Você está na página 1de 4

Mottainai – A Filosofia do Desperdício no Japão

09/12/2013Japão em FocoCultura Tradicional • Curiosidades do Japão


Compartilhe este artigo com seus amigos...2.1k1322
Mottainai – Conceito sobre desperdício no Japão
Mottainai [もったいない] é uma palavra japonesa cujo
significado mais representativo seria “que desperdício!”,
porém seu conceito vai muito além disso, pois é usada
em vários contextos. Podemos dizer que o Mottainai está
incutido no DNA japonês pois se tornou uma tradição e
uma prática cultural tão enraizada na sociedade japonesa
que acabou até sendo conhecida internacionalmente.

Mottainai em seu sentido pleno refere-se não só ao


desperdício material, como também aos padrões de
pensamento que dão origem à ação que gera desperdício
de qualquer natureza, inclusive emocional e espiritual; Deixar um grão de arroz no
prato é considerado um profundo desrespeito de acordo com o Espírito Mottainai.
Uma mente vazia de ideias ou um coração vazio de sentimentos ou cheio de
sentimentos rudes também podem ser considerados um mottainai (desperdício).
Jogar fora coisas que poderiam ser reutilizadas ou transformadas em uma coisa nova
e aproveitável também é considerado mottainai, na visão de um japonês.
Origem e significado de Mottainai
“Mottai” é um termo que tem origem budista e refere-se à essência das coisas.
Também se aplica a tudo em nosso universo físico, o que sugere que os objetos não
existem isoladamente, mas estão intrinsecamente ligados uns ao outros.
“Nai” significa negação, por isso “Mottainai” é uma expressão de tristeza sobre o
repúdio dos laços que ligam todas as entidades vivas e não vivas. É também um grito
de guerra para restabelecer esses laços e reafirmar a importância de tratar todos os
objetos animados e inanimados com muito cuidado e sensatez.
Na verdade é difícil traduzir “Mottainai” somente através de palavras, pois não se
trata apenas de uma palavra solta, e sim, uma ideia, um conceito, uma filosofia de
vida. Cada um tem sua maneira de interpretar e sua própria maneira de utilizar esse
conceito ou filosofia dentro da sua própria história de vida.
O Japão por exemplo, desenvolveu este conceito na base de muita dor e sofrimento.
Como é uma ilha densamente habitada, com recursos naturais limitados, com poucas
terras produtivas para cultivo e por ter passado por provações terríveis como pobreza
extrema, fome, guerras, desastres naturais, os japoneses aprenderam a valorizar tudo
que pode parecer insignificante, até mesmo um grão de arroz.
Assim como a filosofia Wabi Sabi, a filosofia Motainai pode nos ajudar a entender a
forma como os japoneses pensam e se relacionam com a Natureza e a Sociedade,
além de nos ensinar lições valiosíssimas sobre essas questões.
Promover os 3Rs (Reduzir, Reutilizar e Reciclar)
Praticar este conceito requer aprender a respeitar e valorizar a Natureza, reciclando
e reutilizando os recursos limitados o máximo possível. E para empregar esse
conceito com sucesso em nossas vidas é necessário promover os “3Rs”: Reduzir o
desperdício; Reutilizar recursos finitos; e Reciclar o que for possível.
Podemos notar este conceito na maneira como os japoneses são rigorosos em
relação à coleta de lixo por exemplo, que no Japão é muito bem organizada. Em todo
canto estão disponíveis lixeiras para que o lixo orgânico seja separado do lixo que
será reciclado (plástico, vidro, latas de alumínio, papel, papelão, isopor, etc).
Existem muitas regras no Japão em relação à
coleta de lixo. Muitas cidades por exemplo
obrigam os moradores a colocarem o lixo em
sacos plásticos específicos de cada prefeitura
que são vendidos em supermercados e lojas
de conveniência. E quem não seguir as
regras, com certeza será repreendido pelos
vizinhos atentos.
A energia renovável também é outra coisa
que vem ganhando força no Japão. Hoje em
dia já é possível ver sistemas inovadores de geração de energia que utilizam a energia
natural, como solar, eólica e geotérmica. Isso mostra que o país tem uma intensa
preocupação com o futuro esgotamento dos recursos naturais.
As várias iniciativas que o Japão tem feito em coletar as pequenas energias naturais
ao nosso redor também são um sinal do espírito ecológico do conceito Mottainai,
um conceito que o Japão pode se orgulhar e que o Brasil e muitos outros países
deveriam aprender e seguir o exemplo. E você? O que você pensa sobre o Mottainai?
http://www.japaoemfoco.com/mottainai-a-filosofia-do-desperdicio-no-japao/

Mottainai
For the accelerated patent examination program also known as PPH 2.0, see Patent Prosecution Highway.

Mottainai (もったいない?, [mottainai]) is a Japanese term conveying a sense of regret concerning


waste.[1] The expression "Mottainai!" can be uttered alone as an exclamation when something
useful, such as food or time, is wasted, meaning roughly "what a waste!" or "Don't waste."[2] In
addition to its primary sense of "wastefulness", the word is also used to mean "impious; irreverent"
or "more than one deserves".[3]
Mottainai is an old Buddhist word, which has ties "with the Shinto idea that objects have souls."[2]
Mottainai has been referred to as a tradition,[2] a cultural practice,[4] and an idea which is still
present in Japanese culture,[2] which has become an international concept.[5]
Usage and translationEdit
Mottainai in Japanese refers to more than just physical waste (resources). It is even used to refer to
thought patterns that give rise to wasteful action. Grammatically, it can be used in Japanese as an
exclamation ("mottainai!") or as an adjective phrase ("it feels mottainai"). There is no plural form.
The collection of mottainai things could be called mottainai koto (もったいない事?).
As an exclamation ("mottainai!") it means roughly "what a waste!" or "Don't waste."[2] A simple
English equivalent is the saying "waste not, want not." A more elaborate meaning conveys a sense
of value and worthiness and may be translated as "do not destroy (or lay waste to) that which is
worthy."[6] However, mottainai is an example of a word, like sukiyaki and sushi, that cannot easily
or accurately be translated directly into other languages.[7]
HistoryEdit

OriginsEdit
In ancient Japanese, mottainai had various meanings, including a sense of gratitude mixed
with shame for receiving greater favor from a superior than is properly merited by one's
station in life.[1]
One of the earliest appearances of the word mottainai is in the book Genpei Jōsuiki (A
Record of the Genpei War, ca. 1247).[8]
Mottainai is a compound word, mottai+nai.[9] Mottai (勿体?) refers to the intrinsic dignity or
sacredness of a material entity, while nai (無い?) indicates an absence or lack (Mottai
further consists of mochi (勿?), meaning "inevitable; unnecessary to discuss", and tai (体?),
meaning "entity; body").
Mottai was originally used in the construction mottai-ga-aru (勿体が有る?, literally
"having mottai"), which referred to a dignified entity. Today, mottai is also used in the
construction mottai-buru (勿体振る?), meaning "pretentious" or "giving oneself airs" by
assuming more dignity than one truly possesses.
Buddhists traditionally used the term mottainai to indicate regret at the waste or misuse of
something sacred or highly respected, such as religious objects or teaching. Today, the
word is widely used in everyday life to indicate the waste of any material object, time, or
other resource. Compare also the concept of tsukumogami "artifact spirit", which are said to
live in old objects that have gained self-awareness and are angered if the object is thrown
away wastefully.
Efforts to revive the traditionEdit
In November 2002, the English-language, Japan-based magazine Look Japan ran a cover
story entitled "Restyling Japan: Revival of the 'Mottainai' Spirit," documenting the
motivation amongst volunteers in a "toy hospital" in Japan to "develop in children the habit
of looking after their possessions," the re-emergence of repair shops specializing in
repairing household appliances or children's clothes, the recycling of PET bottles and
other materials, the collection of waste edible oil, and more generally the efforts to stop the
trend of throwing away everything that can no longer be used, i.e. the efforts of reviving
"the spirit of "mottainai"".[10] In that context, Hitoshi Chiba, the author, described "mottainai" as
follows:

We often hear in Japan the expression 'mottainai,' which loosely means 'wasteful' but
“ in its full sense conveys a feeling of awe and appreciation for the gifts of nature or
the sincere conduct of other people. There is a trait among Japanese people to try to
use something for its entire effective life or continue to use it by repairing it. In this
caring culture, people will endeavor to find new homes for possessions they no
longer need. The 'mottainai' principle extends to the dinner table, where many
consider it rude to leave even a single grain of rice in the bowl. The concern is that
this traditional trait may be lost.[10]

Use by Wangari MaathaiEdit


Nobel Prize winnerWangari Maathai has used the wordmottainai in an environmental protection
campaign

At a session of the United Nations, Kenyan environmentalist Wangari


Maathai introduced the word mottainai as a slogan for environmental
protection; she wore a T-shirt with the word "mottainai" on it, and she
"explained that the meaning of the term mottainai encompasses the four Rs of
reduce, reuse, recycle and repair." She argued that "we should all use limited
resources effectively and share them fairly if we are to avert wars arising from
disputes over natural resources."[7] Maathai has worked to popularize the
concept of mottainai in places outside of Japan.[11] see
See http://mottainai.info/english/
https://en.m.wikipedia.org/wiki/Mottainai