Você está na página 1de 6

Nº0007

Tabela de preços
O informativo tem o intuito de apresentar barra de ferramentas,
construção da tabela de preço e matriz de preço.

1. Barras de Ferramentas

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19
1. Arquivo Novo 0
2. Abrir novo APT (Arquivo novo)
3. Salvar Arquivo APT
4. Salvar Arquivo AP2
5. Abrir Arquivo AP2
6. Imprimir
7. Cortar
8. Copiar
9. Colar
10. Configuração
11. Próxima espécie de arvore
12. Próxima combinação
13. Somente Matriz
14. Adicionar espécies de árvore
15. Excluir espécies de arvore
16. Adicionar classificação
17. Excluir Classificação
18. Mover combinação para cima
19. Mover combinação para baixo
Nº0007

2. Espécies de Árvores e combinações

2.0 2.1
3 3

2.2.4
2.2.1 2.2.2 2.2.3 2.2.5 2.2
3

2.0 Espécies de árvores


• Campo nome: Local designado para digitar o nome da espécie a ser cortada.
• Campo código: Automaticamente o Software numera o tipo de espécie exemplo: 1,2 e
3.

2.1 Grupos de combinação de tabela


• Definição da qualidade das combinações.

2.2 Combinação da Tabela


• Campo nome (2.2.1): Neste campo podemos digitar as classificações da tora.
Exemplo: Tora grossa, tora média e celulose.
• Campo código (2.2.2): Numerar na sequência. Exemplo: 101,102 e 103, sempre da
classificação mais grossa para a mais fina.
• Campo grupo (2.2.3): Sempre digitar o número “1” caso não queira classificar por
qualidade a madeira.
• Campo Código de Classificação (2.2.4): Temos dois códigos, código “1” para troncos
e código 2 para celulose.
• Campo Janela de serragem (2.2.5): Distribuídas em duas partes iniciando e fim: Na
coluna “Iniciando” digita-se o valor inicial da janela de serração em “cm”. Na coluna
“Fim” digita-se o valor final da janela de serração em “cm”. Exemplo: “Iniciando”: - 2 cm
e final: 4 cm, se o comprimento desejado seja de 490 cm, com está tolerâncias fica
aceitável o corte entre 488 cm e 494 cm, devido a escala adicionada na Janela de
serragem.
Nº0007

3. Matrizes de Preço

Neste local faremos a definição das configurações de corte, diâmetro, comprimento e


qualidade da espécie.
3.0
3.1 3
3.2
3
3.3
3
3.4
3
3.5
3
3
3.6
3
3.7
3.7
3
3

3.1 Espécie da árvore


• Local a ser selecionado a espécie para definição dos parâmetros.

3.2 Combinação
• Este campo podemos selecionar a classificação configurada no item (2.2.1).

3.3 Ponto de medição do diâmetro de teste


• Manter Padrão de fábrica (No ponto, 0 Cm).

3.4 Corte livre e Corte automático


• Corte Livre: Permite que o corte seja em qualquer comprimento, utilizando o número
da pré-seleção.
• Corte automático: Se esta função não estiver selecionada a combinação (2.1) não
poderá ser cortada automática.

3.5 Partes do critério do tronco


• Qualquer parte do tronco: A combinação ela pode ser liberada em qualquer parte do
tronco sendo ele na base ou não, manteremos sempre essa habilitada, mudarmos só
em caso especiais.
• Nenhum lugar: As combinações são subdivididas em diversas partes, como: Tora
Grossa, Tora Média e Celulose. Caso uma dessas subdivisões não seja mais cortada
pelo cliente, devemos selecionar a combinação no item 3.2 e habilitar nenhum lugar,
assim o software irá ignorá-la.
Nº0007

3.6 Qualidade
• Não selecionamos a madeira por qualidade, manter sempre “Q1” selecionado, mais
esta opção permite você classificar qualquer parte do tronco em qualidades
diferentes.

3.7 Diâmetros mínimo e máximo (milímetros)


• Mínimo: Diâmetro em que se inicia o corte, valor variável conforme o produto.
• Máximo: Diâmetro em que o corte pode ser feito. Exemplo: 999 mm, manteremos
sempre este valor.

Observação: Diâmetro mínimo deve acompanhar a combinação a ser cortada, por


exemplo: O cliente classificou dois tipos de tora num mesmo produto, sendo elas tora
grossa e tora média, tora grossa diâmetro de 250 mm e tora média de 150 mm abaixo,
então na tora grossa o diâmetro mínimo deve ser 250 mm e na tora média 150 mm, assim
o opti4G define a mudança da classificação.

3.8
3

3.8 Diâmetro de teste mínimo e teste máximo

• Teste Mínimo: O valor deve ser de 50 mm, para que não ocorra divergência no
diâmetro mínimo de corte. Exemplo: Se colocarmos um valor de 60 mm e necessitar
cortar 50 mm o computador não irá reconhecer abaixo de 60 mm.
• Teste Máximo: O Valor deve ser de 999 mm, este valor foi definido para exceder o
diâmetro. Exemplo: Se colocarmos um diâmetro máximo de 350 mm e precisar cortar
um diâmetro de 360 mm o cabeçote não reconhecerá acima de 350 mm.
3.9
3
3.9 Número de Pré-Seleção
• Deve definir um número de pré-seleção para que o computador reconheça a classe a
ser processada, o número deve ser da ordem crescente, o produto com maior
diâmetro deve ter o número menor e o produto com diâmetro menor deve ter o
número maior. Exemplo: Tora Grossa, numero 1; Tora Média, numero 2. 3.9.1
3
3.9.1 Comprimento
• Neste campo adicionamos os dados de comprimento, devemos colocar o
comprimento em ordem crescente. Exemplo: 100,200,300
Nº0007

3.9.2

3.9.2 Diâmetro

• Os Diâmetros são definidos pelo cliente e a montagem desta tabela deve ser feita na
ordem crescente. Exemplo: 50,60,70,80, conforme foto acima.

3.9.3
diâmetros

Valores

3.9.2

3.9.3 Preço
• No campo tabela de preço, definimos o valor da combinação 3.2, este valor tem que
ser decrescente. Exemplo: Tora Grossa, valor de 400, Tora média, valor de 300, valores
devem ser adicionados somente no diâmetro que o cliente deseja, conforme tabela
verde os demais diâmetros sem valor serão desconsiderados e o computador não
realizara o corte. Exemplo: Preencha o Campo 3.9.2 com o diâmetro e ao lado no
Campo 3.9.3 valor.
Nº0007

4. Parâmetros

Manter padrão de fábrica, não mexer.


4.0

• Trabalho desenvolvido com apoio do Reginaldo Murer, Coordenador


técnico da Timber.
• Qualquer dúvida entrar em contato com os seguintes contatos: Daniel
Maurice de Assis (41) 99902-4323 ou Reginaldo Murer (41) 99968-
6989

Você também pode gostar