Você está na página 1de 49

Índice

II
III
SUMARIO EXECUTIVO…………………………………………………………….........V

I
CAPITULO 1 – INTRODUÇÃO......................................................................................................1
1.1. Delimitação Espacial e Temporal..........................................................................................2
1.2. Contextualização....................................................................................................................2
1.2.1. Justificativa....................................................................................................................3
1.3. Problematização.....................................................................................................................3
1.4. Objectivos do Trabalho..........................................................................................................4
1.5. Questões de pesquisa.........................................................................................................4
1.6. Hipóteses...............................................................................................................................4
1.7. Metodologia...........................................................................................................................5
1.8. População e Amostra.............................................................................................................6
1.9. Estrutura do Trabalho............................................................................................................7
CAPITULO 2 – REFERENCIAL TEÓRICO E DEBATE CONCEPTUAL.........................................8
2.1. Referencial Teórico........................................................................................................................8
CAPITULO III. BREVE HISTORAL SOBRE A RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL
.............................................................................................................................................................16
3.1. A Responsabilidade Social Empresarial...................................................................................16
3.2. Desenvolvimento Local............................................................................................................21
3.3. Contributo da Responsabilidade Social na promoção do Desenvolvimento Local....................22
CAPITULO IV – APRESENTAÇÃO, ANALISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA
PESQUISA REALIZADA NA EMPRESA MOCAMBIQUE CELULAR.........................................24
4.1. Breve Perfil da Empresa Moçambique Celular.........................................................................25
4.2.Consideracoes sobre Analise e Interpretação dos Dados...........................................................26
4.2.1. Áreas de Actuação da Mcel e Principais actividades Desenvolvidas.........................................28
4.4. Nível de Satisfação da Comunidade beneficiaria da Acções de RSE da Mcel..............................37
4.5. Verificação das Hipóteses.........................................................................................................38
CONCLUSÃO.....................................................................................................................................39
RECOMENDAÇÕES / SUGESTÕES................................................................................................41
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.................................................................................................42
APENDICE..................................................................................................................................

ANEXOS....................................................................................................................................

INDICE DE TABELAS E GRÁFICOS

Tabela n˚ 1.Modalidade de exercicio da Responsabilidade Social Corporativa...............26

Figura n˚1. Imagem da Empresa Mocambique Celular. Sede...........................................32

Gráfico n˚1 Mcel no âmbito da sua actuação.....................................................................39

Grafico n˚2 Estratégias da Responsabilidade Social Corporativa da Mcel........................40

Grafico n˚3 Percepação sobre os stakeholders em que a Mcel se preocupa no âmbito de sua
actuação.............................................................................................................................. 41
CAPITULO 1 – INTRODUÇÃO

Face ao contexto globalizado de mudanças, transformações sociais, económicas e


tecnológicas, pelas quais passam as empresas, apercebe se uma grande preocupação em
estabelecer padrões de ética e responsabilidade social em suas actividades.

A responsabilidade social é um assunto mais presente no mundo das empresas que investem
em projectos sociais, adoptando uma postura sensível aos problemas da comunidade ou
assumindo responsabilidades sobre os impactos causados pelos seus processos produtivos.

Essa nova postura das empresas implica outra forma de actuação das mesmas, no sentido de
torna lás a altura de responder a novos desafios impostos pela sociedade.

Nessa ordem de ideias assume-se uma nova era empresarial em Moçambique, tratando se de
uma filosofia empresarial voltada para questões sociais e ambientais que tem como objectivo
a valorização da imagem institucional, consumidores leais, maior capacidade de atrair e reter
talentos flexibilidade e capacidade de adaptação as mudanças, longevidade e melhoria da
performance financeira e aumento da produtividade e qualidade.

No nosso Pais, grande parte das empresas vem adoptando uma postura socialmente
responsável, pois a participação das mesmas em temas de responsabilidade social tem sido
discutido amplamente desta forma disseminando a cidadania empresarial.

A Moçambique Celular com a designação de Mcel, é uma empresa nacional que actua na área
de telefonia móvel destaca se em termos de acções de responsabilidade social corporativa
pois a mesma, empreendeu um padrão de conduta ética nos negócios mediante adopção de
princípios e comportamentos éticos que reflectem os pilares de comportamento moral da
empresa em todos os seus relacionamentos.

É neste âmbito que no ano de 2010 a Mcel ganhou o premio melhor contribuição da telefonia
móvel para o desenvolvimento sócio económico a Mcel foi também reconhecida com o
prémio mundial de melhor  rede ecológica, pela Global Mobile Awards, reforçando a posição
de líder ao nível nacional na consolidação das suas práticas de responsabilidade ambiental.

Desta forma constitui objectivo geral deste trabalho, analisar o contributo da responsabilidade
social empresarial na promoção do desenvolvimento local.

1
1.1. Delimitação Espacial e Temporal
A pesquisa efectuouse na empresa Moçambique Celular. SA (Mcel) com sede na Avenida 25
de Setembro nº 710, na cidade de Maputo. A escolha do local deve se ao facto desta ser, uma
das empresas com maior destaque em termos de acções de responsabilidade social em
Moçambique segundo Relatório de Responsabilidade Social Corporativa 2010.

Quanto ao período, o estudo compreende os anos de 2010 e 2015. Este o período justifica-se,
pois, de 2010 a 2015, a Mcel e parceiros traçaram o projecto Moçambique em acção, em que
destacava-se a realização da Feira do Coração, sob o lema “Responsável com a saúde do
Coração” e financiaram a edição de várias obras literárias tais como: Totalidade e A Escrita
Infinita de Francisco Noa, Um Olhar para as Janelas da Esperança de Luís Cezerilo.

1.2. Contextualização
A responsabilidade social foi influenciada pelo ambiente político e social na qual as empresas
se encontravam, após a IIª guerra mundial a maioria dos países ocidentais estavam sob o
domínio do Estado em relação a vida económica e social, de tal maneira que o estado era o
único responsável pelo bem-estar social. Na década de 60, a responsabilidade social era
pouco abordada na arena académica, onde muitas empresas demonstravam se socialmente
irresponsáveis ou ignoravam questões de ordem social, (Giddens, 1998: 52).

No entanto o cenário reverteu se quando os activistas daquela época passaram a questionar o


objectivo económico único das empresas, (Robbins e Coutler, 1998: 42)

Particularmente em Moçambique notam-se uma mudanças a partir da década de 60 onde a


RSE passou a ser tema de debate e as empresas passaram a incutir uma nova filosofia nos
negócios desta forma cumprindo a sua missão realizando actividades inerentes a legalidade e
normas éticas aceites pela sociedade e a grande parte das empresas no Pais empenham-se em
empreender mecanismos de acção social como forma de abranger as comunidades através de
projectos virados a responsabilidade social.

É nesse contexto que empresa Moçambique Celular (Mcel), tem se evidenciado como sendo
uma empresa socialmente responsável, pois em 2010 assumiu um padrão de ética nos
negócios, onde financiou vários projectos como é o caso do apoio que prestou a alguns
autores moçambicanos em suas obras literárias, em conjunto com a feira do livro realizada
anualmente, assim aperfeiçoando e solidificando as práticas de uma empresa cada vez mais
responsável e orgulhosamente Moçambicana.

2
1.2.1. Justificativa
A questão de responsabilidade Social Empresarial tem vindo a ganhar maior espaço a nível
Nacional e Internacional, de tal maneira que quando se fala de uma empresa com ganhos
económicos, e/ou a sua dimensão tenha impacto no mercado, há uma tendência de se verificar
se as suas acções são realmente socialmente responsáveis. Especificamente importa analisar
se as acções da empresa, e o relacionamento com a comunidade em que a empresa esta
inserida e realizada numa base consistente ou socialmente responsável. (Ethos, 2000 1 citado
por Rodrigues e António, 2012: 46).

O estudo é pertinente pois contribui para a percepção do desempenho empresarial na área


social, verificando em que medida as acções nesse campo, contribuem para o melhoramento
das condições de vida das comunidades beneficiárias.

Do ponto de vista teórico-prático o tema é relevante pois analisa a questão Responsabilidade


Social Empresarial no contexto especifico a partir de um quadro teórico determinado e tem
como propósito aplicar os conhecimentos adquiridos ao longo do curso em algumas cadeiras
como é o caso de: Sociologia, Politicas Públicas e Desenvolvimento Organizacional.

1.3. Problematização

A responsabilidade social desempenha um papel preponderante na sociedade devido a


abrangência no âmbito da melhoria na vida da comunidade.

Por tanto, nos últimos anos produziu-se uma evolução na forma de considerar o sector
privado dentro das políticas de cooperação para o desenvolvimento (Ramiro, 2012: 199), e
Moçambique não foi excepção levando essa prática a um nível interno e incorporando as
empresas nas estratégias da luta contra pobreza.

A Mcel, tem-se evidenciado como sendo uma empresa socialmente responsável, pois na
companhia de parceiros implementou projectos virados a promoção do Desenvolvimento
Local, só para trazer um exemplo, a parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia, onde
premiou pelo 3º ano consecutivo, os estudantes vencedores do Equamat e das Olímpiadas de

1
Instituto Ethos. Empresas e Responsabilidade Social 2005.Indicadores Ethos de Responsabilidade Social
Empresarial. Disponível em www.ethos.com acesso Julho de 2017

3
Informática realizadas em todas as províncias do Pais, com objectivo de estimular o interesse
dos alunos da  8ª à 10ª classe, pelas ciências exactas, e capacitá-los no uso das tecnologias de
informação e comunicação.

Portanto, observa-se que depois da implementação destes projectos não há um


acompanhamento ou monitoria das acções realizadas com vista a sua durabilidade, verifica-
se, um esquecimento total por parte da Empresa, afectando consideravelmente a qualidade de
vida da população abrangida. É neste contexto que surge a seguinte questão: Até que ponto
as acções de Responsabilidade Social da Mcel contribuem para o Desenvolvimento
Local?

1.4. Objectivos do Trabalho


1.4.1. Objectivo Geral
 Analisar o contributo da responsabilidade social empresarial na promoção do
Desenvolvimento Local.
1.4.2. Objectivos específicos
 Identificar áreas de actuação da responsabilidade social da Mcel;
 Avaliar os índices de Desenvolvimento Local nas comunidades abrangidas pelas
acções de RSE da Mcel;
 Demonstrar a influência das acções de responsabilidade social da empresa Mcel para
as comunidades locais.

1.5. Questões de pesquisa


 Quais são as áreas actuação da responsabilidade social da Mcel?
 Como são os índices de desenvolvimento local nas comunidades de SER da Mcel?
 Qual é a influência das acções de responsabilidade social da empresa Mcel para as
comunidades locais?

1.6. Hipóteses
 No âmbito da responsabilidade social as áreas de actuação social da Mcel são
desporto, saúde, educação.
 A responsabilidade social terá enfoque no bem-estar das comunidades, contribuindo
significativamente para o desenvolvimento local: como é o caso das feiras e
campanhas de saúde.
 Umas das vantagens da responsabilidade social para as comunidades locais na cidade
de Maputo é a melhoria das condições de vida da população.

4
1.7. Metodologia
Para o desenvolvimento desta pesquisa, utilizou se os seguintes tipos de pesquisa, o que
concerne a abordagem é qualitativo, que segundo Cressweell (2007:162) lida com valores,
crenças, representações, hábitos, atitudes e opiniões, pois na medida em que o investigador
desenvolve conceitos, ideias e entendimentos a partir de padrões encontrados nos dados e não
a recolha de dados para comprovar modelos, teorias ou verificar hipóteses.

Quanto aos fins, esta é uma pesquisa descritiva que, segundo Marconi & Lakatos (2001: 269)
a pesquisa descritiva tem como principal objectivo a descrição das características de
determinadas instituições, populações ou fenómenos, por meio da observação, análise e
descrições objectivas.

Quanto aos meios é uma pesquisa biográfica, documental com uso de entrevista para colecta
de dados empíricos.

Em relação aos métodos de pesquisa foi orientada pelo método Monográfico como de
procedimento2 e o Hipotético-dedutivo o de abordagem3.

O método Monografico permitiu fazer um estudo num o espaço físico, com uma inteiração de
relações sociais, onde buscou-se avaliar a veracidade das teorias levantadas na base do estudo
de caso. A Mcel serviu como uma amostra representativa em relação as restantes empresas
que se dedicam a RSE na Cidade de Maputo e o método Hipotético-dedutivo mostrou-se
importante para o presente estudo, na medida em permitiu o levantamento de dados bem
como a confrontação dos mesmos no terreno com vista a apurar a veracidade dos factos uma
logica exata de raciocínio.

2
Este método é complementado pelas técnicas de pesquisa bibliográfica, técnica documental entrevista semi-
estruturada sob forma de inquérito. Entretanto, tornar-se-á aplicável a técnica de questionário mediante a
elaboração de uma amostra de funcionários, de um universo real. O Método Monográfico ou Estudo de Caso,
este método visa fazer levantamento profundo de determinados casos em todas suas vertentes com intuito de
fazer interpretação da realidade e assim poder retirar diferentes pontos de vista, (Marconi e Lakatos, 2009: 274).
3
Na visão de Carvalho (2009:89), este método justifica-se pela percepção de uma lacuna nos conhecimentos,
acerca da qual se formulam hipóteses depois, pelo processo de inferência dedutivo, testa a predição da
ocorrência de fenómenos abrangidos pela hipótese. Ou seja, a ciência tem o seu ponto de partida nos problemas
que o investigador identifica, os quais são resultado de discrepâncias entre as expectativas e o que ele observa na
realidade.

5
Quanto aos instrumentos de recolha de dados no estudo usou-se a técnica bibliográfica 4 e de
entrevista5

1.8. População e Amostra


Universo ou População é um conjunto definido de elementos que possuem determinadas
características, (Gil, 2007: 92).

Amostra é o subconjunto do universo ou da população, por meio do qual se estabelecem ou


se estimam as características desse universo ou população, (Ibid: 92). Pode-se encontrar
vários (tipos de amostra)6. Porem a pesquisa efectuou-se na base do tipo de amostragem não
Probabilística por Acessibilidade ou Convivência. Segundo Gil (2008:104), neste tipo de
amostragem o Pesquisador selecciona os elementos a que tem acesso, admitindo que estes
possam, de alguma forma, representar o universo. Aplica-se este tipo de Amostragem em
estudos Exploratórios e Qualitativos, onde não é requerido elevado nível de precisão. Neste
sentido entrevistou-se o responsável da área dos assuntos sociais da Mcel.

Em relação as questões Éticas, a presente pesquisa responde as prioridades de pesquisa


definidas pelo ISRI, tal como referidas nos seu plano estratégico referente a formação de
quadro superiores, em particular no processo de ensino e aprendizagem e o bem servir no
mercado de trabalho com maior presteza, eficiência e eficácia. Foi obtida uma autorização da
Mcel, exclusivamente do Departamento de Responsabilidade Social Corporativa da Mcel,
que foi aprovada no dia 28 de Agosto 2017.

Na pesquisa encontrou-se certa limitação. A escassez de obras cientificas, o que fez com que
tivesse que recorrer ao material disponível na Internet. Dificuldades na Recolha de Dados,
pois o quadro de pessoal da Mcel no Departamento de Responsabilidade Social Corporativa
alegava sempre indisponibilidade por parte de seu representante para facultar me a
informação relevante.

4
Técnica bibliográfica Segundo Andrade (1997: 25), consiste em elaborar um trabalho científico a partir de
material já publicado, constituído principalmente de livros artigos periódicos e material disponibilizado pela
internet, assim sendo usarei esta técnica para recolher material com relação ao tema em causa.

5
Ludke e André (1986:84) consideram que a técnica de entrevista desempenha um papel importante na
actividade científica e especificamente na pesquisa em educação, é importante tecer que, numa entrevista deve
se levar em consideração um bloco de questionário que permite identificar assuntos ou temas centrais sobre a
possibilidade de realização ou hipótese de acontecimento e qualificar a sua importância.

Amostragem aleatória simples, Amostragem Sistemática, Amostragem Estratificada, Amostragem por


6

Conglomerados, Amostragem por Etapas, Amostragem por acessibilidade ou por convivência, Amostragem por
Tipicidade ou intencional e Amostragem por Cotas

6
1.9. Estrutura do Trabalho
O presente trabalho é composto por quatro capítulos, O Primeiro capítulo apresenta a
Introdução do trabalho e todos elementos do projecto de pesquisa.

O Segundo capítulo faz menção as reflexões teóricas sobre o assunto em questão insere se
também os conceitos chaves que norteiam a percepção do trabalho. Deste modo o terceiro
capítulo faz se a revisão de literatura onde se destacam ideias de vários autores que já fizeram
estudos idênticos e analisam-se as mesmas segundo o contexto do estudo.

Finalmente o quarto capítulo é destinado a apresentação e interpretação dos resultados da


pesquisa realizada no campo em estudo (Mcel), e em seguida apresenta-se as conclusões,
recomendações, referências bibliográficas, apêndices e anexos.

7
CAPITULO 2 – REFERENCIAL TEÓRICO E DEBATE CONCEPTUAL

No presente capítulo apresenta-se o Referencial Teórico e o Debate Conceptual. O referencial


teórico consiste em destacar a teoria de base, isto é, a posição da pesquisadora no estudo é
sustentada pela teoria de Stakeholders que explica a maneira atuante de empresas no que diz
respeito a RSE. Por outro lado o debate conceptual destaca conceitos definidos e faz uma
análise segundo contexto de cada um de forma que o pesquisador tome o preceito conceptual
que melhor dá percepção ao contexto do estudo. Os conceitos abordados no estudo são o de,
Responsabilidade Social; Desenvolvimento; Desenvolvimento Local; Promoção e Empresa.

2.1. Referencial Teórico


O presente trabalho é realizado à luz da Teoria dos Stakeholders O recurso a esta teoria deve-
se ao facto dos seus pressupostos darem um suporte sólido ao trabalho.

2.1.1.Teoria dos Stakeholders


A teoria dos Stakeholders7 possui suas raízes principalmente na sociologia, no
comportamento organizacional e na política de interesses de grupos específicos.

Freeman e Mcvea (2000:16) definem Stakeholder como a formulação e implementação pelos


administradores processos que satisfaçam todos os grupos que tenham interesses em jogo na
empresa. A principal tarefa nesse processo seria gerênciar e integrar os relacionamentos e os
interesses de accionistas, funcionários, clientes, fornecedores, comunidades e outros grupos
de modo a assegurar o sucesso da empresa a longo prazo.

a) Contexto do Surgimento da Teoria

A primeira aparição do termo Stakeholder no campo da Administração deu-se em um


memorando interno do Instituto de Pesquisa de Stanford Research Institute (SRI) em 1963. A
ideia inicial era designar com essa palavra “todos os grupos sem os quais a empresa deixaria
de existir".Nessa lista estariam inclusos accionistas, empregados, clientes, fornecedores,

7
Stakeholder é um termo em inglês que significa parte interessada ou interveniente, a palavra stakeholder é
muito utilizada nas áreas de comunicação administração e tecnologias de informação cujo objectivo é designar
pessoas e grupos mais importantes para um planejamento estratégico o plano de negócio ou seja partes
interessadas. O modelo Stakeholder é da responsabilidade social visa um equilíbrio social e encara a empresa
como sendo uma organização social que deve trazer algum tipo de benefícios a todos os parceiros de negócios
ou partes interessadas. Disponível em: significados.com.br

8
credores e a sociedade. Os gestores deveriam entender as preocupações dos Stakeholders para
desenvolver objectivos a serem apoiados por eles, (Freeman e Mcvea, 2000:16).

b) Percursores
Os precursores da teoria Geral de sistemas são os seguintes autores:

 Ludwing Von Bertalanffy (1974)8,


 Simon (1963)9,
 Katz e Khan (1970)10 e
 Rosenzweing (1970)11

c) Pressupostos da Teoria de Stakeholders


Para Donaldson e Preston (1995: 68), a teoria dos Stakeholders é uma a tese que defende de
que todas as pessoas ou grupos com interesses legítimos que participam de uma empresa,
fazem-no para obter benefícios e, portanto, não existem motivos para a priorização de um
conjunto de interesses em detrimento de outro.

A teoria dos Stakeholders não parte necessariamente do pressuposto de que os gestores são o
único foco legítimo de controle corporativo e governança. Há uma multiplicidade de
definições de Stakeholder, variando de acordo com sua abrangência. Há exemplos de
definição muito abrangentes, como: Stakeholder é qualquer actor (pessoa, grupo, entidade)
que tenha uma relação ou interesses (directos ou indirectos) com ou na organização.

Freeman e Mcvea (2000:56), também observam que a teoria dos Stakeholders vem-se
desenvolvendo dentro de quatro linhas distintas de pesquisa da Administração de Empresas
nos últimos vinte anos. Os autores identificam tais linhas como: planeamento corporativo,
teoria de sistemas, responsabilidade social corporativa e teoria organizacional.

Na linha do planeamento estratégico, surge a concepção de que estratégias de sucesso são


aquelas que integram os interesses de todos os Stakeholders ao invés de maximizarem a
posição de um único grupo em detrimento dos demais. (Ibid:56)

8
Bertalanffy, L. (1974) General Systems Theory. Geog Brazilier editora: New York.
9
Simon, A. (1963) A capacidade de decisão e liderança. Fundo de Cultura editora: Rio de Janeiro.
10
Katz, D. e Khan, Robert L. (1970) Psicologia social das organizações. Atlas editora: São Paulo.
11
Rosenzweing, E.; Johnson, A.; Kast, F. (1970) The theory and management of systems. McGraw Hill editora:
New York.

9
Por sua vez, na linha da teoria de sistemas e da teoria organizacional enfatiza-se a ideia de
que as empresas são sistemas abertos que se relacionam com diversas partes externas a eles,
tornando-se necessária, portanto, a elaboração de estratégias colectivas que optimizariam o
sistema como um todo, além do reconhecimento de todos os relacionamentos dos quais as
empresas dependem para sobreviver a longo prazo.

Finalmente, a linha da responsabilidade social corporativa não poderia ser considerada um


grupo teórico formalizado, mas uma série de abordagens de casos empresariais e de testes
empíricos que buscariam enfatizar e demonstrar a importância da construção de
relacionamentos fortes e confiáveis e de uma boa reputação com todos os grupos externos à
organização para o sucesso de uma administração.

d) Aplicabilidade da Teoria de Stakeholders


Para Oliveira (2008)12 citado por Siva e Garcia (s/d:10), na gestão sustentada em
Stakeholders, a atenção deverá estar voltada simultaneamente tanto para os diversos
Stakeholders, quanto para as políticas gerais e Responsabilidade Social nas tomadas de
decisões. Essa necessidade de atenção simultânea é fruto dos múltiplos objectivos, os quais
deverão ser integrados pelo gestor, que deverá considerar sempre a Responsabilidade Social
da Empresa ou Responsabilidade Social Corporativa.

Oliveira (2008)13, define Responsabilidade Social Corporativa como sendo as respostas, nas
áreas económicas, legais, éticas e filantrópicas que a empresa deve dar, durante a sua
existência, à sociedade. A objecção mais forte à administração embaçada na teoria dos
Stakeholders, feita pelos que defendem a administração pelo lucro em si, é a de que o
aumento do valor da empresa demanda tempo e isso aumenta o risco do investimento.

Outra objecção é apontada por Friedman (2010)14, que afirma que o gestor que cumpre as leis
do país, estaria necessariamente cumprindo a função Social. Rigorosamente, não se pode
negar que aquele que cumpre a lei, cumpre a função social. Porém, acredita-se que em
decorrência da globalização da economia, dada a velocidade com que as informações são
transmitidas, o gestor será sempre pressionado pelos diversos Stakeholders a fazer além do
que é exigido por lei, (Ibid:13).
12
Oliveira, José A. Puppim de (2008). Empresas na Sociedade: sustentabilidade e responsabilidade social.
Elsevier Rio de Janeiro
13
Veja anota 2
14
Freeman, Edward; Mc Vea, John. A Stakerholder approach to strategic management. Disponível em:
http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=263511. Acesso: 02.abr.2010.

10
Contudo, a teoria dos Stakeholders aplica se ao trabalho na medida em que ela admite existir
uma relação entre a empresa e a comunidade, pois a empresa no âmbito do seu plano
estratégico deve incorporar politicas, viradas a acção social, sem se limitar somente na
maximização de lucros, a mesma deve procurar ajudar a resolver problemas que afligem a
população local, desta forma promover o bem-estar, e assim contribuir para minoração da
pobreza, e contribuir para desenvolvimento local.

2.3. Debate Conceptual


No debate conceptual, discorre se sobre os principais conceitos abordados neste estudo que
norteiam a elaboração desta pesquisa, para a compreensão do tema em apreço, e os conceitos
são os seguintes: Responsabilidade Social, Promoção, Desenvolvimento, Desenvolvimento
local e Empresa.

2.3.1. Responsabilidade Social Empresarial


Na perspectiva de Teixeira (2005:270) Responsabilidade Social é o grau em que os gestores
de uma organização levam a cabo actividades que protejam e desenvolvam a sociedade para
além do estritamente necessário para servir directamente os interesses económicos e técnicos
da organização.

Segundo Neto e Froes (1999:82), Responsabilidade Social consiste na sua decisão de


participar mais directamente das acções comunitárias na região em que esta presente e
minorar possíveis danos ambientais decorrentes do tipo de actividade que exerce.

Na perpectiva do (Ethos, 2000)15citado por (Rodrigues e Duarte, 2006:254),


Responsabilidade Social é uma forma de conduzir os negócios da empresa de tal maneira que
a torna parceira e co- responsável pelo desenvolvimento social.

Portanto os autores partilham da mesma ideia só diferem no cerne de abordagem pois uma
empresa socialmente responsável é aquela que possui a capacidade de ouvir os interesses das
diferentes partes (accionistas, funcionários, prestadores de serviço, fornecedores,
comunidades, consumidores, governo e o meio -ambiente) e conseguir incorpora-los no
planeamento de suas actividades, buscando atender as necessidades de todos e não apenas dos
accionistas ou proprietários.

15
Veja nota 1

11
De uma forma geral dos autores acima indicados, convergem no ponto em que consideram o
conceito de responsabilidade social amplo e chama as empresas a realizar a gestão das
empresas não cingindo se somente no interesse dos proprietários mas também pela
consideração de todos intervenientes do meio envolvente da empresa, desta feita investir no
bem-estar através de acções socialmente responsáveis, e a definição que mais se enquadra
com o tema em análise é a de Ethos (2000) pois as empresas decidem de forma autónoma
participar ou desenvolver projectos de âmbito social com vista a minimizar a pobreza e por
conseguinte contribuir na promoção do desenvolvimento local.

2.3.2. Desenvolvimento
Na perspectiva de Mazula (1995:613) Desenvolvimento é um processo selectivo sócio -
económico, que requer a construção das condições institucionais, humanas e tecnológicas
necessárias ao seu sucesso e sustentabilidade, cujo impacto depende de como é que esse
processo selecciona a aborda as questões de fundo a transformar na economia.

Segundo Souza (1999) Citado por Francisco (2010:67) Desenvolvimento é um processo


multidimensional que envolve a reorganização e reorientação da economia inteira e do
sistema social de um país. Isto envolve uma radical mudança na estrutura administrativa,
assim como mudanças nas atitudes das populações e em vários casos, até mesmo dos
costumes e crenças das populações.

Segundo Todara (2000:16) Desenvolvimento é um processo multidimensional envolvendo


alterações na estrutura social, atitude das pessoas as instituições nacionais bem como a
aceleração, do crescimento económico a redução da desigualdade e erradicação da pobreza.

Tendo em conta as perspectivas dos autores referenciadas encaixam se perfeitamente no


estudo pois o desenvolvimento está relacionado com uma serie de factores como o
crescimento económico, a mudança na atitude das pessoas, bem como na estrutura social de
toda a sociedade que contribuem grandemente para a melhoria das condições de vida de um
país, desta feita a definição que mais se enquadra com o tema em análise é a de Todara
(2000:16), pois para ele existe um desenvolvimento ou mudança a nível da estrutura social
bem como o envolvimento das pessoas e instituições no processo de aceleração do
desenvolvimento e a minimização da pobreza não cabendo somente ao estado mais também a
todos os intervenientes da sociedade.

12
2.3.3. Desenvolvimento Local
Desenvolvimento local significa uma mudança das estruturas sociais e económicas das
instituições, dos processos e relações em qualquer zona rural. Isto é que essas estruturas
respondam rápido e eficazmente as demanda cada vez mais crescentes das comunidades, o
que traduz se na melhoria da qualidade de vida das comunidades locais. (Valá, 1998:18)

De acordo com Borja (1997:115) Desenvolvimento local é um processo que acontece a nível
interno e de forma descentralizada, devendo corresponder as reivindicações de diversidade,
flexibilidade e participação activa da sociedade na tomada de decisões locais.

Abramovay (1998)16 citado por (Tabosa et al, 2002: 20) Desenvolvimento local representa
uma estratégia que deve garantir para o território em questão seja comunidade ou micro
região uma melhoria das condições sócio económicas a médio e longo prazo.

De forma geral as perspectivas dos autores acima supra citados partilham da mesma ideia
pois o desenvolvimento local implica mudanças e melhorias, a nível da estrutura local bem
como o desenvolvimento das mesmas através da melhoria nas infra estruturas, o crescimento
económico e social na comunidade local, dai que a que mais se enquadra com o tema em
análise é a de (Valá, 1998) pois para este autor quando se fala de desenvolvimento local
implica mudanças a nível estrutural, económico e social de forma a garantir uma melhoria no
modo de vida da população local.

2.3.4. Promoção
Segundo Meggison et al, (1998:291) Promoção é a mudança de empregados de um cargo de
nível mais baixo para outro de nível mais alto. Isso geralmente implica um salário maior, um
novo titulo e maiores deveres e responsabilidades essa forma de recompensa motiva bastante.

De acordo com Caetano (2013:56), promoção é uma acção que o enaltecimento de um certo
objectivo ou produto, usando-se de estratégias, políticas de uma determinada área a fim.

De acordo com Chiavenato (2009:359) Promoção é o movimento vertical de uma pessoa para
uma posição elevada dentro da organização. Quando um funcionário recebe promoção,

16
Abramovay, Ricardo (1998) Desenvolvimento local e capital Social: uma Leitura Sobre os Núcleos e
Arranjos Produtivos do Estado de Ceará. Disponível em: www.scielo.br

13
recebe também uma recompensa adicional no seu salário. A promoção simboliza sucesso e
representa um passo acima do funcionário.

Portanto das definições realçadas pelos autores me apego aos conceitos de Meggison et al,
(1998:291) e Chiavenato (2009:359) pois os mesmos trazem uma abordagem que vai de
acordo com o tema em destaque pelo facto dela transparecer o favoritismo que um
empregador promova na sua instituição, como forma emotiva para o funcionário laborar
devidamente e o bom funcionamento da mesma. No concreto a promoção traz um beneficio
no desenvolvimento da actividade efectuada a nível interno ou externo implicando uma
mudança ou melhoria do modo de vida da empresa ou da comunidade.

2.3.5. Empresa
Segundo Duarte e Rodrigues (2001:98) Empresa é um agrupamento humano hierarquizado
que mobiliza meios humanos, materiais e financeiros para extrair, transformar e distribuir
bens ou prestar serviços que atendendo a objectivos definidos por uma direcção faz intervir
nos diversos escalões hierárquicos, as motivações do lucro e da utilidade social.

Assim para Chiavenato (2003:25) Empresa é todo o empreendimento humano que procura
reunir e integrar recursos humanos e não humanos (recursos financeiros, fiscais, tecnológicos,
mercadológicos, entre outros), no sentido de alcançar os objectivos de auto sustentação e de
lucratividade, pela produção e comercialização de bens e serviços. A auto sustentação é um
objectivo obvio, pois trata se de dar continuidade a permanência ao empreendimento A
lucratividade representa a remuneração do empreendimento e si.

Para Friedman (1966: 45) Empresa constitui um tipo específico de organização que se
caracteriza pelo facto do seu fim último ser a maximização de seus lucros, assim em última
análise todos os restantes objectivos são na verdade meios utilizados para maximizar os
lucros.

Analisando as definições de Empresa, acima expostas pelos diferentes estudiosos, nota se


uma convergência entre os mesmos pois consideram empresa como um agrupamento humano
hierarquizado que envolve uma serie de recursos e visa essencialmente a maximização dos
lucros, ignorando em parte a perspectiva do instituto Ethos de Responsabilidade social que
encara a empresa como sendo uma organização social tem em conta todos os intervenientes
do meio que a esta inserida.

14
Assim para efeitos deste estudo a que mais se adequa ao tema em destaque é o de Duarte e
Rodrigues (2001:98) pois traz uma perspectiva inovadora no mercado interno pelo facto da
mesma dar ênfase na estruturação de uma empresa para o bom funcionamento e aquisição do
seu produto pela comunidade. Para tal referir que uma empresa deve estar hierarquicamente
estruturada para o seu bom funcionamento como também de maior apreciação da população.

Contudo, Chegado a este ponto importa referir que apos a discusão de vários autores sobre os
conceitos de seguida segue se o terceiro capitulo onde far se a revisão da literatura e
abordagem dos diferentes autores sobre a responsabilidade social empresarial e a
contribuição da mesma no desenvolvimento local.

15
CAPITULO III. BREVE HISTORAL SOBRE A RESPONSABILIDADE SOCIAL
EMPRESARIAL

No presente capitulo, faz se referencia da revisão da literatura com abordagens centradas, no


breve historial da Responsabilidade Social Empresarial, no contributo da RSE para a
promoção do Desenvolvimento local bem como nas vantagens da prática da RSE.

3.1. A Responsabilidade Social Empresarial


Como se referiu anteriormente a Responsabilidade Social é um assunto mais presente no
mundo das empresas que investem em projectos sociais, adoptando uma postura sensível aos
problemas da comunidade ou assumindo responsabilidades sobre os impactos causados pelos
seus processos produtivos. Essa nova postura das empresas, teve as ruas raízes já no passado.

3.1.1. Evolução Histórica da Responsabilidade Social Empresarial

O conceito de responsabilidade social surgiu pela primeira vez num manifesto subscrito por
cento e vinte indústrias inglesas, em que se referia que a responsabilidade dos que dirigem a
indústria é manter equilibro justo entre vários interesses dos públicos, dos consumidores, dos
accionistas para além da maior contribuição possível para o bem-estar da nação como um
todo. Este conceito tem evoluído ao longo dos tempos através da incorporação de novas
dimensões vigentes em determinado momento. Parra (2006) 17, citado por Rodrigues e Duarte
(2006:96).

Dai que, o tema Responsabilidade Social Empresarial nos dias de hoje, possui um grande
impacto pois tem se discutido mais sobre o mesmo. Pois não é tão recente como pode se
imaginar, visto que desde a era industrial já se falava em responsabilidade social embora que
de forma simplista pois o mesmo cingia se apenas na geração de lucros e empregos a nível da
sociedade.

Contudo importa salientar dois prismas ou pontos de vista que advogam sob a
responsabilidade social empresarial, que são: Responsabilidade social sobre o ponto de vista
clássico e ponto de vista contemporâneo.

17
Parra 2006 A Responsabilidade Social como uma das politicas que ligitima a gestão publica. VIII congresso
Internacional del CLAD sobre la reforma del Estado y de Administracion Pública, Panama

16
a) Responsabilidade Social Empresarial Sobre o Ponto de Vista Clássico
Friedman (196318), citado por Stonner e Freeman (1999:73) é considerado o principal porta
voz desta corrente e seu advogado. Ele argumenta “ a responsabilidade social é conduzir os
negócios em sintonia com desejos de seus proprietários e accionistas, o que accionistas
geralmente quer dizer lucro quanto possível de acordo com as leis básicas da sociedade, tanto
aquela representadas pela lei quanto aquelas representadas pela conduta ética. Assim o
objectivo da empresa é a maximização dos lucros, ou do seu valor no mercado, sujeito as
imposições das regras sociais, (Friedman, 196319 citado por Stonner e Freeman, 1999:73)

Em sua visão, aqueles que argumentam que o executivo de uma corporação tem
responsabilidade social querem dizer que este deve agir de forma que contemple interesse de
seus accionistas. (Ibid:15)

Do ponto de vista clássico, o papel dos administradores é produzir e comercializar bens e


serviços com eficiência ou seja de tal forma que os proprietários da empresa obtém o maior
lucro económico. Realizar outras actividades de responsabilidade social é visto como
perturbação do relacionamento económico fundamental, (Marcondes, 2005:262).

b) Responsabilidade Social Empresarial Sobre o Ponto de Vista Contemporâneo


A visão anterior não se coaduna inteiramente com a da responsabilidade social que se
identifica com preocupações que vão além da eficiência económica da empresa. A eficiência
nos negócios é sempre buscada em qualquer empresa mas esta pode beneficiarsse da
responsabilidade social, embora sua utilização estratégica para aumentar lucros seja distinta
daquela acção que tem origem em razoes morais.

Considera se que a atenção a preferências do consumidor, por exemplo, é apenas uma pratica
eficiente de negócios e não requer outra justificativa a não ser que o lucro obtido com este
tipo de orientação. (Marcondes 2005:262).

18
Friedman (1963) Capitalism and Freedom, University Chicago Disponível em: Wikipedia.org/wiki/ Milton-
Friedman

19
Friedman (1963) Capitalism and Freedom, University Chicago Disponível em: Wikipedia.org/wiki/ Milton-
Friedman

17
Contudo os tempos mudaram e com eles os padrões sociais. Ademais os administradores de
hoje vêm se som frequência a ter de se lembrar de uma antiga verdade “ a de que embora a
empresa busque objectivos económicos, movidos pelos lucros, ela vive e respira na
sociedade.” (Bene, 2004:12).

Desta feita a empresa pode ser socialmente responsável contribuindo assim também para a
rentabilidade das mesmas e para o desenvolvimento da sociedade. Elas possuem no nosso
entender uma espécie de divida social para com a humanidade. Pois as empresas obtêm
(matéria prima, mão de obra, etc.) e retribuem comercializando seus produtos e serviços.
Contudo no processo de fabricação das mercadorias podem gerar impactos negativos nas
comunidades nas quais estão inseridas.

A que ter em conta que actualmente as empresas vão tomando consciência de que a
responsabilidade social é possível de se revestir de um valor económico directo, embora a sua
obrigação seja a obtenção de lucro, as empresas podem ao mesmo tempo contribuir para o
cumprimento dos objectivos sociais e ambientais mediante a integração da responsabilidade
social enquanto investimento estratégico nos seus instrumentos de gestão e nas suas
operações. (Rego et al, 2003:18).

3.1.2. Áreas da Responsabilidade Social Empresarial

Segundo UE (2003:7), o que caracteriza uma empresa socialmente responsável é a sua


relação com a:comunidade20; trabalhadores21; meio ambiente22; consumidores23; concorrentes24
e fornecedores25.

Por outro lado para Chiavenato (2007:398-9), os investimentos em objectivos sociais podem
ser feitos nas seguintes áreas:

20
Recruta funcionários em comunidades carentes e usa serviços de organizações comunitárias;
21
contrata pessoas com experiencia e perspectivas diferentes, cria programas de participação nos lucros e
resultados, evita demissões e ajuda a por os filhos dos trabalhadores na escola;
22
Raz uma auditoria verde, cria um código de reciclagem, usa iluminação inteligente, instala acessórios para a
economia de água; promove o uso de transporte alternativo;
23
Respeita a privacidade dos clientes utiliza anúncios que transmitem modelos positivos hábitos saudáveis e
disponibiliza o maior numero de informações possíveis para o consumidor;
24
Não denigre os seus concorrentes ou produtos dos seus concorrentes, não tenta ganhar vantagem na
competição usando ataques desonrosos aos concorrentes e não usa qualquer estratégia envolvendo ameaças ou
mobilização da influência política contra concorrentes.
25
Evita negócios com empresas que não são éticas e estimulam os seus parceiros a contribuírem em causas
sociais

18
 Área funcional Económica, a empresa da uma contribuição económica a sociedade,
ela produz bens e serviços que as pessoas necessitam, cria empregos paga bons
salários e garante a segurança no trabalho
 Área de Qualidade de vida: a empresa contribui para melhorar a qualidade de vida
na sociedade ou a redução da degradação ambiental. Produz bens de alta qualidade
esforça se para preservar o meio ambiente.
 Área de investimentos Sociais: nesta área a empresa investe recursos para resolver
problemas sociais da comunidade.
 Área de solução de problema: a empresa lida com problemas sociais, participando
na planificação a longo prazo sobre o meio ambienta da comunidade e na condução de
estudos para identificar os problemas sociais. Os problemas desenvolvidos pelas
empresas no âmbito de sua responsabilidade social, incluem actividades nos seguintes
segmentos: cultura e recreação, assistência social, saúde, protecção ambiental,
desenvolvimento e defesa de direitos, infra estruturas e saneamento, higiene e
segurança no trabalho. (Ibid:399).

a) Principais Acções de Responsabilidade Social

Segundo Neto e Froes (2001:56), o exercício da responsabilidade tem dois focos distintos; os
projectos sociais e as acções comunitárias.

Os projectos sociais são empreendimentos voltados para a busca de soluções de problemas


sociais que afligem populações e grupos sociais numerosos ou em situações de alto risco.

As acções comunitárias correspondem à participação da empresa em programas sociais realizados pelo


governo, entidades filantrópicas e comunitárias ou por ambas. Na tabela abaixo, encontram se as
modalidades de Responsabilidade Social corporativa

Tabela 1: Modalidades do exercício de responsabilidade social corporativa

Acções comunitárias Projectos sociais próprios


Acção indirecta sobre a comunidade Acção directa sobre a comunidade
Transferência/repasse de recursos para entidades Aplicação directa dos recursos
A gestão é feita por terceiros A gestão é feita pela própria empresa
São acções de doação e apoio São acções de fomento ao desenvolvimento social

19
Geram retorno tributário, social e institucional Geram retorno social e de mídia institucional
Não demandam acções de marketing social Demandam acções de marketing social

Fonte: Neto e Froes (2001: 29)

Desta forma as acções sociais realizadas pela empresa envolvem custos para a empresa,
mesmo assim as mesmas procuram pautar por uma postura socialmente responsável pois traz
vantagens notórias para e empresa e a comunidade como principal beneficiaria.

b) Vantagens da pratica de Acçoes Socialmente Responsáveis

Segundo Neto e Brennand (2001:11) a empresa deve financiar projectos sociais porque é um
mecanismo de compensação das "perdas da sociedade" em termos de concessão de recursos para
serem utilizados pela empresa.

Na visão deste autor, a responsabilidade social é vista como um compromisso da empresa com relação
à sociedade e à humanidade em geral e uma forma de prestação de contas do seu desempenho
baseada na apropriação e uso dos recursos que originalmente não lhe pertencem. O seu raciocínio é de
que, se a empresa obtém recursos da sociedade, é seu dever restituí-los não apenas sob a forma de
produtos e serviços comercializados, mas principalmente, através de acções sociais voltadas para a
solução dos problemas sociais que afligem a sociedade.

No mesmo diapasão Neto e Froes (2001:29), salientam que os principais benefícios decorrentes das
acções sociais das empresas são ganhos de imagem corporativa que incluem:

 Popularidade dos seus dirigentes, que se sobressaem como verdadeiros líderes empresariais com
elevado senso de responsabilidade social;
 Maior apoio, motivação, lealdade, confiança, e melhor desempenho dos seus funcionários e
parceiros;
 Melhor relacionamento com o governo;
 Maior disposição dos fornecedores, distribuidores, representantes em realizar parcerias com a
empresa;
 Maiores vantagens competitivas (marca mais forte e mais conhecida, produtos mais
conhecidos);
 Maior fidelidade dos clientes actuais e possibilidades de conquista de novos clientes.

Assim, como vimos acima as acções sociais geram vantagens para toda a sociedade pois
abrange não somente a empresa como provedora de produtos e serviços onde ela actua tem

20
em conta o meio em que esta envolvida ou os seus stakehloders, pois nota se uma relação
muito forte de interdependência entre ambas partes e nos dias de hoje as empresas relevam
muito este aspecto, tanto que varias empresas como a empresa Mcel em destaque adoptou
uma postura ética e sensível as carências das comunidades.

3.2. Desenvolvimento Local


Segundo Carolina (s/d:17), O conceito de desenvolvimento local vem sendo criticado e renovado por
muitos autores ao longo dos anos. Um marco importante passa a ser, em 1990, o relatório mundial do
Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), este relatório coloca que o índice de
desenvolvimento humano (IDH), tende a relativizar o PNB por habitante enquanto medida universal
do desenvolvimento e tem forte significado simbólico (Milani, 200526).

Atualmente é quase unânime entender que o desenvolvimento local não está relacionado
unicamente com crescimento econômico, mas também com a melhoria da qualidade de vida
das pessoas e com a conservação do meio ambiente. Estes três fatores estão inter-
relacionados e são interdependentes , (Ibid:18).

Para Sachs (200127), o aspecto econômico implica em aumento da renda e riqueza, além de
condições dignas de trabalho. A partir do momento em que existe um trabalho digno e este
trabalho gera riqueza, ele tende a contribuir para a melhoria das oportunidades sociais. Do
mesmo modo, a problemática ambiental não pode ser dissociada da social. O
desenvolvimento local pressupõe uma transformação consciente da realidade local (MILANI,
2005). Isto implica em uma preocupação não apenas com a geração presente, mas também
com as gerações futuras e é neste aspecto que o fator ambiental assume fundamental
importância. O desgaste ambiental pode não interferir diretamente a geração atual, mas pode
comprometer sobremaneira as próximas gerações

Outro aspecto relacionado ao desenvolvimento local é que ele implica em articulação entre
diversos atores e esferas de poder, seja a sociedade civil, as organizações não-
governamentais, as instituições privadas e políticas e o próprio governo. Cada um dos atores
tem seu papel para contribuir com o desenvolvimento local (Buarque, 199928).

26
MILANI, Carlos. (2005), Teorias do Capital Social e Desenvolvimento Local: lições a partir da experiência
de Pintadas (Bahia, Brasil). In: Capital social, participação política e desenvolvimento
27
SACHS, Ignacy. (2001), Das coisas e dos homens: Teoria do Desenvolvimento a espera de sua revolução
copernicana. Jornal da Ciência (JC E-Mail) - Noticias de C&T - Serviço da SBPC, no. 1836. São Paulo, 23 de
julho de 2001.
28
BUARQUE, Sérgio C. (1999), Metodologia de planejamento do desenvolvimento local e municipal
sustentável. Material para orientação técnica e treinamento de multiplicadores e técnicos em planejamento
local e municipal. Brasília, DF: IICA. local: atores da sociedade civil e políticas de desenvolvimento local na

21
3.2.1. Indicadores de Desenvolvimento Local

Ao se trabalhar com as diversas formas de mensuração da qualidade de vida e do


desenvolvimento deve se ter em mente que a medida direta do desenvolvimento ou de
qualquer outro fenômeno estudado pelas ciências sociais é impraticável, sendo necessária,
portanto, a utilização de indicadores para o desempenho desta tarefa (Colman e Nixson,
1981:78).

Os indicadores utilizados para a medição dos fenômenos mencionados acima são conhecidos
por indicadores sociais ou indicadores socioeconômicos. Estes indicadores pertencem ao
gênero dos indicadores quantitativos. Os indicadores quantitativos englobam todas as formas
de medição dos fenômenos estudados pelas diversas ciências praticadas pelo homem. Esta
ferramenta surgiu com as ciências naturais. Nestas ciências, a construção de modelos e
respectivamente suas formas de medição, os indicadores, apresentam os melhores resultados,
devido ao seu caráter determinístico. No caso das ciências sociais, as relações se apresentam
de forma estocástica, ou seja, não há relação direta entre causa e efeito, o surgimento da
causa apenas aumenta a possibilidade do efeito ocorrer (Trzesniak, 1998:45).

Em função desta limitação, os indicadores sociais não possuem o mesmo grau de consenso e
nem a mesma força explicativa dos indicadores utilizados nas ciências exatas. Sua efetividade
para a explicação dos fenômenos analisados difere no espaço e no tempo.

A PNUD e Banco Mundial apresentam como indicadores de Desenvolvimento Local ao


seguintes: Boa Educação, Saúde, Renda, Pobreza

Neste sentido tem-se como Metas do Milênio. Metas de desenvolvimento social: Saúde,
Pobreza, Diferenciais de gênero, Mercado de Trabalho, Meio ambiente, Cooperação
internacional.

3.3. Contributo da Responsabilidade Social na promoção do Desenvolvimento Local


Para que se possa conhecer o contributo da responsabilidade social empresarial na promoção
do desenvolvimento local, torna se importante conhecer a abordagem teórica do
desenvolvimento local sustentável, e os respectivos indicadores de desenvolvimento que
contribuem para a percepção dos ganhos que a RSE traz para o desenvolvimento local.

Bahia. Escola de Administração da UFBA (NPGA/NEPOL/PDGS).

22
No âmbito do Desenvolvimento Local Sustentável, Bosier (2000:79) afirma que
desenvolvimento sustentável é a gestão cuidadosa das necessidades das gerações presentes,
sem comprometer as necessidades das gerações vindouras.

Chegado a este ponto onde varios autores abordaram sobre o Desenvolvimento Local,
mostram calaramente através de suas abordagens que o Desenvolvimento Local e encarado
como sendo um processo que tem em vista a melhoria das condições de vida das
comunidades, assim importa a seguir trazer alguns indicadores de desenvolvimento tendo em
conta a RSE.

Notam se grandes deficiências nas áreas de actuação, que são peculiares para o
desenvolvimento local ou comunitário quando se fala da educação nota se um índice elevado
de analfabetismo, escolas nao devidamente apetrechadas dai que com a RSE nota se uma
melhoria na educação, pois maior parte das comunidades passam a ter melhores condições,
no processo de ensino e aprendizagem. (Neto e froes 2001:96)

Na saúde considerado um sector prioritário segundo o programa de desenvolvimento de


Moçambique, a insuficiente rede sanitária, baixo nível da esperança de vida da grande parte
da população o índice elevado de sero prevalência pelo HIV/SIDA num melhor nível de
atendimento medico. (Neto e Froes 2001:96)

Na cultura e desporto e meio ambiente o indice elevado de residuos solidos e falta de


investimento no desporto e de condições adequadas para a pratica do mesmo nota se uma
grande melhoria nos ultimos anos com os investiementos realizados, regista se uma melhoria
no meio ambiente e no desporto a maior valorização da cultura Moçambicana.(Ibid:96)

As novas estimativas indicam uma redução da pobreza de 70% em 2009, e uma subsequente
melhoria a um ritmo inferior para 57% em 2015; a incidência da pobreza é relativamente
baixa na cidade de Maputo.29

Deste modo, com a adopção de uma estratégia socialmente responsável pelas empresas, têm
como benefício para todos intervenientes da sociedade, como a comunidade, o governo e a
própria empresa obtém um maior reconhecimento, no mercado dos seus produtos e serviços e
a imagem da empresa fica mais realçada pelo facto, assim ajuda a contribuir na minimização
da pobreza a nível local. Assim importa de seguida fazer uma breve análise da RSE, no caso
especifico pois esse é o foco principal do estudo, no capítulo a seguir aborda se sobre a
29
Fonte: www.ine. gov. mz

23
empresa Mcel, suas acções políticas e projectos virados a RSE, bem como o impacto destes
projectos na vida das comunidades beneficiarias.

24
CAPITULO IV – APRESENTAÇÃO, ANALISE E INTERPRETAÇÃO DOS
RESULTADOS DA PESQUISA REALIZADA NA EMPRESA MOCAMBIQUE
CELULAR
No presente capítulo concebe se a um breve perfil, apresentação e interpretação do resultados
da pesquisa realizada na Empresa Moçambique Celular (Mcel), no departamento de
Responsabilidade social Corporativa.

4.1. Breve Perfil da Empresa Moçambique Celular


A empresa Moçambique Celular é uma operadora de telefonia móvel, fundada em Novembro
de 1997, com a sua sede na baixa da cidade de Maputo. É uma empresa do grupo TDM
(Telecomunicações de Moçambique) e assegura a cobertura nacional de norte a sul  do país
através de mais de 750 antenas. A MCel é a primeira operadora a lançar serviço de banca
móvel em Moçambique.

A empresa Mcel tem vindo a crescer de uma forma vertiginosa e assume-se hoje como o maior
operador nacional de telecomunicações em termos de proveitos, número de clientes, quota de
mercado, cobertura territorial e populacional e taxa de penetração e ainda como um importante
operador global possuindo já acordos de parceria Roaming com 235 operadores em mais de 100
países.

A Mcel foi criada consoante a promulgação da lei de bases nº 14/99 de 1 de Novembro, em 2003
houve a separarão de activos e de contas entre a Mcel e a TDM. Em contrapartida A Mcel e a TDM
decidiram associar se numa empresa só, tendo para já como missão difícil resgatar o sector de
telecomunicações em Moçambique controlado pelo Estado, pois a Mcel e a TDM encontram se em
situação financeira insustentáveis. Em seguida apresenta-se uma ilustração do local em estudo
como demonstra a figura 1

25
Figura 1: Sede da Moçambique Celular, sarl (Mcel) na Av. 25 de Setembro Baixa da Cidade de
Maputo

Fonte: Dados da pesquisa (2017)

A Mcel tem como:

 Visão, ser a operadora e marca de telefonia móvel preferida em Moçambique.


 Missão: oferecer a melhor qualidade de serviços de telefonia móvel em Moçambique,
através da disponibilização de maior valor agregado e melhor experiência aos clientes,
com base num modelo de negócio eficiente e financeiramente sustentável.
 Valores: Os nossos valores são postos em prática nos relacionamentos quotidianos que
temos com os nossos públicos. Fazem parte dos nossos valores os seguintes: foco no
Cliente Confidencialidade Profissionalismo Qualidade Melhoria contínua Inovação
Ética e Transparência.

A Mcel possui politicas que gerem o seu funcionamento como Empresa, e tendo em conta
este aspecto a mesma possui politicas viradas essencialmente a responsabilidade social
corporativa que mesma preconiza como forma de estar inserida no contexto das empresas
socialmente responsáveis e ajudando as comunidades carenciadas e promover o
desenvolvimento.

Segundo o Relatório de RSC, (2015:2) A Mcel formaliza a sua politica de Responsabilidade


Social Corporativa contendo os valores e compromissos assumidos pela empresa que são os
seguintes:

26
4.2.Consideracoes sobre Analise e Interpretação dos Dados
 Quanto a Gestão

Incorporar aspectos ambientais e sociais nos processos de planeamento e tomada de


decisões, Identificar a exposição aos riscos decorrentes dos impactos ambientais e sociais da
actividade, consolidar a relação com os stakeholders (colaboradores, accionistas, clientes,
fornecedores, revendedores, sindicato, governo, imprensa, ambiente, sociedade e
comunidade)

 Quanto a Ética

Cumprir com os requisitos legais vinculados ao negocio, aos padrões de organização


Internacional do trabalho, bem como actualizar se e seguir as recomendações de organizações
internacionais de que faz parte, relacionadas com o sector de actividade e com as praticas e
princípios que defende, nomeadamente os princípios da organização Internacional do
trabalho, incluindo a declaração Universal dos direitos Humanos e os princípios do pacto
Global da Nações Unidas, Garantir a transparência nos negócios e na informação prestada e
aplicar boas praticas do corporate Governance para honrar os compromissos com os
accionistas , Enfatizar o conhecimento do código de Etica e a sua aplicação nas principais
decisões da empresa e no comportamento dos seus colaboradores e fornecedores.

 Quanto ao Relacionamento com os Stakeholders

Incentivar parceiros apoios e cooperação com entidades governamentais nacionais e


estrangeiras entidades do mercado que partilhem os mesmos valores visando desenvolver e
promover acções de responsabilidade social corporativa em diversos segmentos da sociedade,
Respeitar a livre associação sindical os seus colaboradores e o direito a negociação colectiva,
Criar mecanismos para a solução de conflitos de interesses sem comprometer os interesses
colectivos da sociedade,

 Quanto Ao meio ambiente

Promover uma melhoria contínua do seu desempenho ambiental assegurando a eco eficiência
dos processos produtivos, reduzir custos pela adopção da pratica ambientalmente
responsáveis, promover novas tecnologias economicamente viáveis e aperfeiçoar as
operações e processos da empresa de modo a minimizar os impactos ao meio ambiente.

27
 Quanto ao Desenvolvimento Social

promover acções de desenvolvimento local enquadradas na politica de investimento social,


nas comunidades onde a Mcel esta implementada, capazes de contribuir para a construção de
uma sociedade mais equilibrada e justa, estruturar, divulgar implementar e incentivar a
pratica do voluntariado empresarial entre colaboradores levando em consideração as
motivações e competências pessoais de cada um e os critérios e metas estabelecidos pela
empresa alem de oferecer oportunidades que desenvolvam a capacidade de liderança do
voluntários de forma a qualificar a sua actuação social.

Contudo no âmbito de implementação das acções da Responsabilidade Social a Mcel possui


os seus parceiros de actuação que são os seguintes:

 Gabinete da Esposa do Presidente da República


 Governos Provinciais
 Ministério da Saúde
 Ministério da Ciência e Tecnologia
 Ministério da Juventude e Desportos
 Ministério do Interior
 Municípios
 Fundação Clinton, Cruz Vermelha, UNICEF
 AIESEC, CADE, UEM, ISUTC, ISCTEM, APOLITÉCNICA
 AEMO, Ndjira, Marimbique, Alcance, CPHLLN

4.2.1. Áreas de Actuação da Mcel e Principais actividades Desenvolvidas


As principais áreas de actuação da empresa Mcel no que concerne a acções de RSE são as
seguintes:

 Educação;
 Saúde;
 Desporto Comunitário;
 Cultura e meio Ambiente.

28
Nos últimos anos a Mcel vem atravessando momentos difícies, tendo em conta os grandes
constrangimentos financeiros que têm afectado os negócio da empresa e impactado
negativamente as suas actividades, reflectindo nas acções socialmente responsáveis.

Apesar das dificuldades financeiras que a empresa registou no ano transacto, o compromisso
com a responsabilidade social mereceu alguma atenção, como forma de retribuição aos seus
stakeholders pela confiança depositada e por isso, a empresa continuou presente nas áreas que
tem vindo a intervir.

a) Educação
A Educação tem sido uma das áreas prioritárias em que tem se desenvolvido mais projectos
pois é um elemento vital na luta contra pobreza, desta feita destacam se entre varias as
actividades as seguintes:

 A Mcel apoiou pelo quinto ano consecutivo, a campanha nacional de saúde oral nas
escolas, uma campanha que visa sensibilizar e consciencializar as crianças em idade
escolar sobre os cuidados que devem ter com a saúde oral e cultivar hábitos saudáveis
na população. Este ano, o lançamento da campanha teve lugar na Escola Primária
Completa de Namicopo, na Província de Nampula e abrangeu para além de toda
população do país, mais de 2.000 alunos da escola que estiveram presentes na
cerimónia.
 A empresa concedeu um dia aberto a um grupo de alunos que frequentam a
alfabetização da Escola Primária Completa de Laulane em Maputo, para uma visita às
instalações da empresa, por ocasião do Dia Mundial da Alfabetização o objectivo
desta visita era despertar maior consciência da comunidade moçambicana sobre a
importância da alfabetização e da educação no geral e incentivar a todos a inserirem-
se nas escolas, independentemente da idade.
 Promoveu internamente a feira do Livro, que consiste na troca de livros de autores
patrocinados pela Mcel por produtos, alimentares não perecíveis como resultado desta
acção mais de 370 quilogramas de alimentos no perecíveis foram doados ao orfanato
Madre Maria Clara.
 Em parceria com o ministério de ciências e tecnologias premiou pelo terceiro ano
consecutivo os estudantes vencedores das olimpíadas equamat e de informática
realizadas em todo o pais. Estas competições tem por objectivo estimular o interesse

29
dos alunos da 8 e 10 classe, pelas ciências exactas e capacita-los no uso das
tecnologias de informação e comunicação.
 Assegurou aos professores e estudantes do ensino superior o acesso ao mundo digital
a preços competitivos e com forte ênfase em causas sociais, a Mcel tornou se parceira
da iniciativa " E" Moçambique.

b) Saúde

 A Mcel renovou o acordo de parceria com o Ministério da Saúde e a Fundação


Clinton, ao abrigo do qual a empresa disponibiliza a sua plataforma tecnológica a
custo zero, para envio de testagens laboratoriais de exames de diagnóstico de HIV-
SIDA feito em crianças recém-nascidas. Neste projecto, muitas crianças têm iniciado
o tratamento mais cedo o que contribui para que as suas vidas sejam salvas em tempo
célere.
 Um grupo de colaboradores participou numa campanha de doação de sangue, através
de uma brigada móvel do Banco de Sangue do Hospital Central de Maputo, que se
deslocou à empresa, por ocasião da celebração do Dia Nacional do Dador de Sangue.
 Com os parceiros externos através do projecto Moçambique em acção, promoveu a
realização da feira do coração, sob o lema Responsável com a saúde do coração,
durante o qual aproximadamente 15 mil pessoas participaram na marcha secções de
ginástica e airobica para jovens e idosos, jogos para crianças voleibol, artes marciais
entre várias outras modalidades desportivas e em paralelo exames médicos.
 Para assinalar o dia internacional da criança a Mcel promoveu a escala nacional e em
simultâneo vários eventos festivos, tendo em como tema prevenção conta malária.

c) Desporto comunitário

 A Mcel apoiou mais uma vez o projecto “Bolas para os Distritos”, um projecto
concebido pelo Ministério da Juventude e Desportos, que visa aliar os estudos dos
jovens ao desporto nas suas diversas modalidades, como o futebol, basquetebol e
voleibol. Neste projecto, o apoio da Mcel consiste na oferta de bolas para a prática das
modalidades em todas as escolas secundárias do país. É também uma forma de
entreter os jovens e ocupá-los em actividades desportivas, prevenindo-os dos riscos
que os jovens estão sujeitos.

30
 A Mcel foi parceira por anos consecutivos da Taça de Moçambique, através do seu
patrocínio com equipamentos, também foi patrocinadora do basket show realizado a
nível da cidade de Maputo estas actividades enquadram se na promoção do Desporto.

d) Cultura
 A Mcel apoiou mais uma vez o projecto “Prémio Literário 10 de Novembro”,
concebido pela Associação dos Escritores Moçambicanos, em parceria com o
Município de Maputo. A Mcel apoiou mais uma vez o projecto “Prémio Literário 10
de Novembro”, concebido pela Assiciação dos Escritores Moçambicanos, em parceria
com o Município de Maputo. A participação da Mcel consiste na premiação do
vencedor do concurso, através do financiamento para publicação da obra vencedora e
neste ano o vencedor foi o escritor Nelson Fernando Manhisse, com a obra poética
“HÚMUS”.
 A Mcel abraçou projectos literários tais como: UDENAMO A FRELIMO de Lopes
Tembe, Ndelana, perto do fragmento da totalidade e a escrita infinita de Francisco
Noa. Um olhar para as janelas da esperança de luís cezerilho, apoiou igualmente a
comemoração do 50 anos da obra nos matamos o cão tinhoso de Luis Bernardo
Howana , todas estas obras fora apoiadas com intuito de levar a identidade da cultura
Moçambicana
 A participação da Mcel consiste na premiação do vencedor do concurso, através do
financiamento para publicação da obra vencedora e neste ano o vencedor foi o escritor
Nelson Fernando Manhisse, com a obra poética “HÚMUS”.

e) Meio-Ambiente
 A Mcel rubricou um acordo com o Município de Maputo e a empresa User
Experience, ao abrigo do qual e mais uma vez, a empresa disponibiliza a sua
plataforma tecnológica para um projecto de recolha de resíduos em zonas suburbanas
da cidade de Maputo, denominado “Monitoria Participativa – MOPA”.
 Para assinalar o dia 1 de Junho, Dia Internacional da Criança, a empresa mostrou-se
solidária e através de um gesto simbólico, visitou o Centro Infantil Arco Íris, no
distrito de Boane e proporcionou um dia alegre e diferente para as crianças do centro.
Para além do convívio e oferta de brindes as crianças, ofereceu também 35 mudas de
frutas para apoiar a dieta alimentar das crianças que vivem no centro.

31
 A empresa assinou um Memorando de Entendimento com o Ministério da Juventude e
Desportos e a UNICEF, no âmbito do projecto “SMS BIZ”, um projecto direccionado
aos jovens e adolescentes, através do qual podem interagir com uma plataforma para
apresentarem dúvidas sobre saúde sexual reprodutiva, um dilema para os jovens e
adolescentes do nosso país. Neste projecto, a empresa alia mais uma vez o seu
negócio à sua responsabilidade social e coloca à disposição a sua plataforma
tecnológica.

Assim em concordância com o pensamento de Neto e froes (2001:85) acima citados que
advoga sobre as dimensões da Responsabilidade social a Mcel no âmbito da
Responsabilidade Social Corporativa possui duas dimensões Externa e Interna Como ilustra o
Gráfico a seguir:

Gráfico n˚1: Áreas de Actuação de SER da Mcel

Foco nos colaboradores


Actuação Social Interna Gestão da qualidade de vida no trabalho

Foco na comunidade
Actuação Social Externa Fomento do desenvolvimento social local

Fonte: RSC da Mcel Actuação Interna e Externa (2015)

Contudo esta forma de actuação protagonizada pela Mcel tendo em conta a sua dimensão
interna e externa da empresa possui, algumas vantagens que são as seguintes:

 Antecipa os problemas e os riscos que possam surgir decorrentes das suas actividades
e que causam marcas profundas na imagem da empresa
 Reduz os custos decorrentes da actividade, como é o caso da redução do consumo de
recursos naturais e a gestão de resíduos produzidos
 Permite um maior índice de inovação através de oportunidades e do estímulo à
criatividade
 Melhora a imagem e reputação da empresa no mercado permitindo abraçar novas
oportunidades

32
 Assegura a performance económica e financeira da empresa.
 Contribui para o desenvolvimento social e económico dos países
 Permite maior estreitamento de relações com os diversos stakeholders
 Permite maior reconhecimento da empresa pela sociedade. (Ibid:3)

Segundo Relatório de (RSC 2015:7) A Mcel possui várias estratégias no que diz respeito a
responsabilidade social corporativa que é operar de forma económica, social e
ambientalmente sustentável, reconhecendo os interesses dos stakeholders, operacionalizando
através de um posicionamento ético e socialmente responsável, como mostra o gráfico a
seguir:

Gráfico n˚ 2: Estratégias no que diz respeito a responsabilidade social corporativa da Mcel

Crescer com respeito pelo ambiente e pela sociedade;


Inclusão de metas empresariais compatíveis com o desenvolvimento
sustentável da empresa e da sociedade
Económico

Difundir a Ética e a Transparência


Apoiar a comunidade integrando a sustentabilidade
Social

Racionalizar os impactos ambientais decorrentes das actividades


Promover uma melhor gestão dos recursos naturais, assegurando a
Ambiental ecoeficiência dos processos produtivos

Fonte: RSC da Mcel (2015)

Segundo o Relatório de ( RSC 2014:5) A Mcel na sua busca continua em prol do bem-estar
das comunidades e envolvimento na questão da RSC definida pela empresa tem em conta os
Stakeholder no âmbito do seu planejamneto estratégico no que concerne as politicas de
investimento social e critérios para apoios ou patrocínios sociais.

f) Politicas de Investimento Social

33
 Atender preferencialmente projectos implementados nas comunidades vizinhas às
infra-estruturas das antenas da Mcel;
 Atender as necessidades reais, apontadas pela própria comunidade a ser beneficiada;
 Valorizar a participação e o potencial já existente nessas comunidades;
 Ter capacidade de gerar resultados relevantes para os públicos aos quais se destinam;
 Não gerar dependências e possuir condições para garantir a sua sustentabilidade
 Focar os investimentos em responsabilidade social no tema Educação, como base da
formação dos indivíduos e de uma sociedade sustentável;
 Aprovar somente projectos que estejam de acordo com a Estratégia de
Responsabilidade Social Corporativa, assim como de acordo com o orçamento
aprovado para o período.
g) Critérios Para apoios ou patrocínios
 Mérito da proposta;
 Credibilidade e capacidade gerencial do proponente;
 Viabilidade técnica -financeira;
 Compatibilidade com as directrizes da Responsabilidade Social Corporativa da Mcel;
 Grau de acesso do público ao projecto patrocinado;
 Localização das áreas de impacto do projecto;
 Compatibilidade com as Metas do Milénio e as prioridades do Governo;
 Capacidade de apresentação de resultados previstos.

Desta forma estas politicas e critierios para a RSC da Mcel vem criar uma melhor forma de
actuação para a empresa dai o grafico n˚3 abaixo demonstra as partes interessadas neste
processo.(Ibid :13)

34
Grafico 3: Partes interessantes de apio da Mcel

Meio Ambiente Governo


Comunidade
Clientes
Imprensa

planeta Sociedade

Mercado Empresa
Dealers
Fornecidores Colaboradores
Parceiros Accionistas

Fonte: RSC da Mcel (2015)

Contudo, o gráfico acima proprociona a percepação sobre os stakeholders em que a Mcel se


preocupa no âmbito de sua actuação na RSC.

Segundo Alvaro Mujui30, a Empresa Mcel nos ultimos anos vem se deparando com uma crise
financeira, mas mesmo assim não deixou de lado o seu lado etico ou socialmente responsavel
pois continua engajado em projctos virados a RSC mesmo com essa crise, pois tem o seu meo
envolvente ou stakeholders como instrumento importante para sua actuacao, pois sem eles
perderia a sua razao de sser, pois depnde desse meio a sua exixtencia na sociedade.

30
Representante do Departamento financeiro da Empresa Mcel entrevistado a 25/08/2017

35
4.3. Resultado do Questionário
Como resultado do Questionário realizado Internamente, Projectos sociais desenvolvidos pela
Mcel tem impacto positivo na vida das comunidades. Estas acções tem gerado mudança na
vida das comunidades beneficiárias. De acordo com Loforte Iranchante 31 as acções de RSE
não são somente de âmbito externo pois, a empresa desenvolveu várias campanhas internas
socialmente responsáveis com vista a sensibilizar e consciencializar os seus colaboradores
sobre vários temas de interesse dos colaboradores, bem como cultivar o espírito solidário e de
cidadania nos colaboradores. Foi um ano difícil para a empresa devido aos constrangimentos
financeiros mas o compromisso social da empresa não podia ser completamente afectado por
este constrangimento. Daí, o esforço da empresa em continuar presente na vida dos
Moçambicanos e dar o seu contributo para o desenvolvimento social e sustentável do país.

Na Mcel foi criado um departamento de Responsabilidade social corporativa ou empresarial


isso tendo as Normas do Instituto EHTOS de Responsabilidade Social Empresarial, dai que
objectivo fundamental é traçar politicas e desenvolver projectos virados essencialmente a
RSE, onde a efectivação dos mesmos é garantido pelos directores e colaboradores de toda a Mcel,
pois estão todos envolvidos nessa questão de forma activa tanto que, com a existência de um
departamento exclusivo permite um melhor acompanhamento em tornos das acções realizadas, e uma
continua monitoria para a satisfação das necessidades traçadas pela empresa e na observância de uma
das politicas de responsabilidade social que promove o desenvolvimento local e social.

No âmbito da Educação que é uma das áreas prioritárias tendo em conta as acções
desenvolvidas é notório uma melhoria pois o investimento feito nesta área e de grande
relevância através desta visita em prol da alfabetização no país esta foi uma oportunidade de
garantir a inclusão de um grupo que muitas vezes é excluído ou esquecido na sociedade pelo
simples facto de terem frequentado a escola muito mais tarde e encorajá-los a apostarem na
educação.

Com o lançamento da plataforma tecnológica a custo zero, para envio de testagens


laboratoriais de exames de diagnóstico de HIV-SIDA feito em crianças recém-nascidas.
Neste projecto, muitas crianças têm iniciado o tratamento mais cedo o que contribui para que
as suas vidas sejam salvas em tempo célere, trata-se de mais uma acção da empresa em aliar-
se aos esforços do governo para melhorar os sectores mais carentes da sociedade e a saúde é
uma área prioritária. Com a doação de sangue por arte dos colaboradores ao hospital central

31
Representante do Departamento de responsabilidade Social corporativa da Mcel entrevistado no 25/08/2017.

36
de Maputo isto ajuda nos cuidados e saúde dos pacientes desta unidade sanitária esta é mais
uma prova do comprometimento da Mcel com a saúde.

O projecto de patrocínio no desporto como e o caso da Taça de Moçambique o Basket show


continuem para a promoção do desporto e desta forma coloca os jovens longe de maus
hábitos e vícios que não são benéficos para a sua saúde e não só. O apoio constante a autores
moçambicanos na promoção de suas obras literárias, realização de feiras e concursos
estudantis tem sido uma grande aposta para a cultura moçambicana pois um país sem cultura
e mesmo que um povo sem identidade dai que o envolvimento da Mcel através da RSE tendo
sido fundamental para o desenvolvimento

O User Experience, ao abrigo do qual e mais uma vez, a empresa disponibiliza a sua
plataforma tecnológica para um projecto de recolha de resíduos em zonas suburbanas da
cidade de Maputo, denominado “Monitoria Participativa – MOPA”. Este projecto, visa
melhorar o sistema de recolha de resíduos nos bairros periféricos das cidades e províncias do
país e transformar as cidades em cidades mais limpas e saudáveis, é um projecto amigo do
ambiente, cujo impacto reflecte positivamente na qualidade de vida e bem-estar das
comunidades.

O apoio a Cultura e ao desporto, tem sido muito proveitoso e benéfico para os jovens pois é
uma forma de entreter os jovens e ocupa los em actividades desportivas e não so, prevenindo
os e mantendo os longe dos riscos que os jovens estão sujeitos essas actividades
proporcionam momentos de lazer para alem de ajudar mo desenvolvimento físico dos jovens
e futuras estrelas do desporto moçambicano

Assim, a empresa cumpre com todos os requisitos de uma empresa socialmente responsável pois, além
de apoiar acções sociais e estimular o voluntariado através de interacção entre os trabalhadores e a
comunidade, isto na dimensão externa da responsabilidade social, ainda proporciona aos
funcionários um ambiente de trabalho propício às actividades, concerne apoio médico a estes e a
seus agregados, além de apoiar, por meio dos salários acima do padrão, as suas famílias e filhos,
permitindo que estes possam frequentar à escola, isto na dimensão interna de responsabilidade
social e desta forma contribuir para o bem estar dos stakeholders.

37
4.4. Nível de Satisfação da Comunidade beneficiaria da Acções de RSE da Mcel
E importante perceber o nível o nível de satisfação das comunidades pois ela é elemento
fundamental para a percepção da contribuição da RSE na melhoria do modo de vida da
comunidade, assim pretende se responder ao inquérito realizado.

Dos inqueridos, consideram que o apoio prestado pela Mcel é importante e contribui
consideravelmente para a solução de problemas que afligem a comunidade, apesar de a
empresa nos últimos tempos não mostrar se muito preocupada devido a crise que a mesma
enfrenta. Em termos de nível de satisfação a maior parte dos inqueridos consideram positiva a
intervenção da empresa pois melhorou as condições de vida das comunidade, e uma minoria
consideram que não. Deste modo classifica se como Boa, a intervenção apesar de alguns
considerarem que a empresa devia dar uma melhor assistência após a implementação da
acções de responsabilidade social.

4.5. Verificação das Hipóteses


Como hipótese Inicial que estabelecia o seguinte:

 No âmbito da responsabilidade social as áreas de actuação social são desporto, saúde,


educação que tem interferido no processo de desenvolvimento. Com efeito no trabalho
podemos demonstrar que esta hipótese foi confirmada uma vez que as áreas em que a
Mcel actua são as acima mencionadas, e são tidas como prioritárias para o processo de
desenvolvimento local, pois na âmbito de elaboração de projectos socialmente
responsáveis tem se em conta esse aspecto, e para que realmente se promova o
desenvolvimento é crucial que os problemas nessas áreas estejam minimizados.
 A segunda Hipótese referia que A responsabilidade social terá enfoque no bem-estar
das comunidades, contribuindo significativamente para o desenvolvimento local, como
é o caso das feiras e campanhas de saúde, esta hipótese é valida uma vez que dos
colhidos na analise e interpretação de dados notou se que das actividades desenvolvidas
na área da saúde tendo em a RSE registou se uma grande mudança e melhoria nos
cuidados da saúde por parte da comunidade abrangida e não há uma frequência na
realização destas feiras pois a promoção da saúde e bem estar é extremamente
importante para a empresa Mcel pois tem este sector como um dos prioritários em sua
actuação socialmente responsável.
 Finalmente podemos frizar que a RSE contribui significativamente para o bem estar das
comunidades e consequente promoção do desenvolvimento local o mesmo deve ao

38
facto e nos ultimo anos desenvolverem projectos, no caso especifico pela Mcel em
opera com o governo e varias instituições que preocupam se com a questão da pobreza
que afecta o nosso país e usam da RSE como um instrumento para a resolução dos
problemas enfrentados por grande parte as comunidades e desta forma melhorar o
padrão de vida das mesmas e promover o desenvolvimento local e social através de suas
acções.

39
CONCLUSÃO
Do estudo em reflexão pretendia se a resposta a seguinte questão: Até que ponto as acções de
Responsabilidade Social da Mcel contribuem para o Desenvolvimento Local? Sendo que o
objectivo central era de analisar o contributo da responsabilidade social empresarial na
promoção do desenvolvimento local. Do estudo realizado, pode se afirmar que a
responsabilidade social empresarial serve de ferramenta para influenciar no desenvolvimento
local devido o conjunto de acções que foram desenvolvidas em prol das comunidades pois as
mesmas são realizadas em sectores chaves que são tidos como cruciais processo de
desenvolvimento.

Como defende a teoria dos stakeholders a instituição deve ter formular e implementar
processos a que satisfação todos os grupos que tenham interesses em jogo na empresa dai que
nesse processo a empresa deve integrar os relacionamentos e os interesses e accionistas,
funcionários, clientes, fornecedores e outros grupos de forma a garantir o sucesso da empresa
e a satisfação de todos no meio em que a mesma esta inserida, e a teoria geral de sistemas
vem dar mais ênfase quando considera que as empresas devem ser vistas como sistemas
abertos uma vez que são criadas pelo homem e mantém uma interacção dinâmica com o meio
ambiente em que a mesma esta envolvida e a comunidade local sendo parte deste sistema ou
meio estabelece uma constante interacção com a empresa e neste sentido em que empresa
formula politicas de RSE beneficiando as comunidades locais.

Focado nesta ideia é possível verificar que há uma grande preocupação por parte da Mcel no
que diz respeito a melhoria de vida das comunidades e redução da pobreza através de praticas
de RSE em sectores chaves e carenciados do nosso país. As acções desencadeadas pela
empresa tem sido respostas aos problemas sociais que assolam as comunidades, e esta postura
socialmente responsável contribui para o bem estar das comunidades visto que procuram
resolver os problemas da comunidade melhorando suas condições de Educação, saúde,
promoção do Desporto e cultura.

A empresa Mcel atravessa por um momento economicamente difícil mas mesmo assim
continua comprometido e fortemente activo nessa questão de acções sociais para o bem estar
das comunidades, minimização da pobreza e promoção do desenvolvimento local.

Na sua actuação a empresa abre espaço para o envolvimento activo da comunidade, e dos
seus colaboradores na busca de soluções para os seus problemas assumindo assim a questão

40
de RSE sendo algo em que todos estão envolvidos e em simultâneo beneficiados com a
abrangência do conceito da dimensão interna e externa da Responsabilidade Social que é
importante valorizando todos os intervenientes nesse processo.

41
RECOMENDAÇÕES / SUGESTÕES
De acordo com o estudo feito, faz se as seguintes recomendações e sugestões :

 A Mcel devia devia actuar também o sector da Agricultura, e na promoção do emprego


pois são também área que influência no desenvolvimento de um pais.
 A nível da cidade e Maputo nota se poucas acções socialmente responsáveis dai que
podia se investir mais, pois trata se da capital do pais e devia estar numa condição de
pobreza minimizada.
 Tendo em conta que a Mcel e uma das empresas com maior destaque a nível no que
concerne a RSE em Moçambique a empresa podia criar uma associação virada somente
para a RSE isto em consonância com o departamento já existente dentro da Empresa.
 Devia sim a empresa aumentar os seus parceiros de actuação focando se também em
outras grandes multinacionais e desta forma estender o seu campo de actuação.

42
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

a) Fontes Primarias
Loforte Iranchante: Representante do Departamento de responsabilidade Social corporativa
da Mcel entrevistado no 25/08/2017.
Alvaro Mujui: Representante do Departamento financeiro da Empresa Mcel entrevistado a
25/08/2017

b) Fontes Secundarias
Alburquerque .F (1998) Desenvolvimento económico Local e distribuição do progresso
técnico e cadernos do ILPES. Instituto Latino Americano e do Caribe de planejmento,
económico e social ILPES

Alves, E. A. (2003). Dimensões da responsabilidade social da empresa: uma abordagem


desenvolvida a partir da visão de Bowen: pp. 37–45.

Amorim, Rosália (2003) Empresas socialmente responsáveis. Guia de empresas socialmente


responsáveis. Editora Académica, Lisboa

Asley, Patrícia Almeida (2003) Ética e Responsabilidade Social no Negócio. Editora


Saraiva Rio de Janeiro.

Bowen, H. R. (1953). Social Responsibilities of the Businessman. Harper & Row: New York.
Borja, J, A. ( 1997) A participação Citadina: Espaco e Debate Editora Campus, São Paulo.

Buarque, Sergio, C (1999) Metodologia de Planejamento de Desenvolvimento local e


Municipal e Sustentavel. Material de orientacao tecnica e treinamento de multiplicadores e
tecnicas em planejamento local e municipal. IICA: Brasilia.

Carrol, A (1999) Corporate Social responsibility evolution of a definition construct


Bussiness e society, Vol II nº (38), pag 268-295.

Chiavenato, Idalberto (2009) Recursos Humanos O capital Humano das organizações 9ª


Edição, Editora Campus: São Paulo.

Chiavenato, Idalberto (1999) Administração de Recursos Humanos. 4ª Edição, Editora


Atlas: São Paulo.

43
_______________________(1999) Teoria Geral da Administração 5ª Edição, Atlas: São
Paulo.

______________________(1985) Teoria Processo e Prática 2ª Edição, Editora


MakronBooks, Lisboa

_______________________(2010) Gestão de pessoas 2ª Edição, Editora Campus: São


Paulo.

_______________________ (2003) Introdução a Teoria Geral da Administração: 7 Edição,


Elsevier: Rio de Janeiro.

._______________________ ( 2004) Introdução a Teoria Geral da Administração: Uma


visão Abrangente da Moderna administração das Organizações, Edição Compacta. 3 Edição
rev. e actualizada. Rio de Janeiro 5 reimpressão pág. 369-385

_______________________ (2007) Administração: Teoria Processo e Pratica 4 Edição.


Elsevier Rio de Janeiro

Carvalho, E.J. (2000) Metodologia do trabalho científico, saber fazer a investigação


científica, Dissertação e tese 2ª Edição, Escolar editora, Lisboa.

Caetano et al (2000) Mudança Organizacional e Gestão: Recursos Humanos, 2ª Edição


Editora Recursos Humanos, Lisboa.

Caetano, Marcelo (2001) Manual de Direito administrativo 10ª Edição, vol II, 7ª
reimpressão, Editora Almedina, Lisboa, pág 1091.

Carrol. Archie B (1979) A tree Dimensional Conceptual Model of Corporate Performance


vol.4 academy of Manegement Review: New York

Cresswell, John VV (2007) Projecto de Pesquisa: Um método Qualitativo e Quantitativo e


Misto 2 Edição, Porto Alegre: Artmed pag162, Disponivel em: www.blogpost/2012/projectos
de pesquisa

Cochran, P. L. (2007). The evolution of corporate social responsibility.BusinessHorizons:


pp. 449–454.

Domingues, Ivo e Renoaldo, Paula (2012) Responsabilidade Social Organizacional,


Desenvolvimento e sustentabilidade Organizacional 1ªEdição húmus, Lisboa

44
Donaldson, T e Preston, L. E. (1995) The stakeholder theory and the Corporation:
Conceptions, Evidence and Implications. Academy of management Review, Ohio. Vol 2, pag
65−91

Dubrin, J. Andrew (1996) Princípios de Administração, 4ª Edição, Editora Atlas: São


Paulo.

Francisco, A. António (2010) Desenvolvimento Comunitário em Moçambique, Contribuição


para a sua Compreensão Critica 3 edição, Editora BS pag 67

Freeman, R.E e Mcvea, J (2000) A Stakeholder aprroach to Strategic mamegement.


Disponivel em: acs.logs domineotemporario.com/Teoria do stakeholder

Friedman, Milton (1966) Capitalism and Freedom, University Chicago Disponível em: es.
Wikipedia.org/wiki/ Milton-Friedman

Gil, A. C( 1995 ) Métodos e Técnicas de Pesquisa Social 4ª , Atlas: São Paulo.

Gil, A.C, Como Elaborar projectos de pesquisa, 3ªEdição, Editora Atlas: São Paulo.

Lakatos, M e M. Marconi (2009) Metodologia de Investigação Cientifica, 5ª Edição, 3ª


reimpressão. Atlas: São Paulo.

__________________________(1999) Metodologia cientifica, 3ª Edição, Atlas: São Paulo.

Mazula, Brazão (1995) Mocambique: Eleições Democracia e Desenvolvimento, 1 Edição,


Maputo Pag 164 – 613

Melo Neto, Francisco Paulo e Froes, Cesar (1999) Responsabilidade Social & Cidadania
Empresarial. Quality mark ed. Rio de Janeiro

Megginson, Leon C, Mosley, Donald e Pietri Jr, Paul H (1998) Administração: Conceitos e
Aplicações 4 Edição, Harbra: São paulo

Melo Neto, F. & Brennand, J. M (2004:), Empresas Socialmente Sustentáveis: O novo


desafio da Gestão Moderna. Qualitymark: Rio de Janeiro.

Melo Neto, F. & Froes, C. (2001) Gestão da Responsabilidade Social Corporativa: O caso
Brasileiro. Qualitymark: Rio de Janeiro.

45
Milani, Carlos (2005) Teorias do Capital Social e Desenvolvimento Local : Lições a partir
da experiencia de pintadas: In Capital Social, Participação politica e desenvolvimento local:
atores da sociedade civil e politicas de desenvolvimento local na Bahia. Escola de
Administração da UFA, NPGA/PDGS.

Sethi, Ravi (1979) Responsabilidade Social Corporativa, 1ª Edição, Editora Campus: Rio de
Janeiro.

Rodrigues, Jorge e Duarte, Manuela (2006) Responsabilidade Social e Ambiental das


Empresas Escolar Editora: Lisboa.

Rodrigues, Jorge e António, Nelson (2012) Do mercado a ética, Escolar Editora: Lisboa.

Rego, Armenio et al (2003) Gestão Ética E responsabilidade Social das Empresas: Um


Estudo da Situação Portuguesa: Portugal

Robbins, Stephan & Coutler ,Mary (1999) Administração: 2 Edição, pretice Hall do
Brasil, Rio de Janeiro pág 42 Disponvel em: ww.bibliotecavirtual.org/ índex acesso em Julho
de 2017.

Souza, Maria Luiza (1999) Desenvolvimento de Comunidade e Participação Editora cortez:


São Paulo.

Stoner, James A. F, & Freeman, R. Edward (1999) Administração 5a edição. LTC Editora:
Rio de Janeiro.

Teixera, Sebastião (1998) Gestão Estratégica 2ª Edição Escolar Editora: Portugal.

Todaro, Michael (2000) Economic Development. 17 Edição, Addison Wesley: New York

Vala, Cripton Salim (1998) Os imperativos da participação Comunitária no


desenvolvimento Edição nº883, pág18

Vala, Cripton Salim ( 2009) Desenvolvimento Rural em Moçambique “ Um Desafio ao


Nosso Alcance’’ Maputo

Vergara, Sylvia (2000) Projectos e Relatórios de Pesquisa em Administração, 3edicao:


Ediora Atla. São Paulo

46
c) Artigos e Revistas
a) Artigo," Tudo pelo Social" União Europeia Disponível em: www Responsabilidade
social.com / cite

b) Bene, Jr – Artigo sobre Responsabilidade Social Empresarial disponível em:


www.blospot.com/ 2014

c) Friedman, Milton – A Responsabilidade Social do negocio e aumentar lucros disponivel


em:empresasmercado.blogspot.com/1996

d) Relatório de Responsabilidade Social Corporativa 2010 e 2014 Disponível em:


www.Mcel.com acesso Julho de 2017

e) Relatório de Responsabilidade Social Corporativa (Acções) 2013.pag 1-20

f) Relatório de Responsabilidade Social Corporativa (Politicas) 2015. 1-27

d) Teses
a) Machanguana,Constantino, O papel dos conselhos consultivos locais no
desenvolvimento local, O caso do distrito de Marracuene, Novembro de 2008, Maputo

b) Manuel, Sadia. O papel da Responsabilidade Social Empresarial na promoção do


desenvolvimento comunitário, Dezembro de 2004, Maputo

7.4 Fontes Primárias


a) Iranchante, Loforte – Representante do Departamento de Responsabilidade Social
Corporativa ou Empresarial da Mcel entrevistado em 25 de Agosto de 2017

b) Mujui, Alvaro – Representante do Departamento Financeiro da Empresa Mcel


entrevistado em 25 de Agosto de 2017

47