Você está na página 1de 19

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -

LICENCIATURA

Disciplina: Politicas da Educação Básica Tarefa: (Atividade de Portfólio Ciclo 2)

Nome: Denis Gomes da Silva RA: 8080516 Turma: (DGEFL1901)


Parecer do Tutor:

1) Principais características das políticas educacionais em cada período da


história republicana do Brasil.
Lo go após a proclamação da república surgiu uma elite “progressista” advinda
principalmente pelos ganhos da produção de café, nessa época surgiu um liberalismo
oportunista que ocasionou várias reformas com praticamente nenhum êxito de forma
abrangente para a maioria população, podemos citar algumas:

 Reforma Benjamin Constant em 1890: Influencia Positivista


 Reforma Ridávia em 1911: Autonomia total das escolas e frequência facultativas às
aulas
 Reforma Maximiano em 1915: Foi criado a obrigatoriedade do diploma secundário
 Reforma Luiz Alves Rocha em 1925: Foi criado normas para admissão no ensino
superior

Em 15 de julho de 1935 foi promulgada a Constituição que previa medidas importantes tais
como:

 Obrigatoriedade e gratuidade no ensino primário


 Percentuais mínimos do orçamento da União e dos Estados para à Educação
 Competência aos Estados de fiscalizar estabelecimentos de ensino público e privado
 Obrigatoriedade de concursos públicos para o cargo de professor

Durante o Governo Vargas nos anos de 1937 à 1945 foi feita uma Reforma na Educação pelo
então Ministro Gustavo Capanema que ficou conhecida como a Reforma Capanema, a ênfase
dessa reforma era priorizar o ensino técnico-profissionalizante nas escolas para suprir as
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

necessidades de mão de obra qualificada nas industrias, além de reorganizar o ensino


secundário em ginásio e colegial, foi criando também entidades representativas da própria
indústria como o SENAI e o SENAC

Em 1961 foi criada a LDB (Lei de Diretrizes e Bases para à Educação) essa lei tinha pôr
finalidade à valorização à pessoa humana no que diz respeito à sua dignidade e
desenvolvimento integral à sua personalidade não se admitindo discriminações tanto em razão
de classe ou de raça, como em função de crença religiosa política ou filosófica, o ensino era
dividido em quatro níveis:

 Jardins de Infância
 Ensino Primário
 Ginásio e Colegial
 Ensino Superior

Referindo-se à organização curricular foi criado uma grade comum de disciplinas à nível
Nacional, Estadual e de Instituições de Ensino a quem cabia aos Conselhos Estaduais a
fiscalização.

Nos anos de 1950 e 1960 surgiu vários nomes importantes à favor da escola pública um deles
em destaque podemos citar o educador Paulo Freire com seu método revolucionário que
consistia em adaptar o ensino com as condições do meio em que o aluno está inserido.

Em 1964 em diante o país foi governado por militares e novamente uma nova mudança
ocorreu na Educação, a primeira mudança ocorreu em 1968 através da lei 5.540/68 que
resumidamente promovia o controle ideológico do ensino superior empregando formas de
organização e classificação para o ingresso.

A segunda reforma muito mais ampla ocorreu em 1971 através da lei 5.692/71 voltada
principalmente ao ensino básico e revogou a LDB anterior de 1961.

Essa lei compreendia que o ensino deveria ter 3 níveis:

 1 Grau: correspondia ao primário e ginásio com duração de 8 anos


 2 Grau: Tornava-se profissionalizante compulsoriamente com duração de 3 à 4 anos
 3 Grau: que correspondia ao ensino superior e pós-graduação
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

Houve manipulação ideológica presente na introdução de disciplinas como Educação Moral e


Cívica, Organização Social, Política e Econômica do Brasil e Estudo Sociais.

As disciplinas mais “reflexivas” como História, Geografia e Filosofia não estavam incluídas
no currículo escolar.

Em 1985 com o fim do Regime Militar em com a promulgação da constituição de 1988 a


Educação Brasileira entra em um novo ciclo e determina:

 que a educação é um direito de todos e dever do Estado e da Família


 estabelece os princípios da educação nacional, inspirados no liberalismo, na democracia e
no respeito aos direitos humanos.
 Atribui competência ao Estado não só na oferta, mas no atendimento aos estudantes, afim
de manter frequência obrigatória aos estudantes
 Determina percentuais mínimos à União, Estados, Distrito Federal e aos Munícipios como
forma de garantir financiamento à Educação

Em 1996 foi criada uma nova LDB com a finalidade de estar “antenada” com as profundas
mudanças no mundo capitalista ocorridas no século 20.

As principais características são:

 Prevê rem termos de níveis e modalidades de ensino que a educação seja dividias em 2
partes: educação básica constituída pela educação infantil, ensino fundamental, ensino
médio e ensino superior.
 Cria competência aos níveis administrativos em relação à educação fixando incumbências
a União, aos Estados, Distritos Federal e Municípios.
 Regulamenta nova estrutura curricular inserindo uma base nacional comum e uma parte
diversificada
 Recomenda novo paradigma para verificação do rendimento escolar incentivando a
avaliações contextualizadas e contínuas.
 Prevê regras flexíveis que visem à inclusão de pessoas com necessidades especiais
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

Em janeiro de 2001 o Congresso Nacional aprovou a Lei 10.172, instituindo o Plano Nacional
de Educação com duração de dez anos que propunha o seguinte:

 Propunha acompanhamento de perto pelo poder legislativo e pela sociedade civil


organizada durante sua vigência.
 Estados, Distritos Federais e Municípios deveriam propor seus próprios planos de
Educação em conformidade com o plano nacional.
 Propunha aumentar o nível de escolaridade da população reduzindo as diferenças entre as
regiões no que diz respeito no acesso e à permanência à escola pública.
 Seguia o conceito da lei de Diretrizes e Bases quanto a necessidade de democratização da
gestão da escola pública.

Além de definir metas e prioridades para a educação:

 Erradicação do analfabetismo
 Expansão do ensino médio buscando atingir sua universalização.
 Criação de 7 milhões de vagas em creches e pré-escolas
 Ampliação das oportunidades de acesso à educação profissional

Em 2007, durante o governo do Presidente Luis Inácio Lula da Silva foi lançado por meio de
decreto nº 6.094 o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) que visando melhorias na
qualidade da educação básica.

Esse Plano foi elaborado as margens do PNE e propunha novas metas a serem cumpridas:

 a criação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), que varia de zero a


10. Com base nesse indicador, o governo busca selecionar municípios que deverão receber
recursos adicionais da União e assistência técnica adiciona
 o estabelecimento de um piso salarial nacional para os professores do ensino básico;
 a implementação do programa Pró-Infância, que visa destinar recursos federais para a
construção de creches e pré-escolas.
 o investimento em formação continuada de professores. Todos os professores passariam a
ter um vínculo com uma universidade, principal responsável pelos cursos de formação
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

 a criação de bolsas para estimular os jovens de até 17 anos, de famílias com baixa renda e
que estão fora da escola, a voltar a estudar;
 a modificação do sistema de crédito estudantil;
 a realização da Provinha Brasil, um exame para avaliar a qualidade da alfabetização de
crianças das escolas públicas;
 a organização da Olimpíada de Língua Portuguesa, a exemplo da Olimpíada de
Matemática;
 a universalização dos laboratórios de informática para escolas públicas de 5ª a 8ª séries,
em um primeiro momento, e depois de 1ª a 4ª;
 a ampliação do programa "Luz para Todos", possibilitando que aproximadamente 18 mil
escolas tenham acesso à energia elétrica;
 o incentivo à produção audiovisual digital voltada para a educação de qualidade, com
investimento de R$ 70 milhões.

Em 2010 terminou a vigência do PNE e foi elaborado um novo Plano que está tramitando no
Congresso e apresenta 10 diretrizes:

 Erradicação do analfabetismo;
 Universalização do atendimento escolar
 Superação das desigualdades educacionais
 Melhoria da qualidade do ensino
 Formação para o trabalho;
 Promoção da sustentabilidade socioambiental;
 Promoção humanística, científica e tecnológica do País;
 Estabelecimento de meta de aplicação de recursos públicos em educação como proporção
do produto interno bruto;
 valorização dos profissionais da educação;
 difusão dos princípios da equidade, do respeito à diversidade e a gestão democrática da
educação
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

2) Concepções de educação expressas na Constituição Federal de 1988, dos


artigos 205 a 214.

Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e
incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa,
seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.

Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

I – Igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;

II–Liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber;

III –pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições


públicas e privadas de ensino;

IV – Gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais;

V–Valorização dos profissionais da educação escolar, garantidos, na forma da lei, planos de


carreira, com ingresso exclusivamente por concurso público de provas e títulos, aos das redes
públicas;

VI–Gestão democrática do ensino público, na forma da lei;

VII–garantia de padrão de qualidade; VIII–piso salarial profissional nacional para os


profissionais da educação escolar pública, nos termos de lei federal.

Parágrafo único. A lei disporá sobre as categorias de trabalhadores considerados profissionais


da educação básica e sobre a fixação de prazo para a elaboração ou adequação de seus planos
de carreira, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de


gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino,
pesquisa e extensão.

§ 1o É facultado às universidades admitir professores, técnicos e cientistas estrangeiros, na


forma da lei.
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

§ 2o O disposto neste artigo aplica-se às instituições de pesquisa científica e tecnológica

Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de:

I–Educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade,
assegurada inclusive sua oferta gratuita para todos os que a ela não tiveram acesso na idade
própria;

II – Progressiva universalização do ensino médio gratuito;

III – atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente


na rede regular de ensino;

IV – Educação infantil, em creche e pré-escola, às crianças até 5 (cinco) anos de idade;

V – Acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística, segundo a
capacidade de cada um;

VI–Oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do educando;

VII–atendimento ao educando, em todas as etapas da educação básica, por meio de


programas suplementares de material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência à
saúde.

§ 1o O acesso ao ensino obrigatório e gratuito é direito público subjetivo.

§ 2o O não oferecimento do ensino obrigatório pelo Poder Público, ou sua oferta irregular,
importa responsabilidade da autoridade competente.

§ 3o Compete ao Poder Público recensear os educandos no ensino fundamental, fazer-lhes a


chamada e zelar, junto aos pais ou responsáveis, pela frequência à escola

Art. 209. O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as seguintes condições:

I – Cumprimento das normas gerais da educação nacional;

II–autorização e avaliação de qualidade pelo Poder Público.


CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a
assegurar formação básica comum e respeito aos valores culturais e artísticos, nacionais e
regionais.

§ 1o O ensino religioso, de matrícula facultativa, constituirá disciplina dos horários normais


das escolas públicas de ensino fundamental.

§ 2o O ensino fundamental regular será ministrado em língua portuguesa, assegurada às


comunidades indígenas também a utilização de suas línguas maternas e processos próprios de
aprendizagem

Art. 211. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão em regime de


colaboração seus sistemas de ensino.

§ 1o A União organizará o sistema federal de ensino e o dos Territórios, financiará as


instituições de ensino públicas federais e exercerá, em matéria educacional, função
redistributiva e supletiva, de forma a garantir equalização de oportunidades educacionais e
padrão mínimo de qualidade do ensino mediante assistência técnica e financeira aos Estados,
ao Distrito Federal e aos Municípios.

§ 2o Os Municípios atuarão prioritariamente no ensino fundamental e na educação infantil.

§ 3o Os Estados e o Distrito Federal atuarão prioritariamente no ensino fundamental e médio.

§ 4o Na organização de seus sistemas de ensino, a União, os Estados, o Distrito Federal e os


Municípios definirão formas de colaboração, de modo a assegurar a universalização do
ensino obrigatório.

§ 5o A educação básica pública atenderá prioritariamente ao ensino regular.

Art. 212. A União aplicará, anualmente, nunca menos de dezoito, e os Estados, o Distrito Federal e
os Municípios vinte e cinco por cento, no mínimo, da receita resultante de impostos, compreendida a
proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino.

1o A parcela da arrecadação de impostos transferida pela União aos Estados, ao Distrito


Federal e aos Municípios, ou pelos Estados aos respectivos Municípios, não é considerada,
para efeito do cálculo previsto neste artigo, receita do governo que a transferir.
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

§ 2o Para efeito do cumprimento do disposto no caput deste artigo, serão considerados os


sistemas de ensino federal, estadual e municipal e os recursos aplicados na forma do art. 213

§ 3o A distribuição dos recursos públicos assegurará prioridade ao atendimento das


necessidades do ensino obrigatório, no que se refere a universalização, garantia de padrão de
qualidade e equidade, nos termos do plano nacional de educação.

§ 4o Os programas suplementares de alimentação e assistência à saúde previstos no art. 208,


VII, serão financiados com recursos provenientes de contribuições sociais e outros recursos
orçamentários.

§ 5o A educação básica pública terá como fonte adicional de financiamento a contribuição


social do salário-educação, recolhida pelas empresas na forma da lei.

§ 6o As cotas estaduais e municipais da arrecadação da contribuição social do salário-


educação serão distribuídas proporcionalmente ao número de alunos matriculados na
educação básica nas respectivas redes públicas de ensino

Art. 213. Os recursos públicos serão destinados às escolas públicas, podendo ser dirigidos a
escolas comunitárias, confessionais ou filantrópicas, definidas em lei, que:

I–Comprovem finalidade não lucrativa e apliquem seus excedentes financeiros em educação;

II–Assegurem a destinação de seu patrimônio a outra escola comunitária, filantrópica ou


confessional, ou ao Poder Público, no caso de encerramento de suas atividades.

§ 1o Os recursos de que trata este artigo poderão ser destinados a bolsas de estudo para o
ensino fundamental e médio, na forma da lei, para os que demonstrarem insuficiência de
recursos, quando houver falta de vagas e cursos regulares da rede pública na localidade da
residência do educando, ficando o Poder Público obrigado a investir prioritariamente na
expansão de sua rede na localidade.

§ 2o As atividades de pesquisa, de extensão e de estímulo e fomento à inovação realizadas


por universidades e/ou por instituições de educação profissional e tecnológica poderão
receber apoio financeiro do Poder Público.
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

Art. 214. A lei estabelecerá o plano nacional de educação, de duração decenal, com o
objetivo de articular o sistema nacional de educação em regime de colaboração e definir
diretrizes, objetivos, metas e estratégias de implementação para assegurar a manutenção e
desenvolvimento do ensino em seus diversos níveis, etapas e modalidades por meio de ações
integradas dos poderes públicos das diferentes esferas federativas que conduzam a:

I–Erradicação do analfabetismo;

II–Universalização do atendimento escolar;

III–melhoria da qualidade do ensino;

IV–Formação para o trabalho;

V–Promoção humanística, científica e tecnológica do País;

VI– Estabelecimento de meta de aplicação de recursos públicos em educação como


proporção do produto interno bruto.

Critica Pessoal:

De acordo com a Constituição fica claro que o Estado tem o dever de promover e incentivar
a Educação em conjunto com a sociedade, e o Estado tem o dever de fornecer todas as
condições necessárias para os profissionais da educação, garantidos na forma da lei, e para
os alunos, material didático, transporte, alimentação e assistência à saúde, para assim os
profissionais terem a satisfação de transmitir um ensino de qualidade e os alunos poderem
absorver o máximo de conhecimento possível, visando o pleno desenvolvimento para a
cidadania e seu ingresso no mercado de trabalho.

1) Retrospecto do processo de tramitação da LDB no Congresso Nacional


(Câmara Federal e Senado Federal);
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

Logo após a promulgação da constituição federal deu entrada no congresso um projeto de Lei
n° (PL. 1258/88 de autoria do Dep. Otavio Elísio que refletia as discussões na área da
educação que ocorriam nas décadas de 80 em diferentes setores da sociedade.

Em agosto o Dep. Jorge Hage altera o texto original e complementa em só texto 13 outros
projetos e a partir de então novos simpósios foram feitos com a finalidade de aprofundar e
discutir o que foi incorporado na nova Lei.

Em fevereiro de 1990 ocorre a 2º alteração o mesmo Deputado, agora incorpora no texto 978
emendas e 2.000 sugestões das mais diferentes instancias da sociedade civil, no Plenário o
texto recebeu 1.263 emendas, em virtude disto retorna à Câmara Federal.

Em 1992 com a eleição do Presidente Fernando Collor de Melo os senadores Darcy Ribeiro
(PDT/RJ), Marco Maciel (PFL/PE) e Maurício Correia iniciam um processo de obstrução e
dão entrada com uma nova LDB

Com a renúncia de Fernando Color, o seu vice Itamar Franco toma posse e nomeia Murilo
Avelar Hingel, que é favorável ao projeto que está na Câmara Federal, e tem como relatora a
Dep. Federal Angela Amin, no dia 13 de maio de 1993 o projeto é aprovado e encaminhado
ao Senado com determina a Lei.

No Senado o projeto é relatado pelo senador Cid Saboia, e seu parecer é aprovado no final do
ano legislativo, em 17/03/1995, mas através de uma manobra é considerado inconstitucional,
nesse momento passa a tramitar o projeto dos Senadores Darcy Ribeiro, Maurício Correia e
Marco Maciel, que havia sido apresentado em 1992 sendo aprovado no dia 20/12/1996 e
resultando na Lei Federal nº 9.394, atual LDB.

2) Os princípios gerais da Educação Brasileira;

Conforme o que diz a Constituição e a LDB deve-se valorizar as experiências extraescolares


dos alunos, ou seja, vincular a educação escolar com o trabalho e as práticas sociais.

Garantir padrões mínimos de ensino, como a variedade e quantidades mínimas de insumos


por aluno indispensáveis para sua a aprendizagem e desenvolvimento.
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

O Estado e Município se comprovada a negligência, não oferecer ensino obrigatório,


responde por crime de responsabilidade, além disso, é de responsabilidade ao Estado e
Município:

 Recensear a população em idade escolar para o ensino fundamental


 Fazer-lhes à chamada pública
 Zelar junto aos pais ou responsáveis, pela frequência à escola

É de responsabilidade dos pais a matriculas dos seus filhos no ensino fundamental a partir dos
6 anos de idade.

3) Os Níveis da Educação Básica e Educação Superior

De acordo com a LDB a Educação é formada em 2 níveis:

Educação Básica e Ensino Superior

Educação Básica:

 Educação Infantil
 Ensino Fundamental
 Ensino Médio

A Educação Infantil compreende-se em creches e pré-escolas, as creches são destinadas à


crianças de 0 à 3 anos de idade e as pré-escolas atendem crianças de 4 à 5 anos de idade.

Referindo-se ao ensino fundamental, e de acordo com a LDB a matricula da criança à escola


deverá ser a partir dos 6 anos de idade.

De acordo com a LDB a educação básica visa o desenvolvimento e a formação necessária


para sua cidadania e meios adequados para avançar nos estudos e iniciar-se ao trabalho

A educação básica poderá organizar-se em séries anuais, períodos semestrais, ciclos sempre
que o interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar.
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

Em relação à Educação Básica o número mínimo de horas previsto na LDB é de 800 horas
anual e 200 dias letivos.

Quanto aos critérios de avaliações dos alunos às etapas da série:

a) por promoção para os alunos que cursaram, com aproveitamento, a série ou fase anterior,
na própria escola;

b) por transferência, para candidatos procedentes de outras escolas;

c) independentemente de escolarização anterior, mediante avaliação feita pela escola, que


defina o grau de desenvolvimento e experiência do candidato e permita sua inscrição na série
ou etapa adequada, conforme regulamentação do respectivo sistema de ensino.

É permitida a organização de classes ou turmas de series diferentes desde que o conhecimento


seja níveis equivalentes.

Critérios para avaliação escolar:

1) A avaliação do desempenho do estudante deve ser contínua e cumulativa, com


predomínio dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados obtidos ao
longo do ano letivo sobre eventuais provas de final de ano ou de semestre, quando for o
caso
2) Possibilidade de aceleração de estudos para alunos com atraso escolar, ou seja, quando a
idade não coincide com a série
3) Avanço nos cursos e nas séries mediante verificação do aprendizado
4) Aproveitamento de estudos concluídos com êxito
5) Obrigatoriedade de realização de estudos de recuperação, de preferência paralelos ao
período letivo (na realidade deveriam os estudos de recuperação serem obrigatoriamente
paralelos ao longo do ano letivo e não no final do ano ou do semestre). Neste caso, a
matéria deverá estar disposta no regimento escolar da instituição de ensino.

O estabelecimento de ensino disciplina a frequência escolar dos alunos não podendo ser
inferior à 75% e se responsabiliza com o fornecimento da documentação escolar (históricos
declarações de conclusão de séries e a emissão de diplomas ou certificados de conclusão).
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

As autoridades de ensino têm por objetivo procurar estabelecer uma relação adequada entre o
número de alunos e o de professores (ainda não regulamentado)

Os currículos de ensino fundamental são médios devem ter uma base nacional comum e uma
parte diversificada de acordo com as características de cada região, sociedade e cultura em
que vivem.

No que se refere à Educação Básica:

 Obrigatoriedade do estudo da língua portuguesa e da matemática, o conhecimento do


mundo físico e natural e da realidade social e política, especialmente do Brasil
 Torna obrigatório também o ensino da arte, com a finalidade de promover o
desenvolvimento cultural dos alunos. Entendo que essa é uma tarefa de todos os
professores, em todos os componentes curriculares e não apenas do ensino de arte
 A educação física, integrada à proposta pedagógica da escola, é componente curricular
obrigatório da educação básica

Entretanto em relação à Educação Física é dispensada nas seguintes hipóteses:

 quando cumprir jornada de trabalho igual ou superior a seis horas


 maior de trinta anos de idade
 quando estiver prestando o serviço militar inicial ou que, em situação simular, estiver
obrigado à prática de educação física
 se encontrar na situação prevista no Decreto-Lei nº 1.044/69 (Gestante)
 que tenha prole

O ensino da História levará em conta as contribuições de diferentes culturas e etnias para


formou o povo brasileiro, com destaque para as culturas indígenas, africanas e europeias.

Uma língua estrangeira é incorporada a partir da 5º série, cuja a escolha é feita pela
comunidade em conjunto com a escola.

O ensino da música torna-se obrigatório dentro da disciplina da arte.

Diretrizes para o desenvolvimento dos conteúdos curriculares:


CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

 difusão de valores fundamentais ao interesse social, aos direitos e deveres dos cidadãos
de respeito ao bem comum e à ordem democrática;
 consideração das condições de escolaridade dos alunos em cada estabelecimento
 orientação para o trabalho
 promoção do desporto educacional e apoio às práticas desportivas não-formais.

Os conteúdos curriculares na zona rural serão de acordo com as peculiaridades no ambiente


em que vivem para assim atender as necessidades e interesses de cada aluno dessas regiões.

4) Educação Básica

A educação infantil é a primeira etapa da Educação Básica, que compreende as creches


e pré-escolas, que abrange a faixa etárias dos 0 anos até os 6 anos de idade, divide-se em
duas fases:

 Creches: tem início dos 0 anos até os 3 anos de idade


 Pré-escolas: inicia-se aos 4 anos até os 6 anos de idade

A principal finalidade da educação infantil é fornecer condições necessárias para que a


criança possa se desenvolver em todas as dimensões do ser humano, a saber: físico,
psicológico, intelectual e social, e, dessa forma, a escola completa a ação da família e da
comunidade.

A avaliação da educação infantil será feita mediante acompanhamento e registro do


desenvolvimento da criança, sem se preocupar com a promoção e o acesso ao ensino
fundamental.

Ensino Fundamental:

 Organização: O currículo do ensino fundamental incluirá obrigatoriamente, conteúdo que


trata dos direitos das crianças e adolescentes
 O ensino fundamental será presencial, sendo o ensino a distância utilizado como
complementação da aprendizagem ou em situações emergenciais.
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

 Objetivo: O desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição


de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores, também como um
meio para que se alcance o objetivo central que é a formação do cidadão
 A compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das
artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade
 Finalidade: A formação básica do cidadão mediante desenvolvimento da capacidade de
aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo

O estabelecimento de ensino tem autonomia inserir ou não o ensino religioso no currículo


escolar.

Ensino Médio:

O ensino médio, etapa final da educação básica, com duração mínima de três anos, terá
como finalidades:

I – a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino


fundamental, possibilitando o prosseguimento de estudos;

II – a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando, para continuar aprendendo,


de modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições de ocupação ou
aperfeiçoamento posteriores;

III – o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o


desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico;

IV – A compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos,


relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina.

De acordo com a nova LDB as disciplinas de Filosofia e Sociologia são obrigatórias no


currículo escolar

A educação profissional técnica de nível médio será desenvolvida nas seguintes formas:

I - Articulada com o ensino médio;

II – Subsequente, em cursos destinados a quem já tenha concluído o ensino médio


CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

A educação profissional técnica de nível médio deverá observar:

I – Os objetivos e definições contidos nas diretrizes curriculares nacionais estabelecidas pelo


Conselho Nacional de Educação;

II - As normas complementares dos respectivos sistemas de ensino;

III – as exigências de cada instituição de ensino, nos termos de seu projeto pedagógico.

A Educação profissional técnica à nível médio prevista, é a seguinte:

I - Integrada, oferecida somente a quem já tenha concluído o ensino fundamental, sendo o


curso planejado de modo a conduzir o aluno à habilitação profissional técnica de nível médio,
na mesma instituição de ensino, efetuando-se a matrícula única para cada aluno;

II - Concomitante, oferecida a quem ingresse no ensino médio ou já estejam cursando,


efetuando-se matrículas distintas para cada curso, podendo ocorrer:

a) na mesma instituição de ensino, aproveitando-se as oportunidades educacionais


disponíveis;

b) em instituições de ensino distintas, aproveitando-se as oportunidades educacionais


disponíveis;

c) em instituições de ensino distintas, mediante convênios de Inter complementaridade,


visando ao planejamento e ao desenvolvimento de projeto pedagógico unificado.

Os cursos de qualificação técnico articulado junto com o ensino médio, com terminalidade,
possibilita a obtenção de certificado de qualificação para o trabalho após sua conclusão.

Educação de Jovens e Adultos:

Os jovens com 15 ou mais anos de idade poderão realizar exames para ingressar-se no ensino
fundamental, para o ensino médio o mínimo é de 18 anos.

O Poder público tem a obrigação de oferecer gratuitamente oportunidade a jovens e adultos.

A oferta dessa oportunidade deverá levar em conta:


CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

 As características do aluno e seus interesses, condições de vida e de trabalho


 A educação de jovens e adultos deverá articular-se, preferencialmente, com a educação
profissional, na forma do regulamento

Educação Especial:

É dever do Estado a oferta de atendimento para os portadores de necessidades especiais, que


se inicia na educação infantil.

Preferencialmente, deverá ser oferecida na rede regular de ensino para os portadores de


necessidades especiais. Entretanto, ressalva, que quando necessário, deverão ser oferecidos
serviços de apoio especializado, na escola regular para atender às peculiaridades do aluno

5) A Formação dos Profissionais da Educação Básica

Para o exercício da docência na Educação Básica é exigido a obtenção de licenciatura plena e


deverá de ser conseguida em cursos de graduação Ministrados em Institutos de Ensino
Superior ou em Universidades.

Os Institutos Superiores de Educação (ISE) poderão manter cursos formadores de professores


para a educação básica, inclusive o curso normal superior, destinado à formação de docentes
para a educação infantil e os anos iniciais do ensino fundamental

Poderão ainda manter programas de formação pedagógica para portadores de diplomas de


educação superior que queiram se dedicar à educação básica

Por último, poderão também instituir programas de educação continuada para os profissionais
da educação dos diversos níveis.

Estagio profissional obrigatório com carga mínima de 300 horas

Os sistemas de ensino promoverão a valorização dos profissionais da educação, assegurando-


lhes, inclusive nos termos dos estatutos e dos planos de carreira do magistério público:

1. Ingresso exclusivamente por concurso público de provas e títulos


CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA -
LICENCIATURA

2. aperfeiçoamento profissional continuado, inclusive com licenciamento periódico


remunerado para esse fim;
3. piso salarial profissional
4. progressão funcional baseada na titulação ou habilitação, e na avaliação de
desempenho;
5. período reservado a estudos, planejamento e avaliação, incluído na carga horária de
trabalho;
6. condições adequadas de trabalho.

A experiencia de docente é pré-requisito para o exercício de qualquer outras funções de


magistério, são consideradas funções de magistério as exercidas por professores e
especialistas em educação no desempenho de atividades educativas, quando exercidas em
estabelecimentos de educação básica em seus diversos níveis e modalidades, incluídas, além
do exercício da docência, as de direção de unidade escolar e as de coordenação e
assessoramento pedagógico.

Referências Bibliográficas:

PALMA FILHO, J.C. Síntese LDB.

CORRÊA, R. A.; SERRAZES, K. E. Políticas da Educação Básica. Batatais: Claretiano, 2013.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente –
ECA. Brasília, DF. Senado Federal.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20/12/96. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília,
DF: Presidência da República.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF. Senado Federal.