Você está na página 1de 3

EXPERIÊNCIA AGROECOLÓGICA E ARTICULAÇÃO SOCIAL DO CENTRO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO EM

MEDICINA POPULAR NO MUNICÍPIO DE PAULISTA (PE)

Problemática:

Quais são as estratégias utilizadas pelo CEFOMP para a valorização e o ensino dos
saberes e práticas tradicionais na promoção da saúde e segurança alimentar e
nutricional no município de Paulista? De que maneira a experiência agroecológica, a
educação popular e a articulação social podem alimentar o debate público sobre
promoção da saúde e SAN e impulsionar transformações socioambientais nesse
contexto?

Objetivos

Geral:

Analisar as estratégias utilizadas pelo CEFOMP para a valorização e o ensino de


saberes e práticas tradicionais na promoção da Saúde e da Segurança Alimentar e
Nutricional no município de Paulista.

Específicos:

• Conhecer as práticas e saberes tradicionais de manejo e uso das plantas


medicinais e dos agroecossistemas utilizados no CEFOMP;
• Compreender como se dá o processo de organização e mobilização social dos
integrantes do CEFOMP no âmbito do município de Paulista;
• Avaliar de que maneira a experiência agroecológica, a educação popular e a
articulação social permitem ao CEFOMP contribuir no debate público sobre promoção
da Saúde e Segurança Alimentar e Nutricional.

3. CONTEXTO HISTÓRICO DO CENTRO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO EM MEDICINA POPULAR – CEFOMP


PAULISTA (PE)
4. RESULTADOS E DISCUSSÕES
4.1. Experiência agroecológica: práticas e saberes tradicionais de manejo e uso das
plantas medicinais e dos agroecossistemas
4.2. Educação Popular: diálogo de saberes e a experiência de Medicina Popular do
CEFOMP 10
4.3. Articulação Social: o debate público sobre Saúde e Segurança Alimentar e
Nutricional no município de Paulista (PE)
CONCLUSÕES
REFERÊNCIAS 10

valorização+transmissão+dos+saberes+e+práticas+tradicionais+na+promoção+da+Saúde+e+
da+Segurança+Alimentar+e+Nutricional

Referências

ALVES, N (org). Criar currículo no cotidiano. São Paulo: Cortez, 2002.


ARROYO, M. G. Pedagogias em movimento – o que temos a aprender dos Movimentos
Sociais?
Currículo sem Fronteiras, v.3, n.1, p. 28-49, 2003

NASCIMENTO, R. C. do. O papel do Consea na construção da política e do sistema


nacional de
segurança alimentar e nutricional. Tese de Doutorado. UFRRJ. Programa de pós-
graduação de Ciências
Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade.2012.

OLIVEIRA, I.B. Emancipação social, ecologia de saberes e democracia social:


fundamentos
epistemológico-políticos de pesquisa. In:_______________. O currículo como criação
cotidiana.
Petrópolis, RJ : DP ET Alii; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2012. p. 15 – 39.

SANTOS. B.S. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências.
Revista Crítica
de Ciências Sociais, 63, outubro,2002: 237 – 280. Disponível em:
<http://www.ces.uc.pt/bss/documentos/
sociologia_das_ausencias.pdf>. Acesso em 20 mar. 2015.

ARRUDA, B.K.G.; ARRUDA, I.K.G. Marcos referenciais da trajetória das políticas de


alimentação e
nutrição no Brasil. Ver. Bras. Saúde Mat. Infan. Recife,v.7, n.13, p. 319-326,
jul/set. 2007.

BOSCHETTI, I. Os custos da crise para a política social. In: BOSCHETTI, I. et al.


(Org.).
Capitalismo em crise: política social e direitos. São Paulo: Cortez, 2010.

BRASIL, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Subsídios da CAISAN


nacional
para os representantes governamentais nas conferências estaduais de SAN. Brasília:
SESAN,
2015 a. Disponível em: www.mds.gov.br. Acesso em: 03 nov. 2015.

BURLANDY, L.; BOCCA, C. e MATTOS, R. A. Mediações entre conceitos, conhecimento e


políticas de alimentação, nutrição e segurança alimentar e nutricional. Rev.
Nutrição, vol.25, n.1, pp. 9- 20, 2012.

BURLANDY, L. A construção da política de segurança alimentar e nutricional no


Brasil: estratégias e
desafios para a promoção da intersetorialidade no âmbito federal de governo.
Ciência & Saúde
Coletiva, v.14, n.3,p.851-860, 2009.

CAMPOS, S.S.C.; CAMPOS, RS. Soberania Alimentar como alternativa ao agronegócio no


Brasil.
Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía e Ciencias Sociales. v. XI, n. 245
(68), 2007.

RECINE E.; VASCONCELLOS A. B. Políticas nacionais e o campo da alimentação e


nutrição em
saúde coletiva: cenário atual. Ciênc. saúde coletiva, vol.16, n.1, 2011.

VALENTE, F. L. A política de insegurança alimentar e nutricional. Brasília: INESC,


2004.

Paludo C. Educação Popular. In: Streck, DR, Redin E, Zitkoski JJ. Dicionário Paulo
Freire. 2ª
ed., ver. ampl. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

SILVA, A. G.; LAMEIRA, A. P. N.; AMORIM, A. C. L.; LAMEIRA, C. N.; ALCÂNTARA, D.


A. Plantas medicinais: do cultivo, manipulação e uso à recomendação popular.
Brasília:
EMBRAPA, 2008. 264 p.
Lameira AO, Pinto JEBP. Plantas medicinais: do cultivo, manipulação e uso à
recomendação popular. Belém (PA): Embrapa Amazônica Oriental; 2008.

26. Boorhem RL. Segredos e virtudes das Plantas Medicinais. Rio de Janeiro: Reader
´s Digest Brasil Ltda; 1999. https://www.abebooks.co.uk/Segredos-Virtudes-Plantas-
Medicinais-Selec%C3%A7%C3%B5es-Reader/19806061231/bd

agroecologia+valorização+saberes+segurança+alimentar+nutricional+medicina+popular+p
ráticas+integrativas+saúde

https://www.editoraufv.com.br/produto/plantas-medicinais-do-cultivo-manipulacao-e-
uso-a-recomendacao-popular/1110184

Qual é o papel da educação popular na promoção da saúde e segurança alimentar e


nutricional?

Quais são as estratégias utilizadas pelo CEFOMP para a valorização e a transmissão


dos saberes e práticas tradicionais na promoção da saúde e segurança alimentar e
nutricional no município de Paulista? De que maneira a experiência agroecológica, a
educação popular e a articulação social podem contribuir nesse contexto?

Você também pode gostar