Você está na página 1de 6

Língua Portuguesa e sua interface com as interações históricas e

Socioculturais

A nossa língua materna se deu por diversos e consequentes conflitos decorrentes de

transformações político histórico-geográfico do povo, vale destacar que variações, falas

cotidianas são usadas no meio social é determinada por parâmetros de julgamento e

discriminação social o denominado preconceito linguístico, seja escrito ou oral.

Essa evolução e dicotomia entre o certo e errado, adequado e inadequado precisa ser

investigada como forma de valorização e explicação de determinados fenômenos, não sendo

válido apenas julgar o correto e incorreto

Sendo assim essencial o conhecimento da língua a qual muitas vezes não se enquadra

em padrões, mas mutações e evoluções, conhecer a origem, influências de determinada língua

se torna crucial para realização de julgamentos e conhecimentos desses fenômenos linguísticos,

seja verbal ou não verbal é importante para que haja inclusão social e valorização da diversidade

cultural.

Sabe-se a língua portuguesa é discriminada como língua difícil por muitos indivíduos,

com o objetivo principal de estimular o aprendizado e o interesse ao estudo de formação da

língua, foi criado um formulário online para que pessoas voluntariamente se dispusessem a

responde-lo, o objetivo e a importância foi despertar na sociedade que podemos considerar a

língua presente em todos os aspectos de nossa vida, bem como o conhecimento de sua história.

BECHARA, Evanildo. Gramática Escolar da Língua Portuguesa. Ampliada e atualizada pelo novo
acordo

ortográfico. RJ.2 edição: 2010. Pág 690.


 Pesquisa bibliográfica: levantamento de informações e conhecimentos acerca de um tema a
partir de diferentes materiais bibliográficos já publicados, colocando em diálogo diferentes autores
e dados.
 Pesquisa documental: levantamento e análise de materiais que ainda não receberam um
tratamento analítico, como documentos oficiais, cartas, filmes, fotografias, etc.
 Pesquisa ex-post-fact: esta pesquisa se assemelha à experimental, mas nela o investigador
não tem controle sobre a alteração de variáveis e os estímulos experimentais. Portanto, ele faz
inferências sem observação direta, nem a manipulação de variáveis.
 Levantamento de campo: trata-se de uma investigação em que se faz perguntas diretamente
às pessoas que se pretende estudar. Na maioria desses levantamentos são usados procedimentos
estatísticos para que uma amostra significativa de todo o universo seja selecionada.
 Estudo de caso: trata-se de um estudo profundo de um ou de poucos casos, de forma a
investigar um fenômeno dentro do seu próprio contexto. Pode ser usado em pesquisas
exploratórias, descritivas e explicativas.

Técnicas
Por fim, basta escolher as suas técnicas de pesquisa e análise, que guiarão a parte
prática da sua coleta e análise de dados. Confira algumas delas, a seguir.

Técnicas de coleta de dados:

 Documentação direta (pesquisa de campo e pesquisa de laboratório); 


 documentação indireta (pesquisa documental e bibliográfica);
 observação direta intensiva (observação não participante, observação participante, observação
em laboratório, entrevistas, etc.);
 observação direta extensiva (questionários, formulários, pesquisa de mercado, análise de
conteúdo, etc.).

Técnicas de análise de dados:

 Quantitativas (análise estatística, por exemplo);


 qualitativas (análise do discurso, por exemplo).
Agora você já conhece alguns tipos de metodologia úteis para o seu TCC, mas não se
esqueça também da importância de usar as regras da ABNT para padronizar o seu
trabalho, viu? Conheça aqui as regras mais importantes para o seu projeto.

A língua se transforma e evolui num sistema dinâmico de sincronias e estabelece na diacronia.


As línguas se multam, a de ontem não é a mesma de hoje e não será a mesma no futuro.
Assim, a língua portuguesa, desde sua concepção sofreu mudanças, em todos os setores de sua
estrutura, inclusive na fonologia das palavras.

Portanto, as alterações de caráter sociocultural comprometem a língua, e essas fatos, por sua
vez, considerados sob diversos ângulos, marcam etapas dos estudos linguísticos. Os diversos
modos de analisar e abordar os fenômenos da linguagem estabelece a história da linguística e
descrevem o seu trajeto ao longo do tempo.

Com o objetivo de disseminar o estímulo sobre o conhecimento e despertar o interesse do saber


sobre a língua portuguesa foi realizado uma pesquisa online para pessoas de variados níveis de
escolaridades,

O questionário foi elaborado para lembrar aos falantes que a língua é muito mais que regras, e
vai muito além do preconceito enraizado pelos próprios falantes, demonstra que a língua é
criativa e dinâmica, que ambas as normas culta e coloquial se perfazem necessárias para nosso
uso diário.

Há diversos países que foram colonizados com a língua portuguesa e a detém como idioma
principal, a língua é um instrumento social, ou seja, um código que se transmite em todo o
instante, determinando um significado na fala de diversos grupos sociais de uma mesma
sociedade. Existirá evoluções e expressões de diversas maneiras para que permaneça a
comunicação como objetivo principal entre os falantes, a chamada convenção linguística.
A língua é um mecanismo vivo, um sistema de comunicação que se mútua aos longos dos
anos através de influências históricas e acontecimentos que direta ou indiretamente
entusiasmaram sua origem. No que diz respeito à história da língua portuguesa, faz-se
necessária uma busca histórico-geográfica, desde sua origem até sua implantação no Brasil.
A transformação obtida até a chegada da língua portuguesa se desenvolveu por conflitos
árduos e modificações históricas e geográficas, por volta do século III a.C., quando os
romanos ocuparam a Península Ibérica através de conquistas militares e impuseram aos
vencidos seus costumes, seus estabelecimentos, seus protótipos de vida e, sobretudo, sua
língua, que reflete a cultura.
O português contemporâneo é resultado de acréscimos, ou, e supressões de ordens
morfológicas, ou, e fonológicas, ou, e sintática. O léxico não é algo estático, está livre para
incorporações, podemos usar como exemplo as línguas indígenas que se perfaz presente e
contribuem para o enriquecimento dos vocabulários, na toponímia – nomes de lugares,
onomástica – nomes próprios, fauna – nomes de animais.
O multilinguíssimo presente possui forte influência de dialetos africanos, incrementando a
linguagem religiosa, uma manifestação cultural.
Apesar de inovador, torna-se algo identificatório e necessário para a conservação da língua
como patrimônio, o português brasileiro suportou intensas mutações para chegar ao português
que se fala hoje em dia. Entretanto, ainda está num processo de construção de sua própria
identidade.
Entretanto, ressalta-se que todas as variações linguísticas são aceitas e devem ser consideradas
um valor cultural e não um problema, a língua possui por si só várias línguas dentro de si, e
que deve - se manter o valor histórico construído e desenvolvido ao longo de séculos.

ARAÚJO. Ruy Magalhães de. Metaplasmos: um paralelo diacrônico e sincrônico. (UERJ).


Disponível em: http://www.filologia.org.br/cluerj-
sg/anais/ii/completos/palestras/ruymagalhaesdearaujo.pdf. Acesso em: 1-5-2020 às 14:43h.

BASSO, Renato Miguel; GONÇALVES, Rodrigo Tadeu. História concisa da língua


portuguesa. Petrópolis-RJ. Vozes, 2014. Pág. 103, 104.

BECHARA, Evanildo. Gramática Escolar da Língua Portuguesa. Ampliada e atualizada pelo


novo acordo ortográfico. RJ.2 edição: 2010. Pág 690.

Brito, Lalinha. Amor à Língua Portuguesa.


https://www.pensador.com/poemas_sobre_a_lingua_portuguesa/. Acesso em 10 de maio de
2020.
COUTINHO, Ismael de Lima. Gramática Histórica. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica,
1974.

GONÇALVES, Walter. Metaplasmos na língua portuguesa no Brasil. Disponível em:


https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/portugues/metaplasmos-na-lingua-portuguesa-no-
brasil.htm. Acesso em 10 de maio de 2020.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de


Janeiro: Ed. Objetiva, 2009. 

ILARI, Rodolfo. O Português da gente: a língua que estudamos e a língua que falamos. 2
ed. São Paulo. Pág.15.

MARTINET, André. Elementos de linguística geral. 8 ed. Lisboa: Martins Fontes, 1978

OTHERO. Gabriel de Ávila. Sobre A Evolução Linguística. Revista Letra Magna. Revista
Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura. - Ano
01- n.01 - 2º Semestre de 2004.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

SILVA. Paulo Cesar Garré; SOUSA, Antônio Paulino de. Língua e Sociedade: influências
mútuas no processo de construção sociocultural. Disponível em:
http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/reducacaoemancipacao/article/view/772
6. Acesso em: 14 de abril de
A lusofonia é o patrimônio de todos os fraternos, cerca de duzentos e oitenta milhões de
falantes herdaram as expressões dessa língua e cultura em todos os continentes, decorrente de
grandes realizações, desta forma a língua é elemento de poder social, relaciona-se com fatores
de igualdade e desigualdade, o que pode trazer diversidade linguística no Brasil e diversos
outros países.
O idioma oficial do Estado brasileiro é a língua portuguesa, conforme previsão do art. 13 da
CF/88: A língua portuguesa é o idioma oficial da República Federativa do Brasil, sendo
assim direito fundamental dos seres humanos pautado no princípio da nacionalidade.
Torna-se então algo pátrio que formula em suas palavras o defensor da língua portuguesa
Antônio Ferreira1, no século XVI: “Floresça, fale, cante, ouça-se e viva.” A Portuguesa
língua, e já onde for. Senhora vá de si soberba, e altiva, o autor exalta a língua em suas
palavras.
Ter conhecimento da língua portuguesa é fundamental para realizar atividades como ler e
escrever, e também outras diversas, o português é a língua oficial do Brasil, respaldada em
texto constitucional, que se perfaz em todo território nacional.

1
Poeta renascentista português Antônio Ferreira.

Você também pode gostar