Você está na página 1de 6

INTRODUÇÃO

No presente trabalho falar-se-á sobre as consequências chuvas acidas,


por tanto defini-se como chuva ácida a variação na acidez da chuva causada
pelos gases tóxicos liberados pelas indústrias, como dióxido de carbono (CO2),
dióxido de enxofre (SO2) e do óxido de nitrogênio (NOx), que são, sobretudo,
provenientes da queima de combustíveis de origem fóssil como carvão, gasolina,
óleo diesel.

1
CHUVAS ACIDAS

O ser humano tem desde longa data usufruído de forma muitas vezes
errada dos recursos naturais que estão disponíveis no planeta fazendo com que
o mesmo seja destruído. Após o desenvolvimento das indústrias, mais
precisamente depois da Revolução Industrial no século XVIII, a queima de
combustíveis fósseis para gerar energia aumentou criando assim uma grande
alteração no ambiente, bem como o advento da indústria automobilística
também contribui para esse processo.

A chuva ácida é um fenômeno comum em centros urbanos e


industrializados, gerada pela liberação de poluentes no ar, como o CO2.

A chuva ácida é um fenômeno muito comum em centros urbanos e


industrializados. É gerada pela liberação de poluentes no ar, como óxidos de
nitrogênio (NOx), dióxido de carbono (CO2) e do dióxido de enxofre (SO2), além
da queima do carvão mineral e de outros combustíveis fósseis. Esses poluentes
reagem com o vapor d’água e se transformam em ácidos que caem na terra
junto com a chuva, neblina ou nevoeiro.

O termo “chuva ácida” origina-se do inglês e foi Robert Angus Smith, em


1872, que percebeu que após a Revolução Industrial as chuvas tornaram-se
ácidas. Com um pH de 5 ou menos, ela é composta de diversos ácidos que
quando caem na forma de chuva provocam danos ao solo, à natureza, às
construções, carros e outros. Em excesso, pode causar extinção de animais e
até vegetais, polui rios, fonte de águas e prejudica o ser humano com doenças
pulmonares, por exemplo.

Os principais fenômenos naturais que contribuem para a produção de


gases ácidos lançados na atmosfera são as emissões dos vulcões e processos
biológicos que ocorrem na terra, pântanos e oceanos. Os efeitos da deposição
ácida foram detectados nas geleiras há milhares de anos em remotas partes do
globo.

Para o solo, a chuva ácida torna-o improdutivo, sujeito à erosão, o que


acaba com florestas, destrói lavouras e dificulta plantações. Para os homens, o
excesso de dióxido de enxofre no corpo origina a formação de ácidos, o que
pode causar danos irreversíveis aos pulmões.

A chuva ácida extingue os seres vivos que vivem nas águas, já que a
maioria vive com um ph quase neutro. O plâncton, peixes, moluscos, rãs e
diversos outros animais são afetados por esse fenômeno.

2
PRINCIPAIS FONTES E POLUENTES DAS CHUVAS ÁCIDAS

As principais fontes humanas dos gases percursores das chuvas ácidas


provêm das indústrias e dos veículos de transporte. De entre os contribuintes
“naturais” temos as emissões de gases provenientes de vulcões e da queima de
biomassa e processos biológicos que ocorrem nos solos, pântanos e oceanos.
Pode-se ainda acrescentar as lixeiras ao ar livre como fonte de poluição, bem
como a própria agricultura.

A ocorrência de chuva ácida foi primeiro relatada em Manchester, na


Inglaterra. Desde a Revolução Industrial, as emissões de óxidos de enxofre e
nitrogénio na atmosfera aumentaram e começaram a ser observadas, na
Inglaterra e na Escócia, as chuvas "negras", escurecidas pelas substâncias
poluidoras. Indústrias que queimam combustíveis fósseis, principalmente o
carvão, são a principal fonte desses gases. O problema da chuva ácida não
apenas aumentou com o crescimento populacional e industrial, mas também se
espalhou, pelo que houve uma repentina diminuição do pH, das chuvas, a partir
do referido acontecimento de 6 para 4, de forma gradual é certo.

Os principais poluentes são, principalmente, o dióxido de enxofre e o


dióxido de nitrogénio. Em contacto com o vapor de água da atmosfera, esses
poluentes podem ainda produzir outras substâncias por meio de reacções
químicas. O dióxido de enxofre, por exemplo, reagindo com a água, pode formar
o ácido sulfúrico. O dióxido de nitrogénio, por sua vez, pode produzir o ácido
nítrico. As duas substâncias resultantes são tóxicas e prejudiciais quando
precipitadas. Esses poluentes atmosféricos podem precipitar-se sob a forma de
chuva, mas também como geada ou mesmo neblina.

FORMAÇÃO DAS CHUVAS ÁCIDAS

A precipitação ácida ocorre quando a concentração de dióxido de enxofre


(SO2) e óxidos de azoto (NO, NO2, N2O5) é suficiente para reagir com as gotas
de água suspensas no ar (as nuvens). Os dois principais compostos que geram
esse problema ambiental seguem processos diferentes. O enxofre é uma
impureza frequente nos combustíveis fósseis que, ao serem queimados, também
promovem a combustão desse composto.

O enxofre e os óxidos de enxofre podem ser lançados na atmosfera pelos


vulcões. Os óxidos ácidos formados reagem com a água para formar ácido
sulfúrico (H2SO4) e ácido sulfuroso (H2SO3). As duas principais séries de
reacções de formação da chuva ácida são as que se seguem, onde inicialmente
temos a formação dos ácidos provenientes do enxofre e depois, dos ácidos
provenientes da oxidação no nitrogénio:

3
CONSEQUÊNCIAS DAS CHUVAS ÁCIDAS

Para a saúde - A chuva ácida liberta metais tóxicos que estavam no solo.
Esses metais podem contaminar os rios e serem inadvertidamente utilizados
pelo homem causando sérios problemas de saúde.

Nas Casas, Prédios e demais edifícios - A chuva ácida também ajuda a


corroer alguns dos materiais utilizados nas construções, danificando algumas
estruturas, como as barragens, as turbinas de geração de energia, etc.

Para o meio ambiente - Lagos - Os lagos podem ser os mais


prejudicados com o efeito das chuvas ácidas, pois podem ficar totalmente
acidificados perdendo toda a sua vida.

Desflorestação - A chuva ácida provoca clareiras, matando algumas


árvores de cada vez. Podemos imaginar uma floresta, que vai sendo
progressivamente dizimada, podendo eventualmente ser até destruída.

Agricultura - A chuva ácida afeta as plantações quase da mesma forma


que as florestas, no entanto a destruição é mais rápida, uma vez que as plantas
são todas do mesmo tamanho e assim, igualmente atingidas pelas chuvas
ácidas.

MEDIDAS PARA REDUZIR AS CHUVAS ACIDAS

Há diversas medidas que podem ser tomadas para reduzir a chuva ácida,
estas se resumem basicamente na diminuição da emissão dos gases na
atmosfera, que pode ser desde o incentivo a menor utilização de carros, já que
estes emitem CO2, até a utilização de combustíveis limpos. Em alguns países,
como os Estados Unidos, indústrias já utilizam o sistema de dessulfuração de
gás de fumeiro, que retira o enxofre das chaminés das fábricas.

4
CONCLUSÃO

Em suma conclui-se que as chuvas ácidas é um dos grandes problemas


ambientais da atualidade. Esse fenômeno é muito comum nos centros urbanos e
industrializados, onde ocorre a poluição atmosférica decorrente da liberação de
óxidos de nitrogênio (NOx), dióxido de carbono (CO2) e do dióxido de enxofre
(SO2), sobretudo pela queima do carvão mineral e de outros combustíveis de
origem fóssil.

BIBLIOGRAFIA
5
FRANCISCO, Wagner de Cerqueria e. "Chuva ácida"; 2011.

JOÃO , Miguel – trabalhos de Química, 2003.

BRENA, Nilson Antônio - A chuva ácida e seus efeitos sobre as florestas, 2010.

CAROLINE, Pedrolo- Chuva acidas, 2014.

LÍRIA, Alves de Souza em Química Ambiental , 2010

Você também pode gostar