Você está na página 1de 8

COLÉGIO ALMIRANTE TAMANDARÉ

Credenc. e autorização de funcionamento do Ens. Fundamental.


2002 Deliberação CEE/MS Nº 10.278, de 19 de dezembro de 2013.
Educ. Infantil – Aut. Del. CEE/MS Nº 1872 de 04 de fevereiro de 2016.
_______________________________________________________________________________________
ATIVIDADES COMPLEMENTARES AP1

Profa.: Marta Geraldini Disciplina: Língua Portuguesa Turma: 7o ano


Conteúdos:
• Texto narrativo;
• Estrutura narrativa, elementos da narração;
• Verbos: pessoa, número, tempo, modo, estrutura, indicativo, subjuntivo, imperativo, formas
nominais, classificação;
• Advérbios: classificação.
___________________________________________________________________________________

PARTE I – INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

A narrativa que você lerá foi escrita por Laura Bergallo e pertence ao livro “A criatura”, publicado em
2005. Na obra, são explorados alguns conflitos. No capítulo selecionado, você conhecerá uma personagem
que enfrenta muitos desafios e muitas aventuras em cenários cada vez mais presentes no dia-a-dia de
muitos jovens.

A criatura

A tempestade tornava a noite ainda mais escura e assustadora. Raios riscavam o céu de
chumbo e a luz azulada dos relâmpagos iluminava o vale solitário, penetrando entre as árvores da floresta
espessa. Os trovões retumbavam como súbitos tiros de canhão, interrompendo o silêncio do cenário [...].
Alimentadas pela chuva insistente, as águas do rio começavam a subir e a invadir as margens,
carregando tudo o que encontravam no caminho. Barrancos despencavam e árvores eram arrancadas
pela força da correnteza, enquanto o rio se misturava ao resto como se tudo fosse uma coisa só. Mas
algo... ou alguém... ainda resistia.
Agarrado desesperadamente a um tronco grosso que as águas levavam rio abaixo, um garoto
exausto e ferido lutava para se manter consciente e ter alguma chance de sobreviver. Volta e meia seus
braços escorregavam e ele quase afundava, mas logo ganhava novas forças, erguia a cabeça e tentava
inutilmente dirigir o tronco para uma das margens.
De repente, no período de silêncio que se seguia a cada trovão, ele começou a ouvir um barulho
inquietante, que ficava mais e mais próximo. Uma fumaça esquisita se erguia à frente, e ele então
compreendeu: era uma cachoeira! [...]
Num pulo desesperado, agarrou o ramo de uma árvore que ainda se mantinha de pé perto da
margem e soltou o tronco flutuante, que seguiu seu caminho até a beira do precipício e nele mergulhou
descontrolado.
A tempestade prosseguia e cegava o garoto, o rio continuava seu curso feroz e a cachoeira
rosnava bem perto de onde ele estava. De repente, percebeu que a distância entre uma das margens e o
galho em que se pendurava talvez pudesse ser vencida com um pulo. Deu um jeito de se livrar da camisa
molhada, que colava em seu corpo e tolhia seus movimentos. Respirou fundo para tomar coragem.
Se errasse o pulo, seria engolido pela queda d’água... mas, se acertasse, estaria a salvo. Viu
que não tinha outra saída e resolveu tentar. Tomou impulso e [...] conseguiu alcançar a margem. [...]
Ficou de pé meio vacilante e examinou o lugar em torno, tentando decidir para que lado ir. Foi
quando ouviu um rugido horrível, que parecia vir de bem perto. Correu para o lado oposto, mas não foi
longe. Logo se viu encurralado em frente a um penhasco gigantesco, que barrava sua passagem. O rugido
se aproximava cada vez mais.
Estava sem saída. De um lado, o penhasco intransponível; de outro, uma fera esfomeada que o
cercava pronta para atacar. Então, viu um buraco no paredão de pedra e se meteu dentro dele com
rapidez. A fera o seguiu até a entrada da caverna, mas foi surpreendida. Com uma pedra grande que
achou na porta da gruta, o garoto golpeou a cabeça do animal com toda a força que pôde e a fera
cambaleou até cair, desacordada.
Já fora da caverna, ele examinou o penhasco que teria que atravessar antes que o bicho
voltasse a si. [...]
Foi quando uma águia enorme passou voando bem baixo e o garoto a agarrou pelos pés,
alçando voo com ela. Vendo-se no ar, olhou para baixo, horrorizado. Se caísse, não ia sobrar pedaço.
Segurou com firmeza as compridas garras do pássaro e atravessou para o outro lado do penhasco.
O outro lado tinha um cenário muito diferente. Para começar, era dia, e o sol brilhava num céu
sem nuvens sobre uma pista de corrida cheia de obstáculos, onde se posicionavam motocicletas
devidamente montadas por pilotos de macacão e capacete, em posição de largada. Apenas em uma das
motos não havia ninguém.
A águia deu um voo rasante sobre a pista, e o garoto se soltou quando ela passava bem em
cima da moto desocupada. Assim que ele caiu montado, foi dado o sinal de largada.
As motos aceleraram ruidosamente e partiram em disparada, enfrentando obstáculos como
rampas, buracos e lamaçais. O páreo era duro, mas a motocicleta do garoto era uma das mais velozes.
Logo tomou a dianteira, seguida de perto por uma moto preta reluzente, conduzida por um piloto de
aparência soturna. [...]
Inclinando o corpo um pouco mais, o garoto conseguiu acelerar sua moto e aumentou a
distância entre ele e o segundo colocado. Mas o piloto misterioso tinha uma carta na manga: num golpe
rápido, fez sua moto chegar por trás e, com um movimento preciso, deu uma espécie de rasteira na moto
do garoto.
A motocicleta derrapou e caiu, rolando estrondosamente pelo chão da pista e levantando uma
nuvem de poeira. O garoto rolou com ela e ambos se chocaram com violência contra uma montanha de
terra, um dos últimos obstáculos antes da chegada.
A moto negra ganhou a corrida, sob os aplausos da multidão excitada, e o garoto ficou
desmaiado no chão.
Com um sorriso vitorioso, Eugênio viu aparecer na tela as palavras FIM DE JOGO. Soltou o
joystick e limpou na bermuda o suor da mão. [...]

Laura Bergallo. A criatura. São Paulo: SM, 2005. p. 37-44.

01. Relacione cada palavra da coluna da esquerda com seu significado, na coluna da direita.

A – instransponível ( ) voo muito próximo ao solo


B – páreo ( ) que não pode atravessar, não pode ultrapassar
C – rasante ( ) fazer eco
D – retumbar ( ) assustador
E – ruidosamente ( ) competição, disputa
F – soturno ( ) barulhento

02. Os textos podem ser narrados de duas formas diferentes.

“Num pulo desesperado, agarrou o ramo de uma árvore que ainda se mantinha de pé perto da margem e
soltou o tronco flutuante” (3ª pessoa).

“Num pulo desesperado, agarrei o ramo de uma árvore que ainda se mantinha de pé perto da margem e
soltei o tronco flutuante” (1ª pessoa).

Quando um texto está narrado em 3ª pessoa, o narrador é conhecido como ____________________


Agora, se o texto for narrado em 1ª pessoa, no narrador é conhecido como ____________________

a) Observe a frase abaixo, retirada do texto:

“Ficou de pé meio vacilante e examinou o lugar. Foi quando ouviu um rugido horrível.”
A frase acima está escrita em narrador_________________________

03. Os textos de aventura costumam ter protagonistas. Personagem principal da história, quem vivencia
muitas aventuras e precisa enfrentar conflitos. Em sua opinião, quem é o protagonista do texto? Explique.

04. Nas narrativas de aventura, o suspense prende o leitor ao texto, e a caracterização do espaço pode
contribuir para isso. Releia:

"Alimentadas pela chuva insistente, as águas do rio começavam a subir e a invadir as margens
carregando tudo o que encontravam no caminho.. Barrancos despencavam e árvores eram arrancadas
pela força da correnteza, enquanto o rio se misturava ao resto como se tudo fosse uma coisa só."

Que impressões sobre o tempo, essa descrição detalhada provoca no leitor?

05. Assinale quais descrevem os problemas causados pela insistente chuva?


(A) As águas do rio começavam a subir e a invadir as margens.
(B) Como não havia árvores, o terreno desmoronava e aumentava a erosão.
(C) Doenças eram transmitidas para a população daquele local.
(D) Barrancos despencavam e árvores eram arrancadas pela força da correnteza.

06. Releia:

“De repente, no período de silêncio que se seguia a cada trovão, ele começou a ouvir um barulho
inquietante, que ficava mais e mais próximo. Uma fumaça esquisita se erguia à frente, e ele então
compreendeu: era uma cachoeira! [...]”

Quais informações descritas no texto acima antecipam ao leitor que algo ameaçador se aproxima?
(A) O barulho inquietante.
(B) O animal horrível.
(C) A fumaça esquisita.
(D) A cachoeira.

07. No trecho “limpou na bermuda o suor da mão”, o autor quis passar ao leitor a impressão que o
jogador estava:
(A) com calor pelo dia quente.
(B) tenso pelo jogo.
(C) preocupado com o fim do jogo.
(D) feliz pela vitória.

08. A caracterização do espaço contribui para a criação do enredo da narrativa de aventura. O menino
vivencia dois cenários diferentes ao longo de seu jogo. Coloque:
1 - para descrições do primeiro cenário.
2 – para descrições do cenário que chega após voar com uma águia.

( ) Havia muito barulho pela proximidade da cachoeira.


( ) O rio tinha um curso feroz.
( ) O sol brilhava.
( ) Havia barulho de motores.
( ) A noite ficava ainda mais escura com a tempestade.
( ) Era um dia sem nuvens no céu.

09. Numere os acontecimentos na ordem que aconteceram na história.


( ) O animal foi golpeado na cabeça com toda força.
( ) A águia foi agarrada pelos pés.
( ) Era uma forte tempestade numa noite assustadora.
( ) Depois de um impulso, a margem foi alcançada.
( ) Agarrou-se num tronco grosso.
( ) Depois de dada a partida, todos aceleraram e enfrentaram obstáculos.
( ) Para fugir da queda, agarrou-e em um ramos de árvore que ainda estava em pé.

PARTE II – GRAMÁTICA

01. Grife os verbos das orações abaixo.


a) Os alunos leram um livro.
b) Muitas pessoas viajam nas férias.
c) Hoje é dia 7 de fevereiro.
d) Talvez eu participe do campeonato.
e) Gosto muito de meus pais.
f) Seremos bons amigos.
g) Fiz todas as atividades.

02. Assinale a alternativa que possui uma locução verbal.


a) Somente as mulheres participarão da dança.
b) Os jovens tocam violão muito bem.
c) Fiquei alegre com a boa notícia.
d) Ele ficou sabendo da festa.

03. Identifique a conjugação dos verbos nas orações abaixo.


a) Cantamos uma música romântica.
b) Sonhei com você.
c) Somos bons amigos.
d) Não fui à escola ontem.
e) Compusemos uma bela canção.
f) Não partiremos o bolo agora.

04. Identifique o modo dos verbos nas orações abaixo.


a) Choveu muito ontem.
b) Faz frio.
c) Não arrumamos o quarto.
d) Talvez eu experimente desse sorvete.
e) Abra essa porta garoto!
f) Toquem a viola e dancem.
g) Resolveremos as atividades após o jantar.
h) Gritamos muito.
h) Ah! se meu time vencesse...
i) Não jogue lixo nas ruas.

05. As orações abaixo estão no tempo presente e no modo indicativo. Passe-as para o tempo pretérito
perfeito e imperfeito do mesmo modo.
a) Eu estudo muito.
b) Joana treina para o campeonato.
c) Eu leio as obras de Machado de Assis.
d) Os garotos falam ao celular.
e) Eu estou na escola.
f) Jorge Carlos joga futebol.
g) As meninas desfilam bem.
h) Os animais correm o tempo todo.

06. Passe as orações abaixo para o tempo futuro do modo indicativo.


a) Os alunos leram um texto sobre festas juninas.
b) Muitas pessoas gostam de festas juninas.
c) O cliente solicitou ao vendedor uma bola de basquete.
d) Maria Rita começou a praticar esportes.
e) Provocaram um desmatamento no local.
f) Poluíram nossos rios.
g) Nossa terra brasileira é um país bonito.
h) Poucos conhecem esse jogo.

07. Complete as frases de acordo com os verbos entre parênteses e os tempos pedidos.
a) Preciso passar no vestibular, por isso...........muito. (estudar - futuro do presente do indicativo).
b) ..............boas lembranças da minha infância. (ter - presente do indicativo).
c) Marcela e Bruna..........ao cinema ontem. (ir - pretérito perfeito do indicativo).
d) Nesta vida..........o que plantamos. (colher - presente do indicativo).
e) Pedro..........futebol muito bem se tiver oportunidade. (jogar - futuro do presente do indicativo).
f) Os homens..........viola durante a serenata. (tocar - futuro do presente do indicativo).
g) O aluno...........um prêmio ao final do semestre. (ganhar - futuro do presente do indicativo).
h) A menina..............alto durante as aulas. (falar - pretérito imperfeito do indicativo).

08. Identifique o número e a pessoa do verbo das orações abaixo.


Modelo: Eu gosto de sorvete. (verbo “gosto” - 1ª pessoa do singular)
a) Moramos no planeta terra.
b) Juliano corria muito nas competições escolares.
c) Os alunos estudaram muito para a prova.
d) Tu jogaste bem hoje.
e) Vós não sabeis que este produto é tóxico?
f) Fomos bem recebidos na primeira aula deste ano.
g) Marcelino Carioca chutava muito bem as cobranças de faltas.

09. Leia o texto.

Abelhas
Uma abelha visita dez flores por minuto em busca do pólen e do néctar. Ela faz, em média,
quarenta voos diários, tocando em 40 mil flores. Com a língua, as abelhas recolhem o néctar do fundo de
cada flor e o guardam numa bolsa localizada na garganta. [...]

a) Quais são as ações realizadas pela abelha?


b) Em que tempo estão conjugados os verbos do texto?
c) Qual a conjugação de cada um dos verbos presentes no texto?
d) Assinale a alternativa que substitui a forma nominal do verbo, destacada na frase abaixo.
Tocando em 40 mil flores.
( ) Toca em 40 mil flores.
( ) Tocou em 40 mil flores.
( ) Tocará em 40 mil flores.
e) Se substituíssemos a locução verbal destacada, na frase abaixo, qual seria o verbo adequado?
O néctar vai passando de abelha para abelha.
( ) O néctar passará de abelha para abelha.
( ) O néctar passa de abelha para abelha.
( ) O néctar passou de abelha para abelha

10. Leia com atenção o trecho abaixo e diga a pessoa, o número, o tempo e o modo dos verbos
destacados:

“Ela subiu sem pressa a tortuosa ladeira. À medida que avançava, as casas iam rareando,
modestas casas espalhadas sem simetria e ilhadas em terrenos baldios. No meio da rua sem calçamento,
coberta aqui e ali por um mato rasteiro, algumas crianças brincavam de roda. A débil cantiga era a única
nota viva na quietude da tarde. [...]
- Podia ter escolhido um outro lugar, não? – Abrandara a voz. – E que é isso aí? Um cemitério?
Ele voltou-se para o velho muro arruinado. Indicou com o olhar o portão de ferro, carcomido
pela ferrugem.

11. Eu Juro que Vi


(Sérgio Capparelli)
Eu vi uma arara vermelha
Com pitangas nas orelhas.

Eu vi uma cobra jararaca


Engolindo inteira uma jaca.

Eu vi uma onça pintada


Se coçando com a espingarda.

Eu vi o senhor Juvenal
Comendo açúcar com sal.

Eu vi um dromedário
Fazendo tricô no armário.

Eu vi no mar a baleia
Dançando com a lua cheia.

Eu vi uma cabra braba


Dizendo abracadabra.

a) O verbo destacado no texto é de que conjugação?


b) Em que tempo ele está conjugado?
c) Reescreva o primeiro verso do poema, empregando o verbo no Presente do indicativo.
d) Reescreva o terceiro verso do poema, empregando o verbo no Futuro do Presente do Indicativo.
e) Reescreva o quinto verso do poema, empregando o verbo na primeira pessoa do plural do Presente do
Indicativo.
f) Reescreva o 7ª verso do poema, empregando o verbo na terceira pessoa do plural do Futuro do
Pretérito do Indicativo.
g) Indique a que conjugação pertencem as formas nominais dos verbos abaixo:
engolindo:
coçando:
comendo:
fazendo:
dizendo:

12. Aponte os elementos formadores (radical, tema, vogal temática e desinência) das formas verbais que
seguem:
EX: Comeríamos: (comer) com: radical; e: vogal temática; come: tema; ríamos: desinência.
a) Aplaudias:
b) Acordamos:
c) Faltarás:
d) Venderia:
e) Cobrasses:
f) Descobriram:
g) Amavas:
h) Partiremos:
i) Dividíssemos:
j) Substituíssem:

13. Leia o texto abaixo:

Oi Murilo!
Já recebeu o convite da festa da Juliana? Ela disse que vai ser muito legal! A turma toda vai estar lá.Será
que eu poderia ir junto com você? A minha mãe não vai poder me levar. Ela disse que vai falar com sua
mãe amanhã na saída do colégio.
Falou cara.
Até,
Pedrinho.

a) Grife todos os verbos.

b) Diga a pessoa, o número, o tempo e o modo dos verbos que você grifou.

c) Nas locuções verbais separe o verbo auxiliar do verbo principal.

d) Diga a pessoa, o número, o tempo e o modo dos verbos que você separou.

14. Complete as orações abaixo com os verbos indicados entre parênteses no modo subjuntivo.
a) Se eu _________________ em tudo que você diz, estaria perdido. (acreditar)
b) Não tenho certeza, mas se nós _________________ por esta rua, gastaremos menos tempo. (subir)
c) Pode ser que você _________________ razão. (ter)
d) Não é que eu _________________ me intrometer, mas você não tem agido bem nas últimas semanas.
(desejar)
e) Talvez a cor azul nos _________________ sorte. (trazer)
f) Se _________________ na melhora das pessoas, o mundo seria um lugar mais agradável de se viver.
(acreditar)
g) Quando você _________________ , vá ao banco para mim. (acordar)
h) É necessário que todos _________________ solidários. (ser)
i) Se ela _________________ a verdade, teria a consciência menos pesada. (falar)
j) Nós comeríamos a sobremesa, se ela _________________ pronta a tempo. (ficar)
k) Talvez eu _________________ para você dormir. (cantar)
l) Se eu _________________ mais com o meu pai, ele me compreenderia melhor. (conversar)
m) Quando eu _________________ , trarei as encomendas. (voltar)
n) Se você _________________ a casa, teria o dinheiro necessário. (vender)
o) Quando você _________________ a casa, terá o dinheiro necessário. (vender)
p) Desejo que ele _________________ as paredes novamente. (pintar)

15. Informe em que tempo do modo subjuntivo e pessoa encontram-se as formas verbais destacadas
abaixo.
a) Se nós (repartíssemos) o bolo, todos comeriam.
Tempo verbal: ___________________
Pessoa: ________________________
b) É possível que você a (encontre) depois da aula.
Tempo verbal: ___________________
Pessoa: ________________________
c) Depois que vocês (terminarem)o exercício, farei a correção.
Tempo verbal: ___________________
Pessoa: ________________________
d) Ele não permitiu que nós (olhássemos) pela janela.
Tempo verbal: ___________________
Pessoa: ________________________
e) É improvável que o cão (fuja) novamente.
Tempo verbal: ___________________
Pessoa: ________________________

16. Observe o texto que segue e complete os espaços com verbos no imperativo:

Pão caseiro
Ingredientes:

2 e 1/2 copos de água morna


2 colheres (sopa) de açúcar
1 colher de sal
1 ovo
1 copo de óleo
1 kg de farinha de trigo
50 g de fermento de padaria

Modo de Preparo:

_______________ o fermento e a água morna, _________________.


No liquidificador, ________________ o açúcar, o óleo, o sal, o ovo e a água com o fermento por alguns
minutos.
________________ a massa e __________________ a farinha de trigo aos poucos, misturando com as
mãos.
_______________ a farinha de trigo até que a massa desgrude das mãos e _________________ crescer
por 1 hora.
________________ a massa em partes e ________________ os pães.
________________ crescer, novamente, por 40 minutos.
________________ para assar por 30 minutos.

17. Nas frases abaixo, identifique o verbo no modo imperativo, classificando-o em imperativo afirmativo
ou imperativo negativo.
a) Bom dia! Levante, seu dorminhoco. O sol já está alto!
b) Não dê as costas para a sorte!
c) Venha escolher o livro que quiser!
d) Dança! Exercitar-se faz bem à saúde e ao coração.
e) “Estudem para a prova, alunos!”
f) Por favor, faze silêncio!
g) Não escutes música tão alto!
h) Não escute música tão alto!
i) Saia agora mesmo daí!
j) Corram até a sala e fechem as janelas.

18. Reescreva as frases no imperativo negativo:


a) Viaja imediatamente! _______________________________________________________
b) Viajem agora! _____________________________________________________________
c) Volte Cedo! _______________________________________________________________
d) Volta Cedo! _______________________________________________________________
e) Diga a verdade! ____________________________________________________________
f) Dize a verdade! ____________________________________________________________
g) Liga o rádio! _______________________________________________________________

Bons Estudos!!!