Você está na página 1de 144

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO

MATEMÁTICA 8
Índice Página

Parte 1
Capítulo 1 – Números racionais. Números reais 2
Capítulo 2 – Teorema de Pitágoras 25
Capítulo 3 – Isometrias 38

Parte 2
Capítulo 4 – Funções, sequências e sucessões 48
Capítulo 5 – Monómios e polinómios 61
Capítulo 6 – Equações literais e sistemas 77
Capítulo 7 – Medidas de dispersão 91

Caderno de Fichas
1. Números racionais. 4. Funções, sequências e 6. Equações literais e
Números reais sucessões sistemas
Ficha para praticar 1 98 Ficha para praticar 20 117 Ficha para praticar 33 133
Ficha para praticar 2 99 Ficha para praticar 21 118 Ficha para praticar 34 134
Ficha para praticar 3 101 Ficha para praticar 22 119 Ficha para praticar 35 135
Ficha para praticar 4 102 Ficha para praticar 23 121 Ficha para praticar 36 136
Ficha para praticar 5 103 Ficha de teste 7 122 Ficha para praticar 37 137
Ficha para praticar 6 103 Ficha de teste 8 123 Ficha de teste 11 138
Ficha para praticar 7 105 Ficha de teste 12 138
Ficha para praticar 8 105
Ficha para praticar 9 106
Ficha de teste 1 107 5. Monómios e Polinómios 7. Medidas de dispersão
Ficha de teste 2 108 Ficha para praticar 24 124 Ficha para praticar 38 139
Ficha para praticar 25 124 Ficha para praticar 39 141
2. Teorema de Pitágoras Ficha para praticar 26 125 Ficha para praticar 40 141
Ficha para praticar 10 109 Ficha para praticar 27 126 Ficha de teste 13 142
Ficha para praticar 11 109 Ficha para praticar 28 127 Ficha de teste 14 143
Ficha para praticar 12 110 Ficha para praticar 29 127
Ficha para praticar 13 111 Ficha para praticar 30 128
Ficha de teste 3 112 Ficha para praticar 31 129
Ficha de teste 4 112 Ficha para praticar 32 131
Ficha de teste 9 132
3. Isometrias Ficha de teste 10 133
Ficha para praticar 14 113
Ficha para praticar 15 113
Ficha para praticar 16 114
Ficha para praticar 17 114
Ficha para praticar 18 115
Ficha para praticar 19 115
Ficha de teste 5 116
Ficha de teste 6 116
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO
Capítulo 1
Atividades de diagnóstico pág. 8 8.1. 103 × 105 = 103 + 5 = 108
5 3 5 3 8
297 13 13 :13 1 124 1 1 1 1
1. 33 ; ; 31 8.2.
9 39 39 :13 3 4 2 2 2 2
m.d.c. (133, 5) = 1 3
133 8.3. 102 = 108
é uma fração irredutível. 3
5 102 102 3 106
8.4.
Resposta: (D)
2 3 6
195 195 :13 15 2 2
2. 8.5.
91 91:13 7 3 3
Cálculo auxiliar:
2
195 3 91 7 4 22 2
65 5 13 13 8.6.
13 13 1 32 32 3
1 3
53 53 5
195 = 3 × 5 × 13 91 = 7 × 13 8.7.
27 33 3
m.d.c. (91, 195) = 13
Resposta: (C) 8.8. 85 : 45 = (8 : 4)5 = 25
3 3 3 3 3 3
13 1 3 1 3 1 2 2 1
3. é uma fração decimal 8.9. : :
100 4 2 4 2 4 3 12 6
Resposta: (C) 8 5 8 5 3
1 1 1 1
1 125 1 , 0 0 0 8 8.10. :
4. 0,125 2 0 0,125 3 3 3 3
8 1000 4 0
0
8.11. 25 × 45 : 83 = (2 × 4)5 : 83 = 85 : 83 = 85 – 3 = 82
Resposta: (D) 8.12. (– 3)30 : (– 3)20 × 510 = (– 3)30 – 20 × 510 = (– 3)10 × 510 =
5. 2 , 5 e 13 são números primos. = (– 3 × 5)10 = (– 15)10 = 1510
Resposta: (B) 2 2 5 2 5
1 1 3 1 1 3
7 8.13. : :
6. 1 2 3 5 2 3 5
9
33 1 3
2
3
2
3
2
3
5
3
7
8, 25 3 3 , 0 0 4
4 1 0 8,25 2 1 2 2 2 2
2 0
8
1 0 103 102 105 105 105 1010
10 8.14. 8
1010 8
102
2 5 108 108
17
8,5
2 2 1 4 , 0 0 25 27 125
214 1 4 0 8,56
9. 0,0016 3 3 .
8,56 1 5 0
8 1000
25 0 3 3
27 1 3 1
8 7 , 0 0 0 11 0,04 3 0,04
87 3
8 8 2 3
8
7,91 1 0 0 7,909
11 0 1 0 0 1
83 0 1 0,04 1,5 1,54 0,5 1, 04
8,3 2
10 Resposta: (A)
214
O maior número é . 10.
25

7.1. pág. 9
325 5 300 2
65 5 150 2
13 13 75 3
1 25 5
5 5
1
325 = 5 × 5 × 13 300 = 2 × 2 × 3 × 5 × 5
m.d.c. (325, 300) = 5 × 5 = 25
11. Por exemplo
325 325 : 5 13
7.2. 11.1. [AB] e [EF] porque EF 2 AB
300 300 : 25 12
7.3. O numerador e o denominador de uma fração irredutível são 11.2. [AF] e [AE] porque num triângulo retângulo isósceles, um
números primos entre si. cateto e a hipotenusa são incomensuráveis.
7.4.
1 3 , 0 0 0 0 12 Atividade inicial 1 pág. 10
1 0 0 1,0833
0 4 0 1 1 5 5
0 4 0
1.1. 0,5
2 2 5 10
4
13 3 3 25 75
1,083 1.2. 0,75
12 4 4 25 100

2
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

5 5 125 625 1.7. Vamos usar o algoritmo de Euclides para determinar o


1.3. 0,625
8 8 125 1000 m.d.c. (1999, 650)
2 2 4 8 a b Resto 1999 650
1.4 0,08
25 25 4 100 1999 650 49 49 3

7 20 7 27 5 135 650 49 13
1.5. 1 1,35 650 49
20 20 20 5 100 49 13 10 160 13
1 3 16 1 49 49 625 30 625 13 10 3 13
1.6. 3 3,0625
16 16 16 16 625 10 000 10 3 1
12 2 15 103 3 1 0 49 13
2. 1,2 = ; 0,2 = ; 0,15 = ; 1,03 = ; 10 3
10 10 100 100 m.d.c. (1999, 650) = 1
13 1999
0,013 = é uma fração irredutível.
1000 650
7
Questão 1 Pág. 11 1.8. é irredutível
40
8 4 2
1.1. ; 25 = 5 40 = 8 × 5 = 23 × 5
50 25 O denominador não tem fatores primos diferentes de 5 e de
O denominador não tem fatores primos diferentes de 5 e de
7
8 2. pode ser escrito na forma de fração decimal.
2. Logo, pode ser escrito sob a forma de fração decimal. 40
50
97
1.2. é uma fração irredutível (97 é um número primo) Pág. 12
76 Questão 2
76 2
38 2 3 3 53 3 125 375 375
19 19 2.1. 3
0,375
1 23 23 53 2 5 103 1000
2
76 = 2 × 19
7 7 22 7 4 28 28
97 2.2. 2
0, 28
O fator 19 é diferente de 2 e de 5. Logo, o número não 52 52 22 5 2 102 100
76
pode ser escrito sob a forma de fração decimal. 9 9 2 18 18 18
2.3.
Conclusão 2 52 2 2 52 2 2 52 2 52 10 2
Podem ser escrito sob a forma de fração decimal os números
18
8 3 7 0,18
, e . 100
50 30 40
1 1 53 125 125 125
3 1 2.4.
1.3. é uma fração decimal. 25 2
5 2 52 53
5
25 55 2 5
5
105
30 10
27 125
1.4. é uma fração irredutível 0,001 25
70 100 000
70 = 2 × 35 = 2 × 5 × 7 7 7 7 7 7 52
A decomposição do denominador em fatores primos inclui 2.5.
40 4 10 2 2 5 2 5 2 5 52
2 3 3

um fator diferente de 2 e de 5 (7). 7 25 175 175 175


27 3
0,175
Logo, não se pode exprimir como fração decimal. 23 53 2 5 103 1000
70
73 19 19 19 19 22 19 2 2
1.5. é uma fração irredutível 2.6. 2
225 250 10 25 2 5 5 2 2 2 53 2 3 53
225 3 19 4 76 76
75 3 3
0,076
25 5 2 5 103 1000
5 5
1 451 451 451 451 54 451 625
225 = 32 × 52 2.7. 4
160 10 16 5 2 2 5 54 25 55 2 5
73 281 875 281 875 281 875
O fator 3 é diferente de 2 e de 5. Logo, não admite uma 2,818 75
225 5 2
5
105 100 000
representação sob a forma de fração decimal.
23 105 105 : 21 5 5 5 55 56
1.6. é uma fração irredutível 2.8.
275 672 672 : 21 32 25 25 55 105
275 = 25 × 11 = 52 × 11 15 625
0,156 25
23 100 000
não pode ser escrito sob a forma de fração decimal
275
porque a de 275 num produto de fatores primos tem um fator
diferente de 2 e de 5.

3
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

Pág. 13 37
• é irredutível porque 37 é um número primo.
Atividades de aplicação 1 2 52
3

20 2 1 Os fatores primos do denominador são iguais a 2 ou a 5.


1.1. 20% =
100 10 5 Logo o número pode ser representado por uma dízima finita.
0,5 0,5 10 5 1 13 13
1.2. 0,5% = •
100 100 10 1000 200 55 5 11
0,25 0,25 100 25 25 : 25 1 O denominador da fração irredutível tem um fator (11)
1.3. 0,25% =
100 100 100 10000 10000 : 25 400 diferente de 2 e de 5. Logo, o número não é representável
0,02 0,02 100 2 1 por uma dízima finita.
1.4. 0,02% =
100 100 100 10000 5000 622
• 1, 2 56 6 2 2 , 0 0 0 495
1,2 1,2 10 12 12 : 4 3 495 1 2 7 0 1,256
1.5. 1,2% = 2 8 0 0
100 100 10 1000 1000 : 4 250 3 2 5 0
1,25 1,25 100 125 125 :125 1 2 8 0
1.6. 1,25% = 622
100 100 100 10000 10000 :125 80 não é representável por uma dízima finita.
37,5 375 375 :125 3 795
1.7. 37,5% =
100 1000 1000 :125 8 1177
• 0,2 356
1,003 1003 4995
1.8. 1,003% =
100 100000 1177
não é representável por uma dízima finita.
132 132 : 4 33 4995
1.9. 132% =
100 100 : 4 25 São representáveis por uma dízima finita os números
5 5 , 0 0 0 8 21 560 37
2. 0,625 2 0 0,625 , e 3 2 .
8 4 0 175 52 2 7 2 5
0 13 1 3, 0 0 0 55
3.2. 0,2 36 2 0 0 0,236
11 1 1 , 0 0 6 55
1,8 3 5 0 0 1,83
3 5 0
6 2 0
2 0
2 13
1 1 , 0 5
0,2 36 ; período 36 de comprimento 2.
2 2,2 55
5 0 0,2
622
1, 2 56 ; período 56 de comprimento 2.
6 , 0 0 0 0 0 0 13 495
6 0 8 0 0,461538
0, 461 538 1177
13 0 2 0 0,2 356 ; período 356 de comprimento 3.
0 7 0 4995
0 5 0 1 1 7 7 , 0 0 0 0 4995
18 1 1 0 1 7 8 0 0 0,2356
6 0 6 2 8 1 5 0
3 3 1 7 5 0
6 6 , 0 0 11 1 7 8 0
0, 54 0 5 0 0,54
11 0 6 21 3 7 3 3 22 3 4 12
3.3. • 2
41 4 1 , 0 2 175 25 7 52 52 2 2 5 2 102
20,5 0 1 0 20,5
2 12
0 0,12
100
7 7 2 14 ou
1,4 2 1 , 0 0 175
5 5 2 10 21 0 3 5 0 0,12
21 2 1 , 0 105
0,12 0 0 0
0, 2 ; 175
105 0 0 0 0,2
560 2 4 5 7 23 2 5 2 3 2 3 2
5 1 18 41 7 21 •
Dízimas finitas: ,2 , , , , 2
5 2 7 52 2 7 5 5 2 5 5 2
8 5 3 2 5 105
16
11 6 6 1,6
Dizimas infinitas periódicas: , , 10
6 11 13 ou
5 6 0 35
21 3 7 3 560 560 56 2 1 0 1,6
3.1. • 2
1,6
175 25 7 52 5 2 7 350 35 0 0
O denominador da fração irredutível não tem fatores primos 37 37 5 185 185 185
21 • 3 2 3
diferentes de 2 e de 5. Logo, é representável por uma 2 5 23 52 5 23 53 2 5 103
175
dízima finita. 185
0,185
560 2 1000
560 24 5 7 16 5 16 280 2
• 2 2
1,6 140 2 ou 3 7 , 0 0 0 200
5 2 7 5 2 7 5 5 2 10 70 2 37 37 37 1 7 0 0 0,185
560 35 5 0,185 1 0 0 0
é representável por uma dízima finita. 7 7 23 52 8 25 200 0 0 0
52 2 7 1

4
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

4. Conjetura: pág. 15
4 5 10 1 Questão 4
0, 4 ; 0, 5 ; 1 1, 1
9 9 9 9 4.1. x = 1,(13) ; 100x = 113,(13)
11 2 15 6 112
1 1, 2 ; 1 1, 6 100 – x = 113,(13) – 1,(13) 99x = 112 x
9 9 9 9 9
1 1 3 , 1 3 1 3 …
Verificação: − 1 , 1 3 1 3 …
4 , 0 9 ; 5 , 0 9 ; 100 9
1 1 2 , 0 0 0 0 …
4 0,4 5 1 10 1,1
1 112
1,(13) =
99
1 1 , 0 9 ; 1 5 , 0 9
2 0 1,2 6 0 1,6 4.2. x = 0,(05) ; 100x = 5,(05)
2 6 5
100x – x = 5,(05) – 0,(05) 99x = 5 x=
99
pág. 14 5 , 0 5 0 5 …
− 0 , 0 5 0 5 …
Atividade inicial 2 5 , 0 0 0 0 …
1. 1,325 – 0,037 = 1,288 5
1 , 3 2 5 0,(05) =
− 0 , 0 3 7 99
1 , 2 8 8 4.3. x = 0,5(32) ; 100x = 53,2(32)
2. 10, 327 – 1,32= 9
100x x 53,2 32 0,5 32 99x = 52,7
1 0 , 3 2 7
− 1 , 3 2 7 52,7 527
9 , 0 0 0 x x
3. 1, 3333… – 0,3333… = 1 99 990
5 3 , 2 3 2 3 2 …
1 , 3 3 3 3 … − 0 , 5 3 2 3 2 …
− 0 , 3 3 3 3 … 5 2 , 7 0 0 0 0 …
1 , 0 0 0 0 …
4. 12,866 666… – 1,566 666… = 11,3 527
0,5(32) =
1 2 , 8 6 6 6 6 6 … 990
− 1 , 5 6 6 6 6 6 … 4.4. x = 12,7(54) ; 100x = 1275,4(54)
1 1 , 3 0 0 0 0 0 …
5. 1,3(6) – 0,123(6) = 1,243 100x – x = 1275,4(54) – 12,7(54)
1 , 3 6 6 6 6 … 1262,7 12627
− 0 , 1 2 3 6 6 … 99x = 1262,7 x= x=
1 , 2 4 3 0 0 0
99 990
1 2 7 5 , 4 5 4 5 4 …
6. 3,(12) – 3,10(12) = 0,02 − 1 2 , 7 5 4 5 4 …
3 , 1 2 1 2 1 2 6 2 , 7 0 0 0 0 …
− 3 , 1 0 1 2
12627
0 , 0 2 0 0 12,7(54) =
Questão 3 990
3.1. x = 5,(6) ; 10x = 56,(6)
Questão 5
51 5.1. x = 1,(135) ; 1000x = 1135,(135)
10x – x = 56,(6) – 5,(6) 9x 51 x
9 1000x – x = 1135,(135) 999x = 1,(135) 999x = 1134
51 1134
5,(6) = x
9 999
3.2. x = 0,(7) ; 10x = 7,(7) 1 1 3 5 , 1 3 5 1 3 5 …
− 1 , 1 3 5 1 3 5 …
7 1 1 3 4 , 0 0 0 0 0 0 …
10x – x = 7,(7) – 0,(7) 9x 7 x
9 1134
1,(135) =
7 999
0,(7) = 5.2. x = 7,2(145) ; 1000x = 7214,5(145)
9
1000x – x = 7214,5(145) – 7,2(145) 999x = 7207,3
3.3. x = 2,3(5) ; 10x = 23,(5)
21, 2 7207,3 72 073
10x – x = 23,(5) – 2,3(5) 9x 21, 2 x x x
9 999 9990
7 2 1 4 , 5 1 4 5 1 4 5 …
212 2 3 , 5 5 5 … − 7 , 2 1 4 5 1 4 5 …
x − 2 , 3 5 5 … 7 2 0 7 , 3 0 0 0 0 0 0 …
90
2 1 . 2 0 0 72 073
212 7,2 145
2,3(5) = 9990
90 5.3. x = 0,6(123) ; 1000x = 612,3(123)
3.4. x = 5,38(6) ; 10x = 53,8(6) 1000x – x = 612,3(123) – 0,6(123) 999x = 611,7
48,48 611,7 6117
10x – x = 53,8(6) – 5,386 9x = 48,48 x x x
9 999 9990
4848 5 3 , 8 6 6 6 … 6 1 2 , 3 1 2 3 1 2 3 …
x − 5 , 3 8 6 6 … − 0 , 6 1 2 3 1 2 3 …
900 4 8 . 4 8 0 0 6 1 1 , 7 0 0 0 0 0 0 …
4848 6117
5,38 6 0,6(123) =
900 9990

5
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

Questão 6 Questão 9
x = 99,(9) ; 10x = 999,(9) 9.1. –2,(3) é o simétrico de 2,(3)
900 x = 2,(3)
10x –x = 999,(9) – 99,(9) 9x = 900 x x = 100
9 21
9 9 9 , 9 9 9 9 … 10 – x = 23,(3) – 2,(3) 9x = 21 x
− 9 9 , 9 9 9 9 … 9
9 0 0 , 0 0 0 0 …
7 1
Portanto, 99,(9) = 100 x x 2
3 3
2 3 , 3 3 3 3
pág. 16 − 2 , 3 3 3 3
Questão 7 2 1 , 0 0 0 0
7.1. x = 0,52(9) ; 10x = 5,2(9)
4,77
10x –x = 5,2(9) – 0,52(9) 9x = 4,77 x
9
x = 0,53
4 , 7 7 9
5 , 2 9 9 9 9 … 2 7 0,53
− 0 , 5 2 9 9 9 … 0
4 , 7 7 0 0 0 …
Portanto, 0,52(9) = 0,53
9.2. –0,1(6) é o simétrico de 0,1(6)
7.2. x = 1,(9) ; 10x = 19,(9)
x = 0,1(6) ; 10x = 1,(6)
18
10x – x = 19,(9) – 1,(9) 9x = 18 x= x=2 1,5
9 10x x 1, 6 0,1 6 9x = 1,5 x
1 9 , 9 9 9 9 … 9
− 1 , 9 9 9 9 …
1 8 , 0 0 0 0 …
15 15 :15 1
x x x
Portanto, 1,(9) = 2 90 90 :15 6
7.3. x = 2,53(9) ; 10x = 25,3(9) 1 , 6 6 6 6
− 0 , 6 6 6 6
22,86 1 , 0 0 0 0
10x – x = 25,3(9) – 2,53(9) 9x = 22,86 x
9
x = 2,54
2 2 , 8 6 9
2 5 , 3 9 9 9 9 …
4 8 2,54
− 2 , 5 3 9 9 9 …
3 6
2 2 , 8 6 0 0 0 …
0
Portanto, 2,54 = 2,53(9).
1
– 0,1(6) =
pág. 17 6
Questão 8
8.1. x = 0,(7) ; 10x = 7,(7) Atividades de aplicação 2
7 1.1. x = 1,(21) ; 100x = 121,(21)
10x –x = 7, (7) – 0, (7) 9x = 7 x=
9 120
7 , 7 7 7 7 100x – x = 121,(21) – 1,(21) 99x = 120 x=
− 0 , 7 7 7 7 99
7 , 0 0 0 0 1 2 1 , 2 1 2 1 …
− 1 , 2 1 2 1 …
1 2 0 , 0 0 0 0 …
120
1,(21) =
99
1.2. x = 1,2(3) ; 10x = 12,(3)
11,1
10x – x = 12,(3) – 1,2(3) 9x = 11,1 x
7 9
0,(7) =
9 111
8.2. x = 2,(4) ; 10x = 24, (4) x
90
22 1 2 , 3 3 3 3 …
10x – x = 24, (4) – 2, (4) 9x = 22 x − 1 , 2 3 3 3 …
9 1 1 , 1 0 0 0 …
4 2 4 , 4 4 4 4 111
x 2 − 2 , 4 4 4 4 1,2(3) =
9 90
2 2 , 0 0 0 0
1.3. x = 0,(521) ; 1000x = 521,(521)
1000x – x = 521,(521) – 0,(521) 999x = 521
521
x
999
5 2 1 , 5 2 1 5 2 1 …
− 0 , 5 2 1 5 2 1 …
5 2 1 , 0 0 0 0 0 0 …
521
0,(521) =
999

6
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

1.4. x = 6,(7) ; 10x = 67,(7) 4.4. x = 1,(3) ; 10 x = 13,(3)


61 12 4
10x – x = 67,(7) – 6,(7) 9x = 61 x 10x – x = 13,(3) – 1,(3) 9x = 12 x x
9 9 3
6 7 , 7 7 7 7 …
− 6 , 7 7 7 7 …
1
x 1
6 , 7 7 7 7 … 3
61
– 6,(7) =
9
2.1. x = 0,30(9) ; 10x = 3,0(9)
2,79
10x – x = 3,0(9) – 0,30(9) 9x = 2,79 x
9 1
x = 0,31
– 1,(3) = 1
3
3 , 0 9 9 9 … 2 , 7 9 9
− 0 , 3 0 9 9 … 0 9 0,31
2 , 7 9 0 0 0 pág. 18
Logo, 0,31 = 0,30(9) Atividade inicial 3
1.1. 020. Zero elevado a 20; 020 = 0
2.2. x = 0,58(9) ; 10x = 5,8(9)
1.2. 15. Um elevado a 5; 15 = 1
5,31
10x – x = 5,8(9) – 0,58(9) 9x = 5,31 x 1.3. (–1)7. Menos um elevado a 7; (–1)7 = –1
9 3 3
x = 0,59 1 1 1 1 1 1
1.4. . Um meio ao cubo;
5 , 8 9 9 9 5 , 3 1 9 2 2 2 2 2 8
− 0 , 5 8 9 9 8 1 0,59 3 3
5 , 3 1 0 0 0 2 2 23 8
1.5. . Menos dois quintos ao cubo;
Portanto, 0,58 (9) = 0,59 5 5 53 125
3.1. 0,37 = 0,36(9) 3.2. 8,15 = 8,14(9) 1 1
10 10 10
3.3. 17,79 = 17,78 (9) 1.6. . Dez nonos elevado a um;
4.1. x = 2,(3) ; 10x = 23,(3) 9 9 9
21 2. É verdade. Qualquer que seja o número p , p = p1.
10x – x = 23,(3) – 2,(3) 9x = 21 x 3.1. (–2)3 × (–2)5 =
9
7 1 = (–2) × (–2) ×(–2) × (–2) ×(–2) ×(–2) ×(–2) ×(–2)
x x 2
3 3 3 vezes 5 vezes
= (–2)8
3.2. qm × qn = (q × q × … × q ) × (q × q × … × q) =
m vezes n vezes
= q × q × … × q = qm + n
m + n vezes
4.2. x = 0,8(3) ; 10x = 8,(3) 1 1
4. a = 20 = 1 ; b = 2–1 = ; c = 2–2 =
7,5 2 4
10x – x = 8, (3) – 0,8(3) 9x = 7,5 x
9
75 75 :15 5 pág. 21
x x x
90 90 :15 6 Atividades de aplicação 3
8 , 3 3 3 3 1.1. (–2)5 = –25 = –32 1.2. (–2)3 = –8
− 0 , 8 3 3 3 2 2
7 , 5 0 0 0 1 1 1 1
1.3. 1.4.
2 4 2 4
3 3
1 1 1 1
2.1. Menos um meio ao cubo.
2 2 23 8
0
1
2.2. Menos um terço elevado a zero. 1
3
4.3. x = 1,(6) ; 10 x = 16,(6)
2.3. Menos um meio elevado a menos três.
15 5
10x –x = 16,(6) – 1,(6) 9x = 15 x x 1
3
2
3
9 3 2
3
23 8
2 2 1
x 1
3 3. Por exemplo:
1 1
3.1. 51 3.2. 52
5 52
1 10 1 1
3.3. 34 3.4. 5
34 5 5
1 1 3 1 5
3.5. 1 1 3.6. 5
2
2 30 1 2
– 1,(6) = 1
3

7
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

4 4 2 2 2
2 5 54 625 624 1 1 1 3 0 1 2 1 4 5
4. 39 7.5. : 2 :1
5 2 24 16 16 16 3 2 9 3 9 9 9
3 0 3 0 2
1 1 1 1 5 3
33 27 7.6. : 1 2 :1 32 1
31 2 2 3
3 8 9 1
3
2 2 3 1 1 1
2
1 1
2 4 7.7. 1
8
100 :
0
3
1
1 1:
1 1 43 64 2 4 3
2
1 1 1 12 13
1 1 1 1 3 3
2 2 4 4 4 4 4 4
1 2 4
3 2
2 1 1 1 2 1 1 4
7.8. 5 1 33
4
3 5 5 1 25
2
O maior número é 1 4 1 108 5 108 103
5 1 27
4 3 4 3 7 7
5 25 5 25 25 25 25
5
2 3 3 3 3 2
5.1. 2
3 2 2 2 2 3 0 2 1 1 4
2 2 1 4 1
1 2 4 4 1 1
x 1 1 1 1 2 7.9.
5.2. 2 2
x x2 y 31 1 1 1
x y x2 y2 x
3 3 3
2
x 2 3 6
y2 xy 2
x 1 1 1
3 2 :3 1 1
2
115 : 1 1 3 1 1
3 n
27 7.10. 32 3 9
2 2
6. un 1 2 4
3
1
2
3 27 1 27 1 9
u1 3 9 3 3 1 3 2
3 3 3 3 1
9 3 3 3 2 1 2 1
32 27 2 27 1 9 4 4 4 3 4 12 6
u2 3 9 1
3 3 32 9
3 3 27 27 1 32 1 pág. 22
3
u3 3 9 Atividade inicial 4
3 3 33 33 3 2 4
4
1 1 1 1 1 1 1 1
3 27 4 27 1 32 1 1.1. a)
u4 3 9 2 2 2 2 2 2 2 2
3 3 34 34 9 6
5 1 1 1 1 1 1 1
3 27 5 27 1 32 1 =
u5 3 9 2 2 2 2 2 2 2
3 3 35 35 27
1 1 1 b) a3 a5 a a a a a a a a
3 , 1 , , ,
3 9 27 a a a a a a a a a8
2 1 2 1 1 5
7.1. 3 3 2 2
4 1.2. a) 2 215 25 15 2 20
3 3
1 220
b) 220 2 7
220 220 7
213
1 1 1 4 1 12 11 27 27
4
9 3 9 3 9 9 9 1
5
1
12
1
5 12
1
17
3
c)
2 1 3 3 3 3
1 1 1
7.2. 30 3 1 d) 10 50
10 30
10 80
2 3 4
2 3 1
e) 10 10 10
1 1 12 11
3 f) 10 10 1012 10 3
8 7
4 4 4 4 4
2 2
1.3. O produto de potências com a mesma base é a potência com
2 1 5 1 25 a mesma base e expoente igual à soma dos expoentes dos
7.3. 51 5 1
5 5
5 5 2 5 4 fatores.
25 5 20 5 25 1 1 1 1 1
5 5 1
5
1
3 2
5 4 4 4 4 4 4 1.4. a) : 4 4 4 4 4 1 1 1
2 4 4 1 1 1 4 4 4
2 0 2 3 1 4 4 4 4
7.4. 3 1 5 2
1 25
2 3 9
a a a a a a
b) a6 : a2 a a a a a4
1 100 99 a a
11
9 9 9

8
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

1.5. a) 58 : 56 58 6
52 b) 8 7 : 8 5 8 2

2 5
1 1 3
pág. 24
10 5 5
c) : 2 d) 10 :10 10 Atividades de aplicação 4
2 2
1.1. 2 2 23 25 ; 27 : 24 23
105 105 1 1 3
e) 105 :108 10
108 10 103
5
103 10
3 22 23 27 : 24
3 3
1.2. 5 2 103 ; 153 : 33 53
f) 10 8 :10 3 10 5 10 5 10 5 10 10
1.6. O quociente de potências com a mesma base é a potência 53 23 153 : 33
com a mesma base e expoente igual à diferença entre o 1.3. 3
2
32 9
2
92 ; 282 : 72 42
expoente do dividendo e o expoente do divisor.
2
3 32 282 : 72
pág. 23 3
4 4
1.4. 83 : 43 23 ; 73 : 23 3,5
2.1. a) 2 3
73 : 23 83 : 43
2 2 2 2 3 3 3 3 4 2 5 10
4 4
1.5. 32 38 ; 3 3 310
2 3 6
2 5 4
b) a5 b5 a a a a b b b b b 3 32
5
a b a b a b a b a b a b 2
1 2
1 1.6. 3 32 ; 3 1 3 2 312 33
2 2 2 1 1 1 3
2.2. a) 5 3 15 b) 5 1
5 2
1 1 2
4 3 3
1 4 4 3 3 3 3
c) 6 2 d) 10 5 50
3 1 0
1 2
10
e) 520 50
20
f) 10 5 5 5 50 50 15
20 10 1.7. 5 ; 1
5 3
2.3. O produto de potências com o mesmo expoente é a potência 0 1
com o mesmo expoente e cuja base é o produto das bases dos 2 1
fatores. 3 5
1 3 3 6
4 4 6 6 6 6 1 1 3 : 3 3
2.4. a) 6 : 2 1.8. 2 3
2 2 3
0 ; 0
2 2 2 2 2 2
6
2
6

4
6 6 6 6 6 3 :
3
3
3
1
1
34 2 3
2 2 2 2 2 6
2
2
a a a a a a
b) a6 : b6 1 25 1 32 31 1
2
2
b b b b b b 1.9. ; 4 16
1 1
6 1 1 2 4
a a a a a a a 6 1
a:b 2 2
b b b b b b b
2
2 2 2 1 25 1
2.5. a) 152 : 3 15 : 3 5 1
1 4
2 2 2
1
b) 6 : 22 6:2 3 2
0
3
5
3 1
c) 5 2 :10 2 22 d)
5
3 : 25 3: 2
5
1
2 3 1 1 3
1.10. 1 1
1 3 2
e) 10 8 : 5 8 2 8 f) 10 5 : 2 5 5 15 1
2 2
2.6. O quociente de potências com o mesmo expoente é a
2 2 4
potência com o mesmo expoente e base igual ao quociente 5 : 5 5 54 4
5 3
entre a base do dividendo e a base do divisor. 1
4
1
4
1
4

3 3
3.1. a) 52 5 5 5 5 5 5 5 5 56 3 3 3
4 0
b) a2 a2 a2 a2 a2 3 1
1 2 2
3 5 : 5
a a a a a a a a a8 1 4
1 1
1
1 4 4 2 3
3 1 1
3.2. a) 22 2 6
b)
2 2
3 15 45
c) 10 10
3.3. A potência de potência é a potência com a mesma base e
expoente igual ao produto dos expoentes.

9
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

pág. 25 4.3. x 23 e y 1 7 1
20 70 60 20 70 60 90 60
2.1. 10 10 :10 10 :10 10 :10 2 2 3 1
3 1 2
2 8
1
3
90 60 90 60 30
10 10 10
1 1 1 12 13
1 13 15
2 3 3
2.2. 10 10 1018 1013 10 15
1018 8 4 4 4 4 4
1
10
13 15 18
1016 1
4.4. x 2 ;y 33
10 5 15 3 10 15 2
2.3. 5 10 : 2 0 5 10 : 2 0
1 2 1
10 15 5 2 2 3 33 2 31 3 6
510 5 15 5 55 5 2

54 5 3 2 2 16 1 1
54 5 6 54 5 6 5 2
1 3 1 35 1 1
2.4. 2
1 1 2 35 243
5 52 52 5 2

3 243 1 244
1 5 3 5 8
2.5. 100 2 1 2 2 2 28 243 243 243
2 12
30
5.1. 5 5x 1 12 x 1 x 12 1 x 11
2.6. 3 30 2 30
:6 45
3 2 :6 45
630 : 6 45
Verificação: 5 12 5 11 1 5 12 5 12
30 45 15
6 615 6 5.2. 4 x
4x 6
x x 6 x x 6 2x 6
3 2 6 6 6 6 6 6 6 6
2.7. 2 5 : 7 2 5 : 7 2 5 : 7 x x 3
2
6
6 6 6 10 x 23 e y 1 7 1
10 : 7 10 : 7
7 Verificação: 4
3
4 3 6
43 43
2 3 2 3
1 3 1 3 5.3. 2 x 1
2 3 x
2 x 1
2 3 x
x 1 3 x x x 3 1
2 1 : 2 :
2 2 2 2 2x 4 x 2
2.8. 0
1 2 1 Verificação: 22 1 23 2
21 21
2
8 1 3 x 12 3 x 12
3 5.4. 2 2 x
2 x 3x 12
2 3 2x
2 2 : 3 3
2 3 3 3 x 3x 12 2 x 12 x 6
23 : 2 :
1 2 2 1 3 6 12 6 6
3 3 3
Verificação: 6 2 2 2
3 2 4 2
2: 2
2 3 3 a
n
a n
n 1 1 bn b
n

5.5. n
a bn
3.1. 35 a 37 a 37 : 35 a 37 5
a 32 b b b n an an a
8
3 2 8 3
3.2. 2 b 28 b b 2 b 211
23 pág. 26
4 Atividade inicial 5
2
3.3. • c 23 24 c c 24 3
c 27 1.1. 10 milhões = 10 × 106 = 107
23
1.2. 100 milhões = 100 × 106 = 102 × 106 = 108
•d 23 23 d 26 1.3. 10000 milhões = 104 × 106 = 1010
4 6
•e 24 d e 24 2 6
e 2 e 2 2
2.1. 105 10 1
103 105 1 10 3
10
4 3
101
2
5 5 2 5 6 1
12
1
12
3.4. • 5 f 52 f f 5 f 57 2.2. 0,01
2
10 2 12
1024
55 100 102
7 4
• g f 54 57 5 4 5 g 53
10 5 103 10 5 3
10 2 2 1 3
2 2 3 5 2.3. 10 10
• h 5 g h 5 5 h 5 10 3 :10 4 10
3 4
101
1
4. 2x 3y2 105 9 105 10 105 105
2.4. 102
4.1. x = 1 e y = –2 12 103 2 103 10 103 103
2
2 11 3 2 2 1 3 4 2 12 –10
Questão 10
1
4.2. x 32 ey= Seja n o número em que pensei.
3 n = 10x + y (x é o algarismo das dezenas e y é o algarismo das unidades)
2
2 1 1 1 8 x y 40 x y 5 y x 5
2 3 3 2 32 3
3 9
Como x + y = 9 temos x = 7 e y = 2 .
3 1 54 1 53 Logo, pensei no número 72.
18 18
9 3 3 3 3 3 x 1 2 3 4 5 6 7 8 9
y = x – 5 –4 –3 –2 –1 0 1 2 3 4

10
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

pág. 27 4.2. 300 000 km/s = 3 105 km/s


Questão 11 4.3. 34 400 000 m/s = 3, 44 107 m/s
11.1. 38,512 = 3 × 101 + 8 × 100 + 5 × 10–1 + 1 × 10–2 + 2 × 10–3
11.2. 128,734 =1×102 + 2×101 + 8×100 + 7×10–1 + 3×10–2 + 4×10–3 4.4. 3,5 milhões = 3,5 106
11.3. 0,0023 = 2 × 10–3 + 3 × 10–4 4.5. 2002 = 2,002 103 ; 300 000 = 3 105 ;
11.4. 0,000 885 = 8 × 10–4 + 8 × 10–5 + 5 × 10–6
300 000 000 = 3 108
pág. 28 5.1. 210 102 2,1 102 102 2,1 104
Questão 12 5.2. 0,52 10 2
5, 2 10 1
10 2
5, 2 10 3

12.1. 512 = 5,12 × 102 12.2. 35 000 = 3,5 × 104


1 4 1 5
12.3. 513 000 = 5,13 × 10 5
12.4. 820 000 000 = 8,2 × 108 5.3. 0,0004 10 4 10 10 4 10
12.5. 150 000 000 = 1,5 × 10 12.6. 0,05 = 5 × 10–2
8
5.4. 5,2 105 5,2 10
8 3
5,2 108 10 3

12.7. 0,000 123 = 1,23 × 10–4 3


12.8. 0,000 000 782 = 7,82 × 10–7 520 000 000 10
12.9. 0,000 000 000 035 = 3,5 × 10–11 5.5. 2,3 107 2,3 102 105 230 105
12.10. 0,000 000 000 023 = 2,3 × 10–11 5.6. 1, 23 108 12,3 10 1
108 12,3 107
12.11. 0,000 000 000 000 5 = 5 × 10–13
1 2
12.12. 0,98 × 104 = 9,8 × 103 5.7. 15,4 10 3 15,4 10 15,4 10 1 10 2
12.13. 123,5 × 105 = 1,235 × 107 1,54 10 2

12.14. 0,12 × 10–3 = 1,2 × 10–4 3


5.8. 0,0032 = 3, 2 10
12.15. 0,0013 × 10–7 = 1,3 × 10–10
13
6. 0,000 000 000 000 5 m = 5 10 m
Questão 13 6.1. 4 5 10 13
20 10 13
2 10 10 13
2 10 12

13.1. 3,2 × 103 = 3200 13.2. 218 × 10–2 = 2,18


1 1 1 2
13.3. 0,007 × 103 = 7 13.4. 28,3 × 10 –5 = 0,000 283 6.2. 1013 2 10 1 1013 2 1012
13.5. 1,2 × 10 × 10 = 1,2 × 10–8 = 0,000 000 012
–3 –5 5 10 13 5 10 13 10
20 cm = 0,2 m
1,3 105 105 5 7
13.6. 1,3 1,3 10 1,3 1012 2
10 7
10 7 0,2 2 1012 2 1012 4 10 1 1012 4 1011
10
1 300 000 000 000
Para obter 1 m de comprimento seriam necessários 2 1012
pág. 29 átomos e para obter 20 cm seriam necessários 4 1011
Atividades de aplicação 5 átomos de hidrogénio.
1.1. 5 103 2 102 7 101 8 100 0 10 1
2 10 2

3
9 10 5278,029 pág. 30
4 2 0 2 Atividade inicial 6
1.2. 2 10 5 10 3 10 5 10
20503,05 4 3 2 1 0 –1 –2 1. C = 2350000 = 2,354 106 ; 106 C 107
2 0 5 0 3, 0 5 D = 0,00000795 = 7,95 10 6
; 10 6
D 10 5

3 1 0 1
2.1. 3075,2 = 3 10 7 10 5 10 2 10 2. D<B<A<C
2.2. 103,807 = 1 102 3 100 8 10 1
7 10 3
3.1. O planeta mais próximo d Sol é Mercúrio.
2.3. 0,000 102 = 1 10 4 2 10 6 3.2. O planeta mais afastado do Sol é Neptuno.
3.3. Mercúrio, Vénus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Úrano e
3.1. 0,017 × 100 = 1,7 × 10–2
2 2 2
Neptuno.
3.2. 1,023 10 20 1,023 10 2 10 1,023 2 10 101
3.4. Sejam A a 10b e A a 10b dois números escritos em
1
= 2,046 10 notação científica.
3 1 8,35 3 3 4 Se b > b então A > A
3.3. 8,35 10 10 0,334 10 3,34 10
25 25 Se b = b e a = a então A > A
500 3.5. • Terra – Vénus
3.4. 5 100 101 5 102 101 5 103
10 1
1, 496 108 1,082 108 1, 496 1,082 108
2 1
30,32 :10 30,32 1 3,032 10
3.5. 0, 414 108 4,14 107
10 30 10 2 10 30 10 2 10 30
101 1 32
• Terra – Marte
3,032 3,032 10 3,032 1033
10 32 1, 496 108 2, 279 108 1, 496 2, 279 108
4 1 4 1 4
20,35 10 2,035 10 10 2,035 10
3.6. 0,783 108 7,83 107
10 2 :10 7 10
2 7
105
O planeta que mais se aproxima da Terra é Vénus.
10 3 3 5 8
2,035 2,035 10 2,035 10
105
4.1. 0,000 000 000 000 000 000 457 cm = 4,57 × 1019 cm

11
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

pág. 31 A B 2,3 108 2 106 230 106 2 106


Questão 14 2.6.
C D 3, 2 10 5 1 10 2 3, 2 10 5 10 2
14.1. 70 000 = 7 104 ; 300 000 = 3 105
230 2 106 232 106
14.2. 7 104 h 7 104 60 60 s = 25200 104 s = 7
72,5 1013 7, 25 1014
3, 2 10 3, 2 10 7
= 2,52 104 104 s 2,52 108 s =
D C 1 10 2 3, 2 10 5
1 10 2
0,0032 10 2
2.7.
3 105 2,52 108 3 2,52 105 108 7,56 1013 A B 2, 28 108 2, 28 108
2
A estrela Sirius está a uma distância de 7,56 1013 km da 1 0,0032 10 1,0032 10 2 10
8
0, 44 10
Terra. 2, 28 10 2, 28 108
11
4, 4 10
Questão 15
A C 2,3 108 3, 2 10 5
2,3 3, 2 108 10 5
M Sol 1,98 1030 1,98 1030 2.8.
335 593 B:D 2 106 : 1 10 2
2 106
M Terra 5,9 1024 5,9 10 24
1 10 2
A massa do sol é aproximadamente 335 593 vezes maior do que a
7,36 103 7,36 103 5
massa da Terra. 3,68 10
2 108 2 108

pág. 32
pág. 33
Questão 16
3. 60 milhões = 60 106 6 107
1,3 107 6,8 106 4,9 10 6

0,000 000 000 8 = 8 10 10


16.1. A Terra tem maior diâmetro
16.2. Mercúrio tem menor diâmetro. 6 107 8 10 10 48 107 10 48 10 3 4,8 10 2 0,048
As células, que existem na retina do olho humano, têm de
16.3. 1,3 107 6,8 106 13 106 6,8 106
massa 0,048 g , aproximadamente.
13 6,8 106 6,2 106 2 65
4.1. 2 10 3 ; 65 10 3 6,5 10 2
A diferença entre os diâmetros dos planetas Terra e Marte é 1000 1000
6, 2 106 m. 1
2 10 3
4 0,5
4.2. 10 3 9 0,1 106 100 000
Atividades de aplicação 6 5 10 9 5
1.1 6,5 1011 e 1,99 10 26 O colibri come 100 000 parasitas por dia.
1.2. 5.1. 280 milhões = 280 106 2,8 108
Átomo Raio (m) Massa (kg) 66 milhões = 66 106 6,6 107
O 6,5 10 11 2,66 10 24
5.2. 2,8 108 6,6 107 28 107 6,6 107 21, 4 107
13 27
H 5 10 1,67 10 8
11 26
2,14 10
C 9,6 10 1,99 10
Os dinossauros viveram na Terra durante 2,14 108 anos.
13 11 11
1.3. a) 5 10 6,5 10 9,6 10
6. 1,53 108 km = 1,53 108 m = 1,53 108 103 m =
24 26 27
b) 2,66 10 1,99 10 1,67 10
1,53 1011 m
2. A = 23 107 2,3 108 ; B = 0,02 108 2 106
1,53 1011 1,53
C = 3, 2 10 5
; D = 1 10 2 1011 8 0,51 103 510
3 108 3
2.1. A × B × C = 2,3 108 × 2 106 × 3, 2 10 5
= 510 s = 8,5 min = 8 min 30 s
8 6 5 7.1. 365 × 24 × 60 × 60 = 31 536 000
2,3 2 3,2 10 10 10
Um ano tem 31 536 000 segundos.
= 14,72 109 1, 472 1010 7.2. 3 108 3 153 600 3 108 31,536 106
8 6 8 6
A B 2,3 10 2 10 2,3 2 10 10 3 31,536 1014 94,608 1014 9, 4608 1015
2.2. =
C 3, 2 10 5 3, 2 10 5
Num ano a luz percorre 9, 4608 1015 metros.
1014
= 1, 4375 1, 4375 1019 7.3. 105 9, 4608 1015 9, 4608 1020
10 5
2 5 2 2 A nossa galáxia tem um diâmetro de 9, 4608 1020 m.
2.3. D + C = 1 10 3, 2 10 1 10 0,0032 10
9, 4608 1015 1015
1 0,0032 10 2 1,0032 10 2 7.4. 9, 4608 1015 m = km = 9, 4608 km
1000 103
2 5 2 2
2.4. D – C = 1 10 3, 2 10 1 10 0,0032 10
= 9, 4608 1012 km
2 2 3
1 0,0032 10 0,9968 10 9,968 10
350 9, 4608 1012 3311, 28 1012 3,31128 1015
8 6 6 6
2.5. A – B = 2,3 10 2 10 230 10 2 10
A Estrela Polar está a 3,31128 1015 km da Terra.
6 6 8
230 2 10 228 10 2,28 10

12
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

pág. 34 7
2
7
2
72 49
Atividade inicial 7 1.3.
3 3 32 9
1 e 2. x 1,1 6 ; 10x 11, 6
Existe apenas um número racional negativo cujo quadrado é
10,5 49 7
10x x 11, 6 1,1 6 9 x 10,5 x . Esse número é .
9 9 3
105 105 :15 7 1
x x x x 1 2
3
23 8
90 90 :15 6 6 2.1.
1 1 , 6 6 6 6 3 33 27
− 1 , 1 6 6 6
1 0 , 5 0 0 0 Não existe qualquer número racional positivo cujo cubo seja
8
. O cubo de um número positivo é um número positivo.
27
3.1.
2 225 3
225 = 32 52 3 5 152 75 3
25 5
225 é o quadrado de 15. 5 5
3. Por exemplo A 1,1 e A 1,2 3.2. 1
2 625 3
4. Por exemplo, B –1,2 e B –1,1 625 = 54 52 252 125 5
25 5
625 é o quadrado de 25. 5 5
Pág. 36 3.3. 1
Questão 17 343 73 343 7
49 7
Se 3 fosse um número racional seria possível exprimir este 343 não é um quadrado perfeito 7 7
número como o quociente de dois números naturais reais a e b. 1
3.4.
2 441 3
a 2 a a2 441 32 72 3 7
2
212
Assim, se 3 viria 3 3 3 b2 a2 . 147 3
b b b2 441 é o quadrado de 21
49 7
7 7
Todos os fatores primos de a 2 figuram com expoente par. O 3.5. 1
2 1764 2
mesmo acontece na decomposição de b2 em fatores primos. 1764 22 32 72 2 3 7 422 882 2
441 3
O expoente do fator primo 3 na decomposição de 3b 2 terá de ser 1764 é o quadrado de 42 147 3
2 2 49 7
um número ímpar, o que é absurdo uma vez que 3 b a. 7 7
1
Portanto, podemos concluir que 3 não se pode escrever sob a
3.6.
forma de fração, pelo que não é um número racional. 2 5184 2
5184 26 34 23 32 722 2592 2
1296 2
pág. 37 5184 é o quadrado de 72 648 2
Atividades de aplicação 7 324 2
162 2
2 8 2 1 81 3
1.1. , , , ,0, 9 e –10 27 3
3 5 1 5
9 3
1.2. 2 eπ 3 3
1
1 4.1. 9 4 9 4 3 2 6
1.3. ,0, 9 e –10
5 4 10 2
2 10 20
4.2.
2. [CB] e [CA] são segmentos de reta incomensuráveis por 9 3 3
serem a hipotenusa e uma cateto de um triângulo retângulo
8 103 2 10
isósceles. Como CD = CB , [CD] e [CA] também são 4.3. 3 4
53 5
incomensuráveis.
Logo, tomando [CA] para unidade, não existe um número 5.1. 0,09 0,3 5.2. 0,36 0,6
racional r tal que CD r. 5.3. 3
0,001 0,1 5.4. 3
0,064 0, 4
Se CD não é um número racional, a abcissa de D, cujo 6.1. Tendo em conta a definição de raiz quadrada tem-se
2
valor absoluto é 2 CD também não é um número 9 r q r
irracional. Logo, D é um ponto irracional. 2 2 2
q r q r q r
Pág. 38
Logo, como q r e q × r são números não negativos,
Atividade inicial 8
7
2
72 49 q r = q× r
1.1.
3 32 9
49 7
1.2. O único número racional positivo cujo quadrado é é .
9 3

13
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

2
q q 19.3. 6 72 6 32 6 36 2 6 16 2
6.2. De igual modo (r ≠ 0)
r r 6 36 2 6 16 2 6 6 2 6 4 2
2 2 36 2 24 2 12 2
q q q
2
r
19.4. 2 45 20 3 5 2 9 5 4 5 3 5
r r
2 9 5 4 5 3 5
q q
Logo, 2 3 5 2 5 3 5 6 2 3 5 5 5
r r
19.5. 2 24 3 54 5 96
7.1. 3 27 3 27 81 9 96 2

72 72 2 4 6 3 9 6 5 24 2 3 48 2
24 2
7.2. 36 6 12 2
2 2 2 4 6 3 9 6 5 24 2 3 6 2
3 3
7.3. 50 2 50 2 100 10 2 2 6 3 3 6 5 4 6 1
7.4. 3,6 10 3,6 10 36 6 4 9 20 6 7 6

7.5. 90 10 900 30 1 1 1 1
19.6. 250 4000 25 10 400 10
2 3 2 3
6 6 1 1
7.6. 1 1 1 1
24 24 4 2 25 10 400 10 5 10 20 10
2 3 2 3
500 500
7.7. 100 10
5 5 5 20 15 40 25
10 10 10
12 12 1 1 2 3 6 6 6
3 2
7.8.
48 48 4 2
3 1 3 1
19.7. 14 28 10 5 14 28 10 5
3 3 1 1 4 2 4 2
7.9.
363 363 121 11 3 1
2 7 22 7 2 5 5
4 2
pág. 39 3 2 1 2 3 1
2 7 2 5 2 14 2 5 2
Questão 18 4 2 4 2
18.1. 12 4 3 4 3 2 3 21 5 16
2 2 8 2
2 2 2
18.2. 54 9 6 9 6 3 6
18.3. 72 36 2 36 2 6 2
pág. 40
2 180 2 Questão 20
18.4. 180 22
3 2
5 2 3 5 90 2
45 3
AE AC
62 5 6 5 15 3 Pelo teorema de Tales:
5 5 AD AB
1
Substituindo, vem:
2
243 3
18.5. 243 35 34 3 32 3 81 3 3 11 4 8 4 8 66
27 3 3 11 AB 4 8 66 AB
9 3 9 3 66 AB 3 11
3 3
1 4 4 2 66 4 2 2 66
AB AB
3 11 3 11
8 8 8
864 2 AB 2 6 AB 2 6 AB 4 3
18.6. 864 25 33 24 2 32 3 432 2 3 3 3
216 2
2
108 2 8 16
22 32 2 3 AB 2 3 AB 3
54 2 3 3
27 3
2
4 3 6 122 6 9 3 16
3 3 AB 3 cm
1 3
12 6
Questão 19 Atividades de aplicação 8
19.1. 12 2 27 4 3 2 9 3 4 3 2 9 3 1.1. 5 7 4 7 5 4 7 3 7
Propriedade distributiva da multiplicação relativamente à
2 3 6 3 4 3
subtração.
19.2. 9 2 98 9 2 49 2 9 2 49 2
1.2. 5 3 2 5 2 3 10 3
9 2 7 2 2 2 Propriedade comutativa e associativa da multiplicação.

14
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

2
1.3. 2 2 1 2 2 2 1 2 2 2 2 4.12. 45 3 20 2 9 5 3 4 5 2
Propriedade distributiva da multiplicação em relação à
3 5 3 2 5 2 6 5 5 6 5 6 5 6
adição.
6 5 6 24
1.4. 2 12 48 2 4 3 16 3 2 4 3 16 3
2
5. A= x 3x 1
4 3 4 3 0
Existência de simétrico para cada número real. 5.1. x 2 3
5 A 2 3
2
3 2 3 1 4 3 2 3
2
1
1.5. 1 2 11 2 1 1 2 1
5
Existência de elemento neutro para a multiplicação. 12 6 1 19
1.6. Existência de elemento absorvente da multiplicação. 5.2. x 3
2.1. 2 15 2 3,87298 ≈ 5,87298 ≈ 5,872 A 3
2
3 3 1 3 3
2
1 3 3 1 1
2.2. 60 4 15 2 15 ≈ 2 × 3,872 98 ≈ 7,745 96 ≈ 7,745
3
2.3. 135 3 5 9 15 3 5 9 15 15 5.3. x
2
3 15 15 4 15 ≈ 4 × 3,872 98 ≈ 15,4919 ≈ 15 , 491 2
2
3 3 3 3
A 3 1 1
pág. 41 2 2 4 2
3.1. 5 3 5 5 3 5 5 3 5 3 3 3 6 4 1
1
1 1 4 2 4 4 4 4 4
2
3.2. 7 7 1 7 7 7 7 7 7 7
7 7 AE 2 7 2 7 2 EB 5
1 1 6.1. 3,5 ;
7 7 7 7 7 6 7 6 DE 3 2 3 2 3 EC 4
7 7 AE EB
2 2 2 2 2 2 2 EC EC
3.3. 1 2 1
2 2 2 2 2 2 Logo, os triângulos [DCE] e [ABE] não são sempre
semelhantes.
4.1. 18 0,5 18 0,5 9 3
Portanto as retas AB e DC não são paralelas porque, nesse
4.2. 0,01 3600 0,01 3600 36 6 caso, pelo critério AA, aqueles triângulos seriam
semelhantes.
27 12 9 3 4 3 9 3 4 3
4.3. EC 3 3 3 ED 15 1 15 3
3 3 3 6.2. ;
2 EA 6 2 EB 2 5 2 2 2
3 2 3
2 3 6 ˆ
DCE BEAˆ (ângulos verticalmente opostos).
3
Logo, os triângulos [EDC] e [EBA] são semelhantes (critério
1 3 5 3 5 3 5 3
4.4. 3 5 1 EC ED DC
45 9 5 9 5 9 5 3 LAL) pelo que .
EA EB AB
3 3 Portanto, pelo recíproco do teorema de Tales, as retas AB e
4.5. 6 6 9 3
2 2 DC são paralelas.
2 27 2 27 9 3 7.1. ˆ
AEB ˆ
CED (ângulos verticalmente opostos)
4.6.
3 8 3 8 4 2 ˆ
EBA ˆ
EDC (ângulos alternos internos determinados pela

4.7. 5 50 18 8 5 25 2 9 2 4 2 secante BD no par de retas paralelas AB e DC)


Logo, os triângulos [ABE] e [DCE] são semelhantes pelo
5 5 2 3 2 2 2 25 3 2 2 20 2 critério AA.
4.8. 13 2 52 117 13 2 4 13 9 13 7.2. Como os triângulos [ABE] e [DEC] são semelhantes, temos:
EB AB 1 3
13 2 2 13 3 13 1 4 3 13 0 ; DC 5 3 DC 15
DE DC 5 DC
4.9. 75 3 12 5 3 25 3 3 4 3 5 3
DC 15 cm
5 3 3 2 3 5 3 6 3
4.10. 2 3 75 147 2 3 25 3 49 3 pág. 42
Atividade inicial 9
2 3 5 3 7 3 7 3 7 3 0
1.1. 15 é um número irracional porque 15 não é um quadrado
4.11. 32 54 8 24
perfeito.
16 2 9 6 4 2 4 6
4 2 3 6 2 2 2 6 12 12 4 12 8 12
8 4 3 8 2 3 16 3

15
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

7 3.1. 12 2 144 ; 132 169


1.2. –1,2 ; 2,3 3 ; 225 9 25 3 5 15
3 2 2
7 , 0 3 12 150 13 ; 12 150 13
9 15 16 3 15 4 1 0 2,3 2 2
–1,(15) = –1,1515… 3.2. 16 256 ; 17 289
7 1 2 2
16 258 17 ; 16 258 17
1,2 1, 15 15 225
3 3.3. 352 1225 ; 362 1296
2. 10 e 20 são números irracionais porque 10 e 20 não
352 1250 362 ; 35 1250 36
são quadrados perfeitos.
2 2
Resposta: (D) 4.1. 2 7 3 ; 2 7 3
2,52 6, 25 ; 2,62 6,76 ; 2, 7 2 7, 29
Questão 21
21.1. < 21.2. < 21.3. = 2,66 7 2,7 2 ; 2,6 7 2,7
21.4. > 21.5. < 21.6. > Por exemplo: A 2,6 e A 2,78

4.2. 72 50 82 ; 7 50 8
pág. 43
2
Questão 22 7,5 56, 25 ; 7,12 50, 41
22.1. 1,111 022 333…
7,0 50 7,1
1,111 023 35
1,111 0233 5 > 1,111 022(3) Por exemplo:
O menor número é 1,111 022(3) A 7,0 e A 7,1
22.2. –21,350 111 211 1
4.3. 5 5 25 5 5 25 125
–21,351 112 (1)
2 2
–21,351 112 (1) < –21,350 111 211 1 11 121 ; 12 144
O menor dos números é –21,351 112 (1) 11 2
125 12 2

112 125 12
Pág, 44 2
Atividades de aplicação 9 11,5 132, 25
1 3 1 4 11,1 2
123, 21
1.1. 1
3 3 3 11,3 2
127,69
1 4 134 400 402
1 x 1,34 ; x ; x 11, 2 2
125, 44
3 3 100 300 300
100
11,1 5 5 11,2
401
x , por exemplo Por exemplo: A 11,1 e A 11,2
300
2
1.2. 7 2,646 x 2,65 5.1. 20 400 ; 21
2
441
2646 265 2646 2650 Por exemplo:
x ; x
1000 100 1000 1000 Números irracionais: 401, 402, 403, 404 e 405
2648 2648 : 8 331 Números racionais: 20,1 ; 20,2 ; 20,3 ; 20,4 e 20,5.
1000 1000 : 8 125 25 26
331 5.2. 12,5 ; 13
x , por exemplo. 2 2
125 2 2
25 2 26
12,5 156, 25 ; 132 169
2 2
pág. 45
2.1. a) a 9 b 9 b) a 9 b 9 Por exemplo:
c) a 3, 2 b 3, 2 b 3, 2 a 3, 2 Números irracionais: 157, 158, 159, 160 e 161
d) a 0,83 b 0,83 b 0,83 a 0,83 Números racionais: 12,51 ; 12,52 ; 12,53 ; 12,54 e 12,55.
2.2. a 5 6. A 20 2 5 8 3 18 20 2 5 4 2 3 9 2
a) a 1 5 1 a 1 4 20 2 5 2 2 3 3 2 20 2 10 2 9 2
b) a 3 5 3 a 3 2
20 10 9 2 2
c) 7 5 2
B 5 20 8 45 5 5 5 4 5 8 9 5 5 5
a 5 ; a 2 5 2 a 2 7
5 2 5 8 3 5 5 5 10 24 5 5 9 5
2.3. Se a 0 e a b , então a b .
A é mais próximo de O do que B.

2.4. Se a 0e a b , então a b .

16
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

Agora á a tua vez pág. 46 •x 0, 5 ; 10x 5, 5


5 , 5 5 5 5
10x x 5, 5 0, 5 − 0 , 5 5 5 5
5 5 , 0 0 0 0
9x 5 x
9
5
0, 5
9
25
0,3(6) • •
40
BS // UR e PS // RA 5
2,35(9) • •
9
pág. 47 11
Atividades complementares 3,(9) • •
30
1 1 , 0 3 59
1.1. II: 1, 3 1 0,3 0,625 • •
3 25
3 4
III: 0,75 2 , 0 3
0,(5) • •
4 2 0,6
1
4 2 322 161
IV: 0, 6 5 , 0 0 0 8 5. • 0,322
6 3 2 0 0,625 1000 500
5 4 0
V: 0,625 0 • x 1, 1 ; 10x 11, 1
8
1.2. 10x x 11, 1 1, 1 1 1 , 1 1 1 1
− 1 , 1 1 1 1
10
9 x 10 x 1 0 , 0 0 0 0
9
10
1, 1
3 52 3 52 1 9
2. (A)
6 5 2 2 3 52 5 2 2 2 5
3
•x 2,3 2 ; 10x 23, 2
70 7 10 1 1 2 3 , 2 2 2 2
(B) 10x x 23, 2 2,3 2
7 80 7 10 8 8 23 − 2 , 3 2 2 2
20,9 2 0 , 9 0 0 0
3 3 1 9x 20,9 x
(C) 2 2
2 15 2 3 5 2 5 2 9
53 32 2 32 2 1 209
(D) 3 3 3 2,3 2
5 3 2 3 3 2 22 3 22
2 90
Apenas na opção (D) a decomposição do denominador em •x 0,1 25 ; 100x 12,5 25 1 2 , 5 2 5 2 5
− 0 , 1 2 5 2 5
fatores primos tem pelo menos um fator diferente de 2 e 1 2 , 4
de 5. 100x x 12,5 25 0,1 25
Resposta: (D) 12,4 124 62
99 x 12, 4 x x x
42 7 6 6 6 4 24 99 990 495
3. 0,24
175 7 25 52 52 4 100 62
0,1 25
14 7 7 7 7 7 53 7 125 495
160 80 16 5 16 5 2 5 2 4 54 4
10 4 •x 3, 32 ; 100x 332, 32
875
0,0875 329
10 000 100x x 332, 32 3, 32 99 x 329 x
99
26 52
0,052 329
500 1000 3, 32
3 , 6 6 6 6
99
4. • x 0,3 6 ; 10x 3, 6 − 0 , 3 6 6 6 6. • x 0, 3 ; 10x 3, 3
3 , 3
10x x 3, 6 0,6 6 3
3,3 33 11 10x x 3, 3 0, 3 9x 3 x
9x 3,3 x x x 9
9 99 30 1
0,3
11 3
0,3 6
30 • x 1, 3 ; 10x 13, 3
236 59
• 2,35 9 2,36 12 4
100 25 10 x 13, 3 1, 3 9 x 12 x x
9 3
• 3, 9 4 4 1
1, 3
625 625 :125 5 25 3 3
• 0,625
1000 1000 :125 8 40

17
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

• x 1,1 6 ; 10x 11, 6 1 1 , 6 6 6 6 2 22 3 1 5 4


− 1 , 1 6 6 6 11.2. 5 5 1 51 2 2 1 5 1
1
10x x 11, 6 1,1 6 2 5 5 5
1 0 , 5
1 1
10,5 1 2 4 1
9 x 10,5 x 11.3. 22 : 2 4
: 1 2 : 26 : 21 25 32
9 2 2
105 105 : 5 21 7 11.4. 6 5 :6 2 3
365 6
5 2
3
62
5
6 3 3
610
x
90 90 : 5 18 6
9
7 1 6 610 61 6
1,1 6 1
6 6 1 3 2 2 1
0,13 : 0,012 0,1 10 : 10 10
11.5. 2
10 2 0,5 2 10 0,5

10 3 :10 4 10 1
101 10 1
100
1 52 25
52 52 52
Pág. 48 2 3 1 6 1
1 1 1 3
1 2 3 4 11.6. 1 1
7.1. 0, 09 ; 0, 18 ; 0, 27 ; 0, 36 2 2 2 2
11 11 11 11
5 6 7 1 2 1 2 3 128 131
0, 45 ; 0, 54 ; 0, 63 ;
11 11 11 26 3 64 3 192 192 192
3 64
8 9 10
0, 45 ; 0, 81 ; 0, 90 ; 12. a 10 1
e b 10 2
11 11 11
1 2 2 3
12 1 13 2 15 4 a2 b3 10 10 102 106
1 1, 09 ; 1 1, 18 ; 1 1, 36
11 11 11 11 11 11 a 3 b5 1 3 2 5 10 3 10 10
10 10
b
7.2. Escreve-se a fração na forma de numeral misto a sendo a 10 8
11 108 13 1021
um número inteiro e b < 11. 10 13
1
A dízima correspondente à fração é da forma a,(p) sendo o 13.1. a) 1 12 13 14 15 1
período p de comprimento 2 igual a 9 × b. b) 3 1
3;3 2
9;3 3
27 ; 34 81 ; 3 5 243
8. Por exemplo: 1 2 3 4
c) 5 5;5 25 ; 5 125 ; 5 625 ; 55 3125
8.1. 9 = 32 8.2. 81 92 32
1 2 3 4 5
2 d) 7 ;7 49 ; 7 343 ; 7 2401 ; 7 16807
8.3. 100 102 8.4. 0,01 10
1 2 3 4 5
e) 9 9;9 81 ; 9 729 ; 9 6561 ; 9 59049
1 1 1
8.5. 31 8.6. 10 3 13.2. O algarismo das unidades é 5.
3 1000 103
2 13.3. a) O algarismo das unidades é 3n é 3 para
4 22 2
8.7. n=1,5,9,…
25 52 5
39 tem algarismo das unidades igual a 3.
9 1 2 2 2
8.8. 9 9 36 3 6 18 b) O algarismo das unidades de 515 é 5
36 36 1
3
c) O algarismo das unidades é
1 2 3 6 6
7 para n = 1 , 5 , 9 , 13 , 17 , …
8.9. 25 25 52 5 12

252 9 para n = 2 , 6 , 10 , 14 ,18 , …


3 0 0 3 para n = 3 , 7 , 11 , 15 , 19 , …
8.10. 2 2 1 para n = 4 , 8 , 12 , 16 , 20 , …
9. (A) 12 = 1
0 O algarismo das unidades de 712 é 1.
5 3
d) Se n é par, o algarismo das unidades de 9n é 1.
(B) 10 5 :10 3
10 10 2

(C) 5 1010 3 102 15 1010 2


15 1012
pág. 49
5 6 4 10 5 4 5 6 14.1. 11 4 : 1 22 44 : 22 2
(D) 4 10 : 8 10 10
8 10 6 8
2 4: 2
1
10 5
2 14.2. 12 10 3 12 13 1
Resposta: (D) 1 18 19
10. (A) ab 01 0 14.3. 24 : 12 : 2 24 : 6 4
2 2 1
1
(B) a b
1 1 1 1 4 200 204
Resposta: (B) 14.4. 7 5 15 24 35 15 16 35 1 36
1
2 2 2
11.1. 2 30 2 2
2 11
1 2 2
2 2
1 1 1
2 36 62
6

18
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

1
3
21. a 3, 2 103 3,1 104 3, 2 3,1 103 4
9,92 107
14.5. 40 : 3 40 : 23 3 40 : 8 3 5 3 2
2 b 1,03 10 2
2 102 1,03 2 10 2 2
2,06 100
2 6 8; 8 1 8
3, 2 103 3, 2
1
3 3, 2 103 6, 4 10 4
c c 103 4

14.6. 1 10
2 3
1 8 1 9 6, 4 10 4 6, 4
2
c 0,5 107 c 5 106
27 : 3 9
2 2 Pág. 50
1 2 1
14.7. 3 9; 6 2 36 22.1. 9 460 000 000 000 = 9, 46 1012
3 6
9 4 36 22.2. 7,8 9, 46 1012 73,788 1012 7,3788 1013
15. O algarismo das unidades de uma potência de base 3 e A estrela Wolf-359 está a 7,3788 1013 km da Terra.
100
expoente natural é 3 , 9 , 7 ou 1. Logo 3 é ímpar. 23. 8 250 1,049 106 2098 106 2,098 109
5
16.1. 0,000 04 = 4 10
24. 1,5 108 km = 1,5 1000 108 m = 1,5 103 108 m
3 1
16.2. 3 3 4 10 5 12 10 5
1, 2 10 4
= 1,5 1011 m
25 000 25 000
1 3 1,5 1011 1,5
16.3. 4 10 5 1,2 10 4 1011 292 968 750
25 000 25 000 512 512
Seriam necessários 292 968 750 edifícios.
0,4 10 4 1,2 10 4 0,4 1,2 10 4
1,6 10 4
5
25. 120 000 1 10 1, 2 105 1 10 5
1, 2 100 1, 2
17. 23 000 000 = 2,3 107
A faixa teria uma largura de 1,2 m
Resposta: (B)
26.1. 4, 22 9, 46 1012 39,9112 1012 3,992 12 1013
18.1. 215, 2 2,152 102 18.2. 32 000 000 3, 2 107
3
3,992 12 1013 é a distância da Proxima Centauri à Terra,
18.3. 0,003 3 10 18.4. 0,002 2 10 4
em km.
18.5. 23, 4 105 2,34 106 18.6. 0,0235 10 5
2,35 10 7
4, 22 9, 46 1012 399 212 1012 39,9212 1012
4 3 26.2.
19.1. x 3, 2 10 ; y 2 10 50000 5 104 5 104
x y 3, 2 10 4
2 103 3, 2 104 0, 2 104 7,984 24 108
3,2 0,2 104 3,4 104 7,984 24 108 representa o tempo, em horas, que a nave
x y 3, 2 104 2 103 3, 2 2 104 3
6, 4 107 levaria a chegar da Terra à estrela.
4, 22 9, 46 1012 39,9212 1012
x y 3, 2 104 2 103 3, 2 104 0, 2 104 26.3.
50 000 24 365, 25 438 300 000
3,2 0,2 104 3 104
39,9212 1012 39,9212
3, 2 10 4 3, 2 1012 8
91 081
x: y 104 3
1,6 10 1 4,383 108 4,383
2 103 2 91 081 é o tempo, em anos, que a nave demoraria a chegar
5 6
19.2. x 5,3 10 ; y 8 10 da Terra à estrela.
x y 5,3 10 5
8 10 6
5,3 10 5
0,8 10 5 27. Comprimento da linha circular
5 5
C d mm (1 m = 1000 mm)
= 5,3 0,8 10 6,1 10
3 10 5 m = 3 10 5
1000 mm = 3 10 5
103 mm
5 6 5 6
x y 5,3 10 8 10 5,3 8 10 2
= 3 10 mm
11 10
= 42, 4 10 = 4, 24 10 C 3,1416
5 6 5 5
102 100
x y 5,3 10 8 10 5,3 10 0,8 10 3 10 2 3 10 2 3 3
= 5,3 0,8 10 5 4,5 10 5 1,0472 100 105
5
Seriam necessários cerca de 105 vírus.
5,3 10 5,3 5 6
x: y 5
10 0,6625 101
0,8 10 8
pág. 51
= 6,6256,1 100 28. Comprimento da linha do equador
20. 240 106 2, 4 108 ; 190 1,9 102 ; 25 = 2,5 101 ; C 2 6, 4 106 m 12,8 106 m
20 106 2 107 12,8 106 6 10
12,8 10 12,8 1016
10 10
40, 21 1016 4,02 1017
Seriam necessários 4,02 1017 átomos, aproximadamente.

19
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

24 21 24 21
29.1. 2 1,67 10 2,66 10 3,34 10 2,66 10 33.2. a2 24 5
2
24
2
52 28 52
21 21 21
0,003 34 10 2,66 10 0,003 34 2,66 10 2 2
b2 23 3 5 23 32 52 26 32 52
21
2,663 34 10 34.1. 3600 = 36 × 100 = 4 × 9 × 4 × 25 =
A massa de uma molécula de água é 2,663 34 10 21
g. = 22 32 22 52 24 32 52
2 2
= 22 3 5 4 15 602
1 1
29.2. 21 15 876 2 Se 3600 = 602 , 3600 60
2,663 34 10 2,663 34 1021
7938 2 2
3869 3 34.2. 15 876 2 2 4
3 7 2
2 32 7 1262
0,375 1021 3,75 1020 1323 3
Um grama de água tem 441 3 Se 15876 126 2 , 15876 126
147 3
aproximadamente 3,75 10 20
49 7 35. Se a é um quadrado perfeito então a = n2 para determinado
7 7
moléculas. 1 n . Então a decomposição de a em fatores primos pode
ser obtida da decomposição de n multiplicando os respetivos
4 105 1000
30. 80 105 8 000 000 expoentes por 2.
50
Logo, a decomposição em fatores primos de um quadrado
São necessárias 8 000 000 monumentos.
1 2 3 4
perfeito apenas apresenta fatores pares.
31.1. 0, 2785 2 10 7 10 8 10 5 10
2 1 0 1
Se 7 fosse um número racional seria possível exprimir este
31.2. 243,78 = 2 10 4 10 3 10 7 10 8 10 2
3 4 5
número como o quociente de dois números naturais a e b.
31.3. 0,003 78 3 10 7 10 8 10
a
32.1. Assim, se 7 viria:
b
2
2 a a2
7 7 7b2 a2
b b2
Todos os fatores primos de a 2 figuram com expoente par. O
mesmo acontece com a decomposição de b2 em fatores
primos.
O expoente do fator primo 7 na decomposição de 7b 2 terá
A área do quadrado [UWZX], de lado a, é quatro vezes a área
de ser um número impar o que é absurdo uma vez que
do triângulo [UVX].
7b2 a2 .
Então: AUWZX 4 A UVX
Portanto, podemos concluir que 7 não se pode escrever na
2 UV VX 2 4 2 forma de fração pelo que não é um número racional.
a 4 a 2 2 a 8
2 2
2 2 36.1. f x 18x 50 x 32 x
32.2. 2 2 22 2 4 2 8
9 2 25 2 15 2 x
Logo, como a2 8 e a > 0 , a 2 2
32.3. [UX] e [UV] são segmentos de reta incomensuráveis por 3 2 5 2 4 2 x 4 2x
serem a hipotenusa e uma cateto de um triângulo retângulo
f x 4 2x
isósceles. Como UA UX , [UA] e [UV] também são
36.2. g x 2 5x 3 45x 180 x
incomensuráveis.
Logo, tomando [UV] para unidade não existe um número 2 5 3 9 5 36 5 x
racional r tal que UA r.
2 5 3 3 5 6 5 x 5 5x
Como na unidade considerada na reta numérica UV 2 ,
também não existe um número racional que represente g x 5 5x
UA 1 , abcissa do ponto A. 36.3. h x 3 28x 2 63x 12 48
Portanto, A é um ponto irracional. Consequentemente, o
3 4 7 2 9 7 x 4 3 16 3
ponto B, simétrico de A relativamente à origem, também é
um ponto irracional. 3 2 7 2 3 7 x 2 3 4 3 12 7 x 2 3

pág. 52 h x 12 7 x 2 3
33.1.
80 2 120 2 37. A 3 , 1, 3 , 2 3
40 2 60 2
20 2 30 2 3 1
10 2 15 3 f x x
5 5 5 5 3 3
1 1
80 = 24 5 ; 120 23 3 5

20
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

3 1 3 1 2 40. f x 2x 1
37.1. f 3 3
3 3 3 3 3
g x 18x 2 9 2x 2 3 2x 2
3 3 3 1 3 1 3 2 1
f
2 3 2 3 6 3 6 6 6 40.1. f 2 g 2 2 2 1 3 2 2 2
2

3 1 3 1 4 2 2 1 6 2 2 4 2 1
f 3 3
3 3 3 3 3 40.2. 2f g 2 2f 2 2g 2
3 1 3 2 1 7
f 2 3 2 3
3 3 3 3 3 =2 2 2 1 3 2 2 2
2 1 4 7
Df , , , 2 2 1 3 2 2 2 3 6 2 2
3 6 3 3
3 1 40.3. f x g x 2x 1 3 2x 2
37.2. a) f g x f x g x x 12 x
3 3 2x 3 2x 2 1
3 1 3 1
4 3 x 2 3 x 2 3 2 x 3
3 3 3 3 3
3
3 6 3 1 7 1 4 2x 3 x
x 3x 4 2
3 3 3 3
7 1
f g x 3x pág. 52
3 3
3 1 41.1. a) 100 22 52
b) f g x f x g x x 12 x Duas casas decimais.
3 3
b) 1000 23 53 1000 2
3 1 3 6 3 1 5 1 500 2
2 3 x x 3x Três casas decimais. 250 2
3 3 3 3 3 3 125 5
65 13 13 25 5
5 1 c) 5 5
f g x 3x 125 25 52
3 3 1
Duas casas decimais.
2
38. 36 1010 36 105 6 105 96 6
d)
2 80 51
144 108 144 104 12 104 1, 2 105 :16

Uma casa decimal.


28 103 2
41.1. a) b = 0 e a = 3 e c 3 ou a 3 e c=3
4 103 9
4 106 2 106
7 10 9 b) b = 0 e a = 5 e c 5 ou a 5 ec=5
4 10 2 4 2 12 4 7 2 2 7 42.1. x 0, 074 ; 1000x 74, 074
10 10 10
25 1012 25 25 5
7 8 1000x x 74, 074 0, 074
0, 4 10 4 10 74 2
74 2 37 37
4 10 8 1, 2 105 6 105 2 106 999 x 74 x 1
39.1. Pelo critério AA os triângulos [EDC] e [ABC] são 999 27
semelhantes, o ângulo ACB é comum aos dois triângulos e 0, 074 2 2 9 2
9
ˆ
BAC ˆ (ângulos correspondentes determinados pela secante AC no
DEC 1 27 3 9 3
par de retas paralelas ED e AB) 9
ED DC CE 42.2. • x 1, 5 ; 10x 15, 5
Então,
AB BC CA 14
10x x 15, 5 1, 5 9 x 14 x
3 2 DC x 9
50 BC x 10 14
1, 5
3 2 x 9
3 2 x 10 50 x
50 x 10 •y 0, 6 ; 10 y 6, 6
3 2 x 3 2 10 50 x 3 2 x 3 20 50 x 6 2
10 y y 6, 6 0, 6 9y 6 y y
39.2. EC x 9 3
3 2 x 3 20 50 x 3 2x 50 x 3 20 2
0, 6
3
3 2 25 2 x 3 4 5
14 2 14 6 8
1, 5 0, 6
3 2 5 2 x 3 2 5 2 2x 6 5 9 3 9 9 9
3

6 5 3 5 5
x x x 3
2 2 2 2

21
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

2 1 pág. 54
42.3. 0, 6 ; 0, 3 ; 0, 9 1
3 3 Verifica se já sabes
1
2 7
0,9 1 1.1. corresponde a uma dizima infinita. Existe pelo menos um
0, 6 3 2 1 3
3
0, 3 1 3 2 fator diferente de 2 e de 5 na decomposição do denominador
3 em fatores.
1, 9 6 2 7 7 7 7
42.4. 5, 2 0, 2 52 5 ;
15 5 160 16 10 24 2 5 25 5
43. 5 x 0, 2 x 0,03 x 0,003 x 0,0003 x ... 471 3 6 2 7 7
, e podem ser escritos na forma
5 0,2 0,03 0,003 0,0003 ... x 471 2 52 15 5 160 25 5
de dízima finita porque na decomposição dos denominadores
5,2333... x 471 5,2 3 471
em fatores primos apenas figuram os fatores 2 e 5.
471 3 3 2 6 6
x 471 471x 471 90 x 90 0,06 ;
90 2 52 22 52 102 100
Cálculo auxiliar: 6 2 2 20 40
5 2 , 3 3 3 3
a 5,2 3 ; 10a 52, 3 − 5 , 2 3 3 3 0,4 ;
4 7 , 1 0 0 0 15 5 5 20 100
10a a 52, 3 5,2 3 7 7 7 54 7 625 4375
5
0,043 75 .
47,1 471 160 2 5 25 55 105 100 000
9a 47,1 a a
9 90 7 7 , 0 3
1.2. 2, 3 1 0 2,3
74 148 164 16 16, 4 1,6 16, 4 4 1,6 4 3
1
44. O período é “3” e o comprimento é 1.
45 90 90 9 9
2.1. x 1, 6 ; 10x 16, 6
10 1,6 4 1,6 4 9 1,6 4
1,6 4
9 9 15
10x x 16, 6 1, 6 9 x 15 x
9
45.1. A afirmação é falsa. Por exemplo se x 2 e y 8
5
então x y 2 8 16 4 1, 6
3
O produto de dois números irracionais pode ser um número 5 2 2
racional. 2.2. 2, 6 1 1, 6 1 1 1 2
3 3 3
45.2. A afirmação é falsa. Por exemplo se x 2 e y 2
então x y 0.
A soma de dois números irracionais nem sempre é um
número racional.
45.3. A afirmação é verdadeira. Por exemplo se x 2 e
y então x y 2 .
10 10
45.4. A afirmação é falsa. Como 3 não é um quadrado perfeito 3 3 10 3 10
2.3. 2
então 3 é um número irracional. Logo, 3 não pode ser 1, 6 5 3 5 5
representado pelo quociente de dois números inteiros. 3
1
45.5. A afirmação é verdadeira por se tratar de uma dízima infinita 1 5 2
periódica. 3.1. 0,8 :10
2 3
46.1.
1 3 8 1 1 24
: 100
2 5 10 102 2 50
1 100 1 1 96 97
46.2. 24 48
2 50 2 2 2 2 2
1 1
1
2 2 1 1 1
46.3. 3.2. 1
1 3 2 3 6
3
4.1. 100 000 000 000= 1 1011
9
4.2. 0,000 000 001= 1 10

pág. 55
6 5 2 2
5. 9,3 10 3,7 10 1,1 10 3,0 10
6.1. 5,3 105 5 108 5,3 5 1013 26,5 1013 2,65 1014

22
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

4
5 3 8, 4 10 5 8, 4 5 3 2 5. 3,57 10
6.2. 8, 4 10 : 2 10 10 4, 2 10
2 10 3 2 Resposta: (C)
8 7 7 7
6.3. 2,3 10 5,5 10 0, 23 10 5,5 10
Pág. 57
0,23 5,5 10 7 5,73 10 7 6. 0,052 ; 0,0052 ; 0,000 52 ; 0,000 052
7.1. São números irracionais 6, 1e 21 . 6.1. a5 0,000 005 2 ; a6 0,000 000 52 5,2 10 7

7.2. Se 6 fosse um número racional seria possível exprimir 6.2. a1 5,2 10 2 ; a2 5,2 10 3 ; a3 5,2 10 4
este número como quociente de dois números naturais a e b. a4 5,2 10 5 ; a5 5,2 10 6 ; a6 5,2 10 7
a
Assim, se 6 seria: an 5,2 10 n 1
b
3 4 3 3
2 7. 12, 2 10 0,05 10 12, 2 10 0,005 10
2 a a2
6 6 6b2 a2 2 3b2 a2 3 2
b b2 12,2 0,005 10 3 12, 205 10 1, 2205 10
Todos os fatores primos de a 2 figuram com o expoente par. 106 55 433 55 433
8. 106 4 10 078,73 102 1 007 873
O mesmo acontece com a decomposição de b em fatores 2
5,5 104 5,5
primos. 1 dia = 24 × 60 × 60 s = 86 400 s
Os expoentes dos fatores primos 2 e 3 na decomposição de 1 007 873 : 86 400 ≈ 11,665 dias
2 3b2 terão de ser números ímpares o que é absurdo uma ≈ 11 dias e 16 horas (0,665 × 24 = 15,96)
vez que 2 3b2 a2 . 9. AO 1, 3 ; 10 AO 13, 3
Portanto, podemos concluir que 7 não se pode escrever na 12
10 AO AO 13, 3 1, 3 9 AO 12 AO
forma de fração pelo que não é um número racional. 9
4
480 120 15 32 15 8 AO
8.1. 3
15 15
75 25 3 5 3 25 25 5
15 16 2 4 2 DO ; CO
15 32 15 8 4 4 4 9 9 3
15 15 5 5
3
4 2 2 2 2 2 OD 4 5 OC 3 5 3 5
;
OB 3 4 OA 4 3 4 4
8.2. 3 12 2 48 2 75 3 4 3 2 16 3 2 25 3
3
3 2 3 2 4 3 2 5 3 6 8 10 3 12 3 OD OC
Dado que e AOB ˆ ˆ (ângulos
COD
2 3
9.1. 2 5 3 ; 2 5 3 OB OA
5 3 verticalmente opostos), os triângulos [ABO] e [CDO] são
semelhantes pelo critério LAL.
1 3 4
9.2. 12 3 22 ; 1 3 4; ODOC DC
3 3 3 Então e, pelo teorema recíproco do
OB OA AB
1 3 1 3
Se então teorema de Tales, as retas AB e CD são paralelas.
3 3 3 3
9.3. 50 25 2 5 2 10.1. f x 2x 2 3 3 8x 54

2x 2 3 3 4 2x 9 6
Avaliação pág. 56
2x 3 2 2x 2 3 3 6
3 2 3 2 5
1. (A) 7 7 7 7 (B) 3 4 3 1 35
2 6 2 x 6 3 6
3 1
(C) 5 3 4 2 20 5
(D) 32 36
36 f x 7 2x 2 6
Resposta: (D)
n 0 10.2. f 3 7 2 3 2 6 7 6 2 6 9 6
2. X 1 : Se n = 0, X 1 1
Se n é ímpar, X = –1 11. x 1,8 3 ; 10x 18, 3
Se n é par, X =1 16,5
10x x 18, 3 1,8 3 9 x 16,5 x
Resposta: (D) 9
1
2
1
2
1
2
1
2
165 165 :15 11 5
3. 1 22 4; 1 2
2
4 1,8 3 1
2 2 2 2 90 90 :15 6 6
Resposta: (A)
1
1 2
4. 2 ; (A) é falsa ; 2 4 ; (B) é falsa 1 8 , 3 3 3 3
2 − 1 , 8 3 3 3
1 6 , 5 0 0 0
5 15 : 5 3 5 15 3
5 12
Resposta: (C)

23
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 1

54 9 6 6 2 6 12 1 1 2 4 1 1 1 1 6 5
12. 2 3. 1 ; 2
32 2 52 32 2 52 2 52 2 2 52 10 2 4 4 4 4 4 4 3 3 3 3
2

12 1
6 1 5
0,12 3
100 2
2 2 2
13.1. Se x 2 e 2 y , então x y 1 1 1 1 1
1
2 4 4 4 4 1 3 3
13.2. Se x 3 e 3 0 então x 0 1 5 5 2 2
2 4 2 8
Se y 3 3 0 então y 0 . Logo, y 0 3 3 3 5 3
1 5
Se x 0 e y 0 então x y 0 , ou seja, x y 0. 3
2 2
4 1 2 4 5 6 15
4. 1
pág. 58 15 3 5 15 15 15 15
5 3
Jogos, desafios e curiosidades
8 2 15 8 6 1
1 1 2 1 1 a 1 ;
1. 15 5 15 15 15 15
1 2 2 2 2 4 8 3 1
1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 1 1 b 1 ;
15 15 15 5
1 2 3 4 2 3 4 3 4 4 3 4 1 1 15 3 5 7
2
c 1 ;
5 3 15 15 15 15
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 3 5

1 2 3 4 5 6 3 4 5 6 4 5 6 6 1 1 15 5 1 9 3
2 d 1 ;
3 15 15 15 15 15 15
1 1 1 5

4 5 6 4 3 15 4 9 2
e 1
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 15 5 15 15 15 15
1 2 3 4 5 6 7 8 4 5 6 7 8
2
pág. 59
1 1 1 2 1
1 1 1 1 1 1 3 2 1 1 1 4 3 1
5.1. ;
5 6 7 8 8
5 6 7 8 2 3 6 6 6 3 4 12 12 12
3 2 4 3
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1
1 1 5 4 1
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
4 5 20 20 20
1 1 1 1 1 5 4

6 7 8 9 10 1 1 1 1 1 1 1 1 1
; ;
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 5 6 30 6 7 42 7 8 56
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 1 1
5.2.
1 1 1 1 1 1 999 1000 999 000
1 1 1 1 1 1 1
7 8 9 10 11 12 6.1. , , , , , , ...
2. 1 2 3 4 5 6 n
6.2. Qualquer número é igual à soma de dois números adjacentes
da linha abaixo.
6.3.

3 2
de 1 kg são do “peso” do cesto
5 5
1 3 1
de 1 kg é do “peso” do cesto
2 5 5 Cálculos auxiliares:
1 1 1 1 1 1
3 1 5 6
;
30 20 30 60
de 1 kg é do “peso” do cesto
10 5 1 1 1 1
;
1 1
;
1 1 1
6 7 42 30 42 105 60 105 140
3 15
5 1,5 1 1 1 1 1 1 1 1 1
10 10 ; ;
7 8 56 42 56 168 105 168 280
O cesto “pesa” 1,5 kg. 7. Seja x a capacidade do aquário, em litros
Outro processo 1 2 1
x x 1,22 x x 0,08 1, 22
Seja x o “peso” do cesto em kg. 6 25 6
3 3 1
x x 5 x 3 3x 5x 2 x 3 2x 3 x x 1,3 6 x x 7,8 5x 7,8
5 5 5 6 6 6

3 7,8
x x 1,5 x 1,56
x
2 5
Logo, x = 1,5 kg O aquário tem uma capacidade 1,56 L.

24
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO
Capítulo 2
2
Atividades de diagnóstico pág. 62 4 2
2 1 2
2 1
CD CE 6 CE 7.1. 2 3 2 3
1. ; 2 2
CA CB 6 4 CE 3
2
10 CE 1 1 48 1 49
6CE 18 10CE 18 10CE 6CE 4 3 12
6 CE 3 2 4 4 4 4
18 2 2
18 4CE CE CE 4,5 1 1 2 2
4 7.2. 5 3 2 4 52 5 3 22 5
3 3
Resposta: (C)
AB BO 5 BO 5 1 5 5 540 545
2. ; BO OD 5 3 4 5 60
CD OD 3 OD 3 9 9 9 9 9 9
Seja BO x então OD 10 x porque BO OD 10 8. 2 27 3 75 108 2 9 3 3 25 3 36 3
5 50 2 3 3 3 5 3 6 3 6 15 6 3 3 3
x 10 x 3x 50 5 x 8x 50 x
3 3 8
9. 176 400 = 2 4
3 2
5 2
7 2 176 400 2
x 6, 25 88 200 2
2 2 44 100 2
Resposta: (A) 2 3 5 7 22 050 2
NM MB 2
11 025 3
3. Seja x AM , 420 3675 3
AC AB 1225 5
5 10 10 Logo, 176 400 420 245 5
5x 50 60 5x 60 50 x 49 7
6 x 10 5 7 7
x 2 1

Resposta: (D) pág. 64


Atividade inicial 1
Pág. 63
1.1. x2 9 x 9 x 9 x 3 x 3
BX 1 1
4. BX AB 1.2. 2x 2
8 x 2
4 x 4 x 4 x 2 x 2
AB 3 3
9
1.3. 3x2 9 x2 Equação impossível
3
50
1.4. 2 x2 50 x2 x2 25 x 25 x 25
2
x 5 x 5
BC 12,5 1250 1250 : 25 50 1.5. x 2
2 x 2 x 2
5.1.
EC 4, 25 425 425 : 25 17 6
1.6. 3x 2 6 0 3x 2 6 x2 x2 2
AC 3,3 1,7 5 50 3
CD 1,7 1,7 17 x 2 x 2
2 2 2 2
BC AC
e o ângulo DCE ˆ é comum aos triângulos [ABC] 1.7. x 3 4 x 9 16 x2 25
EC CD x 25 x 25 x 5 x 5
e [DCE]. Logo, pelo critério LAL, os triângulos são
2 2 2 2 2
semelhantes. 1.8. 6 8 x x 36 64 x 100
5.2. Como os triângulos [ABC] e [DCE] são semelhantes, x 100 x 100 x 10 x 10
AB BC CA
.
DE EC CD pág. 66
Logo, pelo teorema recíproco do teorema de Tales as retas Questão 1
AB e DE são paralelas.
1.1. Como [CD] á a altura do triângulo retângulo [ABC] relativa à
6.1. O ângulo ACD é comum aos dois triângulos e
hipotenusa, os triângulos [ABC] e [DBC] são semelhantes.
ˆ
CBA ˆ
EDC 90º . Logo, pelo critério AA os triângulos A [BC], hipotenusa do triângulo [DBC], corresponde [AB],
[ABC] e [DEC] são semelhantes. hipotenusa do triângulo [ABC].
CE 5 O ângulo de vértice B é comum aos dois triângulos, logo, os
6.2. a) 0, 4 . A razão de semelhança que aplica o
AC 12,5 lados que se lhe opõem são correspondentes, ou seja, [CD]
triângulo [ABC] no triângulo [CDE] é 0,4. corresponde a [AC]. Por fim, [BD] corresponde a [BC].
Como, em triângulos semelhantes, o comprimento dos lados
DE EC CD 3 CD
b) ; 0, 4 correspondentes são diretamente proporcionais, tem-se,
AB AC BC AB 10
3 3 30 BC CD BD
0, 4 AB AB AB 7,5
AB 0, 4 4 AB AC BC

CD
0, 4 CD 4
10
AB 7,5 cm e CD = 4 cm

25
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 2

1.2. [CD] é a altura do triângulo retângulo [ABC] relativa à 2.2. Os triângulos [DBC] e [DAB] são semelhantes, sendo
hipotenusa. Portanto, os triângulos [ADC] e [DBC] são DC DB
semelhantes.
DB DA
A [AC], hipotenusa do triângulo [ADC] corresponde [BC],
hipotenusa do triângulo [BDC]. 0, 45 DB 2
DB DB 0, 45 0,8 DB 0,36
Os ângulos ACD e CBD são iguais por serem ângulos agudos DB 0,8
de lados perpendiculares. Logo, os lados que se lhes opõem DB 0,36 DB 0,36
são correspondentes, ou seja, [AD] é correspondente a [CD].
Finalmente ao lado [CD] do triângulo [ADC] corresponde o DB 0,6 DB 0,6
lado [BD] do triângulo [DBC]. Como DB 0 , temos DB 0,6 cm
AC AD CD 2.3. Os triângulos [ABC] e [ABD] são semelhantes, sendo
Logo,
BC CD BD AB AC BC
Questão 2 AD AB DB
[CD] é a altura do triângulo retângulo [ABC] relativa à hipotenusa. AB 0,8 0, 45 2
AB AB 0,8 1,25 AB 1
BD CD 0,8 AB
Logo,
CD AD AB 1 AB 1
Se CD x temos Como AB 0 , vem AB 1 cm
4 x 3. [ABC], [ADC] e [DBC] são triângulos semelhantes
x2 4 9 x 36 x 36 x 6 x 6
x 9 AD DC
Como x > 0, vem x = 6 3.1. ([ADC] e [DBC] são triângulos semelhantes)
DC DB
CD 6 cm
2 DC
DC DC 2 8
DC 8
pág. 67
2
Atividades de aplicação 1 DC 16 DC 2 4 DC 4 DC 4
1.1. O lado correspondente a [AB] de [ABC] é [BD] de [BDA]
DC 2 DC 2
AB 5
BD 3 Como DC 0 , vem DC 2 cm
A razão de semelhança que transforma o triângulo [ABD] no AB AC
5 3.2. (os triângulos [ABC] e [ADC] são semelhantes)
triângulo [ABC] é . AC AD
3
1.2. Os triângulos [ABC] e [ABD] são semelhantes , sendo AB AD DB 2 8 2 4 2
AB BC AC 2 2 2 3 2
BD AB AD 3 2 y
y y 3 2 2 y2 3 2 y2 6
5 BC AC y 2
3 5 4
y 6 y 6
BC 5 5 25
BC 5 BC Como y > 0, vem y = 6 cm
5 3 3 3
25 25 9 16 BC AC
CD BC BD 3 3.3.
3 3 3 3 CD AD
16 x 6 6 6
CD cm x 2 x 2 x 2 3
3 2 2 2 2
AC 5 5 20
1.3. AC 4 AC x 2 3 cm
4 3 3 3
20 pág. 68
AC
3 Atividade inicial 2
ˆ
2.1. • DCB CDB ˆ ˆ
CBD 180º ˆ
DCB ˆ
90º CBD 180º 1. Os triângulos [ABC] e [BCD] são semelhantes, sendo
ˆ ˆ ˆ ˆ AB BC
CBD 180º 90º DCB CBD 90º DCB (1)
BC DB
ˆ
• DCB ˆ
ABE 90º ˆ
ABE ˆ
90º DCB
c a
ˆ ˆ ˆ Substituindo, temos a 2 yc
DBE 90º DBA ABE 90º a y
ˆ
DBA ˆ
90 DCB 90º ˆ
DBA ˆ
DCB (2) 2. Os triângulos [ABC] e [ADC] são semelhantes, sendo
ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ AB AC
• CBA CBD DBA 90º DCB DCB (1) e (2)
90º AC AD
c b
ˆ é um ângulo reto.
Logo, CBA Substituindo, temos b2 xc
b x

26
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 2

Questão 3 2.2. 10,92 9,12 x2 x2 118,81 82,81 x2 36


2 2 2 2 2
3.1. x 4 3 x 16 9 x 25 x 36 x 36 x 6 x 6
x 25 x 25 x 5 x 5 Como x > 0, temos x = 6 cm
Como x > 0, temos x = 5 cm 3.1. x2 122 11,92 x2 144 141,61 x2 285,61
2 2 2 2 2
3.2. x 4,8 5,5 x 23,04 30, 25 x 53, 29
x 285,61 x 285,61
x 53, 29 x 53, 29 x 16,9 x 16,9
x 7,3 x 7,3 Como x > 0, temos x = 16,9 cm
Como x > 0, temos x = 7,3 cm 3.2. 22,52 x 2 182 x2 506, 25 324 x2 182, 25
2 2 2 2 2
3.3. 13 x 12 x 169 144 x 25
x 182, 25 x 182, 25
x 25 x 25 x 5 x 5 x 13,5 x 13,5
Como x > 0, temos x = 5 cm
Como x > 0, temos x = 13,5 cm
3.4. 292 202 x2 x2 841 400 x2 441
3.3. x2 6,52 7, 22 x2 42, 25 51,84 x2 94,09
x 441 x 441 x 21 x 21
x 94,09 x 94,09 x 9, 7 x 9, 7
Como x > 0, temos x = 21 cm
Como x > 0, temos x = 9,7 cm
2 2
Pág. 70 8 6 64 36 100
3.4. x2 x2 x2
Questão 4 7 7 49 49 49
4.1. Área de A = (9 + 4) cm2 = 13 cm2 100 100 10 10
4.2. Área de B = (16 – 14) cm2 = 2 cm2 x x x x
49 49 7 7
2
4.3. Área de C = 11 32 cm2 = (11 – 9) cm2 = 2 cm2 10
Como x > 0, temos x = cm
7
4.4. 2 × Área de D = 50 cm2 Área de D = 50 cm2 2 2
3.5. x2 3 3 x2 3 3 x2 6
Atividades de aplicação 2
x 6 x 6
1.1. x2 42 32 x2 16 9 x2 25
Como x > 0, temos x = 6 cm
x 25 x 25 x 5 x 5 2
3.6. x 2
x 2
6 2 x2 6 x2 3
Como x > 0, temos x = 5 cm
2 2 2 2 2
1.2. x 80 39 x 6400 1521 x 7921 x 3 x 3
x 7921 x 7921 x 89 x 89 Como x > 0, temos x = 3 cm
Como x > 0, temos x = 89 cm 2
2
3.7. 3 5 3 2
x 2
x 9 5 9 x2 36
1.3. x2 62 6,32 x2 36 39,69 x2 75,69
8, 7 8, 7 x 36 x 36 x 6 x 6
x 75,69 x 75,69 x x
Como x > 0, temos x = 6 cm
Como x > 0, temos x = 8,7 cm 2

1.4. x2 10,52 8,82 x2 110, 25 77, 44 x2 187,69 3.8. x2 22 2 2 x2 4 4 2 x2 12

x 187,69 x 187,69 x 12 x 12 x 4 3 x 4 3
x 13, 7 x 13, 7 x 2 3 x 2 3
Como x > 0, temos x = 13,7 cm Como x > 0, temos x = 2 3 cm
1.5. x2 32 32 x2 9 9 x2 18 3.9. 102 72 x2 x2 100 49 x2 51
x 18 x 18 x 9 2 x 9 2 x 51 x 51
x 3 2 x 3 2 Como x > 0, temos x = 51 cm
Como x > 0, temos x = 3 2 cm 4.1. A = 62 52 cm2 = (36 – 25) cm2 = 11 cm2
2 2
1.6. x2 2 2 x2 2 2 x2 4 4.2. A = 10 2 52 cm2 = (100 – 25) cm2 = 75 cm2
x 4 x 4 x 2 x 2
Como x > 0, temos x = 2 cm pág. 72
Atividade inicial 3
Pág. 71 2 2

2 2 2 2 2
1. AB 42 32 AB 16 9
2.1. 15 x 9 x 225 81 x 144
AB 25 AB 25 AB 5 AB 5
x 144 x 144 x 12 x 12
Como A B > 0, vem A B = 5 cm
Como x > 0, temos x = 12 cm

27
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 2

2. AB A B , BC B C e AC A C . Questão 9
Logo, pelo critério de LLL, os triângulos [ABC] e 18 9 2 3 2
[ A B C ] são iguais. 6 3 2 18 ; 62 36
3. Em triângulos iguais, a lados iguais, opõem-se ângulos 2 2
3 2 18 18 18 36
iguais. Logo, como AB A B , temos que
2 2
ˆ
ACB A C B 90º , ou seja, o triângulo [ABC] é retângulo Como 6 2 3 2 18 e 3 2 18 , o triângulo é
em C. retângulo e isósceles.

pág. 73 pág. 75
Questão 5
1.1. 3 5 2 ; 32 = 9
2,52 25 2
2
5 22 5 4 9
2 1,52 4 2, 25 6, 25
2
Como 2,52 22 1,52 , pelo teorema recíproco de Pitágoras, o 32 5 22
triângulo é retângulo no ângulo oposto ao lado de medida 2,5 cm. O triângulo é retângulo.
1
Questão 6 1.2. 22 15 2 7 ; 222 = 484
3
O maior lado do triângulo mede 6 cm 2 2
2 1 22
62 36 15 2 7 152 2
3 3
2
3 2 42 9 2 16 34 484 477 7
450 450 =
2
2
2 9 9
Como 6 3 2 4 o triângulo não é retângulo.
477 7 7 7
450 450 53 503
9 9 9 9
Questão 7 2
2 1
7.1. 11 > 8 > 6 ; 11 2
121 222 ≠ 15 2 7
3
82 62 64 36 100 O triângulo não é retângulo.
Como 112 82 62 , o termo (6 , 8 , 11) não é um termo 1.3. 3 5 3 3 18
pitagórico. 2
3 5 9 5 45
7.2. 13 > 12 > 5 ; 132 169
2 2
122 52 144 25 169 3 3 18 9 3 18 45
132 122 52 . Logo, o termo (13 , 12 , 5) é um termo 2 2 2

pitagórico. 3 5 3 3 18

7.3. 2 , 3 , 5 não é um termo pitagórico porque não é É um triângulo retângulo.


2. • 2,52 = 6,25
formado por números naturais. 1,52 + 22 = 2,25 + 4 = 6,25
2,52 = 1,52 + 22
pág. 74 • 1,92 = 3,61
Questão 8 1,252 + 1,32 = 1,5625 + 1,69 = 3,2525
8.1. 25 > 24 > 7 ; 252 625 1,92 ≠ 1,252 + 1,32
2 2
• 22 = 4
25 7 5 6 49 625
1,62 + 1,22 = 2,56 + 1,44 = 4
252 244 272 22 = 1,62 + 1,22
Logo, pelo recíproco do teorema de Tales, o triângulo é O ângulo na porta e o ângulo no quadro são retos. O ângulo
retângulo. na parede não é reto.
8.2. 6 > 5 > 4 ; 62 36 3.1. 3 = 3 > 2 ; 32 < 32 + 22
2 2 Triângulo acutângulo.
5 4 25 16 41
3.2. 6 > 5 > 4 ; 62 = 36
2 2 2
Como 6 5 5 , o triângulo é acutângulo. 52 + 42 = 25 + 16 = 41
8.3. 16 > 5 7 > 7 ; 162 256 62 < 52 + 42
2
2
Triângulo acutângulo.
5 7 7 175 49 224
3.3. 12 > 9 > 6 ; 122 = 144
2
2
2 92 + 62 = 81 + 36 = 117
Como 16 5 7 7 , o triângulo é obtusângulo.
122 > 92 + 62
O triângulo é obtusângulo.

28
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 2

3.4. 41 > 40 > 9 ; 412 = 1681 Pág. 77


402 + 92 = 1600 + 81 Questão 11
412 = 402 +92 2 2 2 2 2 2

O triângulo é retângulo. AG AC CG ; AC AB BC
2 2 2 2
4. Por exemplo: AC 82 82 AC 128 AG 128 8 AG 192
• 72 = 49
Como AG 0 temos AG 192 cm ≈ 13,9 cm
25 + 24 = 49
252 = 625
Questão 12
242 + 72 = 576 + 49 = 625
252 = 242 + 72 12.1. 12 : 3 = 4
(25 , 24 , 7) é um termo pitagórico 42 + 22 + h2 h2 16 4 h2 12
• 112 = 121 Como h > 0, temos
61 + 60 = 121 h 12 h 4 3 h 2 3
612 = 3721
4 2 3
602 + 112 = 3600 + 121 = 3721 A 4 3
612 = 602 + 112 2
(61 , 60 , 7) é um termo pitagórico A 4 3 cm2
• 132 = 169 2
12.2. 5 a2 22 a2 5 4 a2 1
85 + 4 = 169
852 = 7225 Como a > 0, a 1 1
842 + 132 = 7056 + 169 = 7225 Diagonais do losango:
852 = 842 + 132 4 cm e 2a = 2 cm
(85 , 84 , 13) é um termo pitagórico. 4 2
2 A cm2 = 4 cm2
• OB 12 12 2
2
OB 2 ; OB 2 OB 0
pág. 78
2 2 2 2
• OC 2 12 OC 2 1 OC 3 Questão 13
13.1. Se [ABCD] é retângulo, o triângulo [AED] é retângulo em A,
OC 3 OC 0 2 2 2
então DE AD AE .
2 2 2 2 2 2 2
• OD 3 12 OD 3 1 OD 4 DE 7, 22 9,62 DE 51,84 92,16 DE 144
Como DE > 0, temos DE 144 ; DE 12 cm
OD 4 2 OD 0 13.2. DA // FC

• OE
2
4
2
12
2
5 OE 0 EB AB AE DC 9,6 13 9,6 3,4
OE 4 1 OE
EF EB
2 2 2 2 Pelo teorema de Tales:
• OF 5 12 OF 5 1 OF 6 DE AE
EF 3, 4 12 3, 4
OF 6 OF 0 EF EF 4,25
12 9,6 9,6
OB 2 ; OC 3 ; OD 4 2 ; OE 5; EF 4,25 cm
OF 6
Atividades de aplicação 4
1.1. e 1.2.
Pág. 76
Atividade inicial 4

Questão 10
3 = 12 + 12 +12

29
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 2

pág. 79 10 1
3, 3 3
2. Por exemplo: 3 3
2.1. 9 10 16
2.2. 122 = 144 ; 132 = 169
122 < 145 < 132 ; 12 < 145 < 13
2.3. 62 = 36 ; 52 = 25
52 < 30 < 62 ; 5 30 6
5. • a2 302 502 a2 900 2500 a2 3400
Então
a 3400 a 0
2 2 2
• b 20 50 b2 400 2500 b2 2900
6 30 5 b 2900
2.4. 3,22 = 10,24 < 11 3400 2900 52 m = 10 34 10 29 52 m
π < 3,2 < 10, 24 11 ≈ 164,2 m
2 2 2
Então 3, 2 10, 24 11 6. AC 142 52 AC 196 25 AC 221
2 2 2 2 2
2
3.1. x2 = 12 + 32 x2 = 10 x 10 x 0 DC AC CE DC 221 7 DC 270
DC 270 DC 0
A 10
DC 16, 43 m
3.2. x2 12 12 x2 2 x 2 x 0

B 1 2 pág. 80
Agora é a tua vez
2
5 25 25 16 O triângulo [BCD] é equilátero
3.3. x2 22 x2 4 x2
2 4 4 6 3
AC 3 3
41 41 2
x2 x x 0
4 4 2 2
6 3 3 3 a2
41
C 2 36 × 3 – 9 × 3 = a 2 a2 81
4
2 2
Como a > 0 , a 81 9
3 3 9 9 18
3.4. x2 x2 x2 9 2 3
2 2 4 4 4 Área de [ABC] = 9 3
2
18 9 2 3 2
x x 0 x x
4 4 4 Atividades complementares pág. 81
3 2 1.1. Os triângulos [ADC] e [BCD] são semelhantes, sendo:
D 1
4 BC CD DB
AC AD CD
18 CD 16 2
4.1. 3,6 onde, CD 9 16
5 9 CD
13 32 22 Como CD 0 , temos CD 9 16 3 4 12
CD 12 cm
1.2. Os triângulos [ABC] e [ADC] são semelhantes, sendo:
AB BC AC
AC CD AD
Substituindo os valores conhecidos, temos:
4.2. 11 = 12 + 12 + 32
9 16 BC AC
AC 12 9
25 AC 2
AC 25 9
AC 9
Como AC 0 , vem AC 25 9 5 3 15
AC 15 cm
4.3. x 3, 3 ; 10x 33, 3 25 BC 12 25
BC BC 20
30 10 15 12 15
10x x 33, 3 3, 3 9x 30 x
9 3 BC 20 cm

30
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 2

2.1. 6.2. 24 : 2 = 12
372 = h2 + 122 h2 1639 144 h2 1225
Como h > 0, h = 1225 35
h = 35 cm
24 35
A 420
2
2
A 420 cm
132 a2 122 a2 169 144 a2 25 7 3
Como a > 0, vem a = 5 7.1. A 2 5 2 10
2
2
202 122 b2 b2 400 144 b2 256 A = 10 cm
Como b > 0, vem b 256 16 2
16 3 1
7.2. A 2,2 2 2,2 4,4
x a b 5 16 21 2
A 4, 4 cm2
2.2.
7.3.

12 – 8 = 4
52 = h2 + 42 25 h2 16 h2 25 16 h2 9
Como h > 0 , temos h = 3
a2 42 42 a2 32
12 8
x 2
a 2
2 2
x 2
32 4 x2 36 A 3 10 3 30
2
2
Como x > 0, temos x 36 6 A = 30 cm
3.1. Área de A = 72 = 49 7.4. 14 – 8 = 6 ; 6 : 2 = 3
Área de B = 42 = 16 52 33 h2 h2 25 9 h2 16
Área de C = 49 + 16 = 65 Como h > 0 , h = 4 cm
AA = 49 cm2 ; AB = 16 cm2 ; AC = 65 cm2 14 8
3.2. Área de A = 62 = 36 A 4 11 4 44
2
Área de C = 52 = 25 A 44 cm 2

Área de B = 36 – 25 = 11
AA = 36 cm2 ; AB = 25 cm2 ; AC = 11 cm2 8.1. Os triângulos [APD] e [PCD] são semelhantes, sendo
4. A1 = A2 + A3
AP DP
2
5 2 A2 18 A2 25 2 18 A2 32 cm2 DP PC
2 2 4,5 DP 2 2
5.1. d2 5 5 d2 5 5 d2 10 DP 4,5 8 DP 36
DP 8
Como d > 0, temos d 10 cm Como DP 0 , DP 36 6
2 2 2 2 2
5.2. 5 =4 +a a 25 16 a 9 DP 6 cm
Como a > 0 , temos a = 3 2 2 2
2
8.2. AD 4,52 62 AD 20, 25 36 AD 56, 25
2 2
13 a b
Como AD 0 , AD 56, 25 7,5
13 9 b2 b2 4
AD 7,5 cm
Como b > 0 vem b = 2
2 2 2
D1 = (4 + b) cm = (4 + 2) cm = 6 cm 8.3. AC AD DC
D2 = 2a cm = (2 × 3) cm = 6 cm AC 4,5 8 cm = 12,5 cm
As duas diagonais são iguais e medem 6 cm.
2 2
12,52 7,52 DC DC 156, 25 56, 25
pág. 82 2
DC 100
6.1. 102 55 h2 h2 100 25 h2 75
Como DC 0 , DC 100 10
Como h > 0, temos h 75 25 3 5 3
DC 10 cm
h 5 3 cm
9.1. 1,2 > 0,8
10 5 3 1,22 = 1,44
A 25 3
2 0,82 + 0,82 = 0,64 + 0,64 = 1,28
A 25 3 cm2 1,22 ≠ 0,82 + 0,82
Logo, pelo teorema recíproco do teorema de Pitágoras, o
triângulo não é retângulo.

31
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 2

9.2. Área do triângulo : 1 1, 2 0,8 m2 = 0,4 m2 FA AB 3 6


12.3. a) A[ FAE ] 9
Área do triângulo: 2 2
0,5 + 1 + 0,5 = 2 Acolorida 62 9 36 9 27
2 0,8 2 27 cm2
m = 0,8 m2 Acolorida
2
b)
A 0,4 0,8 m2 = 1,2 m2
ˆ
10.1. Seja EAB ˆ
DCB
Então, como a soma dos ângulos internos
de um triângulo é um ângulo raso,
ˆ
BAE 90º ˆ
CBD
ˆ
CBA ˆ
CBD ˆ = 90º
EBA 90º
ˆ é um ângulo reto.
Logo, CBA
2 2 2
10.2. CB DC DB • a2 62 2,52 a2 42, 25
2 2 2 2 2
10 = 8 + DB DB 100 64 DB 36 Como a 0 ,a 42, 25 6,5
Como DB 0 , temos DB 36 cm = 6 cm 2
1 1 144 1
ED EB DB = CD DB 8 6 cm = 2 cm • b2 62 b2 36 b2
2 4 4 4
ED = 2 cm 145
b2
4
pág. 83
145 145
11. 5 : 2 = 2,5 ; 2,52 = 1,52 + h2 h2 6, 25 2, 25 h2 4 Como b > 0, b
4 2
Como h > 0, temos:
145
h= 4 2 P 3 a b 3 6,5 9,5 0,5 145
2
3 2
A 3 P[ AEF ] 9,5 0,5 145 cm
2
A 3 m2 13.

12.1. 8 – 2 = 6
6 – 4,5 = 1,5
6 5
A 6 2 1,5 cm2
2
= 20,25 cm2

12.2. 2
• OB 12 12
OB 2
OB 2 porque OB 0
2 2
2
• OC 2 1
2
OC 2 1
OC 3 porque OC 3 porque OC 0
2 2
2
• OD 3 1
• 182 = 82 + a2 a2 324 64 a2 260 2
OD 3 1
Como a > 0, a 260
OD 4 2 poruqe OD > 0
• 122 82 b2 b2 144 64 b2 80
2 2
Como b > 0, b 80 • OE 2 12
2
a b 260 80 OE 5
OE 5 porque OE 0
D d 260 80 16
A 200,6
2 2
A 200, 6 cm2

32
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 2

1 1 2 1 3 1 2 1 1 2 3 17. Raio do círculo a azul: ra = AB


13.1. A 1
2 2 2 2 2 2 2 Raio do círculo branco: rb AP
3 2 3
3, 07 Raio do círculo a vermelho: rv AC
2 2 2
2 2 2
3,0 cm2 < A < 3,1 cm2 Como AC AB AD vem
2 2 2 2
13.2. P 5 1 5 5 5 7,2 rv ra rb ra rv 2 rb2 (1)
P 7, 2 cm Área colorida a azul = AB
2
ra 2
2 2
Área colorida a vermelho = AC AD =
pág. 84
ˆ
14.1. DOE 360º: 6 60º
= rv 2 rb 2 rv 2 rb 2 ra 2 (1)

ˆ ˆ (ângulo opostos a = Área colorida a azul


Como OE OD vem que OED EDO
lados iguais).
180º 60º pág. 85
Então, OED ˆ ˆ
EDO 60º . 18.1. 5 = 22 + 12 ; 10 = 32 + 12 ; 17 = 42 + 12 ; 34 = 52 + 32
2
18.2.
O triângulo [ODE] tem os três ângulos internos com a
mesma amplitude. Logo, é equilátero. Os seis triângulos são
iguais (critério LLL) pelo que são todos equiláteros.
14.2. 22 h2 12 h2 3
Como h 0 vem h 3
A altura de cada um dos triângulos é
a apótema do hexágono.
ap 3 cm
Perimetro ap 6 2 3
Ahexágono 6 3
2 2
2
Ahexágono 6 3 cm

15.1. DO DP = 5 cm
5 2 25
A[ MBN ] A[ DPO] 12,5 18.3. Pa 4 5 8,944... ; 8,94 Pa 8,95 ;
2 2
Ahexágono Aquadrado 2 12,5 Pb 4 10 12,649 ; 12,649 Pn 12,65

102 25 75 Pc 4 17 16, 492... ; 16, 49 Pc 16,50


2
Ahexágono 75 m Pd 4 34 23,323... ; 23,32 Pd 23,33
2 2
15.2. OP 52
52
OP 50 1 1
19. 9 3 ; ; 20 42 22 ;
4 2
Como OP 0 vem
OP 50 25 2 5 2 2 2 2 12 12

MN OP 5 2
Phexágono AM MN NC CO OP PA 2 5 2 4 5

10 2 20
Phexágono 10 2 20 m ≈ 34,2 m

16. • AR área do círculo de raio R = π × R2 20. 6 42 22 6 20 6 4 5 6 2 5


2
Ar = área do círculo de raio r = π × r 7 2 2
2 2
7 8 7 4 2 7 2 2
Avermelho = πR2 – πr2 = π(R2 – r2)
2 2
2 3 4 4 3 32 7 16 2 3 4 2
• R2 = r2 + CB
2 A: 6 2 5 ; B: 7 2 2 , C: 3 4 2
CB R2 r 2
2 2 2
2
Aazul CB (R2 r2) Avermelho 21.1. BG BC CG
2 2
Logo, a área colorida a vermelho é igual à área colorida a BG 92 92 BG 92 2
azul. Como BG 0 temos, BG 92 2 BG 9 2
BG 9 2 cm

33
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 2

21.2. AG
2 2 2 Pelo teorema de Pitágoras:
AC CG
2 2 2
2 2 362 182 OM OM 362 182 OM 972
AG BG 92 BG AC
2
Como OM 0 , vem OM 972 cm
AG 92 3 2 2
2 2
2
2
30 15 ON ON 30 152 ON 675
Como AG 0 temos, AG 92 3 9 3
Como ON 0 , temos ON 675 cm
AG 9 3 cm
h OM ON 972 675 cm ≈ 57,2 cm
22.1. 3,6 > 2
3,62 = 12,96 24.1. Se [ARQB] é um quadrado, as retas AP e RQ são paralelas.
22 + 22 = 4 + 4 = 8 Logo, os ângulos RQB e PCQ são iguais por serem ângulos
3,62 ≠ 22 + 22. Logo, pelo teorema reciproco do teorema de correspondentes determinados pela secante BC num par de
Pitágoras, o triângulo [ABC] não é retângulo. retas paralelas.
22.2.

Os ângulos BRQ e QPC são iguais por serem ambas retas.


Portanto, pelo critério AA, os triângulos [PCQ] e [RBQ] são
semelhantes.
24.2. O lado do quadrado [ARQP] é igual a 36 m = 6 cm
Como a área do triângulo [RBQ] é igual 27 cm2 vem
O polígono pode ser decomposto em dois trapézios [GIED] e RB RQ 2 27
27 RB 6 2 27 RB RB 9
[IHFE]. 2 6
2,5 1,8 2,5 1,5 A razão da semelhança que transforma o triângulo [RBQ] no
A 1,1 1,1 2,365 2, 2 4,565
2 2 6 2 PQ
triângulo [PQC] é igual a .
A 4,565 RB 9 3
22.3. A razão das áreas dos dois triângulos é igual ao quadrado da
razão de semelhança:
2
A PQC 2 A PQC 4 4
A PQC 27 A PCQ 12
A[ RBQ ] 3 27 9 9
A PQC 12 cm2
2 2 2 2 2
2 = h + 1,8 h = 4 – 3,24 h = 0,76
24.3. A razão de semelhança que transforma o triângulo [RBQ] no
Como h >0, vem h 0,76 cm 2
triângulo [PQC] é igual a .
3,6
0,76 3
A 1,57 Então:
2
A 1,57 m2 2 2
PC RQ 6 4
3 3
Pág. 86 AC AP PC 6 4 10
23. Como AB 6 9 15 , temos, pelo teorema de Pitágoras,
2 2 2
2
BC 15 102 BC 225 100 BC 325
Como, BC 0 , vem BC 325 25 13 5 13
BC 5 13 cm
25.1. Se o depósito estivesse cheio [CD] seria um diâmetro da
base do depósito.
Logo CD 2 1,5 m = 3 m
25.2. A superfície da gasolina no interior do depósito é um
DC // AB porque DC e AB são perpendiculares a MN.
retângulo com 5 m de comprimento e BA m de largura. A
Logo, pelo teorema de Tales
sua área é dada por A 5 BA m2.
OB MB 36 18 18 30
DN
OD DN 30 DN 36
DN = 15

34
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 2

a) CD 2 ; OC 2 1,5 0,5 27.2. a) OB OC raio do círculo.


Pelo teorema de Pitágoras, Logo CBO ˆ ˆ (ângulos opostos a lados iguais)
OCB
OA
2
OC
2
AC
2
ˆ ˆ 180º 60º
Então CBO OCB 60º
2 2 2 2
1,52 0,52 AC AC 2, 25 0, 25 AC 2 Como o triângulo [OBC] tem os três ângulos iguais
Como AC 0 , temos AC 2 também tem os três lados iguais. Logo, é um triângulo
equilátero.
BA 2 AC 2 2
b) O triângulo [OBC] é equilátero de lado 6 cm.
A 5 BA m2 5 2 2 m2 ≈ 14,14 m2 62 = 32 + h2 h2 36 9 h2 27
b) CD 0,75 m Como h > 0, h 27 9 3 3 3
OC 1,5 0,75 0, 75 6 3 3
A 9 3
2
A 9 3 cm2
c) AC 6 3 ; AB 2 6 12 ; BC OB 6
2
12 > 6 3 6 ; 12 = 144
2
6 3 62 36 3 36 144
2 2 2
Como AB AC BC , pelo teorema reciproco do
teorema de Pitágoras, o triângulo [ABC] é retângulo em
2 2 2
OA OC AC C.
2 2 28. Pelo teorema de Pitágoras, temos a2 b2 b2 a2 2b2
1,52 = 0,752 + AC AC 2, 25 0,5625
2 2
2 Como a > 0 e b > 0, temos a 2b 2 b 2b
AC 1,6875
Portanto, a b 2
Como AC 0 , vem AC 1,6875 2 2 2
29. Pelo teorema de Pitágoras AC AB BC
BA 2 AC 2 1,6875 Dado que AC d e AB BC , temos
2 2 2 2 2 2
2 2
A 5 BA m = 5 2 1,6875 m ≈ 12,99 m d AB AB d 2 AB
26.1. Os triângulos [AOC] e [OBC] são iguais pelo critério de Como d > 0 e AB 0 , temos
LAL pois OB OA , OC é comum aos dois triângulos e 2 2 d
d 2 AB d 2 AB d 2 AB AB
ˆ ˆ 2
BOC COA 90º .
Logo, designando por P o perímetro do quadrado,
ˆ
Por outro lado, OCB ˆ por serem ângulos opostos a
CBO d 4d
P 4 AB P 4 P
lados iguais. 2 2
Se OCBˆ CBO ˆ
ˆ e OCB ˆ
CBO 180º 90º 90º então 30.1. BC 13 m; AC 12 m; AB 5 m;
2 2 2
ˆ
OCB CBOˆ 45º BC AC AB
Como os triângulos [AOC] e [OBC] são iguais temos AC
2
AB
2
122 52 144 25 169
ˆ
ACO OCB ˆ ˆ
45º pelo que ACB 90º . 2 2 2
BC AC AB .Logo, pelo teorema recíproco do teorema
Portanto, o triângulo [ABC] é retângulo em C. de Tales, o triângulo [ABC] é retângulo em A.
2 2 2
26.2. CB OC OB 5 12
30.2. Arelvado Acírculo Atriêngulo 6,52 r 13 : 2 6,5
CB
2
x2 x2 CB
2
2x 2 2
2
42, 25 30 103 m
Como CB 0 e x 0 , temos
CB 2 x2 x2 2 x 2 x 2 Verifica se já sabes pág. 88
1.1. Os triângulos [ADC] e [BCD] são semelhantes, sendo
AC CB x 2
AD CD 8 CD 2
Logo, o perímetro do triângulo [ABC] é dado por CD CD 8 4,5 CD 36
CD DB CD 4,5
AB BC AC 2x 2x 2x 2x 2 2x 2x 1 2
Como CD 0 , vem CD 36 6 m
1.2. Atendendo a que os triângulos [ABC] e [BCD] são
pág. 87 semelhantes temos
27.1. OA OB raio do círculo AB BC 8 4,5 BC
BC BC 12,5 4,5
Relativamente às bases [OA] e [OB] os triângulos [OBC] e BC DB BC 4,5
[AOC] têm a mesma altura que é distância do ponto C à reta 2
BC 56, 25
[AB]. Logo, os triângulos têm a mesma área pelo que são
equivalentes. Como BC 0 , temos BC 56, 25 m = 7,5 m

35
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 2

2. BC
2
AB
2 2
AC ; BC
2
2, 22 1, 22 BC
2
6, 28 7. ˆ
ACB 180º 90º 60º 30º
Como BC 0 , temos BC 6, 28 2,51 m O triângulo [DBC] é equilátero.
2 2 2 2 2
Se CA DB , A é o ponto médio
3.1. 10 x 6 x 100 36 x 64
de [DA] pelo que AB = 1 m
Como x > 0, temos x = 64 8 m
Pelo teorema de Pitágoras,
O comprimento do lado é 8 m.
2 2
3.2. A 92 22 m2 = (81 + 4) m2 = 85 m2 h2 AB CD
h2 12 22 h2 4 1 h2 3
pág. 89 Como h > 0, vem h 3 m ≈ 1,7 m.
2 2
4.1. 3 29 9 29 261 ; 2 35 112 140 121 261
2 2
Avaliação pág. 90
3 29 2 35 112 . Logo, pelo teorema recíproco do 1. Figura 1
teorema de Tales, o triângulo é retângulo.
4.2. 5 2 6 3
2 2
5 2 25 2 50 ; 62 3 36 3 39
2 2
5 2 62 3 . Logo o triângulo é obtusângulo.
2 2 2
5.1. 14 = 1 + 2 + 3

1,252 = 0,752 + a2 a 2 1, 252 0,752 a2 1


Como a > 0, a = 1
2,5 3 1 0,75
A1 2 5,5 0,375 5,125
2 2
A1 5,125 m2
9 b 9 a
A2 4,5b 4,5a 4,5 b a
2 2
= 4,5 6 27 Figura 2
5.2. 8 = 22 + 22 A2 27 m2

MO 9 m ; a b 6m
Resposta: (C)

9 16 12
2. (A) A km2 = 150 km2
2
(B) AC 92 122 km = 225 km = 15 km
6. Temos que GD // AD . CD = 80 cm = 0,8 m
(C) BC 162 122 km = 400 km = 20 km
CG DE 75,6 cm = 0,756 m 2 2 2
(D) AB 9 16 25 625
AC (4 – 0,8) m = 3,2 m 2 2
AC BC 225 400 625
Pelo teorema de Pitágoras : 2 2 2
2 2 2 AB AC BC . Logo, o triângulo [ABC] é retângulo
CD GD GC
(teorema recíproco do teorema de Pitágoras).
2 2
0,82 GD 0, 756 Resposta: (D)
2 2 3
GD 0,82 0, 756
2
3.1. 36 64 18 48 66
4 4
2
GD 0,068 46 Resposta: (B)
3.2. GF 36 6 ; BE 64 8
Como GD 0 , GD 0,068 46 m ≈ 0,2616 m
FE BE BF 8 6 2
AB AC BC
Pelo teorema de Tales 2 2 2
GD CD GC GE GF FE
2 2 2 2
AB 3, 2 BC 3, 2 GE 6 2 GE 40
; BC 0, 756 3, 02
0, 2616 0,8 0,756 0,8 Como GE 0 , GE 40 4 10 2 10
3, 2
AB 0, 2616 m ≈ 1,05 m
0,8

36
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 2

Pág. 91 7.
2 2 2
4.1. BC AC AB
2 2
2 2
5 4 AB AB 25 16 AB 9
Como AB 0 , AB 9 3 cm
DB 5 5
4.2. ; DB AD
AD 4 4
5 5
AD DB 3 AD AD 3 DB AD
4 4 62 = 32 + a2 a2 36 9 a2 27
12 Como a > 0, a = 27
4 AD 5 AD 12 9 AD 12 AD
9
a2 h2 32
4
AD cm 27 h2 9 h2 27 9 h2 18
3
2 2 Como h > 0, h = 18 9 2 3 2
5.1. e 5.2. AB 82 42 AB2 64 16 AB 80
h 3 2 cm
Como AB 0 , AB 80 16 5 4 5
2 2 2
8. BD AD AB
2 2
BD 62 82 BD 100 AD BC

2 2 2
BH BD DH
2 2 2 2
20 100 DH DH 400 100 DH 300
Como DH 0, DH 300 100 3 10 3
DH 10 3 cm ≈ 17,3 cm

6. AB BC EF HG 1
2 2 2
AC 1 1 AC 2
AE AC 2
2 2 2
AF AE EF
2 2 2
AF 2 12 AF 2 1 AF 3

AH AH 3
EH AH AE 3 2
A EHGF EH HG 3 2 1 3 2

A EHGF 3 2 m2

37
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO
Capítulo 3
pág. 96 pág. 97
Atividades de diagnóstico 4.1. 4.2.
1.1. 1.2.

1.3. 1.4.

4.3.

1.5.

2. 5.1. A 1,1 ; CÂC ' 90º


5.2. ˆ '
D 1,1 ; CDC 90º
5.3. D ˆ '
1,0 ; ADA 180º
6.1.

Simetrias de reflexão: 3
Simetrias de rotação: 3
(120º, 240º e 360º)

3.1. 3.2. 6.2.


Simetrias de reflexão: 2
Simetrias de rotação: 2
(180º e 360º)
6.3.
Simetrias de reflexão: não tem
Simetrias de rotação: 2
(180º e 360º)
6.4.
Simetrias de reflexão: 5
3.3. Simetrias de rotação: 5
(72º, 144º, 216º, 288º e 360º)

6.5.
Simetrias de reflexão: 3
Simetrias de rotação: 3
(120º, 240º e 360º)

38
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 3

6.6.
Questão 2
Simetrias de reflexão: 2
2.1. D CB D DA A 2.2. I FB I IE E
Simetrias de rotação: 3
(180º e 360º) 2.3. I BF I IG G 2.4. A IF A AE E
2.5. C DH C CF F
6.7.
Simetrias de reflexão: 1 pág. 104
Simetrias de rotação: não tem Questão 3 Questão 4
3.1. a) Tv1 P D

6.8. b) Tv2 P A
Simetrias de reflexão: 3 c) Tv3 P B
Simetrias de rotação: 3
(120º 240º e 360º) d) Tv4 P C

3.2. a) Tv5 P F
Simetrias de reflexão Simetrias de rotação
b) Tv4 D F
6.1. Três Três
6.2. Duas Duas c) Tv 5 A C
6.3. Não tem Duas
6.4. Cinco Cinco
6.5. Três Três
6.6. Duas Duas
6.7. Uma Não tem
6.8. Três Três pág. 105
Atividades de aplicação 2
Atividade inicial 1 pág. 98 1. (A) u v . B não é a imagem de A por uma translação.
1. Por exemplo:
1.1. CD e BE 1.2. CD e AF
2. Por exemplo:
2.1.

2.2.
(B) u v . B não é a imagem de A por uma translação.

pág. 99
Questão 1
Por exemplo:
1.1. [I, G] e [B, F] 1.2. [G, D] e [E, B]
1.3. [A, A] e [B, B] 1.4. [H, F] e [A, B] (C) u v . Tu A B
1.5. [A, I] e [E, F]

pág. 101
Atividades de aplicação 1
1.1. Sete, para além do segmento [J, C]:
[D, I], [K, O], [P, H], [L, N], [M, G], [A, F] e [E, B].
1.2. Sete, para além do vetor JC .
(D) u v . B não é a imagem de A por uma translação.
1.3. Nove: GF , HN , NE, CO, OM , MA, IP, PL e JK .
2. Segmentos orientados equipolentes têm a mesma direção, o
mesmo sentido e o mesmo comprimento.
Resposta: (D)

Atividade inicial 2 pág. 102


Resposta: (C)
1.1. AB DC 1.2. AH CF
1.3. AI CI 1.4. DI GF
1.5. CB AD 1.6. HC AF

39
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 3

2.1. 2.2. Questão 5 pág. 107


5.1. a) TDG TGI D TDG TGI D TDG H I

b) TBE THF A TBE THF A TBE B E

c) TIG THI H TIG THI H TIG I G

d) TDG TBE F TDG TBE F TDG I F


2.3.
e) TDI TIC A TDI TIC A TDI I B

5.2. Tu Tv I Tu Tv I Tu G C

Tv Tu I Tv Tu I Tv F C

Tu Tv I Tv Tu I

5.3. Tv Tu H Tv Tu H Tv I G

H u v I v G
3.
Tv Tu H H u v

Questão 6 pág. 108


6.1. AE FC AE EI AI
6.2. HF HD HF FC HC
6.3. DC BA DC CD DD O
6.4. AB CG AB BE AE
4.1. a) Vetor AB b) Vetor BA
c) Vetor AD d) Vetor FC Questão 7 pág. 110
e) Vetor LH f) Vetor AD 7.1. TMN AEL EFM
g) Vetor DB h) Vetor EA 7.2. TFP AEL KOD
4.2. Não existe. Não há preservação da orientação.
7.3. TPC AEL MNO
Atividade inicial 3 pág. 106 7.4. MP MN MP PH MH
1. 2.
TMN TMP AEL TMH AEL NGP

7.5. GP EB MK KP MP
TEB TGP AEL TMP AEL MNO

7.6. PC DO AM MF AF
TDO TPC AEL TAF AEL FBN

Tu L1 L2 7.7. OB MP EK KF FG GI KG GI KI
TEK TMP TOB AEL TKI AEL NGP

Atividades de aplicação 3
Tv L2 L3 1.1. 1.2.

3.

1.3.

Tw L1 L3

40
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 3

2.1. 2.2.

2.3.

N2 10, 4
6. Se PQ RS então os segmentos orientados [P, Q] e
[R, S] são equipolentes pelo que têm a mesma direção,
mesmo sentido e o mesmo comprimento. Como têm a
pág. 111
3. Por exemplo: mesma direção, o quadrilátero [PRSQ] tem os lados [PQ] e
[RS] paralelos.
3.1. a) PT SB PT TP PP O
b) IT TH IH AB
c) A QT EI A AB BU B BU U

d) U KD U UC C

C CF F
3.2. a) [A, R] Como têm o mesmo sentido, o quadrilátero [PRSQ] é
b) PH simples atendendo a que os pontos Q e S pertencem a um
c) TNL QBRT TQI QBRT ISGH mesmo semiplano de fronteira PR, pelo que os lados [PR] e
[SQ] não se intersetam. Logo, o quadrilátero [PRSQ] é um
d) QT UQ UQ QT UT
trapézio. Como PQ RS , [PRSQ] é um paralelogramo
TUQ TQT JTI TUT JTI HSG porque todo o trapézio com bases iguais é um paralelogramo.
4.1. e 4.2.
pág. 112
Atividade inicial 4
1.1. a) Reflexão de eixo r. b) Translação Tu .
1.2. a) Translação Tu . b) Reflexão de eixo r.
1.3. O resultado de uma reflexão de eixo r seguida de uma
translação Tu é igual ao resultado de uma translação Tu
BC AB AB BC AC
seguida de uma reflexão de eixo r.
TAB TBC ABCD TAC ABCD
2.
5.1.

pág. 113
Questão 8
5.2. a) PQ PM PN (regra do paralelogramo) 8.1. 8.2.
TPM TPQ P TPN P N

P1 N 6,2

b) NQ MN PM MN NQ QN

MN NN MN O MN
TPM TMN TNQ N TMN N N2

41
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 3

3.2. a) A composta de duas reflexões axiais de eixos concorrentes


Atividades de aplicação 4 é uma rotação.
1.1. a) Figura C b) Figura H b) A composta de duas rotações pode ser uma translação.
1.2. Figura B c) A composta de duas reflexões axiais de eixos concorrentes
é uma rotação.
Atividade inicial 5 pág. 114 d) A composta de duas reflexões deslizantes pode ser uma
1. Translação 2. Rotação translação.
3. Reflexão axial 4. Reflexão deslizante
5. Reflexão axial 6. Reflexão deslizante
pág. 118
Atividade inicial 6
Atividades de aplicação 5 pág. 116 1.
1.1., 1.2., 1.3. e 1.4. C Tu A Simetrias de reflexão: 1
Simetrias de rotação: não tem.

2.
Simetrias de reflexão: não tem
Simetrias de rotação: 4
(90º, 180º, 270º e 360º)

2.1., 2.2., 2.3. e 2.4. pág. 117


3.
A é transfor-
mada em C Simetrias de reflexão: 5
pela rotação Simetrias de rotação: 5
de centro O e (72º, 144º, 216º, 288º e 360º)
amplitude
180 .
4.
Simetrias de reflexão: 2
Simetrias de rotação: 2
(180º e 360º)

5.
3.1. Figura I
B é o transformado de A por uma reflexão de eixo Ox . Simetrias de reflexão: 8
C é o transformado de B por uma reflexão de eixo Oy . Simetrias de rotação: 8
(45º, 90º, 135º, 180º, 225º,
C é o transformado de A por uma rotação de centro O e
270º, 315º e 360º)
amplitude 180 .
Figura II
B é o transformado de A por uma rotação de centro O e
amplitude 180 . 6.
C é o transformado de B por uma rotação de centro O e
amplitude 180 .
Simetrias de reflexão: não tem
C é o transformado de A por uma translação de vetor
Simetrias de rotação: 6
u O 'O O 'O . (60º, 120º, 180º, 240º, 300º e
Figura III 360º)
B é o transformado de A por uma reflexão de eixo e.
C é o transformado de B por uma reflexão de eixo Ox .
C é o transformado de A por uma rotação de centro O e Simetrias de reflexão Simetrias de rotação
amplitude – 90 (ou 270 ). 1. Uma Não tem
Figura IV 2. Não tem Quatro
B é o transformado de A por uma reflexão deslizante de eixo 3. Cinco Cinco
Ox e vetor u . 4. Duas Duas
C é o transformado de B por uma reflexão deslizante de eixo 5. Oito Oito
Ox e vetor u . 6. Não tem Seis
C é o transformado de A por uma translação de vetor
v u u.

42
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 3

pág. 119 3.3. 3.4.


Atividades de aplicação 6
1.1. Translação.
1.2. Rotações e translações.
1.3. Reflexões deslizantes e translações.
1.4. Reflexões de eixo vertical e translações.

pág. 120
Agora é a tua vez
4.

5.

pág. 121
Atividades complementares
1.

pág. 122
6.1. a), b), c) e d)

2.1.

6.2. a), b) e c)
A1 é o transformado de A pela reflexão de eixo e1.
A2 é o transformado de A1 pela reflexão de eixo e2.
A3 é o transformado de A2 pela reflexão de eixo e3.
A4 é o transformado de A3 pela reflexão de eixo e4.
Seja u A A2 A1 A3 A2 A4
B2 Tu B ; B3 Tu B1 ; B4 Tu B2
6.3. É uma translação definida pelo vetor perpendicular aos eixos
2.2. de reflexão e de comprimento igual ao dobro da distância
entre os eixos.
7.

3.1. 3.2.

360 : 6 = 60
7.1. a) 3 × 60 = 180
b) 4 × 60 = 240 ou 2 × (– 60 ) = – 120
c) – 60 ou 5 × 60 = 300
d) 60 ou 5 × (– 60 ) = – 300

43
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 3

8. 12.2.

9. Por exemplo:
9.1. a) Rotação de centro O’ e amplitude – 90 (ou 270 ).
b) O triângulo [OO’A] é equilátero. AÔ ' O 60º .
Do mesmo modo, OO ' E 60º . 13.1. a) P OR P PD D
H é transformado em E por uma rotação de centro O’ e b) O OI O JN I
amplitude 150 . c) D RH D HR D DH H
c) Rotação de centro O’ e amplitude 90 .
d) Rotação de centro O’ e amplitude – 30 . d) T LN DH T TO OI O OI I
9.2. Translação de vetor OO ' . e) TDR A A AB B
TOO ' C O f) TOE D D DC C
9.3. Reflexão de eixo AE. O transformado do ponto C é o ponto
g) GH IJ GH HG GG O
G.
10. h) FO OE FE
i) OR LN LN NO LQ
TLN TOR T TLQ T T LQ T TR R

j) OT ON PD OT TL LN OL LN ON
TPD TON TOT A TON A

A ON A AM M
13.2. FH GI GJ JI
TJI TGJ F TFG F H
pág. 123 A outra translação podia ser TJI .
11.1. O centro é o ponto de coordenadas (0, 1);
a amplitude é – 90 .
11.2. O centro é o ponto de coordenadas (0, 1); pág. 124
a amplitude é – 90 . 14. Tu Tv Tu v

11.3. Rotação de centro no ponto de coordenadas (0, 1) e


amplitude – 180 .
11.4. 0,0 , 3,0 e 0, 2 .

15. (D) é falsa.


12.1. 16.

44
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 3

17. A figura A é a transformada da E por uma reflexão 20. (A) A figura IV não tem simetrias de rotação.
deslizante. (B) As figuras III e IV não têm simetrias de reflexão.
(C) As figuras I e II têm simetria de rotação de ordem 2.
Resposta: (C)
21. Um paralelogramo não retângulo.
22.1. 22.2.

Simetrias de reflexão: 4 Simetrias de reflexão: 5


Simetrias de rotação: 4 Simetrias de rotação: 5
18.1. Não há preservação de orientação (reflexão ou reflexão 22.3. 22.4.
deslizante). Um polígono regular de n lados tem
Os segmentos [AA’] e [BB’] não são paralelos. Logo, não é n simetrias de reflexão e n simetrias
uma reflexão pelo que se trata de uma reflexão deslizante. de rotação.

Simetrias de reflexão: 6
Simetrias de rotação: 6
23.1. Translações.
23.2. Reflexões de eixo vertical e translações.
23.3. Reflexões deslizantes e translações.

Pág. 126
Verifica se já sabes
u CC BB 1.1. P3 é transformado em P5 por uma reflexão de eixo Ox .
Reflexão deslizante de eixo BB e vetor BB . 1.2. Rotação de centro O e amplitude – 90 .
18.2. Há preservação de orientação (translação ou rotação).
Como AA CC , não é uma translação.
Logo, trata-se de uma rotação.

1.3. Translação de vetor A3 A1 .

Os segmentos de reta [AA’], [BB’] e [CC’] intersetam-se no


seu ponto médio O. 1.4. Rotação de centro O e amplitude 180 .
Logo, trata-se de uma rotação de centro O e amplitude 180 .

Pág. 125
19.1. Por exemplo:

1.5. Translação de vetor A5 A6


19.2. Por exemplo:

45
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 3

1.6. Reflexão deslizante de eixo Ox e vetor A5 A6 . 3.6. BI AF AB BG AG


TFA TBI ACD TAG ACD GBA

3.7. BA ED BA AC BC
TED TBA FGBA TBC FGBA EACD
3.8. R A, 120º ACD AEF

3.9. DE AB DE EA DA
TAB TDE D, C TDA D, C A, B

2.1. 3.10. R B, 240º TAE I R B, 240º TAE I


R B, 240º B B
4.1.

Não tem simetrias de reflexão e


tem duas simetrias de rotação
(180 e 360 ).

4.2.
Tem três simetrias de reflexão e
2.2. três simetrias de rotação (120º,
240º e 360º).

4.3.

Não tem simetrias de


reflexão e tem seis simetrias
de rotação (60º, 120º, 180º,
240º, 300º e 360º).

2.3.
4.4.

Tem quatro simetrias de


reflexão e quatro simetrias
de rotação (90º, 180º, 270º e
360º).

4.5.
2.4.
Tem oito simetrias de
reflexão e oito simetrias de
rotação (45º, 90º, 135º, 180º,
225º, 270º, 315º e 360º).

5.1. Translações.
5.2. Reflexões de eixo vertical e translações.
5.3. Reflexões de eixo horizontal, reflexões de eixo vertical,
rotações (180 ) e translações.

3.1. A BJ A AC C Pág. 127 pág. 128


Avaliação
3.2. D AB BH D DC CB C CB B 1. A translação transforma sempre retas e retas paralelas.
3.3. DA GH DA HG DA AE DE Resposta: (C)
2. Resposta: (B)
3.4. BI FA EA AC EC 3. (A) Apenas a letra S tem simetria de rotação.
TFA TBI E TEC E E EC C (B) Apenas as letras V, B e A têm simetrias de reflexão.
(C) A letra S tem duas simetrias de rotação (180 e 360 ).
3.5. HB DA HB BH HH O
Resposta: (C)
TDA THB J TO J J

46
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 3

4. (A) Tu Tv A Tv A A B 7.1.
u

(B) Tu Tw A Tw u
A A C

A é transformada em A por uma translação de vetor


u v v.
7.2.
(C) Seja a w v u
Tu Tv Tw D Ta D E

(D)

8.1. Rotação de centro G e amplitude 120 .


8.2. Translação de vetor GH .
8.3. Translação de vetor GF .
u v DA 8.4. Reflexão deslizante de eixo GF e vetor GF .
Resposta: (C)

5.1., 5.2. e 5.3. pág. 129


O vetor da transformação que transforma B em B’’ é u v .

5.4.

6. Por exemplo:
6.1. 6.2.

Duas simetrias de reflexão Duas simetrias de reflexão


e duas simetrias de rotação. e duas simetrias de rotação.

47
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO
Capítulo 4
pág. 6 6.2. Euros Libras
1. Não representam funções as correspondências II (ao 6 5
5 e 5
elemento 2 de C correspondem dois elementos de D) e III e L L L e
(ao elemento –4 de E não corresponde qualquer elemento 6 6
Resposta: (A)
de F).
7. d V a V (d é uma função de proporcionalidade
2. O gráfico I não representa uma função porque ao elemento
1 corresponde mais do que um elemento. direta)
d V
3. A = {–2 , –1 , 0 , 1 , 2} a qualquer que seja V
V
x
h x 1 Para V = 50 km/h vem d = 15 m
2
15 3 3
2 Então a . d V
3.1. a) h 2 1 1 1 2 50 10 10
2 Resposta: (B)
1 1 3
h 1 1 1
2 2 2 pág. 8
0
h 0 1 1 1. f 6 36 2. f 1 6
2
1 1 3. A variável independente é o tempo de trabalho em horas.
h 1 1 A variável dependente é a quantia, em euros, a receber
2 2
2 pela Bárbara.
h 2 1 1 1 0
2 4. f 3 18 . Se a Bárbara trabalhar 3 horas recebe 18 euros.
1 3 f 0 0 . Se a Bárbara não trabalhar, não recebe qualquer
Dh 0 , ,1, , 2
2 2
quantia.
3 1
b) Gh 2,2 , 1, , 0 ,1 , 1, , 2,0 5. Se f x 24 , x 4 porque f 4 24 .
2 2
Significa que se a Bárbara receber 24 euros é porque
3.2. Por exemplo:
trabalhou 4 horas.
6. Por 1 hora a Bárbara ganha 6 euros.
20 × 6 = 120
Por 20 horas, a Bárbara receberá 120 euros.
6 12 18 24 30
7. 6
1 2 3 4 5
y
pág. 7 É uma relação de proporcionalidade direta porque é
x
4. f 2 5 e f 3 7 constante. A constante de proporcionalidade direta é 6 e
f 2 5 ; f 3 7
representa o custo, em euros, de uma hora de trabalho,
y = 6x.
2 2 3 2
f 2 f 3
. Logo, f não é uma função de Questão 1 pág. 9
2 3
1.1. y ax
proporcionalidade direta.
5.1. 30% = 0,3
2 – 0,3 × 2 = 2 – 0,6 = 1,4 €
Com desconto, a embalagem custa 1,4 €.
5.2. a) x 0,3 x 1 0,3 x 0,7 x
f x 0,7 x

b) f x 0, 7 x
0, 7
x x 2 3 2
3a 2 a
f é uma função de proporcionalidade direta porque f x
é a 1 3
x 2
r:y x
constante. A constante de proporcionalidade direta é 0,7. 3
5.3. Seja x o preço dos iogurtes sem desconto 1.2. y ax
0,7 70
0,7 x 7 x x x 10
7 7
Sem desconto pagaria 10 € pelos iogurtes.
6.1. Euros Libras
6 5
19, 20 5 3 7 3
19,20 x x 16 7a 3 a
6 a 1 7
O bule custa 16 libras. 3
Resposta: (A) r:y x
7

48
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 4

pág. 11 c) f x ax
Questão 2 f 2 5
• f 1 2 ; (1 , –2) é um ponto do gráfico de f 5 5
a
2 2 2
a 2
1 5
f x x
f x 2x 2
5
• h 2 1 ; (–2 , 1) é um ponto do gráfico de h f 0 0 e f 1
2
1 1
a 3.3. f x ax
2 2
1 f 2 3
h x x
2 3 3
a
• i 3 1 ; (3 , 1) é um ponto do gráfico de i 2 2
1 3
a f x x
3 2
1 3
i x x f 0 0 e f 1
3 2

• g 2 3 ; (2 , 3) é um ponto do gráfico g
Atividades de aplicação 1
3
a 1.1. f 1 3 . Se a medida do lado é 1 cm, o perímetro é
2
igual a 3 × 1 cm = 3 cm. Logo, o polígono é um triângulo
3
g x x equilátero.
2
1.2. g 1 6 . Se a medida do lado é 1 cm, o perímetro é igual a
6 × 1 cm = 6 cm. Logo, o polígono é um hexágono regular.
Questão 3
1.3. A constante de proporcionalidade é o número de lados do
3.1. a) f x ax e a = –1 polígono regular.
1.4. À medida que a constante de proporcionalidade aumenta a
f x x
reta aproxima-se da posição vertical.
f 0 0 e f 1 1 1.5. f x 3x e g x 6 x
1.6. f 3 3 3 9 . Um triângulo equilátero de 3 cm de lado
1 tem 9 cm de perímetro.
b) f x ax e a
2 1.7. g 5 6 5 30 . Um hexágono regular de 5 cm de lado
1 tem 30 cm de perímetro.
f x x
2
1 pág. 12
f 0 0 e f 1
2 1. Os gráficos f e g referem-se ao Duarte e à Beatriz porque
saíram da mesma casa. O gráfico f refere-se ao Duarte
porque saiu 4 min mais tarde.
1
c) f x ax e a Portanto, temos
3 Gráfico g: Beatriz ; Gráfico f: Duarte e Gráfico h: Joel.
1 2. h(0) = 4 . Significa que a cada do Joel está a 4 km de
f x x
3 distância da casa da Beatriz e do Duarte.
1 3. É o gráfico de g porque está contido numa reta que passa
f 0 0e f 1 na origem do referencial.
3
6
3.2. a) f x ax Temos, portanto g x ax . g 3 6 ; a 2
3
f 2 4 Logo, y 2x
4 4.
a 2
2
f x 2x
f 0 0 e f 1 2
b) f x ax
f 1 3
3
a 3
1
f x 3x

f 0 0 e f 1 3

49
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 4

pág. 14 1.3. f 3 3 3 1 8
Questão 4 f 6 3 6 1 18 1 17 18
Reta p: y ax b
4 4
(1 , 3) é um ponto de p f 3 1 4 1 3
3 3
3
a 3 4
1 Os pontos de coordenadas (3 , 8) e , 3 pertencem ao
b = 0 (a reta passa na origem do referencial) 3
p : y 3x gráfico da função f.
Reta q: y 1 7 1
ax b 2. g x x e t x x 1,3
5 5 5
a = 3 porque q / / p
b = 4 (a reta q passa no ponto de coordenadas (0 , 4)) pág. 16
q : y 3x 4 ; Atividade inicial 3
Reta s : y ax porque passa na origem do referencial 1. Por exemplo: (–1 , 0) , (–1 , 1) e (–1 , 2). Os pontos têm a
(4 , –2) é um ponto de s mesma abcissa x = –1.
2. A reta r não é gráfico de uma função porque ao valor –1 de
2 1
Logo, a x faz corresponder mais do que um valor de y.
4 2
3. P (3 , 3) , Q (3 , 2) e R (3 , –2)
1
s: y x Os três pontos têm a mesma abcissa.
2
4. Reta PQ: x = 3
Reta t: y ax b
Qy: x = 0
1
a porque t / / s
2
pág. 17
b 3 porque a reta t passa no ponto de coordenadas Questão 5
(0 , –3). 3 0 3
1 5.1. (–1 , 0) e (2 , 3) . a 1
t:y x 3 2 1 3
2
0 1 1 1
5.2. (5 , 1) e (–4 , 0) . a
4 5 9 9
Atividades de aplicação 2
5 3 2
1. f x 3x 1 5.3. (–2 , 3) e (–3 , 5) . a 2
3 2 1
• f 2 3 2 1 6 1 7
4 5 4 5
•f 4 3 4 1 12 1 13
5.4. (0 , –5) e (1 , 4) . a 9
1 0 1
15 3 0
• f x 14 3x 1 14 3x 15 x 5.5. (0 , 0) e (–1 , 3) . a 3
3 1 0
x 5 5 5
5.6. (0 , 5) e (1 , 5) . a 0
1 0
1 1 3 2 1
• f 3 1 Questão 6
2 2 2 2 2 Reta r: y ax b
• f x 59 3x 1 59 3x 59 1 Pontos: (–2 , 7) e (2 , 5)
5 7 2 1
60 a
x x 20 2 2 4 2
3
1
1 1 3 y x b
• f 3 1 1 1 1 0 2
3 3 3 1
2, 7 r; 7 2 b 7 1 b b 6
1 1 2
x –2 –4 5 20
2 3 1
1 r: y x 6
f x –7 –13 14 59 0 2
2 Reta s: y ax b
1.2. Pontos: (–2 , 1) e (2 , 3)
3 1 2 1
a
2 2 4 2
1
y x b
2
1
2, 1 s; 1 2 b 1 1 b b 2
2
1
s: y x 2
2

50
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 4

pág. 18 1.2. a) r : y ax b ; A 1 , 0 , B ( 3 , 5)
Questão 7 5 0 5
a
1 3 1 4
7.1. t: y ax b ; s: y 2x
2 5
y x b
Como t // s , a 2 4
y 2x b Como P (0 , 2) r então b = 2
Como A (–3 , 5) t , temos 5
r: y x 2
4
5 2 3 b 5 6 b b 1
b) r : y ax b ; A 1 , 0 , B ( 3 , 5)
t: y 2x 1
1 5 4 4
1 a
7.2. r: y x 5 0 3 3 3
3
1 4
a y x b
3 3

s: y
1 1
x b Como P 3, r vem:
3 2
a) P 1, 3 s 1 4 1 1
3 b 4 b b 4
1 1 1 2 3 2 2 2
3 1 b 3 b b 3
3 3 3 1 8 7
b b
9 1 8 2 2 2
b b
3 3 3 4 7
r: y x
1 8 3 2
s: y x
3 3 2.1. Reta a
b) Q( 2 , 7) s Passa nos pontos (–1 , 1) e (2 , 3)
1 2 2 y ax b
7 2 b 7 b b 7
3 3 3 3 3 1 2
a
21 2 19 2 1 3
b b
3 3 3 2
y x b
1 19 3
s: y x
3 3 2 2 5
1 1 b b 1 b
c) R(1, 2 ; 3) s 3 3 3
1 2 5
3 1, 2 b 3 0, 4 b a: y x
3 3 3
b 3 0, 4 b 2,6 Reta b
1 Reta horizontal que passa no ponto de coordenadas
s: y x 2, 6
3 (0 , –2). b: y 2
d) S ( 1 ; 1,5) Reta c
1 3 1 3 1 Reta vertical que passa no ponto de coordenadas
1,5 1 b b b (–2 , 0) . c: x 2
3 2 3 2 3
3 2
Reta d
9 2 7 Passa na origem e no ponto de coordenadas (3 , 1)
b b
6 6 6 1
d: y x
1 7 3
s: y x
3 6 Reta e
Reta horizontal que passa no ponto de coordenadas
Atividades de aplicação 3 (0 , 4). e: y 4
1.1.a) r: y ax 9 ; (–5 , 3) r Reta f
6 Passa nos pontos de coordenadas (–2 , 4) e (–1 , 1)
3 a 5 9 5a 3 9 5a 6 a
5 y ax b
6 1 4 3
r: y x 9 a 3
5 1 2 1
b) s: y ax 1 ; 3,7 s
y 3x b
8
7 a 3 1 7 1 3a 3a 8 a 1 3 1 b b 2
3
8 f: y 3x 2
s: y x 1
3

51
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 4

pág. 19 a) s: y ax e a 3
3.1. São funções lineares as funções f e i. s: y 3x
3.2.
1
b) s: y 3x b e C 1, s
3
1 1 1 9 8
3 1 b 3 b b b
3 3 3 3 3 3
8
s: y 3x
3
6.1. A(0 , 5) e B( 2 , 1)
Reta AB: y ax 5
1 5 4
a 2
2 0 2
AB: y 2 x 5
Cálculos auxiliares:
1 Vejamos se o ponto C (3 , 11) pertence à reta AB:
f 2 2 1; f 0 0
2 11 = 2 × 3 + 5 11 11 (verdade)
g 2 2 2 3 1 ; g 0 3 Os pontos A, B e C pertencem à mesma reta porque o
1 ponto C (3 , 11) pertence à reta AB: y 2 x 5 .
h 2 2 2 1; h 0 2
2 6.2. A 1 , 2 e B 1 , 10
2
i 3 3 2;i 0 0 Reta AB: y ax b
3
4.1. f 2 2 1 1 10 2 8
a 4
1 1 2
Como f 2 0 , o gráfico A não representa a função f.
y 4x b
f 0 2 , o gráfico B não representa a função f.
4.2. a) A reta passa nos pontos (0 , –1) e (2 , 0) 2 4 1 b 2 4 b b 6
y ax b AB: y 4x 6
0 1 1 1
a Vejamos se o ponto C , 0 pertence à reta AB:
2 0 2 2
b 1
1
1 0 4 6 0 8 (falso)
y x 1 2
2
b) A reta passa nos pontos (0 , 2) e (2 , 0) Os pontos A, B e C não pertencem à mesma reta porque o
y ax b 1
ponto C , 0 não pertence à reta AB: y 4x 6 .
0 2 2
a 1
2 0
7.1. É o ponto de coordenadas (0 , 0) , origem do referencial.
b 2
7.2. A expressão que define cada uma das funções é do tipo ax,
y x 2
com a .
1
5. f x 3x O ponto de coordenadas (–2 , 4) pertence ao gráfico de g.
2
4
5.1. A( 1 , y ) r Então g x x , ou g x 2x .
2
1 1 6 1 5
y f 1 3 1 3 O ponto de coordenadas (3 , 3) pertence ao gráfico de f.
2 2 2 2 2 2
3
5.2. B x, 2 r Então f x x , ou f x x.
3
1
f x 2 3x 2 6x 1 4
2 2 2 Atividade inicial 4
3 1 1. O submarino está ao nível da água do mar entre as 0 h e as
6x 4 1 6x 3 x x
6 2 1,5 h. Portanto, durante 1h 30 min.
1 2. Demorou 5 horas.
5.3. a) f x 0 3x 0 6x 1 0
2 2 3. Viajou a uma profundidade de 200 m durante 1 hora
1 (entre as 3 h e as 4 h após a partida).
6x 1 x
6 4. O submarino iniciou a subida.
1 5. Entre 0 e 1,5 hora, entre as 3 e as 4 horas e entre as 5 e as
Resposta: ,0
6 6,5 horas, após a saída do porto.
1 1 6. Entre as 6,5 e as 8 horas após a saída do porto.
b) f 0 3 0 7. Entre as 4 h e 5 h após ter saído da porto o submarino
2 2
1 afastou-se do nível da água do mar.
Resposta: 0 , 8. f 8 150 . Oito horas após ter saído do porto, o
2
5.4. Se s // r, então o declive da reta s é –3 submarino encontrava-se a 150 m de profundidade.

52
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 4

9. f x 250 para x 4,5 ou x 7 . O submarino 2.3. c x 35 2,5x 10 35 2,5x 35 10


encontrava-se a 250 m de profundidade 4,5 h e 7 h após ter 25
2,5x 25 x 10 .
saído do porto. 2,5
Como a massa de 10 kg, a mola tem 35 cm de
comprimento.
pág. 21
3.1. A 0 , 25 e B 2 , 10
Questão 8: h n 0,04 x 30
10 25 15
Declive de AB 7,5
8.1. h 0 0,04 0 30 30 2 0 2
Inicialmente, a altura do líquido no frasco de 30 cm. 3.2. BC: y ax b
8.2. h 350 0,04 350 30 16 B 2 , 10 e C 5 , 0
Após a teresa ter pressionado a “pistola” 350 vezes a altura 0 10 10 10
a
do líquido no frasco passou a ser 16 cm. 5 2 3 3
8.3. h n 0 0,04n 30 0 0,04n 30 10
y x b
3
30 10 50
n n 750 5 b 0 50 3b 3b 50
0,04 0 b
3 3 3 3
Após a Teresa ter pressionado a “pistola” 750 vezes, o 10 50
y x
frasco fica vazio. 3 3
8.4. 3.3. h 0 25
O depósito tem 25 cm de altura.
10 50
3.4. h x x se x > 2
3 3
2 min 36 s = 2,6 min 1 min -------- 60 s
1 min ---------- 60 s
36 1
x min ---------- 36 s x 0, 6
60
10 50 10 26 50
h 4, 6 2, 6
3 3 3 10 3
10

260 500 240


pág. 22 8
30 30 30
1.1. 25 litros Decorridos 2 min 36 s, a altura da água no depósito era de
1.2. A viagem foi de 200 km 8 cm.
1.3. Os pontos (0 , 25) e (200 , 5) pertencem ao gráfico de q.
q x ax b pág. 23
4.1. O gráfico A está contido numa reta que passa na origem do
b q 0 25 referencial. Trata-se, portanto, do gráfico de uma função
5 25 20 de proporcionalidade direta. Como a imagem de 1 é 6
a 0,1
200 0 200 podemos concluir que este irmão ganha 6 euros por hora (a
constante de proporcionalidade é 6).
Logo, g x 0,1 200 25 20 25 5
Logo, em 6 horas ganha 36 €.
1.4. q 200 0,1 200 25 20 25 5 4.2. No gráfico B, a imagem de 3 é maior do que a imagem de
Após ter percorrido 200 km, o depósito tem 5 L de 3 no gráfico A. Logo, trata-se do gráfico B.
combustível. 5.1. r 40 150 . Para uma distância de 40 km, o reboque
25 custa 150 €.
1.5. q x 0 0,1 25 0 0,1x 25 x
0,1 5.2. r 70 225
x 250 O reboque percorreu uma distância de 70 km.
Se a viagem prosseguisse, o combustível terminaria após 5.3. r 0 50
estarem percorridos 250 km. A taxa fixa é 50 €.
2.1. Os pontos (0 , 10) e (2 , 15) pertencem à reta que contém o 5.4. Se r x 200 , x 60 . O reboque custa 60 € por um
gráfico c.
percurso de 60 km.
c x ax b ; b c 0 10 5.5. r x ax b
15 10 5 Os pontos (0 , 50) e (20 , 100) pertencem ao gráfico.
a 2,5
2 0 2 100 50 50
a 2,5 ; b r 0 50
c x 2,5x 10 20 0 20
r x 2,5 x 50
2.2. c 4 2,5 4 10 10 10 20
r 100 2,5 100 50 250 50 300 .
Com uma massa de 4 kg, a mola tem 20 cm de
Uma viagem de 100 km custará 300 €.
comprimento.

53
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 4

pág. 24 4.2. f 2 6
Agora é a tua vez
1. • Durante algum tempo, a altura da água no depósito não
varia (enquanto enche a segunda parte da metade inferior
do depósito). Este facto verifica-se nos gráficos A e C.
• A partir de metade da altura do depósito, a altura da água
aumenta a uma de uma forma mais lenta, isto é, no mesmo
tempo aumenta menos.
Logo o gráfico pedido é o (A)

pág. 25
Atividades complementares
1. Os gráficos I e IV não representam uma função porque, por 4.3. f 6 2
exemplo, ao elemento 1 corresponde mais do que um
elemento.
Os gráficos II e III representam funções porque a cada
elemento do domínio corresponde um e um só elemento do
conjunto de chegada.
2.1. Nos três casos o declive é positivo.
2.2. As retas passam na origem.
1
2 , 1 d ; declive de d
2 1
1 4.4. f 0
1 , 1 e ; declive de e 1 2
1
3
1, 3 f ; declive de f 3
1
2.3. À medida que o declive aumenta a posição da reta
aproxima-se da vertical que é a posição do eixo Oy.
2.4. São equações da forma y ax
1
a) d: y x 1 3
2 f
4.5.
b) e: y x 2 4
c) f: y 3x
3. As retas passam na origem
3.1. Nos três casos, o declive é negativo.
1 1
3.2. 2 ,1 f : declive de f
2 2
1
1,1 e : declive de e 1
1
2
1, 2 d : declive de d 2
1
4.6. f x ax
3.3. À medida que o declive aumenta, a reta aproxima-se da
horizontal que é a posição do eixo Ox. f 2 a 2 2a
3.4. São equações da forma y ax
f 3 a 3 3a
a) d: y 2x
b) e: y x f 2 f 3 1 2a 3a 1 2a 3a 1 a 1
1 f x x
c) f: y x
2
f 1 1
4
4.1. f x x
3
4
f 3 3 4
3

54
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 4

4.7. f x ax 7.1.
f 6 a 6 6a
f 3 a 3 3a
f 6 f 3 12 6a 3a 12 3a 12 a 4
f x 4x
f 1 4

7.2. a) f : –2 ; g: –2; h: 2 ; i: – 1
b) Retas paralelas têm o mesmo declive
c) Numa reta de equação y ax b , se a > 0, y aumenta à
medida que x aumenta. Se a < 0, y decrece à medida que x
aumenta.

pág. 26 pág. 27
5.1. a) y 0,8n é o custo da n sumos;
8.1. f 0 3 8.2. f 3 0
b) y 1, 2n é o custo de n pães com fiambre;
c) y 1,5n é o custo de n iogurtes. 8.3. f x ax b ; b f 0 3
0,8n 1, 2n 1,5n (0 , –3) e (3 , 0) são pontos do gráfico de f
5.2. 0,8 ; 1, 2 ; 1,5 n IN 0 3 3
n n n a 1
3 0 3
Como, nas três casos, f n é constante, as funções são
n f x x 3
funções de proporcionalidade direta. 8.4. f 10 10 3 7
5.3. 0,8 → custo, em euros, de cada sumo; 8.5. f x 97 x 3 97 x 100
1,2 → custo, em euros, de cada pão com fiambre;
1 1
1,5 → custo, em euros, de cada iogurte. 9. f: , 0 ; g: –3 , ; h: 0 , 1 ; i: 0 , 0
2 3
5.4.
10.1. dr 0 10.2. ds 0 10.3. dt 0
11.1. f 0 3 e f 1 2
A (0 , 3) e B (1 , 2)
f x ax b
2 3 1
a 1 ; b f 0 3
1 0 1
f x x 3
11.2. f 2 1 e f 1 0
A (2 , 1) e B (–1 , 0)
f x ax b
0 1 1 1 1
a ; f x x b
5.5. a) É uma função linear. 1 2 3 3 3
y an 1
f 2 1 2 b 1 2 3b 3 3b 3 2
3
3
Como (4 , 3) pertence ao gráfico , a 1
4 b
3
3
y n 1 1
4 f x x
3 3
3
b) A constante de proporcionalidade é e representa o custo, 11.3. f 5 6 e f 2 1 ; A (5 , 6) e B (2 , –1)
4
em euros (0,75 €) de cada bombom. f x ax b
5 1 6 7 7 7
6. As retas r, s e t têm o mesmo declive a ; f x x b
6 2 5 3 3 3
6.1. A ordenada na origem é –2 7 14
f 2 1 2 b 1 b 1
5 3 3 3 3
s: y x 2
6 17
14 3b 3 3b 17 b
6.2. A ordenada na origem é 3 3
r: y 5 7 17
x 3 f x x
6 3 3

55
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 4

11.4. f 3 3 e f 2 0 ; A (3 , –3) e B (–2 , 0) 12.4. r: y ax b


f x ax b A (2 , 0) e B (–5 , –2)
2 0 2 2
0 3 3 3 a
a 5 2 7 7
2 3 5 5
2
3 r: y x b
f x x b 7
5
3 6 6 1
f 2 0 2 b 0 b 0 b V 5, r
5 5 5 3
3 6 1 2 1 10
f x x 5 b b
5 5 3 7 3 7
11.5. f 1 1 e f 2 1 ; A (1 , 1) e B (2 , –1) 1 10 7 30 37
b b b
f x ax b 3 7 21 21 21
7 3

1 1 2 2 2 37
a y x
2 1 3 3 7 21
2 13. A (2 , 1) , B (6 , 0) , C (3 , –2) e D (0 , –4)
f x x b
3 Reta AB: y ax b
2 0 1 1
f 1 1 1 b 1 a
3 3 3
6 2 4
1 1
2 3b 3 3b 1 b y x b; B 6,0
3 4
2 1 1 6 3
f x x 0 6 b 0 b b
3 3 4 4 2
11.6. f 0 0 e f 1 1
1 3
A (0 , 0) e B (–1 , –1) AB: y x
4 2
f x ax b C AB ?
1 0 1 1 3 3 6 3
a 1 2 3 2 2 (Falso)
1 0 1 4 2 4 4 4
2
b f 0 1
D AB ?
f x x
1 3 3
11.7. f 2 3 e f 0 3 4 0 4 (Falso)
4 2 2
f é constante Reta AC: y ax b
f x 3
2 1 3
1 a 3
12.1. r: y x b 3 2 1
3
y 3x b ; A 2 ,1
P 0 , 2 r . Logo, b = 2.
1 3 2 b 1 6 b b 7
1
r: y x 2 AC: y 3x 7
3
12.2. r: y 7x b B AC ?
1 1 0 3 6 7 0 11 (Falso)
Q , r D AC ?
2 2
4 3 0 7 4 7 (Falso)
1 1
7 b 1 7 2b 2b 6 b 3 Reta BC: y ax b
2 2 2

r: y 7x 3 2 0 2
a
12.3. r: y 3x b 3 6 3
1 2
S ,3 r y x b; B 6,0
2 3
2
1 3 0 6 b 0 4 b b 4
3 3 b 3 b 3
2 2 2 2
2
3 BC: y x 4
6 3 2b 2b 3 b 3
2
D BC ?
3
r: y 3x 2
2 4 0 4 4 4
3
Como D BC , B, C e D pertencem à mesma reta.

56
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 4

pág. 28 16.3.
14.1. f 0 18
Sem ondulação, a velocidade recomendada para o barco é
de 18 nós.
14.2. f 0 18 e f 5 6
A (0 , 18) e B (5 , 6) são pontos da reta
6 18 12
a 2, 4
5 0 5
14.3. f x ax b A reta r passa nos pontos de coordenadas (1 , 1)
a 2, 4 e b f 0 18 r: y ax
Para x = 1 vem y = 1
f x 2, 4 x 18 , com 0 x 5 1=a×1 a 1
14.5. f 1,5 2, 4 1,5 18 14, 4 r: y x
16.4.
A velocidade recomendada é 14,4 nós.
15.1.

A reta r passa nos pontos de coordenadas (4 , 0) e (2 , 2)


r: y ax b
A (8 , 5) , B (7 , 0) , C (10 , 1)
2 0 2
a 1
15.2. A (2 , 7) , A 8 , 5 2 4 2
y ax b r: y x b e (4 , 0) r
5 7 2 1 0 4 b b 4
a r: y x 4
8 2 6 3
1
y x b, 2,7 AA pág. 29
3
17.1. A afirmação é falsa. Na posição 5, o gráfico
1 2 21 2 correspondente não representa uma função porque ao
7 2 b b 7 b
3 3 3 3 3 elemento 4 faz corresponder mais do que um elemento.
23 17.2. Os pontos de coordenadas (0 , 2) e (4 , 0) pertencem ao
b
3 gráfico dessa função f, sendo f x ax b
1 23
AA y x 0 2 1
3 3 a
4 0 2
16.1.
b f 0 2
1
Logo, f x x 2
2
17.3. (3,5 ; 3) e (4 , 0) são pontos da reta.
0 3 3
a 6
4 3,5 0,5
18.1. (–2 , –2) e (5 , 2) são pontos do gráfico de g
g x ax b
r: y = 1 2 2 4
a
16.2. 5 2 7
4
g x x b e g 5 2
7
4 20 20
5 b 2 b 2 b 2
7 7 7 7
14 20 6
b b
7 7 7
4 6
g x x
r: x = 2 7 7

57
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 4

18.2. Interseção com o eixo Oy: n x 18 000 60 000 x 1 290 000 18 000
4 6
g x x ex=0 60 000x 18 000 1 290 000
7 7
4 6 6 1 272 000
g 0 0 60 000 x 1 272 000 x
7 7 7 60 000
6 x 21, 2
0, é o ponto de interseção do gráfico 21,2 h = 21 h 12 min (0,2 × 60 min = 12)
7
Com o eixo Oy; Às 21:12 estavam 18 000 pessoas no estádio.
Interseção com o eixo Ox: 21.1. C h ah b
4 6 a = 10 e b = 20
g x x e g x 0
7 7
C h 10h 20 , h 0
4 6
g x 0 x 0 4x 6 0
7 7 21.2. a) C 6 10 6 20 80
6 3 O custo de 8 h de limpeza é 80 €.
4x 6 x x
4 2 b) C h 110 10h + 20 = 110 10 h = 110 – 20
3
, 0 é o ponto de interseção do gráfico com o eixo Ox. 10h = 90 h=9
2
110 € é o custo de 9 horas de limpeza.
4 6 4 6 162 270
18.3. g x 1 g x x 1 x 22.1. Por exemplo, . Logo a função C não é linear.
7 7 7 7 10 100
4 4 6 4 6 4
x x 22.2. C n an b
7 7 7 7 7 7
19.1. F 0 32 e F 100 212 C 10 162
(0 , 32) e (100 , 212) são pontos do gráfico de F, sendo C 100 270
F C ac b
270 162 108
212 32 180 18 9 a 1, 2
a 100 10 90
100 0 100 10 5
C n 1, 2n b
b F 0 32
C 10 162 1, 2 10 b 162 12 b 162
9
F C C 32
5 b 150
9 C n 1, 2n 150 , com n 0
19.2. a) F 50 50 32 90 32 122
5
50 ºC = 122 ºF 22.3. C 0 1, 2 n 150 150 . O custo fixo (processamento
9 9 de texto e composição) é 150 €.
b) F C 200 C 32 200 C 200 32
5 5 22.4. C 300 1, 2 300 150 510
9 840
C 168 9C 840 C Vai pagar 510 €.
5 5 9
C ≈ 93,3
200 ºF ≈ 93,3 ºC pág. 31
23.1. 1 min 20 s + 3 min 5 s = 4 min 25 s
pág. 30 6 min 30 s – 4 min 25 s = 2 min 5 s
20.1. Às 18:00, quando as portas abriram, as pessoas começaram 1 min 20 s + 2 min 5 s = 3 min 25 s
a entrar. No início do jogo, às 19:00, estavam no estádio 3 min 25 s = (3 × 60 + 25) s = 250 s
35 000 pessoas. Entre esta hora e o final do jogo, às 21:00, 0,6 L em dois segundos equivale a 0,3 L por segundo.
o número de pessoas presentes mo estádio baixou para 205 × 0,3 L = 61,5 L
30 000.Após o final do jogo, as pessoas presentes O Miguel gastou 61,5 L de água.
abandonaram o estádio, o qual ficou vazio às 21:30. 23.2. É o gráfico (C)
20.2. O gráfico da função entre as 21:00 e as 21:30 é um • A opção (A) é de rejeitar porque, segundo este gráfico, a
segmento de reta. Logo neste intervalo de tempo o número quantidade de água gasta no fim do banho era nula.
n x de pessoas no estádio é dado por uma expressão do • O gráfico (B) também é de rejeitar porque, de acordo
com este, no segundo período em que a torneira esteve
tipo n x ax b , sendo x a hora do dia. aberta (2 min 5 s) gastou-se aproximadamente a mesma
21 h 30 min = 21,5 h quantidade de água que no período inicial (1 min 20 s).
(21 ; 30 000) e (21,5 ; 0) são pontos do gráfico. Ora, a um maior período de tempo corresponderá um
0 30 000 30 000 maior consumo.
a 60 000 • A opção (D) também não é correta. A quantidade de água
21,5 21 0,5
gasta durante o banho nunca poderá decrescer com o
n x 60 000 x b
passar do tempo.
Como n (21,5) = 0 vem,
–60 000 × 21,5 + b = 0 b 1 290 000
n x 60 000 x 1 290 000

58
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 4

23.3. a) pág. 33
6.1. A função f é uma função afim não linear.
6.2.

0, 6
b) 0,3
2
f t 0,3t , t 0 6.3. As retas gráficas das funções f e h são paralelas porque têm
o mesmo declive.
c) f 65 0,3 65 19,5 2
7.1. • f x ax ; f 2 2 ; a 1
f 65 19,5 L. Se a torneira do duche estiver aberta 2
durante 65 s gasta-se 19,5 L de água. f x x
36 • g x 3
d) f t 36 0,3t 36 t t 120
0,3 2
• h x ax ; h 1 2; a 2
t 120 s. Se se gastarem 36 L de água é porque a 1
torneira esteve aberta durante 120 s. h x 2x
• i x ax b
pág. 32 0 3 3
Verifica se já sabes i 0 3 e i 2 0; a ; b i 0 3
2 0 2
1. São funções lineares as funções f, h e i por serem definidas 3
i x x 3
por expressões do tipo x ax ( a ). 2
2. 3 3
7.2. i x 3 ; y x b
2 2
O ponto P (–2 , –3) pertencem à reta.
3
3 2 b 3 3 b b 6
2
3
y x 6
2
8.

3. f x ax
3.1. a 10 ; f x 10 x
3
3.2. f 1 3 ; a 3
1
f x 3x
1 2 9.1. 70 pulsações por minuto.
3.3. f 2 ; a 2 2 4
2 1 9.2. A prática de desporto durou 40 minutos.
2 9.3. As pulsações por minuto subiram durante 10 minutos.
f x 4x 9.4. 140 pulsações por minuto.
9.5. a) y 140
2
3.4. f 2 2 ; a 1 b) C (40 , 140) , D (55 , 70)
2
70 140 70 14
f x x f x ax b ; a
55 40 15 3
4. y 3x 3 14
f x x b
Declive: – 3; 3
Ordenada na origem: 3. Como f (40) = 140 , vem
5. y 7x 14 560
40 b 140 b 140
3 3 3
y 7 x b e b = –10
420 560 980
y 7 x 10 b b
3 3 3
14 980
f x x
3 3

59
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 4

14 980 1 3
9.6. Para 40 x 55 , f x x 4.3. y 1 b 4 1 2b 2b 3 b
3 3 2 2 2
14 980 1 3
f x 133 x 133 y x
3 3 3 2 2
14x 980 399 14 x 399 980
581 pág. 35
14 x 581 x x 41,5
14 5. g x ax b ; g 1 2 e g 1 3
41,5 – 40 = 1,5 Os pontos de coordenadas (1 , 2) e (–1 , 3) pertencem ao
1,5 min = 1 min 30 s gráfico g.
Decorreu 1 min 30 s. 3 2 1 1
a
9.7. A (0 , 70) , B (10 , 140) 1 1 2 2
Declive de AB 1
g x x b
140 70 70 2
a 7
10 0 10 Como g 1 2 , vem
g x 7x 1 1 5
1 b 2 b 2 b
2 2 2
1 5
pág. 34 g x x
Avaliação 2 2
6. d t
2 1700t
1. f x x; f 0 0 e f 3 2 1700 5 d d 340t
3 5
Resposta: (C) Resposta: (C)
2. f x 2x 1 1
7. A(–1 , 5) , B ,2
• f 1 2 1 1 0 e, no gráfico A, a imagem de 1 é 2
Reta AB: y ax b
positiva
2 5 3 3
• f 0 1 0 e, no gráfico B, a ordenada na origem é a 3 2 6
1 1 1
1 1
negativa. 2 2 2
3.1. A (–2 , 0) e B (0 ; 1,5) são pontos de r. y 6x b
r: y ax b Como A (–1 , 5) pertence à reta, vem
1,5 0 1,5 3 5 6 1 b 5 6 b b 1
a 0,75 ; b = 1,5
0 2 2 4 y 6x 1
r: y 0,75x 1,5 Ponto da reta com abcissa x = 1:
y 6 1 1 y 7
3.2. s: y ax b
8.1. Decorreram 15 minutos.
b = –3 e a = 0,75 porque s // r 8.2. O programa durou 60 minutos.
s: y 0, 75 x 3 8.3. Assistiram 100 pessoas.
5 8.4. Demorou 10 minutos.
4.1. g 1 ; g 4 1
2 8.5. f x ax b
5 3 100 0 100 20
1 a) A(–15 , 0) e B (0 , 100) ; a
2 2 1
Declive do gráfico g: a 0 15 15 3
4 1 3 2
b = f (0) = 100
As retas representativas dos gráficos de f e g têm o mesmo
20
declive. Logo, são paralelas. f x x 100
3
1 b) B (0 , 100) e C (60 , 100) ; f é constante
4.2. g x ax b ; a
2 f x 100
1
g x x b 0 100 100
2 c) C (60 , 100) e D (70 , 0) ; a 10
70 60 10
Como g 4 1 , temos f 70 0 e f x 10 x b . Então
1 10 70 b 0 b 700
4 b 1 2 b 1 b 3
2 f x 10 x 700
1
g x x 3 8.6. Para x > 60, f x 10 x 700
2
f x 66 10 x 700 66 10x 66 700
•g 0 3
10x 634 x 63, 4
1 63,4 – 60 = 3,4 ; 0,4 × 60 = 24
•g x 0 x 3 0 x 6 0 x 6
2 2 3,4 min = 3 min 24 s
O gráfico de g interseta os eixos coordenadas nos pontos Estavam 66 pessoas na sala 3 min 24 s depois de o
(0 , 3) e (6 , 0) programa ter terminado.

60
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO
Capítulo 5
pág. 40 1
Atividades de diagnóstico 1 2 x 3 1 2
3.6. 0 x 3 0
2 3 2 2 2 3
1
1.1. 2x x 1 2 2
2
x 3 1
•x 1 0 0 3x 9 2
6 2 2 3
1 3 3 2
2 1 1 1 2 2 1 2 (falso)
2 7
3x 7 x
•x 0 3
1 1 7
2 0 0 1 2 0 2 (falso) S . Equação possível determinada.
2 2 3
• x 1 x x
4.1. 16 2 x 3 2x 3 16
1 7 7
2 1 1 1 2 2 0 0 (verdadeiro) x
2 2 x 13 x 14 x 91
Resposta: (C) 7 7 7

x 1 1 91
1.2. 13x 91 x 7 x
4 2 13
4.2. Se x = 7 , 2x + 3 = 2 × 7 + 3 = 17
1
2. 0 x x 0 P = 2 × (17 + 7) cm = 48 cm ; A = (17 × 7) cm2 = 119 cm2
2
2
x 5. f x 2x 18 ; g x
3x 5 6 x x 10 7 x 10 2
2 2 2

10 2
x 5.1. f x g x 2x 18
7 2
1 1 2 2x 2 9 2 2 2 2x 2 2 3 2
2 x 1 2x 2 x 2 2x x 2x 2
2 2 2 2x 2 6 2 2 2x 7 2
x 2 x 2 7 2 7
x x
Resposta: (C) 2 2 2
2
1 2 2
3.1. x 3 x 2 x 6 2x 4 5.2. f x g x 0 2x 18 0
2 2 2 2
2
10 2 1
x 2x 4 6 3x 10 x 2x 9 2 0 2x 3 2
3 0
4 2 2

10 3 2
S . Equação possível determinada. 2x 3 2 0 2x 3 2 x x 3
3
2
x 1 x 1 5.3. 2 f g x f g x
3.2. x x 1 2x x 1
2 2 2
2 2
x 2x x 1 1 0x 0 2 2x 18 2x 18
2 2
S . Equação possível indeterminada.
x 1 x 1 2 2x 36 6
3.3. 2 x 1 0 2x 2 0 2x 36 2x 6 1 x
2 2 2 2 2 2 2 2
5 8
4x 4 x 1 0 5x 5 x x 1 2x x 3 6 1 3x 8 x
5 3
f 2x 18
S 1 . Equação possível determinada. 5.4. x 0 0 2x 3 2 0
g 2
x 3 1
3.4. 1 x 6 3x 9 2 6x 2
6 2 3 6
3 2 3 2
2x 3 2 x x 3
13 2
3x 6 x 2 6 9 9x 13 x
9
13
6. Pág. 41
S . Equação possível determinada.
9
P = 280
1 3 1 1 2x x 3 1 1 2x 2 2 x 10 x 280
3.5. x
2 2 4 4 2 4 4 4
2 4 x 20 2 x 280
2x 3 1 1 2x 2x 2x 1 1 3 4 x 2 x 280 20
0x 3 6x 300 x 50
S . Equação impossível. 2x 10 2 50 10 90
A = (50 × 90) m2 = 4500 m2

61
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 5

7. x2
1.2. a) 2ax2 e
2
1
b) – 35 e 1
4
1
c) 2ax e x 2 , por exemplo
2

2
4x 3 x 1 4x 3x 3 4 x 3x 3 x 3 x2
d) 4xyx5 z e
2
A = (3 × 3) cm2 = 9 cm2
2.
8. Taxa fixa: 3 × 25 € = 75 € Forma Parte Parte
215 € – 75 € = 140 € (custo dos quilómetros) Monómio Grau
canónica numérica literal
140 : 0,20 = 700 a 1 1 Não
O Rui fez 700 km no carro. a a 0
7 7 7 tem
9.
7xyx5 7x6 y 7 x6 y 7
Construção 1 2 3 2 4 5 6 6 6 6
Nº de peças 10 14 18 cx yx y cx y c x y 12
9.1. Seja an o termo geral. Então an = an + b 1 1 1
bay 2 x abxy 2 ab xy 2 3
Como a1 = 10, temos 2 2 2
4 × 1 +b = 10 b 10 4 b 6 2x6 yb 2bx 6 y 2b x6 y 7
an = 4n + 6 x 1 1
aby 2 abxy 2 ab xy 2 3
9.2. O número de peças de cada construção é uma sequência 2 2 2
aritmética cujo primeiro termo é 10 e cuja diferença
1 x
constante entre temos consecutivos é 4. 3.1. bay 2 x e aby 2
2 2
18 + 4 = 22 ; 22 + 4 = 26 ; 26 + 4 = 30
3.2. 7xyx5 e 2x6 yb , por exemplo
A 6ª construção tem 30 retângulos.
9.3. a100 = 4 × 100 + 6 = 406
Atividade inicial 2
A 100ª construção tem 406 peças.
1
1999 1.1. a) m representa o número de margaridas que a Margarida
9.4. 4n + 6 = 2005 4n 1999 n n 499,75 4
4 colheu.
Não porque a equação 4n + 6 = 2005 é impossível em . 1
b) m m representa o número de margaridas que
4
pág. 42 sobraram no jardim após a colheita da Margarida.
Atividade inicial 1 1
c) m 5 representa o número de flores do ramo que a
x 4
1.1. x 5 significa a quantia, em euros, com que a Ana Margarida ofereceu à mãe.
2 1.2. m = 88
ficou. 1
1.2. Por exemplo: a) 88 22
4
a) A Ana tinha x euros. Recebeu de mesada uma quantia, em A Margarida colheu 22 margaridas.
euros, igual ao dobro do dinheiro que tinha. 1
De seguida, gastou 7 euros na compra de um livro. b) 88 5 22 5 27
4
Com quanto dinheiro ficou a Ana? O ramo que a Margarida ofereceu à mãe tinha 27 flores.
b) A Ana tinha x euros. Gastou a terça parte do dinheiro que m 88
tinha na compra do passe recebeu 5 € que tinha emprestado c) m 88 88 22 66
4 4
ao irmão. 3 3 88
Com quanto dinheiro ficou a Ana? m 88 3 3 22 66
4 4 4
x 3 m 1 1 3 3
2.1. AB BC CD 2.2. x AD m m m m 1 m m
2 2 4 4 4 4 4
m 3
Pág. 43 m m , qualquer que seja o número real m.
4 4
1 3
Questão 1: x , x y , 3xy e
x pág. 47
Questão 2
pág. 45 2.1. A expressão representa o perímetro do retângulo.
Atividades de aplicação 1 2.2. 3xy 2 2xy 2 3xy 2 2xy 2 3 2 3 2 xy 2 10xy 2
2 2 2 2
1 2.3. 3 2 3 2 2 3 3 2 3 2 2 3
1.1. São monómios as expressões –35 , 0 , 1 , 2ax 2 ,
4
6 3 4 3 6 3 4 3 18 12 18 12 60
5 3 3 x2 2
4 xyx z , xy e . 2.4. 10 2 3 20 3 60
3 2
Obtém-se o mesmo valor.

62
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 5

Pág. 48 2. O número de quadrados em cada construção é uma sequência


Questão 3 aritmética em que o primeiro termo é 2 e a diferença
1 constante entre os termos consecutivos é igual a 3.
3.1. 2x2 y xy representa a área do retângulo 2 , 5 , 8 , 11 , 14 , 17 , 20 , 23 , 26 , 29 , …
3
A construção 10 tem 29 quadrados.
3
3.2.
4
Questão 5
1 1 2 2 3 2
3.3. 2 x2 y xy 2 x xyy x y 5.1. x 3 y 2x 7 y x 2x 3y 7 y 3x 4 y
3 3 3
5.2. x 2 y 3x 8 y 5 x 3x 2 y 8 y 5 4x 5 y 5
1
3.4. x=2 e y 2 2 2 2
2 5.3. 5x by 7 x by 5x 7x by by 12 x2 0 y
1 1 1 1 1 4 2 12x 2
2x2 y xy 2 22 2 4 1
3 2 3 2 6 6 3 5.4. 2 y axy by 6 xy 6 xy axy 2 y by
2
2 2 2 2 2 1 2 1 2 2 6 a xy 2 b y
x y 2 4 1
3 3 2 3 4 3 3
5.5. 2ax x2 3by 2 3ax by 2 x2 3by 2 by 2 2ax 3ax
2
Obtém-se , nos dois casos. x 2
3b b y 2
2a 3a x x 2
4by 2
ax
3

pág. 49 pág. 52
Questão 4 Questão 6
1 3 2 6 1 7 1 7
4.1. 2 x3 x x A x y y 2 x 1 y 2
7 7 3 3 3 3 3
Os monómios são semelhantes 1 3 7 1 4
x y 2 x y 2
3 1 3 1 3 14 1 3 15 3 3 3 3 3 3
2x x 2 x x x
7 7 7 7 7 7 3 1 7 2 2 1 7 3
2 3 2 B y y x x x x y y
4.2. 5x y 8x y 40x5 y3 2 3 2 3 3 3 2 2
4.3. 3x2 y bx2 y 3bx4 y 2 2 1 4 2 3 1 3
1 x 1 y x y 2
Os monómios são semelhantes 3 3 3 3 2 3 3 3 3
3x2 y bx 2 y b 3 x2 y 1 4
x y 2
2 2 2 3 3 3
4.4. 2abx 3abx 6a b x
1 4
4.5. 2 3b x y 2 2
3ax 2 y 2 3a 3b 2 x 4 y 4 A B x y 2
3 3
Os monómios são semelhantes
2 3b x 2 y 2 3ax 2 y 2 2 3b 3a x 2 y 2 3a 3b 2 x 2 y 2 pág. 53
Atividades de aplicação 3
Atividades de aplicação 2 1.1. 5x2 7 8 x 2 5 3x 2 5 x 2 8 x 2 3x 2 7 5
2 2 2 2 2 2 2 2 2 2
1.1. a) 2ax y 2ax y x y x y 2a 2a 1 1 x y 10 x 12 2

4a 2 x 2 y 2 Grau 2 e termo independente –12.


1 2 1 2 1 2 1 2
b) bxy 2 bxy 2 axy 2 axy 2 b b a a xy 2 2a 2b xy 2 1.2. xy 2 3x 2 xy x xy 2 xy 3x 2 x
2 2 2 2
2 2 2 2 4 4
2.1. a) 2ax y x y 2ax y
1 1 2 3 2 5 2
2 2 1 xy 2 3 x xy x
b) bxy axy abx2 y 4 2 2 2 2
Grau 3 e não tem termo independente.
Pág. 50 1.3. 2ax2 3x2 y3 bx2 7 x2 y3 15
Atividade inicial 3
7 x2 y3 3x2 y3 2ax2 bx2 15
N.º da construção 1 2 3 4
N.º de quadrados 2 5 8 11 4 x2 y3 2a b x 2 15
1. Seja an = an + b o termo geral da sequência Grau 5 e termo independente –15.
a=3 1 2
1.4. xy 2 2 x 2 y 2 xy 2 x 5
an = 3n + b 2
Como a1 = 2, vem 1 2
xy 2 xy 2 2 x 2 x y2 5
3×1+b=2 b 1 2
Logo, an = 3n – 1 1 2 3 2
A expressão não é um monómio. É a soma de dois 2 xy 2 2 x y2 5 2 xy 2 x y2 5
2 2
monómios não semelhantes.
Grau 3 e termo independente –5.

63
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 5

2.1. x x x 3 x 3 4x 6 pág. 56
x Questão 9
2.2. 2x 2 2 x x 3x
2 9.1. 3 x x2 2 x 1 3x 2 6 x 3 x3 2x2 x
2.3. 2 x x 1 2 2 x 1 2 2x 1 2 x 1 3 2
x x 5x 3
4x 2 2x 2 6x
9.2. 5 x 3x 2 x2 15 x 10 5 x 2 3 x 2 2 x x3
x x 1 3
2.4. 2 x 2 1 2 2x 2 4x 3 x3 2 x 2 13 x 10
2 2 2 2
3 3 9.3. 1 x 3x 2
1 5x 1 5 x x 5 x 2 3 x 2 15 x 3
3.1. 2 x x 1 5, 2 x 1 2 2x x 7, 2
2 2 15 x 3 8 x 2 6 x 1
4 x 3x 14, 4 7 x 14, 4 9.4. 2 x 3x2 1 x x2
3.2. 2 7 x 14, 4 14 x 28,8
2 2 x 2 x2 x x2 x3 3x 2 3x3 3x 4
3.3. x 2,5 3x 4
2x 3
6x 2
x 2
7 2,5 14, 4 17,5 14, 4 31,9
9.5. 3x x2 9 2 3x2 x3
A Sofia percorreu 31,9 km.
5 1 1 5 6 x 9 x3 3x 4 2 x 2 3x 4 x 5 18 27 x 2 9 x3
4. abx xy 2 x 3xy 7 xy 3xy abx 2 x 7
2 3 3 2 x5 25 x 2 6 x 18
1 5
3 xy ab 2 x 7
3 3 2 pág. 57
Questão 10
1 9 5
xy ab 2 x 7 10.1. 2w 1 w2 w 3
3 3 2
10 5 w 2
xy 2 ab x 7 2
3 2 2 2 1 2 2 3 4 1 4 1
3 5 15
pág. 54
10.2. 2w 1 w 2
w 3 2 w3 2 w2 6 w w2 w 3
Atividade inicial 4
1. x 4 x 2 x 3x 6 2 w 3w 3 2
7w 3
2. x 3 x 3 x 1 x 1 4x 4 Para w = –2
3 2
3. 3x 6 4x 4 7 x 10 2 2 3 2 7 2 3 2 8 3 4 14 3
4. 4x 4 3x 6 4x x 3x 6 x 2 16 12 11 15
Obtém-se o mesmo valor.
Questão 7
5 1 Questão 11
A = x 3 2x 8x 11.1. 2 x 1
2
2x 1 2x 1 4x2 2x 2x 1
2 2
2
x x 3 4x 4x 1
B= 3x 5 x 2
3 6 2 11.2. 3x 5 3x 5 3x 5 9 x 2 15 x 15 x 25
5 1 5 1 2
7.1. A x 3 2 x 8x x 2 x 8x 3 9x 30 x 25
2 2 2 2 2
11.3. x 3 x 3 x 3 x 2 3x 3x 9 x2 6x 9
4
9x 3 9x 1 2 2
2 11.4. x 5 x 5 x 5 x 5 x 5 x 25
x x 3 2x x 3 x 2 10 x 25
7.2. B 3x 5 x 3x x 5
3 6 2 6 6 2
2
Atividades de aplicação 4
3x 3x x 3x 4x 1 1
3x 5 3x 5 3x 5 1. A x2 ; B x2 2x 1 ; C 4 x3 x 2 2 x
6 2 2 2 2 2 2
2 x 3x 5 x 5 1
1
A B 9x 1 x 5 9x x 1 5 10 x 6 1.1. A B x2 x2 2x 1 x2 x2 2 x 1
2 2
6.3. A B 9x 1 x 5 9x 1 x 5 8x 4 3
2x2 2x
2
Pág. 55 1 1
Questão 8 1.2. A C x2 4 x3 x2 2x
2 2
8.1. 9 x 2 2 x 2 9 x 2 2x 4 3x 11 1 1
4 x3 x2 x2 2x 4 x3 2x 1
8.2. 5 x y 3x y 5 x 5 y 3x y 2x 6 y 2 2
1 1
8.3. 8 x 3y 5 2x y 8 x 24 y 10 x y 2 x 23 y 1.3. B C x2 2x 1 4 x3 x2 2x
5 2

2 7x 2 y 3 2x 3 y 14 x 4 y 6 x 9 y 8x 5 y 1 3
8.4. 4 x3 x2 x2 2x 2x 1 4 x3
2 2
8.5. x 2x y 3x 2 x y 2 x2 xy 6 x2 3xy 4x2 4xy

64
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 5

1 1
2
1 1 3 3 1
1.4. B C x2 2x 1 4 x3 x2 2x 3.5. 3x 3x 3x 9x2 x x
2 2 2 2 2 2 4
1 1
x 2 2 x 1 4 x3 x2 2x 9 x 2 3x
2 4
1 1 2
4 x3 x2 x2 2x 2x 1 4 x3 2 x 2 4 x x 1 1 1 1 1
2 2 3.6. y x y x y
2 3 2 3 2 3
1 1 2 1
1.5. A B x2 x2 2x 1 x 4 2 x3 x2 x x 1 2 1 1 1 2 1 2 2 1 2
2 2 2 x xy xy y x xy y
4 6 6 9 4 6 9
3 2 1 1 2 1 1 2
x 4 2 x3 x x x xy y
2 2 4 3 9
1 1 4.1. O desenvolvimento do quadrado do binómio é um polinómio
1.6. A C x2 4 x3 x2 2x
2 2 com três termos.
1 2 1 2 1 4.2. O sinal dos dois quadrados é positivo. O sinal do outro termo
4 x5 x 4 2 x3 x 2 x3 x x
2 2 4 segue a regra do produto, ou seja, é positivo se os dois
1 termos do binómio tiverem o mesmo sinal negativo se os
4 x5 x4 x
4 dois termos tiverem sinais contrários.
1 4.3. Dois os termos são quadrados dos termos do binómio. O
1.7. B C x2 2x 1 4 x3 x2 2x outro termo é igual ao dobro do produto dos dois termos do
2
binómio.
1 2
4 x5 x 4 2 x3 x 8x4 2 x3 4 x 2 x 5.1. 1012 100 1
2
1002 2 100 1 12 1000 200 1
2
1 = 10 201
4 x3 x 2 2x 2
2 5.2. 792 80 1 802 2 80 1 12 6400 160 1
1 2 6240 1 6241
4 x5 x4 8x4 2 x3 2 x3 4 x3 x 4 x2 2
2 5.3. 10022 1000 2 1000 2 2 1000 2 2 2
1 9 2 1 = 1 000 000 + 4000 + 4 = 1 004 004
x2 x 2x 4 x5 7 x 4 x x
2 2 2
1 1 4 1 2 1 2 1 pág. 60
1.8. A2 A A x2 x 2
x x x
2 2 2 2 4 Questão 12
2
1 12.1. a) x 5 x2 2 x 5 52 x 2 10 x 25
x4 x2 2 2
4 b) 2x 1 2x 2 2x 1 12 4x2 4x 1
2.1. x x 1 2x 3 2 2
1 2 1 1
c) 2x 2x 2 2x
x2 x 2x 3 2 x3 3x 2 2 x2 3x 2 x3 5 x 2 3x 3 3 3
2.2. 3x 1
3
3x 1 3x 1 3x 1 4 1
4 x2 x
3 9
9x2 3x 3x 1 3x 1 9x2 6x 1 3x 1 12.2. a) – x2 + 8x + 1
27 x 3
9x 2
18 x 2
6 x 3x 1 27 x 3
27 x 2
9x 1 1 2 9
b) x x 5
4 2
pág. 58
Atividade inicial 5 Questão 13
2
1.1. 1º processo (fórmula da área do quadrado) 13.1. x 2 2 x 1 x2 2 x 1 12 x 1
2
A x y 13.2. 1 4 x 4 x 2 12 2 1 2x 2x
2
1 2x
2

2º processo (soma das áreas) 2 2


13.3. 9 x 2 24 x 16 3x 2 3x 4 42 3x 4
A x2 xy xy y 2 x2 2 xy y2
2 2
1.2. x y
2
x2 2 xy y2 1 2 1 1 1
13.4. 9 x2 3x 3x 2 3x 3x
2 4 2 2 2
2. x y x y x y x2 xy yx y2
x2 2 xy y2 Pág. 61
2
3.1. 2x 3 2x 3 2x 3 4 x2 6x 6x 9 Atividades de aplicação 5
2 2
4 x 2 12 x 9 1 1
1.1. 3x 3x 1
2 2 2
3.2. x 3y x 3y x 3y x2 3xy 3xy 9 y 2
2
x2 6xy 9 y 2 1 1 3
9 x 2 2 3x 3x
2 2 4 2
3.3. 5x 1 5x 1 5x 1 25 x 2 5 x 5 x 1
1 3 9
25 x 2 10 x 1 9 x 2 3x 9 x 2 2 3x
4 2 4
2
3.4. 2x 3 2x 3 2x 3 4 x2 6x 6x 6 10 5
18 x 2 3x 9 x 18 x 2 12 x
4x 2
12 x 6 4 2

65
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 5

2 1
2
5
2 Questão 14
1.2. 2x 2 2x 2 4 x2 2 2 x 2 4 2x 14.1. x 3 x 3 x2 x 3 x 2 32 x2 9
2 2
2
5 25 14.2. 3x 1 3x 1 3x 12 9x2 1
4 x2 8x 4 4 x2 2 2 x
2 4 b b 2 b
2
b2 1 2
25 41 14.3. 2a 2a 2a 4a2 4a 2 b
8x 2
8 x 10 x 4 8x 2
18 x 2 2 2 4 4
4 4 4 2
7 7 2 7 49
2 1
2
3
2
14.4. 5x 5x 5x 25 x 2
1.3. x 2
x 1 x 1 x 2
x 2
2x 1 x 3 3 3 9
2 2 2
1 1 1 1 2
2 3 9 2 14.5. x y x y x y2 x y2
2x 2x 1 x 2 x 4 4 4 16
2 4
9 13
3x 2 2 x 3x 1 3x 2 5 x Questão 15 pág. 64
4 4 2
2 2 2 2 1 1 1 1
1.4. x 3 x 1 x 6x 9 x 2x 1 15.1. x2 x2 x x
2 2
9 3 3 3
x 6x 9 x 2x 1 8x 8
2
15.2. 49 a 2 72 a 2 7 a 7 a
1 2
2.1. 2x 2 x 3 1 2 1
2
1 1
2 15.3. 81 x 92 x 9 x 9 x
4 2 2 2
1 1
4x2 2 2x 2 x2 6x 9 2
2 4 25 2 5 5 5
15.4. b 1 b 12 b b 1
1 1 72 64 8 8 8
4 x2 2x 2 x 2 12 x 18 6x2 14 x 2
4 4 4 4 16 2 4 4 4
15.5. 1 x 12 x 1 x 1 x
2 73 9 3 3 3
6x 14 x
4 100 2 a2 10
2
a
2
10 a 10 a
2 15.6. b b b b
2 1 2 2 1 1 81 25 9 5 9 5 9 5
2.2. 1 2x x 1 4x 4x x 2x
2 2 4 2
2
15.7. x 3 x2 3 x 3 x 3
1 3
1 4 x 4 x2 x2 x 3x 2 3x 2 2
4 4 2
15.8. 5 x 2 5x 2 5x 2 5x 2
2 2 2
2.3. x 1 3 x 2 x 3 x 2x 1 3 x 3x 2x 6
x2 2 x 1 3 x2 x 6 x2 2 x 1 3 x 2 3 x 18 pág. 65
2
Atividades de aplicação 6
2x 5 x 19
1 1 1
2.4. 1 x
2
1 x 1 x 1 2 x x2 1 x x x2 1.1. x x x2 →L
2 2 4
1 2 x x2 1 x2 2x2 2x 1.2. x2 1
2
x2
2
2 x2 1 x4 2 x2 1 →I
2
1 2 1 1 2 2 1
3.1. 3x x 2
9x 2 3x x 8x 3x 1 1 1 2
2 2 4 4 1.3. 3 x 3 x 9 x →S
2 2 4
2 2
3.2. 6x 1 2x 36 x 2 12 x 1 4 x 2 32 x 2 12 x 1
1.4. 3 x 3 x 9 x2 →B
1 1 1 2
pág. 62 1.5. x 2 x 2 x 4 →O
3 3 9
Atividade inicial 6
1.1. 2º passo: y2 1 1 1 2
1.6. x 1 x 1 x 1 →A
3º passo: x2 y2 2 2 4
2
4º passo: x y x y 1.7. 3 x 9 6x x2 →C
2 2 2
x x x x
pág. 63 1.8. 3 9 2 3 9 3x →A
2 2 4 4
5º passo: x2 y2 x y x y 2
1 1 1 2 x2
6º passo: x y x y = x2 xy yx y 2 = x2 y2 1.9. 3 x 9 2 3 x x 9 3x →P
2 2 4 4
7º passo:
x x x2
1. 322 282 32 28 32 28 4 × 60 = 240 1.10. 3 3 9 →I
4 4 16
2 2
2. 29 21 29 21 29 21 = 8 × 50 = 400
1.11. x x 3 x 2 3x →T
3. 9992 – 9982 = (999 – 998) (999 + 998) = 1 × 1997 = 1997
4. 20012 – 20002 = (2000 – 2001) (2000 + 2001) = 1 × 4001 x x x2
1.12. 1 1 1 →A
= 4001 2 2 4
5. 41 × 39 = (40 + 1) (40 – 1) = 402 – 12 = 1600 – 1 = 1599
6. 60,1 × 59,9 = (60 + 0,1) (60 – 0,1) = 602 – 0,12 1 1 1 2
1.13. x 1 x 1 x 1 →L
= 3600 – 0,01 = 3599,99 3 3 9
Por exemplo: Lisboa é a Capital de Portugal.

66
MATEMÁTICA 8

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 5

2
2.1. n2 n 1 n 1 n2 n2 1 n2 n2 1 = 1 81 2 9 9 9
2 2
17.9. x x4 x2 x2 x2 x x
2.2. 2998 – 2997 × 2999 = 2998 – (2998 – 1) × (2998 + 1) = 1 25 5 5 5
pela expressão anterior substituindo n por 2998.
2
3.1. 3x 1 3x 1 4x 1 9 x 2 1 16 x 2 8 x 1 Questão 18
2
25 x 2 8 x 18.1. x 2 4 x 4 x2 2 x 2 22 x 2
2 2
1 1 1 18.2. x 2 8 x 16 x2 2 x 4 42 x 4
3.2. x 2x 1 2x 1 x2 2 x 4 x2 1
2 2 4 18.3. 4 x 2 20 x 25 2x
2
2 2x 5 52 2x 5
2

3
5x2 x 18.4. 9x3 42x2 49x x 9x2 42x 49
4
2 2
x 3x 2 3x 7 72 x 3x 7
pág. 66
Atividade inicial 7 18.5. 2x3 16x2 32x 2x x2 8x 16 2x x2 2 x 4 42
1. Divisores de 30: 1 , 2 , 3 , 5 , 6 , 10 , 15 , 30 2
2x x 4
1 × 1 × 30 = 30 ; 1 × 2 × 15 = 30
1 × 3 × 10 = 30 ; 1 × 5 × 6 = 30
2 × 3 × 5 = 30 pág. 69
Pode formar cinco paralelepípedos, de dimensões Questão 19
2 2
1 , 1 , 30 ; 1, 2 , 15 ; 1, 3 , 10 ; 1, 5 , 6 e 2 , 3 , 5 (em cm). 19.1. x 2 25 x 2 52 x 2 5 x 2 5
2. Divisores de 80: 1, 2 , 4 , 5 , 8 , 10 , 16 , 20 , 40 , 80 x 7 x 3
80 = 2 × 40 = 4 × 20 = 5 × 16 = 8 × 10 2 2
19.2. 16 x 3 42 x 3 4 x 3 4 x 3
3. 2 x2 2x x 2x 2 2x x 1
4 x 3 4 x 3 7 x 1 x
pág. 67 2 2
Questão 16 19.3. 2x 1 x 5
16.1. 12a 3a 2 3a 4 a 2x 1 x 5 2x 1 x 5
16.2. 6b 4b3 2b 3 b2 2x 1 x 5 2x 1 x 5 x 4 3x 6
16.3. x 2
2x x x 2 3 x 4 x 2
2 2
16.4. 9 x 18x 9x 1 2x 2 1 2 2 1
19.4. 3x 1 x 2 3x 1 x 2
16.5. 6b3 8b2 2b2 3b 4 4 2
1 1
16.6. 8a 20a4 4a2 2 5a2 3x 1 x 2 3x 1 x 2
2 2
16.7. 10a 2 100a 10a a 10