Você está na página 1de 11

ANÁLISE DE ESTABILIDADE DE TALUDE

Loteamento José Mendes Pessoa - II


Matipó – MG

Interessado: JPG EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA-ME.


CNPJ: 24889851/0001-03

Novembro/2018
Matipó, Novembro de 2018.

APRESENTAÇÃO

Atendendo a solicitação da JPG EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA-


ME, tenho a satisfação de apresentar o Laudo Técnico da vistoria a fim de
complementar as análises de estabilidade realizada no Loteamento José Mendes Pessoa
- II, localizado no Sítio do Pastinho, Rua José Monteiro de Oliveira, referente à Etapa II
do empreendimento, no município de Matipó.
Será apresentada uma cópia impressa do Laudo Técnico em uma via A4.

Atenciosamente,

Eng° Anselmo José Coelho Mendes


CREA-MG 171000/D
1 – INTRODUÇÃO

Apresenta-se uma complementação da Análise de Estabilidade de Talude da Etapa II do


Loteamento José Mendes Pessoa, situado no município de Matipó – MG, de
responsabilidade e propriedade da empresa JPG EMPREENDIMENTOS
IMOBILIÁRIOS LTDA-ME.

2 – SERVIÇOS EXECUTADOS

Por solicitação da JPG EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA-ME foram


analisadas duas seções perpendiculares ao eixo da Rua C. As análises de estabilidade
foram baseadas no levantamento planialtimétrico, seções transversais e sondagens
fornecidas pela Contratante.

Figura 1 – Projeto de Parcelamento de Solo – Loteamento José Mendes Pessoa

3 – GEOLOGIA E GEOTECNIA

De maneira geral, as sondagens indicaram NSPT crescente com a profundidade.


Conforme demonstra a Seção Geológica Geotécnica (Perfil 1), seção intermediária,
observa-se uma capa de solo residual maduro (argila siltosa – média) sobre camada de
silte arenoso. O solo residual jovem é caracterizado por camada de silte arenoso que
evolui para um solo pouco alterado constituído por silte arenoso muito compacto com
NSPT médio de 32, sobre uma camada de argila siltosa pouco arenosa dura com NSPT
médio de 40 evoluindo para uma cama de silte arenoso muito compacto com NSPT
médio de 48.
A seguir é apresentada perfil geológico-geotécnico (Perfil 1).

Figura 2 – Perfil Geológico Geotécnico 1


4 – ANÁLISES DE ESTABILIDADE PRELIMINARES

As análises preliminares foram realizadas com base nos resultados da sondagem a


percussão, levantamento planialtimétrico e nas seções (conformação atual) fornecidos
pela JPG EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA-ME. A Figura 3 registra
a conformação atual do talude perpendicular ao eixo da Rua C.

Figura 3 – Conformação atual das seções (Lotes n 25 a n59)

A figura 4 registra a conformação atual do talude perpendicular ao eixo da Rua B e Rua


C.

Figura 4 – Conformação atual do talude (lotes n12 a n22).


Considerou-se o solo com um material rígido-prefeitamente-plástico e submeteu-se o
problema a uma análise por equilíbrio limite, ou seja, desconsideraram-se as
deformações. Admite-se que o solo comporta-se como um corpo rígido que pode
escorregar sobre uma superfície de geometria conhecida. Considerou-se que a superfície
crítica ou superfície de ruptura pode ser representada pela forma aproximadamente
cilíndrico ou esférico, que vista em corte apresenta-se aproximadamente como um arco
de circunferência (Figura 5). As análises são determinísticas, isto é, despreza-se a
variabilidade natural dos parâmetros e adota-se valores médios que se presume serem
perfeitamente representativos dos solos envolvidos. A resposta da análise é um número
adimensional denominado de Fator de Segurança FS que é o quociente entre a
resistência disponível e as solicitações atuantes.

Utilizou-se o método das fatias que se baseia na hipótese que uma massa de solo
instável pode ser imaginariamente dividida em diversas fatias verticais e que as tensões
normais que atuam na base de uma determinada fatia dependem principalmente do peso
próprio. Adotou-se o método das fatias simplificado de Bishop (1955).

De acordo com a topografia do local e as sondagens realizadas nos locais, passou-se a


analisar três seções, nas condições de pouca, média e alta declividade. Quando há
prédios existentes na vizinhança, os mesmos são considerados como sobrecargas
atuantes no nível do terreno. Da mesma forma, quando é encontrado nível d’água
subterrâneo, este é incluído no cômputo do fator de segurança global do talude, como
uma superfície piezométrica, ressalta-se que na Etapa II do Loteamento José Mendes
Pessoa foi considerado somente o parcelamento do solo, intervenções futuras devem ser
analisadas por técnicos da área (engenheiro civil, engenheiro geotécnico ou de áreas
afins).

De acordo com a relação existente entre os índices N SPT e a classificação


granulométrica da camada de solo, extraíram-se os parâmetros geotécnicos de
resistência ao cisalhamento do solo - coesão (c) e ângulo de atrito interno do solo (f) – e
de massa específica aparente úmida (g), esses parâmetros foram baseados nos
quantitativos constantes na bibliografia nacional e estrangeira, além da própria
experiência do autor com solos locais de características marcantemente laterizados.

O programa computacional empregado nas análises da seção transversal do talude fora o


GEOSLOPE.

O estudo de retro-análise foi realizado considerando que a atual conformação do terreno,


obtida retaludamento, apresenta um fator de segurança FS próximo de 1,60 e 2,20. Tiveram-
se como ponto de partida os parâmetros encontrados em ensaios realizados em amostras de
solos coletadas no município de Matipó (Figura 2). Para região espera-se um solo com
resistência favorecida pela condição de não saturação que promove elevados valores de
coesão. Assim, fixou-se o ângulo de atrito e variou a coesão. O valor de coesão encontrado
é devido à sucção do solo, sendo considerada “pseudo-coesão”. Sua magnitude está
diretamente relacionada à umidade do solo. Para que se possa contar com esta resistência
deve-se implantar um sistema de drenagem e de proteção superficial que garantam que não
haja saturação do solo.

A Figura 5 apresenta o resultado final da retro-análise realizada.

4.1 – FATOR DE SEGURANÇA ADMISSÍVEL

Conforme a norma NBR 11682 – Estabilidade de Encostas (2009) é necessário que os


taludes analisados promovam um fator de segurança definido conforme os riscos
envolvidos e o grau de segurança esperado, baseado nas possibilidades de perdas de
vidas humanas e de perdas materiais e ambientais (Tabela 1). Com base nos riscos
analisados para o Loteamento José Mendes Pessoa foi determinado o valor de 1,4 como
o mínimo fator de segurança que os taludes analisados devem oferecer.

Tabela 1 - Fatores de segurança mínimos para deslizamento recomendados pela


norma brasileira NBR 11682 – Estabilidade de Encostas (2009).
Figura 5 – Detalhe da seção transversal de estudo.
5 – ANÁLISES DE ESTABILIDADE

Foram realizadas análises de estabilidade nas seções fornecidas considerando a


conformação atual do retaludamento. Nos terraplenos e banquetas aplicou-se uma
sobrecarga de 10kN/m. Os parâmetros geotécnicos são aqueles obtidos pelo estudo de
retro-análise (Figura 5) e correspondem à condição não saturada do solo.

Observa-se pela Figura 5 que a estabilidade do talude superior atende ao fator de


segurança recomendado por norma, superando, o valor de 1,5.
Observa-se pela Figura 5 que a estabilidade do taludes inferior superior, atende ao fator
de segurança recomendado por norma, superando, o valor de 1,5.

6 – CONCLUSÕES

As simulações realizadas, nas condições em que se encontra os taludes após execução


dos platores conforme Figura 6, permitiram observar que os coeficientes de segurança
são superiores a 1,5 exigidos pela NBR-11682 (2009).

Figura 6 – Detalhe da conformação atual das seções.

Na Figura 5, observou-se que os taludes superiores e inferiores atenderam ao fator de


segurança recomendado por norma, superando, o valor de 1,5, essa região contempla os
lotes n25 a 59 do empreendimento. Ressalta-se que intervenções futuras devem ser
analisadas por técnicos da área (Engenheiro Civil, Engenheiro Geotécnico ou de áreas
afins).

Recomenda-se que os sistemas de rede de água potável, esgoto e pluvial (das chuvas
que incidem sobre o empreendimento), não sejam instalados nos taludes/terreno,
devendo ser implantados em local de fácil monitoração, que permitam sua observação
contínua de forma a evitar qualquer tipo de infiltração.
É necessário que seja elaborado e executado um projeto de drenagem específico,
superficial, sub-superficial e profunda a fim de proteger o maciço. A drenagem de
montante é fundamental para proteger os taludes, logo futuras intervenções devem ser
analisadas por técnicos da área. Nas banquetas e pé do talude, durante a execução de
futuras obras deve-se analisar o risco de escorregamento de acordo com o tipo de
intervenção feita.
Estes aspectos de drenagem são de fundamental importância para garantir a condição
não-saturada do solo.

A região que contempla os lotes n12 a n22 encontra-se com uma camada superficial de
aproximadamente 4,00m de solo assentada sobre camada profunda de rochas conforme
apresentado na Figura 7, que se encontra estável, ressalta-se que intervenções futuras
devem ser analisadas por técnicos da área.

Figura 7 – Detalhe da conformação atual das seções (Lotes n 12 a n22).