Você está na página 1de 33

A pronúncia do Tetragrama:

Reunindo as Evidências
Introdução

O argumento sobre a pronúncia do Nome do nosso Pai Celestial tem sido um tema de
controvérsia há centenas de anos. Este fato é abertamente conhecido e reconhecido. O
propósito deste estudo é unir porções da Gramática de Gesenius com referências históricas,
na esperança de que ele esclareça seu antigo "mistério".

A base deste estudo é construída sobre várias coisas importantes, cada uma das quais será
tratada, por sua vez, abaixo. Em primeiro lugar, deve-se acreditar que se nosso Pai Celestial
ordena que juremos por Seu Nome, bendigamos outros em Seu Nome e proclamemos Seu
Nome por toda a terra, que Ele deseja que nós a conheçamos. Em segundo lugar, se
acreditarmos nisso, devemos também crer que Ele nos daria uma maneira de conhecer Seu
Nome. Em terceiro lugar, Desde que Ele falou Seu Nome a Moisés na língua que Moisés
falou, e a língua na qual as Escrituras estão escritas (i.e. o hebraico), devemos crer que Seu
Nome é um Nome que seguirá todas as regras e/ou exemplos do idioma hebraico. Afinal,
por que seu Nome seria uma exceção dessas regras tornando-o totalmente indiscernível?
Finalmente, devemos crer que, como Ele falou Seu Nome em hebraico e nos forneceu
recursos para entender, traduzir e transliterar as Escrituras Hebraicas, devemos ser capazes
de usar esses recursos para discernir Seu Nome. Por que seu Nome seria uma exceção
dessas regras tornando-o totalmente indiscernível?

Conhecendo e Usando Seu Nome

O Nome do Pai é encontrado mais de 6.800 vezes na Bíblia Hebraica. Isso é mais de 2,5
vezes mais do que o título mais utilizado para o Pai - ‫( אֱֹלהִים‬Elohim - usado cerca de
2.600 vezes). A partir disso, parece extremamente claro que Ele queria que nós
conhecêssemos e usássemos Seu Nome. Mas como vamos usá- lo? A seguir estão algumas
escrituras que nos dizem o que estamos a usar o Nome para.

- Bênçãos no Nome -

"E eis que Boaz veio de Belém, e disse aos segadores: O SENHOR seja convosco. E
disseram-lhe eles: O SENHOR te abençoe." - Rute 2: 4 (ACF)

Note a casualidade com que Boaz cumprimentou os ceifeiros aqui no Nome. Que melhor
maneira de se identificar, como um filho do Altíssimo Elohim, um companheiro israelita do
que cumprimentar alguém em Seu Nome? Mesmo o Talmude nos diz que no passado eles
se cumprimentaram usando o Nome:
"Também foi estabelecido que a saudação deveria ser dada no Nome [de Deus], da mesma
forma que diz:" E eis que Boaz veio de Belém e disse aos segadores: "O SENHOR seja
convosco", e eles lhe responderam , "O SENHOR te abençoe", e também diz: "O SENHOR
é contigo, homem poderoso de valor" .

Vemos as mesmas bênçãos em Números 6: 24-26:

"24 O SENHOR te abençoe e te guarde;

25 O SENHOR faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti;

26 O SENHOR sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz." - Números 6: 24-26 (ACF)

De modo semelhante a Boaz, vemos que os sacerdotes aarônicos foram ordenados a


abençoar os filhos de Israel usando estas palavras. Eles abençoaram os filhos de Israel no
Nome do Pai e "porão meu Nome" neles (versículo 27). O Nome de ‫ יהוה‬está somente
sobre aqueles que são Dele, e saudação e/ou bênção uns aos outros em Seu Nome é uma
coisa poderosa.

Juramento pelo Nome

Vários lugares nas escrituras nos dizem que devemos jurar pelo Nome de ‫יהוה‬. Fazer isso
era basicamente uma maneira de chamar o Criador dos céus e da terra como testemunha de
algo. Tudo o que estava jurado em Seu Nome estava sob todas as circunstâncias exigido
para ser feito. Uma dessas ocorrências é encontrada em Deuteronômio 6:13.

"O SENHOR teu Deus temerás e a ele servirás, e pelo seu Nome jurarás" . - Deuteronômio
6:13 (ACF)

Um exemplo deste juramento pode ser encontrado em 1 Samuel 24: 20-22:

"20 Agora, pois, eis que bem sei que certamente hás de reinar, e que o reino de Israel há
de ser firme na tua mão. 21 Portanto agora jura-me pelo SENHOR que não desarraigarás
a minha descendência depois de mim, nem desfarás o meu Nome da casa de meu pai. 22
Então jurou Davi a Saul. E foi Saul para a sua casa; porém Davi e os seus homens subiram
ao lugar forte."

Davi, sabendo da gravidade do pedido de Saul de jurar por Deus, jurou não destruir o Nome
de Saul. Assim como a bênção no Nome, jurar pelo Nome não é apenas jurar pelo Nome do
Todo-Poderoso, mas por tudo o que Ele é tão bem.

Proclamar e Declarar o Nome

O Nome de Deus é tão poderoso, tão incrível, e tão impressionante que devemos declará-lo
e proclamá-lo por toda a terra. Podemos ver exemplos disso tudo nas Escrituras. Um pode
ser encontrado na profecia messiânica do Salmo 22.

"Então declararei o teu Nome aos meus irmãos; louvar-te-ei no meio da congregação." -
Salmo 22:22 (ACF)

O Messias proclamou o Nome e a mensagem de Seu Pai enquanto esteve aqui na terra. Não
temos somente o exemplo de nosso Messias a seguir, mas também o de Moisés.

"1 Inclinai os ouvidos, ó céus, e falarei; e ouça a terra as palavras da minha boca.

2 Goteje a minha doutrina como a chuva, destile a minha palavra como o orvalho, como
chuvisco sobre a erva e como gotas de água sobre a relva.

3 Porque apregoarei o Nome do SENHOR; engrandecei a nosso Deus." - Deuteronômio


32: 1-3 (ACF)

Moisés disse que proclamará o Nome em seu dia, e ele o fez. Declarar o Nome de ‫ יהוה‬é
louvá-lo diante das nações, proclamá- lo como rei e honrá- lo como o único Deus verdadeiro.
Isto devemos fazer como crentes em palavras e ações.

Gramática Hebraica necessária

Como mencionado acima, uma premissa deste estudo é que o Nome do Pai Celestial
seguirá as regras gramaticais normais e historicamente exatas da língua hebraica em que foi
falado. A fim de ver exatamente como o Nome é pronunciado, precisamos ter uma
compreensão de alguns pontos essenciais da gramática hebraica. O que se segue são
algumas tabelas, uma que mostra o alfabeto hebraico eo outro que mostra os pontos de
vogal. Estes são simplesmente aqui para referência quando necessário em todo o resto do
estudo.

Letras & Vogais

O Alefbet da língua hebraica é o seguinte:


Agora os sons vocálicos:
Texto de origem

Agora que estabelecemos a base gramatical inicial para o estudo, precisamos examinar
brevemente o que está por trás do texto hebraico que vamos utilizar.

Os Massoretas

Uma vez que não está dentro do escopo deste estudo entrar em detalhes sobre os textos aqui
utilizados, a seguinte citação do artigo intitulado "Massoretas" na Wikipedia.com deve ser
suficiente para dar um breve histórico deles.

A família de massoretas Ben Asher foi, em grande parte, responsável pela preservação e
produção do Texto Massorético, embora exista um texto alternativo produzido pela família
Ben Naftali, que tem cerca de 875 diferenças do texto de Ben Asher. A autoridade
haláquica Moisés Maimônides endossou o texto de Ben Asher como superior, embora o
erudito judeu- egípcio Saadya Gaon al-Fayyumi tivesse preferido o sistema de Ben Naftali.
A família Ben Asher e a maioria dos massoretas parecem ter sido caraítas. No entanto,
Geoffrey Khan acredita que a família Ben Asher provavelmente não era caraíta.

Assim, os escribas massoretas foram os que copiaram vigorosamente os manuscritos que


atualmente usamos praticamente em todas as versões da Bíblia Hebraica.

Códice de Leningrado

As seguintes citações da Wikipédia relativas ao Códice de Leningrado também serão


suficientes, para os propósitos deste artigo, para dar uma explicação básica do texto que é
usado ao longo deste estudo.

O texto bíblico encontrado no códice, contém a texto consonantal em hebraico, junto com a
pontuação tiberiana e suas cantilenas. Além disso, possui notas massoréticas em suas
margens. Há também vários suplementos técnicos que tratam dos detalhes textuais e
lingüísticos, muitos dos quais são pintados em formas geométricas. O codex está escrito em
pergaminho. A ordem dos livros no Códice de Leningrado segue a tradição textual
Tiberiana (Sefardita), que combina também a tradição mais antiga de manuscritos biblicos.

A ordem de marcações para os livros difere da maioria das Bíblias Hebraicas impressas
para os livros do Ketuvim judaico. No Codex de Leningrado, a ordem dos Ketuvim está: I
Crônicas, Salmos, Jó, Provérbios, Rute, Cântico dos cânticos, Eclesiastes, Lamentações,
Ester, Daniel, e Esdras-Neemias.

O Códice de Leningrado, foi bem conservado e está em excelentes condições, mesmo após
um milênio. Fornece também base para a arte judaica medieval. Dezesseis de suas páginas
contêm desenhos padrões geométricos decorativos que iluminam as passagens do texto. A
página da assinatura mostra uma estrela com os nomes dos escritores nas bordas.

De acordo com o seu colofão, o códice foi copiado no Cairo, sendo um dos manuscritos
copiados em AD 1008 "dos livros corrigidos, preparados e anotados por Aharon ben
Moshe ben Asher, o instrutor."

Acredita-se ser um manuscrito bem mais fiel do que o tradicional Codex de Alepo. Seu
proprietário anterior, o coletor Abraham Firkovich, não deixou nenhum indício em seus
escritos sobre como adquiriu o códice, por volta de 1838. Algum tempo depois, em 1863,
foi transferido para a Biblioteca Nacional da Russia em São Petersburgo. Por volta de 1917,
foi rebatizado de Codex Leningradensis, mesmo Nome da cidade onde fica a biblioteca que
o abriga.

A Proibição Antiga

Existem vários fatores que imediatamente colocam em questão as pronúncias do Nome


como elas são encontradas no Texto Massorético antes mesmo de entrar no próprio texto.
Um fator principal pode ser encontrado no Talmude Babilônico.

"Nossos Rabinos ensinaram: No ano em que Simão o Justo morreu, ele predisse que
morreria e disseram:" De onde você sabe isso? "Ele respondeu:" Em cada Dia de
Expiação, um velho, vestido de branco, envolto em branco se junta a mim, entrando no
Santo dos Santos e deixando-o comigo, mas hoje fui acompanhado por um velho, vestido
de preto, envolto em preto, que entrou, mas não saiu comigo. Depois da festa de Sucote, ele
ficou doente por sete dias e morreu, e seus irmãos [naquele ano], os sacerdotes, se
abstiveram de mencionar o Inefável Nome ao pronunciar a bênção [sacerdotal]. " 4

"Os seguintes não têm porção no mundo vindouro: ... Abba Saul diz: Também aquele que
pronuncia o Nome divino como está escrito". 5

"Rabbah bar bar Hanah disse em Nome de R. Yohanan: A [pronúncia do Divino] Nome de
quatro letras que os Sábios confiam a seus discípulos uma vez a um setênio - outro citam,
duas vezes em um setênio. Disse R. Nahman b. Isaac: A razão apoia o ponto de vista de
que foi uma vez no setênio, pois está escrito, este é o meu Nome para sempre [le'olam], que
é escrito le'allem. Rabbah pensou em dar palestra sobre isso nas sessões públicas.
Disse-lhe um certo ancião: Está escrito, le'alem [a ser mantido em segredo]. R. Abina
opôs-se [dois versos]: Está escrito: 'este é o meu Nome'; Mas também está escrito: 'e este é
o meu memorial'? - O Santo, bendito seja, disse: 'Eu não sou chamado como eu estou
escrito: Estou escrito com yud-he, mas sou lido, alef-dalet' ". 6

O Talmude é uma compilação de diferentes escritos que foram compilados entre


aproximadamente 200 e 500 d.C. Eles pararam de mencioná- lo na bênção sacerdotal. Eles
acreditavam que simplesmente dizê- lo removeria qualquer chance que você tivesse no
mundo por vir. Eles disseram que devia ser mantido em segredo. Eles até disseram que o
próprio ‫ יהוה‬disse que Seu Nome deveria ser pronunciado como ‫( אֲ דֹנָי‬Adonai) em vez da
pronúncia verdadeira. Mas, não pára por aí. Podemos ir ainda mais longe.

A Septuaginta (LXX), que foi escrita entre o 3 º e 1 º séculos aC, consistentemente traduz o
Nome ‫ יהוה‬como Κύρηος (kurios - Senhor). Ela também traduz incorretamente pelo
menos um versículo, como segue:
ὀλοκάδωλ δὲ ηὸ ὄλοκα θσρίοσ ζαλάηῳ ζαλαηούζζω · ιίζοης ιηζοβοιείηω
αὐηὸλ πᾶζα ζσλαγωγὴ Ιζραει · ἐάλ ηε προζήισηος ἐάλ ηε αὐηότζωλ, ἐλ ηῷ
ὀλοκάζαη αὐηὸλ ηὸ ὄλοκα θσρίοσ ηειεσηάηω - Levítico 24:16 (LXX)
"E aquele que menciona o Nome do Senhor, que ele morra; que toda a congregação de
Israel o apedreje, seja estrangeiro ou nativo, que ele morra por mencionar o Nome do
Senhor." (Jünemann)

Uma tradução literal da Bíblia Hebraica tem algumas diferenças extremamente


significativas.

"E aquele que blasfemar o Nome do SENHOR, certamente morrerá; toda a congregação
certamente o apedrejará; assim o estrangeiro como o natural, blasfemando o Nome do
SENHOR, será morto." - Levítico 24:16 (ACF)

Há uma diferença significativa entre "mencionar" o Nome e "blasfemar" o Nome, o verbo


grego do primeiro significando "atribuir uma denominação" e o verbo hebraico do último
significando "amaldiçoar". A partir desta má tradução grosseira, é claro, entendemos que
até os tradutores da LXX tinham superstições extremas sobre pronunciar o Nome e queriam
dissuadir outros a falarem.

Além disto, Filo Judeu (20 a.C - 50 d.C), um contemporâneo da época em que a
Septuaginta entrou em popularidade na dispersão, diz:

"Mas, se alguém o fosse, não diria blasfemar contra o Senhor dos deuses e dos homens,
mas até se atreveria a pronunciar o seu Nome de modo não sazonável, ele deve suportar o
castigo da morte, pois as pessoas que têm um respeito próprio pelos seus pais não
levantem ligeiramente os nomes de seus pais, embora sejam apenas mortais, mas evitam
usar seus nomes próprios por causa da reverência que eles carregam, e chamam-nos mais
pelos títulos que indicam sua relação natural, isto é, o pai e mãe, por meio dos quais eles
intimam de imediato os benefícios insuperáveis que receberam de suas mãos e sua própria
disposição de gratidão. Portanto, esses homens não devem ser considerados dignos de
perdão que, por volubilidade da língua falaram desproporcionadamente, e estando
demasiadamente livres de suas palavras, repetiram descuidadamente o mais santo e divino
Nome de Deus."

Da mesma forma, Flávio Josefo (37 - 100 d.C), o historiador judeu, afirma:

"Moisés, tendo agora visto e ouvido estas maravilhas que lhe assegurou a verdade dessas
promessas de Deus, não lhe deixou espaço para não acreditar nelas; rogou-lhe que lhe
desse esse poder quando ele estivesse no Egito, e rogou-lhe que lhe concedesse E
conhecendo o seu próprio Nome, e tendo-o ouvido e visto, disse-lhe também o seu Nome,
para que, quando oferecesse sacrifício, o invocasse por tal Nome nas suas oblações. Nome,
que nunca foi descoberto antes aos homens, sobre o qual não me é lícito dizer mais nada."
8

Nos antigos Pergaminhos do Mar Morto encontrados perto de Qumran, no "Manual de


Disciplina", afirma:

"Quem fala em voz alta o Santo Nome de Deus, [em ...] ou em maldição ou deixar escapar
em tempo de provação ou por qualquer outra razão, ou enquanto está lendo um livro ou
orando, deve ser expulso, nunca mais voltar à comunhão da Yahad." 9

Os essênios, os supostos autores deste texto, eram uma seita devota de judeus. Embora
estivessem muito separados do povo judeu comum nas cidades e vilas, eles ainda tinham
regras proibindo a fala do Nome.

E, como se toda essa informação não fosse prova suficiente, há 134 locais confirmados no
Texto Massorético onde os escribas realmente trocaram o Nome pela palavra ‫ אֲ דֹנָי‬. Estes
versículos são:

Gn 18: 3,27,30,32; 19,18; 20: 4 / Ex 4: 10,13; 5:22; 15:17; 34: 9 (duas vezes) / Nm 14:17 /
Js 7: 8 / Jz 6:15; 13: 8 / 1Rs 3: 10,15; 22: 6 / 2 Rs 7: 6; 19:23 / Is 3: 17,18; 4: 4; 6: 1,8,11; 7:
14,20; 8: 7; 9: 8, 17; 10:12; 11:11; 21: 6, 8, 16; 28: 2; 29:13; 30:20; 37:24; 38: 14,16; 49:14
/ Ez 18: 25,29; 21:13; 33: 17,29 / Am 5:16; 7: 7,8; 9: 1 / Zc 9: 4 / Mq 1: 2 / Ml. 1: 12,14 / Sl
2,4; 16: 2; 22: 19,30; 30: 8; 35: 3,17,22; 37:12; 38: 9, 15, 22; 39: 7; 40:17; 44,23; 51:15;
54: 4; 55: 9; 57: 9; 59:11; 62:12; 66:18; 68: 11, 17, 19, 22, 26, 32; 73:20; 77: 2,7; 78:65;
79:12; 86: 3,4,5,8,9,12,15; 89: 49,50; 90: 1,17; 110: 5; 130: 2,3,6 / Dn1: 2; 9:
3,4,7,9,15,16,17,19 (três vezes) / Lm 1: 14,15 (duas vezes); 2: 1,2,5,7,18,19,20; 3:
31,36,37,58 / Ed 10: 3 / Ne1: 11; 4:14 / Jó 28:28 10

Com todas as informações acima não é realmente irracional acreditar que os massoretas
propositadamente pontuaram o Nome incorretamente para evitar que ele seja pronunciado?
Todas as evidências parecem dizer não.

Escolha a s ua preferência

Ao longo do Texto Massorético, sete diferentes formas do Nome podem ser encontradas,
cada um com sua própria pronúncia. Isso mesmo, eu disse sete formas diferentes! Podemos
facilmente ver com base nas informações acima como os massoretas teria desejado, ou
mesmo sentiram-se obrigados a esconder a verdadeira pontuação vocálica do Nome. No
lugar das vogais que teriam revelado a verdadeira pronúncia do Nome foram colocadas
vogais que se encontraria ao pronunciar Adonai (Senhor) ou Elohim (Deus). Aqui estão as
sete variações diferentes no Nome:
‫ י ְהוָֹה‬- Y'howah (i - ĕ - hō - wä), exemplo encontrado em Gênesis 3:14

‫ י ְהוָה‬- Y'hwah (i - ĕ - wä), exemplo encontrado em Gênesis 2:4

‫ י ֱהוִֹה‬- Yehowih (i - ĕ - hō - wĭ), exemplo encontrado em Juízes 16:28

‫ י ֱהוִה‬- Yehwih (i - ĕ - wĭ), exemplo encontrado em Gênesis 15:2

‫ י ְהוִֹה‬- Y'howih (i - ĕ - hō - wĭ), exemplo encontrado em 1 Reis 2:26

‫ י ְהוִה‬- Y'hwih (i - ĕ - wĭ), exemplo encontrado em Ezequiel 24:24

‫ י ֲהוָה‬- Yahwah (i - ă - wä), exemplo encontrado em Salmo 144:15

Uma pergunta imediata vem à mente. Por que uma grande variedade de vogais pontuadas
para um Nome ... e o Nome do Todo Poderoso nisso?

- Y'howah, Y'wah, e Adonai -

Os pontos vocálicos de outras duas palavras muito comuns usadas em referência ao


Todo-Poderoso nas escrituras ajudam a trazer mais clareza à razão da multiplicidade de
pronúncias. A primeira destas palavras é Adonai (Senhor) - ‫ אֲ דֹנָי‬. Você pode ver as
semelhanças entre as vogais de Adonai e as de Y'howah. Em ambos os casos as duas
últimas vogais são Holam e Kamatz. A única diferença em sua pontuação está na primeira
vogal. Em Y'howah a primeira vogal é Shvá, mas em Adonai é um Hatef Patah. A razão
desta diferença reside nas regras da gramática hebraica. As vogais "Hatef" também são
conhecidas como "Shvás compostos". 11 Somente as letras guturais podem levar um shvá
composto. Assim, seria contra as regras típicas da gramática hebraica colocar um shvá
composto sob um Yud. Mas, nós vemos isso acontecer em duas das outras pontuações
acima - Yehowih e Yehwih. Estes serão abordados um pouco mais tarde.

Que outras provas temos para provar que os massoretas apontaram Y'howah e Y'hwah
semelhante à Adonai? A resposta mais uma vez reside nas regras simples da gramática
hebraica. Em hebraico, há quatro preposições conhecidas como "preposições inseparáveis".
Elas são chamadas assim porque estão ligadas à primeira letra da palavra que estão
modificando. As quatro preposições inseparáveis são:

‫ ְל‬- que significa "em, em direção a, para"

‫ ְב‬- que significa "em, por, no"

‫ ְכ‬- significando "como"

Observe que a vogal padrão sob as três primeiras preposições é uma shvá. Bem, em todos
os casos em que uma dessas preposições inseparáveis é anexada a ‫ יהוה‬no texto ela
realmente aparece com um patah como a vogal em vez da shvá: ‫ ְב‬,‫ ְל‬ou ‫ ְכ‬. O problema com
isto é que apenas uma das versões do Nome acima, ‫ י ֲהוָה‬, jamais tomaria um patah como a
vogal preposicional. Mas isso nunca ocorre em toda a Escritura. Então, que tipos de
palavras tomam um patah como sua vogal preposicional?

Aqui estão as regras básicas 12 que governam a mudança nessas três vogais preposicionais
do padrão shvá: Observe que a vogal padrão sob as três primeiras preposições é um shvá.

Se a primeira vogal da palavra adjacente é um hatef patah, hatef segol, ou hatef kamatz, a
vogal preposicional torna-se a vogal de hatef da palavra à qual está ligada. Aqui estão
alguns exemplos de cada um:

‫ לַאֲ דוֹן‬- que significa "para o Senhor" - Miquéias 4:13

‫ ֶב ֱאמֶ ת‬- que significa "na fé" - 1 Reis 2: 4

‫ לָחטלִי‬- significado "da doença" - 2 Crônicas 21:18

Observe que a preposição inseparável toma a vogal de hatef em cada caso. A preposição
toma a patah, segol, ou kamatz da vogal hatef correspondente da palavra adjacente.

Se a primeira vogal da palavra é uma shvá, a vogal preposicional se torna um hirik e a


vogal shvá no início da palavra adjacente cai completamente. Aqui está um exemplo:

‫ש ַע‬
ֺ ‫ לִיהוֹ‬- que significa "a Josué" - Josué 15:13

O shvá sob o Yud no Nome de Josué desapareceu completamente e o padrão shvá sob a
preposição mudou para um hirik.

Agora, o que notamos nos exemplos acima? Que similaridades podemos encontrar entre os
exemplos acima e as preposições que se encontram ligadas ao Nome? Observe o primeiro
exemplo - ‫ לַאֲ דוֹן‬. A vogal preposicional neste caso é um patah. Isso só pode acontecer se a
primeira vogal da palavra adjacente for um hatef patah. Como podemos ver claramente,
apenas uma das várias grafias do Nome acima, tal como se encontra no Texto Masorético,
tem um hatef patah como sua primeira vogal. Que outra palavra nós conhecemos que tem
um hatef patah como sua primeira vogal? - ‫( ֲאדֹנָי‬Adonai). Este é mais um sinal claro de que
os escribas mudaram as vogais do Nome e as preposições associadas a ele para que todos os
leitores do texto saibam dizer "Adonai" em vez do Nome. O caso para o forma Y'Hwah é
idêntica, exceto que a vogal do meio, Holam, é descartada.

As regras gramaticais para a mudança de pontos de vogais para a quarta preposição


inseparável, ‫ מִן‬, são apenas ligeiramente diferentes. Freqüentemente esta preposição está
ligada a palavras por algo chamado Maqqef (-), um pequeno traço entre duas palavras:

‫הַםֶ לְֶך‬- ‫ מִ נ‬- que significa "do rei" - 2 Samuel 18:13

No entanto, quando está ligado "inseparavelmente", uma pequena alteração ocorre. O nun
final, ‫נ‬, tipicamente assimila em um Dagesh Forte 13 na primeira letra da seguinte palavra
(se a letra é uma letra de begadkefat, veja mais sobre isto abaixo). No entanto, letras
guturais como ‫ א‬em Adonai rejeitam o Dagesh Forte.

Esta rejeição faz com que a vogal sob a preposição, um hirik ( ‫) ִא‬, alongue em um Tzere (ֵ‫) א‬:
Presuma que forma desta preposição vemos quando está ligado a ‫?יהוה‬

‫ מֵ י ְהוָה‬- que significa "de ‫ "יהוה‬- Gênesis 24:50

Novamente, esta forma da preposição, gramaticalmente falando, só ocorre quando a


primeira letra da palavra adjacente é uma letra gutural. Neste caso, a primeira letra é um
Yud, que não é uma letra gutural.

Ainda há mais evidências que mostram que Yahu'ah e Yahwah foram pontuados como
Adonai. Em hebraico há uma marca conhecida como Dagesh Lene 14 . Este Dagesh é mais
frequentemente usado como uma adição a uma das seguintes seis letras: ‫ ב‬,‫ ג‬,‫ ד‬,‫ כ‬,‫ פ‬, E ‫ת‬
(estes são conhecidos como letras begadkefat ). Ele muda o som dessas letras em sons mais
fortes, mais distintos. Assim, onde um Bet soaria como "v" (como em "vitória") sem um
Dagesh Lene, soa como um b mais forte (como em "boi") com o Dagesh Lene. Da mes ma
forma, onde um Pe soaria como um "f" (como em "frase") sem o Lene, ele soa como um
"p" (como em "pé") com o Lene. Existem regras em hebraico que governam quando e onde
o Lene aparecerá nas letras. Uma dessas regras 15 afirma que quando uma palavra termina
em uma letra vocálica, ‫ א‬,‫ ה‬,‫ ו‬ou ‫י‬, o Dagesh Lene não aparecerá na primeira letra (o
begadkefat) da palavra a seguir. Contudo, Se uma palavra termina em uma consonantal ‫ו‬
ou ‫ י‬então um Lene aparecerá na primeira letra (um begadkefat ) da seguinte palavra.

Um exemplo do primeiro caso é: ‫מָץָ א בָּה‬- ‫ כִי‬- significando "porque ele encontrou nela"
(encontrado em Deuteronômio 24: 1). Observe que o Bet não tem o Dagesh Lene porque a
palavra ‫ מָץָ א‬termina na letra vogal ‫א‬.
Um exemplo do segundo caso é: ‫ יְגַלַח ֲאדֹנָי בְתַ עַר‬- que significa "o Mestre raspará com uma
navalha" (encontrado em Isaías 7:20). Observe neste caso que, como o Yud está agindo
como uma consoante, o Bet leva o Lene.

Voltando à regra acima sobre as letras de vogais e como um Dagesh Lene não as seguirá,
nós esperaríamos ver nenhum Lene nas palavras que seguem o Nome desde que termina na
letra vogal ‫ה‬. No entanto, vemos exatamente o oposto. Em todos os casos, o Dagesh Lene
está presente em palavras começando com letras de begadkefat que seguem ‫יהוה‬. Esta é
ainda mais evidência de que as pontuações em torno do Nome foram alterados para que o
leitor devesse ler Adonai em vez da pronúncia verdadeira.

Ye howih, Ye hwih, Y'howih, Y'hwih e Elohim

Há ainda outras formas do Nome acima que precisamos examinar. A segunda das duas
palavras muito comuns mencionadas acima é a palavra Elohim (Deus) - ‫ אֱֹל ִה ים‬. As formas
Yehowih e Yehwih derivam da vocalização desta palavra. Note que o padrão de vogais de
Elohim (hatef segol, holam, hirik) corresponde exatamente ao de Yehowih. E, similar à
diferença entre Y'howah e Y'hwah acima, a vogal do meio, Holam, cai para produzir a
forma Yehwih. Estas duas variações da pronúncia do Nome são encontradas em frases que
contêm tanto o próprio Nome como a palavra Adonai. Para evitar dizer Adonai duas vezes
seguidas ao ler o texto, os massoretas quebraram intencionalmente as regras da gramática
hebraica e colocaram uma vogal hatef (hatef segol) sob o Yud no Nome. Onde isso ocorre
na escritura é lido"

Yahwah

A forma Yahwah (‫ ) י ֲהוָה‬é usada apenas uma vez na escritura no Salmo 144:15. Nesse verso
o Nome é prefixado pelo relativo do pronome - ‫ש‬ ֶ . Esta é a forma de prefixo da forma
completa - ‫ ֲאשֶ ר‬. A forma ‫ש‬ֶ é o que aparece quando ‫ש ר‬ ֶ ‫ ֲא‬prefixado por uma palavra que
começa com uma letra gutural 16 . Sabemos que o Nome não começa com uma letra
gutural, então por que o prefixo relativo toma essa forma? Mais uma vez, compreendemos
que os escribas massoréticos pontuaram o Nome e as palavras relacionadas ao Nome de tal
maneira que todos os leitores do texto saberiam ler Adonai em vez da pronúncia verdadeira,
tudo fica claro. Adonai começa com uma letra gutural, um Alef, e, portanto, o prefixo segue
a regra gramatical como se aplica a guturais.

A exceção que prova a regra?

Alguns dizem que a pronúncia dada acima no Salmo 144: 15, ‫( י ֲהוָה‬i ed avorp é ,)äw - ă -
so euqmasterosa fetah o odasu ret mairedop sptaah od ragul onshvá sartuo sa sadot me
rrocoências do Nome. Isso é prova suficiente para eles acreditarem que a forma ‫ י ְהוָֹה‬é de
fato a pronúncia verdadeira, pois, se os massoretas queriam que as pessoas dissessem
Adonai cada vez, poderiam ter pontuado o Nome como tal. Mas, este não é o caso. Os
escribas massoretas claramente procuraram obedecer as regras da gramática hebraica tanto
quanto possível. Como afirmado em uma seção anterior, é contra as regras da gramática
hebraica pontuar uma não-gutural com uma vogal hatef. As únicas ocorrências na Escritura
onde o Yud no Nome é pontuado contra as regras (isto é, com uma vogal hatef) são quando
está ao lado da palavra Adonai.

- Conclusão -

Com todas estas informações fica bastante claro que não podemos aceitar qualquer uma das
sete formas do Nome encontradas no Texto Massorético como indicando a pro núncia
verdadeira. Vê-se claramente que os escribas massoretas quebraram as regras da gramática
hebraica para impedir que os leitores dos manuscritos falassem a verdadeira pronúncia do
Nome.

Então, para onde iremos? Tudo o que nos resta são as quatro consoantes do Nome. Como
podemos determinar a verdadeira pronunciação do Nome de Deus? Bem, a resposta está
mais uma vez nas regras da gramática hebraica.

A Raiz do Nome

Devemos agora investigar de perto de onde o Nome ‫ יהוה‬vem. Determinar exatamente qual
é a raiz do Nome nos ajudará a discernir verdadeiramente seu significado próprio e sua
pronúncia.

Experiência Sinai de Moisés

Êxodo 3 detalha os acontecimentos que envolvem a revelação de Seu Nome para Moisés.
As palavras que ‫ יהוה‬usa para revelar a Si mesmo e Seu Nome à Moisés são muito
reveladoras. Se examinarmos atentamente a passagem seguinte, a origem e o significado do
Nome se revelam. Os versículos 13-15 são os mais relevantes para o tópico em questão e
eles lêem como segue.

‫ ְבנֵי י ִשְ ָראֵל וְָא ַמ ְרתִ י ָלהֶם אֱֹלהֵי‬-‫הָ ָֽאֱֹלהִים ִהמֵה ָאנֹכִי בָא אֶ ל‬-‫וַי ֹאמֶ ר מ ֹשֶ ה אֶ ל‬
‫ וַי ֹאמֶ ר אֱֹלהִים‬:‫שמ ֹו מָה א ֹ ַמר אֲ לֵהֶ ָֽם‬ ְ -‫לִי מַה‬-‫אֲ ב ֹותֵיכֶם שְ ָל ַחנִי אֲ לֵיכֶם וְאָ ָֽמְ רּו‬
‫מ ֹשֶ ה אֶ ָֽ ְהי ֶה אֲ שֶ ר אֶ ָֽ ְהי ֶה וַי ֹאמֶ ר כֹה ת ֹאמַ ר ִל ְבנֵי י ִשְ ָראֵל אֶ ָֽ ְהי ֶה שְ ָל ַחנִי‬-‫אֶ ל‬
‫ש ָראֵל י ְהוָה אֱֹלהֵי‬ ְ ִ ‫ ְבנֵי י‬-‫ת ֹאמַ ר ֶאל‬-‫ מ ֹשֶ ה כָֹֽה‬-‫ וַי ֹא ֶמר ע ֹוד אֱֹלהִים אֶ ל‬:‫אֲ לֵיכֶ ָֽם‬
‫שמִ י‬ ְ -‫אֲ ב ֹתֵ יכֶם אֱֹלהֵי ַאב ְָרהָם אֱֹלהֵי י ִ ְצחָק וֵאֹלהֵי יַעֲק ֹב שְ ָל ַחנִי ֲאלֵיכֶם ז ֶה‬
‫ לְעֹלָם ְוז ֶה זִכ ְִרי לְד ֹר דָֹֽר‬:
"13 Então disse Moisés a Elohim: Eis que quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser:
O Elohim de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu Nome? Que
lhes direi?

14 E disse Elohim a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de
Israel: EU SOU me enviou a vós.

15 E Elohim disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: ‫ יהוה‬Elohim de vossos
pais, o Elohim de Abraão, o Elohim de Isaque, e o Elohim de Jacó, me enviou a vós; este é
meu Nome eternamente, e este é meu memorial de geração em geração." - Êxodo 3: 13-15
(ACF)

As palavras hebraicas por trás das palavras em negrito são o que vamos focar. A frase "EU
SOU O QUE SOU" em hebraico é ‫ש ר ֶא ְהי ֶה‬ ֶ ‫ ֶא ְהי ֶה ֲא‬vem do verbo ‫ ָהי ָה‬e significa "ser,
existir". Para melhor explicar como ‫ ָהי ָה‬se torna ‫ ֶא ְהי ֶה‬devemos tomar um pouco de tempo
para examinar as regras gramaticais hebraicas 17 que governam os verbos.

- Bases do Verbo Hebraico -

Em hebraico, virtualmente cada verbo tem uma raiz de 3 letras. Existem alguns que só tê m
duas consoantes na raiz, mas porque eles são inaplicáveis para o tópico em detalhe não será
dado atenção à eles. Existem sete principais troncos verbais. Cada tronco carrega consigo
sua própria ação ou voz. Os sete troncos principais são o Qal, Nifal, Piel, Pual, Hifil, Hofal
e Hitpael. Nós só estaremos lidando com dois destes ao longo de todo o estudo, o Qal e o
Hifil, de modo que detalhes não serão dados para os outros.

Em hebraico há sete tempos verbais principais. Algumas troncos verbais podem se co njugar
em todas os sete troncos e outros apenas alguns. Os sete tempos são o Perfeito, Imperfeito,
Imperativo, Coortativo, Jussivo, Infinitivo e Particípio. Apenas quatro desses tempos, o
Perfeito, Imperfeito, Imperativo e Jussivo serão tratados neste estudo, de forma que
nenhum detalhe será dado aos outros.

Os verbos hebraicos também podem ser considerados fortes ou fracos. Os verbos fortes são
aqueles que não contêm nenhuma letra gutural na raiz. Os verbos fracos são aqueles que
contêm pelo menos uma letra gutural na raiz. Alguns verbos contêm mais de uma letra
gutural e são conhecidos como "duplamente-fracos".

Os troncos

Como mencionado acima, apenas dois dos sete principais troncos verbais serão tratados
neste estudo. O tronco Qal, de longe o mais usado nas Escrituras, é aquele que expressa
uma ação simples. "Ele matou", "ele viveu", "ela pulou", e "eles jogaram" são todos
exemplos de verbos que expressam uma ação simples. O tronco Hifil é aquele que expressa
uma ação ou evento no sentido causativo. Assim, usando os mesmos exemplos dados
acima, a tronco Hifil leria "causou a morte", "fêz viver", etc.
Os tempos

Os quatro tempos que abordaremos neste estudo são o Perfeito, Imperfeito, Imperativo e
Jussivo. O tempo perfeito expressa uma ação que ocorreu no passado. Todos os exemplos
na seção anterior seriam exemplos de verbos no tempo Perfeito. O tempo imperfeito é
aquele que expressa uma ação incompleta ou contínua, ou uma ação ou evento que ainda
não aconteceu. "Ele vai matar", "ele vive", "ela vai saltar", e "eles vão jogar" são todos
exemplos de verbos no imperfeito. O tempo imperativo é aquele que expressa um comando.
"Mate!", "Viva!", "Pule!" E "Lance!", São todos exemplos de verbos no tempo Imperativo.
O tempo Jussivo é extremamente similar ao tempo Imperfeito e de fato deriva dele, mas
semelhante ao Imperativo expressa um desejo ou ordem. Assim, exemplos do Jussivo
incluiria "deixá-lo matar", "deixá-lo viver", etc.

Forte e fraco

Como mencionado acima verbos cujas raízes não contêm quaisquer letras gutura is são
considerados fortes e aqueles que contêm guturais são considerados fracos. As cinco
consoantes guturais em hebraico são ‫ א‬,‫ ה‬,‫ ח‬,‫ ע‬e ‫( ר‬às vezes). Conhecendo isto, aqui estão
alguns exemplos de verbos fortes:

‫ קָ ַט ל‬- "matar"

‫ לָמַ ד‬- "estudar"

‫ כָתַ ב‬- "escrever"

E aqui estão alguns exemplos de verbos fracos:

‫ בָתַ ח‬- "confiar"

‫ יָשַב‬- "habitar"

‫ ָעבַד‬- "trabalhar, servir"

E aqui estão alguns exemplos de verbos que são classificados como "duplamente fracos"
(i.e.

Eles têm atributos de dois tipos diferentes de verbos fracos): ‫ש ה‬


ָ ‫ ָע‬- "fazer"

‫ יָצָא‬- "sair, ir adiante"

‫ ָהי ָה‬- "ser"

É muito importante notar que, embora ‫ ָהי ָה‬seja tecnicamente um verbo "duplamente fraco",
ele se conjuga como qualquer outro verbo fraco da classe III-‫( ה‬a consoante final na raiz é
um ‫)ה‬. Veremos mais detalhes abaixo.
Voltar para a raiz

Observe que o verbo final nos exemplos acima, ‫ ָהי ָה‬, é o que foi mencionado anteriormente
que ‫ אֶ ְהי ֶה‬vem. Quando ‫ ָהי ָה‬é conjugado na 1ª pessoa / masculino / singular (1ms), no
tronco Qal (Q), e no tempo Imperfeito (Impf) o resultado é ‫( ֶא ְהי ֶה‬eh'yeh - eu sou). Assim,
quando nos referimos de novo a Êxodo 3: 13-15, podemos ver que ‫ יהוה‬está se
apresentando e Seu Nome usa o tronco Qal e o tempo Imperfeito. Agora, quando um verbo
hebraico é conjugado na terceira pessoa / masculino / singular (3ms), no tronco Qal, e no
tempo imperfeito, o prefixo ‫ י‬é adicionado em vez do prefixo ‫א‬. Então, se nós estivéssemos
a ver o ‫ ָהי ָה‬conjugado no 3ms / Q / Impf pareceria ‫( י ִ ְהי ֶה‬yih'yeh - ele é). Podemos ver a
partir disto que, se de fato o Nome de ‫ יהוה‬vem de um verbo, seria no 3ms / Q / Impf
devido ao ‫ י‬no começo. No entanto, não há conjugação do verbo ‫ ָהי ָה‬que resultaria em um
Vav estar na segunda posição da raiz como está no Nome ‫יהוה‬. Então, qual verbo pode ser
conjugado no 3ms / Q / Impf que resulta nas mesmas quatro consoantes que no Nome?

A Versão Antiga

Gesenius nos dá uma grande introdução ao verbo q ue estamos prestes a discutir em seu
Léxico 18 :

Existe uma forma mais antiga do verbo ‫ ָהי ָה‬que não só carrega o mesmo significado, mas
preenche todas as lacunas necessárias ao reunir o Nome - ‫ ָהוָה‬. Assim como ‫ ָהי ָה‬,‫ָהוָה‬
também significa "ser, existir ou respirar (no sentido do sopro da vida)" e, quando
conjugado no 3ms / Q / Impf, tem todas as quatro consoantes do Nome - ‫יהוה‬. Este verbo se
conjuga de forma idêntica à sua forma comum ‫ ָהי ָה‬. Mas, porque existe controvérsia sobre
se conjugados como ‫ ָהי ָה‬, em oposição a um verbo duplamente fraco das classes I-Gutural
(uma gutural na primeira posição raiz) e III-‫ה‬, examinaremos a evidência que temos nas
Escrituras para estabelecer a verdade.

O argume nto duplame nte-fraco e Yeheweh

O argumento em favor de ‫ ָהי ָה‬conjugando-se como qualquer outro verbo duplamente- fraco
de sua classe é usado para provar que a verdadeira pronúncia é ‫( י ֶ ֱהוֶה‬i omoC .)ĕw - ĕh - ĕ -
‫ ָהי ָה‬mencionado acima é, tecnicamente, um verbo duplamente-fraco porque contém uma
letra gutural (‫ )ה‬na primeira posição raiz e uma ‫ ה‬na terceira. Mas, o que as evidências que
temos disponíveis nos mostram como se conjuga?

Vemos o seguinte em Basics of Biblical Hebrew (BBH) 19 :

"Estude as formas imperfeitas de ‫ ָהי ָה‬com cuidado.Você observará que esse verbo
duplamente fraco se flexiona exatamente como o Imperfeito de ‫" ָבנָה‬.

‫ ָבנָה‬é um verbo fraco da classe III-‫ה‬. Abaixo está o paradigma verbal encontrado na seção
16.6 de BBH com a terceira coluna adicionada para mostrar a conjugação de ‫ ָהי ָה‬e a quarta
coluna adicionada para mostrar a conjugação do verbo ‫ ָחז ַה‬, outro verbo duplamente fraco
do I-Gutural e III- ‫ ה‬Classes:

Pode-se ver claramente que ‫ ָהי ָה‬se conjuga exatamente como qualquer verbo da classe fraca III-
‫ה‬. É tão claro que não se conjuga como um verbo duplamente fraco das mesmas classes exatas. No
entanto, como mencionado acima, nós realmente não estamos tentando lidar com o verbo ‫ ָהי ָה‬. É sua
forma mais antiga ‫ ָהוָה‬que precisamos examinar. Então, será que ‫ ָהוָה‬segue exatamente o mesmo
padrão conjugativo que ‫ ָהי ָה‬, ou segue a conjugação de ‫ ָחזַה‬, um verbo das classes I-Gutural e III-‫?ה‬
Nós só temos dois exemplos em toda a Escritura que podemos usar para comparar estes dois verbos.
As duas formas verbais comuns para cada verbo estão na tabela a seguir:

Observe a diferença sutil mas significativa nos pontos vocálicos sob as primeiras
consoantes de ambas as palavras no 2ms / Imperativo. O verbo ‫ ָהוָה‬tem uma vogal hatef
segol e ‫ ָחז ַה‬tem um hatef patah. Mas, o que isso nos diz? ‫ ֲחז ֵה‬é a conjugação verbal perfeita
de um verbo duplamente-fraco das classes I-Gutural e III- ‫ ָהוָה‬. 20 ‫ ה‬contudo se conjuga
exatamente como sua forma mais arcaica, mais comum (‫) ָהי ָה‬, no 2ms / Imperativo - ‫ֱהוֵה‬
(Exemplo de ‫ ֱהי ֵה‬pode ser encontrado em Êxodo 18:19).

O outro exemplo que temos é o Jussivo (apocopada 3ms / Imperfeito) forma verbal. O
verbo ‫ ָהי ָה‬no Jussivo é ‫ יְהִי‬. Observe que a forma final do Imperfeito é descartada (mais
sobre isto abaixo), a primeira vogal (Hirik) da forma Imperfeita é reduzida a uma shvá, E o
shvá silencioso no Imperfeito é alongado para uma vogal longa imutável (Hirik Yud). O
mesmo padrão exato ocorre na forma Jussiva de ‫ ָהוָה‬. O He final da forma imperfeita é mais
uma vez abandonado, a primeira vogal é reduzida a shvá, e a shvá silenciosa é alongada
para uma vogal longa imutável (Shuruk). ‫ ָחז ַה‬, por outro lado, se conjuga como qualquer
outro verbo duplamente fraco de sua classe no Jussivo. A forma acima é a forma 3fs. 21

[ Tirado da citação do léxico de Gesenius acima ] ... Part. ‫ הֹוֶה‬Ne 6: 6; Ec 2:22. Imp. ,‫ֱהוֵה‬
‫ ֱהוִי‬Gn 27:29, Is 16: 4. Fut. Apoc. ‫ י ְהּוא‬Ec 11: 3, de ‫ י ְהּו‬de ‫ [ י ֶ ֱהוֶה‬Yeheweh ]. 22
Aqui Gesenius claramente faz a implicação de que a forma Jussivo de ‫ י ְהּו‬,‫ ָהוָה‬, é derivada
da forma completa - ‫ י ֶ ֱהוֶה‬. Mas isso é preciso? Vamos dar uma olhada na segunda citação.
‫ י ְהּוא‬Kal fut. 3 pers. sing. Masc. [Para ‫ י ְהּו‬ap. Para ‫ [ י ֶ ֱהוֶה‬Yeheweh ] §24. Rem. 3]. . . 23

Davidson parece seguir o exemplo com Gesenius em sua implicação. Mas, Davidson nos
aponta para uma seção e observação na Gramática no início de seu Léxico. Diz:

"Os verbos ‫ ָהי ָה‬ser, e ‫ ָחי ָה‬viver, que teriam propriamente no futuro, apocopado ‫ יִהְי‬,‫ יִחְי‬,
mudam essas formas em ‫ יְהִי‬e ‫( יְחִי‬como a derivada ‫ פ ְִרי‬para ‫ פ ְִרי‬, Seção 27 V.) Outro
exemplo é ‫שי‬ ִ ֶ‫ ת‬Dt 32.18 (em pausa para ‫שי‬ ִ ְ‫ת‬, comp 35 § 14), se diretamente derivado de
‫שָ י ָה‬. Uma forma perfeitamente siríaca é ‫ י ְהּוא‬Ec 11.3, para ‫ י ִ ְהוֶה‬, ap. ‫( י ְהּו‬de ‫ ָהוָה‬ser). " 24

Podemos ver claramente que Davidson nos dá uma segunda opção como a raiz de - ‫י ִ ְהוֶה‬
‫ י ְהּוא‬. Mas por que ele nos dá duas formas diferentes?
A verdade é que tanto ‫ י ֶ ֱהוֶה‬como ‫ י ִ ְהוֶה‬são formas hipotéticas do verbo ‫ ָהוָה‬que não são
encontradas em nenhuma parte da Escritura. A fim de determinar corretamente qual dessas
duas formas é a correta, precisamos examinar as semelhanças e diferenças entre as
conjugações de verbos das mesmas classes fracas. Isso é exatamente o que fizemos acima.
E, com base em todas as evidências que temos, podemos ver claramente que a forma
correta é ‫ י ִ ְהוֶה‬. Assim como ‫ ָהוָה‬se conjuga exatamente como as formas 2ms / Imperativo e
Jussivo de sua forma comum ‫ ָהי ָה‬, ele também conjuga o mesmo no 3ms / Q / Impf - ‫ י ִ ְהי ֶה‬.

Todas as informações nesta seção e na seção anterior seguem um longo caminho para
provar duas coisas. Primeiro, elas provam exatamente o que Gesenius diz na citação acima:
‫" ָהוָה‬é mais antiga que a forma comum ‫ ָהי ָה‬e é ela mesma primitiva". É o mesmo verbo
exato só mais velho. Ele carrega o mesmo significado e conjuga exatamente da mesma
forma. Em segundo lugar, prova que ‫ י ֶ ֱהוֶה‬não é uma opção válida para a pronúncia do
Nome. Mesmo que essa forma existisse fora da hipótese, ela ainda seria apenas uma
conjugação verbal estrita e não um Nome. Ele carrega o mesmo significado e conjuga
exatamente o mesmo.

Conclusão
Acima estabelecemos em grande detalhe que a raiz do Nome é o verbo ‫ ָהוָה‬. Gesenius tem
informações adicionais para fornecer em raízes verbais como esta, as da classe III- 25 ‫ ה‬:

A grande maioria do que são conhecidos como verbos ‫ ל'' ה‬, verbos com um ‫ ה‬no terceiro
radical, foram anteriormente verbos ‫ ל''י‬, verbos com um ‫ י‬no terceiro radical. Ele prossegue
na §75c explicando que o ‫ ה‬atualmente no final dos verbos ‫ ל''ה‬é meramente ortográfico. É
a elisão do ‫ י‬final nas formas originais que causou o alongamento da vogal característica na
raiz (a vogal sob o segundo radical). Então, o que originalmente era ‫ ָהוַי‬tornou-se ‫ ָהוָה‬. À
medida que avançamos para a seção final deste estudo, essa transformação morfológica é
importante. Assim, a conclusão é que a raiz original do Nome ‫ יהוה‬é ‫ ָהוַי‬.

A pronúncia do Nome

Uau! Parabéns, você fez a parte mais difícil! Alguns podem perguntar: "Por que você teve
que passar por tudo isso para nos contar sobre a pronúncia do Nome?" Bem, o fato é que o
Nome está em hebraico. Muitos cristãos, embora possam citar a concordância de Strong
ocasionalmente, ou mesmo usar palavras hebraicas bíblicas em seus próprios estudos e
mensagens, sabem muito pouco sobre a própria língua. O hebraico, assim como qualquer
outra língua real, é governado por regras gramaticais. Uma boa compreensão destas é
absolutamente essencial se alguém espera realmente fazer uma conclusão informada sobre
a pronúncia do Nome. Então, agora que você já passou por isso (e espero compreendê- lo)
vamos chegar ao principal objetivo deste artigo - a pronúncia do Tetragrama.

Evidência linguística

Uma vez que apenas tomamos todo esse tempo e esforço passando pelas regras gramaticais
do hebraico vou discutir a abordagem linguística primeiro. Inicialmente, no entanto, vamos
ver o que outros estudiosos eruditos, lexicógrafos e/ou gramáticos têm a dizer.
Gesenius, na sua Gramática, ao discutir os conceitos do Qere/Kethiv, diz o seguinte 26 :

Em outra seção 27 ele diz:

Existem vários outros locais entre sua Gramática e Léxico, onde ele ilustra sua opinião
erudita, além de provar que a pronúncia tradicionalmente aceita ‫( י ְהוָֹה‬Y'howah) não é
original com base nos comportamentos adjetivos e pronominais que o cercam, entre outras
coisas. Passamos por isso em grande detalhe nas seções anteriores acima. O que é
importante notar sobre estas duas seções na gramática de Gesenius, porém, é que ele afirma
em termos inequívocos que a pronúncia do Nome é ‫ י ַ ְהוֶה‬, Yahweh (i-ă-û-ĕ).

Franz Delitzsch, o famoso tradutor do Novo Testamento grego para o hebraico,


originalmente concluiu que o Nome era Yahawa (‫) י ַ ֲהוָה‬. Esta informação pode ser
encontrada na Primeira Edição de seu "Comentário Bíblico sobre os Salmos". Mais tarde,
porém, depois da correspondência 28 com um amigo de confiança e erudito hebraísta,
Franz Deitrich, ele foi persuadido de maneira diferente.

Depois disso, as edições Segunda, Terceira e Quarta foram produzidas. No prefácio de sua
Segunda Edição lemos o seguinte: 29

Ele abandonou sua visão anterior em favor de Jahve , que em inglês seria pronunciado
Yahwe, exatamente o mesmo que foi proposto e estabelecido por Gesenius.

Isso levanta a questão: "Onde no mundo Gesenius e Delitzsh obtiveram suas opiniões sobre
isso?" Bem, infelizmente Gesenius nunca colocou em uma única seção de sua gramática ou
léxico. No entanto, as informações necessárias para determinar onde ele derivou sua
opinião está prontamente disponível em sua gramática se for estudado em detalhes.
Abordaremos o seguinte a partir de duas direções: Em primeiro lugar, a partir dos conceitos
morfológicos e fonológicos do hebraico bíblico. Em segundo lugar, a partir das formas
derivadas do Nome que temos presente no texto hebraico hoje (prefixo, sufixo e formas
abreviadas).

Direção # 1 - Morfologia / Fonologia


Gesenius, discutindo o que são conhecidos como "substantivos verbais" (isto é,
substantivos que derivam de várias formas de verbos) tem o seguinte a dizer 30 :

Alguns pontos precisam ser mencionados aqui para entender corretamente esta parte.
Primeiro, ao ilustrar formas verbais em gramáticas hebraicas, os gramáticos usam
universalmente o verbo ‫קָ ַט ל‬, qatal. Isto é porque é um verbo "regular" que se conjuga em
conformidade em todas as formas e é assim fácil de referenciar e exibir. Assim, quando
palavras como qatala e yaqtŭlŭ são encontradas acima do qtl, nas palavras são colocadas
para representar a raiz de 3 letras do verbo sendo usado. Para determinar o que uma palavra
seria semelhante nessa forma para uma raiz diferente, simplesmente substituir o qtl com as
letras correspondentes da raiz. Em nosso caso, a raiz que já estabelecemos é ‫ ָהוַי‬, hwy.

Segundo, precisamos entender que o Nome está no tempo Imperfeito. Isso também é
universalmente reconhecido por vários lexicógrafos e gramáticos. O prefixo ‫י‬- o identifica
como tal. O significado do verbo, ser, também o torna um verbo "intransitivo" 31 . Assim, a
parte relevante na Gramática de Gesenius acima para nossos propósitos seria:

"yahwŭyŭ é o imperfeito do transitivo hawaya, e yahwăyŭ é imperfeito dos intransitivos


perfeitos hawiya e hawuya."

Gesenius está discutindo o que são conhecidos como "formas básicas". As formas básicas
são as formas de verbos hebraicos, uma vez que derivam de uma linguagem muito mais
antiga e primitiva. O erudito do hebraico bíblico Joshua Blau em sua "Fonologia e
Morfologia do Hebraico Bíblico" afirma o seguinte sobre substantivos verbais que
terminam em - ayu , como o nosso yahwāyŭ acima: 32
3.4.5.2 Um tritongo em final de palavra composto por uma vogal inicialmente curta e yu,
yi, wu ou wi muda para segol, por exemplo * samaniyu / i > ‫ש מוֺנֶה‬ ְ 'oito (FS)'; * Yagliyu >
* yigliyu > ‫' יִגְלֶה‬ele será exilado'; * Galiyu / i > ‫' ּגוֺלֶה‬exilado'; * Sadayu / i 'campo'> ‫* ;שָ דֶ ה‬
Mariyu / i 'professor'> ‫( מו ֶֺר ה‬Os substantivos aqui estão nas formas absolutas, para formas
construtas, veja imediatamente abaixo).

Assim, as evidências fonológicas e morfológicas mostram que o término do nosso Nome


verbal yahwāy, com a vogal curta patah ( ă ) seguida por yu , se torna Yahweh ou . ‫י ַ ְהוֶה‬
Até agora, a evidência é bastante forte para Yahweh sendo uma pronúncia muito possível e
até mesmo muito plausível.
- Direção # 2 - Formas Derivadas -

Agora precisamos investigar se a forma ‫ י ַ ְהוֶה‬pode ser explicada a partir das várias formas
derivadas no texto hebraico. Aqui estão as três formas derivadas que temos:

ֺ‫ י ְהו‬- usado como prefixo dos nomes teofóricos

‫ י ָהּו‬- usado como o sufixo dos nomes teofóricos

‫ י ָּה‬- a forma abreviada do Nome, mais frequentemente usada poeticamente

O que é evidente a partir das duas primeiras formas inicialmente é que, quando elas são
unidas a outra palavra, o he vocálico ortográfico é elid ido. Examinemos primeiro a forma
de sufixo. Fazemos isso porque a forma de sufixo não sofre quaisquer mudanças de vogal
como a forma de prefixo faz devido à sua posição nas palavras que é encontrada (mais
sobre as mudanças de vogal abaixo). Mudanças de vogal ocorrem devido a outras regras
não-posicionais, no entanto.

Como mencionado anteriormente, em todas as formas derivadas do Nome o he vocálico é


eliminado. Assim, fugindo à isto para começar, a forma plena ‫ י ַ ְהוֶה‬fá- lo ‫ יַהְו‬. Esta é uma
palavra muito confusa e ininteligível em hebraico. Na verdade, não pode permanecer assim
e é uma palavra legítima. Lemos o seguinte sobre este cenário específico na gramática de
Gesenius: 33

Na forma completa ‫ י ַ ְהוֶה‬a shvá sob o ‫ ה‬é conhecida como uma shvá silenciosa ou
quiescente. A forma resultante da elisão, ‫ יַהְו‬, ainda mantém esta shvá quiescente, mas agora
deixa a sem-vogal ‫ ו‬no final da palavra. Isso atende perfeitamente aos critérios da regra
acima. Como resultado, por regra o ‫ ו‬se torna a vogal longa inalterável da classe
homogênea. No caso de um ‫י‬, ele se torna um Hirik- yud. Em nosso caso o ‫ ו‬se torna um
Shuruk - ‫ּו‬. O shvá quiescente cai também. Assim, ficamos agora com a forma ‫י ַהּו‬. Então,
isso está perto da forma de sufixo acima, mas não é exato. A vogal inicial da forma sufixo é
um kamatz enquanto a vogal inicial da forma que temos até agora é um patah. No entanto,
as mudanças de vogal ainda não estão completas.
Em hebraico, quando uma sílaba é fechada (terminando em uma consoante), como está em
‫ וֶה‬, para abrí- la (ou seja, terminá- la em uma vogal), como em ‫הּו‬, a vogal precedente deve
alongar para compensar a mudança. Esta regra também pode ser encontrada na Gramática
de Gesenius: 34

Nos nomes como ‫ י ְִר ְמ ָיָ֖הּו‬Yirmeyahu (Jeremiah) a tônica cai sobre a sílaba aberta ‫ ָ ָ֖י‬, como
indicado pelo acento. Existem algumas exceções muito específicas a esta regra 35 ,
nenhuma das quais se aplica ao nosso caso. Então, agora temos nossa forma de sufixo atual
de ‫ י ַהּו‬sendo transformada em forma final, gramaticalmente correta - ‫י ָהּו‬.

Em seguida, trataremos da forma prefixal. Para esta forma vamos usar o Nome ‫ש ַע‬ ֺ ֺ‫י ְהו‬
Y'hoshua para nossas ilustrações. A forma prefixal é derivada do uso da forma sufixal
sendo colocada em uma posição diferente na palavra. Qualquer estudante de hebraico
admitirá prontamente que, à medida que uma palavra se torna mais longa por qualquer
razão, quer seja a adição do elemento teofórico como em Y ' Hoshua ou porque a palavra
está se tornando plural, as vogais mudam na palavra. Gesenius detalha grandemente sobre
esta questão em sua Gramática 36 . Um exemplo muito simples que podemos usar para
ilustrar essa mudança de vogal é se usarmos a palavra ‫ דָ ָב ר‬davar e pluralizá- la. Quando
pluralizado torna-se ‫דְ ב ִָרים‬, d'varim . A adição de letras em uma palavra hebraica, por
definição, muda a sílaba em que a tônica cai. A sílaba sobre a qual a tônica cai é chamada
sílaba tônica, a sílaba antes da sílaba tônica é chamada de sílaba pré-tônica, e a sílaba antes
disso é chamada de sílaba propretônica (‫ י ְִר ְמ ָיָ֖הּו‬acima é outro exemplo que tem todos os três
tipos). Diferentes gramáticas usam palavras diferentes para descrever o último tipo de
sílaba, mas o conceito permanece o mesmo - é a sílaba dois lugares antes da sílaba tônica.

Na palavra ‫ דָ ָב ר‬a sílaba tônica é fechada - ‫ בָר‬. Portanto, a sílaba pretônica é ‫ ָד‬. Pluralizá-lo
acrescenta uma nova sílaba, embora - ‫רים‬. ִ A tônica cai sobre essa sílaba, fazendo ‫ ָב‬a sílaba
pretônica e ‫ ְד‬a sílaba propretônica. Gesenius descreve esta mudança da seguinte maneira:
37

O ā (Kamatz) em ‫ ָד‬reduz-se a um shvá em sua posição propretônica. Então, agora vamos


voltar e aplicar esta regra ao sufixo forma ‫ י ָהּו‬quando é adicionado ao início de outra
palavra para formar um substantivo próprio. O Nome ‫ש ַע‬ֺ ֺ‫ י ְהו‬é feito a partir da união de duas
palavras - ‫ש ַע‬
ֺ , uma forma modificada do verbo ‫ י ָשַע‬ea forma sufixo modificada de ‫י ָהּו‬.
Colocando esses dois juntos sem mais modificações de vogais, obtemos ‫ש ַע‬ ֺ ‫י ָהּו‬. Na verdade,
alguns argumentariam que Yahushua , como essa forma seria pronunciada, seria a
pronúncia mais precisa do Nome do Messias. No entanto, eles não estariam sendo
responsáveis com as regras de mudança de vogal muito importantes que temos discutido e,
portanto, desafiam as regras da gramática hebraica intencionalmente ou ignorantemente
(mais provável).

Como pode ser encontrado no Texto Massorético, o Nome ‫ֹוש ַע‬ ֻׁ֣ ֺ ‫ י ְה‬tem a tônica caindo na
sílaba final - ‫ש ַע‬,
ֻׁ֣ ֺ shua . Isso faz com que ‫ ה ֹו‬seja a sílaba pretônica e ְ ‫ י‬a sílaba propretônica.
Usando nossa forma incorreta acima, ‫ש ַע‬ ֺ ‫ י ָהּו‬, aplicamos a regra de mudança de vogais à
sílaba propretônica, que causa uma redução a um shvá, resultando em ‫ש ַע‬ ֺ ‫ י ְהּו‬- Y'hushua . O
que acontece com o Shuruk na sílaba ‫ הּו‬é devido a um conceito conhecido como
dissimilação de vogais, onde uma vogal em uma palavra modificada muda para uma
completamente heterogênea. Aqui está o que Gesenius tem a dizer sobre o assunto em s ua
Gramática: 38

Os exemplos dados acima que são aplicáveis ao nosso caso são aqueles em que o número
total de sílabas mudam. Por exemplo, ‫"( ִר אשוֺן‬primeiro") vem da palavra ‫"( ר ֹאש‬cabeça"). A
adição da sílaba muda o holam da vogal de classe "o" para uma classe completamente
diferente de vogal- hirik , uma vogal de classe "i". Outros exemplos também são
encontrados acima que eu não preciso detalhar explicitamente. Para o nosso caso, a vogal
classe "u" shuruk em nosso ‫ש ַע‬
ֺ ‫ י ְהּו‬muda através de dissimilação de vogal para uma vogal de
classe "o" - holam- vav, formando nossa forma final - ‫ש ַע‬ ֺ ֺ‫ י ְהו‬.

Agora a forma derivada final para tratar é ‫ י ָּה‬. Davidson, Gesenius e outros concordam que
esta é uma forma "abreviada" do Nome, não uma contração. Esta distinção é importante
porque há professores lá fora que desejam dizer que ‫ י ָּה‬é uma contração de ‫ י ְהוָֹה‬,
mantendo-se o primeiro e o último sons. Contudo, ensinar isso seria opor-se ao que foi
aprendido, ensinado e que é confiável em relação à gramática hebraica por décadas.
Gesenius, em seu verbete léxico para este Nome 39, afirma que a omissão do Shuruk sem
tônica da forma prefixal resulta na forma abreviada:
(Nota: a indicação entre colchetes [] é a do editor, não o próprio Gesenius)

O ‫ ה‬então toma um mappiq no meio para enfatizar seu valor consonantal (que nunca é
perdido na totalidade ou em outras formas derivadas). Se o mappiq não é adicionado, o
valor consonantal do ‫ ה‬é eliminado completamente, para não mencionar que nunca
encontramos uma versão do Nome com apenas um ָ ‫ י‬. Esta versão seria prontamente
pronunciada Yahh (com uma vigorosa respiração completando o Nome). Observe também
que nesta entrada lexical Gesenius confirma nossa conclusão acima da derivação da forma
sufixo é correto.

- Evidências Históricas -

Além da explanação gramatical do Nome a mesma pronúncia é conhecida em muitas


testemunhas históricas do século II dC até o século V dC. Clemente de Alexandria (cerca
de 150 - 215 dC) afirma o seguinte em seu Stromata: 40

A tradução de 5.6.34.4 a 5.6.34.6 é a seguinte:


"Mais uma vez, há o véu da entrada para o Santo dos Santos. Quatro pilares existem, o
sinal da sagrada tétrade dos antigos concertos.Além disso, o Nome místico de quatro letras
que foi afixado àqueles sozinho a quem o adytum era acessível, é chamado Ἰαουε, que é
interpretado, 'Quem é e será.' O Nome de Deus também, entre os gregos, contém quatro
letras."

A palavra relevante para nós, no que se refere ao presente estudo, é a que está em negrito:
Ἰαουε. Nesta palavra a letra Ἰ ( iota ) é pronunciada como "i" na palavra "máquina"; O α (
alfa ) é pronunciado como o "a" na palavra "pai"; As letras ο ( omicron ) e σ ( upsilon )
formam o que é conhecido como ditongo 41 e se combinam para fazer o mesmo som que a
letra inglesa w faz na palavra "west"; Finalmente , a letra ε ( epsilon ) é pronunciada co mo
"e" na palavra "pé". Coloque-os juntos e você obtém "i-ă-û-ĕ", exatamente a mesma
pronúncia fonética do hebraico ‫ י ַ ְהוֶה‬acima. Clemente, Ao contrário dos judeus
ultra-ortodoxos antes dele, não tinha necessidade de manter as superstições a respeito da
pronúncia do Nome. Em outras palavras, ele não tinha motivos para esconder a pronúncia
do Nome e, portanto, declarou-o muito de fato.

Outros testemunhos a respeito da pronúncia do Nome vêm de Epifânio de Salamis


(aproximadamente 310 - 403 dC) e Teodoreto de Cyrus (c. 393 aproximadamente - 466
dC). No Panarion de Epifânio lemos o seguinte: 42

A tradução do versículo 10 é a seguinte:

'El' significa 'Deus', 'Elohim', 'Deus para sempre', 'Eli', 'Meu Deus', 'Shaddai', 'Suficie nte',
'Rabboni' Senhor "," Adonai "," Quem é o Senhor existente ". 'Yave' significa 'Aquele que
era e é, Aquele que é para sempre', como ele traduz para Moisés, '' Aquele que é 'me
enviou, você deve dizer a eles.' 'Elyon' é 'mais elevado'. E 'Sabaoth' significa 'dos
anfitriões', daí 'Senhor Sabaoth', significa 'Senhor dos Exércitos'."

Em Questiones em Exodum, de Teodoreto, lemos o seguinte: 43


Uma tradução da parte relevante da versão em latim diz o seguinte:

"Mais uma vez, foi achado escrito em folhas de ouro, que estavam ligadas por panos de
linho à frente da cabeça do sumo sacerdote." Pelos samaritanos foi chamado Yave, mas
pelos judeus Aia."

Ambos os dois testemunham o Nome soando como o equivalente hebraico para o grego
Ἰαβέ. Na sua época, a letra β ( beta ) foi pronunciada como uma espiral labial (como um
"v"), resultando assim na pronúncia Yahveh. Mais uma vez, movendo isso para o
equivalente hebraico usando os sons disponíveis, sabendo o que são as consoantes
hebraicas, chegaríamos mais uma vez a ‫ י ַ ְהוֶה‬.
O testemunho de Teodoreto é especialmente interessante, pois ele diz que foi falado como
tal pelos samaritanos. No Talmude de Jerusalém, lemos:

"R. Joshua b. Levi disse: "Mesmo que alguém tenha dito:" Quando um homem tem na pele
de seu corpo um inchaço, uma erupção ou um ponto, e se transforma em uma doença
leprosa na pele de seu corpo ", e depois cuspiu - Ele não tem porção no mundo vindouro."

Abba Saul diz, "Também: aquele que pronuncia o Nome divino como está escrito."

R. Mana disse: "Por exemplo, os Cuteus, que tomam um juramento com ele."

R. Jacob bar Aha disse: "Está escrito YH [WH] mas é pronunciado AD [onai]".
Esses "cuteus" mencionados pelos rabinos não são outros senão os samaritanos. Está além
do escopo deste estudo avaliar isto; vou deixar você pesquisar isso por conta própria. O
cenário acima sugere a pergunta: "Se os samaritanos não pronunciassem corretamente o
Nome, por que os rabinos se importariam?" Se eles pronunciassem o Nome "Joe-Bob", a
mesma maldição teria sido falada sobre eles? Eu diria que é duvidoso.

Assim, embora as duas últimas testemunhas sejam relativamente tardias, ambas


testemunham exatamente a mesma pronúncia. Uma pronúncia que provavelmente teria sido
mantida nessa cultura fechada, e foi condenada pelos rabinos farisaicos um par de séculos
antes.
Ἰαβέ = Yaphe?

Como breve interjeição, há outro argumento comum que precisa ser abordado brevemente.
Foi proposto por um autor 44 que o Ἰαβέ de Epifânio e Teodoreto é na verdade equivalente
à palavra hebraica ‫ ( יָפֶה‬yafeh ), que significa "justo, bonito" 45 e não o hebraico ‫( י ַ ְהוֶה‬
Yahweh ). No entanto, não só esta pura suposição não é confirmada, mas é completamente
ilógico também dado todas as informações acima e abaixo. Primeiro, em grego há uma letra
perfeitamente boa que expressa o mesmo som "f" como a letra hebraica ‫ ( פ‬pe ) - o grego φ
amu mairasu sovitan sogerg setnalaf so sobma euq roP .) ihp (letra etnematelpmoc
li e etnerefidógica quando tivessem uma opção perfeitamente equivalente? Se eles
estivessem tentando soletrar Yapheh em grego eles teriam escrito Ἰαθέ, mas, como
podemos ver acima, eles não fizeram isso.

Em segundo lugar, embora a suposição grosseira possa ser aplicada à escrita de Teodoreto,
é impossível aplicá- la aos depoimentos das duas testemunhas mais velhas. Ambos
Clemente e Epifânio não apenas fornecem suas transliterações do Nome, Ἰαοσε e Ἰαβέ,
respectivamente, mas também fornecem sua compreensão do significado do Nome também,
"Quem é e será" e "Ele que era e é, Ele que é para sempre ", respectivamente. Claramente
nenhum dos dois pensou que as palavras que eles estavam escrevendo traziam o significado
de "justo, bonito."

CONCLUSÃO
Examinamos agora a fonologia, a morfologia e a gramática da língua hebraica, bem como
as informações de várias testemunhas antigas que ouviram o Nome falado pessoalmente. À
luz de todas as evidências, creio que a pronúncia mais provável e precisa para o Tetragrama
é ‫ י ַ ְהוֶה‬, Yahweh (i-ă-û-ĕ). Dito isto, não há nenhuma maneira que possamos saber se isso é
100% de certeza neste momento. Eu não estou ciente de quem vive hoje que estava com
Moisés na montanha quando o Pai lhe disse Seu Nome. No entanto, ao contrário das opções
alternativas acima, a pronúncia "Yahweh" traz consigo o peso da estrutura gramatical
hebraica adequada, fonologia e morfologia, o testemunho dos mais conhecidos, ensinados e
confiáveis gramáticos hebraicos e lexicógrafos do mundo e o testemunho de muitas outras
pessoas antigas. Um deve ser muito confiante ao falar o Nome usando esta pronúncia, na
minha opinião pessoal. Para resumir em uma frase eu vou deixar Drs. Brown, Driver e
Briggs falam 46 :
"O Ἰαβέ tradicional de Teodoreto e Epifânio, o ֺ‫ י ְהו‬- ,- ‫ י ָהּו‬do composto n.pr. ea forma
contratada ‫ י ָּה‬, todos favorecem ‫ י ַ ְהוֶה‬."

Que Yahweh abençoe todos os que lerem este estudo para a glória de Seu Nome.
Aleluia!

NOTAS

Babylonian Talmud, Seder "Zera'im", Tractate "Berachoth", 54a: found:


http://halakhah.com/pdf/zeraim/Berachoth.pdf (as of 7/24/2011)
"Masoretes." Wikimedia Foundation, 21 May 2014. Web. 23 May 2014.
<http://en.wikipedia.org/wiki/Masoretes>.

"Leningrad Codex." Wikimedia Foundation, 21 May 2014. Web. 23 May 2014.


<https://en.wikipedia.org/wiki/Leningrad_Codex>.

Babylonian Talmud, Seder "Moed", Tractate "Yoma", 39b.


Babylonian Talmud, Seder Nezikin, Tractate Sanhedrin, Mishnah Chapter X.I.

Babylonian Talmud, Seder "Nashim" , Tractate "Kiddushin", 71a.

Philo, Judaeus. "De Vita Mosis, II." The Works of Philo: Complete and Unabridged. Trans.
C. D. Yonge. : Hendrickson, 1997. Pg. 509. XXXVIII, 206-208.

Josephus, Flavius. "Antiquitates Judaicae." The Complete Works of Flavius Josephus, the
Jewish Historian. Trans. William Whiston. Green Forest, AR: New Leaf Pub. Group, 2008.
Book II, Chapter XII, IV.

Wise, Michael Owen, Martin G. Abegg, and Edward M. Cook. "Charter of a Jewish
Sectarian Association (1QS)." The Dead Sea Scrolls: a New Translation. San Francisco:
HarperSanFrancisco, 1996. Column 6 line 27b through Column 7 line 2a, pg.135.

Ginsburg LL. D., Christian D. The Massorah. §§107-115 under ‫]א‬. Pgs. 27-29. Number of
occurrences given minus the discrepancies is the number of total changes. Found
http://www.seforimonline.org/seforimdb/pdf/64.pdf (as of 7/24/2011)

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew and Chaldee Lexicon to the Old Testament
Scriptures. Entry for ‫ י ְהֹוָה‬. See pg. 337 for his statement regarding the Yod in the Name
taking the "simple" instead of the "compound" shewa. See also §10 a- f of Gesenius'
Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910. See
§102 for the rules that govern prefixed (a/k/a "inseparable") prepositions.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910. See
§12 for full information on the Dagesh Forte.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910. See
§13 for full information on the Dagesh Lene.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910. See
§21, specifically Rem. I.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910. See
§36 for full information on the Relative Pronoun.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910. See
all of Chapter II for full information the grammatical rules that govern Hebrew Verbs.
Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew and Chaldee Lexicon to the Old Testament
Scriptures. Entry for ‫ה ׇו ה‬.
‫ ׇ‬Pg. 219.
Pratico, Gary D. & Van Pelt, Miles V. Basics of Biblical Hebrew Grammar. Grand Rapids,
MI: Zondervan, 2001. See Section 16.21.3.
Pratico, Gary D. & Van Pelt, Miles V. Basics of Biblical Hebrew Grammar. Grand Rapids,
MI: Zondervan, 2001. See Section 18.11.
Pratico, Gary D. & Van Pelt, Miles V. Basics of Biblical Hebrew Grammar. Grand Rapids,
MI: Zondervan, 2001. See Section 18.14 for full information on the Jussive.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew and Chaldee Lexicon to the Old Testament
Scriptures. Entry for ‫ה ׇו ה‬.
‫ ׇ‬Pg. 219.
Davidson, Benjamin. The Analytical Hebrew and Chaldee Lexicon. London, UK: S.
Bagster & Sons, Limited. Pg. 300.

Davidson, Benjamin. The Analytical Hebrew and Chaldee Lexicon. London, UK: S.
Bagster & Sons, Limited. Pg. 51 of the Grammar.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910.
§75a.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910.
§17c.
Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910.
§102m.
Delitzsch, Franz. Zeitschrift Für Die Alttestamentliche Wissenschaft. 15 Oct. 2015.
<https://archive.org/stream/zeitschriftfrd04berluoft#page/n289/mode/2up>. Pages 280-298.

Delitzsch, Franz. Biblical Commentary on the Psalms. Edinburgh, UK. T. & T. Clark,
1853. Preface: Note on ‫יהוה‬.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910.
§84d.

"Intransitive Verb." Dictionary.com. 15 Oct. 2015.


<http://dictionary.reference.com/browse/intransitive%20verb>.

Blau, Joshua. Phonology and Morphology of Biblical Hebrew. Eisenbrauns, 2010. Section
3.4.5.2.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910.
§24d.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910.
§26e.
Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910.
§26f- l.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910. §27,
et al.
Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910.
§27k.
Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew Grammar. Oxford, UK: Clarendon Press, 1910.
§27w.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew and Chaldee Lexicon to the Old Testament
Scriptures. Entry for ‫ י ָּה‬.

Clement of Alexandria. Stromata. 15 Oct. 2015.


<http://khazarzar.skeptik.net/pgm/PG_Migne/Clement%20of%20Alexandria_PG%2008-09
/Stromata.pdf>. 5.6.34.5.
"Dipthong." Dictionary.com. 15 Oct. 2015.
<http://dictionary.reference.com/browse/diphthong>.
Holl, Karl. Epiphanius (Ancoratus und Panarion). Leipzig, 1922.
<https://archive.org/stream/epiphanius02epip#page/n97/mode/2up> Page 86.

Theodoret. Quæstions in Exodum.


<https://books.google.com/books?id=AxkRAAAAYAAJ&printsec=frontcover&source=gb
s_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false> 15 Oct. 2015. Col. 244.

Johnson, Keith E. ‫ יהוה‬: His Hallowed Name Revealed Again, Second Edition.
Minneapolis, MN: 2010.

Gesenius, Wilhelm. Gesenius' Hebrew and Chaldee Lexicon to the Old Testament
Scriptures. Entry for ‫ יָפֶה‬.
Brown, Francis. Driver, S.R. Briggs, Charles A. A Hebrew and English Lexicon of the Old
Testament. Oxford, UK. 1939. Page 218.