Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

CAMPUS : PAU DOS FERROS


CURSO
DISCIPLINA:ESTRADAS
PERÍODO :2020-1
ALUNO(A):

EXERCÍCIO 02

1. “Quando um veículo de massa m percorre uma curva de raio R, com


uma velocidade v, ele fica sujeito a uma força centrífuga, 𝐹 = 𝑚𝑣 / 𝑅, que
tende a levá-lo para o lado externo da curva”. Considerando essa
assertiva, é CORRETO afirmar que:

a. A força de atrito entre pneu e pavimento atua na m direção e


sentido combatendo essa força F.
b. Em baixas velocidades e curvas de transição a força de atrito
praticamente elimina a força centrífuga.
c. Para combater totalmente essa força centrífuga considera-se o
peso do veículo na mesma direção e sentido da força de atrito e
mesma direção e sentido contrário da força centrífuga.
d. Desde a que as curvas tenham pequenos raios não há
necessidade de inclinar o pavimento, implantando a
superelevação.

2. Qual a principal função da superelevação? Descreva, suscintamente,


sua relação com a velocidade e o raio de curvatura.
A principal função da superelevação é combater a aceleração
desenvolvida pelos veículos e dificultar a derrapagem. É criada
inclinando-se a seção transversal para o lado interno, num ângulo
conveniente. É em função do raio de curvatura e da velocidade do
veículo. Onde a superelevação depende da velocidade do veículo e do
raio da curvatura.
3. O diagrama a seguir apresente a aplicação da superelevação e giro do
eixo central da estrada numa curva de transição. Descreva o que
acontece em cada ponto do eixo quando da distribuição da
superlelevação.

T TS SC CS ST T

2% 2% 2% 0%
2% 0%
“e” calc “e” calc 2% 2%

T = A seção da estrada passa de abaulada no trecho em tangente, para


uma seção superelevada no trecho circular;
TS= No início do trecho de transição a seção está nivelada, ou seja, a
declividade negativa (-a%) é totalmente eliminada;
SC= A distribuição da superelevação (ou processo de mudança da
seção transversal da estrada) se dá em duas etapas.

4. Justifique a assertiva a seguir: “ A superlargura depende do raio de


curvatura e da largura da faixa de rolamento, essa função do tipo de
veículo de projeto.
A determinação desta largura é feita somando a largura máxima dos
veículos, a distância de segurança entre veículos e a distância entre
veículo e bordo da pista, segundo o consenso técnico a superlargura só
se verifica eficaz para a faixa de raios situadas próximo ao raio mínimo
para cada velocidade. A necessidade da superlargura aumenta com o
porte do veículo e com a redução da largura da pista em tangente. De
um modo geral só se justifica a adoçao da superlargura para valores
relativamente pequenos de raios, normalmente frequentes em vias
urbanas sujeitas a condicionantes de traçado, em rodovias de classe II e
III ou em rodovias localizadas em regiões topograficamente adversas.

5. Indique o tipo de aplicação de superlargura conforme as figuras a seguir,


defina cada tipo e o que ocorre com o eixo da estrada em cada tipo de
superlargura.
FIGURA 01 FIGURA 02
Na figura 1 ocorre a superlargura do tipo alargamento simétrico, quando
a superlargura ocorre metade para cada lado da pista.
Na figura 2, ocorre a superlargura do tipo alargamento assimétrico,
quando a superlargura ocorre somente de um lado da pista,
considerando que o veículo, ao entrar na curva tende a se deslocar para
o lado interno sem compensar essa tendencia com um leve movimento
para o lado externo.

6. Na etapa de concordância de curvas circulares horizontais de uma


estrada, inicialmente o topografo loca o eixo das estradas e faz o
estaqueamento (etapa 01) e depois, de acordo com as tabelas
fornecidas pelo projetista loca cada curva horizontal (etapa 02).
Que dados devem ser fornecidos para o topografo, em cada uma das
etapas para que realize seu trabalho de locação?
Na etapa 01 a localização exata de cada um dos piquetes, assim como
a distância entre cada um, e a distância entre o piquete final e o ponto
final da estrada, para em seguida realizar o estaqueamento. Os valores
dos rumos e azimute e os valores das deflexões também devem ser
informados, de modo a identificação a mudança de direção no eixo. Já
na etapa 02 os valores das tangentes de cada curva, assim como o
comprimento de corda de cada curva, o raio mínimo e o ângulo central
de cada curva.

7. Considerando o método de locação por deflexões acumuladas, assinale


as alternativas CORRETAS:

a. Processo topográfico em função dos cálculos do grau, deflexão


da corda e total de curva.
b. Processo topográfico que realiza a marcação dos pontos das
curvas circulares através de deflexões com relação à tangente.
c. Processo topográfico que realiza a marcação do eixo das
estradas, tomando o estaqueamento da curva em função a
velocidade de projeto.
d. Processo topográfico em função do estaqueamento do eixo e do
grau de curvatura.

8. O desenho abaixo representa um eixo de uma estrada, cuja estaca


inicial (E0) localiza-se no Rumo 105֯ 40´00´´ ES. O PI caracteriza-se pelo
Azimute a direita do Norte de 56֯. Calcule o valor da deflexão e do
ângulo central da curva a ser concordada. Tome a distância de E0 até PI
de 560 m e a distancia de PI ate a estaca final (Ef) de 480 m.

Você também pode gostar