Você está na página 1de 25

Lição 9

A soberania de Deus
em meio as crises

Bem Vindos à EBD!

Pr Wellington Serafim
Texto
Áureo

Tu conservarás em paz
aquele cuja mente está firme em ti;
porque ele confia em ti.
(Isaías 26:3)
Verdade Aplicada

A confiança em Deus
nos faz perseverar nos propósitos de Deus,
mesmo na crise.
Objetivos

 Ressaltar que a verdadeira paz só é possível em


Deus.
 Ensinar que em meio as crises o Senhor nos
socorre.
 Mostrar segredos para vencer as crises.
Texto de Referência
Ester 3: 8-11
8. E Hamã disse ao rei Assuero: Existe espalhado e dividido entre os povos em
todas as províncias do teu reino um povo cujas leis são diferentes das leis de
todos os povos e que não cumpre as leis do rei; pelo que não convém ao rei
deixá-lo ficar.
9. Se bem parecer ao rei, escreva-se que os matem; e eu porei nas mãos dos
que fizerem a obra dez mil talentos de prata, para que entrem nos tesouros do
rei.
10. Então, tirou o rei o anel da sua mão e o deu a Hamã, filho de Hamedata,
agagita, adversário dos judeus.
11. E disse o rei a Hamã: Essa prata te é dada, como também esse povo, para
fazeres dele o que bem parecer aos teus olhos.
Introdução

O livro de Ester mostra como é importante


sermos fieis ao Senhor.
Aprenderemos sobre agirmos com coragem e fé
na tribulação e como desenvolvermos nossa
confiança em Deus.
1. Satanás sempre quer
roubar nossa paz

1.1. Família: nosso refúgio, nossa paz.


1.2. É no lar que se aprende a viver e construir
a paz.
1.3. Não existe algo mais valioso do que a paz.
1. Satanás sempre quer
roubar nossa paz

Ninguém pode roubar a nossa paz!


unicamente perdemos a paz
quando abrimos mão dela!
(ver Rm 12:18)
1. Satanás sempre quer
roubar nossa paz
A palavra paz é apontada com um estado de calma ou
tranquilidade.
Desfrutamos da paz de Deus, como resultado de nossa
confiança e relacionamento com Jesus.
Satanás tenta roubar nossa paz usando seus
instrumentos.
1.1. Família: nosso refúgio,
nossa paz

Mardoqueu adotou a Ester, sua prima.


Mardoqueu – Benjamita, descendente de Saul; Como
judeu, descendente de Jacó. 2:5
Hamã – descendente de Amaleque, neto de Esaú. 3:1.
Passados 1.455 anos a raiz de amargura volta a dar
fruto.
Amargura ou paz

Passados 1.455 anos de amargura e desobediência!


“Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de
Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando,
vos perturbe, e por ela muitos se contaminem.” Hb 12:15
A amargura gerou o decreto: ser apagado a memória
de Amaleque. Ex 17:14-16; Dt 25:17,19.
1.2. É no lar que se aprende a
viver e construir a paz

Notamos que havia integração mútua entre Mardoqueu


e Ester. A pessoa se sentir parte da família.
Mardoqueu manifesta direcionamento e cuidado- (Et
2:10; 4:14)
Ester demonstra honra, respeito e cuidado. (Et 2:22,23;
4:15,16)
1.3. Não existe algo mais
valioso do que a paz

Vivemos dias que tanto se fala sobre estresse,


depressão, síndrome do pânico etc.
“Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme
em ti; porque ele confia em ti.” (Is 26:3)
“Mas nós temos a mente de Cristo.” (1 Coríntios 2:16)
Leia a mente de Deus, leia a Palavra dEle!
2. Se incomoda, é
porque brilha

2.1. As crises vem para roubar o nosso sono.


2.2. A crise chega para o povo de Deus.
2.3. A crise chegou e agora?
2. Se incomoda, é
porque brilha
Os persas conquistaram a Babilônia, os judeus foram
liberados para voltar a sua terra, mas alguns preferiram
permanecer.
Havia oportunidades de lucros, mas também teriam
contratempos, pois estam em terra estranha.
2.1. As crises vem para
roubar o nosso sono
Hamã por meio de uma lei determina que todos os
judeus deveriam ser mortos e saqueados. Oportunista.
“Em tudo somos atribulados, mas não angustiados;
perplexos, mas não desanimados; Perseguidos, mas
não desamparados; abatidos, mas não destruídos.
(2Co 4:8,9)
2.2. A crise chega para
o povo de Deus

O amalequita Hamã ficou transtornado, por algo que


parece “simples”, o fato de Mardoqueu recusar-se a se
prostrar diante dele.
Uma atitude desencadeia a manifestação do fruto da
amargura: morte de todo o povo judeu (Et 3:13)
Jacó Guerra no deserto Rei Saul Samuel Mardoqueu
2.3. A crise chegou e
agora?
Hamã estava agindo movido pela raiz de amargura e Satanás
achou lugar na vida dele. (Ef 4:26,27). Aprendemos que:
1. Na hora da crise o melhor é confiar em Deus.
2. Deus é o nosso socorro presente na hora da adversidade.
3. Não deixar que o medo nos domine.
4. Devemos descansar em Deus.
3 Segredos para
vencer as crises

3.1. Vencer o medo.


3.2. Enxergar o triunfo.
3.3. Nosso socorro vem do alto.
3. Segredos para
vencer as crises

Ester e Mardoqueu nos fazem ver que para


transformamos crises em vitórias devemos
enxergar a graça dEle nos sustentando de maneira
especial cada dia.
3.1. Vencer o medo

O Medo não é bom ou ruim em si. O como enxergamos


a situação é o determinante. O medo pode ser:
Paralisante: quando impede de realizar algo
importante
Desafiante: quando nos desafia para que (se toparmos
o desafio) consigamos nos superar (Lado Positivo).
3.1. Vencer o medo

1º Perceba o propósito de tua existência!


“e quem sabe se para tal tempo como este chegaste a
este reino?” Ester 4:14 – 1455 anos com problema?
2º Tenha mais medo de perder a benção do que o
medo de enfrentar a circunstância!
3º Encare a vida com prudência em vez de medo.
3.2. Enxergar o triunfo

“Porque, se de todo te calares neste tempo,


socorro e livramento
de outra parte sairá para os judeus.” (Et 4:14)
Enxergue o teu triunfo!
3.3. Nosso socorro vem
do alto

O monarca sabendo que foi manipulado, enfurecido


manda matar Hamã, na forca que ele havia feito para
Mardoqueu.
Ester, cumpriu seu propósito, salvou os judeus de um
extermínio em massa e deu fim, um basta a sequencia
de frutos amargos, resolveu o assunto inacabado.
Conclusão

 Ressaltamos que a verdadeira


paz só é possível em Deus.
 Ensinamos que em meio as
crises o Senhor nos socorre.
 Mostramos segredos para
vencer as crises.