Você está na página 1de 507

Guerra nas Estrelas: Darth Plagueis é uma obra de ficção.

Nomes,
lugares e incidentes são produtos da imaginação do autor ou são
usados com ficção.
Copyright © 2012 pela Lucas fi lm Ltd. & ® ou ™, onde indicado.
Todos os direitos reservados. Usado sob autorização.
Trecho de Star Wars: Shadow Games, de Michael Reaves e Maya Kaathryn Bohnho,
copyright © 2011 por Lucas fi lm Ltd. & ® ou ™, onde indicado.
Todos os direitos reservados. Usado sob autorização.
Publicado nos Estados Unidos por Del Rey,
uma impressão do The Random House Publishing Group,
uma divisão da Random House, Inc., Nova York.

DEL REY é uma marca registrada e Del Rey colophon é


uma marca comercial da Random House, Inc.
eISBN: 978-0-345-53255-8
www.starwars.com
www.delreybooks.com

Capa: Torstein Nordstrand

v3.1

Para Howard Roman, cuja inteligência, perspicácia crítica,


e direção firme ajudou a moldar essa história
Conteúdo

Cobrir
Folha de rosto
direito autoral
Dedicação

Prólogo

Parte Um: Alistamento - 67–65 anos antes da batalha de


Yavin

1: O submundo
2: A Paisagem Interior
3: Woebegone
4: O Significado da Morte
5: regresso a casa
6: Lua dos Caçadores
7: Lá onde eles costumavam ficar
8: Vítimas de seu próprio dispositivo
9: Reservas inexploradas
10: O ciclo da violência
11: Avatar da Mortalidade
12: Seduzido pelo lado negro da força

Parte Dois: Aprendiz do Poder - 54–52 ABY


13: Cavaleiros na Tempestade
14: A Forma da Sua Sombra
15: Ser Quântico
16: Negrito como o amor
17: Dias de vinho e impropriedade
18: Dodge Artful

20: O Círculo Cantado


21: Investidura

Parte Três: Maestria - 34–32 ABY


22: Seres comuns
23: Sob o sol da meia-noite
24: Sith'ari
25: O charme discreto da meritocracia
26: Sua natureza mais básica
27: Calibrações
28: Cadeia de comando
29: A Força Contra-Ataca
30: Tirando o futuro do agora epílogo
Sobre o autor
Também por este autor
Introdução às Star Wars Expanded Universe Trecho de Star
Wars: Darth Bane: Path of Destruction Introdução à República
Velha Era
Trecho de Guerra nas Estrelas: A Velha República:
Introdução Enganada à Era da Ascensão do Império
Trecho de Star Wars: Dark Lord: The Rise of Darth Vader
Introdução à era da rebelião
Trecho de Guerra nas Estrelas: Estrela da Morte
Introdução à Era da Nova República
Trecho de Guerra nas Estrelas: Herdeiro do Império
Introdução à Era da Nova Ordem Jedi
Trecho de Star Wars: New Jedi Order: Vector Prime
Introdução à Era do Legado
Trecho de Guerra nas Estrelas: Legado da Força: Traição
Trecho de Guerra nas Estrelas: Destino dos Jedi: Pária
Linha do tempo de Star Wars Novels
Há muito tempo atrás em uma galáxia muito, muito longe….
PRÓLOGO

Um tremor tomou conta do planeta.


Nascida da morte, ela se soltou em uma onda poderosa, ao
mesmo tempo penetrando profundamente no núcleo do mundo e
irradiando através de sua atmosfera sacarina para sacudir as
próprias estrelas. No epicentro do terremoto, estava Sidious, uma
mão elegante visada no peitoril polido de uma translucidez
expansiva, um navio cheio de repente a rebentar, a Força tão forte
dentro dele que ele temia que ele desaparecesse para nunca mais
voltar. Mas o momento não constituía um fim, mas um começo
verdadeiro, muito atrasado; foi menos uma transformação do que
uma intensificação - uma mudança gravítica.
Uma multidão de vozes, próximas e distantes, presentes e de eras
passadas, afogou seus pensamentos. Elogiadas, as vozes
proclamaram seu reinado e aplaudiram a inauguração de uma nova
ordem. Olhos amarelos ergueram-se para o céu noturno, ele viu as
estrelas trêmulas serem e, no fundo de seu ser, sentiu o poder do
lado sombrio ungir-lhe.
Lentamente, quase com relutância, ele voltou a si mesmo, com o
olhar fixo nas mãos bem cuidadas. Voltando ao presente, ele notou
sua respiração rápida, enquanto atrás dele a sala trabalhava para
restaurar a ordem. Os lavadores de ar zumbiam - tapeçarias caras ,
ondulando na brisa convocada. Tapetes premiados selaram suas
fibras contra a propagação de líquidos derramados. O dróide se
contraiu em óbvio conflito. Sidious girou para ver a confusão:
móveis antigos tombados; arte emoldurada torta. Como se um
turbilhão tivesse varrido. E de bruços no chão havia uma estátua de
Yanjon, um dos quatro -Lei Oferecer sábios da Dwartii.
Uma peça que Sidious secretamente cobiçava.

Também esparramado ali, Plagueis: seus membros delgados


abertos e a cabeça alongada virada para o lado. Vestida com estilo,
como por uma noite na cidade.
E agora morto.
Ou ele estava?
A incerteza percorreu Sidious, a raiva retornando aos seus olhos.
Um tremor de sua própria autoria, ou um de advertência?
Seria possível que o astuto Muun o tivesse enganado? Será que
Plagueis havia desbloqueado a chave da imortalidade e sobrevivera
afinal? Não importa que isso constituiria uma ação mesquinha para
alguém tão sábio - para alguém que professava colocar o Grande
Plano acima de tudo. Tinha Plagueis tornar-se enredados em uma
auto-girou web do ciúme e da possessividade, vítima de sua própria
engenharia, suas próprias fraquezas?
Se ele não estivesse preocupado com sua própria segurança,
Sidious poderia ter pena dele.
Desconfiado de se aproximar do cadáver de seu ex-mestre, ele
pediu à Força para rolar o velho Muun de costas. Desse ângulo,
Plagueis parecia quase como quando Sidious o conheceu, décadas
antes: crânio liso e sem pêlos; nariz curvado, com a ponte abaixada
como se fosse um golpe de bola de choque e a ponta afiada
pressionada quase no lábio superior; mandíbula saliente; olhos
fundos ainda repletos de ameaça - uma característica física
raramente encontrada em um Muun. Mas então Plagueis nunca fora
um Muun comum, nem um ser comum de qualquer espécie.

Sidious tomou cuidado, ainda alcançando a Força. Em uma


inspeção mais detalhada, ele viu que a carne já cianótica de
Plagueis estava se suavizando, suas feições relaxando.
Fracamente ciente do zumbido dos lavadores de ar e dos sons do
mundo exterior ao filtrar a suíte luxuosa, ele continuou a vigília;
então, aliviado, ele se levantou a toda a altura e soltou o ar. Este não
era um truque de Sith. Não é um exemplo de fingir a morte, mas um
de sucumbir ao seu abraço frio. O ser que o guiou ao poder se foi.
Diversão irônica estreitou os olhos.

O Muun poderia ter vivido outros cem anos inalterado. Ele poderia
ter vivido para sempre se tivesse conseguido plenamente sua
busca. Mas no final - embora ele pudesse salvar outros da
morte - ele não conseguiu se salvar.
Uma sensação de realização suprema ergueu o peito de Sidious, e
seus pensamentos se desenrolaram.
Bem, então, isso não foi tão ruim quanto pensávamos ...
Raramente os eventos aconteciam como se imaginava, em
qualquer caso. A ordem dos eventos futuros foi transitória. Do
mesmo modo que o passado foi reconfigurado pela memória
seletiva, eventos futuros também foram alvos em movimento. Só se
podia agir por instinto, agarrar-se a um momento perfeito intuído e
entrar em ação. Uma batida do coração atrasada e o universo teria
se recomposto, nenhuma imposição de vontade será suficiente para
impedir as correntes. Só se podia observar e reagir. Surpresa foi o
elemento ausente de qualquer tabela periódica. Um elemento
fundamental; um ingrediente que falta. Os meios pelos quais a Força
se divertiu. Um lembrete para todos os seres sencientes de que
alguns segredos nunca poderiam ser descobertos.
Confiante de que a vontade do lado escuro havia sido feita, ele
voltou à parede da janela da suíte.
Dois seres em uma galáxia de incontáveis trilhões, mas o que
havia acontecido na suíte afetaria a vida de todos eles. A galáxia já
havia sido moldada pelo nascimento de uma e, a partir de então,
seria remodelada pela morte da outra. Mas a mudança foi sentida e
reconhecida em outro lugar? Seus inimigos jurados estavam cientes
de que a Força havia mudado irrevogavelmente? Seria o suficiente
para despertá-los da justiça própria? Ele esperava que não. Por
enquanto, o trabalho de vingança poderia começar a sério.

Seus olhos procuraram e encontraram uma constelação


ascendente de estrelas, uma de poder e conseqüência nova para o
céu, embora logo fosse dominada pela primeira luz do amanhecer.
Baixo no céu sobre as planícies, visível apenas para aqueles que
sabiam onde e como olhar, ele inaugurou um futuro arrojado. Para
algumas estrelas

e os planetas podem parecer estar se movendo como sempre,


destinados a se alinhar nas configurações calculadas muito antes
de seus primeiros nascimentos. Mas, de fato, os céus foram
perturbados, arrastados pela matéria escura para novos
alinhamentos. Na boca, Sidious provou o cheiro de sangue; no peito,
ele sentiu o monstro subir, emergindo das profundezas sombrias e
contorcendo seu aspecto para algo assustador, a não ser que se
revelasse ao mundo.
O lado sombrio tinha feito dele sua propriedade, e agora ele fazia
o lado sombrio.
Sem fôlego, não pelo esforço, mas pela súbita inspiração do
poder, ele soltou o peitoril e permitiu que o monstro se contorcesse
através de seu corpo como uma fera ininterrupta de alcance ou
pradaria.
A Força já foi tão forte em alguém?
Sidious nunca havia aprendido como o próprio mestre de Plagueis
havia atingido seu fim. Ele morreu nas mãos de Plagueis? Será que
Plagueis também experimentara uma exultação semelhante ao se
tornar um único Lorde Sith? Será que a fera do fim dos tempos se
levantara para espiar o mundo em que deveria habitar, sabendo que
sua libertação era iminente?
Ele levantou o olhar para a eclíptica. As respostas estavam lá fora,
codificadas em luz, acelerando no espaço e no tempo. Com fogo
líquido percorrendo seu corpo, visões de passado e futuro surgindo
em sua mente, ele se abriu para a galáxia reconfigurada, como se
tentasse afastar as décadas ...
1: O SUBMUNDO

Quarenta e sete anos - padrão antes do reinado angustiante do


imperador Palpatine, Bal'demnic nada mais era do que um mundo
embrionário no setor de Auril da Orla Exterior, povoado por
reptilianos que expressavam tão pouca tolerância pelos estrangeiros
quanto por outros. Décadas depois, o planeta teria um papel a
desempenhar nos eventos galácticos, sua própria piscada de
notoriedade histórica, mas naqueles anos formativos que
pressagiavam o deslizamento inelutável da República em
decadência e turbulência, Bal'demnic era de interesse apenas de
xenobiólogos e cartógrafos. Poderia até ter escapado ao
conhecimento de Darth Plagueis, para quem os mundos remotos
tinham um fascínio especial, caso seu Mestre Tenebrous não
descobrisse algo especial sobre o planeta.

"Darth Bane apreciaria nossos esforços", dizia o Mestre Sith a seu


aprendiz, enquanto eles ficavam lado a lado na caverna cristalina
que os atraíra através das estrelas.
A Bith, Tenebrous era tão alto quanto Plagueis e quase tão
cadávermente magro. Para os olhos humanos, sua tez biliosa
poderia fazê-lo parecer tão abatido quanto o pálido Muun, mas na
verdade os dois seres estavam com uma saúde robusta. Embora
eles conversassem no Basic, cada um era fluente na língua nativa do
outro.

"Os primeiros anos de Darth Bane", disse Plagueis através de sua


máscara de transpiração. "Continuando com os negócios ancestrais,
por assim dizer."

Por trás do painel de sua própria máscara, os lábios enrugados de


Tenebrous se contraíram em desaprovação. O aparelho respiratório
parecia absurdamente pequeno em sua enorme cabeça fendida, e o
a convexidade da máscara fazia com que os discos planos de seus
olhos sem tampa parecessem buracos estreitos em seu rosto
comprimido.
"Os anos seminais de Bane", ele corrigiu.
Plagueis resistiu à repreensão gentil. Ele fora aprendiz de
Tenebrous por tantos anos quanto um humano comum poderia
viver, e mesmo assim Tenebrous nunca falhava em encontrar falhas
quando podia.

“Que maneira mais apropriada de fechar o círculo do que imitando


os esforços seminais dos Sith'ari”, continuou Tenebrous. "Nós nos
tecemos na trama da tapeçaria que ele criou."

Plagueis manteve seus pensamentos para si mesmo. O


apropriadamente chamado Darth Bane, que redefiniu os Sith
limitando seu número e operando com ocultação, explorou a cortose
quando jovem em Apatros muito antes de abraçar os princípios do
lado sombrio. Nos mil anos desde sua morte, Bane tornou-se de fi
nido; os poderes atribuídos a ele, lendários. E, de fato, que lugar
mais apropriado para seus discípulos completarem o círculo,
Plagueis disse a si mesmo, do que em profunda obscuridade, nas
profundezas de uma escarpa que cercava uma extensão azul do
Mar do Norte de Bal'demnic.

Os dois Sith estavam vestidos em trajes ambientais que os


protegiam do calor abrasador e da atmosfera nociva. A caverna
estava atravessada por dezenas de cristais enormes, que se
assemelhavam a lanças brilhantes, lançadas por todos os lados em
um baú por um mágico de palco. Um evento sísmico recente havia
derrubado a massa de terra, esvaziando o sistema labiríntico de
cavernas de águas ricas em minerais , mas a câmara de magma que
mantinha as águas fervendo por milhões de anos ainda aquecia o ar
úmido a temperaturas acima do que Tenebrous e Plagueis podiam
suportar sem ajuda. De perto, havia um treddroid atarracado
encarregado de monitorar o progresso de uma sonda de mineração
que estava amostrando uma rica veia de minério de cortose no
fundo de um poço profundo. Um minério de fábula, alguns o
chamavam - devido à sua escassez, mas ainda mais pela sua
capacidade intrínseca de diminuir a eficácia da

o sabre de luz Jedi. Por esse motivo, a Ordem Jedi fez um grande
esforço para restringir a mineração e o refinamento do minério. Se
não fosse a desgraça da existência da Ordem, a cortose era uma
espécie de irritante, um desafio à reputação de suas armas de
invencibilidade temível.
Foi para o crédito de Tenebrous que os Sith souberam dos ricos
filos de Bal'demnic antes dos Jedi, que por meio de um acordo com
o Senado da República reivindicaram todas as descobertas, como
fizeram com os cristais Adegan e os filhotes sensíveis à Força de
todos os espécies. Mas Tenebrous e as gerações de Sith Masters
que o haviam precedido estavam a par de dados secretos recolhidos
por vastas redes de informantes que o Senado e os Jedi não sabiam
nada, incluindo equipes de pesquisa em mineração e fabricantes de
armas.
"Com base nos dados que estou recebendo", entoou o treddroid,
"oitenta e dois por cento do minério é capaz de ser purificado em um
escudo de cortose no nível de armas ".
Plagueis olhou para Tenebrous, que retribuiu um aceno de
satisfação. "A porcentagem é consistente com o que me disseram
para esperar."
"Por quem, mestre?"
"Sem importância", disse Tenebrous.
Espalhados pelo túnel superaquecido, havia brocas quebradas,
gaseificadores gastos e máscaras de filtragem entupidas, todas
abandonadas pela equipe exploratória que afundara o poço vários
meses antes. Da boca larga do eixo saíram os relatórios repetidos
dos macacos hidráulicos do dróide da sonda. Música para os
órgãos auditivos de Tenebrous, Plagueis tinha certeza.
"Você não pode compartilhar seus planos para esta descoberta?"
"No devido tempo, Darth Plagueis." Tenebrous se afastou dele
para abordar o tredroid. "Instrua a sonda a avaliar as propriedades
do filamento secundário."
Plagueis estudou a tela fixada na cabeça plana do dróide. Ele
exibia um mapa dos movimentos da sonda e um gráfico

análise de suas varreduras penetrantes, que atingiram claramente


os limites superiores da câmara de magma.
"A sonda está executando uma análise", atualizou o treddroid. Com
os sons alternativos dos macacos hidráulicos da sonda ecoando na
caverna de cristal, Tenebrous começou a circular o eixo, apenas para
parar repentinamente quando a perfuração
cessou.
"Por que parou?" ele perguntou antes que Plagueis pudesse. A
resposta do dróide foi imediata. “A unidade Em-Two informa
eu que ele descobriu um bolso de gás diretamente abaixo do novo
poço. " O dróide fez uma pausa e acrescentou: “Lamento informar,
senhores, que o gás é uma variante altamente combustível de
letano. A unidade Em-Two prevê que o calor gerado por seus
macacos hidráulicos acenderá uma explosão de magnitude
significativa. ”
A suspeita apareceu na voz de Tenebrous. "O relatório original não
mencionou o letano".
O dróide girou para encará-lo. Não sei nada disso, senhor. Mas a
unidade Em-Two é bastante insistente. Além disso, minha própria
programação corrobora o fato de que não é incomum encontrar
bolsões de letano nas proximidades do minério de cortose. ”
"Pergunte à sonda sobre escavações no bolso do letano", disse
Plagueis.
“A unidade Em-Two recomenda empregar essa mesma estratégia,
senhor. Devo ordenar que continue?
Plagueis olhou para Tenebrous, que assentiu.
"Encarregue a sonda de prosseguir", disse Plagueis. Quando as
marteladas recomeçaram, ele fixou o olhar na tela do monitor para
monitorar o progresso da sonda. "Diga à sonda para parar", disse ele
depois de apenas um momento.
"Por que você está interferindo?" Tenebrous disse, avançando.

Plagueis apontou para a tela. "O mapa indica uma concentração


mais massiva de letano na área onde está perfurando."

"Você está correto, senhor", disse o dróide no que equivalia a


consternação. "Vou pedir à unidade que interrompa todas as
atividades."
E, no entanto, as marteladas continuaram.
- Droid - retrucou Plagueis -, a sonda reconheceu seu pedido?
"Não senhor. O Em-Two não está respondendo.
Tenebroso stiened, evitando por pouco bater com a cabeça em
um dos cristais maciços da caverna. "Ainda está dentro do alcance?"
"Sim senhor."
"Em seguida, execute um diagnóstico de comunicação."
Tenho, senhor, e todos os sistemas são nominais. A incapacidade
da unidade de responder ... Ele ficou em silêncio e recomeçou. "A
recusa da unidade em responder parece ser deliberada."
"Desative", disse Tenebrous. "De uma vez só."
As marteladas diminuíram e finalmente cessaram, mas não por
muito tempo.

"A unidade Em-Two substituiu meu comando."


"Impossível", disse Tenebrous.
“Claramente não, senhor. De fato, é altamente provável que a
unidade esteja executando uma sub - rotina profunda que escapou
ao aviso prévio. ”
Plagueis olhou para Tenebrous. "Quem comprou a sonda?" “Não é
hora de perguntas. A sonda está prestes a
quebrar o bolso. "
Apressando-se na borda do eixo circular, os dois Sith tiraram as
luvas e apontaram as mãos desprotegidas de dedos longos para a
escuridão escura. Instantaneamente emaranhados de energia
elétrica azul descarregavam de suas pontas dos dedos, chovendo
no poço. Golpeando e arranhando o fundo, os raios vigorosos
ecoaram no corredor lateral que a sonda havia escavado. Sons
crepitantes saíram da abertura muito tempo depois que os Sith
haviam aproveitado seus poderes.

Então os ataques repetitivos da britadeira começaram mais uma


vez.

"É o minério", disse Tenebrous. "Há muita resistência aqui."

Plagueis sabia o que precisava ser feito. "Eu vou descer", disse
ele, e estava prestes a pular no poço quando Tenebrous o conteve.
Isso pode esperar. Estamos voltando para a gruta. Plagueis
hesitou, depois assentiu. "Como você diz, mestre." Tenebroso
girou para o dróide. “Continue suas tentativas de
desativar a unidade. ”
“Eu irei, senhor. Para fazer isso, no entanto, precisarei permanecer
aqui. ” "E daí?" Tenebrous disse, inclinando a cabeça para um lado.
“Se eu falhar nos meus esforços, a explosão resultante será
certamente resultará em minha destruição. ”
Plagueis entendeu. "Você tem sido útil, dróide."
"Obrigado, senhor."
Tenebroso fez uma careta. "Você gasta seu fôlego."
Quase derrubado pela rapidez da partida de Tenebrous, Plagueis
teve que chamar profundamente a Força apenas para acompanhar.
Retrocedendo o caminho inclinado que haviam tomado da gruta em
que sua nave estelar esperava, eles voaram bastante pelo túnel
cravejado de cristais pelos quais haviam atravessado antes.
Plagueis entendeu que uma poderosa explosão talvez fosse
iminente, mas ficou confusa com a corrida quase louca de seu
Mestre pela superfície. No passado, Tenebrous raramente
apresentava sinais de desconforto, muito menos medo; então que
perigo ele sentiu que o impulsionou com tanto abandono? E quando,
no passado, eles fugiram de algum tipo de perigo? Salvaguardados
pelos poderes do lado sombrio, os Sith mal podiam temer a morte
quando eram aliados a ela. Plagueis se espreguiçou com seus
sentimentos na tentativa de identificar a fonte do pavor de
Tenebrous, mas a Força ficou em silêncio.

Dez metros à frente dele, o Bith havia se escondido sob um


afloramento escabroso. A pressa, no entanto, trouxe-o de pé muito
rapidamente e seu ombro esquerdo olhou para a rocha áspera,
deixando uma parte do seu traje desfiado.

"Mestre, permita-me liderar", disse Plagueis quando chegou a


Tenebrous. Ele era apenas um pouco mais ágil que o Bith, mas tinha
melhor visão noturna e um senso de direção mais aguçado, além do
que a Força transmitia.
Seu orgulho feria mais que seu ombro, Tenebrous acenou com a
oferta. "Esteja atento ao seu lugar." Recuperando o equilíbrio e a
compostura, ele se afastou. Mas em uma bifurcação no túnel, ele
tomou a curva errada.
- Por aqui, mestre - gritou Plagueis do outro corredor, mas ele
parou para renunciar à liderança.
Mais perto da superfície, os túneis se abriam em cavernas do
tamanho de catedrais, suavizadas e escavadas pela água da chuva
que ainda subia em certas estações do longo ano de Bal'demnic.
Nas poças de água parada lançavam várias espécies de peixes
cegos. No alto, morcegos-falcão voavam em pânico de seus lugares
no teto pontilhado. A luz natural à distância levou os dois Sith a
correr pela gruta; mas, mesmo assim, chegaram um momento
atrasados.
A explosão de gás os alcançou exatamente quando eles estavam
entrando na cavidade cheia de luz no topo da escarpa. Do fundo do
túnel ressoava um lamento eletrônico estridente e, ao mesmo
tempo, quase como se o sistema da caverna estivesse ofegante, um
vento abrasador soprava de uma perfuração no teto arqueado da
gruta por onde o navio havia entrado. Seguiu -se uma detonação
silenciosa, mas aterradora ; depois uma bola de fogo agitada que
era a expiração abrasadora do labirinto. Rodopiando para o túnel
que acabavam de sair e conseguindo permanecer de alguma forma
em pé, Tenebrous conjurou um escudo da Força com os braços
agitados que encontravam a bola de fogo e a continham, milhares
de morcegos flamejantes em espiral dentro do tumulto como brasas
sopradas pelo vento.
A poucos metros Plagueis, atirou rosto- primeiro para o chão pela
intensidade da explosão vaporização, levantou a cabeça a tempo de
ver o lado de baixo do teto abobadado começam a lançar enormes
lajes de pedra. Diretamente abaixo das lajes declinavam a nave
estelar.

"Mestre!" ele disse, levantando-se com os braços levantados na


tentativa de segurar as pedras no ar.
Seus próprios braços ainda levantados em uma postura de
convocação da Força , Tenebrous girou para reforçar a intenção de
Plagueis. Atrás dele, as labaredas finais do fogo subiam da boca do
túnel para lamber suas costas e levá-lo mais fundo na gruta.
A caverna continuou em espasmos, enviando ondas de choque
através do teto enlouquecido. Rachaduras se espalham como uma
teia a partir do óculo, provocando colapsos por toda a gruta.
Plagueis ouviu um som rasgante no alto e observou um ruído em
ziguezague atravessar o teto, descamando camada após camada de
pedra enquanto seguia a parede curva da gruta.
Agora, porém, era Tenebrous quem estava posicionado sob o
outono.
E naquele instante Plagueis percebeu o perigo que Tenebrous
havia previsto antes: sua morte.
Sua morte nas mãos de Plagueis.
Enquanto Tenebrous estava preocupado segurando no alto as
lajes que ameaçavam esmagar o navio, Plagueis rapidamente se
reorientou, apontando as mãos levantadas para as lajes em queda
acima de seu Mestre e, com um movimento descendente de ambos
os braços, as derrubou tão rapidamente e com tanto momento em
que Tenebrous foi enterrado quase antes de entender o que o havia
atingido.
Pó de pedra esvoaçando ao redor dele, Plagueis ficou enraizado
no lugar enquanto lajes enterravam a nave também. Mas ele não
pensou nisso. Seu sucesso em derrubar o teto de Tenebrous era
prova suficiente de que o Bith se tornara lento e descartável. Caso
contrário, ele teria adivinhado a verdadeira fonte do perigo que
sentira, e Plagueis seria o único pressionado contra o chão da gruta,
a cabeça aberta como um ovo e a cavidade torácica perfurada pela
extremidade pontiaguda de uma estalactite caída.

Sua corrida ao lado de Tenebrous foi informada tanto por emoção


quanto por farsa. "Mestre", disse ele, genuinizando e removendo os
respiradores dele e de Tenebrous. Suas mãos pataram

nas pedras, removendo parte do peso esmagador. Mas o único


pulmão de Tenebrous foi perfurado e o sangue borbulhou em sua
garganta. Lágrimas irregulares nas mangas do envirosuit revelaram
marcas esotéricas do corpo e tatuagens.
"Pare, aprendiz", Tenebrous se esforçou para dizer. "Você vai
precisar de toda a sua força."
Eu posso trazer ajuda. Há tempo ...
Estou morrendo, Darth Plagueis. Só há tempo para isso. Plagueis
sustentou o olhar dolorido do Bith. "Fiz tudo o que pude,
Mestre."
Tenebrous o interrompeu mais uma vez. “Ser forte na Força é uma
coisa. Mas acreditar que é todo-poderoso é convidar uma
catástrofe. Lembre-se de que, mesmo no reino etéreo em que
habitamos, o imprevisto pode ocorrer. ” Uma tosse gaguejante o
silenciou por um momento. "Melhor assim, talvez, do que perecer
em suas mãos."
Como Darth Bane gostaria, pensou Plagueis. "Quem forneceu a
sonda de mineração, mestre?"
"Subtexto", disse Tenebrous com uma voz fraca. "Mineração de
subtexto".

Plagueis assentiu. "Eu vou vingar você."


Tenebrous inclinou a cabeça enorme levemente. "Você poderia?"

"Claro."
Se o Bith estava convencido, ele o guardou para si mesmo e disse:
“Você está fadado a levar o imperativo Sith a ser realizado, Plagueis.
Cabe a você ajoelhar a Ordem Jedi e salvar o resto dos sencientes
da galáxia.
Por fim , Plagueis disse a si mesmo, o manto é conferido . "Mas eu
preciso avisar você ...", Tenebrous começou a dizer e
caiu abruptamente em silêncio.
Plagueis podia sentir a mente altamente evoluída do Bith
repetindo eventos recentes, calculando probabilidades, chegando a
conclusões.

"Me avise sobre o que, mestre?"


Os olhos negros de Tenebrous brilhavam com uma luz amarela e
a mão livre segurava a gola do traje ambiental de Plagueis . "Vocês!"

Plagueis arrancou a mão fina do Bith do tecido e sorriu


fracamente. “Sim, mestre, sua morte vem por minha ordem. Você
mesmo disse que perpetuação com propósito é o caminho para a
vitória, e assim é. Vá para o seu túmulo sabendo que você é o último
da velha ordem, a Regra dos Dois, e que a nova ordem começa
agora e permanecerá por mil anos sob meu controle.
Tenebroso tossiu saliva e sangue. “Então, pela última vez, eu te
chamo aprendiz. E aplaudo seu hábil uso de surpresa e desvio de
direção. Talvez eu tenha errado ao pensar que você não tinha
estômago para isso.
“O lado sombrio me guiou, Tenebrous. Você sentiu, mas sua falta
de fé em mim obscureceu seus pensamentos.
A cabeça do Bith balançou em concordância. "Mesmo antes de
virmos para Bal'demnic."
"E ainda assim nós viemos."
"Porque estávamos destinados a." Tenebrous fez uma pausa e
depois falou com renovada urgência: “Mas espere! O navio ...
"Esmagado, como você é."
A raiva de Tenebrous esfaqueou Plagueis. “Você arriscou tudo
para me desfazer! Todo o futuro dos Sith! Meus instintos sobre você
se mostram corretos, afinal!
Plagueis se afastou dele, indiferente, mas de fato cheio de uma
fúria gelada. "Vou encontrar um caminho para casa, Tenebrous,
como você vai." E com um movimento cortante da mão esquerda,
ele quebrou o pescoço do Bith.

Tenebroso estava paralisado e inconsciente, mas ainda não


estava morto. Plagueis não tinha interesse em salvá -lo - mesmo
que fosse possível -, mas estava interessado em observar o
comportamento dos midi-chlorians do Bith à medida que a vida
diminuía. Os Jedi pensavam nas organelas celulares como
simbiontes, mas, para Plagueis, os midclorianos eram intrusos,
provocando interferência na Força e impedindo a capacidade de um
ser entrar em contato com os seres.

Força diretamente. Através de anos de experimentação e meditação


direcionada, Plagueis aperfeiçoou a capacidade de perceber as
ações dos midi-chlorians, embora ainda não a capacidade de
manipulá-las.
Manipule-os, digamos, para prolongar a vida de Tenebrous.
Olhando para o Bith através da Força, ele percebeu que os
midiclorianos já estavam começando a desaparecer, assim como os
neurônios que compunham o elevado cérebro de Tenebrous e as
células musculares que alimentavam seu coração antes capaz . Um
equívoco comum sustentava que os midi-chlorians eram partículas
portadoras da Força , quando de fato funcionavam mais como
tradutores, interlocutores da vontade da Força. Plagueis considerou
seu fascínio de longa data pelas organelas tão natural quanto a
fixação de Tenebrous em moldar o futuro. Onde a inteligência Bith
estava fundamentada em matemática e computação, a inteligência
Muun era impulsionada pela vontade de lucrar. Como Muun,
Plagueis via sua lealdade à Força como um investimento que
poderia, com o devido esforço, ser maximizado para gerar grandes
retornos. Também fiel à psicologia e à tradição de Muun, ele
acumulara, ao longo das décadas, seus sucessos, e nunca levou
Tenebrous à sua confiança.

Os midi-chlorians moribundos do Bith estavam piscando, como


luzes lentamente privadas de uma fonte de energia, e ainda assim
Plagueis ainda podia perceber Tenebrous in the Force. Um dia ele
conseguiria impor sua vontade aos midi-chlorians para mantê-los
agregados. Mas essas especulações foram para outra época. Só
agora Tenebrous e tudo o que ele tinha sido na vida estavam além
do alcance de Plagueis.
Ele se perguntou se os Jedi eram incluídos de maneira
semelhante. Mesmo na vida, os midi-chlorians se comportaram em
um Jedi como em um devoto do lado escuro? As organelas foram
revigoradas por diferentes impulsos, levadas à ação por diferentes
desejos? Ele havia encontrado muitos Jedi durante sua longa vida,
mas nunca havia tentado estudar um da mesma forma que avaliava
Tenebrous agora, por preocupação

revelando o poder de sua aliança com o lado sombrio. Isso também


pode ter que mudar.
Tenebrous morreu enquanto Plagueis observou.
Na era de Bane, um Sith poderia ter se protegido contra uma
tentativa de transferência de essência do falecido - um salto para a
consciência dos Sith que sobreviveram - mas esses tempos eram
muito antigos e sem relevância; não desde que os ensinamentos
foram sabotados, a técnica perdeu. O último Sith possuidor do
conhecimento fora inexplicavelmente atraído para o lado da luz e
morto, levando o processo secreto com ele ...
2: A PAISAGEM INTERNA

Plagueis não tinha certeza de quanto tempo ele permaneceu ao lado


de Tenebrous. Tempo suficiente, porém, para que, quando ele se
levantasse, suas pernas tremessem e um pouco da poeira da
explosão tivesse assentado. Somente quando ele deu alguns
passos para trás ele percebeu que o evento não o deixara ileso. Em
algum momento, provavelmente quando ele estava focado no
assassinato, uma pedra ou outro projétil havia pulpado uma grande
área da parte inferior das costas, e agora a túnica fina que ele usava
sob o traje ambiental estava saturada de sangue.
Apesar do pó rodopiante, ele inalou profundamente, provocando
uma pontada de dor na caixa torácica e uma tosse que vomitou
sangue no ar quente. Com base na Força, ele entorpeceu a dor e
encarregou seu corpo de limitar o dano da melhor forma possível.
Quando a lesão deixou de o preocupar, ele examinou a gruta,
permanecendo ancorado no lugar, mas girando um círculo
completo. Sujando o chão duro, morcegos-falcão feridos estavam
cantando em perigo e arranhando seus próprios círculos. Muito
acima dele, um feixe de luz do dia oblíqua e com poeira atravessava
o grande óculo da cúpula - o resultado de um colapso anterior. Perto
do amontoado de pedras que o colapso havia empilhado no chão da
gruta, estava a pequena, mas inestimável nave estelar de Tenebrous
- um design de Rugess Nome - asas de liga leve e nariz arrancado do
mausoléu que a explosão havia formado. E finalmente, a poucos
metros de distância, ficava tenebroso, igualmente enterrado.

Ao se aproximar do navio, Plagueis examinou os danos que


haviam sido infligidos na blindagem defletora e nas matrizes de
navegação, nos dutos de refrigeração, nos sensores e nas antenas.
Tenebroso certamente teria sido capaz de efetuar reparos em
algumas das

componentes, mas Plagueis estava fora de sua profundidade,


carecendo não apenas das habilidades motoras finas de Bith, mas
também de seu conhecimento dos sistemas da nave. Embora único,
uma maravilha da engenharia, o navio não podia ser rastreado até
Tenebrous, pois o registro e o título eram falsificados. Era possível
que o farol de resgate ainda estivesse funcionando, mas Plagueis
relutava em ativá-lo. Eles haviam chegado a Bal'demnic
furtivamente, e ele pretendia partir da mesma maneira.
Mas como?
Mais uma vez ele olhou de soslaio para a luz que entra pelo óculo.
Nem mesmo seu poder na Força foi suficiente para carregá-lo do
chão e atravessar o olho sem piscar da gruta. Nada além de um
jetpack faria, e o navio não o carregava. Seu olhar se desviou do
óculo para as paredes curvas da gruta. Ele supôs que poderia abrir
caminho ao longo da parte inferior arqueada da cúpula e alcançar o
olho, mas agora via um caminho melhor.
Mais, uma maneira de realizar duas tarefas ao mesmo tempo. De
um ponto a meia distância entre o navio e a pilha de entulho
embaixo do óculo, ele mergulhou na Força e, com gestos não muito
diferentes daqueles que ele e Tenebrous haviam usado para prender
o colapso do teto, começou a levitar lajes do navio e adicioná-las à
pilha de entulho, parando apenas quando ambos haviam exposto na
escotilha do navio e estava confiante de que podia saltar à força
através do óculo do alto da pilha aumentada.

Quando ele tentou pular a escotilha, no entanto, descobriu que ela


não se mexia. Ele finalmente conseguiu entrar no cockpit, atacando
o velame transparente com uma série de golpes de força. Abrindo
caminho, ele pegou sua mala de viagem, que continha um comlink,
seu sabre de luz e uma muda de roupa, entre outros itens. Ele
também pegou o comlink e o sabre de luz de Tenebrous e fez
questão de apagar a memória do computador de bordo. Uma vez
fora do navio, ele tirou o traje ambiental e a túnica
encharcada de sangue , trocando-os por calças escuras, uma
camiseta, botas leves e uma

roupão com capuz. Fixando os dois sabres de luz no cinto, ele ativou
o comlink e acessou um mapa de Bal'demnic. Com escassos
satélites em órbita, o planeta não possuía nada como um sistema
de posicionamento global, mas o mapa dizia a Plagueis tudo o que
ele precisava saber sobre a área imediata.
Ele deu uma olhada final ao redor. Não era provável que um
indigene tivesse motivos para investigar a gruta, e era ainda menos
provável que outro visitante interestelar encontrasse esse lugar;
mesmo assim, ele passou um momento em relação à cena
objetivamente.
Uma nave estelar parcialmente esmagada, mas cara e
digna de resgate . O corpo decomposto de um espaçador espacial
Bith. As consequências de um evento explosivo…
A cena de um acidente infeliz em uma galáxia repleta deles.
Satisfeito, Plagueis saltou para o topo da pilha, depois pelo
telhado para os restos do dia.

O calor radiante do primário de Bal'demnic bateu em sua pele


exposta, e um vento persistente da costa puxou a túnica. Oeste e
sul, até onde seus olhos podiam ver, havia uma extensão de oceano
azul, branco ondulado onde batia na costa. Colinas escarpadas e
desnudas desapareciam na névoa do mar. Plagueis imaginou uma
época em que a floresta cobria a paisagem, antes que os indígenas
Kon'me derrubassem as árvores por materiais de construção e
madeira. Agora, a vegetação sobrevivida estava confinada aos
desfiladeiros íngremes que separavam as colinas marrons. Uma
beleza sombria. Talvez, ele pensou, houvesse mais para recomendar
ao planeta do que depósitos de minério de cortose.

Morador de Muunilinst durante a maior parte de sua vida adulta,


Plagueis não era estranho aos mundos oceânicos. Mas,
diferentemente da maioria dos Muuns, ele também estava
acostumado aos remotos e de baixa tecnologia , tendo passado a
infância e a adolescência em uma série de planetas e luas
semelhantes.

Com o hemisfério de Bal'demnic girando rapidamente para a noite,


o vento estava aumentando em força e a temperatura estava caindo.
O mapa que ele chamara no comlink mostrava que o espaçoporto
primário do planeta ficava apenas a algumas centenas de
quilômetros ao sul. Tenebrous tinha contornado intencionalmente o
porto quando eles fizeram o planeta cair, entrando pela calota de
gelo do norte e não pelo mar. Plagueis calculou que ele poderia
percorrer a distância até o espaçoporto na noite do dia seguinte, o
que ainda lhe daria uma semana padrão para retornar a Muunilinst a
tempo de sediar o Encontro em Sojourn. Mas ele também sabia que
a rota o levaria a áreas habitadas por Kon'me de elite e plebeus;
então ele resolveu viajar à noite para evitar o contato com os
sapientes reptilianos ruidosos e xenófobos. Não havia sentido em
deixar cadáveres atrás dele.

Apertando o manto em volta da cintura, ele começou a se mover,


primeiro devagar, e depois ganhando velocidade, até que, para
qualquer ser que estivesse assistindo, ele pareceria um borrão
deslumbrante; um diabo de poeira errante correndo pelo terreno sem
árvores. Ele não tinha corrido muito antes de encontrar uma trilha
rudimentar, impressionado em alguns lugares com as pegadas de
indígenas, e parou para estudá-las. Com os pés descalços, Kon'me
de classe baixa havia deixado as impressões, provavelmente
pescadores cujas habitações de telhado de palha pontilhavam a
costa. Plagueis calculou o tamanho e o peso dos répteis
responsáveis pelas trilhas e estimou o tempo decorrido desde que
haviam passado. Aproximando-se, ele examinou as colinas
sombrias e depois farejou o vento, desejando estar imbuído de um
toque da acuidade olfativa de Tenebrous. À frente, ele também
encontraria a elite Kon'me, ou, pelo menos, suas habitações em
domo do lado da cidade .

A noite caiu quando ele retomou o passo. O oceano brilhava


prateado sob a luz das estrelas, e a flor da noite perfumava o ar
úmido com aromas inebriantes. Predadores de qualquer tamanho
haviam sido caçados até a extinção nos continentes do norte da
ilha, mas os desfiladeiros profundos abrigavam inúmeras variedades
de

insetos vorazes que caíam sobre ele nas nuvens enquanto ele
caminhava através da densa vegetação rasteira. Abaixar a
temperatura do corpo e desacelerar a respiração para alterar a
mistura de gases em suas exalações fez pouco para dissuadir os
insetos; assim, depois de um tempo, ele parou de todas as
tentativas de protegê-los e se rendeu à sede de sangue, que eles
tiravam livremente de seus insetos. rosto, pescoço e mãos.
Devorem os velhos Plagueis , ele pensou.
Na floresta escura daquele mundo remoto, com um vento salgado
assobiando através das árvores e um som distante de ondas como
tambores, ele voaria do submundo em que os Sith haviam habitado.
Despertado de um milênio de sono intencional, o poder do lado
negro renasceria e ele, Plagueis, levaria o plano forjado até o fim.
Durante a noite, ele correu, abrigando-se dentro de uma caverna
rasa, enquanto a névoa da manhã descia das cavidades. Mesmo no
início, os indígenas de escala azul estavam por perto, aparecendo de
suas cabanas para lançar redes nas ondas ou nos barcos a remo
para trechos de recifes ou ilhotas próximas. O melhor de suas
capturas seria transportado para as colinas para atormentar as
barrigas dos ricos, com quem cabia a responsabilidade pelo futuro
político e econômico de Bal'demnic. Suas vozes guturais invadiram
a caverna que se encaixa em Plagueis como uma tumba, e ele pôde
entender algumas das palavras que trocaram.
Ele perseguiu o sono, mas o iludiu e lamentou o fato de que ainda
precisava dele. Tenebrous nunca dormiu, mas poucos Bith
dormiram.
Acordado no calor opressivo, ele repetiu os acontecimentos do
dia anterior, ainda um tanto surpreso com o que havia feito. A Força
sussurrou para ele: chegou o seu momento. Reivindique sua estaca
para o lado sombrio. Aja agora e termine com isso . Mas a Força
apenas aconselhou; não ditou suas ações nem guiou suas mãos.
Isso fora dele sozinho. Ele sabia de suas viagens com e sem
Tenebrous que ele não era o único praticante da galáxia na

lado sombrio - nem Sith, já que a galáxia estava cheia de


pretendentes -, mas agora ele era o único lorde Sith descendente da
linhagem Bane. Um verdadeiro Sith, e essa percepção despertou o
poder bruto enrolado dentro dele.
E ainda …
Quando ele alcançou a Força, ele pôde detectar a presença de
algo ou algum poder quase igual . Era o próprio lado sombrio ou
apenas um vestígio de sua incerteza? Ele lera as lendas de Bane;
como ele fora perseguido pelas presenças remanescentes daqueles
que derrotara para livrar a Ordem Sith de lutar, e devolver a Ordem a
uma genuína hegemonia ao instalar a Regra dos Dois: um Mestre
para incorporar poder; um aprendiz a desejar isso. Para ouvir isso,
Bane havia sido perseguido pelos espíritos dos Sith Lords,
mortos por gerações, cujos túmulos e mansões ele profanara em
sua fervorosa busca por holocrons e outros artifícios antigos que
ofereciam sabedoria e orientação.

O espírito de Tenebrous era a fonte do poder que ele sentia?


Houve um breve período de sobrevivência após a morte, durante o
qual um verdadeiro Sith poderia continuar a influenciar o mundo dos
vivos?

Era como se a massa da galáxia tivesse descido sobre ele. Um ser


menor poderia ter levantado seus ombros, mas Plagueis, encravado
em sua tumba clandestina, sentia-se tão leve quanto no espaço
profundo.

Ele sobreviveria a qualquer um que o desafiasse.

***

Horas depois, quando as vozes desapareceram e o frenesi de


alimentação dos insetos recomeçou, a dor despertou Plagueis do
sono torturado. A túnica estava aderida à carne inchada como uma
bandagem de pressão, mas o sangue havia escorrido da ferida e
ensopado até a túnica.

Deslizando silenciosamente pela noite, mancou até suprimir a dor


e começou a correr, gotas de suor evaporando de sua cabeça sem
pelos e o manto escuro se desenrolando atrás dele como um
estandarte. Faminto, ele considerou invadir uma das casas locais e
se deliciar com os ovos de alguns Kon'me de casta baixa, ou talvez
com o sangue dela e de seu companheiro. Mas ele controlou seus
impulsos para atacar o terror, seu apetite por destruição, saciando-
se de morcegos e restos apodrecidos de peixes que as ondas
haviam levado à praia. Apressando-se ao longo da praia de areia
negra, ele passou a metros de habitações construídas a partir de
blocos de recifes fossilizados, mas vislumbrou apenas um indigeno
que, ao deixar sua cabana nua para se aliviar, reagiu como se tivesse
visto uma aparição. Ou então, em hilaridade com a figura Plagueis,
deve ter vestido túnicas e botas. No alto da praia, luzes artificiais
brilhavam, anunciando as casas da elite e a proximidade do porto
espacial, cujo brilho ambiente iluminava uma ampla área do litoral
sul.

Seu destino estava próximo, cada onda oceânica reverberava


dentro dele, convocando uma maré sem precedentes de energia
escura. Os tentáculos atarracados do tempo diminuíram e ele teve
um vislumbre do futuro de Bal'demnic. Envolvido em uma guerra
multifrontada, uma guerra galáctica, em parte por causa de seus
ricos depósitos de cortose, mas mais como um peão em um jogo
complicado, o subserviente Kon'me se voltou contra aqueles que os
dominavam por eras ...

Perdido em devaneio, Plagueis quase não percebeu que um


quebra-mar maciço agora seguia a curva da praia. Molhes de pedra
projetavam-se em uma baía larga e calma e, atrás do muro, uma
cidade subia em uma área cercada de contrafortes desmatados. Os
Kon'me de ambas as classes eram sobre, mas intercalados entre
eles estavam os mundos de muitas espécies, a maioria dos
sistemas estelares vizinhos, mas alguns tão distantes quanto o
Núcleo. O espaçoporto formava os subúrbios mais ao sul da cidade,
compostos por aglomerados de edifícios modulares, armazéns e
hangares pré-fabricados, patamar iluminado
áreas para navios de carga e de passageiros. Para um ser
familiarizado com mundos isolados, um passeio pelo espaçoporto
pareceria mais próximo da viagem no tempo, mas Plagueis se sentia
em casa entre os hotéis do cubículo, tapcafs mal iluminados e
cantinas esquálidas, onde o entretenimento era caro e a vida era
barata. Levantando o capuz da túnica por cima da cabeça, ele se
manteve nas sombras, sua altura sozinha o suficiente para chamar a
atenção. Com laxismo de segurança, ele foi capaz de circular entre
os navios ancorados sem dificuldade. Ele ignorou os navios
menores, intersistemas, em favor dos cargueiros de longo curso , e
mesmo assim apenas aqueles que pareciam estar em boas
condições. Muunilinst estava a vários saltos do hiperespaço, e
apenas uma nave com capacidade de salto adequada poderia
entregá-lo lá sem demora.

Depois de uma hora de busca, ele encontrou um ao seu gosto. Um


produto da engenharia Core, o cargueiro tinha que ter meio século
de idade, mas tinha sido bem conservado e adaptado com
modernos conjuntos de sensores e unidades subespaciais. O fato
de não conter nenhuma lenda sugeria que o capitão do navio não
estava interessado em fazer com que o navio fizesse seu nome.
Mais longo do que largo, o LS-447-3 possuía um fantail estreito, um
cockpit embaixo da cabine e amplas portas do compartimento de
carga, o que lhe permitia aceitar grandes cargas. Com o número do
registro armazenado em seu comlink, Plagueis foi até o prédio da
autoridade do espaçoporto. Naquela hora da noite, a estrutura em
ruínas estava praticamente deserta, exceto por dois guardas Kon'me
de pescoço grosso que dormiam em serviço. Soltando a faixa da
túnica para fornecer acesso imediato a seus sabres de luz, Plagueis
passou por eles e desapareceu pelas portas principais. Luz fraca de
escritórios desocupados se derramava nos corredores escuros. No
segundo andar, encontrou o escritório do registrador, que dava para
a maior das zonas de desembarque e a baía silenciosa além.

Um compacto que era antigo vinte anos antes estava em cima de


uma mesa em um escritório particular menor. Plagueis colocou seu
comlink ao lado da máquina e um instante depois

cortado na rede de controle do espaçoporto. A pesquisa para o


cargueiro revelou que, de fato, ir por um nome-o Woebegone out of
Ord Mantell. Com lançamento programado para a manhã seguinte, o
navio com oito tripulantes, incluindo um dróide, estava destinado a
vários mundos no setor de Auril, carregando cargas de vida marinha
fresca. Segundo o manifesto, a carga já havia desembarcado na
alfândega e estava alojada em um hangar refrigerado, aguardando
transferência para o navio. A boa notícia foi que o destino final dos
Woebegone era Ithor, no outro lado do Caminho Hydian. Uma viagem
a Muunilinst, portanto, pode não parecer um desvio muito grande
para a tripulação.

Plagueis chamou uma imagem do capitão do cargueiro, cujo


nome foi dado como Ellin Lah. Abrindo-se totalmente à Força, ele
estudou a imagem por um longo momento; depois, exalando
devagar, levantou-se, apagou todas as evidências de suas intrusões
tecnológicas e devolveu o comlink ao bolso interno do manto.

O Woebegone estava esperando por ele.

3: WOEBEGONE

Os instintos de Plagueis sobre Bal'demnic estavam corretos. A


beleza acidentada do planeta era do tipo que atraía o lado hedonista
da natureza humana e um dia atraía as espécies mais ricas a se
aquecerem sob a luz quente de suas primárias, a caminhar pelas
areias imaculadas, a nadar nas águas animadas e a jantar nos
peixes que enchiam seus vastos oceanos. Mas naqueles dias, os
humanos ainda eram relativamente escassos naquela parte da Orla
Exterior, e a maioria dos visitantes de Bal'demnic vinha do espaço
Hutt ou dos confins da Rota Comercial Perlemiana. E assim o
capitão Ellin Lah era Togruta, e seu primeiro companheiro, um
zabrak chamado Maa Kaap. O Woebegone piloto ‘s foi um Balosar;
seu navegador, um dresseliano; e seus três tripulantes Klatooinian,
Kaleesh e um Aqualish, da raça Quara. “Quase humanos” todos, para
usar o termo preferido naquele momento no Núcleo, onde o
chauvinismo havia sido elevado a uma forma de arte. O único não
sensitivo era um droid bípede e com múltiplos anexos chamado
“OneOne-FourDee”, após o número do modelo.

Bal'demnic era apenas uma de suas assombrações planetárias.


Na maioria das vezes, eles eram vistos em Vestral, Sikkem IV ou
Carlix's Folly. Mas todos eram semelhantes, pois o capitão Lah e
seus companheiros de navio raramente viam mais planetas do que o
que ficava a um raio de cinco quilômetros dos principais portos
espaciais, e seu contato com os indígenas era limitado a
funcionários, comerciantes, corretores de informação e outros. nas
profissões do prazer.

O negócio deles era precário, no momento em que os piratas


seguiam as rotas comerciais entre os sistemas, os faróis do
hiperespaço eram poucos e distantes entre si, e um lapso de
julgamento poderia resultar em desastre. O custo do combustível
era exorbitante, costumes corruptos

os funcionários tiveram que ser subornados e os impostos de


importação e exportação estavam sujeitos a alterações sem aviso
prévio. Atrasos significavam que cargas de alimentos poderiam
perder a frescura que os tornava desejáveis, ou pior ainda, estragar
completamente. Os perigos eram múltiplos e os ganhos eram
escassos. Você tinha que amar o trabalho, ou talvez fugir - da lei, de
si mesmo ou de qualquer outra pessoa.
Como conseqüência de ter absorvido muita grogue local e jogado
fora muitos créditos suados - e talvez como expiação por tanta
agitação -, as preocupações com a próxima viagem haviam surgido
na superfície da mente do capitão Lah como um balão inflado sob a
água , então liberado.
"Não há fiscalização nesta corrida", ela estava avisando a
tripulação de maneira gentil, enquanto atravessavam a zona de
desembarque até o navio que esperava.

O fato de ela ter usado o mesmo eufemismo que Blir 'tinha para
minimizar o impacto da quase catástrofe que ele causou fez todos
rirem - exceto o Balosar, que abaixou a cabeça com vergonha
fingida, seus antenepalpos gêmeos se aprofundando em cores.
"Nós entendemos o seu significado, capitão", disse Maa Kaap.
"Nenhuma omissão inoportuna "
"Erros irradiáveis", interveio o Kaleesh, PePe Rossh. "Erros idiotas",
completou Doo Zuto, seu close,
presas curvadas para dentro que precisam de uma escala
completa. O capitão permitiu-lhes um momento de
alegria.
"Estou falando sério", disse ela quando se aproximaram da rampa
de embarque rebaixada do Woebegone . “Vou dizer novamente: este
navio opera como uma democracia. Sou seu capitão, porque saber
quem é bom no que é apenas algo para o qual tenho talento. Ela
olhou para Blir '. "Eu já te digo como pilotar?" Depois em Semasalli.
"Eu já questionei sua decisão sobre pontos de salto?"
"Não, capitão", disseram os dois, como se fossem mecânicos.

"Portanto, estou simplesmente falando como membro do que


deveria ser uma equipe competente, e não como comandante." Ela
soltou o ar de uma maneira que sacudiu seu trio de caudas listradas
. "Ou obtemos lucro nessa corrida ou pensamos em ir aos Hutts
para outro empréstimo."
Até Wandau, que tinha tido mais relações com vários Hutts do que
qualquer outra pessoa, lamentou a mera perspectiva.
"Isso mesmo", disse Lah ao alto Klatooinian. - E nenhum de vocês
se engana pensando que podemos fazer um empréstimo honesto.
Porque nenhum banco no valor de seus ativos aceitará o Woebegone
como garantia. ”
Maa Kaap e Blir trocaram olhares rápidos antes que o Zabrak
dissesse: "Desculpe-me por dizer isso, capitão, mas você não
parecia particularmente preocupado com os créditos na noite
passada ".
"Cuidado com o que você diz", disse Lah a sua primeira
companheira, quase sem conter um sorriso.
"Eu pensei que você estava pronto para dar a esse jovem o navio",
disse PePe, juntando-se à provocação.
Lah acenou com a mão em despedida. "Eu estava apenas
brincando com ele."
" Toy é a palavra operativa", disse Maa Kaap. "Desde que ele era
jovem o suficiente para ainda brincar com eles."
O capitão colocou as mãos nos quadris. "Eu posso ser
convincente quando quero ser."
“Oh, que você era”, disse Zuto, reacendendo um coro de
gargalhadas que os acompanhava na Woebegone espaço da cabine
principal ‘s, onde 11-4D estava esperando.
"Tudo em ordem?" Lah perguntou ao dróide.
O dróide levantou três de seus anexos em uma aproximação de
uma saudação. "Forma de navio, capitão."
"Toda a carga está a bordo e é contabilizada?" "A
bordo e responsável, capitão." "Você verificou as
leituras térmicas?"
"Em cada baía, capitão."
Ela devolveu um aceno satisfeito. "Bem, tudo bem então."

Os companheiros de navio se separaram, cada um com deveres a


cumprir. Blir 'e Semasalli para o cockpit; Zuto, Wandau e PePe para
verificar se a carga foi arrumada adequadamente; Maa Kaap e 11-4D
para selar o navio; e o capitão Lah para obter autorização do
controle do porto espacial baldémico.
Sem alarde, o navio deixou o mundo quente para trás e pulou do
éter frio para o submundo do hiperespaço. Lah ainda estava sentada
no console de comunicações quando Blir a mandou por rádio da
cabine.
"Precisamos da sua opinião sobre algo."
"Desde quando?" ela disse. "A sério."
Ela se adiantou e, logo que entrou na cabine, Semasalli indicou
uma indicação brilhante na suíte de exibição de status do navio.
Uma pequena placa de metal abaixo do
o avisador dizia: CARGO BAY 4 AMBIENT .
"Muito quente ou muito frio?" Lah perguntou ao
dresseliano. "Muito frio."
Lah jogou o dedo contra o indicador, mas continuou a piscar.
"Engraçado, isso geralmente funciona." Ela estudou a carranca de
Semasalli. "O que você acha?"
Ele riu e passou a mão sobre uma cabeça sem pelos e
profundamente segura que espelhava a aparência do cérebro
complicado que continha. "Bem, poderia ser o termostato da baía."
"Ou?"
"Ou um dos contêineres poderia ter aberto?" "Por si próprio?"
"Talvez durante o salto", disse Blir 'da cadeira do piloto. "Ok, então
vamos dar uma olhada." Ela olhou de Blir 'para Semasalli e balançou
a cabeça em ignorância. "O que você não é
me dizendo?
Blir 'respondeu pelos dois. "Lembra dos Zabrak com os quais Maa
estava conversando na cantina?"
"Qual cantina?" Lah disse; então acrescentou: “Não, eu lembro
dele. Ele estava procurando uma carona.

Semasalli assentiu. “Ele foi expulso de seu último cargueiro. Ele


não disse o porquê, mas Maa achou que ele cheira a problemas e
disse que não poderíamos levá-lo a bordo.
Lah seguiu as pistas que estavam dando a ela e assentiu. "Você
está pensando que temos um clandestino."
"Apenas um pensamento", disse o dresseliano.
"É por isso que você queria verificar comigo antes de ir para a
popa."
"Exatamente."
O rosto de Lah ficou quase tão enrugado quanto o de Semasalli.
"O navio teria nos dito se alguém tivesse adulterado o sistema
anti-intrusão ".

"A menos que ele tenha entrado com a carga?"


Disse Blir. "Você quer dizer dentro de um dos
recipientes?" Blir assentiu.
"Então ele ainda seria um pingente de gelo." Lah virou-se para
Semasalli. "O compartimento quatro tem um feed de vídeo?"
"Na tela", disse Semasalli, girando a cadeira para enfrentar as
exibições de status.
Lah colocou as palmas das mãos no console e inclinou-se para a
tela enquanto o dresseliano trazia vistas granuladas do
compartimento de carga. Finalmente, a câmera remota encontrou o
que procurava: um contêiner aberto, envolto por nuvens de líquido
de arrefecimento, com sua carga de carnes caras já descongelando.

“Desova de um ...” Lah começou quando a próxima vista do


compartimento de carga a atordoou em um silêncio de queixo
caído.
Blir 'piscou várias vezes antes de perguntar: "É isso que eu acho
que é?"

Lah engoliu em seco e encontrou sua voz. "Bem, com certeza não
é o Zabrak."

Plagueis estava sentado em cima de um dos contêineres menores


quando a escotilha começou a andar de bicicleta. Totalmente
acordado desde o salto do Woebegone para o hiperespaço, ele ficou
sentado parado

várias varreduras que a tripulação havia realizado e agora


abaixavam o capuz da túnica leve e ensanguentada. Quando a
escotilha deslizou, ele se viu confrontado pela capitã de Togruta,
junto com um Zabrak musculoso; um Klatooinian malhado tão alto
quanto um Muun normal; um Aqualish da variedade de dois olhos; e
um Kaleesh de tons escarlate e pele escamosa , cujo rosto lembrava
os morcegos que Plagueis consumira em Bal'demnic e que emitia
um ódio de feromônios potentes. Todos carregavam explosivos,
mas apenas os Klatooinian foram preparados para o fogo e atirados
em Plagueis.
- Você não está listado no manifesto de embarque, estranho -
disse o capitão Lah quando ela entrou na baía, as nuvens de
respiração emergindo com as palavras.
Plagueis abriu as mãos em um gesto inocente. Confesso ser
clandestino, capitão.
Lah se aproximou cautelosamente, apontando para o contêiner
aberto a alguns metros de distância. "Como você sobreviveu lá?"
Plagueis imitou o aceno de sua mão. "Essas criaturas do mar
fazem uma cama confortável."
O Zabrak avançou, seu crânio pontilhado franzido de raiva. “Essas
criaturas são como vivemos, Muun. E, no momento, eles não valem
um crédito de karkê.
Plagueis fixou os olhos nele. "Peço desculpas por estragar parte
de sua carga."
"O refrigerante", disse Lah mais severamente. "Como você
sobreviveu a isso?"
"Nós Muuns temos três corações", disse Plagueis, cruzando uma
perna sobre a outra. "Dois deles estão sob controle voluntário, então
eu pude manter meu sangue circulando e a temperatura do meu
corpo perto do normal."
De pé junto ao recipiente aberto, o Quara disse: "Por falar em
sangue, você está vazando um pouco".
Plagueis viu que algumas das criaturas do mar estavam cobertas
de sangue congelado. “O resultado de um acidente infeliz. Mas
obrigado por perceber.
Lah desviou o olhar do recipiente para Plagueis. “Nós temos um
dróide médico. Vou dar uma olhada no seu ferimento.
- É muita gentileza sua, capitão.
"Você está muito longe da corrida Braxant", disse o Kaleesh. "E
provavelmente a última espécie que esperamos encontrar em um
contêiner de carga."
Plagueis assentiu em concordância. "Eu posso imaginar." "O
Kon'meas Spaceport tem voos para Bimmisaari"
o Zabrak acrescentou. "Você não podia esperar ou está sem
créditos?"
"Para ser sincero, eu queria evitar os espaços comuns." Lah e os
Zabrak trocaram olhares duvidosos. "Você é um
fugitivo?" ela perguntou. "Procurado?"
Plagueis balançou a cabeça. "No entanto, eu valorizo minha
privacidade." "Bem, você pode", disse o Quara. "Mas você tem que
admitir -" Ele apontou para as criaturas do mar sangrentas. "-isto
mina sua credibilidade. "
"O que a trouxe a Bal'demnic, Muun?" o Klatooinian perguntou
antes que Plagueis pudesse falar.
"Não tenho liberdade para divulgar a natureza de minhas
atividades." "Investimentos bancários do clã", disse o Klatooinian
com um
zombar. “Ou advogado. É tudo o que os Muuns fazem,
capitão. Lah avaliou Plagueis. "Ele está certo?"
Plagueis deu de ombros. “Nem todos nós somos banqueiros ou
advogados. Não mais do que todos os Togrutas são pacíficos.
"Seja melhor para você se você for um mago financeiro", disse o
Zabrak, "para evitar ser descartado do nosso navio."
Plagueis manteve os olhos em Lah. “Capitão, agradeço que você e
sua equipe tenham muitas perguntas sobre mim. Mas talvez por
uma questão de simplicidade, nós dois pudéssemos falar em
particular por um momento. Quando ela hesitou, ele acrescentou:
"Estritamente no interesse de facilitar um acordo".
Lah olhou para todos, depois apertou a mandíbula e assentiu.
"Não demorarei muito", disse ela ao Zabrak quando ele estava
saindo da baía. "Mas mantenha-nos informados de qualquer
maneira."

O Zabrak lançou a Plagueis um olhar de verruga enquanto ele


falava. "Se você demorar, retornaremos em breve."
Plagueis esperou até que ele e Lah estivessem sozinhos.
"Obrigado, capitão."
Ela fez uma careta. - Chega de tagarelice educada. Quem é você e
por que você não deixou Bal'demnic a bordo de qualquer
embarcação que o trouxe até lá?
Plagueis soltou um suspiro elaborado. “Antes de entrarmos nisso,
suponha que avaliamos a situação atual diretamente. Arrumei-me a
bordo do seu navio na esperança de conseguir uma passagem
rápida para Muunilinst. Falando em básico, Plagueis pronunciou a
palavra com o segundo n silencioso. “Felizmente para nós dois,
estou em posição de recompensá-lo generosamente pelo
transporte - e é claro que vou cobrir o custo de qualquer carga
preciosa que arruinei. Você precisa apenas citar um preço razoável e
o negócio pode ser concluído. Garanto-lhe, capitão, que sou um
Muun da minha palavra.
Os olhos dela se estreitaram em apreensão. "Deixando de lado a
sua identidade no momento - você sabe, as coisas importantes - a
sua passagem para a frente é uma questão que terei que abordar
com a tripulação."

Plagueis piscou em genuína confusão. "Eu não tenho certeza se


entendi. Você é o capitão do Woebegone , não é? "Somos iguais a
bordo deste navio", disse Lah. “Eu não tomo nenhuma decisão
importante sem ao menos ouvir todo mundo - se essas decisões
envolvem a carga que transportamos ou onde a entregamos. E
enquanto você tenta se decidir se sou nobre ou simplesmente tolo,
deixe-me acrescentar que não me importo com o que você acha do
acordo. Como você disse:
é a situação.
Plagueis sorriu sem mostrar os dentes. "Nesse caso, capitão,
aguardo os resultados da cúpula."
Lah relaxou um pouco. "Você vai ter que se sentar firme nesse
meio tempo."
Plagueis levou as condições com calma. “Demore o tempo que for
necessário. Quanto mais nos aproximamos de Ithor, mais perto
estou de

casa."
As palavras a pararam fria. "Como você sabe que estamos
destinados a Ithor?"
"Da mesma maneira que sei que seu nome é Ellin Lah." Deliciando-
se com sua confusão, Plagueis disse: - Não sou telepata, capitão
Lah. Depois que selecionei sua nave dentre as do campo, entrei na
rede do porto espacial de Bal'demnic.
Ela inclinou a cabeça em uma mistura de interesse e desconforto.
"Por que os Woebegone , então?"
Plagueis riu. - Não jogo, capitão, a menos que saiba que as
chances de ganhar estão do meu lado.
Ela bufou. "Isso não é jogo."

No espaço principal da cabine, o 11-4D monitorava a conversa dos


membros da tripulação desde o retorno do compartimento de carga
4. Quanto mais o Woebegone tinha de um especialista médico, o
dróide era responsável pelos cuidados e saúde da tripulação. , e por
isso se acostumou a escutar conversas sempre e sempre que
possível. Tendo criado perfis individuais com base nos batimentos
cardíacos e nas taxas de respiração, temperatura corporal e
linguagem, expressão facial e vocalização, o dróide entendeu que a
descoberta de um intruso Muun a bordo do navio havia aumentado
significativamente o nível de estresse de Maa Kaap.
"Quando você conheceu um Muun para fazer isso?" o Zabrak
estava dizendo.
"Quando você conheceu um Muun, ponto final?" Wandau
perguntou em espécie.
"Tudo bem, então, quando você já ouviu falar sobre um Muun
fazendo isso?"
Antes que Maa Kaap ou qualquer outra pessoa pudesse
responder, o capitão entrou no espaço da cabine, claramente
confuso, mas fazendo o possível para disfarçá-lo. 11-4D notou
aumento do fluxo sanguíneo nas caudas da cabeça, que eram
órgãos sensoriais e um

mudança de pigmentação - uma resposta de Togruta à tensão


nervosa que às vezes provocava camuflagem mimética involuntária.
"Então", disse Maa Kaap, levantando-se.
Os membros da tripulação ouviram atentamente o capitão Lah
resumir a curta troca que ela teve com o clandestino Muun, que se
recusara a fornecer detalhes pessoais, nem mesmo o nome dele.
Ele também não ofereceu explicações para sua presença em
Bal'demnic, nem divulgou o motivo por que ele queria partir às
pressas. Mais importante, ele não revelou nada sobre a causa ou
natureza de sua lesão. Em vez disso, ele havia decidido fazer um
acordo para a passagem para Muunilinst, um mundo na distante
Braxant Run e sede corporativa do Clã Bancário InterGalactic.
- O que você está dizendo sobre ele, capitão? PePe perguntou,
suas orelhas pontudas tremendo de curiosidade.
O capitão Lah olhou de volta para o corredor que levava ao
compartimento de carga 4. - Ele é tão esperto quanto eles vêm e
costumava seguir seu caminho. Mas ou o levamos de volta a
Bal'demnic - e colocamos nossa carga em risco - ou o deixamos na
nossa primeira parada e fazemos dele o problema de outra pessoa. ”
"Ou apenas o descartamos agora", disse Wandau.
Lah balançou a cabeça. “Não sabemos que ele não contou a
alguém no Bal'demnic que estava se escondendo. E se ele o fizesse,
seu desaparecimento poderia nos colocar em sério desastre.
"O que vai ser, então?" Maa Kaap pressionou.
Lah fez seus lábios uma linha fina. "Acho que devemos tirá-lo de
nossas mãos o mais rápido possível."
Wandau e Zuto trocaram olhares. "Você nem quer discutir o preço
da passagem?"
"Eu nunca estive na corrida Braxant", disse Lah. "Algum de vocês?"
Cabeças tremiam.
"Ele está disposto a cobrir o custo da carga estragada?" PePe
perguntou.

"Ele disse que faria."

"Então talvez o levemos para Ithor", continuou o Kaleesh. “Se ele


provar ser um passageiro cooperativo, poderíamos considerar levá-
lo até Muunilinst. Certamente não faria mal se familiarizar com esse
canto do espaço.
"Eu não sei ..." Lah levou o lábio inferior entre os dentes. "Vou dar um
passo adiante", disse Zuto, liderando com seu focinho com bigodes.
“Quero dizer, este Muun poderia ser um jackpot que caiu direto no
nosso colo. Você não estava dizendo que nenhum banco poderia
nos conceder um empréstimo contra os Woebegone ? Bem,
Muunilinst é o banco, e esse Muun pode fornecer tudo
as garantias de que precisaremos ”.
"Nossa recompensa por anos levando uma vida limpa",
acrescentou PePe. Lah olhou para os dois. “O que quer dizer? Nós
seguramos
ele por resgate?
Zuto puxou suas presas e encolheu os ombros. "Não precisamos
chamar assim."
"Esqueça", disse Lah. "Nós nunca fizemos isso - bem, uma vez,
talvez - mas não vamos fazer isso de novo."
"Eu concordo", disse Maa Kaap. A
cabeça de Wandau balançou.
"Mesmo."
PePe se retirou um pouco. "Ok, então eu só estava pensando em
voz alta."

"Há algo mais", disse Maa Kaap. Levantando a mão grande, ele
acenou para 11-4D. "Diga ao capitão o que você estava nos dizendo."

O dróide foi para onde os membros da tripulação estavam


reunidos e girou a cabeça redonda em direção a Lah. “Capitão, eu
apenas mencionei que os Muuns não são conhecidos por viajar
desacompanhados sem amplas razões para fazê-lo. De fato, a
maioria dos Muuns reluta em deixar a Muunilinst para qualquer
outro propósito que não seja negociar negociações comerciais. ”
"Isso é exatamente o que eu estava dizendo sobre garantias",
interrompeu PePe. “Tem que haver alguma razão financeira para ele
estar em Bal'demnic - um grande acordo nos trabalhos em que
poderemos entrar. Um projeto de construção, talvez.
"Deixe o FourDee terminar", disse Maa Kaap.

Lah olhou para o dróide. "Continue."


“Ainda não foi determinado exatamente em que Muun estava
envolvido. Suponha, no entanto, que a natureza de seus negócios
tenha impacto negativo sobre Bal'demnic. Deveria espalhar-se a
notícia de que a tripulação do Woebegone prestou apoio à partida
ilegal do Muun, então o que poderia acontecer com a reputação do
navio no setor de Auril? Você pode incluir o valor disso em seus
cálculos sobre um acordo para a passagem adiante. ”
Maa Kaap cruzou os braços sobre o peito do barril. "Nosso
clandestino vai oferecer a vida de cada um de nós, caso nossos
serviços não sejam mais desejados neste setor?"
"O que os Muuns podem fazer conosco se não o levarmos", disse
Zuto. "Eles têm alcance enquanto um braço galáctico."

Wandau riu sem alegria. “O que eles farão - rebaixar nossas


carteiras? Congelar nossos ativos? Arruinar nossa classificação de
crédito? Nossos únicos ativos são este navio e nossa reputação de
fazer o que dizemos que vamos fazer. ”
"Principalmente", Maa Kaap disse calmamente.
Pepe bateu as mãos nas coxas. “Volta ao que eu disse sobre pedir
muito mais do que ele pode ver como um preço justo. Esses tipos
de clãs bancários mantêm todos os créditos. Mas temos um Muun
vivo e, não importa quem ele seja ou o que está fingindo ser, garanto
que ele vale mais de dez anos negociando coquetéis e polvos. ”
Maa Kaap quebrou o breve silêncio. "Capitão?"
"Eu não sou influenciado por nada disso", disse ela depois de um
momento. "Eu quero ele em nossas mãos."
Um olhar de perplexidade puxou as feições de Zuto. "Você acha
que ele é perigoso?"
PePe ridicularizou a ideia. “Muuns são covardes, muitos deles.
Eles usam créditos como armas.
Lah respirou fundo. “Você pediu minha reação intestinal. É isso
que estou lhe dando.

"Eu tenho uma idéia", disse Maa Kaap. “Uma espécie de


compromisso. Saímos do hiperespaço e comunicamos as
autoridades em Bal'demnic. Se este Muun quis, por qualquer motivo,
nós devolvemos, carga ou não. Caso contrário, decidimos uma
figura para levá-lo a Ithor, e não mais adiante. Ele olhou para Lah.
“Você está disposto a fazer esse acordo com ele? Capitão?"
Lah respondeu como se suas palavras tivessem alcançado seus
pensamentos. "Tudo certo. Isso parece razoável. Mas ela
permaneceu sentada.
"Você quer backup?" Wandau perguntou depois de outro longo
momento.
"Não, não", disse ela, finalmente se levantando.
Eu sou o capitão , 11-4D quase podia ouvi-la se lembrar. Focando
seus fotorreceptores, observou a mão direita se mover
discretamente para o jateador no quadril. E com um movimento do
polegar, ela preparou a arma para o fogo.
***

"Vamos ter que mantê-lo no gelo por mais um tempo", disse Lah
quando entrou no compartimento de carga. Plagueis não se
afastara do contêiner que servia de assento, mas seu roupão estava
aberto e as mãos descansavam na parte superior dos joelhos.
"Isso significa que você não conseguiu um consenso?"
"Eu não iria tão longe", disse Lah. “Decidimos que precisamos
saber quem você é antes de concordar em fornecer uma passagem.
E já que você parece relutante em nos contar, vamos verificar com
Bal'demnic.
Plagueis fechou os olhos com decepção. "Capitão, eu já contei
tudo o que você realmente precisa saber."
O Woebegone balançou um pouco. "Estamos saindo do
hiperespaço", disse Lah.
Em sua mente, Plagueis ouviu Darth Tenebrous dizer: Para nós que
moramos na Força, a vida normal é pouco mais que fingimento.
Nossas únicas ações de significância são aquelas que
empreendemos a serviço do lado sombrio .

"Não posso permitir isso, capitão", ele disse a ela.


Sua expressão endureceu. "Eu tenho medo que você precise."
Ele sabia desde o início da conversa que o blaster dela estava
preparado e agora a mão dela o alcançou. Caninos afiados
brilhavam em sua boca ligeiramente aberta. Teria ele realmente
acreditava que um acordo poderia ser organizado com o Woebegone
é temperamental tripulantes e imaturos? Seus destinos foram
selados no instante em que Plagueis vislumbrou o navio no campo
de pouso. A possibilidade de chegar a qualquer outra conclusão era
fictícia. Desde o primeiro momento, todos eles estavam presos a
uma série inevitável de eventos. A Força os uniu, em conflito. Até
Lah deve ter percebido isso.
Plagueis disse: "Não, capitão."
Mas a essa altura o aviso não passava de palavras.
4: O significado da morte

O Woebegone havia acabado de voltar ao espaço real quando os


sensores de áudio do 11-4D registraram sons incomuns a partir da
popa: um clique de ativação, um prolongado chiado de energia, uma
barra dopplering, uma exalação da respiração. Os sons foram
seguidos por um repentino derramamento de calor do corredor que
acessava as baías de carga e o que poderia ter sido interpretado
como uma rajada de vento. Somente ajustando a taxa de entrada de
seus fotorreceptores o dróide foi capaz de identificar o borrão que
corria para o espaço da cabine como um Muun masculino vestido
com uma túnica com capuz, calças e botas macias que atingiam
suas canelas.

Maa Kaap, PePe, Wandau e Zuto giraram em uníssono quando o


Muun chegou a uma parada desafiadora a alguns metros de onde os
quatro estavam sentados. Apertado na mão direita, estava um
dispositivo de energia de lâmina carmesim que o banco de dados do
dróide reconheceu como um sabre de luz - uma arma usada quase
exclusivamente por membros da Ordem Jedi. E, no entanto, o
reconhecimento provocou um momento de perplexidade. Os Jedi
eram conhecidos por serem guardiões da paz e executores da
justiça, mas o comportamento do Muun - o conjunto de seus
membros longos, o funcionamento feroz de sua mandíbula saliente,
o brilho amarelo em seus olhos - sugeria qualquer coisa, menos a
paz. Quanto à justiça, 11-4D não conseguiu recuperar uma única
instância dos quatro membros da tripulação que executaram uma
ofensa que justificasse pena de morte.

Com o zumbido sabre de luz pendurado na mão esquerda, o Muun


permaneceu em silêncio, deixando sua postura falar por sua
intenção nefasta. Por sua vez, os membros da tripulação,
percebendo que estavam sendo acusados injustamente, se
levantaram,

alcançando ao mesmo tempo as armas presas aos quadris e coxas.


O fato de o Muun ter permitido que eles o fizessem forneceu 11-4D
com outro mistério - pelo menos até perceber que o Muun estava
apenas cortejando o combate.
O dróide se perguntou o que o capitão Lah poderia ter dito ou feito
para despertar tanta ira no Muun. Ele repetiu a memória dela
preparando o blaster. Ela havia decidido que os problemas que o
Muun apresentava para o Woebegone poderiam ser melhor
resolvidos matando-o, apenas para julgá-lo completamente?
Independentemente disso, era evidente que o Muun acreditava que
todo o navio era cúmplice das ações do capitão Lah e decidiu
assumir a responsabilidade de retribuir o tipo mais cruel. 11-4D
assumiu que isso o incluiria e iniciou instantaneamente uma série
de rotinas redundantes que faziam backup e armazenavam dados, a
fim de fornecer um registro do que estava prestes a ocorrer.
O quadro de rosto no espaço da cabine durou apenas um
momento em que Wandau, que serviu como guarda-costas de um
famoso Hutt, entrou em ação, puxando e queimando seu blaster
enquanto corria para se esconder atrás de uma das anteparas. Uma
fração de segundo atrás, Maa Kaap ergueu a arma e disparou uma
saraivada contínua de raios blaster no Muun. No mesmo instante,
Zuto e PePe, agachados no convés, saltaram para a frente na
tentativa de flanquear o oponente e colocá-lo no centro de um
incêndio mortal.
Da passagem que levava à cabine de pilotagem vinham os passos
rápidos do piloto Blir e do navegador dresseliano do navio,
Semasalli. 11-4D sabia que eles estavam monitorando feeds de
cames do compartimento de carga e achou provável que tivessem
testemunhado qualquer sentença que o Muun tivesse cobrado do
capitão Lah.

A reação do Muun à enxurrada de raios que convergiam para ele


exigia quase mais poder de processamento do que o dróide tinha à
sua disposição. Ao empregar uma combinação de movimentos
corporais, sabre de luz e mão direita nua, o senciente ágil evitou,
refletiu ou retornou cada tiro que

alvejado ele. Renunciando lentamente à energia, os parafusos caíam


do convés e das anteparas, tocando em alarmes, levando a uma
mudança para a iluminação de emergência e desencadeando
cascatas de espuma repressora dos aerossóis do teto. Assim que o
Balosar e o Dresselian entraram no espaço da cabine, as escotilhas
selaram os corredores, impedindo qualquer fuga da confusão.
Somente a capacidade do 11-4D de calcular trajetórias e reagir
instantaneamente ao perigo impediu que ele estivesse no lado de
recebimento de qualquer um dos numerosos ricochetes.
Espiando Blir 'e Semasalli, o Muun arremessou o sabre de luz em
um arco giratório que atingiu os antenepalps e o couro cabeludo do
Balosar e a maior parte do ombro esquerdo do dresseliano
enrugado, enevoando o ar já agitado com sangue azul- esverdeado .
Como alarmes continuou a chorar e espuma continuou a esguichar,
blir' dobrada e caiu rosto- primeiro para o convés alisadas, enquanto
Semasalli, brusca na dor, recolhido para um lado, alcançar
inutilmente por seu braço cortado com o outro.
O sabre de luz mal havia saído do controle do Muun quando
Wandau voou da cobertura para levar o ataque ao Muun, disparando
seu blaster tão incessantemente quanto Maa Kaap ainda estava
fazendo. Desta vez, porém, o Muun apenas estendeu a mão direita e
absorveu os parafusos. Viajando pelo comprimento do braço e pelo
peito estreito, a energia parecia sair da mão, aguardando o retorno
da arma giratória, como um emaranhado de eletricidade azul que
sibilava dos dedos cônicos, pegando Wandau completamente e
levantando-o para o teto do porão antes de jogá-lo no convés
coberto de poças, como se seus ossos tivessem virado pó.
Sob luz vermelha estridente, os olhos de Maa Kaap
acompanharam a ascensão e queda de seu camarada quebrado.
Seu zumbido empobrecido, o Zabrak puxou uma lâmina vibratória de
uma bainha de cinto e se lançou no Muun, sua grande mão direita
com a intenção de se prender ao pescoço fino do Muun.
O Muun pegou o sabre de luz, mas em vez de colocá-lo contra
Maa Kaap, ele dançou e girou fora do alcance da lâmina vibratória e
começou a aparar o

Os chutes e socos marciais de Zabrak, até que um chute lateral no


tórax levou Maa Kaap através da cabine e bateu na antepara.
Os captadores de áudio do OneOne-FourDee registraram o estalo da
coluna do Zabrak e o rompimento das artérias pulmonares.
Agora, Zuto e PePe mergulharam no Muun de ambos os lados e
conseguiram alcançá-lo. Mas era como se o Muun tivesse se
transformado em pedra. Os Kaleesh e os Quara atacaram com
dentes e garras, mas sem nenhum efeito perceptível. E quando o
Muun teve o suficiente, ele posicionou o sabre de luz diretamente na
frente dele e girou em suas mãos, tirando o rosto torcido de PePe e
o focinho sem corte e bigode de Zuto. Os sensores olfativos
do OneOne-FourDee detectaram um derramamento de feromônios
que sinalizavam a morte do Kaleesh. Zuto, por outro
lado - embora com sangue borbulhante e gemendo de dor - talvez
pudesse ser salvo se tratado a tempo.
Endireitando-se com uma postura de pernas largas , o Muun
desativou o sabre de luz e examinou os seres que ele havia matado
e aqueles que ele havia mutilado com exatidão assustadora. Seus
olhos amarelos caíram em 11-4D, mas apenas por um instante;
depois fixou o sabre de luz no cinto e foi rapidamente até a vítima
mais próxima, que era Doo Zuto. Deixando-se ajoelhar-se ao lado
dele, o Muun olhou atentamente para o corpo trêmulo do Quara, mas
precisamente para o que o dróide não podia supor. Os arregalados
olhos marinhos de Zuto pareciam implorar por ajuda ao agressor,
mas o Muun não fez nada para estancar o fluxo de sangue ou
oferecer ajuda paliativa.
Ele permaneceu ao lado do Quara por alguns momentos, depois
se mudou rapidamente para Maa Kaap, de cuja cavidade torácica o
sangue borbulhava a cada respiração superficial. Novamente, o
Muun passou os olhos pela vítima, do rosto tatuado de Maa Kaap
aos pés grandes. De olhos fechados, o Muun adotou uma postura
que sugeria intensa concentração ou meditação, e Maa Kaap voltou
à consciência em pânico . OneOne-FourDee sintonizou o pulso do
Zabrak e o achou regular - mas apenas por um momento. Então o
ritmo de Maa

Os batimentos cardíacos de Kaap ficaram irregulares e as


respirações começaram a gaguejar de seus pulmões.
Logo ele estava morto.
O Muun parecia frustrado, e sua decepção aumentou ao descobrir
que Blir também havia morrido. Ele passou apenas momentos
avaliando Semasalli antes de ir para Wandau, que estava consciente,
embora obviamente paralisado da cintura para baixo.

"Você desonra sua herança e sua arma, Jedi", Wandau conseguiu


dizer. “Você poderia ter usado ... a Força para nos obrigar a fazer o
que você queria. Eu não só vi isso, mas experimentei.

O rosto do Muun se contorceu de desgosto. "Se você tem pouca


vontade", disse ele na língua das espécies de Wandau, "então você
não tem utilidade para mim, Klatooinian." E terminou a miséria de
Wandau com um clique do polegar e do dedo médio.
Gradualmente, o spray do teto diminuiu e os klaxons ficaram em
silêncio. Concluídos os exames, o Muun se levantou e virou-se
lentamente para o dróide.
"A que nome você responde?"
"OneOne-FourDee, senhor."
"Você pode pilotar este navio, OneOne-FourDee?"
"Eu posso, senhor." O dróide fez uma pausa e perguntou: "Deseja
que eu mude os sobreviventes para travar ou abandonar qualquer
um dos cadáveres?"
O Muun examinou sua obra. "Deixe-os." Ele tirou o roupão
encharcado e o pendurou em uma cadeira, revelando um segundo
sabre de luz preso ao cinto. "O capitão Lah observou que você tem
recursos médicos."
"Sim, senhor."
Voltando as costas para 11-4D, o Muun tirou a túnica manchada
de sangue da parte lombar distendida. "Você é capaz de reparar
isso?"

O dróide aguçou o foco de seus fotorreceptores e sensores


olfativos. "A ferida mostra sinais de infecção e putrefação, senhor,
mas, sim, eu posso consertar."

O Muun abaixou a túnica e pegou um comlink do bolso do roupão.


Ativando o dispositivo, ele passou um momento inserindo dados e
depois girou o visor para que 11-4D pudesse lê-lo. "Defina um curso
para essas coordenadas, depois me acompanhe nos aposentos do
capitão."
"Mais alguma coisa, senhor?"
“Prepare comida e bebida. Estou faminto."

Com os Woebegone viajando pelo hiperespaço, Plagueis estava


deitado no beliche do capitão, um pedaço de bacta cobrindo o
ferimento nas costas, contemplando os resultados de suas
tentativas de prolongar a vida dos tripulantes que haviam
sobrevivido à briga. Mesmo onde ele havia conseguido reparar
reparos em vasos e órgãos danificados, os resultados foram
temporários, pois ele não foi capaz de influenciar ou apelar para os
midi-chlorians para ajudar. Convocar a Força a reparar artérias
rompidas, músculos rompidos ou ossos quebrados não era mais
difícil do que levitar placas de pedra. Mas tais reformas tiveram
pouco efeito na concha etérica de um ser, que era essencialmente o
domínio dos midi-clorianos, apesar de sua presença física nas
células vivas.
Entre a tripulação do navio, o Togruta, capitão Lah, era o mais
forte da Força, mas ela estava além da ajuda dele quando ele a
alcançou. Se não houvesse desleixo da parte dele, devido à fadiga e
perda de sangue, e reflexos rápidos como o dela, o sabre de luz
poderia simplesmente ter perfurado seu pescoço e medula espinhal
cervical. Mas ela girou no momento do impacto, e a lâmina
carmesim quase a decapitou. Os Zabrak também tinham uma
contagem de meio -cloriano ligeiramente acima do normal , mas não
alta o suficiente para torná-lo sensível à força. Quão diferente foi
observar o comportamento dos midi-chlorians do Zabrak em
comparação com os de Darth Tenebrous, apenas dois dias antes!

Os Jedi realizavam exames de sangue rotineiramente para


verificar a contagem de cloridratos de possíveis estagiários, mas
Plagueis

ultrapassou a necessidade de tais medições brutas. Ele não apenas


sentia a força da Força em outra pessoa, mas também percebia os
midi-chlorians que individualizavam os seres Forceful. Foi essa
habilidade do lado sombrio que permitiu gerações de Sith localizar e
iniciar recrutas. A dispersão de midi-chlorians no momento da morte
física era, por falta de um termo melhor, inexorável. De maneira
análoga ao seu confronto predestinado com a tripulação de
Woebegone , o momento da morte parecia estar de alguma forma
fixado no espaço e no tempo. De acordo com sua educação em Sith,
desde que o capitão Lah e os outros estavam, de certo modo,
mortos desde o momento em que o olhar de Plagueis pousou no
cargueiro, seguiu-se que os midi-chlorians que residiam em suposta
simbiose com eles deviam estar se preparando para serem
subtraídos no reservatório de energia vital que era a Força muito
antes de Plagueis se esconder. Suas tentativas de salvá -las - para
prolongar esse estado de simbiose - eram comparáveis ao uso de
uma esponja para barrar um rio furioso. E, no entanto, dizia-se que
os Senhores Sith de antigamente eram capazes de aproveitar as
energias liberadas durante a morte para prolongar suas próprias
vidas, bem como as vidas de outros. Infelizmente, muito parecido
com a técnica de transferência de essência, esse conhecimento
antigo havia sido perdido.

Sentindo o navio reverter para o espaço real, Plagueis levantou-se


do beliche, vestiu-se e caminhou para a frente, passando por cima
dos cadáveres esparramados na cabine principal, as placas do
convés inundadas de líquido repressor e poças negras de sangue, e
por passagens cheirando a morte . Um dos tripulantes, o agora
dresseliano de um braço , ainda estava vivo, mas em coma.
No cockpit inferior do navio, o dróide ficou imóvel no console de
controle. Além da janela de visualização transparente, miríades de
estrelas pairavam no espaço.
"Senhor, estamos nos aproximando das coordenadas fornecidas
pelo seu comlink", disse o dróide sem se afastar da vista.
Plagueis se sentou na cadeira do piloto, que mal acomodava seu
corpo comprido. “Como você se torna

a bordo do Woebegone , dróide?


"Antigamente, atendia às necessidades de um centro médico em
Obroakai."

"Em que capacidade?"


"Pesquise, além de realizar uma ampla gama de cirurgias em
seres de diversas espécies."
Plagueis olhou para o dróide. "Assim, seus muitos apêndices."
"Sim senhor. Mas as que eu uso atualmente foram retrabalhadas
quando me tornei propriedade do capitão Lah, para que eu pudesse
atender melhor às necessidades dos Woebegone. "
"E como você se tornou propriedade do capitão?"
- Acredito, senhor, que fui premiado com o capitão Lah no lugar
dos pagamentos devidos pelo recebimento de determinadas
mercadorias. Também acredito que a troca foi temporária ...
"Mas o capitão Lah decidiu ficar com você."
"Sim senhor. Ela decidiu ficar comigo. Lamento dizer que não
consigo explicar os motivos dela e nunca imaginei perguntar.
Plagueis assentiu. "Essa é uma boa qualidade em um
dróide." "Eu entendo como poderia ser, senhor."
"Diga-me, dróide, qual é a possível conseqüência dos baixos níveis
de thoxoxina em um pau'an?"
OneOne-FourDee não hesitou. "Uma conseqüência possível seria
uma elevação da taxa de oxidação, levando ao crescimento de um
bócio exoftálmico, o que por sua vez afetaria a produção de roaamin
a partir dos lobos anteriores da glândula lutiaria".
"E?"
"Um resultado pode ser o giantismo, muito além da norma de
Pau'an."

"Se então?"
“Os gânglios conectores que formam o sistema nervoso
autônomo e controlam a secreção glandular podem induzir uma
aceleração dos músculos esfíncteres circulares do trato digestivo,
resultando em xeroftalmia. ”
"Então você também é diagnosticador."
"Em uma capacidade menor, senhor."
Além da janela de visualização, cada vez maior no cenário de um
planeta com anéis gigantescos, uma estação espacial girava em
órbita fixa perto de uma lua com muitas crateras. Uma mistura de
módulos abobadados interconectados, a estação apresentava dois
longos braços quadrados aos quais estavam amarrados navios de
tamanhos variados. Plagueis chamou os dados para a tela de
exibição de seu comlink e os colocou à vista do 11-4D.
"Transmitir esse código pelo comm."
O dróide executou a tarefa e esperou no local de trabalho
enquanto os enunciadores da cabine de pilotagem ganhavam vida.
“Cargueiro não identificado, Demonstração e Remoção do Espaço
Profundo está na recepção de sua solicitação. Nos dê um momento
para autenticar sua transmissão.
"Segurando firme enquanto você se autentica", disse Plagueis.
"Cargueiro, você está liberado para atracar", a voz retornou
um momento depois.
"Meu navio", disse Plagueis, inclinando-se para pegar o jugo.
Como precaução, a estação os direcionou para um ancoradouro
na extremidade distal do maior dos dois braços.
"Você vai me acompanhar até a baía de desembarque", disse
Plagueis ao dróide quando ele desligou o navio. “Suba a rampa de
embarque atrás de nós e ative o sistema anti-intrusão . Ninguém
deve embarcar no Woebegone, a menos que eu diga o contrário.
"Eu entendo, senhor."
Esperando na sombria baía de desembarque, estavam uma Nikto
e um jovem Dug de cor castanha , apoiados por um contingente
heterogêneo de seres armados. Abaixando o capuz de seu manto
quando ele se aproximou, Plagueis viu a Nikto pisar e sinalizou aos
que estavam atrás dela para deixar a área imediatamente.

"Magister Damask", ela começou no Basic, "eu não tinha


conhecimento prévio"
Plagueis a interrompeu. "Esta não é uma chamada social."
“Claro, Magister. Independentemente disso, você gostaria que eu
avisasse o chefe Cabra de sua visita?
"Ele está na estação?"
"Não senhor. Mas ele pode ser contatado pelo comm.
"Isso não será necessário", disse Plagueis. "Eu vou entrar em
contato com ele."
Como quiser, Magister. Quais serviços a estação pode oferecer? ”

Plagueis gesticulou de maneira ofensiva para o cargueiro


atracado. "Este navio deve ser selado e escória."
"Sem salvar nada?" o Dug disse.
Plagueis olhou para ele. “Eu disse selada e escória. Você precisa
ouvir pela terceira vez?
O Cavado arreganhou os dentes. "Você sabe com quem está
falando, Muun?"
Plagueis olhou para o Nikto. "Quem é esse filhote de cachorro?"
"Filhote?" o Dug repetiu antes que o Nikto pudesse intervir. “A
descendência mais jovem do chefe Cabra, Magister”, ela disse
rapidamente, restringindo o Dug com o braço esquerdo estendido.
"Ele
não significa desrespeito. "
Plagueis olhou para o Cavado novamente. "Como você se chama,
filhote?"

As pernas traseiras do Dug estavam tensas por um salto, mas o


Nikto girou rapidamente, dando-lhe um tapa no focinho de asas
largas e de asas largas e apertando a mão na traquéia.
"Responda a ele!" ela gritou em seu rosto rosnado. "E com o
devido respeito!"
O Dug cedeu e choramingou, embora certamente mais por
humilhação do que por dor. "Darnada", ele chiou finalmente.
"Darnada", repetiu Plagueis antes de se dirigir ao Nikto. "Talvez o
jovem Darnada deva ser amordaçado para impedir que ele ponha
em risco as relações comerciais de seu pai."

"Sua ousadia reflete sua inexperiência, Magister", disse o Nikto em


um pedido de desculpas abjeto. Ela deu a Darnada um olhar
ameaçador antes de continuar. "Confie que seus pedidos em relação
ao navio serão cumpridos na íntegra, Magister."
"Também vou precisar de uma troca de roupa e de um navio
pilotado e abastecido."
"Podemos fornecer ao piloto um destino de antemão?"
"Muunilinst."
“Claro, Magister. E quais são as suas instruções sobre o dróide?
"Instruções?"
"O dróide deve ser arrastado junto com o navio?"
Plagueis olhou por cima do ombro para 11-4D. "Quanto de sua
memória pode ser limpa sem adulterar seus protocolos médicos?"
"Sou modular no design", disse o dróide. "O armazenamento da
minha memória pode ser apagado completamente ou de acordo
com os parâmetros que você estabelecer".
Plagueis considerou isso. “Permaneça com o navio até que ele
tenha sido liquefeito. Vou esperar uma gravação completa de
áudio e vídeo . ” O OneOne-FourDee levantou seus anexos do
lado direito em um gesto de reconhecimento. “Ao seu serviço,
Magister
Damasco."

5: HOMECOMING

Aqueles que tiveram a sorte de ter visitado Muunilinst nas décadas


anteriores às Guerras Clônicas freqüentemente observavam que o
planeta havia sido abençoado com os céus mais bonitos da galáxia.
Para manter aquele reino azul intocado - para impedir que ele fosse
manchado por navios de lançamento, ônibus espaciais ou
embarcações de desembarque - os Muuns haviam erguido o
skyhook mais caro do gênero em qualquer lugar fora do Núcleo. Tão
eficiente quanto luxuoso, o skyhook, conhecido afetivamente como
o Funil Financeiro, ligava a cidade orbital de High Port à capital do
planeta, Harnaidan, que funcionava como o centro nervoso do Clã
Bancário InterGaláctico. Embora a torre imponente parecesse falar
com a alta consideração dos Muuns por estética e ecologia, seu
verdadeiro objetivo era impedir que os visitantes pusessem os pés
em Muunilinst, salvaguardando assim a riqueza de recursos do
planeta e mantendo em segredo o estilo de vida luxuoso daqueles
que ascenderam a o topo da cadeia alimentar.
Do canto remoto da Orla Exterior, Muunilinst exerceu sua
influência em todo o espaço conhecido e a meio caminho do
aglomerado de estrelas satélites mais próximo da galáxia. Desde a
fundação da República, o Clã Bancário havia financiado governos,
apoiado assentamentos e financiado inúmeras guildas comerciais,
corporações comerciais e cartéis de remessa. Em um sentido muito
real, o IBC ditou o fluxo e refluxo da riqueza do Core para o Outer
Aro. Dificilmente um edifício foi erguido em Coruscant sem a
aprovação do Clã Bancário; dificilmente uma nave estelar deixou os
estaleiros em Kuat, Bilbringi ou Fondor sem que o IBC tivesse
intermediado o acordo; e mal houve uma eleição em Corellia ou
Commenor sem os Muuns terem sido consultados.

Os Muuns realizaram todas essas coisas com uma serenidade


meticulosa que desmentia o funcionamento frenético de suas
mentes matemáticas. Exceto quando se tratava de cobrar dívidas
vencidas, os Muuns, pela primeira vez, pareciam ser uma espécie
estável e branda, ainda que um pouco arrogante, com uma natureza
ascética que mantinha seus corpos esbeltos e refletia de maneira
simples. mas arquitetura harmoniosa de suas cidades.
Tão pálido quanto os próprios Muuns, o High Port Space Center
incorporou os elementos de design que eles mais favoreciam:
interiores abobadados, janelas com arcos , colunas flutuantes e
frisos e entablamentos sem adornos. Entre esses blocos de
pedra falsa, grandes grupos de Muuns manobravam e misturavam-
se a um propósito sem pressa, embora obstinado , mantendo um
clamor de conversação que pareceu a alguns visitantes uma
reminiscência da linguagem falada das máquinas pensantes.
Assistiam a eles dróides de toda a variedade e trabalhadores
convidados dos mundos próximos de Bescane, Jaemus, Entralla e
outros. Em um determinado dia, um visitante pode espiar enviados
de Yagai, Gravlex Med ou Kalee, junto com Hutts dos parentes Drixo
ou Progga. Mas o que mais se viu, em número esmagador, foram
membros do Clã Bancário - bailarinos, contadores,
advogados - vestidos com seus trajes palofeus signatários:
formando calças e botas verdes, túnicas verdes de
colarinho redondo e mantos verdes de ombros largos . Alguns eram
acompanhados por soldados de agachamentos, de pele escura
e nariz chato, do planeta Iotra, vestindo uma colete à prova de balas
e carregando armas cerimoniais.
Naquele dia, atravessando o mar verdejante como uma criatura
predatória do mar, veio um grupo de Muuns em forma de cunha,
vestido com mantos pretos e capas de caveira, guardado por um
contingente de guerreiros Echani de cabelos escuros, cujos olhos
prateados disparavam vigilantes e cujos trajes metálicos
mascaravam a translucidez de a pele deles. Na ponta da cunha
marcharam um Muun mais velho com um queixo com bigodes e
inclinou-se

ombros, que estava indo diretamente para o posto de controle


alfandegário de High Port, onde o Hego Damask - como Plagueis era
conhecido por todos, menos o falecido Darth Tenebrous - e o 11-4D
estavam esperando, em meio a um contingente de seguranças.
"Viemos assim que a High Port Immigration nos notificou", disse
Larsh Hill. "Se você tivesse nos contatado da Deep Space
Demolition, poderíamos ter enviado uma nave, em vez de confiar na
hospitalidade ilusória de Boss Cabra."
"Parece que ninguém acredita que sou capaz de encontrar meu
caminho de casa", disse Damask.
O rosto comprido de Hill enrugou. "Eu não entendo."
“Não é importante que você faça. Basta dizer que o envio de um
navio só resultaria em mais atrasos. ” Como Hill e seu círculo de
meia dúzia, a cabeça sem pelos de Damask estava envolto em um
gorro apertado , e a bainha de sua capa preta varria o chão polido.
"Você era esperado dias atrás", disse Hill, com uma nota de
exasperação.
"Eventos de natureza imprevista me impediram de voltar mais
cedo."
"Uma jornada de sucesso, no entanto, eu assumo."
"Você assume corretamente."
Hill relaxou um pouco. “Não devemos ficar aqui mais do que o
necessário. O transporte está esperando.
Com o gesto de Hill, os Muuns de capa preta começaram a se
inclinar para os elevadores de gancho do céu, quatro dos guerreiros
de terno prateado que caíam para flanquear Damask e o dróide, que
andavam atrás dele.
"Você está mancando", disse Hill, com a menor urgência. "Você
está ferido?"

"Cura", disse Damask. "Não faça mais menção a isso." "Nós


poderíamos adiar o Encontro"
"Não. Isso acontecerá como programado. ”
"Estou aliviado ao ouvir isso", disse Hill, "já que vários de seus
convidados já estão em trânsito para Sojourn."
O grupo estava a meio caminho dos turbolifts quando uma facção
dos funcionários do Clã Bancário deliberadamente cruzou seu
caminho, forçando-os a parar. O líder óbvio da facção, um Muun de
meia-idade, se separou do resto e foi para a frente.
"Magister Damask", disse ele. "Que surpresa encontrá-lo aqui,
entre a multidão."
Damask adotou um sorriso fraco. "Excluindo-se, é claro,
presidente Tonith."
Tonith continuou. "Estamos simplesmente de passagem."
"Como nós", disse Damask, apontando para Hill e o resto.
"Você está viajando, Magister?"
"Uma viagem de negócios, presidente."
"Claro." Foi a vez de Tonith mostrar um sorriso fraco. “Mas, nesse
caso, talvez você não tenha ouvido falar que o Senado está prestes
a criar zonas de livre comércio adicionais nos territórios da borda
externa. A despeito do que entendo serem esforços consideráveis
da sua parte, os cartéis de remessa enfrentam o perigo de serem
quebrados e, mesmo que não sejam, certamente terão que lidar com
a concorrência acirrada das empresas iniciantes . Os mundos Core e
Outer Rim devem se beneficiar muito com o acordo, você não
concorda?
Damask inclinou a cabeça em um arco de reconhecimento. “Eu
não tinha ouvido, Magister. A quem podemos agradecer por
convencer os liberais a adotarem a emenda? ”
"Entre outros, a Ordem Jedi fez lobby com sucesso."
"Então deve ser o melhor."
"Alguém poderia pensar", disse Tonith lentamente. "Exceto pelo
fato de que, em troca, a Federação do Comércio agora desfrutará de
privilégios totais de voto no Senado."
"Ah bem. Concursos de um tipo ou de outro sempre aparecem no
Senado.
Tonith inclinou-se um pouco para Damask. “Obrigado, no entanto,
por sugerir que investimos na borda externa e na remessa
trans-perlemiana . Os resultados proporcionaram uma sorte
inesperada. ”
"Onde e quando posso prestar serviço, presidente."

Tonith se endireitou. "Seu pai do clã ficaria orgulhoso." Damask


olhou Tonith nos olhos. "Eu tomo isso como um
elogio."
- De que outra forma eu falaria sério, Magister?
Quando os membros do Clã Bancário se mudaram e o grupo de
Damask voltou a se mover, Damask olhou para Hill. "Um dia
derrubaremos os Toniths de sua posição elevada." Hill sorriu com os
olhos. “Espero estar vivo para ver esse dia. E só para você saber,
Hego, seu pai ficaria orgulhoso.
Não obstante o sarcasmo do presidente Tonith.
"Você saberia melhor que a maioria."
Tendo chegado aos turbo-elevadores skyhook, Hill estava levando
todos, menos ele e Damask, a um elevador separado quando
Damask disse: "O dróide vai andar conosco".
Hill avaliou 11-4D quando os três entraram no turbocompressor.
"Uma nova aquisição?"
"Uma espécie de prêmio de porta", disse Damask.
Hill não a perseguiu. "Você vai para sua residência ou para
Aborah?"
“Diretamente para a ilha. O dróide vai me acompanhar. "Eu
vou tomar as providências necessárias."
Damask baixou a voz para perguntar: "Estamos seguros aqui?"
"Completamente."
Damask virou-se para encarar o Muun mais alto e mais velho.
"Rugess Nome está morto."
"O Bith?" Hill disse espantado. "Quão? Onde?"
"Sem relevância", disse Damask, lembrando. "Eventualmente, os
bens de Nome passarão para nós, mas isso não será por algum
tempo, já que é improvável que seu corpo seja encontrado."

Hill não se incomodou em pedir detalhes. “Vamos permitir que um


ano padrão passe. Depois, solicitaremos aos tribunais de sucessões
que tomem uma decisão - no mínimo por quaisquer bens
contratualmente nossos. Você é o executor, de qualquer forma, não
é?

Damask assentiu. “Por fim, liquidaremos a maior parte do


patrimônio. Mas há várias ... antiguidades de um tipo curioso que
pretendo manter. Vou preparar um inventário. Enquanto isso, quero
que você se familiarize com um mundo chamado Bal'demnic.
Quando tiver, você deverá adquirir direitos de mineração para toda a
península nordeste da principal massa terrestre. Compre o máximo
possível de propriedades, desde a costa até o planalto central.
Fornecerei coordenadas específicas.

A incerteza puxou as características fortes de Hill. "Estamos nos


aventurando no negócio de mineração agora?"
"Quando for a hora certa. Use intermediários que não podem ser
rastreados para nós. Eu suspeito que você terá que ir até o topo para
garantir o que precisamos. Os indigenas serão problemáticos para
negociar, mas estou confiante de que podem ser persuadidos.
Pechincha como você quer dizer, mas no final não poupa despesas.
"Bal'demnic é tão importante?"
"Um palpite", disse Damask.
Descendo rapidamente, o turboélice skyhook perfurou camadas
de nuvens brancas puras, revelando um panorama curvo do oceano
azul-marinho, planícies marrons pálidas e floresta sempre-verde. E
logo abaixo, a visão que dizia tirar o fôlego: a cidade de Harnaidan,
repleta de estruturas neoclássicas tão altas quanto as torres
vulcânicas que a circundavam, e lar de cinquenta milhões de muuns,
vivendo em uma paisagem urbana obra-prima ordenada de arte e
design. Para alguns, era a antítese da maioria das capitais
planetárias: o anticoruscant; o anti-Denon.
"O que podemos esperar no Encontro?" Damask perguntou,
afastando-se da vista.
"Gardulla solicitou uma audiência."
"Não tenho o hábito de me sentar com Hutts." "Ela
pede sua ajuda na mediação de uma disputa." "Com
quem?"

"O clã Desilijic."

Damask assentiu conscientemente. “Isso está se formando há


algum tempo. O quê mais?"
"Representantes de Yinchorr estarão lá." "Boa. As
holotransmissões têm suas limitações. ” “Membros da Federação
do Comércio e da Gran
O protetorado também estará presente. ”
Damask bufou. "Não há nenhum deles agradável." Ele ficou
pensativo e disse: “Há outro pequeno problema que precisamos
resolver. Estenda um convite pessoal aos proprietários da Subtext
Mining. ”
Hill esfregou o queixo bigodudo. “Não me lembro de ter me
envolvido com eles. Isso tem algo a ver com Bal'demnic?
Damask ignorou a pergunta. Por um tempo, eles aconselharam
Nome. Certifique-se de que eles entendam que operamos com total
confidencialidade. ”
"Se os Bith fizeram parceria com eles, eles devem ser altamente
recomendados."
"Alguém poderia pensar." Damask virou as costas para Hill para
apreciar a vista mais uma vez. "Mas, de fato, não vejo muito futuro
para eles."

Ao contrário de tantos mundos pesquisados e colonizados por


espécies do núcleo, Muunilinst deu origem a sua própria marca de
sencientes. Agricultores e pescadores, os antigos Muuns não
sabiam o quão favorecido era seu planeta até que as viagens
interestelares se tornassem comuns e os metais preciosos a
espinha dorsal da economia galáctica. Se esses primeiros milênios
de expansão não tivessem sido um tempo de paz, os Muuns
poderiam ter perdido o que tinham do poder militar; mas, como
aconteceu, eles resistiram a todas as tentativas de exploração e se
tornaram donos de seu destino. Ainda assim, o que era uma bênção
econômica acabou se tornando um fardo. Uma vez que os Muuns
entenderam o valor do que eles tinham dado como certo, eles
mantiveram suas riquezas com uma tenacidade feroz, e

desenvolveram um apego quase agorafóbico ao seu mundo natal.

No meio dos oceanos rasos de Muunilinst, a mesma atividade


vulcânica que fertilizara as vastas planícies arrotava novos leitos do
mar e metais preciosos o suficiente para alimentar o crescimento de
impérios. As montanhas amontoadas através de aberturas na crosta
planetária foram consideradas repositórios de riqueza
extraordinária. Banhados por águas mornas repletas de peixes-
concha, vermes-tubulares e flores bioluminescentes, esses
"fumantes", como eram conhecidos, tornaram-se a fonte e os cofres
financeiros dos clãs mais poderosos e prósperos de Muunilinst.

Mais remota que algumas, Aborah, que havia sido a província do


clã damasco por várias gerações, era típica dos fumantes
adormecidos cujos picos cônicos densamente arborizados
apareciam nas águas calmas do mar ocidental. Um labirinto de
tubos de lava interconectados corria fundo na ilha da montanha;
cachoeiras caíam das alturas; e as árvores de incenso perfumavam
o ar salgado dos vales das terras baixas. Transportado por speeder
para o complexo da torre norte de Aborah, Plagueis acompanhou
11-4D em um passeio pelos corredores e cavernas que constituíam
seu lugar de solidão sacrossanta.
Apontando para os muitos dróides que estavam à disposição para
dar as boas-vindas a Aborah, Plagueis disse: "Você se encontrará
em casa aqui, como eu."
“Tenho certeza de que sim, Magister Damask”, disse o 11-4D ,
seus fotorreceptores registrando uma dúzia de diferentes tipos de
dróides em um único olhar. Dróides de memorando, dróides de
poder GNK e até um protótipo de dróide cirúrgico ubrikkiano.
"Com o tempo, veremos a restauração de seus apêndices
originais para que você possa ganhar seu sustento."
"Estou ansioso por isso, Magister."
O passeio começou nas salas mais externas, que foram
decoradas com móveis e objetos de arte da mais alta qualidade,
reunidos em todos os setores da galáxia. Mas Plagueis

não era tão aquisitivo como um neimoidiano nem tão ostensivo


quanto um Hutt; e assim as câmaras ornamentadas rapidamente
deram lugar a salas de coleta de dados lotadas de receptores de
áudio e vídeo e projetores HoloNet; e depois as galerias cheias a
transbordar de documentos e tomos antigos, gravados em mídias
que variam de pergaminho de troncos de árvores, de plástico
simples a cristal e holocron. Dizia-se que os Muuns detestavam a
literatura e detestavam manter registros de qualquer coisa que não
fossem avisos de empréstimos, tabelas atuariais e escrituras legais,
e, no entanto, Plagueis era o guardião de uma das melhores
bibliotecas encontradas em qualquer lugar fora de Obroa-skai ou no
Templo Jedi em Coruscant. Aqui, ordenadamente organizado,
catalogado e armazenado em casos controlados pelo clima , havia
uma coleção de tratados e comentários acumulados ao longo dos
séculos pelos Sith e seus agentes muitas vezes inconscientes.
Histórias antigas dos Rakata e Vjun; textos dedicados aos
Seguidores de Palawa, à Academia Chatos e à Ordem de Dai Bendu;
arquivos que pertenceram à Casa Malreaux; anais dos feiticeiros de
Tund e da rainha Amanoa de Onderon; estudos biológicos dos
ysalimiri e vornskrs de Myrkr e do taozin de Va'art. Certas espécies
de vida longa , como os Wookiees, Hutts, Falleen e Toydarians, eram
galerias próprias.

Mais fundo na montanha havia laboratórios onde o verdadeiro


trabalho de Plagueis ocorreu. Confinados em gaiolas, campos de
estase, biorreatores e tanques de bacta eram formas de vida
trazidas a Muunilinst de toda a galáxia - muitas das mais remotas
mundos da galáxia. Alguns eram criaturas do instinto, e outros eram
semi-sensíveis. Alguns foram imediatamente reconhecidos por
11-4D; outros pareciam criaturas inventadas de partes emprestadas.
Alguns nasceram ou nasceram recentemente, e outros pareciam
estar sendo mantidos à porta da morte. Mais do que alguns foram
os sujeitos de experimentos em andamento no que parecia ser
vivissecção ou cruzamento, e outros estavam claramente em
suspensão

animação. O OneOne-FourDee observou que muitos dos animais


usavam controles remotos que os ligavam a máquinas de
monitoramento biométrico, enquanto outros estavam sob os
cuidados diretos de dróides especializados. Em outras partes da
cavidade da montanha havia recintos fechados, aquecidos por luz
artificial, ondulavam com misturas de gases raros encontrados e
luxuriantes com fl ora. E ainda mais profundamente estavam os
centros de teste repletos de máquinas complexas e unidades de
resfriamento com fachada de vidro dedicadas ao armazenamento
de compostos químicos, alcalóides derivados de plantas e animais,
amostras de sangue e tecidos e órgãos corporais de várias
espécies.

Plagueis instruiu 11-4D a passear pelas galerias e laboratórios por


conta própria e depois se reportar a ele.
Horas depois, o dróide voltou a dizer: “Reconheço que você está
envolvido em pesquisas relacionadas à durabilidade e hibridação de
espécies. Mas devo confessar que não estou familiarizado com
muitos dos exemplos de fauna e fl ora que você acumulou e com
poucos documentos misteriosos da sua biblioteca. Os dados estão
disponíveis para upload? ”
"Alguma parte disso", disse Plagueis. "O restante terá que ser
digitalizado."
"Então a tarefa exigirá anos padrão, Magister."
"Eu estou ciente disso. Embora exista alguma urgência, não temos
pressa. ”
“Eu entendo senhor. Há dados específicos que você deseja que eu
assimile primeiro?
Do bolso do paletó de sua capa, Plagueis retirou um cristal de
armazenamento. “Comece com isso. É uma história dos Sith.
OneOne-FourDee levou um momento para pesquisar sua
memória. “Eu tenho várias listagens sob esse cabeçalho. Alguém
define os Sith como uma seita antiga dedicada ao estudo da Força.
Semelhante aos Jedi, mas guiado por diferentes princípios. ”
"Está perto o suficiente por enquanto", disse Plagueis.
"Magister Damask, se eu tiver coragem de perguntar: qual é o
nosso objetivo final?"

“O objetivo é prolongar minha vida indefinidamente. Para vencer a


morte.

O dróide fixou Plagueis em seus fotorreceptores. “Eu tenho


acesso a dados sobre supostos 'elixires da vida' e 'fontes da
juventude', Magister. Mas todos os seres vivos finalmente morrem,
não morrem? ”
"Atualmente, OneOne-FourDee."
O dróide pensou mais sobre isso. “Tenho experiência em cirurgia
de substituição de órgãos, genoterapia com telômeros e suspensão
de carbonitos. Mas nada além disso.
O lábio superior liso de Plagueis se curvou. "Então você apenas
arranhou a superfície."
***

Com 11-4D em profundidade no modo de processamento, Plagueis


retirou um frasco de seu próprio sangue e o submeteu a análise.
Apesar da recente amplificação de seus poderes, ele sentiu que sua
contagem de cloridratos não aumentara desde os eventos em
Bal'demnic, e a análise da amostra de sangue confirmou suas
suspeitas. Há muito tempo, pesquisas haviam estabelecido que
transfusões de sangue de indivíduos sensíveis à Força não
conferiam poderes à Força aos receptores, embora o sangue com
uma alta contagem de cloridratos pudesse conceder força e
resistência temporárias. Experimentos em transfusão absoluta
deram terrivelmente mal aos destinatários, sugerindo a alguns que a
Força causou um impacto sobre aqueles que tentaram adulterá-la.
Os midi-chlorians de um indivíduo pareciam saber a quem eles
pertenciam e ficam sem resposta fora do navio dedicado.

Enquanto os midi-chlorians pareciam resistir à manipulação de


um tipo que pudesse pôr em risco o equilíbrio da Força, eles
permaneceram passivos, até complacentes, no caso de uma
vontade fraca ser manipulada por alguém que era forte na Força.
Talvez isso tenha explicado por que muitas vezes era mais fácil
recorrer à Força para curar alguém que não fosse você. Prolongar a
vida, então, poderia depender de algo tão simples quanto poder
induzir midi-chlorians para criar novas células; subdividir à vontade,
aumentando seu número em dezenas de milhares para curar ou
substituir células danificadas, envelhecidas ou metastáticas. Os
midiclorianos tiveram que ser compelidos a servir as necessidades
do corpo; conferir força quando necessário; superar o insulto físico
ou impedir que as células atinjam a senescência.
Se alguém aceitasse as histórias contadas em contas e
holocrons, os Sith antigos sabiam como fazer isso. Mas Sith como
Naga Sadow e Exar Kun foram genuinamente mais poderosos, ou
eles se beneficiaram do fato de o lado sombrio ter sido mais
proeminente naquelas épocas passadas? Alguns comentaristas
alegaram que a capacidade de sobreviver à morte havia sido
limitada àqueles com talento para feitiçaria e alquimia, e que o uso
de tais práticas realmente antecedeu a chegada dos exilados Jedi
das Trevas em Korriban. Mas a feitiçaria havia sido empregada
menos para prolongar a vida do que para criar ilusões, moda de
animais e ressuscitar os mortos. Dizem que adeptos poderosos
foram capazes de saturar a atmosfera de planetas com energia do
lado escuro, obrigar estrelas a explodir ou induzir paralisia nas
multidões, como Exar Kun aparentemente fez para selecionar
membros do Senado da República. Outros adeptos usavam feitiçaria
apenas como um meio de entender melhor os feitiços e sigilos
antigos dos Sith.

Darth Bane se referiu à feitiçaria como uma das expressões mais


puras do lado sombrio da Força, e, no entanto, ele não tinha sido
capaz de aproveitar essas energias com quase a habilidade, como
seu ex-aprendiz Zannah. Os discípulos de Bane, no entanto,
acreditavam que ele havia experimentado uma técnica de
significado ainda maior: a da transferência de essência, que ele
aprendeu depois de adquirir e saquear o holocron de Darth Andeddu,
e que envolveu a realocação da consciência de um indivíduo em
outro corpo ou corpo. , em alguns casos, um talismã, templo ou
sarcófago. Assim, o mais poderoso dos antigos Lordes Sith
sobreviveu à morte para assombrar e assediar aqueles que
infiltrariam seus túmulos.

Mas nada disso representava sobrevivência corporal .


Plagueis não tinha interesse em ser uma presença demorada e
sem corpo, presa entre mundos e impotente para afetar o reino
material, exceto através das ações de seres de mente fraca que ele
poderia incitar, persuadir ou querer entrar em ação. Nem procurou
desviar sua mente para o corpo de outro, seja um aprendiz, como se
pensava que Bane havia tentado, ou algum clone cultivado em barril.
Nada menos que a imortalidade de seu corpo e mente seria
suficiente.
Vida eterna .
Infelizmente, ele conseguiu extrair muito dos textos, cristais e
holocrons armazenados na biblioteca. O conhecimento crucial havia
sido perdido durante o breve domínio de Darth Gravid, e muitos dos
elementos mais importantes do treinamento Sith desde então foram
passados do Mestre para os aprendizes em sessões que foram
deixadas sem registro. Mais precisamente, Darth Tenebrous tinha
muito pouco a dizer sobre a morte.
Sozinho em um dos centros de testes, cercado por seus
experimentos - coisas que Plagueis poderia dizer que amava - a
enormidade do que ocorrera em Bal'demnic subitamente se ergueu
diante dele como um monólito de proporções incomensuráveis. Pela
primeira vez, ele pôde sentir a Força do lado sombrio não como um
mero vento de sustentação, flutuando nas velas de um barco de
recreio, mas como um furacão ansioso por lançar uma tempestade
de destruição na República em ruínas e na indolente Ordem Jedi.
Uma tempestade que devastaria tudo o que era antiquado e
corrupto e abriria o caminho para uma nova ordem na qual os Sith
seriam devolvidos ao seu devido lugar como mordomos da galáxia,
e diante dos quais todas as diversas espécies se curvariam, não
apenas em reverência e medo, mas em gratidão por ter sido retirado
do limiar.
A tarefa diante dele era ao mesmo tempo revigorante e
assustadora, e aos olhos daquela tempestade de ciclones ele podia
ouvir as vozes distantes de todos aqueles que haviam posto a obra
do imperativo Sith - o Grande Plano; aqueles que animaram o
furacão com sua respiração e vidas:

Darths Bane e Zannah, e ao longo das gerações que incluíam


Cognus, Vectivus, Ramage e Tenebrous. Cem anos antes, o Mestre
Twi'lek de Tenebrous havia aberto uma pequena ruptura no tecido
da Força, permitindo que o lado sombrio fosse sentido pela Ordem
Jedi pela primeira vez em mais de oitocentos anos. Aquela fora a
inauguração, o começo da vingança dos Sith. E agora chegara a
hora de ampliar esse buraco, uma ferida aberta , na qual a República
e a Ordem Jedi, por sua própria conta e risco, seriam atraídas.
6: A LUA DOS CAÇADORES

Uma brisa da tarde carregava o perfume de sangue fresco. Gritos de


agonia e morte perfuravam gavinhas de névoa presas pelos galhos
retorcidos de árvores verdes. Os relatórios de armas - antigos e
novos, projéteis e energia - repercutiram na escarpa que cercava a
antiga fortaleza a oeste, atrás da qual o sistema primário agora
estava desaparecendo. Como se alguma estatuária fantástica
estivesse no topo de um local de culto, Magister Hego Damask
estava na muralha mais alta, sua capa preta tremulando, sintonizada
com os sons do massacre. E para o clamor de grupos de seres que
retornam de suas caçadas separadas, sangue de qualquer cor e
consistência provocada por violência primitiva, vozes levantadas em
canções antigas ou cantos guturais, as carcaças estripadas de suas
presas amarradas a ninhadas de antigravidade, prontas para assar
fogueiras que ardia no pátio central do forte, ou para preservação
por taxidermistas habilidosos. Veermok, nexu, mongworst; dragão
krayt, acklay, fedor. Seja qual for a preferência deles.

Um aceno para o planeta que a nascera, a lua era conhecida como


Permanência, um nome sussurrado por quem a conhecia um pouco,
e mesmo por aqueles que a visitaram repetidamente ao longo dos
séculos. O sistema poderia ser encontrado nos registros, mas
apenas se soubéssemos onde procurar e como decifrar os dados
que revelavam sua localização.

Aqui, uma vez a cada ano padrão, Damask e a dúzia de Muuns


que compunham a Damask Holdings realizavam uma reunião de
seres influentes de toda a galáxia. Seus nomes podem ser
conhecidos por alguns, mas eram em grande parte invisíveis para as
massas e podiam se mover entre elas sem serem reconhecidos,
embora

eles foram responsáveis - em grande parte - por eventos que


moldaram a história galáctica. Eles foram transportados para
Sojourn em segredo, a bordo de navios projetados por Rugess Nome
e de propriedade da Hego Damask. Ninguém veio sem um convite,
pois fazer isso correria o risco de ser destruído imediatamente. O
que eles compartilharam com um ser foi a crença de Damasco de
que o lucro financeiro importava mais do que notoriedade, política
ou moralidade vulgar.
Fundada gerações antes por membros do Clã InterGalactic
Banking, Sojourn havia começado como um local de relaxamento
para a clientela mais rica do clã. Um requisito para os que têm
privilégios exaltados. Mais tarde, sob a administração do damasco
mais velho , o pai biológico de Hego, ao se aposentar da presidência
do IBC, a lua se tornou outra coisa: um lugar onde apenas os
jogadores mais importantes foram reunidos para trocar idéias. Foi
em Sojourn que o padrão de crédito galáctico havia sido
estabelecido; a chancelaria de Eixes Valorum proposta pela primeira
vez; a composição da Diretoria da Federação do Comércio foi
reorganizada. Então, sob Hego Damask, a permanência se tornou
outra coisa novamente. Não é mais um resort ou centro de estudos,
mas um experimento de pensamento mais ousado, na alquimia
social. Um lugar para traçar, elaborar estratégias e arrancar o curso
da história galáctica das mãos do acaso. Onde uma vez Iotran
Brandsmen tinha fornecido segurança, contingente de do damasco
adequado prata- Echani Sun Guarda influência agora realizada. Com
grande custo, mudas de árvores de madeira escarlate haviam sido
contrabandeadas de Pii III e plantadas no solo modificado de
Sojourn. As florestas foram estocadas com caça clonada e criaturas
exóticas; o forte antigo transformou-se em uma espécie de loja, com
os hóspedes muito importantes de Damasco residindo em abrigos
intencionalmente grosseiros, com nomes como Nest, Cave,
Hideaway e Escarpment. Tudo para encorajar uma mente que
terminaria em parcerias de um tipo incomum.

Damasco permaneceu na muralha enquanto a luz diminuía e a


escuridão se arrastava sobre a paisagem florestal. No grande pátio
abaixo, os foguetes disparavam mais alto e os

odores de carne carbonizada pairavam densamente no ar. Vinhos e


outros intoxicantes voavam livremente; As mulheres Twi'lek e
Theelin se divertiam; e a multidão ficou turbulenta. Cada grupo de
caça era obrigado a exibir e massacrar seus prêmios; molhar os
membros e outros apêndices com sangue. Nem todos os seres
eram comedores de carne, mas mesmo aqueles que subsistiam em
grãos e outras culturas eram atraídos para a devassidão. À meia-
noite, os princípios orientadores da República seriam ridicularizados,
e senadores importantes - exceto os presentes - seriam
ridicularizados. Que as cerimônias e símbolos dos Sith haviam sido
incorporados às cerimônias e a arquitetura da fortaleza era apenas
o segredo de Damasco.
Sentindo a chegada de Larsh Hill e outros dois Muuns, ele se
afastou da vista do parapeito.
"O Hutt está esperando desde o início da noite", disse
Hill. "O preço do encontro comigo", disse Damask.
Hill lançou-lhe um longo olhar. "Se ela não soubesse tanto, estaria
muito longe."
O Magister seguiu o trio por um longo lance de degraus de pedra e
entrou em uma área de recepção bocejada, aquecida por tapetes
coloridos, tapeçarias e um grande incêndio. Gardulla Besadii, o
Ancião, senhor do crime e jogador notório, flutuou em um palanquim
adequado ao seu tamanho, acompanhado por uma comitiva que
incluía seu majordomo de Rodian, guarda-costas e outros. Os
próprios guardas de Damasco foram rápidos em levar todos, menos
o Hutt, de volta à sala de espera. Larsh Hill e os outros dois Muuns
de capa escura permaneceram ao lado de Damask.
Enrolada na cauda poderosa, Gardulla estendeu os braços nus e
atarracados em direção ao fogo. "Venho admirando seus artistas,
Magister", disse ela. “Particularmente os cantores de Theelin. Talvez
você possa me ajudar a conseguir alguns.
"Temos um Twi'lek que fornece as fêmeas", disse Damask de sua
poltrona. "Você terá que falar com ela."
Gardulla notou o tom agudo em sua voz. "Vamos aos negócios
então."

Damask ofereceu um gesto de desculpas. "Uma agenda cheia me


exige pouco tempo para agradar."
Não acostumado a falar direito, o Hutt franziu a testa e disse: -
Planejo tentar agarrar Tatooine, Magister, e vim pedir seu apoio.
"Um mundo árido no setor Arkanis da Orla Exterior", Hill forneceu
silenciosamente por trás da poltrona.
"Por apoio , presumo que estamos falando de créditos", disse
Damask.
Gardulla se reposicionou na cama. "Estou ciente de que você
desaprova especiarias e escravidão, mas há lucros a serem feitos
em Tatooine por outros meios."
"Não é cultivo de umidade, então."
Gardulla olhou com raiva. "Você zomba
de mim."
Damask fez um gesto negligente. - Eu provoco você, Gardulla. Sei
pouco sobre Tatooine, além de que o planeta foi herdeiro de uma
catástrofe ecológica no passado sombrio e que seus vastos
desertos agora sustentam uma população de buracos, patifes e
espaçadores infelizes de todas as espécies. Ouvi dizer que nada
acontece em Tatooine e que os seres que residem lá envelhecem
prematuramente.
Damask também sabia que o antigo Sith já teve um posto
avançado em Tatooine, mas ele manteve isso para si.
"Felizmente, a longevidade vem naturalmente para minha
espécie", disse Gardulla. - Mas não quero inimigos de um tipo
diferente, Magister. Inimigos que gostariam de nada mais do que me
ver em um túmulo cedo.
"O clã Desilijic."
“Eles são precisamente o motivo pelo qual desejo me retirar de
Nal Hutta - e de gente como Jabba Desilijic Tiure e o resto. Com sua
assistência financeira, eu posso conseguir isso. Sei que você fez
amizade com Hutts em seu próprio bairro planetário.

"É verdade que Drixo e Progga se saíram bem em Comra", disse


Damask, "mas seus sucessos

teve um alto custo. O que você está oferecendo em troca de nosso


investimento? ”
Uma luz apareceu nos olhos escuros e oblíquos do Hutt. “Um
curso de Podrace que fará com que aqueles que praticam Malastare
e Muunilinst pareçam corredores amadores. Além disso, o
renascimento de um evento anual do Podrace que levará dezenas de
milhares de jogadores a Tatooine e fará com que meus colegas
transbordem. ” Ela fez uma pausa e acrescentou: "E estou disposto a
levá-lo como parceiro".
"Um parceiro silencioso", Damask alterou.
Ela assentiu. "Como quiser."
Damasco amontoou os dedos longos e levou as mãos ao queixo
saliente. "Além de uma porcentagem dos lucros, quero que você
providencie para que o chefe Cabra opere livremente em Nar
Shaddaa."
Gardulla adotou um olhar incrédulo. "O chefe do crime Dug?"

"Você conhece esse", disse Hill bruscamente.


O Hutt se preocupou. Não posso fazer promessas, Magister. A
Black Sun está profundamente arraigada em Nar Shaddaa, e os
Vigos estão preparando Alexi Garyn para assumir o controle da
organização. Eles podem não apreciar ou permitir ...
"Esses são os nossos termos, Gardulla", interrompeu Damask.
"Encontre uma maneira de permitir que Cabra chegue a um
alojamento com a Black Sun e apoiaremos sua aquisição de
Tatooine." Ele apontou para o pátio da fortaleza. "Nesta mesma
noite, posso providenciar para que você se encontre com os
representantes do Banco de Aargau, que avançarão qualquer
quantidade de créditos que você precisar."
Após um longo momento de silêncio, Gardulla assentiu. - Aceito
seus termos, Magister Damask. Você não vai se decepcionar."
Quando os Hutt levaram sua ninhada antigravitante da sala,
membros da Guarda Solar apareceram em um grupo de altos
reptilianos sentados em duas pernas grossas e cujos focinhos
largos curvavam-se na ponta. O contato anterior de Damasco com
os Yinchorri havia sido limitado ao holoprojetor;

agora ele se inclinou para a frente com grande interesse quando o


porta-voz se apresentou em grosseiro como Qayhuk - secretário do
Conselho de Anciãos - e iniciou imediatamente uma diatribe
denunciando o Senado por se recusar a admitir Yinchorr na
República. Com o incentivo belicista de seus companheiros, Qayhuk
passou a dizer com fi st-batendo ênfase que, apesar de sua terra
natal tinha sido traçado centenas de anos antes da República,
Yinchorr permaneceu um desfavorecidos, planeta backrocket
merecedor de muito melhor tratamento.
"Ou alguém pagará com sangue pela injustiça em curso", alertou a
secretária.
Larsh Hill esperou até ter certeza de que Qayhuk havia terminado
de comentar baixinho: "Não tenho certeza se o Senado está pronto
para eles".
Segurando o olhar triste de Qayhuk e fazendo um gesto com a
mão, Damask disse: "Você não tem interesse em ver Yinchorr
sentado no Senado".
Qayhuk ficou ofendido. "Por que mais nós teríamos viajado por
todo esse caminho?"
"Você não tem interesse em ver Yinchorr sentado no Senado",
repetiu Plagueis.
Qayhuk olhou para seus irmãos de pele verde e depois olhou para
Hill. "O Magister Damask é surdo ou com problemas de saúde?"
Hill virou-se para Damask preocupado, mas não disse nada.
Damask escondeu seu espanto. Como rumores, o
Os Yinchorri eram aparentemente resistentes à sugestão da Força!
Mas como era possível que os midi-chlorians em um ser de
inteligência relativamente baixa pudessem erguer uma parede
impenetrável contra a influência de um Sith? Seria algum tipo de
mecanismo de sobrevivência - a maneira dos midi-chlorians de
proteger a consciência de seus vasos recusando-se a ser
manipulados? Ele precisaria possuir um desses seres para aprender
o segredo.

"Podemos estar dispostos a ajudá-lo a fazer lobby por


representação no Senado", disse ele finalmente, "mas o processo
pode exigir

anos-padrão ou mesmo décadas, e não estou convencido de que


você tenha paciência para isso. ”
As narinas largas de Qayhuk se abriram. “Há uma década em que
somos pacientes há um século? Não somos sencientes? Ou somos
obrigados a adotar as condições e aceitá-las?
Damask balançou a cabeça. "Ninguém está pedindo para você
aplaudir o acordo."
A expressão de Qayhuk suavizou um pouco. "Então nós temos um
acordo?"
"Vamos elaborar um contrato", disse Damask. "Enquanto isso,
quero alguma garantia de que posso pedir um favor pessoal, caso
seja necessário."
Qayhuk olhou para ele. Um favor pessoal? De que tipo? Damask
mostrou as palmas das mãos. “De qualquer tipo
Eu preciso, secretário.
O Yinchorri e seus irmãos trocaram olhares incertos, mas Qayhuk
finalmente concordou. "Feito, Magister."
"Um favor?" Hill perguntou quando os Yinchorri estavam sendo
vistos. "Nada mais que um teste", disse Damask.
Os próximos a serem admitidos para a audiência foram dois Gran;
o maior dos dois, um senador da República chamado Pax Teem,
representava o Gran Protetorado. Teem mal se sentou quando disse:
"Prometa-me, Magister Damask, que você não fez um acordo com
Gardulla".
"Nossas negociações com os Hutts", disse Hill, "não são menos
confidenciais do que nossas negociações com você, senador Teem."
O trio de olhos perseguidos da Gran se contraiu de raiva. "Existem
muitos rumores sobre os planos de Gardulla de reformar o curso de
Podrace em Tatooine e entrar em concorrência direta com
Malastare."
Damask o olhou sem entender. "Certamente você não veio até
aqui para me ouvir abordar rumores."
Teem trabalhou sua mandíbula grande. "Promessas foram feitas, Magister."
"E realizado", disse Damask; então, com uma voz mais calma,
acrescentou: "Como forma de compensar as perdas de receita
derivadas do Podracing, o custo das exportações de combustível da
Malastare poderia ser aumentado".

O Gran ruminou. "Isso parece mais uma possibilidade do que uma


garantia."
Damask encolheu os ombros. “Vamos abordar o assunto com o
comitê de direção. Mas, por enquanto, considere isso um ponto de
partida para a discussão. ” Reclinado na cadeira, ele avaliou Teem
antes de dizer: "O que mais está incomodando você, senador?"
"O favoritismo que você mostra à Federação do Comércio."
"Nós apenas os ajudamos a garantir uma representação completa
no Senado", respondeu Hill.
Teem ficou estridente. “A diretoria estava se saindo perfeitamente
bem sem representação completa. E em troca de quê - renunciar a
parte do monopólio da navegação de que gozavam na Orla Exterior?
"O que é justo é justo", disse Hill uniformemente.
Teem lançou-lhe um olhar ameaçador. “A justiça não tem parte
nela. Você está interessado apenas em que a diretoria faça sua
licitação em Coruscant. Abruptamente, ele se levantou e rangeu os
dentes quadrados. "Mesmo um aumento na taxa do combustível de
Malastare renderá mais à Damask Holdings e à Federação do
Comércio do que a mim!"
O Gran mostrou as costas para os Muuns e começou a bater em
direção à porta, deixando seu assistente se mexer em confusão por
um momento, antes que ele também se levantasse e saísse
correndo.
A boca de Hill estava aberta de surpresa. "Ele
não pode-" "Deixe-o ir", disse Damask.
O Muun mais velho comprimiu os lábios já finos. "Se quisermos
nos beneficiar do poder que eles exercem no Senado, precisamos
encontrar uma maneira de aplacá-los, Hego."
"Eu discordo", disse Damask. "Precisamos encontrar uma maneira
de mostrar a Teem que ele é descartável."
Quando os guardas iniciaram o quarteto de Gossams que
administrava a Subtext Mining, sua ira havia aumentado tanto

no alto da garganta, ele podia sentir o gosto. Típicos de suas


espécies diminutas, os três saurianos tinham pernas
articuladas ao contrário , cabeças em forma de peixe e pescoços
longos que Damask sabia que ele poderia quebrar com dois
dedos - e talvez o fizesse, pela maneira como cruzaram o
Tenebrous.
"Ficamos surpresos ao receber seu convite, Magister", disse o
chefe de operações da Subtext. "Não tínhamos idéia de que
estávamos nos seus scanners".
Damask sorriu levemente. “Nós vigiamos de perto os eventos
galácticos. Acredito que você tenha gostado da nossa comida e
entretenimento?

"Mais do que você sabe, Magister", disse o chefe Gossam com


uma risada significativa. "Ou talvez mais do que queremos admitir."

Damask forçou uma risada semelhante. "Mais do que eu sei ...


Isso é muito engraçado mesmo." Ele riu e acrescentou: "Permita-nos
mostrar como executamos alguns dos trabalhos internos da
Assembléia".
Os Gossams se entreolharam surpresos antes de seu líder dizer:
"Seríamos honrados".
Damask levantou-se e acenou com a cabeça para quatro dos
guardas do sol, que caíram ao lado dos Gossams quando ele, Hill e
outros dois Muuns os levaram a um banco de carros antigos de
turbo-elevador.
"Toda a ação real acontece abaixo", disse Damask, colocando o
carro em movimento com um aceno de mão.
Em silêncio, desceram dois níveis e, quando as portas do carro se
abriram, levaram a um salão subterrâneo cavernoso. No centro do
espaço pouco iluminado havia várias grandes plataformas
quadradas que podiam ser levantadas por meio de postes
hidráulicos, operados por equipes separadas de sudorese,
arrancando Ugnaughts desnudos. Uma plataforma, carregada com
uma pilha de escória de metal, estava descendo, com sons de
aplausos estridentes e aplausos selvagens entrando por uma
abertura no teto imponente. Protegido por correntes e correntes em
uma plataforma adjacente, ele se contorcia com um animal
sibilante, rosnando e com presas do tamanho de uma banta.

"Estamos diretamente abaixo do pátio central", explicou Damask,


enquanto a plataforma carregada de feras estava elevando. "Cada
carga simboliza um aspecto repugnante da República - práticas que
todos desejamos ver derrubados."
A essa altura, a plataforma já havia sido elevada ao nível do pátio.
A multidão se aquietou por um momento e, simultaneamente, com
descargas maciças de energia, explodiu em ovação mais uma vez.
“Essas descargas eram os canhões de laser fazendo seu
trabalho,” Damasco disse em voz alta o suficiente para ser ouvida
como a plataforma caiu de volta à vista, revelando que o que tinha
sido a besta era agora um fumar, mau-cheiro de casca de tendões e
ossos. Ele apontou um sorriso sinistro para os Gossams. “É tudo
teatro, você entende. Alegria para as massas.
"Obviamente, um verdadeiro prazer para a multidão, Magister",
disse um dos Gossams, engolindo algumas de suas palavras.
Damask abriu bem os braços finos. "Então você deve participar."
Aproximando-se, ele acenou com o queixo em direção a uma das
plataformas vazias, ao lado da qual os guardas do sol haviam se
posicionado. "Subir a bordo."
Os saurianos o encararam.
"Vá em frente", disse Damask, sem humor agora. "Subir a bordo."
Dois dos guardas brandiram blasters.
O chefe Gossam olhou de um Muun para o outro, o terror
arregalando os olhos. "Fizemos algo para desagradar você,
Magister?"
"Uma boa pergunta", disse Damask. "Você já?"
O chefe Gossam não falou até que os quatro subiram na
plataforma. "Precisamente como chegamos ao seu conhecimento?"
"Um amigo em comum chamou a nossa atenção", disse Damask.
“Um Bith chamado Rugess Nome. Você recentemente forneceu a ele
um relatório de pesquisa e uma sonda de mineração.
A plataforma começou a subir e os Gossams estenderam o
pescoço comprido de medo. "Nós podemos fazer isso direito!" um
de

eles disseram em uma voz suplicante.


Damask olhou para o teto. “Então seja rápido. Os canhões a laser
disparam automaticamente.
"Plasma!" o mesmo gritou bastante. “Um reservatório inexplorado
de plasma! O suficiente para fornecer energia para mil mundos! ”
Damask sinalizou para um dos ugnaughts parar a ascensão da
plataforma. "Onde? Em que mundo?
"Naboo", disse o Gossam; depois mais alto: "Naboo!"
Hill elaborou, embora desnecessariamente. “Algo de um planeta
eremita em Mid Rim e capital do setor de Chommell. Relativamente
perto de Tatooine, na verdade. Certa vez, uma fonte para os
veermoks que clonamos para usar como caça nas florestas verdes.
Damask permitiu que ele terminasse e olhou para os Gossams.
"Quem o contratou para realizar uma pesquisa de mineração?"
"Uma facção em oposição à monarquia, Magister."
"Juramos que é verdade", disse outro.
"Este Naboo é governado por uma realeza?" Damask perguntou.
"Um rei", disse o chefe Gossam. "Seus detratores desejam ver o
planeta aberto ao comércio galáctico."
Damask andava longe da plataforma. Ele pensou em torturar os
Gossams, para saber quem os havia contratado para sabotar
Tenebrous em Bal'demnic, mas decidiu deixar isso por mais um dia,
já que se sabia que os Bith tinham muitos adversários. Por fim,
ordenou aos Ugnaught que devolvessem a plataforma ao chão.
"Este reservatório de plasma é tão grande quanto você alega?" Ele
demandou.
"Único entre mundos conhecidos", disse o líder, aliviado, enquanto
ele e seus companheiros tremiam no olhar penetrante de Damasco.

Damask os observou em silêncio, depois se dirigiu ao


comandante da Guarda Solar. “Transporte-os para o mundo mais
remoto que você pode encontrar no Braço Tingel e faça

certo de que eles permaneçam lá caso eu precise mais deles ”.

Deixando seus companheiros Muuns para descansar, Damask subiu


a muralha oriental do forte para estrelar. Ele estava tão cansado
quanto qualquer um deles, mas insatisfeito demais com o resultado
da Reunião para encontrar muito conforto no sono. Com a chance
de que um reservatório inexplorado de plasma possa ser de
interesse para a liderança descontente da Federação do Comércio
- e ignorando por um momento o efeito que isso poderia ter nas
exportações de energia de Malastare - ele ordenou que Hill e os
outros aprendessem tudo o que pudessem sobre o planeta Naboo e
seu monarca isolacionista.
Depois que os Gossams da Subtext Mining foram tratados,
Damask e os Muuns dedicaram o resto da noite a se reunir com
membros do que chamaram de comitê diretor, composto por
políticos, lobistas e industriais selecionados; financiadores
representando Sestina, Aargau e o Banco do Núcleo; membros de
elite da Ordem do Círculo Cantado e da Diretoria da Federação do
Comércio; e projetistas de navios talentosos, como Narro Sienar, que
Plagueis planejava apoiar em sua tentativa de se tornar chefe de
operações da Santhe / Sienar Technologies. O comitê se reunia
periodicamente, embora raramente em Sojourn, para garantir a
rápida aprovação de legislação favorável às empresas ; fixar o preço
de commodities como gás Tibanna, transparisteel e combustível de
nave estelar; e manter os senadores no lugar de Coruscant como
diplomatas de carreira, como um meio de distanciar-los do que
realmente estava acontecendo fora do Núcleo.

Nem todo mundo concordou que a estratégia dos Muuns de


“astrição tática” era o melhor método para manter a República em
equilíbrio e, portanto, propícia à manipulação. Damasco, porém,
insistira em que seu objetivo comum de oligarquia - o governo de
um grupo seleto - acabaria sendo alcançado, mesmo que atingido.

como resultado de ações e eventos que poucos observariam e


sobre os quais alguns membros talvez nunca aprendam.
A luz das estrelas brilhava nos cascos do último navio que partia.
Damask sentiu-se reconfortado ao saber que seus convidados
acreditavam ter participado de algo secreto e grandioso, e havia sido
incentivado a executar campanhas que, aparentemente, pareciam
ser informadas pelo interesse próprio, mas na verdade eram parte
dos negócios da Sith.
Movimentos na sinfonia que era o Grande Plano - Keening
klaxons quebraram o silêncio da manhã.
Os olhos de Damask se estreitaram e varreram as florestas
circundantes em busca de sinais de perturbação. Ele havia se
mudado para o parapeito mais ao sul quando dois guardas do sol
subiram as escadas correndo em busca dele.
"Magister, o perímetro oriental foi violado", relatou um deles.
Do lado de fora das muralhas do forte, a iluminação estava
subindo e os navios zangões começavam a serpentear pelas copas
das árvores. Ocasionalmente, um dos animais importados entrava
na zona segura, tocando nos alarmes, mas nenhuma das câmeras
remotas mostrava evidências de invasão.
"É possível que um de nossos convidados tenha superado as
boas-vindas", disse o segundo protetor solar. Ele parou para ouvir
uma mensagem sendo transmitida para os fones de ouvido do
capacete. "Achamos que temos algo." Ele olhou para Damask. "Você
vai ficar bem, Magister, ou devemos esperar com você?"
"Vá", disse Damask. "Mas me mantenha informado." Esticando-se
com seus sentimentos, ele começou a examinar
floresta novamente. Alguém estava lá fora, mas não na área que os
guardas estavam procurando. Ele assistiu através da Força ao som
do movimento nas árvores. O Gran havia infiltrado um assassino?
Em caso afirmativo, eles haviam encontrado alguém inteligente o
suficiente para desviar os Guardas do Sol para perseguir uma
ilusão? Damasco e os outros Muuns deveriam ter sido os alvos, mas
em vez de

movendo - se em direção ao forte, o intruso estava realmente se


afastando dele.

Ele passou outro longo momento ouvindo; então, como um


espectro, ele desceu três lances de pedra e atravessou o velho
portão, entrando na floresta, abrindo a capa enquanto corria, a mão
esquerda no punho do sabre de luz. Levantando-se em grande
número de suas noites noturnas e gritando de desgosto, os
primeiros madrugadores da manhã advertiram o resto que um
caçador estava à solta. Do tipo mais perigoso, Damask poderia ter
acrescentado: um caçador de sencientes. Em momentos ele estava
imerso em uma posição de velho-crescimento árvores greel bem
fora do perímetro de segurança, quando ele sentiu algo que ele
parou no meio do caminho. Imóvel, ele se aproximou com esforço
para verificar o que havia sentido.
Um usuário da força!
Um espião Jedi? ele se perguntou.
Eles tentaram repetidamente penetrar nas defesas de Sojourn
durante os Encontros anteriores. Mas, a menos que alguém tivesse
chegado a um navio projetado e construído por Darth Tenebrous,
não haveria maneira de alcançar a superfície sem ser detectada. E,
no entanto, alguém obviamente conseguiu fazer o lado negativo.
Levantando a mão do punho do sabre de luz, Damask minimizou sua
presença na Força, rendendo sua eminência e desaparecendo no
mundo material. Então ele começou a se aprofundar na floresta,
abrindo caminho entre as árvores, permitindo que os Jedi o
perseguissem enquanto se repreendia por ter agido
precipitadamente. Se fosse uma emboscada, ele não seria capaz de
lutar e se arriscar a se expor como um Sith. Ele deveria ter permitido
que os guardas do sol lidassem com o intruso.

Mas por que um Jedi se incomodaria em disparar nos sensores


de perímetro apenas para recuar além de seu alcance? Eles não
cometeram erros desse tipo. E certamente quem quer que estivesse
lá fora não esperaria que um Muun respondesse, se por outro
motivo, Muuns não cometer erros desse tipo. Então, o que foi esse
depois?

Adiante, Damask ouviu o característico chiado e zumbido de um


sabre de luz e viu a lâmina da arma brilhando na névoa. Emergindo
de trás de uma árvore espessa , o usuário tinha o sabre de luz na
mão direita, angulado em direção ao solo esponjoso.
Uma lâmina carmesim em uma madeira carmesim.
Instantaneamente, ele chamou seu próprio sabre de luz com a
mão esquerda, acendendo a lâmina quando a figura na névoa se
revelou completamente: um craniópodo alto, magro, de pele rosa e
grandes olhos sem tampa.
Um Bith!
Tenebroso ?
Ele vacilou momentaneamente. Não, isso não foi possível. Mas quem,
então? A primavera de Tenebrous, talvez - algumas criações criadas
a partir de seu material genético em laboratório, uma vez que as
espécies se reproduziam apenas de acordo com os ditames de um
serviço de acasalamento por computador. Foi por isso que
Tenebrous se recusou a discutir midi-chlorians ou modos de
prolongar a vida? Porque ele já havia encontrado uma maneira de
criar um sucessor sensível à Força?
"Eu sabia que poderia te atrair, Darth Plagueis", disse o Bith.

Plagueis deixou de lado todo o fingimento e o encarou


diretamente. Você é bem treinado. Senti a força em você, mas não o
lado sombrio.
"Eu tenho que agradecer a Darth Tenebrous por isso."
“Ele fez você à sua imagem. Você é um produto da ciência Bith.

O Bith riu severamente. Você é um velho tolo. Ele encontrou e me


treinou.
Plagueis lembrou o aviso que Tenebrous quase dera voz antes de
morrer. "Ele te levou como aprendiz?"
"Eu sou Darth Venamis."
"Darth?" Plagueis disse com nojo. "Vamos ver sobre isso." "Sua
morte legitimará o título, Plagueis."
Plagueis inclinou a cabeça para o lado. "Seu mestre deixou ordens
para você me matar?"
O Bith assentiu. "Mesmo agora, ele aguarda meu retorno."
"Aguarda ...", disse Plagueis. Por mais surpreendente que tenha
sido aprender
que Tenebrous havia treinado um segundo aprendiz, ele tinha uma
surpresa reservada para Venamis. Inalando, ele disse: "Tenebroso
está morto".
Confusão mostrou nos olhos de Venamis. "Você gostaria que
fosse assim." Plagueis segurou o sabre de luz de um lado, paralelo
ao
terra. "Além do mais, ele morreu pela minha mão."
"Impossível."
Plagueis riu com propósito. “Quão poderoso você pode ser se não
sentir a morte do seu Mestre? Mesmo agora, seus pensamentos
voam em todas as direções.
Venamis ergueu o sabre de luz por cima do ombro. "Ao matá-lo,
vingarei a morte dele e me tornarei o lorde Sith que ele sabia que
você nunca poderia ser."
"Os Sith que ele queria que eu fosse", corrigiu Plagueis. “Mas
chega disso. Você percorreu um longo caminho para me desafiar.
Agora faça um esforço digno.
Venamis cobrou.
Para Plagueis, os duelos com sabres de luz eram tediosos, cheios
de emoção desperdiçada e acrobacias desnecessárias. Tenebroso,
no entanto, que considerara Plagueis um mestre da arte, sempre
desfrutara de uma boa luta e claramente deixara esse entusiasmo a
seu outro estagiário. Pois assim que as lâminas de suas armas se
chocaram, Venamis começou a trazer a luta de maneira inesperada,
girando seu corpo surpreendentemente flexível, jogando o sabre de
luz de mão em mão, misturando formas. A certa altura, ele pulou em
um galho de galho verde e, quando Plagueis o cortou com um golpe
de Força, ficou suspenso no ar - sem nenhum feito em si - e
continuou a luta, como se estivesse em terreno alto. Pior ainda para
Plagueis, Tenebrous havia feito de Venamis um especialista no
estilo de Plagueis, e assim o Bith não podia apenas prever, mas
combater todos os movimentos de Plagueis.

Em pouco tempo, Venamis penetrou em suas defesas, queimando


o lado do pescoço de Plagueis.
O concurso levou-os para trás e para frente através das árvores,
através de riachos estreitos e subiu para pilhas de rochas que eram
as ruínas de um antigo posto de sentinela. Plagueis demorou um
momento para se perguntar se alguém no forte estava observando
os resultados do concurso, que, de longe, deve ter parecido um
relâmpago atravessando o sub-bosque da floresta.
Percebendo que a luta poderia continuar indefinidamente, ele se
retirou do corpo e começou a trabalhar seu eu material como uma
marionete, não mais nos ataques ofensivos e instigantes, mas
apenas respondendo aos pulmões e ataques de Venamis.
Gradualmente, o Bith entendeu que algo havia mudado - que o que
até então fora um combate à morte parecia subitamente um
exercício de treinamento. Exasperado, ele dobrou seus esforços,
lutando com mais força e mais desesperadamente, colocando mais
poder em cada manobra e golpe e, no final, renunciando à sua
precisão e exatidão.
No auge do ataque de Venamis, Plagueis voltou a si mesmo com
tanta fúria que seu sabre de luz se tornou uma vara ofuscante. Um
balanço para cima com as duas mãos, lançado entre as pernas,
pegou Venamis em guarda. A lâmina não foi profunda o suficiente
para perfurar o pulmão do Bith, mas o chamuscou do peito ao
queixo. Quando sua cabeça grande e fendida se virou para trás em
retirada, Plagueis derrubou o sabre de luz, arrancando a arma de
Venamis da mão enluvada e quase tirando os dedos longos
também.

Com um gesto da outra mão, Venamis chamou o sabre de luz,


mas Plagueis foi um segundo mais rápido, e o punho disparou em
sua própria mão direita. Sentindo uma tempestade de relâmpagos
da Força no Bith, ele cruzou as duas lâminas carmesins à sua frente
e disse: "Rendimento!"

Venamis congelou, permitindo que a tempestade nascente


desaparecesse, e caiu de joelhos em sinal de rendição quando as
primárias subidas de Sojourn brilharam nas costas por entre as
árvores.

“Eu submeto, Darth Plagueis. Aceito que devo me aprender com


você.
Plagueis desativou a lâmina de Venamis e a prendeu no cinto.
“Você presume demais, Venamis. Ao seu redor eu sempre teria que
me vigiar.
Venamis levantou o rosto. “É verdade, mestre? Darth Tenebrous
está morto?
"Morto, e merecidamente." Ele deu um passo em direção a
Venamis. “O futuro dos Sith não depende mais da capacidade física,
mas da astúcia política. Os novos Sith governarão menos pela força
bruta do que por instilar o medo. "
"E o que será de mim, mestre?" Perguntou Venamis. Plagueis o
estudou com dureza. Depois de uma rápida olhada ao redor, ele
pegou uma flor amarela em forma de chifre de uma videira
pendurada e a jogou no chão em frente a Venamis.
"Consuma."
O olhar de Venamis foi da flor para Plagueis, e ele deixou mostrar
apreensão em seu rosto. “Eu conheço essa planta. Isso vai me
envenenar.

Plagueis disse a ele de uma maneira que não tinha simpatia. "Mas
vou garantir que você não morra."

7: ONDE FORAM USADOS PARA ESTAR

Nas profundezas de Aborah, Venamis estava suspenso em um


tanque de bacta, sensores sem fio fixados em seu peito estreito,
pescoço e crânio seguro e sem pêlos.
"Você pode ser o presente mais importante de Tenebrous para
mim", disse Plagueis, enquanto observava o corpo de Bith balançar
no líquido terapêutico espesso.
"Seu cérebro continua a se recuperar dos efeitos dos alcalóides
em coma ", observou 11-4D do outro lado do laboratório. "Sua
condição física, no entanto, permanece estável."
Plagueis manteve o olhar em Venamis. A ferida que o sabre de luz
de Venamis havia infligido ao pescoço de Plagueis havia se curado,
mas a fraca cicatriz era um novo lembrete de sua mortalidade. "Isso
é bom, porque eu não estou interessado em sua mente."
Em saudação, os novos apêndices do dróide fizeram um
movimento cirúrgico de corte.
A análise do sangue havia revelado uma alta contagem de meio
cloro , o que para Plagueis era mais uma indicação de que um ser
poderia ter um grande potencial na Força e ainda assim ser inepto.
Ele se perguntou: seria Venamis que ele sentira através da Força
após o assassinato de Tenebrous? Um Jedi seria um assunto
experimental mais interessante, mas um Adepto do Lado Escuro
talvez fosse melhor para seus propósitos. E logo o tanque bacta
adjacente também conteria um Yinchorri resistente à força .

Imediatamente após o concurso em Sojourn, Plagueis ordenou


aos membros da Guarda Solar que localizassem a nave estelar que
permitira a Venamis infiltrar a Lua dos Caçadores, depois a
movessem e o envenenado Bith para Aborah. Larsh

Hill e os outros Muuns foram informados de que um invasor havia


sido capturado e descartado, mas não mais do que isso. Uma
investigação do navio havia produzido dados que poderiam
surpreender até Darth Tenebrous, que o havia fornecido. Parecia que
bem antes de confrontar Plagueis ou saber do destino de seu
mestre, o próprio Venamis estava procurando potenciais aprendizes.
Plagueis não pôde deixar de ficar impressionado, apesar de
relutantemente. O jovem Bith teria se saído bem na era de Bane.
Agora, porém, ele era um anacronismo e, por extensão, também
Tenebrous.
O fato de Tenebrous o ter alvejado não causou choque em
Plagueis. Ele e os Bith haviam atingido um impasse décadas antes
em relação à execução do imperativo dos Sith. Produto de uma das
civilizações mais antigas da galáxia, Tenebrous acreditava que a
vitória poderia ser alcançada através do acasalamento dos poderes
do lado sombrio e da ciência especialista em Bith. Com a ajuda de
computadores sofisticados e fórmulas de lançamento futuro, os
diversos seres da galáxia poderiam ser fornecidos, e a Ordem Jedi
diminuiria gradualmente e desapareceria. Tenebrous tentou
convencer Plagueis de que a Força não jogava jogos de azar com a
galáxia; e que, embora se pudesse prever a ascensão predestinada
do lado sombrio, sua ascensão não poderia ser influenciada ou
apressada pelos Sith.
Os Muuns acreditavam em fórmulas e cálculos tão fortemente
quanto os Bith, mas Plagueis não era fatalista. Convencido de que
as equações brilhantes de Tenebrous estavam perdendo um fator
importante, ele argumentou que os eventos futuros - previstos por
máquinas ou vislumbrados em visões - eram frequentemente
nublados e não confiáveis. Mais importante, ele foi criado para
acreditar na eliminação de concorrentes e via os Jedi exatamente
isso. A Ordem não era simplesmente uma corporação rival que
poderia ser adquirida secretamente; tinha que ser minado,
derrubado e desmontado. Deracinado. Ele assumiu que, com o
tempo, ele seria capaz de conquistar Tenebrous, mas seu antigo
mestre obviamente

declarou-o incapaz de vestir o manto do sucessor de Sith e procurou


em outro lugar. Os desejos desenfreados dos sencientes foram uma
bênção para os Sith, pois esses desejos geraram uma abundância
de seres zelosos e audaciosos que poderiam ser usados para
promover a causa. Plagueis fora instruído a procurar seres
adequados, assim como Tenebrous quando descobrira Venamis.
Talvez Tenebrous tenha considerado o ataque furtivo benéfico,
independentemente dos resultados. Se Venamis tivesse sido
vitorioso, ele merecia o manto; e, se não, então Plagueis pode
aceitar a verdadeira natureza do relacionamento entre
mestre e aprendiz .
Uma história antiga que nunca fez muito sentido para ele.
Mas isso explicava o curioso comportamento de Tenebrous nos
meses e semanas anteriores aos eventos no Bal'demnic. Era
impossível saber quanto tempo o ataque de Venamis estava no
planejamento, mas Tenebrous, apesar de todo o seu desapego, ficou
claramente preocupado com a decisão. Em Bal'demnic, ele se
distraíra e a falta de atenção lhe custara a vida. Mas, naqueles
momentos finais, antes de entender completamente o papel que
Plagueis havia desempenhado, ele estava prestes a revelar a
existência de Venamis. Fazia pouca diferença agora e, de fato,
Plagueis considerava a vacilação dos Bith desprezível.

Como Plagueis, Tenebrous obviamente adotara o fato de que a


Regra dos Dois de Darth Bane havia expirado. Poucos preciosos Sith
Senhores a haviam honrado, em qualquer caso, e por boas razões,
como Plagueis via. Os objetivos do Grande Plano eram a vingança e
a reaquisição do poder galáctico. Mas enquanto a maioria dos
Lordes Sith, desde Bane, ajudou a enfraquecer a República, seus
esforços deviam menos à sinceridade e lealdade à Regra do que à
fraqueza e incompetência. Motivados a cumprir o imperativo de
Bane, eles poderiam ter sido, e, no entanto, cada um deles havia sido
vítima de fraudes e excentricidades individuais, e, portanto, não
conseguiram se vingar da Ordem Jedi. Plagueis entendeu. Ele nunca
seria o único a esperar ou dedicar seu reinado apenas ao
posicionamento de um

subsequente Sith Lord para o sucesso. Tampouco ele teria se


contentado em permanecer na sombra de Tenebrous, como um
aprendiz que os Bith realmente triunfaram onde outros falharam.
Como, com toda a sua sabedoria, Tenebrous não conseguiu
entender que Plagueis era o culminar da fome de vingança de um
milênio ? Como o Bith não conseguiu entender o que o destino o
chamara?
Em um raro momento de elogio, o Bith havia dito o mesmo.

Do mesmo modo que as forças tectônicas fazem com que uma


pedra mergulhe em um rio, desviando para sempre seu curso, os
eventos dão origem a indivíduos que, entrando na corrente da Força,
alteram a maré da história. Você é tal .
Agora Plagueis acreditaria que Tenebrous também considerara
Venamis como tal?
Nesse caso, o humilhava.
Os dados descobertos a bordo da nave estelar de Venamis
falharam em esclarecer quantos anos ele tinha quando Tenebrous o
encontrou, ou revelar qualquer coisa sobre seu treinamento. Definir
formas de treinar um aprendiz era coisa do passado,
independentemente. Doutrina era para os Jedi. Onde os Jedi
cortejavam o poder, os Sith o cobiçavam; onde os Jedi acreditavam
que sabiam a verdade, os Sith a possuíam. De propriedade do lado
sombrio, eles acabaram se tornando seu conhecimento.

Nos últimos quinhentos anos, os Sith da linha Bane haviam


evitado selecionar crianças como aprendizes, achando mais
vantajoso descobrir seres que já haviam sido endurecidos ou
assustados pela vida.
Plagueis, no entanto, tinha sido uma exceção.

Muunilinst não seguiu o exemplo quando, na loucura da Terceira


Grande Expansão, os mundos do Núcleo e da Orla Interna se
estenderam para estabelecer e reivindicar muitos dos planetas
pesquisados e disponibilizados pelo Ato de Colonização e pela
Emenda do Grant do Planeta. O motivo era simples:

embora os Muuns tivessem riqueza além dos sonhos mais loucos


de muitas espécies e acesso a naves espaciais da mais alta
qualidade, não estavam dispostos a deixar suas propriedades em
Muunilinst sem vigilância. Tampouco estavam interessados em
colonizar por si só - em espalhar suas sementes - porque quanto
mais Muuns a galáxia continha, menos riqueza haveria para circular.
Eventualmente, porém, a autarquia e o isolacionismo cederam ao
desejo de se tornarem essenciais para a galáxia, e os Muuns
começaram a financiar assentamentos estabelecidos por outros
mundos, ou por grupos independentes, auto-exilados com a mesma
frequência. E assim as colônias no final distal da Corrida Braxant
tornaram-se dependentes de Muunilinst para apoio, emprestando-se
contra a promessa de descobrir veias ricas de minério ou metais
preciosos. Quando, porém, os supostos tesouros falharam em se
materializar ou os mercados ficaram saturados, resultando em
preços mais baixos, as populações gastas desses assentamentos
se viram irremediavelmente em dívida com Muunilinst e foram
forçadas a aceitar a supervisão direta dos Muuns.
Aconteceu que o pai do clã de Plagueis, Caar Damask, passou a
ser administrador do mundo dos tesouros de Mygeeto.
Localizado no próprio bairro estelar de Muunilinst, e um terreno
fértil para cristais Adegan de alto nível , artesiano e de baixo nível ,
Mygeeto - Gem , como era conhecido na antiga língua Muun -
também era um dos mundos menos hospitaleiros que os Muuns
haviam adquirido. . Cativo pela neve e pelo gelo, o planeta ostentava
poucas formas de vida indígenas e era continuamente atacado por
tempestades que amontoavam sua superfície em cristais do
tamanho de montanhas. Independentemente e com grande
despesa, os Muuns conseguiram construir algumas cidades
independentes e cofres de armazenamento, alimentando-os com
energia derivada dos próprios cristais. Mesmo na melhor das
hipóteses, Mygeeto era um desafio a ser abordado por causa de seu
anel de asteróides, mas os asteróides se tornaram impedimentos
secundários quando o Clã Bancário InterGalactic assumiu o controle
das operações de mineração nas prateleiras de gelo e
geleiras. Até os Jedi foram proibidos de visitar sem autorização
prévia.
Já membro de longa data do IBC, o damasco mais velho havia
aceitado a designação como um favor pessoal ao Alto Escritório de
Muunilinst, Mals Tonith, mas mais na esperança de avançar em uma
carreira que havia parado e o mantinha confinado à gerência
intermediária. Não reconhecido por sua genialidade e zangado com
isso, Damask deixou sua esposa e companheiros de clã para trás e
tentou construir, senão uma vida, pelo menos uma carreira para si
no remoto mundo do gelo. O sucesso na supervisão das operações
de mineração veio em pouco tempo, mas qualquer tipo de
satisfação provou ser ilusório até a chegada - dez anos depois da
sua - de uma mulher Muun de casta inferior que primeiro se tornaria
sua assistente e depois sua esposa codicila. devido tempo, dando à
luz um filho que eles chamaram Hego, em homenagem ao pai do clã
de Caar.

Sua educação em uma cidade abobadada, em um ambiente


perpetuamente congelado, foi de muitas maneiras a antítese da
infância típica de Muun, e ainda o jovem Hego conseguiu não
apenas suportar, mas prosperar. Sua mãe pegou o que alguns
consideravam um interesse doentio em seu desenvolvimento,
registrando todos os detalhes e encorajando-o a compartilhar até
seus pensamentos mais furtivos com ela. Ela estava especialmente
interessada em observar as interações dele com
colegas de brincadeira - de diversas espécies - que ela nunca estava
perdida em fornecer, interrogando-o após cada sessão sobre os
sentimentos dele sobre isso ou aquilo. Até Caar encontrou tempo
suficiente em uma agenda exigente para ser um pai amoroso.
Hego ainda não tinha cinco anos quando começou a sentir que
era de alguma forma diferente. Não apenas ele era mais astuto do
que seus companheiros de brincadeira, mas também podia
manipulá-los, provocando risos quando quisesse ou com a mesma
frequência lágrimas; conforto tão frequentemente quanto a
ansiedade. Ele aprendeu a ler intenções e linguagem corporal.
Quando ele sentia que alguém não gostava dele, fazia de tudo para
ser generoso, e quando sentia que alguém também gostava dele

muitas vezes ele se esforçava para ser difícil, como um meio de


testar os limites do relacionamento. Ele adivinhava truques e
enganos, e às vezes se permitia bancar a vítima, a tola, por
preocupação por despertar suspeitas indesejadas ou por ser
forçada a revelar muito sobre seus talentos ocultos.
À medida que suas habilidades aumentavam, outras crianças se
tornavam brinquedos em vez de companheiros de brincadeira, mas
sem perda de prazer por parte de Hego. Certa tarde, um jovem Muun
de quem ele tinha gostado passou por Hego e esforçou-se por
chegar primeiro a uma escada que levava ao pátio da casa dos
damascos. Agarrando o colega pelo braço, Hego disse: "Se você
está com tanta pressa de descer, então pule pela janela." Olhando
fixamente, Hego repetiu a sugestão, e sua vítima levou a sério.
Muitas perguntas foram feitas depois que o corpo quebrado do
filhote foi descoberto no pátio, mas Hego manteve a verdade de
todos, menos de sua mãe. Ela o fez repassar sua explicação com
mais detalhes, até finalmente dizer: “Suspeito há muito tempo que
você tem o presente que seu pai e eu compartilhamos, e agora sei
que é verdade. É um poder estranho e maravilhoso, Hego, e você o
tem em abundância. Seu pai e eu passamos nossas vidas mantendo
nossos presentes em segredo bem guardado, e quero sua palavra
de que, por enquanto, você falará disso apenas comigo ou com ele.
Mais tarde, este poder o servirá bem, mas agora deve permanecer
não revelado.

Tendo vivido uma vida clandestina por tantos anos, Hego achou
natural a noção de compartilhar o segredo apenas com seus pais.

Ninguém o responsabilizou pelo mergulho de seu companheiro de


brincadeira na janela, mas, logo depois, o fluxo constante de
companheiros de brincadeira começou a secar. Pior, seu pai
começou a se distanciar - mesmo quando Hego se viu cada vez
mais parte do mundo de Caar. Ele considerou que seu pai poderia
estar mentindo sobre ter o poder, ou passou a pensar em Hego
como uma espécie de monstro. E, no entanto, ele observou sua

pai empregando seus poderosos poderes de persuasão e


manipulação em negócios.
Como Muunilinst, Mygeeto recebeu muitos visitantes importantes
e, às vezes, ocorreu a Hego que, em vez de poder explorar a galáxia,
a galáxia estava chegando até ele. Em várias ocasiões, seu pai se
encontrou com cavaleiros Jedi e Padawans, que procuravam cristais
Adegan, que a Ordem Jedi usava na construção de sabres de luz de
treinamento. Hego há muito aperfeiçoara sua capacidade de
mascarar seus poderes dos outros. Mesmo sem revelar sua
verdadeira natureza aos Jedi, ele foi capaz de sentir neles uma
espécie de poder de pensamento semelhante , apesar de claramente
manifestar objetivos contrários aos seus. Desde o início, ele sabia
que nunca poderia ser um deles, e começou a abominar as visitas
deles, por razões que não conseguia entender. Ainda mais intrigante,
ele sentiu um poder mais próximo do seu em um visitante Bith
chamado Rugess Nome. Nome não era um Jedi, mas um engenheiro
de naves estelares, que chegou em um navio luminoso de seu
próprio projeto. Em pouco tempo, no entanto, Hego começou a
suspeitar que sua mãe era o motivo das frequentes visitas de Nome.
E a suspeita de que havia algo entre eles incitou sentimentos de
raiva e ciúme no jovem Hego, e uma espécie de desânimo
conflituoso em seu pai.

Hego decidiu tomar seu poder para suportar a situação intolerável


quando, durante uma das visitas de Nome, ele foi chamado ao
escritório de seu pai, onde Caar, sua mãe e os Bith estavam
esperando. Sem olhar para a esposa, Caar havia dito: "Você é do
nosso sangue, Hego, mas não podemos mais criar você como
nossa descendência".

Hego olhou do pai para a mãe, angustiado, temendo as próprias


palavras que Caar acrescentou um momento depois. Com um aceno
de cabeça para Nome, ele disse: "Na verdade, e de maneiras que
você acabará por entender, você pertence a ele." Uma década
depois, Hego aprenderia que, embora Caar, de fato, fizesse o
possível para manter suas habilidades de Força para si mesmo, ele
chamou a atenção de Nome quando os dois

por acaso se encontraram no High Port Space Center. Anos se


passaram antes de Nome encontrar a mãe de Hego, a quem ele
havia recrutado não como aprendiz - pois ela não era forte o
suficiente na Força -, mas como discípula, cuja tarefa fora romance
com Caar e produzir os frutos dessa sedução: uma criança que a
ciência de Nome e Bith previu nasceria forte na Força. Os pais de
Hego salvaguardaram o segredo até que seu poder começou a se
revelar. E então um acordo foi mediado: Hego, em troca da
realização do sonho de Caar Damask de ser aceito no escalão
superior do Clã Bancário InterGaláctico.

Cinco anos após a revelação no escritório, Caar foi convocado


para Muunilinst para se tornar diretor do setor de tesouraria do IBC.
A mãe de Hego desapareceu, para nunca mais ser vista pelo marido
ou pelo filho. E começou a aprendizagem de Hego para Sith Lord
Darth Tenebrous.

Além de ser amplamente respeitada como engenheira e designer de


naves espaciais, Rugess Nome chefiou uma organização sombria
que ao longo das décadas reuniu informações sobre as relações de
quase todos os criminosos, contrabandistas, piratas e potenciais
terroristas que deixaram uma marca na galáxia. . Com o jovem Hego
disfarçado de contador de Nome, os dois Sith secretos viajaram
amplamente, muitas vezes conspirando com os seres mais notórios
da galáxia e facilitando a anarquia sempre que possível.

Nós, os Sith, somos uma oposição invisível , dissera Tenebrous a


seu jovem aprendiz. Uma ameaça fantasma. Onde os Sith usavam
armaduras, agora usamos mantos. Mas a Força trabalha através de
nós de maneira ainda mais poderosa em nossa invisibilidade. Por
enquanto, quanto mais encobertos permanecemos, mais influência
podemos ter. Nossa vingança será alcançada não através da
subjugação, mas pelo contágio .

Como Tenebrous explicou, os Jedi emergiram fortemente da


guerra de um milênio anterior e, enquanto Darth Bane e
subsequentes Sith Lords haviam feito o possível para perturbar a
República renascida, eles trabalhavam em desvantagem. Então,
finalmente, foi decidido que os Sith deveriam se esconder à vista,
acumulando riqueza e conhecimento, e assegurando contatos e
alianças com grupos que um dia formariam a base de uma oposição
de toda a galáxia à República e à Ordem reverenciada que a servia.
Segundo todos os relatos, esses primeiros séculos foram
desafiadores, vendo os Jedi retornarem à sua posição eminente.
Mas os Sith tiveram o luxo de estudar a Ordem de longe, sem que os
Jedi tivessem consciência de que tinham adversários.

Os rasgos que o Mestre Twi'lek de Tenebrous abriu no tecido da


Força foram sentidos pelos Jedi, e a Ordem já estava começando a
mostrar sinais de circunspecção e lentidão. A República também
havia sido minada da mesma forma, incentivando a corrupção no
Senado e a ilegalidade nos sistemas da Orla Externa, que se
tornaram o depósito de lixo do Núcleo.
Com os miseráveis da galáxia sendo convertidos para a causa, os
poderosos agora precisariam ser reunidos, com Darth Plagueis
como líder, manipulando as ações de alguns poucos importantes
para controlar o comportamento de inúmeros trilhões.

8: VÍTIMAS DE SEU PRÓPRIO DISPOSITIVO

Ao treinar Venamis, Tenebrous obviamente acreditava que estava


protegendo o Grande Plano; Venamis também, observando alguns
candidatos da Forceful que ele, ou talvez Tenebrous, descobrira.
Mas agora coube a Plagueis fazer algo a respeito desses
concorrentes em potencial, se não por outro motivo, a não ser
eliminar a possibilidade de outro ataque surpresa.
Os bancos de dados de navios de Venamis continham
informações sobre seis seres, mas a investigação subsequente por
11-4D revelou que um havia morrido de causas naturais, outro foi
executado e um terceiro foi morto em uma briga de cantina. Dois
dos três restantes não tinham nome, mas Plagueis e 11-4D
conseguiram aprender o máximo que Venamis sabia sobre eles,
depois de decifrar o código complexo que Bith usara para proteger
as entradas. Como os candidatos de Venamis haviam escapado à
atenção dos Jedi era um mistério, mas dificilmente vale a pena
resolver. Plagueis simplesmente teve que determinar se eles
representavam uma ameaça - para ele ou para o Grande Plano.
Os Muuns raramente eram vislumbrados como reserva de Rywen
em tapcafs exclusivos, amostrando especiarias refinadas em clubes
exclusivos para membros ou desafiando a casa em torneios de
sabatinas de maratona. Os programas de celebridades da HoloNet
nunca os mostraram com dançarinos Twi'lek em seus braços
delgados ou se aventurando em florestas, mares ou cadeias de
montanhas puramente por esporte ou aventura.
Mas Plagueis estava prestes a romper com a tradição, agora que
o primeiro candidato em potencial de Venamis havia sido localizado
em um cassino em Lianna City, no coração do remoto Tion Cluster.

As queixo trêmulo, os olhos límpidos refletindo a preocupação e


ofendido pelo pessoal de segurança de Nikto, o gerente sullustan do
Colliders Casino correu pelo saguão acarpetado em direção ao
balcão do concierge onde Plagueis e 11-4D estavam esperando. Um
par de armas utilitárias de uso geral - um dos quais escondia uma
arma a laser - substituiu os apêndices cirúrgicos normais do dróide,
e Plagueis estava vestido com o que a maioria dos seres assumiria
ser o traje do Clã Bancário, embora diferentemente cortado e mais
pálido na cor verde.
"Bem-vindo, senhor, bem-vindo", o gerente começou com uma voz
desconcertada. “A Colliders tem a honra de recebê-lo como
convidado, embora eu possa dizer que você é o primeiro a ser de
Muunilinst a ter usado a entrada pública do cassino. A entrada
particular ...
Plagueis levantou a mão para cortá-lo. "Eu não estou aqui no
negócio bancário."
O Sullustan ficou olhando. "Então isso não é uma auditoria
improvisada?" "Estou aqui em relação a um assunto particular."
O gerente pigarreou e se levantou mais reto. "Então talvez
possamos começar com o seu nome."
"Eu sou Hego Damask."
As mandíbulas do Sullustan começaram a tremer novamente.
“Magister Damask? De propriedades do damasco?
Plagueis assentiu.
“Me perdoe por não te reconhecer, senhor. Se não fosse por sua
munição, a Colliders estaria em falência. Mais precisamente, Lianna
City não seria o centro de hoje e o orgulho do Cluster Tion. ”
Plagueis sorriu agradavelmente. "Então, se pudermos adiar o seu
escritório ..."
"É claro é claro." O Sullustan sinalizou para os guardas formarem
uma falange, depois acenou com cortesia para Plagueis e 11-4D
seguirem. Depois de você, senhor. Por favor."
Um turbolift os levou diretamente para um grande escritório com
vista para a principal sala de jogos do cassino, que estava lotada de
clientes das espécies Mid e Outer Rim sentados em
mesas e máquinas individuais, ou amontoados em torno de rodas
de ovide e jubileu e outros dispositivos de jogo. O gerente apontou
Plagueis para uma cadeira estofada e sentou-se em uma mesa
reflexiva. OneOne-FourDee ficou quieto ao lado de Plagueis.
"Você disse algo sobre um assunto particular, Magister Damask?"

Plagueis entrelaçou as mãos. "Entendo que a Colliders já recebeu


um grande vencedor há uma semana."
O Sullustan sacudiu a cabeça com tristeza. “As más notícias
viajam rápido, pelo que vejo. Mas, sim, ele quase nos matou. Uma
estranha sorte de sorte.
"Você tem certeza de que foi sorte?"
O Sullustan considerou a questão. “Eu acho que entendo o que
você está dizendo, então permita-me explicar. Espécies conhecidas
por possuírem habilidades telepáticas são impedidas de jogar em
Colliders, como é o caso na maioria dos cassinos. Além disso,
sempre operamos sob o pressuposto de que noventa e nove por
cento dos seres fortes na Força pertencem à Ordem Jedi e que os
Jedi não jogam. Com relação ao restante de um por cento - aqueles
que podem ter caído entre as rachaduras, por assim dizer - bem, a
maioria deles provavelmente está em algum lugar fazendo boas
ações ou trancada em mosteiros contemplando os mistérios do
universo. ”
"E o restante?"
O Sullustan apoiou os cotovelos na mesa e inclinou-se para a
frente. "Nessas raras ocasiões - e enfatizo raras - quando
suspeitamos que os seres possam estar usando a Força, exigimos
que eles se submetam a um exame de sangue."
"Você já desmascarou um usuário da Força?"
“Não nos vinte anos que sou administrador desta instalação.
Obviamente, nesse ramo, você ouve histórias. Por exemplo, há um
sobre um cassino em Denon que empregava um Forceful Iktotchi
como cooler - alguém capaz de quebrar a sequência de vitórias de
um jogador. Mas eu suspeito que o

a história é apócrifa. Aqui na Colliders, contamos com os métodos


padrão para garantir que as chances estejam sempre a nosso favor.
Independentemente, de tempos em tempos, alguém prova uma
exceção à regra. ” Ele parou por um momento. “Mas admito que não
vejo uma série de vitórias como esta última em anos. Pode levar
meses para nos recuperar.
"Você exigiu um exame de sangue?"
De fato, Magister Damask. Mas nosso analista residente disse
que o sangue do vencedor não continha ... bem, o que quer que ele
contenha se o jogador fosse usuário da Força. Confesso que não
entendo bem a química envolvida. ”
"Eu mesmo gostaria de entender mais", disse Plagueis. "Você teria
uma imagem do vencedor?"
O gerente franziu a testa. "Não quero bisbilhotar, mas posso
perguntar por que isso é de interesse pessoal?"
Plagueis riu. "É uma questão tributária."
O Sullustan se animou. "Então, por todos os meios." Seus
pequenos dedos voaram pelo painel de entrada da mesa e, em
segundos, a imagem de um Weequay apareceu na tela da parede.
Plagueis ficou ao mesmo tempo desapontado e confuso. Os
dados a bordo do navio de Venamis identificaram o candidato em
potencial como um Quarren. O ser de Mon Calamari usava a Força
para quebrar as margens dos cassinos em uma dúzia de mundos,
de Coruscant a Taris, de Nar Shaddaa a Carratos. Aparentemente, o
Weequay que ganhou muito em Colliders simplesmente teve sorte.
Plagueis estava prestes a dizer o mesmo para 11-4D quando um
interfone tocou e o gerente inseriu um transceptor em sua orelha
grande.
"De novo não!" ele disse. "Tudo bem, envie uma equipe de
segurança para vigiá-lo."

Plagueis esperou por uma explicação.


"Outra série de vitórias", disse o Sullustan. "Um Kubaz desta vez!"

Plagueis se levantou. “Desejo acompanhar a equipe de segurança


ao chão. Eu não vou interferir. Estou simplesmente curioso sobre o
seu

métodos para detectar trapaceiros ".


"É claro", disse o gerente, distraído. "Talvez você encontre algo que
perdemos."
Plagueis alcançou o turbocompressor simultaneamente com a
chegada de dois bothans vestidos com ternos de negócios e
permaneceu com eles enquanto avançavam pela área de jogos no
térreo até uma das mesas Collider do cassino. Os jogadores
atraídos para a ação estavam agrupados em três profundezas em
volta da mesa, tornando impossível capturar um vislumbre do
sortudo Kubaz até Plagueis e os Bothans chegarem ao poço do
crupiê. Pressionado entre fêmeas de várias espécies que tentavam
sem sucesso chamar sua atenção, o insetívoro macho de
pele escura e focinho comprido estava sentado em frente ao crupiê,
atrás de várias pilhas altas de crédito. O jogo chamava-se Collider
porque os jogadores faziam apostas nos tipos e caminhos em
espiral de partículas subatômicas de alta energia criadas como
resultado de colisões ocorridas na mesa do acelerador e os ataques
aleatórios de eletroímãs diferentes. Devido à natureza imprevisível
das colisões, a casa desfrutava de apenas uma pequena
vantagem - onde os aceleradores não eram manipulados - mas o
Kubaz estava superando as probabilidades apostando apenas nos
caminhos das partículas e não nas categorias de partículas.

Com o acelerador da mesa vibrando e o Kubaz deslizando


algumas de suas jogadas pela grade do jogo, Plagueis se estendeu
cautelosamente com a Força, sentindo intensa concentração por
parte do Kubaz e, em seguida, uma extraordinária onda de energia
psíquica. O Kubaz estava usando a Força - não para direcionar
partículas por certos caminhos, mas para deslumbrar os eletroímãs
e reduzir significativamente o número de caminhos que as
partículas criadas provavelmente seguiriam.

A multidão reunida aplaudiu e rugiu outra vitória, e o crupiê


empurrou mais uma estaca de crédito sobre a mesa, aumentando
os milhões de créditos que o Kubaz já havia conquistado. Em um
esforço para ver mais profundamente o Kubaz,

Plagueis se abriu novamente à Força e percebeu imediatamente que


os Kubaz haviam percebido a invasão. Levantando-se da cadeira tão
repentinamente que as fêmeas de cada lado dele quase foram
derrubadas, ele ordenou que o crupiê o sacasse. Sem olhar em volta,
ele aceitou o prêmio resgatável e correu na direção do bar mais
próximo. A equipe de segurança de Bothan ficou para trás, depois de
prometer alertar Plagueis se o Kubaz tentasse deixar o cassino.
Voltou para o de nível superior o ffi ce onde 11-4D ainda estava
esperando pelo presidente eo gerente Sullustan estava se
recuperando de um suor fl op, Plagueis perguntou se Colliders
mantida uma base de dados de jogadores que ganhou uma
reputação por quebrar os bancos de casinos, não apenas em Lianna,
mas em outros mundos onde o jogo era um passatempo popular.
Momentos depois, na tela, imagens de Ongree, Askajians, Zabrak,
Togrutas, Kel Dors, Gotals e Niktos, masculinos e femininos. Mesmo
um metamorfo Clawdite .
“Estes são os mais notórios”, explicou o gerente quando a
imagem de um neimoidiano apareceu na tela. “Os que a Autoridade
do Jogo suspeita ter desenvolvido métodos seguros de trapaça.
Quem aparecer no Colliders terá sua entrada negada.
Plagueis estudou as imagens finais e voltou-se para o Sullustan.
“Você tem sido muito útil. Não vamos incomodá-lo mais.
O turboelevador havia acabado de baixar ele e o 11-4D para o nível
do cassino quando ele perguntou ao dróide se havia notado alguma
coisa dizendo sobre a programação dos vencedores.
“Acho curioso que todos eles sejam, digamos, Muunoid bípedes
de aproximadamente a mesma construção física e quase idênticos
em altura. Um ponto e oito metros, para ser mais preciso.
OneOne-FourDee olhou para Plagueis. "É possível que eles sejam o
mesmo ser?"

Plagueis sorriu satisfeito. "Talvez um Clawdite?"

“Eu estava prestes a sugerir isso. No entanto, entendo que os


trocadores de forma reptomamáticos de Zolan raramente são bem-
sucedidos em perpetuar espécies camufladas por mais de um breve
período sem sentir intenso desconforto. Além do mais, a
programação apresentava um Clawdite. ”
"E se fosse um ser assumindo a forma de um Clawdite."
OneOne-FourDee deu um tipo de começo. Um Shi'ido, Magister.
O candidato que Venamis estava monitorando é um skinshifter! ”
Pouco se sabia sobre as espécies telepáticas reclusas
de Laomon, exceto que eles foram capazes de imitar uma grande
variedade de espécies sensíveis. Dizia-se que os mais talentosos
eram capazes de imitar árvores ou até rochas. Uma poderosa xiita
feminina chamada Belia Darzu havia sido um Lorde Sith na era pré-
Bane, criando exércitos de tecnobeasts que ela controlava usando a
energia do lado escuro.
"Isso explicaria os resultados negativos dos exames de sangue",
dizia 11-4D .
Plagueis assentiu. “Suspeito que este Shi'ido Forçado tenha
aprendido a alterar seu sangue. Ou talvez ele apenas tenha
obscurecido a mente do analista, obrigando-o a ignorar os achados
da contagem do meio-cloriano.
Eles tinham acabado de entrar na área de jogos quando um dos
Bothans se apressou para a frente. "Magister Damask, acabei de
receber a notícia de que o Kubaz está saindo."
"O Kubaz pediu para transferir seus ganhos para uma conta?"
O Bothan balançou a cabeça. “Ele preferia um crédito. Muitos
vencedores o fazem, na esperança de proteger sua privacidade. ”
Plagueis agradeceu e virou-se para o dróide. “Depressa, FourDee.
Antes que ele tenha muita vantagem sobre nós.
Eles se dirigiram para fora nas ecumenópole brilhantes, onde
nuvem-céus e monads se elevavam acima deles, passarelas de
pedestres foram bloqueadas com seres de cima e para baixo a Rota
Comercial Perlemian, eo céu estava cheio de tra ffi c. E quase todo
lugar que olhavam, viam o nome

Santhe - acima das portas dos prédios, em anúncios exibidos em


telões gigantes, estampados nas laterais de velozes e navios. A
família proeminente praticamente possuía Lianna e, nos últimos
trinta anos, havia detido o controle de uma das principais empresas
de Lianna: a Sienar Technologies - representantes dos quais haviam
sido convidados no recente Gathering on Sojourn.
Mantendo uma distância razoável, Plagueis e 11-4D seguiram o
Kubaz de passarela para passarela movimentada, depois
atravessaram uma das pontes ornamentadas que atravessavam o
rio Lona Cranith até a cidade irmã de Lianna, Lola Curich. Passando
pelo quartel general da Sociedade Histórica dos Aliados, os velozes
de Fronde, uma cantina chamada Thorip Norr ... Durante todo o
tempo o Kubaz olhava por cima do ombro e agora aumentava o
passo quando se aproximava da entrada de um túnel para
pedestres.

"O xiido se comporta como se tivesse consciência de ser seguido"


11-4D disse, fotorreceptores fixados em sua pedreira.
“Ele tentará nos perder no túnel. Faríamos melhor esperar que ele
saísse. Plagueis parou para dar uma olhada. "Por aqui, FourDee."
Apressando-se através de prédios destruídos pelo túnel, eles
surgiram exatamente onde o desvio de pedestres chegava a uma
praça pública com restaurantes e boutiques. O OneOne-FourDee
afiou seus receptores ópticos e os treinou na boca do túnel. "Com
base na velocidade em que o xiido estava andando quando entrou
no túnel, ele já deveria ter saído agora."
"E de fato ele tem", disse Plagueis. "Dirija sua atenção para o
robusto Askajian que está passando pela colher Aurodium."
Os fotorreceptores do dróide giraram levemente. "Os Shi'ido
mudaram de pele dentro do túnel."
"Eu suspeitava que ele pudesse."
"Gostaria de ter uma ferramenta comparável à Força, Magister."

Eles retomaram sua vigilância clandestina, sombreando os


Askajian agora, que os levaram a uma excursão complicada por Lola
Curich, que terminou em um quiosque automatizado de clãs do
InterGalactic Banking ao lado de uma franquia PetVac. Plagueis
confiou no 11-4D para fornecer uma atualização sobre as atividades
do skinshifter.
"Ele depositou o crédito", disse o dróide. “Mas não consigo
fornecer o número da conta. Até meus captadores de macrovisão
têm suas limitações. ”
Plagueis gesticulou em despedida. "Isso não será um problema."
Eles esperaram até que os xiitas saíssem do quiosque para entrar
correndo. Com a ajuda dos códigos IBC fornecidos pela Plagueis, a
11-4D logo adquiriu não apenas o número da conta, mas também o
identidade do titular.
"Kerred Santhe, o Segundo", disse o dróide.
Plagueis ficou sem palavras por um momento. Santhe herdara a
propriedade principal da Santhe / Sienar Technologies do mais velho
Kerred - que tinha a distinção de ser o primeiro assassinato de
Plagueis sob a tutela de Darth Tenebrous. Mas que um industrial
rico como Santhe deveria ter necessidade dos ganhos de um
jogador fazia pouco sentido. A menos que o xiido estivesse de
alguma forma em dívida com Santhe. A conexão tortuosa com
Tenebrous explicou como o skinshifter chamou a atenção de
Venamis pela primeira vez?
"Você é versado em fisiologia xiita?" Plagueis perguntou 11-4D.
“Os xiitas participaram de estudos de longevidade realizados em
Obroa-skai. Eles possuem uma fisiologia e anatomia muito flexíveis,
com tendões e ligamentos reconfiguráveis, e características
esqueléticas finas, porém densas, que lhes permitem sustentar sua
massa carnuda e reservas extensas de líquidos corporais. ”
"Seus sensores são capazes de determinar quando um Shi'ido
está prestes a trocar de skins?"
"Se o Shi'ido está próximo, sim." "Então não
temos um momento a perder."
Alcançando a pedreira quando ele entrava na praça pública, eles o
alcançaram e correram para o túnel de pedestres à sua frente. Cem
metros adiante, eles se viram em um trecho desocupado e pouco
iluminado que Plagueis supôs que os xiitas usariam para
transformar, e esperaram.
Os xiitas não o decepcionaram. E no momento em que ele
começou a mudar - de Askajian para o que poderia ser um Ongree
ou um Gotal - 11-4D ativou a arma laser escondida em seu braço
direito e disparou um raio tenso na base do cérebro dos Shi'ido.
A mistura momentaneamente monstruosa de espécies soltou um
grito atormentado e caiu no chão do túnel, contorcendo-se de dor.
Movendo-se rapidamente, 11-4D o arrastou mais fundo na
penumbra, onde Plagueis se posicionou atrás do crânio
grotescamente abaulado do skinshifter, ombros irregulares e
curvado para trás.
"Por que você transferiu seus ganhos para Kerred Santhe?"
Perguntou Plagueis.
A boca torcida do Shi'ido lutou para formar uma resposta. "Você
está com a Autoridade de Jogos?"
Você só deseja. Novamente: Por que Kerred Santhe?
"Dívidas de jogo", arrastaram os xiitas, enquanto os escravos
caíam no chão. "Ele está em dívida com um casal de Black Sun
Vigos e outros credores."
"Santhe é um dos seres mais ricos da galáxia", pressionou
Plagueis. "Por que ele precisaria do que você está roubando dos
cassinos daqui para Coruscant?"
“Ele tem milhões de dívidas. Ele não parou de beber e jogar desde
que seu pai foi assassinado.
Brilhantemente assassinado, pensou Plagueis. "Mesmo assim, o
Black Sun nunca o atacaria."
O Shi'ido Poderoso esticou o pescoço irregular em um esforço
para dar uma olhada em seu inquisidor. Ele sabe disso. Mas os
Vigos estão ameaçando divulgar publicamente as informações. Um
escândalo poderia convencer o conselho de administração da
Santhe / Sienar a demitir

ele como chefe de operações e nomeia Narro Sienar como seu


substituto. ”
Plagueis riu logo de uma maneira surpresa, mas satisfeita. "Assim
como deveriam, skinshifter." Ele se levantou e começou a se afastar.
“Você tem sido muito útil. Você está livre para ir."
"Você não pode me deixar assim", implorou o xiido. Plagueis parou
e voltou para sua vítima. "Se vocês
estivesse financiando o terrorismo ou comprando armas, eu poderia
ter permitido que você continuasse fugindo dos cassinos. Mas,
engordando as preocupações do Black Sun e protegendo a
reputação de um inimigo de um de meus amigos, você se torna meu
inimigo também. ” Ele baixou a voz para um rosnado ameaçador.
“Considere o seguinte: você tem uma última chance de usar seus
talentos da Force para ganhar muito antes que sua imagem horrível
se torne a peça central do banco de dados de trapaceiros em todos
os mundos do jogo. Sugiro que você use seus ganhos com
sabedoria para criar uma nova vida, onde a Autoridade de Jogos não
conseguirá encontrá-lo e eu não irei procurá-lo. ”

Dizer que o planeta Saleucami era o ponto brilhante de seu sistema


significava apenas que ele, sozinho, entre meia dúzia de mundos
sem ar e desolado, era capaz de sustentar a vida. Seus próprios
pontos brilhantes não eram, como se poderia suspeitar, aquelas
áreas que ainda não haviam sido vitimadas por bombardeios de
meteoros, mas algumas das crateras de impacto que a incessante
tempestade celestial havia deixado para trás. Pois ali, os ataques de
meteoros conjuraram águas subterrâneas ricas em minerais à
superfície árida, transformando as crateras em lagos da caldeira e
os arredores em oásis de orbiculada fl ora.

Os bípedes de pele azul e olhos amarelos do outro lado do Núcleo


foram os primeiros a colonizar Saleucami, o que significava "oásis"
na língua, pois o mundo era exatamente aquele entre os que haviam
visitado durante a longa jornada de Wroona. Desde então, vieram
grupos entusiasmados de Weequay, Gran e Twi'leks, que fugiam de
conflitos ou em busca de garras duras.

isolamento e até as tarefas de cultivar o solo incolor para a umidade


e subsistir em culturas de raízes insípidas que secavam no calor do
meio-dia e congelavam sólidas à noite. Eventualmente, o planeta
deu origem a uma cidade e um porto espacial, construídos à sombra
de uma das caldeiras nutridas por energia geotérmica.
Os imigrantes mais recentes de Saleucami eram de diferentes
tipos: jovens de mundos tão distantes quanto Glee Anselm e
Arkania, vestidos com roupas esfarrapadas e carregando seus
pertences nas costas. Derivadores e pesquisadores que chegam
nos transportes agredidos e vagabundos que atendem aos sistemas
da Orla Exterior. Macho e fêmea, embora três vezes o último para o
primeiro, distinguem-se pelo que alguns viam como um olhar
inquieto e outros pelo olhar dos perdidos. A princípio, os colonos
nativos não sabiam o que fazer com esses andarilhos
irresponsáveis, mas gradualmente toda uma indústria cresceu para
atender às suas necessidades simples, embora peculiares, de
abrigo, comida e transporte de superfície para os terrenos baldios,
onde a iluminação aguardava, nas mãos exageradas de um ser que,
segundo se dizia, possuía poderes proféticos.

Entre eles, naquele dia, havia um Muun vestindo uma túnica


simples com capuz e botas bem gastas . Onde normalmente a
simples visão de um Muun poderia ter gerado rumores de que
Saleucami estava prestes a ser adquirido pelo Clã Bancário
InterGaláctico, a horda juvenil com a qual Munn havia entrado
apenas o olhou pela segunda vez. Não quando a multidão já incluía
Ryn e Fosh e outras espécies exóticas; e não quando Saleucami em
si era visto como pouco mais que um trampolim para um mundo
maior.

Plagueis havia deixado o 11-4D em Sy Myrth e completado a


jornada de cargueiro na esperança de manter o menor perfil
possível. Os dados de fundo do profeta eram escassos, embora
Venamis notasse que ela havia nascido na Orla Interna e chegara a
Saleucami apenas três anos antes. Os colonos de Saleucami
estavam dispostos a tolerá-la

presença, assim como os seguidores do campo que ela atraía,


desde que confinassem suas assembléias às terras desertas.
Encaixado entre outros quarenta em um ônibus veloz, Plagueis
deixou seu olhar percorrer uma paisagem desolada de montanhas
vulcânicas e as paredes das crateras de impacto. Em um céu sem
nuvens de roxo pálido, a luz ofuscante brilhava intermitentemente, e
a monotonia da viagem de cinco horas era aliviada apenas pelo
assentamento ocasional ou por uma fazenda isolada de umidade. O
fim da jornada era um lago de caldeira relativamente pequeno, cujas
margens subiam uma expansão comum de tendas e abrigos
rústicos, povoados pelos sonhadores veteranos das assembléias
anteriores.

Os Selecionados, como foram chamados.


Subindo do ônibus de alta velocidade, Plagueis juntou-se à
multidão de recém-chegados em uma curta caminhada até um
anfiteatro natural, onde pedaços de meteorito eram lugares para
alguns. Outros estavam sentados em suas mochilas ou espalhados
no chão irregular. Logo, o som de motores choramingando anunciou
a chegada de uma caravana de arrancadores hibridizados, muitos
em bom estado, embora cobertos de poeira e manchados de cor
pela luz forte. Quase todo mundo no anfiteatro se levantou e uma
onda de antecipação se moveu através da multidão, aumentando de
forma fervorosa quando uma fêmea Iktotchi saiu de um dos
veículos, cercada por discípulos vestidos tão claramente quanto ela.

Plagueis não conseguia pensar em um ser mais adequado para


Saleucami ou status de culto: um sem pêlos bípedes com chifres
curvos para baixo e uma sobrancelha proeminente, pele endurecida
para suportar os ventos violentos de seu mundo natal e um
semblante contencioso que desmentia uma natureza emocional.
Mas, o mais importante, possuía capacidade precognitiva
comprovada.
Sozinha, ela montou uma laje de pedra que era o palco do
anfiteatro e, quando a multidão se acalmou, começou a falar com
uma voz solene.
"Vi a escuridão que se aproxima e os seres que a visitarão na
galáxia." Ela fez uma breve pausa para permitir que ela

palavras a serem sentidas. "Eu testemunhei o colapso da República


e vi a Ordem Jedi girar em tumulto." Ela apontou o dedo para
montanhas distantes. "No horizonte, aparece uma
guerra que abrange galáxias - um conflito entre máquinas de liga e
máquinas de carne e a morte subsequente de dezenas de milhões
de inocentes".
Ela andou na laje, quase como se estivesse falando sozinha. “Vejo
mundos subjugados e mundos destruídos, e do caos nasce uma
nova ordem, apoiada por armas ferozes, cujos gostos não são vistos
há mais de mil anos. Uma galáxia trazida sob o jugo de um déspota
cruel que serve as forças da entropia. E, finalmente, vi que apenas
aqueles endurecidos por essa verdade inelutável podem sobreviver.
Ela examinou a platéia. "Somente aqueles de vocês que estão
dispostos a se voltar e lucrar com os infortúnios dos outros."
A multidão ficou em silêncio atordoado. Dizia-se que os Iktotchi
abandonavam algumas de suas habilidades pré-cognitivas à medida
que viajavam do mundo natal, mas esse nem sempre era o caso. E
certamente não, Plagueis disse a si mesmo, no caso de um Iktotchi
que era forte na Força. Não era de admirar que Venamis a estivesse
vigiando.
“Fui enviado para derrubar suas crenças mais queridas em um
futuro brilhante e ajudá-lo a travar uma guerra contra boas intenções
e o engano de idéias puras; para ensiná-lo a aceitar o fato de que,
mesmo em meio a essa era aparentemente abençoada, essa
piscada de olho na história senciente, nossos instintos básicos nos
dominam. Fui enviado para aconselhá-lo que a própria Força se
tornará como se fosse apenas uma fantasia passageira entre os
auto-enganados - uma ilusão antiquada que se tornará fumaça nos
incêndios de limpeza da nova era. ”

Ela fez uma pausa mais uma vez e, quando falou a seguir, um
pouco da ponta havia deixado sua voz.
“O que essa galáxia reordenada precisará é de seres que não
temem ser arrogantes, egoístas e levados a sobreviver em

todos os custos. Aqui, sob minha orientação, você aprenderá a


abandonar seus velhos eus e encontrar forças para se refazer como
seres durasteel, por meio de ações que você nunca imaginou ser
possível realizar.
"Eu sou o piloto do seu futuro."
Ela abriu os braços para a multidão. "Olhem, cada um de vocês,
para os que estão à esquerda e à direita, e aqueles à frente e atrás
..."
Plagueis fez como instruído, encontrando olhares inocentes e
zangados, olhares assustados e expressões de perda.
"... e pense neles como trampolins para sua eventual escalada",
disse o Iktotchi. Ela mostrou as mãos. “O toque das minhas mãos
definirá a corrente que flui através de você; acionará o interruptor
que iniciará sua jornada para a transformação. Venha a mim se
desejar ser selecionado.
Muitos na multidão se levantaram e começaram a avançar em
direção ao palco, empurrando outros para fora do caminho, lutando
para ser o primeiro a alcançá-la. Plagueis demorou-se, encontrando
um lugar no final de uma linha sinuosa. Embora a noção de ter um
exército pronto de bandidos das trevas à sua disposição não
estivesse sem um certo apelo, os Iktotchi estavam espalhando uma
mensagem que havia condenado os Sith de antigamente, os Sith
que precederam a reforma de Bane, e permitiram que a luta
internacional impulsionar a Ordem ao esquecimento. A mensagem
apropriada deveria ter sido que eles abandonam sua necessidade de
se sentirem no controle de seus próprios destinos e aceitam a
liderança iluminada de alguns poucos selecionados.

A primária de Saleucami estava baixa no céu quando Plagueis


alcançou a laje de pedra e ficou de frente para o Iktotchi. Suas mãos
largas seguraram as dele, e ela apertou os dedos grossos em torno
de suas mãos estreitas.
"Um Muun de riqueza e bom gosto - o primeiro que veio à minha
procura", disse ela.
"Você foi selecionado", Plagueis disse a ela.
Ela segurou o olhar dele, e um repentino olhar de incerteza surgiu
em seus olhos, como se Plagueis tivesse trancado com ela.

"O que?"
“Você foi selecionado, embora sem o seu conhecimento. E então
eu precisava conhecê-lo pessoalmente.
Ela continuou a encará-lo. "Não é por isso que você está aqui."

"Ah, mas é", disse Plagueis.


Ela tentou retirar as mãos, mas Plagueis agora as segurava
firmemente. "Não é por isso que você está aqui", disse ela, alterando
a ênfase. “Você veste a escuridão do futuro. Fui eu que te busquei;
Eu quem deveria ser sua criada.
"Infelizmente não", sussurrou Plagueis. "Sua mensagem é
prematura e perigosa para minha causa."
“Então deixe-me desfazer! Deixe-me fazer o seu
lance. "Você está prestes a."
Um incêndio se acendeu em seus olhos e seu corpo ficou rígido
quando Plagueis começou a lançar um raio nela. Seus membros
tremeram e seu sangue começou a ferver. Suas mãos ficaram
quentes e estavam perto de serem incendiadas quando ele
finalmente sentiu a luz sair dela e ela amassou em suas mãos.
Depreensão, ele viu um dos discípulos Twi'lek de Iktotchi correndo
em sua direção, e ele soltou abruptamente as mãos dela e se
afastou de seu corpo espasmódico.

"O que aconteceu?" os Twi'lek exigiram enquanto outros discípulos


estavam correndo em socorro dos Iktotchi. "O que você fez com
ela?" Plagueis fez um gesto calmante. "Eu não fiz nada", disse ele
em uma monotonia profunda. "Ela desmaiou."
O Twi'lek piscou e virou-se para seus camaradas. Ele não fez
nada. Ela desmaiou."
"Ela não está respirando!" um deles disse.
"Ajude-a", disse Plagueis na mesma monotonia.
"Ajude-a", disse o Twi'lek. "Ajude ela!"
Plagueis saiu da laje e começou a andar contra uma maré
repentina de seres frenéticos em direção a um dos ônibus velozes
que aguardavam. A noite estava caindo rapidamente. Atrás dele,
gritos de descrença ecoaram no anfiteatro. O pânico foi

construção. Os seres estavam torcendo as mãos, sacudindo as


antenas e outros apêndices, andando em círculos, murmurando
consigo mesmos.

Ele foi o único a embarcar no ônibus veloz. Aqueles com quem ele
chegara e os Escolhidos que haviam construído abrigos acima dos
lagos estavam correndo para o escuro, como se estivessem
determinados a se perder nos esgotos.

Em uma nave estelar de design semelhante ao que havia entregue


Tenebrous e Plagueis a Bal'demnic - uma nave Rugess Nome -
Plagueis e 11-4D viajaram para o mundo de Bedlam, na orla central ,
perto do pulsar argent de mesmo nome. Um ponto de vazamento no
espaço real e um playground para supostos seres
transdimensionais, o fenômeno cósmico luminoso atingiu Plagueis
como o cenário perfeito para o sanatório no qual o último dos
potenciais aprendizes de Venamis - um nautolano - foi confinado
nos últimos cinco anos.
Guardas uniformizados de Gamorrean os encontraram nas
imponentes portas da frente da Instituição Bedlam para os
Dementos Criminosos e os mostraram ao escritório do
superintendente, onde foram recebidos por um ítoriano, que ouviu
atentamente, mas com óbvio consternação, o objetivo da visita
surpresa de Plagueis .
"Naat Lare foi nomeado como beneficiário em um testamento?"
Plagueis assentiu. “Uma pequena herança. Como executor-chefe I
estão procurando por ele há algum tempo. "
A cabeça de dois lóbulos do ítor balançava para frente e para trás
e seus longos dedos de ponta bulbosa batiam uma tatuagem na
mesa. "Sinto muito por ter que relatar que ele não está mais
conosco."
"Morto?"
"Bem possível. Mas o que eu quis dizer é que ele desapareceu.
"Quando?"
"Dois meses atrás."
"Por que ele foi confinado originalmente a Bedlam?" Perguntou
Plagueis.

"Ele foi detido pelas autoridades em Glee Anselm, mas acabou


sendo condenado a cumprir seu tempo aqui, onde poderia ser
tratado."
"Qual foi o crime dele?"
“Crimes, é mais adequado. Ele tem uma longa história de práticas
sadomasoquistas - mais frequentemente realizadas em pequenos
animais - piromania, pequenos crimes e uso intoxicante.
Normalmente, vemos isso em seres que sofreram abuso ou tiveram
uma educação instável, mas Naat Lare tinha uma família amorosa e
é muito inteligente, apesar de ter sido expulsa de inúmeras escolas.

Plagueis considerou sua próxima pergunta com cuidado. "Ele é
perigoso?"

O itoriano tamborilou com os dedos espatulados novamente


antes de responder. "Correndo o risco de violar a confidencialidade
do paciente, eu diria que é potencialmente perigoso, como ele tem
certeza ... digamos, talentos , que transcendem o comum".
"Esses talentos figuram em sua fuga?" "Possivelmente.
Embora pensemos que ele pode ter tido ajuda. "De
quem?"
"Um médico Bith que se interessou por seu caso." Plagueis
recostou-se na cadeira. Venamis ? "Você já
contatou este médico? "
"Tentamos, mas as informações que ele forneceu sobre sua
prática e local de residência eram fraudulentas."
"Então ele pode não ter sido médico."
A cabeça do ítor balançou em seu pescoço curvado.
"Infelizmente. O Bith pode ter sido um cúmplice, de certa forma.
"Você tem alguma idéia para onde Naat Lare pode ter
desaparecido?"
“Supondo que ele tenha deixado Bedlam por conta própria, as
possibilidades são limitadas, dada a escassez de naves estelares
que nos servem. Sua primeira parada seria Felucia, Caluula ou
Abraxin. Notificamos as autoridades nesses mundos.

Infelizmente, não temos orçamento para realizar uma extensa


pesquisa. ”
Plagueis lançou um olhar significativo para 11-4D e levantou-se da
cadeira. "Sua cooperação é muito apreciada, superintendente."

"Estamos confiantes de que os Jedi o localizarão, em qualquer


caso", acrescentou o Ithorian enquanto Plagueis e o dróide estavam
prestes a sair do escritório.
Plagueis girou de volta. "Os Jedi?"
“Por causa dos dons peculiares de Naat Lare, nos sentimos
obrigados a entrar em contato com a Ordem assim que ele fosse
descoberto. Eles gentilmente consentiram em nos ajudar na busca.
O ítor parou. "Eu poderia entrar em contato com você se eu aprender
alguma coisa ..."
Plagueis sorriu. "Vou deixar minhas informações de contato com
seu assistente."
Ele e 11-4D retornaram ao navio em silêncio. Enquanto a rampa de
embarque estava abaixando, Plagueis disse: “Seres como Naat Lare
não ficam escondidos por muito tempo. Pesquise no HoloNet e em
outras fontes notícias de eventos recentes nos três mundos que o
superintendente nomeou e me informe de todas as contas que
capturam seu interesse. ”
O navio mal havia deixado a atmosfera de Bedlam quando 11-4D
se reportou à cabine.
"Um pedaço de Abraxin, Magister", o dróide começou. “Enterrado
entre histórias de ocorrências intrigantes ou bizarras. Relatos dos
recentes assassinatos de dezenas de locais de pântanos nos
pântanos ao redor de um assentamento de Barabel no continente
sul. ”
Criaturas bípedes grandes e não-sensitivas, pântanos caçados em
bandos e eram conhecidos por usar a Força para lançar suas presas
a céu aberto.
"Os supersticiosos entre os Barabels acreditam que a Praga de
Barabel é responsável pela erupção de assassinatos".
Plagueis bateu nas palmas das mãos nas coxas. “Nosso Nautolan
deixou de torturar animais domésticos para

matando criaturas forçadas. E tenho certeza de que os Jedi


chegarão à mesma conclusão.
"Se ainda não o fizeram, senhor."
Plagueis acariciou o queixo, pensando. “Este aqui tem mais do
que uma sugestão do lado sombrio. Não é de admirar que Venamis
o estivesse visitando. Faça com que o computador da marinha
planeje um curso para a Abraxin, FourDee. Estamos voltando para o
Cluster Tion.
Um dia normal depois, eles fizeram o planeta cair perto da área
onde ocorriam os assassinatos de pântanos. Por padrão, o
assentamento de Barabel estava distante de qualquer um dos
desportos espaciais do planeta, na margem duvidosa de um extenso
pântano, cujas margens retorcidas eram paliçadas por densas
arborizadas árvores enraizadas na água . Em um terreno alto, alguns
prédios pré-forma erguiam-se entre grupos de casas de
telhado de palha , ligadas entre si por caminhos que teciam as ervas
da estação seca . Os nativos reptilianos em escala usavam roupas
suficientes para serem modestas, e um cheiro doentio e doce de
vegetação podre pairava no ar imóvel. Abraxin tinha sido forte no
lado sombrio durante a vida de Bane, quando estava alinhado com a
Irmandade das Trevas de Lord Kaan, mas Plagueis podia sentir que
o poder havia diminuído significativamente nos séculos seguintes.

Ele e 11-4D não tinham andado um quilômetro do navio quando


encontraram um grupo de Barabels transportando um quarteto de
pântanos abatidos da água cor de sopa de leguminosa . As
carcaças bípedes e fedorentas haviam sido cortadas e esfaqueadas
e haviam perdido os olhos vermelhos para o delicado trabalho de
uma lâmina vibratória. À primeira vista, poder-se-ia pensar que as
criaturas haviam sido decapitadas, também, com suas cabeças
pequenas colocadas baixas entre os ombros curvados. Plagueis
achou que os Barabels não tinham um cheiro mais agradável do que
as assombrações massacradas, mas eles sabiam o suficiente para
responder às perguntas dele sobre a recente onda de assassinatos.

"Membros do mesmo grupo de caça, esses quatro", explicou um


dos reptilianos, "e terminaram apenas ontem à noite".

Outro, cuja cauda arrancada estava começando a crescer


novamente, acrescentou: "It'z the Blight". Sua pata com garras
indicava as órbitas dos olhos roxos de uma das assombrações
flácidas. "Este acredita que apenas a praga levaria os olhos."
Continuando no caminho sombreado que levava ao povoado,
Plagueis tirou a capa e a dobrou sobre o antebraço direito. Uma
virada no caminho revelou que ele não era o único visitante vestido
inadequadamente para o clima. À frente, dois Jedi vestidos com as
tradicionais roupas marrons da Ordem discutiam com um Barabel
sobre o preço do aluguel de um skimmer. Plagueis ancorou-se no
reino material enquanto o mais jovem dos dois Jedi - um
Zabrak - girava lentamente para observá-lo e 11-4D enquanto
passavam.
Respondendo ao olhar dos Jedi com um aceno de cabeça,
Plagueis continuou andando, desviando-se do caminho apenas
quando chegaram a um pequeno edifício do mercado, do qual ainda
podiam ser observados o par de Jedi e o piloto do skimmer de
Barabel. Familiarizado com Barabel, Plagueis escutava conversas
entre os comerciantes, que estavam sentados atrás de bandejas de
peixes mortos, pássaros e insetos que o pântano havia
proporcionado. As matanças dos pântanos estavam na mente de
todos, assim como as superstições sobre a Praga. Mas a chegada
dos Jedi foi vista como um bom presságio, na medida em que a
Ordem era venerada por ter ajudado a resolver uma disputa de clãs
em Barab I quase um milênio antes.

Plagueis chamou 11-4D para a entrada do mercado e instruiu-o a


afiar seus fotorreceptores nos Jedi, que estavam no meio de
concluir seus negócios com o piloto de skimmer. Ele então se
permitiu chamar profundamente a Força.
"Ambos reagiram", disse o dróide. "O Cerean dirigiu um olhar para
o mercado, mas não se concentrou em você."
"Só porque ele gosta mais de um nautolano do que de um muun."
Pouco tempo depois, enquanto Plagueis e 11-4D estavam
vagando pelo assentamento, alguém chamou

Básico com sotaque básico: "Parece que somos os únicos


estranhos na cidade."

A voz pertencia ao estranho Cerean, que emergira de um


restaurante com um frasco de líquido. Seguindo-o para fora, o
Zabrak colocou duas canecas em uma mesa que desfrutava de uma
piscina de sombra.
- Junte-se a nós, por favor - disse o Cerean, acenando com a
cabeça cônica e alta na direção da cadeira sobressalente da mesa.
Plagueis deu um passo em direção à mesa, mas recusou a cadeira.
"Uma cerveja produzida localmente", disse o Zabrak, saindo do
agonista. “Mas eu vi uma garrafa de Abraxin Brandy dentro, se
isso é mais do seu agrado. ”
"Obrigado, mas nem no momento", disse Plagueis. "Talvez depois
do horário de trabalho."
O Cerean fez um gesto para si mesmo. “Eu sou o mestre
Ni-Cada. E este é Padawan Lo Bukk. O que o leva a Abraxin, cidadão
...
"Micro-empréstimos", Plagueis interrompeu antes de precisar
fornecer um nome. "O Clã Bancário está pensando em abrir uma
filial do Banco de Aargau aqui como um meio de sustentar a
economia local."
Os Jedi trocavam olhares enigmáticos sobre os aros das canecas.
“E o que leva os Jedi a Abraxin, Mestre Ni-Cada? Não
o peixe da concha, eu pego.
"Estamos investigando os recentes assassinatos de pântanos",
disse o Zabrak, talvez antes que seu mestre pudesse impedi-lo.
“Ah, claro. Meu dróide e eu vimos os corpos de quatro das
criaturas lamentáveis quando entramos no assentamento.
O Cerean assentiu gravemente. "Esse chamado Blight terminará
amanhã."
Plagueis adotou um olhar de agradável surpresa. "Notícias
maravilhosas. Não há nada pior do que superstição para prejudicar
uma economia. Aproveite suas bebidas, cidadãos.
OneOne-FourDee esperou até que ele e Plagueis estivessem fora
do alcance dos Jedi para dizer: “Estamos saindo de Abraxin,

Magister?
Plagueis balançou a cabeça. - Não antes de encontrar o
nautolano. Não tenho escolha senão tentar tirá-lo do esconderijo.
"Mas se você convocar a Força, provavelmente também atrairá os
Jedi."
"O risco pode valer a pena."
Eles passaram a tarde ouvindo conversas sobre os locais dos
assassinatos, e determinaram que Naat Lare, se ele percebeu ou
não, estava seguindo um padrão. Na escuridão na beira do
assentamento, em um ponto ao longo da costa
atormentada por sangue do pântano escuro, a cerca de seis
quilômetros do mercado, Plagueis tirou suas perneiras, túnica e
capuz e deslizou nu na água escura . Com um respirador de aquata
preso entre os dentes, ele se empurrou para o fundo. Lá, agachado
na lama, ele se abriu totalmente à Força e convocou os Nautolan,
cuja Força e sentidos olfativos poderiam sugerir que a mãe de todos
os pântanos estava à mão para matar. Uma mulher tatuada
Nautolan chamada Dossa já foi considerada adequada para servir
Sith Lord Exar Kun; quem sabia que presentes Naat Lare poderia
possuir?
À superfície das estrondosas bagunças dos insetos, Plagueis
saltou para a costa lamacenta, vestiu-se e empoleirou-se à luz das
estrelas nas raízes escorregadias de uma árvore frondosa. Logo, ele
sentiu um eco na Força e viu ondulações na água a alguma
distância. Na penumbra, um ninho azul-esverdeado de madeixas de
cabeça quebrou a superfície, seguido por um par de olhos
castanhos sem tampa. Então o senciente anfíbio de Glee Anselm
apareceu, puxando-se para terra como um animal devolvido e
fixando sua atenção em Plagueis.
Ao mesmo tempo, Plagueis ouviu o som de um skimmer se
aproximando rapidamente do fundo do pântano e sentiu a presença
dos dois Jedi.
"Você não é Venamis", disse Naat Lare no Basic, uma mão no
punho de uma lâmina vibratória presa à sua coxa muscular.

"Ele ajudou você a escapar de Bedlam e enviou você aqui como


parte de seu treinamento."
A mão de Naat Lare se fechou no punho. "Quem é Você?" Plagueis
ficou de pé em toda a sua altura. "Eu sou o mestre de Venamis." O
nautolano parecia confuso, mas apenas momentaneamente.
Então
ele genuinizou na lama. "Senhor", disse ele, abaixando a cabeça.
O som do skimmer estava mais próximo agora, perto de uma
curva no pântano. "Dois Jedi te rastrearam."
A cabeça trançada de Naat Lare balançou ao som do skimmer.

Plagueis começou a recuar nas sombras e na natureza mundana.


"Prove que é digno de mim e de Venamis matando-os."

"Sim, meu senhor." O nautolano ficou de pé e mergulhou na água


coberta de gosma .
No fundo das árvores frondosas, Plagueis esperava. O motor do
skimmer ficou em silêncio; então a água subiu e gritos de alarme e
repentinas ondas de luz irromperam na noite.
"Mestre!"
Um som gutural áspero soou, seguido por um grito de dor.
"Afaste-se, Padawan."
"Mestre, é-"
Outro grito, mais agudo. “Não! Não!
O zumbido de um sabre de luz irritado, um uivo de dor e algo
pesado atingiu a água.
"Ele está vivo? Ele está
vivo?" Alguém gemeu.
"Esperar …"
Ondas quebraram na costa enraizada perto de onde Plagueis se
escondera.
"Mestre?"
"Está feito. Ele está morto."

9: RESERVAS INTEGRADAS

Por mais de cinquenta anos, a Damask Holdings ocupou um dos


superspiros mais magníficos de Harnaidan. Se não for tão alto ou
maciço como os pertencentes ao Clã Bancário InterGalactic e suas
numerosas subsidiárias, o edifício teve a vantagem de ser
construído perto do maior dos lagos naturalmente aquecidos da
cidade, que foi incorporado à propriedade como um spa exclusivo. A
sala de reuniões da empresa dava para o lago e as fontes termais ao
redor de um contratempo arquitetônico no duzentoso andar, onde
Hego Damask, Larsh Hill e os executivos e executivos da Damask
Holdings se reuniam para reuniões duas vezes por semana .
Naquele dia, uma holopresença do tamanho de um quarto de vida
estava no centro da enorme holotable circular da sala, dirigindo-se
aos Muuns reunidos em Basic do mundo distante de Naboo.

Um humano de estatura mediana, o alto-falante tinha cabelos


castanhos escuros penteados para trás de uma testa inclinada,
barba e bigode espessos e longos, e olhos azuis brilhantes em um
rosto simétrico, embora não digno de nota. Ele estava vestido com
roupas de cores ricas, que incluíam um colete bordado com
caligrafia de Futhork e uma capa de brocado que caía de joelhos,
revelando botas de couro altas, brilhantes e de salto baixo . Seu
nome era Ars Veruna e, embora ele não ocupasse uma posição no
governo monárquico de Naboo, ele estava falando pelo atual
pretendente ao trono, Bon Tapalo, e provavelmente seria nomeado
governador da cidade de Theed no caso de Eleição de Tapalo.

"Nossa campanha foi paralisada por recentes alegações dos


líderes de algumas casas reais", dizia Veruna.
os Muuns reunidos. “Algo precisa ser feito para recuperar o
momentum - e rapidamente. As contra-alegações tornadas públicas
por um benfeitor desconhecido foram um longo caminho para
desfazer o dano inicial dos meios de comunicação social dos
nobres, mas uma nova cautela tomou conta do eleitorado,
fortalecendo a posição de nossos oponentes provinciais. ”
"Cancelamento de áudio", disse um dos Muuns em relação aos
captadores do holossistema. Seguro ao saber que a conversa ao
redor da mesa havia sido silenciada, ele continuou. "Todos os Naboo
são tão hirsutos e elaboradamente fantasiados como este Veruna?"
Larsh Hill respondeu. “Eles são tradicionalistas - tanto emocional
quanto politicamente. O estilo de vestir e os adornos faciais
homenageiam as vestes da rainha Elsinore den Tasia de Grizmallt,
que despachou uma frota expedicionária de humanos para o planeta
há cerca de quatro mil anos e a quem alguns Naboo afirmam ser
capazes de traçar uma ancestralidade ininterrupta . ”
"Eles não são, afinal, tão peludos quanto os Wookiees", disse
outro.

Hill resmungou afirmativamente. “Além dos humanos, Naboo


suporta uma espécie anfíbia sem pêlos conhecida como Gungans.
Talvez indígena, talvez não, mas em nenhuma posição de
representar o planeta em transações galácticas, em ambos os
casos. ” Sentado de costas para a vista panorâmica além da parede
da janela, Plagueis estudou a holoimagem de Veruna. Geralmente
ele detestava políticos por suas pretensões e crenças
mal informadas de que riqueza e influência conferiam verdadeiro
poder. Mas os políticos eram um mal necessário e, se nada mais,
Veruna ardia de ganância e ambição, o que significava que ele
poderia
ser manipulado, se necessário.
As missões para Lianna, Saleucami e Abraxin ainda estavam
frescas em seus pensamentos. Em um nível filosófico, ele entendeu
por que as gerações de Lordes Sith que o precederam haviam
treinado aprendizes, a quem eles haviam legado seu conhecimento
do lado sombrio da Força em antecipação a um eventual desafio à
superioridade. Mas com o Grand Plan

culminando, não fazia sentido desafiar ou matar seres de igual


poder, a menos que representassem uma ameaça ao destino
pessoal de Plagueis. A linha Sith continuaria através dele ou não. Daí
a necessidade de um parceiro em vez de um subordinado; uma
coorte para ajudar a colocar em jogo os estágios finais do
imperativo. Havia muito tempo que ele acreditava que o lado
sombrio o daria quando fosse a hora certa.
Plagueis não previra ter voltado sua atenção tão repentinamente
para Naboo, mas com a Federação do Comércio ainda reclamando
de seu apoio às zonas de livre comércio da Orla Exterior , e a Gran
preocupada em perder as receitas da Podrace para Gardulla, o Hutt,
havia amplas razões para começar a trabalhar. Mais importante,
Plagueis há muito buscava um planeta que a Damask Holdings e os
membros do comitê de administração pudessem usar como base
de operações. A possibilidade de ter um futuro rei à sua disposição
era um bônus adicional, e até jogadores tão improváveis como o
chefe Cabra se beneficiavam da conquista de Naboo pelos Muuns.
Foi durante sua ausência em Muunilinst que Larsh Hill e alguns
outros fizeram aberturas para o grupo que disputava o trono de
Naboo. Em troca de apoio financeiro e logístico nas próximas
eleições, a Damask Holdings havia pedido direitos exclusivos para
transportar plasma do reservatório ainda inexplorado que o Subtext
Mining Group havia descoberto recentemente nas profundezas do
platô que sustentava a capital de Theed. Nem todos os Naboo, no
entanto, eram a favor de envolver o planeta no comércio do tipo que
resultaria em disponibilizar energia de plasma, e um grupo de
nobres havia apoiado o principal rival da monarquia em Tapalo.

Reativando o feed de áudio, Plagueis perguntou: "Qual a natureza


das alegações feitas pelas casas reais?"
“Primeiro, eles vazaram a notícia da pesquisa de mineração que
realizamos”, disse Veruna, “mas a revelação falhou em ter o efeito
pretendido, porque vários membros do eleitorado preferem abrir
Naboo ao comércio galáctico. Então quando

eles aprenderam de nossas conversas iniciais com damasco


Holdings, os nobres nos acusado de vender Naboo ao mais alto
licitante-to, e eu vou citar-'a sombra, extra-sistema cartel de
criminosos cruéis '. O humano parou por um momento. “Você deve
entender, Magister, que nosso mundo ainda precisa superar uma
longa história de proibir a influência externa. As casas reais
percebem que o comércio é uma questão delicada e agora
defendem que Naboo supervisione o transporte de plasma para
outros mundos. Mas, francamente, não temos os recursos nem os
conhecimentos necessários para tornar isso uma realidade. ”
"Como os nobres foram capazes de aprender nossas propostas
para você?" Perguntou Plagueis.
"Não conseguimos determinar a fonte", disse Veruna.
Plagueis silenciou o áudio e virou-se para Hill. “Precisamos
considerar que alguém próximo à nossa organização pode ser
responsável por esse 'vazamento'. "
Hill e alguns dos outros concordaram.
"As casas reais precisam ser informadas de que um salto no
negócio de transporte transgalático é mal recomendado", disse
Plagueis quando reativou o feed de áudio. “Naboo precisará de
financiamento, apoio logístico e talvez até legislação da República, e
é exatamente nessas áreas que a Damask Holdings pode servir
como intermediária. O financiamento real viria do Clã Bancário
InterGalactic, e outros conglomerados estariam envolvidos em
ajudar Naboo a explorar o plasma e na construção de um
espaçoporto de tamanho suficiente para lidar com os navios
necessários para transportá-lo. ”
Veruna acariciou sua barba cônica. "Bon Tapalo certamente vai
querer abordar esses pontos com o eleitorado."
Plagueis gostou do que estava ouvindo. "Você mencionou certas
contra-alegações divulgadas por uma parte desconhecida."
“Sim, e confesso que ficamos tão surpresos com a informação
quanto qualquer um. Parece que nosso grupo não é o primeiro a
procurar aconselhamento e apoio de interesses mundiais. Cerca de
sessenta anos-padrão atrás, no auge de uma guerra

entre os Naboo e os Gungans, nosso monarca foi morto, e agora


surgiu que alguns membros das mesmas casas reais que se opõem
a Tapalo fizeram um acordo secreto com um grupo mercenário para
intervir na guerra, caso os Naboo sofressem mais contratempos.
Felizmente, o conflito foi resolvido sem a necessidade de ajuda
externa. De fato, como resultado desse conflito, a monarquia passou
a ser um cargo eleito e não hereditário. ”
"Você diz que a informação foi uma surpresa", continuou Plagueis.
Veruna assentiu. "A informação tinha que ter sido fornecida por
uma fonte dentro da oposição."
Agora, cabia a Larsh Hill silenciar a alimentação.
“Veruna está correto. Conseguimos rastrear a liberação da
informação para o jovem filho de um dos nobres. Na esperança de
evitar um escândalo que poderia dividir o eleitorado, o chefe da casa
real perpetuou uma mentira que o grupo Tapalo trocou por
informações e a tornou pública, quando na verdade apenas alguém
com acesso aos arquivos da família poderia ter descoberto. . ”
Seu interesse despertou Plagueis disse: "Qual é o nome da família
real?"
"Palpatine". "E o
filho?"
"Só isso. Ele passa pelo cognomen sozinho.
Plagueis recostou-se na cadeira para considerar isso e disse:
"Podemos ter encontrado um aliado em potencial - alguém disposto
a nos manter informados dos planos da realeza para a eleição".
"Um agente", disse Hill. "Um homem interior, por assim dizer."
Plagueis cancelou a função mudo. "Desejamos visitar Naboo para
discutir esses assuntos pessoalmente."
Veruna estava claramente surpreso. "Uma aparição pública por
você nos permitiria refutar qualquer alegação de conluio secreto."
"Então todos nós temos algo a ganhar."
Veruna curvou-se na cintura. "Será uma grande honra recebê-lo,
Magister Damask."

Mais tarde, seria dito por Naboo e Gungan que eles não conseguiam
se lembrar de um inverno mais frio do que aquele que se seguiu à
visita outonal de Hego Damask ao seu mundo. Os rios e até as
quedas abaixo de Theed congelaram; as planícies onduladas e as
florestas altas estavam cobertas com três metros de profundidade
de neve; terremotos plasmáticos abalaram as Montanhas Gallo e a
região dos lagos, os Lugares Santos e a cidade submarina de Otoh
Gunga; e muitas das saídas das vias subaquáticas que esvaziavam
o planeta foram bloqueadas por blocos de gelo.
Tapalo e Veruna insistiram em enviar uma das naves estelares de
Naboo para transportar os Muuns de Muunilinst, e o elegante
Nubian havia pousado no espaçoporto de Theed, uma pequena
instalação que teria que ser aumentada em vinte vezes se Naboo
esperasse um dia se tornar um jogador em comércio galáctico. A
própria cidade atingiu Plagueis como a própria antítese de
Harnaidan; onde a capital de Muunilinst era vertical, angular e
austera, Theed era baixo, convexo e condensado, dominado por
rotundas coroadas com cúpulas de verdete ou telhados planos e
torres em camadas apoiadas por arcadas de topo redondo. Um rio e
vários afluentes percorriam o local, atravessando pontes
pontilhadas e mergulhando em uma série de quedas altas, de uma
escarpa a planícies verdejantes abaixo.

Um cortejo de skimmers aéreos realizados os de vestes negras


Muuns pelas ruas mais adequado para pedestres tra ffi c para o
pátio interior de um antigo palácio, onde pretendente ao trono Bon
Tapalo, Veruna, e vários outros conselheiros humanos e pretensos
ministros de ambos os sexos estavam à disposição para recebê-los.
Envolto em túnicas de shimmersilk e sustentado por botas de salto
alto, o Tapalo barbudo e loiro já se comportava como um
regente - embora de um mundo de segunda classe - permanecendo
sentado enquanto Hego Damask e o resto dos Muuns eram
introduzidos e flanqueavam. por guardas vestidos com uniformes de
saia e armados com blasters antigos. Veruna, por outro lado, caiu
imediatamente

ao lado de Damask, enquanto os Muuns eram escoltados para o


edifício central do complexo.
"Como eu disse quando falamos semanas atrás, Magister
Damask, estamos honrados com a sua visita."
"E como eu disse, todos temos algo a ganhar." Damask se virou
levemente para olhá-lo. "Especialmente você, eu suspeito."
Veruna fez um gesto para si mesmo em questão. "EU-"
"Agora não", disse Damask suavemente. "Quando for a hora certa,
você e eu vamos fazer uma conferência em particular."
Sob um amplo arco e através de um saguão de pedra polida, eles
se moveram como um grupo, chegando finalmente a um segundo
pequeno pátio onde várias mesas haviam sido arrumadas, algumas
transbordando de comida e bebida e a maior reservada para os
Muuns. Mal se sentaram, os criados apareceram e começaram a
servir comida, incluindo várias carnes que os Muuns recusaram
educadamente. A prática de consumir alimentos enquanto conduzia
negócios era algo que Damask havia crescido para tolerar em suas
relações com humanos, mas em segredo ele detestava.

Por muitos anos, ele também detestara a companhia de humanos.


Comedores de carne bárbaros que eram, os seres humanos eram
uma espécie altamente evoluída. Dadas suas inteligências nativas e
faculdades astutas, eles mereciam ser tratados com a mesma
deferência que os Muuns eram ordenados. E, no entanto, muitas das
espécies sapientes da galáxia se consideravam iguais aos humanos,
que eram os únicos culpados. Ao contrário de Muuns, os humanos
não tinham escrúpulos em se abaixar ao nível de seres menos
avançados - os lentos, desfavorecidos, carentes e lamentáveis -
fingindo igualdade e demonstrando vontade de trabalhar e suando
bochechas por orvalho ao lado deles . Em vez de celebrar sua
superioridade, eles freqüentemente se deixavam arrastar para a
mediocridade. Um Muun não aceitaria uma posição como piloto de
nave estelar ou contrabandista do que um diplomata ou político de
carreira

a menos que seja necessário fazê-lo para o bem maior dos Muuns
em todos os lugares. Os seres humanos, porém, podiam ser
encontrados em todas as ocupações. Mas o que os tornou
especialmente intrigantes foi a intenção aparente de se espalhar
pelos confins da galáxia, sem qualquer senso de controle ou
planejamento, a qualquer custo, e usar mundo após mundo em sua
busca insaciável, como se sua diáspora da O núcleo refletia algum
tipo de espécie imperativa. Mais importante, a Força parecia não
apenas permitir sua disseminação sem controle, mas também
apoiá-la. Em mãos humanas, Damask suspeitava, repousava o
futuro profano da galáxia.
O vinho florido de Naboo ainda estava sendo servido quando os
Muuns fizeram seu discurso para o grupo Tapalo, empregando o
holoprojetor do pátio para fornecer um retrato virtual de como Theed
e outras cidades próximas poderiam parecer daqui a dez anos. O
financiamento pelo IBC seria alocado para explorar o reservatório de
plasma abaixo do platô. Ao mesmo tempo, a Outer Rim Construction
and Assembly - uma das empresas de Cabra - construiria uma
enorme refinaria no local que atualmente é um parque, com vista
para o Verdugo Plunge, abrigando a tecnologia dentro de uma
estrutura de cúpula tripla de design neoclássico. Os Muuns
detalhavam como as muralhas podiam ser estabilizadas e os
afluentes do rio Solleu redirecionavam sem perturbar a arquitetura
existente ou a rede de túneis subterrâneos de Theed. Abaixo dos
cliques, a Federação do Comércio aumentaria o espaçoporto de
Theed, construindo uma plataforma de aterrissagem maciça que
seguiria a curva natural da escarpa e abriria um segundo porto
comercial em Spinnaker.

Quando o arremesso terminou, Tapalo parecia abalado.


"Claramente, você pensou bastante nisso", ele
disse a Larsh Hill: "Mas não há espaço em seus planos para as
empresas Naboo?"
"A última coisa que queremos é que esses projetos de construção
sejam vistos como sinais de ocupação estrangeira", disse Hill.
“Nossos parceiros desejam trabalhar em estreita colaboração com o
próprio Plasma da Naboo
A Energy Engineering e a Theed Space Vessel Engineering
Corporation para garantir que as melhorias sejam vistas como um
esforço cooperativo. Quando as fases de construção estiverem
concluídas, a refinaria e os espaçoporto estarão sob seu controle
total. ”
Parte da cor voltou ao rosto de Tapalo. "A oposição afirma que
Naboo ficará para sempre em dívida com o Clã Bancário e a
Federação do Comércio".
"Somente até o plasma começar a fluir", disse Damask. “Eu
entendo sua ansiedade. Mas a pergunta que você precisa fazer é se
pode ganhar a coroa sem a nossa ajuda. ”
Conversas separadas surgiram em todas as mesas.
- Suponho que sim, Magister - disse Tapalo, sinalizando em
silêncio. "Mas talvez seja melhor correr o risco de derrotar do que
subir ao trono em desonra."
"Desonra?" Hill repetiu com descrença ofendida. "Nós
atravessamos a galáxia para sermos insultados?"
"Espere", disse Veruna, levantando-se e gesticulando em busca de
calma. "Não quisemos insultar a Damask Holdings." Ele se virou para
encarar Tapalo e sua equipe escolhida a dedo de ministros e
conselheiros. “Sim, devemos estar atentos às preocupações do
atual eleitorado, mas não devemos permitir que as vozes
assustadoras de alguns prejudiquem nossa chance de ingressar na
comunidade galáctica e aumentar o perfil de todo o setor de
Chommell. Sugiro que ajam com ousadia. Para evitar ser visto como
cedido à pressão, digo que usamos essa visita sem precedentes da
Damask Holdings para anunciar publicamente que nós e nós somos
capazes de entrar em um acordo com o Clã Bancário e outros que
permitirão que a Naboo reestruture sua dívida, alcançar o status de
mundo favorecido com o Core e prever reduções de impostos, taxas
de juros mais baixas e inúmeras oportunidades de emprego, no
mundo e fora do mundo. ” Ele apertou seu primeiro para enfatizar.
"Precisamos aproveitar esse momento antes que ele desapareça."

Lentamente, Tapalo e os outros começaram a concordar.

"Você tem algo a acrescentar, Magister Damask?" Tapalo disse


finalmente.
Damask abriu as mãos. "Só que não poderíamos ter declarado
nosso caso melhor do que o futuro governador de Theed já
declarou."
"Ouça, ouça", disse um dos conselheiros de Tapalo, erguendo seu
cálice de vinho em um brinde a Veruna.
O resto seguiu o exemplo e bebeu.
E Damask pensou: Um dia em breve, Veruna será o rei de Naboo .

O plano pedia que os Muuns passassem a noite em Theed e


retomassem as negociações pela manhã. Com Hill e os outros
sendo mostrados para acomodações, Plagueis pediu licença e
partiu a pé para o prédio da universidade no lado oposto da cidade.
Sua rota o levou por parques arborizados, por duas pontes, torres e
obeliscos passados, e pelo coração do Palace Plaza, com seus
arcos triunfais. Coroada por uma estátua de figura humana, a
rotunda central da universidade ficava afastada de um dos afluentes
de Solleu, dominando um recinto de imponentes prédios e locais
públicos. Plagueis localizou o centro estudantil e foi até o balcão de
matrícula, que estava localizado por uma jovem
mulher de cabelos louros que o encarava abertamente enquanto ele
se aproximava.

"Estou procurando um aluno chamado Palpatine", disse ele no


Basic.

"Eu o conheço", disse ela, assentindo.


“Você sabe onde eu posso encontrá-lo agora? Ele está talvez
assistindo a uma aula?
Ela soltou o ar. “Ele vem e vai. Talvez eu o tenha visto no Edifício
do Programa da Juventude.
"Talvez."
"Eu acho que era ele."
Humanos , pensou Plagueis. "Você pode me direcionar para lá?"

Sua resposta foi um mapa ínfimo, que Plagueis usava para


atravessar o campus até a sede do Programa Legislativo da
Juventude - uma organização que supervisionava os currículos
obrigatórios de serviço público de Naboo. Jovens de ambos os
sexos zumbiam sobre ele, alguns mal o notavam, outros se
esforçavam para dar uma olhada mais de perto. Em várias ocasiões,
ele perguntou por Palpatine e conseguiu restringir sua busca a uma
praça que ficava em frente à biblioteca de colunas, onde ele
finalmente reconheceu Palpatine do holos que Hill havia fornecido,
caminhando rapidamente pela praça na companhia de um homem
humano quase o dobro da sua. idade, de cabelos pretos e vestindo
trajes mais formais. O próprio Palpatine estava vestido com calças,
botas curtas e uma camisa larga que estava fechada na gola. De
estatura média, ele tinha cabelos ruivos ondulados, um nariz
proeminente e um rosto estreito que os humanos provavelmente
teriam achado amigável. Suas costas estavam retas, seus braços
eram longos em relação ao comprimento de seu tronco, e ele se
moveu com uma graça fácil.

Por algum tempo, Plagueis o observou à distância, aproximando-


se apenas depois que Palpatine se separou do homem mais velho.
Palpatine não o espiou até que Plagueis estivesse a poucos passos
de distância, e quando o fez se virou bruscamente e começou a
andar na direção oposta.
"Jovem humano", disse Plagueis, acelerando seu próprio ritmo.
"Um momento do seu tempo." Quando Palpatine não o reconheceu,
ele aumentou o passo e chamou: "Palpatine".
Retardando a uma relutância, Palpatine olhou por cima do ombro.
"Como você sabe meu nome?"
"Eu sei mais sobre você do que apenas o seu nome", disse
Plagueis, se aproximando dele.
Interesse e cautela se misturaram nos olhos azuis de Palpatine.
"Normalmente, faço exceção a pessoas que alegam saber algo
sobre mim, mas como também sei algo sobre você, vou me conter."

De fazer o que ? Plagueis se perguntou. "O que você sabe sobre


mim?"

Palpatine exalou em leve impaciência. “Você é Hego Damask. O


presidente - não, o 'Magister' - da Damask Holdings. Meu pai disse
que você estava vindo para Naboo para se encontrar com Bon
Tapalo. Seu grupo está apoiando sua oferta pelo trono.
- Seu pai disse que eu também poderia me encontrar com você?

“Por que ele iria? E o que exatamente você quer comigo?


"Acredito que temos algo em comum."
"Eu duvido muito disso."
"Talvez mais uma razão para se familiarizar, então." Palpatine
olhou em volta, como se procurasse um
fuga.
"Quem era o homem com quem você estava falando antes?"
Perguntou Plagueis.
Palpatine começou a dizer alguma coisa, depois se cortou e
começou de novo. “Meu mentor no programa para jovens. O nome
dele é Vidar Kim. Ele é assessor do senador da República de Naboo
e provavelmente a sucederá. Ele olhou duro para Plagueis. "E não
um defensor de Tapalo."
Plagueis avaliou a resposta. "Você está interessado em política
além da sua participação no Programa Legislativo da Juventude?"
"Não tenho certeza do que quero fazer depois da
universidade." "Mas você tem algum interesse em
política."
Eu não disse isso. Eu disse que não tinha certeza.
Plagueis assentiu e olhou para o prédio da biblioteca. Sou um
estranho para Theed. Você consideraria me mostrar por aí?

O queixo de Palpatine caiu um pouco. "Escute,


eu estou-" "Apenas uma pequena turnê."

Em conversa fiada, eles caminharam ao longo do rio na direção da


sala de concertos e da Agulha da Rainha Yram, depois atravessaram
uma passarela e começaram a se inclinar em direção ao palácio

complexo. Além de fornecer a Plagueis holos de Palpatine, Larsh Hill


não tinha sido capaz de oferecer muitas informações sobre o
passado dos jovens. Embora ele não tivesse uma denominação, o
pai de Palpatine era um membro da realeza rico e influente, com
uma reputação de defender a contínua independência e isolamento
de Naboo. Pensa-se que o nome de família fosse um antigo nome
de estado entre famílias nobres hereditárias, ou talvez um nome
emprestado de uma região antiga de Naboo.
"Theed é uma cidade bonita", comentou Plagueis, quando
emergiram de uma rua estreita para o Palace Plaza.
"Se você gosta de museus", disse Palpatine de maneira
ofensiva. "Você não tem interesse em arte?"
Palpatine olhou para ele de lado. “Eu gosto de arte. Mas sou mais
minimalista.
"Em todas as coisas?"
“Eu queria que Theed não estivesse tão cheio. Eu gostaria que os
invernos fossem mais amenos. Eu gostaria que nosso rei tivesse
menos conselheiros e ministros.
"Isso soa como uma declaração política." "É
simplesmente a minha opinião pessoal."
"Eles não são mutuamente exclusivos."
Palpatine parou de repente. "O que você está tentando tirar de
mim?"
Plagueis indicou um banco próximo. Quando Palpatine finalmente
cedeu e se sentou, Plagueis disse: "Chegou ao meu conhecimento
que você era responsável pela divulgação de algumas informações
que ajudaram a campanha de Tapalo".
Surpresa genuína floresceu no rosto de Palpatine. - Como ...
Plagueis levantou a mão. “Isso não é importante agora. O que é é
que você fez isso contra o que teria sido os desejos de seu pai, seu
mentor, e algumas das outras
membros da realeza."
"Você está planejando divulgar isso?"
Plagueis procurou o rosto de Palpatine. "O que poderia acontecer
se eu fizesse?"

"Para começar, meu pai me mataria."

"Literalmente?"
Palpatine exalou com força. "Ele me deserdaria."
“Então é verdade. Você e seu pai se encontram em lados opostos
das questões que animam as próximas eleições.

Palpatine baixou o olhar para o chão. "Seria muito estranho nos


encontrar do mesmo lado de qualquer questão." Ele olhou
novamente para Plagueis. “Quero ver Naboo romper com o passado.
Quero que pertençamos à galáxia maior. É errado querer
desempenhar um papel importante na história da República? ”
Plagueis balançou a cabeça. "Governos crescem e caem." "Você
tem uma idéia melhor de como governar a galáxia?" Plagueis
permitiu uma risada. “Eu sou apenas um velho Muun que
não saberia disso. ”
Vendo através dele, Palpatine bufou. "Quantos anos você tem?"

"Em anos humanos, eu teria mais de cem anos." Palpatine


assobiou. "Eu te invejo isso."
"Por quê?"
"Todas as coisas que você fez e ainda pode
fazer." "O que você faria?"
"Tudo", disse Palpatine.
Eles se levantaram do banco e começaram a voltar em direção ao
complexo da universidade. Plagueis submergiu-se profundamente
na Força para estudar Palpatine, mas ele não conseguiu captar
muito. Os humanos eram difíceis de ler nos casos mais fáceis, e a
mente de Palpatine estava inundada de conflitos. Tanta coisa
acontecendo naquele cérebro pequeno , Plagueis disse a si mesmo.
Tanta corrente emocional e interesse próprio. Portanto,
diferentemente dos intelectos previsíveis e focados dos sencientes
da Orla Exterior, especialmente dos que se interessam por eles.
Palpatine parou ao lado de um arrancador de árvores de cores
vivas e triplo, com nariz pontiagudo e um motor de repulsor que
parecia poderoso o suficiente para elevar um dróide do levantador
de carga.

"Este veículo é seu?" Perguntou Plagueis.


O orgulho brilhou nos olhos de Palpatine. “Um protótipo de flash
de patrulha . Eu corro competitivamente. ”
"Você ganha?"
"Por que mais eu me incomodaria em correr?" Subindo no
acelerador, Palpatine se concentrou nos controles.
"Eu tenho exatamente o que adornar seu espelho retrovisor", disse
Plagueis. Do bolso do peito, ele tirou uma moeda de aurodium puro
pendurada em um pedaço de corrente e a jogou na palma da mão
de Palpatine. "É uma antiguidade."
O jovem humano avaliou o presente. "Eu nunca vi nada parecido."
"É seu."
Palpatine mostrou-lhe um olhar interrogativo.
"Quem sabe, talvez você entre no setor bancário um dia", disse
Plagueis.
Palpatine riu de maneira descontraída. "Improvável, Magister
Damask."
"Suponho que existem maneiras melhores de ganhar créditos."
Palpatine balançou a cabeça. "Créditos não me interessam."
"Estou começando a me perguntar o que faz." Palpatine mordeu
de volta o que ele estava prestes a dizer. “Palpatine, eu me
pergunto como você se sentiria em trabalhar.
com nós, damasco Holdings, quero dizer.”
As sobrancelhas grossas de Palpatine se arregalaram. "Em que
capacidade?" "Para ser perfeitamente franco, como uma espécie
de espião." Ele continuou antes
Palpatine podia falar. “Não direi que você e eu queremos as mesmas
coisas para Naboo, porque claramente - e apesar de seus
sentimentos sobre a arquitetura - você mantém seu mundo querido.
Meu grupo, no entanto, está menos interessado no governo de
Naboo do que no plasma de Naboo e no que ele buscará no
mercado aberto. ”

Palpatine parecia que a pura verdade era algo novo para ele. "Se
você tivesse dito isso de forma diferente, eu teria rejeitado sua
oferta imediatamente."
“Então você aceita? Você está disposto a nos atualizar sobre
quaisquer maquinações políticas que o grupo de seu pai possa ter
em andamento?
"Só se eu puder me reportar diretamente a você."
Plagueis tentou mais uma vez vê-lo na Força. "Esse é o seu
desejo?"
Palpatine devolveu um aceno sóbrio. "Isto é."
"Então, por todos os meios, você se reportará exclusivamente a
mim", disse Plagueis. "Vou providenciar para que sejam tomadas as
providências necessárias." Ele se afastou do acelerador enquanto
Palpatine o ligava.
Palpatine ficou em silêncio por um momento. "Eu poderia levá-lo
para dar uma volta amanhã", disse ele, finalmente, acima do ruído do
motor. “Se você tiver tempo, quero dizer. Mostre um pouco mais de
Theed e da periferia.
"Se eu tiver sua palavra, você não irá rápido demais."
Palpatine sorriu maliciosamente. "Apenas rápido o suficiente para
mantê-lo interessante."

10: O CICLO DA VIOLÊNCIA


Voando um metro acima do solo, o acelerador ágil de Palpatine
deslizou sobre as planícies abaixo do planalto de Theed, deixando
longas trilhas curvas nas altas ervas. O dia estava claro e claro, o ar
quente estava cheio de insetos e coberto de pólen.
"Divertido", disse Plagueis do assento do lado do passageiro
quando o pé de Palpatine desceu do acelerador.
"Talvez eu me torne um piloto profissional."
"Os Naboo podem esperar mais do filho mais velho da Casa
Palpatine."
"Ignoro as expectativas dos outros", disse Palpatine sem olhar
para ele.
"O speeder foi um presente de seu pai?"
Palpatine olhou para ele. "Um suborno, mas eu aceitei." "Ele
aprova suas corridas?"
Palpatine fez um som áspero. "Meu pai não cavalga comigo há
anos."
"Ele não sabe o que está perdendo."
"Não tem nada a ver com meus talentos." Palpatine virou-se
ligeiramente no banco do motorista. “Quando eu era jovem, era
responsável pela morte de dois pedestres. Na época, meu pai
ameaçou nunca me permitir voar, mas acabou cedendo.
"O que o fez mudar de idéia?" Palpatine girou para
frente. "Eu o vesti." "Sinto muito", disse Plagueis.
"Eu não sabia."
Embora, de fato, ele soubesse. Com a ajuda de 11-4D, ele
aprendeu que o passado conturbado de Palpatine o vira

saltou de uma escola particular para a seguinte, após incidentes de


pequenos delitos e ocorreu que teria levado um plebeu a uma
instituição correcional. Vez após vez, seu pai, que compartilhava
com seu filho uma propensão à violência, usara sua influência para
resgatar Palpatine e evitar o espectro de escândalos familiares. Para
Plagueis, no entanto, as transgressões do jovem eram apenas mais
uma indicação de sua excepcionalidade. Aqui estava um jovem que
já se elevara acima da moralidade comum e se julgara único o
suficiente para criar um código de ética individual.
Palpatine apontou para a linha de árvores distantes. "Existem
algumas ruínas antigas lá, mas esse é o território de Gungan."
"Você já teve alguma relação com eles?"
“Pessoalmente, não. Mas eu já vi os que entram em Moenia para
trocar mercadorias. ”
"Quais são seus pensamentos sobre eles?"
"Além do fato de serem primitivos de orelhas compridas e de
língua viscosa?"
"Além disso, sim."
Palpatine encolheu os ombros. "Eu não me importo com eles,
desde que mantenham suas cidades submersas e hidrovias."
"Não atrapalhe."
"Exatamente. Os seres humanos merecem ter vantagem aqui.
Plagueis não pôde conter um sorriso. "Existem muitos mundos na
galáxia onde a questão de quem tem vantagem,
por assim dizer, está em disputa. "
“Isso ocorre porque a maioria dos seres tem medo de assumir o
controle. Pense no que o Senado da República pode realizar sob a
liderança de um ser forte. ”
"Eu pensei nisso, Palpatine."
“O que o Senado faz em resposta a toda e qualquer crise? Ele
envia os Jedi para restaurar a ordem e segue em frente sem abordar
as raízes do problema. ”
Plagueis achou divertida a ignorância juvenil do garoto. "Os Jedi
poderiam governar a República se quisessem", ele disse

depois de um momento. "Suponho que devemos agradecer que a


Ordem seja dedicada à paz."
Palpatine balançou a cabeça. “Eu não vejo assim. Eu acho que os
Jedi se dedicaram a limitar as mudanças. Eles esperam que o
Senado diga a eles quando e onde intervir, e o que fixar, quando na
verdade eles poderiam usar a Força para impor sua vontade a toda a
galáxia, se quisessem. Eu teria mais respeito por eles se o fizessem.
"Você concede respeito ao seu pai quando ele tenta impor sua
vontade em você?"
O aperto de Palpatine no garfo da direção aumentou. “Isso é
diferente. A razão pela qual eu não o respeito é porque ele não é tão
inteligente quanto pensa. Se ele pudesse admitir suas fraquezas, eu
poderia pelo menos ter pena dele.
Parando o acelerador repentinamente, voltou-se para Plagueis
mais uma vez, com o rosto cheio de raiva. Entre eles, pendurada no
espelho retrovisor, estava a moeda que Plagueis havia lhe dado.
Em pouco tempo, serei dono deste humano , disse Plagueis a si
mesmo. “A Casa Palpatine é rica”, continuou o jovem, “mas não tão
rica quanto algumas das outras casas, e não tão influente quanto o
rei e o eleitorado, apesar das tentativas de meu pai de assumir uma
posição de liderança na realeza. Ele não tem a perspicácia política
necessária para elevar nossa Casa a uma posição de verdadeiro
direito e, junto com ela, a consciência de reconhecer que chegou a
hora de Naboo explorar seus recursos incomparáveis e se juntar à
galáxia moderna. Em vez disso, ele e seus companheiros, em
completa e absoluta política
ineptidão, quer nos manter enjaulados no passado.
” "Sua mãe compartilha suas opiniões?"
Palpatine forçou uma risada. “Só porque ela não tem opiniões
próprias; somente porque ele a fez subserviente a ele - como ele tem
meus irmãos e irmãs bem-comportados , que me tratam como um
intruso e, no entanto, para meu pai, representam tudo o que eu
nunca posso ser. ”

Plagueis considerou as observações em silêncio. "E, no entanto,


você honra sua casa seguindo o nome."
A expressão de Palpatine se suavizou. “Durante algum tempo,
pensei em adotar o nome da nossa linha distinta. Não rejeitei a
dinastia em que nasci. Rejeitei o nome que me foi dado . Mas não
pelas razões grandiosas que alguns pensam. Exatamente o oposto,
na verdade. Estou certo de que você, de todos os seres, entende
tanto.
Lá estava novamente, pensou Plagueis: a cadência enganosa; o
uso de lisonjeiro, charme e auto-realização, como se o rapieiro
fingisse um duelo. A necessidade de ser vista como inocente,
despretensiosa, empática. Um jovem sem desejo de entrar na
política e que ainda nasceu para isso.
Tenebrous lhe dissera desde o início que a República, com a ajuda
dos Sith, continuaria a se transformar em corrupção e desordem, e
que chegaria o momento em que teria que confiar nos pontos fortes
de um líder iluminado, capaz de salvar os massas menores de
serem governadas por suas paixões, ciúmes e desejos
indisciplinados. Diante de um inimigo comum, real ou fabricado, eles
deixariam de lado todas as suas diferenças e adotariam a liderança
de qualquer um que prometesse um futuro melhor. Poderia este
Palpatine, com a ajuda de Plagueis, ser o único a provocar tal
transformação?

Mais uma vez ele tentou ver mais fundo em Palpatine, mas sem
sucesso. Os muros psíquicos que os jovens haviam criado eram
impenetráveis, o que tornava o jovem humano algo realmente raro.
Palpatine havia aprendido de alguma forma a encurralar a Força
dentro de si mesmo, pois Plagueis ocultara seus próprios poderes
quando jovem?
"É claro que eu entendo", disse ele finalmente.
"Mas ... quando você era jovem, você questionou suas
motivações, especialmente quando elas eram contrárias às de todos
os outros?"

Plagueis sustentou seu olhar desafiador. “Eu nunca perguntei por


que isso ou por que aquilo, e se isso ou o que aquilo. Eu
simplesmente respondi a

minha própria determinação. ”


Palpatine recostou-se no banco do acelerador como se um grande
peso tivesse sido retirado dele.
"Alguns de nós são obrigados a fazer o que os outros não podem",
acrescentou Plagueis de maneira conspiratória.
Sem uma palavra, Palpatine assentiu.
Plagueis não precisou se aprofundar mais nos traumas que deram
origem à natureza astuta e secreta de Palpatine. Ele simplesmente
precisava saber: Esse jovem humano tem a Força ?

Dois dias padrão depois, em Malastare - um mundo de terreno


variado que ocupava uma posição privilegiada no Caminho Hydian -
até o barulho ensurdecedor e o odor repugnante de Podracers
velozes não foram suficientes para distrair Plagueis de pensar em
Palpatine. A Damask Holdings havia solicitado uma reunião com o
senador Pax Teem, e o líder do Gran Protetorado havia fornecido aos
Muuns assentos de boxe para o Phoebos Memorial Run. Eles
chegaram diretamente de Naboo na expectativa de discutir
assuntos de negócios, mas os Gran, Dugs, Xi Charrians e quase
todos os outros na cidade de Pixelito estavam mais interessados
em esportes e apostas.
"Você escolheu um vencedor, Magister?" Pax Teem perguntou
depois que dois Podracers passaram pelos estandes de
observação.
Perdido em seus pensamentos sobre Naboo, Plagueis disse: "Eu
acredito que sim".

Suas conversas com Palpatine pareciam ter aberto algum tipo de


inundações emocionais no ser humano. Os Muuns mal deixaram
Naboo para trás quando o primeiro de vários holocomuniqués foi
recebido de Palpatine, a respeito dos últimos planos da realeza para
minar a oferta de Bon Tapalo pela monarquia. Plagueis ouvira
atentamente, mas, de fato, Palpatine tinha muito pouco a oferecer.
Desde a divulgação das informações sobre as ações da realeza
durante o conflito de Gungan, o pai de Palpatine vinha realizando
suas reuniões.

a portas fechadas na propriedade da família e proibira o filho de


discutir a eleição que se aproximava. A campanha de Tapalo, por
outro lado, estava em alta, como resultado de ter anunciado um
acordo pendente com o Clã Bancário InterGalactic. A urgência das
transmissões de Palpatine sugeria que ele havia se apegado a
Plagueis e o procurava não apenas como um empregador secreto,
mas também como um possível conselheiro. Em Hego Damask,
Palpatine viu a riqueza e o poder que ele procurava há muito tempo
pela Casa Palpatine. Confiantes de que o jovem humano continuaria
sendo útil por muito tempo após a realização dos planos da Damask
Holdings para Naboo, Plagueis não fez nada para desencorajar o
apego.

"Por que nunca vemos humanos competindo nas corridas?" ele


perguntou a Teem depois de um momento.
O Gran acenou com a mão de seis dedos em despedida. “Eles não
têm talento para isso. O favorito para vencer hoje é o Dug aos
comandos do piloto azul. ”
Plagueis acompanhou o Podracer por um momento. Nas
arquibancadas abaixo dele, milhares de Dugs - de pé nos quatro
apêndices, nas patas traseiras ou apoiados apenas nos braços
- estavam latindo de encorajamento.
Plagueis achou opressivo a alta gravidade de Malastare, e o Gran
mais ainda. Eles haviam chegado ao planeta mil anos antes como
colonos e começaram a derrotar os Dugs nativos. Desde então, o
protetorado cresceu para ofuscar o mundo natal dos Gran, Kinyen, e
era uma força poderosa no Senado da República, com ampla
influência nas bordas média e externa.
Sentado ao lado de Plagueis, Larsh Hill se inclinou para frente
para se dirigir a Pax Teem. "Talvez Gardulla seja capaz de atrair
humanos para pilotar Podracers no curso que ela está reformando
em Tatooine."
Teem buzinou em irritação. "Então é verdade: você apóia o Hutt."

"São simplesmente negócios", disse Hill.


Mas Teem não ficou satisfeito. "É este o objetivo da sua visita -
reabrir feridas que ainda não cicatrizaram?"
"Sim", disse Plagueis, sem graça.
O trio de cavaletes de Teem girou para ele. - Eu não ... -
Não agrave a ofensa - interrompeu Hill. Teem fingiu
incompreensão.
"De quem você aprendeu sobre nossos interesses em Naboo?"
Perguntou Plagueis.
O Gran olhou para seus companheiros, mas não encontrou apoio
em seu abrupto silêncio.
"De quem?" Plagueis repetiu.
Um baixo nível de resignação escapou de Teem. "Fomos
abordados pela Subtext Mining, após o desaparecimento
inexplicável de alguns de seus membros - os que encontrei em
Sojourn, suspeito".
"Eles estavam muito bem quando deixaram o Gathering", disse
Hill.

Teem assentiu. "Tenho certeza que eles estavam."


"Por que o Subtexto se aproximou de você?" Disse Plagueis.
Teem hesitou e disse: "Para nos informar que você está envolvido
em um acordo para o plasma".
"Confiando em que você tentaria subverter nossos esforços,
tornando-os públicos", disse Hill.
O Gran bufou. “Primeiro você faz um acordo com Gardulla que
favorece Tatooine em vez de Malastare, e agora o plasma de Naboo
captura sua atenção, apesar de você poder aumentar o custo das
exportações de energia de Malastare. Então, por que não
deveríamos ter alertado seus oponentes sobre Naboo, quando você
teria feito o mesmo? ”
Plagueis esperou que ele terminasse e que um grupo de
Podracers passasse; então ele fixou o olhar na vovó reunida. “Vocês
se machucam tentando nos sabotar. O Protetorado poderia ter
lucrado com Naboo, como a Federação do Comércio, mas não mais.
Os pés enormes de Pax Teem bateram no chão da caixa
particular. “Nós nos recusamos a ser humilhados! Mais uma vez eu
lembro, Magister,

que promessas foram feitas. "


Plagueis sorriu interiormente. Era verdade que Tenebrous tinha
planos para a vovó. Ao mesmo tempo, Pax Teem foi apresentado
como alguém que os Sith podiam passar para a chancelaria e
manipular à distância, cometendo erros que levariam a República de
joelhos. Mas Plagueis agora começara a explorar outras opções.
"Não estamos sem aliados e companheiros no Senado", dizia
Teem em tom huff. “Podemos anular qualquer legislação que você
deseja que seja aprovada ou providenciar que suas contas e
contratos sem licitação permaneçam no processo por anos. Vamos
colocar um dos nossos na chancelaria. Negaremos os direitos de
remessa da Federação do Comércio em Kinyen e na Trade Spine.
Vamos soltar os Dugs nos Muuns. Ele olhou para Plagueis. - Você
nunca conseguirá o que quer, Magister. "
"Pelo contrário", disse Plagueis, enquanto ele e os outros Muuns
estavam se levantando. "Eu já tenho o que quero."
Um aplauso empolgante subiu das arquibancadas quando um
piloto de Toong alcançou o favorito Dug.
Plagueis virou-se para Hill quando eles estavam saindo da cabine
particular. - Peça à Guarda Solar que recupere os mineiros que
abandonamos no Braço Tingel. Execute-os e jogue seus corpos nos
portões da sede corporativa da Subtext Mining em Corellia. ”

Uma nave estelar da classe Capital recém-cunhada devolveu


Plagueis e Hill a Naboo. Fabricada por Hoersch-Kessel e Gwori, a
embarcação tinha o formato de uma cápsula alongada com uma
barriga lisa. Uma asa lateral cortou o casco convexo à popa, no qual
estavam alojados conjuntos de poderosos transceptores de hiper-
ondas. A bordo, juntamente com os principais executivos da
Damask Holdings, vários membros de alto escalão do Clã Bancário,
incluindo o sobrinho do presidente Tonith, todos vestidos com o
traje completo do IBC.

Um mês se passou desde a visita inicial de Plagueis e, nesse meio


tempo, ele e Palpatine haviam falado holo em muitas ocasiões. A
inteligência que o humano forneceu, embora escassa, havia
permitido que Plagueis e Hill se mantivessem um passo à frente dos
detratores de Bon Tapalo e, como resultado, ele continuou a gozar
de uma ligeira margem com o eleitorado.
Os grupos Muun estavam se aproximando das estações de
imigração do porto espacial de Naboo quando foram interceptados
por um contingente de agentes de segurança armados, vestindo
jérseis de couro, botas altas e chapéus de abas. Conduzidos a uma
área de espera com paredes de vidro equipada com não mais do
que bancos e unidades de reciclagem, os Muuns esperaram mais de
uma hora até a entrada de dois guardas do palácio, exigindo saber
qual deles era o Hego Damask.
Depois de se identificar e garantir a Larsh Hill que ele não
precisava se preocupar, Plagueis seguiu os guardas do lado de fora
do terminal até um velocista Gian de nariz redondo . Um guarda
uniformizado sentado nos controles ordenou que Plagueis sentasse
no banco traseiro do velocímetro, onde um dos acompanhantes se
juntou a ele. Ele não tinha idéia de para onde estava sendo levado,
mas recusou-se a dar aos guardas a satisfação de dizer a ele que
logo descobriria, ou palavras para esse efeito. Em vez disso, sentou-
se silenciosamente no assento almofadado, tomando cuidado para
não registrar a menor surpresa quando o piloto começou a afastar o
velocista de Theed e atravessar o terreno verdejante que Palpatine o
havia passado.

"Você também pode se sentir confortável", disse finalmente o


companheiro. "Vamos viajar por cerca de duas horas."
Plagueis assentiu em resposta e permitiu-se entrar em transe leve,
em preparação para o que estava à sua espera em seu destino.
Gradualmente, as planícies ondulantes começaram a subir e um
cume de montanhas apareceu, calcinado contra o brilhante céu azul
de Naboo. O veloz seguia um amplo vale do rio até as colinas
exuberantes de folhagem, onde manadas de barracos de membros
curtos pastavam e brincavam. Como

o acelerador ganhou altitude, o rio se estreitou e acelerou,


alimentado por cachoeiras e lagos cristalinos. Nuvens brancas
puras estavam começando a se formar nos cumes dos picos mais
altos quando o acelerador girou através de uma vasta extensão de
prado e parou diante de uma majestosa casa construída no estilo
das cúpulas gordas e torres graciosas de Theed. Dois dos guardas
levaram-no a subir uma ampla escada de pedra para um vestíbulo
fresco e pouco iluminado. Abandonado ali, Plagueis passou por
tapeçarias e estatuou a estatueta para o extremo oposto do
vestíbulo, onde as janelas do topo ao chão, do teto ao teto, davam
para uma varanda e um grande lago além. Sentadas à mesa, uma
humana de aparência aristocrática, de meia-idade, e um jovem de
mau humor da idade de Palpatine ou mais jovem, envolvido no que
parecia ser uma conversa séria. Tocada por uma brisa que desce
pelas encostas das montanhas, a superfície da água brilhava como
pedras de Mygeeto. Quando Plagueis virou as costas para o lago,
sua atenção foi atraída para uma tapeçaria que mostrava o mesmo
brasão de família que ele observara no bolso do paletó de Palpatine
e que apresentava um trio de criaturas: veermok, aiwha e zalaaca.

Ele percebeu que alguém se aproximava dele por trás, mas não se
mexeu.
"Belo trabalho, não é?" um humano com voz baixa disse em Basic.

Plagueis virou-se para encontrar um homem alto de patrício,


parado no limiar de uma sala maior.
"Como é a vista", disse Plagueis, gesticulando amplamente em
direção ao lago.

Vestido casualmente, embora com bom gosto, o homem de


cabelos prateados avançou para o vestíbulo. "Estou tão feliz que
você decidiu aceitar o meu convite para visitar, Magister Damask."
"A presença de guardas armados sugeria uma ausência de
escolha, Cosinga Palpatine."
"Eles foram para sua proteção, Magister."
"Eu nunca pensei em Naboo como um mundo perigoso."

"Para alguns é", disse o ancião Palpatine. "Mas agora que você
está aqui, permita-me mostrar a você."
O passeio levou-os por uma dúzia de salas decoradas com
tapetes macios e obras de arte. O trabalho em pedra predominou,
mas os móveis foram construídos com as madeiras mais
valorizadas da galáxia. Quando desceram para a varanda, a mulher e
a juventude não estavam em lugar algum, mas a brisa havia
aumentado e uma tempestade estava ameaçando. Cosinga
Palpatine indicou uma ilha ao longe, e a casa imponente que se
erguia da costa.
"Esse é o Varykino", explicou. “Um prêmio da região dos lagos.
Uma vez possuído pelo poeta Omar Berenko, e atualmente ocupado
pela família Naberrie. ” Ele olhou para Plagueis. "Você talvez esteja
familiarizado com a obra-prima de Berenko, The Defense of Naboo ?"
"Infelizmente não."
"Vou providenciar para que você receba uma tradução."
“Uma cópia no texto original seria ótima. Sou fluente no seu
idioma.
Testando-o, Cosinga Palpatine mudou para Naboo para dizer:
"Sim, eu entendo que você se tornou um especialista em política de
Naboo". Antes que Plagueis pudesse responder, ele acenou com a
mão na frente de um sensor que convocava três criados para a
varanda, cada um com bandejas de comida e bebida.
Plagueis exalou de maneira cansada. Mais comida, ele pensou;
estimulação mais olfativa para o nariz humano.
Eles se sentaram um diante do outro na mesma mesa que a
mulher e a juventude haviam ocupado anteriormente e
permaneceram em silêncio enquanto os servos faziam a refeição.
"Frutas frescas, vegetais e pratos farináceos", disse Palpatine,
indicando a propagação. "Sem shaak ou outras carnes."
Plagueis forçou um sorriso. "Talvez você faça um estudo da língua
Muun a seguir."
Seu anfitrião franziu a testa e recostou-se na cadeira para permitir
que os criados guardassem comida em seus pratos. Ele não
começou a comer

até que os criados saíram e pararam depois de apenas alguns


bocados e pousaram seus utensílios com perfeição.
"Deixe-me contar uma pequena história sobre Bon Tapalo e Ars
Veruna", ele começou, encarando Plagueis. “Setenta anos atrás,
cerca de duas décadas depois de nosso próprio conflito com eles,
os gungans se viram envolvidos em uma guerra pela sobrevivência
com um exército mercenário. Felizmente, os Gungans prevaleceram,
embora não sem muitas mortes e com a perda de algumas de suas
cidades pantanosas. Muito pouco foi tornado público sobre a causa
da guerra ou a fonte dos mercenários, mas estou disposto a contar
um dos segredos mais sombrios de Naboo, na esperança de que
você aprenda algo com isso. O motivo da guerra foi o plasma, e as
Casas que mais contribuíram para financiar o exército mercenário
foram a Casa Tapalo e a Casa Veruna. Quando meu avô soube
disso, ele desafiou o pai de Tapalo para um duelo de honra e acabou
sucumbindo aos ferimentos que a lâmina de Tapalo infligiu. Ele
apontou para um gramado que margeava a varanda. "O duelo
ocorreu logo ali."

Plagueis olhou para o local. "Como totalmente romântico e


humano."

O rosto bonito de Cosinga Palpatine ganhou cor. - Talvez você não


tenha entendido o ponto da história, Magister. Tapalo, Veruna e o
resto desse grupo de bandidos estão interessados apenas em poder
e riqueza, a qualquer custo para Naboo. A descoberta de um
reservatório de plasma abaixo de Theed foi a pior coisa que poderia
ter acontecido. E agora eles pretendem explorá-lo por todo o valor,
com a ajuda de seres influentes como você. É por isso que Tapalo
nunca deve ser rei.
Plagueis fingiu considerar e depois disse: "Parece que o eleitorado
discorda de você".
Palpatine assentiu. “Por enquanto sim. Mas temos planos de
trazer o eleitorado de volta à linha. Começando com um anúncio de
que o acordo que Tapalo fez com o Clã Bancário entrou em falência.

"Eu não estava ciente de que sim", disse Plagueis uniformemente.

Palpatine ficou mais irritado enquanto falava. “Por que você acha
que impedimos sua festa de entrar em Theed? Ainda temos poder
suficiente para impedir você de pisar em Naboo. E você também
pode ouvir o resto, Magister. O Senado da República foi informado
da tentativa de Muunilinst de interferir e desestabilizar a soberania
do nosso mundo. ” Quando Plagueis não respondeu, ele
acrescentou: “Os Naboo têm uma lenda sobre seis portões
impenetráveis que evitam o caos. A Casa Palpatine é um desses
portões, Damasco.
"E nós, Muuns, representamos o caos", disse Plagueis, sem
parecer uma pergunta.
Palpatine se inclinou para frente e falou com uma voz mais calma.
“Não nos opomos a que Naboo se junte à comunidade galáctica
quando for a hora certa. Mas agora não, e não assim. A promessa
de Tapalo de reduções de impostos e comércio com o Core ... Essas
são as próprias táticas que a República utiliza para seduzir mundos
primitivos a render seus recursos. ” Ele balançou a cabeça quando a
raiva tomou conta dele mais uma vez. “Os Naboo admiram filósofos,
não banqueiros e corretores. A eleição de Tapalo ao trono levaria a
uma catástrofe.

"A defesa de Naboo", disse Plagueis. "O poema que você


mencionou."
"O que tem isso?"
"O que aconteceu com o autor, Berenko?"
Os olhos de Cosinga Palpatine se estreitaram em fendas. "Ele foi
sequestrado por assaltantes e nunca foi encontrado." Ele se
levantou da metade da cadeira para acrescentar: "Você está me
ameaçando - aqui, na minha própria casa?"
Plagueis fez um gesto apaziguador. “Eu pensei que estávamos
discutindo história. Eu só queria perguntar o que poderia acontecer
se você não conseguir ... restringir o caos, e Tapalo vence apesar de
seus melhores esforços?
“Eu já te disse que isso não vai acontecer. E eis o porquê: porque
você vai contar aos seus amigos do Clã Bancário e da Federação do
Comércio que você perdeu o interesse em

Naboo. Que você encontrou uma companhia melhor entre os Hutts,


os traficantes de escravos e os espiadores da Orla Exterior. Ele
parou momentaneamente. - Você está muito longe de Muunilinst,
Magister Damask. Eu sugiro fortemente que você embarque no seu
navio e deixe o setor de Chommell o mais rápido e silenciosamente
possível, para que ninguém seja vítima de um evento desagradável. ”
Plagueis olhou para o lago. "Entendo seu significado, Cosinga
Palpatine", disse ele, sem olhar para ele.
- E mais uma coisa - disse Palpatine, encorajado. "Eu não sei
exatamente por que você se interessou tanto pelo meu filho, ou ele
por você, mas você não terá mais nenhum contato com ele."
Plagueis virou-se para ele. "Seu filho tem um grande potencial."
“Potencial que não desejo ser despojado por sua espécie.
Estamos
tirá-lo do seu alcance, em qualquer caso.
“Fui dado a acreditar que os Naboo eram um povo aberto. Mas
então, os Gungans provavelmente também não concordariam.

Palpatine levantou-se bruscamente. "Chega disto. Guarda!" ele


disse. E quando três deles se apressaram: "Tire-o da minha vista."
11: AVATAR DA MORTALIDADE

O planeta Chandrila patrocinou um retiro de um mês para os


membros do Programa Legislativo da Juventude. Uma vez por ano,
jovens de vários mundos chegavam para participar de simulados
julgamentos do Senado na cidade de Hanna e arredores e para
visitar os vastos projetos agrícolas de Chandrila, áreas selvagens,
recifes de coral e parques de jardins. Foi em Gladean Park - uma
reserva de caça nos arredores da costa de Hanna - que Plagueis fez
uma visita inesperada ao jovem Palpatine. Mas foi Plagueis quem
ficou surpreso.

"Eu sabia que você viria, Magister", disse Palpatine quando


Plagueis e 11-4D apareceram em uma das persianas da reserva de
caça.
"Como você sabia?" "Eu
sabia, isso é tudo."
"E com que frequência suas premonições estão
corretas?" "Quase sempre."
"Curioso", observou 11-4D enquanto Palpatine se apressava para
se desculpar da companhia de dois amigos.
Plagueis reconheceu o homem mais velho como mentor de
Palpatine no programa para jovens, Vidar Kim, e sentiu que a
graciosa mulher de cabelos pretos era a amante de Kim. Na
conclusão da explicação animada de Palpatine, Kim virou a cabeça
para mostrar a Plagueis um olhar de desaprovação antes de sair
com o companheiro.
"Seu mentor não se importa muito comigo", disse ele quando
Palpatine voltou.
Palpatine dispensou. "Ele não te conhece."
As semanas padrão haviam se passado sem qualquer
comunicação entre os dois. A julgar pelo humor de Palpatine, ele

não sabia nada sobre a reunião forçada na região dos lagos e, no


entanto, estava agitado da mesma forma, possivelmente em reação
a algo que Cosinga havia feito para monitorar ou frustrar as
holotransmissões mundiais de seu filho. Com o agente secreto da
Damask Holdings silenciado, a realeza ganhou terreno. Apesar das
negações de Tapalo de que o acordo com o Clã Bancário havia sido
dissolvido, a proibição de viagens imposta aos Muuns havia
plantado sementes de dúvida entre os eleitores, e a disputa pelo
trono estava ficando mais acalorada a cada dia que passava. Pior, o
interesse do Clã Bancário em Naboo estava começando a diminuir.

"Vamos ter que manter essa reunião breve", disse Plagueis a


Palpatine enquanto seguiam um caminho elevado que ligava a
cortina de visão a uma das lojas rústicas do parque. "Seu pai pode
ter enviado pessoal de vigilância."
Palpatine ridicularizou a ideia. "Ele está monitorando meus
comunicados de todo o mundo - é por isso que você não ouviu falar
de mim - mas até ele sabe que é melhor não me ver."
"Você o subestima, Palpatine", disse Plagueis, parando no meio do
caminho. "Falei com ele na Convergence."
A boca de Palpatine se abriu. “A casa do lago? Quando? Como - "

Plagueis fez um gesto calmante e explicou detalhadamente o que


havia acontecido. Concluindo, ele disse: "Ele também ameaçou
colocá-lo fora de alcance".
Enquanto Plagueis falava, Palpatine andava em círculos pelo
caminho estreito, balançando a cabeça com raiva e enfiando os
punhos. "Ele não pode fazer isso!" ele rosnou. “Ele não tem o direito!
Não vou permitir!
A fúria de Palpatine aumentou Plagueis. As flores que cresciam
ao longo dos lados do caminho se dobravam, e seus polinizadores
começaram a zumbir em agitação. FourDee reagiu, também,
balançando em seus pés, como se estivesse nas garras de um
poderoso eletroímã. Esse humano realmente nascera de
carne e osso?

pais de sangue? Plagueis se perguntou. Quando, de fato, ele parecia


surgir da própria natureza. A força foi tão forte nele que ele tinha
escondido em si ?
Palpatine parou repentinamente e girou sobre Plagueis. "Você tem
que me ajudar!"
"Como posso ajudá-lo?" Perguntou Plagueis. "Ele é seu pai." "Me
diga o que fazer! Diga-me o que você faria! Plagueis colocou a
mão no ombro de Palpatine e começou
andar devagar. "Você pode usar esse incidente como um meio de se
emancipar."
Palpatine franziu a testa. “Naboo não honra essa prática. Estou no
comando dele até os vinte e um anos.
“As legalidades da emancipação não me interessam e não devem
lhe interessar. Falo em se libertar - em completar o ato de recreação
que você começou quando rejeitou seu nome.
"Você quer dizer desobedecê-lo?"
“Se é isso que você está disposto a ir. E sem pensar nas
consequências.
"Eu queria ..."
"A incerteza é o primeiro passo para a autodeterminação", disse
Plagueis. "Coragem vem a seguir."
Palpatine balançou a cabeça, como se quisesse limpá-la. "O que
eu faria?"
- O que você quer fazer, Palpatine? Se a escolha fosse sua e só
sua.
O jovem hesitou. "Eu não quero viver como seres comuns vivem."

Plagueis olhou para ele. "Você se considera extraordinário?"

Palpatine parecia envergonhado com a pergunta. "Eu só quis dizer


que quero viver uma vida extraordinária".
“Não peça desculpas pelos seus desejos. Extraordinário de que
maneira?

Palpatine desviou os olhos.

“Por que você está se segurando? Se você vai sonhar, sonhe alto.
Plagueis fez uma pausa e acrescentou: - Você deu a entender que
não tinha interesse em política. Isso é verdade?"
Palpatine apertou os lábios. "Não inteiramente."
Plagueis parou no meio da passarela. “Qual a profundidade do seu
interesse? A que posição você aspira? Senador da República?
Monarca de Naboo? Chanceler Supremo da República?
Palpatine olhou para ele. "Você vai pensar menos de mim se eu te
contar."

"Agora você me subestima, assim como seu pai." Palpatine


respirou fundo e continuou. "Eu quero ser um
forçar a mudança. ” Seu olhar endureceu. "Eu quero governar ." Lá!
Plagueis pensou. Ele admite! E quem melhor que
um humano para usar a máscara do poder, enquanto um imortal Sith
Lord governa em segredo!
"Se isso não pode acontecer, se você não pode governar, então o
que?" Palpatine rangeu os dentes. “Se não for poder, então nada.
Plagueis sorriu. "Suponha que eu disse que estaria disposto a
seja seu aliado na missão. ”
Com uma súbita perda de palavras, Palpatine olhou para ele;
então ele conseguiu dizer: "O que você esperaria de mim em troca?"
“Nada mais do que você se comprometer com sua intenção de se
libertar. Que você conceda a si mesmo a licença para fazer o que for
necessário para realizar suas ambições, com qualquer risco ao seu
alegado bem-estar e na total expectativa da solidão que se seguirá. ”
Ainda não haviam chegado ao chalé quando Plagueis os conduziu
a um mirante que ocupava o centro de um jardim luxuriante.

"Quero contar uma coisa sobre o meu passado", ele começou.


“Nasci e cresci não em Muunilinst, mas em um mundo chamado
Mygeeto, e não na esposa principal de meu pai, mas em uma
segunda esposa - o que Muuns chama de parceiro codicil. Então, eu
era um jovem adulto antes de meu pai finalmente ser devolvido a
Muunilinst e

Tive meu primeiro gosto do planeta que deu origem à minha


espécie. Devido aos regulamentos de Muunilinst que regem o
crescimento populacional, nenhum Muun de menor influência do
que meu pai teria permissão para importar uma primavera não
indígena, muito menos um meio-clã. E, no entanto, os membros da
família de meu pai me consideravam um invasor, sem a devida
legalidade e a convicção social que chega àqueles nascidos e
criados em Muunilinst. Pois, se há algo que os Muun detestam mais
do que gastos desnecessários, é inconformidade, e eu os tive em
abundância.

“Eles eram cidadãos exemplares, meus irmãos e irmãs justos:


insulares, importantes, idênticos em seus pensamentos,
econômicos a uma falha, dados a fofocas, e me irritou
profundamente por ter sido aceito pelos oprimidos da galáxia
apenas para ser rejeitado por esta colméia de seres paroquiais que
servem a si mesmos . Para seu desgosto adicional, eles foram
forçados a aceitar que eu era um membro do clã totalmente
vinculado, com direito à mesma parcela da vasta riqueza de meu pai
que os demais. Mas, como é o caso de todos os membros dos clãs
de elite, tive que me provar digno do status, preparando previsões
financeiras bem-sucedidas e me permitindo ser julgado pelos eleitos
no poder.

“Passei nos testes e nas provações, mas logo depois meu pai
ficou doente. No leito de morte, procurei seus conselhos sobre
minha situação, e ele me disse que eu deveria fazer o que precisava,
pois minha própria sobrevivência estava em risco. Ele disse que
mentes inferiores precisavam de orientação e punição de vez em
quando, e que eu não hesitaria em usar os meios necessários para
proteger meus interesses; que eu devia tanto a mim mesmo, minha
espécie, à própria vida. ”
Plagueis fez uma pausa.
“A causa de sua morte prematura foi determinada como uma rara
anormalidade genética que afetava o coração terciário e que todos
os meus irmãos haviam herdado, mas eu - tendo nascido com uma
mãe diferente - não tinha . Em pânico com o pensamento de morte
prematura, meus irmãos lançaram uma busca galáctica pela

créditos de geneticistas finitos poderiam obter e, finalmente, surgir,


reivindicando o conhecimento de um procedimento curativo. E
assim eles foram submetidos a tratamento, todos e todos eles -
incluindo minha mãe do clã - com total confiança de que haviam
esquivado a maldição da família e logo poderiam retornar à sua
paixão principal, que era me deixar legalmente afastada da família. ”
Ele olhou duro para Palpatine.
“Eles não perceberam que eu havia contratado o geneticista e que
os tratamentos que ele fornecia eram tão falsos quanto suas
credenciais. E assim, no devido tempo, eles começaram a adoecer e
morrer, cada um deles, enquanto eu observava de longe, exultando,
até me divertindo fingindo tristeza em seus funerais e indiferença
nos rituais de alocação que transferiam porções de suas riquezas
acumuladas para mim. Eventualmente, eu sobrevivi a todos eles e
herdei tudo. ”
Concluído seu amálgama de fato e ficção, Plagueis ficou alto e
cruzou os braços finos sobre o peito. Por sua vez, Palpatine olhou
para o chão de madeira do mirante. Plagueis detectou o zumbido
silencioso dos fotorreceptores de 11-4D focando na juventude.
"Você me acha um monstro", disse ele quando um longo momento
de silêncio se passou.
Palpatine levantou a cabeça e disse: - Você me subestima,
Magister.

O espaçoporto de Hanna City foi caótico com o lançamento de


naves espaciais, retornando estagiários do programa para jovens a
seus países de origem próximos e distantes. Na cabine central de
passageiros do navio Naboo, Jafan III , Palpatine e um jovem
estagiário de Keren comparavam notas de suas experiências
durante a semana anterior. Em um caminho para se tornarem
amigos íntimos, apesar de suas diferenças políticas, a dupla
começou a discutir a eleição de Naboo, quando um comissário de
bordo os interrompeu para dizer que Palpatine precisava voltar.

imediatamente para o terminal do espaçoporto. O atendente não


sabia quem havia pedido sua presença ou por quê, mas assim que
entrou no conector, reconheceu o semblante severo de um dos
seguranças que seu pai havia contratado recentemente.
"Palpatine não voltará a bordo", disse o guarda ao atendente.

Confuso, Palpatine exigiu saber por que ele havia sido removido
do navio.
"Seu pai está aqui", disse o guarda depois que o atendente voltou
à nave estelar. Ele apontou através da janela de visualização
transparente do conector para o lado mais distante do campo, onde
estava uma elegante nave estelar que levava a crista da Casa
Palpatine.
Palpatine piscou surpreso. "Quando ele chegou?"
"Uma hora atrás. Sua mãe e irmãos também estão a bordo.
"Eles não me disseram nada sobre vir aqui."
"Eu não saberia disso", disse o guarda. "Você já limpou a
alfândega de Chandrila, para que possamos prosseguir diretamente
para o navio."
Palpatine olhou para ele. "Apenas cumprindo seus pedidos, é
isso?"

Unrued, o guarda encolheu os ombros largos. “É um trabalho,


garoto. Essa é a longa e curta.
Rendendo-se ao inevitável, mas enfurecido pela súbita mudança
de planos, Palpatine seguiu a guarda por um labirinto de conectores
semelhantes àquele que acessava a nave da família. O Palpatine
mais velho estava esperando na entrada de ar.
"Por que eu não fui informado disso antes?" Palpatine exigiu.

Seu pai acenou com a cabeça para o guarda selar a escotilha.


“Sua mãe e seus irmãos estão na popa. Vou me juntar a você assim
que concluirmos o salto. Manobrando em torno de Palpatine, ele
entrou na cabine. Palpatine virou-se para a escotilha de ar e pensou
em sair enquanto tinha a chance, mas

finalmente, pensou melhor e foi para trás, embora não no


compartimento principal, mas em um menor que abrigava o
conjunto de comunicações. Amarrado em uma cadeira de
aceleração, ele guiou o lançamento e o salto para o hiperespaço.
Soltando-se quando o navio estava entre dois mundos, ele se
levantou e começou a andar de um lado para o outro na cabine, e
ainda estava em movimento quando seu pai entrou alguns minutos
depois.
"Nosso curso está marcado para Chommell
Minor." Palpatine parou para encará-lo.
“No futuro próximo, você estará residindo na família Greejatus.
Roupas e outros itens que pensávamos que você gostaria de levar já
estão a bordo. Quando Palpatine não disse nada, ele continuou.
“Você e Janus se deram bem na última vez que visitamos. Uma
mudança de cenário fará bem a você.
"Você decidiu isso sem conferir comigo?" Palpatine conseguiu
finalmente perguntar. “E os meus cursos universitários? E as minhas
obrigações com o programa para jovens? ”
“Tudo isso foi arranjado. Você pode fazer parceria com Janus no
programa de Chommell Minor. ”
"O ódio dos Greejatus por não-humanos encontra sua aprovação,
então."
"Apesar do chauvinismo deles, eu os aprovo muito mais do que
seus amigos atuais."
Palpatine começou a balançar a cabeça. "Não. Não."
O tom de seu pai ficou duro. "Isso é para o seu próprio bem." As
narinas de Palpatine se abriram. "Pai da mentira", ele murmurou.
“Como você saberia o que é bom para mim? Você já se importou? É
sobre minha amizade com Hego Damask, não é?
O Palpatine mais velho bufou com escárnio. “É isso que você
pensa que é? Damask está apenas usando você como um meio de
obter informações sobre nossas estratégias para a eleição. ”
"Claro que ele é."
Surpreendida momentaneamente, Cosinga disse: "E ainda assim
você continua ... fazendo amizade com ele".
“O que você considera o estupro de Naboo, considero um passo
essencial à frente, e Hego Damask uma bênção. Ele é poderoso,
influente e brilhante - mais do que qualquer um dos meus
professores. Cabeça e ombros acima de você ou de qualquer um
dos seus confederados reais.
O lábio de Cosinga se curvou. "Começa a me parecer que esse
confronto vai além das meras diferenças políticas."
“Você sabe que sim. Você está usando a situação como uma
desculpa para me colocar sob seu polegar novamente.
"O que não seria necessário se você demonstrasse a menor
capacidade de se comportar adequadamente."
Palpatine fungou. “Minhas infrações e transgressões sociais. Eu
me recuso a passar por um antigo terreno.
"Você é fácil consigo mesmo, considerando a vergonha que quase
trouxe sobre nós."
"Não trouxe mais vergonha para a família do que você."
"Não estamos discutindo comigo", disse Cosinga.
Palpatine levantou as mãos. "Tudo certo. Deixe-me em Chommell
Minor, mas não vou ficar lá.
"Eu posso garantir que você faça."
“Ao designar alguns de seus homens para me manter na fila? Sou
muito mais esperto que eles, pai.
Cosinga fez seus lábios uma linha fina. “Depois do que você já fez
para combater nossos planos para Tapalo, não há indícios de
escândalo. Você não tem ideia do que está em jogo para Naboo?
"E para você", disse Palpatine, com um sorriso malicioso. "O irmão
de sua amante se torna rei, e você alcança a posição elevada que
sempre desejou, mas não merece."
Cosinga ungiu suas palavras com cruel abandono. "Será tão bom
você ir embora."
"Finalmente você admite isso."
Cosinga ficou subitamente desapontada. "Você é um mistério
para mim agora como era quando era jovem."

O sorriso de Palpatine floresceu. "Só porque você não tem a


capacidade de me entender completamente."
"Grandioso, como sempre."
“Grandioso, de fato , pai. Você não tem ideia do que eu sou capaz.
Ninguém faz."
Cosinga exalou profundamente. “Eu sei que você é do meu
sangue, porque eu o testei, só para ter certeza. Mas, na verdade, não
sei de onde você veio, de quem ou de quem você realmente
descendeu. Ele olhou para Palpatine. “Sim, existe: aquele olhar
furioso que recebo há dezessete longos anos. Como se você
quisesse me matar. O assassinato sempre esteve em seus
pensamentos, não é? Você estava apenas esperando alguém lhe
conceder permissão para agir.
Uma escuridão surgiu no rosto de Palpatine. "Eu não preciso da
permissão de ninguém."
“Precisamente. Você é um animal de coração.
"Rei dos animais, pai", disse Palpatine.
"Eu sabia que esse dia chegaria. Conheço isso desde o primeiro
momento em que tentei envolver você e você lutou comigo com
uma força que era poderosa demais para o seu tamanho ou idade.
Palpatine olhou por baixo das sobrancelhas arqueadas. "Nasci
maduro, pai, totalmente crescido, e você me odiou por isso, porque
entendeu que eu era tudo o que você nunca pode ser."
"Odiava você mais do que você imagina", disse Cosinga,
permitindo que sua ira aumentasse mais uma vez. "O suficiente para
querer matá-lo desde o início."
Palpatine se manteve firme. "Então é melhor você fazer isso
agora."

Cosinga deu um passo na direção de Palpatine, apenas para ser


arremessado contra a antepara que separava a sala de
comunicações da cabine principal. Uma voz feminina por trás da
escotilha fechada perguntou angustiada: "O que foi isso?"

Cuidando de um ombro ferido, Cosinga de repente parecia um


animal preso, os olhos arregalados de surpresa e medo. Ele

fez um movimento para bater no prato de mão que abriu a escotilha,


mas Palpatine frustrou seu esforço sem levantar o dedo. Girando
violentamente, Cosinga caiu sobre uma das cadeiras de aceleração,
ensanguentando o rosto ao atingir o apoio de braço.
Uma batida começou na escotilha.
"Guardas!" Cosinga gritou, mas a palavra mal saiu de seus lábios
quando a antepara contra a qual ele estava deitado se curvou para
dentro, levantando-o de frente para o chão e respirando fundo.
Palpatine estava enraizado no lugar, as mãos tremendo na frente
dele e o rosto ferido. Algo se mexeu atrás de seus olhos
incandescentes. Ele ouviu o bater na escotilha e girou.
“Não entre! Fique longe de mim!"
"O que é que você fez?" Era a voz de sua mãe, em pânico. "O que é
que você fez?"
Cosinga se ajoelhou e começou um retiro aterrorizado, deixando
manchas de sangue no convés. Mas Palpatine estava avançando
sobre ele agora.
"Se a Força te deu à luz, então eu a amaldiçoei !" Cosinga raspou.
"Eu amaldiçoo!"
"Como eu faço", Palpatine rosnou.
A escotilha começou a deslizar e ele ouviu a voz do guarda que o
escoltara do Jafan III . "Pare!"
"Cosinga!" sua mãe gritou.
Palpatine pressionou as palmas das mãos na cabeça e, em uma
calma estranha, correu para a escotilha, puxou o guarda surpreso
pelo limiar e o jogou na cabine.

Levantando o rosto para o teto, ele gritou: "Estamos todos nisso


agora!"

Eles poderiam ter sido torturadores: Plagueis e 11-4D, debruçados


sobre uma mesa de operações em Aborah que apoiava Venamis,

ainda em coma induzido e agora anestesiado; os apêndices do


dróide segurando bisturis ensanguentados, retratores, hemostatos e
Plagueis, vestidos e mascarados e com os olhos fechados, sua
sombra se acumulava no chão pelas luzes do teatro, mas na
verdade não havia lugar no mundo mundano. Em vez disso, dobrado
profundamente dentro da Força, indiferente ao dano meticuloso que
11-4D havia causado aos órgãos internos de Bith, mas focado em
comunicar sua vontade diretamente aos intermediários da Força, o
dróide monitorando a atividade celular em busca de sinais de que as
manipulações que prolongam a vida de Plagueis , seus
experimentos mentais, estavam tendo o efeito pretendido.
Uma corrente repentina de intensa energia do lado escuro
serpenteava através de Plagueis. Mais forte do que qualquer
sentimento que experimentara desde a morte de Darth Tenebrous,
repleto de relâmpagos de eventos passados, presentes e talvez
futuros, a perturbação foi forte o suficiente para tirá-lo
completamente de seu transe. Um ritual realizado; uma confirmação
conferida. Meio que esperava encontrar Venamis sentado em cima
da mesa, ele abriu os olhos para a visão de 11-4D se aproximar dele
do console de comunicação da sala de operações.
A boca de Plagueis formou uma pergunta: "Hill?"
"Não. O jovem humano - Palpatine. Uma transmissão no
espaço profundo .

Plagueis correu para o dispositivo. Eles não tinham falado desde a


reunião em Chandrila, mas Plagueis estava esperando, imaginando
se suas manipulações haviam dado frutos. Caso contrário, ele pode
ter que tomar medidas pessoais para solidificar a jogada de Naboo.
Colocando-se à vista dos holocams, ele levou um momento para
avaliar a imagem barulhenta na tela, o rosto de Palpatine banhado
pelas luzes tremeluzentes de um painel de instrumentos, algo novo
em seus olhos - cor que não existia anteriormente. Uma olhada na
leitura das coordenadas do quadro de comunicações; então:
"Onde você está?"
- Não tenho certeza - disse Palpatine em clara distração, seu olhar
mudando para algo inesperado.

"Você está em uma nave estelar."


Palpatine assentiu, engoliu em seco e encontrou sua voz. "O navio
da família."
“Leia em voz alta as coordenadas do computador de bordo.”
Quando ele teve, Plagueis olhou para 11-4D para elaboração.
"Margem de Exodeen ao longo do Caminho Hydian", o dróide
disse.
Plagueis absorveu. “Entre em contato com o protetor solar. Mande
eles prepararem um navio e prepare-se para acompanhá-los.
"Sim, Magister."
Plagueis voltou para a tela do monitor. "Você é capaz de manter
seu curso atual?"
Palpatine inclinou-se para um lado. "O piloto automático está
ativado." "Diga-me o que aconteceu."
O humano respirou fundo. “Meu pai chegou inesperadamente em
Chandrila. Ele me tirou do navio do programa juvenil e trouxe para o
nosso navio. Minha mãe e irmãos já estavam a bordo. Após o
lançamento, soube que estava sendo levada para Chommell Minor.
Assim como você avisou. Nós caímos em uma discussão ... então,
não tenho certeza do que aconteceu ...
"Diga-me o que aconteceu", exigiu Plagueis.
"Eu os matei ", Palpatine rosnou de volta. "Eu os matei - até os
guardas."
Plagueis conteve um sorriso, sabendo agora que Naboo seria
dele. Acabado e acabado. Agora, instale-o ainda mais e garanta sua
utilidade contínua .
"Alguém em Chandrila observou você embarcar no navio da
família?" ele perguntou rapidamente.
“Apenas o guarda - e ele está morto. Todo mundo está morto .
“Precisamos devolvê-lo calma e secretamente a Chandrila. Estou
enviando ajuda, meu dróide entre eles. Não há explicações sobre o
que ocorreu - mesmo que solicitado - mas siga todos os comandos
sem questionar. ”
"Você não vem com eles?" Palpatine perguntou, de olhos
arregalados.

- Vejo você em breve, Palpatine.

“Mas o navio. A ... evidência .


Vou tomar providências para a disposição do navio. Ninguém
nunca aprenderá sobre esse evento, entende?
Palpatine assentiu. "Eu confio em você."
Plagueis devolveu o aceno. "E Palpatine: parabéns por se tornar
um ser emancipado."

Elegante como a criatura do fundo do mar em que foi modelada, o


navio de passageiros Quantum Collosus aplicou as raras correntes
finas do hiperespaço. Um dos navios mais finos desse tipo, o QC
fazia corridas semanais entre Coruscant e Eriadu, revertendo em
vários mundos ao longo do Caminho Hydian para levar ou
descarregar passageiros. Envolto em seda verde-clara , Plagueis
embarcou em Corellia, mas esperou até o navio pular para a
velocidade da luz antes de subir de turbo para o nível superior e se
anunciar na entrada da cabana privada que ele havia garantido para
Palpatine.
- Você disse logo - Palpatine latiu no momento em que a escotilha
se embolsou na antepara. "Uma semana padrão não é breve ."

Plagueis entrou, tirou o roupão e dobrou-o sobre o encosto de


uma cadeira. "Eu tinha negócios a tratar." Ele olhou por cima do
ombro para Palpatine. "Eu deveria simplesmente deixar tudo em
serviço na situação em que você se meteu?"

Sem palavras por um momento, Palpatine disse: "Perdoe-me por


ter me permitido acreditar que estávamos nisso juntos".
"Juntos? Como assim?"
"Eu não sou seu agente em Naboo?"
Plagueis balançou a cabeça de um lado para o outro. "Você nos
forneceu algumas informações úteis."
Palpatine o estudou incerto. Fiz mais do que isso, Magister, e você
está bem ciente disso. Você compartilha tanta responsabilidade
pelo que aconteceu quanto eu.

Plagueis sentou-se e cruzou uma perna sobre o outro joelho.


“Realmente faz apenas uma semana? Para você parece mudar
muito. As autoridades Chandrilan e Naboo foram tão duras com
você?

Palpatine continuou olhando para ele. “Como você prometeu,


onde não há evidências, não há crime. Eles chegaram a pedir a ajuda
de salvadores e piratas na busca, mas chegaram
de mãos vazias. ” Seu olhar endureceu. “Mas é você quem mudou.
Apesar do fato de você ter visto esse evento em construção. ”
Plagueis fez um gesto para si mesmo. “Suspeitei que você e seu
pai pudessem alcançar um impasse? Claro. Teria sido óbvio para
qualquer um. Mas você parece estar sugerindo que, de alguma
maneira, adivinhei que o confronto terminaria em violência.
Palpatine considerou e depois bufou com escárnio. "Você está
mentindo. Você também pode ter forçado minha mão.
"Que maneira estranha de colocar isso", disse Plagueis. “Mas
desde que você entendeu a verdade, eu ofereço uma confissão. Sim,
eu deliberadamente te incomodei.
"Você veio a Chandrila para ter certeza de que os espiões do meu
pai nos veriam juntos."
“Mais uma vez, correto. Você me deixa orgulhosa de
você. Palpatine ignorou o lisonjeiro. "Você me usou."
"Não havia outra maneira."
Palpatine balançou a cabeça em descrença furiosa. "Alguma
história sobre seus irmãos era verdadeira?"
“Um pouco disso. Mas isso dificilmente importa agora. Você
pediu minha ajuda e eu a forneci. Seu pai tentou te frustrar e você
agiu por vontade própria.
"E ao matá-lo, eu te livrei de um oponente." Palpatine fez uma pausa.
“Meu pai estava certo sobre você. Você é um gangster. "E você é
livre e rico", disse Plagueis. - E agora, jovem humano? Continuo
tendo grandes esperanças por você, mas antes que eu pudesse lhe
dizer tudo o que eu precisava que você fosse
livre."
"Livre de quê?"
"Por medo de expressar sua verdadeira natureza."
A expressão de Palpatine escureceu. "Você não sabe nada da
minha verdadeira natureza." Ele se afastou de Plagueis, depois parou
e virou-se para ele. "Você nunca perguntou sobre os assassinatos."
"Eu nunca fui de detalhes sombrios", disse Plagueis. "Mas se você
precisar se aliviar, faça-o."
Palpatine levantou as mãos com garras. “Eu os executei com
estes! E com o poder da minha mente. Eu me tornei uma tempestade
, Magister - uma arma forte o suficiente para distorcer anteparas e
atirar corpos através dos espaços das cabines. Eu era a própria
morte!
Plagueis sentou-se alto na cadeira, com genuíno espanto.
Ele podia ver Palpatine agora em toda a sua glória sombria. Raiva
e assassinato derrubaram os muros que ele erguera, talvez desde a
infância, para salvaguardar seu segredo. Mas não havia como
esconder agora: a Força era poderosa nele! Engarrafado por
dezessete anos-padrão, seu poder inato finalmente explodiu e nunca
mais pôde ser impedido. Todos os anos de repressão, crimes sem
culpa, emoção crua borbulhando, tóxica para quem ousou tocá-lo ou
prová-lo. Mas sob sua raiva espreitava um inimigo sutil: apreensão.
Recém-renascido, ele estava correndo grande risco. Mas apenas
porque ele não percebeu o quão poderoso ele era ou o quão
extraordinariamente poderoso ele poderia se tornar. Ele precisaria
de ajuda para completar sua autodestruição. Ele precisaria de ajuda
para reconstruir aquelas paredes, para não ser descoberto.

Oh, que domesticação cautelosa ele exigiria! Plagueis pensou.


Mas que aliado ele pode fazer. Que aliado!
"Não sei ao certo o que pensar, Palpatine", disse ele finalmente.
"Você sempre teve esses poderes?"
A cor sumiu do rosto de Palpatine e suas pernas tremiam. "Eu
sempre soube que era capaz de convocá-los."

Plagueis levantou-se da cadeira e se aproximou dele


cautelosamente. “Aqui é onde o caminho se bifurca, jovem humano.
Aqui e agora você precisa decidir se deve ou não negar seu poder ou

aventurar-se corajosamente e escrupulosamente nas profundezas


da verdade - independentemente das consequências. ”
Ele resistiu ao desejo de agarrar Palpatine pelo ombro e, em vez
disso, se afastou dele. "Você poderia dedicar o resto da sua vida a
tentar entender esse poder, esse presente", disse ele, sem olhar para
trás. "Ou você pode considerar uma opção diferente." Ele se virou
para enfrentar Palpatine. “É um caminho sombrio para um deserto
sem trilhas, do qual poucos retornam. Não sem um guia, de
qualquer forma. Mas é também o caminho mais curto e rápido entre
hoje e amanhã. ”
Plagueis percebeu que estava fazendo uma grande aposta, mas
não havia como voltar atrás. O lado sombrio os juntara, e seria a
vontade do lado sombrio que decidisse se Palpatine se tornaria seu
aprendiz.
"Nos seus estudos", ele disse cuidadosamente, "você já aprendeu
sobre os Sith?"
Palpatine piscou, como se estivesse preocupado. “Uma seita Jedi,
não eram? O resultado de um tipo de disputa familiar.
“Sim, sim, de certa forma exatamente isso. Mas mais: os Sith são
o pródigo da primavera, destinados a devolver e derrubar os Jedi.
Palpatine olhou para Plagueis. "Os Sith são considerados maus."
"Mal?" Plagueis repetiu. "O que é isso? Momentos atrás, você se
definiu como uma tempestade. Você disse que era a própria morte.
Você é mau, então, ou é simplesmente mais forte e mais acordado
que os outros? Quem dá mais forma à história senciente: os bons,
que aderem ao provado e verdadeiro, ou aqueles que procuram
despertar os seres de seu estupor e levá-los à glória? Você é uma
tempestade, mas muito necessária , para lavar o velho e
complacente e podar a galáxia do peso morto. ”
Os lábios de Palpatine se curvaram em raiva e ameaça. "Essa é a
sabedoria que você oferece - os princípios de algum culto arcano?"
"O teste de seu valor é se você pode viver com isso, Palpatine."

"Se eu quisesse, teria forçado meus pais anos atrás a me render à


Ordem Jedi em vez de me transferir da escola para a escola
particular".
Plagueis colocou as mãos nos quadris e riu sem alegria. “E de que
utilidade você acha que uma pessoa de sua natureza seria para a
Ordem Jedi? Você é insensível, ambicioso, arrogante, insidioso e
sem vergonha ou empatia. Mais, você é um assassino. Ele segurou
o olhar encapuzado de Palpatine e observou as mãos do jovem se
apertarem em fúria de raiva. "Cuidado, garoto", ele disse depois de
um momento. "Você não é o único nesta cabine luxuosa com o
poder de matar."
Os olhos de Palpatine se arregalaram e ele deu um passo para
trás. "Eu posso sentir isso ..."
Plagueis cresceu deliberadamente arrogante. "O que você sente é
uma fração do que eu posso trazer."
Palpatine pareceu adequadamente castigado. "Posso ter alguma
utilidade para os Sith?"
"Possivelmente", disse Plagueis. “Talvez até provável. Mas
teríamos que esperar para ver.
"Onde estão os Sith?"
Plagueis permitiu um sorriso. “Só agora existe apenas um. A
menos que, é claro, seja sua vontade se juntar a mim.
Palpatine assentiu. "Eu desejo me juntar a você."
"Então ajoelhe-se diante de mim e prometa que é sua vontade
juntar-se ao seu destino para sempre com a Ordem dos Lordes Sith."
Palpatine olhou para o chão, então genuinizou, proferindo: "É
minha vontade juntar meu destino para sempre com a Ordem dos
Lordes Sith."
Plagueis estendeu a mão esquerda para tocá-lo no alto da cabeça.
“Então está feito. Deste dia em diante, a verdade sobre você, agora e
para sempre, será Sidious .
Quando Palpatine se levantou, Plagueis o segurou pelos ombros.
Com o tempo, você entenderá que é um com o lado sombrio da
Força e que seu poder está além da contradição. Mas agora, e até
eu lhe contar de forma diferente,
aceitar a submissão é o seu único caminho para a salvação. ”

12: SEDUZIDO PELO LADO ESCURO DA FORÇA

O órfão obediente ficou tremendo na neve rodopiante. Ao seu redor,


pináculos de gelo em forma de dentes irregulares; um vento glacial
uivava através deles. Plagueis estava por perto, flocos de neve e
gelo girando em torno dele, mas nunca iluminando-o, derretendo
antes de alcançá-lo. Ao contrário de Sidious, que
vestia um terno de uniforme fino , o Lorde Sith usava apenas uma
capa, calças estreitas e um boné de caveira.
"Foi neste mundo que fiquei ciente dos meus poderes da Força e
impulsos sombrios", disse ele, alto o suficiente para ser ouvido pelo
vento. “Comparado com o temperado Muunilinst, Mygeeto é
implacável e intransigente, mas aprendi a me adaptar às condições
adversas e, antes dos oito anos de idade, podia me aventurar na
tempestade mais violenta vestida com menos do que você veste
agora. Mas não trouxe você aqui para familiarizá-lo com meu
passado, Sidious. Se você fosse de uma espécie acostumada a
essas condições, eu o levaria a um mundo deserto. Se você fosse
um ser aquático, eu o teria preso em terra firme. A divisão entre os
caminhos da Força praticados pelos Sith e pelos Jedi tem menos a
ver com a distinção entre escuridão ou presença de luz do que
entre - no seu caso - frio nu e presença de calor. Entre angústia e
conforto, entropia e previsibilidade. ”

Plagueis parou para considerar Sidious. “Seu sangue está quase


congelado. Muito tempo aqui e você vai morrer. Isso é o que você
pensará no começo, quando o lado sombrio o atingiu e se
aproximou de você. Você vai pensar: eu vou morrer; o lado escuro vai
me matar . E é verdade, você vai morrer, mas apenas para renascer.
Você deve levar profundamente em si o conhecimento de

o que significa ser removido; você deve sentir isso na medula dos
seus ossos, porque jamais será assim. ”
Plagueis riu logo. - Talvez eu pareça um professor de filosofia
naquele seu colégio em Theed. Mas isso não é uma palestra, nem
você deve pensar nisso como condicionamento físico. Em vez disso,
precisamos prepará-lo para o que o espera, caso o lado obscuro
opte por se interessar por você. A vinda de medo e alegria; de ser
humilhado e empoderado; de ser escalado enquanto usado ao
mesmo tempo, como se fosse um instrumento. Ser destacado e
ainda assim subsumido por uma grandeza abrangente. ”
Um olhar predatório surgiu em seu rosto pálido enquanto
avançava em Sidious.

“Agora me diga novamente, aprendiz. E com mais detalhes. ” Mais


uma vez, Sidious permitiu que suas memórias se desenrolassem,
e ele
reviveu o crime - o evento, como ele finalmente pensara nele. O
corpo mole e ensanguentado do pai. Os crânios esmagados dos
guarda-costas. Suas mãos apertaram a garganta delgada de sua
mãe - mas não realmente, apenas em sua mente, estrangulando-a
com seus pensamentos. As formas inanimadas de seus irmãos
caíram aqui e ali ... Ao contar e recontar, ao revivê-lo, ele finalmente
ganhou uma espécie de autoridade sobre ele, a capacidade de ver o
evento apenas pelo que era, sem emoção, sem julgamento. . Era
como se o evento tivesse ocorrido anos, e não meses antes, e como
se alguém tivesse sido o autor do crime. Quando esse momento
decisivo chegou, um poder transformador se enrolou dentro dele,
escuro como o espaço sem estrelas, nascido do ódio e do medo,
mas que ele agora podia usar.

"Muito bom", disse Plagueis, depois que a história contada se


forçou entre os lábios azuis e trêmulos de Sidious. "Eu posso sentir
sua remoção e sentir seu poder crescente." Ele continuou a avaliar
Sidious enquanto a neve girava entre eles. Não posso ter sua
vontade temperada por sentimentos de arrependimento ou
compaixão. Você foi criado para liderar. Portanto, você deve ver todo
ser vivo como nada mais

do que uma ferramenta para elevá-lo, movê-lo para o seu local de


destino. Esta é a nossa galáxia, Sidious, a nossa realidade.
“Neste lugar impiedoso, seu poder é forjado.
Impulsionado pelo medo ou pelo ódio, até um Jedi pode
ultrapassar as restrições dos ensinamentos da Ordem e descobrir
um poder de um tipo mais profundo. Mas nenhum Jedi que chega a
esse lugar, que se elevou acima de sua lealdade à paz e à justiça,
que mata com raiva ou por desejo, pode reivindicar o lado sombrio
da Força. Suas tentativas de se convencer de que caíram para o lado
sombrio, ou que o lado sombrio impeliu suas ações, nada mais são
do que lamentáveis racionalizações. É por isso que os Sith abraçam
a escuridão desde o início, concentrando-se na aquisição de poder.
Não damos desculpas. As ações de um Sith começam do eu e fluem
para o exterior. Perseguimos a Força como caçadores, em vez de
nos rendermos como presa aos seus caprichos enigmáticos. ”
"Eu entendo, mestre", Sidious conseguiu com uma voz gaguejante.

Plagueis mostrou-lhe um sorriso malévolo. “Uma vez eu disse isso


ao meu mestre, quando na verdade não entendi nada. Eu só queria
acabar com a dor. Em um borrão de movimento, ele rasgou a frente
do traje ambiental de Sidious . “Eu sou seu torturador, Sidious. Em
breve, você fará todo o possível para me apaziguar e, a cada mentira
que contar, a cada tentativa de reverter nossos papéis, ficará tão
brilhante quanto uma moeda de aurodium para o lado sombrio.

“Então me apaziguar, Sidious. Diga-me novamente como você os


matou.

Sidious se firmou na encosta do cascalho, as pedras irregulares sob


as palmas ensanguentadas, os cotovelos e os joelhos tremendo,
como se desejasse mergulhar nas águas geladas do lago azul
cristalino, na base da inclinação próxima. Alguns metros acima,
sentado Plagueis, de pernas cruzadas no topo de um afloramento
no topo , as costas viradas para Sidious

e seu olhar parecia fixo nos campos de neve ofuscantes que


cobriam o cume da montanha.
"Se você ainda não quer me matar, irá antes que eu termine com
você", ele estava dizendo. “O desejo de matar o superior é intrínseco
à natureza da nossa empresa. Minha força inatacável gera sua
inveja; minha sabedoria alimenta seu desejo; minhas realizações
incitam seu desejo. Assim já faz mil anos e deve durar até que eu o
guie à paridade. Então, Sidious, devemos fazer o possível para
sabotar a dinâmica Darth Bane acionada, porque precisaremos um
do outro para alcançar nossos objetivos finais. No final, não pode
haver segredos entre nós; sem ciúmes ou desconfiança. De nós, o
futuro dos Sith será fonte, e os diversos seres da galáxia serão
melhores para ele. Até então, porém, você deve se esforçar; você
deve demonstrar sua dignidade, não apenas para mim, mas para o
lado sombrio. Você deve pegar o ódio que sente por mim e
transformá-lo em poder - o poder de superar, de proibir qualquer
coisa de ficar no seu caminho, de superar qualquer obstáculo que o
lado negro projetar para testá-lo.

Escutando escassamente, Sidious se moveu com o máximo


cuidado, com as mãos e os joelhos buscando uma compra firme
nas pedras. Durante semanas, Darth Plagueis o privou de sono,
comida e água. Agora, se ele pudesse alcançar o Muun, sua sede
seria reduzida, sua fome saciada, suas contusões curadas.
Inúmeras vezes a vasta extensão de detritos rochosos havia
escorregado e ele teve que subir o escorregador quase até a
margem do lago, caindo, nadando de frente e de trás, abrasando sua
pele avermelhada, machucando quase todas as partes de si mesmo.
Só para ter que voltar ao topo.
Fervendo em silêncio, ele conseguiu escalar mais um metro da
ladeira, pedindo à Força que garantisse seu equilíbrio, para deixá-lo
sem peso.
"Tolo", Plagueis zombou dele. "O sucesso não vem da convocação
de ajuda da Força, mas do controle e da geração de poder dentro de
você." Ele suspirou
teatralmente. “Ainda assim, estou um pouco encorajado pelo
progresso que você fez. Meros centímetros de mim agora, quase ao
alcance do braço. Em breve poderei sentir sua respiração no meu
pescoço e perceber o calor de sua raiva - seu desejo de me matar,
como se, ao fazê-lo, pudesse reivindicar a autoridade que
personifico. Ele parou, mas não se mexeu, muito menos olhou por
cima do ombro. “Você quer me estrangular, como fez sua pobre mãe
incompreendida; me rasgue membro a membro como você fez com
os guarda-costas. Justo. Mas, para fazer isso, você terá que fazer
um esforço maior, aprendiz.
Como um felino, Sidious saltou do cascalho, os dedos enrolados
apontados para Plagueis. Mas, em vez de se olharem ao redor do
pescoço esbelto do Muun, suas mãos atravessaram o ar e se
encontraram, deixando-o cair de cara no topo do afloramento. De um
lado, ele ouviu seu Mestre rir com desprezo. Ou Plagueis se moveu
mais rápido do que Sidious podia discernir ou, pior ainda, ele nunca
esteve lá para começar.
"Tão facilmente enganado", disse Plagueis, confirmando o último.
“Você perde meu tempo. Mais disso e do lado sombrio nunca se
interessarão por você.
Sidious girou, lançando-se contra Plagueis, apenas para encontrar
uma força irresistível e ser jogado para trás no chão congelado.
A sombra do Muun caiu sobre ele. Braços cruzados sobre o peito,
Plagueis apareceu.
“Para conseguir habitar os dois reinos, Sidious - o mundo profano
e o da Força -, você precisa aprender a usar a dolo em seu proveito e
reconhecer quando outros a empregam.” Sem estender a mão,
Plagueis o levantou. "Se você puder sobreviver mais alguns dias
sem sustento ou descanso, posso estar inclinado a ensiná-lo."

Abrindo caminho pela tundra, seu corpo cheio de queimaduras de


sabre de luz, Sidious olhou para Plagueis, implorando.

"Quanto tempo, mestre?"


Plagueis desativou a lâmina carmesim de sua arma e fez uma
careta. “Talvez um momento, talvez uma eternidade. Pare de pensar
no futuro e ancore-se no presente. Um aprendiz de Sith é a antítese
de um filhote de Jedi alimentado no Templo, lutando contra um
controle remoto flutuante com um sabre de luz de treinamento. Um
Sith se familiariza com a dor desde o início e também a influencia.
Um Sith vai pela garganta, assim como você fez na nave estelar de
sua família.
Sidious continuou olhando para ele. "Eu quis dizer, quanto tempo
vai demorar para eu aprender?"
O Muun o avaliou com um olhar. “Difícil de dizer. Os humanos são
seus piores inimigos. Seu corpo não foi feito para suportar punições
reais. É facilmente ferido e lento para curar. Seus sentidos olfativos
e táteis são relativamente agudos, mas seus sentidos auditivos e
visuais são extremamente limitados. ”
"Não tenho forças, mestre?"
Plagueis caiu de joelhos na frente dele. “Você tem a força, o
aprendiz e o talento para liderar. Além disso, você tem a sede de
sangue de um assassino em série, embora tenhamos que manter
isso em reserva, a menos que a violência sirva a algum propósito
extraordinário. Sidious, não somos açougueiros, como alguns
senhores do passado. Somos arquitetos do futuro. ”
Sidious engoliu em seco e encontrou sua voz. "Quão mais?"
Plagueis se levantou, reacendendo o sabre de luz ao fazê-lo. "Não
um dia normal antes de uma década. "
13: CAVALEIROS NA TEMPESTADE

Em louca perseguição de suas presas e quase voando, os dois Sith,


mestre e aprendiz há onze anos, saltaram pelo terreno gramado,
suas capas curtas estalando atrás deles, lâminas vibratórias
apertadas em suas mãos e antebraços nublados de sangue; sangue
endureceu nos longos cabelos do ser humano e secou na testa sem
pelos do Muun. Torcendo e rodopiando ao redor deles havia um
rebanho de quadrúpedes ágeis de pescoço comprido e pêlo
listrado marrom e preto ; idêntico e se movendo como se possuísse
uma única mente, saltando no mesmo instante, invertendo a
direção, pedalando gregadamente sobre a savana de cochilos
curtos.

“Isso não é uma perseguição”, disse Plagueis enquanto corria,


“isso é uma convocação. Você precisa ficar atrás dos olhos do seu
alvo e se tornar o objeto de seu desejo. O mesmo vale quando você
convoca a Força: você deve se tornar desejável, fascinante, viciante,
e qualquer poder que você precisar estará ao seu comando.
Misturado ao rebanho, o animal em que Sidious fixara sua visão
teria sido indistinguível dos seres normais. Mas Sidious tinha o
animal em sua mente e agora estava olhando através de seus olhos,
um com ele. Ao lado dele, de repente, a criatura pareceu intuir seu
fim e inclinou a cabeça para um lado para expor seu pescoço
musculoso. No momento em que a lâmina vibratória grudou, os
olhos da criatura reviraram e ficaram opacos; sangue quente jorrou,
mas rapidamente deixou de fluir - a Força partindo e Sidious
consumindo profundamente seu poder.

"Agora outro", disse Plagueis em tom de congratulação. "E outro


depois disso."

Sidious sentiu-se empurrado em movimento, como se por um


vento forte.

"Sinta o poder do lado escuro fluir através de você", acrescentou


Plagueis atrás dele. “Servimos o propósito da natureza, abatendo o
rebanho e o nosso, aprimorando nossas habilidades. Nós somos o
enxame predatório!
O planeta de baixa gravidade era conhecido então como
Flutuante, sua confusão desconcertante de fl ora e fauna, resultado
de um experimento de uma espécie esquecida que alterara a
atmosfera, fazia o mundo girar mais rápido do que a natureza
pretendia e incentivava o crescimento de florestas luxuriantes e
pastagens extensas. As máquinas ainda em funcionamento dos
antigos pontilhavam a paisagem e, milênios depois, os animais que
haviam importado estavam prosperando. Nada se moveu lenta ou
ponderadamente sobre o flutuante, girando rapidamente, mesmo dia
e noite, ou sobre as tempestades que varriam a atmosfera com
violenta regularidade.

Em outras partes do planeta - em densas florestas, em áreas


áridas, sob as ondas dos mares do interior - os dois Sith já haviam
tirado a vida de inúmeras criaturas: abatendo, afiando, marinando-se
em um miasma de energia do lado escuro.
Quilômetros de onde a caça quadrúpede havia começado,
Plagueis e Sidious estavam sentados sob o imenso dossel de uma
árvore cujo tronco era largo o suficiente para engolir um vertedouro
e cujos galhos grossos estavam sobrecarregados com plantas
parasitas florescentes. Respirando com dificuldade e encharcados
de suor, eles descansaram em silêncio enquanto nuvens de insetos
ansiosos se reuniam ao seu redor. As batidas do trio de corações do
Muun eram visíveis sob sua pele translúcida, e seus olhos claros
rastreavam os movimentos de slaloming do rebanho que escapava.

“Poucos do meu pessoal sabem o quão rico eu sou”, ele disse


finalmente, “já que a maioria das minhas riquezas deriva de
atividades que nada têm a ver com os negócios financeiros comuns.
Por muitos anos, meus colegas se perguntaram por que escolhi
permanecer solteira e, finalmente, cheguei à conclusão de que eu

estava essencialmente casada com o meu trabalho, sem perceber


como eles estavam certos. Só que minha verdadeira noiva é o lado
sombrio da Força. O que os antigos chamavam de Bogan, como
separado de Ashla.

“Até os Jedi entendem que não há lucro em fazer parceria com


um ser que não tem a capacidade de entender o que significa estar
nas garras da Força, e assim a Ordem restringe o casamento por
dogma, em serviço, dizem os Jedi: para a pureza de Ashla.
“Mas Ashla é uma perversão”, continuou ele, “pois a escuridão
sempre precedeu a luz. A idéia original era capturar o poder da Força
e torná-la subserviente à vontade de vida consciente. Os antigos - os
Celestiais, os Rakata - não pronunciaram julgamento por suas obras.
Moviam planetas, organizavam sistemas estelares, conjuravam
dispositivos do lado escuro como a Forja Estelar quando viam o
efeito. Se milhões morreram no processo, que assim seja. As vidas
da maioria dos seres são de pequena importância. Os Jedi não
conseguiram entender isso. Eles estão tão ocupados salvando vidas
e se esforçando para manter os poderes da Força em equilíbrio que
perderam de vista o fato de que a vida senciente deve evoluir, e não
simplesmente definhar em uma estase contente. ”
Ele parou para olhar para Sidious. “Sem dúvida, os textos que
forneci contêm referências à chamada teoria do Potêncio - que a luz
e a escuridão dependem da intenção do usuário. Esta é mais uma
perversão da verdade perpetrada por aqueles que nos manteriam
acorrentados à Força. O poder da água e o poder do fogo são
totalmente diferentes. Geleiras e vulcões têm o potencial de
transformar paisagens, mas um o faz enterrando o que está por
baixo, onde o outro lança novos terrenos. Os Sith não são estrelas
plácidas, mas singularidades. Em vez de queimar com um propósito
silencioso, distorcemos o espaço e o tempo para distorcer a galáxia
de acordo com nosso próprio design.

“Tornar-se um poder grandiloqüente requer mais do que mera


conformidade; o que é necessário é obstinação e tenacidade. É por
isso que você deve sempre ser receptivo ao

correntes do lado sombrio, porque não importa o quão ágil você seja
ou pense que é, a Força não mostrará pena. Como você aprendeu,
seu corpo dorme, mas sua mente nunca descansa.
Pondo-se de pé, Plagueis estendeu os braços compridos à sua
frente e soltou uma tempestade de raios da Força que estalou sobre
a paisagem, acendendo fogo na grama.
“Um Jedi suficientemente forte na Força pode ser treinado para
produzir um fac-símile, mas não um verdadeiro raio Sith, que,
inabalável, tem o poder não apenas de incapacitar ou matar, mas de
transformar fisicamente a vítima. Forçar raios requer força de um
tipo que apenas um Sith pode comandar porque aceitamos
conseqüências e rejeitamos compaixão. Fazer isso requer uma sede
de poder que não é facilmente satisfeita. A Força tenta resistir aos
chamados de espíritos vorazes; portanto, deve ser quebrado e feito
um animal de carga. Deve ser feito para responder à vontade de
alguém.

"Mas a Força não pode ser tratada com respeito", acrescentou,


quando alguns tentáculos finais surgiram de suas pontas dos
dedos. "Para convocar e usar o raio adequadamente, um dia você
terá que receber o poder que recebe, como forma de absorver a
energia dentro de si."
Sidious viu o último incêndio queimar e depois disse: "Acabarei
me transformando fisicamente?"
- Em algum monstro envelhecido, de pele pálida, voz rouca
e olhos amarelos , você quer dizer. Como o que você vê diante de
você. Plagueis fez um gesto para si mesmo, depois se abaixou no
chão. “Certamente você conhece o folclore: rei Ommin de Onderon,
Darths Sion e Nihilus. Mas se isso vai acontecer com você, não sei
dizer. Saiba, porém, Sidious, que o poder do lado sombrio não
debilita tanto o praticante quanto debilita quem não o tem. ” Ele
sorriu com um propósito maligno. "O poder do lado sombrio é uma
doença da qual Sith verdadeiro não gostaria de ser curado."
Em Hypori, eles eram a presa, de pé lado a lado, com suas vestes
pretas de capuz de zeyd no centro de anéis concêntricos de dróides,
adaptados pela Baktoid Armor para funcionar como autômatos de
combate. Duzentos agressores programados - bípedes, pisados,
alguns levitados por geradores antigravos - armados com uma
variedade de armas, variando de explosivos manuais a rifles
de cano curto . Plagueis não havia permitido que seu jovem aprendiz
usasse um sabre de luz até alguns anos antes, mas Sidious estava
brandindo um agora, autoconstruído de liga phrik e aurodium, e
alimentado por um cristal sintético. Feito para mãos delicadas e de
dedos longos - tanto uma obra de arte quanto uma arma - o sabre de
luz vibrava enquanto ele acenava com a lâmina de um lado para o
outro na frente dele.
"Toda arma, fabricada por qualquer espécie, tem suas próprias
propriedades e peculiaridades", dizia Plagueis, com a própria lâmina
inclinada em direção ao piso ferrocrete da paisagem urbana
fabricada da batalha, como se quisesse acender um pavio. “Alcance,
poder de penetração, taxa de atualização ... Em alguns casos, sua
vida pode depender da sua capacidade de se concentrar na arma e
não no manejador. Você deve treinar-se para identificar uma arma
instantaneamente - seja um produto da BlasTech ou Merr-Sonn,
Tenloss ou Prax - para que você saiba onde se posicionar e as várias
maneiras de melhor refletir um raio bem direcionado . ”

Plagueis colocou suas palavras em ação quando o primeiro anel


de dróides começou a convergir para eles, cambaleando o ataque e
provocando explosões aleatoriamente. Orbitando Sidious, a lâmina
do Muun protegia todas as saraivadas, devolvendo os raios às suas
fontes ou desviando-os para as fachadas dos edifícios falsos que os
cercavam ou para outros dróides. Em outros momentos, Plagueis
não fez nenhuma tentativa de redirecionar os ataques, mas
simplesmente torceu e apertou seu corpo esguio, permitindo que os
raios o atingissem por centímetros. Ao redor dos dois Sith, o
autômato desmoronou um após o outro, jorrando lubrificantes de
reservatórios furados ou explodindo em uma série de peças de liga,
até que todos estivessem amontoados no chão de ferrocrete.

"O próximo anel é seu", disse Plagueis.


Hypori robusto e desabitado pertencia à União Techno, cujo chefe
de Skakoan, Wat Tambor, devia seu assento no Senado da República
à Damask Holdings. Em troca, o humanóide biônico havia
disponibilizado Hypori como campo de treinamento para membros
da Guarda Solar Echani e fornecido os dróides de batalha
necessários. Chamando outro favor, Hego Damask havia solicitado
uma sessão privada na paisagem urbana fabricada, para que
Plagueis e seu aprendiz pudessem ter liberdade de empregar
sabres de luz - embora apenas com o objetivo de desviar raios, em
vez de desmembrar ou penetrar.
Quando chegou a vez de Sidious demonstrar sua habilidade,
Plagueis falou continuamente por trás dele, acrescentando distração
à possibilidade distinta de desintegração inadvertida.
“Um ser treinado nas artes da matança não espera que você o
consiga como alvo ou se estabeleça como um oponente, como se
estivesse em algum concurso de artes marciais. Suas reações
devem ser instantâneas e nada menos que letais, pois você é um
Lorde Sith e será marcado para a morte.
Os dróides continuaram a convergir, anel após anel, até o chão
estar cheio de cascas de fumo. Plagueis emitiu um comando de voz
que levou o ataque a um fim abrupto e desativou seu sabre de luz. O
toque das armas de resfriamento, o assobio do gás escapando, o
zunido instável dos servomotores em falha pontuaram o silêncio
repentino. Membros de liga espasharam e fotorreceptores
desapareceram, entregando seu brilho misterioso. O ar reciclado
estava podre com o cheiro de circuitos fritos.
"Deleite seus olhos em nossa obra", disse Plagueis, gesticulando
amplamente.
Sidious desligou a arma. "Não vejo nada além de dróides
arruinados."

Plagueis assentiu. “Darth Bane aconselhou: Um dia a República


cairá e os Jedi serão exterminados. Mas isso vai

não acontecerá até que estejamos prontos para tomar esse poder por
nós mesmos. "

"Quando?" Sidious disse. "Como saberemos quando é a hora


certa?"

“Estamos perto de saber. Por mil anos, os Sith se deixaram reduzir


ao status de folclore. Como serve a nossos propósitos, não fizemos
nada para contrariar a crença de que somos perversões dos Jedi,
magos do mal, encarnações de ódio, raiva e sede de sangue,
capazes até de deixar o resíduo de nossas ações maléficas e ações
covardes em lugares de poder. . ”
"Por que ainda não visitamos esses lugares, mestre - em vez de
mundos como Buoyant e Hypori?"
Darth Plagueis olhou para ele. "Você é impaciente. Você não vê
valor em aprender sobre armas ou explosivos, sugestões de força
ou artes de cura. Você anseia por poder do tipo que imagina ser
encontrado em Korriban, Dromund Kaas, Zigoola. Então deixe-me
contar o que você encontrará nesses relicários: Jedi, caçadores de
tesouros e lendas. É claro que existem túmulos no Vale dos Lordes
das Trevas, mas foram saqueados e agora atraem apenas turistas.
Em Dxun, Yavin Four, Ziost, o mesmo é verdade. Se é a história que
mais te atrai, posso mostrar-lhe cem mundos nos quais símbolos
esotéricos de Sith foram tecidos secretamente na arquitetura e
cultura, e posso aborrecê-lo por anos com histórias das façanhas de
Freedon Nadd, Belia Darzu, Darth Zannah, que supostamente teria
infiltrado o Templo Jedi, e de naves estelares imbuídas da
consciência Sith. Sidious, esse é seu desejo de se tornar um
acadêmico?

"Gostaria apenas de aprender, mestre."


“E você também. Mas não de fontes falsas. Não somos um culto
como os Feiticeiros de Tund dos Tetsu. Descendentes de Darth
Bane, somos os poucos selecionados que se recusam a ser
carregados pela Força e que a carregam - trinta em um milênio, em
vez das dezenas de milhares de pessoas que são Jedi. Qualquer
Sith pode fingir compaixão e justiça própria e dominar os Jedi

artes, mas apenas um em cada mil Jedi poderia se tornar um Sith,


pois o lado sombrio é apenas para aqueles que valorizam o
autodeterminismo sobre tudo o que a existência oferece. Somente
uma vez nesses últimos mil anos um Senhor Sith se desviou para a
luz, e um dia eu vou lhe contar essa história. Mas, por enquanto,
lembre-se do fato de que a Regra dos Dois de Bane foi, no início,
nossa graça salvadora, pondo fim ao conflito interno que permitiu
que a Ordem Jedi ganhasse vantagem. Parte de nossa tarefa
contínua será caçar e eliminar qualquer pretendente de Sith que
represente uma ameaça aos nossos objetivos finais. ”
Sidious permaneceu em silêncio por um longo momento. "Devo
ser igualmente desconfiado das lições contidas nos Sith
Holocrons?"
"Não desconfiado", disse Plagueis gravemente. “Mas os holocrons
contêm conhecimento específico e idiossincrático para cada Sith
que os construiu. O conhecimento real é passado pelo Mestre para o
aprendiz em sessões como essa, onde nada é codificado ou
registrado - diluído - e, portanto, não pode ser esquecido. Chegará
um momento em que você poderá consultar os holocrons dos
Mestres passados, mas até então seria melhor não ser influenciado
por eles. Você deve descobrir o lado sombrio à sua maneira e
aperfeiçoar seu poder à sua maneira. Enquanto isso, tudo o que
posso fazer é ajudar a impedir que você se perca enquanto nos
escondemos à vista dos olhares indiscretos de nossos inimigos.
" 'Que corpo celeste é mais luminoso que uma singularidade'",
recitou Sidious, "'escondendo-se à vista de todos, mas mais
poderoso que todos?' "
Plagueis sorriu. "Você está citando Darth Guile."
“Ele continua comparando os Sith a uma célula nociva ou maligna,
pequena demais para ser descoberta por exames ou outras
técnicas, mas capaz de se espalhar silenciosa e letalmente através
de um sistema. Inicialmente, a vítima simplesmente não se sente
bem, depois fica doente e finalmente sucumbe. ”

Plagueis fixou os olhos nele. “Considere a mentalidade de um


anarquista que planeja se sacrificar por uma causa. Para

Nas semanas, meses, possivelmente anos que antecederam o dia


em que ele prende um detonador térmico no peito e executa sua
tarefa, ele viveu e foi fortalecido pelo segredo que carrega, sabendo
o preço que seu ato levará. O mesmo aconteceu com os Sith,
residindo em um local secreto e sagrado de conhecimento por mil
anos, e sabendo o preço que nossos atos terão. Isso é poder,
Sidious. Onde os Jedi, por outro lado, são como seres que, enquanto
se movem entre os saudáveis, mantêm em segredo o fato de
estarem morrendo de uma doença terminal.

- Mas o verdadeiro poder não precisa carregar garras ou presas,


nem se anunciar com rosnados e latidos guturais, Sidious. Pode
subjugar com algemas de shimmersilk, carisma proposital e astúcia
política. ”

***
A localização do planeta conhecida pelos Sith como Kursid havia
sido extinta dos registros da República em tempos distantes e, nos
últimos seiscentos anos, havia sido reservada para uso como local
de espetáculo. Mestres e aprendizes da linhagem Bane tinham
visitado com regularidade suficiente que um culto havia surgido
naquela parte do mundo com base no retorno periódico dos
visitantes do céu. Os Sith não se preocuparam em investigar o que
os humanóides indígenas de Kursid pensavam sobre as visitas - se
em seus sistemas de crenças os Sith eram considerados o
equivalente a divindades ou demônios - já que era improvável que os
primitivos ainda tivessem nomeado seu mundo. No entanto,
visitando como aprendiz e - mais frequentemente do que não - como
Mestre, cada Lorde Sith havia comentado sobre o lento avanço da
civilização de Kursid. Como, nas primeiras visitas, os primitivos
haviam se defendido com tacos de guerra de madeira e pedras lisas
lançadas de fundas. Duzentos anos depois, muitos dos pequenos
assentamentos haviam crescido para se tornar cidades ou centros
cerimoniais construídos em pedra talhada, com classes sociais de
governantes e sacerdotes, comerciantes e guerreiros. Gradualmente,
as cidades foram cercadas por armas de longo alcance

de uma espécie grosseira, e símbolos mágicos de guardiões tinham


sido estampados nos lados inclinados das muralhas defensivas. Em
algum momento anterior à visita de Darth Tenebrous como aprendiz,
réplicas dos navios Sith haviam sido construídas no centro do árido
platô que servia de campo de batalha, e enormes figuras totêmicas
- visíveis apenas de cima - foram delineadas removendo dezenas de
milhares de pedras vulcânicas do primeiro tamanho que cobriam o
chão. Na primeira visita de Plagueis, cinquenta anos antes, os
guerreiros que ele e Tenebrous enfrentaram estavam armados com
arcos longos e lanças com ponta de metal .

O fato de os Sith nunca terem exigido outra coisa senão a batalha


não impediu os primitivos de tentar adotar uma política de
apaziguamento, deixando no local de desembarque perpétuo
alimentos, vítimas de sacrifício e obras daquilo que consideravam
arte, forjados com materiais que eles consideravam arte. mantido
precioso ou sagrado. Mas os Sith simplesmente ignoraram as
ofertas, esperando na planície pedregosa que os primitivos
empregassem seus guerreiros, como fizeram os primitivos agora
com Plagueis e Sidious esperando.
Anunciando a chegada deles com baixas corridas pela cidade,
eles pousaram o navio e esperaram por seis dias, enquanto os
apitos tristes de buzinas moviam a respiração perturbando os
silêncios secos, e grupos de primitivos haviam se reunido nas
colinas que negligenciou o campo de batalha.
"Você se lembra do que Darth Bane disse sobre o assassinato de
inocentes?" Plagueis perguntou.
“Nossa missão,” Sidious parafraseou, “não é levar a morte a todos
aqueles que não gostam de viver. Tudo o que fazemos deve servir
ao nosso verdadeiro propósito - a preservação de nossa Ordem e a
sobrevivência dos Sith. Devemos trabalhar para aumentar nosso
poder e para conseguir isso, precisaremos interagir com indivíduos
de muitas espécies em muitos mundos. Eventualmente, a palavra de
nossa existência chegará aos ouvidos dos Jedi. ”

Para se abster de assassinatos sem sentido, eles usavam piques


de força em vez de sabres de luz. Armas brancas de um
metro de comprimento usadas por

os Echani e transportados pela Guarda do Senado, os piques foram


equipados com dicas de módulos de atordoamento capazes de
causar um choque que poderia sobrecarregar o sistema nervoso da
maioria dos pacientes, sem causar danos permanentes.
"As próximas horas testarão os limites de sua agilidade,
velocidade e precisão", disse Plagueis, como várias centenas dos
maiores, mais valentes e mais habilidosos guerreiros - seus corpos
pintados com pigmentos derivados de plantas, argila e solo -
começaram a se separar das multidões. “Mas isso é mais do que
um simples exercício de proficiência; é um rito de passagem para
esses seres, pois eles são assistentes em nossa ascensão ao poder
supremo e, portanto, servos do lado sombrio da Força. Séculos a
partir de agora, avançados pelos Sith, eles podem nos confrontar
com armas de projéteis ou raios de energia. Mas então já teremos
evoluído, talvez, além da necessidade desse rito e, em vez disso,
iremos honrar, em vez de enfrentá-los na batalha. Pelo poder,
obtemos vitória e, através da vitória, nossas correntes são
quebradas. Mas o poder é apenas um meio para um fim. ”

Ao clamoroso tamborilar dos tambores e aos lamentos dos


espectadores, os guerreiros brandiram suas armas, deram um grito
ensurdecedor de guerra e atacaram. Um aceno de Plagueis, e os
dois Sith dispararam pela planície para encontrá-los, voando entre
eles como espectros, escapando de flechas, pontas de lança
reluzente e sopra dos machados de batalha, indo um contra um,
dois ou três, mas derrotando o oponente depois que o oponente
bateu com os golpes dos piques de força, até entre as centenas de
corpos espasmódicos e agitados esparramados no chão áspero,
apenas um ficou em pé.
Foi quando Plagueis jogou para o lado a lança atordoada e
acendeu sua lâmina carmesim, e um lamento coletivo surgiu das
multidões nas encostas.
"Execute um, aterrorize mil", disse ele.
Arremessando o guerreiro ao chão com um empurrão da Força,
ele usou o sabre de luz para abrir habilmente o peito do primitivo

cavidade; então ele alcançou uma mão dentro e extraiu seu coração
ainda batendo.
O lamento da multidão atingiu um tom febril quando ele levantou
o coração bem alto; então terminou abruptamente. Após um
prolongado momento de silêncio, os guerreiros caídos foram
ajudados do campo de batalha e as multidões começaram a se
dispersar, desconsoladas, mas encorajadas pelo fato de terem
cumprido seu dever. Buzinas soaram e um canto comunal que era
ao mesmo tempo sombrio e comemorativo foi levado pelo vento. Na
cidade principal, uma estela de pedra seria esculpida e erguida para
a morta, e a contagem do dia começaria até o retorno dos Sith.

Plagueis colocou o coração imóvel no peito do primitivo e usou a


barra da túnica para limpar o sangue da mão e do antebraço.

“Ao mesmo tempo, embora eu reconhecesse que os Muuns são


uma classe superior de seres, fiquei intrigado com o fato de que os
seres abandonariam seus assentos por mim ou entrariam na lama
para me permitir passar. Mas, no início de meu aprendizado, percebi
que as espécies de lumpen estavam me dando espaço não porque
eu era um Muun, mas porque, de fato, era superior a elas em todos
os aspectos. Mais, que eles deveriam, por todos os direitos, permitir-
me passar não apenas por eles, mas por eles para chegar onde eu
precisava estar, porque os Sith são sua salvação, sua única
esperança real. Por finalmente melhorarmos a vida de seus
descendentes, eles nos devem toda cortesia, sacrifício, nada menos
que suas próprias vidas.
“Mas há tempos sombrios pela frente para muitos deles, Sidious.
Uma era de guerra necessária para purgar a galáxia daqueles que a
deixaram decair. Pois a decadência não tem cura; tem que ser
erradicada pelas chamas de um incêndio de limpeza. E os Jedi são
os principais culpados. Prejudicados pela empatia, algemados à
obediência - aos seus Mestres, ao seu Conselho, à sua querida
República - eles perpetuam um mito de igualdade, servindo a Força
como se fosse um sistema de crenças que lhes foi programado.
Com a República eles são como

pais indulgentes, permitindo que seus filhos experimentem escolhas


sem conseqüências e apoiando o erro apenas para manter a
unidade da família. Tropeçando em suas próprias vestes,
apressando-se em defender um governo galáctico que se deteriora
há séculos. Quando, em vez disso, deveriam proclamar: sabemos o
que é melhor para você .

“A galáxia não pode ser definida no curso apropriado até que a


Ordem Jedi e a República corrupta sejam derrubadas. Somente
então os Sith podem começar o processo de reconstrução a partir
do zero. É por isso que incentivamos as rivalidades do sistema
estelar e os objetivos de qualquer grupo que visa fomentar o caos e
a anarquia. Porque a destruição de qualquer tipo promove nossos
próprios objetivos. ”
Plagueis parou para pegar o coração do guerreiro de volta em
suas mãos.

“Através de nós, os poderes do caos são aproveitados e


explorados. Tempos sombrios não surgem simplesmente, Sidious.
Seres iluminados, inteligências orientadoras manipulam eventos
para provocar uma tempestade que entregará poder às mãos de um
grupo de elite disposto a fazer as escolhas difíceis que a República
teme fazer. Os seres podem eleger seus líderes, mas a Força nos
elegeu. ”
Ele olhou para o aprendiz. “Lembre-se, porém, que um político
astuto é capaz de causar mais estragos que dois senhores Sith
armados com vibradores, sabres de luz ou lanças. É isso que você
deve se tornar, comigo aconselhando-o do escuro.
"Nós somos grandes o suficiente?" Sidious disse.
"Você deveria perguntar, somos brutos o suficiente?" Plagueis deu
um sorriso. “Não estamos vivendo em uma era de gigantes, Sidious.
Mas, para ter sucesso, precisamos nos tornar animais.
Dando uma mordida no coração do guerreiro, ele passou o órgão
cheio de sangue para seu aprendiz.
14: A FORMA DA SUA SOMBRA

"Você parece gostar do bife, embaixador Palpatine."

"Requintado", disse ele, mantendo o olhar dela por uma fração


mais do que poderia ter sido solicitado.
Trabalhando em seu terceiro copo de vinho desde o início do
jantar, ela interpretou o sorriso pronto dele como permissão para se
voltar totalmente para ele. "Não é muito gamy?"
"Dificilmente um traço da natureza."
Uma beleza humana de cabelos escuros e grandes olhos azuis,
ela estava de alguma forma ligada ao consulado do Eriaduan em
Malastare - anfitrião da gala na qual os vencedores do Dug do Vinta
Harvest Classic estavam sendo celebrados.
"Você está em Malastare para negócios ou lazer?"
"Por sorte, ambos", disse Palpatine, batendo nos lábios com um
guardanapo. "Kinman Doriana e eu somos membros do partido do
senador Kim."
Ele indicou o jovem barbeado e levemente careca no assento
adjacente.
"Encantada", disse a mulher.
Doriana sorriu amplamente. "Você não está brincando."
Seu olhar foi para a mesa vizinha, onde Vidar Kim estava sentado
com membros do Gran Protetorado e políticos das proximidades de
Sullust, Darknell e Sluis Van.
"O senador Kim é o mais alto com a barba pitoresca?" "Não, ele é o
único com as três oculares", disse Doriana. A mulher piscou,
depois riu com ele. "Um amigo de
o meu estava perguntando sobre o senador Kim antes. Ele é
casado?" "Por muitos anos e feliz", disse Palpatine.
"E você?" ela disse, virando-se para ele novamente.

"Viagens frequentes proíbem isso."


Ela o observou por cima da borda do copo de vinho. "Casado com
a política, é isso?"
"Para o trabalho", disse ele.
"Para o trabalho", disse Doriana, erguendo o copo em um brinde.
Com apenas 28 anos, Palpatine usava cabelos ruivos compridos,
a tradição dos estadistas de Naboo, e se vestia impecavelmente.
Muitos que encontraram o embaixador o descreveram como um
jovem articulado e carismático, de bom gosto refinado e força
tranquila. Um bom ouvinte, temperamental, politicamente astuto,
surpreendentemente bem informado para alguém que só estava no
jogo há sete anos. Um patrício numa época em que poucos podiam
reivindicar o título e estavam destinados a ir longe. Também viajou
bem, cortesia de sua posição como embaixador geral de Naboo,
mas também como o único herdeiro sobrevivente da riqueza da
Casa Palpatine. Long se recuperou da tragédia que atingira sua
família mais de uma década antes, mas talvez como resultado de
ficar órfão aos dezessete anos, um tanto solitário. Um homem cujo
amor à solidão periódica sugeria um lado oculto à sua
personalidade.

"Diga-me, embaixador", disse ela, enquanto pousava o copo. "Você


é um daqueles homens com um amigo em todos os espaçoporto?"
"Estou sempre ansioso para fazer amigos", disse Palpatine em
tom baixo e monótono que trouxe cor repentina ao rosto. "Somos
parecidos dessa maneira."
Tomando o lábio inferior brilhante entre os dentes, ela pegou o
copo de vinho mais uma vez. "Você talvez seja um leitor de mentes
Jedi disfarçado em roupas de embaixador?"
"Qualquer coisa menos."
"Muitas vezes me pergunto se eles têm relacionamentos
secretos", disse ela em uma voz conspiratória. "Galivando ao redor
da galáxia, usando a Força para seduzir seres inocentes."

"Eu não saberia, mas sinceramente duvido", disse Palpatine.

Ela olhou para ele de maneira calculista e levantou a mão para


acariciar o queixo dele com um dedo bem cuidado. "Em Eriadu,
alguns acreditam que uma fenda no queixo identifica alguém que a
Força afastou."
"Apenas a minha sorte", disse ele com seriedade falsa.
"Apenas sua sorte, de fato", disse ela, deslizando um
cartão de felicitações sobre a mesa em sua direção. - Tenho deveres
de hostess, embaixador. Mas estou livre depois da meia-noite.
Palpatine e Doriana a observaram se afastar da mesa, oscilando
levemente nos saltos altos.
"Bem jogado", disse Doriana. "Estou fazendo anotações." Palpatine
deslizou o cartão de visita em sua direção. "Um presente."
"Quando você ganhou?" Doriana balançou a cabeça. "Eu não estou
tão desesperado. No entanto, de qualquer maneira.
Os dois riram. O sorriso envolvente e a boa aparência inocente de
Doriana desmentiam uma personalidade sinistra que o levara ao
conhecimento de Palpatine vários anos antes. Naboo, ele tinha um
passado conturbado e, talvez como conseqüência, talentos que o
tornavam útil. Então Palpatine o fez amizade e clandestinamente o
atraiu para sua teia, de acordo com as instruções de Plagueis de que
ele sempre fica atento a aliados e possíveis conspiradores. O fato de
Doriana não ser forte na Força não fez diferença. Em onze anos de
aprendizado Sith e de viajar para longe na galáxia, Palpatine ainda
não encontrara um único ser cuja força na Força não tivesse sido
reconhecida ou não explorada.

Na mesa vizinha, Vidar Kim e o resto estavam se divertindo, sua


privacidade garantida pelo guarda - chuva transparente e silencioso
da mesa . A inveja roeu Palpatine enquanto ele observava Kim ... a
posição que ele gozava no Senado Galáctico, a publicação no
Coruscant, acesso fácil à elite da galáxia. Mas ele sabia que
precisava esperar seu tempo; que Plagueis o levaria para a capital
galáctica somente quando houvesse boas razões para fazê-lo.

Tantas vezes como Plagueis sustentava que a Regra dos Dois


terminara com sua parceria, o Muun continuava sendo o poderoso, e
Palpatine o cobiçoso. Não obstante o ditado de Bane, a negação
ainda era um fator-chave no treinamento de Sith; um fator chave
para ser "quebrado", como Plagueis disse - de ser moldado pelo lado
sombrio da Força. Cruelmente, às vezes, e dolorosamente. Mas
Palpatine estava agradecido, pois a Força o havia lentamente
transformado em um ser de poder das trevas e concedido a ele uma
identidade secreta também. A vida que ele levava - como o nobre
chefe da Câmara Palpatine, legislador e, mais recentemente,
embaixador geral - nada mais era do que as armadilhas de um alter
ego; sua riqueza, um subterfúgio; seu rosto bonito, uma máscara. No
reino da Força, seus pensamentos ordenaram a realidade, e seus
sonhos prepararam a galáxia para mudanças monumentais. Ele era
uma manifestação de propósito obscuro, ajudando a avançar o
Grande Plano Sith e gradualmente ganhando poder sobre si mesmo,
para que um dia - nas palavras de seu Mestre - fosse capaz de
ganhar controle sobre outro, depois um grupo de outros, então uma
ordem, um mundo, uma espécie, a própria República.

O cotovelo de Doriana o cutucou de seu devaneio.


"Kim está vindo."
"Não pense que não vi isso", disse o senador quando chegou a
Palpatine.
Palpatine mostrou seu talento.
"O cartão de visita que aquela mulher lhe deu", disse Vidar.
Suponho que você a entreteve com os contos altos de sempre.
Palpatine encolheu os ombros de uma maneira inocente. "Eu
posso ter dito algo sobre conhecer a galáxia."
“Conhecer as mulheres da galáxia, ele quer dizer,” Doriana
interrompeu.
Kim riu com vontade. "Como é que eu tenho assistentes que
deixam rastros de conquistas e um filho que medita sobre a Força
no templo Jedi?"
“Isso é o que faz você se sentir tão bem”, disse Doriana. Mais do
que Plagueis, Kim havia sido o mentor de Palpatine
na esfera da política mundana. O relacionamento deles foi

há quinze anos, quando Palpatine havia sido matriculado à força em


uma escola particular em Theed, e Kim havia acabado de completar
seu período no programa Legislador Aprendiz. Desde então,
Palpatine viu a família de Kim crescer e incluir três filhos, um dos
quais - Ronhar, seis anos mais novo de Palpatine - fora entregue à
Ordem Jedi quando criança. Quando Plagueis soube disso, ele
incentivou Palpatine a permitir que sua amizade com Kim se
aprofundasse, na expectativa de que mais cedo ou mais tarde seus
caminhos e Jedi Ronhar se cruzassem.
Ordene o futuro atendendo-o com seus pensamentos , o Mestre
dele freqüentemente lhe dizia.
"Venha se juntar a nós na mesa", Kim estava dizendo. Palpatine se
levantou e deu um passo ao lado de Kim enquanto se dirigia
de volta para a mesa maior.
"Um dia você estará me substituindo neste trabalho", disse o
senador em voz baixa, "e quanto mais cedo você se acostumar com
o que acontece, melhor." Ele suspirou com propósito. "Quem sabe,
algumas horas de fofocas senatoriais podem até ser suficientes
para impedir você de entrar na política galáctica por completo".
Algumas dúzias de seres foram agrupadas em um círculo, todos
masculinos, mas não humanos. As cadeiras de destaque foram
ocupadas pelo senador do Gran Protetorado, Pax Teem, e seu
assessor, Aks Moe. Dos dois lados estavam sentados os senadores
Sullustan e Sluissi. Também estavam presentes o senador do
Eriaduan Ranulph Tarkin e seu assessor, Bor Gracus; o embaixador
Darknell; e Dugs, o chefe Cabra - um Black Sun Vigo - e seu filho,
Darnada, convidados dos vencedores do Podrace e participantes do
mais recente Gathering on Sojourn.

Até então, Palpatine já havia feito três visitas à Lua dos


Caçadores, mas apenas para observar e se familiarizar com alguns
dos principais atores da galáxia. Plagueis, como Hego Damask, fez
um grande esforço para evitar ser identificado como benfeitor de
Palpatine. Somente o ministro-chefe do rei Tapalo, Ars Veruna, sabia
que Damask o estava preparando para uma carreira em

política galáctica e, como um favor pessoal ao Muun, havia


nomeado embaixador de Palpatine Naboo.
"Ah, sangue novo", observou Pax Teem depois que Kim apresentou
Palpatine a todos.
"Gostei bastante dos Podraces", disse Palpatine enquanto se
sentava.

As orelhas em forma de folha de Teem se contraíram. - Você é


jovem demais para testemunhá-los em seus dias de glória,
embaixador. Antes de Tatooine conseguir capturar a fantasia dos
entusiastas da raça. O Gran pronunciou Tatooine como se fosse
uma execração.
Palpatine sabia que Plagueis tinha sido responsável pela
ascensão de Tatooine, bem como por enfraquecer o comércio
outrora lucrativo de Malastare em combustível, ajudando a
disponibilizar os recursos de plasma de Naboo para muitos mundos.
"Seus deveres o levaram a esse lugar horrível?" Aks Moe
perguntou.
Palpatine assentiu enquanto se sentava. "Apenas dois
meses atrás." "E como você achou isso?" Disse Cabra.
Palpatine virou-se para o chefe do crime Dug. “Contencioso. O que
os Desilijic e Besadii Hutts disputam pelo controle.
A declaração encontrou murmúrios de concordância.
Teem falou com isso. "Talvez a rivalidade de Gardulla com Jabba
Tiure resulte um dia no ressurgimento de Malastare." Os óculos dele
torceram em direção aos Dugs. "Embora eu tenha certeza de que o
chefe Cabra é a favor de Gardulla, por respeito à ajuda que ela
prestou a Nar Shaddaa."
O jovem Darnada se irritou com a observação. “Seja qual for a
marca que fizemos em Nar Shaddaa, fizemos por conta própria.
Pergunte a qualquer Sol Negro.

Ao detê-lo antes que ele pudesse continuar, Cabra disse: "Sempre


seremos gratos a Gardulla por seus esforços em nosso nome". Kim
observou os Dugs, depois fez um gesto negligente. “Tatooine é
muito remoto e sem lei para ter um impacto nos eventos galácticos,
em qualquer caso. São as atividades do Comércio
Federação que deveria interessar à República. Veja o que a
Federação fez com nosso próprio Naboo.
Kim se tornou o objeto do olhar de todos. Um crítico franco do rei
Tapalo e Ars Veruna, ele continuou a servir no Senado apenas como
um apaziguamento para as casas nobres que estavam alinhadas
contra o regente.
"Entendo que Naboo abraçou o acordo", disse Ranulph Tarkin.
" Alguns fizeram."
"Ninguém pode negar que seu mundo prosperou como resultado",
interveio Teem.
“Prosperado, sim”, disse Kim, “mas não na medida em que
deveria. Se não fosse pelos acordos que o Hego Damask
intermediou com o Clã Bancário, a Federação do Comércio e ... - Ele
olhou para Cabra. "- Construção de jantes externas , Naboo seria tão
rico quanto Kuat ou Chandrila."
O Dug permaneceu calado enquanto Kim continuava. "O plasma
de Naboo está sendo vendido por dez, às vezes vinte vezes o que a
Federação paga por ele."
"Um monstro de nossa própria criação", Tarkin murmurou. “A
Federação do Comércio não se tornou poderosa ao explorar a Orla
Exterior. Foi apoiado pela própria Casa Valorum de Eriadu e apoiado
por Tagge e outros. ”
"Então talvez tenha chegado a hora de tornar pública nossa
insatisfação", disse Kim, olhando ao redor da mesa. "Os Muuns são
meramente avarentos, mas a Federação do Comércio tem potencial
para se tornar perigosa."
"Eu concordo com o bom senador de Naboo", disse o delegado de
Sullustan. “Até agora, a Federação do Comércio procura acomodar
seus mundos clientes no Senado, como forma de fortalecer seu
bloco de votação. Mechis, Murkhana, Felucia, Kol Horo, Ord Cestus,
Yinchorr ... a lista continua.
O senador Sluissi emitiu um som de desaprovação e um tremor
pareceu serpentear através de seu tronco humanóide. “Não descarte
com muita leviandade o papel dos Muuns nisso tudo.

O assento no Senado de Yinchorr era responsabilidade da Damask


Holdings. Ele olhou para Cabra. "Não é esse o caso?"
Os poderosos ombros do Dug se ergueram. "Não estou em
posição de saber."
O riso dos outros levou Darnada a separar o focinho apenas o
suficiente para revelar as pontas de suas presas.
Os Sluissi olharam para Kim e Palpatine. "Talvez a Black Sun não
saiba que o filho do escritório de operações da Hego Damask
- Larsh Hill - está na linha de substituir Tonith como presidente do
Clã Bancário."
Tarkin apoiou os cotovelos na mesa e inclinou-se para a frente.
“Ouvi os rumores de que Damask se reuniu com os chefes das
guildas, a Corporate Alliance e a Techno Union. O que poderia
acontecer com o comércio - de qualquer tipo - se ele intermediasse
um acordo entre eles e a Federação do Comércio? ”
"Aqui está o ponto", disse Kim. "Se vamos impedir que a
Federação do Comércio - e os Muuns - reforcem seu controle sobre
o Senado, precisamos nos unir e votar para derrotar a legislação
proposta".
Antes que Kim pudesse acrescentar algo, Tarkin disse a Palpatine:
"Você concorda que a Federação do Comércio precisa ser reduzida,
Embaixador?"
Palpatine olhou para Kim, que disse: "Fale livremente". "O senador
Kim e eu estamos de pleno acordo sobre o assunto,
e já há algum tempo. Nenhuma entidade corporativa pode crescer
demais - especialmente à custa dos mundos em desenvolvimento.
Naboo deve salvaguardar seus interesses, assim como Eriadu,
Sullust e Sluis Van salvaguardaram os deles. ”
Tarkin observou-o atentamente. “A Naboo está preparada para
assumir o controle do transporte do plasma? Você não corre o risco
de morder a mão proverbial que o alimenta?
“Naboo não tem intenção de planetizar as instalações da
Federação do Comércio. Estamos simplesmente pressionando por
uma renegociação dos contratos originais. ”

Tarkin pensou sobre isso. "Então você acha que uma derrota no
Senado pode tornar a Federação do Comércio mais ... flexível, por
assim dizer."

Palpatine deu um sorriso fino. "Somente os projetos de lei que


apóiam uma regulamentação bem fundamentada devem obter
aprovação no Senado."
"Bem," disse Tarkin.
Palpatine esperou que alguém dissesse que ele não tinha nada de
essencial, mas ninguém o fez. Até Kim não conseguiu entender que
estava sendo prejudicado.
Pax Teem estava prestes a falar quando um mensageiro da Gran
invadiu o dossel da privacidade.
"Senador Kim, estamos recebendo um comunicado urgente de
Naboo."
Enquanto Kim estava se desculpando, Palpatine entrou na Força.
As conversas à mesa ficaram fracas, e as formas físicas de Pax
Teem e as outras se tornaram indistintas - mais como borrões de
energia lambente. Ele se manteve quieto quando um eco
perturbador o alcançou. No momento em que Kim voltou à mesa,
Palpatine já estava fora de seu assento e se apressava para
encontrá-lo.
"O que é isso? O que aconteceu?"
Kim olhou para ele como se fosse de outro mundo. Eles estão
mortos. Todos. Minha esposa, meus filhos ...
E ele caiu soluçando contra o ombro de Palpatine.

O funeral da família Kim foi tudo o que não foi para os Palpatines.
De acordo com a tradição, os corpos da esposa de Kim, dois filhos e
o piloto e co-piloto do navio foram devolvidos a Theed do local do
acidente na beira-mar Kaadara e cremados no Templo Funeral. Uma
procissão de centenas de líderes, liderada pelo rei Tapalo e seus
principais conselheiros, prosseguiu a pé do templo para a vizinha
Livet Tower, onde todos passaram um momento reunidos em torno
da Chama Eterna, contemplando a transitoriedade e a importância

de viver uma vida harmoniosa; depois, moveu-se com precisão


solene para as margens do rio Solleu, onde o senador, aflito ,
espalhou as cinzas e chorou abertamente enquanto a corrente os
carregava sobre o mergulho de Verdugo para as planícies além.
Após a cerimônia, os presentes se reuniram para expressar suas
condolências a Vidar Kim, que usava uma túnica verde profunda
sobre uma túnica preta. Quando chegou a vez de Palpatine, os dois
homens se abraçaram.

"Eu tenho apenas uma esperança para uma família, Palpatine,


uma esperança." Os olhos de Kim estavam vermelhos e cheios de
lágrimas. "Ronhar".
Palpatine comprimiu os lábios com incerteza. “Ele é um cavaleiro
Jedi, Vidar. A família dele é a ordem.
Kim foi insistente. “Eu preciso mais dele do que a Ordem precisa
dele. Só ele pode levar a linha de Kim para a frente, assim como
você um dia seguirá a linha de Palpatine.
Palpatine não disse nada.
Com o tráfico de veículos banido das ruas estreitas de Theed, a
cidade parecia quase como uma década antes, antes que leis
antiquadas fossem revogadas e a riqueza fizesse sua mágica
duvidosa; antes que os flash speeders e os dróides astromecânicos
R2 se tornassem a fúria, e modismos e modas - em roupas,
transporte e comida - surgiram do Core.
Os assassinatos de Cosinga e os outros deixaram Palpatine
emancipados e ricos. Embora interrogado por vários funcionários,
ele fora absolvido; sua história, seu álibi, aceito. Alguns dos nobres
influentes suspeitavam que Palpatine havia fornecido informações à
Damask Holdings para garantir a eleição de Bon Tapalo, mas a
maioria dos Naboo havia oferecido simpatia e apoio. Logo após a
ascensão de Tapalo ao trono, Palpatine havia vendido a propriedade
de Lake Country e alugado um apartamento em Theed, com uma
arte extra-sistema que havia chegado a Naboo dos mundos Core e
Mid Rim. Nos primeiros anos de sua aprendizagem em Darth
Plagueis, ele permaneceu em serviço público obrigatório

serviço; ele passou cinco anos no programa Legislador Aprendiz


antes de ser nomeado embaixador, após a reeleição de Tapalo.

Palpatine supôs que poderia ter feito lobby por uma posição mais
prestigiada, mas apenas com o risco de minar Plagueis. Igualmente
importante, um posto de alto status pode ter interferido em sua
capacidade de encontrar seu Mestre Sith em mundos remotos, onde
eles puderam ser observados juntos sem conseqüências.
Ao deixar Kim para o próximo enlutado da fila, ele notou Ars
Veruna se separando de um grupo que incluía os aliados de
Palpatine, Kinman Doriana e Janus Greejatus.
"Uma palavra, embaixador", disse Veruna quando se aproximou.
Palpatine permitiu-se ser guiado pelo cotovelo até
uma área de observação desocupada perto da ponte Solleu.
"Meu coração está com o pobre Vidar", começou Veruna.
Aproximadamente da mesma altura que Palpatine, ele usava uma
capa de brocado e um capacete alto. “Um acidente de nave estelar,
de todas as coisas. Alguém poderia pensar que uma tragédia dessa
natureza o teria obrigado a se aposentar da política, mas isso não
parece ser o caso. ” Apoiou os cotovelos na balaustrada de pedra e
olhou para o rio veloz . "Bem, você de todas as pessoas saberia
melhor do que a maioria dos efeitos de tais desenvolvimentos
imprevistos."
"Vidar está planejando retornar a Coruscant antes do final do
mês."
"Nos negócios do
Senado?" "Pessoal, eu
suspeito."
Veruna ficou pensativo e disse: "A última vez que você e eu
ficamos juntos foi na cerimônia inaugural do gerador de plasma". Ele
se virou para encarar Palpatine. "Você parece bem. Mudou, eu acho.
Das suas viagens.
"Ampliado", disse Palpatine.
"A mesma palavra que eu estava procurando." Veruna parou
brevemente. “Chegou ao meu ouvido que você causou uma boa
impressão em

O senador Ranulph Tarkin do setor de Seswenna quando você


esteve em Malastare recentemente.
Palpatine encolheu os ombros. "Eu não estava ciente."
“Ele gostou de ouvir suas opiniões sobre o plano da Federação do
Comércio de sediar alguns de seus clientes no Senado. Você
gostaria de elaborar o que disse a ele? Palpatine sorriu levemente.
“Não ofereci nada substantivo. No
Na verdade, eu estava apenas fazendo política. ”
Veruna assentiu conscientemente. "Estou muito aliviado ao ouvir
isso." Ele olhou em volta antes de continuar. “Como você bem sabe,
o rei e eu temos nossos acordos separados com a Federação do
Comércio. Agora, no entanto, somos forçados a levar em
consideração o descontentamento de nossos constituintes.
Infelizmente, a pessoa responsável pela eleição de Tapalo e a
popularidade continuada do nosso partido não vão gostar de ouvir
que Naboo planeja votar contra a própria legislação que a Damask
Holdings tem feito lobby para ver promulgada. ”

"Eu posso apreciar sua situação", disse Palpatine. "Por que não
ordenar que o senador Kim vote a favor da Federação do Comércio?"
Veruna riu brevemente. “Seria tão simples assim. O problema é
que Kim conhece nossos acordos separados e pretende usar essa
oportunidade para enviar uma mensagem à Federação do Comércio
- bem como aos detratores de Tapalo - de que Naboo não se
permitirá mais ser explorado. ” Ele inalou profundamente. "Lembrá-lo
de Coruscant seria o mesmo que admitir que Naboo permanece à
mercê da Federação do Comércio e pode comprometer nossa
posição com muitos dos mundos comerciais dos quais
dependemos."
Palpatine fingiu considerar. "Talvez valerá a pena arriscar votar
contra a Federação do Comércio".
Veruna o estudou com interesse repentino. "Continue." “Se a
legislação é promulgada ou se envolve
no procedimento, os contratos da Naboo com a Federação do Comércio

permanecerá obrigatório e inalterável. A Federação continuará


adquirindo nosso plasma por escassos créditos e comercializando-
o por preços inflados. Mas Naboo estará pelo menos no registro
público como tendo enfrentado os conglomerados galácticos. ”
"Mais política, é isso?"
Palpatine balançou a cabeça de um lado para o outro, mas não
disse nada.

"E o Magister Damask?"


“Surpreenda-o antecipadamente. Ele não é irracional.

Veruna acariciou sua barba, pensativo. "Isso pode funcionar." Ele


sorriu maliciosamente. "É uma pena que Naboo já tenha voz no
Senado."

Palpatine fungou. “Se a oportunidade surgir, eu naturalmente


aceitaria. Mas até então, estou contente em servir do meu jeito. ”
"Sirva Naboo." "Quem
ou o que mais?"
Veruna esfregou as mãos. "Um dia, se eu puder, nosso Corpo
Espacial incluirá uma frota rápida de combatentes núbios capazes
de expulsar a Federação do Comércio de nosso sistema".
"Eu também prevejo o dia", disse Palpatine.
Veruna riu de novo. Ah, mas quando? Quanto tempo teremos que
esperar, Palpatine?
"Somente até o Hego Damask lhe conceder o trono."
15: QUANTUM SER

Um presente para Damask do Conselho de Anciãos por ocasião do


assento de Yinchorr no Senado, o imponente assassino reptiliano
condenado foi para o centro do campo de energia que definiu sua
gaiola em Aborah e, com confusão contorcendo as feições de seu
rosto de bico, prostrou-se no chão permacreto e murmurou no Basic:
"Sinto-me honrado por estar aqui e por executar as tarefas que você
precisar de mim".
Parado no perímetro cintilante do campo, 11-4D girou a cabeça na
direção de Plagueis. “Parabéns, Magister. Por fim, ele responde à
sua sugestão. Você minou a decisão dele.

Essa determinação , aprendeu Plagueis após mais de dois anos de


experimentação no Yinchorri, era de fato uma espécie de bolha da
Força formada pelo número limitado de alienígenas anormalmente
parecidos com tartarugas, de alienígenas
parecidos com tartarugas . Isso sugeria que o Yinchorri era
realmente forte na Força, apesar de sua contagem lamentávelmente
baixa. A descoberta veio como um avanço, e Plagueis ainda estava
lutando com as implicações.

A bolha da Força em si era semelhante àquelas geradas por


criaturas que se baseavam na Força para evitar a predação de
inimigos naturais. A relação entre o ysalamir arbóreo e seu
adversário, o vornskr, forneceu um exemplo curioso, pois o último
era atraído pelo primeiro pelo próprio mecanismo que o ysalamir
empregava como defesa. Quando um extremamente baixo
midi-chlorian contagem pode ter reforçado as chances de
sobrevivência, a natureza tinha em vez feita a espécie ysalimir fortes
na Força. Tão forte, de fato, que vários

as criaturas agindo em conjunto poderiam criar uma bolha da Força


que abrange quilômetros, em vez de metros. Em certo sentido, a
Ordem Jedi havia feito o mesmo em escala galáctica, acreditava
Plagueis, banhando a galáxia na energia do lado claro da Força; ou
mais precisamente, criando uma bolha da Força que impedira a
infiltração pelo lado sombrio, até que o Mestre de Tenebrous
conseguiu explodir a bolha, ou pelo menos encolhê-la. Como as
ações da Ordem podiam ser pensadas como um equilíbrio da Força
havia embasado gerações de Sith, que não abrigavam ilusões
quanto à capacidade da Força de se auto-regular.
O ex-condenado de Yinchorri não foi a única nova adição às
instalações da ilha de Plagueis. Nos onze anos que se passaram
desde a captura de Venamis e o recrutamento de Sidious, Plagueis
havia coletado mais de uma dúzia de seres de diversas espécies e
os havia submetido a uma ampla gama de experimentos envolvendo
volição, telepatia, cura, regeneração e extensão da vida, com alguns
resultados promissores. Quanto ao Bith would-be Lorde Sith, ele
estava vivo e bem, embora em coma mantida na maioria das vezes,
e sempre sob os fotorreceptores atento de 11-4D ou uma série de
dróides de custódia.
Plagueis não tinha perdido o interesse em Venamis de forma
alguma, mas a imunidade dos Yinchorri à sugestão da Força - uma
imunidade que as espécies compartilhavam com Hutts, Toydarians
e outros - lhe proporcionou uma nova linha de investigação. Ao
contrário de ysalamiri, que criou uma bolha da Força na presença de
perigo, os Yinchorri estavam em um estado perpétuo de imunidade
involuntária à sugestão da Força. O fato de que a imunidade estava,
de certo modo, conectada a eles significava que a habilidade era
uma adaptação, motivada por uma ameaça passada à sobrevivência
da espécie. Para Plagueis, isso significava que os midclorianos dos
Yinchorri haviam evoluído para fornecer proteção a uma espécie que
era naturalmente forte na Força. Se esse era realmente o caso, os
Yinchorri eram a prova viva de que os Sith da linha Bane estavam no
caminho certo desde o início.

Pois, enquanto derrubar a Ordem Jedi e a República era essencial


para a tarefa de restaurar a ordem na galáxia, esse objetivo
pertencia ao reino do comum - ao mundo que nada mais era do que
um subproduto da eterna luta entre a luz e as trevas. forças, que
estavam além de qualquer conceito de bem ou mal. O objetivo maior
dos Sith envolvia derrubar a própria Força e se tornar a
personificação do princípio de animação da galáxia.
Foi teorizado por Jedi e Sith que o equilíbrio entre os lados claro e
escuro estava realmente sob a orientação de um grupo de entidades
descorporadas - as chamadas de Celestiais, talvez - que haviam se
fundido à Força milhares de gerações antes, e continuou a guiar o
destino da galáxia desde então. De fato, uma ordem superior de
intermediários, cujos poderes estavam além da compreensão dos
seres mortais. Mas muitos Sith viam a noção com desdém, pois a
existência teórica de um grupo desse tipo tinha pouca influência no
objetivo de tornar a Força subserviente à vontade de uma elite
iluminada. Somente os Sith entendiam que a vida sensível estava à
beira de um salto transformador; que através da manipulação de
midiclorianos - ou da derrubada do grupo Forceful que os
supervisionava - a divisão entre a vida orgânica e a Força poderia ser
superada, e a morte poderia ser apagada do continuum.

Como evidenciado pelos poucos Senhores que conseguiram


perpetuar o espírito após a morte física - principalmente entre eles o
Imperador Vitiate, que se dizia ter vivido mil anos -, os Sith antigos
haviam atravessado a metade do caminho pela ponte. Mas aqueles
poucos estavam tão focados no poder mundano que acabaram se
aprisionando entre reinos. O fato de nunca terem fornecido
orientação à Ordem atestava o fato de que sua influência havia sido
insignificante e há muito desapareceu do mundo.

Do mesmo modo que os Sith pré-Bane haviam sido responsáveis


por sua própria extinção, os grandes Senhores do passado do lado
sombrio haviam se condenado ao reino inferior através de suas
tentativas de conquistar a morte alimentando as energias dos
outros, em vez de tocando os estratos mais profundos da Força e
aprendendo a falar a língua dos midiclorianos. Finalmente, Plagueis
estava aprendendo a fazer isso e estava começando a aprender a
persuadir, alertar, persuadir e persuadi-los a agir. Ele já podia ordenar
que promovessem a cura, e agora ele conseguira atraí-los a diminuir
suas defesas. Se ele pudesse compelir um Yinchorri assassino a se
tornar pacífico, ele poderia - com uma mera sugestão - realizar o
oposto transformando um ser pacífico em assassino? Um dia ele
seria capaz de influenciar os líderes de mundos e sistemas a agir de
acordo com seus desígnios, por mais iníquos? Um dia ele
conquistaria não apenas a morte, mas também a vida, manipulando
midi-chlorians para produzir seres Forceful, mesmo na ausência de
fertilização, como Darth Tenebrous poderia ter tentado fazer com
técnicas e computadores de processamento de genes ?

Possivelmente.
Mas não até a chama singular do lado da luz ter sido extinta da
galáxia. Não até a Ordem Jedi ser eliminada.
Desde o início de seu aprendizado com Plagueis, seu Mestre exigiu
saber o que Palpatine considerava sua maior força, para que ele
soubesse a melhor forma de miná-lo; conhecer seu maior medo,
para que Plagueis soubesse a quem forçar Palpatine a enfrentar;
saber o que Palpatine mais gostava, para que Plagueis pudesse tirar
isso dele; e conhecer as coisas que Palpatine ansiava, para que
Plagueis o negasse.

Alguma combinação das restrições - ou talvez o reconhecimento


da parte de Plagueis pelo desejo inabalável de seu aprendiz de
visitar os mundos Sith - havia desembarcado Palpatine na cênica
Dathomir. Escassamente povoado e pouco explorado, Dathomir não
era Korriban ou Ziost, mas era poderoso na Força, em parte por
causa de sua fecundidade, mas principalmente devido à presença
de grupos de mulheres adeptas que praticavam magias do lado
escuro.
Ele serpenteava sem propósito claro por um dos bairros mais
poeirentos de Blue Desert City, longe do centro da cidade, quando
percebeu um leve pulso de energia da Força, cuja origem era
indistinta, mas muito próxima.
Invocando mais profundamente a Força, ele se deixou levar pela
misteriosa fonte, como se fosse uma nave estelar se rendendo ao
abraço de um raio de trator. Uma tortuosa série de reviravoltas o
levou a uma área de mercado repleta de imitações, joias ersatz e
pedaços de lixo que haviam chegado a Dathomir de quem sabia
onde e, finalmente, a uma pequena praça no meio da agitação, na
em um canto havia uma fêmea humana, cujo rosto simetricamente
manchado era da cor de durasteel polido e cujas roupas luxuosas a
identificavam como visitante da cidade, provavelmente de alguma
vila remota do outro lado do planeta. O capuz de sua túnica
carmesim estava levantado e, de um ombro, pendia uma bolsa
macia do tamanho de uma pequena mala.

Palpatine foi até o canto diagonal da praça para observá-la. Ela


estava olhando indivíduos na multidão que passava, não como se
procurasse alguém em particular, mas com um olhar mais de acordo
com a aquisição do alvo. Ela não considerou Palpatine um ladrão ou
um batedor de carteiras, apesar de exalar uma energia sombria
informada por medidas iguais de urgência e engano. De repente, ele
se tornou discernível na Força, e imediatamente ela virou a cabeça
na direção dele e começou a correr pela praça em sua direção.
"Bom senhor", disse ela no Basic enquanto se aproximava.

Fingindo interesse nas mercadorias baratas de um comerciante


itinerante, ele fingiu ser pego de surpresa quando ela se aproximou
dele do seu lado cego.
"Você está se dirigindo a mim?" ele perguntou, virando-se para ela.
"Estou, senhor, se você tiver um momento para satisfazer um ser
necessitado." Seus olhos oblíquos estavam cheios de manchas
escuras que combinavam com o tom de seus lábios grossos;
cutucando as mangas largas de seu roupão, os dedos cônicos de
suas mãos
unhas compridas e semelhantes a garras.
Palpatine fingiu impaciência. "Por que me destacar, entre essa
multidão de seres mais ricamente vestidos?"
"Porque você tem a aparência e o comportamento de um homem
de inteligência e influência." Ela gesticulou amplamente. "O resto é
desleixado, apesar de seus mantos e bonés finos."
Ele fez uma demonstração decorosa de reprimir um bocejo. -
Guarde sua adulação pelos rublos, mulher. Mas como você me
identificou corretamente como melhor do que o resto, obviamente
está ciente de que não tenho tempo a perder em jogos ou truques
de confiança. Portanto, se são meros créditos que você procura,
sugiro que você amplie sua busca por alguém mais caridoso. ”
"Eu não peço créditos", disse ela, estudando-o abertamente.
―O que então? Vá direto ao ponto.
"É um presente que eu ofereço."
Palpatine riu sem alegria. "O que você poderia ter para oferecer
alguém como eu?"
"Só isso." Ela abriu a bolsa de ombro macia para revelar uma
criança humanóide com menos de um ano normal de idade. A
cabeça sem pêlos da criança era pontilhada por uma série de
chifres curtos, mas ainda flexíveis, e todo o seu corpo tinha sido
extravagante e cerimonialmente tatuado em pigmentos vermelhos e
pretos.
Um Zabrak masculino, Palpatine disse a si mesmo. Mas não do
tipo iridoniano; antes, um dathomiriano. “Como você vem por esse
recém-nascido? Você o roubou?
- Você não entende, bom senhor. Meu próprio filho, este é. Palpatine
olhou com raiva. “Você diz que ele é um presente, e ainda assim
dissimula. Você já teve relações que o levaram a
uma dívida tão profunda que você se separaria de sua própria carne
e sangue? Ou talvez você seja viciado em especiarias ou em algum
outro intoxicante?
Ela parou. "Nem. Eu só procuro salvar a vida dele. A expressão de
Palpatine mudou. “Então fale honestamente.
Você está muito longe do seu clã, Nightsister. E um praticante de
magia é mais do que suficiente para impedir que seu filho seja
prejudicado. ”
Os olhos dela se arregalaram e o penetraram, em busca de
explicação. "Quão-"
- Não importa como eu sei, Bruxa - Palpatine disse bruscamente.
“A criança, sua ou não, é uma Noturna, concebida com o objetivo de
servir à irmandade como guerreira e escrava.”
Ela se recusou a desviar o olhar. "Você não é um Jedi."
“Claramente não sou, como suspeito que você já tenha intuído.
Mas você ainda não respondeu minha pergunta. Por que está
tentando se livrar do bebê?
"Poupar um pelo bem do outro", disse ela depois de um momento.
“Meio par de clãs, este é. E quero que um viva livremente, já que o
outro não.
"Quem representa a
ameaça?" "Talzin é o nome
dela." "Quem é Talzin?"
"A Mãe Noturna."
Palpatine retirou a informação. "Onde está o pai da criança?"
"Morto - por tradição."
Ele bufou. "O bebê não sentirá falta?" "Talzin
conhece apenas um, não o outro." "Você se ilude."
Gentilmente, ela empurrou a bolsa de ombro em sua direção.
“Então leve ele. Por favor."
"O que eu faria com ele?"
“Este é forte na Força. Nas mãos certas, ele pode se tornar um
ativo poderoso. ”

"Servidão de um tipo diferente."


Ela ignorou o comentário. "Pegue-o. Salve-o.
Palpatine olhou novamente para o recém-nascido. "Você o
nomeou?"

"Maul, ele é chamado."


"Ser capaz do poder que você divina nele."
Ela assentiu. "Pegue-o."
Palpatine olhou para ela e, apontando com a mão direita, disse: -
Você esquecerá este encontro.
Ela trancou os olhos com ele. "Eu vou tentar."
“Para seu próprio bem, espero que sim. Agora vá. Antes de mudar
de idéia.
Colocando a bolsa nas mãos dele, ela se virou e correu,
desaparecendo na multidão.
Palpatine estudou o pacote de vida que ele possuía. O fato de a
Força ser forte na criança era motivo suficiente para não permitir
que ele vagasse sem proteção e talvez caísse nas mãos dos Jedi.

Agora Palpatine simplesmente tinha que descobrir o que fazer


com ele.

De uma torre alta no antigo forte de Sojourn, Plagueis e Sidious


observaram a folia no pátio abaixo. Ali, em meio aos incêndios
ardentes, o cheiro de sangue fresco e carne assada, a cacofonia de
cantos guturais, música estridente e gritos de abandono, um
Encontro estava em andamento. Retornados das caçadas, seres de
muitas espécies contavam histórias altas e compartilhavam risadas
vulgares, enquanto dançarinos exóticos se contorciam sobre mesas
carregadas de comida e bebidas intoxicantes. Longe das torres, os
seres se amontoavam no ar abafado da noite, formando alianças,
revelando agendas ocultas, tramas para incubação. Paixão, inveja e
conspiração estavam à solta. Da torre alta, os dois Sith podiam ver
os Guardas Solares e Muuns de Damask circulando, Larsh Hill
apresentando seu filho mais velho, San, a representantes da
Commerce Guild e do Techno.

União. O Grande Mago Gotal da Ordem do Círculo Cantado estava


conversando com o designer de naves estelares e o CEO da Santhe /
Seinar, Narro Sienar. O chefe Cabra também estava dando voltas,
pressionando a carne, as escamas, a pele áspera dos parceiros e
aliados em potencial. Estiveram presentes membros da Federação
do Comércio, incluindo um neimoidiano ricamente vestido. E, pela
primeira vez em décadas, estavam presentes representantes de
várias espécies de colméias - o prelado Xi Charrian, o arquiduque
Geonosiano, e até alguns Colicoides insetóides de aparência
desconfiada e perigosa , do Ninho da Criação Colicoid.
"Não seremos negados", dizia Plagueis com incomum incomodo.
“Nós teremos o nosso caminho no Senado, independentemente do
que o Gran Protetorado, o Sol Negro e o resto desejem que
aconteça. Que os seres dos mundos Hydian Way e Rimma Trade
Route continuem pensando que a Federação do Comércio está
tentando estreitar seu domínio sobre o comércio entre sistemas. O
perigo real de acomodar os mundos clientes da Federação emergirá
quando o Senado ignorar as necessidades desses mundos, e a
privação de direitos começa a se espalhar pelas bordas
intermediária e externa. Então a República colherá o turbilhão e
colheremos os benefícios.
Ele exalou com nojo. “Pax Teem e o resto não estão se
preocupando com a República, mas com medo de que seus direitos
possam desaparecer se o comércio mudar para os sistemas
externos. Metade deles se senta na Rotunda apenas porque eu os
quero lá. Eles esqueceram como podem ser substituídos sem
esforço. ” Ele se afastou da vista do pátio para encarar Sidious.
“Quanto a Veruna, você deve incentivar seus planos de reunir um
Corpo Espacial para defender Naboo contra a Federação do
Comércio. Quando o fizermos rei, o levaremos pelo nariz a um
pântano que parecerá ser de sua própria autoria.
Plagueis baixou o olhar para o pátio. “O clima começa a mudar,
Darth Sidious. O corpo político começa a mostrar sinais de contágio.
O ressurgimento da raiva, ódio e medo sinalizam uma perda de fé na
Força. A luz é

minguando, recuado pela matéria escura, e o universo começa a


parecer mais inimigo do que reconfortante. Nesses tempos, os
seres costumam procurar soluções na promulgação de leis severas,
no ostracismo de estranhos e na guerra. Quando a República cair, os
Jedi são apenas uma memória e os seres não têm para onde se
voltar, exceto para nós, forneceremos a eles um senso de
estabilidade e ordem: uma lista de inimigos, armas capazes de
dizimar sistemas estelares inteiros, prisões durasteel em que eles
podem se sentir seguros. " Ele apontou para o pátio. "Veja como eles
anseiam pelo escuro."
Uma luz feroz surgiu nos olhos de Plagueis. “Precisamos exigir a
atenção do lado sombrio para nos ajudar a ditar o futuro. Juntos e
separadamente, cuidaremos disso e, assim que deixarmos essas
questões do Senado para trás, prepararemos o cenário para o
próximo ato. Com a promessa de financiamento ilimitado, as guildas
e os sindicatos se aliarão, e as espécies de colméias se tornarão
pinças e garras para a fabricação de armas, mesmo na ausência de
conflito, e muito menos em guerra total. ”
A dúvida puxou os cantos da boca de Sidious. “Os Jedi não ficam
simplesmente esperando e não fazem nada, Mestre. Embora não
tenha afeição por eles, respeito o poder deles. E enfraquecer a
República sem enfraquecer os Jedi poderia fornecer-lhes
justificativa para tentar um golpe. Eles têm os números para ter
sucesso.

Plagueis levou-o sob orientação. - A hora deles está chegando,


Sidious. Os sinais estão no ar. Sua Ordem já poderia ter sido
dizimada se não fosse pelo revés que Darth Gravid negociou com os
Sith. Mas seu aprendiz levou o imperativo adiante, e cada sucessivo
Lorde Sith o aprimorou, Tenebrous e seu Mestre, acima de tudo,
apesar de terem passado anos tentando criar um vírus direcionado
que poderia ser implantado contra os Jedi, separando-os da Força.
Como se houvesse alguma diferença orgânica entre os praticantes
dos lados claro e escuro; como se nos comunicássemos com o lado
sombrio através de uma espécie diferente de intermediários
celulares! Quando, de fato, somos animados por

o mesmo poder que impulsiona a paixão desses seres reunidos


abaixo. Alvo midi-chlorians e nós alvejamos a vida própria. ”
"Um ataque desse tipo falharia, independentemente", disse
Sidious, como se estivesse pensando em voz alta. “Os Jedi são
amplamente espalhados, e é improvável que possamos agir com
rapidez suficiente para matar todos eles no mesmo instante. Nós
precisaríamos designar um assassino individual para cada um
deles, e não haveria como silenciar a língua de tantos assassinos.
Nosso plano seria revelado. Seríamos traídos e nos tornaríamos os
alvos. ”

Plagueis andou para longe da janela da torre, as mãos


entrelaçadas atrás das costas. “Nós não queremos que eles morram
muito rapidamente, de qualquer forma. Isto é, até que a República
esteja tão devastada, tão enfraquecida, que os seres aceitarão de
bom grado a estabilidade que impomos. ”

"As armas que serão produzidas pelos colicoides e as demais


destinam-se, em última análise, a serem usadas contra os Jedi?"

“Vamos ver o que acontece. Até esse momento, devemos aceitar


o fato de que nenhum mero exército pode dominar os Jedi. Os Sith
antigos eram dezenas de milhares de pessoas fortes e falharam no
teste. Uma vez que a galáxia estava cheia de guerreiros e navios de
guerra. Agora, temos apenas bandos isolados de mercenários e
forças de defesa do sistema estelar. É por isso que devemos nos
esforçar para retornar a galáxia a um estado em que a barbárie é a
norma. ”
"Os Jedi terão que ser derrubados por dentro", disse Sidious, seus
olhos seguindo Plagueis enquanto o Muun passeava pelo chão.
"Atraídos para uma armadilha que eles mesmos criaram, como você
disse que faremos com Veruna."
Plagueis parou para olhá-lo. "Siga esse pensamento." Sidious
levou um momento. “Teremos que explorar sua
vaidade e obediência cega à República ”, disse ele com maior
confiança, e como se a verdade fosse óbvia. "Eles devem ser feitos
para parecer os inimigos da paz e da justiça, e não os guardiões."

"Os inimigos da paz e da justiça, e não os guardiões", repetiu


Plagueis, em revelação. "Até os sobreviventes de uma purga seriam
forçados a se esconder ..." Voltando a si mesmo, ele olhou para
Sidious. "É preciso ter muito cuidado para não transformá-los em
mártires, Darth Sidious - se, no final, queremos que os seres da
galáxia dêem as costas para o lado claro da Força."
"Seres fortes continuarão a nascer."
“Na ausência de treinamento e lavagem cerebral, eles não
causarão nenhum dano a nós. Você cuidará disso, Chanceler
Supremo Palpatine .

Sidious olhou para o chão e balançou a cabeça. "Você deveria ser


o único, mestre."
"Não", disse Plagueis firmemente. “Deve ser você. Você tem as
habilidades políticas e, mais ao ponto, é humano. Nesta era, apenas
um humano é capaz de subir ao topo da pilha política tendenciosa
de Coruscant. ”
“Humano ou não, meu conhecimento do lado sombrio nunca será
igual ao seu. O título, a coroa, deve ser seu.
“E será, assim que você me indicar abertamente
co-chanceler. Temido e respeitado pelos seres mais poderosos da
galáxia, o Hego Damask será visto como um golpe de sorte para a
República. Mas, mesmo assim, aconselharei em segredo por trás do
seu trono.
Sidious inclinou a cabeça em deferência. "Nos anais da história
dos Sith, você será conhecido como Plagueis, o Sábio."
Plagueis deu um sorriso astuto. "Você me lamenta." "O
que você pedir, mestre, eu o farei."
Plagueis ficou em silêncio por um longo momento e disse: - Agora
você precisa ouvir sobre a primeira missão que realizei para Darth
Tenebrous. Os eventos ocorreram cerca de vinte e cinco anos no
meu aprendizado. Na época, Tenebrous procurara expandir sua rede
de seres influentes, contatando um industrial humano chamado
Kerred Santhe ...
"O ex-proprietário da Santhe Corporation."

"O mesmo", disse Plagueis. “A Santhe Corporation projeta


embarcações de carga há gerações, mas teve sucesso limitado com
sua linha de naves pessoais. Meu mestre acreditava que ele poderia
atrair Kerred para uma aliança, oferecendo-lhe direitos exclusivos a
um navio Rugess Nome. Santhe aproveitou a oportunidade, mas
apenas para manipular Tenebrous em uma situação em que agentes
da Santhe Security foram capazes de roubar os planos.
Plagueis fez uma pausa em reflexo de olhos estreitos . “Foi uma
das poucas vezes em que vi meu mestre manobrar. Mas ele não se
vingou - não imediatamente, pelo menos. Uma vez em produção, a
nave espacial teve tanto sucesso que Kerred Santhe conseguiu
adquirir o controle acionário da Sienar Technologies e da Republic
Sienar Systems. Somente ao concordar com um casamento
arranjado entre sua filha mais nova foi que o presidente de Sienar,
Narro, conseguiu manter sua posição como designer-chefe. Naquela
época, porém, Narro havia firmado uma parceria secreta com
Tenebrous, e chegou a hora de acertar as contas. ”
Plagueis se moveu enquanto falava.
“A Damask Holdings estava em sua infância, mas eu já havia
conquistado uma reputação entre a elite da galáxia e, portanto,
recebi um convite para participar de uma conferência de design em
Corulag, que era então a sede não apenas da Sienar Technologies,
mas também da Aether Hypernautics, Danthe Artiice, e uma dúzia de
outras empresas. O orador convidado foi o senador representando o
setor de Bormea, e muitos luminares de Coruscant, Corellia e Kuat
compareceram. De distante Lianna veio Kerred Santhe e sua jovem e
infeliz esposa, apoiados por uma comitiva de funcionários e guardas
da Santhe Security. Eu estava sentado em uma mesa em frente a
ele, e a especialidade do menu naquela noite foi bloateel. Você já
provou, Sidious?
“Quando adolescente. Em uma gala organizada pela House
Palpatine. “Então você sabe que a criatura é uma das mais
venenoso para ser encontrado na galáxia. A preparação é tanto

perigoso e exigente, pois a criatura deve ser esfolada enquanto


estiver viva para se proteger de suas toxinas, filtrando a carne.
Escusado será dizer que nada anima um banquete como a
perspectiva de morte quase instantânea , e o salão mal podia conter
a antecipação à medida que porções individuais eram servidas.
"Esperei para agir até ver Santhe mordendo sua primeira mordida."
Plagueis aproximou o polegar e o dedo indicador da mão esquerda e
Sidious, tomado de surpresa, sentiu a garganta
Fechar. Ele ofegou.
"Sim. Só para você entender o que Santhe deve ter sentido.
Plagueis abriu os dedos e Sidious respirou fundo, o rosto
encharcado e as mãos acariciando a garganta.
“Só então eu mantive a pressão até que o rosto dele começou a
ficar vermelho, as mãos dele caíram na garganta, os pedidos
silenciosos de ajuda trouxeram todos ao redor de suas cadeiras.
Acho que seus olhos esbugalhados podem ter encontrado os meus
quando finalmente belisquei sua traqueia completamente. É claro
que os médicos estavam à espera no caso de uma emergência
como essa - os iorianos, se bem me lembro, armados com doses de
antitoxina e medicamentos para combater os efeitos do choque
anafilático. Mas nenhum fez o truque naquela noite, pois o lado
sombrio da Força tinha Santhe em suas garras e nenhuma técnica
de droga ou ressuscitação era igual à tarefa de mantê-lo vivo.
Plagueis tocou seu queixo. “Muitos alegaram que Rugess Nome e
Narro Sienar haviam de alguma forma planejado um assassinato.
Outros, que os Envenenadores Malkitas ou uma seita do
GenoHadadan haviam sido contratados para matar. Mas, no final, os
chefs foram responsabilizados e receberam longas sentenças de
prisão. Os esquadrões da Santhe Security fizeram várias tentativas
na vida de meu mestre depois, mas lidamos com eles. Muito tempo
depois, descobrimos que o corpo de Santhe havia sido congelado
com carbonite e que todos os seus órgãos internos haviam sido
substituídos por órgãos cultivados em barris. As equipes cirúrgicas
podem até ter conseguido reiniciar seu corpo, mas o Kerred Santhe
que eles conheciam era irrecuperável. ”
Plagueis não disse nada por um longo momento e continuou: “As
circunstâncias serão diferentes para você. Você não terá a
satisfação de ver nosso oponente morrer pessoalmente, porque
queremos garantir sua negação. Um assassinato público em
Coruscant seria o melhor para enviar uma mensagem.
"Senador Pax Teem", Sidious disse com uma voz rouca, tingida
com raiva residual.
Plagueis balançou a cabeça. “Teem ainda pode ser útil. Estou me
referindo ao senador Vidar Kim. Seus sentimentos fizeram dele um
passivo. Mais importante, a morte dele nos permitirá posicioná-lo
onde você ansiava estar.

16: Negrito como o amor

Com o capuz de sua túnica elegante erguida contra o vento frio,


Palpatine correu pelas ruas de Theed. A súbita mudança no clima
acalmou seu desejo de evitar fazer contato visual com estranhos ou,
pior ainda, encontrar alguém que ele conhecesse. À medida que se
tornava mais forte no lado sombrio, o mundo profano se tornava um
lugar cada vez mais estranho, varrido por correntes que ele não
tinha consciência anterior e povoado por formas de vida vagamente
delineadas que ele via como magnitudes da Força. Como Plagueis
ordenou, ele estava morando no futuro, se associando ao lado
sombrio para executar os planos que ele e seu Mestre haviam
planejado.

O escritório de Vidar Kim ficava na parte leste da cidade, a uma


longa caminhada do apartamento que Palpatine havia alugado nos
últimos anos, e a rota mais rápida exigia atravessar e recrutar os
afluentes de Solleu que definiam os distritos e bairros de Theed. Ele
nunca tinha gostado muito da cidade, com seus prédios antigos,
praças públicas, suas dezenas de milhares de habitantes vivendo
suas vidas, e agora Theed começou a parecer um cenário de uma
elaborada produção teatral, e o próprio Naboo é um nó. numa vasta
teia sendo tecida pelo lado sombrio, na qual tantos planetas e
espécies acabariam sendo atraídos.
Em nenhum momento durante a visita a Sojourn Darth Plagueis
pediu para ouvir seus sentimentos sobre a ordem de morte que
emitira para Vidar Kim. E não admira, já que Palpatine dera sua
palavra para fazer qualquer coisa que Plagueis lhe pedisse. Mas era
óbvio que o Muun havia sentido o conflito de Palpatine. Medo e ódio
o levaram a matar sua família a sangue frio, mas seu
relacionamento com Kim era tão próximo quanto ele.

chegara a ter uma verdadeira amizade - embora, como senadora de


Naboo, Kim estivesse entre Palpatine e seu objetivo imediato. Em
Sojourn, as palavras de despedida de Plagueis para ele foram:
Lembre - se por que os Sith são mais poderosos que os Jedi, Sidious:
porque não temos medo de sentir. Abraçamos o espectro de
emoções, das alturas da alegria transcendente às profundezas do
ódio e do desespero. Sem medo, congratulamo-nos com os caminhos
que o lado sombrio nos impõe e com o destino que ele estabelece
para nós .

Claramente, Plagueis sabia que Palpatine ajudara a selar o destino


de Kim, encorajando-o a se posicionar contra a Federação do
Comércio e, portanto, contra Plagueis. O fato de seu Mestre não ter
dito isso talvez fosse sua maneira de lembrar Palpatine de que ele
teria que estar preparado para aceitar toda e qualquer consequência
que surgisse de suas maquinações. Foi uma lição sutil, mas um
Palpatine levou a sério. A partir de então, ele teria o cuidado de
planejar seus movimentos meticulosamente; e mais importante,
permitir que o lado sombrio complete seu trabalho lapidário de
transformá-lo em um ser poderoso. Recordando a surpresa de
Plagueis, a Força sufocou, ele prometeu também nunca mais baixar
a guarda. Mas ele viu a lição como parte do processo de aprender a
confiar um no outro e formar uma equipe. Unidos no lado sombrio,
não podiam guardar segredos; não haveria chance de um ser capaz
de agir sem que o outro estivesse ciente. Eles tiveram que aprender
a ver um pelo outro.

Palpatine não estava tentando lamentar Plagueis quando o


chamou de sábio - não inteiramente, pelo menos. O Muun era
poderoso além do entendimento atual de Palpatine. O único ser
capaz de guiar a galáxia para o futuro. Um crescendo. Às vezes era
difícil entender que eles veriam durante a vida a queda da República
e a aniquilação da Ordem Jedi, e mesmo assim Palpatine parecia
saber que isso era verdade. Um grande projeto estava se
desenrolando, no qual ele não era apenas um jogador, mas um
arquiteto.

Resignar-se à morte de Kim era mais fácil do que poderia ter sido
porque Kim também se tornara um homem quebrado depois da
morte de sua esposa e filhos mais novos. Ele estendeu a mão para o
filho que ele voluntariamente se rendeu aos Jedi foi um ato de
desespero - e baseado em nada mais que um desejo de garantir que
a linhagem da família Kim continuasse. Como a realeza
auto-importante entre quem Palpatine foi criado. Tão fervoroso para
ser lembrado por aqueles que o seguiram!
Em vez de exigir ou garantir que Palpatine volte a sujar as mãos,
Plagueis insistiu em fornecer a ele um agente para facilitar o
assassinato. Plagueis havia dito que precisava garantir a negação
de Palpatine e garantir que nenhum indício de escândalo o
perseguisse. Mas Palpatine começou a se perguntar: apesar de
todas as conversas sobre parcerias e divulgações, Plagueis estava
apenas dando desculpas pelo fato de ele ter dúvidas sobre as
habilidades de Palpatine?
Palpatine recordou a história que Plagueis havia contado sobre o
assassinato de Kerred Santhe. A culpa caíra nos chefs que haviam
preparado o bloateel. A morte de Kim, no entanto, não resultaria de
intoxicação alimentar, mas de assassinato público. Então, quem
pode surgir como tendo mais a ganhar com sua morte? Certamente
não o Naboo, nem o Gran Protetorado. O fato de os dedos
apontarem para a Federação do Comércio o fez pensar por que
Plagueis iria querer colocar o cartel em uma posição que
comprometia suas chances de conquistar novos mundos no
Senado. Então, mais uma vez, ele se perguntou: Plagueis tinha um
motivo oculto para não querer que a Federação do Comércio tivesse
sucesso?
Ele queria que a morte de Kim fosse vista como uma mensagem.
Mas por quem? Talvez Palpatine fosse o destinatário. Quando
Plagueis disse que muitos dos senadores eram dispensáveis, que só
mantinham seus lugares por causa dele, ele estava no mesmo
fôlego, dizendo que Palpatine, assim como Sidious, também era
dispensável, facilmente substituído por outro

Aprendiz forte? Enquanto o Muun incentivava a transparência em


Palpatine, ele às vezes se tornava opaco. Em algum momento ele
deixaria todo o seu conhecimento ao seu aprendiz, ou se conteria,
apenas para manter a vantagem?

- Obrigado por ter chegado tão rapidamente, Palpatine - Kim disse


apressadamente, conduzindo-o a um escritório cheio de discos de
dados e impressões impressionantes, e cheirando a suor, ar velho e
comida estragada. Janelas altas em frente às portas de entrada de
madeira davam para o palácio, incluindo a nova torre que Tapalo - de
acordo com a tradição - construíra ao ser eleita monarca.
"O que eu tenho a dizer vai colocá-lo em algum risco, mas não há
ninguém em quem eu confie mais que você." Kim estava em
constante movimento enquanto ele falava, passando de sua mesa
para as janelas e voltando novamente. "Não tenho certeza absoluta
de que esse escritório seja seguro, mas temos que arriscar."
Palpatine escondeu uma careta de apreensão e gesticulou para o
sofá. "Por favor, Vidar, sente-se e relaxe."
Kim parou, exalou cansadamente e fez o que Palpatine sugeriu.
Seu rosto estava desgrenhado, seus cabelos desarrumados, sua
barba e bigode normalmente arrumados, precisando de cuidados.
"Palpatine, tenho boas razões para suspeitar que Tapalo e Veruna
tenham organizado o acidente que matou a vida de minha família."
A surpresa de Palpatine foi sincera. “Vidar, o acidente foi
investigado e determinou um acidente. Algum problema com o
antigrav…
“Acidentes podem ser falsificados - planejados! Você pilotou
speeders desde que eu te conheci. Você sabe que os sistemas
podem ser sabotados.

Palpatine sentou-se em frente a ele. "Que motivo possível eles


teriam para matar sua família?"

Os olhos injetados de Kim se fixaram nele. Conheço os segredos


sujos deles, Palpatine. Sei dos pagamentos que estão recebendo da
Federação do Comércio desde que Tapalo assumiu o cargo. As leis
que eles promulgaram para abrir todo o Naboo para pesquisa e
exploração de plasma. Eu sei dos acordos que eles fizeram com
certos membros do eleitorado para projetar a vitória sem
precedentes de Tapalo nas últimas eleições. ”
"Mesmo assim", disse Palpatine depois de um momento, "por que
eles trariam sua família para isso?"
Kim quase rosnou. “Ao me isentar de meus deveres plenários, eles
correm o risco de irritar muitos membros da realeza que me apoiam.
Em vez disso, eles esperam convencer- me a apresentar uma
demissão - por pesar, por medo, por não saber o quê.
"Tapalo saberia melhor do que tentar um ato tão desprezível."
“Você dá muito crédito a ele. O acidente foi para ser uma
mensagem para mim. Mas teve o efeito oposto.
"Como assim?" Palpatine disse, inclinando-se para ele.
Estou indo para Coruscant esta tarde. E meu primeiro ato será
notificar a Ordem Jedi.
Palpatine endireitou-se. “Vidar, os Jedi ouvem apenas o Senado e
o Chanceler Supremo. Você não pode simplesmente entrar no
templo ...
“Entrarei em contato com os membros do Conselho através do
meu filho. Se eu conseguir convencer Ronhar a deixar a Ordem, a
informação será meu presente para os Jedi.
"E suponha que Ronhar não queira fazer parte disso." Palpatine
cruzou os braços sobre o peito. “Você conseguiu falar com ele?
Entendo que os Jedi não podem entrar em contato com os pais.
Kim fez uma careta e estudou o tapete. "Independentemente
disso, eu fui capaz de fazer contato."
"E?"
A expressão de Kim estava triste quando ele olhou para cima. "Ele
me disse que sou um estranho para ele e que o nome Kim não tem
significado para ele."
Palpatine suspirou. "Então esse é o fim."
"Não. Ele concordou em falar comigo pessoalmente em
Coruscant. Estou determinado a convencê-lo, Palpatine. A família
deve vir primeiro.
Palpatine reprimiu o que estava prestes a dizer e começou de
novo. “Você promete me manter informado? Ou pelo menos me
avise como entrar em contato com você?
Kim foi até a mesa e vasculhou a bagunça até encontrar o filme
que procurava. "Este é o meu itinerário para a próxima semana",
disse ele, passando o filme para Palpatine. "Palpatine, se algo
desagradável acontecer comigo em Coruscant ..."
“Pare, Vidar. Estamos nos adiantando muito.
Kim passou a mão na cabeça dele. "Você está certo." Ele voltou ao
sofá e sentou-se. "Palpatine, estamos muito próximos para eu
pensar em você como um filho, mas eu considero você o irmão mais
novo que eu nunca tive."
Palpatine assentiu sem dizer uma palavra.
"Se eu não conseguir entrar em contato com Ronhar ou Jedi, posso
pelo menos alertar meus colegas no Comitê de Investigação do
Senado." Palpatine reprimiu o impulso de ficar de pé. - Acho que
você está errado sobre Tapalo e Veruna, Vidar. Mas posso dizer sem
hesitação que você estará arriscando sua vida fazendo tais
acusações públicas ".
Estou perfeitamente ciente disso, Palpatine. Mas se Ronhar
rejeitar meu pedido, por que mais terei que viver?
Palpatine colocou a mão no ombro de Kim.
O pequeno papel que você desempenhará na vingança dos Sith .
***

Quando ele deixou o escritório de Kim, o tempo estava muito mais


frio. Ondas de neve giravam em torno das torres do palácio e as
águas rasas dos afluentes de Solleu estavam cobertas de gelo. O
agente de Coruscant que Plagueis havia fornecido - Sate
Pestage - estava esperando em uma pequena praça

atrás do Museu de Arte Parnelli, esquentando as mãos.

"Os Naboo nunca ouviram falar de controle climático?" ele


comentou quando Palpatine se aproximou.
Recordando suas primeiras sessões de condicionamento no
glacial Mygeeto, Palpatine quase riu dos comentários do homem.
Em vez disso, ele disse: "As mudanças radicais sempre vieram
lentamente para este mundo".
Pestage lançou um olhar para as imponentes colunas que
cercavam o museu abobadado. "Não há dúvida acerca disso."
Um pouco mais alto e mais velho que Palpatine, ele era robusto e
capaz. Seus olhos castanhos estavam close-definido e brilhante, e
seu nariz e angulares maçãs do rosto pontiagudas foram
enfatizados pelo cabelo preto que havia recuado de sua testa e
templo. Plagueis mencionara que Pestage nascera em Daplona, em
Ciutric IV - uma ecumenópolis industrializada fora da qual Darths
Bane e Zannah haviam vivido vidas secretas. Plagueis não havia
revelado como havia descoberto Pestage - talvez a Damask
Holdings tivesse lidado com a família influente e extensa de Pestage
-, mas ele dissera que Pestage era alguém que Palpatine poderia
querer considerar adicionar à sua crescente comitiva de assessores
e confiantes.

Do bolso de sua túnica, Palpatine valorizou o ídolo que Vidar Kim


lhe dera e a entregou. "O itinerário dele para Coruscant."
"Perfeito." Pestage enfiou o flinsi no bolso.
"Quero que você espere até que seus negócios com Coruscant
sejam concluídos."

"Qualquer coisa que você diga."


"Ele está ameaçando alertar a Ordem Jedi e o Comitê de
Investigação do Senado sobre vários acordos que foram feitos."

Pestage bufou. "Então ele merece tudo o que está vindo para ele."
Ele examinou os arredores sem

movendo a cabeça. "Você tomou uma decisão sobre quem usar a


partir dos dados que forneci?"
"Os malaios", disse Palpatine.
Um grupo de assassinos humanóides altamente treinados, eles o
pareciam a escolha óbvia.
Pestage assentiu. "Posso perguntar por quê?"
Palpatine não estava acostumado a justificar suas decisões, mas
respondeu de qualquer maneira. "O Mandalorian Death Watch tem
seus próprios problemas e o Bando Gora sua própria agenda
galáctica."
"Eu não poderia concordar mais", disse Pestage. "Além disso, os
malaios são conhecidos por honrar todos os seus contratos."
"Quanto tempo você pode tê-los em Coruscant?"
Pestage olhou para ele com desconfiança. "Talvez seja melhor
que isso permaneça em uma base de necessidade de conhecimento
".
A audácia do homem impressionou e reprimiu Palpatine. "Não
pode haver erros, Sate."
A longa-su ff Ering fl olhar ared no rosto de Pestage, mas seu tom
era compatível quando ele respondeu. “Se houver, tenho certeza de
que será nossa conversa final. Sei muito bem do que Magister
Damask e você é capaz, e espero me tornar digno de continuar a
servi-lo. Um dia, talvez, você comece a pensar em mim como uma
família, como tenho certeza que o senador Kim pensa em você.
Quanto esse homem sabe ? Palpatine se perguntou. "Você não tem
escrúpulos em viver uma vida dupla, Sate?" "Alguns de nós
simplesmente nascemos para isso", disse Pestage.
indiferente ao olhar penetrante de Palpatine.
"Você vai entrar em contato comigo aqui?"
“Assim que o trabalho estiver concluído. Apenas certifique-se de
ficar perto da sua comunicação.
"Você também entrará em contato com Magister Damask?"
Pestage balançou a cabeça. “Ele me deu a impressão de que não
estaria disponível nas próximas semanas. Mas suspeito que
estamos seguros em supor que os resultados não escapem ao seu
conhecimento.

Num planeta na borda do espaço conhecida, acima da holo-poço de


uma mesa metálica brilhante, um tamanho de um quarto de imagem
tridimensional de um bípeda alto rodado entre os gráficos e linhas
de rolagem de dados anatómicas e fisiológicas. Em um assento em
forma de colher, suspenso no imponente teto da sala branca, estava
o Hego Damask, empequenecido por um trio de cientistas delgados
e de cauda - dois homens com crista e uma mulher cuja aparência
era mais cinza que branca.
"Este ser é representativo de toda a espécie?" o cientista chamado
Ni Timor perguntou com uma voz gentil, quase sussurrante.
"Este matou seis membros de sua espécie", disse Damask, "mas
ele é típico dos Yinchorri".
Tenebrous o apresentou ao planeta Kamino no início de seu
aprendizado, mas ele não o visitava há mais de três anos. Ao
abastecer florestas cinzentas de Sojourn com fauna rara e, em
alguns casos extinta, ele contratou os Kaminoanos para cultivar
clones a partir de amostras biológicas que ele adquiriu através de
corretores de materiais genéticos. Os olhos vítreos, os pescoços
longos e os corpos elegantes dos indígenas bípedes falavam com
um passado marinho, embora na verdade eles tivessem sido
habitantes da terra por milhões de anos antes de uma grande
inundação que inundou Kamino. Com a catástrofe global iminente, a
maioria das espécies sensíveis tecnologicamente avançadas
abandonariam seu mundo natal e alcançariam as estrelas. Mas os
Kaminoanos construíram grandes cidades de palafitas que foram
concluídas mesmo quando os oceanos de seu mundo estavam
subindo e submergindo os continentes. Eles também haviam
voltado seu intelecto considerável para a ciência da clonagem como
um meio de garantir a sobrevivência de suas espécies, e ao longo do
caminho haviam levado a replicação genética mais longe do que
qualquer espécie conhecida na galáxia. Residindo fora da borda
galáctica, os Kaminoanos realizavam seu trabalho em segredo e
somente para os muito ricos. Em qualquer caso, era improvável que
eles tivessem cumprido as restrições da República à clonagem. Os
princípios morais relativos à seleção natural pareciam ser algo que
eles

havia deixado no chão o que era agora o oceano planetário de


Kamino, o que talvez explicava por que eles não estavam mais
relutantes em fornecer animais de caça para Sojourn do que em
fornecer clones de mãos para trabalhar nas minas do inóspito
Subterrel.
Damask os considerava uma das espécies mais progressistas da
galáxia: quase como os Sith em sua indiferença emocional e
objetividade científica.
A cientista fêmea, Ko Sai, havia destacado uma área do
mesencéfalo dos Yinchorri. “A falta de caminhos neurais para o
cérebro anterior indica uma tendência inata à violência. Embora a
ausência possa ser idiossincrática.
O terceiro Kaminoan, Lac Nor, pedia uma melhoria da área
destacada. “A natureza violenta dos Yinchorri pode complicar as
coisas, Magister. Sem acesso a estudos sociológicos, não temos
como determinar em que grau a cultura da violência molda os seres
que nela nascem. Um clone criado em laboratório pode exibir um
comportamento selvagem, a menos que seja fornecido algum meio
de expressar agressão. ”
"Uma saída", Ko Sai ofereceu.
"Estudos científicos estão disponíveis", disse Damask. "A questão
é: a conformidade pode ser criada neles sem afetar suas tendências
violentas?"
"Provavelmente não sem perturbar a matriz básica da
personalidade", disse Ko Sai. "Podemos produzir um clone que é
meramente Yinchorri em aspecto, mas não possui as características
de assinatura da espécie."
Damasco franziu a testa. "Isso não serve."
"Você já pensou em usar uma espécie mais aquiescente?" Ni
Timor perguntou
“O que você recomendaria?
“Uma das espécies plácidas. Ithorians, por exemplo. Ou Caamasi.

Damask balançou a cabeça. “Nenhuma das espécies se adequaria


aos meus propósitos. E os humanos?

"Nossa experiência com seres humanos é limitada - embora, é


claro, tenhamos crescido muitos órgãos de substituição".
"O emocionalismo humano é um tanto problemático", acrescentou
Ko Sai, "mas não é insolúvel".
Damask considerou o comentário e depois concordou com a
avaliação dos Kaminoanos.
A emoção nos seres humanos foi um defeito fatal. A mesma
característica que alimentou a necessidade de formar laços fortes e
acreditar que toda a vida era sagrada os fez ter compaixão por uma
falha. Apenas algumas semanas antes, em Sojourn, ele percebeu
que mesmo Sidious, apesar de toda a sua força crescente no lado
escuro, continuava prisioneiro de suas emoções. Era esperado que
Sidious sentisse um desejo de expandir seus novos poderes, mas
ele precisava aprender a lição que todos os Sith precisavam
aprender. Com grande sutileza, Sidious havia manipulado Vidar Kim
para uma posição em que se tornara um passivo e, portanto, tinha
que morrer. Ele não se preocupou em abordar a questão
diretamente, porque chegara a hora de Sidious embarcar na carreira
política que o levaria à chancelaria. Ainda assim, a reação de Sidious
às ordens de assassinato - por mais fugazes que fossem -
convencera Plagueis da necessidade de testes adicionais. Sidious
não precisava explicar seus erros; ele precisava experimentar as
consequências.

"Talvez, Magister", dizia Lac Nor, "se entendermos seus planos


para os clones Yinchorri".
"Eu esperaria que eles servissem como soldados".
"Ah", disse Ni Timor. "Então obediência, não mera conformidade,
deve ser uma consideração primordial."
"E ainda a necessidade de alguma medida de livre-arbítrio", Ko Sai
foi rápido em apontar. "Ou então, por que não simplesmente usar
autômatos de combate?"

Os olhos grandes de Lac Nor se fixaram em Damask. “Esses


Yinchorri parecem prontos para a guerra, Magister. Existem tão
poucos na galáxia que você precisa clonar um exército?

Ele havia deliberadamente evitado mencionar a imunidade de


Yinchorri à sugestão da Força, porque ele não deveria ter como
saber disso, ou mesmo qualquer coisa sobre as ações dos
midi-chlorians. Mas era precisamente a capacidade dos reptilianos
de formar bolhas da Força que ele esperava explorar.
"Como você já apontou", ele disse depois de um momento, "a
belicosidade inata deles interfere na capacidade de seguir ordens".
Principalmente para si mesmo, Ni Timor disse: "Precisamos
garantir que suas tendências violentas permaneçam intactas,
enquanto seu comportamento é menos voluntarioso".
"Sim", disse Damask.
Ko Sai esticou o pescoço comprido. "Muito desafiante. Embora
talvez se pudéssemos receber um modelo para experimentação ... -
Ela apontou para as imagens em 3D . "Este espécime está disponível
para avaliação completa?"
"Eu poderia entregá-lo a Kamino", disse Damask. "Supondo que, no
momento, você possa descobrir alguma maneira de me fornecer o
que eu preciso, quanto tempo seria necessário para o crescimento
de um clone maduro?"
Os três cientistas trocaram olhares.
“No caso dos Yinchorri”, disse Ni Timor, finalmente, “certamente
não menos que doze anos-padrão, para permitir o desenvolvimento
físico e mental. Como você sabe, tivemos algum sucesso em
acelerar a taxa de crescimento de certas criaturas clonadas, mas
ainda não com sencientes, devido à plasticidade do cérebro jovem. ”
"Mais importante", disse Lac Nor, "embora possamos cultivar
alguns clones, atualmente nossas instalações são inadequadas
para produzir um exército de qualquer tamanho".
"Também precisaríamos consultar especialistas militares sobre
programação", acrescentou Ko Sai.
"Tudo isso pode ser arranjado", disse Damask. "Você teria alguma
objeção a trabalhar com a Rothana Heavy Engineering?"
"Claro que não", disse Ni Timor.

"Então a Damask Holdings pode fornecer qualquer financiamento


que você precisar."

Os olhos de Ko Sai pareciam se arregalar. "O primeiro-ministro


ficará muito satisfeito em saber disso", disse ela com o que passou
por animação em Kamino.

Em seu apartamento em Theed, na neve, Palpatine assistiu a uma


reprise da HoloNet de Jedi Knight Ronhar Kim saltando de um táxi
Coruscant no meio do voo para um monospeeder pilotado pelo
malaio contratado para assassinar o Kim mais velho. Ao mesmo
tempo, Palpatine falou por comlink com Sate Pestage.
"Naboo está contando a história?" Pestage
perguntou. "Em todas as redes."
"Notícias de última hora, Coruscant", dizia uma correspondente. “O
senador do setor de Chommell, Vidar Kim, de Naboo, foi morto hoje
mais cedo, a caminho do espaçoporto Mezzileen, no que parece ter
sido um assassinato. A hovercam estacionado em Node SSJ no
Distrito Sah'c capturou o momento em que um monospeeder
aproximou táxi do senador Kim por trás, e seu piloto de capacete
desencadeou uma salva de parafusos Blaster, matando Kim
instantaneamente e apenas faltando um segundo
-um passageiro ainda não descobertos Jedi Knight, não identificado .
A gravação da hovercam mostra o homem humano Jedi, armado com
um sabre de luz ativado, se arremessando do táxi e derrubando o
assassino piloto do assento do mono-alimentador. Testemunhas
oculares afirmam que os Jedi conseguiram levar o agressor a uma
passarela de pedestres perto de onde o acelerador bateu e queimou,
mas o Realtime News ainda não descobriu se o assassino sobreviveu
à queda. Ferido no ataque, o piloto do táxi foi levado ao Sah'c Med-
Center, onde sua condição está listada como grave.

"O maladiano está vivo?" Palpatine exigiu Pestage. "Não. Ela se


cravou em uma neurotoxina enquanto Ronhar estava
tentando forçar informações dela. "
"Você tem certeza?"
"Absolutamente certo."
"O tolo", Palpatine irritou. "Por que ela não esperou até Kim sair do
táxi em Mezzileen?"
“Você me instruiu a divulgá-lo, exatamente o que eu disse a ela.
Ela fez questão de defender a vista total da câmera de segurança,
mas não consegui determinar se ela sabia ou não que Kim estava
andando com um Jedi. Com base na colocação dos parafusos
blaster, acho que ela planejou tirar os dois.
"E se ela conseguisse, os Jedi estariam conduzindo sua própria
investigação."
"Eles são, independentemente", disse Pestage. "Porque Ronhar
emitiu uma declaração à mídia de que ele pode ter sido o alvo."
Palpatine dirigiu uma carranca para a câmera comlink. "Por que
você não a avisou sobre Ronhar?"
“Eu a avisei. Talvez ela queira adicionar outra morte Jedi ao seu
currículo.
"Outro?"
"Como eu disse, os maladianos são muito bons no que fazem."
Palpatine considerou. "Se Ronhar tem a impressão de que ele
pode ter sido o alvo, Kim pode não ter revelado suas suspeitas sobre
Tapalo e Veruna."
“Ele não fez. Eu o mantive sob vigilância desde o momento em
que ele chegou a Coruscant, e ele não foi a lugar nenhum perto do
templo Jedi ou se encontrou com alguém no Comitê de
Investigação do Senado. Tenho gravações das três reuniões que ele
teve com Ronhar em seu escritório no anexo do Senado, e em
nenhum momento ele ofereceu nada além de referências veladas a
intrigas em Naboo.
"Ele conseguiu convencer Ronhar a deixar a Ordem?" "Não. Ronhar
disse que respeitava Kim por ser dele - o que
foi a palavra que ele usou? - progenitor . Mas que ele considera o
templo como sua casa e os Jedi como sua família. ”
Palpatine forçou uma expiração. "Eu avisei ele."

"Kim tentou convencê-lo de que o sangue da família vem primeiro,


mas Ronhar poderia muito bem estar ouvindo um episódio de
Coruscant Confessions ".
“Magister Damask não ficará satisfeito. Que rumores estão
circulando no Senado?
“Que Kim possa estar envolvido em negócios obscuros; que ele
cruzou um grupo de lobistas. Você preocupou o Senado - se foi essa
a ideia.
Plagueis ficaria satisfeito em aprender tanto, pensou Palpatine. A
mensagem , ele agora percebia, tinha sido não dirigida a ninguém
em particular, mas ao próprio Senado. Além do objetivo de avançar a
carreira política de Palpatine antes do previsto, o assassinato de
Kim espalhou apreensão na capital galáctica.
"Está feito, de qualquer forma", disse ele finalmente.
“E sem nenhuma pista para a polícia ou os Jedi perseguirem.
Você está completamente limpo.
Palpatine relaxou um pouco. - Você fez bem, Sate - apesar de
tudo. Há um lugar para você no meu grupo de apoio, se você estiver
interessado.
Pestage também parecia aliviado. - Então acho que vou vê-lo em
Coruscant. Senador Palpatine.

17: DIAS DO VINHO E IMPROPRIEDADE

O chanceler supremo Thoris Darus foi o grande responsável pela


atmosfera inebriante que prevalecia em Coruscant. Natural de
Corulag, Darus havia trazido um senso de estilo à capital galáctica
que estava ausente uma década antes, quando Vaila Percivas
ocupava o cargo, e que não era realmente vista desde a era de Eixes
Valorum. Darus era solteiro, um mulherengo incorrigível, um
entusiasta do esporte, ópera, jogo legítimo e alta culinária; seu
primeiro mandato foi caracterizado por uma acentuada melhora na
intemperança e, no final, uma corrupção desenfreada. Seguindo o
exemplo do Chanceler Supremo, muitas das dezenas de milhares de
pessoas que serviram no Senado ou fizeram lobby em nome de
empresas e cartéis autocráticos transformaram Coruscant em um
covil de auto-indulgência inigualável em qualquer parte do Core ou
da Orla Interna. De todas as áreas da galáxia vieram seres ansiosos
para atender às necessidades da nova elite política - de chefs a
artistas e especialistas em prazer. Cortesia da Federação do
Comércio e de seus numerosos afiliados e parceiros corporativos,
mercadorias chegaram de milhares de mundos, dando origem a
novas modas, novos alimentos e novas formas de extravagância. Os
privilegiados Coruscanti, determinados a aproveitar a vida no centro,
fecharam os olhos para as tempestades que estavam se formando
nos limites da civilização - rivalidades entre sistemas, piratismo,
crime organizado - e abrindo caminho em direção ao Núcleo. Em
três anos, o planeta viu mais imigração do que nas centenas
anteriores, principalmente da Orla Exterior, cujas espécies não-
humanóides chegaram em completa ignorância das dificuldades
que os aguardavam.

Para Palpatine, Coruscant excedeu suas expectativas. Cinco anos


de viagens e aventuras na Região de Expansão e nas Colônias
deram a ele um gosto pela vida alta, e aqui era um lugar não apenas
onde seus desejos mais sombrios podiam ser realizados, mas
também onde ele podia colocar à prova seus talentos únicos. Sua
topografia de edifícios cortantes em nuvens era um microcosmo da
galáxia: fervilhando de seres dispostos a fazer o que fosse
necessário para abrir caminho das profundezas, supervisionados
por uma elite em camadas que nutria sua miséria. Se Coruscant era
um ímã para aqueles sem habilidades ou promessa, também era um
paraíso para aqueles com créditos e conexões. E, com a ajuda de
muitos descendentes da riqueza que Palpatine conheceu enquanto
servia como embaixador de Naboo, junto com o círculo de amigos e
lacaios de Hego Damask, ele sentiu que estava a caminho do cume
do pódio do Senado a partir do momento em que suas botas
tocaram. o terreno não natural.

Ele entendeu imediatamente que a única maneira de a República


se salvar era removendo o Senado para um mundo onde a tentação
não estava à espreita em todos os nexos de trânsito; oportunidade
em todos os cafés com varandas; vício em todos os desfiladeiros -
embora a raquete que o Supremo Chanceler Darus e o Senado
tivessem feito fosse óbvia apenas se alguém soubesse para onde
procurar, e que frequentemente exigisse ter acesso irrestrito aos
clubes privados e salas dos fundos onde subornos gravitavam.
Mesmo sem a Força, Palpatine sabia que teria conseguido. A tarefa
não seria mais desafiadora do que ganhar a confiança total de seus
colegas. Com todo mundo se esforçando para superar um ao outro,
ele precisa apenas garantir que se vista bem, jantar nos lugares
certos, associar-se à companhia adequada e renovar seus passes
de temporada para a Galaxies Opera. Ao mesmo tempo, ele
entendeu que podia ser quase tão anônimo quanto desejava,
simplesmente aventurando-se para cima ou para baixo, vestindo-se
para cima ou para baixo, misturando-se com comerciantes em vez
de políticos ou associando-se a vendedores ambulantes,

shysters, trapaceiros e golpistas que preencheram os níveis mais


baixos.

Seu primeiro apartamento não era luxuoso, mas estava localizado


no distrito do governo, com espaço suficiente para sua crescente
coleção de arte, que agora incluía uma escultura dispendiosa de
neurânio e bronzium do antigo sábio Sistros - apropriada para o
chefe da Câmara. Palpatine - e contendo seu sabre de luz original
construído à mão , escondido em uma cavidade cilíndrica
indetectável por exames de segurança.
O fato de que seu primeiro dever oficial como senador interino de
Naboo era comparecer a um funeral - o segundo naquele ano -
parecia apenas apropriado, dados os eventuais planos dos Sith para
Coruscant.

As ordens para comparecer ao funeral de Vidar Kim vieram de


Naboo e de Plagueis, que disseram que ele deveria aproveitar a
oportunidade para procurar Ronhar Kim e conversar com ele
pessoalmente. Palpatine ainda não conhecera one-on-one com um
Jedi, e uma conversa com Ronhar lhe permitiria testar a sua
capacidade de esconder sua verdadeira natureza de outro
usuário Force.
Por mais perverso que Coruscant seja , dissera Plagueis, a Força é
forte lá por causa da presença de tantos Jedi. Se você conseguir se
esconder à vista de todos, poderá esconder sua natureza até dos mais
poderosos dentre eles. Leve Ronhar à sua confiança e, assim que tiver,
passe parte do tempo em Coruscant, familiarizando-se com o quartel
general do inimigo e pergunte a si mesmo: não é uma fortaleza
projetada para conter as trevas ?
Caso contrário, o silêncio de Plagueis sobre o assassinato de Kim
foi ensurdecedor. Ao saber que o rei Tapalo havia nomeado senador
interino de Palpatine, Plagueis ofereceu seus parabéns, mas nada
mais. Depois de meses sem vê-lo, Palpatine esperava encontrar
Plagueis esperando por ele em Coruscant, mas Hego Damask e o

Os Muuns que compunham a Damask Holdings estavam realizando


negócios não especificados na distante Serenno.
O funeral foi realizado na embaixada de Naboo, localizada abaixo
e a oeste da Monument Plaza e do Senado. Vestida com uma capa
de colarinho alto e roupas roxas, Palpatine chegou à mônada
ornamentada na companhia de Kinman Doriana, Sate Pestage e
Janus Greejatus, que haviam sido despachados para Coruscant por
Tapalo, e que Palpatine suspeitava ter alguma força na Força. .
Kinman e Sate haviam criado um vínculo instantâneo. A jovem
Doriana foi feita para um mundo como Coruscant, e ele não poderia
ter pedido um guia melhor para o excitante ventre da capital
galáctica do que Pestage, que parecia conhecer todos os cantos do
lugar.
Ronhar Kim estava entre várias dezenas de convidados que
compareceram ao culto. Palpatine esperou até que os Jedi
estivessem sozinhos na sala de observação antes de se aproximar
dele.
Ao se esconder, você não poderá confiar em seus dons sombrios ,
disse Plagueis. Em vez disso, você deve ser você mesmo, submerso
no padrão unificado para o qual os Jedi estão em sintonia; visível na
Força, mas não como um Sith. Como você não pode se permitir ser
visto, deve garantir que você é um dado adquirido. Disfarçado no
profano; camuflado na rotina - naqueles mesmos reinos dos quais
você pode atacar sem aviso quando necessário .

Um rapaz alto e musculoso, vestido com túnicas pretas, Ronhar


tinha cabelos pretos e grossos presos em um coque por trás, e com
longos fios na frente balançando das têmporas ao queixo. Nele,
Palpatine podia ver Vidar, cujo corpo estava em estado, deitado em
um imenso esquife retangular de pedra. Um cobertor simples cobria
o cadáver, dos ombros aos joelhos, e no peito havia um intestino
raso metálico contendo flores roxas e uma vela acesa que
simbolizava a Chama Eterna da Torre Livet. Janus Greejatus
transportaria as cinzas de cremação para Naboo, onde seriam
espalhadas no rio Solleu.
"Jedi Ronhar Kim", disse Palpatine ao entrar na sala, "por favor,
perdoe a intrusão, mas eu queria oferecer minhas condolências
pessoalmente".
Despertado de seus pensamentos, Ronhar girou sobre ele, quase
em defesa, e o examinou da cabeça aos pés. "Quem é Você?"
"Palpatine", disse ele. “Fui nomeado para suceder Vidar Kim como
senador de Naboo. Eu conhecia bem seu pai.
A vigilância de Ronhar diminuiu. “Me perdoe por não saber mais
sobre Naboo, senador ... Palpatine. Mas, de fato, até várias semanas
atrás eu não sabia que Vidar Kim era meu pai biológico, ou mesmo
que Naboo era meu mundo natal. ” Palpatine fingiu entender. "Não
precisa se desculpar. Imagino que a Força seja, em certo sentido,
seu próprio domínio. ” Ronhar assentiu. “Eu mal conhecia o homem.
Se não fosse o senador da República, o Conselho Jedi não teria
concedido dispensa para eu me encontrar com
ele."
Palpatine permitiu-se esticar-se com a Força, mas apenas por um
momento, e mediu rapidamente a reação dos Jedi, que provou ser
indiscernível. "Desculpe-me por perguntar, mas por que você
escolheu participar do culto?"
Ronhar ficou pensativo. "Sem dúvida, você sabe sobre a tragédia
que ceifou a vida de sua esposa e filhos."
"Eu faço."
"Vidar Kim entrou em contato comigo para perguntar se eu
consideraria renunciar minha promessa aos Jedi, a fim de me tornar
o portador do nome de família."
Palpatine se aproximou dele e acrescentou compaixão à sua voz.
“Ele me disse, Ronhar. Sua presença aqui reflete dúvidas sobre suas
obrigações?
"Não", disse o Jedi, talvez com mais firmeza do que pretendia. “Só
estou aqui por respeito ao homem. Como você também deve saber,
ele morreu nas mãos de um assassino enquanto estava na minha
companhia. A voz de Ronhar traiu mais a decepção do que a raiva.
"Se eu tivesse agido antes, ele estaria vivo e, no

Atualmente, não posso ter certeza de que os disparos do assassino


não foram feitos para mim, e não para Vidar Kim.
"Quem em sã consciência miraria um cavaleiro Jedi?"
O Jedi riu e estreitou os olhos escuros. “Os Jedi não têm inimigos,
senador. Distribuir justiça e garantir a paz não se encaixa bem com
alguns seres. ”
“O mundo da política não é mais seguro, Ronhar. Não nesta época,
com tantos necessitados. Graças à força, temos os Jedi.
"Eu me pergunto", disse Kim.
Palpatine olhou-o com interesse. O Jedi estava menos
interessado em resolver o assassinato de Vidar do que em agonizar
pelo fracasso em impedi-lo. "Você quer saber o que, Ronhar?"
"Como poderia ter sido minha vida se eu não me tornasse um Jedi."
Palpatine adotou um olhar de choque. “A escolha não foi sua. Você
tem a força. Seu destino era um
conclusão precipitada."
Ronhar refletiu sobre isso. "E se Vidar Kim tivesse decidido não
me render à Ordem?"
"Uma linha de pensamento impossível de seguir para qualquer
conclusão", disse Palpatine.
O Jedi olhou para ele e ergueu os ombros. “Há muitos garfos no
caminho, senador. Se eu tivesse permanecido em Naboo, teria
seguido os passos de Vidar Kim e entrado na política. Talvez não
seja tarde demais.
Palpatine mostrou um sorriso tolerante e veio a seu lado,
confiante agora que sua verdadeira natureza estava além da
detecção. “Eu tenho que admitir que a noção de um político com
valores Jedi não deixa de ter seu apelo. De fato, a República já foi
supervisionada apenas pelos chanceleres Jedi. Mas temo que você
seja um anacronismo, Ronhar. A galáxia parece ter rejeitado a idéia
de liderança iluminada. O melhor político atualmente é meramente
excepcional, onde todo Jedi é extraordinário. ”

Ronhar riu brevemente. "Cada vez mais, senador Palpatine, você


começa a parecer meu antigo mestre."

"Gostaria que eu tivesse esses talentos", disse Palpatine, tirando


proveito disso. “Mas eu tenho uma proposta, Ronhar. Não sou
apenas novo no Senado, sou novo em Coruscant. E seria bom ter
alguém com quem contar como amigo. Então, o que você diria para
uma aliança entre um político e um Jedi? Através de mim, você pode
ter uma ideia do funcionamento da República e, através de você, eu
posso entender melhor os Jedi, em seus papéis como
mantenedores da paz. ”
Ronhar inclinou a cabeça em um arco. “Eu respeito Vidar Kim
ainda mais por nos unir. Que a Força esteja com você, senador
Palpatine.
Em Serenno, distante do Núcleo ao longo do Caminho Hydian, uma
serva do Conde Vemec, fantasiada de uma época passada, escoltou
o quarteto de Jedi humanos para a sala de conferências cara e
modernizada do castelo. O primeiro a ser apresentado aos
reunidos - incluindo dignitários e políticos que representam Serenno
e Celanon, nas proximidades, e o núcleo Muun da Damask
Holdings - foi o mestre Jedi e o membro do Conselho Jocasta Nu,
uma mulher de aparência agradável, com cabelos lisos, maçãs do
rosto pronunciadas e um azul brilhante. olhos. A acompanhá-la
estavam os distintos Jedi Masters Dookan e Sifo-Dyas, e um
cavaleiro Jedi alto e poderoso, chamado Qui-Gon Jinn, que
permaneceu em pé enquanto os demais ocupavam os lugares
designados à mesa circular. Os três homens se sustentavam com
autoconfiança palpável e uma barba afetada de diferentes
estilos - Dookan terminava em um ponto estiloso; Sifo-Dyas seguiu
seu forte maxilar; O Qui-Gon era comprido e grosso.

Plagueis, que raramente perdia a oportunidade de interagir com


Jedi, planejava deixar o negócio em Serenno para Larsh Hill e os
outros - até descobrir que Dookan estaria presente.

Com mais ou menos cinquenta anos, Dookan era o filho nativo de


Serenno, oriundo de uma linhagem nobre análoga à de Naboo.

Palpatines. Se ele não tivesse nascido forte na Força, ele teria sido
um Conde, da mesma maneira que Palpatine teria sido uma realeza.
Mas nas poucas ocasiões em que Plagueis encontrou Dookan, ele
sentiu algo nele que merecia mais investigação. Dizia-se que
Dookan era um dos melhores mestres em sabres de luz da Ordem e
também conquistara a reputação de diplomata habilidoso; mas sua
paixão e inquietação foram o que chamou a atenção de Plagueis.
Por todas as suas décadas na Ordem, ele parecia ter mantido um pé
ancorado no mundano. No lugar dos mantos marrons caseiros
usados pela maioria dos Jedi - como o hai Qui- Gon Jinn - Dookan
preferia mantos e mantos mais apropriados para uma noite na ópera
de Coruscant. Além disso, ele foi um crítico sincero do Supremo
Chanceler Darus e das práticas corruptas do Senado.

O mais importante, talvez, Dookan estava ligado ao Grande Plano


dos Sith de maneiras que iam além das circunstâncias. Cerca de
vinte anos antes, em um esquema criado por Tenebrous para
substituir o senador humano Blix Annon por um jovem novato
chamado Eero Iridian, Dookan e seu então Padawan, Qui-Gon Jinn,
foram apanhados nos eventos e conseguiram enviar alguns dos os
principais jogadores para a prisão. Dookan também sabotou
inconscientemente vários dos planos de Tenebrous de fomentar a
dissidência intersistêmica na região de expansão.

No rescaldo do quase desastroso assassinato de Vidar Kim, o


interesse de Plagueis em Dookan assumiu uma nova urgência. Ele
tinha certeza de que Sidious evoluiria para um Sith comandante,
mas agora o jovem Naboo estava bêbado com poder e propenso a
cometer erros. Quando o escuro reconheceu alguém como um
verdadeiro aliado, um novato poderia se perder, como quase
aconteceu com Plagueis após o assassinato de Kerred Santhe.
Mestres Sith adoradores de Bane, como Tenebrous, poderiam ter
usado a reunião em Serenno como um meio de ameaçar seus
aprendizes com substituição. Plagueis, no entanto, não tinha essa
intenção, motivo pelo qual não mencionou a Sidious que Jedi
participaria do evento.

encontro. Mesmo assim, ele se perguntava se um Jedi insatisfeito


como Dookan poderia ser seguro contra uma reversão da
fortuna - algum evento inesperado que o privaria de Sidious - ou
talvez se voltasse para o escuro sem o alistamento formal e fosse
manipulado para instigar um cisma na sociedade. Ordem.
Como ele dissera a Sidious, mesmo um Jedi treinado poderia
sucumbir à atração do lado sombrio por conta própria. Cento e trinta
anos antes, em um antigo mundo Sith no sistema Cularin, um
Padawan chamado Kibh Jeen havia sido tão fortemente afetado
pelo poder remanescente em uma fortaleza em Almas que ele se
submeteu ao lado sombrio e iniciou um conflito em todo o sistema.
Talvez, sob a influência de Plagueis, o Mestre Dookan pudesse se
inspirar a fazer algo semelhante. Os Jedi deveriam prestar mais
atenção.
Um dos advogados legais de Celanon foi o primeiro a falar
quando todos estavam sentados.
"Celanon protesta contra a presença do mestre Jedi Dooku nesta
reunião, pois percebemos que ele é sereno de nascimento".
O arrogante conde Vemec de Serenno começou a responder
quando Dookan o interrompeu, dirigindo-se ao litigante. "Se você
tivesse investigado mais, também saberia que renunciei a todos os
laços com minha família e Serenno ao ser aceito na Ordem Jedi." Ele
voltou seu olhar penetrante para o embaixador de Celanon.
"Garanto-lhe que serei tão imparcial quanto qualquer um de vocês."
O embaixador de Celanon - um humano grande e alegre -
pigarreou de maneira significativa. “A reputação
de imparcialidade do mestre Jedi Dooku o precede. Confiamos que
ele será tão justo neste assunto como é conhecido por ter sido em
outro lugar. ”
"Com essa questão para trás", diz Vemec, "peço um começo
oficial a esses procedimentos".
O problema em questão envolveu a construção planejada de um
repetidor de hiperwave fabricado pela Aqualish em Celanon

espaço que expandisse o alcance da HoloNet para o setor


corporativo - uma vasta região do Braço Tingel que se tornara um
playground econômico para o Clã Bancário e a Aliança Corporativa,
através de acordos lucrativos intermediados pela Damask Holdings.
Em compensação pelo fato de a colocação do repetidor exigir
mudanças nas rotas comerciais do hiperespaço, a Celanon havia
anunciado que os navios que entravam no espaço da Celanon a
partir dos sistemas do Hydian superior seriam obrigados a pagar
impostos de trânsito substanciais. Plagueis tinha interesse limitado
no debate. Secretamente, ele esperava que a mediação falhasse.
Citando controvérsia, a Damask Holdings poderia então se retirar, e
o projeto entraria em colapso, deixando sistemas no Braço Tingel
enfurecidos por terem sido vítimas de uma disputa tola entre dois
mundos ricos da República.

Depois de quatro horas de idas e vindas inúteis , Plagueis


começou a se sentir como o vitimado. Quando o conde Vemec
finalmente interrompeu o processo, e muitos dos participantes
foram para as mesas de comida, Plagueis se viu sozinho com
Dookan, Sifo-Dyas e Qui-Gon Jinn, e puxou a capa do profano sobre
si mesmo.
"A discussão está se tornando muito comum", comentou ele para
ninguém em particular. "Na ausência de resolução, serão os
sistemas periféricos que mais sofrerão."
Dookan assentiu sabiamente. “O repetidor de hiper-ondas deveria
ter sido um compromisso da República. O Senado errou ao permitir
que o HoloNet fosse privatizado. ”
Os ouvidos de Qui-Gon Jinn se ergueram, e ele olhou para
Plagueis. "O descontentamento nos sistemas externos está de
acordo com os objetivos da Damask Holdings, não é, Magister?"
"Pelo contrário", respondeu Plagueis em uma voz composta.
"Defendemos os interesses dos mundos negligenciados quando e
onde pudermos".
O Jedi alto não foi convencido a recuar. "Apoiando pessoas como
a Federação do Comércio e outros cartéis?"

"A Federação do Comércio trouxe progresso a muitos países


atrasados, Mestre Jinn."
"Através da exploração que leva à ruína." Plagueis abriu as mãos.
“O progresso geralmente tem um custo.
Em algumas ocasiões, o mundo passará por dores de crescimento
como resultado, mas chamar o resultado final de ruína está
exagerando o caso. ” Ele estudou Qui-Gon. "Certamente os Jedi
tiveram que ignorar consequências da mesma magnitude na
aplicação das leis da República."
As sobrancelhas escuras de Sifo-Dyas formaram um V. Um
homem baixo e musculoso, ele tinha um nariz largo, maçãs do rosto
proeminentes e cabelo preto brilhante preso em um topete alto.
Suas mãos eram grandes e calejadas, como se fossem de trabalho
físico. A preocupação brilhava em seus olhos castanhos. “É um
equívoco que servimos apenas a República, Magister. Nossa ordem
serve ao bem maior. ”
"Como a Ordem define", disse Plagueis, apenas para afastar o
comentário. “Mas então você tem a vantagem de poder atuar em
conjunto com a Força, onde o resto de nós fica no escuro
procurando o que é justo e correto. A Damask Holdings tenta, no
entanto, ter uma visão de longo prazo. ”
"Como os Jedi", disse Qui-Gon . "Mas em vários casos em que
tivemos que resolver conflitos, é o seu nome que veio à tona."
Plagueis deu de ombros. "Os ricos são mantidos em padrões mais
altos do que os pobres."
Dookan pensou sobre isso. "Eu culpo o Senado por incentivar a
galáxia a ligar o crédito."
Plagueis olhou de Dookan para Qui-Gon. "Estou disposto a admitir
o argumento do mestre Jinn de que os Muuns encurralaram o
mercado financeiro, se ele estiver disposto a admitir que os Jedi
encurralaram o mercado em ética".
Qui-Gon concedeu a Plagueis um arco digno. "E assim nos
encontramos em diferentes lados, Magister."
"Não necessariamente. Talvez estejamos buscando a mesma
coisa. “Diferentes caminhos para o mesmo destino? É uma
inteligente
racionalização, mas eu me recuso a aceitá-la. " Qui-Gon colocou sua
mãos nas mangas opostas da túnica. "Se você me der licença ..."

Dookan sorriu levemente quando o Jedi alto saiu. "Meu ex-


aprendiz não mede palavras."
"A conversa franca é uma raridade hoje em dia", disse Plagueis. "O
Senado poderia aprender com seres como Qui-Gon Jinn."
Dookan fez uma cara triste. “O Senado ouve apenas a si mesmo.
Infinitamente e sem propósito. Se ele e o chanceler supremo Darus
vão perpetuar um clima em que a injustiça pode avançar, então o
fará. ”
Sifo-Dyas ficou inquieto. "A Rotunda é uma arena em que não
entramos", disse ele em voz baixa, "exceto como espectadores".
Plagueis não pôde conter um sorriso. "Mas, de tempos em tempos,
você sabe que faz lobby." Ele continuou antes que Sifo-Dyas ou
Dookan pudessem responder. “Pode ser um circo. Uma coisa é
certa, no entanto: o núcleo não está aguentando. Novo
liderança é necessária. ”
"Darus será indubitavelmente eleito para outro mandato", disse
Dooku.
Plagueis fingiu preocupação. "Não há ninguém que possa derrotá-
lo, mestre Dookan?"
“Frix, possivelmente. Kalpana - eventualmente. No momento, ele
não é forte o suficiente para superar os lobbies de
interesses especiais . ”
O desconforto de Sifo-Dyas aumentou. "Juramos não assumir um
papel ativo, de qualquer forma."
“Kalpana certamente daria um tom diferente”, disse Plagueis,
“mas talvez igualmente arriscado. Sua posição contra o piratismo, o
contrabando e até a escravidão é bem conhecida. Infelizmente,
muitos dos sistemas externos sobrevivem apenas por causa de tais
práticas. ”
"Então esses mundos terão que encontrar meios alternativos",
disse Sifo-Dyas .
Plagueis virou-se para ele. “Sem assistência da República?
Começa a soar para mim como se os Jedi tivessem seu trabalho
cortado para eles.

Sifo-Dyas comprimiu os lábios. "Os Judiciários e os Jedi manterão


a paz."
"Há certeza em sua voz", disse Plagueis. "Mas deixe-me fazer uma
pergunta: se o descontentamento se espalhar e o conflito
intersistêmico estourar - se os mundos dos membros ameaçarem a
secessão, como Serenno ameaçou no passado - suas lealdades não
seriam divididas?"
"A República será preservada."
Plagueis sorriu. “Novamente, essa confiança reconfortante. Mas
suponha que os objetivos da República não estivessem de acordo
com o bem maior? Suponha que o conflito tenha se tornado um
cisma real?
Os dois Jedi trocaram olhares. "Na ausência de exércitos, não
pode haver guerra", disse Dooku.
"Os Jedi não são um exército - ou pelo menos são capazes de se
tornar um, caso seja necessário?"
"Nós éramos um exército de uma só vez, mas nossos inimigos
foram derrotados", disse Sifo-Dyas com deliberada imprecisão. "Não
importa a extensão do conflito, tentaremos forjar uma paz - e sem
nos tornarmos o corpo dominante que você parece temer."

Plagueis não respondeu imediatamente. Sifo-Dyas estava


provando ser ainda mais interessante que Dookan, embora de uma
maneira diferente. Apenas um senso de lealdade equivocado à
Ordem Jedi o impedia de dar voz à extensão real de suas
apreensões.

“E ainda assim você diz que forja uma paz. Isso tem o toque da
semântica, Mestre Sifo-Dyas. Mas, por uma questão de
argumentação, e se os sistemas afetados levantassem um exército?
Os Jedi não seriam obrigados a servir e proteger a República?
Sifo-Dyas forçou uma expiração. “De onde esses exércitos
hipotéticos surgiriam? Os sistemas periféricos carecem de recursos
... ”Percebendo seu erro, ele parou.
Plagueis esperou um momento, sua satisfação oculta. “Não quis
sugerir que a República seja propositalmente

privar os sistemas periféricos do direito à autodeterminação. Estou


apenas especulando, porque vejo uma ameaça crescente. ”
Dookan olhou para ele. "Você não está sozinho em vê-lo,
Magister."

"Então, uma pergunta final, se eu puder: se atacado, você iria


contra-atacar?"
"A República prometeu permanecer desmilitarizada", disse Dooku.
"Militarizaria apenas no caso de uma ameaça percebida."
- Mais uma vez, você reformulou sua pergunta inicial, Magister
Damask - interrompeu Sifo-Dyas , com um novo fogo nos olhos.
"Você está hipotetizando um ataque à própria ordem Jedi."
"Suponho que sim", disse Plagueis, depreciativo. Suponho que
estava pensando no recente assassinato do senador Vidar Kim. Um
Jedi estava envolvido, se não me engano.
"Esse assunto está sendo analisado", disse Sifo-Dyas em uma voz
controlada. "Não há evidências que sugiram que os Jedi em questão
tenham sido alvejados."
O silêncio que se seguiu foi quebrado pela voz de Jocasta Nu, que
estava convocando os Jedi para o outro lado da sala de
conferências. Plagueis estudou Sifo-Dyas perifericamente. Enquanto
Nu e os outros conversavam, ele lembrou-se da conversa que tivera
com Sidious sobre Sojourn.
Teremos que explorar a justiça própria e a obediência cega à
República , Sidious havia dito a certa altura. Os Jedi devem ser feitos
para aparecer os inimigos da paz e da justiça, e não os guardiões .
Pensando novamente, Plagueis começou a se perguntar se ele
havia adotado a abordagem errada em Kamino. Talvez, ele pensou,
seria melhor que os Kaminoanos criassem um exército capaz de
lutar ao lado dos Jedi, e não contra eles ...

Sifo-Dyas foi o primeiro a voltar ao canto da sala de Plagueis,


como se estivesse ansioso para continuar a conversa.

"Para que você não esteja pensando em investir em


empreendimentos militares, Magister, posso garantir que a
República não reverterá sua posição quanto à desmilitarização".
Suas palavras eram fortes, mas não tinham certeza. "As reformas de
Ruusan não serão revogadas."
Plagueis mostrou as palmas das mãos. - E posso garantir, mestre
Jedi, que minhas perguntas não foram de forma alguma motivadas
por pensamentos de lucro. Nós - isto é, eu - não queremos ver a
República em guarda. Por enquanto, colocarei minha fé nos Jedi e
na crença de que um exército pode ser levantado, se necessário.
O olhar de Sifo-Dyas vacilou. "A partir do nada? Improvável,
Magister.

"Crescido, então." "Fabricado,


você quer dizer."
"Não, eu estava sendo literal", disse Plagueis. “Mas conheço
apenas um grupo que pode estar à altura da tarefa. O grupo que
criou trabalhadores para trabalhar nas minas de Subterrel. ”
Perplexidade enrugou o rosto de Sifo-Dyas . "Eu não estou
familiarizado com Subterrel."
Plagueis estava prestes a mencionar Kamino quando viu Jocasta
Nu se aproximando, e um sentimento do fundo do escuro surgiu
dentro dele, estrangulando sua caixa de voz, como se recusasse a
deixar a palavra escapar.

"Peço desculpas, Mestre Jedi", disse ele quando pôde. "O nome do
grupo estava na ponta da minha língua, mas parece que o engoli."

18: DODGING ARTFUL

Palpatine estava em Coruscant há pouco mais de dois meses,


quando o Senado se reuniu para votar se sentaria ou não Felucia,
Murkhana e meia dúzia de outros planetas considerados por muitos
como mundos clientes da Federação do Comércio. Na esperança de
gerar interesse público, o controle climático de Coruscant prometeu
proporcionar um clima perfeito para o distrito governamental.
Nuvens foram varridas para o lado e espelhos orbitais foram
posicionados para fornecer a máxima luz do dia. Os dróides de
manutenção haviam atualizado as pedras do Senate Plaza e polido
as estátuas de trinta metros de altura que ladeavam a Avenida dos
Fundadores. A polícia isolou grandes áreas do distrito entre os
níveis 55 e 106 e implantou unidades de atiradores, esquadrões de
autômatos de detectores de bombas e três vezes o número habitual
de câmeras de segurança. Repórteres, documentaristas, jornalistas
freelancers e colunistas de opinião estavam em vigor, pedindo
favores em um esforço para estar o mais próximo possível da ação.
Os serviços de limusine estavam fazendo horas extras e os táxis
eram quase impossíveis de encontrar, o que fazia com que
ajudantes e assistentes se cuidassem, chegando a pé ou de
mag-lev, conjuntos recém-lavados, capacetes bloqueados, casacos
de pele e botas compradas. Até os Cavaleiros Jedi e os Padawans,
estacionados em toda a praça como uma demonstração de força,
pareciam estar vestindo suas roupas e túnicas mais limpas.

Analistas elogiaram a votação como um marco, embora tenha


sido uma semana de notícias reconhecidamente lenta sobre
Coruscant. Mais ao ponto, uma grande maioria dos residentes da
capital não poderia se importar menos com o resultado, já que a
maioria só conhecia a Federação do Comércio por meio de anúncios
de autoatendimento

que foi transmitido no HoloNet. As fofocas locais sempre foram


mais interessantes que a política, em qualquer caso.
Por semanas, no entanto, os oponentes e apoiadores das
emendas que revisariam as regras relativas ao status de membro na
República vinham dando voz aos seus argumentos na grande
Rotunda, muitas vezes com vocação suficiente para abalar suas
plataformas de repulsor, elevar dedos e outros apêndices na ar para
ênfase ou acusação, em defesa dos pedidos do vice-chanceler para
ordem e decoro.
De pé com Sate Pestage e Kinman Doriana, embaixo da estátua
abstrata do fundador do núcleo, Tyler Sapius Praji, Palpatine sentiu
um passo mais perto de seu local de destino, mesmo que a cena na
praça o parecesse mais vaidade do que a assembléia do Senado.
Como muitos outros, ele passara metade da noite bebendo e
jantando com lobistas ansiosos para ganhar seu favor. Em tapas,
cantinas, restaurantes e boates nos distritos de entretenimento, os
créditos fluíam livremente, subornos sussurrados eram feitos,
promessas feitas, acordos feitos. Agora, alguns dos jogadores que
ele havia encontrado durante a longa noite estavam com os
olhos turvos pelas entradas escancaradas do prédio do Senado em
forma de guarda-chuva: senadores e seus principais assessores;
comissários do setor de investimentos e bolsa de valores; membros
da delegação da Federação do Comércio e do conselho do Clã
Bancário InterGaláctico.

Em outros lugares da ampla avenida - nos principais cruzamentos,


pontos de táxi e saídas de mag-lev - estavam grupos de Jedi, alguns
com os punhos de seus sabres de luz visivelmente visíveis. Para
Palpatine, a visão de tantos deles em um só lugar era ao mesmo
tempo emocionante e sóbria. Embora estivesse completamente
encoberto no cotidiano, ele podia sentir o orgulho coletivo dele
escorrendo através da Força. Somente a baixeza da população de
Coruscant, a quase pura ausência de algo natural, impedia o mundo
de ser tão forte na luz quanto Korriban no escuro. Embora ele
aceitasse que ele e Plagueis eram mais

que igual ao mais poderoso da Ordem Jedi, ele entendeu que eles
não eram páreo para sua força combinada - apesar do imperativo
Sith. Os Jedi cairiam apenas com a total colaboração do lado
sombrio; isto é, somente quando o lado sombrio da Força estava
pronto e disposto a conspirar em sua queda.
Suas reflexões foram interrompidas por uma súbita rajada de
vento, provocada por um luxuoso arranha-céu que descia no centro
da avenida. Precedido por uma vanguarda de guardas cerimoniais
vestindo túnicas azuis no chão , o Supremo Chanceler Darus
emergiu, acenando para a multidão e para as hovercams que
corriam para imortalizar cada expressão sua. Palpatine o estudou
quando os guardas começaram a manobrá-lo através da multidão,
um trem de jornalistas escolhidos a dedo seguindo obedientemente
em seu rastro: o jeito fácil de se comportar; a maneira como ele fez
questão de parar e cumprimentar alguns enquanto ignorava outros;
do jeito que ele ria na hora ...
Lembrou-se das duas coroações que ele e seu pai haviam
assistido em Theed, e se lembrava como se ontem a inveja que
vinha de Cosinga fosse como suor azedo. Quão loucamente seu pai
inepto desejara exercer tanto poder! E que Cosinga pudesse ver seu
filho agora, de pé tão perto do centro, examinando o Senado como
Cosinga poderia ter as terras de Palpatine na região dos lagos,
pensando: Tudo o que olhar será o meu: esses edifícios, essas
mônadas, essas estátuas que terei escória, este espaço aéreo cujo
uso restringirei aos poderosos, aquela cobertura na 500 República,
este Senado …

Mais uma vez, suas reflexões foram interrompidas, desta vez pelo
senador do Gran Protetorado, Pax Teem, que caminhava velozmente
em sua direção, seguido de perto pelos senadores de Lianna, Eriadu
e Sullust.
"Você está pronto para fazer história, senador?" Teem disse, seus
olhos tremendo de emoção.
"Em vez de ser vítima disso", disse Palpatine.
O Gran resmungou divertido. - Bem dito, jovem senhor. Escusado
será dizer que muitos estão contando com você.
"Melhor que todos, porque não podemos agradar a todos."

Teem ficou sério. "Talvez não. Mas podemos dar um golpe no


utilitarismo. O maior bem para o maior número. ”

Palpatine sorriu do jeito que ele viu Darus sorrir. "E dar um golpe,
vamos, senador."
"Bom, bom", Teem riu. "Então vamos ver você lá dentro, onde os
negócios da galáxia são feitos."
Pestage bufou uma risada enquanto Teem estava se afastando.
"O maior bem para o melhor Gran."
Era verdade. Teem não nutria má vontade em relação à Federação
do Comércio. Ele apenas queria ver Naboo errar, Hego Damask
reduzido e Malastare voltou à sua grandeza de quondam.
O contingente de senadores mal saíra quando Palpatine ouviu seu
nome ser chamado; virando, ele viu Ronhar Kim na companhia de
dois humanos Jedi mais velhos. Silenciosamente, ele puxou seus
poderes mais para dentro de si e adotou uma máscara de
cordialidade.
"Jedi Ronhar", disse ele, inclinando a cabeça em saudação.
O Jedi de cabelo preto retribuiu o aceno. "Senador Palpatine, devo
apresentar Masters Dookan e Sifo-Dyas."
Palpatine estava familiarizado com o primeiro, mas apenas pela
reputação. "Uma grande honra, mestres."
Dookan o avaliou abertamente, depois arqueou uma sobrancelha.
- Desculpe-me por encará-lo, senador, mas as descrições de Ronhar
sobre você me levaram a esperar alguém mais velho.
“Eu me disfarço bem, Mestre Dooku. É a minha idade. “De
qualquer maneira” , observou Sifo-Dyas , “um talento exigido por
sua posição."
“Uma verdade ignóbil, mestre Sifo-Dyas. Mas nos esforçamos
para permanecer fiéis à nossa consciência. ”

Dookan sorriu com propósito. - Mantenha-se firme nisso, senador


Palpatine. Coruscant certamente testará sua determinação.
Ronhar Kim estava com a boca aberta para falar quando outra voz
familiar soou.
"Eu não sabia que você estava familiarizado."
Por cima do ombro de Dookan, Palpatine viu surpreso que Hego
Damask, Larsh Hill e dois outros Muuns de túnica preta estavam
abrindo caminho em sua direção. O fato de ele não sentir que seu
Mestre falava com o poder de Plagueis de se esconder
completamente, mesmo de um colega Sith.
"Magister Damask", Dookan e Sifo-Dyas disseram
simultaneamente, virando-se para cumprimentá-lo.
Damask olhou para Palpatine. "Recentemente - em Serenno, na
verdade - os mestres Dookan, Sifo-Dyas e eu nos envolvemos em
uma discussão animada sobre o estado atual da galáxia e nossas
esperanças para o futuro."
"Serenno", disse Palpatine, mais para si mesmo e levemente
confuso. Damask não tinha dito nada sobre Jedi participando da
reunião lá. Então, que mensagem ele estava enviando agora?
Olhando de relance para o trio de Jedi, ele pensou na observação de
seu mestre que até Jedi podia ser transformado no escuro. Teria o
assassinato quase imperfeito de Vidar Kim convencido Plagueis a
atrair e recrutar um Jedi para servir como seu aprendiz?
"Ronhar acabou de nos apresentar ao senador", explicava
Sifo-Dyas .
Os olhos de Dookan passaram de Damasco para Palpatine e de
volta. "Posso perguntar como é que você e o senador se
conhecem?"
Damask fez um gesto para Palpatine. "O senador Palpatine e a
Damask Holdings compartilham um sonho por Naboo ..." Ele
gesticulou inclusive para Hill e os outros Muuns. "Palpatine foi um
dos poucos que desde cedo viu a sabedoria de inaugurar uma nova
era para seu mundo natal."

Palpatine sentiu o escrutínio de alguém fora do círculo que os dez


haviam formado. Pouco antes do Senado

A grande porta do prédio, Pax Teem havia parado e estava olhando


para Palpatine, com os olhos estendidos. E Palpatine mal podia
culpá-lo, pois até ele fora pego de surpresa pela ânsia de Plagueis
em reconhecê-lo em público.
"Como é ter realizado seu desejo pelo seu mundo natal?" Dookan
disse.
Palpatine voltou a si mesmo. "Não se pode ficar no caminho do
destino."
Mais uma vez, Dookan olhou de Palpatine para Damask. "A
vontade da Força gera bolsas incomuns."
Campainhas soaram, anunciando que a sessão estava
começando, e todos começaram a entrar através da porta para a
estrutura maciça, seguindo caminhos separados do átrio, alguns
para caixas de espectadores ou áreas de mídia, e outros, como
Palpatine, Sate e Kinman , a turbolifts que acessavam a estação de
Naboo na camada intermediária do Senado - uma das mil estações
de ancoragem idênticas na Rotunda, equipadas com uma
plataforma destacável de elevador de repulsão e um conjunto de
escritórios particulares. No centro do espaço artificialmente
iluminado, havia uma torre elegante com o selo da República, no
topo da qual repousava o pódio do Supremo Chanceler. Darus, o
vice-chanceler e o assessor administrativo já estavam presentes e,
após breves observações introdutórias do Chanceler Supremo, o
vice-chanceler convocou o assunto para votação.

Alguns senadores falaram, mas a maioria simplesmente deu seus


votos, cuja contagem foi retransmitida para monitorar telas em cada
estação e projetadas no alto, ao longo da curva interna da cúpula.
Quando o vice-chanceler reconheceu o setor de Chommell, a
votação estava empatada. Embora o voto de Palpatine quebrasse o
impasse, vários sistemas ainda precisavam pesar.
Separada da estação de ancoragem, a plataforma transportou
Palpatine pelos níveis mais baixos e profundamente na Rotunda de
quilômetros de largura . Um silêncio caiu sobre uma parte do
Senado e ele inalou o momento profundamente. Ainda assim, a
plataforma continuou a se mover em direção ao pódio, como se

até o chanceler supremo queria examiná-lo mais de perto, e


agradou-lhe saber que sua reputação se espalhara tão longe.
Então Palpatine falou com eles.
“A Federação do Comércio chegou a Naboo cerca de dez anos
atrás. Ele não chegou à força, mas a convite, depois que um vasto
reservatório de plasma foi descoberto sob o manto exuberante de
Naboo - grande o suficiente para fornecer energia limpa a centenas
de mundos desfavorecidos ao longo do Caminho Hydian e, ao
mesmo tempo, apresentar Naboo ao comunidade galáctica.
“Após meses de debate fundamentado, nosso monarca recém-
eleito decidiu que Naboo deveria compartilhar seus recursos com a
galáxia. Os acordos foram firmados entre Naboo e a Federação do
Comércio, juntamente com vários conglomerados de construção. A
mineração foi iniciada, as plantas de processamento foram
construídas e os espaços espaciais foram ampliados para
acomodar a frota de ônibus espaciais necessários para transportar
o plasma para navios de carga estacionados em órbita.
“Três anos depois, o plasma fluía para a galáxia e a riqueza fluía
para Naboo e os mundos do setor de Chommell, e uma era de
prosperidade sem precedentes havia começado.

"Essa prosperidade veio com custos ocultos, mas Naboo estava


disposto a absorvê-los, principalmente pelo bem daqueles seres que
estavam se beneficiando com o que a natureza havia legado ao
nosso pequeno mundo".
Ele fez uma pausa e virou-se levemente na direção da plataforma
da Federação do Comércio.
“A Federação do Comércio foi acusada de fixação de preços,
exploração e práticas monopolísticas, mas esses assuntos não
estão em questão hoje. Hoje, a República está sendo solicitada a
ampliar seu alcance para incluir vários planetas nos sistemas
periféricos que muitos consideram mundos clientes do cartel.
Muitos de vocês estão preocupados que a presença desses mundos
incline a balança de poder, dando uma voz forte à Federação do
Comércio e seus aliados corporativos no Senado. Mas foi isso

O assunto ainda não foi resolvido quando o Tribunal de Justiça


decidiu que a Federação do Comércio deveria ser tratada como se
fosse um mundo? Essa decisão abriu as portas para entidades
como o Commerce Guild, o Techno Union e a Corporate Alliance, que
desfrutam de plataformas separadas neste salão. Portanto, a
questão da legalidade não está em debate.
"Em vez disso, devemos nos dedicar à tarefa de decidir se a
Federação do Comércio se tornou muito agressiva na busca de uma
voz mais alta."
Mais uma vez ele fez uma pausa, desta vez para permitir que
debates individuais fossem e fossem.
“Não faz três meses atrás”, ele disse finalmente, “o senador de
longa data do setor de Chommell foi assassinado aqui em
Coruscant. O senador Kim era conhecido por muitos como um ser
honesto, preocupado com a crescente influência dos cartéis e o
potencial de uma mudança de poder no Senado. Sua morte trágica
provocou alegações e levou a investigações, e ainda não houve
progresso na determinação do motivo de seu assassinato ou na
identificação dos agentes por trás dele. Isso, apesar das
investigações dos órgãos judiciais, do Comitê de Investigação do
Senado e até da Ordem Jedi.
“Como consequência e, sim, em protesto contra a maneira pela
qual a investigação da morte do senador Kim foi realizada, sou
instruído pelo meu regente, rei Bon Tapalo, a anunciar que os
mundos do setor Naboo e Chommell estão se abstendo do voto."
O silêncio que havia caído sobre uma seção seleta do Senado se
espalhou para incluir toda a Rotunda. Então as explosões que
irromperam - tanto condenando quanto defendendo - foram tão
clamorosas e prolongadas que o vice-chanceler finalmente reduziu
suas tentativas de restaurar a ordem e deixar o caos reinar.

19: OS ENSAIOS

Após a vitória da Federação do Comércio no Senado, Felucia,


Murkhana e outros mundos clientes anteriores se tornaram
membros da República, inabaláveis em sua lealdade às
necessidades da Federação do Comércio. Enquanto Pax Teem e um
punhado de senadores igualmente desapontados evitavam
Palpatine, acusando -o - e Naboo - de ter sido comprado pelo cartel,
a maioria do Senado descartou o assunto com um encolher de
ombros. Palpatine era novo no jogo e, de fato, estava apenas
expressando os desejos do rei Tapalo. Mais importante, a
localização de novos mundos significou novas receitas e
oportunidades adicionais para o enxerto. Ronhar Kim agradeceu a
Palpatine pessoalmente por não o mencionar em seu discurso ao
Senado. Movido pelo apelo de Palpatine, o Supremo Chanceler
Darus enviou uma mensagem pessoal informando que estava
instruindo o Comitê Judiciário a usar seus amplos poderes para
desvendar o assassinato de Kim.

Plagueis ficou satisfeito com os resultados, já que era apenas


uma questão de tempo até que os mundos recém-sentados se
encontrassem presos entre a República, por um lado, e a Federação
do Comércio, por outro; tributado pelo primeiro, explorado pelo
segundo - a receita perfeita para o ressentimento. Os dois Sith não
se encontraram pessoalmente, mas Plagueis notificou seu aprendiz
de que ele e os outros Muuns permaneceriam em Coruscant por um
futuro previsível, principalmente para assistir à indução de Larsh Hill
na arcana Ordem do Círculo Cantado, muitos dos quais os membros
eram regulares nos Encontros de Permanência.
Para Darth Sidious, as semanas após a votação foram um retorno
aos negócios, como de costume. Com o Senado ainda em sessão,

ele passava a maior parte de seus dias na Rotunda e a maior parte


de suas noites continuando a explorar Coruscant, muitas vezes na
companhia de Pestage e Doriana. Em segredo, ele continuou seu
treinamento Sith, aceitando a ausência de orientação real de seu
Mestre como um sinal de que ele deveria se esticar por conta
própria. E foi o que ele fez, investigando muitos dos textos antigos
que Plagueis considerou inúteis, incluindo tratados sobre feitiçaria
Sith e construção de holócronos.
No final da terceira semana, ele foi contatado por um lobista de
um consórcio de energia conhecido como Silvestri Trace Power. Em
várias trocas de comlink, o lobista Sullustan deixou claro que o
senador Palpatine se beneficiava muito advogando STP no Senado e
sugeriu uma reunião para discutir termos. Sidious provavelmente
não deveria se aprofundar nas origens do STP ou ter sucesso em
descobrir maneiras de contornar as barreiras que o consórcio havia
construído para frustrar apenas essas investigações, mas ele o fez e
ficou intrigado ao saber que o STP já fora uma concha empresa
criada por Zillo Fuel Resources, baseada em Malastare.

Suspeitando de uma tentativa de aprisionamento, Sidious


concordou em uma reunião diurna, cuja localização serviu apenas
para despertar ainda mais suas suspeitas. Ao contrário dos
restaurantes de nível superior frequentados pela multidão política, o
Shimmersilk estava em um distrito de nível inferior conhecido
coloquialmente como POTU, que para a maioria dos seres
representava "a periferia do Uscru", mas para os mais bem
informados significava "o perigo de os Uscru ”- uma área
gentrificante lentamente acessada pela Linha Mag-Lev do Núcleo
Profundo que já foi alvo de gangues de turf, assassinos em série,
molestadores, ladrões e outros alimentadores de fundo, em um
mundo cujo fundo era incomumente profundo. Com os moradores
atacando principalmente uns aos outros, a polícia viu poucas razões
para patrulhar, e até as câmeras de segurança eram escassas, pois
eram frequentemente roubadas e desmontadas por peças. Ainda
assim, o risco de caos ou assassinato atraía a multidão da Rotunda,
e não era incomum encontrar um senador ou um ajudante de favela.
no POTU, misturando-se com seres obscuros, entregando-se a
substâncias proibidas, correndo com perigo.
Sidious pensou em levar Pestage e Doriana, mas finalmente
rejeitou a idéia. Na ausência de um treinamento formal com
Plagueis, ele estava ansioso para ver o que poderia fazer por conta
própria.
Apertado e abalado pela passagem frequente de próximas
mag-lev trens, o Shimmersilk servidos para o que parecia ser uma
multidão local. Vestido para a reunião, assim como Sidious, o lobista
de Sullustan estava esperando em uma mesa de canto, de costas
para uma parede decorada com holoimages baratas. Apenas seis
outras mesas foram ocupadas - casais não-humanos em geral - e
servidas por três garçons humanos desajeitados e um barman Dug.
A música jatz instrumental, quase inaudível, flutuava pelo ar com
grande necessidade de reciclagem.
Sidious adotou um olhar de inocência de olhos arregalados
quando se sentou em frente ao Sullustan. Eles começaram a
conversar de maneira geral sobre os eventos atuais e os assuntos
do Senado, antes que o lobista dirigisse a conversa para a
necessidade de aprovação do STP pelo Senado para expandir suas
operações ao longo da Rimma Trade Route. Bebidas e aperitivos
foram encomendados e reordenados, e em pouco tempo o interesse
de Palpatine começou a diminuir.

"Acho que você pode ter supervalorizado o meu valor para a STP",
disse ele finalmente. "Não sou nada além da voz do regente de
Naboo."

O Sullustan acenou com a mãozinha em um gesto de despedida.


“E acho que você se desvaloriza. Seu breve discurso no Senado
colocou você no mapa, senador. Os seres estão falando de você. A
STP acredita que você pode ser de grande serviço. ”
"E para mim mesmo, você disse."
"Naturalmente", o Sullustan começou, mas Sidious o interrompeu.

"Na verdade, você não está aqui para me recrutar." Com um gesto
negligente, ele repetiu: "Você não está aqui para me recrutar."

O Sullustan piscou confuso. "Na verdade, eu não estou realmente


aqui para recrutá-lo."
"Então por que estamos aqui?"
Não sei por que estamos aqui. Fui instruído a me encontrar com
você.
"Instruído por quem?"
"Eu, eu -"
Sidious decidiu não pressioná-lo com muita força. "Você estava
dizendo?"

Novamente o Sullustan piscou. "Eu estava dizendo ... exatamente


o que eu estava dizendo?"
Os dois riram e bebericaram suas bebidas. Ao mesmo tempo,
Sidious usado a força para mudar o avental de um dos garçons
apenas o suficiente para revelar o aperto de um hold-out Blaster o
homem estava usando em sua cintura. Erguendo o copo para outra
andorinha, ele fez o mesmo com outro garçom, cujo avental
escondia uma arma idêntica. Ambos foram fabricados pela
BlasTech, mas não para consumo comum. A série E 1-9 - o
apropriadamente chamado Swiftkick - estava disponível apenas para
membros de elite da Santhe Security, com sede em Lianna.
"É melhor desacelerar", disse ele com um constrangimento
intencional. "Acredito que estou ficando um pouco tonto."
O comportamento do Sullustan mudou, embora quase
imperceptivelmente. "Você só precisa de mais um pouco de
comida." Ele deslizou um menu pela mesa. “Escolha o que quiser.
Custo não é problema. Ele ficou. "Se você me der licença por um
momento, pediremos assim que eu voltar."

Sidious notou que o Sullustan não era o único a se levantar. Sob


ordens de voz baixa dos garçons, os clientes pediam seus cheques
e saíam. Em instantes, ele seria o único cliente do Shimmersilk.
Quando ele balançou um pouco em sua cadeira para olhar para o
canto da sala, um cenário começou a surgir em sua imaginação. O
Sullustan, a ligação do STP com Malastare, agentes da Santhe
Security e até o barman Dug… Os problemas deles não eram com
ele, mas com

Damasco Holdings. Ele não estava sendo preparado para uma


eventual alegação de corrupção; um engano muito mais sinistro se
desenrolava, e seu interesse foi imediatamente renovado.
Seu primeiro pensamento foi que eles tentaram drogá-lo. Suas
investigações sobre a feitiçaria Sith o haviam ensinado a anular os
efeitos de muitos venenos e venenos comuns - uma prática que ele
havia praticado rotineiramente antes mesmo de se sentar à mesa.
Talvez eles estivessem esperando ele cair para a frente e cair no
inconsciente ou espumar a boca e ser sacudido por espasmos ...
Justo quando ele pensava que sua habilidade de atuação seria
posta à prova, dois dos garçons convergiram para ele, agora
mostrando suas armas discretas mas poderosas.
"Alguém quer conversar com você, senador", disse o mais alto dos
dois.
"Aqui?" Sidious disse em aparente confusão.
O outro apontou para uma porta. "Por lá." Sidious mascarou seu
sorriso: o Shimmersilk estava de costas
sala.
Ele ficou desajeitado, inclinando-se deliberadamente em direção a
um dos seguranças, medindo sua temperatura corporal, freqüência
cardíaca e respiração. Estou um pouco embriagado. Talvez eu
precise contar com você para apoio.
O homem emitiu um som de exasperação, mas permitiu que
Sidious colocasse um braço em seu ombro.
Quão sem esforço seria , ele pensou, quando a escuridão começou
a subir nele, ardendo e faminta, desejando assumir o controle de seu
corpo e se libertar, quebrar os pescoços de ambos, rasgar seus
corações palpitantes do peito. , arremessá-los e rebocá-los contra as
paredes, derrubar todo o lugar fedorento sobre suas cabeças…

Mas ele não fez. Ele precisava conhecer seu seqüestrador. Ele
precisava aprender os nomes de todos os responsáveis. Ele
precisava provar ao seu Mestre que era hábil e capaz - um
verdadeiro lorde Sith.

A sala dos fundos tinha uma segunda porta que dava para um
corredor escuro que levava a um antigo turbo-elevador. Empurrado
pelos guardas, Sidious calculou a distância que haviam percorrido
do Shimmersilk até o turbo-elevador. Ele ficou em silêncio quando
começaram a subir, e dedicou sua atenção ao cálculo da taxa de
subida. Ele calculou que eles haviam subido cinquenta níveis
quando o turbocompressor parou, depositando-os em um corredor
tão velho quanto o primeiro, embora mais largo, revestido de
azulejos e iluminado por arandelas de parede. Talvez um corredor de
manutenção para as mônadas acima, embora ainda muito abaixo do
que constituiria o mais profundo dos sub-porões. Os homens do
Santhe Security o guiaram para o norte através de um trecho
manchado de piso permacreto até um cruzamento onde um
acelerador de quatro seres estava ocioso, um Rodian fortemente
armado sentado aos controles.
Este não é Santhe , Sidious disse a si mesmo. Um mercenário ou
assassino freelancer .
Empurrado bruscamente no banco traseiro do velocista, ele foi
lembrado de não fazer nada tolo. Contendo o impulso de revelar que
eles já tinham, ele continuou a interpretar a abduzida intimidada,
encolhida no banco, com as mãos entrelaçadas no colo, evitando o
contato visual. O velocista viajou para o leste a uma velocidade
moderada até o primeiro cruzamento, depois virou na direção do
distrito do governo e retomou a mesma velocidade por mais tempo.
Sidious calculou que eles estavam vinte ou mais camadas abaixo
dos prédios mais afastados do Senado, quando o acelerador seguiu
para o oeste por um corredor ainda mais amplo em direção a um
distrito conhecido como The Flats or The Works - uma espécie de
planície industrial situada bem abaixo do platô governamental. ao
extremo norte, pelo templo Jedi e aos campos de aterrissagem
horizontal do espaçoporto de Pius Dea, e ao sul pelos resiblocks e
torres comerciais do distrito de Fobosi.

Onde Plagueis estava participando da indução de Larsh Hill na


Ordem do Círculo Cantado.

O piloto do velocista Rodian os entregou a um carro turboelevador


antigrav. Enquanto fingia tremer de medo, Sidious tinha chegado a
uma conclusão adicional: o fato de seus seqüestradores terem se
esforçado bastante para mantê-lo fora da vista do público
significava que o plano pedia que ele fosse preso por resgate ou
executado clandestinamente. do que publicamente.
O elevador os levou para uma área de ancoragem de nível médio
de uma fábrica abandonada, onde vários guardas aguardavam.
Oblíqua, com partículas sujas, usava a luz do dia atravessada por
enormes janelas ainda a serem quebradas pelas gangues que
governavam The Works, caindo sobre itens que foram considerados
inúteis quando os proprietários da fábrica abandonaram Coruscant
por mundos menos dispendiosos na Orla Central ou Externa. Os
manipuladores humanos de Sidious o forçaram a sentar no topo do
corpo quadrado de um dróide de poder derrubado. Um holoprojetor
portátil foi posicionado à sua frente e uma grade de transmissão foi
colocada sob seus pés.
Um dos guardas do Santhe passou um momento ativando o
projetor e se afastou quando uma imagem em tamanho real e
levemente azul do senador do Gran Protetorado Pax Teem tomou
forma acima. Teem estava vestido com uma túnica rica em
brocados e uma túnica de shimmersilk unida por um amplo
cummerbund. A qualidade estável e nitidamente detalhada da
imagem sugeria que sua origem era Coruscant ou um mundo Core
próximo, em vez de Malastare.
“Pedimos desculpas por não ter fornecido um assento mais
adequado ao seu cargo, senador. Sem dúvida, o chefe da Casa
Palpatine está acostumado a um ambiente mais confortável. ”
Sidious rejeitou a indignação e a intimidação por curiosidade
irritada. “É nesse ponto que devo perguntar por que
Eu fui sequestrado?
As viseiras de Teem se alongaram. "Você não está nem um pouco
interessado?"

"Presumo que isso tenha algo a ver com a abstenção de Naboo na


votação."

“Isso certamente faz parte do motivo. Você deveria ter votado


como seu antecessor, senador.
"Essas não foram minhas instruções."
"Oh, eu tenho certeza disso."
Sidious cruzou os braços sobre o peito. "E o resto?"

Teem esfregou as mãos de seis dedos com ansiedade. “Isso tem


menos a ver com você do que com os seres que você serve. De
certa forma, é simplesmente a sua má sorte que você se encontra
no meio. ”

- Não acredito em má sorte, senador, mas entendo que meu


sequestro é um ato de retribuição. E, como tal, você demonstra que
o Gran Protetorado está disposto a empregar as mesmas táticas
usadas por aqueles que ordenaram o assassinato de Vidar Kim. ”
Teem inclinou-se para a câmera que transmitia sua imagem e
permitiu que a raiva contorcia suas feições. “Você diz isso como se
ainda fosse um mistério, quando nós dois sabemos que o
assassinato não foi ordenado pela Federação do Comércio, mas
pelo seu mestre Muun. Por Hego Damask.
A expressão de Sidious não mudou. “Ele dificilmente é meu
mestre , senador. Na verdade, eu mal o conheço.
"Ele o recebeu em frente ao prédio do Senado como um amigo
próximo."
"Ele estava estendendo sua saudação a dois mestres Jedi com
quem eu estava de pé."
O dedo indicador direito de Teem espetou o ar. “Não se iluda
pensando que pode se salvar mentindo. Você e Damask se
conhecem há mais de dez anos. Desde que você foi fundamental
para ajudá-lo a garantir a eleição de Bon Tapalo.

Sidious gesticulou casualmente. "Um velho boato que não tem


fundamento, iniciado e perpetuado pelos rivais da Casa Palpatine."
“Mais uma vez, você mente. Sua traição foi para seu pai e seus
aliados reais. Em troca das informações que você divulgou e da
espionagem subsequente que realizou para Damask, ele

recompensou você persuadindo Tapalo a nomear seu embaixador. ”

Sidious escondeu sua tristeza. O fato de seus inimigos em Naboo


terem procurado Teem não surpreendeu. Mas a revelação confirmou
sua decisão de eliminar esses inimigos na primeira oportunidade. E
também para garantir que essas informações sobre seu passado
desaparecessem do registro público.
"A nomeação como embaixador veio anos depois", disse ele.
"Como resultado direto das minhas realizações políticas em Naboo."

Teem bufou uma risada. "Da mesma maneira em que a nomeação


para o Senado foi resultado de suas realizações?"
"Fale claramente, Teem", disse Sidious, sua voz suave e
ameaçadora agora.
Teem mostrou a ele um sorriso amargo. "Talvez você não tenha
participado diretamente da morte de Kim, mas eu suspeito que você
foi cúmplice." Ele fez uma pausa e acrescentou: “Esse pequeno
discurso que você fez no Senado ... eu entendo que conseguiu atrair
a atenção do Chanceler Supremo. Claramente, você tem todos os
ingredientes de um político de carreira. Infelizmente, planejamos
interromper sua carreira. ”
Sidious escovou a poeira do ombro de sua túnica. “Libere as
alegações que tiver. Eles fornecerão fofocas para o dia e serão
esquecidos no dia seguinte.
Teem colocou as mãos grandes nos quadris e riu com vontade. -
Você me entende mal, Palpatine. Não estamos interessados em
prejudicar sua reputação ou em prendê-lo como resgate.
Pretendemos matá- lo.
Sidious levou um momento para responder. Era estranho pensar
agora que ele já conhecera o medo. Embora nunca tenha medo
incapacitante, e nunca por muito tempo. Mas quando criança, ele
experimentou o medo como uma resposta condicionada à ameaça.
Apesar de uma voz tranquilizadora dentro dele que prometia que
nenhum dano poderia ocorrer, houve, por um tempo, a chance de que
algo terrível pudesse acontecer. Mais de uma vez o pai dele

mão erguida o fez estremecer. Eventualmente, ele entendeu que


havia conjurado aquela voz; que ele não estava se enganando
exercitando alguma crença infantil na invulnerabilidade. E ele
entendeu agora que tinha sido o lado sombrio lhe dizendo que
nenhum dano poderia lhe acontecer, precisamente porque ele era
invulnerável. Desde o início de seu treinamento, a voz se aquietou ao
ser internalizada. A crença de Teem de que ele tinha poder sobre ele
poderia, há muito tempo, tê-lo levado à pena, em vez de provocar
raiva e ódio. A emoção crua foi uma consequência de levar uma vida
dupla. Enquanto ele apreciava sua identidade secreta, ele queria ao
mesmo tempo que se soubesse que ele era um ser que não podia
ser visto com facilidade; que ele exercia autoridade suprema; que
apenas olhá-lo equivalia a vislumbrar a matéria escura que ligava e
dirigia a galáxia ...

"O que você espera ganhar me matando?"


“Desde que você pergunta: livrar o Senado de mais um amigo
inútil e enviar uma mensagem especial a Hego Damask de que seus
dias de influência no Senado chegaram a um fim abrupto. Por dez
anos, estávamos esperando para executar essa ... retribuição , como
você chama. Para alguns de nós, ainda mais. Voltando à parceria de
Damask com uma Bith chamada Rugess Nome. ”

O assassinato de Kerred Santhe , Sidious pensou. "Receio, senador,


que você não tenha pensado suficientemente sobre este assunto."

O rosto de Teem ganhou cor. - Repercussões, Palpatine? Ah, mas


refletimos sobre o assunto e tomamos as precauções necessárias.
Sidious assentiu. "Vou lhe dar uma chance final de reconsiderar."

Teem se virou para alguém e soltou uma risada de barriga. Diga


isso aos seres que mantêm sua vida em suas mãos, Palpatine. E
tenha coragem no fato de ter conseguido tanto em sua breve
carreira. ”
Assim que a holoimagem se dissolve, dois dos seguranças
começam a avançar sobre ele. Sidious se preparou para a ação. Um
golpe da Força para enviá-los de volta em direção ao holoprojetor,
depois um salto, braços estendidos, mãos enroladas em garras, uma
para cada traqueia, que ele arrancaria de suas gargantas -
A Força se intrometeu, chamando sua atenção para as janelas nas
paredes superiores.
Ao mesmo tempo, o som de explosões repetidas e gritos de dor
ecoou nas salas adjacentes; depois, um estrondo de vidro
estremeceu quando os Guardas do Sol bateram pelas janelas altas e
começaram a rolar para o chão imenso, tocando enquanto
deslizavam em suas linhas de microfilamentos, pegando os homens
Santhe e o Rodian com tantos raios que seus corpos estavam.
deixado esquartejado pelos voleios.

Outros Echani de cabelos loiros correram para o patamar de


ambos os lados, alguns carregando lanças com força, outros
explosivos. Sidious ainda tinha que mover um músculo quando uma
mulher de olhos prateados correu para ele.
"Você está seguro agora, senador
Palpatine." Ele sorriu para ela. "Eu posso
ver isso."
Um macho Echani parado ao lado do holoproj usava um
dispositivo portátil para extrair informações dele. Um momento
depois, uma imagem de Hego Damask, vestida com uma túnica
cerimonial, apareceu onde estavam os de Teem; o dróide 11-4D
estava atrás dele.
"Temos a fonte, Magister", disse o Sun Guard. “Instalação Orbital
Panoply.”
Damask assentiu. "Encontre o resto de sua equipe e execute o
assalto."
A Guarda Solar assentiu vivamente. "Devo deixar pessoal com o
senador Palpatine?"
"Não", disse Damask. O senador Palpatine não exige sua proteção.
Nos deixe."
Sidious podia ouvir velozes pairando do lado de fora da fábrica.
Sem dizer mais nada, os guardas do sol começaram a correr

do quarto.
"Você obviamente está de olho em mim", disse Sidious enquanto
se aproximava do projetor.
Darth Plagueis assentiu. "Seu seqüestro está nos estágios de
planejamento há algum tempo."
"Desde que você fez questão de me receber abertamente no
Senado."
“Mesmo antes disso. Veruna me alertou para o fato de que um
grupo de nobres descontentes havia feito contato com a Gran.
Plagueis parou um momento. "Você pode considerar usar Sate
Pestage para acertar as contas com eles."
"O pensamento me ocorreu."
"Quanto à nossa reunião pública, eu precisava pendurá-lo na
frente deles."
"Sem o meu conhecimento." A grosseria que surgira no rosto de
Sidious se aprofundou. "Outro teste?"
"Por que eu deveria testar você?"
"Talvez você tenha pensado que eu estava ficando tão encantado
com a vida em Coruscant que não reconheceria o perigo."
“Claramente você não estava. Pude ver que você estava ciente
desde o início. Você estava determinado a me agradar, e de fato
você tem.
Sidious inclinou a cabeça em uma reverência respeitosa.
"Mesmo em parceria com a Santhe Security, Teem e o outro Gran
são amadores", continuou Plagueis. “Nossos agentes os
convenceram a usar o restaurante em Uscru e a fábrica em que você
se encontra - de nossa propriedade , por assim dizer, por meio de
uma holding chamada LiMerge Power. No entanto, não fomos
capazes de determinar onde o Gran se refugiaria.
"E agora você sabe", disse Sidious. “Mas por que fazer tanto
esforço para configurá-los? Por que não simplesmente matá-los?
- Isso não é da Sith, aprendiz. Por uma questão de aparência,
precisamos justificar o que estamos prestes a desencadear sobre
elas. Eles não conseguiram entender nossa mensagem e agora

eles devem aprender uma lição. Ainda assim, outros interesses


precisam ser convencidos de nosso raciocínio. ”
"Como posso ajudar?"
“Você já fez sua parte. Agora vá sobre o seu negócio habitual.
Falaremos novamente quando a cerimônia da Ordem do Círculo
Cantado for concluída.
Sidious ficou em silêncio por um longo momento, depois disse:
"Existe um fim para essas provações?"
"Sim. Quando não houver mais necessidade deles.
20: O CÍRCULO CANTED

O palco estava montado.


Um círculo perfeito, com vinte metros de diâmetro, havia sido
cortado de uma única laje de pedra importada e construída de modo
que uma extremidade tocasse o chão enquanto a outra era mantida
dez graus acima por geradores ocultos de gravuras. Esse era o
Círculo Cantado, conhecido apenas pelos membros da ordem - que,
ao longo de sua longa história, nunca havia chegado a mais de
quinhentos em qualquer período - e estava alojado no cume claro da
mônada da sociedade esotérica no coração do distrito de Coruscant
em Fobosi. Diz a lenda que o edifício de topo redondo - considerado
um dos mais antigos naquela parte do planeta - foi construído sobre
um antigo leito de lago e foi o único sobrevivente de um evento
sísmico que o levou dez graus a sudoeste . Um século após o
terremoto, a estrutura foi corrigida para a vertical, exceto a parte
central do piso inclinado de sua história mais alta, que mais tarde
forneceu o nome de uma organização clandestina fundada por
seres influentes que compraram o edifício em algum momento
durante o reinado de Tarso Valorum.

Naquele momento, Larsh Hill, envolto em túnicas pretas, estava de


pé no extremo elevado do círculo, e Plagueis, 11-4D e dez outros
Muuns - também vestindo roupas pretas, embora diferentes das
roupas com capuz da ordem - estavam do outro lado. . Programada
para começar no início da hora, a cerimônia de iniciação começaria
com o alto funcionário se juntando a Hill no círculo, iniciando-o e
colocando em volta do pescoço o pingente de assinatura da ordem.
Plagueis recusara uma oferta de inscrição vinte anos antes, mas
continuara a negociar com o Grand Mage e muitos dos membros
mais importantes da ordem.

membros proeminentes, muitos dos quais eram regulares nos


Encontros de Permanência. A Ordem do Círculo Cantado estava
contente em servir como um clube exclusivo para alguns dos seres
mais influentes da galáxia; seus objetivos eram estreitos em foco e
seus rituais universalmente alegóricos, repletos de frases secretas e
apertos de mão. Plagueis entendeu a necessidade de incutir nos
membros uma sensação de fraternidade furtiva, mas não podia
arriscar que os altos funcionários cavassem exaustivamente demais
seus antecedentes. O passado de Larsh Hill, por outro lado, foi
exemplar - mesmo nas décadas que ele passou trabalhando com o
pai de Plagueis. Uma vez iniciado, Hill se tornaria o principal agente
da Damask Holding em Coruscant, e seu filho, San, se tornaria a
mão direita de Hego, em preparação para seu eventual papel de
presidente do Clã Bancário InterGaláctico.
Retornado da curta holocomunicação com Sidious, Plagueis foi
preenchido com uma sensação de triunfo. Antes que a noite caísse
no distrito de Fobosi, os membros do Gran Protetorado deixariam de
ser uma preocupação. Pax Teem e o resto acreditavam ter
encontrado abrigo a bordo de uma das instalações orbitais de
Coruscant, mas os Guardas Solares - com exceção de um par que
Plagueis mantinha em reserva na sala de iniciação da ordem
- estavam a caminho deles agora, em forças suficientes para
esmagar quaisquer defesas que a Santhe Security possa estar
fornecendo. Sidious desempenhou seu papel perfeitamente e se
redimiu completamente aos olhos de Plagueis. Chegara a hora de
aprofundar seu aprendiz nos mistérios Sith que ele vinha
investigando a maior parte de sua vida; apresentá-lo aos milagres
que estava realizando em Aborah.

De uma série de tampo de arco portas que revestem o perímetro


da sala vinham os sons de solene cantando como talvez três dúzias
de da ordem de vestes negras membros começaram a fi le e tomar
seus lugares ao longo do perímetro do Canted Circle. O último a
emergir foi o alto funcionário, que usava uma máscara e carregava o
pendente circular e emblemático pendurado nas duas mãos, que ele
segurava como se estivesse rezando. Rituais de tipo semelhante
haviam sido decretados por

os antigos Sith, pensou Plagueis, enquanto Larsh Hill se refletia


diante do alto funcionário.
No mesmo instante, o joelho direito de Hill tocou a pedra polida,
um emaranhado de presságios subiu pela espinha de Plagueis.
Virando um pouco, viu que o 11-4D havia girado a cabeça em sua
direção em um gesto que Plagueis associou com alarme. O lado
sombrio caiu sobre ele como uma mortalha, mas em vez de agir por
impulso, ele se conteve, com medo de trair sua verdadeira natureza
prematuramente. Nesse instante de hesitação, o tempo parou e
vários eventos aconteceram ao mesmo tempo.
O alto funcionário deu um puxão descendente no pingente que ele
colocara em volta do pescoço de Hill, e a cabeça do velho Muun caiu
de seus ombros e começou a rolar pelo palco inclinado. O sangue
jorrou do pescoço de Hill, e seu corpo caiu para um lado com um
baque e começou a sacudir-se para frente e para trás quando um
após o outro de seu coração falhou.
Puxando as mãos das espaçosas mangas opostas de suas
vestes, os membros encapuzados da ordem fizeram movimentos
laterais, que enviaram dezenas de discos decapitadores gritando
pelo ar. Muuns de ambos os lados de Plagueis caíram de joelhos,
seus últimos suspiros presos em suas gargantas. Um disco
enterrado no fundo de sua testa, um dos guardas do sol girava na
frente de Plagueis como uma marionete enlouquecida. Sangue se
transformou em névoa. Atolado em pelo menos três lugares e com
vazamento de lubrificante, o 11-4D estava tentando mancar ao lado
de Plagueis quando outro disco entrou em seu corpo de liga,
tocando uma tempestade de faíscas e fumaça.

Plagueis pressionou a mão direita no lado direito do pescoço para


descobrir que um disco havia atingido um pedaço considerável do
osso da mandíbula e do pescoço, e em sua passagem cruel havia
rompido sua traquéia e vários vasos sanguíneos. Ele segurou a
Força contra a lesão para não cair na inconsciência, mas caiu no
chão de qualquer maneira, com sangue bombeando no círculo de
pedras já escorregadio. Ao seu redor, inclinados em sua visão
vacilante, os assassinos haviam atraído

lâminas vibrantes das outras mangas das vestes e começavam um


avanço metódico nos poucos Muuns que ainda estavam de pé. Uma
rajada de raios riscou o jateador nos braços da Guarda Solar
restante, varrendo meia dúzia de seres encapuzados pela borda do
círculo, antes que ele próprio fosse massacrado.

Enganado , pensou Plagueis, tão magoado pela realização quanto


pela ferida. Manobrado por um grupo de seres inferiores que pelo
menos tiveram senso suficiente para colocar a astúcia acima da
arrogância .

***

Em seu pequeno, mas ordenado escritório do Senado, Palpatine


olhou para um pedaço de Coruscant. Do outro lado de uma corrente
incessante de tráfego de nível intermediário, havia o simples clímax
de um complexo monótono do governo.

Vá sobre o seu negócio habitual , disse Plagueis. Mas como ele


poderia se comportar como se nada tivesse acontecido, mesmo no
interesse de estabelecer um álibi? Plagueis esperava que ele
voltasse para Uscru e terminasse o almoço? Dê um passeio no
Monument Plaza? Manter sua nomeação para se encontrar com o
inconseqüente Bothan que presidiu o Comitê de Finanças?
Ele se afastou da janela do escritório, vítima de sua própria raiva
inédita.
Essa não era a vida que ele imaginara para si mesmo dez anos
antes, quando jurara lealdade ao lado sombrio da Força. Sua fome
de estar em contato mais próximo com a Força, de ser um Sith ainda
mais poderoso, não tinha limites. Mas como ele saberia quando
chegara a alguma aparência de domínio? Quando Plagueis contou a
ele?

Ele considerou suas mãos trêmulas.


Sua capacidade de invocar relâmpagos seria mais fácil? Que
poderes Sith Lord Plagueis guardou para si mesmo?

Ele estava parado no centro da sala quando sentiu alguém no


corredor do lado de fora. Punhos bateram na porta; depois deslizou
para um lado e Sate Pestage entrou na sala. Vendo Palpatine, ele
parou repentinamente, e o olhar de pânico que ele usava ao entrar
se transformou em um alívio visível.
"Eu tenho tentado alcançá-lo", ele quase gritou, passando a mão
na testa.
Palpatine olhou para ele interrogativamente. Eu estava ocupado. O
que aconteceu?"
Pestage afundou em uma cadeira e olhou para ele. "Você tem
certeza que quer saber?" Ele fez uma pausa e disse: "No interesse
de separar o que faço do que você faz "
Os olhos de Palpatine brilharam. "Pare de desperdiçar meu tempo
e vá direto ao ponto."
Pestage rangeu os dentes. "O comandante da Malásia com quem
eu negociei durante o voo Kim."
"O que ele tem?"
“Ele me contatou - duas, talvez três horas atrás. Ele disse que se
sentiu humilhado por causa da maneira como o contrato com Kim
havia sido implementado e queria compensar isso por mim. Ele
disse que acabara de receber a notícia de que uma facção da
Malásia havia aceitado um contrato para realizar um grande golpe
em Coruscant, envolvendo alguém intimamente associado à
Damask Holdings. Pestage manteve os olhos em Palpatine. "Eu
temia que fosse você."
Palpatine voltou para a janela para pensar. Os guardas do Santhe
tinham planejado entregá-lo aos malaios depois da
holocomunicação com Pax Teem?
Ele se virou para Pestage. “Quem assinou o contrato?
"Membros do Gran Protetorado."
"Está tudo bem", disse Palpatine, mais para
si mesmo. "O que serve?"
"Onde estão esses Gran agora?"
“Assim que soube dos maladianos, pedi a Kinman para ficar de
olho neles. Eles estão escondidos no Malastare

residência do embaixador. "


Palpatine piscou. "Aqui? Em Coruscant?
"Claro, aqui."
"Não é possível que eles sejam do mundo
todo?" "Não, eles estão em desvantagem."
Palpatine andava para longe de Pestage. Ele se abriu totalmente à
Força e ficou atordoado por uma onda de malevolência
avassaladora. Ele plantou a mão esquerda sobre a mesa para apoio
e conseguiu inspirar gaguejando. Em algum lugar por perto, o lado
sombrio estava desencontrado.
"Palpatine!" Pestage disse atrás dele.
"Hego Damask", disse Palpatine, sem se virar. Pestage estava
atordoado demais para responder.
O Gran vira a mesa para ele! Em ambos . Plagueis ficara tão
decidido a executar seu próprio plano que deixara de considerar que
o Gran também poderia ter um plano. Como? Como ele poderia ter
sido tão cego ?
"Prepare um acelerador, Sate!"
Ele ouviu Pestage se levantar. "Para
onde estamos indo?"
“O Fobosi. A loja do Círculo Cantado.
***

Caído do lado direito, joelhos esticados contra o peito, olhos


abertos, mas imóveis, Plagueis observou o segundo Echani
sucumbir a várias facadas das vibradeiras dos assassinos. Com o
sangue escorrendo da mão direita em concha de Plagueis e
brilhando em uma poça no chão debaixo do pescoço, eles o levaram
para morrer. Mas agora eles estavam passando do corpo de um
Muun caído para o outro, procurando sinais de vida e terminando o
que haviam começado. Alguns haviam abaixado o capuz preto,
revelando-se maladianos - o mesmo grupo que Sidious empregara
para lidar com Vidar Kim.
Por um instante, ele se perguntou se Sidious havia fechado
secretamente um segundo contrato, mas imediatamente descartou
o pensamento - nascido como era de não querer admitir para si
mesmo que o Gran o havia superado. Ele se perguntou se os
maladianos tinham sido realmente ousados o suficiente para matar
os membros proeminentes do Círculo Cantado que estavam
representando. Improvável, dado que os assassinos eram
conhecidos e respeitados por seu profissionalismo. Os membros
provavelmente haviam ficado inconscientes por gás ou por outros
meios.
A um metro de distância, havia 11-4D, cinco discos decapitadores
salientes do corpo de liga e luzes indicadoras piscando, no meio de
uma rotina de autodiagnóstico . Tendo passado por um teste
semelhante, Plagueis sabia que havia perdido muito sangue e que
um de seus corações subsidiários estava em estado de embriaguez.
As técnicas de Sith o ajudaram a realizar cardioversões químicas
em seus outros dois corações, mas um deles estava trabalhando tão
duro para compensar que também corria o risco de se tornar
arrítmico. Plagueis moveu os olhos apenas o suficiente para
consertar a localização de algumas das duas dúzias de assassinos
que haviam sobrevivido ao contra-ataque dos Guardas Solares;
então ele cavou fundo na Força e se catapultou.
O mais próximo dos assassinos balançou para ele com lâminas
vibratórias elevadas e correu para frente, apenas para se afastar do
palco inclinado e contra as paredes curvas da sala. Outros Plagueis
caiu com as mãos estalando o pescoço e colocando os punhos
através dos torsos blindados. Abrindo os braços, ele bateu palmas,
transformando todos os objetos soltos nas proximidades em um
projétil mortal. Mas os maladianos estavam longe de ser assassinos
comuns . Os membros do culto mataram e feriram Jedi, e em
resposta ao confronto com os poderes da Força, eles não
encolheram ou fugiram, mas simplesmente mudaram de tática,
movendo-se com uma agilidade impressionante para cercar
Plagueis e aguardar aberturas.

A espera durou apenas até Plagueis tentar lançar um raio. Seu


segundo coração subsidiário falhou, paralisando-o com dor e quase
mergulhando-o na inconsciência. o

os assassinos não perderam um momento, jogando-se contra ele


em grupos, embora numa tentativa vã de penetrar no escudo da
Força que ele ergueu. Mais uma vez, ele se reuniu, desta vez com
um som irregular arrastado do fundo que irrompeu dele como uma
arma sônica, quebrando os tímpanos dos que estavam a dez metros
e obrigando o resto a levar as mãos aos ouvidos.
Em um movimento ofuscante, suas mãos e pés esmagaram
crânios e traquéias. Ele parou uma vez para conjurar uma onda da
Força que praticamente atomizou os corpos de seis maladianos. Ele
girou em uma curva, arrastando a onda no meio da sala para matar
mais meia dúzia. Mas mesmo isso não foi suficiente para impedir
seus agressores. Eles voaram contra ele novamente, aproveitando
ao máximo sua fraqueza momentânea para abrir cortes em seus
braços e ombros. De joelhos, ele levantou um jateador da Guarda
Solar do chão e o chamou em sua direção; mas um dos assassinos
conseguiu alterar sua trajetória arremessando-se no caminho da
arma aérea.
Com nada mais do que a força de sua mente, Plagueis sacudiu o
chão, derrubando alguns dos assassinos, mas outros correram para
tomar seus lugares, golpeando-o com suas lâminas vibratórias de
todos os ângulos. Ele sabia que tinha vida suficiente para conjurar
um contra-resultado final. Ele estava a um momento de perder o
inferno nos Maladians quando sentiu Sidious entrar na sala.
Sidious e Sate Pestage, em cujas mãos um aparelho de som
repetitivo formava um inferno próprio, uma barragem de luz que
separava membros de torsos, cabeças encapuzadas de ombros
encapuzados. Apressando-se para o lado de Plagueis, Sidious o
levantou e, em uníssono, trouxeram morte rápida para o resto.
Na quietude que se seguiu, 11-4D, brilhando com lubrificante
vazado, reativou-se e caminhou silenciosamente até onde os dois
Sith estavam de pé, seringas agarradas em dois de seus apêndices.

"Magister Damask, eu posso ser útil."

Plagueis estendeu o braço em direção ao dróide e depois se


abaixou ao chão quando as drogas começaram a surtir efeito. Ele
ergueu o olhar para Pestage, depois olhou para Sidious, que, por sua
vez, mostrou a Pestage um olhar que deixou bem claro que ele se
tornara um membro da fraternidade secreta deles, querendo ou não.
"Mestre, precisamos sair imediatamente", disse Sidious. "O que eu
senti, os Jedi podem ter sentido, e eles virão."
"Deixe-os", Plagueis murmurou. "Deixe-os inalar o aroma do lado
escuro."
“Essa carnificina está além da explicação. Não podemos estar aqui.
Depois de um momento, Plagueis assentiu e chamou uma voz
borbulhante. “Lembre-se do protetor solar. Quando terminarem
aqui-"
"Não", disse Sidious. “Eu sei onde estão os Gran. Desta vez, não
serão os negócios, mestre.

A residência do embaixador de Malastare ocupava três andares de


um prédio esbelto, localizado na periferia do distrito governamental.
A frente da residência dava para os autônomos Galactic Tribunais
da Justiça Construção, mas a parte traseira enfrentou um estreito
desfiladeiro que era mais do que cinqüenta níveis de profundidade e
o limite FF para tra ffi c. Seguindo as instruções fornecidas por
Pestage, Sidious montou turboelevadores e passarelas de pedestres
até uma varanda escassa dez níveis acima do andar superior da
residência. Apesar de sua fúria, ele teria preferido permanecer até o
anoitecer, que chegou mais cedo àquela parte de Coruscant, mas
tinha certeza de que os Gran esperavam que os maladianos
tivessem cumprido os termos do contrato e não podia se arriscar.
eles fogem para as estrelas antes que ele chegasse a elas. Então ele
permaneceu na varanda até que ela e a passagem nas duas
direções estivessem desocupadas, depois pulou do mirante e pediu
à Força que o entregasse com segurança a uma borda estreita que
corria sob o piso mais baixo da residência. Lá ele empoleirou-se
apenas para o

tempo necessário para ativar o sabre de luz que ele recuperara da


nave estelar de Plagueis e usá-lo para abrir caminho em um amplo
duto de manutenção que perfurava o edifício em cada nível.
Rastejando para o primeiro egresso - a uma distância de apenas
dez metros - ele se abaixou em uma sala escura e mais uma vez
chamou a lâmina carmesim da arma do punho. Construído para
encaixar a mão grande do Muun, o sabre de luz parecia pesado na
de Sidious, então ele mudou para um aperto de duas mãos .
Movendo-se com uma cautela que desmentia sua intenção
assassina, e alerta para câmeras ou outros dispositivos de
segurança, ele saiu da sala para um corredor apertado e seguiu em
direção à frente do prédio. Lá, em uma entrada formal, dois Dugs
estavam de guarda de uma maneira desagradável. Movendo-se
rapidamente, um borrão para os sentidos humanos, ele os pegou de
surpresa, abrindo o peito e o abdômen de um e decapitando o outro
enquanto o primeiro tentava impedir que suas entranhas se
derramassem no piso de mosaico brilhante. Uma breve varredura do
vestíbulo revelou a presença de cames instalados nas paredes e no
teto alto. Ele se perguntou como os assassinatos pareciam para
qualquer um que monitore uma tela. Deve ter parecido como se os
dois Dugs tivessem sido massacrados por um fantasma.

Ainda, mais uma razão para se apressar.


Ele correu escada acima para o próximo andar, onde ouviu uma
cacofonia de vozes humanas abafadas pela porta grossa de uma
sala próxima. Soprando a porta para dentro com um empurrão da
Força, ele assumiu uma posição ampla na porta quebrada e
posicionou a lâmina do sabre de luz vibrante verticalmente na frente
dele. Pelo brilho da arma, ele viu uma dúzia ou mais de guardas de
Santhe, de uniforme, sentados em volta de uma mesa cheia de
recipientes de comida e bebida olhando para ele, incrédulos, antes
de pegar armas presas aos quadris ou correr atrás de outras
pessoas enterradas sob os escombros da refeição comemorativa.
Sidious entrou na sala, devolvendo rajadas de projéteis dos
primeiros ao fogo, depois atacou, levantando a mão esquerda para
levitar dois guardas no ar antes de passar a lâmina por cada um
deles. Rosnando como um animal, ele girou

através de um círculo, livrando três guardas de suas cabeças e


cortando um quarto ao meio na cintura. A lâmina empalou um
guarda que se atira ao chão com um terror abjeto, depois foi direto
para a boca estridente do último deles.
Quando o homem desabou em uma pilha, Sidious viu-se de
relance em um espelho ornamentado: rosto contorcido de raiva,
cabelos ruivos em desordem eletrificada, boca palmada com fios de
saliva grossa, olhos com um tom radioativo de amarelo.
Ele voou de volta para a escada e correu para o topo do voo
seguinte, que se abriu em uma grande sala cheia de vovós e filhotes,
juntamente com criados e vovós. Tendo ouvido a comoção de baixo,
alguns já estavam em seus enormes pés planos; outros, porém,
ficaram chocados demais para se mexer.
Tanto melhor para ele, e ele não deixou nenhum deles vivo.

Então: através de um conjunto de salas caras e caras, para outro


conjunto de portas fechadas, por trás das quais emitiam os sons de
um banquete em andamento - um que provavelmente havia
começado horas antes e não deveria terminar até horas depois, com
a morte de O senador Palpatine, Hego Damask e os outros Muuns
são um fato consumado.
Agora Sidious deu vazão total à sua ira. Batendo pelas portas, ele
aterrissou no centro de uma mesa coberta com pratos de grãos e
plantas gramadas e cercado por um rebanho de Gran pastando,
cujas gargalhadas gargalhadas congelaram em suas gargantas. Da
cabeceira da mesa, Pax Teem olhou para ele como se ele pudesse
ser uma criatura que escapou de seu pesadelo mais horrível. E, no
entanto, ele não seria o primeiro a provar a lâmina de Plagueis, a não
ser a última: uma vez que fora forçado a assistir o resto do seu
grupo sendo massacrado, de cascos a calçadas; o teto pintado
derrubado pela força de Sidious; as chamas de uma chama suave de
gás no fogo da sala incitaram a um inferno escaldante que Sidious
puxou

atrás dele, enquanto ele voava da mesa para o chão e se fechava


sobre sua vítima final.
Em um voo desesperado dos Sith e das chamas que se
espalhavam, Pax Teem se apoiara em uma janela alta emoldurada
por cortinas do chão ao teto . Concursos de qualquer tipo tentavam
passar por sua caixa de voz ferida e passar por seus dentes
quadrados, mas nenhum conseguiu.
Desativando o sabre de luz, Sidious acenou as chamas com os
dedos, encorajando-os a pular da mesa para as cortinas. Um grito
agudo finalmente emergiu do focinho estreito de Teem quando o
tecido em chamas desabou ao seu redor, e Sidious o observou assar
até a morte.
21: INVESTITURA

Assassinatos, assassinatos e outros crimes não eram páreo para os


códigos de silêncio que governavam a Ordem do Círculo Cantado, o
Gran Protetorado, a Santhe Security e o Conselho Superior de Jedi
quase desde o início. Se os membros da elite e os guardas
particulares do Círculo Cantado não tivessem sido drogados e
encontrados inconscientes nos camarins e em outros lugares, os
investigadores policiais convocados para a sede por dois Cavaleiros
Jedi nunca teriam permissão para entrar no edifício histórico, muito
menos na vanglória da ordem. sala de iniciação, na qual foram
descobertos os corpos de dois Echani, que se acredita serem
guarda-costas; uma dúzia de Muuns, mortos por discos
decapitadores e vibradores; e três vezes o número de assassinos da
Malásia vestidos com roupas emprestadas, que sucumbiram a
explosões, ferimentos por força bruta e, em alguns casos,
amputações traumáticas. Tão dispersos foram os últimos, os
investigadores inicialmente suspeitaram que um dispositivo
explosivo havia sido detonado, mas nenhum vestígio de um
dispositivo foi descoberto. Os Muuns foram rapidamente
identificados como membros de alto escalão de um grupo
financeiro clandestino conhecido como Damask Holdings, embora
se acreditasse que seu rico fundador e chefe de operações, Hego
Damask, tivesse sobrevivido ao ataque furtivo. Os Jedi que
alertaram a polícia nunca revelaram o que os havia atraído para o
distrito de Fobosi, para começar, ou por que expressaram tanto
interesse no caso. Os membros da Ordem do Círculo Cantado
também se recusaram a responder a quaisquer perguntas.

Na embaixada de Malastare, no coração de Coruscant, as


evidências eram ainda mais complicadas e complicadas por um
incêndio e uma explosão de gás que se arrastava através do

construção. Marechais de incêndio e especialistas forenses


examinavam os restos carbonizados do resiblock de três andares
quando dois membros do Conselho Jedi fizeram uma visita sem
aviso prévio. Mais uma vez, os Jedi se recusaram a explicar suas
ações, mas a polícia foi capaz de progredir por conta própria. A
quantidade de resíduo de sangue descoberto no local levou os
investigadores a determinar que, antes da chegada da polícia, vários
corpos haviam sido incinerados no local, sugerindo o trabalho de
elementos do crime organizado. Após o recente assassinato do
senador Vidar Kim, o Comitê de Investigação do Senado formou
uma força-tarefa especial para analisar o assunto. Muitos seres
foram entrevistados e interrogados, e muitas gravações de câmeras
de segurança foram estudadas durante o curso da investigação,
mas a maioria dos principais atores e testemunhas se escondeu
atrás de seus advogados, mesmo quando ameaçados de prisão por
obstrução à justiça.

Um mês padrão após os eventos em Coruscant, Plagueis convocou


Sidious para Muunilinst. Sidious visitou o skyhook de High Port, mas
nunca foi convidado a desviar-se, e agora se viu voando sobre um
dos oceanos azuis intactos do planeta, em uma velocidade
aerodinâmica elegante pilotada por dois protetores solares. Quando
o velocista se aproximou de Aborah, ele se estabeleceu
profundamente na Força e foi recompensado com uma visão da ilha
da montanha como um vórtice transcendente de energia escura,
diferente de tudo que ele já havia experimentado. Era algo que ele
esperava encontrar apenas em Korriban ou em algum outro mundo
Sith.

O dróide 11-4D - totalmente reparado - estava esperando por ele


na zona de pouso e o levou para dentro, deixando os guardas
esperando com o acelerador de ar.
"Você parece estar em muito melhor condição do que quando eu
te vi pela última vez, dróide", observou Sidious quando um
turbocompressor os jogou profundamente dentro do complexo.

"Sim, senador Palpatine, Aborah é um lugar restaurador." "E


Magister Damask?"
"Eu deixo para você julgar por si mesmo, senhor."
Saindo do turboelevador, a primeira coisa que chamou a atenção
de Sidious foi a biblioteca: prateleira após prateleira de textos,
pergaminhos, discos e holocrons - todos os dados que ele ansiava
desde o início de seu aprendizado. Ele passou as mãos
carinhosamente pelas prateleiras, mas mal teve tempo de se divertir
quando o 11-4D o conduziu a uma rampa descendente que levava
ao que poderia ter sido um centro de pesquisa médica de ponta .
Com os olhos passando de um dispositivo para o outro, ele
perguntou: "Isso é novo desde os ferimentos do Magister?"
"Apenas um pouco do que você vê", disse o dróide. "Na maioria
das vezes, essa área permanece inalterada desde que fui trazido
aqui."
"E quando foi isso?"
"Aproximadamente um ano padrão antes de eu ser apresentado a
você em Chandrila, senhor."
Sidious considerou e perguntou: "Magister Damask é seu criador,
dróide?"
"Não senhor. Ele é simplesmente meu mestre atual.
Mais profundamente no complexo, eles passaram por gaiolas que
continham tantas criaturas quanto poderiam ser encontradas em
um zoológico bem abastecido . O OneOne-FourDee indicou um
cluster separado do resto.
"Estas são as gestações mais recentes do Magister." "O
Magister?" Sidious repetiu em perplexidade. "Sua taxa de
sucesso melhorou."
Sidious ainda estava tentando entender as declarações do dróide
quando eles entraram em um longo corredor alinhado com células
sem janelas. Através da Força, ele podia sentir formas de vida atrás
de cada porta trancada.
"Cativos?"
"Oh, não, senhor", disse 11-4D . "Experiências em andamento."
Quando viraram uma esquina no final do corredor, Sidious parou
completamente. Centrado em uma espécie de sala de operações,
havia um imenso tanque de bacta, no qual flutuava um macho Bith.

"Isso é Venamis", disse Plagueis em uma voz que não era


inteiramente dele.

Sidious girou ao ver seu Mestre mancando na sala, boca, queixo e


pescoço escondido atrás de uma máscara de respiração ou
transpirador de algum tipo. A maioria dos ferimentos por lâmina
vibratória havia se curado, mas sua pele parecia especialmente
pálida. Sidious estava imaginando se Plagueis havia sido
enfraquecido pelo ataque, mas viu agora que, apesar de toda a
punição que seu corpo havia sofrido nas mãos dos assassinos da
Malásia, o Muun não era menos forte na Força.
"Seus pensamentos te traem", disse Plagueis. “Você acha que os
poderes de Malak foram enfraquecidos pelo sabre de luz de Revan?
Bane sendo incrustado em orbaliscos? Você acha que a jovem
aprendiz de Gravid foi prejudicada pela prótese que ela foi forçada a
usar depois de lutar com ele?
"Não, mestre."
"Em breve serei mais forte do que você pode imaginar." Plagueis
se forçou a engolir e disse: "Mas vamos lá, temos muito o que
discutir".
Sidious o seguiu até uma câmara fria, mobiliada apenas com uma
cama, duas cadeiras simples, um armário e um tapete quadrado de
tecido requintado. Apontando Sidious para uma das cadeiras,
Plagueis se abaixou com dificuldade notável na outra. Após um
longo momento de silêncio, ele assentiu com satisfação.
- Fico satisfeito em ver o quanto você mudou - o quão poderoso
você se tornou, lorde Sidious. O que aconteceu em Coruscant estava
destinado a acontecer, mas sinto consolo pelo fato de os eventos
terem moldado você em um verdadeiro Senhor Sith. Você está
realmente pronto para aprender os segredos que tenho guardado.
"Que lugar é esse, mestre?"
Plagueis levou um momento para reunir forças suficientes para
continuar. “Pense nisso como um vaso que contém todas as coisas
às quais me dedico. Todas as coisas que amo.

"Esta pode ser a primeira vez que eu ouvi você pronunciar a


palavra."

“Somente porque não existe outro termo que expresse


adequadamente meu apego incondicional às criaturas e seres com
quem compartilho este lugar. Amor sem compaixão, no entanto,
pois a compaixão não faz parte disso. ”
"O Bith - Venamis ..."
“Enviado por Tenebrous para me testar - para me eliminar se eu
tivesse falhado. Mas Venamis tem sido um presente; essencial para
me ajudar a desvendar alguns dos segredos mais profundos da
Força. Toda criatura que você vislumbrou ou sentiu aqui foi uma
bênção semelhante, como você verá quando eu o levar aos
mistérios.

"O que o dróide quis dizer quando disse que a gravidez do Magister
?"
Sob a máscara de respiração, Plagueis poderia ter sorrido. "Isso
significa que as gestações não foram alcançadas por meios
normais de concepção, mas sim através da Força". Surpresa e
descrença se misturaram nos olhos azuis de Sidious. "O
Força?"
"Sim", disse Plagueis, pensativo. “Mas não exerci a devida cautela.
À medida que tentamos extrair da Força os poderes da vida e da
morte, quando tentamos equilibrar a balança, a Força resiste aos
nossos esforços. Ação e reação, Sidious. Algo semelhante às leis da
termodinâmica. Fui audacioso, e a Força me testou da maneira que
Tenebrous procurava. Os midi-chlorians não são facilmente
persuadidos a executar os ditames de um recém-iniciado nos
mistérios. A Força precisa ser conquistada, especialmente no
trabalho que envolve o lado sombrio. Deve-se ter certeza de que um
Sith é capaz de aceitar autoridade. Caso contrário, isso frustrará as
intenções de alguém. Isso criará infortúnios. Vai contra-atacar.
"Os maladianos"
"Possivelmente. Mas, em qualquer caso, é por isso que a Ordem
Jedi desceu à decadência e está arrastando a República com ela.
Porque os Jedi perderam a lealdade dos

Força. Sim, sua capacidade de extrair energia da Força continua,


mas sua capacidade de usar a Força diminuiu. Cada uma de suas
ações gera uma conseqüência oposta, geralmente não reconhecida,
que eleva as pessoas sintonizadas com o lado sombrio; isso
impulsiona os esforços dos Sith e aumenta nosso poder. No
entanto, nosso uso desse poder requer delicadeza. Devemos estar
atentos aos momentos em que o lado da luz vacila e aberturas são
criadas. Então, e somente então - quando todas as condições forem
cumpridas - podemos agir sem medo de encontrar resistência ou
repercussão.
“Dizer que a Força trabalha de maneiras misteriosas é admitir a
própria ignorância, pois qualquer mistério pode ser resolvido através
da aplicação do conhecimento e do esforço incansável. Como
fizemos o nosso caminho no Senado, e como em breve faremos o
nosso caminho com a República e os Jedi, faremos o nosso
caminho com a Força. ”
Silenciado pela reverência, Sidious mal sabia como responder. "O
que você gostaria que eu fizesse, mestre?"
O transpirador emitiu uma série de tons e Plagueis inalou
profundamente. "Vou me mudar para Sojourn para me dedicar
totalmente às nossas investigações, a promover o imperativo e a me
curar."
"O que será de Aborah?"
"Por enquanto, pode servir como repositório." "E
Damasco Holdings?"
“O grupo não será reformado, embora eu possa continuar a sediar
reuniões anuais. E ensinarei pessoalmente San Hill, para prepará-lo
para assumir a presidência do Clã Bancário. ”
"Por que nós precisamos deles?"
Em um sussurro duro, Plagueis disse: “Porque a guerra está agora
na agenda, Sidious. Mas nossas ações devem ser cautelosas,
restritas aos sistemas estelares repletos de conflitos mesquinhos,
onde seres apropriados podem ser incentivados, operações
apropriadas podem ser financiadas ... Devemos providenciar para
que os mundos da Orla Exterior sofram enquanto o Núcleo prospera.
Patético como

esses mundos podem ser, não temos escolha a não ser usar o que
temos em mãos.
“O IBC será essencial para financiar a guerra que iremos fomentar
lentamente. Precisamos do Clã Bancário para financiar os
fabricantes de armas e sustentar uma economia alternativa para os
eventuais inimigos da República. ” Plagueis olhou diretamente para
Sidious. “Nosso sucesso será medido por sinais e presságios. Há
muito que você precisa aprender sobre os Yinchorri e os
Kaminoanos. Mas tudo no devido tempo. Por enquanto, Sidious,
saiba que você é a lâmina que atravessaremos no coração do
Senado, da República e da Ordem Jedi, e eu, seu guia para
remodelar a galáxia. Juntos, somos as estrelas recém-nascidas que
completam a constelação de Sith.

Sidious tocou a fenda no queixo. - Fico aliviada ao saber que não a


decepcionei, mestre. Mas os Jedi convocaram a polícia para o
distrito de Fobosi momentos depois que saímos. O plano já está em
perigo.
Cor rosa nas bochechas de Plagueis. “Os Jedi sabem há muito
tempo que o lado sombrio foi despertado e não pode ser controlado
por eles. Agora eles sentiram isso por conta própria Coruscant.
"Mesmo assim, não podemos continuar a arriscar a exposição",
disse Sidious cuidadosamente.
Plagueis o estudou. "Você tem mais a dizer sobre isso." “Mestre,
você consideraria treinar alguém no Sith
artes para executar quaisquer missões necessárias? ” “Outro
Venamis? Em detrimento de nossa parceria? Sidious balançou a
cabeça. “Não é aprendiz; não alguém
quem poderia aspirar a se tornar um verdadeiro lorde Sith. Mas
alguém habilidoso em furtividade e combate, que pode ser
eliminado quando não for mais necessário.
Surpresa brilhou nos olhos de Plagueis. "Você já tem alguém em
mente."
“Você me instruiu a ficar de olho nos seres que podem ser úteis.
Eu encontrei um tal em Dathomir não um

ano atrás. Uma criança Dathomiri Zabrak do sexo masculino.


“Muitos Zabrak demonstram força na Força. Por natureza, parece.
“Este bebê faz. A mãe teve dois filhos e procurou salvar um das
garras das irmãs noturnas, especialmente de uma conhecida como
Talzin.
"Você o comprou?"
"Aceitou ele." "Onde ele
está?"
"Eu o trouxe para as instalações contábeis que a Damask
Holdings mantém em Mustafar e o deixei sob os cuidados dos
dróides custodiais".
Plagueis fechou os olhos brevemente. Mustafar serviu como um
local para descartar inimigos e evidências muito antes da estação
de recuperação de Boss Cabra ter sido disponibilizada para Hego
Damask e outros.
"E a mãe?" ele perguntou.
"Vivo, por enquanto."
"Este Talzin não pode perseguir o bebê?"
Sidious olhou para dentro. "Ela pode."
Plagueis rosnou em irritação. "Então será da sua conta se ela o
fizer."
Sidious inclinou a cabeça em aceitação.
"Deixe o bebê em Mustafar sob os cuidados dos dróides",
acrescentou Plagueis finalmente, "mas comece a treiná-lo. Faça
com que ele sofra, lorde Sidious, para que ele possa nos servir
plenamente. Caso seus talentos da Força falhem em amadurecer,
elimine-o. Mas se ele se adaptar, mude-o para Orsis, a seu critério.
Lá você encontrará um centro de treinamento de elite operado por
um especialista em combate Falleen chamado Trezza. Ele e eu
tivemos negócios. Trezza elevará o Zabrak para ser firme, mas firme
em sua lealdade. Você, no entanto, supervisionará seu treinamento
no lado escuro. Não fale dos Sith ou de nossos planos até que ele
se prove. E não o coloque contra nenhum dos nossos inimigos mais
marcantes até que eu tenha a chance de avaliá-lo.

Sidious inclinou a cabeça. "Eu entendo, mestre."


"A Força fornece, Sidious", disse Plagueis depois de um momento.
“Como a natureza fornece mais seres masculinos após a guerra, a
Força, sempre atenta ao equilíbrio, fornece seres fortes no lado
escuro quando a luz governa por muito tempo. Este Zabrak é um
bom presságio.
"Os Lordes Sith que nos seguem prestam homenagem à sua
sabedoria, Mestre", disse Sidious com seriedade.
Plagueis levantou-se e tocou-o no ombro. - Não, lorde Sidious.
Porque nós somos o fim da linha. ” Ele gesticulou amplamente.
"Tudo o que foi feito aqui tem um único objetivo: estender nosso
reinado indefinidamente".
22: SERES ORDINÁRIOS

O frio crepuscular da Rotunda do Senado tinha como embalar


muitos para dormir. Afiando seus sentidos, Palpatine podia ouvir o
ronco suave de senadores humanos e não humanos sentados em
plataformas suspensas adjacentes à sua estação; mais claramente,
Sate Pestage e Kinman Doriana, em frente a ele no assento circular
da plataforma, fofocando maliciosamente. Por vinte anos, Naboo e
o setor de Chommell ocupavam o mesmo lugar no mesmo nível
naquele imenso cogumelo de um edifício, embora plataformas
tivessem sido adicionadas acima e abaixo e de ambos os lados
nessas duas décadas para acomodar representantes de mundos
recém-recebidos. a República. Também naqueles vinte anos,
Palpatine sentou - e admitiu cochilar - através das orações, diatribes
e censuradores de inúmeros seres, bem como discursos do Estado
da República por quatro Chanceleres Supremos: Darus, Frix, Kalpana
e Finis Valorum. O último estava próximo da conclusão de um
segundo mandato, enfrentado com desafios, a maioria dos quais
poderia ser rastreada - mas não levaria décadas - nas maquinações
de Hego Damask e seu conspirador secreto, Palpatine, em seus
disfarça como Sith Lords Plagueis e Sidious. Mas, de fato, metade
dos senadores na Rotunda levava uma vida dupla de um tipo ou de
outro: comprometendo-se a preservar a República e ao mesmo
tempo aceitando subornos da Federação do Comércio, facilitando a
escravidão e o contrabando de especiarias e bastões da morte, ou
incentivando as operações de piratas.

As palavras do antigo filósofo da República Shassium surgiram na


mente de Palpatine: somos todos seres de duas faces ,

dividido pela Força e destinado pela eternidade a procurar nossas


identidades ocultas .
No alto do púlpito da Rotunda, o Supremo Chanceler Valorum
estava dizendo: “A crise que se desenrola no sistema Yinchorr
oferece mais uma prova de que, em nossa determinação de manter
uma era de prosperidade no Núcleo, permitimos que os sistemas
externos se tornassem reinos sem lei, com piratas, traficantes,
contrabandistas e comerciantes de armas que operam
impunemente. Materiais e tecnologias proscritos encontram seu
caminho para espécies cujos apelos à ajuda da República não foram
respondidos, e o resultado é antagonismo e conflito intersistêmico.
Reunidas por necessidade mútua, alianças de mundos esquecidos
recorrem aos cartéis galácticos para fornecer o que lhes negamos:
crescimento, proteção e segurança - juntamente com armas e
treinamento de combate. ” Ele gesticulou amplamente para
plataformas senatoriais próximas e distantes. "Enquanto nos
sentamos em um conforto frio, uma confederação dos excluídos se
expande na Orla Exterior."

Por perto, alguém bocejou com exagero teatral, provocando um


coro de risos de seres sentados ao alcance da voz. O Senado
deveria estar de férias, mas a crise na Região de Expansão forçou
Valorum a convocar o órgão em sessão especial.

Do outro lado da Rotunda da estação de Naboo, a plataforma de


Yinchorr estava vazia - o resultado dos rompimentos de Yinchorri
com a República seis meses antes e da lembrança de seu status
diplomático. Seis meses antes, e armados com armas que Darth
Sidious os ajudara a adquirir, os Yinchorri lançaram ataques a vários
mundos nos sistemas vizinhos. Fornecidos por um contrabandista
devaroniano, os carregamentos clandestinos incluíam um escudo de
cortose de uma operação secreta de mineração no planeta
Bal'demnic e haviam levado em consideração a morte de um par de
Jedi inocentes. Plagueis havia dito que os Yinchorri podiam ser
incitados com mínima provocação, mas até Sidious ficou surpreso
com sua ferocidade.

“Desde que Yinchorr se tornou um mundo membro há


vinte e cinco anos”, continuou Valorum, “e apesar das sanções que
tentamos impor, permitimos que os Yinchorri se transformassem
em uma força militarista que agora ameaça uma vasta região do
espaço da República. Apenas seis meses atrás, quando eles
aumentaram sua marinha com navios comandados pelos estaleiros
do Golden Nyss, votamos para censurá-los, em vez de interceder, em
concordância com uma crença antiquada de que a responsabilidade
pelo policiamento dos sistemas externos cabe aos mundos que
compõem esses sistemas. . Por fim, após o ataque mais recente de
Yinchorr ao sistema Chalenor, os Jedi foram persuadidos a intervir,
mas com resultados terríveis. ”

Valorum parou brevemente.


"Como alguns de vocês já sabem, os corpos mutilados de Jedi
Knight Naeshahn e seu Padawan, Ebor Taulk, foram transportados
para Coruscant e de alguma forma entregues ao meu escritório no
edifício da chancelaria." Ele se esforçou para que todos vissem. "É
quando digo que basta!"
Palpatine mergulhou os dedos. Valorum estava se esforçando
para se mexer, mas o tom repentino em sua voz foi atenuado pela
reação de sua platéia, que foi, na melhor das hipóteses, ultrajante.
Um pedido de silêncio do vice-chanceler de Bothan era quase
necessário.
Valorum se recompôs para as câmaras de ar, sua expressão
confusa destinada a transmitir mais indignação do que vergonha.

“Desde então, os Jedi despacharam uma força maior para levar à


justiça os responsáveis por esse ato bárbaro e levar os Yinchorri de
volta ao seu próprio mundo. Mas temo que seus esforços não sejam
suficientes. Como não podemos posicionar muito bem os Jedi ou os
Judiciários lá como força de ocupação, peço a este órgão que
sancione o uso de paramilitares privados para impor um bloqueio
tecnológico de Yinchorr que impedirá os Yinchorri de rearmar e
renovar seus sonhos nefastos de conquista . ”

Os gritos de assentimento e condenação que atenderam ao


pedido de Valorum foram genuínos, assim como os pedidos de
ordem do vice-chanceler de Bothan. Finalmente, Valorum levantou a
voz para ser ouvido.

“O expansionismo militante não pode ser tolerado! O precedente


para o uso de paramilitares foi estabelecido sob o Chanceler
Supremo Kalpana durante o conflito Stark Combine, bem como na
mais recente crise de Yam'rii. Nos dois casos, as soluções
diplomáticas se seguiram, e acredito que a diplomacia terá sucesso
no sistema Yinchorr. ”
A carreira política de Valorum foi forjada durante a Guerra do
Hiperespaço Stark. Agora , pensou Palpatine, ele começa a soar
como seu rival Ranulph Tarkin .
Ele esperou a Rotunda se acalmar. “Os eventos em Yinchorr falam
do maior desafio que enfrentamos agora. O sistema Cularin - nosso
mais novo membro - se vê atormentado por ataques de piratas. O
mesmo acontece em Dorvalla, no setor de Videnda. As chamadas
zonas de livre comércio tornaram-se campos de batalha entre
mundos indefesos e gigantes corporativos como a Federação do
Comércio, ou cartéis criminais como o Black Sun, que estão
secando esses sistemas externos. ”
Em um ato do que alguns consideravam fair play e outros dolos
políticos, o vice-chanceler aproveitou esse momento para permitir
que a plataforma da Federação do Comércio deixasse sua estação
de ancoragem e pairasse no frio escuro da Rotunda.
"Com o tempo impecável habitual do Bothan", Pestage comentou
para Doriana.
O senador da Federação do Comércio era um neimoidiano
untuoso chamado Lott Dod, cuja voz sussurrante e encantadora de
serpentes flutuava pelos enunciadores do salão. "Devo protestar
contra as acusações do Supremo Chanceler." Suas palavras não
transmitiam tanto raiva quanto a arrogância da riqueza - uma
estratégia que ele havia aprendido com seu antecessor, Nute
Gunray. “A Federação do Comércio deve absorver as perdas que
sofreu por causa de ataques de piratas? A República se recusa a
criar um exército para policiar aqueles
setores, ao mesmo tempo em que nos proíbe de proteger nossas
cargas com armas defensivas ou soldados dróides ”.
"Agora não é o momento para este argumento, senador", disse
Valorum, mostrando as palmas das mãos macias.
Mas cem vozes o dominaram.
"Se não for agora, então quando , chanceler supremo?" A pergunta
veio do magistrado humanóide , com chifres cranianos , da
Corporação Aliança, Passel Argente. “Quantas cargas a Federação
do Comércio ou a Associação de Comércio terá que perder antes de
chegarmos no momento apropriado para transmitir esse debate. Se
a República não pode nos proteger, então não temos outro recurso
senão nos proteger. ”
Mais uma vez o rosto de Valorum se encolheu. "Em todas as
crises, enviamos forças paramilitares "
"Com resultados impressionantes." A interrupção veio de Lavina
Durada-Vashne Wren, a representante feminina humana do recém-
admitido sistema Cularin. "Os militares thaereianos fizeram um
trabalho rápido com os piratas que estavam invadindo nossos
transportes".
Risos estridentes abafaram o resto de suas palavras.
"A única coisa que o coronel Tramsig fez em Cularin foi tornar-se
mais desprezível!" O senador Orn Twa'lek Orn Free Taa gritou de sua
plataforma. "O bom senador de Cularin foi meramente enganado por
seus encantos duvidosos."
Argente falou mais uma vez. “O Supremo Chanceler defende que
cada sistema tenha uma força paramilitar sob seu comando? Se
sim, por que não um exército pan-galáctico ?
Os olhos de Palpatine brilharam em deleite sádico. Valorum
estava recebendo tudo o que merecia. Ele demonstrou alguma
habilidade diplomática durante a Guerra Hiperespaço Stark, mas sua
eleição para a chancelaria teve mais a ver com uma linhagem que
incluía três Chanceleres Supremos e acordos que ele havia fechado
com famílias influentes como os Kalpanas e os Tarkins de Eriadu.
Sua adulação à Ordem Jedi era bem conhecida; menos a hipocrisia
dele - grande parte da riqueza de sua família derivava de contratos
lucrativos que seus ancestrais haviam celebrado com os

Federação do Comércio. Sua eleição, sete anos antes, fora um dos


sinais que Plagueis estava esperando - o retorno ao poder de um
Valorum - e seguira os passos de uma notável inovação que
Plagueis e Sidious haviam projetado para manipular
midi-chlorians. Um avanço que o Muun havia descrito como
"galactônico". Ambos suspeitavam que os Jedi também sentissem
isso, a anos-luz de distância em Coruscant.
"Não haverá militares da República", dizia Valorum, depois de
morder a isca de Argente. As reformas de Ruusan devem ser
confirmadas. Uma força militar precisa ser financiada. Os impostos
impostos aos sistemas periféricos apenas aumentariam sua carga e
levariam a conversas sobre secessão. ”
"Então deixe o Core Worlds pagar!" alguém sentado abaixo de
Palpatine gritou.
"O núcleo não precisa de uma força militar!" o senador de Kuati
respondeu. "Nós sabemos como viver em paz um com o outro!"
"Por que os Jedi são incapazes de servir como militares?" o
senador de Ord Mantell perguntou.
Valorum virou-se para olhá-lo. “Os Jedi não são um exército, e são
poucos em todo o caso. Eles intercedem a nosso pedido, mas
também a seu próprio critério. Além disso, a Ordem sofreu mais
mortes nos últimos doze anos do que nos cinquenta anteriores.
Yinchorr está se preparando rapidamente para ser outro Galidraan.
Palpatine teve um prazer secreto na referência de Valorum, já que
o que ocorrera em Galidraan havia sido uma evidência clara do lado
sombrio agindo em conjunto com os subterfúgios dele e de
Plagueis. Mais importante, para Plagueis, o conflito provincial teve
um efeito devastador sobre o mestre Jedi Dookan, aprofundando
seu cisma com o Conselho Superior em suas decisões de mobilizar
os Jedi como guerreiros.

"Mais uma vez chegamos ao círculo completo." A voz de Orn Free


Taa ecoou pela Rotunda. “A República pode encontrar os créditos
para contratar militares privados, mas não para aumentar

militar próprio. E, no entanto, o Chanceler Supremo se encaixa para


nos ensinar um pensamento antiquado. Por que não simplesmente
entregar esses créditos aos sistemas periféricos e permitir que eles
façam suas próprias contratações? ”

"Talvez o senador de Ryloth tenha tocado em algo", disse Valorum


quando os aplausos cessaram. "Melhor ainda, talvez tenha chegado
a hora de impor um imposto às zonas de livre comércio para fornecer
aos sistemas periféricos os fundos necessários."
Palpatine reclinou-se no assento acolchoado da plataforma,
enquanto revoltas irrompiam das estações dos mundos da Rim
Faction, bem como daqueles pertencentes à Federação do
Comércio, à Commerce Guild, à Techno Union e à Corporate
Alliance. Quão maravilhoso e previsivelmente o Senado se
deteriorou ao longo de vinte anos. Como tantas sessões ordinárias e
extraordinárias, essa terminaria em caos, sem nada resolvido.
Para as telas que enchiam a Rotunda, as hovercams capturavam a
triste expressão de impotência de Valorum.
Em breve, muito em breve, caberia a Palpatine impor ordem a
todos.

Fora das paredes curvas do Senado, as crises nos sistemas


periféricos tiveram pouco efeito na vida dos bilhões que residiam
em Coruscant. Os seres que vivem nos níveis mais baixos
continuaram a fazer o possível para sobreviver, enquanto os que
viviam mais perto do céu continuavam gastando generosamente em
comida, mantos finos e ingressos para a ópera, que Valorum havia
retornado à moda. Palpatine foi uma exceção à regra. No que às
vezes lhe parecia movimento perpétuo, ele se reunia frequentemente
com seus colegas no Senado, ouvindo atentamente o que cada um
tinha a dizer sobre eventos galácticos, mas não com tanto cuidado
que alguém tinha motivos para suspeitar que ele fosse outra coisa
que não uma carreira político, decidido a melhorar seu perfil. Se
havia algo que o diferenciava, era um

impressão que ele deu de levar seu trabalho talvez muito a sério.
Com pouco mais de um ano restante no segundo mandato de
Valorum, a chancelaria estava em disputa e aqueles que conheciam
Palpatine suspeitavam que ele poderia realmente assumir a posição,
se solicitado. Seus equívocos sobre o assunto o tornaram mais
desejável para aqueles que pensavam que ele poderia trazer algo
novo para a mistura - um ponto de vista centrista autêntico. Outros
questionaram por que, diante dos desafios sem precedentes da
época, ele ou qualquer outra pessoa aspiraria à posição.
Vários dias após a reunião do Senado em uma sessão especial,
Palpatine violou a privacidade que tanto valorizava para sediar uma
reunião informal em sua suíte na 500 Republica. A mudança para o
endereço mais exclusivo de Coruscant coincidiu com a ascensão de
Ars Veruna à monarquia de Naboo doze anos antes. A vitória de
Veruna dependia de um contrato renegociado com a Federação do
Comércio para o plasma de Naboo, embora se acreditasse
amplamente que o rei e seus companheiros haviam se saído melhor
do acordo do que os cidadãos de Naboo. Diferente do apartamento
que Palpatine havia ocupado quando chegou à capital, este tinha
uma dúzia de quartos e vistas para o distrito governamental,
superadas apenas pelas das amplas coberturas do edifício. A
estátua de Sistros, de neurânio e bronzium - que ainda escondia o
sabre de luz que ele construíra no início de seu aprendizado - dividia
espaço com antiguidades que haviam sido adquiridas em mundos
remotos.

Elegantemente atrasado, Finis Valorum foi um dos últimos


convidados a chegar. Palpatine o recebeu na porta, enquanto um
contingente de guardas da República, encapuzados e com capacete,
assumiram posições no corredor. O rosto redondo do Supremo
Chanceler parecia abalado e a transpiração contornava seu lábio
superior barbeado . Agarrando-se ao braço como um adorno estava
Sei Taria, aparentemente seu assessor administrativo, mas também
seu amante. Bem dentro do limiar, Valorum enganchou os polegares
no

um grande cummerbund azul que apertou sua túnica e parou para


ver a suíte e acenar com a cabeça em apreciação.
"O que os novatos do HoloNet dariam para ver isso."
"Dificilmente é uma cobertura", disse Palpatine com desdém.
"Ainda não, ele quer dizer", observou o senador de Corellia,
fazendo com que vários outros levantassem seus cálices de bebida
em uma espécie de brinde.
Palpatine fingiu mascarar o constrangimento. Uma vez ele teria
agido; agora ele usava o disfarce do senador de Naboo tão
facilmente quanto ele usava suas vestes e capa.
"Os jornalistas são mais que bem-vindos a visitar", disse
ele. Valorum levantou uma sobrancelha prateada em
dúvida.
"Agora que você os acostumou à transparência e acessibilidade",
acrescentou Palpatine.
Valorum riu sem alegria. "Por todo o bem que isso me fez."

Sei Taria quebrou um silêncio constrangedor. "Você certamente


não esconde sua cor favorita, senador." As pálpebras de seus olhos
oblíquos eram coloridas para combinar com o bordô de sua túnica
de seda; seus cabelos escuros estavam enrolados em um coque
elaborado atrás da cabeça, enquanto na frente, franja bifurcava sua
testa impecável.
“Escarlates figuram com destaque na crista da minha casa
ancestral”, explicou Palpatine uniformemente.
"E ainda assim você prefere preto e azul em tudo que veste." O
sorriso fino de Palpatine se manteve. "Estou lisonjeado que você
note." A expressão de Taria ficou desonesta. “Muitos perceberam
de você, senador. "
Os criados correram para pegar as capas de tecido veda de
Valorum e Taria.
"Eu os contratei expressamente para a noite", Palpatine disse
calmamente. "Eu sou um homem solitário no coração."
Taria falou antes que Valorum pudesse. “O título da última peça
da HoloNet sobre você, se não me engano. O senador que deu as
costas a uma vasta fortuna para se dedicar à política. Quem
trabalhou desde o legislativo de Naboo

corpo para a embaixada no Senado Galáctico ... ”Ela sorriu sem


mostrar os dentes. "Uma história comovente." "E cada palavra é
verdadeira", disse Palpatine. "De um certo
ponto de vista."
Os três trocaram uma risada e, em seguida, Palpatine os levou
mais fundo na imprensa de convidados, todos eles bem dispostos a
Valorum. Não havia ninguém na suíte que o Supremo Chanceler não
conhecesse e ele cumprimentou cada um deles pelo nome. A
capacidade de fazer os seres sentirem que eram importantes para
ele, tanto pessoal quanto politicamente, era um de seus poucos
pontos fortes.

Um dróide do protocolo entregou bebidas em uma bandeja, e


Valorum e Taria se serviram de copos. Quando o troféu de Valorum
pediu licença para conversar com a esposa do senador da
Alderaanian Bail Antilhas, Palpatine conduziu Valorum à sala
principal da suíte.

"Como é que você consegue obter o apoio das facções Core e


Rim?" Valorum perguntou com interesse genuíno.

“Uma consequência da localização de Naboo mais do que qualquer


outra coisa. O meu é como um mundo deslocado - localizado na
Orla, mas compartilhando as sensibilidades de muitos dos mundos
principais. ” Valorum apontou para um fi gurine em um nicho na
parede. "Requintado."
"Bastante. Um presente do senador
Eelen Li. "De Triâs."
Palpatine reorientou um pouco a fi gurina. "Uma peça de museu,
na verdade."
Valorum continuou ao longo da parede, indicando uma segunda
peça. "E isto?"
“Um tambor de vento gran cerimonial. Mais de mil anos. Ele olhou
pelo canto do olho para Valorum. "Um presente de Baskol Yeesrim."
Valorum assentiu. “Assessor da senadora Ainlee Teem. Não sabia
que você estava em boas relações com o Gran Protetorado.
Palpatine encolheu os ombros. “Por um tempo eu
não estava - devido a uma longa disputa pela abstenção de Naboo
em uma votação no Senado de

algum significado na época, mas história antiga agora. ” Valorum


abaixou a voz para perguntar: “Você acha que poderia
trazer Malastare para o meu lado?
Palpatine se virou para olhá-lo. “Em relação ao embargo de
Yinchorr? Possivelmente. Mas não sobre a tributação das zonas de
livre comércio. Tanto Ainlee Teem quanto Aks Moe se tornaram
aliados da Federação do Comércio. ”
"Uma reversão ainda mais desconcertante." Valorum suspirou.
“Amigos se tornam inimigos; inimigos, amigos ... desconfio que vou
ter que pedir todos os favores políticos que devo ter em Yinchorr. ”
Ele comprimiu os lábios e balançou a cabeça. - Receio que meu
legado esteja em jogo aqui, velho amigo. Ainda tenho apenas um
ano do meu mandato, mas estou determinado a ver as coisas. ”

Palpatine conjurou um tom de compaixão. "Se houver algum


consolo, apoio o uso de uma força paramilitar - mesmo correndo o
risco de escalar a crise - apenas para silenciar aqueles que
acusaram a República de ser covarde".
Valorum deu um tapinha no ombro de Palpatine. "Seu apoio é
apreciado." Ele olhou ao redor da sala e perguntou ainda mais
baixinho: - Com quem posso confiar, Palpatine?
Os olhos de Palpatine examinaram a multidão, pousando
brevemente em dois homens humanos, um Anx que não caberia em
uma sala com tetos mais baixos, um ítoriano e, finalmente, um
Tarnab.
Antilhas. Com Fordox. Horox Ryyder. Tendau Bendon. Talvez
Mot-Não-Rab ...
Valorum olhou-os, por sua vez, depois deixou seu olhar se fixar em
um Rodian. "Longe?"
Palpatine riu para si mesmo; Onaconda Farr pensava em política
da mesma maneira que seus irmãos Rodian pensavam em caçar
recompensas: Atire primeiro; faça perguntas depois .
"Ele é um militante, mas posso convencê-lo, pois ele tem laços
estreitos com a Casa Naberrie, de Naboo."
"Tikkes?" Valorum perguntou, olhando secretamente para o
Senador Quarren, cujos tentáculos faciais estavam manipulando
lanches em sua boca.

"Tikkes vai querer algo em troca, mas sim." Os olhos azuis pálidos
de Valorum encontraram o senador Wookiee Yarua. Palpatine
assentiu. "Kashyyyk irá apoiá-lo." Valorum esvaziou o copo de
bebida e colocou-o de lado. "E meu
oponentes?"
“Além dos óbvios? Todo o grupo Ryloth - Orn Free Taa, Connus
Trell e Chom Frey Kaa. Também Toonbuck Toora, Edcel Bar Gan, Po
Nudo ... Você quer que eu continue?
Valorum parecia desanimado quando saíram para a varanda. Um
som soou, indicando que o recurso de cancelamento de ruído havia
sido ativado. Valorum continuou até os trilhos e olhou para longe.
"Uma rara noite escura", disse ele depois de um momento.
Palpatine se juntou a ele no parapeito. "O controle do tempo está
produzindo uma tempestade." Ele se virou levemente para ajustar o
sistema de cancelamento de ruído. “Escute: trovões sobre as obras.
E lá - ele acrescentou, apontando -, um raio.
“Como isso não parece natural aqui. Se ao menos pudéssemos ser
tão facilmente limpos quanto esse vasto céu e esses edifícios
monumentais. Palpatine olhou para ele. “O Senado te obstruiu,
mas você não trouxe desonra ao escritório. ”
Valorum considerou. “Quando meu primeiro mandato começou,
eu sabia que enfrentaria oposição; que os eventos estavam fora de
controle desde o conflito Stark. Mas desde então eu senti uma
escuridão se aproximando dos confins da galáxia para sacudir
Coruscant até suas fundações. Você pensaria, depois de mil anos
de paz, que a República seria inabalável, mas esse não é o caso.
Sempre confiei na Força, acreditando que se agisse de acordo com
seus princípios orientadores, a galáxia agiria da mesma maneira. ”

Palpatine franziu a testa no escuro. “A República se tornou


pesada. Somos coagidos e seduzidos a acordos que comprometem
nossa integridade. Somos criticados tanto pelo que fazemos quanto
pelo que não fazemos. A maioria dos seres do Núcleo não podia
aponte para Yinchorr em um mapa estelar e, no entanto, a crise se
torna seu problema. ”
Valorum assentiu de maneira distraída. “Nós não podemos
esperar e não fazer nada. Os Jedi expressam isso em particular, e
mesmo assim eles estão divididos. Se o mestre Dooku se
manifestar mais nas suas críticas ao Senado e à Ordem, o Conselho
poderá ter que restringi-lo ao Templo. ” Ele ficou em silêncio e disse:
“Bem, eu certamente não tenho que lhe contar. As pessoas me
dizem que você se tornou confiável.
Em vez de responder a esse comentário, Palpatine disse: "E
mestre Yoda?"
"Inescrutável como sempre", disse Valorum. "Mas preocupado, eu
acho." Palpatine se afastou dele um pouco. “Os Jedi têm
enfrentou a escuridão no passado. "
"Verdade. Mas um estudo da história revela que eles foram
derrotados por ela também. ”
"Então o resultado não está ao nosso alcance."
Valorum ergueu o olhar para o céu noturno. "De quem, então?"

23: SOB O SOL DA MEIA-NOITE

Acabado de chegar na Lua dos Caçadores, Sidious estudou Plagueis


como o Lorde Sith e seu dróide, 11-4D, viu uma gravação colorida de
um assassino de Zabrak de manto preto fazendo pequenos
trabalhos de autômatos em sua casa em Coruscant, alguns
pairando, alguns avançando em duas pernas, outras em degraus e
todos os jateadores.
Vinte anos haviam acrescentado uma leve inclinação à postura e
veias de Muun que se destacavam sob sua pele branca e fina. Ele
usava um macacão verde escuro que abraçava seu corpo delicado,
uma capa verde que caía dos ombros ossudos até o chão de pedra
do forte e um capacete que usava em seu crânio grande. Uma
máscara de respiração triangular cobria sua mandíbula inferior
arruinada e prognata, sua boca, parte de seu pescoço comprido e o
que restava do nariz escarpado que ele tinha antes do ataque
surpresa nos Fobosi. Um dispositivo de sua própria invenção, a
máscara de liga apresentava duas fendas verticais e um par de
conduítes finos e fixos que a ligavam a um transpirador fixo à parte
superior do tórax, sob um arnês de torso blindado. Ele havia
aprendido a ingerir e absorver através de tubos de alimentação e
pelo nariz.

Visto através da Força, ele era um oval nuclear de luz manchada,


uma esfera rotativa de energia aterradora. Se o ataque da Malásia o
enfraqueceu fisicamente, também ajudou a moldar seu corpo
etérico em um vaso suficientemente forte para conter todo o poder
do lado sombrio. Determinado a nunca mais ser pego de surpresa,
ele se treinou para ficar sem dormir e dedicou duas décadas padrão
à experimentação diurna e noturna com manipulação midi-chlorian e
tentativas de desvendar alguns segredos do passado.

a Força, para que ele - e presumivelmente seu aprendiz humano


- possa viver para sempre. Sua virada interior permitiu-lhe dominar
as igualmente poderosas energias da ordem e desordem, criação e
entropia, vida e morte.
"Você o deixou com medo", comentou Plagueis, sem se afastar da
gravação, enquanto o atlético Zabrak cortava um dróide Colicoid
Eradicator no meio e girava para cortar outros dois ao meio. A
cabeça sem pelos do humanóide de olhos amarelos exibia uma
coroa de pequenos chifres e padrões geométricos de marcas pretas
e vermelhas.
"Destemido, também", disse
Sidious. "Ainda assim, eles são
apenas dróides."
"Ele é ainda mais formidável contra os seres vivos." Plagueis olhou
por cima do ombro, os olhos estreitados em
questão. "Você lutou com ele de uma maneira séria?" Cordas vocais
reconstruídas e traquéia conferiam uma qualidade metálica à sua
voz, como se ele estivesse falando através de um enunciador.
“Fiquei preso em Hypori por um mês sem comida e com apenas
uma horda de dróides assassinos por companhia. Então voltei a
instigar e desafiá-lo. Apesar de tudo, ele lutou bem, mesmo depois
que eu o privei de seu sabre de luz. Ele queria me matar, mas estava
preparado para morrer na minha mão.
Plagueis virou-se completamente para encará-lo. "Em vez de puni-
lo por desobediência, você elogiou sua determinação."
“Ele já estava humilhado. Eu escolhi deixar sua honra intacta. Eu o
proclamei meu mirmidon; a personificação da metade violenta da
nossa parceria. "
"Parceria?" Plagueis repetiu severamente.
“Dele e meu; não a nossa. "
"Independentemente disso, você permitiu que ele acreditasse que
ele é mais habilidoso do que realmente é."
"Você não fez o mesmo por mim?"
Os olhos de Plagueis refletiram decepção. “Nunca, Sidious. Eu
sempre fui sincero com você.

Sidious inclinou a cabeça em reconhecimento. "Eu não sou o


professor que você é."
Plagueis passou um longo momento observando a gravação
colorida. Os punhos e pernas do Zabrak eram tão letais quanto o
sabre de luz e sua velocidade era espantosa. "Quem aplicou as
marcações?"

“A mãe fez - de acordo com os rituais decretados logo após o


nascimento. Uma iniciação, durante a qual uma criança
dathomiriana de Zabrak é submersa em um banho oleoso,
energizado com ichor conjurado pelo uso de mágicas das irmãs
noturnas.
"Uma decisão peculiar, dada a esperança dela de esconder a
criança."

“As Irmãs Noturnas raramente deixam Dathomir, mas os


Nightbrothers às vezes são vendidos em servidão. Acredito que a
mãe desejou que ele conhecesse sua herança, onde quer que ele
fosse.
Ao ver o sabre de luz do Zabrak produzir duas lâminas, Plagueis
respirou fundo. “Um sabre-sta! A arma de Exar Kun! Ele construiu
isso?
“O protótipo foi dois sabres de luz que havia soldados
pomo-se pomo na imitação do zhaboka Iridonian. Forneci o
conhecimento que lhe permitiu melhorar o design original e
construir o que ele está usando. ”
Plagueis observava o dróide após dróide empalar nas lâminas
vermelhas opostas. "Parece-me desnecessário, mas não vou negar
seu domínio da técnica Jar'Kai." Mais uma vez, ele se virou para
Sidious. “Niman e teräs käsi nunca substituirão dun möch, mas
compreendo que você o tenha treinado para ser uma máquina de
luta e não um verdadeiro aprendiz.”
"Obrigado mestre."
Os olhos de Plagueis enrugaram - em suspeita? Divertido?
"Eu concordo com você que ele deve testemunhar o ataque
Yinchorri no templo Jedi."
"Eu contarei a ele. Ele já pensa nos Jedi como abominações. A
visão de seu santuário ser violado acelerará seu sangue.

“Mesmo assim, segure-o. Que a raiva e o ódio dele apodreçam.


Sidious inclinou a cabeça.
Plagueis desativou o holoprojetor. “O presente que você pediu
para ele está quase completo. Raith Sienar concordou em entregar a
embarcação para Sojourn, e eu providenciarei para que ela fosse
levada ao prédio LiMerge. ” Ele fez um gesto com os dedos. "Venha,
Darth Sidious, há muito o que discutir."
O forte antigo nunca se sentira mais abandonado. Uma empresa
da Sun guardas ainda residia em Sojourn, acompanhando os
visitantes para a superfície e manter os terrestres turbolasers em
boas condições de funcionamento. Os códigos de autenticação
ainda eram necessários para os navios que entravam no espaço de
Sojourn, mas as coordenadas da lua não eram mais o segredo que
haviam sido. Na maioria das vezes, Plagueis viveu como um eremita
entre seus dróides, raramente se aventurando no mundo, embora
continuasse a usar sua vasta riqueza e influência para apoiar as
organizações que promoveram a causa Sith e esmagaram os planos
daqueles a quem ele se opunha. No primeiro ano após o ataque,
surgiram rumores de que Hego Damask estava morto, mas
gradualmente começou a circular a notícia de que ele estava apenas
vivendo em reclusão em Sojourn. Quatro anos depois, as Reuniões
anuais foram retomadas, mas apenas por cinco anos, e agora não
havia uma Reunião em mais de uma década. Em todo caso, menos e
menos seres haviam participado dos eventos, muitos se
distanciando de Damasco após os assassinatos em Coruscant.

Durante o longo período entre o ataque furtivo da vovó e o


primeiro encontro da nova era, Sidious havia falado com Plagueis
apenas por holo. Deixado para progredir por conta própria, ele
treinou os Zabrak em segredo em Mustafar, Tosste e Orsis, visitou
vários mundos Sith e passou um tempo considerável estudando os
textos e holocrons Sith que permaneciam sob guarda em Aborah.
Dos guardas do sol, Sidious soube que Damask se trancara no forte
e mal foi visto. Nas poucas ocasiões em que Damasco convocou

eles, eles encontraram os alojamentos em ruínas, alguns dos


sujeitos experimentais mortos em suas gaiolas ou células, e muitos
dos dróides estão com defeito. Criaturas das florestas verdes
circundantes invadiram e instalaram-se no local, fazendo ninhos nas
torres e devorando qualquer coisa comestível. Enquanto
Damask - sujo, macilento, irregular em seu comportamento - parecia
capaz de falar, foi 11-4D quem comunicou as ordens e pedidos de
Damask aos guardas. A certa altura, os guardas receberam ordens
de instalar mais de duzentos holoprojetores no que fora o arsenal do
forte, para que Damask pudesse monitorar os eventos atuais e
mergulhar em gravações históricas, algumas das quais datadas de
centenas de anos atrás.

Sidious sabia que seus próprios poderes haviam aumentado dez


vezes ao longo das décadas, mas não podia ter certeza de ter
aprendido todos os segredos de Plagueis - “ os caminhos de seu
feiticeiro”, como os Guardas do Sol se referiam a eles - incluindo a
capacidade de impedir que os seres morressem. . Ele às vezes se
perguntava: ele estava um pouco atrasado? Dois níveis atrás? Tais
perguntas foram precisamente o que levou gerações de aprendizes
de Sith a desafiarem seus mestres. A incerteza sobre quem era o
mais poderoso. A necessidade de se testar, de enfrentar o
julgamento definitivo. A tentação de pegar o manto à força, de
colocar o próprio lado no poder do lado sombrio - como Darth Gravid
tentara, apenas para atrasar os Sith inúmeros anos ...

E assim foi deixado em grande parte para Sidious trazer o mesmo


fervor à manipulação de eventos no mundo mundano que Plagueis
trouxe à manipulação de midi-chlorians. Em vez de se desafiarem,
os dois se dedicaram à execução do Grande Plano. Domínio político
e domínio da Força. Algum dia em breve, os Sith usariam os dois,
com Sidious no rosto do primeiro e Plagueis nos bastidores,
aconselhando-o sobre o segundo. Como Plagueis, Sidious havia se
movido criteriosamente, por involuntariamente

as repercussões no mundo real podem ser tão prejudiciais para o


imperativo Sith quanto a repercussão da Força. O fato de a Força
não ter reagido argumentou que sua parceria era algo único e de
acordo com a vontade da Força. O isolamento auto-imposto de
Plagueis afetou alguns dos planos que ele e Sidious haviam
elaborado para a Federação do Comércio e outros grupos. Mas
Plagueis havia conseguido recuperar totalmente seus ferimentos, e
o lado sombrio não estava mais apenas no ascendente, mas subia e
subia em direção ao zênite.
A crise de Yinchorri foi a primeira vez que Plagueis sancionou o
envolvimento direto de Sidious em eventos galácticos. Até então, os
eventos manipulados pelos Sith haviam sido realizados através do
uso de intermediários. Mas quando Sidious recorreu à ajuda do
contrabandista devaroniano para instigar os Yinchorri, ele não
apenas fez contato com o holoprojetor - sem revelar sua identidade
Sith, é claro - mas também o colocou em contato com Pestage e
Doriana, que haviam ajudado no despejo. dos corpos dos Jedi
mortos no limiar de Valorum e facilitou a inserção dos guerreiros
Yinchorri encarregados de filtrar o Templo Jedi.
Inicialmente, o plano havia sido planejado como um teste, para ver
se os reptilianos resistentes às sugestões da Força podiam ser
transformados em um exército anti-Jedi . Mas, da mesma maneira
que as repetidas tentativas de replicação por clonagem
fracassaram, todos os esforços para transformá-los em um exército
obediente se mostraram inúteis. Eles foram feitos sob medida para
agressão, mas também imprevisíveis e indisciplinados. Como
resultado, um estratagema redesenhado foi acionado para testar a
capacidade de Valorum de administrar uma crise e a determinação
do Senado de encerrar uma. Mas nem Plagueis nem Sidious
esperavam que o Supremo Chanceler envolvesse os Jedi, e agora o
plano modificado também estava em risco.

"É muito bom que os Jedi tenham morrido", dizia Plagueis quando
Sidious e 11-4D entraram em seu escritório desordenado,
“Mas devemos nos proteger contra revelar nossas mãos cedo
demais. Foi sensato mandar os cadáveres para Coruscant?
"Eles tinham o efeito pretendido em Valorum", disse Sidious.
"No entanto, podemos tê-lo julgado mal."
"Ele está mais preocupado com seu legado do que com a República,
mas ainda pode conquistar a maioria do Senado ao seu lado,
mesmo à custa de todo o seu cachê político". “Precisamos projetar
uma crise da qual ele não possa
recuperar ”, disse Plagueis.
"Eu coloquei exatamente esses eventos em movimento."
Plagueis assentiu com satisfação. “Então talvez haja um lado
benéfico nisso. Se o Senado aprovar um embargo, ele ficará em
dívida com você.
Sidious sorriu com força. "Um bloqueio promulgado por um
bloqueio quebrado."

“Para esse fim, precisamos começar a posicionar o vice-rei Nute


Gunray e o rei Veruna. O Neimoidian fez parceria com o Valorum
durante o conflito Stark. Desta vez, vamos colocá-los um contra o
outro.
“Eu conhecia Gunray um pouco quando ele serviu como senador.
Ele é aquisitivo e ambicioso, mas estranhamente imune à
intimidação. Precisamos conquistá-lo.
"E assim devemos: com aquisições que lhe trarão uma posição
entre os sete que compõem a diretoria da Federação do Comércio."
"Como devemos abordá-lo?"
"O presente que você requisitou para o Zabrak gerou uma idéia",
disse Plagueis. “Gunray gosta de pilões, que os neimoidianos
associam à riqueza. As aves são abundantes em Neimoidia, mas as
florestas de Sojourn suportam uma rara manchada de vermelho e
branca, fornecida pelos Kaminoanos. Ele nunca o identificará como
um clone.
"Um presente do Hego Damask ou do senador Palpatine?"
Plagueis olhou-o de cima a baixo. "De Darth Sidious, eu acho."

Sidious olhou para ele em dúvida. "Pelo nome?"

“Não apenas pelo nome, mas também pelo título. Está na hora de
divulgar nossa presença a alguns poucos. ”
"O título Sith terá algum significado para ele?"
"Quando realizamos seus sonhos."
Plagueis começou a andar no chão frio. “Nenhum Sith jamais
esteve na posição em que nos encontramos agora, Darth Sidious:
em sintonia com o ressurgimento do lado sombrio, fortalecido pelos
sinais e presságios, certo de que a vingança e a vitória estão
próximas. Se os Jedi seguissem sua filosofia de agir de acordo com
a Força, de fazer o que é certo, rolariam para o escuro. Mas eles
resistem. Yoda e o resto dos membros do Conselho dobrarão suas
sessões de meditação em um esforço para espiar o futuro, apenas
para descobrir que está nublado e incognoscível. Apenas para
descobrir que a complacência abriu as portas à catástrofe.
“Se de fato eles estão agindo de acordo com a Força, como
poderíamos ter conseguido mudar a balança? Como o lado negro
poderia estar ganhando terreno? De fato, os Jedi abandonaram seu
dever auto-designado , seu caminho nobre. Eles poderiam ter
evitado isso? Talvez por ter permanecido no controle da República,
elegendo e reeleitando os Chanceleres Jedi. Ou talvez se afastando
completamente dos ares da República e atendendo a seus rituais
arcanos na crença de que o raciocínio correto por eles manteria a
República forte e, no curso, a galáxia se inclinou para a luz, em vez
de se permitir tornar-se marechais e executores. "

Ele lançou um olhar interrogativo para Sidious. “Você vê o grande


erro de seus caminhos? Eles executam os negócios da República
como se fossem os negócios da Força! Mas um órgão político já
conseguiu ser o árbitro do que é certo e justo? Quão fácil é para eles
aproveitarem a autoconfiança em seu castelo em Coruscant. Mas,
ao fazê-lo, eles se tornaram mal equipados para o mundo que
passamos um milênio criando. ”

Ele limpou a garganta.


“Vamos colocá-los em contradição, Darth Sidious. Vamos forçá-
los a enfrentar o dilema moral de sua posição e revelar seus
defeitos, exigindo que eles supervisionem os conflitos que assolam
sua República.
“Apenas Dookan e um punhado de outros entenderam a verdade.
Todos aqueles anos atrás, quando o conheci em Serenno, pensei:
Que golpe seria para a Ordem se ele pudesse ser atraído a sair e
abraçar o lado sombrio. Que pânico pode provocar . Pois, se alguém
pudesse partir, então dez, vinte ou trinta poderiam seguir, e a
cavidade no centro da Ordem seria clara para todos verem.
Os olhos do Muun se estreitaram. “Não se pode contentar-se em
cumprir as regras da Ordem Jedi ou da Força. Somente fazendo a
Força nos servir é que prevalecemos. Oito anos atrás, trocamos a
galáxia, Darth Sidious, e essa mudança agora é irreversível. ”
Aproximando-se, ele apoiou as mãos ossudas nos ombros de
Sidious. “Na minha primeira visita ao seu mundo natal, eu o
reconheci como um nexo na Força. E lembro-me de pensar como era
apropriado que o lado sombrio estivesse escondido em um planeta
tão bonito. ” Ele fez uma pausa, endireitou-se e perguntou com
súbita gravidade: - Veruna está pronta, Sidious? Estou preocupado
que ele possa ser tão incontrolável quanto os Yinchorri e que um
líder mais maleável sirva melhor aos nossos interesses. ”
Sidious considerou a pergunta. “Pode não ser necessário removê-
lo, mestre. Como Gunray, ele prefere riqueza a honra.

Plagueis acenou com a cabeça lentamente. - Então cutuque-o,


Darth Sidious. E vamos ver para que lado ele se inclina antes de
decidirmos seu destino.

24: SITH'ARI

Seus alvos eram apenas asteróides, mas os caçadores de estrelas


amarelas com nariz de cromo atacaram as rochas microcrateradas
como se representassem uma ameaça para o próprio Naboo. Os
produtos da Theed Space Vessel Engineering Corporation e da
Nubian Design e o projeto de animais de estimação do rei Veruna
desde sua coroação, a elegante embarcação de asas curtas
exemplificaram a paixão de Naboo pelo design clássico e
extravagância extravagante. Dizia-se que os motores dos
pescadores estelares estabeleceram um novo padrão para o
controle de emissões, mas para um mundo que se orgulhava da
conscientização ambiental, os N-1 pareciam inteiramente fora de
caráter e fora de lugar.
“Espera-se que tem dois esquadrões adicionais prontos para ight
fl pelo início do ano”, disse Veruna Palpatine enquanto estavam em
um dorsal viewport no Rei ainda mais grandioso, espelho-fi Nish
Starship real. "Todos terão canhões duplos a laser, lançadores de
torpedos de prótons e escudos de defletores, juntamente com
dróides astromecânicos R-dois ."
"Um sonho tornado realidade", disse Palpatine. "Tanto para você
quanto para o Nubian Design Collective."
Veruna arqueou uma sobrancelha espessa, cinza e branca .
"Nosso acordo com a Nubian Design foi mutuamente benéfico."
"É claro que sim", disse Palpatine, imaginando quanto Veruna e
seus companheiros haviam embolsado em um contrato que a
maioria dos Naboo se opunha.
Palpatine tinha chegado com Pestage, e tinha encontrado
desvantagem com Janus Greejatus antes rendezvousing com
Veruna e alguns dos membros do seu conselho consultivo em
Theed Hangar, incluindo o primeiro-conselheiro Kun Lago e do Rei
de feições femininas chefe de segurança Maris Magneta.

Conspicuamente ausente estava o governador adolescente de


Theed, Padmé Naberrie, cuja nomeação fora o compromisso de
Veruna com um eleitorado que vinha se tornando mais opositivo a
cada ano que passava. Veruna, no entanto, não parecia pior para o
desgaste. Com as sobrancelhas dilatadas, longos cabelos prateados
e barba pontuda, ele ainda cortou uma figura fina e arrebatadora.
Lago e Magneta eram consideravelmente mais jovens e mais rudes,
e tinham feito seu desagrado por Palpatine e seu grupo sentiram o
momento em que haviam embarcado na brilhante nave estelar.
Fora da janela de observação, as corridas estreitas do Esquadrão
Bravo estavam reduzindo asteróides a cascalho e poeira espacial.
"É o capitão Ric Olié no Bravo One", disse Veruna. " Fortalecido em
Chommel Minor."
Pestage não conseguiu conter uma risada curta. "Contra aquele
grupo pirata cujos navios colidiram um com o outro?"
Veruna olhou para Palpatine. "Seu assessor parece ter esquecido
o lugar dele, senador."
Palpatine lançou a Pestage um olhar que não disse nada e voltou-
se para Veruna. "Minhas desculpas, Vossa Majestade."
Se Veruna não estava convencido, ele guardou para si e fixou o
olhar no distante exercício de busca de estrelas. "Planejo encerrar
nossa parceria com a Federação do Comércio", disse ele após um
longo momento de silêncio e sem olhar para Palpatine.
Palpatine moveu-se um pouco para se colocar na visão periférica
de Veruna, com os olhos arregalados de genuína surpresa. "Esse é o
objetivo desta demonstração?"
O rei virou-se para ele. “Se eu quisesse que fosse uma
demonstração de força, teria esperado até a próxima coleta de
plasma programada. No entanto, como você parece estar
perguntando, a Theed Engineering e a Nubian Design garantem que
os cargueiros Lucrehulk da Federação seriam presas fáceis para os
nossos N-Ones. ”

Palpatine olhou para Pestage e Greejatus e balançou a cabeça,


consternado. "Então é bom que você pensou em me convidar

a bordo, Vossa Majestade, porque trago notícias que podem


convencê-lo a repensar sua posição.
"Que notícias?" Magneta exigiu.
Palpatine a ignorou, continuando a falar com Veruna. "Esse
assunto ainda não chegou à Rotunda, mas há todas as indicações
de que a República acabará por conceder à Federação do Comércio
permissão para armar seus navios."
O queixo de Veruna caiu e ele piscou. "Com o que?" Palpatine
fingiu ficar perplexo. "Eu não sei
precisamente. Turboleiros, certamente, assim como caçadores de
estrelas dróides. Quaisquer que sejam os autômatos de combate
produzidos por Baktoid, Haor Chall e pelas espécies de colméias. ”
Ele gesticulou para fora da janela. "Armas que provarão ser uma
partida mortal para aqueles caçadores de estrelas."
Veruna ainda estava tentando entender. "Por que a República está
fazendo isso?"
“Por causa do que aconteceu em Yinchorr. Por causa de
persistentes ataques de piratas e pretensos insurrectos. E porque a
República se recusa a reverter sua posição na criação de um
exército. ”
Veruna se afastou da janela, depois parou e girou em Palpatine.
Eu não acredito nisso. Valorum foi bem sucedido em Yinchorr. Ele
nunca se curvaria à pressão da Federação do Comércio.
“Ele não está se curvando à pressão. Sua estratégia é entrar em
acordo com a Federação: armamento defensivo em troca da
tributação das zonas de livre comércio . ”
Veruna ficou sem palavras.
"É por isso que exorto Vossa Majestade a manter Naboo no lado
apropriado disso."
- Diga-nos, senador - interrompeu Lago -, o que significa estar do
lado certo ?
Palpatine olhou de Lago para Veruna. "Quando o assunto chegar à
Rotunda, Naboo deve votar em protesto à tributação das zonas de
livre comércio ."
Veruna engoliu em seco e encontrou sua voz. “Em apoio à
Federação do Comércio? Com a minha reeleição se aproximando?
Você deve estar bravo, Palpatine. Naboo está sob o jugo da
Federação há mais de trinta anos. As pessoas nunca me
perdoariam.
"Sua base continua forte", disse Palpatine. "As pessoas
gradualmente entenderão que você tomou a decisão correta."
Veruna ardia. "Eu não gosto de ser colocado nessa posição,
Palpatine."

Palpatine adotou uma pose pensativa, depois olhou para o rei.


"Ainda pode haver uma maneira ... estou certo de que o Hego
Damask estaria disposto a negociar um acordo renegociado com o
bloco neimoidiano da Federação do Comércio "
"Eu não preciso de Damask para intermediar nada", Veruna
retrucou. “A hora do Muun chegou e se foi. Ele é um anacronismo.
Seus inimigos nos fizeram um favor, forçando-o a se aposentar mais
cedo.
Os olhos de Palpatine se estreitaram imperceptivelmente. E assim,
com um cutucão, ele se revela .
"Se bem me lembro, os inimigos de Damask pagaram caro." Ele
ficou em silêncio por um momento, se reposicionando em frente à
janela de exibição, para que Veruna visse diretamente os lutadores
de estrelas enquanto ele ouvia. “É verdade que Sojourn não é a
fortaleza inexpugnável que era antes. Mas o alcance de Damask é o
maior de sempre e seus laços com o Clã Bancário nunca foram tão
fortes. ”
"Caso você não tenha notado, senador", interrompeu Magneta, "o
alcance de Naboo agora também é longo."
Palpatine olhou por cima do ombro para os caçadores de estrelas,
depois fixou os olhos em Veruna. “Sua Majestade, Damask não será
gentil em ser excluída de nossas negociações com a Federação do
Comércio. Ele pode criar problemas.
O olhar de Veruna vagou de volta para ele. “Deixe ele tentar.
Naboo não é o único mundo que ele explorou. Nós não gostaríamos
de

aliados. Estou mais preocupado com a forma como o Senado


reagiria ao nosso voto contra a tributação das zonas comerciais. ”
Palpatine respirou fundo. “É uma situação desesperadora. Os
mundos da Facção da Orla confiam na Federação do Comércio de
mercadorias, portanto provavelmente votarão no negativo. Os
Mundos Principais, por outro lado, votarão a favor da tributação,
apenas para trazer receita para a República e evitar ter que apoiar os
sistemas periféricos. Ocupando o meio termo, a Federação do
Comércio espera vencer, não importa o que aconteça, na medida em
que finalmente poderá se defender e forçará seus clientes a arcar
com os custos crescentes resultantes da tributação. ”
"O que tudo isso significa para o Valorum?" Disse Lago.
"Receio que ele não complete seu mandato." "Quem o
sucederá?" Veruna perguntou.
“É difícil dizer, Majestade. Ainlee Teem, eu acho. Embora Bail
Antilhas tenha algum apoio.
Veruna pensou sobre isso. "Quais são as implicações para Naboo,
se o Gran vencer o Alderaanian?"
"Então, é claro, você teria um amigo na chancelaria."

Veruna puxou sua barba. “Levarei suas recomendações em


consideração. Mas esteja avisado, Palpatine, não aceitarei engano.
De você ”- ele fixou Pestage e Greejatus com um
olhar de verruma -“ ou qualquer de sua cabala. Lembre-se: eu sei
onde os corpos estão enterrados.

O tempo é curto .
Videiras e trepadeiras abriam caminho pelas muralhas e torres do
antigo forte, e lianas ligavam os parapeitos com ameias às copas
das árvores próximas. Os insetos corriam sob os pés, procurando
comida ou carregados de pedaços de vegetação ou pedaços de
madeira lascada. As tempestades da noite anterior haviam deixado
poças até os tornozelos na passarela e as runas caíam em cascata
através de buracos de fogo. A floresta que Plagueis havia plantado e

abastecido com caça rara e exótica parecia determinado a livrar a


permanência da fortaleza que havia sido erguida em seu meio.
Da mais alta das torres, ele olhou por cima das copas das árvores
na borda do mundo dos pais da lua e a estrela distante que eles
compartilhavam. A permanência estava correndo rápido e a última
luz estava desaparecendo. O ar estava agradável e tumultuado com
o zumbido e a estridulação dos insetos, os gritos territoriais das
aves, os uivos tristes e acordados das criaturas da noite. Nuvens de
morcegos caíam de cavernas na escarpa, devorando sugadores de
sangue nascidos pelas fortes chuvas. Uma brisa surgiu do nada.

O tempo é curto .
Ainda em guarda de Aborah, havia textos e holocrons que
contavam os feitos e habilidades dos Mestres Sith que, por assim
dizer e por escrito, foram capazes de convocar vento ou chuva ou
fraturar os céus com raios invocados. Em suas próprias palavras ou
nas de seus discípulos, alguns Lordes das Trevas alegaram ter a
capacidade de voar, tornar-se invisível ou se transportar pelo espaço
e pelo tempo. Mas Plagueis nunca conseguiu duplicar nenhum
desses fenômenos.
Desde o início, Tenebrous havia lhe dito que ele não tinha talento
para a feitiçaria Sith, mesmo que a incapacidade não se devesse a
uma deficiência de midi-chlorians. É um presente inato , o Bith diria
quando pressionado, e um que ele também não tinha. A feitiçaria
empalideceu em comparação com a ciência Bith,
independentemente. Mas Plagueis agora entendia que Tenebrous
estava errado em relação à feitiçaria, como ele havia errado em
muitas coisas. Sim, o presente foi mais forte naqueles que, com
pouco esforço, podiam deixar-se absorver pelas correntes da Força
e tornar-se canal para os poderes do lado sombrio. Mas havia um
caminho alternativo para essas habilidades, que conduzia a partir de
um lugar onde o círculo se fechava e a pura vontade substituía a
elegância. Plagueis também entendeu que não havia poderes além
de seu alcance; ninguém que ele não pudesse dominar por um
esforço de vontade. Se um Sith de igual poder o precedeu, então
aquele

levou seus segredos para o túmulo ou os trancou em holocrons que


haviam sido destruídos ou que ainda não haviam aparecido.
A questão de saber se ele e Sidious haviam descoberto algo novo
ou redescoberto algo antigo estava fora de questão. Tudo o que
importava era que, quase uma década antes, eles haviam
conseguido que a Força mudasse e se inclinasse irrevogavelmente
para o lado sombrio. Não é uma mera mudança de paradigma, mas
uma alteração tangível que pode ser sentida por qualquer pessoa
forte na Força e se treina ou não nas artes Sith ou Jedi.

A mudança fora resultado de meses de intensa meditação,


durante os quais Plagueis e Sidious tentaram desafiar a Força pela
soberania e usar a galáxia com o poder do lado sombrio. Atrevidos e
sem-vergonha, e por seu próprio risco mortal, haviam travado uma
guerra etérica, antecipando que seus próprios midi-clorianos, o
exército substituto da Força, pudessem mobilizar para ferver seu
sangue ou impedir a batida de seus corações. Ressuscitados de si
mesmos, discorporados e como uma única entidade, eles trouxeram
o poder de sua vontade, afirmando sua soberania sobre a Força.
Nenhuma força contrária se levantou contra eles. No que equivalia a
um estado de êxtase, eles sabiam que a Força havia cedido, como
se alguma divindade tivesse sido derrubada de seu trono. No ponto
de apoio que eles haviam formado, o lado claro havia mergulhado e
o lado escuro havia subido.

No mesmo dia eles deixaram Venamis morrer.


Então, manipulando os midi-chlorians do Bith , que deveriam ter
sido inertes e sem resposta, Plagueis o ressuscitou. A enormidade
do evento surpreendeu Sidious e silenciou e sobrecarregou os
processadores de 11-4D , mas Plagueis continuou sem assistência,
permitindo que Venamis morresse e voltasse à vida, até que os
órgãos de Bith cederam e Plagueis finalmente lhe concedeu a morte
eterna.

Mas ter ganho o poder de manter outro vivo não foi suficiente
para ele. E assim, depois que Sidious voltou a Coruscant, ele se
dedicou a internalizar essa habilidade, manipulando os
midi-chlorians que o animavam. Por vários meses, ele não fez
nenhum progresso, mas finalmente começou a perceber uma
mudança medida. As cicatrizes que haviam crescido sobre suas
feridas começaram a abrandar e desaparecer abruptamente, e ele
começou a respirar mais livremente do que em vinte anos. Ele
começou a sentir que não apenas os tecidos danificados estavam
se recuperando, mas todo o corpo estava se rejuvinando. Sob o
transpirador, as áreas de sua pele eram macias e jovens, e ele sabia
que eventualmente deixaria de envelhecer completamente.

Bêbado com o poder recém-descoberto, ele tentara um ato ainda


mais impensável: criar uma criação própria. Não apenas a
impregnação de alguma criatura infeliz e sem mente, mas o
nascimento de um ser poderoso. A capacidade de dominar a morte
havia sido um passo na direção certa, mas não era equivalente à
pura criação. E assim ele se estendeu - de fato, como se fosse
invisível, transubstanciado - para informar todos os seres de sua
existência e impactar todos eles: muunóides ou insetóides, seguros
ou despossuídos, livres ou escravizados. Um guerreiro agitando uma
bandeira em triunfo no campo de batalha. Um fantasma infiltrando
um sonho.
Mas, finalmente, sem fim.
A Força ficou em silêncio, como se estivesse fugindo dele, e
muitos dos animais em seu laboratório sucumbiram a doenças
horríveis.

Independentemente disso, oito longos anos depois, Plagueis


permaneceu convencido de que estava à beira do sucesso absoluto.
A evidência estava em sua própria contagem aumentada
de cloridrato ; e no poder que sentiu em Sidious quando finalmente
retornou a Sojourn. O lado sombrio da Força era deles a comandar, e
em parceria eles algum dia seriam capazes de manter um ao outro
vivo, e de governar a galáxia pelo tempo que quisessem.

Mas ele ainda tinha que informar Sidious disso.


Era mais importante que Sidious permanecesse tão concentrado
em manipular eventos no mundo profano quanto Plagueis pretendia
dominar o reino da Força, do qual o mundano era apenas um reflexo
grosseiro e distorcido.
Certamente, a luz havia sido extinta, mas por quanto tempo e a
que custo?
Ele se lembrou de um eclipse estelar que testemunhara em um
mundo esquecido há muito tempo, cuja única lua era de tamanho e
distância perfeitos para apagar a luz das primárias do sistema. O
resultado não foi a escuridão total, mas a iluminação de um tipo
diferente, singular e diferente, que confundiu os pássaros e permitiu
que as estrelas fossem vistas no que seria a luz do dia. Mesmo
totalmente bloqueado, o primário brilhava por trás do disco do
satélite e, quando a lua se moveu, houve um momento de luz quase
intenso demais para suportar.
Olhando para o céu escuro de Sojourn, ele se perguntou que
calamidade a Força estava planejando em retirada para visitá-lo ou
Sidious ou os dois por terem deliberadamente derrubado a balança.
A retribuição estava apenas esperando nos bastidores, como
ocorrera em Coruscant, vinte anos antes? Foi uma época perigosa;
mais perigoso do que seus primeiros anos como aprendiz, quando o
lado sombrio poderia tê-lo consumido a qualquer momento.
Por enquanto, pelo menos, sua convalescença total estava quase
completa. Sidious continuava a se tornar mais poderoso como Sith
e como político, seus esquemas mais intrincados encontrando
pouca ou nenhuma resistência. E a Ordem Jedi estava afundando ...

O tempo diria, e o tempo era curto.

O zabrak dathomiriano estava sentado de pernas cruzadas no chão


duracreto, contando a Sidious a missão de vigilância que ele tinha

concluída no templo Jedi, semanas antes, no auge da crise de


Yinchorri.
“Fiquei enojado ao ver com que facilidade os invasores reptilianos
foram enganados, Mestre, mesmo pelas sentinelas humanas de
cabelos louros que pensavam ter pego de surpresa do lado de fora
do Templo. De onde eu assisti, soube que ela fingiu surpresa quando
seu sabre de luz não conseguiu penetrar no escudo de cortose de
seu agressor, e que estava apenas fingindo inconsciência quando os
Yinchorri a puxaram de pé e o empalaram com sua lâmina ativada.
Maul rosnou, revelando dentes afiados. "A estupidez deles permitiu
que eu me deleitasse com o fato de sua missão ter sido
comprometida - que os Jedi estavam simplesmente atraindo-os
para uma armadilha."

O prédio abandonado de LiMerge se tornara o lar e o centro de


treinamento dos assassinos; As obras e as margens do distrito
próximo de Fobosi, seus lugares noturnos. Rodeando-o com o capuz
da túnica erguido sobre a cabeça, Sidious perguntou: "Os Jedi
ganharam seu respeito?"
“Eles poderiam ter, se os invasores mostrassem alguma
habilidade. Se eu estivesse liderando eles ... ”
Sidious parou. “A missão teria sido bem sucedida? Cavaleiros Jedi
e Padawans mortos; filhotes massacrados. ”
"Eu tenho certeza disso, mestre."
"Só você, contra os Mestres que compõem o Conselho Superior."

"Ao me esconder e atacar, eu poderia ter matado muitos."


Plagueis estava certo , Sidious pensou. Eu o fiz orgulhoso .

O estratagema Yinchorri falhou, de qualquer forma. Jedi


adicionais haviam morrido, mas as mortes de Jedi nunca foram a
principal razão para instigar a crise. O que importava era que
Valorum havia triunfado, com alguma ajuda de Palpatine, era
verdade, mas principalmente por conta própria, conseguindo trazer
os senadores Yarua, Tikkes, Farr e outros para o seu lado e

estabelecimento de um embargo. Mas com sua moeda política


gasta, a posição de Valorum estava mais tênue do que nunca.
Mesmo uma pitada de escândalo e o Senado perderiam a pouca
confiança que tinham nele.
- Você é formidável - disse Sidious por fim -, mas você não é um
exército único , e não passei anos treinando você apenas para se
sacrificar. Quando concedi a você o título de Darth , não foi uma
recompensa por você ter sobrevivido a missões perigosas, fome e
dróides assassinos, mas por sua obediência e lealdade. Sem dúvida,
você terá amplas oportunidades para demonstrar sua habilidade
superior aos Jedi, mas derrubar a Ordem não é seu mandato, não
obstante seu ódio por eles.

Maul abaixou a cabeça, exibindo a coroa de chifres de pontas


afiadas no campo vermelho e preto . "Mestre. Contanto que aqueles
que tiram a alegria e a satisfação, eu o faria. ”
“Veremos, meu aprendiz. Mas até então, há assuntos que
precisamos resolver. ”
Ele fez um gesto para Maul ficar de pé e segui-lo até a mesa de
holoprojetores e a grade de transmissão - os mesmos que a Gran
havia deixado para trás décadas antes, mas totalmente
modernizados e aprimorados.
"Fique fora da vista das câmeras", disse Sidious, indicando um
lugar. "Por enquanto, queremos mantê-lo em reserva."
"Mas-"
"Seja paciente. Você terá um papel a desempenhar nisso.
Sidious sentou-se em uma cadeira de encosto alto que o envolvia
como um trono e tinha um controle remoto embutido em um dos
braços, seus pensamentos parados com o que ele estava prestes a
fazer. Se Plagueis sentira a enormidade do momento em Naboo
todos aqueles anos antes, quando revelara seu verdadeiro eu;
removeu, pela primeira vez, a máscara que ele usava em público?
Por mais empoderador que tivesse sido, o momento também havia
sido contaminado por uma espécie de nostalgia; a perda de algo tão
pessoal, tão definidor? O que havia sido secreto nunca seria segredo
novamente ...
O comm pego Viceroy Nute Gunray no meio de comer, e sem a
orelha longos fl Apped tiara e ornamentado azurestone colar que o
fazia parecer um bobo da corte. "Saudações, vice-rei", disse Sidious.
As membranas nictitantes dos olhos vermelhos do neimoidiano
entraram em espasmo, e seu focinho manchado se contraiu. "O que?
O que? Este é um endereço seguro. Como você ...
"Não se preocupe em tentar rastrear a origem dessa
comunicação", disse Sidious, enquanto os dedos cinzentos e
afinados de Gunray voam pelo teclado do seu holotable. "Um rastro
só leva você em círculos e desperdiça o tempo limitado que temos."
"Como você ousa se intrometer-"
“Recentemente, enviei um presente para você. Um
pilão manchado de vermelho. Gunray ficou olhando.
"Vocês? Você enviou?
"Acredito que você teve o senso suficiente para verificá-lo quanto
a dispositivos de monitoramento".
Gunray virou-se para olhar para alguma coisa; provavelmente o
próprio pássaro com crista. “Claro que sim. Qual foi o seu propósito
em enviá-lo? Seu sotaque alongou as palavras e suavizou os sons T.
“Considero um sinal de minha gratidão pelo trabalho não
recompensado que você fez pela Federação do Comércio. A
diretoria falha em reconhecer suas contribuições.
"Eles - ou seja, eu ... Por que você está se escondendo dentro do
capuz da sua capa?"
"São as roupas da minha ordem, vice-rei."
"Você é um clérigo?"
"Eu pareço um homem santo para você?"
A expressão de Gunray azedou. "Exijo ver seu rosto." "Você ainda
tem o privilégio de me ver." "Privilégio? Quem você pensa que é?"
"Você tem certeza que quer saber?" "Eu
exijo saber."
O sorriso de Sidious mal escapou do capuz. “Melhor ainda, então.
Eu sou um lorde Sith.

Lá. Eu disse isso .


Eu disse isso ...
"Sith Lord?" Gunray repetiu.
A resposta veio de dentro dele, do centro de seu verdadeiro ser.
"Você tem permissão para se referir a mim como Darth Sidious."
"Eu não ouvi falar de Darth Sidious."
"Ah, mas agora que você tem, nossa parceria é forjada." Gunray
balançou a cabeça. "Eu não estou procurando um parceiro."
Sidious mostrou um pouco do rosto. "Não finja ser
contente com sua posição na Federação do Comércio ou que você
não tenha aspirações. Agora somos parceiros no futuro. ”
Gunray fez um som de assobio. "Isso é uma piada. Os Sith estão
extintos há mil anos.
“É exatamente nisso que a República e a Ordem Jedi gostariam
que você acreditasse, mas nunca desaparecemos. Através dos
séculos, assumimos justas causas e nos revelamos para selecionar
seres como você. ”
Gunray recostou-se na cadeira. Eu não entendo. Por que eu?"

"Você e eu compartilhamos um interesse ávido por onde a


República está indo, e considero que é hora de começarmos a
trabalhar em conjunto".
"Não farei parte de nenhum esquema secreto".
"Verdadeiramente?" Sidious disse. “Você acha que dentre milhões
de seres influentes eu o escolheria sem conhecê-lo por dentro e por
fora? Percebo que seus desejos vorazes se originam das condições
cruéis de sua educação - você e seus companheiros se acamparam
em uma disputa implacável por suprimentos limitados de fungos.
Mas eu entendo. Todos somos moldados por nossos desejos
infantis, nosso desejo de carinho e atenção, nossos medos da
morte. E, a julgar pelo quão longe você chegou, fica claro que você
era incomparável e continua sendo. Seus anos no Senado, por
exemplo. As reuniões clandestinas no Edifício Claus, o Restaurante
Follin no Corredor Carmesim, o

fundos que você desviou para Pax Teem e Aks Moe, as negociações
secretas com a Damask Holdings, o assassinato de Vidar Kim ...
"O suficiente! O suficiente! Você quer me chantagear? Sidious
atrasou sua resposta. “Talvez você não tenha me ouvido
quando falei de uma parceria. "
"Eu te ouvi. Agora me diga o que você quer de mim.
“Nada mais que sua cooperação. Trarei grandes mudanças para
você e, em troca, você fará o mesmo por mim.

Gunray parecia preocupado. “Você afirma ser um Lorde das


Trevas. Mas como eu sei que você é? Como sei que você tem
alguma capacidade de me ajudar?
"Encontrei um pássaro raro para você."
"Isso dificilmente valida sua reivindicação."
Sidious assentiu. “Eu entendo seu ceticismo. Eu poderia, é claro,
demonstrar meus poderes. Mas estou relutante em convencê-lo
dessa maneira.
Gunray riu. - Não tenho tempo para isso ... - O
pilão está por perto?
"Logo atrás de mim", Gunray permitiu.
"Mostre-me."
Gunray ampliou o alcance das câmaras do holotable para incluir o
pássaro, empoleirado em uma gaiola que era pouco mais que um
círculo de metal precioso, coroada com um gerador de campo de
estase.
"Quando eu o extraí do habitat da selva, fiquei preocupado que ele
morresse", disse Sidious. "E, no entanto, ele parece estar em casa
em seu novo ambiente."
"Suas músicas sugerem o mesmo", respondeu Gunray.
"E se eu lhe dissesse que poderia alcançar o espaço e o tempo e
estrangulá-lo onde ele se senta?"
Gunray ficou horrorizado. Você não podia. Duvido que até um Jedi
...
"Você está me desafiando, vice-rei?"
"Sim", ele disse abruptamente; então, com a mesma rapidez: "Não, espere!"

Sidious se mexeu na cadeira. "Você valoriza o pássaro - este


símbolo de riqueza."
"Tenho inveja dos meus colegas por possuí-lo."
"A riqueza real não geraria inveja ainda maior?" Gunray ficou
abalado. “Como posso responder quando sei
para que você possa me estrangular, devo recusar?
Sidious soltou um suspiro elaborado. “Os parceiros não se
estrangulam, vice-rei. Eu preferiria ganhar sua confiança. Você
concorda com isso?
"Eu posso ser."
“Então aqui está o meu primeiro presente para você: a Federação
do Comércio será traída. Por Naboo, pela República, pelos membros
da diretoria. Somente você pode fornecer a liderança que será
necessária para evitar que a Federação se fragmente. Mas primeiro
devemos garantir que você seja promovido à diretoria.
"A atual diretoria nunca daria boas-vindas a um neimoidiano."
"Diga-me o que seria necessário ... " Sidious começou, depois se
cortou. "Não. Deixa pra lá. Deixe-me surpreendê-lo organizando uma
promoção.

"Você faria isso e não pediria nada em troca?"


"Por enquanto. Se e quando eu ganhar sua total confiança, espero
que você leve minhas sugestões a sério.
"Eu vou. Darth Sidious.
"Então falaremos novamente em breve."
Sidious desativou o holoprojetor e sentou-se em silêncio. "Existe
um mundo no setor de Videnda chamado Dorvalla", ele
disse a Maul um longo momento depois. “Você nunca ouviu falar
disso, mas é uma fonte de minério de lomita, essencial para a
produção de transparisteel. Duas empresas - Lommite Limited e
InterGalactic Ore - atualmente controlam as operações de
mineração e expedição. Mas há algum tempo a Federação do
Comércio tem como objetivo supervisionar Dorvalla. ”
"Qual é a sua oferta, mestre?" Perguntou Maul.

"Por enquanto, apenas que você se familiarize com Dorvalla, pois


isso pode ser a chave para prender Gunray ao nosso alcance."
25: O discreto encanto da meritocracia

Um quarteto mais bizarro não colocara pé, barriga, garra e


mandíbula em Sojourn em vinte anos. Uma fêmea mestiça Theelin,
seu mestre Hutt, seu Twi'lek majordomo e seu chefe de segurança
Chevin atravessaram o pátio coberto de folhas do forte e entraram
na sala de recepção de Plagueis. Com exceção dos Theelin, eles
pareciam ter entrado nas florestas verdejantes para se associarem
às criaturas que haviam construído ninhos e tocas nos corredores
úmidos e nas torres altas do forte.
Plagueis e 11-4D estavam esperando logo dentro da entrada
escancarada.

"Bem-vindo, Jabba Desilijic Tiure", disse Plagueis através de sua


máscara de transpiração.
Os dróides haviam restaurado alguma aparência de ordem na sala
e instalado mesas e cadeiras. A luz da manhã atravessava aberturas
quadradas no alto da parede e um fogo estalava na lareira de pedra.
"É um prazer vê-lo novamente depois de tantos anos, Magister
Damask", disse Jabba em Basic grosseiro. O criminoso eterno
pendurou sua língua enorme e manobrou seu grande corpo de
lesma em uma plataforma baixa que os dróides haviam erguido.
Olhando em volta, ele acrescentou: "Você e seu dróide devem visitar
meu pequeno local em Tatooine, no mar das Dunas Ocidentais."
"Algum dia em breve", disse Plagueis enquanto se sentava em
uma poltrona em frente à plataforma.
Como Toydarians e Yinchorri, Hutts eram imunes às sugestões da
Force. Se Jabba soubesse quantas de suas espécies Plagueis havia
experimentado ao longo das décadas, ele poderia não ter sido tão
sociável, mas então a propensão do Hutt

pois a crueldade e a tortura eram lendárias. Como uma tatuagem


em seu braço atestava, ele se importava apenas com membros de
seu clã. Ele não se incomodou em apresentar seus subordinados
pelo nome, mas como costumava ser o caso de muitos dos
bandidos e burros com quem ele se cercava, dois deles tinham
reputações que os precederam. O Twi'lek, de tez rosado, era Bib
Fortuna, um ex-contrabandista de especiarias cuja própria espécie
lhe dera as costas. Alto e de olhos vermelhos, ele tinha pequenos
dentes afiados e um lekku espesso e brilhante que crescia de um
crânio sem pêlos que parecia como se tivesse sido impregnado de
pedras. O Chevin - um focinho de dois metros de altura que brotava
braços, pernas e cauda - era Ephant Mon. Celebrado como um
guerreiro entre sua própria espécie - e levemente
sensível à Força - ele usava um cobertor que alguém poderia ter
jogado sobre ele para esconder sua feiúra. Plagueis soube por
contatos na Federação do Comércio que Mon estava envolvido em
uma operação de contrabando na Cerea tecnofóbica, fornecendo
swoops a uma gangue de jovens iniciantes.

O Theelin era desconhecido para Plagueis. Pálida e bem torneada,


ela tinha cabelos alaranjados brilhantes e marcas de beleza púrpura
que corriam pelo rosto e pescoço para desaparecer sob uma roupa
reveladora.
"Diva Shaliqua", disse Jabba quando percebeu que Plagueis a
estava estudando. "Um cantor da banda."
"Como o nome dela sugere."
"Um presente de Ingoda, no lugar dos créditos que devo a mim."
Os grandes olhos de Jabba se fixaram no Theelin. "Ela e Diva
Funquita vieram em dupla, mas eu fiz de Funquita um presente para
Gardulla na esperança de amenizar nossa persistente rivalidade." Ele
resmungou. “Meu primeiro erro. A segunda: apresentar Shaliqua a
Romeo Treblanc, que moveria mundos para possuí-la.

Notório por seus jogos, Treblanc era dono da Galaxies Opera


House em Coruscant. Por que Jabba optou por se associar a
jogadores e outras pessoas de baixa renda era um mistério para
Plagueis. De certa forma, o império ilícito de Hutt era o inverso de

Hego Damask's, onde, se nada mais, os criminosos eram pelo


menos políticos, honchos corporativos e financiadores. Sua vinda a
Sojourn foi incomum e inesperada.
"Você está aqui para falar sobre Treblanc ou Gardulla?" Perguntou
Plagueis.

Jabba reagiu com irritação. “Como sempre, direto ao cerne da


questão. Mas posso apreciar o fato de você ser um Muun ocupado.
Ele se contorceu para ajustar sua posição na plataforma. “Eu sei que
você foi fundamental, trinta anos atrás, em dar a Gardulla a corrida
de Tatooine, como base para suas operações de escravidão e
eventos de Podracing. Eu vim até aqui para informar que Tatooine
em breve terá um novo superintendente. Ele apontou para si mesmo.
"Eu."

Plagueis não disse nada por um longo momento. "Fiquei com a


impressão de que Tatooine já era tão sua quanto a de Gardulla."

"As aparências podem enganar", disse Jabba. "Tentei minar a


influência dela, fomentando desconfiança entre os chamados Sand
People - os Tusken Raiders -, mas o sucesso em perseguir seu
mundo continua a me iludir."
Plagueis fez um ajuste na máscara de respiração. "Como posso
ajudar?"
Jabba o avaliou. “Eu sei que Gardulla não conseguiu compensar
os empréstimos que você concedeu. O que ela ganha de eventos
como o Boonta Eve Classic, ela perde para os jogadores. ”
"Isso é verdade", disse Plagueis. "Mas e daí?"
"Eu quero que você pare de financiar ela, para que eu possa morrer
de fome." Plagueis deu de ombros. “Sua informação está
incompleta, Jabba.
Não financio as empresas dela há uma década.
Jabba fechou as mãos com raiva. "Você tem influência sobre
membros do Clã Bancário e da Federação do Comércio que a estão
financiando."
Plagueis levantou a cabeça, como se estivesse em revelação.
"Entendo. E o que posso esperar em troca?

"Para começar, uma porcentagem melhor dos lucros das corridas


e de outras empresas."
Plagueis franziu a testa em decepção. “Você deve saber que não
preciso de créditos, Jabba. E você não teria chegado tão longe ,
como diz, a menos que tivesse aprendido algumas coisas que
podem me influenciar para o seu lado.
Jabba se contorceu, reprimindo sua raiva. "Em troca da sua ajuda,
vou enfraquecer a influência da Black Sun com a Diretoria da
Federação do Comércio "
"Eu não preciso de assistência." Plagueis se inclinou para a frente
na poltrona. "O que você sabe que eu posso não saber?"
Jabba inflou seu corpo, depois permitiu que o ar escapasse dele
em uma risada prolongada e sem alegria. "Eu sei algo que você
ainda não sabe sobre o Bando Gora."
Plagueis se levantou um pouco na cadeira. Os assassinos de
Bando Gora, mascarados de forma horrível, tornaram-se uma
preocupação crescente na Orla Externa, colocando um problema
para a liderança de alguns dos cartéis que Plagueis apoiava. "Agora
você tem meu interesse, Jabba."
"O culto tem um novo líder", continuou Jabba, feliz por ter um
terreno alto. “Uma mulher humana, ela entrou em um plano com
Gardulla, um Malastare Dug chamado Sebolto, e um senador da
República para distribuir gravetos contaminados, como forma de
suprir o Bando Gora com recrutas com morte cerebral .”
Plagueis se esticou com a Força para espiar o Hutt. Jabba não
estava mentindo. "Esta fêmea humana", disse ele.
"Eu ouvi rumores."
Novamente Jabba estava dizendo a verdade. "Os rumores serão
suficientes por enquanto."

O Hutt esfregou as mãos carnudas. "O nome dela é Komari Vosa,


e dizem que ela é uma ex-Jedi."
Plagueis conhecia o nome muito bem. Cerca de dez anos antes,
Komari Vosa havia sido um Padawan do Mestre Dookan.

Atrás de cada uma das estações de ancoragem da plataforma


flutuante da Rotunda, estendia -se um complexo de escritórios em
forma de cunha com mais de meio quilômetro de extensão, onde os
senadores se encontravam, entretinham convidados e, em raras
ocasiões, realizavam o trabalho para o qual haviam sido eleitos ou
designados. executar. Alguns dos escritórios eram ambientes
selados, nos quais as atmosferas dos mundos membros eram
replicadas; outros, especialmente os pertencentes a espécies de
colméias, foram organizados por centenas de seres que cumpriam
suas tarefas em cubículos que se assemelhavam a células
nectaráticas. Em comparação, o Naboo's era bastante prosaico em
design e decoração, e ainda assim incomparável em termos de
número de visitantes de alto perfil que recebeu.

"Estou pensando em deixar a Ordem", disse o mestre Dookan a


Palpatine na sala sem janelas que era o escritório particular do
senador. "Não posso mais cumprir as decisões do Conselho e tenho
que ser livre para expressar minha opinião sobre o estado miserável
da República."
Palpatine não respondeu, mas pensou: Finalmente .
Com Darth Maul viajando para Dorvalla em sua primeira missão,
Palpatine ficou preocupado a tarde toda, e agora a divulgação de
Dookan: há muito esperada e ainda uma surpresa.
"Esta não é a primeira vez que você fica exasperado com o
Conselho", disse ele cuidadosamente, "e provavelmente não será a
última."
Dookan sacudiu a cabeça com firmeza. “Nunca mais do que isso.
Mesmo depois de Galidraan. Não tenho nenhum recurso.
Frigid Galidraan estava anos atrás dele, mas para Dookan o
incidente continuava sendo uma ferida aberta. Um governador local
conseguiu atrair os Jedi para um conflito com os mercenários
Mandalorianos que deixaram onze Jedi mortos e os Verdadeiros
Mandalorianos - em grande parte inocentes das acusações feitas
contra eles - eliminados , exceto um. Desde então, e em cada
ocasião que ele e Palpatine se conheceram, Dookan começou a
parecer cada vez menos um Mestre Jedi e mais um

o nobre que ele teria sido em seu nativo Serenno. Meticulosamente


preparado, ele se comportou como um aristocrata, afetando túnicas
e calças personalizadas, e uma capa preta aveludada que lhe dava
uma aparência teatral arrojada. Seu punho de sabre de luz
ligeiramente curvado também poderia ter sido um acessório,
embora ele fosse conhecido por ser um dos duelistas mais
habilidosos da Ordem. E por trás de uma máscara de civilidade
arrogante, Palpatine sabia que ele era capaz de grande crueldade.
"Por solicitação do Senado", continuou Dookan, "o Conselho
enviou vários Jedi para Baltizaar, e meu ex-Padawan de alguma
forma conseguiu acompanhá-los."
Palpatine assentiu com seriedade. “Eu sei algo disso. O senador
de Baltizaar pediu ajuda na defesa de ataques do Bando Gora.
"Sequestradores e assassinos sádicos", disse Dookan com raiva.
“Ação militar foi pedida, não intercessão Jedi. Mas não importa, o
Conselho atendeu ao pedido e agora acredita-se que Komari Vosa e
os outros estejam mortos. ”
Palpatine levantou uma sobrancelha. "A jovem que ficou
apaixonada por você?"
"O mesmo", disse Dookan em voz baixa. “Em Galidraan, ela lutou
brutalmente contra os mandalorianos, quase como se tentasse me
impressionar. Como resultado, eu disse ao Conselho que ela não
estava pronta para os julgamentos e a Jedi Knighthood.
Combinando seu erro inicial ao despachar Jedi, o Mestre Yoda e o
resto se recusaram a enviar reforços para procurar sobreviventes. ”
Palpatine considerou. "Se Baltizaar deveria ser outra tentativa de
impressioná-lo, tudo o que Komari Vosa fez foi provar que você
estava certa sobre ela o tempo todo."
Dookan olhou para ele. "Possivelmente. Mas o fracasso é meu.
Ele passou a mão pela barba curta. “Tão habilidoso quanto sou com
um sabre de luz, me tornei um professor ineficaz. Mestre Qui-Gon
Jinn se tornou um ladino solitário e secreto. E agora Vosa ... Ele
bufou. “Eu me recusei a ser membro do Conselho para me dedicar a

diplomacia e veja como isso acabou. A República está mergulhando


mais profundamente no caos. ”
"Você é um homem contra uma galáxia cheia de patifes", disse
Palpatine.
Os olhos de Dooku brilharam. "Um homem deve ser capaz de
fazer diferença se for poderoso o suficiente."
Palpatine deixou o silêncio persistir. "Você reivindicaria o título de
conde de Serenno?"
“Por direito de nascimento. Minha família é agradável. Agora é
simplesmente uma questão de informar o Conselho Superior. ”
"Alguém já deixou a Ordem?"
"Dezenove antes de mim."
"Você compartilhou seu descontentamento com algum
deles?" "Somente o mestre Sifo-Dyas."
"Claro."
Dookan olhou para cima. "Ele se preocupa que eu faça algo
precipitado."
"Sair da Ordem não é precipitado o suficiente?"
"Ele teme que eu denuncie o Conselho abertamente, e revele
como seus membros estão divididos em responder ao Senado." Ele
olhou Palpatine nos olhos. "Eu tenho meia mente para me juntar à
sua causa."
Palpatine tocou seu peito. "Minha causa?"
Dookan adotou um sorriso malicioso. “Eu entendo política, meu
amigo. Eu sei que você tem que ser cauteloso sobre o que diz e para
quem. Mas que os mundos desprovidos de privilégios da Orla
Exterior desfrutem de qualquer apoio é em grande parte devido a
você. Você fala honestamente e defende os menos favorecidos, e
você pode ser o único capaz de trazer a República de volta do limiar.
A menos, claro, que você tenha mentido para mim todos esses
anos.
Palpatine fez menção ao comentário. "Talvez algumas mentiras
de omissão."
"Aqueles a quem estou disposto a perdoar", disse Dookan, "se
somos ou não parceiros, além de aliados."
Palpatine entrelaçou suas mãos. “É uma noção interessante.
Teríamos que aprofundar nossas conversas, nos tornarmos
completamente honestos um com o outro, descobrir nossos
pensamentos e sentimentos mais íntimos para determinar se
realmente compartilhamos os mesmos objetivos. ”
"Estou sendo sincero quando digo que a República precisa ser
demolida e reconstruída do zero."
"Essa é uma tarefa
difícil." "Alto, de fato."
"Pode exigir uma guerra civil."
"E a que distância estamos agora?" Dookan ficou em silêncio por
um momento e depois disse: - O Senado tenta resolver disputas que
os Jedi costumam ver em primeira mão. Que leis são promulgadas
somente se seguem ao fato de termos trazido nossos sabres de luz.

"Foram os Jedi que se comprometeram a apoiar a República." “O
lugar da Ordem neste assunto é Sifo-Dyas e eu tenho
discutido sem parar - Dooku retrucou. “Mas os membros do
Conselho não são igualmente inclinados. Eles estão arraigados no
pensamento arcaico e demoram a abraçar a mudança. ” Ele fez uma
pausa e adotou um olhar sinistro. - Não se deixe enganar, Palpatine.
Eles vêem tempos sombrios pela frente. De fato, eles pensam em
pouco mais. É por isso que eles permitiram que os Jedi se
envolvessem em conflitos paroquiais como os de Galidraan,
Yinchorr e Baltizaar, que são como pinceladas nascidas de brasas
sopradas pelo vento de um incêndio maciço logo além do horizonte.
Mas, em vez de realmente se levantar contra a corrupção na
República, talvez dissolver o Senado por um período de tempo, eles
se fixaram na profecia. Eles aguardam a chegada de um redentor
profetizado que trará equilíbrio à Força e restaurará a ordem. ”

"Um redentor?" Palpatine olhou para ele com autêntica surpresa.


"Você nunca fez alusão a essa profecia."
"Nem pensaria agora se ainda me considerasse leal à Ordem."

"Eu nunca considerei que a Força precisava ser equilibrada."

O lábio de Dookan se curvou. "A Ordem interpreta a profecia como


significando que a maré escura precisa ser interrompida."
"Você não aceita?"
Dookan já tinha uma resposta pronta. "Aqui está a verdade: os
Jedi poderiam cumprir a profecia por conta própria, se estivessem
dispostos a liberar todos os poderes da Força."
"Todos os poderes da Força", disse Palpatine. "Receio que você
tenha me perdido."
Dookan soltou um suspiro. "Talvez seja algo que possamos
discutir no futuro."
"Você tomou sua decisão, então?"
Dookan assentiu. "Se mais um Jedi morrer por causa da
indolência da República e equívocos morais por parte do Conselho,
deixarei o Templo e me recusarei a olhar para trás."

Assim que Dookan saiu do escritório, Sidious vestiu a capa e correu


para o próximo compromisso. Chamando um sky-taxi na Praça do
Senado, ele instruiu o motorista da Gran a entregá-lo ao Porto
Espacial Tannik.
Relaxando de volta no assento acolchoado, ele exalou pelo que
parecia a primeira vez durante todo o dia. No espaço de um ano
comum, ele passou de duas vidas para administrar quase meia
dúzia: aprendiz de Plagueis; Mestre para Maul; ilustre senador;
aliado do Supremo Chanceler Valorum; e líder de uma crescente
cabala de conspiradores que incluía Pestage, Doriana, Greejatus - na
fila para substituí-lo no Senado - o humano sensível à Força Sim
Aloo, o analista de inteligência Armand Isard, o senador Eriadu
Wilhuff Tarkin e o telepata Umbaran Sly Moore, a quem ele havia
feito seu assessor secreto.

E levando uma vida dupla: Dookan. Realizando negócios Jedi em


momentos privados, flertando com o lado sombrio, faminto por
trazer todo o poder da Força para suportar o reino mundano, sua
lenta reorientação é curiosa

inversão de Darth Gravid, cujo alcance similar de preeminência havia


excedido seu alcance.
Para os Jedi, a Mestria foi conferida quando alguém alcançou
uma verdadeira compreensão dos caminhos da Força; para os Sith,
esse nível de entendimento era apenas o começo. As capas
caseiras da Ordem Jedi anunciaram: Não quero nada, porque estou
vestido na Força; as capas dos Sith: eu sou a luz no escuro, a
convergência de energias opostas . E, no entanto, enquanto todos os
Lordes Sith eram poderosos, nem todos eram brilhantes ou
possuíam completamente os poderes que o lado sombrio lhes
concedia. Darth Millennial se rebelou contra os ensinamentos de
seu mestre, Darth Cognus, e até Plagueis falou de ter atingido um
impasse filosófico com seu mestre, Tenebrous.
Um Senhor Sith humano, cujo breve reinado havia decorrido cinco
séculos antes, Gravid havia sido persuadido a acreditar que o total
comprometimento com o lado sombrio sentenciaria a Ordem Sith a
uma derrota eventual e, portanto, procurara introduzir a auto-estima
e compaixão de Jedi em seus ensinamentos. pratique, esquecendo
que não pode haver retorno à luz para um adepto que entrou na
floresta escura; que o lado sombrio não se renderá àquele a quem,
de comum acordo, tenha reivindicado. Enlouquecido cada vez mais
por suas tentativas de atravessar os dois reinos, Gravid ficou
convencido de que a única maneira de salvaguardar o futuro dos
Sith era ocultar ou destruir o conhecimento acumulado pelas
gerações - textos, holocrons e tratados - que os Sith poderiam criar
um novo começo para si mesmos que garantisse o sucesso.
Barricado dentro dos muros de um bastião que ele e seu aprendiz de
Twi'lek, Gean, construíram em Jaguada, ele havia tentado tanto, e
pensava-se que ele destruiu mais da metade do repositório de
artefatos antes de Gean, demonstrando vontade e coragem
consumadas, conseguiu penetrar nos campos da Força que Gravid
ergueu em torno de sua fortaleza e interceder, matando-a

Mestre com as mãos nuas, embora à custa do braço, ombro e todo


o lado esquerdo do rosto e do peito.
Mestre Jedi de alto nível, Dookan possivelmente já tinha alguma
compreensão teórica do lado sombrio; talvez mais, se ele tivesse
acesso aos Sith Holocrons saltando dentro do Templo. Ele
certamente poderia ser um incômodo para a República, embora
dificilmente fosse um agente do caos, como Plagueis e Sidious
haviam sido. Ainda assim, seria interessante ver até onde Dookan
pode estar disposto a ir ...

Palpatine teria que informar Plagueis de sua conversa. Ou ele


faria? Foi permitido a um aprendiz ocultar o conhecimento de seu
mestre?
Não nunca. Especialmente quando havia uma chance de que
Plagueis soubesse da apostasia de Dookan por conta própria, de
maneiras que permaneciam insondáveis.
***
Executando uma série de manobras imprudentes, o motorista do
Gran havia mudado de faixa e estava descendo rapidamente para o
Porto Espacial Tannik - uma plataforma de ancoragem semicircular
localizada na extremidade do distrito de Manaai e cercada por
mônadas imponentes por todos os lados. Reservado para
cargueiros de baixo impacto , o porto era um refúgio para tripulantes
drogados e sequestrados, trabalhadores itinerantes e migrantes sem
documentos de diversas espécies, a maioria dos quais em busca de
passagem de direção para mundos distantes.

Feliz por ser libertado do táxi aéreo , Palpatine abriu caminho


entre as multidões e estabeleceu um caminho para a sede do
Movimento de Socorro a Refugiados, cujos escritórios estavam
escondidos sob o nível superior do porto. A meio caminho de seu
destino, avistou o robusto Naboo que viera ver, parado ao lado de
sua esbelta esposa e dando ordens a um grupo de jovens
voluntários. Adotando uma expressão de bom humor e acenando
com a mão no ar, Palpatine gritou: "Ruwee".

O homem balançou ao som de sua voz e sorriu amplamente.


"Palpatine!"
Presidente do RRM, Ruwee Naberrie tinha uma cabeça grande e
quadrada, lábios finos, rosto barbeado e cabelos curtos cortados em
franja alta. Um homem de montanha, construtor profissional e
professor convidado de microeconomia na Universidade de Theed,
ele não era facilmente enganado, e sua expressão padrão era de
sinceridade. A organização sem fins lucrativos que ele dirigiu foi
dedicada a fornecer ajuda aos bilhões de habitantes de
camadas mais baixas de Coruscant .

"Que feliz coincidência", disse Ruwee, apertando a mão de


Palpatine. Os dois Naboo eram muito próximos, mas Ruwee era um
produto da educação pública, e não da série de instituições privadas
que o jovem Palpatine frequentara. "Você se lembra de Jobal?"
Uma mulher alta , de rosto triangular e olhos espaçosos e
compassivos, ela se permitia envelhecer graciosamente, embora
seus longos cabelos ainda fossem escuros e luxuriantes. Casada
com Ruwee por acordo, ela era tão séria quanto ele e igualmente
comprometida com o movimento de refugiados.
"É claro", disse Palpatine. Inclinando a cabeça, ele acrescentou:
"Madame Naberrie".
Ela fez um movimento para abraçá-lo, depois pensou melhor e
simplesmente sorriu em reconhecimento. "Que bom vê-lo
novamente, senador."

Ruwee tocou nas costas dele. "Eu nunca tive a chance de


agradecer pessoalmente por me permitir falar ao Senado sobre a
crise de refugiados em Sev Tok".
Palpatine encolheu os ombros. “Foi uma honra estar associado a
uma causa tão digna. Falando nisso, Onaconda Farr envia seus
cumprimentos.
"Rodia deveria se orgulhar dele", disse Ruwee. "Um dos poucos no
Senado que reconhece que a boa sorte não deve ser tomada como
garantida, mas deve servir como um impulso para trazer conforto
aos menos afortunados."

Palpatine sorriu com força.


"O que o leva às docas, senador?" Jobal perguntou. - Mais que
coincidência, senhora. De fato, uma questão de extrema
urgência que envolve sua filha, Padmé. "Ela está
aqui", disse Ruwee.
Palpatine olhou para ele. "Em Coruscant?"
"Aqui, em Tannik." Ele apontou para uma doca próxima, onde uma
garota de cabelos escuros enérgica estava dirigindo um palete
antigravista de alimentos para a baía de um cargueiro em espera. Ao
avistar o pai, Padmé acenou.
"Quem é o jovem com ela?" Palpatine perguntou. "Ian
Lago", disse Jobal.
Palpatine aguçou sua visão. "O filho do conselheiro do rei
Veruna?"
Jobal assentiu. "Ele ficou um pouco
apaixonado." "E Padmé com ele?"
"Esperamos que não", disse Ruwee. “Ian é um garoto legal, mas ...
Bem, digamos que Kun Lago não ficaria feliz em saber que seu filho
estava se confraternizando com o inimigo, por assim dizer.”
Percebendo que o jovem Ian estava olhando para ele com súbito
interesse, Palpatine retornou o olhar por um momento e disse: “Isso
me leva diretamente ao ponto da minha visita. Como você sem
dúvida sabe, nosso rei me instruiu a apoiar a Federação do
Comércio na questão da tributação do livre comércio
zonas ".
"Claro que sim", disse Ruwee com claro desdém. "De que outra
forma Veruna continuaria a alinhar os bolsos de suas vestes com
propinas."
Palpatine assentiu. “Você e eu e alguns dos nobres sabemos o
mesmo. Mas agora pode ser a hora de deixar o resto de Naboo
descobrir seus segredos.
A expressão de Jobal azedou. "Se você está falando sobre
desafiá-lo nas próximas eleições, está enfrentando uma causa
perdida."

"Eu imploro para discordar, madame", disse Palpatine. “Com


discrição, já me aproximei de vários membros da

eleitorado, e eles concordam que Veruna pode ser derrotado pelo


candidato certo. ”
Quando ele olhou para Padmé, a boca de Ruwee se abriu. "Você
não pode estar falando sério."
- Mas eu sou Ruwee. Membro do Programa Legislativo da
Juventude aos oito anos de idade; um legislador aprendiz completo
às onze. Seu trabalho de refugiados em Shadda-Bi-Boran. Além
disso, ela desfruta de um apoio mais popular em Theed do que
qualquer governador em gerações. ”
Jobal piscou e balançou a cabeça em descrença. "Palpatine, ela
acabou de completar 13 anos!"
Palpatine abriu as mãos. - Naboo elegeu rainhas mais jovens,
senhora. E o dela pode ser um reinado que durará cinquenta anos.
Ele se recusou a ceder a Ruwee ou Jobal. “A constituição tem uma
disposição que permitiria à monarquia se tornar hereditária para
uma dinastia digna. E que família mais digna existe do que os
Naberries?
Marido e mulher trocavam olhares. “Isso é muito lisonjeiro,
senador—” Jobal começou a dizer quando Palpatine a interrompeu.
“Os Naboo estão exasperados com monarcas como Tapalo e
Veruna. Padmé permitiria que Naboo se reinventasse.
Ruwee refletiu sobre isso momentaneamente. "Mesmo que
Padmé entenda a idéia, não tenho certeza de que ela possa ser
persuadida a apoiar a tributação das zonas comerciais, sabendo o
que isso pode significar para Naboo e outros mundos periféricos."
"Ela não precisaria se posicionar", respondeu Palpatine. "Ela
precisa apenas de uma campanha contra a corrupção e acordos
secretos, e a posição embaraçosa em que Veruna colocou Naboo."
Os olhos de Jobal se estreitaram incertos. "Correndo o risco de
tocar em um ponto sensível, senador, você ajudou a colocar Veruna
no trono e tem sido seu advogado desde então."
Palpatine balançou a cabeça. “Nunca um advogado. Sempre me
considerei um contrapeso e, nos últimos anos, nos encontramos em
lados opostos de quase todas as edições, incluindo a biblioteca que
ele construiu e as

créditos que ele investiu na criação de uma força espacial para


Naboo. ” Ele ficou em silêncio por um momento e disse: "Confie em
mim, Veruna pode ser derrotado".

Mais uma vez, Ruwee e Naberrie trocaram olhares preocupados.


"Somos um povo da província, Palpatine", disse Ruwee finalmente.
"O mundo da política ... política galáctica, nada menos ..."
Palpatine comprimiu seus lábios. "Compreendo. Mas o que
obrigou vocês a abandonar as montanhas para Theed, se não para
Padmé e Sola, e as oportunidades que possam estar disponíveis
para eles?

Palpatine sustentou o olhar pensativo de Ruwee. Ele está


começando a vacilar .

"Eu não gostaria de colocar Padmé nisso, apenas para vê-la


perder, Palpatine."
Palpatine sorriu. “Trabalharei com você para ver que isso não
acontece. Não desejo falar fora de hora, mas também posso quase
garantir o apoio do Chanceler Supremo. ”
"Valorum conhece Padmé?" Jobal perguntou surpreso.

"Claro que ele faz." Palpatine fez uma pausa. "Diante de Padmé
como competição, talvez Veruna veja a luz e abdique."

Jobal riu e depois mostrou a Palpatine um olhar sério. "Você


percorreu um longo caminho, senador."
26: SUA NATUREZA MAIS BASE

Em um dia claro, olhando para o noroeste através do The Works a


partir de uma sala cheia de destroços na coroa circular do prédio
LiMerge, Maul podia apenas ver a elegante torre central do templo
Jedi, cutucando acima do horizonte. Com seu Mestre a caminho de
Eriadu para participar de uma cúpula que Sidious propusera, os
Zabrak tinham o hábito de subir à coroa pelo menos uma vez por dia
e, com eletrobinóculos na mão, olhando para o pináculo distante na
esperança de capturá-lo. visão de um Jedi.
Mas isso não aconteceu.
Se algum Jedi estivesse presente, eles estariam sentados em
contemplação, como Maul sabia que ele deveria estar fazendo
também. Ou, se não estiver meditando, conclua o trabalho na
graciosa bicicleta speeder que ele havia chamado Blood fi n ou o
dróide chamado C-P3X, ou aperfeiçoando sua habilidade de usar o
lançador de projéteis montado no pulso conhecido como lanvarok.
Dedicar-se a essas tarefas teria recebido mais aprovação de Darth
Sidious do que Maul encarando o pináculo ornamentado com ninhos
do Templo e sonhando com o dia em que poderia se colocar contra
um mestre Jedi. Mas desde seu retorno de Dorvalla várias semanas
antes, ele estava inquieto demais para se sentar de pernas cruzadas
no chão, imerso no fluxo do lado escuro, ou debruçar-se sobre os
esquemas dróides que Darth Sidious havia fornecido antes de ele. d
saiu.

Quando Maul refletiu sobre o tempo que passara em Dorvalla,


seus pensamentos não estavam focados nos assassinatos que ele
havia realizado. Ele havia matado muitos em sua curta vida, e não
havia nada sobre as mortes de Patch Bruit, Caba'Zan e outros
envolvidos no negócio de mineração de lomite.

minério que os distinguia dos assassinatos anteriores. De fato, o


descuido dos mineiros deveria tê-los condenado a mortes
remanescentes, em vez dos fins rápidos que Maul havia dispensado.
O que ele lembrou foi o sentimento de participação da missão. Não
apenas ele foi capaz de usar seus talentos para furtividade,
rastreamento e combate, mas também os usou de uma maneira que
promoveu o Sith Grand Plan, como não havia acontecido durante
seus anos de treinamento em Orsis, ou durante as incursões, Darth
Sidious lhe permitiu fazer outros mundos. Em seu retorno a
Coruscant, o Lorde das Trevas o elogiou, o que, Maul supôs, deveria
ter sido recompensado o suficiente. E poderia ter sido, se a missão
levasse a outra. Mas Darth Sidious o havia excluído da participação
na operação de Eriadu e havia sido vago quanto a planos futuros.

Um resultado direto do que Maul havia conseguido em Dorvalla,


Lommite Limited e InterGalactic Ore se fundiu e foi assumido pela
Federação do Comércio, que por sua vez resultou na promoção de
Nute Gunray à diretoria de sete membros da empresa . Em outras
conversas com o vice-rei, Darth Sidious exigiu que os neimoidianos
sacrificassem voluntariamente um de seus cargueiros Lucrehulk,
juntamente com um carregamento de lingotes de aurodium, como
forma de financiar um grupo insurgente da Orla Exterior conhecido
como Frente da Nebulosa. Maul ficou perplexo com a decisão de
seu mestre de se revelar ao líder do grupo, como Darth Sidious fez
em sua comunicação inicial com Gunray; depois ficou consternado
ao saber que o líder - um humano chamado Havac - havia traído
Darth Sidious ao tentar assassinar o Supremo Chanceler Valorum
em Coruscant. A constatação de que seu Mestre poderia ser
enganado, de que ele não era infalível, teve um efeito curioso sobre
Maul. Isso o causou desconforto , uma súbita preocupação com a
segurança de seu Mestre, que interferiu em sua capacidade de
acalmar sua mente e encontrar garantias no lado sombrio. Não era
medo - pois o medo era algo estranho à maquiagem de Maul -, mas
uma inquietação perturbadora. Inquietação pelo ser

ele já tentou matar, e talvez se esperasse que ele matasse . Todas


essas semanas depois, ele ainda passava horas passeando pelo
prédio LiMerge como um animal de estimação que captava o cheiro
de seu dono ...
Quando, no entanto, ele expressou o desejo de participar da
operação de Eriadu, mesmo que isso significasse apenas ajudar os
neimoidianos a adquirir armas das espécies de colméias ou iniciar
operações de fabricação em Alaris Prime e outros mundos remotos,
seu Mestre havia rejeitado a idéia. fora de mão.

Você não tem nenhum papel nisso , ele dissera, sem explicação, e
em compensação, Maul supôs, havia lhe dado os esquemas dos
olhos escuros.
A rejeição também levou a perguntas de um tipo novo. De todos
os seres na galáxia, o Lorde das Trevas tinha escolhido ele para
servir como seu aprendiz e eventual sucessor, e ainda Darth Sidious
tinha esquecido de equipá-lo com as ferramentas que ele precisa
para realizar o imperativo Sith para a frente. Apesar de todas as
tentativas de se familiarizar com o cenário político e com as
organizações criminosas - algumas aliadas a Darth Sidious, outras
antitéticas aos seus planos -, ele tinha um entendimento limitado de
como a galáxia funcionava. Ele entendeu que a guerra dos Sith era
com a Ordem Jedi e não com a República, mas ele não tinha idéia de
como a vingança deveria ser realizada.
O que, então, se - além da contemplação - algo desagradável
deveria acontecer com seu Mestre? Havia um plano de
contingência? Ao contrário de Darth Sidious, que se tornou o
senador da República Palpatine e debateu questões complexas no
Senado, Maul não tinha uma identidade secreta. Com seus olhos
amarelos e cabeça com chifres, uma máscara em preto e vermelho
de sigilos arcanos, era tudo o que ele podia fazer para rondar as
margens das Obras na calada da noite, sem incutir medo em quase
todos os seres cujo olhar ele capturava.

Maul esperava que sua vida mudasse quando Darth Sidious o


transferisse para Coruscant. Mas de muitas maneiras a mudança

golpeou-o como um retorno aos seus dias como estagiário de


combate em Orsis, esperando ser autorizado a lutar, recebendo
elogios e recompensas, apenas para receber ordens de treinar mais.
As visitas ocasionais de seu mestre permitiram que ele suportasse
o isolamento e a superficialidade de sua existência. Somente
quando suas instruções nas artes Sith começaram, ele se sentiu
singular, proposital ...
Mas ele não estava inteiramente sem esperança.
Na ocasião, Darth Sidious sugeria uma missão da maior
importância que eles precisariam realizar juntos; alguém que os
convocasse a usar todos os seus poderes. Ele ainda tinha que
fornecer detalhes, mesmo com relação aos estudos de Maul. Mas
ele continuou a sugerir que a missão estava se aproximando. E cada
vez mais, Maul sentia que estava de alguma forma ligado ao mundo
natal de seu mestre, Naboo.
***

Sua presença solicitada pelo rei Veruna, Palpatine interrompeu sua


jornada ao cume de Eriadu para parar em Naboo. O espaçoporto
estava abarrotado de navios de design incomum, e Theed estava
repleto de cidadãos que haviam lotado as ruas e corredores ao redor
do Palace Plaza para ouvir o jovem Padmé Naberrie falar. Em
contraste com o alegre entusiasmo demonstrado pelas multidões, e
aparentemente organizada como uma espécie de contra-evento, a
sala do trono do palácio foi palco de uma festa extravagante, na
qual compareceram os mais corruptos partidários de Veruna no
eleitorado e várias dúzias de mundialmente duvidosos personagem.
O anúncio da chegada de Palpatine à sala encontrou insinuações
abafadas e risadas maliciosas que continuaram enquanto ele era
conduzido a um lugar à mesa do rei, em frente a Veruna e espremido
entre Kun Lago e o chefe de segurança Magneta.

Apontando com seu bastão real para o decoro, Veruna


cumprimentou Palpatine com um sorriso exagerado. "Bem-vindo,
Palpatine." Beber havia transmitido um leve insulto ao seu discurso.
Palmas

ele acrescentou: "Traga vinho para o célebre senador de Naboo".

"Obrigado, Majestade", disse Palpatine, brincando com a


insinceridade de Veruna. "Fiquei sem vinho da flor por muito tempo."

Veruna bateu forte na longa mesa de madeira. "Então traga duas


taças para ele e mantenha o suprimento fluindo até que sua sede
seja reduzida."

Palpatine recostou-se quando os criados se apressaram para


honrar o comando de Veruna. Ambas as extremidades da mesa
estavam ancoradas por seres que ele conhecia mais pela reputação
do que por conhecidos. À direita de Veruna, estava Alexi Garyn,
chefe do sindicato do crime do Black Sun; e à esquerda, erguida
sobre almofadas duráveis e tirando fumaça de um cano de água,
repousava uma Hutt feminina chamada Gardulla, de Tatooine. Entre
seu séquito de seres, havia dois humanóides cujos uniformes
marciais os identificavam como membros do grupo terrorista de
Bando Gora.
Mais munição para Padmé Naberrie , ele pensou.
"Diga-nos, Palpatine", disse Veruna, depois de limpar a boca na
manga do manto berrante, "o que o levou a propor este encontro em
Eriadu?"
Palpatine ignorou as taças de vinho. "A cúpula proporcionará uma
oportunidade para todos os envolvidos exporem seus pensamentos
e queixas em relação à tributação das zonas comerciais".
"Estou certo de que seus amigos na Federação do Comércio são
muito agradecidos."
Palpatine esperou o riso terminar, satisfeito ao descobrir que a
conversa estava indo na direção que ele esperava que fosse. "Naboo
tem uma grande participação no que emerge da cúpula, Majestade."
"Ah, então você organizou isso por causa de Naboo." Veruna
levantou a voz para que todos na mesa pudessem ouvir. "Palpatine
fez isso por preocupação com Naboo!" Sua expressão endureceu
quando ele se inclinou para frente. “E sem dúvida você estava

pensando em Naboo quando você se aproximou dos Naberries


sobre ter a filha deles se opondo a mim nas próximas eleições. ”
"Pense duas vezes antes de negar", Magneta disse calmamente.
Lago se inclinou para acrescentar: "Meu filho estava presente
quando você ofereceu a oferta".
"Com Padmé Naberrie, se não me engano", disse Palpatine como
uma conspiração. Enquanto Lago tentava entender, ele olhou para
Veruna. "Discutimos o movimento de refugiados."
O monarca olhou para ele, depois fez um gesto de desprezo com
as pontas dos dedos. "O que está feito está feito. E temo que isso
inclua você, senador. Gesticulando amplamente na direção do
Palace Plaza, ele disse: “Você realmente acredita que esse pequeno
iniciante político pode me derrubar? A filha dos camponeses da
montanha?

Palpatine encolheu os ombros. "A multidão que ela atraiu parece


pensar assim."

"Idealistas", disse Veruna, zombando. Regressivos. Eles sonham


com o Naboo há cinquenta anos atrás, mas não estão dispostos a
desejar. O dedo espetou o ar na frente do rosto de Palpatine. "Meu
primeiro ato oficial após minha reeleição será recordá-lo como
senador." Ele olhou para Lago. "Kun será o novo representante de
Naboo."
Palpatine franziu a testa em fingida decepção. "Janus Greejatus
seria uma escolha melhor."
Veruna ficou agitado. “Uma recomendação sua é uma
condenação! E sugiro fortemente que você permaneça em
Coruscant, porque não será mais bem-vindo em Naboo. Ele abaixou
a voz. "Lembre-se de que tenho informações que podem arruiná-lo,
Palpatine, da mesma maneira que você, os Naberries e o resto,
estão tentando me arruinar."
A mesa ficou em silêncio quando um esquadrão de combatentes
estelares N-1 passou pelas janelas em arco para atrapalhar a
manifestação na praça.
Palpatine conjurou um sorriso. "O Naboo ficará satisfeito ao ver
que sua força espacial é boa para alguma coisa, Majestade."

O rosto inchado de Veruna tremeu. "Mais do que você sabe. Eu lhe


disse que pretendia encerrar nossa parceria com a Federação do
Comércio e a Hego Damask, e assim o farei. ”
Palpatine olhou para o Hutt e seus servos de Bando Gora. “Com a
ajuda de seus novos parceiros. E o que você fará: expulsar os
cargueiros da Federação do Comércio do setor de Chommel?
Desafiar Damask abertamente?
“Damask traiu todo mundo. Pergunte a Gardulla. Pergunte a Alexi
Garyn. O Muun deveria ter aprendido uma lição há trinta anos com o
Gran que o atacou.
Palpatine teve um prazer secreto na observação. E você comete os
mesmos erros flagrantes que eles fizeram .
"O que faz você pensar que ele não fez?"
Veruna começou a falar, mas mordeu o que ele tinha em mente
para dizer e começou de novo. “A partir daí, a Naboo gerenciará seus
próprios recursos. Gardulla e Black Sun supervisionarão a
exportação de plasma e a importação de mercadorias, e o Bando
Gora protegerá nossos interesses nas rotas espaciais. É uma pena
que você não faça parte disso.
- É uma pena ter certeza - disse Palpatine, levantando-se. “Até que
você me substitua, Majestade, continuarei atuando no melhor
interesse de Naboo, em Eriadu e Coruscant. Devo ver Damask, vou
dizer a ele que ele subestimou ... suas ambições.

Veruna travou os olhos com ele. - Não se preocupe


indevidamente, Palpatine. Você não o verá novamente.

O transpirador fixado em seu rosto, Plagueis se moveu com um


propósito ágil pelas salas geladas que abrigavam vinte anos de
experimentos. A maioria das jaulas e celas estava vazia agora - os
cativos que eles continham, libertados. Ele se perguntava se as
florestas verdes de Sojourn se tornariam uma espécie de laboratório,
um ótimo meio de madeira escarlate para a evolução de mutantes.
OneOne-FourDee passou por ele no caminho para
no pátio, caixas de armazenamento de liga empilhavam-se no
quarteto de apêndices.
"Certifique-se de que todos os dados foram excluídos
permanentemente", disse Plagueis.
O dróide assentiu. "Vou garantir pela terceira vez, Magister
Damask."
"E FourDee, leve minhas instruções para os Guardas Solares que
eu os contatarei em Thyrsus."
"Vou cuidar disso, Magister."
Plagueis entrou na sala que servira como sua câmara de
meditação. Embora o espaço do teto alto já estivesse fixo em sua
memória, ele estudou as poucas peças de mobiliário em silêncio,
como se procurasse por alguns detalhes que escaparam ao seu
conhecimento. Seus olhos permaneciam na pequena antecâmara
em que ele e Sidious estavam sentados quando provocaram a
mudança, e a força dessa lembrança era tal que ele foi catapultado
para um momento de intenso devaneio.
Durante algum tempo, ele sabia que Sidious havia criticado sua
fixação por desvendar os segredos da vida e da morte. Certamente
Sidious sentiu como se Plagueis tivesse se envolvido demais em um
projeto, muitas vezes negligenciado pelo Grande Plano; que Plagueis
passou a dar mais importância à sua própria sobrevivência do que a
dos Sith. Enquanto isso, para Sidious havia caído a responsabilidade
de organizar e executar os esquemas que colocariam os dois no
poder sobre Coruscant. Sidious dirigindo eventos galácticos da
mesma maneira que Plagueis estava supervisionando as correntes
do lado escuro. E, no entanto, o arranjo era como deveria ser, pois
Sidious tinha um dom para subterfúgios que superava os talentos de
qualquer um dos Sith Senhores que o precederam, incluindo Bane.
Plagueis achou ironia o fato de Sidious ter se sentido com ele,
assim como ele próprio sentira sobre Tenebrous no final de seu
longo aprendizado. Tenebrous confiava mais na ciência Bith e nas
projeções computacionais do que nas artes Sith ... Mas Plagueis
também entendia que o tempo havia terminado.

peça para ele se juntar ao mundo e ficar com Sidious para ver esta
fase mais importante do plano: a ascensão de Palpatine à
chancelaria e a nomeação sem precedentes de Hego Damask como
co-chanceler da República. Ageless Hego Damask, pois acabaria por
surgir. Quando isso estava por trás deles, eles poderiam se voltar
para a tarefa maior de obliterar a Ordem Jedi.
O Mestre Dooku hesitando em deixar a Ordem não surpreendeu.
Yoda pegou Dookan de Serenno, mas ele não conseguiu tirar
Serenno de Dookan. Vinte anos antes, Plagueis vira as agitações do
lado sombrio nele e tentara desde - sempre e sempre que possível -
persuadir mais desses poderes latentes à superfície. Em Galidraan,
em parceria clandestina com o governador local e membros da
Guarda da Morte para atrair os Jedi para um confronto sem
esperança com os Verdadeiros Mandalorianos; em Yinchorr e
Malastare; e, mais recentemente, através dos esforços de Sidious,
em Asmeru e Eriadu. Já forte na Força, treinado em combate e
também diplomata, Dookan poderia ter sido um parceiro poderoso
em diferentes circunstâncias. Exceto pelo fato de que Dookan, ao
contrário dos Dathomiri Zabrak que Sidious havia treinado, nunca se
contentaria em servir como um aprendiz ou um mero assassino. Ele
exigiria se tornar um verdadeiro Sith, e isso levaria a problemas. Um
curso de ação melhor seria permitir que Dookan encontrasse seu
próprio caminho para o lado sombrio - qualquer versão dela que
pudesse ser acessível a ele através do estudo dos Holocrons Sith
que os Jedi possuíam. É melhor que ele deixe a Ordem por sua
própria vontade e se torne o porta-voz benevolente dos
desprivilegiados, como se poderia esperar de um ser de alto status.
Sim, melhor deixá-lo convencer mundos e sistemas a se separarem
da República e fomentar uma guerra civil na qual os Jedi poderiam
ser atraídos ...

O repentino estrondo de klaxons pôs um fim abrupto em suas


reflexões.

O tempo é curto .

OneOne-FourDee retornou, movendo-se rapidamente para um


dróide. "Cinco navios de guerra foram detectados, Magister."
"Antes do previsto."
"Talvez seus inimigos tenham recebido informações de que seu
plano de ataque foi comprometido."
“Uma especulação sonora, FourDee. O navio está
pronto? "Aguardando, Magister."
Depois de uma olhada final, Plagueis correu para a porta aberta
que levava ao pátio, onde a elegante nave estelar projetada por
Rugess Nome e construída por Raith Sienar estava esperando. Com
estilo frouxo, depois de um navio de correio que era comum durante
o antigo Império Sith, o Infiltrador ainda parecia ter saído do
passado. Com pouco menos de trinta metros de comprimento e
com a forma de um dardo arremessado, tinha duas asas curtas
onde poderiam estar as penas, que se projetavam de um módulo de
comando redondo e terminavam em terminais curvos de radiador
que cercavam o módulo entre parênteses quando implantados. Mas
o que tornou o navio único foi um conjunto de camuflagem de
cristal de estigio que ocupava grande parte da proa longa e cônica
da fuselagem.

Quando Plagueis entrou no cockpit, o 11-4D abandonou a cadeira


do piloto único para um dos assentos que alinhavam a
circunferência traseira do módulo.
"Os sistemas estão habilitados, Magister."
Dobrando-se na cadeira giratória, Plagueis segurou o arnês,
apertou as mãos no garfo e levantou o navio, que subia em espiral
ao subir acima das imponentes muralhas do antigo forte, antes de
disparar para o céu opaco de Sojourn, invisível a qualquer scanner
que pudesse ser apontado para baixo. Os primeiros raios de energia
da flotilha inimiga já estavam entrando nas florestas verdejantes,
lançando vegetação e incendiando tempestades. Outra extinção
para algumas das criaturas que foram clonadas exclusivamente
para a lua, pensou Plagueis. Um segundo ataque de raios laser
atingiu a torre, onde ele passara tantas horas em contemplação,
derrubando-a no pátio. Fora do filtro, o ar era

ventos quentes e agitados estavam sendo provocados pelo que


havia sido desencadeado de cima. Longe a estibordo, a luz das
estrelas brilhava em um navio de ataque que corria em direção à
superfície.
As baterias turbolaser terrestres começaram a responder com
fogo alternativo, fazendo parecer que o céu estava em guerra
consigo mesmo. No limite do espaço, explosões de curta duração
floresceram, quando os escudos dos navios-alvo foram esmagados.
Mas outros irromperam pelas barragens, suas armas reduzindo as
cinzas da floresta a cinzas e soprando enormes pedaços de rocha
da escarpa. O chão tremeu e grandes colunas de fumaça subiram.
Um, depois outro posicionamento de armas explodiu, levando com
eles uma parede inteira do forte.
Plagueis estudou as telas do cockpit enquanto o Infiltrador
continuava a ganhar altitude e velocidade, correndo através da
fumaça e das nuvens em fuga.
"As coordenadas de encontro já estão programadas no
computador de bordo", disse 11-4D por trás dele. "A frequência de
comunicação também é predefinida."
Plagueis balançou para o computador da marinha enquanto
concussões balançavam o navio. Ele colocou uma mão no teclado
do dispositivo quando o céu parecia dar à luz uma esfera de luz
ofuscante. Após um momento de absoluta imobilidade, uma
cascata de energia infernal desceu sobre o que restava do forte e os
anéis concêntricos de força explosiva irradiaram para fora, nivelando
tudo dentro de um raio de vinte quilômetros do ponto zero. O filtro
foi levantado como um pássaro apanhado em uma térmica, e por
um momento todos os seus sistemas falharam.
Plagueis sentou-se em descrença enfurecida.
De alguma forma, Veruna e seus companheiros - Gardulla, Black
Sun e Bando Gora - haviam colocado as mãos em um dispositivo
nuclear proibido. Nenhum dos guardas do sol poderia ter
sobrevivido à explosão; mas então eles não mereciam. As armas
nucleares eram escassas, e os Echani obviamente haviam se
esquecido de

verifique com os poucos fornecedores do mercado negro que


tiveram acesso a eles.

Um pilar de fogo e fumaça agarrava-se ao céu, espalhando-se na


atmosfera cada vez mais fina e transformando-se em uma nuvem
em forma de cogumelo. As florestas verdejantes eram terras áridas
enegrecidas; o forte era escória e transformado em vidro.
Profundamente emocionado, Plagueis percebeu que não
experimentara emoções tão poderosas desde que se despedira de
Mygeeto tantas décadas antes e se colocou aos cuidados de Darth
Tenebrous.

Seguindo o rumo, o infiltrador saiu do tumulto. As estrelas


piscaram em visibilidade, e o navio da frota ficou subitamente livre
da gravidade da lua e puxado para o poderoso abraço dos pais de
Sojourn. Assim que entrou no lado noturno do planeta, o comitê
emitiu um tom urgente.
"Magister Damask, não encontramos nenhum rastro de sua nave em
nenhum de nossos scanners, mas confiamos que você esteja lá em
algum lugar." Plagueis desativou o dispositivo de camuflagem do
navio e girou para o tabuleiro. “ Jóia da estrela , este é o damasco.
Seus scanners
deve poder nos encontrar agora. ”
- Ammatmat, Magister Damask. Você pode prosseguir para a
Docking Bay Four.
Um cruzador espacial de tamanho gigantesco e design ostensivo
podia ser visto pairando a meia distância. Com a forma de uma
ponta de flecha, o navio estava fortemente armado e grande o
suficiente para acomodar meia dúzia de caçadores de estrelas.
Enquanto Plagueis estava manobrando em direção a ele, os
enunciadores do comitê foram sacudidos por uma risada
ressonante.
"Espero convencê-lo um dia a compartilhar o segredo de sua nave
invisível, Magister Damask."
“Agradeço sua pontualidade, Jabba Desilijic Tiure. Como faço a
inteligência avançada que me permitiu evitar ser atomizada. ”

“Assim, parcerias duradouras são solidificadas, Magister. Qual é o


nosso destino?

"Coruscant", disse Plagueis. "Mas tenho mais um favor a pedir


antes de chegarmos."
"Basta dizer, e será feito."
“Então organize as comunicações com Naboo. O rei Veruna
precisa ser informado do que provocou sobre si e seus
confederados.
Jabba ficou impressionado de novo. "Será um prazer."
27: CALIBRAÇÕES

O Hego Damask não mantinha apenas uma cobertura na Coruscant;


ele possuía um edifício inteiro. Embora não fosse tão grande quanto
500 Republica, Kaldani Spires era o endereço mais desejado do
Centro Galáctico fora do Distrito do Senado. Elevando-se sobre a
Monument Plaza, o imponente edifício era o melhor exemplo da
arquitetura do período Hasennan que se podia encontrar no mundo,
e das suítes mais altas os moradores podiam ver dos picos das
montanhas Manarai até o mar ocidental - os únicos exemplos de
rocha nua de Coruscant e água de superfície. Um bairro para
políticos e para os recém-chegados, o distrito atendia cidadãos
sólidos e velhos : financiadores, chefes corporativos, industriais e
banqueiros.
A residência de Damask ocupou toda a cúpula dos Kaldani.

Um par de guardas solares cavalgou com Palpatine no elevador


privativo, apenas para entregá-lo a outro par estacionado no átrio
iluminado da cobertura . Mas foi o dróide 11-4D que o acompanhou
até o escritório de Damask, que foi escurecido por altas cortinas de
brocado e repleto de obras-primas da arte galáctica. O próprio Muun
mascarado levantou-se de uma poltrona macia para cumprimentar
Palpatine quando ele foi levado para a sala.
"Mestre", disse Sidious, entrelaçando as mãos na frente dele e
inclinando a cabeça.
Plagueis abaixou a cabeça em um gesto de respeito mútuo. -
Bem-vindo, Darth Sidious. É bom te ver."
Como o cômodo era o oposto daquele em que se confiava
frequentemente em Sojourn, Plagueis não parecia mais o místico de
olhos arregalados que parecia apenas alguns meses antes. Exceto
por ter que usar o aparelho respiratório, ele atacou

Palpatine como uma versão um pouco mais antiga do Muun que o


havia visitado em Naboo tantas décadas antes.
Os dois Sith se mudaram para uma área afundada da sala e
sentaram um em frente ao outro. Plagueis encheu duas taças com
vinho claro e passou uma para o aprendiz. Ele fez o ato de absorver
através de suas passagens nasais parecer quase rotineiro.
"Após a permanência, acho um pouco desolador voltar ao mundo
maior."
"Mestre, desculpe-me por não ter sido o primeiro a avisá-lo do
ataque", disse Sidious. “Não achei que Veruna tivesse coragem de
realizar suas ameaças veladas. Talvez eu o cutuque muito longe.
Um longo momento de silêncio passou entre eles.
"O que você fez e não fez é irrelevante", disse Plagueis finalmente.
“Quando chegou, quase exatamente ao mesmo tempo em que os
membros da Diretoria da Federação do Comércio estavam
cumprindo seu destino, o ataque foi obra da Força, substanciando
nossas ambições, especialmente.” Ele pegou mais vinho e pousou o
copo. “Eu nunca teria tido coragem de destruir a permanência,
apesar de ser necessário; e assim a Força cuidou disso. O incidente
nos lembra da necessidade de estarmos preparados para
eventualidades repentinas, harmoniosas ou adversas aos nossos
planos, e compatíveis com as circunstâncias. ”
"E agora estamos justificados em revidar", disse Sidious. “Não
precisamos mais justificar nossas ações a ninguém. Mas
lembre-se do que lhe disse há muito tempo: matando um, podemos
assustar muitos. ”
Sidious assentiu. "Devemos uma grande dívida a Jabba."
"Falei brevemente com Veruna do navio de Hutt."
Sidious sorriu levemente. “Eu suspeitava disso quando soube,
antes da cúpula, que ele havia abdicado e que Padmé Naberri havia
sido nomeado rainha. Aparentemente, ele se escondeu no Western
Reaches de Naboo.

"Isso não está escondido", disse Plagueis com uma nota de


ameaça. "Tudo correu bem em Eriadu?"

“Melhor que o esperado, com os Jedi correndo em círculos e


convencido de que Valorum era o alvo. Apreciei sua incredulidade
consternada ao saber que os dróides haviam esvaziado suas armas
contra os membros da diretoria. No final, os líderes da Frente da
Nebulosa também morreram, e nosso amigo Wilhuff Tarkin está
dificultando os investigadores da República. Em breve, descobrir-se-
á que o aurodium roubado do cargueiro da Federação do Comércio
foi investido no Valorum Shipping and Transport, fazendo parecer
que a pressão do Supremo Chanceler pela tributação foi motivada
pela ganância e pelo enriquecimento ilegal. Ele é derrubado. Até o
seu poder de mobilizar os Jedi ou Judiciários será despojado dele.

Os olhos de Plagueis se estreitaram. "E Gunray?"


“Precisamente onde o queremos: líder por padrão da Federação
do Comércio e ocupado adquirindo as armas dróides que o Senado
sancionará. Onde os neimoidianos devem ser gratos ao senador
Palpatine por propor a cúpula, eles ficam furiosos. Está tudo pronto
para iniciar o bloqueio. ”
"Quase tudo", disse Plagueis. "Primeiro, há o problema de nossa
vingança."
"Devo encarregar Maul de fazer uma visita a Veruna?"
Plagueis balançou a cabeça. “Eu pretendo vê-lo pessoalmente. O
Zabrak, Maul, como você o chama , é capaz de lidar com Alexi Garyn
e seus Vigos?
"Ele não nos falhará."
Plagueis considerou que, por um momento, disse: “O invasor está
sob guarda em West Championne Starport. Faça com que a Pestage
transporte o navio para o Edifício LiMerge, para que você possa
apresentá-lo como presente ao seu aprendiz. Vou lhe fornecer
informações sobre o paradeiro atual de Garyn.

"Isso deixa apenas os Hutt e Bando Gora", disse Sidious. Prometi


Gardulla a Jabba. Quanto ao Bando Gora ... Plagueis levantou-se da
cadeira e caminhou até o

janelas com cortinas e espiou para fora. "Há um boato que vale a
pena seguir dizendo que o ex-aprendiz de Mestre Dooku, Komari
Vosa, não está apenas vivo, mas o mais novo líder do culto, e
ansioso para se vingar da Ordem Jedi por ter abandonado ela e seus
companheiros em Baltizaar."
"Vosa se virando para o lado sombrio", disse Sidious, como se
estivesse pensando em voz alta. "Dookan a treinou melhor do que
ele sabe."
“Sim, mas ela é uma Jedi caída, não uma Sith. Vamos nos vingar
do Bando Gora em outro momento.
Sidious levantou-se e juntou-se a Plagueis nas cortinas abertas.
"Vou informar o vice-rei Gunray para preparar seus navios armados
para a mudança para o sistema Naboo."

Em um hangar de nível médio no Edifício LiMerge, Sidious assistiu


Maul arrumar o último de sua engrenagem e mão-construídos
contrivances a bordo do In fi ltrator, que, como bicicleta speeder do
Zabrak, agora tinha um nome: Scimitar . Fechando uma escotilha de
carga na parte da frente do casco, Maul recuou para admirar o navio,
depois virou-se para Sidious e se refletiu.
"Eu não mereço tal presente, Mestre."
Sidious olhou com raiva. "Se você se sente assim, prove seu valor
para você e para mim, tendo sucesso em sua missão."
"Eu prometo isso."
Sidious o observou com cuidado. “Precisamos desmontar o cartel
criminal do Sol Negro. Os Vigos mantinham fortes laços com alguns
membros da Diretoria da Federação do Comércio e suspeitam que
houve jogo sujo em Eriadu. No momento, os neimoidianos estão à
vista deles, e não podemos arriscar que eles interfiram em nossos
planos. ”

Ele não mencionou a cumplicidade do Black Sun no ataque a


Sojourn.
Maul assentiu. "Eu entendo, mestre."
Sidious fez um movimento convidativo com as mãos. - Levante-se
e ouça com atenção, Darth Maul. O tempo não permite caçar Alexi
Garyn e seus Vigos, um por um. Portanto, faça

Chefe Darnada, sua primeira vítima. Você encontrará o Dug em sua


estação de recuperação de espaço profundo . Então pule seu navio
para Mon Calamari e mate o Vigo chamado Morn. Até então, a
notícia de suas ações terá chegado a Garyn, e ele provavelmente
convocará os sete Vigos restantes à sua fortaleza em Ralltiir.
Narees, Madre Dean, Nep Chung e o resto. Você deve entrar em
contato comigo quando tiver verificado que eles estão todos em um
só lugar. ” Ele olhou para a cimitarra . "Será uma oportunidade de
testar seus droides da sonda."
Um olhar de ansiedade tomou forma no rosto temível de Maul.
Sidious caminhou até ele e colocou as mãos sobre os ombros de
Maul. “Você enfrentará muitos oponentes habilidosos, meu
aprendiz. Guarda-costas de Darnada em Twi'lek, Sinya; O próprio
Garyn, que tem alguma força na Força; e o principal protetor de
Garyn, Mighella, que é Nightsister e o identificará imediatamente
como um Nightbrother.
Maul fez uma careta. "Uma Nightsister não é uma Sith."
Os olhos de Sidious se estreitaram. “Como você bem sabe. Mas,
como em Dorvalla, tome cuidado para não deixar testemunhas.
Maul mostrou os dentes afiados. “Isso deve ser feito. E o Sol
Negro deixará de ser um impedimento.
Sidious assentiu. - Então siga seu caminho, Darth Maul. O lado
sombrio está com você.
Maul inclinou a cabeça e subiu a rampa de embarque traseira para
o módulo da cabine. Sidious demorou-se para ver o navio subir e
sair do hangar, ficando invisível enquanto voava sobre o Works. Pelo
lado sombrio, ele continuou a rastrear a Cimitarra enquanto ela se
inclinava para o norte, em direção ao Templo Jedi, em vez do sul, e
para longe do Distrito do Senado. Sidious relembrou as viagens que
ele fizera dez anos antes para assistir Maulutting em partidas de
gladiadores em Orsis e mundos próximos. Motivados a vencer todas
as probabilidades, não afetados pela dor, ousadia e aterrorização.
Um candidato promissor aos dez anos de idade e um campeão aos
doze. Sob as marcas que mascaravam seu rosto, envolviam seus
braços e torciam suas pernas e tronco, as cicatrizes dessas
batalhas até a morte.

Mas este não ficará contente até que ele mate um Mestre Jedi ,
Sidious pensou.
Supondo que esse orgulho não o derrotasse primeiro.
Deixando o espaço do hangar, Sidious foi até o holoprojetor na
única sala reformada do edifício. O que seria de Maul quando
Palpatine e Damask assumissem o controle da República? ele se
perguntou. Como arma secreta, ele continuaria sendo útil, mas ele
poderia ser levado à vida pública? Como ele reagiria ao saber que
seu mestre respondia a um mestre?

Com os pés plantados na grade de transmissão, Sidious sentou-


se na cadeira que estava posicionada para as câmeras do
holoprojetor, ajustou os controles embutidos em um dos apoios de
braço e levantou o capuz da capa sobre a cabeça. Durante vinte
anos, ele gostava de viver uma vida dupla, mas agora sentia vontade
de ser conhecido por quem ele era e temia o quão poderoso ele
poderia ser. Ele dirigiu seus pensamentos para frente no tempo,
ansiando por uma visão clara do futuro, mas nenhum veio. O lado
sombrio cegou até seus defensores mais devotados ao que se
aproximava no horizonte? Plagueis havia dito que precisava estar
preparado para eventualidades repentinas. Ele estava retendo o
conhecimento de eventos que sabia serem iminentes?
O vigor renovado do Muun pegou Sidious de surpresa. O simples
fato de ele ter escapado da devastação em Sojourn o fez parecer
quase onipotente. Embora mesmo quando abrigado em sua
cidadela afluente no distrito de Manarai, ele ainda não tivesse
relaxado a vigilância ou se submetido ao sono.
Reprimindo um repentino sentimento de inveja, Sidious começou
a se perguntar se - cego pelo lado sombrio - ele realmente falhou em
adivinhar o ataque de Veruna a Sojourn, ou se ele não se permitiu
adivinhar.

Um toque de seu dedo indicador ativou o holoprojetor e,


momentos depois, um eidolon de tamanho médio de Nute Gunray
desapareceu no ar. Como nas transmissões recentes, os
subordinados neimoidianos do vice-rei, o litigante chefe Rune
Haako, capitão

Daultay Do fi n e o vice-vice-rei Hath Monchar pairavam ao fundo.


- Lorde Sidious - disse Gunray, com um leve gaguejar na voz.
"Estávamos esperando ..."
"Você se imagina no centro de meus pensamentos que devo
negligenciar outros assuntos para me comunicar com você
exatamente a tempo?"
- Não, senhor Sidious, eu simplesmente quis dizer ...
"Você está satisfeito com sua nova posição, vice-rei?"
“Muito agradecido. Embora pareça ter herdado o controle da
Federação do Comércio em tempos de crise. ”
"Guarde o seu lamento para outra ocasião, vice-rei, pois os
assuntos estão prestes a piorar."
As membranas nictitantes de Gunray explodiram. "Pior? Como
pode ser?"
"O Senado da República está prestes a aprovar uma legislação
que promova a tributação das zonas de livre comércio ."
"Isto é um ultraje!"
"Para ter certeza. Mas eu avisei que isso estava por vir. O
Chanceler Supremo Valorum perdeu toda a credibilidade e, depois
do que ocorreu em Eriadu, o Senado está determinado a enfraquecer
ainda mais a Federação do Comércio. O rei Veruna pode ter sido
capaz de paralisar o Senado, mas ele abdicou, e a jovem rainha
Amidala e o senador de Naboo estão liderando o pedido de
tributação. Com o Senado preocupado, é o momento certo para
você começar a reunir uma frota de cargueiros armados para impor
um bloqueio. ”
“Um bloqueio? De que sistema, lorde Sidious?
"Vou informá-lo no devido tempo." Quando Gunray não respondeu,
Sidious disse: “O que é, vice-rei? Através da vastidão do espaço,
posso perceber o instinto do seu cérebro débil.

- Desculpe-me, lorde Sidious, mas, como meus conselheiros


apontaram, a redistribuição de nossos navios acarreta considerável
risco financeiro. Para começar, existe o custo do combustível. Então,
com tantos navios alocados a um embargo, um
interrupção do comércio nas jantes média e externa durante o
período em que o bloqueio for mantido. Por fim, não há como dizer
como nossos investidores podem reagir às notícias. ”
Sidious se inclinou para frente. "Então isso é sobre créditos, não
é?" O focinho de Gunray se contraiu. “Nós somos, afinal, lorde
Sidious,
uma empresa comercial, não uma marinha. "
Sidious não respondeu imediatamente. Quando ele fez, sua voz
vazou nojo. "Mesmo depois de tudo que desenvolvi em seu nome,
você não entende que, aliando-se a mim, está investindo no futuro."
Ele sacudiu a mão direita em despedida. "Mas não importa. Não lhe
ocorre que seus investidores mais valiosos estão em posição de
obter grandes lucros com seu conhecimento do que está prestes a
acontecer? Eles não se beneficiariam de saber que o Xi Char, os
geonosianos e outros insetóides sindicalizados viraram suas pinças
e garras para a fabricação de armas? Você não pode equilibrar seu
precioso orçamento obtendo de outras empresas de transporte que
receita a Federação do Comércio arrisca perder?
Gunray parecia incerto. Temíamos que tais ações pudessem
minar o elemento surpresa, lorde Sidious.
"Essa é a razão da ação rápida."
Gunray assentiu. "Vou pedir uma frota montada."
Sidious recostou-se na cadeira. "Boa. Lembre-se, vice-rei, que o
que eu lhe entreguei, posso tirar com a mesma facilidade.
Sidious terminou a transmissão e abaixou o capuz. Essa era uma
visão do futuro? Uma vida de micro-gerenciamento do
ares de seres incompetentes enquanto ele e Plagueis acionam as
fases finais do Grande Plano? Ou talvez houvesse outra maneira de
ele governar, com satisfação malévola?

***

Mesmo sem a chuva úmida, o chão teria sido macio sob os pés de
botas de Plagueis, composto como estava

de eras de matéria orgânica em decomposição. A água pingava da


máscara do transpirador e do capuz levantado de sua capa e
espirrava nas poças que se formaram embaixo dele. O castelo que
pertencera ao ancestral de Veruna, o conde de Vis, coroava uma
colina desolada, sem estrada que levava a ela e com vista em todas
as direções do terreno ondulado, encharcado e sem árvores. Através
dos eletrobinóculos de visão noturna, Plagueis estudou os scanners
que enfeitavam as muralhas do castelo e a disposição dos guardas,
alguns dos quais mantinham-se secos no abrigo de um arco que
coroava uma porta ornamentada. Estacionado perto da entrada,
havia uma frota de verticais, e de um lado, centralizado em uma
zona circular de pouso, havia um iate espacial cujo casco reluzente,
mesmo a torrente, não conseguia atenuar. Matrizes de iluminação
brilhavam atrás de cortinas flutuantes de chuva.
Após um riacho profundo e veloz , Plagueis desceu a colina que
subira para onde havia pousado sua própria nave estelar, entre um
tumulto de flores silvestres e falcões caídos. OneOne-FourDee
estava esperando no pé da rampa de embarque, pingos de chuva
pingando em sua concha de liga.
"Seus scanners podem ter pegado o navio", disse Plagueis.

"Dado que todas as contramedidas foram ativadas, isso parece


improvável, Magister."
"Eles inundaram a área com luz."
"Como qualquer ser vigilante poderia em uma noite como
esta." "Uma noite para Muun e shaak."
Os fotorreceptores do dróide aumentaram o foco nele. "A
referência escapa do meu banco de dados."
“Sele o navio e permaneça no cockpit. Se eu convencer você,
reposicione o navio acima do canto sudoeste do castelo e mantenha
a rampa de embarque estendida.
"Você está antecipando resistência, Magister?"
"Simplesmente antecipando, FourDee."
"Compreendo. Eu faria o mesmo." "É
reconfortante saber disso."

Plagueis fixou o punho do sabre de luz no quadril e partiu


rapidamente, quase superando a chuva. Se os scanners e detectores
de movimento fossem tão precisos quanto pareciam ser, eles o
encontrariam, embora sua velocidade pudesse fazer com que quem
estivesse monitorando os dispositivos de segurança o confundisse
com um dos quadrúpedes selvagens e de cauda espessa que
habitavam a paisagem. Ele parou na borda nebulosa da área
iluminada para confirmar seu rumo, depois seguiu direto para a
muralha sul do castelo, com dez metros de altura e saltou para o
topo sem interromper o passo. Com a mesma rapidez e sem
esforço, ele caiu no jardim abaixo e correu para as sombras
projetadas por um arbusto ornamental aparado para se assemelhar
a algum animal caprichoso. Plagueis argumentou que a segurança
seria frouxa dentro da mansão, mas que a ala de salas de Veruna
seria equipada com dispositivos de monitoramento redundantes e
talvez pisos sensíveis à pressão .

O fato de ele não ter conseguido obter um plano interior do


castelo era uma prova da hipervigilância do regente auto-exilado .

Plagueis mudou-se para um vitral no momento em que dois


humanos corriam por um corredor adiante. Com a chuva
transbordando uma calha no alto, ele sentiu como se estivesse
parado atrás de uma cachoeira.
"Verifique-o e informe-me", a fêmea estava dizendo.
Plagueis reconheceu a voz do chefe de segurança Magneta.
Ficando perto da parede externa, ele comparou o movimento do
subordinado de Magneta até o final do corredor, depois, em uma
curva em ângulo reto, em um corredor mais amplo que levava a uma
sala de controle escondida sob a varredura de uma grande
escadaria. Plagueis aguçou seus sentidos auditivos ao ouvir o
homem de Magneta perguntar por Veruna, e uma resposta humana
feminina: "Dormindo como um bebê".
"Bom para ele. Enquanto o resto de nós se afoga.
"Se você é tão infeliz, Chary", disse a mulher, "considere voltar a
Theed."

"Estou pensando sobre isso."


"Só não espere que eu te siga."
Plagueis se afastou da parede para olhar as janelas do andar
superior, todas escuras, exceto por uma abertura em arco perto do
final da parede. Agachado, ele manobrou por entre os arbustos sob
uma série de amplas janelas, depois começou a escalar a parede,
presa a ela como um inseto. A abertura alta e estreita do alvo
acabou sendo um painel fixo de vidro grosso; a fonte da luz, um par
de arandelas fotônicas que exibiam um conjunto de portas duplas
de madeira trabalhada. Olhando através do vidro, ele apontou os
dedos para uma câmera de segurança montada no alto da parede
interna e apontou para a porta, ofuscando o mecanismo e
congelando a imagem de uma antecâmara desocupada. Então,
colocando a mão esquerda no centro do copo, ele chamou a Força,
empurrando para dentro do painel até que ele se libertou do adesivo
de vedação que o mantinha no lugar. Telecineticamente, ele
manipulou o painel intacto para repousar sobre uma mesa
aconchegada à parede oposta da antecâmara e deslizou pela
abertura. Por um longo momento, ele permaneceu no parapeito da
janela, esperando a capa e as botas secarem e estudando o piso
estampado e as portas duplas para comprovar dispositivos de
segurança adicionais. Satisfeito que a câmera atordoada era tudo o
que havia, ele plantou os pés no chão e caminhou até as portas,
usando a Força para induzi-los a abrir apenas o suficiente para
acomodar sua passagem entre eles.

A única luz no enorme quarto de Veruna veio de uma câmera


semelhante à da antecâmara e facilmente frustrada. O próprio ex-rei
estava dormindo de costas sob lençóis de seda no centro de uma
cama com dossel grande o suficiente para acomodar meia dúzia de
humanos de tamanho médio. Plagueis desativou um painel de
cabeceira de alarmes de segurança, moveu uma cadeira antiga ao
pé da cama e acendeu um candeeiro de mesa que fornecia pouca
luz amarelada. Então, sentando, ele acordou Veruna.

O velho acordou assustado, piscando em resposta à luz, depois se


apoiando em uma pilha de travesseiros para examinar a sala. Seus
olhos se arregalaram de surpresa quando encontraram Plagueis
sentado à beira do alcance da luz.
"Quem-"
“Hego Damask, Vossa Majestade. Sob essa máscara, meus ex-
inimigos podem muito bem ter me formado.
Como os olhos de Veruna não podiam se abrir mais, seu queixo
caiu e ele se agitou para os painéis de controle de segurança,
batendo a mão nos botões quando eles não responderam.
“Eu os deixei inoperantes”, explicou Plagueis, “junto com as
câmeras de segurança. Só para que você e eu possamos conversar
sem ser interrompidos.
Veruna engoliu em seco e encontrou sua voz. "Como você passou
pelos meus guardas, Damasco?"
"Vamos chegar a isso em um momento."
"Magne-" Veruna tentou gritar até que sua voz ficou muda e ele
apertou sua garganta.
"Não haverá nada disso", alertou Plagueis.
"O que você quer comigo, damasco?" Veruna perguntou quando
pôde, respirando com dificuldade.
"Fecho."
Veruna olhou para ele, incrédula. “Você conseguiu o que queria.
Não basta eu abdicar?
"Sua abdicação teria sido suficiente, se você não tivesse tentado
primeiro me matar."
Veruna rangeu os dentes. “Tudo o que construí estava em risco de
ser tirado de mim - até a monarquia! Você não me deixou escolha!

Plagueis se levantou e se acomodou na beira da cama, como um


confessor macabro. "Compreendo. Diante de uma escolha
semelhante, eu poderia ter feito o mesmo. A diferença é que eu teria
sucesso onde você falhou.

"Eu vou ficar aqui", disse Veruna de uma maneira compreensiva.


"Não causarei mais problemas a você ou a Palpatine."
"Isso é verdade." Plagueis fez uma pausa e disse: - Talvez eu
devesse ter sido mais honesto com você desde o início. Eu
entreguei a Federação do Comércio para você; Eu coloquei Tapalo,
então você no trono. Como você imaginou que eu vim com tanto
poder?
Veruna passou a mão trêmula pelos cabelos ralos. "Você nasceu
filho de um rico Muun e transformou essa riqueza em poder."
Plagueis fez um som de decepção. "Você ainda não aprendeu que
a galáxia não é movida apenas por créditos?"
Veruna engoliu em seco e encontrou sua voz. "Como você
conseguiu esse poder, damasco?" ele perguntou em um sussurro de
interesse genuíno.
"Foi-me mostrado o caminho do poder por um Bith chamado
Rugess Nome."

"Eu sei o nome."


“Sim, mas seu nome verdadeiro era Darth Tenebrous, e ele usava o
manto do Lorde das Trevas dos Sith. Eu já fui seu aprendiz.
"Sith", disse Veruna, como se enfraquecido pela própria palavra.
"Você sabia, você teria se aliado comigo?" Veruna reuniu forças
para balançar a cabeça. "Político
poder é uma coisa, mas o que você representa ... "
Plagueis fez seus lábios uma linha fina. “Agradeço sua
honestidade, Veruna. Você está começando a se cansar da minha
presença?
"Não ... de você", disse Veruna, com os olhos semicerrados.
"Deixe-me explicar o que está acontecendo com você", disse
Plagueis. “As células que compõem todos os seres vivos contêm
dentro delas organelas conhecidas como midi-chlorians. Eles são,
além de serem a base da vida, os elementos que permitem que
seres como eu percebam e usem a Força. Como resultado de uma
vida inteira de estudo, aprendi a manipular midi-chlorians e instruí o
número limitado que você possui para retornar à sua fonte. Na
planície básica, Veruna, estou matando você.

O rosto de Veruna estava perdendo a cor e sua respiração


diminuiu. "Traga-me de volta. Ainda posso ser ... de serviço ... para
você ... "
- Mas você é, Majestade. Um célebre poeta antigo disse uma vez
que toda morte o diminuía, pois se considerava irmão de todos os
seres vivos. Eu, por outro lado, cheguei a entender que toda morte
que supervisiono nutre e me fortalece , pois sou um verdadeiro Sith.
"Não ... melhor do que ... um Anzati."
“Os comedores de cérebro? O que significa melhor do que para
aqueles que passaram além das noções de bem e mal? Você é
melhor que Bon Tapalo? Você é melhor que a rainha Padmé
Amidala? Eu sou o único que responde à pergunta. Melhor são
aqueles que fazem o meu lance. Plagueis colocou a mão em cima
da de Veruna. “Eu vou ficar com você por um tempo enquanto você
se funde com a Força. Mas, em algum momento, terei que deixar
você no limiar para continuar por conta própria.
“Não faça isso ... Damasco. Por favor …"
Sou Darth Plagueis, Veruna. Seu pastor.
Quando a vida deixou o corpo de Veruna, o caminho que ele e
Plagueis seguiram se aprofundou na escuridão e na ausência. Então
Plagueis parou, dominado por uma súbita sensação de que ele já
tinha visto e percorrido esse caminho.
Ele tinha? ele se perguntou quando Veruna deu o último suspiro.
Ou a Força lhe ordenou um vislumbre do futuro?
28: CADEIA DE COMANDO

Retornado de Ralltiir, Maul sentou -se de pernas cruzadas no chão


do prédio LiMerge, enquanto Sidious o interrogava. Tendo acabado
de encerrar uma comunicação irritante com os neimoidianos,
Sidious não estava com disposição para jogos.
"A maneira como você faz parecer, meu aprendiz, parece quase
uma indignidade que ninguém tenha sobrevivido para espalhar a
palavra do seu massacre."
"Suas ordens eram que ninguém deveria, Mestre."
"Sim", disse Sidious, continuando a circundá-lo. "E nenhum deles
se mostrou um desafio?"
"Não, mestre."
"Não é Sinya?"
"Decapitei os Twi'lek." "Não
Mighella?"
"Minha lâmina cortou pela metade a Nightsister depois que ela
tentou me derrotar com um raio de força convocado ."
Sidious parou por um momento. "Nem Garyn?" "Não."
Sidious detectou uma nota de hesitação. "Não, o que, Darth
Maul?"

"Eu o afoguei."
Tocando o queixo, Sidious ficou onde os Zabrak podiam vê-lo.

“Bem, alguém tinha que ter tratado a ferida que você sofreu na mão
esquerda. A menos que, é claro, você tenha dado a si mesmo. Maul
apertou a mão com luvas pretas . "Não há dor
onde está a força. ”
“Eu não perguntei se a ferida doía. Eu perguntei quem era o
responsável.

"Garyn", Maul disse calmamente.


Sidious fingiu surpresa. “Então ele foi um desafio. Sendo um
pouco sensível à força. ”
"Ele não era nada comparado ao poder do lado sombrio."
Sidious o estudou. “Você contou isso para ele, meu aprendiz?
Responda honestamente.
"Ele chegou à conclusão."
“Ele identificou você como um Sith. Ele assumiu, então, que você
era um lorde Sith?
Maul olhou para o chão. "EU-"
“Você revelou que responde a um mestre. Estou correcto?" Maul
se forçou a responder. "Sim mestre."
"E talvez você tenha chegado ao ponto de dizer algo sobre a
vingança dos Sith."
"Eu fiz, mestre."
Sidious se aproximou dele, seu rosto contorcido de raiva. “E se por
alguma maravilha Garyn tinha conseguido escapar, ou até mesmo
derrotar o -estar de um exército que é Darth Maul, que repercussões
poderíamos estar enfrentando, aprendiz?”
"Peço perdão, Mestre."
“Talvez você não seja digno do invasor, afinal. No momento em
que você se deixou distrair, o líder do Sol Negro abriu sua mão.
Maul permaneceu em silêncio.
“Espero que você tenha agradecido antes de matá-lo”, continuou
Sidious, “porque ele ensinou uma lição valiosa. Quando você
enfrenta alguém forte na Força, deve permanecer focado - mesmo
quando está convencido de que seu oponente está incapacitado.
Então não é hora de aproveitar a glória de sua vitória ou prolongar o
momento. Você deve fazer uma greve de morte e acabar com ela.
Reserve seu auto-elogio para depois do fato ou sofrerá mais do que
um ferimento na mão.
"Eu vou lembrar, mestre."
O silêncio atenuou. "Quero que você deixe Coruscant por
enquanto."

Maul olhou assustado.


“Pegue o invasor e seus dróides de combate e retorne à sua
antiga casa. Lá, treine e medite até que eu lembre de você.
"Meu senhor, eu imploro ..."
Sidious levantou as mãos. "O suficiente! Você executou bem a
missão e estou satisfeito. Agora aprenda com seu erro.
Maul levantou-se devagar, inclinou a cabeça uma vez e seguiu
para o hangar. Observando-o partir, Sidious examinou a natureza de
seu desconforto.
Ele poderia, numa situação semelhante, ceder ao desejo de se
gabar e revelar sua verdadeira identidade?
Plagueis tinha feito isso antes de matar Veruna? Ele se sentiu
compelido a sair de trás de sua máscara? Para ser sincero ?
Ou a revelação de Maul a Garyn nada mais foi do que um sintoma
da crescente impaciência do lado negro e sua demanda por
divulgação completa?

"O Sol Negro está em total desordem", disse Palpatine ao Hego


Damask enquanto passeavam entre os turistas que lotavam o
Monument Plaza. Centenas estavam agrupadas em torno do cume
de Umate, que se erguia do centro do parque em forma de tigela, e
grupos mistos de outros estavam acompanhando guias turísticos
em direção à antiga ágora do Senado ou ao Museu Galáctico. "O
príncipe Xixor e Sise Fromm herdarão os resíduos."
"Novamente, o Zabrak prova seu valor", disse Damask. "Você o
treinou bem."
"Talvez não esteja bem o suficiente", disse Palpatine depois de um
momento. "Enquanto eu o questionava sobre uma ferida que ele
recebeu, ele confessou ter divulgado sua identidade a Alexi Garyn."
Inclinando o rosto mascarado para longe de Palpatine, Damask
disse: - Garyn está morto. O que isso importa agora?

O tom irreverente do Muun deixou Palpatine ainda mais tenso,


mas sua compostura se manteve.
"Esta pode ser a última vez que posso aparecer em público sem
escolta armada", disse ele de maneira casual. Quando a rainha
Amidala me informou da morte inesperada de Veruna, ela
mencionou que seu novo chefe de segurança - um homem chamado
Panaka - tomará medidas sem precedentes para garantir a
segurança de todos os diplomatas de Naboo. A rainha, por exemplo,
deve estar cercada por um punhado de criadas, todas as quais se
assemelham a ela até certo ponto.
"E você será acompanhado sempre?" Damask perguntou. "Isso
não serve."
"Vou convencer Panaka de outra maneira."
Eles pararam para assistir a um grupo de jovens brincando sob
uma das bandeiras da praça. Plagueis indicou um banco próximo,
mas a inquietação de Palpatine não permitiu que ele se sentasse.
"A rainha expressou alguma preocupação com a presença de
tantos cargueiros da Federação do Comércio?"
Palpatine balançou a cabeça. “A frota está segurando na borda do
sistema, esperando uma palavra minha para pular para Naboo. Por
mais irritado que Gunray esteja com a legislação tributária, tive que
convencê-lo de que Naboo é suficientemente significativo para
garantir interesse galáctico no bloqueio. Eu garanti a ele que
Amidala não permitirá que seu povo sofra, e que antes de decorrido
um mês, ela assinará um tratado que tornará a Naboo e Naboo a
propriedade de plasma da Federação do Comércio. ”
O transpirador ocultou o sorriso de Damask, mas ficou claro que
ele gostou do que ouviu. "Enquanto Valorum hesita, o senador
Palpatine acumula a simpatia do eleitorado." Ele localizou Palpatine.
"Não é uma medida do nosso sucesso que podemos premiar
mundos como se fossem meros contratos de negócios?"

Um grupo de Twi'leks bem vestidos passeava, olhando


boquiaberto para Palpatine. O fato de ele se confraternizar
abertamente com um Muun era uma indicação do poder e da
influência de ambos os seres.

Foi Damask quem enfatizou a importância de serem vistos juntos


em público; e assim, nas semanas desde que o Muun havia chegado
a Coruscant, jantaram em várias ocasiões no Manarai e em outros
restaurantes exclusivos e assistiram a recitais nas óperas de
Coruscant e Galaxies. Mais recentemente, estiveram presentes em
uma reunião de elite na 500 Republica, organizada pelo senador Orn
Free Taa, na qual Plagueis ouviu o rutiano Twi'lek discutindo planos
de nomear Palpatine para a chancelaria. Em seguida, em sua
agenda ocupada, havia um comício político programado na
Instalação Orbital Perlemiana de Coruscant, onde candidatos em
potencial para o cargo de chanceler supremo teriam a chance de se
misturar com executivos de empresas, lobistas, ativistas e até
alguns mestres Jedi.

"Um bloqueio seguido de uma invasão real provavelmente não


ganhará nenhum novo aliado para a Federação do Comércio", dizia
Damask. "Mas, se nada mais, seremos capazes de avaliar o
desempenho do exército de droides de Gunray e fazer os ajustes
necessários."

"Por seu próprio descuido, os neimoidianos conseguiram


comprometer suas fundições secretas na Eos e Alaris Prime", disse
Palpatine, mostrando um pouco de sua exasperação.

Damask olhou para ele. “No momento, eles têm o que precisam. A
aquisição da Naboo demonstrará as falhas da diplomacia e
suscitará um senso de militância entre os Jedi. ” Mantendo o olhar
fixo em Palpatine, ele acrescentou: “Em preparação para a guerra
que se aproxima, mudaremos a Baktoid Armor para Geonosis.
Mesmo assim, porém, não podemos equipar nossos aliados com
armas suficientes para garantir uma vitória rápida. Um conflito
prolongado garantirá que uma galáxia seja esmagada e desejosa de
nos abraçar. ”

Palpatine finalmente se sentou. “Ainda precisamos formar um


exército para os Jedi comandarem. Mas um que responde em última
análise ao Supremo Chanceler. ”

"Um exército crescido poderia ser projetado para fazer


exatamente isso", disse Damask.

Palpatine considerou. Parece simples demais. Os Jedi não são


facilmente pegos de surpresa. Afiado pela guerra, eles serão ainda
mais difíceis de serem presos. ”
“No final de uma longa guerra, talvez? Com a vitória à vista? "Para
conseguir isso, os dois lados teriam que ser gerenciados." Palpatine
soltou um suspiro. “Mesmo que um ataque surpresa pudesse
ser lançado, nem todos os Jedi estariam no campo. ”
"Somente aqueles adequados para combate precisariam nos
preocupar." Palpatine quebrou um longo silêncio. “Os clonadores
Kaminoanos
falhei com você uma vez. "
Damask reconheceu a declaração com um aceno de cabeça.
“Porque eu dei a eles um modelo Yinchorri. Disseram-me então que
sua espécie pode ser mais fácil de replicar.
"Você entrará em contato com eles de novo?"
“Este exército não deve ser rastreado até nós. Mas há alguém que
eu possa convencer a fazer o pedido inicial.
Palpatine esperou, mas Damask não tinha nada a acrescentar. O
fato de ele ter dito tanto sobre o assunto como pretendia dizer levou
Palpatine a um círculo completo de consternação. Abruptamente,
ele se levantou e andou para longe do banco.
"Instrua os neimoidianos a iniciar o bloqueio", disse Damask de
costas. "É importante que os eventos sejam acionados antes do
congresso das instalações orbitais." Quando Palpatine não
respondeu, Plagueis se levantou e o seguiu. “O que está
incomodando você, Sidious? Talvez você sinta que se tornou nada
mais do que um mensageiro.
Palpatine girou sobre ele. “Sim, às vezes. Mas eu conheço o meu
lugar e estou contente com ele.
"O que, então, te levou a uma espuma?"
"Os neimoidianos", disse Palpatine com repentina convicção.
"Além de Gunray, tenho lidado com outros três: Haako, Daultay e
Monchar."
"Conheço Monchar um pouco", disse Damask. "Ele mantém uma
suíte no Kaldani Spires."

"Ele estava ausente quando eu falei pela última vez com Gunray."
A suspeita floresceu nos olhos do Muun, e ele sussurrou: "Onde
eles estavam então?"
“A bordo do navio. Gunray afirmou que Monchar adoeceu como
resultado de alimentos ricos.
"Mas você sabe melhor."
Palpatine assentiu. “O homem chorão sabe sobre o bloqueio.
Suspeito que ele esteja à solta e em busca de lucro. Os olhos de
Damasco brilhavam em amarelo. “É isso que acontece quando
seres são promovidos além do seu nível de competência! ”
Palpatine ficou tenso de raiva.
"Você não", disse Damask rapidamente. “Gunray e sua galera! A
Força atormenta e nos penaliza por nos associarmos com aqueles
ignorantes demais para apreciar e executar nossos projetos! ”
Palpatine se confortou com o fato de que até Plagueis tinha seus
limites. "Eu falhei em ouvir suas palavras sobre reversões
repentinas."
Damask franziu o cenho para ele, depois relaxou. “Ignoro meu
próprio conselho. O bloqueio deve esperar.
"Vou me lembrar de Maul", disse Palpatine.

***

Duas semanas após o desaparecimento sem aviso prévio do


neimoidiano da região de Saak'ak , Plagueis e Sidious sabiam apenas
que Darth Maul havia conseguido rastrear e matar Hath
Monchar - embora não sem danos colaterais abrangentes - e que
Maul havia pilotado o Informante furtivo. uma estação de
ancoragem ligada por uma série de bloqueios de ar zero-g à
principal cúpula de recepção da Perlemian Orbital Facility, um
grande recinto que dava para uma varredura de Coruscant e as
estrelas além, e foi projetado para parecer mais um jardim no
espaço do que uma sala de conferências estéril. Naquele momento,
a cúpula estava cheia de senadores e juízes, líderes corporativos e
embaixadores, agentes do poder e especialistas da mídia e
contingentes de guardas do Senado e Jedi.
"Por que você ordenou que ele viesse aqui, de todos os lugares?"
Damask perguntou a Palpatine durante uma pausa do aperto de
mão, conversa casual e convívio forçado. Vestidos com suas roupas
finas, eles estavam parados perto de uma cachoeira
iluminada por trás , acenando para os seres que passavam, mesmo
quando os dois conspiravam. “Ele cortou uma faixa de destruição
pelo Corredor Carmesim e matou dois Jedi, junto com seres de uma
dúzia de espécies, incluindo um Hutt. Não podemos confiar que
alguém não esteja com o cheiro dele - se não Jedi, então talvez
policiais. Se por algum ataque ele foi preso, ele tem a habilidade de
embaralhar a mente dos seres comuns, mas não de se esconder de
um Jedi. Tanto a nossa existência como os nossos planos para o
bloqueio podem estar em perigo. ”

"Os Jedi estavam com o cheiro dele", explicou Palpatine. "Foi


exatamente por isso que eu o ordenei ao mundo."
Damask começou a responder, mas se conteve e começou de
novo. "Ele está de posse deste holocron que Monchar gravou?"
Palpatine assentiu. - Eu instruí o Pestage a limpar uma rota através
de um cais de ancoragem raramente usado . Eu apenas tenho que
me encontrar com Maul na hora e no local previamente combinados.
Damasco ainda não estava convencido. O ar de Monchar quase
terminara em catástrofe. Era como se a Força, tantas vezes
comparada a uma corrente, tivesse sido desviada para um
desfiladeiro e torcer-se para gerar turbilhões e hidráulicos
traiçoeiros. "Por que não simplesmente fazê-lo se render
o cristal para Pestage? ele perguntou finalmente.
"Não sabemos que outros dados confidenciais o holocron pode
conter".
Damask expirou com força através da máscara. "Eu confio que
pelo menos você o instruiu para não ser visto." Ele olhou em volta.
"Um Zabrak tatuado e preto da cabeça aos pés certamente se
destacaria entre essa multidão."
Palpatine não conseguiu argumentar. De um lado deles estava o
senador Bail Antilhas e seus assessores. Um príncipe em seu

mundo natal de Alderaan e presidente do Comitê de Atividades


Internas do Senado, as belas Antilhas de cabelos escuros estavam
cercadas por uma multidão que incluía senadores do mundo e
negócios, todos os quais haviam prometido apoiá-lo nas próximas
eleições, e o mestre Jedi Jorus C 'Baoth, que havia sido alistado
para arbitrar uma disputa entre algumas das casas reais de
Alderaan. Um humano arrogante e de olhos arregalados , C'baoth foi
cortado do mesmo tecido que Dookan, cuja ausência na reunião
política havia sido notada por muitos. Antilhas havia sido o peão dos
Sith em trazer à tona acusações de irregularidades por parte de
Valorum durante a crise de Eriadu, mas a notoriedade que ele
ganhou como resultado - no Senado e na mídia - reforçou sua
campanha e fez dele atual candidato principal para a chancelaria.

Nenhum Jedi se apegara a Ainlee Teem, que também estava à


vista. Mas o Gran Malastare era amplamente popular em muitos
mundos da orla média e externa e contou com o apoio do senador
Lott Dod, da Federação do Comércio, e Shu Mai, da Associação de
Comércio.

No centro do salão abobadado estavam Valorum e Sei Taria, que


era tão entendida em mídia quanto adorável. Embora inelegível para
a reeleição, recentemente despojado de alguns de seus poderes
senatoriais, e freqüentemente envolvido em se defender contra
acusações do Comitê de Ética, Valorum conseguiu tornar-se o
centro das atenções, devido à presença de Masters Yoda, Mace
Windu e Adi Gallia entre seus seguidores. Apenas ao permanecer
com o Chanceler Supremo, os Jedi enviavam uma mensagem de
que continuariam a apoiá-lo pelo restante de seu mandato, apesar
da calúnia do enriquecimento ilegal.

Com a frota da Federação do Comércio ainda mantendo o setor


de Chommell, e sem um mundo cercado para gerar simpatia e apoio
à sua indicação, Palpatine poderia ter sido apenas mais um
candidato em potencial - mas para o

empresa de Hego Damask; Co-presidente do Clan bancário San Hill;


recentemente nomeado vice-presidente do Senado Mas Amedda; e
o senador Orn Free Taa, um alvo em movimento para a investigação
de Antilhas sobre corrupção e agora banido pela Rim Faction por
apoiar Palpatine.
"Está quase na hora", disse Palpatine. Ele indicou uma área
ajardinada de árvores e arbustos anões perto de onde Ainlee Teem
estava conversando com um punhado de senadores. "Vou trocar
piadas com o Gran e encontrar algum pretexto para me desculpar."
Damask resmungou sem compromisso. "Meu próprio alvo está à
vista, em qualquer caso."
Sem mais nenhuma palavra, os dois se separaram, Damask
abrindo caminho entre a multidão em direção a um Jedi humano
barbudo , de rosto sombrio, que estava separado de todos,
observando a cena.
"Mestre Sifo-Dyas", ele chamou.
O Jedi de topete virou-se e, reconhecendo-o, assentiu em
cumprimento. "Magister Damask."
"Espero não estar me intrometendo."
Sifo-Dyas balançou a cabeça, o olhar fixo na máscara de
respiração. "Não, eu estava ..." Ele exalou e começou novamente,
ajustando sua postura. "Até sua recente chegada a Coruscant, eu
tinha a impressão de que você havia se aposentado."
Damask soltou um suspiro exagerado. “Não está no sangue de
um Muun se aposentar. Agora trabalho com apenas alguns clientes
poderosos, mas em grande parte invisíveis. ”
Os Jedi ergueram uma sobrancelha acinzentada. "Parece que não
consigo ver um holo de notícias que não contenha você e o senador
Palpatine, que é tudo menos invisível."
"Na minha opinião, ele é o único capaz de resgatar a República do
limiar."
Sifo-Dyas resmungou. “Permanecer intocado pelo escândalo por
vinte anos é extraordinário. Então talvez você esteja certo.

Damask esperou um momento e disse: "Nunca esqueci nossa


discussão sobre Serenno".

- Que discussão foi essa, Magister?


"Falamos sobre algumas ameaças que estavam atacando a
República até então".
Sifo-Dyas ficou pensativo. "Eu tenho algumas lembranças vagas."
“Bem, com assassinatos, tributação das zonas de livre comércio ,
postura da Federação do Comércio e acusações de impropriedade
política, a conversa tem estado em minha mente ultimamente.
Fractiousness, factionalism, conflitos intersystems… Mesmo neste
salão os Jedi parecem divididos em suas lealdades. Mestre C'baoth
aqui, Masters Yoda e Gallia
lá, e ainda nenhum sinal do Mestre Dooku. ”
Sifo-Dyas não disse nada.
"Mestre Jedi, quero compartilhar com você uma suspeita que
tenho carregado como um fardo." Damask fez uma pausa. "Tenho
motivos para suspeitar que a Federação do Comércio tem
secretamente adquirido mais armas do que se imagina."
A testa de Sifo-Dyas franziu. "Você tem provas disso?"
“Nenhuma evidência concreta. Mas meu negócio exige um
conhecimento profundo dos mercados de investimento. Além disso,
meus clientes às vezes me revelam informações em particular. ”
"Então você está quebrando a confidencialidade ao me procurar
com isso."

"Eu sou. Mas apenas porque acredito tão fortemente que o que
antes era especulação é agora fato. Para ir além, prevejo que uma
guerra civil está se formando. Dou à República quinze anos no
máximo. Em breve veremos sistemas estelares descontentes
começarem a se separar. Eles não terão apenas um líder forte e
carismático para uni-los. ” Ele se calou um pouco antes de
acrescentar: “Serei franco com você, Mestre Sifo-Dyas: a República
estará vulnerável. Os Jedi serão muito poucos para mudar a maré.
Um exército precisa ser criado agora, enquanto ainda há uma
chance. ”

Sifo-Dyas cruzou os braços sobre o peito. "Convido você a


compartilhar isso com o Supremo Chanceler Valorum, ou mesmo
com o senador Palpatine, Magister."

"Eu pretendo. Mas, mesmo sob a vigilância do chanceler Valorum,


esse Senado não derrubará a Lei da Reforma. Muitos senadores têm
uma participação financeira na guerra galáctica. Eles são
fortemente investidos em empresas que engordam com lucros de
armas e reconstrução. A guerra será benéfica para uma economia
que eles agora veem como estagnada. ”
"Você está disposto a declarar isso na frente de um comitê de
investigação?"

Damasco franziu o cenho com os olhos. "Você precisa entender


que muitas dessas empresas pertencem e são operadas por meus
clientes."

Um olhar sombrio surgiu no rosto dos Jedi. “Você leu meus


pensamentos, Magister. Também senti que a guerra é iminente.
Confessei tanto ao Mestre Yoda e outros, mas sem sucesso. Eles
dão toda a aparência de estar despreocupado. Ou preocupado. Não
tenho mais certeza.
"Mestre Dooku também?"
Sifo-Dyas bufou. "Infelizmente, Magister, as recentes declarações
de Dookan sobre a discórdia na República e a" justiça própria "de
nossa Ordem apenas aumentaram minha preocupação."
“Você disse que tem uma vaga lembrança de nossa conversa
sobre Serenno. Você se lembra da minha menção a um grupo de
clonadores talentosos?
"Me desculpe eu não."
“Eles são nativos de um mundo extragalático chamado Kamino.
Ocasionalmente, negociei com eles em nome de clientes que
desejam criaturas clonadas ou exigem trabalhadores clonados
capazes de trabalhar em ambientes agressivos. ”
O Jedi balançou a cabeça em incerteza. "O que isso tem a ver
com alguma coisa?"
"Acredito que os Kaminoanos possam ser induzidos a crescer e
treinar um exército clonado."
Sifo-Dyas levou um longo momento para responder. "Você mesmo
disse que a República nunca sancionaria um exército."
"A República não precisa saber", disse Damask cautelosamente.
“Nem a Ordem Jedi precisaria saber. Seria um

um exército que talvez nunca precise ser usado, e ainda assim


esteja disponível em reserva, deve sempre surgir. ”
"Quem em sã consciência financiaria um exército que nunca
poderia ser usado?"
"Eu faria", disse Damask. “Juntamente com alguns de meus
associados no Clã Bancário - e em conjunto com contatos na
Rothana Heavy Engineering, que forneceria navios, armamentos e
outros materiais.”
Sifo-Dyas o fixou com um olhar. "Vá direto ao ponto, Magister."
“Os Kaminoanos não criarão um exército para mim, mas o fariam
para a Ordem Jedi. Eles são fascinados pelos Jedi há milênios. ”
Os olhos castanhos escuros de Sifo-Dyas se arregalaram. "Você
não está propondo a clonagem de Jedi"
"Não. Eu tenho certeza de que isso é impossível, em qualquer
caso. Mas também tive a certeza de que um exército humano de um
milhão de soldados poderia estar pronto para ser implantado em
apenas dez anos. ”
"Você está sugerindo que eu contorne o Conselho Superior."
Suponho que sim. Os Kaminoanos precisam apenas de um
pagamento modesto, que eu poderia fornecer a você por meio de
contas não rastreáveis que mantenho nos bancos da Orla Externa.
Mais uma vez, os Jedi permaneceram em silêncio por um longo
momento. "Eu preciso de tempo para considerar isso."
"Claro que sim", disse Damask. "E quando você tomar uma
decisão, pode entrar em contato comigo na minha residência."
Sifo-Dyas assentiu com introspecção sombria, e Damask girou
nos calcanhares e desapareceu na multidão. Palpatine estava
voltando ao lugar onde estavam antes, seus olhos e movimentos
sugerindo excitação incomum.
"Você tem o holocron?" Damask disse enquanto se aproximava.
"Sim, mas não de Maul."
Damask esperou uma explicação.

“Foi deixado em minha mão por ninguém menos que o corretor de


informações que Maul estava perseguindo e pensava morto - Lorn
Pavan. O fato de a mão direita de Pavan ter sido amputada de forma
limpa e recente me disse imediatamente que os dois lutaram em
uma das fechaduras de ar.
"Este Pavan derrotou Maul?"
Palpatine balançou a cabeça. "Mas suspeito que Pavan tenha
conseguido enganá-lo e pegá-lo de surpresa." "Incrível", disse
Damask, espantado que os eventos pudessem se tornar ainda mais
complicados. “Então Pavan deve saber
o que o holocron contém. "
"Devo entregá-lo aos Jedi", disse Palpatine com diversão óbvia; e
olhando em volta, acrescentou: "Talvez para Yoda ou Windu ..."
"Pavan", Damask estalou.
Palpatine ergueu os ombros. “Pestage e Doriana estão
escoltando-o para baixo, onde ele receberá atendimento médico,
talvez até uma nova mão, e uma suíte de hotel confortável para
passar o dia final de sua vida.”
"Uma recompensa que devemos reter de Maul, mas
provavelmente não." Damask olhou para Palpatine. “De qualquer
forma, não foi Pavan quem lhe entregou o holocron. Foi entregue
pelo lado sombrio.
Palpatine pensou por um momento. “E Sifo-Dyas? Ele fará isso?
“Mesmo que ele decida contra, pode haver uma maneira de
colocar a ordem em seu nome. Mas a Força me diz que ele fará
isso.
"Isso fará dele um perigo potencial para nós."
Damask assentiu. “Mas isso não importa. Nós nos tornamos
invencíveis. ”

Isso nunca funcionará , pensou Palpatine, sentado ao lado de


Valorum no escritório de cortes de nuvens do Supremo Chanceler
em
o prédio do Senado, ouvindo-o falar sobre seus problemas com o
Comitê de Ética.
A vista através das grandes janelas triangulares era agradável o
suficiente, mas o escritório era pequeno demais. Pior, parecia mais
uma relíquia de uma época passada do que um centro nervoso da
Nova Ordem. Nenhuma quantidade de remodelação poderia
transformá-lo no espaço que Palpatine imaginou para si mesmo.
Talvez fosse necessário um novo prédio; um tipo de anexo ou,
melhor ainda, um prédio de escritórios executivos - apenas para
conceder aos que ali trabalhariam a ilusão de que seus esforços
lamentáveis eram importantes ...
"Quanto mais meus advogados e contadores abordam esse
assunto, mais becos sem saída eles encontram", dizia Valorum.
Círculos escuros sublinhavam seus olhos e suas mãos tremiam
levemente. “Os lingotes aurodium que a Frente da Nebulosa roubou
do cargueiro da Federação do Comércio foram convertidos em
créditos, usados para financiar suas operações em Asmeru e Eriadu.
Mas os próprios lingotes passaram por uma série de bancos
ilusórios e outras instituições financeiras e foram finalmente
investidos no Valorum Shipping por partes desconhecidas. Digo
desconhecido porque os seres listados como investidores parecem
nunca ter existido. ”
"Baing", disse Palpatine, extraindo a palavra. "Eu não sei o que
pensar."
Uma semana se passou desde a reunião política perlemiana. Lorn
Pavan estava morto pelo sabre de luz de Maul, um dia antes de uma
mão artificial ter sido enxertada no antebraço do corretor de
informações. Corte de custos , observou Plagueis na época.

Valorum estava descansando a cabeça nas mãos. “Que alguém


ou alguma organização tenha projetado isso para me aleijar está
fora de dúvida. A questão de por que alguém - até os meus mais
resistentes detratores no Senado - essencialmente descartaria
dezenas de milhões de créditos para conseguir isso nos meses
finais do meu mandato é inexplicável. ” Ele levantou o rosto para
Palpatine. “Meus antecessores imediatos eram ousados e sabiam
como

gerenciar o Senado. Eu acreditava que poderia trazer algo diferente


para o escritório. Uma diplomacia mais silenciosa; um informado
pela Força e pelos ideais da Ordem Jedi. ”
Palpatine suprimiu o desejo de saltar sobre a mesa e estrangulá-
lo.
“Percebo que tomei algumas decisões ruins. Mas algum
chanceler do século passado teve que enfrentar mais desafios do
que eu? Algum chanceler teve que lidar com um Senado mais
corrupto e egoísta , ou com empresas mais megalomaníacas? ”
Valorum fechou os olhos e exalou. “Quem está por trás dessa
maquinação não quer nada além de destruir completamente meu
legado; fazer o nome Valorum parecer uma mancha na história ... ”

"Então devemos dobrar nossos esforços para exonerá-lo", disse


Palpatine.
Valorum riu sem diversão. “Sou inútil para a República, se não
pudermos. Até que o assunto seja resolvido, sou proibido de
sancionar o uso de Jedi ou Judiciários para intervir em disputas.
Não tenho permissão para convocar sessões especiais sem o
consentimento expresso deste novo vice-chanceler, Mas Amedda,
que bloqueia todas as minhas propostas e venera o procedimento
como se fosse um texto sagrado. ”
"O engano começa com a burocracia", disse Palpatine. Silencioso
por um momento, Valorum adotou uma expressão de
resolver. "Eu não estou sem idéias."
Ele bateu em uma tela de toque embutida em sua mesa e uma
grande exibição de dados foi resolvida acima do holoprojetor.
Levantando-se de sua cadeira, ele indicou um gráfico no qual várias
dezenas de empresas estavam listadas.

“Pode -se supor - à luz das acusações contra mim - que a


preocupação de minha família com Eriadu sofreria um repentino
declínio no mercado. Mas exatamente o contrário está
acontecendo. Os créditos estão fluindo para o Valorum Shipping a
uma taxa incomparável e também para várias outras preocupações
de embarque e transporte - muitos deles baseados na Borda
Exterior. E isso não é tudo."

Suas mãos voltaram para a tela de toque, e um segundo gráfico


tomou forma ao lado do primeiro. “Os investimentos em pequenos
fornecedores de conglomerados de plasma e energia alternativa
aumentaram três vezes. Mas o mais importante é que houve um
aumento no setor de suprimentos militares, com um crescimento
surpreendente na Oficina de Armadura Baktoid, na Haor Chall
Engineering, no Ninho de Criação Colicoide e em fornecedores
similares. ”
Palpatine, apesar de si mesmo, ficou impressionado. "O que esses
dados sugerem?"
“Que alguns negócios nefastos estão se desenrolando sob
nossos narizes. Que até o escândalo em que estou envolvido pode
fazer parte de um plano maior.
Palpatine estava prestes a responder quando a voz da secretária
pessoal de Valorum saiu do intercomunicador.
"Chanceler supremo, peço desculpas por interromper, mas
recebemos uma transmissão urgente da rainha Amidala, de Naboo."
"A rainha!" Palpatine disse com surpresa teatral.
"Você pode direcionar a transmissão para o meu escritório?"
Valorum disse.

"Nossos técnicos de comunicação estão me dizendo que o sinal é


muito fraco, mas que eles farão o melhor possível."
Palpatine e Valorum voltaram-se para a mesa do holoprojetor e
esperaram. Em instantes, uma imagem 3D barulhenta e flutuante da
rainha adolescente de rosto pálido de Naboo apareceu.
"Chanceler Supremo Valorum", disse ela. “Trazemos notícias de
um grave desenvolvimento em nosso mundo natal. Sem aviso, a
facção neimoidiana da Federação do Comércio iniciou um bloqueio.
Seus cargueiros enormes cercam nosso mundo, e nenhum navio
tem permissão para chegar ou partir.
Palpatine e Valorum trocaram olhares atordoados.
Quão perfeitamente ela desempenha seu papel , pensou Palpatine.
Sentado em seu trono como alguns fantasiados e excessivamente
fez-up boneca animatronic. A pose imponente, a voz desinibida, o
conselheiro barbudo Sio Bibble em pé de um lado, o chefe de
segurança com as trevas Panaka do outro ...

"Alteza, os neimoidianos comunicaram alguma demanda?"


Valorum perguntou como o azul-tingido imagem fl ickered,
estabilizado e fl ickered novamente.
“O vice-rei Gunray afirma que o bloqueio foi lançado em protesto
contra a decisão do Senado de tributar a remessa nas zonas de
livre comércio . Ele garante que qualquer tentativa de romper o
embargo terá força mortal. A menos que os novos regulamentos
sejam rescindidos, ele está preparado para ver todos em Naboo
morrerem de fome. ”
Valorum apertou as mãos. "Sua Majestade, o senador Palpatine
está aqui comigo."
Nem a expressão de Amidala nem o tom suave da sua voz
vacilaram. "Senador Palpatine, estamos satisfeitos por você poder
ouvir essas notícias em primeira mão."
- Alteza - disse Palpatine, entrando na vista das câmeras do
holoprojetor e inclinando a cabeça. "Entrarei em contato com os
delegados da Federação do Comércio imediatamente e exigirei que
esse bloqueio seja encerrado."
“As demandas podem não ser suficientes para influenciá-las,
senador. Naboo pede que a República intervenha nesse assunto o
mais rápido possível. ”
"E vai, Vossa Alteza", disse Valorum rápido demais. "Convocarei
uma sessão especial ... Prometo que Naboo terá minha atenção
total."
Amidala assentiu. “Você nos mostrou muita cortesia no passado,
chanceler supremo. Confiamos que você fará tudo ao seu alcance,
pois você é a nossa única esperança. ”
A transmissão terminou abruptamente.
"A face desse negócio nefasto se revela", disse Palpatine.
Valorum voltou para sua mesa e sentou-se. “Dou-lhe minha
palavra - por sua ajuda durante a crise de Yinchorri e por tantos anos
de amizade - de que essa situação não permanecerá. Embora
minhas mãos estejam atadas, vou encontrar uma maneira de
resolver isso.
"Eu sei que você tentará, Chanceler Supremo."

Valorum respirou fundo. - Um conselho, Palpatine. Prepare-se para


ser lançado sob os holofotes.
29: A FORÇA CONTRA DE VOLTA

Embora o bloqueio de Naboo tivesse sido lançado em defesa direta


da lei da República - tanto como protesto contra a tributação quanto
como um desafio à jurisdição dos Jedi -, ele não conseguiu alcançar
o efeito imediato que Plagueis e Sidious haviam antecipado. Longe
do Núcleo, Naboo não havia sido invadido e nenhum ser importante
morreu, como ocorreu durante a Crise de Yinchorri e no cume de
Eriadu. Assim, o bloqueio foi visto por muitos como pouco mais do
que um barulho de sabre pela irritante Federação do Comércio; um
inconveniente para os mundos que dependiam do consórcio para
mercadorias; o mais recente de uma série de confrontos para expor
a incompetência de um Senado irremediavelmente fragmentado.
No entanto, os dois Sith haviam trabalhado incansavelmente para
aproveitar ao máximo a situação de Naboo para garantir apoio entre
os colegas de Palpatine e garantir não apenas que seu nome fosse
colocado em nomeação, mas que ele poderia ganhar se nomeado.
Igualmente importante, eles tiveram que garantir que Palpatine
pudesse reunir votos suficientes no Senado para ratificar sua
decisão de nomear co-chanceler do Hego Damask .
Para variar, Damask assumiu a liderança - fazendo as rondas,
fazendo promessas, pedindo favores e
dívidas há muito esperadas - enquanto Palpatine, pelo bem das
aparências, fez várias tentativas fúteis de encontrar-se em particular
com o representante da Federação do Comércio Lott Dod. Pestage,
Doriana, Janus Greejatus, Armand Isard e outros também estavam
ocupados nos bastidores, plantando evidências incriminadoras
sempre que necessário, e cuidando para que as ocorrências de
enxerto fossem tornadas públicas.

Seus esforços conjuntos não constituíram uma campanha


política, mas um exercício de subterfúgios elaborados.

"Bail Antilhas continua na liderança ", disse Plagueis a Sidious


quando chegou à cobertura do Muun. “Ironicamente, a crise em
Naboo levou os mundos principais a um círculo mais apertado.
Onde Antilhas sempre correu o risco de ser demitido como o
candidato com maior probabilidade de seguir os passos de Valorum,
de repente ele é o queridinho daqueles que defendem uma
autoridade central e forte. ”
"Ele pode ser prejudicado", disse Sidious. "E o Teem?"

"Além da Federação do Comércio, Teem agora conta com o apoio


da Corporate Policy League."
Sidious permaneceu indiferente. “O Senado não está pronto para
eleger um militante, muito menos um militante Gran. Abraçar o
apoio da CPL equivale a prometer a revogação de restrições
contra a escravidão . ”
A frustração de Plagueis era evidente, mesmo que seu cenho
estivesse oculto. "O interesse em Naboo já está começando a
diminuir, e com isso o voto de simpatia com que contamos."
Sidious estava com a boca aberta para responder quando o
comlink tocou, e ele segurou o dispositivo no ouvido.
Plagueis observou-o atentamente.
"Essas são as notícias mais bem-vindas", disse Sidious no
dispositivo, como se estivesse atordoado. "Eu não esperava isso ...
Acho que é uma boa escolha. Estou certo disso, Chanceler Supremo
... Sim, tenho certeza de que ela quis dizer cada palavra."
"E agora?" Plagueis perguntou no momento em que Palpatine
quebrou a conexão.
Sidious balançou a cabeça em descrença. "Valorum de alguma
maneira conseguiu convencer o Conselho a enviar dois Jedi para
Naboo."
Apesar de toda a conversa sobre invencibilidade, Plagueis parecia
confuso. “Sem a aprovação do Senado? Ele aperta o laço no
pescoço!
"E o nosso", disse Sidious, "se os neimoidianos entrarem em
pânico e decidirem admitir a verdade sobre o bloqueio".

Plagueis se afastou dele com raiva. “Ele deve ter abordado o


Conselho Superior em segredo. Caso contrário, Mas Amedda teria
nos avisado.
Sidious seguiu os movimentos nervosos do Muun. "Dookan
mencionou que o Conselho continuaria a apoiá-lo."
"Valorum disse que Jedi foram enviados?" "Qui-Gon Jinn e seu
Padawan, Obi-Wan Kenobi." Plagueis parou abruptamente. “Piores
notícias ainda. eu tenho
conheceu Qui-Gon, e ele não é nada como alguns dos outros
treinados por Dookan. ”
"Eles são uma dupla chata", disse Sidious. "O inimigo da Frente da
Nebulosa em Dorvalla, Asmeru e Eriadu."
"Então Gunray e seus bajuladores não têm chance contra eles."
Sidious já tinha uma resposta pronta. “Dois Jedi solitários não são
páreo para milhares de dróides e droidekas de batalha. Vou ordenar
que Gunray os mate.
"E teremos outro Yinchorr, além do perigo adicional de Gunray
divulgar nossas ações, passadas e presentes." Plagueis pensou por
um momento. "Qui-Gon vai evitar a detecção pelos dróides e causar
estragos lentos, mas inevitáveis, no navio." “Então eu mandarei a
Gunray iniciar a invasão antes do previsto. Proteger os Naboo se
tornará a preocupação imediata, em vez de prender os
neimoidianos. Gunray pode se opor à idéia, mas eu asseguro que a
República
não vai intervir. "
Plagueis concordou. “Amedda pode negar qualquer pedido que a
Valorum faça para convocar o Senado em sessão especial. Ainda …"
Eles se entreolharam em silêncio pedregoso; então Sidious
assentiu.
"Vou providenciar para que Maul esteja pronto."
Plagueis apertou as mãos. "É a vontade do lado sombrio que
finalmente nos revelamos", disse ele em uma voz solene.

Certamente não era que ele não confiasse em Darth Sidious. Mas
Plagueis nunca havia observado Maul de perto, e ele estava curioso
sobre o relacionamento de Sidious com ele. Ele sabia que eles
raramente se encontravam do lado de fora do The Works, e muito
menos caminhavam juntos na varanda de uma das mônadas mais
elegantes de Coruscant na calada da noite, envoltas em suas capas
de capuz. Mas era justo que eles finalmente o fizessem. Com
11-4D por perto, Plagueis ficou observando os dois de longe, sua
presença na Força minimizada.
A invasão e ocupação de Naboo prosseguiam dentro do
cronograma, e os pântanos estavam sendo revistados em um
esforço para localizar e isolar os principais habitats subaquáticos
dos Gungans indígenas do planeta, antes que eles representassem
uma ameaça. Mas os dois Jedi, a rainha Amidala e seu séquito de
duplas e guardas conseguiram abrir caminho através do bloqueio.
Com a ajuda de Maul, mensagens falsas do conselheiro da rainha
Sio Bibble haviam sido transmitidas à nave estelar desaparecida, e
uma transmissão havia retornado um leve traço de conexão com o
mundo de Tuttine, de propriedade de Hutt. Ao aprender tanto,
Plagueis pensou em pedir a Jabba que prendesse a rainha, mas não
por muito tempo, preocupada com o que o lado sombrio poderia
exigir dele em troca.

"Tatooine é escassamente povoado", disse 11-4D , repetindo o que


os Dathomiri Zabrak estavam dizendo a Sidious. "Se o traço estiver
correto, eu os encontrarei rapidamente, mestre."
"Continue", disse Plagueis calmamente.
“Em resposta, Sidious está instruindo Maul a fazer dos Jedi sua
primeira prioridade. Quando Qui-Gon e Obi-Wan forem descartados,
Maul retornará a rainha Amidala para Naboo e forçará-a a assinar
um tratado que cede o controle do planeta e suas reservas de
plasma à Federação do Comércio. ”
O dróide fez uma pausa e acrescentou: “Maul diz: 'Finalmente nos
revelamos aos Jedi. Finalmente teremos vingança. "
Ao longe, Sidious virou-se para Maul.

O FourDee aprimorou suas informações auditivas. Sidious diz:


'Você foi bem treinado, meu jovem aprendiz. Eles não serão páreo
para você. "
As palavras provocaram profunda apreensão em Plagueis e ele se
esticou com a Força, sintonizado com suas correntes rodopiantes.
Momentaneamente, os portões que obscureciam o futuro se
abriram e ele teve um vislumbre dos eventos que estavam por vir, ou
dos eventos que poderiam vir.
De qualquer maneira, ele não foi encorajado.
Ele e Sidious não entenderam? Seria melhor abortar o plano e
confiar que Palpatine seria eleito mesmo sem Naboo cair na
Federação do Comércio? Uma vez que os Jedi soubessem da
existência de um Sith, eles lançariam uma intensa caça ao outro?
Sidious havia formado um vínculo quase oficial com Maul.
Apegado ao presente, ele não conseguiu entender a verdade: que
era a última vez que ele e seu aprendiz se viam na carne.

***
Os eventos estavam convergindo rapidamente.
Apesar dos obstáculos inesperados, as habilidades de
rastreamento de Maul o levaram à rainha desaparecida. Mas ele
falhou em sua missão. Apesar de um breve confronto com Qui-Gon
Jinn, o Mestre Jedi e seu partido conseguiram uma segunda fuga
bem-sucedida. Os Zabrak não haviam sido mortos, como Plagueis
inicialmente temia, mas sua lâmina carmesim o identificava como
um Sith, e agora os Jedi, Amidala e seu séquito de guardas e servas
estavam na entrada de Coruscant na nave reflexiva da rainha.
Sidious ordenou que Maul fosse a Naboo para supervisionar a
ocupação neimoidiana.

"Pestage e Doriana criaram um plano que enfraquecerá as


campanhas de seus principais rivais", dizia Plagueis, enquanto ele e
Palpatine corriam em direção ao skyhopper

isso os levaria à plataforma antigraval na qual a nave estelar real


fora liberada para pousar. "Coruscant saberá em breve que o
senador Ainlee Teem está protegendo um Dug que está
profundamente envolvido com a rede de distribuição de bastões de
Gardulla the Hutt e Bando Gora."
"Outro favor de Jabba?" Sidious perguntou. "O Hutt
se tornou um aliado", disse Plagueis.
"Com o Black Sun sem cabeça, ele terá livre controle sobre o
comércio de especiarias."

"Por um tempo", disse Plagueis. “As informações sobre o senador


Teem foram enviadas para as Antilhas, que há anos tentam removê-
lo do Senado. Quando o inquérito de corrupção é anunciado, o apoio
de Teem desaparece. O mesmo vale para as Antilhas, cujas
ambições o cegaram ao fato de que ninguém no Senado quer um
reformador zeloso demais na chancelaria. A Facção da Orla irá
então reunir-se a você, na esperança de poder manipulá-lo, e a
Facção Central, centrada no homem, o apoiará porque você é um
deles.
Sidious olhou para ele. - Não foi por você ... Plagueis acenou para
ele em silêncio e parou de repente. Sidious deu mais alguns
passos e virou-se para ele. "Você é
não vai me acompanhar para cumprimentar a rainha?
"Não. Os Jedi ainda estão com ela, e nossa presença conjunta
pode permitir que eles sintam nossas inclinações.
"Você está certo, é claro."
"Há mais uma questão", disse Plagueis. “A crise de Naboo
finalmente chamou a atenção de Coruscant. Se pudéssemos forçar
uma crise semelhante no Senado, sua eleição seria garantida. ”

Sidious pensou sobre isso. "Pode haver uma maneira." Ele olhou
duro para Plagueis. "A chamada para um voto de não-confiança no
Valorum."
"Se você-"
"Não eu", Sidious o interrompeu. Rainha Amidala. Encherei a
cabeça dela com dúvidas sobre a incapacidade de Valorum de
resolver o problema.

crise e temores do que a regra da Federação do Comércio


significaria para Naboo. Então eu a levarei ao Senado para que ela
possa ver por si mesma quão insustentável a situação se tornou. ”
"Grande teatro", pensou Plagueis. “Ela não apenas pedirá um voto
de não-confiança. Ela fugirá para casa para ficar com seu povo.

"Onde queríamos que ela começasse."

"Eu acredito que a comida é melhor do que a vista", observou


Dookan, sem humor, quando se juntou a Palpatine em uma mesa ao
lado da janela no Mok's Cheap Eats no dia seguinte. Um pequeno
estabelecimento que atendia ao pessoal da fábrica, dava para o
coração da The Works.
"O Senado está estudando planos para desenvolver projetos
habitacionais nas planícies."
Dookan franziu o cenho em repulsa. "Por que não simplesmente
construir um depósito de lixo radioativo?"
"Onde há créditos a serem feitos, a vida dos cidadãos comuns
tem pouca importância."
Dookan levantou uma sobrancelha. "Espero que você acabe com
isso." "Prefiro que o Works permaneça inalterado por um tempo."
Dookan acenou para um garçom e observou Palpatine com
interesse. “Então, um bloqueio impede você de ir a Naboo, e o que
acontece, mas Naboo vem até você. Bastante pedaço de
Magia."
Palpatine mostrou um sorriso fino. "Sim, minha rainha chegou."

"Sua rainha", disse Dookan, puxando sua barba curta. "E pelo que
ouvi dizer, em breve você poderá ser o Chanceler Supremo dela."
Palpatine encolheu os ombros com a observação e depois adotou
um olhar mais sério. "Essa é, no entanto, parte da razão por que pedi
para você me encontrar aqui."
"Preocupado que você não receberá o apoio de Jedi se for visto
comigo nos lugares de sempre?"
"Nada do tipo. Mas se eu for eleito e se você e eu começarmos a
trabalhar juntos, cabe a nós dar todas as aparências de estar em
lados opostos. ”
Dookan cruzou os braços e olhou. "Trabalhar juntos em que
capacidade?"
“Isso ainda precisa ser visto. Mas nosso objetivo comum seria
devolver a República ao que era antes derrubando-a ”.
Dookan não disse nada por um longo momento, e quando falou
foi como se estivesse reunindo seus pensamentos sobre a mosca.
“Talvez com o seu mundo natal como a faísca que atinge uma
empresa? Claramente, a crise o beneficiou politicamente, e somente
esse fato faz com que certos seres se perguntem. Ele examinou o
rosto de Palpatine. “Em circunstâncias normais, o Conselho não
teria subvertido a autoridade do Senado, honrando o pedido de
Valorum de enviar Jedi a Naboo. Mas para Yoda, Mace Windu e o
resto, Valorum é uma quantidade conhecida, enquanto os senadores
Antilhas e Teem e você ainda não divulgaram suas verdadeiras
agendas. Leve você, por exemplo. A maioria sabe que você é um
político de carreira e que conseguiu até agora evitar imbróglios. Mas
o que alguém sabe sobre você além do seu registro de votação, ou o
fato de você residir na Fifhundred Republica? Todos pensamos que
há muito mais do que aparenta; algo sobre você que ainda não foi
descoberto.

Em vez de falar diretamente com o argumento de Dookan,


Palpatine disse: "Fiquei tão surpreso quanto qualquer um ao saber
que o mestre Quin-Gon e Obi-Wan Kenobi foram enviados para
Naboo".
Surpreso, é claro. Mas satisfeito?
“Naboo é meu mundo natal. Quero ver a crise resolvida o mais
rápido possível.
"Você?"
Palpatine sustentou o olhar. Começo a me perguntar o que pode
ter motivado seu humor de confronto. Mas, por uma questão de
argumento, digamos que não sinto vergonha de ter

vantagem da crise. Isso faria você se distanciar de mim?


Dookan sorriu com os olhos, mas não com alegria. Pelo contrário,
como você diz. Desde que eu estou interessado em aprender mais
sobre a possibilidade de uma aliança. ”
Palpatine adotou um olhar encapuzado. "Você está decidido a
deixar a Ordem?"
"Ainda mais do que quando conversamos pela última vez."
"Por causa da decisão do Conselho de intervir em Naboo?" “Eu
posso perdoar isso a eles. O bloqueio deve ser quebrado.
Mas algo mais ocorreu. Dookan escolheu as próximas palavras com
cuidado. “Qui-Gon voltou de Tatooine com um ex-escravo. Segundo
a mãe do menino, o menino não tinha pai.
"Um clone?" Palpatine perguntou incerto.
"Não é um clone", disse Dookan. “Talvez concebido pela Força.
Como Qui-Gon acredita.
A cabeça de Palpatine virou para trás. “Você não se senta no
Conselho. Como você sabe disso?"
"Eu tenho meus caminhos."
"Isso tem algo a ver com a profecia de que você falou?"
"Tudo. Qui-Gon acredita que o garoto - Anakin é o nome dele - fica
no centro de uma vergência na Força e acredita ainda mais que
encontrá-lo era a vontade da Força. Aparentemente, foram feitos
exames de sangue, e a concentração de midi-chlorians no menino é
sem precedentes. ”
"Você acredita que ele é o profetizado?"
"O escolhido", Dookan alterou. "Não. Mas Qui-Gon aceita isso
como fato, e o Conselho está disposto a testá-lo.
"O que se sabe sobre este Anakin?"
“Muito pouco, exceto pelo fato de que ele nasceu escravo há nove
anos e era, até recentemente, junto com sua mãe, propriedade de
Gardulla the Hutt, então um Toydarian

revendedor de lixo. " Dookan sorriu. "Além disso, ele ganhou o


Boonta Eve Classic Podrace."
Palpatine parou de ouvir.
Nove anos de idade ... Concebidos pela Força ... É possível ... Seus
pensamentos voltaram a velocidade frenética: para a plataforma de
aterrissagem na qual ele e Valorum haviam acolhido Amidala e seu
grupo. Na verdade, não Amidala, mas uma de suas parecidas. Mas o
garoto de cabelos louros , esse Anakin, vestido com roupas sujas,
estava lá, junto com um Gungan e os dois Jedi. Anakin passou a
noite em um pequeno quarto em seu
apartamento suite.
E eu não senti nada sobre ele .
"Qui-Gon é precipitado", estava dizendo Dookan. "Apesar de sua fi
xação com a Força viva, ele demonstra suas próprias contradições
por ser um verdadeiro crente na profecia - uma predição mais
alinhada à Força unificadora."
"Nove anos", disse Palpatine quando pôde. "Certamente velho
demais para ser treinado."
"Se o Conselho mostrar algum sentido."
"E o que será do garoto então?"
Os ombros de Dookan se ergueram. "Embora não seja mais um
escravo, ele provavelmente será enviado para se juntar à mãe em
Tatooine."
"Eu entendo sua desilusão", disse Palpatine.
Dookan sacudiu a cabeça. “Eu não contei tudo. Como se o
anúncio de ter encontrado o escolhido não fosse suficiente, Qui-Gon
descobriu que a Federação do Comércio pode ter tido a ajuda de
poderosos aliados no planejamento e execução do bloqueio de
Naboo. ”
Palpatine sentou-se reto na cadeira. "Que aliados?"
“Em Tatooine, Qui-Gon duelou com um assassino que é bem
treinado nas artes Jedi. Mas ele descartou a ideia de que o
assassino é um Jedi desonesto. Ele está convencido de que o
guerreiro é um Sith.

Ignorando as reações dos moradores apreensivos e cauteloso


pessoal de segurança, Plagueis correu ao longo de um corredor
luxuoso na 500 Republica em direção à suíte de salas carmesim de
Palpatine. Ele planejara estar no prédio do Senado para ouvir o
pedido de Amidala por um voto de não-confiança em Valorum, o que
atingiria o primeiro sinal de morte da República. No último
momento, no entanto, Palpatine o contatou para contar uma
conversa que tivera com Dookan. O fato de Qui-Gon Jinn ter
identificado Maul como um Sith era esperado; mas as notícias de
Dookan sobre um garoto humano no centro de uma vergência da
Força foram chocantes. Mais, Qui-Gon viu o garoto como o
escolhido dos Jedi!
Ele tinha que ver esse Anakin Skywalker por si mesmo; teve que
senti-lo por si mesmo. Ele tinha que saber se a Força havia revidado
novamente, nove anos antes, ao conceber um ser humano para
restaurar o equilíbrio da galáxia.
Plagueis parou na entrada do apartamento de Palpatine.
Eventualmente, uma das criadas quase idênticas da rainha Amidala
chegou à porta, uma visão em uma túnica escura com capuz. Os
olhos dela se fixaram na máscara de respiração.
"Sinto muito, senhor", disse ela, "o senador Palpatine não está
aqui." "Eu sei", disse Plagueis. "Estou aqui para falar com um
convidado de
o senador. Um jovem garoto humano.
Os olhos dela continuaram colados na máscara. "Eu não estou
autorizado -"
Damask fez um gesto rápido com a mão esquerda, obrigando-a a
responder. "Você tem minha permissão para falar."
"Eu tenho sua permissão", disse ela com uma voz distraída.
"Agora, onde está o garoto?"
"Anakin, você quer dizer."
"Anakin, sim", ele disse apressadamente. “Ele é o único. Traga-o
agora!
"Você acabou de sentir falta dele, senhor", disse a criada.
Plagueis passou por ela na suíte de Palpatine. "Sentiu falta dele?"
Ele se endireitou com raiva. "Onde ele está?"

“Mestre Jedi Qui-Gon Jinn veio buscá-lo, senhor. Suspeito que


você possa encontrá-lo no templo Jedi.
Plagueis recuou um passo, seus pensamentos cambaleando.
Ainda havia uma chance de o Conselho decidir que Anakin era
velho demais para ser treinado como um Jedi. Dessa forma,
assumindo que ele foi devolvido a Tatooine ...
Mas se não ... Se Qui-Gon conseguisse influenciar os Mestres do
Conselho, e eles renegassem seus próprios ditames ...
Plagueis passou a mão na testa. Estamos desfeitos ? ele pensou.
Você nos desfez ?
30: TOMANDO O FUTURO DO AGORA

Magister Damask ainda estava nervoso quando chegou ao prédio do


Senado e correu pelo labirinto de corredores e turbolifts para chegar
à estação de Naboo a tempo do evento.
Durante um recesso que se seguiu ao pedido de voto de
confiança, a rainha Amidala e o par de retentores com quem ela
chegara decidiram retornar à 500 República. Mas Panaka estava lá,
com seu boné de couro marrom e gibão, junto com Sate Pestage e
Kinman Doriana. Com apenas uma palavra de reconhecimento,
Plagueis passou pelos três homens para se juntar a Palpatine na
plataforma suspensa.

"Você falou com ele?" Palpatine perguntou, enquanto a voz do


senador de Kuat ecoava pelos alto-falantes da Rotunda.

O Muun balançou a cabeça com raiva. “Qui-Gon já estava lá. Eles


foram ao templo.
"Ainda há uma chance—"
"Sim", disse Damask. "Mas se as concentrações de midi-chlorian do
menino são tão altas quanto Dookan sugeriu, então os Jedi
provavelmente não permitirão que ele escape de suas garras."
“Elevadas contagens de midi-chlorian nem sempre equivalem a
Force
talentos. Você me disse a si mesmo.
"Não é isso que me preocupa", disse Damask, mas ele não foi
mais longe. Gesticulando amplamente, ele perguntou: "Onde
estamos?"
“Antilhas foi nomeada pelo Com Fordox. Teem, de Edcel Bar Gan.
"Traidores", Damask fervia. "Fordox e Bar Gan." Palpatine estava
prestes a responder quando a voz de Mas
Amedda encheu a Rotunda. “O Senado reconhece o senador

Orn Free Taa of Ryloth - disse o Chagrian do pódio. Sei Taria também
estava lá, mas Valorum - quase destituído do poder - desapareceu
ou ficou fora de vista.
O grande Twi'lek azul estava orgulhoso na proa da plataforma,
enquanto flutuava em direção ao centro da Rotunda, ladeado por
webcams. Na parte traseira curvada da plataforma estavam o
consorte de Free Taa, um pequeno Twi'lek de pele vermelha , e o
co-senador e distribuidor de bastões da morte de Ryloth, Connus
Trell.
“Ryloth se orgulha de nomear alguém que não apenas dedicou
vinte anos de serviço ininterrupto à República, mas conseguiu
conduzir um percurso galante pelas tempestades que continuam a
atacar esse corpo, mas cujo mundo natal se tornou o mais recente
alvo da ganância corporativa. e corrupção. Sendo seres de todas as
espécies e de todos os mundos, nomeio o Senado Palpatine de
Naboo.

Aplausos e aplausos ecoaram em quase todos os setores do


salão, ficando cada vez mais altos e entusiasmados quando a
plataforma de Naboo se separou da estação de ancoragem e pairou
para se juntar aos de Alderaan e Malastare.
- Você conseguiu, Darth Plagueis - disse Palpatine em voz baixa e
sem olhar.
"Ainda não", veio a resposta. “Não vou descansar até ter certeza de
uma vitória. "

Já era tarde da noite quando Plagueis se dirigiu a um observatório


público que proporcionava uma vantagem sobre o arabesco
proprietário de uma plataforma de aterrissagem na qual a nave
estelar real da rainha Amidala se deleitava com a luz ambiente.
Com o capuz do capuz levantado, ele foi para um dos postes
macrobinoculares fixos e pressionou os olhos nas presilhas
acolchoadas. Qui-Gon Jinn, Obi-Wan Kenobi e o garoto haviam
chegado à plataforma em um navio Jedi; Amidala, suas criadas e
guardas, e um Gungan de pernas soltas em um táxi aéreo
hemisférico com a tampa aberta . Nesse momento, o último grupo
estava subindo a rampa de embarque da nave, mas Qui-Gon

e o ouriço - do-deserto de rosto redondo havia parado antes do navio


para falar sobre algo.
O que ? Plagueis se perguntou. Que tópico chamou um olhar tão
sério para o rosto de Qui-Gon e uma urgência tão confusa no garoto ?
Erguendo o rosto dos macrobinóculos, ele se esticou com a Força
e foi vítima de um ataque de imagens desconcertantes: batalhas
ferozes no espaço profundo; o choque de sabres de luz; partições de
luz radiante; um ciborgue de capacete preto erguendo-se de uma
mesa ... Quando seu olhar voltou para a plataforma, Qui-Gon e o
garoto desapareceram.
Tentando desesperadamente entender as imagens que lhe foram
concedidas pela Força, ele ficou imóvel, observando a nave estelar
se elevar da plataforma e subir a noite.
Ele lutou para reprimir a verdade.
O garoto mudaria o curso da história. A menos
que …
Maul teve que matar Qui-Gon, para impedir que o garoto fosse
treinado.

Qui-Gon era a chave de tudo .

Plagueis e Sidious passaram o dia antes da votação no Senado no


prédio LiMerge, comunicando-se com Maul e Gunray e cuidando de
outros assuntos. Os primeiros relatórios de Naboo indicaram que
Amidala era mais ousado do que os dois haviam previsto. Ela
planejara uma reconciliação entre os Naboo e os Gungans, e
convencera-os a montar um exército nos pântanos. Inicialmente,
Sidious havia proibido Maul e os neimoidianos de agir. A última
coisa que os Sith precisavam era fazer Amidala emergir como o
herói de seu drama fabricado. Mas quando o exército Gungan iniciou
uma marcha na cidade de Theed, ele não teve escolha a não ser
ordenar que Gunray repelisse o ataque e matasse todos.

Plagueis não deu conselhos nem contradisse as ordens, mesmo


sabendo que a batalha estava perdida e que o garoto não iria morrer.
Em vez disso, organizou uma conferência com os líderes do
Commerce Guild, da Techno Union, da Corporate Alliance e de
outros, dizendo a eles que, apesar da legalidade do bloqueio, a
Federação do Comércio havia derrubado a si mesma.

"Preste atenção à maneira como a República e a Ordem Jedi


lidam com eles", disse Hego Damask ao público holo. “A Federação
será desmontada e o precedente será definido. A menos que você
tome medidas para iniciar uma retirada lenta e cuidadosamente
planejada do Senado, levando consigo seus sistemas domésticos e
clientes, você também corre o risco de se tornar propriedade da
República. ”
Enquanto a luz do dia passava sobre o The Works, Sate Pestage
informou que os senadores Teem e Antilhas estavam aleijados e
que alguns dos formadores de opinião políticos de Coruscant
estavam agora dando a Palpatine a vantagem nas eleições.
Isso deixou apenas um negócio para finalizar.
Participar da ópera.
Suspensa como um ornamento cintilante de um suporte de estradas
e rampas para pedestres, a Galaxies Opera era de propriedade do
notório jogador e playboy Romeo Treblanc, e foi projetada para
funcionar como uma alternativa à tradicional Ópera Coruscant, que
durante décadas foi patrocinada pela Casa Valorum e outros
linhagens do núcleo rico. Com o Senado agendado para se reunir em
uma sessão extraordinária na manhã seguinte, a emoção tomou
conta de Coruscant e em comemoração à possibilidade de a eleição
de um novo Chanceler Supremo inaugurar uma era de mudanças
positivas, metade do Senado acabou. Nunca havia tantos tecidos
veda, brocart e shimmersilk enfeitados com os tapetes luxuosos
que levavam às portas da frente; e nunca teve uma variedade tão
diversa

Coruscanti derramava dos táxis e limusines que os entregavam:


patrícios e decanos, magnatas e filantropos, especialistas e
patronos, lotharios e ingénues, bandidos e seus molls ... muitos
vestidos em trajes tão ostensivos quanto os usados pelos artistas
no palco.
Valorum recusou-se a aparecer, mas Ainlee Teem e Bail Antilhas
estavam entre os milhares que assistiram à estréia de um novo
trabalho de um mentor de Mon Calamari. Apenas Palpatine e
Damask, no entanto, foram pessoalmente recebidos por
Treblanc - Palpatine envolto em uma capa escura, e o Muun em
verde escuro, com gorro e uma máscara de respiração que deixaram
parte de sua mandíbula exposta.

"Dizem que ele perdeu uma fortuna no Boonta Eve Podrace", disse
Damask quando eles estavam fora do alcance da voz da Treblanc.
"O evento que Anakin venceu", disse Palpatine.
Damask parou de surpresa e virou-se para Palpatine para uma
explicação.
"Ele conquistou o primeiro lugar."
Damask absorveu as notícias em silêncio, depois murmurou: "As
ações do garoto já ecoam pelas estrelas". Uma mulher nautolana os
escoltou até uma caixa particular no terceiro andar, perto do palco,
sua aparência provocando aplausos de alguns dos seres sentados
abaixo,
rumormongering por outros.
As luzes diminuíram e a apresentação começou. Metáforas
aquosas alternavam com projeções carregadas de símbolos . A
natureza experimental do trabalho parecia melhorar uma atmosfera
de expectativa que pairava sobre o público. Seus pensamentos em
outro lugar, os dois Sith secretos estavam em um silêncio
respeitoso, como se hipnotizados.

Durante o intervalo, a multidão entrou no saguão para refrescos.


Discretamente, Damask bebeu um cálice de vinho enquanto seres
distintos se aproximavam de Palpatine para lhe desejar boa sorte
nas próximas eleições. De outros

seres célebres admiravam Damask a uma distância educada; era


como se algum fantasma procurado tivesse se tornado carne e
sangue durante a noite. Holocams pegou imagens do par para
meios de comunicação. Damask ingeriu um segundo cálice de vinho
enquanto as luzes piscavam, anunciando o fim do intervalo. Pestage
havia assegurado a ele que alguns dos oponentes de Palpatine no
Senado seriam assaltados; outros, embriagados ou drogados
demais para comparecer à sessão da manhã. Ninguém morreria,
mas vários talvez precisassem ser ameaçados. E, no entanto,
Damask continuou a se preocupar com o resultado ...

Após a apresentação, ele e Palpatine se juntaram a um grupo


seleto de políticos que incluíam Orn Free Taa e Mas Amedda para
um jantar tardio em uma sala privada em Manarai.
Depois se retiraram para a cobertura de Damask.

Plagueis dera aos guardas do sol a noite toda, e a única outra


inteligência no amplo apartamento era o dróide 11-4D, seu criado
para a ocasião, despejando vinho em copos de vidro caros enquanto
tiravam as capas.
"Sullustan", disse Plagueis, segurando o copo contra a luz e
girando seu conteúdo clarete. "Mais de meio século de idade."
"Um brinde, então", disse Sidious. "Para o culminar de décadas de
planejamento e execução brilhantes."
"E para o novo significado que amanhã transmitiremos à Regra
dos Dois."
Eles esvaziaram os óculos e o 11-4D os encheu imediatamente.
"Só você poderia ter conseguido concretizar isso, Darth Plagueis",
disse Sidious, sentando-se em uma cadeira. "Vou me esforçar para
atender às suas expectativas e cumprir minha responsabilidade."
Plagueis recebeu o elogio com passos largos, nem arrogante nem
envergonhado. “Com minha orientação e seu carisma, em breve
estaremos em posição de iniciar o ato final do Grande
Plano." Sentindo - se mais confortável no sofá, ele sinalizou para o
11-4D abrir uma segunda garrafa da safra. "Você pensou no que dirá
amanhã?"
"Eu preparei algumas observações", disse Sidious. "Devo estragar
a surpresa?"
"Por que não."
Sidious levou um momento para se recompor. “Para começar,
pensei em dizer que, embora nós no Senado tenhamos mantido a
República intacta por mil anos, nunca conseguiríamos fazê-lo sem a
ajuda de alguns seres, em grande parte invisíveis para o país. olhos
do público, cujas realizações agora precisam ser trazidas à luz do
dia. ”
Plagueis sorriu. "Estou satisfeito. Continue."
Falando em tom monótono, Sidious disse: “O Hego Damask é um
desses seres. Hego Damask foi responsável por supervisionar o
desenvolvimento da Administração da Reserva da República e por
fornecer apoio financeiro aos Atos de Reassentamento que
permitiram que os seres abrissem novas rotas hiperespaciais para
os sistemas periféricos e colonizassem mundos distantes. ”
"Isso virá como uma revelação para alguns."
"De maneira semelhante, foi Hego Damask que transformou a
Federação do Comércio "
"Não, não", interrompeu Plagueis. "Agora não é hora de mencionar
a Federação do Comércio".
"Eu pensei -"
“Não vejo problema em chamar a atenção para os acordos que
facilitei entre a República e a Aliança Corporativa e a União Techno.
Mas devemos tomar cuidado para evitar áreas de controvérsia. ”
"Claro", disse Sidious, como se castigado. "Eu estava falando do
alto da minha cabeça."
"Tente uma abordagem
diferente." Então Sidious fez.

E, com o passar da noite, ele continuou a alterar e improvisar,


tocando na infância de Damask em Mygeeto e nas contribuições de
Damask mais velho ao Clã Bancário InterGaláctico durante seu
mandato como co-presidente. Copo de vinho na mão, Sidious
passeava pelo chão ricamente acarpetado, muitas vezes oscilando
entre confiança e apreensão. Mais de uma vez, Plagueis expressou
satisfação com tudo o que ouviu, mas instou Sidious a economizar
energia para a manhã. Naquela época, porém, Sidious estava muito
atento a seguir os conselhos e continuou reformulando a ordem dos
comentários e a ênfase que ele deu a certos pontos.
O dróide trouxe uma terceira, depois uma quarta garrafa de vinho
Sullustan.
Agradavelmente embriagado, Plagueis, que não queria nada além
de saborear o doce sabor da vitória, estava começando a achar
exaustivo o desempenho de seu colaborador, e não queria nada
mais do que fechar os olhos e mergulhar na imaginação de sua
marcha na Rotunda do Senado; os olhares de surpresa, espanto e
apreensão nos rostos dos senadores reunidos; sua tão esperada
emergência das sombras; sua ascensão ao poder galáctico ...

Infelizmente, Sidious não deixou.


"Por enquanto é o suficiente", tentou Plagueis uma vez. "Você
provavelmente deveria voltar para casa e descansar pelo menos
algumas horas antes—"
"Só mais uma vez, desde o começo." "O início?"
- Lorde Plagueis, você disse que não descansaria até que nossa
vitória fosse uma questão de fato.
"Assim é, e eu devo, Darth Sidious."
"Então vamos celebrar isso também." Sidious acenou para
11-4D. "Encha nossos óculos, dróide."
Com o cansaço sonhador começando a tirar vantagem dele, tudo
o que Plagueis podia fazer era levantar o copo até o nariz. Assim
que pousou a bebida, ela tombou, saturando a toalha da mesa. Suas
pálpebras começaram a tremer e

fechar, e sua respiração diminuiu. Em vinte anos de nunca ter tido


que lidar com Plagueis em estado de sono, o transpirador clicou
repetidamente em ajustes, quase como se estivesse em pânico.

A alguns metros de distância, Sidious parou, olhando Plagueis por


um longo momento, como se estivesse decidindo alguma coisa.
Então, soltando o fôlego, pousou o copo e pegou a capa que havia
pendurado sobre uma cadeira. Girando em torno de si mesmo, ele
foi para a porta, apenas parando pouco antes de alcançá-la. Virando-
se e esticando-se com a Força, ele olhou ao redor da sala, como
alguém poderia consertar uma memória na mente. Por um instante,
seu olhar caiu no droide, seus fotorreceptores brilhantes zunindo
para olhá-lo com evidente curiosidade.
Um olhar de propósito sinistro contorceu o rosto de Sidious.
Novamente, seus olhos percorreram a sala e o lado escuro
sussurrou:
Sua eleição assegurada, os Guardas Solares ausentes, Plague é
inocente e adormecido ...
E ele se moveu em um borrão.
Crepitando com as pontas dos dedos, uma teia de raios azuis
aterrou no dispositivo de respiração do Muun. Os olhos de Plagueis
se abriram, a Força se reunindo nele como uma tempestade, mas
ele parou de se defender. Aquele ser que havia sobrevivido a
assassinatos e matado incontáveis oponentes apenas olhou para
Sidious, até que Plagueis o estava desafiando! Confiando que ele
não poderia ser morto, e negando que estava lentamente sufocando,
ele poderia estar simplesmente experimentando consigo mesmo,
realmente cortejando a morte para colocá-la em seu lugar.
Momentaneamente surpreso, Sidious ficou absolutamente imóvel.
Plagueis estava tão enganado a ponto de acreditar que havia
alcançado a imortalidade?

A pergunta permaneceu por apenas um momento, então Sidious


desencadeou outro emaranhado de raios, atraindo mais
profundamente o lado escuro do que ele já havia feito.

"Vamos repassar a segunda parte do discurso, sim", disse ele,


alisando a capa despenteada. "Seu velho idiota inútil."
Com um rosnado, ele jogou a capa para trás dos ombros e se
inclinou para Plagueis, plantando as mãos na mesa baixa que agora
estava coberta de vinho derramado.
“Foi Hego Damask, como Darth Plagueis, que veio a Naboo,
determinado a sugar o planeta para secar o plasma e definir a
Federação do Comércio como superintendente. Foi Hego Damask
como Plagueis que, então, olhou para um jovem aparentemente
confuso e, com habilidade meticulosa, o manipulou para cometer
patricídio, matricídio, fratricídio. Darth Plagueis, que o levou como
aprendiz, compartilhando um pouco de seu conhecimento, mas
retendo seus segredos mais poderosos, negando ao aprendiz seus
desejos como um meio de controlá-lo, incutindo nele uma sensação
de raiva assassina e voltando-o para o lado sombrio. " Sidious ficou
de pé em toda a sua altura, olhando furioso.
“Foi Plagueis quem criticou os primeiros esforços de seu aprendiz
e quem o sufocou em uma demonstração de sua superioridade.

“Plagueis, que o denegriu em particular por contratar um


assassino inepto para realizar o assassinato do senador Kim - e, no
entanto, que se deixou enganar pela Gran e quase morto por
mercenários.
“Plagueis, que se afastou do Grande Plano para se concentrar
inteiramente em si mesmo, em uma busca egoísta pela
imortalidade.
“Plagueis que tiveram a ousadia de criticar seu aprendiz por ter
inculcado muito orgulho no assassino que ele treinara.
“Plagueis, que tentou transformar seu aprendiz igualmente
poderoso em mensageiro e mero intermediário.
"E Plagueis, que assistiram em segredo enquanto seu aprendiz
encarregava seu verdadeiro intermediário de revelar os Sith
renascidos para a galáxia."

Sidious fez uma pausa e, em tom de escárnio, acrescentou:


“Plagueis, o Sábio, que na época era verdadeiramente, exceto no
final, confiando que a Regra dos Dois havia sido substituída e não
conseguiu

perceber que ele não seria dispensado disso. Plagueis, o Sábio, que
forjou o Senhor Sith mais poderoso que a galáxia já conheceu, e
ainda assim que esqueceu de deixar um lugar para si; cujo orgulho
nunca lhe permitiu questionar que não seria mais necessário.
Ainda lutando por respirar, Plagueis conseguiu se levantar, mas
apenas caiu de volta no sofá, derrubando uma estátua de seu
poleiro. Sidious se moveu, suas mãos levantadas para dar outro raio,
sua expressão ártica o suficiente para esfriar a sala. Uma
tempestade da Força se reuniu sobre o sofá, espalhando-se em
anéis concêntricos, para lavar Sidious e atirar objetos a todos os
cantos. No centro, a forma de Plagueis tornou-se anamórfica, depois
retomou a forma quando a tempestade começou a diminuir.
Os olhos de Sidious encontraram os Muun.
- Quantas vezes você disse que a antiga ordem de Bane terminou
com a morte de seu mestre. Um aprendiz não precisa mais ser mais
forte, você me disse, apenas mais inteligente. A era de manter a
pontuação, a suspeita e a traição acabou. A força não está na carne,
mas na Força. ”
Ele riu. “Você perdeu o jogo no primeiro dia em que escolheu me
treinar para governar ao seu lado - ou, melhor ainda, debaixo do seu
polegar. Mestre, sim, e por isso serei eternamente grato. Mas
Mestre - nunca. "
Sidious olhou para Plagueis através da Força. "Oh, sim, por todos
os meios reúna seus midi-chlorians, Plagueis." Ele segurou o polegar
e o dedo juntos. "Tente se manter vivo enquanto eu te sufoco a vida."
Plagueis tragou ar e levantou um braço em sua direção. "Existe o
problema, você vê", disse Sidious em um livro filosófico.
tom. “Todos os que você experimentou, matou e trouxe de volta à
vida ... Eles eram pouco mais que brinquedos. Agora, porém, você
pode experimentá-lo do lado deles, e veja o que você descobre: em
um corpo que está sendo negado ar, no qual até a Força está
falhando, seus próprios midi-chlorians não conseguem realizar o
que você está pedindo deles."

O ódio manchou os olhos de Sidious.


“Eu poderia te salvar, é claro. Retorná-lo do limiar, como você fez
com Venamis. Eu poderia refazer o seu corpo para reparar os danos
já causados aos seus pulmões, seus corações, seu cérebro
envelhecido. Mas não vou fazer isso. A idéia aqui não é arrastá-lo de
volta no último momento, mas levá-lo à porta da morte e empurrá-lo
para o outro lado.
Sidious suspirou. “Uma tragédia, realmente, para alguém tão
sábio. Alguém que poderia supervisionar a vida e a morte de todos
os seres, exceto ele próprio.

Os olhos do Muun começaram a inchar; sua carne pálida, para


ficar cianótica.
“Você pode estar se perguntando: quando ele começou a mudar?
“A verdade é que não mudei. Como nós nublamos
as mentes dos Jedi, nublei a sua. Nunca tive nenhuma intenção de
compartilhar poder com você. Eu precisava aprender com você; nem
mais nem menos. Para aprender todos os seus segredos, os quais
confiei que você acabaria revelando. Mas o que fez você pensar que
eu precisaria de você depois disso? Vaidade, talvez; seu senso de
auto-importância. Você não passou de um peão em um jogo jogado
por um Mestre genuíno.
"Os Sith'ari."
Uma risada cruel escapou dele.
“Refletir até nos últimos anos - supondo que você tenha
capacidade. Yinchorr, Dorvalla, Eriadu, Maul, os Neimoidianos,
Naboo, um exército de clones, o Jedi Dooku caído ... Você acha que
essas foram suas idéias, quando, na verdade, eram minhas,
sugeriram-lhe inteligentemente que você pudesse devolvê-las para
mim . Você confiava demais, Plagueis. Nenhum verdadeiro Sith pode
realmente se importar com outro. Isso sempre foi conhecido. Não
há outro jeito senão o meu caminho.
Os olhos de Sidious se estreitaram. - Você ainda está comigo,
Plagueis? Sim, eu detecto que você é, embora mal.
“Algumas palavras finais, então.
“Eu poderia ter deixado você morrer no distrito de Fobosi, mas não
podia permitir que isso acontecesse quando ainda havia tanto

não sabia; tantos poderes que permaneceram fora do meu alcance.


E, por acaso, agi sabiamente em resgatá-lo. Caso contrário, como eu
poderia estar aqui e você estar morrendo? Na verdade, eu pensei
que você morreria em Sojourn - e você teria se o Hutt não tivesse lhe
dado uma dica do esquema de Veruna.
“E, no entanto, isso também resultou no melhor, pois mesmo
depois de tudo o que você me ensinou, talvez eu não pudesse dar os
passos finais para a chancelaria sem a sua ajuda para manipular o
Senado e colocar em jogo seus vários e diversos aliados. Se há
algum consolo, estou sendo sincero quando digo que não poderia
ter tido sucesso sem você. Mas agora que vencemos a corrida, não
preciso de um co-chanceler. Sua presença, muito menos seu
conselho desnecessário, apenas confundiria as coisas. Eu tenho
Maul para fazer o que o risco de descoberta pode não me permitir,
enquanto eu executo o restante do Grande Plano: cultivar um
exército, fomentar a rebelião e fabricar guerra intergalática,
encurralar os Jedi e pegá-los de surpresa ...
- Descanse em seu túmulo, Plagueis. No final, serei proclamado
imperador. Os Sith terão se vingado e eu governarei a galáxia.
Plagueis deslizou para o chão e rolou de bruços. A morte sacudiu
seus pulmões e ele morreu.
OneOne-FourDee começou a se aproximar, mas Sidious fez sinal
para que parasse.
"Vamos ter que encontrar uma nova casa e um novo corpo,
dróide."
OneOne-FourDee olhou uma vez para o Muun, depois para Sidious.
"Sim, mestre Palpatine."
Sidious foi até a janela e depois se voltou para a cena do crime. O
Hego Damask parece ter morrido devido a um mau funcionamento
do aparelho respiratório. Ele mandaria o dróide alertar os médicos.
Mas nenhuma autópsia seria realizada e nenhum inquérito se
seguiria. Holos de sua aparição na Ópera Galaxies seria executado
no HoloNet, e especialistas iriam pesar. Senador Palpatine

pode reunir uma simpatia ainda maior; seu prazer em ser eleito para
a chancelaria diminuiu com a morte repentina de um poderoso
aliado financeiro.
Sidious voltou para a sala para olhar mais de perto Plagueis.
Depois de um longo momento, ele voltou à janela e puxou as
cortinas para o lado.
Seu espírito disparou, mas brevemente.
Algo estava ocultando seu senso de triunfo: uma vaga percepção
de um poder maior que ele. Plagueis estendeu a mão do outro lado
da morte para irritá-lo? Ou o sentimento era uma mera consequência
da apoteose?
Do lado de fora, os cumes dos edifícios mais altos eram dourados
pelos primeiros raios de luz do dia.

EPÍLOGO

A eleição de Palpatine para a chancelaria dominou o HoloNet.


Estava longe de ser uma vitória esmagadora, mas ele venceu por
uma margem maior do que o previsto pelos apostadores, devido em
parte à inexplicável ausência de vários de seus principais
oponentes. Com a presidência de dois juízes da Suprema Corte e do
vice-chanceler Mas Amedda, ele prestou juramento no topo do pódio
do Senado, depois que Valorum apertou sua mão e desapareceu no
turbo elevador que levava à sala de preparação bem abaixo. Em seu
discurso, ele prometeu devolver a República à sua antiga glória e
limpar o Senado de práticas corruptas. Ninguém prestou muita
atenção, já que todo Chanceler Supremo nos últimos duzentos anos
havia feito as mesmas promessas.

Os especialistas, no entanto, foram rápidos em avaliar o que a


eleição pode significar para o futuro imediato. O fato de Naboo ter
conseguido derrotar a Federação do Comércio sem a ajuda de
mercenários ou intervenção da República fez com que muitos se
perguntassem se os planetas poderiam seguir Naboo no
estabelecimento de suas próprias forças armadas e desafiando o
poder dos consórcios galácticos. Como os eventos de Naboo
podem moldar as novas políticas do Supremo Chanceler em relação
à Aliança Corporativa e outros cartéis? A legislação referente à
tributação das zonas de livre comércio e a legalidade dos exércitos
de dróides seria reexaminada? A aplicação mais rigorosa levaria à
secessão dos cartéis da República? E sistemas inteiros podem
acabar se juntando ao êxodo?
Com tanta atenção concentrada nas eleições, as histórias que, de
outra forma, poderiam ter sido vistas como significativas,
escaparam à atenção. Uma dessas histórias foi a morte inesperada
de

recluso Muun fi nancier Hego Damask. Apressadamente obituários


preparados continha os alguns fatos sobre sua vida que eram de
conhecimento público, mas quase não tocou no behind-o- papel
cenas que ele tinha jogado na formação da história da República.
Membros do Clã Bancário InterGalactic estavam se recusando a
divulgar qualquer informação sobre o funeral ou sobre a disposição
das participações substanciais de Damask em Muunilinst e em
dezenas de outros mundos. Segundo o registro, os seres
observaram que os meandros das preocupações comerciais do
Muun podem levar décadas para serem desvendados.

Com a Batalha de Naboo concluída - perdida , em sua opinião -,


Palpatine não teve tempo de se deliciar em adulação ou comemorar
sua vitória. Sua primeira ordem de trabalho, de fato seu primeiro
dever oficial, era viajar para seu mundo natal para parabenizar a
rainha Amidala e seus novos aliados, os Gungans, pela surpresa
surpresa.
Foi só quando chegou a Theed e soube da derrota de Darth Maul
nas mãos dos Jedi em uma estação geradora de energia que ele
entendeu em parte a razão da sensação de perda e profunda solidão
que experimentara após o assassinato de Plagueis. . Ele poderia ter
pressionado um dos outros Jedi que haviam chegado a Naboo em
busca de informações sobre como Maul havia conseguido matar um
mestre em luta de espadas apenas para ser superado por um menor,
mas ele não queria saber, e como resultado ser capaz de imaginar o
concurso. Ainda assim, foi um prazer para ele ficar entre Yoda, Mace
Windu e outros Mestres e ver o corpo de Qui-Gon Jinn reduzido a
cinzas, sabendo que os Jedi eram apenas a primeira vítima de uma
guerra que havia sido declarada, mas ainda não iniciada; aquele em
que dez mil Jedi seguiriam Qui-Gon até o túmulo ...
Que a morte de Plagueis e a derrota de Maul ocorreram em
relativa simultaneidade só poderia ter sido a vontade do lado
sombrio da Força, como era o fato de que, até aquele momento

enquanto ele pegava e treinava um novo aprendiz, Palpatine era


agora o único Sith Lord da galáxia.
A decepção também assistiu ao fato de que o exército dróide da
Federação do Comércio havia sido tão facilmente vencido por um
punhado de Naboo e um exército de primitivos. Mas Anakin
Skywalker era a questão maior. Ninguém poderia argumentar que
ele havia demonstrado uma coragem notável e habilidade da Força
em destruir o Navio de Controle Droid da Federação do Comércio.
Como Plagueis havia dito: Suas ações já começam a ecoar pelas
estrelas .

"O que é este lugar?" Dookan perguntou depois que Palpatine o


recebeu no edifício LiMerge.
“Uma antiga fábrica. Era de propriedade do Hego Damask, mas ele
me entregou antes de morrer.
A testa de Dookan enrugou. "Para qual propósito?"
"Ele achou que eu poderia ter alguma utilidade para dar início a
um plano de revitalização urbana".
De volta a Coruscant por pouco mais de um mês, Palpatine usava
uma capa com capuz fechada no pescoço por um fecho Sith,
ostensivamente como proteção contra a chuva cheia de ácido que
caía no The Works. Dookan estava vestido como civil, com calças
justas e uma capa inteligente.
O ex-Jedi considerava a enorme sala principal da fábrica. "Não há
guardas do Senado?"
"Eles estão dentro do alcance das comunicações, caso eu precise deles."
"Eu teria pensado que você pelo menos queria que eu visse seu
novo escritório", disse Dookan, escovando gotas de água do ombro.
"Então me lembrei do que você disse da última vez que
conversamos, sobre não sermos vistos juntos em público."
Palpatine acenou com negligência. “O escritório é temporário. Um
mais adequado para a posição já está nos estágios de
planejamento. ”

Lado a lado, eles começaram a andar pela sala. "Então você já os


fisgou", disse Dookan.

Palpatine fingiu um olhar de inocência. "De modo nenhum. O


Comitê de Apropriações me abordou com a idéia de construir uma
cúpula perto do prédio do Senado, que também servirá como uma
instalação de ancoragem. ”
"Você parece estar muito satisfeito com a ideia."
"Muito satisfeito."
Dookan parou para estudá-lo. "Sua natureza mais verdadeira
começa a se revelar, eu acho." Quando Palpatine não respondeu, ele
acrescentou: “A propósito, parabéns pela derrota de Naboo na
Federação do Comércio. Uma série estranha de eventos, você não
concorda?
Palpatine assentiu e retomou um ritmo medido. “Todos os
envolvidos - inclusive eu - subestimaram as habilidades de nossa
rainha. Dói-me saber que o Mestre Qui-Gon havia sido morto. Ele
parou momentaneamente. "Foi a morte dele que confirmou sua
decisão de deixar a Ordem?"
"Até certo ponto", disse Dookan, carrancudo. "Eu aprendi
recentemente que outro dos meus padawans - Komari Vosa - está
vivo."
"Espero que isso seja um consolo", começou Palpatine a dizer. "Não
é, como se diz estar liderando o Bando Gora." Dookan olhou para ele.
"Ela pode ser um perigo para a República,
Chanceler Supremo.
“Então obrigado pelo aviso. Como o Conselho reagiu à sua
partida?
"Nada bem. Eles exigiram mais explicações do que eu estava
disposto a fornecer.
"E mestre Sifo-Dyas?"
Dookan franziu a testa. “Ele sabia que minha partida era
simplesmente uma questão de tempo. Embora ele tenha dito algo
que achei bastante curioso. Ele disse que se eu tivesse alguma
intenção de instigar dissidência, ele estaria um passo à minha
frente. ”
Palpatine balançou a cabeça em confusão. "Você está planejando
instigar a dissidência?"
Dookan sorriu fracamente. "Minha primeira ordem de negócios é
recuperar meu título."

"Conde Dookan", disse Palpatine, avaliando o som. "De alguma


forma, combina com você melhor do que o mestre Dooku."
"Estou tentado a adotar um novo nome
completamente." "Um novo começo."
"Talvez eu deva fazer o que você fez."
"Como eu fiz?" Palpatine disse.
"Chame-me Dookan, como você se intitulou Palpatine."
"Entendo. Bem, que significado é transmitido por um nome, em
qualquer caso? Mais uma vez, ele parou por um longo momento. "Eu
entendo que Qui-Gon caiu em um sabre de luz."
A cabeça de Dookan se virou. O mesmo Sith que ele enfrentou em
Tatooine. O Conselho espera que Gunray possa lançar alguma luz
sobre o assunto assim que o julgamento estiver em andamento. ”
“Eu não colocaria muita fé nisso. O Conselho conhece alguma
coisa?
"Nem mesmo o nome Sith", disse Dookan. "Mas eles sabem que
há outro."
"Como eles poderiam?"
"Em teoria, quando os Sith se esconderam há mil anos, eles
juraram que deveria haver apenas dois deles em um dado
momento - um Mestre, um aprendiz, através das gerações."
"Foi quem matou Qui-Gon o aprendiz ou o mestre?"

Dookan olhou para ele enquanto caminhavam. “Todos os meus


instintos me dizem que ele era o aprendiz. Obi-Wan também
suspeita disso, com base no comportamento do Zabrak. O Conselho
está sendo mais cauteloso, mas naturalmente eles querem que o
outro seja encontrado. ” Ele ficou em silêncio e acrescentou: - Os
Sith se revelaram deliberadamente em Tatooine e Naboo. Mais do
que revelar sua aliança com a Federação do Comércio, ele fez isso
para enviar uma mensagem aos Jedi. Isso equivale a uma
declaração de guerra.

Palpatine parou em uma janela quebrada que dava para a


obra encharcada de chuva . “Como alguém
começa a saber onde procurar esse outro Sith? ”
"Eu não tenho certeza", disse Dookan, se aproximando dele.
“Várias crises da década passada têm a assinatura de uma
inteligência mais sinistra do que aquelas que planejaram e
perpetraram os eventos. Yinchorr, por exemplo; mas especialmente
Eriadu e o assassinato da liderança da Federação do Comércio.
Claramente, certos seres lidaram com os Sith - talvez sem perceber
- e alguns podem estar lidando com o sobrevivente atualmente.
Agora que não sou mais Jedi, pode haver uma maneira de extrair
informações dos cartéis do crime e de outras organizações.
Eventualmente eu o encontrarei - ou ela - e com qualquer fortuna
antes dos Jedi.
"Para vingar a morte do mestre Qui-Gon" , disse Palpatine,
assentindo, e ciente de que Dookan estava olhando para ele
atentamente.
"O pensamento me preocupou por algum tempo, mas não mais."

Palpatine virou a cabeça levemente. "Então por que procurar


este?"

“Porque suspeito que Naboo foi apenas o começo - uma espécie


de salva inicial. Os Sith querem ver a República derrubada. Assim
como você e eu.
Palpatine não respondeu por um longo momento. "Mas aliar-se a
um Sith ..."
“Para muitos, eles são a personificação do mal puro, mas o
Conselho sabe diferentemente. O que separa um Sith de um Jedi é a
maneira como cada um se aproxima da Força. A Ordem Jedi impôs
limites a si mesma, mas os Sith nunca evitaram incorporar o poder
do lado sombrio para alcançar seus objetivos. ”
"Você deseja aprender os segredos do lado
sombrio?" "Confesso que sim."
Palpatine reprimiu um impulso de revelar sua verdadeira
identidade. Dookan era forte na Força, e poderia estar simplesmente
tentando atraí-lo. Por outro lado …
"Algo me diz que esse Sith escondido pode finalmente encontrar o
seu caminho para você", disse ele finalmente. "E se e quando ele ou

ela faz, espero que a aliança que você forja nos ajude a restaurar a
ordem na galáxia.

Sate Pestage mostrou Obi-Wan Kenobi e seu jovem Padawan,


Anakin Skywalker, no escritório temporário de Palpatine no prédio do
Senado. Os dois Jedi usavam túnicas de cores claras , roupas
marrons e botas altas. Fac-símiles um do outro.
"Obrigado a ambos por aceitarem meu convite", disse Palpatine,
saindo de trás de uma ampla mesa polida para recebê-los. "Sente-
se, por favor, vocês dois", acrescentou, apontando para as cadeiras
que davam para a mesa e a grande janela atrás dela.
Anakin quase se sentou quando Obi-Wan o castigou com um
aceno de cabeça.
"Obrigado, chanceler supremo", disse o Jedi de barba curta , "mas
nós permaneceremos". Ele cruzou as mãos na frente dele e esperou
Anakin se juntar a ele antes de dizer: "Percebemos que seu tempo é
valioso."
De volta à poltrona, Palpatine sorriu receptivamente. "Não é muito
valioso gastar com duas das pessoas que salvaram a vida da minha
rainha e resgataram meu mundo natal das garras da Federação do
Comércio". Ele manteve os olhos em Obi- Wan. "Sinto muito pela
perda de Qui-Gon Jinn, mestre Obi- Wan."
Os Jedi assentiram em agradecimento e depois disseram:
"Apenas recentemente fui nomeado Cavaleiro Jedi, Chanceler
Supremo".
Palpatine adotou um olhar de surpresa. “E você já foi nomeado
aprendiz. Qui-Gon deve ter treinado você de maneira brilhante.
Mais uma vez, Obi-Wan assentiu. "Ele era um professor inspirado."
Palpatine apertou os lábios e balançou a cabeça. "Tal desperdício
de uma vida ... - ele olhou para Anakin. “Não tive a oportunidade de
agradecer a Naboo, jovem Skywalker. Suas ações foram nada
menos que extraordinárias. Que a Força seja sempre tão forte com
você.

"Obrigado, senhor", disse Anakin em voz baixa.


Palpatine interligou os dedos de suas mãos. - Disseram-me que
você cresceu em Tatooine. Eu visitei lá, há muitos anos.
Os olhos de Anakin se estreitaram por um breve momento. "Sim,
senhor, mas não devo falar sobre isso."
Palpatine observou-o olhar para Obi-Wan. "E por que isto?"
"Minha mãe"
"Anakin", Obi-Wan retrucou em reprimenda.
Palpatine reclinou-se um pouco, estudando os dois. Obi- Wan
parecia não ter notado a fúria fervendo no garoto, mas por um
instante Palpatine percebeu um toque de seu eu mais jovem em
Skywalker. A necessidade de desafiar a autoridade; o presente para
mascarar suas emoções. O poder ainda não reconhecido .
"Peço desculpas se mexi algo entre você", disse ele depois de um
momento.
Claramente desconfortável, Obi-Wan mudou de posição. “Os Jedi
são treinados para viver o momento, Chanceler Supremo. Nossas
criações têm pouco a ver com nossas vidas na Força. ”
Palpatine franziu a testa. "Fácil para uma criança, tenho certeza,
mas para um menino ..." Ele se interrompeu com um gesto
negligente. "Bem, quem sou eu para julgar os princípios de sua
ordem, quando os Jedi mantiverem a paz na República por mil
anos?"
Obi-Wan não disse nada de uma maneira definida.
"Mas diga-me, Padawan Skywalker, como é se tornar um membro
de um grupo tão reverenciado."
"É como um sonho tornado realidade, senhor", disse Anakin com
sinceridade genuína.
"Um sonho tornado realidade ... Então você pensa há muito tempo
na Ordem Jedi e na Força."
Anakin assentiu. “Eu sempre quis trazer justiça—” “Não é para
você decidir seu destino, Anakin,” Obi-Wan
disse. "A Força irá guiá-lo."

Palpatine sorriu interiormente. Guie você para mim, jovem


Skywalker .

Dookan tinha talento e poderia ser um poderoso substituto. Mas


esse garoto aparentemente de rosto agradável e culpado , esse
garoto forte , era o que ele tomava como aprendiz e usava para
executar o estágio final do Grande Plano. Deixe Obi-Wan instruí-lo
nos caminhos da Força, e deixe Skywalker crescer amargurado ao
longo da década seguinte, enquanto sua mãe envelhecia em
escravidão, a galáxia se deteriorava ao seu redor e seus
companheiros Jedi caíam em conflitos inextricáveis. Ele era jovem
demais para ser treinado nos caminhos dos Sith, de qualquer forma,
mas tinha a idade perfeita para se relacionar com uma figura
paterna que ouvia todos os seus problemas e o persuadia
inexoravelmente ao lado sombrio.

"Como eu disse a você sobre Naboo, Anakin", disse ele finalmente,


"continuaremos a seguir sua carreira com grande interesse".
E assegure-se de que culmina na ruína da Ordem Jedi e na
ascensão dos Sith!

Sobre o autor

J AMES L UCENO é o New York Times autor best-seller do Star


Wars romances Dark Lord: The Rise of Darth Vader, Cloak of
Deception , e Labyrinth of Evil , bem como as da Nova Ordem
Jedi romances agentes do caos I: Avaliação do herói e
Agents of Chaos II: Jedi Eclipse, A Força Unificadora e o
eBook Darth Maul: Saboteur . Ele mora em Annapolis,
Maryland, com sua esposa e filho mais novo.
POR JAMES LUCENO
A série ROBOTECH
(como Jack McKinney, com Brian Daley)

A série BLACK HOLE TRAVEL AGENCY


(como Jack McKinney, com Brian Daley)
Uma Simetria Temerosa
Alienígena ilegal
The Big Empty
Memórias de Kaduna
JOVENS INDIANA JONES CHRONICLES
O Mata Hari Air
A sombra
A Máscara do Zorro
Rio Passion
Rainchaser
Rock Bottom

Guerra nas Estrelas: Manto da Decepção


Guerra nas Estrelas: Darth Maul: Saboteur (eBook)
Star Wars: A Nova Ordem Jedi: Agents of Chaos I: Hero's
Tentativas
Star Wars: A Nova Ordem Jedi: Agents of Chaos II: Jedi
Eclipse
Guerra nas Estrelas: A Nova Ordem Jedi: A Força Unificadora
Guerra nas Estrelas: Labirinto do Mal
Guerra nas Estrelas: Lorde das Trevas - A Ascensão de Darth Vader
Guerra nas Estrelas: Millenium Falcon
Guerra nas Estrelas: Darth Plagueis

STAR WARS - O Universo Expandido

Você viu os filmes. Você assistiu à série de desenhos animados ou


talvez jogou alguns dos videogames. Mas você sabia ... No Império
Contra-Ataca , a Princesa Leia Organa disse a Han Solo: "Eu te amo".
Han disse: "Eu sei". Mas você sabia que eles realmente se casaram?
E teve três filhos Jedi:
os gêmeos Jacen e Jaina e um filho mais novo, Anakin?
Luke Skywalker foi treinado como Jedi por Obi-Wan Kenobi e
Yoda. Mas você sabia que, anos depois, ele ressuscitou a Ordem
Jedi e seu compromisso de defender a galáxia do mal e da
injustiça?
Obi-Wan disse a Luke: “Por mais de mil gerações, os Cavaleiros
Jedi foram os guardiões da paz e da justiça na República Velha.
Antes dos tempos sombrios. Antes do Império. Você sabia que ao
longo desses milênios, os lendários Jedi e os infames Sith Lords
estavam adicionando seus nomes aos anais da história da
República?
Yoda explicou que os temidos Sith tendem a aparecer em dois:
“Sempre dois, existem. Nem mais nem menos. Um mestre e um
aprendiz. Mas você sabia que os Sith nem sempre existiam em
pares? Que em certa época na antiga República havia tantos Sith
quanto Jedi, até que um Lorde Sith chamado Darth Bane foi o único
sobrevivente de uma grande guerra Sith e criou a “Regra dos Dois”?
Tudo isso e muito, muito mais, ganha vida nos muitos romances e
quadrinhos do universo expandido de Guerra nas Estrelas . Você já
viu os filmes e assistiu o desenho animado. Agora aventure-se nos
mundos mais amplos de Guerra nas Estrelas!
Vire a página ou pule para a linha do tempo dos romances de
Guerra nas Estrelas para saber mais.
11

D Essel estava perdido no sofrimento de seu trabalho, quase sem


perceber o que estava ao redor. Seus braços doíam com as batidas
intermináveis do macaco hidráulico. Pequenos pedaços de pedra
saltaram da parede da caverna enquanto ele penetrava,
ricocheteando em seus óculos de proteção e picando seu rosto e
mãos expostos. Nuvens de poeira atomizada enchiam o ar,
obscurecendo sua visão, e o gemido estridente do macaco enchia a
caverna, abafando todos os outros sons, enquanto escavava
centímetro, agonizando centímetro na veia espessa de cortose
tecida na rocha à sua frente.
Impermeável ao calor e à energia, a cortose foi valorizada na
construção de armaduras e blindagens por interesses comerciais e
militares, especialmente com a galáxia em guerra. Altamente
resistentes a raios blaster, as ligas de cortose supostamente
poderiam suportar até a lâmina de um sabre de luz. Infelizmente, as
próprias propriedades que o tornaram tão valioso também o
tornaram extremamente difícil para os meus. Tochas de plasma
eram praticamente inúteis; levaria dias para queimar até uma
pequena parte da rocha atada à cortose . A única maneira eficaz de
extrair isso era através da força bruta dos macacos hidráulicos
batendo incansavelmente na veia, lascando a cortose pouco a
pouco.

A cortose foi um dos materiais mais difíceis da galáxia. A força


das pancadas rapidamente se desgastou pela cabeça de um
macaco, embotando-o até que se tornou quase inútil. A poeira
entupiu os pistões hidráulicos, tornando-os atolados. A cortose da
mineração era difícil para o equipamento ... e ainda mais difícil para
os mineiros.

Des estava martelando por quase seis horas padrão. O macaco


pesava mais de trinta quilos, e a pressão de mantê-lo elevado e
pressionado contra a face da rocha estava cobrando seu preço.
Seus braços tremiam de tanto esforço. Seus pulmões estavam
ofegando por ar e sufocando nas nuvens de poeira mineral fina
lançada da cabeça do macaco. Até seus dentes doíam: a vibração
estridente parecia como se os estivesse soltando de suas gengivas.
Mas os mineiros de Apatros foram pagos com base na
quantidade de cortose que eles trouxeram de volta. Se ele desistisse
agora, outro mineiro entraria em ação e começaria a trabalhar na
veia, participando dos lucros. Des não gostou de compartilhar.
O lamento do motor do macaco tomou um tom mais alto,
tornando-se um lamento agudo que Des estava familiarizado
demais. A vinte mil rpm, o motor aspirava poeira como uma banta
sedenta, sugando água após uma longa travessia no deserto. A
única maneira de combatê-lo era pela limpeza e manutenção
regulares, e a Outer Rim Oreworks Company preferia comprar
equipamentos baratos e substituí-los, em vez de depositar créditos
em manutenção. Des sabia exatamente o que ia acontecer a
seguir - e um segundo depois, aconteceu. O motor soprou.

O sistema hidráulico foi apreendido com uma crise horrível e uma


nuvem de fumaça preta cuspiu na parte traseira do macaco.
Amaldiçoando a ORO e suas políticas corporativas, Des soltou o
dedo do gatilho e jogou o equipamento gasto no chão.
"Afaste-se, garoto", disse uma voz.
Gerd, um dos outros mineiros, se aproximou e tentou afastar Des
do caminho para que ele pudesse trabalhar a veia com seu próprio
macaco. Gerd trabalha nas minas há quase vinte anos padrão, e isso
transformou seu corpo em uma massa de músculo duro e atado.
Mas Des trabalhava nas minas há dez anos, desde que era
adolescente, e era tão sólido quanto o homem mais velho - e um
pouco maior. Ele não se mexeu.

"Eu não terminei aqui", disse ele. Jack morreu, só isso. Me dê a


sua e eu continuarei por um tempo.
“Você conhece as regras, garoto. Você para de trabalhar e outra
pessoa pode se mudar.
Tecnicamente, Gerd estava certo. Mas ninguém nunca pulou a
reclamação de outro mineiro por causa de um defeito no
equipamento. A menos que ele estivesse tentando escolher uma
briga.
Des deu uma olhada rápida ao redor. A câmara estava vazia,
exceto pelos dois, afastados a menos de meio metro. Não é uma
surpresa; Geralmente, as cavernas eram escolhidas longe da rede
principal de túneis. Tinha que ser mais do que mera coincidência
que Gerd estivesse aqui.
Des conhecia Gerd desde que ele conseguia se lembrar. O homem
de meia idade era amigo de Hurst, pai de Des. Na época em que
começou a trabalhar nas minas aos treze anos, ele havia sofrido
muitos abusos dos mineiros maiores. Seu pai havia sido o pior
atormentador, mas Gerd fora um dos principais instigadores,
distribuindo mais do que seu quinhão de provocações, insultos e o
ocasional toque na orelha.
Seus assédios terminaram logo depois que o pai de Des morreu
de um ataque cardíaco maciço. Não foi porque os mineiros sentiram
pena do jovem órfão. Quando Hurst morreu, o adolescente alto e
magro que adorava intimidar havia se tornado uma montanha de
músculos com mãos pesadas e temperamento feroz. A mineração
era uma tarefa difícil; era a coisa mais próxima do trabalho forçado
fora de uma colônia de prisão da República. Quem quer que
trabalhasse nas minas de Apatros ficou grande - e Des se tornou o
maior de todos. Meia dúzia de olhos negros, incontáveis narizes
sangrentos e um maxilar quebrado no espaço de um mês foi o
suficiente para os velhos amigos de Hurst decidirem que ficariam
mais felizes se deixassem Des sozinho.

No entanto, era quase como se o culpassem pela morte de Hurst,


e a cada poucos meses um deles tentava novamente. Gerd sempre
fora esperto o suficiente para manter distância - até agora.
- Não vejo nenhum de seus amigos aqui com você, velho - disse
Des. "Então, de volta à minha reivindicação, e ninguém se machuca."
Gerd cuspiu no chão aos pés de Des. - Você nem sabe que dia é
hoje, garoto? Desgraça é o que você é!

Eles estavam perto o suficiente um do outro para que Des


pudesse sentir o cheiro do uísque azedo Corellian no hálito de Gerd.
O homem estava bêbado. Bêbado o suficiente para vir à procura de
uma luta, mas ainda sóbrio o suficiente para se defender.
- Cinco anos atrás hoje - disse Gerd, balançando a cabeça
tristemente. "Cinco anos atrás, hoje, seu próprio pai morreu e você
nem se lembra!"
Des raramente sequer pensava mais em seu pai. Ele não se
arrependeu de vê-lo partir. Suas primeiras lembranças eram do pai
batendo nele. Ele nem se lembrava do motivo; Hurst raramente
precisava de um.
"Não posso dizer que sinto falta de Hurst da mesma maneira que
você, Gerd." "Hurst?" Gerd bufou. “Ele criou você sozinho depois de
sua
mamãe morreu, e você nem tem o respeito de chamá-lo de pai ? Seu
ingrato filho-de-um-Kath-hound!
Des olhou ameaçadoramente para Gerd, mas o homem mais
baixo era muito cheio de bebida e auto-justos indignação a ser
intimidados.
"Deveria esperar isso de um filhote de muleta como você",
continuou Gerd. “Hurst sempre dizia que você não era bom. Ele
sabia que havia algo errado com você ... Bane.
Des estreitou os olhos, mas não subiu à isca. Hurst o chamava
por esse nome quando estava bêbado. Bane . Ele culpou seu filho
pela morte de sua esposa. Culpava-o por estar preso em Apatros.
Ele considerava que seu único filho era a desgraça de sua existência,
um fato que ele tendia a cuspir em Des em sua raiva bêbada.

Bane . Representava tudo de maldoso, mesquinho e maldoso em


seu pai. Atingiu os medos mais íntimos de todas as crianças: medo
de decepção, medo de abandono, medo de violência. Quando
criança, esse nome havia machucado mais do que todos os cheiros
dos pesadelos de seu pai. Mas Des não era mais uma criança. Com
o tempo, ele aprendeu a ignorá-lo, junto com todos

o resto da bile odiosa que derramava da boca de seu pai.

"Eu não tenho tempo para isso", ele murmurou. "Eu tenho trabalho
a fazer."

Com uma mão, ele pegou o macaco hidráulico das mãos de Gerd.
Ele colocou a outra mão no ombro de Gerd e o empurrou para longe.
Tropeçando para trás, o homem embriagado pegou o calcanhar em
uma pedra e caiu bruscamente no chão.
Ele levantou-se com um rosnado, as mãos se fechando. - Acho
que seu pai se foi há muito tempo, garoto. Você precisa de alguém
para repassar o sentido de volta para você!
Gerd estava bêbado, mas ele não era bobo, Des percebeu. Des era
maior, mais forte, mais jovem ... mas ele passou as últimas seis
horas trabalhando em um macaco hidráulico. Ele estava coberto de
sujeira e o suor escorria de seu rosto. A camisa dele estava
ensopada. O uniforme de Gerd, por outro lado, ainda estava
relativamente limpo: sem poeira, sem manchas de suor. Ele deve ter
planejado isso o dia todo, relaxando e sentando enquanto Des se
cansava.
Mas Des não estava disposto a desistir de uma luta. Jogando o
macaco de Gerd no chão, ele se agachou, com os pés largos e os
braços estendidos na frente dele.
Gerd avançou, balançando o pé direito em um golpe violento. Des
estendeu a mão e pegou o soco com a palma da mão esquerda,
absorvendo a força do golpe. Sua mão direita se adiantou e agarrou
a parte inferior do pulso direito de Gerd; Quando ele puxou o homem
mais velho para a frente, Des se abaixou e se virou, enfiando o
ombro no peito de Gerd. Usando o próprio impulso de seu oponente
contra ele, Des se endireitou e puxou com força o pulso de Gerd,
lançando-o para cima e para cima, de modo que ele caiu no chão de
costas.

A luta deveria ter terminado naquele momento; Des teve uma


fração de segundo em que ele poderia ter deixado o joelho cair
sobre o oponente, soltando a respiração dos pulmões e prendendo-o
no chão enquanto golpeava Gerd com os punhos. Mas isso

não aconteceu. Suas costas, exaustos depois de horas de levantar o


macaco de trinta quilos , explodiram.
A dor era angustiante; instintivamente, Des se endireitou,
segurando os músculos lombares atados. Isso deu a Gerd a chance
de sair do caminho e se levantar.
De alguma forma, Des conseguiu cair em seu agachado briga de
novo. Suas costas uivavam em protesto, e ele fez uma careta
quando adagas em brasa de dor atravessaram seu corpo. Gerd viu a
careta e riu.
“Cólicas lá em cima, garoto? Você deveria saber que não deveria
tentar lutar depois de um turno de seis horas nas minas.
Gerd avançou novamente. Dessa vez, suas mãos não eram
certezas, mas garras agarrando e agarrando qualquer coisa que
pudessem encontrar, tentando anular a altura e o alcance do jovem,
chegando perto. Des tentou sair do caminho, mas suas pernas
estavam muito duras e doloridas para deixá-lo claro. Uma mão
agarrou sua camisa, a outra segurou o cinto enquanto Gerd puxava
os dois para o chão.

Eles lutaram juntos, lutando contra a pedra dura e irregular do


chão da caverna. Gerd tinha o rosto enterrado no peito de Dessel
para protegê-lo, impedindo Des de pousar um cotovelo sólido ou
cabeça. Ele ainda segurava o cinto de Des, mas agora a outra mão
estava livre e perfurando cegamente até onde ele imaginou que o
rosto de Des estaria. Des foi forçado a envolver seus braços nos
arredores de Gerd, entrelaçando-os para que nenhum homem
pudesse dar um soco.

Com os membros presos, estratégia e técnica significavam


pouco. A luta havia se tornado um teste de força e resistência, com
os dois combatentes lentamente se desgastando. Dessel tentou
rolar Gerd de costas, mas seu corpo cansado o traiu. Seus membros
eram pesados e macios; ele não conseguiu a alavancagem de que
precisava. Em vez disso, foi Gerd quem conseguiu girar e girar,
soltando uma das mãos, enquanto ainda mantinha o rosto
pressionado contra o peito de Des, para que não fosse exposto.

Des não teve tanta sorte ... seu rosto estava aberto e vulnerável.
Gerd deu um golpe com a mão livre, mas não bateu com um golpe
fechado. Em vez disso, ele enfiou o polegar com força na bochecha
de Des, a apenas alguns centímetros de seu verdadeiro alvo. Ele
golpeou novamente com o polegar, procurando arrancar um dos
olhos do oponente e deixá-lo cego e se contorcendo de dor.
Des levou um segundo para perceber o que estava acontecendo;
sua mente cansada tornou-se tão lenta e desajeitada quanto seu
corpo. Ele desviou o rosto assim que o segundo golpe aterrissou, o
polegar pressionando dolorosamente a cartilagem da orelha
superior.
A raiva sombria explodiu dentro de Des: uma explosão de paixão
ardente que consumiu a exaustão e a fadiga. De repente, sua mente
ficou clara e seu corpo se sentiu forte e rejuvenescido. Ele sabia o
que ia fazer a seguir. Mais importante, ele sabia com absoluta
certeza o que Gerd faria a seguir também.
Ele não conseguia explicar como sabia; Às vezes, ele podia
antecipar o próximo passo de um oponente. Instinto, alguns podem
ter dito. Des sentiu que era algo mais. Era muito detalhado - muito
específico - para ser simples instinto. Era mais uma visão, um breve
vislumbre do futuro. E sempre que acontecia, Des sempre sabia o
que fazer, como se algo estivesse guiando e direcionando suas
ações.

Quando o próximo golpe veio, Des estava mais do que pronto para
isso. Ele podia imaginar perfeitamente isso em sua mente. Ele sabia
exatamente quando estava chegando e precisamente onde iria
atacar. Dessa vez, ele virou a cabeça na direção oposta, expondo o
rosto ao golpe recebido e abrindo a boca. Ele mordeu com força, seu
timing perfeito, e seus dentes afundaram profundamente na carne
suja do polegar sondador de Gerd.
Gerd gritou quando Des fechou a mandíbula, cortando os tendões
e atingindo os ossos. Ele se perguntou se poderia morder a boca e
então - como se o próprio pensamento fizesse isso acontecer - ele
cortou o polegar de Gerd.
Os gritos se tornaram berros quando Gerd soltou seu aperto e
rolou para longe, apertando sua mão mutilada com toda a sua força.

1. Sangue vermelho brotou através dos dedos, tentando estancar o


fluxo do toco.
Levantando-se devagar, Des cuspiu o polegar no chão. O gosto de
sangue estava quente em sua boca. Seu corpo parecia forte e
reenergizado, como se um grande poder surgisse em suas veias.
Toda a luta fora tirada de seu oponente; Des poderia fazer o que
quisesse com Gerd agora.
O homem mais velho rolou de um lado para o outro no chão, com
a mão agarrada ao peito. Ele estava gemendo e chorando,
implorando piedade, implorando por ajuda.
Des balançou a cabeça em desgosto; Gerd trouxe isso consigo
mesmo. Tudo começou como uma luta simples. O perdedor teria
acabado com um olho roxo e algumas contusões, mas nada mais.
Então o homem mais velho levou as coisas para outro nível,
tentando cegá-lo, e ele respondeu da mesma forma. Des aprendera
há muito tempo a não escalar uma briga, a menos que estivesse
disposto a pagar o preço da perda. Agora, Gerd havia aprendido
essa lição também.
Des tinha temperamento, mas ele não era do tipo que fica batendo
em um oponente indefeso. Sem olhar para o inimigo derrotado, ele
deixou a caverna e voltou ao túnel para contar a um dos capatazes o
que havia acontecido, para que alguém pudesse cuidar do ferimento
de Gerd.

Ele não estava preocupado com as consequências. Os médicos


poderiam recolocar o polegar de Gerd, então, na pior, Des seria
fixado em um dia ou dois salários. A empresa realmente não se
importava com o que seus funcionários faziam, desde que
voltassem a minar a cortose. As brigas eram comuns entre os
mineiros, e a ORO quase sempre fazia vista grossa, embora essa
luta em particular tivesse sido mais cruel do que a
maioria - selvagem e curta, com um fim brutal.
Assim como a vida em Apatros.

S itting na parte de trás do Land Cruiser usado para mineiros de


transporte entre única colônia de Apatros e as minas, Des sentia
exausto. Tudo o que ele queria era voltar para o beliche no quartel e
dormir. A adrenalina se esvaiu dele, deixando-o hiperconsciente da
rigidez e dor de seu corpo. Ele afundou em seu assento e olhou ao
redor do interior do cruzador.

Normalmente, haveria outros vinte mineiros amontoados no


acelerador com ele, mas este estava vazio, exceto ele e o piloto.
Depois da luta com Gerd, o capataz suspendeu Des sem pagamento,
imediatamente, e ordenou que o transporte o levasse de volta à
colônia.
"Esse tipo de coisa está ficando velha, Des", o capataz dissera
com uma careta. “Temos que fazer um exemplo de você dessa vez.
Você não pode trabalhar nas minas até Gerd ser curado e voltar ao
trabalho.

O que ele realmente quis dizer foi: Você não pode ganhar créditos
até Gerd voltar . Ele ainda receberia pensão e pensão, é claro. Todos
os dias que ele ficava sentado, sem fazer nada, entrava em sua
conta, aumentando a dívida que ele estava trabalhando tão
desesperadamente para pagar.

Definiu que levaria quatro ou cinco dias até Gerd poder manipular
um macaco hidráulico novamente. O médico no local havia
recolocado o polegar cortado usando um vibroscalpel e uma
síntese. Alguns dias de injeções de kolto e alguns remédios baratos
para aliviar a dor, e Gerd estaria de volta. A terapia com bacta pode
levá-lo de volta em um dia; mas bacta era

caro, e a ORO não aceitaria a menos que Gerd tivesse seguro de


mineiro ... o que Des duvidava.
A maioria das mineradoras nunca se preocupou com o programa
de seguro patrocinado pela empresa . Era caro, por um lado. Com
espaço, alimentação e taxas cobrindo o custo do transporte de e
para as minas, a maioria achou que pagou à ORO mais do que o
salário suado, sem adicionar prêmios de seguro à pilha.

Não foi apenas o custo, no entanto. Era quase como se os


homens e mulheres que trabalhavam nas minas de cortose
estivessem em negação, recusando-se a admitir os perigos e
perigos potenciais que encontravam todos os dias. Obter seguro os
forçaria a dar uma olhada nos fatos frios e difíceis.
Poucos mineiros chegaram aos anos dourados. Os túneis
reivindicavam muitos, enterrando corpos em desmoronamentos ou
incinerando-os quando alguém batia no bolso de gases explosivos
presos na rocha. Mesmo aqueles que saíram das minas tenderam a
não sobreviver por muito tempo até a aposentadoria. As minas
cobraram seu preço. Homens de sessenta anos ficaram com corpos
que pareciam ter noventa anos, conchas quebradas desgastadas
por décadas de trabalho físico duro e exposição a contaminantes
aéreos que deslizavam pelos filtros ORO abaixo do padrão.
Quando o pai de Des morreu - sem seguro, é claro - tudo o que
Des teve com isso foi o privilégio de assumir a dívida acumulada de
seu pai. Hurst passara mais tempo bebendo e jogando do que
minerando. Para pagar por seu quarto e diretoria mensais, muitas
vezes tinha que pedir emprestado créditos da ORO a uma taxa de
juros que seria criminosa em qualquer lugar, exceto na Orla Exterior.
A dívida continuava se acumulando, mês a mês e ano a ano, mas
Hurst não parecia se importar. Ele era pai solteiro e com um filho de
quem se ressentia, preso em um emprego brutal que desprezava; ele
havia desistido de qualquer esperança de escapar de Apatros muito
antes do ataque cardíaco o reivindicar.
A desova de Hutt provavelmente ficaria feliz em saber que seu
filho havia ficado preso com sua conta.

O transporte acelerou acima das rochas áridas das planícies do


pequeno planeta sem som, exceto o zumbido interminável dos
motores. Os resíduos inexpressivos voam em um borrão, até que a
vista pela janela não passava de uma cortina de cinza sem forma. O
efeito era hipnótico: Des podia sentir sua mente e corpo cansados
ansiosos por adormecer profundamente e sem sonhos.
Foi assim que eles te pegaram. Trabalhe você até a exaustão,
entorpecer seus sentidos, entorpecer sua vontade ... até que você
aceite seu lote e desperdice toda a sua vida na areia e na sujeira das
minas de cortose. Tudo no serviço incansável da Outer Rim
Oreworks Company. Foi uma armadilha surpreendentemente eficaz;
funcionou em homens como Gerd e Hurst. Mas não ia funcionar
com Des.
Mesmo com a dívida esmagadora de seu pai, Des sabia que ele
iria pagar uma ORO algum dia e deixar essa vida para trás. Ele
estava destinado a algo maior do que essa existência pequena e
insignificante. Ele sabia disso com absoluta certeza, e foi esse
conhecimento que lhe deu força para continuar diante da rotina
implacável e às vezes sem esperança. Isso lhe deu forças para lutar,
mesmo quando parte dele tinha vontade de desistir.
Ele foi suspenso, incapaz de trabalhar nas minas, mas havia
outras maneiras de ganhar créditos. Com um grande esforço, ele se
forçou a se levantar. O chão balançava sob seus pés enquanto o
acelerador fazia ajustes constantes para manter a altitude
programada de cruzeiro de meio metro acima do nível do solo.
Demorou um segundo para se acostumar com o ritmo do transporte,
depois meio caminhou, meio cambaleou pelo corredor entre os
assentos para o piloto na frente. Ele não reconheceu o homem, mas
todos tendiam a ter a mesma aparência: feições sombrias e sem
sorriso, olhos sem brilho e sempre com uma expressão como se
estivessem à beira de uma dor de cabeça ofuscante.

"Ei", disse Des, tentando parecer indiferente, "alguma nave entra


no espaçoporto hoje?"
Não havia razão para o piloto manter sua atenção fixa no caminho
a seguir. A viagem de quarenta minutos entre o
minas e a colônia era uma linha reta através de uma planície vazia;
alguns dos pilotos até roubaram cochilos ao longo da rota. No
entanto, este se recusou a se virar e olhar para Des enquanto ele
respondia.
"O navio de carga pousou algumas horas atrás", disse ele com
uma voz entediada. "Militares. Navio de carga da República.
Des sorriu. "Eles ficam por um tempo?"
O piloto não respondeu; ele apenas bufou e balançou a cabeça
com a estupidez da pergunta. Des assentiu e tropeçou de volta em
direção a seu assento na parte traseira do transporte. Ele sabia a
resposta também.
A cortose era usada nos cascos de tudo, desde os caças aos
navios capitais, além de ser tecida na armadura das tropas. E, à
medida que a guerra contra os Sith se arrastava, a necessidade de
cortose da República continuava aumentando. A cada poucas
semanas, um cargueiro da República pousava em Apatros. No dia
seguinte, partiria novamente, com os compartimentos de carga
cheios do valioso mineral. Até então, a tripulação - oficiais e
soldados alistados - não teria nada a fazer senão esperar. Por
experiência anterior, Des sabia que sempre que os soldados da
República tinham algumas horas para matar eles gostavam de jogar
cartas. E onde quer que as pessoas jogassem cartas, havia dinheiro
a ser ganho.
Abaixando-se no banco de trás do acelerador, Des decidiu que
talvez não estivesse pronto para bater no beliche, afinal.
Quando o transporte parou nas bordas da colônia, o corpo de Des
estava formigando de antecipação. Ele saltou e caminhou em
direção a seu quartel em um ritmo calmo, lutando contra sua própria
ansiedade e vontade de correr. Mesmo agora, ele imaginou, os
soldados da República e seus créditos estariam sentados nas
mesas de jogo da única cantina da colônia.
Ainda assim, não havia sentido em correr até lá. Era fim de tarde,
o sol estava começando a descer além do horizonte para o norte. A
essa altura, a maioria dos mineiros do turno da noite já estava
acordada. Muitos deles já estariam na cantina, demorando um
pouco até que precisassem fazer a viagem para as minas para
iniciar seu turno. Para o próximo

duas horas, Des sabia que teria sorte em encontrar um lugar para
sentar na cantina, sem se importar em encontrar um assento vazio
em uma mesa de pazaak ou sabacc. Enquanto isso, passariam mais
algumas horas antes que os homens que trabalhavam no turno do
dia subissem nos transportes que esperavam para voltar para suas
casas; ele chegaria à cantina muito antes de qualquer um deles.
De volta ao quartel, tirou o macacão manchado de sujeira e subiu
nos chuveiros comunitários desertos, limpando o suor e a fina
poeira de rocha de seu corpo. Depois, vestiu roupas limpas e
caminhou pela rua, caminhando lentamente em direção à cantina do
outro lado da cidade.
A cantina não tinha nome; não precisava de um. Ninguém nunca
teve problemas para encontrá-lo. Apatros era um mundo pequeno,
pouco mais que uma lua, com uma atmosfera e algumas plantas
nativas. Havia poucos lugares preciosos para ir: as minas, a colônia
ou os resíduos estéreis no meio. As minas eram um enorme
complexo que englobava as cavernas e túneis escavados pela ORO,
bem como as áreas de refino e processamento das operações da
ORO.

Os espaçoporto também estavam localizados lá. Os cargueiros


partiam diariamente com remessas de cortose com destino a um
mundo mais rico, mais perto de Coruscant e do Núcleo Galáctico, e
os navios que chegavam trazendo equipamentos e suprimentos
para manter as minas funcionando chegavam todos os dias. Os
funcionários que não eram fortes o suficiente para minar a cortose
trabalhavam nas instalações de refino ou no espaçoporto. O salário
não era tão bom, mas eles tendiam a viver mais.
Mas não importa onde as pessoas trabalhem, todas elas voltam
para o mesmo lugar no final de seus turnos. A colônia não passava
de uma cidade em ruínas de quartéis temporários reunidos pela
ORO para abrigar as poucas centenas de trabalhadores que
esperavam manter as minas funcionando. Como o próprio mundo, a
colônia era oficialmente conhecida como Apatros. Para aqueles que
moravam lá, era mais comumente referido como "as cabanas". Cada
prédio tinha a mesma tonalidade de durasteel cinza sujo,

o exterior resistiu e desgastado. O interior dos edifícios era


virtualmente idêntico, quartel temporário de trabalhadores que se
tornara permanente demais. Cada estrutura abrigava quatro
pequenas salas privativas destinadas a duas pessoas, mas muitas
vezes abrigavam três ou mais. Às vezes, famílias inteiras dividiam
um desses quartos, a menos que encontrassem os créditos pelos
aluguéis ultrajantes que o ORO cobrava por mais espaço. Cada
quarto tinha beliches embutidos nas paredes e uma única porta que
dava para um corredor estreito; uma casa de banho e chuveiro
comuns estavam localizados no final. As portas tendem a ranger no
fi tting mal- dobradiças que nunca foram tendiam a; os telhados
eram uma colcha de retalhos de fixações rápidas para selar os
vazamentos que inevitavelmente surgiam sempre que chovia.
Janelas quebradas foram coladas contra o vento e o frio, mas nunca
foram substituídas. Uma fina camada de poeira se acumulava sobre
tudo, mas poucos morador