vida humana.

(Texto adaptado especialmente para esta prova. Disponível em:


http://desacontecimentos.com/?p=445. Acesso em: 25/10/2019.)

Na frase “(...) minha obra seria tão acachapante (...)” (5º§), o vocábulo assinalado pode ser substituído por seu sinônimo:

a) Discutível.
b) Carinhosa.
c) Subserviente.
d) Incontestável .
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1152982

Questão 39: OBJETIVA CONCURSOS - Ass (CM Chapecó)/CM Chapecó/Comissões/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
A luz do vaga-lume

Vaga-lumes, ou pirilampos, são insetos muito conhecidos por sua bioluminescência, isto é, sua capacidade de produzir e emitir luz. Essas espécies são dotadas de órgãos
fosforescentes na parte inferior de seus segmentos abdominais, responsáveis pelas emissões luminosas.

A bioluminescência é causada pela transformação da energia química em energia luminosa. Esse processo, chamado de oxidação biológica, permite que a energia
luminosa seja produzida sem que haja a produção de calor. Esse processo ocorre da seguinte maneira: uma molécula de luciferina é oxidada, formando uma molécula de
oxiluciferina; quando esta molécula perde sua energia, emite a luz.

Esses insetos possuem total controle sobre a emissão de luz, uma vez que o tecido que provoca essa emissão é ligado à traqueia e ao cérebro do vaga-lume. O inseto usa
sua bioluminescência para chamar a atenção de seu parceiro ou parceira, por isso essa habilidade é muito importante no processo de reprodução dessas espécies. Nesse
sentido, a iluminação artificial das cidades, que é mais forte, anula a bioluminescência dos vaga-lumes, afetando diretamente o seu processo de reprodução.

https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/... - adaptado.

Considerando-se seu sentido no trecho “Esses insetos possuem total controle sobre a emissão de luz” (último parágrafo), a palavra “emissão” encontra sinônimo em:

a) Recepção.
b) Subida.
c) Projeção.
d) Circulação.
e) Acusação.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1185123

Questão 40: FAFIPA - ADC (Pref Tibagi)/Pref Tibagi/2019


Assunto: Sinônimos e Antônimos
O Bicho

Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,


Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,


Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.

(Manuel Bandeira. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993)

“...Catando comida entre os detritos.” São sinônimos da palavra em destaque, EXCETO:

a) Pavimento.
b) Despejo.
c) Lixo.
d) Resíduo.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/questoes/1272997

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 16/17
14/10/2020 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Gabarito
1) E 2) B 3) B 4) A 5) Anulada 6) C 7) A
8) B 9) D 10) D 11) D 12) A 13) B 14) A
15) B 16) A 17) B 18) D 19) A 20) C 21) E
22) C 23) C 24) D 25) D 26) D 27) E 28) B
29) B 30) B 31) C 32) D 33) A 34) E 35) E
36) B 37) A 38) D 39) C 40) A

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/19550325/imprimir 17/17