Você está na página 1de 19

AUTOMAÇÃO AULA 2

Prof. Tiago C. Magalhães

s 1
OBJETIVO
O objetivo da aula é revisar:
 História e justificativa
 Conceitos básicos sobre automação
 Arquitetura da Automação Industrial
 Engenharia de Software na Automação

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

s 2
AUTOMAÇÃO
Definição
A automação pode ser definida como a tecnologia por meio da qual um
processo ou procedimento é alcançado sem assistência humana. Portanto,
enfatiza a participação do computador no controle automático industrial.
A automação é realizada utilizando um programa de instruções combinado a
um sistema de controle que executa as instruções.
Pode apresentar um sistema:
 Totalmente automatizado
 Semiautomatizado

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si[1]) é um sistema
automático de controle pelo qual os mecanismos verificam seu próprio
funcionamento, efetuando medições e introduzindo correções, sem a necessidade da
interferência do homem.

A automação pode ser definida como a tecnologia por meio da qual um processo ou
procedimento é alcançado sem assistência humana. Portanto, enfatiza a participação
do computador no controle automático industrial visando a segurança das pessoas, a
qualidade dos produtos, a rapidez da produção e redução de custos. É comum pensar
que a automação resulta tão somente do objetivo de reduzir custos de produção, o
que não é verdade, visto que, existm outras necessidades como maior nível de
qualidade, expressa por especificações numéricas de tolerância, maior flexibilidade
de modelos para o mercado, maior segurança pública e dos operários, menores
perdas de materiais e energia, controle da produção.

A automação é realizada utilizando um programa de instruções combinado a um


sistema de controle que executa as instruções. Pode apresentar um sistema
semiautomatizado, onde uma máquina executa parte do ciclo de trabalho sob algum
controle de programa, e um trabalhador humano opera a máquina durante o restante

s 3
do ciclo; e totalmente automatizado, que opera por períodos mais longos sem a
atenção humana.

A automação implica a implantação de sistemas interligados e assistidos por redes de


comunicação, compreendendo sistemas supervisórios e interfaces homem-máquina
que possam auxiliar os operadores no exercício de supervisão e análise dos
problemas que porventura venham a ocorrer.

Semiautomatizado, onde uma máquina executa parte do ciclo de trabalho sob algum
controle de programa, e um trabalhador humano opera a máquina durante o restante
do ciclo;
Totalmente automatizado, que opera por períodos mais longos sem a atenção
humana.

s 3
AUTOMAÇÃO
Razões para a automação
 Aumentar a produtividade
 Redução dos custos de trabalho
 Minimizar os efeitos da falta de trabalhadores
 Aumentar a segurança do trabalhador
 Melhorar a qualidade do produto
 Redução do tempo de produção
 Realizar processos que não poderiam ser realizados manualmente
Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

Em seu uso moderno, a automação pode ser definida como uma tecnologia que
utiliza comandos programados para operar um dado processo, combinados com
retroação de informação para determinar que os comandos sejam executados
corretamente, frequentemente utilizada em processos antes operados por seres
humanos, é a aplicação de técnicas computadorizadas ou mecânicas para diminuir o
uso de mão-de-obra em qualquer processo, especialmente o uso de robôs nas linhas
de produção. A automação diminui os custos e aumenta a velocidade da produção.
Portanto, há a redução do espaço para a mão-de-obra humana, que acarreta
possíveis desvantagens no campo social.

s 4
AUTOMAÇÃO
Outras vantagens
 Repetição e maior qualidade na produção.
 Rapidez de resposta ao atendimento da produção.
 Redução dos custos de produção e manutenção.
 Restabelecimento mais rápido do sistema produtivo.
 Redução da área de fabricação.
 Possibilidade de introdução de sistemas produtivos integrados.

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

s 5
AUTOMAÇÃO
Outras vantagens

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

Controle da Planta

s 6
AUTOMAÇÃO
Outras vantagens

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

OPERAÇÕES DE SISTEMAS INDUSTRIAIS

s 7
AUTOMAÇÃO
Outras vantagens

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

CENTRALIZAÇÃO DE DADOS E CONVERSÃO DA INFORMAÇÃO

s 8
A FÁBRICA DA COCA-COLA

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

https://www.youtube.com/watch?v=ZuIg6cD4cHw

s 9
SISTEMA AUTOMATIZADO
Elementos básicos de um Sistema Automatizado:
 Energia para concluir os processos e operar o sistema
 Programa de instruções que direcione os processos
 Sistema de controle que execute as instruções

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

Um sistema automatizado é composto por três elementos básicos: (1) energia para
concluir os processos e operar o sistema; (2) um programa de instruções que
direcione os processos; e (3) um sistema de controle que execute as instruções.

s 10
SISTEMA DE CONTROLE
Um sistema de controle de automação mantém uma relação entre o valor de
saída e o valor de entrada do processo.
O objetivo é corrigir eventuais valores na saída que não sejam desejados.
Para isso, são utilizados controladores que, por meio de um conjunto de
instruções, fazem a correção.

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

(1) Parâmetros de entrada: setpoint, é o valor desejado


(2) Processo: operação que evolui progressivamente e que se constitui por uma série
de ações controladas objetivando um resultado particular;
(3) Variável de saída:
(4) Sensor: é definido como sendo um dispositivo sensível a um fenômeno físico, tais
como: temperatura, umidade, luz, pressão, entre outros.
(5) Controlador:
(6) Atuador: são dispositivos a serem acionados para executarem uma determinada
força de deslocamento ou outra ação física, definida pelo sistema controlador por
meio de uma ação de controle. Podem ser magnéticos, hidráulicos, pneumáticos,
elétricos ou de acionamento misto.
Ex.: válvulas, cilindros pneumáticos, motores, aquecedores, etc.

O processo (2) é a operação ou função sendo controlada. Na discussão atual, o


processo de interesse normalmente é uma operação de produção e a variável de
saída é alguma variável do processo tal como temperatura, força ou vazão. O ajuste é
alcançado com a utilização de um ou mais atuadores, que são os dispositivos de
hardware que fisicamente executam as ações de controle (motores ou válvulas de
controle de vazão).

s 11
SISTEMAS DE CONTROLE
Na ilustração ao lado, identifique quais são os elementos:
 Sensor:
 Controlador:
 Atuador:
 Processo:

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

Sensor: mão, sistema nervoso sensorial


Controlador: homem, cérebro
Atuador: controle de temperatura ou aumento do fluxo de água
Processo: adequar as condições de fluxo e temperatura da água para tomar banho

s 12
ARQUITETURA DA AUTOMAÇÃO
INDUSTRIAL
A pirâmide da Automação:

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

A pirâmide da Automação apresenta diferentes níveis de automação encontrados em


uma planta industrial. Na base da pirâmide está frequentemente envolvido o
Controlador Lógico Programável, atuando via inverores, conversores ou sistemas de
partida suave sobre máquinas e motores e outros processos produtivos. No topo da
pirâmide, a característica marcante é a informatização ligada ao setor corporativo da
empresa.

Nível 1: é o nível das máquinas, dispositivos e componentes (chão de fábrica), onde a


automação é realizada pelo controlador programável. Nível das máquinas,
equipamentos, dispositivos e componentes da planta. Possui baixo nível de
inteligência, mas pode possuir equipamentos sofisticados e que geram grande
volume de dados, bem como os que geram, individualmente, uma baixa quantidade
de dados. Justamente por isso, as redes de comunicação utilizadas aqui são baste
heterogêneas, mas possuem, em geral, baixa largura de banda, bem como
funcionalidades relativamente restritas, tais como as redes CAN, AS-i, Modbus,
Profibus PA e Fieldbus Foundation H1 e em raras ocasiões, é possível encontrar
equipamentos que se utilizam de tecnologia Ethernet.
Nível 2: Supervisão e Controle (IHMs): é o nível dos controladores digitais, dinâmicos
e lógicos e de algum tipo de supervisão associada ao processo;

s 13
Nível 3: Controle do Processo Produtivo: permite o controle da planta, sendo
constituído por bancos de dados com informações dos índices de qualidade da
produção, relatórios e estatísticas de processo, índices de produtividade e etc. Ex.:
avaliação e controle da qualidade em processo alimentício e supervisão de
laminadores;
Nível 4: Controle e Logística dos Suprimentos: é o nível responsável pela programação
e pelo planejamento da produção. Ex.: controle de suprimentos e estoques em
função da sazonalidade;
Nível 5: Gerenciamento Corporativo: é o nível responsável pela administração dos
recursos da empresa;

s 13
REDES DE COMUNICAÇÃO

Imagem: http://www.solucoesindustriais.com.br/images/produtos/imagens_10043/p_software-automacao-industrial-8.jpg Prof. Tiago C Magalhães – e-mail:


tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

Camada coorporativa: planejamento e programação da produção


Camada de supervisão: supervisão, otimização e armazenamento de dados
Camada de controle: controle, sequenciamento
Camada de instrumentação: controle, medição e atuação

s 14
PERGUNTAS
1. O que é automação?
2. Quais são os três elementos básicos que compõe um sistema automatizado?
3. Por que a automação industrial é importante nos dias de hoje? Quais seriam as
razões para a sua utilização nas empresas de manufatura?

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

s 15
ESTUDO COMPLEMENTAR
1. Capítulo 1 da referência1 (Livro Moraes)
2. Capítulo 0 da referência 2 (Livro Prudente)

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

s 16
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. MORAES, C. C.; CASTRUCCI, P. L. Engenharia da Automação Industrial. 2ª Edição.
Rio de Janeiro: Editora. LTC, 2012.
2. PRUDENTE, F. Automação Industrial: PLC: Teoria e Aplicações. Curso Básico. 2ª
Edição. Rio de Janeiro: Editora LTC, 2011.
3. GROOVER, M. P. Automação industrial e sistemas de manufatura. 3ª Edição: São
Paulo. Pearson. 2010.

Prof. Tiago C Magalhães – e-mail: tiago.magalhaes@newtonpaiva.br

s 17

Você também pode gostar