Você está na página 1de 3

Contratação de Autônomo:

considerações sobre o eSocial,


Gfip/Sefip, vínculo e a incidência do
INSS e do IRRF
O presente artigo trata da contribuição previdenciária e do imposto de
renda incidentes sobre a remuneração paga ao trabalhador autônomo
(contribuinte individual) e das obrigações acessórias eSOCIAL e
GFIP/SEFIP.
19/06/2018 08:52

A empresa que contrata os serviços de um profissional autônomo (contribuinte


individual) deve proceder com o desconto da contribuição previdenciária (INSS) com
alíquota de 11% incidente sobre o valor da remuneração paga, efetuando também a
retenção do imposto de renda  (IR) com base na tabela de incidência mensal
divulgada pela Receita Federal.
eSOCIAL
Com o início da vigência do eSocial, as empresas passarão a enviar os dados
relacionados aos autônomos contratados através dos seguintes eventos:
 S-2300 Trabalhador Sem Vínculo de Emprego – Início de contrato
 
 S-2306 Trabalhador S/Vínculo de Emprego – Alteração contratual
 
 S-2399 Trabalhador S/Vínculo de Emprego – Término de contrato
 
 S-1200 Remuneração de trabalhador vinculado ao RGPS
Os dados cadastrais dos autônomos (CPF x NIS x Data de Nascimento) deverão ser
previamente qualificados  no portal do eSocial para posterior validação e transmissão
ao Ambiente Nacional do eSocial.

Microempreendedor Individual (MEI) sujeito ao enquadramento como contribuinte


individual para apuração da CPP de 20%
Conforme o manual do eSocial (MOS) e a Solução de Consulta Cosit nº 108/2016 da
RFB, quando a empresa contratar um Microempreendedor Individual (MEI) para
prestar serviços de hidráulica, eletricidade, pintura, alvenaria, carpintaria e de
manutenção ou reparo de veículos,  deverá enquadrá-lo na categoria “741 –
Contribuinte Individual – MEI” para apurar a contribuição previdenciária patronal
(CPP) de 20% incidente sobre o valor da remuneração paga.
GFIP/SEFIP
Considerando que a substituição da GFIP/GFIP pelos módulos eSocial e EFD-
Reinf observará o cronograma estabelecido  pelo Comitê Diretivo do eSocial, o
contratante continuará transmitindo a GFIP/SEFIP durante o período de transição
para apuração das contribuições incidentes sobre a remuneração dos autônomos.
No preenchimento dessa declaração serão informados os seguintes dados dos
autônomos: nome completo; número do PIS/NIT;  CBO, categoria e ocorrência (múltiplos
vínculos).
Conforme o Manual da GFIP 8.4, o autônomo será enquadrado em uma das
seguintes categorias:
→ 13 – Contribuinte individual – trabalhador autônomo em geral, inclusive o
operador de máquina, com contribuição sobre remuneração e o
trabalhador associado à cooperativa de produção;
→ 15 – Contribuinte individual – transportador autônomo, com contribuição
sobre remuneração.

Serviço de Transporte – Contribuições devidas ao INSS, SEST/SENAT e cálculo do


IRRF
A base de cálculo do transportador autônomo para a incidência do INSS e da
contribuição para terceiros (Sest/Senat) será de 20% do valor bruto do serviço/frete
contratado. Para o cálculo do imposto sobre a renda retido na fonte (IRRF), deverão
ser observas das seguintes bases:
 10% – para o transporte de cargas/serviços;
 
 60% – para o transporte de passageiros.

Regras para a não caracterização do vínculo empregatício


Conforme a Lei nº 13.467/2017 que aprovou a Reforma Trabalhista,  a contratação do
profissional autônomo quando atendidas às exigências legais não cria o vínculo de
emprego.
Após a perda da validade da Medida Provisória nº 808/2017, o Ministério do Trabalho
por meio da Portaria nº 349, de 23 de maio de 2018, estabeleceu algumas regras
voltadas à aplicação da reforma trabalhista  inclusive para a contratação do
autônomo.
Considerando esses dispositivos legais, para a contratação do autônomo deverão ser
observadas as seguintes condições:
a) a contratação poderá ser com ou sem exclusividade;
b) a prestação dos serviços poderá ser de forma contínua ou não;
c) poderá prestar serviços a apenas um tomador de serviços;
d) poderá prestar serviços de qualquer natureza a outros tomadores de serviços que
exerçam ou não a mesma atividade econômica, sob qualquer modalidade de
contrato de trabalho, inclusive como autônomo.
Outra particularidade está na possibilidade do autônomo se recusar a realizar a
atividade demandada pelo contratante. Contudo, poderá ser definida uma
penalidade no contrato de prestação de serviços para cobrir os possíveis prejuízos
causados.
Segundo a Portaria 349/2018 do MTE, motoristas, representantes comerciais,
corretores de imóveis, parceiros, e trabalhadores de outras categorias profissionais
reguladas por leis específicas relacionadas a atividades compatíveis com o contrato
autônomo, não possuirão a qualidade de empregado prevista na CLT desde que
observadas as demais condições previstas em lei. Caso fique comprovada a
subordinação jurídica, será reconhecido o vínculo empregatício.
Exemplo de cálculo para apuração das contribuições e do imposto de renda
I – Serviços de consultoria na competência 11/2017
→ Tributação da empresa: Lucro Presumido
→ Valor dos serviços contratados R$ 4.000,00
→ Nº de Dependentes para o IR: 01
⇒ Contribuição Previdenciária  (INSS) 
→ INSS Segurado = 4.000,00 x 11% = R$ 440,00
→  INSS Patronal      = 4.000,00 x  20% = R$ 800,00
⇒  Imposto de Renda  Retido na Fonte (IRRF)
→ IRRF =  {[  (base de cálculo  –  INSS  segurado – valor por dependente) x % da tabela
progressiva] – dedução tabela}
→  IRRF = [{( 4.000,00 – 440,00 – 189,59) x 15%}] – 354,80 =  R$ 150,77
II – Serviço de transporte de passageiros na competência 11/2017
→ Tributação da empresa: Lucro Presumido
→ Valor dos serviços contratados R$ 6.000,00
→ Nº de Dependentes para o IR: 01
⇒ Contribuições para o  INSS  e Sest/Senat
→ Base de Cálculo = R$ 6.000,00 x 20% = R$ 1.200,00
→  INSS Segurado = R$ 1.200,00 x 11% = R$ 132,00
→  Sest/Senat = R$ 1.200,00 x 2,5% = R$ 30,00
→  INSS Patronal      = R$ 1.200,00 x  20% = R$ 240,00
⇒  Imposto de Renda  Retido na Fonte (IRRF)
→ Base do IRRF transporte de passageiros = R$ 6.000,00 x 60% = 3.600.00
→ IRRF =  {[  (base de cálculo  –  INSS  segurado – valor por dependente) x % da tabela
progressiva] – dedução tabela}
→  IRRF = [{( 3.600,00 – 132,00 – 189,59) x 15%}] – 354,80 =  R$ 136,96

Você também pode gostar