Você está na página 1de 18

I – CINEMÁTICA

CINEMÁTICA - Estudo dos movimentos

SÍMBOLO SIGNIFICADO
s Deslocamento Ou Posição
d Deslocamento Ou Posição
si ou s0 Posição Inicial
sf Posição Final
di ou d0 Posição Inicial
df Posição Final
∆ s ( Sf - Si ) Ou ( S - So ) Variaçãode Deslocamento Ou Posição
∆ d ( Df - Di ) Ou ( D - D0 ) Variação De Deslocamento Ou Posição
t Tempo Ou Instante
ti ou t0 Tempo Inicial
tf Tempo Final
∆ t Variação De Tempo Ou Instante
Vm Velocidade Média
km Quilômetro
h Hora
a Aceleração
am Aceleração Média
G Constante De Gravitação Universal
m Metro
s Segundo
s2 Segundo Quadrado
vi ou v0 Velocidade Inicial
cm Centímetro

Calculando a velocidade média, o tempo e a distância:

Velocidade média : Equação de deslocamento ou distância Equação do tempo

∆s ∆s
Vm ∆ s = Vm ∆t ∆t =
= Vm
∆t
Relação entre km/h e m/s:
1 km = 1000 m = 1000m
h 60.60 s 3600s
1 km = 1 m/s ou 1 m/s = 3,6 km/h
h 3,6

Regras de conversão:
20 km/h em m/s: 20 × (1.000 m/3.600 s) 5,5 m/s
10m/s em km/h: 10 × (1/1.000 km)/(1/3.600) 10 × (1/1.000) × (3.600/1) 3.600/1.000 36 km/h

Variação da velocidade: Calculando a aceleração.


∆s
Aceleração: a =
∆t
ou ∆ d = vi . t 1/2a . t2 ou v2 = vi2 + 2 ae

Função horária : s = si + vt

Peso : P = m. g

Lei da gravitação universal F = G m1 + m2


∆ d2
Queda Livre t= 2h
g
II – DINÂMICA

II.1 ESTÁTICA

O estudo das FORÇAS

FORÇA é qualquer causa capaz de:


* imprimir movimento a um corpo
* modificar ou paralisar o movimento de um corpo
* mudar a forma de um corpo

Toda força tem quatro elementos


1 - Direção : reta sobre a qual se orienta o sentido dessa força
2 - Sentido : orientação dada à direção dessa força
3 - Intensidade ou Módulo : é o valor numérico que se expressa a grandeza da força.
4 - Ponto de aplicação : é o local de um corpo onde essa força atua.

A FORÇA é representada graficamente por um vetor.

A B
50kgf

A = Ponto de aplicação
AB = Direção (horizontal)
B = Sentido (ponta da seta)
50kgf = intensidade

UNIDADES DE FORÇA

kgf (quilograma-força)
imprime a um corpo de massa igual a 1kg uma aceleração de 9,8 m/s2

N (Newton)
imprime a um corpo de massa igual a 1 kg uma aceleração constante de 1m/s2

dyn ( dina )
equivale a 10-3 N

Sistemas de FORÇAS
Atuação de duas ou mais forças sobre um corpo. Fr é a força resultante deste sistema.

1 - Forças de mesma direção e sentido:

Fr = F1 + F2 + ... Fn
2 - Forças de mesma direção e sentidos opostos

Fr = F1 - F 2

3 - Forças perpendiculares (90º)


Fr2 = F1 2 + F22

Obs.: 1N corresponde a 9,8 m/s2

DINÂMICA - Estudo das forças e dos movimentos


SÍMBOLO SIGNIFICADO
kgf Quilograma-Força
kgm Quilogrâmetro
N Newton
F Força
R Resultante
g Gravidade
P Peso
CG Centro De Gravidade
T Trabalho
J Joule
W Watt
kW Quilowatt
CV Cavalo-Vapor
HP Horse-Power

Calculando o trabalho e a potência


Trabalho Potência

T=F.∆ d P= T
t

Unidaddes aplicadas : 1J = 1N . 1m ou 1kgm = 1kgf . 1m 1W = 1J


1s

Obs.:
1kW = 1000 W
1HP = 750 W
1 CV = 735W

F = m. . a

II.4 MÁQUINAS SIMPLES


"Máquina é um aparelho ou instrumento que facilita a realização de um trabalho."
Alavanca: "A alavanca diminui o esforço para elevar um corpo até determinada altura."
FP = força potente (N)
FR= força resistente (N)
bP = braço da potência
bR = braço da resistência
o = ponto de apoio
Condição de equilíbrio de uma alavanca:
FP . bP = FP . bP
Roldanas: São rodas com um sulco por onde se passa uma corda ou um cabo de aço.

R F
Roldana Conjunto de
Roldana fixa
móvel roldanas
P=R
P= R P= R
2 2n

Plano inclinado
"Quanto menor a inclinação, maior será o deslocamento para se atingir a altura desejada.
Portanto, quanto menor a inclinação, menor o esforço."

II.5 Leis de Newton


A) PRIMEIRA LEI DE NEWTON OU LEI DA INÉRCIA

"Inércia é a propriedade comum a todos os corpos materiais, mediante a qual eles tendem
a manter o seu estado de movimento ou de repouso."
"Um corpo livre da ação de forças permanece em repouso (se já estiver em repouso) ou
em movimento retilíneo uniforme (se já estiver em movimento)."
B) SEGUNDA LEI DE NEWTON
F = m.a
F = força (N)
m = massa (kg)
a = aceleração (m/s2)
Unidade de força no SI: Newton (N)
PESO E MASSA DE UM CORPO
Massa: quantidade de matéria (nunca muda)
Peso: força da gravidade (depende do planeta)
P = m.g
P = peso (N)
m = massa (kg)
g = aceleração da gravidade (m/s2)

C) TERCEIRA LEI DE NEWTON OU LEI DA AÇÃO E REAÇÃO

"A toda ação corresponde uma reação, com a mesma intensidade, mesma direção e
sentidos contrários."

II.6 FORÇA DE ATRITO


"Quando um corpo é arrastado sobre uma superfície rugosa, surge uma força de atrito de
sentido contrário ao sentido do movimento."

fat = .N
fat = força de atrito (N)

= coeficiente de atrito
N = normal (N)
N = m.g
Sobre um corpo no qual aplicamos uma força F, temos:
F - fat = m.a

ATRITO – MASSA – PESO – GRAVITAÇÃO


III. TEMPERATURA E CALOR
SÍMBOLO SIGNIFICADO
ºF Fahrenheit
ºC Celsius
K Kelvin
Q Quantidade De Calor
m Massa
c Calor Específico
∆ T Variação De Temperatura
cal Caloria
kcal Quilocaloria

Para converter Fahrenheit em Celsius:

C = 5(F-32)
9
Para converter Celsius em Fahrenheit:

F= 9 C . + 32
5
Para converter de Celsius para Kelvin

K = ºC + 273
Para converter de Kelvin para Celsius

ºC = K - 273

Caloria

Q=m.c.∆ t

IV. ESTUDO DAS ONDAS

ONDA é uma espécie de perturbação ( alternações, ondulações ) que se propaga


de um ponto a outro.
Observe o esquema e reconheça os elementos de uma onda:
λ
A C1 C2 C3 C4 Direção
De
V1 V2 V3 V4
propagação
A
λ
Direção de propagação

• Os pontos representados pela letra C ( C1,C2,C3 E C4) são denominados cristas de


ondas.
• Os pontos representados pela letra V ( V1,V2,V3 e V4) são denominados vales de
onda.
• A distância entre duas cristas consecutivas ou dois vales consecutivos é denominado
comprimento de onda , representada pela letra do alfabeto grego λ ( lê-se “lambda)
• A distância entre a linha central e a crista ou vale corresponde a amplitude da onda
representada pela letra A
Onda A

Onda B

Repare que as ondulações ou vibrações na onda B é mais frequente que na onda


A, isto indica que a onda B é mais “frequente”, ou seja:
A frequência da onda B (fB) é maior que a frequência da onda A (fA).
A unidade de frequência é o hertz, símbolo Hz.
Obs.: Tanto o comprimento como a amplitude de uma onde podem ser medidos em
( mm,cm ou m) por isso são considerados como grandeza física.

AS ONDAS SE CLASSIFICAM EM:


QUANTO À NATUREZA

MECÂNICAS – Exigem um meio material para se propagar


Ex. Ondas sonoras, na água, ondas produzidas em cordas e molas.

ELETROMAGNÉTICAS – Não exigem um meio material para sua propagação


Cargas elétricas em movimentos rápidos.
Ex.: Rádio, Tv, radar, Raios X, solar, microondas etc.

QUANTO AO SENTIDO DA VIBRAÇÃO

TRANVERSAIS – vibração perpendicular a direção de propagação – Ex. Cordas

LONGITUDINAIS – Vibração paralela a direção de propagação – Ex. Mola.

SÍMBOLO SIGNIFICADO
f Frequência
λ Comprimento De Onda
dB Decibéis
Hz Hertz
kHz Quiloherts
Mhz Megahertz
lux Unidade De Iluminamento
T Período
C Cristas Da Onda
V Vales Da Onda
A Amplitude

SOM
As ondas sonoras são ondas mecânicas e portanto não se propagam no vácuo. São
audíveis pelo homem quando sua freqüência se situa entre 20 Hz e 20.000 Hz.
Fontes de som
Em geral, as fontes de som são os corpos em vibração, como o cone de um alto-falante,
as cordas vocais, etc."
A velocidade do som
Nos líquidos e nos sólidos, onde as moléculas estão mais próximas umas das outras, a
velocidade do som é bem maior do que em um gás.
vsólidos > vlíquidos > vgases
Velocidade do som no ar: 340 m/s
Velocidade do som na água: 1450 m/s
Qualidades de um som
- Intensidade
Ë a qualidade que nos permite distinguir os sons fortes dos fracos.
- Timbre
É a qualidade que nos faz distinguir as vozes de duas pessoas, mesmo quando emitindo
sons de mesma freqüência. Também permite diferenciar os sons de dois instrumentos
musicais, mesmo quando eles emitem a mesma nota.
- Altura
É a qualidade do som que nos permite distinguir os sons graves dos agudos.
Eco
Quando uma onda sonora encontra um obstáculo à sua frente, ela pode retornar à sua
fonte por reflexão.
O eco ocorre se a distância entre a origem do som e o obstáculo for, no mínimo, de 17 m.
Nossos ouvidos podem distinguir sons emitidos num intervalo de tempo mínimo de 0,1 s.
Sonar
É um equipamento colocado em navios que envia ondas sonoras em direção ao fundo do
mar e recebe, posteriormente, a reflexão, podendo-se calcular a profundidade.
v. NOÇÕES GERAIS DE ÓPTICA
V.1 Conceitos
a. Corpo luminoso: são os corpos que emitem luz própria. Exemplo: o Sol, as
estrelas, a chama de uma vela, etc.
b. Corpo iluminado: são os corpos que refletem a luz que recebem a luz de outros corpos. Exemplo:
a luz.

c. Corpos opacos: são os corpos que impedem a passagem da luz.

d. Corpos transparentes: são os corpos que se deixam atravessar totalmente pela luz.

e. Corpos translúcidos: são os corpos que se deixam atravessar parcialmente pela luz.

V.2 Princípios da Óptica


1º) Princípio da propagação retilínea da luz: Num meio homogêneo e transparente, a luz
se propaga em linha reta.
2º) Princípio da reversibilidade dos raios de luz: O caminho seguido pela luz independe
do sentido de propagação.
3º) Princípio da independência dos raios de luz: Um raio de luz, ao cruzar com outro,
não interfere na sua propagação.
V.3 A cor de um corpo
A cor que um corpo apresenta por reflexão é determinada pelo tipo de luz que ele
reflete. Por exemplo, um corpo ao ser iluminado pela luz branca (que contém todas as
cores), se apresenta azul, porque reflete a luz azul e absorve as demais. Um corpo
iluminado pela luz branca se apresenta branco porque reflete todas as cores. Um corpo
negro absorve todas as cores.

V.4 Reflexão da luz


Reflexão regular: é a reflexão que ocorre numa superfície lisa e polida. Exemplo:
espelho.
Reflexão difusa: é a reflexão que ocorre numa superfície irregular. Nesta reflexão os raios
espalham-se desordenadamente em todas as direções.
Leis da reflexão
1a lei : O raio incidente, o raio refletido e a normal pertencem ao mesmo plano.
2a lei : O ângulo de reflexão é igual ao ângulo de incidência.

V.5 Espelho plano

Considera-se espelho plano toda superfície plana e lisa onde predomine a reflexão regular
da luz.

Formação de imagens num espelho plano


• O objeto e a imagem fornecida por um espelho plano são simétricos em relação ao
espelho.
• Um espelho plano associa a um objeto real uma imagem virtual.

Espelhos Esféricos
Espelhos esféricos são superfícies refletoras que têm a forma de calota esférica.
São côncavos se a superfície refletora for a parte interna, ou convexos, se a superfície
refletora for a parte externa.
Representação

C = centro de curvatura do espelho (centro da esfera)


R = raio de curvatura (raio da esfera)
V= vértice
F = foco (F= R/2)
Propriedades
• Todo raio de luz que incide num espelho esférico paralelamente ao eixo principal
reflete numa direção que passa pelo foco.

• Todo raio de luz que incide num espelho esférico numa direção que passa pelo
foco reflete paralelamente ao eixo principal.

• Um raio de luz incidindo na direção do centro de curvatura de um espelho


esférico reflete-se na mesma direção.
Construção de imagens (espelhos esféricos)
A imagem de um ponto é obtida pela interseção de pelo menos, dois raios
refletidos correspondentes a dois raios incidentes provenientes do ponto.
Espelho côncavo

Características da imagem:
REAL, INVERTIDA, MENOR
Imagem real : imagem na frente do espelho
Imagem virtual: imagem atrás do espelho
Imagem direita: objeto e imagem tem o mesmo sentido.
Imagem invertida: objeto e imagem tem o sentido oposto.
Imagem igual, maior ou menor que o objeto: quando comparada com o objeto, a imagem
pode apresentar essas comparações.

V.6 REFRAÇÃO DA LUZ


Quando a luz passa de um meio para outro ela pode mudar de direção, ou seja,
refratar-se.
Índice de refração absoluto
Índice de refração de um meio qualquer em relação ao vácuo.
n = índice de refração
c = velocidade da luz no vácuo ( c= 300.000 km/s)
v = velocidade da luz em outro meio
nar 1
VI ELETRICIDADE
VI.1Carga elétrica
A matéria é formada de pequenas partículas, os átomos. Cada átomo, por sua vez,
é constituído de partículas ainda menores, no núcleo: os prótons e os nêutrons; na
eletrosfera: os elétrons. Às partículas eletrizadas (elétrons e prótons) chamamos "carga
elétrica" .

Condutores de eletricidade
São os meios materiais nos quais há facilidade de movimento de cargas elétricas, devido
a presença de "elétrons livres". Ex: fio de cobre, alumínio, etc.
Isolantes de eletricidade
São os meios materiais nos quais não há facilidade de movimento de cargas elétricas. Ex:
vidro, borracha, madeira seca, etc.
Princípios da eletrostática
1.Cargas elétricas de mesmo sinal se repelem e de sinais contrários se atraem.

2.Num sistema eletricamente isolado, a soma das cargas elétricas é constante.


Corpo neutro -> Nº prótons = Nº elétrons
Corpo positivo -> O corpo perdeu elétrons
Corpo negativo -> O corpo ganhou elétrons
PROCESSOS DE ELETRIZAÇÃO
Eletrização por atrito
Quando dois corpos são atritados, pode ocorrer a passagem de elétrons de um corpo para
outro.

Eletrização por contato


Quando colocamos dois corpos condutores em contato, um eletrizado e o outro neutro,
pode ocorrer a passagem de elétrons de um para o outro, fazendo com que o corpo neutro
se eletrize.

Eletrização por indução


A eletrização de um condutor neutro pode ocorrer por simples aproximação de um corpo
eletrizado, sem que haja contato entre eles.

Ligação com a Terra


Ao se ligar um condutor eletrizado à Terra, ele se descarrega.

VI.2 LEI DE COULOMB


As cargas elétricas exercem forças entre si. Essas forças obedecem ao princípio da ação e
reação, ou seja, têm a mesma intensidade, a mesma direção e sentidos opostos.
F= força de interação entre as cargas (N)
Q = carga (C)
D = distância entre as cargas (m)
K = constante eletrostática (N.m2/C2)
Kvácuo = 9.109 N.m2/C2
VI.3 POTENCIAL ELÉTRICO
Com relação a um campo elétrico, interessa-nos a capacidade de realizar trabalho,
associada ao campo em si, independentemente do valor da carga q colocada num ponto P
desse campo.

;
O potencial elétrico, V, é uma grandeza escalar.
No SI, o potencial é medido em volt (V)

Vi.3 Relação entre Trabalho e Diferença de Potencial (Ddp)


O trabalho realizado pela força elétrica, no deslocamento de uma carga q de um ponto A
até um ponto B, pode ser calculado a partir dos potenciais dos pontos A e B.

= q (VA - VB) ; = q.U


U = diferença de potencial (ddp), medido em volts.
U = VA - VB
ANEXO
UNIDADES DE MEDIDA, PRINCIPAIS GRANDEZAS

O Sistema Internacional de Unidades (SI) é o mais aceito em todo o mundo. No entanto, ainda são usadas unidades
tradicionais de origem consuetudinária ou de sistemas anteriores à elaboração do SI.

COMPRIMENTO
Metro (m), unidade SI: distância percorrida pela luz no vácuo em um intervalo de tempo igual a 1/299.792.458 s.
Unidades de comprimento tradicionais – Quilômetro (km): 1.000 m, palmo: 22 cm; braça: 2,2 m; légua: 6 km; légua brasileira: 6,6
km.
Unidades de comprimento inglesas – Polegada (in): 2,54 cm ou 0,0254 m; pé (ft): 30,48 cm ou 0,3048 m; jarda (yd): 91,44 cm ou
0,9144 m; milha (mi): 1.609 m; milha náutica: 1.852 m.
Distâncias astronômicas – Ano-luz: distância percorrida pela luz no vácuo em 1 ano, igual a 9,46 trilhões de quilômetros ou 946 ×
1010 km; parsec: 3,258 anos-luz ou 30,82 trilhões de quilômetros ou 3. 082 × 10¹o km; unidade astronômica (uA): distância média
entre a Terra e o Sol igual a 150 milhões de quilômetros ou 150 × 106 km.

ÁREA
Metro quadrado (m²), unidade SI: área de um quadrado com lado igual a um metro.
Unidades de área tradicionais – Quilômetro quadrado (km²): 1.000.000 m²; hectare (ha):
10.000 m²; alqueire mineiro: 48.400 m²; alqueire paulista: 24.200 m².
Unidades de área inglesas – Polegada quadrada: 6,4516 cm² ou 0,00064516 m²; pé quadrado: 929,03 cm² ou 0,092903 m².

VOLUME
Metro cúbico (m³), unidade SI: cubo com arestas iguais a um metro.
Unidade de volume tradicional – Litro (l): 0,001 m³.
Unidades de volume inglesas – Galão inglês: 4,546 l ou 0,004546 m³; galão norte-americano: 3,785 l ou 0,003785 m³.

ÂNGULO PLANO
Radiano (rad ou rd), unidade SI: ângulo plano entre dois raios de um círculo que forma um arco de circunferência com o comprimento
igual ao do raio.
Unidades de ângulo plano tradicionais – Grau (o): /180 rad; minuto ('): /10. 800; segundo ("): /648. 000 rad; número : 3,1416

ÂNGULO SÓLIDO
Esterradiano (sr), unidade SI: ângulo sólido que, tendo o vértice no centro de uma esfera, leva a um corte em sua superfície com área
igual a de um quadrado com lados iguais ao raio da esfera.

MASSA
Quilograma (kg), unidade SI: massa do protótipo internacional do quilograma, um padrão construído com uma liga de platina e irídio.
Unidades de massa tradicionais – Quilate: 0,2 g ou 0,002 kg; tonelada métrica (t): 1.000 kg.
Unidades de massa inglesas – Libra ou pound (lb): 453,59 g ou 0,453 kg; tonelada inglesa:
1.016 kg; tonelada norte-americana: 907 kg; onça (oz): 28,35 g ou 0,028 kg; onça troy: 31,10 g ou 0,031 kg.

TEMPO
Segundo (s), unidade SI: tempo correspondente a 9.192. 631.770 ciclos de radiações emitidas
entre dois níveis de energia do átomo de césio 133.
Unidades de tempo tradicionais – Minuto (min): 60s; hora (h): 60min ou 3.600s; dia (d): 24h ou 1.440min ou 86. 400s; ano sideral:
365d 6h 9min 9,5s; ano trópico: 365d 5h 48min 45,8s.

VELOCIDADE
Metro por segundo (m/s), unidade SI: distância percorrida em um segundo.
Unidades de velocidade tradicionais – Quilômetro por hora (km/h): 1/3,6 m/s ou 0,27777 m/s.
Unidades de velocidade inglesas – Milha por hora (mi/h): 1,609 km/h ou 0,4469 m/s; nó (milha náutica por hora): 1,852 km/h ou
0,5144 m/s.
Velocidade da luz – 299. 792. 458 m/s.

VELOCIDADE ANGULAR
Radiano por segundo (rad/s), unidade SI: velocidade de rotação de um corpo.
Unidade de velocidade angular tradicional – Rotação por minuto (rpm): p/30 rad/s

ACELERAÇÃO
Metro por segundo ao quadrado (m/s²), unidade SI: constante de variação de velocidade.

ACELERAÇÃO ANGULAR
Radiano por segundo ao quadrado (rad/s²), unidade SI: constante de variação de velocidade angular.

FREQÜÊNCIA
Hertz (Hz), unidade SI: número de ciclos completos por segundo (Hz s-¹)

FORÇA
Newton (N), unidade SI: força que imprime uma aceleração de 1 m/s² a uma massa de 1 kg (kgm/s²), na direção da força.
Unidade de força tradicional – Quilograma-força (kgf): 9,8N.

ENERGIA
Joule (J), unidade SI: energia necessária para uma força de 1N produzir um deslocamento de 1m (J N/m).
Unidades de energia tradicionais – Watt-hora (Wh): 3. 600 J; quilowatt-hora (kWh): 3.600.000
J ou 3.600 kJ, eletrovolt (eV): 1,6021 × 10 J; caloria (cal): 4,1 J; quilocaloria (kcal): 4. 184 J.

POTÊNCIA
Watt (W), unidade SI: potência necessária para exercer uma energia de 1 J durante um segundo (W J/s). O fluxo de energia (elétrica,
sonora, térmica ou luminosa) também é medido em watt.
Unidade de potência tradicional – Horse-power (HP) ou cavalo-vapor (cv): 735,5 W.

INTENSIDADE ENERGÉTICA
Watt por esterradiano (W/sr), unidade SI: intensidade do fluxo de energia no interior de um ângulo sólido igual a 1sr.

PRESSÃO
Pascal (Pa), unidade SI: força constante de 1N sobre uma superfície plana de 1m² (Pa N/m²).
Unidades de pressão tradicionais – Milímetro de mercúrio (mmHg): 133,32 Pa; atmosfera (atm): 101. 325 Pa.

CORRENTE ELÉTRICA
Ampère (A), unidade SI: corrente elétrica constante capaz de produzir uma força igual a 2 × 10 N entre dois condutores de
comprimento infinito e seção transversal desprezível, situados no vácuo e com 1 m de distância entre si.

CARGA ELÉTRICA
Coulomb (C), unidade SI: quantidade de eletricidade com intensidade constante de 1A que atravessa a seção de um condutor durante
1s (C sA).
Unidade de carga elétrica tradicional Ampère-hora (Ah): 3.600 C.

DIFERENÇA DE POTENCIAL
Volt (V), unidade SI: tensão elétrica existente entre duas seções transversais de um condutor percorrido por uma corrente constante de
1A, quando a freqüência dissipada entre as duas seções é igual a 1W (V W/A).

RESISTÊNCIA ELÉTRICA
Ohm ( ), unidade SI: resistência de um elemento de um circuito que, submetido a uma diferença de potencial de 1V entre seus
terminais, faz circular uma corrente constante de 1A ( V/A).

CAPACITÂNCIA ELÉTRICA
Farad (F), unidade SI: capacitância de um elemento de um circuito que, ao ser carregado com uma quantidade de eletricidade
constante igual a 1C, apresenta uma tensão constante igual a 1V
(F C/V).

INDUTÂNCIA ELÉTRICA
Henry (H), unidade SI: indutância de um elemento passivo de um circuito em cujos terminais se induz uma tensão constante de 1V
quando percorrido por uma corrente que varia na razão de 1A por segundo (H Vs/A ou Ws).

TEMPERATURA
Kelvin (K), unidade SI: fração de 1/273,16 da temperatura termodinâmica do ponto tríplice da água, que corresponde às condições de
temperatura e pressão em que a água em estado líquido, o vapor de água e o gelo estão em perfeito equilíbrio. O ponto zero da escala
(0°K) é igual ao zero absoluto (-273,15°C).
Unidades de temperatura tradicionais – Escala Celsius (°C): 0°C 273°K e 1°C 274°K; Escala Fahrenheit (F): 0°F 255,33°K ou
-17,77°C, 1°F 255,78°K ou -17,22°C.

QUANTIDADE DE MATÉRIA
Mol (símbolo mol), unidade SI: quantidade de matéria de um sistema que reúne tantas entidades elementares (partículas que devem
ser especificadas) quanto o número de átomos contidos em 0,012 kg de carbono.

INTENSIDADE LUMINOSA
Candela (cd), unidade SI: intensidade luminosa emitida em uma determinada direção por uma fonte de radiação monocromática com
freqüência igual a 540 × 10¹² Hz e com uma intensidade energética de 1/683 watt por esterradiano.

FLUXO LUMINOSO
Lúmem (lm), unidade SI: fluxo luminoso com intensidade de 1cd emitido no interior de um ângulo sólido igual a 1sr (lm cd/sr).

ILUMINAMENTO
Lux (lx), unidade SI: iluminamento de uma superfície plana de 1 m² que recebe um fluxo luminoso perpendicular de 1lm (lx lm/m²).

INFORMÁTICA
Bit: menor unidade de armazenamento de informações em computadores e sistemas informatizados. Byte: é a unidade básica de
memória de computadores, igual a 8 bits contíguos.
Kilobit (kbit): 1.024 bits de informação. Kilobyte (kbyte): 1.024 bytes. Megabytes: 1.048.576 bytes.