Você está na página 1de 8

Universidade Católica de Moçambique

Instituto de Educação à Distância


Rua Correia de Brito, 613, Ponta Gêa
C.P 90 - Beira - Moçambique
Tel: (+258) 23 32 64 05 Fax: (+258) 23 32 64 06
E-mail: ied@ucm.ac.mz

ANTROPOLOGIA DO DESPORTO
Guia Tutorial

Licenciatura em Ensino de Educação Física e Desporto


4º Ano

Tutor: _____________________________
e-mail ________________________________________
Cell ________________________________________
1

Índice
1 Introdução ................................................................................................................................ 2

2 Objetivos gerais de aprendizagem ........................................................................................... 2

3 Conteúdos a abordar ................................................................................................................ 2

4 Método de ensino – aprendizagem .......................................................................................... 2

5 Desempenho esperado ............................................................................................................. 3

6 Formas de Avaliação ............................................................................................................... 3

7 Atividades a realizar ................................................................................................................ 3

7.1 Actividade 1 – (1a Sessão Presencial).............................................................................. 3

7.2 Actividade 2 – (2a Sessão Presencial).............................................................................. 4

8 Sessões de aprendizagem......................................................................................................... 5

8.1 Primeira sessão presencial ................................................................................................ 5

8.2 Segunda sessão presencial ................................................................................................ 5

8.3 Momento interregno ......................................................................................................... 5

8.4 Recursos ........................................................................................................................... 6

9 Sessão de Exames .................................................................................................................... 6

10 Referência Bibliografia ........................................................................................................ 6


2

1 Introdução

Seja bem-vindo a disciplina a Antropologia do Desporto. Esta cadeira contém informação útil para as
unidades de psicologia do desporto, sociologia do desporto, treino desportivo. O significado cultural e o
função social dos activiades pelas normas, pela cultura e qual a expressão humana transcultural deste as
práticas. Unidade Curricular levar os estudantes a compreender que o desporto é, acima de tudo, um
fenómeno cultural de abrangência cultural e que se fundamenta no próprio homem, constituindo-se por isso
numa actividade passível de uma antropologia. Para tal, os estudantes deverão conhecer os fundamentos
antropológicos que validam o desporto e situá-los quer ao longo do tempo - linha temporal - como ao longo
da vida de cada ser - linha pessoal.

2 Objetivos gerais de aprendizagem

A cadeira de Antropologia do Desporto tem como objetivo suportar os estudantes a compreender que o
desporto é, acima de tudo, um fenómeno cultural de abrangência cultural e que se fundamenta no próprio
homem, constituindo-se por isso numa actividade passível de uma antropologia; os fundamentos
antropológicos que legitimam o desporto e situá-los querem ao longo do tempo - linha temporal - como ao
longo da vida de cada ser - linha pessoal.

3 Conteúdos a abordar

A disciplina de Antropologia do Desporto para além buscar clarificar a sua Definição, objecto de estudo e
campos de abordagem, igualmente irá debruçar sobrejoanete as correntes teóricas da Antropologia, o
fenómeno de cultura e seu conceito antropológico, as noções de Parentesco, Família e Casamento em
Moçambique, e por último abordar o domínio do simbólico (O estudo dos rituais em Antropologia, os ritos
de passagem, os Rituais como mecanismo de reprodução social, os conceitos de Feitiçaria, Ciência e
Racionalidade, Cultura, tradição e religiosidade no contexto sociocultural do Moçambique, o moderno e os
Modelos religiosos endógenos vs modelos religiosos exógenos.

4 Método de ensino – aprendizagem

O curso adota métodos inovadores centrados na aprendizagem do estudante. Isto significa que a
responsabilidade pelo processo de aprendizagem é do estudante. Quanto ao tutor, ele passa a ser, sobretudo,
um gestor/mediador/facilitador de situações de aprendizagem.
3

As sessões serão ministradas segundo métodos de exposição aberta do tutor da disciplina e trabalho
independente dos estudantes, durante os intervalos das presenciais seguidas de partilhas na sala de aula.

5 Desempenho esperado

Espera-se que o estudante compreenda tenha a capacidade de aplicar os conceitos e os conhecimentos


adquiridos na análise das dinâmicas e factos socioculturais dos diferentes contextos moçambicanos, analise
as principais áreas fundamentais de teorização da antropologia no contexto moçambicano, adquira um
conhecimento sócio antropológico actualizado sobre Moçambique e domine as temáticas mais importantes
da antropologia sobre Moçambique.

6 Formas de Avaliação

Ao longo da disciplina o estudante deverá realizar todas actividades propostas para auto – avaliação, pois
constitui uma avaliação de carácter formativo. Os trabalhos individuais ou de campo (teóricos ou práticos)
realizados pelo estudante têm sobre a média de frequência o peso de 40% e são indicados pelos tutores. No
final do ano será realizado um exame de Múltipla escolha que terá o peso de 60% sobre a média final. A
nota final será calculada através da seguinte fórmula: NF = MF x 40% + NE x 60%; onde:

NF -Nota Final; MF - Média de frequência; NE - Nota de Exame.

7 Actividades a realizar

Os exercícios de autoavaliação abaixo descritos, são actividades que visam desenvolver o estudo individual
do estudante e garantir o desenvolvimento formativo. As actividades que serão classificadas (Somativas),
serão indicadas pelo tutor durante as sessões.

7.1 Actividade 1 – (1a Sessão Presencial)

1) O que é Antropologia Cultural.


2) Quais sãos os pressupostos da emergência da Antropologia Cultural.
3) Diga qual é o objecto do estudo da Antropologia do desporto.
4) Defina cultura segundo E. Tylor a A. Kröeb.
5) Quais são os pressupostos que contribuirão emergir no séc. XIX até princípios do séc. XX, a
antropologia.
6) Fale dos diferentes desafios do desporto enquanto problema antropológico.
7) Descreve a relação e diferença da antropologia do desporto e sociologia.
8) Não se pode estudar uma determinada ciência sem saber a essência da sua origem.
4

9) Fale em poucas linhas da origem e evolução da antropologia do desporto.


10) Fale do desporto no universo mítico-religioso.
11) Em poucas linhas fale da evolução histórica das Concepções sobre o Corpo.
12) Fale do Pessoal humano como o aspeto central da Antropologia do Desporto.
a) Comente em volta do desafio do desporto enquanto aos problemas antropológicos.
13) Os antropólogos tem dito que o homem não é um ser fechado, incapaz, mas antes um ser aberto
com espírito de luta, de resistência, enfim um inúmero conjunto de habilidades, que se expressam
pela sua essência, competir.
14) Fundamente esta afirmação. (Não menos de 3 paginas).
15) Roger Caillois numa das obras sugere que um jogo praticado por determinado povo pode servir
para definir alguns dos seus traços morais ou intelectuais, indiciando que esses mesmos jogos se
constituirão como uma imagem da própria cultura, de uma época ou mesmo de uma civilização.
a) Fundamente a afirmação olhando para o desporto como um factor sociocultural. (Não menos de 5
paginas).
16) Quis são os métodos que a antropologia do desporto usa para atingir os objectivo. Descreva 5
método a sua escolha.

7.2 Actividade 2 – (2a Sessão Presencial)

1. Considere a Antropologia do Desporto.


a) Fale da Educação Física numa perspetiva antropológica.
2. Fale do desporto como um fenómeno simbólico e ritual.
a)Como era a Educação Física antigamente e como esta sendo actualmente?
3. Fale do desporto-espetáculo como uma ferramenta essencial na ajuda a acentuar as diferenças culturais
e a competição entre as nações.
4. Fale da importância da Antropologia para os profissionais de Educação Física.
5. Fale da cultura no sentido Antropológico.
6. Fale da imagem corporal e sua influência do desporto.
7. Em poucas linhas fale da associação entre o desporto a corporalidade e a saúde sob ponto de vista
antropológico. (Não menos de 5 paginas).
8. Na actualidade o fenómeno do desporto assume proporções massivas nos mais variados campos, quer
seja no estádio ou televisão, atravessando pela publicidade e, passando mesmo pelas roupas ou
políticos.
a) Fundamente a afirmação olhando para aquilo que tem sido os jogos olímpicos. (Não menos de 4
paginas).
9. O desporto possui uma força muito para além do racional, consegue dignificar, humilhar ou até mesmo
destruir personagens públicas.
a) Comente a afirmação olhando para o desporto como um fenómeno biopsicossocial. (Não menos e
5 paginas).
10. Como é possível povo tão parecidos (fisicamente e biologicamente) podem constituir culturas tao
diversas?
11. A formação da Antropologia resultou de vários contributos em diferentes períodos históricos.
Identifique os diferentes períodos e os representantes de cada um deles.
12. Que pressupostos existiam já no séc. XIX para a emergência da Antropologia.
13. Em que consistia o período de construção da Antropologia Cultural.
14. Depois deste estudo é capaz de indicar alguns estudos antropológicos em Moçambique em particular
do período colonial?
15. Diferencia as diferentes características de Cultura.
16. Quais são os factores sincrónicos e diacrónicos da Cultura.
5

8 Sessões de aprendizagem

8.1 Primeira sessão presencial

Nesta sessão inaugural, o tutor faz a apresentação do Guia de Estudo, os objectivos gerais da disciplina, a
metodologia a ser usada, as formas de avaliação, os resultados de aprendizagem esperados, orienta o debate
dos conteúdos das primeiras unidades do módulo, as actividades de auto-avaliação, trabalhos teóricos ou
práticos a serem realizados e define com os estudantes as estratégias de interacção. O seu papel centra-se
na motivação, mediação, orientação e promoção de um contexto de aprendizagem conducente a formação
da comunidade de aprendizagem.

Em relação aos estudantes, figuras autónomas na sua aprendizagem, apresentam dúvidas pontuais referentes
ao Guia de estudo e ao Conteúdo Básico de Referência (Módulo), criam laços sociais, coordenam
estratégias de interação entre eles, isto é, são responsáveis pela formação de grupos de estudos, e sugerem
estratégias de comunicação entre estes e o tutor.

8.2 Segunda sessão presencial

Nesta sessão, o tutor movido pela orientação de fazer com que o estudante assuma o seu processo de
aprendizagem de forma activa, concentra-se em esclarecer dúvidas, dar feedback das actividades até então
realizadas, monitorar actividades práticas e fornecer as directrizes na preparação para o exame.

Os estudantes expõem as dúvidas encontradas durante o estudo individual ou em grupo e interagem com os
colegas e tutor, recebem o feedback do tutor, realizam actividades práticas, debatem em torno das restantes
unidades do módulo e partilham recursos.

8.3 Momento interregno

Neste período, o tutor faz o acompanhamento, que consiste em atender pelo telefone, internet ou
fisicamente os estudantes, dar feedback, reforçar o processo de auto aprendizagem. Nesta fase, o tutor
esclarece dúvidas, direciona conteúdos, promove o diálogo problematizador, modera, acompanha as
discussões nos grupos de estudo e actualiza o conteúdo pedagógico.

O estudante realiza actividades de auto-avaliação e trabalhos individualmente ou em grupo, de forma


rigorosa conforme os objectivos preconizados em cada unidade. Interage com o conteúdo, seus pares, tutor,
6

realiza trabalhos práticos ou teóricos. A colaboração entre os estudantes é estimulada de modo que juntos
construam o conhecimento, pelo debate de ideias e partilha de informações e recursos.

8.4 Recursos

As disciplinas são ministradas com o emprego de recursos que propiciem ao estudante a devida autonomia
e o desenvolvimento de sua capacidade de iniciativa. Assim sendo, dispõem-se os seguintes recursos de
aprendizagem: Guias de estudo, Conteúdo Básico de Referência (Módulo), Bibliografias básicas e
complementares e objectos de aprendizagem (Textos de apoio, PowerPoint, Prezi, entre outros).

Também são usados suportes tecnológicos como recursos audiovisuais (projector multimídia, tela
interativa, Tablet, data-show e CD).

Com relação as aulas práticas desenvolvidas no decorrer do curso, cumpre salientar que as mesmas são
concebidas de acordo com as especificidades de cada disciplina, principalmente aquelas que carecem de
laboratórios de informática, com acesso a internet, laboratórios de química, física, Biologia, Educação
Física e Desporto, receptor GPS, Software SIG, aula-excursão, dentre outros, com vista a dinamizar o
aprendizado e incentivar a busca pelo conhecimento.

9 Sessão de Exames

Exame Normal de Cadeiras Gerais do 1º ao 3º Ano e Específicas do 4º Ano: 01 a 02 de Agosto.

Exame de Recorrência de Cadeiras Gerais do 1º ao 3º Ano e Específicas do 4º Ano: 05 a 06 de Setembro.

Exame de Cadeiras Específicas do 1º ao 3º Ano incluindo Estatística: 31.10 a 01.11 de Novembro.

Exame de Recorrência de Cadeiras Específicas do 1º ao 3º Ano incluindo Estatística: 05 a 06 de Dezembro.

10 Referência Bibliografia

 CALDEIRA, T. “A presença do autor e a pós-modernidade em Antropologia”. in: Novos Estudos,


Cebrap, SP, 1988, pp133-157.
 GONÇALVES, António C. Trajectórias do pensamento antropológico. Universidade Aberta, Lisboa,
2002.
 MOUTINHO, Mário. Introdução à Etnologia. Lisboa, Estampa, 1980.
7

 GEFFRAY, Christian. A Causa das Armas em Moçambique: Antropologia da Guerra Contemporânea


em Moçambique. Porto, Afrontamento, 1991.
 HOBSBAWM, Eric. “Introdução: A invenção das tradições”. In: HOBSBAWM, Eric, e Terence
RANGER (eds.). A Invenção das Tradições. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1984, pp: 9-23.
 NGOENHA, Severino E. . Identidade moçambicana: já e ainda não. In: Serra, Carlos (dir.). Identidade,
moçambicanidade, moçambicanização. Maputo, Livraria Universitária-UEM, 1998, p. 17-34.
 REDONDO, Raul A. I. "O processo educativo: ensino ou aprendizagem? ", Educação Sociedade e
Culturas: revista da Associação de Sociologia e Antropologia da Educação, 1, 1994.
 VEIGA-NETO, A. “Cultura e Currículo”. In: Contrapontos: revista de Educação da Universidade do
Vale do Itajaí, ano 2, no 4, 2002, pp 43-51.

Recursos adicionais (links referentes ao conteúdos, exercícios)

 A. Kröeber; A natureza da cultura, Edições 70, 1993


 Garcia, R.. Da Desportivização à Somatização da Sociedade, in J. Bento, 1999.
 Huizinga, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1992.
 Richard Dawkins; A grande história da evolução, Companhia das Letras, 2009.
 Rui Garcia; Antropologia do Esporte, Shape Editora - Rio de Janeiro, 2007.
Rui Garcia; No labirinto do Desporto, Imprensa Nacional - Casa da Moeda. Clyde. Kluckhohn;
Antropologia. Um espelho para o homem, Editota Itatiaia, 2005.
 Tubiana, M. História da medicina e do pensamento médico. Lisboa: Editorial Teorema, 2000.