Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ – 2020

Curso: História Matutino.

Aluna: Zanap El Haj Hussein – RA115934

“A civilização do renascimento” – Jean Delumeau.

 A promoção do ocidente; introdução, p.19-48;


- p. 19, a separação de um período de trevas, que seria a idade média, de um
período de luz, o renascimento.
- renascimento (como termo humanista) carregando junto de si a juventude,
dinamismo e vontade de renovação.
-regresso a antiguidade não influenciando na invenção da imprensa, relógio
mecânico, aperfeiçoamento da artilharia, estabelecimento de contabilidade
por partidas dobradas e feiras bancárias.
- renascimento levando a ciência, conhecimentos, domínios do mundo natural
e amor pela beleza. Esses processos levaram a uma promoção do ocidente
em uma época em que a civilização da Europa ultrapassou de modo decisivo
as civilizações que eram paralelas a ela.
- Itália como um país de vanguarda; o principal responsável pelo grande
avanço europeu com seus humanistas, artistas, homens de negócios,
engenheiros e matemáticos.
- Entre 1320 e 1450 inúmeros problemas aconteceram na Europa como
privações, epidemias, guerras, mortalidade, diminuição da produção de
metais preciosos e avanços turcos; esses chamados ‘desafios’ foram
vencidos com coragem, sendo o renascimento a historia desses desafios e
respostas.
- Dentre as críticas que o renascimento faziam estavam dentre elas criticas ao
pensamento clerical na idade média, recuperação demográfica, progressos
técnicos e aventuras marítimas, queriam uma estética nova, um cristianismo
elaborado e rejuvenescido.
- p.12, renascimento surgindo como um oceano de contradições.
- renascimento com falsa imagem de um regresso ao passado, mesmo com
um grande crescimento em inúmeros âmbitos culturais como musica, pintura,
arquitetura e literatura.
- Delumeau passa a citar a história do renascimento, dentre suas crises,
fatores, gastos com a nobreza e pobreza, sendo assim um caminho para o
que se chama de racional. Ocorre também uma renovação do catolicismo
pela colocação de novas mentalidades experimentais e científicas.
 Primeira parte; linhas de força. Cap. 1, p.27 – 48.
- O autor cita a explosão nebulosa cristã e o destaque europeu não tendo
como motivos o plano demográfico, descrevendo como se organizam os
domínios, relação e produções na Europa e entre os povos.
- Espanha como potencia mundial no século XVII, França sendo um pais
unido e com importância, com destaques também para a Itália e suas
qualidades. Existem também os poderes espanhóis como já citado
anteriormente, domínios otomanos, ameaças turcas e reinados russos do
século VX ao XVII.
- A substituição da autoridade do imperador por uma relação de forças foi de
grande importância, com o auxilio também do renascimento que foi um
grande período de mudanças. Pela guerra dos cem anos ficou claro que o
Feudalismo já não era mais um regime adaptável, o autor cita ainda Boemia
no século XV com as ocupações estrangeiras na Itália.
- Século XIV com alianças entre franceses e ingleses; menção a Joana D’Arc
e elogios nacionalistas entre ambos, a rivalidade existente entre os países e a
conscientização das identidades de cada pais durante o renascimento foram
pontos importantes. A Inglaterra, por exemplo, possuía problemas em relação
ao papado sob tutela na França.
 O renascimento como reforma da igreja; cap. IV, p.121 – 150.
- O renascimento acabou por trazer reformas à igreja, o autor a cita como a
deriva do abismo por inúmeros acontecimentos como a divisão do catolicismo
europeu, o concílio de Pisa e Constança, Martinho V como novo papa e após
esses fatores ainda existia a disputa do papado entre Eugenio IV e Félix V, no
qual Eugenio acabou por vencer. Não ocorreram reformas na igreja mesmo
com os concílios ocorridos.
- Delumeau cita as rivalidades paroquiais existentes, sátiras de Erasmo, as
quantidades de ouro utilizadas em Roma pelos cardeais, indulgências e
penitências. Embates existentes entre Wittenberg e Lutero que acabou por
publicar as 95 teses com o apoio de humanistas e burgueses gerando uma
expansão do luteranismo por países europeus (calvinismo e anglicanismo
também com suas importâncias).
- Ocorre à defesa da igreja por Paulo III, seus feitos e publicação do index.
Erasmo passa a ser censurado, Lutero põe sua doutrina por meio da
justificação da fé e reprovação dos abusos da igreja. A guerra religiosa que se
instaurou foi cruel em todos os lados, incluindo até as perseguições aos
anabatistas. O cristianismo passa a ter novas cores, devoções, se
expandindo por mensagens evangélicas aos fieis, sendo uma de suas
fraquezas os próprios padres em concubinato.
- Delumeau aponta a crise religiosa facilitando o domínio do estado sobre a
igreja, foi um período de reformas que acabou por expandir o individualismo
religioso, sendo uma época de pragas ainda ocorreram sentimentos de culpa
e confissões, os fiéis passaram a acreditar que o juízo final estava próximo, o
anticristo estaria presente e as indulgencias vieram como salvação. Houve
também uma rejeição as línguas vernáculas por parte da própria igreja
romana, o humanismo cristão passou a ser de acordo com a purificação da
escritura e ao verdadeiro texto da bíblia.
 O progresso técnico; cap. V, p. 151 – 199.
- O progresso ocorre em meio ao século XV, no século XIV houve a utilização
de utensílios como pólvora, relógios mecânicos, uso de vidraças, substituição
de arcas por armários e hábitos como comer com garfos. O autor destaca os
artistas do renascimento, suas impressões e a consolidação do estado
favoreceram a evolução técnica, com a junção ainda ente a técnica e a
cultura houve o desenvolvimento da engenharia na Itália e Alemanha,
maquinas com instrumentos opticos foram feitas, e a arquitetura
desenvolvida.
- Nomes como Leonardo da Vince ganham destaque, sendo um dos primeiros
a se interessar pela indústria têxtil e a procurar pela mecanização de
operações do dia a dia. Ocorre um aprimoramento da arquitetura dos canais,
patentes imperiais, cúpulas, tuneis, melhoramento de veículos, prosperidade
de feiras, estradas, e serviços postais.
- As navegações durante o período renascentista também é citada pelo autor.
Ocorreu um aprimoramento dos navios peça intensa relação entre
marinheiros da costa do atlântico e meridional, ocorrendo também a melhora
de navios nórdicos e portugueses a partir do século XV, a criação dos
instrumentos para navegação por meio do legado dos árabes também
auxiliou esse processo (+ projeção de mercator – 1569).
- As técnicas de tecelagem, indústria ttextil, mecanização, relógios e molas
sofrem inovações. Trabalhos em minas estão ocorrendo, uso dos metais
também passa a ser aprimorada, a madeira é utilizada como combustível,
descobrimentos na metalurgia da prata e processos de amalgma, todos esses
fatores acabam por gerar mudanças em hábitos domésticos.
- Armaduras são citadas, as evoluções metalúrgicas dos canhões, artilharia e
as influencias que isso causou nas guerras marítimas. Desenvolvimento da
pólvora e arma posto como lento.
- Pelo crescimento da tecnologia mortífera ocorreu à estratégia de aumento
das fortificações, o bastião. A imprensa é vista como uma das maiores
invenções durante o renascimento, para seu auxilio europeus passaram a
aprender com os orientais a pratica de fazer papel, com destaque para
Gutenberg na invenção sobre impressão, os processos de gravuras
descobertos na Itália, a grande utilização de vitrais e cores aplicadas,
fabricação de espelhos, óculos, moveis, madeira de carvalho sendo
substituída pela nogueira, interesses por músicas e instrumentos foram todos
modificados pelo renascimento.
 As cidades e o campo; cap VIII, p. 247 – 276.
- Delumeau apresenta as atividades industriais na Europa, a criação de gado
substituindo o homem na espanha, rebanhos de carneiros em Nápoles,
construções de canais na Lombardia, utilização de moinhos pelos
neerlandeses, leste de Elba e sua origem no progresso de grãos comestíveis,
aprimoramento de formas de cultivo e a horticultura na Itália.
- O autor cita a colonização na América que auxiliou na contribuição para a
botânica de alimentos europeus em territórios americanos e aperfeiçoamento
de técnicas agrícolas.
- Durante o renascimento existiam muitos analfabetos, as cidades eram
vulneráveis, ainda mais quando possuía um grande crescimento o medo das
pestes era grande. (+ isolamentos e dados populacionais). O crescimento das
cidades, modificações arquitetônicas, comparações entre idade média e
moderna, formulações de plantas para as cidades noções de higiene que
acabaram por gerar praticidades e beleza as cidades, os esquemas de
arquiteturas passaram a mudar e praças foram inseridas conforme o
crescimento urbano.
- O urbanismo foi bem restituído na Itália, cidades importantes se
desenvolvem de maneira não tão organizada, ocorre também o surgimento do
vaticano no século XVI. Houve a expansão urbana nos campos, Delumeau
cita como exemplo a cidade de Paris, a multiplicação dos jardins, os
deslocamentos das cortes para o âmbito rural.
- O Renascimento foi colocado também como uma descoberta dos campos,
com lugares tranquilos, ao contrário da idade média. Por fim o autor cita a
demografia, dando exemplos de cidades dependentes das capitais e a
soberania existente entre os palácios e o triunfo do absolutismo.

Você também pode gostar