Você está na página 1de 20

UNIZAMBEZE

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA


Licenciatura em Engenharia Mecatrónica

TEMA III: REGIME TRANSITÓRIO DE ACCIONAMENTOS


ELÉCTRICOS

2. CIRCUITOS DE POTÊNCIA E DE COMANDO DE ARRANQUES


DE MOTORES ELÉCTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

Docente: Eng°. Orlando Guta


OBJECTIVO:
• Ter e conceitos básicos de circuitos de potência e comando de
motores eléctricos.
• Desenhar e interpretar os esquemas eléctricos dos circuitos de
partida de motores eléctricos de indução trifásicos.
• Dimensionar os componentes do circuito de potência dos motores
eléctricos
INTRODUÇÃO
• Os esquemas eléctricos são representações gráficas de circuitos
eléctricos usando símbolos.
• Permitem compreender em detalhes o funcionamento do circuito
eléctrico.
• Estes subdividem-se em circuitos de potência (principal) e circuito de
comando (auxiliar).
• Enquanto o circuito de potência comporta todos elementos
percorridos pela corrente principal, o circuito de comando comporta
os elementos para o funcionamento do circuito de potência.
SIMBOLOGIA
Os esquemas eléctricos são representados por vários tipos diferentes
de símbolos. E ainda dependendo das diferentes norma usadas,
diferentes fabricantes, uma mesma descrição pode ser representada
por diferentes símbolos. Exemplo:

Consideram-se os seguintes tipos de símbolos:


• Símbolos gráficos;
• Símbolos literais e
• Símbolos numéricos.
Símbolos gráficos
Símbolos gráficos
Símbolos gráficos
Símbolos literais
Símbolos literais e símbolos numéricos
Conceitos básicos
1. Selo
2. Intertravamento 3. Ligação condicionada
PARTIDA DIRETA DE MOTORES ELÉTRICO TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO
Circuitos de Comando
DIMENSIONAMENTO
Dimensionamento do fusível
• Para determinar o fusível de um circuito que terá um motor elétrico,
deve-se conhecer a corrente nominal (In) do motor, a corrente de
partida (Ip) e o tempo de partida (tp). Em no gráfico das curvas
corrente-tempo do fusível encontra-se o calibre do fusível (IF).
• 𝑰𝑭 ≥ 𝟏. 𝟐 × 𝑰𝒏
Nota: Caso o valor encontrado do calibre do fusível (IF) seja menor que
a corrente nominal do motor (In), deve-se escolher o fusível com o
calibre ligeiramente superior a In.
Nota: Os fusíveis devem também proteger os contactores e os relés de
sobrecarga, estes são escolhidos tendo em conta a corrente nominal do
motor (In)
Assim:
Dimensionamento do contactor
• 𝐼𝐶 ≥ 𝐹𝑠 × 𝐼𝑛 e escolhe-se em catálogos o contactor de corrente
ligeiramente superior (tabelado) ao valor encontrado.
• O contactor deve ter a corrente máxima de fusão (Ifmax) maior que o
calibre do fusível (IF)

Dimensionamento do relé de sobrecarga


• 𝐼𝑅 = 𝐹𝑠 × 𝐼𝑛
• Procurar na tabela do relé um que tenha a corrente nominal do relé
(IR) dentro da sua faixa de ajuste e que a sua corrente máxima de
fusão (Ifmax) seja maior que o calibre do fusível (IF)
Exemplo de dimensionamento
Do catalogo de um motor trifásico de indução obteve-se os seguintes
dados: 5 cv, 220/380 V, 13/7.53 A, Ip/In=7, Fs=1.15 e Ta=5 seg.
Dimensione os componentes para partida directa (220V).

Resolução
Dimensionamento do fusível.
• 𝐼𝑝 = 𝐼𝑝 𝐼𝑛 × 𝐼𝑛 = 7 × 13 = 91 𝐴
Na curva corrente-tempo de partida
Encontra-se o fusível de IF=20 A
• 𝐼𝐹 ≥ 1.2 × 𝐼𝑛 = 1.2 × 13 = 15.6 𝐴 que
se verifica. Logo IF=20 A
Dimensionamento do contactor
• 𝐼𝐶 ≥ 𝐹𝑠 × 𝐼𝑛 ≥ 1.15 × 13 = 14.95 𝐴
Na tabela dos contactores (pag. 4 da tabela em enexo) temos IC = 18 A.
Então o modelo escolhido será CWM18 com corrente máxima do
fusível de 30A.

Dimensionamento do relé de sobrecarga


• 𝐼𝑅 = 𝐹𝑠 × 𝐼𝑛 = 14.95 𝐴
Na tabela do relé, vamos procurar aquele que tem o valor de 14.19 A,
dentro da sua faixa de ajuste. Neste caso ver tabela de relés de
sobrecarga (pag.10 da tabela1 ou pag.139 tabela2 em anexo) temos
faixa: 11A … 17A com corrente máxima do fusível de 40A.
Então o relé de sobrecarga será de referencia RW27-1D3-UO17 com
montagem CMW9(11…17)
Contactores codulares CWM + Relés de sobrecarga - tripolares
Relés de sobrecarga térmico RW de 0,28 a 840 A

Você também pode gostar