Você está na página 1de 14

PLANO DE AULA

Instituto Superior De gestão Logística e Transporte

Eng.Almira Rashel Ubeca

Disciplina: Sistema Operativo


Unidade: Conceito Sistema operativo Linux
Assunto: 1.Ambiente UNIX/LINUX
Ano Académico: 2019

Introdução

O Linux é uma das maiores revoluções da história da


Informática. Imagine que existem milhares e milhares de
pessoas que constroem um sistema para você usar
totalmente de graça e, lhe dão a oportunidade de conhecer
integralmente como cada programa é feito e ainda
permitem que você altere o programa de acordo com sua
conveniência.

Conceito
Sistema operativo
Pela perspectiva do usuário ou programador - é uma
abstração do hardware, fazendo o papel de intermediário
entre o aplicativo (programa) e os componentes físicos do
computador (hardware).

Figura – Sistema Operacional


Numa outra visão (olhando a partir do hardware) - é um
gerenciador de recursos. Controla quais aplicações
(processos) podem ser executadas, quando, e que recursos
(memória, disco, periféricos) podem ser utilizados.
A sigla usual para designar esta classe de programas é SO
(em português) ou OS (do inglês Operating System).

Linux
O Linux é um sistema operacional, ou seja, a interface que
gerencia o computador e torna possível a sua interação
com o usuário. Sendo assim, o Linux é quem controla o
gerenciamento dos dispositivos físicos (como memória,
disco rígido, processador, entre outros) e permite que os
programas os utilizem para as mais diversas tarefas.
Outros sistemas operacionais incluem: a família UNIX BSD
(FreeBSD, NetBSD, OpenBSD e outros), AIX, HP-UX, OS/2,
MacOS, Windows, MS-DOS, entre muitos outros.

O criador do kernel (núcleo do sistema operacional) Linux


se chama Linus Torvalds, que também é até hoje o
mantenedor da árvore principal deste kernel. Quando Linus
fez o kernel, seguiu os padrões de funcionamento POSIX –
os mesmos utilizados por todos os sistemas UNIX – e por
isso é um sistema operacional bem-parecido com os outros
da família UNIX (mas não igual). Um fato curioso é a
origem do nome Linux: o autor juntou seu nome ao Unix
(Linus + Unix) e o resultando foi Linux.

Um dos recursos que tornou o Linux mais utilizado é sua


alta portabilidade, que faz com que o sistema possa ser
utilizado em diversas plataformas de hardware: PCs,
mainframes, servidores de grande porte, sistemas
embarcados, celulares, handhelds, roteadores, entre
outros. Além disso, ele é um sistema operacional completo,
multitarefa e multiusuário, o que significa que vários
serviços e usuários podem utilizá-lo ao mesmo tempo.
Outra característica importante é sua alta capacidade de
“conversar” com outros sistemas operacionais, tais quais
outros sistemas UNIX, redes Windows, Novell, entre outros.

 Distribuições
O Kernel de um sistema operacional sozinho não faz nada.
É necessário o uso de ferramentas, programas, interfaces
para o usuário e um Shell apropriado. Então, como reunir
todos os elementos básicos de um sistema operacional e
torná-lo funcional para o usuário final?

Essa questão foi resolvida com o surgimento das


distribuições. As empresas e pessoas criaram processos de
empacotamento do kernel e ferramentas diversas e
forneciam aos usuários o pacote todo pronto: uma
distribuição. Os usuários obtinham cópias de disquetes ou
CDs através de amigos ou pela Internet e instalavam em
suas máquinas através dos sistemas de instalação que as
empresas e pessoas por trás das distribuições fizeram,
tornando assim o trabalho muito mais fácil.
Um bom ponto de partida para se conhecer muitas
distribuições é site:Distrowatchhttp://www.distrowatch.com
– que contém uma lista gigante de distribuições, seus
conteúdos, descrições e objetivos.

Exemplos de distribuições Linux são:


 Mandriva (Antiga Conectiva Linux)

 Kurumin (brasileira)
 Debian

 Fedora

 Red Hat

 Slackware

 SUSE

 Ubuntu

 Yellow Dog Linux (para Mac)

O que vem em uma Distribuição Linux?


Quando empresas e/ou pessoas fazem uma distribuição,
eles tem dois objetivos. O primeiro é facilitar a vida do
usuário e criar meios para que seja possível utilizar o Linux
com facilidade. A outra é trazer uma reunião de aplicativos
específicos de um assunto como uma distribuição voltada
para estúdio de música ou ainda uma distribuição que
atenda a maioria dos usuários, como o Ubuntu Linux.
Uma distribuição feito Ubuntu, Fedora ou SuSE traz
aplicativos genéricos de acesso à internet, bate-papo,
clientes de e-mail, pacote Office e também alguns
joguinhos.
Os itens citados abaixo não são obrigatórios em uma
distribuição Linux, mas é prática comum do mercado
utilizá-los.

Kernel
 O kernel do Linux, o coração do sistema.

Instalador
 Um programa que ajude o usuário a instalar o Linux
no seu computador.

Shell
 O interpretador de comandos. O mais comum do
mundo Linux é o Bash. Mas existem outros como o
csh, bsh e o sh.

Aplicativos em Modo Texto


 O Shell do Linux é muito utilizado. É possível fazer
absolutamente tudo em modo texto através de linhas
de comando.

Servidor X
 É o servidor que proporciona ter Interface Gráfica no
Linux. Não é obrigatório, mas, se desejado, você pode
ter mais de uma interface gráfica no Linux.

Interfaces Gráficas
 Graças ao Servidor X, é possível ter diversas
interfaces gráficas. Conheça alguma delas: KDE,
GNOME, FLUXBOX, WindowMaker, BlackBox e
Enlightnment.

Gerenciadores de Boot
 O NTLDR é utilizado pelo Windows para possibilitar a
escolha do sistema operacional na hora em que
ligamos o computador.
X Windows System

X Windows System (ou simplesmente X11 ou X) é o toolkit


e protocolo padrão para interface gráfica em plataformas
UNIX e similares (como o Linux). Ele é uma interface
gráfica completa:
Apenas define como os objetos básicos devem ser
desenhados e manipulados na tela. O X pode ser
Executado em máquinas locais ou remotamente, através de
uma rede.
Ambientes Desktop

O X é a base para a interface gráfica no GNU/Linux, mas


não inclui nenhuma definição sobre a aparência das janelas.
O controlo da aparência é feito por outro programa,
chamado gerenciador de janelas (window manager).
Exemplos de gerenciadores de janelas são o FVWM,
FluxBox, Xfce,
 GNOME e KDE. Estes dois últimos transcendem o
conceito de gerenciador de janelas e são ambientes
desktop (desktop environment), ou seja, propõem-se
a oferecer uma interface mais completa para o
sistema operacional, incluindo utilitários integrados e
aplicações.
Figura-KDE e FluxBox.

GNOME (Ubuntu 9.10).


Desempenhando tarefas
A proposta da interface gráfica e o uso intuitivo. Apesar disso,
mostramos a seguir como desempenhar algumas tarefas simples
apenas para efeito ilustrativo. A interface usada é o GNOME
(Ubuntu 9.10).
Acessando a internet
No Ubuntu 9.10, o navegador Firefox já vem instalado e já existe
um atalho para acessa-lo
DESEMPENHANDO TAREFAS

Editando um documento num processador de texto


A maioria dos leitores deve estar acostumada a usar o
Microsoft Word (do pacote Office) para editar arquivos de
texto com formatação. No Ubuntu 9.10, já vem instalado o
pacote do OpenOffice.org, que possui formatos próprios de
arquivo mas que também consegue abrir arquivos \.Doc".
Instalando programas
Existem várias maneiras de instalar programas no GNU/Linux. Mostramos
aqui uma ferramenta chamada Synpatic, presente não apenas no Ubuntu,
mas em outras distros também.
O Synaptic nada mais _e do que um programa que oferece uma interface
gráfica amigável para instalar programas.
Aplicativos
Basicamente, para qualquer programa que você utilizava no Windows,
existe uma alternativa no GNU/Linux. A tabela abaixo propõe-se a oferecer
algumas destas alternativas.

Descrição Programas usados Programas usados


No Windows No Windows no
GNU/Linux
Pacote Office Microsoft Office KOffice, OpenOffice
Processador de Texto Microsoft Word KWrite, OpenOffice Writer
Planilhas Excel KSpread, OpenOffice Calc

Apresentações PowerPoint KPresenter,


OpenOffice Impress
E-mail Outlook Evolution
Gravação de Mídias Nero Brasero, K3b
IDEs LaTeX TeXnicCenter, WinEdit Kile, Texmaker
Compactadores de arquivos Winrar, Winzip ark, bzip2, tar
Leitor de PDF Adobe Reader Adobe Reader, Evince,
Kpdf
Modelagem 3D 3D Studio MAX, Blender, Blender, K-3D, Maya
Maya
Players de vídeo 3D Studio MAX, Blender, Kaffeine, MPlayer
Maya Totem, VLC
Players de música Windows Media Player Amarok, Audacious,
iTunes, Winamp, RhythmBox

Edição de vídeos Windows Movie Maker Cinelerra, Kino


Clientes P2P BitTorrent üTorrent, Azureus Azureus, KTorrent,
Transmission
Mensageiros instantâneos MSN aMSN, Kopete, Pidgin
Browser Firefox, Google Chrome, Firefox, Galeon, Google
Microsoft Internet Chrome, Konqueror, Opera
Explorer,
Opera

Observação: Vários dos aplicativos listados apenas em \Programas usados no


GNU/Linux" também funcionam no Windows (o VLC, por exemplo).

Outras Distribuições De Sistemas Operacionais Linux

Existem algumas das distribuições que são mais conhecidas e utilizadas


mundialmente, que inclusive serviram e servem de base para criar outras
distribuições, devido a fortes características, como vamos relatar a seguir.
Vamos juntos.
Distribuição Debian Linux
O Debian é uma distribuição de GNU/Linux que tem como característica
principal a universalidade, ou seja, seu objetivo é fazer com que ele seja um
Sistema Operacional de caráter livre e que possa ser usado em qualquer
lugar do mundo, por qualquer pessoa. O Debian é feito por mais de 1500
voluntários ao redor de todo o globo. Cada pacote, seja ele um programa,
uma biblioteca ou documento, tem como responsável o chamado
mantenedor, cujas tarefas incluem a compilação e a correção de bugs do
pacote. O Debian tem sido adotado por muitas entidades e tem atraído
especialmente os governos por ser independente de fornecedor, ser uma
iniciativa 100% comunitária e ter um desenvolvimento aberto.

Figura – Sistema Operacional Debian Linux

Red Hat Linux


É uma distribuição de Linux muito conhecida, líder do mercado nos
Estados Unidos, criada e mantida pela Red Hat. A distribuição Red Hat
está atualmente voltada para o mercado empresarial. No entanto, mantém a
sua vertente comunitária através do projeto Fedora Core, que é uma
distribuição totalmente livre, gratuita, desenvolvida comunitariamente e
que serve de base ao Red Hat Enterprise Linux.
Figura – Sistema Operacional Red Hat Linux

 Distribuição Fedora Linux


O Fedora é um sistema operacional que tem por base o Linux, uma coleção
de software que faz com que o seu computador trabalhe. Pode utilizar o
Fedora em conjunto com, ou em vez de, outro sistema operacional como a
Microsoft Windows™ ou o Mac OS X™. O sistema operacional Fedora é
completamente livre de custos para poder usufruir e partilhar.

Figura 22 – Sistema Operacional Fedora Linux

O Slackware Linux é um sistema operacional computacional baseado em


projetos oficiais de software livre, desenvolvido por pessoas espalhadas no
mundo, organizadas em comunidades e instituições, sendo a principal delas
a FSF (Free Software Foundation) com seus projetos e licenciamentos
GNU LGPL de software livre. Utiliza como cerne do sistema o projeto
oficial da Linux Foundation, o kernel Linux.

 SUSE Linux

Criado em 1992, o SUSE é o provedor original da distribuição empresarial


do Linux e a plataforma com a maior troca de informações para ambientes
de computação essenciais. Com um portfólio centrado no SUSE Linux
Enterprise, são capacitadas milhares de organizações ao redor do mundo
em ambientes físicos, virtuais e em nuvem. Com um compromisso
contínuo com produtos inovadores e suporte Linux da mais alta qualidade,
o crescimento do SUSE mais do que triplicou depois de ter sido adquirido
pela Novell em 2004. Agora, operando como uma unidade de negócios
independente do The Attachmate Group, o SUSE continua seu foco
inabalável nos benefícios do código-fonte aberto e nas necessidades de seus
parceiros e clientes comerciais.
Figura – Sistema Operacional Suse Linux

Você também pode gostar