Você está na página 1de 5

WYDEN | EAD

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SERVIÇOS JURÍDICOS E NOTARIAIS

PROJETO INTERDISCIPLINAR DE TEMAS TECNOLOGICOS EM FUNDAMENTOS


DO DIREITO PRIVADO

O PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DOS CONTRATOS NA CONTEMPORANEIDADE

NATÁLIA COSTA CARVALHO DE MATOS


R A 191092930

Vitória da Conquista - BA, 08 de Outubro de 2020.


NATÁLIA COSTA CARVALHO DE MATOS

O PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DOS CONTRATOS NA CONTEMPORANEIDADE

Trabalho apresentado ao componente


curricular Projeto Interdisciplinar (I), sob
orientação da Professora da Disciplina de
Temas Tecnológicos em Fundamentos do
Direito Privado, Angélika Costa e do Professor
Tutor Diego Sanchez no período 2020.2.
O PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DOS CONTRATOS NA CONTEMPORANEIDADE

Natália Costa Carvalho de Matos1


Angélika Costa2
Diego Sanchez³

Resumo: A função social do contrato tem o dever de limitar a autonomia contratual, com a
finalidade, também, de evitar que a liberdade contratual seja exercida de maneira abusiva,
garantindo, dessa forma, o equilíbrio entre os contratantes e que o contrato atinja aos interesses
sociais, sem prejudicar os envolvidos, sendo que o presente trabalho tem por objetivo analisar a
forma com que a contemporaneidade enxerga o princípio da função social do contrato, visando
diversificar as formas pela qual o contrato é visto. Nesse sentido, será observada a visão da
contemporaneidade desempenhada de acordo com o Novo Código de Processo Civil para
explicitar a diversidade de formas em que podemos utilizar o contrato e o conceito da sua função
social na contemporaneidade.

Palavras-chave: Contrato. Liberdade. Autonomia. Limitar. Abusiva. Explicitar

1. INTRODUÇÃO

2. DESENVOLVIMENTO

MARIA BERNARDETE MIRANDA afirma acerca do que seja contrato, como tratando-
se, sem sombra de dúvida, do princípio básico que deve reger todo o ordenamento normativo no que
diz respeito à matéria contratual. O contrato, embora aprioristicamente se refira somente às partes
pactuantes (relatividade subjetiva), também gera repercussões e - por que não dizer? – deveres
jurídicos para terceiros, além da própria sociedade, de forma difusa. É pacífico na doutrina que o
contrato necessita ser analisado de maneira sistemática, e que sejam observados os preceitos

1
Natália Costa Carvalho de Matos
22
Angelika Costa
3
Diego Sanchez
constitucionais, especificamente a função social do contrato (elencada no artigo 5º, inciso XXII e
XXIII).

3. METODOLOGIA

Tendo em vista a análise procedida por Ferreira e Guizze (2016), primeiramente é necessário
realizar uma pesquisa bibliográfica, buscando um embasamento teórico para analisar o princípio da
função social dos contratos na contemporaneidade.
Trata-se de uma pesquisa do tipo descritiva e observacional. Segundo (GÜNTHER, 2006),
pesquisa descritiva visa à identificação, registro e análise das características de população após a
coleta de dados.
Sendo assim, será procedida uma análise do contexto histórico, no qual em um primeiro
momento tentamos traçar uma relação entre a o princípio da função social dos nos tratos e a forma
na qual ele é visto pela contemporaneidade, de modo a sistematizar critérios visando à busca e
análise crítica do judiciário. Desta forma, esta investigação conta com uma seleção dos estudos e
posterior interpretação das informações que podem estar sujeitas à subjetividade dos autores.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Pelo exposto, concluímos que

REFERÊNCIAS

FERREIRA, Y.; GUIZZE, C. Análise dos aspectos organizacionais do trabalho e seus impactos nos
serviços prestados em uma empresa de telecomunicações. XII Congresso Nacional de Excelência
em Gestão & III INOVARSE – Responsabilidade Social Aplicada. 2016

GÜNTHER, Hartmut. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a


questão. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 22, n. 2, p. 201-210, 2006.

MIRANDA, Maria Bernardete. Teoria geral dos contratos. Revista Virtual Direito Brasil. 2008.
Disponível em: http://www.direitobrasil.adv.br/artigos/cont.pdf. Acesso em 06 out 2020.

Constituição (1988). Constituição [da] República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal,
1988.

Você também pode gostar