Você está na página 1de 124

1

Constituição Federal e
Legislação Extravagante
2

Índice
CONSTITUIÇÃO FEDERAL.............................................................................................................................................. 3
LEI 9507/97 – HABEAS DATA..................................................................................................................................... 98
LEI 4717/65 – AÇÃO POPULAR...............................................................................................................................100
LEI 13300/16 – MANDADO DE INJUNÇÃO........................................................................................................104
LEI 12016/09 – MANDADO DE SEGURANÇA....................................................................................................107
LEI 12562/11 – REPRESENTAÇÃO INTERVENTIVA...........................................................................................113
LEI 1579/52 – CPI......................................................................................................................................................... 114
LEI 9868/99 – ADI........................................................................................................................................................ 116
LEI 9882/99 – ADPF..................................................................................................................................................... 121
Lei 11417/06 - SV........................................................................................................................................................ 123
3

da Constituição e do Estado
CONSTITUIÇÃO FEDERAL Formais de Interpretação e aplicação da Constituição
Tabelas feitas com base nas aulas do professor Marcello Novelino aplicabilidade
e Livro do Pedro Lenza.
CONCEPÇÕES DE CONSTITUIÇÃO CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES
Lassalle Constituição material: possui apenas
Soma dos fatores reais de poder. conteúdo constitucional.
“Mera folha de papel” QUANTO AO
Sociológica Para Lassale, coexistem em um Estado duas Constituição formal: além de possuir
CONTEÚDO
Constituições: uma real, efetiva, matéria constitucional, possui outros
correspondente à soma dos fatores reais de assuntos. Não importa o seu conteú-
poder que regem este país; e outra, escrita, do, mas a forma por meio da qual foi
que consistiria apenas numa “folha de papel”. aprovada.
Schimtt Constituição escrita: é um documen-
Decisão política fundamental. to formal, solene.
Diferenciava Constituição de lei OBS: Todas as Constituições brasilei-
constitucional. QUANTO À FORMA ras foram escritas.
Política Constituição: decisão política fundamental.
Constituição não-escrita (costumei-
Lei constitucional: pode ou não representar
ra, consuetudinária ou histórica):
a Constituição, não dizendo respeito à
fruto dos costumes da sociedade.
decisão política fundamental.
A Constituição seria fruto da vontade do Constituição dogmática: fruto de
povo, titular do poder constituinte ; por isso um trabalho legislativo específico. Re-
mesmo é que essa teoria é considerada QUANTO AO MODO flete os dogmas de um momento es-
DECISIONISTA ou VOLUNTARISTA. DE ELABORAÇÃO pecífico da história.
Kelsen OBS: Todas as Constituições brasilei-
Norma hipotética fundamental. ras foram dogmáticas.
Sentido lógico-jurídico: fundamento Constituição histórica: fruto de uma
Jurídica transcendental de sua validade. Norma lenta evolução histórica.
hipotética fundamental.
Sentido jurídico-positivo: serve de Constituição promulgada (demo-
fundamento para as demais normas. A crática ou popular): feita pelos re-
Constituição é o pressuposto de validade presentantes do povo. Brasil: CF-
de todas as leis 1891, CF-1934, CF-1946 e CF-1988.

Michele Ainis Constituição outorgada (ou carta


Culturalista Fato cultural, tomando por base os direitos constitucional): impostas ao povo
fundamentais pertinentes à cultura pelo governante. Brasil: CF-1824
Peter Haberle (Dom Pedro I), CF-1937 (Getúlio Var-
QUANTO À ORIGEM
Aberta Pode ser interpretada por qualquer do povo, gas), CF-1967 (regime militar).
não só pelos juristas Constituição cesarista (plebiscitária
Pluralista Gustavo Zagrebelsky ou bonapartista): feita pelo gover-
Princípios universais nante e submetida a apreciação do
Konrad Hesse povo mediante referendo.
Resposta à concepção sociológica de Lassale. Constituição pactuada (contratual
A constituição escrita, por ter um elemento ou dualista): fruto do acordo entre
Força Normativa normativo, pode ordenar e conformar a duas forças políticas de um país.
Da Constituição realidade política e social, ou seja, é o Ex: Constituição Francesa de 1791.
resultado da realidade, mas também interage
com esta, modificando-a, estando aí situada Constituição sintética (breve, sumá-
a força normativa da Constituição. ria, sucinta, resumida, concisa): tra-
ta apenas dos temas principais. Ex:
Constituição dos EUA.
ELEMENTOS DAS CONSTITUIÇÕES QUANTO À EXTENSÃO
Constituição analítica (longa, volu-
Orgânico Estrutura do estado mosa, inchada, ampla, extensa,
Limitativos Direitos fundamentais – limitam atuação prolixa, desenvolvida, larga): entra
estatal em detalhes de certas instituições. Ex:
CF-1988.
Sócioideológico Equilíbrio entre ideias liberais e sociais ao
longo da CF. Constituição ortodoxa (ou monis-
ta): fixa uma única ideologia estatal.
De estabilização Asseguram solução de conflitos
Ex: Constituição chinesa, Constituição
institucionais e protegem a integridade
4

QUANTO À IDEOLOGIA da ex-URSS. na qual, há uma adequação entre o


texto e a realidade social, o seu texto
Constituição eclética (ou compro-
traduz os anseios de justiça dos cida-
missória): permite a combinação de
dãos, sendo condutor dos processos
ideologias diversas.
de poder.
Constituição garantia (negativa ou ATENÇÃO: Pedro Lenza afirma que a
abstencionista): limita-se a fixar os Constituição brasileira está caminhan-
direitos e garantias fundamentais. É do da Constituição nominal para a
uma carta declaratória de direitos. normativa. Contudo, a posição majo-
ritária é de que a constituição bra-
Constituição dirigente (ou progra-
QUANTO À FUNÇÃO sileira é normativa.
mática): além de prever os direitos e
J.J.CANOTILHO
garantias fundamentais, fixa metas Constituição heterônoma (ou hete-
estatais. Ex: art. 196, CF; art. 205, CF; roconstituição): feita em um país
art. 7º, CF; art. 4º, parágrafo único, CF. QUANTO À ORIGEM para vigorar em outro país.
DE SUA DECRETAÇÃO
Constituição unitária (codificada, Constituição autônoma (homo-
JORGE MIRANDA
reduzida ou orgânica): formada por constituição ou autoconstituição):
um único documento. feita em um país para nele vigorar. É
a regra geral.
Constituição variada (legal, inorgâ-
Ex: Constituição brasileira.
nica ou esparsa): formada por mais
de um documento. Constituição expansiva: além de
Art. 5º, § 3º, CF: Os tratados e conven- ampliar temas já tratados, trata de
QUANTO À
ções internacionais sobre direitos hu- novos temas.
SISTEMATIZAÇÃO
manos que forem aprovados, em Ex: CF-1988.
cada Casa do Congresso Nacional, em CLASSIFICAÇÃO DE
Constituição plástica: permite sua
2 turnos, por 3/5 dos votos dos res- RAUL MACHADO
ampliação por meio de leis infracons-
pectivos membros, serão equivalentes HORTA
titucionais (segundo a lei, nos termos
às emendas constitucionais.
da lei, etc.).
ATENÇÃO: A CF/88 nasce como uma
Ex: CF-1988.
Constituição unitária, mas vem pas-
sando por um processo de descodifi- Constituição-lei: a constituição é tra-
cação. tada como uma lei qualquer. Dá am-
pla liberdade ao legislador ordinário.
Constituição principiológica: possui
mais princípios do que regras. Constituição-fundamento (consti-
Paulo Bonavides entende que é o tuição total ou ubiquidade consti-
QUANTO AO SISTEMA caso da CF/1988. tucional): a constituição tenta disci-
plinar detalhes da vida social. Dá uma
Constituição preceitual: possui mais QUANTO À ATIVIDADE
pequena liberdade ao legislador ordi-
regras do que princípios. LEGISLATIVA
nário.
Constituição semântica: é a Consti-
Constituição-moldura (Canotilho:
tuição cujas normas foram elaboradas
Constituição-quadro): como a mol-
para a legitimação de práticas autori-
dura de um quadro, a constituição
tárias de poder; geralmente decorrem
fixa os limites de atuação do legisla-
QUANTO À ESSÊNCIA da usurpação do Poder Constituinte
dor ordinário.
(CRITÉRIO ONTOLÓGI- do povo. Ex: CF-1937, CF-1967.
CO) É a constituição cujo simbolismo é
Constituição nominal (ou nomina-
KARL maior que seus efeitos práticos.
lista): quando não há uma concor-
LOEWENSTEIN Para Marcelo Neves, a CF/88 é sim-
dância, absoluta, entre as normas
http://www.ambito-juri- bólica por ter um elevado número de
constitucionais e as exigências do
dico.com.br/site/in- normas programáticas e dispositivos
processo político, estas não se adap-
dex.php? de alto grau de abstração.
tando àquelas, isto é, se a dinâmica
n_link=revista_artigos_le Marcelo Neves afirma que a constitu-
do processo político não se adaptar
itura&artigo_id=7593 cionalização simbólica tem como ob-
às normas da Constituição, esta será
jetivos confirmar determinados va-
nominal. É Constituição sem valor ju-
CONSTITUIÇÃO lores sociais, desejando-se apenas
rídico cujas normas, na maior parte,
SIMBÓLICA uma vitória legislativa e fortalecer a
são ineficazes.
confiança do cidadão no governo ou
Constituição normativa: são aquelas, no Estado, por meio da legislação
que possuem valor jurídico, cujas nor- álibi, por meio da qual se esvaziam
mas dominam o processo político, lo- pressões políticas e apresentam o Es-
grando submetê-lo à observação e tado como sensível a expectativas dos
adaptação de seus termos; é aquela, cidadãos, porém sem efetividade. Por
5

fim, teria como terceiro objetivo adiar Constituição fixa (ou silenciosa): é
a solução de conflitos sociais, por aquela que nada prevê sobre sua
meio de compromissos dilatórios, mudança formal, sendo alterável so-
postergando-se a verdadeira decisão mente pelo próprio poder originário.
para o futuro.
Constituição super-rígida: é a Cons-
Constituição liberal: possui apenas tituição rígida que possui um núcleo
direitos individuais ou de 1 a dimensão imutável.
(ex: vida, liberdade, propriedade). O
Idealizada pelo jurista italiano Gusta-
Estado tem o dever principal de não
CONSTITUIÇÃO vo Zagrebelsky (constituzione mite).
QUANTO AO fazer.
DÚCTIL É aquela que não define ou impõe
CONTEÚDO Ex: CF-1824, CF-1891.
(CONSTITUIÇÃO uma forma de vida, mas assegura
IDEOLÓGICO
Constituição social: além de direitos SUAVE) condições possíveis para o exercí-
ANDRÉ RAMOS
individuais, prevê direitos sociais ou cio dos mais variados projetos de
TAVARES
de 2a dimensão (ex: saúde, educação, vida. Reflete o pluralismo ideológico,
moradia, alimentação). O Estado tem moral, político e econômico existente
o dever principal de fazer. na sociedade.
Ex: CF-1934, CF-1946, CF-1967, CF-
CONSTITUIÇÃO Rechaça a ideia de existência de um
1988.
UNITEXTUAL OU bloco de constitucionalidade, visto
Constituição provisória (ou pré- ORGÂNICA que a Constituição seria disposta em
constituição): possui duração reduzi- uma estrutura documental única.
da, até que seja elaborada a constitui-
Constituição subconstitucional admi-
SEGUNDO ção definitiva.
te a constitucionalização de temas
JORGE MIRANDA
Constituição definitiva: possui prazo excessivos e o alçamento de deta-
indeterminado de duração. lhes e interesses momentâneos ao
Ex: CF-1988. patamar constitucional.
Para Uadi Lammêgo Bulos, citando
CONSTITUIÇÃO Periodicamente elabora-se uma cons-
CONSTITUIÇÃO Hild Krüger, as constituições só de-
BALANÇO OU tituição, fazendo uma análise do
SUBCONSTITUCIONAL vem trazer aquilo que interessa à
REGISTRO avanço social ocorrido nos anos ante-
sociedade como um todo, sem de-
riores.
talhamentos inúteis. Esse excesso
CONSTITUIÇÃO EM Não prevê regras e limites para o de temas forma as constituições
BRANCO exercício do poder constituinte deri- substitucionais, que são normas que,
vado reformador. mesmo elevadas formalmente ao
patamar constitucional, não o são,
Constituição imutável (permanen-
porque encontram-se limitadas nos
te, granítica ou intocável): não pode
seus objetivos.
ser alterada, pretendendo-se eterna e
fundando-se na crença de que não É um "instrumento de governo defi-
haveria órgão competente para pro- nidor de competências, regulador
ceder à sua reforma. Pode estar rela- CONSTITUIÇÃO de processos e estabelecedor de li-
cionada a fundamentos religiosos. PROCESSUAL, mites à acção política" (Canotilho).
QUANTO À RIGIDEZ Ex: a CF-1824 foi imutável nos primei- INSTRUMENTAL OU Seu objetivo é definir competên-
OU ESTABILIDADE ros 4 anos (limitação temporal). FORMAL cias, para limitar a ação dos Pode-
res Públicos, além de representar
Constituição rígida: possui um pro-
apenas um instrumento pelo qual se
cesso de alteração mais rigoroso que
eliminam conflitos sociais.
o destinado às outras leis.
Ex: CF-1988. CONSTITUIÇÃO CHA- O intuito principal da Constituição é
PA BRANCA tutelar interesses e até mesmo pri-
Constituição flexível: possui o mes-
vilégios tradicionalmente reconhe-
mo processo de alteração que o des-
http://bibliotecadigi- cidos aos integrantes e dirigentes
tinado às outras leis. Os países de
tal.fgv.br/dspace/bits- do setor público.
constituição flexível não possuem o
tream/handle/ A Constituição é fundamentalmente
controle de constitucionalidade.
10438/10959/Resilien- um conjunto normativo “destinado
Constituição transitoriamente flexí- cia_constitucional.pdf? a assegurar posições de poder a
vel: é a Constituição flexível por al- sequence=3&isAllowed corporações e organismos estatais
gum período, findo o qual se torna =y ou paraestatais. É a visão da Consti-
uma Constituição rígida. tuição “chapa-branca”, no sentido de
uma “Lei Maior da organização admi-
Constituição semirrígida (ou semi-
nistrativa”. Apesar da retórica relacio-
flexível): parte dela é rígida e parte é
nada aos direitos fundamentais e das
flexível.
normas liberais e sociais, o núcleo
6

duro do texto preserva interesses constitucional mediante aplicação de


corporativos do setor público e es- métodos “abertos” de interpretação.
tabelece formas de distribuição e
de apropriação dos recursos públi-
MÉTODOS DE INTERPRETAÇÃO CONSTITUCIONAL
cos entre vários grupos.
Leitura socialmente pessimista da Jurídico/ Ernerst Fosthoff
Constituição que insiste na continui- Hermenêutico Identidade entre Constituição e Leis.
dade da visão estatalista-patrimoni- Clássico Utiliza critérios de Savigny
alista da Constituição e na centrali-
Tópico Theodor Viehweg
dade do Poder Executivo em detri-
problemático Problema-norma.
mento tanto da promessa demo-
Estudo da norma através de um problema
crática como da tutela judicial dos
direitos individuais. Hesse
Hermenêutico Norma-problema.
CONSTITUIÇÃO Onipresença das normas e valores
Concretizador Parte-se de pré-compreensões para se
UBÍQUA constitucionais no ordenamento ju-
chegar ao sentido da norma.
rídico.
Interpretação concretizadora.
http://bibliotecadigi- Parte-se da constatação de que os
Constituição tem força para compreender e
tal.fgv.br/dspace/bits- conflitos forenses e a doutrina jurídica
alterar a realidade.
tream/handle/ foram impregnados pelo direito cons-
10438/10959/Resilien- titucional. A referência a normas e va- Frederic Muller
cia_constitucional.pdf? lores constitucionais é um elemento Normativo Parte-se do direito positivo para se chegar à
sequence=3&isAllowed onipresente no direito brasileiro pós- Estruturante norma.
=y 1988. Essa “panconstitucionalização” Colhe elementos da realidade social para
deve-se ao caráter detalhista da se chegar à norma
Constituição, que incorporou uma in-
Ruldof Smend
finidade de valores substanciais, prin-
Não utiliza-se apenas valores consagrados na
cípios abstratos e normas concretas
Científico Constituição, mas também valores extra-
em seu programa normativo.
Espiritual constitucionais, como a realidade social e
CONSTITUIÇÃO Objetiva preponderantemente ga- cultura do povo.
LIBERAL-PATRIMONI- rantir os direitos individuais, preser- Interpretação sistêmica.
ALISTA vando fortes garantias ao direito de
Concretista da Peter Haberle
propriedade e procurando limitar a
Constituição Interpretação por todo o povo, não apenas
http://bibliotecadigi- intervenção estatal na economia.
Aberta pelos juristas
tal.fgv.br/dspace/bits-
tream/handle/ Comparação Peter Haberle
10438/10959/Resilien- Comparar com as diversas Constituições.
cia_constitucional.pdf?
sequence=3&isAllowed PRINCÍPIOS DA INTERPRETAÇÃO CONSTITUCIONAL
=y
Toda interpretação constitucional se
CONSTITUIÇÃO Leitura da Constituição de 1988 com assenta no pressuposto da
PRINCIPIOLÓGICA E base nas seguintes características: superioridade jurídica da Constituição
JUDICIALISTA 1) importância crucial dos direitos sobre os demais atos normativos no
http://bibliotecadigi- fundamentais, incluindo os sociais, âmbito do Estado. Assim, em razão da
tal.fgv.br/dspace/bits- sendo a Constituição de 1988 um tex- Princípio da supremacia constitucional, nenhum
tream/handle/ to denso exigente, limitando a liber- Supremacia da ato jurídico ou manifestação de
10438/10959/Resilien- dade do legislador e impondo sua Constituição vontade pode subsistir validamente se
cia_constitucional.pdf? implementação; for incompatível com a Lei
sequence=3&isAllowed 2) centralidade dos princípios cons- Fundamental.
=y titucionais que se multiplicam e ad- Em razão da superlegalidade formal
quirem relevância prática e aplicabili- (Constituição como fonte primária da
dade imediata, desde que sejam ado- produção normativa, identificando
tados métodos de interpretação aber- competências e procedimentos para a
tos, evolutivos e desvinculados da elaboração dos atos normativos
textualidade das regras, em particular inferiores) e material da Constituição
a ponderação de princípios e/ou va- (subordina o conteúdo de toda a
lores; atividade normativa estatal à
3) importância do Poder Judiciário conformidade com os princípios e
que se torna protagonista da Cons- regras da Constituição), surge o controle
tituição de 1988, em razão da ampli- de constitucionalidade (judicial review),
ação e da intensificação do controle que nada mais é do que uma técnica de
de constitucionalidade e da incum- atuação da supremacia da Constituição.
bência de implementar o projeto
7

a) Não sendo evidente a Princípio da Tal princípio exige a tomada de decisões


inconstitucionalidade, havendo dúvida proporcionalidade racionais, não abusivas, e que respeitem
ou a possibilidade de razoavelmente ou razoabilidade os núcleos essenciais de todos os
se considerar a norma como válida, direitos fundamentais. Como parâmetro,
Princípio da deve o órgão competente abster-se da é possível destacar a necessidade de
presunção de declaração de inconstitucionalidade. preenchimento de 3 importantes
constitucionalidade b) Havendo alguma interpretação elementos:
das leis e dos atos possível que permita afirmar-se a a) Necessidade/exigibilidade: a
do Poder Público compatibilidade da norma com a adoção da medida que possa restringir
Constituição, em meio a outras que direitos só se legitima se indispensável
carreavam para ela um juízo de para o caso concreto e não se puder
invalidade, deve o intérprete optar substituí-la por outra menos gravosa.
pela interpretação legitimadora, b)Adequação/pertinência/idoneidade:
mantendo o preceito em vigor. o meio escolhido deve atingir o objetivo
O princípio da presunção de perquirido.
constitucionalidade das leis e dos atos c) Proporcionalidade em sentido
do Poder Público (presunção juris estrito: sendo a medida necessária e
tantum) é uma decorrência do princípio adequada, deve-se investigar se o ato
geral da separação dos Poderes e praticado, em termos de realização do
funciona como fator de autolimitação da objetivo pretendido, supera a restrição a
atividade do Judiciário que, em outros valores constitucionalizados.
reverência à atuação dos demais Podemos falar em máxima efetividade e
Poderes, somente deve invalidar os atos mínima restrição.
diante de casos de inconstitucionalidade
Também chamado de princípio da
flagrante e incontestável.
Princípio da máxima eficiência ou da interpretação efetiva.
Diante de normas plurissignificativas ou efetividade Deve ser entendido no sentido de a
Princípio da polissêmicas (que possuem mais de uma norma constitucional ter a mais ampla
interpretação interpretação), deve-se preferir a efetividade social.
conforme a exegese que mais se aproxime da
Os aplicadores da Constituição, entre as
Constituição Constituição (ainda que não seja a que
interpretações possíveis, devem adotar
mais obviamente decorra de seu texto)
aquela que garanta maior eficácia,
e, portanto, que não seja contrária ao
Princípio da força aplicabilidade e permanência das
texto constitucional.
normativa normas constitucionais, conferindo-
A Constituição deve ser sempre lhes sentido prático e concretizador, em
interpretada em sua globalidade, como clara relação com o princípio da máxima
Princípio da unidade um todo, e, assim, as aparentes efetividade ou eficiência.
da Constituição antinomias deverão ser afastadas.
O STF, ao concretizar a norma
As normas deverão ser vistas como
constitucional, será responsável por
preceitos integrados (interpretação
estabelecer a força normativa da
sistêmica) em um sistema unitário de
Princípio da justeza Constituição, não podendo alterar a
regras e princípios.
ou da conformidade repartição de funções
Na resolução dos problemas jurídico- (exatidão ou constitucionalmente estabelecidas
constitucionais deve dar-se primazia aos correção) funcional pelo constituinte originário, como é o
Princípio do efeito critérios ou pontos de vista que caso da separação de poderes, no
integrador ou da favoreçam a integração política e sentido de preservação do Estado de
eficácia integradora social e o reforço da unidade política, Direito.
ou seja, as normas constitucionais O seu intérprete final não pode chegar
devem ser interpretadas com o objetivo a um resultado que subverta ou
de integrar política e socialmente o perturbe o esquema organizatório-
povo de um Estado Nacional funcional constitucionalmente
estabelecido.
Consubstancia uma pauta de natureza
axiológica que emana diretamente das Partindo da ideia de unidade da
ideias de justiça, equidade, bom senso, Constituição, os bens jurídicos
prudência, moderação, justa medida, Princípio da constitucionalizados deverão coexistir
proibição de excesso, direito justo e concordância de forma harmônica na hipótese de
valores afins; precede e condiciona a prática ou eventual conflito ou concorrência
positivação jurídica, inclusive de âmbito harmonização entre eles, buscando, assim, evitar o
constitucional; e, ainda, enquanto sacrifício (total) de um princípio em
princípio geral do direito, serve de regra relação a outro em choque. O
de interpretação para todo o fundamento da ideia de concordância
ordenamento jurídico. decorre da inexistência de hierarquia
8

entre os princípios. JURÍDICA justificativas, os objetivos, os valores e os


ideais de uma Constituição, servindo de
PREÂMBULO vetor interpretativo. Trata-se, assim, de
Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembleia um referencial interpretativo-valorativo
Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, da Constituição.
destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e indivi- O preâmbulo tem a mesma eficácia
duais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvi- TESE DA PLENA jurídica das normas constitucionais,
mento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma EFICÁCIA sendo, porém, apresentado de forma não
sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na articulada.
harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacio-
nal, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, TESE DA Ponto intermediário entre as duas, já que,
sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLI- RELEVÂNCIA muito embora participe "das características
CA FEDERATIVA DO BRASIL. JURÍDICA jurídicas da Constituição'', não deve ser
INDIRETA confundido com o articulado

• O preâmbulo da CR/88 NÃO PODE, por si só, servir


de parâmetro de controle da constitucionalidade de uma TÍTULO I
norma. Dos Princípios Fundamentais
• O preâmbulo traz em seu bojo os valores, os funda- PRINCÍPIOS REGRAS
mentos filosóficos, ideológicos, sociais e econômicos e, des-
Normas mais amplas, abstratas, Normas mais específicas,
sa forma, norteia a interpretação do texto constitucional.
genéricas. delimitadas, determinadas.
• Em termos estritamente formais, o Preâmbulo consti-
tui-se em uma espécie de introdução ao texto constitucional, Alexy: princípios são Alexy: são MANDADOS DE
um resumo dos direitos que permearão a textualização a se- MANDAMENTOS DE DEFINIÇÃO.
guir, apresentando o processo que resultou na elaboração da OTIMIZAÇÃO, que devem ser Devem ser cumpridas
Constituição e o núcleo de valores e princípios de uma nação. cumpridos na maior intensidade integralmente (all or
• O termo "assegurar" constante no Preâmbulo da CF/ possível. nothing).
88 constitui-se no marco da ruptura com o regime anterior e Dworkin: princípios são
garante a instalação e asseguramento jurídico dos direitos mandamentos normativos
listados em seguida e até então não dotados de força normati- aplicados na DIMENSÃO DE
va constitucional suficiente para serem respeitados, sendo eles o PESO ou DE IMPORTÂNCIA.
exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segu-
Em caso de colisão, resolve-se Em caso de colisão, resolve-se
rança, o bem estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça.
pela PONDERAÇÃO. pela DIMENSÃO DE
• Nos moldes jurídicos adotados pela CF/88, o preâm-
VALIDADE.
bulo se configura como um elemento que serve de manifesto à
continuidade de todo o ordenamento jurídico ao conectar Ex: dignidade da pessoa Ex: eleição para Presidente da
os valores do passado - a situação de início que motivou a co- humana. República.
locação em marcha do processo legislativo - com o futuro - a
exposição dos fins a alcançar -, descrição da situação que se as- Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união in-
pira a chegar. dissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal,
• A invocação à proteção de Deus NÃO TEM força constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como
normativa. FUNDAMENTOS (SO-CI-DI-VA-PLU):
• O preâmbulo constitucional situa-se no domínio da I - a SOberania;
política e reflete a posição ideológica do constituinte. Logo, II - a CIdadania
não contém relevância jurídica, não tem força normativa, III - a DIgnidade da pessoa humana;
sendo mero vetor interpretativo das normas constitucionais, IV - os VAlores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
não servindo como parâmetro para o controle de constituciona- V - o PLUralismo político.
lidade (STF). Parágrafo único. TODO O PODER EMANA DO POVO, que o exer-
• Não tem força normativa, embora provenha do ce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos
mesmo poder constituinte originário que elaborou toda a desta Constituição.
constituição;
• É destituído de qualquer cogência (MS 24.645
PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES – art. 1°, CF
MC/DF);
• NÃO INTEGRA o bloco de constitucionalidade; PRINCÍPIO REPUBLICANO “A República”
• Não cria direitos nem estabelece deveres;
PRINCÍPIO FEDERATIVO “Federativa do Brasil, formada
• Seus princípios não prevalecem diante do texto
pela união indissolúvel dos Es-
expresso da constituição;
tados e Municípios e do Distri-
NATUREZA JURÍDICA DO PREÂMBULO to Federal”
O preâmbulo situa-se no DOMÍNIO DA PRINCÍPIO DO ESTADO “constitui-se em Estado Demo-
POLÍTICA, sem relevância jurídica (STF). DEMOCRÁTICO DE DIREITO crático de Direito”
ATENÇÃO: apesar de o preâmbulo não
TESE DA possuir força normativa, ele traz as Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos en-
IRRELEVÂNCIA intenções, o sentido, a origem, as tre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.
9

Os direitos fundamentais são


Art. 3º Constituem OBJETIVOS fundamentais da República Fede- universais, independentemente de as
rativa do Brasil (regra do verbo): nações terem assinado a declaração,
I - CONSTRUIR uma sociedade livre, justa e solidária; devem ser reconhecidos em todo o
II - GARANTIR o desenvolvimento nacional; Universalidade planeta, independentemente, da cultura,
III - ERRADICAR a pobreza e a marginalização e REDUZIR as política e sociedade.
desigualdades sociais e regionais; OBS: os RELATIVISTAS CULTURAIS
IV - PROMOVER o bem de todos, sem preconceitos de origem, afirmam que os direitos fundamentais
raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discrimi- não podem ser universais, porque
nação. devem ser reconhecidos na medida da
cultura de cada sociedade.
Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações
internacionais pelos seguintes princípios: Não se pode retroceder nos avanços
I - independência nacional; Proibição de históricos conquistados.
II - prevalência dos direitos humanos; retrocesso Segundo Canotilho, o núcleo essencial
III - autodeterminação dos povos; dos direitos sociais já realizado e
IV - não-intervenção; efetivado através de medidas
V - igualdade entre os Estados; legislativas deve considerar-se
VI - defesa da paz; constitucionalmente garantido, sendo
VII - solução pacífica dos conflitos; inconstitucionais quaisquer medidas
VIII - repúdio ao terrorismo e ao racismo; que, sem a criação de outros esquemas
IX - cooperação entre os povos para o progresso da humani- alternativos e compensatórios, se
dade; traduzam na prática numa “anulação”,
X - concessão de asilo político. “revogação” pura e simples.
Parágrafo único. A República Federativa do Brasil buscará a inte- A locução direitos fundamentais é
gração econômica, política, social e cultural dos povos da reservada aos direitos consagrados em
América Latina, visando à formação de uma comunidade latino- diplomas normativos de cada Estado,
americana de nações. Constitucionalização enquanto a expressão direitos
humanos é empregada para designar
pretensões de respeito à pessoa
TÍTULO II humana, inseridas em documentos de
Dos Direitos e Garantias Fundamentais direito internacional.
CARACTERÍSTICAS DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS
O que se entende por direitos TEORIA DOS STATUS (Georg Jellinek)
fundamentais depende do
O indivíduo é detentor de deveres perante o
Historicidade entendimento de uma sociedade em um
Estado. O indivíduo não está em uma posição
determinado tempo, variam de acordo
de ter direitos exigíveis perante o Estado, mas
com o correr da história, não são
Status passivo pelo contrário, está em uma posição de
conceitos herméticos e fechados.
(ou status subordinação perante ele (por exemplo,
Há uma variação no tempo e no espaço.
subjectionis) alistamento eleitoral e voto).
São direitos sem conteúdo econômico Trata-se de um status de sujeição do
Inalienabilidade patrimonial, não podem ser indivíduo perante o Estado.
comercializados ou permutados.
O indivíduo goza de um espaço de liberdade
São sempre exigíveis, não é porque diante das ingerências do Estado. Não pode
Imprescritibilidade não foram exercidos que deixam de Status negativo haver influência estatal na liberdade do
pertencer ao indivíduo. (ou status indivíduo.
libertatis) Estão localizados principalmente no art. 5º da
O indivíduo pode não exercer os seus
Constituição.
Irrenunciabilidade direitos, mas não pode renunciar a eles.
Também deve ser relativizada pela vida Status positivo O indivíduo tem o direito de exigir do
moderna. (ou status Estado determinadas prestações materiais
civitatis) ou jurídicas.
Não são direitos absolutos. Se houver
Relatividade um choque entre os direitos Status ativo O indivíduo possui competências para
fundamentais, serão resolvidos por um (ou status da influenciar a formação da vontade estatal.
juízo de ponderação ou pela aplicação cidadania Status em que o indivíduo tem de participar,
do princípio da proporcionalidade. ativa) influenciar nas escolhas políticas do Estado
incluindo, sobretudo, os direitos políticos.
Personalidade Os direitos fundamentais não se
transmitem.
DIMENSÕES (OU GERAÇÕES) DE DIREITOS FUNDAMENTAIS
Concorrência e Os direitos fundamentais são direitos
cumulatividade que podem ser exercidos ao mesmo 1a Têm como titular o indivíduo e são oponíveis, sobretudo,
tempo. ao Estado, impondo-lhe diretamente um dever de
10

abstenção (caráter negativo). vendo uma parte mais


Ligados ao valor liberdade. vulnerável.
Direitos civis e políticos.
Eficácia em relação aos particulares decor-
2a Ligados à igualdade material. EFICÁCIA rente da incidência do direito fundamental
Direitos sociais, econômicos e culturais. VERTICAL COM à tutela jurisdicional.
REPERCUSSÃO O direito fundamental será efetivado me-
3a Ligados à fraternidade (ou solidariedade).
LATERAL diante a atuação judicial (o juiz tutela um
Direitos relacionados ao desenvolvimento (ou
direito não protegido pelo legislador).
progresso), ao meio ambiente, à autodeterminação dos
https://focanoresumo.files.wordpress.com/
povos, bem como o direito de propriedade sobre o
2015/07/foca-no-resumo-direitos-huma-
patrimônio comum da humanidade e o direito de
nos1.pdf
comunicação.
Os direitos de terceira dimensão são direitos CAPÍTULO I
transindividuais destinados à proteção do gênero DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
humano. Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer
natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros resi-
4a Direitos à democracia, informação e pluralismo - DIP dentes no País (STF: abrange não residentes e apátridas) a in-
Paulo Bonavides observa que esses direitos compendiam violabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segu-
o futuro da cidadania e correspondem à derradeira fase rança e à propriedade, nos termos seguintes:
da institucionalização do Estado social, sendo I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos
imprescindíveis para a realização e legitimidade da termos desta Constituição;
globalização política. II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma
5a Paulo Bonavides: direito à paz, enquanto axioma da coisa senão em virtude de lei;
democracia participativa e supremo direito da III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento de-
humanidade, como um direito fundamental de quinta sumano ou degradante;
dimensão. IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo VEDADO O
ANONIMATO;
V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo,
DIMENSÃO OBJETIVA DIMENSÃO SUBJETIVA
além da indenização por dano material, moral ou à imagem;
Direito fundamental como Direito fundamental dentro de VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo as-
NORMA COGENTE E IRRADI- uma relação jurídica, conside- segurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na
ANTE, como norte e limite rando-se um titular e um forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
considerando-se o direito de destinatário, de forma con- VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência
forma abstrata. creta. religiosa nas entidades civis e militares de internação coleti-
va;
Reflexos importantes
VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença reli-
- Eficácia irradiante da CF. giosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar
- Imposição ao Estado do de- para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-
ver de proteção dos direitos se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
fundamentais IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica
- Definição de limites de inter- e de comunicação, INDEPENDENTEMENTE DE CENSURA OU LI-
pretação e de aplicação de CENÇA;
normas, com procedimentos X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a
formais que respeitem os direi- imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo
tos materiais. dano material ou moral decorrente de sua violação;
XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo
penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de fla-
Refere-se à aplicação Estado
grante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, duran-
EFICÁCIA dos direitos funda- x
te o dia, por determinação judicial;
VERTICAL mentais na relação Particular
XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações
entre o Estado e os
telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no
particulares.
último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a
Refere-se à aplicação Particular lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução
EFICÁCIA dos direitos funda- x processual penal;
HORIZONTAL mentais na relação Particular
entre os particulares. SIGILO BANCÁRIO
Refere-se à aplicação Os órgãos poderão requerer informações bancárias
dos direitos funda- diretamente das instituições financeiras?
mentais na relação Particular POLÍCIA NÃO. É necessária autorização judicial.
EFICÁCIA entre os particulares, x
DIAGONAL sendo que, tais parti- Particular Vulnerável MP NÃO. É necessária autorização judicial (STJ HC
culares estão em nível 160.646/SP, Dje 19/09/2011).
de desigualdade, ha- Exceção: É lícita a requisição pelo Ministério
11

Público de informações bancárias de contas SÚMULAS SOBRE DESAPROPRIAÇÃO


de titularidade de órgãos e entidades
STF
públicas, com o fim de proteger o
patrimônio público, não se podendo falar Súmula 23-STF: Verificados os pressupostos legais para o licen-
em quebra ilegal de sigilo bancário (STJ. 5ª ciamento da obra, NÃO o IMPEDE a declaração de utilidade
Turma. HC 308.493-CE, j. em 20/10/2015). pública para desapropriação do imóvel, mas o valor da obra
não se incluirá na indenização, quando a desapropriação for
NÃO. É necessária autorização judicial (STF MS
efetivada.
22934/DF, DJe de 9/5/2012).
Súmula 157-STF: É necessária prévia autorização do presi-
Exceção: O envio de informações ao TCU
dente da república para desapropriação, pelos estados, de em-
TCU relativas a operações de crédito originárias
presa de energia elétrica.
de recursos públicos não é coberto pelo
Súmula 164-STF: No processo de desapropriação, são devidos
sigilo bancário (STF. MS 33340/DF, j. em
juros compensatórios desde a antecipada imissão de posse,
26/5/2015).
ordenada pelo juiz, por motivo de urgência.
SIM, com base no art. 6º da LC 105/2001. O Súmula 476-STF: Desapropriadas as ações de uma sociedade, o
Receita repasse das informações dos bancos para o poder desapropriante, imitido na posse, pode exercer, desde
Federal Fisco não pode ser definido como sendo logo, todos os direitos inerentes aos respectivos títulos.
"quebra de sigilo bancário". Súmula 378-STF: Na indenização por desapropriação incluem-
se honorários do advogado do expropriado.
Fisco SIM, desde que regulamentem, no âmbito de
Súmula 416-STF: Pela demora no pagamento do preço da de-
estadual, suas esferas de competência, o art. 6º da LC
sapropriação NÃO CABE indenização complementar além dos
distrital, 105/2001, de forma análoga ao Decreto
juros.
municipal Federal 3.724/2001.
Súmula 561-STF: Em desapropriação, é devida a correção mo-
SIM (seja ela federal ou estadual/distrital) (art. netária até a data do efetivo pagamento da indenização, de-
CPI 4º, § 1º da LC 105/2001). vendo proceder-se à atualização do cálculo, ainda que por
Prevalece que CPI municipal não pode. mais de uma vez.
*Tabela retirada do site www.dizerodireito.com.br Súmula 617-STF: A base de cálculo dos honorários de advoga-
do em desapropriação é a diferença entre a oferta e a indeni-
XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, zação, corrigidas ambas monetariamente.
atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer; Súmula 652-STF: Não contraria a Constituição o art. 15, § 1º, do
XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado Dl. 3.365/41 (Lei da Desapropriação por utilidade pública) - o
o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional; art. 15 do Decreto-Lei 3.365/41 prevê a possibilidade de imissão
XV - é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, provisória na posse em caso de urgência; para o STF, a imissão
podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, perma- provisória não viola o princípio da justa e prévia indenização
necer ou dele sair com seus bens; (art. 5º, XXIV, da CF/88).
XVI - todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em lo- STJ
cais abertos ao público, INDEPENDENTEMENTE DE AUTORIZA-
ÇÃO, desde que não frustrem outra reunião anteriormente con- Súmula 12-STJ: Em desapropriação, são cumuláveis juros com-
vocada para o mesmo local, sendo apenas EXIGIDO PRÉVIO pensatórios e moratórios.
AVISO à autoridade competente; Os JUROS COMPENSATÓRIOS em desapropriação, somente in-
XVII - é plena a liberdade de associação para fins lícitos, veda- cidem até a data da expedição do precatório original. Tal en-
da a de caráter paramilitar; tendimento está agora também confirmado pelo § 12 do art.
XVIII - a criação de associações e, na forma da lei, a de coopera- 100 da CF, com a redação dada pela EC 62/09. Sendo assim, não
tivas INDEPENDEM DE AUTORIZAÇÃO, sendo vedada a inter- ocorre, no atual quadro normativo, hipótese de cumulação de
ferência estatal em seu funcionamento; juros moratórios e juros compensatórios, eis que se tratam de
XIX - as associações só poderão ser compulsoriamente dissolvi- encargos que incidem em períodos diferentes: os juros com-
das ou ter suas atividades suspensas por decisão judicial, exi- pensatórios têm incidência até a data da expedição de pre-
gindo-se, no primeiro caso (dissolução), o trânsito em julgado; catório, enquanto que os MORATÓRIOS somente incidirão
XX - ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a permane- se o precatório expedido não for pago no prazo constitucio-
cer associado; nal (STJ. 1ª Seção. REsp 1118103/SP). Assim, a única forma de se
XXI - as entidades associativas, QUANDO EXPRESSAMENTE interpretar esse enunciado é no sentido de que essa cumulação
AUTORIZADAS, têm legitimidade para representar seus filia- de que trata a súmula não se refere ao mesmo período, mas sim
dos judicial ou extrajudicialmente; a momentos de tempo diferentes
XXII - é garantido o direito de propriedade; Súmula 56-STJ: Na desapropriação para instituir servidão admi-
XXIII - a propriedade atenderá a sua função social; nistrativa são devidos os juros compensatórios pela limitação
XXIV - a lei estabelecerá o procedimento para desapropriação de uso da propriedade.
por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, Súmula 67-STJ: Na desapropriação, cabe a atualização mone-
mediante justa e prévia indenização em dinheiro, ressalvados tária, ainda que por mais de uma vez, independente do decur-
os casos previstos nesta Constituição; so de prazo superior a 1 ano entre o cálculo e o efetivo paga-
mento da indenização.
Súmula 69-STJ: Na desapropriação DIRETA, os juros compen-
satórios são devidos desde a antecipada imissão na posse e, na
desapropriação INDIRETA, a partir da efetiva ocupação do
12

imóvel. prestação do serviço público na faixa de servidão (art. 3º do


Súmula 102-STJ: A incidência dos juros moratórios sobre os Decreto n. 35.851/1954).
compensatórios, nas ações expropriatórias, não constitui anato-
cismo vedado em lei. XXV - no caso de iminente perigo público, a autoridade compe-
Súmula 113-STJ: Os juros compensatórios, na desapropria- tente poderá usar de propriedade particular, assegurada ao
ção DIRETA, incidem A PARTIR DA IMISSÃO NA POSSE, calcu- proprietário indenização ulterior, se houver dano (REQUISI-
lados sobre o valor da indenização, corrigido monetariamente. ÇÃO);
Súmula 114-STJ: Os juros compensatórios, na desapropria- XXVI - a PEQUENA PROPRIEDADE RURAL, assim definida em lei,
ção INDIRETA, incidem A PARTIR DA OCUPAÇÃO, calculados desde que trabalhada pela família, não será objeto de penho-
sobre o valor da indenização, corrigido monetariamente ra para pagamento de débitos decorrentes de sua atividade
Súmula 131-STJ: Nas ações de desapropriação incluem-se no produtiva, dispondo a lei sobre os meios de financiar o seu de-
cálculo da verba advocatícia as parcelas relativas aos juros com- senvolvimento;
pensatórios e moratórios, devidamente corrigidas.
Súmula 141-STJ: Os honorários de advogado em desapropria-
A pequena propriedade rural é impenhorável (art. 5º, XXVI, da
ção direta são calculados sobre a diferença entre a indeniza-
CF/88 e o art. 833, VIII, do CPC) MESMO QUE A DÍVIDA EXE-
ção e a oferta, corrigidas monetariamente.
CUTADA NÃO SEJA ORIUNDA DA ATIVIDADE PRODUTIVA
Súmula 354-STJ: A invasão do imóvel É CAUSA DE SUSPEN-
do imóvel. De igual modo, a pequena propriedade rural é impe-
SÃO do processo expropriatório para fins de reforma agrária.
nhorável MESMO QUE O IMÓVEL NÃO SIRVA DE MORADIA
ao executado e à sua família. Desse modo, para que o imóvel ru-
JURISPRUDÊNCIA EM TESES DO STJ ral seja impenhorável, nos termos do art. 5º, XXVI, da CF/88 e do
art. 833, VIII, do CPC, é necessário que cumpra apenas dois re-
EDIÇÃO N. 127: INTERVENÇÃO DO ESTADO NA
quisitos cumulativos:
PROPRIEDADE PRIVADA
1) seja enquadrado como pequena propriedade rural, nos
1) O ato de tombamento geral não precisa individualizar os
termos definidos pela lei; e
bens abarcados pelo tombo, pois as restrições impostas pelo
2) seja trabalhado pela família.
Decreto-Lei n. 25/1937 se estendem à totalidade dos imóveis
STJ. 3ª Turma. REsp 1591298-RJ (Info 616).
pertencentes à área tombada.
2) Inexistindo ofensa à harmonia estética de conjunto
arquitetônico tombado, não há falar em demolição de XXVII - aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, pu-
construção acrescida. blicação ou reprodução de suas obras, transmissível aos herdeiros
3) O tombamento do Plano Piloto de Brasília abrange o seu pelo tempo que a lei fixar;
singular conceito urbanístico e paisagístico, que expressa e XXVIII - são assegurados, nos termos da lei:
forma a própria identidade da capital federal. a) a proteção às participações individuais em obras coletivas e à
4) A indenização pela limitação administrativa ao direito de reprodução da imagem e voz humanas, inclusive nas atividades
edificar, advinda da criação de área non aedificandi, desportivas;
somente é devida se imposta sobre imóvel urbano e desde b) o direito de fiscalização do aproveitamento econômico das
que fique demonstrado o prejuízo causado ao proprietário da obras que criarem ou de que participarem aos criadores, aos in-
área. térpretes e às respectivas representações sindicais e associativas;
5) É indevido o direito à indenização se o imóvel XXIX - a lei assegurará aos autores de inventos industriais privilé-
expropriado foi adquirido após a imposição de limitação gio temporário para sua utilização, bem como proteção às cria-
administrativa, porque se supõe que as restrições de uso e ções industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de empre-
gozo da propriedade já foram consideradas na fixação do preço sas e a outros signos distintivos, tendo em vista o interesse social
do imóvel. e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País;
6) As restrições relativas à exploração da mata atlântica XXX - é garantido o direito de herança;
estabelecidas pelo Decreto n. 750/1993 constituem mera XXXI - a sucessão de bens de estrangeiros situados no País
limitação administrativa, e não desapropriação indireta, será regulada pela lei brasileira em benefício do cônjuge ou dos
sujeitando-se, portanto, à prescrição quinquenal. filhos brasileiros, sempre que não lhes seja mais favorável a lei
7) A indenização referente à cobertura vegetal deve ser pessoal do "de cujus";
calculada em separado do valor da terra nua quando XXXII - o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consu-
comprovada a exploração dos recursos vegetais de forma lícita e midor (direito do consumidor é princípio da ordem econômica);
anterior ao processo interventivo na propriedade. XXXIII - todos têm direito a receber dos órgãos públicos infor-
8) Nas hipóteses em que ficar demonstrado que a servidão de mações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou
passagem abrange área superior àquela prevista na escritura geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsa-
pública, impõe-se o dever de indenizar, sob pena de violação do bilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à
princípio do justo preço. segurança da sociedade e do Estado;
9) Os juros compensatórios incidem pela simples perda XXXIV - são a todos assegurados, INDEPENDENTEMENTE DO
antecipada da posse, no caso de desapropriação, e pela PAGAMENTO DE TAXAS:
limitação da propriedade, no caso de servidão a) o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direi-
administrativa nos termos da Súmula n. 56/STJ. tos ou contra ilegalidade ou abuso de poder;
10) Não incide imposto de renda sobre os valores b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para defesa
indenizatórios recebidos pelo particular em razão de de direitos e esclarecimento de situações de interesse pessoal;
servidão administrativa instituída pelo Poder Público. XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão
11) Admite-se a possibilidade de construções que não afetem a ou ameaça a direito (princípio inafastabilidade de jurisdição)
13

Ações relativas à disciplina e competições b) de caráter perpétuo;


esportivas c) de trabalhos forçados;
d) de banimento;
Ato administrativo que contrarie Súmula e) cruéis;
Vinculante (art. 7°, §1°, Lei 11417) XLVIII - a pena será cumprida em estabelecimentos distintos, de
EXCEÇÕES AO
PRINCÍPIO Indeferimento da informação de dados acordo com a natureza do delito, a idade e o sexo do apenado;
INAFASTABILIDADE pessoais ou omissão em atender este XLIX - é assegurado aos presos o respeito à integridade física e
DE JURISDIÇÃO pedido para que nasça o interesse de agir moral;
no HD L - às presidiárias serão asseguradas condições para que possam
permanecer com seus filhos durante o período de amamentação;
Indeferimento de pedido perante o INSS LI - NENHUM BRASILEIRO SERÁ EXTRADITADO, salvo o natu-
ou omissão em atender o pedido ralizado, em caso de crime comum, praticado antes da natu-
administrativo para obtenção de ralização, ou de comprovado envolvimento em tráfico ilícito
benefício previdenciário de entorpecentes e drogas afins, na forma da lei;

XXXVI - a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico Nato: nunca
perfeito e a coisa julgada;
XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção; Naturalizado
XXXVIII - é reconhecida a instituição do júri, com a organização • Crime comum – praticado antes da naturali-
EXTRADIÇÃO
que lhe der a lei, assegurados: zação
a) a plenitude de defesa; • Tráfico de drogas – a qualquer tempo
b) o sigilo das votações; Estrangeiro não será extraditado por crime
c) a soberania dos veredictos; político ou de opinião.
d) a competência para o julgamento dos crimes DOLOSOS
contra a vida (competência mínima);
XXXIX - não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena EXTRADIÇÃO Entrega de uma pessoa para outro país sobe-
sem prévia cominação legal; rano para que lá seja julgado
XL - a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu; DEPORTAÇÃO Devolução de sujeito que entrou ou permane-
XLI - a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e ceu no país de forma irregular
liberdades fundamentais;
XLII - a prática do racismo constitui crime inafiançável e impres- Medida coercitiva de retirada forçada de um
critível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei (mandado EXPULSÃO estrangeiro que atentou contra a ordem ju-
constitucional de criminalização); rídica
XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de
graça ou anistia a prática da tortura, o tráfico ilícito de entor- LII - não será concedida extradição de estrangeiro por crime
pecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como cri- político ou de opinião;
mes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os execu- LIII - ninguém será processado nem sentenciado senão pela auto-
tores e os que, podendo evitá-los, se omitirem; ridade competente;
XLIV - constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o
grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constituci- devido processo legal;
onal e o Estado Democrático (mandado constitucional de crimi- LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos
nalização); acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla de-
fesa, com os meios e recursos a ela inerentes;
Racismo LVI - são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por mei-
CRIMES os ilícitos;
Ação de grupos armados, civis ou militares, LVII - ninguém será considerado culpado até o trânsito em jul-
IMPRESCRITÍVEIS
contra a ordem constitucional e o Estado gado de sentença penal condenatória;
Democrático
CADH: Art. 8, 2: Toda pessoa acusada de delito tem direito a que
XLV - nenhuma pena passará da pessoa do condenado, poden- se presuma sua inocência enquanto não se comprove legal-
do a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdimento mente sua culpa.
de bens ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e contra
eles executadas, até o limite do valor do patrimônio transferi-
LVIII - o civilmente identificado não será submetido a identifica-
do;
ção criminal, salvo nas hipóteses previstas em lei;
XLVI - a lei regulará a individualização da pena e adotará, entre
LIX - será admitida ação privada nos crimes de ação pública, se
outras, as seguintes:
esta não for intentada no prazo legal (ação penal privada subsi-
a) privação ou restrição da liberdade;
diária da pública);
b) perda de bens;
LX - a lei só poderá restringir a publicidade dos atos processuais
c) multa;
quando a defesa da intimidade ou o interesse social o exigirem;
d) prestação social alternativa;
LXI - ninguém será preso senão em flagrante delito ou por or-
e) suspensão ou interdição de direitos;
dem escrita e fundamentada de autoridade judiciária compe-
XLVII - não haverá penas:
tente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime propri-
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada (modalidade fu-
amente militar, definidos em lei;
zilamento), nos termos do art. 84, XIX;
14

LXII - a prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre se- LXXIV - o Estado prestará assistência jurídica integral e gratui-
rão comunicados imediatamente ao juiz competente e à famí- ta aos que comprovarem insuficiência de recursos (modelo pú-
lia do preso ou à pessoa por ele indicada; blico de assistência jurídica);
LXIII - o preso será informado de seus direitos, entre os quais o LXXV - o Estado indenizará o condenado por erro judiciário, as-
de permanecer calado, sendo-lhe assegurada a assistência da fa- sim como o que ficar preso além do tempo fixado na sentença;
mília e de advogado; LXXVI - são gratuitos para os reconhecidamente pobres, na for-
LXIV - o preso tem direito à identificação dos responsáveis por ma da lei:
sua prisão ou por seu interrogatório policial; a) o registro civil de nascimento;
LXV - a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autorida- b) a certidão de óbito;
de judiciária; LXXVII - são gratuitas as ações de habeas corpus e habeas data,
LXVI - ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a e, na forma da lei, os atos necessários ao exercício da cidada-
lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança; nia.
LXVII - não haverá prisão civil por dívida, salvo a do responsável Previsão constitucional de ISENÇÃO DE CUSTAS
pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação • Habeas Corpus
alimentícia e a do depositário infiel; • Habeas Data
• Ação Popular (salvo se comprovada má-fé do autor)
SV25: É ilícita a prisão civil de depositário infiel, qualquer que • Exercício da cidadania
seja a modalidade de depósito. • Direito de petição
• Obtenção de certidões
STF: o art. 7º, item 7, da CADH teria ingressado no sistema ju-
rídico nacional com status supralegal, inferior à CF/1988, mas LXXVIII - a todos, no âmbito judicial e administrativo, são assegu-
superior à legislação interna, a qual não mais produziria qual- rados a razoável duração do processo e os meios que garantam
quer efeito naquilo que conflitasse com a sua disposição de ve- a celeridade de sua tramitação.
dar a prisão civil do depositário infiel. EFICÁCIA PARALISANTE § 1º As normas definidoras dos direitos e garantias funda-
mentais têm APLICAÇÃO IMEDIATA.
LXVIII - conceder-se-á HABEAS CORPUS sempre que alguém so-
frer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em sua CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS QUANTO
liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder; AO GRAU DE APLICABILIDADE (José Afonso da Silva)
LXIX - conceder-se-á MANDADO DE SEGURANÇA para prote- São aquelas que desde a sua entrada em
ger direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou vigor, produz os seus efeitos, sem que
habeas data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso Normas de para isso seja necessária a intervenção do
de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica eficácia plena legislador ordinário. Exatamente por essa
no exercício de atribuições do Poder Público; sua “autossuficiência” elas são normas de
LXX - o MANDADO DE SEGURANÇA COLETIVO pode ser impe- APLICABILIDADE DIRETA, IMEDIATA e
trado por: INTEGRAL.
a) partido político com representação no Congresso Nacional;
b) organização sindical, entidade de classe ou associação le- São normas que possuem, inicialmente, as
galmente constituída e em funcionamento há pelo menos 1 ano, mesmas características das normas de
em defesa dos interesses de seus membros ou associados; eficácia plena, mas que guardam a
LXXI - conceder-se-á MANDADO DE INJUNÇÃO sempre que a peculiaridade de poderem ter sua eficácia
falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos restringida. Daí serem normas de
direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas ine- APLICABILIDADE DIRETA, IMEDIATA e
rentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania; Normas de NÃO INTEGRAL (podem ser restringidas).
LXXII - conceder-se-á HABEAS DATA: eficácia contida A restrição das normas de eficácia contida
a) para assegurar o conhecimento de informações relativas à pode acontecer de três formas:
pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos de da- 1) por meio do legislador infraconstitucional
dos de entidades governamentais ou de caráter público; (art. 5º, XIII e art. 95, parágrafo único, IV);
b) para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-lo por 2) por outras normas constitucionais (arts.
processo sigiloso, judicial ou administrativo; 136 a 141: vigência de estado de sítio e
estado de defesa);
3) através de conceitos jurídicos
indeterminados, como bons costumes,
HD MS
utilidade pública etc. (art. 5º, XXIV e XXV).
Conhecimento de informações Conhecimento de informações
Não conseguem produzir de imediato
relativas à pessoa do impetran- relativas a terceiros
todos os seus efeitos. Será necessária uma
te
força integrativa a ser exercida ou pelo
legislador infraconstitucional ou por outro
LXXIII - qualquer CIDADÃO (capacidade eleitoral ativa) é parte órgão a quem a norma atribua tal
legítima para propor AÇÃO POPULAR que vise a anular ato lesi- incumbência. Possuem, assim,
vo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado parti- Normas de APLICABILIDADE INDIRETA, MEDIATA e
cipe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao pa- eficácia limitada REDUZIDA.
trimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo comprovada Subespécies
má-fé, isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência; a) Normas definidoras de princípio
15

institutivo ou organizativo: são normas por A norma programática serve, ainda, como
meio das quais o constituinte originário traça diretriz interpretativa da Constituição, vez
as linhas mestras de uma determinada que o intérprete não pode desprezar seu
instituição, delimitando sua estrutura e comando quando da interpretação do texto
atribuições, as quais, contudo, só serão constitucional.
detalhadas por meio de lei. Essas normas *Tabelas feitas com base nas aulas do Marcello Novelino
podem ser impositivas ou facultativas.
Impositivas são aquelas normas que § 2º Os direitos e garantias expressos nesta Constituição não ex-
determinam que o legislador crie a cluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela ado-
mencionada norma integrativa. Ex.: art. 20, § tados, ou dos tratados internacionais em que a República Federa-
2º, art. 32, § 4º (“Lei federal disporá sobre a tiva do Brasil seja parte.
utilização, pelo Governo do Distrito Federal, § 3º Os tratados e convenções internacionais sobre direitos
das polícias civil e militar e do corpo de humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congresso
bombeiros militar.”) Nacional, em 2 turnos, por 3/5 dos votos dos respectivos mem-
Facultativas ou permissivas são normas que bros, serão equivalentes às emendas constitucionais – 2C, 2T,
não impõem ao legislador o dever de editar 3/5
normas integrativas, mas apenas criam a
possibilidade de elas serem elaboradas. Ex.:
TRATADOS INCORPORADOS COM STATUS DE EC
art. 22, parágrafo único (“Lei complementar
poderá autorizar os Estados a legislar sobre Convenção de Nova Iorque sobre os Direitos das Pessoas com
questões específicas das matérias Deficiência
relacionadas neste artigo.”)
Protocolo facultativo à Convenção de Nova Iorque sobre os Di-
b) Normas definidoras de princípio
reitos das Pessoas com Deficiência
programático: são normas nas quais o
constituinte não regulou diretamente as Tratado de Marrakesh
matérias nelas traçadas, limitando-se a
estabelecer diretrizes (programas) a serem
INCORPORAÇÃO DOS TRATADOS INTERNACIONAIS
implementados pelos poderes instituídos,
visando à realização dos fins do Estado. Antes da EC/45 Após EC/45
Disciplinam interesses econômico-sociais de
Status supralegal Rito normal:
que são exemplos a realização da justiça TRATADOS
status suprale-
social, a valorização do trabalho, o combate INTERNACIONAIS DE
gal
ao analfabetismo etc. DIREITOS HUMANOS
As normas programáticas não têm como Rito de EC: sta-
destinatários os indivíduos, mas sim os tus de EC
órgãos estatais, no sentido de que eles
DEMAIS TRATADOS Status legal
devem concretizar os programas nelas
INTERNACIONAIS
traçados. São normas que caracterizam uma
constituição como sendo dirigente.
Não produzem todos os seus efeitos no § 4º O Brasil se submete à jurisdição de Tribunal Penal Inter-
momento da promulgação da nacional a cuja criação tenha manifestado adesão.
Constituição. Contudo, isso não significa
que tais normas sejam desprovidas de SÚMULAS SOBRE DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS
eficácia jurídica até o momento em que os
STF
programas nelas definidos sejam
implementados. Súmula vinculante 1-STF: Ofende a garantia constitucional do
Embora não produzam seus plenos efeitos ato jurídico perfeito a decisão que, sem ponderar as circunstân-
de imediato, elas possuem o que se chama cias do caso concreto, desconsidera a validez e a eficácia de
de EFICÁCIA NEGATIVA (eficácia meio), que acordo constante do termo de adesão instituído pela Lei Com-
se desdobra em eficácia paralisante e eficácia plementar nº 110/2001.
impeditiva. Súmula vinculante 25-STF: É ilícita a prisão civil de depositário
EFICÁCIA PARALISANTE: é a propriedade infiel, qualquer que seja a modalidade do depósito.
jurídica que as normas programáticas têm de Súmula 654-STF: A garantia da irretroatividade da lei, previs-
revogar as disposições legais contrárias ta no art. 5º, XXXVI, da Constituição da República, NÃO É invo-
aos seus comandos, ou seja, as normas cável pela entidade estatal que a tenha editado.
infraconstitucionais anteriores não serão
STJ
recepcionadas se com ela incompatíveis.
EFICÁCIA IMPEDITIVA: a norma Súmula 2-STJ: Não cabe o habeas data (CF, art. 5º, LXXII, letra
programática tem o condão de impedir que "a") se não houve recusa de informações por parte da autori-
sejam editadas normas contrárias ao seu dade administrativa
espírito, é dizer: as normas programáticas Súmula 280-STJ: O art. 35 do Decreto-Lei n° 7.661, de 1945,
servem de parâmetro para o controle de que estabelece a prisão administrativa, foi revogado pelos
constitucionalidade. incisos LXI e LXVII do art. 5° da Constituição Federal de 1988.
16

Súmula 403-STJ: Independe de prova do prejuízo a indeniza- adotada. STF. Plenário. RE 778889/PE (repercussão geral) (Info
ção pela publicação não autorizada da imagem de pessoa com 817).
fins econômicos ou comerciais. XIX - licença-paternidade, nos termos fixados em lei;
Súmula 419-STJ: Descabe a prisão civil do depositário infiel. XX - proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante in-
Súmula 444-STJ: É vedada a utilização de inquéritos policiais centivos específicos, nos termos da lei;
e ações penais em curso para agravar a pena-base. XXI - aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no
mínimo de 30 dias, nos termos da lei;
XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de nor-
CAPÍTULO II mas de saúde, higiene e segurança;
DOS DIREITOS SOCIAIS XXIII - adicional de remuneração para as atividades penosas, insa-
(direitos de 2a dimensão) lubres ou perigosas, na forma da lei;
Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o XXIV - aposentadoria;
trabalho, a moradia, o transporte (EC 90/15), o lazer, a seguran- XXV - assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nasci-
ça, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a mento até 5 anos de idade em creches e pré-escolas;
assistência aos desamparados, na forma desta Constituição. XXVI - reconhecimento das convenções e acordos coletivos de
trabalho;
Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de XXVII - proteção em face da automação, na forma da lei;
outros que visem à melhoria de sua condição social: XXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do em-
I - relação de emprego protegida contra despedida arbitrária pregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado,
ou sem justa causa, nos termos de LC, que preverá indenização quando incorrer em dolo ou culpa;
compensatória, dentre outros direitos; XXIX - ação, quanto aos créditos resultantes das relações de tra-
II - seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário; balho, com prazo prescricional de 5 anos para os trabalhado-
III - FGTS; res urbanos e rurais, até o limite de 2 anos após a extinção do
IV - salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, ca- contrato de trabalho;
paz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua fa- XXX - proibição de diferença de salários, de exercício de funções e
mília com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado
higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos civil;
que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vincula- XXXI - proibição de qualquer discriminação no tocante a salário e
ção para qualquer fim; critérios de admissão do trabalhador portador de deficiência;
V - piso salarial proporcional à extensão e à complexidade do tra- XXXII - proibição de distinção entre trabalho manual, técnico e in-
balho; telectual ou entre os profissionais respectivos;
VI - irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenção XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre
ou acordo coletivo; a menores de 18 e de qualquer trabalho a menores de 16
VII - garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os que anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de 14 anos;
percebem remuneração variável; XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo
VIII - 13° terceiro salário com base na remuneração integral ou empregatício permanente e o trabalhador avulso.
no valor da aposentadoria; Parágrafo único. São assegurados à categoria dos trabalhadores
IX – remuneração do trabalho noturno superior à do diurno; domésticos os direitos previstos nos incisos IV, VI, VII, VIII, X, XIII,
X - proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua re- XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XXI, XXII, XXIV, XXVI, XXX, XXXI e XXXIII e,
tenção dolosa; atendidas as condições estabelecidas em lei e observada a simpli-
XI – participação nos lucros, ou resultados, desvinculada da re- ficação do cumprimento das obrigações tributárias, principais e
muneração, e, excepcionalmente, participação na gestão da em- acessórias, decorrentes da relação de trabalho e suas peculiarida-
presa, conforme definido em lei; des, os previstos nos incisos I, II, III, IX, XII, XXV e XXVIII, bem
XII - salário-família pago em razão do dependente do trabalhador como a sua integração à previdência social.
de baixa renda nos termos da lei;
XIII - duração do trabalho normal não superior a 8 horas diá- DIREITOS DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS
rias e 44 semanais, facultada a compensação de horários e a
redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de EFICÁCIA PLENA EFICÁCIA LIMITADA
trabalho; • Salário-mínimo • Relação de emprego
XIV - jornada de 6 horas para o trabalho realizado em turnos • Irredutibilidade do protegida contra despedida ar-
ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva; salário bitrária ou sem justa causa, nos
XV - repouso semanal remunerado, PREFERENCIALMENTE aos • Garantia de salário, termos de lei complementar,
domingos; nunca inferior ao mínimo, para que preverá indenização com-
XVI - remuneração do serviço extraordinário superior, no míni- os que percebem remuneração pensatória, dentre outros direi-
mo, em 50% à do normal; variável; tos;
XVII - gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, 1/3 • 13° salário • Seguro-desemprego
a mais do que o salário normal; • Proteção do salário • FGTS
XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, na forma da lei, constituindo • Remuneração do tra-
com a duração de 120 dias; crime sua retenção dolosa balho noturno superior à do
Os prazos da licença-adotante não podem ser inferiores ao • Duração do trabalho diurno
prazo da licença-gestante, o mesmo valendo para as respectivas normal não superior a oito ho- • Salário-família
prorrogações. Em relação à licença-adotante, não é possível ras diárias e quarenta e quatro • Assistência gratuita
fixar prazos diversos em função da idade da criança semanais, facultada a compen- aos filhos e dependentes desde
17

sação de horários e a redução o nascimento até 5 anos de incorreta porque não é


da jornada, mediante acordo idade em creches e pré-escolas imposto.
ou convenção coletiva de tra- • Seguro contra aci-
NÃO é tributo. ERA considerada um TRIBUTO.
balho; dentes de trabalho, a cargo do
ERA uma contribuição
• Repouso semanal re- empregador, sem excluir a in-
parafiscal (ou especial).
munerado, preferencialmente denização a que este está obri-
aos domingos; gado, quando incorrer em dolo Fixada pela assembleia geral do Era instituída por meio de lei
• Remuneração do ser- ou culpa sindicato (obrigação ex (obrigação ex lege).
viço extraordinário superior, no voluntate).
mínimo, em 50% à do normal;
É VOLUNTÁRIA. ERA COMPULSÓRIA.
• Férias anuais + 1/3
A contribuição confederativa é ERA paga por todos aqueles
• Licença à gestante DIREITOS REGULAMENTA-
considerada como voluntária que faziam parte de uma
• Licença-paternidade DOS PELA LC 150/15
porque somente é paga pelas determinada categoria
• Aviso prévio
pessoas que resolveram econômica ou profissional, ou
• Redução dos riscos
(optaram) se filiar ao sindicato. de uma profissão liberal, em
inerentes ao trabalho, por meio
A contribuição confederativa de favor do sindicato
de normas de saúde, higiene e
que trata o art. 8º, IV, da representativo da mesma
segurança
Constituição, só é exigível dos categoria ou profissão ou,
• Aposentadoria
filiados ao sindicato respectivo inexistindo este, à Federação
• Reconhecimento das
(SV 40): correspondente à mesma
convenções e acordos coletivos
Súmula vinculante 40: A categoria econômica ou
de trabalho
contribuição confederativa de profissional.
• Proibição de diferen-
que trata o artigo 8º, IV, da Não havia jeito: se o indivíduo
ça de salários, de exercício de
Constituição Federal, só é fosse metalúrgico, p. ex., ele
funções e de critério de admis-
exigível dos filiados ao sindicato tinha que pagar a
são por motivo de sexo, idade,
respectivo. contribuição sindical, mesmo
cor ou estado civil;
que não fosse filiado ao
• Proibição de qual-
sindicato. ERA um tributo.
quer discriminação
• Proibição de trabalho São compatíveis com a Constituição Federal os dispositivos
noturno, perigoso ou insalubre da Lei nº 13.467/2017 (Reforma Trabalhista) que
a menores de dezoito e de extinguiram a obrigatoriedade da contribuição sindical e
qualquer trabalho a menores condicionaram o seu pagamento à prévia e expressa
de 16 anos, salvo na condição autorização dos filiados. STF. Plenário. ADI 5794/DF, Rel. Min.
de aprendiz, a partir de 14 Edson Fachin, red. p/ o ac. Min. Luiz Fux, julgado em 29/6/2018 (Info
anos 908).
*Tabela retirada do site www.dizerodireito.com.br
Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o
seguinte: V - ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a
I - a lei NÃO PODERÁ exigir autorização do Estado para a fun- sindicato;
dação de sindicato, ressalvado o registro no órgão competen- VI - é obrigatória a participação dos sindicatos nas negociações
te, vedadas ao Poder Público a interferência e a intervenção na coletivas de trabalho;
organização sindical; VII - o aposentado filiado tem direito a votar e ser votado nas
II - é vedada a criação de mais de uma organização sindical, organizações sindicais;
em qualquer grau, representativa de categoria profissional ou VIII - é vedada a dispensa do empregado sindicalizado a partir do
econômica, na mesma base territorial, que será definida pelos tra- registro da candidatura a cargo de direção ou representação sin-
balhadores ou empregadores interessados, não podendo ser in- dical e, se eleito, ainda que suplente, até 1 ano após o final do
ferior à área de um Município; mandato, salvo se cometer falta grave nos termos da lei.
III - ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos Parágrafo único. As disposições deste artigo aplicam-se à orga-
ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou ad- nização de sindicatos rurais e de colônias de pescadores, aten-
ministrativas; didas as condições que a lei estabelecer.
IV - a assembleia geral fixará a contribuição que, em se tratando Art. 9º É assegurado o direito de greve, competindo aos traba-
de categoria profissional, será descontada em folha, para custeio lhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os in-
do sistema confederativo da representação sindical respectiva, in- teresses que devam por meio dele defender.
dependentemente da contribuição prevista em lei; § 1º A lei definirá os serviços ou atividades essenciais e disporá
sobre o atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade.
§ 2º Os abusos cometidos sujeitam os responsáveis às penas da
Contribuição CONFEDERATIVA Contribuição SINDICAL
lei.
Prevista na 1ª parte do art. 8º, Prevista na 2ª parte do art. 8º,
IV, da CF/88. IV, da CF/88. Art. 10. É assegurada a participação dos trabalhadores e empre-
gadores nos colegiados dos órgãos públicos em que seus interes-
Também chamada de Também chamada de
ses profissionais ou previdenciários sejam objeto de discussão e
“contribuição de assembleia”. “imposto sindical”, expressão
deliberação.
18

§ 3º São PRIVATIVOS DE BRASILEIRO NATO os cargos:


Art. 11. Nas empresas de mais de 200 empregados, é assegura- I - de Presidente e Vice-Presidente da República;
da a eleição de um representante destes com a finalidade exclu- II - de Presidente da Câmara dos Deputados;
siva de promover-lhes o entendimento direto com os empre- III - de Presidente do Senado Federal;
gadores. IV - de Ministro do STF;
V - da carreira diplomática;
CAPÍTULO III VI - de oficial das Forças Armadas.
DA NACIONALIDADE VII - de Ministro de Estado da Defesa
Art. 12. São brasileiros: O Conselho da República tem em sua composição 6 brasileiros
I - natos: natos
a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de
§ 4º - Será declarada a PERDA DA NACIONALIDADE do brasilei-
pais estrangeiros, desde que estes não estejam a serviço de seu
ro que:
país (JUS SOLI);
I - tiver cancelada sua naturalização, por sentença judicial, em
b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasi-
virtude de atividade nociva ao interesse nacional;
leira, desde que qualquer deles esteja a serviço da República
II - adquirir outra nacionalidade, salvo nos casos:
Federativa do Brasil (JUS SANGUINI);
a) de reconhecimento de nacionalidade originária pela lei es-
c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe bra-
trangeira;
sileira, desde que sejam registrados em repartição brasileira
b) de imposição de naturalização, pela norma estrangeira, ao
competente OU venham a residir na República Federativa do
brasileiro residente em estado estrangeiro, como condição
Brasil e optem, em qualquer tempo, depois de atingida a mai-
para permanência em seu território ou para o exercício de di-
oridade, pela nacionalidade brasileira (JUS SANGUINI);
reitos civis;
II - naturalizados:
a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasileira,
Art. 13. A língua portuguesa é o idioma oficial da República Fede-
exigidas aos originários de países de língua portuguesa apenas
rativa do Brasil.
residência por 1 ano ininterrupto e idoneidade moral;
§ 1º São símbolos da República Federativa do Brasil a bandeira, o
b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na Re-
hino, as armas e o selo nacionais.
pública Federativa do Brasil há mais de 15 anos ininterruptos e
§ 2º Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão ter
sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade
símbolos próprios.
brasileira.
CAPÍTULO IV
É aquela que resulta de um fato natural (o DOS DIREITOS POLÍTICOS
nascimento). Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio univer-
A pessoa se torna nacional nato. sal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e,
Critérios para atribuição da nacionalidade ori- nos termos da lei, mediante:
ginária: I - plebiscito;
Nacionalidade
a) Critério territorial (jus soli): se a pes- II - referendo;
ORIGINÁRIA
soa nascer no território do país, será III - iniciativa popular.
(primária,
considerada nacional deste.
atribuída ou
b) Critério sanguíneo (jus sanguinis): a
involuntária) REFERENDO PLEBISCITO
pessoa irá adquirir a nacionalidade de seus
ascendentes, não importando que tenha Formas de consulta popular sobre determinado assunto.
nascido no território de outro país.
Autorizado pelo Congresso Convocado pelo Congresso
No Brasil, adota-se, como regra, o critério
Nacional (art. 49, XV, CF). Nacional (art. 49, XV, CF).
do jus soli, havendo, no entanto, situações
nas quais o critério sanguíneo é aceito. Decreto legislativo.
É aquela decorrente de um ato voluntário Primeiro faz a lei ou ato Primeiro pergunta-se ao
Nacionalidade da pessoa, que decide adquirir, para si, uma administrativo e depois povo para depois fazer a lei
SECUNDÁRIA nova nacionalidade. A isso se dá o nome pergunta para o povo. ou ato administrativo.
(derivada, de naturalização.
adquirida ou Atenção: esse ato voluntário pode ser expres-
voluntária) so ou tácito. Lei 9709/98.
A pessoa se torna nacional naturalizado. Art. 2o Plebiscito e referendo são consultas formuladas ao
*Tabela retirada do site www.dizerodireito.com.br povo para que delibere sobre matéria de acentuada rele-
vância, de natureza constitucional, legislativa ou adminis-
§ 1º Aos portugueses com residência permanente no País, se trativa.
houver reciprocidade em favor de brasileiros, serão atribuídos § 1o O PLEBISCITO é convocado com anterioridade a ato le-
os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos previstos nesta gislativo ou administrativo, cabendo ao povo, pelo voto,
Constituição. aprovar ou denegar o que lhe tenha sido submetido.
§ 2º A lei NÃO PODERÁ estabelecer distinção entre brasileiros § 2o O REFERENDO é convocado com posterioridade a ato
natos e naturalizados, salvo nos casos previstos nesta Constitui- legislativo ou administrativo, cumprindo ao povo a respectiva
ção. ratificação ou rejeição.
Art. 3o Nas questões de relevância nacional, de competência
19

do Poder Legislativo ou do Poder Executivo, e no caso do § § 8º O militar alistável é elegível, atendidas as seguintes condi-
o ções:
3 do art. 18 da Constituição Federal, o plebiscito e o refe-
I - se contar menos de 10 anos de serviço, deverá afastar-se da
rendo são convocados mediante decreto legislativo, por
atividade;
proposta de 1/3, no mínimo, dos membros que compõem
II - se contar mais de 10 anos de serviço, será agregado pela
qualquer das Casas do Congresso Nacional, de conformidade
autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no
com esta Lei.
ato da diplomação, para a inatividade.
Art. 10. O plebiscito ou referendo, convocado nos termos da
§ 9º LC estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos
presente Lei, será considerado aprovado ou rejeitado por
de sua cessação, a fim de proteger a probidade administrativa, a
MAIORIA SIMPLES, de acordo com o resultado homologa-
moralidade para exercício de mandato considerada vida pregres-
do pelo Tribunal Superior Eleitoral.
sa do candidato, e a normalidade e legitimidade das eleições con-
Art. 11. O referendo pode ser convocado no prazo de 30
tra a influência do poder econômico ou o abuso do exercício de
dias, a contar da promulgação de lei ou adoção de medida
função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta.
administrativa, que se relacione de maneira direta com a con-
§ 10. (AIME) O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a
sulta popular.
Justiça Eleitoral no prazo de 15 dias contados da diplomação,
instruída a ação com provas de abuso do poder econômico,
§ 1º O alistamento eleitoral e o voto são: corrupção ou fraude.
I - obrigatórios para os maiores de 18 anos; § 11. A ação de impugnação de mandato tramitará em segredo
II - facultativos para: de justiça, respondendo o autor, na forma da lei, se temerária ou
a) os analfabetos; de manifesta má-fé.
b) os maiores de 70 anos;
c) os maiores de 16 e menores de 18 anos. Art. 15. É VEDADA A CASSAÇÃO de direitos políticos, cuja perda
§ 2º Não podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, du- ou suspensão só se dará nos casos de:
rante o período do serviço militar obrigatório, os conscritos. I - cancelamento da naturalização por sentença transitada em
§ 3º São condições de elegibilidade, na forma da lei: julgado (em virtude de atividade nociva ao interesse nacio-
I - a nacionalidade brasileira; nal);
II - o pleno exercício dos direitos políticos; II - incapacidade civil absoluta;
III - o alistamento eleitoral; III - condenação criminal transitada em julgado, enquanto du-
IV - o domicílio eleitoral na circunscrição (6 meses antes do rarem seus efeitos;
pleito); IV - recusa de cumprir obrigação a todos imposta ou prestação
V - a filiação partidária (6 meses antes do pleito); alternativa, nos termos do art. 5º, VIII;
VI - a idade mínima de: V - improbidade administrativa, nos termos do art. 37, § 4º.
a) 35 anos para Presidente e Vice-Presidente da República e Se-
nador;
Súmula 9, TSE: A suspensão de direitos políticos decorrente de
b) 30 anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do
condenação criminal transitada em julgado cessa com o cum-
Distrito Federal;
primento ou a extinção da pena, independendo de reabilita-
c) 21 anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou Dis-
ção ou de prova de reparação dos danos.
trital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz;
d) 18 anos para Vereador.
§ 4º São inelegíveis os inalistáveis (estrangeiro e conscrito) e Art. 16. A lei que alterar o processo eleitoral entrará em vigor
os analfabetos. na data de sua publicação, não se aplicando à eleição que
§ 5º O Presidente da República, os Governadores de Estado e do ocorra até 1 ano da data de sua vigência.
Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver sucedido, ou subs-
tituído no curso dos mandatos poderão ser reeleitos para um SÚMULA SOBRE DIREITOS POLÍTICOS
único período subsequente.
Súmula vinculante 18-STF: A dissolução da sociedade ou do
§ 6º Para concorrerem a outros cargos, o Presidente da Repúbli-
vínculo conjugal, no curso do mandato, não afasta a inelegibi-
ca, os Governadores de Estado e do Distrito Federal e os Prefeitos
lidade prevista no § 7º do artigo 14 da Constituição Federal
devem renunciar aos respectivos mandatos até 6 meses antes
do pleito.
§ 7º São inelegíveis, no território de jurisdição do titular, o CAPÍTULO V
cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o 2° grau ou DOS PARTIDOS POLÍTICOS
por adoção, do Presidente da República, de Governador de Esta- Art. 17. É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de parti-
do ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os dos políticos, resguardados a soberania nacional, o regime demo-
haja substituído dentro dos 6 meses anteriores ao pleito, salvo se crático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa
já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição. humana e observados os seguintes preceitos:
I - caráter nacional;
II - proibição de recebimento de recursos financeiros de enti-
Súmula 6, TSE: São inelegíveis para o cargo de chefe do Execu-
dade ou governo estrangeiros ou de subordinação a estes;
tivo o cônjuge e os parentes, indicados no § 7º do art. 14 da
III - prestação de contas à Justiça Eleitoral;
Constituição Federal, do titular do mandato, salvo se este, ree-
IV - funcionamento parlamentar de acordo com a lei.
legível, tenha falecido, renunciado ou se afastado definitiva-
§ 1º É assegurada aos partidos políticos autonomia para definir
mente do cargo até seis meses antes do pleito.
sua estrutura interna e estabelecer regras sobre escolha, formação
e duração de seus órgãos permanentes e provisórios e sobre sua
organização e funcionamento e para adotar os critérios de esco-
20

lha e o regime de suas coligações nas eleições majoritárias, ção.


VEDADA A SUA CELEBRAÇÃO NAS ELEIÇÕES PROPORCIO-
NAIS, sem obrigatoriedade de vinculação entre as candidaturas
§ 4º É vedada a utilização pelos partidos políticos de organiza-
em âmbito nacional, estadual, distrital ou municipal, devendo
ção paramilitar.
seus estatutos estabelecer normas de disciplina e fidelidade parti-
§ 5º Ao eleito por partido que não preencher os requisitos
dária.
previstos no § 3º deste artigo é assegurado o mandato e facul-
EC97/17 - Art. 2º A vedação à celebração de coligações nas tada a filiação, SEM PERDA DO MANDATO, a outro partido
eleições proporcionais, prevista no § 1º do art. 17 da Constitui- que os tenha atingido, NÃO SENDO essa filiação CONSIDERA-
ção Federal, aplicar-se-á a partir das eleições de 2020. DA para fins de distribuição dos recursos do fundo partidário
§ 2º Os partidos políticos, após adquirirem personalidade ju- e de acesso gratuito ao tempo de rádio e de televisão.
rídica, na forma da lei civil, registrarão seus estatutos no TSE
§ 3º Somente terão direito a recursos do fundo partidário e TÍTULO III
acesso gratuito ao rádio e à televisão, na forma da lei, os parti- Da Organização do Estado
dos políticos que alternativamente: CAPÍTULO I
I - obtiverem, nas eleições para a Câmara dos Deputados, no DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA
mínimo, 3% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos 1/3 Art. 18. A organização político-administrativa da República Fe-
das unidades da Federação, com um mínimo de 2% dos votos derativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito
válidos em cada uma delas; ou Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos desta
II - tiverem elegido pelo menos 15 Deputados Federais distribu- Constituição.
ídos em pelo menos 1/3 das unidades da Federação. § 1º Brasília é a Capital Federal.
§ 2º Os Territórios Federais integram a União, e sua criação,
EC97/17 transformação em Estado ou reintegração ao Estado de origem
Art. 3º O disposto no § 3º do art. 17 da Constituição Federal serão reguladas em LC.
quanto ao acesso dos partidos políticos aos recursos do fundo § 3º Os Estados podem incorporar-se entre si, subdividir-se ou
partidário e à propaganda gratuita no rádio e na televisão apli- desmembrar-se para se anexarem a outros, ou formarem no-
car-se-á a partir das eleições de 2030. vos Estados ou Territórios Federais, mediante aprovação da
Parágrafo único. Terão acesso aos recursos do fundo partidário e população diretamente interessada, através de plebiscito, e
à propaganda gratuita no rádio e na televisão os partidos políti- do Congresso Nacional, por LC.
cos que: § 4º A criação, a incorporação, a fusão e o desmembramento
I - na legislatura seguinte às eleições de 2018: de Municípios, far-se-ão por lei estadual, dentro do período
a) obtiverem, nas eleições para a Câmara dos Deputados, no determinado por LC Federal, e dependerão de consulta pré-
mínimo, 1,5% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos via, mediante plebiscito, às populações dos Municípios envol-
1/3 das unidades da Federação, com um mínimo de 1% dos vidos, após divulgação dos Estudos de Viabilidade Municipal,
votos válidos em cada uma delas; ou apresentados e publicados na forma da lei.
b) tiverem elegido pelo menos 9 Deputados Federais distribuí-
dos em pelo menos 1/3 das unidades da Federação; CRIAÇÃO, INCORPORAÇÃO, CRIAÇÃO, INCORPORAÇÃO,
II - na legislatura seguinte às eleições de 2022: FUSÃO E FUSÃO E
a) obtiverem, nas eleições para a Câmara dos Deputados, no DESMEMBRAMENTO DE DESMEMBRAMENTO DE
mínimo, 2% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos 1/3 ESTADOS MUNICÍPIOS
das unidades da Federação, com um mínimo de 1% dos votos
Aprovação da população dire- Lei estadual, dentro do período
válidos em cada uma delas; ou
tamente interessada, através de determinado por LC Federal
b) tiverem elegido pelo menos 11 Deputados Federais distribuí-
plebiscito
dos em pelo menos 1/3 das unidades da Federação;
III - na legislatura seguinte às eleições de 2026: LC Divulgação dos Estudos de Via-
a) obtiverem, nas eleições para a Câmara dos Deputados, no bilidade Municipal
mínimo, 2,5% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos
Consulta prévia às populações
1/3 das unidades da Federação, com um mínimo de 1,5% dos
dos Municípios envolvidos,
votos válidos em cada uma delas; ou
mediante plebiscito
b) tiverem elegido pelo menos 13 Deputados Federais distribuí-
dos em pelo menos 1/3 das unidades da Federação.
Lei 9709/98.

DIREITO A RECURSOS DO APOIAMENTO MÍNIMO PARA Art. 4o A incorporação de Estados entre si, subdivisão ou des-
FUNDO PARTIDÁRIO E REGISTRAR O ESTATUTO membramento para se anexarem a outros, ou formarem novos
ACESSO GRATUITO AO Estados ou Territórios Federais, dependem da aprovação da
RÁDIO E À TELEVISÃO população diretamente interessada, por meio de plebiscito
realizado na mesma data e horário em cada um dos Estados,
3% dos votos válidos para CD Período de 2 anos e do Congresso Nacional, por lei complementar, ouvidas as
1/3 das unidades da Federa- Eleitores NÃO filiados respectivas Assembleias Legislativas.
ção, com um mínimo de 2% 0,5% votos dados na para a CD § 1o Proclamado o resultado da consulta plebiscitária, sendo fa-
OU 1/3 dos Estados (9E), com um vorável à alteração territorial prevista no caput, o projeto de lei
pelo menos 15 Deputados Fe- mínimo de 0,1% do eleitorado complementar respectivo será proposto perante qualquer das
derais em cada um Casas do Congresso Nacional.
1/3 das unidades da Federa-
21

§ 2o À Casa perante a qual tenha sido apresentado o projeto de União.


lei complementar referido no parágrafo anterior compete proce- 6) Os Conselhos de Fiscalização Profissionais possuem natu-
der à audiência das respectivas Assembleias Legislativas. reza jurídica de autarquia, sujeitando-se, portanto, ao regime
§ 3o Na oportunidade prevista no parágrafo anterior, as respec- jurídico de direito público.
tivas Assembleias Legislativas opinarão, sem caráter vinculati- 7) O benefício da isenção do preparo, conferido aos entes pú-
vo, sobre a matéria, e fornecerão ao Congresso Nacional os de- blicos previstos no art. 4º, caput, da Lei n. 9.289/1996, é inapli-
talhamentos técnicos concernentes aos aspectos administrati- cável aos Conselhos de Fiscalização Profissional. (Tese julgada
vos, financeiros, sociais e econômicos da área geopolítica afeta- sob rito do art. 543-C do CPC/73 TEMA 625)
da. 8) O arquivamento provisório previsto no art. 20 da Lei n.
10.522/2002, dirigido aos débitos inscritos como dívida ativa da
§ 4o O Congresso Nacional, ao aprovar a lei complementar, to-
União pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional ou por ela
mará em conta as informações técnicas a que se refere o parág-
cobrados, não se aplica às execuções fiscais movidas pelos
rafo anterior.
conselhos de fiscalização profissional ou pelas autarquias
Art. 5o O plebiscito destinado à criação, à incorporação, à fusão federais. (Súmula n. 583/STJ) (Tese julgada sob rito do art. 543-
e ao desmembramento de Municípios, será convocado pela As- C do CPC/73 TEMAS 636 e 612)
sembleia Legislativa, de conformidade com a legislação federal e 9) Os créditos das autarquias federais preferem aos créditos da
estadual. Fazenda estadual desde que coexistam penhoras sobre o mes-
Art. 6o Nas demais questões, de competência dos Estados, do mo bem. (Súmula n. 497/STJ) (Tese julgada sob o rito do art.
Distrito Federal e dos Municípios, o plebiscito e o referendo se- 543-C do CPC/73 TEMA 393)
rão convocados de conformidade, respectivamente, com a 10) As agências reguladoras podem editar normas e regula-
Constituição Estadual e com a Lei Orgânica. mentos no seu âmbito de atuação quando autorizadas por
Art. 7o Nas consultas plebiscitárias previstas nos arts. 4o e 5o en- lei.
tende-se por população diretamente interessada tanto a do 11) NÃO É POSSÍVEL a aplicação de sanções pecuniárias por
território que se pretende desmembrar, quanto a do que so- sociedade de economia mista, facultado o exercício do po-
frerá desmembramento; em caso de fusão ou anexação, tanto der de polícia fiscalizatório.
a população da área que se quer anexar quanto a da que rece-
berá o acréscimo; e a vontade popular se aferirá pelo percentual CAPÍTULO II
que se manifestar em relação ao total da população consultada. DA UNIÃO
Art. 20. São BENS DA UNIÃO:
Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e I - os que atualmente lhe pertencem e os que lhe vierem a ser
aos Municípios: atribuídos;
I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, II - as TERRAS DEVOLUTAS indispensáveis à defesa das fron-
embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus teiras, das fortificações e construções militares, das vias fede-
representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, rais de comunicação e à preservação ambiental, definidas em
na forma da lei, a colaboração de interesse público; lei;
II - recusar fé aos documentos públicos; III - os lagos, rios e quaisquer correntes de água em terrenos
III - criar distinções entre brasileiros ou preferências entre si. de seu domínio, ou que banhem mais de um Estado, sirvam
de limites com outros países, ou se estendam a território es-
JURISPRUDÊNCIA EM TESES DO STJ trangeiro ou dele provenham, bem como os terrenos margi-
nais e as praias fluviais;
EDIÇÃO N. 79: ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA IV - as ilhas fluviais e lacustres nas zonas limítrofes com outros
INDIRETA países; as praias marítimas; as ilhas oceânicas e as costeiras,
1) Aplica-se a prescrição quinquenal do Decreto n. excluídas, destas, as que contenham a sede de Municípios, exceto
20.910/32 às empresas públicas e às sociedades de econo- aquelas áreas afetadas ao serviço público e a unidade ambiental
mia mista responsáveis pela prestação de serviços públicos federal, e as referidas no art. 26, II;
próprios do Estado e que não exploram atividade econômi- V - os recursos naturais da plataforma continental e da zona
ca. econômica exclusiva;
2) Inexiste direito à incorporação de vantagens decorrentes do VI - o mar territorial;
exercício de cargo em comissão ou função de confiança na ad- VII - os terrenos de marinha e seus acrescidos;
ministração pública indireta. VIII - os potenciais de energia hidráulica;
3) As autarquias possuem autonomia administrativa, finan- IX - os recursos minerais, inclusive os do subsolo;
ceira e personalidade jurídica própria, distinta da entidade X - as cavidades naturais subterrâneas e os sítios arqueológi-
política à qual estão vinculadas, razão pela qual seus dirigentes cos e pré-históricos;
têm legitimidade passiva para figurar como autoridades coa- XI - as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios.
toras em Mandados de Segurança. § 1º É assegurada, nos termos da lei, à União, aos Estados, ao
4) As empresas públicas e as sociedades de economia mista Distrito Federal e aos Municípios a participação no resultado
prestadoras de serviços públicos possuem legitimidade ativa da exploração de petróleo ou gás natural, de recursos hídri-
ad causam para a propositura de pedido de suspensão, quan- cos para fins de geração de energia elétrica e de outros recur-
do na defesa de interesse público primário. sos minerais no respectivo território, plataforma continental, mar
5) A universidade federal, organizada sob o regime autárquico, territorial ou zona econômica exclusiva, ou compensação finan-
não possui legitimidade para figurar no polo passivo de de-
ceira por essa exploração. (EC 102/19)
manda que visa à repetição de indébito de valores relativos à
§ 2º A faixa de até 150 KM de largura, ao longo das fronteiras
contribuição previdenciária por ela recolhidos e repassados à
terrestres, designada como faixa de fronteira, é considerada
22

fundamental para defesa do território nacional, e sua ocupa- adquiridos por meio de usucapião.
ção e utilização serão reguladas em lei. 2) Os imóveis administrados pela Companhia Imobiliária de
Brasília - Terracap são públicos e, portanto, insuscetíveis de
SÚMULAS SOBRE BENS PÚBLICOS aquisição por meio de usucapião.
3) O imóvel vinculado ao Sistema Financeiro de Habitação -
STF
SFH, porque afetado à prestação de serviço público, deve ser
Súmula 477-STF: As concessões de terras devolutas situadas na tratado como bem público, não podendo, pois, ser objeto de
faixa de fronteira, feitas pelos estados, autorizam, apenas, o usucapião.
uso, permanecendo o domínio com a União, ainda que se 4) É possível reconhecer a usucapião do domínio útil de bem
mantenha inerte ou tolerante, em relação aos possuidores. público sobre o qual tinha sido, anteriormente, instituída
OBS: são bens da União apenas as terras devolutas indispensá- enfiteuse, pois, nessa circunstância, existe apenas a substituição
veis à defesa das fronteiras (art. 20, II, da CF/88). do enfiteuta pelo usucapiente, não havendo qualquer prejuízo
Súmula 479-STF: As margens dos rios navegáveis são domínio ao Estado.
público, insuscetíveis de expropriação e, por isso mesmo, ex- 5) É incabível a modificação unilateral pela União do valor do
cluídas de indenização. domínio pleno de imóvel aforado, incidindo somente a correção
Segundo o STJ, o entendimento exposto na súmula 479 do STF monetária na atualização anual do pagamento do foro na
não é absoluto e deve ser mitigado quando comprovado que enfiteuse de seus bens (art. 101 do Decreto-Lei n. 9760/1946).
o particular possui um justo título sobre a área desapropri- 6) As concessões de terras devolutas situadas na faixa de
anda. Assim, o particular desapropriado poderá receber indeni- fronteira, feitas pelos Estados, autorizam, apenas, o uso,
zação por eventuais benfeitorias situadas em terrenos marginais permanecendo o domínio com a União, ainda que se
dos rios navegáveis quando as tiver realizado em imóvel de seu mantenha inerte ou tolerante, em relação aos possuidores.
domínio, assim reconhecido, legitimamente, pelo Poder Público. (Súmula n. 477/STF)
Caso não possua justo título, logicamente, não serão indenizá- 7) Terras em faixas de fronteira e aquelas sem registro imobiliário
veis as benfeitorias (STJ AgRg no REsp 1302118/MG, julgado em NÃO SÃO, POR SI SÓ, TERRAS DEVOLUTAS, cabendo ao ente
17/05/2012). federativo comprovar a titularidade desses terrenos.
Súmula 480-STF: Pertencem ao domínio e administração da 8) O descumprimento de encargo estabelecido em lei que
União, nos termos dos artigos 4, IV, e 186, da Constituição Fe- determinara a doação de bem público enseja, por si só, a sua
deral de 1967, as terras ocupadas por silvícolas. desconstituição.
De acordo com o art. 20, XI, da CF/88, são bens da União as ter - 9) A ocupação indevida de bem público configura MERA
ras tradicionalmente ocupadas pelos índios. DETENÇÃO, de natureza precária, insuscetível de retenção ou
Súmula 650-STF: Os incisos I e XI do art. 20 da Constituição indenização por acessões e benfeitorias. (Súmula n. 619/STJ)
Federal não alcançam terras de aldeamentos extintos, ainda 10) Construção ou atividade irregular em bem de uso comum do
que ocupadas por indígenas em passado remoto. povo revela dano presumido à coletividade, dispensada prova
As terras ocupadas, em passado remoto, por aldeamentos indí- de prejuízo em concreto.
genas não são bens da União (STF AI-AgR 307401/SP). 11) Os registros de propriedade particular de imóveis situados
em terrenos de marinha não são oponíveis à União. (Súmula n.
STJ
496/ STJ) (Tese julgada sob o rito do art. 543-C do CPC/73 -
Súmula 103-STJ: Incluem-se entre os imóveis funcionais que TEMA 419)
podem ser vendidos os administrados pelas forças armadas e
ocupados pelos servidores civis.
1) particular invade imóvel 2) particular invade imóvel
Súmula 496-STJ: Os registros de propriedade particular de imó-
público e deseja proteção público e deseja proteção
veis situados em terrenos de marinha não são oponíveis à Uni-
possessória em face do possessória em face de outro
ão.
PODER PÚBLICO: PARTICULAR:
Os terrenos de marinha pertencem à União, por uma imposição
legal, desde a época em que o Estado brasileiro foi criado. A CF/ Não terá direito à proteção Terá direito, em tese, à prote-
88 apenas manteve essa situação (art. 20, VII, da CF/88). Logo, possessória. Não poderá ção possessória. É possível o
não tem qualquer validade o título de propriedade outorga- exercer interditos possessó- manejo de interditos possessó-
do a particular de bem imóvel situado em terreno de mari- rios porque, perante o Poder rios em litígio entre particulares
nha ou acrescido. Quando a União faz o procedimento de de- Público, ele EXERCE MERA sobre bem público dominical,
marcação do terreno de marinha, ela declara que todos os imó- DETENÇÃO. pois entre ambos a disputa será
veis existentes naquela determinada faixa são da União e os relativa à posse.
eventuais títulos de propriedade de particulares são também *Tabela retirada do site www.dizerodireito.com.br
declarados nulos. Não é nem sequer necessário que a União aju-
íze uma ação específica de anulação dos registros de proprieda- Art. 21. Compete à União:
de dos ocupantes de terrenos de marinha. Basta o procedimen- I - manter relações com Estados estrangeiros e participar de orga-
to de demarcação. nizações internacionais;
II - declarar a guerra e celebrar a paz;
JURISPRUDÊNCIA EM TESES DO STJ III - assegurar a defesa nacional;
IV - permitir, nos casos previstos em LC, que forças estrangeiras
EDIÇÃO N. 124: BENS PÚBLICOS transitem pelo território nacional ou nele permaneçam temporari-
1) Os bens integrantes do acervo patrimonial de sociedades de amente;
economia mista sujeitos a uma destinação pública equiparam- V - decretar o estado de sítio, o estado de defesa e a interven-
se a bens públicos, sendo, portanto, insuscetíveis de serem ção federal;
23

VI - autorizar e fiscalizar a produção e o comércio de material c) sob regime de permissão, são autorizadas a produção, co-
bélico; mercialização e utilização de radioisótopos de meia-vida igual
VII - emitir moeda; ou inferior a 2 horas;
VIII - administrar as reservas cambiais do País e fiscalizar as d) a responsabilidade civil por danos nucleares independe da
operações de natureza financeira, especialmente as de crédi- existência de culpa (teoria do risco integral);
to, câmbio e capitalização, bem como as de seguros e de pre- XXIV - organizar, manter e executar a inspeção do trabalho;
vidência privada; XXV - estabelecer as áreas e as condições para o exercício da
IX - elaborar e executar planos nacionais e regionais de ordena- atividade de garimpagem, em forma associativa.
ção do território e de desenvolvimento econômico e social;
X - manter o serviço postal e o correio aéreo nacional; Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre:
XI - explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão ou I - direito civil, comercial, penal, processual, eleitoral, agrário,
permissão, os serviços de telecomunicações, nos termos da lei, marítimo, aeronáutico, espacial e do trabalho;
que disporá sobre a organização dos serviços, a criação de um ór- II - desapropriação;
gão regulador e outros aspectos institucionais III - requisições civis e militares, em caso de iminente perigo e em
XII - explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão tempo de guerra;
ou permissão: IV - águas, energia, informática, telecomunicações e radiodifu-
a) os serviços de radiodifusão sonora, e de sons e imagens; são;
b) os serviços e instalações de energia elétrica e o aproveita- V - serviço postal;
mento energético dos cursos de água, em articulação com os VI - sistema monetário e de medidas, títulos e garantias dos
Estados onde se situam os potenciais hidroenergéticos; metais;
c) a navegação aérea, aeroespacial e a infraestrutura aeropor- VII - política de crédito, câmbio, seguros e transferência de
tuária; valores;
d) os serviços de transporte ferroviário e aquaviário entre por- VIII - comércio exterior e interestadual;
tos brasileiros e fronteiras nacionais, ou que transponham os IX - diretrizes da política nacional de transportes;
limites de Estado ou Território; X - regime dos portos, navegação lacustre, fluvial, marítima,
e) os serviços de transporte rodoviário interestadual e interna- aérea e aeroespacial;
cional de passageiros; XI - trânsito e transporte;
f) os portos marítimos, fluviais e lacustres; XII - jazidas, minas, outros recursos minerais e metalurgia;
XIII - organizar e manter o Poder Judiciário, o Ministério Públi- XIII - nacionalidade, cidadania e naturalização;
co do Distrito Federal e dos Territórios e a Defensoria Pública XIV - populações indígenas;
dos Territórios; XV - emigração e imigração, entrada, extradição e expulsão de
XIV - organizar e manter a polícia civil, a polícia penal a polícia estrangeiros;
militar e o corpo de bombeiros militar do Distrito Federal, XVI - organização do sistema nacional de emprego e condições
bem como prestar assistência financeira ao Distrito Federal para a para o exercício de profissões;
execução de serviços públicos, por meio de fundo próprio; (EC XVII - organização judiciária, do Ministério Público do Distrito Fe-
104/19) deral e dos Territórios e da Defensoria Pública dos Territórios,
XV - organizar e manter os serviços oficiais de estatística, geo- bem como organização administrativa destes;
grafia, geologia e cartografia de âmbito nacional; XVIII - sistema estatístico, sistema cartográfico e de geologia naci-
XVI - exercer a classificação, para efeito indicativo, de diver- onais;
sões públicas e de programas de rádio e televisão; XIX - sistemas de poupança, captação e garantia da poupança
XVII - conceder anistia; popular;
XVIII - planejar e promover a defesa permanente contra as cala- XX - sistemas de consórcios e sorteios;
midades públicas, especialmente as secas e as inundações; XXI -normas gerais de organização, efetivos, material bélico, ga-
XIX - instituir sistema nacional de gerenciamento de recursos rantias, convocação, mobilização, inatividades e pensões das polí-
hídricos e definir critérios de outorga de direitos de seu uso; cias militares e dos corpos de bombeiros militares (EC 103/19);
XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento urbano, inclusi- XXII - competência da polícia federal e das polícias rodoviária e
ve habitação, saneamento básico e transportes urbanos; ferroviária federais;
XXI - estabelecer princípios e diretrizes para o sistema nacional de XXIII - seguridade social;
viação; XXIV - diretrizes e bases da educação nacional;
XXII - executar os serviços de polícia marítima, aeroportuária e
de fronteiras; Competência Privativa da Competência Concorrente
XXIII - explorar os serviços e instalações nucleares de qualquer União
natureza e exercer monopólio estatal sobre a pesquisa, a la-
vra, o enriquecimento e reprocessamento, a industrialização e Diretrizes e bases da educação Educação, ensino
o comércio de minérios nucleares e seus derivados, atendidos nacional
os seguintes princípios e condições:
a) toda atividade nuclear em território nacional somente será ad- XXV - registros públicos;
mitida para fins pacíficos e mediante aprovação do Congresso XXVI - atividades nucleares de qualquer natureza;
Nacional; XXVII – normas gerais de licitação e contratação, em todas as
b) sob regime de permissão, são autorizadas a comercializa- modalidades, para as administrações públicas diretas, autárquicas
ção e a utilização de radioisótopos para a pesquisa e usos e fundacionais da União, Estados, Distrito Federal e Municípios,
médicos, agrícolas e industriais; obedecido o disposto no art. 37, XXI, e para as empresas públicas
e sociedades de economia mista, nos termos do art. 173, § 1°, III;
24

XXVIII - defesa territorial, defesa aeroespacial, defesa marítima, Seguridade Social Previdência Social
defesa civil e mobilização nacional;
XXIX - propaganda comercial. Competência privativa Competência concorrente
Parágrafo único. LC poderá autorizar os Estados a legislar so- da União
bre questões específicas das matérias relacionadas neste artigo.
XIII - assistência jurídica e Defensoria pública;
Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Dis- XIV - proteção e integração social das pessoas portadoras de
trito Federal e dos Municípios: deficiência;
I - zelar pela guarda da Constituição, das leis e das instituições XV - proteção à infância e à juventude;
democráticas e conservar o patrimônio público; XVI - organização, garantias, direitos e deveres das polícias civis.
II - cuidar da saúde e assistência pública, da proteção e garan- § 1º No âmbito da legislação concorrente, a competência da Uni-
tia das pessoas portadoras de deficiência; ão limitar-se-á a estabelecer normas gerais.
III - proteger os documentos, as obras e outros bens de valor § 2º A competência da União para legislar sobre normas gerais
histórico, artístico e cultural, os monumentos, as paisagens NÃO EXCLUI a competência suplementar dos Estados.
naturais notáveis e os sítios arqueológicos; § 3º Inexistindo lei federal sobre normas gerais, os Estados
IV - impedir a evasão, a destruição e a descaracterização de exercerão a competência legislativa plena, para atender a suas
obras de arte e de outros bens de valor histórico, artístico ou peculiaridades.
cultural; § 4º A superveniência de lei federal sobre normas gerais SUS-
V - proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação, à ciên- PENDE a eficácia da lei estadual, no que lhe for contrário.
cia, à tecnologia, à pesquisa e à inovação;
VI - proteger o meio ambiente e combater a poluição em qual- SÚMULAS SOBRE COMPETÊNCIAS LEGISLATIVAS
quer de suas formas;
VII - preservar as florestas, a fauna e a flora; STF
VIII - fomentar a produção agropecuária e organizar o abasteci- Súmula vinculante 2-STF: É inconstitucional a lei ou ato nor-
mento alimentar; mativo estadual ou distrital que disponha sobre sistemas de
IX - promover programas de construção de moradias e a me- consórcios e sorteios, inclusive bingos e loterias.
lhoria das condições habitacionais e de saneamento básico; Segundo o STF, a expressão “sistema de sorteios” constante do
X - combater as causas da pobreza e os fatores de marginali- art. 22, XX, da CF/88 alcança os jogos de azar, as loterias e si-
zação, promovendo a integração social dos setores desfavoreci- milares, dando interpretação que veda a edição de legislação
dos; estadual sobre a matéria, diante da competência privativa da
XI - registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direitos de União (ADI 3895, j. em 04/06/2008).
pesquisa e exploração de recursos hídricos e minerais em seus Súmula Vinculante 38-STF: É competente o município para fi-
territórios; xar o horário de funcionamento de estabelecimento comerci-
XII - estabelecer e implantar política de educação para a segu- al.
rança do trânsito. Lei municipal pode dispor sobre:
Parágrafo único. Leis complementares fixarão normas para a coo- a) Horário de funcionamento de estabelecimento comercial: SIM
peração entre a União e os Estados, o Distrito Federal e os Muni - (SV 38).
cípios, tendo em vista o equilíbrio do desenvolvimento e do bem- b) Horário de funcionamento dos bancos (horário bancário):
estar em âmbito nacional. NÃO (Súmula 19 do STJ).
c) Medidas que propiciem segurança, conforto e rapidez aos
Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal le- usuários de serviços bancários: SIM.
gislar concorrentemente sobre (não inclui Município): Súmula Vinculante 39-STF: Compete privativamente à União
I - direito tributário, financeiro, penitenciário, econômico e legislar sobre vencimentos dos membros das polícias civil e mili-
urbanístico; tar e do corpo de bombeiros militar do Distrito Federal.
II - orçamento; Súmula Vinculante 46-STF: A definição dos crimes de respon-
III - juntas comerciais; sabilidade e o estabelecimento das respectivas normas de pro-
IV - custas dos serviços forenses; cesso e julgamento são da competência legislativa privativa da
V - produção e consumo; União.
VI - florestas, caça, pesca, fauna, conservação da natureza, defesa OBS: a doutrina conceitua os crimes de responsabilidade como
do solo e dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e sendo “infrações político-administrativas”. No entanto, o STF en-
controle da poluição; tende que, para fins de competência legislativa, isso é maté-
VII - proteção ao patrimônio histórico, cultural, artístico, turístico ria que se insere no direito penal e processual, de forma que
e paisagístico; a competência é da União
VIII - responsabilidade por dano ao meio ambiente, ao consu- Súmula vinculante 49-STF: Ofende o princípio da livre con-
midor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, tu- corrência lei municipal que impede a instalação de estabeleci-
rístico e paisagístico; mentos comerciais do mesmo ramo em determinada área
IX - educação, cultura, ensino, desporto, ciência, tecnologia, pes- Súmula 419-STF: Os municípios tem competência para regu-
quisa, desenvolvimento e inovação; lar o horário do comércio local, desde que não infrinjam leis
X - criação, funcionamento e processo do juizado de pequenas estaduais ou federais válidas.
causas; Súmula 645-STF: É competente o Município para fixar o horá-
XI - procedimentos em matéria processual; rio de funcionamento de estabelecimento comercial.
XII - previdência social, proteção e defesa da saúde; Súmula 722-STF: São da competência legislativa da União a
definição dos crimes de responsabilidade e o estabelecimento
25

das respectivas normas de processo e julgamento.


Art. 28. A eleição do Governador e do Vice-Governador de Estado,
STJ para mandato de 4 anos, realizar-se-á no primeiro domingo de
Súmula 19-STJ: A fixação do horário bancário, para atendi- outubro, em primeiro turno, e no último domingo de outu-
mento ao público, é da competência da União. bro, em segundo turno, se houver, do ano anterior ao do térmi-
OBS: os Municípios podem legislar sobre medidas que propici- no do mandato de seus antecessores, e a posse ocorrerá em 1°
em segurança, conforto e rapidez aos usuários de serviços ban- de janeiro do ano subsequente, observado, quanto ao mais, o
cários (STF ARE 691591 AgR/RS, julgado em 18/12/2012) disposto no art. 77.
§ 1º Perderá o mandato o Governador que assumir outro car-
go ou função na administração pública direta ou indireta, res-
CAPÍTULO III
salvada a posse em virtude de concurso público e observado o
DOS ESTADOS FEDERADOS
disposto no art. 38, I, IV e V.
Art. 25. Os Estados organizam-se e regem-se pelas Constituições
§ 2º Os subsídios do Governador, do Vice-Governador e dos
e leis que adotarem, observados os princípios desta Constituição.
Secretários de Estado serão fixados por lei de iniciativa da As-
§ 1º São reservadas aos Estados as competências que não lhes
sembleia Legislativa, observado o que dispõem os arts. 37, XI,
sejam vedadas por esta Constituição (competência residual)
39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I.
§ 2º Cabe aos Estados explorar diretamente, ou mediante conces-
são, os SERVIÇOS LOCAIS DE GÁS CANALIZADO, na forma da
CAPÍTULO IV
lei, vedada a edição de medida provisória para a sua regula-
Dos Municípios
mentação.
Art. 29. O Município reger-se-á por lei orgânica, votada em 2
§ 3º Os Estados poderão, mediante LC, instituir regiões metropoli-
turnos, com o interstício mínimo de 10 dias, e aprovada por
tanas, aglomerações urbanas e microrregiões, constituídas por
2/3 dos membros da Câmara Municipal, que a promulgará, aten-
agrupamentos de municípios limítrofes, para integrar a organiza-
didos os princípios estabelecidos nesta Constituição, na Constitui-
ção, o planejamento e a execução de funções públicas de interes-
ção do respectivo Estado e os seguintes preceitos:
se comum.
Lei Orgânica do Município não é fruto do Poder Constituinte
Art. 26. Incluem-se entre os BENS DOS ESTADOS: Derivado Decorrente.
I - as águas superficiais ou subterrâneas, fluentes, emergentes I - eleição do Prefeito, do Vice-Prefeito e dos Vereadores, para
e em depósito, ressalvadas, neste caso, na forma da lei, as decor- mandato de 4 anos, mediante pleito direto e simultâneo realiza-
rentes de obras da União; do em todo o País;
II - as áreas, nas ilhas oceânicas e costeiras, que estiverem no seu II - eleição do Prefeito e do Vice-Prefeito realizada no primeiro
domínio, excluídas aquelas sob domínio da União, Municípios domingo de outubro do ano anterior ao término do mandato dos
ou terceiros; que devam suceder, aplicadas as regras do art. 77 (segundo tur-
III - as ilhas fluviais e lacustres não pertencentes à União; no), no caso de Municípios com mais de 200 mil ELEITORES;
IV - as TERRAS DEVOLUTAS não compreendidas entre as da Uni - III - posse do Prefeito e do Vice-Prefeito no dia 1º de janeiro do
ão. ano subsequente ao da eleição;
IV - para a composição das Câmaras Municipais, será observado o
Art. 27. O número de Deputados à Assembleia Legislativa cor- limite máximo de 9 a 55 vereadores
responderá ao triplo da representação do Estado na Câmara V - subsídios do Prefeito, do Vice-Prefeito e dos Secretários
dos Deputados e, atingido o número de 36, será acrescido de Municipais fixados por lei de iniciativa da Câmara Municipal,
tantos quantos forem os Deputados Federais acima de 12. observado o que dispõem os arts. 37, XI, 39, § 4º, 150, II, 153, III, e
§ 1º Será de 4 anos o mandato dos Deputados Estaduais, apli- 153, § 2º, I;
cando-se-lhes as regras desta Constituição sobre sistema eleito- VI - o subsídio dos Vereadores será fixado pelas respectivas
ral, inviolabilidade, imunidades, remuneração, perda de mandato, Câmaras Municipais em cada legislatura para a subsequente, ob-
licença, impedimentos e incorporação às Forças Armadas. servado o que dispõe esta Constituição, observados os critérios
§ 2º O subsídio dos Deputados Estaduais será fixado por lei de estabelecidos na respectiva Lei Orgânica e os seguintes limites
iniciativa da Assembleia Legislativa, na razão de, no máximo, máximos (20% a 75% dos Deputados Estaduais).
75% daquele estabelecido, em espécie, para os Deputados Fe- VII - o total da despesa com a remuneração dos Vereadores não
derais, observado o que dispõem os arts. 39, § 4º, 57, § 7º, 150, II, poderá ultrapassar o montante de 5% da receita do Município;
153, III, e 153, § 2º, I. VIII - INVIOLABILIDADE DOS VEREADORES por suas opiniões,
§ 3º Compete às Assembleias Legislativas dispor sobre seu regi- palavras e votos no exercício do mandato e na circunscrição
mento interno, polícia e serviços administrativos de sua secretaria, do Município;
e prover os respectivos cargos.
§ 4º A lei disporá sobre a iniciativa popular no processo legislativo
estadual.
VEREADORES
DEPUTADOS ESTADUAIS
Imunidade formal Imunidade material
Imunidade formal Imunidade material
NÃO gozam Possuem, mas desde que
Podem ser de duas espécies: São invioláveis, civil e relacionada ao mandato e por
a) Em relação à prisão penalmente, por quaisquer de manifestações promovidas
b) Em relação ao processo suas opiniões, palavras e votos dentro do Município.
andamento da ação
Requisitos:
*Informações retiradas do site www.dizerodireito.com.br
26

1) que as opiniões, palavras e VII - prestar, com a cooperação técnica e financeira da União e do
votos tenham relação como o Estado, serviços de atendimento à saúde da população;
exercício do mandato; e VIII - promover, no que couber, adequado ordenamento territo-
2) que tenham sido proferidas rial, mediante planejamento e controle do uso, do parcelamento
na circunscrição (dentro dos e da ocupação do solo urbano;
limites territoriais) do IX - promover a proteção do patrimônio histórico-cultural local,
Município. observada a legislação e a ação fiscalizadora federal e estadual.

Art. 31. A fiscalização do Município será exercida pelo Poder Le-


*Informações retiradas do site www.dizerodireito.com.br
gislativo Municipal, mediante controle externo, e pelos siste-
mas de controle interno do Poder Executivo Municipal, na for-
IX - proibições e incompatibilidades, no exercício da vereança, si-
ma da lei.
milares, no que couber, ao disposto nesta Constituição para os
§ 1º O controle externo da Câmara Municipal será exercido com
membros do Congresso Nacional e na Constituição do respectivo
o auxílio dos Tribunais de Contas dos Estados ou do Municí-
Estado para os membros da Assembleia Legislativa;
pio ou dos Conselhos ou Tribunais de Contas dos Municípios,
X - julgamento do Prefeito perante o Tribunal de Justiça;
onde houver.
XI - organização das funções legislativas e fiscalizadoras da Câma-
§ 2º O parecer prévio, emitido pelo órgão competente sobre as
ra Municipal;
contas que o Prefeito deve anualmente prestar, só deixará de
XII - cooperação das associações representativas no planejamento
prevalecer por decisão de 2/3 dos membros da Câmara Muni-
municipal;
cipal.
XIII - iniciativa popular de projetos de lei de interesse específi-
§ 3º As contas dos Municípios ficarão, durante 60 dias, anualmen-
co do Município, da cidade ou de bairros, através de manifesta-
te, à disposição de qualquer contribuinte, para exame e aprecia-
ção de, pelo menos, 5% do eleitorado;
ção, o qual poderá questionar-lhes a legitimidade, nos termos da
XIV - perda do mandato do Prefeito, nos termos do art. 28, parág-
lei.
rafo único. (art. 28, §1°)
§ 4º É VEDADA a criação de Tribunais, Conselhos ou órgãos de
Contas Municipais.
Art. 29-A. O total da despesa do Poder Legislativo Municipal, in-
cluídos os subsídios dos Vereadores e excluídos os gastos com
inativos, não poderá ultrapassar os seguintes percentuais, relati- Tribunais de Contas DOS Tribunal de Contas DO
vos ao somatório da receita tributária e das transferências previs- MUNICÍPIOS MUNICÍPIO
tas no § 5o do art. 153 e nos arts. 158 e 159, efetivamente realiza- Órgão estadual que atua na Órgão municipal que atua na
do no exercício anterior (7% a 3,5%). fiscalização das contas de fiscalização das contas de um
§ 1o A Câmara Municipal não gastará mais de 70% de sua recei- todos os Municípios de único Município.
ta com folha de pagamento, incluído o gasto com o subsídio de determinado Estado.
seus Vereadores.
Atua como órgão auxiliar de Atua como órgão auxiliar de
§ 2o Constitui CRIME DE RESPONSABILIDADE DO PREFEITO todas as Câmaras Municipais uma única Câmara Municipal
Municipal: de determinado Estado no no exercício do controle
I - efetuar repasse que supere os limites definidos neste artigo; exercício do controle externo externo sobre determinado
II - não enviar o repasse até o dia 20 de cada mês; ou sobre os respectivos Município.
III - enviá-lo a menor em relação à proporção fixada na Lei Orça- Municípios daquele Estado.
mentária.
§ 3o Constitui CRIME DE RESPONSABILIDADE DO PRESIDEN- A CF/88 permite que os A CF/88 proíbe que sejam
TE DA CÂMARA MUNICIPAL o desrespeito ao § 1 o deste artigo Estados criem novos Tribunais criados novos Tribunais de
(gastar mais de 70% da receita da Câmara com folha de paga- de Contas dos Municípios. Contas Municipais.
mento) Atualmente, existem três: TCM/ Atualmente, existem dois: TCM/
BA, TCM/GO e TCM/PA. Rio deJaneiro e TCM/São Paulo.
Art. 30. Compete aos Municípios:
*Tabela retirada do site www.dizerodireito.com.br
I - legislar sobre assuntos de interesse local;
II - suplementar a legislação federal e a estadual no que cou-
CAPÍTULO V
ber;
DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS
III - instituir e arrecadar os tributos de sua competência, bem
Seção I
como aplicar suas rendas, sem prejuízo da obrigatoriedade de
DO DISTRITO FEDERAL
prestar contas e publicar balancetes nos prazos fixados em lei;
Art. 32. O Distrito Federal, vedada sua divisão em Municípios,
IV - criar, organizar e suprimir distritos, observada a legislação es-
reger-se-á por lei orgânica, votada em 2 turnos com interstício
tadual;
mínimo de 10 dias, e aprovada por 2/3 da Câmara Legislativa,
V - organizar e prestar, diretamente ou sob regime de conces-
que a promulgará, atendidos os princípios estabelecidos nesta
são ou permissão, os serviços públicos de interesse local, in-
Constituição.
cluído o de TRANSPORTE COLETIVO, que tem caráter essenci-
al; Lei Orgânica do DF é fruto do Poder Constituinte Derivado
VI - manter, com a cooperação técnica e financeira da União e do Decorrente. STF (ADI 3756)
Estado, programas de educação infantil e de ensino funda- § 1º Ao Distrito Federal são atribuídas as competências legislati-
mental; vas reservadas aos Estados e Municípios.
27

§ 2º A eleição do Governador e do Vice-Governador, observadas


as regras do art. 77, e dos Deputados Distritais coincidirá com a FORMA DE GOVERNO República
dos Governadores e Deputados Estaduais, para mandato de igual
duração. FORMA DE ESTADO Federação
§ 3º Aos Deputados Distritais e à Câmara Legislativa aplica-se o SISTEMA DE GOVERNO Presidencialismo
disposto no art. 27.
§ 4º Lei federal disporá sobre a utilização, pelo Governo do Dis- REGIME DE GOVERNO Democracia
trito Federal, da polícia civil, da polícia penal, da polícia militar e
do corpo de bombeiros militar (EC 104/19) INTERVENÇÃO FEDERAL

Seção II HIPÓTESES PROCEDIMENTO


DOS TERRITÓRIOS 1) manter a integridade na- O Presidente da República, ao per-
Art. 33. A lei disporá sobre a organização administrativa e judiciá- cional. ceber a ocorrência de alguma des-
ria dos Territórios. sas hipóteses, deverá decretar
§ 1º Os Territórios poderão ser divididos em Municípios (DF 2) repelir invasão
a intervenção, mesmo que não
não pode), aos quais se aplicará, no que couber, o disposto no estrangeira ou de uma
tenha sido solicitada por nin-
Capítulo IV deste Título. unidade da Federação em
guém. A INTERVENÇÃO SERÁ
§ 2º As contas do Governo do Território serão submetidas ao outra.
DECRETADA DE OFÍCIO (DE
Congresso Nacional, com parecer prévio do TCU 3) pôr termo (acabar) a FORMA ESPONTÂNEA).
§ 3º Nos Territórios Federais com mais de 100 mil habitantes, grave comprometimento da O Presidente decreta a interven-
além do Governador nomeado na forma desta Constituição, ha- ordem pública. ção por meio de um Decreto Pre-
verá órgãos judiciários de 1a e 2a instância, membros do Minis- sidencial deverá trazer as regras
tério Público e defensores públicos federais; a lei disporá sobre 4) reorganizar as finanças
sobre a intervenção (amplitude,
as eleições para a Câmara Territorial e sua competência deliberati- do Estado/DF caso ele
prazo, condições). No Decreto, o
va. tenha:
Presidente poderá nomear um in-
a) suspendido o pagamento
terventor para administrar o Esta-
CAPÍTULO VI da dívida fundada por mais
do, caso entenda necessário.
DA INTERVENÇÃO de dois anos consecutivos,
O Decreto deverá ser submetido à
Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Fe- salvo motivo de força
apreciação do Congresso Nacio-
deral, exceto para: maior;
nal, no prazo de 24 horas. A dou-
I - manter a integridade nacional; b) deixado de entregar aos
trina chama isso de “controle po-
II - repelir invasão estrangeira ou de uma unidade da Federa- Municípios as receitas
lítico” da intervenção. Se o Con-
ção em outra; tributárias, dentro dos prazos
gresso não estiver funcionando, o
III - pôr termo a grave comprometimento da ordem pública; estabelecidos em lei.
Presidente do Senado deverá fazer
IV - garantir o livre exercício de qualquer dos Poderes nas uni- uma convocação extraordinária.
dades da Federação; Antes de decretar a intervenção, o
V - reorganizar as finanças da unidade da Federação que: Presidente consultará o Conselho
a) suspender o pagamento da dívida fundada por mais de 2 anos da República e o Conselho de De-
consecutivos, salvo motivo de força maior; fesa Nacional, sendo tais manifes-
b) deixar de entregar aos Municípios receitas tributárias fixadas tações apenas opinativas (não vin-
nesta Constituição, dentro dos prazos estabelecidos em lei; culantes).
VI - prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judici-
al; 5) A União poderá intervir Se o Poder Executivo ou
VII - assegurar a observância dos seguintes princípios constitu- no Estado/DF para garantir Legislativo estadual que estiver
cionais (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS SENSÍVEIS): o livre exercício de qualquer sendo coagido/impedido, deverá
a) forma republicana, sistema representativo e regime demo- dos Poderes nas unidades solicitar (“pedir”) ao Presidente da
crático; da Federação. República que intervenha no
b) direitos da pessoa humana; Estado.
c) autonomia municipal; Se o Poder Judiciário estiver sendo
d) prestação de contas da administração pública, direta e indire- coagido/impedido, deve solicitar
ta. providências ao STF. Se o STF
e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impos- concordar com o pedido, irá
tos estaduais, compreendida a proveniente de transferências, na requisitar do Presidente da
manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços República a intervenção (a
públicos de saúde. requisição é vinculante).
O Decreto de intervenção também
será submetido à apreciação do
PRINCÍPIOS CLÁUSULA PÉTREA
CN, no prazo de 24 horas.
CONSTITUCIONAIS
SENSÍVEIS 6) A União poderá intervir A decretação da intervenção de-
no Estado/DF para prover penderá de requisição do STF, do
Forma republicana Forma federativa
(garantir) a execução de or- STJ ou do TSE.
Sistema representativo dem ou decisão judicial que Assim, o STF, o STJ ou o TSE, a de-
esteja sendo desrespeitada. pender de qual ordem/decisão judi-
Regime democrático
28

cial esteja sendo descumprida, Congresso Nacional.


irá requisitar do Presidente da Re- *Tabela retirada do site www.dizerodireito.com.br
pública a intervenção federal. Assim,
p. ex., se a decisão do TSE é que foi Art. 35. O Estado não intervirá em seus Municípios, nem a Uni-
descumprida, o Presidente desta ão nos Municípios localizados em Território Federal, exceto
Corte irá requisitar a intervenção ao quando:
Presidente da República. I - deixar de ser paga, sem motivo de força maior, por 2 anos
E se o Estado/DF estiver descum- consecutivos, a dívida fundada;
prindo uma decisão de juiz ou Tri- II - não forem prestadas contas devidas, na forma da lei;
bunal de 2ª instância? III – não tiver sido aplicado o mínimo exigido da receita munici-
Nesse caso, o Tribunal local deverá pal na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e
fazer uma representação ao Tribu- serviços públicos de saúde;
nal Superior competente (STF, STJ IV - o Tribunal de Justiça der provimento a representação para
ou TSE) solicitando a intervenção. assegurar a observância de princípios indicados na Constitui-
Se o Tribunal Superior concordar, ção Estadual, ou para prover a execução de lei, de ordem ou
ele irá requisitar ao Presidente da de decisão judicial.
República a intervenção.
Para saber qual o Tribunal Superi- Art. 36. A decretação da intervenção dependerá:
or será competente deverá ser I - no caso do art. 34, IV (garantir o livre exercício dos Poderes),
analisada a matéria discutida e de solicitação do Poder Legislativo ou do Poder Executivo co-
para quem seria dirigido o eventu- acto ou impedido, ou de requisição do STF, se a coação for exer-
al recurso. cida contra o Poder Judiciário;
Obs.: NÃO é necessária a apreci- II - no caso de desobediência a ordem ou decisão judiciária, de
ação pelo CN tendo em vista requisição do STF, do STJ ou do TSE;
que a intervenção foi determi- III – ADI INTERVENTIVA - de provimento, pelo STF, de repre-
nada pelo Poder Judiciário em sentação do Procurador-Geral da República, na hipótese do art.
julgamento de ação judicial. 34, VII (princípios constitucionais sensíveis), e no caso de recu-
7) A União poderá intervir A decretação da intervenção de- sa à execução de lei federal.
no Estado/DF para prover penderá de provimento (decisão § 1º O decreto de intervenção, que especificará a amplitude, o
(garantir) a execução de lei julgando procedente), pelo STF, de prazo e as condições de execução e que, se couber, nomeará o
federal que esteja sendo representação do Procurador- interventor, será submetido à apreciação do Congresso Nacio-
desrespeitada. Geral da República. nal ou da Assembleia Legislativa do Estado, no prazo de 24 ho-
Assim, verificando a ocorrência de ras.
8) A União poderá intervir § 2º Se não estiver funcionando o Congresso Nacional ou a As-
uma dessas duas hipóteses, o PGR
no Estado/DF para assegu- sembleia Legislativa, far-se-á convocação extraordinária, no
deverá propor uma representação
rar a observância dos princí- mesmo prazo de 24 horas.
de inconstitucionalidade interven-
pios constitucionais sensí- § 3º Nos casos do art. 34, VI (prover a execução de lei federal,
tiva (ação direta de inconstituci-
veis, que são os seguintes: ordem ou decisão judicial) e VII (princípios constitucionais
onalidade interventiva) junto ao
a) forma republicana, siste- sensíveis), ou do art. 35, IV, DISPENSADA A APRECIAÇÃO PELO
STF.
ma representativo e regime CONGRESSO Nacional ou pela Assembleia Legislativa, o decreto
Se o STF julgar a ação procedente,
democrático; limitar-se-á a suspender a execução do ato impugnado, se essa
deverá levar ao conhecimento do
b) direitos da pessoa huma- medida bastar ao restabelecimento da normalidade.
Presidente da República para que
na; § 4º Cessados os motivos da intervenção, as autoridades afasta-
este, no prazo improrrogável de
c) autonomia municipal; das de seus cargos a estes voltarão, salvo impedimento legal.
até 15 dias, tome as seguintes
d) prestação de contas da
providências:
administração pública, dire- CAPÍTULO VII
a) expeça decreto de intervenção;
ta e indireta. DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
b) nomeie, nesse mesmo decreto,
e) aplicação do mínimo exi-
o interventor (se couber). Vale res- SÚMULAS SOBRE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
gido da receita resultante
saltar que nem sempre haverá a
de impostos estaduais, STF
nomeação de interventor.
compreendida a provenien-
O procedimento está previsto na Súmula vinculante 13-STF: A nomeação de cônjuge, compa-
te de transferências, na ma-
Lei 12.562/2011. nheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até
nutenção e desenvolvimen-
Obs.1: a decretação da interven- o 3° grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da
to do ensino (25%) e nas
ção é vinculada, cabendo ao Pre- mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou
ações e serviços públicos de
sidente a mera formalização da assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de
saúde.
decisão tomada pelo STF. confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pú-
Obs.2: o decreto deve limitar-se a blica direta e indireta em qualquer dos poderes da União, dos
suspender a execução do ato im- Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, compreendido o
pugnado, se essa medida for sufici- ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição
ente para o restabelecimento da Federal.
normalidade. A norma que impede nepotismo no serviço público não alcança
Obs.3: NÃO é necessário que a servidores de provimento efetivo. STF. Plenário. ADI 524/ES
intervenção seja apreciada pelo (Info 786).
29

Não haverá nepotismo se a pessoa nomeada possui um paren- estatutário.


te no órgão, mas sem influência hierárquica sobre a nomea- 3) Os servidores dos conselhos de fiscalização profissional
ção. STF. 2ª Turma. Rcl 18564/SP (Info 815). submetem-se ao regime jurídico único, de modo que a
A nomeação do cônjuge de prefeito para o cargo de Secretário aposentadoria ocorrida após a publicação das decisões
Municipal por se tratar de cargo público de natureza política proferidas nas ADI n. 1.717/DF e ADI n. 2.135/DF, esta última em
por si só, não caracteriza ato de improbidade administrativa. sede de liminar, segue o regime estatutário.
STF. 2ª Turma. Rcl 22339 AgR/SP (Info 914). 4) Os conselhos de fiscalização profissionais não podem
Súmula 6-STF: A revogação ou anulação, pelo Poder Executivo, registrar seus veículos como oficiais porque compõem a
de aposentadoria, ou qualquer outro ato aprovado pelo Tribunal administração pública indireta e o §1º do art. 120 do Código
de Contas, não produz efeitos antes de aprovada por aquele de Trânsito Brasileiro - CTB autoriza apenas o registro de
tribunal, ressalvada a competência revisora do judiciário. veículos oficiais da administração direta.
Súmula 8-STF: Diretor de sociedade de economia mista pode 5) Os conselhos profissionais têm poder de polícia para
ser destituído no curso do mandato fiscalizar as profissões regulamentadas, inclusive no que
Súmula 346-STF: A administração pública pode declarar a nuli- concerne à cobrança de anuidades e à aplicação de sanções.
dade dos seus próprios atos. 6) A partir da vigência da Lei n. 12.514/2011, o fato gerador para
Súmula 473-STF: A administração pode anular seus próprios a cobrança de anuidades de órgão de fiscalização profissional é
atos, quando eivados de vícios que os tornam ilegais, porque o registro no conselho e não mais o efetivo exercício da
deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de profissão.
conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adqui- 7) As anuidades devidas aos conselhos profissionais
ridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial constituem contribuição de interesse das categorias
profissionais, de natureza tributária, sujeita a lançamento de
STJ
ofício.
Súmula 525-STJ: A Câmara de vereadores não possui persona- 8) O prazo prescricional para cobrança de anuidades pagas
lidade jurídica, apenas personalidade judiciária, somente po- aos conselhos profissionais tem início somente quando o
dendo demandar em juízo para defender os seus direitos insti- total da dívida inscrita atingir o valor mínimo
tucionais. OBS: personalidade judiciária não é ampla e ela só correspondente a 4 anuidades, conforme disposto no art. 8º
pode demandar em juízo para defender os seus direitos institu- da Lei n. 12.514/2011.
cionais (aqueles relacionados ao funcionamento, autonomia e 9) A Ordem dos Advogados do Brasil - OAB, embora possua
independência do órgão). natureza jurídica especialíssima, submete-se ao disposto no art.
Súmula 615-STJ: Não pode ocorrer ou permanecer a inscri- 8º da Lei n. 12.514/2011, que determina que os conselhos de
ção do município em cadastros restritivos fundada em irre- classe somente executarão dívida de anuidade quando o total
gularidades na gestão anterior quando, na gestão sucessora, do valor inscrito atingir o montante mínimo correspondente a
são tomadas as providências cabíveis à reparação dos danos 4 anuidades.
eventualmente cometidos . 10) Compete a Justiça Federal processar e julgar execução fiscal
promovida por Conselho de Fiscalização Profissional. (Súmula n.
66/STJ)
SÚMULAS SOBRE CONSELHOS PROFISSIONAIS
11) Não se aplica o art. 20 da Lei n. 10.552/2002, que determina
Súmula 79-STJ: Os bancos comerciais não estão sujeitos a o arquivamento provisório das execuções de pequeno valor, às
registro nos Conselhos Regionais de Economia execuções fiscais propostas pelos conselhos regionais de
Súmula 120-STJ: O oficial de farmácia, inscrito no conselho fiscalização profissional.
regional de farmácia, pode ser responsável técnico por drogaria. 12) Em execução fiscal ajuizada por conselho de fiscalização
Súmula 275-STJ: O auxiliar de farmácia não pode ser profissional, seu representante judicial possui a prerrogativa de
responsável técnico por farmácia ou drogaria. ser pessoalmente intimado. (Tese julgada sob o rito do art. 1.039
Súmula 413-STJ: O farmacêutico pode acumular a do CPC/2015 - TEMA 580)
responsabilidade técnica por uma farmácia e uma drogaria ou
EDIÇÃO N. 136: CONSELHOS PROFISSIONAIS - II
por duas drogarias.
1) O registro no conselho de fiscalização profissional está
Súmula 561-STJ: Os conselhos regionais de Farmácia possuem
vinculado à atividade básica ou à natureza dos serviços
atribuição para fiscalizar e autuar as farmácias e drogarias
prestados pela empresa, por força do que dispõe o art. 1º da Lei
quanto ao cumprimento da exigência de manter profissional
n. 6.839/1980.
legalmente habilitado (farmacêutico) durante todo o período de
2) A atividade fiscalizatória exercida pelos conselhos
funcionamento dos respectivos estabelecimentos.
profissionais, decorrente da delegação do poder de polícia,
está inserida no âmbito do direito administrativo, não
JURISPRUDÊNCIA EM TESES DO STJ podendo ser considerada relação de trabalho e, de
consequência, não está incluída na esfera de competência da
EDIÇÃO N. 135: CONSELHOS PROFISSIONAIS - I
Justiça Trabalhista.
1) Os conselhos de fiscalização profissionais possuem natureza
3) O benefício da isenção do preparo, conferido aos entes
jurídica de autarquia, sujeitando-se, portanto, ao regime
públicos previstos no art. 4º, caput, da Lei n. 9.289/1996, é
jurídico de direito público.
inaplicável aos conselhos de fiscalização profissional. (Tese
2) Com a suspensão da redação dada pela Emenda
julgada sob o rito do art. 1.036 do CPC/2015 - TEMA 625)
Constitucional n. 19/1998 ao caput do art. 39 da Constituição
4) A atividade de músico é manifestação artística protegida pela
Federal de 1988, no julgamento da Medida Cautelar em Ação
garantia da liberdade de expressão, de modo que a exigência de
Direta de Inconstitucionalidade n. 2.135/DF, o regime jurídico
inscrição na Ordem dos Músicos do Brasil - OMB, bem como de
dos conselhos profissionais deve ser, obrigatoriamente, o
pagamento de anuidade para o exercício de tal profissão, torna-
30

se incompatível com a Constituição Federal de 1988. e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo
5) As empresas de factoring convencional não precisam ser ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações
registradas nos conselhos regionais de administração, visto que para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e
suas atividades são de natureza eminentemente mercantil, ou exoneração;
seja, não envolvem gestões estratégicas, técnicas e programas III - o prazo de validade do concurso público será de até 2
de execução voltados a um objetivo e ao desenvolvimento de anos, prorrogável uma vez, por igual período;
empresa. IV - durante o prazo improrrogável previsto no edital de convoca-
6) O exame de suficiência instituído pela Lei n. 12.249/2010, que ção, aquele aprovado em concurso público de provas ou de pro-
alterou o art. 12, § 2º, do Decreto-Lei n. 9.295/1946, será exigido vas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concur-
de contadores e de técnicos em contabilidade que completarem sados para assumir cargo ou emprego, na carreira;
o curso após a vigência daquela lei. V - as funções de confiança, exercidas exclusivamente por ser-
7) O ato do Conselho de Contabilidade, que requisita dos vidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em comissão,
contadores e dos técnicos livros e fichas contábeis de seus a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, con-
clientes, não viola os princípios da privacidade e do sigilo dições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se ape-
profissional, já que visa à fiscalização da atividade contábil dos nas às atribuições de direção, chefia e assessoramento;
profissionais nele inscritos. VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associa-
8) Os Conselhos Regionais de Farmácia possuem atribuição para ção sindical;
fiscalizar e autuar as farmácias e as drogarias quanto ao VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos limites
cumprimento da exigência de manter profissional legalmente definidos em lei específica;
habilitado (farmacêutico) durante todo o período de VIII - a lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos
funcionamento dos respectivos estabelecimentos. (Súmula n. para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os critérios
561/STJ) (Tese julgada sob o rito do art. 543-C do CPC/1973 - de sua admissão;
TEMA 715) IX - a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo deter-
9) É facultado aos técnicos de farmácia, regularmente inscritos minado para atender a necessidade temporária de excepcio-
no Conselho Regional de Farmácia, a assunção de nal interesse público;
responsabilidade técnica por drogaria, independentemente do X - a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que
preenchimento dos requisitos previstos no art. 15, § 3º, da Lei n. trata o § 4º do art. 39 somente poderão ser fixados ou alterados
5.991/1973, c/c o art. 28 do Decreto n. 74.170/1974, por lei específica, observada a iniciativa privativa em cada caso,
entendimento que deve ser aplicado até a entrada em vigor da assegurada revisão geral anual, sempre na mesma data e sem dis-
Lei n. 13.021/2014. (Tese julgada sob o rito do art. 1036 do CPC/ tinção de índices;
2015 - TEMA 727) XI - TETO REMUNERATÓRIO - a remuneração e o subsídio dos
10) Não estão sujeitas a registro perante o respectivo Conselho ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da adminis-
Regional de Medicina Veterinária, nem à contratação de tração direta, autárquica e fundacional, dos membros de qualquer
profissionais nele inscritos como responsáveis técnicos, as dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mu-
pessoas jurídicas que explorem as atividades de comercialização nicípios, dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes
de animais vivos e de venda de medicamentos veterinários, pois políticos e os proventos, pensões ou outra espécie remuneratória,
não são atividades reservadas à atuação privativa de médico percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pes-
veterinário. soais ou de qualquer outra natureza, não poderão exceder o
11) Não há comando normativo que obrigue a inscrição de subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do STF, aplicando-
professores e de mestres de artes marciais, ou mesmo de se como limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos
danças, de capoeira e de ioga, nos Conselhos de Educação Estados e no Distrito Federal, o subsídio mensal do Governa-
Física, porquanto, à luz do que dispõe o art. 3º da Lei n. dor no âmbito do Poder Executivo, o subsídio dos Deputados
9.696/1998, essas atividades não são próprias dos profissionais Estaduais e Distritais no âmbito do Poder Legislativo e o subsí-
de educação física. dio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça, limitado a
12) O registro de restaurantes e de bares no Conselho Regional 90,25% do subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do STF,
de Nutrição e a presença de profissional técnico (nutricionista) no âmbito do Poder Judiciário, aplicável este limite aos mem-
não são obrigatórios, pois a atividade básica desses bros do Ministério Público, aos Procuradores e aos Defenso-
estabelecimentos não é a fabricação de alimentos destinados ao res Públicos;
consumo humano (art. 18 do Decreto n. 84. 444/1980), nem se XII - os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder
aproxima do conceito de saúde trazido pela legislação Judiciário não poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Exe-
específica. cutivo;
XIII - é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer es-
pécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal
Seção I
do serviço público;
DISPOSIÇÕES GERAIS
XIV - os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público
Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos
não serão computados nem acumulados para fins de concessão
Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municí-
de acréscimos ulteriores;
pios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, mo-
XV - o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e em-
ralidade, publicidade e eficiência (LIMPE) e, também, ao seguinte:
pregos públicos são irredutíveis, ressalvado o disposto nos inci-
I - os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos
sos XI e XIV deste artigo e nos arts. 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153,
brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei,
§ 2º, I;
assim como aos estrangeiros, na forma da lei;
XVI - É VEDADA A ACUMULAÇÃO remunerada de cargos pú-
II - a investidura em cargo ou emprego público depende de
blicos, exceto, quando houver compatibilidade de horários,
aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas
observado em qualquer caso o disposto no inciso XI:
31

a) a de 2 cargos de professor; Ação de reparação de danos à Fazenda é PRESCRITÍVEL


b) a de 1 cargo de professor com outro técnico ou científico; Pública decorrentes de ilícito civil (STF RE 669069/MG).
c) a de 2 cargos ou empregos privativos de profissionais de
saúde, com profissões regulamentadas; é PRESCRITÍVEL
Ação de ressarcimento decorrente de
XVII - a proibição de acumular estende-se a empregos e funções (devem ser propostas
ato de improbidade administrativa
e abrange autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades no prazo do art. 23 da
praticado com CULPA
de economia mista, suas subsidiárias, e sociedades controladas, LIA).
direta ou indiretamente, pelo poder público; Ação de ressarcimento decorrente de é IMPRESCRITÍVEL
XVIII - a administração fazendária e seus servidores fiscais terão, ato de improbidade administrativa (§ 5º do art. 37 da CF/
dentro de suas áreas de competência e jurisdição, precedência praticado com DOLO 88).
sobre os demais setores administrativos, na forma da lei;
*Tabela retirada do site www.dizerodireito.com.br
XIX – somente por lei específica poderá ser criada autarquia e
autorizada a instituição de empresa pública, de sociedade de
§ 6º As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado
economia mista e de fundação, cabendo à LC, neste último caso,
prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que
definir as áreas de sua atuação;
seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado
XX - depende de autorização legislativa, em cada caso, a cria-
o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou
ção de subsidiárias das entidades mencionadas no inciso anteri-
culpa (RESPONSABILIDADE OBJETIVA).
or, assim como a participação de qualquer delas em empresa
privada;
XXI - ressalvados os casos especificados na legislação, as obras, Teoria do RISCO Teoria do RISCO INTEGRAL
serviços, compras e alienações serão contratados mediante pro- ADMINISTRATIVO
cesso de licitação pública que assegure igualdade de condições a A responsabilidade do Estado é A responsabilidade do Estado
todos os concorrentes, com cláusulas que estabeleçam obriga- objetiva (a vítima lesada não é objetiva (a vítima lesada não
ções de pagamento, mantidas as condições efetivas da proposta, precisa provar culpa). precisa provar culpa).
nos termos da lei, o qual somente permitirá as exigências de qua-
lificação técnica e econômica indispensáveis à garantia do cum- O Estado poderá eximir- Não admite excludentes
primento das obrigações. se do dever de indenizar caso de responsabilidade.
XXII - as administrações tributárias da União, dos Estados, do Dis - prove alguma causa excludente Mesmo que o Estado prove
trito Federal e dos Municípios, atividades essenciais ao funciona- de responsabilidade: que houve caso fortuito, força
mento do Estado, exercidas por servidores de carreiras específi- a) caso fortuito ou força maior; maior, culpa exclusiva da
cas, terão recursos prioritários para a realização de suas ativida- b) culpa exclusiva da vítima; vítima ou culpa exclusiva de
des e atuarão de forma integrada, inclusive com o compartilha- c) culpa exclusiva de terceiro. terceiro, ainda assim será
mento de cadastros e de informações fiscais, na forma da lei ou condenado a indenizar.
convênio. É adotada como regra no É adotada no Direito
§ 1º A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campa- Direito brasileiro. brasileiro, de forma
nhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informa- excepcional, em alguns casos.
tivo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, A doutrina diverge sobre quais
símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de au- seriam estas hipóteses.
toridades ou servidores públicos. Para fins de concurso, existe
§ 2º A não observância do disposto nos incisos II e III implicará um caso no qual o STJ já
a nulidade do ato e a punição da autoridade responsável, nos afirmou expressamente que se
termos da lei. acolhe o risco integral: dano
§ 3º A lei disciplinará as formas de participação do usuário na ambiental (REsp 1.374.284).
administração pública direta e indireta, regulando especialmen-
*Tabela retirada do site www.dizerodireito.com.br
te (Administração dialógica):
I - as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos em
geral, asseguradas a manutenção de serviços de atendimento ao A teor do disposto no art. 37, § 6º, da Constituição Federal, a
usuário e a avaliação periódica, externa e interna, da qualidade ação por danos causados por agente público deve ser
dos serviços; ajuizada contra o Estado ou a pessoa jurídica de direito
II - o acesso dos usuários a registros administrativos e a informa- privado prestadora de serviço público, sendo parte ilegítima
ções sobre atos de governo, observado o disposto no art. 5º, X e para a ação o autor do ato, assegurado o direito de regresso
XXXIII; contra o responsável nos casos de dolo ou culpa. STF. Plenário.
III - a disciplina da representação contra o exercício negligente ou RE 1027633/SP, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 14/8/2019
abusivo de cargo, emprego ou função na administração pública. (repercussão geral) (Info 947). TEORIA DA DUPLA GARANTIA.
§ 4º - Os atos de improbidade administrativa importarão a sus-
pensão dos direitos políticos, a perda da função pública, a in- § 7º A lei disporá sobre os requisitos e as restrições ao ocupante
disponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na forma de cargo ou emprego da administração direta e indireta que pos-
e gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível. sibilite o acesso a informações privilegiadas.
§ 5º A lei estabelecerá os prazos de prescrição para ilícitos prati- § 8º A autonomia gerencial, orçamentária e financeira dos ór-
cados por qualquer agente, servidor ou não, que causem prejuí- gãos e entidades da administração direta e indireta poderá ser
zos ao erário, ressalvadas as respectivas ações de ressarcimen- ampliada mediante contrato (CONTRATO DE GESTÃO), a ser
to. firmado entre seus administradores e o poder público, que tenha
32

por objeto a fixação de metas de desempenho para o órgão ou V - na hipótese de ser segurado de regime próprio de previdência
entidade, cabendo à lei dispor sobre: social, permanecerá filiado a esse regime, no ente federativo
I - o prazo de duração do contrato; de origem (EC 103/19)
II - os controles e critérios de avaliação de desempenho, direitos,
obrigações e responsabilidade dos dirigentes; SÚMULAS SOBRE CONCURSO
III - a remuneração do pessoal.
§ 9º O disposto no inciso XI (teto remuneratório) aplica-se às STF
empresas públicas e às sociedades de economia mista, e suas Súmula vinculante 43-STF: É inconstitucional toda modalida-
subsidiárias, que receberem recursos da União, dos Estados, do de de provimento que propicie ao servidor investir-se, sem pré-
Distrito Federal ou dos Municípios para pagamento de despesas via aprovação em concurso público destinado ao seu provimen-
de pessoal ou de custeio em geral. to, em cargo que não integra a carreira na qual anteriormente
§ 10. É vedada a percepção simultânea de proventos de aposenta- investido.
doria decorrentes do art. 40 ou dos arts. 42 e 142 com a remune - Súmula vinculante 44-STF: Só por lei se pode sujeitar a exame
ração de cargo, emprego ou função pública, ressalvados os car- psicotécnico a habilitação de candidato a cargo público.
gos acumuláveis na forma desta Constituição, os cargos eleti- Súmula 15-STF: Dentro do prazo de validade do concurso, o
vos e os cargos em comissão declarados em lei de livre nomea- candidato aprovado tem o direito à nomeação, quando o car-
ção e exoneração. go for preenchido sem observância da classificação.
§ 11. Não serão computadas, para efeito dos limites remunerató- Súmula 16-STF: Funcionário nomeado por concurso tem direi-
rios de que trata o inciso XI do caput deste artigo, as parcelas de to à posse.
caráter indenizatório previstas em lei. Súmula 17-STF: A nomeação de funcionário sem concurso
§ 12. Para os fins do disposto no inciso XI do caput deste artigo, pode ser desfeita antes da posse.
fica facultado aos Estados e ao Distrito Federal fixar, em seu Súmula 683-STF: O limite de idade para a inscrição em con-
âmbito, mediante emenda às respectivas Constituições e Lei Or- curso público só se legitima em face do art. 7º, XXX, da Consti-
gânica, como limite único, o subsídio mensal dos Desembarga- tuição, quando possa ser justificado pela natureza das atri-
dores do respectivo Tribunal de Justiça, limitado a 90,25% do buições do cargo a ser preenchido.
subsídio mensal dos Ministros do STF, não se aplicando o dis- Súmula 684-STF: É inconstitucional o veto não motivado à
posto neste parágrafo aos subsídios dos Deputados Estaduais e participação de candidato a concurso público.
Distritais e dos Vereadores.
§ 13. O servidor público titular de cargo efetivo poderá ser re- STJ
adaptado para exercício de cargo cujas atribuições e respon- Súmula 266-STJ: O diploma ou habilitação legal para o exercí-
sabilidades sejam compatíveis com a limitação que tenha sofri- cio do cargo deve ser exigido na posse e não na inscrição
do em sua capacidade física ou mental, enquanto permanecer para o concurso público
nesta condição, desde que possua a habilitação e o nível de Súmula 377-STJ: O portador de visão monocular tem direito
escolaridade exigidos para o cargo de destino, mantida a remu- de concorrer, em concurso público, às vagas reservadas aos
neração do cargo de origem.(EC 103/19) deficientes.
§ 14. A aposentadoria concedida com a utilização de tempo de Súmula 466-STJ: O titular da conta vinculada ao FGTS tem o di-
contribuição decorrente de cargo, emprego ou função pública, reito de sacar o saldo respectivo quando declarado nulo seu
inclusive do Regime Geral de Previdência Social, acarretará o contrato de trabalho por ausência de prévia aprovação em
rompimento do vínculo que gerou o referido tempo de concurso público.
contribuição.(EC 103/19) Súmula 552-STJ: O portador de surdez unilateral não se qua-
§ 15. É vedada a complementação de aposentadorias de servi- lifica como pessoa com deficiência para o fim de disputar as
dores públicos e de pensões por morte a seus dependentes vagas reservadas em concursos públicos.
que não seja decorrente do disposto nos §§ 14 a 16 do art. 40
ou que não seja prevista em lei que extinga regime próprio de
previdência social.(EC 103/19) JURISPRUDÊNCIA EM TESES DO STJ
EDIÇÃO N. 09: CONCURSOS PÚBLICOS - I
Art. 38. Ao servidor público da administração direta, autárquica e 1) A banca examinadora pode exigir conhecimento sobre
fundacional, no exercício de mandato eletivo, aplicam-se as se- legislação superveniente à publicação do edital, desde que
guintes disposições: vinculada às matérias nele previstas.
I - tratando-se de mandato eletivo federal, estadual ou distri- 2) O Poder Judiciário não analisa critérios de formulação e
tal, ficará afastado de seu cargo, emprego ou função; correção de provas em concursos públicos, salvo nos casos
II - investido no mandato de Prefeito, será afastado do cargo, de ilegalidade ou inobservância das regras do edital.
emprego ou função, sendo-lhe facultado optar pela sua remu- 3) A limitação de idade, sexo e altura para o ingresso na
neração; carreira militar é válida desde que haja previsão em lei
III - investido no mandato de Vereador, havendo compatibili- específica e no edital do concurso público.
dade de horários, perceberá as vantagens de seu cargo, em- 4) Somente a lei pode estabelecer limites de idade nos
prego ou função, sem prejuízo da remuneração do cargo eleti- concursos das Forças Armadas, sendo vedado, diante do
vo, e, não havendo compatibilidade, pode optar pela sua re- princípio constitucional da reserva legal, que a lei faculte tal
muneração; regulamentação a atos administrativos expedidos pela Marinha,
IV - em qualquer caso que exija o afastamento para o exercício de Exército ou Aeronáutica.
mandato eletivo, seu tempo de serviço será contado para to- 5) A aferição do cumprimento do requisito de idade deve se
dos os efeitos legais, exceto para promoção por merecimento; dar no momento da posse no cargo público e não no
momento da inscrição.
33

6) O edital é a lei do concurso e suas regras vinculam tanto a prazo de validade do concurso.
Administração Pública quanto os candidatos. 2) A desistência de candidatos convocados, dentro do prazo
7) O portador de visão monocular tem direito de concorrer, em de validade do concurso, gera direito subjetivo à nomeação
concurso público, às vagas reservadas aos deficientes. (Súmula n. para os seguintes, observada a ordem de classificação e a
377 do STJ) quantidade de vagas disponibilizadas.
8) A exigência de exame psicotécnico é legítima quando 3) A abertura de novo concurso, enquanto vigente a validade do
prevista em lei e no edital, a avaliação esteja pautada em certame anterior, confere direito líquido e certo a eventuais
critérios objetivos, o resultado seja público e passível de candidatos cuja classificação seja alcançada pela divulgação das
recurso. novas vagas.
9) Constatada a ilegalidade do exame psicotécnico, o OBS: O surgimento de novas vagas ou a abertura de novo
candidato deve ser submetido a nova avaliação, pautada por concurso para o mesmo cargo, durante o prazo de validade do
critérios objetivos e assegurada a ampla defesa. certame anterior, não gera automaticamente o direito à
10) A exigência de teste de aptidão física é legítima quando nomeação dos candidatos aprovados fora das vagas
prevista em lei, guarde relação de pertinência com as atividades previstas no edital, ressalvadas as hipóteses de preterição
a serem desenvolvidas, esteja pautada em critérios objetivos e arbitrária e imotivada por parte da administração, caracterizada
seja passível de recurso. por comportamento tácito ou expresso do Poder Público capaz
11) É vedada a realização de novo teste de aptidão física em de revelar a inequívoca necessidade de nomeação do aprovado
concurso público no caso de incapacidade temporária, salvo durante o período de validade do certame a ser demonstrada de
previsão expressa no edital. forma cabal pelo candidato. Assim, o direito subjetivo à
É constitucional a remarcação do teste de aptidão física de nomeação do candidato aprovado em concurso público exsurge
candidata que esteja grávida à época de sua realização, nas seguintes hipóteses:
independentemente da previsão expressa em edital do a) quando a aprovação ocorrer dentro do número de vagas
concurso público. STF. Plenário. RE 1058333/PR (repercussão dentro do edital;
geral). b) quando houver preterição na nomeação por não observância
É constitucional a remarcação de curso de formação para o da ordem de classificação; e
cargo de agente penitenciário feminino de candidata que c) quando surgirem novas vagas, ou for aberto novo concurso
esteja lactante à época de sua realização, durante a validade do certame anterior, e ocorrer a preterição de
independentemente da previsão expressa em edital do candidatos de forma arbitrária e imotivada por parte da
concurso público. STJ. 1ª Turma. RMS 52.622-MG (Info 645). administração nos termos acima. STF. Plenário. RE 837311/PI
13) O candidato não pode ser eliminado de concurso público, (repercussão geral) (Info 811).
na fase de investigação social, em virtude da existência de 4) O candidato aprovado fora do número de vagas previsto
termo circunstanciado, inquérito policial ou ação penal sem no edital possui mera expectativa de direito à nomeação,
trânsito em julgado ou extinta pela prescrição da pretensão que se convola em direito subjetivo caso haja preterição na
punitiva. convocação, observada a ordem classificatória.
14) O entendimento de que o candidato não pode ser eliminado OBS: O candidato aprovado em concurso público fora do
de concurso público, na fase de investigação social, em virtude número de vagas tem direito subjetivo à nomeação caso
da existência de termo circunstanciado, inquérito policial ou surjam novas vagas durante o prazo de validade do certame,
ação penal sem trânsito em julgado ou extinta pela prescrição da haja manifestação inequívoca da administração sobre a
pretensão punitiva não se aplica aos cargos cujos ocupantes necessidade de seu provimento e não tenha restrição
agem stricto sensu em nome do Estado, como o de delegado orçamentária. STJ. 1ª Seção. MS 22.813-DF (Info 630).
de polícia. 5) A simples requisição ou a cessão de servidores públicos não é
15) O candidato não pode ser eliminado de concurso público, suficiente para transformar a expectativa de direito do
na fase de investigação social, em virtude da existência de candidato aprovado fora do número de vagas em direito
registro em órgãos de proteção ao crédito. subjetivo à nomeação, porquanto imprescindível a comprovação
16) O candidato pode ser eliminado de concurso público da existência de cargos vagos.
quando omitir informações relevantes na fase de 6) O candidato aprovado fora do número de vagas previsto
investigação social. no edital possui mera expectativa de direito à nomeação,
17) O termo inicial do prazo decadencial para a impetração de que se convola em direito subjetivo caso haja preterição em
mandado de segurança, na hipótese de exclusão do candidato virtude de contratações precárias e comprovação da
do concurso público, é o ato administrativo de efeitos existência de cargos vagos.
concretos e não a publicação do edital, ainda que a causa de 7) Não ocorre preterição na ordem classificatória quando a
pedir envolva questionamento de critério do edital. convocação para próxima fase ou a nomeação de candidatos
18) O termo inicial do prazo decadencial para a impetração com posição inferior se dá por força de cumprimento de ordem
de mandado segurança, na hipótese em que o candidato judicial.
aprovado em concurso público não é nomeado, é o término 8) A surdez unilateral não autoriza o candidato a concorrer às
do prazo de validade do concurso. vagas reservadas às pessoas com deficiência.
19) O encerramento do concurso público não conduz à perda 10) O candidato sub judice não possui direito subjetivo à
do objeto do mandado de segurança que busca aferir suposta nomeação e à posse, mas à reserva da respectiva vaga até
ilegalidade praticada em alguma das etapas do processo que ocorra o trânsito em julgado da decisão que o
seletivo. beneficiou.
11) A nomeação ou a convocação para determinada fase de
EDIÇÃO N. 11: CONCURSOS PÚBLICOS - II
concurso público após considerável lapso temporal entre
1) O candidato aprovado dentro do número de vagas
uma fase e outra, sem a notificação pessoal do interessado,
previsto no edital tem direito subjetivo a ser nomeado no
34

viola os princípios da publicidade e da razoabilidade, não da igualdade, desde que os mesmos parâmetros sejam aplicados
sendo suficiente a publicação no Diário Oficial. uniforme e indistintamente a todos os candidatos.
12) Não se aplica a TEORIA DO FATO CONSUMADO na OBS: As informações constantes dos espelhos de provas
hipótese em que o candidato toma posse em virtude de subjetivas representam a motivação do ato administrativo,
decisão liminar, salvo situações fáticas excepcionais. consistente na atribuição de nota ao candidato. Essa motivação
13) É legítimo estabelecer no edital de concurso público critério deve ser apresentada anteriormente ou concomitante à prática
de regionalização. do ato administrativo, pois caso se permita a motivação
14) É legítimo estabelecer no edital de concurso público posterior, isso pode dar ensejo para que se fabriquem, forjem ou
limite de candidatos que serão convocados para as próximas criem motivações. STJ. 2ª Turma. RMS 49.896-RS, Rel. Min. Og
etapas do certame (Cláusula de Barreira). Fernandes, julgado em 20/4/2017 (Info 603).
16) Nos concursos públicos para ingresso na Magistratura ou 3) O provimento originário em concurso público não permite
no Ministério Público a comprovação dos requisitos exigidos a invocação do instituto da remoção para acompanhamento
deve ser feita na inscrição definitiva e não na posse. de cônjuge ou companheiro, em razão do prévio
17) A prorrogação do prazo de validade de concurso público conhecimento das normas expressas no edital do certame.
é ato discricionário da Administração, sendo vedado ao Poder 4) A administração pública pode anular, a qualquer tempo, o
Judiciário o reexame dos critérios de conveniência e ato de provimento efetivo flagrantemente inconstitucional,
oportunidade adotados. pois o decurso do tempo não possui o condão de convalidar
os atos administrativos que afrontem a regra do concurso
EDIÇÃO N. 15: CONCURSOS PÚBLICOS - III
público.
1) A Administração atua com discricionariedade na escolha
5) A investidura em cargo público efetivo submete-se a exigência
das regras do edital de concurso público, desde que
de prévio concurso público, sendo vedado o provimento
observados os preceitos legais e constitucionais.
mediante transposição, ascensão funcional, acesso ou
2) A exoneração de servidor público em razão da anulação do
progressão. *(VIDE SÚMULA VINCULANTE N. 43/STF)
concurso pressupõe a observância do devido processo legal, do
6) Na hipótese de abertura de novo concurso público dentro do
contraditório e da ampla defesa.
prazo de validade do certame anterior, o termo inicial do prazo
5) O candidato que possui qualificação superior à exigida no
decadencial para a impetração do mandado de segurança por
edital está habilitado a exercer o cargo a que prestou concurso
candidatos remanescentes é a data da publicação do novo
público, nos casos em que a área de formação guardar
edital.
identidade.
7) A nomeação ou a posse tardia de candidato aprovado em
6) O Ministério Público possui legitimidade para propor ação
concurso público, por força de decisão judicial, não configura
civil pública com o objetivo de anular concurso realizado
preterição ou ato ilegítimo da Administração Pública a
sem a observância dos princípios estabelecidos na
justificar uma contrapartida indenizatória, salvo situação de
Constituição Federal.
arbitrariedade flagrante.
7) A nomeação tardia do candidato por força de decisão
8) A nomeação tardia de candidatos aprovados em concurso
judicial não gera direito à indenização.
público, por meio de decisão judicial, à qual atribuída
8) O servidor não tem direito à indenização por danos morais
eficácia retroativa, não gera direito às promoções e às
em face da anulação de concurso público eivado de vícios.
progressões funcionais que alcançariam caso a nomeação
9) O militar aprovado em concurso público e convocado para a
houvesse ocorrido a tempo e a modo.
realização de curso de formação tem direito ao afastamento
10) A contratação de servidores sem concurso público, quando
temporário do serviço ativo na qualidade de agregado.
realizada com base em lei municipal autorizadora, descaracteriza
10) O provimento originário de cargos públicos deve se dar na
o ato de improbidade administrativa, em razão da ausência de
classe e padrão iniciais da carreira, conforme a legislação vigente
dolo genérico do gestor público.
na data da nomeação do servidor.
11) A Administração Pública pode promover a remoção de EDIÇÃO N. 61: RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO
servidores concursados, sem que isso caracterize, por si só, 2) O termo inicial da prescrição para o ajuizamento de ações
preterição aos candidatos aprovados em novo concurso de responsabilidade civil em face do Estado por ilícitos
público. praticados por seus agentes é a data do trânsito em julgado
12) Há preterição de candidatos aprovados se as vagas da sentença penal condenatória.
regionalizadas estabelecidas no edital de concurso público 3) As ações indenizatórias decorrentes de violação a direitos
forem preenchidas por remoção lançada posteriormente ao fundamentais ocorridas durante o regime militar são
início do certame. imprescritíveis, não se aplicando o prazo quinquenal previsto
13) O candidato aprovado dentro do número de vagas que no art. 1º do Decreto n. 20.910/1932.
requer transferência para o final da lista de classificados 4) O prazo prescricional das ações indenizatórias ajuizadas
passa a ter mera expectativa de direito à nomeação. contra a Fazenda Pública é quinquenal (Decreto n.
20.910/1932), tendo como termo a quo a data do ato ou fato do
EDIÇÃO N. 103: CONCURSO PÚBLICO - IV
qual originou a lesão ao patrimônio material ou imaterial. (Tese
1) O Poder Judiciário não pode substituir a banca
julgada sob o rito do art. 543-C do CPC/73 - Tema 553)
examinadora do certame e tampouco se imiscuir nos
5) A responsabilidade civil do Estado por condutas omissivas
critérios de atribuição de notas e de correção de provas,
é subjetiva, devendo ser comprovados a negligência na
visto que sua atuação se restringe ao controle jurisdicional
atuação estatal, o dano e o nexo de causalidade.
da legalidade do concurso público e da observância do
6) Há responsabilidade civil do Estado nas hipóteses em que
princípio da vinculação ao edital.
a omissão de seu dever de fiscalizar for determinante para a
2) A divulgação, ainda que a posteriori, dos critérios de correção
concretização ou o agravamento de danos ambientais.
das provas dissertativas ou orais não viola, por si só, o princípio
7) A Administração Pública pode responder civilmente pelos
35

danos causados por seus agentes, ainda que estes estejam I - a natureza, o grau de responsabilidade e a complexidade
amparados por causa excludente de ilicitude penal. dos cargos componentes de cada carreira;
8) É objetiva a responsabilidade civil do Estado pelas lesões II - os requisitos para a investidura;
sofridas por vítima baleada em razão de tiroteio ocorrido entre III - as peculiaridades dos cargos
policiais e assaltantes. § 2º A União, os Estados e o Distrito Federal manterão escolas de
9) O Estado possui responsabilidade objetiva nos casos de governo para a formação e o aperfeiçoamento dos servidores
morte de custodiado em unidade prisional. públicos, constituindo-se a participação nos cursos um dos re-
10) O Estado responde objetivamente pelo suicídio de preso quisitos para a promoção na carreira, facultada, para isso, a ce-
ocorrido no interior de estabelecimento prisional. lebração de convênios ou contratos entre os entes federados.
11) O Estado não responde civilmente por atos ilícitos § 3º Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o dis-
praticados por foragidos do sistema penitenciário, salvo posto no art. 7º, IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XX,
quando os danos decorrem direta ou imediatamente do ato XXII e XXX, podendo a lei estabelecer requisitos diferenciados de
de fuga. admissão quando a natureza do cargo o exigir.
12) A despeito de situações fáticas variadas no tocante ao
descumprimento do dever de segurança e vigilância contínua Salário-mínimo
das vias férreas, a responsabilização da concessionária é uma
Garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os que per-
constante, passível de ser elidida tão somente quando
cebem remuneração variável
cabalmente comprovada a culpa exclusiva da vítima. (Tese
julgada sob o rito do art. 543-C do CPC/73 - Tema 517) 13° salário
13) No caso de atropelamento de pedestre em via férrea,
Remuneração do trabalho noturno superior à do diurno
configura-se a concorrência de causas, impondo a redução da
indenização por dano moral pela metade, quando: (i) a Salário-família
concessionária do transporte ferroviário descumpre o dever
Duração do trabalho normal não superior a 8 horas diárias e
de cercar e fiscalizar os limites da linha férrea, mormente em
quarenta e 44 semanais, facultada a compensação de horários e
locais urbanos e populosos, adotando conduta negligente no
a redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva
tocante às necessárias práticas de cuidado e vigilância tendentes
de trabalho
a evitar a ocorrência de sinistros; e (ii) a vítima adota conduta
imprudente, atravessando a via férrea em local inapropriado. Repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos
(Tese julgada sob o rito do art. 543-C do CPC/73 - Tema 518)
Remuneração do serviço extraordinário superior, no mínimo, em
14) Não há nexo de causalidade entre o prejuízo sofrido por
50% à do normal
investidores em decorrência de quebra de instituição financeira e
a suposta ausência ou falha na fiscalização realizada pelo Banco Férias + 1/3
Central no mercado de capitais.
Licença à gestante
15) A existência de lei específica que rege a atividade militar (Lei
n. 6.880/1980) não isenta a responsabilidade do Estado pelos Licença-paternidade
danos morais causados em decorrência de acidente sofrido
Proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incenti-
durante as atividades militares.
vos específicos, nos termos da lei
16) Em se tratando de responsabilidade civil do Estado por
rompimento de barragem, é possível a comprovação de Redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas
prejuízos de ordem material por prova exclusivamente de saúde, higiene e segurança
testemunhal, diante da impossibilidade de produção ou
Proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de
utilização de outro meio probatório.
critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado
17) É possível a cumulação de benefício previdenciário com
civil
indenização decorrente de responsabilização civil do Estado por
danos oriundos do mesmo ato ilícito.
18) Nas ações de responsabilidade civil do Estado, é § 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os
desnecessária a denunciação da lide ao suposto agente Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais
público causador do ato lesivo. serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em
parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adici-
Seção II
onal, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie re-
DOS SERVIDORES PÚBLICOS
muneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37,
X e XI.
Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios § 5º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municí-
instituirão conselho de política de administração e remuneração pios poderá estabelecer a relação entre a maior e a menor remu-
de pessoal, integrado por servidores designados pelos respecti- neração dos servidores públicos, obedecido, em qualquer caso, o
vos Poderes (EC 19/98) – Dispositivo suspenso pela ADI 2135-4 disposto no art. 37, XI.
§ 6º Os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário publicarão anu-
Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios almente os valores do subsídio e da remuneração dos cargos e
instituirão, no âmbito de sua competência, regime jurídico único e empregos públicos.
planos de carreira para os servidores da administração pública di- § 7º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municí-
reta, das autarquias e das fundações públicas. pios disciplinará a aplicação de recursos orçamentários proveni-
§ 1º A fixação dos padrões de vencimento e dos demais compo- entes da economia com despesas correntes em cada órgão, au-
nentes do sistema remuneratório observará: tarquia e fundação, para aplicação no desenvolvimento de pro-
gramas de qualidade e produtividade, treinamento e desenvolvi-
36

mento, modernização, reaparelhamento e racionalização do servi- § 4º-B. Poderão ser estabelecidos por lei complementar do
ço público, inclusive sob a forma de adicional ou prêmio de pro- respectivo ente federativo idade e tempo de contribuição
dutividade. diferenciados para aposentadoria de ocupantes do cargo de
§ 8º A remuneração dos servidores públicos organizados em car- agente penitenciário, de agente socioeducativo ou de policial
reira poderá ser fixada nos termos do § 4º (subsídio). dos órgãos de que tratam o inciso IV do caput do art. 51, o inciso
XIII do caput do art. 52 e os incisos I a IV do caput do art. 144.(EC
Art. 40. O regime próprio de previdência social dos servidores ti- 103/19)
tulares de cargos efetivos terá caráter contributivo e solidário, § 4º-C. Poderão ser estabelecidos por lei complementar do
mediante contribuição do respectivo ente federativo, de servido- respectivo ente federativo idade e tempo de contribuição
res ativos, de aposentados e de pensionistas, observados critérios diferenciados para aposentadoria de servidores cujas
que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial.(EC 103/19) atividades sejam exercidas com efetiva exposição a agentes
§ 1º O servidor abrangido por regime próprio de previdência químicos, físicos e biológicos prejudiciais à saúde, ou
social será aposentado: (EC 103/19) associação desses agentes, vedada a caracterização por
I - por incapacidade permanente para o trabalho, no cargo em categoria profissional ou ocupação.(EC 103/19)
que estiver investido, quando insuscetível de readaptação, hipó- § 5º Os ocupantes do cargo de professor terão idade mínima
tese em que será obrigatória a realização de avaliações periódicas reduzida em 5 anos em relação às idades decorrentes da
para verificação da continuidade das condições que ensejaram a aplicação do disposto no inciso III do § 1º, desde que
concessão da aposentadoria, na forma de lei do respectivo ente comprovem tempo de efetivo exercício das funções de
federativo; (EC 103/19) magistério na educação infantil e no ensino fundamental e
II - compulsoriamente, com proventos proporcionais ao tempo médio fixado em lei complementar do respectivo ente
de contribuição, aos 70 anos de idade, ou aos 75 anos de idade, federativo.(EC 103/19)
na forma de lei complementar; MULHER 57 anos
PROFESSOR
HOMEM 60 anos
LC 152/15
Art. 2º Serão aposentados compulsoriamente, com proventos § 6º Ressalvadas as aposentadorias decorrentes dos cargos
proporcionais ao tempo de contribuição, aos 75 anos de idade: acumuláveis na forma desta Constituição, é vedada a percepção
I - os servidores titulares de cargos efetivos da União, dos Esta- de mais de uma aposentadoria à conta de regime próprio de
dos, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas suas autar- previdência social, aplicando-se outras vedações, regras e
quias e fundações; condições para a acumulação de benefícios previdenciários
II - os membros do Poder Judiciário; estabelecidas no Regime Geral de Previdência Social.(EC
III - os membros do Ministério Público; 103/19)
IV - os membros das Defensorias Públicas; § 7º Observado o disposto no § 2º do art. 201, quando se tratar
V - os membros dos Tribunais e dos Conselhos de Contas. da única fonte de renda formal auferida pelo dependente, o be-
Parágrafo único. Aos servidores do Serviço Exterior Brasileiro, re- nefício de pensão por morte será concedido nos termos de lei do
gidos pela Lei nº 11.440, de 29 de dezembro de 2006, o dispos- respectivo ente federativo, a qual tratará de forma diferenciada a
to neste artigo será aplicado progressivamente à razão de 1 ano hipótese de morte dos servidores de que trata o § 4º-B decorren -
adicional de limite para aposentadoria compulsória ao fim de te de agressão sofrida no exercício ou em razão da função.(EC
cada 2 anos, a partir da vigência desta Lei Complementar, até o 103/19)
limite de 75 anos previsto no caput. § 8º É assegurado o reajustamento dos benefícios para preservar-
lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme critérios esta-
belecidos em lei.
III - no âmbito da União, aos 62 anos de idade, se mulher, e aos
§ 9º O tempo de contribuição federal, estadual, distrital ou
65 anos de idade, se homem, e, no âmbito dos Estados, do
municipal será contado para fins de aposentadoria, observado
Distrito Federal e dos Municípios, na idade mínima estabele-
o disposto nos §§ 9º e 9º-A do art. 201, e o tempo de serviço
cida mediante emenda às respectivas Constituições e Leis Or-
correspondente será contado para fins de disponibilidade. (EC
gânicas, observados o tempo de contribuição e os demais requi-
103/19)
sitos estabelecidos em lei complementar do respectivo ente fede-
§ 10 - A lei não poderá estabelecer qualquer forma de contagem
rativo.(EC 103/19)
de tempo de contribuição fictício.
§ 2º Os proventos de aposentadoria não poderão ser inferiores ao
§ 11 - Aplica-se o limite fixado no art. 37, XI, à soma total dos pro-
valor mínimo a que se refere o § 2º do art. 201 ou superiores ao
ventos de inatividade, inclusive quando decorrentes da acumula-
limite máximo estabelecido para o Regime Geral de Previdência
ção de cargos ou empregos públicos, bem como de outras ativi-
Social, observado o disposto nos §§ 14 a 16.(EC 103/19)
dades sujeitas a contribuição para o regime geral de previdência
§ 3º As regras para cálculo de proventos de aposentadoria serão
social, e ao montante resultante da adição de proventos de inati-
disciplinadas em lei do respectivo ente federativo.(EC 103/19)
vidade com remuneração de cargo acumulável na forma desta
§ 4º É vedada a adoção de requisitos ou critérios diferenciados
Constituição, cargo em comissão declarado em lei de livre nome-
para concessão de benefícios em regime próprio de previdên-
ação e exoneração, e de cargo eletivo.
cia social, ressalvado o disposto nos §§ 4º-A, 4º-B, 4º-C e 5º.
(EC 103/19)
§ 4º-A. Poderão ser estabelecidos por lei complementar do Nos casos autorizados constitucionalmente de acumulação de
respectivo ente federativo idade e tempo de contribuição cargos, empregos e funções, a incidência do art. 37, XI, da Cons-
diferenciados para aposentadoria de servidores com tituição Federal pressupõe consideração de cada um dos vín-
deficiência, previamente submetidos a avaliação biopsicossocial culos formalizados, afastada a observância do teto remune-
realizada por equipe multiprofissional e interdisciplinar.(EC ratório quanto ao somatório dos ganhos do agente público.
103/19) STF. Plenário. RE 612975/MT e RE 602043/MT (repercussão ge-
37

ral) (Info 862). I - requisitos para sua extinção e consequente migração para o
Regime Geral de Previdência Social;(EC 103/19)
“Subtraído o montante que exceder o teto e subteto previsto no II - modelo de arrecadação, de aplicação e de utilização dos
artigo 37, inciso XI, da Constituição Federal, tem-se o valor que recursos;(EC 103/19)
vale como base para o Imposto de Renda e para a contribuição III - fiscalização pela União e controle externo e social;(EC
previdenciária”. STF. Plenário. RE 675978/SP (repercussão geral) 103/19)
(Info 781). IV - definição de equilíbrio financeiro e atuarial;(EC 103/19)
V - condições para instituição do fundo com finalidade
§ 12. Além do disposto neste artigo, serão observados, em regime previdenciária de que trata o art. 249 e para vinculação a ele dos
próprio de previdência social, no que couber, os requisitos e crité- recursos provenientes de contribuições e dos bens, direitos e
rios fixados para o Regime Geral de Previdência Social.(EC ativos de qualquer natureza;(EC 103/19)
103/19) VI - mecanismos de equacionamento do deficit atuarial;(EC
§ 13. Aplica-se ao agente público ocupante, exclusivamente, de 103/19)
cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e VII - estruturação do órgão ou entidade gestora do regime,
exoneração, de outro cargo temporário, inclusive mandato observados os princípios relacionados com governança, controle
eletivo, ou de emprego público, o Regime Geral de Previdência interno e transparência;(EC 103/19)
Social.(EC 103/19) VIII - condições e hipóteses para responsabilização daqueles que
§ 14. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios desempenhem atribuições relacionadas, direta ou indiretamente,
instituirão, por lei de iniciativa do respectivo Poder Executivo, com a gestão do regime;(EC 103/19)
regime de previdência complementar para servidores públicos IX - condições para adesão a consórcio público;(EC 103/19)
ocupantes de cargo efetivo, observado o limite máximo dos X - parâmetros para apuração da base de cálculo e definição de
benefícios do Regime Geral de Previdência Social para o valor alíquota de contribuições ordinárias e extraordinárias(EC 103/19)
das aposentadorias e das pensões em regime próprio de
previdência social, ressalvado o disposto no § 16.(EC 103/19) Art. 41. São estáveis após 3 anos de efetivo exercício os servi-
§ 15. O regime de previdência complementar de que trata o § 14 dores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de
oferecerá plano de benefícios somente na modalidade contri- concurso público.
buição definida, observará o disposto no art. 202 e será efetiva- § 1º O servidor público estável só perderá o cargo:
do por intermédio de entidade fechada de previdência comple- I - em virtude de sentença judicial transitada em julgado;
mentar ou de entidade aberta de previdência complementar.(EC II - mediante processo administrativo em que lhe seja assegura-
103/19) da ampla defesa;
§ 16 - Somente mediante sua prévia e expressa opção, o disposto III - mediante procedimento de avaliação periódica de desem-
nos §§ 14 e 15 poderá ser aplicado ao servidor que tiver ingressa- penho, na forma de lei complementar, assegurada ampla defesa.
do no serviço público até a data da publicação do ato de institui-
ção do correspondente regime de previdência complementar. Em virtude de sentença judicial transi-
§ 17. Todos os valores de remuneração considerados para o cálcu- tada em julgado;
lo do benefício previsto no § 3° serão devidamente atualizados,
na forma da lei. Mediante processo administrativo em
§ 18. Incidirá contribuição sobre os proventos de aposentadorias que lhe seja assegurada ampla defesa;
e pensões concedidas pelo regime de que trata este artigo que Mediante procedimento de avaliação
superem o limite máximo estabelecido para os benefícios do regi- SERVIDOR PÚBLICO periódica de desempenho, na forma de
me geral de previdência social de que trata o art. 201, com per- ESTÁVEL SÓ lei complementar, assegurada ampla de-
centual igual ao estabelecido para os servidores titulares de car- PERDERÁ O CARGO fesa.
gos efetivos.
§ 19. Observados critérios a serem estabelecidos em lei do res- Art. 169, §4°: Para cumprir o limite de
pectivo ente federativo, o servidor titular de cargo efetivo que gastos previstos em LC
tenha completado as exigências para a aposentadoria volun- Art. 198, §6°: O agente comunitário de
tária e que opte por permanecer em atividade poderá fazer saúde ou de agente de combate às en-
jus a um abono de permanência equivalente, no máximo, ao demias poderá perder o cargo em caso
valor da sua contribuição previdenciária, até completar a ida- de descumprimento dos requisitos es-
de para aposentadoria compulsória.(EC 103/19) pecíficos, fixados em lei, para o seu
§ 20. É vedada a existência de mais de um regime próprio de exercício.
previdência social e de mais de um órgão ou entidade gestora
desse regime em cada ente federativo, abrangidos todos os
§ 2º Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor
poderes, órgãos e entidades autárquicas e fundacionais, que
estável, será ele reintegrado, e o eventual ocupante da vaga, se
serão responsáveis pelo seu financiamento, observados os
estável, reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indeniza-
critérios, os parâmetros e a natureza jurídica definidos na lei
ção, aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade
complementar de que trata o § 22.(EC 103/19)
com remuneração proporcional ao tempo de serviço.
§ 21. (REGOVADO EC 103/19)
§ 3º Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o servi-
§ 22. Vedada a instituição de novos regimes próprios de previdên-
dor estável ficará em disponibilidade, com remuneração proporci-
cia social, lei complementar federal estabelecerá, para os que já
onal ao tempo de serviço, até seu adequado aproveitamento em
existam, normas gerais de organização, de funcionamento e de
outro cargo.
responsabilidade em sua gestão, dispondo, entre outros aspectos,
sobre:(EC 103/19)
38

§ 4º Como condição para a aquisição da estabilidade, é obriga- não se estende aos servidores inativos.
tória a avaliação especial de desempenho por comissão institu- Súmula 20-STF: É necessário processo administrativo, com
ída para essa finalidade. ampla defesa, para demissão de funcionário admitido por
concurso.
SÚMULAS SOBRE SERVIDORES PÚBLICOS Súmula 21-STF: Funcionário em estágio probatório não pode
ser exonerado nem demitido sem inquérito ou sem as formali-
STF
dades legais de apuração de sua capacidade
Súmula vinculante 3-STF: Nos processos perante o Tribunal de Súmula 22-STF: O estágio probatório não protege o funcioná-
Contas da União asseguram-se o contraditório e a ampla defesa rio contra a extinção do cargo
quando da decisão puder resultar anulação ou revogação de ato Súmula 36-STF: Servidor vitalício está sujeito à aposentado-
administrativo que beneficie o interessado, excetuada a apreci- ria compulsória, em razão da idade.
ação da legalidade do ato de concessão inicial de aposenta- Súmula 39-STF: À falta de lei, funcionário em disponibilidade
doria, reforma e pensão. não pode exigir, judicialmente, o seu aproveitamento, que fica
EXCEÇÃO: será necessário garantir contraditório e ampla defesa subordinado ao critério de conveniência da administração.
se tiverem se passados mais de 5 anos desde a concessão ini- Súmula 47-STF: Reitor de universidade não é livremente de-
cial e o TC ainda não examinou a legalidade do ato. missível pelo presidente da república durante o prazo de sua
OBS: esse prazo de 5 anos é contado a partir da data da chega- investidura
da, ao TCU do processo administrativo de concessão inicial da Súmula 359-STF: Ressalvada a revisão prevista em lei, os pro-
aposentadoria, reforma ou pensão (STF. 1ª Turma. MS 26.069). ventos da inatividade regulam-se pela lei vigente ao tempo em
Súmula vinculante 4-STF: Salvo os casos previstos na Consti- que o militar, ou o servidor civil, reuniu os requisitos neces-
tuição, o salário mínimo não pode ser usado como indexa- sários
dor de base de cálculo de vantagem de servidor público ou de Súmula 567-STF: A Constituição, ao assegurar, no § 3º do art.
empregado, nem ser substituído por decisão judicial 102, a contagem integral do tempo de serviço público federal,
Súmula vinculante 15-STF: O cálculo de gratificações e outras estadual ou municipal para os efeitos de aposentadoria e dispo-
vantagens não incide sobre o abono utilizado para se atingir o nibilidade não proíbe à União, aos Estados e aos Municípios
salário mínimo do servidor público. mandarem contar, mediante lei, para efeito diverso, tempo de
Súmula vinculante 16-STF: Os arts. 7º, IV, e 39, § 3º (redação serviço prestado a outra pessoa de direito público interno.
da EC 19/98), da Constituição, referem-se ao total da remunera- Súmula 671-STF: Os servidores públicos e os trabalhadores em
ção percebida pelo servidor. geral têm direito, no que concerne à URP de abril/maio de 1988,
Súmula vinculante 20-STF: A Gratificação de Desempenho de apenas ao valor correspondente a 7/30 de 16,19% sobre os ven-
Atividade Técnico-Administrativa - GDATA, instituída pela Lei cimentos e salários pertinentes aos meses de abril e maio de
10.404/2002, deve ser deferida aos inativos nos valores corres- 1988, não cumulativamente, devidamente corrigido até o efetivo
pondentes a 37,5 pontos no período de fevereiro a maio de pagamento.
2002 e, nos termos do artigo 5º, parágrafo único, da Lei Súmula 672-STF: O reajuste de 28,86%, concedido aos servido-
10.404/2002, no período de junho de 2002 até a conclusão dos res militares pelas Leis 8.622/93 e 8.627/93, estende-se aos ser-
efeitos do último ciclo de avaliação a que se refere o artigo 1º vidores civis do Poder Executivo, observadas as eventuais com-
da Medida Provisória 198/2004, a partir da qual passa a ser de pensações decorrentes dos reajustes diferenciados concedidos
60 pontos. pelos mesmos diplomas legais
Súmula vinculante 33-STF: Aplicam-se ao servidor público, no Súmula 682-STF: Não ofende a Constituição a correção mo-
que couber, as regras do Regime Geral de Previdência Social netária no pagamento com atraso dos vencimentos de servido-
sobre aposentadoria especial de que trata o artigo 40, pa- res públicos.
rágrafo 4º, inciso III (atividades exercidas sob condições espe- Súmula 726-STF: Para efeito de aposentadoria especial de pro-
ciais que prejudiquem a saúde ou a integridade física), da Cons- fessores, não se computa o tempo de serviço prestado fora da
tituição Federal, até edição de lei complementar específica sala de aula. EXCEÇÃO: professores que estejam desempenhan-
Súmula vinculante 34-STF: A Gratificação de Desempenho de do as atividades de direção de unidade escolar ou coordenação
Atividade de Seguridade Social e do Trabalho - GDASST, instituí- e assessoramento pedagógico.
da pela Lei 10.483/2002, deve ser estendida aos inativos no va-
STJ
lor correspondente a 60 pontos, desde o advento da Medida
Provisória 198/2004, convertida na Lei 10.971/2004, quando tais Súmula 378-STJ: Reconhecido o desvio de função, o servidor
inativos façam jus à paridade constitucional (EC 20/1998, faz jus às diferenças salariais decorrentes
41/2003 e 47/2005).
Súmula vinculante 37-STF: Não cabe ao Poder Judiciário, JURISPRUDÊNCIA EM TESES DO STJ
que não tem função legislativa, aumentar vencimentos de
servidores públicos sob fundamento de isonomia EDIÇÃO N. 73: SERVIDOR PÚBLICO - REMUNERAÇÃO
Súmula vinculante 42-STF: É inconstitucional a vinculação do 2) Não compete ao Poder Judiciário equiparar ou reajustar
reajuste de vencimentos de servidores estaduais ou municipais a os valores do auxílio-alimentação dos servidores públicos.
índices federais de correção monetária 3) É indevida a devolução ao erário de valores recebidos de
Súmula vinculante 51-STF: O reajuste de 28,86%, concedido boa-fé, por servidor público ou pensionista, em decorrência
aos servidores militares pelas Leis 8.622/1993 e 8.627/1993, es- de erro administrativo operacional ou nas hipóteses de
tende-se aos servidores civis do Poder Executivo, observadas as equívoco ou má interpretação da lei pela administração
eventuais compensações decorrentes dos reajustes diferencia- pública. (Tese julgada sob o rito do art. 543-C do CPC/73 - Tema
dos concedidos pelos mesmos diplomas legais. 531)
Súmula vinculante 55 STF: O direito ao auxílio-alimentação 4) É de 200 horas mensais o divisor adotado como parâmetro
39

para o pagamento de horas extras aos servidores públicos de serviço em aposentadoria integral por invalidez é a data do
federais, cujo cálculo é obtido dividindo-se as 40 horas semanais requerimento administrativo.
(art. 19 da Lei n. 8.112/90) por 6 dias úteis e multiplicando-se o 12) A concessão de aposentadoria especial aos servidores
resultado por 30 (total de dias do mês). públicos será regulada pela Lei n. 8.213/91, enquanto não
9) A lei que cria nova gratificação ao servidor sem promover editada a lei complementar prevista no art. 40, § 4º, da
reestruturação ou reorganização da carreira não tem aptidão CF/88.
para absorver índice de reajuste geral. 13) A limitação da carga horária semanal para servidores
10) A fixação ou alteração do sistema remuneratório e a públicos profissionais de saúde que acumulam cargos deve ser
supressão de vantagem pecuniária são atos comissivos de 60 horas semanais.
únicos e de efeitos permanentes, que modificam a situação A acumulação de cargos públicos de profissionais da área de
jurídica do servidor e não se renovam mensalmente. saúde, prevista no art. 37, XVI da CF/88, não se sujeita ao limite
11) A contagem do prazo decadencial para a impetração de de 60 horas semanais previsto em norma infraconstitucional,
mandado de segurança contra ato que fixa ou altera sistema pois inexiste tal requisito na Constituição Federal. O único
remuneratório ou suprime vantagem pecuniária de servidor requisito estabelecido para a acumulação é a
público inicia-se com a ciência do ato impugnado. compatibilidade de horários no exercício das funções, cujo
12) Não cabe o pagamento da ajuda de custo prevista no art. cumprimento deverá ser aferido pela administração pública.
53 da Lei n. 8.112/90 ao servidor público que participou de STF. 1ª Turma. RE 1176440/DF (Info 937). STF. 2ª Turma. RMS
concurso de remoção. 34257 AgR. STJ. 1ª Seção. REsp 1767955/RJ, Rel. Min. Og
13) É devida ao servidor público aposentado a conversão em Fernandes, julgado em 27/03/2019.
pecúnia da licença-prêmio não gozada, ou não contada em
dobro para aposentadoria, sob pena de enriquecimento ilícito da Seção III
administração. DOS MILITARES DOS ESTADOS, DO DISTRITO FEDERAL E DOS
14) O prazo prescricional de 5 anos para converter em pecúnia TERRITÓRIOS
licença-prêmio não gozada ou utilizada como lapso temporal Art. 42 Os membros das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros
para jubilamento tem início no dia posterior ao ato de registro Militares, instituições organizadas com base na hierarquia e dis-
da aposentadoria pelo Tribunal de Contas. ciplina, são militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Terri-
16) O termo inicial da prescrição do direito de pleitear a tórios.
indenização por férias não gozadas é o ato de aposentadoria § 1º Aplicam-se aos militares dos Estados, do Distrito Federal e
do servidor. dos Territórios, além do que vier a ser fixado em lei, as disposi-
EDIÇÃO N. 76: SERVIDOR PÚBLICO - II ções do art. 14, § 8º; do art. 40, § 9º; e do art. 142, §§ 2º e 3º, ca -
1) É legítimo o ato da Administração que promove o bendo a lei estadual específica dispor sobre as matérias do art.
desconto dos dias não trabalhados pelos servidores públicos 142, § 3º, inciso X, sendo as patentes dos oficiais conferidas pelos
participantes de movimento grevista. respectivos governadores.
2) É vedado o cômputo do tempo do curso de formação para § 2º Aos pensionistas dos militares dos Estados, do Distrito Fede-
efeito de promoção do servidor público, sendo, contudo, ral e dos Territórios aplica-se o que for fixado em lei específica do
considerado tal período para fins de progressão na carreira. respectivo ente estatal.
3) O tempo de serviço prestado às empresas públicas e § 3º Aplica-se aos militares dos Estados, do Distrito Federale dos
sociedades de economia mista somente pode ser computado Territórios o disposto no art. 37, inciso XVI (acumulação de car-
para efeitos de aposentadoria e disponibilidade. gos), com prevalência da atividade militar (EC 101/2019)
4) O direito de transferência ex officio entre instituições de
ensino congêneres conferido a servidor público federal da Seção IV
administração direta se estende aos empregados públicos DAS REGIÕES
integrantes da administração indireta. Art. 43. Para efeitos administrativos, a União poderá articular sua
6) A pensão por morte do servidor público federal é devida ação em um mesmo complexo geoeconômico e social, visando a
até a idade limite de 21 anos do dependente, salvo se seu desenvolvimento e à redução das desigualdades regionais.
inválido, não cabendo postergar o benefício para os § 1º - LC disporá sobre:
universitários com idade até 24 anos, ante a ausência de I - as condições para integração de regiões em desenvolvimento;
previsão normativa. II - a composição dos organismos regionais que executarão, na
7) Não é possível o registro de penas nos assentamentos forma da lei, os planos regionais, integrantes dos planos nacionais
funcionais dos servidores públicos quando verificada a de desenvolvimento econômico e social, aprovados juntamente
ocorrência da prescrição da pretensão punitiva do Estado, com estes.
por força do entendimento do Supremo Tribunal Federal de § 2º - Os incentivos regionais compreenderão, além de outros, na
que o art. 170 da Lei n. 8.112/90 viola a Constituição Federal. forma da lei:
8) A abertura de concurso de remoção pela administração revela I - igualdade de tarifas, fretes, seguros e outros itens de custos e
que a existência de vaga a ser preenchida pelo servidor preços de responsabilidade do Poder Público;
aprovado é de interesse público. II - juros favorecidos para financiamento de atividades prioritárias;
9) A investidura originária não se enquadra no conceito de III - isenções, reduções ou diferimento temporário de tributos fe-
deslocamento para fins da concessão da licença para derais devidos por pessoas físicas ou jurídicas;
acompanhar cônjuge com exercício provisório. IV - prioridade para o aproveitamento econômico e social dos
10) É lícita a cassação de aposentadoria de servidor público, não rios e das massas de água represadas ou represáveis nas regiões
obstante o caráter contributivo do benefício previdenciário. de baixa renda, sujeitas a secas periódicas.
11) O termo inicial para o pagamento dos proventos integrais § 3º - Nas áreas a que se refere o § 2º, IV, a União incentivará a
devidos na conversão da aposentadoria proporcional por tempo recuperação de terras áridas e cooperará com os pequenos e
40

médios proprietários rurais para o estabelecimento, em suas gle- República, Governadores e


bas, de fontes de água e de pequena irrigação. Prefeitos de Municípios com
mais de 200 mil eleitores.
TÍTULO IV
*Informações retiradas do site https://lfg.jusbrasil.com.br/noticias/
DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES
2542454/o-que-se-entende-por-principios-majoritario-e-propor-
CAPÍTULO I
cional
DO PODER LEGISLATIVO
SEÇÃO I
Art. 47. Salvo disposição constitucional em contrário, as delibera-
DO CONGRESSO NACIONAL
ções de cada Casa e de suas Comissões serão tomadas por maio-
Art. 44. O Poder Legislativo é exercido pelo Congresso Nacional,
ria dos votos, presente a maioria absoluta de seus membros.
que se compõe da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.
Parágrafo único. Cada legislatura terá a duração de 4 anos.
Seção II
DAS ATRIBUIÇÕES DO CONGRESSO NACIONAL
Art. 45. A Câmara dos Deputados compõe-se de representantes
Art. 48. Cabe ao Congresso Nacional, com a sanção do Presi-
do povo, eleitos, pelo sistema proporcional, em cada Estado, em
dente da República, não exigida esta para o especificado nos
cada Território e no Distrito Federal.
arts. 49, 51 e 52, dispor sobre todas as matérias de competên-
§ 1º O número total de Deputados, bem como a representação
cia da União, especialmente sobre:
por Estado e pelo Distrito Federal, será estabelecido por LC, pro-
I - sistema tributário, arrecadação e distribuição de rendas;
porcionalmente à população, procedendo-se aos ajustes neces-
II - plano plurianual, diretrizes orçamentárias, orçamento anual,
sários, no ano anterior às eleições, para que nenhuma daquelas
operações de crédito, dívida pública e emissões de curso forçado;
unidades da Federação tenha menos de 8 ou mais de 70 Depu-
III - fixação e modificação do efetivo das Forças Armadas;
tados.
IV - planos e programas nacionais, regionais e setoriais de de-
§ 2º Cada Território elegerá 4 Deputados.
senvolvimento;
V - limites do território nacional, espaço aéreo e marítimo e bens
Art. 46. O Senado Federal compõe-se de representantes dos Es-
do domínio da União;
tados e do Distrito Federal, eleitos segundo o princípio majori-
VI - incorporação, subdivisão ou desmembramento de áreas
tário.
de Territórios ou Estados, ouvidas as respectivas Assembleias
§ 1º Cada Estado e o Distrito Federal elegerão 3 Senadores, com
Legislativas;
mandato de 8 anos.
VII - transferência temporária da sede do Governo Federal;
§ 2º A representação de cada Estado e do Distrito Federal será
VIII - concessão de anistia;
renovada de 4 em 4 anos, alternadamente, por 1/3 e 2/3
IX - organização administrativa, judiciária, do Ministério Público e
§ 3º Cada Senador será eleito com 2 suplentes.
da Defensoria Pública da União e dos Territórios e organização ju-
diciária e do Ministério Público do Distrito Federal;
SISTEMA PROPORCIONAL SISTEMA MAJORITÁRIO X – criação, transformação e extinção de cargos, empregos e fun-
Dá-se importância ao número Leva em conta o número de ções públicas, observado o que estabelece o art. 84, VI, b;
de votos válidos ao partido votos válidos ofertados ao XI – criação e extinção de Ministérios e órgãos da administra-
político, pois ao votar na candidato registrado por ção pública;
legenda, faz-se a escolha por partido político. Dá-se XII - telecomunicações e radiodifusão;
partido importância ao candidato e XIII - matéria financeira, cambial e monetária, instituições finan-
não ao partido político pelo ceiras e suas operações;
qual é registrado. XIV - moeda, seus limites de emissão, e montante da dívida mobi-
liária federal.
Adotado nas eleições para Adotado nas eleições para XV - fixação do subsídio dos Ministros do STF, observado o
Deputado Federal, Deputado Senador da República, que dispõem os arts. 39, § 4º; 150, II; 153, III; e 153, § 2º, I.
Estadual e Vereadores. Presidente da República,
Governadores da República e Art. 49. É da competência exclusiva do Congresso Nacional:
Prefeitos. I - resolver definitivamente sobre tratados, acordos ou atos
MAJORITÁRIO SIMPLES internacionais que acarretem encargos ou compromissos gravo-
sos ao patrimônio nacional;
Contenta-se com qualquer II - autorizar o Presidente da República a declarar guerra, a ce-
maioria de votos. É adotado lebrar a paz, a permitir que forças estrangeiras transitem pelo
nas eleições para Senador e território nacional ou nele permaneçam temporariamente,
Prefeito de Municípios com ressalvados os casos previstos em lei complementar;
menos de 200 mil eleitores III - autorizar o Presidente e o Vice-Presidente da República a se
(art. 29, II, CR/88). ausentarem do País, quando a ausência exceder a 15 dias;
MAJORITÁRIO ABSOLUTO IV - aprovar o estado de defesa e a intervenção federal, auto-
rizar o estado de sítio, ou suspender qualquer uma dessas medi-
Exige no mínimo maioria das;
absoluta de votos para
considerar o candidato eleito,
COMPETÊNCIA EXCLUSIVA DO CN
se não terá que haver 2º turno
de votação. É adotado nas APROVAR AUTORIZAR
eleições para Presidente da
Estado de Defesa Estado de Sítio
41

Intervenção Federal I - autorizar, por 2/3 de seus membros, a instauração de pro-


cesso contra o Presidente e o Vice-Presidente da República e os
Ministros de Estado;
V - sustar os atos normativos do Poder Executivo que exorbi-
II - proceder à tomada de contas do Presidente da República,
tem do poder regulamentar ou dos limites de delegação le-
quando não apresentadas ao Congresso Nacional dentro de 60
gislativa;
dias após a abertura da sessão legislativa;
VI - mudar temporariamente sua sede;
III - elaborar seu regimento interno;
VII - fixar idêntico subsídio para os Deputados Federais e os Sena-
IV – dispor sobre sua organização, funcionamento, polícia, cria-
dores, observado o que dispõem os arts. 37, XI, 39, § 4º, 150, II,
ção, transformação ou extinção dos cargos, empregos e funções
153, III, e 153, § 2º, I;
de seus serviços, e a iniciativa de lei para fixação da respectiva re-
VIII - fixar os subsídios do Presidente e do Vice-Presidente da
muneração, observados os parâmetros estabelecidos na lei de di-
República e dos Ministros de Estado, observado o que dispõem
retrizes orçamentárias;
os arts. 37, XI, 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I;
V – eleger (2) membros do Conselho da República, nos termos do
IX - julgar anualmente as contas prestadas pelo Presidente da
art. 89, VII.
República e apreciar os relatórios sobre a execução dos planos
de governo;
Seção IV
DO SENADO FEDERAL
CONTAS DO PR Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal:
CN Julga I - processar e julgar o Presidente e o Vice-Presidente da Repú-
blica nos crimes de responsabilidade, bem como os Ministros
TCU Aprecia de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Ae-
CD Procede a tomada de contas não apresentadas ao ronáutica nos crimes da mesma natureza conexos com aque-
CN em 60 dias após a abertura da sessão legislativa les;
II - processar e julgar os Ministros do STF, os membros do CNJ
e do CNMP, o PGR e o AGU nos crimes de responsabilidade;
X - fiscalizar e controlar, diretamente, ou por qualquer de suas
III - aprovar previamente, por voto secreto, após arguição públi-
Casas, os atos do Poder Executivo, incluídos os da administração
ca, a escolha de:
indireta;
a) Magistrados, nos casos estabelecidos nesta Constituição;
XI - zelar pela preservação de sua competência legislativa em face
b) Ministros do TCU indicados pelo Presidente da República;
da atribuição normativa dos outros Poderes;
c) Governador de Território;
XII - apreciar os atos de concessão e renovação de concessão
d) Presidente e diretores do banco central;
de emissoras de rádio e televisão;
e) PGR;
XIII - escolher 2/3 dos membros do TCU;
f) titulares de outros cargos que a lei determinar;
XIV - aprovar iniciativas do Poder Executivo referentes a ativi-
IV - aprovar previamente, por voto secreto, após arguição em
dades nucleares;
sessão secreta, a escolha dos chefes de missão diplomática de
XV - autorizar referendo e convocar plebiscito (AR/CP);
caráter permanente;
XVI - autorizar, em terras indígenas, a exploração e o aprovei-
V - autorizar operações externas de natureza financeira, de in-
tamento de recursos hídricos e a pesquisa e lavra de riquezas
teresse da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios
minerais;
e dos Municípios;
XVII - aprovar, previamente, a alienação ou concessão de terras
VI - fixar, por proposta do Presidente da República, limites glo-
públicas com área superior a 2.500 hectares.
bais para o montante da dívida consolidada da União, dos Es-
tados, do Distrito Federal e dos Municípios;
Art. 50. A Câmara dos Deputados e o Senado Federal, ou qual-
VII - dispor sobre limites globais e condições para as opera-
quer de suas Comissões, poderão convocar Ministro de Estado ou
ções de crédito externo e interno da União, dos Estados, do
quaisquer titulares de órgãos diretamente subordinados à Presi-
Distrito Federal e dos Municípios, de suas autarquias e demais en-
dência da República para prestarem, pessoalmente, informações
tidades controladas pelo Poder Público federal;
sobre assunto previamente determinado, importando crime de
VIII - dispor sobre limites e condições para a concessão de ga-
responsabilidade a ausência sem justificação adequada.
rantia da União em operações de crédito externo e interno;
§ 1º Os Ministros de Estado poderão comparecer ao Senado Fe-
IX - estabelecer limites globais e condições para o montante
deral, à Câmara dos Deputados, ou a qualquer de suas Comis-
da dívida mobiliária dos Estados, do Distrito Federal e dos Muni-
sões, por sua iniciativa e mediante entendimentos com a Mesa
cípios;
respectiva, para expor assunto de relevância de seu Ministério.
X - suspender a execução, no todo ou em parte, de lei decla-
§ 2º As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal
rada inconstitucional por decisão definitiva do STF
poderão encaminhar pedidos escritos de informações a Ministros
de Estado ou a qualquer das pessoas referidas no caput deste ar- Se o Plenário do STF decidir a constitucionalidade ou
tigo, importando em crime de responsabilidade a recusa, ou o inconstitucionalidade de uma lei ou ato normativo, ainda que
não - atendimento, no prazo de 30 dias, bem como a presta- em controle incidental, essa decisão terá os mesmos efeitos
ção de informações falsas do controle concentrado, ou seja, eficácia erga omnes e
vinculante. Houve mutação constitucional do art. 52, X, da
Seção III CF/88. A nova interpretação deve ser a seguinte: quando o STF
DA CÂMARA DOS DEPUTADOS declara uma lei inconstitucional, mesmo em sede de controle
Art. 51. Compete privativamente à Câmara dos Deputados: difuso, a decisão já tem efeito vinculante e erga omnes e o STF
apenas comunica ao Senado com o objetivo de que a
referida Casa Legislativa dê publicidade daquilo que foi
42

decidido. STF. Plenário. ADI 3406/RJ e ADI 3470/RJ, Rel. Min. O § 2º do art. 53 da CF/88 veda apenas a prisão penal cautelar
Rosa Weber, julgados em 29/11/2017 (Info 886). (provisória) do parlamentar, ou seja, não proíbe a prisão
XI - aprovar, por maioria absoluta e por voto secreto, a exone- decorrente da sentença transitada em julgado, como no caso
ração, de ofício, do PGR antes do término de seu mandato; de Deputado Federal condenado definitivamente pelo STF. STF.
XII - elaborar seu regimento interno; Plenário. AP 396 QO/RO, AP 396 ED-ED/RO, Rel.Min. Cármen
XIII - dispor sobre sua organização, funcionamento, polícia, cria- Lúcia, julgado em 26/6/2013 (Info 712).
ção, transformação ou extinção dos cargos, empregos e funções O STF pode impor a Deputado Federal ou Senador qualquer
de seus serviços, e a iniciativa de lei para fixação da respectiva re- das medidas cautelares previstas no art. 319 do CPP. No
muneração, observados os parâmetros estabelecidos na lei de di- entanto, se a medida imposta impedir, direta ou
retrizes orçamentárias; indiretamente, que esse Deputado ou Senador exerça seu
XIV – eleger (2) membros do Conselho da República, nos termos mandato, então, neste caso, a Câmara ou o Senado poderá
do art. 89, VII. rejeitar (“derrubar”) a medida cautelar que havia sido
XV - avaliar periodicamente a funcionalidade do Sistema Tri- determinada pelo Judiciário. Aplica-se, por analogia, a regra do
butário Nacional, em sua estrutura e seus componentes, e o de- §2º do art. 53 da CF/88 também para as medidas cautelares
sempenho das administrações tributárias da União, dos Estados e diversas da prisão. STF. Plenário. ADI 5526/DF, rel. orig. Min.
do Distrito Federal e dos Municípios. Edson Fachin, red. p/ o ac. Min. Alexandre de Moraes, julgado
Parágrafo único. Nos casos previstos nos incisos I e II, funcionará em 11/10/2017 (Info 881).
como Presidente o do STF, limitando-se a condenação, que
somente será proferida por 2/3 dos votos do Senado Federal,
Art. 54. Os Deputados e Senadores não poderão:
à perda do cargo, com inabilitação, por 8 anos, para o exercí-
I - desde a expedição do diploma:
cio de função pública, sem prejuízo das demais sanções judiciais
a) FIRMAR OU MANTER CONTRATO com pessoa jurídica de di-
cabíveis.
reito público, autarquia, empresa pública, sociedade de economia
mista ou empresa concessionária de serviço público, salvo quan-
Seção V
do o contrato obedecer a cláusulas uniformes;
DOS DEPUTADOS E DOS SENADORES
b) ACEITAR OU EXERCER CARGO, função ou emprego remune-
Art. 53. Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penal-
rado, inclusive os de que sejam demissíveis "ad nutum ", nas enti-
mente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos -
dades constantes da alínea anterior;
Imunidade material, real, substancial ou inviolabilidade
II - desde a posse:
§ 1º Os Deputados e Senadores, desde a expedição do diploma,
a) ser proprietários, controladores ou diretores de empresa
serão submetidos a julgamento perante o STF - Prerrogativa
que goze de favor decorrente de contrato com pessoa jurídica
de foro
de direito público, ou nela exercer função remunerada;
§ 2º Desde a expedição do diploma, os membros do Congresso
b) ocupar cargo ou função de que sejam demissíveis "ad nu-
Nacional não poderão ser presos, salvo em flagrante de crime
tum", nas entidades referidas no inciso I, "a";
inafiançável. Nesse caso, os autos serão remetidos dentro de 24
c) patrocinar causa em que seja interessada qualquer das enti-
horas à Casa respectiva, para que, pelo voto da maioria de seus
dades a que se refere o inciso I, "a";
membros, resolva sobre a prisão - Imunidade formal ou
d) ser titulares de mais de um cargo ou mandato público ele-
processual em razão da prisão (freedom from arrest)
tivo.
§ 3º Recebida a denúncia contra o Senador ou Deputado, por
crime ocorrido após a diplomação, o STF dará ciência à Casa
Art. 55. Perderá o mandato o Deputado ou Senador:
respectiva, que, por iniciativa de partido político nela representa-
I - que infringir qualquer das proibições estabelecidas no artigo
do e pelo voto da maioria de seus membros, poderá, até a de-
anterior;
cisão final, sustar o andamento da ação - Imunidade formal
II - cujo procedimento for declarado incompatível com o de-
ou processual para o processo
coro parlamentar;
§ 4º O pedido de sustação será apreciado pela Casa respectiva
III - que deixar de comparecer, em cada sessão legislativa, 1/3
no prazo improrrogável de 45 dias do seu recebimento pela
das sessões ordinárias da Casa a que pertencer, salvo licença ou
Mesa Diretora - Imunidade formal ou processual para o
missão por esta autorizada;
processo
IV - que perder ou tiver suspensos os direitos políticos;
§ 5º A sustação do processo SUSPENDE A PRESCRIÇÃO, en-
V - quando o decretar a Justiça Eleitoral, nos casos previstos
quanto durar o mandato - Imunidade formal ou processual
nesta Constituição;
para o processo
VI - que sofrer condenação criminal em sentença transitada
§ 6º Os Deputados e Senadores não serão obrigados a testemu-
em julgado.
nhar sobre informações recebidas ou prestadas em razão do
§ 1º - É incompatível com o decoro parlamentar, além dos ca-
exercício do mandato, nem sobre as pessoas que lhes confiaram
sos definidos no regimento interno, o abuso das prerrogativas
ou deles receberam informações.
asseguradas a membro do Congresso Nacional ou a percepção
§ 7º A incorporação às Forças Armadas de Deputados e Sena-
de vantagens indevidas.
dores, embora militares e ainda que em tempo de guerra, de-
§ 2º Nos casos dos incisos I, II e VI, a perda do mandato será de-
penderá de prévia licença da Casa respectiva.
cidida pela Câmara dos Deputados ou pelo Senado Federal, por
§ 8º As imunidades de Deputados ou Senadores subsistirão du-
maioria absoluta, mediante provocação da respectiva Mesa ou
rante o estado de sítio, só podendo ser suspensas mediante o
de partido político representado no Congresso Nacional, assegu-
voto de 2/3 dos membros da Casa respectiva, nos casos de
rada ampla defesa.
atos praticados fora do recinto do Congresso Nacional, que
§ 3º - Nos casos previstos nos incisos III a V, a perda será decla-
sejam incompatíveis com a execução da medida.
rada pela Mesa da Casa respectiva, de ofício ou mediante provo-
43

cação de qualquer de seus membros, ou de partido político re- ternadamente, pelos ocupantes de cargos equivalentes na Câma-
presentado no Congresso Nacional, assegurada ampla defesa. ra dos Deputados e no Senado Federal.
§ 4º A renúncia de parlamentar submetido a processo que vise § 6º A convocação extraordinária do Congresso Nacional far-se-
ou possa levar à perda do mandato, nos termos deste artigo, terá á:
seus efeitos suspensos até as deliberações finais de que tratam I - pelo Presidente do Senado Federal, em caso de decretação
os §§ 2º e 3º. de estado de defesa ou de intervenção federal, de pedido de
autorização para a decretação de estado de sítio e para o
PERDA DO MANDATO compromisso e a posse do Presidente e do Vice-Presidente da
República;
SERÁ DECIDIDA PELA CD ou SERÁ DECLARADA PELA II - pelo Presidente da República, pelos Presidentes da Câmara
SF por MAIORIA ABSOLUTA MESA DA CASA RESPECTIVA dos Deputados e do Senado Federal ou a requerimento da mai-
• Infringir qualquer das proi- • Deixar de comparecer, em oria dos membros de ambas as Casas, em caso de urgência ou
bições cada sessão legislativa, 1/3 das interesse público relevante, em todas as hipóteses deste inciso
• Procedimento for declarado sessões ordinárias da Casa a com a aprovação da maioria absoluta de cada uma das Casas do
incompatível com o decoro que pertencer, salvo licença ou Congresso Nacional.
parlamentar missão por esta autorizada § 7º Na sessão legislativa extraordinária, o Congresso Nacional
• Sofrer condenação crimi- • Perder ou tiver suspensos somente deliberará sobre a matéria para a qual foi convocado,
nal em sentença transitada os direitos políticos ressalvada a hipótese do § 8º deste artigo, vedado o pagamento
em julgado • Decretar a Justiça Eleitoral de parcela indenizatória, em razão da convocação.
§ 8º Havendo medidas provisórias em vigor na data de convo-
cação extraordinária do Congresso Nacional, serão elas auto-
Art. 56. Não perderá o mandato o Deputado ou Senador:
maticamente incluídas na pauta da convocação.
I - investido no cargo de Ministro de Estado, Governador de
Território, Secretário de Estado, do Distrito Federal, de Terri-
Seção VII
tório, de Prefeitura de Capital ou chefe de missão diplomática
DAS COMISSÕES
temporária;
Art. 58. O Congresso Nacional e suas Casas terão comissões per-
II - licenciado pela respectiva Casa por motivo de doença, ou
manentes e temporárias, constituídas na forma e com as atribui-
para tratar, sem remuneração, de interesse particular, desde
ções previstas no respectivo regimento ou no ato de que resultar
que, neste caso, o afastamento não ultrapasse 120 dias por ses-
sua criação.
são legislativa.
§ 1º Na constituição das Mesas e de cada Comissão, é assegura-
§ 1º O suplente será convocado nos casos de vaga, de investidura
da, tanto quanto possível, a representação proporcional dos parti-
em funções previstas neste artigo ou de licença superior a 120
dos ou dos blocos parlamentares que participam da respectiva
dias.
Casa.
§ 2º Ocorrendo vaga e não havendo suplente, far-se-á eleição
§ 2º Às comissões, em razão da matéria de sua competência,
para preenchê-la se faltarem mais de 15 meses para o término
cabe:
do mandato.
I - discutir e votar projeto de lei que dispensar, na forma do re-
§ 3º Na hipótese do inciso I, o Deputado ou Senador poderá op-
gimento, a competência do Plenário, salvo se houver recurso de
tar pela remuneração do mandato.
1/10 dos membros da Casa;
II - realizar audiências públicas com entidades da sociedade
Seção VI
civil;
DAS REUNIÕES
III - convocar Ministros de Estado para prestar informações so-
Art. 57. O Congresso Nacional reunir-se-á, anualmente, na Capital
bre assuntos inerentes a suas atribuições;
Federal, de 2/2 a 17/7 e de 1º/8 a 22/12.
IV - receber petições, reclamações, representações ou queixas
§ 1º As reuniões marcadas para essas datas serão transferidas
de qualquer pessoa contra atos ou omissões das autoridades ou
para o primeiro dia útil subsequente, quando recaírem em sába-
entidades públicas;
dos, domingos ou feriados.
V - solicitar depoimento de qualquer autoridade ou cidadão;
§ 2º A sessão legislativa não será interrompida sem a aprova-
VI - apreciar programas de obras, planos nacionais, regionais
ção do projeto de LDO.
e setoriais de desenvolvimento e sobre eles emitir parecer.
§ 3º Além de outros casos previstos nesta Constituição, a Câmara
§ 3º As COMISSÕES PARLAMENTARES DE INQUÉRITO (CPI),
dos Deputados e o Senado Federal reunir-se-ão em sessão con-
que terão poderes de investigação próprios das autoridades
junta para:
judiciais, além de outros previstos nos regimentos das respecti-
I - inaugurar a sessão legislativa;
vas Casas, serão criadas pela Câmara dos Deputados e pelo Sena-
II - elaborar o regimento comum e regular a criação de serviços
do Federal, em conjunto ou separadamente, mediante requeri-
comuns às duas Casas;
mento de 1/3 de seus membros, para a apuração de FATO DE-
III - receber o compromisso do Presidente e do Vice-Presidente
TERMINADO e por PRAZO CERTO, sendo suas conclusões, se
da República;
for o caso, encaminhadas ao Ministério Público, para que promo-
IV - conhecer do veto e sobre ele deliberar.
va a responsabilidade civil ou criminal dos infratores.
§ 4º Cada uma das Casas reunir-se-á em sessões preparatórias,
a partir de 1º de fevereiro, no primeiro ano da legislatura, para
a posse de seus membros e eleição das respectivas Mesas, para CPI E PODERES DE INVESTIGAÇÃO
mandato de 2 anos, vedada a recondução para o mesmo cargo INDEPENDE DE DEPENDE DE AUTORIZAÇÃO
na eleição imediatamente subsequente. AUTORIZAÇÃO JUDICIAL JUDICIAL
§ 5º A Mesa do Congresso Nacional será presidida pelo Presi-
dente do Senado Federal, e os demais cargos serão exercidos, al- - Notificar testemunhas e - Expedir mandado de prisão.
44

determinar sua condução ATENÇÃO: Pode prender em dem jurídica, rompendo por com-
coercitiva, as quais terão o flagrante, como qualquer pleto com a ordem jurídica prece-
compromisso de dizer a pessoa do povo. Ex: falso dente.
verdade, sob pena de falso testemunho, desacato a CARACTERÍSTICAS:
testemunho. Tem o direito parlamentar. a) Inicial: instaura uma nova ordem
constitucional ao silêncio. - Expedir mandado de busca e jurídica, rompendo por completo
- Expedir mandado de busca e apreensão em casa ou com a ordem jurídica anterior.
apreensão não domiciliar. escritório. b) Autônomo: a estruturação da
- Magistrados, Ministros de - Expedir mandado de nova constituição será determinada,
Estado, membros do MP e interceptação telefônica. autonomamente, por quem exerce o
outros parlamentares podem ATENÇÃO: Pode requisitar poder constituinte originário.
marcar dia e hora para serem extrato telefônico, ou seja, PODER CONSTITUINTE c) Ilimitado juridicamente: não tem
ouvidos como testemunhas. pode quebrar o sigilo dos ORIGINÁRIO de respeitar os limites postos pelo
- Ouvir investigados ou dados telefônicos (conta, lista (GENUÍNO OU DE 1º direito anterior.
indiciados, garantido o direito de ligações). GRAU) ATENÇÃO: Alguns doutrinadores en-
ao silêncio e a assistência de tendem que o poder constituinte ori-
advogado. ginário sofre limitações, pois é estru-
turado e obedece a padrões e mode-
Realizar perícias, vistorias, - Medidas de constrição
los de conduta espirituais, culturais,
exames, diligências externas. judicial (indisponibilidade de
éticos e sociais radicados na cons-
bens, arresto, sequestro,
ciência jurídica geral da comunidade
hipoteca legal).
e, nesta medida, considerados como
- Apreensão de passaporte.
“vontade do povo”. Ademais, para
- Proibir saída do território
tais autores há a necessidade de ob-
nacional.
servância de princípios de justiça (su-
Quebrar sigilo bancário, fiscal Tais diligências, as quais prapositivos e supralegais) e, tam-
ou de dados. dependem de autorização bém, dos princípios de direito inter-
ATENÇÃO: CPI estadual judicial, são chamadas pelo STF nacional (princípio da independência,
também pode quebrar sigilo de reserva constitucional de princípio da autodeterminação, prin-
bancário ou fiscal, o que não é jurisdição: o juiz tem a cípio da observância de direitos hu-
possível no caso de CPI primeira, a única e a última manos - neste último caso de vincu-
municipal. palavra. lação jurídica, chegando a doutrina a
propor uma juridicização e evolução
*Informações retiradas do site www.dizerodireito.com.br
do poder constituinte).
d) Incondicionado e soberano na
§ 4º Durante o recesso, haverá uma Comissão representativa do
tomada de suas decisões: não tem
Congresso Nacional, eleita por suas Casas na última sessão ordi-
de submeter-se a qualquer forma
nária do período legislativo, com atribuições definidas no regi-
prefixada de manifestação.
mento comum, cuja composição reproduzirá, quanto possível, a
e) Poder de fato e poder político:
proporcionalidade da representação partidária.
energia ou força social, de natureza
pré-jurídica, sendo que, por essas ca-
SÚMULAS SOBRE PODER LEGISLATIVO racterísticas, a nova ordem jurídica
Súmula 245-STF: A imunidade parlamentar não se estende ao começa com a sua manifestação, e
corréu sem essa prerrogativa não antes dela.
Súmula 397-STF: O poder de polícia da Câmara dos Deputados f) Permanente: não se esgota com a
e do Senado Federal, em caso de crime cometido nas suas edição da nova Constituição, sobrevi-
dependências, compreende, consoante o regimento, a prisão vendo a ela e fora dela como forma e
em flagrante do acusado e a realização do inquérito. expressão da liberdade humana, em
verdadeira ideia de subsistência.
ATENÇÃO: A manifestação do Po-
PODER CONSTITUINTE
der Constituinte originário pode
Canotilho: “o poder constituinte se revela sempre como uma ser legítima (suporte no princípio
questão de 'poder', de 'força' ou de 'autoridade' política que democrático) e ilegal (rompe com
está em condições de, numa determinada situação concreta, o direito posto).
criar, garantir ou eliminar uma Constituição entendida como lei
fundamental da comunidade política.” LIMITES METAJURÍDICOS (OU SU-
A titularidade do poder constituinte, como aponta a doutrina PRAPOSITIVOS) DO PODER CONS-
moderna (majoritária), pertence ao povo. Nesse sentido, TITUINTE ORIGINÁRIO - JORGE
seguindo a tendência moderna, o art. 1º, parágrafo único, CF MIRANDA:
estabelece que todo poder emana do povo, adotando assim a - Limitações ideológicas: são aque-
teoria da soberania popular. las que derivam de ideologias, de
crenças arraigadas na opinião públi-
É aquele que instaura uma nova or-
ca.
45

- Limitações institucionais: são LIMITAÇÕES EXPRESSAS (OU EX-


aquelas que derivam de instituições PLÍCITAS) AO PODER CONSTITUIN-
da sociedade que estão historica- TE DERIVADO REFORMADOR:
mente arraigadas naquele meio soci- a) Limitações formais subjetivas
al. Ex: propriedade, família. (art. 60, I, II, III, CF): estão relacio-
- Limitações materiais (ou substan- nadas à iniciativa do processo de ela-
ciais): boração da emenda.
a) Limites materiais transcenden- b) Limitações formais objetivas
tes: são aqueles que transcendem o (art. 60, § 2º e § 5º, CF): necessida-
direito positivo. de de quórum de aprovação de 3/5,
Ex: direito natural, valores éticos su- em dois turnos de votação. Além dis-
periores, consciência jurídica coletiva, so, conforme art. 60, § 5º, CF, a maté-
direitos humanos. ria constante de proposta de emenda
A necessidade de observância e res- rejeitada ou havida por prejudicada
peito por parte do Poder Constituin- não pode ser objeto de nova propos-
te aos direitos fundamentais con- ta na mesma sessão legislativa.
quistados por uma sociedade e sobre c) Limitações circunstanciais (art.
os quais haja um consenso profundo 60, § 1º, CF): Impedem a alteração
é conhecida como princípio da proi- da Constituição em situações ex-
bição de retrocesso (efeito cliquet). cepcionais nas quais a livre manifes-
b) Limites materiais imanentes: di- tação do Poder Reformador possa
zem respeito à configuração histórica estar ameaçada. Tais limitações são:
do Estado. Ex: Estado soberano, Esta- vigência de intervenção federal (art.
do monárquico ou republicano, Esta- 34, CF), de estado de defesa (art. 136,
do federal ou unitário. CF) ou de estado de sítio (art. 137,
c) Limites materiais heterônomos: CF).
derivam do Direito Internacional. d) imitações materiais ou substan-
* Gerais: são os princípios do Direito ciais (art. 60, § 4º, CF): Impedem a
Internacional ligados ao jus cogens. modificação de determinados conte-
Ex: Declaração Universal dos Direitos údos da Constituição. Os limites infe-
Humanos. riores estão relacionados à inserção
* Especiais: são obrigações internaci- de certas matérias no texto da Cons-
onais assumidas por um Estado em tituição. Tendo em vista a inexistência
face de outro Estado, de um grupo de uma reserva de matéria constitu-
de Estados ou da comunidade inter- cional estabelecida pelo legislador
nacional, por meios dos acordos, tra- constituinte, não há nenhum óbice a
tados e convênios internacionais. que um novo assunto ou conteúdo
seja inserido no texto da CF. Os limi-
PODER CONSTITUINTE Deve obedecer às regras colocadas e
tes superiores são impostos pelo Po-
DERIVADO impostas pelo originário, sendo, nes-
der Constituinte Originário na tenta-
(INSTITUÍDO, CONSTI- se sentido, limitado e condicionado
tiva de preservar a identidade mate-
TUÍDO, SECUNDÁRIO, aos parâmetros a ele impostos.
rial da Constituição, impedindo a vio-
DE 2º GRAU OU REMA-
PODER CONSTITUINTE DERIVADO lação do núcleo essencial de deter-
NESCENTE)
REFORMADOR (OU COMPETÊNCIA minados direitos, princípios e institui-
REFORMADORA) ções. Tais limitações exteriorizam-se
nas cláusulas pétreas, também deno-
Tem a capacidade de modificar a
minadas cláusulas intangíveis ou de
Constituição Federal, por meio de
eternidade (Alemanha), cláusulas
um procedimento específico, esta-
constitucionais entrincheiradas ou
belecido pelo poder constituinte
cravadas na pedra (Estados Unidos)
originário, sem que haja uma ver-
ou, ainda, cláusulas superconstitucio-
dadeira revolução.
nais, na expressão utilizada por Oscar
O poder de reforma constitucional,
Vilhena Vieira, as quais possuem três
assim, tem natureza jurídica, ao
finalidades básicas: preservar a iden-
contrário do originário, que é um
tidade material da Constituição, pro-
poder de fato, um poder político, ou,
teger institutos e valores essenciais e
segundo alguns, uma força ou
assegurar a continuidade do proces-
energia social.
so democrático.
A manifestação do poder constitu-
e) Limitações temporais: São aque-
inte reformador verifica-se por
las que impedem a alteração da
meio das emendas constitucionais
Constituição durante um determina-
(arts. 59, I, e 60, CF).
do período de tempo, a fim de que
possam adquirir um certo grau de
46

estabilidade. ATENÇÃO: Na CF/88 mentaliza de modo informal e es-


não há limitação temporal para a re- PODER CONSTITUINTE pontâneo, como verdadeiro poder de
forma, mas havia para a revisão, a DIFUSO fato e que decorre dos fatores soci-
qual era de 5 anos, conforme art. 3º, ais, políticos e econômicos, encon-
ADCT. trando-se em estado de latência.
Trata-se de processo informal de mu-
PODER CONSTITUINTE DERIVADO
dança da Constituição, alterando-se
DECORRENTE
o seu sentido interpretativo, e não o
Poder de direito, secundário, limita- seu texto, que permanece intacto e
do e condicionado. Sua missão é es- com a mesma literalidade.
truturar a Constituição dos Esta-
Poder Constituinte pautado na
dos-Membros ou, em momento se-
cidadania universal, no pluralismo
guinte, havendo necessidade de ade-
de ordenamentos jurídicos e em
quação e reformulação, modificá-la.
uma visão remodelada de
OBS: no âmbito do DF, verifica-se a
soberania.
manifestação do poder constituinte
PODER CONSTITUINTE Trata-se de um poder preocupado
derivado decorrente, qual seja, a
SUPRANACIONAL com a formação de uma Constituição
competência que o DF tem para ela-
supranacional, elaborada legitima-
borar a sua lei orgânica (verdadeira
mente, apta a vincular os Estados
Constituição Distrital) ou modificá-la,
ajustados sob o seu comando e que
sujeitando-se aos mesmos limites
busca sua fundamentação na vonta-
para os Estados-Membros, apli-
de do povo-cidadão universal, seu
cando-se por analogia o art. 11,
verdadeiro titular.
ADCT. Entretanto, nos Municípios a
Lei Orgânica não é fruto do poder
constituinte derivado decorrente. Seção VIII
DO PROCESSO LEGISLATIVO
PODER CONSTITUINTE DERIVADO Subseção I
REVISOR Disposição Geral
É um poder vinculado, condicionado Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de:
e limitado às regras instituídas pelo I - (EC) emendas à Constituição;
PCO, sendo, assim, um poder jurídi- II – (LC) leis complementares;
co. III – (LO) leis ordinárias;
O art. 3º, ADCT determinou que a re- IV – (LD) leis delegadas;
visão constitucional seria realizada V – (MP) medidas provisórias;
após 5 anos, contados da promulga- VI – (DL) decretos legislativos;
ção da Constituição, pelo voto da VII – (R) resoluções.
maioria absoluta dos membros do Parágrafo único. LC disporá sobre a elaboração, redação, altera-
Congresso Nacional, em sessão uni- ção e consolidação das leis.
cameral. Instituiu-se um particular
procedimento simplificado de altera- Subseção II
ção do texto constitucional, excepci- Da Emenda à Constituição
onando a regra geral das PEC’s, que Art. 60. (LIMITAÇÕES FORMAIS) A Constituição poderá ser
exige aprovação por 3/5 dos votos emendada mediante proposta:
dos membros de cada Casa e obede- I - de 1/3, no mínimo, dos membros da Câmara dos Deputados
cendo, assim, às regras da bicamera- ou do Senado Federal;
lidade (art. 60, § 2º, CF). II - do Presidente da República;
No ordenamento jurídico pátrio, a III - de mais da metade das Assembleias Legislativas das unida-
competência revisional do art. 3º, des da Federação, manifestando-se, cada uma delas, pela MAIO-
ADCT proporcionou a elaboração de RIA RELATIVA de seus membros.
6 Emendas Constitucionais de Revi- § 1º (LIMITAÇÕES CIRCUNSTANCIAIS) A Constituição não po-
são, não sendo mais possível nova derá ser emendada na vigência de intervenção federal, de es-
manifestação do poder constituinte tado de defesa ou de estado de sítio.
derivado revisor em razão da eficácia § 2º (LIMITAÇÕES FORMAIS) A proposta será discutida e vota-
exaurida e aplicabilidade esgotada da em cada Casa do Congresso Nacional, em 2 turnos, conside-
da aludida regra, conforme decidido rando-se aprovada se obtiver, em ambos, 3/5 dos votos dos res-
pelo STF. pectivos membros.
§ 3º (LIMITAÇÕES FORMAIS) A emenda à Constituição será pro-
Poder de fato e que serve de funda- mulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado
mento para os mecanismos de atua- Federal, com o respectivo número de ordem.
ção da mutação constitucional (ou § 4º (LIMITAÇÕES MATERIAIS) Não será objeto de deliberação
interpretação constitucional evoluti- a proposta de emenda tendente a abolir (cláusula pétreas):
va). A modificação produzida pelo I - a forma federativa de Estado;
poder constituinte difuso se instru- II - o voto direto, secreto, universal e periódico;
47

III - a separação dos Poderes; exercício financeiro seguinte se houver sido convertida em lei
IV - os direitos e garantias individuais. até o último dia daquele em que foi editada.
§ 5º (LIMITAÇÕES FORMAIS) A matéria constante de proposta § 3º As medidas provisórias, ressalvado o disposto nos §§ 11 e 12
de emenda rejeitada ou havida por prejudicada NÃO PODE perderão eficácia, desde a edição, se não forem convertidas
ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa. em lei no prazo de 60 dias, prorrogável, nos termos do § 7º,
uma vez por igual período, devendo o Congresso Nacional dis-
Subseção III ciplinar, por decreto legislativo, as relações jurídicas delas de-
Das Leis correntes
Art. 61. A iniciativa das leis complementares e ordinárias cabe § 4º O prazo a que se refere o § 3º contar-se-á da publicação da
a qualquer membro ou Comissão da Câmara dos Deputados, do medida provisória, suspendendo-se durante os períodos de
Senado Federal ou do Congresso Nacional, ao Presidente da Re- recesso do Congresso Nacional.
pública, ao STF, aos Tribunais Superiores, ao PGR e aos cidadãos, § 5º A deliberação de cada uma das Casas do Congresso Nacional
na forma e nos casos previstos nesta Constituição. sobre o mérito das medidas provisórias dependerá de juízo prévio
§ 1º São de iniciativa privativa do Presidente da República as sobre o atendimento de seus pressupostos constitucionais.
leis que: § 6º Se a medida provisória não for apreciada em até 45 dias
I - fixem ou modifiquem os efetivos das Forças Armadas; contados de sua publicação, entrará em regime de urgência,
II - disponham sobre: subsequentemente, em cada uma das Casas do Congresso Nacio-
a) criação de cargos, funções ou empregos públicos na admi- nal, ficando sobrestadas, até que se ultime a votação, todas as
nistração direta e autárquica ou aumento de sua remunera- demais deliberações legislativas da Casa em que estiver tra-
ção; mitando.
b) organização administrativa e judiciária, matéria tributária e § 7º Prorrogar-se-á uma única vez por igual período a vigência
orçamentária, serviços públicos e pessoal da administração de medida provisória que, no prazo de 60 dias, contado de sua
dos Territórios; publicação, não tiver a sua votação encerrada nas 2 Casas do
c) servidores públicos da União e Territórios, seu regime jurídi- Congresso Nacional.
co, provimento de cargos, estabilidade e aposentadoria; § 8º As medidas provisórias terão sua votação iniciada na Câma-
d) organização do Ministério Público e da Defensoria Pública ra dos Deputados.
da União, bem como normas gerais para a organização do Mi- § 9º Caberá à comissão mista de Deputados e Senadores exami-
nistério Público e da Defensoria Pública dos Estados, do Distri- nar as medidas provisórias e sobre elas emitir parecer, antes de
to Federal e dos Territórios; serem apreciadas, em sessão separada, pelo plenário de cada
e) criação e extinção de Ministérios e órgãos da administração uma das Casas do Congresso Nacional.
pública, observado o disposto no art. 84, VI; § 10. É VEDADA A REEDIÇÃO, na mesma sessão legislativa, de
f) militares das Forças Armadas, seu regime jurídico, provimento medida provisória que tenha sido rejeitada ou que tenha per-
de cargos, promoções, estabilidade, remuneração, reforma e dido sua eficácia por decurso de prazo.
transferência para a reserva. § 11. Não editado o decreto legislativo a que se refere o § 3º
§ 2º A iniciativa popular pode ser exercida pela apresentação à até 60 dias após a rejeição ou perda de eficácia de medida provi-
Câmara dos Deputados de projeto de lei subscrito por, no míni- sória, as relações jurídicas constituídas e decorrentes de atos
mo, 1% do eleitorado nacional, distribuído pelo menos por 5 Es- praticados durante sua vigência conservar-se-ão por ela regi-
tados, com não menos de 0,3% dos eleitores de cada um deles. das.
§ 12. Aprovado projeto de lei de conversão alterando o texto ori-
Art. 62. Em caso de relevância e urgência, o Presidente da Re- ginal da medida provisória, esta manter-se-á integralmente em
pública poderá adotar medidas provisórias, com força de lei, vigor até que seja sancionado ou vetado o projeto.
devendo submetê-las de imediato ao Congresso Nacional.
§ 1º É vedada a edição de medidas provisórias sobre matéria: Art. 63. Não será admitido aumento da despesa prevista:
I – relativa a: I - nos projetos de iniciativa exclusiva do Presidente da Repú-
a) nacionalidade, cidadania, direitos políticos, partidos políti- blica, ressalvado o disposto no art. 166, § 3º (emendas a projeto
cos e direito eleitoral; de LOA) e § 4º (emendas a projeto de LDO);
b) direito penal, processual penal e processual civil; II - nos projetos sobre organização dos serviços administrati-
c) organização do Poder Judiciário e do Ministério Público, a vos da Câmara dos Deputados, do Senado Federal, dos Tribu-
carreira e a garantia de seus membros; nais Federais e do Ministério Público.
d) planos plurianuais, diretrizes orçamentárias, orçamento e
créditos adicionais e suplementares, ressalvado o previsto no Art. 64. A discussão e votação dos projetos de lei de iniciativa
art. 167, § 3º (abertura de crédito extraordinário somente será ad- do Presidente da República, do Supremo Tribunal Federal e dos
mitida para atender a despesas imprevisíveis e urgentes, como as Tribunais Superiores terão início na Câmara dos Deputados.
decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública); § 1º O Presidente da República PODERÁ SOLICITAR URGÊNCIA
II – que vise a detenção ou sequestro de bens, de poupança para apreciação de PROJETOS DE SUA INICIATIVA.
popular ou qualquer outro ativo financeiro; § 2º Se, no caso do § 1º, a Câmara dos Deputados e o Senado Fe -
III – reservada a LC; deral não se manifestarem sobre a proposição, cada qual su-
IV – já disciplinada em projeto de lei aprovado pelo Congresso cessivamente, em até 45 dias, sobrestar-se-ão todas as demais
Nacional e pendente de sanção ou veto do Presidente da Repú- deliberações legislativas da respectiva Casa, com exceção das
blica. que tenham prazo constitucional determinado, até que se ulti-
§ 2º Medida provisória que implique INSTITUIÇÃO ou MAJO- me a votação.
RAÇÃO de impostos, exceto os previstos nos arts. 153, I (II), II § 3º A apreciação das emendas do Senado Federal pela Câmara
(IE), IV (IPI), V (IOF), e 154, II (IEG), só produzirá efeitos no dos Deputados far-se-á no prazo de 10 dias, observado quanto
ao mais o disposto no parágrafo anterior.
48

§ 4º Os prazos do § 2º não correm nos períodos de recesso do Art. 68. As leis delegadas serão elaboradas pelo Presidente da
Congresso Nacional, nem se aplicam aos projetos de código. República, que deverá solicitar a delegação ao Congresso Nacio-
nal.
Art. 65. O projeto de lei aprovado por uma Casa será revisto pela § 1º NÃO SERÃO OBJETO DE DELEGAÇÃO os atos de compe-
outra, em um só turno de discussão e votação, e enviado à san- tência exclusiva do Congresso Nacional, os de competência pri-
ção ou promulgação, se a Casa revisora o aprovar, ou arquivado, vativa da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal, a maté-
se o rejeitar. ria reservada à lei complementar, nem a legislação sobre:
Parágrafo único. Sendo o projeto emendado, voltará à Casa inicia- I - organização do Poder Judiciário e do Ministério Público, a
dora. carreira e a garantia de seus membros;
II - nacionalidade, cidadania, direitos individuais, políticos e
Art. 66. A Casa na qual tenha sido concluída a votação enviará o eleitorais;
projeto de lei ao Presidente da República, que, aquiescendo, o III - planos plurianuais, diretrizes orçamentárias e orçamentos.
sancionará. § 2º A delegação ao Presidente da República terá a forma de re-
§ 1º - Se o Presidente da República considerar o projeto, no todo solução do Congresso Nacional, que especificará seu conteúdo e
ou em parte, inconstitucional (VETO JURÍDICO) ou contrário os termos de seu exercício.
ao interesse público (VETO POLÍTICO), veta-lo-á total ou par- § 3º Se a resolução determinar a apreciação do projeto pelo Con-
cialmente, no prazo de 15 dias úteis, contados da data do rece- gresso Nacional, este a fará em votação única, VEDADA QUAL-
bimento, e comunicará, dentro de 48 horas, ao Presidente do Se- QUER EMENDA.
nado Federal os motivos do veto.
§ 2º O VETO PARCIAL somente abrangerá texto integral de ar- MP LD
tigo, de parágrafo, de inciso ou de alínea.
VEDADA A EDIÇÃO DE MEDI- NÃO SERÃO OBJETO DE DELE-
DAS PROVISÓRIAS: GAÇÃO:
VETO PARCIAL INCONSTITUCIONALIDADE
• Reservada a LC • Matéria reservada à
PARCIAL
• Nacionalidade, cida- LC
Somente abrangerá texto inte- Pode abranger apenas fração dania, direitos políticos, parti- • Nacionalidade, cida-
gral de artigo, de parágrafo, de de artigo, parágrafo, inciso ou dos políticos e direito eleitoral dania, direitos individuais, po-
inciso ou de alínea. alínea. • Organização do Po- líticos e eleitorais
der Judiciário e do Ministério • Organização do Po-
§ 3º Decorrido o prazo de 15 dias, o silêncio do Presidente da Público der Judiciário e do Ministério
República importará sanção. • Planos plurianuais, di- Público
§ 4º O veto será apreciado em sessão conjunta, dentro de 30 retrizes orçamentárias, orça- • Planos plurianuais, di-
dias a contar de seu recebimento, só podendo ser rejeitado mento e créditos adicionais e retrizes orçamentárias e orça-
pelo voto da MAIORIA ABSOLUTA dos Deputados e Senadores. suplementares mentos
§ 5º Se o veto não for mantido, será o projeto enviado, para pro- • Direito penal, proces-
mulgação, ao Presidente da República. sual penal e processual civil
§ 6º Esgotado sem deliberação o prazo estabelecido no § 4º, o • Detenção ou seques-
veto será colocado na ordem do dia da sessão imediata, sobresta- tro de bens, de poupança po-
das as demais proposições, até sua votação final. pular ou qualquer outro ativo
§ 7º Se a lei não for promulgada dentro de 48 horas pelo Presi- financeiro
dente da República, nos casos dos § 3º e § 5º, o Presidente do • Já disciplinada em
Senado a promulgará, e, se este não o fizer em igual prazo, ca- projeto de lei aprovado pelo
berá ao Vice-Presidente do Senado fazê-lo. Congresso Nacional e penden-
te de sanção ou veto
Art. 67. A matéria constante de projeto de lei rejeitado somente
poderá constituir objeto de novo projeto, na mesma sessão DELEGAÇÃO TÍPICA OU DELEGAÇÃO ATÍPICA OU
legislativa, mediante proposta da MAIORIA ABSOLUTA dos PRÓPRIA IMPRÓPRIA
membros de qualquer das Casas do Congresso Nacional.
Não exige ratificação Exige ratificação parlamentar.
parlamentar
A matéria constante de proposta de emenda rejeita- § 3º Se a resolução determinar
EC da ou havida por prejudicada não pode ser objeto a apreciação do projeto pelo
de nova proposta na mesma sessão legislativa. Congresso Nacional, este a fará
em votação única, VEDADA
É VEDADA A REEDIÇÃO, na mesma sessão legislati-
QUALQUER EMENDA.
MP va, de medida provisória que tenha sido rejeitada
ou que tenha perdido sua eficácia por decurso de
prazo. Art. 69. As leis complementares serão aprovadas por maioria
absoluta.
A matéria constante de projeto de lei rejeitado so-
LEI mente poderá constituir objeto de novo projeto, na
As normas federais, estaduais, distritais e municipais
mesma sessão legislativa, mediante proposta da
possuem o mesmo grau hierárquico. Assim, um eventual
maioria absoluta dos membros de qualquer das Casas
conflito entre normas federais e estaduais ou entre normas
do Congresso Nacional.
estaduais e municipais não será resolvido por um critério
hierárquico; a solução dependerá da repartição
49

constitucional de competências. comissão, bem como a das concessões de aposentadorias, re-


formas e pensões, ressalvadas as melhorias posteriores que
Existe hierarquia entre a Constituição Federal, as não alterem o fundamento legal do ato concessório;
Constituições Estaduais e as Leis Orgânicas dos Municípios? IV - realizar, por iniciativa própria, da Câmara dos Deputados, do
Sim, a Constituição Federal está num patamar superior ao Senado Federal, de Comissão técnica ou de inquérito, inspeções
das Constituições Estaduais que, por sua vez, são e auditorias de natureza contábil, financeira, orçamentária, ope-
hierarquicamente superiores às Leis Orgânicas. racional e patrimonial, nas unidades administrativas dos Poderes
As leis complementares, apesar de serem aprovadas por um Legislativo, Executivo e Judiciário, e demais entidades referidas no
procedimento mais dificultoso, têm o mesmo nível hierárquico inciso II;
das leis ordinárias. O que as diferencia é o conteúdo. V - fiscalizar as contas nacionais das empresas supranacionais
de cujo capital social a União participe, de forma direta ou indi-
As leis complementares podem tratar de tema reservado às reta, nos termos do tratado constitutivo;
leis ordinárias. VI - fiscalizar a aplicação de quaisquer recursos repassados
As leis ordinárias não podem tratar de tema reservado às leis pela União mediante convênio, acordo, ajuste ou outros instru-
complementares mentos congêneres, a Estado, ao Distrito Federal ou a Município;
VII - prestar as informações solicitadas pelo Congresso Nacional,
Os regimentos dos tribunais do Poder Judiciário são por qualquer de suas Casas, ou por qualquer das respectivas Co-
considerados normas primárias, equiparados hierarquicamente missões, sobre a fiscalização contábil, financeira, orçamentária,
às leis ordinárias. Na mesma situação, encontram-se as operacional e patrimonial e sobre resultados de auditorias e ins-
resoluções do CNMP (Conselho Nacional do Ministério público) peções realizadas;
e do CNJ (Conselho Nacional de Justiça). VIII - aplicar aos responsáveis, em caso de ilegalidade de des-
pesa ou irregularidade de contas, as sanções previstas em lei,
Os regimentos das Casas Legislativas (Senado e Câmara dos que estabelecerá, entre outras cominações, multa proporcional ao
Deputados), por constituírem resoluções legislativas, também dano causado ao erário;
são considerados normas primárias, equiparados IX - assinar prazo para que o órgão ou entidade adote as provi-
hierarquicamente às leis ordinárias. dências necessárias ao exato cumprimento da lei, se verificada ile-
galidade;
SÚMULAS SOBRE PROCESSO LEGISLATIVO X - SUSTAR, se não atendido, a execução do ATO impugnado,
comunicando a decisão à Câmara dos Deputados e ao Senado
Súmula vinculante 54-STF: A medida provisória não apreciada Federal;
pelo congresso nacional podia, até a Emenda Constitucional XI - representar ao Poder competente sobre irregularidades ou
32/2001, ser reeditada dentro do seu prazo de eficácia de 30 abusos apurados.
dias, mantidos os efeitos de lei desde a primeira edição § 1º No caso de CONTRATO, o ato de sustação será adotado di-
retamente pelo Congresso Nacional, que solicitará, de imedia-
Seção IX to, ao Poder Executivo as medidas cabíveis.
DA FISCALIZAÇÃO CONTÁBIL, FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA § 2º Se o Congresso Nacional ou o Poder Executivo, no prazo
Art. 70. A fiscalização CONTÁBIL, FINANCEIRA, ORÇAMENTÁ- de 90 dias, não efetivar as medidas previstas no parágrafo ante-
RIA, OPERACIONAL e PATRIMONIAL da União e das entidades rior, o Tribunal decidirá a respeito.
da administração direta e indireta, quanto à legalidade, legitimi- § 3º As decisões do Tribunal de que resulte imputação de débito
dade, economicidade, aplicação das subvenções e renúncia de ou multa terão eficácia de título executivo.
receitas, será exercida pelo Congresso Nacional, mediante con- § 4º O Tribunal encaminhará ao Congresso Nacional, trimestral e
trole externo, e pelo sistema de controle interno de cada Po- anualmente, relatório de suas atividades.
der.
Parágrafo único. Prestará contas qualquer pessoa física ou ju- O TCU ostenta a condição de órgão independente na
rídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie estrutura do Estado brasileiro, cujas funções estão elencadas
ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a nos incisos do art. 71 da CF/88. Seus membros possuem as
União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de mesmas prerrogativas que as asseguradas aos magistrados
natureza pecuniária. (art. 73, § 3º da CF/88), tendo suas decisões a natureza jurídica
de atos administrativos passíveis de controle jurisdicional.
Art. 71. O controle externo, a cargo do Congresso Nacional, Trata-se de um tribunal de índole técnica e política, criado para
será exercido com o auxílio do TCU, ao qual compete: fiscalizar o correto emprego dos recursos públicos.
I - apreciar as contas prestadas anualmente pelo Presidente da Os Tribunais de Contas realizam controle de legitimidade,
República, mediante parecer prévio que deverá ser elaborado economicidade e de eficiência, verificando se os atos
em 60 dias a contar de seu recebimento; praticados pelos entes controlados estão de acordo com a
II - julgar as contas dos administradores e demais responsá- moralidade, eficiência, proporcionalidade.
veis por dinheiros, bens e valores públicos da administração dire- No atual contexto juspolítico brasileiro, o Tribunal de Contas
ta e indireta, incluídas as fundações e sociedades instituídas e possui competência para aferir se o administrador atuou de
mantidas pelo Poder Público federal, e as contas daqueles que forma prudente, moralmente aceitável e de acordo com o que a
derem causa a perda, extravio ou outra irregularidade de que re- sociedade dele espera.
sulte prejuízo ao erário público; O TCU representa um dos principais instrumentos republicanos
III - apreciar, para fins de registro, a legalidade dos atos de ad- destinados à concretização da democracia e dos direitos
missão de pessoal, a qualquer título, na administração direta e fundamentais, na medida em que o controle do emprego de
indireta, incluídas as fundações instituídas e mantidas pelo Poder recursos públicos propicia, em larga escala, justiça e igualdade.
Público, excetuadas as nomeações para cargo de provimento em
50

STF. 1ª Turma. MS 33340/DF, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em § 2º Qualquer cidadão, partido político, associação ou sindica-
26/5/2015 (Info 787). to é parte legítima para, na forma da lei, denunciar irregulari-
dades ou ilegalidades perante o TCU.
Art. 72. A Comissão mista permanente a que se refere o art. 166,
Art. 75. As normas estabelecidas nesta seção aplicam-se, no que
§1º, diante de indícios de despesas não autorizadas, ainda que
couber, à organização, composição e fiscalização dos Tribunais de
sob a forma de investimentos não programados ou de subsídios
Contas dos Estados e do Distrito Federal, bem como dos Tribunais
não aprovados, poderá solicitar à autoridade governamental res-
e Conselhos de Contas dos Municípios.
ponsável que, no prazo de 5 dias, preste os esclarecimentos ne-
Parágrafo único. As Constituições estaduais disporão sobre os Tri-
cessários.
bunais de Contas respectivos, que serão integrados por 7 Con-
§ 1º Não prestados os esclarecimentos, ou considerados estes in-
selheiros.
suficientes, a Comissão solicitará ao Tribunal pronunciamento
conclusivo sobre a matéria, no prazo de 30 dias.
§ 2º Entendendo o Tribunal irregular a despesa, a Comissão, se SÚMULAS SOBRE TRIBUNAL DE CONTAS
julgar que o gasto possa causar dano irreparável ou grave le- Súmula vinculante 3-STF: Nos processos perante o Tribunal de
são à economia pública, proporá ao Congresso Nacional sua Contas da União asseguram-se o contraditório e a ampla
sustação. defesa quando da decisão puder resultar anulação ou
revogação de ato administrativo que beneficie o
Art. 73. O TCU, integrado por 9 Ministros, tem sede no Distrito interessado, excetuada a apreciação da legalidade do ato de
Federal, quadro próprio de pessoal e jurisdição em todo o terri- concessão inicial de aposentadoria, reforma e pensão.
tório nacional, exercendo, no que couber, as atribuições previs- OBS: será necessário garantir contraditório e ampla defesa se
tas no art. 96. tiverem se passado mais de 5 anos desde a concessão inicial e
§ 1º Os Ministros do TCU serão nomeados dentre brasileiros que o TC ainda não examinou a legalidade do ato.
satisfaçam os seguintes requisitos: Súmula 6-STF: A revogação ou anulação, pelo Poder Executivo,
I - mais de 35 e menos de 65 anos de idade; de aposentadoria, ou qualquer outro ato aprovado pelo Tribunal
II - idoneidade moral e reputação ilibada; de Contas, não produz efeitos antes de aprovada por aquele
III - notórios conhecimentos jurídicos, contábeis, econômicos tribunal, ressalvada a competência revisora do judiciário
e financeiros ou de administração pública; Súmula 347-STF: O Tribunal de Contas, no exercício de suas
IV - mais de 10 anos de exercício de função ou de efetiva ati- atribuições, PODE APRECIAR A CONSTITUCIONALIDADE das
vidade profissional que exija os conhecimentos mencionados leis e dos atos do poder público.
no inciso anterior. OBS: O Min. Alexandre de Moraes, em decisão monocrática, já
§ 2º Os Ministros do TCU serão escolhidos: afirmou que o entendimento manifestado na súmula não estaria
I – 1/3 pelo Presidente da República, com aprovação do Senado mais em vigor desde a edição da CF/88: “Dentro da perspectiva
Federal, sendo 2 alternadamente dentre auditores e membros do constitucional inaugurada em 1988, o Tribunal de Contas da
Ministério Público junto ao Tribunal, indicados em lista tríplice União é órgão técnico de fiscalização contábil, financeira, orça-
pelo Tribunal, segundo os critérios de antiguidade e merecimento; mentária, operacional e patrimonial, cuja competência é delimi-
II - 2/3 pelo Congresso Nacional. tada pelo artigo 71 do texto constitucional. Sendo inconcebível,
§ 3° Os Ministros do TCU terão as mesmas garantias, prerro- portanto, que o Tribunal de Contas da União, órgão sem qual-
gativas, impedimentos, vencimentos e vantagens dos Minis- quer função jurisdicional, exerça controle difuso de consti-
tros do STJ, aplicando-se-lhes, quanto à aposentadoria e pensão, tucionalidade nos processos sob sua análise, ao pretenso ar-
as normas constantes do art. 40. gumento que lhe seja atribuída tal competência em virtude do
§ 4º O auditor, quando em substituição a Ministro, terá as mes- conteúdo da Súmula 347/STF, editada em 1963, cuja subsistên-
mas garantias e impedimentos do titular e, quando no exercício cia ficou comprometida pela promulgação da Constituição Fe-
das demais atribuições da judicatura, as de juiz de Tribunal Regi- deral de 1988. Desse modo, a Constituição Federal não permi-
onal Federal. te ao Conselho Nacional de Justiça, tampouco ao Tribunal
de Contas da União, o exercício do controle difuso de cons-
Art. 74. Os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário manterão, titucionalidade, pois representaria usurpação de função jurisdi-
de forma integrada, sistema de controle interno com a finalidade cional, invasão à competência exclusiva do Supremo Tribunal Fe-
de: deral e desrespeito ao Poder Legislativo.” (STF. Decisão mono-
I - avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual, crática. MS 35494 MC, Rel. Min. Alexandre de Moraes, julgado
a execução dos programas de governo e dos orçamentos da Uni- em 06/02/2018)
ão; Súmula 653-STF: No Tribunal de Contas estadual, composto
II - comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à eficá- por 7 conselheiros, 4 devem ser escolhidos pela Assembleia
cia e eficiência, da gestão orçamentária, financeira e patrimonial Legislativa e 3 pelo Chefe do Poder Executivo estadual, cabendo
nos órgãos e entidades da administração federal, bem como da a este indicar um dentre auditores e outro dentre membros do
aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado; Ministério Público, e um terceiro à sua livre escolha.
III - exercer o controle das operações de crédito, avais e garantias,
bem como dos direitos e haveres da União;
CAPÍTULO II
IV - apoiar o controle externo no exercício de sua missão instituci-
DO PODER EXECUTIVO
onal.
Seção I
§ 1º Os responsáveis pelo controle interno, ao tomarem conheci-
DO PRESIDENTE E DO VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA
mento de qualquer irregularidade ou ilegalidade, dela darão ciên-
Art. 76. O Poder Executivo é exercido pelo Presidente da Repúbli-
cia ao Tribunal de Contas da União, sob pena de responsabilida-
ca, auxiliado pelos Ministros de Estado.
de solidária.
51

Art. 77. A eleição do Presidente e do Vice-Presidente da Repúbli- pois da última vaga, pelo Congresso Nacional, na forma da lei
ca realizar-se-á, simultaneamente, no primeiro domingo de (eleição indireta).
outubro, em primeiro turno, e no último domingo de outubro, § 2º - Em qualquer dos casos, os eleitos deverão completar o pe-
em segundo turno, se houver, do ano anterior ao do término do ríodo de seus antecessores.
mandato presidencial vigente.
§ 1º A eleição do Presidente da República importará a do Vice- Vacância nos 2 primeiros anos Eleição direta em 90 dias
Presidente com ele registrado.
§ 2º Será considerado eleito Presidente o candidato que, registra- Vacância nos 2 últimos anos Eleição indireta em 30 dias
do por partido político, obtiver a maioria absoluta de votos, não
computados os em branco e os nulos. Art. 82. O mandato do Presidente da República é de 4 anos e terá
§ 3º Se nenhum candidato alcançar maioria absoluta na primeira início em 1° de janeiro do ano seguinte ao da sua eleição.
votação, far-se-á nova eleição em até 20 após a proclamação do
resultado, concorrendo os dois candidatos mais votados e consi- Art. 83. O Presidente e o Vice-Presidente da República não pode-
derando-se eleito aquele que obtiver a maioria dos votos válidos. rão, sem licença do Congresso Nacional, ausentar-se do País
§ 4º Se, antes de realizado o segundo turno, ocorrer morte, desis- por período superior a 15 dias, sob pena de perda do cargo.
tência ou impedimento legal de candidato, convocar-se-á, dentre
os remanescentes, o de maior votação. Seção II
§ 5º Se, na hipótese dos parágrafos anteriores, remanescer, em Das Atribuições do Presidente da República
segundo lugar, mais de um candidato com a mesma votação, Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República:
qualificar-se-á o mais idoso. I - nomear e exonerar os Ministros de Estado;
II - exercer, com o auxílio dos Ministros de Estado, a direção supe-
Art. 78. O Presidente e o Vice-Presidente da República tomarão rior da administração federal;
posse em sessão do Congresso Nacional, prestando o compro- III - iniciar o processo legislativo, na forma e nos casos previstos
misso de manter, defender e cumprir a Constituição, observar as nesta Constituição;
leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a IV - sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, bem como ex-
integridade e a independência do Brasil. pedir decretos e regulamentos para sua fiel execução (DECRE-
Parágrafo único. Se, decorridos 10 dias da data fixada para a TO REGULAMENTAR);
posse, o Presidente ou o Vice-Presidente, salvo motivo de força V - vetar projetos de lei, total ou parcialmente;
maior, não tiver assumido o cargo, este será declarado vago. VI – dispor, mediante decreto, sobre (DECRETO AUTÔNOMO):
a) organização e funcionamento da administração federal,
Art. 79. Substituirá o Presidente, no caso de impedimento, e suce- quando não implicar aumento de despesa nem criação ou ex-
der-lhe-á, no de vaga, o Vice-Presidente. tinção de órgãos públicos;
Parágrafo único. O Vice-Presidente da República, além de outras b) extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos;
atribuições que lhe forem conferidas por lei complementar, auxili- VII - manter relações com Estados estrangeiros e acreditar seus
ará o Presidente, sempre que por ele convocado para missões es- representantes diplomáticos;
peciais. VIII - celebrar tratados, convenções e atos internacionais, su-
jeitos a referendo do Congresso Nacional;
Art. 80. Em caso de impedimento do Presidente e do Vice-Presi- IX - decretar o estado de defesa e o estado de sítio;
dente, ou vacância dos respectivos cargos, serão sucessivamente X - decretar e executar a intervenção federal;
chamados ao exercício da Presidência o Presidente da Câmara XI - remeter mensagem e plano de governo ao Congresso Nacio-
dos Deputados, o do Senado Federal e o do Supremo Tribunal Fe- nal por ocasião da abertura da sessão legislativa, expondo a situa-
deral. ção do País e solicitando as providências que julgar necessárias;
XII - conceder indulto e comutar penas, com audiência, se ne-
Vice-Presidente cessário, dos órgãos instituídos em lei;
XIII - exercer o comando supremo das Forças Armadas, nomear
Presidente da CD os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, pro-
LINHA SUCESSÓRIA
DO PR Presidente do SF mover seus oficiais-generais e nomeá-los para os cargos que lhes
são privativos;
Presidente do STF XIV - nomear, após aprovação pelo Senado Federal, os Ministros
Os substitutos eventuais do Presidente da República a que se do Supremo Tribunal Federal e dos Tribunais Superiores, os Go-
refere o art. 80 da CF/88, caso ostentem a posição de réus vernadores de Territórios, o Procurador-Geral da República, o pre-
criminais perante o STF, ficarão impossibilitados de exercer sidente e os diretores do banco central e outros servidores, quan-
o ofício de Presidente da República. No entanto, mesmo do determinado em lei;
sendo réus, podem continuar na chefia do Poder por eles XV - nomear, observado o disposto no art. 73 (1/3), os Ministros
titularizados. STF. Plenário. ADPF 402 MC-REF/DF, Rel. Min. do Tribunal de Contas da União;
Marco Aurélio, julgado em 7/12/2016 (Info 850). XVI - nomear os magistrados, nos casos previstos nesta Constitui-
ção, e o Advogado-Geral da União;
XVII - nomear (2) membros do Conselho da República, nos ter-
Art. 81. Vagando os cargos de Presidente e Vice-Presidente da
mos do art. 89, VII;
República, far-se-á eleição 90 dias depois de aberta a última
XVIII - convocar e presidir o Conselho da República e o Conse-
vaga.
lho de Defesa Nacional;
§ 1º - Ocorrendo a vacância nos últimos 2 anos do período pre-
XIX - declarar guerra, no caso de agressão estrangeira, autori-
sidencial, a eleição para ambos os cargos será feita 30 dias de-
zado pelo Congresso Nacional ou referendado por ele, quando
52

ocorrida no intervalo das sessões legislativas, e, nas mesmas con- § 4º O Presidente da República, na vigência de seu mandato,
dições, decretar, total ou parcialmente, a mobilização nacional; não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício
XX - celebrar a paz, autorizado ou com o referendo do Con- de suas funções.
gresso Nacional;
XXI - conferir condecorações e distinções honoríficas; Seção IV
XXII - permitir, nos casos previstos em LC, que forças estran- DOS MINISTROS DE ESTADO
geiras transitem pelo território nacional ou nele permaneçam Art. 87. Os Ministros de Estado serão escolhidos dentre brasilei-
temporariamente; ros maiores de 21 anos e no exercício dos direitos políticos.
XXIII - enviar ao Congresso Nacional o plano plurianual, o projeto Parágrafo único. Compete ao Ministro de Estado, além de outras
de lei de diretrizes orçamentárias e as propostas de orçamento atribuições estabelecidas nesta Constituição e na lei:
previstos nesta Constituição; I - exercer a orientação, coordenação e supervisão dos órgãos e
XXIV - prestar, anualmente, ao Congresso Nacional, dentro de 60 entidades da administração federal na área de sua competência e
dias após a abertura da sessão legislativa, as contas referentes ao referendar os atos e decretos assinados pelo Presidente da Repú-
exercício anterior; blica;
XXV - prover e extinguir os cargos públicos federais, na forma II - expedir instruções para a execução das leis, decretos e regu-
da lei; lamentos;
XXVI - editar medidas provisórias com força de lei, nos termos III - apresentar ao Presidente da República relatório anual de sua
do art. 62; gestão no Ministério;
XXVII - exercer outras atribuições previstas nesta Constituição. IV - praticar os atos pertinentes às atribuições que lhe forem ou-
Parágrafo único. O Presidente da República poderá delegar as torgadas ou delegadas pelo Presidente da República.
atribuições mencionadas nos incisos VI, XII e XXV, primeira parte,
aos Ministros de Estado, ao Procurador-Geral da República ou ao Art. 88. A lei disporá sobre a criação e extinção de Ministérios e
Advogado-Geral da União, que observarão os limites traçados nas órgãos da administração pública.
respectivas delegações.
Seção V
Decreto autônomo DO CONSELHO DA REPÚBLICA E DO CONSELHO DE DEFESA NA-
COMPETÊNCIA PRIVATIVA CIONAL
Conceder indulto e comutar Subseção I
DO PR DELEGÁVEL A ME,
penas Do Conselho da República
PGR, AGU
Prover cargos públicos federais Art. 89. O Conselho da República é ÓRGÃO SUPERIOR DE CON-
SULTA do Presidente da República, e dele participam:
I - o Vice-Presidente da República;
Seção III
II - o Presidente da Câmara dos Deputados;
Da Responsabilidade do Presidente da República
III - o Presidente do Senado Federal;
Art. 85. São crimes de responsabilidade os atos do Presidente
IV - os líderes da maioria e da minoria na Câmara dos Deputa-
da República que atentem contra a Constituição Federal e, es-
dos;
pecialmente, contra:
V - os líderes da maioria e da minoria no Senado Federal;
I - a existência da União;
VI - o Ministro da Justiça;
II - o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário,
VII - 6 cidadãos brasileiros natos, com mais de 35 anos de ida-
do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das uni-
de, sendo 2 nomeados pelo Presidente da República, 2 eleitos
dades da Federação;
pelo Senado Federal e 2 eleitos pela Câmara dos Deputados, to-
III - o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais;
dos com mandato de 3 anos, VEDADA A RECONDUÇÃO.
IV - a segurança interna do País;
V - a probidade na administração;
Art. 90. Compete ao Conselho da República pronunciar-se sobre:
VI - a lei orçamentária;
I - intervenção federal, estado de defesa e estado de sítio;
VII - o cumprimento das leis e das decisões judiciais.
II - as questões relevantes para a estabilidade das instituições
Parágrafo único. Esses crimes serão definidos em lei especial, que
democráticas.
estabelecerá as normas de processo e julgamento.
§ 1º O Presidente da República poderá convocar Ministro de Esta-
do para participar da reunião do Conselho, quando constar da
Art. 86. Admitida a acusação contra o Presidente da República,
pauta questão relacionada com o respectivo Ministério.
por 2/3 da Câmara dos Deputados, será ele submetido a julga-
§ 2º A lei regulará a organização e o funcionamento do Conselho
mento perante o STF, nas infrações penais comuns, ou perante
da República.
o Senado Federal, nos crimes de responsabilidade.
§ 1º O Presidente ficará suspenso de suas funções:
Subseção II
I - nas infrações penais comuns, se recebida a denúncia ou
Do Conselho de Defesa Nacional
queixa-crime pelo Supremo Tribunal Federal;
Art. 91. O Conselho de Defesa Nacional é ÓRGÃO DE CONSUL-
II - nos crimes de responsabilidade, após a instauração do pro-
TA do Presidente da República nos assuntos relacionados com a
cesso pelo Senado Federal.
soberania nacional e a defesa do Estado democrático, e dele
§ 2º Se, decorrido o prazo de 180 dias, o julgamento não estiver
participam como membros natos:
concluído, cessará o afastamento do Presidente, sem prejuízo
I - o Vice-Presidente da República;
do regular prosseguimento do processo.
II - o Presidente da Câmara dos Deputados;
§ 3º Enquanto não sobrevier sentença condenatória, nas infra-
III - o Presidente do Senado Federal;
ções comuns, o Presidente da República não estará sujeito a pri-
IV - o Ministro da Justiça;
são.
V - o Ministro de Estado da Defesa;
53

VI - o Ministro das Relações Exteriores; IV - os TRT e Juízes do Trabalho;


VII - o Ministro do Planejamento. V - os TRE e Juízes Eleitorais;
VIII - os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáuti- VI - os Tribunais e Juízes Militares;
ca. VII - os Tribunais e Juízes dos Estados e do Distrito Federal e Terri-
§ 1º Compete ao Conselho de Defesa Nacional: tórios.
I - opinar nas hipóteses de declaração de guerra e de celebra- § 1º O STF, o CNJ e os Tribunais Superiores têm sede na Capital
ção da paz, nos termos desta Constituição; Federal.
II - opinar sobre a decretação do estado de defesa, do estado § 2º O STF e os Tribunais Superiores têm jurisdição em todo o ter-
de sítio e da intervenção federal; ritório nacional.
III - propor os critérios e condições de utilização de áreas indis-
pensáveis à segurança do território nacional e opinar sobre seu Art. 93. LC, de iniciativa do STF, disporá sobre o Estatuto da
efetivo uso, especialmente na faixa de fronteira e nas relacionadas Magistratura, observados os seguintes princípios:
com a preservação e a exploração dos recursos naturais de qual- I - ingresso na carreira, cujo cargo inicial será o de juiz substitu-
quer tipo; to, mediante concurso público de provas e títulos, com a parti-
IV - estudar, propor e acompanhar o desenvolvimento de inicia- cipação da Ordem dos Advogados do Brasil em todas as fases,
tivas necessárias a garantir a independência nacional e a defesa exigindo-se do bacharel em direito, no mínimo, 3 anos de ativi-
do Estado democrático. dade jurídica e obedecendo-se, nas nomeações, à ordem de
§ 2º A lei regulará a organização e o funcionamento do Conselho classificação;
de Defesa Nacional. A comprovação do triênio de atividade jurídica exigida para o
ingresso no cargo de juiz substituto, nos termos do art. 93, I, da
CR CDN CF, DEVE OCORRER NO MOMENTO DA INSCRIÇÃO
DEFINITIVA no concurso público. STF. Plenário. RE 655265/DF,
ÓRGÃO SUPERIOR DE ÓRGÃO DE CONSULTA nos
rel. orig. Min. Luiz Fux, red. p/ o acórdão Min. Edson Fachin,
CONSULTA assuntos relacionados com a
julgado em 13/4/2016 (repercussão geral) (Info 821).
soberania nacional e a defesa
do Estado democrático II - promoção de entrância para entrância, alternadamente,
por antiguidade e merecimento, atendidas as seguintes normas:
Membros: Membros: a) é obrigatória a promoção do juiz que figure por 3 vezes con-
I - o Vice-Presidente da Repú- I - o Vice-Presidente da Repú- secutivas ou 5 alternadas em lista de merecimento;
blica; blica; b) a promoção por merecimento pressupõe 2 anos de exercício
II - o Presidente da Câmara II - o Presidente da Câmara na respectiva entrância e integrar o juiz a primeira quinta par-
dos Deputados; dos Deputados; te da lista de antiguidade desta, salvo se não houver com tais
III - o Presidente do Senado III - o Presidente do Senado requisitos quem aceite o lugar vago;
Federal; Federal; c) aferição do merecimento conforme o desempenho e pelos cri-
IV - os líderes da maioria e da IV - o Ministro da Justiça; térios objetivos de produtividade e presteza no exercício da
minoria na Câmara dos Depu- V - o Ministro de Estado da jurisdição e pela frequência e aproveitamento em cursos ofici-
tados; Defesa; ais ou reconhecidos de aperfeiçoamento;
V - os líderes da maioria e da VI - o Ministro das Relações d) na apuração de antiguidade, o tribunal somente poderá recu-
minoria no Senado Federal; Exteriores; sar o juiz mais antigo pelo voto fundamentado de 2/3 de seus
VI - o Ministro da Justiça; VII - o Ministro do Planeja- membros, conforme procedimento próprio, e assegurada ampla
VII - 6 cidadãos brasileiros na- mento. defesa, repetindo-se a votação até fixar-se a indicação;
tos VIII - os Comandantes da Ma- e) não será promovido o juiz que, injustificadamente, retiver
rinha, do Exército e da Aero- autos em seu poder além do prazo legal, não podendo devolvê-
náutica. los ao cartório sem o devido despacho ou decisão;
Competência - pronunciar-se Competência: III o acesso aos tribunais de 2° grau far-se-á por antiguidade e
sobre: I - opinar nas hipóteses de de- merecimento, alternadamente, apurados na última ou única en-
I - intervenção federal, esta- claração de guerra e de cele- trância;
do de defesa e estado de sí- bração da paz, nos termos IV previsão de cursos oficiais de preparação, aperfeiçoamento e
tio; desta Constituição; promoção de magistrados, constituindo etapa obrigatória do
II - as questões relevantes II - opinar sobre a decretação processo de vitaliciamento a participação em curso oficial ou
para a estabilidade das insti- do estado de defesa, do esta- reconhecido por escola nacional de formação e aperfeiçoamento
tuições democráticas. do de sítio e da intervenção de magistrados;
federal; V - o subsídio dos Ministros dos Tribunais Superiores corres-
ponderá a 95% do subsídio mensal fixado para os Ministros
do STF e os subsídios dos demais magistrados serão fixados em
CAPÍTULO III
lei e escalonados, em nível federal e estadual, conforme as res-
DO PODER JUDICIÁRIO
pectivas categorias da estrutura judiciária nacional, não podendo
Seção I
a diferença entre uma e outra ser superior a 10% ou inferior a
DISPOSIÇÕES GERAIS
5%, nem exceder a 95% do subsídio mensal dos Ministros dos
Art. 92. São órgãos do Poder Judiciário:
Tribunais Superiores, obedecido, em qualquer caso, o disposto
I - o STF;
nos arts. 37, XI, e 39, § 4º;
I-A o CNJ;
II - o STJ; Subsídio dos Ministros dos 95% dos Ministros do STF
II-A - o TST (EC 92); Tribunais Superiores
III - os TRF e Juízes Federais;
54

Subsídio dos 90,25% dos Ministros do STF II - receber, a qualquer título ou pretexto, custas ou participação
desembargadores do TJ em processo;
III - dedicar-se à atividade político-partidária.
VI - a aposentadoria dos magistrados e a pensão de seus depen-
IV- receber, a qualquer título ou pretexto, auxílios ou contribui-
dentes observarão o disposto no art. 40;
ções de pessoas físicas, entidades públicas ou privadas, ressalva-
VII o juiz titular residirá na respectiva comarca, salvo autoriza-
das as exceções previstas em lei;
ção do tribunal;
V - exercer a advocacia no juízo ou tribunal do qual se afas-
VIII o ato de remoção ou de disponibilidade do magistrado,
tou, antes de decorridos 3 anos do afastamento do cargo por
por interesse público, fundar-se-á em decisão por voto da mai-
aposentadoria ou exoneração [QUARENTENA DE SAÍDA]
oria absoluta do respectivo tribunal ou do CNJ, assegurada
ampla defesa; (EC 103/19)
Art. 96. Compete privativamente:
VIII-A a remoção a pedido ou a permuta de magistrados de co-
I - aos tribunais:
marca de igual entrância atenderá, no que couber, ao disposto
a) eleger seus órgãos diretivos e elaborar seus regimentos inter-
nas alíneas a , b , c e e do inciso II;
nos, com observância das normas de processo e das garantias
IX todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão
processuais das partes, dispondo sobre a competência e o funcio-
públicos, e fundamentadas todas as decisões, sob pena de nuli-
namento dos respectivos órgãos jurisdicionais e administrativos;
dade, podendo a lei limitar a presença, em determinados atos,
b) organizar suas secretarias e serviços auxiliares e os dos juízos
às próprias partes e a seus advogados, ou somente a estes,
que lhes forem vinculados, velando pelo exercício da atividade
em casos nos quais a preservação do direito à intimidade do
correicional respectiva;
interessado no sigilo não prejudique o interesse público à in-
c) prover, na forma prevista nesta Constituição, os cargos de juiz
formação;
de carreira da respectiva jurisdição;
X as decisões administrativas dos tribunais serão motivadas e em
d) propor a criação de novas varas judiciárias;
sessão pública, sendo as disciplinares tomadas pelo voto da mai-
e) prover, por concurso público de provas, ou de provas e títulos,
oria absoluta de seus membros;
obedecido o disposto no art. 169, parágrafo único, os cargos ne-
XI nos tribunais com número superior a 25 julgadores, poderá
cessários à administração da Justiça, exceto os de confiança assim
ser constituído órgão especial, com o mínimo de 11 e o máxi-
definidos em lei;
mo de 25 membros, para o exercício das atribuições administra-
f) conceder licença, férias e outros afastamentos a seus membros
tivas e jurisdicionais delegadas da competência do tribunal pleno,
e aos juízes e servidores que lhes forem imediatamente vincula-
provendo-se metade das vagas por antiguidade e a outra metade
dos;
por eleição pelo tribunal pleno;
II - ao Supremo Tribunal Federal, aos Tribunais Superiores e aos
XII a atividade jurisdicional será ininterrupta, sendo vedado fé-
Tribunais de Justiça propor ao Poder Legislativo respectivo, obser-
rias coletivas nos juízos e tribunais de 2° grau, funcionando, nos
vado o disposto no art. 169:
dias em que não houver expediente forense normal, juízes em
a) a alteração do número de membros dos tribunais inferiores;
plantão permanente;
b) a criação e a extinção de cargos e a remuneração dos seus ser-
XIII o número de juízes na unidade jurisdicional será proporcio-
viços auxiliares e dos juízos que lhes forem vinculados, bem como
nal à efetiva demanda judicial e à respectiva população;
a fixação do subsídio de seus membros e dos juízes, inclusive dos
XIV os servidores receberão delegação para a prática de atos de
tribunais inferiores, onde houver;
administração e atos de mero expediente sem caráter decisório;
c) a criação ou extinção dos tribunais inferiores;
XV a distribuição de processos será imediata, em todos os graus
d) a alteração da organização e da divisão judiciárias;
de jurisdição.
III - aos Tribunais de Justiça julgar os juízes estaduais e do Dis-
trito Federal e Territórios, bem como os membros do Ministério
Art. 94. 1/5 dos lugares dos Tribunais Regionais Federais (TRF´s),
Público, nos crimes comuns e de responsabilidade, ressalvada a
dos Tribunais dos Estados (TJ´s), e do Distrito Federal e Territórios
competência da Justiça Eleitoral.
(TJDFT) será composto de membros, do Ministério Público,
com mais de 10 anos de carreira, e de advogados de notório
Art. 97. Somente pelo voto da maioria absoluta de seus mem-
saber jurídico e de reputação ilibada, com mais de 10 anos de
bros ou dos membros do respectivo órgão especial poderão os
efetiva atividade profissional, indicados em lista sêxtupla pelos
tribunais declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato norma-
órgãos de representação das respectivas classes.
tivo do Poder Público [CLÁUSULA DE RESERVA DO PLENÁRIO,
Parágrafo único. Recebidas as indicações, o tribunal formará lista
FULL BENCH].
tríplice, enviando-a ao Poder Executivo, que, nos 20 dias subse-
quentes, escolherá um de seus integrantes para nomeação.
Súmula Vinculante 10: Viola a cláusula de reserva de plenário
Art. 95. Os juízes gozam das seguintes GARANTIAS: (CF, artigo 97) a decisão de órgão fracionário de tribunal que,
I - vitaliciedade, que, no 1° grau, só será adquirida após 2 anos embora não declare expressamente a inconstitucionalidade de
de exercício, dependendo a perda do cargo, nesse período, de lei ou ato normativo do Poder Público, afasta sua incidência,
deliberação do tribunal a que o juiz estiver vinculado, e, nos de- no todo ou em parte.
mais casos, de sentença judicial transitada em julgado;
II - inamovibilidade, salvo por motivo de interesse público, na EXCEÇÕES À CLÁUSULA DE RESERVA DE PLENÁRIO
forma do art. 93, VIII;
III - irredutibilidade de subsídio, ressalvado o disposto nos arts. a) Se o STF já decidiu sobre o caso, ainda que em controle
37, X e XI, 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I. difuso.
Parágrafo único. Aos juízes é VEDADO: b) Se o próprio órgão ou Tribunal já reconheceu a
I - exercer, ainda que em disponibilidade, outro cargo ou fun- inconstitucionalidade: o STF entende que o procedimento do
ção, salvo 1 de magistério; art. 97, CF, só seria necessário no caso de mudança de
55

orientação por parte do próprio Tribunal. I - no âmbito da União, aos Presidentes do Supremo Tribunal Fe-
c) Se Tribunal mantiver a constitucionalidade do ato deral e dos Tribunais Superiores, com a aprovação dos respectivos
normativo, ou seja, não afastar a sua presunção de validade: tribunais;
o art. 97, CF determina a observância do full bench para declarar II - no âmbito dos Estados e no do Distrito Federal e Territórios,
a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do Poder aos Presidentes dos Tribunais de Justiça, com a aprovação dos
Público. respectivos tribunais.
d) Nos casos de normas pré-constitucionais: a análise do § 3º Se os órgãos referidos no § 2º não encaminharem as res-
direito editado no ordenamento jurídico anterior em relação à pectivas propostas orçamentárias dentro do prazo estabeleci-
nova Constituição não se funda na teoria da do na lei de diretrizes orçamentárias, o PODER EXECUTIVO con-
inconstitucionalidade, mas sim em sua recepção ou revogação. siderará, para fins de consolidação da proposta orçamentária
e) Quando o Tribunal utilizar a técnica da interpretação anual, os valores aprovados na lei orçamentária vigente, ajus-
conforme a Constituição: não haverá declaração de tados de acordo com os limites estipulados na forma do § 1º des-
inconstitucionalidade. te artigo.
f) Declaração de inconstitucionalidade por turma recursal do § 4º Se as propostas orçamentárias de que trata este artigo forem
juizado especial: nos casos de declaração de encaminhadas em desacordo com os limites estipulados na for-
inconstitucionalidade por turma de juizado especial, não há a ma do § 1º, o Poder Executivo procederá aos ajustes necessá-
necessidade da observância da regra da full bench, conforme rios para fins de consolidação da proposta orçamentária anu-
decidiu o STF (RE AgR 453.744). al.
g) Julgamento de medida cautelar pelo STF: em virtude de § 5º Durante a execução orçamentária do exercício, não poderá
não se afastar a incidência de determinada norma e tampouco haver a realização de despesas ou a assunção de obrigações que
declarar sua inconstitucionalidade, não há a necessidade de se extrapolem os limites estabelecidos na lei de diretrizes orçamen-
observar a regra do art. 97, CF, segundo o STF (Rcl 10.864 AgR). tárias, exceto se previamente autorizadas, mediante a abertura de
h) Segundo o STF (ARE 792.562-AgR), o art. 97, CF não atinge créditos suplementares ou especiais.
juizados de pequenas causas (art. 24, X, CF) e juizados
especiais (art. 98, I, CF), os quais, pela configuração atribuída Art. 100. Os pagamentos devidos pelas Fazendas Públicas Fe-
pelo legislador, não funcionam, na esfera recursal, sob regime deral, Estaduais, Distrital e Municipais, em virtude de sentença ju-
de plenário ou de órgão especial. diciária, far-se-ão exclusivamente na ordem cronológica de apre-
i) O STF (Rcl 10.864-AgR) tem precedentes no sentido do que o sentação dos precatórios e à conta dos créditos respectivos,
art. 97, CF não se aplica às decisões cautelares, mas somente proibida a designação de casos ou de pessoas nas dotações
às decisões definitivas de mérito dos Tribunais. orçamentárias e nos créditos adicionais abertos para este fim.
j) De acordo com o STF (RE 361.829 ED), as Turmas daquele § 1º Os débitos de natureza alimentícia compreendem aqueles
Tribunal podem reconhecer a inconstitucionalidade de uma decorrentes de salários, vencimentos, proventos, pensões e
lei, independentemente da submissão da questão ao suas complementações, benefícios previdenciários e indeniza-
Plenário. Assim, a elas não se aplica o art. 97, CF. ções por morte ou por invalidez, fundadas em responsabilidade
civil, em virtude de sentença judicial transitada em julgado, e se-
rão pagos com preferência sobre todos os demais débitos, ex-
Art. 98. A União, no Distrito Federal e nos Territórios, e os Esta-
ceto sobre aqueles referidos no § 2º deste artigo.
dos criarão:
§ 2º Os débitos de natureza alimentícia cujos titulares, origi-
I - juizados especiais, providos por juízes togados, ou togados e
nários ou por sucessão hereditária, tenham 60 anos de idade,
leigos, competentes para a conciliação, o julgamento e a execu-
ou sejam portadores de doença grave, ou pessoas com defi-
ção de causas cíveis de menor complexidade e infrações penais
ciência, assim definidos na forma da lei, serão pagos com prefe-
de menor potencial ofensivo, mediante os procedimentos oral e
rência sobre todos os demais débitos, até o valor equivalente
sumaríssimo, permitidos, nas hipóteses previstas em lei, a transa-
ao triplo fixado em lei para os fins do disposto no § 3º deste
ção e o julgamento de recursos por turmas de juízes de 1° grau;
artigo (RPV), ADMITIDO O FRACIONAMENTO PARA ESSA FI-
II - justiça de paz, remunerada, composta de cidadãos eleitos
NALIDADE, sendo que o restante será pago na ordem cronológi-
pelo voto direto, universal e secreto, com mandato de 4 anos
ca de apresentação do precatório
e competência para, na forma da lei, celebrar casamentos, veri-
§ 3º O disposto no caput deste artigo relativamente à expedição
ficar, de ofício ou em face de impugnação apresentada, o pro-
de precatórios não se aplica aos pagamentos de obrigações defi-
cesso de habilitação e exercer atribuições conciliatórias, sem
nidas em leis como de pequeno valor (RPV) que as Fazendas re-
caráter jurisdicional, além de outras previstas na legislação.
feridas devam fazer em virtude de sentença judicial transitada em
§ 1º Lei federal disporá sobre a criação de juizados especiais no
julgado.
âmbito da Justiça Federal.
§ 4º Para os fins do disposto no § 3º, poderão ser fixados, por
§ 2º As custas e emolumentos serão destinados exclusivamen-
leis próprias, valores distintos às entidades de direito público,
te ao custeio dos serviços afetos às atividades específicas da
segundo as diferentes capacidades econômicas, sendo o míni-
Justiça.
mo igual ao valor do maior benefício do regime geral de previ-
dência social.
Art. 99. Ao Poder Judiciário é assegurada autonomia adminis-
trativa e financeira. Art. 87, ADCT. Para efeito do que dispõem o § 3º do art. 100 da
§ 1º Os tribunais elaborarão suas propostas orçamentárias dentro Constituição Federal e o art. 78 deste Ato das Disposições Cons-
dos limites estipulados conjuntamente com os demais Poderes na titucionais Transitórias serão considerados de pequeno valor,
lei de diretrizes orçamentárias. até que se dê a publicação oficial das respectivas leis defini-
§ 2º O encaminhamento da proposta, ouvidos os outros tribunais doras pelos entes da Federação, observado o disposto no § 4º
interessados, compete: do art. 100 da Constituição Federal, os débitos ou obrigações
consignados em precatório judiciário, que tenham valor igual
56

ou inferior a: pança, e, para fins de compensação da mora, incidirão juros sim-


I - 40 salários-mínimos, perante a Fazenda dos Estados e do ples no mesmo percentual de juros incidentes sobre a caderneta
Distrito Federal; de poupança, ficando excluída a incidência de juros compensató-
II - 30 salários-mínimos, perante a Fazenda dos Municí- rios (Dispositivo declarado parcialmente inconstitucional).
pios. § 13. O credor poderá ceder, total ou parcialmente, seus crédi-
Parágrafo único. Se o valor da execução ultrapassar o estabeleci- tos em precatórios a terceiros, INDEPENDENTEMENTE DA
do neste artigo, o pagamento far-se-á, sempre, por meio de CONCORDÂNCIA DO DEVEDOR, não se aplicando ao cessioná-
precatório, sendo facultada à parte exequente a renúncia ao rio o disposto nos §§ 2º e 3º.
crédito do valor excedente, para que possa optar pelo paga- § 14. A CESSÃO DE PRECATÓRIOS somente produzirá efeitos
mento do saldo sem o precatório, da forma prevista no § 3º após comunicação, por meio de petição protocolizada, ao tri-
do art. 100. bunal de origem e à entidade devedora.
§ 15. Sem prejuízo do disposto neste artigo, lei complementar a
§ 5º É obrigatória a inclusão, no orçamento das entidades de
esta Constituição Federal poderá estabelecer regime especial para
direito público, de verba necessária ao pagamento de seus
pagamento de crédito de precatórios de Estados, Distrito Federal
débitos, oriundos de sentenças transitadas em julgado, cons-
e Municípios, dispondo sobre vinculações à receita corrente líqui-
tantes de precatórios judiciários apresentados até 1º de julho,
da e forma e prazo de liquidação (Dispositivo declarado integral-
fazendo-se o pagamento até o final do exercício seguinte, quan-
mente inconstitucional).
do terão seus valores atualizados monetariamente.
§ 16. A seu critério exclusivo e na forma de lei, a União poderá
§ 6º As dotações orçamentárias e os créditos abertos serão con-
assumir débitos, oriundos de precatórios, de Estados, Distrito
signados diretamente ao Poder Judiciário, cabendo ao Presidente
Federal e Municípios, refinanciando-os diretamente.
do Tribunal que proferir a decisão exequenda determinar o paga-
§ 17. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios aferi-
mento integral e autorizar, a requerimento do credor e exclusiva-
rão mensalmente, em base anual, o comprometimento de suas
mente para os casos de preterimento de seu direito de precedên-
respectivas receitas correntes líquidas com o pagamento de pre-
cia ou de não alocação orçamentária do valor necessário à satisfa-
catórios e obrigações de pequeno valor.
ção do seu débito, o sequestro da quantia respectiva.
§ 18. Entende-se como receita corrente líquida, para os fins de
§ 7º O Presidente do Tribunal competente que, por ato comis-
que trata o § 17, o somatório das receitas tributárias, patrimoniais,
sivo ou omissivo, retardar ou tentar frustrar a liquidação re-
industriais, agropecuárias, de contribuições e de serviços, de
gular de precatórios incorrerá em crime de responsabilidade e
transferências correntes e outras receitas correntes, incluindo as
responderá, também, perante o Conselho Nacional de Justiça.
oriundas do § 1º do art. 20 da Constituição Federal, verificado no
§ 8º É vedada a expedição de precatórios complementares ou
período compreendido pelo segundo mês imediatamente anteri-
suplementares de valor pago, bem como o fracionamento, re-
or ao de referência e os 11 meses precedentes, excluídas as du-
partição ou quebra do valor da execução para fins de enqua-
plicidades, e deduzidas:
dramento de parcela do total ao que dispõe o § 3º deste arti-
I - na União, as parcelas entregues aos Estados, ao Distrito Federal
go.
e aos Municípios por determinação constitucional
§ 9º No momento da expedição dos precatórios, independente-
II - nos Estados, as parcelas entregues aos Municípios por deter-
mente de regulamentação, deles deverá ser abatido, a título de
minação constitucional;
compensação, valor correspondente aos débitos líquidos e certos,
III - na União, nos Estados, no Distrito Federal e nos Municípios, a
inscritos ou não em dívida ativa e constituídos contra o credor
contribuição dos servidores para custeio de seu sistema de previ-
original pela Fazenda Pública devedora, incluídas parcelas vincen-
dência e assistência social e as receitas provenientes da compen-
das de parcelamentos, ressalvados aqueles cuja execução esteja
sação financeira referida no § 9º do art. 201 da Constituição Fede-
suspensa em virtude de contestação administrativa ou judicial
ral.
(Dispositivo declarado integralmente inconstitucional)
§ 19. Caso o montante total de débitos decorrentes de condena-
§ 10. Antes da expedição dos precatórios, o Tribunal solicitará à
ções judiciais em precatórios e obrigações de pequeno valor, em
Fazenda Pública devedora, para resposta em até 30 dias, sob
período de 12 meses, ultrapasse a média do comprometimento
pena de perda do direito de abatimento, informação sobre os
percentual da receita corrente líquida nos 5 anos imediatamente
débitos que preencham as condições estabelecidas no § 9º, para
anteriores, a parcela que exceder esse percentual poderá ser fi-
os fins nele previstos (Dispositivo declarado integralmente in-
nanciada, excetuada dos limites de endividamento de que tratam
constitucional).
os incisos VI e VII do art. 52 da Constituição Federal e de quais-
O STF entendeu que os §§ 9º e 10 do art. 100 são quer outros limites de endividamento previstos, não se aplicando
INCONSTITUCIONAIS. a esse financiamento a vedação de vinculação de receita prevista
Para o Supremo, este regime de compensação obrigatória trazido no inciso IV do art. 167 da Constituição Federal.
pelos §§ 9º e 10, ao estabelecer uma enorme superioridade § 20. Caso haja precatório com valor superior a 15% do montan-
processual à Fazenda Pública, viola a garantia do devido te dos precatórios apresentados nos termos do § 5º deste artigo,
processo legal, do contraditório, da ampla defesa, da coisa 15% do valor deste precatório serão pagos até o final do exercí-
julgada, da isonomia e afeta o princípio da separação dos cio seguinte e o restante em parcelas iguais nos 5 exercícios sub-
Poderes. sequentes, acrescidas de juros de mora e correção monetária, ou
§ 11. É facultada ao credor, conforme estabelecido em lei da en- mediante acordos diretos, perante Juízos Auxiliares de Concilia-
tidade federativa devedora, a entrega de créditos em precató- ção de Precatórios, com redução máxima de 40% do valor do
rios para compra de imóveis públicos do respectivo ente fede- crédito atualizado, desde que em relação ao crédito não penda
rado. recurso ou defesa judicial e que sejam observados os requisitos
§ 12. A partir da promulgação desta Emenda Constitucional, a definidos na regulamentação editada pelo ente federado.
atualização de valores de requisitórios, após sua expedição, até o
efetivo pagamento, independentemente de sua natureza, será fei- SÚMULAS SOBRE PODER JUDICIÁRIO
ta pelo índice oficial de remuneração básica da caderneta de pou-
57

Súmula 40-STF: A elevação da entrância da comarca não pro- l) a reclamação para a preservação de sua competência e ga-
move automaticamente o juiz, mas não interrompe o exercício rantia da autoridade de suas decisões;
de suas funções na mesma comarca. m) a execução de sentença nas causas de sua competência origi-
Súmula 46-STF: Desmembramento de serventia de justiça não nária, facultada a delegação de atribuições para a prática de atos
viola o princípio de vitaliciedade do serventuário. processuais;
Súmula 627-STF: No mandado de segurança contra a nomea- n) a ação em que todos os membros da magistratura sejam
ção de magistrado da competência do Presidente da República, direta ou indiretamente interessados, e aquela em que mais da
este é considerado autoridade coatora, ainda que o fundamento metade dos membros do tribunal de origem estejam impedi-
da impetração seja nulidade ocorrida em fase anterior do proce- dos ou sejam direta ou indiretamente interessados;
dimento. o) os conflitos de competência entre o STJ e quaisquer tribunais,
Súmula 628-STF: Integrante de lista de candidatos a determina- entre Tribunais Superiores, ou entre estes e qualquer outro tribu-
da vaga da composição de tribunal é parte legítima para im- nal;
pugnar a validade da nomeação de concorrente p) o pedido de medida cautelar das ações diretas de inconsti-
Súmula 649-STF: É inconstitucional a criação, por Constitui- tucionalidade;
ção estadual, de órgão de controle administrativo do Poder q) o mandado de injunção, quando a elaboração da norma re-
Judiciário do qual participem representantes de outros Poderes gulamentadora for atribuição do Presidente da República, do
ou entidades. Congresso Nacional, da Câmara dos Deputados, do Senado Fe-
Súmula 731-STF: Para fim de competência originária do Supre- deral, das Mesas de uma dessas Casas Legislativas, do TCU, de
mo Tribunal Federal, é de interesse geral da magistratura a um dos Tribunais Superiores, ou do próprio STF;
questão de saber se, em face da LOMAN, os juízes têm direito à r) as ações contra o CNJ e contra o CNMP;
licença-prêmio. II - julgar, em RECURSO ORDINÁRIO:
a) o habeas corpus, o mandado de segurança, o habeas data e
o mandado de injunção decididos em ÚNICA INSTÂNCIA pelos
Tribunais Superiores, se denegatória a decisão;
Seção II
b) o crime político;
DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
III - julgar, mediante RECURSO EXTRAORDINÁRIO, as causas de-
Art. 101. O STF compõe-se de 11 Ministros, escolhidos dentre ci-
cididas em ÚNICA ou ÚLTIMA instância, quando a decisão re-
dadãos com mais de 35 e menos de 65 anos de idade, de notá-
corrida:
vel saber jurídico e reputação ilibada.
a) contrariar dispositivo desta Constituição;
Parágrafo único. Os Ministros do STF serão nomeados pelo Presi-
b) declarar a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal;
dente da República, depois de aprovada a escolha pela maioria
c) julgar válida lei ou ato de governo local contestado em face
absoluta do Senado Federal.
desta Constituição.
d) julgar válida lei local contestada em face de lei federal.
Art. 102. Compete ao STF, precipuamente, a guarda da Constitui-
§ 1.º A ADPF, decorrente desta Constituição, será apreciada pelo
ção, cabendo-lhe:
STF, na forma da lei.
I - processar e julgar, originariamente:
§ 2º As decisões definitivas de mérito, proferidas pelo STF, nas
a) a ação direta de inconstitucionalidade de lei ou ato norma-
ações diretas de inconstitucionalidade e nas ações declarató-
tivo federal ou estadual (ADI) e a ação declaratória de consti-
rias de constitucionalidade produzirão eficácia contra todos e
tucionalidade de lei ou ato normativo federal (ADC);
efeito vinculante, relativamente aos demais órgãos do Poder
b) nas INFRAÇÕES PENAIS COMUNS, o Presidente da Repúbli-
Judiciário e à administração pública direta e indireta, nas es-
ca, o Vice-Presidente, os membros do Congresso Nacional, seus
feras federal, estadual e municipal.
próprios Ministros e o PGR;
§ 3º No recurso extraordinário o recorrente deverá demonstrar a
c) nas infrações penais comuns e nos crimes de responsabili-
repercussão geral das questões constitucionais discutidas no
dade, os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha,
caso, nos termos da lei, a fim de que o Tribunal examine a admis-
do Exército e da Aeronáutica, ressalvado o disposto no art. 52, I,
são do recurso, somente podendo recusá-lo pela manifestação
os membros dos Tribunais Superiores, os do TCU e os chefes
de 2/3 de seus membros.
de missão diplomática de caráter permanente;
d) o habeas corpus, sendo paciente qualquer das pessoas referi-
Art. 103. Podem propor a ADI e a ADC:
das nas alíneas anteriores; o mandado de segurança e o habeas
I - o Presidente da República;
data contra atos do Presidente da República, das Mesas da
II - a Mesa do Senado Federal;
Câmara dos Deputados e do Senado Federal, do TCU, do PGR e
III - a Mesa da Câmara dos Deputados;
do próprio STF;
IV a Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do
e) o litígio entre Estado estrangeiro ou organismo internacio-
Distrito Federal; (EC 45/04)
nal e a União, o Estado, o Distrito Federal ou o Território;
V o Governador de Estado ou do Distrito Federal; (EC 45/04)
f) as causas e os conflitos entre a União e os Estados, a União e
VI - o Procurador-Geral da República;
o Distrito Federal, ou entre uns e outros, inclusive as respecti-
VII - o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil;
vas entidades da administração indireta;
VIII - partido político com representação no Congresso Nacional;
g) a extradição solicitada por Estado estrangeiro;
IX - confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacio-
i) o habeas corpus, quando o coator for Tribunal Superior ou
nal.
quando o coator ou o paciente for autoridade ou funcionário cu-
§ 1º O PGR deverá ser previamente ouvido nas ações de incons-
jos atos estejam sujeitos diretamente à jurisdição do STF, ou se
titucionalidade e em todos os processos de competência do
trate de crime sujeito à mesma jurisdição em uma única instância;
STF.
j) a revisão criminal e a ação rescisória de seus julgados;
§ 2º Declarada a inconstitucionalidade por omissão de medida
para tornar efetiva norma constitucional, será dada ciência ao Po-
58

der competente para a adoção das providências necessárias e, em ção ao STF que, julgando-a procedente, anulará o ato adminis-
se tratando de órgão administrativo, para fazê-lo em 30 dias. trativo ou cassará a decisão judicial reclamada, e determinará
§ 3º Quando o STF apreciar a inconstitucionalidade, em tese, de que outra seja proferida com ou sem a aplicação da súmula,
norma legal ou ato normativo, citará, previamente, o AGU, que conforme o caso.
defenderá o ato ou texto impugnado.
LEGITIMADOS ATIVOS LEGITIMADOS ATIVOS Art. 103-B. O CNJ compõe-se de 15 membros com mandato de
UNIVERSAIS ESPECIAIS 2 anos, admitida 1 recondução, sendo:
I - o Presidente do STF;
Podem propor a ADI e a ADC São aqueles dos quais se exige II 1 Ministro do STJ, indicado pelo respectivo tribunal;
independentemente da exis- pertinência temática como III 1 Ministro do TST, indicado pelo respectivo tribunal;
tência de pertinência temáti- requisito implícito de legitima- IV 1 desembargador de TJ, indicado pelo STF;
ca ção V 1 juiz estadual, indicado pelo STF
I - o Presidente da República; IV - a Mesa de Assembleia Le- VI 1 juiz de TRF, indicado pelo STJ
II - a Mesa do Senado Federal; gislativa ou a Mesa da Câmara VII 1 juiz federal, indicado pelo STJ
III - a Mesa da Câmara dos De- Legislativa do Distrito Federal; VIII 1 juiz de TRT, indicado pelo TST
putados; V - o Governador de Estado IX 1 juiz do trabalho, indicado pelo TST
VI - o Procurador-Geral da Re- ou o Governador do Distrito X 1 membro do MPU, indicado pelo PGR;
pública; Federal; XI 1 membro do MPE, escolhido pelo PGR dentre os nomes indi-
VII - o Conselho Federal da Or- IX - confederação sindical ou cados pelo órgão competente de cada instituição estadual;
dem dos Advogados do Brasil; entidade de classe de âmbito XII 2 advogados, indicados pelo Conselho Federal da Ordem dos
VIII - partido político com re- nacional. Advogados do Brasil;
presentação no Congresso Na- XIII 2 cidadãos, de notável saber jurídico e reputação ilibada, indi-
cional; cados um pela Câmara dos Deputados e outro pelo Senado Fede-
ral.

VIII - partido político com re-


COMPOSIÇÃO DO CNJ
presentação no Congresso Na-
PRECISAM DE ADVOGADO cional; Indicados Presidente do STF (que será o Presidente do CNJ).
PARA AJUIZAR ADI IX - confederação sindical ou pelo STF 1 Desembargador do TJ.
entidade de classe de âmbito 1 Juiz Estadual.
nacional.
Indicados 1 Ministro do STJ (será o Corregedor).
pelo STJ 1 Juiz de TRF.
SÚMULAS SOBRE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE 1 Juiz Federal.
Súmula vinculante 10-STF: Viola a cláusula de reserva de ple- Indicados 1 Ministro do TST.
nário (CF, art. 97) a decisão de órgão fracionário de tribunal que, pelo TST 1 Juiz de TRT.
embora não declare expressamente a inconstitucionalidade de 1 Juiz do Trabalho.
lei ou ato normativo do Poder Público, afasta a sua incidência
no todo ou em parte Indicados 1 Membro do MPU.
Súmula 614-STF: Somente o Procurador-Geral da Justiça tem pela PGR 1 Membro do MPE, escolhido pelo PGR dentre os
legitimidade para propor ação direta interventiva por inconstitu- nomes indicados pelo órgão competente de cada
cionalidade de Lei Municipal instituição estadual.
Súmula 642-STF: Não cabe ação direta de inconstitucionalida- Indicados 2 advogados.
de de lei do Distrito Federal derivada da sua competência legis- pelo
lativa municipal CFOAB

Indicado 1 cidadão de notável saber jurídico e reputação


Art. 103-A (SV). O STF poderá, de ofício ou por provocação, me-
pela CD ilibada.
diante decisão de 2/3 dos seus membros, após reiteradas deci-
sões sobre matéria constitucional, aprovar súmula que, a partir Indicado 1 cidadão de notável saber jurídico e reputação
de sua publicação na imprensa oficial, terá efeito vinculante pelo SF ilibada.
em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à admi- *Tabela retirada do site www.dizerodireito.com.br
nistração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual
e municipal, bem como proceder à sua revisão ou cancelamento, § 1º O Conselho será presidido pelo Presidente do STF e, nas
na forma estabelecida em lei. suas ausências e impedimentos, pelo Vice-Presidente do STF.
§ 1º A súmula terá por OBJETIVO a validade, a interpretação e § 2º Os demais membros do Conselho serão nomeados pelo Pre-
a eficácia de normas determinadas, acerca das quais haja con- sidente da República, depois de aprovada a escolha pela maioria
trovérsia atual entre órgãos judiciários ou entre esses e a admi- absoluta do Senado Federal.
nistração pública que acarrete grave insegurança jurídica e re- § 3º Não efetuadas, no prazo legal, as indicações previstas nes-
levante multiplicação de processos sobre questão idêntica. te artigo, caberá a escolha ao STF.
§ 2º Sem prejuízo do que vier a ser estabelecido em lei, a aprova- § 4º Compete ao Conselho o controle da atuação administrati-
ção, revisão ou cancelamento de súmula poderá ser provocada va e financeira do Poder Judiciário e do cumprimento dos de-
por aqueles que podem propor a ADI. veres funcionais dos juízes, cabendo-lhe, além de outras atribui-
§ 3º Do ato administrativo ou decisão judicial que contrariar a sú- ções que lhe forem conferidas pelo Estatuto da Magistratura:
mula aplicável ou que indevidamente a aplicar, caberá reclama-
59

I - zelar pela autonomia do Poder Judiciário e pelo cumprimento Art. 105. Compete ao STJ:
do Estatuto da Magistratura, podendo expedir atos regulamenta- I - processar e julgar, originariamente:
res, no âmbito de sua competência, ou recomendar providências; a) nos crimes comuns, os Governadores dos Estados e do Distri-
II - zelar pela observância do art. 37 e apreciar, de ofício ou me- to Federal, e, nestes e nos de responsabilidade, os desembar-
diante provocação, a legalidade dos atos administrativos pra- gadores dos TJ dos Estados e do Distrito Federal, os membros
ticados por membros ou órgãos do Poder Judiciário, podendo dos TCE/TCDF, os dos TRFs, dos TREs e do TRTs, os membros
desconstituí-los, revê-los ou fixar prazo para que se adotem dos Conselhos ou Tribunais de Contas dos Municípios e os do
as providências necessárias ao exato cumprimento da lei, sem MPU que oficiem perante tribunais;
prejuízo da competência do TCU; b) os mandados de segurança e os habeas data contra ato de
III receber e conhecer das reclamações contra membros ou ór- Ministro de Estado, dos Comandantes da Marinha, do Exército
gãos do Poder Judiciário, inclusive contra seus serviços auxili- e da Aeronáutica ou do próprio Tribunal;
ares, serventias e órgãos prestadores de serviços notariais e c) os habeas corpus, quando o coator ou paciente for qualquer
de registro que atuem por delegação do poder público ou oficia- das pessoas mencionadas na alínea "a", ou quando o coator for
lizados, sem prejuízo da competência disciplinar e correicional tribunal sujeito à sua jurisdição, Ministro de Estado ou Coman-
dos tribunais, podendo avocar processos disciplinares em curso, dante da Marinha, do Exército ou da Aeronáutica, ressalvada a
determinar a remoção ou a disponibilidade e aplicar outras san- competência da Justiça Eleitoral;
ções administrativas, assegurada ampla defesa; (EC 103/19) d) os conflitos de competência entre quaisquer tribunais, ressalva-
IV representar ao Ministério Público, no caso de crime contra a do o disposto no art. 102, I, "o", bem como entre tribunal e juízes
administração pública ou de abuso de autoridade; a ele não vinculados e entre juízes vinculados a tribunais diversos;
V rever, de ofício ou mediante provocação, os processos disci- e) as revisões criminais e as ações rescisórias de seus julgados;
plinares de juízes e membros de tribunais julgados há menos f) a reclamação para a preservação de sua competência e garantia
de 1 ano; da autoridade de suas decisões;
VI elaborar semestralmente relatório estatístico sobre processos g) os conflitos de atribuições entre autoridades administrati-
e sentenças prolatadas, por unidade da Federação, nos diferentes vas e judiciárias da União, ou entre autoridades judiciárias de
órgãos do Poder Judiciário; um Estado e administrativas de outro ou do Distrito Federal,
VII elaborar relatório anual, propondo as providências que julgar ou entre as deste e da União;
necessárias, sobre a situação do Poder Judiciário no País e as ati- h) o mandado de injunção, quando a elaboração da norma regu-
vidades do Conselho, o qual deve integrar mensagem do Presi- lamentadora for atribuição de órgão, entidade ou autoridade fe-
dente do STF a ser remetida ao Congresso Nacional, por ocasião deral, da administração direta ou indireta, excetuados os casos de
da abertura da sessão legislativa competência do Supremo Tribunal Federal e dos órgãos da Justiça
§ 5º O Ministro do STJ exercerá a função de Ministro-Correge- Militar, da Justiça Eleitoral, da Justiça do Trabalho e da Justiça Fe-
dor e ficará excluído da distribuição de processos no Tribunal, deral;
competindo-lhe, além das atribuições que lhe forem conferidas i) a homologação de sentenças estrangeiras e a concessão de
pelo Estatuto da Magistratura, as seguintes: exequatur às cartas rogatórias;
I - receber as reclamações e denúncias, de qualquer interessado, II - julgar, em RECURSO ORDINÁRIO:
relativas aos magistrados e aos serviços judiciários; a) os habeas corpus decididos em ÚNICA ou ÚLTIMA instância
II - exercer funções executivas do Conselho, de inspeção e de cor- pelos Tribunais Regionais Federais ou pelos tribunais dos Estados,
reição geral; do Distrito Federal e Territórios, quando a decisão for denegató-
III - requisitar e designar magistrados, delegando-lhes atribuições, ria;
e requisitar servidores de juízos ou tribunais, inclusive nos Esta- b) os mandados de segurança decididos em ÚNICA instância
dos, Distrito Federal e Territórios. pelos Tribunais Regionais Federais ou pelos tribunais dos Estados,
§ 6º Junto ao Conselho oficiarão o PGR e o Presidente do Conse- do Distrito Federal e Territórios, quando denegatória a decisão;
lho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. c) as causas em que forem partes Estado estrangeiro ou orga-
§ 7º A União, inclusive no Distrito Federal e nos Territórios, criará nismo internacional, de um lado, e, do outro, Município ou
ouvidorias de justiça, competentes para receber reclamações e pessoa residente ou domiciliada no País;
denúncias de qualquer interessado contra membros ou órgãos do III - julgar, em RECURSO ESPECIAL, as causas decididas, em ÚNI-
Poder Judiciário, ou contra seus serviços auxiliares, representando CA ou ÚLTIMA instância, pelos Tribunais Regionais Federais ou
diretamente ao Conselho Nacional de Justiça. pelos tribunais dos Estados, do Distrito Federal e Territórios,
quando a decisão recorrida:
Seção III a) contrariar tratado ou lei federal, ou negar-lhes vigência;
DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA b) julgar válido ato de governo local contestado em face de
Art. 104. O STJ compõe-se de, no mínimo, 33 Ministros. lei federal;
Parágrafo único. Os Ministros do STJ serão nomeados pelo Presi- c) der a lei federal interpretação divergente da que lhe haja
dente da República, dentre brasileiros com mais de 35 e menos atribuído outro tribunal.
de 65 anos, de notável saber jurídico e reputação ilibada, de- Parágrafo único. Funcionarão junto ao STJ:
pois de aprovada a escolha pela maioria absoluta do Senado Fe- I - a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magis-
deral, sendo: trados, cabendo-lhe, dentre outras funções, regulamentar os cur-
I – 1/3 dentre juízes dos Tribunais Regionais Federais e 1/3 dentre sos oficiais para o ingresso e promoção na carreira;
desembargadores dos Tribunais de Justiça, indicados em lista trí- II - o Conselho da Justiça Federal, cabendo-lhe exercer, na forma
plice elaborada pelo próprio Tribunal; da lei, a supervisão administrativa e orçamentária da Justiça Fede-
II - 1/3, em partes iguais, dentre advogados e membros do Minis- ral de primeiro e segundo graus, como órgão central do sistema e
tério Público Federal, Estadual, do Distrito Federal e Territórios, al- com poderes correicionais, cujas decisões terão caráter vinculan-
ternadamente, indicados na forma do art. 94. te.
60

RE – STF REsp - STJ COATOR: Tribunal Superior


a) contrariar dispositivo desta a) contrariar tratado ou lei COATOR OU O PACIENTE: au- COATOR OU O PACIENTE:
Constituição federal, ou negar-lhes vigên- toridade ou funcionário cujos • Governadores
b) declarar a inconstituciona- cia atos estejam sujeitos direta- • Desembargadores
lidade de tratado ou lei fede- b) julgar válido ato de gover- mente à jurisdição do STF, ou dos TJ dos Estados e
ral no local contestado em face se trate de crime sujeito à mes- do Distrito Federal
c) julgar válida lei ou ato de de lei federal ma jurisdição em uma única • Membros dos TCE/
governo local contestado em c) der a lei federal interpreta- instância TCDF
face desta Constituição ção divergente da que lhe • Membros dos TRFs,
d) julgar válida lei local con- haja atribuído outro tribunal TREs e TRTs
testada em face de lei federal • Membros dos Conse-
lhos ou Tribunais de
Contas dos Municípios
RE – STF REsp - STJ
• Membros do MPU
Julgar válida LEI LOCAL con- Julgar válido ATO DE GOVER- que oficiem perante
testada em face de lei federal NO LOCAL contestado em tribunais
face de lei federal
RECURSO ORDINÁRIO: deci- RECURSO ORDINÁRIO: deci-
dido em ÚNICA INSTÂNCIA didos em ÚNICA OU ÚLTIMA
RECURSO ORDINÁRIO pelos Tribunais Superiores, se instância pelos TRFs ou pelos
denegatória a decisão TJs, quando a decisão for dene-
STF STJ
gatória;
a) o habeas corpus, o manda- a) os habeas corpus decididos
do de segurança, o habeas em ÚNICA OU ÚLTIMA INS-
Causas em que forem partes Competência originária: Juiz
data e o mandado de injun- TÂNCIA pelos Tribunais Regio-
Estado estrangeiro ou orga- Federal
ção decididos em única ins- nais Federais ou pelos tribunais
nismo internacional, de um
tância pelos Tribunais Superio- dos Estados, do Distrito Federal Recurso Ordinário: STJ
lado, e, do outro, Município
res, se denegatória a decisão; e Territórios, quando a decisão
ou pessoa residente ou domi-
b) o crime político; for denegatória;
ciliada no País
b) os mandados de segurança
decididos em ÚNICA INSTÂN- Litígio entre Estado estrangei- Competência originária: STF
CIA pelos Tribunais Regionais ro ou organismo internacional
Federais ou pelos tribunais dos e a União, o Estado, o Distrito
Estados, do Distrito Federal e Federal ou o Território
Territórios, quando denegatória
a decisão; Seção IV
c) as causas em que forem par- DOS TRIBUNAIS REGIONAIS FEDERAIS E DOS JUÍZES FEDERAIS
tes Estado estrangeiro ou or- Art. 106. São órgãos da Justiça Federal:
ganismo internacional, de I - os Tribunais Regionais Federais;
um lado, e, do outro, Municí- II - os Juízes Federais.
pio ou pessoa residente ou
domiciliada no País; Art. 107. Os Tribunais Regionais Federais compõem-se de, no
mínimo, 7 juízes, recrutados, quando possível, na respectiva regi-
HC ão e nomeados pelo Presidente da República dentre brasileiros
com mais de 30 e menos de 65 anos, sendo:
STF STJ I – 1/5 dentre advogados com mais de 10 anos de efetiva ativi-
PACIENTE: COATOR: dade profissional e membros do Ministério Público Federal
• PR • Tribunal sujeito à sua com mais de 10 anos de carreira;
• Vice-Presidente jurisdição II - os demais, mediante promoção de juízes federais com mais
• Membros do CN • Ministro de Estado de 5 anos de exercício, por antiguidade e merecimento, alterna-
• Ministros STF • Comandante da Mari- damente.
• PGR nha, do Exército ou da § 1º A lei disciplinará a remoção ou a permuta de juízes dos Tribu-
• Ministros de Estado Aeronáutica, ressalvada nais Regionais Federais e determinará sua jurisdição e sede.
• Comandantes da Ma- a competência da Justi- § 2º Os Tribunais Regionais Federais instalarão a justiça itinerante,
rinha, do Exército e da ça Eleitoral com a realização de audiências e demais funções da atividade ju-
Aeronáutica risdicional, nos limites territoriais da respectiva jurisdição, ser-
• Membros dos Tribu- vindo-se de equipamentos públicos e comunitários.
nais Superiores § 3º Os Tribunais Regionais Federais poderão funcionar descentra-
• Membros do TCU lizadamente, constituindo Câmaras regionais, a fim de assegurar o
• Chefes de missão di- pleno acesso do jurisdicionado à justiça em todas as fases do pro-
plomática de caráter cesso.
permanente
Art. 108. Compete aos Tribunais Regionais Federais:
61

I - processar e julgar, originariamente: Federal julgaria contravenção penal. Trata-se da hipótese de


a) os juízes federais da área de sua jurisdição, incluídos os da contravenção penal praticada por pessoa com foro privativo
Justiça Militar e da Justiça do Trabalho, nos crimes comuns e no Tribunal Regional Federal. Seria o caso, por exemplo, de
de responsabilidade, e os membros do MPU, ressalvada a contravenção penal cometida por Juiz Federal ou Procurador da
competência da Justiça Eleitoral; República. Em tais situações, o julgamento ocorreria no TRF (e
b) as revisões criminais e as ações rescisórias de julgados seus ou não na Justiça Estadual). É a posição, dentre outros, de Renato
dos juízes federais da região; Brasileiro de Lima.
c) os mandados de segurança e os habeas data contra ato do
próprio Tribunal ou de juiz federal; *Informações retiradas do site www.dizerodireito.com.br
d) os habeas corpus, quando a autoridade coatora for juiz federal;
e) os conflitos de competência entre juízes federais vinculados ao V - os crimes previstos em tratado ou convenção internacio-
Tribunal; nal, quando, iniciada a execução no País, o resultado tenha ou
II - julgar, em grau de recurso, as causas decididas pelos juízes fe- devesse ter ocorrido no estrangeiro, ou reciprocamente;
derais e pelos juízes estaduais no exercício da competência fede- V-A as causas relativas a direitos humanos a que se refere o §
ral da área de sua jurisdição. 5º deste artigo;
VI - os crimes contra a organização do trabalho e, nos casos
Art. 109. Aos juízes federais compete processar e julgar: determinados por lei, contra o sistema financeiro e a ordem eco-
I - as causas em que a União, entidade autárquica ou empresa nômico-financeira;
pública federal forem interessadas na condição de autoras, VII - os habeas corpus, em matéria criminal de sua competência
rés, assistentes ou oponentes, exceto as de falência, as de aci- ou quando o constrangimento provier de autoridade cujos atos
dentes de trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça não estejam diretamente sujeitos a outra jurisdição;
do Trabalho; VIII - os mandados de segurança e os habeas data contra ato de
autoridade federal, excetuados os casos de competência dos tri-
Ação proposta pelo acidentado (seu cônjuge, Competência bunais federais;
demais herdeiros ou dependentes) contra o da Justiça IX - os crimes cometidos a bordo de navios ou aeronaves, res-
empregador pedindo indenização por danos do salvada a competência da Justiça Militar;
morais e materiais decorrentes de acidente de TRABALHO. X - os crimes de ingresso ou permanência irregular de estran-
trabalho geiro, a execução de carta rogatória, após o "exequatur", e de
sentença estrangeira, após a homologação, as causas referen-
Ação proposta pelo acidentado (seu cônjuge, Competência tes à nacionalidade, inclusive a respectiva opção, e à naturali-
demais herdeiros ou dependentes) contra o INSS da justiça zação;
pleiteando benefício decorrente de acidente de comum XI - a disputa sobre direitos indígenas.
trabalho ESTADUAL. § 1º As causas em que a União for autora serão aforadas na seção
Ação proposta pelo acidentado (seu cônjuge, Competência judiciária onde tiver domicílio a outra parte.
demais herdeiros ou dependentes) contra o INSS da Justiça § 2º As causas intentadas contra a União poderão ser aforadas na
pleiteando benefício decorrente de acidente de FEDERAL seção judiciária em que for domiciliado o autor, naquela onde
outra natureza (que não seja acidente de (STJ AgRg no houver ocorrido o ato ou fato que deu origem à demanda ou
trabalho) CC onde esteja situada a coisa, ou, ainda, no Distrito Federal.
118.348/SP, § 3º Lei poderá autorizar que as causas de competência da Jus-
julgado em tiça Federal em que forem parte instituição de previdência so-
29/02/2012). cial e segurado possam ser processadas e julgadas na justiça
estadual quando a comarca do domicílio do segurado não for
CAVALCANTE, Márcio André Lopes. Súmula vinculante 22-STFe.
sede de vara federal. (EC 103/19)
Buscador Dizer o Direito, Manaus. Disponível em:<https://www.-
§ 4º Na hipótese do parágrafo anterior, o recurso cabível será
buscadordizerodireito.com.br/jurisprudencia/detalhes/
sempre para o Tribunal Regional Federal na área de jurisdição do
ee0070c40a7c781507b38c59c3eb8d4>
juiz de primeiro grau.
§ 5º [INCIDENTE DE DESLOCAMENTO DE COMPETÊNCIA] Nas
II - as causas entre Estado estrangeiro ou organismo internaci-
hipóteses de grave violação de direitos humanos, o PGR, com a
onal e Município ou pessoa domiciliada ou residente no País
finalidade de assegurar o cumprimento de obrigações decor-
(com RO para o STJ)
rentes de tratados internacionais de direitos humanos dos
III - as causas fundadas em tratado ou contrato da União com
quais o Brasil seja parte, poderá suscitar, perante o STJ, em
Estado estrangeiro ou organismo internacional;
qualquer fase do inquérito ou processo, incidente de desloca-
IV - os crimes políticos (com RO para o STF) e as infrações penais
mento de competência para a Justiça Federal.
praticadas em detrimento de bens, serviços ou interesse da União
ou de suas entidades autárquicas ou empresas públicas, EXCLUÍ-
DAS AS CONTRAVENÇÕES e ressalvada a competência da Justi- Existência de grave violação de direitos
ça Militar e da Justiça Eleitoral; humanos
INCIDENTE DE
Risco de responsabilização internacional
DESLOCAMENTO DE
E se a contravenção penal for conexa com crime federal? decorrente de descumprimento de
COMPETÊNCIA (IDC)
Haverá a cisão dos processos, de forma que o crime será obrigações jurídicas assumidas em
Requisitos
julgado pela Justiça Federal e a contravenção pela Justiça tratados internacionais
Estadual (STJ. CC 20454/RO, j. em 13.12.1999).
Incapacidade das instâncias e
A doutrina afirma que existe uma exceção na qual a Justiça autoridades locais em oferecer respostas
62

efetivas V os conflitos de competência entre órgãos com jurisdição traba-


lhista, ressalvado o disposto no art. 102, I, o;
VI as ações de indenização por dano moral ou patrimonial,
Art. 110. Cada Estado, bem como o Distrito Federal, constituirá
decorrentes da relação de trabalho;
uma seção judiciária que terá por sede a respectiva Capital, e va-
VII as ações relativas às penalidades administrativas impostas aos
ras localizadas segundo o estabelecido em lei.
empregadores pelos órgãos de fiscalização das relações de traba-
Parágrafo único. Nos Territórios Federais, a jurisdição e as atribui-
lho;
ções cometidas aos juízes federais caberão aos juízes da justiça
VIII a execução, de ofício, das contribuições sociais previstas no
local, na forma da lei.
art. 195, I, a , e II, e seus acréscimos legais, decorrentes das sen-
tenças que proferir;
Seção V
IX outras controvérsias decorrentes da relação de trabalho, na for-
Do Tribunal Superior do Trabalho, dos Tribunais Regionais
ma da lei.
do Trabalho e dos Juízes do Trabalho
§ 1º Frustrada a negociação coletiva, as partes poderão eleger
Art. 111. São órgãos da Justiça do Trabalho:
árbitros.
I - o Tribunal Superior do Trabalho;
§ 2º Recusando-se qualquer das partes à negociação coletiva ou à
II - os Tribunais Regionais do Trabalho;
arbitragem, é facultado às mesmas, de comum acordo, ajuizar
III - Juízes do Trabalho.
dissídio coletivo de natureza econômica, podendo a Justiça do
Trabalho decidir o conflito, respeitadas as disposições mínimas le-
Art. 111-A. O TST compor-se-á de 27 Ministros, escolhidos den-
gais de proteção ao trabalho, bem como as convencionadas ante-
tre brasileiros com mais de 35 anos e menos de 65 anos, de no-
riormente.
tável saber jurídico e reputação ilibada, nomeados pelo Presiden-
§ 3º Em caso de greve em atividade essencial, com possibilidade
te da República após aprovação pela maioria absoluta do Senado
de lesão do interesse público, o Ministério Público do Trabalho
Federal, sendo:
poderá ajuizar dissídio coletivo, competindo à Justiça do Trabalho
I 1/5 dentre advogados com mais de 10 anos de efetiva ativida-
decidir o conflito.
de profissional e membros do Ministério Público do Trabalho
com mais de 10 anos de efetivo exercício, observado o disposto
Art. 115. Os Tribunais Regionais do Trabalho compõem-se de, no
no art. 94;
mínimo, 7 juízes, recrutados, quando possível, na respectiva regi-
II os demais dentre juízes dos Tribunais Regionais do Trabalho,
ão, e nomeados pelo Presidente da República dentre brasileiros
oriundos da magistratura da carreira, indicados pelo próprio Tri-
com mais de 30 e menos de 65 anos, sendo:
bunal Superior.
I 1/5 dentre advogados com mais de 10 anos de efetiva ativida-
§ 1º A lei disporá sobre a competência do TST
de profissional e membros do Ministério Público do Trabalho
§ 2º Funcionarão junto ao TST:
com mais de 10 anos de efetivo exercício, observado o disposto
I a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistra-
no art. 94;
dos do Trabalho, cabendo-lhe, dentre outras funções, regulamen-
II os demais, mediante promoção de juízes do trabalho por an-
tar os cursos oficiais para o ingresso e promoção na carreira;
tigüidade e merecimento, alternadamente.
II o Conselho Superior da Justiça do Trabalho, cabendo-lhe exer-
§ 1º Os Tribunais Regionais do Trabalho instalarão a justiça itine-
cer, na forma da lei, a supervisão administrativa, orçamentária, fi-
rante, com a realização de audiências e demais funções de ativi-
nanceira e patrimonial da Justiça do Trabalho de primeiro e se-
dade jurisdicional, nos limites territoriais da respectiva jurisdição,
gundo graus, como órgão central do sistema, cujas decisões terão
servindo-se de equipamentos públicos e comunitários.
efeito vinculante.
§ 2º Os Tribunais Regionais do Trabalho poderão funcionar des-
§ 3º Compete ao Tribunal Superior do Trabalho processar e jul-
centralizadamente, constituindo Câmaras regionais, a fim de asse-
gar, originariamente, a reclamação para a preservação de sua
gurar o pleno acesso do jurisdicionado à justiça em todas as fases
competência e garantia da autoridade de suas decisões.
do processo.
Art. 112. A lei criará varas da Justiça do Trabalho, podendo, nas
Art. 116. Nas Varas do Trabalho, a jurisdição será exercida por um
comarcas não abrangidas por sua jurisdição, atribuí-la aos juí-
juiz singular.
zes de direito, com recurso para o respectivo Tribunal Regional
do Trabalho.
Seção VI
DOS TRIBUNAIS E JUÍZES ELEITORAIS
Art. 113. A lei disporá sobre a constituição, investidura, jurisdição,
Art. 118. São órgãos da Justiça Eleitoral:
competência, garantias e condições de exercício dos órgãos da
I - o TSE;
Justiça do Trabalho
II - os TRE’s;
III - os Juízes Eleitorais;
Art. 114. Compete à Justiça do Trabalho processar e julgar:
IV - as Juntas Eleitorais.
I as ações oriundas da relação de trabalho, abrangidos os entes
de direito público externo e da administração pública direta e in-
Art. 119. O TSE compor-se-á, no mínimo, de 7 membros, esco-
direta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios;
lhidos:
II as ações que envolvam exercício do direito de greve;
I - mediante eleição, pelo VOTO SECRETO:
III as ações sobre representação sindical, entre sindicatos, en-
a) 3 juízes dentre os Ministros do STF;
tre sindicatos e trabalhadores, e entre sindicatos e emprega-
b) 2 juízes dentre os Ministros do STJ;
dores;
II - por NOMEAÇÃO do Presidente da República, 2 juízes dentre
IV os mandados de segurança, habeas corpus e habeas data ,
6 advogados de notável saber jurídico e idoneidade moral, in-
quando o ato questionado envolver matéria sujeita à sua jurisdi-
dicados pelo STF.
ção;
63

Parágrafo único. O TSE elegerá seu Presidente e o Vice-Presiden- Parágrafo único. A lei disporá sobre a organização, o funciona-
te dentre os Ministros do STF, e o Corregedor Eleitoral dentre mento e a competência da Justiça Militar.
os Ministros do STJ.
Seção VIII
Art. 120. Haverá 1 TRE na Capital de cada Estado e no Distrito Fe- DOS TRIBUNAIS E JUÍZES DOS ESTADOS
deral. Art. 125. Os Estados organizarão sua Justiça, observados os princí-
§ 1º - Os TRE’s compor-se-ão: pios estabelecidos nesta Constituição.
I - mediante eleição, pelo VOTO SECRETO: § 1º A competência dos tribunais será definida na Constitui-
a) de 2 juízes dentre os desembargadores do TJ; ção do Estado, sendo a lei de organização judiciária de iniciativa
b) de 2 juízes, dentre juízes de direito, escolhidos pelo TJ; do Tribunal de Justiça.
II - de 1 juiz do TRF com sede na Capital do Estado ou no Distrito § 2º Cabe aos Estados a instituição de representação de incons-
Federal, ou, não havendo, de juiz federal, escolhido, em qualquer titucionalidade de leis ou atos normativos estaduais ou munici-
caso, pelo TRF respectivo; pais em face da Constituição Estadual, vedada a atribuição da
III - por NOMEAÇÃO, pelo Presidente da República, de 2 juízes legitimação para agir a um único órgão.
dentre 6 advogados de notável saber jurídico e idoneidade mo- § 3º A lei estadual poderá criar, mediante proposta do Tribunal de
ral, indicados pelo TJ. Justiça, a Justiça Militar estadual, constituída, em 1° grau, pelos ju-
§ 2º - O TRE elegerá seu Presidente e o Vice-Presidente dentre ízes de direito e pelos Conselhos de Justiça e, em 2° grau, pelo
os desembargadores. próprio Tribunal de Justiça, ou por Tribunal de Justiça Militar nos
Estados em que o efetivo militar seja superior a 20 mil integran-
Art. 121. LC disporá sobre a organização e competência dos tribu- tes.
nais, dos juízes de direito e das juntas eleitorais. § 4º Compete à Justiça Militar estadual processar e julgar os mili-
§ 1º Os membros dos tribunais, os juízes de direito e os inte- tares dos Estados, nos crimes militares definidos em lei e as ações
grantes das juntas eleitorais, no exercício de suas funções, e judiciais contra atos disciplinares militares, ressalvada a compe-
no que lhes for aplicável, gozarão de plenas garantias e serão tência do júri quando a vítima for civil, cabendo ao tribunal
inamovíveis. competente decidir sobre a perda do posto e da patente dos ofi-
§ 2º Os juízes dos tribunais eleitorais, salvo motivo justificado, ciais e da graduação das praças.
servirão por 2 anos, no mínimo, e nunca por mais de 2 biênios § 5º Compete aos juízes de direito do juízo militar processar e jul -
consecutivos, sendo os substitutos escolhidos na mesma ocasião gar, singularmente, os crimes militares cometidos contra civis e as
e pelo mesmo processo, em número igual para cada categoria. ações judiciais contra atos disciplinares militares, cabendo ao
§ 3º São irrecorríveis as decisões do TSE, salvo as que contrari- Conselho de Justiça, sob a presidência de juiz de direito, proces-
arem esta Constituição e as denegatórias de HC ou MS. sar e julgar os demais crimes militares.
§ 4º Das decisões dos TRE’s somente caberá recurso quando: § 6º O Tribunal de Justiça poderá funcionar descentralizadamente,
I - forem proferidas contra disposição expressa desta Constitui- constituindo Câmaras regionais, a fim de assegurar o pleno aces-
ção ou de lei; so do jurisdicionado à justiça em todas as fases do processo.
II - ocorrer divergência na interpretação de lei entre dois ou § 7º O Tribunal de Justiça instalará a justiça itinerante, com a reali-
mais tribunais eleitorais; zação de audiências e demais funções da atividade jurisdicional,
III - versarem sobre inelegibilidade ou expedição de diplomas nos limites territoriais da respectiva jurisdição, servindo-se de
nas eleições federais ou estaduais; equipamentos públicos e comunitários.
IV - anularem diplomas ou decretarem a perda de mandatos
eletivos federais ou estaduais; Art. 126. Para dirimir conflitos fundiários, o Tribunal de Justiça
V - denegarem HC, MS, HD, MI proporá a criação de varas especializadas, com competência ex-
clusiva para questões agrárias.
Seção VII Parágrafo único. Sempre que necessário à eficiente prestação ju-
DOS TRIBUNAIS E JUÍZES MILITARES risdicional, o juiz far-se-á presente no local do litígio.
Art. 122. São órgãos da Justiça Militar:
I - o Superior Tribunal Militar; CAPÍTULO IV
II - os Tribunais e Juízes Militares instituídos por lei. DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA
SEÇÃO I
Art. 123. O STM compor-se-á de 15 Ministros vitalícios, nomea- DO MINISTÉRIO PÚBLICO
dos pelo Presidente da República, depois de aprovada a indicação Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essenci-
pelo Senado Federal, sendo 3 dentre oficiais-generais da Mari- al à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa
nha, 4 dentre oficiais-generais do Exército, 3 dentre oficiais- da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses so-
generais da Aeronáutica, todos da ativa e do posto mais elevado ciais e individuais indisponíveis.
da carreira, e 5 dentre civis. § 1º São PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS do Ministério Público a
Parágrafo único. Os Ministros civis serão escolhidos pelo Presi- UNIDADE, a INDIVISIBILIDADE e a INDEPENDÊNCIA FUNCIO-
dente da República dentre brasileiros maiores de 35 anos, sendo: NAL.
I - 3 dentre advogados de notório saber jurídico e conduta iliba- § 2º Ao Ministério Público é assegurada autonomia funcional e
da, com mais de 10 anos de efetiva atividade profissional; administrativa, podendo, observado o disposto no art. 169, pro-
II - 2, por escolha paritária, dentre juízes auditores e membros do por ao Poder Legislativo a criação e extinção de seus cargos e ser-
Ministério Público da Justiça Militar. viços auxiliares, provendo-os por concurso público de provas ou
de provas e títulos, a política remuneratória e os planos de carrei-
Art. 124. à Justiça Militar compete processar e julgar os crimes mi- ra; a lei disporá sobre sua organização e funcionamento.
litares definidos em lei.
64

§ 3º O Ministério Público elaborará sua proposta orçamentária e) exercer atividade político-partidária;


dentro dos limites estabelecidos na lei de diretrizes orçamentá- f) receber, a qualquer título ou pretexto, auxílios ou contribui-
rias. ções de pessoas físicas, entidades públicas ou privadas, ressal-
§ 4º Se o Ministério Público não encaminhar a respectiva proposta vadas as exceções previstas em lei.
orçamentária dentro do prazo estabelecido na lei de diretrizes or- § 6º Aplica-se aos membros do Ministério Público o disposto no
çamentárias, o Poder Executivo considerará, para fins de conso- art. 95, parágrafo único, V [QUARENTENA DE SAÍDA – 3 ANOS].
lidação da proposta orçamentária anual, os valores aprovados
na lei orçamentária vigente, ajustados de acordo com os limites Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público:
estipulados na forma do § 3º. I - promover, PRIVATIVAMENTE, a ação penal pública, na for-
§ 5º Se a proposta orçamentária de que trata este artigo for enca- ma da lei;
minhada em desacordo com os limites estipulados na forma do § II - zelar pelo efetivo respeito dos Poderes Públicos e dos ser-
3º, o Poder Executivo procederá aos ajustes necessários para viços de relevância pública aos direitos assegurados nesta Cons-
fins de consolidação da proposta orçamentária anual. tituição, promovendo as medidas necessárias a sua garantia;
§ 6º Durante a execução orçamentária do exercício, não poderá III - promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a
haver a realização de despesas ou a assunção de obrigações que proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e
extrapolem os limites estabelecidos na lei de diretrizes orçamen- de outros interesses difusos e coletivos;
tárias, exceto se previamente autorizadas, mediante a abertura de IV - promover a ação de inconstitucionalidade ou representa-
créditos suplementares ou especiais. ção para fins de intervenção da União e dos Estados, nos casos
previstos nesta Constituição;
Art. 128. O Ministério Público abrange: V - defender judicialmente os direitos e interesses das popula-
I - o MPU, que compreende: ções indígenas;
a) o MPF; VI - expedir notificações nos procedimentos administrativos de
b) o MPT; sua competência, requisitando informações e documentos para
c) o MPM; instruí-los, na forma da lei complementar respectiva;
d) o MPDFT; VII - exercer o controle externo da atividade policial, na forma
II - os MPE’s. da lei complementar mencionada no artigo anterior;
§ 1º O MPU tem por chefe o PGR, nomeado pelo Presidente da VIII - requisitar diligências investigatórias e a instauração de
República dentre integrantes da carreira, maiores de 35 anos, inquérito policial, indicados os fundamentos jurídicos de suas
após a aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos mem- manifestações processuais;
bros do Senado Federal, para mandato de 2 anos, permitida a IX - exercer outras funções que lhe forem conferidas, desde que
recondução. compatíveis com sua finalidade, sendo-lhe vedada a representa-
§ 2º A destituição do PGR, por iniciativa do Presidente da Re- ção judicial e a consultoria jurídica de entidades públicas.
pública, deverá ser precedida de autorização da maioria abso- § 1º A legitimação do Ministério Público para as ações civis pre-
luta do Senado Federal. vistas neste artigo não impede a de terceiros, nas mesmas hipóte-
§ 3º Os Ministérios Públicos dos Estados e o do Distrito Federal e ses, segundo o disposto nesta Constituição e na lei.
Territórios formarão lista tríplice dentre integrantes da carreira, § 2º As funções do Ministério Público só podem ser exercidas por
na forma da lei respectiva, para escolha de seu Procurador-Geral, integrantes da carreira, que deverão residir na comarca da res-
que será nomeado pelo Chefe do Poder Executivo, para mandato pectiva lotação, salvo autorização do chefe da instituição.
de 2 anos, permitida 1 recondução. § 3º O ingresso na carreira do Ministério Público far-se-á median-
§ 4º Os Procuradores-Gerais nos Estados e no Distrito Federal e te concurso público de provas e títulos, assegurada a participação
Territórios poderão ser destituídos por deliberação da maioria da OAB em sua realização, exigindo-se do bacharel em direito,
absoluta do Poder Legislativo, na forma da lei complementar no mínimo, 3 anos de atividade jurídica e observando-se, nas
respectiva. nomeações, a ordem de classificação.
§ 5º Leis complementares da União e dos Estados, cuja iniciativa é § 4º Aplica-se ao Ministério Público, no que couber, o disposto no
facultada aos respectivos Procuradores-Gerais, estabelecerão a art. 93.
organização, as atribuições e o estatuto de cada Ministério Públi- § 5º A distribuição de processos no Ministério Público será imedi-
co, observadas, relativamente a seus membros: ata.
I - as seguintes GARANTIAS:
a) vitaliciedade, após 2 anos de exercício, não podendo perder o Art. 130. Aos membros do Ministério Público junto aos Tribunais
cargo senão por sentença judicial transitada em julgado; de Contas aplicam-se as disposições desta seção pertinentes a di-
b) inamovibilidade, salvo por motivo de interesse público, medi- reitos, vedações e forma de investidura.
ante decisão do órgão colegiado competente do Ministério Públi-
co, pelo voto da maioria absoluta de seus membros, assegurada Art. 130-A. O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP)
ampla defesa; compõe-se de 14 membros nomeados pelo Presidente da Repú-
c) irredutibilidade de subsídio, fixado na forma do art. 39, § 4º, e blica, depois de aprovada a escolha pela maioria absoluta do Se-
ressalvado o disposto nos arts. 37, X e XI, 150, II, 153, III, 153, § 2º, nado Federal, para um mandato de 2 anos, admitida 1 recon-
I; dução, sendo:
II - as seguintes VEDAÇÕES: I o Procurador-Geral da República, que o preside;
a) receber, a qualquer título e sob qualquer pretexto, honorá- II 4 membros do MPU, assegurada a representação de cada uma
rios, percentagens ou custas processuais; de suas carreiras;
b) exercer a advocacia; III 3 membros do MPE’s;
c) participar de sociedade comercial, na forma da lei; IV 2 juízes, indicados um pelo STF e outro pelo STJ;
d) exercer, ainda que em disponibilidade, qualquer outra fun- V 2 advogados, indicados pelo Conselho Federal da Ordem dos
ção pública, salvo uma de magistério; Advogados do Brasil;
65

VI 2 cidadãos de notável saber jurídico e reputação ilibada, indi- Súmula 99-STJ: O Ministério Público tem legitimidade para
cados um pela Câmara dos Deputados e outro pelo Senado Fede- recorrer no processo em que oficiou como fiscal da lei, ainda
ral. que não haja recurso da parte.
§ 1º Os membros do Conselho oriundos do Ministério Público se- Súmula 116-STJ: A Fazenda Pública e o Ministério Público têm
rão indicados pelos respectivos Ministérios Públicos, na forma da prazo em dobro para interpor agravo regimental no Superior
lei. Tribunal de Justiça.
§ 2º Compete ao CNMP o controle da atuação administrativa OBS: a súmula vale para o processo civil, mas não para o
e financeira do Ministério Público e do cumprimento dos de- processo penal. No âmbito penal, o Ministério Público não
veres funcionais de seus membros, cabendo lhe: goza de prazo em dobro, sendo intempestivo o recurso de agra-
I zelar pela autonomia funcional e administrativa do Ministério vo regimental interposto fora do quinquídio previsto no art. 258
Público, podendo expedir atos regulamentares, no âmbito de sua do Regimento Interno do STJ (AgInt no REsp 1658578/MT, Rel.
competência, ou recomendar providências; Min. Ribeiro Dantas, julgado em 24/04/2018).
II zelar pela observância do art. 37 e apreciar, de ofício ou me- Súmula 189-STJ: É desnecessária a intervenção do Ministério
diante provocação, a legalidade dos atos administrativos pra- Público nas execuções fiscais.
ticados por membros ou órgãos do Ministério Público da União Súmula 226-STJ: O Ministério Público tem legitimidade para
e dos Estados, podendo desconstituí-los, revê-los ou fixar pra- recorrer na ação de acidente do trabalho, ainda que o segu-
zo para que se adotem as providências necessárias ao exato rado esteja assistido por advogado.
cumprimento da lei, sem prejuízo da competência dos Tribunais Súmula 234-STJ: A participação de membro do Ministério Pú-
de Contas; blico na fase investigatória criminal não acarreta o seu impe-
III - receber e conhecer das reclamações contra membros ou ór- dimento ou suspeição para o oferecimento da denúncia.
gãos do Ministério Público da União ou dos Estados, inclusive Súmula 329-STJ: O Ministério Público tem legitimidade para
contra seus serviços auxiliares, sem prejuízo da competência disci- propor ação civil pública em defesa do patrimônio público.
plinar e correicional da instituição, podendo avocar processos dis-
ciplinares em curso, determinar a remoção ou a disponibilidade e
Seção II
aplicar outras sanções administrativas, assegurada ampla defesa
DA ADVOCACIA PÚBLICA
(EC 103/19)
Art. 131. A Advocacia-Geral da União (AGU) é a instituição que,
IV rever, de ofício ou mediante provocação, os processos dis-
diretamente ou através de órgão vinculado, representa a Uni-
ciplinares de membros do Ministério Público da União ou dos
ão, judicial e extrajudicialmente, cabendo-lhe, nos termos da lei
Estados julgados há menos de 1 ano;
complementar que dispuser sobre sua organização e funciona-
V elaborar relatório anual, propondo as providências que julgar
mento, as atividades de consultoria e assessoramento jurídico
necessárias sobre a situação do Ministério Público no País e as
do Poder Executivo.
atividades do Conselho, o qual deve integrar a mensagem previs-
§ 1º A AGU tem por chefe o Advogado-Geral da União, de livre
ta no art. 84, XI.
nomeação pelo Presidente da República dentre cidadãos mai-
§ 3º O Conselho escolherá, em VOTAÇÃO SECRETA, 1 Correge-
ores de 35 anos, de notável saber jurídico e reputação ilibada.
dor nacional, dentre os membros do Ministério Público que o
§ 2º O ingresso nas classes iniciais das carreiras da instituição de
integram, VEDADA A RECONDUÇÃO, competindo-lhe, além das
que trata este artigo far-se-á mediante concurso público de pro-
atribuições que lhe forem conferidas pela lei, as seguintes:
vas e títulos.
I receber reclamações e denúncias, de qualquer interessado, rela-
§ 3º Na execução da dívida ativa de natureza tributária, a repre-
tivas aos membros do Ministério Público e dos seus serviços auxi-
sentação da União cabe à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacio-
liares;
nal, observado o disposto em lei.
II exercer funções executivas do Conselho, de inspeção e cor-
reição geral;
Art. 132. Os Procuradores dos Estados e do Distrito Federal, or-
III requisitar e designar membros do Ministério Público, dele-
ganizados em carreira, na qual o ingresso dependerá de concurso
gando-lhes atribuições, e requisitar servidores de órgãos do Mi-
público de provas e títulos, com a participação da OAB em todas
nistério Público.
as suas fases, exercerão a representação judicial e a consultoria
§ 4º O Presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados
jurídica das respectivas unidades federadas.
do Brasil oficiará junto ao Conselho.
Parágrafo único. Aos procuradores referidos neste artigo é asse-
§ 5º Leis da União e dos Estados criarão ouvidorias do Ministério
gurada ESTABILIDADE após 3 anos de efetivo exercício, medi-
Público, competentes para receber reclamações e denúncias de
ante avaliação de desempenho perante os órgãos próprios, após
qualquer interessado contra membros ou órgãos do Ministério
relatório circunstanciado das corregedorias.
Público, inclusive contra seus serviços auxiliares, representando
diretamente ao Conselho Nacional do Ministério Público.
SEÇÃO III
DA ADVOCACIA
SÚMULAS SOBRE MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 133. O advogado é indispensável à administração da justi-
STF ça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício
da profissão, nos limites da lei.
Súmula 643-STF: O Ministério Público tem legitimidade para
promover ação civil pública cujo fundamento seja a ilegalidade SEÇÃO IV
de reajuste de mensalidades escolares. DA DEFENSORIA PÚBLICA
Súmula 701-STF: No mandado de segurança impetrado pelo Art. 134. A Defensoria Pública é instituição permanente, essen-
Ministério Público contra decisão proferida em processo penal, cial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe, como ex-
é obrigatória a citação do réu como litisconsorte passivo. pressão e instrumento do regime democrático, fundamental-
STJ mente, a orientação jurídica, a promoção dos direitos huma-
66

nos e a defesa, em todos os graus, judicial e extrajudicial, dos nal ou atingidas por calamidades de grandes proporções na
direitos individuais e coletivos, de forma integral e gratuita, natureza.
aos necessitados, na forma do inciso LXXIV do art. 5º desta § 1º O decreto que instituir o estado de defesa determinará o
Constituição Federal. tempo de sua duração, especificará as áreas a serem abrangidas e
§ 1º LC organizará a Defensoria Pública da União e do Distrito Fe- indicará, nos termos e limites da lei, as medidas coercitivas a vigo-
deral e dos Territórios e prescreverá normas gerais para sua orga- rarem, dentre as seguintes:
nização nos Estados, em cargos de carreira, providos, na classe I - restrições aos direitos de:
inicial, mediante concurso público de provas e títulos, assegurada a) reunião, ainda que exercida no seio das associações;
a seus integrantes a garantia da inamovibilidade e vedado o b) sigilo de correspondência;
exercício da advocacia fora das atribuições institucionais. c) sigilo de comunicação telegráfica e telefônica;
§ 2º Às Defensorias Públicas Estaduais são asseguradas autono- II - ocupação e uso temporário de bens e serviços públicos , na
mia funcional e administrativa e a iniciativa de sua proposta hipótese de calamidade pública, respondendo a União pelos da-
orçamentária dentro dos limites estabelecidos na lei de diretrizes nos e custos decorrentes.
orçamentárias e subordinação ao disposto no art. 99, § 2º. § 2º O tempo de duração do estado de defesa não será superi-
§ 3º Aplica-se o disposto no § 2º às Defensorias Públicas da União or a 30 dias, podendo ser prorrogado uma vez, por igual perío-
e do Distrito Federal. do, se persistirem as razões que justificaram a sua decretação.
§ 4º São princípios institucionais da Defensoria Pública a unida- § 3º Na vigência do estado de defesa:
de, a indivisibilidade e a independência funcional, aplicando- I - a prisão por crime contra o Estado, determinada pelo exe-
se também, no que couber, o disposto no art. 93 e no inciso II do cutor da medida, será por este comunicada imediatamente ao
art. 96 desta Constituição Federal. juiz competente, que a relaxará, se não for legal, facultado ao
preso requerer exame de corpo de delito à autoridade policial;
Art. 135. Os servidores integrantes das carreiras disciplinadas nas II - a comunicação será acompanhada de declaração, pela auto-
Seções II e III deste Capítulo serão remunerados na forma do art. ridade, do estado físico e mental do detido no momento de sua
39, § 4º. autuação;
III - a prisão ou detenção de qualquer pessoa não poderá ser su-
SÚMULAS SOBRE DEFENSORIA PÚBLICA perior a 10 dias, salvo quando autorizada pelo Poder Judiciá-
rio;
Súmula 421-STJ: Os honorários advocatícios não são devidos à IV - É VEDADA A INCOMUNICABILIDADE DO PRESO.
Defensoria Pública quando ela atua contra a pessoa jurídica de § 4º Decretado o estado de defesa ou sua prorrogação, o Presi-
direito público à qual pertença dente da República, dentro de 24 horas, submeterá o ato com a
respectiva justificação ao Congresso Nacional, que decidirá por
Em caso de ação patrocinada pela Defensoria Pública contra maioria absoluta.
o respectivo ente (ex: ação patrocinada pela DPU contra a § 5º Se o Congresso Nacional estiver em recesso, será convocado,
União), caso o Poder Público seja sucumbente, ele deverá extraordinariamente, no prazo de 5 dias.
pagar honorários advocatícios em favor da Instituição? § 6º O Congresso Nacional apreciará o decreto dentro de 10 dias
contados de seu recebimento, devendo continuar funcionando
STJ: NÃO STF: SIM enquanto vigorar o estado de defesa.
§ 7º Rejeitado o decreto, cessa imediatamente o estado de defesa.
Súmula 421-STJ: Os honorários Após as ECs 45/2004, 74/2013 e
advocatícios não são devidos à 80/2014, passou a ser permitida
Seção II
Defensoria Pública quando ela a condenação do ente
DO ESTADO DE SÍTIO
atua contra a pessoa jurídica federativo em honorários
Art. 137. O Presidente da República pode, ouvidos o Conselho
de direito público à qual advocatícios em demandas
da República e o Conselho de Defesa Nacional, solicitar ao
pertença. patrocinadas pela Defensoria
Congresso Nacional autorização para decretar o estado de sí-
Pública, diante de autonomia
tio nos casos de:
funcional, administrativa e
I - comoção grave de repercussão nacional ou ocorrência de
orçamentária da Instituição.
fatos que comprovem a ineficácia de medida tomada durante
STF. Plenário. AR 1937 AgR, Rel.
o estado de defesa;
Min. Gilmar Mendes, julgado
II - declaração de estado de guerra ou resposta a agressão ar-
em 30/06/2017.
mada estrangeira.
*Tabela retirada do site www.dizerodireito.com.br Parágrafo único. O Presidente da República, ao solicitar autoriza-
TÍTULO V ção para decretar o estado de sítio ou sua prorrogação, relatará
Da Defesa do Estado e Das Instituições Democráticas os motivos determinantes do pedido, devendo o Congresso Naci-
CAPÍTULO I onal decidir por maioria absoluta.
DO ESTADO DE DEFESA E DO ESTADO DE SÍTIO
Seção I Art. 138. O decreto do estado de sítio indicará sua duração, as
DO ESTADO DE DEFESA normas necessárias a sua execução e as garantias constitucionais
Art. 136. O Presidente da República pode, ouvidos o Conselho que ficarão suspensas, e, depois de publicado, o Presidente da
da República e o Conselho de Defesa Nacional, decretar esta- República designará o executor das medidas específicas e as áreas
do de defesa para preservar ou prontamente restabelecer, em abrangidas.
locais restritos e determinados, a ordem pública ou a paz so- § 1º - O estado de sítio, no caso do art. 137, I (comoção grave de
cial ameaçadas por grave e iminente instabilidade institucio- repercussão nacional ou ocorrência de fatos que comprovem a
ineficácia de medida tomada durante o estado de defesa), não
poderá ser decretado por mais de 30 dias, nem prorrogado,
67

de cada vez, por prazo superior; no do inciso II (declaração de


estado de guerra ou resposta a agressão armada estrangeira), po- Seção III
derá ser decretado por todo o tempo que perdurar a guerra DISPOSIÇÕES GERAIS
ou a agressão armada estrangeira. Art. 140. A Mesa do Congresso Nacional, ouvidos os líderes parti-
§ 2º - Solicitada autorização para decretar o estado de sítio du - dários, designará Comissão composta de 5 de seus membros
rante o recesso parlamentar, o Presidente do Senado Federal, de para acompanhar e fiscalizar a execução das medidas referen-
imediato, convocará extraordinariamente o Congresso Nacional tes ao estado de defesa e ao estado de sítio.
para se reunir dentro de 5 dias, a fim de apreciar o ato.
§ 3º - O Congresso Nacional permanecerá em funcionamento até Art. 141. Cessado o estado de defesa ou o estado de sítio, cessa-
o término das medidas coercitivas. rão também seus efeitos, sem prejuízo da responsabilidade pelos
ilícitos cometidos por seus executores ou agentes.
Art. 139. Na vigência do estado de sítio decretado com funda- Parágrafo único. Logo que cesse o estado de defesa ou o estado
mento no art. 137, I (comoção grave de repercussão nacional ou de sítio, as medidas aplicadas em sua vigência serão relatadas
ocorrência de fatos que comprovem a ineficácia de medida toma- pelo Presidente da República, em mensagem ao Congresso Naci-
da durante o estado de defesa), só poderão ser tomadas contra onal, com especificação e justificação das providências adotadas,
as pessoas as seguintes medidas: com relação nominal dos atingidos e indicação das restrições
I - obrigação de permanência em localidade determinada; aplicadas.
II - detenção em edifício não destinado a acusados ou conde-
nados por crimes comuns; CAPÍTULO II
III - restrições relativas à inviolabilidade da correspondência, DAS FORÇAS ARMADAS
ao sigilo das comunicações, à prestação de informações e à li- Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo
berdade de imprensa, radiodifusão e televisão, na forma da lei; Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais perma-
IV - suspensão da liberdade de reunião; nentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na dis-
V - busca e apreensão em domicílio; ciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República,
VI - intervenção nas empresas de serviços públicos; e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes
VII - requisição de bens. constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da
Parágrafo único. Não se inclui nas restrições do inciso III a difu- ordem.
são de pronunciamentos de parlamentares efetuados em suas § 1º LC estabelecerá as normas gerais a serem adotadas na orga-
Casas Legislativas, desde que liberada pela respectiva Mesa. nização, no preparo e no emprego das Forças Armadas.
§ 2º Não caberá habeas corpus em relação a punições discipli-
ESTADO DE DEFESA ESTADO DE SÍTIO nares militares.
§ 3º Os membros das Forças Armadas são denominados militares,
- Preservar ou prontamente - Comoção grave de reper- aplicando-se-lhes, além das que vierem a ser fixadas em lei, as se-
restabelecer, em locais restri- cussão nacional ou ocorrência guintes disposições:
tos e determinados, a ordem de fatos que comprovem a ine- I - as patentes, com prerrogativas, direitos e deveres a elas ine-
pública ou a paz social amea- ficácia de medida tomada du- rentes, são conferidas pelo Presidente da República e asseguradas
çadas por grave e iminente rante o estado de defesa. em plenitude aos oficiais da ativa, da reserva ou reformados,
instabilidade institucional ou PRAZO: 30 + 30 + 30 + ... sendo-lhes privativos os títulos e postos militares e, juntamente
atingidas por calamidades de com os demais membros, o uso dos uniformes das Forças Arma-
- Declaração de estado de
grandes proporções na natu- das;
guerra ou resposta a agres-
reza. II - o militar em atividade que tomar posse em cargo ou emprego
são armada estrangeira.
- PRAZO: 30 + 30 dias público civil permanente, ressalvada a hipótese prevista no art. 37,
PRAZO: tempo que perdurar a
guerra ou a agressão armada inciso XVI, alínea "c", será transferido para a reserva, nos termos
estrangeira da lei;
III - o militar da ativa que, de acordo com a lei, tomar posse em
I - restrições aos direitos de: I - obrigação de permanência cargo, emprego ou função pública civil temporária, não eletiva,
a) reunião, ainda que exercida em localidade determinada; ainda que da administração indireta, ressalvada a hipótese previs-
no seio das associações; II - detenção em edifício não ta no art. 37, inciso XVI, alínea "c", ficará agregado ao respectivo
b) sigilo de correspondência; destinado a acusados ou con- quadro e somente poderá, enquanto permanecer nessa situação,
c) sigilo de comunicação tele- denados por crimes comuns; ser promovido por antiguidade, contando-se-lhe o tempo de ser-
gráfica e telefônica; III - restrições relativas à invio- viço apenas para aquela promoção e transferência para a reserva,
II - ocupação e uso temporário labilidade da correspondência, sendo depois de dois anos de afastamento, contínuos ou não,
de bens e serviços públicos ao sigilo das comunicações, à transferido para a reserva, nos termos da lei;
prestação de informações e à IV - ao militar são proibidas a sindicalização e a greve;
liberdade de imprensa, radiodi-
O exercício do direito de greve, sob qualquer forma ou
fusão e televisão, na forma da
modalidade, é vedado aos policiais civis e a todos os
lei;
servidores públicos que atuem diretamente na área de
IV - suspensão da liberdade
segurança pública. STF. Plenário. ARE 654432/GO, Rel. orig.
de reunião;
Min. Edson Fachin, red. p/ o ac. Min. Alexandre de Moraes,
V - busca e apreensão em do-
julgado em 5/4/2017 (repercussão geral) (Info 860).
micílio;
VI - intervenção nas empresas V - o militar, enquanto em serviço ativo, não pode estar filia-
de serviços públicos; do a partidos políticos;
VII - requisição de bens.
68

VI - o oficial só perderá o posto e a patente se for julgado indigno § 3º A polícia ferroviária federal, órgão permanente, organizado e
do oficialato ou com ele incompatível, por decisão de tribunal mi - mantido pela União e estruturado em carreira, destina-se, na for-
litar de caráter permanente, em tempo de paz, ou de tribunal es- ma da lei, ao patrulhamento ostensivo das ferrovias federais.
pecial, em tempo de guerra; § 4º Às polícias civis, dirigidas por delegados de polícia de car-
VII - o oficial condenado na justiça comum ou militar a pena pri- reira, incumbem, ressalvada a competência da União, as funções
vativa de liberdade superior a dois anos, por sentença transitada de polícia judiciária e a apuração de infrações penais, exceto
em julgado, será submetido ao julgamento previsto no inciso an- as militares.
terior; § 5º Às polícias militares cabem a polícia ostensiva e a preser-
VIII - aplica-se aos militares o disposto no art. 7º, incisos VIII, XII, vação da ordem pública; aos corpos de bombeiros militares,
XVII, XVIII, XIX e XXV, e no art. 37, incisos XI, XIII, XIV e XV, bem além das atribuições definidas em lei, incumbe a execução de ati-
como, na forma da lei e com prevalência da atividade militar, no vidades de defesa civil.
art. 37, inciso XVI, alínea "c"; § 5º-A. Às polícias penais, vinculadas ao órgão administrador
X - a lei disporá sobre o ingresso nas Forças Armadas, os limites do sistema penal da unidade federativa a que pertencem, cabe a
de idade, a estabilidade e outras condições de transferência do segurança dos estabelecimentos penais. (EC 104/19)
militar para a inatividade, os direitos, os deveres, a remuneração, § 6º As polícias militares e os corpos de bombeiros militares,
as prerrogativas e outras situações especiais dos militares, consi- forças auxiliares e reserva do Exército subordinam-se, juntamente
deradas as peculiaridades de suas atividades, inclusive aquelas com as polícias civis e as polícias penais estaduais e distrital, aos
cumpridas por força de compromissos internacionais e de guerra. Governadores dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios.
(EC 104/19)
Art. 143. O serviço militar é obrigatório nos termos da lei. § 7º A lei disciplinará a organização e o funcionamento dos ór-
§ 1º Às Forças Armadas compete, na forma da lei, atribuir serviço gãos responsáveis pela segurança pública, de maneira a garantir a
alternativo aos que, em tempo de paz, após alistados, alegarem eficiência de suas atividades.
imperativo de consciência, entendendo-se como tal o decorrente § 8º Os Municípios poderão constituir guardas municipais des-
de crença religiosa e de convicção filosófica ou política, para se tinadas à proteção de seus bens, serviços e instalações, confor-
eximirem de atividades de caráter essencialmente militar. me dispuser a lei.
§ 2º As mulheres e os eclesiásticos ficam isentos do serviço § 9º A remuneração dos servidores policiais integrantes dos ór-
militar obrigatório em tempo de paz, sujeitos, porém, a outros gãos relacionados neste artigo será fixada na forma do § 4º do
encargos que a lei lhes atribuir. art. 39.
§ 10. A segurança viária, exercida para a preservação da ordem
CAPÍTULO III pública e da incolumidade das pessoas e do seu patrimônio nas
DA SEGURANÇA PÚBLICA vias públicas:
Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e res- I - compreende a educação, engenharia e fiscalização de trân-
ponsabilidade de todos, é exercida para a preservação da or- sito, além de outras atividades previstas em lei, que assegurem ao
dem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, cidadão o direito à mobilidade urbana eficiente; e
através dos seguintes órgãos: II - compete, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos
I - polícia federal; Municípios, aos respectivos órgãos ou entidades executivos e
II - polícia rodoviária federal; seus agentes de trânsito, estruturados em Carreira, na forma da
III - polícia ferroviária federal; lei
IV - polícias civis;
V - polícias militares e corpos de bombeiros militares. CAPÍTULO I
VI - polícias penais federal, estaduais e distrital. (EC 104/19) DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL
§ 1º A polícia federal (PF), instituída por lei como órgão perma- Seção I
nente, organizado e mantido pela União e estruturado em carrei- DOS PRINCÍPIOS GERAIS
ra, destina-se a: Art. 145. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
I - apurar infrações penais contra a ordem política e social ou poderão instituir os seguintes tributos:
em detrimento de bens, serviços e interesses da União ou de I – impostos;
suas entidades autárquicas e empresas públicas, assim como II - taxas, em razão do exercício do poder de polícia ou pela
outras infrações cuja prática tenha repercussão interestadual utilização, efetiva OU potencial, de serviços públicos específi-
ou internacional e exija repressão uniforme, segundo se dispu- cos E divisíveis, prestados ao contribuinte ou postos a sua dis-
ser em lei; posição;
II - prevenir e reprimir o tráfico ilícito de entorpecentes e dro- III - contribuição de melhoria, decorrente de obras públicas.
gas afins, o contrabando e o descaminho, sem prejuízo da ação § 1º Sempre que possível, os IMPOSTOS terão caráter pessoal
fazendária e de outros órgãos públicos nas respectivas áreas de e serão graduados segundo a capacidade econômica do con-
competência; tribuinte, facultado à administração tributária, especialmente
III - exercer as funções de polícia marítima, aeroportuária e de para conferir efetividade a esses objetivos, identificar, respeitados
fronteiras; os direitos individuais e nos termos da lei, o patrimônio, os rendi-
IV - exercer, com exclusividade, as funções de polícia judiciá- mentos e as atividades econômicas do contribuinte
ria da União. § 2º As taxas NÃO PODERÃO ter base de cálculo própria de
§ 2º A polícia rodoviária federal (PRF), órgão permanente, orga- impostos.
nizado e mantido pela União e estruturado em carreira, destina-
se, na forma da lei, ao patrulhamento ostensivo das rodovias Taxas e contribuições de melhorias são tributos vinculados.
federais.
Medida Provisória poderá instituir ou majorar IMPOSTOS
69

PRINCÍPIO DA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA. Segundo enten- 7.940/89.


dimento do STF, na ADI 948/GO, a aplicação do princípio da ca- Súmula 667-STF: Viola a garantia constitucional de acesso à ju-
pacidade contributiva não deve se limitar somente aos impos- risdição a taxa judiciária calculada sem limite sobre o valor da
tos, podendo ser estendido as demais espécies tributárias, sem- causa.
pre que as particularidades dessas exações permitirem.
O princípio encontra aplicação plena aos tributos com fato ge-
A taxa é um tributo bilateral, contraprestacional, sinalag-
rador não vinculado, quais sejam, os impostos e, normalmente,
mático ou vinculado. Isso porque a taxa é um tributo vinculado
também os empréstimos compulsórios e as contribuições.
a uma atividade estatal específica, ou seja, a Administração Pú-
As custas, a taxa judiciária e os emolumentos constituem es- blica só pode cobrar se, em troca, estiver prestando um serviço
pécie tributária, são taxas, segundo a jurisprudência iterativa público ou exercendo poder de polícia. Há, portanto, obriga-
do STF. (ADI 1.145/PB) ções de ambas as partes. O poder público tem a obrigação de
prestar o serviço ou exercer poder de polícia e o contribuinte a
A regularidade do exercício do poder de polícia é imprescindí-
de pagar a taxa correspondente.
vel para a cobrança da taxa de localização e fiscalização
Quem pode instituir taxa? A União, os Estados, o DF e os
*Informações retiradas do site www.dizerodireito.com.br Municípios. Trata-se de tributo de competência comum. A taxa
será instituída de acordo com a competência de cada ente.
TAXA DE POLÍCIA TAXA DE SERVIÇO *Informações retiradas do site www.dizerodireito.com.br
O poder de polícia deve ser O serviço pode ser efetiva ou
EFETIVAMENTE realizado, não potencialmente utilizado pelo Art. 146. Cabe à LC:
se admitindo poder de polícia contribuinte, podendo a taxa I - dispor sobre conflitos de competência, em matéria tributá-
"potencial", podendo o exercí- ser cobrada a partir do mo- ria, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios;
cio da atividade ser constatada mento que o serviço é coloca- II - regular as limitações constitucionais ao poder de tributar;
pela existência de órgão admi- do à disposição do sujeito pas- III - estabelecer normas gerais em matéria de legislação tribu-
nistrativo de fiscalização, dota- sivo. tária, especialmente sobre:
do de estrutura e pessoal com- a) definição de tributos e de suas espécies, bem como, em rela-
petente para tanto. ção aos impostos discriminados nesta Constituição, a dos respec-
tivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes;
b) obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tri-
SÚMULAS SOBRE TAXA butários;
Súmula vinculante 12-STF: A cobrança de taxa de matrícula c) adequado tratamento tributário ao ato cooperativo pratica-
nas universidades públicas viola o disposto no art. 206, inciso IV, do pelas sociedades cooperativas.
da Constituição Federal. d) definição de tratamento diferenciado e favorecido para as
OBS1: Aplicando-se o raciocínio da SV 12, as universidades pú- microempresas e para as empresas de pequeno porte, inclusi-
blicas também não podem cobrar taxa para inscrição em pro- ve regimes especiais ou simplificados no caso do imposto previs-
cesso seletivo seriado (aquele "vestibular" que ocorre, de forma to no art. 155, II, das contribuições previstas no art. 195, I e §§ 12
contínua, durante todo o ensino médio. Nesse sentido: STF. 1ª e 13, e da contribuição a que se refere o art. 239.
Turma. AI 748944 AgR, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em Parágrafo único. A LC de que trata o inciso III, d (tratamento dife-
05/08/2014. renciado e favorecido para ME e EPP), também poderá instituir
OBS2: SV 12 não se aplica para cursos de extensão e em tais ca- um regime único de arrecadação dos impostos e contribui-
sos poderá haver cobrança de taxa de matrícula. ções da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,
OBS3: "a garantia constitucional da gratuidade de ensino não observado que:
obsta a cobrança por universidades públicas de mensalidade em I - será opcional para o contribuinte;
cursos de especialização." (STF. Plenário. RE 597854/GO, Rel. II - poderão ser estabelecidas condições de enquadramento
Min. Edson Fachin, julgado em 26/4/2017. Repercussão geral. diferenciadas por Estado;
Info 862). III - o recolhimento será unificado e centralizado e a distribui-
Súmula vinculante 19-STF: A taxa cobrada exclusivamente em ção da parcela de recursos pertencentes aos respectivos entes
razão dos serviços públicos de coleta, remoção e tratamento federados será imediata, vedada qualquer retenção ou condicio-
ou destinação de lixo ou resíduos provenientes de imóveis, namento;
NÃO VIOLA o art. 145, II, da CF. IV - a arrecadação, a fiscalização e a cobrança poderão ser
Súmula vinculante 29-STF: É constitucional a adoção, no cál- compartilhadas pelos entes federados, adotado cadastro nacio-
culo do valor de taxa, de um ou mais elementos da base de cál- nal único de contribuintes.
culo própria de determinado imposto, desde que não haja in-
tegral identidade entre uma base e outra. Art. 146-A. LC poderá estabelecer critérios especiais de tributa-
Súmula vinculante 41-STF: O serviço de iluminação pública ção, com o objetivo de prevenir desequilíbrios da concorrência,
NÃO PODE ser remunerado mediante taxa. OBS: os Municípios sem prejuízo da competência de a União, por lei, estabelecer nor-
poderão instituir contribuição para custeio desse serviço (art. mas de igual objetivo.
149-A da CF/88) - COSIP
Súmula 595-STF: É inconstitucional a taxa municipal de con- Art. 147. Competem à União, em Território Federal, os impostos
servação de estradas de rodagem cuja base de cálculo seja estaduais e, se o Território não for dividido em Municípios, cumu-
idêntica a do imposto territorial rural. lativamente, os impostos municipais; ao Distrito Federal cabem
Súmula 665-STF: É constitucional a Taxa de Fiscalização dos os impostos municipais.
Mercados de Títulos e Valores Mobiliários instituída pela Lei
70

Art. 148. A União, mediante LC, poderá instituir empréstimos STF


compulsórios (EC):
I - para atender a despesas extraordinárias, decorrentes de ca- Súmula Vinculante 40-STF: A contribuição confederativa de
lamidade pública, de guerra externa ou sua iminência; que trata o artigo 8º, IV, da Constituição Federal, só é exigível
II - no caso de investimento público de caráter urgente e de dos filiados ao sindicato respectivo.
relevante interesse nacional, observado o disposto no art. 150, Súmula 659-STF: É legítima a cobrança da COFINS, do PIS e do
III, "b" (princípio da anterioridade). FINSOCIAL sobre as operações relativas a energia elétrica,
Parágrafo único. A aplicação dos recursos provenientes de em- serviços de telecomunicações, derivados de petróleo,
préstimo compulsório será vinculada à despesa que fundamen- combustíveis e minerais do País.
tou sua instituição. Súmula 732-STF: É constitucional a cobrança da contribuição
do salário-educação, seja sob a Carta de 1969, seja sob a
Constituição Federal de 1988, e no regime da Lei 9.424/96.
Tributos que devem ser dispostos por LC:
1 - Imposto Residual; STJ
2 - Contribuição Social Residual;
Súmula 77-STJ: A Caixa Econômica Federal é parte ilegítima
3 - Empréstimo Compulsório;
para figurar no polo passivo das ações relativas às contribuições
4 - Imposto Sobre Grandes Fortunas (IGF).
para o fundo PIS/PASEP.
Os demais são instituídos por meio de LO.
Súmula 351-STJ: A alíquota de contribuição para o Seguro de
Acidente do Trabalho (SAT) é aferida pelo grau de risco
Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribui- desenvolvido em cada empresa, individualizada pelo seu CNPJ,
ções sociais (CS), de intervenção no domínio econômico ou pelo grau de risco da atividade preponderante quando
(CIDE) e de interesse das categorias profissionais ou econômi- houver apenas um registro.
cas, como instrumento de sua atuação nas respectivas áreas, ob- Súmula 396-STJ: A Confederação Nacional da Agricultura tem
servado o disposto nos arts. 146, III, e 150, I e III, e sem prejuízo legitimidade ativa para a cobrança da contribuição sindical rural.
do previsto no art. 195, § 6º (Contribuição social para seguridade Súmula 423-STJ: A contribuição para financiamento da
social: só pode ser exigida após decorridos 90 dias da data da pu- Seguridade Social – Cofins incide sobre as receitas
blicação da lei que as houver instituído ou modificado, não se provenientes das operações de locação de bens móveis.
lhes aplicando o disposto no art. 150, III, "b"), relativamente às Súmula 458-STJ: A contribuição previdenciária incide sobre a
contribuições a que alude o dispositivo. comissão paga ao corretor de seguros, independentemente da
§ 1º A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios insti- existência de contrato de trabalho.
tuirão, por meio de lei, contribuições para custeio de regime Súmula 468-STJ: A base de cálculo do PIS, até a edição da MP
próprio de previdência social, cobradas dos servidores ativos, n. 1.212/1995, era o faturamento ocorrido no sexto mês anterior
dos aposentados e dos pensionistas, que poderão ter alíquo- ao do fato gerador.
tas progressivas de acordo com o valor da base de contribui- Súmula 499-STJ: As empresas prestadoras de serviços estão
ção ou dos proventos de aposentadoria e de pensões. (EC sujeitas às contribuições ao Sesc e Senac, salvo se integradas
103/19) noutro serviço social.
§ 1º-A. Quando houver deficit atuarial, a contribuição Súmula 508-STJ: A isenção da Cofins concedida pelo artigo 6º,
ordinária dos aposentados e pensionistas poderá incidir sobre o II, da LC 70/91 às sociedades civis de prestação de serviços
valor dos proventos de aposentadoria e de pensões que supere profissionais foi revogada pelo artigo 56 da Lei 9.430/96.
o salário-mínimo. (EC 103/19) Súmula 516-STJ: A contribuição de intervenção no domínio
§ 1º-B. Demonstrada a insuficiência da medida prevista no § 1º-A econômico para o Incra (Decreto-Lei nº 1.110/1970), devida por
para equacionar o deficit atuarial, é facultada a instituição de empregadores rurais e urbanos, não foi extinta pelas Leis ns.
contribuição extraordinária, no âmbito da União, dos servidores 7.787/1989, 8.212/1991 e 8.213/1991, não podendo ser
públicos ativos, dos aposentados e dos pensionistas. (EC 103/19) compensada com a contribuição ao INSS.
§ 1º-C. A contribuição extraordinária de que trata o § 1º-B de-
verá ser instituída simultaneamente com outras medidas para
Art. 149-A Os Municípios e o Distrito Federal poderão instituir
equacionamento do deficit e vigorará por período determina-
CONTRIBUIÇÃO, na forma das respectivas leis, para o CUS-
do, contado da data de sua instituição. (EC 103/19)
TEIO DO SERVIÇO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA (COSIP), observa-
§ 2º As contribuições sociais (CS) e de intervenção no domínio
do o disposto no art. 150, I e III.
econômico (CIDE) de que trata o caput deste artigo:
Parágrafo único. É facultada a cobrança da contribuição a que se
I - não incidirão sobre as receitas decorrentes de exportação;
refere o caput, na fatura de consumo de energia elétrica.
II - incidirão também sobre a importação de produtos estran-
geiros ou serviços;
III - poderão ter alíquotas: Súmula vinculante 41-STF: O serviço de iluminação pública não
a) ad valorem, tendo por base o faturamento, a receita bruta ou pode ser remunerado mediante taxa.
o valor da operação e, no caso de importação, o valor aduaneiro; As instituições de assistência social são imunes apenas ao paga-
b) específica, tendo por base a unidade de medida adotada. mento de impostos e de contribuições para a seguridade social.
§ 3º A pessoa natural destinatária das operações de importa- NÃO HÁ IMUNIDADE AO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÃO
ção poderá ser equiparada a pessoa jurídica, na forma da lei. PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA.
§ 4º A lei definirá as hipóteses em que as contribuições incidirão
uma única vez.
Seção II
DAS LIMITAÇÕES DO PODER DE TRIBUTAR
SÚMULAS SOBRE CONTRIBUIÇÕES
71

Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contri- pela qual os Municípios não podem cobrar ISS sobre a presta-
buinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e ção dos serviços postais. STJ. 2ª Turma.REsp 1.642.250-SP, Rel.
aos Municípios: Min. Herman Benjamin, julgado em 16/3/2017 (Info 602).
I - [PRINCÍPIO DA LEGALIDADE] exigir ou aumentar tributo
sem lei que o estabeleça; Não se pode aplicar a imunidade tributária recíproca se o
bem está desvinculado de finalidade estatal. STF. Plenário. RE
Medida Provisória poderá instituir ou majorar IMPOSTOS
434251/RJ, rel. orig. Min. Joaquim Barbosa, red. p/ o ac. Min.
II - [PRINCÍPIO DA IGUALDADE TRIBUTÁRIA OU VEDAÇÃO DE Cármen Lúcia, julgado em 19/4/2017 (Info 861).
PRIVILÉGIO ODIOSO] instituir tratamento desigual entre con-
tribuintes que se encontrem em situação equivalente, proibi- A imunidade tributária recíproca alcança a autarquia que pres-
da qualquer distinção em razão de ocupação profissional ou ta serviço público remunerado por meio de tarifas. Assim, o
função por eles exercida, independentemente da denomina- simples fato de haver a cobrança de tarifas não descaracteriza a
ção jurídica dos rendimentos, títulos ou direitos regra imunizante. STF. 1ª Turma. RE 741938 AgR, Rel. Min. Dias
Toffoli, julgado em 05/08/2014. STF. 2ª Turma. RE 482814 AgR,
“Autolimitação do poder fiscal, por meio da Constituição ou de
Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgado em 29/11/2011.
lei formal, consistente na permissão, destituída de razoabilidade,
para que alguém deixe de pagar os tributos que incidem generi- A imunidade tributária recíproca não exonera o sucessor das
camente sobre todos os contribuintes ou recebe benefícios obrigações tributárias relativas aos fatos jurídicos tributários
inextensíveis aos demais” ocorridos antes da sucessão (aplicação “retroativa” da imunida-
III - cobrar tributos: de tributária). STF. Plenário. RE 599176/PR, Rel. Min. Joaquim
a) [PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE TRIBUTÁRIA] em rela- Barbosa, julgado em 5/6/2014 (repercussão geral) (Info 749).
ção a fatos geradores ocorridos antes do início da vigência da A imunidade tributária recíproca reconhecida à Empresa Brasilei-
lei que os houver instituído ou aumentado ; ra de Correios e Telégrafos — ECT alcança o IPTU incidente so-
b) [PRINCÍPIO DA ANTERIORIDADE ANUAL] no mesmo exer- bre imóveis de sua propriedade, bem assim os por ela utilizados.
cício financeiro em que haja sido publicada a lei que os instituiu STF. Plenário. RE 773992/BA, Rel. Min. Dias Toffoli, julgado em
ou aumentou ; 15/10/2014 (repercussão geral).
Súmula vinculante 50-STF: Norma legal que altera o prazo de
ECT goza de imunidade tributária recíproca mesmo quando
recolhimento da obrigação tributária não se sujeita ao princí-
realiza o transporte de bens e mercadorias. STF. Plenário. RE
pio da anterioridade
627051/PE, Rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 12/11/2014 (reper-
c) [PRINCÍPIO DA ANTERIORIDADE NONAGESIMAL, PRIVILE- cussão geral)(Info 767).
GIADA, QUALIFICADA OU ANTERIORIDADE ESPECÍFICA] antes
de decorridos 90 dias da data em que haja sido publicada a lei Os veículos automotores pertencentes aos Correios são imunes
que os instituiu ou aumentou, observado o disposto na alínea b ; à incidência do IPVA por força da imunidade tributária recípro-
IV - utilizar tributo com efeito de confisco; ca (art. 150, VI, “a”, da CF/88). STF. Plenário. ACO 879/PB, (Info
769).
A multa moratória, embora não seja tributo, não pode ter
um importe que lhe confira característica confiscatória, invi- b) [IMUNIDADE RELIGIOSA] templos de qualquer culto;
abilizando inclusive o recolhimento de futuros tributos. Deve abranger não somente os prédios destinados ao culto,
V - [PRINCÍPIO DA LIMITAÇÃO DE TRÁFEGO] estabelecer limi- mas, também, o patrimônio, a renda e os serviços relacionados
tações ao tráfego de pessoas ou bens, por meio de tributos com as finalidades essenciais das entidades nelas menciona-
interestaduais ou intermunicipais, ressalvada a cobrança de das (RE 325.822)
pedágio pela utilização de vias conservadas pelo Poder Público ; Não cabe à entidade religiosa demonstrar que utiliza o bem de
VI - INSTITUIR IMPOSTOS sobre: acordo com suas finalidades institucionais, ao contrário, compe-
a) [IMUNIDADE RECÍPROCA] patrimônio, renda ou serviços, te à Administração tributária demonstrar a eventual tredes-
uns dos outros; tinação do bem gravado pela imunidade. (ARE 800.395 AgR)
As empresas concessionárias de serviço público NÃO gozam de
Os cemitérios que consubstanciam extensões de entidades de
imunidade tributária recíproca, considerando que são empre-
cunho religioso estão abrangidos pela garantia contemplada
sas privadas que desempenham tais atividades em busca do lu-
no art. 150 da Constituição do Brasil. Impossibilidade da inci-
cro.
dência de IPTU em relação a eles.
A imunidade tributária gozada pela Ordem dos Advogados
A imunidade tributária conferida pelo art. 150, VI, b, é restrita
do Brasil é da espécie recíproca (art. 150, VI, “a” da CF/88), na
aos templos de qualquer culto religioso, não se aplicando à
medida em que a OAB desempenha atividade própria de Estado
maçonaria, em cujas lojas não se professa qualquer religião.
(defesa da Constituição, da ordem jurídica do Estado democráti-
co de direito, dos direitos humanos, da justiça social, bem como c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusi-
a seleção e controle disciplinar dos advogados). STF. Plenário. RE ve suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores,
259976 AgR, Rel. Min. Joaquim Barbosa, julgado em 23/03/2010. das instituições de educação e de assistência social, sem fins
STF. Plenário. RE 405267, Rel. Min. Edson Fachin, julgado em lucrativos, atendidos os requisitos da lei;
06/09/2018. Súmula 730 do STF. "A imunidade tributária conferida a institui-
ções de assistência social sem fins lucrativos pelo art. 150, VI, c,
As Caixas de Assistência de Advogados encontram-se tutela-
da Constituição, somente alcança as entidades fechadas de
das pela imunidade recíproca prevista no art. 150, VI, “a”, da
previdência social privada se não houver contribuição dos
Constituição Federal. STF. Plenário. RE 405267/MG, Rel. Min.
beneficiários."
Edson Fachin, julgado em 6/9/2018 (Info 914).
Súmula Vinculante 52: ainda quando alugado a terceiros, per-
Os Correios gozam de imunidade tributária recíproca, razão
72

manece imune ao IPTU o imóvel pertencente a qualquer das IE IE


entidades referidas pelo art. 150, VI, “c”, da Constituição Federal, IPI IR
desde que o valor dos aluguéis seja aplicado nas atividades para IOF IOF
as quais tais entidades foram constituídas IEG IEG
OBS: apesar da súmula referir-se à imunidade do art. 150, VI, “c”, Fixação da BC do IPVA e IPTU
seu enunciado também se aplica à imunidade religiosa prevista
Súmula Vinculante 50: Norma legal que ALTERA O PRAZO DE
no art. 150, VI, “b” (imunidade religiosa: “templos de qualquer
RECOLHIMENTO de obrigação tributária não se sujeita ao
culto”). Nesse sentido: STF. 2ª Turma. ARE 694453/DF, Rel. Min.
princípio da anterioridade.
Ricardo Lewandowski, DJe 09/08/2013.
A anterioridade da súmula entende-se como sendo a anteriori-
A IMUNIDADE TRIBUTÁRIA SUBJETIVA aplica-se a seus bene- dade anual e a anterioridade nonagesimal.
ficiários na posição de contribuinte de direito, mas não na
de simples contribuinte de fato, sendo irrelevante, para a veri- § 2º A vedação do inciso VI, "a" (imunidade recíproca), é extensi-
ficação da existência do beneplácito constitucional, a repercus- va às autarquias e às fundações instituídas e mantidas pelo
são econômica do tributo envolvido. (RE 608872/MG) Poder Público, no que se refere ao patrimônio, à renda e aos ser-
d) [IMUNIDADE CULTURAL] livros, jornais, periódicos e o pa- viços, vinculados a suas finalidades essenciais ou às delas decor-
pel destinado a sua impressão rentes.
A imunidade tributária constante do art. 150, VI, “d”, da § 3º As vedações do inciso VI, "a" (imunidade recíproca), e do pa-
Constituição Federal (CF), aplica-se ao livro eletrônico (“e- rágrafo anterior não se aplicam ao patrimônio, à renda e aos
book”), inclusive aos suportes exclusivamente utilizados para serviços, relacionados com exploração de atividades econô-
fixá-lo (RE 330817/RJ). micas regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos
privados, ou em que haja contraprestação ou pagamento de
A imunidade da alínea “d” do inciso VI do art. 150 da CF/88 al- preços ou tarifas pelo usuário, nem exonera o promitente
cança componentes eletrônicos destinados, exclusivamente, comprador da obrigação de pagar imposto relativamente ao
a integrar unidade didática com fascículos (RE 595676/RJ). bem imóvel.
Jornais: Os jornais gozam de imunidade, mesmo que conte- § 4º As vedações expressas no inciso VI, alíneas "b" e "c", com-
nham publicidade em seu corpo (anúncios, classificados etc.), preendem somente o patrimônio, a renda e os serviços, relacio-
considerando que isso constitui fonte de renda necessária para nados com as finalidades essenciais das entidades nelas menci-
continuar a difusão da cultura (Ricardo Alexandre); Contudo, al- onadas.
gumas vezes, junto com o jornal vêm alguns folhetos separa- § 5º A lei determinará medidas para que os consumidores sejam
dos contendo publicidade de supermercados, lojas etc. Tais esclarecidos acerca dos impostos que incidam sobre mercadorias
encartes publicitários não são parte integrante (indissociável) e serviços.
do jornal e não se destinam à difusão da cultura (possuem finali- § 6º Qualquer subsídio ou isenção, redução de base de cálcu-
dade apenas comercial), razão pela qual NÃO gozam de imu- lo, concessão de crédito presumido, anistia ou remissão, rela-
nidade (RE 213.094/ES). tivos a impostos, taxas ou contribuições, só poderá ser conce-
dido mediante lei específica, federal, estadual ou municipal, que
Filmes e papéis fotográficos: Súmula 657-STF - A imunidade regule exclusivamente as matérias acima enumeradas ou o cor-
prevista no art. 150, VI, “d”, da Constituição Federal abrange os respondente tributo ou contribuição, sem prejuízo do disposto no
filmes e papeis fotográficos necessários à publicação de jornais art. 155, § 2.º, XII, g.
e periódicos. § 7º A lei poderá atribuir a sujeito passivo de obrigação tribu-
Listas telefônicas: SÃO imunes. tária a condição de responsável pelo pagamento de imposto
Papel para propaganda: NÃO é imune. ou contribuição, cujo fato gerador deva ocorrer posteriormente,
Chapas de impressão: NÃO são imunes. assegurada a imediata e preferencial restituição da quantia paga,
Serviços de distribuição de livros, jornais e periódicos: NÃO caso não se realize o fato gerador presumido.
são imunes
Serviços de composição gráfica: NÃO são imunes.
São aquelas que existiriam ainda que a CF/
e) fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no 88 não as previsse em seu texto, uma vez
Brasil contendo obras musicais ou literomusicais de autores bra- que são fundamentais para a observância
sileiros e/ou obras em geral interpretadas por artistas brasileiros IMUNIDADES dos princípios contidos na nossa Carta Mag-
bem como os suportes materiais ou arquivos digitais que os con - ONTOLÓGICAS na de 1988, quais sejam, da isonomia e do
tenham, salvo na etapa de replicação industrial de mídias ópticas pacto federativo. Estão, sobremaneira, relacio-
de leitura a laser. nadas às cláusulas pétreas da nossa CF/88, afir-
§ 1º A vedação do inciso III, b, não se aplica aos tributos previstos mando-as ainda mais.
nos arts. 148, I, 153, I, II, IV e V; e 154, II; e a vedação do inciso III,
c, não se aplica aos tributos previstos nos arts. 148, I, 153, I, II, III e São aquelas que se destinam a proteger
V; e 154, II, nem à fixação da base de cálculo dos impostos previs- princípios presentes expressamente na CF/
tos nos arts. 155, III, e 156, I. 88, mas são decorrentes da vontade política
do legislador constitucional, e não em virtu-
IMUNIDADES de da falta de capacidade contributiva dos be-
NÃO SE APLICA O PRINCÍPIO NÃO SE APLICA O PRINCÍPIO
POLÍTICAS neficiários. Como exemplo, temos a imunidade
DA ANTERIORIDADE DA NOVENTENA
conferida aos templos de qualquer culto (imu-
EC para atender despesas ex- EC para atender despesas extra- nidade religiosa), conferida em razão de uma
traordinárias ordinárias vontade política do legislador frente aos inte-
II II
73

resses religiosos que vigoram no nosso país e Seção III


na nossa sociedade, expressamente cristã. DOS IMPOSTOS DA UNIÃO
Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre:
I - (II) importação de produtos estrangeiros;
SÚMULAS SOBRE IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS II – (IE) exportação, para o exterior, de produtos nacionais ou na-
STF cionalizados;
III - (IR) renda e proventos de qualquer natureza;
Súmula vinculante 52-STF: Ainda quando alugado a tercei- IV - (IPI) produtos industrializados;
ros, permanece imune ao IPTU o imóvel pertencente a qual- V – (IOF) operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a tí-
quer das entidades referidas pelo art. 150, VI, c, da CF, desde tulos ou valores mobiliários;
que o valor dos aluguéis seja aplicado nas atividades para as VI - (ITR) propriedade territorial rural;
quais tais entidades foram constituídas VII - (IGF) grandes fortunas, nos termos de lei complementar.
Súmula 75-STF: Sendo vendedora uma autarquia, a sua imuni- § 1º É facultado ao Poder Executivo (por meio de decreto),
dade fiscal não compreende o imposto de transmissão "inter atendidas as condições e os limites estabelecidos em lei, ALTE-
vivos", que é encargo do comprador. RAR AS ALÍQUOTAS dos impostos enumerados nos incisos I (II),
Súmula 336-STF: A imunidade da autarquia financiadora, quan- II (IE), IV (IPI) e V (IOF).
to ao contrato de financiamento, não se estende a compra e § 2º O imposto de renda (IR):
venda entre particulares, embora constantes os dois atos de I - será informado pelos critérios da generalidade, da universali-
um só instrumento. dade e da progressividade, na forma da lei;
Súmula 591-STF: A imunidade ou a isenção tributária do com-
prador não se estende ao produtor, contribuinte do imposto
SÚMULAS SOBRE IR
sobre produtos industrializados.
Súmula 657-STF: A imunidade prevista no art. 150, VI, d, da CF STF
abrange os filmes e papéis fotográficos necessários à publica-
Súmula 93-STF: Não está isenta do imposto de renda a ativi-
ção de jornais e periódicos.
dade profissional do arquiteto.
Súmula 730-STF: A imunidade tributária conferida a instituições
Súmula 584-STF: Ao imposto de renda calculado sobre os ren-
de assistência social sem fins lucrativos pelo art. 150, VI, c, da
dimentos do ano-base, aplica-se a lei vigente no exercício fi-
Constituição, somente alcança as entidades fechadas de previ-
nanceiro em que deve ser apresentada a declaração.
dência social privada se não houver contribuição dos benefi-
OBS: A doutrina critica esse enunciado. Isso porque o IR está su-
ciários.
jeito ao princípio da anterioridade anual. Logo, se uma lei majo-
STJ ra o IR, ela somente poderia ser exigida no exercício financeiro
seguinte ao da sua publicação. O STJ também possui preceden-
Súmula 352-STJ: A obtenção ou a renovação do Certificado de
tes afastando a Súmula 584 (ex: STJ. 2ª Turma. AgRg no Ag
Entidade Beneficente de Assistência Social (Cebas) não exime a
1363478/MS, Rel. Min. Castro Meira, julgado em 15/03/2011).
entidade do cumprimento dos requisitos legais supervenien-
Apesar das críticas da doutrina, o STF afirma que a Súmula 584
tes.
continua válida. O fato gerador do imposto de renda, na visão
Súmula 612-STJ: O certificado de entidade beneficente de as-
do STF, somente ocorre em 31 de dezembro do ano. Por isso,
sistência social (CEBAS), no prazo de sua validade, possui na-
em regra, não viola o princípio da irretroatividade a edição de lei
tureza declaratória para fins tributários, retroagindo seus
editada nos últimos dias mesmo que se aplique ao seu ano de
efeitos à data em que demonstrado o cumprimento dos requisi-
edição. No entanto, esse entendimento do STF, cristalizado na
tos estabelecidos por lei complementar para a fruição da imuni-
Súmula 584, foi construído e vale para as hipóteses em que o
dade.
imposto de renda tenha função meramente fiscal
(arrecadatória), o que é a regra geral. Esse enunciado, contudo,
Art. 151. É VEDADO à União: não se aplica ao caso do art. 1º, I, da Lei nº 7.988/89 porque
I - instituir tributo que não seja uniforme em todo o território nesta hipótese o imposto de renda incidia sobre exportações
nacional ou que implique distinção ou preferência em relação incentivadas pelo Governo, ou seja, o tributo aí tinha função
a Estado, ao Distrito Federal ou a Município, em detrimento de extrafiscal. Nesse sentido: STF. RE 183130, Rel. p/ Acórdão Min.
outro, admitida a concessão de incentivos fiscais destinados a Teori Zavascki, julgado em 25/09/2014.
promover o equilíbrio do desenvolvimento socioeconômico entre Súmula 586-STF: Incide imposto de renda sobre os juros reme-
as diferentes regiões do País; tidos para o exterior, com base em contrato de mútuo.
II - tributar a renda das obrigações da dívida pública dos Esta- Súmula 587-STF: Incide imposto de renda sobre o pagamento
dos, do Distrito Federal e dos Municípios, bem como a remune- de serviços técnicos contratados no exterior e prestados no Bra-
ração e os proventos dos respectivos agentes públicos, em ní- sil.
veis superiores aos que fixar para suas obrigações e para seus
agentes; STJ
III - instituir isenções de tributos da competência dos Estados, Súmula 125-STJ: O pagamento de férias não gozadas por ne-
do Distrito Federal ou dos Municípios [VEDAÇÃO ÀS ISEN- cessidade do serviço não está sujeito à incidência do Imposto
ÇÕES HETERÔNOMAS] de Renda.
Súmula 136-STJ: O pagamento de licença-prêmio não gozada
Art. 152. É VEDADO aos Estados, ao Distrito Federal e aos Mu- por necessidade do serviço não está sujeito ao Imposto de
nicípios estabelecer diferença tributária entre bens e serviços, Renda.
de qualquer natureza, em razão de sua procedência ou desti- Súmula 215-STJ: A indenização recebida pela adesão a progra-
no (não se aplica à União) ma de incentivo à demissão voluntária não está sujeita à inci-
74

dência do Imposto de Renda.


Súmula 262-STJ: Incide o Imposto de Renda sobre o resultado JURISPRUDÊNCIA EM TESES DO STJ
das aplicações financeiras realizadas pelas cooperativas.
EDIÇÃO N. 118: IPI - I
Súmula 386-STJ: São isentas de Imposto de Renda as indeniza-
1) O fato gerador do Imposto sobre Produtos Industrializados -
ções de férias proporcionais e o respectivo adicional.
IPI, incidente sobre mercadoria importada, é o desembaraço
Súmula 447-STJ: Os Estados e o Distrito Federal são partes le-
aduaneiro (art. 46, I, do Código Tributário Nacional - CTN),
gítimas na ação de restituição de imposto retido na fonte pro-
sendo irrelevante se o bem é adquirido a título de compra e
posta por seus servidores.
venda ou de arrendamento, incidindo o tributo sobre a base
Súmula 463-STJ: Incide Imposto de Renda sobre os valores
de cálculo proporcional nos casos de ingresso do bem em
percebidos a título de indenização por horas extraordinárias tra-
caráter temporário no território nacional, nos termos do art. 79
balhadas, ainda que decorrentes de acordo coletivo.
da Lei n. 9.430/1996.
Súmula 498-STJ: Não incide imposto de renda sobre a indeni-
2) Os produtos importados estão sujeitos a uma nova
zação por danos morais. STJ: verbas recebidas a título de indeni-
incidência do IPI quando de sua saída do estabelecimento
zação por danos morais não representam acréscimo patrimonial.
importador na operação de revenda, mesmo que não
Súmula 556-STJ: É indevida a incidência de imposto de renda
tenham sofrido industrialização no Brasil.
sobre o valor da complementação de aposentadoria pago por
3) Não incide o IPI sobre alimentos e outras preparações
entidade de previdência privada e em relação ao resgate de
utilizadas na alimentação de cães e gatos quando
contribuições recolhidas para referidas entidades patrocinadoras
acondicionados e comercializados em embalagens com peso
no período de 1º/1/1989 a 31/12/1995, em razão da isenção
superior a 10 kg (dez quilos).
concedida pelo art. 6º, VII, b, da Lei n. 7.713/1988, na redação
4) Não incide Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI nos
anterior à que lhe foi dada pela Lei n. 9.250/1995.
serviços de composição e de impressão gráfica.
Súmula 590-STJ: Constitui acréscimo patrimonial a atrair a in-
5) Combustíveis, lubrificantes e energia elétrica, embora
cidência do Imposto de Renda, em caso de liquidação de entida-
consumidos durante o processo de industrialização, não podem
de de previdência privada, a quantia que couber a cada parti-
ser considerados como matéria-prima, insumos ou produtos
cipante, por rateio do patrimônio, superior ao valor das res-
intermediários, para o fim de inclusão no cálculo do crédito
pectivas contribuições à entidade em liquidação, devidamente
presumido de IPI.
atualizadas e corrigidas.
6) Não incide Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Súmula 598-STJ: É desnecessária a apresentação de laudo
sobre a venda de produtos, na hipótese em que ocorre
médico oficial para o reconhecimento judicial da isenção do Im-
roubo ou furto de mercadoria, antes da entrega ao
posto de Renda, desde que o magistrado entenda suficiente-
comprador, porquanto não configurado o fator gerador,
mente demonstrada a doença grave por outros meios de
com a efetivação da operação mercantil.
prova.
7) A ficção jurídica prevista no art. 11 da Lei n. 9.779/1999 não
Súmula 627-STJ: O contribuinte faz jus à concessão ou à
alcança situação reveladora de isenção do Imposto sobre
manutenção da isenção do imposto de renda, não se lhe
Produtos Industrializados - IPI que a antecedeu.
exigindo a demonstração da contemporaneidade dos
8) Não se admite interpretação extensiva do art. 11 da Lei n.
sintomas da doença nem da recidiva da enfermidade.
9.779/1999 para permitir o creditamento, após a sua vigência,
dos produtos finais não tributados, pois o benefício somente foi
§ 3º O imposto sobre produtos industrializados (IPI): reconhecido pela lei para os produtos finais isentos ou sujeitos
I - será SELETIVO, em função da essencialidade do produto; ao regime de alíquota zero.
II - será NÃO-CUMULATIVO, compensando-se o que for devido 9) É legítima a aplicação das alíquotas previstas na Resolução da
em cada operação com o montante cobrado nas anteriores; Comissão de Incentivo à Exportação - CIEX 02/1979, para fins de
III - não incidirá sobre produtos industrializados destinados ao cálculo do crédito-prêmio do IPI.
exterior. 10) Em se tratando de ressarcimento de crédito-prêmio de IPI, a
IV - terá reduzido seu impacto sobre a aquisição de bens de liquidação da sentença se dará por artigos, oportunidade em
capital pelo contribuinte do imposto, na forma da lei. que a parte deverá apresentar toda a documentação suficiente à
comprovação da efetiva operação de exportação, bem como do
SÚMULAS SOBRE IPI ingresso de divisas no País, sem o que não se habilita à fruição
do benefício, mesmo estando ele reconhecido na sentença.
STF
Súmula 591-STF: A imunidade ou a isenção tributária do com- § 4º O imposto sobre propriedade territorial rural (ITR):
prador não se estende ao produtor, contribuinte do imposto I - SERÁ PROGRESSIVO e terá suas alíquotas fixadas de forma
sobre produtos industrializados. a desestimular a manutenção de propriedades improdutivas;
STJ O ITR é um imposto progressivo: quanto mais alto for o valor do
objeto que recebe o gravame tributário, maior será a alíquota e,
Súmula 411-STJ: É devida a correção monetária ao creditamen-
portanto, o ônus imputado ao contribuinte.
to do IPI quando há oposição ao seu aproveitamento decorrente
de resistência ilegítima do Fisco II - não incidirá sobre pequenas glebas rurais, definidas em lei,
Súmula 494-STJ: O benefício fiscal do ressarcimento do crédito quando as explore o proprietário que não possua outro imóvel;
presumido do IPI relativo às exportações incide mesmo quan- III - será fiscalizado e cobrado pelos Municípios que assim op-
do as matérias-primas ou os insumos sejam adquiridos de tarem, na forma da lei, desde que não implique redução do im-
pessoa física ou jurídica não contribuinte do PIS/PASEP. posto ou qualquer outra forma de renúncia fiscal.
Súmula 495-STJ: A aquisição de bens integrantes do ativo per- STJ: "Não incide IPTU, mas ITR , sobre imóvel localizado na
manente da empresa não gera direito a creditamento de IPI. área urbana do Município, desde que comprovadamente uti-
75

lizado em exploração extrativa, vegetal, agrícola, pecuária II - relativamente a bens móveis, títulos e créditos, compete ao
ou agroindustrial (art. 15 do DL 57 /1966)" Estado onde se processar o inventário ou arrolamento, ou ti-
ver domicílio o doador, ou ao Distrito Federal;
III - terá competência para sua instituição regulada por LC:
SÚMULAS SOBRE ITR a) se o doador tiver domicílio ou residência no exterior;
Súmula 139-STJ: Cabe à Procuradoria da Fazenda Nacional pro- b) se o de cujus possuía bens, era residente ou domiciliado ou
por execução fiscal para cobrança de crédito relativo ao ITR. teve o seu inventário processado no exterior;
IV - terá suas alíquotas máximas fixadas pelo Senado Federal;
§ 5º O ouro, quando definido em lei como ativo financeiro ou
instrumento cambial, sujeita-se exclusivamente à incidência do ITCMD
IOF, devido na operação de origem; a alíquota mínima será de BEM IMÓVEL BEM MÓVEL
1%, assegurada a transferência do montante da arrecadação nos
seguintes termos: Estado da situação do bem Estado onde se processa o
I – 30% para o Estado, o Distrito Federal ou o Território, conforme inventário ou do domicílio do
a origem; doador
II – 70% para o Município de origem.
SÚMULAS SOBRE ITCMD
Súmula 112-STF: O imposto de transmissão "causa mortis" é
devido pela alíquota vigente ao tempo da abertura da
sucessão.
OURO
Súmula 113-STF: O imposto de transmissão "causa mortis" é
ATIVO FINANCEIRO NÃO ATIVO FINANCEIRO calculado sobre o valor dos bens na data da avaliação.
Súmula 114-STF: O imposto de transmissão "causa mortis" não
Incide apenas IOF Incide ICMS
é exigível antes da homologação do cálculo.
Súmula 115-STF: Sobre os honorários do advogado contratado
SÚMULAS SOBRE IOF pelo inventariante, com a homologação do juiz, não incide o
imposto de transmissão "causa mortis".
STF
Súmula 331-STF: É legítima a incidência do imposto de
Súmula 664-STF: É inconstitucional o inciso V do art. 1º da Lei transmissão "causa mortis" no inventário por morte
8.033/90, que instituiu a incidência do imposto nas operações presumida
de crédito, câmbio e seguros – IOF sobre saques efetuados em Súmula 590-STF: Calcula-se o imposto de transmissão "causa
caderneta de poupança. mortis" sobre o saldo credor da promessa de compra e venda
de imóvel, no momento da abertura da sucessão do promitente
STJ
vendedor.
Súmula 185-STJ: Nos depósitos judiciais, não incide o imposto
sobre operações financeiras. § 2º O ICMS atenderá ao seguinte:
I - SERÁ NÃO-CUMULATIVO, compensando-se o que for devi-
Art. 154. A União poderá instituir: do em cada operação relativa à circulação de mercadorias ou
I - mediante LC, impostos não previstos no artigo anterior, prestação de serviços com o montante cobrado nas anteriores
desde que sejam NÃO-CUMULATIVOS e não tenham fato ge- pelo mesmo ou outro Estado ou pelo Distrito Federal;
rador ou base de cálculo próprios dos discriminados nesta II - a isenção ou não-incidência, salvo determinação em contrá-
Constituição; rio da legislação:
II - (IEG) na iminência ou no caso de guerra externa, impostos a) NÃO IMPLICARÁ CRÉDITO para compensação com o mon-
extraordinários, COMPREENDIDOS OU NÃO EM SUA COMPE- tante devido nas operações ou prestações seguintes;
TÊNCIA TRIBUTÁRIA, os quais serão suprimidos, gradativa- b) acarretará a anulação do crédito relativo às operações an-
mente, cessadas as causas de sua criação. teriores;
III - poderá ser seletivo, em função da essencialidade das merca-
Seção IV dorias e dos serviços;
DOS IMPOSTOS DOS ESTADOS E DO DISTRITO FEDERAL
Art. 155. Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir IPI ICMS
impostos sobre:
I - (ITCMD) transmissão causa mortis e doação, de quaisquer  SERÁ seletivo  PODERÁ SER seletivo
bens ou direitos;  Será não-cumulativo  Será não-cumulativo
II - (ICMS) operações relativas à circulação de mercadorias e so-
bre prestações de serviços de transporte interestadual e inter - IV - resolução do Senado Federal, de iniciativa do Presidente da
municipal e de comunicação, ainda que as operações e as pres- República ou de 1/3 dos Senadores, aprovada pela maioria abso-
tações se iniciem no exterior; luta de seus membros, estabelecerá as alíquotas aplicáveis às
III - (IPVA) propriedade de veículos automotores. operações e prestações, interestaduais e de exportação;
§ 1º O ITCMD: V - é facultado ao Senado Federal:
I - relativamente a bens imóveis e respectivos direitos, compete a) estabelecer alíquotas mínimas nas operações internas, medi-
ao Estado da situação do bem, ou ao Distrito Federal ante resolução de iniciativa de 1/3 e aprovada pela maioria
absoluta de seus membros;
76

b) fixar alíquotas máximas nas mesmas operações para resolver d) fixar, para efeito de sua cobrança e definição do estabeleci-
conflito específico que envolva interesse de Estados, mediante mento responsável, o local das operações relativas à circulação
resolução de iniciativa da maioria absoluta e aprovada por de mercadorias e das prestações de serviços;
2/3 de seus membros; e) excluir da incidência do imposto, nas exportações para o
exterior, serviços e outros produtos além dos mencionados no
ALÍQUOTA MÍNIMA ALÍQUOTA MÁXIMA inciso X, "a";
f) prever casos de manutenção de crédito, relativamente à re-
Iniciativa: 1/3 Iniciativa: Maioria Absoluta messa para outro Estado e exportação para o exterior, de ser-
viços e de mercadorias;
Aprovação: Maioria Absoluta Aprovação: 2/3
g) regular a forma como, mediante deliberação dos Estados e
do Distrito Federal, isenções, incentivos e benefícios fiscais
VI - salvo deliberação em contrário dos Estados e do Distrito Fe- serão concedidos e revogados.
deral, nos termos do disposto no inciso XII, "g", as alíquotas in- h) definir os combustíveis e lubrificantes sobre os quais o im-
ternas, nas operações relativas à circulação de mercadorias e posto incidirá uma única vez, qualquer que seja a sua finalida-
nas prestações de serviços, não poderão ser inferiores às pre- de, hipótese em que não se aplicará o disposto no inciso X, b;
vistas para as operações interestaduais; i) fixar a base de cálculo, de modo que o montante do impos-
VII - nas operações e prestações que destinem bens e serviços to a integre, também na importação do exterior de bem, mer-
a consumidor final, CONTRIBUINTE OU NÃO do imposto, lo- cadoria ou serviço.
calizado em outro Estado, ADOTAR-SE-Á A ALÍQUOTA INTE- § 3º À exceção do ICMS e o II e IE, nenhum outro imposto po-
RESTADUAL e caberá ao Estado de localização do destinatário derá incidir sobre operações relativas a energia elétrica, servi-
o imposto correspondente à diferença entre a alíquota inter- ços de telecomunicações, derivados de petróleo, combustíveis
na do Estado destinatário e a alíquota interestadual; e minerais do País.
VIII - a responsabilidade pelo recolhimento do imposto cor- § 4º Na hipótese do inciso XII, h (combustíveis e lubrificantes), ob-
respondente à diferença entre a alíquota interna e a interesta- servar-se-á o seguinte:
dual será atribuída: I - nas operações com os lubrificantes e combustíveis deriva-
a) ao destinatário, quando este for contribuinte do imposto; dos de petróleo, o imposto caberá ao ESTADO ONDE OCOR-
b) ao remetente, quando o destinatário não for contribuinte RER O CONSUMO;
do imposto; II - nas operações interestaduais, entre contribuintes, com gás
IX - INCIDIRÁ também: natural e seus derivados, e lubrificantes e combustíveis não
a) sobre a entrada de bem ou mercadoria importados do ex- incluídos no inciso I deste parágrafo, o imposto será repartido
terior por pessoa física ou jurídica, ainda que não seja contri- entre os Estados de origem e de destino, mantendo-se a mes-
buinte habitual do imposto, qualquer que seja a sua finalidade, ma proporcionalidade que ocorre nas operações com as de-
assim como sobre o serviço prestado no exterior, cabendo o mais mercadorias;
imposto ao Estado onde estiver situado o domicílio ou o esta- III - nas operações interestaduais com gás natural e seus deri-
belecimento do destinatário da mercadoria, bem ou serviço; vados, e lubrificantes e combustíveis não incluídos no inciso I
b) sobre o valor total da operação, quando mercadorias forem deste parágrafo, destinadas a não contribuinte, o imposto ca-
fornecidas com serviços não compreendidos na competência berá ao Estado de origem;
tributária dos Municípios; IV - as alíquotas do imposto serão definidas mediante delibera-
X - NÃO INCIDIRÁ: ção dos Estados e Distrito Federal, nos termos do § 2º, XII, g,
a) sobre operações que destinem mercadorias para o exterior, observando-se o seguinte:
nem sobre serviços prestados a destinatários no exterior, as- a) serão uniformes em todo o território nacional, podendo ser
segurada a manutenção e o aproveitamento do montante do im- diferenciadas por produto;
posto cobrado nas operações e prestações anteriores; b) poderão ser específicas, por unidade de medida adotada,
As operações que destinem mercadorias para o exterior não são ou ad valorem, incidindo sobre o valor da operação ou sobre o
isentas de ICMS e sim IMUNES. preço que o produto ou seu similar alcançaria em uma venda em
b) sobre operações que destinem a outros Estados petróleo, condições de livre concorrência;
inclusive lubrificantes, combustíveis líquidos e gasosos dele c) poderão ser reduzidas e restabelecidas, não se lhes aplican-
derivados, e energia elétrica; do o disposto no art. 150, III, b (princípio da anterioridade).
c) sobre o ouro, nas hipóteses definidas no art. 153, § 5º (quando ICMS-COMBUSTÍVEIS: incide a anterioridade especial (nona-
for ativo financeiro – só incide IOF); gesimal) no que se refere à diminuição e restabelecimento
d) nas prestações de serviço de comunicação nas modalidades de alíquotas
de radiodifusão sonora e de sons e imagens de recepção livre § 5º As regras necessárias à aplicação do disposto no § 4º, inclusi-
e gratuita; ve as relativas à apuração e à destinação do imposto, serão esta-
XI - não compreenderá, em sua base de cálculo, o montante belecidas mediante deliberação dos Estados e do Distrito Federal,
do IPI, quando a operação, realizada entre contribuintes e re- nos termos do § 2º, XII, g.
lativa a produto destinado à industrialização ou à comerciali-
zação, configure fato gerador dos dois impostos;
SÚMULAS SOBRE ICMS
XII - CABE À LC:
a) definir seus contribuintes; STF
b) dispor sobre substituição tributária;
Súmula vinculante 32-STF: O ICMS não incide sobre alienação
c) disciplinar o regime de compensação do imposto;
de salvados de sinistro pelas seguradoras.
Súmula vinculante 48-STF: Na entrada de mercadoria importa-
da do exterior, é legítima a cobrança do ICMS por ocasião do
77

desembaraço aduaneiro. na base de cálculo do imposto de renda da pessoa jurídica -


Súmula 573-STF: Não constitui fato gerador do ICMS a saída IRPJ e da contribuição social sobre o lucro líquido - CSLL.
física de máquinas, utensílios e implementos a título de como- 2) O crédito presumido de ICMS não integra a base de cálculo
dato. da contribuição para o programa de integração social - PIS e da
Súmula 574-STF: Sem lei estadual que a estabeleça, é ilegítima contribuição para o financiamento da seguridade social - CO-
a cobrança do imposto de circulação de mercadorias sobre o FINS.
fornecimento de alimentação e bebidas em restaurante ou esta- 3) O ICMS não compõe a base de cálculo para a incidência do
belecimento similar. PIS e da COFINS.
Súmula 662-STF: É legítima a incidência do ICMS na comerci- 4) É legítima a inclusão da subvenção econômica instituída pela
alização de exemplares de obras cinematográficas, gravados em Lei n. 10.604/2002 na base de cálculo do ICMS sobre a energia
fitas de videocassete. elétrica, uma vez que se enquadra no conceito do termo "valor
da operação", à luz do disposto nos arts. 12, XII, e 13, VII e § 1°,
STJ
da Lei Complementar n. 87/1996.
Súmula 95-STJ: A redução da alíquota do imposto sobre produ- 6) Diante do que dispõe a legislação que disciplina as conces-
tos industrializados ou do imposto de importação não implica sões de serviço público e da peculiar relação envolvendo o Es-
redução do ICMS. tado-concedente, a concessionária e o consumidor, esse último
Súmula 129-STJ: O exportador adquire o direito de transferên- tem legitimidade para propor ação declaratória c/c repetição de
cia de crédito do ICMS quando realiza a exportação do produto indébito na qual se busca afastar, no tocante ao fornecimento
e não ao estocar a matéria-prima. de energia elétrica, a incidência do ICMS sobre a demanda con-
Súmula 135-STJ: O ICMS não incide na gravação e distribuição tratada e não utilizada.
de filmes e videoteipes. 7) Nos casos em que a substituta tributária (a montadora/fabri-
Súmula 155-STJ: O ICMS incide na importação de aeronave, cante de veículos) não efetua o transporte nem o engendra por
por pessoa física, para uso próprio. sua conta e ordem, o valor do frete não deve ser incluído na
Súmula 163-STJ: O fornecimento de mercadorias com a simul- base de cálculo do ICMS, ante o disposto no art. 13, § 1º, inciso
tânea prestação de serviços em bares, restaurantes e estabeleci- II, alínea "b", da Lei Complementar n. 87/1996.
mentos similares constitui fato gerador do ICMS a incidir so- 8) Não incide ICMS sobre serviço de transporte interestadual
bre o valor total da operação. de mercadorias destinadas ao exterior.
Súmula 166-STJ: Não constitui fato gerador do ICMS o sim- 9) As operações de importação de bacalhau (peixe seco e salga-
ples deslocamento de mercadoria de um para outro estabeleci- do, espécie do gênero pescado), provenientes de países signatá-
mento do mesmo contribuinte. rios do GATT - General Agreement on Tariffs and Trade, realiza-
Súmula 198-STJ: Na importação de veículo por pessoa física, das até 30 de abril de 1999, são isentas de recolhimento do
destinado a uso próprio, incide o ICMS. ICMS.
Súmula 237-STJ: Nas operações com cartão de crédito, os en- 10) O Estado de Minas Gerais por meio do Decreto n. 27.281, de
cargos relativos ao financiamento não são considerados no cál- 27.08.1987, que ratificou o Convênio n. 29, de 18.08.1987, revo-
culo do ICMS. gou expressamente a isenção do ICMS ao peixe seco e salgado
Súmula 334-STJ: O ICMS não incide no serviço dos provedo- nacional, assim, em consequência, finda a isenção do produto
res de acesso à Internet. nacional, encerra-se, igualmente, no Estado, o benefício conce-
Súmula 350-STJ: O ICMS não incide sobre o serviço de habili- dido ao bacalhau importado de país signatário do GATT, não
tação de telefone celular. sendo aplicável o entendimento firmado pelo REsp 871.760/BA,
Súmula 391-STJ: O ICMS incide sobre o valor da tarifa de ener- julgado sob o regime dos recursos repetitivos.
gia elétrica correspondente à demanda de potência efetivamen- 11) A isenção do ICMS para pescados no âmbito do Estado de
te utilizada. Pernambuco foi extinta em 13.3.1997 pelo Decreto estadual n.
Súmula 395-STJ: O ICMS incide sobre o valor da venda a prazo 19.631, que efetivou a revogação autorizada pelo Convênio
constante da nota fiscal. ICMS 102/1995, de modo que, a partir de então, não há falar em
Súmula 431-STJ: É ilegal a cobrança de ICMS com base no va- benefício fiscal em favor do similar importado de país signatário
lor da mercadoria submetido ao regime de pauta fiscal. do GATT para referida unidade da federação.
Súmula 432-STJ: As empresas de construção civil não estão 13) O valor pago pelo consumidor final a título de seguro de ga-
obrigadas a pagar ICMS sobre mercadorias adquiridas como in- rantia estendida não integra a base de cálculo do ICMS inciden-
sumos em operações interestaduais. te sobre a operação de compra e venda de mercadoria.
Súmula: 433-STJ: O produto semielaborado, para fins de inci-
dência de ICMS, é aquele que preenche cumulativamente os três § 6º O IPVA:
requisitos do art. 1º da Lei Complementar n. 65/1991. I - terá alíquotas mínimas fixadas pelo Senado Federal;
Súmula 457-STJ: Os descontos incondicionais nas operações II - poderá ter alíquotas diferenciadas em função do tipo e
mercantis não se incluem na base de cálculo do ICMS. utilização.
Súmula 509-STJ: É lícito ao comerciante de boa-fé aproveitar
os créditos de ICMS decorrentes de nota fiscal posteriormente
A notificação do contribuinte para o recolhimento do IPVA per-
declarada inidônea, quando demonstrada a veracidade da com-
fectibiliza a constituição definitiva do crédito tributário, inici-
pra e venda.
ando-se o prazo prescricional para a execução fiscal no dia se-
guinte à data estipulada para o vencimento da exação.
JURISPRUDÊNCIA EM TESES DO STJ
EDIÇÃO N. 121: ICMS SÚMULAS SOBRE IPVA
1) Não é possível a inclusão de crédito presumido de ICMS Súmula 585-STJ: A responsabilidade solidária do ex-proprietá-
78

rio, prevista no art. 134 do Código de Trânsito Brasileiro – CTB, gressivas em razão do valor cífica para área incluída no
não abrange o IPVA incidente sobre o veículo automotor, no do imóvel. plano diretor, exigir, nos ter-
que se refere ao período posterior à sua alienação No que concerne à progressivi- mos da lei federal, do proprie-
dade de alíquotas com base no tário do solo urbano não edifi-
Seção V valor do imóvel, devem ser ob- cado, subutilizado ou não utili-
DOS IMPOSTOS DOS MUNICÍPIOS servados os seguintes requisi- zado, que promova seu ade-
Art. 156. Compete aos Municípios instituir impostos sobre: tos e características: quado aproveitamento.
I – (IPTU) propriedade predial e territorial urbana; a) somente é legítima a partir A previsão desse art. 182, § 4º,
II – (ITBI) transmissão "inter vivos", a qualquer título, por ato do advento da EC 29, de 13 já constava do texto originá-
oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física, e de de setembro de 2000 - confor- rio da CF/88 não decorrendo
direitos reais sobre imóveis, EXCETO OS DE GARANTIA, bem me a Súmula 668, STF de emenda.
como cessão de direitos a sua aquisição; b) tem objetivo fiscal, pois, ao No caso de o particular não
III - (ISSQN) serviços de qualquer natureza, não compreendidos aumentar as alíquotas inciden- atender à exigência do Poder
no art. 155, II (ICMS), definidos em lei complementar. tes sobre os imóveis mais vali- Público, o próprio dispositivo
§ 1º Sem prejuízo da progressividade no tempo a que se refe- osos - presumivelmente per- prevê um conjunto de provi-
re o art. 182, § 4º, inciso II, o IPTU poderá: tencentes a pessoas de maior dências sucessivas. A segunda
I – ser PROGRESSIVO em razão do valor do imóvel; e capacidade econômica-, visa a delas, logo após o parcelamen-
II – ter alíquotas diferentes de acordo com a localização e o incrementar a arrecadação, to ou edificação compulsórios,
uso do imóvel. retirando mais de quem mais é a adoção de IPTU progressi-
pode pagar; vo no tempo:
IPTU c) deve-se ater aos limites do a) Tem objetivo extrafiscal,
razoável, sob pena de incidir pois o escopo da regra é esti-
CARACTERÍSTICAS REAL: incide sobre uma coisa (proprieda- em efeito confiscatório, vedado mular o cumprimento da
de imobiliária urbana) pelo art. 150, IV, da CF/1988. função social da propriedade
DIRETO: o próprio contribuinte é quem por meio de um agravamento
suporta o encargo financeiro da tributa- da carga tributária suportada
ção (não há repercussão econômica) pelo proprietário do solo urba-
no que não promove seu ade-
FISCAL: a função precípua deste imposto quado aproveitamento. A arre-
é a arrecadação (imposto fiscal). Vale res- cadação advinda de tal situa-
saltar, no entanto, que, em alguns casos, ção é mero efeito colateral do
ele poderá assumir também um caráter tributo.
extrafiscal (forma de estimular o cumpri- b) O parâmetro para a pro-
mento da função social da propriedade); gressividade não é o valor do
PROGRESSIVO: pode ser progressivo no imóvel, mas, sim, o passar do
tempo caso a propriedade não esteja tempo sem o adequado apro-
cumprindo sua função social (art. 182, § veitamento do solo urbano.
4º), além de poder ser progressivo em ra- Na PROGRESSIVIDADE FIS- Na PROGRESSIVIDADE EX-
zão do valor do imóvel (art. 156, § 1º, I); CAL prevista no art. 156, § 1º, I, TRAFISCAL, prevista no art.
O IPTU incide sobre imóveis urbanos. da CF, quanto mais valioso o 182, § 4º, II, da CF, quanto mais
O ITR recai sobre imóveis rurais. imóvel, maior a alíquota inci- tempo mantida a situação
Assim, em regra, o ITR incide apenas sobre dente. agressiva à finalidade social
imóveis rurais. Se o imóvel for urbano, o im- da propriedade, maior será a
posto devido é o IPTU. alíquota aplicável no lança-
IPTU x ITR Exceção: Segundo o STJ, incide o ITR (e mento do lPTU.
não o IPTU) sobre imóveis comprova- *Informações retiradas do site www.dizerodireito.com.br
damente utilizados para exploração ex-
trativa, vegetal, agrícola, pecuária ou
agroindustrial, ainda que localizados
em áreas consideradas urbanas pela le-
gislação municipal. STJ. 1ª Seção. REsp O IPTU incide sobre:
1112646/SP, Rel. Min. Herman Benjamin,
julgado em 26/08/2009. 1) Imóveis localizados na 2) Imóveis localizados na
zona urbana área urbanizável ou de
expansão urbana
*Informações retiradas do site www.dizerodireito.com.br
Locais onde possuem, no São loteamentos aprovados
PROGRESSIVIDADE FISCAL PROGRESSIVIDADE mínimo, 2 dos melhoramentos pelos órgãos competentes e
EXTRAFISCAL do § 1º do art. 32 do CTN. destinados à habitação, à
indústria ou ao comércio.
A EC 29/2000 autorizou, no art. Segundo o art. 182, § 4º, da CF, Art. 32 (...) Não possuem os 2 dos
156, § 1º, I, da CF/88, que as é facultado ao Poder Público § 1º Para os efeitos deste melhoramentos do § 1º, mas
alíquotas do IPTU sejam pro- municipal, mediante lei espe- imposto, entende-se como mesmo assim irão ser objeto
79

zona urbana a definida em lei de IPTU, desde que previstas são urbana não está condicionada à existência dos melhora-
municipal; observado o na lei municipal. Isso porque mentos elencados no art. 32, § 1º, do CTN.
requisito mínimo da existência são áreas que o CTN autorizou
de melhoramentos indicados que a lei municipal § 2º O ITBI:
em pelo menos 2 (dois) dos considerasse como urbanas, I - não incide sobre a transmissão de bens ou direitos incorpo-
incisos seguintes, construídos apesar de não terem os rados ao patrimônio de pessoa jurídica em realização de capi-
ou mantidos pelo Poder melhoramentos. tal, nem sobre a transmissão de bens ou direitos decorrente
Público: de fusão, incorporação, cisão ou extinção de pessoa jurídica,
I - meio-fio ou calçamento, Art. 32 (...) salvo se, nesses casos, a atividade preponderante do adqui-
com canalização de águas § 2º A lei municipal pode rente for a compra e venda desses bens ou direitos, locação
pluviais; considerar urbanas as áreas de bens imóveis ou arrendamento mercantil;
II - abastecimento de água; urbanizáveis, ou de expansão II - compete ao Município da situação do bem.
III - sistema de esgotos urbana, constantes de
sanitários; loteamentos aprovados pelos
SÚMULAS SOBRE ITBI
IV - rede de iluminação órgãos competentes,
pública, com ou sem destinados à habitação, à Súmula 75-STF: Sendo vendedora uma autarquia, a sua
posteamento para distribuição indústria ou ao comércio, imunidade fiscal não compreende o imposto de transmissão
domiciliar; mesmo que localizados fora "inter vivos", que é encargo do comprador.
V - escola primária ou posto de das zonas definidas nos termos Súmula 110-STF: O imposto de transmissão "inter vivos" não
saúde a uma distância máxima do parágrafo anterior. incide sobre a construção, ou parte dela, realizada pelo
de 3 (três) quilômetros do adquirente, mas sobre o que tiver sido construído ao tempo da
imóvel considerado. alienação do terreno.
Súmula 470-STF: O imposto de transmissão "inter vivos" não
*Tabela retirada do site www.dizerodireito.com.br incide sobre a construção, ou parte dela, realizada,
inequivocamente, pelo promitente comprador, mas sobre o
valor do que tiver sido construído antes da promessa de venda.
SÚMULAS SOBRE IPTU
Súmula 656-STF: É inconstitucional a lei que estabelece
STF alíquotas progressivas para o imposto de transmissão inter
vivos de bens imóveis – ITBI com base no valor venal do
Súmula vinculante 52-STF: Ainda quando alugado a tercei-
imóvel
ros, permanece imune ao IPTU o imóvel pertencente a qual-
quer das entidades referidas pelo art. 150, VI, c, da CF, desde
que o valor dos aluguéis seja aplicado nas atividades para as § 3º Em relação ao ISSQN, cabe à LC:
quais tais entidades foram constituídas. I - fixar as suas alíquotas máximas e mínimas;
Súmula 539-STF: É constitucional a lei do município que reduz II - excluir da sua incidência exportações de serviços para o
o IPTU sobre imóvel ocupado pela residência do proprietário, exterior.
que não possua outro. III – regular a forma e as condições como isenções, incentivos
Súmula 583-STF: Promitente-comprador de imóvel residencial e benefícios fiscais serão concedidos e revogados.
transcrito em nome de autarquia é contribuinte do IPTU. • Váli-
da, mas para isso, o promitente-comprador deverá estar previs- DF pode instituir ISS
to na lei municipal como contribuinte do imposto (Súmula 399-
STJ).
SÚMULAS SOBRE ISS
Súmula 589-STF: É inconstitucional a fixação de adicional
progressivo do IPTU em função do número de imóveis do STF
contribuinte.
Súmula vinculante 31-STF: É inconstitucional a incidência do
Súmula 668-STF: É inconstitucional a lei municipal que tenha
Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza – ISS sobre ope-
estabelecido, antes da Emenda Constitucional 29/2000, alíquo-
rações de locação de bens móveis.
tas progressivas para o IPTU, salvo se destinada a assegurar o
Súmula 588-STF: O ISS não incide sobre os depósitos, as co-
cumprimento da função social da propriedade urbana
missões e taxas de desconto, cobrados pelos estabelecimentos
STJ bancários.
Súmula 663-STF: Os §§ 1º e 3º do art. 9º do DL 406/68 foram
Súmula 160-STJ: É defeso, ao município, atualizar o IPTU, me-
recebidos pela Constituição.
diante decreto, em percentual superior ao índice oficial de cor-
reção monetária. STJ
Súmula 397-STJ: O contribuinte do IPTU é notificado do lan-
Súmula 138-STJ: O ISS incide na operação de arrendamento
çamento pelo envio do carnê ao seu endereço.
mercantil de coisas móveis.
Súmula 399-STJ: Cabe à legislação municipal estabelecer o su-
Há incidência de ISS no caso de leasing?
jeito passivo do IPTU.
No caso de leasing financeiro: SIM (há a prestação de um
Súmula 614-STJ: O locatário não possui legitimidade ativa
serviço de financiamento).
para discutir a relação jurídico-tributária de IPTU e de taxas refe-
No caso de leasing operacional: NÃO (há apenas uma locação).
rentes ao imóvel alugado nem para repetir indébito desses tri-
STF. Plenário. RE 547245, Rel. Min. Eros Grau, julgado em
butos.
02/12/2009.
Súmula 626-STJ: A incidência do IPTU sobre imóvel situado em
Súmula 156-STJ: A prestação de serviço de composição gráfica,
área considerada pela lei local como urbanizável ou de expan-
80

personalizada e sob encomenda, ainda que envolva forneci-


mento de mercadorias, está sujeita, apenas, ao ISS. As participações dos Municípios na arrecadação do ICMS são
Súmula 167-STJ: O fornecimento de concreto, por empreitada, determinadas pelos valores adicionados nas operações rela-
para construção civil, preparado no trajeto até a obra em beto- tivas às prestações de serviços e circulação de mercadorias
neiras acopladas a caminhões, é prestação de serviço, sujei- ocorridas nos territórios municipais e por outros critérios fi-
tando-se apenas à incidência do ISS. xados em lei estadual
Súmula 274-STJ: O ISS incide sobre o valor dos serviços de as- 1º Critério: 3/4 desse valor [18,75% dos 25%] será entregue a
sistência médica, incluindo-se neles as refeições, os medicamen- cada municipal na proporção das operações e prestações de
tos e as diárias hospitalares. serviço feitas em seus respectivos territórios.
Súmula 424-STJ: É legítima a incidência de ISS sobre os servi- 2º Critério: 1/4 desse valor [6,25% dos 25%] o constituinte
ços bancários congêneres da lista anexa ao DL nº 406/1968 e à deixou em aberto o critério, pois deverá ser definido por lei
LC n. 56/1987. estadual ou, no caso de território, lei Federal.
Súmula 524-STJ: No tocante à base de cálculo, o ISSQN incide
apenas sobre a taxa de agenciamento quando o serviço presta- Art. 159. A União entregará:
do por sociedade empresária de trabalho temporário for de in- I - do produto da arrecadação dos impostos sobre renda e pro-
termediação, devendo, entretanto, englobar também os valores ventos de qualquer natureza (IR) e sobre produtos industrializa-
dos salários e encargos sociais dos trabalhadores por ela contra- dos (IPI), 49%, na seguinte forma:
tados nas hipóteses de fornecimento de mão de obra. a) 21,5% ao Fundo de Participação dos Estados e do Distrito
Federal;
Seção VI b) 22,5% ao Fundo de Participação dos Municípios;
DA REPARTIÇÃO DAS RECEITAS TRIBUTÁRIAS c) 3%, para aplicação em programas de financiamento ao setor
Art. 157. Pertencem aos Estados e ao Distrito Federal: produtivo das Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, atra-
I - o produto da arrecadação do imposto da União sobre renda vés de suas instituições financeiras de caráter regional, de acordo
e proventos de qualquer natureza (IR), incidente na fonte, sobre com os planos regionais de desenvolvimento, ficando assegura-
rendimentos pagos, a qualquer título, por eles, suas autarqui- da ao semiárido do Nordeste a metade dos recursos destina-
as e pelas fundações que instituírem e mantiverem; dos à Região, na forma que a lei estabelecer;
II – 20% do produto da arrecadação do imposto que a União d) 1% ao Fundo de Participação dos Municípios, que será en-
instituir no exercício da competência que lhe é atribuída pelo tregue no primeiro decêndio do mês de dezembro de cada
art. 154, I. ano;
e) 1% ao Fundo de Participação dos Municípios, que será en-
Art. 158. Pertencem aos Municípios: tregue no primeiro decêndio do mês de julho de cada ano;
I - o produto da arrecadação do imposto da União sobre renda II - do produto da arrecadação do imposto sobre produtos indus-
e proventos de qualquer natureza (IR), incidente na fonte, sobre trializados (IPI), 10% aos Estados e ao Distrito Federal, propor-
rendimentos pagos, a qualquer título, por eles, suas autarqui- cionalmente ao valor das respectivas exportações de produ-
as e pelas fundações que instituírem e mantiverem; tos industrializados.
II – 50% do produto da arrecadação do imposto da União sobre a III - do produto da arrecadação da contribuição de intervenção no
propriedade territorial rural (ITR), relativamente aos imóveis neles domínio econômico prevista no art. 177, § 4º (CIDE), 29% para os
situados, cabendo a totalidade na hipótese da opção a que se Estados e o Distrito Federal, distribuídos na forma da lei, ob-
refere o art. 153, § 4º, III; servada a destinação a que se refere o inciso II, c, do referido pa-
III - 50% do produto da arrecadação do imposto do Estado sobre rágrafo (financiamento de programas de infraestrutura de trans-
a propriedade de veículos automotores licenciados em seus terri- portes).
tórios (IPVA); § 1º Para efeito de cálculo da entrega a ser efetuada de acordo
IV – 25% do produto da arrecadação do imposto do Estado sobre com o previsto no inciso I, excluir-se-á a parcela da arrecadação
operações relativas à circulação de mercadorias e sobre presta- do imposto de renda e proventos de qualquer natureza per-
ções de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de tencente aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios,
comunicação (ICMS) nos termos do disposto nos arts. 157, I, e 158, I.
§ 2º A nenhuma unidade federada poderá ser destinada par-
PERTENCEM AOS MUNICÍPIOS cela superior a 20% do montante a que se refere o inciso II,
devendo o eventual excedente ser distribuído entre os demais
IR 100% participantes, mantido, em relação a esses, o critério de partilha
ITR 50% ou 100% se ficar responsável por fiscalizar e cobrar nele estabelecido.
§ 3º Os Estados entregarão aos respectivos Municípios 25%
IPVA 50% dos recursos que receberem nos termos do inciso II (10% IPI),
ICMS 25% observados os critérios estabelecidos no art. 158, parágrafo único,
I e II.
§ 4º Do montante de recursos de que trata o inciso III que cabe a
Parágrafo único. As parcelas de receita pertencentes aos Municí-
cada Estado (29% CIDE), 25% serão destinados aos seus Municí-
pios, relativas ao ICMS, serão creditadas conforme os seguintes
pios, na forma da lei a que se refere o mencionado inciso.
critérios:
I – 3/4, no mínimo, na proporção do valor adicionado nas ope-
rações relativas à circulação de mercadorias e nas prestações de REPARTIÇÃO DE RECEITAS
serviços, realizadas em seus territórios; OURO COMO 30% - E/DF/T
II - até 1/4, de acordo com o que dispuser lei estadual ou, no ATIVO 70% - M
caso dos Territórios, lei federal.
81

FINANCEIRO ção, os montantes de cada um dos tributos arrecadados, os recur-


sos recebidos, os valores de origem tributária entregues e a en-
100% - E/DF/M incidente na fonte, sobre ren- tregar e a expressão numérica dos critérios de rateio.
IR dimentos pagos, a qualquer título, por eles, Parágrafo único. Os dados divulgados pela União serão discrimi-
suas autarquias e pelas fundações que institu- nados por Estado e por Município; os dos Estados, por Município.
írem e mantiverem
50% - M CAPÍTULO II
ITR 100% - M (quando o M optar por fiscalizar e DAS FINANÇAS PÚBLICAS
cobrar, desde que não implique redução do Seção I
imposto ou qualquer outra forma de renúncia NORMAS GERAIS
fiscal) Art. 163. LC disporá sobre:
I - finanças públicas;
IPVA 50% - M II - dívida pública externa e interna, incluída a das autarquias,
ICMS 25% - M fundações e demais entidades controladas pelo Poder Público;
III - concessão de garantias pelas entidades públicas;
21,5% - FPE IV - emissão e resgate de títulos da dívida pública;
22,5% - FPM V - fiscalização financeira da administração pública direta e indi-
IR e IPI 3% - aplicação em programas de financia- reta;
mento ao setor produtivo das Regiões Norte, VI - operações de câmbio realizadas por órgãos e entidades da
Nordeste e Centro-Oeste, através de suas ins- União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios;
tituições financeiras de caráter regional, de VII - compatibilização das funções das instituições oficiais de
acordo com os planos regionais de desenvol- crédito da União, resguardadas as características e condições
vimento, ficando assegurada ao semiárido do operacionais plenas das voltadas ao desenvolvimento regional.
Nordeste a metade dos recursos destinados à
Região, na forma que a lei estabelecer Art. 164. A competência da União para emitir moeda será exercida
1% - FPM (entregue no primeiro decêndio do exclusivamente pelo banco central.
mês de dezembro de cada ano) § 1º É vedado ao banco central conceder, direta ou indiretamen-
1% - FPM (entregue no primeiro decêndio do te, empréstimos ao Tesouro Nacional e a qualquer órgão ou enti-
mês de julho de cada ano) dade que não seja instituição financeira.
10% - E/DF § 2º O banco central poderá comprar e vender títulos de emissão
IPI 25% do que o E/DF receber será repassado ao do Tesouro Nacional, com o objetivo de regular a oferta de moe-
M da ou a taxa de juros.
§ 3º As disponibilidades de caixa da União serão depositadas no
29% - E/DF banco central; as dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios
CIDE 25% do que o E/DF receber será repassado ao e dos órgãos ou entidades do Poder Público e das empresas por
M ele controladas, em instituições financeiras oficiais, ressalvados os
casos previstos em lei.
Art. 160. É VEDADA a retenção ou qualquer restrição à entrega
e ao emprego dos recursos atribuídos, nesta seção, aos Esta- Seção II
dos, ao Distrito Federal e aos Municípios, neles compreendi- DOS ORÇAMENTOS
dos adicionais e acréscimos relativos a impostos. Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão:
Parágrafo único. A vedação prevista neste artigo NÃO IMPEDE a I - o plano plurianual (PPA);
União e os Estados de condicionarem a entrega de recursos: II - as diretrizes orçamentárias (LDO);
I – ao pagamento de seus créditos, inclusive de suas autarqui- III - os orçamentos anuais (LOA)
as; § 1º A lei que instituir o plano plurianual (PPA) estabelecerá, de
II – ao cumprimento do disposto no art. 198, § 2º, incisos II e III forma regionalizada, as DIRETRIZES, OBJETIVOS e METAS da
(aplicação em serviço de saúde). administração pública federal para as despesas de capital e ou-
tras delas decorrentes e para as relativas aos programas de
Art. 161. Cabe à LC: duração continuada.
I - definir valor adicionado para fins do disposto no art. 158, pa- § 2º A lei de diretrizes orçamentárias (LDO) compreenderá as ME-
rágrafo único, I; TAS e PRIORIDADES da administração pública federal, incluindo
II - estabelecer normas sobre a entrega dos recursos de que trata as despesas de capital para o exercício financeiro subsequen-
o art. 159, especialmente sobre os critérios de rateio dos fundos te, orientará a elaboração da lei orçamentária anual (LOA),
previstos em seu inciso I, objetivando promover o equilíbrio soci- disporá sobre as alterações na legislação tributária e estabele-
oeconômico entre Estados e entre Municípios; cerá a política de aplicação das agências financeiras oficiais de
III - dispor sobre o acompanhamento, pelos beneficiários, do cál- fomento.
culo das quotas e da liberação das participações previstas nos § 3º O Poder Executivo publicará, até 30 dias após o encerramen-
arts. 157, 158 e 159. to de cada bimestre, relatório resumido da execução orçamentá-
Parágrafo único. O Tribunal de Contas da União efetuará o cálculo ria.
das quotas referentes aos fundos de participação a que alude o § 4º Os planos e programas nacionais, regionais e setoriais previs-
inciso II. tos nesta Constituição serão elaborados em consonância com o
plano plurianual (PPA) e apreciados pelo Congresso Nacional.
Art. 162. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios § 5º A lei orçamentária anual (LOA) compreenderá:
divulgarão, até o último dia do mês subsequente ao da arrecada-
82

I - o orçamento fiscal referente aos Poderes da União, seus fun- Federal, pelo menos, análises de viabilidade, estimativas de custos
dos, órgãos e entidades da administração direta e indireta, inclu- e informações sobre a execução física e financeira (EC 102/2019)
sive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público;
II - o orçamento de investimento das empresas em que a União, Estabelecerá, de forma regionalizada, as DIRETRIZES, OB-
direta ou indiretamente, detenha a maioria do capital social com JETIVOS e METAS da administração pública federal para
direito a voto; PPA as despesas de capital e outras delas decorrentes e
III - o orçamento da seguridade social, abrangendo todas as en- para as relativas aos programas de duração continua-
tidades e órgãos a ela vinculados, da administração direta ou in- da.
direta, bem como os fundos e fundações instituídos e mantidos
pelo Poder Público. Compreenderá as METAS e PRIORIDADES da administra-
§ 6º O projeto de lei orçamentária (LOA) será acompanhado de ção pública federal, incluindo as despesas de capital
demonstrativo regionalizado do efeito, sobre as receitas e LDO para o exercício financeiro subsequente, orientará a
despesas, decorrente de isenções, anistias, remissões, subsí- elaboração da LOA, disporá sobre as alterações na le-
dios e benefícios de natureza financeira, tributária e creditícia. gislação tributária e estabelecerá a política de aplica-
§ 7º Os orçamentos previstos no § 5º, I (orçamento fiscal) e II (or- ção das agências financeiras oficiais de fomento.
çamento de investimento), deste artigo, compatibilizados com o Compreende:
plano plurianual (PPA), terão entre suas FUNÇÕES A DE REDU- LOA I - o orçamento fiscal
ZIR DESIGUALDADES INTER-REGIONAIS, segundo critério po- II - o orçamento de investimento
pulacional. III - o orçamento da seguridade social
§ 8º A lei orçamentária anual (LOA) não conterá dispositivo es-
tranho à previsão da receita e à fixação da despesa, não se in-
Art. 166. Os projetos de lei relativos ao plano plurianual, às dire-
cluindo na proibição a autorização para abertura de créditos
trizes orçamentárias, ao orçamento anual e aos créditos adicionais
suplementares e contratação de operações de crédito, ainda
serão apreciados pelas duas Casas do Congresso Nacional, na
que por antecipação de receita, nos termos da lei.
forma do regimento comum.
§ 9º Cabe à LC:
§ 1º Caberá a uma Comissão mista permanente de Senadores e
I - dispor sobre o exercício financeiro, a vigência, os prazos, a ela -
Deputados:
boração e a organização do plano plurianual (PPA), da lei de dire-
I - examinar e emitir parecer sobre os projetos referidos neste ar-
trizes orçamentárias (LDO) e da lei orçamentária anual (LOA);
tigo e sobre as contas apresentadas anualmente pelo Presidente
II - estabelecer normas de gestão financeira e patrimonial da ad-
da República;
ministração direta e indireta bem como condições para a institui-
II - examinar e emitir parecer sobre os planos e programas nacio-
ção e funcionamento de fundos.
nais, regionais e setoriais previstos nesta Constituição e exercer o
III - dispor sobre critérios para a execução equitativa, além de
acompanhamento e a fiscalização orçamentária, sem prejuízo da
procedimentos que serão adotados quando houver impedimen-
atuação das demais comissões do Congresso Nacional e de suas
tos legais e técnicos, cumprimento de restos a pagar e limitação
Casas, criadas de acordo com o art. 58.
das programações de caráter obrigatório, para a realização do
§ 2º As emendas serão apresentadas na Comissão mista, que so-
disposto nos §§ 11 e 12 do art. 166. (EC 100/2019)
bre elas emitirá parecer, e apreciadas, na forma regimental, pelo
§ 10 A administração tem o dever de executar as programações
Plenário das duas Casas do Congresso Nacional.
orçamentárias, adotando os meios e as medidas necessários, com
§ 3º As emendas ao projeto de lei do orçamento anual (LOA)
o propósito de garantir a efetiva entrega de bens e serviços à
ou aos projetos que o modifiquem somente podem ser apro-
sociedade (EC 100/2019)
vadas caso:
§ 11. O disposto no § 10 deste artigo, nos termos da lei de diretri-
I - sejam compatíveis com o plano plurianual (PPA) e com a lei
zes orçamentárias: (EC 102/2019)
de diretrizes orçamentárias (LDO);
I - subordina-se ao cumprimento de dispositivos constitucionais e
II - indiquem os recursos necessários, admitidos apenas os
legais que estabeleçam metas fiscais ou limites de despesas e não
provenientes de anulação de despesa, excluídas as que incidam
impede o cancelamento necessário à abertura de créditos
sobre:
adicionais; (EC 102/2019)
a) dotações para pessoal e seus encargos;
II - não se aplica nos casos de impedimentos de ordem técnica
b) serviço da dívida;
devidamente justificados; (EC 102/2019)
c) transferências tributárias constitucionais para Estados, Municí-
III - aplica-se exclusivamente às despesas primárias discricionárias.
pios e Distrito Federal; ou
§ 12. Integrará a lei de diretrizes orçamentárias, para o exercício a
III - sejam relacionadas:
que se refere e, pelo menos, para os 2 exercícios subsequentes,
a) com a correção de erros ou omissões; ou
anexo com previsão de agregados fiscais e a proporção dos
b) com os dispositivos do texto do projeto de lei.
recursos para investimentos que serão alocados na lei
§ 4º As emendas ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias
orçamentária anual para a continuidade daqueles em andamento.
(LDO) não poderão ser aprovadas quando incompatíveis com
(EC 102/2019)
o plano plurianual (PPA).
§ 13. O disposto no inciso III do § 9º e nos §§ 10, 11 e 12 deste
§ 5º O Presidente da República poderá enviar mensagem ao
artigo aplica-se exclusivamente aos orçamentos fiscal e da
Congresso Nacional para propor modificação nos projetos a
seguridade social da União. (EC 102/2019)
que se refere este artigo enquanto não iniciada a votação, na
§ 14. A lei orçamentária anual poderá conter previsões de
Comissão mista, da parte cuja alteração é proposta.
despesas para exercícios seguintes, com a especificação dos
§ 6º Os projetos de lei do plano plurianual, das diretrizes orça-
investimentos plurianuais e daqueles em andamento. (EC
mentárias e do orçamento anual serão enviados pelo Presidente
102/2019)
da República ao Congresso Nacional, nos termos da lei comple-
§ 15. A União organizará e manterá registro centralizado de
mentar a que se refere o art. 165, § 9º.
projetos de investimento contendo, por Estado ou Distrito
83

§ 7º Aplicam-se aos projetos mencionados neste artigo, no que mais de 1 exercício financeiro ou cuja execução já tenha sido
não contrariar o disposto nesta seção, as demais normas relativas iniciada, deverão ser objeto de emenda pela mesma bancada
ao processo legislativo. estadual, a cada exercício, até a conclusão da obra ou do
§ 8º Os recursos que, em decorrência de veto, emenda ou rejeição empreendimento(EC 100/2019)
do projeto de lei orçamentária anual (LOA), ficarem sem despesas
correspondentes poderão ser utilizados, conforme o caso, medi- Art. 167. São vedados:
ante créditos especiais ou suplementares, com prévia e espe- I - o início de programas ou projetos não incluídos na lei orça-
cífica autorização legislativa. mentária anual (LOA);
§ 9º As emendas individuais ao projeto de lei orçamentária serão II - a realização de despesas ou a assunção de obrigações dire-
aprovadas no limite de 1,2% da receita corrente líquida prevista tas que excedam os créditos orçamentários ou adicionais;
no projeto encaminhado pelo Poder Executivo, sendo que a me- III - a realização de operações de créditos que excedam o
tade deste percentual será destinada a ações e serviços públi- montante das despesas de capital, ressalvadas as autorizadas
cos de saúde. mediante créditos suplementares ou especiais com finalidade
§ 10. A execução do montante destinado a ações e serviços públi- precisa, aprovados pelo Poder Legislativo por maioria absoluta;
cos de saúde previsto no § 9º, inclusive custeio, será computada IV - a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou
para fins do cumprimento do inciso I do § 2º do art. 198, vedada despesa, ressalvadas a repartição do produto da arrecadação
a destinação para pagamento de pessoal ou encargos sociais. dos impostos a que se referem os arts. 158 e 159, a destinação
§ 11. É obrigatória a execução orçamentária e financeira das pro- de recursos para as ações e serviços públicos de saúde, para
gramações a que se refere o § 9º deste artigo, em montante cor- manutenção e desenvolvimento do ensino e para realização de
respondente a 1,2% da receita corrente líquida realizada no exer- atividades da administração tributária, como determinado, res-
cício anterior, conforme os critérios para a execução equitativa da pectivamente, pelos arts. 198, § 2º, 212 e 37, XXII, e a prestação
programação definidos na lei complementar prevista no § 9º do de garantias às operações de crédito por antecipação de receita,
art. 165. previstas no art. 165, § 8º, bem como o disposto no § 4º deste ar -
§ 12. A garantia de execução de que trata o § 11 deste artigo tigo;
aplica-se também às programações incluídas por todas as V - a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia
emendas de iniciativa de bancada de parlamentares de Estado autorização legislativa e sem indicação dos recursos corres-
ou do Distrito Federal, no montante de até 1% da receita cor- pondentes;
rente líquida realizada no exercício anterior. (EC 100/2019) VI - a transposição, o remanejamento ou a transferência de
§ 13. As programações orçamentárias previstas nos §§ 11 e 12 recursos de uma categoria de programação para outra ou de
deste artigo não serão de execução obrigatória nos casos dos um órgão para outro, sem prévia autorização legislativa;
impedimentos de ordem técnica.(EC 100/2019) VII - a concessão ou utilização de créditos ilimitados;
§ 14. Para fins de cumprimento do disposto nos §§ 11 e 12 deste VIII - a utilização, sem autorização legislativa específica, de re-
artigo, os órgãos de execução deverão observar, nos termos da lei cursos dos orçamentos fiscal e da seguridade social para su-
de diretrizes orçamentárias, cronograma para análise e verificação prir necessidade ou cobrir déficit de empresas, fundações e
de eventuais impedimentos das programações e demais fundos, inclusive dos mencionados no art. 165, § 5º;
procedimentos necessários à viabilização da execução dos IX - a instituição de fundos de qualquer natureza, sem prévia
respectivos montantes.(EC 100/2019) autorização legislativa.
§ 16. Quando a transferência obrigatória da União para a X - a transferência voluntária de recursos e a concessão de
execução da programação prevista nos §§ 11 e 12 deste artigo for empréstimos, inclusive por antecipação de receita, pelos Go-
destinada a Estados, ao Distrito Federal e a Municípios, vernos Federal e Estaduais e suas instituições financeiras, para pa-
independerá da adimplência do ente federativo destinatário e gamento de despesas com pessoal ativo, inativo e pensionista,
não integrará a base de cálculo da receita corrente líquida dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.
para fins de aplicação dos limites de despesa de pessoal de XI - a utilização dos recursos provenientes das contribuições
que trata o caput do art. 169.(EC 100/2019) sociais de que trata o art. 195, I, a, e II, para a realização de des-
§ 17. Os restos a pagar provenientes das programações pesas distintas do pagamento de benefícios do regime geral
orçamentárias previstas nos §§ 11 e 12 poderão ser considerados de previdência social de que trata o art. 201.
para fins de cumprimento da execução financeira até o limite de XII - na forma estabelecida na lei complementar de que trata o §
0,6% da receita corrente líquida realizada no exercício anterior, 22 do art. 40, a utilização de recursos de regime próprio de
para as programações das emendas individuais, e até o limite de previdência social, incluídos os valores integrantes dos fundos
0,5%, para as programações das emendas de iniciativa de previstos no art. 249, para a realização de despesas distintas do
bancada de parlamentares de Estado ou do Distrito Federal.(EC pagamento dos benefícios previdenciários do respectivo fun-
100/2019) do vinculado àquele regime e das despesas necessárias à sua
§ 18. Se for verificado que a reestimativa da receita e da despesa organização e ao seu funcionamento; (EC 103/19)
poderá resultar no não cumprimento da meta de resultado fiscal XIII - a transferência voluntária de recursos, a concessão de avais,
estabelecida na lei de diretrizes orçamentárias, os montantes as garantias e as subvenções pela União e a concessão de em-
previstos nos §§ 11 e 12 deste artigo poderão ser reduzidos em préstimos e de financiamentos por instituições financeiras fede-
até a mesma proporção da limitação incidente sobre o conjunto rais aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios na hipótese
das demais despesas discricionárias.(EC 100/2019) de descumprimento das regras gerais de organização e de funci-
§ 19. Considera-se equitativa a execução das programações de onamento de regime próprio de previdência social (EC 103/19)
caráter obrigatório que observe critérios objetivos e imparciais § 1º Nenhum investimento cuja execução ultrapasse um exer-
e que atenda de forma igualitária e impessoal às emendas cício financeiro poderá ser iniciado sem prévia inclusão no
apresentadas, independentemente da autoria.(EC 100/2019) plano plurianual (PPA), ou sem lei que autorize a inclusão, sob
§ 20. As programações de que trata o § 12 deste artigo, quando pena de crime de responsabilidade.
versarem sobre o início de investimentos com duração de
84

§ 2º Os créditos especiais e extraordinários terão vigência no nal, o órgão ou unidade administrativa objeto da redução de pes-
exercício financeiro em que forem autorizados, salvo se o ato soal.
de autorização for promulgado nos últimos 4 meses daquele § 5º O servidor que perder o cargo na forma do parágrafo ante-
exercício, caso em que, reabertos nos limites de seus saldos, rior fará jus a indenização correspondente a 1 mês de remune-
serão incorporados ao orçamento do exercício financeiro sub- ração por ano de serviço.
sequente. § 6º O cargo objeto da redução prevista nos parágrafos anterio-
§ 3º A abertura de crédito extraordinário somente será admi- res será considerado extinto, vedada a criação de cargo, em-
tida para atender a despesas imprevisíveis e urgentes, como as prego ou função com atribuições iguais ou assemelhadas pelo
decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública, prazo de 4 anos.
observado o disposto no art. 62. § 7º Lei federal disporá sobre as normas gerais a serem obedeci-
§ 4º É permitida a vinculação de receitas próprias geradas pe- das na efetivação do disposto no § 4º.
los impostos a que se referem os arts. 155 (impostos estaduais) e
156 (impostos municipais), e dos recursos de que tratam os arts. TÍTULO VII
157, 158 e 159, I, a e b, e II, para a prestação de garantia ou con- Da Ordem Econômica e Financeira
tragarantia à União e para pagamento de débitos para com CAPÍTULO I
esta. DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA
§ 5º A transposição, o remanejamento ou a transferência de Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização do traba-
recursos de uma categoria de programação para outra pode- lho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a to-
rão ser admitidos, no âmbito das atividades de ciência, tecnologia dos existência digna, conforme os ditames da justiça social,
e inovação, com o objetivo de viabilizar os resultados de projetos observados os seguintes princípios:
restritos a essas funções, mediante ato do Poder Executivo, sem I - soberania nacional;
necessidade da prévia autorização legislativa prevista no inciso VI II - propriedade privada;
deste artigo. III - função social da propriedade;
IV - livre concorrência;
Art. 168. Os recursos correspondentes às dotações orçamentárias, V - DEFESA DO CONSUMIDOR;
compreendidos os créditos suplementares e especiais, destinados VI - defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento
aos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário, do Ministério Pú- diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e
blico e da Defensoria Pública, ser-lhes-ão entregues até o dia 20 serviços e de seus processos de elaboração e prestação;
de cada mês, em duodécimos, na forma da lei complementar a VII - redução das desigualdades regionais e sociais;
que se refere o art. 165, § 9º. VIII - busca do pleno emprego;
IX - tratamento favorecido para as empresas de pequeno por-
Art. 169. A despesa com pessoal ativo e inativo da União, dos te (EPP) constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sua
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios não poderá exce- sede e administração no País.
der os limites estabelecidos em lei complementar. Parágrafo único. É assegurado a todos o livre exercício de qual-
§ 1º A concessão de qualquer vantagem ou aumento de remu- quer atividade econômica, independentemente de autorização de
neração, a criação de cargos, empregos e funções ou alteração órgãos públicos, salvo nos casos previstos em lei.
de estrutura de carreiras, bem como a admissão ou contratação
de pessoal, a qualquer título, pelos órgãos e entidades da admi- Art. 172. A lei disciplinará, com base no interesse nacional, os in-
nistração direta ou indireta, inclusive fundações instituídas e man- vestimentos de capital estrangeiro, incentivará os reinvestimentos
tidas pelo poder público, só poderão ser feitas: e regulará a remessa de lucros.
I - se houver prévia dotação orçamentária suficiente para aten-
der às projeções de despesa de pessoal e aos acréscimos dela de- Art. 173. Ressalvados os casos previstos nesta Constituição, a ex-
correntes; ploração direta de atividade econômica pelo Estado só será
II - se houver autorização específica na lei de diretrizes orça- permitida quando necessária aos imperativos da segurança
mentárias (LDO), ressalvadas as empresas públicas e as socieda- nacional ou a relevante interesse coletivo, conforme definidos
des de economia mista. em lei.
§ 2º Decorrido o prazo estabelecido na lei complementar referida § 1º A lei estabelecerá o estatuto jurídico da empresa pública, da
neste artigo para a adaptação aos parâmetros ali previstos, serão sociedade de economia mista e de suas subsidiárias que explo-
imediatamente suspensos todos os repasses de verbas federais rem atividade econômica de produção ou comercialização de
ou estaduais aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios bens ou de prestação de serviços, dispondo sobre:
que não observarem os referidos limites. I - sua função social e formas de fiscalização pelo Estado e pela
§ 3º Para o cumprimento dos limites estabelecidos com base sociedade;
neste artigo, durante o prazo fixado na lei complementar referida II - a sujeição ao regime jurídico próprio das empresas priva-
no caput, a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios das, inclusive quanto aos direitos e obrigações civis, comerci-
adotarão as seguintes providências: ais, trabalhistas e tributários;
I - redução em pelo menos 20% das despesas com cargos em III - licitação e contratação de obras, serviços, compras e aliena-
comissão e funções de confiança; ções, observados os princípios da administração pública;
II - exoneração dos servidores não estáveis. IV - a constituição e o funcionamento dos conselhos de adminis-
§ 4º Se as medidas adotadas com base no parágrafo anterior tração e fiscal, com a participação de acionistas minoritários;
não forem suficientes para assegurar o cumprimento da deter- V - os mandatos, a avaliação de desempenho e a responsabilida-
minação da lei complementar referida neste artigo, O SERVIDOR de dos administradores.
ESTÁVEL PODERÁ PERDER O CARGO, desde que ato normativo § 2º As empresas públicas e as sociedades de economia mista
motivado de cada um dos Poderes especifique a atividade funcio- não poderão gozar de privilégios fiscais não extensivos às do
setor privado.
85

§ 3º A lei regulamentará as relações da empresa pública com o Art. 177. Constituem MONOPÓLIO DA UNIÃO:
Estado e a sociedade. I - a pesquisa e a lavra das jazidas de petróleo e gás natural e
§ 4º - lei reprimirá o abuso do poder econômico que vise à outros hidrocarbonetos fluidos;
dominação dos mercados, à eliminação da concorrência e ao II - a refinação do petróleo nacional ou estrangeiro;
aumento arbitrário dos lucros. III - a importação e exportação dos produtos e derivados bási-
§ 5º A lei, sem prejuízo da responsabilidade individual dos diri- cos resultantes das atividades previstas nos incisos anteriores;
gentes da pessoa jurídica, estabelecerá a responsabilidade desta, IV - o transporte marítimo do petróleo bruto de origem naci-
sujeitando-a às punições compatíveis com sua natureza, nos atos onal ou de derivados básicos de petróleo produzidos no País,
praticados contra a ordem econômica e financeira e contra a eco- bem assim o transporte, por meio de conduto, de petróleo bruto,
nomia popular. seus derivados e gás natural de qualquer origem;
V - a pesquisa, a lavra, o enriquecimento, o reprocessamento,
Art. 174. Como agente normativo e regulador da atividade econô- a industrialização e o comércio de minérios e minerais nuclea-
mica, o Estado exercerá, na forma da lei, as funções de fiscaliza- res e seus derivados, com exceção dos radioisótopos cuja pro-
ção, incentivo e planejamento, sendo este DETERMINANTE para dução, comercialização e utilização poderão ser autorizadas
o setor público e INDICATIVO para o setor privado. sob regime de permissão, conforme as alíneas b e c do inciso
§ 1º A lei estabelecerá as diretrizes e bases do planejamento do XXIII do caput do art. 21 desta Constituição Federal.
desenvolvimento nacional equilibrado, o qual incorporará e com- § 1º A União poderá contratar com empresas estatais ou pri-
patibilizará os planos nacionais e regionais de desenvolvimento. vadas a realização das atividades previstas nos incisos I a IV
§ 2º A lei apoiará e estimulará o cooperativismo e outras for- deste artigo observadas as condições estabelecidas em lei.
mas de associativismo. § 2º A lei a que se refere o § 1º disporá sobre:
§ 3º O Estado favorecerá a organização da atividade garimpeira I - a garantia do fornecimento dos derivados de petróleo em todo
em cooperativas, levando em conta a proteção do meio ambiente o território nacional;
e a promoção econômico-social dos garimpeiros. II - as condições de contratação;
§ 4º As cooperativas a que se refere o parágrafo anterior terão III - a estrutura e atribuições do órgão regulador do monopólio
prioridade na autorização ou concessão para pesquisa e lavra da União;
dos recursos e jazidas de minerais garimpáveis, nas áreas § 3º A lei disporá sobre o transporte e a utilização de materiais ra-
onde estejam atuando, e naquelas fixadas de acordo com o art. dioativos no território nacional.
21, XXV, na forma da lei. § 4º A lei que instituir contribuição de intervenção no domínio
econômico (CIDE) relativa às atividades de importação ou co-
Art. 175. Incumbe ao Poder Público, na forma da lei, diretamente mercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus de-
ou sob regime de concessão ou permissão, sempre através de rivados e álcool combustível deverá atender aos seguintes requi-
licitação, a prestação de serviços públicos. sitos:
Parágrafo único. A lei disporá sobre: I - a alíquota da contribuição poderá ser:
I - o regime das empresas concessionárias e permissionárias de a) diferenciada por produto ou uso;
serviços públicos, o caráter especial de seu contrato e de sua b) reduzida e restabelecida por ato do Poder Executivo, não se
prorrogação, bem como as condições de caducidade, fiscalização lhe aplicando o disposto no art. 150,III, b (anterioridade);
e rescisão da concessão ou permissão; II - os recursos arrecadados serão destinados:
II - os direitos dos usuários; a) ao pagamento de subsídios a preços ou transporte de álcool
III - política tarifária; combustível, gás natural e seus derivados e derivados de petró-
IV - a obrigação de manter serviço adequado. leo;
b) ao financiamento de projetos ambientais relacionados com a
Art. 176. As jazidas, em lavra ou não, e demais recursos minerais e indústria do petróleo e do gás;
os potenciais de energia hidráulica constituem propriedade dis- c) ao financiamento de programas de infraestrutura de transpor-
tinta da do solo, para efeito de exploração ou aproveitamento, e tes.
PERTENCEM À UNIÃO, garantida ao concessionário a proprie-
dade do produto da lavra. Art. 178. A lei disporá sobre a ordenação dos transportes aéreo,
§ 1º A pesquisa e a lavra de recursos minerais e o aproveita- aquático e terrestre, devendo, quanto à ordenação do transporte
mento dos potenciais a que se refere o "caput" deste artigo so- internacional, observar os acordos firmados pela União, atendido
mente poderão ser efetuados mediante autorização ou con- o princípio da reciprocidade.
cessão da União, no interesse nacional, por brasileiros ou em- Parágrafo único. Na ordenação do transporte aquático, a lei esta-
presa constituída sob as leis brasileiras e que tenha sua sede e belecerá as condições em que o transporte de mercadorias na ca-
administração no País, na forma da lei, que estabelecerá as con- botagem e a navegação interior poderão ser feitos por embarca-
dições específicas quando essas atividades se desenvolverem em ções estrangeiras.
faixa de fronteira ou terras indígenas.
§ 2º - É assegurada participação ao proprietário do solo nos Art. 179. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
resultados da lavra, na forma e no valor que dispuser a lei. dispensarão às microempresas (ME) e às empresas de pequeno
§ 3º A autorização de pesquisa será SEMPRE POR PRAZO porte (EPP), assim definidas em lei, tratamento jurídico dife-
DETERMINADO, e as autorizações e concessões previstas neste renciado, visando a incentivá-las pela simplificação de suas obri-
artigo não poderão ser cedidas ou transferidas, total ou parci- gações administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícias, ou
almente, sem prévia anuência do poder concedente. pela eliminação ou redução destas por meio de lei.
§ 4º Não dependerá de autorização ou concessão o aproveita-
mento do potencial de energia renovável de capacidade redu- Art. 180. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
zida. promoverão e incentivarão o turismo como fator de desenvol-
vimento social e econômico.
86

§ 3º Cabe à LC estabelecer procedimento contraditório especial,


Art. 181. O atendimento de requisição de documento ou informa- de rito sumário, para o processo judicial de desapropriação.
ção de natureza comercial, feita por autoridade administrativa ou § 4º O orçamento fixará anualmente o volume total de títulos da
judiciária estrangeira, a pessoa física ou jurídica residente ou do- dívida agrária, assim como o montante de recursos para atender
miciliada no País dependerá de autorização do Poder competente. ao programa de reforma agrária no exercício.
§ 5º São ISENTAS DE IMPOSTOS federais, estaduais e municipais
as operações de transferência de imóveis desapropriados para
CAPÍTULO II fins de reforma agrária.
DA POLÍTICA URBANA
Art. 182. A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Art. 185. São insuscetíveis de desapropriação para fins de re-
Poder Público municipal, conforme diretrizes gerais fixadas em forma agrária:
lei, tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das fun- I - a pequena e média propriedade rural, assim definida em lei,
ções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus habitan- desde que seu proprietário não possua outra;
tes. II - a propriedade produtiva.
§ 1º O plano diretor, aprovado pela Câmara Municipal, obrigató- Parágrafo único. A lei garantirá tratamento especial à propriedade
rio para cidades com mais de 20 mil habitantes, é o instru- produtiva e fixará normas para o cumprimento dos requisitos re-
mento básico da política de desenvolvimento e de expansão lativos a sua função social.
urbana.
§ 2º A propriedade urbana cumpre sua função social quando JURISPRUDÊNCIA EM TESES DO STJ
atende às exigências fundamentais de ordenação da cidade
expressas no plano diretor. EDIÇÃO N. 46: DESAPROPRIAÇÃO
§ 3º As desapropriações de imóveis urbanos serão feitas com 1) A indenização referente à cobertura vegetal deve ser
prévia e justa indenização em dinheiro. calculada em separado do valor da terra nua quando
§ 4º É facultado ao Poder Público municipal, mediante lei espe- comprovada a exploração dos recursos vegetais de forma lícita
cífica para área incluída no plano diretor, exigir, nos termos da lei e anterior ao processo expropriatório.
federal, do proprietário do solo urbano não edificado, subuti- 2) As regras dispostas nos arts. 19 e 33 do CPC, quanto à
lizado ou não utilizado, que promova seu adequado aprovei- responsabilidade pelo adiantamento dos honorários periciais, se
tamento, sob pena, sucessivamente, de: aplicam às demandas indenizatórias por desapropriação
I - parcelamento ou edificação compulsórios; indireta, eis que regidas pelo procedimento comum.
II -IPTU progressivo no tempo; 3) Nas ações de desapropriação incluem-se no cálculo da
III - desapropriação com pagamento mediante títulos da dívida verba advocatícia as parcelas relativas aos juros
pública de emissão previamente aprovada pelo Senado Federal, compensatórios e moratórios, devidamente corrigidas
com prazo de resgate de até 10 anos, em parcelas anuais, iguais (Súmula n. 131/STJ)
e sucessivas, assegurados o valor real da indenização e os juros 4) A intervenção do Ministério Público nas ações de
legais. desapropriação de imóvel rural para fins de reforma agrária É
OBRIGATÓRIA, porquanto presente o interesse público.
Art. 183. Aquele que possuir como sua área urbana de até 5) A ação de desapropriação direta ou indireta, em regra, não
250m2, por 5 anos, ininterruptamente e sem oposição, utili- pressupõe automática intervenção do Ministério Público,
zando-a para sua moradia ou de sua família, adquirir-lhe-á o exceto quando envolver, frontal ou reflexamente, proteção ao
domínio, desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano meio ambiente, interesse urbanístico ou improbidade
ou rural. administrativa.
§ 1º O título de domínio e a concessão de uso serão conferidos 6) A imissão provisória na posse do imóvel objeto de
ao homem ou à mulher, ou a ambos, independentemente do es- desapropriação, caracterizada pela urgência, prescinde de
tado civil. avaliação prévia ou de pagamento integral, exigindo apenas
§ 2º Esse direito não será reconhecido ao mesmo possuidor o depósito judicial nos termos do art. 15, § 1º, do Decreto-Lei
mais de uma vez. n. 3.365/1941.
§ 3º Os imóveis públicos não serão adquiridos por usucapião. 8) Na desapropriação para instituir servidão administrativa são
devidos os juros compensatórios pela limitação de uso da
CAPÍTULO III propriedade. (Súmula n. 56/STJ)
DA POLÍTICA AGRÍCOLA E FUNDIÁRIA E DA REFORMA AGRÁRIA 10) Na desapropriação direta, os juros compensatórios são
Art. 184. COMPETE À UNIÃO desapropriar por interesse social, devidos desde a antecipada imissão na posse e, na
para fins de reforma agrária, o imóvel rural que não esteja desapropriação indireta, a partir da efetiva ocupação do
cumprindo sua função social, mediante prévia e justa indeni- imóvel, calculados, nos dois casos, sobre o valor da indenização
zação em títulos da dívida agrária, com cláusula de preservação corrigido monetariamente.
do valor real, resgatáveis no prazo de até 20 anos, a partir do 2° 11) Na desapropriação, a base de cálculo dos juros
ano de sua emissão, e cuja utilização será definida em lei. compensatórios é a diferença entre os 80% do preço ofertado e
o valor do bem definido judicialmente.
Município pode desapropria imóvel rural, desde que não seja
12) Nas hipóteses em que o valor da indenização fixada
para fins de reforma agrária
judicialmente for igual ou inferior ao valor ofertado
§ 1º As benfeitorias úteis e necessárias serão indenizadas em inicialmente, a base de cálculo para os juros compensatórios e
dinheiro. moratórios deve ser os 20% que ficaram indisponíveis para o
§ 2º O decreto que declarar o imóvel como de interesse social, expropriado.
para fins de reforma agrária, autoriza a União a propor a ação de 13) O termo inicial dos juros moratórios em desapropriações é o
desapropriação. dia 1º de janeiro do exercício seguinte àquele em que o
87

pagamento deveria ser feito. (Tese julgada sob o rito do art. 14) O promitente comprador tem legitimidade ativa para
543-C do CPC/73 - TEMA 210) propor ação cujo objetivo é o recebimento de verba
14) Nas ações de desapropriação NÃO HÁ CUMULAÇÃO DE indenizatória decorrente de ação desapropriatória, ainda
JUROS MORATÓRIOS E JUROS COMPENSATÓRIOS, eis que que a transferência de sua titularidade não tenha sido
se trata de encargos que incidem em períodos diferentes: os efetuada perante o registro geral de imóveis.
juros compensatórios têm incidência até a data da 15) O possuidor titular do imóvel desapropriado tem direito ao
expedição do precatório original, enquanto que os levantamento da indenização pela perda do seu direito
moratórios somente incidirão se o precatório expedido não possessório.
for pago no prazo constitucional.(Tese julgado sob o rito do 16) Nas desapropriações realizadas por concessionária de
art. 543-C do CPC/73 - Temas 210 e 211) serviço público, não sujeita a regime de precatório, a regra
contida no art. 15-B do Decreto-Lei n. 3.365/41 é
EDIÇÃO N. 49: DESAPROPRIAÇÃO - II
inaplicável, devendo os juros moratórios incidir a partir do
1) O valor da indenização por desapropriação deve ser
trânsito em julgado da sentença.
contemporâneo à data da avaliação do perito judicial.
17) A ação de desapropriação indireta prescreve em 20 anos,
2) Em se tratando de desapropriação, a prova pericial para a
nos termos da Súmula 119 do STJ e na vigência do Código Civil
fixação do justo preço somente é dispensável quando há
de 1916, e em 10 anos sob a égide do Código Civil de 2002,
expressa concordância do expropriado com o valor da oferta
observando-se a regra de transição disposta no art. 2.028 do
inicial.
CC/2002.
3) Em ação de desapropriação, é possível ao juiz determinar a
realização de perícia avaliatória, ainda que os réus tenham
concordado com o valor oferecido pelo Estado. Art. 186. A função social é cumprida quando a propriedade ru-
4) A revelia do desapropriado não implica aceitação tácita da ral atende, simultaneamente, segundo critérios e graus de exi-
oferta, não autorizando a dispensa da avaliação, conforme gência estabelecidos em lei, aos seguintes requisitos:
Súmula n. 118 do extinto Tribunal Federal de Recursos. I - aproveitamento racional e adequado;
5) Se, em procedimento de desapropriação por interesse II - utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e
social, constatar-se que a área medida do bem é maior do preservação do meio ambiente;
que a escriturada no Registro de Imóveis, o expropriado III - observância das disposições que regulam as relações de
receberá indenização correspondente à área registrada, trabalho;
ficando a diferença depositada em Juízo até que, IV - exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e
posteriormente, se complemente o registro ou se defina a dos trabalhadores.
titularidade para o pagamento a quem de direito.
6) Na desapropriação é devida a indenização correspondente FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE
aos danos relativos ao fundo de comércio.
URBANA RURAL
7) A imissão provisória na posse não deve ser condicionada ao
depósito prévio do valor relativo ao fundo de comércio A propriedade urbana cumpre Requisitos:
eventualmente devido. sua função social quando aten- I - aproveitamento racional e
8) A invasão do imóvel É CAUSA DE SUSPENSÃO do de às exigências fundamen- adequado;
processo expropriatório para fins de reforma agrária tais de ordenação da cidade II - utilização adequada dos re-
(Súmula n. 354/STJ). expressas no plano diretor. cursos naturais disponíveis e
9) Não incide imposto de renda sobre as verbas decorrentes preservação do meio ambiente;
de desapropriação (indenização, juros moratórios e juros III - observância das disposi-
compensatórios), seja por necessidade ou utilidade pública, seja ções que regulam as relações
por interesse social, por não constituir ganho ou acréscimo de trabalho;
patrimonial. (Tese julgada sob o rito do art. 543-C do CPC/73 - IV - exploração que favoreça o
TEMA 397) bem-estar dos proprietários e
10) O valor dos honorários advocatícios em sede de dos trabalhadores.
desapropriação deve respeitar os limites impostos pelo artigo
27, § 1º, do Decreto-lei 3.365/41 qual seja: entre 0,5% e 5% da Art. 187. A política agrícola será planejada e executada na forma
diferença entre o valor proposto inicialmente pelo imóvel e da lei, com a participação efetiva do setor de produção, envolven-
a indenização imposta judicialmente. (Tese julgada sob o rito do produtores e trabalhadores rurais, bem como dos setores de
do art. 543-C do CPC/73 - TEMA 184) comercialização, de armazenamento e de transportes, levando em
11) O pedido de desistência na ação expropriatória afasta a conta, especialmente:
limitação dos honorários estabelecida no art. 27, § 1º, do I - os instrumentos creditícios e fiscais;
Decreto nº 3.365/41. II - os preços compatíveis com os custos de produção e a garantia
12) São aplicáveis às desapropriações indiretas os limites de comercialização;
percentuais de honorários advocatícios constantes do art. 27, § III - o incentivo à pesquisa e à tecnologia;
1º, do Decreto-Lei n. 3.365/1941. IV - a assistência técnica e extensão rural;
13) O prazo para resgate dos TDAs complementares expedidos V - o seguro agrícola;
para o pagamento de diferença apurada entre o preço do VI - o cooperativismo;
imóvel fixado na sentença e o valor ofertado na inicial pelo VII - a eletrificação rural e irrigação;
expropriante tem como termo a quo a data da imissão VIII - a habitação para o trabalhador rural.
provisória na posse, de acordo com o prazo máximo de vinte § 1º Incluem-se no planejamento agrícola as atividades agroin-
anos para pagamento da indenização estabelecido pelo art. 184 dustriais, agropecuárias, pesqueiras e florestais.
da CF/88.
88

§ 2º Serão compatibilizadas as ações de política agrícola e de re- III - seletividade e distributividade na prestação dos benefícios
forma agrária. e serviços;
IV - irredutibilidade do valor dos benefícios;
Art. 188. A destinação de terras públicas e devolutas será compa- V - equidade na forma de participação no custeio;
tibilizada com a política agrícola e com o plano nacional de refor- VI - diversidade da base de financiamento, identificando-se, em
ma agrária. rubricas contábeis específicas para cada área, as receitas e as des-
§ 1º A alienação ou a concessão, a qualquer título, de terras públi- pesas vinculadas a ações de saúde, previdência e assistência soci-
cas com área superior a 2500 hectares a pessoa física ou jurídi- al, preservado o caráter contributivo da previdência social; (EC
ca, ainda que por interposta pessoa, dependerá de prévia apro- 103/19)
vação do Congresso Nacional. VII - caráter democrático e descentralizado da administração,
§ 2º Excetuam-se do disposto no parágrafo anterior as aliena- mediante gestão quadripartite, com participação dos trabalha-
ções ou as concessões de terras públicas para fins de reforma dores, dos empregadores, dos aposentados e do Governo nos ór-
agrária. gãos colegiados.

Art. 189. Os beneficiários da distribuição de imóveis rurais pela re- Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a socieda-
forma agrária receberão títulos de domínio ou de concessão de de, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante re-
uso, inegociáveis pelo prazo de 10 anos. cursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do
Parágrafo único. O título de domínio e a concessão de uso serão Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições
conferidos ao homem ou à mulher, ou a ambos, independente- sociais:
mente do estado civil, nos termos e condições previstos em lei. I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada
na forma da lei, incidentes sobre:
Art. 190. A lei regulará e limitará a aquisição ou o arrendamento a) a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou
de propriedade rural por pessoa física ou jurídica estrangeira e creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste servi-
estabelecerá os casos que dependerão de autorização do Con- ço, mesmo sem vínculo empregatício;
gresso Nacional. b) a receita ou o faturamento;
c) o lucro;
Art. 191. Aquele que, não sendo proprietário de imóvel rural ou II - do trabalhador e dos demais segurados da previdência soci-
urbano, possua como seu, por 5 anos ininterruptos, sem oposi- al, podendo ser adotadas alíquotas progressivas de acordo
ção, área de terra, em zona rural, não superior a 50 hectares, com o valor do salário de contribuição, não incidindo contri-
tornando-a produtiva por seu trabalho ou de sua família, tendo buição sobre aposentadoria e pensão concedidas pelo Regime
nela sua moradia, adquirir-lhe-á a propriedade. Geral de Previdência Social; (EC 103/19)
Parágrafo único. Os imóveis públicos não serão adquiridos por III - sobre a receita de concursos de prognósticos.
usucapião. IV - do importador de bens ou serviços do exterior, ou de quem
a lei a ele equiparar.
CAPÍTULO IV § 1º - As receitas dos Estados, do Distrito Federal e dos Municí-
DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL pios destinadas à seguridade social constarão dos respectivos or-
Art. 192. O sistema financeiro nacional, estruturado de forma a çamentos, não integrando o orçamento da União.
promover o desenvolvimento equilibrado do País e a servir aos § 2º A proposta de orçamento da seguridade social será ela-
interesses da coletividade, em todas as partes que o compõem, borada de forma integrada pelos órgãos responsáveis pela
abrangendo as cooperativas de crédito, será regulado por leis saúde, previdência social e assistência social, tendo em vista as
complementares que disporão, inclusive, sobre a participação do metas e prioridades estabelecidas na lei de diretrizes orçamentá-
capital estrangeiro nas instituições que o integram. rias (LDO), assegurada a cada área a gestão de seus recursos.
§ 3º A pessoa jurídica em débito com o sistema da seguridade
TÍTULO VIII social, como estabelecido em lei, não poderá contratar com o
Da Ordem Social Poder Público nem dele receber benefícios ou incentivos fis-
CAPÍTULO I cais ou creditícios.
DISPOSIÇÃO GERAL § 4º A lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir a
Art. 193. A ordem social tem como base o primado do trabalho, manutenção ou expansão da seguridade social, obedecido o dis-
e como objetivo o bem-estar e a justiça sociais. posto no art. 154, I (A União poderá instituir mediante LC, impos-
tos não previstos no artigo anterior, desde que sejam não-cumu-
CAPÍTULO II lativos e não tenham fato gerador ou base de cálculo próprios
DA SEGURIDADE SOCIAL dos discriminados nesta Constituição).
Seção I § 5º Nenhum benefício ou serviço da seguridade social pode-
DISPOSIÇÕES GERAIS rá ser criado, majorado ou estendido sem a correspondente
Art. 194. A seguridade social compreende um conjunto integra- fonte de custeio total.
do de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, § 6º As contribuições sociais de que trata este artigo só poderão
destinadas a assegurar os direitos relativos à SAÚDE, à PREVI- ser exigidas após decorridos 90 dias da data da publicação da
DÊNCIA e à ASSISTÊNCIA SOCIAL. lei que as houver instituído ou modificado, não se lhes aplican-
Parágrafo único. Compete ao Poder Público, nos termos da lei, or- do o disposto no art. 150, III, "b" (princípio da anterioridade anu-
ganizar a SEGURIDADE SOCIAL, com base nos seguintes OBJE- al).
TIVOS: § 7º São isentas de contribuição para a seguridade social as enti-
I - universalidade da cobertura e do atendimento; dades beneficentes de assistência social que atendam às exi-
II - uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às po- gências estabelecidas em lei.
pulações urbanas e rurais;
89

Apesar de a redação do §7° falar em “isentas”, a doutrina afirma União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, além de
que se trata, efetivamente, de uma hipótese de IMUNIDADE. outras fontes.
Não é um caso de “isenção”. § 2º A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios apli-
Os requisitos para o gozo de imunidade hão de estar previstos carão, anualmente, em ações e serviços públicos de saúde re-
em LEI COMPLEMENTAR (RE 566622) cursos mínimos derivados da aplicação de percentuais calculados
sobre:
I - no caso da União, a receita corrente líquida do respectivo
§ 8º O produtor, o parceiro, o meeiro e o arrendatário rurais e
exercício financeiro, não podendo ser inferior a 15%;
o pescador artesanal, bem como os respectivos cônjuges, que
II – no caso dos Estados e do Distrito Federal, o produto da arre-
exerçam suas atividades em regime de economia familiar, sem
cadação dos impostos a que se refere o art. 155 e dos recursos de
empregados permanentes, contribuirão para a seguridade soci-
que tratam os arts. 157 e 159, inciso I, alínea a, e inciso II, deduzi -
al mediante a aplicação de uma alíquota sobre o resultado da co-
das as parcelas que forem transferidas aos respectivos Municípios;
mercialização da produção e farão jus aos benefícios nos termos
III – no caso dos Municípios e do Distrito Federal, o produto da
da lei.
arrecadação dos impostos a que se refere o art. 156 e dos recur-
§ 9º As contribuições sociais previstas no inciso I do caput deste
sos de que tratam os arts. 158 e 159, inciso I, alínea b e § 3º.
artigo (CS do empregador) poderão ter alíquotas diferenciadas
§ 3º Lei complementar, que será reavaliada pelo menos a cada 5
em razão da atividade econômica, da utilização intensiva de
anos, estabelecerá:
mão de obra, do porte da empresa ou da condição estrutural
I - os percentuais de que tratam os incisos II e III do § 2º;
do mercado de trabalho, sendo também autorizada a adoção
II – os critérios de rateio dos recursos da União vinculados à saú-
de bases de cálculo diferenciadas apenas no caso das alíneas
de destinados aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, e
"b" e "c" do inciso I do caput. (EC 103/19)
dos Estados destinados a seus respectivos Municípios, objetivan-
§ 10. A lei definirá os critérios de transferência de recursos para o
do a progressiva redução das disparidades regionais;
sistema único de saúde e ações de assistência social da União
III – as normas de fiscalização, avaliação e controle das despesas
para os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, e dos Estados
com saúde nas esferas federal, estadual, distrital e municipal;
para os Municípios, observada a respectiva contrapartida de re-
§ 4º Os gestores locais do sistema único de saúde poderão ad-
cursos.
mitir agentes comunitários de saúde e agentes de combate às
§ 11. São vedados a moratória e o parcelamento em prazo su-
endemias por meio de processo seletivo público, de acordo
perior a 60 meses e, na forma de lei complementar, a remissão e
com a natureza e complexidade de suas atribuições e requisitos
a anistia das contribuições sociais de que tratam a alínea "a" do
específicos para sua atuação.
inciso I e o inciso II do caput. (EC 103/19)
§ 5º Lei federal disporá sobre o regime jurídico, o piso salarial
§ 12. A lei definirá os setores de atividade econômica para os
profissional nacional, as diretrizes para os Planos de Carreira e a
quais as contribuições incidentes na forma dos incisos I, b; e IV
regulamentação das atividades de agente comunitário de saúde e
do caput, serão não-cumulativas.
agente de combate às endemias, competindo à União, nos ter-
§ 13. (REVOGADO EC 103/19)
mos da lei, prestar assistência financeira complementar aos Esta-
§ 14. O segurado somente terá reconhecida como tempo de
dos, ao Distrito Federal e aos Municípios, para o cumprimento do
contribuição ao Regime Geral de Previdência Social a compe-
referido piso salarial.
tência cuja contribuição seja igual ou superior à contribuição
§ 6º Além das hipóteses previstas no § 1º do art. 41 e no § 4º do
mínima mensal exigida para sua categoria, assegurado o agru-
art. 169 da Constituição Federal, o servidor que exerça funções
pamento de contribuições. (EC 103/19)
equivalentes às de agente comunitário de saúde ou de agente de
combate às endemias poderá perder o cargo em caso de des-
Seção II
cumprimento dos requisitos específicos, fixados em lei, para
DA SAÚDE
o seu exercício.
Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garanti-
do mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução
Art. 199. A assistência à saúde é livre à iniciativa privada.
do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e
§ 1º As instituições privadas poderão participar de forma com-
igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e re-
plementar do sistema único de saúde, segundo diretrizes deste,
cuperação.
mediante contrato de direito público ou convênio, tendo pre-
ferência as entidades filantrópicas e as sem fins lucrativos.
Art. 197. São de relevância pública as ações e serviços de saúde,
§ 2º É vedada a destinação de recursos públicos para auxílios
cabendo ao Poder Público dispor, nos termos da lei, sobre sua re-
ou subvenções às instituições privadas com fins lucrativos.
gulamentação, fiscalização e controle, devendo sua execução ser
§ 3º - É vedada a participação direta ou indireta de empresas
feita diretamente ou através de terceiros e, também, por pes-
ou capitais estrangeiros na assistência à saúde no País, salvo
soa física ou jurídica de direito privado.
nos casos previstos em lei.
§ 4º A lei disporá sobre as condições e os requisitos que facilitem
Art. 198. As ações e serviços públicos de saúde integram uma
a remoção de órgãos, tecidos e substâncias humanas para fins de
rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema
transplante, pesquisa e tratamento, bem como a coleta, processa-
único, organizado de acordo com as seguintes DIRETRIZES:
mento e transfusão de sangue e seus derivados, sendo vedado
I - descentralização, com direção única em cada esfera de gover-
todo tipo de comercialização.
no;
II - atendimento integral, com prioridade para as atividades
Art. 200. Ao SUS compete, além de outras atribuições, nos ter-
preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais;
mos da lei:
III - participação da comunidade.
I - controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e substâncias de
§ 1º O sistema único de saúde será financiado, nos termos do
interesse para a saúde e participar da produção de medicamen-
art. 195, com recursos do orçamento da seguridade social, da
90

tos, equipamentos, imunobiológicos, hemoderivados e outros in- dos os usos autorizados pela agência.STJ. 1ª Seção. EDcl no REsp
sumos; 1.657.156-RJ, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em
II - executar as ações de vigilância sanitária e epidemiológica, 12/09/2018 (recurso repetitivo) (Info 633).
bem como as de saúde do trabalhador;
*Informações retiradas do site www.dizerodireito.com.br
III - ordenar a formação de recursos humanos na área de saúde;
IV - participar da formulação da política e da execução das
Seção III
ações de saneamento básico;
DA PREVIDÊNCIA SOCIAL
V - incrementar, em sua área de atuação, o desenvolvimento cien-
Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma do
tífico e tecnológico e a inovação;
Regime Geral de Previdência Social, de caráter contributivo e
VI - fiscalizar e inspecionar alimentos, compreendido o controle
de filiação obrigatória, observados critérios que preservem o
de seu teor nutricional, bem como bebidas e águas para consu-
equilíbrio financeiro e atuarial, e atenderá, na forma da lei, a: (EC
mo humano;
103/19)
VII - participar do controle e fiscalização da produção, transporte,
I - cobertura dos eventos de incapacidade temporária ou per-
guarda e utilização de substâncias e produtos psicoativos, tóxicos
manente para o trabalho e idade avançada; (EC 103/19)
e radioativos;
II - proteção à maternidade, especialmente à gestante;
VIII - COLABORAR NA PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE, nele
III - proteção ao trabalhador em situação de desemprego in-
compreendido o do trabalho.
voluntário;
IV - salário-família e auxílio-reclusão para os dependentes dos
Fornecimento pelo Poder Judiciário de medicamentos não regis- segurados de baixa renda;
trados pela ANVISA V - pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao côn-
1. O Estado não pode ser obrigado a fornecer medicamentos juge ou companheiro e dependentes, observado o disposto no §
experimentais. 2º.
2. A ausência de registro na Agência Nacional de Vigilância Sa- § 1º É vedada a adoção de requisitos ou critérios diferenciados
nitária (Anvisa) impede, como regra geral, o fornecimento de para concessão de benefícios, ressalvada, nos termos de lei
medicamento por decisão judicial. complementar, a possibilidade de previsão de idade e tempo
3. É possível, excepcionalmente, a concessão judicial de me- de contribuição distintos da regra geral para concessão de
dicamento sem registro sanitário, em caso de mora irrazoá- aposentadoria exclusivamente em favor dos segurados: (EC
vel da Anvisa em apreciar o pedido (prazo superior ao previs- 103/19)
to na Lei 13.411/2016), quando preenchidos três requisitos: I - com deficiência, previamente submetidos a avaliação
a) a existência de pedido de registro do medicamento no Brasil biopsicossocial realizada por equipe multiprofissional e
(salvo no caso de medicamentos órfãos para doenças raras e ul- interdisciplinar; (EC 103/19)
trarraras); II - cujas atividades sejam exercidas com efetiva exposição a
b) a existência de registro do medicamento em renomadas agentes químicos, físicos e biológicos prejudiciais à saúde, ou
agências de regulação no exterior; e associação desses agentes, vedada a caracterização por categoria
c) a inexistência de substituto terapêutico com registro no Brasil. profissional ou ocupação. (EC 103/19)
4. As ações que demandem fornecimento de medicamentos § 2º Nenhum benefício que substitua o salário de contribuição
sem registro na Anvisa deverão necessariamente ser propos- ou o rendimento do trabalho do segurado terá valor mensal in-
tas em face da União. STF. Plenário. RE 657718/MG, rel. orig. ferior ao salário mínimo.
Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Roberto Barroso, julgado § 3º Todos os salários de contribuição considerados para o cálculo
em 22/5/2019 (repercussão geral) (Info 941). de benefício serão devidamente atualizados, na forma da lei.
Responsabilidade pelo fornecimento do medicamento ou pela § 4º É assegurado o reajustamento dos benefícios para preservar-
realização do tratamento de saúde lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme critérios defi-
Os entes da Federação, em decorrência da competência co- nidos em lei.
mum, são solidariamente responsáveis nas demandas presta- § 5º É vedada a filiação ao regime geral de previdência social,
cionais na área da saúde e, diante dos critérios constitucionais na qualidade de segurado facultativo, de pessoa participante
de descentralização e hierarquização, compete à autoridade ju- de regime próprio de previdência.
dicial direcionar o cumprimento conforme as regras de reparti- § 6º A gratificação natalina dos aposentados e pensionistas terá
ção de competências e determinar o ressarcimento a quem su- por base o valor dos proventos do mês de dezembro de cada
portou o ônus financeiro. STF. Plenário. RE 855178 ED/SE, rel. ano.
orig. Min. Luiz Fux, red. p/ o ac. Min. Edson Fachin, julgado em § 7º É assegurada aposentadoria no regime geral de previdên-
23/5/2019 (Info 941). cia social, nos termos da lei, obedecidas as seguintes condições:
I - 65 anos de idade, se homem, e 62 anos de idade, se mulher,
A concessão dos medicamentos não incorporados em atos nor- observado tempo mínimo de contribuição;(EC 103/19)
mativos do SUS exige a presença cumulativa dos seguintes re- II - 60 anos de idade, se homem, e 55 anos de idade, se mu-
quisitos: lher, para os trabalhadores rurais e para os que exerçam suas
a) Comprovação, por meio de laudo médico fundamentado e atividades em regime de economia familiar, nestes incluídos o
circunstanciado expedido por médico que assiste o paciente, da produtor rural, o garimpeiro e o pescador artesanal.(EC
imprescindibilidade ou necessidade do medicamento, assim 103/19)
como da ineficácia, para o tratamento da moléstia, dos fármacos § 8º O requisito de idade a que se refere o inciso I do § 7º será
fornecidos pelo SUS; reduzido em 5 anos, para o professor que comprove tempo de
b) incapacidade financeira de arcar com o custo do medicamen- efetivo exercício das funções de magistério na educação infantil e
to prescrito; no ensino fundamental e médio fixado em lei complementar.(EC
c) existência de registro do medicamento na ANVISA, observa- 103/19)
91

serão aposentados compulsoriamente, observado o cumprimento


Para efeito de aposentadoria com tempo de contribuição do tempo mínimo de contribuição, ao atingir a idade máxima de
diferenciada para professores, não se computa o tempo de que trata o inciso II do § 1º do art. 40, na forma estabelecida em
serviço prestado fora da sala de aula, salvo no caso de lei (EC 103/19)
professores que estejam desempenhando as atividades de
direção de unidade escolar ou coordenação e Art. 202. O regime de previdência privada, de caráter comple-
assessoramento pedagógico. mentar e organizado de forma autônoma em relação ao regime
geral de previdência social, será facultativo, baseado na consti-
*Informações retiradas do site www.dizerodireito.com.br
tuição de reservas que garantam o benefício contratado, e regula-
do por lei complementar.
§ 1° A lei complementar de que trata este artigo assegurará ao
Homem: 65 participante de planos de benefícios de entidades de previdência
Idade anos privada o pleno acesso às informações relativas à gestão de seus
Mulher: 62 anos respectivos planos.
§ 2° As contribuições do empregador, os benefícios e as condi-
APOSENTADORIA Trabalhadores Rurais e Homem: 60 ções contratuais previstas nos estatutos, regulamentos e planos
RGPS os que exerçam anos de benefícios das entidades de previdência privada não integram
atividade em regime de o contrato de trabalho dos participantes, assim como, à exceção
Mulher: 55 anos
economia familiar dos benefícios concedidos, não integram a remuneração dos par-
(inclui produtor rural, ticipantes, nos termos da lei.
garimpeiro e pescador) § 3º É vedado o aporte de recursos a entidade de previdência
Professor Homem: 60 privada pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, suas
anos autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades de econo-
mia mista e outras entidades públicas, salvo na qualidade de pa-
Mulher: 57 anos trocinador, situação na qual, em hipótese alguma, sua contri-
buição normal poderá exceder a do segurado.
§ 9º Para fins de aposentadoria, será assegurada a contagem § 4º Lei complementar disciplinará a relação entre a União, Esta-
recíproca do tempo de contribuição entre o Regime Geral de dos, Distrito Federal ou Municípios, inclusive suas autarquias, fun-
Previdência Social e os regimes próprios de previdência social, e dações, sociedades de economia mista e empresas controladas
destes entre si, observada a compensação financeira, de acordo direta ou indiretamente, enquanto patrocinadores de planos de
com os critérios estabelecidos em lei.(EC 103/19) benefícios previdenciários, e as entidades de previdência comple-
§ 9º-A. O tempo de serviço militar exercido nas atividades de que mentar. (EC 103/19)
tratam os arts. 42, 142 e 143 e o tempo de contribuição ao § 5º A lei complementar de que trata o § 4º aplicar-se-á, no que
Regime Geral de Previdência Social ou a regime próprio de couber, às empresas privadas permissionárias ou
previdência social terão contagem recíproca para fins de concessionárias de prestação de serviços públicos, quando
inativação militar ou aposentadoria, e a compensação financeira patrocinadoras de planos de benefícios em entidades de
será devida entre as receitas de contribuição referentes aos previdência complementar. (EC 103/19)
militares e as receitas de contribuição aos demais regimes.(EC § 6º Lei complementar estabelecerá os requisitos para a designa-
103/19) ção dos membros das diretorias das entidades fechadas de previ-
§ 10. Lei complementar poderá disciplinar a cobertura de dência complementar instituídas pelos patrocinadores de que tra-
benefícios não programados, inclusive os decorrentes de ta o § 4º e disciplinará a inserção dos participantes nos colegiados
acidente do trabalho, a ser atendida concorrentemente pelo e instâncias de decisão em que seus interesses sejam objeto de
Regime Geral de Previdência Social e pelo setor privado.(EC discussão e deliberação. (EC 103/19)
103/19)
§ 11. Os ganhos habituais do empregado, a qualquer título, se- Seção IV
rão incorporados ao salário para efeito de contribuição previ- DA ASSISTÊNCIA SOCIAL
denciária e consequente repercussão em benefícios, nos casos e Art. 203. A assistência social será prestada a quem dela neces-
na forma da lei. sitar, INDEPENDENTEMENTE DE CONTRIBUIÇÃO à seguridade
§ 12. Lei instituirá sistema especial de inclusão previdenciária, social, e tem por OBJETIVOS:
com alíquotas diferenciadas, para atender aos trabalhadores I - a proteção à família, à maternidade, à infância, à adoles-
de baixa renda, inclusive os que se encontram em situação de in- cência e à velhice;
formalidade, e àqueles sem renda própria que se dediquem ex- II - o amparo às crianças e adolescentes carentes;
clusivamente ao trabalho doméstico no âmbito de sua resi- III - a promoção da integração ao mercado de trabalho;
dência, desde que pertencentes a famílias de baixa renda.(EC IV - a habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de defi-
103/19) ciência e a promoção de sua integração à vida comunitária;
§ 13. A aposentadoria concedida ao segurado de que trata o § V - a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pes-
12 terá valor de 1 salário-mínimo.(EC 103/19) soa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não
§ 14. É vedada a contagem de tempo de contribuição fictício possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provi-
para efeito de concessão dos benefícios previdenciários e de da por sua família, conforme dispuser a lei.
contagem recíproca.(EC 103/19)
§ 15. Lei complementar estabelecerá vedações, regras e condições Art. 204. As ações governamentais na área da assistência social
para a acumulação de benefícios previdenciários.(EC 103/19) serão realizadas com recursos do orçamento da seguridade so-
§ 16. Os empregados dos consórcios públicos, das empresas pú- cial, previstos no art. 195, além de outras fontes, e organizadas
blicas, das sociedades de economia mista e das suas subsidiárias com base nas seguintes diretrizes:
92

I - descentralização político-administrativa, cabendo a coorde- III - atendimento educacional especializado aos portadores de
nação e as normas gerais à esfera federal e a coordenação e a deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino;
execução dos respectivos programas às esferas estadual e munici- IV - EDUCAÇÃO INFANTIL, em creche e pré-escola, às crianças
pal, bem como a entidades beneficentes e de assistência social; até 5 anos de idade;
II - participação da população, por meio de organizações repre- V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da
sentativas, na formulação das políticas e no controle das ações criação artística, segundo a capacidade de cada um;
em todos os níveis. VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do
Parágrafo único. É facultado aos Estados e ao Distrito Federal educando;
vincular a programa de apoio à inclusão e promoção social até VII - atendimento ao educando, em todas as etapas da educa-
0,5% de sua receita tributária líquida, vedada a aplicação desses ção básica, por meio de programas suplementares de material
recursos no pagamento de: didáticoescolar, transporte, alimentação e assistência à saúde.
I - despesas com pessoal e encargos sociais; § 1º O acesso ao ensino obrigatório e gratuito É DIREITO PÚ-
II - serviço da dívida; BLICO SUBJETIVO.
III - qualquer outra despesa corrente não vinculada direta- § 2º O não-oferecimento do ensino obrigatório pelo Poder Públi-
mente aos investimentos ou ações apoiados. co, ou sua oferta irregular, importa responsabilidade da autorida-
de competente.
CAPÍTULO III § 3º Compete ao Poder Público recensear os educandos no ensi-
DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO no fundamental, fazer-lhes a chamada e zelar, junto aos pais ou
Seção I responsáveis, pela frequência à escola.
DA EDUCAÇÃO
Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da O Poder Judiciário pode obrigar o Município a fornecer vaga
família, será promovida e incentivada com a colaboração da soci- em creche a criança de até 5 anos de idade. A educação infan-
edade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu pre- til, em creche e pré-escola, representa prerrogativa constituci-
paro para o exercício da cidadania e sua qualificação para o onal indisponível garantida às crianças até 5 anos de idade,
trabalho. sendo um dever do Estado (art. 208, IV, da CF/88). Os Municí-
pios, que têm o dever de atuar prioritariamente no ensino
Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes PRIN- fundamental e na educação infantil (art. 211, § 2º, da CF/88),
CÍPIOS: não podem se recusar a cumprir este mandato constitucional,
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na es- juridicamente vinculante, que lhes foi conferido pela Constitui-
cola; ção Federal. STF. Decisão monocrática. RE 956475, Rel. Min. Cel-
II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensa- so de Mello, julgado em 12/05/2016 (Info 827).
mento, a arte e o saber;
III - pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e coe- A garantia constitucional da gratuidade de ensino não obsta
xistência de instituições públicas e privadas de ensino; a cobrança por universidades públicas de mensalidade em
IV - gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais; cursos de especialização. STF. Plenário. RE 597854/GO, Rel.
V - valorização dos profissionais da educação escolar, garanti- Min. Edson Fachin, julgado em 26/4/2017 (repercussão geral)
dos, na forma da lei, planos de carreira, com ingresso exclusiva- (Info 862).
mente por concurso público de provas e títulos, aos das redes pú- As atividades de pós-graduação enquadram-se como "ensi-
blicas; no"? NÃO. O conceito de "manutenção e desenvolvimento do
VI - gestão democrática do ensino público, na forma da lei; ensino" (art. 212 da CF/88) não abrange as atividades de pós-
VII - garantia de padrão de qualidade; graduação. A pós-graduação está relacionada com a pesquisa e
VIII - piso salarial profissional nacional para os profissionais da extensão.
educação escolar pública, nos termos de lei federal.
Parágrafo único. A lei disporá sobre as categorias de trabalhado- Como definir os cursos das universidades que deverão ser
res considerados profissionais da educação básica e sobre a fixa- gratuitos?
ção de prazo para a elaboração ou adequação de seus planos de • Caso a atividade preponderante do curso seja a "manutenção
carreira, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e e o desenvolvimento do ensino", este curso deverá ser obrigato-
dos Municípios. riamente gratuito, nos termos do art. 206, IV, da CF/88.
• Caso as atividades do curso sejam relacionadas com a pesqui-
Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático-científi- sa e a extensão, então, nesta hipótese, a universidade poderá
ca, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obede- contar com recursos de origem privada e, portanto, poderá co-
cerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa brar mensalidades.
e extensão.
§ 1º É facultado às universidades admitir professores, técnicos A mensalidade cobrada pela universidade no curso de pós-
e cientistas estrangeiros, na forma da lei. graduação possui natureza jurídica de "taxa" (tributo)?
§ 2º O disposto neste artigo aplica-se às instituições de pesquisa NÃO. Por serem atividades extraordinárias desempenhadas de
científica e tecnológica. modo voluntário pelas universidades, estas mensalidades são
classificadas como TARIFA. Dessa forma, por não ser taxa, a
Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado cobrança de mensalidade para os cursos de especialização
mediante a garantia de: não está sujeita à legalidade estrita.
I - EDUCAÇÃO BÁSICA obrigatória e gratuita dos 4 aos 17 SV 12: A cobrança de taxa de matrícula nas universidades públi-
anos de idade, assegurada inclusive sua oferta gratuita para to- cas viola o disposto no art. 206, inciso IV, da Constituição Fede-
dos os que a ela não tiveram acesso na idade própria; ral.
II - progressiva universalização do ensino médio gratuito;
93

Não é possível, atualmente, o ensino domiciliar (homescho- mente, sem qualquer ônus para o Poder Público. Dessa forma, o
oling) como meio lícito de cumprimento, pela família, do STF entendeu que a CF/88 não proíbe que sejam oferecidas
dever de prover educação. Não há, na CF/88, uma vedação aulas de uma religião específica, que ensine os dogmas ou
absoluta ao ensino domiciliar. A CF/88, apesar de não o prever valores daquela religião. Não há qualquer problema nisso,
expressamente, não proíbe o ensino domiciliar. No entanto, o desde que se garanta oportunidade a todas as doutrinas religio-
ensino domiciliar não pode ser atualmente exercido porque sas. STF. Plenário.ADI 4439/DF, rel. orig. Min. Roberto Barroso,
não há legislação que regulamente os preceitos e as regras red. p/ o ac. Min. Alexandre de Moraes, julgado em 27/9/2017
aplicáveis a essa modalidade de ensino. Assim, o ensino domici- (Info 879).
liar somente pode ser implementado no Brasil após uma regula- *Informações retiradas do site www.dizerodireito.com.br
mentação por meio de lei na qual sejam previstos mecanismos
de avaliação e fiscalização, devendo essa lei respeitar os manda- Art. 211. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
mentos constitucionais que tratam sobre educação. STF. Plená- organizarão em regime de colaboração seus sistemas de ensino.
rio. RE 888815/RS, rel. orig. Min. Roberto Barroso, red. p/ o acór- § 1º A União organizará o sistema federal de ensino e o dos Terri-
dão Min. Alexandre de Moraes, julgado em 12/9/2018 (reper- tórios, financiará as instituições de ensino públicas federais e
cussão geral) (Info 915). exercerá, em matéria educacional, função redistributiva e supleti-
*Informações retiradas do site www.dizerodireito.com.br va, de forma a garantir equalização de oportunidades educacio-
nais e padrão mínimo de qualidade do ensino mediante assistên-
Art. 209. O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as se- cia técnica e financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Mu-
guintes condições: nicípios;
I - cumprimento das normas gerais da educação nacional; § 2º Os MUNICÍPIOS atuarão prioritariamente no ENSINO
II - autorização e avaliação de qualidade pelo Poder Público. FUNDAMENTAL e na EDUCAÇÃO INFANTIL.
§ 3º Os ESTADOS e o Distrito Federal atuarão prioritariamente
Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino funda- no ENSINO FUNDAMENTAL e MÉDIO.
mental, de maneira a assegurar formação básica comum e respei- § 4º Na organização de seus sistemas de ensino, a União, os Esta-
to aos valores culturais e artísticos, nacionais e regionais. dos, o Distrito Federal e os Municípios definirão formas de cola-
§ 1º O ensino religioso, de matrícula facultativa, constituirá boração, de modo a assegurar a universalização do ensino obri-
disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino gatório.
fundamental. § 5º A educação básica pública atenderá prioritariamente ao
§ 2º O ensino fundamental regular será ministrado em língua por- ensino regular.
tuguesa, assegurada às comunidades indígenas também a utiliza-
ção de suas línguas maternas e processos próprios de aprendiza- Art. 212. A União aplicará, anualmente, nunca menos de 18%,
gem. e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios 25%, no míni-
mo, da receita resultante de impostos, compreendida a proveni-
A CF/88 prevê que “o ensino religioso, de matrícula facultativa, ente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do en-
constituirá disciplina dos horários normais das escolas públicas sino.
de ensino fundamental.” (art. 210, § 1º). Diante disso, nas escolas § 1º A parcela da arrecadação de impostos transferida pela União
públicas são oferecidas aulas de ensino religioso, normalmente aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, ou pelos Esta-
vinculadas a uma religião específica. É o chamado ensino religio- dos aos respectivos Municípios, não é considerada, para efeito
so confessional. O PGR ajuizou ADI pedindo que fosse conferida do cálculo previsto neste artigo, receita do governo que a transfe-
interpretação conforme a Constituição ao art. 33, §§ 1º e 2º da rir.
LDB e ao art. 11, § 1º do acordo Brasil-Santa Sé. Na ação, o PGR § 2º Para efeito do cumprimento do disposto no "caput" deste ar-
afirmava que não é permitido que se ofereça ensino religioso tigo, serão considerados os sistemas de ensino federal, estadual e
confessional (vinculado a uma religião específica). Para o autor, municipal e os recursos aplicados na forma do art. 213.
o ensino religioso deve ser voltado para a história e a doutrina § 3º A distribuição dos recursos públicos assegurará priorida-
das várias religiões, ensinadas sob uma perspectiva laica e deve de ao atendimento das necessidades do ensino obrigatório,
ser ministrado por professores regulares da rede pública de en- no que se refere a universalização, garantia de padrão de qualida-
sino, e não por pessoas vinculadas às igrejas. O STF julgou im- de e equidade, nos termos do plano nacional de educação.
procedente a ADI e decidiu que O ENSINO RELIGIOSO NAS ES- § 4º Os programas suplementares de alimentação e assistência à
COLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS PODE TER NATUREZA CON- saúde previstos no art. 208, VII, serão financiados com recursos
FESSIONAL, OU SEJA, PODE SIM SER VINCULADO A RELIGI- provenientes de contribuições sociais e outros recursos orçamen-
ÕES ESPECÍFICAS. A partir da conjugação do binômio Laici- tários.
dade do Estado (art. 19, I) e Liberdade religiosa (art. 5º, VI), § 5º A educação básica pública terá como fonte adicional de
o Estado deverá assegurar o cumprimento do art. 210, § 1º financiamento a contribuição social do salário educação, re-
da CF/88, autorizando na rede pública, em igualdade de colhida pelas empresas na forma da lei.
condições o oferecimento de ensino confessional das diver- § 6º As cotas estaduais e municipais da arrecadação da contribui-
sas crenças, mediante requisitos formais previamente fixa- ção social do salário educação serão distribuídas proporcional-
dos pelo Ministério da Educação. Assim, deve ser permitido mente ao número de alunos matriculados na educação básica
aos alunos, que expressa e voluntariamente se matricularem, o nas respectivas redes públicas de ensino.
pleno exercício de seu direito subjetivo ao ensino religioso
como disciplina dos horários normais das escolas públicas de SAÚDE EDUCAÇÃO
ensino fundamental, ministrada de acordo com os princípios de
U: 15% U: 18%
sua confissão religiosa, por integrantes da mesma, devidamente
credenciados a partir de chamamento público e, preferencial- E/DF/M: 25%
94

IV - as obras, objetos, documentos, edificações e demais espa-


Art. 213. Os recursos públicos serão destinados às escolas pú- ços destinados às manifestações artístico-culturais;
blicas, podendo ser dirigidos a escolas comunitárias, confessi- V - os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagísti-
onais ou filantrópicas, definidas em lei, que: co, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e cien-
I - comprovem finalidade não-lucrativa e apliquem seus exce- tífico.
dentes financeiros em educação; § 1º O Poder Público, com a colaboração da comunidade, pro-
II - assegurem a destinação de seu patrimônio a outra escola co- moverá e protegerá o patrimônio cultural brasileiro, por meio
munitária, filantrópica ou confessional, ou ao Poder Público, no de inventários, registros, vigilância, tombamento e desapropria-
caso de encerramento de suas atividades. ção, e de outras formas de acautelamento e preservação.
§ 1º - Os recursos de que trata este artigo poderão ser destina- § 2º Cabem à administração pública, na forma da lei, a gestão da
dos a bolsas de estudo para o ensino fundamental e médio, na documentação governamental e as providências para franquear
forma da lei, para os que demonstrarem insuficiência de recursos, sua consulta a quantos dela necessitem.
quando houver falta de vagas e cursos regulares da rede pública § 3º A lei estabelecerá incentivos para a produção e o conheci-
na localidade da residência do educando, ficando o Poder Público mento de bens e valores culturais.
obrigado a investir prioritariamente na expansão de sua rede na § 4º Os danos e ameaças ao patrimônio cultural serão punidos, na
localidade. forma da lei.
§ 2º As atividades de pesquisa, de extensão e de estímulo e fo- § 5º Ficam tombados todos os documentos e os sítios deten-
mento à inovação realizadas por universidades e/ou por institui- tores de reminiscências históricas dos antigos quilombos.
ções de educação profissional e tecnológica poderão receber § 6º É facultado aos Estados e ao Distrito Federal vincular a fundo
apoio financeiro do Poder Público. estadual de fomento à cultura até 0,5% de sua receita tributária
líquida, para o financiamento de programas e projetos culturais,
Art. 214. A lei estabelecerá o plano nacional de educação, de vedada a aplicação desses recursos no pagamento de:
duração DECENAL, com o objetivo de articular o sistema nacio- I - despesas com pessoal e encargos sociais;
nal de educação em regime de colaboração e definir diretrizes, II - serviço da dívida;
objetivos, metas e estratégias de implementação para assegurar a III - qualquer outra despesa corrente não vinculada diretamen-
manutenção e desenvolvimento do ensino em seus diversos ní- te aos investimentos ou ações apoiados.
veis, etapas e modalidades por meio de ações integradas dos po-
deres públicos das diferentes esferas federativas que conduzam a: Art. 216-A. O Sistema Nacional de Cultura, organizado em regi-
I - erradicação do analfabetismo; me de colaboração, de forma descentralizada e participativa,
II - universalização do atendimento escolar; institui um processo de gestão e promoção conjunta de políticas
III - melhoria da qualidade do ensino; públicas de cultura, democráticas e permanentes, pactuadas entre
IV - formação para o trabalho; os entes da Federação e a sociedade, tendo por objetivo promo-
V - promoção humanística, científica e tecnológica do País. ver o desenvolvimento humano, social e econômico com ple-
VI - estabelecimento de meta de aplicação de recursos públicos no exercício dos direitos culturais.
em educação como proporção do produto interno bruto. § 1º O Sistema Nacional de Cultura fundamenta-se na política
nacional de cultura e nas suas diretrizes, estabelecidas no Plano
Seção II Nacional de Cultura, e rege-se pelos seguintes princípios (DICA:
DA CULTURA O Sistema fundamenta-se na Política, que está no Plano):
Art. 215. O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos I - diversidade das expressões culturais;
culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incen- II - universalização do acesso aos bens e serviços culturais;
tivará a valorização e a difusão das manifestações culturais. III - fomento à produção, difusão e circulação de conhecimen-
§ 1º O Estado protegerá as manifestações das culturas popula- to e bens culturais;
res, indígenas e afro-brasileiras, e das de outros grupos partici- IV - cooperação entre os entes federados, os agentes públicos e
pantes do processo civilizatório nacional. privados atuantes na área cultural;
2º A lei disporá sobre a fixação de datas comemorativas de alta V - integração e interação na execução das políticas, programas,
significação para os diferentes segmentos étnicos nacionais. projetos e ações desenvolvidas;
3º A lei estabelecerá o Plano Nacional de Cultura, de duração VI - complementaridade nos papéis dos agentes culturais;
plurianual, visando ao desenvolvimento cultural do País e à inte- VII - transversalidade das políticas culturais;
gração das ações do poder público que conduzem à: VIII - autonomia dos entes federados e das instituições da so-
I defesa e valorização do patrimônio cultural brasileiro; ciedade civil;
II produção, promoção e difusão de bens culturais; IX - transparência e compartilhamento das informações;
III formação de pessoal qualificado para a gestão da cultura em X - democratização dos processos decisórios com participação
suas múltiplas dimensões; e controle social;
IV democratização do acesso aos bens de cultura; XI - descentralização articulada e pactuada da gestão, dos re-
V valorização da diversidade étnica e regional. cursos e das ações;
XII - ampliação progressiva dos recursos contidos nos orçamen-
Art. 216. Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de tos públicos para a cultura.
natureza MATERIAL e IMATERIAL, tomados individualmente ou § 2º Constitui a estrutura do Sistema Nacional de Cultura, nas res-
em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à me- pectivas esferas da Federação:
mória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, I - órgãos gestores da cultura;
nos quais se incluem: II - conselhos de política cultural;
I - as formas de expressão; III - conferências de cultura;
II - os modos de criar, fazer e viver; IV - comissões intergestores;
III - as criações científicas, artísticas e tecnológicas; V - planos de cultura;
95

VI - sistemas de financiamento à cultura; tural e socioeconômico, o bem-estar da população e a auto-


VII - sistemas de informações e indicadores culturais; nomia tecnológica do País, nos termos de lei federal.
VIII - programas de formação na área da cultura; e Parágrafo único. O Estado estimulará a formação e o fortaleci-
IX - sistemas setoriais de cultura. mento da inovação nas empresas, bem como nos demais entes,
§ 3º Lei federal disporá sobre a regulamentação do Sistema Naci- públicos ou privados, a constituição e a manutenção de parques e
onal de Cultura, bem como de sua articulação com os demais sis- polos tecnológicos e de demais ambientes promotores da inova-
temas nacionais ou políticas setoriais de governo. ção, a atuação dos inventores independentes e a criação, absor-
§ 4º Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão ção, difusão e transferência de tecnologia.
seus respectivos sistemas de cultura em leis próprias.
Art. 219-A. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
Seção III poderão firmar instrumentos de cooperação com órgãos e enti-
DO DESPORTO dades públicos e com entidades privadas, inclusive para o com-
Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas for- partilhamento de recursos humanos especializados e capaci-
mais e não-formais, como direito de cada um, observados: dade instalada, para a execução de projetos de pesquisa, de de-
I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e associa- senvolvimento científico e tecnológico e de inovação, mediante
ções, quanto a sua organização e funcionamento; contrapartida financeira ou não financeira assumida pelo ente be-
II - a destinação de recursos públicos para a promoção priori- neficiário, na forma da lei.
tária do desporto educacional e, em casos específicos, para a do
desporto de alto rendimento; Art. 219-B. O Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação
III - o tratamento diferenciado para o desporto profissional e (SNCTI) será organizado em regime de colaboração entre entes,
o não- profissional; tanto públicos quanto privados, com vistas a promover o desen-
IV - a proteção e o incentivo às manifestações desportivas de volvimento científico e tecnológico e a inovação.
criação nacional. § 1º Lei federal disporá sobre as normas gerais do SNCTI.
§ 1º O Poder Judiciário só admitirá ações relativas à disciplina § 2º Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios legislarão
e às competições desportivas após esgotarem-se as instâncias concorrentemente sobre suas peculiaridades.
da justiça desportiva, regulada em lei.
§ 2º A justiça desportiva terá o prazo máximo de 60 dias, con- CAPÍTULO V
tados da instauração do processo, para proferir decisão final. DA COMUNICAÇÃO SOCIAL
§ 3º O Poder Público incentivará o lazer, como forma de promo- Art. 220. A manifestação do pensamento, a criação, a expressão
ção social. e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não so-
frerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constitui-
CAPÍTULO IV ção.
DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO § 1º Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir em-
Art. 218. O Estado promoverá e incentivará o desenvolvimento ci- baraço à plena liberdade de informação jornalística em qual-
entífico, a pesquisa, a capacitação científica e tecnológica e a ino- quer veículo de comunicação social, observado o disposto no
vação. art. 5º, IV, V, X, XIII e XIV.
§ 1º A pesquisa científica básica e tecnológica receberá trata- § 2º É vedada toda e qualquer censura de natureza política,
mento prioritário do Estado, tendo em vista o bem público e o ideológica e artística.
progresso da ciência, tecnologia e inovação. § 3º Compete à lei federal:
§ 2º A pesquisa tecnológica voltar-se-á preponderantemente para I - regular as diversões e espetáculos públicos, cabendo ao Po-
a solução dos problemas brasileiros e para o desenvolvimento do der Público informar sobre a natureza deles, as faixas etárias a
sistema produtivo nacional e regional. que não se recomendem, locais e horários em que sua apresenta-
§ 3º O Estado apoiará a formação de recursos humanos nas áreas ção se mostre inadequada;
de ciência, pesquisa, tecnologia e inovação, inclusive por meio do II - estabelecer os meios legais que garantam à pessoa e à família
apoio às atividades de extensão tecnológica, e concederá aos que a possibilidade de se defenderem de programas ou programa-
delas se ocupem meios e condições especiais de trabalho. ções de rádio e televisão que contrariem o disposto no art. 221,
§ 4º A lei apoiará e estimulará as empresas que invistam em pes- bem como da propaganda de produtos, práticas e serviços que
quisa, criação de tecnologia adequada ao País, formação e aper- possam ser nocivos à saúde e ao meio ambiente.
feiçoamento de seus recursos humanos e que pratiquem sistemas § 4º A propaganda comercial de tabaco, bebidas alcoólicas, agro-
de remuneração que assegurem ao empregado, desvinculada do tóxicos, medicamentos e terapias estará sujeita a restrições legais,
salário, participação nos ganhos econômicos resultantes da pro- nos termos do inciso II do parágrafo anterior, e conterá, sempre
dutividade de seu trabalho. que necessário, advertência sobre os malefícios decorrentes
§ 5º É facultado aos Estados e ao Distrito Federal vincular parcela de seu uso.
de sua receita orçamentária a entidades públicas de fomento ao § 5º Os meios de comunicação social não podem, direta ou in-
ensino e à pesquisa científica e tecnológica. diretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio.
§ 6º O Estado, na execução das atividades previstas no caput , es- § 6º A publicação de veículo impresso de comunicação indepen-
timulará a articulação entre entes, tanto públicos quanto privados, de de licença de autoridade.
nas diversas esferas de governo.
§ 7º O Estado promoverá e incentivará a atuação no exterior das Art. 221. A produção e a programação das emissoras de rádio e
instituições públicas de ciência, tecnologia e inovação, com vistas televisão atenderão aos seguintes princípios:
à execução das atividades previstas no caput. I - preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e
informativas;
Art. 219. O mercado interno integra o patrimônio nacional e II - promoção da cultura nacional e regional e estímulo à pro-
será incentivado de modo a viabilizar o desenvolvimento cul- dução independente que objetive sua divulgação;
96

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalísti- II - preservar a diversidade e a integridade do patrimônio ge-
ca, conforme percentuais estabelecidos em lei; nético do País e fiscalizar as entidades dedicadas à pesquisa e
IV - respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família. manipulação de material genético;
III - definir, em todas as unidades da Federação, espaços terri-
Art. 222. A propriedade de empresa jornalística e de radiodifusão toriais e seus componentes a serem especialmente protegi-
sonora e de sons e imagens é privativa de brasileiros natos ou dos, sendo a ALTERAÇÃO E A SUPRESSÃO PERMITIDAS SO-
naturalizados há mais de 10 anos, ou de pessoas jurídicas MENTE ATRAVÉS DE LEI, vedada qualquer utilização que com-
constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sede no País. prometa a integridade dos atributos que justifiquem sua prote-
§ 1º Em qualquer caso, pelo menos 70% do capital total e do ção;
capital votante das empresas jornalísticas e de radiodifusão so- IV - exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade
nora e de sons e imagens deverá pertencer, direta ou indireta- potencialmente causadora de significativa degradação do
mente, a brasileiros natos ou naturalizados há mais de 10 meio ambiente, estudo prévio de impacto ambiental, a que se
anos, que exercerão obrigatoriamente a gestão das atividades dará publicidade;
e estabelecerão o conteúdo da programação. V - controlar a produção, a comercialização e o emprego de téc-
§ 2º A responsabilidade editorial e as atividades de seleção e nicas, métodos e substâncias que comportem risco para a vida, a
direção da programação veiculada são privativas de brasileiros qualidade de vida e o meio ambiente;
natos ou naturalizados há mais de 10 anos, em qualquer meio VI - promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino
de comunicação social. e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente;
§ 3º Os meios de comunicação social eletrônica, independente- VII - proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práti-
mente da tecnologia utilizada para a prestação do serviço, deve- cas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a
rão observar os princípios enunciados no art. 221, na forma de lei extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade.
específica, que também garantirá a prioridade de profissionais § 2º Aquele que explorar recursos minerais fica obrigado a re-
brasileiros na execução de produções nacionais. cuperar o meio ambiente degradado, de acordo com solução
§ 4º Lei disciplinará a participação de capital estrangeiro nas em- técnica exigida pelo órgão público competente, na forma da lei.
presas de que trata o § 1º. § 3º As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio
§ 5º As alterações de controle societário das empresas de que tra- ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a
ta o § 1º serão comunicadas ao Congresso Nacional. sanções penais e administrativas, independentemente da obriga-
ção de reparar os danos causados.
Art. 223. Compete ao Poder Executivo outorgar e renovar conces- § 4º A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra
são, permissão e autorização para o serviço de radiodifusão sono- do Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são pa-
ra e de sons e imagens, observado o princípio da complementa- trimônio nacional, e sua utilização far-se-á, na forma da lei, den-
ridade dos sistemas privado, público e estatal. tro de condições que assegurem a preservação do meio ambien-
§ 1º O Congresso Nacional apreciará o ato no prazo do art. 64, § te, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais.
2º e § 4º, a contar do recebimento da mensagem. § 5º São indisponíveis as terras devolutas ou arrecadadas pe-
§ 2º A não renovação da concessão ou permissão dependerá los Estados, por ações discriminatórias, necessárias à proteção
de aprovação de, no mínimo, 2/5 do Congresso Nacional, em dos ecossistemas naturais.
votação nominal. § 6º As usinas que operem com reator nuclear deverão ter sua lo-
§ 3º O ato de outorga ou renovação somente produzirá efeitos le- calização definida em lei federal, sem o que não poderão ser ins-
gais após deliberação do Congresso Nacional, na forma dos pa- taladas.
rágrafos anteriores. § 7º Para fins do disposto na parte final do inciso VII do § 1º deste
§ 4º O cancelamento da concessão ou permissão, antes de ven- artigo, não se consideram cruéis as práticas desportivas que
cido o prazo, depende de decisão judicial. utilizem animais, desde que sejam manifestações culturais,
§ 5º O prazo da concessão ou permissão será de 10 anos para as conforme o § 1º do art. 215 desta Constituição Federal, registra-
emissoras de rádio e de 15 para as de televisão. das como bem de natureza imaterial integrante do patrimô-
nio cultural brasileiro, devendo ser regulamentadas por lei es-
PRAZO DA RÁDIO: 10 anos pecífica que assegure o bem-estar dos animais envolvidos.
CONCESSÃO/PERMISSÃO
TV: 15 anos
SÚMULAS SOBRE MEIO AMBIENTE

Art. 224. Para os efeitos do disposto neste capítulo, o Congresso Súmula 467-STJ: Prescreve em 5 anos, contados do término
Nacional instituirá, como seu órgão auxiliar, o Conselho de Comu- do processo administrativo, a pretensão da Administração Pú-
nicação Social, na forma da lei. blica de promover a execução da multa por infração ambien-
tal.
CAPÍTULO VI Súmula 613-STJ: Não se admite a aplicação da teoria do fato
DO MEIO AMBIENTE consumado em tema de Direito Ambiental.
Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente OBS: Segundo a teoria do fato consumado, as situações jurídi-
equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia cas consolidadas pelo decurso do tempo, amparadas por deci-
qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade são judicial, não devem ser desconstituídas, em razão do princí-
o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras pio da segurança jurídica e da estabilidade das relações sociais
gerações (STJ. REsp 709.934/RJ).
§ 1º Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Súmula 618-STJ: A inversão do ônus da prova aplica-se às
Público: ações de degradação ambiental
I - preservar e restaurar os processos ecológicos essenciais e OBS: O PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO pressupõe a inversão do
prover o manejo ecológico das espécies e ecossistemas; ônus probatório, competindo a quem supostamente promoveu
97

o dano ambiental comprovar que não o causou ou que a subs- de entidades não governamentais, mediante políticas específicas
tância lançada ao meio ambiente não lhe é potencialmente lesi- e obedecendo aos seguintes preceitos:
va. STJ. 2ª Turma. REsp 1.060.753/SP, Rel. Min. Eliana Calmon, I - aplicação de percentual dos recursos públicos destinados à
julgado em 01/12/2009. saúde na assistência materno-infantil;
OBS: A inversão do ônus da prova deve ser também admiti- II - criação de programas de prevenção e atendimento especiali-
da em caso de ação civil pública proposta pelo Ministério zado para as pessoas portadoras de deficiência física, sensorial ou
Público pedindo a recomposição e/ou a reparação decorrente mental, bem como de integração social do adolescente e do jo-
de degradação ambiental. Isso porque, por mais que o Ministé- vem portador de deficiência, mediante o treinamento para o tra-
rio Público não possa ser considerado hipossuficiente, ele atua balho e a convivência, e a facilitação do acesso aos bens e servi-
em juízo como substituto processual e a vítima (substituída) é ços coletivos, com a eliminação de obstáculos arquitetônicos e de
toda a sociedade que, em se tratando de dano ambiental, é con- todas as formas de discriminação.
siderada hipossuficiente do ponto de vista de conseguir produ- § 2º A lei disporá sobre normas de construção dos logradouros e
zir as provas. STJ. 2ª Turma. REsp 1235467/RS, Rel. Min. Herman dos edifícios de uso público e de fabricação de veículos de trans-
Benjamin, julgado em 20/08/2013. porte coletivo, a fim de garantir acesso adequado às pessoas
Súmula 623-STJ: As obrigações ambientais possuem natureza portadoras de deficiência.
propter rem, sendo admissível cobrá-las do proprietário ou § 3º O direito a proteção especial abrangerá os seguintes as-
possuidor atual e/ou dos anteriores, à escolha do credor. pectos:
OBS: I - idade mínima de 14 anos para admissão ao trabalho, obser-
• obrigação de reparar o dano ambiental (responsabilidade vado o disposto no art. 7º, XXXIII;
civil pela reparação dos danos ambientais): possui natureza II - garantia de direitos previdenciários e trabalhistas;
propter rem, sendo possível cobrar também do atual III - garantia de acesso do trabalhador adolescente e jovem à
proprietário condutas derivadas de danos provocados pelos escola;
proprietários antigos. IV - garantia de pleno e formal conhecimento da atribuição de
• multa ambiental (sanção administrativa): somente poderia ato infracional, igualdade na relação processual e defesa técnica
ser cobrada do próprio transgressor, não podendo passar da por profissional habilitado, segundo dispuser a legislação tute-
pessoa do culpado. lar específica;
Súmula 629-STJ: Quanto ao dano ambiental, é admitida a V - obediência aos princípios de brevidade, excepcionalidade
condenação do réu à obrigação de fazer ou à de não fazer e respeito à condição peculiar de pessoa em desenvolvimento,
cumulada com a de indenizar. quando da aplicação de qualquer medida privativa da liberdade;
VI - estímulo do Poder Público, através de assistência jurídica, in-
centivos fiscais e subsídios, nos termos da lei, ao acolhimento, sob
CAPÍTULO VII
a forma de guarda, de criança ou adolescente órfão ou abando-
Da Família, da Criança, do Adolescente, do Jovem e do Idoso
nado;
Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do
VII - programas de prevenção e atendimento especializado à cri-
Estado.
ança, ao adolescente e ao jovem dependente de entorpecentes e
§ 1º O casamento é civil e gratuita a celebração.
drogas afins.
§ 2º O casamento religioso tem efeito civil, nos termos da lei.
§ 4º A lei punirá severamente o abuso, a violência e a exploração
§ 3º Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união
sexual da criança e do adolescente.
estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, de-
§ 5º A adoção será assistida pelo Poder Público, na forma da lei,
vendo a lei facilitar sua conversão em casamento.
que estabelecerá casos e condições de sua efetivação por parte
§ 4º Entende-se, também, como entidade familiar a comunidade
de estrangeiros.
formada por qualquer dos pais e seus descendentes.
§ 6º Os filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou
§ 5º Os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são
por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibi-
exercidos igualmente pelo homem e pela mulher.
das quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação.
§ 6º O casamento civil pode ser dissolvido pelo divórcio.
§ 7º No atendimento dos direitos da criança e do adolescente le-
§ 7º Fundado nos princípios da dignidade da pessoa humana e
var-se-á em consideração o disposto no art. 204.
da paternidade responsável, o planejamento familiar é livre
§ 8º A lei estabelecerá:
decisão do casal, competindo ao Estado propiciar recursos edu-
I - o estatuto da juventude, destinado a regular os direitos dos jo-
cacionais e científicos para o exercício desse direito, vedada qual-
vens;
quer forma coercitiva por parte de instituições oficiais ou priva-
II - o plano nacional de juventude, de duração decenal, visando à
das.
articulação das várias esferas do poder público para a execução
§ 8º O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada
de políticas públicas.
um dos que a integram, criando mecanismos para coibir a violên-
cia no âmbito de suas relações.
Art. 228. São penalmente inimputáveis os menores de 18 anos,
sujeitos às normas da legislação especial.
Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegu-
rar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta priorida-
Art. 229. Os pais têm o dever de assistir, criar e educar os filhos
de, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à
menores, e os filhos maiores têm o dever de ajudar e amparar
profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade
os pais na velhice, carência ou enfermidade.
e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo
de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violên-
Art. 230. A família, a sociedade e o Estado têm o dever de am-
cia, crueldade e opressão.
parar as pessoas idosas, assegurando sua participação na comu-
§ 1º O Estado promoverá programas de assistência integral à saú-
nidade, defendendo sua dignidade e bem-estar e garantindo-lhes
de da criança, do adolescente e do jovem, admitida a participação
o direito à vida.
98

§ 1º Os programas de amparo aos idosos serão executados pre- I - a Assembleia Legislativa será composta de 17 Deputados se a
ferencialmente em seus lares. população do Estado for inferior a 600 mil habitantes, e de 24,
§ 2º Aos maiores de 65 anos é garantida a gratuidade dos se igual ou superior a esse número, até 1.500.000,00 mil;
transportes coletivos urbanos. II - o Governo terá no máximo 10 Secretarias;
III - o Tribunal de Contas terá 3 membros, nomeados, pelo Go-
CAPÍTULO VIII vernador eleito, dentre brasileiros de comprovada idoneidade e
DOS ÍNDIOS notório saber;
Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, IV - o Tribunal de Justiça terá 7 Desembargadores;
costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originá- V - os primeiros Desembargadores serão nomeados pelo Gover-
rios sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo nador eleito, escolhidos da seguinte forma:
à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus a) 5 dentre os magistrados com mais de 35 anos de idade, em
bens. exercício na área do novo Estado ou do Estado originário;
§ 1º São TERRAS TRADICIONALMENTE OCUPADAS PELOS ÍN- b) 2 dentre promotores, nas mesmas condições, e advogados de
DIOS as por eles habitadas em caráter permanente, as utiliza- comprovada idoneidade e saber jurídico, com 10 anos, no míni-
das para suas atividades produtivas, as imprescindíveis à pre- mo, de exercício profissional, obedecido o procedimento fixado
servação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar na Constituição;
e as necessárias a sua reprodução física e cultural, segundo VI - no caso de Estado proveniente de Território Federal, os 5 pri-
seus usos, costumes e tradições. meiros Desembargadores poderão ser escolhidos dentre juízes de
§ 2º As terras tradicionalmente ocupadas pelos índios (bens de direito de qualquer parte do País;
uso especial) destinam-se a sua posse permanente, cabendo- VII - em cada Comarca, o primeiro Juiz de Direito, o primeiro
lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos la- Promotor de Justiça e o primeiro Defensor Público serão no-
gos nelas existentes. meados pelo Governador eleito após concurso público de
§ 3º O aproveitamento dos recursos hídricos, incluídos os po- provas e títulos;
tenciais energéticos, a pesquisa e a lavra das riquezas minerais em VIII - até a promulgação da Constituição Estadual, responderão
terras indígenas só podem ser efetivados com autorização do pela Procuradoria-Geral, pela Advocacia-Geral e pela Defensoria-
Congresso Nacional, ouvidas as comunidades afetadas, ficando- Geral do Estado advogados de notório saber, com 35 anos de
lhes assegurada participação nos resultados da lavra, na forma da idade, no mínimo, nomeados pelo Governador eleito e demissí-
lei. veis "ad nutum";
§ 4º As terras de que trata este artigo são inalienáveis e indis- IX - se o novo Estado for resultado de transformação de Território
poníveis, e os direitos sobre elas, imprescritíveis. Federal, a transferência de encargos financeiros da União para pa-
§ 5º É vedada a remoção dos grupos indígenas de suas terras, gamento dos servidores optantes que pertenciam à Administra-
salvo, "ad referendum" do Congresso Nacional, em caso de ção Federal ocorrerá da seguinte forma:
catástrofe ou epidemia que ponha em risco sua população, ou a) no 6° ano de instalação, o Estado assumirá 20% dos encargos
no interesse da soberania do País, após deliberação do Congresso financeiros para fazer face ao pagamento dos servidores públicos,
Nacional, garantido, em qualquer hipótese, o retorno imediato ficando ainda o restante sob a responsabilidade da União;
logo que cesse o risco. b) no 7° ano, os encargos do Estado serão acrescidos de 30% e,
§ 6º São nulos e extintos, não produzindo efeitos jurídicos, os no oitavo, dos restantes 50%;
atos que tenham por objeto a ocupação, o domínio e a posse X - as nomeações que se seguirem às primeiras, para os cargos
das terras a que se refere este artigo, ou a exploração das ri- mencionados neste artigo, serão disciplinadas na Constituição Es-
quezas naturais do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes, tadual;
ressalvado relevante interesse público da União, segundo o XI - as despesas orçamentárias com pessoal não poderão ultra-
que dispuser lei complementar, não gerando a nulidade e a passar 50% da receita do Estado.
extinção direito a indenização ou a ações contra a União, sal-
vo, na forma da lei, quanto às benfeitorias derivadas da ocu- Art. 236. Os serviços notariais e de registro são exercidos em
pação de boa fé. caráter privado, por delegação do Poder Público.
§ 7º Não se aplica às terras indígenas o disposto no art. 174, § 3º § 1º Lei regulará as atividades, disciplinará a responsabilidade civil
e § 4º. e criminal dos notários, dos oficiais de registro e de seus prepos-
tos, e definirá a fiscalização de seus atos pelo Poder Judiciário.
Art. 232. Os índios, suas comunidades e organizações são par- § 2º Lei federal estabelecerá normas gerais para fixação de emo-
tes legítimas para ingressar em juízo em defesa de seus direi- lumentos relativos aos atos praticados pelos serviços notariais e
tos e interesses, intervindo o Ministério Público em todos os atos de registro.
do processo. § 3º O ingresso na atividade notarial e de registro depende de
concurso público de provas e títulos, não se permitindo que
TÍTULO IX qualquer serventia fique vaga, sem abertura de concurso de pro-
Das Disposições Constitucionais Gerais vimento ou de remoção, por mais de 6 meses.
Art. 234. É vedado à União, direta ou indiretamente, assumir, em
decorrência da criação de Estado, encargos referentes a despe- Art. 237. A fiscalização e o controle sobre o comércio exterior, es-
sas com pessoal inativo e com encargos e amortizações da senciais à defesa dos interesses fazendários nacionais, serão exer-
dívida interna ou externa da administração pública, inclusive da cidos pelo Ministério da Fazenda.
indireta.
Art. 238. A lei ordenará a venda e revenda de combustíveis de pe-
Art. 235. Nos 10 primeiros anos da criação de Estado, serão ob- tróleo, álcool carburante e outros combustíveis derivados de ma-
servadas as seguintes normas básicas: térias-primas renováveis, respeitados os princípios desta Consti-
tuição.
99

SERÃO EXPROPRIADAS e destinadas à reforma agrária e a


Art. 239. A arrecadação decorrente das contribuições para o Pro- programas de habitação popular, sem qualquer indenização ao
grama de Integração Social, criado pela Lei Complementar nº 7, proprietário e sem prejuízo de outras sanções previstas em lei,
de 7 de setembro de 1970, e para o Programa de Formação do observado, no que couber, o disposto no art. 5º.
Patrimônio do Servidor Público, criado pela Lei Complementar nº Parágrafo único. Todo e qualquer bem de valor econômico
8, de 3 de dezembro de 1970, passa, a partir da promulgação apreendido em decorrência do tráfico ilícito de entorpecentes e
desta Constituição, a financiar, nos termos que a lei dispuser, o drogas afins e da exploração de trabalho escravo será confiscado
programa do seguro-desemprego, outras ações da previdência e reverterá a fundo especial com destinação específica, na forma
social e o abono de que trata o § 3º deste artigo. (EC 103/19) da lei.
§ 1º Dos recursos mencionados no caput, no mínimo 28% serão
destinados para o financiamento de programas de desenvolvi- Art. 244. A lei disporá sobre a adaptação dos logradouros, dos
mento econômico, por meio do Banco Nacional de Desenvolvi- edifícios de uso público e dos veículos de transporte coletivo
mento Econômico e Social, com critérios de remuneração que atualmente existentes a fim de garantir acesso adequado às
preservem o seu valor. (EC 103/19) pessoas portadoras de deficiência, conforme o disposto no art.
§ 2º Os patrimônios acumulados do Programa de Integração Soci- 227, § 2º.
al e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público
são preservados, mantendo-se os critérios de saque nas situações Art. 245. A lei disporá sobre as hipóteses e condições em que o
previstas nas leis específicas, com exceção da retirada por motivo Poder Público dará assistência aos herdeiros e dependentes ca-
de casamento, ficando vedada a distribuição da arrecadação de rentes de pessoas vitimadas por crime doloso, sem prejuízo da
que trata o "caput" deste artigo, para depósito nas contas indivi- responsabilidade civil do autor do ilícito.
duais dos participantes.
§ 3º Aos empregados que percebam de empregadores que con- Art. 246. É vedada a adoção de medida provisória na regulamen-
tribuem para o Programa de Integração Social ou para o Progra- tação de artigo da Constituição cuja redação tenha sido alterada
ma de Formação do Patrimônio do Servidor Público, até dois salá- por meio de emenda promulgada entre 1º de janeiro de 1995 até
rios mínimos de remuneração mensal, é assegurado o pagamento a promulgação desta emenda, inclusive.
de um salário mínimo anual, computado neste valor o rendimento
das contas individuais, no caso daqueles que já participavam dos Art. 247. As leis previstas no inciso III do § 1º do art. 41 e no § 7º
referidos programas, até a data da promulgação desta Constitui- do art. 169 estabelecerão critérios e garantias especiais para a
ção. perda do cargo pelo servidor público estável que, em decorrência
§ 4º O financiamento do seguro-desemprego receberá uma con- das atribuições de seu cargo efetivo, desenvolva atividades exclu-
tribuição adicional da empresa cujo índice de rotatividade da for- sivas de Estado.
ça de trabalho superar o índice médio da rotatividade do setor, na Parágrafo único. Na hipótese de insuficiência de desempenho, a
forma estabelecida por lei. perda do cargo somente ocorrerá mediante processo administra-
§ 5º Os programas de desenvolvimento econômico financiados na tivo em que lhe sejam assegurados o contraditório e a ampla de-
forma do § 1º e seus resultados serão anualmente avaliados e di- fesa.
vulgados em meio de comunicação social eletrônico e apresenta-
dos em reunião da comissão mista permanente de que trata o § Art. 248. Os benefícios pagos, a qualquer título, pelo órgão res -
1º do art. 166. (EC 103/19) ponsável pelo regime geral de previdência social, ainda que à
conta do Tesouro Nacional, e os não sujeitos ao limite máximo de
Art. 240. Ficam ressalvadas do disposto no art. 195 as atuais con- valor fixado para os benefícios concedidos por esse regime obser-
tribuições compulsórias dos empregadores sobre a folha de salá- varão os limites fixados no art. 37, XI.
rios, destinadas às entidades privadas de serviço social e de for-
mação profissional vinculadas ao sistema sindical. Art. 249. Com o objetivo de assegurar recursos para o pagamento
de proventos de aposentadoria e pensões concedidas aos respec-
Art. 241. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios tivos servidores e seus dependentes, em adição aos recursos dos
disciplinarão por meio de lei os consórcios públicos e os con- respectivos tesouros, a União, os Estados, o Distrito Federal e os
vênios de cooperação entre os entes federados, autorizando a Municípios poderão constituir fundos integrados pelos recursos
gestão associada de serviços públicos, bem como a transferência provenientes de contribuições e por bens, direitos e ativos de
total ou parcial de encargos, serviços, pessoal e bens essenciais à qualquer natureza, mediante lei que disporá sobre a natureza e
continuidade dos serviços transferidos. administração desses fundos.

Art. 242. O princípio do art. 206, IV, não se aplica às instituições Art. 250. Com o objetivo de assegurar recursos para o pagamento
educacionais oficiais criadas por lei estadual ou municipal e exis- dos benefícios concedidos pelo regime geral de previdência soci-
tentes na data da promulgação desta Constituição, que não sejam al, em adição aos recursos de sua arrecadação, a União poderá
total ou preponderantemente mantidas com recursos públicos. constituir fundo integrado por bens, direitos e ativos de qualquer
§ 1º O ensino da História do Brasil levará em conta as contribui- natureza, mediante lei que disporá sobre a natureza e administra-
ções das diferentes culturas e etnias para a formação do povo ção desse fundo.
brasileiro.
§ 2º O Colégio Pedro II, localizado na cidade do Rio de Janei-
ro, será mantido na órbita federal.

Art. 243. As propriedades rurais e urbanas de qualquer região


do País onde forem localizadas culturas ilegais de plantas psi-
cotrópicas ou a exploração de trabalho escravo na forma da lei
100

apresentada pelo impetrante, com as cópias dos documentos, a


LEI 9507/97 – HABEAS DATA fim de que, no prazo de 10 dias, preste as informações que jul-
gar necessárias.
Art. 1º
Art. 10. A inicial será desde logo indeferida, quando não for o
Parágrafo único. Considera-se de caráter público todo registro
caso de habeas data, ou se lhe faltar algum dos requisitos previs-
ou banco de dados contendo informações que sejam ou que
tos nesta Lei.
possam ser transmitidas a terceiros ou que não sejam de uso
Parágrafo único. Do despacho de indeferimento caberá recurso
privativo do órgão ou entidade produtora ou depositária das
previsto no art. 15 (apelação).
informações.

Art. 11. Feita a notificação, o serventuário em cujo cartório corra o


Art. 2° O requerimento será apresentado ao órgão ou entidade
feito, juntará aos autos cópia autêntica do ofício endereçado ao
depositária do registro ou banco de dados e será deferido ou in-
coator, bem como a prova da sua entrega a este ou da recusa,
deferido no prazo de 48 horas.
seja de recebê-lo, seja de dar recibo.
Parágrafo único. A decisão será comunicada ao requerente em
24 horas.
Art. 12. Findo o prazo a que se refere o art. 9° (10 dias), e ouvido
o representante do Ministério Público dentro de 5 dias, os autos
Art. 3° Ao deferir o pedido, o depositário do registro ou do banco
serão conclusos ao juiz para decisão a ser proferida em cinco dias.
de dados marcará dia e hora para que o requerente tome conhe-
cimento das informações.
Art. 13. Na decisão, se julgar procedente o pedido, o juiz mar-
cará data e horário para que o coator:
Art. 4° Constatada a inexatidão de qualquer dado a seu respeito,
I - apresente ao impetrante as informações a seu respeito,
o interessado, em petição acompanhada de documentos com-
constantes de registros ou bancos de dadas; ou
probatórios, poderá requerer sua retificação.
II - apresente em juízo a prova da retificação ou da anotação
§ 1° Feita a retificação em, no máximo, 10 dias após a entrada
feita nos assentamentos do impetrante.
do requerimento, a entidade ou órgão depositário do registro ou
da informação dará ciência ao interessado.
Art. 14. A decisão será comunicada ao coator, por correio, com
§ 2° Ainda que não se constate a inexatidão do dado, se o inte-
aviso de recebimento, ou por telegrama, radiograma ou telefone-
ressado apresentar explicação ou contestação sobre o mesmo,
ma, conforme o requerer o impetrante.
justificando possível pendência sobre o fato objeto do dado, tal
Parágrafo único. Os originais, no caso de transmissão telegráfica,
explicação será anotada no cadastro do interessado.
radiofônica ou telefônica deverão ser apresentados à agência ex-
pedidora, com a firma do juiz devidamente reconhecida.
Art. 7° Conceder-se-á habeas data:
I - para assegurar o conhecimento de informações relativas à
Art. 15. Da sentença que conceder ou negar o habeas data cabe
pessoa do impetrante, constantes de registro ou banco de da-
apelação.
dos de entidades governamentais ou de caráter público;
Parágrafo único. Quando a sentença CONCEDER o habeas data,
Se for informações de terceiros – cabe MS o recurso terá EFEITO MERAMENTE DEVOLUTIVO.
II - para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-lo
por processo sigiloso, judicial ou administrativo; Art. 16. Quando o habeas data for concedido e o Presidente do
III - para a anotação nos assentamentos do interessado, de con- Tribunal ao qual competir o conhecimento do recurso ordenar ao
testação ou explicação sobre dado verdadeiro mas justificável juiz a suspensão da execução da sentença, desse seu ato caberá
e que esteja sob pendência judicial ou amigável. agravo para o Tribunal a que presida.

Art. 8° A petição inicial, que deverá preencher os requisitos dos Art. 17. Nos casos de competência do Supremo Tribunal Federal e
arts. 282 a 285 do Código de Processo Civil, será apresentada em dos demais Tribunais caberá ao relator a instrução do processo.
2 vias, e os documentos que instruírem a primeira serão reprodu-
zidos por cópia na segunda. Art. 18. O pedido de habeas data poderá ser renovado se a de-
Parágrafo único. A petição inicial deverá ser instruída com pro- cisão denegatória não lhe houver apreciado o mérito.
va:
I - da recusa ao acesso às informações ou do decurso de mais Art. 19. Os processos de habeas data terão prioridade sobre to-
de 10 dias sem decisão; dos os atos judiciais, exceto HC e MS. Na instância superior, de-
II - da recusa em fazer-se a retificação ou do decurso de mais verão ser levados a julgamento na primeira sessão que se seguir à
de 15 dias, sem decisão; ou data em que, feita a distribuição, forem conclusos ao relator.
III - da recusa em fazer-se a anotação a que se refere o § 2° do Parágrafo único. O prazo para a conclusão não poderá exceder
art. 4° ou do decurso de mais de 15 dias sem decisão. de 24 horas, a contar da distribuição.

Recusa ao acesso à Mais de 10 dias sem decisão Art. 20. O julgamento do habeas data compete:
informação I - originariamente:
a) ao Supremo Tribunal Federal, contra atos do Presidente da Re-
Recusa em fazer-se a Mais de 15 dias sem decisão pública, das Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Fede-
retificação ou anotação ral, do Tribunal de Contas da União, do Procurador-Geral da Re-
pública e do próprio Supremo Tribunal Federal;
Art. 9° Ao despachar a inicial, o juiz ordenará que se notifique o b) ao Superior Tribunal de Justiça, contra atos de Ministro de Esta-
coator do conteúdo da petição, entregando-lhe a segunda via do ou do próprio Tribunal;
101

c) aos Tribunais Regionais Federais contra atos do próprio Tribu-


nal ou de juiz federal;
d) a juiz federal, contra ato de autoridade federal, excetuados os
casos de competência dos tribunais federais;
e) a tribunais estaduais, segundo o disposto na Constituição do
Estado;
f) a juiz estadual, nos demais casos;
II - em grau de recurso:
a) ao Supremo Tribunal Federal, quando a decisão denegatória for
proferida em única instância pelos Tribunais Superiores;
b) ao Superior Tribunal de Justiça, quando a decisão for proferida
em única instância pelos Tribunais Regionais Federais;
c) aos Tribunais Regionais Federais, quando a decisão for proferi-
da por juiz federal;
d) aos Tribunais Estaduais e ao do Distrito Federal e Territórios,
conforme dispuserem a respectiva Constituição e a lei que organi-
zar a Justiça do Distrito Federal;
III - mediante recurso extraordinário ao Supremo Tribunal Federal,
nos casos previstos na Constituição.

Art. 21. São gratuitos o procedimento administrativo para acesso


a informações e retificação de dados e para anotação de justi-
ficação, bem como a ação de habeas data.

O habeas data é a garantia constitucional adequada para a


obtenção dos dados concernentes ao pagamento de tributos
do próprio contribuinte constantes dos sistemas
informatizados de apoio à arrecadação dos órgãos da
administração fazendária dos entes estatais. No caso concreto, o
STF reconheceu que o contribuinte pode ajuizar habeas
data para ter acesso às informações relacionadas consigo e que
estejam presentes no sistema SINCOR da Receita Federal. STF.
Plenário. RE 673707/MG
Súmula 2-STJ: Não cabe o habeas data (CF, art. 5º, LXXII, letra
"a") se não houve recusa de informações por parte da
autoridade administrativa.
Não é cabível ação de exibição de documentos que tenha por
objeto a obtenção de informações detidas pela Administração
Pública que não foram materializadas em documentos
(eletrônicos ou não), ainda que se alegue demora na prestação
dessas informações pela via administrativa. Cabível HD. STJ. 2ª
Turma. REsp 1415741-MG
102

a) incompetência;
LEI 4717/65 – AÇÃO POPULAR b) vício de forma;
c) ilegalidade do objeto;
d) inexistência dos motivos;
Art. 5°, LXXIII, CF/88 - qualquer cidadão é parte legítima para e) desvio de finalidade.
propor ação popular que vise a anular ato lesivo ao Parágrafo único. Para a conceituação dos casos de nulidade
patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à observar-se-ão as seguintes normas:
moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao a) a INCOMPETÊNCIA fica caracterizada quando o ato não
patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo se incluir nas atribuições legais do agente que o praticou;
comprovada má-fé, isento de custas judiciais e do ônus da b) o VÍCIO DE FORMA consiste na omissão ou na obser-
sucumbência; vância incompleta ou irregular de formalidades indispensá-
veis à existência ou seriedade do ato;
Art. 1º QUALQUER CIDADÃO (comprovação através do títu- c) a ILEGALIDADE DO OBJETO ocorre quando o resultado
lo de eleitor) será parte legítima para pleitear a anulação ou a do ato importa em violação de lei, regulamento ou outro ato
declaração de nulidade de atos lesivos ao patrimônio da Uni- normativo;
ão, do Distrito Federal, dos Estados, dos Municípios, de entidades d) a INEXISTÊNCIA DOS MOTIVOS se verifica quando a
autárquicas, de sociedades de economia mista (Constituição, art. matéria de fato ou de direito, em que se fundamenta o ato, é
141, § 38), de sociedades mútuas de seguro nas quais a União re- materialmente inexistente ou juridicamente inadequada ao
presente os segurados ausentes, de empresas públicas, de servi- resultado obtido;
ços sociais autônomos, de instituições ou fundações para cuja cri- e) o DESVIO DE FINALIDADE se verifica quando o agente
ação ou custeio o tesouro público haja concorrido ou concorra pratica o ato visando a fim diverso daquele previsto, explícita
com mais de 50% do patrimônio ou da receita ânua, de empre- ou implicitamente, na regra de competência.
sas incorporadas ao patrimônio da União, do Distrito Federal, dos
Estados e dos Municípios, e de quaisquer pessoas jurídicas ou en- Art. 3º Os atos lesivos ao patrimônio das pessoas de direito
tidades subvencionadas pelos cofres públicos. público ou privado, ou das entidades mencionadas no art. 1º, cu-
§ 1º - Consideram-se patrimônio público para os fins refe- jos vícios não se compreendam nas especificações do artigo ante-
ridos neste artigo, os bens e direitos de valor econômico, ar- rior, serão anuláveis, segundo as prescrições legais, enquanto
tístico, estético, histórico ou turístico. compatíveis com a natureza deles.
O objeto da ação popular abarca direito difusos, mas não direi-
tos individuais homogêneos. Art. 4º São também NULOS os seguintes atos ou contratos,
praticados ou celebrados por quaisquer das pessoas ou entidades
§ 2º Em se tratando de instituições ou fundações, para cuja
referidas no art. 1º.
criação ou custeio o tesouro público concorra com menos de
I - A admissão ao serviço público remunerado, com deso-
50% do patrimônio ou da receita ânua, bem como de pessoas ju-
bediência, quanto às condições de habilitação, das normas le-
rídicas ou entidades subvencionadas, as consequências patrimo-
gais, regulamentares ou constantes de instruções gerais.
niais da invalidez dos atos lesivos terão por limite a repercussão
II - A operação bancária ou de crédito real, quando:
deles sobre a contribuição dos cofres públicos.
a) for realizada com desobediência a normas legais, regu-
§ 3º A prova da cidadania, para ingresso em juízo, será feita
lamentares, estatutárias, regimentais ou internas;
com o título eleitoral, ou com documento que a ele corres-
b) o valor real do bem dado em hipoteca ou penhor for
ponda.
inferior ao constante de escritura, contrato ou avaliação.
§ 4º Para instruir a inicial, o cidadão poderá requerer às en-
III - A empreitada, a tarefa e a concessão do serviço pú-
tidades, a que se refere este artigo, as certidões e informações
blico, quando:
que julgar necessárias, bastando para isso indicar a finalidade das
a) o respectivo contrato houver sido celebrado sem prévia
mesmas.
concorrência pública ou administrativa, sem que essa condi-
§ 5º As certidões e informações, a que se refere o parágrafo
ção seja estabelecida em lei, regulamento ou norma geral;
anterior, deverão ser fornecidas dentro de 15 dias da entrega,
b) no edital de concorrência forem incluídas cláusulas ou
sob recibo, dos respectivos requerimentos, e só poderão ser utili-
condições, que comprometam o seu caráter competitivo;
zadas para a instrução de ação popular.
c) a concorrência administrativa for processada em con-
§ 6º Somente nos casos em que o interesse público, devida-
dições que impliquem na limitação das possibilidades nor-
mente justificado, impuser sigilo, poderá ser negada certidão ou
mais de competição.
informação.
IV - As modificações ou vantagens, inclusive prorroga-
§ 7º Ocorrendo a hipótese do parágrafo anterior, a ação po-
ções que forem admitidas, em favor do adjudicatário, durante
derá ser proposta desacompanhada das certidões ou informa-
a execução dos contratos de empreitada, tarefa e concessão de
ções negadas, cabendo ao juiz, após apreciar os motivos do in-
serviço público, sem que estejam previstas em lei ou nos respec-
deferimento, e salvo em se tratando de razão de segurança nacio-
tivos instrumentos.,
nal, requisitar umas e outras; feita a requisição, o processo cor-
V - A compra e venda de bens móveis ou imóveis, nos ca-
rerá em segredo de justiça, que cessará com o trânsito em jul-
sos em que não cabível concorrência pública ou administrativa,
gado de sentença condenatória.
quando:
a) for realizada com desobediência a normas legais, regu-
Súmula 365-STF: Pessoa jurídica não tem legitimidade para lamentares, ou constantes de instruções gerais;
propor ação popular b) o preço de compra dos bens for superior ao corrente
no mercado, na época da operação;
Art. 2º São NULOS os atos lesivos ao patrimônio das enti- c) o preço de venda dos bens for inferior ao corrente no
dades mencionadas no artigo anterior, nos casos de: mercado, na época da operação.
103

VI - A concessão de licença de exportação ou importação, § 2º No caso de que trata o inciso II, item "b", do art. 4º,
qualquer que seja a sua modalidade, quando: quando o valor real do bem for inferior ao da avaliação, citar-se-
a) houver sido praticada com violação das normas legais e ão como réus, além das pessoas públicas ou privadas e entidades
regulamentares ou de instruções e ordens de serviço; referidas no art. 1º, apenas os responsáveis pela avaliação inexata
b) resultar em exceção ou privilégio, em favor de exporta- e os beneficiários da mesma.
dor ou importador. § 3º A pessoas jurídica de direito público ou de direito
VII - A operação de redesconto quando sob qualquer as- privado, cujo ato seja objeto de impugnação, poderá abster-se
pecto, inclusive o limite de valor, desobedecer a normas legais, de contestar o pedido, ou poderá atuar ao lado do autor, des-
regulamentares ou constantes de instruções gerais. de que isso se afigure útil ao interesse público, a juízo do res-
VIII - O empréstimo concedido pelo Banco Central da Re- pectivo representante legal ou dirigente – LEGITIMIDADE PEN-
pública, quando: DULAR ou BIFRONTE/INTERVENÇÃO MÓVEL
a) concedido com desobediência de quaisquer normas le- § 4º O Ministério Público acompanhará a ação, cabendo-
gais, regulamentares, regimentais ou constantes de instruções lhe apressar a produção da prova e promover a responsabili-
gerias: dade, civil ou criminal, dos que nela incidirem, sendo-lhe VEDA-
b) o valor dos bens dados em garantia, na época da ope- DO, em qualquer hipótese, assumir a defesa do ato impugna-
ração, for inferior ao da avaliação. do ou dos seus autores.
IX - A emissão, quando efetuada sem observância das § 5º É facultado a qualquer cidadão habilitar-se como li-
normas constitucionais, legais e regulamentadoras que regem a tisconsorte ou assistente do autor da ação popular.
espécie.
DO PROCESSO
DA COMPETÊNCIA Art. 7º A ação obedecerá ao procedimento ordinário (CPC/15
Art. 5º Conforme a origem do ato impugnado, é competente = procedimento comum), previsto no CPC, observadas as seguin-
para conhecer da ação, processá-la e julgá-la o juiz que, de acor- tes normas modificativas:
do com a organização judiciária de cada Estado, o for para as I - Ao despachar a inicial, o juiz ordenará:
causas que interessem à União, ao Distrito Federal, ao Estado ou a) além da citação dos réus, a intimação do representante do
ao Município. Ministério Público;
§ 1º Para fins de competência, equiparam-se atos da Uni- b) a requisição, às entidades indicadas na petição inicial, dos
ão, do Distrito Federal, do Estado ou dos Municípios os atos documentos que tiverem sido referidos pelo autor (art. 1º, § 6º),
das pessoas criadas ou mantidas por essas pessoas jurídicas bem como a de outros que se lhe afigurem necessários ao escla-
de direito público, bem como os atos das sociedades de que recimento dos fatos, ficando prazos de 15 a 30 dias para o aten-
elas sejam acionistas e os das pessoas ou entidades por elas dimento.
subvencionadas ou em relação às quais tenham interesse pa- § 1º O representante do Ministério Público providenciará
trimonial. para que as requisições, a que se refere o inciso anterior, sejam
§ 2º Quando o pleito interessar simultaneamente à União e a atendidas dentro dos prazos fixados pelo juiz.
qualquer outra pessoas ou entidade, será competente o juiz das § 2º Se os documentos e informações não puderem ser ofe-
causas da União, se houver; quando interessar simultaneamente recidos nos prazos assinalados, o juiz poderá autorizar prorroga-
ao Estado e ao Município, será competente o juiz das causas do ção dos mesmos, por prazo razoável.
Estado, se houver. II - Quando o autor o preferir, a citação dos beneficiários
§ 3º A propositura da ação prevenirá a jurisdição do juízo far-se-á por edital com o prazo de 30 dias, afixado na sede do
para todas as ações, que forem posteriormente intentadas contra juízo e publicado 3 vezes no jornal oficial do Distrito Federal, ou
as mesmas partes e sob os mesmos fundamentos. da Capital do Estado ou Território em que seja ajuizada a ação. A
§ 4º Na defesa do patrimônio público CABERÁ A SUSPEN- publicação será gratuita e deverá iniciar-se no máximo 3 dias
SÃO LIMINAR do ato lesivo impugnado. após a entrega, na repartição competente, sob protocolo, de uma
via autenticada do mandado.
DOS SUJEITOS PASSIVOS DA AÇÃO E DOS ASSISTENTES III - Qualquer pessoa, beneficiada ou responsável pelo ato
Art. 6º A ação será proposta contra as pessoas públicas ou impugnado, cuja existência ou identidade se torne conhecida no
privadas e as entidades referidas no art. 1º, contra as autorida- curso do processo e antes de proferida a sentença final de pri-
des, funcionários ou administradores que houverem autoriza- meira instância, deverá ser citada para a integração do contradi-
do, aprovado, ratificado ou praticado o ato impugnado, ou que, tório, sendo-lhe restituído o prazo para contestação e produção
por omissas, tiverem dado oportunidade à lesão, e contra os be- de provas, Salvo, quanto a beneficiário, se a citação se houver fei-
neficiários diretos do mesmo to na forma do inciso anterior.
Pessoas públicas ou privadas e as IV - O prazo de CONTESTAÇÃO é de 20 dias, prorrogáveis
SUJEITOS PASSIVOS entidades referidas no art. 1º por mais 20, a requerimento do interessado, se particularmente
STJ entende que é hipóte- difícil a produção de prova documental, e será comum a todos os
Autoridades, funcionários ou admi- interessados, correndo da entrega em cartório do mandado cum-
se de litisconsórcio passi-
nistradores prido, ou, quando for o caso, do decurso do prazo assinado em
vo necessário. Resp.
931528/SP Beneficiários diretos edital.
Litisconsórcio V - Caso não requerida, até o despacho saneador, a produ-
NECESSÁRIO e SIMPLES ção de prova testemunhal ou pericial, o juiz ordenará vista às par-
tes por 10 dias, para alegações, sendo-lhe os autos conclusos,
§ 1º Se não houver benefício direto do ato lesivo, ou se for
para sentença, 48 horas após a expiração desse prazo; havendo
ele indeterminado ou desconhecido, a ação será proposta somen-
requerimento de prova, o processo tomará o rito ordinário.
te contra as outras pessoas indicadas neste artigo.
104

VI - A sentença, quando não prolatada em audiência de ins- § 4º A parte condenada a restituir bens ou valores ficará su-
trução e julgamento, deverá ser proferida dentro de 15 dias do jeita a sequestro e penhora, desde a prolação da sentença conde-
recebimento dos autos pelo juiz. natória.
Parágrafo único. O proferimento da sentença além do pra-
zo estabelecido privará o juiz da inclusão em lista de mereci- Art. 15. Se, no curso da ação, ficar provada a infringência
mento para promoção, durante 2 anos, e acarretará a perda, da lei penal ou a prática de falta disciplinar a que a lei comine
para efeito de promoção por antigüidade, de tantos dias a pena de demissão ou a de rescisão de contrato de trabalho, o
quantos forem os do retardamento, salvo motivo justo, decli- juiz, "ex-officio", determinará a remessa de cópia autenticada
nado nos autos e comprovado perante o órgão disciplinar com- das peças necessárias às autoridades ou aos administradores
petente. a quem competir aplicar a sanção.

Art. 8º Ficará sujeita à pena de desobediência, salvo motivo Art. 16. Caso decorridos 60 dias da publicação da senten-
justo devidamente comprovado, a autoridade, o administrador ou ça condenatória de 2a instância, sem que o autor ou terceiro
o dirigente, que deixar de fornecer, no prazo fixado no art. 1º, § promova a respectiva execução, o representante do Ministé-
5º, ou naquele que tiver sido estipulado pelo juiz (art. 7º, n. I, letra rio Público a promoverá nos 30 dias seguintes, sob pena de
"b"), informações e certidão ou fotocópia de documento necessá- falta grave.
rios à instrução da causa.
Parágrafo único. O prazo contar-se-á do dia em que entre- Art. 17. É sempre permitida às pessoas ou entidades refe-
gue, sob recibo, o requerimento do interessado ou o ofício de re- ridas no art. 1º, ainda que hajam contestado a ação, promover,
quisição (art. 1º, § 5º, e art. 7º, n. I, letra "b"). em qualquer tempo, e no que as beneficiar a execução da
sentença contra os demais réus.
Art. 9º Se o autor desistir da ação ou der motiva à absol-
vição da instância, serão publicados editais nos prazos e condi- Art. 18. A sentença terá eficácia de coisa julgada oponível
ções previstos no art. 7º, inciso II, ficando assegurado a QUAL- "erga omnes", exceto no caso de haver sido a ação julgada im-
QUER CIDADÃO, bem como ao representante do Ministério procedente por deficiência de prova; neste caso, qualquer cida-
Público, dentro do prazo de 90 dias da última publicação fei- dão poderá intentar outra ação com idêntico fundamento, va-
ta, promover o prosseguimento da ação. lendo-se de nova prova.

MP não pode ajuizar AP, mas pode ser AUTOR SUPERVENIEN- Art. 19. A sentença que concluir pela CARÊNCIA ou pela IM-
TE em caso de desistência. PROCEDÊNCIA da ação está sujeita ao duplo grau de jurisdi-
ção, não produzindo efeito senão depois de confirmada pelo
tribunal (REEXAME NECESSÁRIO INVERTIDO; aplicável à ação
Art. 10. As partes só pagarão custas e preparo a final.
de improbidade administrativa); da que julgar a ação proce-
dente caberá apelação, COM EFEITO SUSPENSIVO.
Art. 11. A sentença que, julgando procedente a ação popu-
§ 1º Das decisões interlocutórias cabe agravo de instrumen-
lar, decretar a invalidade do ato impugnado, condenará ao pa-
to.
gamento de perdas e danos os responsáveis pela sua prática e
§ 2º Das sentenças e decisões proferidas contra o autor da
os beneficiários dele, ressalvada a ação regressiva contra os fun-
ação e suscetíveis de recurso, poderá recorrer qualquer cidadão e
cionários causadores de dano, quando incorrerem em culpa.
também o Ministério Público.
Art. 12. A sentença incluirá sempre, na condenação dos
DISPOSIÇÕES GERAIS
réus, o pagamento, ao autor, das custas e demais despesas,
Art. 20. Para os fins desta lei, consideram-se entidades au-
judiciais e extrajudiciais, diretamente relacionadas com a ação e
tárquicas:
comprovadas, bem como o dos honorários de advogado.
a) o serviço estatal descentralizado com personalidade
jurídica, custeado mediante orçamento próprio, independente do
Art. 13. A sentença que, apreciando o fundamento de direito
orçamento geral;
do pedido, julgar a lide manifestamente temerária, condenará o
b) as pessoas jurídicas especialmente instituídas por lei,
autor ao pagamento do décuplo das custas.
para a execução de serviços de interesse público ou social,
custeados por tributos de qualquer natureza ou por outros recur-
Art. 14. Se o valor da lesão ficar provado no curso da causa,
sos oriundos do Tesouro Público;
será indicado na sentença; se depender de avaliação ou perícia,
c) as entidades de direito público ou privado a que a lei
será apurado na execução.
tiver atribuído competência para receber e aplicar contribui-
§ 1º Quando a lesão resultar da falta ou isenção de qualquer
ções parafiscais.
pagamento, a condenação imporá o pagamento devido, com
acréscimo de juros de mora e multa legal ou contratual, se hou-
Art. 21. A ação prevista nesta lei prescreve em 5 anos.
ver.
§ 2º Quando a lesão resultar da execução fraudulenta, simu-
Art. 22. Aplicam-se à ação popular as regras do Código de
lada ou irreal de contratos, a condenação versará sobre a reposi-
Processo Civil, naquilo em que não contrariem os dispositivos
ção do débito, com juros de mora.
desta lei, nem a natureza específica da ação.
§ 3º Quando o réu condenado perceber dos cofres públicos,
a execução far-se-á por desconto em folha até o integral ressarci-
mento do dano causado, se assim mais convier ao interesse públi- É possível a declaração incidental de inconstitucionalidade
co. em Ação Popular, desde que a controvérsia constitucional não
figure como pedido, mas sim como causa de pedir,
105

fundamento ou simples questão prejudicial, indispensável à


resolução do litígio principal, em torno da tutela do interesse
público. STJ. 1ª Turma. AgInt no REsp 1352498/DF
A sentença que concluir pela carência ou pela improcedência de
ação de improbidade administrativa está sujeita ao reexame
necessário, com base na aplicação subsidiária do CPC e por
aplicação analógica da primeira parte do art. 19 da Lei nº
4.717/65. STJ. 1ª Seção. EREsp 1.220.667-MG
REGRA: O STJ entende que é possível aplicar, por analogia, a
primeira parte do art. 19 da Lei nº 4.717/65 paras as sentenças
de improcedência de ação civil pública. Nesse sentido: STJ. 2ª
Turma. AgInt no REsp 1596028/MG
EXCEÇÃO: Não se admite o cabimento da remessa
necessária, tal como prevista no art. 19 da Lei nº 4.717/65,
nas ações coletivas que versem sobre direitos individuais
homogêneos. STJ. 3ª Turma. REsp 1.374.232-ES
Para o cabimento da Ação Popular, basta a ilegalidade do ato
administrativo por ofensa a normas específicas ou desvios dos
princípios da Administração Pública, dispensando-se a
demonstração de prejuízo material. STJ. 2ª Turma. AgInt no
AREsp 949.377/MG
O STF não possui competência originária para processar e
julgar ação popular, ainda que ajuizada contra atos e/ou
omissões do Presidente da República. A competência para
julgar ação popular contra ato de qualquer autoridade, até
mesmo do Presidente da República, é, via de regra, do juízo de
1º grau. STF. Plenário. Pet 5856 AgR
106

I - a notificação do impetrado sobre o conteúdo da petição


LEI 13300/16 – MANDADO DE INJUNÇÃO inicial, devendo-lhe ser enviada a segunda via apresentada com
as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 dias,
preste informações;
Art. 5°, LXXI, CF/88 - conceder-se-á mandado de injunção II - a ciência do ajuizamento da ação ao órgão de representa-
sempre que a falta de norma regulamentadora torne inviável ção judicial da pessoa jurídica interessada, devendo-lhe ser en-
o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das viada cópia da petição inicial, para que, querendo, ingresse no fei-
prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à to.
cidadania;
Se o legislador não edita as normas regulamentadoras Art. 6o A petição inicial será desde logo indeferida quando a im-
necessárias ao exercício dos direitos constitucionais, há, neste petração for manifestamente incabível ou manifestamente im-
caso, uma omissão inconstitucional, ou seja, um comportamento procedente.
omissivo que ofende a própria Constituição. Essa omissão na Parágrafo único. Da decisão de relator que indeferir a petição ini-
edição do regulamento faz com que as normas constitucionais cial, caberá agravo, em 5 dias, para o órgão colegiado compe-
tornem-se inefetivas ("síndrome da inefetividade das normas tente para o julgamento da impetração.
constitucionais"). Os instrumentos para resolver a síndrome da
falta de efetividade das normas constitucionais são: mandado de Art. 7o Findo o prazo para apresentação das informações, será
injunção e ação direta de inconstitucionalidade por omissão. ouvido o Ministério Público, que opinará em 10 dias, após o que,
*https://www.dizerodireito.com.br/2016/06/primeiros-comenta- com ou sem parecer, os autos serão conclusos para decisão.
rios-lei-1330020 16-lei.html
Art. 8o Reconhecido o estado de mora legislativa, será deferi-
o da a injunção para:
Art. 1 Esta Lei disciplina o processo e o julgamento dos manda-
dos de injunção individual e coletivo, nos termos do inciso LXXI I - determinar prazo razoável para que o impetrado promova
do art. 5o da Constituição Federal. a edição da norma regulamentadora – CORRENTE CONCRE-
TISTA INTERMEDIÁRIA;
II - estabelecer as condições em que se dará o exercício dos di-
Art. 2o Conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta
reitos, das liberdades ou das prerrogativas reclamados ou, se for
TOTAL ou PARCIAL de norma regulamentadora torne inviável
o caso, as condições em que poderá o interessado promover ação
o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das
própria visando a exercê-los, caso não seja suprida a mora legisla-
prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cida-
tiva no prazo determinado.
dania.
Parágrafo único. Será dispensada a determinação a que se refe-
Parágrafo único. Considera-se parcial a regulamentação quan-
re o inciso I do caput quando comprovado que o impetrado
do forem insuficientes as normas editadas pelo órgão legisla-
deixou de atender, em mandado de injunção anterior, ao pra-
dor competente.
zo estabelecido para a edição da norma.

Art. 3o São legitimados para o mandado de injunção, como im-


EFICÁCIA OBJETIVA DA DECISÃO
petrantes, as pessoas naturais ou jurídicas QUE SE AFIRMAM
TITULARES dos direitos, das liberdades ou das prerrogativas O Poder Judiciário, ao julgar procedente o
referidos no art. 2o e, como impetrado, o Poder, o órgão ou a au- mandado de injunção, deverá apenas co-
toridade com atribuição para editar a norma regulamentadora. CORRENTE NÃO municar o Poder, órgão, entidade ou auto-
CONCRETISTA ridade que está sendo omisso. Foi adotada
Adoção da TEORIA DA ASSERÇÃO, visto que verificação da pelo STF (MI 107/DF) até por volta do ano de
legitimidade ad causam é feita a partir daquilo que é narrado na 2007
inicial. O Poder Judiciário, ao julgar procedente o
mandado de injunção e reconhecer que existe
Art. 4o A petição inicial deverá preencher os requisitos estabele- a omissão do Poder Público, deverá editar a
cidos pela lei processual e indicará, além do órgão impetrado, a norma que está faltando ou determinar
pessoa jurídica que ele integra ou aquela a que está vincula- que seja aplicada, ao caso concreto, uma já
do. existente para outras situações análogas.
§ 1o Quando não for transmitida por meio eletrônico, a petição I – Quanto à necessidade ou não de con-
inicial e os documentos que a instruem serão acompanhados de cessão de prazo para o impetrado, a posi-
tantas vias quantos forem os impetrados. ção concretista pode ser dividida em:
§ 2o Quando o documento necessário à prova do alegado encon- a) Corrente concretista DIRETA: o Judiciário
trar-se em repartição ou estabelecimento público, em poder de deverá implementar uma solução para via-
autoridade ou de terceiro, havendo recusa em fornecê-lo por cer- bilizar o direito do autor e isso deverá
tidão, no original, ou em cópia autêntica, será ordenada, a pedido ocorrer imediatamente (diretamente), não
do impetrante, a exibição do documento no prazo de 10 dias, sendo necessária nenhuma outra providência,
CORRENTE
devendo, nesse caso, ser juntada cópia à segunda via da petição. a não ser a publicação do dispositivo da deci-
CONCRETISTA
§ 3o Se a recusa em fornecer o documento for do impetrado, a são.
ordem será feita no próprio instrumento da notificação. b) Corrente concretista INTERMEDIÁRIA:
ao julgar procedente o mandado de injun-
ção, o Judiciário, antes de viabilizar o di-
Art. 5o Recebida a petição inicial, será ordenada:
107

reito, deverá dar uma oportunidade ao ór- sociados, na forma de seus estatutos e desde que pertinentes a
gão omisso para que este possa elaborar a suas finalidades, dispensada, para tanto, autorização especial;
norma regulamentadora. Assim, a decisão IV - pela Defensoria Pública, quando a tutela requerida for espe-
judicial fixa um prazo para que o Poder, ór- cialmente relevante para a promoção dos direitos humanos e a
gão, entidade ou autoridade edite a norma defesa dos direitos individuais e coletivos dos necessitados, na
que está faltando. forma do inciso LXXIV do art. 5o da Constituição Federal.
Parágrafo único. Os direitos, as liberdades e as prerrogativas
II – Quanto às pessoas atingidas pela deci- protegidos por mandado de injunção coletivo são os pertencen-
são, a corrente concretista pode ser dividi- tes, indistintamente, a uma coletividade indeterminada de
da em: pessoas ou determinada por grupo, classe ou categoria.
a) Corrente concretista INDIVIDUAL: a solu-
ção "criada" pelo Poder Judiciário para sa- Art. 13. No mandado de injunção coletivo, a sentença fará coi-
nar a omissão estatal valerá apenas para o sa julgada limitadamente às pessoas integrantes da coletivi-
autor do MI. dade, do grupo, da classe ou da categoria substituídos pelo im-
b) Corrente concretista GERAL: a decisão petrante, sem prejuízo do disposto nos §§ 1o e 2o do art. 9o.
que o Poder Judiciário der no mandado de Parágrafo único. O mandado de injunção coletivo NÃO INDUZ
injunção terá efeitos erga omnes e valerá LITISPENDÊNCIA em relação aos individuais, mas os efeitos da
para todas as demais pessoas que estiverem coisa julgada não beneficiarão o impetrante que não requerer a
na mesma situação. DESISTÊNCIA da demanda individual no prazo de 30 dias a con-
*Tabela retirada do site www.dizerodireito.com.br tar da ciência comprovada da impetração coletiva.

Art. 9o A decisão terá eficácia subjetiva limitada às partes e Art. 14. Aplicam-se subsidiariamente ao mandado de injunção as
produzirá efeitos até o advento da norma regulamentadora – normas do mandado de segurança, disciplinado pela Lei n o
CONCRETISTA INDIVIDUAL 12.016, de 7 de agosto de 2009, e do Código de Processo Civil,
§ 1o Poderá ser conferida eficácia ultra partes ou erga omnes à instituído pela Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973, e pela Lei n o
decisão, quando isso for inerente ou indispensável ao exercício 13.105, de 16 de março de 2015, observado o disposto em seus
do direito, da liberdade ou da prerrogativa objeto da impetra- arts. 1.045 e 1.046.
ção – CONCRETISTA GERAL
§ 2o Transitada em julgado a decisão, seus efeitos poderão ser
estendidos aos casos análogos por decisão monocrática do
relator. MANDADO DE INJUNÇÃO ADI POR OMISSÃO
§ 3o O indeferimento do pedido por insuficiência de prova não
impede a renovação da impetração fundada em outros elemen- Natureza e finalidade Natureza e finalidade.
tos probatórios. Trata-se de processo no qual é A finalidade é declarar que há
discutido um direito subjetivo. uma omissão, já que não existe
Art. 10. Sem prejuízo dos efeitos já produzidos, a decisão poderá A finalidade é viabilizar o determinada medida necessária
ser revista, a pedido de qualquer interessado, quando sobre- exercício de um direito. Há, para tornar efetiva uma norma
vierem relevantes modificações das circunstâncias de fato ou portanto, controle concreto de constitucional.
de direito. constitucionalidade. Estamos diante, portanto, de
Parágrafo único. A ação de revisão observará, no que couber, o processo objetivo, em que há
procedimento estabelecido nesta Lei. controle abstrato de
constitucionalidade.
Art. 11. A norma regulamentadora superveniente produzirá Cabimento Cabimento
EFEITOS EX NUNC em relação aos beneficiados por decisão Cabível quando faltar norma Cabível quando faltar norma
transitada em julgado, salvo se a aplicação da norma editada regulamentadora de direitos e regulamentadora relacionada
lhes for mais favorável. liberdades constitucionais e com qualquer norma
Parágrafo único. Estará prejudicada a impetração se a norma das prerrogativas inerentes à constitucional de eficácia
regulamentadora for editada antes da decisão, caso em que o nacionalidade, à soberania e à limitada.
processo será extinto sem resolução de mérito. cidadania.

Art. 12. O MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO pode ser pro-


movido: Legitimados ativos Legitimados ativos
I - pelo Ministério Público, quando a tutela requerida for especi- MI individual: pessoas naturais Os legitimados da ADI por
almente relevante para a defesa da ordem jurídica, do regime de- ou jurídicas que se afirmam omissão estão descritos no art.
mocrático ou dos interesses sociais ou individuais indisponíveis; titulares dos direitos, das 103 da CF/88.
II - por partido político com representação no Congresso Naci- liberdades ou das
onal, para assegurar o exercício de direitos, liberdades e prerroga- prerrogativas.
tivas de seus integrantes ou relacionados com a finalidade parti- MI coletivo: estão previstos no
dária; art. 12 da Lei nº 13.300/2016.
III - por organização sindical, entidade de classe ou associação Competência Competência
legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos 1 A competência para julgar a Se relacionada com norma da
ano, para assegurar o exercício de direitos, liberdades e prerroga- ação dependerá da autoridade CF/88: STF.
tivas em favor da totalidade ou de parte de seus membros ou as- que figura no polo passivo e Se relacionada com norma da
108

que possui atribuição para CE: TJ.


editar a norma.

Efeitos da decisão Efeitos da decisão


Reconhecido o estado de Declarada a
mora legislativa, será deferida inconstitucionalidade por
a injunção para: omissão, o Judiciário dará
I - determinar prazo razoável ciência ao Poder competente
para que o impetrado para que este adote as
promova a edição da norma providências necessárias.
regulamentadora; Se for órgão administrativo,
II - estabelecer as condições este terá um prazo de 30 dias
em que se dará o exercício dos para adotar a medida
direitos, das liberdades ou das necessária.
prerrogativas reclamados ou, Se for o Poder Legislativo, não
se for o caso, as condições em há prazo.
que poderá o interessado
promover ação própria
visando a exercê-los, caso não
seja suprida a mora legislativa
no prazo determinado.
Obs: será dispensada a
determinação a que se refere
o inciso I quando comprovado
que o impetrado deixou de
atender, em mandado de
injunção anterior, ao prazo
estabelecido para a edição da
norma.
*https://www.dizerodireito.com.br/2016/06/primeiros-comenta-
rios-lei-1330020 16-lei.html
109

III - de decisão judicial transitada em julgado.


LEI 12016/09 – MANDADO DE SEGURANÇA
Art. 6o A petição inicial, que deverá preencher os requisitos esta-
belecidos pela lei processual, será apresentada em 2 vias com os
Art. 5°, LXIX, CF/88 - conceder-se-á mandado de segurança
documentos que instruírem a primeira reproduzidos na segunda
para proteger direito líquido e certo, não amparado
e indicará, além da autoridade coatora, a pessoa jurídica que esta
por habeas corpus ou habeas data, quando o responsável pela
integra, à qual se acha vinculada ou da qual exerce atribuições.
ilegalidade ou abuso de poder for autoridade pública ou agente
§ 1o No caso em que o documento necessário à prova do alega-
de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público;
do se ache em repartição ou estabelecimento público ou em po-
der de autoridade que se recuse a fornecê-lo por certidão ou de
Art. 1o Conceder-se-á mandado de segurança para PROTEGER terceiro, o juiz ordenará, preliminarmente, por ofício, a exibição
DIREITO LÍQUIDO E CERTO, não amparado por habeas corpus desse documento em original ou em cópia autêntica e marcará,
ou habeas data, sempre que, ilegalmente ou com abuso de po- para o cumprimento da ordem, o prazo de 10 dias. O escrivão
der, qualquer pessoa física ou jurídica sofrer violação ou hou- extrairá cópias do documento para juntá-las à segunda via da pe-
ver justo receio de sofrê-la por parte de autoridade, seja de que tição.
categoria for e sejam quais forem as funções que exerça. § 2o Se a autoridade que tiver procedido dessa maneira for a
§ 1o Equiparam-se às autoridades, para os efeitos desta Lei, os própria coatora, a ordem far-se-á no próprio instrumento da noti-
representantes ou órgãos de partidos políticos e os adminis- ficação.
tradores de entidades autárquicas, bem como os dirigentes § 3o Considera-se autoridade coatora aquela que tenha prati-
de pessoas jurídicas ou as pessoas naturais no exercício de cado o ato impugnado ou da qual emane a ordem para a sua
atribuições do poder público, somente no que disser respeito a prática.
essas atribuições.
§ 5o Denega-se o mandado de segurança nos casos previstos
§ 2o Não cabe mandado de segurança contra os atos de ges- pelo art. 267 da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código
tão comercial praticados pelos administradores de empresas pú- de Processo Civil.
blicas, de sociedade de economia mista e de concessionárias de
§ 6o O pedido de mandado de segurança poderá ser renovado
serviço público.
dentro do prazo decadencial, se a decisão denegatória não
§ 3o Quando o direito ameaçado ou violado couber a várias pes- lhe houver apreciado o mérito.
soas, qualquer delas poderá requerer o mandado de segurança.
Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará:
Art. 2o Considerar-se-á federal a autoridade coatora se as conse- I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial,
quências de ordem patrimonial do ato contra o qual se requer o enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos docu-
mandado houverem de ser suportadas pela União ou entidade mentos, a fim de que, no prazo de 10 dias, preste as informa-
por ela controlada. ções;
II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judi-
Art. 3o O titular de direito líquido e certo decorrente de direi- cial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial
to, em condições idênticas, de terceiro poderá impetrar man- sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito;
dado de segurança a favor do direito originário, se o seu titu- III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando
lar não o fizer, no prazo de 30 dias, quando notificado judici- houver fundamento relevante e do ato impugnado puder re-
almente. sultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sen-
Parágrafo único. O exercício do direito previsto no caput deste do facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito,
artigo submete-se ao prazo fixado no art. 23 desta Lei (120 dias), com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica.
contado da notificação. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou dene-
gar a liminar caberá AGRAVO DE INSTRUMENTO, observado o
Art. 4o Em caso de urgência, é permitido, observados os requisi- disposto no CPC.
tos legais, impetrar mandado de segurança por telegrama, radi- § 2o NÃO SERÁ CONCEDIDA MEDIDA LIMINAR que tenha por
ograma, fax ou outro meio eletrônico de autenticidade com- objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de
provada. mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação
§ 1o Poderá o juiz, em caso de urgência, notificar a autoridade ou equiparação de servidores públicos e a concessão de au-
por telegrama, radiograma ou outro meio que assegure a autenti- mento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qual-
cidade do documento e a imediata ciência pela autoridade. quer natureza.
§ 2o O texto original da petição deverá ser apresentado nos 5 § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada,
dias úteis seguintes. persistirão até a prolação da sentença.
§ 3o Para os fins deste artigo, em se tratando de documento ele- § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade
trônico, serão observadas as regras da Infra-Estrutura de Chaves para julgamento.
Públicas Brasileira - ICP-Brasil. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares pre-
vistas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se refe-
Art. 5o NÃO SE CONCEDERÁ MANDADO DE SEGURANÇA rem os arts. 273 e 461 da Lei n o 5.869, de 11 janeiro de 1973 -
quando se tratar: Código de Processo Civil.
I - de ato do qual caiba recurso administrativo com efeito sus-
pensivo, independentemente de caução;
Art. 8o Será decretada a perempção ou caducidade da medida
II - de decisão judicial da qual caiba recurso com efeito sus-
liminar ex officio ou a requerimento do Ministério Público
pensivo;
110

quando, concedida a medida, o impetrante criar obstáculo ao


normal andamento do processo ou deixar de promover, por Art. 15. Quando, a requerimento de pessoa jurídica de direito pú-
mais de 3 dias úteis, os atos e as diligências que lhe cumpri- blico interessada ou do Ministério Público e para evitar grave le-
rem. são à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas, o presi-
dente do tribunal ao qual couber o conhecimento do respectivo
Art. 9o As autoridades administrativas, no prazo de 48 horas da recurso suspender, em decisão fundamentada, a execução da
notificação da medida liminar, remeterão ao Ministério ou órgão liminar e da sentença, dessa decisão caberá agravo, sem efeito
a que se acham subordinadas e ao Advogado-Geral da União ou suspensivo, no prazo de 5 dias, que será levado a julgamento na
a quem tiver a representação judicial da União, do Estado, do Mu- sessão seguinte à sua interposição.
nicípio ou da entidade apontada como coatora cópia autenticada § 1o Indeferido o pedido de suspensão ou provido o agravo a
do mandado notificatório, assim como indicações e elementos que se refere o caput deste artigo, caberá novo pedido de
outros necessários às providências a serem tomadas para a even- suspensão ao presidente do tribunal competente para conhe-
tual suspensão da medida e defesa do ato apontado como ilegal cer de eventual recurso especial ou extraordinário.
ou abusivo de poder. § 2o É cabível também o pedido de suspensão a que se refere o §
1o deste artigo, quando negado provimento a agravo de instru-
Art. 10. A inicial será desde logo indeferida, por decisão motiva- mento interposto contra a liminar a que se refere este artigo.
da, quando não for o caso de mandado de segurança ou lhe § 3o A interposição de agravo de instrumento contra liminar
faltar algum dos requisitos legais ou quando decorrido o prazo concedida nas ações movidas contra o poder público e seus
legal para a impetração. agentes não prejudica nem condiciona o julgamento do pedi-
§ 1o Do indeferimento da inicial pelo juiz de 1° grau caberá do de suspensão a que se refere este artigo.
apelação e, quando a competência para o julgamento do manda- § 4o O presidente do tribunal poderá conferir ao pedido efei-
do de segurança couber originariamente a um dos tribunais, do to suspensivo liminar se constatar, em juízo prévio, a plausibi-
ato do relator caberá agravo para o órgão competente do tribu- lidade do direito invocado e a urgência na concessão da me-
nal que integre. dida.
§ 2o O ingresso de litisconsorte ativo NÃO SERÁ ADMITIDO § 5o As liminares cujo objeto seja idêntico poderão ser suspensas
APÓS O DESPACHO DA PETIÇÃO INICIAL. em uma única decisão, podendo o presidente do tribunal esten-
der os efeitos da suspensão a liminares supervenientes, mediante
Art. 11. Feitas as notificações, o serventuário em cujo cartório simples aditamento do pedido original.
corra o feito juntará aos autos cópia autêntica dos ofícios endere-
çados ao coator e ao órgão de representação judicial da pessoa Art. 16. Nos casos de competência originária dos tribunais, cabe-
jurídica interessada, bem como a prova da entrega a estes ou da rá ao relator a instrução do processo, sendo assegurada a defesa
sua recusa em aceitá-los ou dar recibo e, no caso do art. 4 o desta oral na sessão do julgamento do mérito ou do pedido liminar.
Lei, a comprovação da remessa. Parágrafo único. Da decisão do relator que conceder ou denegar
a medida liminar caberá agravo ao órgão competente do tribunal
Art. 12. Findo o prazo a que se refere o inciso I do caput do art. que integre.
7o desta Lei, o juiz ouvirá o representante do Ministério Públi-
co, que opinará, dentro do prazo improrrogável de 10 dias. Art. 17. Nas decisões proferidas em mandado de segurança e nos
Parágrafo único. Com ou sem o parecer do Ministério Público, os respectivos recursos, quando não publicado, no prazo de 30 dias,
autos serão conclusos ao juiz, para a decisão, a qual deverá ser contado da data do julgamento, o acórdão será substituído pelas
necessariamente proferida em 30 dias. respectivas notas taquigráficas, independentemente de revisão.

Art. 13. Concedido o mandado, o juiz transmitirá em ofício, por Art. 18. Das decisões em mandado de segurança proferidas em
intermédio do oficial do juízo, ou pelo correio, mediante corres- única instância pelos tribunais cabe recurso especial e extraordi-
pondência com aviso de recebimento, o inteiro teor da sentença à nário, nos casos legalmente previstos, e recurso ordinário, quando
autoridade coatora e à pessoa jurídica interessada. a ordem for denegada.
Parágrafo único. Em caso de urgência, poderá o juiz observar o
disposto no art. 4o desta Lei. Art. 19. A sentença ou o acórdão que denegar mandado de se-
gurança, sem decidir o mérito, não impedirá que o requerente,
Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, por ação própria, pleiteie os seus direitos e os respectivos efei-
cabe apelação. tos patrimoniais.
§ 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigato-
riamente ao duplo grau de jurisdição. Art. 20. Os processos de mandado de segurança e os respectivos
§ 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. recursos terão prioridade sobre todos os atos judiciais, salvo
§ 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode habeas corpus.
ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for § 1o Na instância superior, deverão ser levados a julgamento na
vedada a concessão da medida liminar. primeira sessão que se seguir à data em que forem conclusos ao
§ 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias asse- relator.
gurados em sentença concessiva de mandado de segurança a ser- § 2o O prazo para a conclusão dos autos não poderá exceder
vidor público da administração direta ou autárquica federal, esta- de 5 dias.
dual e municipal somente será efetuado relativamente às pres-
tações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da Art. 21. O MANDADO DE SEGURANÇA COLETIVO pode ser im-
inicial. petrado por partido político com representação no Congresso
111

Nacional, na defesa de seus interesses legítimos relativos a seus


integrantes ou à finalidade partidária, ou por organização sindi- Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a
cal, entidade de classe ou associação legalmente constituída e interposição de embargos infringentes e a condenação ao pa-
em funcionamento há, pelo menos, 1 ano, em defesa de direi- gamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplica-
tos líquidos e certos da totalidade, ou de parte, dos seus ção de sanções no caso de litigância de má-fé.
membros ou associados, na forma dos seus estatutos e desde
que pertinentes às suas finalidades, DISPENSADA, para tanto, Art. 26. Constitui crime de desobediência, nos termos do art.
AUTORIZAÇÃO ESPECIAL. 330 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940, o não
Parágrafo único. Os direitos protegidos pelo mandado de segu- cumprimento das decisões proferidas em mandado de segu-
rança coletivo podem ser: rança, sem prejuízo das sanções administrativas e da aplicação
I - COLETIVOS, assim entendidos, para efeito desta Lei, os tran- da Lei no 1.079, de 10 de abril de 1950, quando cabíveis.
sindividuais, de natureza indivisível, de que seja titular grupo
ou categoria de pessoas ligadas entre si ou com a parte con- SÚMULAS SOBRE MS
trária por uma relação jurídica básica;
II - INDIVIDUAIS HOMOGÊNEOS, assim entendidos, para efeito STF
desta Lei, os decorrentes de origem comum e da atividade ou Súmula 101-STF: O mandado de segurança não substitui a
situação específica da totalidade ou de parte dos associados ação popular.
ou membros do impetrante. Súmula 248-STF: É competente, originariamente, o Supremo
Tribunal Federal, para mandado de segurança contra ato do Tri-
Art. 22. No mandado de segurança coletivo, a sentença fará coi- bunal de Contas da União.
sa julgada limitadamente aos membros do grupo ou catego- Súmula 266-STF: Não cabe mandado de segurança contra lei
ria substituídos pelo impetrante. em tese.
§ 1o O mandado de segurança coletivo NÃO INDUZ LITISPEN- Súmula 267-STF: Não cabe mandado de segurança contra ato
DÊNCIA para as ações individuais, mas os efeitos da coisa julga- judicial passível de recurso ou correição.
da não beneficiarão o impetrante a título individual se não reque- Súmula 268-STF: Não cabe mandado de segurança contra de-
rer a DESISTÊNCIA de seu mandado de segurança no prazo de cisão judicial com trânsito em julgado.
30 dias a contar da ciência comprovada da impetração da segu- Súmula 269-STF: O mandado de segurança não é substitutivo
rança coletiva. de ação de cobrança.
§ 2o No mandado de segurança coletivo, a liminar só poderá ser Súmula 270-STF: Não cabe mandado de segurança para im-
concedida após a audiência do representante judicial da pes- pugnar enquadramento da Lei 3.780, de 12 de julho de 1960,
soa jurídica de direito público, que deverá se pronunciar no que envolva exame de prova ou de situação funcional complexa.
prazo de 72 horas. Sú