Você está na página 1de 80

NEUROFARMACOLOGIA

• Ciência que estuda o comportamento das


drogas no sistema nervoso.
• NEUROFÁRMACOS interferem no
processo de síntese, armazenamento,
recaptação intraneuronal e intravesicular,
biotransformação e liberação de
neurotransmissores.
CLASSIFICAÇÃO DOS
PSICOFÁRMACOS

• Usaremos um modelo de classificação


baseada na clínica de Frederico Graeff.
Classificação Clínica (Graeff, 2001)

Drogas com uso clínico


Efeito Psicotrópico Primário Efeito Secundário
Antipsicóticos Psicoestimulantes
Antidepressivos Anticonvulsivantes
Estabilizadores Humor Antiparkinsonianos
Ansiolíticos Antihistamínicos
Hipnóticos Analgésicos Opióides
Ampliadores Cognitivos
Classificação Clínica (Graeff, 2001)

Drogas sem uso clínico


De uso recreacional De abuso
Etanol Psicoestimulantes
Nicotina Narcóticos
Cafeína Alucinógenos
Inalantes
Outros
• Ansiolíticos e sedativos: – Sinônimos:
hipnóticos, sedativos, tranquilizantes
menores. – Definição: drogas que causam
sono e reduzem a ansiedade. – Ex:
barbitúricos, benzodiazepínicos e etanol.
• Drogas antipsicóticas: – Sinônimos:
neurolépticos, tranquilizantes maiores,
antiesquizofrênicos. – Definição: drogas
eficazes no alívio dos sintomas da
esquizofrenia. – Exemplos:clozapina,
clorpromazina, haloperidol.
• Agentes antidepressivos: Sinônimos:
timolépticos – Definição: que aliviam os
sintomas depressivos. – Ex: inib. da
monoamina oxidase e antidep. tricíclicos.
• Estimulantes psicomotores: – Sinônimo:
psicoestimulantes – Definição: drogas que
produzem vigília e euforia – Ex:
anfetamina, cocaína e cafeína.
• Drogas psicomiméticas: – Sinônimos:
alucinógenos, drogas psicodislépticas. –
Definição: drogas que causam distúrbios
da percepção (aluc. Visuais) e do
comportamento. – Ex: dimetilamida do ác
lisérgico (LSD), mescalina e fenciclidina.
• •Potencializadores da cognição:
Sinônimos: drogas nootrópicas –
Definição: drogas que melhoram a
memória e o desempenho cognitivo – Ex:
tacrina, donepezila, piracetam
BENZODIAZEPÍNICOS:
• Os benzodiazepínicos são
medicamentos hipnóticos e ansiolíticos
bastante utilizados na prática clínica.
Usualmente são prescritos no tratamento
de quadros agudos de ansiedade,
transtorno de humor, insônia, crises
convulsivas e outras condições
relacionadas ao sistema nervoso central.

BENZODIAZEPÍNICOS
APRESENTAÇÕES
Fármaco Apresentação
Diazepam Uso oral: comp. 5 e 10mg
Uso injetável: 10mg/ 2ml
Bromazepam Uso oral: comp. 3 e 6 mg
gotas:2,5mg/ml
Clonazepam Uso oral: comp. 0,5 e 2mg
gotas: 2,5mg/ml
Midazolam Uso oral: comp. 7,5 e 15mg
Uso injetável: 5mg/ 5ml
15mg/3ml
50mg/10ml

Alprazolam Uso oral: comp. 0,25; 0,5; 1 e 2mg


BARBITÚRICOS:
• Barbitúricos são substâncias utilizadas,
desde o início do século XX, para o
tratamento da ansiedade e agitação de
pacientes, principalmente por indivíduos
com problemas psiquiátricos. Produzidos
a partir do ácido malônico e da ureia,
agem no sistema nervoso central,
podendo causar sono ou relaxamento,
dependendo da dosagem ministrada.
BARBITÚRICOS
APRESENTAÇÕES

Fármaco Apresentação
Uso oral: comp. 50 e 100mg
solução 4%
Fenobarbital

Uso injetável (pó): 500mg


Tiopental 1g
USOS CLÍNICOS
• Alívio da ansiedade;
• Insônia;
• Sedação e amnésia antes de procedimentos médicos
e cirúrgicos (endoscopia e broncoscopia);
• Tratamento de epilepsia e estados convulsivos;
• Componente de anestesia balanceada;
• Controle de estados de abstinência de etanol e outros
sedativo-hipnóticos (diazepam, fenobarbital);
• Relaxamento muscular em distúrbios
neuromusculares específicos;
• Como auxiliares diagnósticos ou para tratamento em
psiquiatria (mania, controle de estados de
hiperexcitabilidade induzidos por drogas, distúrbios
depressivos maiores).
REAÇÕES ADVERSAS
• Sonolência;
• Diminuição da capacidade motora;
• Comprometimento do discernimento;
• Amnésia (compromete a capacidade de
aprender novas informações);
• Desinibição comportamental.
❖ Gestante: Só usar se o benefício
potencial justificar o risco potencial.
ANTIPSICÓTICOS:
• Os Antipsicóticos, também designados de
Neurolépticos, são medicamentos usados
no tratamento das perturbações
psicóticas, nomeadamente a
Esquizofrenia.
• Estudos mostraram que alguns
antipsicóticos podem ser utilizados em
outros problemas psiquiátricos. Além da
esquizofrenia, esses remédios funcionam
também como estabilizadores de humor
no transtorno bipolar e agem em
sintomas inespecíficos, como
agressividade, instabilidade e
irritabilidade, que ocorrem em outras
doenças mentais. É o caso do autismo e
da demência, por exemplo.
Classificação dos antipsicóticos

• Antipsicóticos de 1ª geração – típicos: atuam principalmente sobre


os “sintomas positivos”(delírios, alucinações)
– Fenotiazinas D
O
• Alifáticas S P
– Clorpromazina E A
– Levomepromazina D M
A I
• Piperidínicas N
Ç
– Tioridazina A
Ã
• Piperazinicas O
– Trifluoperazina
– Flufenazina
– Butirofenonas
• Haloperidol
Efeitos colaterais
• Distonia aguda
– Efeitos agudo
– Espasmos musculares do pescoço, faringe e língua
– Protusão da língua
– Contraturas musculares em região cervical
– Atenção para metoclopramida (Plasil)

• Discinesia tardia
– Efeito tardio
– Movimentos bucolinguomastigatórios involuntários e
repetitivos.
Antipsicóticos de 2ª geração
• Produzem pouco ou nenhum sintoma
extrapiramidal (tremores) como efeito colateral.
Parece que também atuam nos sintomas
negativos, melhorando o retraimento social e o
embotamento afetivo.

• Doses eficazes não causam SEP.

• Antagonismo central com receptores de dopamina


e serotonina.
AP – 2a geração - Atípicos

• Clozapina
– Risco de agranulocitose
• 1 a 2 %, Brasil 0,3%
• Uso monitorado pelo HMG
– Convulsão 3 a 4 %
– Miocardiopatia.
– Tratamento de discinesia tardia.
– Pacientes refratários.
– Reduz ideação e tentativas de suicídio.
– Hostilidade e agressividade perisistentes.
– Leponex - 25 e 100 mg.
– Efeito: 6 a 12 semanas – até 1 ano.
AP – 2a geração

• Risperidona
– Melhor ou igual ao haloperidol – sintomas globais.
– Melhora superior ao haloperidol na neurocognição
global (Bilder et al., 2002).
– Não há evidências de ação direta nos sintomas
negativos.
– Hiperprolactinemia.
– Hipotensão postural.
– Maior risco de AVC em idosos.
– Risperdal, Zargus – 0,25; 1; 2; 3 mg; solução.
AP – 2a geração

• Olanzapina
– Melhor ou igual ao haloperidol – sintomas globais.
– Não há evidências de ação direta nos sintomas
negativos.
– Eficácia no déficit neurocognitivo superior ao
haloperidol (Purdon et al., 2000; Bilder et al., 2002).
– Melhora de sintomas do humor.
– Zyprexa – 2,5; 5 e 10 mg.
AP – 2a geração

• Quetiapina
– Eficácia semelhante aos AP 1ª geração.
– Não há evidências de ação direta nos sintomas
negativos.
– Eficácia no déficit neurocognitivo superior ao
haloperidol (veligan et al., 2002).
– Melhora de sintomas depressivos.
AP – 2a geração

• Ziprasidona
– Ingestão com alimentos aumenta a absorção.
– Eficácia semelhante aos AP 1ª geração.
– Não há evidências de ação direta nos sintomas
negativos.
– Arritmia ventricular – torsade point.
– Geodon – 40 e 80mg.
AP – 2a geração

• Aripiprazol
– Eficácia semelhante aos AP 1ª geração.
– Não há evidências de ação direta nos sintomas
negativos.
– Não induz ganho de peso.
– Casos relatados de reagudização de psicose.
• Melhora associando 1ª geração.
– Abilify – 15, 20 e 30 mg.
Estabilizadores do humor

• Carbonato de lítio
– Primeira opção
– Litemia entre 0,6 a 1,2 mEq/l
– Toxicidade
• Sedação, diarréia, disartria, tremores, convulsão
• Tireóide – Aumento TSH, diminuição T3 e T4
• Leucocitose, aumento de plaquetas
Estabilizadores do humor
• Anticonvulsivantes
– Valproato de sódio
• Depakene Controlar enzimas hepáticas
Risco de ovário policístico
• Depakote
– Carbamazepina
Risco de redução de granulócitos
• Tegretol
– Oxicarbazepina
Risco de hiponatremia (concentração muito baixa
• Trileptal de sódio
– Topiramato
• Topamax Lesões de pele
Rush cutâneo
– Lamotrigina
• Lamictal
ANTIEPILÉPTICOS
• 1% da população mundial tem epilepsia;
• 2° distúrbio neurológico mais comum, depois
do AVC;
➢ Distúrbio crônico caracterizado por crises
convulsivas recorrentes.
• Terapia padrão controla a crise convulsiva
em 80% dos pacientes.
➢ Convulsão: episódios limitados de disfunção
cerebral, decorrentes de descarga anormal
dos neurônios cerebrais.
Causas de convulsões:

• A crise convulsiva pode acontecer em


consequência de:
• febre muito alta,
• intoxicações,
• overdose de drogas,
• abstinência alcóolica,
• hipertensão na gravidez
(eclâmpsia)
• epilepsia ou lesões cerebrais.
DROGAS ANTIEPILÉPTICAS
• Fenitoína (mais antiga droga antiepiléptica
não-sedativa);
• Carbamazepina;
• Barbitúricos (fenobarbital,
mefobarbital,metarbital e primidona);
• Topiramato;
• Benzodiazépínicos (diazepam, lorazepam,
clonazepam);
• Valproato de Sódio ou Ác. Valpróico.
APRESENTAÇÕES
Fármaco Apresentação
Fenitoína Uso oral: comp. 100mg
Suspensão: 100mg/5ml
Uso injetável: 250mg/ 5ml
Carbamazepina Uso oral: comp. 200 e 400mg
Suspensão: 20mg/1ml
Topiramato Uso oral: comp. 25; 50 e 100mg
Valproato de Uso oral: cápsula 250mg
Comp. revestido: 300 e 500mg
Sódio Xarope 250mg/5ml
Comp. de liberação entérica (Depakote) 250 e 500mg
Efeitos Adversos dos Antiepilépticos

Fármaco Efeitos Adversos


Fenitoína Hiperplasia gengival, hirsutismo, sonolência, náuseas,
vômitos, hipocalcemia, osteomalácia, agranulocitose,
dermatites, lupus eritematoso sistêmico, hepatite
Fenobarbital Sedação, irritabilidade, nistagmo, ataxia, erupção cutânea,
anemia megaloblástica e agitação em crianças e idosos.
Carbamazepina Sedação, desconforto gastrointestinal, reação cutânea,
anemia aplásica(rara), leucopenia, vertigem, nistagmo,
ataxia.
Ácido Náuseas e vômitos, sedação, hepatotoxicidade, alopécia,
tendência hemorrágica, pancreatite aguda, aumento de peso.
Valpróico
Benzodiazepíni Sedação, incoordenação, ataxia, tontura, salivação,
alterações de comportamento
cos
Interações Farmacológicas Entre
Antiepilépticos
Fármaco em uso Fármaco Associado Efeito
Fenitoína Carbamazepina Aumento
Diazepam Aumento
Fenobarbital Aumento/diminuição
Ác. Valpróico Diminuição
Fenobarbital Fenitoína Aumento
Ác. Valpróico Aumento (40%)
Carbamazepina Fenitoína Diminuição
Fenobarbital Diminuição
Ác. Valpróico Carbamazepina Diminuição
Fenobarbital Diminuição
Fenitoína Diminuição
Clonazepam Fenobarbital Diminuição
Fenitoína Diminuição
Interações entre Antiepilépticos e
outros Fármacos
Antiepiléptico Fármaco Associado Efeito
Fenitoína Cloranfenicol, cimetidina,
isoniazida, cumarínicos, Aumento
dissulfiram
Salicilatos, fenilbutazona e Diminuição
teofilina
Fenobarbital Anticoncepcionais orais Diminuição
Cumarínicos e Cloranfenicol Diminuição
Carbamazepina Cumarínicos, tetraciclina, Diminuição
estrógenos
Aumento
Verapamil e diltiazem
Ácido Valpróico Salicilatos Aumento
ANTIPARKINSONIANOS
• Doença de Parkinson:
é caracterizada por uma desordem
progressiva do movimento devido
à disfunção dos neurônios
secretores de dopamina nos
gânglios da base, que controlam e
ajustam a transmissão dos
comandos conscientes vindos do
córtex cerebral para os músculos
do corpo humano.
• Prevalência:
Primeiro mundo 1:1000.
No BR desconhecida.
• Faixa Etária:
Quinta e sexta décadas.
Infrequente antes dos 30 anos.
• Sintomas clássicos:
– BRADICINESIA
– TREMOR DE REPOUSO
– RIGIDEZ
– INSTABILIDADE POSTURAL
➢ PARKINSONISMO:
– PRIMÁRIO: Sem causa conhecida. DOENÇA DE
PARKINSON.
– SECUNDÁRIO:
• Infeccioso ou pós infeccioso (encefalites, AIDS)
• Toxinas (manganês, Thinner, mercúrio)
• Medicamentos: antagonistas dos receptores
dopamínicos ou que levam à destruição dos
neurônios dopaminérgicos. Cinarizina, flunarizina,
Lítio, hidantoína, captopril, metoclopramida, alfa-
metildopa, antipsicóticos (fenotiazinas).
• Tumores cerebrais
• Trauma físico
• Metabólico (hipoparatireoidismo, hipotireoidismo)
Classificação dos fármacos
Antiparkinsonianos
Grupos Representantes

ANTICOLINÉRGICOS Triexifenidil, biperideno

LIBERADORES DE
Amantadina
DOPAMINA
PRECURSOR
Levodopa
DOPAMINÉRGICO
INIBIDORES PERIFÉRICOS Carbidopa, benserazida
DA DOPA-DESCARBOXILASE
AGONISTAS Bromocriptina, pergolida.
DOPAMINÉRGICOS

INIBIDORES DA MAO-B Selegilina, cabergolida


APRESENTAÇÕES
Fármaco Apresentação
Uso oral: comp. 100mg
Amantadina
Levodopa + Uso oral: comp. 200 + 50mg
Carbidopa comp. 250 + 25mg
Bromocriptina Uso oral: comp. 2,5mg
Uso oral: comp. 2mg
Biperideno Injetável: 5mg/1ml

Selegelina Uso oral: comp. 5mg


Fármacos Efeitos Adversos
Boca seca, confusão mental, delírio,
Anticolinérgicos sonolência, alucinações, constipação e
retenção urinária.

Alucinações, confusão, pesadelos, insônia,


tontura, letargia, boca seca, náuseas,
Amantadina vômitos, anorexia, constipação,
irritabilidade, depressão, exacerbação da
insuficiência cardíaca.

Hipotensão postual, arritmias, taquicardia,


anorexia, náuseas, vômitos, movimentos
Levodopa + carbidopa involuntários, flutuações clínicas,
ou benserazida distúrbios psiquiátricos, exacerbação de
úlcera péptica, coloração avermelhada
ou escura da urina.
Interações Antiparkinsonianos
• LEVODOPA:
– Administração feita com pequenas refeições para
prevenir náuseas e vômitos, embora alimentos reduzam
sua absorção.
– Consumo alto de proteínas diminui a eficácia do
fármaco.
– Evitar medicamento/alimentos ricos em vit B6 (fígado,
leveduras ou levedo de cerveja, carnes, vegetais,
peixes, grãos integrais) – aumentam o metabolismo
extra-cerebral.
• ANTICOLINÉRGICOS:
– Antagonistas do sistema dopaminérgico –
bloqueio colinérgico leva a aumento do efeito
dopaminérgico: boca seca, constipação e
retenção urinária.
DEPRESSÃO MAIOR
• Caracteriza-se por humor deprimido e/ou perda de
interesse em praticamente todas as atividades por pelo
menos duas semanas, acompanhado de pelo menos
três ou quatro dos seguintes sintomas (cerca de 25%
das depressões):
– Insônia ou hipersonia
– Sentimentos de desvalorização ou excesso de culpa;
– Fadiga ou falta de energia;
– Redução da capacidade de pensar ou concentrar-se;
– Alteração significativa no apetite ou peso;
– Retardo ou agitação psicomotora;
– Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio.
OUTRAS INDICAÇÕES
• Distúrbio do pânico
• Distúrbio obsessivo-compulsivo
• Bulimia
• Déficit de atenção
MECANISMO DE AÇÃO
❖ Bloqueiam as bombas de recaptação da noradrenalina e serotonina.
❖ Inibição do metabolismo da noradrenalina ou serotonina
FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DAS
DEPRESSÕES:
ESPECÍFICOS
1. Antidepressivos tricíclicos: imipramina (Tofranil),
clomipramina (Anafranil), amitriptilina (Tryptanol),
nortriptilina (Pamelor).
2. Antidepressivos heterocíclicos: trazodona
(Donaren), bupropriona.
3. Inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS):
fluoxetina (Prozac, Daforin, Verotina), fluvoxamina (Fluvox),
citalopram, sertralina (Zoloft), paroxetina (Aropax).
4. Inibidores da MAO (Monoamino Oxidase):
fenelzina, tranilcipromida, moclobemida
(Aurorix).
5. Inibidores seletivos da recaptação da
serotonina e noradrenalina ( desvenlafaxina,
duloxetina)
APRESENTAÇÕES
Fármaco Apresentação
Uso oral: drágea 10 e 25mg
Imipramina Cápsula 75 e 150mg
Amitriptilina Uso oral: comp. 200 e 400mg
Trazodona Uso oral: comp. 50 e 100mg
Bupropriona Uso oral: comp. 150mg
Uso oral: comp. 20mg
Fluoxetina Cápsula 10 e 20mg
Citalopram Uso oral: comp. 20 e 40mg
Sertralina Uso oral: comp. 25; 50; 75 e 100mg
Moclobemida Uso oral: comp. 150 e 300mg
Efeitos Adversos dos Antidepressivos
Fármaco Efeitos Adversos
Antidepressivos Sonolência, tremor, insônia, constipação, arritmias, sínd.
de abstinência, convulsões, ganho de peso, distúrbios
tricíclicos: sexuais.

Sonolência, tonteira, náusea, agitação, boca seca, sudorese,


Antidepressivos tremor, potencial de crise convulsivas com doses elevadas
heterocíclicos (Bupropriona).
Insônia, tremor, sintomas gastrintestinais, diminuição da
ISRS libido, disfunção sexual, ansiedade.

Inibidores da
Distúrbio do sono, ganho de peso, distúrbios sexuais.
MAO
MEDICAÇÕES UTILIZADAS NO TRATAMENTO DO
TDAH
MEDICAMENTOS RECOMENDADOS EM CONSENSOS DE ESPECIALISTAS

DURAÇÃO APROXIMADA
NOME QUÍMICO NOME COMERCIAL DOSAGEM
DO EFEITO

PRIMEIRA ESCOLHA: ESTIMULANTES (em ordem alfabética)

Lis-dexanfetamina Venvanse 30, 50 ou 70mg pela manhã 12 horas

Metilfenidato (ação curta) Ritalina 5 a 20mg de 2 a 3 vezes ao dia 3 a 5 horas

Concerta 18, 36 ou 54mg pela manhã 12 horas

Metilfenidato (ação prolongada)

Ritalina LA 20, 30 ou 40mg pela manhã 8 horas

SEGUNDA ESCOLHA: caso o primeiro estimulante não tenha obtido o resultado esperado, deve-se tentar o segundo estimulante

TERCEIRA ESCOLHA

Atomoxetina (1) 10,18,25,40 e 60mg 1 vez ao dia 24 horas


Strattera

QUARTA ESCOLHA: antidepressivos

Imipramina (antidepressivo) Tofranil 2,5 a 5mg por kg de peso divididos em 2 doses

Nortriptilina (antidepressivo) Pamelor 1 a 2,5mg por kg de peso divididos em 2 doses


MEDICAÇÕES E TEA:
• Pesquisadores e clínicos da psiquiatria da infância e
adolescência tem tido grandes dificuldades em
encontrar medicamentos eficazes e seguros para os
sintomas do TEA.

• Os prejuízos da capacidade de interação interpessoal e


da capacidade de se comunicar tem se mostrado
renitentes aos psicofámacos.
• Não há medicamentos específicos para tratar os sintomas
centrais do transtorno do espectro autista.

• A psicofarmacoterapia é um tratamento adjunto valioso


para a melhorar sintomas comportamentais associados.

• Atenua sintomas como irritabilidade,agressividade,


acessos de raiva,comportamentos auto mutiladores,
hiperatividade ,impulsividade, comportamentos
obecessivo-compulsivos e estereotipias.
• Pacientes e família se beneficiam com a melhora da
qualidade de vida proporcionada por terapia
medicamentosa e aproveitam de melhor forma outras
intervenções.

• As ações devem ser multidisciplinares e nem sempre é


medicamentosa.
• Medicamentos que agem sobre o psiquismo não
controlam todos os principais sintomas do autismo, mas
podem atenuar os sintomas associados.

• O que dispomos são substâncias com ações parciais .


Devemos ver com a família, os sintomas que causam
mais sofrimento a criança e a família e procurar uma
droga com ação mais seletiva.

• E preciso verificar se o benefício é superior aos


problemas causados pelos efeitos colaterais dessas
drogas.
Objetivos do tratamento da criança
com autismo
• Aumentar o comportamento socialmente aceitável,

• Diminuir sintomas comportamentais bizarros

• Melhorar a comunicação verbal e não verbal

• Encorajar habilidades e auto-cuidados

• Auxiliar intervenções educacionais e comportamentais.

• Treinamento na sala de aula estruturada em combinação com


métodos comportamentais.
• Os autistas com frequência respondem de maneira
diferentes a medicação para o comportamento, se
comparados com crianças sem autismo.
Tratamentos farmacológicos
existentes

• Os antipsicóticos atípicos são um grupo de fármacos


originalmente desenvolvidos para tratar psicose.

• O grupo inclui substâncias que foram introduzidos


no mercado nos últimos dez anos como alternativas
mais seguras e mais bem toleradas do que os
antipsicóticos "típicos" existentes.

• Os antipsicóticos atípicos e os inibidores seletivos


de recaptação de serotonina (ISRS), possuem perfis
mais benignos de efeitos colaterais do que seus
correspondentes mais antigos.
• Os medicamentos nesse grupo incluem a risperidona
clozapina, olanzapina (Ziprexa ), quetiapina (Seroquel),
ziprazidona( Geodon) e o aripiprazol.

Esses compostos são amplamente utilizados no autismo


para tratar graves comportamentos mal-adaptativos e
substituíram em grande parte os antipsicóticos
tradicionais (típicos).
Como o haloperidol/haldol, clorpromazina/ amplictil.
tioridazina/melleril.
Causam mais sedação, secura na boca e constipação.
Neurolépticos atípicos
• Menos efeitos extrapiramidais (rigidez muscular, tremores ,
dificuldades em ficar parados, discinesia tardia =movimentos involuntários).

• Risperidona Frequente aumento do apetite , ganho de


peso.
Dose de 0,5mg >3,5mg /dividido em 2 ou 3 tomadas.

• Clozapina (agranulocitose e leucopenia/diminuição


células do sangue) exige controle hematológico
semanal>mensal
• Quetiapina (Seroquel)
• Olanzapina (Ziprexa)
• Ziprazidona (Geodon)
• Aripiprazol

• Os dados sobre o uso destas medicações em crianças


ainda são limitados
Sintomas que podem ser beneficiados
com o uso destes medicamentos .

• Irritabilidade, agressividade e ataques de raiva .

• A risperidona é o mais estudado, demonstrando


eficácia e aprovado pelo FDA (órgão do governo norte
americano que regulamente a comercialização de
medicamentos) .
Comportamentos e interesses
restritos e repetitivos

Os pacientes com TEA ( transtorno do espectro autista) que


apresentam sintomas com rituais repetitivos, ritualísticos com
dificuldades extremas de alterar rotinas , segundo pesquisas tem
alterações serotonérgicas e tem se beneficiado com o uso de
inibidores seletivos da recaptaçãp da serotonina.

Quando o resultado é positivo, ficam menos ansiosos adaptam-se


melhor.

Ex ; fluoxetina , sertralina, paroxetina .


Hiperatividade , Impulsividade e déficit
de atenção.
• O medicamento com maior estudo clínico é o
metilfenidato que diferentemente do que sempre se
pensou , em alguns pacientes parece melhorar a
impulsividade sem piorar os sintomas de autismo.

• Risperidona também está indicado.


• Enquanto mais de 80% das crianças com TDAH
respondem ao metilfenidato, nos autistas a resposta
é menor.

• Maior chance de resposta nos autistas de alto


funcionamento (Asperger).

• Pode-se fazer uma tentativa com uma dose do


metilfenidato de curta ação.
Distúrbios do sono

• Melatonina – ( horm.glandula pineal) melatonin ,


circadim

• Clonidina (atensina)

• Anticonvulsivantes com ação hipnótica/


estabilizadores do humor.

• A melatonina tem sua principal função em regular o sono; ou seja, em


um ambiente escuro e calmo, os níveis de melatonina do organismo
aumentam, causando o sono. É importante eliminar do ambiente
quaisquer fontes de som, luz, aroma, ou calor que possam acelerar o
metabolismo e impedir o sono, mesmo que não percebamos.
Estabilizadores do Humor e
anticonvulsivantes
• Carbamazepina : Anticonvulsivante utilizado em vários
transtornos psiquiátricos:
Transtorno de Humor, impulsividade,comportamentos
agressivos.
Doses de 100mg>600mg em 2 ou 3 tomadas.

Efeitos colaterais : fadiga , tontura, rush cutâneo,


discrasia sanguínea, interação com muitas drogas.
• Ácido Valpróico> valproato e divalproato de sódio
Controle de episódios de mania e crises de ausência .
Efeitos colaterais:Toxicidade hepática

Topiramato: Controle de mania e Transtorno bipolar .


Efeito colateral : diminuição de peso

Lamotrigina :Mesmas indicações acima


Efeito colateral : rush cutâneo