Você está na página 1de 2

História das Relações Internacionais

Contemporâneas - Aula 03
TRATADO DE VERSALHES

Contexto:

● Rendição da Alemanha
● Retirada imediada da França, Bélgica, Rússia e demais territórios
● Entrega de todas as armas, tanques, aviões e libertação de prisioneiros
dem reciprocidade
● Revanche Francesa
● Nascimento de um Novo Mundo - Woodrow Wilson
● O grande erro do tratado foi ter culpado apenas a Alemanha pela I Guerra

Woodrow Wilson

● Guerra contra o autoritarismo: argumento norte-americano


● Europeus: radicais (vingança pesada contra a Alemanha) x Grã Bretanha
adota uma postura mais ponderada, assim como Woodrow
● Muitos criticaram sua incoerência
● Elogia a Revolução Russa
● Elogia a Alemanha
● 14 pontos de Wilson (JAN/1918): inovador e revolucionário, o discurso
pregava a adoção de princípios éticos na política exterior, e, em particular,
no futuro tratado de paz; e preconizava a constituição de um organismo
internacional, a Liga das Nações, capaz de fazer com que a negociação
substituísse a guerra na solução das controvérsias internacionais;

obrigatórios: 1. não aos acordos secretos; 2. fim do expansionismo; 3. liberdade de


navegação; 4. não ao protecionismo; 5. redução de armamentos; 6. resolução das
questões de soberania entre povos e governos;

negociáveis: questão da Alsácia-Lorena; criação de uma Polônia independente;


respeito às minorias nos Balcãs, e às novas nações que surgiram dos restos do
império Otomano e Austro-Húngaro; sem menções a reparações de guerra;
autodeterminação dos povos: caso polonês, italiano, tcheco e chinês;

Décimo quarto ponto: criação da Liga das Nações; Parlamento Internacional:


órgão que regularia as relações entre os países e substituiria o Equilíbrio de Poder

● Norte-americanos se colocando como associados e não Aliados


● Paz como conceito legal: como lei; a guerra só pode ser travada para
restabelecer a paz
● Grã-Bretanha: paz com justiça e equilíbrio de poder (Lloyd George)

● Revolta Alemã: perdedores tratados como réus e interpretação diferente


do desfecho do conflito
● Guilherme II perdeu a guerra. Clemenceau perdeu a paz. - Ferdinand Foch
● Wilson espera que os pontos ignorados sejam corrigidos pela LDN
● Ausência do presidente, Wilson, em Washington e mudanças internas
Artigo 231 do Tratado: Alemanha como única culpada pela Guerra, deveria arcar
com todos os prejuízos por meio da perda de territórios e do pagamento de
indenizações e do seu desarmamento

A ordem de Versalhes, diferentemente do que havia ocorrido quando dos foros


internacionais anteriores, era incoerente, defeituosa e pouco realista. Essas falhas
advinham da imposição de conceitos europeus pelos vitoriosos. A ordem deixou
de fora as quatro grandes potências, os Estados Unidos, a Nova União Soviética, a
Alemanha e o Japão, que teriam de "andar por si mesmas”. Feriu o nacionalismo
e o princípio da autodeterminação, na Europa e fora dela, nas colônias e nos
mandados.

● A França e a Grã-Bretanha dividiram entre si as colônias alemãs na África


● Alemanha perde 13% do seu território e 10% de sua população
● Proibição de possuir tanques, canhões e aviões de guerra
● Tratado de Saint Germain: a Áustria-Hungria deixa de existir
● Tratado Trianon: Hungria perde território e população para a Iugoslávia,
Romênia e Tchecoslováquia
● Tratado de Neuilly (1919): a Bulgária perde território para gregos, sérvios,
croatas e eslovenos
● Criação da Iugoslávia
● Tratado de Sévres (1920): fim do Império Otomano; com o surgimento de
Kemal Ata Turk, o tratado foi revertido (exército britânico foi derrotado) e a
criação da Turquia se concretizou; abolição do califado; permissão de
vestuário ocidental;
● Tratado de Lausanne: reconhecimento internacional da república da
Turquia

DIFERENÇAS ENTRE VIENA E VERSALHES

● Para Keynes, a paz dependia de uma Europa economicamente estável;


dizia que o tratado seria um fracasso e levaria a outra guerra
● Para Kissinger “um frágil compromisso entre a utopia norte-americana e a
paranoia europeia, cercado de contradições para satisfazer os sonhos dos
primeiros, e de caráter excessivamente experimental para aliviar os receios
dos últimos”
● Em Versalhes, a França não consegue formar uma aliança contra a
Alemanha, não consegue dividi-la e não confia na Segurança Coletiva