Você está na página 1de 2

Jesus, a Imagem do Deus Invisível

Jesus, o Mistério Oculto

Quando Deus estava assentado no Trono, sem corpo, havia ao redor vinte e quatro anciãos. O
Trono de Deus era levado pelos querubins. Em frente do Trono havia o altar de incenso aonde as
pedras afogueadas eram queimadas. O altar de incenso é como se fosse um motor do Trono de
Deus. Na Dispensação do Mistério (onde Cristo era mistério oculto, pois nem os anjos o
conheciam), Deus usava as pedras afogueadas para movimentar Seu Trono. O Luzeiro, o Lúcifer
caminhava no brilho dessas pedras. E hoje? Hoje Deus usa incenso, que é a produção das
orações, a produção dos louvores da igreja. Hoje, quando oramos, quando louvamos, quando
adoramos, produzimos incenso, e os anjos vem, colocam no incensário do Trono de Deus, e esse
incensário é trocado de uma em uma hora.
O trono de Deus estava acima do alto monte, acima do Éden celestial, e era movido pelas rodas
de fogo, onde Deus o Luzeiro, o Lúcifer, portador da luz, podia ir, debaixo dos querubins. Por
isso o Luzeiro viu debaixo o Trono de Deus e os serafins acima dEle, e quis montar o seu trono
acima do Trono de Deus. O Luzeiro era um ministro, trabalhava com o transporte das pedras
afogueadas produzidas nas congregações ao redor do alto monte, eram muitas congregações que
ficavam entre as florestas do Éden celeste (Ezequiel 28.12-19). Então, o louvor que os anjos
produziam enriquecia as pedras afogueadas, e elas eram levadas até o Trono de Deus. Os anjos
comandados pelo Luzeiro traziam essas pedras afogueadas (energia) ao Trono de Deus, para que
que Deus se transportasse. (Aonde Deus Pai quer ir, Ele vai com o Seu Trono.)
Quando Deus descia até as congregações dos anjos, no jardim celeste (para levar as pedras
afogueadas), descobriu que o Luzeiro enganava os anjos a registarem menos de todas pedras que
produziam. Só que a terça parte não aceitou a proposta, e o Luzeiro começou a tratar com
violência no comércio das pedras. Quando essa notícia chegou ao Trono de Deus, os 24 anciãos
começaram a questionar por que Deus não acabava com tudo aquilo? Por que Deus não destruia
tudo aquilo? Deus saía do Seu Trono e se dirigia para um lugar chamado mundo habitável. Esse
mundo habitável era um laboratório, onde Deus estava a preparar o homem. Então quando
pensamos que Deus não está a trabalhar, quando pensamos que Deus se esqueceu de nós; é
porque Ele está a preparar um novo plano.
O mundo habitável não era a terra. Em Provérbios 8.22 diz: O Senhor me possuiu (a Sabedoria,
como era conhecida na Dispensação do Mistério) como as primícias de suas obras. Isso significa
que o Senhor estava perseguindo uma imagem. Quando Deus descobriu que o Luzeiro, o Lúcifer
lhe roubava as pedras para fazer o seu trono, acima das alturas e ser semelhante a Ele, quando o
Luzeiro começou a roubar e a bater nos anjos que não acreditavam nele, Deus não falou nada,
apenas partia para o Seu laboratório e dizia: Tenho que fazer um povo diferente, tenho que fazer
o homem, mas antes tenho que fazer uma imagem, para servir de modelo dos outros. Então Deus
foi perseguindo a imagem perfeita.
Durante essa perseguição, iam surgindo obras imperfeitas, que Deus ia deixando para trás porque
tinham problemas, tinham falhas. Nessa caminhada até chegar à imagem principal para a
Sabedoria habitar nela, foram surgindo imagens imperfeitas, obras com falhas até Deus chegar à
imagem perfeita. Nessa caminhada, Deus tinha que achar a imagem perfeita para colocar no
lugar do Luzeiro que tinha falhado. Isso está em Provérbios 8.23: Desde a eternidade fui
estabelecida, desde o principio, antes da origem da terra (…) no mundo habitável. E onde estava
o mundo habitável? No verso 31 diz: Divertindo-me no seu mundo habitável (o laboratório de
Deus) com os filhos dos homens. Como assim, mundo habitável? É o mundo do oxigénio, o
laboratório de toda a criação de Deus. Os versos 22, 23, 24, de Provérbios 8, mostram que Deus
estava à procura da imagem. E que texto comprova isso? É o Génesis 1.26, que diz: Façamos o
homem à nossa imagem; conforme à nossa semelhança. Essa imagem e semelhança foi feita lá
no mundo habitável. 
Antes da criação da terra e do universo, a Sabedoria brincava com os filhos dos homens. Mas o
que é que os filhos dos homens estavam aí a fazer antes da criação da terra? Os filhos dos
homens são as imagens imperfeitas, criadas quando Deus estava perseguindo a imagem perfeita,
quando Deus estava à procura da imagem perfeita, quando Deus estava a moldar a imagem
perfeita. Então as obras imperfeitas eram deixadas para trás, e a Sabedoria como qualquer filho
de marceneiro, ou de um mestre criador, ela ia brincando com os pedaços imperfeitos, as obras
imperfeitas, os filhos dos homens. Embora fossem imperfeitos, a Sabedoria passou a amá-los, e
dizia para elas: Meu para vai vos destruir, quando achar a imagem perfeita, porque Ele precisa só
de uma. Quando o Pai apareceia, a Sabedoria escondia os seus brinquedos. E o Pai perguntava:
Sabedoria, onde estão as imagens imperfeitas, as obras defeituosas, os filhos dos homens? Temos
que destruí-los. Então a Sabedoria, dizia: Não quero que destruas, Pai. Mas porquê Filho?
Porque embora sejam imperfeitas, Pai deu nome para elas. Olha Pai, o Paulo, a Sara, o João, a
Maria. São todos imperfeitos, mas Pai, não os destrua, eles têm nome, e eu amo-os. Só se Pai
prometer-me que os vai fazer na terra mesmo com defeito, para que eles sejam semelhantes a
imagem perfeita. Mas filho, para isso eu tenho que elegê-los! Pode elegê-los. Eleja-os em mim.
Mas, Pai, faze-os nascer imperfeitos, eu não os quero perfeitos, não quero novos Lúcifer, para
que através dessa imperfeição busquem a perfeição, a imagem perfeita.
Por isso todos homens saem com defeito, todos; menores que os anjos os fizeste (salmos 8). Por
que se os homens fossem perfeitos, e se pecassem, os homens seriam como demónios, sem
perdão, sem direito à graça, pecadores eternos. Por isso o homem nasceu na terra para que pela
simplicidade, pela piedade, pela fé, poder alcançar a imagem perfeita. Paulo descobriu tudo isso.
Em Efésios 1.3, está escrito: Bendito seja Deus, o Pai do nosso Senhor Jesus Cristo, que nos
abençoou com toda sorte de bençãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo. Essas regiões
celestiais que Paulo diz é o mundo habitável, o laboratório de Deus, aonde Ele se retirava
(quando o Luzeiro corrompia os anjos), a fim de criar a imagem perfeita. E enquanto criava a
imagem perfeita, surgiam imagens imperfeitas, olhos imperfeitos, mentes imperfeitas, corpos
imperfeitos, animais imperfeitos. Paulo chamou esse laboratório de regiões celestiais. Mas
salomão chamou de mundo habitál porque não tinha a revelação da graça qual Paulo. E nós hoje
chamamos de laboratório, a oficina, o lugar de aperfeiçoamendo da imagem perfeita. Efésios 1.4
diz: Como também nos elegeu nele (na imagem perfeita, que foi reduzida e colocada em Maria)
de antemão, antes que o mundo fosse fundado. Para que sejamos santos diante dEle, sem macha,
em amor, e isso está em Romanos 8.29 que diz: Porque os que antes conheceu (no mundo
habitável do Provérbios 8.31, dantes, na eternidade) também os predestinou, para serem
semelhantes a imagem de seu Filho ( a Sabedoria encarnada, o Cristo manifesto). Com isso,
sabemos que os anjos foram criados imortais e eternos, como se  já tivessem comido da árvore da
vida. Quando os anjos se rebelaram, eles já eram eternos. Mas o homem foi criado mortal porque
Deus sabia que ele havia de pecar, por isso o criou imperfeito. Para que tivesse a dignidade de
crer em Jesus Cristo e se tornar semelhante a Ele. E foi isso que Paulo escreveu em Efésios 4.12,
que diz: Querendo a perfeição dos santos (que eram imperfeitos, nascidos imperfeitos).