Você está na página 1de 142

ÍNDI CE

EDITORIAL ........ ..... ...... .. .. .. ......... .. ..... .. .. .... ... .. ........... ... .. ........... .. .... .. ...... ........... ..... 06
M OTORIZAÇÃO .. . . . . . . .. . . . . . . .. . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . .. . .. .. .. . . . .. . .. .. . .. . . . .. . . .. . . .. . .. . .. .. . . . .. .. .. . . .. . . . . ... 07
Identifi cação dos Motores nos Veículos RENAULT CLIO ....................................... :::·: 09
PlACAS DE IDENTIFICAÇÃO NOS VEÍCULOS CLIO ........ .. ................. .. ........................ 19
Placa do Fabricante up.:' ..... ... ......... .. ........... ....... ........... .... ..... ...... ............ ................. 19
Plaqueta do Ano de Fabricação "B// ...................................... ......... ..................... .. ... 19
SISTEMA DE INJEÇÃO .................................................... ............ ....... ........ ............... 20
Componentes do Sistema de Injeção .. ..... ... ........ ..... ................... ............ .. .............. 20
Funções da UCE ........... ..... ... ... ..... .... ... .. ........................ ........... .... ............ .......... ...... 22
Central de Injeção Usada - É Possível Instalar? ........ ... .. ............... ...... ..... .......... .. ..... 26
Luz de Anomalias ... ............. ...... .................. .... ....... .. .. .............. ...... .. ..... .... ........... ... 27
Conecto r de Diagnose ...................................... ....... .. .............................................. 28
Processo de Reconhecimento do Combustível .............. ........ ..... .. ... ......................... 29
Sistema de Alimentação de Combustível ... ............... ..... .... ........ .............................. 32
Relé Principal da Injeção ........... ............ .... .. .. .......... .. ............................................... 35
Sistem a de Partida a Frio .. ........................................................... ............................ 36
SENSORES - LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES .................. .......... .... .. . 40
Sensores de Temperatura da Água e do Ar ... ~ ............... ...... ........ ........... .. ........ 40
Sensor de Temperatura da Água (líquido de arrefecimento) ....... .. ..................... ..... 40
Sensor de Temperatura do Ar Admitido ... ............... .. ........ ..... .... ..... ... ....... ....... ... .. .. . 44
Senso r de Pressão Absoluta (MAP) ... ... ... ...... .. .............. ....... ........ ... ......................... 46
Sensor de Rotação e PMS ......... ..... .. .......... ............... .... .... .................. .. ... ........... .. ... 50
Sonda Lambda Aquecida ......................................................................................... 54
Senso r de Detonação ........... .. .................................................................................. 58
Senso r de Velocidade ........................ .................... ...... .... ..... ........ ... ... ... ... .. .......... .. . 60
Senso r do Pedal do Acelerador ...... .... ..... ................... .... ............ .... ............. .............. 63
ATU ADORES - TESTES E TABELAS DE VALORES ............ ...... ..... .................... .... .. .. ..... 68
Co rpo de Aceleração (acelerador eletrônico) ........... .. ........................................ .... .. 68
Ajuste Básico do Corpo de Aceleração .. ..... ...................................... ....... ....... ......... 72
Eletroinjetores .... ...... .... .. ... .......... .. .... ... .......... ....... ........ .......... ........ ..... ... ............ ... . 72
Módulo de Ignição (bobina) ........... ... .... .............. .... .............. ..... ............................. 74
Eletroválvula de Purga do Canister ...... ............. .. ... ...... .. .. ... ... .. ...... .. .............. .. ...... .. 78
Eletroventilador - Acionamento ............. .... ......... ..... ....... .............. ... ...... .. .......... ..... . 80
Interruptor do Pedal do Freio .. ......... ... ......... ......... .. ........ ....... ...... .................... ... .... 82
SISTEMA ANTIARRANQUE ...... ............ ...................................................................... 85
Conectares de Ligação da Bobina-Antena/ Circuito Antiarranque .. .. ..... .................. 87
ÍNDICE

Teste de Resistência da Bobina-Antena ............... ...... ............................ .................... 88


Códigos para Habilitação do Sistema Antiarranque .................... .. ............................ 89
SISTEMA DE CONFORTO E ALARME .......... .. ............................................................. 91
Funções Controladas pelo Sistema de Conforto e Alarme Antifurto ...................... 91
Central de Cabine Usada. É Possível? ................... .... .... .. .. .. .. .. .. .... ...... .. .................. 91
Alarme ...... ........... ... .. ........... ...................................... ............................................. 92
Controle Remoto do Alarme- Codificação .................... .... ................................. ...... 93
Troca de Bateria do Controle Remoto Junto à Chave .. .. .... .. ....................................... 94
Travamento Elétrico das Portas ................................................................................ 95
Identificação Interna da Central de Alarme, Travas e Antiarranque ........................... 97
Sistema de Acionamento dos Vidros .............. .. ...... .. ............................................... 98
SISTEMAS MECÂNICOS ........................................ .................................................. .. 101
Sistema de Arrefecimento .................................. ... .. .. .. .......................................... 101
Ar Condicionado ..... ....... .............. .......... ... ..... .. ............. .... .. ... ............ .. ................... 102
TORQUE NOS PARAFUSOS (CABEÇOTE, BIELAS E MANCAIS) .. ...... .... ...... .. ... .. .......... . 104
Informação Importante Sobre o Aperto dos Parafusos ....................................... 104
Ferramentas Utilizadas para Aperto dos Parafusos .. . .. ..... .... .. . . .... .... .... ..... ... . .. .. 104
TROCA DA CORREIA DENTADA ................................................................................ 108
Procedimento de Remoção da Correia ........................ .. .............. ... .. ...... .. ...... .. ........ 108
Instalação da Correia Dentada ................................................................................. 113
SISTEMAS ELÉTRICOS .. ... . . .. . . . . . . ... . . ... .... . . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. .. .. . .... . ... . ... . ... . . ... . .. . . . .. . . . .. 117
Conexão dos Contatos da Chave de Ignição .................................... ......................... 117
Central Interna dos Fusíveis ......................................................... .. .......................... 117
Relés Acoplados na Caixa de Conforto da Cabine .. ................ ~ ...... .......... ........... 119
Central Elétrica do Motor ................................. .. .... ......... ... ................. ................. 120
Acionamento das Luzes Indicadoras (seta) e Buzina ....... .. ....................................... 121
Principais Pontos de Aterramento .. .................... ... ....... ........ ................................... 122
ESQUEMA ELÉTRICO DA INJEÇÃO SIEMENS SIM32 .................................................. 124
PAINEL DE INSTRUMENTOS ...................................................................................... 127
Auto teste do Painel de Instrumentos .. .. .... .... ... .. .. ..... .... .. ... .... . .. . .. .. . .. .. ...... ... ... .. . 127
Pinagem do ~onector do Painel de Instrumentos .. .. ......................./ ................... 128
ESQUEMA ELETRICO DA CENTRAL DE ALARME E ANTIARRANQUE ... ;.:' ....................... 131
Conectar Branco ..................... ...................... ... ..................... ..... :': ................ ... .. ... . 131 ~.

Co"ri-eétor Preto ...................................................................................................... 131


TABELA RESUMIDA DE VALORES ÓTIMOS .......................................~ .. L ................... 133
DIAGNÓSTICO VIA SCANNER- FUNÇÕES DO APARELHO ..... ........ .. ........... .... .... .. ...... 134
Teste Estático . . ... .. . .. .. . . . . .. . . . . . .... . .. . .. ... . .. ... . . . .. . .. . . . ... . . .. . .. . . ... . . . ... . .. . . . .. . .. .. . .. . . . . . . .. . . . . 134
Teste de Atuadores ............................................ ... .... ............. ...... .. .. ........... .......... 134
M odo Contínuo ............ ........ .............................................................................. 135
CÓDIGOS DE FALHAS -VIA SCANNER ..................................................................... 137
ESQUEMAS ELÉTRICOS ............................................................................................ 141
EDITORIAL
O segmento dos veículos que vendem acima de 1.500 unidades nunca pára de ter
novidades. É um modelo mais econômico aqui, outro mais espaçoso ali, e sempre
com novidades na eletrônica embarcada. Com isso, o mercado de reparação também
não pára. Quando falamos de veículos franceses, pensamos nos modelos que são
sucessos de vendas, principalmente os chamados ··de entrada·· como: Renault Clio,
Sandero, Logan e também aqueles das marcas Peugeot e Citroen.
A SETE, pensando na manutenção preventiva e corretiva do modelo compacto francês,
elaborou um curso técnico com muitos detalhes dos quais os reparadores necessitam
para auxiliá-los tanto no diagnóstico como no reparo dos modelos Flex do Renault
Clio com injeção Siemens SIM32. Lembramos que essa motorização está presente nos
modelos Sandero e Logan, inclusive com o mesmo modelo de injeção eletrônica.

Desejamos sucesso em seu trabalho!

árcio Patrus
Presidente
. j
da SETE

6
MOTORIZAÇAO
-
O motor que equipa os veículos Clio 1.0L de 16V é da família 4D4 e está alojado trans-
r , ,
versalmente na dianteira do veículo. E um propulsor de última geração equipado com
um mecanismo em q_ue o comando de válvulas aciona, através de roletes, os balanôns.
O ajuste de folgas -de válvulas é dado de acordo com a tabela de especificações, na
pág ina 106. ;
1

As válvulas no motor 4D4 necessitam de


Motor 4D4 de 16 válvulas regulagem

Esse sistema diminui parte do coeficiente de atrito que incide sobre os movimentos
internos do motor, especificamente no cabeçote, onde o processo convencional de
abertura e fechamento das válvulas produz um arrasto considerável. Ainda no cabeça-
te, a alimentação e a exaustão estão em lados opostos na condição de fluxo cruzado,
pa ra favorecer a dinâmica dos gases que entram e saem da câmara de combustão. O
co mando de válvulas é único e comanda as dezesseis válvulas.

7
MOTORIZAÇÃO

A refrigeração do líquido de arrefecimento do motor do Clio é monitorada pela UCE,


abolindo de vez o termostato do radiador.

Reservatóri o de expansão do líquido de arrefeciment o

As bielas utilizadas nos motores 404 são fraturadas . Esse processo cria um perfil de
contato único e garante estabilidade dinâm ica da biela em altas rotações .

A bomba de óleo, responsável pela lubri-


ficação int erna do motor, está alojada na
dianteira do bloco e é acionada diretamen-
te pelo eixo vi rabrequ im.

A bomba d , água, que faz a circulação do


líqu ído de arrefecimento do motor, recebe
tração direta da correi a de sincronismo.

Bomba d'ag ua no motor 40 4

8
«
lJit " RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Identificação dos Motores nos Veícu los Renau lt Clio

r Renau lt - Ficha Técnica: Clio Campus

>
Campus 1.0L 16V Hiflex
Carroceria monobloco, 2 volumes, 5 passagei-
,., ros
Arquitetura
2 ou 4 portas
D4D HiFiex, transversal, 4 cilindros em linha, 16
ator
válvulas
ração Dianteira

"lindrada 999 cm 3

iametro X cu rso 69 mm X 66,8 mm

Ordem de ignição 1-3-4-2 ( primeiro cilindro no lado da caixa)

Taxa de compressão 10:1


76 cv (gasolina) a 6.000 rpm I 77cv (álcool) a
Potê ncia máxima (ISOIABNT)
6.000 rpm
1O mkgf (gasolina) 4,250 rpm I 10,2 mkgf (ál-
Torque máximo
cool) a 4,250 rpm
Injeção eletrônica multiponto seqüencial Sie-
Alimentação
mens SIM32
Rodas Aço estampado

Pn eus 175165 R14


MC Pherson, com tri ângulo inferior, amortece-
Suspensã o dianteira dores hidráulicos telescópicos com molas heli-
coidais e barra estabilizadora
I
Rodas semi-independentes, molas helicoidais
Suspen são traseira e amortecedores hidráulicos telescópicos verti-
1
cais com barra estabilizadora
I
Duplo ci rcuito em X, discos ventilados diantei-
Freios ros com 238 mm de diâmetro, e tambores t ra-
I seiros com 203 mm de diâmetro

9
MOTORIZAÇÃO

Mecânica, diâmetro g1ro 10,3 m (direção h i-


Direção
dráulica disponível opcionalmente)
Coeficiente aerodinâmico Cx 0,35

Câmbio Mecânico, 5 velocidades e marcha a ré


1a ........... .. ... ..... .......... .......... ... ... 3,72:1
2a .... ............................ .. ... ........ .. 2,05:1
3a .... ... ...... ...... ..... ..... .... ... ........ .. . 1,40:1
Relações de marcha 4a ........... .. ..... ...... .. .. .. ..... ........ .... 1,03:1
5a ··· ·· ··· ········· ·· ······ ··· ··················· 0,79:1
Ré ..... ................. .. ...... ... .. ........... 3,54:1
Diferencial ....... .. ..... ..... ... ........... 4, 93 : 1
Tanque de combustível 50 litros

Porta-malas (dm 3 ) min/ max 255 I 596

Peso (em ordem de marcha) 880 Kg

Entre eixos 2.472 mm

Comprimento 3.818 mm

Altura 1.417 mm

Largura I largura com retrovisores 1.639 mm I 1.940 mm

Aceleração O a 100 Km/h 14,3 s (gasolina) I 14,1 s' (álcool)

Velocidade máxima 166 Km/h (gasolina) I 167 Km/h (álcool)

Consumo na cidade 13,6 km/1 (gasolina) 9,0 km/1 (álcool)


Consumo na estrada (vazio, sem ar-
17,3 km/1 (gasolina) I 11,5 km/1 (álcool)
condicionado)
Carga útil 525 Kg ,r
Combustível Gasolina e/ou álcool '
'
-
Rotação da marcha lenta 900 +/- 50 rpm
i
Material do cabeçote Liga de alumínio

Material do bloco do motor Ferro fundido

10
«.
~ RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Sistema de lubrificação
API-SJ ou superior e ACEA -A3/B3, com viscosi-
dade SAE 5W40 ou SAE 1OW40
Tipo de lubrificante
OBS: não utilizar óleos com classe de viscosida-
de OWou 20W
Serviço de troca a cada 5.000 Km ou a cada 6
Troca do lubrifiçante
meses, o que ocorrer pnme1ro
Bomba de óleo Bomba de rotor
0,8 bar (marcha lenta)
Pressão mínima de lubrificação
3,5 bar (4.000 rpm)
Capacidade do sistema 4,0L (com filtro)

Sistema de alimentação do combust ível

Injeção eletrônica de combustível Siemens SIM32

Ti po da bomba de combustível Elétrica

Reservatório de partida a frio 0,8L

Tanque de combustível 50,0L

Reserva do tanque de combustível 7,0L

Pressão da bomba de combustível 3,5 bar

Vazão da bomba de combustível 2,4 1/min

Sistema de alimentação elétrica

Bat eria-capacidade 12V - 60 Ah

t ern ador 75A


Velas (torque de aperto: 25 a 30
LZKAR7 A (NGK), BR8SC + (BOSCH)
Nm)
IFolga entre os eletrodos das velas 0,9 mm

11
MOTORIZAÇÃO

Sistema de arrefedmente

Tipo da bomba d'água Centrífuga

Tipo da válvula termostática Restrição de fluxo


Pressão de alívio da tampa do ra-
1,4 a 1,6 bar
diador
Início de abertura da válvula ter-
Aproximadamente 85°(
mostática
Fim de abertura da válvula termos-
Aproximadamente 9]0C
tática
Proporção do fluido de arrefeci-
60% de água e 40% de aditivo para radiador
mento
Quantidade do fluido de arrefeci-
5,0 litros
mento
Tração

Tipo de tração Tração dianteira

Modelo da transmissão Compacta (com diferencial incorporado)

Número de marchas 5 à frente e 1 a ré com acionamento a cabo

Capacidade de lubrificante 2L

Capacidades

Cárter 4L (com filtro)

Caixa de mudanças 2,0L

Reservatório de partida a frio 0,9L

Tanque de combustível SOL


I
Reserva do tanque de combustível 8,0L /
'
Lavador do pára -brisa 2,0L -
Gás refrigerante do ar condiciona-
600 gr +/- 45 gramas i
do
Tipo do gás refrigerante do ar con-
R 134 A
dicionado

12
41':.
~ RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Ti po de óleo lubrificante do com-


Fluido sintético
1 pressor do ar condicionado
Óleo do compressor do ar condicio-
j nad o 150 gramas

l Renault I Lista de equipamentos: Clio Campus


celerador eletrônico Série
I
arm e perimétrico Opcional pack

I poios de braços nas portas dianteiras e traseiras (Ciio Hatch 2


Série
portas)
oios de cabeça dianteiros reguláveis em altura Série

oios de cabeça traseiros (2) reguláveis em altura Opcional pack


' quente Série

Alarm e sonoro de advertência de luzes acesas Série

Ar condicionado manual com 4 velocidades Opcional pack

Banco traseiro rebatível Série

Bancos dianteiros com funcionalidade /ICama/1 Série


Barras de proteção lateral das portas dianteiras e traseiras (Ciio
Série
hatch 4 portas)
Brake light Opcional pack

Calotas integrais /IPryxis" Série


·ntos de segurança dianteiros e laterais traseiros retráteis de 3
Série
pontos
Console central com cinzeiro e acendedor de cigarro Série

Conta-g iros Opcional pack


1
I Desem baçador do vidro traseiro Opcional pack

Direçã o hidráulica Opcional pack

Faixas de proteção lateral na cor preta Série

13
MOTORIZAÇÃO

Renault I Lista de equipamentos: Clio Cam pus (continuação)


Faróis com duplo refletor ótico Série

Fechadura inviolável (giro falso) Série

Iluminação porta-malas Opcional pack

Indicador interno da central dianteira com três posições Série

Limpador I lavador do vidro traseiro a cadência fixa Opcional pack

Pára-choques dianteiro e traseiro na cor da carroceria Série

Pára-lamas dianteiros em plástico Série

Pára-sol do motorista com porta-documentos Série

Pintura metálica Opcional

Porta-luvas com dois porta-copos na tampa Série

Protetor de canalização do combustível Série

Retrovisores com regulagem manual interna Série

Sistema Car- travamento automático das portas a 6 km/h Opcional pack

Tecido "Astramix" Série

Temporizador de iluminação interna Opcional pack

Travas de segurança das portas traseiras (Ciio hatch 4 portas) Série


Travas elétricas das portas e do porta-malas com comando a dis-
Opcional pack
tância por radiofreqüência
Vidros dianteiros elétricos Opcional pack

Vidros verdes f
Série

14
«
~
.
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Pacotes op~ionais

Pack CA: Apoios de cabeça traseiros reguláveis em altura + brake light + desemba-
çad or do vidro t raseiro + limpador do vidro traseiro + predisposição para rád io +
ar condicionado
Pack CA DA: Apoios·de cabeça traseiros reguláveis em altura + brake light + desem-
baçad or do vidro t raseiro + limpador do vidro traseiro + predisposição para rádio +
ar condicionado + direção hidráulica
Pack CONF: Apoios de cabeça traseiros reguláveis em altura + brake light + desem-
baçad or do vidro traseiro + limpador do vidro traseiro + prediposição para rádio +
ar condi cionado + direção hidrául ica + vidros elétricos dianteiros + conta-giros +
travas elétri cas nas portas e no porta-malas com comando por radiofreqüência insta-
lado na chave + sistema CAR (travamento automático das portas e do porta-malas a
partir de 6 km/ h) + alarme perimétrico

Detalhe da suspensão traseira Válvula equa lizado ra do f reio

15
MOTORIZAÇÃO

OPERAÇÕES DOS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO

~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~
~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~
o o o o o o o o o o o o
o o o o o o o o o o o o
o o o o o o o o o o o o
o o o o o o o o o o o o
~ N M ~ ~ ~ ~ 00 m O
~
~
~
N
~

Carroceria
Controle de mecanismos de abertu-
ra (capô, portas, vidros, telecomando,
• • • • • •
fechadura, tampa do tanque e porta-
malas)
Examinar parte inferior da carroceria
• • • • • •
(inclusive escapamento e coifas)
Substituir as velas (4) • • •
Substituir filtros (ar e partículas) (3) • • •
Substituir mangueira de combustível • • •
Troca de óleo do motor I bujão do cár-
ter I limpador protetor do cárter *
• ...........
Substituir filtro de óleo * • • • • • • • • • • • •

Freios
Substituir fluido do freio e controlares-

tanqueidade (2)
Controlar o estado das pastilhas e dis-
cos de freio
• ...........
Extrair I Repor tambor, limpar e contro-
las lonas de freio
• • • . • • • ,
f

16
•• ~·
~ RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE
I

.j ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~
~
~
~
~
~
~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~

.
I o
o
o
o o
o o
o
o o
o o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o o o o o o o o o
i o o o(Y) o olf) o o o o o o..... o
..-- N 1..0 f"-.. 00 0"1 o N
...- ...- ...-
"'"
Controle de Níveis e Est anqueidade dos Circuitos

Substitui r líquido de arref ecimento (2) •


Controlar óleo da embreagem hidráu-
• • • • • •
lica
Co ntrolar os níveis e a esta nqueidade
(cárter, câmbio, diferencial, arrefeci -
• • • • • •
menta, direção, al imentação, amorte-
cedores, embreagem hidráulicas)
Caixa de Câmbio - Diferencial

Controlar óleo do câm bio e d iferencial • • • • • •


Ignição e Injeção

Substitu ir fi ltro de com bust ível • • • •


Contro lar aperto dos term ina is da ba-
• • • • • • • • • • • •
t eri a
Correias
Substituir as co rre1as de dist ribuição,
do alternad or e de acessóri os, bem

como os tensores das co rreias de dis-
tribuição (2)
l Controlar o esta do de t odas as correias • • • • • •
Pneus e rodas
Verifi car geometria de rodagem (ali-
• • •
nhamento e balanceament o)

17
MOTORIZAÇÃO

~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~
~ ~ ~
~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~
o o o o o o o o o o o o
o o o o o o o o o o o o
o o o o o o o o o o o o
o o o o o o o o oO) o o o
~ N M o:::t L.() \.0 r-... co o ~ N
~ ~ ~

Equipamentos
Controlar todos os comandos e instru-
• • • • • •
mentos de bordo + alarme e limpador
Controlar funcionamento do sistema
de ventilação forçada, aquecimento e • • • • • •
ar condicionado
Controlar iluminação e luzes de adver-
tência do painel de instrumentos, lan-
• • • • • •
ternas, pisca-pisca, luz do freio e mar-
cha a ré
Controlar estado do pára-brisas, das
palhet as (dianteiro e traseiro) e dos re- • • • • • •
trovisores
Regular faróis • • • • • •
Substituir as pilhas do telecomando de
• • •
abertura I fechamento das portas (1)
'
Entrega
Reinicial izar sistema eiE~ ""ô nico de bor-
• • • • • •
do

18
PLACAS DE IDENTIFICAÇÃO NOS VEÍCULOS CLIO

B A

Placa do Fabricante - ''Jl:'

As informações contidas na placa do fabricante "P\' (lado direito) devem constar em


todos os documentos onde o veículo seja identificado.
• Tipc;> de veículo e número de fabricação (série) - - - - - - - - ,

• Nível de equipamentos - - - - - - - - - - - - - . . ,
• Complemento de definição de série limitada
• Complemento de definição de série especial

Nome do fabricante
Número de registro
ou homologa ção
Número de identifi----+-l- v,oo~~~~ 0~~ 0°;ggoooo
0 0

cação (VIN) oooo Kg


000 Kg
1 -0000 Kg
2 • 0000 Kg

Massa total

• Definições técnicas - - - - ;
• Opções especiais - - - - - '
Carga máxima • Qualidade da tinta e cor da carroceria
(eixo traseiro) • Revestimento dos assentos - - - - - - l
• Acabamento interno---------'

Plaqueta do Ano de Fabricação - "B"

Esta plaqueta indica em que ano foi fabricado o veículo.

19
SISTEMA DE INJEÇAO
-
Componentes do Sistema de Injeção

No sistema eletrônico de injeção, os sensores e atuadores são componentes que en-


viam e recebem sinais elétricos de comando.

......... -.'C~..._

20
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

Sensores

Estão dispostos em pontos específicos e captam os sinais:

• Da posição do 1o cilindro (PMS) e rotação do motor, por meio do senso r de rotação;

• De temperatura da água do motor e do ar que entra nos cilindros, por meio dos
sensores específicos que possuem o elemento NTC na sua construção;

• Do sensor de detonação, para controlar possíveis detonações da mistura na câmara


d e combustão;

• Da pressão negativa (vácuo) existente no coletor de admissão, fornecida pelo sensor


d e pressão absoluta (MAP);

• Da abertura da válvula de aceleração fornecida pelo sensor de posição da borboleta


no interior do corpo de aceleração;

• Da presença de oxigênio nos gases de escapamento através do sensor hego ou son-


da lambda;

• Da posição do pedal de freio através do interruptor para ativar os procedimentos de


cutoff e dashpot;

• De solicitação de carga sobre o motor através da posição do sensor do pedal do


acelerador;

• Da velocidade para controle da marcha lenta e cutoff do motor através do sensor de


vel ocidade.

Atu adores

pa rti r de sinais obtidos junto aos sensores, a UCE avalia as reações de carga aplicada
sobre o motor e envia sinais de comandos elétricos para os seguintes atuadores:

• Para ativar o relé da bomba de combustível, para partir o motor;

21
SISTEMA DE INJEÇÃO

• Para os eletroinjetores, através de pulsos negativos (padrão PWM) que modulam a


duração dos tempos de injeção;

• Para a bobina de ignição, onde sinais negativos ativam os enrolamentos dos trans-
formadores dos cilindros pares 1 e 4 e 3 e 2;

• Ao motor DC, no corpo de aceleração, para controlar a abertura e o fechamento


da borboleta;

• Para ativar a válvula de controle de purga do canister.

Funções da UCE

Um conjunto de variáveis contribui para definir os cálculos do volume de injeção, des-


de o contato da ignição até os giros iniciais do motor. Para que isso aconteça, é preciso
considerar determinadas condições:

Unidade central de injeção SIM32

22
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

Combustível para o motor partir

A partir de sinais de temperatura e de rotação do motor, a central fará a dosagem cor-


reta do volume de injeção para a partida. No sistema HiFiex, a UCE controla também
o momento da partida a frio .

Ajuste da marcha lenta

O programa monitora a marcha lenta através de estratégia pré-definida e de sinais


' plau síveis da sonda lambda, para baixar os níveis de emissões sem prejudicar os mo-
entos de retomada de potência. O ajuste da marcha lenta é feito pela UCE através
do comando da borboleta motorizada no corpo de aceleração .

...a....
A sonda lambda na injeção SIM32 é
_,... de 4 fios

Adaptação ao envelhecimento do motor

Em fu nção de desgastes nos componentes inter-


os do motor, tais como a variação de pressão
o co letor de admissão, a UCE, através de ajustes
bá sicos aplicados sobre o corpo de aceleração,
controla a marcha lenta do motor.

Unidade central de injeção SIM32

23
SISTEMA DE INJEÇÃO

1'

J
Sensor MAP é um dos principais ítens no
Acelerador eletrônico no sistema SIM32
controle da injeção SIM32

Sinal de saída para o corte do compressor de A/C

Sinal usado para desligamento do com-


pressor de ar condicionado em solicitação .
de potência do motor. 1
I

.
_,_

Compressor do ar condicionado

Relé do compressor de ar

-~-
Sistema
Siemens
SIM 32
--

24
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

Sinal de entrada fornecido pelo A/C

A UCE, através do pino E02 do conectar "C", obtém sinal de acionamento do interrup-
t or do A/C e, para compensar a carga de arrasto do compressor, aumenta a rotação
do motor.

Interruptor
de freio
~----------------~
Comando do
Sistema ar condicionado
Siemens
SIM 32

25
SISTEMA DE INJEÇÃO

Central de comando do ar condicionado Sensor de pressão do ar condicionado

Central de Injeção Usada - É Possível Instalar?

Não é possível instalar uma central de injeção usada num veículo Clio. Quando neces-
sário, teremos que substituir a central de injeção (UCE)/ a central da cabine (alarme e
antiarranque), o transponder e a chave de ignição.

Unidade central da injeção SIM32 Central do alarme e imobilizador

26
RENAULT CLIO 1 .0L DE 16V - HIFLEX

Transmissor e receptor do sist ema antiar-


Conjunto antiarranque
ranque

Luz de AnomaHas

A luz de anomalias se acende quando houver falhas nos sinais do sensor do acelerador
e do sensor do pot enciômetro da borboleta e falta de sinal do interruptor do pedal
de f reio. A memória de avaria armazena a f alha, e a UCE determina o acendimento da
luz de anoma lias, porém, retém os códigos de erros, independentemente de receber
alimentação elétrica. Nesse caso, desligar a bateria não apaga rá as falhas na memória
de avaria nem a luz de anomalias do pa inel. Para que isso aconteça, é necessária a
ut il ização de um scanner com programa atualizado.

Equipamento de diagnóst ico permite veri-


f icar anom alias do sistema de injeção

27
SISTEMA DE INJEÇÃO

Consulte na página 137 a tabela de valores lidos pelo scanner e seus respectivos códi-
gos de anomalias .

Conectar de Diagnose

O conectar de diagnose é do tipo OBDII e está localizado à frente da alavanca de mar-


chas, sob o cinzeiro, e possui 16 pinos. Através desse conectar podemos interligar o
scanner e a UCE, além de acessarmos os comandos da central da cabine e do sistema
antiarranque.

Relação de pinos do conectar de diagnose

- -8
- 16

Pinos Cor do fio Função

01 Amarelo Ao pino 16 do painel de instrumentos


I
02 NC

03 NC

04 Preto Aterramento

05 Preto Aterramento
!
06 Verd e Linha de comunicação com a UCE- CA4

07 Vermelho Linha de comunicação com a CFC-pino 34 .

28

..»
SETE
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

Pinos Cor do fio Função

08 NC

09 NC

10 NC

11 NC

12 NC

13 NC

14 Rosa Linha de comunicação com a UCE- CA3

15 Castanho

16 Vermelho Linha de 12 volts do fusível F25

O conectar de diagnose fica à frente da Conectar de diagnose do sistema SIM32


alavanca de marchas

Processo de Reconhecimento do Combustível

Para reconhecer o combustível utilizado, a UCE avalia as seguintes condições:

• Identificação da massa e da temperatura do ar admitido através dos sensores de


. pressão e temperatura do ar (sensor MAP).

29
SISTEMA DE INJEÇÃO

Localização do sensor de temperatura do


Sensor de pressão absoluta (MAP)
ar

• A partir desse valor, a UCE determina a quantidade exata do combustível a ser inje-
tado para que a queima seja completa, baseada no último valor de A/F obtido com
o motor em funcionamento;

• Após o processo de queima, a sonda lambda (sensor de oxigênio) envia sinais da


leitura dos gases à UCE, para que o programa inicie a aprendizagem do valor de A/F
da mistura existente no tanque;

• Se os sinais emitidos pela sonda indicarem que a mistura s-e mantém rica ou, por
outro lado, sempre pobre, o programa inicia o processo para alterar os parâmetros
de A/F;

• Se, em meio às correções, a sonda lambda informar que a resultante dos gases quei-
mados é uma mistura próxima ao valor estequiométrico, a UCE fixa esses parâme-
tros, pois reconheceu o combustível existente no tanque;

• Assim, com o sistema adequado ao combustível existente, a UCE corrige somente os


valores adaptativos e ajusta o avanço da ignição para manter a mistura próxima ao
A/F. Essa mistura é próxima ao fator lambda 1.

30

:# RENAUlT CUO 1.0l DE 16V- HIFlEX
SETE

A sonda lambda na injeção SIM32 é de O sinal da sonda lambda pode ser moni-
4 fi os torado pelo scanner

Início da aprendizagem

A estratégia de aprendizagem se inicia nas seguintes condições:

• Após o abastecimento, quando a quantidade de combustível for superior a 4 litros,


(percebidos após o último desligamento da ignição);

• Após consumir em torno de 20 litros do reservatório. Na falta de sinal do marcador


de nível do tanque, a UCE utiliza a referência de quilometragem percorrida, definida
em 450 Km.

Composição do nosso combustível

Gasolina (25% de álcool anidro) e álcool hidrata-


do (5% de água).

31
SISTEMA DE INJEÇÃO

Sistema de Alimentação de Combustível

Bomba elétrica de combustível

A bomba de combustível do veículo Clio 1.0L de 16V, alojada no interior do tanque,


trabalha com tensão de 12 volts fornecidos pelo relé da bomba localizado na caixa
de fusíveis e relés, no vão do motor. O fusível F02 de 25 amperes protege a linha de
combustível e está posicionado antes do relé da bomba. A resistência do enrolamento
interno da bomba, medida com auxílio de um multímetro, é de 5 ohms. O consumo
de corrente elétrica, com a linha de combustível pressurizada em 3,5 bar, é em torno
de 5,5 amperes. O sinal da UCE para ativar a bomba é enviado através do pino E1 co
conectar B da UCE e entra pelo pino 2 do relé da bomba . O pino 1 (da .bobina de atra-
camento do relé) é alimentado com 12 volts pelo fusível F02 de 5 A.

Vazão da bomba nominal: 4,0 litros por minuto;

Vazão mínima requerida: 2,2 litros por minuto;


Estanqueidade: Após 1O minutos, deve haver uma pressão residual mínima de 2,0
bar.

Módulo da bomba de combustível junto A pressão do combustível no Clio HiFi ex é


ao tanque de 3,5 bar

32

:#
SETE
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

Diagrama elétrico e conectar

Relé da bomba
de combustível

Bomba elétrica
de combustível

Sistema
Siemens
SIM 32

33
SISTEMA DE INJEÇÃO

PINO COR DO FIO FUNÇÃO


Sinal do sensor de nível para o pino 25 do conectar branco
A Verde
do painel de instrumentos
Sinal do sensor de nível para o pino 22 do conectar branco
B Rosa
do painel de instrumentos
Alimentação positiva para a bomba. Proveniente do pino 05
c Verde
do relé da bomba
Alimentação negativa para a bomba. Proveniente da carro-
F Preto
cena

Localização do relé da bomba de combustível

Pré-filtro do tanque (captação)

O filtro de captação do tanque está alojado na


entrada de alimentação para a bomba de com-
bustível. Sua função é fazer a primeira filtragem
do combustível e garantir a integridade dos com-
ponentes internos da bomba de roletes.

34
«"""
:# RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Filtro principal de combustível

O f iltro principal de combustível está posiciona-


do fora do tanque e sua construção é em plásti-
co, para suportar a corrosão que o álcool exerce
sobre os materiais metálicos.

Filtro de combustível sob o assoalho

Regu lador de pressão da linha de combustível

No veículo Clio, o sistema return /ess controla


a pressão da linha de combustível para impedir
que o fluido aquecido no corpo dos injetores
(flauta) retorne ao tanque de combustível. Nesse
sistema, o regula~or está localizado no mesmo
. suporte que fixa a bomba, dentro do tanque de
combustível.

Regulador de pressão

Relê Principal da Injeção

O relê principal da injeção está alojado na caixa de relês e fusíveis, no compartimento


do motor do veículo. Recebe alimentação de 12 volts pelo fusível F01 de 30A da caixa
de fusíveis da cabine (CFC). O sinal de massa para ativar o relê é fornecido pela UCE,
através do pino G01 do conectar B.

35
SISTEMA DE INJEÇÃO

Sistema
Siemens
SIM 32

Localização do relé principal da injeção

Desativação do relé principal

A partir do contato da ignição, se não houver sinal de rotação do motor em 3 segun-


dos, a unidade de comando desativa o relé da injeção e todos os componentes ener-
gizados por ele, até o momento de dar partida no motor.

Sistema de Partida a Frio

Nos veículos Clio HiFiex, quando a temperatura


do motor estiver abaixo de 25°C, a UCE aciona
a partida a frio, para facilitar a partida. Uma oti-
mização do software foi feita de forma a utilizar
somente o mínimo de combustível suplementar.
Isso resulta em redução do consumo da gasolina
do reservatório, pois nas fases de aceleração a
frio, o único combustível utilizado é o presente
no reservatório principal. Reservatório de partida a frio

36

~ RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Localização do motor de partida a frio e do reservatório principal de


gasolina

Nos veículo Clio HiFiex, o reservatório principal de gasolina com a bomba de combus-
tível de partida a frio está instalado no canto superior e debaixo do limpador do pára-
brisa, sob a proteção plástica. A alimentação de 12 volts do motor de partida a frio é
fornecida pelo relé R04 que, por sua vez, recebe alimentação do relé da bomba, e pelo
fusível F01 de 30A, na caixa de fusíveis da cabine (CFC). O controle de acionamento do
relé é feito pela UCE através do pino K1 do conectar B.

Rei é da bomba
de combustível

BC1 Válvula de
partida a frio
a.;....;.:.;_=......;~........;.~

Sistema
Siemens
SIM 32

Bomba de partida
a frio

Localização do relé da partida a frio

37
SISTEMA DE INJEÇÃO

Eletroválvula de controle de injeção da gasolina

A eletroválvula do injetor da partida a frio está localizada no lado direito da parede


corta-fogo, no compartimento do motor. A alimentação de 12 volts da eletroválvula
do sistema de partida a frio é fornecida pelo relé R04. Sua ativação, feita pela UCE,
acontece junto com o acionamento do motor de partida a frio.

Recipiente externo de abastecimento de gasolina

O recipiente externo de abastecimento de gasolina está localizado no lado direito do


compartimento do motor, ao lado do reservatório de expansão de água, e tem capa-
cidade para 0,9 litro de gasolina. Está ligado ao reservatório principal através de uma
mangueira e sua principal função é servir de bocal de abastecimento. No topo desse
recipiente, encontra-se a saída dos gases que são direcionados para a eletroválvula de
purga do canister.

Sistema de partida a frio

38

RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

ALERTA
Abastecimento do reservatório de partida a frio.
----------- -----------------------~1
Procure sempre abastecer o reservatório de partida a frio com gasolina de melhor
qualidade, pois o combustível fica muito tempo sem uso dentro do reservatório
e acaba gerando borras que podem comprometer o sistema.

Pequenas Anomalias no Sistema Flex

O sistema HiFiex da RENAULT opera perfeitamente com inúmeras combinações de NF


para que o motor funcione normalmente nas diversas condições de partidas com mo-
t or fri o ou quente ou em função das variações climáticas. Porém, alguns procedimen-
t os não previstos fogem à lógica de operação do sistema SFS .

Abastecimento e' período mínimo para a aprendizagem

Recomenda-se que, após o abastecimento do reservatório (tanque) com outro com-


bustível, deve-se percorrer um trajeto em torno de 1O km para que o programa SFS
faça o aprendizado do novo combustível. Assim, quando o veículo ficar parado de um
dia para o outro, o NF, com a nova proporção de combustível, estará definido. Portan-
to, o programa saberá quais os tempos de injeção deverá aplicar.

39
SENSORES - LOCALIZAÇAO, TESTES E TABELAS DE -
VALORES

Sensores de Temperatura da Água e do Ar

Para encontrar os 5 volts, remova o conectar do


sensor e meça diretamente sobre os dois termi-
nais. Lembre-se: quando medir a alimentação de
um sensor (conectado), em busca dos 5 volts for-
necidos pela UCE, o valor encontrado será pro-
porcional à temperatura do motor, segundo a
tabela de valores ótimos.

• Multímetros

,
Sensor de Temperatura da Agua (líquido de arrefecimento)

Está alojado no cabeçote, junto ao alojamento da válvula termostática .

1
i
i

i
i

• Sensor do líquido de arrefecimento • Sensor de temperatura da água

40
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

• Aloja mento da válvula t ermostática

• Lc;>caliza ção do sen sor d e t empe ratura da água

elemento interno do sensor é do tipo NTC, que oferece resistência à corrente elétri-
ca, de acordo com a temperatura exposta.

• alim entação de 5 volts é feita pelo pino B2 do sensor, através do pino D1 do co-
ector A da UCE;

pin o B1 do sensoré alimentado com sinal negativo pela UCE através do pino E1 do co-
ector A;

41
SENSORES- LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES

• Envia sinais ao painel de instrumentos pelo pino A;

• A UCE monitora a temperatura do líquido de arrefecimento e ativa o relé que aciona


a ventoinha, eliminando o uso do termostato do radiador (cebolão).

Senso r de
temperatura
da água

Sistema
Siemens
SIM 32

Conectar do sensor de temperatura da água

82 - -

42
.r·
:# RENAULT CLIO 1.0l DE 16V- HIFLEX
SETE

Falta do sinal do sensor de temperatura da água

• A falta de sinal do sensor de temperatura de água faz a UCE entrar no programa de


emergência, e o eletroventilador entra em funcionamento direto;

• Quando quente, o motor funciona de forma instável e apresenta tempo de injeção


elevado;

• Como a UCE não recebe informação de temperatura, enriquece a mistura de com-


bustível para que o veículo se desloque até uma oficina.

Teste do sensor de temperatura - Resistência do elemento

• Com a ignição desligada, remova o conectar da central;

• Com o auxílio de um multímetro posicionado na escala ohm, meça a resistência do-


sensor pelos pinos E1 e 01 do conector A da UCE, correspondentes aos pinos 81 e
82 do sensor de temperatura;

• Os valores são: 1650 a 2050 ohms, à temperatura de 30°C, ou 21 O a 270


ohms, à temperatura de trabalho (90°C).

Temperatura Resistência Tensão

O grau 7000 a 7300 ohms 4,3 volts

20 graus 3400 a 3700 ohms 3,2 volts

40 graus 11 00 a 1300 ohms 2,1 volts

60 graus 550 a 670 ohms 1,3 volt

80 graus 31 O a 390 ohms 0,8 volt

100 graus 190 a 240 ohms 0,46 volt

Teste de continuidade dos fios do sensor para a UCE

Para medir a continuidade dos fios do sensor até a UCE, o contato da ignição deve
estar desligado, o conectar do sensor e o da UCE desconectados.

43
SENSORES- LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES

• Em seguida, com um multímetro posicionado na escala ôhmica, meça a continuida-


de entre o pino 801 do conectar do sensor e o pino E1 do conectar A da UCE;

• A leitura no visor do multímetro não deve ser "OL'', que significa comunicação inter-
rompida;

• No caso de haver resistência, a leitura não deve ser superior a 0,3 ohm;

• Faça o mesmo com o fio do pino 802 do sensor e o pino D1 do conectar A da UCE.

Especificações técnicas do sensor

Sensor Renault n° 8200561449

• Sensor do iíquido de arrefecimento

Sensor de Temperatura do Ar Admitido

O sensor de temperatura do ar admitido, alojado no coletor de admissão, tem as mes-


mas características do sensor de temperatura da água e forma uma unidade integrada
com o sensor MAP. É alimentado com tensão de até 5 volts através do pino 1 do sensor
e do pino D2 do conectar A da UCE.

Detalhe da placa de identificação do ano


de fabricação • Localização do sensor de temperatura

44

:#
SETE
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

Sensor de BR AD2 Sinal


temperatura
do ar BR AE2
Sistema
Siemens
SIM 32

Esquema de ligação do conectar do sensor de temperatura do ar

Ao pino AD2 Ao pino AE2


(sinal) (aterra mente)

Falta do sinal do sensor de temperatura do ar

• Quando quente, o motor tem funcionamento estável, porém, apresenta tempo de


injeção acima do normal;

• Nota-se consumo de combustível acima do normal, pois a UCE não sabe a densidade
do ar admitido e entende que a mistura está pobre.

Teste do sensor de temperatura - Resistência do elemento

• Com a ignição desligada, remova o conectar da central;

• Com o auxílio de um multímetro posicionado na escala ohm, meça a resistência do


sensor pelos pinos 02 e E2 do conectar A da UCE, correspondentes aos pinos 1 e 2
· do sensor de temperatura;
45
SENSORES- LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES

• Os valores são: 1500 a 1700 ohms, à temperatura de 30°C, ou de 500 a 650


ohms, à temperatura de 60°C.

Temperatura 0°( 20°( 40°( 60°C


550 a 670 1000 a 1300 2200 a 2500 4200 a 4350
Resistência
ohms ohms ohms ohms

Temperatura 60°( 40°( 20°(

Tensão 3,7 volts 3 volts 2,2 v~lts

Teste de continuidade dos fios do sensor de temperatura do ar para


a UCE

Para medir a continuidade dos fios do sensor até a UCE, o contato da ignição deve
estar desligado, o conectar do sensor e o da UCE desconectados: -

• Em seguida, com um multímetro posicionado na escala ôhmica, meça a continuida-


de entre o pino 1 do conectar do sensor e o pino 02 do conectar A da UCE;

• A leitura no visor do multímetro não deve ser "OL", que significa comunicação inter-
rompida;

• No caso de haver resistência, a leitura não deve ser superior a 0,3 ohm;

• Faça o mesmo com o fio do pino 2 do sensor e com o pino E02 do conectar A da
UCE.

Sensor de Pressão Absoluta (MAP)

O sensor de pressão (MAP) está alojado na lateral do coletor de admissão. É alimen-


tado com tensão de até 5 volts através do pino C do sensor e do pino A2 do conectar
A da UCE.

46

~ RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

O sensor MAP é um dos principais ítens


• Sensor MAP no motor 404 no controle da injeção SIM32

• Sensor de pressão absoluta (MAP)

Falta de sinal do sensor de pressão absoluta

• Se houver erro de sinal do sensor MAP (sensor aberto), a UCE entra em modo de
emergência, enriquece a mistura e o motor trabalha de forma irregular. A luz de
anomalias se acende;

• Se entrar em curto, a UCE perde os 5 volts que alimenta o sensor de fase. O motor
pode não funcionar (não pegar). A luz de anomalias se acende.

47
SENSORES - LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES

Teste de continuidade dos fios do sensor de pressão do coletor

Para medir a continuidade dos fios do sensor até a UCE, o contato da ignição deve
estar desligado e o conectar do sensor e o da UCE desconectados;

• Em seguida, com um multímetro posicionado na escala ôhmica, meça a continuida-


de entre o pino C do conectar do sensor e o pino A2 do conectar A da UCE;

• A leitura no visor do multímetro não deve ser "OL", que significa comunicação inter
rompida;

• No caso de haver resistência, a leitura não deve ser superior a 0,3 ohm;

• Faça o mesmo com o fio do pino B do sensor e com o pino A3 do conectar A da UCE.

RX AA1 Massa
Sensor de
pressão BR AA3 Sinal
absoluta
VD AA2 +5Vcc

Sistema
Siemens
SIM 32

Pino B-
Fio branco
Sinal

Pino A- Pino C-
Fio roxo - --l- ~-+-- Fio verde
Massa +SVCC

48

~ RENAULT CLIO 1.0l DE 16V- HIFLEX
SETE

Teste de resposta de tensão do sensor de pressão

• Com a ignição ligada, o motor desligado e o multímetro posicionado na escala


"Volt", coloque a ponta negativa no pino C do conectar do sensor e meça a tensão
no pi no B do conectar correspondente ao sinal do sensor MAP, que deve ser em torno
de 4,8 volts;

• Co m o motor ligado em marcha lenta, coloque a ponta de prova negativa no pino


C do conectar correspondente ao sinal do sensor MAP, que deve ser em torno de 2
vo lts;

• Para o t este de variação de tensão, em relação ao vácuo aplicado, é necessário ter


uma bomba de vácuo e um multímetro. Proceda da seguinte maneira:

O teste do sinal do MAP pode ser feito


Bomba de vácuo com uma bomba de vácuo

Procedimento 1 -Alimentação

• Conectar da UCE conectado;

• Contato da chave de ignição ligado (motor desligado);

• Multímetro na escala volt;

• Ligue a ponta de prova preta (-)à massa do veículo;

49
SENSORES- LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES

• Ligue a ponta de prova vermelha no terminal C do conector do sensor que corres-


pende ao pino A2 do conector A da UCE. O valor encontrado deve ser de 5 volts.

Procedimento 2 -Variação de tensão

• Remova o sensor de pressão de seu alojamento com o conector unido a ele;

• A UCE deve estar conectada e o contato da ignição ligado (sem partir o motor);

• Instale a mangueira da bomba no tubo do sensor de pressão;

• Ligue a poríta de prova preta no terminal A do sensor de pressão (correspondente ao


pino A 1 do conecto r A da UCE;

• Ligue a ponta de prova vermelha ( +) do multímetro no terminal C do senso r corres-


pondente ao pino A3 do conector A da UCE;

• Aplique pressão negativa bombeando o gatilho da bomba de vácuo e verifique, no


multímetro, as variações da tensão em relação à pressão aplicada no sensor, confor-
me os valores da tabela.

Fique atento porque os valores dependem da pressão atmosférica local.

Pressão 600 mmHG 500 mmHG 400 mmHG 300 mmHG

Tensão 0,3 a 0,4 volt 0,9a1,1volt 1, 7 a 1,9 volt 2,4 a 2,6 volts

Pressão 200 mmHG 100 mmHG O mmHG

Tensão 3,0 a 3,2 volts 3, 7 a 3,9 volts 4,2 a 4,3 volts

Sensor de Rotação e PMS

Nos motores 404 do Renault Clio, o sensor de rotação está localizado na traseira do
bloco, junto ao volante do motor. É um sensor magnético que capta pulsos pela ex-
posição de sua face diante dos dentes de sincronismo junto ao volante do motor. Os
dentes estão na configuração 60 -2, em que o PMS do primeiro cilindro está localizado
no 16° dente.

50
.r·
~ RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Sensor de rotação do sistema


SIM32

O sincronismo de referência no Os dentes de sincronismo ficam


motor 404 é no 16° dente no volante do motor 404

Pino B- Pino A-
Fio laranja Fio verde

51
SENSORES- LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES


Sensor de
rotação
o A1
~
~
VD IAA4
LR IAB4
Sinal

Sistema
Siemens
SIM 32

Teste do sinal do sensor de rotação utilizando um multímetro

• Inicialmente, o motor do veículo deve estar desligado;

• Desligue o conector do sensor de rotação;

• Coloque o multímetro na escala de tensão alternada (Vac), geralmente em tensão


baixa, em torno de 1O volts ou menos;

• Ligue as pontas do multímetro, sem se preocupar com a polaridade, nos pinos do sen-
sor de rotação;

• Acione o arranque e meça nos terminais do sensor. A tensão gerada deve ser em
torno de 0,8 volt AC, em momento de partida.

Teste do sinal do sensor de rotação utilizando um multímetro

• Inicialmente, o motor do veículo deve estar


desligado;

• Desligue o conector do sensor de rotação;

• Coloque o multímetro na escala de resistência;

• Ligue as pontas do multímetro, sem se pre-


ocupar com a polaridade nos pinos do sen-
sor de rotação;

• A resistência deve ser de 200 a 250 ohm·s. A resistência nos terminais do sensor
de rotação é em torno de· 250 ohms

52
.r·
~ RENAUlT CliO 1.0l DE 16V- HIFlEX
SETE

Teste de continuidade dos fios do sensor de rotação

Para medir a continuidade dos fios do sensor até a UCE, o contato da ignição deve
esta r desligado e o conectar do sensor e o da UCE desconectados.

• Em seguida, com um multímetro posicionado na escala ôhmica, meça a continuida-


d e entre o pino A do conectar do sensor e o pino A4 do conectar A da UCE e entre o
pino B do conectar do sensor e o pino 84 do conectar A da UCE;

• A leitura no visor do multímetro não deve ser "OL'', que significa comunicação inter-
rompi da;

• o caso de haver resistência, a leitura não deve ser superior a 0,3 ohms;

• Observe o sistema ae injeção do veículo e verifique a pinagem do conectar da UCE


j nto ao esquema do sensor.

ALERTA
Limalhas no sensor de rotação.

Quando temos constantemente queda no sinal de


rotação, devemos ficar atentos à possibilidade de
haver limalhas do sistema de embreagem que sol-
tam do disco e ficam presas na ponta do sensor
de rotação, atrapalhando c1:1 leitura da rotação e
causando intermitência no sinal.

53
SENSORES- LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES

Sonda Lambda Aquecida


No Clio, a sonda lambda está posicionada no tubo de escapamento, logo após o flan -
ge do coletor, onde a temperatura dos gases é elevada. Nesta posição, o elemento
sensor da sonda, através de reação química com os gases, envia sinais interpretáveis
para a UCE avaliar se a queima da mistura na câmara de combustão está rica ou pobre.
É um sensor vital para que o sistema HiFiex opere em níveis satisfatórios com qualquer
mistura de combustível no tanque.
Recebe alimentação de 12 volts pelo fusível 01 de 30 amperes da CFC para alimentar
o aquecedor.

A sonda lambda na injeção SIM32 é de


4 fios Conectar da sonda lambda (0 2)

Conectar da sonda lambda Visão frontal do conectar da sonda


lambda

54
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

AB3

AC3 Sonda lambda


AG2

BM3

BJ1

BG1
Sistema
Siemens AG1

• SIM 32

Esquema de ligação do conector do sensor de oxigênio (sonda lambda)

Aterramento
Fio A- do sensor 0 2
+12V para UCE-
AB3- Fio D

Aterramento
do aquecedor Sinal para
via UCE- UCE-
AG2- Fio B AG3

55
SENSORES- LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES

Fio A-
+12V Aterramento
do sensor 0 2
para UCE-
AB3- Fio D
Aterra mente
do aquecedor
via UCE- Sinal para
AG2- Fio B UCE- AG3
-Fio C

Falta de sinal da sonda

Sem o sinal de leitura da sonda, o sistema entra no procedimento de emergência e


a luz de anomalias no painel se acende. Se o sistema é HiFiex, o programa ajusta os
tempos de injeção para 9:1 em partes de ar/combustível, valor que corresponde aos
tempos de injeção para o álcool, mesmo se estiver operando com gasolina no momen-
to da falha. Dentro dessa possibilidade, o motor trabalhará com mistura rica.

Teste de alimentação da sonda

Para fazer o teste de alimentação do aquecedor da sonda, é necessária a utilização


de um multímetro:

• Primeiro, remova o conectar do chicote do sensor;

• Com o multímetro posicionado na escala volt, encoste a ponta de prova preta na


massa do veículo;

• Em seguida, insira a ponta de prova vermelha no pino 1 do conectar da sonda (lado


da UCE);

• Com o auxílio de um ajudante, ligue o contato da chave (sem partir o motor);

• O valor da leitura no multímetro deve ser em torno de 12 volts.

56
«.
:# RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Test e de resistência do aquecedor da sonda

O t est e de resistência do aquecedor da sonda deve ser feito com o contato da ignição
desligado e com o auxílio de um multímetro posicionado na escala ôhmica:

• Abra o conectar da sonda e insira as pontas de prova nos terminais 1 e 2 do conec-


t ar, no lado do sensor;

•O valor de leitura do aquecedor (resistor) deve ser em torno de 10 ohms.

Test e de vari ação de leitura da sonda

Esse t est e é feito com o motor em funcionamento e aquecido com temperatura em


·orno de 90°C (graus Celsius), após o desarme do ventilador do rad iador:

• O con ectar da sonda deve estar encaixado (unido) e os pinos 3 e 4 do conectar de-
vem est ar com predisposição para o contato das pontas de prova do multímetro;

• Com o auxílio de um multímetro digital, posicione o seletor na escala volt;

• Insira as pontas de provas do multímetro nos contatos do conectar da sonda e


aco m panhe a leitura no visor do multímetro;

• A variação deve ocorrer entre O, 1 e 0,9 volt, constantemente, sem parar em um


valo r definido, indicando que o sensor lambda está operando dentro da faixa.

Especifi cações t écnicas do sensor

LSF 4 .2 <037>
Número BOSCH: O 258 006 791

57
SENSORES- LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES

IMPORTANTE
Leitura da sonda lambda.
Essa variação, obtida pela sonda e enviada ao módulo de comando, é uma condi-
ção constante de mistura "pobre e rica", estratégia que o programa utiliza para
buscar o valor estequiométrico.
O fator lambda 1 é encontrado na média dos valores que variam entre 0,1 e 0,9
volt para o álcool, gasolina ou da mistura dos dois, desde que, na somatória dos
parâmetros, o combustível utilizado tenha sido identificado.
Assim, com as variáveis definidas, é calculado o tempo de injeção e ao avanço
ideal da centelha, sempre de acordo com o combustível utilizado.
Podemos afirmar que, sem dúvida, a sonda lambda é vital para manter o sistema
em operação e deve ser substituída por volta de 70.000 km, quando a vida útil do
elemento sensor começa a enfraquecer, com respostas de leitura cada vez mais
lentas.

Sensor de Detonação

O sensor de detonação é do tipo piezoelétrico e está fixado no bloco do motor, abai-


xo do coletor de admissão. O aperto do parafuso que fixa o sensor não deve exceder
20 Nm (2 kgfm). O aperto acima desse valor danifica o componente, e abaixo desse
valor pode resultar em leitura errônea do sinal de detonação.

• Sensor de detonação do sistema SIM32 • Sensor de detonação no bloco do motor

58

:# RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Sensor de AD4
detonação AC4
AD3 Siste ma
Siemens
SIM 32

Esquem a de ligação do conectar do sensor de detonação

01

Test e de resistência do sensor de detonação

Pa ra vérificar as condições do sensor, basta utilizar um multímetro posicionado na es-


ca la ôhmica . Para o teste, proceda da seguinte forma:

• Com a ignição desligada, remova o conectar da central;

• Meça a resistência do sensor de detonação pelos terminais D4 e C4 do conectar A


da UCE;

• O valor encontrado deve estar acima de 1 O megaohms.

59
SENSORES- LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES

Teste do funcionamento do sensor de detonação

Para verificar as condições de funcionamento do sensor, ligue o motor e mantenha-o


em marcha lenta. Com o scanner na condição de monitoramento do ponto de ignição,
bata cuidadosamente com um martelo no bloco do motor bem rente ao sensor de
detonação e observe, no scanner, a oscilação no ponto de ignição . Para o teste com o
uso do osciloscópio, ligue o mesmo nos terminais do sensor e observe o sinal de saída
do sensor, comparando com o sinal no momento da batida do martelo .

• O t orque de apert o do sensor de detona -


çã o é de 20 Nm

Sensor de Velocidade
• Osciloscópi o automotivo perm ite rea lizar
diag nósticos mais precisos

O sensor de velocidade é do tipo hall, inserido na lateral esquerda da caixa de marcha,


que capta sinais pela passagem de dentes diante da sua face magnética. Envia sinais
elétricos ao painel de instrumentos e para a unidade de comando . É alimentado com
tensão de 12 volts pelo pino D1 do conecto r C da UCE. Os sinais, enviados através do
pino B1 do sensor, seguem para o pino H3 do conector B da UCE.

60

:# RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

• Sensor de velocidade do tipo hall

• Loca lização do sensor VSS

e ~
~
RS IBH3 Sinal
Sensor de
A01J AMei AM ICD1 +12Vcc
velocidade . '
8021 PT I•
Sistema
·siemens
SIM 32
'

61
SENSORES- lOCALIZAÇÃO, TESTES E TABElAS DE VAlORES

Esquema de ligação do conector do sensor de velocidade

Pino A-
Fio amarelo claro-
Alimentação
positiva de
12 vcc vinda da
UCE (pino CD1) Pino 801 -
Fio rosa -
Sinal do VSS para
Pino 802-
UCE pino 8H3
Fio preto-
aterram ente

Teste do sinal de resposta do sensor de velocidade

Para o teste de resposta do sensor de velocidade, proceda da seguinte forma:

• Remova a capa do conectar da UCE para expor a parte de trás dos terminais. O
conectar da unidade de comando deve permanecer conectado;

• Eleve o veículo, funcione o motor, engate a 1a marcha e permita às rodas girarem,


principalmente a da direita;

• Agora, com a caneta de polaridade ligada à bateria, encoste a ponta de contato no


I
pino D1 do conectar C da UCE;

• Os leds da caneta devem piscar alternadamente acusando sma1s de resposta i


enviados pelo sensor de velocidade;
i
• Se necessário, meça a alimentação do sensor pelo pino H3 do conectar 8, que deve i
ser de 12 volts;

• O sensor de velocidade do Clio HiFiex produz 05 pulsos por movimento da roda.

62

}# RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Teste de alimentação e massa no conector do sensor

a falta de sinal de velocidade, remova o conectar do sensor e, apenas com o contato


da ig ni ção ligado (motor desligado), verifique se existe sinal de alimentação positiva e
sinal de massa dos pinos do conector do sensor.

Sensor do Pedal do Acelerador

o Clio 1.0L de 16V, a potência do motor é requerida através de um sensor eletrônico


soli dári o à unidade de aceleração. Diferentemente dos outros fabricantes, o sensor de
posição do acelerador não fica solidário diretamente no pedal, sendo os movimentos
ransf eri dos por cabo até ao sensor que está fixado em uma placa de aço logo abaixo
da bat eri a. Ao movimentar o pedal do acelerador, um valor de tensão flui através de
fi os em direção à UCE para revelar a posição momentânea do pedal. Com base nesses
sinais, a central controla a abertura da borboleta do corpo de aceleração e os tempos
de injeção.

O pedal do acelerador comanda Sensor de posição do pedal do


o sensor de posição do TPS acelerador

Sensor de posição do pedal do Sensor de posição do pedal do


acelerador acelerador está sob a UCE

63
SENSORES- LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES

Perda dos sinais do sensor do acelerador

O sensor da unidade de aceleração possui duas pistas de contato (potenciômetros).


Uma delas é sinal de redundância. Isso quer dizer que, na perda de um, como medida
de segurança, o outro potenciômetro garante sinal para a UCE. A condição de falha é
avaliada da seguinte forma:

Falha leve - A UCE perde o sinal de um potenciômetro

O veículo continuará com as funções do acelerador sem entrar em procedimento de


emergência. A luz de anomalias do painel se acende. A solução da anomalia acontece
com a troca da unidade de aceleração. Para apagar o código de falha da memória de
avaria, e conseqüentemente a luz de anomalias, é preciso usar um scannet:.

Falha grave- Perda total dos sinais do sensor do acelerador

Sem sinal dos dois potenciômetros, a UCE não reconhece a posição do pedal do ace-
lerador e o sistema entra no procedimento de emergência. Com isso, acende a luz de
anomalias. A rotação do motor se eleva para que o veículo seja conduzido até uma
oficina e a unidade do acelerador seja substituída.
Para apagar o código de falha da memória de avaria, e conseqüentemente a luz de
anomalias, é preciso utilizar um scanner.

Teste de alimentação do sensor do pedal do acelerador


•.

A alimentação de 5 volts para o senso r do pedal do acelerador é fornecida pela central


de injeção através dos pinos:

• Pinos 3 e 6 do conector do sensor do pedal do acelerador.

CF2 +5Vcc
CF3 Sinal SP1

Senso r do pedal CF4 Massa


do acelerador CG2 +5Vcc
CH2 Sinal SP2
CH3 Massa

Sistema
Siemens
SIM 32

64

~ RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

1 6

3----- ----- 4

1- Sinal do sensor P1 (fio laranja);

2- Si nal do sensor P2 (fio amarelo);

3- Al imentação de 5vcc do potenciômetro P1 (fio rosa);

4- Aterramento do potenciômetro P2 (fio verde);

5- Aterramento do potenciômetro P1 (fio azul);

6- Alimentação de 5vcc do potenciômetro P2 (fio branco).

Teste de variação de tensão do sensor do acelerador

Para testar a variação de resistência dos potenciômetros do sensor, o contato da igni-


ção deve estar ligado e o multímetro posicionado na escala de tensão DC:

• Com o conectar do sensor do pedal do acelerador conectado, meça por trás do co-
ector;

• Com o pedal do acelerador livre, ~eça a tensão do sensor do acelerador pelos pi-
os 1 e 5, que corresponde a 0,3 volt. Nos pinos 2 e 4 do conectar do sensor do
pedal do acelerador, a tensão corresponde a OJ volt;

65
SENSORES- LOCALIZAÇÃO, TESTES E TABELAS DE VALORES

• Agora, com o pedal do acelerador acionado, meça as tensões do sensor do acelera-


dor. Nos pinos 1 e 4, o valor deve ser em torno de 2,2 volts e nos pinos 2 e 4, o valor
deve ser em torno de 4,4 volts dq conector do sensor do pedal do acelerador;

• Observe também que, ao modular o pedal do acelerador, a leitura de resposta dos


potenciômetros deve ocorrer sem interrupções durante o acionamento do pedal.

Pedal do Acelerador
Pinos da UCE e do Sensor
Livre Acionado

CG2 e CH3 (1 e 5) 4,27 volts 0,53 volt

CH3 e CH2 (1 e 6) 0,71 volt 4,44 volts

CH2 e CG2 (6 e 5) 4,26 volts 0,53 volt

CF2 e CF4 (3 e 2) 4,97 volts 4,97 volts

CF4 e CF3 (2 e 4) 0,34 volt 2,21 volts

CF2 e CF3 (3 e 4) 4,63 volts 2,76 volts

.Teste de variação dos sinais do sensor do acelerador


•,

Para testar a variação de resistência dos potenciômetros do sensor, o contato da igni-


ção deve estar desligado e o multímetro posicionado na escala Ohm:

• Remova o conector do sensor do pedal do acelerador;

• Com o pedal do acelerador livre, meça as resistências do sensor do acelerador pelos


pinos 1 e 5. O valor deve ser em torno de 2,3 kohms. Nos pinos 2 e 4, o valor deve
ser em torno de 2,2 kohms;

• Agora, com o pedal do acelerador acionado, meça as resistências do sensor do ace-


lerador. O valor deve ser em torno de 3,5 komhs;

• Observe também que, ao modular o pedal do acelerador, a leitura de resposta dos


potenciômetros deve ocorrer sem interrupções durante o acionamento do pedal.

66

..»
SETE
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

Pedal do Acelerador
Pinos da UCE e do Sensor
Livre Acionado

CG2 e CH3 (1 e 5) 1,95 Kohm 1,95 Kohm

CH3 e CH2 (1 e 6) 2,17 Kohms 3,49 Kohms

CH2 e CG2 (6 e 5) 3,54 Kohms 1,89 Kohm

CF2 e CF4 (3 e 2) 3,23 Kohms 3,23 Kohms

CF4 e CF3 (2 e 4) 2,24 Kohms 5,92 Kohms

CF2 e CF3 (3 e 4) 5,03 Kohms 6,16 Kohms

67
ATUADORES- TESTES E TABELAS DE VALORES

Corpo de Aceleração (acelerador eletrônico)

O corpo de aceleração é um dispositivo elétrico que dispensa o uso de cabo. Em seu


interior está alojado um motor de corrente contínua (DC), monitorado pela UCE, que
controla os movimentos da borboleta e dois potenciômetros integrados que revelam
a posição da borboleta. Funciona a partir do sensor do pedal acelerador que envia,
através de fios, sinais elétricos para UCE. A central, por sua vez, envia sinais de tensão
PWM para o motor de corrente contínua controlar a abertura e o fechamento da bor-
boleta. Irregularidades ou falhas no sistema de acelerador eletrônico são percebidos·
pela unidade de comando que imediatamente aciona a luz de anomalias no painel de
instrumentos.

O corpo do acelerador eletrônico


Acelerador eletrônico no sistema não permite manutenções internas
SIM32 no sensor

Corpo de aceleração do sistema


SIM32

68

:# RENAULT CLIO 1.0l DE 16V- HIFLEX
SETE

Falta de sinais do TPS e do motor.da borboleta

Se o sistema de acelerador eletrônico perder os sinais dos potenciômetros da borbo-


leta ou do motor de corrente contínua, a UCE entra em procedimento de emergên-
cia e acende a luz de anomalias do painel. As funções do corpo de aceleração ficam
suspensas, a borboleta trava semi-aberta (por força de molas que atuam no seu eixo)
e o motor tem sua rotação elevada, em torno de 1500 rpm, para que o veículo seja
conduzido até uma oficina. Após consulta da memória de avaria, e a falha corrigida,
faça o ajuste básico. Para apagar a falha da memória e a luz de anomalias do painel,
utilize um scanner.

IMPORTANTE
Manutenção no corpo de aceleração.
Se houver falha em qualquer componente interno do corpo de aceleração, a uni-
dade deve ser substituídca por completa, pe>is não está prevista suca aberturca parca
substituição de componentes.

Pino 04 -
Fio marrom

Pino 02- Pino 06-


Fio Branco Fio laranja

Pino 01 - Pino 05-


Fio cinza Fio branco

Pino 03-
Fio roxo

69
ATUADORES- TESTES E TABELAS DE VALORES

Teste de resistência do motor de corrente contínua (DC)

Para o teste de resistência do enrolamento do motor DC da borboleta, proceda da


seguinte forma:

• O contato da ignição deve estar desligado. Em seguida, remova o conectar do corpo


de aceleração;

• Com um multímetro posicionado na escala ôhmica, insira as pontas de prova nos


pinos 3 e 5 do conectar do corpo de aceleração;

• A resistência do enrolamento do motor deve ser de 2 a 3 ohms;

• Se a leitura for de "OL'' (circuito aberto) ou resistência muito alta (motor DC em cur-
to), substitua o corpo de aceleração.

IMPORTANTE - .__.1
Teste do chicote do conectar junto ao corpo de aceleração. ::-1
Na dúvida se o chicote está em curto com a massa do veículo, faça a verificação
diretamente no conectar do corpo de aceleração. Se a dúvida persistir, faça o teste
de continuidade entre o conector d0 corpo de aceleração e o conector da UCI:.
---
BR AB1

cz AB2
Corpo de LR AC1
borboleta
motorizado MR AC2

RX
BR Sistema
Siemens
SIM 32

Teste de variação de tensão no corpo de aceleração

Para testar a variação de tensão no corpo de aceleração, o contato da ignição deve


estar ligado e o multímetro posicionado na escala de tensão DC:

70
41':"

SETE
RENAULT CUO 1.0l DE 16V- HIFLEX

• Faça as medições com o conectar de corpo de aceleração conectado;

• Com o pedal do acelerador livre, meça as tensões pelos pinos 1 e 6. O valor deve ser
em torno de 0,8 volt e nos pinos 1 e 6, deve ser em torno de 4,14 volts;

• Agora, com o pedal do acelerador acionado, meça as tensões nos pinos 1 e 6. O valor
deve ser em torno de 3,66 volts e nos pinos 4 e 6, deve ser em torno de 1,28
volt;

• Observe também que, ao modular o pedal do acelerador, a leitura de resposta dos


potenciômetros deve ocorrer sem interrupções durante o acionamento do pedal.

Pedal do Acelerador
Pinos da UCE e do Sensor
Livre Acionado

AB2 e AC1 (1 e 6) 0,8 volt 3,66 volts

AC2 e AC1 (4 e 6) 4,14 volts 1,2 volt

Teste de resistência do potenciômetro da borboleta

Para o teste de resistência do potenciômetro da borboleta, proceda da seguinte for-


ma:

• O contato da ignição deve estar desligado. Em seguida, remova o conectar da UCE;

• Localize os terminais correspondentes do potenciômetro do corpo de aceleração e


confira os valores de resistência conforme a tabela.

Pinos do Corpo de Borba-


Pinos da UCE Resistência
leta
AB1 e AC1 2e6 1050 ohms

AB1 e AB2 2e1 1520 ohms

AB2 e AC1 1e6 900 ohms

AB1 e AC2 2e4 680 ohms

71
ATUADORES- TESTES E TABELAS DE VALORES

Pinos do Corpo de Borbo-


Pinos da UCE Resistência
leta
AC1 e AC2 6e4 1300 ohms

AG3 e AH3 3e5 2300 ohms

Ajuste Básico do Corpo de Aceleração

O ajuste básico deve ser feito sempre quer a bateria for desligada, corpo de borboleta
substituído, troca da UCE ou do motor do veículo. Na falta de um scanner, é possível o
reconhecimento do corpo de aceleração. Para isso, proceda da seguinte forma:

• Ligue apenas o contato da ignição, sem partir o motor e sem pisar no acelerador;

• Aguarde 1 minuto com a ignição ligada para que a central reconheça o corpo de
aceleração e se ajuste aos parâmetros adaptativos do sistema;

• No início e término do procedimento, é possível a ocorrência de ruídos no corpo de


aceleração.

Eletroinjetores

Os eletroinjetores do veiculo Clio HiFiex são construídos com material resistente à cor-
rosão do álcool e também adequado ao maior volume de vazão que o sistema Flex
requer.

A alimentação de 12 volts para os eletroinjetores, nos dois modelos de injeção, é for-


necida pelo fusível F01 de 30A que, por sua vez, recebe alimentação do relé principal.
Sua alimentação, após acionar a o contato da ignição, permanece por 3 segundos e se
não houver sinal de rotação, a central interrompe desativa o relé principal.

72
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V - HIFLEX

O bico inj et o r t em resist ência em torno de ......... Co necta r dos bicos injetores no
16 o hms ~ coletor de ad m issão

Injetor 1
AF3 BR

Injetor 2
AE4 RS

Injetor 3
AF4 VD

Injetor 4
AE3 LR

BJ 1

BG1
AG 1
Sistema
Siemens
SIM 32

73
ATUADORES- TESTES E TABELAS DE VALORES

Conexão dos bicos injetores junto ao tubo distribuidor de combustível

Injetor 04- - - -
Fio laranja

Alimentação
12V- ---
Fio cinza

Teste de resistência ôhmica dos eletroinjetores

Para o teste de resistência, remova os conectares dos eletroinjetores e meça direta-


mente em seus terminais. A resistência deve estar entre 13 e 17 ohms.

Especificações técnicas do atuador

Número BOSCH : O 280 156 296

Módulo de Ignição (bobina)

O módulo de ignição é um transformador de tensão duplo que opera na forma de


centelha perdida nos cilindros 1 e 4- 2 e 3. Localizado no tampa do cabeçote, recebe
alimentação positiva de 12 volts pelo fusível F02 de 25A, passa pelo relé da bomba
de combustível e chega à bobina através do terminal B. Os pulsos negativos para o
comando dos transformadores são feitos pela UCE através dos pinos H4 e G4 do co-
nectar A (cinza) da UCE . O aterramento da bobina é feito pela sua carcaça .

74
.:·
:# RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Bobina de ignição do sistema SIM32 • Conectar da bobina de ignição

Conectar da bobina de ignição

75
ATUADORES- TESTES E TABELAS DE VALORES

Relé da bomba
de combustível

Bomba elétrica
de combustível

Sistema
Siemens
SIM 32

Conectar de ligação da bobina de ignição

Pino C- Acionamento
dos cilindros 1 e 4

Pino B- 12V

Pino A- Acionamento
dos cilindros 2 e 3

76

~ RENAULT CLIO 1.0l DE 16V- HIFLEX
SETE

..----+------ Cilindros 2 e 3
NC

+12V

.__--+------ Cilindros 1 e 4
1 2 3 4
.
Teste de resistência dos transformadores do módulo de ignição

Para o teste de resistência dos transformadores da bobina, proceda da seguinte for-


ma:

• Contato da ignição desligado, conectar da bobina e cabo de velas removidos e um


multímetro posicionado na escala ôhmica;

• Meça no enrolamento secundário da bobina. Nos terminais de saída 1 e 4 para


cabos de velas, a resistência deve ser de 4 Kohms e entre as saídas 2 e 3 para cabos
de velas, deve ser de 4 Kohms;

• Meça no enrolamento primário da bobina. Entre os pinos B e A, a resistência deve


ser de 0,6 ohm e entre os pinos B e D, a resistência também deve ser de 0,6 ohm.

Teste de resistência dos cabos de velas

A resistência dos cabos de velas deve ser em torno de 2,2 Kohms, existindo uma pe-
quena variação entre o cabo menor do cilindro 4 para o maior do cilindro 1, em torno
de 300 ohms.

77
ATUADORES- TESTES E TABELAS DE VALORES

Teste de tensão e sinais na bobina de ignição

• Com a ignição ligada, o motor desligado e o multímetr.o posicionado na escala volt,


coloque a ponta de prova negativa na massa do veículo e a ponta de prova vermelha
no pino B do conectar da bobina e o valor encontrado deve ser de 12 volts;

• Com o motor ligado em marcha lenta e com o auxílio de um osciloscópio automotivo,


coloque a ponta de prova negativa na massa do veículo e a ponta de prova positiva
no pino A do conector da bobina . Verifique os sinais correspondentes aos cilindros
1 e 4 e, no terminal C, verifique o sinal dos cilindros 2 e 3.

Velas de ignição

Deve-se fazer o teste visual para observação de trincas ou fugas de corrente.


O espaçamento entre os terminais de centelha deve ser de 0,9 mm. Em caso de des-
gaste excessivo, faça a substituição das mesmas.

Velas indicadas

NGK: LZKAR7 A (NGK)


Bosch: BR8SC+

Eletroválvula de Purga do Canister

A eletroválvula do canister, localizada no lado direito do compartimento do motor,


atrás do farol, é controlada com sinal de massa variável (PWM) pela UCE através do
pino BM3 ( conector castanho). A alimentação de 12 volts acontece através do termi-
nal 5 do rei é principal . É um atuador importante no sistema, pois controla as emissões -
evaporativas do combustível armazenado no tanque. Nos sistemas mais atuais, na
Europa, por exemplo, falhas no funcionamento da eletroválvula do canister acarretam
procedimento de emergência no programa da UCE, devido a exigências dos órgãos
governamentais de controle de poluição.

78
RENAULT CLIO 1.0l DE 16V- HIFLEX

Bomba de vácuo da purga do canister

Teste da válvula de purga do canis-


ter

BM3

79
ATUADORES- TESTES E TABELAS DE VALORES

Teste de resistência interna da eletroválvula

Para o teste de resistência interna do enrolamento da eletroválvula, remova seu conec-


tar e meça diretamente nos pinos do atuador. A resistência encontrada deve ser em
torno de 22 a 30 ohms.

Teste de acionamento do êmbolo interno da válvula

Para verificar se o êmbolo interno da eletroválvula está operando corretamente, provi-


dencie uma bomba de vácuo, mangueira e dois fios com terminais nas pontas:

• Em seguida, remova a mangueira da eletroválvula e insira a mangueira da bomba


de vácuo na válvula, no lado ligado ao coletor;

• Aplique vácuo até 400 mmHG e pare o bombeamento . O vácuo de se manter está-
vel;

• Ligue a chave de ignição;

• Com um fio ligado à massa do veículo, faça um rápido contato (toque) no terminal
2 do conector do atuador para acionar a eletroválvula do canister;

• Nesse momento, o vácuo deve ser descarregado, confirmanêlo o perfeito estado do


atuador.

Eletroventilador - Acionamento 1
No sistema de arrefecimento do Clio, o sinal de temperatura do líquido que refrigera o
i
motor é obtido do sensor duplo de temperatura, alojado no cabeçote. O acionamento
do ventilador é comandado pela UCE através do pino D1 do conector B, que envia sinal
de massa para o pino 2 do relé R06 que ativa a 1a velocidade do ventilador, e através
do pino F1 do conector B que ativa o relé R07 da alta velocidade. A resistência que faz i
parte da baixa velocidade fica alojada na carcaça plástica que aloja o eletroventilador
e tem resistência de OJ ohm .

80
«
:#" RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Eletroválvula do sistema de arrefeci- Resistência do eletroventilador da


mento do Clio baixa velocidade

Relê de alta do eletroventilador

BF1

BD1

Sistema Relê de baixa do eletroventilador


Siemens
SIM 32

81
ATUADORES- TESTES E TABELAS DE VALORES

IMPORTANTE
Funções dos relés de 1a e 2a velocidades.
• O rei é que controla a 1a velocidade do ventilador (a rotação mais baixa) é ativa- ·
do pela UCE a partir da solicitação de NC feita pelo condutor;
• O relé que aciona a 2a velocidade do ventilador (a mais alta) é ativado exclusi-
vamente pela UCE quando a temperatura do líquido de arrefecimento do motor
ultrapassar os valores permitidos;
• Se houver alguma falha no sensor de temperatura, a UCE liga o eletroventilador
de alta velocidade e deixa-o com funcionamento direto até a correção da falha.

Interruptor do Pedal do Freio

O interruptor do pedal de freio tem função dupla e, além de contato das luzes de freio,
envia sinal de pedal acionado para a UCE através dos terminais 03 e E4 do conectar C
(cinza) da UCE. Os sinais fazem parte da estratégia que o sistema SIM32 utiliza para
o controle das funções dash pot (controle de fechamento da borboleta para o freio
motor) e cut-off (corte da injeção).

Interruptor do pedal do freio

82
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

Bomba de partida
a frio

Sistema Interruptor
de freio
Siemens Comando do
SIM 32 ar condicionado

Esq uema de ligação do conector do sensor do pedal do freio

Pino A01 Pino A03

Pino 801 Pino 803

NC

Esta tabela foi criada com a ponta negativa do multímetro ligado à massa:

Terminal Pedal acionado Pedal livre

A1 12 volts 12 volts

A2 NC NC
A3 12 volts O volt

81 12 volts 12 volts

83
ATUADORES- TESTES E TABELAS DE VALORES

Terminal Pedal acionado Pedal livre

82 NC NC

83 12 volts O volt

84
SISTEMA ANTIARRANQUE
O veículo Clio da Renault vem equipado de fábrica com sistema antifurto que inibe o
funcionamento do motor, se a UCE do sistema de injeção não receber o código secreto
do transponder existente na chave do veículo. Os componentes que formam a unidade
imobili zadora do Clio são descritos na seguinte ordem:

• Transponder - Componente existente na empunhadura da chave que emite sinais


específicos de codificação para a bobina antena.

Transponder do sistema antiarran-


Chave do Clio
que

• Bobina-antena - Componente localizado junto ao cilindro da chave de ignição, que


captura os sinais emitidos pelo transporider e os envia à unidade imobilizadora.
A resistência do enrolamento da bobina deve ser em torno de 5 ohms.

Medição da resistência da bobina- Bobina-antena do sistema antiar-


antena ranque

85
SISTEMA ANTIARRANQUE

• Unidade de comando do imobilizador - O circuito que compõe o sistema antiar-


ranque está localizado junto à bobina-antena e com a central do alarme localizada
sob o painel plástico, junto à coluna da porta dianteira esquerda. O sistema verifica
a codificação do transponder e, em seguida, envia sinais codificados para a UCE da
injeção liberar o funcionamento do motor. Para acessar a unidade imobilizadora do
sistema antifurto, é necessário remover o painel plástico da coluna dianteira esquer-
da.

Transmissor e receptor do siste-


. . ma ant1arranque

Central do alarme e imobili- ...._ Detalhe interno da central da


. . zador _,.. cabine

• Detalhe da placa de circuito impresso da central da cabine

86
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

• Led indicador - Localizado no painel de instrumentos, em condições normais de


funcionamento após ser ligado o contato da chave, o led indicador se acende por
três segundos e depois se apaga, indicando que o código foi reconhecido. Quando
aceso direto ou piscando, sinaliza que o sistema antiarranque está inoperante ou
não reconheceu o código do transponder.

• Led indicador do sistema antiarranque

Conectares de Ligação da Bobina-Antena/Circuito


Antiarranque

Pino 04-
Pino 02-
Fio cinza e verde
Fio preto e cinza
Sinal PWM

Pino 03-
Fio amarelo e NC
c1nza -
+ 1 2V pós-chave

87
SISTEMA ANTIARRANQUE

Pino 03-
~----t- Fio amarelo e cinza
Pino 01 - NC
Ao pino 22 do
conectar preto da
central da cabine
Pino 02 - Terra

Pino 04-
Fio amarelo e cinza
Ao pino 16 do
conectar preto da
central da cabine

Teste de Resistência da Bobina-Antena

Embora faça parte do circuito e não possua peça de reposição, às vezes necessitamos
medir a resistência da bobina-antena do circuito antiarranque. Para isso, desmonte a
proteção lateral e meça somente nos dois terminais da bobina. A resistência encontra-
da é em torno de 5 ohms.

Medição com multímetro da bobina-


antena Bobina-antena do sistema antiarranque

88
«""
~ RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Códigos para Habilitação do Sistema Antiarranque

• O código está inserido numa plaque-


ta que acompanha o veículo, junto com
""'' ElltUEílf ACOHSERUER-KEEP lKIS LAIEL
as chaves da ignição. Esse código secre- COHSERUAA ~111UE1A·ZE11EL BEKALlEH
to habilita, via aparelho original Renault 8200 740 233 SNS~NP66
(CLIP), a unidade imobilizadora junto à
UCE da injeção do motor. Se acontecer a
perd a do cartão, o proprietário deverá so-
licitar cópia do código junto ao revende-
dor autorizado.

Cartão de programação do sistema an-


tiarranque

Perda de sincronismo da chave com o sistema antiarranque

Se a chave de ignição sofrer queda, ficar junto a um celular, alto-falante (caixa de som),
sobre um televisor ligado ou perto de um forno microondas ligado, haverá perda da
codificação do transponder e a unidade imobilizadora não reconhecerá os códigos
emitidos. O motor pega e morre em seguida, e o led do painel pisca e indica que o
sistema perdeu o sincronismo com o código do transponder.

Reconhecimento da unidade antiarranque- (via scanner)

Se o led de anomalia ficar aceso constantemente e o motor não funcionar, mesmo


depois de feito o sincronismo do transponder da chave, há sinal de que o sistema imo-
bilizador está bloqueado e é necessário o reconhecimento da unidade imobilizadora.

IMPORTANTE
Habilitação do sistema antiarranque.
Para evitar conflito de informações na hora de habilitar a unidade imobilizado-
ra, o desbloqueio do sistema deve seguir as orientações descritas no manual de
cada fabricante que acompanha o scanner.

89
SISTEMA ANTIARRANQUE

Procedimento de reconhecimento

O reconhecimento da unidade imobilizadora nova é possível somente com a utilização


de um scanner e com o código fornecido pela Renault, junto com a chave do veículo.
O scanner deverá ter atualização para acessar o sistema SIM32. A unidade deve ser
nova.

90
SISTEMA DE CONFORTO E ALARME

A unidade de comando do sistema de conforto e conveniência está localizada sob a


cobertura plástica do painel interno, do lado esquerdo, acima e à esquerda do pedal
da embreagem.

• Central do alarme e imobilizador

Funções Controladas pelo Sistema de Conforto e Alarme


Antifurto

É uma unidade integrada e controla algumas funções, tais como:

• Travamento elétrico das portas;


• Controle remoto;
• Sistema de alarme;
• Sistema antiarranque.

Central de Cabine Usada - É Possível?

• Não é possível instalar uma central de conforto e alarme usada.

91
SISTEMA DE CONFORTO E ALARME

Alarme

O Clio, equipado com sistema de alarme, é monitorado através de interruptores nas


portas, no capô, na tampa traseira.

Estratégias de ativação do alarme

Segundo o fabricante, o sistema de alarme conta com as seguintes estratégias de ati-


vação do alarme:

• O tempo de ativação do alarme é em torno de 30 segundos;

• Se ativar o alarme com o capô e a tampa do porta-malas abertos, o mesmo não


será ativado.

• Se acionar o alarme com as portas do motorista e passageiro abertas e não fechá-


las no prazo de 30 segundos, o alarme dispara e indica a existência de portas aber-
tas. Se fechar as portas dentro desse prazo, o alarme estará ativado normalmente.

• Se abrir a tampa traseira com o alarme ativado, seja com a chave, controle remoto
ou interruptor interno do painel, enquanto a tampa traseira estiver aberta.

• No caso de disparo do alarme o tempo da buzina é de 30 segundos e o das --luzes


do alerta é de 5 minutos.

• Se o alarme for desativado pelo controle remoto, mas nenhuma das portas for
aberta dentro do prazo de 30 segundos, o sistema de alarme será reativado.

Procedimento para ativar o alarme {controle ou fechadura)

• Para ativar o alarme através do controle remoto, pressione uma vez a tecla com o
desenho de uma chave.

• Através do cilindro da fechadura da porta do motorista, gire a chave no sentido


horário (à direita) e a mantenha pressionada por, no mínimo, 1 segundo.

92
«.
..»
SETE
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

Controle Remoto do Alarme - Codificação


--------------~---------------------------
O controle remoto do alarme do Clio envia in-
formações para a unidade central de conforto
e conveniência através de sinais de radiofre-
qüência com alcance aproximado de vinte me-
tros. Possui duas teclas, uma com o símbolo de
uma chave que ativa e desativao alarme e outra
com o símbolo de um carro, para o sincronismo
do imobilizador.

Chave do Clio

'
Programação (codificar novo controle remoto)

Antes de programar um novo controle remoto, a central de conforto e conveniência


deve ficar em repouso por um período superior a 3 horas, sem receber nenhum sinal
de radiofreqüência de controle programado em sua memória.

Procedimento de codificação

• Ligue o contato da chave de ignição (sem partir


o motor);

• Insira a chave com o controle a ser codificado no cilindro da porta do motorista. Gire-a
para a esquerda (sentido de destravamento) e a mantenha nessa posição por 3
segundos.

93
SISTEMA DE CONFORTO E ALARME

• Pressione a tecla "trava" (símbolo da chave) 3


vezes, pausadamente, e observe a resposta do
sistema de travamento. Se os pinos de trava
das portas se movimentarem, (travam e des-
travam) indica a confirmação do programa.

• Chave do Clio

Troca de Bateria do Controle Remoto Junto à Chave

Para o perfeito funcionamento do aciona-


mento do sistema de alarme, devemos fi-
car atentos à tensão da bateria do controle
remoto. A especificação da mesma é PA-
NASONIC CR1220 - 3V. Meça a tensão da
bateria e, caso esteja abaixo de 2,9V, faça a
substituição da mesma.

• Troca da bateria do controle da chave

Alarme

O alarme é utilizado para sinalizar tentativas de ligação direta ou arrombamento das


portas dianteiras, portas traseiras, porta malas e capô.

Ativação

Para efetuar a ativação do alarme, é necessário que todas as portas (dianteiras e tra-
seiras) e o capô estejam fechados.

94
«
:#
.
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Ao travar a porta do motorista unicamente através do telecomando da chave, o alarme


é ativado. As portas dianteiras e traseiras, o capô e o porta-malas são monitorados
imediatamente após a ativação.
Se houver tentativa de acionamento do alarme com alguma porta, capô ou porta-ma-
las aberto, este não será acionado.

Desativação

Ao destravar a porta do motorista através do telecomando da chave, o alarme é de-


sativado. As portas dianteiras e traseiras, capô e porta-malas, deixam de ser monito-
rados.

Disparo do alarme

Se o alarme estiver ativado e ocorrer uma violação, o alarme perimétrico entra em dis-
paro . Um ciclo do disparo corresponde a 30 segundos com a buzina soando, mais 1 O
segundos apenas com o pisca alerta ligado.
Se a ativação permanecer (se a porta continuar aberta, por exemplo), um novo ciclo se
in icia. Se a violação parar (a porta for fechada, seguindo o mesmo exemplo L o alarme
termina o ciclo de disparo e volta ao estado ativo. Ocorrem no máximo 2 ciclos de
disparo (se a violação permanecer) por seção.

Pane no telecomando da chave

Se a bateria do telecomando da chave descarregar ou houver danos no telecomando


com o alarme ativado, basta abrir o veículo com a chave e ligar a ignição. O alarme en-
tra em disparo, mas ao reconhecer o transponder da chave original ao ligar a ignição,
este é desativado.

Travamento Elétrico das Portas

O funcionamento dos solenóides elétricos que travam


as fechaduras das portas, do capô do motor e datam-
pa traseira é controlado pela central de conforto e con-
veniência.

IIIIIIÃo.. Central do alarme e do imo-


....,.- bilizador

95
SISTEMA DE CONFORTO E ALARME

Travamento das portas

As portas do veículo podem ser travadas e destravadas pelo controle remoto da chave,
pelo interruptor localizado na porta do motorista e pelo cilindro da fechadura da porta
do motorista .

• Travamento das portas

Travamento das portas com o veículo em movimento

A unidade de conforto e conveniência recebe sinal do sensor de velocidade para exe-


cutar o travamento das portas quando o veículo atinge a velocidade de 15 km/h . Essa
função é denominada auto /ock.

ALERTA
Mau contato no interruptor da porta.
Fique atento às condições dos interruptores das portas, pois o mau contato nesse
componente impede o travamento das portas com o carro em movimento. Essa
falha é comum, não gera código de erro nem permite a um scanner detectá-la.

Abertura da tampa traseira

A tampa traseira só pode ser destrancada pelo controle remoto ou pelo interruptor de
travamento no console.

96
«'".
:# RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Chave de travamento das portas

Identificação Interna da Central de Alarme, Travas e


Antiarranque

Embora não seja recomendado e nem existem peças no mercado de reposição, iremos
mostrar abaixo a central da cabine aberta e a identificação de alguns componentes.

97
SISTEMA DE CONFORTO E ALARME

1 Relé das travas


2 Relé do temporizador e limpador de pára-brisa
3 Processador principal
4 Drivers
5 Unidade do transmissor/receptor do alarme
6 Controle das setas
7 Aviso sonoro das setas

Relês das travas das portas

Os relés de ativação dos solenóides de travamento das portas estão localizados nas
fechaduras das portas.

Sistema de Acionamento dos Vidros

O Clio possui o acionamento dos vidros com o sistema anti -esmagamento controlado
pela unidade central da cabine e alarme. Sempre que o vidro for acionado e, no per-
curso de subida encontrar resistência, a unidade de conforto interromperá o aciona-
mento, fazendo-o descer. Após 15 acionamentos com ciclos de resistência, a função
estará desprogramada .

Acionador de vidros

98

:# RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Conector junto à c~luna Conector branco

Pinos Identificação Pinos Identificação


LR- fino- 1 a velocidade limpa- RS/CZ e RS fino - esguicho de
01 08
dor água na traseira
VD- grosso- 1a, 2a e 3a veloci- Castanho fino - limpador tra-
02 09
dade do limpador se1ro
RS - 1a, 2a e 3a velocidade do
03 10 NC
limpador
RX/CZ e RX fino- esguicho água
04 11 AM/CZ- linha + 15
na dianteira
05 NC 12 PT fino- massa

06 Castanho- massa 13 NC

07 AM (2)- linha + 15 14 NC

99
SISTEMA DE CONFORTO E ALARME

Conector preto do lado direito

Conector preto junto à coluna

Pinos Identificação Pinos Identificação

01 NC 08 AZ grosso - Farolete

02 NC 09 VM grosso -linha +30

03 CZ grosso - negativo 10 VM grosso -linha +30

04 CZ grosso - negativo 11 BR grossO'- Farol baixo


LR- ao pino 28 (conector pre-
05 12 NC
to) da central da cabine
06 PT/CZ - massa 13 VM grosso- linha +30
RS/CZ - ao pino 26 (conector
07 14 CZ grosso- Farol alto
preto) da central da cabine

100
SISTEMAS MECÂNICOS
Sistema de Arrefecimento

Bomba d'água

A bomba d'água está localizada conven-


cionalmente na parte dianteira do bloco
do motor e sua tração é feita pela correia
dentada. Essa disposição evita o excesso de
carga sobre o eixo e rolamentos, condição
comum no processo anterior de correias
trapezoidal e poly "V". Nessa configuração
de tração, a vida útil ,dos componentes da
bomba aumenta, consideravelmente. Bomba d'água no motor 404

Válvula termostática de arrefecimento

A válvula termostática do líquido de arrefecimento está inserida no corpo divisor de


água, localizado na parte traseira do cabeçote.

Alojamento da válvula termostática possui


Alojamento da válvula termostática drenagem do sistema de arrefecimento

101
SISTEMAS MECÂNICOS

Ar Condicionado

Os veículos Renault Clio vendidos no mercado brasileiro não saem de fábrica com filtro
anti-pólen. Caso seja adaptado algum, podem ser usados os modelos abaixo:

Filtro anti-pólen : FRAM CF9085 ou o MANN CU 2945

Os veículos Clio produzidos no Brasil não


possuem filtro anti-pólen

102
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

• Central de comando do ar condicionado Senso r de pressão do ar condicionado

103
TORQUE NOS PARAFUSOS (CABEÇOTE, BIELAS E
MANCAIS)

Informação Importante Sobre o Aperto dos Parafusos

É comum nas oficinas perder bloco de motor, cabeçote e biela por excesso de aperto
nos parafusos. Isso acontece muitas vezes por descuido, desconhecimento das uni-
dades de aperto ou por erro de informação técnica. Essas falhas poderiam ser pra-
ticamente eliminadas se o profissional da área de manutenção adotasse uma regra
básica que ajuda a entender o limite de aperto de um parafuso de aço em uma rosca
de alumínio.

Ferramentas Utilizadas para Aperto dos Parafusos

• Para o aperto onde a resultante de carga é especificado na fo(ma de unidades de


peso Nm ou kgfm, utilizar o torquímetro;

• Torquímetro Goniômetro

• Para o aperto angular em que a unidade resultante é especificada em graus, utilize


ferramentas com hastes rígidas como cachimbo, extensão e cabo de força;

• O aperto angular é simples e o torque resultante é o mais eficiente para os parafusos


do cabeçote, mancais do virabrequim e capas das bielas. Pode ser iniciado a partir de
qualquer ponto de um circulo imaginário a escolher.

104
«.
~ RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

ALERTA
r -e angular nos parafusos.

Nunca utilize o torquímetro para apertos angula-


res, pois a torção sobre o parafuso estará sendo
dividida com a torção da ferramenta. Assim, a re-
sultante do torque é irreal e pode comprometer
o funcionam~nto do componente que recebeu a
carga de aperto.
Goniômetro para apertos ·
. . an ares

Aperto nos parafusos do cabeçote do motor 404 de 16V

® CD ®
® @

105
TORQUE NOS PARAFUSOS (CABEÇOTE, BIELAS E MANCAIS)

Aperto nos parafusos das bielas

Apertar com 14 Nm + 40 graus de aperto angular.

Aperto nos parafusos dos mancais do virabrequim

Único aperto de 20 Nm mais 80 graus de aperto angular.

Regulagem de válvulas

• Válvulas de admissão: O, 1O a O, 13 mm;

• Válvulas de escapamento: O, 15 a 0,22 mm .

As folgas de válvula devem ser conferidas


de acordo com a tabela • Motor visto de cima

Torque em Nm

Polia de acessórios do virabrequim 20Nm + 70° +/- 5°

Tensor da correia dentada 24 Nm

Parafuso da bomba dágua 9Nm

Sensor de temperatura da água 15 Nm

Parafuso do adapatador da válvula termostática 9Nm

106

:# RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Torque em Nm

Poli a da arvore de comando 30 Nm + 45°


Velas de ignição 24Nm

Parafu so da tampa de válvulas 12 Nm

Paraf uso do coletor de escapamento 25 Nm

Sensor de detonação 20 Nm

Paraf uso da bomba de óleo 9Nm

Parafuso do cárter 10Nm

Parafuso de volante do motor 18 Nm + 110° graus


Supo rte do alternador 50Nm

Parafusos do suporte de motor 62 Nm

Suporte do compressor do ar condicionado 50 Nm

Suporte da bomba da direção hidráulica 25 Nm

IMPORTANTE
Aperto dos parafusos.
Como podem ver, a rosca no bloco de alumínio é menos resistent e ao aperto do
que a rosca feita no bloco de ferro. Que rosca até 8 mm, em peça de alumínio,
tem resistência limitada ao torque? A partir de 1O mm de diâmetro, a resistência
é bem maior. Portanto, fique atento, pois é perfeitamente possível que as tabelas
de torque contenham, inadvertidamente, alguns erros de impressão que possam
induzir o profissional a aplicar apertos que não correspondam à realidade de re-
sistência da rosca ou do parafuso. Na dúvida, siga a regra básica de aperto em
relação ao diâmetro do parafuso e consulte outra fonte técnica para esclarecer a
dúvida.

107
TROCA DA CORREIA DENTADA
O procedimento de troca da correia dentada nos motores 404 de 16 válvulas que
equipam os veículos Clio HiFiex é o mesmo para as duas versões. O período de troca
da correia dentada deve ocorrer com 60.000 km. Em condições severas de pó, troque
aos 40.000 km.

Perfi I dos dentes Tipo HNBRs" Material de alta temperatura

095SP + 234H
t
95 dentes 23,4 mm de largura

Procedimento de Remoção da Correia

• Com o veículo semi-elevado, remova a roda dianteira direita e a proteção interna do


pára-lama;

Retire a proteção lateral inferior do pára-lama


dianteiro

108
41r.
:# RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

• Remova as velas de ignição para facilitar no movimento de rotação do eixo do motor


e o tubo de abastecimento do óleo;

Retirada do tubo de abastecimento


de óleo do motor

• A remoção das velas de ignição é para facilitar


o movimento de rotação do eixo do motor. Não
é obrigatório nesse propulsor o uso do relógio
compa rado r. Caso seja necessário, informamos
que nesse motor o primeiro cilindro f ica posicio-
nado ao lado da caixa de marchas;

Primei ro cilindro fica posicionado ao


lado da caixa de marchas

• Coloque a ferramenta de travamento do vo-


lante com o motor em PMS de primeiro cilin-
dro;

Utilize o o pino-ferramenta com o


motor posicionado em PMS

109
TROCA DA CORREIA DENTADA

• Sustente o motor com um macaco hidráulico no cárter, com cuidado para não amas
sar, pois o suporte de motor convencional pode danificar a estrutura do pára-lamas
que, no Clio, é de plástico;

• Remova o suporte do motor lateral;

• Suporte lateral do motor

• Proteção da correia dentada Retire o suporte do motor

110
41':.
~ RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

• Em seguidda, remova a correia Poli V de seu alojamento;

Retire a tampa de proteção da correia


dentada

• Agora, remova a proteção da correia dentada e, depois, a proteção inferior;

• Retire a correia do alternador e, em seguida, o parafuso que fixa a polia de acessórios


no virabrequim e remova-a de seu alojamento;

Retire a polia do virabrequim Desaperte o parafuso que tensiona o


alternador para retirar a correia Poli V

111
TROCA DA CORREIA DENTADA

• Agora, confira o posicionamento a polia do virabrequim alinhando a marca de


referência do dente com a marca na carcaça da bomba de óleo;

• Verifique a marca de sincronismo na correia do virabrequim

• Faça o mesmo com a polia do comando de válvulas em relação à marca de sincronis-


mo da capá plástica interna;

• Verifique a referência do comando de válvulas

112
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

• Por último, solte o aperto do parafuso do tensor da correia dentada. Desloque-o e


remova a correia de seu alojamento;

'
Aperte o tensor da correia dentada

IMPORTANTE
Colocação da correia dentada.
Se a correia for reaproveitada, antes de removê-la, observe a seta nas costas dela
para indicar o sentido de giro da mesma no motor.

Instalação da Correia Dentada

• Confira os pontos de sincronismo da polia do virabrequim e do comando de válvu-


las;

• Instale a- correia partindo da polia do virabre-


quim, passando pela polia da bomba d'água,
pela polia do comando e pelo tensor;

Marcas de sincronismo

113
TROCA DA CORREIA DENTADA

• Aplique carga no tensor até o ponteiro móvel se alinhar com a marca no suporte
do tensor;

• Aperte o parafuso do tensor e confira as marcações de sincronismo das polias;

Verifique a marca de sincronismo na Verifique a marca de sincronismo na polia


engrenagem do virabrequim do comando de válvul as

• Em seguida, aplique duas voltas completas no eixo do virabrequim e confira as mar-


cações das polias;

• Verifique também a posição do tensor da correia . Se necessário, refaça o ajuste do


tensor;

• Aperte o parafuso do tensor com o auxílio


de um torquímetro. Aperte o parafuso da
correia dentada com o torque de 25 Nm.

Aperto do t ensor

114

:# RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

• Monte o restante dos componentes seguindo a ordem inversa da desmontagem;

Correia denta~a no motor 404

• Por fim, instale as velas de ignição e funcione o veículo.

r
ALERTA
Ajuste do tensor da correia dentada.

Muito cuidado no momento de ajuste do rola-


f menta tensor da correia dentada, pois se passar
o ponto ideal, o tensor fica posicionado para
cima e encosta na parede do cabeçote, danifi-
cando o cabeçote e a pista de rolamento da cor-
reia dentada no tensor.

115
TROCA DA CORREIA DENTADA

Correia de acessórios

Especificação: 4PK1 s'38

Correia do alternador

Especificação : 3PK 740

116
,
· SISTEMAS ELETRICOS

Conexão dos Contatos da Chave de Ignição

1 Linha +15

2 Linha +50

3 Acessórios - 12 VCC

4 Linha +50

Central Interna dos Fusíveis


SISTEMAS ELÉTRICOS

01 Memória da injeção 30A

02 Retrovisor elétrico 15A

03 Luz piloto do desembaçador 05A

04 STOP 15A

05 Lâmpada de anomalias 15A

06 Luz de marcha a ré 15A

07 Limpador do pára-brisas 20A

08 Farol baixo direito 10A


í
09 Farol baixo esquerdo 10A
i
10 Farol alto esquerdo 10A
i
11 Farol alto direito 10A

12 Buzina 15A
i
13 BVA 7,5A
i
14 Lanterna esquerda 10A í
15 Lanterna direita 10A i
16 Rádio I Acendedor I Relógio
'
15A i
17 Comando do ventilador 30A i
18 Calculador de injeção do GNV 0,5A i
19 Luz de neblina traseira 15A i
20 Desembaçador traseiro 30A i
21 Limpador traseiro 15A é
22 Air bag 15A
í
23 Interruptores elétrico dos vidros 30A
i
24 Antibloqueio das rodas 10A
i
25 Proteção I Diagnóstico 10A
i
118 ~

..»
SETE
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

26 Ventilador de refrigeração 30A

27 Trava elétrica das portas 20A

28 Faróis de neblina dianteiros 20A

29 Iluminação interna 15A

30 Alimentação da UCE 25A

O borne positivo da bateria possui deriva- Especificação da bateria recomendada ao


ção para arranque e sistemas elétricos Clio com ar condicionado

Relés Acoplados na Caixa de Conforto da Cabine

119
SISTEMAS ELÉTRICOS

Relês Função dos relês

R 01 Relé do desembaçador traseiro

R 02 Relé do limpador traseiro

R 03 Relé do alarme

Central Elétrica do Motor

Fusível de proteção "00" no borne positi-


vo da bateria

120
41!"
~ RENAULT CLIO 1.0l DE 16V- HIFLEX
SETE

Maxifusível Função no sistema

1 Fusível 00 Proteção de carga do alternador

Geral do compartimento interno do veículo (60 ampêres)/


2 MaxiFusível 01
chave comutadora de partida

3 Max i Fusível 02 Geral do compartimento interno do veículo (60 ampêres)

4 MaxiFusível 03 Eletroventilador do radiador (40 ampêres)

5 Relé 01 Relé principal

6 Relé 02 Relé da bomba de combustível

7 Relé 03 Não utilizado


'

8 Relé 04 Relé do sistema de partida a frio

9 Relé 05 Relé do compressor do ar condicionado

10 Relé 06 Relé do eletroventilador (baixa velocidade)

11 Relé 07 Relé do eletroventilador (alta velocidade)

Acionamento das Luzes Indicadoras (seta) e Buzina

O acionamento das luzes indicadoras (seta) é feito por circuito eletrônico dentro da
central da cabine. Em caso de avaria, a mesma deve ser substituída. No veículo Clio, a
buzina não é controlada por relé.
SISTEMAS ELÉTRICOS

Principais Pontos de Aterramento

Nos veículos Clio, existem pontos de aterramentos que estão distribuídos da seguinte
forma:

Aterramento junto ao painel de instrumen-


• tos

I
I

122
«.
~ RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

123
ESQUEMA ELÉTRICO DA INJEÇÃO SIEMENS SIM32
Pinagem dos Conectares da UCE do Clio 1.0L de 8V- Sistema SIEMENS SIM32

OO~ccc~ occocoDO
DDccccccccoc oocoooDD

HGFEDCBA MLKJHGFEDCBA AB C DEFGH


4 DDDDDDDD 4 DDDDDDDDDDDD 1 ooooooDD
3 0 0 DDDDDD A 3 DDDDDDDDDDDD B 2 ooooooDD c
200DDDDDD 2 DDDDDDDDDDDD 3 ooooooDD
1 DO DDDDDD 1 DDDDDDDDDDDD 4DDDDDDDD

Conectar A (Preto)

A01 NC C04 NC

A02 NC 001 Amarelo

A03 Branco 002 NC

A04 Lilás 003 NC

B01 Verde 004 NC

B02 Laranja/preto E01 NC

B03 Verde E02 Rosa/Preto

B04 Branco E03 Laranja

C01 NC E04 Cinza/preto

C02 NC F01 NC

C03 NC F02 Rosa claro

124
«.
:. RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX
SETE

Conector A (Preto) (continuação)

F03 Laranja G04 Cinza escuro/preto

F04 Cinza H01 Cinza

G01 NC H02 Amarelo

G02 Branco H03 Verde/preto

G03 NC H04 Cinza escuro/preto

Conector B (Marron)

A01 Rosa claro E02 NC

A02 NC E03 Verde

A03 NC E04 Amarelo claro

A04 NC F01 Lilás

801 Marrom/preto F02 NC

802 NC F03 NC

803 NC F04 NC

804 NC G02 NC

C01 Marrom G03 NC

C02 NC G04 NC

C03 NC H01 NC

C04 Cinza H02 NC

D01 Marrom H03 Rosa/preto

D02 NC H04 Cinza

D03 NC J01 Vermelho

D04 Cinza J02 NC

E01 Laranja/preto J03 NC

125
ESQUEMA ELÉTRICO DA INJEÇÃO SIEMENS SIM32

Conector 8 (Marron) (continuação)

J04 NC L03 NC

K01 Amarelo/preto L04 Cinza escuro/preto

K02 NC M01 Rosa

K03 NC M02 NC

K04 NC M03 Rosa/preto

L01 NC M04 Cinza escuro

L02 NC

Conector C (Cinza)

A01 Lilás/preto E01 Rosa

A02 Verde claro/preto E02 Branco

A03 Branco/preto E03 Cinza/preto

A04 Verde/preto E04 Rosa

B01 Branco F01 NC

B02 Cinza/preto F02 NC

B03 Branco/preto F03 Ama rei o/preto

B04 Laranja F04 Verde

C01 Laranja G01 Amarelo claro

C02 Marrom/preto G02 Rosa

C03 Lilás/preto G03 Lilás

C04 Branco G04 Branco

D01 Amarelo claro H01 Cinza/preto

D02 Branco H02 NC

D03 Preto H03 Branco

D04 Vermelho H04 Cinza/preto

126
PAINEL DE INSTRUMENTOS

Autoteste do Painel de Instrumentos

Nos veículos Renault Clio equipados com painel da marca ··sAGEM", é possível efetuar
um autoteste de seus instrumentos, permitindo avaliar todas as suas funções. O pro-
cedimento é:

• Com a chave de ignição desligada, pressione o botão de ajuste do hodômetro par-


cial;

• Mantenha o botão pressionado e ligue a ignição, sem dar a partida;

• Aguarde 3 segundos pressionando o botão e observe o autoteste sendo realizado;

• Verifique todos os instrumentos, inclusive que o display do hodômetro fica total-


mente aceso;

• Pressione novamente o botão, e o autoteste será encerrado.

• Tecla do hodômetro parcial • Display multifuncional em teste

127
PAINEL DE INSTRUMENTOS

Pinagem do Conectar do Painel de Instrumentos

Conector cinza

01 NC
i
02 Verde- luz indicadora da seta direita
i
03 Marrom- luz indicadora da seta esquerda
i
04 Vermelho- linha +30
i
05 Branco/preto- luz do alarme e antiarranque

06 NC

07 Marrom claro

08 Verde- luz indicadora farol baixo

09 Lilás- luz indicadora farol alto

10 Verde/preto

11 Laranja

12 NC

13 NC

14 Cinza claro - luz indicadora de bateria (alternador)

15 Branco/cinza- luz indicadora do desembaçador

128
i
~ s·
SETE
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

16 Amarelo- linha + 15
17 Verde-

18 Laranja- luz indicadora de pressão de óleo

19 Lilás

20 Amarelo claro

21 NC

22 Rosa

23 Cinza

24 Preto

25 Verde/preto

26 NC

27 Lilás- iluminação do painel

28 NC

29 NC

30 Rosa- luz indicadora do Freio de mão

Conector vermelho

01 NC

02 NC

03 NC

04 Vermelho Sinal de rotação

05 NC

06 NC

07 NC

08 NC

129
PAINEL DE INSTRUMENTOS

09 NC
10 NC
11 NC
12 NC
13 NC
14 Preto Massa

15 Preto Massa

130
,
ESQUEMA ELETRICO DA CENTRAL DE ALARME E
ANTIARRANQUE

Conectar Branco

Central de alarme e imobi-


. . lizador

A1 Preto A9 Rosa

A2 Amarelo I amarelo-preto B1 Amarelo/amarelo-cinza

A3 Vermelho B2 Verde/branco

A4 Vermelho B3 Verme Ih o/verde

AS Branco/preto B4 Marrom/preto

A6 NC BS Vermelho/vermelho

A7 Marrom claro B6 Vermelho

A8 Amarelo claro

Conectar Preto

01 NC 21 NC
02 NC 22 Amarelo/cinza

03 NC 23 Marrom

04 NC 24 Laranja/preto

131
ESQUEMA ELÉTRICO DA CENTRAL DE ALARME E ANTIARRANQUE

05 NC 25 NC

06 Cinza 26 Rosa/cinza

07 NC 27 NC

08 Laranja 28 Laranja/preto

09 NC 29 Rosa

10 NC 30 Lilás

11 NC 31 Marrom/preto

12 Amarelo 32 Branco/preto

13 Lilás 33 Marrom/preto

14 Rosa 34 NC

15 Amarelo/verde 35 Rosa/preto

16 Azul 36 Branco/cinza

17 NC 37 Laranja

18 NC 38 Cinza

19 NC 39 Branco/preto

20 NC 40 Li las/cinza

132
TABELA RESUMIDA DE VALORES ÓTIMOS

Pressão de linha de combustível 3,5 bar

Vazão da bomba elétrica 4,0 litros por minuto


Pressão máxima da bomba elétrica por estrangu-
5,0 bar
lamento
Capacidade do reservatório do sistema de parti -
0,9 litro
da a frio
Tensão VDC do sinal do sensor MAP (marcha
1,65 volt (400 mbar)
lenta)
Tensão alternada gerada pelo sensor de rotação
0,8 volt AC
na partida
Sensor de rotação Resistência de 200 a 250 ohms

El etroválvula de purga do canister 26 ohms +/- 4 ohms


Tensão de sinal do sensor de pressão do A/C com
1,5 volt
motor ligado
Tensão de sinal do sensor de pressão do A/C com
0,97 volt
motor desligado
Tensão de sinal do sensor MAP com motor em
400 mbar- 1,65 volt
marcha lenta

133
DIAGNÓSTICO VIA SCANNER - FUNÇÕES DO
APARELHO

• Equipamento de diagnóstico

Teste Estático

Com o freio de estacionamento acionado e com a ignição ligada, são apresentados


os códigos das falhas detectadas e armazenadas na memória. São apresentadas como
presente ou intermitente.

Teste de Atuadores

A finalidade do modo "teste de atuadores" é verificar o funcionamento dos seguintes


componentes comandados pela UCE .

. Bloqueio do comando dos injetores;


. Desbloqueio do comando dos injetores;
. Teste estático dos atuadores;
. Aquecimento de sonda lambda a ajusante;
. Aquecimento de sonda lambda a montante;
. Borboleta motorizada;
. Eletroválvula do relé do compressor de AC;
. Lâmpada de OBD;
. Lâmpada de temperatura da água;
134
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

. Comando do relé do compressor de AC;


. Relé GMV I grande velocidade;
. Relé GMV I pequena velocidade;
. Lâmpada da avaria;
. Relé de bomba de gasolina;

Modo Contínuo

Deve ser executado com o motor em funcionamento ou com a ignição ligada. Permi-
te visualizar os seguintes parâmetros:

- Captador de temperatura do ar;


- Captador de temperatura da água;
- Captador de detonações do motor;
-Comando do relé da 'bomba de gasolina;
-Comando do relé dos atuadores;
- GMVIbaixa velocidade;
-Testemunho da avaria;
- Eletroválvula de purga do canister;
-Aquecedor de sonda de oxigênio;
- Antiarranque;
- Calculador;
- Captador de sinal do volante;
- GMV da alta velocidade;
- Aquecedor da sonda de oxigênio;
- Captador da pressão do coletor;
- Injetor cilindro 1;
- Injetor cilindro 2;
- Injetor cilindro 3;
- Injetor cilindro 4;
- Sonda de oxigênio a montante;
- Sonda de oxigênio a jusante;
- Bobina-ignição 1-4;
- Bobina-ignição 2-3;
- Informação da velocidade do veículo;
- Detonações de combústivel - Nível mínimo de combustível;
- Informações de freios;
:- Tensão de alimentação- N° 1 dos sensores;

135
DIAGNÓSTICO VIA SCANNER- FUNÇÕES DO APARELHO

-Tensão de alimentação- N° 2 dos sensores;


-Avaria funcional do catalisador;
- Detonação de ignição no cilindro 1;
- Detonação de ignição no cilindro 2;
- Detonação de ignição no cilindro 3;
- Detonação de ignição no cilindro 4;
-Avaria funcional do circuito de combustível;
- Captador de pressão do fluido frigorígeno;
-Testemunho OBD;
- Potênciometro da borboleta-pista 1;
- Potênciometro da borboleta-Pista 2;
- Potênciometro do pedal-pista 1;
- Potênciometro do pedal-pista 2;
- Ligação CAN Ta ou caixa robotizada;
- Tensão da bateria;
- Detecção de detonações de combustão;
- Informação do nível mínimo de combustível;
- Coroa do volante do motor;
- Dependência da caixa de borboleta;
- Comando do compressor de ar condicionado;
- Controle de trajetória;
- Comando da borboleta elétrica;
-Testemunho de alerta da temperatura da água;
- Ligação da injeção <--> quadro de instrumentos;
- Função da transmissão automática;
-Contatar do pedal de embreagem.

Scanner do motor em marcha lenta com Scanner do motor em marcha lenta sem
ar condicionado ar condicionado

136
CÓDIGOS DE FALHAS -VIA SCANNER

• Aparelho de diagnóstico em funcionamento

Códigos Descrição da falha

003 Circuito do sensor de temperatura de ar

004 Circuito do sensor de temperatura do líquido de arrefecimento

006 Circuito do sensor de detonações do motor

008 Circuito do comando do relé da bomba de combustível

009 Circuito do comando do relé de atuadores

010 Circuito do GMV da baixa velocidade

011 Cirçuito da lâmpada de avaria

014 Circu ito da eletroválvula de purga do canister

018 Circuito do aquecedor da sonda de oxigênio a montante

022 Unidade de comando

025 Circuito do sensor do sinal do volante

038 Circuito do aquecedor da sonda pós-catalisador

045 Circuito do sensor da pressão do coletor

137
CÓDIGOS DE FALHA- VIA SCANNER

Códigos Descrição da falha

052 Circuito do injetor cilindro 01

053 Circuito do injetor cilindro 02

054 Circuito do injetor cilindro 03

055 Circuito do injetor cilindro 04

057 Circuito do sensor de oxigênio pré-catalisador

058 Circuito do sensor de oxigênio pós-catalisador

061 Circuito da bobina de ignição 1-4

062 Circuito da bobina de ignição 2-3

064 Informação da velocidade do veículo

079 Detonações de combustível - Nível mínimo de combustível

095 Informações de freios

096 Tensão de alimentação- n°1 dos sensores

097 Tensão de alimentação- n°2 dos sensores

106 Avaria funcional do catalisador

111 Detonação de ignição no cilindro 1

112 Detonação de ignição no cilindro 2

113 Detonação de ignição no cilindro 3

114 Detonação de ignição no cilindro 4

116 Avaria funcional do circuito de combustível

118 Circuito do sensor de pressão do fluido frigorígeno

120 Circuito da lâmpada OBD

123 Circuito do potenciômetro da borboleta pista 1

124 Circuito do potenciômetro da borboleta pista 2

125 Circuito do potenciômetro pedal-pista 1

138

I .»
SETE
RENAULT CLIO 1.0L DE 16V- HIFLEX

Códigos Descrição da falha

126 Circuito do potenciômetro do pedal-pista 2


I
128 Ligação CANTA ou caixa robotizada
I
157 Tensão da bateria

165 Detecção de detonações de combustão

187 Informação de nível mínimo de combustível

189 Coroa do volante do motor

216 Dependência da caixa de borboleta

228 Circuito do compressor do ar condicionado

342 Circuito de lâmpada alerta-temperatura da água


I

I
I

I
I
I
I
I
I

139
:::0
m m
V'l
:I
!li
c: oc
;::;
m
o ~
Relê do compressor de ar õ" )>
..... V'l
o
r- m
c.. r-
m,
m
..... -1
~
< 2::!
n
I® ~ r--~~
Sensorde
Pressão do NC
.,:I: oV'l
iD
><
Senso r de
detonação .. ..
1-~
-"} \/ I O
0,69 Ohm _ __
II Vl
'
iii"
.....
m
~ ~s;nol 3
I
Sensorde Relê de baixa do eletroventilador
temperatura !li
do ar 2 BR •
Vl
iii"
3
Sensor de
rotação
lu~" . .". I F03
(CVM)
II m
:I
111
Vl

~~Mas" ~
~I
Senso r de
pressão
absoluta
MAP B BR • • Sinal
1
w
N

Interruptor
da direção

Sensorde
temperatura
da água

.....
::
I'' ~
~
(I)
:::l
Ql
~~
c
.-+
(')

õ"
~

o
r-
Q.
(I)

00
<
(I)
~

m
r-
Q.
(I)

00
< I

tn
VI

I 111~ o' ~
Sensor de .-+
rotação
Massa
= 13
Sonda lambda
(I)

3Ql
s:
l l ~i~~al I ~
Sensor de
posição da Ql
borboleta ~ ~
:::l
(I)
.-+

~~TV
I I ~~ s:
Sensor de
pressão
absoluta
MAP ~ 1O Sinal
I •·- - . , I ....Ql
!!.

~ F ~r
Sensor de

~
temperatu ra
do a r

~~~ 00
I~ I II
Sensor de DUIJIUdUt'

temperatura combustível ~
da água

Sensor de
detonação

diagnóstico
•I Sistema
IAW8R

~
CJ)
::J
Q.l oc
c m
;:::;'
()
s:
)>
õ" cn
_. m
r-
Sensorde I ~ T::JV L_ ~ l njetor1 o m-
r- -f
a.. :c
I
li) o
Injetor 2
....... o
0"1 cn
~Sinal
<
~
Sensorde
tanpe<atura do A
am5"ecimento Massa V\
111
lnjetor4 r+
li)
Sensorde
anperatura do ~ ~ Sinal 3Q.l
admitido B BD3 Massa ~

~ -- ~1na1-
s:
~I
Sensorde Q.l
demnação - 1 BC3 Sinal + Sinal 0 2
I \0
::J
li)
z.
s:
Q.l
.....
!E.

~ ~Massa
~
F ~I
Coípode
borboleta U"l
motorizado 2 BG3 Sinal 1 30 87 z
;:r::l

Sensor de posição
d o pedal do
acelerador

lâmpada de
superaquecimento

Interruptor d e
parada

Sensorde
"res:são do A~

Sensorde
..,;ação e 1'1!.\S

~doA<:

Magneti Marelli
5NR
INJEÇÃO ELETRÔNICA - MÓDULO XXIX
Renaun Clio 1.0L de 16V - HiFiex
Q manual d~ reparos que acompanha o vídeo mostra dicas importantes sobre
a manutenção no$ veículos Renault Clio HiFiex * com motor 1.0L de 16V 404 e
sistema SIEMENS SIM32.

'Tópicos abo~dados;

• Informações sobre a centra.l de injeção; sensores e atuadores, com testes e locali-


zações. _,
• Tabelas de torque dos parafusos.
• 'Esquemas elétricos dos sistemas de i.nieção eletrônica, do painel de instrumentos,
do arrefecimento e do antiarranque do sistema Siemens SIM32 e esquemas da
injeção dos sistemas IAW5NR da Magneti MarelU e do sistema 8irtus32 dos mode-
los Clio anteriores ao HiFiex.
• Localização das centrais elétricas dos:rêt~ e fUsíveis,
• Dicas de procedimentos e reparos de defeitos mais c muns relativos ao sistema de
injeção eletrônica e mecânica. ,-
• Relação dos códigos de falhas no sist$ma eletrônico da injeção e diagnóstico por
scanner.
• Troca da correia dentada e correia de ~Ç~ssórios do m tor 404.

* Compatível com Sandero e logan HiFJ.ex com injeção $1EMENS SIM32 e motori-
zação 1,OL de 16V '

Av, Flávio dos Sante_S) 372


Flé1>resta- CEP:. 3101.$-'150 ·
Belo Horizontê i MG.
www.setenet.com.bi
www.mecanica.com.ijr