Você está na página 1de 155

AULA 1

ECONOMIA II

Oferta e Demanda: Princípios Básicos


Plano de Aula
• Estrutura do curso
• Conceitos básicos
• Curva de oferta
• Curva de demanda
• Equilíbrio de mercado
Micro e Macro
• Microeconomia
Estudo das unidades econômicas individuais e
dos mercados formados por essas unidades

• Macroeconomia
Estudo das variáveis econômicas agregadas e
seus efeitos sobre o sistema econômico
Estrutura do Curso
• Oferta, demanda e elasticidades
• Teoria do consumidor
• Produção e custos
• Estruturas de mercado
• Estratégias competitivas
• Falhas de mercado e papel do governo
Conceitos Básicos

• Trade-offs / Escolhas

• Preços

• Mercados
Determinantes: oferta e demanda

• Demanda: preço, renda, preço de outros


produtos, preferências, expectativas e etc.

• Oferta: preço, preço de insumos, tecnologia,


disponibilidade de recursos, expectativas e etc.
Curva de Oferta
• Relaciona as quantidades
que os produtores desejam
vender de um bem e o
preço desse bem

• Curva ascendente
Curva de Demanda
• Relaciona as quantidades
que os consumidores
desejam adquirir de um
bem e o preço desse bem

• Curva descendente
Equilíbrio de Mercado
• Preço de equilíbrio

• Mecanismo de mercado

• Excesso de oferta e
de demanda
Síntese
• Microeconomia
• Escolhas, preços e mercados
• Curvas de oferta e de demanda
• Mecanismo de mercado e tendência ao equilíbrio
AULA 2
ECONOMIA II

Elasticidades
Plano de Aula
• Conceito de elasticidade

• Tipos de elasticidade

• Cálculo das elasticidades

• Tipos de bens
Conceito de Elasticidade
• Mede a variação percentual que ocorrerá em uma
variável como reação a uma variação percentual
em outra variável (medida de “sensibilidade”)

• Quanto vai aumentar ou cair a oferta ou a


demanda de determinado bem ou serviço, dada
uma variação nos preços ou na renda?
Tipos de Elasticidade

• Elasticidade de preço da demanda


• Elasticidade de renda da demanda
• Elasticidade preço cruzada da demanda
• Elasticidade de preço da oferta
• Outras elasticidades da oferta
Elasticidade de Preço da Demanda
• Variação percentual na quantidade demandada
de um bem, dada uma variação percentual no seu
preço

• É geralmente um número negativo: aumento do


preço deve levar a uma redução da quantidade
demandada (bens comuns)
Elasticidade de Preço da Demanda
• Magnitude da elasticidade
• Interpretação sobre a demanda
𝐄𝐩 Interpretação sobre a demanda
(em relação ao preço)
∞ Perfeitamente elástica
De 1 a ∞ Elástica
1 Elasticidade unitária
De 0 a 1 Inelástica
0 Perfeitamente inelástica
Demanda Elástica e Inelástica
Demanda Demanda
infinitamente completamente
elástica inelástica
Outras Elasticidades da Demanda
• Elasticidade de renda da demanda: variação
percentual na quantidade demandada de um bem,
dada uma variação percentual na renda
Outras Elasticidades da Demanda
• Elasticidade preço cruzada da demanda: variação
percentual na quantidade demandada de um bem,
dada uma variação percentual no preço de outro
bem
Elasticidades da Oferta
• Elasticidade de preço da oferta:
• Variação percentual na quantidade ofertada de um bem,
dada uma variação percentual no seu preço
• É normalmente um número positivo: preço mais alto
tende a incentivar os produtores a aumentar a produção
• Outras elasticidades da oferta:
• P. ex. em relação a insumos para gerar determinado bem
• Em geral, as elasticidades da oferta são negativas em
relação aos preços dos insumos
Tipos de Bens
Bens comuns 𝐸 0
Bens de Giffen 𝐸 0
Bens substitutos 𝐸 0
Bens complementares 𝐸 0
Bens independentes 𝐸 0
Bens normais 𝐸 0
Bens essenciais 0 𝐸 1
Bens de luxo 𝐸 1
Bens inferiores 𝐸 0
Bens neutros 𝐸 0
Tipos de Bens
• Curva de Engel: relaciona a quantidade consumida
de um bem à renda
Síntese
• Elasticidades medem o grau de reação da oferta e
da demanda às variações de preço, renda ou outras
variáveis
• Auxiliam na avaliação do comportamento da
demanda e da oferta
• Há vários tipos de elasticidade
• Destaque para as elasticidades de preço, renda e
preço cruzada da demanda
• Classificação de diversos tipos de bens
AULA 3
ECONOMIA II

Teoria do Consumidor I: Aspectos da


Demanda
Plano de Aula
• Como um consumidor com renda limitada decide
que bens e serviços adquirir?

• Preferências

• Restrições orçamentárias

• Escolhas
Preferências
• Satisfação
• Cestas de mercado
• Curvas de indiferença (CI):
representam todas as
combinações de cestas
de mercado que fornecem
o mesmo nível de satisfação
a um consumidor
Preferências
∆𝑉
• Taxa marginal de substituição (TMS): 𝑇𝑀𝑆
∆𝐴
- quantidade máxima de um
bem que um consumidor
estaria disposto a deixar
de consumir para obter
uma unidade adicional de
um outro bem, mantendo
o mesmo nível de satisfação
- é decrescente (CI convexa)
Preferências
• Exemplo:
Preferências
• Utilidade:
valor numérico que
representa a satisfação
que o consumidor obtém
com dada cesta de mercado
• Função de utilidade:
relação matemática que
associa níveis de utilidade
a cestas de mercado individuais – ex.: 𝑈 𝐴, 𝑉 𝐴. 𝑉
Restrições orçamentárias
• Renda é limitada
• Linha orçamentária:
indica todas as combinações
de bens para as quais o total
de dinheiro gasto seja igual à
renda disponível
𝑃 .𝐴 𝑃 .𝑉 𝐼
𝐼 𝑃 
𝑉 𝐴
𝑃 𝑃
Restrições orçamentárias
Modificações na renda Modificações nos preços

Poder aquisitivo:
E se ambos os preços se alterassem na mesma proporção?
E se preços e renda se alterassem da mesma forma?
Escolhas
• Escolha racional:
consumidores buscam
maximizar o grau de
satisfação que poderão obter,
considerando o orçamento
limitado de que dispõem
∆𝑉 𝑃 
𝑇𝑀𝑆
∆𝐴 𝑃
• Vamos abstrair de consumo futuro, crédito e qualquer incerteza: na
prática, os agentes formam expectativas para a tomada de decisão
Síntese
• Premissa da racionalidade perfeita
• Escolhas condicionadas pelas preferências dos
consumidores e suas restrições orçamentárias
• Trata-se de maximizar o grau de satisfação por
meio da aquisição de um conjunto de bens e
serviços dada uma restrição de renda
• Conceitos: CI, TMS, utilidade e poder aquisitivo
AULA 4
ECONOMIA II

Teoria do Consumidor II: Aspectos da


Demanda
Plano de Aula

• Curva de demanda individual


• Curva de demanda de mercado
• Excedente do consumidor
• Externalidades de difusão
Curva de Demanda Individual
• Relaciona a quantidade
demandada de determinado
bem por um consumidor
com o preço do bem,
de forma a maximizar
sua utilidade
Curva de Demanda de Mercado
• Relaciona a quantidade de um bem que todos os
consumidores em um mercado vão comprar a dado preço
• É obtida por meio da soma (horizontal) das curvas de
demanda individuais
• Será deslocada para a direita à medida que mais
consumidores entrarem no mercado
• Fatores que influenciam a demanda de muitos
consumidores também afetarão a demanda de mercado
Curva de Demanda de Mercado

Neste exemplo, demanda de mercado é quebrada, já que um dos consumidores


não consome acima de determinado preço considerado aceitável pelos demais
Excedente do Consumidor
- Diferença entre o que
um consumidor está
disposto a pagar por
um bem e a quantia
que efetivamente paga
- Equivale à área situada
abaixo da curva de demanda
e acima da linha de preço
Externalidades de Difusão
• Externalidade:
• É o efeito que a ação de um agente causa sobre
outros agentes, mas que não é considerado no preço
de mercado (em outras palavras, é o efeito colateral
de uma decisão sobre outros agentes que não
participaram dela)
• Pode ser negativa (quando a ação de uma das partes
impõe custos à outra) ou positiva (quando a ação de
uma das partes beneficia a outra)
Externalidades de Difusão
• Externalidade de difusão (ou de rede):
• Situação na qual a demanda individual depende das
aquisições feitas por outros indivíduos (logo, quando
a utilidade de uma pessoa por um bem depende do
número de outras pessoas que consomem esse bem)
• Positiva: quando aumenta a quantidade demandada
de um bem por um consumidor típico em razão do
crescimento da quantidade adquirida por outros
consumidores
• Negativa: quando a quantidade demandada diminui
Externalidades de Difusão
• Efeito cumulativo de consumo:
• Externalidade de difusão positiva em que consumidores
desejam possuir um bem em parte porque os outros
possuem (ou por estar ‘na moda’ ou porque o bem tem mais
utilidade quanto mais pessoas o têm)
• Demanda de mercado tende a ser mais elástica
• Efeito de diferenciação de consumo:
• Externalidade de difusão negativa que reflete o fato de que
os consumidores desejam possuir bens únicos ou exclusivos
ou queiram evitar o efeito das aglomerações
• Demanda de mercado tende a ser mais inelástica
Síntese
• Curva de demanda individual: gostos, preços e restrição
orçamentária
• Curva de demanda de mercado: soma horizontal das curvas
de demanda individuais
• Excedente do consumidor: diferença entre o valor que
consumidores estariam dispostos a pagar por um bem e o
quanto realmente pagam
• Externalidades de difusão (positivas ou negativas): demanda
de um consumidor influenciada pelas decisões de compra de
outros consumidores
AULA 5
ECONOMIA II

Produção e Custos I: Aspectos da Oferta


Plano de Aula
• Objetivos das empresas

• Decisões de produção

• Produção com insumos fixos e variáveis

• Rendimentos de escala
Objetivos das Empresas

• Geração de lucro

• Sobrevivência e crescimento no mercado

• Competitividade
Decisões de Produção

• Tecnologia de produção

• Restrições de custo

• Escolha de insumos
Tecnologia de Produção
• Tecnologia envolvida na transformação de insumos em
produtos

• Fatores de produção: insumos que entram no processo


produtivo (ex. trabalho, matérias-primas e capital)

• Função de produção: função que relaciona a


quantidade utilizada de insumos e a quantidade de
produto resultante, dada uma tecnologia de produção
Curto Prazo e Longo Prazo
• Curto prazo:
• Período em que as quantidades de um ou mais fatores de
produção não podem ser modificadas (há pelo menos um
insumo fixo de produção)
• Empresas podem ajustar o grau de utilização da
capacidade instalada
• Longo prazo:
• Período necessário para que todos os insumos de
produção possam se tornar variáveis
• Empresas podem modificar a capacidade instalada (p.
ex. ampliar no caso de novos investimentos)
Produção com Insumo Fixo
• Produto médio: produto obtido por unidade de
determinado insumo

• Produto marginal: produto adicional gerado ao


acrescentar uma unidade a um determinado insumo

• Lei dos rendimentos marginais decrescentes:


conforme aumenta a utilização de um insumo, mantidos
constantes os demais insumos, a produção adicional
passa a decrescer a partir de determinado ponto
Produção com Insumos Variáveis
• Isoquanta:
curva que mostra
todas as possíveis
combinações de insumos
que geram o mesmo
volume de produção
Produção com Insumos Variáveis
• Taxa marginal de substituição técnica (TMST):
- exprime a quantidade em que
se pode reduzir determinado
insumo quando se utiliza uma
unidade adicional de outro
insumo, mantendo-se constante
a produção
- inclinação da isoquanta
∆𝐾 𝑃𝑀𝑔
𝑇𝑀𝑆𝑇
∆𝐿 𝑃𝑀𝑔
Rendimentos de Escala
• Referem-se à taxa de crescimento do produto conforme
crescem proporcionalmente os insumos
• Rendimentos crescentes, constantes e decrescentes de
escala:
• Crescentes: produto cresce mais que proporcionalmente em
relação ao crescimento dos insumos
• Constantes: produto cresce na mesma proporção do
crescimento dos insumos
• Decrescentes: produto cresce menos que proporcionalmente
em relação ao crescimento dos insumos
Rendimentos de Escala
Rendimentos constantes Rendimentos crescentes
de escala de escala
Síntese
• Objetivos das empresas
• Variabilidade dos insumos de produção no curto e no
longo prazo
• Produto médio, produto marginal e lei dos rendimentos
marginais decrescentes na produção com insumo fixo
• Isoquanta e TMST na produção com insumos variáveis
• Rendimentos crescentes, constantes e decrescentes
de escala
AULA 6
ECONOMIA II

Produção e Custos II: Aspectos da Oferta


Plano de Aula
• Qual a escolha ótima de combinação de insumos
para produção que minimiza os custos?

• Tipos de custo
• Fixo, variável, médio, marginal, irreversível, de
oportunidade e de transação

• Escala, escopo e aprendizagem


Custos de Oportunidade
• Custos associados às oportunidades perdidas
quando os recursos não são utilizados da
melhor forma possível

• Geralmente ocultos, os custos de oportunidade


devem ser considerados em toda avaliação
econômica para a tomada de decisões
(sobretudo em se tratando da utilização de
recursos limitados)
Custos Irreversíveis
• Também conhecidos por custos irrecuperáveis

• São despesas realizadas que não podem ser


diretamente recuperadas (ex. equipamento
específico que não possui uso alternativo)

• Custos irreversíveis prospectivos (avaliação de


um investimento a partir dos retornos esperados
e de seus custos)
Custos Fixos e Custos Variáveis
• Custos fixos (CF): custos que não variam com o
nível de produção e que só podem ser eliminados
se a empresa deixar de operar
• Custos variáveis (CV): custos que variam quando
o nível de produção varia
• Custo total (CT): custo econômico total da
produção que corresponde à soma dos custos
fixos e variáveis
Custo Marginal
• Custo marginal ou incremental (Cmg):
• Custo resultante da produção de uma unidade
adicional de produto
• Como CF não varia conforme varia o nível de
produção da empresa, CMg refere-se à variação do
CV ou do CT resultante da unidade extra de produto
Custo Médio
• Custo total médio (CTMe) ou custo médio (CMe):
custo por unidade de produto

• Custo fixo médio (CFMe): custo fixo dividido


pelo produto

• Custo variável médio (CVMe): custo variável


dividido pelo produto
Custos de Transação
• Custos das transações no mercado:
• Expressos por meio dos custos de negociar, redigir e garantir o
cumprimento de um contrato
• Fatores determinantes de custos de transação elevados:
• Assimetria de informações
• Racionalidade limitada, complexidade e incerteza
• Oportunismo e especificidade de ativos
• Contribuem nas decisões da estrutura de governança:
• Internalizar determinadas atividades produtivas às empresas ou
deixá-las para serem realizadas por outras empresas, adquirindo
seus produtos no mercado
Exemplo – Custos
Custo
Nível de Custo Custo Custo Fixo Custo Total
Custo Fixo Custo Total Variável
Produção Variável Marginal Médio Médio
Médio
0 50 0 50 - - - -
1 50 50 100 50 50 50 100
2 50 78 128 28 25 39 64
3 50 98 148 20 16,7 32,7 49,3
4 50 112 162 14 12,5 28 40,5
5 50 130 180 18 10 26 36
6 50 150 200 20 8,3 25 33,3
7 50 175 225 25 7,1 25 32,1
8 50 204 254 29 6,3 25,5 31,8
9 50 242 292 38 5,6 26,9 32,4
10 50 300 350 58 5 30 35
11 50 385 435 85 4,5 35 39,5
Custos e Decisões de Produção
• Linha de isocusto:
todas as combinações possíveis
de insumos que podem ser
adquiridas mediante dado custo
• 𝐶 𝑤𝐿 𝑟𝐾 𝐾 𝐶 ⁄𝑟 𝑤⁄𝑟 𝐿
• Inclinação: ∆𝐾⁄∆𝐿 𝑤⁄𝑟
• Escolha minimizadora de custos: 𝑃𝑀𝑔 𝑤
ponto de tangência entre a isoquanta que 𝑃𝑀𝑔 𝑟
representa o nível desejado de produção e uma linha de isocusto
(Des)economias de Escala
• Economias de escala: 𝐸 1 𝐶𝑀𝑔 𝐶𝑀𝑒
• Ocorrem quando os custos de produção variam em
menor proporção que a variação da produção

• Deseconomias de escala: 𝐸 1 𝐶𝑀𝑔 𝐶𝑀𝑒


• Ocorrem quando os custos de produção variam em
maior proporção que a variação da produção
(Des)economias de Escopo
• Quando se produzem dois (ou mais) produtos...
• Economias de escopo: ocorrem quando a empresa pode produzir
quaisquer combinações de dois produtos com menos gastos do
que duas empresas independentes que produzissem um único
produto cada (GES > 0)
• Deseconomias de escopo: ocorrem quando o custo da produção
conjunta seja maior do que o da produção por empresas
separadas, levando a uma produção conjunta menor do que se
realizada separadamente (GES < 0)
𝐶 𝑞1 𝐶 𝑞2 𝐶 𝑞1, 𝑞2
• Grau das economias de escopo (GES): 𝐺𝐸𝑆
𝐶 𝑞1, 𝑞2
Curva de Aprendizagem
• ‘Aprendizado’ (acúmulo de experiência)
dentro da empresa pode contribuir
para reduzir o custo médio de
produção ao longo do tempo

• Curva de aprendizagem descreve


em quanto um insumo necessário
para a obtenção de determinado
nível de produção diminui à
medida que aumenta a produção
cumulativa da empresa
Síntese
• Análise de custos é importante para decisão de produção
das empresas
• Há diversos tipos de custo: de oportunidade, irreversível,
fixo, variável, médio, marginal e de transação
• Escolha minimizadora de custos: tangência entre
isoquanta e linha de isocusto
• Economias de escala, escopo e aprendizagem afetam, de
diferentes formas, os custos e os níveis de produção
AULA 7
ECONOMIA II

Estruturas de Mercado I: Mercados


Competitivos
Plano de Aula
• Caracterização de mercados competitivos

• Maximização de lucros

• Oferta

• Eficiência econômica
Mercados Competitivos
• Concorrência perfeita:
• Aceitação de preços: são, em geral, muitas empresas
competindo entre si, cada qual ofertando pequena parcela da
produção total, de tal forma que não conseguem influenciar o
preço de mercado (empresas são tomadoras de preço)
• Homogeneidade de produto: produtos ofertados por distintas
empresas são semelhantes/substitutos próximos (não há
diferenciação de produto significativa) – ex.: commodities
• Livre entrada e saída de empresas: barreiras à entrada e/ou
saída das empresas do mercado são nulas ou baixas, isto é,
não há custos especiais de entrar e sair do setor
Maximização de Lucros
• Qual o nível de produção (q*) que maximiza lucros (seja em um
mercado competitivo ou não)?
𝜋 𝑞 𝑅 𝑞 𝐶 𝑞
• Inclinação de R(q) é RMg
• Inclinação de C(q) é CMg
• Lucro é maximizado quando:
um incremento adicional no nível de
produção mantiver o lucro inalterado

∆𝜋⁄∆𝑞 ∆𝑅⁄∆𝑞 ∆𝐶 ⁄∆𝑞 0 𝑅𝑀𝑔 𝐶𝑀𝑔


Maximização de Lucros
• Empresas em mercados competitivos:
(lembre-se, são tomadoras de preço)

𝑅 𝑃. 𝑞 𝑅𝑀𝑔 ∆𝑅⁄∆𝑞 𝑃

• Condição de maximização:
𝐶𝑀𝑔 𝑅𝑀𝑔 𝑃
RMg deve ser igual ao CMg
em um ponto no qual a curva
de CMg esteja subindo
Oferta
• Nível de produção que
maximiza os lucros de uma
empresa competitiva é aquele
no qual CMg = P

• Quando P = CMe mínimo no


longo prazo, a empresa tem
lucro econômico zero
Oferta
• Enquanto houver lucro econômico positivo em um
setor, haverá incentivo para a entrada de novas
empresas
• Lucro econômico: retorno sobre o investimento
considerando os custos de oportunidade
• Equilíbrio competitivo de mercado ocorre quando: todas
as empresas do setor estejam maximizando seus lucros,
o lucro econômico for nulo e o preço vigente tornar
iguais as quantidades ofertada e demandada
Excedente do Produtor
- É a soma das diferenças
entre o preço de mercado
e o CMg de produção
de todas as unidades
produzidas pela empresa
- Equivale à área situada
acima da curva de oferta
e abaixo do preço de mercado
Eficiência Econômica
• Excedente do consumidor e do produtor como medida
do bem-estar econômico agregado
• Peso morto: perda líquida de excedente total
Síntese
• Mercados competitivos: empresas tomadoras de preço,
produtos homogêneos e livre entrada e saída de empresas
• Lucro é maximizado no nível de produção em que a RMg (no
caso, idêntica ao preço de mercado) seja igual ao CMg, desde
que o preço seja maior ou igual ao custo médio mínimo
• Equilíbrio competitivo e lucro econômico zero no longo prazo
• Excedente do produtor: área entre a curva de oferta e o preço
de mercado
• Avaliação de eficiência econômica a partir do excedente do
consumidor e do produtor
AULA 8
ECONOMIA II

Estruturas de Mercado II: Mercados


Concentrados
Plano de Aula
• Caracterização de mercados concentrados

• Tipos de mercados concentrados

• Poder de mercado e determinação de preços

• Medidas de concentração de mercado


Mercados Concentrados
• Concorrência imperfeita:
• Formação de preços: são, em geral, poucas empresas no mercado
(no limite, uma única empresa), cada qual ofertando (ou adquirindo)
grande parcela da produção total, de tal forma que conseguem
influenciar o preço de mercado (empresas são formadoras de preço
e possuem poder de mercado)
• Diferenciação de produto: produtos ofertados pelas empresas
diferem entre si, em termos de qualidade, aparência, reputação etc.
• Barreiras à entrada e/ou saída de empresas: existem, em geral,
barreiras à entrada e/ou saída das empresas do mercado, ou seja,
impedimentos ou custos elevados para entrar e/ou sair do setor
Tipos de Mercados Concentrados
• Monopólio: estrutura de mercado em que há apenas
um ofertante (mas muitos demandantes)
• Oligopólio: estrutura de mercado em que há poucos
produtores/vendedores
• Monopsônio: estrutura de mercado em que há apenas
um comprador (mas muitos ofertantes)
• Oligopsônio: estrutura de mercado em que há poucos
compradores
Monopólio
• Ser monopolista não significa cobrar o preço que desejar
• Decisão de produção e
fixação de preço depende
dos custos da empresa e
da demanda de mercado

• Maximização de lucros:
𝑅𝑀𝑔 𝐶𝑀𝑔
Poder de Monopólio e Preço
• Empresa perfeitamente competitiva: P = CMg
• Empresa com poder de monopólio: P > CMg
(o quão maior dependerá do inverso da elasticidade da demanda)
• Índice de Lerner de poder de monopólio (mark-up)
𝐿 𝑃 𝐶𝑀𝑔 ⁄𝑃

𝐿 𝑃 𝐶𝑀𝑔 ⁄𝑃 1⁄𝐸
L tem sempre valor entre 0 e 1; quanto maior L, maior o poder de monopólio
L = 0, empresa perfeitamente competitiva
Poder de Monopólio e Preço
• Regra prática para determinação de preços:
𝐶𝑀𝑔
𝑃
1 1⁄𝐸

• Quanto menos elástica for a curva da demanda da


empresa, maior poder de monopólio ela terá:
• Demanda da empresa mais elástica, mark-up menor, baixo
poder de monopólio, preço próximo ao CMg
• Demanda da empresa mais inelástica, mark-up maior,
elevado poder de monopólio, preço bastante superior ao CMg
Poder de Monopólio e Preço
• Determinantes do poder de monopólio:
• Elasticidade da demanda de mercado:
• Elasticidade da demanda de mercado estabelece a elasticidade mínima
da demanda de cada empresa, limitando o poder de monopólio
• Número de empresas no mercado:
• Poder de monopólio tende a cair ao aumentar o número de empresas
no mercado ou ao diminuir o grau de concentração de mercado
• Forma de interação entre as empresas:
• Poder de monopólio é menor quando as empresas concorrem
agressivamente (p. ex. via preços) e maior quando cooperam entre si
Poder de Monopólio e Eficiência
• Análise do excedente do consumidor e do produtor
Poder de Monopsônio e Preço
• Poder de monopsônio: capacidade do comprador de
influenciar o preço
• Poder de monopsônio depende da elasticidade da oferta
com a qual o comprador se defronta:
• Se mais elástica, poder será menor
• Se mais inelástica, poder será maior
• Determinantes do poder de monopsônio:
• Elasticidade da oferta de mercado
• Número de compradores no mercado
• Forma de interação entre os compradores
Medidas de Concentração de Mercado
• Razão de concentração (CR):

𝑋 CR(k) indica a parcela de mercado das k


𝑠 𝐶𝑅 𝑘 𝑠
𝑋 maiores empresas de determinado mercado

• Índice de Herfindahl-Hirschman (HHI):


HHI atribui maior peso às empresas
𝐻𝐻𝐼 𝑠 relativamente maiores e é bastante utilizado
em processos de avaliação de fusões
1 ⁄𝑛 𝐻𝐻𝐼 1
Síntese
• Mercados concentrados: empresas formadoras de preço,
produtos diferenciados e barreiras à entrada/saída de empresas
• Tipos de mercados concentrados: monopólio, oligopólio,
monopsônio e oligopsônio
• Poder de mercado: capacidade de vendedores/ofertantes ou
compradores/demandantes de influenciarem o preço
• Poder de monopólio: elasticidade da demanda de mercado, número de
empresas e como elas interagem entre si
• Poder de monopsônio: elasticidade da oferta de mercado, número de
compradores e forma de interação
• Medidas de concentração de mercado: CR e HHI
AULA 9
ECONOMIA II

Estratégias Competitivas I: Fixação de


Preço e Concorrência Imperfeita
Plano de Aula
• Estratégias de fixação de preço

• Concorrência monopolística

• Concorrência em oligopólios

• Cartel
Mercados Competitivos e Concentrados
• Mercados competitivos: preço é determinado pelas
forças de oferta e demanda do mercado, de tal forma
que empresas e consumidores não conseguem
influenciar o preço de mercado

• Mercados concentrados: ofertantes e/ou demandantes


possuem algum poder de mercado (capacidade de
influenciar o preço)
Estratégias de Fixação de Preço
• Capturar o excedente do
consumidor e obter lucros
mais elevados

• Discriminação de preço:
estabelecer preços diferentes
para clientes diferentes por
produtos semelhantes
Estratégias de Fixação de Preço
• Tipos de discriminação de preço:
• De primeiro grau: cobrar de cada consumidor seu preço de reserva
(preço máximo que um consumidor está disposto a pagar por um
produto)
• De segundo grau: cobrar preços diferentes por unidade para
quantidades diferentes da mesma mercadoria ou serviço
• De terceiro grau: dividir os consumidores em dois ou mais grupos com
curvas de demanda separadas e cobrar preços diferentes de cada grupo
• Intertemporal: separar os consumidores com diferentes funções de
demanda em diferentes grupos e cobrar preços diferentes em distintos
pontos no tempo
• Preço de pico: cobrar preços altos durante os períodos de pico, quando
as restrições de capacidade fazem com que os custos marginais sejam
elevados
Estratégias de Fixação de Preço
• Tarifa em duas partes:
• Cobrar dos consumidores uma taxa de entrada e uma taxa de utilização
• Venda em pacote:
• Prática de vender dois ou mais produtos em conjunto
• Pacotes puros e pacotes mistos
• Venda casada:
• Exigência de que um consumidor adquira um produto para poder
adquirir outro
Concorrência Monopolística
• Situação de concorrência imperfeita:
• Concorrência baseada em produtos diferenciados (porém
altamente substituíveis uns pelos outros) – ex. diversos bens
de consumo não duráveis
• Várias empresas e livre entrada e saída do setor (lucro
econômico zero no longo prazo)
• Poder de mercado reduzido (curva de demanda
relativamente elástica)
• Ineficiência x diversidade de produtos
Concorrência em Oligopólios
• Situação de concorrência imperfeita:
• Concorrência baseada em produtos diferenciados (ex.
automóveis) ou não (ex. aço)
• Poucas empresas e barreiras à entrada e/ou saída do setor
(lucros elevados mesmo no longo prazo)
• Barreiras à entrada:
• Estruturais: elevada escala mínima eficiente para operação,
altos requerimentos de capital inicial, patentes e acesso restrito
à tecnologia, preferências por marcas estabelecidas etc.
• Estratégicas: ações de empresas já atuantes no mercado
visando desestimular a entrada de novas empresas
Concorrência em Oligopólios
• Poder de mercado e lucratividade dependem, em parte,
da interação entre as empresas:
• Decisões de preço e produção de uma empresa levam em
conta a reação (esperada) de suas concorrentes (ex. modelos
de Cournot, Stackelberg e Bertrand)
• Estratégia cooperativa x estratégia mais agressiva (ex.
guerra de preços): problemas de coordenação
• Rigidez de preços e sinalização de preços como formas de
evitar concorrência via preço mutuamente destrutiva
• Repetição e reputação: cooperação e retaliação
Cartel
• Situação em que algumas ou todas as empresas de um
setor fazem coalizões explícitas e coordenam preços e
níveis de produção para maximizar seus lucros
conjuntos (ex. OPEP)
• Poder de monopólio: demanda mais inelástica ao preço
e controle da oferta
• Cartel x monopólio:
• Coordenação e compromisso entre membros
• Reação dos concorrentes
• Prática condenada pela legislação antitruste de países
e organismos internacionais
Síntese
• Diversas estratégias de discriminação de preços para
aumentar os lucros
• Situações de concorrência imperfeita em que se pode
exercer, em maior ou menor grau, o poder de mercado:
• Concorrência monopolística: ligeira diferenciação de
produto com poder de mercado reduzido
• Concorrência em oligopólios: poucas empresas com poder
de mercado grande, barreiras à entrada no setor e dilemas de
coordenação entre as empresas
• Cartel: coalizão explícita para se aproximar de ganhos de
monopólio
AULA 10
ECONOMIA II

Estratégias Competitivas II:


Diferenciação e Inovação
Plano de Aula
• Vantagem competitiva
• Diferenciação de produto
• Inovação:
• Tipo: produto e processo
• Grau: radical e incremental
• Inovação: custos, ganhos e redes
Vantagem Competitiva
• Diferencial de uma empresa perante seus concorrentes
• Fator preço x fator qualitativo
• Rentabilidade: giro x margem
• Exemplos: custos menores, marca, localização, design,
qualidade do produto/serviço/atendimento e etc.
• Competitividade como processo dinâmico: clientes,
fornecedores, concorrentes, potenciais entrantes,
produtos substitutos, coordenação dos recursos da
empresa e etc.
Diferenciação de Produto
• Produto ou serviço é percebido pelos consumidores
como diferente de seus concorrentes, o que permite à
empresa ofertante fixar preço para aquele produto ou
serviço acima do preço de mercado
• Atributos de diferenciação: especificações técnicas,
desempenho, durabilidade, estética, marca, assistência
técnica e etc.
• Formas predominantes de diferenciação: estilo/tipo,
localização e qualidade
• Tipos de diferenciação: vertical e horizontal
Inovação
• “Destruição criativa”: inovação como processo central
da dinâmica concorrencial
• Fonte de competitividade (e diferenciação) para as
empresas: lucros extraordinários temporários
• Mudança substancial de custo ou qualidade que
permite:
• Criação de mercados totalmente novos
• Conquista de parcela maior de mercado
• Própria sobrevivência no mercado de atuação
Inovação de Produto e de Processo
• Inovação de produto:
• Desenvolvimento de novos produtos/serviços ou
melhoria significativa de produtos/serviços já
existentes
• Inovação de processo:
• Mudança nas formas e métodos de produção ou
comercialização
• Maior eficiência na utilização dos recursos e/ou
menores custos
Inovação Radical e Incremental
• Inovação radical:
• Altera drasticamente o modo de consumo ou produção de
produtos ou serviços
• Provoca ruptura de paradigma em um ou mais setores ou
segmentos de mercado
• Propicia elevado poder de mercado
• Inovação incremental:
• Reflete melhorias ou agregação de algo novo em produtos
ou serviços existentes
• Aumenta o benefício percebido pelo consumidor sem
provocar uma mudança substancial no modo de consumo
ou produção
Inovação: Custos e Ganhos
• Custos elevados e resultados incertos:
• Recursos: financeiros, humanos, técnicos, tempo etc.
(custos, inclusive de oportunidade, elevados)
• Incerteza, ciclo de implantação e difusão no mercado,
concorrência e imitação
• Grau de inovação maior: riscos maiores, potenciais ganhos
também maiores (fracasso x lucros elevados)
• Impactos microeconômicos da inovação:
• Tecnologia de produção, custos, elasticidade da demanda,
barreiras à entrada, estrutura de mercado, competitividade,
produtividade, externalidade e etc.
Inovação e Redes
• Novas empresas x grandes empresas:
• Empreendedorismo e ruptura
• Gastos contínuos/rotineiros em P&D e incremento
• Redes de inovação e cooperação:
• Empresas (alianças estratégicas)
• Universidades
• Centros de pesquisa e tecnologia
• Sistema educacional e de financiamento
• Esforços públicos e privados
Síntese
• Vantagem competitiva: fator preço e fatores qualitativos
• Diferenciação e determinação de preço: poder de
mercado e diversidade de produtos
• Inovação como atributo da dinâmica concorrencial e
fonte de lucros extraordinários
• Tipos e graus de inovação: produto, processo, radical e
incremental
• Inovação: custos elevados diante de resultados incertos
• Redes de inovação: esforços conjuntos e a dinâmica
empresarial de inovação
AULA 11
ECONOMIA II

Estratégias Competitivas III:


Internacionalização de Empresas
Plano de Aula
• Globalização

• Corporações transnacionais

• Formas de internacionalização

• Motivações para internacionalização

• Cadeias globais de valor


Globalização
• Integração e mobilidade em escala global com
dinamismo ímpar:
• Comércio
• Produção
• Finanças
• Pessoas e etc.
• Estados, empresas e mercados: redimensionamento
das fronteiras e concorrência ampliada
• Contexto histórico: revolução tecnológica e mudanças
político-institucionais
Corporações Transnacionais
• Gigantes de atuação global que coordenam diversas
marcas e subsidiárias, respondendo por grande parcela
dos fluxos produtivos, comerciais e de inovação mundiais
Maiores corporações não‐financeiras do mundo, classificadas por ativos externos, 2015 (US$ milhões e número de empregados)
Ativos Vendas Emprego
Corporação País de Origem Setor
Externos Totais Externas Totais Externo Total
Royal Dutch Shell plc Reino Unido Mineração e petróleo 288 283 340 157 169 737 264 960 68 000 93 000
Toyota Motor Corporation Japão Automobilístico 273 280 422 176 165 195 236 797 148 941 348 877
General Electric Co Estados Unidos Máquinas industriais e comerciais 257 742 492 692 64 146 117 385 208 000 333 000
Total SA França Refino de petróleo e afins 236 719 244 856 123 995 159 162 65 773 96 019
BP plc Reino Unido Refino de petróleo e afins 216 698 261 832 145 640 222 894 46 700 79 800
Exxon Mobil Corporation Estados Unidos Refino de petróleo e afins 193 493 336 758 167 304 259 488 44 311 73 500
Chevron Corporation Estados Unidos Refino de petróleo e afins 191 933 266 103 48 183 129 648 31 900 61 500
Volkswagen Group Alemanha Automobilístico 181 826 416 596 189 817 236 702 334 076 610 076
Vodafone Group Plc Reino Unido Telecomunicações 166 967 192 310 52 150 61 466 75 666 105 300
Apple Computer Inc Estados Unidos Equipamentos eletrônicos 143 652 290 479 151 983 233 715 65 585 110 000
Formas de Internacionalização
• Formas (complementares) de internacionalização:
• Licenciamento
• Exportação
• Investimento e produção no exterior (IED)
• Decisões de internacionalização produtiva:
• Vantagens de propriedade
• Vantagens de internalização
• Vantagens de localização
Motivações para Internacionalização

• Combinação Competitividade-Rentabilidade:
• Busca por recursos
• Busca por mercados
• Busca por eficiência
• Busca por ativos estratégicos
Cadeias Globais de Valor
• “Fragmentação” produtiva:
• Integração vertical x cadeias de valor
• Novos métodos de produção: difusão da produção
enxuta/flexível
• Atividades externalizadas/terceirizadas
• “Deslocalização” geográfica da produção:
• Separação geográfica das etapas produtivas/comerciais
• Novos mercados produtores e consumidores
• Clusters produtivos: ganhos de proximidade locacional
Cadeias Globais de Valor
• Produtos globais (made in the world):
• Fabricados em um país
• Concebidos em outro país
• Com componentes e partes provenientes de outras regiões
• Para serem comercializados em diversas partes do mundo
• Distintos arranjos produtivos globais:
• Relação entre empresas fornecedoras, montadoras, proprietárias
das marcas e distribuidoras/revendedoras
• Quem se apropria do valor gerado na cadeia de
produção e comercialização?
Síntese
• Globalização: integração, mobilidade e concorrência
• Corporações transnacionais: players globais
• Distintas formas e motivações para internacionalização
se combinam: assegurar competitividade e rentabilidade
• Cadeias globais de valor:
• Processos de “fragmentação” e “deslocalização” da produção que
conformam produtos globais sob arranjos produtivos diversos
• Geração e apropriação de valor
AULA 12
ECONOMIA II

Estratégias Competitivas IV:


Financiamento de Empresas
Plano de Aula
• Avaliação de investimento

• Fontes de financiamento

• Mercados financeiros

• Riscos e oportunidades
Avaliação de Investimento
• Quanto vale hoje R$ 1 pago no futuro?
Precisamos trazer o montante a valor presente!
• Taxa de juros constante:

• Taxa de juros variável:

ଵ ଶ ௡
Avaliação de Investimento
• Investimento: envolve, em geral, elevado volume
de capital
• Avaliação deve considerar diversos aspectos:
• Fluxos de renda esperados
• Custo do investimento
• Taxa de desconto (custo de oportunidade do capital)
• Tempo de maturação do investimento
• Trade-off risco-retorno
• Incerteza e expectativas
Avaliação de Investimento
• Diversas técnicas para avaliar a decisão de investimento
• Regra do Valor Presente Líquido (VPL):
ଵ ଶ ௡
ଶ ௡

VPL > 0 para realizar o investimento


• Taxa Interna de Retorno (TIR):
ଵ ଶ ௡
ଶ ௡

Taxa de juros para a qual o VPL é nulo; TIR > R para investir
Fontes de Financiamento
• Recursos próprios (internos à empresa):
• Autofinanciamento: reinversão de lucros retidos,
utilização de fluxos de caixa, venda de ativos

• Recursos de terceiros (externos à empresa):


• Mercado bancário (ex. empréstimos bancários)
• Mercado de capitais (ex. títulos, ações etc.)
Mercados Financeiros
• Captação e aplicação de recursos
• Institucionalidade:
• Organização e normas de funcionamento / regulação
do sistema financeiro
• Acesso via intermediação financeira ou direto:
• Tamanho das empresas
• Critérios de governança
• Condições econômico-financeiras das empresas
• Histórico de crédito / classificação de risco
Mercados Financeiros
• Natureza dos recursos de terceiros:
• Recursos públicos e privados
• Mercados domésticos e internacionais
• Condições e estrutura de financiamento:
• Prazos
• Custos / taxas de juros / política de dividendos
• Garantias
• Composição do financiamento
• Linhas de financiamento
• Dinâmica dos mercados financeiros
Riscos e Oportunidades
• Oportunidades:
• Realização / viabilidade do negócio ou investimento (sem
necessariamente utilização, ou na ausência, de recursos próprios)
• Captação de recursos subsidiados / linhas específicas
• (Re)financiamento de posições
• Riscos:
• Grau de alavancagem
• Descasamento de prazos
• Riscos de mercado, de juros e de câmbio (p. ex. dívida em moeda
estrangeira)
• Risco de crédito / inadimplência
• Risco de liquidez e insolvência
Síntese
• Formas de avaliação de investimentos: VPL e TIR
• Condições de mercado e expectativas: retorno e
custos
• Fontes de financiamento: recursos próprios e de
terceiros
• Mercados financeiros: captação e aplicação de
recursos dinâmica afeta as condições e estrutura de
financiamento das empresas
• Gestão de riscos e identificação de oportunidades
para tomada de decisão das empresas
AULA 13
ECONOMIA II

Falhas de Mercado e Instituições


Plano de Aula
• Eficiência econômica
• Falhas de mercado
• Poder de mercado
• Informações incompletas
• Externalidades
• Bens públicos
• Instituições
Eficiência Econômica
• Mercados competitivos: pleno funcionamento garante
que os recursos possam ser transacionados e alocados
eficientemente mediante o sistema de preços,
resultando no equilíbrio entre oferta e demanda
• Resultado eficiente de Pareto: bens alocados de tal
forma que ninguém consegue aumentar seu bem-estar
sem que seja reduzido o bem-estar de outra pessoa
• Eficiência e equidade: uma alocação eficiente não
implica necessariamente uma alocação equitativa!
Falhas de Mercado
• Nem sempre os mercados são totalmente eficientes:
falhas de mercado
• Mesmo quando são, é comum intervenção do governo,
visando p. ex. corrigir problemas de equidade social ou
garantir competitividade a empresas nacionais
• Principais razões para ineficiência dos mercados:
• Poder de mercado
• Informações incompletas
• Externalidades
• Bens públicos
Falhas de Mercado
• Poder de mercado:
• Capacidade de produtores ou consumidores de
afetarem o preço de determinado bem ou serviço
• Poder de monopólio
• Poder de monopsônio
• Concorrência imperfeita e concentração de mercado
Falhas de Mercado
• Informações incompletas:
• Ausência / assimetria / distorção de informações que desarranja
a oferta e demanda de bens e serviços, uma vez que leva
produtores ou consumidores a cometerem erros em suas
decisões de produção ou de consumo
• Escolhas eficientes dependem de informações
completas sobre as variáveis econômicas relevantes
para a tomada de decisão e racionalidade perfeita
• Na realidade, informações assimétricas são bastante
comuns, i.e. ofertantes e demandantes possuem
informações diferentes sobre uma transação
Falhas de Mercado
• Implicações das informações assimétricas:
• Seleção adversa: quando, devido a informações
assimétricas, produtos de qualidades distintas são
vendidos a um preço único, resultando em muitos
produtos de baixa qualidade e poucos de alta
qualidade vendidos no mercado
• Reputação e padronização
• Sinalização de mercado, certificados e garantias
Falhas de Mercado
• Implicações das informações assimétricas:
• Risco moral: quando uma das partes apresenta ações
que não podem ser observadas por outra e que
influem na probabilidade ou magnitude de um
pagamento associado a um evento
• Problema da relação agente-principal: quando os
agentes (ex. administradores de uma empresa)
perseguem seus objetivos próprios ao invés dos
objetivos dos principais (donos da empresa)
Falhas de Mercado
• Externalidades:
• Efeitos indiretos de uma atividade de produção ou
consumo sobre outras atividades não refletidos nos
preços de mercado
• Negativas: quando a ação de uma das partes impõe
custos à outra
• Positivas: quando a ação de uma das partes beneficia
a outra
• Regulação, negociação e solução legal (indenizatória)
Falhas de Mercado
• Bens públicos:
• Bens não disputáveis e não exclusivos:
• CMg de provê-los para um consumidor adicional é zero
• As pessoas não podem ser excluídas ou impedidas de seu
consumo
• Bens socialmente desejáveis que podem beneficiar
todos os consumidores, mas cuja oferta no mercado é
insuficiente ou mesmo inexistente
• Não confundir bens públicos com bens oferecidos pelo
governo: quantidade de bens públicos é muito menor do
que a de bens oferecidos pelo governo
Instituições
• Estruturas e mecanismos, formais ou não, que regulam a vida
em sociedade e, portanto, também as relações econômicas
• Falhas de mercado, racionalidade limitada e incerteza:
arranjos institucionais e coordenação econômica
• Instituições formais e autoridades pertinentes:
• Isonomia e garantia de cumprimento de leis, normas e contratos
(segurança jurídica)
• Regulamentação e fiscalização
• Instituições informais e comportamento tácito socialmente
aceitável e praticado
Síntese
• Eficiência econômica de mercados competitivos e
falhas de mercado
• Causas: poder de mercado, informações incompletas
(ou assimétricas), externalidades e bens públicos
• Falhas de mercado são frequentemente observáveis na
prática e nem sempre de fácil solução
• Instituições e atuação governamental podem contribuir
para corrigir falhas de mercado ou buscar outros
objetivos socialmente desejáveis
AULA 14
ECONOMIA II

Papel do Governo: Regulação e Política


Econômica
Plano de Aula
• Atuação governamental

• Eficiência, impostos e subsídios

• Regulação econômica

• Política econômica
Atuação Governamental
• Eficiência econômica: peso morto em mercados competitivos
• Correção de ineficiências econômicas frente a falhas de
mercado, como externalidades e concorrência imperfeita
• Regulação da esfera econômica para melhor funcionamento
dos mercados
• Investidor, planejador, coordenador e formulador de política
econômica
• Busca por maior equidade social, competitividade, entre
outros objetivos socialmente percebidos como necessários
Eficiência, Impostos e Subsídios
Imposto: Subsídio:
Eficiência, Impostos e Subsídios
Carga fiscal repartida entre compradores e vendedores
dependendo das elasticidades relativas da oferta e da demanda
Regulação Econômica
• Falhas de mercado:
• Ex. externalidades, monopólio natural e etc.
• Tipos de regulação:
• Por preço (tarifária), quantidade, qualidade e etc.
• Regulação de mercados:
• Ex. mercados financeiros
• Agências reguladoras:
• Ex. energia elétrica, telecomunicações, petróleo e gás e
etc.
Regulação Econômica
• Legislação antitruste e defesa da concorrência:
• Leis e regras proibindo ações que limitem, ou possam
limitar, a concorrência
• Poder de mercado excessivo / abusivo
• Conduta concorrencial: práticas anticompetitivas de
empresas (ou grupo de empresas) com poder de mercado
• Estrutura de mercado: atos de concentração por meio de
processos de fusão e aquisição
Política Econômica
• Agenda microeconômica:
• Mercado de trabalho
• Infraestrutura
• Tributação
• Custos de fazer negócio
• Alternativas de financiamento
• Política industrial, de inovação e educacional
Política Econômica
• Agenda macroeconômica:
• Política fiscal
• Política monetária e financeira
• Política externa, cambial e comercial
• Política de rendas
• Crescimento econômico, distribuição de renda,
inflação e desemprego
Síntese
• Atuação governamental ampla: dentro e além da esfera
econômica
• Eficiência econômica: caso de impostos e subsídios
em mercados competitivos
• Regulação econômica: funcionamento dos mercados
em situações de falhas de mercado
• Defesa da concorrência: conduta e estrutura
• Agendas micro e macro de política econômica

Você também pode gostar