Você está na página 1de 16

Coligação:

Rosário Quer
Mudança!
Partidos:
Plano de Governo Municipal
(2021-2024) PDT – 12
Republicanos - 10
Prefeito:
Antonio César Correia Diniz de
Resende
Vice-prefeito:
Magno Viana Monteiro Santos

1. INTRODUÇÃO

1
1. INTRODUÇÃO
Estabelecer diretrizes e estratégias para execução do Plano de Governo
do Município de Rosário do Catete, que contemple as soluções para os problemas
da população de forma democrática, garantindo o desenvolvimento social e
econômico.
Este Plano apresenta as principais propostas do pré candidato à
prefeito Antônio César Correia Diniz de Resende da Coligação ROSÁRIO QUER A
MUDANÇA, compostas pelos partidos PDT-12 e Republicanos-10, para a
administração municipal no período 2021-2024. O conteúdo programático das
propostas foi desenvolvido a partir da experiência adquirida ao longo de sua
trajetória de vida, como político, empresário, homem, cidadão e pai.
O presente Plano de Governo apresentado traduz o anseio de uma
gestão realmente comprometida com a população de Rosário do Catete.
Vem daí o slogan “MUDANDO ROSARIO COM VOCÊ!”. Trata-se de
uma proposta de política pública na qual se vislumbra um amplo desenvolvimento
social. Neste sentido, contempla em todos os setores idéias inovadoras que tem
como eixo central a articulação interinstitucional, conforme organograma anexado a
este documento, e a busca de parcerias com instituições públicas e privadas que
atuam no âmbito municipal tanto na esfera pública como na privada, de forma que
estas instituições passem a exercitar a máxima da responsabilidade social.
Trata-se de uma proposta de política pública na qual se vislumbra um
amplo desenvolvimento social. Neste sentido, contempla em todos os setores idéias
inovadoras que tem como eixo central a articulação interinstitucional, conforme
organograma anexado a este documento, e a busca de parcerias com instituições
públicas e privadas que atuam no âmbito municipal tanto na esfera pública como na
privada, de forma que estas instituições passem a exercitar a máxima da
responsabilidade social.
Neste período, será implementado um novo modelo de gestão na
administração municipal, propondo e executando projetos estruturantes em serviços
críticos para a população, com resultados altamente positivos nas diversas áreas de
atuação do Governo. No momento atual se observa que um dos maiores anseios da
comunidade está voltado para o setor da saúde no que diz respeito ao âmbito
estrutural hospitalar, como também a preocupação o surgimento de diversas
epidemias que tem atingido boa parte da população nos últimos tempos.

2
Dessa forma, pretendem-se ampliar os serviços já existentes no
município e implantar outros, que juntos garantam à comunidade uma assistência
digna e contínua, através das estratégias constantes do corpo deste Plano.
Entretanto, há que se considerar que hoje Rosário do Catete não
assiste à expansão de cursos técnicos profissionalizantes nas mais diversas áreas
de formação acadêmica, realidade que não demanda a adoção de estratégias
capazes de garantir aos alunos o acesso a postos de trabalho.
Nessa perspectiva, as estratégias voltadas à geração de emprego para
os jovens, a exemplo do estímulo à implantação de empreendimentos industriais no
município, também passa a ser uma prioridade, bem como implantação de
programas de capacitação e formação empreendedora como intuito de criar um
ambiente de empregabilidade e oportunidades.
Sendo a vocação do município de Rosário do Catete
predominantemente agrícola não se concebe pensar o desenvolvimento local sem
fortalecer a agricultura, com base no desenvolvimento rural sustentável, nem pensar
na geração de empregos sem que haja o aproveitamento desse potencial agrícola.
Outra ação de grande impacto da futura administração também com
base na formação de parcerias será a construção de moradias populares através do
sistema de mutirão. Vislumbra-se, nessa direção, uma articulação entre
administração municipal, que participa com a doação de terrenos, agências
financiadoras, que facilitam a aquisição de materiais, e a comunidade, que através
da sua força de trabalho estará atuando em seu próprio benefício.
Além de ações mencionadas, pretende-se estimular as empresas
locais a assumirem uma postura proativa em relação à conservação dos
equipamentos municipais, a exemplo das praças e quadras de esportes, e ao apoio
a ações de cunho cultural e desportivo, como os clubes de futebol, por exemplo.
As parcerias locais se buscará incansavelmente o apoio de órgãos da
administração pública nas duas esferas (federal e estadual) por meio de projetos
voltados ao desenvolvimento local nas áreas prioritárias (emprego e renda,
infraestrutura, saúde, educação, lazer, segurança, habitação) da nossa gestão e que
se encontram elencadas ao longo deste documento.

3
Durante todo o mandato a realização dos objetivos almejados estará
atrelada a valores como trabalho, transparência, responsabilidade, realismo,
consistência, criatividade e, acima de tudo planejamento. Esses são os princípios
que deverão caracterizar uma administração forte e verdadeiramente comprometida
com os anseios da população, marca da nossa trajetória política.
Destaque-se ainda que todas as ações propostas estarão em
consonância com a legislação (federal, estadual e municipal vigentes) e obedecerão
ao princípio da sustentabilidade econômica e socioambiental.
Cabe ressaltar que as propostas apresentadas não se configura uma
idéia acabada ou imposta, mas apenas um esboço das principais ações a serem
empreendidas, estando aberto a outras contribuições que possam vir a surgir ao
longo da campanha eleitoral e no decorrer da gestão quando a administração se
abrirá à participação da comunidade.
2. PROPOSTA DE GOVERNO
2.1 GESTÃO ADMINISTRATIVA
Nosso plano de governo tem como precursor a participação popular e o
controle social na administração pública. O Município é o ente ideal para a
perfectibilizarão da participação e do controle do cidadão no processo político-
administrativo.
O municipalismo cresceu e se valorizou pela ação dos municipalistas.
Assim, coligação “ROSÁRIO QUER A MUDANÇA” propõe:

I- Estimular e apoiar as associações de moradores, os clubes de


mães, os clubes da melhor idade, os grêmios estudantis, os sindicatos de
trabalhadores urbanos e rurais, os clubes de serviços, enfim, todas as organizações
populares, para participarem nas atividades de interesse público;

II- Modernizar a gestão administrativa;

III- Investir em capacitação profissional, qualificar e treinar os


servidores municipais;

IV- Implantar os reajustes salariais na forma da Lei, com a


constituição da mesa permanente de negociação com os servidores e ou seus
representantes;

V- Cumprir o piso salarial dos profissionais do magistério público;

4
VI- Implementar o Plano de Cargos, Carreira e Salário do servidor
da Prefeitura, respeitando os limites observados na Lei de Responsabilidade Fiscal
(LRF);

VII- Garantir o pagamento de salários dos servidores, inclusive do


13º salário e das férias anual e a criação do calendário de pagamento de salários
dos servidores;

VIII- Viabilizar a realização de convênios junto ao Governo Federal e


Governo Estadual;

IX- Adotar uma administração participativa, transparente e integrada


com o Poder Legislativo, comunidade, agentes comunitários, Secretarias Municipais,
onde serão discutidas as prioridades a serem implementadas no município;

X- Transparência com os gastos e combate ao desperdício do


dinheiro público, revertendo essa economia em benefício para a população;

XI- Implantar a Ouvidoria Pública Municipal (Fala Cidadão);

XII- Regularização fundiária de lotes urbanos e rurais;


2.2 POLÍTICA SOCIAL
A melhoria das condições de Assistência Social em nosso município é
proposta fundamental do nosso plano de governo. Será efetivada mediante uma
ação governamental de planejamento do governo municipal, em consonância com
os planos, programas e plano do Governo Federal e Estadual, que estabeleça
definitivamente uma política pública séria, com ações compartilhadas, que
represente um grande salto na qualidade de vida da população de rosarense.
Para nossa Coligação, o investimento mais produtivo é aquele feito nas
pessoas, nos cidadãos. Esta é uma missão reservada quase que exclusivamente
para o setor público. A lógica do setor privado é o do maior lucro, do maior
rendimento, enquanto que, natural e contrariamente, a do setor público deve ser a
do maior desenvolvimento das pessoas e da cidadania. Para alcançar tais objetivos
nos propomos:

I- Estruturar os espaços de atividades coletivas e os imóveis


pertencentes a Secretaria de Assistência Social.
II- Apoiar o CRAS, CREAS e demais serviços socioassistenciais.

5
III- Apoiar os Serviços de Convivência e Fortalecimento de Veículos
– SCFV.
IV- Apoiar o Programa de Promoção do Acesso ao Mundo do
Trabalho (Acessuas Trabalho).
V- Ampliar e aperfeiçoar os programas de transferências de renda:
PIS. BOA MESA, PROADIN;
VI- Fixar calendário de pagamento dos programas de transferências
de renda;
VII- Reativar o Centro de Apoio à Pessoa com Deficiência – CASPD.
VIII- Ampliar os serviços ofertados pela Casa da Cidadania, inclusive,
incluir a assistência jurídica gratuita.
IX- Construir a sede própria do Conselho Tutelar.
X- Apoiar o controle social.
XI- Apoiar os Conselhos Municipais ativos, reativar os inativos e
instituir a Casa dos Conselhos.
XII- Criar a Coordenadoria de Políticas para mulheres como
mecanismo de defesa e meio de promoção ao empoderamento feminino.
2.3 EDUCAÇÃO
A universalização da educação será o grande desafio, entendo que só
haverá êxito valorizando os profissionais que exercem suas funções com
abnegação. A educação tem importância vital para as pessoas, para a economia e
para a democracia. Nela está a chave para o desenvolvimento econômico, o
instrumento para a redução das desigualdades e a consolidação da democracia.
A boa escola pública possibilita a igualdade de oportunidades para
todos e é central para redução da pobreza e das desigualdades sociais e regionais.
A escola deve ser um centro irradiador de socialização, de inserção
social, de intercâmbio de experiências, de difusão do saber e do conhecimento.
Precisa qualificar nossas crianças, jovens e adultos para viverem bem na sociedade
contemporânea caracterizada pelo conhecimento e informação. Sem educação não
há futuro e não podemos brincar com esse assunto.
Mas não é suficiente promover o acesso à escola. É preciso melhorar a
qualidade do ensino.

6
E a melhoria da qualidade do ensino começa por maiores
investimentos na capacitação e motivação do professor.
Aos alunos, é necessário assegurar que, em cada nível, eles estejam
aprendendo e se capacitando para enfrentar o presente e o futuro. Isso pressupõe
maior permanência do aluno na escola.
Sem descuidar do sistema como um todo, também vamos investir
muito no ensino técnico
É neste contexto, que enfatizamos a importância de melhorar a
qualidade de ensino da Rede Municipal, priorizando ações que serão desenvolvidas
como forma de reestruturação do setor educacional para que assim possamos
combater a evasão escolar e garantir a permanência dos alunos nas escolas do
município.

I- Atualização do plano de carreira do magistério;

II- Garantir a educação em tempo integral envolvendo conteúdo


curricular básico e outras atividades: reforço escolar, ensino profissionalizante,
práticas esportivas e atividades culturais;

III- Assegurar merenda de qualidade para todos os alunos da rede


municipal de ensino;

IV- Implementar e monitorar o Plano Municipal de Educação;

V- Implantar um programa de doação de fardamentos escolares


que atenda todos os alunos carentes da rede municipal de ensino;

VI- Garantir o deslocamento de forma digna e eficiente aos


estudantes que se residem nos povoados e nas fazendas;

VII- Realizar cursos de formação continuada para os profissionais da


educação;

VIII- Implantar laboratórios de informáticas nas escolas;

IX- Implantar a Ouvidoria Educacional;

X- Incentivar através de programas e parcerias a praticidade


esportes nas escolas, valorizando os espaços existentes e reformando quadras
poliesportivas nos espaços escolares;

7
XI- Fortalecer o atendimento da modalidade de Educação de Jovens
e Adultos como política a fim de atender a necessidade em conformidade com a
faixa etária;

XII- Climatizar todas as salas de aulas em todas as unidades de


ensino.
2.4 SAÚDE
Nossa política para a saúde prevê o acesso universal, igualitário e
gratuito a todos os cidadãos. A ênfase na prevenção é crucial para qualidade de vida
da população além de apresentar menor relação custo benefício. Assim, devemos
promover a saúde e prevenir as doenças, adotando metas de indicadores de
longevidade e diminuição de doenças sem deixar de promover o atendimento
hospitalar quando necessário. A criação de redes de saúde da família aproxima o
atendimento do trabalho e do domicílio, onde as pessoas vivem e trabalham. A
manutenção de um sistema informatizado e acessível possibilita o monitoramento
dos atendimentos, controle de doenças e entrega de medicamentos, além de facilitar
o tratamento de problemas epidemiológicos. A política de gratificações aos
funcionários quando da concretização das metas, reforça os planos de carreiras.
Com este objetivo nosso programa de governo deverá:

I- Atender à demanda gerada no município, dentro do princípio da


universalidade, com atenção integral à saúde, de forma humanizada e com
equidade;

II- Garantir a melhoria e a humanização do atendimento na rede de


saúde pública, assegurando uma postura de atenção e cuidado que responda
efetivamente à expectativa da população;
III- Ampliar as ações de saúde referentes aos programas
preconizados pelo Ministério da Saúde (Academia de Saúde, Núcleo de Apoio à
Saúde da Família - NASF, Rede Cegonha, Saúde na Escola e Saúde do
Trabalhador);
IV- Capacitar os gestores e servidores do órgão central e das
unidades de saúde, objetivando a melhoria da coordenação das ações, e a
prestação dos serviços de forma humanizada e com qualidade;
V- Ampliar e articular os programas de atenção integral à saúde da
criança e do adolescente, da mulher, do homem, do idoso, do trabalhador, das
pessoas com deficiência, DST/AIDS e de saúde mental;

8
VI- Aprimorar o fornecimento gratuito de medicamentos à população
na rede de saúde ou em domicílio;
VII- Implantar serviço de transporte e acompanhamento para
pacientes;
VIII- Criar uma unidade de extensão da equipe de saúde da família
para as comunidades do Boa Vista e Cruz de Evaristo;
IX- Melhorar a gestão para o atendimento de urgência e
emergência;
X- Reestruturar as unidades de ESF (Estratégia de Saúde da
Família);
XI- Implementar o Centro Municipal de Fisioterapia;
XII- Atender portadores de necessidades especiais, com consultas
médicas, exames, medicamentos e distribuição de instrumentos de locomoção,
como muletas, cadeiras de roda, próteses e outros meios possíveis para garantir
qualidade de vida para os portadores de alguma deficiência;
XIII- Investir em capacitação e qualificação dos profissionais de
saúde e buscar melhorias salariais;

XIV- Implantar ações conjuntas e permanentes para diminuição das


filas para atendimento médico e realização de exames;

XV- Agir na prevenção de epidemias e pandemias, mediante a


reestruturação da Vigilância Sanitária, a partir de constatação das necessidades
levantadas e realizar ações preditivas, preventivas e curativas

XVI- XX- Implantar adequadamente e de forma participativa o Plano


de Cargos, Carreira e Salários dos profissionais da saúde, respeitando os limites
observados na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).
2.5 JUVENTUDE, ESPORTE E LAZER
Desenvolveremos políticas públicas de investimento na cultura e lazer
enquanto componentes importantes para a inclusão social, contribuindo para a
elevação da autoestima do povo e fazendo com que todos valorizem mais a cidade.
A cultura no município será priorizada, com uma programação cultural intensa, nas
diversas manifestações artísticas presentes na nossa cidade, mas também
incentivando e apoiando os artistas locais que necessitam de qualificação e
ferramentas para desenvolverem seus talentos.

9
I- Reformar as quadras poliesportivas da sede do Município e do
Povoado Siririzinho;

II- Reformar dos Estádios Municipal;

III- Construir quadras e praças poliesportivas nos bairros do


Município e no Povoado Siririzinho;

IV- Criar o Conselho Municipal de Esportes para ser um instrumento


eficaz de comunicação com a sociedade para a ampla divulgação de seus atos e
ações.

V- Promover ações para prática esportivas entre alunos da rede


municipal de ensino;

VI- Criar o Programa “Esporte para Todos”, com a inclusão da


Terceira Idade e pessoas com deficiências;

VII- Financiar entidades e clubes através da Lei de Incentivos, com


obrigação de ações na formação dos atletas e/ou ação social através do esporte e
lazer;

VIII- Apoiar os atletas do município por intermédio do programa


Bolsa-Atleta.

IX- Estabelecer calendário anual de eventos esportivos;

X- Incentivar a prática educativa das artes marciais no município;

XI- Apoiar escolinhas de iniciação ao esporte dentro da rede de


ensino municipal e realização de parcerias com associações e entidades de apoio
ao esporte amador;

XII- Financiar campeonatos, torneios e eventos de diversas


modalidades esportivas.
2.6 CULTURA E TURISMO
A cultura é vista no mundo como uma questão estratégica das nações
e de seus povos em busca de desenvolvimento e melhoria das condições de vida e
da oferta de melhores oportunidades aos cidadãos.

10
A idéia de desenvolvimento e de justiça social, no mundo de hoje,
exige uma postura nova e arrojada em relação à cultura. Há que situá-la no plano
das preocupações maiores de qualquer governo, considerando, inclusive, o
crescimento da produção cultural no PIB e a forte geração de empregos do setor
cultural.
Cabe sim, incentivar os processos de formação cultural, legislar sobre
direitos e deveres das instituições públicas e privadas da cultura, criar mecanismos
de apoio à produção e fruição dos bens culturais, defender a cultura como atividade
econômica, defendê-la também como expressão da diversidade e da liberdade,
como fato simbólico e como cidadania.
É preciso ter clareza sobre os meios de ação, cada um deles exigindo
uma postura própria.
Precisa-se ter presente que a dinamização do setor gera empregos,
gera divisas, marca a presença nacional no planeta e possibilita a inclusão cultural.

I- Instituir o Sistema Municipal de Informação e Indicadores


Culturais – SMIIC, realizando o mapeamento de todas as expressões culturais,
material e imaterial do município de Rosário do Catete, mantendo o mesmo em
consonância com os Sistemas Estadual e Nacional de Informações e Indicadores
Culturais – SNIIC.

II- Instituir o Programa de Formação Cultural, realizando


periodicamente cursos, oficinas, fóruns, congressos e seminários, conferências de
qualificação de gestão cultural, linguagens artísticas, patrimônio cultural e demais
áreas da cultura, capacitando assim os agentes públicos e agentes culturais e
profissionais da cultura do município, conforme orienta o SNC.

III- Implantação do museu de história, arte e cultura do município,


revitalização da casa cultural PAÇO MUNICIPAL.

IV- Implementação do programa de financiamento à cultura através


da renúncia fiscal, conforme estabelece a lei.

V- Criar mecanismos de comercialização do artesanato local


através de distribuição, feiras e comercialização de produtos, bem como realizar
festival gastronõmico, focando as comidas típicas do municipio.

VI- Apoiar as bandas de músicas e movimentos culturais;

11
VII- Firmar parceria com o governo Estadual, Federal, instuições
públicas e privadas a fim de garantir a implantação de ações culturais
intergovenamentais no município.

VIII- Resgate dos festejos culturais, incluindo a implementação do


circuito turistico religioso;

IX- Apoiar as associações culturais e religiosas do Município;

X- Proporcionar a integração entre a Secretaria Municipal de


Cultura e demais secretarias do município, bem como com outras instituições
públicas e privadas nos âmbitos municipal, estadual e nacional instaladas no
município, voltada para a implementação de ações culturais.

XI- Implantação da Coordenadora de politicas LGBTQI+, combate à


homofobia e promoção à diversidade e cidadania;
2.7 SEGURANÇA
A responsabilidade da Segurança Pública é competência do Estado,
entretanto, o Município tem um papel decisivo na vida dos cidadãos e não pode abrir
mão de liderar, no município, uma cruzada contra a violência.
A emergência da questão da segurança pública, como das mais
candentes, exige uma postura proativa dos dirigentes municipais. Não cabe mais a
desculpa de que responsabilidade é do Governo do Estado. Nossa Coligação
precisa adotar uma postura de integração de esforços e desenvolver políticas que a
partir das comunidades locais criem incentivos anticrime. Iremos mobilizar a
comunidade, visando a promoção da segurança comunitária. Assim, a coligação
ROSÁRIO QUER A MUDANÇA propõe:

I- Elaborar o Plano Municipal de Segurança Pública;

II- Criar centro de vídeo-monitoramento 24h com a instalação de


câmeras de segurança em pontos estratégicos de nossa cidade;

III- Reforçar o patrulhamento escolar em parceria com a Secretaria


de Educação;

IV- Implantar policiamento comunitário;

V- Quantificar os índices de criminalidade;

12
VI- Fomentar aquisição e manutenção de frota com veículos de boa
qualidade;

VII- Criar e melhorar a infraestrutura física, equipamentos e


mobiliários, tecnologias da instituição e dos postos de trabalho com ações coletivas
e individuais;

VIII- Efetivar parcerias e ação conjunta com Polícia Federal, Polícia


Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros;

IX- Implantar o Pelotão Maria da Penha;

X- Fortalecer e apoiar o Conselho Municipal de Segurança Pública;

XI- Aumentar, se possível, 30% do efetivo da Polícia Municipal a fim


de reforçar o monitoramento da Clínica da Família além de potencializar as rondas
nas instalações e patrimônios da administração municipal;

XII- Massificar palestras, fóruns, conferências e debates em parceria


com instituições de segurança, juntamente com as Secretarias de Educação, de
Assistência Social, de Saúde, de Meio Ambiente e de Esporte.
2.8 DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E GERAÇÃO DE
EMPREGOS
A implantação de políticas públicas para fomento e apoio aos
microempreendedores (as) individuais (MEI) e às micro e pequenas empresas será
uma prioridade da nossa gestão. Neste contexto, será implantado o programa
Rosário Empreendedor. Sua implantação ocorrerá em parceria com federações
empresariais e com o SEBRAE. Ele será executado para fortalecer a economia do
município, buscando uma maior capacitação e competitividade para que os MEI e as
micro e pequenas empresas tenham sustentabilidade social, econômica e ambiental.
O programa Rosário Empreendedor objetiva fomentar a formalização
de microempreendedores (as) individuais, orientar e apoiar o fortalecimento e o
desenvolvimento de MEI, micro e pequenas empresas dos mais diferentes ramos de
atividade.

13
Na visão da Coligação “ROSÁRIO QUER A MUDANÇA”, o
desenvolvimento que efetivamente conta é o Desenvolvimento Humano (IDH). No
entanto, o Desenvolvimento Econômico (PIB), quando a serviço do Desenvolvimento
Humano, deve ser estimulado pela nossa coligação com a maior intensidade. Nosso
papel, portanto, é de estimular o desenvolvimento econômico que mais possa
contribuir diretamente para o maior Desenvolvimento Humano, para o maior número
de pessoas possível, em cada um dos nossos municípios. Assim é que
preconizamos:

I- Implantar o Programa Rosário Empreendedor;

II- Apoiar o MEI, o micro e o pequeno empresário, priorizando a


aquisição de produtos e de serviços dentro do município;

III- Oferecer incentivos fiscais para municípios que mantenham uma


política de apoio a geração de emprego;

IV- Criar o ponto de apoio ao empreendedor e viabilizar o


microcrédito;

V- Qualificação da mão-de-obra através de cursos


profissionalizantes em parceria com instituições de ensino.

VI- Apoiar a criação de cooperativas de prestação de serviços, de


agricultura e indústria têxtil.

VII- Firmar parcerias com a iniciativa privada para garantir aos


jovens que ainda não entraram no mercado de trabalho, o acesso ao 1º emprego;

VIII- Implementar parceria com entidades do chamado “Sistema S”


para a formação profissional e promoção social;

IX- Implantar um aplicativo para a locomoção de agentes públicos


da administração para cumprir suas funções, por intermédio de mototaxista e
taxistas do município;

X- Ampliar substancialmente os programas de treinamento e


formação profissional do serviço público;

XI- Apoiar projetos de empreendedorismo pleiteados pelas famílias


da Agricultura Familiar;

XII- Fomentar a implantação de Associação Comercial.

14
2.9 DESENVOLVIMENTO URBANO, RURAL E DO MEIO
AMBIENTE
O desenvolvimento urbano, rural e do meio ambiente deve ser a
“menina dos olhos” do dirigente municipal, pois compreendem os serviços básicos
de água, esgoto, coleta e tratamento do lixo, drenagem pluvial, serviços de varrição,
obras, além da tarefa de manter em condições de circulação as vias públicas. Isto
implica em estabelecermos metas para o futuro do município. A coligação propõe
para este seguimento:

I- Concluir a Creche Municipal Maria Consuelo Leão Gomes e da


Escola Municipal José Antônio Santos;

II- Revitalização de calçadões e da avenida João Diniz de


Rezende;

III- Urbanizar e revitalizar da sede do município (drenagem de


águas servidas e pluviais, arborização, recuperação de praças, jardins e prédios
públicos).

IV- Ampliar o Cemitério Público Municipal;

V- Construir área de lazer no Povoado Tamandaré e no Povoado


Siririzinho;
VI- Implantar sistema de abastecimento de água no Povoado
Siririzinho;
VII- Construir unidades residenciais para as pessoas carentes,
visando reduzir o déficit habitacional, buscando diferentes linhas financiamento e
ações de parcerias;
VIII- Construir mercado municipal na sede do município com a
finalidade de modernizar a feira livre;
IX- Realizar um amplo programa de obras de drenagem de águas
servidas, possibilitando o acesso da população aos sistemas de tratamento de
esgoto em suas residências;
X- Implementar e fortalecer a infraestrutura básica onde vivem as
famílias mais carentes, com a conservação dos postos de saúde, escolas, creches,
praças e demais instrumentos públicos municipais;
XI- Implantar uma política eficiente de fiscalização do aterro
sanitário e o incentivo a cooperativa de reciclagem dos resíduos sólidos;

15
XII- Conscientizar da importância e implantar a coleta seletiva de lixo
no município.
2.10 AÇÕES NO POVOADO SIRIRIZINHO
Todas as ações propostas para a sede do Município, serão
implantadas no povoado Siririzinho, que ainda contarão com ações específicas para
uma melhor qualidade de vida, a exemplo de:
I- Ampliar da rede de distribuição de água e resolver
definitivamente o problema de abastecimento no Povoado;
II- Priorizar os empregos gerados no Povoado aos moradores de
Siririzinho;
III- Adquirir área urbana para a construção de unidades
habitacionais;
IV- Ampliar os serviços públicos no povoado nas áreas de saúde
(médicos diariamente no posto, distribuição garantida de medicamentos) e educação
(merenda escolar de qualidade, maior conforto na sala de aula, atividades artísticas
e culturais);
V- Implantar de todos os programas sociais implementados na sede
do município;
VI- Apoiar os movimentos culturais, esportivos e religiosos do
Povoado;
VII- Implementar a Banda de Música do Povoado;
VIII- Urbanizar e revitalizar a drenagem de águas servidas e pluviais,
a pavimentação asfáltica, a arborização, as praças e os prédios públicos do
Povoado Siririzinho;

“O segredo da mudança é não focar toda sua energia em lutar


com o passado, mas em construir o novo”
(Sócrates)

16