Você está na página 1de 2

Espiritualidade é algo bem diferente de Religião

Carlos Antonio Fragoso Guimarães

Vemos, atualmente, o recrudescimento de violências de vários matizes, de pressões


variadas para a imposição de dogmas e visões fundamentalistas sobre o que os homens
consideram Deus (ou Alá, ou Divindade... os rótulos não importam) ou a Verdade (religiosa,
econômica, política). Ao mesmo tempo vemos que alguns homens e mulheres constituem uma
minoria que superam estas visões estreitas, e fundam filosofias e civilizações, ou dão exemplos
marcantes de vida... Assim temos um Gandhi, uma Madre Tereza, um Albert Schweitzer, um Dalai
Lama, um Chico Xavier. Então, será que estes últimos têm a mesma "religião" que aqueles outros?

Vejamos então algumas diferenças entre os que possuem espiritualidade e os que possuem
religião:

Quem possui espiritualidade dialoga, quem possui religião muito fala e pouco escuta;

Quem possui espiritualidade muitas vezes prefere o silêncio ao conflito, sem descuidar das
tarefas segundo seus princípios. Quem possui religião muitas vezes toma partido, estimula o conflito
e prefere dizer aos outros o aquilo que acha que deve ser feito, poucas vezes dando-se ao trabalho
do exemplo;

Vemos nos discursos de um Buda, de um Cristo, de um Lao-Tsé semelhanças de conteúdo,


especialmente no que se refere a ética. Vemos quase sempre nos discursos dos que possuem
religião exclusividade de interpretação;

Quem tem espiritualidade faz, pouco fala e nunca grita. Quem tem religião grita, muito fala e
pouco faz.

A espiritualidade eclode em quem desperta para o fato da irmandade humana por ver no
próximo um semelhante mesmo independentemente dos mandamentos sagrados. Já quem tem
religião muitas vezes retira das escrituras aquilo que lhe serve de espelho em justificativas para
opressão.

O possuidor de espiritualidade vive e convida à autonomia responsável e fraterna. O que


possui religião quer ser ou líder ou ser parte de um rebanho.

Quem tem espiritualidade reconhece, nos demais caminhos e tradições espirituais,


princípios espirituais iguais aos seus, mesmo que com roupagens culturais diferenciadas, e se
encanta por saber que a mesma essência se expressa em diferentes modos. Quem tem religião só
consegue enxergar nos demais as diferenças e estas o assustam.

A espiritualidade é para quem se deixa maravilhar pela vida e beleza do mundo externo e a
profundidade misteriosa do mundo interno. A religião é para quem quer regras e fórmulas para se
julgar seguro por não ter ainda segurança de pensar.
Quem tem espiritualidade vê nos textos os dedos que apontam para além das palavras.
Quem tem religião toma a letra escrita dos textos como o além em forma de palavras.

A espiritualidade é para quem sente que a maior alegria está na partilha de bens e na
convivência entre iguais. A religião muitas vezes é uma espécie de negócio onde se tenta convencer
a divindade de que o fiel é merecedor de vantagens materiais e vitórias sociais por tomar partido da
religião e batalhar para impor a visão aos demais, não levando em conta que a verdade do outro
pode ser tão boa quanto a sua;

A religião estabelece "verdades" e dogmas inquestionáveis. A espiritualidade estimula a


pensar e a refletir para a decisão de seguir o melhor caminho compatível para a individualidade de
cada pessoa;

A religião ameaça com castigos, amedronta com demônios. A espiritualidade liberta


consciências e estimula a ação para um mundo melhor.

A religião nos impõe culpas, a religiosidade fala que ninguém nasce sabendo mas todos podem
progredir e se aperfeiçoar.

A religião fala de Deus, mas não o vivencia. A espiritualidade sente Deus e por isso Dele
pouco fala e se o faz, é por meio de imagens e metáforas.

A religião é instituição, geralmente atreladas a prédios, locais, bancos. A espiritualidade


está no coração que também a percebe no outro e na natureza.

A religião fala para acreditar sem questionar. A espiritualidade convida para nada tomar
como definitivo já que o humano sempre se transforma e se aproxima do divino.

A religião fala para amar os iguais e desconfiar ou odiar o diferente. A espiritualidade faz
perceber que as diferenças são os mais ricos aspectos da humanidade.

A religião busca sempre mais fieis. A espiritualidade está mais interessada na qualidade
que na quantidade.

A religião aparenta. A espiritualidade se preocupa com a essência.

A religião põe a felicidade em outro mundo, a espiritualidade diz que a felicidade pode estar neste
mundo.

A religião fala de uma vida eterna. A espiritualidade nos mostra o eterno em nossas vidas.

Postado por Carlos às 17:30


Marcadores: diferenças, espiritualidade, religião