Você está na página 1de 4

Transações comerciais

Denomina-se transação a uma operação comercial que consiste em trocar um bem


ou serviço por uma determinada quantidade de dinheiro.

O significado mais comum se refere à troca de bens, circunstância própria da actividade


econômica.

No mercado, vários agentes interagem buscando obter uma cota de beneficio. Para isso,
trocam com frequência os bens e serviços por dinheiro. Esta situação é presente desde
a antiguidade, inclusive antes da existência do dinheiro quando o comércio acontecia à
base de troca.

A lógica deste comércio determina que os agentes econômicos se baseiem mais


na produção de seus bens e serviços, e com isso seus excedentes são levados à troca
com outros agentes.

Este tipo de comportamento tem grande responsabilidade no desenvolvimento


do capitalismo; de fato, cada agente se dedica às tarefas que está mais bem
posicionado e que é mais competitivo, redundando em maior abundância e qualidade
nos bens e serviços produzidos.

Tipos de transações comerciais


Existem basicamente dois tipos de transações comerciais. A diferença entre elas está na
sequência das suas etapas principais: Recebimento do produto ou serviço e
Pagamento.

Fluxo Normal de Pagamento - O cliente paga APÓS receber o produto ou serviço.


Fluxo de Vendas On-Line - O cliente paga ANTES de receber o produto ou serviço.
O termo comércio deriva do conceito latim commercĭum e refere-se à negociação que
tem lugar na hora de comprar ou vender géneros/bens e mercadorias.

ACTIVIDADE COMERCIAL
Antigamente, as pessoas realizavam trocas de mercadorias como forma de comércio.
Porém, com o passar do tempo, viu-se a necessidade de agregar maior valor aos
produtos e serviços oferecidos, e a partir disto, muitas mudanças aconteceram.
Atualmente as empresas precisam estar atentas ao mercado que está cada vez mais
competitivo, e identificar o valor exato de seus custos, observando assim, se os preços
de vendas aplicados estão contribuindo para o crescimento e continuidade da empresa.
Portanto, este artigo busca descrever o conceito e classificação do comércio.

Desde os tempos primários que o homem comercializa seus produtos. Antigamente, pela
cultura do povo, e pela própria necessidade da época, as pessoas realizam troca de suas
mercadorias.

Com o passar do tempo, viu-se a necessidade de encontrar um meio mais fácil de


calcular estas trocas por preços mais justos, surgindo assim, a moeda.

Hoje, a troca é feita de forma indireta, uma pessoa troca o dinheiro pelo produto que
deseja. A invenção do dinheiro contribuiu para a simplificação e promoção do
desenvolvimento do comércio.
O mercado é o lugar público onde negociantes expõem e vendem seus produtos. O
surgimento do mercado como um espaço físico ocorreu na antiguidade antes da
invenção do dinheiro.

Independentemente da existência do dinheiro, é a oferta e a procura por mercadorias


ou serviços que permite a existência do comércio.

Assim, pode-se dizer que o comércio se desenvolveu no surgimento da moeda,


assim como teve evoluções significativas com o surgimento da escrita, com o
aparecimento dos veículos, com a globalização, e outros fatores que ao passar do tempo
foram evoluindo e tornando o mercado competitivo.

CONCEITO E CLASSIFICAÇÃO DE COMÉRCIO


O comércio de bens e de serviços existe desde a antiguidade, quando as pessoas
realizavam trocas comerciais, ou seja, trocavam mercadorias entre si como forma de
pagamento, pois não existia na época, dinheiro em espécie.

Actualmente, ainda existe esta mesma troca de mercadorias, porém, quando se compra
algo, paga-se em dinheiro, não em produtos como era praticado antigamente.
Cretella Júnior (2013, p. 1-2), descreve sobre o comércio:
É a atividade humana destinada a colocar em circulação a riqueza, aumentando-lhe a
utilidade. Este conceito deriva das práticas sociais onde se registra: a) o escambo (= troca),
permuta dos trabalhos ou produtos diretamente entre produtor e consumidor até o surgimento de
uma mercadoria-padrão que ficou conhecida pelo nome moeda. b) a economia de mercado,
produção para a venda, aquisição de moeda para sua aplicação, como capital, em novo ciclo de
produção.[…] Comércio é a atividade humana, de caráter especulativo, que consiste em pôr em
circulação a riqueza produzida, tornando disponíveis bens e serviços.[…] Comércio é o complexo
de operações efetuados entre produtor e consumidor, exercidas de forma habitual, visando o lucro,
com o propósito de realizar, promover ou facilitar a circulação de produtos da natureza e da
indústria, na forma da lei.

Desta forma, compreende-se que comércio é a atividade de produzir bens ou serviços,


visando o lucro das organizações e a sua continuidade.

Para desenvolver a atividade do comércio, tem-se a figura do empresário, que segundo


Coelho (2009, p. 11) […] é a atividade econômica organizada para a produção ou a
circulação de bens ou serviços […].

O autor Oliveira (2005, p. 246) também traz a definição de empresário, onde descreve
que:
Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a
produção ou a circulação de bens ou de serviços […] não se considera empresário quem exerce
profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística.

CLASSIFICAÇÃO DOS ATOS DE COMÉRCIO


Os actos de comércio, de acordo com Oliveira (2005, p. 133), podem ser divididos em
duas categorias:
Actos de comércio objetivos
Que independe da pessoa que as pratica;
Actos de comércio subjetivos
Tendo em vista a qualidade de comerciante daquele que os pratica.
Actos de comércio objetivos
Segundo Oliveira (2005, p. 134), os atos de comércio objetivos podem ser divididos em
cinco grupos, sendo eles:
1. Negócios sobre compras de mercadorias, revenda ou de locação de bens imóveis:
Pertencem e este grupo a compra e venda, dois negócios ligados entre si que formam o
objeto do comércio, onde a compra toma um caráter comercial quando quem compra
tem a intenção reconhecida pelo vendedor de revender o que comprou, e a venda é
comercial quando quem vendeu comprou com a intenção de revender; as compras e as
vendas de quotas ou de ações de sociedades comerciais, que são atos objetivos de
comércio, mesmo quando a compra não seja para revenda; e as especulações
comerciais sobre imóveis;
2. Negócios sobre créditos e operações da bolsa:
É principalmente as operações bancárias. As transações normais são:
➢ O emprego de depósitos recebidos em desconto de letras, em empréstimos sobre
caução de títulos, de mercadorias ou de bens imobiliários;
➢ Serviços de caixa por conta do estado;
➢ Compra e venda de dívida externa, etc.
A este grupo pertencem os negócios sobre diferenças de câmbio, e operações
cambiárias.
3. Negócios sobre trabalho:
Assume um caráter mercantil quando são exercidas por empresas que coordenam as
forças de produção humanas, mecânicas e animais, com a finalidade de transformar as
matérias primas, em novos produtos. Assim os actos da grande indústria são
regulamentados pelas leis comerciais.
4. Negócios sobre riscos:
São feitos por empresas que recolhem do maior número de contribuintes, em forma de
quotas, o fundo de que se valem para pagar somas, em regra muito maiores, aqueles
que são designados pela sorte.
Exemplo: as empresas de seguros, onde os ramos mais importantes dessa indústria são
os seguros contra incêndios, estragos nas colheitas, acidentes, e seguros de vida.
5. Negócios marítimos:
É o que diz respeito a navegação, pois pertence a matéria comercial.
Exemplo: a construção, a venda e o fretamento do navio; o arrolamento da equipagem;
os empréstimos garantidos pelo navio, etc.
Actos de comércio subjetivos
De acordo com Oliveira (2005, p. 147), os actos subjetivos distinguem-se essencialmente
dos actos objetivos, porquanto estes atribuem a quem os exercem de maneira
profissional a qualidade de comerciante, ao passo que aqueles pressupõem em quem
os exerce a profissão da lei, que os considera como actos de comércio, qualquer que
seja realmente o seu objetivo, pertença ou não a um negócio comercial.

Os actos subjetivos, ao contrário, baseia-se em uma simples presunção, que pode


demonstrar que eles são estranhos a atividade comercial do negociante, e então deixam
de pertencer e esta matéria para serem submetidos as regras do direito civil.
Definição de comércio
O comércio é a actividade socio-económica que consiste na compra e na venda de bens,
seja para usufruir dos mesmos, vendê-los ou transformá-los. Trata-se da transacção de
algo em troca de outra coisa de igual valor(podendo ser dinheiro).

O comerciante é a pessoa singular ou jurídica que vive do comércio, isto é, para quem as
transacções comerciais constituem o seu sustento de vida.

Classificação de comércio.
Comércio retalhista (ou a retalho)
É a actividade de compra e venda de mercadorias cujo comprador é o consumidor final
(ou seja, a pessoa que usa ou consome o bem em questão).

O comércio grossista (ou por grosso)


É a actividade de compra e venda em que o comprador não corresponde ao consumidor
final, uma vez que o seu objectivo é voltar a vender (daí o nome revenda) a mercadoria
a outro comerciante ou a uma empresa manufactureira que utilize a matéria-prima para
a transformar/processar.

Comércio interno
É a actividade realizada por duas pessoas ou empresas dentro de um mesmo país (isto
é, que estejam sujeitas à mesma jurisdição).

Comércio externo
É levado a cabo entre pessoas que vivam em países diferentes. Do comércio externo
resultam as actividades de exportação e importação.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao longo da história da evolução humana, observou-se também a evolução do comércio,
passando da simples troca de mercadorias, para a valorização dos produtos
comercializados, através do surgimento da moeda como pagamento na compra e venda
de produtos e serviços oferecidos.

Aos poucos isto foi evoluindo de tal forma, que atualmente é necessário o empresário
calcular efetivamente seus custos de produção, para verificar se o preço de venda que
esta aplicando trará um retorno positivo para sua empresa.

É necessário também o empresário estar atento e analisar o preço praticado no mercado


e por seus concorrentes, já que o mercado está cada vez mais competitivo, e somente
sobreviverão, as empresas preparadas para isto.

Você também pode gostar