Você está na página 1de 4

Zygmunt Bauman Traduzido por Alexandre Werneck. Jorge Zahar Editor 1990.

Aprendendo a pensar com a sociologia capítulo 10

 Bauman nos leva a percepção do pensamento sociológico através de


exemplos, citações e pontos de vista simples e descomplicados, que nos
levam a questionamentos primordiais.

 Logo na primeira página o autor faz a seguinte afirmação a respeito do


olhar sociológico: “ Trata-se de uma forma de entendimento que situa as
pessoas pela maneira como suas vidas estão ligadas às outras.” neste
contexto ele nos chama atenção para uma atitude questionadora e prova
que entender o outro é entender a nós mesmos com o auxílio e exemplo
do outro. 

 Classifica a sociologia como um olhar disciplinado que analisa “como”


procedemos em nossa vida cotidiana e aloca os detalhes oriundos dessa
análise em um “mapa” que se estende para além de nossas experiências
imediatas.

 O objetivo do texto gira em torno da máxima de que o pensamento


sociológico é uma forma disciplinada de pensar e dar forma aos
processos de busca para soluções mais duradouras para problemas
rotineiros e/ou cotidianos.

 Em dado momento Bauman cita a marca dos tempos modernos, como se


espera que a sociologia forneça informações sobre como as coisas
precisam ser arrumadas provocando nas pessoas o tipo adequado de
comportamento, explorando as esperanças, anseios, desejos e motivações
que dão forma as ações humanas.

 Como exemplo disto ele faz uso de situações cotidianas no âmbito


profissional: “os administradores de call centers e fábricas podem
contratar sociólogos a fim de obter maior produtividade de seus
empregados; os líderes militares, solicitar-lhes a aplicação de pesquisas
de coletas de dados e estudos de observação que potencializem maior
disciplina nas fileiras ou revelem informações relativas a alvos inimigos;
as forças policiais, encomendar propostas de como dispersar multidões
de modo eficaz e implantar métodos de fiscalização; supermercados,
encaminhar seus agentes de segurança a cursos projetados para detectar
e reduzir o roubo em lojas; as empresas, buscar expertise na sedução de
clientes para a compra de seus produtos; e os profissionais de relações
públicas, os melhores métodos para tornar os políticos mais populares e
elegíveis, fazendo-os parecer estar “em contato” com o povo.”    

 Explica ele que todas essas demandas significam a tarefa do sociólogo


sobre a maneira de combater situações pré denominadas problemas por
grupos específicos que ignoram ou consideram “irrelevantes” as
explicações e soluções alternativas. Podendo ter como resultado a esse
exemplo e outros mais implantar para neutralizar o antagonismo e
prevenir conflitos em fábricas e minas; facilitar a adaptação de jovens
soldados em unidades há muito tempo em guerra; promover novos
produtos comerciais; reabilitar antigos criminosos e aumentar a eficácia
do provimento de assistência social. Usando ainda como exemplo a
fórmula do filósofo Francis Bacon: “dominar a natureza por submissão”.
 "A sociologia [...] é um espaço de atividade contínua que compara o
aprendizado com novas experiências e amplia o conhecimento,
mudando, nesse processo, a forma e o conteúdo da própria disciplina."
(p. 12)
 "[...] aprender a pensar com a sociologia é uma forma de compreender o
mundo dos homens que também abre a possibilidade de pensá-los de
diferentes maneiras." (p. 17)
 "Cada um de nós é um ator habilidoso, mas o que conseguimos e o que
somos depende do que fazem as outras pessoas. [...] Segundo esse
ponto de vista, o assunto da sociologia já está embutido em nosso
cotidiano [...]." (p. 19)
 "[...] a sociologia, à diferença do senso comum, empenha-se em se
subordinar às regras rigorosas do discurso responsável." (p. 21)
 "[...] a sociologia e o senso comum diferem no que cada um atribui à
vida humana em termos de como entendem e explicam eventos e
circunstâncias." (p. 22)
 "Pensar sociologicamente é dar sentido a condição humana por meio de
uma análise das numerosas teias de interdependência humana." (p. 24)
 "[...] o poder do senso comum depende da autoevidência do seu caráter,
isto é, do não questionamento de seus preceitos e de sua
autoconfirmação na prática." (p. 24)
 "Nesse sentido, pensar sociologicamente significa entender de um modo
mais completo quem nos cerca, tanto em suas esperanças e desejos
quanto em suas inquietações e preocupações." (p. 26)
 "Dar-se conta da conexão entre as liberdades individual e coletiva tem
um efeito desestabilizador sobre as relações de poder existentes ou
sobre o que muitas vezes chamamos de 'ordens sociais'". (p. 27)
 "As diferenças que podemos experimentar entre o antes e o depois da
leitura de estudos sociológicos não são apenas aquelas que existem
entre o erro e a verdade." (p. 265)
 "A realidade humana é diferente do mundo natural porque as ações dos
homens são dotadas de sentido." (p. 273)
 "[...] a sociologia é controversa. [...] O que um lado pode pedir à
sociologia o outro pode considerar abominável [...]." (p. 277)
 "[...] o pensamento sociológico promove necessariamente o
entendimento produtor de tolerância e a tolerância que viabiliza o
entendimento." (p. 286)