Você está na página 1de 4

Lista de Exercícios 2 – Álgebra Linear – Felipe Moreti Bolini

Lista 1 – Questão 6. Classifique as sentenças abaixo como verdadeiras ou falsas.


(0) O plano {( x , y , z) ∈ R3 :−2 x−5 y +9 z=15 } contém os pontos (1 , 2, 3), (−1 , 1, 2) e (2 ,−2 , 1);
R: Verdadeiro – Uma vez que todos os três pontos pertencem à equação do plano, ou seja,
que a substituição das coordenadas de cada ponto na equação leva a uma verdade, todos
os três pontos pertencem ao plano.
(1 , 2, 3) → −2∗1−5∗2+ 9∗3=−2−10+27=15
(−1 , 1, 2) → −2∗(−1 )−5∗1+ 9∗2=2−5+ 18=15
(2 ,−2 , 1) → −2∗2−5∗(−2 ) +9∗1=−4+10+ 9=15

(1) O plano {( x , y , z) ∈ R3 : x+2 y +3 z=12 } é ortogonal ao plano {( x , y , z) ∈ R3 : x+ y −z=17 };


R: Verdadeiro – Temos vetores normais das equações: (1 , 2, 3) e (1 , 1,−1). Se os vetores
normais forem ortogonais, os planos também são:
( 1 ,2 , 3 ) ( 1, 1 ,−1 ) =1∗1+2∗1+3∗(−1 ) =1+ 2−3=0.
Como os vetores normais de cada plano são ortogonais entre si, os planos também são.

(2) A interseção dos três planos {( x , y , z)∈ R3 : x+2 y +3 z=4 }, {( x , y , z) ∈ R3 : x+ y + z=6 } e


{( x , y , z)∈ R3 :2 x +3 y +4 z =10} é o conjunto vazio;
R: Falso – A intersecção entre três planos tem que ser um ponto, uma reta ou um plano que
satisfaça as três equações dos planos. Assim,
x+ 2 y +3 z=4 → n1=(1 , 2 ,3)
r=
{ x+ y+ z=6 → n2=( 1, 1 ,1)
2 x+ 3 y+ 4 z=10 → n3=(2 ,3 , 4 )
2 y+ 3 z=4 → 2∗14 +3∗ (−8 )=28−24=4
x=0 → r=
{ y+ z =6 → y =6−z → y =14
3 y +4 z =10→ 3 ( 6−z ) + 4 z=18−3 z + 4 z=10 → z=−8
Tendo em vista que o ponto (0 , 14 ,−8) pertence aos três planos, é falso que a intersecção
entre os três planos é o conjunto vazio.

(3) O plano {( x , y , z) ∈ R3 : x+2 y +3 z=20 } é tangente à bola


3 2 2 2
{( x , y , z) ∈ R : ( x−2 ) + ( y−3 ) + z =11 } no ponto (3 , 4 ,3);
R: Falso – Determinemos o plano tangente à bola no ponto ( 3 , 4 ,3 ) .Se encontrarmos um
plano diferente do enunciado, será falsa a afirmativa.
A equação geral de um plano:
T ( x , y , z )=f x (x , y , z) ( x−x 0 ) + f y (x , y , z ) ( y− y 0 ) + f z (x , y , z )( z−z 0), onde f (x , y , z) é a função da
bola. Assim, determinemos as derivadas parciais:
f x ( x , y , z )=2 x−4 → no ponto ( 3 , 4 , 3 ) → f x =2
f y ( x , y , z )=2 y−6 → no ponto ( 3 , 4 , 3 ) → f y =2
f z ( x , y , z )=2 z → no ponto (3 , 4 , 3 ) → f z =6
Assim, o plano tangente à bola {( x , y , z) ∈ R3 : ( x−2 )2+ ( y−3 )2 + z 2=11} no ponto (3 , 4 ,3) é
dado por
T ( x , y , z )=2 ( x−3 ) +2 ( y−4 ) +6 ( z−3 ) =2 x−6+2 y−8+6 z−18→ T ( x , y , z )=2 x +2 y +6 z=32.
Como T ( x , y , z ) é diferente do plano enunciado, é falsa a afirmativa.

(4) A distância entre os planos {( x , y , z) ∈ R3 : x+2 y +3 z=12 } e o plano


3
{( x , y , z) ∈ R : x+2 y +3 z=13 } é menor do que 1 (um).
R: Verdadeiro – Tendo em vista que o ponto (0 , 0 , 4) pertence ao plano
{( x , y , z) ∈ R3 : x+2 y +3 z=12 }, basta calcularmos a distância entre o ponto e o outro plano:
¿ 1
D=¿1∗0+2∗0+3∗4−13∨ 2 2 2
=¿−1∨ ¿ = <1 .¿ ¿
√1 +2 +3 √ 14 √ 14
Seção 4.2 – Exercício 12:
Para verificar se um vetor (a , b , c , d) pertence ao espaço gerado (T ¿ pelos vetores
( 2 ,1 , 0 , 3 ) , ( 3 ,−1 ,5 , 2 ) e (−1 , 0 , 2, 1) é necessário que o vetor solucione o sistema linear
x ( 2 , 1 ,0 , 3 ) + y ( 3 ,−1 , 5 ,2 )+ z (−1 ,0 ,2 , 1 )=(a , b , c , d ). Assim, basta escalonar a matriz
expandida abaixo:
2 3 −1 a

( 1 −1 0 b
0 5
3 2
) 2 c
1 d
Após realizarmos todo o processo de escalonamento, obteremos a seguinte matriz:
1 3/2 −1/2 a/2

( 0 1 −1/5
0 0
0 0
1
)
(a−2 b)/5
(−a+2b +c) /5
0 (−a−7 b−2c +3 d )/3
Note que estamos trabalhando com um sistema com mais equações do que incógnitas,
dessa forma, a última linha da matriz escalonada deve ser toda nula. Agora basta
substituirmos as coordenadas de cada vetor e vermos se as regras são seguidas. Em caso
positivo, significa que o vetor pode ser escrito como uma combinação dos vetores
geradores e, portanto, o vetor pertence ao espaço gerado T .

a) (2 , 3 ,−7 , 3)
a/2 2/2 1

( ( a−2 b)/5
(−a+ 2b +c)/5
(−a−7 b−2c +3 d )/3
)(
=
(2−2∗3)/5
(−2+2∗3+(−7))/5
(−2−7∗3−2∗(−7)+3∗3)/3
O vetor (2 , 3 ,−7 , 3) pertence ao espaço gerado T .
−3/5
0
)( )
= −4 /5

b) (0,0,0,0)
a/2 0/2 0

( ( a−2 b)/5
(−a+ 2b +c)/5
(−a−7 b−2c +3 d )/3
=
)( ( 0−2∗0)/5
(−0+2∗0+0)/5
(−0−7∗0−2∗0+3∗0)/3
O vetor (0,0,0,0) pertence ao espaço gerado T .
=0
0
0
)()
c) (1 , 1, 1 ,1)
a/2 1/2 1 /2

( ( a−2 b)/5
(−a+ 2b +c)/5
(−a−7 b−2c +3 d )/3
)(
=
(1−2∗1) /5
(−1+ 2∗1+1)/5
(−1−7∗1−2∗1+3∗1)/3
= −1 /5
)( )
2 /5
−7 /3
O vetor (1 , 1, 1 ,1) não pertence ao espaço gerado T .

d) (−4 , 6 ,−13 , 4)
a/2 −4/2 −2

( ( a−2 b)/5
(−a+ 2b +c)/5
(−a−7 b−2c +3 d )/3
=
)( ((−4 )−2∗6)/5
(−(−4 )+ 2∗6+(−13))/5
(−(−4)−7∗6−2∗(−13)+3∗4 )/3
O vetor (−4 , 6 ,−13 , 4) pertence ao espaço gerado T .
= −16 /5
−3/5
0
)( )
Seção 4.3 – Exercício 9:
Para que os vetores sejam linearmente dependentes, deve haver uma combinação nula
1 1 −1 1 −1 1
(
entre eles. Ou seja, sendo v1 = λ ,− ,− , v 2=
2 2 2 ) (
, λ ,− , v 3 =
2 ) (
2 )
,− , λ , para que sejam
2
linearmente dependentes, devem satisfazer:
1 1 −1 1 −1 1
(
a λ ,− ,− +b
2 2 ) ( 2 2) (
, λ ,− +c
2
,− , λ =0
2 )
Que é equivalente, matricialmente, a
−1 −1

[ ]
λ
2 2
a 0
−1
2
−1 −1
λ
−1
2
λ
[][]
b
c
= 0
0
2 2
Resolvendo:
−1 −1

| |
λ
2 2
−1 −1 −1 3 −1 2 3 1 3 λ 4 λ 3−1−3 λ
2
λ
2
=λ 3+ 2 ( )
2
−3 λ
2( )
=λ − − =
4 4 4
−1 −1
λ
2 2
Para que a combinação linear seja nula:
4 λ 3−1−3 λ
=0
4
4 λ3−1−3 λ=0
( λ−1 )( 2 λ+1 )2 =0
Portanto: ( λ−1 )=0 ou ( 2 λ+1 )2=0
Assim,
λ=1 ou
−1
4 λ2 +4 λ+1=0→ λ= (multiplicidade 2)
2
−1
Portanto, se λ=1 ou λ= , com dupla multiplicidade, os vetores serão linearmente
2
dependentes.

Questão 6: Prove que a reunião de três subespaços vetoriais só pode ser um subespaço
vetorial quando um deles contém os outros dois.
Sejam T 1 , T 2 e T 3 os três subespaços.
Mostremos que T 1 ⊆ T 2 T 3 ou T 2 ⊆ T 1 T 3. Se essa afirmativa for falsa, então existe um
vetor v1 tal que v1 ∈T 1 e v1 ∉T 2 T 3, e um vetor v 2 tal que v 2 ∈T 2 e v 2 ∉T 1 T 3. Assim, temos que
v 1 ± v 2 ∈ S ( T 1 ⋃ T 2 ⋃ T 3 )=T 1 ⋃ T 2 ⋃ T 3
}
v 1 ± v2 ∉T 1 , v 1 ± v 2 ∉ T 2
→ v 1 ± v 2 ∈T 3 → v1 , v 2 ∈T 3

O que é um absurdo. Portanto, ou T 1 ⊆T 2 ⋃ T 3 ou T 2 ⊆T 1 ⋃ T 3.


Questão 13: Obtenha uma base e consequentemente determine a dimensão de cada um
dos subespaços de M (nxn) para matrizes cuja segunda linha é igual à terceira coluna.
Considerando i o número de linhas e j, o de colunas, para j entre 1 e n, exceto j=2 e
j=3, temos n−2 matrizes tais que c 2 j =e2 j+ e j 3. Defina separadamente c 22=e 22+ e23 +e 32. Enfim,
para 1 ≤ j, j ≤ n com i≠ 2 e j ≠ 3, defina as ( n−1 )2 matrizes c ij =e ij. Estas matrizes formam a base
do espaço em questão, cuja dimensão é ( n−2 ) +1+ ( n−1 )2 =n2−n.

Questão 14: Seja U o subespaço do R5 definido por


U ={( x 1 , x 2 , x3 , x 4 , x 5 )∈ R 5 : x 1=3 x 2 e x3 =7 x 4 }. Encontre uma base de U .
A base de U será formada por 5 vetores tais que S= { v 1 , v 2 , v 3 , v 4 , v 5 } ,talque cada vedor é
da ordem( 3 x 1 , x 1 , 7 x 2 , x 2 , x 3 ), tal que
a v 1+ b v 2 +c v 3+ d v 4 + e v 5 ≠ 0 , se a , b , c , d ,e ≠0 .
Assim,
x 1 ( 3 , 1 ,0 , 0 , 0 ) + x 2 ( 0 ,0 , 7 , 1 ,0 )+ x3 ( 0 , 0 , 0 , 0 ,1 ) .
Dessa forma, temos que uma base para o subespaço U dada por
{( 3 , 1 , 0 ,0 ,0 ) , ( 0 , 0 , 7 ,1 , 0 ) , ( 0 , 0 ,0 , 0 , 1 ) }.

Você também pode gostar