Você está na página 1de 18

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ

INSTITUTO DE ENGENHARIA E GEOCIÊNCIAS


PROGRAMA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

GILBERSON LANDER DA SILVA VIEIRA

PROJETO DE PESQUISA: SOBRE O POTENCIAL DE IRRADIAÇÃO SOLAR DA


UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ, CAMPUS TAPAJÓS E RONDON,
PARA FUTURAS INSTALAÇÕES DE GERADOR DE ENERGIA SOLAR
FOTOVOLTAICA.

Santarém- Pará
2018
GILBERSON LANDER DA SILVA VIEIRA

PROJETO DE PESQUISA: SOBRE O POTENCIAL DE IRRADIAÇÃO DA


UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ, CAMPUS TAPAJÓS E RONDON,
PARA FUTURAS INTALAÇÕES DE GERADOR DE ENERGIA SOLAR
FOTOVOLTAICA.

Projeto de pesquisa realizado pelo


Acadêmico Gilberson Lander da Silva
Vieira, do curso de Engenharia Física da
Universidade Federal do Oeste do Pará.
Submetido como requisito para obtenção da
nota final na disciplina Interação na Base
Real orientada pela Professora Dra Allana
do Socorro Lima da Silva.

Santarém- Pará
2018
LISTA DE FIGURAS

1 Figura 1 – Movimentos de Rotação e Translação da Terra ............................ 11


2 Figura 2 – Declinação solar 23,45°,estações do ano no hemisfério sul ......... 12
3 Figura 3 – Efeito fotovoltaico e fotoelétrico ..................................................... 18
4 Figura 4 – Célula fotovoltaica e sua conversão .............................................. 22
5 Figura 5 – Sistema Geração de energia Solar (On grid) ................................ 25
6 Figura 6 – Sistema Geração de energia Solar (On grid)/ Diagrama ............... 25
7 Figura 7 – Sistema Geração de energia Solar (Off grid) ................................ 25
8 Figura 8 – Sistema Geração de energia Solar (Off grid)/ Diagrama............... 25
9 Figura 9 – Mapa da cidade de Santarém ....................................................... 25
10 Figura 10 – Piroeliômetro digital ICEL SP-2000.............................................26
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO................................................................................................ 6
2 REFERENCIAL TEÓRICO............................................................................. 7
2.1 MOVIMENTOS DE ROTAÇÃO E TRANSLAÇÃO DA TERRA....................... 7
2.2 RADIAÇÃO SOLAR........................................................................................ 8
2.3 EFEITO FOTOVOLTAICO E FOTOELÉTRICO.............................................. 8
2.4 CÉLULA FOTOVOLTAICA ............................................................................ 9
2.5 SISTEMA ON GRID....................................................................................... 10
2.6 SISTEMA OFF GRID .................................................................................... 11
3 METODOLOGIA ............................................................................................ 13
4 RESULTADOS ............................................................................................... 19
5 CONCLUSÃO ................................................................................................ 23
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS......................................................................... 24
RESUMO

O presente projeto de pesquisa realiza um levantamento do potencial da

irradiação solar nos Campus de propriedade da Universidade Federal do Oeste do

Pará – UFOPA, na cidade de Santarém Pará. Os levantamentos dos dados serão

obtidos através de um aparelho de medição de Irradiação Solar o Piroeliômetro, que

dará valores em [W/m²]. Esses valores serão disponibilizados em uma tabela para

posteriormente serem analisados e utilizados nos cálculos de irradiação por tensão. A

Universidade Federal do oeste do Pará possui dois campus de sua propriedade em

Santarém, Campus Tapajós e Campus Rondon, para melhor precisão nos cálculos os

dados serão coletados durante quatro horários no período diurno, 08h00min,

12h00min, 16h00min e 19h00min, durante 8 dias, a contar do dia 12/02/2018. São

vertentes principais deste trabalho verificar com base nos dados obtidos, se existe a

possibilidade de se obter a geração de energia elétrica através de um sistema solar

fotovoltaico, nos campus de propriedade da UFOPA.

Palavras-chave: irradiação solar, energia solar fotovoltaica, efeito


fotovoltaico.
1. INTRODUÇÃO

O Sol é uma fonte inesgotável de energia, o nosso planeta possui um


potencial enorme no que diz respeito à irradiação solar, isso porque sua localização é
estratégica no Sistema Solar o que proporciona uma boa absorção dessa luz,
fazendo com que ela seja irradiada em sua grande parte de forma potencialmente
elevada, e que existem poucos lugares onde a luz solar não é de forma intensa.
Verificando isso que de maneira excepcional cientistas e observadores verificaram
que essa transformação de Luz solar poderia gerar tensão elétrica, possível através
do efeito fotovoltaico.
A Energia fotovoltaica transforma energia luminosa dos raios solares,
irradiação solar em uma diferença de potencial, na sua forma contínua. O processo
de transformação de energia solar em elétrica é causado pelo efeito fotovoltaico. As
células fotovoltaicas são formadas pelo de silícios ou algum outro material
semicondutor condutor dopadas para causarem esse efeito, com a incidência de luz
na célula os elétrons se movimentam de uma camada para outra da célula, causando
essa diferença de potencial.
Até o final do ano de 2014 a energia solar produzida no mundo chegou a
impressionantes 178 GW, com sua maior produtora de energia solar sendo a Europa.
A Alemanha continua sendo o país de maior produção de energia solar, mas os
mercados produtores que mais crescem são China, Japão e Estados Unidos, a
Energia Fotovoltaica já e hoje a terceira mais importante fonte de energia renovável
na produção de eletricidade, ficando atrás da hidráulica e eólica.
O Brasil ainda possui um potencial de energia solar instalado bem a baixo
de 1GW, se comparados com os mais de 88 GW instalados na Europa. Fazendo uma
comparação com o potencial de irradiação que nosso país possui com a Europa, esse
potencial de irradiação ainda é pouco explorado, se verificarmos que a Europa possui
menos potência de irradiação solar que o Brasil, mas a Europa explora muito mais
esse recurso. Os comparativos de potencial de energia fotovoltaica em escalas
mundiais nos últimos anos podem ser observados com base nos gráficos.
Atualmente no Brasil estão em vigor Leis de incentivos que possibilitam a
criação de sistemas de geração de Energia Fotovoltaica que facilitem mais o
consumidor a procurar esse modelo de sistema de energia, diferente das leis
anteriores que tornavam inviáveis a procura desse modelo de geração de energia.
As leis atuais possibilitaram uma maior procura, pois além dos incentivos fiscais
deram ao consumidor uma possibilidade de poder gerar sua própria energia.

2. REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 MOVIMENTOS DE ROTAÇÃO E TRANSLAÇÃO DA TERRA


Os movimentos de Rotação e Translação da Terra em torno do sol são
movimentos simultâneos executados ao mesmo tempo, e o movimento que a Terra
da em seu próprio eixo é a Rotação com duração de 24 horas, esse movimento nos
da sensação de dia e noite. E o movimento que a Terra gira em torno do Sol por uma
elipse invisível é o movimento de Translação o qual dura um ano. Este movimento
nos proporciona alguns momentos do ano onde a radiação solar está maior em
algumas regiões do planeta do que em outras. A Figura 1 nos mostra esses
movimentos.

Figura 1 – Movimentos de Rotação e Translação da Terra. Fonte:


Centro de Referência para Energia Solar e Eólica Sérgio de Salvo Brito -
CRESESB (2014, p. 69, figura adaptada)

De acordo com o Centro de Referência para Energia Solar e Eólica Sérgio


de Salvo Brito - CRESESB (2014), existe um ângulo de declinação solar (δ) que a
Terra possui na sua trajetória elíptica em relação à linha do Equador um plano
inclinado de -23,5º e +23,5º sendo esse positivo ao norte da linha do Equador e
negativo a sul da linha do Equador. Essa variação dos ângulos ao longo dos dias do
ano nos proporciona as estações do ano. A Figura 2 nos mostra essa declinação
solar e as suas estações em cada hemisfério.
Figura 2 – Declinação solar 23,45°, indicando as estações do ano no
hemisfério sul. Fonte: CRESESB (2014, p. 70, figura adaptada)

2.2 RADIAÇÃO SOLAR


A radiação que sol envia sobre a Terra não chega a sua totalidade, sendo
reduzida pela atmosfera terrestre por efeitos de reflexão, dispersão e absorção, por
diversos fatores como: poeira, água, poluição, solo, vegetação. Aproximadamente o
nível de radiação solar sobre a superfície terrestre em média e em boas condições
climáticas ao meio dia é 1000 W/m². Sendo este um valor padrão para as dimensões
de módulos e células fotovoltaicas.

2.3 EFEITO FOTOVOLTAICO E FOTOELÉTRICO


O sol transmite energia na forma de luz por ondas eletromagnéticas, as
quais incidentes em alguns materiais produzem alterações nas propriedades elétricas
dos mesmos, produzindo tensões e correntes elétricas. O efeito fotovoltaico e o
fotoelétrico são estes fenômenos capazes dessas transformações. O efeito
fotoelétrico é capaz de ocasionar a remoção de elétrons, logo ele não gera tensão
elétrica. O efeito fotovoltaico consiste na transformação de radiação eletromagnética
em uma tensão causada por uma diferença de potencial sobre uma célula que é
composta por materiais semicondutores. A Figura 3 nos mostra como esses efeitos
são causados.
Figura 3 – Efeito fotovoltaico e fotoelétrico. Fonte: VILLALVA;
GAZOLI (2012, p.41)

2.4 CÉLULA FOTOVOLTAICA


A célula fotovoltaica é formada por um material semicondutor com duas
camadas uma do tipo P e uma do tipo N. A do tipo N possui uma grande quantidade
de elétrons e o do tipo P possuí a falta destes. Quando a incidência de luz sobre a
célula estes elétrons migram da camada tipo N para tipo P gerando um campo
elétrico, conforme mostra a Figura 4.

Figura 4 – Célula fotovoltaica e sua conversão. Fonte: PINHO et


al.(2008, p.56)

As tecnologias mais comuns e utilizadas para a fabricação de células e


módulos fotovoltaicos são as de silício monocristalino e silício policristalino, além das
de filme fino. Sendo as células de monocristalino as de maior eficiência e com maior
custa de produção, e as de policristalino são de mais baixa eficiência porem com um
custo de produção bem mais considerável. As de filme fino tem um baixo custo de
produção mais com baixa eficiência.

2.5 SISTEMA ON GRID


O sistema On grid é um sistema de geração de energia elétrica através do
da Luz solar onde o consumidor gera por esse sistema e injeta diretamente na
concessionária de energia elétrica local. A composição do sistema interligado á rede
elétrica (on grid), de acordo com as Figuras 5 e 6, é formado por um conjunto de
equipamentos; painéis solares, responsáveis pelo processo do efeito fotovoltaico, em
que a tensão gerada é em forma contínua (12 V/ 24 V), ela é transportada por cabos
solares aos inversores de freqüência, com a finalidade de transformar a energia
elétrica que vem dos painéis solares em sua forma contínua (AC), (12 V / 24 V) em
energia elétrica em sua forma alternada (DC), (127 V /220 V) (380 V / 440),
posteriormente ela é transportada através de cabos de baixa tensão para um medidor
de energia solar que é interligado a rede da concessionária de energia local.
Após passar pelo medidor de energia, o que foi gerado pelo sistema solar
é mandado para o consumo, no caso a residência, indústria, etc; entrando em um
quadro de distribuição devidamente compostos por dispositivos de manobra e
segurança (disjuntores, protetores de surto etc). O que passar desse consumo e
lançado a rede da concessionária, sendo lançados créditos nas faturas do
consumidor.

Figura 5- Sistema Geração de energia Solar Interligado a Rede


Elétrica (On grid). Fonte: Portal Solar.
Figura 06- Sistema Geração de energia Solar Interligado a Rede
Elétrica (On grid) Diagrama. Fonte: Portal Solar

Existem também a possibilidade de se ter mini centrais geradoras e micros


centrais geradoras, as quais podem gerar energia elétrica para grandes indústrias e
comércios.

2.6 SISTEMA OFF GRID


O sistema Off Grid é um sistema de geração de energia elétrica por efeito
fotovoltaica onde o consumidor não possui vinculo com a concessionária de energia
local, esse sistema é muito utilizado em regiões de difícil acesso na zona rural. A
Composição do sistema de Geração de Energia solar não interligado a rede (off grid)
ver Figura 07 e 08, é formado por um conjunto de painéis solares que realizam o
mesmo processo dos que são interligados a rede, posteriormente essa energia
gerada em sua forma (DC), (12 V / 24 V) é levada por cabos solares a um
equipamento chamado controlador de carga, que tem como função controlar essa
saída de energia fazendo com que ela chegue em sua forma melhor possível ao
banco de baterias onde essa energia é armazenada, para que se possa ter um
acúmulo para que supra a necessidade em dias de pouca irradiação. Após este
acúmulo a energia é transportada por cabos transportadores os quais levam essa
energia acumulada até ao inversor de freqüência que como dito anteriormente
transforma a corrente contínua (DC) em alternada (AC), com isso a energia é
transportada a um quadro de distribuição que distribuirá a energia aos circuitos.
Diferente do interligado a Rede que precisa de um medidor de energia o não
interligado a rede não precisa desse equipamento, pois não está conectado com esse
sistema. Existe uma autonomia nesse banco de baterias de alguns dias, geralmente
três dias para que o consumidor não fique sem a energia elétrica caso haja mais de
dois dias nublados ou sem radiação solar, caso quase impossível.

Figura 07- Sistema Geração de energia Solar não Interligado a Rede


Elétrica (Off grid).Fonte: Portal Solar

Figura 08- Sistema Geração de energia Solar não Interligado a


Rede Elétrica (Off grid) Digrama. Fonte: Portal Solar
3. METODOLOGIA
O presente trabalho apresenta um roteiro que será seguido por um
período de 8 dias a contar da data do dia 12/02/2018 á 19/02/2018. Será utilizado
um medidor de irradiação solar piroeliômetro, ver figura 10, para aferição dos dados
de irradiação solar [W/m²], os quais serão lançados em uma tabela. Na tabela os
dados serão inseridos de acordo com datas, horários e locais. A localização dos
campos da Universidade Federal do Oeste do Pará está contida no mapa a seguir.

Figura 09- Mapa da cidade de Santarém. Fonte: Google maps

Com a Utilização do Piroeliômetro obteremos os dados de irradiação solar,


este aparelho com certificação internacional de medidas e certificação nacional,
proporciona uma melhor segurança e precisão na coleta dos dados de irradiação
solar. Após a aferição dos dados na tabela será utilizada uma base de cálculos para
verificar se a irradiação solar que cobre os campus da UFOPA será capaz de gerar
quanto em energia elétrica.

Figura 10- Piroeliômetro digital ICEL SP-2000


O comportamento eletrônico de uma célula fotovoltaica pode ser
representado por um circuito equivalente onde podemos representar por valores de
entrada de corrente solar, que é proporcional à radiação solar incidente, esta paralela
com o diodo que é utilizado para representar características não lineares da junção p-
n da célula, e as não idealidades das células são representadas por resistências em
série e paralelo ( Rs e Rp) verificar Figura 10.

Figura 10. Circuito equivalente a um diodo para célula Solar.

A resistência Rs é a soma das resistências e Rp representa a corrente de


fuga dessa junção semicondutora p-n, isso e relativamente dependente de quem
fabrica essa célula fotovoltaica. A equação matemática que será utilizada para o
cálculo que descreve IxV é:

Iph representa a fotocorrente, Ir a corrente de saturação reversa da célula, q


a carga do elétron ( 1,6∙10^-19 C, 𝜼 o fator de qualidade da célula da junção p-n, K a
constante de Boltzmann (1,38·10^-23 J/K) T a temperatura do ambiente em K e Ipv e
Vpv corrente e tensão nos terminais de saída da célula. Para cálculo do Iph, De
(Cavalcanti, Oliveira, et al., 2007) temos a aproximação para a corrente gerada pela
célula fotovoltaica representada pela equação:

Isc é a corrente de curto-circuito da célula, α a coeficiente de Temperatura


Isc , Tr a temperatura de referência (298K) Psum a intensidade de irradiação solar
(W/m²).
Com a utilização desses métodos matemáticos, utilizaremos um software
Matlab de modelagem matemática, encontraremos a corrente gerada para cada
período de tempo em cada campus da Ufopa, e faremos um detalhamento de
quanto de energia elétrica ela será capaz de produzir por esse período de tempo.

A tabela 1 terá os dias e horários específicos que serão verificados nos


cada Campus Tapajós e Rondon da Universidade Federal do Oeste do Pará, para
dados de irradiação.

Data/horário Ufopa/Tapajós [W/m²] Ufopa/Rondon [W/m²]


12/02/2018/ 08:00 hrs
12/02/2018 / 12:00 hrs
12/02/2018/ 16:00 hrs
12/02/2018/ 19:00 hrs
13/02/2018/ 08:00 hrs
13/02/2018/ 12:00 hrs
13/02/2018/ 16:00 hrs
13/02/2018/ 19:00 hrs
14/02/2018/ 08:00 hrs
14/02/2018/ 12:00 hrs
14/02/2018/ 16:00 hrs
14/02/2018/ 19:00 hrs
15/02/2018/ 08:00 hrs
15/02/2018/ 12:00 hrs
15/02/2018/ 16:00 hrs
15/02/2018/ 19:00 hrs
16/02/2018/ 08:00 hrs
16/02/2018/ 12:00 hrs
16/02/2018/ 16:00 hrs
16/02/2018/ 19:00 hrs
17/02/2018/ 08:00 hrs
17/02/2018/ 12:00 hrs
17/02/2018/ 16:00 hrs
17/02/2018/ 19:00 hrs
18/02/2018/ 08:00 hrs
18/02/2018/ 12:00 hrs
18/02/2018/ 16:00 hrs
18/02/2018/ 19:00 hrs
19/02/2018/ 08:00 hrs
19/02/2018/ 12:00 hrs
19/02/2018/ 16:00 hrs
19/02/2018/ 19:00 hrs
Tabela 1- Utilização do Piroeliômetro Digital para obtenção de valores de
irradiação solar [W/m²].

Data/horário Ufopa/Tapajós [Vp] Ufopa/Rondon [Vp]


12/02/2018/ 08:00 hrs
12/02/2018 / 12:00 hrs
12/02/2018/ 16:00 hrs
12/02/2018/ 19:00 hrs
13/02/2018/ 08:00 hrs
13/02/2018/ 12:00 hrs
13/02/2018/ 16:00 hrs
13/02/2018/ 19:00 hrs
14/02/2018/ 08:00 hrs
14/02/2018/ 12:00 hrs
14/02/2018/ 16:00 hrs
14/02/2018/ 19:00 hrs
15/02/2018/ 08:00 hrs
15/02/2018/ 12:00 hrs
15/02/2018/ 16:00 hrs
15/02/2018/ 19:00 hrs
16/02/2018/ 08:00 hrs
16/02/2018/ 12:00 hrs
16/02/2018/ 16:00 hrs
16/02/2018/ 19:00 hrs
17/02/2018/ 08:00 hrs
17/02/2018/ 12:00 hrs
17/02/2018/ 16:00 hrs
17/02/2018/ 19:00 hrs
18/02/2018/ 08:00 hrs
18/02/2018/ 12:00 hrs
18/02/2018/ 16:00 hrs
18/02/2018/ 19:00 hrs
19/02/2018/ 08:00 hrs
19/02/2018/ 12:00 hrs
19/02/2018/ 16:00 hrs
19/02/2018/ 19:00 hrs
Tabela 2- Aferição dos valores com base nos cálculos de tensão [Vp]

Após este procedimento será realizado cálculo de produção de energia


em [Wh] onde este nos mostrará quanto de energia será produzida por um
determinado período de tempo diário. Será utilizado com base na CRESESBE
cálculo de energia produzida por [Whp]. Whp= Vp(média) ∙ Wp, onde Whp é a energia
produzida em uma hora. Para caçulo de Vp(média)= Vp(total)/ nº(medidas diária).

Data/horário Ufopa/Tapajós [Vp] média Ufopa/Rondon [Vp] média


12/02/2018
13/02/2018
14/02/2018
15/02/2018
16/02/2018
17/02/2018
18/02/2018
19/02/2018
Tabela 3- Aferição dos valores com base nos cálculos de tensão [Vp],
média diária.
Data/horário Ufopa/Tapajós [Whp] Ufopa/Rondon [Whp]
12/02/2018
13/02/2018
14/02/2018
15/02/2018
16/02/2018
17/02/2018
18/02/2018
19/02/2018
Tabela 4- Aferição dos valores com base nos cálculos de tensão [Whp]

Após o resultado de Whp, esse resultado corresponde a 2 m², a área do


painel solar em 1(um) dia. E para termos uma quantidade total de energia produzida
em Kwh em cada dia, que é a base de cálculo que as concessionárias de energia
utilizam para o consumidor..
.

Você também pode gostar