Você está na página 1de 7

PRÍNCIPIOS TÉCNICOS

MÉTODO MABUNI: PRÓLOGO

Para entender este estilo de Karate (空手) e o método do seu criador Mabuni (摩 文 仁
贤), devemos lembrar, mesmo de passagem, o nascimento e desenvolvimento do karate
em OKINAWA (冲 縄).
O Karate como o conhecemos hoje, nasceu e desenvolveu-se na ilha de Okinawa em
segredo, com a necessidade do seu povo se proteger a eles e protegerem os seus bens,
especialmente em períodos da sua história de dominação estrangeira em que era
proibido o porte de arma. Os habitantes oriundos de Okinawa, conseguiram transformar
o corpo e utensílios diários em armas letais. Portanto, o Karate nasce, cresce e
desenvolve-se com o único propósito de ser eficaz contra a agressão de um atacante
com ou sem arma.
Três locais, Shuri (首 里) Naha (那霸) e Tomari, desempenharam um papel
fundamental no desenvolvimento desta arte marcial. Papel que se estendeu até hoje,
transmitindo cada uma dessas cidades o seu próprio estilo de Karate.
O Shuri-te é o mais antigo dos três, e praticado em segredo, por guerrreiros em Shuri,
sendo reorganizada pelo professor Sokon Matsumura, que detinha o título de Un-Yô
(certificado de alto grau de habilidade da escola do sabre, Jigen-ryu, que preconiza "um
único ataque decisivo"), projectado para o combate armado com a espada, a distância
para o adversário é considerável.
Este evoluiu na ilha de maneira própria, usando o Kempo chinês como um estimulante.
Essa idade dá a compreender a alguns especialistas, como sendo o verdadeiro e único
herdeiro do Thi (手).
O  Naha-te é o mais recente e conserva fortes caracteristicas do Kempo Chinês do Sul,
baseado no combate de curta distância. Não pode ser considerado como uma absoluta
reprodução do Kempo Chinês do Sul. Seguindo a sua própria evolução, desenvolveu um
estilo muito próprio e singular.
Do Tomari-te, pouco se sabe sobre suas origens, mas parece que as suas bases técnicas
foram passadas por um nativo chinês originário de Shantu e com nome Shan-nan e que
Matsumora Kosaku é reconhecido como o fundador da escola de Tomari-te.
Tomari-te possui características dos estilos Naha-te e Shuri-te contando com ataques
lineares e circulares.
Dado que Kenwa Mabuni estudou e práticou estes três estilos. O Shito-Ryu Karate-Do
tem raízes profundas em Okinawa, nutrido por essas três fontes.

Método Mabuni: Princípios


"O ponto de partida do Karate é o mesmo que o espírito de Muto-dori, mas ao invés de
permanecer lá, ele evoluiu para uma disciplina de arte marcial a mãos nuas usando o
corpo como uma arma, não apenas com a força de braços e pés, mas procurando
canalizar a energia do céu e da terra a fim de dotarmo-nos com a máxima eficiência. "
Do livro "O Caminho das mãos vazias – Iniciação e Karate-do" KENEI Mabuni

No Shitoryu Karate Do, são usadas uma variedade de formas de ataque e de defesa de
forma racional e eficaz, usando todas as partes do nosso corpo, adaptado às
necessidades do momento, não descartando em absoluto o uso de todos os meios e
objectos que estejam ao nosso alcance, que podem ser usados como arma de defesa, em
situações de extrema necessidade. Ou seja, no karate, as soluções são infinitas, não
estão vinculadas a fórmulas específicas, mas que “qualquer solução no Karate é boa se
as circunstâncias o exigirem."
No método Mabuni como em todas as escolas tradicionais de Karate, a aprendizagem
envolve uma série de técnicas básicas de dificuldade progressiva, chamada Kihon (基
本).
No nosso estilo é importante o uso de *posições naturais, com pouca diferença entre o
treino e a aplicação real.
Nos ataques são normalmente utilizadas posições altas, sendo mais baixas nas defesas,
mas nem sempre assim é.
A forma de um punho é comum a maioria das escolas, e o Hikite ** (引き 手) faz-se
levando o punho ao quadril.

* No karate não há uma posição de combate determinada (karate ni kamae nashi).


Devemos adoptar uma postura natural frente ao adversário. A verdadeira posição
de combate é a interior. Devemos ter a mente vazia e em alerta. A mente é como um
lago, se tiver ondas, estas impedem de ver o reflexo. Mas se o lago for calmo (fu do chi)
torna-se então um espelho que reflecte tudo ao seu redor. Devemos treinar a nossa
mente para torná-la imune a impressões externas.
** O princípio do Hikite é recolher a mão ao nível do quadril ao mesmo tempo que a
outra é projectada. Neste caso, o Hikite destina-se a encontrar o equilíbrio entre o direito
e o esquerdo, e assim estar plenamente consciente da importância de usar as duas mãos
e não apenas uma. Mas, uma vez adquirida a consciência deste princípio não é de todo
necessário levar o Hikite ao quadril.

 A localização do Hikite pode e deve variar no Kumite (combate), dependendo das


necessidades do mesmo. É melhor executado de uma forma natural, em vez de levá-lo
para o quadril, o que nos permite reagir a imprevistos de uma forma mais natural.
A força das técnicas e dos deslocamentos são canalizados através do abdómen ou hara
(腹) a partir do qual flúi a energia.

Deslocamento e defesa
Existem duas maneiras básicas de esquivar ao ataque do adversário (Tenshin-hô).

Kawashi, esquiva com deslocamento do corpo.

Sabaki, esquiva com os braços.

Na esquiva com a ajuda das mãos (Sabaki), as técnicas suaves são as impostas aos
ataques violentos. Sempre que possível devemos usar Sabaki.
Ao praticarmos Tenshin-hô seremos capazes de evitar o contacto com o inimigo,
permitindo-nos a defender mesmo contra o uso de armas.
Portanto, os deslocamentos formam um pilar fundamental na nossa formação, sendo que
o método Mabuni tem como base, o Ten po gozoku ou Tenpo gohon (os cinco
deslocamentos básicos) e o Tenshin hapo (deslocamentos nas oito direcções).

Tenshin hapo
• Hapo Tenshin -Ho (Hapo oito linhas).

• Embu-Hapo, ensina o princípio de Hapo Tenshin -ho

• Tenshin Hapo, ensina como aplicar este princípio.

• I do, as técnicas que lhe permitem mover.

Tenpo gohon
1.De Ashi - passo natural para a frente ou lateralmente

2.Hiki Ashi - passo natural para trás

3.Yori Ashi - deslocamento a frente e atrás com os pés em simultâneo

4.Mawari Ashi - circular

5.Tobi Ashi - em salto

Se não for possível usar Sabaki, deve-se colocar em prática o princípio de que a melhor
defesa é o ataque. "Karate wa Karada no kawashite no sabaki." A defesa deve ser tal,
que a sua força e eficácia devem ser suficientes para dissuadir o adversário de fazer uma
segunda tentativa.
Tendo em conta este princípio, o método Mabuni tem como estudo defender-se contra
um ataque, através de cinco conceitos diferentes (Uke no gogenri).

UKE NO GOGENRI

1.RAKKA "Como uma flor que cai”

Significa que esta defesa se executa com tal força que, se executado contra o tronco de
uma árvore, as folhas cairiam dos seus ramos. As técnicas Rakka executam-se com tal
efectividade e decisão que não se limita a blocar o ataque do adversário. Conceito de
blocagem dura aplicada com grande poder. Defesa vigorosa com a máxima força
aplicada repentinamente e com torção do corpo de modo a parar o ataque do adversário
e diminuir a sua confiança.

2.RYU-SUI "o fluir da água " .

Este principio estabelece que se deve fluir com o ataque do inimigo respondendo com
movimentos fluidos, sem rigidez, desviando o ataque aproveitando a força do
adversário. Conceito de blocagem em que se absorve o ataque do oponente
redireccionando-o, utilizando para isso movimentos circulares e fluidos. Conceito de
defender suavemente ou absorver o ataque com movimento fluído.

3.KUSHIN " flexão e extensão" .

Este principio trata da maneira de controlar um ataque num movimento de flexão-


extensão. Conceito em que se joga com a distância, mudando de uma posição para a
outra, retornando imediatamente á primeira. (ex: moto dachi-neko ashi dachi- moto
dachi). Imediata mudança de posição com abaixamento do centro de gravidade.

4.TEN`I "Abrir o corpo".

Conceito de Taisabaki, esquiva completa ao ataque do oponente, evitando-o. Desvio do


corpo para fora da linha de ataque.

5.HANGEKI "Contra-ataque”.

Este princípio é a consequência lógica dos anteriores. Quando o oponente nos ataca,
executando um bloco e ataque simultâneo. Conceito de “go no sen”, utilizando uma
acção atacante como se fosse uma contra defesa.

É importante saber que estes movimentos defensivos nos servem apenas como base de
estudo e não deve necessariamente ser feito de forma independente, mas sim em
combinação entre si e de forma encadeada.

MÉTODO MABUNI II
Shito-Ryu Karate do não utiliza apenas as formas clássicas de ataque e defesa, mas dá
também grande importância ao trabalho de controlo do adversário e do estudo de
técnicas de varrimento, projecção, luxação, imobilização e estrangulamento.

"Na rua não há regras e nada é proibido e o karateca deve estar preparado para qualquer
contingência."

• Gyaku waza; Controle do adversário

• Nage waza; Técnicas de varrimento e projecção.

• Kansetsu waza; Técnicas de luxação.

• Katame waza; Técnicas de imobilização

• Shime waza; Técnicas estrangulamento.

O treino técnico do *Kihon, realiza-se em todas as escolas de karate. Pratica-se também


com  regularidade duas formas básicas de ataque com a faca da mão (Shuto uchi Nihon)
e cinco formas de ataques de cotovelo (Hiji Ate Gohon).
As técnicas de pernas realizam-se a nível Chudan e Gedan, e para efeitos práticos é o
desejável. E assim ficou demonstrado pelos mestres nos katas antigos.
Mas, na prática, o trabalho de pernas é feito em todos os níveis e em todos os sentidos
conhecidos para adquirir destreza, habilidade e equilíbrio.
O mestre Mabuni criou 7 exercícios específicos para melhorar os pontapés, evoluindo
para a forma actual, Geri Hapo (8 técnicas de pontapé).

* KIHON 基本 técnica base


Aprender Karate baseia-se em três pilares: kihon, kata e kumite.

As técnicas de kihon e kata funcionam em conjunto, de modo que com a repetição


constante e intenso movimento torna-se parte instintiva do nosso ser. O treino mais
longo e profundo e uma constante repetição de movimentos permitem-nos concentrar
toda a nossa energia na execução das técnicas.
A prática dos movimentos básicos de kihon permite-nos obter o domínio, a
naturalidade, a estabilidade e potência, e por conseguinte o aperfeiçoamento técnico
para a execução do kata e consequentemente melhorar no kumite.
Portanto, pode-se dizer que o domínio do Karate-do começa com o trabalho de Kihon.

KATA E KUMITE.
O Kata: Essência e os princípios gerais.

Um kata pode ser definido como uma série de técnicas defensivas e ofensivas ordenadas
sistematicamente, que se executam numa ou mais sequências contra adversários
imaginários. Constituem unidades de combinações de técnicas que seguem um modelo,
com uma intenção determinada.
Do ponto de vista da técnica, nos kata são armazenados uma vasta gama de recursos
disponíveis para o karate. Eles são os meios e formas de usar o nosso corpo como uma
arma. A profunda e intensa prática do kata faz-nos conhecer as suas opções e torna mais
fácil o seu aperfeiçoamento.

"O praticante não se deve fechar em determinados katas. Devem estar dispostos a
conhecer todas as possibilidades e variantes, porque à luz do kata novo, os antigos
assumem uma nova realidade. É bom conhecer diferentes escolas e tradições, a fim de
ter uma visão adequada e correcta do todo. Se não conheces outras escolas nunca
saberás os vícios ou virtudes da tua própria escola. "
Do livro "Karate do nyu mon" KEN WA MABUNI.

"O Karate é algo que se aprende com o corpo e não com palavras."

"Os segredos desta arte marcial estão escritos no kata."

Do livro "O Caminho das mãos vazias - iniciando e karate-do" KEN EI Mabuni.

Shito-Ryu Karate do estuda 57 Kata transmitidos na actualidade pelo nosso Soke


Mabuni Kenei. Principalmente a partir dos três fluxos de Ryu kyu, um pouco influência
da China e aqueles criados pelo seu próprio pai Kenwa Mabuni.
No estudo das Katas, o "Método Mabuni", insiste no trabalho destes, de modo rigoroso
e correcto na sua forma mais pura e original. Respeitando o Enbusen e técnicas do kata
como elas foram originalmente criadas. Aprofundar a análise do Bunkai, Bunkai
Kumite e Oyo Bunkai e prestando a máxima atenção para o Ura Waza do oponente ao
nosso Omote Waza.

• Enbusen - Diagrama da kata

• Bunkai - Explicação oficial da sequência de kata.


• Bunkai kumite - Aplicação Oficial da sequência da kata.

• Oyo bunkai - Outras aplicações

• Omote waza - Parte visível -. acção ou forma original de Kata.

• Ura waza - Parte oculta

Embora o estilo estude mais de 50 katas, estes devem ser estudados progressivamente
ao longo de muito tempo e dedicação.O aluno deve, uma vez alcançado um nível mais
elevado, aprofundar a compreensão de um kata individualmente, a sua Tokui kata e os
demais que deverão servir para enriquecer a compreensão do mesmo.
Mas, para compreender correctamente os katas é necessário praticar kumite.
Kata e kumite estão intimamente ligados, e não basta apenas repetir indefinidamente a
kata. Para chegar a compreender plenamente, devemos desenvolver a prática do kumite.
A nossa escola assim o entende, e treina com o mesmo interesse e dedicação tanto um
como o outro, investigando todas as possibilidades desta arte marcial através do kumite
e dos seus katas e praticar cada exercício até ao mínimo detalhe, com a mentalidade de
uma arte marcial e não como um exercício de ginástica.

Considerações para o Kumite.

Não nos cansaremos de repetir que o karate é uma arte marcial criada para defender a
agressão de um ou vários adversários, e deve ser realizada sem esquecer a existência do
adversário ou adversários que procuram a oportunidade de atacar de todos os ângulos e
com todos os tipos de técnicas e até mesmo com armas. É uma luta de vida ou morte, e
não um torneio.
A preparação para esta situação, como mencionado acima não pode ser alcançado com a
prática isolada das Katas. Tornando-se necessário praticar o Kumite para aprimorar os
reflexos e sentido de combate, desenvolver a capacidade de adivinhar as intenções do
adversário ou adversários e encontrar o ma-ai (espaço e tempo) adequado que pode
servir em situações de luta real.
A prática do kumite com um ou mais parceiros, é essencial no treino do Shito-ryu
karate-do e realiza-se como sendo um combate real. Isso é feito sem intenção de ferir ou
magoar o parceiro. Como o kumite é um acto de relacionamento mútuo de
aprendizagem, respeito mútuo, o que revela e desenvolve o Do (karate-do).

"Derrotando o inimigo interno venceremos o inimigo externo ".

O sistema de treino do kumite no método Mabuni, realiza-se de duas maneiras.

O Yakusoku kumite, realiza-se usando técnicas previamente estabelecidas entre os


adversários (kumite artificial ou morto) e o Sinken kumite, também chamado de Jiyu
kumite em que as técnicas são livres, apenas limitadado pela força de ambos.

O Yakusoku kumite divide-se em duas:

1.Tanshiki Kumite, onde um dos oponentes ataca com uma, duas ou mais técnicas pré-
estabelecidas e outro defende e contra-ataca. (Ippon kumite, nihon kumite, sanbon
kumite, etc.)
2. Fukushiki kumite, onde os oponentes se atacam e defendem em seqüências
previamente estabelecidas, constituindo-se um kumite kata.

No método Mabuni também treina-mos o Yakosoku kumite e Oyo bunkai das cinco
Pinans

EPÍLOGO
Karate é uma herança antiga, cheio de conhecimento e sabedoria, criado por nossos
antepassados, passando por muitas privações e dificuldades ao longo da sua história,
sobrevivendo ao longo do tempo, mantendo a sua essência e espírito intactos até aos
nossos dias. Os métodos formais de treino dos grandes mestres do passado, devem ser
observados e praticados com respeito, porque o karate foi criado como uma arte marcial
de vida ou morte, impregnado de espírito na busca da melhoria individual através do
respeito mútuo, e não como um desporto cujo objectivo principal é derrotar um
oponente em pontos ou como um conjunto de exercícios de ginástica.

"A verdadeira arte do karate é essencialmente não bater, não provocar para não ser
atacado"
Mestre Konishi

Devemos seguir caminho do karate tal como os nossos Mestres nos mostraram

Você também pode gostar