Você está na página 1de 3

NBR 11905 ABR 1992

Sistema de impermeabilização
composto por cimento .
.S A
ABNT-Associação impermeabilizante e polímeros rás
Brasileira de
o b
eP tr
Normas Técnicas

ara
Sede:
Rio de Janeiro
Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar
CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680

iva p
Rio de Janeiro - RJ
Tel.: PABX (021) 210-3122

lc us
Telex: (021) 34333 ABNT - BR
Endereço Telegráfico:
Especificação
ex
NORMATÉCNICA

Origem: Projeto 22:004.05-007/1991


s o
eu
CB-22 - Comitê Brasileiro de Isolação Térmica
CE-22:004.05 - Comissão de Estudo de Materiais sem Especificação
(Cristalização)
a d
ne ç
NBR 11905 - Waterproof system impermeable cement and polymers -
Specification
L ic
Copyright © 1992,
Descriptors: Impermeabilization. Impermeable cement
ABNT–Associação Brasileira Incorpora Errata de ABR 1995
de Normas Técnicas
Printed in Brazil/ Palavras-chave: Impermeabilização. Cimento 3 páginas
Impresso no Brasil
Todos os direitos reservados
impermeabilizante

SUMÁRIO NBR 10787 - Concreto endurecido - Determinação


1 Objetivo da penetração de água sob pressão - Método de en-
2 Documentos complementares saio
3 Definições
4 Condições gerais
. NBR 12170 - Potabilidade aplicável em sistema de
5 Condições específicas
6 Inspeção .S A impermeabilização - Método de ensaio
7 Aceitação e rejeição
r ás NBR 12171 - Aderência aplicável em sistema de im-
1 Objetivo otr b permeabilização composto por cimento impermea-
bilizante e polímeros - Método de ensaio
Pe
ara
1.1 Esta Norma fixa as condições mínimas exigíveis para ASTM-C-114 - Standard methods for chemical
o sistema formado por cimento impermeabilizante e po-
a p
límeros a serem utilizados em impermeabilização.
analysis of hydraulic cement

siv 3 Definições

clu
1.2 O sistema de impermeabilização, objeto desta Norma,
é classificado como uma impermeabilização rígida, desti- Para os efeitos desta Norma são adotadas as definições

sopressão
exestruturas
nada
síveis àdeaplicação
fissuração,em submetidas à de concreto
umidade não água
do solo, pas- de 3.1 e 3.2, além das constantes nas NBR 8083 e
NBR 9689.
de percolação e/ou
e u hidrostática positiva.

aç d complementares
3.1 Cimento impermeabilizante e polímeros
2 Documentos
n
iL ce desta Norma é necessário consultar:
Mistura de cimentos, aditivos minerais e emulsão de po-
Na aplicação límeros, aplicada diretamente sobre a superfície da estru-
tura a ser impermeabilizada.
NBR 8083 - Materiais e sistemas utilizados em imper-
meabilização - Terminologia 3.2 Pressão hidrostática positiva

NBR 9689 - Materiais e sistemas de impermeabiliza- Aquela que ocorre quando a pressão exercida pela água
ção - Classificação incide sobre a superfície impermeabilizada.
2 NBR 11905/1992

4 Condições gerais 5 Condições específicas

4.1 Fornecimento 5.1 A pasta a ser utilizada como impermeabilizante deve


obedecer aos requisitos da Tabela 1.
Li
Os produtos devem ser fornecidos em embalagens her-
ce
meticamente fechadas, com as seguintes informações: 5.2 Para utilização em estruturas em contato com água
nç potável, o sistema impermeabilizante não deve alterar a
a comercial;
a) denominação potabilidade da água, conforme a NBR 12170.
de
u
b) finalida de; s
5.3 Índice de acidez da dispersão da polimérica: máx.
o 0,1 mgKOH/g.

c) características eeconsumo;
xclu 6 Inspeção
d) peso líquido;
siv
a 6.1 Devem ser dadas ao comprador todas as facilidades
pa prazo máximo de para cuidadosa inspeção e amostragem do produto a ser
e) condições de armazenamento, entregue.
ra
estocagem e data de fabricação.
Pe 6.2 Cada lote deve ser representado por uma amostra
4.2 Armazenamento tro composta de dois exemplares com, aproximadamente,
br 12 kg cada um, retirados de embalagens distintas.
Os produtos devem ser armazenados em álocais s bem se-
cos, colocados sobre estrados, a fim de preservar S sua 6.3 Cada um dos exemplares da amostra deve ser acon-
qualidade, protegidos e dispostos de forma a.Afacilitar a dicionado em recipiente hermético e impermeável, de
inspeção de cada lote. . material não-reagente com o produto, devidamente iden-
tificado, sendo um enviado ao laboratório para ensaios e
4.3 Características dos polímeros outro mantido em local seco e protegido, como testemu-
nha para eventual comprovação de resultados.
Os polímeros utilizados com o cimento impermeabilizan-
6.4 O prazo decorrido entre a coleta do exemplar e a sua
te devem serreemulsionar,
saponificar, compatíveis com
nemeste cimento;
produzir não devem
reações quími- chegada ao laboratório de ensaio deve ser de no máximo
cas que possam causar corrosão às armaduras da estru- 10 dias.
tura. Homopolímeros de PVA ou outros polímeros sus-
cetíveis à reemulsificação e saponificação não podem 6.5 Os dados de amostragem para ensaios são mencio-
ser utilizados. nados na Tabela 2.
Tabela 1 - Características da pasta a ser utilizada como impermeabilizante
Li
ce
Ensaios Características nç Métododeensaio

Teordecloretos Máximo:1%
a
deASTM-C-114
Aderência Mínimo:0,3MPa us 12171
NBR
o
Estanqueidade Estanque até a pressão de no mínimo ex
0,25MPa(verNotas) clu
NBR10787

Notas: a) Traço do concreto:


siv
O traço, em massa, a ser utilizado na confecção dos corpos-de-prova devea ser o se-
guinte:
- 1,0 cimento Portland; para
- 3,9 areia grossa; Pe
- 1,2 brita nº 01;
- 2,8 brita nº 02;
tro
- 0,992 água. br
b) Aplicação do sistema impermeabilizante:
ás
Deve ser feita na face do corpo-de-prova que vai receber a pressão de água. O méto- S.
do de aplicação, secagem ou cura e consumo do material impermeabilizante A.
deve seguir as recomendações do fabricante do material.
c)Caso este sistema impermeabilizante seja aplicado em locais sujeitos a pressões
maiores que 0,20 MPa, refazer o ensaio, adotando-se o traço do concreto da obra, e
executar o ensaio a uma pressão duas vezes a pressão de trabalho.
NBR 11905/1992 3

Tabela 2 - Amostragem 7.2 Quando os resultados não atenderem às condições


.
constantes nesta Norma, o impasse deve ser resolvido
Lote Númerodeamostras .A
através da utilização do exemplar reservado para a repe-
S
tição dos ensaios, que devem ser efetuados em labora-

rás
tório escolhido por consenso entre as partes.
Até
3000
kg 1
b
7.3 Independentemente das exigênciaso anteriores, não
etr em sacos rasga-
De3001a10000kg 2
devem ser aceitos produtos entregues
dos, molhados ou avariados durantePo transporte, ou com
ara
De10001a30000kg 3
sinais de contaminação.
Acimade30000kg 4
a p
7.4 As embalagens que apresentarem variação de peso
7 Aceitação e rejeição
lusiv
superior a 2% para menos devem ser rejeitadas. Se o pe-

xe c
so das embalagens, em qualquer lote obtido pela amostra-
7.1 O lote é automaticamente aceito sempre que os resul- gem de dez unidades tomadas ao acaso, for menor que a
tolerância, todo o lote deve ser rejeitado.
tados dos ensaios atenderem às exigências desta Norma.
s o
d eu
ça
eic n
L

.
S .A
ás
bo r
e tr
araP
a p
lu siv
xe c
e uso
aç d
n
iL ce