Você está na página 1de 3

Proposta de resolução do teste de avaliação 1 2020-2021

Biologia e Geologia 10.º ano

Grupo I

1. Opção B. A meteorização, a erosão e o transporte originam os sedimentos que são depositados quando a
energia do meio assim o permite. Quanto maior o transporte, mais calibrados são os sedimentos.
2. Opção C. As rochas biogénicas têm origem em restos seres vivos e/ou na sua atividade e as rochas detríticas
têm origem na agregação de detritos ou clastos.
3. Opção D. A datação radiométrica baseia-se na análise do decaimento de isótopos instáveis em isótopos
estáveis, que não é afetado pelas condições termodinâmicas a que o material a ser datado está sujeito. A taxa
de decaimento constante garante a fiabilidade da datação.
4. Variável dependente – variação do clima/temperatura. Variável independente – quantidade de 18O nos
sedimentos marinhos.
5. Opção D. O texto refere a análise de paleotemperaturas dos mares profundos, de volumes globais de gelo e
do ciclo do carbono: estudaram-se os padrões de clima de ambientes aquáticos, inferindo-se variações na
atmosfera.
6. Opção A. Neste exemplo, todos os subsistemas estão envolvidos: biosfera (foraminíferos), atmosfera
(dióxido de carbono atmosférico), litosfera (erupções vulcânicas em que ocorre libertação de dióxido de
carbono) e hidrosfera (dissolução de dióxido de carbono na água).
7. Opção A. Ao utilizar apenas duas espécies para a análise de dados, os investigadores procuraram garantir
que as condições de incorporação não variam de forma significativa, ao contrário do que aconteceria no caso
de utilização de várias espécies com características distintas.
8. Opção B. De acordo com a taxa de deposição indicada (1 centímetro / 1000 anos), para se depositarem 100
centímetros (1 metro) serão necessários cerca de 100 × 1000 = 100 000 anos.
9.
- Referência à deposição lenta de sedimentos (cerca de 1 centímetro / 1000 anos);
- Referência ao princípio do gradualismo, da perspetiva uniformitarista, que defende que os processos
geológicos são lentos e graduais;
- Relação entre a deposição de sedimentos e a perspetiva uniformitarista.

10.1. Quanto mais elevada a quantidade de 18O identificada nos sedimentos do fundo oceânico, mais baixa a
temperatura global/ Quanto menor a quantidade de 18O identificada nos sedimentos do fundo oceânico, mais
alta é a temperatura global. De acordo com os dados do gráfico, para valores de 18O de (–2) regista-se um
período de hothouse e para valores de entre (+4) a (+6), aproximadamente, regista-se um período de
coolhouse a icehouse.
10.2.
- Referência à libertação de CO 2 para a atmosfera, por queima de combustíveis fósseis;
- Relação entre a manutenção das emissões de CO 2 para a atmosfera e a passagem para um estado
warmhouse ou hothouse devido ao agravamento do efeito estufa;
- Relação entre um estado climático hothouse e a ausência de glaciares continentais devido ao degelo
induzido pelo aquecimento global.

1
Grupo II

1. Opção C. O texto faz referência a sobrelevações tectónicas na região, o que indica a presença a
convergência em limites entre placas.
2. Opção A. Segundo o mapa da figura 2, o MCE tem orientação aproximada nordeste-sudoeste.
3. Opção D. Os campos de lapiás resultam da ação meteorizante da água da chuva e de escorrência sobre os
calcários.
4. Opção B. O texto faz referência à existência de cerca de 1500 grutas na região do MCE, sendo estas um
importante reservatório de água doce subterrânea.
5. Opção B. A convergência entre uma placa litosférica oceânica e uma placa litosférica continental pode levar
à formação de uma cadeia de vulcões paralela a um limite convergente, de que os Andes são um exemplo.
6.1. As águas na região do MCE serão duras, com uma concentração em CaCO3 entre 150 e 300 mg/L.
7. (a) - 2; (b) - 5; (c) - 3
8. (a) – 2; (b) – 1; (c) – 3; (d) – 2; (e) – 3
9. C – E – B – D - A
10.
- Referência a um aumento da probabilidade de formação de fósseis em ambientes aquáticos pouco
profundos e de correntes fracas;
- Referência ao calcário como uma rocha resultante da precipitação da calcite por diminuição da agitação de
águas pouco profundas;
- Relação entre a abundância de calcário quimiogénico na região do MCE e a existência de condições
favoráveis à fossilização.

Grupo III

1. Opção B. Wegener propôs a Hipótese da Deriva Continental: segundo este investigador, os continentes
apresentariam movimentos, que levariam, alternada e periodicamente, à sua agregação e à desagregação.
2. Opção A. Há cerca de 1,1, Ga (1 100 Ma) ter-se-á formado um supercontinente, Rodínia.
3. Opção B. A renovação dos fundos oceânicos é mais intensa do que a das superfícies continentais, pelo
que as rochas oceânicas são tendencialmente mais recentes do que as rochas da parte emersa da Terra.
4. Opção D. O princípio do gradualismo explica as mudanças na Terra por processos lentos e graduais,
como serão os ciclos de abertura e de fecho dos oceanos (na ordem dos milhões de anos).
5. Opção D. A zona este-africana evidencia a formação de um rifte continental (fase embrionária) e no
bordo do Pacífico abundam zonas de subducção (fase de declínio).
6.
- Nos limites conservativos não ocorre formação ou destruição de crusta, pois as placas apresentam
movimentos laterais.
- Nos limites construtivos, ocorre formação de crusta/de rochas, por arrefecimento de magma em zonas
de rifte.
7. Opção B. O fecho de um oceano pode levar à colisão de continentes com formação de cadeias
montanhosas por enrugamento da crusta.
8. Opção D. A idade do Atlântico (cerca de 200 Ma) é muito superior à idade média da crusta oceânica (60
Ma), o que reforça a hipótese de o Atlântico poder vir a fechar simultaneamente com o Pacífico.
9. Opção C. O texto refere que “Todas estas hipóteses pressupõem o crescimento do Atlântico e/ou do
Pacífico durante os próximos 100 a 400 Ma”, pelo que não se deverá formar nenhum supercontinente em
menos de 300 Ma.
2
10. Opção D. Segundo a projeção representada na figura 2, a formação de Aurica implica a deriva da
Austrália para nordeste, colidindo com o continente norte-americano.
11. Opção A. A hipótese representada na figura 3 defende a formação de um limite destrutivo na costa
ocidental de Portugal, com subducção da placa oceânica, mais densa, em convergência com a placa Euro-
asiática.
12.
- Referência à dificuldade de animais terrestres se deslocarem entre continentes separados por oceanos;
- Relação entre a descoberta de fósseis de animais terrestres, como Lystrosaurus e Cynognathus, e a forte
evidência de que as massas continentais poderão ter estado unidas no período de vida destas espécies;
- Relação entre a distribuição e a idade dos fósseis e a possibilidade de prever a distribuição e movimento
dos continentes no passado.