Você está na página 1de 63

Escola Secundária Joaquim Araújo, Penafiel

IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta


“Ler é divertido”

Textos de:

Língua Portuguesa -
Poesia

Índice
BALADA DAS QUATRO MENINAS ...................................................................................................................................... 2
PLURAL DOS SENTIDOS ..................................................................................................................................................... 3
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

PEDRA FILOSOFAL ............................................................................................................................................................. 4


NA IDADE DOS PORQUÊS .................................................................................................................................................. 6
AI, PALAVRAS! ................................................................................................................................................................... 7
PALAVRAS.......................................................................................................................................................................... 8
MEUS DIAS DE RAPAZ ....................................................................................................................................................... 9
O INFANTE ....................................................................................................................................................................... 10
O MOSTRENGO ............................................................................................................................................................... 11
LUSITÂNIA NO BAIRRO LATINO ....................................................................................................................................... 12
HORIZONTE ..................................................................................................................................................................... 13
MOMENTO DE POESIA .................................................................................................................................................... 14
VAI-TE, POESIA! ............................................................................................................................................................... 15
A SECRETA VIAGEM......................................................................................................................................................... 16
A MOURA DO CASTELO DE TAVIRA ................................................................................................................................. 17
D. BELTRÃO ..................................................................................................................................................................... 18
CÂNTICO NEGRO ............................................................................................................................................................. 19
POEMA À MÃE ................................................................................................................................................................ 20
AMAR! ............................................................................................................................................................................. 21
DESFECHO ....................................................................................................................................................................... 22
POEMA DO FECHO ÉCLAIR .............................................................................................................................................. 23
TREM DE FERRO .............................................................................................................................................................. 24
E POR VEZES .................................................................................................................................................................... 25
CALÇADA DE CARRICHE................................................................................................................................................... 26
A RÃ E O BOI .................................................................................................................................................................... 27
OS RATOS REUNIDOS EM CONSELHO ............................................................................................................................. 28
ALGUMAS PROPOSIÇÕES COM PÁSSAROS E ÁRVORES .................................................................................................. 29
PARA SEMPRE ................................................................................................................................................................. 30
AS PALAVRAS................................................................................................................................................................... 31
FERMOSÍSSIMA MARIA ................................................................................................................................................... 32
MUDEZ ............................................................................................................................................................................ 33
MÃEZINHA....................................................................................................................................................................... 34
LÁGRIMA DE PRETA ........................................................................................................................................................ 35
DESENCONTRO................................................................................................................................................................ 36
POEMA DO HOMEM-RÃ.................................................................................................................................................. 37
POEMA DA AUTO-ESTRADA ............................................................................................................................................ 38
LIBERDADE ...................................................................................................................................................................... 39
1
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

GUARDADOR DE REBANHOS........................................................................................................................................... 40
O MENINO DA SUA MÃE ................................................................................................................................................. 41
O PASSEIO DE SANTO ANTÓNIO ..................................................................................................................................... 42
O SONO DO JOÃO............................................................................................................................................................ 43
A NEVE............................................................................................................................................................................. 44
O DINHEIRO..................................................................................................................................................................... 45
O PALÁCIO DA VENTURA................................................................................................................................................. 46
MEMÓRIA........................................................................................................................................................................ 47
MARINHEIRO SEM MAR .................................................................................................................................................. 48
LISBON REVISITED (1923) ................................................................................................................................................ 49
ESTA É A CIDADE ............................................................................................................................................................. 50
HOMO ............................................................................................................................................................................. 51
DEZ REIS DE ESPERANÇA ................................................................................................................................................. 52
ESTE É O POEMA DE AMOR ............................................................................................................................................ 53
ANDAVA A LUA NOS CÉUS .............................................................................................................................................. 54
SOBRE O POEMA ............................................................................................................................................................. 55
SORTILÉGIO ..................................................................................................................................................................... 56
A DEFESA DO POETA ....................................................................................................................................................... 57
SER POETA ....................................................................................................................................................................... 58
AMOR QUE MORRE......................................................................................................................................................... 59
OS VERSOS QUE TE FIZ .................................................................................................................................................... 60
SAUDADES ....................................................................................................................................................................... 61
A NOSSA CASA................................................................................................................................................................. 62

BALADA DAS QUATRO MENINAS

As quatro meninas têm quinze anos.


Têm nas gavetas cadernos de escola

2
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

fechados à chave ...Têm nas gavetas


(que ninguém o sonhe!) as tranças cortadas
há dois ou três dias ...Têm quinze anos.

As quatro meninas têm namorados.


(Como gostam delas!...) As quatro meninas
sabem que são belas, que o juram aquelas
cartas escondidas entre os seios tímidos.

As quatro meninas sabem-se miradas.


Sabem da inveja que têm na praia
os outros rapazes dos quatro rapazes
que à tarde lhes dizem ... as coisas que dizem.
E as quatro meninas sentem-se felizes.

Chove ...chove ... chove... Esbeltas, à janela,


por detrás dos vidros, cismam as meninas.
-Que palavras meigas estarão escrevendo,
por detrás dos vidros, escutando a chuva,
os quatro rapazes, os quatro mais belos,
martes, mais ágeis, que existem no mundo?

As quatro meninas sorriem: bem sabem.


Sebastião da Gama (1959)

PLURAL DOS SENTIDOS


Um dia, numa aula, a nossa professora
Ensinou-nos que o vento é pura massa de ar.
E eu acreditei. Se a professora o diz...
Mas não compreendi.
E pus-me a cogitar...
3
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

De volta para a aldeia, onde ninguém estudou,


Resolvi perguntar.

E disse o Zé Moleiro: — O vento é pó de trigo.


São velas a rodar. O vento é um amigo.

O Luís pescador gritou, sem se conter:


- O vento faz as ondas e fez meu pai morrer!
O vento é assassino. O vento faz doer.

Nem sempre. — lembrei eu. — Levanta os papagaios


E fá-los ser estrelas num céu azul de Sol.

E gemeu a velhinha, num canto do portal:


- O vento é dor nos ossos...

- É roupa no varal sequinha num instante! —


afirmou minha mãe
correndo atarefada, entre casa e quintal.

Mas logo replicou um velho jardineiro:


—O vento, meus amigos, destruiu-me as roseiras
E fez cair as flores das minhas trepadeiras.
O vento é muito mau.

Um poeta sorriu:
— O vento é a beleza. As searas são mar
Se o vento as faz mover, no campo a ondular.

Então sentei-me à mesa e estudei a lição.


Já sei o que é o vento.
É dor. É medo. É pão.
É beleza e canção.
É a morte no mar.
E por trás disso tudo
É uma massa de ar...

E eu disse cá p'ra mim que a minha professora


Com tudo o que estudou
Não me soube ensinar
Porque nunca escutou. Guida (Coimbra, Março de 1989)

PEDRA FILOSOFAL

Eles não sabem que o sonho é uma constante da vida

4
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

tão concreta e definida rosa-dos-ventos, Infante,


como outra coisa qualquer, caravela quinhentista,
como esta pedra cinzenta que é cabo da Boa Esperança,
em que me sento e descanso, ouro, canela, marfim,
como este ribeiro manso florete de espadachim,
em serenos sobressaltos, bastidor, passo de dança,
como estes pinheiros altos Colombina e Arlequim,
que em verde e oiro se agitam, passarola voadora,
como estas aves que gritam pára-raios, locomotiva,
em bebedeiras de azul. barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
Eles não sabem que o sonho cisão do átomo, radar,
é vinho, é espuma, é fermento, ultra-som, televisão,
bichinho álacre e sedento, desembarque em foguetão
de focinho pontiagudo, na superfície lunar.
que foça através de tudo
num perpétuo movimento. Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida.
Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel, Que sempre que um homem sonha
base, fuste, capitel, o mundo pula e avança
arco, em ogiva, vitral, como bola colorida
pináculo de catedral, entre as mãos de uma criança.
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista, António Gedeão, Movimento Per pétuo, 1956

mapa do mundo distante,

5
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

NA IDADE DOS PORQUÊS

Professor diz-me porquê?


Por que voa o papagaio
que solto no ar
que vejo voar
tão alto no vento
que o meu pensamento Mas
não pode alcançar? enquanto a tua voz zangada ralha
tu sabes professor
Professor diz-me porquê? eu fecho-me por dentro
Por que roda o meu pião? faço uma cara resignada
Ele não tem nenhuma roda e finjo
roda gira rodopia finjo que não penso em nada.
cai morto no chão...
Mas penso.
Tenho nove anos professor Penso em como era engraçada
há tanto mistério à minha roda aquela rã
que eu queria desvendar! que esta manhã ouvi coaxar.
Por que é que o céu é azul? Que graça que tinha
Por que é que marulha o mar? aquela andorinha
Porquê? que ontem à tarde vi passar!...
Tanto porquê que eu queria saber!
E tu que não me queres responder! E quando tu depois vens definir
o que são conjunções
Tu falas falas professor preposições...
daquilo que te interessa quando me fazes repetir
que a mim não interessa. que os corações
Tu obrigas-me a ouvir têm duas aurículas e dois ventrículos
quando eu quero falar. e tantas
Obrigas-me a dizer tantas mais definições...
quando eu quero escutar. o meu coração
Se eu vou a descobrir o meu coração que não sei como é feito
fazes-me decorar. nem quero saber
cresce
É a luta professor cresce dentro do meu peito
a luta em vez de amor. a querer saltar cá para fora
professor
Eu sou uma criança. a ver se tu assim compreenderias
Tu és mais alto e me farias
mais forte mais belos os dias.
mais poderoso.
a minha lança Alice Gomes, Poster das Edições ITAU 1994
quebra-se de encontro à tua muralha.
6
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

AI, PALAVRAS!

Ai palavras, ai, palavras,


que estranha potência, a vossa!
Ai palavras, ai, palavras,
sois de vento, ides no vento,
no vento que não retorna,
e, em tão rápida existência,
tudo se forma e transforma!

Sois de vento, ides no vento,


e quedais, com sorte nova!

Ai palavras, ai, palavras,


que estranha potência, a vossa!
Todo o sentido da vida
principia à vossa porta;
p mel do amor cristaliza
seu perfume em vossa rosa;
sois o sonho e sois a audácia,
calúnia, fúria, derrota...

A liberdade das almas,


ai! com letras se elabora...
E dos venenos humanos
sois a mais fina retorta:
frágil, frágil como o vidro
e mais que o aço poderosa!
Reis, impérios, povos, tempos,
pelo vosso impulso rodam...

Cecília Meireles, Obra Poética

7
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

PALAVRAS

Palavras tantas vezes perseguidas

palavras tantas vezes violadas

que não sabem cantar ajoelhadas

que não se rendem mesmo feridas.

Palavras tantas vezes proibidas

e no entanto as únicas espadas

que ferem sempre mesmo se

quebradas vencedoras ainda que vencidas.

Palavras por quem eu já fui cativo

na língua de Camões vos querem, escravas

palavras com que canto e onde estou vivo.

Mas se tudo nos levam isto nos resta:

estamos de pé dentro de vós palavras.

Nem outra glória há maior do que esta.

Manuel Alegre, O Canto e as armas, 1989

8
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

MEUS DIAS DE RAPAZ

Meus dias de rapaz, de adolescente,

Abrem a boca a bocejar sombrios:

Deslizam vagarosos, como os Rios,

Sucedem-se uns aos outros, igualmente.

Nunca desperto de manhã, contente.

Pálido sempre com os lábios frios,

Oro, desfiando os meus rosários pios...

Fora melhor dormir, eternamente!

Mas não ter eu aspirações vivazes

E não ter, como têm os mais rapazes,

Olhos boiando em sol, lábio vermelho!

Quero viver, eu sinto-o mas não posso:

E não sei, sendo assim enquanto moço,

O que serei, então, depois de velho.

António Nobre, Só,

9
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

O INFANTE
Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.

Deus quis que a terra fosse toda uma,

que o mar unisse, já não separasse.

Sagrou-te, e foste desvendando a espuma.

E a orla branca foi de ilha em continente,

clareou, correndo, até ao fim do mundo,

e viu-se a terra inteira, de repente,

surgir, redonda, do azul profundo.

Quem te sagrou criou-te português.

Do mar e nós em ti nos deu sinal.

Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.

Senhor, falta cumprir-se Portugal!

Fernando Pessoa, Mensagem.

10
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

O MOSTRENGO
O mostrengo que está no fim do mar
Na noite de breu ergueu-se a voar;
À roda da nau voou três vezes,
Voou três vezes a chiar,
E disse: "Quem é que ousou entrar
Nas minhas cavernas que não desvendo,
Meus tectos negros do fim do mundo?"
E o homem do leme disse, tremendo:
“El Rei D. João Segundo!"

De quem são as velas onde me roço?


De quem as quilhas que vejo e ouço?"
Disse o mostrengo, e rodou três vezes,
Três vezes rodou imundo e grosso,
“Quem vem poder o que só eu posso,
Que moro onde nunca ninguém me visse
E escorro os medos do mar sem fundo?"
E o homem do leme tremeu, e disse:
"El-Rei D. João Segundo!"

Três vezes do leme as mãos ergueu,


Três vezes ao leme as repreendeu,
E disse no fim de tremer três vezes:
"Aqui ao leme sou mais do que eu:
Sou um Povo que quero mar que é teu;
E mais que o mostrengo, que me a alma teme
E roda nas trevas do fim do mundo,
Manda a vontade, que me ata ao leme,
De El-Rei D. João Segundo!"

Fernando Pessoa, Mensagem

11
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

LUSITÂNIA NO BAIRRO LATINO

Georges! anda ver meu país de Marinheiros, Senhora da Luz!


O meu país das Naus, de esquadras e de frotas! Parece o Farol!...
Oh, as lanchas dos poveiros Maim de Jesus!
A saírem a barra, entre ondas e gaivotas! É tal qual ela, se lhe dá o Sol!
Que estranho é! Senhor dos Passos!
Fincam o remo na água, até que o remo torça, Sinhora da Ora!
À espera da maré, Águias a voar, pelo mar dentro dos espaços
Que não tarda aí, avista-se lá fora! Parecem ermidas caiadas por fora...
E quando a onda vem, fincando-a a toda a força, Senhor dos Navegantes
Senhor de Matusinhos!
Clamam todos à uma "Agôra! agôra! agôra!" Os mestres ainda são os mesmos dantes:
E, a pouco e pouco, as lanchas vão saindo Lá vai o Bernardo da Silva do Mar,
(às vezes, sabe Deus, para não mais entrar...) A mai-los quatro filhinhos,
Que vista admirável! Que lindo! que lindo! Vascos da Gama, que andam a ensaiar...
Içam a vela, quando já têm mar. Senhora dos aflitos!
Dá-lhes o Vento e todas, à porfia, Martir São Sebastião!
Lá vão soberbas, sob um céu sem manchas, Ouvi os nossos gritos!
Rosário de velas, que o vento desfia, Deus nos leve pela mão!
A rezar, a rezar a Ladainha das Lanchas: Bamos em paz!
Ó lanchas, Deus vos leve pela mão!
Senhora Nagonia! Ide em paz
Olha acolá! Ainda lá vejo o Zé da Clara, os Remelgados,
Que linda vai com seu erro de ortografia... O Jaques, o Pardal, na Nam te perdes,
Quem me dera ir lá! E das vagas, aos ritmos cadenciados
As lanchas vão traçando, à flor das águas verdes,
Senhora Daguarda! “As armas e os barões assinalados …”
(ao leme vai o mestre Zé da Leonor) Lá sai a derradeira!
Parece uma gaivota: aponta-lhe a espingarda Ainda agarra as que vão na dianteira...
O caçador! Como ela corre! Com que força o Vento a impele!
Senhora d'ajuda! Bamos com Deus!
Ora pro nobis! Lanchas, ide com Deus! Ide e voltai com Ele
Calluda! Por esse mar de Cristo...
Sêmos probes! Adeus! Adeus! Adeus!
Senhor dos ramos!
Istrella do mar!
António Nobre, Só
Cá bamos
Parecem Nossa Senhora, a andar.

12
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

HORIZONTE
Ó mar anterior a nós, teus medos

Tinham coral e praias e arvoredos.

Desvendadas a noite e a cerração,

As tormentas passadas e o mistério,

Abria em flor o Longe, e o Sul sidério

Splendia sobre as naus da iniciação.

Linha severa da longínqua costa —

Quando a nau se aproxima ergue-se a costa

Em árvores onde o Longe nada tinha.

Mais perto, abre-se a terra em sons e cores:

E, no desembarcar, há aves, flores,

Onde era só, de longe a abstracta linha.

O sonho é ver as fortunas invisíveis

Da distância imprecisa, e, com sensíveis

Movimentos da esp'rança e da vontade,

Buscar na linha fria do horizonte

A árvore, a praia, a flor, a ave, a fonte -

Os beijos merecidos da Verdade

Fernando Pessoa, Mensagem

13
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

MOMENTO DE POESIA
Se me ponho a trabalhar
e escrevo ou desenho,
logo me sinto tão atrasado
no que devo à eternidade,
que começo a empurrar pra diante o tempo
e empurro-o, empurro-o à bruta
como empurra um atrasado,
até que, cansado, me julgo satisfeito;
e o efeito da fadiga
é muito igual à ilusão da satisfação!
Em troca, se vou passear por aí
sou tão inteligente a ver tudo o que não é comigo
compreendo tão bem o que me não diz respeito
sinto-me tão chefe do que é fora de mim,
dou conselhos tão bíblicos aos aflitos
de uma aflição que não é minha,
dou-me tão perfeitamente conta do que
se passa fora das minhas muralhas
como sou cego ao ler-me ao espelho,
que, sinceramente, não sei qual
seja melhor,
se estar sozinho em casa a dar à manivela do mundo
se ir por aí a ser o rei invisível de tudo o que não é meu.

Almada Negreiros, Obras Completas

14
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

VAI-TE, POESIA!
Vai-te, Poesia!
Deixa-me ver friamente
a realidade nua
sem ninfas de iludir
ou violinos de lua

Vai-te, Poesia!

Não transformes o mundo


descarnado e terrível
num céu de esquecer
com mendigos de nuvens
famintos de estrelas
e feridas a cheirarem a cravos
- enquanto os outros, os de carne verdadeira,
uivam em vão
a sua fome de cadelas
e de pão.

Vai-te, Poesia!
Deixa-me ver a vida
exacta e intolerável
neste planeta feito de carne humana a chorar
onde um anjo me arrasta todas as noites para casa pelos cabelos
com bandeiras de lume nos olhos,
para fabricar sonhos
carregados de dinamite de lágrimas.

Vai-te, Poesia!

Não quero cantar,


Quero gritar!
José Gomes Ferreira, Poesia III

15
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

A SECRETA VIAGEM
No barco sem ninguém, anónimo e vazio,

ficámos nós os dois, parados, de mão dada...

Como podem só dois governar um navio?

Melhor é desistir e não fazermos nada!

Sem um gesto sequer, de súbito esculpidos,

tornamo-nos reais, e de madeira, à proa...

Que figuras de lenda! Olhos vagos, perdidos...

Por entre nossas mãos, o verde mar se escoa.

Aparentes senhores de um barco abandonado,

nós olhamos, sem ver, a longínqua miragem...

Aonde iremos ter? — Com frutos e pecado,

se justifica, enflora, a secreta viagem!

Agora sei que és tu quem me fora indicada.

O resto passa, passa... alheio aos meus sentidos.

- Desfeitos num rochedo ou salvos na enseada,

a eternidade é nossa, em madeira esculpidos.

David Mourão Ferreira, A Arte de Amar

16
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

A MOURA DO CASTELO DE TAVIRA

Meia-noite além ressoa Nunca soube arreceias


cerca das ribas do mar Invoca a linda mourinha
Meia-noite já é dada Mas não ouve o seu falar
E o povo ainda a folgar. Nada importa a D. Ramiro
Em meio de tal folguedo Mais que a moura conquistar
Todos quedam sem falar Vai subir por muro acima
Olhos voltam ao castelo Sente os pés a resvalar
Para ver, para avistar Ai que era passada a hora
A linda moura encantada De a poder desencantar !...
Que era triste a suspirar. Já lá vinha a estrela-d'alva
—Quem se atreve, ai quem se atreve Com seus brilhos a raiar
Ir ao castelo e trepar No mais alto do castelo
Para vencer o encanto Já mal se via alvejar
Que tanto sabe encantar? A fina branca roupagem
— Ninguém há que a tal se atreva Da linda filha de Agar.
Não há que em mouros fiar Ao romper do claro dia
Quem lá fosse a tais desoras Para mais bem se pasmar
Para só desencantar Sobre o castelo uma nuvem
Grande risco assim correra Era apenas a pairar
De não mais de lá voltar. Jurava o povo, jurava
Ai que linda formosura E teimava em afirmar
Quem a pudera salvar! Que dentro daquela nuvem
O alvor dos seus vestidos Vira a donzela entrar.
Tem mais brilho que o luar D. Ramiro d'enraivado
Doces, tão doces suspiros De não poder-lhe chegar
Onde ouvi-los suspirar...? Dali parte e contra os mouros
Assim um bom cavaleiro Grande briga vai armar
Só se estava a delatar Por fim ganha um bom castelo
Em amor lhe ardia o peito Mas... sem moura para amar.
Em desejos seu olhar.
Três horas eram passadas
Lendas Portuguesas, recolha de Fernanda Frazão
Neste contínuo anceiar
Cavaleiro de armas brancas

17
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

D. BELTRÃO

"— Quedos, quedos, cavaleiros, — "Cavaleiro de armas brancas, Bordado a ponto real."
Que el-rei os manda contar!" Seu cavalo tremedal, —"Esse cavaleiro, amigo,
Contaram e recontaram Por esta ribeira fora, Morto está nesse fragal,
Só um lhe vinha a faltar: Ninguém não no viu passar." Com as pernas dentro d'água
Era esse D. Beltrão, Vai andando, vai andando, O corpo no areal.
Tão forte no batalhar; Sem nunca desanimar, Sete feridas no peito
Nunca o acharam de menos, Chega àquela mortandade A qual será mais mortal:
Senão naquele contar, Donde fora Roncesval: Por uma lhe entra o sol,
Senão ao passar o rio Os braços já tem cansados Por outra lhe entra o luar,
Nos portos do mal passar. De tanto morto virar; Pela mais pequena delas
Deitam sortes à ventura Viu a todos os Franceses, Um gavião a voar."
A qual o havia de ir buscar: Dom Beltrão não pôde achar. —"Não torno a culpa a meu filho,
Que ao partir fizeram todos Volta atrás o velho triste, Nem aos Mouros de o matar;
Preito e homenagem no altar: Volta por um areal, Torno culpa ao seu cavalo
O que na guerra morresse Viu estar um perro mouro De o não saber retirar."
Dentro em França se enterrar. Em um adarve a velar: Milagre! Quem tal diria,
Sete vezes deitam sortes —"Por Deus te rogo, bom Quem tal poderá contar!
A quem no há-de ir buscar; Mouro, O cavalo meio morto
Todas sete lhe caíram Me digas, sem me enganar, Ali se pôs a falar:
Ao bom velho de seu pai. Cavaleiro de armas brancas — "Não me tornes essa culpa,
Volta rédeas ao cavalo, Se o viste por aqui passar, Que ma não podes tornar:
Sem mais dizer nem falar... Ontem à noite seria, Três vezes o retirei,
Que lhe a sorte não caíra, Horas de o galo cantar. Três vezes para o salvar;
Nunca ele havia ficar. Se entre vós está cativo, Três me deu de espora e rédea,
Triste e só foi andando, A ouro o hei-de pesar." Coa sanha de pelejar.
Não cessava de chorar; —"Esse cavaleiro, amigo, Três vezes me apertou cilhas,
De dia vai pelos montes, Diz-me tu que sinais traz." Me alargou o peitoral...
De noite vai pelo vale; — "Brancas são as suas armas, À terceira fui a terra
Aos pastores perguntando O cavalo tremedal. Desta ferida mortal."
Se viram ali passar Na ponta de sua lança
Cavaleiro de armas brancas, Levava um branco sendal,
Seu cavalo tremedal. Que lho bordou sua dama, Almeida Ganes, Romanceiro

18
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

CÂNTICO NEGRO

"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos Para eu derrubar os meus obstáculos?...
doces
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
Estendendo-me os braços, e seguros
E vós amais o que é fácil!
De que seria bom que eu os ouvisse
Eu amo o Longe e a Miragem,
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...
Eu olho-os com olhos lassos,
Ide! Tendes estradas,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
Tendes jardins, tendes canteiros,
E cruzo os braços,
Tendes pátria, tendes tetos,
E nunca vou por ali...
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
A minha glória é esta:
Eu tenho a minha Loucura !
Criar desumanidades!
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
Não acompanhar ninguém.
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Me levam meus próprios passos...
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Por que me repetis: "vem por aqui!"?
Ninguém me peça definições!
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
Redemoinhar aos ventos,
A minha vida é um vendaval que se soltou,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
É uma onda que se alevantou,
A ir por aí...
É um átomo a mais que se animou...
Se vim ao mundo, foi
Não sei por onde vou,
Só para desflorar florestas virgens,
Não sei para onde vou
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
Sei que não vou por aí!
O mais que faço não vale nada.
Como, pois, sereis vós
José Régio
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem

19
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

POEMA À MÃE

No mais fundo de ti,


eu sei que traí, mãe

Tudo porque já não sou


o retrato adormecido
no fundo dos teus olhos.
Olha — queres ouvir-me? —
Tudo porque tu ignoras às vezes ainda sou o menino
que há leitos onde o frio não se demora que adormeceu nos teus olhos;
e noites rumorosas de águas matinais.
ainda aperto contra o coração
Por isso, às vezes, as palavras que te digo rosas tão brancas
são duras, mãe, como as que tens na moldura;
e o nosso amor é infeliz.
ainda oiço a tua voz:
Tudo porque perdi as rosas brancas Era uma vez uma princesa
que apertava junto ao coração no meio de um laranjal...
no retrato da moldura.
Mas — tu sabes — a noite é enorme,
Se soubesses como ainda amo as rosas, e todo o meu corpo cresceu.
talvez não enchesses as horas de pesadelos. Eu saí da moldura,
dei às aves os meus olhos a beber,
Mas tu esqueceste muita coisa;
esqueceste que as minhas pernas cresceram, Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas.
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração Boa noite. Eu vou com as aves.
ficou enorme, mãe!

Eugénio de Andrade

20
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

AMAR!

Eu quero amar, amar perdidamente!

Amar só por amar: Aqui... além...

Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...

Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...

Prender ou desprender? É mal? É bem?

Quem disser que se pode amar alguém

Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:

É preciso cantá-la assim florida,

Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada

Que seja a minha noite uma alvorada,

Que me saiba perder... pra me encontrar...

Florbela Espanca

21
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

DESFECHO

Não tenho mais palavras.

Gastei-as a negar-te...

(Só a negar-te eu pude combater

O terror de te ver

Em toda a parte.)

Fosse qual fosse o chão da caminhada,

Era certa a meu lado

A divina presença impertinente

Do teu vulto calado

E paciente...

E lutei, como luta um solitário

Quando alguém lhe perturba a solidão.

Fechado num ouriço de recusas,

Soltei a voz, arma que tu não usas,

Sempre silencioso na agressão.

Mas o tempo moeu na sua mó

O joio amargo do que te dizia...

Agora somos dois obstinados, mudos e malogrados,

Que apenas vão a par na teimosia.

Miguel Torga

22
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

POEMA DO FECHO ÉCLAIR

Filipe II tinha um colar de oiro


tinha um colar de oiro com pedras rubis.
Cingia a cintura com cinto de coiro,
com fivela de oiro,
olho de perdiz.

Comia num prato


de prata lavrada
girafa trufada,
rissóis de serpente.
O copo era um gomo
que em flor desabrocha, Foi dono da terra,
de cristal de rocha foi senhor do mundo,
do mais transparente. nada lhe faltava,
Filipe Segundo.
Andava nas salas
forradas de Arrás, Tinha oiro e prata,
com panos por cima, pedras nunca vistas,
pela frente e por trás. safira, topázios,
Tapetes flamengos, rubis, ametistas.
combates de galos,
alões e podengos, Tinha tudo, tudo
falcões e cavalos. sem peso nem conta,
bragas de veludo,
Dormia na cama peliças de lontra.
de prata maciça
com dossel de lhama Um homem tão grande
de franja roliça. tem tudo o que quer.
Na mesa do canto
vermelho damasco O que ele não tinha
a tíbia de um santo era um fecho éclair.
guardada num frasco.

António Gedeão

23
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

TREM DE FERRO

Café com pão


Café com pão
Café com pão

Virge Maria que foi isso maquinista?

Agora sim
Café com pão
Agora sim
Voa, fumaça
Corre, cerca Quando me prendero
Ai seu foguista No canaviá
Bota fogo Cada pé de cana
Na fornalha Era um oficiá
Que eu preciso Oô...
Muita força Menina bonita
Muita força Do vestido verde
Muita força Me dá tua boca
(trem de ferro, trem de ferro) Pra matar minha sede

Oô... Oô...
Foge, bicho Vou mimbora vou mimbora
Foge, povo Não gosto daqui
Passa ponte Nasci no sertão
Passa poste Sou de Ouricuri
Passa pasto Oô...
Passa boi
Passa boiada Vou depressa
Passa galho Vou correndo
Da ingazeira Vou na toda
Debruçada Que só levo
No riacho Pouca gente
Que vontade Pouca gente
De cantar! Pouca gente...
Oô... (trem de ferro, trem de ferro)
(café com pão é muito bom)
Manuel Bandeira

24
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

E POR VEZES

E por vezes as noites duram meses

E por vezes os meses oceanos

E por vezes os braços que apertamos

nunca mais são os mesmos E por vezes

encontramos de nós em poucos meses

o que a noite nos fez em muitos anos

E por vezes fingimos que lembramos

E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos

só o sarro das noites não dos meses

lá no fundo dos copos encontramos

E por vezes sorrimos ou choramos

E por vezes por vezes ah por vezes

num segundo se evolam tantos anos.

David Mourão-Ferreira

25
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

CALÇADA DE CARRICHE

Luísa sobe, chega à oficina


sobe a calçada, Chegou a casa à hora marcada,
sobe e não pode não disse nada. puxa que puxa,
que vai cansada. Pegou na filha, larga que larga,
Sobe, Luísa, deu-lhe a mamada; puxa que puxa,
Luísa, sobe, bebeu a sopa larga que larga,
sobe que sobe numa golada; puxa que puxa,
sobe a calçada. lavou a loiça, larga que larga,
Saiu de casa varreu a escada; puxa que puxa,
de madrugada; deu jeito à casa larga que larga;
regressa a casa desarranjada; toca a sineta
é já noite fechada. coseu a roupa na hora aprazada,
Na mão grosseira, já remendada; corre à cantina,
de pele queimada, despiu-se à pressa, volta à toada,
leva a lancheira desinteressada; puxa que puxa,
desengonçada. caiu na cama larga que larga,
Anda, Luísa, de uma assentada; puxa que puxa,
Luísa, sobe, larga que larga,
sobe que sobe, chegou o homem, puxa que puxa,
sobe a calçada. viu-a deitada; larga que larga.
serviu-se dela, Regressa a casa
Luísa é nova, não deu por nada. é já noite fechada.
desenxovalhada, Anda, Luísa. Luísa arqueja
tem perna gorda, Luísa, sobe, pela calçada.
bem torneada. sobe que sobe, Anda, Luísa,
Ferve-lhe o sangue sobe a calçada. Luísa, sobe,
de afogueada; sobe que sobe,
saltam-lhe os peitos Na manhã débil, sobe a calçada,
na caminhada. sem alvorada, sobe que sobe,
Anda, Luísa. salta da cama, sobe a calçada,
Luísa, sobe, desembestada; sobe que sobe,
sobe que sobe, puxa da filha, sobe a calçada.
sobe a calçada. dá-lhe a mamada; Anda, Luísa,
veste-se à pressa, Luísa, sobe,
Passam magalas, desengonçada; sobe que sobe,
rapaziada, anda, ciranda, sobe a calçada.
palpam-lhe as coxas desaustinada;
não dá por nada. range o soalho
Anda, Luísa, a cada passada,
Luísa, sobe, salta para a rua,
sobe que sobe, corre açodada,
sobe a calçada. galga o passeio,
desce o passeio,
desce a calçada, António Gedeão

26
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

A RÃ E O BOI

Num certo charco vivia


Certa rã, com alegria,
Coaxando de noite e dia.

Ora ao charco foi beber


Um boi. Logo a rã, ao ver
O seu tamanho, quis ser

Como ele tão corpulenta;


E sem demora ciumenta,
Sobre uma pedra se senta,

E sempre o boi espreitando,


Vai inchando, vai inchando,
E a seus filhos perguntando:

— Tamanho dele já sou?


— Ainda não!
— Já chegou?
— mais um pouco!

Arrebentou!

O pobre boi, afinal,


Nem sequer dera por tal...
E só a rã por seu mal
Veio de inveja a morrer...

Quem, mais do que é, quiser ser


Aqui seu fim pode ver.
Armando Cortes-Rodrigues, Canção da Vida Vivida

27
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

OS RATOS REUNIDOS EM CONSELHO

Algures, entre muitos gatos


Um havia
Que era, segundo a fama que corria,
O mais temido caçador de ratos.
Diziam: — Isto assim não pode ser;
Focinho de arreganho, Antes a morte
De grande rabo Do que esta sorte:
E de eriçado pêlo, Passar dias e dias sem comer!
Para o murganho
Vê-lo, E logo alvitrou um, com alvoroço:
Era o diabo!... — Sabem o que é preciso?
É pôr-lhe um guizo
Nenhum rato caía na tolice Ao pescoço...
De sair, sem cautela, do buraco, Com o guizo ele próprio nos previne...
Por mais fraco Muito embora no chão se agache e roje,
Que o estômago sentisse. Ao menor movimento o guizo tine,
E a gente foge...
Não, porque ele era o espectro, era a tortura
Que rala, que aniquila, que consome! Bravo! — gritaram todos. — Muito bem!
Ele era a fome É assim mesmo! Assim!
E a sepultura! Mas quem há-de ir atar o laço? Quem?

O caçador, porém, não era monge; Eu não, que não sou tolo! — afirmou um.
E numa linda noite de luar Nem eu — disse outro. E enfim,
Soube-se no lugar Não foi nenhum.
Que andava longe …
Há destes casos neste mundo a rodos;
Então, Se é preciso coragem numa acção,
(Vejam aqui os homens neste espelho Todos concordam, ninguém diz que não,
Como eles, fúteis, tantas vezes são) Mas chegando o momento, faltam todos!
Os ratos reuniram em conselho.

João de Deus Ramos

28
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

ALGUMAS PROPOSIÇÕES COM PÁSSAROS E ÁRVORES


QUE O POETA REMATA COM UMA REFERÊNCIA AO CORAÇÃO

Os pássaros nascem na ponta das árvores

As árvores que eu vejo em vez de fruto dão pássaros

Os pássaros são o fruto mais vivo das árvores

Os pássaros começam onde as árvores acabam

Os pássaros fazem cantar as árvores

Ao chegar aos pássaros as árvores engrossam movimentam-se

deixam o reino vegetal para passar a pertencer ao reino animal

Como pássaros poisam as folhas na terra

quando o Outono desce veladamente sobre os campos

Gostaria de dizer que os pássaros emanam das árvores

mas deixo essa forma de dizer ao romancista

é complicada e não se dá bem na poesia

não foi ainda isolada da filosofia

Eu amo as árvores principalmente as que dão pássaros

Quem é que lá os pendura nos ramos?

De quem é a mão a inúmera mão?

Eu passo e muda-se-me o coração

RUY BELO, Homem de Palavra(s)

29
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

PARA SEMPRE
Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba, veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
— mistério profundo —
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE, Lição de Coisas

30
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

AS PALAVRAS

São como um cristal, as palavras.


Algumas, um punhal,

um incêndio.

Outras,

orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.

Inseguras navegam,

barcos ou beijos

as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,

leves.

Tecidas são de luz

e são a noite.

E mesmo pálidas

verdes paraísos lembram ainda.

Quem as escuta? Quem

as recolhe, assim,

cruéis, desfeitas,

nas suas conchas puras?

EUGÉNIO DE ANDRADE, Antologia Breve

31
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

FERMOSÍSSIMA MARIA

Entrava a fermosíssima Maria


Polos paternais paços sublimados,
Lindo o gesto, mas fora de alegria,
E seus olhos em lágrimas banhados.
Os cabelos angélicos trazia
Pelos ebúrneos ombros espalhados.
Diante do pai ledo, que a agasalha,
Estas palavras tais, chorando, espalha:

"Quantos povos a terra produziu


De África toda, gente fera e estranha,
O grão Rei de Marrocos conduziu
Pera vir possuir a nobre Espanha.
Poder tamanho junto não se viu,
Despois que o salso mar a terra banha;
Trazem ferocidade e furor tanto,
Que a vivos medo, e a mortos faz espanto.

Aquele que me deste por marido,


Por defender sua terra amedrontada,
Co pequeno poder, oferecido
Ao duro golpe está da Maura espada,
E, se não for contigo socorrido,
Ver-me-ás dele e do Reino ser privada;
Viúva e triste e posta em vida escura,
Sem marido, sem Reino e sem ventura.

Portanto, ó Rei, de quem com puro medo


O corrente Muluca se congela,
Rompe toda a tardança, acude cedo
À miseranda gente de Castela.
Se esse gesto, que mostras claro e ledo,
De pai o verdadeiro amor asseia,
Acude e corre, pai, que, se não corres,
Pode ser que não aches quem socorres."

LUÍS VAZ DE CAMÕES, Os Lusíadas, Canto III

32
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

MUDEZ

Que desgraça, meu Deus!


Tenho a Ilíada aberta à minha frente,
Tenho a memória cheia de poemas,
Tenho os versos que fiz,
E todo o santo dia me rasguei
À procura não sei
De que palavra, síntese ou imagem!
Desço dentro de mim, olho a paisagem,
Analiso o que sou, penso o que vejo,
E sempre o mesmo trágico desejo
De dar outra expressão ao que foi dito!
Sempre a mesma vontade de gritar,
Embora de antemão a duvidar
Da exactidão e força desse grito.

Mudo, mesmo se falo, e mudo ainda


Na voz dos outros, todo eu me afogo
Neste mar de silêncio, íntima noite
Sem madrugada.
Silêncio da criança que ficasse
Toda a vida criança
E nunca conseguisse semelhança
Entre o pavor e o pranto que chorasse.
MIGUEL TORGA, Orfeu Rebelde

33
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

MÃEZINHA
A terra de meu pai era pequena
e os transportes difíceis.
Não havia comboios, nem automóveis, nem aviões, nem mísseis.
Corria branda a noite e a vida era serena.

Segundo informação, concreta e exacta,


dos boletins oficiais,
viviam lá na terra, a essa data,
3023 mulheres, das quais
45 por cento eram de tenra idade,
chamando tenra idade
à que vai do berço até à puberdade.

28 por cento das restantes


eram senhoras, daquelas senhoras que só havia dantes.
Umas, viúvas, que nunca mais (oh! nunca mais!) tinham sequer sorrido
desde o dia da morte do extremoso marido;
outras, senhoras casadas, mães de filhos…
(De resto, as senhoras casadas,
pelas suas próprias condições,
não têm que ser consideradas
nestas considerações.)

Das outras, 10 por cento,


eram meninas casadoiras, seriíssimas, discretas,
mas que por temperamento,
ou por outras razões mais ou menos secretas,
não se inclinavam para o casamento.

Além destas meninas


havia, salvo erro, 32,
que à meiga luz das horas vespertinas
se punham a bordar por detrás das cortinas
espreitando, de revés, quem passava nas ruas.

Dessas havia 9 que moravam


em prédios baixos como então havia,
um aqui, outro além, mas que todos ficavam
no troço habitual que o meu pai percorria,
tranquilamente no maior sossego, às horas em
que entrava e saía do emprego.

Dessas 9 excelentes raparigas não se sabe porquê.


uma fugiu com o criado da lavoura;
5 morreram novas, de bexigas; A que sobeja
outra, que veio a ser grande senhora, chama-se Rosinha.
teve as suas fraquezas mas casou-se Foi essa que o meu pai levou à igreja.
e foi condessa por real mercê; Foi a minha mãezinha.
outra suicidou-se António Gedeão
34
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

LÁGRIMA DE PRETA

Encontrei uma preta


que estava a chorar,
pedi-lhe uma lágrima
para a analisar.

Recolhi a lágrima
com todo o cuidado
num tubo de ensaio
bem esterilizado.

Olhei-a de um lado,
do outro e de frente:
tinha um ar de gota
muito transparente.

Mandei vir os ácidos,


as bases e os sais,
as drogas usadas
em casos que tais.

Ensaiei a frio,
experimentei ao lume,
de todas as vezes
deu-me o que é costume:

Nem sinais de negro,


nem vestígios de ódio.
Água (quase tudo)
e cloreto de sódio.

António Gedeão

35
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

DESENCONTRO

Que língua estrangeira é esta


que me roça a flor do ouvido,
um vozear sem sentido
que nenhum sentido empresta?
Sussurro de vago tom,
reminiscência de esfinge,
voz que se julga, ou se finge
sentindo, e é apenas som.

Contracenamos por gestos,


por sorrisos, por olhares,
rodeios protocolares,
cumprimentos indigestos,
firmes aperto de mão,
passeios de braço dado,
mas por som articulado,
por palavras, isso não.
Antes morrer atolado
na mais negra solidão.

António Gedeão

36
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

POEMA DO HOMEM-RÃ

Sou feliz por ter nascido


no tempo dos homens-rãs
que descem ao mar perdido
na doçura das manhãs.
Mergulham, imponderáveis,
por entre as águas tranquilas,
enquanto singram, em filas,
peixinhos de cores amáveis.
Vão e vêm, serpenteiam,
em compassos de ballet.
Seus lentos gestos penteiam
madeixas que ninguém vê.

Com barbatanas calçadas


e pulmões a tiracolo,
roçam-se os homens no solo
sob um céu de águas paradas.

Sob o luminoso feixe


correm de um lado para outro,
montam no lombo de um peixe
como no dorso de um potro.

Onde as sereias de espuma?


Tritões escorrendo babugem?
E os monstros cor de ferrugem
rolando trovões na bruma?

Eu sou o homem. O Homem.


Desço ao mar e subo ao céu.
Não há temores que me domem
É tudo meu, tudo meu.

António Gedeão

37
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

POEMA DA AUTO-ESTRADA

Voando vai para a praia


Leonor na estrada preta.
Vai na brasa, de lambreta.

Leva calções de pirata,


Vermelho de alizarina,
modelando a coxa fina
de impaciente nervura.
Como guache lustroso,
amarelo de indantreno,
blusinha de terileno
desfraldada na cintura.

Fuge, fuge, Leonoreta.


Vai na brasa, de lambreta.

Agarrada ao companheiro
na volúpia da escapada
pincha no banco traseiro
em cada volta da estrada.
Grita de medo fingido,
que o receio não é com ela,
mas por amor e cautela
abraça-o pela cintura.
Vai ditosa, e bem segura.

Como um rasgão na paisagem


corta a lambreta afiada,
engole as bermas da estrada
e a rumorosa folhagem. Na confusão dos sentidos
Urrando, estremece a terra, já nem percebe, Leonor,
bramir de rinoceronte, se o que lhe chega aos ouvidos
enfia pelo horizonte são ecos de amor perdidos
como um punhal que se enterra. se os rugidos do motor.
Tudo foge à sua volta,
o céu, as nuvens, as casas, Fuge, fuge, Leonoreta.
e com os bramidos que solta Vai na brasa, de lambreta.
lembra um demónio com asas.

António Gedeão, in 'Máquina de Fogo'

38
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

LIBERDADE

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
Sol doira
Sem literatura
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como o tempo não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.


Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quanto há bruma,


Esperar por D.Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...


Mas o melhor do mundo são as crianças,

Flores, música, o luar, e o sol, que peca


Só quando, em vez de criar, seca.

Mais que isto


É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

39
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

GUARDADOR DE REBANHOS

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.
O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
E para onde ele vai
E donde ele vem.
E por isso, porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
Pelo Tejo vai-se para o Mundo.
Para além do Tejo há a América
E a fortuna daqueles que a encontram.
Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.
O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Quem está ao pé dele está só ao pé dele.

40
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

O MENINO DA SUA MÃE

No plaino abandonado
Que a morna brisa aquece,
De balas trespassado-
Duas, de lado a lado-,
Jaz morto, e arrefece.
Raia-lhe a farda o sangue.
De braços estendidos,
Alvo, louro, exangue,
Fita com olhar langue
E cego os céus perdidos.
Tão jovem! Que jovem era!
(agora que idade tem?)
Filho único, a mãe lhe dera
Um nome e o mantivera:
«O menino de sua mãe.»
Caiu-lhe da algibeira
A cigarreira breve.
Dera-lhe a mãe. Está inteira
E boa a cigarreira.
Ele é que já não serve.
De outra algibeira, alada
Ponta a roçar o solo,
A brancura embainhada
De um lenço… deu-lho a criada
Velha que o trouxe ao colo.
Lá longe, em casa, há a prece:
“Que volte cedo, e bem!”
(Malhas que o Império tece!)
Jaz morto e apodrece
O menino da sua mãe

Fernando Pessoa

41
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

O PASSEIO DE SANTO ANTÓNIO

Saíra Santo António do convento,


a dar o seu passeio costumado Sem suspeitarem de que alguém os visse,
e a decorar, num tom rezado e lento, trocaram beijos ao luar tranquilo.
um cândido sermão sobre o pecado. O Menino, porém, ouviu e disse:
— Ó Frei António, o que foi aquilo?...
Andando, andando sempre, repetia
o divino sermão piedoso e brando, O santo, erguendo a manga do burel
e nem notou que a tarde esmorecia, para tapar o noivo e a namorada,
que vinha a noite plácida baixando... mentiu numa voz doce como o mel:
— Não sei que fosse. Eu cá não ouvi nada...
E andando, andando, viu-se num outeiro,
com árvores e casas espalhadas, Uma risada límpida, sonora,
que ficava distante do mosteiro vibrou em notas de oiro no caminho.
uma légua das fartas, das puxadas.. — Ouviste, Frei António? Ouviste agora?
— Ouvi, Senhor, ouvi. É um passarinho...
Surpreendido por se ver tão longe,
e fraco por haver andado tanto, — Tu não estás com a cabeça boa...
sentou-se a descansar o bom do monge, Um passarinho a cantar assim!...
com a resignação de quem é santo... E o pobre Santo António de Lisboa
calou-se embaraçado, mas, por fim,
O luar, um luar claríssimo nasceu.
Num raio dessa linda claridade, corado como as vestes dos cardeais,
o Menino Jesus baixou do céu, achou esta saída redentora:
pôs-se a brincar com o capuz do frade. — Se o Menino Jesus pergunta mais,
... queixo-me à sua mãe, Nossa Senhora!
Perto, uma bica de água murmurante
juntava o seu murmúrio ao dos pinhais. Voltando-lhe a carinha contra a luz
Os rouxinóis ouviam-se distante. e contra aquele amor sem casamento,
O luar, mais alto, iluminava mais. pegou-lhe ao colo e acrescentou: — Jesus,
são horas...
De braço dado, para a fonte, vinha E abalaram prò convento.
um par de noivos todo satisfeito.
Ela trazia ao ombro a cantarinha,
ele trazia... o coração no peito. Augusto Gil, Luar de Janeiro,

42
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

O SONO DO JOÃO

E tu vê-lo-ás crescendo
O João dorme... (Ó Maria, A teu lado (estou vendo
Dize àquela cotovia João! que rapaz tão lindo!)
Que fale mais devagar: Mas sempre, sempre dormindo...
Não vá, o João, acordar...)
Tem só um palmo de altura Depois, um dia virá
E nem meio de largura: Que (dormindo) passará
Para o amigo orangotango Do berço onde agora dorme,
O João seria... um morango! Para outro, grande, enorme:
Podia engoli-lo um leão E as pombas que eram maiores
Quando nasce! As pombas são Que João... ficarão menores!
Um poucochinho maiores...
Mas os astros são menores! Mas para isso, ó Maria!
Dize àquela cotovia
O João dorme... Que regalo! Que fale mais devagar:
Deixá-lo dormir, deixá-lo! Não vá, o João, acordar...
Calai-vos águas do moinho!
Ó mar! fala mais baixinho... E os anos irão passando.
E tu mãe! e tu, Maria!
Pede àquela cotovia Depois, já velhinho, quando
Que fale mais devagar: (serás velhinha também)
Não vá, o João, acordar... Perder a cor que, hoje, tem,
Perder as cores vermelhas
O João dorme, o inocente!
Dorme, dorme, eternamente, E for cheiinho de engelhas,
Teu calmo sono profundo! Morrerá sem o sentir:
Não acordes para o mundo, Isto é, deixa de dormir:
Pode levar-te a maré: Acorda e regressa ao seio
Tu mal sabes o que isto é... De Deus, que é donde ele veio...
Ó mãe! canta-lhe a canção,
Os versos do teu irmão: Mas para isso, ó Maria!
« Na vida que a dor povoa, Pede àquela cotovia
Há só uma coisa boa, Que fale mais devagar:
Que é dormir, dormir, dormir...
Tudo vai sem se sentir.» Não vá, o João, acordar...

Deixa-o dormir, até ser


Um velhinho... até morrer! António Nobre

43
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

A NEVE

Batem leve, levemente,


como quem chama por mim...
Será chuva? Será gente? Fico olhando esses sinais
Gente não é, certamente da pobre gente que avança,
e a chuva não bate assim... e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
É talvez a ventania; de uns pezitos de criança...
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia E descalcinhos, doridos...
na quieta melancolia a neve deixa inda vê-los,
dos pinheiros do caminho... primeiro, bem definidos,
- depois em sulcos compridos,
Quem bate, assim, levemente, porque não podia erguê-los!...
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente? Que quem já é pecador
Não é chuva, nem é gente, sofra tormentos... enfim!
nem é vento, com certeza. Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!...
Fui ver. A neve caía Porque padecem assim?!
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria... E uma infinita tristeza,
Há quanto tempo a não via! uma funda turbação
E que saudade, Deus meu! entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na natureza...
Olho-a através da vidraça. – e cai no meu coração.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça Augusto Gil - Luar de Janeiro
na brancura do caminho...

44
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

O DINHEIRO

O dinheiro é tão bonito,


Tão bonito, o maganão! Nessas espécies de exames
Tem tanta graça, o maldito, Que a gente faz em rapaz,
Tem tanto chiste, o ladrão! São milagres aos enxames
O falar, fala de um modo... O que aquele demo faz!
Todo ele, aquele todo... Sem saber nem patavina
E elas acham-no tão guapo! De gramática latina,
Velhinha ou moça que veja, Quer-se um rapaz dali fora?
Por mais esquiva que seja, Vai ele com tais falinhas,
Tais gaifonas, tais coisinhas...
Tlim!

Papo. Tlim!

E a cegueira da justiça Ora...


Como ele a tira num ai!
Sem lhe tocar com a pinça;
E só dizer-lhe: «Aí vai...» Aquela fisionomia
Operação melindrosa, É lábia que o demo tem!
Que não é lá qualquer coisa; Mas numa secretaria
Catarata, tome conta! Aí é que é vê-lo bem!
Pois não faz mais do que isto, Quando ele de grande gala,
Diz-me um juiz que o tem visto: Entra o ministro na sala,
Aproveita a ocasião:
Tlim! «Conhece este amigo antigo?»
— Oh, meu tão antigo amigo!
Pronta.
(Tlim!)

Pois não!

João de Deus

45
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

O PALÁCIO DA VENTURA

Sonho que sou um cavaleiro andante.


Por desertos, por sóis, por noite escura,
Paladino do amor, busco anelante
O palácio encantado da Ventura!

Mas já desmaio, exausto e vacilante,


Quebrada a espada já, rota a armadura...
E eis que súbito o avisto, fulgurante
Na sua pompa e aérea formosura!

Com grandes golpes bato à porta e brado:


Eu sou o Vagabundo, o Deserdado...
Abri-vos, portas de ouro, ante meus ais!

Abrem-se as portas d'ouro com fragor...


Mas dentro encontro só, cheio de dor,
Silêncio e escuridão - e nada mais!

Antero de Quental, in "Sonetos"

46
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

MEMÓRIA

Ora isto, Senhores, deu-se em Trás-os-Montes,


Em terras de Borba, com torres e pontes.
Português antigo, do tempo da guerra,
Levou-o o Destino pra longe da terra.
Passaram os anos, a Borba voltou,
Que linda menina que, um dia, encontrou!
Que lindas fidalgas e que olhos castanhos!
E, um dia, na Igreja correram os banhos.
Mais tarde, debaixo dum signo mofino,
Pela lua-nova, nasceu um menino.
Ó mães dos Poetas! sorrindo em seu quarto,
Que são virgens antes e depois do parto!
Num berço de prata, dormia deitado,
Três moiras vieram dizer-lhe o seu fado
(E abria o menino seus olhos tão doces):
«Serás um Príncipe! mas antes... não fosses.»
Sucede, no entanto, que o Outono veio
E, um dia, ela resolve ir dar um passeio.
Calçou as sandálias, tocou-se de flores,
Vestiu-se de Nossa Senhora das Senhoras:
«Vou ali adiante, à Cova, em berlinda,
António e já volto...» E não voltou ainda!
Vai o Esposo, vendo que ela não voltava,
Vai lá ter com ela, por lá se quedava.
Ó homem egrégio! de estirpe divina,
De alma de bronze e coração de menina!
Em vão corri mundos, não vos encontrei
Por vales que fora, por eles voltei.
E assim se criou um anjo, o Diabo, a lua;
Ai corre o seu fado! a culpa não é sua!
Sempre é agradável ter um filho Virgílio,
Ouvi estes carmes que eu compus no exílio,
Ouvi-os vós todos, meus bons Portugueses!
Pelo cair das folhas, o melhor dos meses,
Mas, tende cautela, não vos faça mal...
Que é o livro mais triste que há em Portugal!

SÓ, António Nobre

47
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

MARINHEIRO SEM MAR

Longe o marinheiro tem Nenhum navio lavará o nojo do seu rosto


Uma serena praia de mãos puras As imagens são eternas e precisas
Mas perdido caminha nas obscuras Em vão chamará pelo vento
Ruas da cidade sem piedade Que a direito corre pelas praias lisas

Todas as cidades são navios Ele morrerá sem mar e sem navios
Carregados de cães uivando à lua Sem rumo distante e sem mastros esguios
Carregados de anões e mortos frios Morrerá entre paredes cinzentas
Pedaços de braços e restos de cabeças
E ele vai baloiçando como um mastro Boiarão na penumbra das madrugadas lentas
Aos seus ombros apoiam-se as esquinas
Vai sem aves nem ondas repentinas E ao Norte e ao Sul
Somente sombras nadam no seu rastro. Ao Leste e ao Poente
Os quatro cavalos do vento
Nas confusas redes de seu pensamento Sacodem as suas crinas
Prendem-se obscuras medusas
Morta cai a noite com o vento E o espírito do mar pergunta:

E sobe por escadas escondidas "- Que é feito daquele


E vira por ruas sem nome Para quem eu guardava um reino puro
Pela própria escuridão conduzido De espaço e de vazios
Com pupilas transparentes e de vidro De ondas brancas e fundas
e de verde vazio?"
Vai nos contínuos corredores
Onde os polvos da sombra o estrangulam Ele não dormirá na areia lisa
E as luzes como peixes voadores Entre medusas, conchas e corais
O alucinam.
Ele dormirá na podridão
Porque ele tem um navio mas sem mastros E ao Norte e ao Sul
Porque o mar secou E ao Leste e ao Poente
Porque o destino apagou Os quatro cavalos do vento
O seu nome dos astros Exactos e transparentes
Porque o seu caminho foi perdido O esquecerão
O seu triunfo vendido
E ele tem as mãos pesadas de desastres Porque ele se perdeu do que era eterno
E separou o seu corpo da unidade
E é em vão que ele se ergue entre os sinais E se entregou ao tempo dividido
Buscando pela luz da madrugada pura Das ruas sem piedade.
Chamando pelo vento que há no cais
(Sophia de Mello Breyner Andresen, Obra poética.

48
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

LISBON REVISITED (1923)


NÃO: Não quero nada.
Já disse que não quero nada.
Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer.
Não me tragam estéticas!
Não me falem em moral!
Tirem-me daqui a metafísica!
Não me apregoem sistemas completos, não me enfileirem conquistas
Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) —
Das ciências, das artes, da civilização moderna!
Que mal fiz eu aos deuses todos?
Se têm a verdade, guardem-na!

Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da técnica.


Fora disso sou doido, com todo o direito a sê-lo.
Com todo o direito a sê-lo, ouviram?

Não me macem, por amor de Deus!

Queriam-me casado, fútil, quotidiano e tributável?


Queriam-me o contrário disto, o contrário de qualquer coisa?
Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade.
Assim, como sou, tenham paciência!
Vão para o diabo sem mim,
Ou deixem-me ir sozinho para o diabo!
Para que havemos de ir juntos?

Não me peguem no braço!


Não gosto que me peguem no braço. Quero ser sozinho.
Já disse que sou sozinho!
Ah, que maçada quererem que eu seja da companhia!

Ó céu azul — o mesmo da minha infância —


Eterna verdade vazia e perfeita!
Ó macio Tejo ancestral e mudo,
Pequena verdade onde o céu se reflecte!
Ó mágoa revisitada, Lisboa de outrora de hoje!
Nada me dais, nada me tirais, nada sois que eu me sinta.

Deixem-me em paz! Não tardo, que eu nunca tardo...


E enquanto tarda o Abismo e o Silêncio quero estar sozinho!
Álvaro de Campos, in "Poemas"

49
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

ESTA É A CIDADE

Esta é a Cidade, e é bela.


Pela ocular da janela
foco o sémen da rua.
Um formigueiro se agita,
se esgueira, freme, crepita,
ziguezagueia e flutua.

Freme como a sede bebe


numa avidez de garganta,
como um cavalo se espanta
ou como um ventre concebe.

Treme e freme, freme e treme,


friorento voo de libélula
sobre o charco imundo e estreme.
Barco de incógnito leme
cada homem, cada célula.
É como um tecido orgânico
que não seca nem coagula,
que a si mesmo se estimula
e vai, num medido pânico.

Aperfeiçoo a focagem.
Olho imagem por imagem
numa comoção crescente.
Enchem-se-me os olhos de água.
Tanto sonho! Tanta mágoa!
Tanta coisa! Tanta gente!
São automóveis, lambretas,
motos, vespas, bicicletas,
carros, carrinhos, carretas,
e gente, sempre mais gente,
gente, gente, gente, gente,
num tumulto permanente
que não cansa nem descansa,
um rio que no mar se lança
em caudalosa corrente.

Tanto sonho! Tanta esperança!


Tanta mágoa! Tanta gente!
António Gedeão

50
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

HOMO

Nenhum de vós ao certo me conhece,


Astros do espaço, ramos do arvoredo,
Nenhum adivinhou o meu segredo,
Nenhum interpretou a minha prece...

Ninguém sabe quem sou... e mais, parece


Que há dez mil anos já, neste degredo,
Me vê passar o mar, vê-me o rochedo
E me contempla a aurora que alvorece...

Sou um parto da Terra monstruoso;


Do húmus primitivo e tenebroso
Geração casual, sem pai nem mãe...

Misto infeliz de trevas e de brilho,


Sou talvez Satanás; - talvez um filho
Bastardo de Jeová; - talvez ninguém!

Antero de Quental

51
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

DEZ REIS DE ESPERANÇA


Se não fosse esta certeza
que nem sei de onde me vem,
não comia, nem bebia,
nem falava com ninguém.
Acocorava-me a um canto,
no mais escuro que houvesse,
punha os joelhos à boca
e viesse o que viesse.
Não fossem os olhos grandes
do ingénuo adolescente,
a chuva das penas brancas
a cair impertinente,
aquele incógnito rosto,
pintado em tons de aguarela,
que sonha no frio encosto
da vidraça da janela,
não fosse a imensa piedade
dos homens que não cresceram,
que ouviram, viram, ouviram,
viram, e não perceberam,
essas máscaras selectas,
antologia do espanto,
flores sem caule, flutuando
no pranto do desencanto,
se não fosse a fome e a sede
dessa humanidade exangue,
roía as unhas e os dedos
até os fazer em sangue.

António Gedeão

52
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

ESTE É O POEMA DE AMOR

Este é o poema do amor.


O poema que o poeta propositadamente escreveu
só para falar de amor,
de amor,
de amor,
de amor,
para repetir muitas vezes amor,
amor,
amor,
amor.
Para que um dia, quando o Cérebro Electrónico
contar as palavras que o poeta escreveu,
tantos que,
tantos se,
tantos lhe,
tantos tu,
tantos ela,
tantos eu,
conclua que a palavra que o poeta mais vezes escreveu
foi amor,
amor,
amor.
Este é o poema do amor.

António Gedeão

53
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

ANDAVA A LUA NOS CÉUS

Andava a lua nos céus


Com o seu bando de estrelas

Na minha alcova
Ardiam velas
Em candelabros de bronze Olhei o céu!

Pelo chão em desalinho Agora, a lua, fugia,


Os veludos pareciam Entre nuvens que tornavam
Ondas de sangue e ondas de vinho A linda noite sombria.

Ele, olhava-me cismando; Deram-se as bocas num beijo,


E eu, Um beijo nervoso e lento...
Placidamente, fumava, O homem cede ao desejo
Vendo a lua branca e nua Como a nuvem cede ao vento
Que pelos céus caminhava.
Vinha longe a madrugada.
Aproximou-se; e em delírio
Procurou avidamente Por fim,
E avidamente beijou Largando esse corpo
A minha boca de cravo Que adormecera cansado
Que a beijar se recusou. E que eu beijara, loucamente,
Sem sentir,
Arrastou-me para ele, Bebia vinho, perdidamente
E encostado ao meu ombro Bebia vinha..., até cair.
Falou-me de um pajem loiro
Que morrera de saudade António Botto
À beira-mar, a cantar...

54
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

SOBRE O POEMA

Um poema cresce inseguramente


na confusão da carne,
sobe ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,
talvez como sangue
ou sombra de sangue pelos canais do ser.

Fora existe o mundo.


Fora, a esplêndida violência
ou os bagos de uva de onde nascem
as raízes minúsculas do sol.
Fora, os corpos genuínos e inalteráveis
do nosso amor,
os rios, a grande paz exterior das coisas,
as folhas dormindo o silêncio,
as sementes à beira do vento,
— a hora teatral da posse.
E o poema cresce tomando tudo em seu regaço.

E já nenhum poder destrói o poema.


Insustentável, único,
invade as órbitas, a face amorfa das paredes,
a miséria dos minutos,
a força sustida das coisas,
a redonda e livre harmonia do mundo.

— Em baixo o instrumento perplexo ignora


a espinha do mistério.

— E o poema faz-se contra o tempo e a carne.

Herberto Helder

55
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

SORTILÉGIO

Eu não sei se é pecado


nem se quero sabê-lo!
(Não se pode viver sobre certas verdades!)
- Quero o seu corpo cansado;
as minhas duras mãos moendo o seu cabelo;
seus olhos gastos de saudades.

Quero-a a meus pés, vencida


do seu amor que a excede,
e, vencida, a vencer o meu limbo de medos.
Perder-me e tê-la perdida
os dois numa só carne, à raiva que nos pede
sejam garras os dedos!
A vida, como lobo,
à nossa roda, corre,
e eu e ela desfeitos num suor primitivo.
Ai! amor como roubo
aos abismos da morte! Ai! morte que se morre
sobre a tortura de estar vivo!

E isto somos nós


a sua sede e eu,
homem demónio e deus dum sonho desvairado!
- Meus irmãos, que é de vós?
Como podes perder, ó Céu, quem te perdeu,
se és tão longe e fechado?

António de Sousa

56
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta

Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

A DEFESA DO POETA
Sou uma impudência a mesa posta
Senhores jurados sou um poeta de um verso onde o possa escrever
um multipétalo uivo um defeito ó subalimentados do sonho !
e ando com uma camisa de vento a poesia é para comer.
ao contrário do esqueleto
Natália Correia
Sou um vestíbulo do impossível lápis
de armazenado espanto e por fim
com a paciência dos versos
espero viver dentro de mim

Sou em código o azul de todos


(curtido couro de cicatrizes)
uma avaria cantante
na maquineta dos felizes

Senhores banqueiros sois a cidade


o vosso enfarte serei
não há cidade sem o parque
do sono que vos roubei

Senhores professores que puseste


a prémio minha rara edição
de raptar-me em crianças que salvo
do incêndio da vossa lição

Senhores tiranos que do baralho


de em pó volverdes sois os reis
sou um poeta jogo-me aos dados
ganho as paisagens que não vereis

Senhores heróis até aos dentes


puro exercício de ninguém
minha cobardia é esperar-vos
umas estrofes mais além

Senhores três quatro cinco e sete


que medo vos pôs na ordem ?
que pavor fechou o leque
da vossa diferença enquanto homem ?

Senhores juízes que não molhais


a pena na tinta da natureza
não apedrejeis meu pássaro
sem que ele cante minha defesa
57
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta
Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

SER POETA

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior


Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Áquem e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor


E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!


Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...


É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

Florbela Espanca

58
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta
Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

AMOR QUE MORRE

O nosso amor morreu... Quem o diria!


Quem o pensara mesmo ao ver-me tonta,
Ceguinha de te ver, sem ver a conta
Do tempo que passava, que fugia!

Bem estava a sentir que ele morria...


E outro clarão, ao longe, já desponta!
Um engano que morre... e logo aponta
A luz doutra miragem fugidia...

Eu bem sei, meu Amor, que pra viver


São precisos amores, pra morrer,
E são precisos sonhos para partir.

E bem sei, meu Amor, que era preciso


Fazer do amor que parte o claro riso
De outro amor impossível que há-de vir!

Florbela Espanca

59
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta
Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

OS VERSOS QUE TE FIZ

Deixa dizer-te os lindos versos raros


Que a minha boca tem pra te dizer!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.

Têm dolência de veludos caros,


São como sedas pálidas a arder...
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos pra te endoidecer!

Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda...


Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz!

Amo-te tanto! E nunca te beijei...


E nesse beijo, Amor, que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz!

Florbela Espanca

60
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta
Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

SAUDADES

Saudades! Sim... talvez... e porque não?...


Se o nosso sonho foi tão alto e forte
Que bem pensara vê-lo até à morte
Deslumbrar-me de luz o coração!

Esquecer! Para quê?... Ah! como é vão!


Que tudo isso, Amor, nos não importe.
Se ele deixou beleza que conforte
Deve-nos ser sagrado como pão!

Quantas vezes, Amor, já te esqueci,


Para mais doidamente me lembrar,
Mais doidamente me lembrar de ti!

E quem dera que fosse sempre assim:


Quanto menos quisesse recordar
Mais a saudade andasse presa a mim!

Florbela Espanca

61
IIIº Concurso de Leitura em Voz Alta
Escola Secundária C/ 3º Ciclo EB Joaquim de Araújo

A NOSSA CASA

A nossa casa, Amor, a nossa casa!


Onde está ela, Amor, que não a vejo?
Na minha doida fantasia em brasa
Constrói-a, num instante, o meu desejo!

Onde está ela, Amor, a nossa casa,


O bem que neste mundo mais invejo?
O brando ninho aonde o nosso beijo
Será mais puro e doce que uma asa?

Sonho... que eu e tu, dois pobrezinhos,


Andamos de mãos dadas, nos caminhos
Duma terra de rosas, num jardim,

Num país de ilusão que nunca vi...


E que eu moro - tão bom! - dentro de ti
E tu, ó meu Amor, dentro de mim...

Florbela Espanca

62