Você está na página 1de 17

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/330386150

Redes sociais e educação informal: entre o scemo del villaggio e o pensamento


crítico.

Article · January 2019

CITATION READS

1 18

2 authors:

Bruno Antonio Picoli Alex Guilherme


Universidade Federal da Fronteira Sul Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
15 PUBLICATIONS   23 CITATIONS    70 PUBLICATIONS   239 CITATIONS   

SEE PROFILE SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Philosophy of Education View project

Dialogical Philosophy and Education View project

All content following this page was uploaded by Bruno Antonio Picoli on 15 January 2019.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


Diálogos Latinoamericanos
ISSN: 1600-0110
au@au.dk
Aarhus Universitet
Dinamarca

Guilherme, Alexandre Anselmo; Picoli, Bruno Antonio


Redes sociais e educação informal: entre o scemo del villaggio e o pensamento crítico
Diálogos Latinoamericanos, núm. 26, diciembre, 2017, pp. 23-37
Aarhus Universitet
Aarhus, Dinamarca

Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=16254172003

Como citar este artigo


Número completo
Sistema de Informação Científica
Mais artigos Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal
Home da revista no Redalyc Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto
scemo del villaggio

A A
onti cia Universidade Cat lica do io rande do ul
rasil

A
Universidade ederal da ronteira ul
rasil

A his article begins ith the controversial statement given by Umberto co in urin
in une 201 or hom the internet and articularly its social net orks gave voice to a
legion o idiots that is it gave s ace and visibility to the scemo del villaggio n the irst art
o this article e dra on the ritings o antaella and Arendt critically discussing social
net orks as ublic s aces o in ormal education that enables critical thinking or on the
contrary romotes non uestioning am li ying the mani estation o orms o violence and
the lack o ethical relations he second art o this article analyses the im act that social
net orks had on t o cases o violence a lynching and a ra e that occurred res ectively in
ra il in 201 and 2016

scemo del villaggio social net orks critical thinking Arendt antaella

m de de unho de 201 durante cerim nia em ue oi homenageado com o t tulo de


doutor honoris causa na Universidade de urim Umberto co a irmou ue ara al m do
ue aconteceu com a na segunda metade do s culo assado ue teria ro etado o scemo
1
del villaggio a uma osi o em ue ele se sentia su erior il drama di internet che há
romosso lo scemo del villaggio a ortatore di verit 2 rimeiro im acto dessas duras
alavras oi a re rova o or arte da comunidade internacional elo seu caráter
a arentemente elitista e mesmo esnobe oss vel or este rimeiro olhar a irmar ue
co a enas reeditou o ue elson odrigues a irmara em cr nica de de enove de agosto de
1 6 na ual mostrava se es antado e reocu ado com o ue considerava uma invas o de
idiotas 1 2 2 1 ara odrigues antigamente o idiota era o idiota ascia numa
am lia tamb€m de imbec s o assava do uarto ano rimário o imbecil n o se
envergonhava de o ser •avia lena acomoda o entre ele e sua insigni ic‚ncia or€m isso
teria mudado uando os idiotas erceberam ue s o em maior nƒmero certo dia um

1
A tradu o literal seria idiota da aldeia contudo o sentido e uivalente no „rasil seria a enas idiota co se
re eria uele ti o de diálogo ue aconteciam cotidianamente em lugares variados e ue n o acarretavam em
grandes im actos ol ticos e sociais o „rasil o substitutivo do villaggio ode ser o bote uim ha…a vista a
o ular e† ress o iloso ia de bote uim
2
drama da internet € ue ela romoveu o idiota ortador da verdade ‡he roblem o the internet is that
it romoted the idiot to the bearer o truth
2
Ale andre Anselmo uilherme runo Antonio icoli

idiota resolveu testar o oder num rico tre ou num cai ote e e um discurso Logo se
im rovisou uma multid o m
uin e minutos mugia ali uma massa de meio milh o Assim uest es antes tratadas
e clusivamente no circulo echado dos intelectuais ganhou a rua e come ou a a arecer
como ob eto de es ecula o em ual uer lugar e or ual uer essoa illela ereira 201
1 A ena de odrigues estava direcionada ara os novos gru os ue assaram a reclamar
direitos e a se organi ar oliticamente nos anos 1 60 e 1 70 no rasil e sua reocu a o era
com a reserva o da hierar uia e istente mesmo ue isso n o signi icasse
necessariamente uma melhora na vida ol tica do a s or outro lado acreditamos ue co
estava e etivamente reocu ado com esse su eito ue denominou scemo del villaggio no
mal ue esse causava aos outros e a si r rio ao tornar €blicas suas o ini es sem ue
estas assassem ela media o elo crivo da re le o ara odrigues o idiota era inca a
de ensar isso estava na sua nature a en uanto o scemo del villaggio de co escolheu n o
ensar e ara isso oi educado isso a toda a di eren a
Assim o resente artigo arte dessa ol•mica declara o dada or Umberto co em
‚urim em unho de 201 ara uem as redes sociais deram vo a uma legi o de idiotas A
artir da contra osi o entre escritos de Lucia ƒantaella e „annah Arendt e da análise da
re ercuss o nas redes sociais de dois casos de viol•ncia um linchamento e um estu ro
buscamos discutir se a ubi uidade das redes sociais en uanto es a os de educa o
in ormal ossibilitam e…ou avorecem a atividade do ensamento ou ao contrário odem
am li icar mani esta es ue a em a ologia a ormas de viol•ncia e † alta de tica nas
rela es

As de ini es de Coombs rosser and Ahmed 1 7‡ da educa o in ormal ormal e n o


ormal s o clássicas e citadas e tensivamente na literatura sobre educa o

ˆn ormal ducation ‰ the truly li elong rocess Šhereby every individual ac uires
attitudes values skills and knoŠledge rom daily e erience and the educative
in luences and resources in his or her environment rom amily and neighbours
rom ork and lay rom the market lace the library and the mass media
ormal ducation the hierarchically structured chronologically graded
educational system running rom rimary school through the university and
including in addition to general academic studies a variety o s eciali ed
rogrammes and institutions or ull time technical and ro essional training
on ormal ducation any organi ed educational activity outside the established
ormal system hether o erating se arately or as an im ortant eature o some
broader activity that is intended to serve identi iable learning clientele and learning
ob ectives apud mith 201

De acordo com essas de ini es o ciberes a o e as redes sociais marcados ela


ubi uidade com reendem e ornecem ambientes rivilegiados de educa o in ormal
or ue s o es a os em ue o indiv duo ode se enga ar num longo rocesso uma vida
toda de a uisi o de valores atitudes habilidades erramentas e conhecimentos a artir
das e eri ncias cotidianas das in lu ncias educativas e do ambiente ue o circunda claro
ue as redes sociais odem ser utili adas em rocessos educativos ormais e n o ormais
sendo esses momentos organi ados or m e ternos com ob etivos es ec icos e com
2
edes sociais e educa o in ormal entre o scemo del villaggio e o ensamento cr tico

clientela identi icável ntretanto ao tentar en uadrar em um rograma ormal ou n o


ormal erde se o ue segundo antaella 201€ e com o ual concordamos o ue há de
mais caracter stico na cibercultura em geral e nas redes sociais em articular ou se a sua
ubi uidade seu caráter ca•tico
Assim e com re er ncia ‚ educa o in ormal ƒuilherme 201 „ nota ue it is a
act that e do learn a great deal in ormally es ecially rom means and modes o
communication on a daily basis rom eeds on t iter and acebook to the ne rogrammes
on our radios and …†s ntretanto a im ort‡ncia da educa o in ormal ara a orma o do
caráter a a rendi agem e mesmo ara o uturo ro issional nem sem re a reciada or
educadores o ue di res eito a isso a ational cience oundation 1ˆˆ7 dos stados
Unidos comenta ue

‰Š‹n ormal education consists o learning activities that are voluntary and sel
directed li e long and motivated mainly by intrinsic interests curiosity e loration
mani ulation antasy task com letion and social interaction Šn ormal learning
occurs in an out o school setting and can be linear or non linear and o ten is sel
aced and visual or ob ect oriented …he outcomes o in ormal learning e eriences
in science mathematics and technology include a sense o un and onder in
addition to a better understanding o conce ts to ics rocesses o thinking in
scienti ic and technical disci lines and an increased kno ledge about career
o ortunities in these ields apud mith 201

Considerando o caráter ub uo das redes sociais a ossibilidade de a er se ver de


a arecer a artir da mani esta o de sua o ini o e do cote amento da o ini o de terceiros
suas otencialidades educativas in ormais sua condi o ca•tica e incontrolável a se
necessário uestionar se a artir da imers o dos indiv duos nesses es a os ue será
oss vel a a uisi o das habilidades necessárias ara o e erc cio da cidadania tal ual
de endida or antaella 201€ 1€ m outras alavras a ubi uidade das redes sociais uma
caracter stica ue avorece o e erc cio do ensamento e do ulgamento ou dá as condi es
ara a emers o do scemo del villaggio de coŒ
Ainda no discurso em …urim embora mani estasse es eran as sobre o retorno da
im rensa escrita e de algo como o renascimento do livro co convocava os ro essores a
ensinar os ovens a usar criticamente os vários sites na Šnternet com arando in orma es e
con erindo ontes •ara ele i ro essori dovrebbero insegnare ai raga i a utili are i siti er
are i temi a er co iare uma virt ma bisogna aragonare le in orma ioni er ca ire se
sono attendibibli o meno 3 De certo modo co ca itulava ao caráter ervasivo da
in ormática e es ecialmente da nternet em sua mani esta o mais invasiva ual se a as
redes sociais
ervasividade uma ualidade de en menos irre reáveis es alhados ou ue
tendem a es alhar se ue ossuem uso geral e com leto ara omasevicius ilho 2016
26 desde ue oi dis onibili ada ara uso comercial em 1 a nternet alterou de modo
signi icativo diversos as ectos das rela es humanas A irma tamb m ue ela acilidade do
acesso em ual uer hora e lugar a velocidade da transmiss o do conhecimento aumentou
uase ao in inito As redes sociais odem ser consideradas o á ice at o momento do

os ro essores devem ensinar os ovens a usar os sites ara a er os temas ara saber ue co iar uma
virtude mas deve se com arar as in orma es ara ver se s o con iáveis ou n o eachers should teach
young eo le to use the sites to make sub ects o kno that co ying is a virtue but should com are the
in ormation to see i they are reliable or not €
2
Ale•andre Anselmo ‚uilherme ƒ „runo Antonio icoli

caráter ervasivo da internet ois s o es a os em ue o indiv…duo ode conectar se com o


mundo a er amigos in ormar se sobre ol…tica es ortes interagir com essoas em
ual uer lugar da erra desde ue tamb m tenham acesso do lugar onde est o artici ar
e criar gru os de interesse comuns al m de oder e• ressar se diretamente sem a
media o de uma emissora editora canal etc L† e ‚il e Angulo ‡asco 201 10 a irmam
ue a cibercultura n o rom eu com outras ormas de comunica o mas as utili a e
otenciali a Con orme os autores la a aricci†n de la cultura digital no ha su uesto la
ru tura con las culturas orales lecto escritoras o audiovisualesˆ al contrario de la misma
manera ue como las anteriores la han hecho la cultura digital a rovecha e incrementa el
otencial ‰ oss…vel e• ressar suas o ini es e endossar tanto a artir da cria o de ost
autorais uanto da re lica o de ostagens de terceiros ilimitadamente os
com artilhamentos do acebook e do nstagram e os re twits do iter ara icar a enas
com as rinci ais redes sociais utili adas or internautas brasileiros Ainda oss…vel
e• ressar seu a oio ou contrariedade atrav s de comentários em ostagens de terceiros o
ue abre es a o ara r licas e ara o ingresso na discuss o or arte de ual uer indiv…duo
ue tamb m ueira mani estar sua o ini o sobre o assunto original ou mesmo sobre algo
ue se relacione aos comentários mas ue n o tenha nenhuma liga o direta com o tema
original e•ceto o ato de ertencerem a mesma cadeia or meio de a lica es
com lementares as redes sociais ossibilitam intera o ass…ncrona sem e• ectativa de
res osta imediata e s…ncrona com e• ectativa de res osta instantŠnea inclusive a artir de
constrangimentos á ue muitas a lica es ermitem ao usuário saber se o interlocutor
recebeu e visuali ou a mensagem encaminhada Assim essas intera es no mundo digital
tomam um caráter aras…tico rocurando se re licar e• andir se continuamente tornar se
viral na linguagem da internetˆ uer di er como ‹ichel erres 2007 diria em seu
comentário sobre a comunica o A arasite ho as the last ord ho roduces disorder
and ho generates a di erent order
Œalter „en amin antes mesmo da cria o dos rimeiros com utadores e muito
antes do advento da internet e das redes sociais á havia mani estado reocu a o
semelhante guardadas as devidas limita es tem orais Con orme •yong ‹in on 201
617 „en amin argues ho the here and no or the aura the basis o authenticity has
declined due to the rise o technological re roducibility and ho it could result in
distraction Ablenkung as the dominant mode o social behavior al situa o se agrava se
considerarmos o avan o e• onencial da tecnologia e da acessibilidade Ž com uta o m†vel
o ue cria condi es ara ue as redes sociais acom anhem o indiv…duo em todos os
es a os or onde esse transite n o a endo distin o entre horários de trabalho la er
descanso re le• o e contem la o Assim al m do caráter ervasivo esse ti o de
comunica o ad uire caráter ub… uo
Ubi uidade uma e• ress o originária do latino ubiquus ormada ela un o das
e• ress es ubi onde e aliqua ual uer signi ica em toda arte ‰ um conceito ue
adv m da es era religiosa signi icava ue Deus estava em todo lugar Abbagnano 2007
116• ou a e ilva 2006 apud antaella 201 1 16 a irma ue a ubi uidade em se
tratando de comunica o mediada or com uta o ode ser de inida como a habilidade de
se comunicar a ual uer hora e em ual uer lugar via a arelhos eletr nicos es alhados elo
ambiente „aseando se em Ara• o 200 antaella 201 16 entende or ubi uidade a
coordena o de dis ositivos inteligentes m†veis e estacionários ara rover aos usuários
acesso imediato e universal Ž in orma o e novos servi os de orma trans arente visando
aumentar as ca acidades humanas A autora vai al m e a irma ue o atual estágio de
desenvolvimento t cnico e tecnol†gico a levou Ž convic o de ue a condi o
26
‡edes sociais e educa o in ormal entre o scemo del villaggio e o ensamento cr…tico

contem orŠnea de nossa e•ist‘ncia ub… ua ibidem ara a autora estamos


concomitantemente em um lugar e ora dele somos chamados or ual uer motivo e em
ual uer momento ara a er nos presentes em ual uer lugar ’ sentimento de
oni resen a segundo ela a marca de nosso tem o
ara antaella ibidem 1 1• a ervasividade da nternet e de suas ormas de
sociabilidade a ubi uidade como condi o humana na contem oraneidade e o conte•to de
intera o construtiva das essoas com as diversas tecnologias com ambientes de
conversa o e diálogo ue criam redes de intera o de con litos controv rsias cismas
tramas e oss…veis resolu es em cam o aberto ossui s ria im lica o no rocesso
educativo es ecialmente se ensado ara o e•erc…cio da cidadania De ende ue se a
necessária uma nova orma de cidadania em suas alavras

er cidad o nessa sociedade hi ercom le•a ue otenciali a a hi ersociabilidade


signi ica tornar se ca a de distinguir entre di erentes linguagens e m…dias suas
nature as comunicativas es ec… icas suas in un es ol…tico sociais e a artir disso
ter condi es ara desenvolver a ca acidade de levantar erguntas acerca de tudo
ue lemos vemos e escutamos bidem 1

„auman 2006 127 a irma ue em nosso mundo uma modernidade líquida o


tem o á n o se constitui mais em um er…odo at uma con uista erdendo valor e
retirando valor tamb m do es a o A instantaneidade da época do software em o osi o Ž
época do hardware - modernidade sólida im e a desvalori a o do es a o Assim se toda
arte do es a o ode ser acessada a ual uer tem o ou no tem o em ue se dese ar
nenhuma arte do es a o tem valor es ecial i es osible acceder a cual uier arte del
es acio a cual uier momento no hay motivos ara se llegar a ninguna arte en ning•n
momento en articular ni motivos ara reocu arse or garanti ar el derecho de acceso a
cual uiera de ellas Ainda con orme „auman ibidem o tem o sem ro undidade e
instantŠneo de nossa condi o contem orŠnea im lica no esgotamento do interesse dos
ideais e da res onsabilidade no sentido de uma busca cont…nua su er icial e sem limites da
satis a o imediata “á antaella 201 21 com reende ue ara a er rente aos desa ios
do ue considera ser nossa condi o contem orŠnea im rescind…vel viver as tecnologias
al recomenda o se a licaria aos estudiosos da cultura e aos estudantes Aos rimeiros
or ue somente estando dentro será oss…vel erceber as trans orma es ue est o sendo
gestadas e ue n o a arecem na su er …cie “á ara os segundos or ue o rocesso
irre reável e s† se desenvolve as habilidades necessárias ara a nova cidadania antes
e• ostas estando imerso na cibercultura vivendo a ubi uidade A autora mani esta se
otimista uanto ao otencial das tecnologias ara a constru o da cidadania advertindo ue
tem de endido a ideia de ue chamar aten o ara o otencial construtivo das tecnologias
mais rodutivo do ue demoni ar seus male …cios ue adv m das ru…nas edulcoradas e
dissimuladas do ca italismo ibidem 22 mbora a irme ue necessário levantar
bandeiras de aten o ue há dis aridades de acesso ibidem 21 e ue ode haver
tamb m movimentos conservadores e mesmo a ologistas da viol‘ncia nas redes ibidem
antaella a resenta uma ostura agressiva uanto aos cr…ticos ou Ž ueles ue n o veem
as con uistas valiosas ue merecem ser celebradas ibidem 21 m alguns momentos
esses s o tratados como sonŠmbulos ibidem 20 cartesianos recon ortados ibidem 11”
su eitos ue vivem na ignorŠncia de ru turas das tradicionais no es ibidem 12• ou
ainda nostálgicos ibidem 126

27
Ale•andre Anselmo ‚uilherme ƒ „runo Antonio icoli

antaella ibidem 112 11 a irma ue as redes sociais odem ser consideradas o


uarto grande marco da evolu o dos com utadores • e ue n o oss…vel desconsiderar
seu a el na vida s… uica social cultural ol…tica e econ mica •o „rasil cu a o ula o
total segundo o Censo Demográ ico de 2010 de uase 1 1 milh es de habitantes „‚
2010 o n•mero de er is–usuários no acebook era de ” milh es em 201• ’lhar Digital
2016 e milh es no iter em 2011 r…nci e 2011 sendo ue em ambas as redes
sociais o a…s igurava como o segundo colocado em n•mero de er is ’ indiv…duo ao criar
um er il em uma rede social assa a agir como se essa osse uma e•tens o sua em ue
ode se encontrar e mani estar sua identidade sso claro n o im ede ue o indiv…duo crie
er is alsos os fakes em ue ode agir com menor udor á ue n o vincula seu nome e
demasiado di …cil determinar uem o dono do er il Al m disso um mesmo indiv…duo
ode administrar in•meros er is Contudo mesmo na situa o de er il also a rela o do
usuário com esse de e•tens o do eu á ue o alimenta com in orma es notas
mensagens com as uais se sinta identi icado mas ue oderia ser ob eto de censura ou
constrangimento caso esse mesmo conte•do osse dis onibili ado em seu er il
devidamente identi icado •esse sentido —i ek 2006 a irma

there is the much more unsettling o osite idea o the domination o my screen
ersona over my real sel ’ur social identity the erson e assume to be in our
social intercourse is already a mask that involves the re ression o our inadmissible
im ulses „ut it is recisely in the conditions o ust laying hen the rules
regulating our real li e e•changes are tem orarily sus ended that e can ermit
ourselves to dis lay these re ressed attitudes ake the roverbial im otent shy
erson ho hile artici ating in a cybers ace interactive game ado ts the identity
o an irresistible seducer or sadistic murderer t is all too sim le to say that this
identity is ust an imaginary esca e rom real li e im otence he oint is rather that
since he kno s that the cybers ace interactive game is ust a game he can sho
his true sel and do things he ould never have done in real li e interactions n the
guise o a iction the truth about himsel is articulated he act that erceive my
virtual sel image as mere lay thus allo s me to sus end the usual hindrances hich
revent me rom realising my dark hal in real li e ‹y electronic id is given ing

ntretanto ato ue as redes sociais se constituem em ambientes em ue cada


usuário se torna mais erce t…vel Ž ueles do seu entorno e galga maior visibilidade
con orme romova conte•do de interesse de um gru o cada ve maior „auman 2006
a irma ue a tare a im osta Žs essoas de ho e consiste em autoconstituir su vida individual
y te er redes de vinculos con otros indisviduos autoconstitu…dos as… como ocu arse del
mantenimiento de esas redes Assim e•iste or arte dos usuários a inten o constante e
ermanente de tornar se conhecido a arecer e ara tal rodu se um trá ego de
conte•dos ro issionais e–ou amadores ara antaella 201 11 116 esse rocesso tende
a ser trans arente e essa trans ar‘ncia assegurada elo sim les ato de ue cada usuário
ode caso o ueira e• ressar suas ideias sugest es e sentimentos abrindo assim


A oiada em Leal et al 2012 assinala ue o rimeiro marco oram os semicondutores nos anos 1 60 e o
segundo a inven o e o ulari a o dos com utadores essoais “á o terceiro marco ode ser considerado o
advento da Internet Explorer assim como das inter aces grá icas amigáveis antaella 201 11
2”
‡edes sociais e educa o in ormal entre o scemo del villaggio e o ensamento cr…tico

es a o ara a cria o de ambientes de conviv‘ncia instantŠnea entre as essoas


nstauram assim uma cultura artici ativa onde cada um conta e todos colaboram
ortanto uma cultura integrativa assimilativa cultura da conviv‘ncia ue evolui de
acordo com as e•ig‘ncias im ostas elo uso dos artici antes ‰ uma cultura em ue
seus membros creem ue suas contribui es im ortam e desenvolvem determinado
grau de cone• o social com o outro de modo ue tem grande relevo a uilo ue os
demais ensam ou se su e ue ensam sobre o ue cada um cria or mais
insigni icante ue se a bidem 117

€ A

‰ oss…vel a irmar ue as redes sociais se constituem como es a os •blicos em ue os


indiv…duos odem agir atrav s da a ari o e da comunica o omaservicius ilho 2016
271 entende as redes sociais como uma es era virtual se arada das demais es eras da vida
humana contudo admite ibidem 270 ue com a o ulari a o dessas as essoas uerem
ver e ser vistas conversando o tem o todo Ž distŠncia ’ autor estava reocu ado com
as ectos legais c…veis e enais das rela es humanas na nternet desconsiderando as
im lica es das a es no ciberes a o na vida •blica e nos rocessos educativos
es ecialmente in ormais ara ˜annah Arendt a a o a atividade or e•cel‘ncia ligada Ž
vida ol…tica sendo ue sua rinci al reocu a o a busca elo bem comum corres onde
Ž condi o humana da luralidade ao ato de ue os homens e n o o ˜omem vivem na
terra e habitam o mundo 200• 1 A condi o ent o ara ue a a o ocorra a
luralidade humana ue a onta ara um du lo as ecto uais se am da igualdade e da
di eren a A igualdade torna oss…vel o mundo o es a o •blico ois como iguais nos
entendemos ntretanto s† no Šmbito da di eren a ue o es a o •blico se legitima
a inal caso ssemos a enas iguais bastariam sons grosseiros e sinais ara comunicar
nossas necessidades ibidem 1”” ‰ no discurso e na a o o r† rio discurso uma a o
ue os seres humanos a arecem em suas di eren as em sua individualidade ibidem 1”
ssa a o discursiva um segundo nascimento do indiv…duo o rimeiro o biol†gico o
segundo o seu a arecimento no mundo s† oss…vel em um es a o r† rio ara o
desenvolvimento desse ti o de atividade ou se a de um es a o •blico ibidem 1
ara Arendt 200• 202 toda a o ossui ao menos essas duas caracter…sticas
irreversibilidade e im revisibilidade A rimeira indica ue ao ser iniciada im oss…vel
des a er uma a o desdi er uma o ensa etc a enas uma nova a o ode ser eita em
sentido re arat†rio “á a segunda alerta ao ato ue o agente iniciador da a o n o det m o
controle sobre a r† ria a o a †s seu in…cio •ye 1 • 1 2 observa ue

€olitical action has meaning as an element in the story o the actor but her story is
the story o others here is no one author–maker because it is a share story ith
lots that are never com letely determined by any one erson s actions As a
conse uence a oman sic ho takes action may not kno e actly hat it is she is
doing may never kno because it may not be clear until a ter her death his is
one o the tragedies o revolution the violence that results is o ten unintended by its
instigators

Assim ual uer a o ode ter conse u ncias ilimitadas n o lane adas e
irrevers veis A centralidade da comunica o o ato de oder se mani estar e ondo sua
2
Ale andre Anselmo uilherme runo Antonio icoli

o ini o a ual uer momento e em ual uer lugar caráter ub uo e a busca or a er se


ver ermite nos a irmar ue as redes sociais contem lam os re uisitos arendtianos ara
serem consideradas en uanto es a os blicos or m com novos e s rios ingredientes
uais se am sua ervasividade e ubi uidade ue tornam con usas e at colocam em e ue
as ronteiras entre as es eras blica e rivada da vida
mbora em suas rimeiras obras Arendt de enda ue no es a o blico n o oderia
haver nenhum elemento mediador entre os homens a n o ser a r ria linguagem seus
ltimos trabalhos assam a dedicar aten o maior ao u o consci ncia e ao ensamento
o ue nos autori a a irmar ue em ltima inst€ncia o ue deve mediar a rela o entre os
indiv duos no es a o blico o diálogo do eu comigo mesmo Con orme a autora 2002•
10‚

A relev€ncia ol tica da descoberta socrática reside em sua a irma o de ue a


solid o ue antes e de ois de ƒ crates era tida como rerrogativas e habitus
ro issional a enas do il so o e naturalmente vista ela pólis como sus eita de ser
anti ol tica ao contrário a condi o necessária ara o bom uncionamento da
pólis uma garantia melhor do ue as regras de com ortamento im ostas or leis e
elo medo do castigo

mbora se am rocessos diversos o ensamento a consci ncia e o u o se imbricam


e devem orientar a a o dos indiv duos „ a artir do acom anhamento do ulgamento de
Adol ichmann ue Arendt romove essa …virada† á ue concluiu ue dentre outras coisas
o ue levou ichmann a agir do modo ue agiu e se tornar um dos maiores criminosos da
hist ria da humanidade oi sua recusa a ensar ulgar e logo tomar decis‡es ue oderiam
atentar contra a lei mas n o contra a sua consci ncia Arendt 2006• 2ˆ7 ˆ
Ao contrário do ue entendia o cronista brasileiro su racitado ara Arendt seguindo
a trilha de ƒ crates re eitada or lat o o ensamento n o ara oucos a ortunados
200‚b• 2 1 o ue or outro lado n o signi ica ue se a uma atividade ue n o demande
considerável es or o Como toda atividade básica da mente o ensamento e ige uma
retirada do mundo 1‰ˆ1• 70 o ue acreditamos ser um es or o demasiado oneroso
considerando ue …vivemos em um tem o em ue n o há mais lugar nem tem o ara a
nostalgia† em ue a …velocidade tomou conta do mundo† e …uma ve ue a ual uer hora e
em ual uer lugar desde o advento dos dis ositivos m veis nossos cor os e mentes est o
lugados em bases de dados in ovias e redes in ormacionais e essoais† ƒantaella 201 •
12Š 126 ƒe o ensamento e ige uma retirada do mundo ensar … arar ara ensar†
Arendt 200‚b• 2‚ interrom er as atividades vitais alhear se do mundo a onto de
mergulhar em um estado de es rito em ue o indiv duo ue ensa ao ensar ica er le o
diante do ato de ue tudo o ue toma ara bali ar sua conduta sua a o torna se
duvidoso elo r rio ensamento
ƒe o ensamento duvida de tudo ele erigoso otencialmente autodestrutivo
odavia t o ou mais erigoso uanto o ensamento o n o ensamento es ecialmente
uando se trata de assuntos de ordem moral e‹ou ol tica de casos articulares ue s
ve es demandam ulgamento rá ido or m undamentado ara Arendt ibidem• 2‚Š n o
parar para pensar desacelerar e mesmo recusar se ao ue a arece vista como irre reável
ao lu o ervasivo dos rocessos se agarrar s ormas rescritas or outrem e or
ninguém em es ec ico como normas a serem seguidas or ue naturali adas or ue se
im ‡em e ara tal irrelevante se o rocesso em uest o se a antigo ou t o novo uanto
ou mesmo mais ue o r rio indiv duo Al m disso como a irma ƒor 2016• 1 em uma
0
Œedes sociais e educa o in ormal• entre o scemo del villaggio e o ensamento cr tico

sociedade democrática n o cab vel ue a enas um con unto de valores ou regras … ossa
ser a base moral e medida de todas nossas decis‡es e da conviv ncia com os outros† •uanto
mais os indiv duos estiverem resos s regras gerais ue a licam s situa ‡es ontuais mais
ácil substituir or com leto o conte do dessas regras or e em lo ichmann era um
bom cum ridor da lei com a mudan a no conte do dessas a s a ascens o de Žitler
continuou sendo um bom cum ridor da lei • indiv duo buscará se ada tar ao novo corpus
de regras n o sendo relevante o ato de essas terem sido violentamente modi icadas •
indiv duo a rende a n o ensar e ode assar uma vida inteira sem a lo A a o de
dei ar se condu ir elo rocesso a com ue o indiv duo are a estar dormindo a licando
regras gerais ue su ostamente …subsumem os casos articulares† Arendt 200‚b• 2‚Š no
limite n o o indiv duo uem toma decis‡es ou melhor a decis o ue tomou oi a de n o
tomar decis‡es de n o ensar e de n o ulgar or r ria conta de n o assumir a
res onsabilidade elo mundo al osi o arece a rontar diretamente a acusa o de
ƒantaella 201 • 20 ara uem os ue se negam a adentrar nas tecnologias a viver a
ubi uidade agem como son€mbulos
ƒe o ensamento ‡e em uest o todas as bases e valores ue o indiv duo utili a
ara orientar sua a o o limite do ato de ensar tornar …va io† o indiv duo ou se a
des o ado de reconceitos e de verdades r concebidas A artir disso oss vel
osicionar se sob uma ers ectiva alargada colocando se no lugar do outro Arendt 200‚b•
206 Assim do ensamento deriva outra aculdade humana• o ulgamento ibidem• 2Š7
Como a irma •illela ereira 201Š• 1‚ estar no mundo im lica necessariamente emitir
u os sobre o ue somos sobre os outros sobre o ue ensamos sobre o ue nos está
r imo e o sobre o ue está distante ara Arendt 1‰ˆ1• 1‰2 1‰ o ulgamento a
aculdade humana ol tica or e cel ncia á ue or meio dela ue o indiv duo ulga
en‘menos articulares e ontuais ue demandam or ve es decis‡es imediatas sem
subsum los a normas e regras gerais ue marcam a a o da coletividade da maioria ou ue
s o ensinadas at se tornarem …hábitos† „ ela via do u o ue o indiv duo ode a irmar se
tal a o certa ou errada ara uma situa o recisa Assim o u o e o ensamento
encontram se estreitamente ligados a outra atividade básica da mente• a consci ncia
A consci ncia a aculdade da mente ue coloca o indiv duo diante de outro ue
no limite ele mesmo ibidem• 1ˆ „ claro ue esse en‘meno s ocorre na mente sendo
ue aos olhos de terceiros o indiv duo a arece como uno do contrário n o seria
reconhecido A e ist ncia desse eu em mim mesmo a necessária a harmonia á ue
sem re ue há mais do ue um vivendo em um mesmo es a o a harmonia o estado ideal
o ue n o oss vel uando o indiv duo ao recolher se na solid o da mente se v
atormentado ela resen a in uisidora desse outro ue ele mesmo da a o ular
e ress o de …consci ncia esada† uando o indiv duo se sente em d vida consigo ’artin
uber ue Arendt chamou de … erman “udaism†s incontestable guide† Arend 2007• 1 nos
relata em 1‰2‰ uma assagem essoal sobre a cul a e istencial ue sentiu numa ocasi o
or se conscienti ar de n o ter ensado no outro ”ato descrito or ele em …A Conversion†•

•hat ha ened as no more than that one orenoon a ter a morning o …religious†
enthusiasm – had a visit rom an unkno n young man ithout being there in s irit –
certainly did not ail to let the meeting be riendly – did not treat him any more
remissly than all his contem oraries ho ere in the habit o seeking me out about
this time o the day as an oracle that is ready to listen to reason Later – learned
that he had come to me not casually but borne by destiny not or a chat but or a
decision Že had come to me he had come in this hour •hat do e e ect hen e
1
Ale andre Anselmo uilherme runo Antonio icoli

are in des air and yet go to a man— ƒurely a resence by means o hich e are told
that nevertheless there is meaning uber 1‰61• 1 1‚

–sso n o uer di er ue n o oss vel uma vida sem harmonia• o ladr o um


indiv duo em desarmonia consigo á ue n o uer ser v tima do ue raticou a outro o
mesmo vale ara o assassino „ ustamente a e ist ncia desse outro em mim mesmo ue a
com ue o assassinato n o se a admiss vel sem u os de ordem religiosa ou mesmo legal
á ue en uanto viver o indiv duo viverá na com anhia de um assassino „ esse
entendimento ue leva Arendt ibidem• Š‰ a reeditar a má ima socrática de ue re er vel
so rer o mal a raticá lo or ue ainda oss vel estar em com anhia do so redor e n o na
do algo ainda oss vel ser seu amigo n im …a consci ncia de si n o igual ao
ensamento mas sem ela o ensamento n o seria oss vel† Arendt 200‚b• 2Š2 „ a recusa
a esse movimento ue caracteri a o scemo del villaggio
• scemo del villaggio de co ode ser com arado ao Ž ias ersonagem de diálogo
lat‘nico entre ƒ crates e Ž ias ’aior tra ido or Arendt como um diálogo
essencialmente socrático ibidem• 2Š ƒ crates a irma ue Ž ias era a ortunado or ue
vivia em contradi o e n o se im ortava com isso á ue sem re estava convicto de ue sua
era a ra o a verdade e n o recisava restar contas ao outro ue o es erava em casa com
erguntas ue o aria mergulhar em incerte as

• alve ƒ crates essas coisas ossam assar des ercebidas ao homem


‚ƒ ˜ o elo C o Ž ias n o assar o des ercebidas ela essoa diante da
ual eu mais me envergonharia de di er uma tolice ou ingir estar di endo algo
sensato uando n o o estaria di endo
• • ue essoa essa—
‚ƒ Sócrates o ilho de ƒo ronisco ue n o me ermitiria di er essas coisas
inconse uentemente sem investigá las mais do ue di er ue sei o ue n o sei
lat o 2007• 2Š‰

• Ž ias de ƒ crates tal ual o scemo del villaggio de co desconhece a e eri ncia
do ensamento á ue ermanece sem re s entor ecido em suas certe as ibidem• 26‰
Ao escolher n o en rentar o ue Arendt 200‚b• 2 1 entende como o es or o solitário de
parar para pensar e reunir se consigo mesmo seu u o ica com rometido es ecialmente
sua ca acidade de osicionar se a artir de uma ers ectiva alargada ibidem• 206 odavia
isso n o o im ede de ulgar e a er se a arecer a artir da e osi o de seu ulgamento
artamos agora ara alguns casos no rasil onde a atua o do scemo del villagio tomou
grandes ro or ‡es

Destacamos dois e is dios dentre uma mir ade ue cresce e onencialmente A escolha se
deu or ue al m do ato de viol ncia em si um usti amento e um estu ro os atos
envolvem uest‡es raciais e se istas e tiveram grande re ercuss o nas redes sociais •
ob etivo n o analisar a legalidade dos atos nem do ue os desencadeou mas como o
mesmo ato oi tratado nas redes sociais e o im acto causado or esses tratamentos •
rimeiro e is dio re ere se a um …linchamento† ocorrido em ƒ o Lu s ca ital do estado do
’aranh o no dia seis de ulho de 201Š e o segundo a um estu ro ocorrido no munic io do
Œio de “aneiro em 21 de maio de 2016
2
Œedes sociais e educa o in ormal• entre o scemo del villaggio e o ensamento cr tico

˜o rimeiro e is dio de seis de ulho de 201Š um homem negro de 2‰ anos de


idade acusado de tentativa de assalto oi amarrado nu a um oste e es ancado at a morte
oechat 2016 ˜o dia oito de ulho o ornal tra do Œio de “aneiro ublicou em sua ca a
uma otogra ia do e is dio e uma gravura da rimeira metade do s culo ™–™ do artista
ranc s “ean a tist Debret ue artici ou da miss o art stica rancesa no rasil com a
manchete …Do tronco ao oste† tra 2016a A cena re resentada or Debret se assa em
um elourinho ˜o rimeiro lano duas iguras masculinas s o destacadas ambas negras•
uma segura em riste um chicote com cinco tran as a outra amarrada ao tronco com as
costas cobertas e nádegas desnudas –ndu se da imagem um movimento do chicote nas
m os da rimeira ersonagem em dire o s nádegas da segunda ue or sua ve encara
o algo em evidente s lica r imo um soldado com es ada desembainhada vigia outros
dois risioneiros rendidos ˜o lado es uerdo uatro negros escravi ados assistem a cena
com semblante de derrota atrás deles dois soldados os guardam Ao undo homens e
mulheres livres e escravi ados acom anham a uni o “á a otogra ia ossui
en uadramento mais echado• no rimeiro lano um oste da rede el trica oculta
arcialmente o cor o de um homem negro ue a ele está amarrado • undo com osto
or curiosos ue observam a cena atrás do cord o de isolamento colocado ela ol cia Uma
mat ria tamb m oi ublicada na ágina do ornal na rede social ”acebook no dia seguinte
De acordo com a edi o do “ornal tra do dia oito de ulho de 201Š 71š dos internautas
ue acessaram e se mani estaram na ágina do ornal na rede social eram avoráveis a o
dos usticeiros De acordo com o ornal tra …at s 20h de ter a eira sete 1 2‰Š leitores
se mani estaram a avor da a o dos … usticeiros† Š‚ se declararam contra e 16ˆ n o
o inaram† tra 2016b Um caso similar ocorreu no Œio de “aneiro no dia oito de evereiro
de 201‚ e outros nos estados do Œio rande do ƒul ƒanta Catarina e s rito ƒanto •
lobo 2016
• segundo caso emergiu no dia 2‚ de maio de 2016 uando um usuário do itter
divulgou um v deo de a ro imadamente 0 segundos elo ual ode se a irmar ue vários
homens adultos estu raram uma adolescente de de esseis anos • ato ocorreu con orme
se veri icou osteriormente no dia 21 do mesmo m s A grava o dis onibili ada elo
usuário oi co iada or terceiros ue or sua ve tamb m com artilharam em seus er is
no itter e elo •hatsa ƒa ernet 2016 • rimeiro usuário a divulgar o conte do teve
sua conta sus ensa no itter ue di erentemente de outras redes sociais n o reali a
controle de conte do visual o ue acilita ue outros v deos com o mesmo teor se am
ublicados › o mesmo ocorre com o •hatsa
A s a rimeira onda de com artilhamentos do conte do elas redes sociais iniciou
se uma s rie de rea ‡es ora condenando a divulga o do material e do ato raticado ora
im utando v tima a res onsabilidade e mesmo a cul a elo ue aconteceu –n meras
ublica ‡es a irmavam ue o ue houve oi o ato se ual consensual sendo irrelevante o
ato de ue se tratava de menor de idade e ue no v deo a menina arecia estar
desacordada Contas na rede social itter oram utili adas ara divulgar mais otogra ias da
ovem em situa ‡es ue oderiam ser …com rovadoras da sua má ndole† ’atsuki 2016
tratavam se de imagens da adolescente com rou as curtas dan ando e osando com armas
de ogo “C •nline 2016a no intuito de desviar a aten o da res onsabilidade dos algo es
ara a v tima ssas imagens oram ca turas do er il nas rede sociais ”acebook e –nstagram
da r ria adolescente
„ evidente ue numericamente oi maior a rea o contrária divulga o e ao
estu ro mas isso arece n o se a licar ao caso anterior do …linchamento† do homem negro
ntretanto o ue chama a aten o a a o da turba Arendt 200‚b• 266 ssas situa ‡es
Ale andre Anselmo uilherme runo Antonio icoli

servem ara ue uma ideologia se cristali e galgando a ossibilidade de e lodir a ual uer
momento em um movimento talve incontrolável –m ressiona ara al m das
mani esta ‡es a ologistas viol ncia o sil ncio de arte considerável de usuários de
es ectadores essoas ue con orme Arendt ibidem• 26‰ 270 … re erem o dom nio da
turba cidadania cum ridora das leis† á ue no rasil tanto o …linchamento† uanto o
estu ro assim como suas incita ‡es s o ilegais „ ela a o de turba ue o scemo del
villaggio sente se con ortável ara mani estar seus u os Assim sendo a rela o desses
e is dios …na vida real† com as mani esta ‡es nas redes sociais em sua de esa e am li ica o
im ede ue consideremos esses como es eras se aradas da vida rática e ol tica • sentido
de …es era virtual† s a sentido se entendido como derivado de virtualis ou se a en uanto
ot ncia assim como uma semente uma árvore virtual L vy 1‰‰6• Š sse sentido
corrobora com o á e osto acima de ue as redes sociais s o es a os blicos e a viol ncia
nelas otencialmente viol ncia ora delas

m uma situa o de viol ncia como um linchamento ou um estu ro es era se ue a


atitude certa se a a em atia ela v tima s era se tamb m ue um indiv duo …normal† uma
essoa mediana no di er de Arendt 2006• Š saiba discernir entre o certo e o errado
Contudo diante da ossibilidade e da ress o de emiss o a ual uer hora de ual uer
lugar re erencialmente instantaneamente de uma o ini o sobre tudo ue vise agradar
aos seus leitores e angariar mais leitores a arecer cada ve mais e ue
conse uentemente a reocu a o com os su eitos ob eto dessa o ini o n o igure como
rioridade nos leva ao limiar de uma oca obscura a dark time em ue a enas de
indiv duos e ce cionais ode se es erar uma a o …normal† ibidem• Š‚ A a o ue n o
ruto do parar para pensar do diálogo do …eu comigo mesmo† e do ulgamento liberado elo
ensamento ro eta e re rodu o scemo del villaggio ao onto de oder estabelecer o
dom nio sobre as di erentes redes sociais A ubi uidade ode tornar se um elemento
otenciali ador do mal banal Arendt 2006• 2ˆˆ
Concordamos com o diagn stico de ƒantaella 201 • 16 ara uem a ubi uidade a
atual condi o da humanidade e de ue a internet e as redes sociais s o rocessos
ervasivos odavia n o odemos concordar com o otimismo or ve es inocente da autora
A ubi uidade en uanto velocidade cone o constante inser o mental em redes de dados
im ede uma aculdade ue basilar ara o e erc cio da cidadania lena e ara o u o ois
ao di icultar a cria o de momentos de alheamento torna cada ve mais raro o ensamento
dá se assim am litude vo retomando co do scemo del villaggio Desligar se do mundo
arar sus ender atividades vitais como vimos s o as condi ‡es ara o diálogo do eu
comigo mesmo ara o ensamento e ara o ulgamento uali icado e alargado ue arte
do es or o de se colocar no lugar do outro As redes sociais en uanto educa o in ormal t m
ensinado a escolher n o ensar e isso a eta o modo como nos relacionamos com o outro
or outro lado concordamos com uilherme 201Š• 1 ara uem as in lu ncias das redes
sociais n o recisam ser a enas negativas mbora n o se a oss vel eliminar a resen a do
scemo del villaggio oss vel romover …an o ortunity or eo le to raise their grievances
understand each other†s oint o vie ork on their di erences and ind oints o
agreement† a artir de interven ‡es educativas ue romovam uma cultura de a de

Œedes sociais e educa o in ormal• entre o scemo del villaggio e o ensamento cr tico

combate ao se ismo ao racismo e s di erentes ormas de reconceitos e estigmati a ‡es


t o resentes nos u os emitidos elo scemo del villaggio
A inter er ncia da a o do scemo del villagio ode ser minimi ada se o indiv duo
escolher ensar e ortanto arar ara ensar Assim o crivo da re le o cu a aus ncia oi
denunciada or co no discurso de unho de 201Š em urim n o recisa ser e ercida or um
outro e terno ao indiv duo isso censura recisa outrossim ser reali ada elo outro ue
vive dentro do indiv duo or a uele ue ƒ crates chamava de … arente in uisidor† lat o
2007• 270 ƒ assim o indiv duo ode erceber o eso moral ue tem uma o ini o
Con orme uilherme ibidem• 1‚ …i one osts in ormation on one†s acebook or t itter
has nonetheless encouraged a misunderstanding o and erha s even violence to ards
the •ther then the damage is di icult to be reversed† ƒem abrir m o da necessidade de
usti a Arendt 1‰ˆ1• 1ˆ2 de ende ue …o ue conta ue o mal oi eito e a irrelevante
saber uem sai melhor o autor ou a v tima ˜a ualidade de cidad os n s devemos evitar
ue o mal se a cometido or ue está em ogo o mundo em ue todos o mal eitor a v tima
e o es ectador vivemos† A ervasividade e a ubi uidade das redes sociais o erecem uma
realidade des rovida de ro undidade no sentido ro osto or auman 2006•127 e or
œi ek 2006 ara uem …Cybers ace s virtual reality sim ly generalises this rocedure• it
rovides reality de rived o substance† Ainda na esteira de œi ek a tirania da alta de
ro undidade das redes sociais o terreno ara a a o arasitária do scemo del villaggio
scolher o ato solitário e alheado do ensar n o im ede o mal mas cria as condi ‡es ara o
bem Ao contrário do mal ue sem re banal raso s o bem ossui ro undidade e ode
ser radical Arendt 1‰7ˆ• 2Š1 e ortanto roduto do ensamento

Abbagnano ˜ 2007 Dicionário de filosofia. Š• ed ƒ o aulo• ’artins ”ontes


Arendt Ž 2002 A dignidade da política: ensaios e conferências • ed Œio de “aneiro•
Œelume Dumará
Arendt Ž 200‚ A condição humana. Œio de “aneiro• ”orense Universitária
Arendt Ž 2006 Eichmann in Jerusalem: A Report on the Banality of Evil ˜e žork• enguin
ooks eguin classics
Arendt Ž 200‚b Responsabilidade e julgamento. ƒ o aulo• Com anhia das Letras
Arendt Ž 1‰ˆ1 The Life of The Mind: the Groundbreaking Investigation on how we think
˜e žork• Žarcourt
Arendt Ž ƒcholem 1‰7ˆ … ichmann in “erusalem• An change o Letters bet een
ershom ƒcholem and Žannah Arendt† in Œ Ž ”eldman ed The Jew as Pariah: Jewish
Identity and Politics in The Modern Age ˜e žork• rove ress 2‚0 2Š1
Arendt Ž 2007 …A uide or žouth• ’artin uber† in “ Ÿohn Œ Ž ”eldman eds The
Jewish Writings ˜e žork• ƒchocken ooks 1
auman œ 2006 Modernidade líquida uenos Aires• ”ondo de Cultura con‘mica de
Argentina ƒ A
oechat 2016 Assaltante é amarrado em poste e espancado até a morte em São Luís
documento ••• UŒL htt •‹‹e tra globo com‹casos de olicia‹assaltante amarrado
em oste es ancado ate morte or edestres em sao luis 166ˆ621Š html acesso em
1Š de unho 2016
uber ’ 1‰61 …Dialogue† in Between Man and Man London and lasgo • Collins
Coombs Ž rosser C Ahmed ’ 1‰7 New Paths to Learning for Rural Children and
Youth ˜e žork• –nternational Council or ducational Develo ment
Š
Ale andre Anselmo uilherme runo Antonio icoli

l ais rasil 2016 Novo vídeo confirma a versão da vítima de estupro coletivo no Rio
documento ••• . UŒL
htt brasil el ais com brasil 2016 06 06 olitica 1 6 227662 0721 0 html acesso
em 1 de unho 2016
tra 2016a Capas do Jornal Extra documento . U L htt e tra globo com ca as
ornal e tra 201 07 0 166 7 html mes elecionado ul ano 201 acesso em 1
de unho 2016
tra 2016b Internautas divergem sobre linchamento de assaltante no Maranhão
documento U L htt e tra globo com casos de olicia internautas divergem
sobre linchamento de assaltante no maranhao 16702 html acesso em 1 de unho
2016
uilherme A 201 ichel erres Le arasite and artin €uber s • and ‚hou ƒoise in
•n„ormal ducation A„„ecting Dialogue €et…een Communities in Con„lict in the iddle
ast Educational Philosophy and Theory 7 10 10 2 106
C †nline 2016 Vítima de estupro por 33 homens, garota tem vida exposta na internet
documento . U L
htt conline ne10 uol com br canal mundo brasil noticia 2016 0 27 vitima de
estu ro or homens garota tem vida e osta na internet 2 771 h acesso em
1 de unho 2016
L‡vy 1 6 O que é virtual? io de aneiro ditora
Lˆ e‰ il Angulo asco Š 201 onorona o el ri‰oma de la cultura digital um
estudio de caso Revista Portuguesa de Educação 2 1
atsuki 2016 Caso de 33 homens e menina de 16 anos não foi estupro coletivo #boato
documento . U L htt ……… boatos org brasil menina de 16 anos estu ro
coletivo boato html acesso em 1 de unho 2016
in on ‹ 201 alter €en amin s olitics o„ erience Constellations 20 61 62
ƒye A 1 €et…een ast and Šuture in Philosophia: The Thought of Rosa Luxembourg,
Simone Weil, and Hannah Arendt ƒe… Œork and London outledge
† lobo 201 SBT: ementário polêmico de Rachel Sheherzade é de responsabilidade dela
documento . U L htt oglobo globo com cultura revista da tv sbt
comentario olemico de rachel shehera‰ade de res onsabilidade dela 11 2
acesso em 1 de unho 2016
†lhar Digital 201 89 milhões de brasileiros acessam o Facebook documento .U L
htt olhardigital uol com br noticia milhoes de brasileiros acessam o
„acebook 6 7 acesso em 1 de unho 2016
lat•o 2007 Diálogos II: Górgias (ou da retórica), Eutidemo (ou da disputa), Hípias Maior
(ou do belo), Hípias Menor (ou do falso) €auru D• †
onte 2016 Policiais expõem e ridicularizam adolescente vítima de estupro coletivo
documento . U L htt onte org adolescente estu rada e osta acesso em
1 de unho 2016
rŽnci e 2011 Brasil já o segundo país em contas no Twitter documento .U L
htt ……… in„obrasil in„ br noticia brasil a e o segundo ais em numero de contas
no t…itter acesso em 1 de unho 2016
odrigues ƒ 1 A cabra vadia. •o aulo Com anhia das Letras
a„ernet €rasil 2016 SaferNet Brasil documento . U L
htt s t…itter com sa„ernet status 7 1 6 6 7 acesso em 1 de unho
2016

6
edes sociais e educa••o in„ormal entre o scemo del villaggio e o ensamento crŽtico

antaella L 201 Comunicação ubíqua: re ercuss•es na cultura e na educa••o •o aulo


aulus
erres 2007 The Parasite. innea olis innea olis University ress
mith ‹ 201 •n„ormal ƒon Šormal and Šormal ducation A €rie„ †vervie… o„
Di„„erent A roaches in The Encyclopedia of Informal Education documento
U L htt ……… in„ed org „oundations in„ormal non„ormal htm acesso em 0 de ulho
2016
or € 2016 A conviv‘ncia democrática como oliteŽsmo de valores Estudos Avançados
0 6 1 1
‚omasevicius Šilho 2016 arco Civil da •nternet uma lei sem conte’do normativo
Estudos Avançados 0 6 26 2
“illela ereira 201 CrŽtica e toler”ncia considera••es sobre diversidade di„eren•a e
indi„eren•a Diálogos Latinoamericanos 2 1 2
•i‰ek 2006 •s this Digital Democracy or A ƒe… ‚yrany o„ Cybers ace in The Guardian
0 de‰ 2006 documento U L
……… theguardian com commentis„ree 2006 dec 0 comment media acesso em 12 de
ulho 2016

View publication stats