Você está na página 1de 2

Resumo: Este artigo tem por objetivo de fazer uma discussão sobre, os problemas da

democracia brasileira e trazer soluções.


Palavras-chave: Democracia. Problemas. Soluções. Politica no Brasil.
Introdução:

Somente após 30 anos de luta foi restabelecido o regime democrático e implementada uma
nova constituição. Ambos seguem vigentes até os dias atuais.

O Estado democrático de direito é um conceito que designa qualquer Estado que se aplica a
garantir o respeito das liberdades civis, ou seja, o respeito pelos direitos humanos e pelas
garantias fundamentais, através do estabelecimento de uma proteção jurídica.

Atualmente, a República Federativa do Brasil vivencia uma crise político-jurídica devido às três
funções do Estado atuarem em constante dissonância, perpetrando atos supostamente ilegais
e, ou inconstitucionais.

Para o sociólogo português Nelson Dias, a crescente crise da democracia é consequência da


falta de participação da sociedade nas decisões políticas. Como saída a isso, aposta no avanço
de experiências como o Orçamento Participativo (OP), que, na contramão de alguns recuos
democráticos na América Latina, tem avançado em todo o mundo. Como o OP é
implementado principalmente em experiências locais, os municípios tendem a responder
melhor a essa crise. Contudo, Dias observa um "salto de escala territorial e institucional" do
OP, demonstrando que governos nacionais também têm buscado a participação como forma
de reconquistar a confiança da população.

Os problemas e soluções para a democracia brasileira:

No Brasil, a desigualdade social tem sido um cartão de visita para o mundo, pois é um dos
países mais desiguais. O Brasil precisa melhorar muito a qualidade do ensino, especialmente
do ensino público. Melhorar a educação é fundamental para qualquer sociedade crescer de
forma sustentável no longo prazo com justiça social. A educação melhora a produtividade dos
trabalhadores e de suas firmas, facilitando inovações tecnológicas e a aplicação de novas
técnicas gerenciais. Além disso, como a elite econômica de qualquer país já tem um alto nível
educacional, aumentos posteriores na escolaridade e na qualidade da educação favorecem
principalmente as famílias mais pobres, aumentando a ascensão social e a mobilidade
intergeracional e diminuindo a pobreza e a desigualdade.

Diminuição da desigualdade social. Ainda somos um dos países de pior distribuição de renda
no planeta, em poucos lugares há tanta diferença entre ricos e pobres. Priorizar o
enfrentamento ao racismo, um dos fatores estruturantes das desigualdades no Brasil,
propondo políticas públicas para atacar o problema. Equilibrar o sistema tributário, reduzindo
o peso da tributação sobre o consumo (indireta) e aumentando o peso da tributação sobre
patrimônio e renda (direta) do topo da pirâmide social. Promover a oferta de trabalho formal e
decente para todas e todos e rever a reforma trabalhista no tocante à perda de direitos dos
trabalhadores e trabalhadoras.

Reduzir as isenções fiscais e aumentar os investimentos em políticas públicas e serviços básicos


como educação (implementação do Plano Nacional de Educação) e saúde (fortalecimento do
Sistema Único de Saúde). Melhorar a qualidade, a progressividade e a transparência do gasto
público, e redefinir as prioridades no controle desse gasto, fortalecendo mecanismos que
permitam seu monitoramento por cidadãos e cidadãs, organizações da sociedade civil e órgãos
públicos de controle e Fortalecer mecanismos de combate à corrupção, avançando em
reformas políticas específicas que reaproximem a população brasileira das instituições públicas
e políticas do país.

Referencias
MARCONDES, D. Iniciação à história da filosofia. 13ª edição. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/politica/2019/05/683463-participacao-e-
saida-a-crise-da-democracia-diz-nelson-dias.html

https://www.dw.com/pt-br/brasil-levar%C3%A1-260-anos-para-atingir-n%C3%ADvel-de-
leitura-de-pa%C3%ADses-ricos/a-42776739-0