Você está na página 1de 20

NÚ 7/27

]
|
Ac ZA Ar Vis
Pre
147749 2091/10(7/770

RR PROJETO es
TECNOLOGIAS
LAS ALTERNATIVAS= FASE
A história
da agricultura através do tempo

Paulo H.B. de Oliveira Jr.

Rio de Janeiro, maio de 1989


Nçuias sobre a
história da agriculhura
atrarvês do tempo
FASE - Federação de Órgãos
para Assistência Social e Educacional

PTA - Projeto Tecnologias Alternativas


Rua Bento Lisboa, 58 - 5º andar - CATETE

22.221 - Rio de Janeiro - RJ


Fonei) (021) 2865-2998

PTÃ. o REDEJE.SS

Rua Alberto de Oliveira Santos, 40 s/ 221


Edifício Presidente Kennedy

29010 = Vitória = JESSE

o
Dons
“Projeto Tecnclogias alternativas (FASE) |
Rua Bento Lisboa, 58 - Catete
22221 - Rio de JaneHo - Ru
Fone: 285-2998 Pe, Juo/99
E PROJETO
TECNOLOGIAS “À
ALTERNATIVAS- FASE
SUMÁRIO APRESENTAÇÃO
=== ES

escritas para um Curso de.


APLESENTAÇÃO: ss cosas pie TT AT apa RR 3 Estas "notas" foram
no MEP ( Movimento de Edu-
formação de Monitores Agrícolas
A origem da agricultura ........i=c2ciciccscslicoos 3 É uma
) do Espírito Santo, em maio de 1988.
cação Popular
Sistema agrário de floresta .........cccccccccco
co. 14 entre ,
agricultoresdos
contribuição para o debate,
pequena
que marcaram a história.da a-
Sistema agrário com pousio associado principais sistemas agrários
uma linha evolutiva que culmina
gricultura. Foi escolhida
à criação e tração animal ............. ER RD dA 24 O-
majoritariamente no mundo
na agricultura hoje praticada
A primeira revolução agrícola contemporânea - o cul
cidental.
lacunas neste trabalho. A difi-
tivo. das terras de POUSLO Leads o ds iGm pin LS LEE UA [ab Asas dd 55 Existem várias
aos estudos desta natureza ( sobretudo
culdade de acesso
A segunda revolução agrícola contemporânea - a in- tema
), aliada à brevidade com que o
em língua portuguesa
dustrialização da agricultura assis
dire Dea 64 não permitiu um maior apro-
foi tratado nesta publicação,
vários sistemas agrários orga
Bibliografia ......... cm mm MEP cielo rca em TÁ fundamento. Ao mesmo tempo,
da antiguidade ( incas, maias, €-
nizados por outros povos
foram tratados. À preocupação bá
gípcios, chineses, ) não
rápida visão panorâmica dos princi-
sica foi a de dar uma
de determinados sistemas agrá
pais elementos constitutivos
Produção de tempo foram praticados a
rios, que por longo periodo
Setor de Comunicação
Lourdes Gryzbowski
ainda o são ) e sucessivamente transfor
Marcello Borges em algumas regiões
Os animais domesticados, O
Editor de arte
mados: as plantas cultivadas,
implantou,
Gerardo Hanna

no qual a prática da agricultura se


Capa e arte
ecossistema
de trabalho disponíveis e sua utilização,
os instrumentos
Marcelo Riani Marques

Watilogratia
do trabalho e a organização social.
froneLo Martins Hodrelques a divisão
Os resultados alcançados com os agricultores no A ORIGEM DA AGRICULTURA

debate sobre a história da agricultura foram surpreenden-

tes. O intuito foi o de trazer as experiências passadas

para serem refletidas à luz do momento atual, vivido pelos

pequenos produtores capixabas. Cedo, observou-se a curio-

deles pelo desfecho de determinadas situações, como história.


sidade
agricultura é um fenômeno recente na
A
se estivessem vivenciando as suas próprias experiências co- a existên-
Segundo a arqueologia, enquanto
da humanidade.
tidianas. "O que aconteceu na Inglaterra com os cercamen- 1.000.000 de a-
cia do homem é avaliada em aproximadamente
tos, é o mesmo que passa com a gente por aqui", disse um a- no
surgiram, máximo,
nos, os vestígios de uma prática agrícola
gricultor. O passado e o presente se fundem, oferecendo e
há 10.000 anos.
lementos para a reflexão das condições de vida e de sua O ho-
Durante a maior parte de sua existência,
transformação. os produtos necessários à sua ali-
mem retirou da natureza
Não houve preocupação de se trazer a riqueza desse A
assim, a sua reprodução biológica.
mentação garantindo,
publicação. Procurou-se mostrar o desen- etc.,
debate para esta
caça, a pesca e a coleta de frutos, raízes, cereais,
volvimento e transformações ocorridas, histórica e geogra- que a agricultu
as principais atividades humanas até
foram
ficamente, na agricultura praticada pelo homem.
ra se consolidasse.
Este foi o limite. Por isso acredita-se que es- surgiu como uma transformação
A agricultura não
te trabalho não se esgota por aqui. Ao contrário, ele de mágica, o homem, de caça-
brutal onde, como num passe
tenta contribuir, com uma pequena parcela, na compreensão
agricultor. Algumas espécies ( vege-
dor e coletor, virou
da gênese, do desenvolvimento e das transformações ocorri ser cultivadas e criadas e,
tais e animais ) começaram a
das nas formas de dominação e de submissão, e nas lutas Animais e plantas foram do-
logo após foram abandonadas.
empreendidas pelos agricultores e suas famílias pela li- a seu estado selvagem.
mesticados e em seguida retornaram
berdade do seu jeito de ser. domesticaram certas espécies
Populações humanas diferentes

para fins e usos diferentes. Uma


por razões diferentes,

escolheu espécies diferentes porque tinham


mesma população
PAULO H.B. DE OLIVEIRA JR.
razões diferentes para esta escolha, etc.
em
Especialista desenvolvimento agricola,
difícil definir as diferenças entre as a
na área
É muito
assessor de movimentos populares rurais
caça e coleta e de certas formas de agricultu
tividades de
da produção agrícola.
ra naquele período. Não existe sucessão alguma de etapas alimentar daquelas populações. Os cereais de-
do consumo
que permita determinar com clareza os elementos capazes de bem nos terrenos aluviais e ao longo de cur-
sonvolviam-se
demonstrar onde terminou o período da caça e coleta e come sos d'água.

çou o da agricultura. Alguns autores afirmam que foi ne- em torno destes locais que as populações do
Foi

cessário um período de 1.000 anos para se passar da caça, Médio ( Curdistão, Palestina, Síria ) se estabele-
Nriente
pesca e coleta para uma predominância das atividades de a- começaram a fazer a coleta dos cereais. Assim, as
ceram e
gricultura em determinadas sociedades. condições para a produção de cereais existiam, já que os.
A agricultura surgiu quando uma determinada so- cereais selvagens se reproduziam no local. As populações

ciedade reuniu uma série de condições, historicamente sufi Médio perceberam, pois, que os cereais provi-
do Oriente

cientes, para tirar proveito das potencialidades de um meio nham de grãos semeados.

natural determinado. Dentre os vários elementos que possi aparição da agricultura foi possivel através
A

bilitaram a emergência da agricultura como prática social de uma economia sedentária de coleta intensiva.

predominante cabe ressaltar: causa da sedentariedade, a criação de animais come-


c) Por
estabelecer pouco a pouco. A caça era ainda o
çou a se
a) O modelo de consumo alimentar é anterior ao modelo de eram cap
principal elemento da alimentação e se os animais
produção. A população daquela época começou a selecionar animais apri-
turados vivos, eles erar: guardados. Aqueles
determinados alimentos para o seu consumo. Grande parte da cativeiro.
sionados começaram a « .eproduzir em
alimentação ainda era proveniente da caça, da pesca e da esta economia produti-
d) Os instrumentos de trabalho para
coleta; os cereais começaram a ser componentes da dieta a-
alimentos não foram desenvolvidos para uma utiliza-
va de
limentar. para esta finalida-
ção maciça, imediata e especificamente
Esta nova forma de consumo alimentar ( quantida- e funcional foi fruto
de. Seu desenvolvimento econômico
de e tipo de cereais selvagens ) possibilitou a existência daqueles instru-
de uma utilização ( talvez por gerações )
de uma economia produtora de alimentos. Apareceram instru a sua utilidade funcio-
mentos para outras atividades, até
mentos de trabalho próprios para a coleta e armazemagem, e
nal.
surgiu um novo aspecto essencial à existência da agricul-
A coleta de cereais foi possível com a utiliza-
tura: a sedentariedade.
pequena foice ( lâmina de sílex inserida ao lon
b) A sedentariedade foi possível em determinadas regiões ção de uma
onde as condições do meio natural foram favoráveis ao de- go de um pedaço de madeira ) que estava já desenvolvida.

de cereais foi acompanhado, pouco a pouco, pela


senvolvimento de plantas e animais componentes do modelo O consumo
utilização de moinhos ( os cereais eram colocados sobre uma

pedra e tritutados com outra, roliça e pesada ).

RIA

Lâmina de sílex para machado e lança

de instrumentos agrícolas em seu interior


Habitações com gravuras
anterior da cerâmica permitiu qiu em um número limitado de áreas, com características
O desenvolvimento
e específicas. Aquelas áreas não eram mui
a utilização de potes de argila para a armazenagem. bem localizadas
polimento das pe e as mais conhecidas são hoje O Oriente Mé-
Naquele período surgiu também o to numerosas

permitiu a transição dos instrumentos de trabalho dio, a América Central e a China.


dras, que

de pedra lascada para pedra polida. os modos de vida, a agricultura ( plantas culti-

e) A organização social daquela época é de difícil conheci de trabalho, os animais, etc. ) daque-
vadas, instrumentos
Somente através de símbolos como o sol, as plan- seriam estendidas progressivamente a
mento. las áreas iniciais,
tas,os animais, etc. é possível se obter alguns elementos cons
zonas cada vez mais vastas e distantes. Estas no-
nutras
como os homens daquela época se organizavam. são hoje chamadas de áreas de extensão. Em ca
titutivos de vas regiões
Alguns autores afirmam que houve uma modificação
destas áreas de extensão, a agricultura e a criação
da uma
na organização social na passagem da caça e coleta para a recentes que nas áreas iniciais e man
de animais eram mais
agricultura. Numa economia baseada na agricultura, a so-
as mesmas características culturais ( plan
tinham, ou não,
ciedade era constituída em família, sobre diferentes lo-
tas e animais ).

cais; distinguia-se assim de uma organização anterior ba-

seada em bandos. ÁREAS DE EXTENSÃO


ÁREA INICIAL eee

A passagem de uma economia baseada sobre a caça


Oriente Médio Europa
economia agricola foi uma transforma-
e a coleta para uma
(É 10.000 anos) . África
de longa duração onde as condições para aquela mudan-
ção .0este da Ásia
ça foram anteriores a ela e com uma ordem nãos pré-defini -
América Central Extensão progressiva
da. Aquela transformação durou milhares de anos e possibi
anos) para o norte e o sul
conhecimentos ( cul- (> 5-6.000
litou a formação de todo um acervo de
do Continente Americano
tura ) que foi acumulado e transmitido de geração a gera-

os membros da família ( e/ou do . Extensão pela região


ção e apropriado por todos China

bando ). 5.000 anos) do Pacífico


(L
A agricultura começou a se desenvolver no perio-
Cada uma daquelas áreas iniciais, e mesmo as á-
do cnamado neolítico, há aproximadamente 10.000 anos. A
extensão, constituiam-se num complexo agricola. As
sobretudo pela passagem da reas de
evolução neolítica foi marcada
e os animais de origem selvagem foram sendo trans-
a pedra polida, pelo aparecimento da ce plantas
pedra lascada para
formados pelas práticas culturais. A seleção, neste ca-
râmica, e pelo surgimento da agricultura. Esta última sur
11
cultivadas ( sorgo, painço ), mas o sistema
tes de plantas
so, foi o resultado de práticas involuntárias e não de
seria resultado da extensão da agricultura do Ori
agrícola
uma seleção anteriormente preparada.
ente Médio.
O conjunto de plantas e de animais caracteristi- de cereais permitiu O crescimento da
O consumo
co de cada área inicial era: continuarem sedentárias, aquelas popula-
população. Para

uma quantidade suficiente de terras para a


cões deviam ter
- Oriente Médio - “cereais: trigo, cevada;
e para alimentar os membros da comunida-
produção agrícola
«leguminosas: lentilha, er-
(x que "SE transformaram pouco a pou-
de. Quando os cereais
vilha, fava;
dieta alimentar ) não foram suficientes para
co na base da
«têxtil: linho;
houve uma crise no sistema a-
alimentar toda a população,
“animais: bovinos, ovinos,
possíveis foram a guerra ( entre comu
grário. As soluções
caprinos, aves
ou entre famílias ), ou a migração das populações.
nidades
( galinhas ).
aluvial existiu em todos os locais
- Para a Europa
A agricultura
Ocidental, acrescenta-se a aveia e o cen-
com as migrações, a população depa
onde foi possível. Mas
teio;
um outro meio natural, ou seja, a floresta.
rou-se com
| - Para a África, o sorgo.
Resumindo:
de um momento para O outro. Ela
- América Central - «cereais: milho; * * A agricultura não surgiu

“leguminosas: feijão; uma série de condições históricas anteriores


surgiu quando
a passagem da caça e coleta pa
«têxtil: algodão; foram reunidas e permitiram

«animais: porcos, porquinho- ra uma economia predominantemente agrícola.

em poucas áreas. A mais antiga E


da- índia. * A agricultura surgiu

- Para a Amazônia, acrescenta-se a mandioca. mais conhecida está no Oriente Médio.

- Para o Peru, a batata. * Revolução Neolítica: - cerâmica

+ Endina - «Cereais: arroz; - pedra polida

- agricultura e criação animal


«leguminosas: soja;

Para alguns autores, existiram outras áreas ini

ciais como, por exemplo, a África tropical. para outros,


a África tropical apresentava algumas variedades diferen- JS
12
muito poucas ervas no nível do solo. Uma
gto arbustivo e
SISTEMA AGRÁRIO DE FLORESTA
florestal que aquelas populações iriam en-
outra formação

formações herbáceas como os campos, sava-


contrar eram as

nas e estepes.

natural os seres vivos estão em


Num ecossistema

Este sistema agrário surgiu a partir da migração depois de milhões de anos, com todos os espaços
equilíbrio
Oriente Médio, que encontraram um novo ecossistema ocupados. Não há portanto lugar para o homem,
do hoje ecológicos
natural: a floresta. animais domésticos e plantas cultivadas.

Se as condições técnicas e sociais são reunidas, a agricultura é necessária a


Para desenvolver
a sociedade pode mudar o modo de exploração do meio natu- raios solares atinjam o solo. Para a
luz, ou seja, que os

formações florestais as populações da época dispu


ral. A acumulação de forças produtivas de uma sociedade tacar as
permite a mudança, caso seja necessária e vantajosa, do sistema de trabalho rudimentares como O macha
nham de instrumentos
pedra, bastões de madeira, etc. A
agrário anterior. do e pequenas foices de

que a escolha de florestas para a


Das áreas originais foi mantido: história agrária mostra

a) a sedentariedade; foi feita naquelas áreas onde as ár


prática da agricultura
b) o complexo agrícola - plantas e animais ( ex- vores não eram espessas.

ceto se o clima era diferente ); As principais operações de artificialização do

c) os instrumentos de trabalho: moinho de grãos, florestal para a prática da agricultura são a derruba
meio
cerâmica e pedra polida; 5 da e a queimada.
Das áreas originais diferenciaram-se:
A derrubada manual, com os instrumentos de traba
a) o ecossistema: no Oriente Médio as culturas
disponíveis naquela época ( machado de pedra polida )
eram sobre aluviões, ao longo dos rios. Nas lho
destruía a vegetação baixa e as árvores menos grossas. A
áreas de extensão predominava a floresta.
da mata é necessária para abrir uma clareira, on
b) o pioneirismo das populações migrantes. derrubada

de os raios solares possam alcançar o solo.


As migrações se estenderam num ecossistema flo-
A queimada vem em seguida à derrubada. Ela tinha
restal, nas regiões subtropicais da África, no Mediterrã-
uma função essencial neste sistema agrário:
neo e nas regiões temperadas da Europa.
a) limpava muito mais rapidamente o espaço para O culti
Uma floresta densa ( como naquele periodo ) a-

presenta um estágio arbóreo ( árvores grossas ), um está- vo;


15
14
Para germinar e se desenvolver, a planta tem ne-

cessidade:
a) de minerais ( cinzas e matéria orgânica );

b) de sol ( clareiras na floresta );


c) de gás carbônico ( para a realização da fotossíntese ).
No primeiro ano os agricultores semeiam cereais

( trigo e cevada ) e algumas leguminosas ( lentilhas ) nas

áreas abertas;
No segundo ano é cultivado o cereal no mesmo lo-
cal com a consequente diminuição do rendimento das cultu-
ras ou é derrubada uma nova área de mato e repetidas as

mesmas operações do primeiro ano.


Se a diminuição do rendimento das: culturas não é

muito grande, continua-se a cultivar no mesmo local.


No terceiro ano a fertilidade do solo é muito

baixa, mas não é nula. Assim pode-se cultivar espécies ve


getais menos exigentes como leguminosas, hortaliças, etc.
É importante notar que uma das características

Queimada principais do Sistema Agrário de Floresta é a de que exis-


te uma sucessão cultural associada a uma rotação de terras.
b) liberavaa matéria mineral contida na biomassa
A sucessão cultural de dois ou três anos é devida, essenci
vegetal destruída. As cinzas que se encontram na superfíi-
almente, às condições de reprodução da fertilidade.
cie do solo são matérias minerais mobilizadas e acumuladas
Neste sistema, é a floresta que supre o solo em
nos vegetais. O fogoerao único modo de recuperação possi-
matéria orgânica, e que fornece às plantas os elementos mi
vel do fertilizante mineral do sistema. nerais. É a floresta, graças ao seu enraizamento profun-
Após a derrubada e a queimada, com um bastão de
do, que permite uma reciclagem dos elementos minerais. Por
madeira misturava-se as cinzas na camada superficial do solo
tanto a floresta exerce o papel de reprodutora da fertili-
( matéria orgânica ). Esta mistura formava um leito de se-
dade, essencial para a reprodução do sistema.
mentes, onde eram semeados os grãos.
Após dois ou três anos de culturas sucessivas,um
16
17
longo periodo de pousio ( terra de descanso ) florestal é ;

são os mo-
f j
necessário. O pousio, a derrubada e a queimada

+ E.
mentos principais de um processo de produção que assegura

o autoconsumo alimentar das populações e a reprodução da ” nooha Tear


fertilidade do sistema. / 100 ha
!
[8] E
A distância de uma comunidade a outra é determi- em 38 anos ,
a Rolaçao,
E<]
nada pelo seu raio de atividade: é necessário sair de ma- para voltar a se
nhã e retornar à noite ( mais ou menos 10 km ). Assim, a
cultivar no mesmo
superfície possível de se derrubar por comunidade é de a-
local.
proximadamente 8.000 ha. Para este sistema de agricultu-

ra, 1 ha de floresta derrubada e queimada, equivale a 0,5 Área Tolal=t 8000 ha;
ha de terra cultivada.

Para se conseguir um rendimento constante das la

vouras e permitir ao ecossistema reproduzir sua biomassa Quando uma comunidade alcança 1.000 habitantes,a

fertilidade do solo ) é necessário o plan floresta é explorada nos limites de reprodução da fertili-
( reprodução da

tio de cereais por 2 anos seguidos numa mesma parcela e um dade do Sistema Agrário de Floresta.

de aproximadamente 38 anos. No Sistema Agrário de Caso a população aumente para 1.200 habitantes,
ousis
é praticada uma agricultura com um longo ciclo será necessário derrubar 240 ha de mata ( 1.200 nabitantes
Floresta
4 40 anos ), com uma sucessão de culturas de 2 a- x 200 kg/hab : 1.000 kg ), e o ciclo cultural será de 33 a
WI Furos
cultura 1
n Ex nos ( 8.000 ha + 240 ha )J. A rotação de terras passará
O

Neste sentido, cada comunidade pode derrubar uma portanto de 40 anos para 35 anos ( um pousio de 35 anos ).

área de 200 ha por ano ( 8.000 ha/40 anos ) para poder ali Neste caso a biomassa se reduz e os rendimentos diminuem

mentar seus haçitantes. em 20%.

No Sistema Agrário de Floresta, a produção de ce A pressão demográfica aumenta, o ciclo cultural

resis é de aproximadamente 500 kg/ha. Como utiliza-se uma diminui, o ciclo dos elementos minerais é menor, os rengi-

ucessão cultural ce 2 anos, a produção possível É de mentos caem, o que implica na falta dos alimentos necessá-

00.600 Kg ce cereais/ano, o que é suficiente para alimen rios aos habitantes da comunidade.

tar , no máximo, 1.000 pessoas ( 200 kg de cereais por pes- Quais as soluções encontradas por aquelas socie-

Sid, DE ambo Ja dades?


12
18
A paisagem florestal desapareceu. No seu lugar
a) migração parcial - algumas famílias partiam da comunida
surgiu uma paisagem descoberta, onde o ciclo cultural se
de para outros locais, começando assim uma nova comuni-
alternava - não mais com uma rebrota florestal - com um ta
dade; »
pete herbáceo inserido numa rotação de cultura de curta
b) Se não foi possível a migração:
duração ( 5 anos ).
* houve o desenvolvimento de parcelas ao redor da comu-
Como se desenvolver a agricultura num ecossiste-
nidade. Nestas parcelas cultivou-se hortaliças e ár-
ma de savana, com pouca biomassa?
vores frutíferas, que eram fertilizadas com dejetos
a) Queima-se as pequenas árvores, arbustos e ervas. A quan
humanos e de alguns pequenos animais ( galinhas, por-
tidade de biomassa mineralizada pelo fogo é muito peque
cos ). Estas parcelas estavam situadas fora da rota-
na. Após o fogo há uma forte rebrota de capim que não
ção de terras do Sistema Agrário de Floresta.
permite a formação de um bom leito de sementes:
* Podia-se aumentar a superfície de derrubada da flores
b) Diferente da floresta, a camada superficial do solo
ta por pessoa. A consequência, como foi dito anteri-
deste ecossistema de savana é cheio de raízes. Com um
ormente, foi uma diminuição do rendimento das cultu-
enxadão revolve-se este "tapete" herbáceo e pode-se ou
ras.
queimar, ou deixar decompor, para se fazer um bom Jeito
* Iniciou-se a derrubada de galhos e da copa das árvo-
de sementes. Pequenos montes podem ser feitos com este
res mais grossas, ou seja, houve o ataque a outros
material, aumentando-se assim a fertilidade. Entretanto
estratos que não eram explorados anteriormente. A con
o rendimento das culturas é ainda reduzido.
sequência desta prática é a mesma que a do item ante-
Ao fim do periodo florestal, aquelas sociedades
rior, ou seja, uma diminuição do ciclo cultural de 40
não dispunham de instrumentos de trabalho adequados para
anos para 55, 350, 20, 10 anos, até chegar o momento
este novo ecossistema. Enquanto no ecossistema de flores
onde não há mais nenhuma vegetação para se derrubar.
ta a renovação da biomassa era de 30 t/ha/ano, na savana

não era maior que 5 t/ha/ano, Aquelas sociedades vive-


Portanto a luta daquelas sociedades contra a di-
ram numa área com uma baixa fertilidade, com uma sucessão
minuição do rendimento das culturas se fez em detrimento
da floresta. Houve uma extensão progressiva das plantas de culturas de 3 anos, e um pousio de 5 anos.
O sistema entrou em crise. Populações migraram
cultivadas para compensar a perda de fertilidade do solo.
para encontrar outros locais, conquistar novas áreas flo-
Com a diminuição do tempo de pousio, a floresta não pôde

mais se reconstituir, degradando-se até chegar a um ecos- restais. Aqueles que ainda tinham reservas de floresta,

sistema de savana.
mantinham-se no mesmo sistema. Onde a floresta desapare-
21
20
ceu, a situação de crise deu lugar a: arbustos. Ela tinha a finalidade de fazer chegar 0s
a) desertificação ( Saara, Ásia, Oriente Médio, ). A este raios solares ao solo.
pe ou o deserto foram o resultado de um processo de des A queimada tinha como finalidade a limpeza do terreno e
truição da floresta. Não existiam mais as condições es a mineralização da biomassa contida nos vegetais.
- senciais para a prática da agricultura. Apareceu uma cultivava-se os cereais, no máximo, 2 a 3 anos seguidos na
criação de animais muito dispersa, que consistia em um mesma parcela. A característica principal deste Sistema
pastoreio nômade. Ao longo dos grandes rios, apareceu Agrário era a sucessão cultural ( 2 a 3 anos ) associada
uma agricultura não pluvial - Vale do Nilo (Egito), cul à rotação de terras ( 30, 40 anos ).
tura irrigada (Mesopotâmia, Pérsia). Os principais momentos do processo de produção foram a
b) erosão. Nas regiões mediterrâneas, a erosão fez apare- derrubada, a queimada, o plantio, a colheita e o pousio.

cer o desenvolvimento de culturas nos vales. Nestes lo A reprodução da fertilidade do sistema era garantida a
cais iniciou-se um sistema agrário com pousio e associa partir do desenvolvimento da rebrota florestal e de um
do à criação de animais. ciclo cultural de longa duração.
c) na América Latina apareceu o Sistema Agrário Inca. Este Sistema Agrário entrou em crise quando se diminuiu
d) no Extremo Oriente ( Índia, China, Sudoeste da Ásia ), o ciclo natural, reduzindo-se a quantidade de biomassa
surgiu a rizicultura inundada: uma agricultura pratica- vegetal a ser mineralizada com a conseguente baixa do
da no fundo de vales planos e aluviais, com a drena - rendimento das culturas e a falta de alimento para as
gem de rios. comunidades.

Resumindo:

* O Sistema Agrário de Floresta surgiu com a migração de

populações, que encontraram a floresta como ecossistema


natural.

As principais operações de artificialização do meio flo-

restal para a prática da agricultura foram a derrubada e


a queimada.

A derrubada, pela simplicidade dos instrumentos de traba

lho, era feita a partir das árvores menos espessas e dos


22

as
de pousio. Ou seja; este siste-
lavrar a área
SISTEMA AGRÁRIO COM POUSIO balho para
quando as sociedades foram capa
ANIMAL existir
ASSOCIADO À CRIAÇÃO E TRAÇÃO ma agrário só pôde

instrumentos de trabalho do
zes de desenvolver e produzir

este "tapete" herbáceo, capazes


solo capazes de destruir
uma grande quantidade de
de "rasgar" o solo que possuia

sistema agrário surgiu nas regiões Mediter- raízes, instalando assim, um ciclo cultural.
Este
degradação do meio sentido, havia indivíduos que produziam
râneas ( sul da Europa ), resultado da Neste
trabalho enquanto que outros os utilizavam
florestal pelo sistema agrário precedente. instrumentos de
crise ou seja, existiam relações de
várias foram as tentativas para se sair da para a produção agrícola;

do Sistema Agrário de Floresta. Esta transição não é bem troca e uma divisão social do trabalho.

clareza, perceber os caminhos importante é perce au

s
Tn
com O

al
st
pode,

5
se

-
q

w
não

o
definida, e

ag
|
[44

+
Ú&

w
nm
TE
[6]

m

-

E
rabalnar o ecossistema da
seguidos pelas sociedades na busca de novas alternativas. gesenvolveram instrumentos pars

et

m
os produziram, existia u-
O Sistema Agrário com Pousio, Assossiado à Cria- época, e que, nas sociedades gue

ção e à Tração Animal, foi o sistema predominante na Eu- ma divisão social do trabalho.

após o Sistema Agrário de Floresta. Esse sistema ma Qual era o sistema de produção ca época?
ropa,

nifestou-se na Antiguidade Greco-Romana ( mais ou menos 1000

anos a.C. ), ocupando uma grande superfície na Europa e,en

quanto sistema predominante, estendeu-se até a Idade Média


te Nilda.
( séculos XIV e XV ). Em algumas regiões ( principalmente
2. Jardim, horta, po-
no sul da Europa ) o Sistema Agrário com Pousio persistiu mar (qrincipatmes
até o século XIX.
te uwva).
O meio ambiente no qual aquelas sociedades culti B. Terras de culTora;
a sua alimentação foi aquele deixado como herança do
vavam : Ager PrivaTicos”
Sistema Agrário de Floresta: um ecossistema ampla e histo-

vegetal, com uma reconsti-


4, Terras comsnais;
ricamente sem grande cobertura

e da fauna manifestando-se, so- “ SalTos”, “Ager


tuição secundária da flora

rebrota de um "tapete" herbáceo. Pobltens”"


bretudo, pela
O Sistema Agrário com Pousio surgiu a partir do
5. bosgue, +joresla
momento em que a sociedade dispunha de instrumentos de tra
25
O sistema de produção era baseado numa divisão A rotação de cereais podia ser bienal, trienal,

do espaço em 4 partes ( fora a vila ): quadrienal, ete., dependendo do número de parcelas em

a. os jardins, as hortas e o pomar ficavam próximos à vi que se dividia o "Ager Privaticus". O sistema bienal

la. As hortas eram basicamente compostas por legumes foi adotado sobretudo no sul da Europa, enquanto o trie

e leguminosas ( ervilha, vagem, tomates, idas No pomar, nal, quadrienal, etc., foram praticados pelos povos do

sobretudo no período do Império Romano, a principal pro norte Europeu.

dução era a uva. Pode-se dizer que este sistema de produção apre-

Para a adubação deste espaço - horta e pomar - u sentava um agrupamento dos cereais em rotação com u-

tilizava-se o esterco animal, os dejetos humanos e a ca ma "área de descanso" ( pousio ), nos melhores solos

mada superficial do solo das florestas. ( mais férteis ).

as culturas dos cereais eram agrupadas sobre uma terra la Os produtos retirados da horta, do pomar e das

vraca ( parcela ) e repartidas no espaço. A terra cul- terras de cultura representavam 90% das necessidades de

tivada era composta por parcelas ( ou folhas ): alimentação do homem.

as terras comunais ( "Saltus", "Ager Publions" ) eram

Gb mn
terras de menor fertilidade que as terras de cultura.Es

tas terras não eram cultivadas e não tinham uma cobertu

ra florestal contínua e fechada ( naquela época, flores

tas densas, primárias somente podiam ser encontradas em

áreas de difícil acesso, com forte declividade ).

2 parcelas 5 pare elas 4 parcelas não eram dividi-


A floresta e as terras comunais

das, eram de uso de todos os agricultores da vila e se

encontravam em torno das terras de cultura. A cobertu-


Este sistema de produção apresentava uma rotação
ra vegetal das terras comunais era constituida, basica
entre cereais e pousio. Por exemplo, dividia-se a ter-
mente, por plantas herbáceas, e tinha um papel fundamen
ra ce cultura em duas partes: num primeiro ano planta-
va-se O cereal em uma metade, deixando a outra metade
tal para este sistema de produção:

em pousio; no ano seguinte invertia-se, lavrando a par


cela do pousio e em seguida plantando o cereal, deixan- * como fonte de lenha ( para a construção, fogo, etc.,e,

do a outra parcela em pousio. juntamente com a floresta, como local de caça )


27
26
* para a restituição da fertilidade do ecossistema cul- ras de cultura ( esterco ). Ao mesmo tempo, os ani-
tivado ( terras de cultura ). mais se apresentavam como força de tração para os ins

Era nas terras comunais e na floresta que se en- trumentos de trabalho do solo,
contrava a lenha que servia tanto para a construção, co É importante notar que os animais desta época e-
mo para o cozimento dos alimentos e aquecimento das ca- ram de pequeno porte, e não se dispunha de um sistema
sas.
de atrelagem eficiente. Neste sentido, a força de
A reprodução da fertilidade deste sistema de pro tração não era elevada o suficiente para "puxar" ins=
dução era baseado na transferência da biomassa das ter- trumentos de trabalho pesados, em solos muito argilo-
ras comunais e da floresta, para as terras de cultura. sos. Ro mesmo tempo as pastagens das terras comunais
Os animais eram deixados durante o dia pastando nas tem não eram muito ricas, o que não permitia que uma fami
ras comunais, e à noite, eram recolhidos para as terras lia camponesa dispusesse de muitos animais.
de cultura, estercando a área de pousio. e. os instrumentos de trabalho eram basicamente construi-
para que este tipo de agricultura pudesse existir e se dos com madeira, e o ferro era raro. Os principais ins-
estender pelo território europeu, dois aspectos foram trumentos eram a enxada, a foice, a pá ( de corte, para
importantes:
o trabalho com o solo ) e o arado.
* existia um limite da população animal, conforme a ex-
tenção das terras comunais e da floresta. Este equi-
líbrio era determinado pela quantidade de biomassa pos
siível de se retirar e de ser transferida, e a capaci-
dade de regeneração do ecossistema das terras comu-
nais. Se a biomassa transferida fosse superior à ca-
pacidade de regeneração deste ecossistema, o sistema
de produção não estaria em equilíbrio e poderia SEL
levado ao fracasso.

TA
* para poder se desenvolver era necessário que pste sãos
tema de produção apresentasse uma acumulação de ani-
mais. Eram os animais que permitiam a manutenção des
Vários tipos de enxada
te sistema produtivo, a partir da transferência da
biomassa das terras comunais ( pasto ) para as ter- Foice e balança ( Império Romano )
28 29
O arado, principal instrumento para o trabalho do Como foi dito anteriormente, várias foram as for
solo, era construído de madeira e a ponta da relha endu mas de repartição das terras de culturas naquele perio-

recida pelo fogo. Nos locais mais pobres, o trabalho do do. Dentre estas, o sistema de repartição em duas parce-
solo era realizado com a pá de corte. las ( bienal ) e o de três parcelas ( trienal ), foram os

mais largamente utilizados.

eo PRI
O sistema bienal foi utilizado sobretudo no sul
da Europa, na bacia do mar Mediterrâneo. Cultivava-se o
cereal no inverno ( trigo, centeio,etc.) pois no verão o

clima era seco e na primavera as chuvas não eram suficien

tes para o cultivo.

No centro-norte da Europa ( norte da França, Ale

manha, Bélgica, Holanda ), o sistema trienal se salientou. Com

A Re
5
"o
um clima moderado e mais úmido, era possivel o cultivo de

a À cereais de inverno e de verão ( trigo, centeio, cevada, a-

ppa DANA
=p A
veia, etc. ). As vantagens da passagem do sistema bienal

“Bara o trienal residiam no acréscimo de produção. No sis-


Arados de madeira ficavam em pousio; no trie-
tema bienal, metade das terras
nal, apenas um terço. Desta forma podia-se aumentar a pro

dução de grãos e, consequentemente, a população. Cabe a-

Estes instrumentos nos permite perceber que a a- qui ressaltar dois pontos:

gricultura era realizada principalmente em solos "le- * a utilização das terras de cultura pelo sistema trienal,
ves", e o solo trabalhado apenas na sua camada superfici um sistema mais intensivo de produção, podia ocasionar um
al. Os agricultores não conseguiam trabalhar todas as rápido "desgaste" do solo. A produção podia baixar tan-
terras de cultura. O trabalho com o solo era realizado to que, no final das contas, o sistema bienal oferecia
orincipalmente à mão, e não ultrapassava 0,25 ha. por maiores vantagens.
ano. Os solos argilosos e mais "pesados" do norte da * da mesma forma que existia uma relação entre a quantida-
Europa só seriam incorporados à produção agrícola mais “de de animais e as terras comunais e a floresta, tinha

tarde, na medida em que a sociedade dispusesse de meios que existir uma outra relação que devia ser respeitada pe

técnicos de produção mais eficientes. los agricultores da época, que era a da quantidade de
30 31
No sistema trienal, o aumento da produção dos ce
terras de cultura e da quantidade de animais e de pasta-
reais de verão, em especial a aveia, era de suma importân-
gens. Nota-se portanto que o sistema de produção desta
cia. No sistema bienal, era quase impossível manter cava-
época apresentava uma estreita associação entre a lavou-
los na exploração agrícola. Os bois, menos exigentes em
ra e a criação. Um dependia do outro, e se o equilíbrio
alimentos, podiam ser alimentados exclusivamente nas ter-
entre estes dois componentes fosse rompido, este sistema
ras comunais. Com os cavalos isto não ocorria. No siste-
de produção seria levado ao fracasso.
ma trienal usava-se também o boi como animal de tração;mas
a
era somente este sistema que abria a possibilidade de uti-
W
lização do cavalo como animal de tração.

Tração animal com bovinos


Calendário agricola do século IX 35
32
No século X, o norte da Europa apresentava um de O arado, diferentemente daquele de madeira e des

senvolvimento das antigas técnicas de produção. Com o a- lizante utilizado no sul da Europa, era montado sobre uma

vanço da metalurgia, uma série de instrumentos agrícolas estrutura de ferro,apoiada sobre rodas, que sustentava a

puderam ser feitos de ferro. Foi o caso, principalmente, sega, a relha e a aiveca. O "arado de aiveca" apresentava

do arado e da grade. É importante também salientar o sur- a possibilidade de se trabalhar em terrenos "pesados", cor

gimento dos moinhos de vento ( surgidos no século XI ), já tando e revirando o solo. Este dado é importante para o

que os moinhos ( originários do século V ) eram movidos à norte da Europa, na medida que o inverno rigoroso ( com ne

água e confeccionados com madeira. ve ), deixava o solo frio e enxarcado no início da prima-

vera. Com o "arado de aiveca" expunha-se o solo profundo

ao sol, aquecendo e enxugando a terra mais rapidamente.

A grade de dentes era passada logo em seguida pa

ra desfazer os torrões do terreno, preparando-o para o

plantio.

Moinho para cereais movido a água Evolução dos arados


354 35
Na época do Império Romano utilizava-se o boi co
mo animal de tração para os trabalhos pesados ( aração ).
Estes animais levavam uma canga pesada na cabeça e nos chi

fres, que por sua vez, estava atada ao timão. Para o cava
lo, este tipo de atrelagem não era o adequado pois, ao co-

locar o jugo na cernelha, e ao prendê-lo com uma correia


fina e comprida em volta do pescoço, qualquer pequeno es-
forço asfixiava o animal. Daí os cavalos não conseguirem

puxar mais de 200 ou 300 kg. Nos séculos IX e X registrou


-se uma melhoria considerável na atrelagem dos cavalos: o

cabresto. Além dos animais apresentarem uma maior força

de tração, acrescentava-se a vantagem dos cavalos poderem

ser atrelados em par.

Evolução dos arados Tração animal com cavalos. Notar tipo de atrelagem inadequado
36 37

Você também pode gostar