Você está na página 1de 7

TESTE DE AVALIAÇÃO SUMATIVA ‒ 11.

o ano

MÓDULO 5
4. A implantação do Liberalismo em Portugal
5. O legado do Liberalismo na primeira metade do século XIX

 Para cada resposta, identifique claramente o grupo e o item.


 Apresente as respostas de forma clara e legível.
 Todos os itens são de resposta obrigatória.
 Apresente apenas uma resposta para cada item.
 Utilize, de forma adequada, os conceitos específicos.

GRUPO I ─ O Liberalismo em Portugal

DOC. 1 A Revolução de 1820 vista por Almeida Garrett (1821)

Já temos uma Pátria, que nos havia roubado o despotismo […]. A última hora da tirania soou; o
fanatismo, que ocupava a face da Terra, desapareceu; o sol da liberdade brilhou no nosso horizonte e as
derradeiras trevas do despotismo, dissipadas pelos seus raios, foram sepultar-se no Inferno.
Qual era, de entre nós, que se não pudesse chamar oprimido? Qual há, de entre nós, que se não possa
chamar libertado? Qual foi o português que não gemeu, que chorou ao som dos ferros? Qual é o
português que não folgará com a liberdade? Nenhum por certo […].
Escravos ontem, livres hoje; ontem autómatos da tirania, hoje homens; ontem miseráveis colonos, hoje
cidadãos; qual será o infeliz que não louve, que não bendiga o braço heróico que nos quebrou os ferros,
os lábios denodados1 que ousaram primeiro entoar o doce nome – Liberdade? […].
Empreendo, pois (e hei-de prová-lo) demonstrar a legitimidade com que o Conselho Militar de 24 de
Agosto, convocando Senado, Povo e Autoridades Públicas desta cidade 2, erigiu a Junta Provisional do
Governo Supremo, para que, representando a Nação, e a majestade dela, convocasse as Cortes para a
organização de uma Constituição política da Monarquia portuguesa. […].

Almeida Garrett, “O dia 24 de Agosto pelo cidadão J. B. S. L. A. A. Garrett”,


em Obra Política – Escritos do Vintismo (1820-1823), Lisboa, Ed. Estampa, 1965

1
Corajosos.
2
A cidade do Porto.

Um novo Tempo da História, 11.o ano, Célia Pinto do Couto e Maria Antónia Monterroso Rosas
DOC. 2 A Revolução de 1820 vista por um monge beneditino (1823)

O dever de todos os Portugueses, amantes do seu rei e fiéis à religião de Jesus Cristo, […] é conhecer
os abomináveis princípios desta tenebrosa Seita dos Pedreiros Livres1 Iluminados […].
Desde o infausto dia 24 de agosto de 1820, me deliberei a combater, apesar dos meus fracos talentos, a
nefanda2 Seita dos Pedreiros Livres Iluminados que, tendo levantado a voz na cidade do Porto,
enganou os sinceros e incautos portugueses; e, com os quiméricos vivas à religião, à Constituição e ao
rei, se derramou por todo o Reino até assentar seu trono na capital da Monarquia lusitana. […]
Persuadi-me que, como ministro do Evangelho, devia pôr-me em campo para defender a religião de
Jesus Cristo, por mil modos atacada e perseguida; que devia opor-me com todas as forças aos
progressos da heresia reinante, o Iluminismo do século XIX; que devia ensinar a Fé […]; que devia estar
alerta contra a impiedade […] e exercitar dignamente o Ministério evangélico, até no meio de
perseguições […].
É tal a força do teu furor, Mação 1, que te descubro as manobras a um povo sincero e católico, a quem
iludiste com as quiméricas e fantásticas promessas de Liberdade e Igualdade; […] dizendo com a boca
Viva a Religião e, com as vossas obras, atacando-a; gritando em toda a parte Viva El-Rei e obrigando-o,
por outro lado, a ser escravo do vosso partido […].
Frei João de S. Boaventura, Resposta aos Anonymos de Lisboa ou Tunda Geral sobre os Pedreiros Livres,
Lisboa, Impressão J. M-Torres, 1823

1
Nome por que eram conhecidos os adeptos da Maçonaria. O mesmo que maçons OU mações OU maçónicos.
2
Abominável; indigna; ímpia.

DOC. 3 D. Pedro IV outorga a Carta Constitucional de 1826 aos Portugueses

Monumento comemorativo na Praça da Liberdade, no Porto, da


autoria do escultor francês Célestin-Anatole Calmels

DOC. 4 Um Decreto de Mouzinho da Silveira (30 de julho de 1832)

Hei por bem decretar, em nome da rainha1, o seguinte:


novo Tempo da História, 11.o ano, Célia Pinto do Couto e Maria Antónia Monterroso Rosas
Artigo 1 – Os dízimos, queUmpagavam os proprietários, os lavradores e quaisquer outras pessoas dos
reinos de Portugal e Algarves, dos frutos da terra e das árvores, das pastagens, montados e cortes de
DOC. 5 Petição da Guarda Nacional a D. Maria II (setembro de 1836)

Senhora, a leal Guarda Nacional e a leal guarnição de Lisboa dirigem-se a V. M., pedindo-lhe haja de
anuir aos seus votos e em geral aos da Nação portuguesa, provendo do remédio aos males que,
desgraçadamente, têm levado esta magnânima Nação à proximidade do mais horroroso abismo, do qual
só poderia ser salva pela imediata proclamação da Constituição de 1822, com as modificações que as
Cortes Constituintes julgarem por bem fazer-lhe.
Não é também possível, Senhora, deixar de rogar a V. M. a escolha de um Ministério 1 e de conselheiros
que hajam de promover o bem-estar desta magnânima Nação, cujo trono constitucional V. M. ocupa.
[…]

Lisboa, Quartel do Carmo, 10 de setembro de 1836


1
Governo.

DOC. 6 Ponte pênsil D. Maria II a ligar o Porto a Vila Nova de Gaia (1843)
– projeto do eng. Stanislas Bigot e construção da firma Claranges Lucotte & Cie

1. Entre os fatores que conduziram à Revolução de 1820, contam-se:


a) os efeitos do Tratado de Comércio de 1810 com a Grã-Bretanha e a permanência da corte na ilha
Terceira.
b) a manutenção do exclusivo comercial com o Brasil, elevado a Reino em 1815.
c) as perseguições movidas aos liberais pelo marechal Beresford e a ruína da atividade económica e
financeira.
d) as invasões francesas, sucedidas a partir de 1817, e a ação da Maçonaria.

2. Compare as duas perspetivas sobre a Revolução de 1820, expressas nos documentos 1 e 2,


quanto a três dos aspetos em que se opõem.

Um novo Tempo da História, 11.o ano, Célia Pinto do Couto e Maria Antónia Monterroso Rosas
3. Refira, a partir do documento 2, três motivos da outorga da Carta Constitucional.

4. Indique o nome do episódio revolucionário sucedido em setembro de 1836, no qual se insere


a petição da Guarda Nacional a D. Maria II (Doc. 5).

5. Ordene cronologicamente as seguintes medidas tomadas pelos governos liberais em


Portugal, na primeira metade do século XX.
Escreva, na folha de respostas, a sequência correta das letras.
a) Criação dos Liceus.
b) Publicação das Leis de Saúde e das Leis das Estradas.
c) Extinção da Inquisição.
d) Legislação de Mouzinho da Silveira.
e) Reconhecimento da independência do Brasil.

6. Desenvolva, a partir dos documentos 1 a 6, o seguinte tema:

Etapas do Liberalismo em Portugal (de 1820 a 1850)

A sua resposta deve abordar, pela ordem que entender, três aspetos de cada um dos
seguintes tópicos de referência:
 a ação do vintismo;
 a obra do cartismo;
 os projetos setembrista e cabralista1.
1
Os três aspetos requeridos não podem referir-se em exclusivo ao setembrismo ou ao cabralismo.

GRUPO II ─ O Liberalismo na primeira metade do século XIX: ideologia e prática

DOC. 1 A Carta Constitucional francesa de 1814

1 […] Se bem que a autoridade toda resida em França inteiramente na pessoa do rei, os meus
predecessores não hesitaram em modificar-lhe o exercício […]. Por este motivo, nós [Luís XVIII, rei
de França entre 1814 e 1824] − voluntariamente e pelo livre exercício da nossa autoridade real –
concedemos e outorgamos aos nossos súbditos […] a Carta Constitucional que se segue:
5 Artigo 1.º – Os Franceses são iguais perante a lei, quaisquer que sejam os seus títulos e a sua categoria
social.
Artigo 2.º – Eles contribuem indistintamente, na proporção da sua fortuna, para os cargos do Estado.
Artigo 3.º – Todos são igualmente admissíveis aos empregos civis e militares […].
10 Artigo 6.º – [apesar da liberdade de crenças] a religião católica, apostólica e romana é a religião de
Estado. […]
Artigo 8.º – Os Franceses têm da
Um novo Tempo o História,
direito 11.
deo ano,
publicar e de
Célia Pinto fazere Maria
do Couto imprimir
AntóniaasMonterroso
suas opiniões,
Rosas
conformando--se com as leis que devem reprimir os abusos desta liberdade.
Artigo 9.º – Todas as propriedades são invioláveis, sem qualquer exceção para aquelas que se chamam
Artigo 13.º – A pessoa do rei é inviolável e sagrada. Os seus ministros são responsáveis. Somente ao
rei compete o poder executivo.
Artigo 14.º – O rei é o chefe supremo do Estado, comanda o exército e a marinha, declara a guerra,
20 celebra os tratados de paz, de aliança e de comércio, faz as nomeações para a administração pública e
elabora os regulamentos e ordens necessários para a execução das leis e a segurança do Estado. […]
Artigo 16.º – O rei propõe leis. […]
Artigo 18.º – Toda a lei deve ser discutida e livremente votada pela maioria de cada uma das duas
Câmaras. […]
25 Artigo 22.º – Somente o rei sanciona e promulga as leis. […]
Artigo 27.º – A nomeação dos Pares de França pertence ao rei. […]
Artigo 37.º – Os deputados serão eleitos por cinco anos […]
Artigo 38.º – Nenhum deputado será admitido na Câmara se tiver menos de 40 anos e se não pagar
30 uma contribuição direta de 1000 francos. […]
Artigo 40.º – Os eleitores, que concorrem para a nomeação dos deputados, só terão direito de sufrágio
se pagarem uma contribuição direta de 3000 francos e se tiverem, pelo menos, 30 anos. […]
. Artigo 50.º – O rei convoca, cada ano, as duas Câmaras; prorroga-as e pode dissolver a dos deputados;
neste caso, deve convocar uma nova no prazo de três meses. […]

Em J. Godechot, Les Constitutions de la France depuis 1789, Garnier-Flammarion

1. De acordo com o teor do documento escrito, Luís XVIII tornava-se um monarca:


a) constitucional, sem qualquer controlo sobre as Câmaras do Parlamento.
Boccacio (1313-1375), escritor italiano, Decameron, em Gustavo de Freitas,
b) constitucional, com controlo sobre o poder legislativo.
900 Textos e Documentos de História, vol I, Plátano Ed., 1975
c) absoluto e sagrado, deixando de reunir as Cortes.
d) absoluto e sagrado, com controlo sobre as Cortes.

2. Transcreva uma afirmação do documento que reflita a existência de sufrágio censitário.

3. Explicite, no texto da Carta Constitucional de 1814, três manifestações de defesa dos


Direitos do Homem e do Cidadão1.

1
As três manifestações requeridas não podem referir-se em exclusivo aos Direitos do Homem ou aos Direitos do
Cidadão.

Grupo III – O Romantismo, expressão de defesa da ideologia liberal

DOC. 1 1 Um testemunho escrito do Romantismo (início do século XIX)

Eu custei a vida de minha mãe vindo ao mundo; fui tirado das suas entranhas com ferros. Tinha um
irmão que meu pai abençoou, pois via nele o seu filho mais velho. Quanto a mim, entregue de boa
vontade a mãos estranhas, fui educado longe do teto paterno.
O meu humor era impetuoso, o meu carácter instável, ora traquinas e alegre, ora silencioso e triste; tão
depressa reunia à minha volta os jovens companheiros, como os repelia e me ia sentar isolado, para
contemplar as nuvens fugidiasUmou novo
ouvir a chuva
Tempo tombar11.nas
da História, o
folhas.
ano, Célia Pinto do Couto e Maria Antónia Monterroso Rosas
Todos os outonos, eu regressava ao castelo paterno, situado no meio das florestas, perto de um lago,
DOC. 2 A Liberdade Guiando o Povo, de Eugène Delacroix – óleo sobre tela, 1830

DOC.3 Palácio do Buçaco (pormenor da fachada), estilo neomanuelino,


projeto do arquiteto Luigi Manini, último quartel do século XIX

1. O Romantismo manifestou-se na literatura e nas artes do século XIX, exaltando:


a) a Razão e o cumprimento de regras.
b) a emoção, a sensibilidade e o instinto.
c) o Absolutismo e as suas tradições.
d) o Capitalismo e o progresso material.

2. Os introdutores do Romantismo em Portugal foram:


a) os escritores Almeida Garrett e Alexandre Herculano.
b) os pintores Domingos António Sequeira e Francisco Metrass.
c) os escultores Soares dos Reis e Teixeira Lopes.
d) os monarcas D. Maria II e D. Fernando II.

Um novo Tempo da História, 11.o ano, Célia Pinto do Couto e Maria Antónia Monterroso Rosas
3. Associe o conteúdo dos documentos 1, 2 e 3 (coluna A) às características do movimento
cultural romântico patentes na coluna B.

Escreva, na folha de respostas, apenas as letras e os números correspondentes. Utilize cada


letra e cada número apenas uma vez.

Coluna A Coluna B
(A) Testemunho de Chateaubriand (1) Revalorização das tradições nacionais.
(documento 1) (2) Defesa da causa do Liberalismo.
(B) A Liberdade Guiando o Povo (3) Culto do eu OU figura do herói romântico
(documento 2) como um ser inadaptado ao mundo.
(C) Palácio do Buçaco – pormenor (4) Atração pela Época medieval.
(documento 3) (5) Recuperação das tradições folclóricas.

FIM

COTAÇÕES

GRUPO I
1. ....................................................................................................................................................................... 10 pontos
2. ....................................................................................................................................................................... 25 pontos
3. ....................................................................................................................................................................... 20 pontos
4. ....................................................................................................................................................................... 10 pontos
5. ....................................................................................................................................................................... 10 pontos
6. ....................................................................................................................................................................... 50 pontos
_____________________
125 pontos

GRUPO II
1. ....................................................................................................................................................................... 10 pontos
2. ....................................................................................................................................................................... 10 pontos
3. ....................................................................................................................................................................... 25 pontos
_____________________
45 pontos

GRUPO III
1. ....................................................................................................................................................................... 10 pontos
2. ....................................................................................................................................................................... 10 pontos
3. ....................................................................................................................................................................... 10 pontos
_____________________
30 pontos
___________

TOTAL ........................................................... 200 pontos

Um novo Tempo da História, 11.o ano, Célia Pinto do Couto e Maria Antónia Monterroso Rosas